Page 1

FLAVIO PECHANSKY

MEMORIAL

Apresentado à Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul para Promoção a Professor Titular Porto Alegre, maio de 2015.


FLAVIO PECHANSKY

MEMORIAL

Apresentado à Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul para Promoção a Professor Titular Porto Alegre, maio de 2015.


PREFÁCIO Escrever uma história passada - que deve se refletir para o futuro em um formato compreensível para mim e para outros é, de certa forma, olhar-se no espelho e tentar compreender “como pude ficarmos assim” (apud Mario Quintana). Porém, trata-se de um espelho complexo, multifacetado, que pode nos seduzir e trair - como no “Retrato de Dorian Gray”, de Oscar Wilde, ou pregar peças ao criar dobras no tempo como em “O Fim da Eternidade” de Isaac Asimov, quando Andrew Harlan, ao encontrar-se consigo mesmo, cria um paradoxo incompreensível. Como professor, pesquisador e terapeuta, espero que este memorial carregue todas as marcas, percepções e vieses impossíveis de controlar como os citados acima, mas também seja uma expressão honesta de como vejo minha vida e carreira até o presente momento em que me candidato a Professor Titular do Departamento de Psiquiatria da UFRGS. A utilização de imagens de bonsai como um elemento de ligação entre os períodos deste memorial ficará evidente após a leitura de um texto adaptado por mim das palavras do mestre japonês Saburo Kato (1915-2008), que durante sua vida transformou-se em um embaixador da paz mundial através de sua arte, buscando aproximar pessoas pela paciência, humildade, delicadeza, compartilhamento de ideias e apreciação da natureza. Compreendo que a trajetória profissional que me transforma em candidato a Professor Titular é de certa forma similar aos passos de um bonsaista com sua árvore: uma combinação pessoal e artesanal de paciência, observação, projeção de expectativas, frustrações e aprendizado com grandes mestres – em particular quando os erros são supervisionados. Devo grande parte de minha


trajetória pessoal e profissional a vários mentores, que com sua dedicação me fizeram chegar até aqui. No que compete a bonsais e seu significado especial, tive a oportunidade de compartilhar momentos intensos de grande aprendizado e prazer com uma grande bonsaista, a professora e amiga Eloá Levandowski, que por sua mão suave levou-me a

As pessoas que amam bonsai apreciam a beleza da natureza e da planta plantando

conhecer um pouco da pureza desta arte, através

árvores em pequenos containers. Ao

de sua generosidade e grande sabedoria em um

fazê-lo, elas aprendem com a natureza e

momento particularmente delicado de minha vida.

uma pessoa que não entende de bonsai

Ensinou-me que junto a um grande mestre sempre

pode apreciá-lo e ser movido por sua

está uma pessoa disponível e profundamente

capacidade de retratar a incrível beleza da

observadora – o elemento mais importante para

natureza. [...]

formar jovens aprendizes.

Há três coisas importantes a considerar:

Raízes fortes e bem estruturadas, troncos

aprendem uma filosofia de vida. Mesmo

beleza. O poder do bonsai está em sua

Em primeiro lugar, as raízes. Ao olhar para uma velha árvore, vemos que as raízes formam a base e lhe dão força. Isto é

senhoriais em um desenho definido, ramos bem

impressionante e inspirador. Raízes fortes

delineados que poderão se expressar em flores e

outras árvores menores em uma inun-

de uma árvore de grande porte protegem

frutas, permitindo a compreensão de um desenho

dação ou uma tempestade. Estas árvores

final agradável aos olhos, e com uma aurora

sensação de estabilidade e segurança. [...]

firmemente enraizadas nos dão uma

envolvente de perenidade. Tudo isso resume o

Em segundo lugar, o tronco e a forma

esforço sistemático de transformar algo em uma

como ele é formado. [...]

obra mais final, ou nos termos de bonsai, “enxergar

Depois de muitos anos as características

a árvore madura que está presente naquela

sentir o caráter e a personalidade de cada

árvore jovem”. Bonsais nunca estão prontos, recompensando continuadamente a quem mais

da idade e da casca aparecem e você pode árvore. Em terceiro lugar, os ramos. Estes miram o céu e são balanceados, devendo ter a luz do sol para florescer. Desde que os

neles trabalha, o que é bastante similar ao que

ramos e folhas cresçam fortemente, belas

busco fazer em minha carreira com alunos, colegas

vigorosamente e florescendo, você não

flores poderão florescer. Mesmo crescendo

e pacientes. Espero que esta filosofia – a de jamais

deve ser complacente - deve ser muito

desistir, aceitando as imposições naturais do

Esse cuidado é importante. [...]

diligente no atendimento de suas plantas.

processo de desenvolvimento pessoal e profissional,

Para criar bonsais é muito importante

fique evidente ao longo da leitura deste memorial

aprender os pontos fortes e fracos de cada

Punta Del Leste, 2015 Flavio Pechansky

planta. Criar bonsais é como criar os filhos. Seja um professor e um guia, mas com paciência e carinho. Saburo Kato


IDENTIFICAÇÃO

FLAVIO PECHANSKY Brasileiro, Médico, Psiquiatra Nascido em 02/10/1961 em Porto Alegre CPF: 403.207.301-49 RG: 9013694337 Lotação: Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal Categoria Funcional: PROFESSOR DO MAGISTERIO

SUPERIOR

Regime de Trabalho: 40 horas Classe: Associado CREMERS: 14161 Matrícula UFRGS: 1182926 Matrícula HCPA: 1465


SUMÁRIO

SEÇÃO I – AS RAÍZES 1961 — 1978 - Família, Infância e Escolarização���������������������������������������������������������������������� 14 1979 – 1984 – Paris, Medicina, Cátia, Decisões profissionais� �������������������������������������������������� 18 Produção de artigos, capítulos e livros no período�������������������������������������������������������� 21

1985 — 1990 - Especialização, Treinamento em Dependência Química, Viagens-teste, Casamento, Início da Pós-Graduação���������������������������������������������������������������� 21 Produção de artigos, capítulos e livros no período�������������������������������������������������������

23

SEÇÃO II – O TRONCO 1990 – 1994 – Mestrado e Especialização no Exterior������������������������������������������������������������� 26 Produção de artigos, capítulos e livros no período�������������������������������������������������������� 31

1994-95 – O Processo de Reentrada e o Início da Carreira como Professor��������������������������� 33 Produção de artigos, capítulos e livros no período��������������������������������������������������������� 41

1998 – Doutorado, Presidência do CELG � ��������������������������������������������������������������������������������� 41 Produção de artigos, capítulos e livros no período�������������������������������������������������������� 46

2002 – Criação do CPAD e Grandes Projetos��������������������������������������������������������������������������� 47 Objetivos do CPAD�������������������������������������������������������������������������������������������������� 49 Produção de artigos, capítulos e livros no período��������������������������������������������������������� 55

2003-2009 - Grandes projetos, expressão nacional e internacional, e seu impacto no grupo de pesquisa������������������������������������������������������������������������������������������ 56 Produção de artigos, capítulos e livros no período�������������������������������������������������������� 60


SUMÁRIO

2010 – Projetos Ações Integradas e Vida no Trânsito – desafios à administração de um grande grupo de pesquisa� ���������������������������������������������������� 64 Projeto Ações Integradas����������������������������������������� 65 Projeto Vida No Trânsito����������������������������������������� 66 Produção de artigos, capítulos e livros no período�������

67

SEÇÃO III – RAMOS, FOLHAS, FRUTOS E FLORES 2011 – Cristalização. Esforços se transformam em resultados������������������������������������������������������������������������ 70

72 Produção de artigos, capítulos e livros no período������� 76 Criação do Centro Colaborador HCPA/SENAD�����������

2013/2014 – Criação do Programa de Mestrado Profissional em Álcool e Drogas��������������������������������������������������������������� 78 Produção de artigos, capítulos e livros no período������� 80

SEÇÃO IV – O BONSAI MADURO 2015 – Maturidade acadêmica�������������������������������������������� 86 Liderança no Desenvolvimento de Linhas de Pesquisa Originais e Inovadoras��������������������������� 86 Obtenção Independente de Verbas de Pesquisa, Criação e Manutenção de Infra-estrutura para Execução de Projetos��������������������������������������� 96


Concentração de Alunos e Profissionais de Diferentes Níveis e Origens Acadêmicas ao Redor das Linhas de Pesquisa e Atuação Profissional� ������������������ 98 Produção Acadêmica Constante, com Impacto Crescente�������������������������������������������� 100 Modelo para Profissionais em Formação no que Compete a Habilidades Técnicas e Parâmetros Éticos na Relação com Colegas, com a Instituição e com Fontes de Financiamento para Pesquisa. ��������������������������������������������������������� 103 Cartas de Recomendação, Manifestações de Alunos e de Colegas���������������������������������� 104 Uma Comunicação Final� ����������������������������������������������������������������������������������������� 121


Para Catia, Artur e Ana, bonsais perfeitos.


12


SEÇÃO I AS RAÍZES

A

s raízes de um bonsai têm como finalidade estruturar o tronco que será erigido acima delas, alimentando-o de forma constante e igual. São desenvolvidas pelo impacto com as pedras e pedriscos que formam a base da árvore, misturados a um solo fértil e altamente selecionado. O cuidado apropriado com as raízes irá determinar como irão crescer os ramos e as flores no futuro, assim como a sustentação de toda a árvore. Sem raízes um bonsai não se forma. 13


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

1961 — 1978 - Família, Infância e Escolarização Nasci em outubro de 1961, em Porto Alegre. Sou o segundo filho de Isaac e Clara Pechansky, e tenho um irmão – Rubem, 18 meses mais velho. Meus avós maternos nasceram na Rússia e meu avô paterno era oriundo da antiga Bessarábia, hoje República Moldova, situada entre a Romênia e a Ucrânia. Minha avó paterna era brasileira, nascida em Philipson, antiga colônia no que hoje é a região de Santa Maria. Tive a felicidade de conhecer a todos, e sua história é bastante comum aos imigrantes judeus: em diferentes momentos do início do século XX, colonos perseguidos pelas tropas do Czar Nicolau II abandonaram suas aldeias e atravessaram a Europa e o Atlântico para fugir dos “pogroms” - ataques violentos e devastadores às aldeias judaicas, com o claro objetivo de dizimar tanto o povo quanto sua história e cultura.

Salomão e Malvina Pechansky, avós paternos

Valentim, Sonia e família Kuzminsky, avós maternos

Cresci sabendo que esta era uma palavra ruim, porém levei muitos anos para entender seu real significado. Minha avó Sônia – com quem mais convivi – eventualmente contava para os netos algumas passagens de sua infância e da trajetória

14


SEÇÃO I AS RAÍZES

heroica que as famílias judaicas tiveram que exercitar para “fazer a América”. Terminei aprendendo mais sobre isso pelos relatos de meus pais do que propriamente por ela. Uma parte significativa de minha família emigrou para os Estados Unidos, e o restante para a região de Rio Grande e Pelotas, onde as famílias de meus pais se conheceram mesmo antes deles existirem. Esta manutenção dos laços de conhecimento e cultura entre as famílias de imigrantes manteve as relações fortes, sendo fundamental para que em um determinado dia meus pais já adultos se encontrassem em Porto Alegre e - desde então até hoje, 58 anos após, jamais se separassem. Aos poucos os familiares foram sendo trazidos para a capital, e poucos ficaram nas cidades de origem – Rio Grande e Pelotas. Meu pai é psiquiatra e psicanalista, tendo antes trabalhado como clínico geral nas cidades de Porto Alegre e Canoas. Devido a seus interesses pelos pacientes com transtornos mentais, iniciou sua formação como psiquiatra junto aos pioneiros da especialidade no Sul. A base desta formação era o Hospital São Pedro, com milhares de pacientes asilados, e condições desumanas de tratamento. Meu pai foi um dos pioneiros a buscar a modificação desta abordagem para tratamentos que por exemplo utilizassem praxiterapia no acompanhamento dos pacientes crônicos. Ao fazê-lo, e ao agregar os conhecimentos do que era a gênese da psicanálise em nosso meio, contribuiu fortemente para a valorização da compreensão dinâmica associada aos sintomas dos transtornos mentais. Iniciou sua formação psicanalítica e ajudou na formação, junto a um grande grupo de psiquiatras, da Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre e do Departamento de Psiquiatria da UFRGS, do qual foi professor por 35 anos, até aposentar-se compulsoriamente aos 70 anos de idade. Segue exercendo suas atividades como psicanalista em sua clínica privada e junto à Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre, onde sempre teve atuação destacada e relevante. De suas características pessoais e profissionais que são conhecidas por muitos, acredito que herdei o senso de integridade e ética na relação com a profissão e com os colegas, traços que continuo percebendo serem muito salientes em sua prática diária. Minha mãe é artista plástica (pintora, desenhista e gravadora), tendo trabalhado como ilustradora de jornais e para a Editora Globo antes de iniciar sua carreira individual, quando já éramos pré-adolescentes. Estudou com diversos mestres, dentre eles Francisco Stockinger, Glenio Bianchetti, Aldo Locatelli e Glauco Rodrigues. Em uma carreira de 60 anos, com dezenas de exposições individuais e coletivas em diversos locais do mundo, sua atividade sempre foi pautada por dinamismo e inovação – uma certa “inquietação artística”, expressa por uma necessidade constante de criar. Nos últimos 14 anos divide sua atividade como artista e professora de desenho e pintura para um grupo selecionado de alunos. Além

15


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

de artista, minha mãe é apaixonada por arte, e a consome em doses robustas – tanto lendo e informando-se constantemente, como exercendo maratonas intensas de visitas a museus em suas frequentes viagens com meu pai. Dela tenho certeza de ter herdado a busca constante pela novidade, pela tarefa a ser terminada, e a capacidade de expressar de forma imagética meu pensamento para as pessoas – em especial meus alunos e pacientes. Meu irmão tem graduação em arquitetura, mas foi um autodidata em vários aspectos prévios à sua carreira como designer. Quando criança frequentemente desenvolvia seus próprios brinquedos (ou desmontava os existentes para montar algo um pouco melhor) e possuía uma curiosidade quase incessante. Estudou violão clássico durante a adolescência, e caracterizou-se pelas excelentes notas durante o colégio e a entrada em vestibulares, sempre se classificando nos primeiros lugares. Todas estas aquisições eram para mim potenciais metas que eu queria alcançar, para ser parecido com meu irmão mais velho. Atualmente, Rubem é sócio proprietário, junto com sua esposa, Letícia, de uma empresa de design voltada à área de tecnologia, com foco especial em interfaces e nos seus usuários. O casal tem dois filhos. De meu irmão sempre apreciei a justeza de caráter e a busca rigorosa pela qualidade final de qualquer coisa que ele estivesse fazendo. Busquei adaptar para mim essa característica, e acredito que em parte isso tenha sido alcançado por ter em casa um exemplo tão sólido. Em nossa família crescemos banhados em um ambiente patrocinado pelas paixões comuns de nossos pais – as artes, a música e as pessoas. Fomos criados em uma atmosfera que sempre misturou estes elementos de forma bastante interessante – seja por vivenciar o contato com artistas e músicos em nossa casa, ou por dormir nos ensaios de ópera, onde uma de minhas tias ensaiava. Da bossa nova à música erudita, ouvia-se e tocava-se de tudo, e tenho certeza que muito de minha formação se deve à combinação desta “sopa multicultural”, frequentemente temperada pela convivência com profissionais das respectivas profissões de meus pais. Em especial, sempre vi em minha mãe uma sede insaciável por aprender e vivenciar mais nas artes, tendo sido exposto desde muito pequeno às diferentes formas de expressão artística, pois era frequente passar tempo em seu atelier de desenho e pintura nos intervalos de colégio. Outro aspecto desta “sopa” era a interação com o que veio a ser mais tarde o eixo central de minha atividade profissional – a saúde e a doença mental. Como mencionado anteriormente, meu pai foi psiquiatra do Hospital São Pedro, tendo desempenhado diferentes funções naquela instituição, onde mais tarde o Departamento de Psiquiatria da UFRGS desenvolveu campo de estágio na Divisão Melanie Klein, onde fiz meu primeiro ano de estágio como psiquiatra em formação antes do treinamento todo migrar para

16


SEÇÃO I AS RAÍZES

o Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). Uma de minhas primeiras lembranças da área de saúde mental é relacionada aos eventos de Natal e final de ano daquela instituição, onde éramos levados a participar das atividades integrativas com os pacientes. Tenho certeza que o não-preconceito com problemas mentais que busco exercer e divulgar em meu trabalho – particularmente com dependência química - tem sólidas origens nestes momentos precoces de meu desenvolvimento emocional. Estudei no Instituto Educacional João XXIII até o final do ginásio. O colégio, que se mudara da Rua Lobo da Costa, no bairro Azenha, “subira o morro” para instalar-se em um terreno amplo da Rua Orfanatrófio, no bairro Teresópolis. Tinha uma característica de laboratório de novas experiências em educação, e buscava transmitir aos alunos conceitos avançados de ética, vida em sociedade e pluralismo, além de noções de matemática moderna e filosofia integradas aos conhecimentos convencionais. Como mencionado anteriormente, tenho certeza que estas noções

e conceitos fazem parte essencial de minha personalidade e estavam sendo fundamentadas naquela experiência bem sucedida de ensino, onde me salientei como aluno. Porém, visando atingir metas maiores, aos 13 anos de idade passei para o Colégio Israelita Brasileiro, onde meu irmão já estudava, com o claro

17


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

objetivo de entrar em um programa forte de preparação para o que viria a ser o vestibular para Medicina. Lá conheci outro tipo de cultura: tendo sido educado em um colégio ecumênico, deparei-me com as dificuldades inerentes ao “ser um judeu sem treinamento religioso”, tendo sido dispensado das aulas de hebraico desde o primeiro ano do científico, e frequentemente questionado pela diretora da escola, à época, por minhas “ideias inovadoras” (queria saber minhas notas no Conselho de Classe, o que era regra em meu colégio anterior). Nesta escola iniciei outro momento de minha vida – o foco intenso nos estudos, associado à prática esportiva (voleibol, e em especial a natação), que me acompanha até hoje. O ano de preparação para o vestibular foi intenso, e dominado por uma decisão um pouco controversa – a de não fazer curso pré-vestibular. Meu irmão havia recentemente entrado na UFRGS com escores muito altos, e fortemente sugeriu que eu utilizasse os materiais de estudo do colégio e suas apostilas, porém não me matriculasse em um cursinho pré-vestibular. Foi o que fiz, e o resultado foi excepcional: como parte da preparação daquele ano decisivo, passei no vestibular de inverno da PUC em Engenharia Civil em 15º lugar, e esta foi uma excelente forma de conferir a qualidade de meu treinamento visando a Medicina da UFRGS em 1979. O resultado final também foi muito satisfatório, tendo sido classificado em 72º lugar em todo o concurso vestibular, e em 6º lugar no curso de Medicina.

1979 – 1984 – Paris, Medicina, Cátia, Decisões profissionais O ano de 1979 foi particularmente marcante para mim, pois uma série de mudanças começaram a ocorrer; seu significado somente me foi compreensível muitos anos após, fortemente influenciado por análise pessoal. Em fevereiro deste ano meus pais nos levaram à Europa. Era uma combinação de viagem de férias com o que eu entendia à época como um prêmio pelo esforço na preparação e consequente resultado do ano de estudos para o ingresso na Faculdade de Medicina. Durante esta viagem, em que fui exposto pela primeira vez ao Velho Mundo, dois episódios marcantes se sucederam. Narro os dois em sequência por compreender que ambos têm forte relação com minha formação pessoal e profissional. Paris, fevereiro de 1979. Já havíamos viajado quase um mês pela Itália, Espanha, Inglaterra e agora estávamos conhecendo a França. No que deveria ser mais um dia de visitas a monumentos, museus, cultura, etc., deparei-me com uma cena cotidiana aos metrôs franceses, porém muito tocante para mim: ao ingressarmos em um dos túneis das estações, comecei a ouvir música clássica de alta qualidade – inicialmente achando tratar-se de uma gravação. Caminhando em direção ao metrô, identifiquei que aquilo era música ao vivo –

18


SEÇÃO I AS RAÍZES

um trio de jovens concertistas a caráter, interpretando peças barrocas com partituras, de forma excepcional – por moedas! Com bastante dificuldade consegui tirar algum dinheiro do bolso e me aproximar do chapéu que retinha um pouco das doações dos passantes – na sua maior parte alheios a tudo isso – e depositar minha contribuição – tudo o que tinha nos bolsos. Minha reação posterior foi descontrolada – choro convulsivo e uma brutal sensação de injustiça, escorado em uma das paredes do metrô, e tentando entender o que sentia, sem muito sucesso. À noite, em um diálogo que está marcado em minha memória, meu pai – sempre sensível a este tipo de impacto que até hoje me causa imensas reações – me disse em sua forma discreta: “agora sabes por que queres ser médico”. São incontáveis as vezes em que este tipo de reação se repetiu em minha vida – frequentemente na presença de meus filhos e minha mulher. A diferença é que atualmente não sinto necessidade de escondê-la de ninguém. Na mesma viagem, dias após, e um pouco mais refeito de todos os impactos que aquela situação produziu, deparei-me com o seguinte cenário: meia-noite em um quarto de hotel em Paris em fevereiro, meu irmão dormindo. E tudo acontecendo lá fora, no Quartier Latin, onde estávamos. Decidi que ficar na cama não faria sentido, mesmo sendo um menino de 17 anos, com domínio rudimentar de francês, e saí para caminhar sozinho na neve da noite parisiense, explorando e assimilando tudo ao meu redor. Não sabia que ao tomar a decisão de investir neste tipo de descobrimento eu estava determinando aspectos fundamentais de minha vida pessoal e profissional que me acompanham até hoje – a curiosidade do viajar – seja para lugares atípicos, seja para dentro das mentes de pessoas atípicas.

O curso de Medicina transcorreu sem problemas. Nossa turma era grande e heterogênea, e deste período recordo muitas horas de estudo, e interesses francamente díspares: esporte, viagem para o sertão do Nordeste, a formação de um grupo musical, algumas apresentações em shows. Do ponto de vista acadêmico, saliento o contato com um grupo intrigante de colegas e com professores excepcionais e suas respectivas disciplinas – que com certeza determinaram tanto meu interesse técnico como acredito terem auxiliado a formar um estilo de professor para o futuro. Tenho lembranças especiais dos professores de Farmacologia Flavio Dani Fuchs e Lenita Wanmacher, Bioquímica – Prof. Diogo Gomes de Souza, Cirurgia – Prof. Luis Rohde, Medicina Interna – Ismael Maguilnik, Milton Abramovich e Matias Kronfeld – tendo o Prof. Kronfeld me dado a primeira oportunidade de aprendizado profissional, ao me permitir acompanhar sua prática privada por aproximadamente um ano durante o período final de minha graduação. Com o Prof. Cláudio Maria Osório tenho uma dívida especial de gratidão, pois foi ele que me abriu os olhos para o problema do alcoolismo nos casos que eu então acompanhava em uma disciplina integrativa chamada Acompanhamento de Famílias, como monitor do

19


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

Departamento de Psiquiatria. Neste período conheci através do Prof. Osório os colegas Sérgio de Paula Ramos e Ernani Luz Jr., que estavam formando o núcleo do que viria a ser o melhor programa de tratamento para álcool e drogas do país por várias décadas, no Hospital Mãe de Deus. Já interessado em pesquisa – porém sem entender exatamente o que aquilo significava – fui conversar com o Dr. Sérgio sobre a possibilidade de “pesquisar sobre alcoolismo em favelas de Porto Alegre”. A resposta que obtive foi de grande valor: “sugiro que façamos um estudo sobre alcoolismo nas esquinas dos bairros mais luxuosos da cidade, pois alcoolismo é uma doença democrática que não escolhe classe social”. Este foi o primeiro dos muitíssimos impactos produzidos pela forte interação que tive com o Dr. Sérgio – que teve a generosidade de abrir inúmeras portas para mim ao longo de grande parte de minha carreira, estimulando e realizando pessoalmente dezenas de contatos na área específica durante duas décadas. Com o auxílio significativo de um colega e amigo pessoal – Mauro Soibelman – escrevi os três primeiros artigos científicos, ainda como aluno de medicina, tendo o primeiro artigo recebido menção honrosa em um evento local1. Conheci minha mulher no ano de 1983, através de um amigo comum. À época, Cátia se preparava para o vestibular em Psicologia e eu estava às vésperas de sair da faculdade em 1984. Começamos juntos o

1 1983 - Menção Honrosa - IV Semana de Debates Científicos em Medicina Interna, AMRIGS. PECHANSKY F., SOIBELMAN M, MEIRELLES M., SANTANNA, R. Um estudo de Alcoolismo em Hospital-Escola. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, v. 6, n.1, p. 38-42, 1984.

20

Flavio Dani Fuchs, Lenita Wanmacher e Flavio Pechansky


SEÇÃO I AS RAÍZES

que é a parte mais exuberante de minha vida: o namoro e o casamento, a vida no exterior e seus desafios, nosso retorno, inúmeras especializações profissionais, o projeto e a geração de nossos filhos Ana Carolina e Artur. Compartilho com ela a aventura diária de equilibrarmos uma balança infinita de pratos delicados. O que quero comentar aqui é presença calma e constante de minha mulher em todas as etapas de minha evolução pessoal e profissional. Todo aquele que aceita desafios crescentes em uma área acadêmica, seja como professor ou como pesquisador, sabe que existirão inúmeros momentos em que a tenacidade dá lugar à sensação de desistência, ou mesmo de fracasso. Tenho nela a figura que melhor representa a continência, a tolerância e a simplicidade do afeto sempre desproporcionalmente grande nos momentos de desafio, e que busco – frequentemente sem sucesso – emular em minha vida.

Produção de artigos, capítulos e livros no período PECHANSKY, F., SOIBELMAN, M. 1984. Avaliação das referências ao consumo de álcool em um Hospital Geral de Porto Alegre In Revista Do Hospital De Clinicas De Porto Alegre, v.4, 129-134 PECHANSKY, F., DUARTE, P. 1984. Considerações sobre custo hospitalar em um Hospital Universitário. In Revista Do Hospital De Clinicas De Porto Alegre, v.4, 99-102 PECHANSKY, F., SOIBELMAN, M., MEIRELLES, M. et al. 1984. Um estudo de Alcoolismo em Hospital-Escola. In Revista De Psiquiatria Do Rio Grande Do Sul, v.6, 38-42

1985 — 1990 - Especialização, Treinamento em Dependência Química, Viagens-teste, Casamento, Início da Pós-Graduação Dois episódios com um pequeno intervalo de tempo foram marcantes em minha formação profissional. No segundo semestre de 1984 fui convidado pelo Dr. Sérgio Ramos para ser seu assistente pessoal na recém inaugurada Unidade de Dependência Química (UDQ) do Hospital Mãe de Deus. E no final do ano fui aprovado para o Programa de Especialização em Psiquiatria da UFRGS, em primeiro lugar. Na prática, durante os três anos seguintes realizei duas especializações simultâneas – a primeira, em clínica de dependência química, já considerando que esta seria minha área de atuação final; e a segunda, como psiquiatra geral. Recordo especialmente do desafio de atender pacientes psiquiátricos cronificados na Divisão Melanie Klein do Hospital São Pedro, versus a migração para o ambiente organizado da Unidade de Psiquiatria do HCPA, para onde o treinamento

21


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

(e o Departamento) progressivamente se destinaram. Em especial agradeço a cortesia e generosidade com que fui recebido pelo meu residente sênior – atualmente Professor Titular Marcelo Pio de Almeida Fleck, além de professores marcantes deste período – nominalmente os Profs. José Manoel Bertolote, Sidnei Schestatsky, Claudio Eizirik, Lucrécia Zavaschi e Sérgio Carlos Eduardo Pinto Machado, que junto com a continuidade de orientação do Prof. Claudio Osório ajudaram a formar a base da compreensão sobre a psiquiatria, sintomas psiquiátricos, conflito e psicodinâmica. Simultaneamente, o mundo complexo do atendimento de dependentes químicos graves se emoldurava para mim. A UDQ centralizava um grande atendimento de pacientes, com a necessidade intensa de estudo e aprendizado prático supervisionado. Ao mesmo tempo, concentrava seminários e visitas de colegas do exterior e de outros locais do Brasil, em um terreno fértil e único para aprendizado e interações. A partir do segundo ano da especialização em Psiquiatria, iniciei minha prática de consultório privado e de supervisão em psicoterapia de orientação analítica, que se estendeu por mais dois anos com o Dr. Carlos Gari Faria. Esta tentativa constante de integrar aspectos dinâmicos ao atendimento clínico de dependentes químicos forçou o que considero um passo importante em minha carreira: o convívio sistemático com dois grupos fortes na área durante toda minha vida profissional. Em 1987 formei-me psiquiatra pela UFRGS, tendo o Prof. Claudio Eizirik como professor homenageado, numa retomada importante de rumos para o Departamento de Psiquiatria após alguns anos de intensa crise na transição de sua chefia. Em paralelo a todas estas atividades, e já à época interessado em continuar agregando pesquisa com atividade clínica, ingressei como aluno-ouvinte no programa de Mestrado em Medicina: Clínica Médica da UFRGS sob a orientação do Professor Ellis Busnello. Neste período publiquei aproximadamente 10 artigos originais em revistas regionais e brasileiras, fundamentalmente versando sobre clínica psiquiátrica e de alcoolismo/dependência de drogas e as dificuldades na sua identificação em hospital geral. Casei-me em 1989. Ainda neste período tive a primeira oportunidade formal de trabalhar em pesquisa na área de dependência química, ao ser contratado como pesquisador da FIPAD – Fundação de Incentivo à Pesquisa em Álcool e Drogas do Hospital Mãe de Deus, entre 1988 e 1989. A experiência abriu portas importantes, como a conexão com uma autora mexicano-canadense que estudava o tema “beber controlado” - Martha Sanchez-Craig, da Addiction Research Foundation de Toronto, onde tive oportunidade de estagiar posteriormente. Apesar da oportunidade, ficou evidente que o ambiente de pesquisa em um hospital com interesses primariamente privados não teria o crescimento e isenção adequados, e na prática este fato

22


SEÇÃO I AS RAÍZES

terminou impulsionando minha migração para o Hospital de Clínicas, inicialmente como instrutor voluntário do Departamento de Psiquiatria da UFRGS. Também neste mesmo período recebi meu primeiro convite para participar de um conselho editorial de uma revista científica. De 1988 a 1996, apenas com a interrupção em função de um estágio no exterior, exerci diferentes funções na Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, atualmente Trends in Psychiatry and Psychotherapy. Acredito que esta primeira vivência por três gestões permitiu desenvolver as condições para futuramente assumir funções progressivamente mais complexas em outras revistas, culminando em minha atividade atual como Assistant Regional Editor do periódico Addiction, a revista de maior fator de impacto na área de dependência química.

