Issuu on Google+

Coordenador Luís

Almeida | Coordenador Adjunto Pedro Espírito Santo

Edição Quinzenal Electrónica Ano I – Número 10 26 de Outubro de 2007 DISTRIBUIÇÃO GRATUITA POR VIA ELECTRÓNICA

EDIÇÃO ESPECIAL COM 8 PÁGINAS

ARTUR CASCAREJO TERÁ ADMITIDO IRREGULARIDADES ESCOLA EB 2,3 DO CASTEDO DÁ PINHÃO É A MELHOR INCENTIVOS À NATALIDADE DA REGIÃO ALIJÓ ESTÁ 442 LUGARES ABAIXO DO PINHÃO E RÉGUA A 79.

PSD DISPONÍVEL PARA EVITAR ENCERRAMENTO DO POSTO DA GNR NO PINHÃO

Sábado, 27 de Outubro de 2007 Grande Auditório – 22 horas Um encontro musical entre a modernidade e a tradição. Quando a inspiração de chulas e malhões, fado e cante alentejano se encontra com os ritmos do mundo, com o hip-hop e a electrónica. Xaile um projecto do estilo Música Planetária Portuguesa, inédito e com futuro risonho no nosso país. A não perder, com a garantia “Douro Press”

De 15 em 15 dias, a informação local, no sítio certo

www.douropress.com.sapo.pt Sai à sexta às 14h


26 Outubro 2007

Fecha-se o melhor, deixa-se o pior

A propósito da curiosa classificação da escola EB 2,3 do Pinhão, despertou em mim uma certa curiosidade em relação às possíveis, ou não, tomadas de posição tanto do Presidente da Junta do Pinhão e do Ex.mo. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Alijó. Não é habito, nunca o foi, termos a consciência de que vamos encerrar um serviço que oferece sem dúvida algumas condições bem mais positivas que aquelas que são hoje oferecidas pelos serviços escolares de Alijó, envoltos em problemas e “agitações” desmedidas. Lembre-se o recente caso de Tuberculose que afectou a EB de Alijó. Parece-me descoordenado o anúncio, para 2010, do encerramento de um serviço escolar que apresenta, e ninguém ponha em causa, uma classificação superior, a nível de serviços e condições físicas. É pois uma questão política, que não nos vai impedir, a nós Pinhoenses, de em 2010 promovermos sustentadamente um argumento válido. Sou a favor da racionalização, da divisão. Admito que Alijó precise das escolas, pelo seu desenvolvimento social mas também não consigo perceber o porque do encerramento de um serviço que vem sobrecarregar uma infra-estrutura como a de Alijó, que foi recentemente submetida a uma vasta ampliação. Se desde há uns anos a esta parte, o Pinhão representa apenas e só uma fonte turística, quase inesgotável, mas muito mal aproveitado, esperemos agora que esta “pedrinha” no sapato faça com que os Senhores responsáveis se importem um pouco mais com aquilo que é indubitavelmente a maior e mais bonita riqueza deste concelho. Esta semana, o Douro Press destaca igualmente as alegadas irregularidades da Câmara Municipal de Alijó no que diz respeito a loteamentos. Artur Cascarejo terá já admitido tais irregularidades, esperam-se mais desenvolvimentos. A oposição, Miguel Rodrigues, PSD Alijó, mostra-se disponível para apoiar o Pinhão contra ao anunciado encerramento do respectivo posto da GNR. Xaile, banda musical do momento, actua este fim-de-semana em Vila Real, no Auditório Municipal, um óptimo programa para este fim-de-semana, com o símbolo de qualidade “Douro Press”. Pelas piores razões, deixamos um especial e carinhoso Adeus a António Cabral, o “Cantor do Douro” que saltou as barreiras regionais intrínsecas na regionalização e fez-se ouvir no mundo literário, um muito obrigado.

