Page 1

Destaque

Centro de Simulação do Grupo Santa Joana

Ho

m u i m e r spital P saúde

e dimento d n e t a e d o onceit omplexo Um novo c e que formará um c o cidade com nia a iâ o ó s G o a r ã a n p r ara atende m saúde. p r la a it p s ho elência e c x e m o c a região

Imagem: L+M

Hospitais Campeões em Tecnologia e Atendimento

Sírio-Libanês Um hospital baseado em evidências

ANUÁRIO 2015 - 2016

www.g3h.com.br


EDITORIAL Destaque

Centro de Simulação do Grupo Santa Joana

ium al Prem e Hospiteito ento de saúd de atendim plexo

Um novo conce que formará um com de como nia não só a cida para Goiâ para atender em saúde. hospitalar excelência a região com

Imagem: L+M

Hospitais Campeões em Tecnologia e Atendimento

Sírio-Libanês Um hospital baseado em evidências

ANUÁRIO 2015 - 2016 hosptecno_2015.indb 1

www.g3h.com.br 13/05/15 13:24

Editor

Celso Skrabe celso@eximiacom.com.br

O Sírio-Libanês, um Hospital Baseado em Evidências

Jornalista Responsável

Susana Batimarchi MTB – 16.022

Redação

Avana Salles Diagramação

Flávio Marques Representantes

Carlos Lescovar Carlos Olsen Administração e Finanças

Lucilene Vicente

Assistente

Luiz Milani Pesquisa

Maria Lucia de O.Neves Skrabe

Conteúdo

Henrique Chamizo Web Site

Victor Skrabe

Impressão

Editora Referência

O Anuário G3 é uma publicação da:

Exímia Comunicação Ltda.

Rua Cardoso de Almeida, 60 - cj. 41 05013-000 - São Paulo-SP T: (11) 3872-2190 - F: (11) 3872-2523

Os conceitos emitidos nos artigos assinados são de responsabilidade de seus autores e não expressam necessariamente a opinião da revista. A reprodução dos artigos é permitida desde que citada a fonte.

As três novas torres do Sírio-Libanês, recentemente inauguradas, estabelecem uma nova referência de modernidade hospitalar e mostram que a tecnologia pode ter um papel transformador no hospital e no atendimento às necessidades de saúde. No caso do HSL, a escolha das tecnologias e soluções mais avançadas disponíveis se deu com base nas evidências da contribuição de cada uma delas para o desempenho futuro da instituição, tendo em vista obter o mais elevado grau de excelência em todos os aspectos do atendimento e alcançar o estado da arte na arquitetura e infraestrutura hospitalar. Criar um Hospital Baseado em Evidências segue a inspiração da Medicina Baseada em Evidências – hoje prática universalmente adotada - e pelo Design Baseado em Evidências, movimento inspirado pelo EBD – Evidence Based Design norte americano. No caso do SírioLibanês, não há dúvida de que a eleição das alternativas considerou as melhores evidências, o que permitiu escolhas mais acertadas e com melhor antecipação do desempenho futuro. A importância de fazer boas escolhas para construir e equipar o edifício hospitalar vai além das razões econômicas de custo x benefício. É inegável que a edificação e a infraestrutura hospitalar vêm tendo um protagonismo crescente nos processos de atendimento. Daí que as escolhas a ele

conexas devem levar em conta este papel, e ser precedidas de planejamento cuidadoso para valorizar a contribuição do edifício na missão do hospital. Esta edição do Anuário HospTECNO oferece não só uma visão abrangente do ”Case” do Hospital Sírio-Libanês, e de um seleto grupo de empresas que participaram de sua construção, como traz outros “cases” de hospitais que se destacam como Campeões de Tecnologia e Atendimento.

Sejam Bem-Vindos. Celso Skrabe - Editor


Case - Hospital Sírio-Libanês

Sírio-Libanês um Hospital baseado em evidências

A

inauguração das três novas torres do Hospital Sírio-Libanês, em abril de 2015, estabelece um novo paradigma de modernidade e conforto hospitalar no Brasil. Construídas com base nas melhores tecnologias e soluções, as novas torres do Hospital Sírio-Libanês se convertem em referência para as novas edificações hospitalares, e seu “case” exibe em toda a plenitude as possibilidades de um “Hospital Baseado em Evidências.” Ou seja, um hospital pensado, projetado e construído com base nas mais avançadas soluções e tecnologias disponíveis e comprovadamente superiores para uma obra hospitalar no estado da arte. Esta magnífica obra hospitalar - que, segundo explicou o Superintendente Corporativo da instituição, Dr. Gonzalo Vecina, em seu discurso por ocasião da inauguração das novas torres, “é caminho para oferecer o melhor cuidado para os nossos pacientes” - já é um marco na história do setor hospitalar no Brasil. O complexo hospitalar Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, possui atualmente 439 leitos – a previsão é chegar a 710 leitos em 2016 – atende anualmente mais de 120 mil pacientes, sendo um importante centro de referência internacional em especialidades e procedimentos médicos de alta complexidade. Originalmente construído nos anos 1940 e com uma área de cerca de 100 mil m², o hospital passou por um programa de expansão para aumentar a sua capacidade de atendimento em mais 355 leitos, todos de alto padrão, e acaba de incorporar três novos blocos e mais 70 mil m² de área construída sem interromper atendimentos.

4 l HospTecno l www.g3h.com.br

A ampliação contemplou a construção de três novas edificações, os Blocos E, F e G, que somaram pouco mais de 72 mil m² de área total construída. São duas torres, uma com 20 pavimentos e outra com 14 pavimentos, ambas executadas sobre o hospital existente. Há, também, uma terceira torre, com 16 pavimentos, implantada em terreno ao lado do prédio em operação. O empreendimento contempla, ainda, diversas interligações, que unificam e consolidam todo o complexo. Restrições logísticas e a necessidade de construir edificações com um complexo hospitalar em funcionamento representaram um enorme desafio e exigiram inovações tecnológicas e de processos construtivos. A nova construção ficou por conta da Método Engenharia e Schahin. O início das obras se deu em abril de 2011, a conclusão se deu em janeiro de 2015 e a inauguração dia 23 de abril de 2015.

Dr. Gonzalo Vecina


Arquitetura – L+M A arquitetura, desenvolvida pela L+M Gets, teve como ponto de partida a ampla estrutura existente. O escopo foi atender às necessidades de ampliação, mas atento à integração urbana e sem abrir mão da relação de proximidade que o complexo tem com a cidade que o envolve. A fachada tira partido do uso de empenas, grelhas e principalmente do vidro para criar leveza e transmitir uma imagem contemporânea, em consonância com o propósito da edificação hospitalar e com a identidade corporativa da instituição.

Lauro Miquelin, diretor da L+M

Lauro Miquelin, diretor da L+M, diz que a “L+M está honrada por ter sido escolhida a contribuir com o Hospital Sírio Libanês no seu processo de crescimento dos últimos 10 anos. As várias fases do Plano Diretor de Espaços e Tecnologias vêm sendo detalhadas pela L+M - tanto em Processos como em

Projetos com monitoria de Orçamentos – para ampliar o atendimento e os resultados desta que é uma referência para as Organizações de Saúde da América Latina”. Instalações complexas - MHA Engenharia As novas torres do complexo hospitalar em São Paulo ganharam pavimentos técnicos, áreas de apoio, coberturas, barriletes, casas de máquinas e heliporto. Para elas, o projeto de instalações foi concebido com uma orientação clara em relação à confiabilidade. “Nesse ponto, a automação com sistemas de controle digital direto foi decisiva para viabilizar o monitoramento e controle dos sistemas elétricos, hidráulicos, de proteção contra incêndios e de ar-condicionado e ventilação mecânica”, afirma Raymond Khoe, diretor-adjunto da MHA Engenharia. A MHA esteve à frente do projeto de instalação hidráulica, elétrica, mecânica, de incêndio, gases medicinais e ventilação da ampliação do Hospital Sírio-Libanês. Em função da criticidade da operação hospitalar, o projeto contemplou também uma série de medidas para contingência. “O planejamento da execução e da interligação das instalações das novas torres com as instalações existentes demandou muitas horas de dedicação e reuniões com as empresas instaladoras, projetistas e a equipe de engenharia do hospital”, conta o engenheiro Fernando Marques, da MHA Engenharia. “Estávamos migrando para um projeto singular”. Segundo Raymond Liong, engenheiro da MHA, foram utilizadas várias soluções que nem sempre são aplicadas nos hospitais, em face do seu custo e complexidade. Como exemplo,

www.g3h.com.br l HospTecno l 5


Case - Hospital Sírio-Libanês

cita o controle de temperatura individual para cada quarto de UTI e salas de painéis elétricos em cada pavimento. O maior desafio, diz ele, foi o de conceber um sistema que pudesse oferecer as melhores soluções técnicas, facilidade de manutenção e flexibilidade para expansões futuras, sem, contudo, interferir nas existentes. Duas preocupações permanentes foram a contingência, no caso de inoperância de sistemas, e a busca da otimização dos equipamentos para minimizar o consumo. Itens como Sustentabilidade (com certificação LEED) e integração com os sistemas do complexo hospitalar pré-existente foram prioritários. Um exemplo foi a criação de uma usina de geração de energia capaz de assumir o fornecimento de energia para o hospital em caso de um blecaute. Composta por quatro geradores a diesel, de cerca de quatro megawatts cada, a usina também assume o papel da concessionária nos horários de pico, quando a tarifa é mais cara. A automação é fundamental para essa integração, na medida em que a monitoração e o controle dos sistemas podem ser acompanhados online e, portanto, ações preventivas podem ser tomadas para otimizar a operação ou evitar paradas não programadas. “Como as instalações alimentam os sistemas e dispositivos eletromédicos que, em muitos casos, dão sustento à vida, a sua operação deve ser garantida através de instalações confiáveis, com fácil manutenção, e em muitos casos, com equipamentos reservas.”, ressalta. Além disso, os parâmetros de controle são muito variáveis - cada ambiente tem uma necessidade de temperatura, filtragem de ar, pressão, grau de iluminamento, necessidade de gases especiais (oxigênio, ar comprimido, etc.).

Salim Lamha Neto, diretor da MHA Engenharia

6 l HospTecno l www.g3h.com.br

“Hoje, além da automação, que facilitou o monitoramento e controle dos sistemas, há uma demanda para aplicação de sistemas sustentáveis, com equipamentos eficazes e eficientes, que diminuem o consumo de energia e melhoram o grau de satisfação dos ocupantes do edifício, como qualidade do ar interior, e facilidade de acesso ao empreendimento e, claro, tudo precisa funcionar em conjunto, sem falhas”, diz ele. O projeto previu a centralização das principais facilities (ar-condicionado, oxigênio, gases medicinais e usina de geração de energia), de forma que as novas centrais pudessem atender tanto ao complexo existente como às novas torres. Hotelaria & Conforto Com as novas instalações, o hospital ganhou ambientes mais amplos que atendem às demandas atuais por serviços de alta qualidade. A hotelaria conta com instalações, mobiliário e infraestrutura sofisticada que nada deve a hotéis cinco estrelas. Nos quartos, persianas automáticas interligadas a sensores de velocidade de vento são acionados automaticamente para garantir o conforto dos usuários. Estas persianas, da marca Screenline, permitem comandar o blackout completo, impedindo a penetração de luz e garantindo máxima tranquilidade para repouso do paciente. Persianas Screenline com Blackout total “As persianas Screenline dispõem de 5 tipos de acionamentos magnéticos: por botão, por cordão, por haste, por cabo, mas também e, sobretudo, os acionamentos motorizados por controle remoto. As persianas Screenline, equipadas com motor e controle remoto, oferecem imenso conforto. O controle remoto permite que se orientem as laminas, que se fechem ou se abram as persianas e blackouts, ativando os mecanismos individualmente ou em grupos à distância e simultaneamente. Os motores podem também responder a comandos de sistemas BMS de automação predial e comandados à distância por computadores em edifícios seguindo as normas LEED e Green Building Os sistemas motorizados Screenline podem ser alimentados eletricamente por sistemas de baixa voltagem correndo por dentro dos caixilhos. A Screenline propõe também um sistema de motores alimentados por energia solar através de um mini painel montado no lado externo da janela.”


