Page 1

Era uma vez...imagens e histórias

Andreia Ribeiro

1


Índice    

3. Os  Pássaros  Coloridos     6.  O  Pássaro  Felicidade     7.  O  Gato  Voador     10.  O  Menino  Miguel     12.  As  Máscaras  de  Carnaval    

 

2


3


Os Pássaros  Coloridos     Uma  vez  e  numa  linda  paisagem,  os  pássaros  coloridos  fizeram  os   seus   ninhos   em   cima   de   uma   árvore   cheia   de   folhas   verdinhas   e   de   ramos  de  diferentes  tamanhos.   Os  pássaros  tiveram  que  criar  os  seus  filhos  rapidamente,  antes  de   vir   o   outono,   porque,   quando   esse   chegasse,   as   folhas   começariam   a   ficar  castanhas  e  meias  amareladas  e  a  caírem  ao  chão.  A  árvore  iria  ficar   sem  folhas  e,  assim,  os  pássaros  e  os  seus  filhos  apanhariam  frio.  O  que   vale   é   que   a   mãe   mete-­‐os   debaixo   dela   e   agasalha-­‐os,   protegendo-­‐os   do   frio  e  da  chuva.  Assim  a  árvore  ficou  despida,  os  pássaros  e  os  seus  filhos   tiveram   que   partir   para   um   país   mais   quente   para   todos   estarem   mais   tranquilos,  sem  ficarem  preocupados  com  os  agasalhos.   Os   pássaros   coloridos,   um   dia   mais   tarde,   vieram   visitar   o   sítio   onde  nasceram  os  seus  filhos  para  se  lembrarem  dos  tempos  passados.   Esse   local   era   muito   bonito   porque   tinha   árvores   de   outras   espécies   e   até  de  frutos.   Os   passaritos   -­‐   os   filhos   dos   pássaros   -­‐   ficaram   amigos   dos   pássaros   que   os   receberam   e   agora   andam   todos   juntos   a   passear   por   vários  sítios  e  desta  forma  protegem-­‐se  uns  aos  outros.   E  foi  assim  que  todos  os  pássaros  coloridos  ficaram  felizes  para   sempre!    

4


5


O PÁSSARO  FELICIDADE     Era   uma   vez   o   Pássaro   Felicidade   que   fez   um   ninho   em   cima   de   uma   esquina   do   canto  de  uma  casa.   O  Pássaro  Felicidade,  de  vez  em  quando,  ia  buscar  palha  a  outros  lados  para  fazer  os   seus  ninhos.   O  Pássaro  Felicidade  e  as  suas  crias  todas  as  noites  faziam  barulho  ou  punham-­‐se  a   cantar.  O  senhor  João  ouviu  o  barulho  e  depois  os  seus  chilreios.  Era  como  música,   em   que   parecia   uma   pessoa   a   cantar.   Ele   pôs-­‐se   a   escutar   aquela   linda   melodia.   Gostou   tanto   que   não   queria   sair   da   janela.   Quando   a   música   acabou,   pôs-­‐se   a   espreitar,  a  espreitar  para  todo  o  lado  e  não  conseguiu  ver  de  onde  vinha.  Mesmo   assim,  continuava  à  janela  para  ver  se  conseguia  descobrir  a  origem  da  melodia  tão   bonita.   O  senhor  António,  ao  passar  pela  casa  do  senhor  João,  viu  um  bando  de  pássaros  a   cantar  e  outros  a  sair  da  esquina  do  telhado.  O  senhor  António  viu  o  amigo  na  janela   e  perguntou:     -­‐  O  que  está  fazer  o  senhor  João  na  janela?   -­‐   Estou   a   tentar   perceber   de   onde   vem   o   barulho   e   a   música!   –   respondeu,   preocupado.   O  senhor  António  disse:   -­‐   Eu   sei   de   onde   vêm!   Há   bocado   passei   pela   sua   casa   e   vi   naquela   esquina   do   telhado  um  bando  de  Pássaros  a  cantar  e  outros  a  voar.  É  por  isso  que  o  senhor  João   não  encontrava  o  que  pretendia,  porque  é  uma  esquina  muito  escondida.  Como  já   tenho   muita   idade   e   como   não   podia   criar   os   pássaros,   decidi   dar   metade   à   dona   Rosa  e  outra  a  si.  Assim,  só  fico  com  um  casal  de  pássaros  felicidade.   É   deste   modo   que   fazem   os   vizinhos   e   os   amigos   para   serem   como   os   Pássaros,   muito  felizes!        