2

IRREGULARIDADES EM OPERAÇÕES DE LOTEAMENTO O Douro Press noticiou a semana passada a existência de irregularidades na aprovação de loteamentos pela Câmara Municipal de Alijó. Segundo fontes do “Douro Press”, Artur Cascarejo terá atribuído concessões de licenças de operações de loteamento sem dar conhecimento ao restante executivo. Estas operações de loteamento têm sempre que passar por uma reunião camarária e só depois são validadas. A única situação em que basta o aval do presidente da Câmara, implica uma delegação de competência, que não foi sequer pedida. A questão levanta-se porque o Presidente da Câmara de Alijó terá aprovado sozinho diversos loteamentos, evitando a deliberação camarária ou o conhecimento do executivo destas acções. O PSD Alijó apontou, na altura, um loteamento na Granja como caso flagrante desta situação. Na última reunião do executivo camarário, Artur Cascarejo terá admitido a existência dessas irregularidades e prepara-se para as ratificar ou revogar. E caso de revogação as licenças em causa perderão toda a validade até aqui conferida. A resposta de Artur Cacarejo surgiu na sequência de um pedido de esclarecimentos que o PSD Alijó fez ao executivo camarário para resolver esta situação. Numa informação da Divisão de Planeamento Urbanístico da Câmara Municipal de Alijó pode ler-se que "estamos em presença de alguns actos administrativos inválidos que urge diligenciar a respectiva regularização, conforme foi requerido pelos Senhores Vereadores eleitos pelo PSD". Adiante nessa resposta se acrescenta que "no caso concreto, em apreço, estamos em presença de um acto administrativo inquinado de incompetência relativa, logo estamos em presença de actos administrativos anuláveis que podem ser revogados ou sanado o vício", através de ratificação pela Câmara Municipal. As operações loteamentos visadas nesta situação serão colocadas a apreciação na reunião da Câmara Municipal de Alijó que decorrerá no dia 31 de Outubro. Artur Cascarejo fez um esclarecimento anormalmente rápido O PSD Alijó tem-se demarcado de anteriores quadros oposicionistas por uma intervenção bastante dinâmica e acompanhamento ao pormenor dos problemas que afectam o concelho de Alijó. Nesta lógica tem sido várias as interpelações que tem lançado ao executivo camarário no sentido de ver esclarecidas algumas situações que consideram menos claras. A questão que envolveu o próprio Presidente da Câmara de Alijó e operações de loteamento, aparentemente ilegais, foi apenas a ultima que o PSD Alijó trouxe à baila. Mas nunca até, um pedido de esclarecimento foi tão rapidamente atendido pelo PS. Com as convulsões e actividades eleitorais nacionais do PSD, em Alijó a oposição tem estado mais calma. Mas ainda antes das férias o PSD Alijó chamou a atenção para uma situação de pavimentos degradados em Vale de Mir. Mas outros pedidos de esclarecimentos foram feitos acerca do curioso roubo de chocolate destinado ao Dia Mundial da Criança em Alijó, da existência de lixeiras em vários locais do concelho, dos polémicos contentores no Pinhão e um conjunto de outros vários assuntos. Em Maio deste ano os Vereadores eleitos pelo PSD, em Alijó, apresentaram mesmo um protesto contra o Presidente da Câmara, Artur Cascarejo, em se pode ler que este “revela desrespeito pelos Vereadores eleitos pelo PSD, pretendendo, com a sua conduta, condicionar a actividade da oposição.” Os Vereadores dão vários exemplos neste protesto daquilo que consideram ser o desrespeito do Presidente, apontando o facto dos pedidos de esclarecimento demorarem meio ano ou mais a serem atendidos pelo executivo. Neste protesto editado de Maio de 2007 no site www.vereadorespsdalijo.blogspot.com, podem ainda ler-se outras situações que o PSD considera de atropelo ao funcionamento da oposição. Mas desta vez foi diferente, Artur Cascarejo e o seu executivo, responderam em menos de uma semana.


26 Outubro 2007

ALIJÓ É DAS PIORES ESCOLAS NO DISTRITO *Nenhuma das escolas da região obteve média positiva nos exames nacionais do 9º ano de Português e Matemática, mas a Escola EB 2,3 do Pinhão está bastante próxima e apenas duas escolas na sede de distrito e um uma escola privada superam esta magnifica prestação. Atendendo a que a Escola do Pinhão está referenciada para o encerramento, em detrimento da Escola D. Sancho II, os resultados não podiam ser melhores. O Pinhão aparece quase 500 lugares acima da de Alijó, comprovando que a qualidade do ensino da escola da sede do concelho está bastante degradado. Uma “bofetada de luva branca” para todos os que defendem o encerramento da Escola do Pinhão, inclusivamente o Presidente da Junta de Freguesia do Pinhão, Pedro Perry, que afirmou admitir esse cenário para bem dos alunos. Fica também clara que a opção pelas escolas da Régua parece ser mais acertada, dado que estas também se posicionam bastante acima de Alijó, embora abaixo do Pinhão. Posição no Ranking Nacional 205º 234º 275º 367º 439º 446º 614º 754º 809º 1036º 1132º 1170º 1243º 1260º 1278º

Escola Escola Secundária c/ 3º Ciclo Camilo Castelo Branco Colégio Nossa Senhora da Boavista Escola Secundária c/ 3º Ciclo São Pedro Escola EB 2,3 Pinhão Escola EB 2,3 Dr. João Lemos Escola Secundária c/ 3º Ciclo Dr. João Araújo Correia Escola Secundária c/ 3º Ciclo Morgado Mateus Colégio Salesiano de Poiares Escola EB 2,3 D. Sancho II Escola EB 2,3 Monsenhor Jerónimo do Amaral Escola EB 2,3 e Secundária S. J. da Pesqueira Escola EB 2,3 e Secundária Abel Botelho Escola EB 2,3 Diogo Cão Escola EB 2,3 e Secundária Miguel Torga Escola Secundária c/ 3º Ciclo Rodo

Concelho

Média Exame

Vila Real

2,97

Vila Real

2,93

Vila Real

2,90

Alijó

2,82

Régua

2,77

Régua

2,77

Vila Real

2,69

Régua

2,62

Alijó

2,58

Vila Real

2,45

S. J. Pesqueira

2,37

Tabuaço

2,34

Vila Real

2,20

Sabrosa

2,17

Régua

2,08

Também ao nível das escolas secundárias, a de Alijó situa-se numa posição bastante negativa, 489º em 496 escolas, com uma média nos exames que não chega aos 7.5 valores. Desde 1991, utilizando os mesmos critérios, a Escola de Alijó caiu 90 lugares. A Escola Dr. João Araújo Correia fica em 412º e em Vila Real, mais uma vez as melhores posições da região, a Escola Secundária de São Pedro em 142º e de Camilo Castelo Branco em 162º. Os dados obtidos através deste ranking podem variar ligeiramente, conforme as disciplinas e critérios adoptados para o tratamento da informação. Embora seja certo que, dadas as discrepâncias em certos casos, não será de esperar alterações significativas a esta classificação quaisquer que sejam os critérios que valorizem as notas obtidas nos exames nacionais quer do 9º, quer do 12º ano. Na edição online do “Douro Press” pode consultar a lista integral das escolas quer do 12º ano , quero do 9º ano. * com

