Page 1

Fórum do Campo Lacaniano • São Paulo Escola de Psicanálise dos Fóruns do Campo Lacaniano • Brasil

Os paradoxos do desejo IF-EPFCL

Desejo de saber FCCL - FCL-SP


2


Sumário Escola de Psicanálise dos Fóruns do Campo Lacaniano Internacional dos Fóruns - Escola de Psicanálise

08

EPFCL - Brasil

10

Escola de Psicanálise dos Fóruns do Campo Lacaniano Cartel

11

Internacional dos Fóruns - Escola de Psicanálise....................................................08 EPFCL - Brasil........................................................................................................................... 10 Cartel.......................................................................................................................................... 11 Fórum do Campo Lacaniano - São Paulo Atividades do FCL - SP Formações ClínicasLacaniano do Campo Lacaniano Fórum do Campo - São Paulo Módulos de Transmissão

Atividades doLeitura FCL - SP ....................................................................................................... 16 Módulos de

16 24 25

Redes de Pesquisa

26

Rede Clínica

27

Formações Clínicas do Campo Lacaniano Seminários do Campo Lacaniano

28

Agenda

30

Módulos de Transmissão...................................................................................................................24 Módulos de Leitura..............................................................................................................................25 Redes de Pesquisa................................................................................................................................26 Rede Clínica................................................................................................................................ 27

Seminários do Campo Lacaniano..................................................................................28 Agenda......................................................................................................................................30

3


4


Editorial Desejo de saber, eis o tema que norteará os traba-

poder, não precisam de qualquer comprovação.

lhos do FCL-SP em 2014. Não sem Os paradoxos do

Autorizar-se depende, então, da assunção de um

desejo, tema/título do VIII Encontro Internacional da

desejo que, muito embora não seja puro, é um dese-

IF-EPFCL que acontecerá em julho, em Paris.

jo de absoluta diferença. Um desejo além da lei (do

Um psicanalista, sempre provável, “só se auto-

Pai), mas evidentemente não sem ela. O desejo de psi-

riza de si mesmo”. O que implica outro enuncia-

canalista é radicalmente singular e depende do Ato.

do: um psicanalista depende de sua formação.

Desejo decidido, que carrega a paradoxal decisão de

Extraímos de saída que a solidão e o laço são fun-

um indecidível.

damentais. A solidão para que se conte, um a um,

No momento de concluir: o desejo de psicanalista.

porque suportamos o não-todo. Para que suporte-

Desejo responsável que inclui a causa e o saber. Um

mos que não há O Psicanalista. O laço, que pauta-

claro desafio ao determinismo, pois não é pouco fa-

do em uma ética, igualmente concerne o desejo e

zer de tiquê, do acidente, do estranho, do encontro

a responsabilidade. E abre, assim, condições para

faltoso, do horror, uma invenção, um saber que po-

uma comunidade analítica.

derá, enfim, sair do forno... a cada vez. Um saber que

Se houve no campo lacaniano uma preocupação

se alinha ao Real.

para que não se fizesse do analista uma agregação,

“Só há analista na medida em que esse desejo lhe

nem por isso podemos dizer que qualquer um seja

advier”, um desejo inédito, afirmou Lacan na Nota

analista. O analista só se autoriza de si mesmo, mas

Italiana de 1974. Analista que emerge do não-todo.

autorizar-se não é autorritualizar-se.

Analista que se sabe rebotalho... pois um saber em

Não se trata, portanto, de ritualizações de qualquer

outro lugar, ele o deseja. Desejo de saber.

sorte, mas sim de marcar a hiância própria à causa de

Afirmamos, outrossim, que não há formação do

desejo. Não se trata, tampouco, de poder hierárquico.

analista que não passe por aquilo que Lacan de-

A causa é hiante e o “si mesmo” refere-se ao espa-

nominou “psicanálise pura”, que não passe pelo

ço vazio da estrutura. Daí distinguirmos e atentar-

saber inconsciente.

mos às manifestações de plena hierarquia. O “dar as

Pois bem, no começo da psicanálise está a trans-

provas” de cada analista abre trilheiras muito diver-

ferência. E a transferência implica saber. Entre dois

sas daquelas das Suficiências que, aconchegadas no

significantes o sujeito pode ser suposto. Desde a

5


Editorial máxima, um significante representa o sujeito para outro significante. Cada psicanálise parte de supor o saber como sujeito do inconsciente.

Um percurso analítico, quanto ao saber, poderia ser assim resumido: “O saber com que a transferên-

O desejo, enquanto desejo do Outro, com suas ver-

cia faz o sujeito revela-se à medida que o sujeito tra-

sões de insatisfação, impossibilidade obsessiva ou

balha, ser um saber fazer [savoir y faire] com a verda-

seu modo cabreiro, logo se mostra (em escape) nos

de”. Saber fazer com a verdade não-toda!

enquadres da impotência fantasmática. Muitas re-pe-

E certamente é preciso tempo para que alguém

tições, e muitas voltas da demanda para contar o que

venha a sentar-se como analista. As subversões

não se conta. O desejo errante, posto na metonímia

de Lacan indicam que isso acontece “pela desma-

de um significante a outro parece ali infinitizar-se.

neira que nele impõe à verdade [...] Só um saber

Se por um lado a transferência (neurótica) é mesmo

dá a dita desmaneira”.

assegurada pelo desejo enquanto o desejo do Outro,

O saber dá a desmaneira, o desejo dá a desmedi-

o analista opera a análise a partir de um desejo ori-

da, a causa abre espaço para o vazio. Apontamentos

ginal, um desejo que, conforme sublinhou Lacan no

para o Real em jogo na formação dos psicanalistas.

Seminário 10, pode levar as coisas para “além do li-

Real como impossível, Real como aquilo que advém

mite da angústia”. Então, convém ao analista que ele

de nossa experiência do saber.

tenha feito seu desejo entrar suficientemente no ob-

Trata-se mesmo de alojar outro saber em outro lu-

jeto a, nesse a irredutível, de modo a oferecer à an-

gar. Saber articulado a um desejo, conforme afirma-

gústia “uma garantia real”. O objeto a, desta feita, se

mos, um desejo inédito. Desenhos para a designação

deduz e pode encampar sua função hiante.

do inconsciente enquanto Real.

O desejo do psicanalista não é, portanto, homólogo

“O inconsciente é apenas um termo metafórico

ao desejo do Outro. Donde afirmamos que se espera,

para designar o saber que só se sustenta ao se apre-

de uma psicanálise, certo desejo voltado à falta de res-

sentar como impossível, para que, a partir disso, con-

posta de

6

o incalculável.

. Desejo articulado a um saber furado.

firme-se ser real.”

