Page 1

JORNAL

ANO V . NÚMERO 55 . MARÇO 2015 . SALVADOR-BA

Ei, Táxi JORNAL EI,TAXI - WWW.EITAXI.COM.BR

O jornal dos taxistas da Bahia

Março 2015. Salvador - Bahia | ANO V - nº 55 |

www.eitaxi.com.br

Edição mensal. Distribuição Gratuita. 10.000 exemplares

EXCLUSIVO: MP investiga "farra das placas vermelhas" MP investiga "farra das placas vermelhas" em Lauro de Freitas (Pags 10 e 11)

Pags.10 e 11

Foto: Silva Jr / Lauro News Online

Auxiliares mobilizados pelo fim da "escravidão branca"

Pag.06

Foto: Evandro Veiga

MANIFESTO Pag.08

Encontro de taxistas decide por manifestação nacional

TRÂNSITO Pag.13

Clandestino provoca acidente com taxista

ATAS Pag.16

“Vamos tomar o sindicato”, avisa presidente

ESPECIAL Pag.19

Mulher no volante, profissionalismo constante


www.eitaxi.com.br 02

EDITORIAL

JORNAL EI,TAXI - WWW.EITAXI.COM.BR

ANO V . NÚMERO 55. MRÇO 2015 . SALVADOR-BA

Ei,Táxi "No novo tempo, apesar dos castigos" Respeito, reconhecimento e garantia dos direitos trabalhistas. Estas são as principais bandeiras de um grupo de taxistas que começa a se articular eficientemente: Os auxiliares. Sob pesadas diárias cobradas pelas locadoras e tratados como “invisíveis” pelo poder público, nem mesmo o sindicato da categoria os aceitam como membros. Pelo estatuto do Sinditáxi, os auxiliares não são reconhecidos como trabalhadores. Além disso, a categoria é desassistida pelo poder público e vítimas de abuso de poder econômico por parte de permissionários e locadoras. Uma histórica sessão especial na Câmara de Vereadores de Salvador levou auxiliares, donos de locadoras, parlamentares e representantes da prefeitura para um acalorado debate. O resultado foi um abaixo-assinado, solicitando uma reunião com o prefeito ACM Neto, e o fortalecimento do grupo. Na edição do Jornal Ei, Táxi desse mês, você vai acompanhar com exclusividades tudo o que rolou nos bastidores dessa reunião na Câmara. Também vai conhecer melhor a ATAS– Associação dos Taxistas Auxiliares de Salvador – uma entidade com pouco mais de 2 meses de vida, mas que tem sua diretoria taxistas experientes em lutar pela categoria. O polêmico presidente da ATAS mandou avisar: Vamos tomar o sindicato. E claro, no mês da mulher não poderíamos deixar de render nossas homenagens a todas as mães, filhas, esposas e guerreiras taxistas. Conhecemos as histórias de vida de 3 mulheres taxistas, duas de Salvador e uma de Brasília, que mostram as alegrias e desafios de quem tem que lidar com todos os obstáculos que os homens enfrentam e ainda um pouco mais. O assédio, a discriminação e a violência são os principais problemas que as damas do volante sofrem. Emocione-se com as histórias dessas valentes colegas.

Nossa reportagem especial traz com exclusividade todas as últimas informações sobre o inquérito instaurado pelo Ministério Público da Bahia para apurar denúncias de tráfico de influência e irregularidades na distribuição de alvarás pela Prefeitura da Lauro de Freitas. A matéria que os senhores lerão é fruto de 3 meses de apuração junto a taxistas, MP e prefeitura. A chamada “farra das placas vermelhas” é um problema que se arrasta desde a gestão da ex-prefeita Moema Gramacho (PP) e só fez piorar no governo Márcio Paiva (PT). Um TAC – Termo de Ajustamento de Conduta foi assinado pela prefeitura e um projeto de lei será encaminhado pela prefeitura à Câmara, atualizando toda legislação sobre o transporte na modalidade Táxi. A prefeitura disse que o PL já está pronto e será encaminhado até o final deste mês. Tentamos de todas as formas obter junto às assessorias da prefeitura informações sobre a venda do terreno que abriga o estoque do Iguatemi. Os representantes da SEMOB e COTAE disseram não ter nenhuma informação sobre o assunto para nos passar, apenas as assessoria da SEFAZ confirmou que o terreno leiloado e vendido é mesmo o do estoque. Diante da falta de informações por parte de quem deveria ser os primeiros a saber do assunto, não conseguimos produzir a matéria. Mas não pense que desistimos, vamos continuar insistindo no assunto, afinal se a SEMOB e COTAE não sabem dizer para onde os taxistas do Iguatemi vão, quem vai saber? Vamos aguardar os próximos capítulos dessa “novela”. Enquanto isso, aprecie sem moderação a leitura de mais uma edição do Jornal Ei, Táxi, feito com muita dedicação, profissionalismo e carinho para nossos amigos e amigas taxistas. Boa leitura!

Caique Santos

caique.jornalista@bol.com.br

Fazendo a sociedade conhecer os nossos problemas e anseios, estaremos compartilhando os nossos objetivos e colaborando para uma cidade melhor. Após a sua leitura, ofereça o seu Jornal Ei, Táxi ao passageiro, amigo ou familiar. Construa o Ei, Táxi conosco. Envie sua mensagem, entre em contato pelos canais: 71 3498-9731 | 71 8135-9002 jornalismo@eitaxi.com.br e www.eitaxi.com.br

Expediente Diretor Executivo e Editor: Adriano Rios, Jornalista: Caique Santos - DRT 4405 Revisão: Anariel Rios, Diagramação e charge: Abel Marcelino, Edição: mensal Tiragem: 10.000 exemplares Distribuição Gratuita em toda Salvador, Região Metropolitana e Recôncavo Baiano. Impressão: Gráfica do Correio. O conteúdo das colunas, dos anúncios e informes publicitários são de responsabilidade dos autores e não, necessariamente, expressam a opinião do jornal. Comercial: (71) 3498-9731 / 8135-9002 / comercial@eitaxi.com.br / Jornalismo: jornalismo@eitaxi.com.br

Adquira seu jornal direto da fonte Retire seu exemplar do Jornal Ei, Táxi em qualquer um dos postos credenciados. Quer um expositor no posto que você costuma abastecer? Ligue (71) 8135.9002 e fale com a gente!


ANO V . NÚMERO 55 . MARÇO 2015 . SALVADOR-BA

JORNAL EI,TAXI - WWW.EITAXI.COM.BR

ECONOMIA 03

Educação Financeira

Investimento no Tesouro Direto: parte II É chegada a hora de conhecer um pouco mais sobre a famosa “sopa de letrinhas” do Tesouro Direto; inclusive o governo mudou nesse mês de março, os nomes dos títulos com o objetivo de popularizar esses papéis. A recomendação para os investidores é que definam antes de começar a comprar: quais são os seus projetos de vida para preparar uma estratégia mais adequada ao seu perfil. No site do Tesouro Direto são disponibilizados em forma de tabela, os papéis que podem ser comprados, e todo investidor deverá conhecer quatro informações relevantes para tomada de decisão: O nome do título atualmente negociado; A data de vencimento, ou seja, a data em que o título será resgatado; A taxa de juros que o comprador receberá, caso permaneça com o título até seu vencimento. O preço para comprar o título. Você poderá comprar um, vários ou partes dos títulos. Lembrando que a quantidade mínima de compra é 0,1 do título (10%), podendo adquirir partes como: 30%, 50%, 80 % do título, adequando as suas necessidades. A seguir os tipos de títulos ofertados pelo Tesouro Direto com algumas características que os diferenciam. Será muito importante antes de investir estudar um pouco mais cada opção para escolher conscientemente permitindo que você diversifique seus investimentos e aumente a sua rentabilidade:

PREFIXADOS

Tesouro Prefixado (LTN) • O investidor sabe exatamente o retorno do título se guardá-lo até a data de vencimento; • O Rendimento do período será recebido juntamente com o valor principal no vencimento estabelecido. • É muito interessante comprar títulos LTN quando as taxas de juros estiverem caindo, redução na taxa SELIC; Tesouro Prefixado com juros semestrais (NTN-F) • Indicado para o investidor que deseja obter um fluxo de rendimentos a cada seis meses (cupons de juros) a uma taxa de juros pré-definida antes do vencimento do título; • Na data de vencimento do título, o valor bruto a ser recebido por unidade de título é de R$ 1.000,00; • Possibilidade de aumento de liquidez e reinvestimentos em outros títulos

PÓS-FIXADOS LIGADA A INFLAÇÃO Tesouro IPCA+ (NTN-B Principal) • Indicado para o investidor que deseja fazer poupança de médio/longo prazos, inclusive para aposentadoria e/ou compra de bens; • Na data de vencimento do título, receberá o valor investido, os juros do período e a correção pela inflação de uma única vez; • Beneficio do poder dos juros compostos. Os ganhos continuam sendo reinvestidos, rendendo juros sobre juros. Tesouro IPCA+ com juros semestrais (NTN-B) • É um título semelhante à NTN-B Principal, indicado para o investidor que deseja obter um fluxo de rendimentos periódicos (cupons semestrais); • Rentabilidade Real garantida, além dos juros prefixados, ainda será corrigida pela inflação; • Boa opção para quem deseja planejar a própria aposentadoria ou para acumular recursos por um longo prazo, protegendo dos efeitos inflacionários.

PÓS-FIXADOS LIGADA A TAXA SELIC Tesouro Selic (LFT) • Indicado para o investidor que deseja uma rentabilidade pós-fixada indexada à taxa de juros da economia (Selic); • Indicado para o investidor mais conservador; • O Rendimento do período será recebido juntamente com o valor principal no vencimento estabelecido.