3

CASTEDO DÁ 800 EUROS PELO SEGUNDO FILHO *De forma a travar a desertificação, a Junta de Freguesia implementa plano de incentivos à Natalidade A freguesia de Castedo do Douro no concelho de Alijó, com pouco mais de 400 habitantes, vai ser uma das primeiras freguesias do Município a implementar um plano de incentivos à Natalidade, já no início do próximo ano. A Assembleia de Freguesia (AF) de Castedo do Douro, em sessão extraordinária, aprovou por unanimidade, no passado dia 19, um projecto de incentivos à natalidade na Freguesia, com o objectivo de diminuir a desertificação. A proposta que desde o início, teve o apoio inequívoco do executivo da Junta de Freguesia, foi discutida ao longo de quatro sessões da Assembleia de Freguesia, tendo na última, sido aprovada após algumas correcções finais ao Regulamento que vai reger o Plano de Incentivos à Natalidade e aos que valores a atribuir, que são de dois ordenados mínimos (806€) para o nascimento do segundo filho e um ordenado mínimo (403€) para o terceiro e seguintes. A aposta é claramente no segundo filho, visto que a média na freguesia, a exemplo da média nacional é de um filho por família, a AF entendeu premiar as famílias que optem pelo segundo e continuar a apoiar as que entendam optar por mais do que dois, com um ordenado mínimo por cada um. A medida é aprovada na sequência da saída continuada de jovens para outras freguesias e para o estrangeiro, e que tem levado a uma perda gradual de população na povoação. É “um esforço significativo para o orçamento da Junta de Freguesia”, conforme disse o Presidente da Junta, Manuel Macedo, e surge como “uma tentativa séria de inverter a tendência da desertificação”. Ao mesmo tempo, que, se pretende “impedir o encerramento da escola do primeiro ciclo e do jardim de infância, que correm sérios riscos de encerrar por falta de alunos” realçou Manuel Macedo. Durante a última sessão de Assembleia de Freguesia, foi ainda referenciado o Plano Director Municipal (PDM) e as dificuldades impostas pelo mesmo à construção na aldeia Duriense, e a falta de terrenos com capacidade construtiva, como entraves à fixação de pessoas e nesse sentido, deve ser alterado o mais breve possível. * Centro Cultural e Recreativo de Castedo do Douro

PSD QUER EVITAR ENCERRAMENTO DA GNR O PSD abordou a questão do encerramento do posto da GNR no Pinhão na última reunião de Câmara, interpelando o executivo a indicar as diligências até ao momento tomadas para evitar esse cenário. O executivo Socialista deverá responder em breve. O PSD disponibilizou-se ainda para aprovar moções ou outros instrumentos políticos que visem exercer pressão sobre o Ministério da Administração Interna para manter em funcionamento o posto do Pinhão e obter o reforço dos efectivos policiais no concelho. Já após o fecho da edição anterior, em que o Douro Press, deu esta noticia em última hora, Pedro Perry reagiu à noticia, dizendo que após a tomada de posse surgiram rumores do encerramento e que imediatamente fez aprovar uma moção contra esse cenário na Assembleia de Freguesia. Queixou-se ainda que "Os governantes tinham-nos prometido que, antes de tomarem qualquer decisão, seriam ouvidas as autarquias, o que ainda não aconteceu". "Tenho a esperança de assistir a um reforço no Pinhão e não ao seu fecho", frisou. Recorde-se que uma das reivindicações do boicote às últimas presidências era mesmo o reforço de efectivos da GNR.


4

26 Outubro 2007

DESAPARECEU O MAIOR “CANTOR DO DOURO” «Foi um grande poeta do Douro e um homem de grande qualidade literária», afirmou Pires Cabral. O funeral realizou-se na Quarta-feira pelas 17h da Igreja Matriz de Castedo do Douro para o cemitério da freguesia.

Adeus, adeus, ó Castedo, adeus, tanque de água fria, onde eu me ia banhar, a toda a hora do dia. Adeus, adeus, ó Castedo, as costas te vou virando. Minha boca se vai rindo, meu coração vai chorando.

*O escritor e investigador transmontano António Cabral, que escreveu várias obras sobre o Douro e a cultura popular, faleceu, na passada terça-feira, aos 76 anos, em Vila Real. António Joaquim Magalhães Cabral nasceu em Castedo do Douro, concelho de Alijó, e tornou-se num dos mais importantes escritores de Trás-osMontes e Alto Douro. O também escritor e director do Grémio Literário de Vila Real, António Pires Cabral, disse à Agência Lusa que António Cabral conseguiu «transcender» as fronteiras da região transmontana e conseguiu «impor-se na literatura nacional». Foi autor de mais de duas dezenas de títulos nas áreas da poesia, dramaturgia, do romance e do conto, tendo ainda desenvolvido trabalhos de investigação na área dos jogos populares e pedagogia do jogo. António Cabral escreveu, entre outros, «A Mulher e a Cobra», «O Mar e as Águias», «Falo-vos da Montanha», «A Flor e as Palavras», «Poemas Durienses», «O Orfeu Rebelde», «Aqui. Douro», «Os Jogos Populares e o Ensino», «Novos Poemas Durienses», «Ouve-se um rumor» ou «Entre quem é». A sua última obra, «O rio que perdeu as margens», foi apresentada em Junho como sendo uma obra híbrida de ficção, crónica e poesia.