Distribuição da área construída: Bloco E: 39 mil m² Bloco F: 14.200 m² Bloco G: 18.900 m²

Certificação LEED Gold O projeto, em processo de certificação LEED Gold, inclui uma série de itens de sustentabilidade como fachadas compostas por vidros de alta performance térmica e as persianas Screenline, automatizadas e embutidas, estação de tratamento de água cinza para reuso nas torres de resfriamento, irrigação e bacias sanitárias, elevadores com regenerador de energia, eco telhado, entre outros. Os blocos E e F incluem área de exposições e central de internação, ampliação do setor administrativo, UTI cardiológica, núcleo de especialidades, centro cirúrgico, nove pavimentos de internação, restaurantes e capela. Já o Bloco G abriga docas para recebimento de consignados, áreas destinadas aos colaboradores com academia e restaurante, além de leitos de UTI cardiológica, centro de reabilitação com ginásio e piscina, laboratórios e internação. Movimentação crítica As obras foram realizadas de forma escalonada, ou seja, à medida que os pavimentos foram ficando prontos, eram habilitados para ocupação. Responsável pelo gerenciamento da obra, o engenheiro da Método Engenharia, Gustavo Aguiar, conta que isso demandou um planejamento específico e ações como o comissionamento faseado dos sistemas. A obra teve ainda um desafio extra que foi sua execução enquanto o hospital estava em funcionamento. Tal condição demandou a criação de acessos e isolamentos provisórios, alguns deles com divisórias, outros com drywall, para selar as frestas, de modo que não houvesse a entrada de poeira nas áreas internas do hospital. Para minimizar ruídos serviços de demolição e corte de piso utilizaram técnicas alternativas ao martelete - como argamassa expansiva - e foram realizados em horários específicos previamente acordados com a direção do hospital. No momento de pico, a obra chegou a ter 1.300 pessoas no canteiro. Para evitar que o fluxo de trabalhadores atrapalhasse o funcionamento do hospital, algumas medidas foram incorporadas. Os elevadores que atendiam a obra, por exemplo, foram reprogramados para que não parassem nos andares do hospital. Limitações Logísticas As dificuldades logísticas induziram os engenheiros a controlar a movimentação de materiais e o aproveitamento dos

equipamentos minuciosamente. Foi necessário, por exemplo, acompanhar os fornecedores de perto para que eles maximizassem o uso dos elevadores e trabalhassem com uma produtividade mínima desejável para a descarga dos materiais. Ainda que um terreno ao lado do complexo tenha sido utilizado como local de transbordo, não havia área de canteiro suficiente para armazenamento de materiais. Para complicar, os acessos eram compartilhados com os acessos de carga e descarga do hospital, e a obra, localizada em uma área central da cidade, estava em uma zona de restrição máxima da prefeitura, que limita quase todo o abastecimento da obra ao período que se estende das 21h00 às 5h00. A saída encontrada pelos engenheiros foi implantar um plano logístico detalhado para definir as estratégias de movimentação e manejo de materiais. Entre as ações adotadas, estava o agendamento prévio de todas as entregas de materiais e insumos no período noturno. “Os caminhões eram descarregados com hora marcada em uma área de estacionamento que criamos especialmente para isso, mais próximo à Avenida Nove de Julho, para impactar o menos possível a vizinhança”, conta o engenheiro Aguiar. Assim que descarregado, o material era distribuído para os pavimentos predefinidos, onde seriam utilizados. Embora possa parecer simples, o engenheiro conta que esse tipo de plano gera impactos em toda a cadeia de suprimentos e em várias áreas da construtora, a começar pela seleção de fornecedores e compra de suprimentos. Isso porque não são todas as empresas que estão preparadas para fornecer nas condições que eram exigidas. Em função das operações noturnas, a segurança também precisou ser reforçada. “Contribuiu para esse trabalho um projeto estratégico de produtividade, realizado pela Método, para elevar a produtividade dos elevadores cremalheira e que previu, inclusive, a instalação de equipamentos de medição para acompanhar o rendimento do equipamento”, conta Leandro Faro, Diretor de Desenvolvimento da construtora. Nas obras do complexo hospitalar chegaram a operar quatro gruas e sete cremalheiras, uma delas dedicada especialmente para transportar os painéis de fachada unitizada. Para organizar e gerir todos esses equipamentos de transporte vertical foi preciso gerir uma equipe de sete operadores. “Garantir o abastecimento das frentes de trabalho foi um dos pontos críticos com os quais trabalhamos. Só de chapas de drywall levamos cerca de 400 mil m² de

www.g3h.com.br l HospTecno l 7


Case - Hospital Sírio-Libanês

placas para os andares”, revela Gustavo Aguiar. Auxiliou nessa empreitada o uso de ferramentas mais sofisticadas de planejamento, como o Método do Caminho Crítico e a modelagem 3D. Na ampliação do hospital Sírio Libanês, o BIM foi utilizado especialmente para apoiar as equipes de planejamento. Vinculado ao cronograma, a modelagem permitiu o acompanhamento passo a passo e a comparação visual entre o real – parte executada - e o planejado. Estrutura e reforço de fundação Por serem construídos sobre uma edificação existente, os blocos E e F foram projetados com a preocupação de serem estruturalmente leves. Esse foi um dos motivos que levou à opção pela estrutura metálica, decisiva para garantir maior número de pavimentos sem sobrecarregar a estrutura existente. O engenheiro César Pereira Lopes, responsável pelo projeto de estruturas, conta que foi possível aumentar em 20m a altura final em relação ao projeto original em concreto. “Além disso, o menor volume de concretagem decorrente da opção pela estrutura metálica gerou menos ruídos, minorando o desconforto para os usuários”, revela. Consultrix – Fundação A CONSULTRIX participa desde 1981 de todas as construções do complexo hospitalar da unidade Bela Vista do Hospital Sírio Libanês, na área de projetos e direção técnica das fundações e contenções. O Bloco G, inaugurado este ano, foi muito especial para a empresa, no sentido de representar um grande desafio de engenharia, demandando técnica, experiência e

8 l HospTecno l www.g3h.com.br

criatividade para atender todas as condicionantes do solo local dentro de uma organização complexa de prédios que se interligam. Para solução da obra, foram empregadas fundações e contenções especiais e de grande porte, para suportar cargas de até 70.000kN e escavações de até 18m de profundidade. Lajes tipo Steel deck Na construção dos blocos E e F, que teve pilares de vigas de aço, foram utilizadas lajes tipo steel deck para formar módulos de 8 m x 8 m. Já no bloco G, que tem estrutura de concreto, foram utilizadas lajes tipo cubetas com 50 cm de altura capazes de vencer vãos de até 15 m. Erguidos com estrutura mista de aço e concreto sobre o prédio existente, os blocos E e F foram idealizados para abrigar áreas de internação e a nova recepção do hospital. Já o bloco G, construído em área livre, surge para dar suporte a todo o complexo. Para possibilitar essa adição de carga, foi necessário reforçar a estrutura existente com fibra de carbono. “Entre as vantagens dessa técnica de reforço podemos destacar a facilidade de aplicação e a manutenção das secções originais das vigas, sem interferir no projeto arquitetônico”, comenta Lopes. A ampliação demandou, também, de reforço das fundações. Isso foi feito com o aumento da seção dos tubulões de fundação, bem como com a construção de tubulões laterais complementares, informa Aguiar. O projeto estrutural para a ampliação do Hospital SírioLibanês contemplou, ainda, uma série de interligações entre os blocos, com destaque para a conexão entre os blocos


G e C, projetada em estrutura metálica, e para a passagem entre os blocos G e R, em concreto protendido, que vence vãos de 25 m. Caixilhos e Fachada - Tecnofeal A expansão do Hospital Sírio-Libanês contou com a participação de centenas de empresas de grande porte. Uma delas, a Tecnofeal Esquadrias de Alumínio, produziu e instalou 34 mil m² de caixilhos para a fachada e os revestimentos metálicos nos novos blocos do empreendimento. “Diante da complexidade logística e da gestão da obra, o resultado (da Tecnofeal) foi muito bom”, ressalta o Superintendente de Engenharia e Obras do Hospital Sírio-Libanês, Antônio Carlos Cascão. Conheça Feal Unitized, a inovadora fachada da Tecnofeal, na página 39. Fachada – Alubond Fundada em 1993, a ALUBOND Revestimentos Metálicos atua com o beneficiamento e a instalação de painéis de alumínio composto (ACM) e alumínio puro. Em outubro de 2011, a Alubond - em parceria com uma empresa especializada em caixilhos de alumínio - foi contratada para fornecer e instalar um Sistema de Revestimento de Fachadas em ACM para o Complexo Hospitalar Hospital Sírio-Libanês. O contrato firmado junto ao Consórcio que gerenciava a obra contemplava o revestimento das três novas torres do hospital, denominadas Bloco E (com 19 pavimentos e 11.098m²); Bloco F (com 13 pavimentos e 5.081m²) e Bloco G (com 08 pavimentos e 4.041m²), totali-

zando assim 20.220m² de área revestida. Novas tecnologias O elevado grau de sofisticação do projeto do Hospital Sírio-Libanês, e a necessidade de atender a requisitos de desempenho elevados, foram indutores do uso de tecnologias ainda pouco utilizadas na construção brasileira. O engenheiro Gustavo Aguiar conta que, diferentemente do que ocorre em empreendimentos residenciais, no Sírio Libanês havia a necessidade de construir um pano de contra piso amplo, com cerca de 10 m, com 5cm a 7cm de espessura. “O problema é que fazer isso com a tecnologia comum geraria empenamentos. A solução foi desenvolver um traço especial com o uso de retardantes de retração, além de reforçar a armação”, conta o engenheiro. Outra novidade para a construtora foi o uso de um sistema de forro tensionado acústico, que conferiu um resultado monolítico e agregou velocidade de execução, com alta capacidade de absorção sonora. A construção do bloco G utilizou laje cubeta para permitir a criação de amplos vãos livres e dar ao hospital flexibilidade para mudanças de layout. Os pilares foram posicionados somente na periferia. Na construção dos blocos E e F, que teve pilares de vigas de aço, foram utilizadas lajes tipo steel deck para formar módulos de 8 m x 8 m. O projeto de ampliação do complexo hospitalar previu a instalação de 29 novos elevadores de alto desempenho com regeneradores de energia. Para facilitar a operação do hospital, foram implantados

www.g3h.com.br l HospTecno l 9


Case - Hospital Sírio-Libanês

sistemas pneumáticos para transporte de lixo hospitalar, bem como para condução de roupa suja dos andares diretamente para a lavanderia central. Automação e segurança - Bettoni “A aplicação de tecnologias ao ambiente hospitalar é cada vez mais frequente. E o HSL, como hospital de ponta, é referência também nesse campo. A TI e os sistemas de alta tecnologia – como automação predial, segurança, cabeamento estruturado, telecomunicações, áudio, vídeo e multimídia nos hospitais – para render os resultados desejados e necessários, precisa ser bem planejada e implantada, conduzida por profissionais experientes na área tecnológica e com conhecimento da dinâmica hospitalar. No HSL consegue-se unir todos esses elos, via equipe multidisciplinar, o que torna a participação no projeto muito gratificante, endossando a capacidade das empresas e dos profissionais que interagem ao longo de todo o projeto, desde a concepção”, opina o Eng. Roberto Luigi Bettoni, presidente da Bettoni Automação e Segurança, que atuou diretamente na obra das novas torres.

