Page 1

03


04


05


06


07


08


09


N

a edição anterior, início de uma nova gestão, procuramos fazer uma análise equilibrada e a mais próxima possível da realidade da nossa Associação, no sentido de mostrar aos associados como anda nossa entidade, seus maiores objetivos e desafios e, sobretudo, os seus pontos fortes e as suas principais oportunidades. Com o olhar voltado para o futuro e com o entusiasmo necessário para pôr em prática nosso plano de ação, vemos que as perspectivas para o ano de 2011 são muito favoráveis, e nos levavam a acreditar na persistência da tendência positiva vivida em 2010, com a manutenção das condições propícias para a evolução, tanto da Raça Girolando quanto da Associação e, sobretudo, dos negócios da pecuária leiteira nacional. No âmbito interno, continuamos correndo contra o tempo. O número de registros está num ritmo crescente, e a implantação dos programas de informática que venham a dar mais agilidade e confiabilidade aos processos, se faz necessária, e continua a ser uma de nossas prioridades. Certamente teremos redução dos prazos de atendimento ao associado, com mais qualidade das informações e melhores condições de trabalho aos nossos colaboradores, garantindo ganhos de produtividade e serviços de qualidade aos associados. Em paralelo, vem aí a MEGALEITE 2011, contando pela primeira vez com a participação dos nossos Parceiros Masters, o que certamente abrilhantará ainda mais nosso evento. Teremos, novamente, a participação das principais raças leiteiras, mostrando o melhor de suas genéticas. Continuaremos contando com o envolvimento e participação dos diversos elos da cadeia produtiva do leite. Viveremos, de 26 de junho a 03 de julho, o momento mágico do melhoramento genético da Raça Girolando, demonstrado nas pistas e nos leilões que acontecerão durante toda a semana, bem como nos torneios leiteiros. Teremos também o privilégio de apresentar os frutos da parceria vitoriosa da Associação do Girolando com a Embrapa Gado de Leite, demonstrando os resultados do Sumário de Touros Girolando 2011. Durante todo o período da MEGALEITE, o associado terá, ainda, a oportunidade de conhecer melhor a programação do 1º Congresso Brasileiro da Raça Girolando, que acontecerá de 24 a 26 de setembro, no Hotel Tauá – Grande Hotel Barreiro, em Araxá, garantindo a sua vaga. Sem perder de vista os grandes desafios da nossa Associação, conclamamos a todos, para estarmos juntos, em Uberaba, na MEGALEITE, fazendo da maior festa da pecuária leiteira nacional, a nossa festa. Um abraço. Diretoria 2011/2013

04


05


Editorial Arquivo pessoal Welerson Silva

O

interesse pela raça Girolando pode ser medido não só pelo número de novos criadores ou de doses de sêmen vendidas. A procura por informações sobre a raça cresce a cada dia. Constantemente chegam ao Departamento Técnico da Associação Brasileira dos Criadores de Girolando dúvidas sobre cruzamento, manejo, biotecnologias e os graus de sangue do Girolando. Para que a informação chegue a todos os interessados decidimos ampliar nossos canais de comunicação, além das respostas enviadas apenas aos que encaminharam suas perguntas. O site da entidade conta com a seção “Girolando Responde”, onde as questões recebidas são publicadas com as devidas explicações dos técnicos. Até mesmo pelo Twitter várias dúvidas já foram respondidas. Como a de Alex Lima Fonseca, que perguntou pelo microblog se para chegar ao 7/8 poderia fazer três acasalamentos consecutivos com touro Gir. Pelo Facebook, a Agrodesvare Ltda., propriedade sediada na Colômbia, enviou sua dúvida sobre o Livro Fechado 5/8. Esses exemplos mostram que a raça tem conquistado a cada dia mais mercado e atravessado fronteiras. É o que deve confirmar a edição 2011 da MEGALEITE. Com expectativa de dois mil animais em pista, a feira já se consolidou como um referencial do que há de melhor na genética leiteira do país. Nesta edição da revista O Girolando destacamos as novidades da exposição, que terá leilões, shopping de animais, cursos, debates e muito mais. Vários outros temas completam a edição, entre eles: a pesquisa inédita do sequenciamento do genoma do Girolando que a Embrapa está realizando; cuidados para evitar o estresse térmico; como fazer os cruzamentos na raça; a inauguração do novo escritório da Girolando em Goiás. Nosso entrevistado do mês é o deputado federal Aldo Rebelo, relator do texto do novo Código Florestal. Ele esclarece quais foram as reais alterações na legislação, inseridas no relatório. Para encerrar, quero agradecer a Welerson Silva, nosso seguidor no Twitter (@girolandoleite), que enviou a foto da sua filhinha, Lívia, de apenas três anos. Uma apaixonada pelo Girolando, que curte passear pelo curral da fazenda, bem pertinho das bezerras e novilhas. No dia deste click, ela batizou o Girolando Sertãozinho. Larissa Vieira Editora

EXPEDIENTE: Revista O Girolando - Órgão Oficial da Associação Brasileira dos Criadores de Girolando - Editora: Larissa Vieira - lamoc1@gmail.com - Depto. Comercial: Mundo Rural (34) 3336-8888, Míriam Borges (34) 9972-0808 e Walkiria Souza (35) 9133-0808 - ogirolando@mundorural.org - Design gráfico: Jamilton Souza - Arte Finalista: Leandro Vitalino - Fotos: Jadir Bison e Ronaldo Luiz - Revisão: Maria Rita Trindade Hoyler - Conselho editorial: Leandro Paiva, Fernando Brasileiro, Milton Magalhães, Jônadan Ma, José Donato Dias Filho, Maria Inez Cruvinel, Mauricio Silveira Coelho, Miriam Borges - Impressão CTP: Gráfica 3 Pinti (34) 3326-8000 - Distribuição gratuita e dirigida aos associados da Girolando, ABCGIL e órgãos de interesse ligados à cadeia produtiva de leite. - Redação: Rua Orlando Vieira do Nascimento, 74 - CEP: 38040-280 - Uberaba/MG - Telefax: (34) 3331-6000 Assinaturas: ogirolando@mundorural.org - Telefax (34) 3336-8888 - Walkiria Souza

06


07


Mensagem da Diretoria Editorial Cartas Mais um mês de alta para o leite

Entrevista - Dep. federal Aldo Rebelo (PCdoB/SP) Como aumentar a produção de bovinos leiteiros em Sistemas de Pastejo sem aumento dos custos de produção Os benefícios da Pecuária Sustentável Levantamento comprova a ocorrência de estresse térmico em vacas leiteiras no Brasil Testes de paternidade em bovinos Pesquisa inédita fará sequenciamento do genoma do Girolando Importância das coletas de amostras na pecuária leiteira Terapia da vaca seca como controle da mastite Pré-parto em vacas leiteiras Os polivalentes da raça Girolando: 5/8 e PS Mercado aquecido Girolando pelo Brasil Regulamento de Exposições Oficiais da Girolando - Ranking 2011/2012 Expogrande Expo Araxá Expo Guará Expo Barra Mansa Expo Goiás Melhoramento ao alcance de todos Ranking 2010/2011

Tudo pronto para a MEGALEITE 2011 MEGALEITE sustentável Programação MEGALEITE 2011 Definida a programação do 1º Congresso Brasileiro da Raça Girolando Colostro Mais perto do associado CDT define mudanças no registro e nas exposições Controle Leiteiro Transparência Novos associados Girolando Giro Lácteo 08

04 06 10 12

14 16 20 22 28 30 32 34 38 40 44 46 48 58 60 62 63 66 75 76

78 82 94 98 102 104 105 106 128 130 131


09


imprensa@girolando.com.br

Gostaria de saber se pode ser realizado o cruzamento do Girolando x Girolando? E quais são as características deste cruzamento? Márcia Rocha Márcia, Não só pode como devem ser realizados estes cruzamentos, pois nosso principal objetivo é a formação do Girolando Puro Sintético (PS), que tem como principal característica ser produto do cruzamento entre touro Girolando 5/8 com vaca Girolando 5/8. Além do tradicional cruzamento entre animais 5/8 para formação do PS, outros cruzamentos têm grande destaque, como: touro 5/8 em vaca 7/8, produzindo animais 3/4; touro 3/4 em vaca ¾, que mantém a mesma fração de sangue dos pais; touro 3/4 em vaca 1/2 sangue, que também produz animais 5/8; touro 5/8 em vaca 3/4, que produz fêmeas que se aproximam do grau de sangue 5/8, e entre vários outros cruzamentos. Esta prática é muito comum entre os criadores e os resultados são fantásticos; prova disso é que cada vez mais filhas e filhos de touros Girolando vêm se destacando ao longo dos anos, como recentemente aconteceu com a melhor fêmea jovem nacional Girolando 5/8, Kênia Frank Dom Nato, que é uma legítima Girolando PS . O Girolando PS possui a mesma fração de sangue do Girolando 5/8, ou seja, 62,5% de sangue Holandês e 37,5% de sangue Gir, porém é filho de touro 5/8 em vaca 5/8 e quando recebe o registro genealógico definitivo tem como pré-requisito possuir avaliação genética positiva para produção de leite. Leandro de Carvalho Paiva Superintendente Técnico Fiz inseminações com touros Holandês e Gir leiteiro no rebanho. Comprei o sêmen de uma empresa representante da central, porém a nota fiscal fornecida é do representante. Como proceder para fazer o registro destes animais. Preciso de duas notas fiscais? Uma da venda para mim e outra da Central vendendo para a empresa? Roberto Machado Roberto, Não há necessidade de duas notas fiscais. A nota fiscal deverá ser emitida pelo estabelecimento responsável pela coleta e industrialização do sêmen (Central), devidamente credenciado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA, para esta finalidade. Caso a nota fiscal não esteja em seu nome, você deverá apresentar uma ADT-S (Autorização de Transferência de Sêmen), em nome da pessoa que adquiriu o sêmen, transferindo as doses de sêmen pra você. Qualquer dúvida entre em contato com a Girolando. Leandro de Carvalho Paiva Superintendente Técnico

10

Como chegar ao Girolando 7/8? João Carvalho A composição sanguínea 7/8Hol é o máximo de sangue Holandês que o Regulamento de Registro permite. Para chegar ao 7/8Hol são necessários três acasalamentos consecutivos com touro Holandês. Exemplo: Vaca Gir x Hol. = 1/2Hol. x Hol. = 3/4Hol. x Hol. = 7/8Hol. Limirio C. Bizinotto Técnico da Girolando Qual é a diferença entre livro aberto e livro fechado? Qual é a diferença entre TE e FIV? Qual é a idade ideal de uma novilha para a primeira inseminação? Jhonis Ferreira Jhonis, Livro aberto e livro fechado - Livro aberto é uma forma popular de se referir aos animais que são registrados na associação da raça, mas não possuem genealogia conhecida, ou seja, não se conhece quem são seus pais e avós. Já os animais livro fechado são aqueles que possuem genealogia conhecida; para que isso ocorra é necessário que o proprietário do animal comunique à associação da raça a cobertura ou inseminação da mãe deste produto e também comunique o nascimento do mesmo, ambos até no máximo no último dia do mês subsequente ao ocorrido. TE e FIV – TE significa Transferência de Embrião e consiste na técnica em que é feito um tratamento hormonal na matriz para uma superovulação, ou seja, produção de vários óvulos, que após a fertilização através da inseminação artificial, são colhidos em lavagem uterina, quando estão em torno de 7 dias de desenvolvimento. Em seguida, são selecionados e inovulados (transferidos) para as receptoras ou barrigas de aluguel. Quanto à FIV (fertilização in vitro), consiste na aspiração dos óvulos imaturos do ovário, através da punção sob pressão (OPU). Em seguida, esses óvulos imaturos são cultivados e fertilizados em laboratório, e quando estão com 7 a 8 dias de cultivo, já na fase de embrião, são inovulados nas receptoras. Idade ideal para a primeira inseminação - Não existe idade ideal, isso é muito relativo. Vai depender do sistema e da forma como esse animal foi criado; normalmente animais que recebem desde bezerras uma boa alimentação, tendem a atingir a puberdade mais cedo. O que deve ser avaliado é justamente o desenvolvimento da novilha. Se o animal estiver ciclando normalmente e apresentar bom desenvolvimento, poderá ser inseminado ou coberto sem prejuízo no seu futuro. Marcello Cembranelli Coordenador Operacional PMGG


11


Rafael Ribeiro

Zootecnista - Scot Consultoria

Mais um mês de alta para o leite

M

ercado firme e preços em alta para o produtor de leite no Centro-Sul do país. De acordo com levantamento da Scot Consultoria, a média nacional ponderada ficou em R$0,799 por litro, no pagamento de maio, que remunera a produção de abril. O preço atual do leite está 6,5% mais alto na comparação com maio de 2010, que o pico de preço naquele ano. O frio e a falta de chuva começam a refletir na qualidade e disponibilidade da pastagem e a produção caiu nas principais bacias, aumentando a concorrência entre os laticínios. Em Minas Gerais, o preço do leite subiu 5,3% no pagamento de maio, referente à produção de abril. Foi a maior alta no ano. Em média, o produtor mineiro recebeu R$0,832 por litro. Entretanto, no sul de Minas, na região de Governador Valadares e no Triângulo Mineiro, os preços máximos foram, respectivamente, R$0,90, R$0,92 e R$0,96 por litro. Em 60% das empresas pesquisadas o volume captado em abril ficou menor. As quedas chegaram a 15% na comparação com março. No mercado spot o preço médio em maio ficou em R$0,98/litro, mas houve negócio em até R$1,10/litro. Em São Paulo a alta para o produtor também foi de 2,3%. O preço médio segue como o maior vigente no país, R$0,859/litro. O preço atual no Estado é aproximadamente 9% maior que o verificado em igual período de 2010. Nas regiões de São José do Rio Preto e Alta

12

Mogiana, os maiores valores pagos em maio, pelo leite de qualidade foram, respectivamente, R$0,97/litro e R$0,98/ litro. Para o próximo pagamento, a ser realizado agora em junho, a expectativa é de alta em 60% das empresas consultadas no Estado. Na ponta final da cadeia, os produtos lácteos mais caros, por enquanto não prejudicaram a demanda. No mercado spot, leite comercializado entre as indústrias, a média ponderada de São Paulo, Minas Gerais e Goiás ficou em R$0,98/litro, em maio, com alta de 5,7% em relação a abril. Nos três Estados os valores máximos do leite spot ultrapassaram R$1,00 por litro. Em curto prazo, a expectativa é de alta para o produtor. Para o pagamento a ser realizado em meados de junho fala-se em um aumento de R$0,02 a R$0,03 por litro de leite. É preciso considerar, no entanto, que a produção no Sul do país deu sinais de recuperação, fato que pode esfriar o mercado. De olho também nas importações durante a entressafra.


13


Adriana Fortes

Entrevista

Deputado Federal Aldo Rebelo (PCdoB/SP)

“Quem sabe eu seja um camponês, como meu pai!”

A

afirmação é do deputado federal Aldo Rebelo (PCdoB/SP), relator do texto do novo Código Florestal, aprovado recentemente pela Câmara dos Deputados. Em entrevista à revista O Girolando, ele desmente a informação de que fez alterações de última hora, explica as principais mudanças na legislação e garante que sua missão ainda não acabou.

O Girolando - O senhor foi acusado de mudar o texto final, de última hora, mas desmentiu a informação. Quais as mudanças realmente feitas na reta final da votação para que se pudesse votar o Código? Aldo Rebelo – O próprio líder do governo, Cândido Vaccarezza, esclareceu que não houve mudanças clandestinas. Ele é que se esqueceu de repassar à liderança do PT a última versão acordada na reunião de líderes, pouco antes de o texto ir a plenário, na primeira votação, depois interrompida. Naqueles dias, as negociações foram intensas. Retiramos do projeto a isenção de reserva legal para os primeiros quatro módulos de todas as propriedades, ficando este benefício apenas para as propriedades que tenham até quatro módulos de área total. Foi uma perda, pois em um mesmo município um agricultor que tenha 25 hectares será excluído do benefício concedido a quem tenha 20. Em contrapartida, a mata ciliar das áreas de preservação permanente nas margens de rios de menos de dez metros de largura, terá de ser reposta apenas pela metade, respeitando-se, como é sensato, a ocupação até secular dessas áreas. O Girolando - Os ambientalistas falam em anistia para quem desmatou, porém os ruralistas negam que haverá anistia. De acordo com o texto aprovado o que realmente será aplicado para os produtores que desmataram, tanto para o período em que era permitido quanto para os que desmataram após 2008? Aldo Rebelo – Quem critica a “anistia” acolhida pelo projeto já aprovado na Câmara usa de má-fé. Na verdade, a anistia foi instituída pelo decreto n.º 7.029, de 10 de dezembro de 2009, assinado pelo Presidente Lula e pelo ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc. Consta do Programa Mais Ambiente, que incentiva proprietários rurais autuados a buscarem regularização ambiental”. Ao se inscrever no programa, o proprietário que destruiu, desmatou, danificou ou explorou “qualquer tipo de vegetação nativa” terá suspensas as multas lavradas até a véspera da publicação do decreto. Se cumprir

14

o Termo de Adesão e Compromisso, as multas “serão consideradas como convertidas em serviços de preservação, melhoria e recuperação da qualidade do meio ambiente.” Isso é o que existia e está em vigor. Mas recuamos o período abrangido pela lei, de 9 de dezembro de 2009 para 22 de julho de 2008. O grande proprietário desmatador segue obrigado a recompor a vegetação nativa removida ou oferecer outra cota de reserva legal, assim como deverá recuperar as áreas de preservação permanente (APPs) que margeiam os cursos d´água e revestem os morros. O Girolando - O que se espera da votação no Senado? Ainda haverá negociações e possíveis alterações do texto? Aldo Rebelo – Talvez haja alterações, mas não muitas. O Senado é uma casa de revisão, madura, que representa os estados brasileiros. O grande embate será em torno da emenda 164, apresentada pelo PMDB, que é da base do governo e até se autodeclarou como governo durante a votação do Código na Câmara. O Girolando - As discussões ficaram mais focadas em APP, Reserva Legal e anistia. O senhor acredita que no Senado há chances de que discussões mais aprofundadas, como pagamento por serviços ambientais, sejam colocadas em plenário? Aldo Rebelo – Esse aspecto já está contemplado no projeto aprovado pela Câmara, no Art. 48, que diz: “O Poder Público instituirá programa de apoio financeiro para as propriedades a que se refere o inciso IX do art. 3º como forma de promoção da manutenção e recomposição de Área de Preservação Permanente e Reserva Legal, incluindo a possibilidade de pagamento por serviços ambientais.” O Girolando - Não se pode aproveitar economicamente a floresta em pé? Aldo Rebelo – Não só se pode como se deve. O texto aprovado pela Câmara trata exaustivamente do assunto, desde a definição do instituto do “manejo sustentável”, permitindo a exploração econômica


O Girolando - Um dos pontos que pode ser alterado no Senado é a emenda 164, que prevê que os Estados tenham autonomia para decidir quais atividades produtivas desenvolvidas em APPs devem ou não ser consolidadas. O senhor acredita que os Estados estão preparados para exercer esse papel? Aldo Rebelo – Os Estados não terão autonomia nenhuma. Tudo o que fizerem será “na forma definida em regulamento do Poder Executivo Federal.” Aliás, o artigo 24 da Constituição diz que “compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente” sobre “florestas, caça, pesca, fauna, conservação da natureza, defesa do solo e dos recursos naturais, proteção do meio ambiente e controle da poluição”. Além disso, considero inadequado desqualificar os Estados como cogestores de seus territórios, considerando as diferenças enormes que existem entre os biomas do Brasil. Uma de nossas deformações legislativas é criar leis que vigem linearmente em todo o território nacional, de ambientes tão diversos, como a seca Caatinga e o inundado Pantanal.

O Girolando - O senhor considera que sua missão nesse caso do Código Florestal está cumprida? Aldo Rebelo – Ainda não. Há um longo debate pela frente. Tenho a tarefa de rebater as distorções, fraudes e mentiras que as ONGs estrangeiras engendram acerca dos efeitos do novo Código Florestal Brasileiro, como a de que gera desmatamento, e outras barbaridades divulgadas por uma campanha sórdida de descrédito de uma lei moderna e justa com o meio ambiente e a agropecuária. O Girolando - O senhor é produtor rural? Aldo Rebelo – Tenho um sítio de cinco hectares em minha terra natal, Viçosa, Alagoas. Quem sabe eu seja um camponês, como meu pai!

Agencia Camara

da reserva legal, como também institui uma regulação minuciosa. A floresta pode ser uma fonte de ovos de ouro, desde que não se mate a galinha...

O Girolando - A Presidente Dilma disse que poderá vetar algum ponto. Quais pontos do seu texto podem desagradar o governo? Aldo Rebelo – O texto aprovado foi referendado pelo Executivo, que encaminhou favoravelmente a votação no plenário. Se tem resistência à emenda 164, terá de negociar em especial com os partidos autores da proposta, PMDB e PR, que, como disse, consideramse não só da base como integrantes do governo. Na Câmara, 273 deputados, dos 457 presentes, aprovaram a emenda. É questão de ajuste interno, como houve entre os ministérios do Meio Ambiente e da Agricultura. O Girolando - O prazo para exigência da averbação da reserva legal começa a valer em 11 de junho, mas o novo Código ainda não foi aprovado totalmente, já que falta Senado e a sanção da Presidente da República. Como fica a situação dos produtores rurais neste caso? Aldo Rebelo – O Executivo terá de resolver esse problema que criou sozinho. Sabe que a lei é inaplicável, tanto que já adiou sua vigência. Não há como criminalizar o agricultor, e pelo menos 90% deles estão na ilegalidade, a maioria pequenos, por causa dessa exigência absurda.

“A floresta pode ser uma fonte de ovos de ouro, desde que não se mate a galinha...“ 15


Divulgação

Adilson de Paula Almeida Aguiar

Zootecnista, Especialista em Didática do Ensino Superior e em Solos e Meio Ambiente; Professor de Pastagens e Plantas Forrageiras I dos cursos de Agronomia e Zootecnia e de Zootecnia I (Bovinocultura de Corte e Leite), do curso de Agronomia das Faculdades Associadas de Uberaba (FAZU); Consultor – Sócio da CONSUPEC – Consultoria e Planejamento Pecuário Ltda. Investidor na atividade Leiteira.

Como aumentar a produção de bovinos leiteiros em Sistemas de Pastejo sem aumento dos custos de produção

E

m pastagens de clima temperado, de azevém perene, as respostas de animais em pastejo, em termos de consumo de forragem e desempenho animal, foram descritas e correlacionadas com variações em estrutura de pasto1, sendo que, de forma geral o consumo e o desempenho aumentam com aumentos em altura do pasto, a massa de forragem, o resíduo pós-pastejo ou a oferta de forragem. O aumento, contudo tende a um limite específico para espécie e categoria animal, tendo sido determinado 6cm para ovelhas e cordeiros e 10cm para bovinos adultos em pastagens de azevém perene (HODGSON, 1990). Estudos com plantas forrageiras de clima tropical e subtropical têm indicado um padrão semelhante de resposta dos animais em pastejo. Para o capim-braquiarão o pastejo foi realizado por bovinos, em crescimento, com valores ótimos de consumo e desempenho acima de 30cm de altura, condição de relvado que está dentro da faixa de 20 a 40cm de altura para a produção eficiente de forragem para aquele capim. Dos resultados da TABELA 1 pode-se concluir que o valor nutritivo não é o fator limitante quando em condição de baixa oferta de forragem (altura do pasto de 10cm) e, sim, o consumo de forragem pelos animais. Observa-se que há tendência de redução do valor nutritivo com o acréscimo na altura do pasto; entretanto, o desempenho animal respondeu de forma inversa, com aumento no ganho de peso em resposta à elevação da altura de pastejo. Sendo assim, as diferenças em desempenho

16

TABELA 1 - Valor nutritivo de amostra de pastejo simulado e ganho de peso de novilhas mantidas em pasto de capim-braquiarão com quatro alturas de pastejo durante o verão.

PB = proteína bruta; FDN = fibra em detergente neutro; FDA = fibra em detergente ácido; DIVMO = digestibilidade in vitro da matéria orgânica; GMD = ganho médio diário. Fonte: REIS, 2009 (adaptado de Andrade, 2003).

animal (ganho de peso, produção de leite) são consequência basicamente da quantidade de forragem ingerida, uma vez que a diferença em valor nutritivo é pequena, fato que acentua a importância de conhecer e compreender como se dá o consumo de forragem pelos animais em pastejo e como ele é afetado pelas práticas de manejo utilizado. Na TABELA 2 estão resumidos dados relativos às taxas de lotação e a produtividade por área em resposta às quatro condições de manejo do pastoreio neste experimento, dadas pelas diferentes alturas do pasto. Houve decréscimo no ganho de peso e aumento na taxa de lotação com redução na altura do pasto. Neste caso a capacidade de suporte estaria dentro das condições de alturas entre 30 e 40cm. Se o objetivo for maximizar o desempenho por animal, a altura de 40cm deveria ser a buscada, enquanto que na altura de 30cm o desempenho por animal seria menor, com produtividade por área semelhante, apesar de possibilitar maior eficiência de uso da forragem produzida e um maior número de animais na propriedade. Para o capim-mombaça, os tratamentos com pastejos iniciados com 95% de interceptação de luz pelo pasto, condição correspondente a 90cm de


TABELA 2 – Ganho médio diário (GMD), taxa de lotação (TL) e produtividade por área com bovinos em pastos de capim-braquiarão submetidos a diferentes condições de altura de pasto.

do capim-elefante cv cameroon, com aumentos de cerca de 18% na produção diária de leite por vaca, 40% no aumento da taxa de lotação e aumentos próximos a 50% na produtividade por área (TABELA 5). TABELA 5 - Produção diária (kg/vaca/dia), taxa de lotação (UA/ha) e produtividade de leite (kg/ha/dia) em pasto de capim-elefante (cameroon) pastejados com 1,0m de altura ou 27 dias de período de descanso (média de 1,20m)

Fonte: ANDRADE, 2003.

altura, resultaram em forragem com valores mais elevados de proteína bruta e disgestibilidade, consequência de maior proporção de folhas e menores proporções de caules e material morto na massa de forragem em pré-pastejo (TABELA 3). TABELA 3 - Concentração de proteína bruta (PB) e digestibilidade in vitro da matéria orgânica (DIVMO) (%) da massa de forragem em pré-pastejo de pastos de capim-mombaça submetidos ao pastejo com 95 a 100% de interceptação luminosa do dossel (janeiro de 2001 a fevereiro de 2002)

Fonte: VOLTOLINI, 2006; CARARETO, 2007.

É preciso ressaltar que em todos estes trabalhos, as condições de clima e solo, as espécies de capins, os animais (de raças puras ou cruzadas), a infra-estrutura (cercas, bebedouros, cochos etc), a mão-de-obra, etc, foram iguais, sendo diferente apenas a prática do manejo do pastejo pela altura correta. Estes resultados abrem novas perspectivas de ganhos significativos na produção e produtividade das pastagens sem investimentos e aumentos de custos adicionais. Médias seguidas de mesma letra maiúscula nas colunas não são diferentes (P>0,10) Médias seguidas de mesma letra minúscula nas linhas não são diferentes (P>0,10) Fonte: BUENO, 2003.

O maior valor nutritivo trouxe respostas significativas no desempenho animal, com aumento de 30% na produção diária de leite por vaca, quando os animais entraram nos piquetes no momento adequado, ou seja, com altura de 90cm do pasto comparado com o manejo convencional adotado pela maioria dos produtores, com base em dias fixos de descanso (35 dias neste caso) (TAB. 4). TABELA 4 - Produção diária de leite (kg/vaca/dia) em pastos de capimmombaça pastejados a 90cm ou 140cm de altura por ocasião da entrada dos animais nos piquetes

Médias seguidas de mesma letra não diferem entre si (P>0,05) Fonte: HACK, 2004.