Produção de artigos, capítulos e livros no período PECHANSKY, F. 1990. Avaliação da severidade da dependência do álcool: Problemas relacionados a padrões objetivos e subjetivos de estimativa In Revista De Psiquiatria Do Rio Grande Do Sul, v.12, 196-201 MACHADO, S., ABREU, P., PECHANSKY, F., SCHNEIDER, F. et al. 1990. Depressão no Hospital Geral II: Habilidade do não especialista em detectar sintomas In REVISTA ABP/ APAL, v.11, 97-100 PECHANSKY, F. 1989. Consumo de álcool em mulheres: Preconceito? In REVISTA DA ABP/APAL, v.10, 87-90 PILTCHER, R., PECHANSKY, F., FLECK, M et al. 1989. Delirium por abstinência a Benzodiazepínicos e Barbitúricos: Relato de um caso. In Revista De Psiquiatria Do Rio Grande Do Sul, v.11, 146-149 MACHADO, S., TOWSEND, R., PECHANSKY, F., SCHNEIDER, F. et al. 1989. Depressão no Hospital Geral: Detecção pelo Clínico In Revista De Psiquiatria Do Rio Grande Do Sul, v.11, 203-206 PECHANSKY, F., SOIBELMAN, M., GOLDIM, J. R.. 1989. Modificações no Escore do Questionário SADD após aplicações repetidas In REVISTA ABP/APAL, v.11, 25-28 PECHANSKY, F., FLECK, M. 1988. Dependência a Benzodiazepínicos: A propósito de um caso. In Revista De Psiquiatria Do Rio Grande Do Sul, v.10, 33-36 MACHADO, S., PECHANSKY, F., TOWSEND, R. et al. 1988. Depressão no Hospital Geral: Dados Preliminares In Revista De Psiquiatria Do Rio Grande Do Sul, v.10, 57-62 PECHANSKY, F., BARROS, S., GALPERIM, B. 1986. Hepatomegaly and Gammaglutamyltransferase in Alcoholics admitted to an Addiction Unit In Digestive Diseases and Sciences, v.31

23


SEÇÃO II O TRONCO

A

história de um bonsai é contada através das linhas de sua estrutura principal – o tronco. Ele confere estilo e estabilidade à árvore, deixando claras as marcas do tempo e de seu impacto – rasgos em sua casca, alguns galhos quebrados, outros extremamente desenvolvidos. Um tronco pode ser formal, ereto, solene, ou delicado e anguloso – “literati” – sempre curvando-se delicadamente aos olhos do observador atento, e deixando imediatamente clara a intenção do bonsaista que o educou. 25


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

1990 – 1994 – Mestrado e Especialização no Exterior Durante os anos de 1990 a 1993 dediquei-me ao projeto e execução de meu mestrado, agora orientado pelo Professor Fernando Barros, da Universidade Federal de Pelotas, desenvolvendo um estudo de base epidemiológica com uma amostra representativa de 950 adolescentes da cidade, intitulado USO DE BEBIDAS ALCOOLICAS EM ADOLESCENTES DA CIDADE DE PORTO ALEGRE - CARACTERISTICAS DE CONSUMO E PROBLEMAS ASSOCIADOS. À época havia desconhecimento sobre a iniciação do uso de substâncias por adolescentes nos grandes centros urbanos, e utilizei-me da grande experiência do Prof. Barros – vinculado ao fortíssimo grupo de epidemiologia de Pelotas – para desenvolver este estudo. A dissertação obteve conceito “A com louvor” em sua defesa, tendo gerado 5 artigos – alguns já publicados em revistas internacionais. Este foi o primeiro grande estudo epidemiológico que coordenei – tendo sido orientado por um profissional de renome internacional. Considero que o treinamento realizado com o Prof. Barros – com idas constantes a Pelotas para supervisão – permitiume compreender a dificuldade de realizar estudos grandes, com métodos específicos de amostragem por setor censitário, além da coordenação de um grande número de coletadores e o respectivo e sistemático controle de qualidade inerente a coletas realizadas “na rua”. De certa forma, esta foi a gênese de um dos pilares de um grupo de pesquisa que iria se desenhar nos próximos anos. Próximo movimentos

ao

final

visando

a

do

mestrado

continuação

de

iniciei meu

treinamento em pesquisa, ao mesmo tempo em que buscava ter experiência em algum centro no exterior. Neste período tive a oportunidade de estagiar em centros de tratamento para dependência química na Escócia (Alcohol Treatment Clinic do Royal Edimburgh Hospital, sob a supervisão de Jonathan Chick) e no Canadá (Addiction Research Foundation, sob a supervisão de Martha Sanchez-Craig e Adrian Wilkinson), tendo sido aceito para o programa de doutorado em epidemiologia da Universidade de Toronto. Ao mesmo tempo, em função de um

26


SEÇÃO II O TRONCO

convite do Professor Elisaldo Carlini para realizar uma apresentação em um importante simpósio binacional EUA/Brasil organizado pelo National Institute on Drug Abuse (NIDA) e a Escola Paulista de Medicina, tive a oportunidade de conhecer os professores James Inciardi (Center for Drug and Alcohol Studies, University of Delaware) e George Woody (Treatment Research Unit, VA Medical Center, University of Pensilvania). Este evento modificou o eixo de minha formação profissional, pois recebi um convite para conhecer ambos os centros de pesquisa que estes professores coordenavam. A partir deste momento, descortinava-se uma possibilidade de modificar estruturalmente meu treinamento. Quando fui aos Estados Unidos pela primeira vez para visitar os centros dos dois colegas americanos, fui simultaneamente aceito como fellow na Johns Hopkins School of Public Health no Programa Hubert H. Humphrey, patrocinado pelo governo americano, para “mid-career professionals”. Desta forma, em Agosto de 1993 mudei-me para Baltimore para o que inicialmente seria um programa de 10 meses na Escola de Saúde Pública, mas que se estendeu por mais um ano, em função de um doutorado-sanduiche patrocinado pela CAPES. À época já era aluno regular do programa de doutorado em Medicina: Clínica Médica da UFRGS, sob a supervisão do Prof. Busnello. O Programa Humphrey é financiado pela Fundação Fullbright, e é voltado para o desenvolvimento de habilidades técnicas e projetos em diversas áreas de atuação, voltado à promessa de formação de líderes globais nas suas respectivas áreas de atuação, conforme a citação abaixo:

The Humphrey Program brings young and mid-career professionals

from designated countries to the United States for a year of non-degree graduate-level study, leadership development, and professional collaboration with U.S. counterparts.

O Senador Hubert Horatio Humphrey foi Vice-Presidente dos Estados Unidos durante o

mandato do Presidente Lindon Johnson, e defendeu durante sua carreira a cooperação e compreensão internacional. Desde sua implantação em 1978 por Jimmy Carter até hoje, o programa já formou 4.600

27


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

fellows de 157 países,

baseados em mais de 40

universidades americanas. Humphrey ficou famoso por sua oratória, e transcrevo abaixo duas de suas muitas citações famosas:

Wallace P. Mandell é Professor Emé-

Equality means equality

rito da Johns Hopkins Bloomberg

for all — no exceptions, no ‘yes,

School of Public Health. Psicólogo

buts’, no asterisked footnotes imposing limits.

por formação, coordenou o Programa Humphrey da Universidade

1967

Johns Hopkins desde 1988 por 15 anos, onde através de sua orientação ajudou a moldar a face da

I believe that each of us can

pesquisa em abuso de drogas, seu

make a difference. That what is

tratamento, prevenção e política em todo o mundo. Segundo o NIDA,

wrong can be made right. That people

sua forma de coordenar foi além do

possess the basic wisdom and goodness

programa científico, incluindo ha-

to govern themselves

without conflict.

bilidades de liderança, bem como o sentido de comunidade e propósito

1968

compartilhado que Mandell criou entre os indivíduos de países com

No meu caso em particular, o programa era baseado no Departamento de Higiene Mental da Johns Hopkins, sob a orientação do Prof Wallace Mandell,

também chefe do Departamento de

Higiene Mental da mesma escola. À época,

eu

diferentes perspectivas económicas, sociais, culturais e políticas. Trabalhou para criar oportunidades para “mid-career professionals” e tem servido como padrãoouro para outros cientistas-sênior

não tinha completamente esclarecido para mim

interessados na formação da

qual seria meu papel e inserção na área – em

próxima geração de especialistas.

especial quando de meu retorno ao Brasil. As supervisões sistemáticas do Prof. Mandell tiveram a característica de expandir o escopo de meu trabalho. Fui o primeiro fellow do programa Humphrey

Foi Chefe do Departamento de Higiene Mental da Hopkins, tendo publicado dezenas de artigos sobre epidemiologia do abuso de drogas, e avaliação de programas de tratamento e prevenção. Dentre

a ser financiado integralmente pelo NIDA, com o

suas várias distinções, destaca-se o

foco específico em treinamento para desenvolver

Award of Excellence do NIDA.

protocolos de pesquisa adaptáveis à realidade brasileira quando de meu retorno. Durante os

28


SEÇÃO II O TRONCO

18 meses em que estive nos EUA rotei entre três cidades

(Newark,

Philadelphia

e

Baltimore),

em treinamento continuado para refinar meu aprendizado de pesquisa na área de álcool e drogas, além de afiliações profissionais com diversas sociedades na área de tratamento, ensino e pesquisa

James (Jim) Inciardi (19392009)

em dependência química e psiquiatria (Association

Filho de um dentista da máfia no

for Medical Education and Research in Substance

Brooklin, Jim vagou por diversas

Abuse, American Psychiatric Association, Research

profissões – desde baterista de

Society of Addiction, American Society for Addiction

jazz em Nova York até oficial de

Medicine). Em paralelo, este também foi um período onde tive uma grande expansão cultural,

liberdade condicional – claramente o resultado transformado de sua infância relacionada com o

tendo aproveitado ao máximo a proximidade com

crime através da profissão do pai.

grandes centros artísticos no eixo Washington/

Finalmente formou-se como soció-

Baltimore/Nova York. Frequentemente o dinheiro disponível para a vida acadêmica era gasto com

logo médico, tendo estudado com expoentes da área, em especial Carl Chambers. Conseguiu como

concertos, ópera e museus, e sem dúvida não nos

poucos mesclar em sua carreira

arrependemos deste investimento.

profissional o brilhantismo de um escritor prolífico com o de um

Sem dúvida o professor Inciardi foi o

investigador inquieto e inovador

“patrono” da minha expansão profissional neste

(mais de 500 artigos, mais de

período, pois em suas próprias palavras, “pagava-

50 livros em áreas tão diversas

me para estudar”, sistematicamente facilitando meu acesso a projetos de pesquisa, centros de

quanto justiça criminal, HIV/ AIDS, dependência de drogas e folclore) além da visão de futuro

treinamento e contatos profissionais, tanto ao longo

de um grande diretor de centro de

de meu período de estágio em Delaware como pelos

pesquisa. Ao longo de sua carreira,

15 anos seguintes. Este mecanismo instigante de

e com uma visão extremamente cínica (e lúcida) sobre o sistema americano de políticas sobre

a) INCIARDI, JA et allii. 1992. Assertive Community Treatment with a Parolee Population: An Extension of Case Management. Pp 350-367 in Progress and Issues in Case Management, edited by Rebecca S. Ashery. Rockville, MD: NIDA Research Monograph 127 INCIARDI, JA e LOCKWOOD D. 1994. When Worlds Collide: Establishing CREST Outreach Center. Pp. 63-78 in Drug Abuse Treatment: The Implementation of Innovative Approaches, edited by Bennett W. Fletcher, James A. Inciardi, and Arthur M. Holden. Westport, CT: Greenwood.

drogas, Jim inovou em diversas áreas: foi o campeão de obtenção de financiamentos de pesquisa do NIDA, autor de livros-texto “best sellers” em Justiça Criminal, e criador do primeiro programa de tratamento para drogas em uma prisão de segurança máxima a ser gerenciado por uma universidadea.

29


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

mentoring certamente determinou meu formato de trabalho com alunos de pós-graduação. Considero este um aspecto marcante que herdei do Prof. Inciardi – a constante busca por facilitar o acesso de meus alunos e orientados a condições próximas do ideal para que executem seus projetos, o que imagino estar atingindo com relativo sucesso. Durante todo o período em que trabalhamos juntos, o Prof. Inciardi veio aproximadamente 20 vezes a Porto Alegre, onde como Professor Convidado do Departamento de Psiquiatria e do Centro de Estudos Luis Guedes pôde ministrar cursos, palestras e supervisões sistemáticas a diversos grupos interessados no tema, além de proferir conferências em diversos congressos brasileiros. O período nos Estados Unidos permitiu que me dedicasse a produzir os artigos finais da dissertação de mestrado, mas em especial gerou um artigo em coautoria com minha esposa que considero fundamental para o desenvolvimento das atividades assistenciais que coordeno. Fomos contratados para realizar uma imersão para avaliar o programa de tratamento para drogas que o Prof. Inciardi havia montado na prisão de segurança máxima de Gander Hill, em Newark, DE. Tratava-se de uma comunidade terapêutica “total”, onde 111 detentos do sexo masculino desenvolviam atividades de tratamento e reinserção comunitária baseadas em um modelo extremamente intenso de recuperação de autoestima, superação de dificuldades através de esforço por pares, e reintegração social fortemente orientada. Dezenas de artigos e livros foram publicados sobre este programa pelo Prof. Inciardi e sua equipe. Esta vasta literatura continua determinando parâmetros que busco utilizar na coordenação das equipes de tratamento e reinserção social de dependentes químicos - em especial a recuperação da autoestima, o aprendizado social por modelagem - baseado nos textos de Bandura1, e a intensa valorização do trabalho multiprofissional. Um resumo de nossa percepção de todos os mecanismos presentes neste programa foi publicado originalmente em inglês, e uma versão adaptada foi posteriormente publicada em português para um periódico local2. Simultaneamente ao meu treinamento em Newark,

e além dos seminários do

programa da J. Hopkins, realizei estágios sistemáticos no Departamento de Psiquiatria

1 BANDURA, A. (1977). Social learning theory. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall. 2 PECHANSKY F, MELLO CO, INCIARDI JA, SURRATT, H. A Participant observation of the Therapeutic Community as a Model for Drug Dependence Treatment. Journal of Drug Issues, v27, p299 - 314, 1996 PECHANSKY F. A Comunidade Terapêutica como modalidade de Tratamento para dependentes Químicos: Relato de uma observação Participante. Revista Hcpa, v. 19, n.1, p. 91-107, 1999.

30


SEÇÃO II O TRONCO

do Veterans Administration Hospital da Universidade de Pensilvania,

em Philadelphia,

sob a orientação do Prof. George Woody, que desde então vem sendo um dos principais colaboradores de nosso grupo na área de comorbidade psiquiátrica em usuários de drogas. Neste período tomei contato com a grande estrutura clínica e de pesquisa que a Universidade oferecia, e em particular desenvolvi aprendizado em duas áreas fundamentais para o futuro de pesquisa e assistência em nosso grupo. A primeira delas foi a utilização de ambientes comunitários para a abordagem de usuários de droga – em especial expostos a risco potencial de infecção e transmissão do HIV3, ao realizar treinamentos no site de coleta de dados da Girard Avenue em Philadelphia, sob a supervisão do Professor David Metzger, com quem posteriormente desenvolvi um projeto no Brasil em conjunto com o Prof. Woody. Já em 1993, os colegas de Philadelphia utilizavam a abordagem que no Brasil, bastante ideologizada na década de 90, foi chamada de “consultórios de rua”, ao usarem mecanismos de “bola de neve” e encaminhamento por clientes-chave para construir uma rede social de apoio e atenção ao usuário. Adquiri todos estes conhecimentos em diversos seminários e treinamentos, e busquei implementar parte deles no meu retorno ao Brasil. A segunda foi a avaliação polidimensional do impacto e prognóstico do uso de drogas, através do Addiction Severity Index (ASI), desenvolvido por A.T. McLellan e colaboradores4 na década de 80, e atualmente na sua sexta versão. Versões traduzidas do ASI já haviam sido desenvolvidas no Brasil por Arthur Guerra de Andrade e colaboradores em São Paulo. Porém foi através da interação de nosso grupo com os autores em Philadelphia que a versão 6 do ASI foi adaptada e validada para o Brasil, através de uma tese de doutorado supervisionada por mim e financiada com verbas do governo federal. O ASI – sem dúvida um dos instrumentos de avaliação mais utilizados no mundo – é atualmente utilizado sob forma regular por nosso grupo.

Produção de artigos, capítulos e livros no período PECHANSKY, F. 1994. Informações sobre Terapia Breve no Tratamento do Alcoolismo. In Caderno Técnico de Saúde e Segurança do Trabalhador - Edição Especial, editado por SESI

3 WATKINS KE, METZGER D, WOODY G, MCLELLAN AT. High-risk sexual behaviors of intravenous drug users in- and out-of-treatment: implications for the spread of HIV infection. Am J Drug Alcohol Abuse. 1992; 18(4):389-98. 4 MCLELLAN AT, LUBORSKY L, WOODY GE, O’BRIEN CP. An improved diagnostic evaluation instrument for substance abuse patients. The Addiction Severity Index. J Nerv Ment Dis. 1980 Jan; 168(1):26-33.

31


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

- DEPTO. NACIONAL-DITEC. BRASILIA/DF: SESI - DEPTO. NACIONAL-DITEC PECHANSKY, F., SOIBELMAN, M.. 1993. Evaluation of Drug Dependence Treatments in Brazil. In Brasil-United States Binational Research, editado por INCIARDI, J.A., MONTEIRO, M.G. (EDS.), 77-85. USA: NIDA PECHANSKY, F. 1992. Psicoterapia de Alcoolistas. In Psicoterapias: Abordagens Atuais, editado por CORDIOLI, A.V. (ED.), 279-295. PORTO ALEGRE: ARTES MEDICAS PECHANSKY, F., FUCHS, F. 1992. Uso Não-Médico de Fármacos In Farmacologia Clínica Fundamentos da Terapêutica Racional, editado por F Dani Fuchs; Lenita Wannmacher. Ed 1a, 359-381. Porto Alegre: Guanabara Koogan WORTMANN, A., GRUDTER, M. C., PECHANSKY, F. et al. 1994. Consumo de Benzodiazepínicos em Porto Alegre In Revista Da Associação Médica Brasileira, v.40, 265-270 PECHANSKY, F., SOIBELMAN, M., JACQUES, S. C. 1994. Estimativas para a severidade da dependência do álcool e possibilidade de melhora: Discordância entre pacientes e psiquiatras In Revista De Psiquiatria Do Rio Grande Do Sul, v.16, 196-201 PECHANSKY, F., CARLO, DME. Et al. 1994. Transtorno de Personalidade antissocial: O estado atual de sua epidemiologia e identificação. In Jornal Brasileiro De Psiquiatria, v.43, 533-541 PECHANSKY, F. 1994. Uma cultura de comunicação entre profissionais da área de dependência química: será que já amadurecemos o suficiente? In Boletim da Associação Brasileira de Estudos do Álcool e Outras Drogas, v.23, 2-5 PECHANSKY, F., WORTMANN, A. 1993. O consumo de Benzodiazepínicos na cidade de Porto Alegre e a situação conjugal de seus Usuários In Revista De Psiquiatria Do Rio Grande Do Sul, v.15, 150-151 PECHANSKY, F., SOIBELMAN, M. 1992. O uso de substâncias psicoativas por alunos de uma escola privada de Porto Alegre In Revista Da Associação Médica Do Rio Grande Do Sul, v.36, 114-119 PECHANSKY, F., DURGANTE, L. 1992. O uso de bebidas alcoólicas em adolescentes residentes na cidade de Porto Alegre: Dados iniciais referentes à sexo e faixa etária dos entrevistados. In Revista De Psiquiatria Do Rio Grande Do Sul, v.14, 210-212 PECHANSKY, F., SOIBELMAN, M. 1991. Consumo de álcool em três escolas de Porto Alegre In Boletim da Associação Brasileira de Estudos do Álcool e Outras Drogas, v.4, 4 PARIS LRF, MIRANDA, RS, PECHANSKY, F. 1991. Pacientes alcoolistas após a alta hospitalar: Descrição das dificuldades na localização dos casos e características da amostra In REVISTA ABP/APAL, v.13, 117-121 PECHANSKY, F. 1990. Avaliação da severidade da dependência do álcool: Problemas relacionados a padrões objetivos e subjetivos de estimativa In Revista De Psiquiatria Do Rio Grande Do Sul, v.12, 196-201

32


SEÇÃO II O TRONCO

MACHADO, S., ABREU, P., PECHANSKY, F., SCHNEIDER, F. et al. 1990. Depressão no Hospital Geral II: Habilidade do não especialista em detectar sintomas In REVISTA ABP/ APAL, v.11, 97-100

1994-95 – O Processo de Reentrada e o Início da Carreira como Professor Fui homenageado como aluno-destaque ao término de meu estágio em Baltimore5, e retornei ao Brasil em dezembro de 1994. O retorno era um assunto sempre presente em meu período na J. Hopkins, tendo o Prof. Mandell desenvolvido uma série de supervisões individuais com cada aluno para tentar antecipar as dificuldades inerentes a reinserirse em um ambiente com menores condições para o desenvolvimento de projetos quando comparado ao da universidade americana. Já naquela época meu interesse nas supervisões com Mandell era voltado para dois temas principais: a) os mecanismos de abandono/manutenção de tratamento para dependentes graves de droga, e como atuar na forte tendência dos serviços de saúde mental em “expulsar” os dependentes químicos do tratamento, ao criar condições impessoais de atendimento, e b) a compreensão dos múltiplos elementos que determinam o uso e abuso de substâncias por parte dos indivíduos. Este esquema era utilizado sistematicamente nos seminários por Mandell para ilustrar a multiplicidade de fatores envolvidos. Muitas das variáveis descritas nesse modelo didático continuam sendo estudadas por nosso grupo, tendo gerado linhas de pesquisa específicas. No aspecto pessoal, Mandell particularmente supervisionava o que entendia ser meu traço de liderança para grandes projetos de base epidemiológica, e o cuidado com a formação de equipes multiprofissionais – característica essencial para projetos na área de álcool e drogas. O tema de “reentrada” mostrou-me a dificuldade de simplesmente “importar” - sem a necessária adaptação transcultural - metodologias que se mostravam adequadas nos EUA. Este tema terminou sendo particularmente relevante em nosso grupo - em especial quando se refere à importação de tecnologias inapropriadas para nossa cultura relacionada a abuso de drogas, tanto na área de pesquisa como prevenção e tratamento, ou à implementação

5 1994 - Representante Selecionado pelo Programa Hubert H. Humphrey para homenagem junto ao Depto. de Estado Americano e para o Video Investing in People- linking Nations - Institute of Inernational Education, Depto. de Estado Americano - Washington.

33


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

de técnicas baseadas mais em ideologia do que evidencia dura. Durante minha carreira, já escrevi vários editoriais a este respeito – tanto exemplificando erros técnicos de nosso grupo em executar esta implementação quando “encomendada” pelo ministério da saúde em 2001, quanto buscando apontar problemas e soluções no nível governamental – atualmente, em especial nas políticas relacionadas ao beber e dirigir. Os títulos de alguns destes editoriais e artigos, listados abaixo6, ilustram a forma como tento abordar a questão, e são claramente fruto de meu treinamento com o Prof. Inciardi, exímio editorialista.

• 1994 - Treatment for drug and alcohol problems in Brazil: a puzzle with missing pieces – uma alegoria ao fato de o tratamento para dependência química no Brasil ser constantemente incompleto, devido à falta de treinamento de profissionais, rede

6 Para fins de exemplo, os artigos de diferentes fases de minha carreira acadêmica foram listados aqui. Eles se encontram em ordem cronológica ao final de cada seção deste memorial.

34


SEÇÃO II O TRONCO

insuficiente e distorções dos modelos teóricos preconizados pela literatura. • 2000 - Malignant technology transfer in drug abuse services research: in a hurry to get somewhere? – uma paródia com o apressado Coelho Branco de As Aventuras de Alice no País das Maravilhas (Lewis Carroll) e a implementação de tecnologias inapropriadas para uso no Brasil sem sua testagem e adaptação preliminar. • 2001 - Limites e Alternativas para Implementação de um Programa para Dependentes Químicos em Risco para a Infecção pelo HIV Utilizando o conceito de Rede Social – análise crítica do fracasso na implementação de um projeto dentro do HCPA, devido a dificuldades ideológicas e estruturais e mau monitoramento pelo Ministério da Saúde. Este artigo utiliza evidências de insucesso de um projeto para ilustrar a tênue lâmina sobre a qual devemos caminhar ao buscar financiamento para projetos oriundos de instituições cuja base de financiamento são programas não particularmente orientados por agendas científicas. • 2006 - Was Goliath blind or ignorant? The struggle between evidence and passion in alcohol public policies in Brazil – critica o excesso de ideologização dos fazedores das políticas públicas e o viés causado em sua implementação, ao não respeitar decisões baseadas em evidência sólida, privilegiando suas próprias impressões. • 2006 - The question of technology transfer: how does that apply to Brazilian reality? – retoma o tema de transferencia de tecnologia sem adaptação, ao comentar artigo de Vlahov e Celentano7 que descreve a utilização de tecnologias de alta qualidade para prevenção do HIV – HAART (highly active antirretroviral therapy) versus a inconsistente rede de atenção ao usuário de drogas soropositivo no Brasil. • 2011 - Skepticism, publication bias and a grain of salt - do we already know how to evaluate prevention programmes? – comentário por convite a respeito de um artigo de Bodin e Strandberg8 sobre a publicação de dados negativos relativos a programas de prevenção na área de álcool e drogas. • 2012 - Why don’t northern American solutions to drinking and driving work in southern America? – através de uma vinheta de caso, comenta a dificuldade de utilização das melhores técnicas de prevenção e fiscalização do beber e dirigir no Brasil,

7 VLAHOV, D. e CELENTANO, DD. Access to highly active antiretroviral therapy for injection drug users: adherence, resistance, and death. Cad. Saúde Pública 2006, vol.22, n.4, pp. 705-718. 8 BODIN MC e STRANDBERG AK. The Örebro prevention programme revisited: a cluster-randomized effectiveness trial of programme effects on youth drinking. Addiction. 2011 Dec;106 (12):2134-43.