Eng. Roberto Luigi Bettoni, presidente da Bettoni Automação e Segurança

10 l HospTecno l www.g3h.com.br

A energia que alimenta o complexo - Eletel Com a ampliação das cargas elétricas das novas torres, foi necessário rever todo sistema de potência do Complexo Hospitalar, e realizar a integração da infraestrutura existente com as instalações dos novos edifícios. Esta compatibilização elétrica ficou por conta da Eletel,

ALbertino Coutinho, Diretor da Eletel

empresa que atua há mais de 25 anos na área de saúde, especializada em sistemas de missão crítica no segmento de energia e tecnologia. Os trabalhos de engenharia consultiva iniciaram na fase de projeto com foco nas instalações elétricas de potência, utilizando a premissa de manter toda operação do Hospital com a máxima segurança no atendimento aos pacientes e sem gerar impacto nos processos de negócios da instituição. Em face da nova demanda energética do complexo, foi necessária a mudança da classe de tensão do hospital, migrando de 21kV para 34,5kV, interligando o Hospital com a rede da Concessionária, através de duas linhas de alimentação, com circuitos em média tensão principal e redundante. Além dos geradores de emergência, que suportam as car-


gas críticas de cada edifício, foi construída uma nova Usina Autônoma de Geração, com o objetivo de produzir energia em horários sazonais e manter 100% do complexo operando em caso de falta de energia prolongada. “O papel dos Geradores de Emergência e dos Nobreaks dos blocos existentes foram de fundamental importância, possibilitando que a execução das interligações elétricas com as novas torres fossem realizadas sem paralisações”, comenta Eng. Ysnel Valvano – engenheiro da Eletel responsável para esta missão. Usina Autônoma de Geração – Sotreq A estratégia para assegurar o fornecimento e a geração de energia é uma das mais importantes em projetos hospitalares de ponta como o das novas torres do Hospital Sírio-Libanês. O papel da Sotreq foi muito além do fornecimento dos geradores para a Usina Autônoma de Geração, envolvendo atividades de consultoria e aconselhamento. A Sotreq é fornecedora tradicional do Hospital Sírio-Libanês e tem um relacionamento de décadas com a instituição, conhecendo intimamente sua operação e necessidades. Assim, foi natural que tenha sido chamada a participar do projeto desde o seu início, atuando desde os momentos iniciais da definição das premissas. Uma das primeiras definições foi a adoção do conceito de “back-up do back-up”, em que, quando há interrupção do fornecimento de energia pela concessionária, os geradores singulares que equipam as diversas torres entram antes da Usina, e esta assume gradativamente a carga da geração. Estas premissas orientaram também o melhor partido técnico, com a escolha de grupos geradores que trabalham com média tensão (13.800 volts) e que são acionados para evitar que o Hospital tenha custos mais elevados de energia ao passar para as faixas de alto consumo (Tier 2). Igualmente importante foi atender as exigências do selo GREEN. Outros aspectos da instalação da Usina Autônoma foram

muito importantes, como a definição do projeto de acústica e do escapamento dos gases. Como os grupos geradores foram instalados no subsolo, e a saída dos gases de escape sobe até o teto da torre mais alta em tubos independentes, foi preciso desenhar sua secção interna de modo a atender as resistências do fluxo de saída e evitar a contrapressão. Outra necessidade, ainda, foi garantir o isolamento térmico dos tubos de escape, que não podiam transferir calor para o prédio ou estruturas próximas. Um desafio particularmente complexo foi o modo de levar os Grupos Geradores para seu local de instalação, no subsolo do complexo. Para isto foi criado um alçapão onde os Grupos Geradores eram colocados, e depois de girados e movimentados, eram levados até os respectivos calços. Data Center – Teleinfo Soluções A Teleinfo Soluções é responsável pelo projeto e instalação do novo Data Center do Hospital Sírio-Libanês, assim como do cabeamento estruturado inteligente nas novas torres. Alinhado aos padrões das normas TIA-568 e TIA-1179 – esta última desenvolvida especialmente para ambientes hospitalares –, o cabeamento estruturado das novas torres utiliza solução X10D Cat. 6A, 11.000 pontos, com desempenho para transmissão de dados de 10 Gbps e backbone óptico tecnologia MPO, preparado para suportar até 100 Gbps. A solução Systimax para gerenciamento da rede através de iPatch promove eficiência e segurança à rede, assim como visão da camada física da rede em tempo real, rapidez na solução de problemas e redução no tempo de inatividade, tornando a manutenção menos onerosa. Para acompanhar o programa de ampliação, a instituição concluiu recentemente o novo data center, com área de 160 metros quadrados. Sua concepção foi totalmente baseada em requisitos de certificação TIER III, do Uptime Institute, instituto norte-americano de projeto e instalações. Com alta

www.g3h.com.br l HospTecno l 11


Case - Hospital Sírio-Libanês confiabilidade e disponibilidade, possui equipamentos e sistemas de ultima geração, atendendo a conceitos e normas internacionais. Estrutura técnica: n Cabeamento U/UTP categoria 6A SYSTIMAX; n Espelhamento de 1.128 portas de servidores através de cabos ópticos tipo “Trunk” e conexões MPO; n Gerenciamento de camada física através de Software, Ipatch Panels e controlador ImVision; n Sistema de Detecção, Alarme e Combate de Incêndio por NOVEC / VESDA; n Sistema de CFTV e Controle de Acesso Schneider; n Fornecimento de ativos de rede HP. “Foi um projeto desafiador, de grande dimensão, para uma das mais conceituadas instituições hospitalares do mundo. Cumprimos a missão e o compromisso de oferecer soluções e capacidades de instalação, com base sólida agregada a sistemas confiáveis e altamente eficientes”, conta Anderson Ribeiro, Diretor Técnico da Teleinfo Soluções. Alimentação Elétrica do Datacenter - Eletel A Eletel utilizou o conceito Dual Power para alimentação elétrica do Datacenter, com Nobreaks de tecnologia Online de dupla conversão. A climatização do ambiente possui controle de temperatura e umidade, através de equipamentos redundantes de Ar Condicionado de precisão. Para interconectar os servidores e equipamentos de comunicação de dados, foi adotado o Sistema de Cabeamento Estruturado Categoria 6A e cabos de fibra óptica com capacidade de trafegar até 100Gbs. Para garantia do ambiente em caso de sinistro de incêndio, foi instalado sistema de detecção precoce interligado a um eficiente sistema de supressão de incêndio, utilizando o gás ecológico NOVEC. “O novo Datacenter tem a missão de manter, com alta disponibilidade e segurança, os equipamentos de processa-

12 l HospTecno l www.g3h.com.br

mento, armazenamento e comunicação de dados do hospital, responsáveis em suportar a contínua operação dos sistemas de gestão administrativos e assistenciais, sistema de imagens médicas digitais (PACS) e os sistemas prediais tais como: Telefonia_IP, CFTV_IP, BMS, Controle de Acesso, entre outros”, comenta Ricardo Viana, Engenheiro da Eletel, responsável por este projeto. Combate a incêndio Também foi desafiador compatibilizar as necessidades do hospital e da arquitetura, com as exigências das Instruções Técnicas do Corpo de Bombeiros, em especial a IT-15, que trata do controle de fumaça. A solução encontrada pelos projetistas de instalações foi criar uma rede de dutos de extração de fumaça totalmente independente da rede de dutos de ar-condicionado. A consequência disso foi a necessidade de haver mais espaço no forro para comportar todos os dutos. Raymond Khoe, da MHA, explica que foi adotada a setorização das áreas de acordo com a compartimentação horizontal. Para atender cada área horizontalmente compartimentada, foram concebidos um ou dois dutos de extração vertical. Com isso, a rede de dutos do sistema de extração de fumaça foi dividida em trechos verticais e horizontais. Adicionalmente, a instalação de dampers corta fogo - motorizados nos dutos e controlados pelo sistema de detecção de incêndios - criou a possibilidade de que somente o andar e a área com sinistro tivessem a extração de fumaça e reposição de ar limpo, sem comprometer os demais pavimentos. Sistema IT Médico – RDI Bender A medicina do século XXI é uma medicina eletrificada. Não é raro um paciente internado em uma UTI estar conectado a dezenas de equipamentos e dispositivos eletromédicos, que dão apoio ao tratamento médico. Nos ambientes elétrico-intensivos dos hospitais contemporâneos, a recuperação do paciente não depende só dos cuidados da equipe de saúde. A infraestrutura hospitalar e os equipamentos eletromédicos são o complemento indispensável.


No Hospital Sírio-Libanês o sistema IT Médico foi fornecido pela RDI Bender. No total, foram instalados 235 sistemas IT Médico, rigorosamente dentro do projeto elétrico e das necessidades do hospital.

Ficha técnica Construção:

Método Engenharia e Schahin

Os sistemas instalados no Hospital Sírio-Libanês são o que há de mais avançado mundialmente e tem a seguinte configuração: n DSI- Dispositivo Supervisor de Isolamento em acordo com as normas NBR13534:2008 e IEC61557-8: 2007 + Anexo A, IEC61557-9: 2009; n Localizador de falhas fixo em acordo com as normas: NBR5410: 2005, IEC61557-9: 2009; n Anunciadores de alarme em acordo com as normas NBR13534: 2008; n Transformadores de separação em acordo com as normas NBR13534: 2008 e IEC61557-8-15: 2013; Painéis elétricos em acordo com a NBR IEC61439.

Estrutura metálica:

Os painéis elétricos fornecidos ao Hospital Sírio-Libanês apresentaram uma solução inovadora para atender os requisitos do projeto em acordo com a LEED. O trabalho promoveu a interligação dos sistemas anteriormente existentes no hospital com os sistemas IT-médicos das torres novas de modo a permitir que todos os sistemas sejam monitorados / visualizados no supervisório criado em linguagem ModBus/TCP.

Projeto de Instalações:

Sistema de Transporte Pneumático - Aerocom A parceria do Hospital Sírio Libanês com a Aerocom do Brasil e da Alemanha teve início, em 2001, com a instalação de um pequeno sistema de transporte pneumático com oito estações. No decorrer dos anos, o sistema foi sendo ampliado, chegando à atual configuração com 94 estações interligando todos os cinco blocos do hospital. Esse sistema permite o envio simultâneo de até 13 cápsulas e está dimensionado para efetuar até 4.500 envios por dia, o que significa mais de três envios por minuto. ­

Caixilhos e Fachada:

Codeme/Usiminas Arquitetura predial:

L+M Gets Fundação:

Consultrix Automação e segurança:

Bettoni Automação e Segurança Datacenter:

Teleinfo Sistema IT Médico:

RDI Bender MHA Engenharia Engenharia Consultiva - Sistemas Elétricos:

Eletel Usina Autônoma de Geração:

Sotreq Reforços estruturais:

Scale Tecnofeal Sistema de Revestimento da fachada:

Alubond Correio Pneumático:

Aerocom Persianas Automáticas:

Screenline

Comunicamos que erramos nos créditos de uma foto publicada no Anuário Hospital Best 2014-2015. No item 19 da página nove nos referimos a Cláudio Afonso como Cláudio França. Reiteramos que a Afonso França Engenharia recebeu o Prêmio Construtora Hospitalar do Ano. O troféu foi recebido por Cláudio Afonso, Sócio Proprietário da Empresa, e foi entregue pelo Secretário Estadual de Saúde do Rio de Janeiro, Dr. Marcos Esner Musafir.

www.g3h.com.br l HospTecno l 13


R. Vicente Rodrigues da Silva, 857 Piratininga -06230-098 Osasco - SP Tel: (11) 3602-6260 www.rdibender.com.br O que faz -Sistema IT Médico

Tecnologia para a vida

“Case” Sistema IT Médico – RDI Bender

N

o Hospital Sírio-Libanês a opção pela excelência em segurança elétrica elegeu a RDI Bender para fornecer o Sistema IT Médico. O Hospital Sírio-Libanês buscou as melhores e mais avançadas tecnologias para assegurar-se de que tudo vai funcionar da forma mais perfeita possível. E na segurança elétrica dos pacientes e dos equipamentos eletromédicos, prevenir eventos adversos é essencial. Tudo o que possa dar errado deve ser antecipado ou evitado. O Sistema IT-Médico é um tipo de instalação elétrica que, basicamente, é composto por um transformador de separação e um dispositivo supervisor de isolamento (DSI). O IT Médico é exigido por norma em ambientes de assistência médica especializada, como salas de cirurgia, tratamento intensivo (UTIs e CTIs) e serviços críticos como hemodinâmica. Seu uso comprovadamente diminui riscos de choque elétrico em pacientes e evita o surgimento de arco voltaico e, desta forma, ajuda a manter os equipamentos médicos operantes sem interrupção. Nas três novas torres do Hospital Sírio-Libanês, recém inauguradas, a RDI-Bender forneceu 235 sistemas IT-médico de ultima geração, equipamentos que, além de atenderem 100% das normas nacionais e internacionais, possuem funcionalidades que ampliam a segurança elétrica, evitando a interrupção do funcionamento dos equipamentos médicos operantes e diminuem os riscos de choque elétrico em pacientes. O Localizador de Falhas Fixo, equipamento opcional complementar adotado pelo hospital facilita enormemente a tarefa de encontrar a fonte de eventuais falhas de isolamento após um aviso do sistema de alarme. No Brasil, a NBR 5410 4 descreve o então denominado “Esquema IT de Aterramento”, enquanto a NBR 13534:2008 recomenda a adoção sistema IT-Médico para uso médico. Os sistemas de IT Médico adotados pelo Sírio-Libanês combinam a ação de diversos dispositivos: · DSI- Dispositivo Supervisor de Isolamento em acordo com as normas NBR13534:2008 e IEC61557-8: 2007 + Anexo A, IEC61557-9: 2009; · Localizador de falhas fixo em acordo com as normas: NBR5410: 2005, IEC61557-9: 2009; · Anunciadores de alarme em acordo com as normas