Há o saber que se produz em uma análise, mas há

Isto implica a satisfação, tanto naquilo que esta

o saber que no par ordenado indica que não se faz re-

porta de um basta pelo Ato, por um: é isso! – ou, em

lação com o dois, entre eles dois (S1, S2). Isso aponta

uma versão não-toda: tudo, mas isso não! – como por


aquilo que ela traz em termos de afeto. E, nesta toada,

o corpo do ser que só se torna ser pelas palavras, isso

mais uma vez com a Nota Italiana de 1974, colocamos

por fragmentar seu gozo, por recortar este corpo até

luz no entusiasmo. Não há chances de analista caso

produzir as aparas com que faço o objeto pequeno a,

este não advenha. Lacan contava, então, com o entu-

abjeto, ou a causa primária de seu desejo”.

siasmo para dissipar a “Sombra Espessa” que costu-

Deixar-se causar, inventar. Savoir y faire.

ma encobrir a junção – aquela em que o psicanalisan-

Savoir y faire como um “reconhecer-se entre

te passa a psicanalista.

saber/s(av)oir”. Um reconhecimento que diz não

Para haver entusiasmo é preciso levar o desejo para

ao Saber Absoluto. Com a asserção: há do saber no

além dos limites da angústia. A precisão lacaniana:

Real. Este Real que Lacan fez corresponder ao nó

é preciso que o analista tenha cingido a causa de seu

borromeano inteiro.

horror de saber. Lacan fazia suas apostas, apostas que, a cada vez, apontaram o Real: oco do saber. Saber no real. Saber

S(av)oir. Inquietante afirmação que traz algo do soir (noite/escuro) para o saber (sem sujeito) que refere o Real. Um reconhecimento no escuro.

sobre a castração. Saber no lugar da verdade (não-to-

Nossa aposta, que algo do s(av)oir se transmita.

da). O in-sabido-que-sabe de um-equívoco... enfim,

Desejamos, enfim, um bom trabalho a todos!

saber: não há relação sexual! Eis o saber furado. Saber furado que ex-siste no inconsciente, conforme o Prefácio de 1976, inconsciente Real.

Site do Campo Lacaniano SP Em nosso site, você pode acessar a agenda atu-

Lacan soube levar a sério sua série significante,

alizada que contém a programação completa do

ou seja, levá-la até o seu próprio limite, até o fora de

FCL-SP. Além disso, é possível ter acesso à versão

série, ponto de invenção de um saber Real que não

digitalizada de diversos textos apresentados em

calcula, muito embora trabalhe em prol do gozo,

nossas atividades.

um saber que se sabe furado, feminizado. Um saber que sim, aposta! E ainda responde: “Por mim, digo que o saber afeta

www.campolacanianosp.com.br

7


Internacional dos Fóruns - IF   Escola de Psicanálise dos Fóruns do Campo Lacaniano - EPFCL

A Internacional dos Fóruns do Campo Lacaniano

correlacionadas à IF-EPFCL. Elas organizam local-

– IF-EPFCL – confedera as atividades dos Fóruns do

mente a experiência de ensino e pesquisa dedicada

Campo Lacaniano. A origem dos Fóruns, criados em

à teoria da clínica analítica no intuito de interrogar

1998, encontra-se na dissolução da Escola de Lacan,

seus fundamentos e seu alcance prático.

a EFP, em 1980, e na contraexperiência que suce-

A Escola de Psicanálise dos Fóruns do Campo

deu. Eles constituem, portanto, o retorno à apos-

Lacaniano-EPFCL, criada em Paris, em 2001, é

ta de uma comunidade psicanalítica capaz de dar

orientada pelo ensino de Freud e de Lacan. Ela tem

sustentação a uma Escola orientada na perspectiva

por objetivo específico o retorno às finalidades da

dos princípios e nas finalidades inscritos na Ata de

Escola de Lacan: apoiar a elaboração e a transmis-

Fundação da Escola de Jacques Lacan.

são da psicanálise, a crítica de seus fundamentos,

Essa comunidade internacional é composta por

a formação dos analistas, a garantia de sua quali-

47 fóruns distribuídos em cinco zonas linguísti-

ficação e a qualidade de sua prática. Sua extensão

cas. Os fóruns não são escola, mas campo. O nome

é internacional; ela outorga uma garantia por meio

“campo lacaniano” remete à noção de “campo de

de dispositivos internacionais, concedendo títulos

gozo”, desenvolvida por Lacan, que evoca a regu-

de Analista Membro da Escola (A.M.E.) aos prati-

lação do gozo no laço social. Essa denominação

cantes e Analista da Escola (A.E.) àqueles que atra-

indica a sua finalidade principal: assegurar a re-

vessaram a prova do passe.

percussão e a incidência do discurso analítico no

A necessidade de uma Escola, em sua diferen-

nosso tempo, mantendo as conexões com os ou-

ça com os múltiplos grupos e associações, repou-

tros discursos, mais precisamente as instituições

sa sobre a aporia do ato analítico ele mesmo. Nem

de saúde, as práticas sociais e políticas que se de-

técnica de especialista nem savoir-faire de artesão,

frontam com os sintomas da nossa época, tecendo

não sem relação com o saber, o ato analítico só se

laços com outras práxis teóricas (ciências, filosofia,

aborda pelas condições que o tornam possível: a

arte, religião) que implicam o sujeito. Os Fóruns

produção na análise de um desejo específico, dito

não deixam de ser orientados rumo à Escola, de

desejo do analista, verificável apenas de uma ma-

onde tomam seu sentido.

neira indireta pelos seus efeitos nas próprias análi-

As Formações Clínicas do Campo Lacaniano são

8

ses. Portanto, numa Escola é o analista que está na


berlinda. Nem sábio nem artista, ele só se sustenta

princípios de sua vocação internacional, os textos

em seu desejo a partir da colocação em questão que

que fundamentam a sua orientação, as instâncias da

uma escola proporciona, onde ele pode dar contas

Escola e as publicações, em particular os oito núme-

de sua experiência da psicanálise e como resiste às

ros de Heteridade: www.champlacanien.net

rotinas da prática. Uma Escola de psicanálise é o lugar de um laço social original. Os principais dispositivos a serviço de seus fins são o cartel e o procedimento do passe. O site da IF-EPFCL se propõe a informar sua op-

Os Paradoxos do Desejo

VIII Encontro Internacional dos Fóruns data:

25 a 27 de julho de 2014

ção no contexto da psicanálise de nosso tempo, que

local:

já não é o mesmo da época de Freud. Encontra-se

Inscrições abertas

neste site a história do movimento dos Fóruns, os

Paris

9


EPFCL - Brasil   Escola de Psicanálise dos Fóruns do Campo Lacaniano - Brasil

A EPFCL-Brasil é a associação nacional que inte-

semestral indexada: Stylus Revista de psicanálise

gra os Fóruns brasileiros e seus membros, de forma

(revistastylus@yahoo.com.br) e uma homepage:

solidária com suas iniciativas. Cada Fórum conta

www.campolacaniano.com.br.

com sua gestão e sua programação particular.