Respostas semelhantes foram obtidas em trabalhos avalian-

(1- Estrutura do pasto é a forma como a forragem é apresentada ao animal (SILVA, 2009), e pode ser caracterizada pelas variáveis massa de forragem, altura, densidade dos horizontes, cobertura de solo, relação folha:colmo, distribuição espacial (CARVALHO et al. 2009b). A estrutura do pasto afeta a profundidade e a área do bocado, afetando o consumo de forragem (SILVA, 2009). BIBLIOGRAFIA ANDRADE, F. M. E. Produção de forragem e valor alimentício do capimmarandu submetido a regimes de lotação contínua por bovinos de corte. Piracicaba, SP, 2003. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal e Pastagem). ESALQ, 2003. BUENO, A. A. O. Características estruturais do dossel forrageiro, valor nutritivo e produção de forragem em pastos de capim-mombaça submetidos a regimes de desfolhação intermitente. Piracicaba, 2003. 124 p. Dissertação (Mestrado) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”. Universidade de São Paulo. CARARETO, R. Uso de uréia de liberação lenta para vacas alimentadas com silagem de milho ou pastagens de capim-elefante manejadas com intervalos fixos ou variáveis de desfolhas. Piracicaba, SP, 2007. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal e Pastagem). ESALQ, 2007. CARVALHO, P. C. F. et al. Do bocado ao pastoreio de precisão: compreendendo a interface planta-animal para explorar a multi-funcionalidade das pastagens. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA. 46, Maringá. Anais... Maringá: SBZ, 2009b. p. 109 – 122. HACK, E. Variações estruturais e produção de leite na pastagem de capim-mombaça. Curitiba. 2004. Dissertação (Mestrado). UFPR. 2004. HODGSON, J. Grazing Management: science into practice. New York: LONGMAN, 1990. 203 p. REIS, R. B. Suplementação da dieta de bovinos de corte como estratégias do manejo das pastagens. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA. 46, Maringá. Anais... Maringá: SBZ, 2009. p. 147 – 159. SARMENTO, D. O. L. Comportamento ingestivo de bovinos em pastos de capim-marandu submetidos a regimes de lotação continua. Piracicaba, 2003. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal e Pastagens) – ESALQ, 2003. SILVA, S. C. Conceitos básicos sobre sistemas de produção animal em pasto. In: SÍMPOSIO SOBRE MANEJO DA PASTAGEM. 25, Piracicaba, 2009. Anais... Piracicaba: FEALQ, p. 7-30, 2009. VOLTOLINI, T. V. Adequação protéica em rações com pastagens ou com cana-de-açúcar e efeito de diferentes intervalos entre desfolhas da pastagem de capim-elefante sobre o desempenho lactacional de vacas leiteiras. Piracicaba, 2006. Tese (Doutorado) – ESALQ, 2006.

17


18


19


Evandro Schilling

Gerente de Produtos da GEA Farm Technologies do Brasil, empresa especializada em soluções para a pecuária.

Os benefícios da

pecuária sustentável

B

asta folhear qualquer jornal ou revista para obtermos informações sobre uma das principais preocupações do momento: a sustentabilidade. Mas como diversos líderes mundiais estão se mobilizando para procurar soluções para este problema que atinge indiscriminadamente a todos os países, as ações individuais são desnecessárias, certo? Errado! As ações individuais, especialmente no campo, são mais do que necessárias, são fundamentais para conseguirmos mudar esta realidade e melhorar a qualidade de vida do nosso planeta. Engana-se quem pensa que produzir leite de qualidade, buscar baixo custo na produção, garantir a excelência do produto e a saúde dos animais são as únicas atividades de uma propriedade leiteira. Na atual conjuntura que vivemos, as preocupações de um produtor de leite precisam ir além dos rígidos padrões de qualidade que devem ser seguidos. Hoje, o mercado está exigindo uma nova postura dos pecuaristas, em que o respeito ao meio ambiente e o conforto dos animais são fatores preponderantes e que caminham lado a lado. No que diz respeito aos cuidados ambientais, a água é o insumo mais importante em uma fazenda. Além de ser parte fundamental da dieta das vacas, a água é usada na limpeza da propriedade, higiene dos animais e irrigação e, por sua grande importância

20

para o dia a dia da propriedade, ela deve ser preservada e protegida de contaminações. Para isso, é preciso desenvolver projetos completos e inteligentes de manejo e transporte dos dejetos, de modo a garantir a qualidade das águas e também do solo. O manejo sustentável dos dejetos, além de gerar benefícios para o meio ambiente - já que evita o contágio do solo e da água e reduz as emissões de metano na atmosfera - também proporciona economia financeira. Com um bom sistema de coleta e transporte destes dejetos e com a utilização de um separador de sólidos (solução acessível aos produtores e com ótimo retorno do investimento), é possível a reutilização dos dejetos como fertilizante, seja por fertiirrigação da parte líquida ou por aplicação do composto orgânico (sólidos). Neste caso, o produtor consegue uma importante diminuição da aplicação de fertilizantes químicos, garantindo economia e auxiliando na redução de outro grande problema enfrentado pelos produtores: o descarte das embalagens desses químicos. Seguindo o exemplo de propriedades dos Estados Unidos, da França e da Holanda, que independente do tamanho e da produtividade, são bastante avançadas tecnologicamente nesses aspectos, projetos pioneiros já estão sendo implementados no Brasil. Entretanto, a preocupação com a sustentabilidade das fazendas ainda é recente, exigindo do governo ações, apoio e aporte econômico


Foto: Jadir Bison

“Hoje, o mercado está exigindo uma nova postura dos pecuaristas, em que o respeito ao meio ambiente e o conforto dos animais são fatores preponderantes e que caminham lado a lado.”

aos produtores para fomentar o investimento nesta área. Além dos cuidados com o meio ambiente, outra tendência também está se configurando perante a pecuária moderna: o conforto dos animais. Este quesito vem aperfeiçoar as práticas de bem-estar animal – conceito tão difundido e valorizado nas propriedades e responsável por garantir a integridade do rebanho e a produtividade da fazenda. O conforto dos animais merece atenção especial por parte dos pecuaristas. Alguns cuidados, que na maioria das vezes não representam investimento muito alto, podem proporcionar grande aumento na produtividade. As vacas que possuem um ambiente bem preparado, com ventilação e higiene, se estressam menos, comem e bebem com mais frequência e ficam mais dispostas e saudáveis. É este conjunto de fatores que induz a maior produção e a melhor qualidade do leite. Mas, além de contribuir para um aumento significativo da produtividade, a preocupação com o conforto dos animais fomenta outra grande discussão dos nossos dias: o consumo consciente. Um bom exemplo são novamente os europeus, que buscam informações sobre as condições de produção dos alimentos antes de comprá-los e mais de 60% da população dá

preferência aos produtos produzidos sob as normas de bem-estar animal. No Brasil, os pecuaristas contam com a Instrução Normativa nº 56, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que está em vigor desde novembro de 2008, e visa estabelecer os procedimentos gerais de Recomendações de Boas Práticas de BemEstar para Animais de Produção e de Interesse Econômico (Rebem), abrangendo os sistemas de produção e transporte. As orientações relacionadas a manejo, dieta, instalações e transporte de todos os animais de produção, tinham como objetivo evitar que o produto brasileiro sofresse restrições nos mercados de países importadores, mas hoje já norteiam as decisões de parte dos consumidores internos, que se preocupam com a questão ambiental. Hoje, os produtores de leite, bem como aqueles que atuam na bovinocultura de corte e na suinocultura, podem contar com avançadas soluções em tratamento e transporte de dejetos e conforto animal. São sistemas de limpeza para Free Stalls e de bombeamento de dejetos, agitadores, separadores de sólidos e bombas para lagoas, elétricas, verticais e articuladas. Fora outras soluções no âmbito do bem-estar animal, como camas, colchões, ventiladores, contenções e canzil. Os sistemas de ventilação, por exemplo, proporcionam conforto térmico aos animais, estimulando a sua produtividade. Já os colchões, dispensam as convencionais camas de areia, que são contaminadas com muito mais facilidade e também demandam, além do alto custo de reposição, maior quantidade de água para a separação dos dejetos. Portanto, os pecuaristas devem se atentar aos benefícios das novas tecnologias que aliam produtividade com sustentabilidade. Este ano, a expectativa é de que o cenário seja mais favorável para a pecuária brasileira. Dessa forma, vale se atentar aos benefícios destas novas soluções. Atualmente, atitudes sustentáveis e conscientes se tornaram diferenciais extremamente apreciados pelo mercado interno e externo. Bom para a natureza, bom para o produtor e bom para a humanidade.

21


Nelson Ferreira Júnior

Gerente Técnico da Elanco Saúde Animal

Levantamento comprova a ocorrência de estresse térmico em vacas leiteiras no Brasil

O

estresse térmico traz inúmeros prejuízos à indústria leiteira de um país de clima tropical, como o Brasil, principalmente representados pelas perdas na produção e qualidade de leite, desempenho reprodutivo e saúde dos animais. Mesmo em países do Hemisfério Norte, que se situam fora das regiões tropicais do globo como, por exemplo, os Estados Unidos, as perdas econômicas que o estresse térmico ocasiona em rebanhos leiteiros são estimadas anualmente em US$ 897 milhões; uma onda de calor no estado da Califórnia, em 2006, custou aproximadamente US$ 1 bilhão às fazendas leiteiras.

entre temperaturas ambientes de 5 a 25°C, sendo que a partir dos 15ºC mecanismos já são ativados para incrementar a dissipação de calor, o que é efetivo, mas já impacta no desempenho. Portanto, quando a “temperatura efetiva” é maior que a zona de conforto, os efeitos do estresse térmico podem ser observados. A temperatura efetiva é influenciada não apenas pela temperatura do ar, mas também pela umidade relativa, movimentação do ar e radiação solar. Em outras palavras, alta umidade, baixa movimentação do ar e radiação solar direta sobre os animais (ausência de abrigo ou sombra) diminuem a tolerância à temperatura e acentuam o estresse térmico.

Estresse térmico O estresse térmico ocorre quando as vacas leiteiras são expostas a condições de ambiente úmidas e quentes. A “Zona de Conforto” ou “Termo Neutra” de uma vaca leiteira se localiza

Temperatura corporal Os efeitos negativos do estresse térmico são mediados através do aumento da temperatura corporal. Quando a temperatura ambiente ultrapassa os 25°C frequentemente as va-

22


cas não são mais capazes de Figura 4: Comportamento térmico de vacas mestiças Gir-Holandês sob condições de alta tempemanter estável sua temperatu- ratura e umidade no Brasil (Goiás). ra corporal, que é de 38,5°C. É sabido que a produção de leite e o consumo de alimentos são reduzidos quando a temperatura corporal aumenta. Estudos têm demonstrado que temperaturas corporais acima de 39°C têm efeito negativo sobre o desempenho reprodutivo. Uma forma de determinar se as vacas estão em estresse térmico é pela medição da temperatura retal de 10 vacas do grupo de melhor produção. Se a média da temperatura corporal estiver acima de 39,1°C significa que as vacas estão sob estresse térmico significativo. Consulte as vacas Outra forma de avaliar se o estresse térmico é uma preocupação é através da observação do comportamento das vacas. Vários sinais podem ser facilmente observados quando o estresse térmico se torna um problema. Vacas sob estresse térmico têm frequência respiratória mais alta, diminuem o consumo de alimentos, aumentam a salivação, produzem menos leite, ficam mais tempo em pé e, às vezes, se amontoam (à procura de conforto, sob a sombra de uma árvore, por exemplo). Portanto, ninguém melhor que as próprias vacas para nos mostrar se elas estão confortáveis e sem estresse no dia a dia da fazenda. Frequência respiratória O primeiro indicador de estresse térmico e um dos mais

23


sensíveis é a frequência respiratória. Uma vaca normal tem 30 a 40 movimentos respiratórios por minuto e a frequência começa a aumentar quando a temperatura ultrapassa os 21°C. Isto ocorre antes da temperatura corporal aumentar e é um meio da vaca tentar manter sua temperatura. Uma vez que o estresse térmico ultrapasse a habilidade da vaca em manter estável a temperatura corporal normal, a frequência respiratória aumenta de uma maneira muito previsível. Sendo assim, uma avaliação mais prática e alternativa à avaliação da temperatura retal é a contagem da frequência respiratória em uma grande amostra dos animais nos momentos de maior desafio ao longo do dia, como, por exemplo, na saída das ordenhas, após as vacas ficarem aglomeradas na sala de espera. Se mais de 20% das vacas estiverem com a frequência respiratória acima de 60 movimentos por minuto, é muito provável que o rebanho esteja sofrendo de estresse térmico; a partir de 80 movimentos por minuto o prejuízo já está instalado. Quanto maior a frequência respiratória maior a severidade do estresse térmico e o prejuízo que irá acarretar. Um veterinário deve ser consultado para diferenciar o estresse térmico de doença respiratória.

que muito pouco ou quase nada é feito pelos nossos produtores no sentido de minimizar o impacto do estresse térmico, mesmo considerando que o Brasil é um país tropical, onde tanto a temperatura quanto a umidade e a radiação solar, três dos quatro fatores que determinam a ocorrência e severidade do estresse térmico, atingem valores críticos por pelo menos seis a oito meses do ano. Esta falta de atitude em relação a este tema é decorrente de diversos fatores, dentre os quais podemos destacar a crença de muitos produtores de que animais cruzados Gir-Holandês não sofrem deste “mal”. A cruza com animais zebuínos certamente impacta a capacidade de o animal dissipar calor, mas isso não garante que os animais estejam livres dos efeitos do estresse calórico, especialmente considerando o agravante de que é justamente este o tipo de animal utilizado em sistemas de produção a pasto, com grande exposição à radiação solar, muitas vezes sem proteção mesmo nos períodos mais quentes do dia. Prova disso é que, dentre os achados do levantamento, nos chamou a atenção o fato de que mesmo fazendas com gado mestiço de média produção de leite apresentaram temperaturas corporais acima de 39,1°C nos horários mais quentes do Estresse térmico no Brasil dia (Figura 4 – linha preta), ou seja, sob estresse térmico, o Um levantamento realizado através da parceria entre a que seguramente impactou negativamente no seu desempenho Elanco Saúde Animal e a equipe de Consultoria Júnior da faculprodutivo e reprodutivo. Para cada fazenda avaliada no levandade de medicina veterinária e zootecnia da UNESP de Botucatamento foi criado um gráfico como o da Figura 4, que permite tu (Conapec Jr), liderada pelo Prof. José Luiz Moraes Vasconceavaliar em que momentos do dia as vacas se encontram sob los, avaliou a ocorrência e severidade do estresse térmico em estresse e, com base nesta avaliação, determinar qual a mequatro Estados (MG, GO PR e SP), num total de 32 fazendas, lhor alternativa em termos de custo-benefício, para minimizar onde se monitorou a temperatura corporal de 512 vacas, repreo impacto do estresse térmico e potencializar o desempenho sentando um universo de 12.124 vacas em lactação. dos animais. Termômetros foram colocados na vagina das vacas, Neste caso, por exemplo, observa-se que a temperatura acoplados a um dispositivo intravaginal de hormônio (sem horcorporal dos animais acompanha a temperatura ambiente (linha mônio) e armazenavam a temperatura das vacas a cada cinco e pontilhado verde, variação de 15 a 32ºC) e sobe rapidamente minutos ao longo de três dias. Para registro da temperatura e nas primeiras horas do dia, o que era de se esperar por se tratar umidade do ambiente usou-se outro termômetro que era colode animais a pasto; ultrapassa o limite (39,1ºC) por volta do cado próximo às vacas. meio dia, e só volta a níveis aceitáveis depois da meia noite, Este levantamento foi motivado pela constatação de o que nos permite chamar a atenção para o fato de que depois de aumentada a tempeFigura 5: Comportamento térmico de vacas holandesas estabuladas sob condições de alta temperatura e ratura, com o prejuízo já estabelecido, o retorno à umidade. zona termo neutra é lento e, portanto, o ideal é que se adote medidas para evitar que os animais cheguem ao estado de estresse. Para esta situação em especial, por exemplo, há dois possíveis investimentos de custo relativamente baixo, e de grande efetividade na minimização do estresse térmico: o resfriamento das vacas, através de uma estrutura de chuveiros e ventiladores na sala de espera da

24


25


ordenha, duas vezes ao dia, e a construção de estruturas de sombra nos piquetes, para que as vacas se abriguem nos horários mais quentes do dia e concentração do pastejo no período da noite e madrugada. Como comentado anteriormente, os animais de cada fazenda avaliada apresentaram comportamento térmico específico, que foi função do tipo de manejo, instalações e medidas pré-existentes para o alívio do estresse calórico. A Figura 5 mostra os resultados de outra fazenda, agora com animais da raça Holandesa, de média produção, que mesmo estabulados em freestall, foram submetidos a condições ainda mais estressantes, com temperatura ambiente variando de 20 a 30ºC, associada à alta umidade relativa do ar, passando por estresse térmico durante praticamente todo o período em que os termômetros registram as temperaturas (observe a temperatura corporal das vacas acima da linha amarela, ou seja, de 39,1°C). Sem sombra de dúvida os animais estão sofrendo todos os prejuízos já discutidos anteriormente e a situação demanda intervenção no sentido de oferecer maior conforto térmico aos animais. Nesta situação de animais estabulados, as oportunidades de resfriamento são ainda maiores, podendo ir além do resfriamento na sala de espera (dos mais efetivos e econômicos) e que, neste caso, poderia ser feito três vezes ao dia. Aqui existe a possibilidade, por exemplo, de se usar a aspersão de água na linha de cocho associada a ventiladores sobre as camas na redução da temperatura ao longo de todo o dia (e eventualmente da noite), já que os animais mostram estresse contínuo. Seguramente este investimento retornaria na forma de melhor desempenho produtivo e reprodutivo dos animais. Estes são apenas dois exemplos dos resultados obtidos com o levantamento e que serão utilizados para orientar os investimentos nas fazendas acompanhadas. No geral, pode-se afirmar que situações de estresse térmico foram constatadas em todas as regiões avaliadas, em diferentes graus de intensidade e duração ao longo do dia, dependendo da combinação dos diversos fatores que influem no estresse calórico, sejam eles inerentes aos animais (p.ex.: raça, grau de sangue, nível de produção), ao manejo (p.ex: pasto ou confinado, tipo de estábulo, tipo de dieta, etc.) e às condições de conforto oferecidas aos animais (disponibilidade de água, sombreamento, presença de barro, resfriamento na sala de espera e/ou no cocho e camas, etc.). A maior predominância do estresse foi nos períodos da tarde e noite, com posterior alívio durante a madrugada e período de elevação durante a manhã. Prioridades de investimento O problema do estresse térmico é grave. Devemos combatê-lo com as técnicas existentes e que já se mostraram eficientes e economicamente viáveis no suporte de altíssimas lactações, mesmo em regiões onde as condições ambientais são desafiadoras. Antes de recomendações de instalação de equipamentos de resfriamento, a fazenda deve fornecer o básico para as vacas: sombra e água fresca, fatores infelizmente ainda insuficientes ou ausentes em muitas fazendas. Como normalmente as fazendas leiteiras têm restrição de capital para investimentos, recomenda-se priorizá-los de

26

acordo com a ordem de importância em termos de necessidade, investimento necessário e retorno obtido, da seguinte forma: 1. Fornecimento de água de qualidade em abundância – básico; 2. Fornecimento de proteção à radiação solar (sombra) – básico; 3. Uso de aspersores e ventiladores na sala de espera da ordenha (área pequena e de grande acúmulo de calor por onde todas as vacas passam duas a três vezes ao dia); 4. Uso de aspersores e ventiladores no pré-parto (grupo pequeno, impacto em toda lactação posterior); 5. Uso de aspersores e ventiladores nas vacas recém paridas (grupo pequeno, impacto em toda lactação posterior); 6. Vacas em lactação: 6.1. Uso de aspersores sobre a linha de cocho; 6.2. Uso de ventiladores sobre as camas (no caso de haver freestall); 6.3. Uso de ventiladores sobre a linha de cocho. Gostaríamos de fazer um especial reconhecimento aos alunos da Conapec Jr- UNESP Botucatu, Aniceli Vasconcelos, Augusto Madureira, Felipe Guirado e Laís Costa, pelos cinco meses de trabalho árduo para levantar estas importantes informações para a Bovinocultura Leiteira do Brasil.


27


Foto: Geneal

Marta Fonseca Martins

Pesquisadores Embrapa Gado de Leite - Juiz de Fora - MG

Isabella Silvestre Barreto Pinto

Bolsista de Apoio Técnico BAT II - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais - FAPEMIG

Isabela Fonseca

Aluna de Doutorado em Genética e Melhoramento - UFV - Viçosa - MG

Marco Antonio Machado Pesquisadores Embrapa Gado de Leite - Juiz de Fora - MG

Wagner Antônio Arbex Pesquisadores Embrapa Gado de Leite - Juiz de Fora - MG

Marcos Vinícius Gualberto Barbosa da Silva

Pesquisadores Embrapa Gado de Leite - Juiz de Fora - MG

Testes de Paternidade em Bovinos Parte 2: Interpretação dos Resultados

O

sucesso alcançado pelos programas de melhoramento em blicado na Edição nº 77 (Testes de Paternidade em Bovinos - Parte 1: gado de leite no Brasil tem provocado aumento no númeCuidados na Manipulação dos Dados e Coleta das Amostras). ro de produtores inscritos nas associações de criadores. Dois testes de laboratório podem ser realizados para a confirAliadas a esta crescente demanda por novos registros, as técnicas mação da genealogia: tipagem sanguínea e DNA. Os testes de tipade inseminação artificial e transferência de embriões estão sendo gem sanguínea, fundamentados na reação de antígeno/anticorpo, são cada vez mais utilizadas, fazendo com que seja necessária a comrealizados com base em 11 sistemas de grupos sanguíneos e mais de provação da origem genética destes produtos. A comprovação da 90 diferentes fatores (Quadro 1). genealogia é fundamental para o sucesso dos programas de mePara a realização do teste de paternidade por tipagem sanguílhoramento, pois influencia grandemente no ganho genético anual. nea, as amostras passam por uma série de reações de aglutinação Um fato preocupante é que têm surgido dúvidas quanto à com anticorpos específicos para identificação dos fatores sanguínepaternidade dos produtos/ progênie de touros provados que possuem alto potencial genético e sêmen Quadro 1 - Grupo de sistemas e fatores sanguíneos de bovinos muito utilizado. Uma das causas desta dúvida decorre do fato de que o sêmen desses touros é utilizado em larga escala, em várias propriedades e nem sempre são tomados os cuidados necessários para evitar erros. Independentemente de o touro ser provado ou estar em teste, a atenção deve ser redobrada em todas as etapas, desde a seleção da palheta até a inseminação da vaca. Um dos motivos de erros de paternidade pode ser o registro incorreto dos animais junto à associação de criadores. Estes erros podem ser decorrentes da identificação incorreta dos animais no momento da inseminação ou mesmo de equívocos nas anotações sobre os animais em teste de progênie, entre outros motivos já citados no artigo anterior, pu-

28


TGLAI22, BM1824, ETH10, TGLA227, BM2113, SPS115, INRA23, ETH225). Após a genotipagem é realizada a comparação dos genótipos do filho, mãe e suposto pai para todas as regiões analisadas, sendo então o laudo emitido, podendo ser de inclusão ou exclusão de paternidade. O teste pelo DNA se baseia na exclusão da paternidade, de forma que se os alelos de dois ou mais marcadores não forem compartilhados entre pai e filho a paternidade é considerada excluída, mesmo princípio do teste por tipagem sanguínea. Na Figura 1 pode ser visualizado um exemplo Quadro 2 - Resultado de um exame de paternidade por tipagem sanguínea do resultado de um teste de paternidade realizado por DNA, onde a mãe está ausente. A figura mostra o resultado de uma análise realizada com um marcador molecular. Analisando o No filho, a cor azul representa o alelo originário do pai biológico, enquanto a cor rosa representa o alelo originário da mãe. Nos supostos pais, a cor resultado, observamos que o filho apresenta os alelos azul representa o alelo compartilhado com o filho O e T. O suposto pai 1 também apresenta o alelo O, enapresenta um alelo herdado de sua mãe e um de seu Pai. A primeira quanto o suposto pai 2 não apresenta nenhum alelo em comum com análise a ser feita é a identificação de qual alelo foi herdado da mãe, o filho. Com base nessas informações pode-se excluir a paternidade já que para fins de testes estatísticos se considera que se tem certedo suposto pai 2, nesta região. Para um resultado definitivo é necesza da maternidade. Quando não ocorre a correspondência de alelos, sário que as outras regiões também sejam analisadas. caso do suposto pai 1 (SP 1), nos Sistemas A e B, a paternidade é considerada excluída. Apesar de o filho compartilhar um alelo com o SP 1, no Sistema C, podemos excluir a paternidade porque, segundo normas internacionais, o resultado deve ser considerado “exclusão” quando dois ou mais sistemas forem excludentes. Quando ocorre equivalência dos fatores sanguíneos entre pai e filho pode-se atestar a paternidade, caso do suposto pai 2. A não correspondência em somente um sistema pode ser devida a mutação, devendo este resultado ser confirmado pela genotipagem de mais sistemas. Para a realização do teste de paternidade pelo DNA no Brasil, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) estabelece que devem ser genotipadas no mínimo nove regiões (TGLA126,

Foto: Geneal

os e/ou análise das variantes proteicas presentes nas hemácias. Os fatores sanguíneos encontrados são comparados entre mãe, filho e suposto pai para exclusão ou inclusão da paternidade. Para facilitar a compreensão de como são analisados os fatores sanguíneos em teste de paternidade, segue um exemplo (Quadro 2) onde são apresentados os fatores sanguíneos da mãe, filho e de dois supostos pais. Neste exemplo, estão destacados os alelos herdados da mãe (rosa) e os alelos herdados do pai (azul), lembrando sempre que o filho

Figura 1 - Teste de paternidade por DNA

Essa exclusão pode ser feita com segurança, mesmo que o genótipo da mãe não seja avaliado. No exemplo da Figura 1, o filho apresenta o alelo herdado do pai (O) e outro alelo (T) que só pode ter sido herdado de sua mãe. Como o pai apresenta um alelo em comum com o filho, não é necessário conhecer o genótipo da mãe para atestar a paternidade. Para este resultado de inclusão ser confirmado, também, outras regiões devem apresentar um resultado de inclusão. A comprovação da genealogia é importante, uma vez que erros de paternidade podem comprometer os resultados de um programa de melhoramento. Estes erros podem causar grandes prejuízos financeiros aos produtores e dificultam as avaliações genéticas dos animais participantes dos programas de melhoramento. É importante ressaltar que testes de paternidade podem indicar fraudes, em que o produtor informa que determinada vaca foi inseminada com o sêmen de um touro, quando na verdade o sêmen utilizado foi de outro touro. Ou então, pode indicar que houve erro na venda ou na identificação da palheta de sêmen. A correta identificação genealógica dos animais garante aumento da produtividade animal e, consequentemente, do lucro para os produtores, sendo estes os principais objetivos dos programas de melhoramento.