14 l HospTecno l www.g3h.com.br

NBR13534: 2008; · Transformadores de separação em acordo com as normas NBR13534: 2008 e IEC61557-8-15: 2013; · Painéis elétricos em acordo com a NBR IEC61439. Estes painéis elétricos foram desenvolvidos com uma solução inovadora para atender os requisitos do projeto em acordo com a certificação LEED. O trabalho fez a interligação dos sistemas existentes anteriormente no Hospital com os sistemas IT-médicos recém instalados nas torres novas, ou seja, todos os sistemas IT estão monitorados e podem ser visualizados no supervisório criado em linguagem ModBus/TCP. Atualmente em termos de sistema IT-médico o Hospital Sírio-Libanês possui o que há de mais moderno e completo mundialmente dentro das rigorosas exigências normativas. Diferenças do sistema de alimentação convencional e do sistema IT-Médico Nas décadas de 1920 e 1930, alguns estudos pioneiros já propunham a adoção de sistemas elétricos isolados, mas somente a partir de 1971 esta ideia tornou-se uma proposta discutida amplamente nos EUA. Na revista IEEE Spectrum 1 de setembro de 1971, Friedlander sintetizou as propostas de instalações elétricas, inclusive da adoção do sistema isolado, em função da falta de padrões existente na época. Na sequência, em 1973, foi proposta pela National Fire Protection Association a NFPA 76B-T (o “T”, que abrevia “tentative”, indicava que a norma ainda estava em estudo), que propunha a adoção, nos Estados Unidos, de um sistema isolado de fornecimento de energia elétrica para salas de cirurgia. O sistema se mostrou adequado para oferecer proteção aos pacientes e equipamentos e acabou sendo adotado, ficando conhecido como Sistema IT Médico. Nos Estados Unidos está normatizado pela IEC 60364-7, “Electrical Installations of Buildings: Requirements for Special Installations or Locations – Medical Locations, Part 710.413.1.5, IT system” (em inglês: International Electrotechnical Commission, IEC). Esse sistema, que utiliza um transformador de separação entre o sistema de fornecimento de energia geral e o sistema que


C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

abastece a unidade isolada, tem como principal função impedir que uma primeira falha ao terra interrompa o fornecimento de energia durante o uso crítico de equipamentos médico-hospitalares, especialmente em centros cirúrgicos e UTIs. Diferentemente dos sistemas de energia convencionais, no sistema IT, em que os condutores de alimentação não possuem tensão elétrica referenciada ao terra, um contato acidental com o terra não provoca nenhuma faísca. Mantido este primeiro contato, apenas uma segunda falha, por meio de contato com outro ponto aterrado, provocaria um curto circuito e o desligamento da alimentação feito pelos disjuntores de proteção. Com o intuito de evitar o risco de uma segunda falha e aumentar a segurança proporcionada pelo sistema IT Médico é adicionado ao transformador de isolamento isolador um Dispositivo Supervisor de Isolamento (DSI). Este dispositivo tem a missão de avisar, por meio de alarme sonoro, quando surge um problema na alimentação elétrica na unidade monitorada. Isto acontece, por exemplo, quando a resistência elétrica entre um condutor (qualquer um dos dois) de alimentação e o aterramento estiver abaixo de um valor selecionado, normalmente 50 kΩ. O Sistema IT Médico e cirurgias mais seguras Além de garantir proteção aos equipamentos, o Sistema IT Médico torna as cirurgias mais seguras ao proporcionar salas de cirurgias mais protegidas e confiáveis. Mesmo cirurgias aparentemente simples e corriqueiras se tornam cada dia mais e mais sofisticadas e requerem mais atenção e concentração dos cirurgiões e suas equipes. E nas salas cirúrgicas são tomadas decisões que afetam a vida dos pacientes e nelas, a última coisa que os cirurgiões e suas equipes desejam é terem que se preocupar com o mau funcionamento de alguma coisa. E como assegurar que os procedimentos cirúrgicos transcorram com a máxima eficiência e sem problemas? De um lado é preciso considerar que um centro cirúrgico depende de um conjunto de equipamentos e sistemas que deve funcionar de forma contínua, sem sobressaltos e dentro de parâmetros adequados. De outro lado, é muito importante se ter controle imediato, simples e eficaz sobre tudo o que tem relação com o ambien-

te da sala cirúrgica, de modo que eventuais problemas possam ser imediatamente percebidos e, na hipótese da necessidade de mudar algum parâmetro do funcionamento de algum dispositivo ou equipamento, isto possa ser resolvido rapidamente, de modo intuitivo e sem complexidade. A resposta a esta necessidade foi o que levou a Bender a desenvolver o TCP – Touch Control Panel -, uma interface de controle sensível ao toque (Touch-Sensitive) capaz de centralizar os alarmes e funcionar como um painel de operação de sistemas médicos e outros sistemas ligados às salas cirúrgicas. Sua missão é receber informações dos sistemas e transformá -los em instruções claras e precisas, particularmente no caso de sobrevirem situações críticas. O painel TCP touch screen oferece a solução que atende as demandas dos modernos equipamentos médicos e de outros equipamentos hospitalares. Por exemplo: no ambiente hospitalar estes painéis podem ser programados para proporcionar informações claras e simples sobre o funcionamento de sistemas críticos. As equipes dos centros cirúrgicos têm à sua disposição, além das informações, também os controles e indicadores que podem ser comandados pela ponta de seus dedos visando obter o melhor ambiente para a sala cirúrgica sem interromper os procedimentos médicos. Os painéis TCP - Touch Screen da Bender podem ser usados para: Mostrar e visualizar o status dos sistemas, avisos e mensagens de alarme; Controlar e parametrizar os equipamentos a partir de uma locação central; Mostrar os parâmetros e as variações relativas com o propósito de monitoramento; Comunicar-se com sistemas de automação como: Modbus, ProfiBus, ProfiNet, Protocolo KNX, LonWorks, Interface Sercos, InterBus, Ethernet/IP, CC-Link, CanOpen, DeviceNet, BACnet e outros. Exemplos típicos de operação e controle: Rede e suprimento de gases; Sistemas de Ar condicionado e ventilação; Iluminação da sala; Equipamento de comunicação;

www.g3h.com.br l HospTecno l 15


Tecnologia para a vida

Mesas cirúrgicas; Sistema IT Médico; Sistemas de fornecimento de energia; Outros equipamentos. A integração de todos os equipamentos técnicos em um único painel permite a criação de um “Centro de Controle Técnico” na sala apropriada. Cada painel de controle é desenhado individualmente, sob medida para atender as especificações e as necessidades requeridas pelo cliente, assim como para operar em sintonia com os equipamentos e sistemas médicos. Painel Touch-Screen Com o monitor (OP Tableau) sensível ao toque, que pode ser operado pela ponta dos dedos, monitorar e operar equipamentos e dispositivos em ambientes médicos e outras áreas não pode ser mais simples. A interface gráfica é capaz de mostrar todos os tipos de topologia, por mais complexas que sejam. O status e os comandos e as informações de follow-up e feed back são apresentadas de maneira bem estruturada e fácil de entender. Seu conjunto de atributos inclui: Facilidade de uso por meio de tela touch screen; Operação direta, com base lógica e intuitiva; Disponibilidade de informações complementares para os médicos e pessoal técnico; Menu estruturado de modo claro e autoexplicativo com imagens e ícones na tela; Identificação clara das funções ligadas à segurança;

Funcionamento sem ruído por operar sem ventilador; Imagens de alta qualidade, com excelente contraste, alta resolução e grande ângulo de visibilidade; Possibilidade de integração gráfica com planta do layout da área coberta ou telas de qualidade fotográfica para mostrar o status dos sistemas; Integração suave de equipamentos externos, como sistemas de controle e intercomunicadores; Controles e comandos de sistemas não compatíveis com PLC (Programmable Logic Controller) podem ser montados por trás da membrana que cobre a interface do painel, na camada logo atrás da superfície sensível ao toque. Não são necessários painéis adicionais; Os SCPs (Surgeons Control Panels) da Bender podem acomodar sistemas integrados de visualização PACS completos e teclados de PC ou de equipamentos médicos Painéis de vidro fechados ou superfícies laminadas de materiais antimicrobianos longa vida; Painel frontal montado sem parafusos; Fácil retrofit ou expansão, como mínimas interrupções para serviço ou indisponibilidade do sistema. O sistema I/O integrado oferece numerosas opções para integrar I/Os digitais e analógicos com diferentes voltagens, diferentes potências, tipos de sinal e funções especiais reunidos no mesmo painel de operação indicador de alarmes. O resultado final é um sistema que é, ao mesmo tempo, modular e flexível, que pode ser adaptado ou expandido e acomodar novas tecnologias.

Controle da qualidade da energia Nos sistemas modernos de distribuição de energia é frequente o aumento da ocorrência de interferências ocasionadas pelo uso de sistemas elétricos cada vez mais sofisticados. Cargas não lineares, tais como inversores de frequência, fontes de alimentação chaveadas ou reatores eletrônicos, são a causa deste tipo de problema. Interações típicas no sistema são as harmônicas, mudanças em valores r.m.s de tensão ou flutuações de iluminação, os chamados “flickers”. Segurança Altas componentes harmônicas no projeto existente podem levar a sobrecarga em sistemas de fiação e até mesmo provocar incêndio. Estes efeitos são bem conhecidos e já foram apontados em normas, como as recomendações para a adaptação da secção transversal do condutor em caso de altas componentes harmônicas, conforme são especificadas na IEC

16 l HospTecno l www.g3h.com.br

60364-5-52:2009, por exemplo. Caso seja esperada sobrecarga do condutor neutro provocada por harmônicas, a IEC 60364-4-43:2008 recomenda detecção de sobrecarga para o condutor neutro. A efetividade de tais medidas depende em grande parte do estado operacional da instalação elétrica, mas uma efetiva avaliação para garantir uma operação segura da instalação elétrica somente pode ser realizada através de monitoramento contínuo da componente harmônica e da medição das correntes de operação. Disponibilidade Os sistemas elétricos crescem a todo instante. Não é raro que falhas e distúrbios sejam consequências de redes sobrecarregadas. Por meio de um sistema de monitoramento que inclua dis-


positivos de medição universal das séries PEM, potenciais impactos em medidas de proteção, riscos devido a sobrecargas ou alteração no consumo de energia podem ser verificados antes do próximo estágio de expansão. Design de um sistema de monitoramento Um design detalhado do sistema de monitoramento possibilita: Aquisição de dados de energia por centros de custo; Em caso de falha, localização mais rápida da mesma; Uma estrutura de pirâmide econômica. O objetivo de um sistema de monitoramento é detectar mesmo pequenas alterações de quantidade em medições relevantes, tais como corrente de fuga ou a componente harmônica. De modo que sejam reconhecidas e que, em caso de desvios, um pré-alarme seja gerado com a maior antecedência possível. Também deve ter em conta que não se pode obter curvas confiáveis das tendências em relação às quantidades das medições relevantes para a qualidade da tensão ou para as correntes de fuga com seu monitoramento sendo feito a partir de um único ponto de medição em uma instalação elétrica. Portanto, para um monitoramento adequado devem ser instalados vários pontos de medição tecnicamente posicionados de modo a cobrir a correspondente estrutura do sistema. Um sistema de monitoramento gera vários valores de medição por segundo. Esta informação é coletada automaticamente, avaliada para cada sistema individual e processada levando-se em consideração os grupos de usuários. Esta tarefa cabe a um único dispositivo, o centro de controle do sistema CP700, que se incumbe também das seguintes atividades: Visão geral de todo o sistema elétrico; Geração ativa de alarme;