As Diagonais da Opção Epistêmica da EPFCL-

A EPFCL-Brasil articula-se também a outros

Brasil favorecem o intercâmbio e o debate das ela-

Fóruns da IF-EPFCL, com os quais mantém inter-

borações teóricas, clínicas e formativas que a práti-

câmbio e partilha a mesma orientação. Ela é dirigi-

ca da psicanálise exige dos psicanalistas (a “práxis

da por uma Comissão de Gestão eleita pelos mem-

da teoria”).

bros a cada dois anos, que coordena Seminários em parceria com os vários Fóruns no Brasil e promove

DIAGONAL EPISTÊMICA

Encontros anuais. Uma Comissão nacional de aco-

Rithée Cevasco (AME – EPFCL/FPB) conferência: “O valor do saber, gozo e desejo” debatedor: Ronaldo Torres (FCL-SP) data: 10 de maio de 2014 horário: 9h às 13h local: Contraponto

lhimento e intercâmbio (CAI) acolhe os pedidos de entrada na associação. A EPFCL-Brasil acolhe, em nosso país, os dispositivos de Escola da EPFCL que é internacional, dando-lhe suporte jurídico. Aqueles que querem informações a respeito da Escola ou desejam

debate clínico:

“A orientação pelo sintoma (Clínica e política da

nela se engajar, devem entrar em contato com um

na direção da cura.

dos membros da Comissão Local Epistêmica de

psicanálise)”

Acolhimento e Garantia (CLEAG). A CLEAG cum-

data: 10 de maio de 2014

pre também a função de Secretariado do Passe e cuida do dispositivo do cartel no Brasil. A

10

.....

EPFCL-Brasil

possui

uma

publicação

Horário: 14h30 às 16h30. Local: Sede do FCL-SP Obs: Evento apenas para os membros do FCL-SP.


Cartel  O Cartel faz Escola

Propor-se à formação em uma Escola de

psicanalítica por esta via faz trabalhar aquilo que

Psicanálise tem como uma de suas implicações

causa um a um em sua escolha pela Psicanálise.

participar de um Cartel tal como Lacan sustenta

Fazer parte de um Cartel depende de um desejo

desde a fundação da Escola Freudiana de Paris,

decidido por essa escolha.

em 1964. Lacan apresenta o Cartel como órgão de

A Comissão de Cartéis cuida do acolhimento, da

base em sua proposta de formação de psicanalis-

divulgação das novas propostas de cartéis e da ani-

tas e transmissão da Psicanálise justamente no

mação das atividades deste espaço em colabora-

ano de sua “excomunhão” da IPA. Não por acaso,

ção com a GC do FCL-SP e com os delegados da IF.

avesso aos efeitos de grupo, ele sugere que seja a

Nossa comissão 2013-14, em particular, se propõe a

transferência de trabalho o motor de funcionamen-

pensar a melhor forma de acolher o Espaço Escola,

to do Cartel.

além de discutir e organizar as inúmeras ativida-

Cartéis são pequenos grupos de trabalho em que

des, orientada pela reflexão sobre o real em jogo

três a cinco pessoas se escolhem a partir de um

nos cartéis e a importância do seu caráter formati-

tema em comum. Depois, elegem Mais-um, cuja

vo para o psicanalista.

função causa no sentido de causar cada um no avanço de sua pesquisa e de barrar os efeitos de

Para formar um Cartel

grupo, fazendo circular a palavra. Ao final, depois

Aquele que desejar engajar-se em um Cartel en-

de, no máximo, dois anos de duração, espera-se

contrará na sede do FCL-SP uma lista de pessoas

que cada um apresente um produto, consequência

interessadas em diferentes temas. Caso tenha inte-

desse tempo de trabalho.

resse em algum deles, pode entrar em contato com

Assim, incluir de saída um término para o

as pessoas já inscritas. Se quiser apresentar uma

Cartel é colocar o princípio de dissolução no cen-

nova proposta para tema de cartel, basta escrever

tro dessa estrutura para que, ao final, seja possí-

seu nome e telefone de contato nessa lista para que

vel se descolar desse pequeno grupo. Descolar e

outros interessados o procurem. Esta lista circulará

poder endereçar sua pesquisa à comunidade ana-

na internet pelo e-mail da Comissão de Cartéis para

lítica é o que se espera de um cartelizante, fazen-

que a intenção de formação de um cartel se faça co-

do desse modo “Escola”. A entrada na formação

nhecer por um número maior de pessoas.

11


Cartel  O Cartel faz Escola

Para declarar um Cartel

Café Cartel

O Mais-um deverá solicitar à Comissão de

Café Cartel é um evento que ocorre no FCL-SP

Cartéis uma ficha de declaração e re-encami-

desde 2005. Esta proposta surgiu como um espa-

nhá-la devidamente preenchida para o e-mail

ço para debater as questões que este dispositivo de

comissaodecarteissp@gmail.com. A lista de

Escola provoca na formação dos psicanalistas e na

cartéis será atualizada antes dos encontros na-

transmissão da Psicanálise. A orientação do café

cionais para divulgação em meio eletrônico, e

cartel é debater as condições de possibilidade do

no final do ano, para divulgação no boletim

funcionamento de um cartel, justamente naquilo

impresso.

que faz borda entre a comunidade e a Escola.

Para informar sobre a conclusão ou a dis-solução

Debate com Cartéis

de um Cartel

A proposta do Debate com Cartéis pretende res-

Sempre que houver qualquer ocorrência que

ponder ao desejo de troca e interlocução do cartel

altere o dispositivo, o Mais-um deverá entrar

sobre o tema proposto, num tempo anterior à sua

em contato com a Comissão de Cartéis infor-

conclusão, não inferior nem muito superior à meta-

mando-a, na mesma medida, sobre a conclusão

de do seu tempo de funcionamento. Ocorre em en-

ou a dis-solução do dispositivo, ou de quaisquer

contros promovidos para esse fim, nos quais se pri-

outras soluções encontradas pelo cartel para

vilegia o debate com o cartel convidado que tem ali

sua continuidade.

a oportunidade de escutar o ressoar de suas questões, deslocadas do dispositivo, repercutidas pelos

Para tornar público o produto do Cartel

ouvintes dispostos à interlocução.

Diversos destinos podem ser dados aos produtos dos cartéis, entendidos como apresentação das cri-

12

Espaço Escola

ses ou do resultado do trabalho de cada um. Esses

No Espaço Escola, que por vezes já foi chama-

trabalhos poderão ser apresentados apenas para os

do Jornada de Cartéis e que pode acontecer local-

membros dos cartéis ou para a comunidade em es-

mente ou nos encontros nacionais, são realizadas

paços criados para este fim.

atividades nas quais se apresentam os produtos de


Cartéis em funcionamento no Fórum • São Paulo – 2014

cartel e o estado dos trabalhos, o que permite co-

Os Não-Tolos-Erram. Alessandra F. Carreira,

locar a céu aberto o percurso realizado nesse dis-

Aline R.P. Abrantes, Eliana da S. Benguela,

positivo, fomentando a movimentação da Escola e

Fátima Cláudia Farah, Silmia Sobreira (Mais-

a transmissão da psicanálise.

um) – Data de constituição: março de 2012.

Para mais esclarecimentos, entrar em contato com a Comissão de Cartéis: comissaodecar-

Os Discursos de Lacan. Beatriz C. C. Gutierra,

teissp@gmail.com.

Isabel

Esperamos contar com ideias e colaborações de todos que circulam por este Espaço.

CAFÉ CARTEL data

12 de abril de 2014

local

Sede do FCL-SP

Napolitani,

Juliana

V.

Azevedo,

Samantha A. Steinberg (Mais-Um) – Data de constituição: maio de 2012. A

direção

do

tratamento.