A história de um Homem, que viveu o Douro como ninguém António Joaquim Magalhães Cabral nasceu em Castedo do Douro, em 3004-1931 e Faleceu a 23 de Outubro de 2007. Possuía o Curso Teológico do Seminário de Vila Real e a licenciatura em Filosofia pela Universidade do Porto. Além de professor, tinha jornadeado pelo país (centros culturais, escolas do ensino básico, secundário e universitário) e pelo estrangeiro, mormente pela Galiza, falando sobre os temas que lhe são preferidos: literatura, jogos populares e pedagogia do jogo. Na área pedagógica, é membro do Conselho de Redacção da revista galaico-portuguesa O Ensino. Como animador sociocultural, fundou o Centro Cultural Regional de Vila Real (1979) de que foi o Presidente da Direcção até 1991. É sobretudo na investigação e organização de festas de jogos populares que a sua acção tem sido mais notória, mesmo depois de 1991, ano em que passou a ser o Presidente da Assembleia Geral do CCRVR.. Expert do Conselho da Europa no II Estágio Alternativo Europeu sobre Desportos Tradicionais e Jogos Populares (Lamego, 1982) e principal responsável pela organização dos Jogos Populares Transmontanos e Jogos Populares GalaicoTransmontanos, com início respectivamente em 1977 e 1983. No âmbito do CCRVR fomentou a vida associativa, promovendo numerosos encontros. No FAOJ (Fundo de Apoio aos Organismos Juvenis), que antecedeu o Instituto da Juventude, desempenhou os cargos de Delegado do Distrito de Vila Real e Coordenador da Zona Norte (l974-1976). Presidente da Direcção da ANASC (Associação Nacional de Animadores Socioculturais, fundada em 1995, e seguidamente Presidente da Assembleia Geral, função que já não exerce, participando em sucessivos congressos internacionais. Desde Março de 1996 até final de Janeiro de

2004, Delegado do INATEL no Distrito de Vila Real, o que lhe permitiu, segundo a sua inclinação, privilegiar a cultura popular. No domínio das letras e das artes fundou em Vila Real a revista Setentrião (1962) e Tellus de que foi o primeiro director (1978), e o mensário Nordeste Cultural (1980). Promoveu, através do CCRVR, cinco encontros de escritores e jornalistas de Trás-os-Montes e Alto Douro: em Vila Real (1981), Chaves (1983), Bragança, Mirandela e Miranda do Douro (1984), Lamego, Régua e Alijó (l985) e Vila Real (1997). Agraciado com as medalhas de prata de mérito municipal de Alijó (1985) e de Vila Real (1990). Seleccionado para Maletas Literárias de duzentos livros portugueses, no programa Territórios Ibéricos -2004-2005. Colaboração dispersa por revistas e jornais portugueses e estrangeiros, salientando-se recentemente a colaboração semanal (Novembro de 1993 – Janeiro de 1995) no jornal Público, com textos sobre tradições populares, no Semanário Transmontano, com a rubrica Entre Quem É, e ainda no Entre Letras (Tomar), Notícias do Douro e Notícias de Vila Real. Na internet é também um dos autores permanentes do NetBila. Participação em programas de rádio e de televisão, colectâneas escolares, obras colectivas e antologias de poesia como: Poesia Portuguesa do PósGuerra, Poesia 71, Oitocentos Anos de Poesia Portuguesa, Hiroxima, Vietname, Poemabril, Ilha dos Amores, O Trabalho, Poetas Escolhem Poetas. Ao Porto – colectânea de poesia sobre o Porto, De Palavra em Punho – antologia poética da resistência, Antologia Neruda/cem anos depois, etc. Alguns poemas de AC foram cantados por Manuel Freire, Correia de Oliveira e Francisco Fanhais. Prefaciou e/ou fez a apresentação de diversos livros, entre eles, Cantar de Novo, de José Afonso (Tomar, l971) e Ser Torga, de Fernão Magalhães Gonçalves (Porto, 1992), e também de obras de escritores transmontanos com projecção nacional como Bento da Cruz e A.M. Pires Cabral. * Centro Cultural e Recreativo de Castedo do Douro


5

26 Outubro 2007

“XAILE” CHEGA A VILA REAL Planetária (M.P.P.), chegar a todo o lado.

feita

aqui

para

“Enquanto se sonha que se é Para ser-se o que se sonha” Xaile é um espectáculo excitante, num contexto performativo cheio de festa e de mistério, de força e de sentimento, com uma linguagem poética e musical totalmente portuguesa porém totalmente contemporânea.

Projecto de música planetária portuguesa, Xaile mistura as sonoridades tão ricas do nosso Portugal profundo com a excentricidade do hip-hop e da música electrónica. Uma combinação para conhecer amanhã em Vila Real, no Teatro da cidade. “Naveguei por sete mares Naveguei, naveguei Naufraguei nesta saudade Renasci e voltei…” Este pedaço de um verso de uma canção do repertório de XAILE define, na sua essência, a atitude e a energia deste projecto musical português contemporâneo: etno-cultural na sua raiz e na sua consciência, lúdico na sua forma e na sua espectacularidade, popular nos processos de comunicação e na abrangência do seu espírito. XAILE é música do fundo do nosso coração que, depois de naufragar numa longa saudade, volta cheio de coisas novas para contar e cantar: canções originais com propostas sonoras e cénicas vindas de cá dentro de todos nós, sentidas e cantadas em português. Em palco três cantoras/instrumentistas, donas de pessoalíssimas vozes e personalidades, acompanhadas por um grupo de músicos e por múltiplos recursos audiovisuais, num contexto performativo cheio de festa e de mistério, de força e de sentimento, com uma linguagem poética e musical totalmente portuguesa porém totalmente contemporânea, magia da música e da terra, beleza que não só parece mas é. Concebido e produzido por dois músicos/autores/produtores (R.F.Reis e J.J.Galvão), XAILE é Música Portuguesa