Acesso simples aos parâmetros relacionados ao dispositivo em uso; Suporte guiado para análise de falhas; Documentação fácil de valores de medição e parâmetros do dispositivo; Visualização definida pelo usuário; Visão geral de vários sistemas; Acesso às informações em qualquer lugar e a qualquer momento via PC; Viável para o futuro através da expansão e aperfeiçoamento das funcionalidades via atualizações de softwares; Uso da infraestrutura de TI existente; Disponibilização de mensagens e valores medidos para sistemas de níveis superiores; Aplicação baseada em browser (compatível a múltiplos usuários/ licença livre). Medidores de Energia Juntamente com inúmeros valores de medições, todos os dispositivos PEM podem medir valores de energia e potência. Se, todavia um ponto de medição for usado com o propósito de obter dados para faturamento, exigências especiais devem ser atendidas (sujeitas a calibração obrigatória). Neste caso são adequados os medidores de energia que estejam em conformidade com o MID (Measurement Instrument Device). Transformadores de corrente Todos os instrumentos de medição PEM podem ser operados com transformadores de corrente padrão (1 A ou 5 A). Contudo, deve ser garantido que o dispositivo de medição e os transformadores de medida utilizados atendam a classe de precisão 0.5 S ou superior. A Bender fornece uma variedade de transformadores de medida adequados aos Multimedidores analisadores da qualidade da energia.

www.g3h.com.br l HospTecno l 17


Tecnologia para a vida

Sistema de Transporte Pneumático

S

omos a unidade brasileira da empresa alemã Aerocom que atua em nosso mercado hospitalar há 20 anos, com mais de 1400 estações de envio e recebimento e 25 mil metros de tubos instalados em todo Brasil. A Aerocom está presente em 65 países com sistemas instalados em mais de 1200 hospitais. Para viabilizar a baixo custo, uma futura ampliação ou readequação do sistema, nossos fornecimentos possuem um adequado índice de nacionalização – todos os tubos, curvas, luvas, cápsulas e módulo de potência podem ser adquiridos no mercado nacional. O sistema pode transportar, numa velocidade de até 8 m/s: medicamentos, exames, bolsas de sangue, soros, documentos e prontuários, insumos laboratoriais, instrumentos e materiais esterilizados. Temos equipamentos em funcionamento em clientes como: HCor, Hospital Oswaldo Cruz, Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo, Hospitais Copa Dor, Barra Dor, Caxias Dor, Hospitais Sancta Maggiore do grupo Prevent Senior, Hospital do Coração em Natal, Hospital Municipal de Maringá, Hospital Sírio-Libanês, Hospital Samaritano em São Paulo e Rio de Janeiro, Hospital Santa Marcelina, Hospital 9 de Julho, Incor SP, Hospital Santa Joana, Hospital Santa Tereza em Campinas, Unimed Bauru, Icesp entre outros.

20 l HospTecno l www.g3h.com.br

Rua Reboujo, 51 São Paulo-SP (11) 2941-1400 www.aerocom.com.br www.aerocom.de O que faz? Projeto, fabricação, instalação e assistência técnica de sistemas de transporte pneumático.


www.g3h.com.br l HospTecno l 21


Tecnologia para a vida

Assepsia perfeita com Manutenção Zero PERSIANAS ENTRE VIDROS COM ACIONAMENTO MAGNÉTICO

A

s persianas insuladas Screenline vêm conquistando o mercado brasileiro, sendo crescentemente adotadas pelos projetos hospitalares mais exigentes. Elas estão hoje presentes na quase integralidade dos hospitais brasileiros de referência. A solução trazida pela Screenline torna obsoleto o uso de cortinas clássicas e roll-on na parte interna dos quartos (contra-indicados por motivos de assepsia) e desnecessário na maioria dos casos o uso de brises na parte externa dos prédios. Os procedimentos custosos de limpeza e manutenção associados às soluções tradicionais desaparecem com a adoção do sistema Screenline que os substitui com grandes vantagens. Protegidas entre vidros, sempre novas e limpas Insular quer dizer isolar as persianas entre dois vidros, dentro de uma câmara lacrada hermeticamente. Nenhum ar entra, nenhum ar sai. Assim, isoladas, as persianas dispensam limpeza e guardam seu aspecto de limpas e novas por décadas. Assepsia perfeita e Manutenção Zero Com as persianas protegidas e isoladas entre-vidros a limpeza e assepsia dos quartos se faz com total segurança e rapidez. As persianas Screenline tornam obsoleto o uso de cortinas clássicas ou roll-on, contra indicadas em ambientes onde a assepsia é vital. Os custos e a logística de higienização de cortinas nos quartos representam um ônus considerável para os hospitais e um risco no que tange a infecções hospitalares. Com Screenline basta se limpar as superfícies dos vidros - e as persianas e blackouts, agora protegidos entre vidros, se mantem como novas por décadas.

22 l HospTecno l www.g3h.com.br

As persianas evoluíram. Persianas com blackout incorporado: Screenline TWIN. A Screenline oferece agora também o produto TWIN, que associa as qualidades das persianas ao conforto de um sistema blackout. Além da modulação e do controle da luz e do calor, que permitem as persianas ter agora o conforto de uma tela blackout capaz de obscurecer completamente quartos e salas. O produto TWIN vem substituir com grandes vantagens as soluções tradicionais de sombreamento internas. COMANDO POR MAGNETOS Uma exclusividade Screenline é o comando por acionamento

Alameda Gabriel Monteiro da Silva, 370 São Paulo – SP (11)2197-1100 www.screenline.com.br O que faz - Persianas e cortinas Hospitalares


magnético, uma patente da marca. Este sistema garante a total estanqueidade da câmara entre-vidros e portanto uma durabilidade infinita das persianas. Na parte interna da câmara as persianas são orientadas, levantadas ou baixadas por sistema de acionamento magnético, cujo mecanismo de rotação é ligado a um par de poderosos imãs. Na parte interna da câmara um imã, na parte externa outro. Posicionados frente a frente, é assim possível transferir o movimento à parte interna da câmara, sem que haja nenhum contato mecânico entre parte interna e externa. Este sistema garante durabilidade e funcionamento perfeitos do sistema por toda a vida útil da janela. TRATAMENTO NO FOGGING As persianas insuladas sofrem variações de temperatura consideráveis, pois servem justamente para refletir e controlar luz e calor. O tratamento NO FOGGING (anti-embassamento) dos componentes que vão na parte interna da câmara é uma parte essencial das garantias dadas pela Screenline. Os componentes internos

passam por um processo de retirada de todos os solventes residuais contidos nas tintas e peças. Este tratamento evita que sob o ensolaramento dos dias de mais forte calor nao haja liberacao de solventes na parte interna da janela. Janelas sem esta garantia podem ficar completamente opacas depois de apenas alguns dias de sol forte. GREEN BUILDING e LEED Os produtos Screenline atendem as mais modernas normas de construção ecológica. As persianas permitem uma modulação de luz ideal e uma proteção eficaz contra o calor, baixando substancialmente gastos com equipamento de condicionamento de ar e eletricidade. O acionamento das persianas pode ser feitos através de 5 tipos de mecanismos: por botão, por haste, por cabo, por cordão ou por meio de motores elétricos. Os sistemas motorizados podem ser acionados por controle remoto, individualmente ou em grupos, e podem também receber comandos de sistemas de automação predial a distancia.

www.g3h.com.br l HospTecno l 23


Tecnologia para a vida

Grupo Santa Joana: tecnologia e conhecimento a serviço da vida

O

Grupo Santa Joana – formado pelo Hospital e Maternidade Santa Joana e pela Pro Matre Paulista, em São Paulo, e pela Perinatal Laranjeiras e Perinatal Barra, no Rio de Janeiro – apoia-se no binômio tecnologia e conhecimento para assegurar atendimento de referência no campo da Perinatologia, incluindo todas as especialidades relacionadas a gestantes e bebês, como Ginecologia, Obstetrícia, Neonatologia, Medicina Fetal, Cirurgia Neonatal Geral, Neurocirurgia Neonatal, Cirurgia Cardíaca Neonatal, entre outras. Tradição é uma palavra recorrente quando se conta a história do grupo em São Paulo. O Hospital e Maternidade Santa Joana completa 67 anos de fundação em 2015, enquanto a Pro Matre Paulista chega a 78 anos. Foi justamente na Pro Matre Paulista que o grupo concluiu recentemente o processo de certificação pela Joint Commission International (JCI). Com quase oitenta anos de história, a Pro Matre Paulista comprova que nenhuma instituição avança tanto no tempo, se não estiver apoiada em alicerces sólidos. A qualidade da assistência sempre foi uma das marcas da maternidade, e essa característica acentuou-se nos últimos quinze anos, quando a maternidade passou a integrar o Grupo Santa Joana. Partir do estágio de reconhecimento nacional para um nível de padronização internacional era um caminho lógico para a maternidade. Aprovada em seus processos e constantemente reavaliada pela ONA, que realiza auditorias de recertificação periodicamente, a Pro Matre Paulista ajustou

24 l HospTecno l www.g3h.com.br


Rua do Paraíso, 432 - Paraíso São Paulo - SP (11) 5080 6000 www.hmsj.com.br O que faz - Hospital Maternidade Sala de Simulação

www.g3h.com.br l HospTecno l 25


Tecnologia para a vida

Sala de Controle

o foco na segurança de sua assistência, para elevar ainda mais a qualidade no atendimento a mães e bebês. Buscar reconhecimento de entidades independentes e respeitadas era um caminho natural, que começou a ser trilhado no início da década passada, quando a maternidade iniciou seu primeiro processo formalizado de qualidade. A primeira certificação da Pro Matre Paulista, nesse aspecto, foi concedida pela Organização Nacional de Acreditação (ONA). Desde 2005, a maternidade mantém a certificação de excelência, a mais alta nos critérios da ONA. Desempenhar funções com alta qualidade é uma condição essencial de quem atua em Saúde. Afinal, o produto do nosso trabalho é o que de mais valioso pode existir: a vida. “As maternidades do Grupo Santa Joana sempre atuaram com rigor no aspecto da segurança do paciente. Ter isto atestado pela instituição mais prestigiada do mundo é uma conquista para se comemorar”, comenta Dr. Antonio Amaro, diretor do Grupo Santa Joana.

26 l HospTecno l www.g3h.com.br

Com uma equipe multidisciplinar, formada por profissionais de saúde altamente reconhecidos – muitos deles mestres e doutores em suas especialidades – a Pro Matre Paulista também se credenciou para ser uma instituição certificada pela JCI graças à sua base instalada de equipamentos e soluções de alta tecnologia, padrão no Grupo Santa Joana. As Unidades de Terapia Intensiva Neonatal do Grupo Santa Joana são referência internacional no que se refere aos cuidados com recém-nascidos, especialmente os prematuros ou os que chegam ao mundo com a necessidade de cuidados especiais, por motivos diversos. O Grupo Santa Joana é filiado à rede internacional Vermont-Oxford, que permite a comparação dos resultados conquistados na assistência de recém-nascidos menores de 1.500 g entre 800 UTIs neonatais no mundo. “Ano após ano, os indicadores do Hospital e Maternidade Santa Joana situam-se entre os melhores da rede, confirmando o alto grau de excelência, inclusive na comparação com países industrializados”, explica Dr. Eduardo Amaro, diretor do Grupo Santa Joana.