Uma excelente dica é manter uma reserva de dinheiro para emergências, como por exemplo, na caderneta de poupança. Assim, não mexerá nos seus investimentos no primeiro problema financeiro que enfrentar. Ressaltando que o ideal é permanecer com os títulos até o vencimento para não perder dinheiro. A única preocupação que o investidor deve ter é com a venda antecipada, uma vez que, poderá não conseguir vender pela taxa contratada. O importante é continuar aprendendo para investir com sabedoria tomando suas próprias decisões para viver o hoje e, sobretudo, o amanhã. Até o próximo artigo. Edval Landulfo, Economista, Coach e Educador Financeiro. edval.landulfo@landulfofinancas.com.br w w w. l an du l f o f in an c a s . com.br


04

JORNAL EI,TAXI - WWW.EITAXI.COM.BR

ANO V . NÚMERO 55. MRÇO 2015 . SALVADOR-BA


ANO V . NÚMERO 55 . MARÇO 2015 . SALVADOR-BA

JORNAL EI,TAXI - WWW.EITAXI.COM.BR

FIQUE POR DENTRO 05

Taxistas com facilidade para troca de carros

Trocar o carro é uma necessidade para os profissionais do volante, afinal oferecer aos clientes mais conforto é um diferencial que coloca o taxista a frente dos concorrentes. Mas nem sempre os ganhos dos praças são suficientes para que se faça isso sem um financiamento. Quem sabe esse não seja o ano que você vai comprar o carro dos seus sonhos? Os taxistas que quiserem comprar um carro novo para exercício da profissão através do crédito especial FAT Taxista tem até o dia 31 de dezembro de 2016 para requerer o financiamento. Instituído em julho de 2009, o crédito visa facilitar a renovação da frota de táxis. Para ter acesso ao FAT Taxista, são necessários alguns documentos específicos, mas de acordo com os beneficiários, a burocracia é mínima. Para requerer o financiamento é necessário ser titular da autorização para a prestação do serviço e apenas um carro pode ser solicitado por CPF. Com o crédito, são financiáveis veículos novos de fabricação nacional e de quatro portas, movidos a combustíveis renováveis ou com sistema reversível de combustão. Desde a Resolução nº 631/2010, é também possível financiar a conversão dos veículos para o uso de gás natural veicular. O FAT possibilita o financiamento de até 90% do valor total do bem, respeitando o teto de R$ 60 mil. O prazo para o pagamento pode ser de até 60 meses, com três de carência. Como fazer - Onofre Correa, Presidente do Sindicato dos taxistas de Teresópolis dá a dica: “Hoje o taxista precisa de uma liberação do ISS que é feita pela prefeitura, ele tem que estar em dia com o seu IPVA e tem que estar com o taxímetro aferido. A partir disso ele vai ter que pegar com o Sindicato de sua cidade a declaração de rendimentos. Como ele é autônomo o Sindicato vai informar quanto ele ganha em média, baseado no ponto onde ele está trabalhando, porque temos como oferecer esses dados. Nem todos ganham o mesmo salário, porque é fato que uns pontos rendem mais e outros menos, mas sabemos da situação de todos eles”, orienta Onofre. Redação Ei, Táxi com informações da Revista Exame

Foto: Divulgação

Quer trocar de carro? Aproveite o financiamento do FAT

Agentes de Trânsito querem portar arma Representantes da categoria de diversos Estados e Municípios do país, estiveram nesta terça (10), na Câmara dos Deputados e no Senado Federal, em Brasília, com o objetivo de solicitar de deputados e senadores a inclusão de projetos de interesse dos agentes de trânsito, na ordem do dia das votações nas comissões dais quais fazem parte. Alguns dos projetos tramitaram na legislatura anterior e por não terem sido concluídos naquele período, foram arquivados conforme o regimento interno das duas casas. Outros são novos e serão apresentados pelos parlamentares. Um dos projetos, talvez o

mais polêmico, é o que trata da autorização para que os agentes de trânsito, sejam dos estados ou municípios, possam portar arma em serviço. O PL 3624/2008 é de autoria do deputado Tadeu Filipelli, que teve relatório contrário na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania, voltou a tramitar nesta legislatura. Os taxistas com certeza devem estar se questionando: Se desarmados, os agentes já são autoritários e abusam do poder, será que possuem o preparo psicológico necessário para portar uma arma de fogo? Redação com informações do SINDATRAN-BA

Foto: Sindatran

Agentes de Trânsito querem armas

Clandestinos protestam por regularização em Fortaleza Não está fácil pra ninguém. Um grupo de clandestinos que se auto intitulam “táxi amigo” realizou um protesto no último dia 12 em Fortaleza pedindo a legalização desse tipo de serviço. O protesto começou na Avenida Carlos Jereissati, em frente ao Aeroporto Internacional Pinto Martins, e se dirigiu à Câmara Municipal. Os "taxistas amigos" ocuparam uma faixa das vias por onde trafegam e o trânsito fluiu normalmente, segundo a Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC). Três dias antes do protestos dos clandestinos, os taxistas regularizados também fizeram protesto em Fortaleza contra os táxis piratas. A Prefeitura de Fortaleza prometeu reforçar a fiscalização e punir esse tipo de serviço, que não é regulamentado, em reunião com a categoria, em que também ficou decidido o aumento de 6,41% da tarifa em abril. Os clandestinos fazem serviço de transporte de passageiros e cobram um valor acertado com o cliente, sem o uso do taxímetro, e normalmente cobram preços abaixo dos valores do táxi regular. Os taxistas regularizados pela Prefeitura de Fortaleza alegam que pagam impostos para manutenção do serviço e não têm condições de cobrar o mesmo valor. Com informações do site G1-Ceará

Foto:TV Verdes Mares/Reprodução

Clandestinos não pagam impostos, por isso cobram mais barato


06 POLÍTICA

ANO V . NÚMERO 55. MRÇO 2015 . SALVADOR-BA

JORNAL EI,TAXI - WWW.EITAXI.COM.BR

Sessão na Câmara discutiu situação dos auxiliares

Uma reunião com protestos, lágrimas e desabafos. Assim foi o clima na sessão especial da Câmara Municipal de Salvador, ocorrida no último dia 6. Antes do início do encontro, cerca de 180 taxistas auxiliares se mobilizaram em uma carreata que saiu do Shopping da Bahia (antigo Iguatemi), às 8h, até a porta da Câmara Municipal, com o objetivo de chamar a atenção da sociedade para os diversos problemas enfrentados pela categoria. Entre as reivindicações estavam a garantia dos direitos trabalhistas, alteração do estatuto do Sindtaxi, e maior transparência nas licitações e transferências de alvarás. A sessão foi de autoria do vereador Everaldo Augusto (PCdoB), presidente da Comissão dos Direitos do Cidadão, que atendeu aos pedidos dos taxistas membros da Associação de Taxistas Auxiliares de Salvador – ATAS, e da Cooperativa dos Taxistas Auxiliares – COASTAXI. O debate contou ainda com a presença do Deputado Federal Davidson Magalhães (PCdoB), do vereador Luis Carlos Suíca (PT), Genival Melo (COTAE), Gilberto Silva (Coastax), Jairo Conceição (ATAS), um representante de locadora e empresários do ramo de rádio táxis. O evento foi transmitido ao vivo pela TV Câmara Salvador, em sinal aberto e digital para toda a capital baiana e região metropolitana, através do canal UHF 61.4. O Jornal Ei, Táxi foi o único veículo de imprensa que acompanhou a reunião do início ao fim.

Agentes da Transalvador: Taxista relembra humilhações

Fotos: Evandro Veiga (cedidas para o Ei, Táxi)

Parlamentares e taxistas se unem

BATE -BOCA O clima esquentou quando o microfone foi aberto para as falas dos taxistas presentes nas galerias. Com gritos de “é isso mesmo”, assobios, aplausos e até vaias, os taxistas auxiliares desabafaram todas as revoltas pela forma desumana e opressora que alegam ser vítimas, por parte das locadoras, permissionários, agentes da Transalvador, COTAE e SEMOB. Taxistas relataram casos de abuso de poder por parte de agentes da Transalvador. Na véspera do Dia Internacional da Mulher, a filha de um taxista auxiliar, já falecido, Marleide Nogueira, também fez uso da palavra, chegando a chorar e calando por um instante a barulhenta turma de homens taxistas. “Os taxistas auxiliares são trabalhadores dignos, são seres humanos, merecem respeito”, disse a jovem que aproveitou sua fala para criticar o comportamento abusivo dos donos de locadoras. “A relação entre locadoras e auxiliares é de exploração, no valor das diárias, manutenção dos carros e prazos de pagamento. Tem taxista aqui que paga por semana 800 reais”, revoltou-se Marleide. O taxista Herval Paixão (A-6602) concorda, “queremos a regulamentação das diárias, pois tem uma diferença muito grande, cada um cobra o que quiser, tem que ter um teto para acabar essa exploração”, disse Paixão.

CLANDESTINOS Para Hugo de Jesus Souza (A-2084), o clandestino é o resultado da dificuldade na obtenção legal de um alvará e encontra abrigo nas locadoras. “Os clandestinos em Salvador são raízes de locadoras. São pessoas que não aguentaram mais a escravidão branca e passou a utilizar seu carro ou de terceiros para ter uma condição melhor para se manter”, disse o taxista em entrevista ao Ei, Táxi. “O problema do taxista auxiliar são as empresas locadoras, porque o permissionário em si, não comete a exploração da forma que as empresas fazem”, opina Hugo. Uma outra bandeira levantada pelos taxistas auxiliares foi o reconhecimento deles por parte do Sindtaxi – Sindicato do Taxistas de Salvador. De acordo com informações de Gilberto Silva (Coastax), o atual regulamento do “Sindicato de Assanhaçu” não reconhece os colegas auxiliares como taxistas. “O reconhecimento do auxiliar como profissional taxista por parte do sindicato é fundamental para que nós possamos pagar o nosso INSS como taxista, isso já é uma lei federal e não foi aplicada aqui porque não somos reconhecidos”, explicou o taxista Herval Paixão.