29


Pesquisa inédita fará sequenciamento do

genoma do Girolando

D

ois anos após pesquisadores norte americanos da Universidade de Georgetown anunciarem ao mundo o sequenciamento do genoma bovino, a Embrapa Gado de Leite dará início, em julho, a uma pesquisa inédita para identificar o genoma da raça Girolando. Até agora, os estudos realizados nesta área, no Brasil e em outros países, foram feitos apenas com animais taurinos e zebuínos. “Vamos comparar os bovinos oriundos de cruzamento com taurinos e zebuínos para saber qual a diferença entre eles. Futuramente, essas informações poderão auxiliar no processo de seleção das fazendas”, diz Marcos Vinicius Silva, pesquisador da Embrapa Gado de Leite, que irá conduzir as pesquisas. Ele também está realizando o sequenciamento do genoma das raças Gir Leiteiro e Guzerá, cujos resultados devem ser anunciados no final do ano. O touro escolhido para a pesquisa é IPA Bochecho (Girolando Puro Sintético - PS), pertencente à Empresa Pernambucana de Pesquisa Agropecuária - IPA. O animal pertence há várias gerações de PS e faz parte do Teste de Progênie da Girolando. A estimativa é que em dois anos os resultados sejam anunciados. No anúncio do sequenciamento do genoma bovino, em 2009, os pesquisadores disseram ter identificado que o genoma bovino é composto por pelo menos 22 mil genes e apresenta altos níveis de conservação em sua estrutura, quando comparado ao genoma humano. No Brasil, os estudos com genoma vêm sendo desenvolvidos por várias universidades e centros de pesquisa. A expectativa é de que em um futuro breve a seleção genômica possa ser aplicada nas propriedades. Como ela é baseada em milhares de marcadores moleculares, o tempo necessário para concluir as avaliações cairá de cinco para um ano. Por enquanto, o criador pode selecionar com base em alguns marcadores moleculares incluídos no Sumário de Touros Girolando, divulgado anualmente pela Girolando e Embrapa Gado de Leite, além dos índices zootécnicos e da avaliação visual. Os pesquisadores acreditam que o sequenciamento do genoma irá conferir maior agilidade e eficiência às pesquisas que buscam identificar genes que afetam características de produção ou que causam enfermidades genéticas. A seleção genômica tornará possível o melhoramento de características de mensuração difícil ou tardia e a formação de rebanhos mais produtivos, eficientes, saudáveis e com alta produção leiteira.

30


31


Importância das coletas de amostras na pecuária leiteira

Bruno Avelar Viana

Zootecnista Departamento de Provas Zootécnicas

32

Fotos: Embrapa Gado de Leite

C

om o crescimento da atividade leiteira no Brasil, é muito importante a coleta de amostras de leite para análise laboratorial. Com os dados obtidos é possível realizar um melhor manejo dos animais e identificar problemas futuros que acarretariam prejuízos ao rebanho leiteiro. Esse procedimento é fundamental para a credibilidade e confiança nos resultados obtidos na fazenda. Com as regras que serão adotadas de acordo com a Normativa 51, que entrará em vigor em 30 de junho de 2011, em algumas regiões, o criador deverá ficar mais atento aos índices de qualidade de leite do seu rebanho, por isso a grande importância das análises. Com o aumento do índice de produtividade na produção leiteira no país, cresceu a preocupação com a qualidade, e com o passar dos anos vem sendo um grande atrativo para os produtores de leite, que recebem cada vez mais pela qualidade do leite vendido. Segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), a produção mundial de leite, no ano de 2008 ultrapassou a marca de 578 bilhões de litros. De acordo com o ranking dos países produtores de leite, os Estados Unidos lideram com mais de 86 bilhões de litros produzidos, ficando a Índia em segundo lugar, com 44 bilhões de litros. O Brasil encontra-se em 6° lugar, com mais de 27 bilhões de litros, como mostra a Tabela 1. Com o aumento na produtividade e a busca por melhores índices na qualidade do leite, o produtor investe mais e mais em genética para aprimorar o rebanho. Os índices zootécnicos dos animais da raça Girolando crescem a cada ano, conforme está demonstrado na tabela abaixo. As análises laboratoriais de proteína, gordura, sólidos totais, lactose, e células somáticas (CCS) no leite coletado, são realizadas em pequenas amostras, em geral em frascos com menor capacida-

de que 100 ml. As amostras devem representar o volume total do leite. Por isso, alguns cuidados devem ser observados. Vários fatores podem interferir nos resultados das análises do leite coletado. Um dos principais é a contaminação, que pode acontecer através das condições inadequadas de obtenção, coleta, transporte e armazenamento, e é facilitada pelo valor nutricional do leite, pela sua facilidade em propagar a contaminação microbiana. As amostras devem ser coletadas em recipientes apropriados, limpos e enviadas sob refrigeração. Os procedimentos de coleta e transporte das amostras devem ser padronizados de acordo com o laboratório, para não acontecerem imprevistos que possam atrapalhar os resultados esperados. Na coleta, a amostra homogeneizada adequadamente aumentará a confiabilidade dos resultados dos componentes do leite (proteína, gordura, sólidos totais, lactose, e células somáticas (CCS)) analisados. Caso contrário, o leite a ser amostrado poderá apresentar


Tabela 1 – Dez maiores produtores de leite do mundo (2008)

Fonte: FAO / *IBGE (Pesquisa Pecuária Municipal), 2008.

valores superestimados e subestimados, respectivamente, de gordura, CCS e CTB. Com o crescimento da pecuária leiteira, os produtores devem ficar atentos aos índices zootécnicos de suas propriedades. A qualidade do leite deve ser um dos principais fatores na produção leiteira. Por isso, o produtor deve tornar rotineira a prática de analisar o leite produzido e ficar atento ao mercado, para poder identificar e evitar problemas futuros.

33


Terapia da vaca seca como controle da mastite

Médico Veterinário Laboratórios Pfizer Saúde Animal Gerente Contas Chave Leite

Falta de planejamento no controle da mastite pode levar todo o investimento na melhoria do rebanho e das instalações por água abaixo

A

mastite bovina continua sendo fator limitante da produção leiteira em muitas propriedades no Brasil, surgindo como o mais frequente causador de prejuízos aos produtores de leite. Para que este quadro mude, é fundamental a conscientização do produtor sobre a importância do manejo no controle da mastite. Pode parecer óbvio, mas muitos produtores não percebem que todo o seu investimento na melhoria genética do rebanho, instalações e nutrição, pode ir por terra na hora da produção leiteira, devido a perdas com surgimento de mastites e por ausência de um planejamento no seu controle. Normalmente, os produtores não protegem seu rebanho da forma adequada e só iniciam algum tipo de tratamento quando a doença já está em estágio bem avançado. Em muitas propriedades, a mastite só merece atenção e tratamento quando é visível (clínica), acometendo vacas em lactação, determinando prejuízos pela queda na produção e descarte de leite devido ao tratamento antibiótico. Por isso, é fundamental a adoção de um planejamento no controle na mastite. Este planejamento deve envolver duas etapas: prevenção e tratamento. O tratamento limita-se aos casos clínicos emergenciais quando o prejuízo já é inevitável. A base do controle da mastite está na prevenção, que significa redução das possibilidades de infecção por meio de manejo, sejam as mastites contagiosas (durante a ordenha) ou ambientais (pós-ordenha) e tratamento intramamário

34

preventivo na secagem das vacas com antibióticos de longa ação. O fator determinante para o sucesso no controle da mastite é que todo processo seja feito corretamente e com a mesma importância para cada etapa. Porém, vale ressaltar a importância da fase seca no controle da mastite, resultando em aumento da produtividade e dos lucros com a lactação. Secagem de vacas – Por que, quando e como Secar uma vaca é interromper sua lactação. As razões para secagem são: • Vacas que parem ainda em lactação produzem bezerros fracos e não apresentam boas condições corporais no momento do parto. • Boas condições corporais e sanitárias facilitam o parto, o aparecimento do cio pós-parto e aumentam a produção de leite na próxima lactação. • A secagem garante um descanso fisiológico no úbere são necessários 50-60 dias entre o fim da lactação e o parto para regeneração das células secretoras de leite. • Favorece a maior produção de colostro. No terço final da gestação o desenvolvimento do feto é acentuado, e grande parte dos nutrientes ingeridos pela vaca vai para o processo de formação do bezerro. Se a vaca ainda estiver

Divulgação

Luiz Henrique Celani


Como secar O processo de secagem consiste em alterar, de uma só vez, os principais fatores que influenciam a produção de leite: a alimentação e os estímulos psíquico-hormonais (presença do bezerro, das companheiras de rebanho, sala de ordenha, cheiro da ração e/ou silagem, etc.).

com mastite, deve ser tratada com produtos recomendados para vacas em lactação até que desapareçam os sinais clínicos; se o teste der negativo, a vaca está apta ao processo de secagem; 3. Aplicação de pré-dipping (desinfetantes); 4. Secar os tetos com papel toalha; 5. Esgotar totalmente o úbere; 6. Desinfetar a ponta dos tetos com os lenços de álcool que normalmente acompanham os produtos intramamários para vaca seca, evitando-se, assim, a introdução de outros patógenos no momento da colocação, ou utilizar algodão embebido em álcool; 7. Em seguida, aplicar, em cada teto, uma seringa de antibiótico de longa ação, recomendado para vacas secas; 8. Aplicação de pós-dipping (desinfetantes); 9. Transferir a vaca do local onde está habituada à rotina de ordenha. Levá-la para um piquete ou pasto, não permitindo o fornecimento de concentrado. Deve ser oferecida água à vontade; 10. Não ordenhar mais, mesmo se o úbere encher de leite. Se isso acontecer, o organismo da vaca absorverá esse leite normalmente. Na hipótese de ocorrer uma mastite, deve-se ordenhá-la e proceder ao tratamento para cura do caso clínico e a uma nova aplicação do intramamário para vaca seca após a cura.

Os passos para a secagem são os seguintes: 1. Uso de luvas descartáveis, visando higiene e menor risco de contaminação; 2. Teste da caneca telada ou fundo escuro. Se a vaca estiver

Tratar de vacas no período seco reduz as infecções, inclusive no início da lactação Após duas semanas, a vaca estará seca e poderá passar a receber alimentação de acordo com o período pré-parto (volumoso e

em lactação nesta fase, o desgaste orgânico será maior, prejudicando o feto, as condições corporais da vaca e, consequentemente, a lactação subsequente. Pesquisas realizadas demonstram que esse período de descanso traz benefícios tanto para a vaca (fisiologicamente) quanto para o produtor (economicamente). Outra importante razão para a secagem é quando a vaca apresenta acentuada queda na produção, tornando economicamente inviável sua manutenção em lactação devido aos custos de alimentação e mão de obra, além de diminuir a média de produção leiteira da propriedade. Quando secar Se a razão for a proximidade do parto, a secagem deve ser feita no sétimo mês de gestação, ou seja, 60 dias antes da vaca parir.

35


concentrado). O planejamento de controle da mastite começa, portanto, na secagem da vaca, quando todos os passos de manejo devem ser rigorosamente seguidos. Em resumo: • Deve-se mudar a vaca de local; • Deve-se restringir sua alimentação; • Não se deve ordenhá-la; • Deve haver precaução contra mastite com o uso de produtos intramamários recomendados para vaca seca. Este método tem sido suficiente para garantir à vaca um período de descanso seguro e a próxima lactação com menores riscos de mastite. Por que tratar a vaca no período seco As mastites em vacas de leite frequentemente ocorrem durante o período seco ou no início da lactação. Principal bactéria causadora de mastite, o Staphylococcus aureus pode formar focos encapsulados nas porções altas do úbere, desenvolvendo uma forma subclínica, o que dificulta a cura bacteriológica durante a lactação, pois os antibióticos usados nesta fase são de tiro curto, devido ao período de retirada no leite, não permanecendo em níveis terapêuticos por tempo suficiente para determinar a eliminação completa da bactéria encistada. Nesse caso, não havendo tratamento à secagem, essas bactérias podem atravessar todo o período seco e retornar na lactação seguinte. Outras bactérias têm sido isoladas durante o período seco, tais como o Streptococcus uberis, Streptococcus agalactiae e Corynebacterium pyogenes. O tratamento de vaca no período seco reduz tanto o número de infecções durante a fase seca quanto o de novas infecções no início da lactação. Em média, pode-se eliminar 90% de infecções por Streptococcus agalactiae e 70% por Staphylococcus aureus com o tratamento no período seco. Vantagens do tratamento no período seco • Auxilia no controle de CCS (Contagem de Células Somáticas); • Maior índice de cura das mastites subclínicas; • Melhor resposta por atuar no úbere quase em repouso;

• Permite a utilização de formulações antibióticas mais persistentes; • Eliminam-se os prejuízos com descarte de leite por presença de antibióticos. Para obter lucro, deve-se dar à fase seca a mesma importância dada à fase de lactação Novos conceitos na terapia da vaca seca É inquestionável a importância da terapia da vaca seca para controle da mastite nos rebanhos. Mas, como qualqer tipo de tratamento, ela apresenta algumas limitações, pois os antibióticos usados regularmente no Brasil são, em sua maioria, direcionados contra os agentes causadores de mastite contagiosa, e têm maiores indicações de bula somente para bactérias gram-positivas, principalmente Staphylococcus aureus e Streptococcus agalactiae. A reduzida eficácia contra as bactérias gram-negativas pode deixar as vacas, em algumas situações, suscetíveis às mastites ambientais. A terapia da vaca seca hoje A deficiência no controle de mastite ambiental tem provocado interesse por produtos selantes, que buscam o fechamento dos tetos. Em estudos, foi possível observar que o uso do selante interno na secagem de vacas resultou em uma considerável redução de novas infecções, quando comparado aos animais não-tratados ou aos que foram tratados somente com antibióticos para vaca seca. Em uma estratégia mais ampla, o uso do selante interno mais o uso de antibióticos para vaca seca trazem mais benefícios em relação à baixa incidência de novas infecções, redução na contagem de celulas somáticas (CCS) e redução na incidência de mastites clínicas nos primeiros 100 dias de lactação. O selante interno simula o tampão natural de queratina e se mantém na cisterna do teto por todo o período seco, pois pode existir uma deficiência na formação de queratina logo após a secagem dos animais. A utilização de selantes internos associada ao intramamário vaca seca melhora o controle da mastite, evitando novas infecções no período seco e de mastites clínicas na lactação seguinte. Esta nova tecnologia traz eficiência para a atividade leiteira.

Divulgação

Conclusão Para a melhoria da produção leiteira, tão importante quanto o investimento em instalações, genética e nutrição é a adoção de um programa de controle de mastite, que se bem aplicado pode apresentar custo/benefício bem favorável. Para que realmente o produtor obtenha lucro com leite, é fundamental que se dê à fase seca da vaca a mesma importancia que se dá à fase de lactação, pois de uma boa secagem da vaca dependem a saúde do bezerro e a manutenção ou aumento da média de produção leiteira por animal e, consequentemente, o aumento da média da propriedade. No manejo da secagem é indispensável a aplicação de antibiótico intramamário de longa ação, associado a selantes que garantem o melhor índice de cura de mastites na fase seca e a menor ocorrência de mastites na lactação seguinte, sendo um dos fatores determinantes para o lucro, com a utilização de programas de controle de mastites. A secagem deve ser precedida da higienização dos tetos

36


37


Lucas Facury

Zootecnista Técnico do ETR RJ/ES

Divulgação

Pré-parto em vacas leiteiras

O

período de transição (pré-parto) é constituído em um desafio aos técnicos e produtores de leite, que devem ficar atentos a esta questão, pois a lactação da vaca tem início antes do parto. Se o manejo, a sanidade e a dieta não forem adequados nestes períodos, os prejuízos serão enormes e, em muitos casos, irreversíveis. É muito importante ressaltar que durante o pré-parto devem ser separadas áreas adequadas para que o animal tenha tranquilidade, onde possa realizar a prática de exercícios diários, tendo água tratada, alimentação balanceada, reduzindo, assim, as desordens relacionadas ao parto. Sua condição corporal interfere de forma significativa, ou seja, o animal não pode estar nem muito gordo nem muito magro. Vacas muito gordas ao parto podem apresentar sérios problemas de doenças metabólicas (mau funcionamento do organismo), como degeneração do fígado, deslocamento de abomaso ou diminuição do cálcio no sangue, além das dificuldades do útero em retornar à sua posição normal. Por outro lado, vaca muito magra não desenvolve o futuro bezerro de forma adequada e muitas vezes demora a mostrar o cio depois do parto, além de ter sua produção de leite diminuída. É necessário avaliar o volumoso utilizado na propriedade, peso e escore corporal do animal, para que a alimentação permita o desenvolvimento normal do feto e uma condição adequada da vaca no momento do parto. Destacando a boa alimentação com uma dieta balanceada deve-se lembrar que durante o período de transição ocorrem grandes mudanças no perfil hormonal, com o objetivo de facilitar o parto

38

e preparar o metabolismo animal para o início da lactação, quando ocorre, também, uma diminuição do consumo de alimentos, aumentando a necessidade de nutrientes para o feto e para a glândula mamária. Recomenda-se que seja removido o sódio e o potássio da dieta para evitar a hipocalcemia clínica ou subclínica e outros problemas associados, oferecer concentrados contendo formulados para o período de transição, como níveis adequados de energia, proteína, minerais (Selênio) e vitaminas (Vitamina E). Uma das desordens mais comuns em caso da má alimentação durante o período de transição é a hipocalcemia, causada por deficiência de cálcio nos bovinos, podendo também estar associada ao aumento significativo da demanda deste mineral ou à incapacidade do animal em manter os níveis de cálcio no organismo, acarretando incoordenação, paresia e decúbito desses animais. Quando a hipocalcemia é diagnosticada corretamente a maioria das vacas afetadas recupera-se rapidamente após receber apenas uma injeção de sais minerais de cálcio. Quando não respondem ao tratamento, podem ocorrer complicações. Assim, as vacas permanecem deitadas, apresentando quadro clinico conhecido como “síndrome da vaca deitada”. A partir das informações descritas, podemos concluir que para a prevenção de algumas doenças deve-se manejar de forma racional uma propriedade leiteira, com especial atenção para aquelas de alta produção. Isto se refere, sobretudo, ao manejo nutricional no pré-parto e também no pós-parto, desta forma reduzindo a ocorrência de outros distúrbios a ela associados, além de outras enfermidades comuns neste período.


39


Os Polivalentes da Raça Girolando: 5/8 E PS

A

raça Girolando vem, com os passar dos anos, tendo aumento significativo dos animais que a compõem, em todas as regiões do Brasil, mostrando sua polivalência e sua grande capacidade de produzir leite em diferentes sistemas de manejo. Para que os resultados sejam cada vez mais satisfatórios é preciso criar e selecionar animais de boa conformação e com boa qualidade genética. Estes devem ser criados em condições adequadas de manejo, com nutrição adequada, para que possam expressar todo o seu potencial. Diante da valorização e da importância dos animais Girolando para a pecuária leiteira, especialmente do 5/8 e do PS, nos últimos anos algumas tecnologias como a Fertilização In Vitro (FIV) e a Transferência de Embrião (TE) passaram a ser mais utilizadas pelos criadores, visando multiplicação acelerada dos animais de superioridade genética. Com a realização de cruzamentos e acasalamentos orientados, além da utilização dessas tecnologias, de touros provados e matrizes de alto valor genético, estão sendo produzidos animais com muita consistência genética, que contribuirão com a evolução dos rebanhos leiteiros. O Girolando é formado, inicialmente, através do cruzamento das raças Gir e Holandesa, sendo o objetivo final a produção do Puro Sintético (PS), a raça Girolando propriamente dita, fixada na composição racial de 5/8 Holandês + 3/8 Gir. Podemos dizer que o 5/8 e o PS são muito versáteis e possibilitam ao criador realizar diversos cruzamentos e acasalmentos, cujos resultados são extremamente favoráveis e estão em alta com o produtor de leite brasileiro. Os animais produzidos a partir da utilização de touros e matrizes 5/8 e PS possuem um fenótipo que, de maneira geral, agrada bastante ao produtor, além de possuir uma resposta muito positiva com relação à produção de leite, longevidade, fertilidade e precocidade. Uma de nossas grandes alegrias são os resultados obtidos através de alguns cruzamentos que estão sendo cada vez mais praticados, principalmente em regiões onde tradicionalmente se produzem leite através de raças europeias especializadas, a exemplo de alguns Estados como Paraná e São Paulo, além do sul de Minas Gerais. Nestas regiões o touro 5/8 está sendo muito utilizado no acasalamento com vacas 7/8, produzindo animais 3/4 de grande qualidade, capazes de se adptarem muito bem aos diferentes sistemas de manejo existentes, com produção de leite extremamente satisfatória. Além deste cruzamento, outro que podemos citar é o referente à formação do Girolando PS, entre touros e matrizes 5/8. Os animais PS, além de possuírem grande capacidade de produção, também se adaptam muito bem em diferentes ambientes e têm características muito importantes para os rebanhos, como a resistência a endo e ectoparasitas. Podemos dizer que, no geral, os animais provenientes dos cruzamentos citados, dentre vários outros cruzamentos, possuem características que são de interesse de qualquer produtor de leite, sendo a produção, a fertilidade, a precocidade e a longevidade, as de maior valor econômico. Não podemos deixar de lembrar que o teste de progênie de touros e o controle leiteiro de matrizes, provas zootécnicas in-

40

Zootecnista José Renes da Silva

Técnico da Girolando

Progênie PS, filhas de touros 5/8 em vacas 5/8

Fêmea 3/4, filha de touro 5/8 em vaca 7/8

Touro PS

tegrantes do Programa de Melhoramento Genético da Raça Girolando (PMGG), conduzido pela Associação dos Criadores de Girolando em parceria com a Embrapa Gado de Leite, contribuem muito para que os resultados obtidos pelos rebanhos sejam cada vez maiores, pois todos os dados de produção dos animais, bem como os valores genéticos, são disponibilizados aos produtores através do PMGG, considerado a principal fonte de informações de seleção para o criador. Por estas e outras características podemos dizer que o Girolando 5/8 e o PS são polivalentes, capazes de proporcionar ao produtor de leite um leque de opções que contribuem significativamente para a melhoria da rentabilidade de sua propriedade leiteira.


Um brinde à genética melhoradora e à alta produtividade!

150 250 A

Animais a preço fixo das raças Gir Leiteiro, Girolando e Holandês.

E mais: Aspirações das melhores Doadoras HPB do Brasil!

a 26 JUNHO 03JULHO d u r a n t e

a

MEGA LEITE 2011 Uberaba/MG

Realização:

GIROLANDO MAUÁ COND. JOÃO MAGALHÃES E FILHOS

Leiloeira:

Patrocínio:

41


42


43


Informe Publicitário

Mercado aquecido O

realizadas, em pesagem oficial do Serviço de Controle Leiteiro da Girolando. Bárbara atingiu a marca de 22.914 quilos de leite em 365 dias de lactação, batendo o recorde nacional de produção de leite do Controle Leiteiro. Além de recordista de produção no Controle Leiteiro, ela também detém o recorde do Torneio Leiteiro Nacional de Girolando. Durante a MEGALEITE do ano passado, Bárbara sagrouse grande campeã, com produção média de 80,270 quilos de leite. A propriedade tem outras matrizes campeãs. Logo no ano em que iniciou a seleção de Girolando, o criador Geraldo Marques conquistou o grande campeonato da categoria Novilha do Torneiro Leiteiro da MEGALEITE de 2007, com a matriz Labareda HPJ. Em 2008, a fazenda levou novamente um título na feira, com a fêmea 1/2 sangue Darlene Benfeitor SPA, na categoria Vaca Geral. No ano seguinte foi a vez de Beatriz December GAM, filha da campeã Darlene, conquistar o título de Reservada Melhor Fêmea Jovem 3/4 na pista da MEGALEITE. Em 2010, a fazenda venceu com Labareda HPJ o grande campeonato 1/2 sangue. Outras campeãs de Torneio Leiteiro que fazem parte do plantel são: Germina XIS, atual recordista nacional 3/4 na categoria Novilha, e Fã Mergulão, atual recordista nacional 1/2 na categoria Novilha “As feiras são uma excelente vitrine para o trabalho de seleção do nosso rebanho. O mercado vem mostrando que agora é a vez da raça Girolando”, garante o criador. Fotos: Ronaldo Luiz

segmento de genética leiteira vem mantendo a tendência de crescimento dos últimos anos. Os leilões têm apresentado boas médias, inclusive com quebra de recorde de preços. Nas pistas das exposições, é cada vez maior o número de animais participantes, o que indica a entrada de novos criadores na seleção de genética da raça Girolando. O pecuarista Geraldo Antônio de Oliveira Marques vem investindo na raça desde 2007, quando decidiu voltar à pecuária leiteira. Na Estância Bom Retiro, no município mineiro de São Sebastião do Rio Verde, ele seleciona animais 1/2 sangue e 3/4 sangue. A escolha por estes graus de sangue levou em conta até mesmo as condições climáticas da região onde a fazenda está localizada. O município localiza-se em uma área (Sul de Minas) de temperaturas mais elevadas no verão e clima mais frio no inverno. “O fato de a raça ser ideal para regiões tropicais foi um dos fatores determinantes para iniciarmos a seleção. Os animais tiveram boa adaptação na região. Basta ver a produção média diária de mais de 30 quilos de leite”, conta o produtor. O bom desempenho das fêmeas da Estância Bom Retiro vem sendo comprovado também no Serviço de Controle Leiteiro Oficial da Girolando. A matriz Bárbara Teatro Pedra (1/2 Hol + 1/2 Gir) é a mais nova recordista da prova zootécnica. No dia 26 de abril deste ano ela produziu 60 quilos de leite durante as três ordenhas

Equipe da Estância Bom Retiro comemora conquistas na MEGALEITE

44


45


Semana do Produtor Rural O exemplo da Fazenda Boa Fé, na forma de gerir as pessoas que trabalham na propriedade rural, foi apresentado durante a II Semana do Produtor Rural, ocorrida entre os dias 11 e 16 de abril, em Uberaba (MG). O vice-presidente da Girolando e diretor do Grupo Ma Shou Tao, Jonadan Ma, ministrou a palestra “Prática de Gestão de Pessoas na Pecuária de Leite”, em 13 de abril. Ele abordou aspectos importantes da gestão de pessoas na propriedade rural, a fim de evitar problemas como escassez de mão de obra, desmotivação, baixa qualificação e alta rotatividade dos profissionais. A II Semana do Produtor Rural foi uma realização da Fazu (Faculdades Associadas de Uberaba) e do Sindicato dos Produtores Rurais de Uberaba.

Caso raro de trigêmeos Uma fêmea da raça Girolando, pertencente ao rebanho do Instituto Federal do Triangulo Mineiro, acaba de parir trigêmeos. A vaca REVOLTOSA DO CEFET, cujo grau de sangue é 3/4 Hol + 1/4 Gir, foi inseminada com sêmen de um touro que participa do Teste de Progênie da Associação Brasileira dos Criadores de Girolando. O parto aconteceu no dia 5 de maio, na fazenda do Instituto, em Uberaba (MG). De acordo com o técnico da Girolando, Bruno Viana, esse tipo de nascimento é raro. “Como a vaca já tem 11 anos, é ainda mais difícil ocorrer nascimento de trigêmeos”, garante. Os bezerrinhos recém-nascidos são todos machos e estão mamando normalmente, mostrando ótima saúde.