O grupo O grupo é constituído pela Lília (voz, harpa celta, adufe, bombo), Marie (Voz, flautas, gaitas de foles, adufe) e a Bia (voz, guitarra, cavaquinho, adufe). Ainda Rufi (teclas, acordeão, percussões, direcção musical), Johnny (guitarras, direcção musical) e Sebastian Scheriff (percussões). Uma das três pontas do Xaile, Bia, está ligada à Música Tradicional Portuguesa, e açoreana mais especificamente, desde que nasceu, Beatriz Noronha vive através da música e da arquitectura. Iniciou os seus estudos de Música nos Açores com 9 anos, estudando guitarra e mais tarde piano, canto e instrumentos tradicionais. Quando se mudou para Lisboa começou a estudar Jazz na escola JBJAZZ. Nessa altura também refundou a "Arquitectuna", a Tuna da Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa, tendo sido a sua regente,

compositora e arranjador. Actualmente é uma das pontas de XAILE, um grupo de Música Planetária Portuguesa com o primeiro cd já à venda em Portugal Continental. Em XAILE ela canta e toca guitarra, cavaquinho e adufe com Lília (harpa celta) e Marie (flautas) lado a lado. A Lília, cresceu na encantada região de Trás-os-Montes e o seu percurso

esteve sempre ligado à música, representação e dança. Com ainda poucos anos de idade, pertenceu a um grupo de rancho folclórico, dirigido pelo seu pai e deu os seus primeiros passos na área da música. Mais tarde frequentou aulas de ballet, dança jazz e dança moderna, e mais recentemente trabalhou em televisão e teatro, enquanto actriz e cantora. Músicas do mundo, música tradicional e música celta são as suas preferidas. Finalmente, a última ponta do Xaile, Marie nasceu em Paris, filha de pai ribatejano e de mãe francesa, do Poitou. Em Portugal, cedo contactou com a Arte, tendo recebido formação em Ballet (Royal Academy of Dancing) e experienciado Música (Academia de Música de Lagos), Artes Plásticas (desenho, pintura e escultura) e Teatro (mestre e encenador Duval Pestana, TeatrOficina e Teatro Experimental de Lagos). Desde que, em 1997, alarga seu mundo até Lisboa para iniciar a Licenciatura, passa por experiências que enriquecem o seu caminho, entre as quais aulas de Gaita-de-foles (Professor Paulo Marinho), de Canto Lírico (Mario Delmonte, Nuno Vilallonga, Ana Leonor Pereira) e Canto Tradicional (Rui Vaz, Luís Pedro Faro), de Dança Oriental (Íris, Annie Nagannou, Myriam Szabo) e de Danças Tradicionais Europeias e outras. Redescobriu-se com Alambique; Gaitafolia; Sianna; Dazkarieh; Dramafall; Kaydara; Alexandre Gabriel, Gonçalo do Carmo & Avalon Ensemble; Mons Lunae. No presente, acaba de concluir o Mestrado em Estudos Românicos Literatura Oral Tradicional, faz investigação no Centro de Tradições Populares Portuguesas - Prof. Manuel Viegas Guerreiro da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e... vive Xaile, um projecto enraizado em nós e florindo em múltiplas essências, aromas e culturas... Em Xaile... dança, canta e toca flautas de Bisel, adufe e gaita-de-foles de mãos dadas com Lília e Bia. Alguns dos vídeos estão disponíveis no site www.douropress.com.sapo.pt

XAILE – TEATRO DE VILA REAL 27/10 ÀS 22H


26 Outubro 2007

POUSADA DE ALIJO CHEGA EM 2008 Artur Cascarejo anunciou a inauguração da Pousada de Alijó para o inicio de 2008. O autarca reconheceu que a Pousada da Juventude será uma "mais-valia extraordinária", na atracção de um turista tipo mais jovem: "julgamos que vai abarcar um público-alvo que ainda não era coberta no nosso concelho e até na região, e que tem a ver com o público jovem que busca um alojamento cómodo e de qualidade mas ao mesmo tempo com preços mais acessíveis". O investimento tem um custo de dois milhões de euros e, como outros, não foi fácil de trazer para Alijó, reconhece Artur Cascarejo. O novo alojamento terá uma capacidade de dotado com 62 camas, distribuídas por 11 quartos duplos com W.C. (um dos quais destinados a pessoas de mobilidade condicional) e por 10 quartos múltiplos de quatro camas. Uma das inovações desta unidade é o facto de existir uma casa de banho por cada dois quartos múltiplos. A Pousada de Juventude de Alijó funcionará 24 horas por dia, todos os dias da semana, e contará com os serviços de cozinha, lavandaria, sala convívio com bar, esplanada, refeitório e acesso à internet.

FAVAIOS DESESPERA Alguns habitantes de Favaios, concelho de Alijó, criticaram hoje a demora "excessiva" na conclusão das obras de requalificação iniciadas há mais de dois anos no âmbito do Programa das Aldeias Vinhateiras do Douro. Os trabalhos de requalificação da principal rua de Favaios começaram em Agosto de 2005 e, mais de dois anos depois, alguns populares aproveitaram a terra batida que ainda cobre a via e os buracos para improvisar uma "mini horta" onde plantaram cabaças, abóboras e até uma videira. "É uma brincadeira para demonstrar o desagrado com a demora excessiva na conclusão das obras", afirmou à agência Lusa João Pires, proprietário de uma barbearia localizada frente à pequena horta. O presidente da Câmara de Alijó, o socialista Artur Cascarejo, já pediu "desculpa" à população de Favaios, embora chamando a atenção para a "grandeza e complexidade da intervenção" que está a ser feita naquela vila. Justificou o atraso nas obras com a "grande dificuldade" em encontrar alternativas ao trânsito para o Pinhão, principalmente para os veículos pesados, já que a principal rua de Favaios é uma estrada nacional. "Isso fez com que tivéssemos de deixar a pavimentação para a fase final porque, de facto, não era possível estar a pavimentar e ao mesmo tempo o trânsito de pesados a passar nessa rua principal", justificou. Artur Cascarejo referiu que Favaios é a aldeia com mais volume de financiamento no projecto global das Aldeias Vinhateiras, precisamente cinco milhões de euros, que contemplam ainda a construção do Núcleo Museológico do Pão e do Favaios e a construção da variante à vila. O autarca prevê que as obras, pelo menos na parte central de Favaios, estejam concluídas no início de 2008 e que, entre Março e Abril, termine a construção da variante. Entretanto, o Festival das Aldeias Vinhateiras, que pretendia divulgar esta localidade e outras, terminou esta semana em Trevões com a actuação de Pedro Tochas