Gisela

Giglio

Armando, Marcos Muniz de Souza, Maria Maura M. G Siqueira, Michelle Abou Dehn, Silvana Pessoa (Mais-um) – Data de constituição: setembro de 2012.

ESPAçO ESCOLA data

07 de junho de 2014

local

a combinar

Seminário 6: O desejo e sua interpretação. Izabella Paiva Monteiro de Barros, Aline Borges de Araújo, Amanda Agostinho Estelles, André

DEBATE COM CARTÉIS datas

06 de setembro e 4 de outubro de 2014

local

Sede do FCL-SP

Antunes da Costa, Ivan Ramos Estevão (Maisum) - Data de constituição: abril de 2012. Seminário 23. Alessandra Balaban, Isabel Tatit, Ivan Ramos Estevão, Clarissa Metzzer (Maisum) - Data de constituição: agosto de 2012.

13


Cartéis em funcionamento no Fórum • São Paulo – 2014

Formalização e laço social. Marina Rachel Graminha

(Mais-um) - Data de constituição: fevereiro de 2013.

Cury, Cibele Barbará, Ingrid Figueiredo Ventura, Daniela Lara di Ribeiro, Tatiana Carvalho Assadi

Um discurso entre vários: enlaçando? Isabela Cristina

(Mais-um) - Data de constituição: outubro de 2012.

Batista Ledo, Julia Torres Dias, Maria Tereza de Castro Piedade, Silvia Alves Nishioka, Rodrigo Pinto

Analisar, desejar e gozar - Adriana Rauci Seabra,

Pacheco (Mais-um) - Data de constituição: junho de

Claudia Barbosa Bocci, Maria Angélica de Souza

2013.

Dias Gerassi, Nilza de Almeida Camilli, Paul Kardous (Mais-um) – Data de constituição: novembro de 2012.

Retorno a Freud com Lacan (leitura ao pé da letra do seminário 1). Aline Coelho, Conceição Sperini,

Os paradoxos do desejo: lógica e poética. Sandra

Michele Parola, Maria Lúcia Araújo (Mais-um) - Data

Berta, Conrado Ramos, Tatiana Assadi, Ana Gianesi,

da constituição: junho de 2013.

Ana Paula Pires (Mais-um) – Data de Constituição: dezembro de 2012.

Seminário 7 – A ética da psicanálise. Ana Regina Sardinha, Carlos Laercio Mesquita Holanda, Eduardo

Teoria social lacaniana. Isleide Fontenelle, José Luiz

Rey Fernandes, Paula Ione da Costa Quinterno Fiochi,

Aidar, Emília Broide, Roberto Propheta Marques,

Carlos Eduardo Frazão Meirelles (Mais-um) - Data da

Christian Dunker (Mais-um) – Data de constituição:

constituição: julho de 2013.

dezembro de 2012. O Sinthoma. Cláudia Valle, Daniela Ganguçu, A direção do tratamento. Belkis Faria Panace, Felipe

Giovanna Lícia R. T. Aveiro Guilherme Facci,

Ferraz Damasceno, Isabel Cristina Cardoso da Silva,

Samanta G. Rossi, Welson Barbato (Mais-um) - Data

Luciana Nagahashi, Osni Alessandro Encenha,

da constituição: agosto de 2013.

Sandra Tolentino da Cunha (Mais-um) - Data da constituição: fevereiro de 2013.

O autismo. Beatriz Gutierra, Cristina Keiko Inafuku de Merletti, Maria Eugenia Pesaro, Mônica de Barros

14

A voz. Dominique Fingermann, Conrado Ramos,

Cunha Nezan, Glaucia Nagem (Mais-um) - Data da

Luis Guilherme Mola, Rita Vogelaar, Beatriz Oliveira

constituição: outubro de 2013.


Fórum do Campo Lacaniano - FCL-SP O Fórum do Campo Lacaniano é uma comunida-

interessam pelo estudo da psicanálise, por suas

de orientada de acordo com o ensino de Sigmund

conexões ou por sua aplicação fora do dispositi-

Freud e Jacques Lacan. Inserido em um conjunto

vo analítico. Seus membros responsabilizam-se

internacional - Internacional dos Fóruns do Campo

pelos diferentes espaços de transmissão, os quais

Lacaniano - e nacional - Associação dos Fóruns

não apresentam o formato de curso, mas de uma

do Campo Lacaniano (EPFCL-Brasil) - desde 1999,

Rede com diferentes possibilidades de entrada e

tem como princípio a formação do psicanalista e

de amarração: Seminários do Campo Lacaniano,

a transmissão da psicanálise. Para isso, o FCL-SP

Módulos de Transmissão e Módulos de Leitura

aposta no cartel enquanto via privilegiada de exe-

dos textos de Lacan e Freud. As atividades da

cução desse trabalho de formação e transmissão,

Biblioteca Luiz Carlos Nogueira dedicam-se à in-

tal como Lacan propõe em sua Escola.

terlocução da psicanálise com áreas que lhe colo-

O Fórum São Paulo acolhe todos aqueles que se

cam questões e permitem sua extensão.

Membros do FCL • SP Adriana Simoes Marino Ana Cláudia Fossen Ana Laura Prates Pacheco Ana Lucia Franco Nóbile Girardi Ana Paula Lacorte Gianesi Ana Paula Pires da Silva Beatriz Helena Martins de Almeida Beatriz Silveira Alves Oliveira Brendali Dias Carla Gonçalves Bohmer Carlos Eduardo Frazão Meirelles Christian Ingo Lenz Dunker Conrado Ramos Daniele Rosa Sanches Dominique Fingermann Elisabeth Saporiti Fernada Zacharewicz Geni Maria Lobato Gentil

Gisela Giglio Armando Glaucia Nagem de Souza Gonçalo Moraes Galvão Helena Maria Sampaio Bicalho Heloísa Helena Aragão e Ramirez Ingrid Figueiredo Ventura Ivan Ramos Estevão João Ezequiel Grecco Karen Cristina Martins Alves Kizzy Leandrini Torrano Leandro Alves Rodrigues dos Santos Lola Luzia dos Santos Andrade Luciana Guarreschi Luis Guilherme Coelho Mola Luiza Jatobá Marcelo Amorim Checchia Maria Angélica de Souza Dias Gerassi Maria Lívia Tourinho Moretto

Maria Lúcia Araújo Maruzânia Soares Dias Miriam Chicarelli Furini Paul Kardous Paulo Marcos Rona Raul Albino Pacheco Filho Reinaldo Santos Grillo Rita de Cássia Bícego Vogelaar Ronaldo Torres Samantha Abuleac Steinberg Sandra Aparecida Bossetto Sandra Aparecida Campos Galvão Sandra Leticia Berta Sandra Tolentino da Cunha Silvana Souza Pessoa Stélio de Carvalho Neto Stella Ferraretto Tatiana Carvalho Assadi