Porciúncula Criadores do Rio de Janeiro participaram no dia 27 de abril, de palestra sobre a raça Girolando. O evento aconteceu na sede da Secretaria Municipal de Agricultura de Porciúncula (RJ). O técnico da Associação Brasileira dos Criadores de Girolando, Lucas Lopes Facury, ministrou palestra sobre a raça. Já o técnico Wewerton Rodrigues, falou sobre o Teste de Progênie, programa que avalia touros com o intuito de detectar animais capazes de transmitir aos descendentes características que venham a melhorar a produção de leite, morfologia e características de manejo. Segundo Lucas Facury, vários criadores demonstraram interesse em participar do Teste de Progênie. A Associação tem realizado palestras técnicas em todo o país, para levar informações sobre a raça aos criadores de gado leiteiro. Nos últimos anos, o Girolando tem registrado crescimento significativo nas vendas de doses de sêmen, no número de animais registrados e nos valores de bovinos em leilões. Santa Luzia Nos dias 29 e 30 de abril, a Embral Leilões realizou em Passos (MG) o Leilão Girolando Noite de Gala e o 10º Grande Leilão Anual Girolando Fazenda Santa Luzia. E foi no tradicional remate comandado por José Coelho Vitor, Maurício Silveira Coelho e família, que a raça Girolando teve seu novo recorde mundial de valorização: R$292.800,00 – na venda por R$146.400,00 de 50% de Olinda Osmond Santa Luzia, uma Girolando 1/2 Sangue, comprada por Adolf Arno Edelhoff Filho, da Fazenda Natividade, em Rio das Flores (RJ). Os remates tiveram como médias: R$21.930,16 na venda de 28 animais no Leilão Girolando Noite de Gala – com destaque para as vacas, que atingiram R$36.080,00 de média – e R$7.488,44 para 301 animais vendidos no 10º Grande Leilão Anual Girolando Fazenda Santa Luzia.

46


47


Leandro de Carvalho Paiva Superintendente Técnico

Foto: Jadir Bison

Regulamento de Exposições Oficiais da Girolando Ranking 2011/2012

C

om o crescimento da raça Girolando em todo o Brasil, principalmente em relação ao aumento do número de animais certificados e do número de exposições homologadas e ranqueadas, cresce também a necessidade de evoluirmos tecnicamente, tanto nos eventos oficializados quanto nos serviços prestados no campo, pela Girolando. Dessa forma, com o intuito de sempre manter a constante evolução do gado Girolando e da Associação, o Conselho Deliberativo Técnico (CDT) vem realizando, ao longo dos anos, modificações no regulamento de exposições oficiais e em todos os outros regulamentos, códigos e normas que regulamentam e orientam sobre todos os serviços e atividades técnicas desenvolvidas pela Girolando.

48

Visando preparar os associados e técnicos para as modificações que ocorrerão no julgamento de pista e participação de animais em eventos oficiais, estamos divulgando o regulamento de Exposições Oficiais da Girolando, válido para o Ranking 2011/2012, que terá início após a MEGALEITE 2011. O regulamento poderá ser obtido através do site da Associação ou junto ao Departamento de Julgamento da Raça Girolando. Além do Regulamento de Exposições Oficiais, poderão também ser obtidos a Norma Regulamentadora de Eventos e o Código de Ética do Expositor, indispensáveis para a oficialização dos eventos. Veja, a seguir, o novo regulamento de exposições oficiais, Ranking 2011/2012.


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS CRIADORES DE GIROLANDO REGULAMENTO DE EXPOSIÇÕES OFICIALIZADAS VERSÃO 2011/2012 – 10º ANO DO RANKING CAPÍTULO I DA EXPOSIÇÃO E SEUS FINS ART. 1° - As exposições de gado Girolando terão por finalidade: A) Verificar, pela apresentação de espécimes e produtos, os índices de desenvolvimento da pecuária nacional, comparando-os entre si, a fim de aquilatar o seu progresso e submetê-lo à apreciação do público. B) Proporcionar maior aproximação entre selecionadores, criadores e produtores rurais, para troca de informações e possibilitar oportunidades de negócios de compra e venda. C)

Pelo espírito de competição, motivar os selecionadores e produtores a aprimorarem a qualidade dos seus produtos.

D) Orientar criadores, técnicos e estudantes de escolas superiores de Agronomia, Veterinária e Zootecnia, nas práticas de julgamento de animais e outras atividades próprias desse certame. E)

Despertar vocação para a empresa rural.

F)

Facultar ao comércio e à indústria a exposição e demonstração de produtos e equipamentos destinados à agropecuária.

G)

Demonstrar os possíveis acasalamentos para formação da raça sintética Girolando (Puro Sintético - PS).

H)

Evidenciar, através dos animais expostos e do torneio leiteiro, o potencial de produção leiteira do Girolando.

I)

Fomentar a criação da raça Girolando.

ART. 2º - O presente regulamento tem por finalidade precípua a padronização dos critérios de avaliação de gado Girolando submetido a julgamento, tornando uniforme a regulamentação para todos os eventos oficializados pela Associação Brasileira dos Criadores de Girolando. Através da adoção deste, serão estabelecidos padrões para o ranking nacional da raça, 10º ano do ranking versão 2011/2012, iniciando-se em 04 de julho de 2011 e encerrando-se no último dia de julgamento da MEGALEITE 2012. CAPÍTULO II DAS INSCRIÇÕES ART. 3º - As inscrições ficarão sob a responsabilidade da comissão organizadora do evento, feitas através de formulários próprios e devidamente preenchidos, verificando sempre o certificado de controle de genealogia e registro genealógico. § PRIMEIRO - Acompanharão a ficha de inscrição, fotocópia do certificado de controle ou registro de nascimento, ou definitivo, que deverá estar em nome do expositor, e o RIL – Relatório Individual de Lactação, quando for o caso, para comprovação do controle leiteiro. CAPÍTULO III DO RECEBIMENTO DOS ANIMAIS ART. 4º - A entidade promotora do evento também se encarregará de receber os animais participantes, formando as comissões que forem necessárias para assegurar o bom andamento dos trabalhos de julgamento e enquadramento dos animais neste regulamento. ART. 5º - Os animais com idade acima de 24 (vinte e quatro) meses somente serão admitidos no recinto da exposição se tiverem o Controle de Genealogia Definitivo, para animais da categoria CCG (Cruzamento Sob Controle de Genealogia) ou Registro Genealógico Definitivo, para animais da categoria PS (Puro Sintético). § PRIMEIRO - No julgamento e para contagem de pontos, cada expositor poderá concorrer com até 12 (doze) animais. § SEGUNDO - Fêmeas com idade superior a 36 meses só poderão participar do julgamento de pista se tiverem, comprovadamente, no mínimo

49


01 (um) parto. § TERCEIRO - Será exigido atestado de prenhez para fêmeas secas acima de 24 meses. § QUARTO - Será exigido exame andrológico para machos acima de 18 (dezoito) meses. § QUINTO - Fêmeas paridas com menos de 24 meses de idade passarão, automaticamente, a concorrer no Campeonato Novilha Júnior (de 24 a 30 meses). § SEXTO - Para que a exposição seja ranqueada, é obrigatório que todas as fêmeas tenham genealogia conhecida (Livro Fechado), comprovada através do Certificado de Controle ou de Registro, emitido pela Girolando. ART. 6º - Todos os animais inscritos, ao darem entrada no recinto deverão ser inspecionados por uma comissão de admissão, nomeada exclusivamente para este fim, com o intuito de averiguar e conferir os dados fornecidos pelo expositor dos animais apresentados, bem como proceder a vistoria técnica dos animais que participarão do julgamento. CAPÍTULO IV DAS DIVISÕES ART. 7º - Os animais participantes da exposição deverão pertencer às categorias de Cruzamento sob Controle de Genealogia (CCG) ou Puro Sintético (PS) da raça Girolando, conforme o regulamento do Serviço de Registro Genealógico da Raça Girolando (SRGRG). Os animais serão divididos nas seguintes classes e campeonatos: 01. CLASSES: A) GIROLANDO - (1/2HOL + 1/2GIR); B) GIROLANDO - (3/4HOL + 1/4GIR); C) GIROLANDO - (5/8HOL + 3/8GIR) e PS (Puro Sintético). 02. CAMPEONATOS: Serão divididos, com base no sexo, grau de sangue e idade declarada no certificado de controle ou de registro, conforme tabela a seguir, de modo a estabelecer critérios para comparação nos julgamentos, constantes deste regulamento.

ART. 8º - Será considerada como data base para cálculo da idade dos animais o primeiro dia de julgamento. PARÁGRAFO ÚNICO - Fica excluída de julgamento toda fêmea que tiver idade de 06 (seis) meses menos um dia e todo macho que tiver idade de 10 (dez) meses menos um dia, ou idade superior aos limites máximos estipulados pelo presente regulamento.

50


ART. 9º - Os machos, aprovados pela comissão de admissão, somente serão submetidos a julgamento, nos diversos campeonatos, observados os limites mínimos de peso, constantes na tabela de pesos mínimos inserida neste artigo, conforme abaixo.

ART. 10 - Para julgamento dos machos, independente da faixa etária, o expositor terá que apresentar o RIL – Relatório Individual de Lactação das progenitoras (mães), emitido pelo Serviço de Controle Leiteiro da Girolando ou por associações vinculadas ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). § PRIMEIRO – As lactações deverão estar validadas, com no mínimo 180 dias de duração, encerradas ou em andamento, conforme previsto no Regulamento do Serviço de Controle Leiteiro. § SEGUNDO – As mães com grau de sangue 1/4 Hol + 3/4 Gir deverão ter sua produção leiteira com o mínimo de 2.500kg (em até 305 dias). As mães 1/2 Hol + 1/2 Gir, 5/8 Hol + 3/8 Gir, Puro Sintético, 3/4 Hol + 1/4 Gir ou 7/8 Hol + 1/8 Gir, deverão ter sua produção leiteira com o mínimo de 3.750kg, também em até 305 dias. § TERCEIRO – Somente participam do julgamento machos com grau de sangue 3/4 Hol + 1/4 Gir, 5/8 Hol + 3/8 Gir ou Puro Sintético (PS). § QUARTO - Não participarão do julgamento de pista os machos filhos de reprodutores com prova negativa para produção de leite nos respectivos sumários nacionais das associações de raças ou dos países de origem, devendo sempre ser consultados os últimos resultados divulgados. Filhos de touros em fase de teste ou sem avaliação genética poderão participar do julgamento. CAPÍTULO V DA DEFESA SANITÁRIA ANIMAL ART. 11 - Nenhum animal poderá dar entrada no recinto da exposição se não vier acompanhado do atestado ou certificado mencionado nas letras A e B deste artigo, emitido por médico veterinário credenciado, de conformidade com as exigências, em vigor, do MAPA. A) ATESTADOS OU CERTIFICADOS 1) Prova de Tuberculose negativa, realizada no prazo máximo de 60 (sessenta) dias anteriores à admissão devida dos animais, para machos e fêmeas com idade a partir de 06 (seis) semanas. 2) Apresentação da GTA – Certificado de vacinação dos bovinos contra a Febre Aftosa, com vacina trivalente (OAC), na origem, entre 07 (sete) e 90 (noventa) dias da entrada dos animais no recinto. 3) Apresentação de atestado de exame negativo de soro-aglutinação, rápida ou lenta – exame de brucelose, realizado, no máximo, até 60 (sessenta) dias antes da entrada dos animais no recinto, tanto para machos quanto para fêmeas. 3.1) Para as fêmeas vacinadas entre 03 (três) e 08 (oito) meses de vida, e cuja idade esteja entre 09 (nove) e 24 (vinte e quatro) meses, o atestado de exame negativo poderá ser substituído pelo certificado de vacinação contra a brucelose. 3.2) Todas as fêmeas com idade de 03 (três) a 08 (oito) meses deverão estar acompanhadas, obrigatoriamente, do certificado de vacinação contra a brucelose (Portaria IMA nº 243/97). B) 1)

GERAL Não será permitida a entrada, no recinto, de animais que apresentarem sinais clínicos de doenças infecto-contagiosas e/ou parasitas externos.

51


2) Os animais destinados à exposição, feira e leilões, passarão, obrigatoriamente, na entrada do recinto, por pedilúvio e desinfecção, conforme normatização do órgão estadual responsável pela fiscalização sanitária animal. 3) Os casos omissos serão resolvidos pelas autoridades sanitárias competentes, em perfeito entrosamento com a comissão organizadora do evento. CAPÍTULO VI DO JULGAMENTO ART. 12 - A definição da modalidade de julgamento a ser adotada para a exposição de Girolando compete à comissão organizadora do evento, sempre obedecendo este regulamento e o regulamento do SRGRG. ART. 13 - A escolha e o convite ao(s) jurado(s) que atuará(ao) nos trabalhos de julgamento, serão feitos pela comissão organizadora do evento ou, quando solicitado, por indicação do Departamento de Julgamento da Raça Girolando (DJRG), sendo que o(s) mesmo(s) deverá(ão) ser obrigatoriamente jurado(s) efetivo(s) pertencente(s) ao DJRG e em dia com suas obrigações. § PRIMEIRO – Para que a exposição seja ranqueada não poderá ocorrer repetição do(s) jurado(s) de um ano para o outro, consecutivamente. § SEGUNDO – O julgamento poderá ser realizado por um jurado ou por uma comissão dupla ou tríplice de jurados, a critério da comissão organizadora do evento. § TERCEIRO – As exposições ranqueadas a partir do ranking 2011/2012, que tiverem no mínimo 300 animais julgados, o julgamento do mesmo evento no ano seguinte, automaticamente, deverá ser realizado por uma comissão tríplice de jurados efetivos do DJRG. § QUARTO – Quando o julgamento for realizado por uma comissão dupla ou tríplice, não poderá ocorrer, em nenhum momento, comunicação entre os jurados durante o julgamento dos animais, sendo que, em caso de empate, a decisão é do jurado com mais tempo de efetivação no DJRG. § QUINTO – No julgamento por comissão dupla ou tríplice de jurados, os comentários técnicos serão realizados de forma rotativa ou pelo jurado que mais se aproximar do resultado do campeonato. § SEXTO – A comissão dupla ou tríplice de jurados será indicada pela Coordenação do DJRG ou pela Superintendência Técnica da Girolando, de forma a garantir a rotatividade das comissões em eventos diferentes, dentro do mesmo ano do Ranking. ART. 14 - Nenhum jurado poderá julgar animais de sua criação e/ou propriedade. ART. 15 - Os julgamentos serão públicos, não sendo permitido aos assistentes e expositores permanecerem na pista de julgamento, sob qualquer pretexto, bem como lhes é absolutamente vetado perturbar o andamento dos trabalhos. ART. 16 - O jurado tomará em consideração as indicações da ficha de julgamento, sendo-lhe facultada a comprovação dos dados nela contidos. ART. 17 - O jurado não poderá criar outros campeonatos, nem dividir os estabelecidos neste regulamento. ART. 18 - Após o julgamento de cada campeonato serão feitos comentários técnicos, relativos à classificação, com terminologia zootécnica adequada, através de alto falante, com microfone instalado na pista. Dos oito animais classificados, comentar-se-ão somente sobre os cinco primeiros colocados de cada campeonato. PARÁGRAFO ÚNICO – O VEREDICTUM do jurado é inapelável. ART. 19 - O desacato ao(s) jurado(s) ou às autoridades da exposição, por parte do expositor, seu preposto ou empregado, implicará na retirada imediata dos animais de sua propriedade, sem prejuízo de outras medidas que sejam julgadas necessárias pela comissão organizadora.

CAPÍTULO VII DA PREMIAÇÃO

ART. 20 - Em cada campeonato haverá um(a) campeão(ã), um(a) reservado(a) campeão(ã) e terceiro ao oitavo prêmio, a critério do(s) jurado(s). ART. 21 - Os animais classificados em 1° e 2° lugares, nos campeonatos, receberão, respectivamente, os títulos de Campeã(o) e Reservada(o) Campeã(o).

52


ART. 22 - O título de Melhor Fêmea Jovem será disputado pelas campeãs Bezerra Mirim, Bezerra Júnior, Bezerra Sênior, Bezerra Intermediária e Novilha Mirim. PARÁGRAFO ÚNICO – Para a disputa do título referido neste artigo há a necessidade de pelo menos dois animais campeões em pista. ART. 23 - Os títulos de Reservada Melhor Fêmea Jovem e Terceira Melhor Fêmea Jovem serão disputados pelas campeãs que não obtiveram o título anterior e a reservada campeã do campeonato de onde saiu a Melhor Fêmea Jovem. No caso em que a Melhor Fêmea Jovem e a Reservada Melhor Fêmea Jovem saírem do mesmo campeonato, participará também da disputa ao título de 3ª Melhor Fêmea Jovem a terceira melhor colocada do campeonato que deu origem à Melhor Fêmea Jovem e à Reservada Melhor Fêmea Jovem. ART. 24 - Concorrerão ao título de Melhor Vaca Jovem as fêmeas que se sagraram campeãs: Novilha Júnior, Novilha Sênior, Vaca 3 anos Júnior e Vaca 3 anos Sênior. PARÁGRAFO ÚNICO – Para a disputa do título referido neste artigo há a necessidade de pelo menos dois animais campeões em pista. ART. 25 - O título de Reservada Melhor Vaca Jovem será disputado pelas campeãs que não obtiveram o título anterior (Art. 24) e pela reservada campeã do campeonato de onde saiu a Melhor Vaca Jovem. ART. 26 - O título de 3ª Melhor Vaca Jovem será disputado pelas campeãs restantes que não obtiveram os títulos anteriores (Art. 24 e 25), pelas reservadas campeãs dos campeonatos que deram origem à Melhor Vaca Jovem e Reservada Melhor Vaca Jovem e pela terceira colocada, quando a Melhor Vaca Jovem e Reservada Melhor Vaca Jovem saírem do mesmo campeonato. ART. 27 - O título de Melhor Macho Jovem será disputado pelos campeões dos campeonatos Bezerro Mirim e Bezerro Júnior. § PRIMEIRO – Para a disputa do título referido neste artigo há a necessidade de pelo menos dois animais campeões em pista.

53


§ SEGUNDO – O campeão Bezerro Mirim ou campeão Bezerro Júnior que não obteve o título de Melhor Macho Jovem disputará o título de Reservado Melhor Macho Jovem, juntamente com o reservado campeão do campeonato de onde saiu o Melhor Macho Jovem. § TERCEIRO – O Melhor Macho Jovem e Reservado Melhor Macho Jovem não participam da disputa do Grande Campeonato de machos. ART. 28 - O título de Grande Campeão será disputado pelos campeões: Júnior Menor, Júnior Maior e Touro Jovem. PARÁGRAFO ÚNICO – Para a disputa do título referido neste artigo há a necessidade de pelo menos dois animais campeões em pista. ART. 29 - Concorrerão ao título de Grande Campeã as fêmeas que se sagraram campeãs nos seguintes campeonatos: Melhor Vaca Jovem, Vaca 4 Anos, Vaca 5 Anos, Vaca Adulta e Vaca Vitalícia. PARÁGRAFO ÚNICO – Para a disputa do título referido neste artigo há a necessidade de pelo menos dois animais campeões em pista. ART. 30 - Os títulos de Reservada(o) Grande Campeã(o) serão disputados pelas(os) campeãs(ões) que não obtiveram os títulos anteriores (Art. 28 e 29) e pela(o) reservada(o) campeã(o) do campeonato de onde saiu a(o) Grande Campeã(o). ART. 31 - O título de 3ª Melhor Vaca será disputado pelas campeãs restantes que não obtiveram os títulos anteriores (Art. 29 e 30), pelas reservadas campeãs dos campeonatos que deram origem à Grande Campeã e Reservada Grande Campeã e pela terceira colocada, quando a Grande Campeã e Reservada Grande Campeã saírem do mesmo campeonato. ART. 32 - No julgamento de Melhor Úbere haverá um 1º, um 2º e um 3º prêmio, nomeados de Melhor Úbere, 2º Melhor Úbere e 3º Melhor Úbere, respectivamente, que serão exclusivos para vacas em lactação, separadas por grau de sangue, e em dois campeonatos: Melhor Úbere Jovem: concorrerão os melhores úberes das fêmeas com até 48 meses de idade, eleitos pelo(s) jurado(s), e Melhor Úbere Adulto: concorrerão os melhores úberes das fêmeas acima de 48 meses de idade, eleitos pelo(s) jurado(s). Poderá ser procedida a ordenha dos animais em pista, para avaliação do úbere vazio, a critério do(s) jurado(s). ART. 33 - Para a disputa do Campeonato Vaca Vitalícia, além da idade acima de 96 meses, as vacas terão que ter no mínimo duas lactações oficiais encerradas e válidas e, no mínimo, dois produtos (filhos ou filhas) com genealogia conhecida (controlados). Tais documentos deverão ser apresentados juntamente com a inscrição do animal ou conferidos no Serviço de Controle Leiteiro e no Serviço de Registro Genealógico da Raça Girolando (SRGRG). ART. 34 - Para a disputa de PROGÊNIE DE PAI deverão ser observadas as seguintes normas: A) Conjunto de progênie constituído de 03 (três) animais, no mínimo, permitindo-se 01(um) macho. B) Filhos do mesmo reprodutor e de propriedade do mesmo expositor, comprovados através do Certificado de Controle ou de Registro. C) O julgamento será feito por grau de sangue da progênie. D) Não podem fazer parte do mesmo conjunto de pai, irmãos próprios. E) Os animais, para comporem os conjuntos de progênies, deverão obrigatoriamente passar pela pista de julgamento em seus respectivos campeonatos, não tendo necessidade de serem premiados nos mesmos. F) O expositor não poderá dividir os animais filhos do mesmo reprodutor em dois ou mais conjuntos. Exemplo: 06 (seis) produtos do mesmo grau de sangue, filhos de um único touro, não podem ser divididos em dois conjuntos de 03 (três) animais. Somente pode participar um único conjunto com, no mínimo, 03 (três) animais. ART. 35 - Para a disputa de PROGÊNIE DE MÃE deverão ser observadas as seguintes normas: A) Conjunto de progênie constituído de 02 (dois) animais, no mínimo, permitindo-se 01(um) macho. B) Os animais do conjunto devem ser de propriedade do mesmo expositor, filhos de uma mesma matriz, comprovados através do Certificado de Controle ou de Registro. C) O julgamento será feito por grau de sangue da progênie. D) Não podem fazer parte do mesmo conjunto de mãe, irmãos próprios. E) Os animais, para comporem os conjuntos de progênies, deverão obrigatoriamente passar pela pista de julgamento em seus respectivos campeonatos, não tendo necessidade de serem premiados nos mesmos. F) O expositor não poderá dividir os animais filhos da mesma matriz em dois ou mais conjuntos. Exemplo: 04 (quatro) produtos do mesmo grau de sangue, filhos de uma única matriz, não podem ser divididos em dois conjuntos de 02 (dois) animais. Somente pode participar um único conjunto com, no mínimo, 02 (dois) animais. § PRIMEIRO – A partir do ranking 2011/2012 os conjuntos participantes dos campeonatos de Progênie de Pai e Progênie de Mãe serão premiados do 1º ao 8º prêmio, recebendo os títulos de Melhor Progênie, 2ª Melhor Progênie, 3ª Melhor Progênie e assim sucessivamente, até o 8º conjunto premiado. Os comentários técnicos do(s) jurado(s) serão direcionados da Melhor Progênie à 5ª Melhor Progênie.

54


§ SEGUNDO – Os conjuntos premiados nos campeonatos de Progênie de Pai e Progênie de Mãe receberão pontuações conforme a tabela de pontos para julgamento deste regulamento. CAPÍTULO VIII DA CONTAGEM DE PONTOS ART. 36 - Objetivando determinar o Melhor Expositor e o Melhor Criador de cada grau de sangue e o Melhor Criador/Expositor Geral, será feita a contagem de pontos de acordo com a tabela apresentada abaixo, sendo estes valores multiplicados pelo fator proporcional ao número de animais julgados por grau de sangue, separadamente. Exemplo: A) Nº de pontos obtidos pelo expositor no grau ½ sangue = 100 pontos. B) Nº de fêmeas ½ sangue julgadas = 50 = peso (fator) 0,5. C) Total de pontos no grau ½ sangue = 100 x 0,5 = 50 pontos. D) Nº de pontos obtidos pelo expositor no grau 3/4 sangue = 100 pontos. E) Nº de machos e fêmeas 3/4 julgadas = 20 = peso (fator) 0,2. F) Total de pontos no grau 3/4 sangue = 100 x 0,2 = 20 pontos. G) Nº de pontos obtidos pelo expositor no grau 5/8 sangue = 100 pontos. H) Nº de machos e fêmeas 5/8 julgadas = 100 = peso (fator) 1,0. I) Total de pontos no grau 5/8 sangue = 100 x 1 = 100 pontos. J) Total de pontos para Melhor Expositor Geral = 50 + 20 + 100 = 170 pontos.

§ PRIMEIRO - Para a contagem de pontos dos animais com composição racial 5/8 Hol + 3/8 Gir e Puro Sintético (PS) será atribuído um bônus de 15% (quinze por cento) por premiação obtida. § SEGUNDO - Serão declarados “Melhor Criador, 2º Melhor Criador e 3º Melhor Criador” aqueles que alcançarem, respectivamente, a maior somatória de pontos, por grau de sangue separadamente, com os animais de sua criação. A criação do animal será devidamente comprovada através do Certificado de Controle de Genealogia ou Registro Genealógico, com origem conhecida. § TERCEIRO - Serão declarados “Melhor Expositor, 2º Melhor Expositor e 3º Melhor Expositor” aqueles que alcançarem, respectivamente, a maior somatória de pontos, por grau de sangue separadamente, com os animais de sua propriedade. A propriedade do animal será devidamente comprovada através do Certificado de Controle de Genealogia ou Registro Genealógico. § QUARTO - Será declarado “Melhor Criador / Expositor” aquele expositor que alcançar a maior somatória de pontos, em todos os graus de sangue, com os animais de sua criação, e que obrigatoriamente sejam de sua propriedade, comprovada através do Certificado de Controle de

55


Genealogia ou Registro Genealógico. § QUINTO - Gozarão de um bônus de 15% (quinze por cento) em sua pontuação, os animais submetidos ao Controle Leiteiro Oficial, com lactação válida de no mínimo 180 dias de duração, encerrada ou em andamento, dele próprio ou de sua mãe, comprovada através da apresentação do RIL - Relatório Individual de Lactação, no ato da inscrição, juntamente com os outros documentos. § SEXTO - Os animais pertencentes aos conjuntos premiados nos campeonatos de Progênie de Pai e Progênie de Mãe, e que são filhos(as) de touros 5/8 Hol + 3/8 Gir ou Puro Sintético (PS), gozarão de mais um bônus de 15% (quinze por cento) em sua pontuação. CAPÍTULO IX DAS DISPOSIÇÕES GERAIS ART. 37 - Serão considerados expositores, e receberão credenciamento, aquelas pessoas ou entidades que tiverem animais expostos ou estandes estabelecidos. ART. 38 - Para distribuição aos expositores e visitantes, serão impressos catálogos dos animais inscritos e dos resultados dos julgamentos. ART. 39 - São deveres e obrigações dos tratadores e apresentadores dos animais: A) Apresentarem-se bem trajados, com coletes da Girolando ou da organização da exposição; B) Cuidar e zelar pela limpeza dos pavilhões e locais onde os animais estiverem expostos; C) Receber o volumoso e cama, nos locais e horários determinados pela organização da exposição; D) Conduzir os animais aos locais de inspeção, julgamento e desfile. PARÁGRAFO ÚNICO - Serão premiados os melhores tratadores / apresentadores, o pavilhão mais limpo e organizado, escolhidos por uma comissão designada pelos organizadores do evento. ART. 40 - Conforme decisão da Diretoria Executiva passou a vigorar para todas as Exposições Oficializadas de Gado Girolando, a partir da versão 2010/2011, 9º Ano do Ranking Girolando, o Código de Ética do Expositor, elaborado pelo Conselho Deliberativo Técnico (CDT), que está disponível no site da Girolando (www.girolando.com.br) ou no Departamento de Julgamento da Raça Girolando (DJRG), devendo ser aplicado em todos os eventos oficializados pela Girolando, por suas respectivas comissões organizadoras. ART. 41 - Todas as pessoas presentes no recinto da exposição ficam sujeitas a este regulamento, qualquer que seja sua qualidade ou função, sendo que qualquer transgressão às suas determinações sujeita o infrator às penalidades determinadas pela comissão organizadora. ART. 42 - A partir do Ranking 2011/2012, que terá início após a MEGALEITE 2011, todos os animais, para participarem de exposições ranqueadas, deverão possuir genealogia conhecida, ou seja, ser de Livro Fechado. § PRIMEIRO - No que se refere este artigo, as exposições homologadas pela Girolando, que não contam pontuação para o Ranking, devem obedecer aos critérios estabelecidos pela Norma Regulamentadora de Eventos, disponível no site da Girolando (www.girolando.com.br) ou no DJRG. § SEGUNDO - Toda exposição oficializada pela Girolando, ranqueada ou homologada, deverá seguir também a Norma Regulamentadora de Eventos da Girolando, bem como todos os regulamentos que dizem respeito ao julgamento, provas zootécnicas e registro genealógico de animais Girolando. ART. 43 - Os casos omissos neste regulamento serão resolvidos pela comissão organizadora do evento, obedecendo aos princípios do Serviço de Registro Genealógico da Raça Girolando (SRGRG). ART. 44 - O DJRG, a Superintendência Técnica do SRGRG e o Conselho Deliberativo Técnico (CDT) poderão julgar e tomar decisões sobre assuntos não previstos neste regulamento. ART. 45 - Todas as alterações deste regulamento foram aprovadas pelo Conselho Deliberativo Técnico (CDT), sendo atualizado pela Superintendência Técnica da Girolando em 25 de abril de 2011, que passa a vigorar a partir do 10º Ano do Ranking (2011/2012), após a MEGALEITE 2011.