BALANÇO POSITIVO

LEI MUNICIPAL

Para o vereador Everaldo Augusto, presidente da Comissão dos Direitos do Cidadão o encontro marcou o início de uma campanha em prol dos taxistas que promete tomar força. “Os taxistas auxiliares não vão permitir mais que a situação de subemprego, de discriminação, de trabalho semiescravo, continue acontecendo”, afirmou o vereador do PC do B. “A categoria está consciente de que não pode haver somente deveres, tem que haver também direitos, e para fazer isso os auxiliares vão buscar tratar de uma coisa fundamental que é combater a cobrança abusiva das atuais diárias, que está impedindo que os taxistas tenham condições de trabalhar. Da forma que está hoje o auxiliar está pagando para trabalhar. É necessário que a prefeitura tenha o mínimo necessário de regulamentação sobre essa diária. Para conseguir isso vamos solicitar uma audiência com o prefeito, vamos acionar o Ministério Público Federal e Estadual. Nós vamos à Justiça, estamos decididos”, disse o vereador em entrevista ao Ei, Táxi. Sobre os editais para concessão de alvarás Everaldo Augusto também prometeu apoiar os auxiliares. ” Queremos regras claras, fazer um recadastramento dos atuais alvarás que estão aí e dar condições diferenciadas para o taxista auxiliar ter acesso a esses alvarás. O alvará é uma concessão pública, não deve ser objeto de negócio, de tráfego de influência ou qualquer tipo de outra coisa que não seja uma regra transparente para todos”, disse o vereador. De acordo com informações extra oficiais, prestadas pelos próprios taxistas, os auxiliares correspondem aproximadamente a 70% dos permissionários de Salvador e estão à margem dos direitos trabalhistas. Por não possuírem alvarás próprios (há 8 anos não há licitação), circulam com carros alugados e chegam a pagar R$700 reais por semana aos locadores. Além disso, trabalham sem férias, sem garantias de aposentadoria e assistência médica e normalmente têm carga horária desumana, trazendo inclusive riscos para eles e os passageiros, pois muitos nem mesmo descansam o suficiente. Após a reunião o presidente da COASTAXI, Gilberto Silva, avaliou como positivo o encontro. “Não tem nada amarrado 100 por cento, é apenas um pontapé inicial. Serviu de alerta porque quando a categoria acordar, eles vão passar a respeitar muito mais ela. Temos que tomar o nosso sindicato, temos que buscar respeito junto aos poderes constituídos, inclusive junto ao senhor prefeito, secretários de transporte do estado e do município”. Sobre o Sindtaxi Silva não poupou sua reprovação, “A diretoria do sindicato deveria tomar vergonha e entregar o sindicato pra quem tem coragem de trabalhar”.

Em entrevista exclusiva ao Ei, Táxi, o deputado federal Davidson Magalhães comentou o veto presidencial ao artigo 4 da lei federal 12.468/11, que classificava os demais profissionais do táxi, como frotistas, auxiliares e arrendatários, deixando mais claro o papel de cada um dentro desse universo. “O veto ao artigo 4 foi feito porque o artigo invadia a competência do município. Na regulamentação da profissão, o conceito geral é que taxista é aquele que detém o alvará e exerce a profissão, ou aquele outro que exerce a profissão em automóvel de terceiro. O conceito específico, a classificação, cabe ao município, foi vetado justamente por essa justificativa, que era inconstitucional (que a esfera federal determinasse as subclassificações). Minha sugestão é que os vereadores entrem com essa classificação para especificar melhor estas diversas subclassificações, para ficar mais evidenciado o que significa essa classificação em relação ao exercício da profissão, que pode ser feita de diversas formas”, disse Magalhães. Sobre a reinvindicação dos direitos trabalhistas dos auxiliares, o deputado prometeu provocar o Ministério Público do Trabalho e a Delegacia Regional do Trabalho. “O que nós temos aí são relações trabalhistas não cumpridas e não atendidas, tem que ter a fiscalização. Existe uma relação de trabalho precária”, disse Magalhães. Sobre a questão dos alvarás afirmou que “precisa ter uma política democrática e transparência nos alvarás. É uma concessão pública que termina sendo privatizada, servindo aos interesses de poucos. Será marcada uma audiência com o Ministério Público do Trabalho e a Delegacia Regional do Trabalho para que se intensifique a fiscalização, pois os 4 primeiros que forem multados, servirão de exemplo”.

REUNIÃO COM ACM A próxima etapa da luta dos auxiliares será pleitear uma reunião com o prefeito ACM Neto. Um abaixo-assinado está circulando entre os taxistas e os parlamentares do PCdoB e do PT prometeram buscar junto ao governo municipal a abertura do diálogo franco e aberto sobre as pautas abordadas na reunião.

O Jornal Ei, Táxi, como sempre, vai continuar acompanhando o desenrolar dos acontecimentos e informando em primeira mão, todas as novidades sobre a luta dos taxistas auxiliares em favor de condições de trabalho mais dignas, respeito aos seus direitos trabalhistas e reconhecimento por parte do Sinditaxi.

REIVINDICAÇÕES DOS AUXILIARES > Regulamentação das diárias > Lei Complementar reconhecendo o auxiliar como taxista > Intervenção do poder público nas relações entre permissionários e auxiliares > Garantia dos direitos trabalhistas > Alteração do estatuto do Sindtaxi, reconhecendo o auxiliar como taxista > Transparência nas licitações e transferências de alvarás > Fiscalização do transporte clandestino > Aplicação da lei que prevê táxis com acessibilidade >Reunião com o prefeito ACM Neto


ANO V . NÚMERO 55 . MARÇO 2015 . SALVADOR-BA

Dicas para cuidar bem de seu carro

Enquanto muitos motoristas têm o costume de tratar seus carros como um serviçal, o ideal seria pensar mais nele como um parceiro. Tratar o automóvel com carinho e atenção pode gerar muitos quilômetros extras e um consumo menor de combustível, melhorando o ar no meio ambiente e poupando alguns trocados ao motorista. No fim das contas, cuide bem do seu carro que ele cuidará bem de você. Para isso, conheça 10 dicas simples e úteis que devem prolongar a vida do seu carro e diminuir os custos de consumo e manutenção. 1) Óleo do motor O óleo do motor refrigera, limpa e lubrifica o coração do automóvel. O ideal é checar o manual do carro pois cada veiculo possui uma especificação. Também é bom ficar de olho no adesivo colado no para-brisa que tem a próxima data onde deverá ser feita a troca, além de ficar atento ao mostrador do painel. Lembre-se de recorrer a uma autorizada para realizar a operação. 2) Pressão adequada aos pneus Andar com as pressões no ponto certo dos pneus diminui significativamente o consumo de combustível e impede o superaquecimento, que gera desgaste precoce e riscos de acidentes. Para quem tem dúvida, a pressão adequada vem gravada no manual, na porta do carro e na lateral de

de qualidade inferior, assim como piratas ou recondicionados, pode responder judicialmente em uma possível eventualidade.

Foto: Getty Images

Seu carro é seu parceiro, cuide dele!

cada pneu, variando conforme o modelo e o peso que o veículo carrega. 3) Manutenção de componentes do motor Não trocar as velas, filtros de ar, de óleo e de combustível e até o carburador no período recomendado resulta num consumo até 25% maior além de desgaste excessivo. Estes componentes do carro trabalham em conjunto e sofrem com combustíveis de baixa qualidade. Em média, a troca das velas deve ser realizada a cada 20 mil quilômetros, o filtro de ar a cada 15 mil, o de combustível a cada 10 mil quilômetros e filtro de óleo deve ser trocado junto com o óleo do motor. O carburador pode durar até 80 mil quilômetros, em média. 4) Deixar de fazer alinhamento e balanceamento Procedimentos que devem ser realizados a cada 10.000 quilômetros, ou após trocas

DICAS 07

JORNAL EI,TAXI - WWW.EITAXI.COM.BR

de pneus ou outros componentes, assim como também em caso de batida nas rodas, longos trechos de trepidações e outras intempéries. O procedimento previne que desgaste irregular dos pneus ocorra, assim como aumenta a segurança dos passageiros. As rodas "cantando" a baixas velocidades ou direção imprecisa ou vibrando são fortes indícios de que está na hora de alinhar e balancear o automóvel. 5) Deixar de usar peças originais na reposição O uso de peças genéricas na reposição ao invés de originais pode gerar problemas mecânicos e acidentes, além da possível perda de garantia. As peças legítimas passam por rigorosos testes de qualidade, enquanto às paralelas podem danificar o automóvel. Vale ressaltar que o mecânico que instalar, sem consentimento do proprietário do veículo, produtos

6) Transitar com o giro do motor em níveis inadequados Dirigir o veículo com o giro muito alto, ultrapassando a marca vermelha do conta-giros, ou muito baixo, como 40 km/h em quarta ou quinta marcha, pode causar desgaste prematuro e até possível quebra do motor e da transmissão. O recomendado é evitar tais situações, limitando a utiliza-las apenas eventualmente, como em ultrapassagens, no caso do giro alto. 7) Dirigir com o motor super aquecido Quando o termômetro acusa superaquecimento, o ideal é parar em local seguro, abrir a tampa do capô, esperar o carro esfriar completamente e verificar o reservatório de água. Caso o volume estiver abaixo do nível recomendado pelo indicador no próprio reservatório, basta completar com água normal. Mas atenção: tal procedimento deve ser realizado com muito cuidado, pois o reservatório de água pode conter vapores em alta pressão e causar queimaduras graves. O ideal é conferir o nível semanalmente ou antes de viajar, evitando chegar a esse ponto crítico.