6 QUINTA DA EIRA VELHA COMPRADA PELA FLADGATE PARTNERSHIP

A Fladgate Partnership, empresa familiar proprietária das casas de Vinho do Porto Taylor`s, Fonseca, Croft e Delaforce, anunciou no passado dia 19, a compra da Quinta da Eira Velha, de 50 hectares, à família Newman. Em comunicado, a Fladgate Partnership explica que a Quinta da Eira Velha, com 140 mil videiras, é uma das mais antigas do Douro, existindo referências ao seu vinho do Porto em documentos que datam de 1513. Localizada na dobra da encosta voltada ao rio Douro no Pinhão esta quinta, de letra A (qualidade superior), é reconhecida pela qualidade dos seus vintages (categoria de Vinho do Porto resultado de uma colheita de excepcional qualidade). De acordo com a Fladgate Partnership, a família Newman tem estado envolvida no negócio do vinho do Porto desde o fim de século XVII tendo, posteriormente, vendido a respectiva casa Hunt, Roope & Co à Ferreira, conservando a propriedade da quinta. O director geral da empresa, Adrian Bridge, citado na nota, referiu estar «muito satisfeito por adicionar esta histórica propriedade ao portfólio de quintas de topo do Douro». «Somos proprietários de quintas no Douro há mais de 250 anos e sempre sentimos ser esse o elemento crítico para a produção de vinhos de qualidade», acrescentou o responsável. A Fladgate Partnership pretende comercializar este vinho sob a designação Quinta da Eira Velha, nome que «possui já um certo reconhecimento junto dos consumidores». A produção da quinta, de acordo com a empresa, é de cerca de 100 pipas por ano, aproximadamente 6.000 caixas. A Fladgate Partnership detém 10 quintas no Douro: Vargellas, S. Xisto, Terra Feita de baixo, Terra Feita de cima, Panascal, Santo António, Cruzeiro, Junco, Casa Nova e Roeda. Em conjunto, representam 750 hectares classe A, com 1,2 milhões de videiras.

EDP BAIXA COTA PARA MANTER LINHA DO TUA A Barragem de Foz Tua poderá reduzir a sua cota de forma reduzir os impactos nas zonas vinhateiras da região e permitir a circulação de comboios na ferrovia do Tua. "Tivemos uma reunião com a EDP onde a empresa admitiu no caso de ser a seleccionada para a construção da barragem reduzir a cota, disse ao Expresso José Artur Cascarejo, presidente de Câmara Municipal de Alijó. A Barragem de Foz Tua está integrada no Plano Nacional de Barragens recentemente divulgado pelo Governo. A sua execução à cota máxima (196m) implicaria a submersão da linha do Tua onde já foram gastos cerca de 3 milhões de euros na sua recuperação e afectaria parte importante de vinhas, nomeadamente, da Adega Cooperativa de Murça. As termas de Carlão e São Lourenço (Alijó e Carrazeda de Ansiães) estariam igualmente condenadas. José Cascarejo salientou ainda que as autarquias (Mirandela, Alijó, Carrazeda de Ansiães, Murça e Vila Flor) querem que depois da construção a barragem se torne numa mais valia na região em termos e emprego e turismo: "Uma barragem não cria riqueza local. Depois de feita a zona fica um deserto. Queremos encontrar fórmulas para que esse investimento possa ser rentabilizado localmente e para isso contamos com quem vai construir a barragem". Uma fonte de EDP, que solicitou anonimato, disse ao Expresso que a empresa "não revela a sua estratégia" para este projecto que irá a concurso público para a selecção da empresa responsável pela construção da barragem: "Apenas podemos dizer que trabalhamos com diversas cotas pelo que uma alteração na cota pode ser viável desde que a rentabilidade da barragem não seja posta em causa".


7

26 Outubro 2007

E EM LAMEGO O SONHO DESFEZ-SE *O jogo grande da Jornada 5 era em Lamego. De um lado os crónicos candidatos ao título e à subida - Sp. Lamego-, do outro a equipa sensação da época, invicta até àquela tarde - GD Pesqueira. Mas dizem os compêndios do futebol, que há dias em que nada corre bem. Aliado a ligeiras distracções do homem do apito, a tarde solarenga de Lamego transformou-se numa tragédia grega para os homens do Pesqueira. Do outro lado estava uma das equipas mais fortes do campeonato, mas com um tímido arranque que a tem afastado dos lugares cimeiros. O equilíbrio com que o jogo se pautou até aos 15 minutos desfez-se logo de seguida, com o Sp. Lamego a "puxar dos galões" de anfitrião. Aos 20 minutos, num lance em que os homens do Pesqueira reclamam falta sobre Félix, Binaia remata para uma enorme defesa de Ferrari... mas incompleta. Júnior aparece oportunamente inaugurando o marcador para os lamecenses. Afectados pelo golo, os homens do Pesqueira desejavam o intervalo mas foi já sobre o apito final da primeira parte que sofrem dois golos. Primeiro Miguel Martins, num lance duvidoso em que parece haver fora de jogo e logo de seguida, Binaia dá seguimento a um cruzamento de Miguel Martins dilatando para uns expressivos 3-0 a vantagem do Sp. Lamego. Com uma confortável vantagem, o Sp. Lamego limitou-se a assistir ao desnorte do GD Pesqueira, no tempo complementar. Beneficiou ainda o Lamego de um erro de Tiago que num atraso de cabeça, inadvertidamente coloca a bola no fundo das redes. Não podia ser pior a tarde dos de Pesqueira. Uma vitória justíssima mas um castigo demasiado pesado para uma equipa que está a acusar o primeiro lugar. Resta saber de que fibra são estes jogadores feitos, para que na próxima semana, ante o Moimenta da Beira, um dos lanternavermelhas, regressem às vitórias.