56


57


Expogrande 2011

movimenta o Centro-Oeste

Categoria Vaca 1/4 – Faisca São Marcos, produção total de 103,460kg, de propriedade do criador Rubens Belchior da Cunha, de São Gabriel D’Oeste/MS. 3/8 – Estrela da Andorinha, produção total de 90,600kg, de propriedade do Criador Hugo Belchior da Cunha, de São Gabriel D’Oeste/MS. 1/2 – Morona GPL, produção total de 126,700kg, do expositor GPL - Grupo de Produtores de Leite, tendo como criador Vaudionor Vilela de Oliveira Rosa. 5/8 – Pity Locust FB/Escola de Bodoquena, produção total de 119,730kg, de propriedade da Fundação Bradesco,de Miranda/ MS. 3/4 – Ganhadora Convincer do Fazendão, produção total de 134,245kg, de propriedade do criador Ronan Rinaldi de Souza Salgueiro, de Campo Grande/MS. Categoria Novilha 1/4 – Aporé Paritins AQS, produção total de 79,895kg, de propriedade do criador Denilson Lima de Souza, de Terenos/MS. 3/4 – Pluma Blitz DLS Pantanal, produção total de 98,095kg, de propriedade do criador Denilson Lima de Souza, de Terenos/MS.

58

Julgamentos O 9º Julgamento da Raça Girolando, de Campo Grande, ranqueado pela Associação Brasileira dos Criadores de Girolando, contou com 95 animais em pista. Os julgamentos ficaram a cargo da jurada Lilian Jacinto. Confira os campeões: Grande campeã 1/2: Aldeia Bicue Proprietário: Fernando Augusto Taveira Melhor Fêmea Jovem 1/2: Hortência Chopp São Marcos Proprietário: Rubens Belchior da Cunha Melhor Vaca Jovem 1/2: Beluga TE da Nogueira Proprietário: Thiago Nogueira Lemos Melhor Criador 1/2: Thiago Nogueira Lemos Melhor Expositor 1/2: Thiago Nogueira Lemos Grande Campeã 3/4: Ganhadora Convincer do Fazendão Proprietário: Ronan Rinaldi de Souza Salgueiro Grande Campeão 3/4: Sagitário Netuno São Marcos Proprietário: Rubens Belchior da Cunha Melhor Fêmea Jovem 3/4: Almofada 2504 Netuno QSM Proprietário: Agropecuária São Marcos Ltda. Melhor Vaca Jovem 3/4: Perdiz FB/Escola de Bodoquena Proprietário: Fundação Bradesco Melhor Criador 3/4: Rubens Belchior da Cunha Melhor Expositor 3/4: Rubens Belchior da Cunha Grande campeã 5/8: Cinderela Nossa Sra. do Carmo Proprietário: Aurora Trefzger Cinato Real Melhor Fêmea Jovem 5/8: Caiçara 2537 Impacto QSM Proprietário: Agropecuária São Marcos Ltda. Melhor Vaca Jovem 5/8: Aroeira da Rondinela Proprietária: Aurora Trefzger Cinato Real Melhor criador 5/8: Rubens Belchior da Cunha Melhor expositor 5/8: Ronan Rinaldi de Souza Salgueiro Melhor expositor/criador geral: Rubens Belchior da Cunha Núcleo dos Criadores de Girolando do MS

O

Mato Grosso do Sul sediou mais uma edição da Expogrande, reunindo criadores de Girolando da região para as disputas em pista e no torneiro leiteiro, além de um leilão. A feira, realizada de 14 a 24 de abril, no Parque de Exposições Laucídio Coelho, contou com mais de 150 animais Girolando, inscritos. A coordenação dos eventos da raça ficou a cargo do Núcleo dos Criadores de Girolando de Mato Grosso do Sul. Como parte do “Dia do Leite”, promovido pelo GPL (Grupo de Produtores de Leite) no dia 24, o presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Girolando, José Donato Dias Filho, ministrou palestra abordando todos os aspectos da raça Girolando e sua participação no contexto da pecuária leiteira nacional. O 4º Torneio Leiteiro MS registrou um número recorde de inscrições. Dezoito fêmeas de oito criatórios disputaram o título. Em 2010, o Torneio contou com nove animais de cinco criadores. Em três dias de disputa as vacas e novilhas 1/4, 3/8, 1/2, 3/4 e 5/8 Girolando produziram mais de 2.000 quilos de leite. A Campeã Geral do Torneio, com produção total de 134,245 quilos de leite e média de 44,748kg/dia, foi a Girolando 3/4, Ganhadora Convincer do Fazendão, de propriedade do criador Ronan Rinaldi de Souza Salgueiro, de Campo Grande/MS. Veja as campeãs de cada categoria e grau de sangue:


59


Expo Araxá:

número de inscritos cresce quase 50%

A

37ª Expo Araxá, realizada de 3 a 17 de abril, na cidade de Araxá (MG), registrou alta no número de animais inscritos da raça Girolando. Na pista do Parque de Exposições Agenor Lemos, 416 animais foram julgados, contra 280 em 2010. O crescimento foi de quase 50%. Os julgamentos ficaram a cargo dos jurados Limirio Cezar Bizinotto, Jesus Lopes Júnior e Fernando Boaventura.

Girolando 1/2 Melhor Fêmea Jovem 1/2: Chilena Sansão FIV Mauá Proprietário: Henrique Coelho Magalhães Melhor Vaca Jovem 1/2: Tissuname Espelho Java Proprietário: Paulo M.S.Gonçalves/Daniella M.da Silva Grande Campeã 1/2: Aeronáutica DF Proprietário: José Coelho Victor Melhor criador 1/2: Henrique Coelho Magalhães Melhor expositor 1/2: Henrique Coelho Magalhães Girolando 3/4 Melhor Fêmea Jovem 3/4: Tracia Spirte Santa Luzia Proprietário: José Coelho Victor Melhor Vaca Jovem 3/4: Imperatriz Toystory FIV Gama Proprietário: Tropical Genética Com. de Embriões Ltda. Grande Campeã 3/4: Praiana December Dona Beja Proprietário: Marcos Amaral Teixeira Melhor Macho Jovem 3/4: RBC Craque Proprietário: Roberto Antônio Pinto de Melo Carvalho Melhor criador 3/4: Delcio Vieira Tannus Melhor expositor 3/4: Delcio Vieira Tannus Girolando 5/8 Melhor Vaca Jovem 5/8: Fada Vilão Tannus Proprietário: Delcio Vieira Tannus Grande Campeã 5/8: Imagem Valinhos Proprietário: Daniel da Silva/Magnólia Martins Silva Melhor Macho Jovem 5/8: RBC Corante Proprietário: Roberto Antônio Pinto de Melo Carvalho

José Donato e Jaime Ávila (ARAP)

Grande Campeão 5/8: King Franck Dom Nato Proprietário: José Donato Dias Filho Melhor criador 5/8: José Donato Dias Filho Melhor expositor 5/8: José Donato Dias Filho Melhor criador/expositor geral: Delcio Vieira Tannus

60


61


ExpoGuará

divulga avanços genéticos da raça

A

segunda edição da ExpoGuará registrou crescimento de 13,8% no número de animais inscritos em relação ao ano passado. Passaram pela pista da feira 123 bovinos, que foram julgados pelo jurado André Junqueira. A ExpoGuará foi realizada de 12 a 14 de maio, no município de Guaratinguetá (SP). A Associação Brasileira dos Criadores de Girolando contou com um estande na feira para divulgar a raça e o programa de melhoramento genético, PMGG. Os visitantes tiveram a oportunidade de participar de palestras técnicas sobre a raça e sobre o PMGG. “Trata-se de uma feira de crescente pujança no Vale do Paraíba, que é uma tradicional bacia leiteira nacional”, explica o técnico do Escritório Técnico Regional (ETR-SP) da Girolando, Rafael Tavares Ribeiro. Melhor criador/expositor geral: Gerci Luiz Maduro Girolando 1/2 Melhor Fêmea Jovem 1/2: Carinhosa Sansão FIV Mauá Proprietário: Henrique Coelho Magalhães Melhor Vaca Jovem 1/2: Varjão Pitoca TE Proprietário: Gerci Luiz Maduro Grande Campeã 1/2: Riqueza HPJ Proprietário: Reginaldo Cafalloni da Rosa Melhor criador 1/2: Gerci Luiz Maduro Melhor expositor 1/2: Gerci Luiz Maduro Girolando 3/4 Melhor Fêmea Jovem 3/4: Esplêndida FIV Dundee JV Nóbrega Proprietário: Jandira Alves de Souza Melhor Vaca Jovem 3/4: Indiana Cafalloni Proprietário: Reginaldo Cafalloni da Rosa Grande Campeã 3/4: Edina TE do R. Grande Proprietário: Reginaldo Cafalloni da Rosa Melhor criador 3/4: Reginaldo Cafalloni da Rosa Melhor expositor 3/4: Reginaldo Cafalloni da Rosa Girolando 5/8 Melhor Fêmea Jovem 5/8: Londrina do Iaia Proprietário: Eugênio Deliberato Filho Melhor Vaca Jovem 5/8 e Grande Campeã: Elisabeth I Vilão Delib. Proprietário: Eugênio Deliberato Filho Melhor criador 5/8: Eugênio Deliberato Filho Melhor expositor 5/8: Eugênio Deliberato Filho

62


Barra Mansa

sedia 7ª Sul Fluminense

A

7ª Expo Girolando Sul Fluminense movimentou a cidade de Barra Mansa (RJ). A feira aconteceu de 4 a 9 de maio e contou com 248 animais inscritos para julgamento. O jurado Euclides Prata foi o responsável pela escolha dos campeões da exposição. Melhor criador/expositor geral: José Donato Dias Filho Girolando 1/2 Melhor Fêmea Jovem 1/2: Chilena Sansão FIV Mauá Proprietário: Henrique Coelho Magalhães Melhor Vaca Jovem 1/2: Atual Teatro Aliada FIV Proprietário: Agenor Afonso do Amaral Grande Campeã 1/2: Atual Teatro Aliada FIV Proprietário: Agenor Afonso do Amaral Melhor criador 1/2: Henrique Coelho Magalhães Melhor expositor 1/2: Heloisa Helena Junqueira dos Santos Girolando 3/4 Melhor Fêmea Jovem 3/4: Carmelo Rose Dolman Proprietário: Carlindo Meireles da Fonseca Melhor Vaca Jovem 3/4: Ambição LHL Santa Helena Proprietário: Luiz Paulo Levate Grande Campeã 3/4: Luana M Proprietário: João Batista Marinho de Mello Melhor Macho Jovem 3/4: Abel FIV Shottle de Naylo Proprietário: André Luís Gonçalves de Souza Melhor criador 3/4: Márcio Moraes Sampaio Melhor expositor 3/4: Márcio Moraes Sampaio Girolando 5/8 Melhor Fêmea Jovem 5/8: Kabi Frank Dom Nato Proprietário: José Donato Dias Filho Melhor Vaca Jovem 5/8 e Gde. Campeã: Teresa Lemmer Sertão Proprietário: Nazareth Dias Pereira Melhor Macho Jovem 5/8: Danilo Babitonga Proprietário: Otto de Souza Marques Júnior Grande Campeão 5/8: King Frank Dom Nato Proprietário: José Donato Dias Filho Melhor criador 5/8: Nazareth Dias Pereira Melhor expositor 5/8: José Donato Dias Filho

63


64


65


Estreia nas pistas de

Goiás

A

66ª Exposição Agropecuária de Goiás, realizada de 13 a 29 de maio, em Goiânia (GO), movimentou cerca de R$ 70 milhões, dos quais R$ 15 milhões oriundos dos 18 leilões realizados no Parque Agropecuário de Goiânia. Segundo Ricardo Yano, presidente da Sociedade Goiana de Pecuária e Agricultura (SGPA), a Expo-Goiás reuniu o que há de melhor em termos de genética bovina. Mais de cinco mil animais estiveram expostos, entre bovinos, equinos, muares, suínos, aves, caprinos e ovinos. A raça Girolando teve sua 1ª Exposição Ranqueda de Goiânia. O julgamento dos 99 animais inscritos ficou a cargo da jurada Lilian Jacinto. Confira os campeões:

Melhor criador/expositor geral: João Domingos Gomes dos Santos Girolando 1/2 Grande campeã: Palma Expositora: Fátima Helena de Sousa Tavares Melhor Vaca Jovem: Luziania Palma Expositor: João Domingos Gomes dos Santos Melhor Fêmea Jovem: Divindade Diamante Renascer Expositor: Ildo Ferreira Melhor expositor 1/2: Ildo Ferreira Melhor Criador 1/2: Fernando Rodrigues F. Leite Girolando 3/4 Grande campeã e Melhor Vaca Jovem: Bordada Finest Tannus Expositor: João Domingos Gomes dos Santos Melhor Fêmea Jovem: Atraente Expositor: Muriel Cruz Lima de Oliveira Melhor expositor 3/4: Fátima Helena de Sousa Tavares Melhor Criador 3/4: João Domingos Gomes dos Santos Girolando 5/8 Grande campeã: Jaqueta Famoso Alado Expositora: Maria Helena Tavares Domingos dos Santos Grande campeão: Jucah Esnobe Dom Nato Expositor: Ildo Ferreira Melhor Vaca Jovem: Josete Esnobe Dom Nato Expositora: Maria Helena Tavares Domingos dos Santos Melhor Fêmea Jovem: Imagem Vilão Agro SD Expositor: João Domingos Gomes dos Santos Melhor expositor 5/8: João Domingos Gomes dos Santos Melhor Criador 5/8: João Domingos Gomes dos Santos

66


67


68


69


70


71


72


73


74


Melhoramento

Rafael Costa

ao alcance de todos

Maurílio (Emater), Brasileiro (Girolando), José de Castro (ABCZ) e Elmiro (Secretário de Agricultura) durante a reunião do Pró-Genética

Emater-MG e Girolando firmam convênio para garantir melhoramento genético do rebanho mineiro

D

ois acordos de cooperação técnica entre a Emater-MG e a Girolando foram assinados durante a abertura oficial da ExpoZebu 2011, em Uberaba (MG). Os convênios têm como objetivo a prestação de serviços aos associados da Girolando, para garantir o melhoramento genético do rebanho mineiro. Assinaram os acordos o presidente da Emater-MG, Maurílio Soares Guimarães, e o vice-presidente da Girolando, Fernando Brasileiro. Técnicos da Emater-MG farão o controle leiteiro nas propriedades assistidas por eles. Com isso, a Girolando conseguirá ampliar o número de rebanhos mineiros inscritos no controle leiteiro, promovendo o melhoramento genético do plantel do Estado. O outro convênio prevê a inscrição de propriedades assistidas pela Emater-MG como Rebanhos Colaboradores do Teste de Progênie da raça. A Girolando também firmou no dia 3 de maio um protocolo de intenções para o desenvolvimento e adaptação das tecnologias que contribuam para uma pecuária competitiva e sustentável, com ênfase em genética, agricultura e pecuária. O documento foi assinado pelo diretor-presidente da Embrapa, pelo presidente da ABCZ, pelo presidente da Epamig, Antonio Lima Bandeira, pelo secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Carlos Francisco de Assis Pereira, pelo presidente do Instituto Parque Tecnológico de Uberaba, José Olavo Borges Mendes e pelo vice-presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Girolando, Fernando Antônio Brasileiro Miranda.

Programas de melhoramento genético- Outro evento da ExpoZebu 2011 que contou com a participação da Girolando foi o workshop realizado pelo Polo de Excelência em Genética Bovina. Pesquisadores dos programas de melhoramento genético de raças leiteiras e centrais de inseminação artificial apresentaram os avanços e desafios dos trabalhos que vêm desenvolvendo no país para promover o crescimento da pecuária nacional. A reunião enfocou os objetivos de seleção de cada programa, a necessidade de estabelecer índices econômicos de seleção e as demandas do mercado consumidor de genética bovina. Na raça Girolando, o desafio é aumentar o número de rebanhos colaboradores para atender a grande procura pelo Teste de Progênie da raça. De acordo com o coordenador Operacional do Programa de Melhoramento Genético da Raça Girolando (PMGG), Marcello Cembranelli, várias medidas estão sendo implantadas neste ano, como avaliação genética relacionada à resistência para endo e ectoparasitas, índice de saúde (parasitas, verminoses, controle de células somáticas), criação do Mérito Girolando (seleção por funcionalidade, como fertilidade, produtividade), pré-seleção dos touros que concorrem a uma vaga no Teste de Progênie através do teste de fertilidade, georreferenciamento das propriedades participantes do PMGG, entre outras ações.

75


Ranking 2010/2011

C

om um número cada vez maior de exposições ranqueadas em todo o Brasil, a raça Girolando terá seu Ranking encerrado em julho, durante a MEGALEITE 2011. Confira o resultado parcial. Os números foram reconferidos e reauditados pela Girolando, no novo sistema de julgamento que gera o Ranking automaticamente após o cadastramento de cada evento de julgamento. Neste resultado abaixo não constam, as exposições de Passos, Araxá, Prata, Monte Alegre de Minas e Pará de Minas.

Ranking Criador GIL 1/2 Criador 1ª pontuação 2ª pontuação 3ª pontuação 4ª pontuação 5ª pontuação HENRIQUE COELHO MAGALHAES 140,45 138,05 130,64 100,66 83,79 GERCI LUIZ MADURO 204,00 113,85 103,32 82,35 55,50 FILIPE ALVES GOMES 123,97 112,70 78,29 73,95 69,70 MARCIO LUIS MENDONCA ALVIM 131,75 114,31 74,82 73,20 61,09 RUBENS FONSECA SANTOS 126,90 101,20 98,61 86,92 29,70 MARCO ANTONIO PROCOPIO DE OLIVEIRA 297,00 99,90 9,80 4,50 0,00 NAYLO DE SOUZA 121,44 119,72 54,00 42,24 29,60 JOSE ANTONIO DA SILVEIRA 123,20 88,67 52,20 49,60 46,20 ADOLFO JOSE LEITE NUNES 147,15 57,00 42,63 34,65 1 3,20 JOSE ALBERTO PAIFFER MENK 78,28 58,74 58,08 54,39 38,11

Total 593,59 559,02 458,61 455,17 443,33 411,20 367,00 359,87 294,63 287,60

Ranking Criador GIL 3/4 Pos. Criador 1ª pontuação 2ª pontuação 3ª pontuação 4ª pontuação 5ª pontuação 1 DELCIO VIEIRA TANNUS 317,48 302,06 222,45 54,00 14,95 2 ERIBERTO DE QUEIROZ MARQUES 274,42 229,50 117,80 116,15 0,00 3 MARCIO MORAES SAMPAIO 303,96 113,56 51,30 9,66 4,70 4 FILIPE ALVES GOMES 115,71 110,18 94,78 82,72 79,52 5 CONDOMINIO JPZ - JORGE PAPAZOGLU E OUTRO 127,94 78,80 63,32 62,37 57,15 6 CRISTIANO NOBREGA MALTA 93,85 88,60 87,15 72,67 0,00 7 OTTO DE SOUZA MARQUES JUNIOR 136,52 57,31 39,00 36,38 31,93 8 FAZENDA DO RIACHO LTDA 85,50 78,00 57,95 34,40 14,00 9 REGINALDO CAFALLONI DA ROSA 79,59 77,50 53,01 30,98 26,08 10 LIOSMAR FRANCISCO DE SOUZA E OUTRO 92,70 75,60 45,00 34,10 0,00

Total 910,94 737,87 483,18 482,91 389,58 342,27 301,14 269,85 267,16 247,40

Pos. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

Pos. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

76

Ranking Criador GIL 5/8 Criador 1ª pontuação 2ª pontuação 3ª pontuação 4ª pontuação 5ª pontuação Total JOSE DONATO DIAS FILHO 696,06 394,40 375,46 286,38 260,77 2.013,07 MILA DE CARVALHO LAURINDO E CAMPOS 354,23 348,09 330,84 321,67 224,64 1.579,47 ITAMIR FARIA VALLE 341,07 253,82 214,06 194,69 108,30 1.111,94 NAZARETH DIAS PEREIRA 422,36 388,58 81,14 73,55 46,26 1.011,89 EVANDRO DO CARMO GUIMARAES 245,55 213,27 165,62 164,26 77,42 866,12 JOSE ALBERTO PAIFFER MENK 141,32 135,29 128,22 115,42 103,68 623,93 EUGENIO DELIBERATO FILHO 137,84 129,40 117,90 115,09 78,99 579,22 DELCIO VIEIRA TANNUS 213,02 164,85 164,59 0,00 0,00 542,46 MISAEL ARTUR FERREIRA VARELLA 129,96 125,08 83,34 46,30 37,23 421,91 ARPOADOR AGROPECUARIA E PROMOCOES LTDA 168,09 95,46 51,81 49,01 41,40 405,77


Ranking Expositor GIL 1/2 Pos. Expositores 1ª pontuação 2ª pontuação 3ª pontuação 4ª pontuação 5ª pontuação Total 1 FILIPE ALVES GOMES 284,51 231,80 196,69 190,07 133,43 1.036,50 2 HELOISA HELENA JUNQUEIRA DOS SANTOS 379,70 321,92 304,06 5,40 0,00 1.011,08 3 HENRIQUE COELHO MAGALHAES 144,44 140,45 138,05 100,80 100,66 624,40 4 MARIO GILBERTO SARAIVA 171,00 152,60 147,20 114,54 0,00 585,34 5 MARCO ANTONIO PROCOPIO DE OLIVEIRA 329,40 192,40 19,80 0,00 0,00 541,60 6 GERCI LUIZ MADURO 195,00 113,85 78,30 70,52 55,50 513,17 7 AGROPECUARIA BOA FE LTDA 123,41 110,25 106,65 60,27 52,00 452,58 8 GERMANO NOVAIS FRANCO 103,47 89,19 51,30 45,09 32,46 321,51 9 JOSE ALBERTO PAIFFER MENK 78,28 58,74 58,08 54,39 38,11 287,60 10 JOSE CARLOS DA MATA 110,70 66,15 41,81 29,75 26,97 275,38

Pos. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

Ranking Expositor GIL 3/4 Expositores 1ª pontuação 2ª pontuação 3ª pontuação 4ª pontuação 5ª pontuação ALEXANDRE SARAIVA DE MORAES 300,25 233,25 216,10 186,52 0,00 DELCIO VIEIRA TANNUS 302,06 297,78 219,35 0,00 0,00 LUIZ PAULO LEVATE 206,91 153,49 146,72 119,49 115,97 ERIBERTO DE QUEIROZ MARQUES 239,88 218,40 116,15 57,98 0,00 REGINALDO CAFALLONI DA ROSA 144,21 120,13 113,04 31,50 29,15 JOAO BATISTA MARINHO DE MELLO 118,45 110,20 62,70 28,20 0,00 CRISTIANO NOBREGA MALTA 89,23 89,21 77,46 56,57 0,00 ROBERTO ALMEIDA OLIVEIRA E OUTROS 205,64 92,40 0,00 0,00 0,00 AGROPECUARIA BOA FE LTDA 92,70 81,48 58,00 34,10 13,11 OTTO DE SOUZA MARQUES JUNIOR 133,82 57,31 36,38 31,93 0,00

Total 936,12 819,19 742,58 632,41 438,03 319,55 312,47 298,04 279,39 259,44

Ranking Expositor GIL 5/8 Pos. Expositores 1ª pontuação 2ª pontuação 3ª pontuação 4ª pontuação 5ª pontuação Total 1 JOSE DONATO DIAS FILHO 500,78 382,96 298,43 251,01 200,98 1.634,16 2 MILA DE CARVALHO LAURINDO E CAMPOS 313,87 288,89 276,59 222,59 221,94 1.323,88 3 ITAMIR FARIA VALLE 341,07 253,82 214,06 194,69 108,30 1.111,94 4 EVANDRO DO CARMO GUIMARAES 213,27 175,17 164,26 160,33 77,42 790,45 5 EUGENIO DELIBERATO FILHO 220,50 179,22 164,83 143,80 78,99 787,34 6 NAZARETH DIAS PEREIRA 371,84 321,76 0,00 0,00 0,00 693,60 7 TOMAZ SERGIO ANDRADE DE OLIVEIRA JR. 335,60 235,42 111,60 3,82 0,00 686,44 8 JOSE ALBERTO PAIFFER MENK 141,32 135,29 128,22 115,42 103,68 623,93 9 JOAO DOMINGOS GOMES DOS SANTOS 151,06 140,66 124,29 86,45 79,35 581,81 10 DELCIO VIEIRA TANNUS 211,36 164,85 164,59 0,00 0,00 540,80

Pos. Criador 1 JOSE DONATO DIAS FILHO 2 DELCIO VIEIRA TANNUS 3 MILA DE CARVALHO LAURINDO E CAMPOS 4 ITAMIR FARIA VALLE 5 EVANDRO DO CARMO GUIMARAES 6 JOSE ALBERTO PAIFFER MENK 7 NAZARETH DIAS PEREIRA 8 HENRIQUE COELHO MAGALHAES 9 EUGENIO DELIBERATO FILHO 10 GERCI LUIZ MADURO

Ranking Criador/Expositor Geral 1ª pontuação 2ª pontuação 3ª pontuação 4ª pontuação 5ª pontuação Total 500,78 382,96 298,43 251,01 200,98 1.634,16 466,65 462,63 430,71 0,00 0,00 1.359,99 313,87 288,89 276,59 222,59 221,94 1.323,88 369,93 257,42 228,61 194,69 108,30 1.158,95 233,27 209,53 207,42 194,26 131,07 975,55 227,55 212,32 209,54 184,43 124,61 958,45 371,84 321,76 0,00 0,00 0,00 693,60 154,91 143,51 138,24 128,96 98,04 663,66 137,84 129,40 112,04 103,86 78,99 562,13 203,40 140,45 83,48 70,52 64,06 561,91

77


Tudo pronto para a

MEGALEITE 2011

C

e fazendas da região para conhecer a qualidade genética do rebanho brasileiro. Outro país com presença confirmada é a Colômbia, inclusive no 21º Curso de Julgamento (Veja “Aprendendo a julgar na MEGALEITE”), evento que abre o calendário da MEGALEITE. A programação contará ainda com leilões, shoppings de animais, cursos, fórum de debates e projeto Giroleite, além das competições de torneio leiteiro e julgamento. A Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ) realizará o Fórum de Discussão “Zebu Leiteiro”, no dia 2 de julho, às 17h, na Sala Vip do Parque Fernando Costa. Técnicos e pesquisadores abordarão os avanços genéticos de cada raça. A série de palestras será encerrada com um debate sobre melhoramento genético. A MEGALEITE congrega diversas exposições de raça: 22ª Exposição Nacional de Girolando, 13ª Exposição Nacional do Gir Leiteiro, Exposição Ranqueada do Pardo-Suíço, Mostra Especial e Torneio Leiteiro do Sindi, Mostra Especial e Torneio Leiteiro do Guzerá Leiteiro e Guzolando, Mostra Especial e Torneio Leiteiro de Bubalinos, Mostra Especial e Torneio Leiteiro do Indubrasil Leiteiro, Exposição e 2ª Etapa do Ranking do Torneio Leiteiro do Simental Leiteiro. Neste ano a Girolando tem como parceiros Master as empresas: Nutron, Sersia France, Elanco, Pfizer, Semex, Intervet, CRV Lagoa, GEA Farm Technologies, RealH e ABS Pecplan. Elas terão um espaço na Sala Vip do Parque Fernando Costa, onde os criadores poderão conhecer as novidades de cada segmento. Foto: Mauricio Farias

om o bom momento vivido pelas raças leiteiras no Brasil, a principal feira do setor deve registrar mais uma vez números positivos neste ano. A expectativa é de que a MEGALEITE receba dois mil animais das raças Indubrasil, Girolando, Gir Leiteiro, Guzerá, Guzolando, Pardo-Suíço, Simental, Sindi, além de búfalos. Com 11 leilões e cinco shoppings de animais agendados, o faturamento da feira deve superar os mais de R$14 milhões movimentados no ano passado. A MEGALEITE acontecerá no Parque Fernando Costa, em Uberaba (MG), entre os dias 26 de junho e 3 de julho. Criadores de todo o Brasil e de outros países, entre eles México, já confirmaram presença. A feira terá transmissão pelo canal Terra Viva. Com link direto do Parque de Exposições Fernando Costa, toda a programação do Terra Viva será gerada diretamente do recinto, incluindo a transmissão da abertura oficial do evento e a realização de matérias especiais mostrando os bastidores, as empresas que estarão presentes, os preparativos para a feira e links ao vivo para o Canal Bandnews. A iniciativa é fruto de parceria inédita entre a Embral Leilões e o Canal Terra Viva. A expectativa é de que criadores de várias partes do Brasil e de outros países participem do evento. Segundo a empresa AgroTrip Brazil, comitivas do México já confiram presença. Além de conhecerem a feira, os estrangeiros visitarão centrais de inseminação

78


do, ABCZ e Fundação Museu do Zebu “Edilson Lamartine Mendes”, e conta com parceria da Universidade de Uberaba e do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro (IFTM). O Museu do Zebu também promoverá o Curso de Leite UAI (Unidade de Atenção ao Idoso). Será no dia 29 de junho, na UAI de Uberaba.