8) Manter o carro limpo Manter o veículo limpo, por dentro e por fora, é mais do que uma questão estética. A limpeza do interior evita o acúmulo de substâncias nocivas à saúde, como ácaros e fungos, que podem causar crises de alergia. Caso o carro fique sujo do lado de fora, a pintura é comprometida e pode apresentar manchas, assim como outros componentes do exterior. 9) Manter o pé sobre a embreagem Dirigir deixando o pé na embreagem é o suficiente para evitar o engate completo. O conjunto da embreagem funciona via fricção, manter o pé sobre o pedal esquerdo mantém o engate desacoplado. A embreagem sofre com esse atrito, levando ao desgaste prematuro e até quebra. 10) Mão sobre o câmbio durante a condução Um erro comum e aparentemente inofensivo, manter a mão sobre a alavanca de câmbio não é uma boa idéia. Ela está diretamente conectada à caixa de marchas e a menor pressão é transmitida ao seletor. Com o tempo, a troca de marchas começa a apresentar barulhos, além de menor durabilidade. O uso deve ser restrito, assim como o pedal de embreagem, apenas às trocas de marchas. Fonte: IG


08 EVENTOS

ANO V . NÚMERO 55. MRÇO 2015 . SALVADOR-BA

JORNAL EI,TAXI - WWW.EITAXI.COM.BR

Taxistas se reúnem em Brasília e marcam manifestação nacional Brasília sediou o 10º Encontro Nacional da ABRACOMTAXI , Associação Brasileira das Associações e Cooperativas dos Motoristas de Táxi. O encontro, que reuniu representantes de taxistas de todo o país e parlamentares, aconteceu no começo deste mês, nos dias 02 e 03. Entre outras decisões, o dia de Mobilização dos Taxistas já tem data: 8 de abril, a partir das 10h, em todo o Brasil, simultaneamente. “Vai ser um protesto porém pacifico e ordeiro, sem atrapalhar o trânsito”, explica Vicente Barreto, presidente reeleito da ABRACOMTAX na Bahia. E avisa , “não permitiremos o uso do movimento com cunho político, em nenhuma esfera, Federal, Estadual, Municipal e Legislativo”. O dia da Mobilização dos Taxistas em todo o Brasil pretende exigir das autoridades competentes, “ações contra o Transporte Clandestino e a Carona Remunerada, que se utiliza de aplicativos como UBER e ou-

Fotos: Arquivo pessoal Vicente Barreto

Representantes dos taxistas convidaram parlamentares para a FRENTAXI e FRENCOOP.

tros”, de acordo com nota da ABRACONTAX, enviada ao Ei, Táxi. “Será escolhido em cada cidade, um local para a ação e convidaremos a mídia local, escrita e televisiva, para dar divulgação às nossas reivindicações”, disse o presidente da ABRACOMTAX. Vicente Barreto pede a todos os taxistas e donos de Cooperativas que apoiem paralisação nacional, “Precisamos concentrar um número representativo para tal ação”, diz Vicente.

O grupo conseguiu, com a ajuda de parlamentares parceiros dos taxistas, desarquivar o Projeto de Lei que versa sobre a redução da Base de Cálculo de Imposto de Renda para o Taxista, de autoria do Deputado Diego Andrade de BH. Foi solicitado também, ao Deputado Osmar Serraglio, ajuda junto ao Ministério do Turismo para alterar a Lei 11.771, que dispõe sobre o Transporte de Turismo; e também modificar a Portaria 312, de 2013, so-

bre o mesmo assunto, onde libera veículos pequenos para tal fim, conflitando com a lei do Taxista 12.468 ,12.865 e MP 615/2013, onde diz que é de exclusividade do Taxista o transporte remunerado, de até 07 passageiros. Foi discutida a PEC 425/2014, que acrescenta parágrafo ao art. 175 da Constituição Federal, excluindo da incumbência do poder público a prestação dos serviços de táxi, que passam a

ser considerados serviços de utilidade pública. Os membros da ABRACOMTAXI visitaram diversos Parlamentares, solicitando a fazer parte da FRENTAXI- Frente Parlamentar dos Taxistas e da FRENCOOP Frente Parlamentar das Cooperativas .O grupo solicitou dos parlamentares a criação de um Projeto de Lei que verse sobre a modalidade de pontuação exclusiva para taxista. A comitiva de taxistas da Bahia visitou pessoalmente os deputados Aleluia, Moema Gramacho, Tia Eron, José Nunes, Paulo Azi, Alice Portugal e Lucio Vieira. Antes do 10º Encontro Nacional da ABRACOMTAXI, a entidade enviou convites por email a todos os Deputados Federais da Bahia, convidando-os para o Encontro e a fazerem parte da FRENTAXI. O próximo encontro, vai fazer um balanço do que foi conquistados e novas pautas serão debatidas. A reunião já tem data e local, no próximo dia 01 de Junho, em Guarulhos – SP.

Ramo Transporte lança rede de cooperação na Bahia Também no começo deste mês, aconteceu no dia 06, o Encontro das Cooperativas do Ramo Transporte. Na ocasião, foi também oficializada a adesão da Bahia à Central Nacional de Negócios. O evento foi uma realização da Organização das Cooperativas do Estado da Bahia - OCEB e do Sescoop-BA, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo, com o apoio da Câmara Técnica do ramo transporte da OCB. Para se ter uma ideia da força da entidade, basta ver os números dos indicadores da área de compras das cooperativas de transporte brasileiras: cerca de 3,5 bilhões de litros de combustível por ano, 50 milhões de litros de lubrificantes e ainda 11 mil veículos, de acordo com a OCB – Organização das Cooperativas Brasileiras. E é justamente esse potencial

de compras, que passa a ser gerenciado nacionalmente por uma Central de Cooperativas do ramo transporte – a Rede Transporte - criada em 2011 no Rio Grande do Sul, mas que vem se tornando nacional, com mais um estado entrando para somar forças: Bahia. De acordo com Abel Paré, presidente da Central, além de comprar mais barato pela negociação direta com a indústria e em grandes quantitativos, a Rede Transporte vai propiciar aos cooperados e cooperativas, o acesso a tecnologias de defesa dos interesses político-institucionais, além de estímulo à capacitação técnica e profissionalização da gestão. Para Moisés Carlos, da cooperativa Digitáxi, o lançamento da Rede é muito bem-vindo, pois ampliará os ganhos que a cooperativa já tem hoje ao fazer compras

Assessoria OCEB-BA

Ramo Transporte: Poder de compra torna cooperativismo mais forte e atuante

em conjunto. “O cooperado é que nem aranha, ganha do que tece. Com a Rede Transporte a concentração das nossas compras vai ser ainda maior, aumentando os ganhos para o cooperado”, comemorou Moisés. Para Cergio Tecchio, presidente do Sistema OCEB, o lançamento no estado da Bahia foi muito bem sucedido não

só pelo intercâmbio com representantes de vários estados e cooperativas baianas, como também pela oportunidade de “mostrar que há uma visão integrada e estratégica do ramo transporte no país”, disse Tecchio. O Encontro do Ramo Transporte reuniu mais de 70 representantes de cooperativas de transporte de car-

ga e passageiros da Bahia e de outros estados, todos interessados em conhecer detalhes da Central Nacional de Negócios, que além de conquistar importantes reduções de preços com a compra em larga escala, pretende trazer para as cooperativas uma série de outras vantagens. Sobre a OCEB – a organização representa as cooperativas baianas perante o poder público e a sociedade civil, na defesa de seus interesses e na promoção da atividade cooperativista e presta apoio técnico consultivo ao governo, quando for de interesse do Cooperativismo. Classificada como sociedade civil sem fins lucrativos, a OCEB é filiada à Organização das Cooperativas Brasileiras – OCB, possui duração indeterminada e integra todos os ramos cooperativistas.


ANO V . NÚMERO 55 . MARÇO 2015 . SALVADOR-BA

JORNAL EI,TAXI - WWW.EITAXI.COM.BR

09


10 REPORTAGEM

JORNAL EI,TAXI - WWW.EITAXI.COM.BR

ANO V . NÚMERO 55. MRÇO 2015 . SALVADOR-BA

Lauro de Freiras: MP investiga "farra das placas vermelhas" Lauro de Freitas é uma cidade abençoada com lindas praias e um povo que ainda conserva o ar de interior da Bahia. Infelizmente, às vezes, a cidade aparece na mídia tendo seu nome ligado a denúncias de uso de concessões de alvarás de táxis como moeda de barganha política e financeira. Os taxistas lutam há anos, pedindo que o governo combata de verdade o transporte clandestino e que distribua alvarás para os nativos de Lauro e taxistas, que estão na fila à espera de novas concessões. Os “misteriosos” critérios de distribuição das concessões e as acusações de tráfego na seleção dos contemplados com novos alvarás, casos de corrupção comprovados e o empenho da vereadora Milena Macedo (PSB), provocaram a entrada do Ministério Público da Bahia no caso. A reportagem do Ei, Táxi está acompanhando esse caso há anos. O assunto é muito sério e deveria interessar não apenas aos taxistas, mas toda a sociedade brasileira, que tem o direito

Por Caíque Santos (jornalismo@eitaxi.com.br)

Foto: Renilson Ramos

Taxistas de Lauro de Freitas se articulam para série de manifestações

de usufruir da quantidade correta de táxis nas ruas, além de serem protegidos dos perigos do transporte clandestino, um câncer que cria “metástase”, quando o poder público cobra demais do taxista legalizado e incentiva o clandestino. O trabalho do MP e a mobilização dos taxistas estão produzindo resultados, embora em um ritmo lento, quase parando. Desde dezembro do ano passado que representantes da prefeitura de Lauro de Freitas assinaram um Termo de Ajustamento de Conduta, cujo

Entenda o caso...

conteúdo não foi revelado pela promotora Patrícia Mattos, apesar de sucessivos pedidos do Jornalismo do Ei, Táxi . Apesar de ter sido assinado pela prefeitura, o TAC ainda aguarda ser homologado pela instância superior do MP em Salvador. Nossa reportagem tentou durante 4 meses conseguir uma entrevista com a promotora Patrícia ou obter junto a Assessoria de Comunicação do MP-BA, mais detalhes do inquérito, mas o órgão se recusa a prestar maiores esclarecimentos à

imprensa. Um email enviado pelo MP de Lauro à nossa redação, deixa evidente que a Assessoria de Comunicação do MP está controlando o fluxo de informações sobre o caso, que é de interesse público. O email de Dionício dos Santos Silva, Assistente Técnico do MP de Lauro de Freitas, diz: “De ordem da Exma. Sra. Dra. Patrícia Peixoto de Mattos, Promotora de Justiça Titular da 5ª Promotoria de Justiça da Comarca de Lauro de Freitas e, em atenção ao e-mail enviado por V. Senhoria, infor-

mo que no dia 09 de março de 2015, por volta das 16h, a Assessoria de Comunicação do Ministério Público - ASCOM, teve contato direto com esta 5ª Promotoria de Justiça, obtendo da Promotora de Justiça responsável todos os esclarecimentos e informações relativas ao Inquérito Civil SIMP nº 591.0.248890/2013, que culminou com assinatura do entre o Ministério Público da Bahia e a Prefeitura de Lauro de Freitas, no dia 17 de dezembro de 2014. Vale destacar que a Assessoria de Comunicação do Ministério Público assumiu o compromisso de repassar às informações necessárias para as partes interessadas”. Os jornalistas do MP afirmam que só Dra. Patrícia pode nos dar informações até que o TAC seja homologado e a nota acima diz que a Comunicação do MP tem todas as informações que a imprensa e os cidadãos querem saber. A assessoria do MP-BA afirma que só vai dar mais informações após a homologação do TAC.