6


O Gato  Voador   Era  uma  vez,  um  gato  voador  que  queria  voar  até  ao  céu.   O  gato  voador  todos  dias  ao  acordar,  tinha  que  arranjar  sempre  alguma  ideia  para  voar  até   ao  céu.  Esse  era  o  sonho.  O  gato  voador,  um  dia  pegou  num  cartão  grosso  e  fez  umas  asas.   Quando  acabou  de  as  fazer,  colocou-­‐as  no  seu  dorso  e  pôs-­‐se  em  cima  da  mesa  que  estava   perto.  Depois,  deu  um  salto  grande  para  o  ar  e,  ao  bater  as  asas,  o  papelão  rasgou…   O  gato  ficou  muito  triste  por  não  conseguir  aquilo  que  tanto  queria  e,  nesses  dias,   andava  pela  rua  muito  triste.      

O gato  pinguim,  ao  ver  aquele  gato  triste,  encostado  num  canto,  disse  para  si:   -­‐   O   que   terá   acontecido   àquele   gato   para   estar   assim   tão   triste?!   O   gato   pinguim  

abeirou-­‐se dele  e  perguntou:     -­‐  O  que  é  que  tens,  amigo?  O  que  te  aconteceu  para  ficares  assim  triste?   O  gato  voador  respondeu:     -­‐  Estou  triste  porque  queria  voar  até  ao  céu,  fiz  umas  asas  de  papel  para  voar,  mas   ao  saltar  para  o  ar  as  asas,  como  eram  de  papelão,  rasgaram-­‐se  e  agora  não  sei  o  que  hei  de   fazer   mais   para   conseguir   realizar   o   meu   sonho   –   voar   até   ao   céu!   O   gato   pinguim,   então,   disse  ao  gato  voador:  

7


-­‐ Não  te  preocupes,  porque  eu  ajudo-­‐te  a  voar!   O  gato  voador  ficou  todo  contente  por  ter  encontrado  um  belo  amigo  e  por  este  o   ajudar.     O   gato   pinguim   foi   rapidamente   a   casa   buscar   as   asas   de   pássaros   de   plástico,   porque  tinha  ficado  de  se  encontrar  com  o  gato  voador  no  jardim  da  Rosinha  para  o  ajudar  a   voar.   À  hora  marcada,  encontraram-­‐se.  O  gato  pinguim  colocou  as  asas  no  gato  voador  e   empurrou-­‐o  para  o  lançar  no  voo.  O  gato  começou  a  bater  as  asas  e  conseguiu  voar  alguns   metros  e  disse:   -­‐  Olha,  gato  pinguim,  consegui  voar  um  bom  bocado,  que  fixe!     O  gato  pinguim  respondeu:   -­‐  Agora  tens  que  treinar  sempre  para  chegares  ao  céu!   O  gato  voador  respondeu:   -­‐  Amanhã  de  manhã,  até  à  tarde,  já  virei  para  aqui  treinar  contigo  outra  vez!  Se  tu   puderes,  amigo,  é  claro…   O  gato  pinguim  respondeu:     -­‐  Claro  que  posso.  Enquanto  não  chegares  ao  céu,  vou  ajudar-­‐te  sempre    e  no  que   for  preciso!   O   gato   voador,   logo   de   manhã,   foi   novamente   com   o   amigo   para   o   jardim   da   Rosinha,   como   combinaram.   Depois,   o   gato   pinguim   pôs   as   asas   no   gato   voador   e,   no   momento  certo,  empurrou-­‐o  e  o  gato  voador  começou  a  bater  com  as  asas  com  tanta  força   que   chegou   ao   céu.   O   gato   voador   ficou   todo   contente   porque   agora   já   conseguiu   voar   sozinho,  sem  ajuda.  Então,  disse  para  o  amigo:   -­‐  Que  bom,  amigo,  já  cheguei  até  ao  céu!!  Era  isto  mesmo  que  desejava!  Agora,  já   consigo   voar   sozinho.   Obrigado,   amigo!   Se   não   fosses   tu,   não   sei   como   seria   capaz   de   realizar  o  meu  sonho.  Obrigado,  mais  uma  vez!   Respondeu  o  gato  pinguim:   -­‐  Não  tens  nada  que  agradecer,  ora  essa!  Só  te  queria  ajudar  a  voar!  Num  dia  destes,   vou  fazer  um  grande  jantar  para  nós  para  comemorarmos  a  tua  vitória  e  as  nossas  amizades   maravilhosas,  está  bem?  Afinal,  somos  amigos  felizes!