35


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

quando comparadas com Canadá e Estados Unidos. O foco na reentrada sempre foi a manutenção das relações desenvolvidas no período americano, associado à montagem de um grupo e busca de uma posição de liderança na área. Nos últimos 20 anos, viajei mais de 60 vezes aos EUA buscando esta manutenção e desenvolvendo novas parcerias, estratégia que se mostrou eficaz. Inicialmente o Prof. Inciardi teve papel fundamental, ao criar através de um mecanismo de doação da Universidade de Delaware um sistema de seed money (U$ 20,000!) para que eu iniciasse no Brasil um projeto-piloto na área de pesquisa que ele desenvolvia – a exposição a risco para HIV/AIDS em usuários de drogas, à época injetáveis. O projeto intitulava-se ASSESSMENT OF RISK BEHAVIORS FOR HIV TRANSMISSION AMONG HIGH RISK INDIVIDUALS IN PORTO ALEGRE-BRAZIL, tendo a mim como Investigador Principal. Para sua execução, criei um projeto específico de validação para o Brasil de uma escala de investigação de risco entre usuários de drogas intitulado VALIDAÇÃO DO QUESTIONÁRIO CRA E DA ESCALA DE MOTIVAÇÃO PARA MUDANÇA (Flavio Pechansky, Investigador Principal). Concomitantemente, iniciamos um projeto de pesquisa em colaboração com a Universidade da Pensilvania - A DISSEMINAÇÃO DO HIV ENTRE ABUSADORES DE DROGAS BRASILEIROS, George Woody, Investigador Principal – financiado pela Fogarty Foundation e NIDA, com o objetivo de seguir usuários de cocaína injetável para identificar fatores de risco e proteção para o HIV, assim como sua soroincidência. Os projetos americanos já eram bem estruturados há aproximadamente 10 anos, quando a epidemia de AIDS começou a se alastrar entre usuários de drogas, tendo o Prof. Inciardi sido o primeiro autor a relatar a presença de uma forma de uso de cocaína – a “cocaína fumada” (crack) na cena de drogas de Miami, em suas notas pessoais de campo. Uma vez que meu projeto de doutorado havia sido refinado nos EUA através da bolsasanduíche da CAPES, que estendeu meu período americano por mais 12 meses, eu tinha condições de iniciar uma coleta de dados montando um pequeno grupo de colaboradores em Porto Alegre. Concomitantemente, havia uma vaga disponível para concurso público para Professor Assistente no Departamento de Psiquiatria da UFRGS, para a qual me candidatei, tendo me classificado em primeiro lugar e assumido minhas atividades em 19 de dezembro de 1995. A partir deste instante, um novo perfil começava a se desenhar em minha atividade profissional – o de professor universitário, associado ao de coordenador de um grupo de pesquisa. O quadro ao lado resume minhas atividades de ensino formal para alunos de graduação e pós-graduação desde minha entrada em 1995 e doutoramento em 1998:

36


SEÇÃO II O TRONCO

Quadro 1. Disciplinas ministradas para alunos de Graduação e Pós-Graduação DISCIPLINAS – GRADUAÇÃO Medicina Psicologia Médica II: Relação Médico-Ppaciente Desenvolvimento do Adulto e do Idoso Internato em Psiquiatria (Equipe Internação) Psiquiatria – Estágio (Equipe Internação) Relação Médico-Paciente - Eestágio

DISCIPLINAS – PÓS-GRADUAÇÃO – PPG Psiquiatria Tópicos Avançados Seminários sobre álcool e drogas Laboratório de Treinamento para Apresentações Científicas Tópicos de Pesquisa sobre Álcool e Drogas I Prática Didática em Psiquiatria - Estágio Docência Modelos de Tratamento Psicossocial ou Alcoolismo e Farmacodependência

DISCIPLINAS – MESTRADO PROFISSIONAL Seminários Integrados de Projetos I e II Modelos de Prevenção do Uso de Drogas Tópicos sobre Substâncias Psicoativas e Tratamento Farmacológico Técnicas de Tratamento não Farmacológico I e II Comorbidades Clínicas e Psiquiátricas e Riscos Associados ao Uso de Drogas

Como é possível perceber, o foco de minha atividade didática sempre esteve voltado para três aspectos principais: o ensino de psicologia médica, o ensino sobre abuso e dependência de drogas, e métodos e desenvolvimento de técnicas didáticas. Este tema tem sido uma constante em minha carreira desde então. Além das atividades formais dentro do ambiente universitário e de um hospital de ensino, recebi em 1994 o primeiro de muitos convites para atuar em atividades de

37


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

consultoria, neste caso junto ao Prodequi - Programa de Estudos e Atenção às Dependências Químicas da Universidade de Brasília, sendo responsável pela implementação de programas de pesquisa e capacitação de recursos humanos nas áreas de drogadição, alcoolismo e AIDS, junto ao Instituto de Psicologia. Paralelamente às atividades de pesquisa, iniciei minha carreira diretamente como professor de alunos de graduação, tanto na disciplina geral de Psiquiatria – sempre ministrando aulas teóricas e práticas sobre alcoolismo e dependência de drogas - como na disciplina na qual tenho já 20 anos de experiência – Psicologia Médica II. Esta disciplina herda os conceitos originais da disciplina Relação Médico-Paciente, da qual fui monitor vinculado ao Departamento de Psiquiatria durante a graduação. Um dos aspectos que norteia minha atividade com alunos nesta disciplina é a forte orientação que recebi ainda durante a graduação em seminários teórico-práticos com o Prof. Milton Abramovich, referentes aos “Grupos Balint” – sessões de atendimento de pacientes em grupo, à época realizadas na Enfermaria 37 da Santa Casa de Misericórdia, voltadas à compreensão dos elementos de relação médico-paciente que – subjacentes aos fenômenos mais clinicamente evidentes – determinariam avanços ou retrocessos no processo terapêutico. Em essência, em seu livro mais importante, O Médico, Seu Paciente, e a Doença, Balint dizia que “A relação médico-paciente torna-se uma relação entre a instituição médica e a doença, não existindo espaço para os sujeitos (o médico e o paciente)”. A expressão “Conluio do anonimato” caracterizava a diluição das responsabilidades médicas entre dezenas de condutas adotadas por especialistas – referenciando pacientes a terceiros – sob um guarda-chuva institucional, onde o paciente não identificaria o médico primariamente responsável por seu problema9. Junto com um grupo seleto de colegas que estagiou com o Prof. Abramovich, fui treinado a identificar e tentar corrigir este fenômeno na relação com pacientes – o que é particularmente pernicioso com dependentes químicos, que frequentemente são jogados para diversos serviços de atendimento simultaneamente, e com consequências desastrosas. Com alunos na disciplina de Psicologia Médica, desenvolvi uma mecânica progressiva de ensino que busca incorporar estes elementos ao programa formal. Através de uma série de jogos e dramatizações entre os alunos, muito antes de iniciarmos as entrevistas de treinamento com pacientes, busco orientá-los a identificar os elementos próprios que irão determinar sucesso ou fracasso no estabelecimento de rapport. Além disso, acredito que a supervisão elegante e gentil dos erros no processo de ensino-aprendizado tem

9 BALINT, M. O Médico, seu Paciente e a Doença. Rio de Janeiro: Atheneu, 1984

38


SEÇÃO II O TRONCO

sido desconsiderada, por necessitar de tempo e um tipo de dedicação na relação professoraluno cada vez mais raros no ensino da Medicina. Já escrevi sobre isso em diferentes ocasiões, utilizando inclusive um capítulo de livro de minha autoria como material didático para seminários desta disciplina10. Uma outra função que sempre tive interesse em desempenhar no Departamento e Serviço de Psiquiatria, desde minha inserção como membro, tem a ver com os fenômenos de transição entre grupos e a manutenção da história da instituição. Ao estudar em uma escola centenária como a Johns Hopkins (criada em 1876) aprendi (sem compreender totalmente à época) – uma noção fundamental da Teoria da Gestalt – que o todo é maior que a soma das partes; apesar de serem formadas por indivíduos, instituições são maiores e mais perenes do que os profissionais que as compõem. Ao longo da carreira profissional, as ações que um professor irá fazer deixarão uma contribuição que é única – equivalente a uma “pegada digital” para seu Departamento, colegas, alunos e pacientes. Em especial, jovens profissionais precisam ser orientados neste processo, para que todo o seu potencial criativo seja explorado ao máximo, frutificando e florescendo nas melhores direções. Com base nesta preocupação, busquei instituir no Departamento nossas grandes reuniões temáticas, que acontecem aproximadamente a cada seis meses desde 1996. Nelas, e frequentemente sem seguir obrigatoriamente uma pauta fixa, buscamos determinar de forma interativa os rumos futuros do grupo, a acolhida de prioridades acadêmicas e de formação de novos profissionais, e o crescimento organizado de algumas áreas. Em especial, preocupo-me com as transições, caracteristicamente quando novas vagas são geradas pela aposentadoria compulsória de professores, modificando intensamente a personalidade do Departamento. Acredito ser esta uma contribuição simples, porém genuína, que busco oferecer a meus colegas desde o início de minha atividade como professor. Simultaneamente a minha atividade docente, iniciei a expansão do Programa de Alcoolismo do HCPA. Inicialmente de forma incipiente e voluntária, já havia estruturado um programa de tutoria e supervisão de interconsultas com residentes da Especialização em Psiquiatria em 1992, mantido pela Dra. Beatrice Neumann como professora substituta, e que foi retomado com o início de minha carreira universitária e como membro do Serviço

10 PECHANSKY, F. O paciente que se atrasava. In Cataldo Neto A, e cols. (orgs.). O Estudante de Medicina e o Paciente: Uma Aproximação à Prática Médica. 2ª. Ed., EDIPUCRS, 2007

39


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

de Psiquiatria do HCPA em 1995. Ao retomá-lo consegui inicialmente estruturar um pequeno programa de treinamento de residentes e cursistas de segundo ano de psiquiatria para atendimento em algumas salas de ambulatório, junto com a alocação de quatro leitos da Unidade de Internação Psiquiátrica para desintoxicação de alcoolistas. Este programa mínimo, porém já estruturado, foi a gênese do que viria a ser no futuro o Serviço de Psiquiatria de Adição do HCPA. Tinha como características os seguintes pontos: •

Identificação de casos a partir de protocolos de pesquisa; à época, já tentávamos utilizar escalas validadas do exterior através de trabalho conjunto, em especial o Risk Assessment Battery, para risco de infecção pelo HIV em usuários de drogas, traduzido e adaptado por mim para o português, e o Addiction Severity Index – ASI, na sua versão 5. As escalas de avaliação de gravidade de alcoolismo – Severity of Alcool Dependence Data, adaptadas e validadas por colegas brasileiros e pelo nosso grupo, também foram utilizadas a partir de então.

Utilização de técnicas cognitivo-comportamentais e de conceitos de Comunidade Terapêutica no programa de tratamento; mesmo limitado pela estrutura da Unidade de Internação Psiquiátrica, que não preconizava o tratamento em grupo em função das diversas e graves patologias dos demais pacientes, buscávamos fazer com que nossos pacientes desempenhassem tarefas terapêuticas progressivas, orientadas por metas, de acordo com os conceitos que havia desenvolvido e apreendido durante o estágio americano.

Trabalho multidisciplinar; nossa equipe foi a primeira na Unidade de Internação a realizar rounds comuns com as equipes de enfermagem e recreação terapêutica de forma sistemática, às quartas-feiras pela manhã, com o intuito de agregar tarefas terapêuticas ao programa de recuperação dos pacientes. Mesmo sendo essa uma ideia simples - e sabidamente de resultados conhecidos na literatura, chamava-me a atenção o fato de que as outras equipes não o faziam, desta forma utilizando-se pouco de ferramentas consagradas na literatura psiquiátrica.

Seminários clínicos e rounds com entrevistas de pacientes; com certeza fruto dos seminários da Enfermaria 37 com o Prof. Milton Abramovich, instituí a supervisão “in loco” de casos de dependência química avaliados pelos residentes em entrevista com o professor. Sistematicamente, de uma a duas vezes por semana, os casos da equipe eram entrevistados por mim em conjunto com os residentes, para a identificação de sintomas de abstinência, refinamento da coleta de dados e planejamento terapêutico. Acredito que este é um diferencial que foi sistematizado em nosso programa mesmo com sua expansão.

40


SEÇÃO II O TRONCO

Produção de artigos, capítulos e livros no período PECHANSKY, F., ABRAHAMS, S. 1995. CICSAR - Center for International Cooperation on Substance Abuse Reduction - A Proposition for the Future. In Project Proposals to Reduce Substance Abuse in Twelve Developing Countries, editado por MANDELL, W. (ED.) - THE JOHNS HOPKINS UNIVERSITY. BALTIMORE PECHANSKY, F. 1995. The Need for a Drug and Alcohol Communication Network: Is it Time for Brazil? In Project Proposals to Reduce Substance Abuse in Twelve Developing Countries, editado por MANDELL, W. (ED.) - THE JOHNS HOPKINS UNIVERSITY. BALTIMORE PECHANSKY, F., BARROS, F.. 1995. Problems related to Alcohol consumption by adolescents living in the city of Porto Alegre, Brazil In American Journal Of Drug Issues, v.25, 735-750 PECHANSKY, F. 1995. Treatment for Alcohol and Other Drug Problems in Brazil: A Puzzle with Missing Pieces In Journal of Psychoactive Drugs, v.27, 117-123

1998 – Doutorado, Presidência do CELG Meu programa de doutorado foi concluído em 1998, quando defendi a tese UM ESTUDO SOBRE SITUAÇÕES DE RISCO PARA CONTAMINAÇÃO PELO VÍRUS HIV EM USUARIOS DE DROGAS DA CIDADE DE PORTO ALEGRE, orientado pelo Prof. Ellis Busnello e pela Dra. Mary Clarisse Bozzetti, novamente obtendo o conceito “A com louvor”. Este projeto gerou – além de cinco artigos específicos – minha primeira linha de pesquisa, que perdurou por aproximadamente 16 anos, com a produção de aproximadamente 15 artigos, além de vídeos que foram premiados11, capítulos de livros e manuais de treinamento e abordagem de pacientes. Fundamentalmente, incorporamos os conceitos de pré- e pós-teste HIV a um programa de avaliação de dependência química de usuários de cocaína de baixíssimo poder aquisitivo. Este programa não era o nosso programa de tratamento, mas sim o de avaliação de casos com ingresso voluntário nos Centros de Orientação e Apoio Sorológico (COAS) da Prefeitura de Porto Alegre, com a qual mantivemos uma importante parceria durante aproximadamente 10 anos. Este tipo de trabalho permitiu ao pequeno grupo de voluntários e bolsistas que me acompanhava o

11 1999 - Primeiro Prêmio no II Festival de Vídeo Universitário e Independente do VII Gramado Vídeo. 1998 Primeiro Prêmio no XV Set Universitário da PUCRS para o Vídeo “A Escolha”.

41


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

conhecimento de ações de campo para a assistência a estes tipos de usuários, tipicamente conhecido como hidden populations, uma vez que são avessos ao atendimento formal de programas de saúde de base hospitalar. Novamente os ensinamentos do Prof. Inciardi sobre coletas de dados nos ambientes de uso de drogas foram fundamentais, tendo sido possível desenvolver projetos mais “na rua” do que baseados no HCPA. Além da consolidação da linha e do grupo de pesquisa, foi possível aumentar uma relação de intercâmbio constante com as Universidades de Delaware e Pensilvania durante este período, quando fui convidado para ser professor e cientista visitante de ambas as instituições, e da Universidade do Kentucky em 2009. O convite da Universidade da Pensilvania tem sido sistematicamente renovado desde o seu início, com progressão de Associate Professor para Adjunct Assistant Professor em 2011, o que manteve, durante os anos seguintes, uma relação sólida de intercâmbio e desenvolvimento de técnicas de pesquisa que até hoje utilizamos em nosso Centro. A conclusão do programa de doutorado permitiu-me consolidar minha posição como professor – agora Adjunto, e iniciar a orientação de alunos de programas de pós-graduação. As duas primeiras orientações foram ainda de alunos de mestrado no programa de Medicina - Clínica Médica da UFRGS. A partir da criação em 2000 do programa de Pós-Graduação em Psiquiatria da UFRGS (atualmente nota 7 da CAPES), faço parte do corpo de professores orientadores, tendo orientado alunos de mestrado, doutorado e pós-doutorado, além de participar da Comissão Coordenadora. Também sou orientador convidado dos programas de pós-graduação em odontologia da UFRGS e da UFMG, em projetos na área de abuso e dependência de açúcares extrínsecos não lácticos. Um produto de difícil mensuração – mas de enorme impacto no grupo – foi o estabelecimento de uma relação sólida e profícua com dois excepcionais alunos que tenho a honra de acompanhar desde o início de sua formação profissional. A Dra. Lísia Von Diemen, Orientadora de nosso PPG e Chefe da Unidade de Ensino e Pesquisa de nosso atual Centro Colaborador, e o Prof. Félix Henrique Paim Kessler, atualmente Professor Auxiliar de Psiquiatria Forense em nosso Departamento e Vice-Diretor do CPAD, dividem comigo a responsabilidade sistemática de fazer nosso grupo crescer ao longo destes quase vinte anos. A intensidade e a proximidade de nossa relação de trabalho e amizade tanto podem ser atestadas pela coautoria de artigos e projetos ao longo deste período, como também pela incorporação de suas características de lealdade e integridade científica em uma área especialmente carente de parâmetros como a nossa. Tem sido sem dúvida uma das maiores

42


SEÇÃO II O TRONCO

satisfações em minha carreira como professor acompanhar o desenvolvimento destes talentosos e criativos colegas, que no momento sobrepujam os ensinamentos ofertados por mim em seu início de carreira. Em paralelo às atividades acadêmicas formais, assumi a Presidência do Centro de Estudos Luís Guedes (CELG) de 1999 a 2003, tendo sido seu Secretário na gestão anterior. O CELG é o braço científico do Departamento de Psiquiatria. Não tem fins lucrativos e congrega aproximadamente 300 sócios psiquiatras e psicólogos, dentre

eles

professores,

alunos

e

ex-alunos

desse

departamento e dos demais cursos de especialização, extensão e pós-graduação em psiquiatria promovidos pela UFRGS, residentes e ex-residentes da Residência Médica em Psiquiatria do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), além de professores convidados. Foi fundado em 1959, com atividades ininterruptas desde então. É filiado à Associação Brasileira de Psiquiatria, junto à qual é órgão representativo de seus associados, e mantém uma das melhores bibliotecas sobre psiquiatria do país. Esta foi minha primeira experiência de gestão de uma associação, não sendo relacionada a projetos de pesquisa ou assistência. Apesar de aparentemente simples (o CELG contava com aproximadamente 260 sócios à época), ensinou-me o quanto pode ser complexa a convivência entre profissionais no sentido de disputa por espaços que deveriam ser exclusivamente acadêmicos. Uma vez que o CELG serve de polo para a formação de jovens especialistas, mantendo diversos cursos, supervisões e eventos ao longo de seus cinquenta anos de existência, é claro que outras forças – além do interesse associativo e acadêmico puro – sistematicamente atacam a instituição e sua diretoria. Acredito que uma das características de uma boa gestão é a de “governar com uma balança”, pesando delicadamente aspectos éticos, financeiros, e o benefício final da instituição (que é maior que os indivíduos que a compõem), e esta máxima foi posta à prova inúmeras vezes durante os três anos em que estive à frente do CELG, com sofrimento pessoal e ganhos definitivos para a carreira acadêmica. Algo que busquei fazer durante este período e sigo repetindo desde então, é contar com um “conselho de experts” – frequentemente ex-presidentes, ou professores com conhecimento prévio da instituição – para guiar as tomadas de decisão. Algumas palavras – retiradas das colunas “Mensagem do Presidente” do Jornal do CELG durante minha

43


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

gestão, ilustram a preocupação crônica com alguns temas particularmente caros a mim, e obsessivamente repetidos ao longo de minha carreira: Sobre a relação dos sócios com a instituição, buscando clarificar a função da diretoria perante os estatutos, os sócios e as forças que pressionam um Centro: “[...]O compromisso de uma Diretoria não pode ser apenas com sua própria gestão, e historicamente os presidentes do CELG têm sempre agido no sentido de plantar sementes para as gestões futuras. Todo o crescimento físico e científico desta instituição foi baseado nesta premissa. Se assim não o fosse, correríamos o risco de fazer exclusivamente política, e não a administração voltada para a ciência, como está descrito no estatuto de nosso centro12. [...]” Sobre o trabalho em equipe para produzir um evento científico de custo alto (a XX Jornada Sulriograndense de Psiquiatria Dinâmica, e as filigranas intrínsecas às equipes e grupos que pressionam para ter seu nome no programa científico, e como equilibrar essa difícil balança, além de procurar constantemente clarificar o papel da Diretoria – o de funcionar para o sócio, e não de forma endogâmica: “[...]O congressista decide se vai ou não participar do evento. Ele considera se sua agenda comporta mais este gasto, se seu cérebro comporta mais um espaço para discussões, se ele tolera assistir a mais conferências, ou discutir mais casos clínicos. Mas ele não tem a obrigação de saber o quanto custou ao tesoureiro a confecção das malas diretas que ele vai ler, as negociações com patrocinadores, o número infinito de telefonemas e mensagens eletrônicas passadas entre os membros da comissão organizadora, ou mesmo quantas vezes o programa científico foi trocado para acomodar todas as necessidades pessoais, científicas e até políticas que compõem a montagem de um congresso. [...] O congressista decide se quer ou não fazer uma pergunta quando a palavra é posta à disposição do público. Mas ele não sabe que, desde a locação do microfone e material audiovisual até o tipo de assunto que ele está assistindo, tudo foi pensado para que ele fizesse aquela pergunta. E quantas vezes a

12 Inadimplência e crescimento – Mensagem do Presidente- Jornal do CELG, página 03, Janeiro de 2000

44


SEÇÃO II O TRONCO

comissão organizadora revisou o tema para que ele fosse suficientemente interessante para manter o congressista na plateia... [...] O congressista vai embora e decide se gostou ou não do evento. Se o programa científico estava adequado às suas necessidades, se os slides estavam bem apresentados, se os banheiros funcionavam, se o café estava quente e se o cardápio do jantar foi de seu agrado. E o congressista tem razão em decidir sobre esses temas ou quaisquer outros que possam estar ligados à montagem de um evento científico. [...] Quero aproveitar esta Mensagem do Presidente para agradecer do fundo do meu coração às mais de 50 pessoas que estão trabalhando há 16 meses para que este evento se torne possível.13” No discurso de abertura da XX Jornada de Psiquiatria Dinâmica, em Canela, exatamente 40 anos depois de seu primeiro evento, em Gramado, em 1960, homenageando Paulo Guedes, um dos criadores do CELG, e buscando demonstrar a importância da convivência fértil entre áreas complementares – psicoterapia analítica/neurobiologia, ciência/ artes: “[...] Na intersecção entre dois séculos, o tema escolhido para este evento é o da Psicoterapia na Era das Neurociências, e por mais contemporâneo que este tema possa ser, ele não é em nada original. A expressão apenas ilustra a necessidade perene – e constantemente reiterada - da psiquiatria se expressar de forma integrada com a evidência cientificamente comprovada, sem perder o componente artístico que tanto a caracteriza como uma ciência especial. E neste momento eu que eu cito ciência e arte, eu gostaria de fazer uma discreta, porém muito sincera homenagem àquele que foi o idealizador do nosso centro e de nossas Jornadas. Paulo Guedes foi uma figura única, que através de um misto de carisma e cientificismo conquistou a amizade e o respeito de uma geração inteira de psiquiatras, quando do início do movimento psicanalítico em nosso meio, no final dos anos 50. [...] Decidiu-se por ser principalmente psicanalista, mas jamais abandonou a paixão pela música, em especial a música de câmara e a obra de Schubert -, e aqueles que o conheceram sabem da total impossibilidade

13 O congressista - Mensagem do Presidente- Jornal do CELG, página 03, Outubro de 2000

45


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

de separar as expressões música, psicanálise e Paulo Guedes. [...] Deixou um legado de raízes sólidas: criou um espaço científico único e ao mesmo tempo plural, que é o CELG, quando era catedrático em exercício da cadeira de clínica psiquiátrica. [...] Ao procurar saber quem foi Paulo Guedes, um dos idealizadores do nosso CELG e de nossas Jornadas, eu tive o prazer, através da Zuleika, de ser apresentado a um homem simples, por vezes até tímido, avesso às formalidades excessivas, desconfortável nas togas que as homenagens como paraninfo o obrigavam a vestir, mas constantemente feliz pela reunião que os amigos de ciência e de música sempre lhe proporcionavam. Sua casa era cheia de gente e havia espaço em sua vida para todos e para tudo. Paulo Guedes teria hoje 84 anos, e com certeza se ainda estivesse entre nós, estaria dando um jeito de depois da atividades científicas encontrar um lugar no hotel onde se pudesse cantar um bom samba acompanhado de um violão [...]14.

Produção de artigos, capítulos e livros no período PECHANSKY, F., SZOBOT, C. 1998. Conceitos sobre o Uso de Drogas na Adolescência. In Programa Consciência - Prevenção ao Uso de Drogas por Crianças e Adolescentes, editado por FAY, MR.: MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL FUCHS, FD, PECHANSKY, F. 1998. Fármacos de Uso Não-médico e Abuso de Drogas. In Farmacologia Clínica - Fundamentos da Terapêutica Racional, editado por WANMACHER, L. E FUCHS, FD. PORTO ALEGRE: GUANABARA KOOGAN PECHANSKY, F., VON DIEMEN L. 1998. Homens e Mulheres Usuários de Drogas: Semelhanças e diferenças na exposição ao Vírus HIV em Porto Alegre- No Prelo In Álcool e Drogas Revista ABEAD, v.1, 15-26 PECHANSKY, F. 1998. Patterns of Alcohol Use Among Adolescents Living in Porto Alegre, Brazil In Journal of Psychoactive Drugs, v.30, 45-51 PECHANSKY, F., SOIBELMAN, M., KOHLRAUSCH, E.. 1997. Assessment of Risk Situations for HIV transmission among Drug Abusers in Porto Alegre, Brazil In JOURNAL OF DRUG ISSUES, v.27, 147-154 PECHANSKY, F., MELLO, CO, INCIARDI, J. et al. 1996. A Participant observation of the Therapeutic Community as a Model for Drug Dependence Treatment In Journal of Drug Issues, v.27, 299-314

14 Homenagem a Paulo Guedes - Mensagem do Presidente- Jornal do CELG, página 10, Janeiro de 2001

46


SEÇÃO II O TRONCO

WALLAUER, A. P., BICCA, C., ZUBARAN, C. S. C., PECHANSKY, F. et al. 1996. Transtorno por Déficit de atenção/Hiperatividade e abuso de drogas na Adolescência In Revista De Psiquiatria Do Rio Grande Do Sul, v.18, 162-169 PECHANSKY, F., INCIARDI, J, KOHLRAUSCH, E. 1996. Uma proposta para Treinamento em Intervenções Preventivas sobre HIV/AIDS em Porto Alegre In Revista De Psiquiatria Do Rio Grande Do Sul, v.18, 374-381

2002 – Criação do CPAD e Grandes Projetos O pequeno núcleo de pesquisa que se estruturava a partir de 2000 tinha como principal linha de atuação a área de abuso/dependência de drogas, com ênfase em situações de risco para exposição ao HIV e comorbidades psiquiátricas. Este núcleo era financiado predominantemente por verbas oriundas de programas americanos, com algum suporte do FIPE (Fundo de Incentivo à Pesquisa e Eventos) do HCPA. Em particular, dois projetos auxiliaram o desenvolvimento do grupo a partir do ano de 2002: •

REDUÇÃO DE RISCO E PREVENÇÃO DO HIV EM USUÁRIOS DE DROGAS BRASILEIROS E SUAS PARCEIRAS SEXUAIS, onde atuei como co-investigador principal a partir de um projeto original da Universidade de Delaware (J. Inciardi, Investigador Principal) Este projeto do Prof. Inciardi era financiado pelo NIDA e teve um “braço brasileiro”,

visando traduzir e adaptar a técnica de Mapa Cognitivo e seu manual de mapeamento do pensamento e “cartões-lembrete” revisados para o português, testando os materiais com grupos focais de potenciais clientes em Porto Alegre. Visava implementar e testar a efetividade da intervenção para amostras-piloto separadas de usuários de drogas injetáveis e parceiras sexuais de usuários nos Centros de Orientação e Apoio Sorológico (COAS, atualmente denominados CTAs), que atendem a populações de uma variada gama de estratos socioeconômicos e culturais em Porto Alegre, com predominância de indivíduos de baixa renda e pouco acesso a serviços de saúde. Como consequência deste processo, visávamos treinar o grupo de pesquisadores e assistentes locais nos métodos já desenvolvidos pelo Center for Drug and Alcohol Studies, e desta forma preparar a instalação de um “Data Center” em conjunto com a instituição americana. •

INTERVENÇÕES BASEADAS EM EVIDÊNCIA PARA HIV/AIDS PARA GRUPOS DE RISCO, onde fui Investigador Principal. Este projeto tinha como

47


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

objetivo criar, com verbas do National Institute of Aids and Infectious Diseases (NIAID), um centro de pesquisa no Brasil na área de HIV/AIDS em usuários de drogas, visando colaborar com outras instituições. O segundo projeto teve algumas características especiais. Na prática, ele permitia a estruturação financiada de grupos de pesquisa para um período de três anos, visando à preparação para a submissão de projetos maiores ao instituto de origem americano através de um mecanismo específico de financiamento do tipo R01 (projeto iniciado pelo investigador, a partir de um Funding Opportunity Announcement). Altamente competitivos, estes mecanismos do NIH permitem verbas substanciais para grupos desenvolverem projetos grandes, frequentemente em colaboração, em média para cinco anos. Durante o primeiro ano estava estabelecido que iríamos estruturar um grupo de pesquisa, com tradução de protocolos de coleta, seguidos de um segundo ano de implementação de coletas-piloto em fatores de risco (drogas, exposição ao HIV e outras doenças sexualmente transmissíveis), e no terceiro iríamos escrever o projeto para concorrer ao R01. Infelizmente, o consórcio de submissão destes projetos (CIPRA/NIAID) iria ser desativado ao final do período de três anos, e não haveria como submeter mais projetos a este mecanismo específico. Naquele momento tínhamos um Centro, que recentemente havia migrado de um escritório alugado fora do HCPA para um pequeno conjunto de salas no interior disputado de um hospital de ensino, um pequeno grupo de investigadores-júnior (nenhum Doutor além de mim), boas ideias, e um projeto ainda financiado. Mesmo assim, e provavelmente em função disso, este período foi crucial para o desenvolvimento de uma característica que norteia minhas decisões como Diretor do Centro e também do grupo: os objetivos e premissas do CPAD, longamente pensados e discutidos com o grupo inicial, e que 13 anos após continuam a nos orientar. Comento-as a seguir. A página inicial do website do CPAD lê o seguinte: “O Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas (CPAD) está localizado no Hospital de Clínicas de Porto Alegre e é vinculado ao departamento de psiquiatria da UFRGS. Tem área física constituída desde 2002, quando um financiamento foi obtido junto ao National Institute on Allergy and Infectious Diseases para sua estruturação. Com a crescente necessidade de agregar no Sul do Brasil um centro de pesquisa com profissionais interessados na área de abuso de substâncias e outros comportamentos aditivos, o Prof.