Foto: Fanpage

As denúncias de distribuição irregular de concessões de táxis na cidade são antigas. Começaram a “pipocar” na gestão da ex-prefeita Moema Gramacho (PT), período em que, segundo diversas fontes, rolou uma verdadeira “farra” de distribuição, venda e apadrinhamento de placas de exploração do serviço de táxi, sob o teto da Prefeitura de Lauro de Freitas. ''A escancarada comercialização das permissões públicas virou um negócio rentável, não só aqui em Lauro, mas em outras cidades da região. As distribuições não seguem qualquer critério, o que fala mais alto é o dinheiro e o apadrinhamento político'', garan-

tiu um taxista que não quis ter a identidade revelada. No apagar das luzes da gestão petista, no final de 2012, mais uma “festinha” de distribuição de alvarás foi patrocinada pela prefeitura, de novo, sob critérios “misteriosos”. Após ser procurada por taxistas, no dia 30 de abril de 2013, a vereadora Milena Macedo (PSB) solicitou da atual prefeitura, através do requerimento nº 91/2013, informações sobre todos os beneficiários dos alvarás na cidade, incluindo nome, cpf, número da placa e endereço. “Cinco meses após o pedido, a prefeitura envia um documento equivocado, contendo apenas a lista dos taxistas que reali-

zaram a renovação dos alvarás”, conta a vereadora. Com a recusa da prefeitura em dar as informações sobre os critérios para distribuição das concessões, o Ministério Público foi provocado e a promotora Patrícia Mattos entrou no caso. Convocou representantes da Prefeitura e dos taxistas para uma reunião no dia 19 de novembro do ano passado. Nesta reunião estiveram presentes o procurador geral do município, Rafael Barretto, o secretário de transportes Moysés Mustar, o secretário de governo, Dr. Márcio Rodrigo, o chefe de gabinete, Edmilson Silva e dois taxistas, Luiz Eduardo Esteves e Ubirajara Gesteira

Santos. De acordo com o Informativo 001/2014 , redigido pelos taxistas que estão à frente das negociações da classe, mais uma vez a prefeitura não forneceu o relatório completo dos alvarás expedidos. Dos 308 outorgados os representantes

da prefeitura entregaram à promotora apenas 97, deixando no ar 211 interrogações e uma única certeza: esse “filme” pode virar uma “novela” com muitos capítulos e personagens.

Entre as seis decisões tomadas no último encontro, a mais polêmica e que está gerando descontentamento entre os taxistas foi a que diz, de acordo com a ata, que “no prazo de 6 meses o poder executivo municipal dará início ao processo licitatório para prestação de serviço de táxi”. Os taxistas “piraram” com isso. Em diversos depoimentos prestados à nossa reportagem, eles alegam que promover uma licitação é abrir as portas para empresas de fora de Lauro de Freitas e ainda retirar direitos adquiridos dos trabalhadores locais. Os taxistas prometem “peitar” a prefeitura. “Além de um advogado, que estamos colocando para revogar essa decisão inconstitucional, que vai de encontro aos interesses dos trabalhadores, que sustentam suas famílias; formamos uma comissão de taxistas que está à frente das negociações

e que está dialogando com o presidente e líderes da Câmara, tanto da situação quanto oposição, para que quando o projeto de lei for mandado eles não aprovem”, disse o taxista Renilson Ramos. Ainda de acordo com o Informativo 001/2014 , a ideia da licitação foi combinada em reunião privativa entre o MP e Prefeitura, sem convidar os representantes dos taxistas. O Informe dos taxistas afirma que os representantes da prefeitura já estavam reunidos antes deles entrarem na sala e colocaram a pauta da licitação sem aviso prévio. O documento diz ainda que o MP botou a Prefeitura contra a parede: Ou faz logo uma licitação, ou a se prepare para ser investigada. “A Promotora com veemência falou que para dar uma resposta à sociedade é preciso clareza, e desta forma, caso não aconteça a licitação, daria continui-

dade a apuração das denúncias”, diz o relato dos taxistas. A atual gestão anda precisando dar muitas explicações. Recentemente, uma denúncia envolvendo o chefe de gabinete do prefeito Dr. Márcio, Jorge Moutinho, acusava-o de liberar a mesma licença de táxi para duas pessoas. A coisa repercutiu tanto que o próprio prefeito, foi ao vivo no programa Balanço Geral da Record Bahia, de Raimundo Varela, prestar esclarecimentos. Márcio Paiva não negou o fato, apenas explicou que Jorge Moutinho não era chefe de gabinete, e, sim, coordenador executivo, nomeado por indicação política, mas que já tinha sido exonerado. “Fazemos uma administração tranquila, séria, infelizmente por indicação política as pessoas tomam essas atitudes”, disse o prefeito. Márcio garantiu ainda que todos os alvarás concedidos

pela cidade de Lauro de Freitas, durante sua gestão estão publicados no Diário Oficial do município e que foram necessários devido a quantidade insuficiente de táxis na cidade. “Qualquer outra coisa que houver é meramente especulação”. A lei orgânica do Município diz que o ideal é que exista 1 táxi para cada 500 pessoas. A atual população de Lauro de Freitas está estimada em 188.013 para 308 táxis, para atingir a proporção 500 para 1 teriam que ter 376 táxis. O fato é que os números e critérios da prefeitura estão sob suspeita e a quantidade de pontos de táxi é insuficiente para comportar mais carros na praça. Isso sem contar com os clandestinos, que subtraem clientes dos taxistas e não entram nas estatísticas. Para a vereadora Milene Macedo,” é preciso que toda a sociedade se manifeste. É

preciso uma discussão entre a prefeitura, o ministério público, vereadores e demais interessados. Precisamos ver também experiências positivas em outras cidades. O que queremos aqui é que haja uma regulamentação dessa distribuição, com critérios claros e transparentes”, disse em entrevista ao Jornal Ei, Táxi. Através de nota enviada ao Jornal EI, Táxi, a assessoria de comunicação da prefeitura comentou os motivos para a liberação dos novos alvarás. Sobre os critérios de distribuição, afirmou que “a legislação municipal que regulamenta o serviço de táxi, não prevê critérios objetivos (...) e sim que a permissão é ato administrativo unilateral, precário e discricionário, podendo ser revogada a qualquer tempo”. E ainda revelou os termos acordados no TAC, junto ao MP.

Reunião no MP

Dr. Márcio nega a acusações: Fazemos uma administração tranquila e séria


ANO V . NÚMERO 55 . MARÇO 2015 . SALVADOR-BA

REPORTAGEM

JORNAL EI,TAXI - WWW.EITAXI.COM.BR

11

Veja na íntegra a o conteúdo da Nota enviada pela assessoria da prefeitura à nossa redação: “A Prefeitura Municipal de Lauro de Freitas (PMLF) realizou em 2014 o procedimento administrativo com a finalidade de ampliar o número de alvarás de táxi, que era bastante reduzido - apenas 130 alvarás - para uma cidade de quase 200 mil habitantes, o que deixava a população desassistida com relação a esse serviço. A relação ideal entre o número de habitantes e a frota, por força do Decreto nº 1.053/95, deve ser de um táxi para cada grupo de 500 pessoas, o que indica a necessidade de pelo menos 360 táxis no município, pelos dados do último senso do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2010. Por conta desta carência, Lauro de Freitas possui inúmeros transportadores clandestinos, que mesmo organizados em “cooperativas” de transporte não deixam de ser ilegais, uma vez que não estão autorizados pelo Poder Público a exercer a atividade, e podem colocar em risco a segurança da população usuária. Além disso, existia também uma demanda significativa por parte dos condutores auxiliares dos táxis regulares, que ansiavam por uma permissão própria Portanto, o que buscou a PMLF foi atender aos reclames da população por mais táxis, trazendo para a legalidade aqueles que já prestavam o serviço de forma irregular e acolher os condutores auxiliares cooperativados, beneficiando a cidade como um todo, além de melhorar a qualidade e a segurança deste tipo de transporte. Ademais, as permissões foram concedidas através do Decreto nº 3.736, publicado no Diário Oficial do Município em 26 de março de 2014, atendendo aos princípios constitucionais aos quais se submete à administração pública. Ressalta-se, que não foram contemplados quaisquer servidores públicos, da administração direta e indireta ou membros do Legislativo Municipal. De outra forma, a legislação municipal que regulamenta o serviço de táxi, não prevê critérios objetivos tais como antiguidade com relação ao pedido de permissão ou outros quaisquer e sim que a permissão é ato administrativo unilateral, precário e discricionário, podendo ser revogada a qualquer tempo. Em dezembro de 2014 foi celebrado com o Ministério Público (MP) da Comarca de Lauro de Freitas um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), que definiu alguns procedimentos a serem cumpridos pela Prefeitura: 1. Encaminhar Projeto de Lei (PL) à Câmara Municipal atualizando toda legislação sobre o transporte na modalidade Táxi até março de 2015. O PL já está pronto e será encaminhado até o final do mês; 2. Publicar em outubro de 2015 edital para licitação de todos os alvarás de táxi através de processo seletivo, que será encaminhado ao MP para apreciação e acompanhamento; 3. Concluir até dezembro de 2015 o referido processo licitatório e publicar o resultado em janeiro de 2016; 4. Sanar as pendências de todos os processos atuais de permissão de táxi conforme previsto no TAC e encaminhar ao MP todas as alterações constatadas. E você, amigo taxista que acompanha o Jornal Ei, Táxi, como acha que será o final dessa novela? Conseguirá o MP descobrir quais são todas as irregularidades e os misteriosos critérios da Prefeitura para conceder alvarás? E os taxistas, terão força política e de mobilização para barrar a licitação? O Brasil vive um momento de guerra à corrupção. É a hora e a vez de quem deseja um Brasil mais honesto, pautado na moralidade pública, cobrar das instituições que representam o povo mais austeridade com a coisa pública e respeito com o nosso dinheiro. O Jornal Ei, Táxi não vai deixar esse assunto cair no esquecimento. Estaremos acompanhando e de “olho aberto” para levar ao taxista e a toda sociedade baiana, todos os lados de um caso que precisa ser esclarecido e resolvido.