A chave para os bons resultados nas Unidades de Terapia Intensiva Neonatal do Grupo Santa Joana está na combinação de alto conhecimento com tecnologia de ponta. Os profissionais da instituição mantêm contato permanente com os principais centros geradores de conhecimento, inclusive com períodos de imersão em hospitais-escola do exterior, para troca de experiências e reciclagem de conhecimentos. Recursos tecnológicos inovadores, tanto para o monitoramento quanto para a terapia, são rapidamente incorporados à instituição. Mas esse foco não se restringe às unidades de terapia intensiva para pacientes neonatais. Referência em todo o atendimento de pacientes no ciclo gravídico-puerperal, o Grupo Santa Joana transparece a seus clientes uma significativa sintonia entre referencial teórico, conhecimento prático e tecnologia avançada. Esses três pilares representam a base de todos os atendimentos realizados nos hospitais do grupo, explicam e garantem os seus excelentes resultados. Em abril passado, o Grupo Santa Joana realizou a vigésima

edição de sua Jornada Internacional de Anestesia Obstétrica, na qual o aspecto da tecnologia assumiu um papel particularmente destacado. Durante a jornada, realizada em dois dias, em São Paulo, o grupo apresentou aos participantes as bases de seu Centro de Simulação Especializado no Atendimento Materno e Neonatal. Tecnologia: qualidade e segurança O novo investimento do Grupo Santa Joana, o primeiro do Brasil com esta finalidade, é fortemente ancorado na tecnologia. “O treinamento com a ferramenta da simulação cria condições para que o profissional seja igualmente preparado para atender diferentes rotinas, desde situações comuns até problemas de extrema gravidade ou baixa frequência, como uma parada cardíaca, tudo isso em ambiente seguro”, comenta Dra. Monica Siaulys, chefe do departamento de Anestesiologia do Hospital e Maternidade Santa Joana. “É errando que se aprende”, acrescenta Dra. Monica.

www.g3h.com.br l HospTecno l 27


Tecnologia para a vida

Reanimação Neonatal

A grande diferença é que, quando o erro ocorre no Centro de Simulação, ele não acarreta danos aos pacientes e nem ao próprio profissional. Esses treinamentos são realizados em ambientes que mimetizam fielmente as suítes de parto, consultórios médicos, salas de cirurgia, entre outros, da mesma forma como ocorre nos simuladores de voo na indústria da aviação, que há anos os utiliza para treinamento de seus profissionais. No Centro de Simulação do Grupo Santa Joana, existem programas nas áreas de atendimento de urgências em Obstetrícia e Neonatologia e treinamentos específicos e multidisciplinares, com o objetivo de otimizar as técnicas de comunicação dos profissionais durante um atendimento. Erros de comunicação são os principais responsáveis pelas falhas que acontecem em ambiente hospitalar. Portanto, o objetivo principal do novo Centro de Simulação  é aprimorar a capacitação do corpo clínico médico e de enfermagem por meio da simulação. O Grupo Santa Joana reconhece ainda a necessidade do intercâmbio cultural como forma de aprimoramento em novas técnicas e procedimentos. Ciente disso, sempre organizou

28 l HospTecno l www.g3h.com.br

cursos dentro da instituição com a participação de renomados profissionais nacionais e internacionais e enviou profissionais de seu corpo clínico e enfermagem para vários congressos, jornadas e workshops nacionais e internacionais. Estrutura Atualmente, o Centro de Simulação especializado no atendimento Materno e Neonatal do Grupo Santa Joana está instalado fisicamente no Hospital e Maternidade Santa Joana, em São Paulo, mas os treinamentos serão estendidos às demais unidades do Grupo. Para isso, uma ala do hospital foi totalmente reformada, a fim de atender as exigências da nova instalação. A estrutura criada dentro do hospital possui três salas, cada uma com funções diferentes. Na primeira sala, ou sala de simulação, ficam alocados os bonecos usados para a simulação. Foram adquiridos manequins de alta fidelidade que podem reproduzir o choro de dor, a respiração humana e contam com anatomia e funcionalidade precisas. Das características da boneca adulta, destacam-se a reprodução de sons cardíacos fetais


Reanimação materna

e o monitoramento da atividade uterina, sinais vitais e medição do fundo uterino. Conseguem-se reproduzir com bastante similaridade os diferentes estágios característicos da evolução do parto normal, como contrações uterinas fortes e ritmadas, acompanhar a monitoração fetal, avaliação da dilatação cervical etc. Os bonecos possuem estrutura para simular complicações maternas, como hemorragias, trabalho de tromboembolismo, parada cardíaca materna e convulsões. Na segunda sala, fica instalada a estrutura de controle, que monitora os procedimentos em tempo real. O procedimento realizado na sala de treinamento é monitorado e gravado. Já na terceira sala, onde acontece o “debriefing” ou reunião, os profissionais discutem o atendimento e têm acesso às gravações dos procedimentos. As gravações podem ser pausadas e retomadas a qualquer momento, como em um filme, e os envolvidos podem analisar e refletir sobre seus erros. A inovação como regra Ser pioneiro no campo da geração do conhecimento e da in-

corporação tecnológica não é a única marca do Grupo Santa Joana. Suas instituições também se destacam pela inovação em aspectos como a hotelaria cinco estrelas, a opção por projetos arquitetônicos com funcionalidades médicas incorporadas, a adoção de conceitos de humanização do nascimento, entre outros. Neste último tema, o Grupo Santa Joana deu outro passo recente rumo à quebra de paradigmas, ao realizar sua primeira Jornada de Doulas, no mês de abril. O objetivo foi o aprendizado mútuo e a troca de experiências sobre a função primordial dessa profissional dentro de um ambiente hospitalar – o de dar suporte físico e emocional às parturientes antes, durante e após o parto. Com a experiência de duas doulas que atuam nos Estados Unidos e do anestesiologista William Camman, os participantes puderam discutir a experiência do Brigham and Women’s Hospital, de Boston (EUA), possibilitando aprender um pouco com quem já desenvolveu um modelo de assistência bastante completo, associando humanização no sentido mais abrangente da palavra.

www.g3h.com.br l HospTecno l 29


Tecnologia para a vida

Sistema de Revestimentos de Fachadas: Solução para acabamentos

E

m outubro de 2011, a Alubond - em parceria com uma empresa especializada em caixilhos de alumínio - foi contratada para fornecer e instalar um Sistema de Revestimento de Fachadas em ACM para o Complexo Hospitalar Sírio-Libanês. O contrato firmado junto ao Consórcio que gerenciava a obra contemplava o revestimento das três novas torres do hospital, denominadas Bloco E (com 19 pavimentos e 11.098m²); Bloco F (com 13 pavimentos e 5.081m²) e Bloco G (com 08 pavimentos e 4.041m²), totalizando assim 20.220m² de área revestida. Seguindo as exigências arquitetônicas, a empresa desenvolveu estratégias e logísticas para uma obra de grande complexidade. O trabalho foi executado em um hospital em atividade, com diversas condicionantes. Além disso, o complexo está localizado em área de grande densidade ocupacional, com restrições de horários de circulação. O projeto solicitava grandes panos de chapas que precisavam vencer dois pavimentos, no total de seis metros de altura, além de uma paginação diferenciada que valorizava a volumetria dos edifícios. Norteados pelas informações geradas pelos ensaios realizados (como Túnel de Vento e pelas Normas Técnicas ABNT), a equipe de Engenharia especificou o Sistema FealBond® como o mais indicado para o bom desempenho técnico e resultado estético. Pequenos redimensionamentos foram realizados, como o aumento na parede dos perfis da subestrutura e o uso de chapas de ACM com espessura de 6mm, além de lâminas de 0,5mm; tudo a fim de melhorar o desempenho do conjunto (devido às altas cargas de ventos que aumentaram muito a “flecha” a ser considerada no cálculo estrutural). O uso de chapas de ACM com pintura PVDF-Nano (que conferem à fachada uma superfície menos porosa e, portanto, com menor área para acúmulo de sujeira) e a vedação das juntas de dilatação com gaxetas de silicone (que eliminam qualquer problema na aplicação, cura ou acabamento), permitiram um melhor

30 l HospTecno l www.g3h.com.br

resultado desse revestimento. Passada a fase de especificação, projeto executivo e fabricação, a equipe de Planejamento teve que conciliar as restrições da localização com a articulação dos serviços/cronogramas das frentes de trabalho que eram liberadas e as interfaces com outros elementos de fachadas como: Estruturas Metálicas e Caixilhos. A empreitada de três anos foi um desafio para empresa, mas as dificuldades impostas pela obra foram solucionadas de maneira dinâmica. A experiência adquirida ao longo de 20 anos de serviço no mercado foi um diferencial para enfrentar o trabalho de maneira inteligente e profissional.

Av. Luigi Papaiz, 99 Diadema - SP (11) 3392-4466 www.alubond.com.br O que faz - Sistema de Revestimento de Fachadas em ACM, Caixilhos de Alumínio


EXISTEM MOMENTOS EM QUE NADA PODE PARAR. Quando falamos de vida todo cuidado é pouco. Em um hospital, a energia para salvar vidas é essencial. A Sotreq, referência em missão crítica na geração de energia, oferece grupos geradores Cat® tecnológicos, seguros e confiáveis. E você conta com o suporte técnico especializado, 24 horas por dia, 7 dias por semana.


Tecnologia para a vida

Projeto e Direção Técnica das Fundações

A

CONSULTRIX participa, desde 1981, de todas as construções do complexo hospitalar da unidade Bela Vista do Hospital Sírio Libanês, na área de projetos e direção técnica das fundações e contenções. O Bloco G, inaugurado este ano, representou um grande desafio de engenharia, demandando técnica, experiência e criatividade para atender todas as condicionantes do solo local dentro de uma organização complexa de prédios que se interligam. Para solução da obra, foram empregadas fundações e contenções (especiais e de grande porte) para suportar cargas de até 70.000kN e escavações de até 18m de profundidade. O projeto foi um grande desafio para a empresa, pois além de sua complexidade, e de soluções utilizadas em outras obras, a Consultrix executou o projeto com o hospital em funcionamento, o que exigiu maior cautela nos serviços. Os objetivos foram alcançados com técnica e agilidade, e a obra foi executada com sucesso, dentro dos prazos previstos. Condicionantes da obra As escavações foram realizadas em solo de baixa resistência e nível freático elevado, considerando um terreno com pouco espaço, desnível de 8m e acesso apenas pela Barata Ribeiro, uma rua estreita, bastante movimentada e com restrição de horários para concretagens. Em termos de carregamento, as contenções para o subsolo eram de até 27.500 kN e acima de 70.000kN para os pilares principais. Projeto de infraestrutura A empresa optou por executar a obra em processo invertido, utilizando parede diafragma como solução de contenção, com espessuras de 50 cm e 100 cm e cujas profundidades atingiram

32 l HospTecno l www.g3h.com.br

até 33m. Nas fundações foram empregadas estacas Barrete, com profundidades de até 30m a partir do nível do sexto subsolo, equivalente a 1,5m inferior ao nível mais baixo da Rua Barata Ribeiro. Em função do grande desnível do terreno, a parede diafragma para o subsolo foi executada em dois níveis: 80,00 nas divisas com os Blocos C, D e F; 75,00 nos recuos para a divisa com o prédio vizinho e Rua Barata Ribeiro. Entre as dificuldades enfrentadas, também foi necessário executar contenções secundárias, entre elas a necessidade de uma parede diafragma no alinhamento da Rua Barata Ribeiro, a execução de perfis implantados em estacas raiz na divisa com o prédio vizinho e a execução de solo grampeado na divisa com o Bloco F. Em alguns trechos da parede, foi necessária ainda a execução de tirantes provisórios. Executadas as contenções, foi possível nivelar o terreno na cota 75,00 para a execução de todas as fundações a partir deste nível. Após a execução das fundações, foi concretizada a laje do sexto subsolo (Nível 75,00), apoiada nos perfis metálicos implantados nas estacas. A técnica possibilitou a remoção dos taludes internos até o nível do sétimo subsolo, além da concretagem da laje. Da mesma forma, com isto, foi possível remover os taludes internos remanescentes no oitavo subsolo para a execução dos blocos restantes e estrutura definitiva.

Rua Padre Garcia Velho, 73 7º Andar - Pinheiros (11) 3034-1188 www.consultrix.com.br O que faz - Projetos e direção técnica de fundação e contenção.


Fanem®. O mais completo portfólio em neonatologia.

Unidade Híbrida: incubadora e berço aquecido

Unidade de Cuidado Intensivo

Incubadoras Estacionárias

Incubadoras de Transporte

Aparelhos para fototerapia

Ressuscitador Infantil

CPAP de bolhas neonatal

Berços

Cama de Parto Humanizado

Líder brasileira em neonatologia, a Fanem® possui produtos que são adotados em maternidades e hospitais de todo o Brasil, e em mais de 100 países. A divisão neonatal da empresa é completa e engloba equipamentos para UTI, berçários, sala de parto, e centro cirúrgico, como incubadoras estacionárias e de transporte, unidades de cuidado intensivo e reanimação, sistemas de fototerapia e oxigenoterapia, camas de parto, entre outros.

Visite nosso stand na Feira Hospitalar 2015 Pavilhão Branco H/I Stands 23/26

Fanem®. Presente desde as primeiras horas de vida.