48


SEÇÃO II O TRONCO

Pechansky, juntamente com seus ex-alunos, criou o grupo de pesquisa que hoje é o CPAD. Foram incluídos no grupo, também, alunos de graduação e especialização sensu strictu e sensu latu.”

Objetivos do CPAD

Desenvolver, de forma ética e autossustentada, projetos de pesquisa

financiados por instituições externas ao Departamento de Psiquiatria e ao

HCPA

Talvez uma das características marcantes de nosso grupo, e de seu sucesso junto à instituição, seja a de examinar com crítica rigorosa as condições e compromissos éticos inerentes a cada projeto de pesquisa sobre o qual buscamos financiamento. Em especial na área médica, sempre existiu uma pressão sistemática e bem organizada para o desenvolvimento de projetos de pesquisa oriundos da indústria farmacêutica. Em nosso caso, existem diferentes pressões – diretas ou não – relacionadas à indústria de produção de bebidas alcoólicas, cujo mercado é de dezenas de milhões de consumidores, e de bilhões de dólares em receita. Além disso, em diferentes circunstâncias trabalhamos com verbas oriundas de projetos governamentais oficiais, como planos de governo visando o estímulo de projetos na área de drogas ilícitas. Especificamente, estas agendas não são obrigatoriamente desenvolvidas tendo como prioridade a epidemiologia ou as principais ações preventivas testadas e chanceladas por pares (ações baseadas em evidências). Elas seguem agendas momentaneamente relacionadas a planos políticos – frequentemente ideologizados – e cujos resultados finais não são obrigatoriamente a produção acadêmica no senso mais estrito. Elas estão presentes tanto no plano nacional como no exterior. Tem sido um cuidado constante em nosso Centro a crítica por parte dos membros no que compete a aceitar ou não projetos “encomendados” por determinada instituição ou proposta de submissão, bem como a relação custo-benefício de executar projetos de determinada natureza. A forma que encontramos para sobreviver cientificamente neste cenário é a de crítica sistemática – externa e interna. A crítica interna é realizada em reuniões frequentes – tanto de todos os grupos de pesquisa, como de um grupo “core” de sete a oito profissionais, visando estabelecer os planos e estratégias para os projetos futuros. A externa é a consultoria sistemática por colaboradores nacionais e do exterior, no mínimo de forma anual. Dezenas de colegas já nos auxiliaram nesta tarefa. Em

49


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

especial, o Prof. Carl. G. Leukefeld, da Universidade do Kentucky, nosso principal avaliador externo, tanto sob um caráter não formal, como ministrando regularmente simpósios, cursos e disciplinas em nosso PPG. Nas centenas de interações que tive com Carl, e nas vezes em que pude observar seu trabalho em Lexington, ele me ilustrou seu método eficaz de desenvolvimento das capacidades de seus alunos, através de interação constante e do cuidado especial com suas necessidades de aprendizado e com a formação de suas carreiras acadêmicas. Nos últimos quinze anos, sua principal função como consultor do CPAD tem sido a de oferecer crítica aos modelos, programas e direções do Centro e da equipe. Em dois projetos institucionais, em especial, tivemos a oportunidade de criar estruturas com característica de “painel de experts” ou steering committee em bioética, para – junto com o Comitê de Ética do GPPG/HCPA desenvolver diretrizes escritas sobre os mais diversos tipos de aproximações do grupo de pesquisa com ambientes atípicos para coletas de dados (rodovias, necrotérios, emergências hospitalares, saídas de bar), bem como orientações a

respeito

de

autoria/coautoria

para

estudos

multicêntricos com grupos grandes. Invariavelmente, além de os participantes dos projetos de pesquisa do CPAD seguirem os preceitos da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP) do Conselho Nacional de Saúde, projetos em colaboração com instituições norte-americanas seguem também os fundamentos de proteção aos direitos dos indivíduos de pesquisa do Office of Extramural Research do

50

Carl Leukefeld é Professor Titular de Ciências do Comportamento, Psiquiatria, Saúde Oral, Assistência Social e Saúde Pública. É Chefe do Departamento de Ciências do Comportamento da University of Kentucky, além de lecionar Sociologia na mesma universidade. Fundou em 1990 o Center on Drug and Alcohol Research depois de trabalhar no NIDA em atividades de pesquisa e de administração. Já publicou mais de 200 artigos, capítulos, livros e monografias, além de ser editor consultor de vários periódicos. Seu interesse de pesquisa inclui intervenções terapêuticas, resultados, prevenção do HIV, penas na justiça criminal, serviços de saúde e populações rurais.


SEÇÃO II O TRONCO

National Institutes of Health, fazendo com que todo integrante novo do Centro seja obrigado a se submeter a um curso online do NIH sobre ética em pesquisa e sua história (https://phrp. nihtraining.com/users/login.php). No que compete ao financiamento por instituições externas, desde o primeiro projeto o CPAD tem sido centro que muito mais atrai do que retira verbas da instituição, não dependendo exclusivamente dos auxílios que o FIPE/HCPA permite obter por projeto, conforme é ilustrado ao final deste memorial.

Estimular e desenvolver o conhecimento de metodologia

de pesquisa em abuso de substâncias e comportamentos aditivos,

através da formação pós-graduada de seus membros

A área de dependência química no mundo – e em especial no Brasil – foi sempre vista com muita resistência. Historicamente, os profissionais que se dedicavam a esta atividade – que, por exemplo, não é reconhecida pelo MEC como uma especialidade-fim na área médica – eram vistos como sendo oriundos da “sobra” de programas mais sofisticados de treinamento onde eles não teriam tido sucesso. Um pouco pelo estímulo ou descaso dos próprios profissionais, a abordagem sistematizada da dependência de drogas no Brasil foi durante três décadas relegada a este viés, havendo poucos grupos no país com características suficientes para liderarem a pesquisa e treinamento na área sob um formato adequado e sistemático. Uma das contribuições do grupo que lidero tem sido a de desenvolver - através de diversos mecanismos – a busca de dados mais fiéis a respeito dos problemas relacionados ao uso, abuso e dependência de substâncias no Brasil e em nosso meio. Entenda-se que o CPAD tem um compromisso tanto com a formação pós-graduada sensu strictu como sensu latu – o que por vezes cria dificuldades inerentes ao fato de os processos de formação de profissionais não serem obrigatoriamente superponíveis. Para tal, foi criada uma espécie de “plano de carreira” para profissionais que desejam participar de ações do grupo, buscando escalonar interesses e compromissos crescentes na formação pós-graduada de seus membros e eventual nucleação para outros grupos. A partir de 2006, potenciais candidatos a participar do CPAD podem ser incluídos em diferentes modalidades, que seguem uma sequência natural e hierárquica de envolvimento com o Centro e com projetos de pesquisa, descrita abaixo: •

Estagiários:

Alunos

com

nível

de

graduação

interessados

em

participar

51


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

voluntariamente de projetos do Centro, visando desenvolver seus conhecimentos e aprender metodologia de pesquisa. Usualmente os estagiários são selecionados a partir dos diversos contatos que membros do CPAD têm com cursos de graduação da região metropolitana de Porto Alegre e arredores. Espera-se uma disponibilidade mínima de dois turnos (10 horas ao todo) por semana, com um comprometimento de 12 meses para com o respectivo projeto. Em situações especiais, estagiários poderão estar envolvidos em mais de um projeto de pesquisa. Todos os estagiários são selecionados mediante entrevista e apresentação de histórico escolar e currículo, em formato de fluxo contínuo, sendo avaliados continuadamente no que compete a sua performance, assiduidade e pontualidade. •

Bolsistas: O CPAD conta com algumas bolsas de pesquisa destinadas a alunos de graduação. São candidatos a bolsa de pesquisa os acadêmicos que já estagiaram no CPAD por um período mínimo de 6 meses, tendo sua performance, assiduidade e pontualidade avaliadas no nível “A”, ou que em situações especiais tenham sido selecionados para uma tarefa específica. As bolsas têm duração de um ano, podendo ser renovadas mediante avaliação do candidato, e seguem o sistema padrão de avaliação de bolsistas da UFRGS.

Assistentes de Pesquisa: Profissionais graduados com interesse em participar de forma voluntária de projetos do Centro, visando desenvolver seus conhecimentos e aprender metodologia de pesquisa, ou fornecer serviços específicos para projetos em andamento. Usualmente os assistentes de pesquisa são ex-estagiários do CPAD ou profissionais que já tenham algum conhecimento prévio na área de pesquisa em questão. Espera-se uma disponibilidade mínima de três turnos (15 horas ao todo) por semana, com um comprometimento de 12 meses para com o respectivo projeto. Em situações especiais, assistentes poderão estar envolvidos em mais de um projeto de pesquisa. Todos os assistentes são indicados pelos coordenadores dos projetos do Centro, sendo selecionados pelo Diretor e Vice-Diretor do CPAD mediante entrevista e apresentação de histórico escolar e currículo, em formato de fluxo contínuo, sendo avaliados continuadamente no que compete a sua performance, assiduidade e pontualidade.

Mestrandos: Além das normas vigentes para ingresso no Programa de PósGraduação em Psiquiatria da UFRGS, candidatos a mestrado devem ter um histórico de relacionamento com o CPAD – usualmente através da função de Assistente de Pesquisa por no mínimo 12 meses, nos quais é esperado que o candidato desenvolva um rascunho de seu projeto, em discussões sistemáticas com o orientador. Em casos excepcionais, candidatos não conhecidos pelo grupo de pesquisa e fortemente indicados por um outro supervisor serão considerados para mestrado. Os candidatos

52


SEÇÃO II O TRONCO

serão selecionados pelo Diretor do Centro e/ou por outros potenciais supervisores de Pós-Graduação vinculados ao CPAD. •

Doutorandos: Além das normas vigentes para ingresso no Programa de PósGraduação em Psiquiatria da UFRGS, candidatos a doutorado deve ter realizado mestrado em áreas afins ao CPAD ou juntamente ao Centro. Candidatos a doutorado devem ter um histórico de relacionamento com o CPAD – usualmente através de mestrado por no mínimo 24 meses, nos quais é esperado que o candidato desenvolva um rascunho de sua linha de pesquisa, apresentando um projeto pronto para submissão ao Curso de Pós-Graduação em Psiquiatria, além da formação de seu grupo de pesquisa. Os candidatos serão selecionados pelo Diretor do Centro e/ou por outros potenciais supervisores de Pós-Graduação vinculados ao CPAD.

Colaboradores: Profissionais relacionado ao CPAD em função de serviços técnicos prestados para o desenvolvimento do Centro ou de suas linhas de pesquisa. Esta pode ser contínua ou relacionada exclusivamente a um projeto específico. Os colaboradores são convidados pelo Diretor e membros do CPAD. Mesmo havendo circunstancias especiais onde estas diretrizes não foram seguidas

à risca (candidatos que excepcionalmente “pulam etapas” na sua formação, ou grandes projetos que envolvam coletas de dados em locais cuja seleção não é feita por membros do grupo), acredito que o sequenciamento e a progressão por competência favoreçam a criação de profissionais qualificados para executar projetos na área com formação e conhecimento sólidos. Temos tido a oportunidade de continuadamente agregar profissionais ao nosso grupo, e em ocasiões específicas, alguns já foram incorporados a outras instituições brasileiras e do exterior.

Gerar e disseminar evidência sólida, dentro da

melhor metodologia disponível, sobre abuso de substâncias e

comportamentos aditivos no Brasil e em nosso meio

Este objetivo tem como finalidade determinar aos membros do grupo que a criação do dado de pesquisa em si – e sua posterior apresentação em um congresso, ou no meio acadêmico através de defesa formal de tese ou trabalho de conclusão, ou publicação em revista científica – não esgota o compromisso de um centro de pesquisa. É necessário também a disseminação para outros públicos, através de uma grande quantidade de

53


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

mecanismos que envolvem aparições públicas na mídia (jornal, rádio e TV, particularmente) – como artigos, entrevistas e editoriais para jornais e revistas voltados para o público em geral e focados em temas controversos da área. Ilustro novamente com alguns títulos a forma como procurei “herdar” o formato irônico e por vezes francamente direto do Prof. Inciardi para comentar políticas públicas desviadas. •

2006 - Ronaldo, a cerveja e o touro – sobre propagandas de bebidas alcoólicas que as associam ao esporte, apesar do Conselho Nacional de Auto-Regulamentação Publicitária claramente definir que esta relação é imprópria.

2006 - É obrigatório consumir – a adição ao consumo na atualidade – sobre o estímulo excessivo para consumo aos jovens e sua implicação na formação de transtornos aditivos.

2007 - Só dois bafômetros e a tempestade perfeita – sobre a falta de equipamentos nas polícias rodoviárias para fiscalizar motoristas embriagados.

2009 – A equação correta – uma parábola sobre uma fórmula científica impossível para controlar apropriadamente a utilização de álcool por filhos adolescentes.

2011 – Educação para o motorista futuro – sobre o endurecimento das normas de fiscalização do uso de álcool pelo DETRAN-RS nas estradas brasileiras.

2013 – É um absurdo – sobre a liberação da maconha no Uruguai. Além disso, o grupo tem tido a preocupação de desenvolver materiais bibliográficos

visando grande circulação (manuais e livros técnicos, em especial), e os cursos de extensão e especialização, voltados a disseminar informação de pesquisa e tratamento através da estrutura mais formal da UFRGS. Mesmo não tendo a estrutura de “media training” que as instituições americanas proporcionam a seus membros, tem sido minha preocupação constante a de valorizar a forma de expressão de dados científicos em um formato compreensível para o público leigo – o que implica treinamento sistemático e supervisão frequente dos alunos para o desempenho destas funções, além da não centralização em minha pessoa como fonte única de informação do Centro.

Fomentar e manter parceria com instituições científicas de

reconhecido renome nacional e internacional na área de abuso de

54

substâncias e comportamentos aditivos


SEÇÃO II O TRONCO

Inicialmente o CPAD valeu-se das relações desenvolvidas no seu início para catapultar seu crescimento. Durante aproximadamente 12 anos, o Centro foi um dos cinco escritórios de pesquisa do Center for Drug and Alcohol Studies, da University of Delaware, desenvolvendo projetos em conjunto e sendo sempre o “braço brasileiro” de coletas de dados que se realizavam predominantemente na Flórida, em estudos comparados. Através de diferentes mecanismos de financiamento, a produção em conjunto foi fomentada e o intercâmbio entre os grupos mantido constante e crescente. A partir de uma mudança de foco de pesquisa, com a incorporação de outras linhas, o CPAD evoluiu para sua autonomia, executando de forma crescente projetos financiados pelo governo brasileiro e que tiveram como característica a formação de grandes equipes. Mesmo assim, as principais parcerias são mantidas até o momento, com a Universidade da Pensilvania, Universidade do Kentucky, o Norwegian Institute of Public Health e a Bloomberg School of Public Health. No Brasil, em função de projetos multicêntricos, o CPAD manteve colaboração sistemática com a Universidade Federal do Rio de Janeiro, da Bahia, do Espirito Santo, e a UNIFESP.

Produção de artigos, capítulos e livros no período PECHANSKY, F. 2001. Intoxicações Agudas e Abstinência de Álcool e Drogas. In Emergências Psiquiátricas, editado por F KAPCZINSKI; JOÃO QUEVEDO; EDUARDO CHACHAMOVICH; RICARDO SCHIMITT. Ed1-200. PORTO ALEGRE: ARTES MÉDICAS PECHANSKY, F., SZOBOT, C. 1998. Conceitos sobre o Uso de Drogas na Adolescência. In Programa Consciência - Prevenção ao Uso de Drogas por Crianças e Adolescentes, editado por FAY, MR.: MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL FUCHS, FD. PECHANSKY, F. 1998. Fármacos de Uso Não-médico e Abuso de Drogas. In Farmacologia Clínica - Fundamentos da Terapêutica Racional, editado por WANMACHER, L. E FUCHS, FD. PORTO ALEGRE: GUANABARA KOOGAN PECHANSKY, F., BASSOLS, AMS, VON DIEMEN L. 2002. Gênero, sexualidade e uso de drogas e adolescentes que realizaram o teste anti-HIV em um centro de testagem gratuita de Porto Alegre In Revista De Psiquiatria Do Rio Grande Do Sul, v.24, 77-84 PECHANSKY, F. 2002. Resposta à carta ao editor ‘Qual a melhor opção: desenvolver questionários nacionais ou traduzir e validar questionários internacionais?’ sobre o artigo ‘Adaptação e validação de um questionário sobre comportamentos de risco para Aids em usuários de droga em Porto Alegre’ In Revista Brasileira de Psiquiatria, v.24, 203-203 PECHANSKY, F., LIMA, AFBS, GENRO, V. 2002. Soropositividade para HIV entre usuários de drogas em Porto Alegre: uma comparação entre usuários e não-usuários de drogas injetáveis In Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v.51, 323-326

55


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

PECHANSKY, F., HALPERN, S, BICCA, C. et al. 2001. Limites e alternativas para a implementação de um programa para dependentes químicos em risco para infecção pelo HIV utilizando o conceito de Rede Social In Cadernos de Saúde Pública, v.17, 195-204 PECHANSKY, F. 2001. Modelo teórico de exposição a risco para transmissão do vírus HIV em usuários de drogas In Revista Brasileira de Psiquiatria, v.23, 41-47 PECHANSKY, F., VON DIEMEN L, GENRO, V. 2001. Presença de situações de risco para a transmissão do HIV em usuários de drogas não injetáveis In Revista de Psiquiatria Clínica, v.28, 157-159 PECHANSKY, F., LIMA, AFBS, KESSLER, F et al. 2000. Estudo sobre as características de usuários de drogas injetáveis que buscam atendimento em Porto Alegre, RS In Revista Brasileira de Psiquiatria, v.22, 164-171 PECHANSKY, F. 1999. A Comunidade Terapêutica como modalidade de Tratamento para dependentes Químicos: Relato de uma observação Participante. In Revista HCPA, v.19, 91-107 PECHANSKY, F. 1999. O que funciona melhor no tratamento de transtornos por uso de substâncias: Aconselhamento ou Psicoterapia? In Revista Brasileira de Psicoterapia, v.1, 73-91

2003-2009 - Grandes projetos, expressão nacional e internacional, e seu impacto no grupo de pesquisa Nos ano de 2003 e 2006 fui distinguido com um prêmio local e um internacional por liderança na

56

Steve Gust, Diretor do NIDA International Office, entrega o Award of Excellence in International Leadership em 2006


SEÇÃO II O TRONCO

área de álcool e drogas15, o que reforçou em mim e no grupo a sensação de que deveríamos continuar a desenvolver as ações de pesquisa mescladas com a abordagem de comunidades não científicas, como havíamos feito nos projetos anteriores, ao estabelecer e manter relações com instâncias de assistência governamental e incrementar as relações com instituições do exterior para, de forma ordenada, aumentar a expressão do trabalho do grupo tanto no Brasil como no exterior. Em especial, o prêmio sobre excelência em liderança na área internacional oferecido pelo NIDA era de certa forma o coroamento do investimento que a instituição tinha feito em mim ao financiar dentro do Programa Humphrey minha bolsa de estudos sobre protocolos de pesquisa. A partir de 2005, fui convidado pela Secretaria Nacional de Políticas Sobre Drogas (SENAD) para desenvolver projetos de pesquisa oriundos de áreas temáticas consideradas prioritárias para o governo brasileiro. Já era membro da Câmara Técnica desta Secretaria, função que sigo exercendo até o momento, e consequentemente conhecia suas prioridades e auxiliava a criticar e desenvolver suas linhas principais de atuação. O primeiro projeto desenvolvido foi a VALIDAÇÃO TRANSCULTURAL DO ADDICTION SEVERITY INDEX (ASI) VERSÃO 6 PARA O BRASIL, visando adaptar e validar, em um estudo multicêntrico, um dos instrumentos mais utilizados em pesquisa na área de drogas no mundo, e com o qual tive originalmente contato na Universidade da Pensilvania durante meu período de residência no exterior. A amostra de 750 indivíduos foi obtida em quatro capitais brasileiras - Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo (2 centros) e gerou, além de diversos artigos sobre validação, materiais para treinamento formal do instrumento (vídeo com vinhetas clínicas, manual do ASI6), até hoje utilizado por pesquisadores e clínicos no Brasil, assim como a capacitação de um grupo de profissionais da área da saúde para a aplicação deste instrumento em 4 estados brasileiros. Em 2007, o CPAD realizou o maior estudo latino-americano na área de transito e substâncias psicoativas – o ESTUDO DO IMPACTO DO USO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS

E

OUTRAS

SUBSTÂNCIAS

PSICOATIVAS

NO

TRÂNSITO

BRASILEIRO, também financiado pela SENAD. Trata-se de uma série de oito estudos de

15 2003 - Mérito pela Valorização da Vida, Conselho Estadual de Entorpecentes/Secretaria da Saúde/RS, promovido pela SENAD. 2006 - Award of excellence in International Leadership, National Institute on Drug Abuse.

57


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

âmbito nacional e regional que envolveram a criação de um núcleo de pesquisa específico e relacionamento com cinco programas de pesquisa da UFRGS, em função das diferentes coletas que seriam executadas. Seus principais objetivos eram os de produzir pela primeira vez dados nacionais e locais sobre as diversas associações entre álcool, drogas, transtornos psiquiátricos e acidentes de trânsito, estimando os custos envolvidos nestas associações. Além disso, conforme mencionado anteriormente nas diretrizes do CPAD, foi criado um grupo específico de profissionais com a finalidade de identificar elementos éticos e jurídicos associados à investigação científica sobre álcool, drogas, transtornos psiquiátricos e acidentes de trânsito, criando manuais para sua coleta adequada. Foram desenvolvidas e adaptadas metodologias inovadoras para pesquisa nesta área no Brasil – como por exemplo a coleta online e em tempo real utilizando palmtops, a criação de metodologias analíticas próprias para anfetaminas de uso frequente no território nacional e não encontradas nos kits de análise oriundos do exterior, e a utilização de mapas geoprocessados para analisar as relações entre uso de bebidas alcoólicas e acidentes de transito, sendo estes métodos disponibilizados para outros centros por meio de diversos materiais publicados, além da Rede de Pesquisa sobre Drogas da SENAD. Este projeto, inovador em diversos sentidos, chegou a envolver simultaneamente 130 profissionais, tendo – além de um grande impacto em publicações (ao redor de 25 artigos, um livro, manuais de treinamento) recebido o Prêmio Volvo de Segurança no Trânsito16. Em paralelo aos grandes projetos que o CPAD começou a executar, minha carreira acadêmica também se expandiu de forma significativa neste período, fazendo com que nossas atividades tivessem impacto no âmbito nacional e internacional, sob diversos formatos. Descrevo abaixo alguns destes pontos: •

Dentro do contexto de formação profissional constante, mesclando disciplinas e professores de pós-graduação com profissionais com experiência clínica não ligados exclusivamente à academia, coordenei, de 2007 a 2009, três edições seguidas do Curso de Extensão sobre Álcool e Drogas da UFRGS, organizado pelo CELG. Divididos em módulos, os cursos tinham como finalidade agregar à formação clínica de profissionais da área conhecimentos básicos de epidemiologia, noções de estatística e compreensão de artigos fundamentais e históricos sobre dependência química, formando quase duas

16 2010 - Prêmio Volvo de Segurança no trânsito, Volvo do Brasil Veículos Ltda. e Programa Volvo de Segurança no Trânsito.

58


SEÇÃO II O TRONCO

centenas de profissionais. Estes cursos de extensão, de em média 80 horas, formaram a base para o Curso de especialização em Gestão e Tratamento de Usuários de Crack e Outras Drogas, com duração de 360 horas, desenvolvido para 60 profissionais como parte do grande projeto Ações Integradas, que iríamos executar a partir de 2010. •

Quando da criação do Colegio Iberoamericano de Trastornos Aditivos (CITA), tive a oportunidade de ser Vice-Presidente para Formação de Recursos Humanos em Pesquisa de 2004 a 2007. Financiado com verbas do governo espanhol, este grupo de profissionais buscou identificar grupos vinculados a tratamento, pesquisa e prevenção ao abuso de álcool e drogas dos países de língua espanhola e portuguesa. Diversos eventos e intercâmbios foram realizados neste período, em especial junto à Sociedad Española de Toxicomanias, resultando em um capítulo de livro de um tratado sobre toxicomanias de grande circulação na Espanha17

Desde 2005 até o presente, sou Editor Assistente Regional do principal periódico da área de dependência química – Addiction (FI 4.894), o que considero um reconhecimento à produção intelectual brasileira nesta área, que tem crescido substancialmente nos últimos 10 anos. Como editor assistente, tenho além da responsabilidade editorial padrão, a possibilidade de sugerir temas de relevância para a América Latina - além de sistematicamente indicar ao menos um revisor brasileiro, quando cientificamente adequado, para avaliar artigos, aumentando a penetração de acadêmicos do país neste periódico.

A partir do grande estudo que realizamos em 2008 sobre o impacto do álcool e das drogas no trânsito brasileiro, começamos a ocupar lugar relevante junto ao International Council on Alcohol, Drugs and Traffic Safety (ICADTS), do qual sou membro desde 2006. Esta associação congrega os principais investigadores da área de segurança viária relacionada ao uso de substâncias, e realiza, dentre outras atividades, eventos trienais. Em 2010, obtivemos distinção com o melhor pôster do evento de Oslo18, e em 2013 recebemos a incumbência de realizar a primeira edição de uma conferência do ICADTS em um país em desenvolvimento, ao ganharmos a competição para realizar o evento em Gramado em 2016 (www.t2016.org). Sou Coordenador do evento e da Comissão Científica, que congrega profissionais de todos os continentes.