“CHICOTADA” SEM EFEITOS IMEDIATOS O AC Alijoense, empatou este domingo, a 0-0 com o Atei. Foi um jogo em que o Alijoense dominou toda a partida, mas não conseguiu marcar apesar de ter tidos algumas boas oportunidades de golo. O Atei era uma das equipas piores classificadas neste campeonato, mas mesmo assim o Alijoense não foi capaz de fazer golos em casa. Esta semana ficou marcada pela "chicotada psicológica" no AC Alijoense que parece não ter surtido efeitos significativos. O Alijoense continua sem ganhar. Vários adeptos mostraram a solidariedade com Litos, treinador que abandonou o clube, embora reconheçam que fosse necessário um abanão que o actual treinador não poderia dar. São apontados problemas de balneário e determinação e também a falta de um modelo de jogo adequado ao plantel existente, considerado de boa qualidade pela generalidade dos adeptos. Guilherme, atleta pinhoense, é mesmo o alvo de todas as preferências pelos adeptos. Carlos Manuel é o homem que se segue. É um treinador que conhece os cantos à casa, mas que na temporada passada não foi capaz de manter o AC Alijoense na 3ª divisão Nacional, a ver vamos se consegue este ano a subida.

JORNADA 6

P. Salgadas Vila Real GD Cerva Vilarinho FC Alijoense Murça Montalegre Régua

2007-10-21

1-1 5-0 4-0 1-1 0-0 1-1 1-0 4-0

Santa Marta P. Pinhão Pegarinhos Boticas Atei Abambres Sabroso Valpaços

JORNADA 5

GD Parada Vildemoinhos C. Senhorim Oliv. Frades Lamelas Sampedrense Sp. Lamego M. da Beira

CLASSIFICAÇÃO

Pos. Equipa 1 Vila Real 2 Régua 3 Montalegre 4 Alijoense 5 Abambres 6 Santa Marta 7 Murça 8 P. Salgadas 9 Vilarinho FC 10 GD Cerva 11 Valpaços 12 Atei 13 Sabroso 14 Boticas 15 Pegarinhos 16 P. Pinhão JORNADA 7

Valpaços P. Pinhão Pegarinhos Boticas Atei Abambres Sabroso Régua

J 6 6 6 6 6 6 6 6 6 6 6 6 6 6 6 6

2007-10-28

28/10 28/10 28/10 28/10 28/10 28/10 28/10 28/10

Santa Marta P. Salgadas Vila Real GD Cerva Vilarinho FC Alijoense Murça Montalegre

11/11 11/11 11/11 11/11 11/11 11/11 11/11 11/11

P. Pinhão Pegarinhos Boticas Atei Abambres Sabroso Régua Valpaços

JORNADA 8

Santa Marta P. Salgadas Vila Real GD Cerva Vilarinho FC Alijoense Murça Montalegre

Pts 18 16 13 10 10 9 9 8 8 7 7 7 4 3 1 0

2007-11-11

2007-10-21

0-1 2-0 1-4 0-3 4-0 2-1 4-0 0-2

Carvalhais Vouzelenses Cinfães Mangualde Paivense Campia G.D.Pesqueira Santacomb.

CLASSIFICAÇÃO

Pos. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Equipa Mangualde G.D.Pesqueira Sp. Lamego Cinfães Canas Senhorim Santacomb. Lamelas Sampedrense Carvalhais Vildemoinhos GD Parada Campia Paivense Vouzelenses M. da Beira Oliv. Frades

JORNADA 6

Carvalhais Vouzelenses Cinfães Mangualde Paivense Campia G.D.Pesqueira Santacomb.

J 5 5 5 5 5 5 5 5 5 4 5 5 4 5 5 5

2007-10-28

28/10 28/10 28/10 28/10 28/10 28/10 28/10 28/10

Vildemoinhos C. Senhorim Oliv. Frades Lamelas Sampedrense Sp. Lamego M. da Beira GD Parada

11/11 11/11 11/11 11/11 11/11 11/11 11/11 11/11

Vildemoinhos Carvalhais Vouzelenses Cinfães Mangualde Paivense Campia GD Pesqueira

JORNADA 7

GD Parada C. Senhorim Oliv. Frades Lamelas Sampedrense Sp. Lamego M. da Beira Santacomb.