15


Atividades do FCL • SP

jornada de abertura desejo de saber abertura

Ana Paula Gianesi (diretora)

conferências

Conrado Ramos (EPFCL-FCL-SP)

e Sandra Berta (AME - EPFCL- FCL-SP) debatedora data

Rita Vogelaar

08 de março de 2014

horário local

das 9h às 13h

Contraponto

Encontro de membros do Fórum do Campo Lacaniano de São Paulo Este espaço, reservado aos membros do FCL-SP, incluirá, em 2014, o Seminário Teórico e o Espaço Escola, dois momentos distintos nos quais serão tratados conceitos fundamentais da psicanálise, sua ética e sua política. Norteados pelo tema ge-

Jornada de encerramento conferências

Beatriz Oliveira (AME-EPFCL-SP)

e Raul Pacheco (EPFCL – FCL-SP) debatedora: data

Ana Paula Gianesi

29 e 30 de novembro de 2014

local

Contraponto

ral que nos concerne este ano, qual seja, desejo de saber, procuraremos avançar, mais uma vez, de modo coletivo, mas com cautela em relação à política do abuso do Um. Muito embora tenhamos estes horários de interlocução entre os membros do FCL-SP haverá, igualmente, outro espaço, nomeado Debate Clínico, para o qual todos os membros serão convidados, mas não somente estes. Os participantes das FCCL que estiverem inscritos na Rede Clínica também poderão ali estar.

16


Seminário teórico

Espaço Escola

Dispositivo no qual sustentamos a isonomia for-

Com a participação voluntária dos membros, em

mal dos membros, tendo em vista que as apresen-

razão de afinidades temáticas ou do princípio de cola-

tações ainda serão divididas e sorteadas entre os

boração, este espaço, a ser coordenado pelos delega-

membros do FCL-SP que previamente manifesta-

dos eleitos para o exercício em 2013-14 e apoiado pela

rem seu desejo de participação. Recolhemos, atra-

atual Comissão de Gestão, pretende sustentar a opor-

vés deste seminário, que o sorteio convoca o desejo

tunidade de se expor questões clínicas e interrogações

de transmissão, justamente pela aposta que o qual-

pertinentes aos assuntos de Escola. Encontramos, as-

quer um possa se reverter no um a um a se haver

sim, um modo de zelar para que a presença da Escola

com o dar suas provas de um lugar de transmissão.

possa ser efetiva localmente.

Este é um modo pelo qual em nosso Fórum articulamos à condição de membro uma orientação ao fa-

Trabalharemos em encontros mensais, igualmente as segundas-feiras, das 12h às 14h.

zer Escola. Neste ano, trabalharemos em encontros mensais, sempre as segundas, das 12h às 14h. Leremos

Debate Clínico

o Seminário Livro 19, ...ou pior, de 1971-1972. A Comissão de Gestão (2013-14) responderá pela coordenação desta atividade.

Espaço de interlocução clínica ligado à Rede Clínica e, portanto, sob a coordenação dos responsáveis por esta e suporte da CG do FCL-SP. Para maiores esclarecimentos consultar o tópico Rede Clínica dentro da seção Formações Clínicas do Campo Lacaniano.

17


Atividades do FCL • SP

Fórum no interior Série que teve início em 2004, mas que na lógi-

decantado em uma estrutura que, no momento, se

ca do ato só pôde ser reconhecida depois, o Fórum

resume em duas regras que orientam sua organiza-

no Interior é uma atividade do Fórum do Campo

ção. A primeira delas estabelece que o Diretor do

Lacaniano - São Paulo (FCL-SP) que se constituiu

FCL-SP, numa conferência ou seminário, levará suas

pelo passo e a iniciativa de alguns de seus membros

articulações sobre o tema que está sendo tratado no

que praticam e transmitem a psicanálise em cidades

local onde se dá o encontro, traço de formalidade

do interior de São Paulo.

que escreve essa experiência no FCL-SP. A segunda

Essa atividade tem se revelado como uma experi-

regra diz respeito à organização do evento, como

ência no sentido de que sempre comporta a surpre-

a efetuação da iniciativa na solidariedade entre os

sa, os encontros e os desencontros. Nessa experiên-

membros da Comissão Fórum no Interior.

cia, a capital e as cidades do interior, embora com

Em mais esta edição, ora sediada pela cidade de

suas particularidades e especificidades de sustenta-

Bauru (SP), esperamos que, mais uma vez, possa-

ção da transmissão, podem ser encaradas como uma

mos repetir e promover encontros que, nesse tempo

mesma superfície, uma vez que nelas a psicanálise é

de antecipação, só podem ser enunciados como um

a mesma, é o que se espera de um psicanalista.

Wunsch. E não é um bom começo?

Ao longo desses quase dez anos, novos membros do FCL-SP que praticam a psicanálise no interior

Comissão Fórum no Interior

têm desejado participar dessa experiência, tornando esse desejo um ato com suas consequências. Nós as estamos colhendo e aproveitando, cada um e cada cidade à sua maneira. Além disso, esses anos de experiência têm se

18

FÓRUM NO INTERIOR data

17 de maio de 2014

local

Bauru


Atividades do FCL • SP

Outras conversas Na língua rústica latina, Fórum designava o lugar no qual se colocavam as uvas ou azeitonas para se-

temática proposta – O DESEJO - a partir de suas referências teóricas e de suas pesquisas.

rem pisadas, no processo de produção do vinho ou azeite. Durante esse trabalho era comum que as pessoas conversassem. Daí, por extensão, Foro passou a

OUTRAS CONVERSAS

indicar o espaço em que se tratavam assuntos de in-

coordenação

teresse público e privado, onde se regulavam contes-

horário

tações ou processos, e em torno do qual se erguiam

local

Rita Vogelaar

20h20 às 22h30

Sede do FCL-SP

monumentos públicos importantes como templos e tribunais. A representação popular formulou a seguinte expressão para referir-se ao que acontecia no Fórum: “arripere verba de foro”, ou seja, “tomar as palavras no uso corrente”. No fundo é algo assim que esperamos dessas OUTRAS CONVERSAS: amarrar algumas uvas, lembrar alguns monumentos, ponderar certas contestações e deixar a palavra seguir sua correnteza. Para este ano convidamos profissionais de vá-

24 de abril - quinta-feira às 20h30 O DESEJO NA MEDICINA – Mario Eduardo Costa Pereira 29 de maio - quinta-feira às 20h30 O DESEJO NO DIREITO – Oswaldo Henrique Duek Marques 16 de junho - segunda-feira às 19h ( Bloomsday) O DESEJO NA LITERATURA– Manuel da Costa Pinto 28 de agosto - quinta-feira às 20h30 O DESEJO NA LITERATURA INFANTIL – Eva Furnari 25 de setembro - quinta-feira às 20h30 O DESEJO NA LINGUÍSTICA – Lucília Maria Sousa Romão 30 de outubro - quinta-feira às 20h30 O DESEJO NA ARQUITETURA – Guilherme Wisnik 27 de novembro - quinta-feira às 20h30 O DESEJO NA ARTE – José Spaniol

rios campos para que apresentem a sua leitura da

19


Atividades do FCL • SP

Bloomsday Neste ano, no Fórum do Campo Lacaniano de São

esperava para ser publicado, pois foi censurado

Paulo, mais uma vez comemoramos o Bloomsday,

nos países de língua inglesa. A salvação veio de

pois para nós, psicanalistas, o texto de James

uma pequena livraria francesa, a Shakespeare

Joyce tem um valor especial. É dele que Lacan se

and Company, que o editou, vendeu e mesmo

utiliza para articular parte de suas últimas consi-

contrabandeou.

derações teóricas.