Aprendendo a julgar na MEGALEITE A 21ª edição do Curso Intensivo de Julgamento da Raça Girolando abrirá o calendário de eventos da MEGALEITE 2011. As aulas teóricas e práticas serão de 23 a 25 de junho, no Parque Fernando Costa, em Uberaba (MG). Os interessados podem fazer a inscrição on-line pelo site da Associação Brasileira dos Criadores de Girolando (www.girolando.com.br). Quem efetuar a inscrição até o dia 10 de junho terá direito a desconto no valor total do curso. O curso, que é voltado para agrônomos, zootecnistas, médicos veterinários, estudantes das Ciências Agrárias e produtores rurais, aborda os principais critérios de seleção da raça Girolando e de julgamento dos animais nas exposições. As aulas teóricas terão como tema: Programa Girolando: histórico, origem e evolução; Provas Zootécnicas: Controle Leiteiro e Teste de Progênie; Estratégias de Cruzamento, graus de sangue e padrões raciais; Registro Genealógico da Raça Girolando; Escrituração Zootécnica: anotações de comunicações e informatização; DJG – Departamento de Julgamento da Raça Girolando; Regulamentos, código de ética, normas de eventos, ranking. As aulas práticas acontecerão no dia 24 de junho. Os participantes aprenderão como julgar a morfologia do gado leiteiro, a metodologia de registro genealógico dos animais, o padrão racial dos vários graus de sangue da raça, entre outros assuntos. Informações: (34) 3331-6000 djrg@girolando.com.br

Foto: Mauricio Farias

Giroleite Para os estudantes de 4 a 17 anos, a MEGALEITE será uma oportunidade de conhecer de perto como funciona a cadeia produtiva do leite. O Projeto Giroleite deve levar quase três mil alunos para o Parque Fernando Costa. Eles assistirão a uma peça teatral sobre a importância do leite e conhecerão a pecuária leiteira durante passeio a 15 cenários didáticos. Os estudantes poderão participar de um concurso sobre a MEGALEITE, no qual os vencedores serão premiados com uma bicicleta. O projeto, que ocorrerá nos dias 28 e 29 de junho, é realizado pela Girolan-

79


80


81


Divulgação Divulgação

MEGALEITE Sustentável

Óleo de cozinha será transformado em biodiesel durante a MEGALEITE

82

A

ntenada com a necessidade de se desenvolver uma pecuária leiteira sustentável, a Girolando está adotando uma série de medidas para fazer da MEGALEITE uma feira em sintonia com o meio ambiente. “Em tempos de discussões sobre as boas práticas ambientais no campo e sustentabilidade, a Girolando intensifica a sua responsabilidade ao adotar o Projeto MEGALEITE Sustentável no Parque Fernando Costa”, diz o gestor ambiental e coordenador do projeto, Paulo Henrique Lopes. Segundo ele, a proposta é de se fazer um projeto bem elaborado, demonstrando toda a prática da Sustentabilidade dentro do contexto pecuário, sobretudo nas feiras – fato este que está gerando mudanças no mercado agropecuário, cada vez mais exigente nos preceitos ambientais. Em parceria com universidades, empresas e cooperativas, serão realizados durante a MEGALEITE projetos de ecorrelações ambientais como o uso racional da água usada no banho dos animais durante a feira, separação correta dos resíduos gerados (desde os recicláveis e não recicláveis até os de saúde animal, como seringas e medicamentos), além da coleta de óleo usado nos restaurantes em funcionamento no Parque Fernando Costa para transformação em biodiesel. “São prospectados mais de 100 estudantes das universidades e faculdades da cidade para cientificar a adoção de práticas de manejo sustentável no campo, medidas de racionalidade ambiental na feira, sobretudo na ideia de que cada um dos tratadores, expositores, visitantes e pesquisadores que visitam a feira, possam levar esse bom exemplo para suas casas, famílias e contatos profissionais, a fim de que a educação ambiental seja um processo contínuo e disseminativo”, atesta o gestor ambiental.


Mauricio Farias

Girolando

realiza 22ª Exposição Nacional

C

om a expectativa de levar cerca de mil animais para a pista da MEGALEITE 2011, a Associação Brasileira dos Criadores de Girolando já definiu quatro dos seis jurados que terão a responsabilidade de escolher os grandes campeões da feira. Pela diretoria da Girolando foram escolhidos o zootecnista Juscelino Alves Ferreira e o médico veterinário Raul Pimenta de Castro. Já o Departamento de Julgamento da Associação indicou o médico veterinário Nívio Bispo do Nascimento e o zootecnista José Renes da Silva. Os outros dois jurados serão escolhidos pelos expositores, através de votação. O resultado será divulgado no site da associação (www. girolando.com.br) No dia 26 de junho, às 17h, na Sala Vip do Parque Fernando Costa, será realizado o sorteio das Comissões de Jurados do Girolando, que julgarão os três graus de sangue da raça (1/2, 3/4 e 5/8). Os julgamentos serão realizados no Parque Fernando Costa, em Uberaba (MG), entre os dias 28 de junho e 2 de julho. A solenidade de premiação dos melhores do Ranking 2010/2011 será no dia 3 de julho, às 12h. As inscrições de animais já estão abertas e podem ser feitas pela Internet (www.girolando.com.br/megaleite2011), fax ou pelos Correios até o dia 17 de junho. Quem inscrever seus animais

até o dia 10 de junho terá desconto no valor da argola. Além dos julgamentos, a raça terá a 22ª edição do Torneio Leiteiro. A disputa começará no dia 27 de junho, às 14h, e será encerrada no dia 30 de junho. No ano passado, vários recordes foram quebrados durante o Torneio Leiteiro. A vaca meio sangue Bárbara Teatro Pedra, do criador Geraldo Marques, bateu recorde que já durava quatro anos. Outros três recordes foram quebrados nessa edição da feira. As vencedoras das categorias novilha 1/2 sangue, novilhas 5/8 e vacas 1/4 superaram as produções de 2009. Neste ano, os criadores poderão levar para o Parque Fernando Costa a própria ordenhadeira (tipo carrelo) para utilizar nas matrizes de seus rebanhos. Para aqueles que não têm o equipamento, a empresa GEA Farm Technologies, Parceira Master da Girolando, oferecerá desconto na compra da ordenhadeira. Os interessados devem procurar a empresa para saber sobre os prazos e condições de pagamento. Outra novidade é a implantação de um sistema de acompanhamento de qualidade do leite ordenhado das matrizes durante a MEGALEITE 2011. Outro evento da Girolando durante a MEGALEITE será a divulgação do Sumário de Touros Girolando 2011 (Girolando/Embrapa Gado de Leite) no dia 29 de junho, às 17h.

83


Mauricio Farias

Gir Leiteiro

em busca de novos recordes

O

s grandes vencedores do Ranking 2010/2011 Gir Leiteiro serão conhecidos durante a MEGALEITE 2011. A mostra será palco da 13ª Exposição Nacional da raça. As inscrições já estão abertas e podem ser feitas até o dia 16 de junho, na Associação Brasileira dos Criadores de Gir Leiteiro. O julgamento será do dia 28 de junho a 2 de julho. No mesmo dia de encerramento das disputas, a ABCGIL promoverá a Festa de Encerramento do Ranking 2010/2011. Outra competição que contará com a presença da raça é o Torneio Leiteiro. De 27 a 30 de junho, as fêmeas Gir Leiteiro disputarão o troféu de grande campeã do Torneiro. No ano passado, a raça registrou, durante a MEGALEITE, seu novo recorde nacional de produção em concursos. A grande campeã Fita FIV F. Mutum obteve média de 48,047 kg/leite/dia. A raça quebrou também o recorde de inscrições em Concurso Leiteiro. Foram 88 fêmeas disputando o campeonato.

84

O Gir Leiteiro – Importada da Índia, a raça zebuína passa atualmente por um período de acelerado desenvolvimento. O interesse por animais ou sêmen da raça vem em crescente expansão, não só no Brasil, como em todo o mundo tropical. O Gir Leiteiro mostra-se também como a raça preferencialmente utilizada em cruzamento com gado leiteiro europeu, contribuindo com leite, rusticidade, vigor e docilidade, características fundamentais para a produção econômica de leite. Informações e inscrições Fausto e Saul fausto@girleiteiro.org.br saul@girleiteiro.org.br Telefone: (34) 3331-8400 www.girleiteiro.org.br


Guzerá terá segunda edição do Concurso Leiteiro

Uma das primeiras raças zebuínas importadas da Índia, a Guzerá diferencia-se de outros zebuínos pela pelagem variando do

cinza-claro ao cinza-escuro, chifres em forma de lira, pelos curtos e pele escura. Os animais são rústicos, férteis, longevos, dóceis, têm ótima capacidade de conversão alimentar e ganho de peso, ótima habilidade maternal e produção leiteira. A raça é muito utilizada na formação do Guzolando, oriundo do cruzamento com o Holandês, que será uma das novidades da MEGALEITE. Animais Guzolando vão participar pela primeira vez da feira e competirão no Concurso Leiteiro, marcado também para o período de 27 a 30 de junho, sob a coordenação da ABCZ.

Informações e inscrições (34) 3336-1995 e-mail: sayonara@guzera.org.br www.guzera.org.br

Mauricio Farias

C

onsiderada de duplo propósito, a raça Guzerá conta com um trabalho de seleção de linhagens leiteiras em várias regiões do Brasil. Nas exposições, as fêmeas têm demonstrado bom desempenho produtivo. Para a MEGALEITE, a Associação dos Criadores de Guzerá do Brasil prepara mais uma edição do Concurso Leiteiro da raça. As inscrições para a disputa já estão abertas e podem ser feitas diretamente na entidade. O Concurso Leiteiro será coordenado pela equipe técnica da ABCZ. A disputa acontece de 27 a 30 de junho. A expectativa é de que 50 animais participem da prova. No ano passado, a raça teve a primeira edição do Concurso Leiteiro. Quinze fêmeas disputaram, durante três dias, o grande campeonato. A Grande Campeã foi Galia MRN, de propriedade do criador Marcelo Palmério. Ela produziu 107,370 kg/leite e obteve média de 35,790 kg/leite/dia.

85


Mauricio Farias

Indubrasil

mostra seu potencial leiteiro

P

elo segundo ano consecutivo, a raça zebuína Indubrasil participará da MEGALEITE. A Associação Brasileira dos Criadores de Indubrasil fará a Mostra e Torneiro Leiteiro da raça entre os dias 27 e 30 de junho. A competição ficará sob a responsabilidade técnica da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ). A dupla aptidão da raça vem sendo mais explorada nos últimos anos. Muitos criadores estão promovendo o cruzamento do Indubrasil com o Holandês para formação do Indolando, que já é registrado pela ABCZ na categoria CCG. A genética do Indubrasil será estudada pelo Centro de Transferência de Tecnologias de Raças Zebuínas com Aptidão Leiteira (CTZL), com sede em Brasília/DF. A entidade firmou parceria com criadores da raça Indubrasil, no final do ano passado, para realização de pesquisas científicas em diversas áreas, como: nutrição, reprodução e qualidade do leite, além da multiplicação genética da raça através das biotecnologias de reprodução, como Fecundação In vitro (FIV) e Transferência de Embriões. Sêmen de reprodutores da raça, bem como dez animais Indubrasil de vários criatórios serão cedidos ao CTZL para pesquisas e multiplicação genética. Com base nos resultados que serão obtidos nos estudos, a Associação acredita que terá dados técnicos de grande confiabilidade indicando as qualidades da raça. O Indubrasil está conquistando novos criadores em vários países. De acordo com a entidade, ela já é a segunda raça zebuína mais criada no México. No Brasil, os plantéis estão sendo melhorados, buscando morfologia funcional com foco nos ganhos de produtividade. Os acasalamentos dos melhores selecionadores já são baseados nas avaliações genéticas do moderno melhoramento animal. A raça é forte em Sergipe, no Ceará, na Bahia, na Paraíba, no Maranhão e em São Paulo. Informações e inscrições indubrasil@terra.com.br www.indubrasil.org.br Telefone: (34) 3336-4400 / 9684.4448

86


87


Foto: ABCGPS

Pardo Suíço

estreia na MEGALEITE

U

ma das novidades desta edição da MEGALEITE será a participação da raça Pardo-Suíço. A expectativa da Associação Brasileira de Criadores de Gado Pardo-Suíço é de que o julgamento da raça conte com a participação de cem animais. A disputa está marcada para o dia 1º de julho. O julgamento da 1ª Exposição Pardo-Suíço em Uberaba ficará a cargo do jurado norteamericano, David Wallace. “Para 2012, a associação pretende realizar a Nacional na MEGALEITE”, garante o superintendente técnico da entidade, Fernando da Rocha Kaiser. As inscrições já estão abertas e podem ser feitas na Associação. Presente em vários Estados, como Paraná, São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Norte, a raça conta com duas linhagens no país: uma para corte, e outra para leite. A maior parte do rebanho nacional é selecionada para aptidão leiteira. Segundo Kaiser, a raça vive um bom momento, com os animais bastante valorizados no mercado, e está voltando a crescer. Atualmente, o rebanho nacional de Pardo-Suíço é formado por 40 mil fêmeas.

88

De acordo com informações da Associação Brasileira de Criadores de Gado Pardo-Suíço, a raça é muito apreciada por suas diferentes qualidades, pela quantidade e qualidade do leite, por sua carne e por sua habilidade para trabalho. Nos países de língua inglesa é conhecido como Brown Swiss; na Suíça e países de língua alemã, como Braunvieh; e na Itália, como raça Bruna. No Brasil, os primeiros animais da raça chegaram no início do século (1911), através de importações oficiais, sob patrocínio do governo. Vinte e sete anos após, em 1938, foi fundada a Associação Brasileira de Criadores de Gado Pardo-Suíço. Entre as principais características da raça estão a longevidade e o teor de sólidos do leite. Informações e inscrições Telefone: (11) 3871-1018 gadopardo@pardo-suico.com.br www.pardo-suico.com.br


Jadir Bison

Sindi

amplia participação

C

onsiderada uma raça de dupla aptidão, a Sindi tem sido selecionada em muitos criatórios para produção de leite e também utilizada em vários cruzamentos, visando a formação de sintéticos leiteiros para os trópicos. É o caso do Sinjer (cruzamento com Jersey) e Sindolando (cruzamento com Holandês. Segundo o presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Sindi, Paulo Roberto de Miranda Leite, produtores e instituições oficiais e privadas de ensino e pesquisa vêm investindo em peso na raça. A entidade realizará o 1º Teste de Progênie da raça Sindi, em parceria com a Embrapa Gado de Leite e ABCZ. Para a MEGALEITE 2011, a entidade realizará Mostra Especial e Torneiro Leiteiro. A competição será de 27 a 30 de junho e terá a coordenação técnica da ABCZ. No ano passado, a Associação contou com a mostra de animais. A raça zebuína Sindi tem como características: rusticidade, alta conversão alimentar, fertilidade, precocidade, adaptabilidade e potencialidade de produzir leite e carne quando lhe são oferecidas boas condições alimentares e de manejo. A entidade acredita que as exposições e leilões estão acelerando o crescimento do rebanho dos bovinos Sindi no país. A raça já foi exportada para vários países, principalmente da África. Hoje, a demanda por bovinos é maior que a oferta. Informações e inscrições uberaba@sindi.org.br (34) 3321.6377 / 9684.4448 www.sindi.org.br

89


3º LEILÃO FIV

& CONVIDADOS Dia 02 de julho às 13 horas no Parque Fernando Costa (Tatersal RKC), durante a Megaleite 2011, em Uberaba

160 ANIMAIS À VENDA

Cadastros e informações: (34) 3210-5505 / 3211-5259 Quimbanda da Cal

Recordista Mundial de Produção 56.170 kg de leite/dia

Dalton Pati da Cal x Liderança da Cal Lactação: 10.230 kg Grande Campeã Torneio Leiteiro Expozebu 2011 Recordista Mundial de Média em Torneio Leiteiro: 49,68 kg de leite/dia

Patrocínio Transmissão pela internet

www.interural.com www.tropicalgenetica.com.br Assessoria

34 3210-5505 90


SHOPPING DE ANIMAIS

De 28 de junho a 3 de julho Estarão à venda, 250 animais Girolando e Gir Leiteiro

Será ofertada uma bezzera Quimbanda x C.A Sansão

91


Foto: Nilson Herrero - Pé Vermelho

Simental

retorna com Torneio Leiteiro

A

raça Simental prepara seu retorno à MEGALEITE. A Associação Brasileira de Criadores das Raças Simental e Simbrasil realizará a Exposição e 2ª Etapa do Ranking do Torneio Leiteiro do Simental Leiteiro. A expectativa é de que 70 animais participem da feira. As inscrições podem ser feitas na entidade. “A MEGALEITE é uma das exposições mais importantes do país e dá grande visibilidade para a raça. Por isso, estamos muito animados com o retorno do Simental ao evento. A raça está em franca recuperação”, declara Alan Fraga, presidente da Associação Brasileira de Criadores das Raças Simental e Simbrasil. Raça de duplo propósito, a Simental é muito utilizada em todo o mundo, figurando entre os maiores rebanhos. Só na China são mais de 30 milhões de cabeças. No Brasil, a seleção para leite está concentrada no Sul e Sudeste, mas já começa a ser criada também no Nordeste. Além da produção de carne e de leite, os animais são usados em cruzamentos com raças zebuínas ou como receptoras. O primeiro clone produzido no Brasil é da raça Simen-

92

tal. Os primeiros animais da raça Simental chegaram ao Brasil em 1904, importados pela Secretaria de Estado da Agricultura de São Paulo, com o objetivo de intensificar o fomento à pecuária. A produção de leite chega a 25 quilos de leite/dia nas fazendas e 50 quilos de leite em torneios leiteiros. De acordo com a Associação, a raça Simental tem origem na Suíça. Ela apresenta precocidade produtiva e reprodutiva, além da precocidade de crescimento. As fêmeas produzem leite com grande quantidade de sólidos totais, além de apresentar baixo número de células somáticas, conferindo integridade ao úbere com maior vida produtiva. Informações e inscrições (11) 3862-5292 e-mail: simental@terra.com.br www.simentalsimbrasil.org.br


93


preparam competição

E

ntre as mostras especiais da MEGALEITE 2011 está a de bubalinos. A Associação Mineira de Bubalinocultores realizará, durante a feira, o Torneio Leiteiro. No ano passado, a competição registrou boas produções de leite das campeãs inscritas. Os búfalos apresentam facilidade de engorda e grande resistência a doenças e produzem leite com alto teor de nutrientes, que pode ser consumido por pessoas alérgicas à lactose. Outro benefício da bubalinocultura é a existência do Selo de Pureza 100% Búfalo, grupo que reúne oito fazendas que produzem muçarela de búfala sem misturar leite de vaca ou substâncias químicas, garantindo, assim, seu sabor exclusivo e credibilidade conferida ao Selo, que agregam valor ao produto. O mercado de búfalos está em expansão no Brasil. A procura por produtos derivados do leite de búfala cresce mais de 20% ao ano, no país. Muito utilizados para produção de leite, mas também de carne, os bubalinos têm conquistado espaço na pecuária brasileira por seu temperamento dócil, que facilita o manejo, e por sua boa adaptação às condições ambientais úmidas. As raças criadas no Brasil são: Mediterrâneo, Murrah, Jafarabadi (búfalo-do-rio) e Carabao (búfalo-do-pântano).

Informações e inscrições elcioreis@elcioreis.com.br (31) 3228.2323

94

Mauricio Farias

Búfalos


95


8ª EXPOSIÇÃO BRASILEIRA DO AGRONEGÓCIO DO LEITE FÓRUM DE DEBATES – AUDIÊNCIA PÚBLICA 22ª EXPOSIÇÃO NACIONAL DE GIROLANDO 22º TORNEIO LEITEIRO NACIONAL DE GIROLANDO 13ª EXPOSIÇÃO NACIONAL DO GIR LEITEIRO TORNEIO LEITEIRO DO GIR LEITEIRO 1ª EXPOSIÇÃO RANQUEADA DE UBERABA DO PARDO-SUÍÇO MOSTRA ESPECIAL E TORNEIO LEITEIRO DO SINDI MOSTRA ESPECIAL E TORNEIO LEITEIRO DO GUZERÁ LEITEIRO MOSTRA ESPECIAL E TORNEIO LEITEIRO DE BUBALINOS MOSTRA ESPECIAL E TORNEIO LEITEIRO DO INDUBRASIL LEITEIRO EXPOSIÇÃO E 2ª ETAPA DO RANKING DO TORNEIO LEITEIRO DO SIMENTAL LEITEIRO PROJETO GIROLEITE

PROGRAMAÇÃO OFICIAL 16/05/2011 (segunda-feira) – INÍCIO DAS INSCRIÇÕES GIROLANDO 10/06/2011 (sexta-feira) – ENCERRAMENTO DAS INSCRIÇÕES GIROLANDO COM DESCONTO 17/06/2011 (sexta-feira) – ENCERRAMENTO DAS INSCRIÇÕES GIROLANDO QUARTA-FEIRA: 22 DE JUNHO 08:00 – 22:00 hrs – Entrada dos animais do torneio leiteiro (a mais de 500 km de Uberaba) QUINTA-FEIRA: 23 DE JUNHO 08:00 – 22:00 hrs – Entrada dos animais para julgamento e torneio leiteiro (início) 08:00 – 18:00 hrs – 21º Curso Intensivo de Julgamento da Raça Girolando (início) – Salão Nobre da ABCZ SEXTA-FEIRA: 24 DE JUNHO 08:00 – 22:00 hrs – Entrada dos animais para julgamento e torneio leiteiro 08:00 – 18:00 hrs – 21º Curso Intensivo de Julgamento da Raça Girolando – Pista de Julgamento SÁBADO: 25 DE JUNHO 08:00 – 22:00 hrs – Entrada dos animais para julgamento e torneio leiteiro (encerramento) 08:00 – 12:00 hrs – 21º Curso Intensivo de Julgamento da Raça Girolando – Pista de Julgamento (encerramento) DOMINGO: 26 DE JUNHO 08:00 hrs – Pesagem e mensuração oficial dos machos Girolando – Currais de manejo 08:00 hrs – Exame Andrológico dos machos (acima de 18 meses de idade) – Currais de manejo 17:00 hrs – Sorteio das Comissões de Jurados do Girolando – Sala Vip SHOPPINGS: Shopping Minas de Ouro (Condomínio João Magalhães e Filhos), Local: Leilopec, Comercialização de animais: Girolando, Gir Leiteiro e Holandês 1º Shopping Centenário Genetics e Convidados, Local: Parque Fernando Costa, Comercialização de animais: Girolando e Gir Leiteiro Shopping Tropical Genética, Local: Parque Fernando Costa, Comercialização de animais: Girolando e Gir Leiteiro 1º Shopping Uniube-MG, Local: Leilopec, Comercialização de animais: Girolando, Gir Leiteiro, Guzerá, Guzolando e Sindi SEGUNDA-FEIRA: 27 DE JUNHO 08:00 hrs – Identificação dos animais PROGRAMAÇÃO ESPECIAL: 08:00 hrs – Hasteamento das Bandeiras 09:00 hrs – Abertura Oficial– Convidado especial: Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento: Wagner Rossi - Local: RKC 09:30 hrs – Audiência Pública / Fórum de Debates - Local: Salão Nobre ABCZ TORNEIO LEITEIRO: 14:00 hrs – 1ª ordenha do Gir Leiteiro 14:00 hrs – 1ª ordenha do Guzerá Leiteiro, Sindi e Indubrasil Leiteiro 14:00 hrs – 1ª ordenha do Girolando 22:00 hrs – 2ª ordenha do Gir Leiteiro 22:00 hrs – 2ª ordenha do Girolando 22:00 hrs – 2ª ordenha do Guzerá Leiteiro, Sindi e Indubrasil Leiteiro SHOPPINGS: Shopping Minas de Ouro (Condomínio João Magalhães e Filhos), Local: Leilopec, Comercialização de animais: Girolando, Gir Leiteiro e Holandês 1º Shopping Centenário Genetics e Convidados, Local: Parque Fernando Costa,