17 KESSLER F, BUMAGUIN, DB, PECHANSKY, F. Cocaína: aspectos clínicos. In: Jose C Perez de los Cobos; Juan Carlos Valderrama; Gaspar Cervera Martinez; Gabriel Rubio Valladolid. (Org.). Tratado SET de Trastornos Adictivos. 1 ed. Madrid, 2006, v. Tomo 1, p. 258-266. 18 2010 - Melhor poster do Congresso: Drunk and drugged driving in Brazilian highways, International Council on Alcohol, Drugs and Traffic Safety, Oslo.

59


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

Participo do College on Problems on Drug Dependence (CPDD) desde 1995, quando fui co-fundador da principal conferencia satélite deste evento – o NIDA Forum, que inicialmente congregava profissionais egressos de programas americanos e atualmente é estruturado como um evento que anualmente reune aproximadamente 300 profissionais de mais de 70 países, prévio ao evento principal. De 2009 a 2011 fui Chair do Comitê Internacional do CPDD, e novamente minha principal função foi a de agregar latino-americanos aos eventos internacionais através da participação em mesas-redondas, simpósios e programas do evento principal. Esta função foi reconhecida através de um convite para participar como consultor do NIDA International Program Advisory Workgroup, de 2013 a 2014.

Desde 2010 sou Bolsista de Produtividade em Pesquisa pelo CNPQ, ao criar o NEPTA – Núcleo de Estudos e Pesquisa em Trânsito e Álcool – um grupo dentro do CPAD especialmente desenvolvido para projetos relacionados a beber e dirigir. Este núcleo colocou o grupo em uma posição de destaque no Brasil, pois de forma surpreendente nosso grupo de pesquisa é um dos únicos que sistematicamente tem publicado livros e artigos sobre o tema nos últimos 7 anos, apesar da epidemiologia do problema ser evidente em todas as estatísticas nacionais. O núcleo continua em expansão, e no momento executa seu terceiro projeto na área – uma revisão sistemática das melhores práticas sobre análise toxicológica de substâncias no trânsito e a testagem de equipamentos inovadores para coletas de dados em rodovias.

Produção de artigos, capítulos e livros no período BARRETO, A.P., NOTO, Ana Regina, BRANCO, A.P.U.A., PECHANSKY, F. et al. 2006. Guia do Estudante - SUPERA ed. 1. vol. 5. Brasília: Secretaria Nacional Antidrogas FORMIGONI, ML, KESSLER, F, PECHANSKY, F. et al. 2008. Efeitos de Substâncias Psicoativas no Organismo. In SUPERA - Sistema para Detecção do Uso Abusivo e Dependência de Substâncias Psicoativas editado por DUARTE PCAV; FORMIGONI, Maria Lucia Oliveira de Souza. Vol. 1, 2-11. Brasília: Secretaria Nacional de Política sobre Drogas KESSLER, F, PECHANSKY, F. 2008. Encaminhamento de Pessoas Dependentes de Substâncias Psicoativas. In SUPERA - Sistema para Detecção do Uso Abusivo e Dependência de Substâncias Psicoativas, editado por DUARTE PCAV; FORMIGONI, Maria Lucia Oliveira de Souza. Vol. 1, 51-58. Brasília: Secretaria Nacional de Política sobre Drogas KESSLER, F, VON DIEMEN L, CARDOSO, BM, PECHANSKY, F. et al. 2008. Psicoterapias para o alcoolismo In Psicoterapias - Abordagens Atuais, editado por Aristides Volpato Cordioli. Vol. 3, 585-599. Porto Alegre: Artmed KESSLER, F, PECHANSKY, F. 2008. Tratamento de comorbidade associadas à dependência de drogas In SUPERA - Sistema para Detecção do Uso Abusivo e Dependência de Substâncias Psicoativas. Editado por DUARTE PCAV; FORMIGONI, Maria Lucia

60


SEÇÃO II O TRONCO

Oliveira de Souza. Vol. 1, 51-58. Brasília: Secretaria Nacional de Política sobre Drogas PECHANSKY, F., DIEMEN, L. V. 2008. Tratamentos farmacológicos utilizados no tratamento de pessoas dependentes de substâncias. In SUPERA - Sistema para Detecção do Uso Abusivo e Dependência de Substâncias Psicoativas editado por DUARTE PCAV; FORMIGONI, Maria Lucia Oliveira de Souza. Ed1. Vol. 1, 3-19. Brasília: Secretaria Nacional de Política sobre Drogas BONI, R, SAIBRO, P, PECHANSKY, F. 2007. Emergências Associadas ao Álcool e a Drogas de Abuso In Emergências Psiquiátricas, editado por QUEVEDO, J; SCHMITT, R; KAPCZINSKI, F. Vol. 2, 143-168. Porto Alegre: Artmed PECHANSKY, F. O paciente que se atrasava. In Cataldo Neto A, e cols. (orgs.). O Estudante de Medicina e o Paciente: Uma Aproximação à Prática Médica. 2ª. Ed., EDIPUCRS, 2007 PECHANSKY, F. 2006. A mídia afeta o consumo dos profissionais de saúde? In Alcoolismo: quem paga esta conta? editado por SIMERS. Ed1. Vol. 1, 57-58. Porto Alegre: Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul KESSLER, F, BUMAGUIN, D BENZANO, PECHANSKY, F. 2006. Cocaína: aspectos clínicos In Tratado SET de Trastornos Adictivos, editado por Jose C Perez de los Cobos; Juan Cos Valderrama; Gaspar Cervera Martinez; Gabriel Rubio Valladolid. Ed1. Vol. Tomo 1, 258266. Madrid: Editorial Médica Panamericana FALLER, S, PECHANSKY, F., VON DIEMEN L. 2006. Relações entre uso de Cocaína e HIV/AIDS In Departamento de Dependência Química da ABP, editado por R Laranjeira; Marco Antonio Bessa. São Paulo: Associação Brasileira de Psiquiatria SZOBOT, C., ROHDE, LA, PECHANSKY, F. 2006. Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade e Uso de Substâncias Psicoativas In Panorama Atual das Drogas e Dependências, editado por Dartiu Xavier da Silveira; Fernanda Gonçalves Moreira. Ed1, 7883. São Paulo: Atheneu PECHANSKY, F., LUBORSKY, L 2005. Abordagem psicodinâmica do paciente dependente químico In Psicoterapia de Orientação Analítica, editado por Cláudio Laks Eizirik; Rogério Aguiar; Sidnei Schestatsky. Ed 2a., 778-790. Porto Alegre: Artes Médicas VON DIEMEN L, PECHANSKY, F., KESSLER, F. 2005. Maconha e Depressão In Revisão Científica: Maconha e Saúde Mental, editado por R Laranjeira; Marco Antonio Bessa. São Paulo: Associação Brasileira de Psiquiatria VON DIEMEN L, KESSLER, F, PECHANSKY, F. 2004. Drogas: Uso, abuso e dependência In Medicina Ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências, editado por Bruce Duncan; Maria Inês Schmidt; Elsa Giugliani, 917-931 KESSLER, F, PECHANSKY, F. 2006. Manual de Aplicação da Sexta Versão da Escala de Gravidade de Dependência ASI-6 ed. 1. vol. 1, p. 51. Brasília: Secretaria Nacional Antidrogas PECHANSKY, F., DE BONI, R et al. 2009. Highly reported prevalence of drinking and driving in Brazil: data from first representative household study. In Revista Brasileira de Psiquiatria, v.31, 125-130 VON DIEMEN L, BONI, R, KESSLER, F, PECHANSKY, F. et al. 2009. Risk behaviors for

61


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

HCV- and HIV-seroprevalence among female crack users in Porto Alegre, Brazil In Archives of Women’s Mental Health, v.1, 1-2 SZOBOT, CM, ROHDE, LA, KATZ, B, PECHANSKY, F. et al. 2008. A randomized crossover clinical study showing that methylphenidate-SODAS improves attention-deficit/ hyperactivity disorder symptoms in adolescents with substance use disorder In Brazilian Journal of Medical and Biological Research, v.41, 250-257 KESSLER, F, WOODY, G, BONI, R, PECHANSKY, F. et al. 2008. Evaluation of psychiatric symptoms in cocaine users in the Brazilian public health system: need for data and structure In Public Health (London), v.122, 1349-1355 VON DIEMEN L, BASSANI, DG, FUCHS, SC, PECHANSKY, F. ET AL. 2008. Impulsivity, age of first alcohol use and substance use disorders among male adolescents: a population based case-control study In Addiction, v.103, 1198-1205 SZOBOT, CM, SHIH MING C, SCHAEFER, T, PECHANSKY, F. et al. 2008. Methylphenidate DAT binding in adolescents with Attention-Deficit/ Hyperactivity Disorder comorbid with Substance Use Disorder - a single Photon Emission Computed Tomography with [Tc(99m)]TRODAT-1 study In Neuroimage, v.40, 1195-1201 KESSLER, F, PECHANSKY, F. 2008. Uma visão psiquiátrica sobre o fenômeno do crack na atualidade In Revista De Psiquiatria Do Rio Grande Do Sul, v.30, 96-98 BONI, R, BENZANO, D, LEUKEFELD, C et al. 2008. Uso de bebidas alcoólicas em postos de gasolina de Porto Alegre: estudo piloto In Revista De Psiquiatria Do Rio Grande Do Sul, v.30, 65-68 DE BONI, R, LEUKEFELD, C, PECHANSKY, F. et al. 2008. Young people’s blood alcohol concentration and the alcohol consumption city law, Brazil. In Revista de Saúde Pública, v.42, 1101-1104 PECHANSKY, F., KESSLER, F, CACCIOLA, J et al. 2007. Adaptação transcultural multicêntrica da sexta versão da Escala de Gravidade de Dependência (ASI6) para o Brasil In Revista De Psiquiatria Do Rio Grande Do Sul, v.29, 335 VON DIEMEN L, SZOBOT, CM, KESSLER, F, PECHANSKY, F. et al. 2007. Adaptation and construct validation of the Barratt Impulsiveness Scale BIS 11 to Brazilian Portuguese for use in adolescents In Revista Brasileira de Psiquiatria, v.29, 153-156 PECHANSKY, F., KESSLER, F, WOODY, G et al. 2007. Brain injury markers (S100B and NSE) in chronic cocaine dependents In Revista Brasileira de Psiquiatria, v.29, 134-139 PECHANSKY, F., KESSLER, F, VON DIEMEN L et al. 2007. Brazilian female crack users show elevated serum aluminum levels In Revista Brasileira de Psiquiatria, v.29, 39-42 PECHANSKY, F., WILLIAMS, A, SILVA, EM. 2007. Desenvolvimento de um jogo terapêutico para prevenção da recaída e motivação para mudança em jovens usuários de drogas In Psicologia: Teoria e Pesquisa, v.23, 407-413 BASSOLS, AM, SANTOS, RA, ROHDE, LA, PECHANSKY, F. et al. 2007. Exposure to HIV in Brazilian adolescents: the impact of psychiatric symptomatology In European Child & Adolescent Psychiatry, v.16, 236-242

62


SEÇÃO II O TRONCO

SZOBOT, CM, ROHDE, LA, BUKTSTEIN, Oscar G, PECHANSKY, F. et al. 2007. Is attention-deficit/hyperactivity disorder associated with illicit substance use disorders in male adolescents? A community-based case–control study In Addiction , v.102, 1122-1130 PECHANSKY, F., BASSANI, D, VON DIEMEN L et al. 2007. Using thought mapping and structured stories to decrease HIV risk behaviors among cocaine injectors and crack smokers in the South of Brazil In Revista Brasileira de Psiquiatria, v.29, 233-240 PECHANSKY, F., LARANJEIRA, R, PINSKY, I. 2006. Was Goliath blind or ignorant? The struggle between evidence and passion in alcohol public policies in Brazil]]> In Revista Brasileira de Psiquiatria, v.28, 259-260 PECHANSKY, F., INCIARDI, J, SURRATT, H et al. 2006. Changing Patterns of Cocaine Use and HIV Risks in the South of Brazil In Journal of Psychoactive Drugs, v.38, 305-310 PECHANSKY, F., WOODY, G, INCIARDI, J et al. 2006. HIV seroprevalence among drug users: an analysis of selected variables based on 10 years of data collection in Porto Alegre, Brazil In Drug and Alcohol Dependence, v.82, S109-S113 PECHANSKY, F. 2006. The question of technology transfer: how does that apply to Brazilian reality? In Cadernos de Saúde Pública, v.22, 720-721 LIMA, AFBS, PECHANSKY, F., FLECK, M et al. 2005. Association between psychiatric symptoms and severity of alcohol dependence in a sample of Brazilian men In The Journal of Nervous and Mental Disease, v.193, 126-130 PECHANSKY, F., VON DIEMEN L, INCIARDI, J et al. 2005. Diferenças entre fatores de risco para infecção pelo HIV em usuários de drogas injetáveis do Rio de Janeiro e Porto Alegre In Revista de Psiquiatria Clínica, v.32, 5-9 PECHANSKY, F., VON DIEMEN L, KESSLER, F et al. 2005. Preditores de soropositividade para HIV em indivíduos não abusadores de drogas que buscam centros de testagem e aconselhamento de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil In Cadernos de Saúde Pública, v.21, 266-274 PECHANSKY, F., LIMA, AFBS, FLECK, M et al. 2005. Psychometric properties of the World Health Organization Quality of Life instrument (WHOQoL-BREF) in alcoholic males: A pilot study In Quality of Life Research, v.14, 473-478 PECHANSKY, F., GENRO, Vanessa, VON DIEMEN L et al. 2005. References to Alcohol Consumption and Alcoholism in Medical Records of a General Hospital of Porto Alegre, Brazil- In Substance Abuse, v.25, 29-34 PECHANSKY, F., LEUKEFELD, C, MARTIN, S et al. 2005. Tailoring an HIV-prevention intervention for cocaine injectors and crack users in Porto Alegre, Brazil In Aids Care, v.17, 77-87 PECHANSKY, F., BENZANO, D, VON DIEMEN L. 2005. Uso de drogas y riesgos relacionados con el VIH/sida en diferentes muestras de Porto Alegre, Brasil In Trastornos Adictivos, v.7, 130-136 PECHANSKY, F., KESSLER, F, VON DIEMEN L et al. 2005. Uso de substâncias, situações de risco e soroprevalência em indivíduos que buscam testagem gratuita para HIV em Porto Alegre, Brasil In Revista Panamericana de Salud Publica, v.18, 249-255

63


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

MAGRINELLI, M, KESSLER, F, PECHANSKY, F., ARAUJO, R et al. 2004. Características do uso de cocaína em indivíduos internados em unidades de tratamento de Porto Alegre, RS In Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v.53, 351-358 PECHANSKY, F. 2004. Para Quê um Jornal da ABEAD? In JBDQ. Jornal Brasileiro de Dependências Químicas, v.5, 57-58 PECHANSKY, F., SZOBOT, C, SCHIVOLETTO, S. 2004. Uso de álcool entre adolescentes: conceitos, características epidemiológicas e fatores etiopatogênicos In Revista Brasileira de Psiquiatria, v.26, 14-17 PECHANSKY, F., SILVA, EM, CARVALHAL A. 2003. Adaptation for Brazilian Portuguese of a scale to measure willingness to wear condoms In Revista Brasileira de Psiquiatria, v.25, 224-227 PECHANSKY, F., KESSLER, F, WOODY, G et al. 2003. Preliminary Estimates of Human Immunodeficiency Virus Prevalence and Incidence Among Cocaine Abusers of Porto Alegre, Brazil In Journal of Urban Health, v.80, 115-126 PECHANSKY, F., DE BONI, R. 2003. Prevalência de tabagismo em uma unidade de internação psiquiátrica de Porto Alegre In Revista De Psiquiatria Do Rio Grande Do Sul, v.25, 475-478

2010 – Projetos Ações Integradas e Vida no Trânsito – desafios à administração de um grande grupo de pesquisa Este foi um período crítico para o crescimento e maturação do grupo como um todo, pois simultaneamente tivemos que gerenciar dois projetos de magnitude nacional (um deles com inserção internacional, coordenado nos Estados Unidos). Acredito que o aprendizado com a administração de projetos desta amplitude, com milhões de dólares envolvidos, tenha sido causado pelo estilo que adotamos como grupo – originalmente no inglês, “pushing the envelope”, ao criarmos junto com o HCPA e a Fundação Médica do Rio Grande do Sul modelos de administração e mecanismos novos que permitissem comportar todas estas estruturas. Ao mesmo tempo, uma análise detalhada de minha produção intelectual irá demonstrar este impacto no menor número de artigos publicados neste período, em função do grande aumento nas funções gerenciais e administrativas.

Projeto Ações Integradas Sem dúvida, o projeto mais desafiador para o CPAD foi o projeto de pesquisa e desenvolvimento AÇÕES INTEGRADAS, financiado integralmente pela SENAD. Seja por

64


SEÇÃO II O TRONCO

suas dimensões nacionais, seja pelo fato de não tratar-se exclusivamente de um projeto de pesquisa, seu objetivo era o de articular e fortalecer a rede de tratamento e reinserção social de usuários de substâncias psicoativas, capacitando os profissionais envolvidos de forma a gerar sustentabilidade das ações das cinco regiões definidas junto ao Programa Nacional de Segurança e Cidadania (PRONASCI) e a cidade de São Paulo. Desta forma, nosso grupo foi responsável por articular trabalho sistemático com centros universitários do Espírito Santo, Bahia, Rio de Janeiro e São Paulo, além de diversos grupos locais. Alguns dos objetivos específicos do projeto dão uma ideia de sua dimensão: •

Identificar projetos e programas governamentais e não governamentais, disponíveis nas localidades de implementação, mapeando as instituições governamentais e não governamentais disponíveis nas respectivas localidades, identificando a natureza dos serviços prestados, as metodologias utilizadas e a estrutura de funcionamento;

Avaliar a qualidade dos serviços governamentais e não governamentais já oferecidos em relação à proposta terapêutica, programa, capacidade de articulação com os demais pontos da rede local (referência e contra referência) e identificar a necessidade de ampliação da cobertura da rede;

Avaliar a demanda de tratamento dos usuários de substâncias psicoativas que procuravam serviços de saúde;

Realizar geoprocessamento dos serviços e instituições governamentais e não governamentais existentes nos municípios, de modo a permitir a identificação das possibilidades de encaminhamento nas proximidades dos locais de atendimento, pelos profissionais/atores envolvidos;

Elaborar e distribuir um manual de ações e serviços existentes na rede aos seus diferentes atores, tendo em vista auxiliar a abordagem e encaminhamento dos usuários atendidos, a partir da sistematização das informações, anexando-se o mapa de geoprocessamento dos serviços disponíveis em formato eletrônico e impresso;

Capacitar 3.600 profissionais da rede de tratamento de cada uma das cinco regiões no que compete a modelos e técnicas de tratamento e reinserção social;

Capacitar 2.430 profissionais do CRAS, CREAS e Juizados Especiais Criminais em Gerenciamento de Casos para o estabelecimento de um fluxo de atendimento local;

Oferecer curso de especialização na área de drogas, para 60 profissionais no RS;

Treinar e capacitar 2.911 policiais rodoviários federais sobre a temática do uso de álcool e outras drogas no trânsito brasileiro, bem como no uso dos etilômetros;

Capacitar 500 policiais federais, civis e militares dos estados, guardas municipais

65


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

e outros profissionais da área de segurança pública na área de álcool e drogas, nas 5 regiões estabelecidas; •

Oferecer técnicas integradas de tratamento a 900 usuários de crack nas cinco regiões do PRONASCI e na cidade de São Paulo; Como é possível perceber, a partir dos inúmeros e complexos objetivos deste projeto,

a capacidade do grupo de pesquisa foi posta à prova em diversas circunstâncias. Ao final de três anos, à exceção de um objetivo – cujo resultado foi obtido parcialmente, conseguimos executar todo o plano de trabalho proposto, com um significativo incremento de profissionais ao grupo original e o desenvolvimento de novas metodologias de administração de grandes projetos junto ao HCPA. Além disso, através destas ações conseguimos capacitar milhares de profissionais brasileiros em diversos âmbitos relacionados a identificação, fiscalização e tratamento de problemas relacionados a álcool e drogas.

Projeto Vida No Trânsito Após convite da Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health, fui nomeado Investigador Principal no Brasil de um projeto realizado em 10 países simultaneamente, e financiado pela Bloomberg Philantropies. Nossa função foi monitorar a implementação de ações de fiscalização e prevenção para transito seguro em cinco capitais do país (Teresina, Curitiba, Belo Horizonte, Palmas e Campo Grande. Ao longo de cinco anos, foram realizados 45 rounds de observação e coleta de dados nestas cidades – especificamente sobre beber e dirigir e excesso de velocidade, gerando bases de dados em alguns casos com centenas de milhares de observações. Presentemente, estes dados estão sendo transformados em relatórios executivos e em artigos para submissão para publicação. A experiência com gerenciar grandes equipes de coleta de dados e administração de projetos que envolveram centenas de viagens e cursos e milhares de profissionais treinados - além da produção sistemática de relatórios, materiais de treinamento e de divulgação, desenvolveu em mim e no grupo de pesquisa a percepção de que seria possível encaminhar a equipe para um passo decisivo junto ao HCPA: a criação do primeiro Centro Colaborador brasileiro em Assistência, Ensino e Pesquisa em Álcool e Drogas, através de um convenio entre o HCPA e a SENAD. Este Centro, além de uma série de realizações a partir de 2011, cristaliza nossa posição como um dos principais grupos de pesquisa, tratamento e ensino na área de dependência de drogas no Brasil.

66


SEÇÃO II O TRONCO

Produção de artigos, capítulos e livros no período STAMPE, M. Z., SILVA, H. H., SCHOETER, D., PECHANSKY, F. et al. 2010. Acidentes de trânsito com vítimas fatais necropsiadas no Departamento Médico Legal de Porto Alegre. In Uso de Bebidas Alcoólicas e outras Drogas nas Rodovias Brasileiras e outros Estudos, editado por PECHANSKY, F; DUARTE, P.C.A.V; DE BONI, R.B., 78-83. Porto Alegre: Digitalcom Comunicação & Design Ltda BONI, R, VASCONCELOS, M., HOLMER, B., PECHANSKY, F. et al. 2010. Beber e dirigir em uma amostra de condutores que frequentam bares de Porto Alegre. In Uso de Bebidas Alcoólicas e outras Drogas nas Rodovias Brasileiras e outros Estudos. Editado por PECHANSKY, F; DUARTE, P.C.A.V; DE BONI, R.B., 90-95. Porto Alegre: Digitalcom Comunicação & Design Ltda PECHANSKY, F., DE BONI, R et al. 2010. Consumo de álcool e outras drogas entre motoristas privados e profissionais do Brasil. In Uso de Bebidas Alcoólicas e outras Drogas nas Rodovias Brasileiras e outros Estudos, editado por PECHANSKY, F; DUARTE, P.C.A.V; DE BONI, R.B., 54-63. Porto Alegre: Digitalcom Comunicação & Design Ltda SOIBELMAN, M., BENZANO, D, VON DIEMEN L, PECHANSKY, F. et al. 2010. Consumo de álcool e outras drogas entre vítimas de acidentes de trânsito atendidas em emergências de Porto Alegre. In Uso de Bebidas Alcoólicas e outras Drogas nas Rodovias Brasileiras e outros Estudos, editado por PECHANSKY, F; DUARTE, P.C.A.V; DE BONI, R.B., 72-77. Porto Alegre: Digitalcom Comunicação & Design Ltda PECHANSKY, F, VON DIEMEN L et al. 2010. Fármacos de Uso não Médico In Farmacologia Clínica - fundamentos da terapêutica racional, editado por F Danni Fuchs e Lenita Wannmacher. Ed4a., 758-778. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan BONI, R, BASTOS, FI, WEBER, E., PECHANSKY, F. et al. 2010. Geoprocessamento no estudo da relação entre acidentes de trânsito e bares de Porto Alegre. In Uso de Bebidas Alcoólicas e outras Drogas nas Rodovias Brasileiras e outros Estudos, editado por PECHANSKY, F; DUARTE, P.C.A.V; DE BONI, R.B., 84-89. Porto Alegre: Digitalcom Comunicação & Design Ltda CUBAS, F., PECHANSKY, F. et al. 2010. Um breve histórico da relação entre álcool e trânsito no Brasil. In Uso de Bebidas Alcoólicas e outras Drogas nas Rodovias Brasileiras e outros Estudos, editado por PECHANSKY, F; DUARTE, P.C.A.V; DE BONI, R.B., 16-19. Porto Alegre: Digitalcom Comunicação & Design Ltda

67


SEÇÃO III RAMOS, FOLHAS, FRUTOS E FLORES

A

parte mais laboriosa e artesanal de um bonsai é expressa em uma infinidade de opções. Chamada de educação, a disposição dos ramos é feita por um paciente jogo de antecipação, poda, aramação e espera, onde o bonsaista tenta determinar, com o auxílio das leis da natureza, como e para onde cada ramo irá crescer e se estabilizar. O processo de educação leva anos e é frequentemente alterado – alguns ramos não irão retribuir o esforço, quebrandose ou não se desenvolvendo a contento. Já outros irão gerar folhas, frutos e – com alguma sorte e paciência – flores exuberantes. A filosofia do bonsai está em saber identificar quais ramos irão produzir o que, e estimulá-los com delicadeza na direção apropriada. 69


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

2011 – Cristalização. Esforços se transformam em resultados Durante o ano de 2011 muitos dos projetos e planos arquitetados na década anterior começaram a frutificar. Descrevo abaixo os principais, como um exemplo da estabilização das ações desenvolvidas nos anos prévios. Primeiramente, gostaria de mencionar o que considero o corolário da carreira de um professor – o convite para ser Paraninfo da turma de residentes do Serviço de Psiquiatria do HCPA, em 2011. Cito dois trechos de meu discurso que ilustram a sensação especial vivenciada por um professor homenageado por alunos:

[...] A meu ver, a escolha de um paraninfo é a combinação de um momento peculiar na vida de um professor associado a uma interação única com uma turma de alunos, onde os elementos de ensino e aprendizado são amalgamados com experiências pessoais, e onde as trocas que envolvem o caráter da relação aluno/professor acontecem em alta intensidade. [...] Tenho a compreensão de que a escolha de vocês se dá pelo “conjunto da obra” – ao escolherem dois profissionais da área de dependência química como homenageados – a

70


SEÇÃO III RAMOS, FOLHAS, FRUTOS E FLORES

mim e à Dra. Lísia Von Diemen. Tenho orgulho de dizer que esta foi uma das minhas alunas mais brilhantes – certamente mais por brilho próprio do que por treinamento oferecido por mim – e que tem dado a todos nós ao longo destes mais de 13 anos a alegria de seu convívio inteligente, da dúvida e da crítica sagaz, e de um amor incondicional às atividades que desempenha ao meu lado. Melhor escolha não há neste momento, pois foi pela mão da Dra. Lísia e do colega Felix Kessler que a atividade de ensino supervisionado na área das dependências foi sendo modificada ao longo dos últimos anos, e neste momento recebe esta distinção. Ao vê-la ser homenageada no primeiro ano de sua atividade como psiquiatra contratada deste serviço, vejo cristalizar-se o melhor que um tutor pode dar ao seu aluno: o crescimento profissional e a certeza da maturidade. [...] Se eu puder neste momento ímpar dar apenas um conselho ou sugestão a vocês, eu gostaria de concentrá-lo nos pontos seguintes, que são fruto combinado do trabalho com pacientes e alunos, mas também da convivência saudável com minha mulher e filhos, além de minha família e amigos próximos, adicionado ao carinho dos colegas a quem tanto prezo, e que fazem da vida uma obrigação para que eu tente me tornar um homem melhor: - Façam do crescimento e aperfeiçoamento dos que os rodeiam o foco principal de sua vida profissional. Desprendam-se do egocentrismo. Não há prazer maior do que ver os que estão à nossa volta ultrapassarem os que os ensinaram, e esta eu lhes garanto que é uma sensação que eu procuro viver com intensidade. - Sejam discretos na crítica e generosos no elogio – há formas educadas e polidas de dizermos o que pensamos sem criar distância com as pessoas. E elas sempre nos agradecerão por isso, mesmo que criticadas. - Não façam do trabalho o objetivo único de suas vidas. Deixem espaços amplos para o lazer, para o amor, para os hobbies e para a atividade física. Nossa tarefa é desgastante, e o equilíbrio entre todas estas forças da vida é sábio e nos faz aproveitar melhor o que fazemos. Vivam todos estes momentos com intensidade, e terão a certeza de que trabalharão melhor. - Amem, casem, e – se for possível, tenham filhos. Há um ajuste delicado a fazer no mundo, e este só é possível pela leitura espontânea e inocente dos olhos de

71


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

uma criança. Não percam isto de vista: sejam homens e mulheres melhores a cada dia, mas mantenham dentro de vocês a criança e o espírito inquieto que lá existe. Também, desde 2011, participo como membro e consultor do Fórum Permanente de Prevenção à Venda e ao Consumo de Bebidas Alcoólicas por Crianças e Adolescentes, criado pela Procuradoria Geral de Justiça do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul. Este foro tem diversas finalidades – dentre elas desenvolver ações para prevenir e coibir o uso de bebidas alcoólicas por adolescentes no Rio Grande do Sul, em diferentes circunstâncias. O CPAD tem sido um dos parceiros mais ativos deste grupo multiprofissional, auxiliando no desenvolvimento de materiais, projetos focais de pesquisa, e fornecendo membros e parcerias para as diversas ações executadas. No mesmo ano obtivemos verba do Edital Universal do CNPq para executar o projeto PREDITORES CLÍNICOS, BIOLÓGICOS E PSICOSSOCIAIS DA RECAÍDA PRECOCE EM USUÁRIOS DE CRACK. Sumariamente, este projeto busca compreender quais marcadores clínicos, biológicos e psicossociais podem determinar o prognóstico de usuários de crack no que compete à recaída ou abandono precoce de tratamento. Para tal, estão sendo avaliados 300 usuários de crack após sua internação em nosso serviço, na Unidade de Internação Álvaro Alvim do HCPA. Estudos com esta característica são raros no meio acadêmico – em especial no Brasil. A compreensão desses fatores pode servir de embasamento para políticas públicas que orientem um tratamento mais direcionado ao perfil destes pacientes, podendo futuramente aumentar as taxas de adesão ao tratamento e diminuir a chance de recaída precoce, em uma população especialmente necessitada de abordagens eficazes como é a de usuários de crack brasileiros.