Pois bem, em 16 de junho de 1954 dois amigos

Neste dia todas as atividades do Fórum serão de-

– John Ryan (artista, crítico, editor e fundador

dicadas a esta comemoração, e em consonância

da Envoy Magazine) e o escritor Brian O’Nolan

ao tema do ano pensaremos sobre “O desejo em

– iniciaram a comemoração desse dia como sen-

Joyce”. Receberemos ainda, tratando sobre “O

do o Bloomsday, que até hoje é comemorado em

Desejo na literatura”, Manuel da Costa Pinto para

diversos lugares com leituras do texto de Ulisses,

o espaço “Outras Conversas”.

representações, discussões em centros cultu-

O Bloomsday comemora o dia 16 de junho, dia

rais e pubs, e mais uma vez no Fórum do Campo

em que James Joyce narra em seu livro Ulisses.

Lacaniano em São Paulo.

Um dia apenas em mais de novecentas páginas. Nesse dia narra a história de Leopold e Molly Bloom: suas vidas, agonias e prazeres em andanças por Dublin. Mas também é nesse dia que Joyce conhecera aquela que seria sua companheira de toda a vida, Nora Barnacle. Vale lembrar que este livro demorou mais do que o autor

20

BLOOMSDAY coordenação convidado: data

Glaucia Nagem

Manuel da Costa Pinto

16 de junho de 2014

local

Sede do FCL-SP


FCL • SP Biblioteca Luiz Carlos Nogueira

A Biblioteca Luiz Carlos Nogueira tem em seu acervo pouco mais de mil e trezentos itens (entre livros, revistas, cds e dvds). Os membros do FCLSP, bem como os participantes das Formações Clínicas, podem se inscrever para consultar tal acervo na própria sede do Fórum ou para solicitar empréstimo de até três itens por um período de quinze dias.

Cinema, literatura e psicanálise Nesta atividade, para cada encontro um membro do FCL-SP se responsabiliza, a partir de seu próprio desejo, por apresentar e debater um filme ou uma obra literária. Evento público e gratuito. As inscrições devem ser feitas previamente na secretaria. coordenação horário local

Marcelo Checchia

últimas sextas-feiras do mês, às 19h30.

Sede do FCL-SP

28/03

Filme: Esse obscuro objeto do desejo, de Luis Buñuel. Membro: Marcelo Checchia.

25/04

Filme: Dogville, de Lars von Trier. Membro: Stella Ferraretto.

30/05

Filme: India Song, de Marguerite Duras. Membro: Dominique Fingermann.

27/06

Filme: Gritos e sussurros, de Ingmar Bergman. Membro: Maruzania Dias.

29/08

Filme: Um skinhead no divã, de Suzanne Osten. Membro: Leandro dos Santos.

26/09

Filme: De olhos bem fechados, de Stanley Kubrick. Membro: Fernanda Zacharewicz.

31/10

Filme: Medeia, de Lars Von Trier. Membro: Paul Kardous.

14/11

Filme: O médico e o monstro, de Victor Fleming. Membro: Conrado Ramos.

21


22


FCL • SP

Formações Clínicas do Campo Lacaniano - FCCL Formações Clínicas do Campo Lacaniano (FCCL)

qual cada participante tem acesso a um Módulo de

é uma instância de ensino, pesquisa e transmissão

Transmissão, a um Módulo de Leitura, a uma Rede

que o Fórum do Campo Lacaniano- SP (FCL-SP) ofe-

de Pesquisa e a um Seminário do FCL-SP, conforme

rece à comunidade. Formações Clínicas do Campo

mostrado na tabela abaixo e detalhado nas páginas

Lacaniano (FCCL-SP) tem uma entrada única, pela

a seguir. Esse modo de engajamento é sustentado

MÓDULO DE TRANSMISSÃO paradoxos do desejo: lógica e poética

MÓDULO DE LEITURA módulo de lacan

segundas-feiras, das 18h às 20h

segundas-feiras, das 20h30 às 22h30 DESEJO E GOZO quintas-feiras, das 20h30 às 22h30

módulo de freud

quintas-feiras, das 18h às 20h

REDES DE PESQUISA SEMINÁRIOS DO FCL

pela concepção de formação pensada pelo Fórum do

uma área de pesquisa individual de um membro de

Campo Lacaniano-SP. Nós entendemos que acompa-

Escola, sejam atividades que, enodadas pelo percurso

nhar um estudo de um seminário de Lacan, fazer a

de cada um, são capazes de dar ao conceito de for-

leitura ao pé da letra dos textos de Freud e Lacan,

mação seu mais rico sentido que, recordemos, vindo

participar de uma Rede de Pesquisa que discute ques-

de Bildung, diz respeito ao processo da cultura e não a

tões teórico-clínicas e entrar no debate coletivo em

meras etapas escolares.

INSCRIÇÃO

・os interessados deverão entrar em contato pelo e-mail: epfcl-forumsaopaulo@campolacaniano.com.br ou pelos telefones (3063-3703 | 3057-1743) ・todos os interessados passarão por uma entrevista. o valor anual para o engajamento em formações clínicas (até 4 atividades, uma em cada dispositivo) é de R$2500,00. Os detalhes sobre as formas de pagamento podem ser obtidos na secretaria do FCL-SP. ・visite o nosso site: www.campolacanianosp.com.br

23


FCL • SP / FCCL Módulos de Transmissão

Paradoxos do desejo: lógica e poética Sustentado pelo cartel composto por: Ana Paula Gianesi, Conrado Ramos, Sandra Berta, Tatiana Assadi e Ana Paula Pires (Mais-um) segundas-feiras, semanalmente, das

20h30 às 22h30

Desejo e gozo coordenação

Ronaldo Torres

Quintas-feiras, semanalmente, das 20h30 às 22h30 início

13 de março de 2014

local

Sede do FCL-SP

primeiro semestre

início

10 de março de 2014

Seminário 6 - O desejo e sua interpretação (1958)

local

Sede do FCL-SP

março

Helena Bicalho: O desejo e seu grafo abril

Christian Dunker: Desejo e objeto: O caso de Ella Sharpe maio

Luis Guilherme Mola: Hamlet: a tragédia do desejo junho

Beatriz Oliveira: Desejo e perversão: André Gide segundo

Semestre

Seminário 16 - De um Outro ao outro (1968) agosto

Rita Vogelaar: Retomada do grafo do desejo setembro

Raul Albino Pacheco Filho: Desejo e ato psicanalítico outubro

Paulo Rona: Formalizações de um Outro ao outro novembro

Ana Laura Prates Pacheco: Discursos: desejo e gozo

24


FCL • SP / FCCL Módulos de Leitura

Os Módulos de leitura das FCCL-SP fazem parte

cada ano. Teremos dois Módulos de leitura, a saber: o

de uma leitura “ao pé da letra” dos textos fundamen-

Módulo de leitura dos textos fundamentais de J. Lacan,

tais da psicanálise, acompanhando semanalmente

privilegiando os Escritos e Outros escritos e Módulo de

os recortes dos temas que nos propomos a estudar a

leitura dos textos fundamentais de S. Freud.