8


9


O Menino  Miguel   Era  uma  vez  o  menino  Miguel,  que  vivia  sozinho  com  o  seu  cão  Tobias.   O  Miguel  ainda  era  pequeno,  tinha  14  anos  e  tomava  conta  de  si  próprio  como  um   adulto.   A   mãe,   no   seu   aniversário,   deu-­‐lhe   de   prenda   um   cão   pequeno.   Depois,   quando   o   Miguel   perdeu   a   sua   mãe,   andou   sempre   acompanhado   com   o   seu   cão.   Ele   fazia   do   cão   o   seu   pai   e   até   o   tratava   por   “pai”.   O   cão   ladrava   como   se   estivesse   a   responder   e   o   fosse   mesmo.    O   Miguel   todos   os   dias   ia   passear   e   tomar   café   com   o   seu   cão   Tobias.   Quando   ia   trabalhar,   o   Tobias   acompanhava-­‐o   e   também   trabalhava.   O   Miguel   e   o   “pai–cão   trabalhavam  os  dois  na  mesma  fábrica.    O  menino  todos  os  dias  fazia  as  refeições  para  ele  e  para  o  “pai”  Tobias  e  comiam  os   dois  à  mesa.  Era  o  Tobias  quem  a  preparava:  toalha,  pratos  e  copos,  talheres,  guardanapos…   Certo   dia,   o   menino   Miguel   lembrou-­‐se   de   fazer   um   piquenique   com   o   Tobias   no   jardim   grande,   bonito   e   perfumado   pelas   muitas   flores   existentes.   Lá   havia   muita   gente.   Tinha   mais   raparigas   do   que   rapazes   e   o   Miguel   passava   o   tempo   a   olhá-­‐las.   Uma   delas   também  olhava  para  ele.  Era  a  Papoila.  A  Margarida  perguntou  à  amiga  Papoila:   -­‐  Para  onde  estás  a  olhar?   A  Papoila  disse:     -­‐  Estava  a  olhar  para  aquele  rapaz  ali,  é  tão  girinho!     A  Margarida  respondeu  rapidamente:   -­‐   Se   estas   apaixonada   por   ele,   porque   é   que   não   vais   falar-­‐lhe?   Porque   não   lhe   dizes   que  gostas  dele  e  pedes  para  namorar  contigo?   -­‐  Obrigada,  amiga,  pela  ideia  que  me  deste!  Amanhã,  vou  a  casa  dele  convidá-­‐lo  para   vir  tomar  café  comigo.  Assim,  aproveito  e  falo  mais  seriamente  com  ele.   A  Margarida  respondeu:     -­‐  Assim  é  que  eu  gosto  de  ouvir!  Vai  lá,  mas  com  juízo!...   A  Papoila  afirmou:   -­‐  Não  te  preocupes,  amiga!  Depois  conto-­‐te  tudo.  Beijinhos.  Torce  por  mim!           E  não  desistiu  da  ideia.  No  dia  seguinte,  a  Papoila,  ao  chegar  a  casa  do  Miguel,  bateu   à  porta  e  disse:     -­‐  Olá,  Miguel!  Sou  a  Papoila  e  venho  convidar-­‐te  para  tomares  um  cafezinho  comigo.   Queres  vir?    