Visite nosso site e conheça o portfólio completo. www.fanem.com.br

www.g3h.com.br l HospTecno l 33


Tecnologia para a vida

50 anos aliando tecnologia à qualidade na assistência

N

o ano em que completa 50 anos de história, o Hospital Márcio Cunha (HMC), localizado em Ipatinga, Minas Gerais, segue investindo e acreditando na tecnologia como importante aliada da qualidade na assistência. São avanços significativos em áreas como oncologia, pronto-socorro e diagnóstico por imagem, empreendidas pela Fundação São Francisco Xavier (FSFX), entidade que administra o hospital. As inovações integram o Plano Diretor de Obras, empreendido pela FSFX entre 2011 e 2018, que além de construir um novo Pronto-Socorro, nova UTI e ter aumentado o número de leitos do HMC para 530, resultou também na criação de um novo Centro de Diagnóstico por Imagem. Com capacidade para realizar 10 mil exames por mês, a unidade conta agora com um tomógrafo de 128 canais (pioneiro na região, capaz de realizar angiotomografia das artérias coronárias), além de nova ressonância magnética de 16 canais, com melhor qualidade e definição e menor duração. Outro investimento de grande porte foi a aquisição de mais dois aceleradores lineares para a Unidade de Oncologia do Hospital, referência em diagnóstico e tratamento do câncer para mais de um milhão de habitantes. Os novos aceleradores, utilizados nos tratamentos de radioterapia, permitirão maior precisão e qualidade nos procedimentos, além de dobrar a capacidade de atendimentos para pacientes de convênios e do SUS.

Sistema de gestão integrado Outra importante tecnologia adquirida pela instituição favorece a gestão informatizada de serviços. Tendo em vista que a dinamização de processos operacionais e gerenciais fortalece a relação entre empresa, clientes e parceiros – foi implantado o Tasy, Sistema de Gestão Integrado, que se destaca por interagir, em uma mesma plataforma, os diversos sistemas utilizados anteriormente por um único sistema. A ferramenta proporciona ganhos em integração de dados, otimização de recursos e maior conexão de negócios aos clientes.

Medicina hiperbárica Em janeiro, o Hospital Márcio Cunha inaugurou sua câmara hiperbárica, em formato cilíndrico e fechada, resistente à pressão, que pode ser pressurizada com ar comprimido enquanto o paciente respira oxigênio por meio de máscara facial. A câmara tem capacidade para acomodar até três pacientes simultaneamente. Ao aumentar a capacidade de oxigênio em circulação na corrente sanguínea e nos tecidos periféricos em até 20 vezes, o método terapêutico da medicina hiperbárica acelera o processo de cura dos pacientes com feridas causadas por diabetes, úlceras venosas, queimaduras térmicas e elétricas e complicações pós-cirúrgicas, por exemplo.

Os novos aceleradores lineares para radioterapia reforçam o papel da Oncologia do Hospital Márcio Cunha como referência para 1 milhão de habitantes

34 l HospTecno l www.g3h.com.br

Av. Kiyoshi Tsunawaki, 41 Ipatinga, MG (31) 3829-9000 www.fsfx.com.br/hospital-marciocunha/ O que faz - Hospital geral, credenciado para atendimentos de alta complexidade e prestação de serviços nas áreas de ambulatório


Apoio Institucional

Empreendimento

Realização

Em cooperação com

AssociAção BrAsileirA de normAs técnicAs

AssociAção BrAsileirA de medicinA FísicA e reABilitAção


Excelência em Atendimento

Hospital e Maternidade Dr. Eugênio Gomes de Carvalho

O

Hospital e Maternidade Dr. Eugênio Gomes de Carvalho, na cidade de Pedro Leopoldo (MG), é uma unidade de saúde pertencente ao Instituto Nacional de Desenvolvimento Social e Humano (INDSH), Organização Social de Saúde (OSS) com sede administrativa em São Paulo e que gerencia outros seis hospitais em parceria com governos estaduais e municipais em diversas regiões do país. Com 45 leitos, um quadro funcional de mais de 100 colaboradores diretos, a unidade atende cerca de 47 mil consultas por ano de pacientes de toda a região (2014), o que inclui, além de Pedro Leopoldo, as cidades de Vespasiano, Lagoa Santa, Jaboticatubas, Cordisburgo, São José da Lapa, Capim Branco, Lagoa Santa, Matozinhos, Confins, num total próximo a 400 mil potenciais usuários, e mesmo da capital mineira, Belo Horizonte, com seus 2,5 milhões de habitantes. Fundada em 19 de março de 1960 pelo padre Sinfrônio Torres de Freitas – que posteriormente entregou a gestão para as Irmãs da Venerável Ordem Terceira de São Francisco da Penitência –, a maternidade completou 55 anos de atividades ininterruptas. Batizada com o nome de um benemérito da comunidade à época e ex-superintendente da Legião Brasileira de Assistência (LBV), o hospital oferece: Atendimento de urgência, 24 horas. Gestão de maternidade e serviços assistenciais e de apoio voltados à atenção materno-infantil. Assistência ambulatorial e hospitalar multiprofissional de pré-natal, parto, puerpério e ginecologia. Assistência neonatal desde o nascimento até a alta hospitalar. Exames auxiliares de diagnose e terapia. Clínica médica e cirúrgica adulto e infantil. Clínica obstétrica e neonatológica. Clínica dermatológica Cirurgias por vídeolaparoscopia e videoartroscopia; angiológica vascular; plástica; infantil; oftalmológica; otorrinolaringoló-

36 l HospTecno l www.g3h.com.br

gica; ortopédica; proctológica e urológica. A maternidade obteve em agosto de 2014 o selo ouro da Fundação Getúlio Vargas (SP) pela divulgação de inventário sobre a emissão de gases de efeito estufa sob responsabilidade da unidade. A iniciativa faz parte das ações de responsabilidade ambiental seguida por todos os hospitais sob gestão do INDSH. Em 2015, para aprimorar ainda mais o atendimento, a maternidade investiu na reforma da sua Lavanderia, instalação de novas máquinas e no planejamento de novas obras de engenharia e arquitetura, que abrangem as áreas da Agência Transfusional, Berçário e abrigo de resíduo hospitalar, sempre com o objetivo de suprir as demandas de seus usuários. Sobre o INDSH - O Instituto Nacional de Desenvolvimento Social e Humano (INDSH) é uma Organização Social de Saúde, sem fins lucrativos, especializada na gestão de hospitais. Atualmente, é responsável pela administração das seguintes unidades: Hospital Regional Público do Marajó, em Breves (PA). Hospital Geral de Tailândia (PA). Hospital Público Regional do Leste, em Paragominas (PA). Hospital Regional de Sorriso (MT). Unidade de Pronto Atendimento e Pronto Atendimento Infantil Santa Paula, em Ponta Grossa (PR). Hospital Municipal de Araucária (PR). Maternidade Dr. Eugênio Gomes de Carvalho, em Pedro Leopoldo (MG) – (unidade própria).

Av. Marquês de São Vicente, 446 Cj. 1419 - São Paulo - SP 11 3672-5136 - 11 2367-0081 11 2367-0082 indsh.org.br O que faz - Administração de instituições de saúde públicas e privadas


Tecnologia para a vida

MHA Engenharia

MHA e Sírio-Libanês: uma parceria de 36 anos

E

m 1979, com apenas 4 anos de existência, a MHA foi convidada para apresentar proposta para o novo bloco D do Hospital SírioLibanês e foi aprovada. Ali foi iniciada uma longa trajetória com o hospital, que já completa 36 anos. No projeto do Bloco D, com a arquitetura desenhada pelo arquiteto Guedes Pinto, a MHA teve a oportunidade de colocar em prática as grandes inovações de um hospital moderno, que teria vocação para ser um dos melhores do país. Surgiram daí soluções como: pavimento mecânico, shafts verticais para instalações, alimentação elétrica em barramentos blindados, sistema de cortina de ar para sala cirúrgicas, sistemas críticos, semicríticos e normais para redes elétricas de alimentação, sistema em anel para gases medicinais, soluções de filtragem absoluta para centro cirúrgico e UTI, sistema de água quente com reaproveitamento de calor da central de água gelada, enfim, inovações hoje consagradas e atuais. O bloco D foi edificado ao longo de vários anos e sua ocupação foi sendo alterada em função da demanda. Mais uma vez, as soluções criadas pela MHA foram assertivas, pois a infraestrutura resistiu a praticamente 20 anos de evolução no tratamento médico. Já no século XXI, o Sírio Libanês se viu novamente em outro grande desafio: dobrar a capacidade do hospital e montar uma nova infraestrutura que suportasse esse crescimento e trouxesse ao complexo um volume expressivo de inovação e capacidade para os próximos 20 a 40 anos. Para que isso fosse possível, a MHA desenvolveu os conceitos da nova unidade dentro de aspectos técnicos de última geração, dotando a infraestrutura com capacidade de responder por todo o complexo, além de garantias de desempenho únicas – ou seja, as redundâncias dos sistemas foram todas estudadas com muito rigor – sob a ótica técnica e econômica – trazendo ao edifício soluções inovadoras e sustentáveis. O projeto teve arquitetura assinada pelo escritório L+M Gets, comissão de obras compostas pelos Srs. Rui Aidar, Alfredo Rizkallah, Luis Maksoud, Carlos Barbara e diretoria, Dr. Gonzalo Vecina, Dr. Paulo ChapChap e Rodrigo de Almeida

Macedo; e gerenciamento pelo Eng. Antôno Carlos Cascão. Com área construída de 90.000m², 4.000 TR’s de carga térmica total, 4 unidades resfriadoras (Chillers) com condensação a água de 1.000 Tr(cada), potência de 17.968KWe demanda de 6.856KW, reservação de 530 M³ para água Potável e 625 M³ para água de reaproveitamento, e usina de geração de 11.875 kva com 3 geradores de 3150kva e um de 2500kva, e outros números grandiosos de instalações.

Av. Maria Coelho Aguiar, 215 Bloco D – 3º andar São Paulo – SP Telefone: 3747 7711 w3.mha.com.br O que faz - Engenharia e Gerenciamento de obras.


Tecnologia para a vida

Tecnologia aplicada à reabilitação é referência internacional

A

tecnologia é essencial para transmitir segurança e assegurar os melhores resultados. É nesse ponto que o uso de robótica na reabilitação faz diferença. Ao inaugurar o primeiro laboratório do País especializado em Robótica e Neuromodulação aplicados à Reabilitação, na unidade Vila Mariana, o Instituto de Medicina Física e Reabilitação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (IMREA HC FMUSP), que integra a Rede de Reabilitação Lucy Montoro, tornou-se referência internacional. Técnicas avançadas na fronteira do conhecimento da neurociência, como a Estimulação Magnética Transcraniana, são utilizadas para tratar depressão, dor crônica e sequelas do AVC e para realizar avaliações eletrofisiológicas importantes para quantificar os ganhos funcionais. Ainda na área da avaliação neurofisiológica, a unidade conta com pesquisas avançadas em neuromodulação com eletroencefalograma de alta densidade, sistema tridimensional de avaliação dos movimentos e técnicas cinemáticas para compreensão da fisiologia muscular. Pioneiro em uso de robótica, o IMREA alia estudos em neuromodulação a equipamentos de ponta. O Instituto conta com o InMotion, que estimula a movimentação de ombro, cotovelo e punho. Desenvolvido pelo Massachussets Institute of Technology, está disponível na América Latina apenas em unidades da Rede. A tecnologia suíça Armeo, desenvolvida no laboratório da Swiss Federal Institute of Technology Zurich, também é utilizada para tratamento das sequelas de membros superiores. Já para membros inferiores, existem dois robôs suíços: o Lokomat é baseado em um exoesqueleto estacionário que permite a locomoção sobre uma esteira e o GEO-System funciona simulando o treino de marcha, subida e descida de degraus. O IMREA investe também em tecnologias pouco utilizadas no Brasil, como ondas de choque, tratamento avançado para dores de origem musculoesquelética e Ergys, para tratamento complementar das lesões medulares. O esforço evidente que a instituição tem em aprimorar

38 l HospTecno l www.g3h.com.br

seus serviços já desperta reconhecimento internacional. A rede tornou-se a primeira no País a conquistar os créditos da Commission on Acredition of rehabilitation facilities (CARF), em 2014. Trata-se de uma entidade internacional, reconhecida por seus altos níveis de exigência na acreditação de centros de reabilitação do mundo.

IMREA - Vila Mariana Rua Domingo de Soto, 100 (11) 5180-7800 www.redelucymontoro.org.br O que faz - Presta serviços e realiza exames associados a Reabilitação de pessoas com deficiência física, transitória ou definitiva.