Módulo de Leitura de Lacan

Módulo de Leitura de Freud

coordenação

Glaucia Nagem

segundas-feiras, semanalmente, das

coordenação

18h às 20h

Carlos Eduardo Frazão Meirelles

quintas-feiras, semanalmente, das

início

10 de março de 2014

início

13 de março de 2014

local

Sede do FCL-SP

local

Sede do FCL-SP

18h às 20h

março/abril

março

A Coisa Freudiana (1955) Dominique Fingermann

Projeto para uma psicologia científica (1895) Ronaldo Torres

maio

abril

Psicanálise e seu ensino (1957) Luciana Guarreschi

Interpretação dos Sonhos (1900) Fernanda Zacharewicz

junho

maio/junho

Engano do sujeito suposto saber (1967) Maria Lucia Araújo

Interpretação dos Sonhos (1900) Samantha Steinberg

Subversão do sujeito e dialética do desejo no inconsciente freudiano (1960) Ana Paula Pires

O Ego e o Id (1923) Glaucia Nagem

outubro

Esboço de Psicanálise (1938) Ivan Estevão

agosto/setembro

Resumo da Lógica da Fantasia (1966-67) Silvana Pessoa

agosto/setembro

outubro/novembro

novembro

Introdução à Edição Alemã de um primeiro volume dos Escritos (1973) Gonçalo Galvão

25


FCL • SP / FCCL Redes de Pesquisa

As Psicoses coordenação horário

Beatriz Almeida, Sandra Berta e Glaucia Nagem

segundas-feiras, quinzenalmente, das 10h30 às 12h

coordenação

17 de março de 2014

colaboração

local

Sede do FCL-SP

horário

coordenação

Leandro Alves Rodrigues dos Santos e Kizzy Leandrini

Torrano horário

quintas-feiras, quinzenalmente, das 13h às 14h30

início

13 de março de 2014.

local

Santo André

contato

leandroarsantos@uol.com.br ou kizzy@leandrini.com

Fundamentos da Clínica e Formalização coordenação

Ana Paula Gianesi, Conrado Ramos, Helena Bicalho,

Paulo Rona e Ronaldo Torres colaboração horário

Jair Minoro Abe e Sonia Coelho

sábados, mensalmente, das 10h às 12h

início

22 de março de 2014

local

Sede do FCL-SP

Psicanálise e infância coordenação horário

Ana Laura Prates Pacheco e Beatriz Oliveira

segundas-feiras, semanalmente, das 14h30 às 16h

início

10 de março de 2014

local

Sede do FCL-SP

30 vagas

Psicanálise e Saúde Pública coordenação

Ana Laura Prates Pacheco, Raul Albino Pacheco Filho,

Silvana Pessoa, Sandra Berta e Maria Livia Tourinho colaboração horário

Rodrigo Pinto Pacheco

20h30 às 22h30

inicio

12 de março de 2014

local

Sede do FCL-SP

Christian Dunker, Heloísa Ramirez e Luciana

Guarreschi

início

Ciência e Tratamentos

26

Sintoma e Corporeidade – SP Lola Andrade e Stella Ferraretto

segundas-feiras, quinzenalmente das 10h30 às 12h.

início

10 de março de 2014

local

Sede FCL-SP

Sintoma e Corporeidade – Mogi das Cruzes coordenação

Tatiana Assadi e Heloísa Ramirez

colaboração

Sandra Tolentino

horário

terças-feiras, quinzenalmente, das 19 às 20h30.

início

11 de março de 2014

local

Sede do Circuito Ponto de Estofo - MC

Rua Leonor de Oliveira Melo, 168- Jardim Santista Mogi das Cruzes – SP (11) 4794-3535

Teoria e Clínica coordenação horário

Maria Lucia Araújo e Samantha Steinberg

segundas-feiras, quinzenalmente, das 16h às 17h30

início

10 de março de 2014.

local

Sede do FCL-SP


FCL • SP / FCCL Rede Clínica

“É uma experiência em que o psicanalista está envolvido. E, por sinal, não há psicanalista que ouse, sequer, tentar negá-lo. Só que é preciso saber o que faz”. (Lacan, 1968).

Em 2014 a Rede Clínica funcionará quinzenalmente, com duas propostas diferentes, alternadas. A primeira atividade, o “Seminário da Rede clínica” continuará com os encontros mensais no qual os

Ao sustentar o valor ético, a importância critica do

analistas praticantes são convidados a “dar as pro-

caso clínico em psicanálise e a política que orienta a

vas” de sua práxis na transmissão de suas constru-

transmissão da experiência psicanalítica, o FCL-SP

ções de caso clínico. Essa atividade tem caráter obri-

mantém, desde o ano de 2009, o dispositivo da Rede

gatório para os participantes da Rede Clínica.

clínica inserido nas FCCL-SP e norteado pelos princípios diretivos da EPFCL.

A segunda atividade, “Debate Clínico”, acolherá a apresentação de comentários de casos clínicos da

Nesse dispositivo, participantes das FCCL-SP e

literatura psicanalítica a cargo dos supervisores da

membros do FCL-SP que se declaram analistas pra-

Rede Clínica. Esse espaço será aberto, sem caráter

ticantes entram em contato com a construção de um

de obrigatoriedade, para os participantes da Rede

caso clínico sob supervisão de membros da EPFCL

Clínica, bem como aos membros do FCL-SP.

engajados nas atividades da Rede Clínica.

Desejamos ter um trabalho que possa articular o

Entendida como um dispositivo de formação, a

fazer e o saber sobre os quais o psicanalista deve

Rede Clínica dedica-se à pesquisa e a formalização

eticamente responder, acolhendo as questões com-

da direção do tratamento, apostando na transmissão

plexas que a clínica nos coloca.

da experiência psicanalítica.

coordenação

Sandra Berta

colaboradora

Beatriz Oliveira

segundas-feiras, quinzenalmente, das início

março de 2014

local

Sede do FCL-SP

12h às 14h

27


FCL • SP Seminários do Campo Lacaniano

A Direção da Cura e os Princípios de seu Poder.