96

Comercialização de animais: Girolando e Gir Leiteiro Shopping Tropical Genética, Local: Parque Fernando Costa, Comercialização de animais: Girolando e Gir Leiteiro 1º Shopping Uniube-MG, Local: Leilopec, Comercialização de animais: Girolando, Gir Leiteiro, Guzerá, Guzolando e Sindi Shopping Monte Verde Gir e Girolando, Local: Fazenda Monte Verde – UberabaMG, Comercialização de animais: Girolando e Gir Leiteiro TERÇA-FEIRA: 28 DE JUNHO JULGAMENTO: 08:00 hrs – Início do Julgamento de Girolando (machos 5/8-PS e 3/4) 08:00 hrs – Início do Julgamento de Gir Leiteiro TORNEIO LEITEIRO: 06:00 hrs – 3ª ordenha do Girolando 06:00 hrs – 3ª ordenha do Gir Leiteiro 06:00 hrs – 3ª ordenha do Guzerá Leiteiro, Sindi e Indubrasil Leiteiro 14:00 hrs – 4ª ordenha do Girolando 14:00 hrs – 4ª ordenha do Gir Leiteiro 14:00 hrs – 4ª ordenha do Guzerá Leiteiro, Sindi e Indubrasil Leiteiro 22:00 hrs – 5ª ordenha do Girolando 22:00 hrs – 5ª ordenha do Gir Leiteiro PROGRAMAÇÃO ESPECIAL: 08:00 hrs – Início Projeto Giroleite 13:00 hrs – Palestras Técnicas Parceiros Master Girolando - Espaço Master (Sala Vip) 14:00 hrs – Reunião da Comissão Nacional da Pecuária de Leite (a confirmar) MISSA: 19:00 hrs – Missa em Ação e Graças – Palanque – Parque Fernando Costa LEILÃO: 20:00 hrs – 1º Leilão Genética Girolando – Local: Tatersal de Elite, Modalidade: Presencial, Transmissão: Terra Viva, Leiloeira: Embral 21:00 hrs – 3º Leilão Seleção Especial Monte Verde – Gir Leiteiro, Modalidade: Virtual, Leiloeira: Programa Leilões, Transmissão: Canal Rural SHOPPINGS: Shopping Minas de Ouro (Condomínio João Magalhães e Filhos), Local: Leilopec, Comercialização de animais: Girolando, Gir Leiteiro e Holandês 1º Shopping Centenário Genetic e Convidados, Local: Parque Fernando Costa, Comercialização de animais: Girolando e Gir Leiteiro Shopping Tropical Genética, Local: Parque Fernando Costa, Comercialização de animais: Girolando e Gir Leiteiro 1º Shopping Uniube-MG, Local: Leilopec, Comercialização de animais: Girolando, Gir Leiteiro, Guzerá, Guzolando e Sindi Shopping Monte Verde Gir e Girolando, Local: Fazenda Monte Verde – UberabaMG, Comercialização de animais: Girolando e Gir Leiteiro QUARTA-FEIRA: 29 DE JUNHO JULGAMENTO: 07:00 hrs – Julgamento de Girolando (fêmeas jovens 1/2 sangue e 5/8-PS) 08:00 hrs – Julgamento de Gir Leiteiro TORNEIO LEITEIRO: 06:00 hrs – 6ª ordenha do Girolando 06:00 hrs – 6ª ordenha do Gir Leiteiro 06:00 hrs – 6ª ordenha do Guzerá Leiteiro, Sindi e Indubrasil Leiteiro 14:00 hrs – 7ª ordenha do Girolando 14:00 hrs – 7ª ordenha do Gir Leiteiro 14:00 hrs – 7ª ordenha do Guzerá Leiteiro, Sindi e Indubrasil Leiteiro


22:00 hrs – 8ª ordenha do Girolando 22:00 hrs – 8ª ordenha do Gir Leiteiro 22:00 hrs – 8ª ordenha do Guzerá Leiteiro, Sindi e Indubrasil Leiteiro PROGRAMAÇÃO ESPECIAL: 08:00 hrs – Projeto Giroleite 13:00 hrs – Palestras Técnicas Parceiros Master Girolando - Espaço Master (Sala Vip) 17:00 hrs – Divulgação do Sumário de Touros Girolando 2011 (Girolando/Embrapa Gado de Leite) LEILÃO: 20:00 hrs – 4º Leilão Boa Fé Ma Shou Tao e Amigos, local: RKC, modalidade: Presencial, leiloeira: Programa Leilões SHOPPINGS: Shopping Minas de Ouro (Condomínio João Magalhães e Filhos), Local: Leilopec, Comercialização de animais: Girolando, Gir Leiteiro e Holandês 1º Shopping Centenário Genetic e Convidados, Local: Parque Fernando Costa, Comercialização de animais: Girolando e Gir Leiteiro Shopping Tropical Genética, Local: Parque Fernando Costa, Comercialização de animais: Girolando e Gir Leiteiro 1º Shopping Uniube-MG, Local: Leilopec, Comercialização de animais: Girolando, Gir Leiteiro, Guzerá, Guzolando e Sindi Shopping Monte Verde Gir e Girolando, Local: Fazenda Monte Verde – UberabaMG, Comercialização de animais: Girolando e Gir Leiteiro QUINTA-FEIRA: 30 DE JUNHO JULGAMENTO: 07:00 hrs – Julgamento de Girolando (fêmeas jovens 3/4 e adultas 5/8-PS) 08:00 hrs – Julgamento de Gir Leiteiro TORNEIO LEITEIRO: 06:00 hrs – 9ª ordenha do Girolando 06:00 hrs – 9ª ordenha do Gir Leiteiro 06:00 hrs – 9ª ordenha do Guzerá Leiteiro, Sindi e Indubrasil Leiteiro 06:00 hrs – 1ª ordenha do Simental Leiteiro 14:00 hrs – 10ª ordenha do Girolando 14:00 hrs – 10ª ordenha do Gir Leiteiro (encerramento) 14:00 hrs – 10ª ordenha do Guzerá Leiteiro, Sindi e Indubrasil Leiteiro (encerramento) 14:00 hrs – 2ª ordenha do Simental Leiteiro 22:00 hrs – 3ª ordenha do Simental Leiteiro PROGRAMAÇÃO ESPECIAL: 13:00 hrs – Palestras Técnicas Parceiros Master Girolando - Espaço Master (Sala Vip) 15:00 hrs – Desfile de Touros Especial Leite – Central ABS Pecplan, Rod. BR 050 Km 196, Delta-MG 17:00 hrs – Palestra com o tema “Zebu Leiteiro” – ABCZ LEILÃO: 20:00 hrs – 2º Leilão Girolando Nova Geração, local: Tatersal de Elite, modalidade: Presencial, leiloeira: Embral Leilões 20:00 hrs – 8º Leilão Gir Leiteiro Matrizes do Futuro, local: RKC, modalidade: Presencial, leiloeira: Programa Leilões SHOPPINGS: Shopping Minas de Ouro (Condomínio João Magalhães e Filhos), Local: Leilopec, Comercialização de animais: Girolando, Gir Leiteiro e Holandês 1º Shopping Centenário Genetic e Convidados, Local: Parque Fernando Costa, Comercialização de animais: Girolando e Gir Leiteiro Shopping Tropical Genética, Local: Parque Fernando Costa, Comercialização de animais: Girolando e Gir Leiteiro 1º Shopping Uniube-MG, Local: Leilopec, Comercialização de animais: Girolando, Gir Leiteiro, Guzerá, Guzolando e Sindi Shopping Monte Verde Gir e Girolando, Local: Fazenda Monte Verde – UberabaMG, Comercialização de animais: Girolando e Gir Leiteiro SEXTA-FEIRA: 1° DE JULHO JULGAMENTO: 07:00 hrs – Julgamento de Girolando (fêmeas adultas 1/2 sangue e 3/4) 08:00 hrs – Julgamento de Gir Leiteiro 08:00 hrs – Julgamento de Pardo-Suíço TORNEIO LEITEIRO: 06:00 hrs – 4ª ordenha do Simental Leiteiro 14:00 hrs – 10ª ordenha do Girolando (encerramento) 14:00 hrs – 5ª ordenha do Simental Leiteiro 22:00 hrs – 6ª ordenha do Simental Leiteiro

PROGRAMAÇÃO ESPECIAL: 13:00 hrs – Palestras Técnicas Parceiros Master Girolando - Espaço Master (Sala Vip) LEILÃO: 14:00 hrs – Leilão Girolando Minas de Ouro - Prenhezes, local: Tatersal de Elite, modalidade: Presencial 20:00 hrs – Girolando Úbere Cheio, local: RKC, TV: NOVO CANAL, modalidade: Presencial, leiloeira: Embral Leilões 20:00 hrs – 4º MUT-VR – Gir Leiteiro, local: Tatersal de Elite, modalidade: Presencial, leiloeira: Programa Leilões SHOPPINGS: Shopping Minas de Ouro (Condomínio João Magalhães e Filhos), Local: Leilopec, Comercialização de animais: Girolando, Gir Leiteiro e Holandês 1º Shopping Centenário Genetic e Convidados, Local: Parque Fernando Costa, Comercialização de animais: Girolando e Gir Leiteiro Shopping Tropical Genética, Local: Parque Fernando Costa, Comercialização de animais: Girolando e Gir Leiteiro 1º Shopping Uniube-MG, Local: Leilopec, Comercialização de animais: Girolando, Gir Leiteiro, Guzerá, Guzolando e Sindi Shopping Monte Verde Gir e Girolando, Local: Fazenda Monte Verde – UberabaMG, Comercialização de animais: Girolando e Gir Leiteiro SÁBADO: 2 DE JULHO JULGAMENTO: 07:00 hrs – Julgamento de Girolando (progênies de pai e mãe, 1/2, 3/4 e 5/8-PS) 07:00 hrs – Julgamento de Gir Leiteiro TORNEIO LEITEIRO: 06:00 hrs – 7ª ordenha do Simental Leiteiro 14:00 hrs – 8ª ordenha do Simental Leiteiro (encerramento) LEILÃO: 14:00 hrs – III Leilão Tropical FIV e Convidados, local: RKC, modalidade: Presencial 20:00 hrs – 4º Leilão Girolando Exclusivo 5/8 e PS, local: Tatersal de Elite, modalidade: Presencial, leiloeira: Embral Leilões 20:00 hrs – 4º Nobrezas do Gir Leiteiro, local: RKC, modalidade: Presencial, leiloeira: Programa Leilões SHOPPINGS: Shopping Minas de Ouro (Condomínio João Magalhães e Filhos), Local: Leilopec, Comercialização de animais: Girolando, Gir Leiteiro e Holandês 1º Shopping Centenário Genetic e Convidados, Local: Parque Fernando Costa, Comercialização de animais: Girolando e Gir Leiteiro Shopping Tropical Genética, Local: Parque Fernando Costa, Comercialização de animais: Girolando e Gir Leiteiro 1º Shopping Uniube-MG, Local: Leilopec, Comercialização de animais: Girolando, Gir Leiteiro, Guzerá, Guzolando e Sindi Shopping Monte Verde Gir e Girolando, Local: Fazenda Monte Verde – UberabaMG, Comercialização de animais: Girolando e Gir Leiteiro, Transmissão Especial: Canal Rural PROGRAMAÇÃO ESPECIAL: 21:00 hrs – Festa de encerramento do Ranking 2010/2011 do Gir Leiteiro DOMINGO: 3 DE JULHO PROGRAMAÇÃO ESPECIAL: 09:00 hrs – Desfile dos animais campeões – Encerramento da Megaleite 2011 13:00 hrs – Palestras Técnicas Parceiros Master Girolando - Espaço Master (Sala Vip) 12:00 hrs – Almoço de Confraternização e Solenidade de Premiação – MEGALEITE 2011 18:00 hrs – Saída dos animais SHOPPINGS: Shopping Minas de Ouro (Condomínio João Magalhães e Filhos), Local: Leilopec, Comercialização de animais: Girolando, Gir Leiteiro e Holandês 1º Shopping Centenário Genetic e Convidados, Local: Parque Fernando Costa, Comercialização de animais: Girolando e Gir Leiteiro Shopping Tropical Genética, Local: Parque Fernando Costa, Comercialização de animais: Girolando e Gir Leiteiro 1º Shopping Uniube-MG, Local: Leilopec, Comercialização de animais: Girolando, Gir Leiteiro, Guzerá, Guzolando e Sindi Shopping Monte Verde Gir e Girolando, Local: Fazenda Monte Verde – UberabaMG, Comercialização de animais: Girolando e Gir Leiteiro, Transmissão Especial: Canal Rural SEGUNDA-FEIRA: 4 DE JULHO SAÍDA DOS ANIMAIS

97


Definida programação do 1º Congresso Brasileiro da Raça Girolando

E

studos nas áreas de genética, de sanidade e de melhoramento animal serão apresentados por pesquisadores brasileiros durante o 1º Congresso Brasileiro da Raça Girolando. A programação do evento, que ocorrerá entre os dias 22 e 24 de setembro, traz palestras com pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais, Universidade Estadual de São Paulo, Embrapa Gado de Leite, Universidade Federal de Lavras e com técnicos da Associação Brasileira dos Criadores de Girolando. As inscrições para o Congresso podem ser feitas on-line (http://www.girolando.com.br/congresso) ou nas exposições da raça. Para viabilizar a participação de todos os associados, a entidade ofertará um pacote especial que inclui inscrição no evento, hospedagem e alimentação. A expectativa é de que cerca de 500 pessoas, entre pesquisadores, produtores rurais, técnicos e estudantes do Brasil e de outros países, participem do Congresso, no Tauá Grande Hotel e Termas de Araxá, em Minas Gerais. O tema será “Da consolidação nacional à expansão mundial da genética adaptada”. O objetivo do evento é promover amplo debate para a concretização da raça Girolando como a principal alternativa para a produção de leite nos trópicos. A realização do evento está a cargo da Girolando, em parceria com a Embrapa, Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento e Embrapa Gado de Leite. Informações www.girolando.com.br/congresso marketing@girolando.com.br (34) 3331-6000

Programação do 1º Congresso Brasileiro da Raça Girolando 23/09/2011 8h30 - Abertura Oficial 9h15 - Resultados e Perspectivas do Programa de Melhoramento Genético da Raça Girolando (PMGG) Palestrantes: Marcos Vinícius Barbosa da Silva (Embrapa Gado de Leite), Leandro Paiva (superintendente técnico Girolando) e Marcelo Cembranelli (coordenador operacional do PMGG) 10h45 - Estratégias de Cruzamentos na Pecuária de Leite no Brasil Palestrante: Fernando Enrique Madalena (UFMG) 13h30 - Formação do Banco de DNA da Raça Girolando Palestrante: Marta Martins (Embrapa Gado de Leite) 14h30 - Uso de Ferramentas de Biologia Molecular no Melhoramento da Raça Girolando Palestrante: José Fernando Garcia (Unesp) 15h45 - Uso da raça Girolando em Programas de Seleção buscando a sustentabilidade socioeconômica e ambiental Palestrante: José Luis Moraes de Vasconcelos (Unesp) 16h45 - Girolando: Resistência da raça às enfermidades infecciosas e parasitárias Palestrante: Elizângela Guedes (Embrapa Gado de Leite) 20h - Coquetel de confraternização entre os congressistas 24/09/2011 8h30 às 12h - Mesa Redonda com os palestrantes do dia anterior Moderador: Professor Marcos Neves Pereira (Universidade Federal de Lavras)

Pacotes para Congresso 2011 Pacote Inscrição* - Somente Inscrição 1 º lote - R$ 150,00 2 º lote - R$ 250,00 Formas de pagamento: Cartão de crédito ou boleto bancário 1º Lote à vista ou em até 6X 2º Lote à vista ou em até 3X * Pacotes individuais ** Pacote para acompanhante que não participará do congresso.

Fotos: Luciene Franco e dilvulgação

Pacote Completo* - Hospedagem + Alimentação + Inscrição 1 º lote - R$ 750,00 (até 03/07/2011) 2 º lote - R$ 850,00 (de 04/07/2011 a 22/09/2011) Pacote Palestra* - Alimentação + Inscrição 1 º lote - R$ 450,00 2 º lote - R$ 550,00 Pacote Acompanhante** - Hospedagem + Alimentação 1 º lote - R$ 550,00 2 º lote - R$ 650,00

Divulgação do 1º Congresso Brasileiro da Raça Girolando vem acontecendo em várias feiras da raça

98


99


100


101


COLOSTRO etc.) ou por ele próprio, e deve ser feita antes da inspeção dos animais. Este procedimento permitirá ao técnico do Serviço de Registro Genealógico da Raça Girolando (SRGRG) uma dedicação maior do seu tempo durante a visita técnica na propriedade, para o fornecimento de orientações e instruções quanto ao trabalho de seleção realizado pelo criador. Caso os animais não estejam corretamente identificados, o técnico deverá proceder a marcação do número de nascimento, utilizando, para isso, boa parte do seu tempo de visita. ATENÇÃO: Quando for realizar a marcação a fogo ou tatuagem pela primeira vez, entre em contato com o Departamento Técnico da Girolando ou com um técnico de sua preferência e solicite instruções. DNA – obrigatoriedade para FIV e TE

Comunicações On-line (Web associado)

E

stamos finalizando os testes referentes às comunicações on-line. Nesta fase inicial, os associados poderão realizar as comunicações de cobertura e de nascimento. Após o início das comunicações on-line não será mais permitido enviar comunicações via e-mail ao Departamento de Controle de Genealogia. O associado que tiver interesse em iniciar o cadastro das comunicações através do site da Girolando, deverá entrar em contato com a Superintendência Técnica para obter mais informações. MEGALEITE 2011 A MEGALEITE 2011 está chegando. Para que possamos fazer juntos um grande evento, a Girolando está remodelando a estrutura da feira e realizando importantes mudanças. Uma delas é em relação à sala de ordenha do gado Girolando, onde, pela primeira vez, permitiremos que os expositores ordenhem os animais no próprio pavilhão, sendo necessário cada expositor providenciar sua ordenha mecânica. Aos expositores que desejam adquirir equipamentos de ordenha do tipo “carrelo”, para utilizar em feiras e exposições, a empresa GEA Farm Technologies, Parceira Master Girolando, disponibilizará aos participantes da MEGALEITE 2011, este tipo de ordenhadeira mecânica, em condição especial de preço e pagamento. Mais informações, com a Superintendência Técnica da Girolando. Controle de Genealogia e Registro Genealógico de Nascimento – CGN / RGN Todos os animais, ao receberem o controle ou registro de nascimento, deverão estar identificados pelo número de nascimento, através de marcação a fogo na perna esquerda ou através de tatuagem na orelha esquerda. Tanto a marcação quanto a tatuagem deverão conter os quatro dígitos do número do CGN ou RGN, com boa visibilidade. A marcação ou tatuagem pode ser realizada por qualquer pessoa autorizada pelo criador (técnico responsável pelo rebanho, vaqueiro,

102 102

Os criadores que utilizam as técnicas de FIV e TE para reprodução devem ficar atentos quanto à obrigatoriedade do exame de DNA com qualificação de parentesco dos genitores (pai e mãe), para que os produtos possam receber o controle ou registro de nascimento (CGN ou RGN). O material para controle genealógico de animais provenientes de TE ou FIV somente é liberado para os técnicos de registro, pelo Departamento de Controle de Genealogia, após o recebimento do exame de DNA com qualificação dos pais (bilateral). Sendo assim, orientamos os criadores a providenciarem, após o nascimento dos animais, conforme orientações dos laboratórios, a coleta de material para ser enviado ao laboratório, com o intuito de agilizar a verificação de parentesco. É importante, também, que as doadoras, ao entrarem em programas de TE ou FIV, tenham seu material coletado e enviado ao laboratório, garantindo, assim, a certeza de que os produtos poderão ser testados no futuro, evitando problemas em casos de morte ou venda das doadoras. Vale ressaltar que a escolha do laboratório a realizar os exames é feita pelo criador, devendo ser um laboratório idôneo, devidamente credenciado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), para esta finalidade. Sistema de Identificação Unificado - SIU Como já dito em edições anteriores, a Girolando irá implantar, em 2011, o Sistema de Identificação Unificado, conhecido como SIU. Farão parte deste sistema: a identificação do animal através de um registro único, fotografia do animal e identificação particular do criador, além da marcação a fogo do “G baldinho” na face direita do animal nos casos de controle ou registro de nascimento. A identificação particular do criador será composta por Série Única, com três ou quatro letras, e por numeração sequencial do rebanho (CGN ou RGN atual). Já está disponível o cadastro da Série Única do criador. Para mais informações deve-se entrar em contato com a Superintendência Técnica da Girolando. ADT – Autorização de Transferência O certificado de controle de genealogia ou registro genealógico possui vários benefícios e vantagens, sendo um deles a comprovação


de propriedade do animal. Esta comprovação é muito importante em diversas situações, como por exemplo: participação do animal em exposições oficiais, transporte ou venda do animal para fora do Estado, inscrição do animal no Serviço de Controle Leiteiro, controle ou registro genealógico dos filhos, entre outras. Ao adquirir um animal é importante que o comprador solicite ao vendedor a Autorização de Transferência (ADT) e o certificado original, para que a transferência possa ser concretizada. Somente com a apresentação destes documentos o criador conseguirá transferir o animal para seu nome, usufruindo de todos os benefícios e vantagens. Para a realização da transferência os documentos deverão ser enviados ao Departamento de Expedição de Certificados da Girolando. Após os procedimentos internos, um novo certificado será enviado ao proprietário atual dos animais. Orientamos a todos que solicitem ou forneçam a ADT sempre que for realizada qualquer compra ou venda de animais registrados ou controlados, evitando, assim, possíveis transtornos. Vale lembrar que no caso de venda parcelada (ou venda a prazo) o vendedor tem o direito de fornecer a ADT e o certificado original somente após a quitação da última parcela ou do valor total da dívida, conforme previsto em lei. Em alguns casos são realizados acordos entre as partes para a antecipação da transferência e liberação do certificado original. O formulário de ADT poderá ser solicitado a qualquer momento junto ao Departamento Administrativo da Girolando ou através do e-mail: girolando@girolando.com.br.

Devolução de comunicações e documentos O Departamento de Controle de Genealogia da Girolando desde o ano passado, após auditoria do Mapa, está devolvendo as comunicações de cobertura, nascimento ou qualquer outro tipo de documento referente ao Serviço de Registro Genealógico que não esteja devidamente preenchido. A falta de preenchimento dos campos de registro ou controle, nomes dos pais e número da CDC, na comunicação de nascimento (CDN), são as pendências que ocorrem com mais frequência. Pedimos a todos os associados que preencham devidamente os formulários para evitar a devolução dos mesmos. Reposições de brincos de identificação Informamos que as reposições de brincos de registro ou controle e de rebanho de fundação devem ser solicitadas junto ao Departamento de Controle de Genealogia, para que possam ser confeccionados e, em seguida, repostos por um técnico do SRGRG. A Associação está trabalhando junto à empresa fornecedora do material um produto mais resistente e durável, que venha a minimizar a perda dos brincos de identificação. Leandro de Carvalho Paiva Superintendente Técnico

103


Mais perto do associado

Girolando inaugura EscritórioTécnico Regional em Goiânia, ampliando atendimento aos criadores do Centro-Oeste

O

Fotos: Luciene Franklin

s criadores de Goiás e do Distrito Federal passaram a contar, em maio, com uma unidade da Associação Brasileira dos Criadores de Girolando na região. A entidade inaugurou, no dia 26 de maio, em Goiânia, o Escritório Técnico Regional (ETR- GO/ DF). A solenidade contou com a presença do presidente da Associação, José Donato Dias Filho, do presidente da Sociedade Goiana de Pecuária e Agricultura, Ricardo Yano, do diretor de Relações Institucionais e Comerciais da Girolando, João Domingos dos Santos, do superintendente técnico, Leandro Paiva, além de criadores e técnicos do setor. As duas entidades firmaram convênio, em março, para instalação da unidade no Parque Agropecuário de Goiânia. Com isso, os criadores contarão com a assistência dos técnicos da Girolando tanto para registro de animais quanto para orientações sobre melhoramento genético. O ETR terá a coordenação técnica do zootecnista Limirio Bizinotto e contará, ainda, com o atendimento do técnico Carlos Eduardo Munhoz de Almeida. O Centro-Oeste é a segunda região do país com maior número de animais registrados pela Girolando. O presidente da SGPA, Ricardo Yano, ressaltou durante a solenidade a “importância da raça Girolando em Goiás na produção de leite”. Além de Goiás, a Associação conta com escritórios em Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro. O Nordeste também ganhará um ETR da Girolando ainda neste ano. A unidade funcionará em Recife (PE) e será inaugurada ainda neste primeiro semestre de 2011.

Fale com o ETR GO/DF Rua 250, s/n, Parque Agropecuário de Goiânia Telefone: (62) 3203-5813 Coordenador Técnico: Limirio Bizinotto lbizinotto@girolando.com.br Técnico: Carlos Eduardo Munhoz de Almeida calmeida@girolando.com.br Secretária: Laisse Conceição Guimarães

Presidente da SGPA, Ricardo Yano, e presidente da Girolando, José Donato

104


CDT define mudanças no registro e nas exposições

O

Conselho Deliberativo Técnico (CDT) da Girolando elegeu, no dia 13 de abril, seu novo presidente. Milton de Almeida Magalhães Neto foi reeleito para o cargo, no qual permanecerá durante toda a gestão 2011/2013. A eleição aconteceu durante a primeira reunião do CDT, desta atual gestão. Durante o encontro, realizado na sede da Associação, foram aprovados os modelos de certificados de registro que serão adotados após a implantação do novo sistema de identificação do Serviço de Registro Genealógico da Raça Girolando (SRGRG). Cada categoria (CCG e PS) passa a contar com apenas um modelo de certificado, que será utilizado tanto no controle ou registro de nascimento do animal quanto no definitivo. Neste último caso será incluído um selo personalizado pelo técnico, no ato da inspeção. O modelo do certificado de cadastro auxiliar de rebanho de fundação não foi alterado. Outra mudança aprovada pelo CDT foi a possibilidade de incluir no Sistema de Identificação Unificado (SIU) a fotografia, de corpo inteiro, do animal, do lado esquerdo, caso as características na pelagem deste lado do corpo possam facilitar a identificação do bovino. O SIU prevê apenas fotografia do lado direito do corpo do animal. O técnico deverá justificar nos documentos oficiais de campo do SRGRG, no ato da inspeção, porque a fotografia do lado esquerdo é necessária. O controle ou registro genealógico de machos Girolando foi outro assunto de muita importância debatido na reunião. Esse assunto já havia sido discutido no CDT em outras reuniões e novamente foi levado para o debate. Após ampla discussão, o CDT aprovou por unanimidade a restrição do controle ou registro genealógico apenas a machos Girolando 3/4, 5/8 e PS. A decisão vale para os machos nascidos a partir de 1º de janeiro de 2013. Todos os machos Girolando que não correspondem aos graus de sangue 3/4, 5/8 e à categoria PS, que nasceram ou nascerão até a data citada, poderão receber o controle ou registro genealógico normalmente, desde que devidamente comunicados ao Serviço de Registro Genealógico da Raça Girolando, conforme normas do regulamento. Foi também aprovada a solicitação de registro de animais provenientes da técnica de transferência nuclear de embriões (Clonagem), feita pela Agropecuária Laffranchi Ltda.. A decisão foi encaminhada pela Superintendência Técnica ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), para regulamentação. Foi solicitada a inclusão de dois animais no SRGRG, ambos são clones do reprodutor Girolando 1/4 Irã Urutu do Morro. Essa nova técnica de reprodução será incluída na próxima versão do regulamento do SRGRG. Na parte das exposições, o CDT não aprovou a solicitação de criadores para inclusão de animais 1/4 Hol +3/4 Gir nos julgamentos oficiais da raça. Segundo o Conselho, a inserção de um novo grau de sangue nos julgamentos não promove e nem acelera o melhoramento genético da raça, visto que a pista de julgamento é uma consequência do melhoramento genético. Além disso, aumentaria

a demanda de tempo nos julgamentos, o que poderia inviabilizar a realização de alguns eventos. As exposições podem julgar animais de outros graus de sangue, porém os resultados não serão reconhecidos nem oficializados pela Girolando. O CDT ressaltou que a matriz 1/4 vem conquistando seu espaço com base no trabalho de seleção que está sendo realizado pelos criadores, utilizando ferramentas de grande importância como o controle leiteiro oficial e a utilização de touros Gir Leiteiro provados nos cruzamentos. O Departamento de Provas Zootécnicas da Girolando solicitou ao CDT que toda a ocitocina utilizada em matrizes Girolando pelos expositores, durante o Torneio Leiteiro da MEGALEITE 2011 fosse fornecida pela Girolando, visando evitar que produtos proibidos sejam inseridos nos frascos de ocitocina, substância utilizada nos animais participantes para estimular a produção de leite. A solicitação foi aprovada pelo conselho. O CDT aprovou também uma nova versão da Norma Regulamentadora de Eventos Oficializados pela Girolando, passando a valer para o Ranking 2011/2012. Entre as mudanças estão: a proibição do banho de leite e a proibição de possíveis adaptações do regulamento de exposições oficiais por parte de organizadores de eventos. Os assuntos aprovados pelo CDT relacionados ao Serviço de Registro Genealógico da Raça Girolando serão submetidos à aprovação do MAPA, juntamente com a nova versão do regulamento. A previsão é de que a próxima versão do regulamento esteja disponível até o mês de setembro de 2011. A próxima reunião do conselho será no dia 26 de setembro. Fazem parte do Conselho, como membros natos: Alisson Luís Lima (representante do Mapa) e Leandro Paiva (Superintendente Técnico); são membros efetivos os conselheiros: Milton de Almeida Magalhães Neto, Limírio Bizinotto, Marcello Cembranelli e Valério Machado Guimarães; os membros suplentes são: Tiago Moraes Ferreira, Juscelino Alves Ferreira, Walter Roriz de Queiroz e Daniella Martins da Silva.