E você, quer dar sua opinião, discordar de algo ou dar informações para futuras matérias sobre o assunto? Envie-nos um email para

jornalismo@eitaxi.com.br

E AÍ TAXISTA, TÀ LIVRE

DE IPI E ICMS?

TRAGA SEU IPI E ICMS PARA A CRESAUTO E APROVEITE OFERTAS ESPECIAIS COMO ESTA.

ALARME ANTIFURTO VIDROS ELÉTRICOS RODAS EM LIGA LEVE RÀDIO DIO CD MP3 INTEGRADO AO PAINEL COM RDS E PORTA USB CAPACIDADE DO PORTA-MALAS (LITROS): 5OO

LINEA ESSENCE 1.8 16V FLEX 4P 2O15 POR

R$

37.9o o , 3 Á VISTA

OFERTA EXCLUSIVA PARA TAXISTA.

OFERTA VÁLIDA ATÉ 15/04/2015. COR: BRANCO BANCHISA. CARRO NÃO DISPONÍVEL NO ESTOQUE DA CONCESSIONÁRIA. VENDA SOB ENCOMENDA.

PEDESTRE, USE SUA FAIXA.


12

ANO V . NÚMERO 55. MRÇO 2015 . SALVADOR-BA

JORNAL EI,TAXI - WWW.EITAXI.COM.BR

Ei,Táxi


ANO V . NÚMERO 55 . MARÇO 2015 . SALVADOR-BA

JORNAL EI,TAXI - WWW.EITAXI.COM.BR

CURTAS

13

Clandestino provoca acidente e Violência: Táxi é alvejado com tiros em Vitória da Conquista Renato Piaba: Casa de solteiro, a caverna do dragão deixa taxista ferido Foto: Blog do Anderson Um passageiro foi baleaFoto: Redes sociais

Taxistas sofrem com insegurança em Vitória da Conquista

do dentro de um táxi, no Sudoeste Foto: Divulgação de Vitória da Conquista, na manhã desta quinta-feira (12). O crime aconteceu na avenida Frei Benjamin, próximo a Feira da Patagônia. Resgatado pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), a vítima seguiu para um hospital da cidade. A cidade é uma das mais violentas do Brasil e vários taxistas Casa de solteiro só tem 4 pratos já foram assassinados, sem que os “A casa de solteiro, é a verdaculpados sejam presos.

Taxistas fazem abaixo-assinado pedindo reunião com o prefeito ACM Neto Clandestino causa acidente e taxista se machuca

Depois de fazer uma manobra irregular na Avenida Dorival Caymmi, em Itapoan, um carro que faz transporte clandestino provocou o capotamento de um táxi. O taxista sofreu escoriações e encontra-se afastado de suas atividades. Já pensou se fosse o taxista que causasse o acidente? Provavelmente sofreria rápida punição.

Número do alvará no teto

O jornalismo do Ei Táxi é “chato” com os representantes do poder público. Toda semana estamos procurando respostas para as queixas dos nossos amigos taxistas e cobrando promessas. Em entrevista exclusiva ao Ei, Táxi, Marcelo Tavares informou que tão logo terminasse o Carnaval, o novo regulamento dos taxistas estaria em vigor. O Carnaval acabou, já tem um tempinho. Procuramos Tavares, que questionado sobre a demora respondeu apenas que “faltam pequenos ajustes de cunho jurídico”. Não sabemos que “ajustes” são esses. De acordo com o coordenador da COTAE, o novo regulamento já foi apresentado à categoria e aprovado. “O seu teor operacional continuará o mesmo, contudo teremos como novidade o número do alvará no teto para dar maior segurança aos taxistas. Também foi oficializada neste novo regulamento a apresentação do CNIS como documento obrigatório”, disse Tavares.

Os auxiliares estão usando de todas as formas democráticas para lutar pelos seus direitos. Um abaixo-assinado criado pela diretoria da ATAS solicita um audiência com o prefeito ACM Neto, parlamentares e lideranças da categoria. Eles querem ficar cara a cara com Neto e cobrar o empenho do poder municipal em ajudar que os taxistas autônomos sejam reconhecidos e gozem dos seus direitos trabalhistas. Também querem solicitar mais transparência na distribuição de alvarás e condições de mercado justas que possibilitem o auxiliar se tornar um permissionário.

CadÊ o "bom senso"? Não é de hoje que nós do Ei, Táxi insistimos na mesma pergunta direcionada à COTAE: É justo multar um taxista só porque ele parou 1 minuto para embarcar um passageiro em locais proibido? A resposta sempre é a mesma: “O fiscal tem que ter bom senso”. Mas infelizmente, quem é taxista sabe que a maioria esmagadora dos fiscais da Transalvador não fazem uso nem do bom senso e muito menos da educação. São autoritários, arrogantes e despreparados para lidar com um trabalhador taxista, que paga o salário do agente. O taxista Antônio Carlos, membro de Cooperativa, foi penalizado com uma multa no valor de R$ 127,69, ainda perdeu 5 pontos na carteira. O delito? Parar 58 segundos no “Acarajé da Nidi”, no Aeroporto, para embarcar uma passageira que já estava esperando o táxi. O taxista re-

correu da multa aplicada pelo agente de matrícula 2226596, explicando que ficou apenas o tempo necessário para a cliente embarcar, mas teve o seu pedido de revogação da multa indeferido. Carlos, que já paga uma mensalidade para a Cooperativa, pediu para a mesma dividir o valor da multa com ele. A impressão que temos é que os fiscais são treinados para multar, sem dó nem piedade. A prefeitura precisa ter um pouco mais de consideração com a classe taxistas de Salvador. Já não basta ter que pagar tantos impostos e se submeter a fiscalizações de todo tipo, ainda precisam retirar o pouco que lucram para pagar multas que poderiam ser substituídas por uma advertência verbal? Porque não vão multar os clandestinos? Eles sim estão desmoralizando a administração do prefeito ACM Neto.

deira CAVERNA DO DRAGÃO. Porque o homem não se prende a esse lance de decoração, ele so precisa de coisas úteis, então a casa dele é certo ter um sofá velho, mas bicama, pra receber os convidados ou convidadas. A cama é certo também, que estará sempre desarrumada, porque tem lógica, pra que arrumar, se toda hora você vai deitar? Na cozinha da casa dele, é certo ter 4 panelas, porem sem cabo, tem tampas e tenha certeza, que pra fritar um ovo, ela se transforma num frigideira. Prato? So tem 4, se chegar mais gente, vai existir o revezamento. Copos? Ahhhh, é tudo de requeijão, alguns ainda com o rotulo do fabricante. A casa dele no final de semana, é tão desarrumada que é como se ele estivesse na Faixa de Gaza. Lógico que tem também esses solteirinhos arrumadinhos, nerds, metrossexuais, com tudo arrumadinho na casa dele, mas isso é minoria, e eu estou falando da maioria. Eu não poderia deixar de falar do convívio social de um homem solteiro. Tudo muda quando você está solteiro. Ahhhh.. quer emagrecer, pra ficar gatinho, porque solteiro largado e descuidado, nem o diabo quer. Vai pra academia, malha feito um condenado, quando volta pra casa com uma fome dos diabos, esqueça encontrar aquela janta que sua mulher fazia pra lhe agradar, cheia de sopinha, franguinho grelhado com verdura, suco de cenoura, nada, esqueça! Quando você esta solteiro, você so encontra aquele bom e velho MIOJO! Agora me diga, você já viu alguém ficar forte so comendo miojo? O jeito é tomar suplemento e bomba, ai sujou!”


14

JORNAL EI,TAXI - WWW.EITAXI.COM.BR

ANO V . NÚMERO 55. MRÇO 2015 . SALVADOR-BA

Baixe nosso aplicativo grátis. Disponível para:

www.cbnsalvador.com.br


ANO V . NÚMERO 55 . MARÇO 2015 . SALVADOR-BA

JORNAL EI,TAXI - WWW.EITAXI.COM.BR

15


16 ASSOCIAÇÕES

JORNAL EI,TAXI - WWW.EITAXI.COM.BR

ANO V . NÚMERO 55. MRÇO 2015 . SALVADOR-BA

ATAS: “Vamos tomar o sindicato”, avisa presidente Foto: Evandro Veiga

ATAS quer combater exploração de locadoras

Pelo fim da “escravidão branca” e lutando pelo reconhecimento dos direitos dos auxiliares. Estas são algumas das bandeiras de um grupo forte, bem articulado e corajoso, que surge para mudar a cena dos movimentos sociais de taxistas. A ATAS – Associação dos Taxistas Auxiliares de Salvador – chega com força e manda avisar: “Vamos tomar o sindicato” Desde o dia 27 de dezembro do ano passado que a ATAS passou a existir legalmente, como associação com CNPJ, sede e diretoria. Antes de existirem como entidade, os dirigentes, Jairo Conceição e o contador e taxista Carlos Costa, pegavam “ponga” nas lutas das diversas associações de permissionários, e colecionam histórias de vitórias e derrotas na luta pelos direitos dos taxistas em geral. Apesar de apoiarem e serem apoiados pela Coastax - Cooperativa Associativa de Assistência aos Taxistas, Ataht (Associação dos Taxistas de Apoio aos Hotéis e Turismo), Comtas (Cooperativa Mista de Motoristas Autônomos de Salvador) e Coometas (Cooperativa Metropolitana de Táxis Especiais do Salvador), os líderes mobilizaram os auxiliares para criar uma entidade que luta pelos seus direitos, que inclui o reconhecimento como profissionais taxistas por parte do poder público e do Sinditáxi – Sindicato dos Taxistas de Salvador. Sobre o motivo da criação da Associação, Carlos Chagas, Relações Públicas da ATAS, explica: “As outras associações reivindicam os direitos dos permissionários, e nós os direitos dos auxiliares, porque é diferente, o direito de um e o direito de outro”, diz. A ATAS é filiada à CUT - Central Única dos Trabalhadores, que cedeu um escritório e computadores com internet para o grupo. A CUT também prometeu ajudá-los a lançar seu próprio Jornal Impresso. Apesar disso, Carlos Costa, garante que não existe direcionamento político-partidário, e que