10


O Miguel  continuava  olhar  para  ela  de  alto  a  baixo  e  respondeu:   -­‐  Claro  que  sim!  Eu  vou  tomar  café  contigo.  Só  vou  preparar-­‐me.  Entra  e  espera  um   bocadinho.   A  Papoila  ficou  toda  contente  por  ele  aceitar  o  convite  e  por  ter  uma  casa  grande  e   bonita,  toda  colorida  com  imagens  de  flores  na  parede.   Entretanto,  o  menino  Miguel  disse:   -­‐  Já  estou  pronto.  Vamos!   E  a  Papoila  respondeu:   -­‐  Sim,  vamos!  Ela  já  estava  a  ficar  “derretida”  por  ele…  Depois,  estavam  os  dois  já  a   saborear  o  café,  quando  a  Papoila  declarou  algo  receosa:   Eu  queria  falar  contigo,  mas  não  tenho  coragem!...   O  menino  Miguel  respondeu:   -­‐  Diz,  não  tenhas  medo!   A  Papoila  ficou  mais  aliviada  e  começou  a  contar:  eu  ontem  estava  no  jardim  grande,   comecei  a  olhar  para  ti  e  fiquei  apaixonada.   O  Miguel  respondeu:   -­‐  Eu  também  estava  sempre  a  olhar  para  ti,  Papoila.  Também  fiquei  apaixonado  por   ti…  Gosto  mesmo  muito  de  ti.  Para  mim,  és  linda  como  o  céu!   A  Papoila  ficou  toda  emocionada,  aproveitou  a  oportunidade  e  perguntou:   -­‐  Queres  namorar  comigo?   O  Miguel  ficou  a  olhar  para  ela  e  respondeu:   -­‐  Claro  que  quero  namorar  contigo,  minha  linda  Papoila!!   Nesse   momento,   a   Papoila   e   o   Miguel   deram   um   beijo.   O   cão   Tobias   começou   a   ladrar,  mostrando  que  estava  feliz  por  ele  arranjar  uma  papoila  tão  bonita  e  perfumada.     Um  dia,  o  Miguel  resolveu  casar  com  a  Papoila.  Eles  e  o  seu  cão  Tobias  formaram   uma  família  feliz  para  sempre…

11


12


As Máscaras  de  Carnaval     Era   uma   vez   o   senhor   João,   que   trabalhava   numa   fábrica   de   máscaras   de   vários  tipos.  Um  dia,  o  patrão  da  fábrica  fez  mil  máscaras  para  pôr  em  exposição.   O   senhor   João   na   terça-­‐feira,   dia   21   de   fevereiro,   fez   uma   exposição   de   máscaras  com  o  preço  afixado  em  baixo  para  as  pessoas  verem  e  comprarem.  Nesse   mesmo  dia,  ligou  para  o  patrão  a  encomendar  mais  mil  máscaras,  porque  as  outras   já  tinham  acabado.  O  Patrão  respondeu-­‐lhe:   -­‐  Não  se  preocupe!  Vou  rapidamente  lá  abaixo  levar  as  cem  máscaras  que  já   estão  prontas!   O  senhor  João  retorquiu:   -­‐  OK,  eu  fico  à  sua  espera.  Mas,  por  favor,  não  se  demore  porque  as  pessoas   estão  aqui  a  aguardar.    O  Patrão  depressa  chegou  à  loja  e  disse:   -­‐   Aqui   tem   as   cem   máscaras,   senhor   João.   Logo   conto   passar   aqui   para   trazer   as   restantes.   Se   não   vier   eu,   virá   o   meu   colega   trazê-­‐las   na   carrinha,   já   estão   em   caixotes.  Desta  vez  são  trezentas  caixas  de  máscaras,  imagine!   O   sr.   João   pensou   para   si:   parece-­‐me   que   esta   ideia   que   eu   tive   de   fazer   a   exposição   para   vendermos   as   máscaras   está   a   correr   muito   bem!   Só   hoje,   já   vendemos  4  100!!  Está  a  ser  um  enorme  sucesso!  Amanhã  talvez  possamos  vender   ainda  mais.  Afinal,  temos  que  aproveitar  enquanto  rende  e  com  esta  crise…   O   patrão   resolveu   dar   férias   a   toda   a   gente   como   prémio   pela   dedicação   perante   tão   grande   trabalho   e   pediu   ao   chefe   de   serviço   para   chamar   todos   os   funcionários   ao   escritório   porque   pretendia   falar   com   todos   sem   exceção.   As   pessoas  compareceram.  O  patrão  informou:   -­‐   Amanhã,   todos   os   empregados   estão   dispensados.   Depois   de   terem   mostrado  grande  capacidade  de  trabalho,  merecem  descansar.  E  à  tarde  estão  todos   convidados  para  a  festa  de  Carnaval  da  fábrica.  Espero  que  apareçam  todos  e  com   máscaras  diferentes  que  é  para  nos  divertirmos,  sim?  Ah,  tragam  as  vossas  famílias!  

13


E também   desejo   que   aproveitem   ao   máximo   a   nossa   maravilhosa   festa   carnavalesca.  Estou  convencido  de  que  o  vai  ser!        

14

Era uma vez...imagens e histórias - Andreia Ribeiro  

Livro de imagens e histórias criadas pela aluna Andreia Ribeiro nas disciplinas de Expressão Plástica e Linguagem e Comunicação.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you