Pts 12 12 11 10 9 8 8 8 8 6 5 4 4 3 1 0

2007-11-11

Todos os domingos, acompanhe o evoluir dos marcadores nos jogos da AF Vila Real e AF Viseu em

www.douropress.com.sapo.pt Às segundas, a crónica dos jogos de fim-de-semana que envolveram os atletas do Pinhão


26 Outubro 2007

AVC Acidente Vascular Cerebral http://health-pedmoreira.blogspot.com/

Os AVC's, são um dos principais responsáveis pelas elevadas taxas de mortalidade e morbilidade de todo o mundo e a 3ª causa de morte na Europa. É uma patologia que resulta na falta de aporte sanguíneo a uma determinada área do cérebro, podendo ser causada por uma variedade de alterações histopatológicas que envolvem um ou mais vasos sanguíneos. É das patologias que maior incapacidade origina, a nível motor, sensorial e cognitivo. Os Principais factores de risco são a idade superior a 50 anos, sexo masculino, história familiar de AVC, factores genéticos, hipertensão arterial, diabetes, doenças cardíacas, colesterol elevado, ingestão elevada de álcool, obesidade, sedentarismo e tabagismo. Os sintomas que mais frequentes são o início agudo de uma fraqueza num dos membros ou na face, distúrbios visuais como a perda da visão num dos olhos, perda da sensibilidade através de dormência, perda da fala, convulsões, hemiparésia (diminuição da força de um lado do corpo) e em casos mais graves coma. Para realizar o diagnóstico é necessário conhecer os hábitos de vida do paciente, bem como os factores de risco a que se encontra exposto, devem realizar-se análises sanguíneas, TAC, ressonância magnética, ecocardiograma e angiografia. O tratamento inclui a identificação e o controlo dos factores de risco, bem como o controlo da hipertensão, da diabetes, e a suspensão do tabaco e o uso de determinados fármacos (anticoagulantes) que contribuem para a diminuição da incidência de AVC’s. Curiosidades: ½ dos casos ocorre após os 70 anos Taxa de mortalidade no 1º mês – 25% Taxa de mortalidade no 1º ano – 40% Incapacidade – Física (50 a 75%); demência (30%); depressão (36%) Principal causa de morte em 1995 – 23400 óbitos

PJ desmatela rede de droga Droga, armas, viaturas, telemóveis e dinheiro falso numa operação levada a cabo em diversas freguesias do distrito de Vila Real, incluindo Alijó, levaram à detenção de 4 suspeitos pela PJ. Os indivíduos mais novos aguardam julgamento em prisão preventiva, o mais velho, de 82 anos, em prisão domiciliária. Homem ferido em prática de pesca ilegal Um homem de 54 anos ficou no passado fim-de-semana gravemente ferido na sequência da explosão de artefactos de pirotecnia que estava a utilizar para pescar ilegalmente no rio Tua, em Alijó, informou fonte da GNR. O ferido foi transportado para o Hospital de Vila Real, mas durante a tarde acabou por ser transferido para o hospital de Santo António, no Porto. Dinheiro do PIDDAC Alijó recebe 1.3 milhões de Euros para obras no Centro de Saúde e substituir a Escola EB 2,3. O Museu do Douro receberá 1.7 milhões de Euros e Boticas ficou esquecida., não recebendo um único cêntimo. Alteração de operador As ligações rodoviárias do Pinhão a São João da Pesqueira e Castanheiro do Sul passam a ser asseguradas pela EAVT – Empresa Automobilista de Viação e Turismo Lda. De Lamego. Bispo de Vila Real internado D. Joaquim Gonçalves, foi internado com problemas cardíacos no Hospital Santos Silva, em Vila Nova de Gaia, na terça-feira, onde se encontra com diagnóstico reservado. Todos os compromissos pastorais foram suspensos e já foi lançado um apelo "encarecido de orações". Banda de Música de Carlão A Banda de Musica do Bombeiros Voluntários de São Mamede de Ribatua iniciou no passado dia 20 de Outubro, na sua Sede, mais um ano dedicado ao ensino da música. Escola da Banda de São Mamede de Ribatua conta este ano com 57 alunos inscritos para formação totalmente gratuita, encontrando-se ainda em aberto o período para inscrições de possíveis interessados, seja qual for a sua idade. Cultura em Alijó O Coro de Câmara de Hjorring, da Dinamarca, actuou nos passados dias 15 e 16 de Outubro, no Concelho de Alijó. A primeira actuação teve lugar em Vila Chã e a segunda, no Teatro Auditório Municipal de Alijó. Cheires O Instituto do Emprego e Formação Profissional de Vila Real, no âmbito da Iniciativa “Novas Oportunidades”, juntamente com a Junta de Freguesia de Sanfins do Douro e a Câmara Municipal de Alijó, promoveram um curso de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências (RVCC) na localidade de Cheires. Nesta primeira fase, a formação recebida permitiu aos formandos obter um certificado escolar, reconhecido pelo Ministério da Educação, com equivalência aos 4º, 6º e 9º anos de escolaridade. Espera-se, que ainda durante este ano, arranque a certificação com equivalência ao 12º ano de escolaridade. Feira de vinhos em Provesende A Fábrica da Igreja Paroquial de Provesende vai promover, no próximo dia 28 de Outubro, a 1ª Feira de Vinhos do Concelho entre as 14h00 e as 20h00 no recinto do Sr. Jesus de Santa Marinha. O Concelho de Sabrosa, em pleno coração da Região Demarcada do Douro e do Património Mundial da UNESCO, sempre teve uma forte tradição vitivinícola tendo mesmo no seu seio várias Quintas com vinhos premiados internacionalmente e considerados dos melhores do Mundo. Douro Jazz Cerca de 4.700 espectadores assistiram à quarta edição do Festival Internacional Douro Jazz, que no próximo ano se repete entre 19 de Setembro e 18 de Outubro, anunciou o Teatro de Vila Real. O festival aliou-se ao espírito festivo das vindimas do Douro e procurou «marcar o calendário da região e de Portugal com a ajuda de artistas de grande qualidade, alguns de renome internacional».

Douro Press – Folheto Informativo Quinzenal de Distribuição Gratuita Online www.douropress.com.sapo.pt douropress@sapo.pt Propriedade:

8

Redacção: Pedro Espírito Santo; Luís Manuel Almeida; Vânia Pereira Ramos


Edição 11 .::. DouroPress