Criação do Centro Colaborador HCPA/SENAD Como um produto definitivo das colaborações passadas com a SENAD, e em função dos resultados na execução dos projetos comissionados por esta, estabeleceu-se em 2010/2011 uma rodada de conversações para a criação do primeiro de um plano de cinco centros nacionais de excelência na área de ensino, pesquisa e tratamento dos problemas relacionados ao álcool e drogas no país. Valendo-nos das diretrizes do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas, iniciado pelo governo em 2010, estabelecemos nesta época os parâmetros para os centros nacionais junto à SENAD, sendo o de Porto Alegre o primeiro a ser implementado. Foi possível obter verba específica para a renovação de área física, e um

72


SEÇÃO III RAMOS, FOLHAS, FRUTOS E FLORES

planejamento envolvendo a tríade ensino/assistência/pesquisa foi criado para a execução do Centro, conforme a figura abaixo: Estrutura funcional inicialmente proposta quando da implementação do Centro Colaborador

Mesmo que a estrutura inicial tenha sofrido algumas modificações na sua implemen-

tação, retirando do organograma o CREAS-AD e o CAPS-AD, o conceito fundamental do Centro já estava presente, e segue sendo desenvolvido junto a todas as equipes: o de trabalho multidisciplinar e integrado. Até o presente momento este Centro Colaborador, do qual sou o Diretor, já incorporou as seguintes estruturas para o seu funcionamento:

73


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

Criação do Serviço de Psiquiatria de Adição do HCPA, e suas respectivas chefias de Unidade de Adição, Unidade de Ensino e Pesquisa, e Unidade de Reinserção Social. Todo o atendimento para álcool e drogas no HCPA concentra-se desde o primeiro semestre de 2012 na Unidade Álvaro Alvim, através da criação deste Serviço, do qual sou atualmente o Chefe, sendo ele totalmente destinado ao SUS. Resumidamente, o Serviço é composto por uma Unidade de Internação, com um total de 20 leitos (2 leitos para desintoxicação), uma Unidade de Ambulatório com 8 salas de atendimento de grupo, família e atendimentos individuais concomitantes, e uma Unidade de Recreação Terapêutica e Terapia Ocupacional, com equipamentos de ginástica e sala para trabalhos manuais. O Serviço conta com três professores do Departamento de Psiquiatria e nove psiquiatras contratados, servindo de base para estágio de residentes dos três anos do Programa de Psiquiatria do HCPA, além de duas vagas para R4 com ênfase total em dependência química por um ano. Além disso, concentra estágios do programa de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde. A filosofia e os conceitos teóricos utilizados para a criação do programa terapêutico – fortemente estruturado e baseado em reforço de valores pessoais e éticos – retoma, vinte anos após, a experiência bem sucedida nos programas desenvolvidos pelo Prof. Inciardi em Gander Hill. As adaptações necessárias foram feitas ao modelo original, desenvolvendo estruturas de atendimento por equipes, baseadas em procedimentos operacionais padrão (POPs) que são altamente relevantes quando é necessário transferir esta tecnologia que está sendo testada para outros programas de atendimento, uma das missões precípuas do Centro Colaborador. Vinculação de sete serviços do HCPA (enfermagem, psicologia, nutrição, recreação e terapia ocupacional, serviço social, farmácia) – chefiados por mim nas atividadesfim referentes ao Centro Colaborador. Esta vinculação permite trabalho orquestrado multiprofissional no atendimento de pacientes e treinamento das equipes, novamente retomando os conceitos adquiridos quando de meus estágios em Delaware e Philadelphia para o atendimento de usuários de drogas de alta complexidade e com grande demanda social. Considero que o alto índice de treinamento das muitas equipes profissionais que participam deste programa de assistência – além de uma obsessiva exigência com padrões de qualidade e evidência – sejam uma marca registrada de nosso grupo, e que certamente imprime uma personalidade marcante a este programa. Renovação de área física para a instalação provisória do Centro Colaborador

74


SEÇÃO III RAMOS, FOLHAS, FRUTOS E FLORES

HCPA/SENAD e o CPAD, na Unidade Álvaro Alvim, até que a área definitiva seja entregue no segundo semestre de 2015.

Desenvolvimento de materiais de treinamento baseados em evidência Como uma das ações do Centro, nosso grupo confeccionou diversos tipos de materiais de treinamento para segmentos específicos de profissionais brasileiros. No total, foram capacitadas aproximadamente 6400 pessoas em cursos presenciais realizados em diferentes regiões do país, abrangendo profissionais de saúde, assistência social, policiais rodoviários federais, policiais civis, policiais militares e guardas municipais. Alguns são ilustrados abaixo.

75


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

Produção de artigos, capítulos e livros no período CUBAS, F., PECHANSKY, F et al. 2011. Qualidade de vida no trânsito e sua associação com o uso de álcool e outras drogas In Qualidade de vida e saúde, editado por José Cos Souza. Ed1. Vol. 01, 277-296. São Paulo: Vetor DUARTE, PCAV, KESSLER, F, PECHANSKY, F et al. 2011. Aperfeiçoamento em Técnicas para Fiscalização do Uso de Álcool e Outras Drogas no Trânsito Brasileiro ed. 1. vol. 1, p. 192. Porto Alegre: SENAD VON DIEMEN L, GONCALVES, V. M., PECHANSKY, F et al. 2011. Crack, Álcool e outras Drogas: Ação Integrada entre as Redes de Segurança Pública, Saúde e Assistência Social. ed. 1. vol. 1, p. 148. Porto Alegre: AAG DUARTE PCAV, VON DIEMEN L, HALPERN, S et al. 2011. Tratamento da dependência de crack, álcool e outras drogas: aperfeiçoamento para profissionais da saúde e assistência social ed. 1. vol. 1, p. 248. Porto Alegre: AAG KESSLER, F, BARBOSA TERRA, M, FALLER S, PECHANSKY, F et al. 2012.Crack Users Show High Rates of Antisocial Personality Disorder, Engagement in Illegal Activities and Other Psychosocial Problems In The American Journal on Addictions, v.21, 370-380 COMIRAN, E., ZAGO, D., PECHANSKY, F. et al. 2012. Fenproporex and Amphetamine Pharmacokinetics in Oral Fluid After Controlled Oral Administration of Fenproporex In Therapeutic Drug Monitoring, v.34, 545-553 PECHANSKY, F, DUARTE PCAV et al. 2012. Predictors of positive Blood Alcohol Concentration (BAC) in a sample of Brazilian drivers In Revista Brasileira de Psiquiatria, v.34, 277-285 ZANCANARO, I, LIMBERGER, RP., BOEHL, PO. PECHANSKY, F et al. 2012. Prescription and illicit psychoactive drugs in oral fluid – LC/MS/MS method development and analysis of samples from Brazilian drivers In Forensic Science International, v.223, 208-216 FALLER, S, WEBSTER, J. M., LEUKEFELD, C, PECHANSKY, F. et al. 2012. Psychiatric disorders among individuals who drive after the recent use of alcohol and drugs In Revista Brasileira de Psiquiatria, 314-320 KESSLER, F, CACCIOLA, J, ALTERMAN, A, PECHANSKY, F et al. 2012. Psychometric properties of the sixth version of the Addiction Severity Index (ASI-6) in Brazil In Revista Brasileira de Psiquiatria, v.34, 24-33 BONI, R, SILVA, PLN, BASTOS, FI et al. 2012. Reaching the Hard-to-Reach: A Probability Sampling Method for Assessing Prevalence of Driving Under the Influence After Drinking in Alcohol Outlets In Plos One, v.7, e34104-e34104 DE BONI R, VON DIEMEN L, DUARTE PCAV, PECHANSKY, F. et al. 2012. Regional differences associated with drinking and driving in Brazil In Revista Brasileira de Psiquiatria, 306-313

76


SEÇÃO III RAMOS, FOLHAS, FRUTOS E FLORES

PECHANSKY, F, CHANDRAN A. 2012. RESPONSE TO COMMENTARIES In Addiction , v.107, 1211-1213 CHANDRAN A, SOUSA, TRV, GUO, Y, PECHANSKY, F et al. 2012. Road Traffic Deaths in Brazil: Rising Trends in Pedestrian and Motorcycle Occupant Deaths In Traffic Injury Prevention, v.13, 11-16 COELHO, R., GRASSI-OLIVEIRA, R., MACHADO, M. A. R., PECHANSKY, F. et al. 2012. Translation and adaptation of the Motorcycle Rider Behavior Questionnaire: a Brazilian version In Cadernos de Saúde Pública, v.28, 1205-1210 SOUZA, DZ., BOEHL, P. O., COMIRAN, E., PECHANSKY, F. et al. 2012. Which amphetamine-type stimulants can be detected by oral fluid immunoassays? In Therapeutic Drug Monitoring, v.34, 98-109 PECHANSKY, F, CHANDRAN A. 2012. Why don’t northern American solutions to drinking and driving work in southern America? In Addiction , v. 107(7):1201-6 PECHANSKY, F., REMY, LS. Et al. 2011. Age of Sexual Initiation, Psychiatric Symptoms, and Sexual Risk Behavior among Ecstasy and LSD Users in Porto Alegre, Brazil: A Preliminary Analysis In Journal of Drug Issues, v.41, 217-232 BASSOLS, AM, DE BONI R, PECHANSKY, F et al. 2011. Alcohol, drug use and risky sexual behavior are related to HIV infection in female adolescents In Revista Brasileira de Psiquiatria, v.32, 361-368 JUNIOR N, SZOBOT, C, ANSELMI, C., PECHANSKY, F. et al. 2011. Attention-deficit/ hyperactivity disorder: is there a correlation between dopamine transporter In Clinical Nuclear Medicine, v.36, 656-660 DA CONCEIÇÃO, TV, DE BONI R, DUARTE, PCAV et al. 2011. Awareness of legal blood alcohol concentration limits amongst respondents of a national roadside survey for alcohol and traffic behaviors in Brazil In International Journal on Drug Policy, v.22, 507 PECHANSKY, F. 2011. Commentary on Bodin & Strandberg (2011): Skepticism, publication bias and a grain of salt - do we already know how to evaluate prevention programmes? In Addiction , v.106, 2144-2145 GONCALVES, F. A., PECHANSKY, F et al. 2011.Desenvolvimento de um Questionário de Frequência Alimentar (QFA-açúcar) para Quantificar o Consumo de Sacarose. In Revista HCPA, v.31, 428-436 SOUZA, DZ., BOEHL, PO, COMIRAN, E, PECHANSKY, F et al. 2011. Determination of amphetamine-type stimulants in oral fluid by solid-phase microextraction and gas chromatography mass spectrometry In Analytica Chimica Acta, v.696, 67-76 GOLDIM JR, FERNANDES, MS, PECHANSKY, F et al. 2011. Ethical, legal and social issues related to alcohol and drug research In Current Opinion in Psychiatry, v.24, 181-185 DE BONI R, BOZZETTI, MC, HILGERT, J, PECHANSKY, F et al. 2011. Factors associated

77


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

with alcohol and drug use among traffic crash victims in southern Brazil In Accident Analysis and Prevention, 1408-1413 BREITENBACH, T.C., PECHANSKY F, BENZANO, D. et al. 2011. High rates of injured motorcycle drivers in emergency rooms and the association with substance use in Porto Alegre, Brazil In Emergency Medicine Journal, v.29, 205-207 SZOBOT, CM, ROMAN, T, HUTZ, MH, PECHANSKY, F et al. 2011. Molecular imaging genetics of methylphenidate response in ADHD and substance use comorbidity In Synapse, v.65, 154-159 ROSA, MA, CAMPOS, MVB, CARDOSO A et al. 2011. Prevalence of sugar dependence in a sample of obese individuals of Porto Alegre, Brazil In Anuario de investigacion en adicciones guadalajara, v.12, 31-36

2013/2014 – Criação do Programa de Mestrado Profissional em Álcool e Drogas Uma vez que conseguimos estabelecer o Centro Colaborador em 2011, submetemos à CAPES no início de 2013 um projeto para a criação do Mestrado Profissional em Prevenção e Assistência a Usuários de Álcool e Drogas, utilizando o próprio HCPA como instituição de ensino superior, tendo o projeto sido aprovado em sua primeira submissão. O programa iniciou-se em 2014, e consta de 24 créditos e um trabalho de conclusão, oferecendo o título de Mestre em Prevenção e Assistência a Usuários de Álcool e Outras Drogas pelo HCPA, tendo sua segunda turma começado as atividades em março de 2015. O objetivo deste Mestrado é o de formar profissionais oriundos de outros centros do país com menores recursos acadêmicos, conforme descrito abaixo: • Qualificar gestores e profissionais que atuem nas redes públicas de saúde e assistência social • Implantar práticas inovadoras que atendam as demandas sociais • Desenvolver novas metodologias e modelos de atendimento a indivíduos e suas famílias O programa conta com duas linhas de pesquisa: a) Modelos de gestão e tratamento de usuários de álcool e outras drogas aplicados à rede pública de assistência, e b) Abordagem, avaliação e trajetória da dependência de álcool e outras drogas na rede pública de assistência.

78


SEÇÃO III RAMOS, FOLHAS, FRUTOS E FLORES

Vitore Maximiniano, Secretário da SENAD, proferindo aula inaugural da II turma do Mestrado Profissional

As atividades de ensino são direcionadas para a incorporação de conteúdos clássicos - como epidemiologia, estatística, bioética, conceitos e classificação das drogas psicoativas, modelos de prevenção e tratamento, técnicas terapêuticas – e também alguns componentes novos à formação de profissionais desta área, como economia da saúde, políticas e legislação, conhecimento da rede de assistência e gestão. O programa privilegia candidatos de outras partes do país que não tenham condições de receber em seu estado formação profissional no nível acadêmico necessário. Após 18 meses de curso, com atividades presenciais de uma semana em Porto Alegre com uma sistematicidade bimensal, os alunos devem defender perante banca trabalhos de conclusão que sejam resultado de coletas de dados de suas regiões e que permitam implementação de programas a partir das experiências obtidas durante o curso quando do retorno do aluno, implementando ações conjuntas em continuidade com as do Centro Colaborador e ampliando a rede de

79


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

atuação destes profissionais, que frequentemente trabalham em circunstancias bastante deficitárias e isoladas. No início de 2015 recebi o convite para integrar o Comitê sobre Álcool, Outras Drogas e Transporte do Transportation Research Board dos Estados Unidos, uma das seis divisões do National Research Council dos Estados Unidos, administrado pela National Academy of Sciences. Esta imensa instituição concentra milhares de pesquisadores na área de transporte, e novamente minha função como membro do comitê será a de sugerir ações que possam impactar nos países em desenvolvimento em geral, e em particular na América Latina.

Produção de artigos, capítulos e livros no período KESSLER, F, PECHANSKY, F et al. 2014.Abordagem Psicodinâmica do Paciente Dependente Químico. In Psicoterapia de Orientação Analítica: Fundamentos Teóricos e Clínicos, editado por EIZIRIK, C.L; AGUIAR, R.W; SCHESTATSKY, S.S. ed3. Vol. 1, 809827. Porto Alegre: Artmed SORDI, A. O., VON DIEMEN L, KESSLER, F et al. 2013.Drogas; uso, abuso e dependência In Medicina Ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências, editado por Bruce Duncan; Maria Inês Schmidt; Elsa Giugliani; Michael Schmidt Duncan; Camila Giugliani. Ed 4a. Vol. 1, 1162-1177. Porto Alegre: Artmed FERREIRA, P. M., KESSLER, F, PECHANSKY, F et al. 2013. Transtornos relacionados ao uso de substancias psicoativas In Psiquiatria para estudantes de medicina, editado por Cataldo Neto, A; Gauer Gabriel JC; Furtado, NR. Ed 1. Vol. 1, 270-320 GJERDE, H., SOUZA, T. T., BONI, R, PECHANSKY, F. et al. 2014. A comparison of alcohol and drug use by random motor vehicle drivers in Brazil and Norway In International Journal on Drug Policy, v.25, 393-400 STOLF, A. R., SZOBOT, CM, HALPERN, R., PECHANSKY, F et al. 2014. Crack cocaine users show differences in genotype frequencies of the 3’UTR variable number of tandem repeats (VNTR) of the dopamine transporter gene (DAT1/SLC6A3). In Neuropsychobiology, v.70, 44-51 MOURA, HF, BENZANO, D, PECHANSKY, F et al. 2014. Crack/cocaine users show more family problems than other substance users In Clinics (USP. ), v.69, 497-499 OLIVEIRA, M. H., CARLOS, G., BERGOLD, A. M. et al. 2014. Determination of mazindol

80


SEÇÃO III RAMOS, FOLHAS, FRUTOS E FLORES

in human oral fluid by high performance liquid chromatography-electrospray ionization mass spectrometry In BMC. Biomedical Chromatography, v.28, n/a-n/a SALDANHA, RAQUEL FORGIARINI, PECHANSKY, F et al. 2014. Differences between attendance in emergency care of male and female victims of traffic accidents in Porto Alegre, Rio Grande do Sul state, Brazil In Ciência e Saúde Coletiva, v.19, 3925-3930 SCHMITZ, A. R., GOLDIM JR, GUIMARAES, L., PECHANSKY, F et al. 2014. Factors associated with recurrence of alcohol-related traffic violations in southern Brazil In Revista Brasileira de Psiquiatria, v.00, 000-000 FREITAS, T. A., PALAZZO, R., ANDRADE, F. D., PECHANSKY, F. et al. 2014. Genomic Instability in Human Lymphocytes from Male Users of Crack Cocaine In International Journal of Environmental Research and Public Health, v.11, 10003-10015 DE BONI, RAQUEL B., PECHANSKY, F et al. 2014. Have drivers at alcohol outlets changed their behavior after the new traffic law? In Revista Brasileira de Psiquiatria, v.36, 11-15 SORDI, ANNE ORGLE, PECHANSKY, F et al. 2014. Oxidative stress and BDNF as possible markers for the severity of crack cocaine use in early withdrawal In Psychopharmacologia, v.231, 1432-2072 PETTENON, M., KESSLER, F, GUIMARAES, L., PECHANSKY, F. et al. 2014. Perceptions of parental bonding in freebase cocaine users vs. non-illicit drug users In Indian Journal of Medical Research, v.139, 835-840 NARVAEZ, J. C., JANSEN, K., PINHEIRO, R. T., PECHANSKY, F. et al. 2014. Psychiatric and substance-use comorbidities associated with lifetime crack cocaine use in young adults in the general population In Comprehensive Psychiatry, v.55, 01-010 MARIOTTI, K. D. C., SCHUH, R. S., FERRANTI, P., PECHANSKY, F. et al. 2014. Simultaneous Analysis of Amphetamine-type Stimulants in Plasma by Solid-phase Microextraction and Gas Chromatography-Mass Spectrometry In Journal of Analytical Toxicology, v.19, 01-06 ZAVASCHI, M. L. S., MARDINI, V., CUNHA, G. B., PECHANSKY, F et al. 2014. Sociodemographic and clinical characteristics of pregnant and puerperal crack cocaine using women: preliminary data In Revista de Psiquiatria Clínica, v.41, 121-123 NARVAEZ, J. C., JANSEN, K., PINHEIRO, R. T., PECHANSKY, F. et al. 2014. Violent and sexual behaviors and lifetime use of crack cocaine: a population-based study in Brazil In Social Psychiatry and Psychiatric Epidemiology, 01-16 FALLER, S, PEUKER, ANA CAROLINA, SORDI, ANNE, PECHANSKY, F et al. 2014. Who seeks public treatment for substance abuse in Brazil? Results of a multicenter study

81


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

involving four Brazilian state capitals In Trends in Psychiatry and Psychotherapy, v.36, 193-202 SILVA JR, N., SZOBOT CM, Shih, Ming Chi, PECHANSKY, F et al. 2014. Searching for a Neurobiological Basis for Self-Medication Theory in ADHD Comorbid With Substance Use Disorders In Clinical Nuclear Medicine, Feb;39(2):e129-34 SOUSA, T, LUNNEN, J. C., GONCALVES, V. M., PECHANSKY, F. et al. 2013. Challenges associated with drink driving measurement: combining police and self-reported data to estimate an accurate prevalence in Brazil In Injury, v.44, S11-S16 REMY, L. S., VON DIEMEN L, SURRATT, H, PECHANSKY, F et al. 2013. Changes in method for obtaining better outcomes in the recruitment of synthetic drug users In Addiction Research and Theory, 1-6 REMY, L. S., SURRATT, H, KURTZ, S. et al. 2013. Correlates of unprotected sex in a sample of young club drug users In Clinics, v.68, 1384-1391 ROSA, Marco Aurélio Camargo da, ASSIS GOMES, Cristiano Mauro, ROCHA, N. S., PECHANSKY, F. et al. 2013. Dependence module of the MINI Plus adapted for sugar dependence: psychometric properties In Psicologia: Reflexão e Crítica, v.26, 77-86 DE BONI, RAQUEL B., BASTOS, Francisco Inacio, DE VASCONCELLOS, MAURICIO, PECHANSKY, F et al. 2013. Drug use among drivers who drank on alcohol outlets from Porto Alegre, Brazil In Accident Analysis and Prevention, v.62, 137-142 VON DIEMEN L, KESSLER, F, SORDI, A. O. et al. 2013. Increase in brain-derived neurotrophic factor expression in early crack cocaine withdrawal In International Journal of Neuropsychopharmacology, v.16, 1-8 DE BONI R, PECHANSKY, F., De Boni, R. et al. 2013. Is the Prevalence of Driving After Drinking Higher in Entertainment Areas? In Alcohol and Alcoholism, v.48, 356-362 NARVAEZ, J. C., MAGALHAES, P. V., FRIES, G. R., PECHANSKY, F et al. 2013. Peripheral toxicity in crack cocaine use disorders In Neuroscience Letters, v.544, 80-84 SURRATT, H, KURTZ, S., PECHANSKY, F et al. 2013. Psychiatric Symptoms and Sexual Risk Behaviors in a Sample of Brazilian Men who Have Sex with Men Ecstasy and LSD user. In The Journal of Sexual Medicine, v.10, 333-333 PEDROSO, R. S., PETTENON, M., KESSLER, F. H. P., PECHANSKY, F et al. 2013. The Crack Use Relapse Scale (CURS): development and psychometric validation In Revista Brasileira de Psiquiatria, v.35, 271-273 MOURA, HELENA FERREIRA, FALLER, SIBELE, BENZANO, D, PECHANSKY, F. et al.

82


SEÇÃO III RAMOS, FOLHAS, FRUTOS E FLORES

2013. The Effects of ADHD in Adult Substance Abusers In Journal of Addictive Diseases, v.32, 252-262 BONI, R, Cruz OG, WEBER, E., PECHANSKY, F. et al. 2013. Traffic crashes and alcohol outlets in a Brazilian state capital In Traffic Injury Prevention, v.14, 86-91 PEDROSO, R. S., KESSLER, F, PECHANSKY, F. et al. 2013. Treatment of female and male inpatient crack users: a qualitative study In Trends in Psychiatry and Psychotherapy, v.35, 36-45

83


84


SEÇÃO IV O BONSAI MADURO

É

difícil definir a priori o que é um bonsai maduro. Às vezes pode ser uma árvore delicada e discreta; por vezes esta será uma grande estrutura, com galhos portentosos e exuberantes. Em todo o bonsai maduro, entretanto, é possível identificar os aspectos de senioridade e as visíveis marcas do tempo em seu processo de amadurecimento. Um bonsaista experiente irá manter estas marcas em sua árvore, oferecendo ao observador a trajetória completa que levou uma jovem árvore com um potencial promissor a se transformar em uma árvore exemplar, com linhas definidas, e que servirá de modelo para outros jovens bonsaistas. 85


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

2015 – Maturidade acadêmica O ano de 2015 coroa a trajetória descrita nesse memorial. Em 31 anos de atividade como médico, 28 como psiquiatra e 20 como professor desta universidade, busquei agregar diferentes conhecimentos a minha área de atuação, além de forçosamente abrir espaços novos para minha especialidade – tão historicamente desconsiderada no país - e para os profissionais com os quais eu tenho tido o privilégio de trabalhar. As informações descritas a seguir sumarizam estes esforços, e configuram o que considero serem as condições apropriadas para a progressão ao cargo de Professor Titular do Departamento de Psiquiatria desta universidade. Além dos pré-requisitos obrigatórios que um candidato a este nível deve preencher e que fazem parte da planilha de avaliação do edital que compõem este processo de promoção, compreendo a função de Professor Titular como a de um acadêmico que apresente os seguintes pontos de destaque abaixo listados e individualmente comentados:

Liderança no Desenvolvimento de Linhas de Pesquisa Originais e Inovadoras Durante minha atuação dentro da UFRGS, e mesmo antes de ser formalmente um professor desta instituição, busquei obter fontes de financiamento para ideias originais de pesquisa na área de abuso e dependência de drogas que pudessem ter ressonância no cenário brasileiro de assistência, ensino e pesquisa - seja através do auxílio de outros profissionais já com centros maiores e estabelecidos até 2007, ou de forma independente, como Investigador Principal e líder de projetos de âmbito nacional desde então. Coordeno, junto ao PPG-Psiquiatria da UFRGS, a linha Fatores Psicossociais e Comportamentais como Determinantes de Desfechos com Saúde. Em um espectro amplo, ela inclui o estudo de fatores psicossociais, mecanismos adaptativos, cognitivos e comportamentais relacionados com os diferentes transtornos mentais e também em indivíduos normais. Esta abrangente linha de ação se expressa na participação em dois Grupos de Pesquisa certificados pelo CNPq: o CPAD-UFRGS, do qual sou o Líder, e o Labtóxico (Líderes: Renata Limberger e Pedro Frolich), com o qual o CPAD tem uma importante e histórica parceria, permitindo que eu possa orientar e coordenar estudos em subáreas específicas, consideradas prioritárias no cenário nacional e internacional. A plataforma Pesquisador UFRGS lista as seguintes linhas de pesquisa sob minha responsabilidade:

86


SEÇÃO IV O BONSAI MADURO

• Situações e comportamentos de risco para a transmissão do vírus HIV em usuários de drogas • Uso de drogas em adolescentes • Instrumentos de obtenção de dados sobre uso de álcool e drogas Com a expansão do grupo, essas linhas estão sendo atualmente modificadas e divididas em três grandes eixos. Eles são descritos e comentados abaixo, com algumas citações de referências seminais desenvolvidas pelo grupo em cada etapa. Eixo I - Epidemiologia dos fatores de risco e proteção em usuários de drogas. Permite estudos de populações e amostras de usuários de álcool e drogas de difícil acesso – inicialmente dependentes de álcool em ambiente hospitalar e adolescentes de escolas públicas e privadas no RS; mais contemporaneamente, foca em usuários de crack e “club drugs”, utilizando diferentes mecanismos de pesquisa: estudos etnográficos, grupos focais e análise qualitativa com usuários ativos, estudos clínicos sistemáticos com pacientes internados e em programas ambulatoriais, além de amostras complexas com diferentes técnicas epidemiológicas. Ao longo dos anos, diversos estudos sistematizaram a utilização de questionários e instrumentos estruturados de pesquisa pelo grupo, alguns deles em utilização em âmbito nacional. Esta linha também permitiu a conexão com diversos centros brasileiros para coleta e análise de dados. Esta é a linha mais antiga, e que mais se modificou ao longo de minha trajetória – claramente em função das mudanças de prioridade de pesquisa das agências financiadoras, o que de certa forma acompanhou os achados epidemiológicos mundiais. Inicialmente, documentamos a presença e a dificuldade de diagnosticar alcoolismo em ambiente hospitalar e manter os pacientes em tratamento, em estudos simples porém pioneiros em nosso meio1. Em função de minha tese de mestrado, também desenvolvi estudos de diferentes proporções para documentar a iniciação e a utilização de bebidas alcoólicas por

1 PECHANSKY, F., SOIBELMAN, M., MEIRELLES, M. et al. 1984. Um estudo de Alcoolismo em HospitalEscola. In Revista De Psiquiatria Do Rio Grande Do Sul, v.6, 38-42; PECHANSKY, F., SOIBELMAN, M. 1984. Avaliação das referências ao consumo de álcool em um Hospital Geral de Porto Alegre In Revista Do Hospital De Clinicas De Porto Alegre, v.4, 129-134; PARIS LRF, MIRANDA, RS, PECHANSKY, F. 1991. Pacientes alcoolistas após a alta hospitalar: Descrição das dificuldades na localização dos casos e características da amostra In REVISTA ABP/APAL, v.13, 117-121

87


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

adolescentes2, o que de certa forma se continua com a parceria que estabelecemos com o Fórum Permanente de Prevenção à Venda e ao Consumo de Bebidas Alcoólicas por Crianças e Adolescentes, previamente citado. Um dos principais achados à época foi a diferença entre as situações de primeiro consumo e de primeiro “porre” nas amostras estudadas. Estas características de consumo continuam a se manifestar de forma crescente na população de adolescentes de Porto Alegre, bem como a precocidade e rapidez na transição entre consumo esporádico e sistemático nestes adolescentes. A metodologia desenvolvida nos primeiros estudos orienta as ações de campo e coletas de dados que nosso grupo segue realizando junto aos ambientes de consumo por adolescentes.

