2 minute read

2 ª Temporada de Coisa Mais Linda Exalta Luta Feminina com Qualidade.

Coisa Mais Linda está retornando na Netflix, e a boa notícia é: ela continua, realmente, linda de se assistir. Lançada ano passado, a produção exaltou a qualidade nacional em produções para a plataforma de streaming, mostrando o excelente potencial do Brasil para lançar seriados. O país que mostrou ao mundo como se fazer novelas está ainda engatinhando no quesito “ séries de TV” , mas se depender de Coisa Mais Linda, o Brasil não será reprovado neste quesito. Quem acompanhou a primeira temporada, encontrou uma trama coesa e firme em um propósito: dar voz a mulher, mesmo que em uma época onde isso praticamente não era possível. Os paralelos da década de 1950, sendo destrinchados em subtramas que poderiam ser muito bem de agora, fez desta série um palco para a luta feminina na mídia. Os episódios da segunda temporada trabalham a dinâmica de Conceição com seu pai Nelson – e como isso impacta no seu relacionamento com Thereza. Aliás, essa trama envolvendo a criança negra com o pai branco serve para ressaltar o racismo presente na elite na década de 1960. E que de certa forma, traz reflexos do que vivemos até hoje. Em determinado ponto, um detalhe interessante que chama atenção é quando Conceição, convivendo com a elite branca, recebe uma boneca branca, trazendo um contraste do que era a realidade naquela época. Mas ao mesmo tempo, nem tão distante assim. Por exemplo, você se lembra de ver no mercado muitas bonecas negras? Pois é. Tais detalhes podem passar despercebidos pelo grande público, mas estão inseridos com nuance para esta abordagem. A presença da criança naquela sociedade, inclusive, é questionada. Para alguns, ainda era questionável ver uma criança negra em um clube que até então era majoritariamente branco. Por falar em Thereza, ela ainda continua sendo uma inspiração sobre como a mulher precisa ter uma vida independente do marido, sem ser submissa, e expressando cada vez mais a necessidade e presença feminina no ambiente de trabalho.

Coisa Mais Linda é uma série necessária!

Advertisement

É o tipo de história que dá gosto por ser nacional, mostrando os grandes talentos e as potenciais histórias que precisam ser contadas. A série dá voz e palco para problemas sociais que ainda são negligenciados, e que precisam exclamados ao mundo, a fim de um basta. Temas como a força feminina, o racismo, a desigualdade, entre outros, são apenas alguns dos ingredientes que fazem de Coisa Mais Linda uma série necessária para o público conferir. E que faz a gente ficar aqui no sofá, torcendo para que ela dure muitos e muitos anos.

ANDERSON NARCISO