Foto: Caíque Santos

União em prol dos direitos dos auxiliares

todos possuem liberdade de apoiar o partido que quiser. Jairo diz que a ATAS também recebe apoio moral da CTB – Central dos Trabalhadores do Brasil e do Sindicato dos Bancários. “É uma associação reivindicativa, representativa e educativa, com 12 membros na diretoria e cerca de 250 associados. As principais bandeiras da ATAS são: a legalização do auxiliar, pois atualmente nem mesmo o Sindicato os reconhece como taxistas; controle dos valores de diárias, para que sejam mais justas e todas as outra bandeiras que interessam a todos os taxistas”, explica Jairo. Sobre o Sinditáxi sobram críticas. “Existe o sindicato por lei, mas na prática ele não existe porque não tem afiliados. De 7.200 taxistas apenas 39 são sindicalizados. E olha que esse sindicato ainda recebia um imposto Sindical no valor R$ 60,00, nós conseguimos reduzir para R$, 5,70”, diz Carlos Chagas. “Temos um projeto de associar todos os taxistas auxiliares, e por fim, nós tomarmos o sindicato e legislar em prol da categoria, de verdade”, profetiza o Jairo. Questionados sobre como pretendem tomar o “doce” da mão de Assanhaçu, Carlos responde: “Temos que agir dentro da lei, tem

que fazer uma assembleia para que o estatuto mude e aceite o auxiliar. Hoje o Sindtáxi tem apenas 39 associados (em um universo de 7.200 taxistas), 05 são do nosso lado, nós precisamos botar 50, pra existir uma assembleia extraordinária, pra gente tirar essa diretoria, botar uma nova e começar do zero, porque o sindicato deve uma fortuna. Para ter uma ideia, só para uma ex-funcionária, o sindicato deve 400 mil reais”, diz Costa que diz, “a ideia é tomar o sindicato para que a classe taxista, no geral, seja respeitada” Entre as várias causas que levaram o grupo a criar a ATAS, um acontecimento marcou muito o presidente Jairo. “Em frente ao Flat Ondina Apart, um auxiliar foi atropelado por uma motorista de carro particular, e a morte do cara está impune, ninguém fala mais nada. Ele era um taxista de locadora, me chamava de “tio” e eu chamava ele de meu sobrinho. Todos os dias que eu ia abastecer de manhã, eu encontrava ele. Um dia quando cheguei ao posto, soube da notícia triste. Ele estava na fila do táxi e quando foi abrir a porta do carro, foi atropelado. Ninguém se interessou em acompanhar as investigações, entrar em contato com a família, prestar homenagens, nada. Tudo

isso por falta de um sindicato que represente a classe no geral, mas também o auxiliar”, desabafou Jairo, com emoção. Para Carlos Costa, o assédio moral e o abuso de poder por parte dos fiscais da Transalvador são outras lutas da ATAS. “Vamos cobrar da COTAE que eduque os agentes da Transalvador para quando eles forem se dirigir ao taxista, porque eles acham que todo taxista é cachorro. A conversa é ‘alvará e crachá’, nem nos dão um bom dia”, revolta-se Costa. No carnaval um colega nosso gravou um fiscal da Transalvador zombando dos taxistas, dizendo: “Os taxistas se (...), os clandestinos é que estão ganhando muito dinheiro”. É brincadeira? Um cara desses é fiscal de táxi”, comenta Carlos. Jairo se empolga com a ATAS. “Nunca vi nos meus 9 anos de trabalho um movimento igual o nosso. Estamos entrando para a história com a primeira associação de auxiliares da Bahia”, diz. Nossa luta é em prol de pessoas como o taxista Toinho, que tem 28 anos de praça dedicados à profissão de auxiliar e não tem nenhuma perspectiva de um dia poder se tornar dono do seu instrumento de trabalho. Lutamos para que isso mude, pois é muito injusto. Fora que se o dono do alvará quiser botar

ele pra fora amanhã, ele fica desempregado e sem direito a nada.. “A única perspectiva que temos é aposentar por idade e ganhar um salário mínimo”, queixa-se o taxista Toninho. Jairo diz que um outro acontecimento o motivou a buscar a criação da ATAS: “Na reunião em que o secretário Fábio Mota chamou os taxistas para se apresentar, eu fui posto pra fora por ele. No dia só tinha permissionários e empresários. Quando ele me pediu para me apresentar eu disse que era apenas taxista e que aquele reunião não foi feita para a classe, que fica na rua diariamente, mas sim para os empresários. Diante disso ele apontou para a porta e disse que a mesma era serventia da casa. Eu disse que tudo bem, não interessa mais ficar ali. Naquele dia saí com um nó entalado na garganta e tomei a decisão de fundar a ATAS. Bote aí na matéria, eu desafio o Senhor Fábio Mota a me tirar de qualquer sala de reunião” – provoca Jairo, dando um sonoro tapa na mesa. Apesar de nova, a ATAS já começou a trabalhar e fechou convênio com um laboratório de Salvador, quee vai possibilitar aos taxistas pagar consultas abaixo do preço da tabela do PLANSERV e ainda ter mais 20% desconto. “Estamos em fase de negociações com borracharias e clinicas de ortodontia e agências de publicidade, para aumentar os rendimentos dos taxistas que cedem o vidro do carro para propaganda”, diz Carlos. Jairo faz questão de esclarecer, que “a ATAS não quer tomar alvará de permissionário nenhum, está rolando essa especulação , mas isso é mentira. O que queremos é somente a inclusão do auxiliar como permissionário. Há relatos de auxiliares que trabalham 12 horas ou mais, sem descanso, para pagar a pesada diária imposta pelas locadoras e permissionários”, diz o presidente da ATAS.


ANO V . NÚMERO 55 . MARÇO 2015 . SALVADOR-BA

JORNAL EI,TAXI - WWW.EITAXI.COM.BR

CRÔNICA 17

Comportamento

Nunca desista dos seus sonhos Quando estamos associando livremente no divã, a censura social não tem força para nos manipular, nem a capacidade de arrancar a isca do nosso anzol e, o máximo que podemos chegar é na consciência do nosso eu, tentando por meio dos nossos sonhos oníricos e palavras espontâneas, nos conhecermos melhor, e entender o quanto somos rígidos, deprimentes, inseguros, travados, e, que, ainda, não desabrochamos para a liberdade. Tem sempre um “por que”, que nos reprime. Há sempre uma pergunta rigorosa da nossa censura que nos retrai a todo instante, bloqueando nossas atitudes próprias. Nisso, vivemos sempre adiando compromissos, com nós mesmos e com os outros. Se você quer ser mais livre e solto, abra logo de vez seu baú, relaxe e jogue tudo que é velho do lado de fora, vivenciando vergonhas e sentimentos repugnantes. Faça acontecer os seus sonhos, e desperte para as fantasias, tentando abrir a gaiola que lhe aprisiona. Quanto mais o amor próprio é superprotegido, ele não cresce, e mais difícil fica para você conhecê-lo em sua essência. Quem sabe armar uma arapuca para si, nem sempre sabe sozinho desarmá-la. Quem sabe fazer uma prisão para si, nem sempre

Foto:Gerd Altmann (Pixabay)

Sonhos são possíveis, embora, tem quem não acredite. O correto é não se desesperar

sabe sozinho à saída. Mas quando sabemos usar a isca e o anzol, pescamos peixe. Assim façamos com as nossas ideias, que estão enterradas em nossa mente. Porém, para isso acontecer, vamos precisar de um terapeuta que nos oriente como enfrentar o enigma dos nossos traumas. Saiba que a vida é curta, e o que lhe resta ainda, pode se tornar em um sonho, em um gigantesco projeto de vida, que tanto você tem lutado para tentar realizá-lo. Nunca desista dos seus sonhos, desse “possível”, e quanto ao “impossível” patológico, o deixe para traz, arrancando aos poucos esse seu mau humor, e tenha pensamentos positivos todos os dias. E o que vai restar para você é esse “possível”, que exige luta. Portanto, se ajude o quanto pode e, com simplicidade, se anime, e não deixe a peteca cair. A simplicidade é a porta que abre para atrair empa-

tia, e contagiar o clima da relação afetiva com qualquer pessoa. Com a pessoa amada, com o amigo, com o colega de trabalho, e o vizinho do seu condomínio. Esse “possível” que falo é o combustível que serve para alimentar as suas turbinas; é o arranque para recomeçar e agir. E, como diz aquele velho ditado: ”Não existe jeito é pra morte, mas pra vida há sempre uma saída”; um escape e uma solução. E a paciência, é o começo de tudo. Então, não desista dos seus sonhos. Sonhos são possíveis, embora, tem quem não acredite. O correto é não se desesperar. Se os sonhos não fossem possíveis, não lutaríamos a todo instante, não colocaríamos tanto gás em nossa corrida de vida. Um sonho pode abrir caminho para você se ver, e fazer mudanças: pessoais e profissionais. Quem sabe, um novo emprego, um novo amor. Num estalo acidental de um pensamento negativo,