2 PECHANSKY, F., BARROS, F.. 1995. Problems related to Alcohol consumption by adolescents living in the city of Porto Alegre, Brazil In American Journal Of Drug Issues, v.25, 735-750

88


SEÇÃO IV O BONSAI MADURO

A partir de 1995, buscamos identificar situações de risco e proteção para disseminação do HIV entre usuários de drogas ativos – em particular cocaína injetável. Foi criado um modelo teórico de exposição a risco para o HIV em usuários de drogas, e vários estudos foram desenvolvidos a partir desta contribuição, que estava associada a uma escala de exposição a risco validada pelo nosso grupo (Risk Assessment Battery), além da implementação de outras escalas para análise de impulsividade em adolescentes e comorbidade psiquiátrica em seguimento de usuários ativos nas próprias comunidades, documentando o risco para infecção. Este modelo3 determinou uma grande quantidade de publicações de nosso grupo, e também influenciou a criação de modelos de prevenção e tratamento4, questionários de detecção5 e manuais de aconselhamento pré- e pós-teste HIV utilizados por nosso grupo em ambiente clínico. Além de seus óbvios impactos nas taxas

3 PECHANSKY F. Modelo teórico de exposição a risco para transmissão do vírus HIV em usuários de drogas. Revista Brasileira de Psiquiatria, v. 23, n.1, p. 4147, 2001. 4 PECHANSKY, F., LEUKEFELD, C, MARTIN, S et al. 2005. Tailoring an HIV-prevention intervention for cocaine injectors and crack users in Porto Alegre, Brazil In Aids Care, v.17, 77-87 5 PECHANSKY, F., METZGER, D, HIRAKATA, V. 2002. Adaptation and validation of a questionnaire about risk behaviors for AIDS among drug users In Revista Brasileira de Psiquiatria, v.24, 130-136

89


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

de soropositividade, comorbidade psiquiátrica e danos clínicos – documentados através de diversos estudos, sendo um deles de soroincidência6- acompanhamos e documentamos a migração desta forma de uso para o crack, especificamente em um artigo de 20067. O artigo que sumariza toda esta linha de trabalho, comparando diversos estudos de nosso grupo em relação a taxas de soroincidência por aproximadamente 10 anos foi publicado no mesmo ano8. Posteriormente, e novamente sob forma visionária, o Prof. Inciardi sugeriu começarmos uma nova linha de projetos na área de usuários de ecstasy (metilenodioximetanfetamina), no que foi sua última contribuição para o CPAD. Atualmente, após um estudo com 200 usuários ativos, é clara nossa percepção de que estes são indivíduos bastante afetados emocionalmente pela substância, manifestando sintomatologia psiquiátrica intensa após o uso em festas9, e incrementando sua exposição a doenças sexualmente transmissíveis, incluindo AIDS10. Mais ainda, as modificações técnicas necessárias para a adequada abordagem destas amostras foram documentadas, novamente ilustrando que a simples transcrição de metodologias estrangeiras para nosso meio é pouco eficaz11. Em decorrência disso, um programa de avaliação e atendimento destes usuários, denominado +Vida foi desenvolvido por nosso grupo, transformando-se em um ambulatório de pesquisa no

6 PECHANSKY, F., KESSLER, F, WOODY, G et al. 2003. Preliminary Estimates of Human Immunodeficiency Virus Prevalence and Incidence Among Cocaine Abusers of Porto Alegre, Brazil In Journal of Urban Health, v.80, 115-126 7 INCIARDI JA, SURRATT HL, Pechansky F, Kessler F, von Diemen L, da Silva EM, Martin SS. Changing patterns of cocaine use and HIV risks in the south of Brazil. J Psychoactive Drugs. 2006 Sep; 38(3):305-10. 8 PECHANSKY, F., WOODY, G, INCIARDI, J et al. 2006. HIV seroprevalence among drug users: an analysis of selected variables based on 10 years of data collection in Porto Alegre, Brazil In Drug and Alcohol Dependence, v.82, S109-S113 9 SURRATT, H, KURTZ, S., PECHANSKY, F et al. 2013. Psychiatric Symptoms and Sexual Risk Behaviors in a Sample of Brazilian Men who Have Sex with Men Ecstasy and LSD user. In The Journal of Sexual Medicine, v.10, 333-333; PECHANSKY, F., REMY, LS. Et al. 2011. Age of Sexual Initiation, Psychiatric Symptoms, and Sexual Risk Behavior among Ecstasy and LSD Users in Porto Alegre, Brazil: A Preliminary Analysis In Journal of Drug Issues, v.41, 217-232 10 REMY, L. S., SURRATT, H, KURTZ, S. et al. 2013. Correlates of unprotected sex in a sample of young club drug users In Clinics, v.68, 1384-1391; 11 REMY, L. S., VON DIEMEN L, SURRATT, H, PECHANSKY, F et al. 2013. Changes in method for obtaining better outcomes in the recruitment of synthetic drug users In Addiction Research and Theory, 1-6

90


SEÇÃO IV O BONSAI MADURO

HCPA, sob a liderança de uma aluna de Pósdoutorado com bolsa do Programa Nacional de Pós-Doutorado da CAPES. Eixo II - Álcool, Drogas e Transito no Brasil e Epidemiologia comparada sobre Álcool, Drogas e Trânsito em diferentes países. Iniciada com o NEPTA em 2008, esta linha é extremamente ativa em produzir e analisar dados epidemiológicos sobre o impacto do uso de álcool e drogas em diferentes cenários de consumo e exposição, frequentemente em colaboração com alguns investigadores nacionais e do exterior. Uma análise de dados oriundos de um estudo nacional coordenado por Laranjeira e cols.12 está entre os “Top ten cited” da Revista Brasileira de Psiquiatria em 201313. Esta é a linha que mais produziu nos últimos cinco anos – aproximadamente 30 artigos - ao coletar dados em cenários bastante diversos, como vias urbanas e estradas14, emergências

12 I LEVANTAMENTO NACIONAL SOBRE OS PADRÕES DE CONSUMO DE ÁLCOOL NA POPULAÇÃO BRASILEIRA – LARANJEIRA R, PINSKY I, ZALESKI M E CAETANO R. http://bvsms. saude.gov.br/bvs/publicacoes/relatorio_padroes_ consumo_alcool.pdf 13 PECHANSKY, F., DE BONI, R et al. 2009. Highly reported prevalence of drinking and driving in Brazil: data from first representative household study. In Revista Brasileira de Psiquiatria, v.31, 125-130 14 PECHANSKY F, DUARTE PCAV et al. 2012. Predictors of positive Blood Alcohol Concentration (BAC) in a sample of Brazilian drivers In Revista Brasileira de Psiquiatria, v.34, 277-285

91


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

hospitalares15, necrotérios, bares, postos de gasolina16 e parques públicos17, e questionar com busca de evidências se as atuais ações do governo no que compete à mudança de legislação e fiscalização a respeito do beber e dirigir têm produzido resultados aceitáveis18. Os primeiros oito estudos que foram desenvolvidos por nosso grupo em escala nacional são sumarizados em um livro publicado pela SENAD em inglês e português, e que ilustra as altas taxas de prevalência de álcool e outras drogas em motoristas brasileiros. Em anexo a esta linha, também são coletados sistematicamente dados sobre excesso de velocidade em diversas cidades do país e sua relação com risco para acidentalidade, junto com medidas de alcoolemia, o que demonstra que, apesar das dificuldades inerentes a trabalhar com grupos não primariamente treinados para pesquisa, como policiais, por exemplo, é possível obter dados de boa qualidade nestas condições19. Todos os estudos realizados demandaram grande infraestrutura logística, em função das coletas de dados se espalharem por uma ampla área geográfica do país. Além dos achados “brutos” das prevalências nesta área, no maior estudo latino-americano sobre o tema, e a geração de metodologias inovadoras de coleta e análise de dados (uso de dispositivos digitais, tablets, radares, métodos refinados de análise toxicológica, etc.), este eixo colocou o grupo em uma posição de destaque no cenário nacional e internacional. Somos o único grupo de pesquisa brasileiro com produção sistemática nesta área. Cito dois subprodutos desta linha de investigação: a realização do 21st Conference of the International Council on Alcohol Drugs and Traffic Safety no Brasil em 2016, com organização do CPAD, e o convite para participar como “keynote speaker” da International Conference on Urban Traffic Safety, a ser realizada em Edmonton, em 2015. Em resumo, os principais achados obtidos nesta linha são:

15 DE BONI R, BOZZETTI, MC, HILGERT, J, PECHANSKY, F et al. 2011. Factors associated with alcohol and drug use among traffic crash victims in southern Brazil In Accident Analysis and Prevention, 1408-1413 16 BONI, R, Cruz OG, WEBER, E., PECHANSKY, F. et al. 2013. Traffic crashes and alcohol outlets in a Brazilian state capital In Traffic Injury Prevention, v.14, 86-91; DE BONI, RAQUEL B., BASTOS, Francisco Inacio, DE VASCONCELLOS, MAURICIO, PECHANSKY, F et al. 2013. Drug use among drivers who drank on alcohol outlets from Porto Alegre, Brazil In Accident Analysis and Prevention, v.62, 137-142 17 DE BONI R, PECHANSKY, F., De Boni, R. et al. 2013. Is the Prevalence of Driving After Drinking Higher in Entertainment Areas? In Alcohol and Alcoholism, v.48, 356-362 18 DE BONI, RAQUEL B., PECHANSKY, F et al. 2014. Have drivers at alcohol outlets changed their behavior after the new traffic law? In Revista Brasileira de Psiquiatria, v.36, 11-15 19 SOUSA, T, LUNNEN, J. C., GONCALVES, V. M., PECHANSKY, F. et al. 2013. Challenges associated with drink driving measurement: combining police and self-reported data to estimate an accurate prevalence in Brazil In Injury, v.44, S11-S16

92


SEÇÃO IV O BONSAI MADURO

A descrição do impacto da acidentalidade em redução da expectativa de vida e em anos perdidos20, seu impacto econômico e a relação com comorbidade psiquiátrica dos condutores que bebem e usam drogas21, além da utilização de métodos de análise e correção das prevalências estimadas de beber e dirigir no Brasil em diferentes cenários22.

O mapeamento das diferenças regionais no que compete à utilização de bebidas alcoólicas e dirigir em nosso país23, incluindo a compreensão individual a respeito das leis e da fiscalização24

O desenvolvimento, em conjunto com o Labtoxico, de técnicas analíticas avançadas para a análise de drogas em motoristas25.

O início de estudos promissores comparando países desenvolvidos e o Brasil no que

20 CHANDRAN A, KAHN G, SOUSA T, PECHANSKY F, BISHAI DM, HYDER AA.. Impact of road traffic deaths on expected years of life lost and reduction in life expectancy in Brazil. Demography 2013 Feb; 50(1):22936; CHANDRAN A, SOUSA, TRV, GUO, Y, PECHANSKY, F et al. 2012. Road Traffic Deaths in Brazil: Rising Trends in Pedestrian and Motorcycle Occupant Deaths In Traffic Injury Prevention, v.13, 11-16; DE BONI R, BOZZETTI, MC, HILGERT, J, PECHANSKY, F et al. 2011. Factors associated with alcohol and drug use among traffic crash victims in southern Brazil In Accident Analysis and Prevention, 1408-1413 21 FALLER, S, WEBSTER, J. M., LEUKEFELD, C, PECHANSKY, F. et al. 2012. Psychiatric disorders among individuals who drive after the recent use of alcohol and drugs In Revista Brasileira de Psiquiatria, 314-320 22 SOUSA, T, LUNNEN, J. C., GONCALVES, V. M., PECHANSKY, F. et al. 2013. Challenges associated with drink driving measurement: combining police and self-reported data to estimate an accurate prevalence in Brazil In Injury, v.44, S11-S16; BONI, R, SILVA, PLN, BASTOS, FI et al. 2012. Reaching the Hard-to-Reach: A Probability Sampling Method for Assessing Prevalence of Driving Under the Influence After Drinking in Alcohol Outlets In Plos One, v.7, e34104-e34104 23 DE BONI R, VON DIEMEN L, DUARTE PCAV, PECHANSKY, F. et al. 2012. Regional differences associated with drinking and driving in Brazil In Revista Brasileira de Psiquiatria, 306-313 24 44 DA CONCEIÇÃO, TV, DE BONI R, DUARTE, PCAV et al. 2011. Awareness of legal blood alcohol concentration limits amongst respondents of a national roadside survey for alcohol and traffic behaviors in Brazil In International Journal on Drug Policy, v.22, 507 25 COMIRAN, E., ZAGO, D., PECHANSKY, F. et al. 2012. Fenproporex and Amphetamine Pharmacokinetics in Oral Fluid After Controlled Oral Administration of Fenproporex In Therapeutic Drug Monitoring, v.34, 545-553; ZANCANARO, I, LIMBERGER, RP., BOEHL, PO., PECHANSKY, F et al. 2012. Prescription and illicit psychoactive drugs in oral fluid – LC/MS/MS method development and analysis of samples from Brazilian drivers In Forensic Science International, v.223, 208-216; SOUZA, DZ., BOEHL, P. O., COMIRAN, E., PECHANSKY, F. et al. 2012. Which amphetamine-type stimulants can be detected by oral fluid immunoassays? In Therapeutic Drug Monitoring, v.34, 98-109

93


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

compete a prevalências e ações fiscalizatórias sobre uso de álcool e drogas no trânsito26. Eixo III – Comorbidade psiquiátrica, dano neuronal e abordagens terapêuticas inovadoras em usuários de álcool e drogas. O treinamento que recebi na Universidade da Pensilvania, e que foi repassado a alguns de meus alunos de pós-graduação, favoreceu o desenvolvimento de uma linha de pesquisa voltada para o impacto psiquiátrico e estimativa de dano cerebral em usuários de droga, bem como a tentativa de desenvolver estudos que buscassem avaliar técnicas inovadoras setorizadas e individualizadas para tratamento em usuários de álcool e drogas internados ou em regime ambulatorial, em diferentes fases de recuperação. O conceito de pareamento (“matching”) de abordagens terapêuticas para diferentes pacientes em diferentes estágios de desenvolvimento de abuso e dependência foi inicialmente formulado por McLellan na década de 8027, e deu origem a toda uma linha de investigação da qual foi originado o Addiction Severity Index, já mencionado previamente. Acredito que uma contribuição que conseguimos oferecer à comunidade científica nesta área decorre também da formulação de adaptações deste modelo para o atendimento psicoterápico de pacientes no âmbito local, baseada em colaboração com Lester Luborsky28 e ilustrada pela figura abaixo.

26 GJERDE, H., SOUZA, T. T., BONI, R, PECHANSKY, F. et al. 2014. A comparison of alcohol and drug use by random motor vehicle drivers in Brazil and Norway In International Journal on Drug Policy, v.25, 393-400 27 MCLELLAN AT, O’BRIEN CP, KRON R, ALTERMAN AI, DRULEY KA. Matching substance abuse patients to appropriate treatments: a conceptual and methodological approach. Drug Alcohol Depend. 1980 Mar; 5(3):189-95. 28 PECHANSKY, F., LUBORSKY, L 2005. Abordagem psicodinâmica do paciente dependente químico In Psicoterapia de Orientação Analítica, editado por Cláudio Laks Eizirik; Rogério Aguiar; Sidnei Schestatsky. Ed 2a., 778-790. Porto Alegre: Artes Médicas

94


SEÇÃO IV O BONSAI MADURO

Em condição e

paralelo, de

desenvolvemos

identificar,

acompanhar

de

a

desintoxicar

forma

estruturada

usuários de drogas de alta gravidade, utilizando diversos instrumentos para esta finalidade29. A principal contribuição talvez tenha sido todo o processo de adaptação, retro-tradução e validação em diferentes etapas da ASI-6, coordenada por Félix Kessler - meu aluno de doutorado à época. A utilização deste instrumento por diversos serviços em âmbito nacional e também por outros países da América Latina em versão adaptada (Chile) ilustra a importância do desenvolvimento não só da escala, como também de todo um conjunto de materiais de

treinamento

de

aplicação,

em

que

vídeo vem

e

manuais

sido

utilizado

29 VON DIEMEN L, SZOBOT, CM, KESSLER, F, PECHANSKY, F. et al. 2007. Adaptation and construct validation of the Barratt Impulsiveness Scale BIS 11 to Brazilian Portuguese for use in adolescents In Revista Brasileira de Psiquiatria, v.29, 153-156; VON DIEMEN L, BASSANI, DG, FUCHS, SC, PECHANSKY, F. ET AL. 2008. Impulsivity, age of first alcohol use and substance use disorders among male adolescents: a population based case-control study In Addiction, v.103, 1198-1205; KESSLER, F, WOODY, G, BONI, R, PECHANSKY, F. et al. 2008. Evaluation of psychiatric symptoms in cocaine users in the Brazilian public health system: need for data and structure In Public Health (London), v.122, 1349-1355; KESSLER, F, BARBOSA TERRA, M, FALLER S, PECHANSKY, F et al. 2012.Crack Users Show High Rates of Antisocial Personality Disorder, Engagement in Illegal Activities and Other Psychosocial Problems In The American Journal on Addictions, v.21, 370-380

95


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

ininterruptamente desde a publicação dos primeiros estudos nacionais30. Outra contribuição genuína foi a adaptação para a atual estrutura do programa de tratamento do Serviço de Psiquiatria de Adição na Unidade de Internação da Álvaro Alvim do HCPA dos conceitos oriundos do treinamento em Gander Hill no que compete a programas do tipo Comunidade Terapêutica Estruturada para o atendimento de dependentes químicos31. Um outro aspecto deste esforço tem sido o maior conhecimento a respeito dos marcadores cerebrais de dano pelo uso de drogas – em particular cocaína, com o apoio do Laboratório de Psiquiatria Molecular do HCPA e do grupo de pesquisa coordenado pelo Prof. Flavio Kapczinski. Acredito que a continuidade deste esforço, atualmente chefiado de forma quase independente por ex-alunos de mestrado e doutorado, permitirá em breve que sejam testadas técnicas psicossociais e fármacos promissores em ensaios clínicos randomizados, presentemente sendo submetidos a financiamento, com muito mais foco e resultado terapêutico do que nos anos iniciais de minha formação.

Obtenção Independente de Verbas de Pesquisa, Criação e Manutenção de Infra-estrutura para Execução de Projetos No que compete à obtenção de verbas por agencias financiadoras, gostaria de citar as palavras generosas do Prof. Titular desde Departamento, Luís Augusto Rohde, ao comentar a trajetória de captação de recursos para pesquisa e infraestrutura capitaneada por mim: [...]

Qual o resultado dessa capacidade ímpar de estabelecer redes

de pesquisa, produção científica e formação qualificada de pessoal? Como não poderia deixar de ser, uma enorme captação de recursos para pesquisa. Flavio é, sem dúvida, o professor que mais atraiu verbas de pesquisa na história do Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal da UFRGS (algo em torno de 13 milhões, com a inclusão de sua última iniciativa

. [...]

30 PECHANSKY, F., KESSLER, F, CACCIOLA, J et al. 2007. Adaptação transcultural multicêntrica da sexta versão da Escala de Gravidade de Dependência (ASI6) para o Brasil In Revista De Psiquiatria Do Rio Grande Do Sul, v.29, 335; KESSLER, F, FALLER, S, FORMIGONI, Maria Lúcia, PECHANSKY, F et al. 2010. Avaliação multidimensional do usuário de drogas e a Escala de Gravidade de Dependência. In Revista De Psiquiatria Do Rio Grande Do Sul, v.32, 48-56; KESSLER, F, CACCIOLA, J, ALTERMAN, A, PECHANSKY, F et al. 2012. Psychometric properties of the sixth version of the Addiction Severity Index (ASI-6) in Brazil In Revista Brasileira de Psiquiatria, v.34, 24-33 31 PECHANSKY, F., MELLO, CO, INCIARDI, J. et al. 1996. A Participant observation of the Therapeutic Community as a Model for Drug Dependence Treatment In Journal of Drug Issues, v.27, 299-314

96


SEÇÃO IV O BONSAI MADURO

Em verbas atualizadas, a tabela abaixo sumariza a captação obtida de recursos desde 1995 até a confecção deste memorial. Tabela 1. Captação acumulada de recursos de financiamento e infraestrutura de pesquisa ANO

ENTIDADE FINANCIADORA

VALOR EM U$

1995

UNIVERSITY OF MIAMI

20.790

1996

FOGARTY INTERNATIONAL

59.978

1997

MINISTÉRIO DA SAÚDE

47.866

2003

NIAID

106.688

2003

NIDA

25.300

2005

NIDA

187.150

2005

SENAD

114.810

2007

SENAD

1.191.000

2007

NIDA

2010

FAPERGS

2010

BLOOMBERG PHILANTROPIES

2010

UNIVERSITY OF KENTUCKY

2011

SENAD

5.984.212

2011

SENAD

4.415.000

2013

CNPQ

2013

SENAD

2013

MINISTÉRIO DA SAÚDE

2013

SENAD

134.661

2014

SENAD

148.300

60.000 7.313 574.078 25000

23.342 1.224.677

Total

76.542

14,426,707.00*

* foram produzidas equivalências em dólares dos projetos a partir dos valores financiados nas datas específicas

97


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

Com o crescimento exponencial das áreas de atuação do grupo, número de projetos e alunos, e nossa penetração no cenário nacional e internacional, atualmente contamos com uma infraestrutura física compatível com esta necessidade, em um ambiente de espaços altamente competitivos como o HCPA. A imagem abaixo ilustra a planta definitiva do Centro Colaborador, já previamente descrito, cuja obra tem previsão de término para o II semestre de 2015.

Figura 1. Planta-baixa do novo ambiente físico do Centro Colaborador

Concentração de Alunos e Profissionais de Diferentes Níveis e Origens Acadêmicas ao Redor das Linhas de Pesquisa e Atuação Profissional Os grupos de pesquisa, ensino e assistência que coordeno, conjugadamente, congregam aproximadamente 140 profissionais - desde estagiários voluntários do CPAD até alunos de pós-doutorado - passando por bolsistas de iniciação científica, mestrandos, doutorandos, colegas já graduados, e residentes dos quatro anos de formação profissional em Psiquiatria. Ao longo dos anos, dois subgrupos grandes foram formados – o NEPTA, coordenado pela economista Tanara Sousa, e o Núcleo Clínico-biológico, coordenado pelo Vice-Diretor do CPAD, Professor Félix Kessler. Além disso, o Centro Colaborador conta com três chefias abaixo de mim – a da Unidade de Adição (Coordenada pela Dra. Anne Sordi), da Unidade de

98


SEÇÃO IV O BONSAI MADURO

Reinserção Social, coordenada pela Assistente Social Silvia Halpern, e a Unidade de Ensino e Pesquisa, coordenada pela Dra. Lísia Von Diemen e presentemente, em substituição, liderada pela psicóloga Joana Narvaez. Além disso, divido a coordenação de nosso programa de Mestrado Profissional com a Psicóloga Carla Dalbosco e a colega Silvia Halpern. Abaixo destas coordenações estão dezenas de profissionais. A liderança de grupos – tanto de pesquisa como clínicos – não nos é ensinada na formação profissional, assim como também não aprendemos em nossa pós-graduação elementos de gestão de pessoas e de administração de projetos, ou mesmo como escrever e submeter apropriadamente projetos para financiamento por órgãos de fomento. Mesmo tendo buscado mecanismos de treinamento específicos para tal, em especial com estágios práticos no Center for Drug and Alcohol Research da Universidade do Kentucky, e feito alguns cursos sobre o tema durante eventos no exterior, este aprendizado se fez de forma iminentemente prática, através de tentativas sucessivas, e com supervisão constante de colegas mais experientes, tanto no nível local como internacional. O aprendizado por modelagem, que tanto valorizo e estimulo nos meus diversos âmbitos de atuação, faz com que sistematicamente seja concentrada uma grande quantidade de profissionais ao meu redor – tanto no que compete a minhas atividades clínicas como professor da graduação e programas de residência médica e multiprofissional, como também nos diversos grupos de pesquisa que se concentram no CPAD e Centro Colaborador. Busco constantemente o trabalho interdisciplinar, como já mencionei em outros segmentos deste memorial. Porém, nos últimos anos a principal fonte de estímulo, orientação e modelo tem sido obtida dentro de meu Departamento, através do exemplo e criatividade ímpar de dois colegas que capitaneiam a produção de pesquisa de ponta no país e no mundo em suas respectivas áreas - os Profs. Luis Augusto Rohde e Flavio Kapczinski, “colegas de alto impacto”, aqui retratados com o Prof. Ellis Busnello quando da celebração de seus concursos para Professores Titulares.

Flavio Kapczinski, Ellis Busnello e Luis Augusto Rohde celebrando o final do concurso para Prof. Titular do Departamento de Psiquiatria da UFRGS

99


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

Acredito ser importante poder incorporar aprendizados múltiplos – tanto de instituições centenárias do exterior, como a Johns Hopkins, como do grupo de colegas do Departamento de Psiquiatria da UFRGS, com os quais interajo há 20 anos. Quando o Professor Mandell, nas repetidas supervisões na Johns Hopkins em 1993- 94, repetia que estava me treinando para ser um líder em minha área, eu não tinha a compreensão sobre a dimensão que este treinamento teria em minha trajetória. Atualmente aceito a responsabilidade de direcionar ensino, pesquisa e assistência de todos os grupos que lidero, buscando sempre manter a coerência com o aprendizado por imitação e crítica, tão valioso para mim em meu desenvolvimento profissional.