Tecnologia para a vida

Fachada unitizada é referência para projetos hospitalares

C

om participação em mais de 620 projetos ao longo de 27 anos de história, a Tecnofeal Esquadrias de Alumínio é referência nos segmentos de revestimento para fachadas e caixilharia. A empresa possui uma linha de soluções personalizadas, intitulada Feal Produtos, que atende às necessidades de projetos de alto nível de complexidade. Diante desse cenário, a Tecnofeal forneceu soluções para obras dos hospitais Amil Paraíso, Oswaldo Cruz e São Luiz (Cáceres), bem como o Instituto do Sono. Além de seu quinto grande projeto hospitalar em menos de dez anos: a expansão do Sírio-Libanês. Entre os diversos produtos oferecidos ao empreendimento, o sistema de fachada Feal Unitized exerceu um papel determinante no projeto arquitetônico. Conheça algumas vantagens desta solução e de outros produtos da composição. Módulos intercambiáveis Feal Unitized possui um sistema de módulos removíveis, que podem ser adaptados a eventuais alterações no layout do hospital. Além de facilitar a entrada de grandes equipamentos, trata-se de uma característica de extrema importância em longo prazo, uma vez que o ciclo médio de renovação de um edifício hospitalar é de dez anos. “Quando desejar, a equipe de engenharia do hospital poderá optar, por exemplo, pela transferência de uma janela com persiana de um lugar a outro, pois se trata da mesma modulação”, explica o Diretor Geral da Tecnofeal, João Carlos Panzoldo. Melhor rendimento térmico e energético A estrutura de aço da fachada, que contemplou módulos com grandes panos de vidro, possui um apelo sustentável, pois a refletividade dos vidros oferece elevado aproveitamento de luz natural. Já a composição com janelas maxim-ar e persianas Feal Wide 4000 resulta em excelência térmica, proporcionando economia em instalações de ar condicionado.

Mais conforto aos pacientes Outra preocupação foi proporcionar soluções que oferecessem conforto acústico e blackout ao ambiente. Por conta disso, os módulos contam com janelas maxim-ar (com persiana e blackout entre vidro automatizado) e Feal Wide 4000 - única persiana de enrolar com características especiais no mercado brasileiro, que preenche vãos de até 4,70m de largura. Ambos os produtos possuem elevado índice de rendimento acústico e um silencioso acionamento, além de oferecerem assepsia, por dispensar ativação manual. Rapidez e agilidade à obra O sistema de fachada unitizada chegou pronto à obra e foi fixado de baixo para cima das edificações. Essa logística ajudou amplamente no andamento da expansão do hospital, pois os andares concluídos eram totalmente liberados para acabamentos internos.

Al. Gabriel Monteiro da Silva, 2.118 - São Paulo – SP (11) 3082 0322 www.tecnofeal.com.br O que faz - Projeta, fabrica e instala esquadrias e fachadas personalizadas. Assessoria para especificação e aplicação dos produtos.


Hospital da Capa

Case - Hospital Saúde Prêmium, Goiânia – Goiás

R

epresentando uma nova tendência, é um empreendimento de uso misto com 47 mil m2, incluindo Hospital, Hotel e Consultórios e lajes de até 1,3 mil m2. Estágio da obra: As obras da parede diafragma já estão finalizadas para 5 subsolos e as escavações foram iniciadas. Entrega do Empreendimento: até abril de 2017. Lauro Miquelin, proprietário SPE (99 % e 1% para a North Business, Gestora Imobiliária) L+M, projetista e construtora Características Gerais do Empreendimento: Localização na Avenida D com 23 A, Bairro Marista, Goiânia Médicos dos mais famosos e renomados da cidade, incluindo um super Centro de Diagnósticos, adquiriram todos os espaços de Consultórios e Clínicas. Donos do Terreno permutaram-no por 6,0 mil m2 de lajes preparadas para implantação de um Hospital (sem acabamentos). Lajes de até 1,3 mil m2 para Médicos e Centros de Especialidades de Saúde de todas as especialidades. Hotel de 87 apartamento e espaços de alimentação e amenidades com flexibilidade para acomodar Turismo de Saúde, Pré -Internação e Recuperação de Pacientes sem necessidade de cuidados de enfermagem, pacientes e seus acompanhantes e idosos em regime de moradia assistida. Estacionamento com mais de 500 vagas. Acessos e 12 Elevadores completamente diferenciados para Clientes e Fornecedores dos Consultórios e Centros de Especialidades, Hospital e Hotel. Características Técnicas: Lajes preparadas para Instalações Hospitalares Áreas técnicas já previstas para instalação do sistema de ar condicionado pelos Investidores do Hospital Pé-direito de 4,25 m de piso a piso. Modulação estrutural e piso elevado com 30 cm de altura que garante flexibilidade de layout (ÚNICO no mercado brasileiro) Fachadas e áreas comuns completamente finalizadas (Recepção, Corredores, Escadas, Hall de Elevadores, Garagens, Jardins externos)

40 l HospTecno l www.g3h.com.br

Sistemas Principais de Instalações (Centrais de Energia, Chillers e Ramais / Prumadas) Vedações entre os imóveis em Dry-wall com tratamento acústico Quadros individuais de Alimentação de Energia para cada Imóvel Ponto de Alimentação e Chaves Seccionadoras de Instalações de Água e Gases Medicinais para cada Imóvel Elevadores Instalados Instalações Elétricas e de Ar Condicionado de alto desempenho para redução de consumo e custos de energia Porque estamos empreendendo esses usos em Goiânia? HOSPITAL: A rede hospitalar da Medicina Privada de Goiânia não atende o mercado PREMIUM. CONSULTÓRIOS e CENTROS de ESPECIALIDADES MÉDICAS: Construir espaços médicos junto a Hospitais é um conceito vencedor. MERCADO HOTELEIRO: Estrategicamente localizada, Goiânia teve desde a sua fundação, a característica de abrigar os povos que cruzavam o país a fazer comércio, desbravando ou empreendendo de Norte a Sul. Sua posição é privilegiada para indústrias, centros de distribuições, matrizes empresariais e montadoras, pois permite acessar qualquer região ou estado do Brasil, tornando a gestão, o controle, e a logística mais baratos para diversos segmentos. Além disso, Goiânia tem extensa tradição na realização de

Empreendimento : L+M www.lmgets.com.br 11 3215 8200


eventos, feiras e convenções, contando com infra-estrutura planejada e profissionais especializados. Todo esse cenário hoteleiro já era promissor mesmo sem estar atrelado a SAÚDE. HOTEL PREMIUM. O HOTEL PREMIUM terá 87 apartamentos, contando com uma capacidade máxima de 184 hóspedes e uma capacidade diária de giro de 6.500 Potenciais Clientes gerados pelas demais unidades que compõe o SAÚDE PREMIUM. O Hotel foi concebido para atendimento de clientes de negócios, turistas de saúde e profissionais de saúde. Clientes da terceira idade e portadores de deficiências também poderão usar o HOTEL. A L+M desenhou um Plano de Negócios para operar o Hotel entregando 0,85% ao mês de retorno ao Investidor. GOIÂNIA – Porque empreender Goiânia é citada na EXAME como uma das 100 melhores cidades do Brasil para investimentos. A L+M conhece e atua em Goiás desde 2006 (UNIMEDs foram a porta de entrada) Desenvolvemos Estudos de Viabilidade e Projetos Detalhados

para 8 clientes desde 2006. Estamos entregando e administrando o início das operações – a partir de maio de 2015 - de um pequeno Hospital de 20 leitos para a UNIMED Rio Verde. Estamos detalhando projetos para um Hospital da UNIMED Anápolis. Atuar em Goiânia é parte da estratégia de ampliar a atuação da L+M no CENTRO OESTE do Brasil (Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Brasília) Fundada em 24 de outubro de 1933, Goiânia tem atualmente mais de 1 milhão de habitantes e a zona metropolitana abrange quase 2 milhões de pessoas. Atrai um expressivo número de TURISTAS de SAÚDE. Desponta com uma das cidades brasileiras de maior qualidade de vida, tendo inclusive sido eleita recentemente como a melhor capital brasileira para se viver. Arborizada e repleta de praças, parques e jardins é uma das metrópoles mais agradáveis e aconchegantes, além de uma grande infraestrutura para o mercado de eventos e convenções, internacionalmente explorado. Goiânia está há menos de 300 Km do aeroporto internacional da Capital Federal, Brasília. Está há menos de uma hora do Porto Seco de Anápolis e de Polos industriais-farmacêuticos. É servida por malha ferroviária, rodoviária e conexões territoriais com quase todas as regiões do extenso país continental que é o Brasil. O SAÚDE PREMIUM está sendo construído numa localização PREMIUM: no SETOR MARISTA. Nobre e charmoso, o bairro é também um dos mais requintados e luxuosos, detentor do metro quadrado com maiores chances de valorização de Goiânia. O setor MARISTA abriga belíssimas mansões, prédios suntuosos e belas casas. É um dos pontos preferidos de restaurantes sofisticados, cafeterias, confeitarias, bares e boates. É uma simpática mistura de ambiente urbano e natureza, luzes noturnas e trânsito das classes sociais mais elevadas da cidade. Abriga colégios tradicionais conceituados, shoppings, lojas e clínicas de atendimento médico e odontológico avançados. É um cenário inteligente, diferenciado e com fácil acesso aos principais setores da cidade.

www.g3h.com.br l HospTecno l 41


Tecnologia para a vida

Tecnologia a favor da saúde

A

Teleinfo disponibiliza soluções inovadoras de engenharia para ambientes de tecnologia de informação em diferentes setores, incluindo o hospitalar, que registra crescente demanda por plataformas complexas e integradas. Entre os serviços estão consultoria, projeto, implementação e manutenção de cabeamento estruturado, infraestrutura de TI e elétrica, bem como construção de data centers e desenvolvimento de projetos networking, com a utilização das mais conceituadas marcas do mercado e seguindo normas nacionais e internacionais. Em um cenário onde as empresas de saúde investem para garantir gestão eficiente e segurança de dados e processos, aprimorando atendimento ao cliente, controle de custos e sustentabilidade, a Teleinfo utiliza ferramentas que integram diferentes recursos, com objetivo de gerir resultados mais rápidos, específicos e eficazes. Case Hospital Sírio-Libanês Referência em medicina de excelência e tecnologia de última geração, o Hospital Sírio-Libanês está investindo na ampliação do espaço físico de sua sede no bairro Bela Vista, em São Paulo. O projeto contempla construção de três novas torres e ampliação das estruturas já existentes, totalizando uma área de 90 mil metros quadrados. A iniciativa duplicará a capacidade de atendimento e promoverá um salto do número de leitos de 358 para 692 até 2020. Essa expansão mobiliza o que há de mais atual nas áreas de engenharia, tecnologia e saúde. A Teleinfo Soluções é responsável pelo projeto e instalação do novo data center, assim como do cabeamento estruturado inteligente nas novas torres. Alinhado aos padrões das normas TIA-568 e TIA-1179 – esta última desenvolvida especialmente para ambientes hospitalares –, o cabeamento estruturado das novas torres utiliza solução X10D Cat. 6A, 11.000 pontos, com desempenho para transmissão de dados de 10 Gbps e backbone óptico tecnologia MPO, preparado para suportar até 100 Gbps. A solução Systimax para gerenciamento da rede através de iPatch promove eficiência e segurança à rede, assim como visão da camada física da rede em tempo real, rapidez na solução de problemas e redução no tempo de inatividade, tornando a manutenção menos onerosa. Para acompanhar o programa de ampliação, a instituição concluiu recentemente o novo data center, com área de 160 me-

42 l HospTecno l www.g3h.com.br

tros quadrados. Sua concepção foi totalmente baseada em requisitos de certificação TIER III, do Uptime Institute, instituto norte-americano de projeto e instalações. Com alta confiabilidade e disponibilidade, possui equipamentos e sistemas de ultima geração, atendendo a conceitos e normas internacionais. Estrutura técnica: n Cabeamento U/UTP categoria 6A SYSTIMAX; n Espelhamento de 1.128 portas de servidores através de cabos ópticos tipo “Trunk” e conexões MPO; n Gerenciamento de camada física através de Software, Ipatch Panels e controlador ImVision; n Sistema de Detecção, Alarme e Combate de Incêndio por NOVEC/VESDA; n Sistema de CFTV e Controle de Acesso Schneider; n Fornecimento de ativos de rede HP.

Rua Caviana, 13 São Paulo – SP (11) 2858-0100 www.teleinfo.com.br O que faz: Infraestrutura de TI, Datacenter e Instalações Especiais.


Anuário HospTECNO 2015 / 2016  

Anuário sobre tecnologia hospitalar. Destaca os Hospitais Campeões de Tecnologia e Atendimento Hospital Márcio Cunha (Ipatinga, MG), Hospita...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you