podemos sofrer sérios danos na nossa vida, como desgastes sociais, disfunções maritais, desgastes intrapessoais e interpessoais, e viveremos sempre colocando a culpa nos outros e na sociedade, de que essas coisas foram responsáveis pela nossa depressão e pela nossa derrota. Ouviremos muitas críticas internas e coisas ruins, como: Sou chato, e é por isso que vivo sozinho. Estou na solidão, porque deixei de amar. Não sou feliz, porque não me apaixonei mais cedo. Não tenho recursos, porque vim de uma família pobre. Não sei amar, porque fui mau filho. Não ganho uma promoção na empresa em que trabalho, porque alguns colegas me perseguem. Não gosto do lugar onde moro, porque os vizinhos são chatos e metidos. Hoje não tive sorte, porque não rezei quando saí de casa. Não sou paquerado, porque sou feio. Veja que tantas lamentações destrutivas. Assim não dá! Mude logo essa atitude, se quer ver seus sonhos realizados. Se você quer ser um pouco feliz, se dê chance, e acredite que seu motor ainda aguenta, e que, ainda não folgou as molas, os eixos e os parafusos. Não importa idade e sexo. Qualquer pessoa pode ter um sonho que possa mudar a sua vida. Se casar novamente, buscar por uma

nova formação. As murmuráveis lamentações, acompanhadas de críticas e sentimentos de inferioridade, nunca ajudarão você. Busque por um sonho que aponte o caminho para uma nova vida e um novo recomeço. A felicidade não se alcança fácil, como dormindo em uma rede, debaixo de uma árvore, ou debaixo de um viaduto, esperando o tempo passar. Tirando toda gordura do porco o quanto pode. Há tempo pra tudo; para trabalhar, estudar, namorar e fazer sexo. Priorize por mais ação. Dê de você todo gás e energia positiva, porque um grande vencedor não resulta na idade, mas na mente e nas suas ações. Repito, nunca desista dos seus sonhos! Conrado Matos Psicanalista psicanaliseconrado@hotmail.com 071-8717-3210/8103-9431


18

Classificados

JORNAL EI,TAXI - WWW.EITAXI.COM.BR

ANO V . NÚMERO 55. MRÇO 2015 . SALVADOR-BA


ANO V . NÚMERO 55 . MARÇO 2015 . SALVADOR-BA

JORNAL EI,TAXI - WWW.EITAXI.COM.BR

ENTREVISTA 19

Mulheres taxistas: Amor e perseverança em uma profissão “de homem” “Na escola em que você foi ensinada jamais tirei um 10, sou forte, mas não chego aos seus pés”. Assim Erasmo Carlos declarou em uma canção, toda a sua (e nossa) admiração à força e sabedoria do sexo “frágil”. No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, o Jornal Ei, Táxi dedica este espaço para homenagear todas as taxistas guerreiras, que representam a coragem, dedicação e competência da mulher brasileira. Em uma profissão onde os homens predominam, as mulheres que se tornam taxistas ajudam a revelar um novo nicho do mercado. Apesar de ainda existir preconceito por parte de uma parcela da sociedade, o fato é que existem clientes que preferem ser conduzidos pelas damas do volante. A taxista baiana Ivonildes Moura Freitas (B-4524) diz que é muito procurada justamente por ser mulher, “tem pessoas que preferem mulher, acham que somos mais tranquilas, cuidadosas e cumprimos horário. Muitos homens taxistas já perderam clientes para mim”, diz Ivonildes. “Não digo nem que seja mais seguro andar com uma taxista, mas muitos se sentem mais confortáveis com a gente, pois as mulheres são mais limpas, organizadas e geralmente mais pontuais do que os homens”, provoca a taxista Kênia Duarte, que mora em Brasília. A ex-doméstica e hoje taxista auxiliar, Lucielma da Silveira Grego (A- 3011), tem uma história bonita. Incentivada pelo marido, também taxista, mesmo estando grávida, resolveu iniciar-se na mesma profissão do companheiro. “Estou no volante há mais ou menos 6 anos e adoro dirigir. Eu não sabia nem dirigir fogão (risos), mas meu marido me incentivou a aprender e eu aprendi bem. Nos finais de semana, enquanto ele descansava, eu saia com o táxi pelas imediações do bairro Periperi, e pegava passageiros. Comecei a dirigir ainda grávida e só larguei o volante faltando uma semana para dar a luz”, relembra Lucielma. Há casos de mulheres que queriam apenas “experimentar” a profissão, mas acabaram se apaixonando. Foi o que aconteceu com Kênia Duarte. “Eu trabalhava antes como gerente administrativa de uma loja, quando surgiu a chance do táxi, fui só pra experimentar, mas não saí mais”, conta. “O que eu mais gosto na profissão é o inesperado, sempre transportar pessoas diferentes de vários lugares e pra vários lugares. O que menos gosto e o trânsito, claro”, comenta a brasiliense.

Discriminação Uma coisa todas as mulheres entrevistadas pelo Ei, Táxi têm em comum: histórias de clientes que se recusaram a entrar no carro simplesmente por “medo” de serem conduzidos por uma mulher e assédios. “Uma vez uma senhora veio pegar meu táxi, mas quando ela me viu, voltou e disse que ia esperar mais um pouco, até que aparecesse um taxista homem”, lembra Ivonildes Freitas . A taxista Kênia também passou por isso, “certa vez um passageiro se aproximou do ponto de táxi e perguntou quem era primeiro, quando eu me levantei ele disse: você? Eu respondi que sim, imediatamente ele disse que estava atrasado e preferia um motorista homem”, recorda sorrindo. Para Lucielma, as próprias mulheres são as que mais discriminam, “várias já se recusaram a ir comigo, cliente homem que recusou, só teve um”, diz a taxista.

Assédio

Foto: Arquivo Pessoal

"Feliz em ser taxista, apesar dos assaltos e até assédio" Foto: Arquivo Pessoal

Um outro problema que precisa ser enfrentado constantemente pelas mulheres taxistas é a violência urbana e o assédio sexual. Entre elas, não faltam relatos de desrespeito por parte de passageiros e violência. Sobre o assédio a taxista de Brasília diz, “eu sou muito calma, lido bem com isso, pois se consigo manter uma postura, dificilmente a pessoa tem coragem de passar dos limites, mas já aconteceu”, relata Kênia, que trabalha na capital federal. “Uma vez um cliente me tirou do sério. Após 10 minutos de corrida, um certo senhor aqui de Brasília, por ter um cargo de alto escalão em um Ministério, achou por bem tentar tirar proveito disso, me falando palavras de baixo calão. Eu, com muita raiva, avisei que ele estava errado, me confundindo com as ‘negas’ dele. Ele não acreditou quando parei em frente à Embaixada do Iraque e sem hesitar, joguei todas as coisas dele na rua e mandei ele descer do meu carro. Ele ainda me ameaçou dizendo que ‘eu não sabia com quem estava falando’. Respondi que pra mim ele não passava de um merda e deveria se sentir feliz por eu não ter parado logo na delegacia”, contou indignada a taxista. Lucielma Grego também tem suas histórias tristes. “Um turista me pediu para rodar pela cidade com ele em busca de uma pessoa pra ele passar uma noite. Depois de rodar por um tempo ele me disse que eu poderia resolver o caso dele e me ofereceu R$300,00. Educadamente pedi que ele me respeitasse e se retira-se do meu carro”, conta a taxista. “Teve também um bêbado que não quis me pagar, me assediou e ainda quis me roubar. Peguei uma faquinha que tenho do lado e o ameacei, ele se assustou e saiu, algumas pessoas por perto me ajudaram a tirá-lo do carro”, relembra a taxista.

Medo

As mulheres são mais limpas, organizadas e geralmente mais pontuais do que os homens", diz Ivonilde

Diante de tanta violência e casos de estupro em todo o Brasil, as mulheres se tornam um alvo mais evidente dos marginais. Apesar disso, a coragem das meninas serve de exemplo para muito marmanjo. Sobre a tensão que todos os taxistas sofrem em relação ao medo de serem assaltados, Lucielma diz que usa a sensibilidade feminina e a experiência adquirida em sucessivos assaltos. “O medo fica guardado, a espera de algo acontecer pra ele despertar. Só sinto medo quando tenho um pressentimento, todas as vezes que fui assaltada, eu senti antes que algo ia acontecer”, relembra a taxista, que já teve arma apontada para a cabeça e já foi sequestrada. E afirma, “já recusei várias corridas por sentir que algo ia acontecer”.

Um pouco de história No Dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos de Nova Iorque, fizeram uma grande greve e ocuparam a fábrica, reivindicando melhores condições de trabalho, redução da carga horária, equiparação de salários com os homens e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho. As mulheres, foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas, num ato totalmente desumano. No ano de 1975 a ONU - Organização das Nações Unidas – oficializou a data como o Dia Internacional da Mulher.

Em todo o Brasil, são muitas “Lucielmas”,”Kênias” e “Ivonildes” que continuam mostrando a força e o estilo da mulher brasileira nas ruas. Diferente de muitos homens, as taxistas ainda continuam a trabalhar após o expediente, cuidando da casa, dos filhos e até do marido. “Rodei anos à noite, mas parei, por conta de minha filha, precisava cuidar dela, afinal além de taxista sou mãe e dona de casa”, diz Lucielma. E aconselha às mulheres que pretendem usufruir das emoções e desafios de ser taxista: “Apegue com Deus, em primeiro lugar. Se for casada, converse com o marido, peça o seu apoio e vá em frente.” Nossa reportagem tentou por semanas obter junto à assessoria de imprensa da SEMOB os dados informando a quantidade de mulheres dirigindo táxi em Salvador. Apesar de prometerem nos enviar, até o fechamento deste edição (14 de março), nada foi passado. Independentemente da quantidade de mulheres taxistas, sabemos que todas elas merecem nosso respeito, admiração e apoio. O Jornal Ei, Táxi continuará, cada vez mais, sendo também a voz das taxistas da Bahia e de todo o Brasil. Parabéns mulheres!


20

JORNAL EI,TAXI - WWW.EITAXI.COM.BR

ANO V . NÚMERO 55. MRÇO 2015 . SALVADOR-BA

Jornal Ei, Táxi n° 55 - Março de 2015  
Jornal Ei, Táxi n° 55 - Março de 2015  
Advertisement