105


106


107


108


109


110


111


112


113


114


115


116


117


118


119


120


121


122


123


124


125


28 de Junho Terça-feira - 20h Transmissão exclusiva

Patrocínio

(43) 3373-7000 Realização

Informações

Assessoria

Realização

www.grupomonteverde.com.br (43) 3373-7077 126

www.programaleiloes.com

RIO DE JANEIRO 21 3736-7088 / 21 3736-7090

(43) 3026-7777


Quantidade com super qualidade, só quem tem 27 anos de tradição pode oferecer!

o issã m s Tran

Local:

Fazenda Monte Verde BR 262 - KM 794 / UBERABA - MG SENTIDO UBERABA/ARAXÁ

Realização

Informações

Patrocínio

www.grupomonteverde.com.br (43) 3373-7077

www.programaleiloes.com

RIO DE JANEIRO 21 3736-7088 / 21 3736-7090

127


Gestão 2011 – 2013

Balancete (01/01/2011 a 30/04/2011) Receitas : Despesas: Resultado : Dados dos Associados Associados ativos em 31/12/2010: Novos associados no período: Associados que retornaram ao quadro: Desligamento de associados: Associados ativos em 18/05/2011: Registros (janeiro/abril 2011) RGD: RGN: RF: Total:

R$1.582.763,79 R$1.147.366,17 R$435.397,62

2.138 151 9 52 2.246 23.919 6.508 1.259 31.686

Mais um escritório técnico Depois de Belo Horizonte-MG (ampliação), Itaperuna-RJ, Jacareí-SP, em maio foi instalado mais um escritório técnico da Girolando. Goiânia, capital do Estado de Goiás, sediará mais esta unidade da Girolando, que se prepara também para inaugurar um escritório técnico na Região Nordeste, mais precisamente, em Recife-PE. O escritório técnico de Goiânia, além da coordenação do zootecnista Limirio Cezar Bizinotto, contará com a atuação do zootecnista Carlos Eduardo Munhoz de Almeida. O Estado de Goiás passa, assim, a ter estrutura ampliada de atendimento aos associados, incluindo os de Brasília. Atrasos e demora na emissão de registros Os primeiros cinco meses deste ano mostraram uma tendência bastante promissora, tanto em comercialização do Girolando quanto em números de registros. Em paralelo estamos implantando um Sistema de gerenciamento dos processos internos da Associação (informatização das comunicações e registros genealógicos), que foi desenvolvido nos últimos três anos. Como o sistema novo está sendo implementado e o antigo não pode ainda ser desativado, alguns atrasos têm ocorrido. Estamos trabalhando para abreviar o máximo esta transição, inclusive aproveitamos para adequar melhor a logística (disposição de móveis, melhor aproveitamento e disposição dos

128

esforços, contratação e treinamento de pessoal, além da revisão de procedimentos administrativos para agilizar o atendimento). Com as nossas desculpas, agradecemos a compreensão e paciência dos associados, e assumimos o compromisso de superar, o mais rápido possível, esta fase de desconforto com os atrasos. Rastreando as filhas do Teste de Progênie O Departamento de Provas Zootécnicas (DPZ) está realizando, desde abril de 2011, o rastreamento de todas as filhas dos touros em Teste de Progênie. A medida visa saber como está o desenvolvimento desses animais, sua situação dentro do rebanho, se estão prenhes ou já pariram e como está sendo conduzida sua lactação. Este procedimento será de rotina do DPZ em todos os grupos de touros. Os técnicos do Programa de Melhoramento Genético da Girolando (PMGG) entram em contato telefônico ou através das visitas técnicas aos rebanhos colaboradores, de posse de uma lista com todos os animais nascidos naquela propriedade, e verificam a situação de animal por animal. Com isso, pretende-se obter um maior número de dados sobre essas filhas, proporcionando maior segurança na divulgação dos resultados e efetividade do nosso PMGG. Novo recorde nacional de produção de leite No dia 26 de abril de 2011, a matriz Bárbara Teatro Pedra (1/2 Hol + 1/2 Gir), de propriedade de Geraldo Antônio de Oliveira Marques, Estância Bom Retiro, em São Sebastião do Rio Verde(MG), produziu o total de 60 quilos de leite durante as três ordenhas realizadas, em pesagem oficial do Serviço de Controle Leiteiro da Girolando, feita pelo técnico Rafael Tavares Ribeiro. Com essa pesagem atingiu a marca de 22.914 quilos de leite em 365 dias de lactação, batendo o recorde nacional de produção de leite do Serviço de Controle Leiteiro da Girolando, que até então era da matriz Quartinha Terra Vermelha (1/2 Hol + 1/2 Gir), com produção de 22.785 quilos de leite em 365 dias, de propriedade de Marta de Azevedo Bernardes, fazenda Terra Vermelha. Bárbara ainda está em lactação. No ano passado ela já havia batido o recorde de produção de leite do Torneio Leiteiro Nacional de Girolando, com produção média de 80,270 quilos de leite, durante o 21º Torneio Leiteiro Nacional de Girolando, na MEGALEITE 2010. A Girolando está muito orgulhosa por causa desta vaca, que passa para a nossa história como a responsável por um de nossos momentos gloriosos. O novo recorde de produção será divulgado pelo Departamento de Provas Zootécnicas assim que a lactação for encerrada, recebendo todo o destaque merecido.


129


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS CRIADORES DE GIROLANDO TRIÊNIO 2011/2013 ESTES SÃO OS NOVOS CRIADORES, E ENTIDADES DE CLASSE QUE PASSARAM A INTEGRAR O QUADRO SOCIAL DA GIROLANDO NOS MESES DE MARÇO, ABRIL E MAIO DE 2011.

PROP. Nº 6506 6520 6496 6488 6486 6450 6494 6481 6489 6484 6479 6437 6459 6446 6438 6492 6433 6419 6537 6511 6503 6463 6541 6493 6495 6461 6414 6475 6455 6519 6491 6521 6522 6483 6478 6436 6452 6415 6468 6513 6508 6487 6447 6416 6485 6476 6454 6517 6542 6510 6505 6500 6499 6482 6404 6477 6540 6532 6544 6480 6514 6490 6527 6518 6512 6443 6469 6530 6531 6471 6533 6515 6501

130

CRIADOR Alexandre Vinicius Costa Soares Amanda Carvalho Borges Abgail Valias Vargas Agrovile Agricultura e Empreendimentos Ltda Amilton Teixeira Naves Angelo Augusto de Souza Breno Leão Lemes Rocha Calabria Belmiro Coelho da Rocha Carlos Fernando Ferrarezi Guimarães Cláudio Duarte B.Júnior Condominio João Magalhães e Filhos Coop.dos Prod.de Leite do Alto Paranaíba Daniel Antônio Silvano Dário Emerson Resende Couto e Silva Divino Borges dos Santos Eliozina do Carmo Mendonça Cunha Ediney Cabral Marques Edgard de Cerqueira Lôbo Emilio Afonso França Fontoura Fernando Mauricio Araújo Guimarães Fabiano Cesar de Avila Fábio Furlanetti Fátima Helena de Sousa Tavares Fundação Educacional de Ituverava Geraldo Vieira Filho Gabriel Lamounier Vieira Geraldo Marra Ferreira Hugo Leonardo Casarotto Heraldo Menezes de Sá Igor Rio Apa Granja João Paulo Soares Bessa Costa José Roberto de Paula Ribeiro José Salomão Tanure Neto José Américo Leão José Coelho da Rocha José Lucca José Lúcio Conrado Gonçalves José Orlando Ferreira de Carvalho Neto José Lucio da Silva Júnior Larissa Ferreira de Mello Lidiomar Cardoso dos Santos Leonardo Assunção Melo Pontes Libério Alves de Góis Lazaro Divino Borges Luiz Carlos Monteiro Luiz Antônio de Castro Leandro Silva Mamede Lourisvaldo Teodoro Júnior Luiz Ricardo de Castro Márcio Maciel Leite Manoel Antônio da Costa Márcio Barreto Ribeiro de Carvalho Marcelo Machado Ribeiro Márcio Túlio Leite Rocha Mizael de Souza Lima Júnior Murilo Cardoso Teixeira Maria Helena Tavares Domingos dos Santos Marcelo de Souza Ribeiro Mário Alves Lima Neto Newton da Fonseca Ramos Odair Mezanini Otávio Roxo Nobre Barreira Onofre Ribeiro de Carvalho Paulo Emílio Sales Percival Santos Muniz Pacifico Estites Rodrigues Rafael Cardoso Valente Renato Maurício de Paula Romero Machado Campos Júnior Sebastião José Martins Soares Silvana Gonçalves Silva Tiago de Souza Leonel Wilton de Souza Martins

MUNCÍPIO Belo Horizonte – MG Araxá – MG São Gonçalo do Sapucaí - MG Ribeirão das Neves – MG Divinópolis – MG Curvelo – MG Rio Verde – GO Curvelo – MG Guanhães – MG Uberlândia – MG Itamonte – MG Paraibuna – SP Bela Vista de Goiás – GO Bom Despacho – MG Aparecida de Goiânia – GO Monte Alegre de Minas – MG Caçu – GO Iguai – BA Uberaba – MG Belo Horizonte – MG Araxá – MG Naviraí – MS Brasília – DF Ituverava – SP Patrocínio do Muriaé – MG Oliveira – MG Patrocínio – MG Campo Grande – MS Floresta – PE Juiz de Flora – MG Campo Grande – MS Belo Horizonte – MG Sete Lagoas – MG Belo Horizonte – MG Curvelo – MG Governador Valadares – MG Belo Horizonte – MG Santo Antônio Amparo - MG Jaboatão dos Guararapes – PE São Sebastiao da Grama – SP Patrocínio – MG Tapira – MG Nova Serrana – MG Caçu – GO Campinas – SP Cuiabá – MT Uberlândia – MG Uberlândia – MG Brasília – DF Cruzília – MG Quatis – RJ Mococa – SP Paracatu – MG Curvelo – MG Juiz de Fora – MG Pedro Leopoldo – MG Brasília – DF Bambuí – MG Recife – PE Itamonte – MG Indiavaí – MT Mococa – SP Conceição da Aparecida – MG Castelo – ES Rondonópolis – MT Itaperuna – RJ Umuarama – PR Franca – SP Pratápolios MG Rio de Janeiro – RJ Sertãozinho – SP Mirassol D´Oeste – MT Ipatinga – MG

Presidente: José Donato Dias Filho 1º Vice-presidente: Fernando Antonio Brasileiro Miranda 2º Vice-presidente: Maurício Silveira Coelho 3º Vice-presidente: Jônadan Hsuan Mim Ma 4º Vice-presidente: Ivan Adhemar de Carvalho Filho 1º Diretor-administrativo: Milton de Almeida Magalhães Júnior 2º Diretor-administrativo: Adolfo José Leite Nunes 1º Diretor-financeiro: Maria Inez Cruvinel Rezende 2º Diretor-financeiro: Eugênio Deliberato Filho Relações Institucionais e Comerciais: João Domingos Gomes dos Santos

Conselho Fiscal Jeronimo Gomes Ferreira Silvio de Castro Cunha Júnior Marcelo Machado Borges Suplentes Conselho Fiscal Eduardo Jorge Milagre José Alberto Paiffer Menk Luiz Carlos Rodrigues Conselho Consultivo Antônio José Junqueira Villela Joaquim Luiz Lima Filho Nelson Ariza Roberto Antônio Pinto de Melo Carvalho Rodrigo Sant’anna Alvim Suplentes Conselho Consultivo Geraldo Antônio de Oliveira Marques Guilherme Marquez de Rezende Leonardo Moura Vilela Rubens Stacciarini Tomaz Sérgio Andrade de Oliveira Júnior

Membros Conselho Deliberativo Técnico 2011/2013 Membros Natos Alisson Luis Lima Leandro de Carvalho Paiva

Representante do MAPA Superintendente Técnico

Membros Efetivos

Membros Suplentes

Limírio Cezar Bizinotto Marcello A. R. Cembranelli Milton de Almeida Magalhães Neto Valério Machado Guimarães

Juscelino Alves Ferreira Walter Roriz de Queiroz Tiago Moraes Ferreira Daniella Martins da Silva

CONSELHO DE REPRESENTANTES ESTADUAIS: AL – Paulo Emílio Rodrigues do Amaral AM – Raimundo Garcias de Souza BA – José Geraldo Vaz de Almeida BA – Luiz Tarquinio Duarte Pontes BA – Jorge Luiz Mendonça Sampaio CE – Cristiano Walter Moraes Rola DF – Dilson Cordeiro de Menezes DF – Erotides Alves de Castro DF – Ismael Ferreira da Silva ES – Rodrigo José Gonçalves Monteiro GO – Elmirio Monteiro Marques Júnior GO – José Mário Miranda Abdo GO – Léo Machado Ferreira GO – Itamir Antônio Fernandes Vale MG – Anna Maria Borges Cunha Campos MG – Carlos Eduardo Fajardo de Freitas MG – Horácio Moreira Dias MG – José Ricardo Fiuza Horta MG – Júlio Cesar Brescia Murta MG – Paulo Henrique Machado Porto MG – Salvador Markowicz Neto MS – Aurora Trefzger Cinato Real MS – Ronan Rinaldi de Souza Salgueiro MS – Rubens Belchior da Cunha

PA – Zacarias Pereira de Almeida Neto PB – Antônio Dimas Cabral PB – Yvon Luiz Barreto Rabelo PE – Cristiano Nobrega Malta PE – Eriberto de Queiroz Marques PR – Antônio Francisco Chaves Neto PR – Bernardo Garcia de Araújo Jorge PR – João Sala RJ – Filipe Alves Gomes RJ – Herbert Siqueira da Silva RJ – Jaime Carvalho de Oliveira RJ – Luciano Ferreira Guimarães RO – José Vidal Hilgert SE – Lafayette Franco Sobral SE – Ricardo Andrade Dantas SP – Adriano Ribeiro de Oliveira SP – Braulio Conti Júnior SP – Decio de Almeida Boteon SP – Eduardo Falcão de Carvalho SP – Pedro Luiz Dias SP – Roberto Almeida Oliveira SP – Virgilio Pitton TO – Eli José Araújo


GEA A GEA Farm Technologies acaba de estrear no segmento de misturadores para alimentação animal. A empresa fechou parceria com a italiana Faresin Industries, líder global neste mercado, que lhe dá exclusividade na distribuição dos vagões misturadores para projetos leiteiros de qualquer dimensão. Esta iniciativa proporcionará, em 2011, aumento de 25% na receita da divisão GEA Farm Equipment, que reúne ainda as soluções para conforto animal e tratamento de dejetos. A comercialização dos vagões será feita via revendas autorizadas. A gama completa de produtos é composta por vagões tracionados ou autopropulsionados, com corte vertical ou horizontal, com capacidade entre 7 e 46 m³ de matéria prima. No total, são três linhas que reúnem 30 modelos de vagões que já estão disponíveis para compra. Os preços variam de R$ 50 mil a R$ 650 mil.

EMBRAL Os remates promovidos pela Embral Leilões, Leilão Girolando Noite de Gala e o 10º Grande Leilão Anual Girolando Fazenda Santa Luzia, registraram boas médias e recorde mundial de valorização da raça Girolando. Os eventos foram realizados nos dias 29 e 30 de abril, em Passos (MG), sob o comando de José Coelho Vitor, Maurício Silveira Coelho e família. A fêmea Girolando ½ sangue, Olinda Osmond Santa Luzia, teve 50% de sua posse vendida por R$146.400,00 para Adolf Arno Edelhoff Filho, da Fazenda Natividade, em Rio das Flores (RJ). Os remates tiveram médias de R$21.930,16 na venda de 28 animais no Leilão Girolando Noite de Gala – com destaque para as vacas, que atingiram R$36.080,00 de média – e R$7.488,44 para 301 animais vendidos no 10º Grande Leilão Anual Girolando Fazenda Santa Luzia. EXPOLACT Marcada para acontecer entre os dias 10 e 19 de junho, no Recinto de Exposições Alberto Bertelli Lucato, em São José do Rio Preto, a Expolact quer contribuir para o aperfeiçoamento do produtor de leite. Vários cursos de extensão serão realizados, envolvendo diferentes temas ligados à produção leiteira. A expectativa da Láctea Noroeste, organizadora da Expolact, é envolver nesta edição 25% dos produtores dos 112 municípios das regiões de Jales, Fernandópolis, Vo-

tuporanga, General Salgado, Catanduva e São José do Rio Preto - o equivalente a 2.500 produtores. A previsão de público é de dez mil visitantes nos dez dias de realização da feira. Além dos julgamentos e concursos leiteiros, a Expolact também conta com ovinos de várias raças, máquinas e equipamentos agrícolas, automóveis, insumos, tecnologias, leilões de animais, palestras e dinâmicas. SEMEX Mais uma vez a Semex demonstra sua grande capacidade de unir produção, conformação e saúde nos seus touros. As recentes provas de abril 2011 vieram com grandes novidades neste sentido, além de confirmar importantes touros que já estavam sendo comercializados e que, com acréscimo de mais filhas, ganham ainda mais confiabilidade. Confira as novidades da Semex em seus dois catálogos de raças de leite com provas de abril, que acabam de ser lançados. Consulte o representante mais próximo da sua região.

Leilões Virtuais O muBoi.com é um site de leilões 100% on-line, onde você pode leiloar ou arrematar animais de qualquer lugar do Brasil, a qualquer hora do dia ou da noite, sete dias por semana. Para se tornar um vendedor ou comprador do muBoi.com basta preencher um cadastro gratuito, disponível no site www.muBoi.com. O muBoi.com avalia todos os cadastros realizados e conta com uma equipe especializada que visitará todos os animais em negociação, com o intuito de ressaltar as principais características do objeto do leilão. Os animais serão avaliados e descritos para que todas as análises ocorram antes do arremate. Todos os lances serão ofertados, somente, por meio da internet, não sendo admitidos lances feitos por telefone, fax ou qualquer outra forma de comunicação.

131


Depto. Técnico

Email lpaiva@girolando.com.br mcembranelli@girolando.com.br bviana@girolando.com.br ejunior@girolando.com.br wrodrigues@girolando.com.br salmeida@girolando.com.br eneto@girolando.com.br fboaventura@girolando.com.br jlopes@girolando.com.br jsilva@girolando.com.br jferreira@girolando.com.br lbizinoto@girolando.com.br

Telefone (34) 3331-6000 (34) 3331-6013 (34) 3331-6013 (34) 3331-6013 (34) 3331-6013 (34) 3331-6037 (34) 3331-6017 (34) 3331-6017 (34) 3331-6017 (34) 3331-6017 (34) 3331-6017 (34) 3331-6017

Depto. Financeiro / ADM / MKT

Eduardo Izoldi José Mauad Edlaine Boaventura Paula de Oliveira Renata Cristina Carolina Castro Tassiana Giselle Jean Carlos Nivaldo Faria Jair Francisco Luiz Fernando João Marcos Larissa Vieira

Superintendente Geral Superintendente Administrativo/Financeiro Faturamento Financeiro Contas a Pagar e Grife Secretária da Presidência e Diretoria Secretária da Superint. e Departamento de Jurados Serviço de Controle Leiteiro Expedição de Certificados Controle de Genealogia Tecnologia da Informação Depto. de Comunicação e Marketing Assessora de Imprensa

eizoldi@girolando.com.br jfilho@girolando.com.br eboaventura@girolando.com.br pgoncalves@girolando.com.br rcarvalho@girolando.com.br / grife@girolando.com.br cteles@girolando.com.br / diretoria@girolando.com.br tsilva@girolando.com.br / djrg@girolando.com.br joliveira@girolando.com.br nfaria@girolando.com.br jjunior@girolando.com.br lmoura@girolando.com.br marketing@girolando.com.br imprensa@girolando.com.br

(34) 3331-6032 (34) 3331-6006 (34) 3331-6012 (34) 3331-6030 (34) 3331-6018 (34) 3331-6020 (34) 3331-6022 (34) 3331-6015 (34) 3331-6003 (34) 3331-6008 (34) 3331-6029 (34) 3331-6038 (34) 3331-6026

ETR-BH (Belo Horizonte) Jesus Lopes Nilo do Valle André Junqueira Katislene de Oliveira

Coordenador Técnico Zootecnista - Técnico do SRGRG Zootecnista - Técnico do SRGRG Secretária

jlopes@girolando.com.br nvale@girolando.com.br ajunqueira@girolando.com.br etrbh@girolando.com.br

(31) 9954-7789 (37) 9964-8872 (31) 3334-5480

ETR-RJ/ES (Itaperuna) Fernando Boaventura Érico Ribeiro Lucas Facury Ariane

Coordenador Técnico Zootecnista - Técnico do SRGRG Zootecnista - Técnico do SRGRG Secretária

fboaventura@girolando.com.br eribeiro@girolando.com.br lfacury@girolando.com.br etrrj@girolando.com.br

(28) 9939-1501 (34) 8401-9193 (22) 3822-3255

ETR-SP (Jacareí) Rafael Tavares Márcia

Méd. Veterinário - Técnico do SRGRG Secretária

rribeiro@girolando.com.br etr_jacarei@girolando.com.br

(12) 9779-2333 (12) 3959-7292

ETR-GO/DF (Goiânia) Limírio Bizinotto Carlos Eduardo Laissa

Coordenador Técnico Méd. Veterinário - Técnico do SRGRG Secretária

lbizinotto@girolando.com.br calmeida@girolando.com.br etr_goiania@girolando.com.br

(62) 3203-5813 / (17) 9773-5157

ETR-NE (Recife) Pétros Camara Medeiros Janaina

Méd. Veterinário - Técnico do SRGRG Secretária

pmedeiros@girolando.com.br etr_recife@girolando.com.br

Escritórios Técnicos Regionais (ETRs)

Cargo e/ou Setor Zootecnista - Superintendente Técnico Médico Veterinário - Coord. Oper. do PMGG e DPZ Zootecnista - Técnico do PMGG e DPZ Técnico Agrícola - Técnico do PMGG e DPZ Zootecnista - Técnico do PMGG e DPZ - Juiz de Fora / MG Engenheiro Agrônomo - Dep. de Exposições e Ranking Zootecnista - Técnico do SRGRG e Superint. Técnico Substituto Zootecnista - Técnico do SRGRG Zootecnista - Técnico do SRGRG Zootecnista - Técnico do SRGRG Zootecnista - Técnico do SRGRG Zootecnista - Técnico do SRGRG

Relação de Núcleos

Representante

Empr. Prest. de Serviços

Associação Brasileira dos Criadores de Girolando

Nome Leandro Paiva Marcello Cembranelli Bruno Viana Edivaldo Júnior Wewerton Resende Sérgio Esteves Euclides Prata Fernando Boaventura Jesus Lopes José Renes Juscelino Ferreira Limírio Bizinotto

Campo Grande – MS Guarantã do Norte – MT Itarumã – GO Itabuna – BA Ji Paraná – RO Lajinha – MG Lins – SP Maceió – AL Paracatu – MG Salvador – BA

Contato Email Dagmar Ferreira dagmarezende@hotmail.com Heitor Corrêa heitor.cl@bol.com.br Jurandir Ribas ribas.mt@hotmail.com Rubens Assis plantarecolher@uol.com.br Jorge Miranda Guilherme Pereira ghpguilherme@gmail.com Antônio Carlos acarlosbrum@bol.com.br Marcelo Junqueira marcelo.medvet@ig.com.br Domicio Arruda domicioarrudasilva@superig.com.br Ironaldo Monteiro ironaldoam@hotmail.com João Batista joaobmelo@oi.com.br Marcelo Schettini macelovet2007@hotmail.com Nivio Bispo niviovet@hotmail.com

Telefones (67) 9231-7121 / 9679-3440 (67) 9997-8464 (66) 9991-1128 / 9967-5232 (64) 3659-1276 / 9244-2320 (73) 3212-5832 / 8822-4626 (69) 3421-5736 / 9981-6745 (33) 3331-1183 / 9905-6480 (14) 3522-5952 / 9785-1739 (82) 3358-5082 / 9997-0088 (82) 3235-1625 / 8816-9960 (82) 9981-9085 (38) 3671-5750 / 9962-1517 (71) 3115-2728 / 8879-2657

Aracaju – SE Arapongas - PR Brasília – DF Barra do Garças – MT Cacoal – RO Cuiabá – MT Garanhuns – PE Goiânia – GO Gurupi – TO Jataí – GO Novo Mundo – MT Palmas – TO Terra Nova do Norte – MT Tomé Açu – PA

Ranilson Cavalcanti Gilmar Sartori Luiz Ricardo Adelino José Pedro Alves Luiz Henrique Igor Cunha Ana Carolina Márcio Antônio Pedro da Silveira Loni Soares Luiz Solano Nicolau Muzzi Anderson Linares Rogério Barbosa

(79) 3247-3326 / 9971-1335 (43) 3275-1811 / 9972-7576 (61) 9676-7207 (66) 3401-5787 / 8114-9999 (69) 3225-2942 / 9225-7025 (65) 8138-041 (87) 3761-5486 / 9639-3906 (62) 3249-6343 / 8404-6136 (62) 8420-4540 / 9607-2078 (63) 3312-4591 / 8127-0080 (64) 8402-3918 / 9964-3465 (66) 3539-6103 / 9209-7898 (63) 3215-4178 / 9911-9872 (66) 9622-6622 (91) 3734-1558 / 9114-3400

www.girolando.com.br - (34) 3331-6000 (PABX) - Vanessa/Daniella

132

(34) 3331-6000

ranilsonrego@yahoo.com.br gilmarsartori@yahoo.com.br lrdecastro@gmail.com adelino.robl@hotmail.com pedromariba@hotmail.com lhvargas@uol.com.br igor@locusgenetica.com.br anakrolcabral@yahoo.com.br mutigor@uol.com.br iatogpi@bol.com.br lonifilho@yahoo.com.br solanoagro@bol.com.br topsemenn@yahoo.com.br sonalf@bol.com.br samvetilab@bol.com.br


133


134

O GIROLANDO 78  

Órgão Oficial da Associação Brasileira dos Criadores e Girolando

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you