Page 1

Marilyn Marques

Retratos na Mala


Retratos na Mala Exposição temporária de fotografia

Marilyn Marques


Na sua obra Documental, Marilyn transporta-nos por viagens de instantes, numa paixão arrebatadora por gente e ambientes quotidianos, diurno e nocturno, num êxtase e fulgor de um só folego, pois só no momento, o instante, ou seja, não se repete, não o permite, instigando o observador a portar-se como a objectiva da sua máquina: ZÁS! FLASH! O mundo num momento, no olhar de Marilyn por trás da máquina que manuseia e domina como um impulso sexual arrebatador. A Arte da fotografia é isto: Permanência do Momento. Vieira Duque

There is much to support the view that it is clothes that wear us and not we, them; we may make them take the mould of arm or breast, but they mould our hearts, our brains, our tongues to their liking. Virginia Woolf, in Orlando


Desde que me entendo por gente que a Fotografia sempre me perseguiu. O meu Pai andava sempre de máquina fotográfica na mão, tendo feito algumas centenas de fotografias que guardo com muito carinho, em álbuns que cheiram a mofo e em caixinhas de slides. Lembro-me bem do som, do barulhinho que a máquina fazia cada vez que trocava um slide e, de repente, outra imagem se projectava na parede branca da sala, em casa da minha avó. A familia reunida, tios e primos, vendo e comentando as imagens, fascinados pelas paisagens, pessoas e lugares por onde passámos nos tempos vividos emigrados na Venezuela. Claro que, na maior parte delas, eu e a minha mãe éramos as protagonistas e sempre em cenários mais exóticos, ou seja, uma novidade para os que cá estavam. Era outro país, com outra cultura, apesar do mesmo credo. Mais tarde apercebi-me da importância daqueles registos e das memórias que guardam. Nós somos as nossas memórias e a fotografia faz com que aquele passado volte a ser presente, nem que seja por segundos, como uma viagem muito rápida ao passado. Pode parecer um pouco saudosista, sim! e porque não?! Ter saudades é bom e apesar de ter nascido da Venezuela, da qual tenho um enorme orgulho, o sangue que me corre nas veias é português e a palavra Saudade fica-me bem. Acostumada a andar de um lado para o outro, o meu gosto por viajar sempre se manteve e para completar a felicidade, de preferência, com uma máquina fotográfica a postos, a registar algo que me desperte atenção. Na minha viagem ao Oriente, mais propriamente a Macau e ao Vietnam, foi assim que vivi o dia-a-dia deles. Marilyn Marques


Macau Passados 16 anos dos portugueses terem entregue a cidade aos chineses, muita coisa mudou, não conhecia como era o de antes, mas percebe-se que eles estão bem sem nós por lá. Em alguns momentos, senti até mesmo alguma hostilidade pelo facto de ser branca e não ter “olhos em bico”, mas tirando isso, fui sempre bem recebida em qualquer estabelecimento e em nenhum caso me senti ameaçada, mesmo quando me perdi e andei quilómetros a pé à procura da torre do Casino Lisboa para me orientar, pois era o meu ponto de referência para voltar para onde estava hospedada. Macau é um lugar cheio de contrastes. Desde os seus casinos luxuosos, até ao bairros mais humildes, onde toda a magia da cultura oriental se vive mais intensamente. Passados dois anos, volto a pegar nestas imagens e vivo de novo esta viagem, recordando cada instante e o que se passou no momento em que fiz aquele registo. Como se a tivesse vivido e revivido… MACAU Jan/2016


Colecção Fundação Dínisio Pinheiro e Alice Cardoso Pinheiro N. INV. 1656


Vietnam A viagem ao Vietnam foi muito curta, e ficou a saber a muito pouco. Fiquei apaixonada pelos vietnamitas. Nunca conheci povo tão dócil e simpático, pelo menos falo daqueles com quem me cruzei. É claro que há uma certa evidência pela necessidade de agradar ao turista porque vivem muito à conta desse rendimento. Também percebi pela primeira vez o resultado negativo do turismo em massa nestas regiões, que descaracteriza, impondo a cultura ocidental que já se sente bastante presente nas cidades maiores. A zona onde fiquei e explorei fica junto a costa. É uma zona mais rural e com belas praias onde os turistas, principalmente australianos, vêm para descansar. Mas encontram-se pessoas de toda a parte do mundo. É fascinante! Nunca me irei esquecer daquele banho de mar, à noite, debaixo de chuva, onde a água do mar era mais quente que a própria água da chuva… pena não ter fotos dessa experiência, mas há certos momentos que temos que poisar a maquina e viver! Vietnam Jan/2016


Colecção Fundação Dínisio Pinheiro e Alice Cardoso Pinheiro N. INV. 1657


Marilyn Marques, nasceu em Caracas, 1979. Vive em Águeda desde 1989. Estudou na Escola Secundária Marques Castilho, licenciou-se em fotografia pela Escola Superior de Tecnologia de Tomar (ESTT) e passou pelo jornal O Público. Interessa-se particularmente pela vertente documental e fotojornalística, tendo os seus trabalhos participado em exposições coletivas na Galeria Municipal da Cidade da Horta (2005) e na Quadrienal de Praga (2007), no âmbito do projeto “Architectures on Stage” de João Mendes Ribeiro. Mais recentemente, em 2015 expõe na Fundação Dionísio Pinheiro & Alice Cardoso Pinheiro com “A Fotografia como autobiografia do olhar” e “Deambulações Noctívagas - Entre, espreite ou ignore”. Actualmente trabalha como freelancer em parceria com várias entidades.


Ficha Técnica: Curadoria: Vieira Duque, Conservador e Membro da Comissão Executiva Edição: Fundação Dioníso Pinheiro e Alice Cardoso Pinheiro Design: Joel Almeida Catarina Marques Fotografias: Marilyn Marques Fotografia de Capa / Fotografia de Autor: Lauren Maganete Textos:

Marilyn Marques Vieira Duque


Praรงa Dr. Antรณnio Breda, nยบ4 3750-106 รgueda Telefones: (+351) 234 623 720 | (+351) 234 105 190 (+351) 913 333 000 Fax: (+351) 234 096 662 www.fundacaodionisiopinheiro.pt info@fundacaodionisiopinheiro.pt conservador.museu@fundacaodionisiopinheiro.pt https://www.facebook.com/fundacaodionisiopinheiro/

Retratos na Mala, Marilyn Marques  

Catálogo da exposição temporária individual de Fotografia: Retratos na Mala, de Marilyn Marques na Fundação Dionísio Pinheiro e Alice Cardos...

Retratos na Mala, Marilyn Marques  

Catálogo da exposição temporária individual de Fotografia: Retratos na Mala, de Marilyn Marques na Fundação Dionísio Pinheiro e Alice Cardos...

Advertisement