Os nomes paternos (os não patos erram) -

Coordenação: Dominique Fingermann

Continuação

Horário: segundas-feiras, quinzenalmente, das 9h00 às 10h30

Coordenação: Ana Laura Prates Pacheco

Início: 10 de março de 2014

Horário: segundas-feiras, quinzenalmente, das 10h30 às 12h

Local: Sede do FCL-SP

Início: 17 de março de 2014

Contato: dfingermann@terra.com.br

Local: Sede do Fórum Contato: analauraprates@terra.com.br

Entornos e contornos do Seminário XI de Lacan Coordenação: Gonçalo Galvão Horário: segundas-feiras, quinzenalmente, das 10h30 às 12h

Psicanálise e Arte Coordenação: Glaucia Nagem de Souza

Local: Sede do FCL-SP

Colaboração: Lucília Maria Abrahão e Souza

Início: 10 de março de 2014

Horário: segundas-feiras, quinzenalmente, das 9h às 10h30

Contato: gsgalvao@uol.com.br

Início: 17 de março de 2014 Local: Sede do Fórum

Exercícios de formalização da clínica psicanalítica

Contato: gláucia.nagem@uol.com.br

Coordenação: Conrado Ramos Horário: segundas-feiras, das 16h às 17h30, quinzenalmente. Início: 17 de março de 2014 Local: Sede do FCL-SP Contato: conrado_ramos_br@yahoo.com.br

Psicanalizar: as vicissitudes dessa profissão impossível Coordenação: Leandro Alves Rodrigues dos Santos Horário: segundas-feiras, quinzenalmente, das 14h às 15h30 Inicio: 17 de março de 2014 Local: Sede do Fórum Contato: leandroarsantos@uol.com.br

28


Seminário sobre a obra de Jacques Lacan Coordenação: Christian Dunker Horário: quintas-feiras, quinzenalmente, das 12h30 às 14h Início: março de 2014 Local: Instituto de Psicologia da USP – sala 12 Contato: chrisdunker@usp.br ou (11) 38870781

Um estudo sobre a invenção de Lacan: o objeto a Coordenação: Sandra Berta Horário: segundas-feiras, quinzenalmente, das 9h00 às 10h30 Início: 17 de março de 2014 Local: Sede do Fórum Contato: bertas@uol.com.br

29


Agenda MARÇO

AGOSTO

08 Jornada de Abertura: Desejo de Saber Conrado Ramos (EPFCL-FCL-SP) e Sandra Berta (AMEEPFCL-FCL-SP) Debatedora: Rita Vogelaar (EPFCL-FCL-SP) > 9h, Contraponto

28

Outras conversas: O desejo na literatura infantil. Convidada: Eva Furnari. > 20h20, Sede do FCL-SP

29

Cinema, literatura e psicanálise: Um skinhead no divã, de Suzanne Osten. Responsável: Leandro dos Santos

10

Início das atividades

28

Cinema, literatura e psicanálise: Esse obscuro objeto do desejo, de Luis Buñuel Responsável: Marcelo Checchia > 19h30, Sede do FCL-SP

ABRIL 12

Café Cartel > Sede do FCL-SP

24

Outras conversas: O desejo na medicina Convidado: Mario Eduardo Costa Pereira. > 20h20, Sede do FCL-SP

25

Cinema, literatura e psicanálise: Dogville, de Lars von Trier. Responsável: Stella Ferrareto. > 19h30, Sede do FCL-SP

MAIO 10 Diagonal Epistêmica Rithèe Cevasco (AME – EPFCL- FPB) > 9h00, Contraponto 17

Fórum no Interior > Bauru

29

Outras conversas: O desejo no direito. Convidado: Oswaldo Henrique Duek Marques. > 20h20, Sede do FCL-SP

30

Cinema, literatura e psicanálise: India Song, de Marguerite Duras. Responsável: Dominique Fingermann

JUNHO 07 Espaço Escola

30

16

Bloomsday Atividades durante todo o dia Outras conversas: O desejo na literatura. Convidado: Manuel da Costa Pinto > 20h20, Sede do FCL-SP

27

Cinema, literatura e psicanálise: Gritos e sussurros, de Ingmar Bergman Responsável: Maruzânia Dias

SETEMBRO 06 Debate com Cartéis > Sede do FCL-SP 25

Outras conversas: O desejo na linguística. Convidada: Lucília Maria Sousa Romão > 20h20, Sede do FCL-SP

26

Cinema, literatura e psicanálise: De olhos bem fechados, de Stanley Kubrick. Responsável: Fernanda Zacharewicz

OUTUBRO 04 Debate com Cartéis > Sede do FCL-SP 20 Assembléia Geral Ordinária. 30

Outras conversas: O desejo na arquitetura. Convidado: Guilherme Wisnik > 20h20, Sede do FCL-SP

31

Cinema, literatura e psicanálise: Medeia, de Lars von Trier. Responsável: Paul Kardous.

NOVEMBRO 07

Cinema, literatura e psicanálise:O médico e o monstro, de Victor Fleming. Responsável: Conrado Ramos.

27

Outras conversas: O desejo na arte. Convidado: José Spaniol. > 20h20, Sede do FCL-SP

29-30 Jornada de encerramento


FCL • SP

EPFCL – BRASIL

Comissão de Gestão 2013-2014 Diretora: Ana Paula Gianesi Secretário: Luis Guilherme Coelho Mola Tesoureiro: Marcelo Amorim Checchia Coordenadora de FCCL: Tatiana Carvalho Assadi

Comissão de Gestão Diretora: Delma Gonçalves Secretária: Andréa Milagres Tesoureira: Madalena Kfuri

Conselho do FCL 2013-2014 Diretor de 2011-2012: Conrado Ramos Diretora de 2010: Sandra Berta Diretora de 2008-2009: Beatriz Oliveira Coordenadora de FCCL de 2011- 2012: Rita Vogelaar Coordenadora de FCCL de 2010: Silvana Pessoa

CLEAG- Comissão Local Epistêmica de Acolhimento e Garantia Andréa Fernandes Ângela Mucida Beatriz Oliveira Sandra Berta Zilda Machado

Comissão de Acolhimento Coordenadora: Ana Laura Prates Pacheco Ana Paula Gianesi Conrado Ramos Samantha Steinberg

Publicações Cadernos de Stylus Stylus – Revista semestral Estilete – Boletim semestral Site Publicações disponíveis para aquisição no FCL- SP

Comissão de Cartéis Coordenadora: Silvana Pessoa Heloisa Ramirez Luciana Guarreschi Comissão Fórum no Interior Assis: Ana Lúcia Girardi, Bauru: Luciana Guarreschi Botucatu: Geni Maria Lobato Gentil Bragança Paulista: Gonçalo Moraes Galvão e Sandra Galvão Jundiaí: Ana Cláudia Fossen Mogi das Cruzes: Tatiana Assadi Biblioteca Luiz Carlos Nogueira Responsável: Marcelo Amorim Checchia Publicação: Livro Zero – Revista Anual do FCL- SP Responsável: Luis Guilherme Mola

IF – Internacional dos Fóruns Colegiado dos representantes da IF (CRIF) do Brasil: Andréa Brunetto. Zona Francófona: Martine Mènes Espanha F7: Manel Rebolo Espanha FOE: Ana Canedo Itália: Carmine Marrazzo América Latina Sul: Marcelo Mazzuca América Latina Norte: Ricardo Rojas Zona Anglófona: Susan Schwartz Delegados do IF em São Paulo Ana Laura Prates Pacheco Ana Paula Gianesi Silvana Pessoa Gravura José Spaniol, 2006 - O Descanso da Sala, Sombra Azul, 160x127 cm, fotografia. 31


Fórum do Campo Lacaniano • São Paulo Escola de Psicanálise dos Fóruns do Campo Lacaniano • Brasil

Rua Lisboa 1163 Pinheiros - São Paulo - SP Tel.: 11 3063 3703 / 3057 1743 epfcl-forumsaopaulo@campolacaniano.com.br www.campolacanianosp.com.br

Boletim 2014 - Fórum do Campo Lacaniano - SP  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you