Produção Acadêmica Constante, com Impacto Crescente Ao revisar minha produção para a confecção deste memorial, percebo que os mecanismos de bibliometria utilizados para avaliar a produção acadêmica podem ser limitados para expressar completamente a dimensão de impacto profissional: ao mesmo tempo que estão voltados para analisar a produção revisada por pares – um padrãoouro universalmente aceito, não avaliam por exemplo o impacto de um livro ou capítulo, compreendidos como produção complementar à produção principal. E, naturalmente, não têm como balancear a importância de publicações nacionais para o público brasileiro na área específica de dependência química - tão carente de formação estruturada que ainda nem existe como especialidade médica – versus publicação em revistas estrangeiras. Isso faz com que uma parte de minha produção esteja concentrada em revistas de baixo impacto pelos padrões vigentes. Mesmo assim, ao analisar minha produção de artigos através do sumário do Currículo Lattes e das principais bases de análise - ISI e Scopus, expressos abaixo, gostaria de tecer alguns comentários. A tabela a seguir sumariza alguns elementos da produção contabilizada por meu Currículo Lattes e Plataforma SABI/UFRGS até março de 2015:

100


SEÇÃO IV O BONSAI MADURO

Tabela 2.Sumário da produção intelectual – Currículo Lattes e Plataforma SABI-UFRGS até março de 2015 Tipo de produção

N

Artigos completos publicados em periódicos

136

Capítulos de livros publicados

35

Livros

8

Resumos publicados em anais de congressos

79

Apresentações de trabalho

339

Orientação de trabalhos de conclusão - Mestrado

16

Orientação de trabalhos de conclusão – Doutorado

8

Projetos de pesquisa/desenvolvimento em andamento/concluídos

51

Orientação de Iniciação Científica

22

Atividades de extensão (como coordenador)

19

Tenho tido produção constante e exponencialmente crescente nos últimos dez anos. Os gráficos abaixo, captados da plataforma Web of Science em 15 de março de 2015, são referentes a 104 artigos indexados nesta base, do total de 136 produzidos até o momento, com índice H=13. Os dez artigos mais citados de minha produção são publicados nos seguintes periódicos: Revista Brasileira de Psiquiatria (FI=1.638), Addiction (FI=4.894), Journal of Psychoactive Drugs (FI=1.308), Quality of Life Research (FI=2.864), Drug and Alcohol Dependence (FI=3.278), Journal of Nervous and Mental Diseases (FI=1.812), e Journal of Urban Health (1.943), sendo o mais antigo publicado em 2003 e o mais recente, dentre estes dez, em 2009. É possível perceber um incremento na produção nos últimos anos – de 2010 até o presente, com 59 artigos já avaliados na base – quando comparado ao período 2005-2010 (n=32), ou em especial aos cinco anos anteriores a 2005 (n=17). A proporção de artigos publicados em revistas de FI mais alto na área tem aumentado substancialmente nos últimos anos, mas devido à forma como os dados são coletados pelas bases é provável que este incremento no FI e nas citações somente fique evidente nos próximos anos.

101


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

A base Scopus produz informação razoavelmente similar à base ISI para o mesmo período, conforme ilustram as informações abaixo:

102


SEÇÃO IV O BONSAI MADURO

Modelo para Profissionais em Formação no que Compete a Habilidades Técnicas e Parâmetros Éticos na Relação com Colegas, com a Instituição e com Fontes de Financiamento para Pesquisa. Uma forma de observar o crescimento acadêmico é perceber que ao longo dos anos mais alunos e profissionais em formação desejam trabalhar e estudar nos grupos que coordeno. Nos últimos cinco anos, o CPAD tem recebido alunos de diferentes níveis de formação – tanto do país como do exterior – para treinamento. Acredito que este seja um exemplo simples para ilustrar que o que estamos fazendo repercute em diferentes âmbitos acadêmicos de forma adequada. Faço parte – como aluno de graduação desde 1982, como voluntário desde 1988, e como professor desde 1995 – de um dos melhores departamentos de psiquiatria do país, além de ser professor e orientador do melhor programa de pósgraduação em psiquiatria do Brasil, chancelado pela CAPES com nota 7 em duas avaliações. Além disso, colaboro com quatro grandes universidades americanas desde 1992, e com outros programas de formação brasileiros – tanto no nível de graduação/especialização como de pós-graduação. Ao longo destes 33 anos de formação pessoal e profissional, com o auxílio de dezenas de professores e supervisores, e dezenas de supervisões com meu pai, consegui desenvolver uma mecânica própria de ensinar e coordenar indivíduos e grupos de forma

103


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

sistemática. Ela é baseada em alguns parâmetros simples, mas que considero pétreos para o sucesso de uma carreira acadêmica. Listo-os brevemente abaixo. A alusão com o trabalho de um bonsaista é, novamente, óbvia. •

Um professor é um veículo. Ele é responsável por desenvolver no aluno capacidades e potenciais que lá existem, auxiliando no processo de estimular as adequadas e, sob olhar atento e constante, eliminar as que irão dificultar o processo de crescimento.

Um professor é um modelo. Como um bonsai maduro, ele serve de parâmetro para profissionais mais jovens, que irão através de diferentes processos absorver os elementos que querem emular em sua atividade própria.

Um profissional, sendo parte de uma instituição, “joga para o grupo” e não para si próprio. Como comentado anteriormente, a instituição é maior do que o grupo de indivíduos que a compõem. Protegê-la é um dos compromissos mais sólidos que um membro deve assumir ao longo de sua carreira.

Relações profissionais são para a vida, e não para um instante. Frequentemente iremos trabalhar com pessoas com as quais concordamos e divergimos por muitos anos ou décadas. Cuidar destas relações exige delicadeza e sensibilidade constantemente exercitadas.

Assumir erros no processo de ensino/aprendizagem faz com que um professor amadureça melhor. Este exercício constante refresca as relações com colegas e alunos, e produz uma relação sólida e honesta com a instituição. Como um bonsai maduro, então, as marcas das intempéries, galhos quebrados e ramos que não se desenvolveram bem são inerentes ao todo que caracteriza o membro de uma instituição universitária e devem ser vistas como parte integrante de sua carreira.

Cartas de Recomendação, Manifestações de Alunos e de Colegas As informações referentes à avaliação docente por parte da UFRGS encontram-se sumarizadas nos quadros ao lado. Elas todas parecem expressar a mesma conclusão – que minha avaliação media por parte dos alunos é alta (4.32, em geral, 5 no último semestre), o que sugere que os métodos e didática utilizados nas disciplinas têm gerado um resultado satisfatório. Porém, é importante observar que em todas as avaliações o porcentual efetivo de respostas é baixo – nunca acima de 50%, o que claramente pode indicar um viés na direção do melhor desfecho. Mesmo assim, é um componente formal de avaliação que indica uma direção favorável.

104


SEÇÃO IV O BONSAI MADURO

105


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

Relatório de Avaliação Docente - Completo Atividade de Ensino

Turma

Período Letivo

Média da Turma

Psicologia Médica II: Relação Médico-Paciente

I

2011/2

4.47

4

10

Psicologia Médica II: Relação Médico-Paciente

J

2010/1

4.77

3

7

Psicologia Médica II: Relação Médico-Paciente

B

2009/1

2.50

3

9

Psicologia Médica II: Relação Médico-Paciente

J

2009/1

4.60

3

9

Psicologia Médica II: Relação Médico-Paciente

J

2008/2

4.79

3

7

Psicologia Médica II: Relação Médico-Paciente

I

2008/1

4.00

3

9

Psicologia Médica II: Relação Médico-Paciente

I

2007/2

4.16

5

6

Psicologia Médica II: Relação Médico-Paciente

I

2007/1

3

6

4.50

Nº Respondentes

Nº Possíveis Respondentes

Algumas manifestações espontâneas de alunos têm sugerido que a mecânica de ensino que tenho desenvolvido nestes vinte anos é eficaz. Transcrevo ipsis litteris e-mails reproduzidos sob permissão de alunos ao final da disciplina de Psicologia Médica II, no segundo semestre de 2014, e de um aluno de mestrado em Antropologia Social da UFRGS, cujo tema de dissertação foi o CPAD. Acredito que eles sejam capazes de ilustrar o que busco ensinar. Também são anexadas ao final deste memorial manifestações solicitadas por mim de profissionais com os quais tenho relações há muitos anos, e que acredito podem ilustrar o que considero elementos obrigatórios para a obtenção do grau de Professor Titular desta universidade. Professor, assim como o senhor tem nos enviado um retorno sobre nossa participação, relatórios e sobre a prova, achei que seria interessante que o senhor possa ter um retorno nosso sobre a cadeira também. Ao longo do semestre, comparei muito a cadeira de Psicologia Médica II com a Semiologia, especialmente por serem as cadeiras que lidam mais de frente com o paciente. Acredito que quase todos os alunos chegam à semiologia com muitas expectativas e comigo não foi diferente. O grande problema é que quanto maior a expectativa, mais sujeitos estamos à frustração. Foi isso que ocorreu comigo. Esperava da semiologia que pudesse ter me ensinado pelo menos um pouco do que pude aprender com o senhor nesse curto espaço de tempo. Acredito que eu não vá fazer psiquiatria e, talvez por isso, o meu maior desafio foi aplicar os conhecimentos dessa cadeira em uma relação que se estabelecesse muito mais querendo saber sobre a doença orgânica do paciente do que se preocupando com suas vivências pessoais, com suas angústias e frustrações e diversas questões humanas, que às

106


SEÇÃO IV O BONSAI MADURO

vezes fogem dos sinais e sintomas, mas podem nos trazer muitos esclarecimentos sobre a história do paciente como um todo, inclusive elucidando questões que estão relacionadas com sua doença. Esse desafio me motivou a tentar, a ir atrás dos pacientes da semiologia e procurar conversar com eles e, às vezes, entender um pouco mais da história que eles trazem, que vai muito além da “história da doença atual”. Na semiologia alguns professores tratam os pacientes como se fossem a “personificação da doença”, pois, na maior parte das vezes, procuram pacientes com sinais para que possamos aprender as caracterizações das doenças. Ainda que isso seja extremamente ilustrativo e que eu reconheça sua importância, sentia falta de uma maior atenção ao paciente, especialmente quando vi professores, que tinham pacientes internados em suas equipes, mas que sequer sabiam o nome do paciente. E, por vezes, a aula era seu primeiro e único contato com eles. Isso me frustrou e vejo que isso incita em nós alunos a seguirmos esse comportamento de um certo descaso com o lado humano do paciente. Entendo que, às vezes, a falta de tempo nos impede te der um comprometimento adequado, mas não é assim que quero me ver atuando na profissão que escolhi. Acredito que empatia e respeito são difíceis de serem aprendidas, até porque são “hábitos” que estão relacionados com outras características de cada um. Mas, ainda assim, acho que podem ser estimulados. E assim que me senti nas aulas. Sinto pena que elas ocorriam apenas 1 vez por semana, pois praticamente todas as discussões traziam algo novo. Mesmo que às vezes parecessem obviedades, discutir sobre e colocar em prática traz outra perspectiva para certas coisas que parecem tão simples no dia a dia de um médico. Por fim gostaria de dizer que a cadeira superou muito as minhas expectativas. Pude aprender muito, mas o que mais me deixou feliz foi ter criado o hábito de incluir diversas questões importantes que vimos em aula no meu dia a dia. Também gostaria de agradecer por todos os ensinamentos e situações práticas que tivemos a oportunidade de acompanhar, pois acredito que foi tudo muito produtivo. Abraços, Ana Laura J. Tavares

Gostaria, por último, de dar um retorno sobre a cadeira: achei o método muito bom. Todas as aulas, tanto aquelas do início do semestre, somente entre a turma, quanto aquelas em que conversamos com os pacientes, foram muito proveitosas. As primeiras (brilhantemente, através das discussões, dos casos reais que compartilhaste conosco e das encenações) deram a base para entendermos os diferentes tipos de relação médico-paciente que veríamos depois, durante as entrevistas. As aulas com os pacientes foram uma experiência única, pois nos deram não só a chance de conhecer uma realidade completamente diferente, que é a de quem está internado, mas também um pouco do funcionamento da Unidade Álvaro Alvim (apesar de eu ainda ter curiosidade sobre o funcionamento

107


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

do programa. Aliás, deixo como sugestão para os próximos semestres, que se explique um pouco sobre esse assunto, especialmente antes de ver os pacientes ou acompanhar o grupo, pois nesse momento me senti um pouco perdida). Além disso, é com a prática que vamos aprendendo como lidar com cada tipo de paciente e com as diferentes situações que enfrentaremos, mas, nesse semestre, já pudemos ver contigo algumas das técnicas que poderemos usar futuramente e como devemos nos portar frente aos desafios que nos esperam. O semestre na psicologia médica II foi ótimo e o tu, definitivamente, vais ser um dos professores que me servirão como modelo para trilhar uma boa carreira. Obrigada por tudo, professor! Att. Giulia Martins [...] Além disso, gostaria de agradecer ao senhor pela sensatez em conduzir a carga horária da disciplina, dando-nos liberdade para utilizar esse horário da disciplina para fazer os relatórios - ou outras coisas que quisermos, tendo em vista que grandes cargas obrigatórias em cima do aluno só servem para reduzir sua vontade de aprender e ter curiosidade. Infelizmente, o único professor que está ciente disso é justamente o professor que ministrou as aulas mais interessantes e provocativas do semestre, o que nos priva de tê-las no resto do semestre, mas torço para que no futuro outros professores compartilhem desta mesma vontade de ensinar e formar melhores profissionais que o senhor tem, e não uma vontade de simplesmente “dar aula e ir embora”, que vemos em muitos outros professores. Obrigado!! Nathan Bugs

Olá professor! Estou muito feliz em te avisar que fui aprovado, este ano, na residência multiprofissional da Escola de Saúde Pública, ênfase em vigilância em saúde, seleção para ciências sociais. Te comunico esta passagem pois gostaria que tu soubesses que a convivência que tive com o CPAD teve um papel fundamental em minha decisão de realizar esta seleção. O tempo que passei acompanhando vocês abriu meus horizontes de possibilidades de trabalho e pesquisa na saúde, o que me levou a procurar outras formas de atuação, mais internas ao setor e também mais comprometidas com as suas urgências e desafios. Considerei que gostaria de saber também deste tipo de influência que o CPAD pode exercer nos rumos profissionais daqueles que entram em contato com o trabalho de vocês. Forte Abraço. Eduardo Zanella

Além das manifestações espontâneas dos alunos, solicitei a três importantes mentores de diferentes etapas de minha formação profissional que escrevessem cartas de recomendação sobre minha carreira. Elas são transcritas na íntegra nas páginas seguintes.

108


SEÇÃO IV O BONSAI MADURO

109


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

110


SEÇÃO IV O BONSAI MADURO

111


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

112


SEÇÃO IV O BONSAI MADURO

113


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

Dois de meus principais alunos, e que acompanham o desenvolvimento de toda nossa estrutura de pesquisa desde o seu início, compilaram depoimentos pessoais e de colegas dos grupos que coordeno. Transcrevo-os em forma integral abaixo. O meu primeiro encontro com o Flavio foi há exatamente 20 anos, quando eu estava no meu último ano de medicina, e passava por um rápido e determinante estágio na Unidade de Psiquiatria do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). Lembro-me, como se não tivesse passado tanto tempo, no verão de 1995, de uma impactante palestra de um jovem aspirante a professor de psiquiatria. Ele havia retornado recentemente de um estágio de um ano e meio nos Estados Unidos, e contava histórias muito interessantes sobre o que havia realizado e visto fora do Brasil, especialmente sobre assuntos que se relacionavam com a área da dependência química, que soavam para mim como novidades alvissareiras. Mas o que mais me chamou a atenção, foi o brilho nos seus olhos, a motivação e a vontade de mudar o mundo, o que para mim, ainda mais jovem e também ambicioso, pareceu muito cativante. Este encontro, somado a outros eventos de vida, consolidaram minha escolha de tornar-me psiquiatra. Contudo, somente vim a falar pessoalmente com o já Professor Pechansky no ano seguinte, quando ingressei como residente do Serviço de Psiquiatria. Perguntei se poderia trabalhar como auxiliar de pesquisa, o que prontamente foi aceito. Desde então, trabalhamos juntos em inúmeros estudos, discutimos casos clínicos, preparamos palestras, viajamos para Congressos e convivemos com as famílias, que cresceram nesse período. Pude confirmar as impressões iniciais que tive do meu hoje amigo Flavio. Aprendi a não duvidar da sua capacidade de transformar os desejos em conquistas. Como Don Quixote, sonhou fervorosamente, mas também produziu e implementou ações reais e à frente de seu tempo, de forma criativa e organizada, que culminaram no atual Serviço de Adição, Unidade e Ambulatório de Psiquiatria de Adição, além do futuro e pujante Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas do HCPA. Além de orientador de mestrado e doutorado, ele sempre foi um exemplo de ética, paixão pelo trabalho e vontade de ajudar ao próximo, sem preconceito ou preferências. É um grande líder, capitaneando incansavelmente todas as árduas tarefas necessárias à causa da problemática associada ao uso de Álcool e Outras Drogas, com especial enfoque na formação de pessoas. Ele tem sido inspiração para incontáveis pessoas que se afeiçoam por esse tema e querem tomar algum partido. Ao longo desse percurso, tivemos uma convivência

114


SEÇÃO IV O BONSAI MADURO

harmônica, afetiva e divertida, tendo o Flavio contribuído com um pensamento lógico e pragmático, solucionando problemas e trazendo ideias inovadoras para incrementar os nossos projetos de pesquisa e melhorar o atendimento dos pacientes. Não tenho dúvidas de que o Flavio foi o principal norteador da minha carreira clínica e de pesquisa, assim como foi determinante no sentido de me fazer acreditar de que eu seria um bom professor de medicina. Hoje, sinto-me realizado e entusiasmado para seguir em frente na luta pela mudança nas políticas públicas para o enfrentamento das drogas. Espero poder continuar convivendo e aprendendo com o Professor que, para mim, é merecedor do reconhecimento como Titular do Departamento de Psiquiatria da UFRGS, o que coroará a sua bem sucedida carreira, e me trará um enorme orgulho. Felix Henrique Paim Kessler; Professor de Psiquiatria da UFRGS; Vice-Diretor do CPAD

Meu primeiro contato com o prof. Flavio Pechansky foi em uma disciplina de relação médico-paciente no terceiro semestre do curso de Medicina na UFRGS, em 1996, pouco depois de ele assumir como professor. Desde as primeiras aulas tive certeza que estava à minha frente um professor especial, que merecia ser chamado de Mestre. A didática excelente, mas fundamentalmente o interesse e empenho em ensinar me impressionaram muito. Ao final da disciplina, fui convidada para participar como assistente de pesquisa do projeto que na época era o doutorado do Prof. Flavio. Não poderia imaginar que ali estaria começando uma história que já dura quase 20 anos. Foram várias fases da minha vida acadêmica nessa história, desde estudante de graduação, residente em Psiquiatria, mestranda, contratada do HCPA para trabalhar com dependentes químicos, doutoranda e atualmente como chefe da unidade de ensino e pesquisa de Adição do HCPA e professora da Pós-Graduação em Psiquiatria da UFRGS. Em todas elas o prof. Flavio sempre me incentivou, me apoiou e enxergou potenciais em mim que eu mesma desconhecia. Aquele convite em 1996 certamente foi determinante na minha escolha por Psiquiatria e por dependência química anos depois. Essa capacidade de extrair o melhor de cada um e de passar sempre uma mensagem de “tu vais conseguir” faz parte da essência do Prof. Flavio. Houve constante preocupação com as carreiras dos que estão e estiveram ligados a ele e sempre fez o possível para ajudar nesse desenvolvimento. Outro aspecto importante a ser ressaltado é o modelo que ele sempre foi para todos que estão à sua volta. Sua conduta ética, responsabilidade, compromisso com os alunos, colegas, pacientes e com as instituições sempre foram

115


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

características marcantes. Além do “Prof. Flavio”, o Flavio se tornou um grande amigo e meu “pai acadêmico”. Tenho grande orgulho de continuar ao seu lado e ter feito parte da construção do grupo de pesquisa que ele lidera. Lisia von Diemen – Professora do PPG-Psiquiatria da UFRGS; Chefe da Unidade de Pesquisa do Centro Colaborador HCPA/SENAD

Conheci o Flavio (que sempre fez questão que o chamássemos pelo primeiro nome por sermos “colegas”) em novembro de 2006 quando ele esteve na Faculdade de Economia para convidar a meu Professor e depois Orientador de Doutorado Sabino Porto Junior, para participar do primeiro grande estudo sobre o Impacto do Uso de Álcool e outras Drogas no Trânsito Brasileiro. A época eu era estudante de doutorado e escolhi trabalhar minha tese dentro do escopo deste projeto, focando na Avaliação Econômica dos Acidentes de Trânsito, por acreditar ser uma excelente iniciativa de trabalho conjunto. Participar deste estudo mostrou-me a sua visão ampla sobre o assunto e a necessidade do trabalho multidisciplinar, além da sua liderança, que propiciou que todos os pesquisadores e assistentes de pesquisa envolvidos pudessem desenvolver todo seu potencial. A confiança do Flavio no meu trabalho, ao convidar-me em 2010 para ser Co-Investigadora principal do projeto de Monitoramento e Avaliação de intervenções em Trânsito, que envolvia diversas instituições nacionais e internacionais (Global Road Safety Program), e coordenar atividades de pesquisa no NEPTA, propiciou que eu desenvolvesse diversas habilidades que mesmo com o Doutorado completo ainda não tinha tido a possibilidade para tal, contribuindo de tal maneira para a minha formação como Pesquisadora e “Economista Clínica”, como ele sempre brinca... O trabalho conjunto nos propiciou diversos momentos de interessantes discussões e oportunidades, como ser a Co-Chair de um evento da magnitude do T2016 (21st International Council on Alcohol, Drugs and Traffic Safety Conference), que vai ser realizado pela primeira vez em um país em desenvolvimento pela capacidade de liderança e visão do Flavio, não só no meio acadêmico nacional como internacional. Tanara Sousa, Doutora em Economia da Saúde Pesquisadora do CPAD e Coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisa em Trânsito e Álcool (NEPTA)

Após receber forte indicação do professor Jair Ferreira durante uma orientação acadêmica, fui procurar o Prof. Flavio em busca de experiência na

116


SEÇÃO IV O BONSAI MADURO

área de álcool e drogas. Prontamente, ele me recebeu e me deu a oportunidade de entrar no grupo. Desde então, tenho tido a honra de ser orientada por esse professor extraordinário que é o Flavio. Na primeira vez que o ouvi palestrando, tive orgulho por estar ao lado de um professor com tamanha capacidade e brilhantismo. A cada dia que sigo no grupo, o Flavio continua me surpreendendo, me instigando a buscar o conhecimento e estimulando meu crescimento pessoal e profissional. São poucos os orientadores que, assim como o Flavio, dedicam tanto tempo e atenção aos seus alunos, buscando sempre o aprimoramento dos orientandos, independentemente do nível que eles se encontram (dos alunos de graduação aos pós-graduandos). Com certeza, o Flavio é, além de professor, um grande mestre e amigo daqueles que tem a oportunidade de conviver com ele. A sabedoria acumulada e compartilhada, a busca por novos desafios, o criticismo e o nível de exigência fazem com que ele lidere um grupo que a cada dia cresce e se desenvolve mais, e que capacita profissionais de excelência para o ensino, a pesquisa e a assistência de qualidade. Sou muito grata por ter recebido a confiança e o apoio do Flavio desde o primeiro momento que nos conhecemos e por poder ter ele como guia e como um exemplo de profissional que eu desejo me tornar um dia. Juliana Scherer; Biomédica, Aluna de doutorado do PPG-Psiquiatria da UFRGS

Conheci o Prof. Flavio em 2008, no primeiro ano do meu curso de especialização em psiquiatria. Já tinha escutado rumores de que ele era muito exigente com os alunos, o que me deixou apreensiva ao começar o estágio na equipe que ele coordenava na internação psiquiátrica do HCPA. Porém, logo nos primeiros dias, compreendi que as exigências dele eram sempre direcionadas ao melhor aprendizado que ele poderia proporcionar aos seus alunos. Não foi à toa que, ao final dos 3 anos de residência, ele foi convidado a ser o paraninfo da turma, devido ao seu afeto, comprometimento e entusiasmo em ensinar. Mas meu contato com o Prof. Flávio não se restringe ao curso de especialização. Logo no primeiro ano, ele já me convidou para participar do seu grupo de pesquisas o que abriu as portas para uma série de definições na minha vida profissional. O Flávio sempre teve a qualidade de valorizar e qualificar seus alunos, incentivá-los a crescer e, principalmente, criar oportunidades. Talvez essa seja uma das suas melhores qualidades, a de genuinamente se importar com o crescimento daqueles que trabalham ao lado dele e se esforçar para ajudá-los no seu desenvolvimento

117


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

profissional. Hoje, sem sombra de dúvidas, grande parte do que conquistei dentro da psiquiatria foi devido ao seu persistente incentivo. E tenho o orgulho de poder continuar trabalhando ao seu lado, seguindo seus conselhos e sempre aprendendo algo novo.” Anne Orgler Sordi - Psiquiatria – Chefe da Unidade de Adição – Centro Colaborador HCPA/SENAD e Serviço de Psiquiatria de Adição

Em meados do ano 2008, já tendo alguma experiência em pesquisa como bolsista de Iniciação Científica, decidi que o fenômeno do uso de álcool e outras drogas seria a minha área de especialização futura. Em busca de um grupo de pesquisa de excelência que me propiciasse a oportunidade para a realização dessa meta, deparei-me com o Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas (CPAD) da UFRGS/HCPA e com o currículo admirável do Professor Flavio. Lembro-me que já no primeiro contato telefônico com o Centro de Pesquisa, consegui falar com o Professor que, prontamente, disponibilizou horário na sua agenda para uma conversa. Na ocasião, lembro-me de sua escuta atenta e acolhida afetuosa. Desde a primeira conversa com o professor Flavio, já se passaram 6 anos e é maravilhoso perceber-me amadurecendo e me formando como pesquisadora tendo a sua orientação como base. Para mim, o professor Flavio é exemplo de ética, disciplina, dedicação e sabedoria; é um orientador preocupado e engajado na busca por fornecer as ferramentas necessárias para que seus alunos/orientandos possam desenvolver não somente um bom trabalho, mas também que possam explorar o melhor de si; é um líder que propõe desafios, cria possibilidades e instaura esperança. Ter a oportunidade de conviver e trabalhar com o professor Flavio, assim como fazer parte do grupo CPAD é um grande orgulho e um constante aprendizado pessoal e profissional. Graciela Pasa; Psicóloga – Aluna de doutorado do PPG-Psiquiatria da UFRGS

O ano era 2004, eu ainda não havia terminado minha graduação e estava realizando o estágio curricular em psicologia comunitária em um grande posto de saúde da capital. Tomei conhecimento, por meio de uma das minhas colegas, que a equipe do CPAD estava coletando dados para um estudo com mulheres usuárias de crack. Me interessei prontamente, não só pelo assunto da pesquisa, mas também por este grupo que estava estudando um tema emergente, intrigante e

118


SEÇÃO IV O BONSAI MADURO

bastante difícil. Com uma certa insegurança fui conversar com o diretor do CPAD, Dr. Flávio Pechansky, para saber se havia a possibilidade de compor a equipe do centro de pesquisa. Muito amável, me orientou a levar meu currículo e marcar uma entrevista, me incentivando por que “sempre tem lugar para quem tem vontade de crescer e trabalhar”. Desde então, 11 anos se passaram e a parceria segue firme. Com a orientação do Flávio construí uma parte importante da minha vida profissional. Fui estagiária, assistente de pesquisa, digitadora, coletadora, professora, mestranda, doutoranda... Com certeza e de coração, o que posso afirmar sobre o Flávio é que: ele é uma pessoa extremamente confiável, sincera e sensível. É um orientador bastante presente: mandar um material hoje de manhã, significa que à noite estará lido e revisado com apontamentos pertinentes. Quando não há solução, ele transforma os momentos difíceis em momentos de reflexão, sempre disposto a ajudar. É um dos melhores professores que já tive, um dos poucos que prendia minha atenção até o final das aulas e palestras. Muito exigente – é verdade! –, nunca perdeu a empolgação por ensinar seus alunos e também não deixa que os alunos percam a motivação para aprender. Sibele Faller; Psicóloga – Aluna de doutorado do PPG-Psiquiatria da UFRGS O Flávio é um pescador: consegue tramar uma rede atrativa para produção de ciência mesmo em uma área habitualmente pouco valorada. Isca e desenvolve talentos. Desafia, mas dá condições e continência para alavancar o potencial de seus recursos humanos. É um grande mestre sem perder o caráter afetivo, um exemplo humano e profissional. Fico grata por tê-lo no meu caminho, pela acolhida, incentivo e estímulo que desde sempre me conferiu. Minha trajetória no CPAD iniciou em função da característica do grupo de ser receptivo e aberto a parcerias e, da outra parte, por uma teimosia minha de querer trabalhar com o Flávio e seu grupo. Meu ingresso no CPAD se deu como voluntária auxiliando no treino de coletadores. Mesmo ocupando uma posição parcial no grupo, o Flávio passou a ser um grande incentivador do meu trabalho, impulsionando meu crescimento e desenvolvimento assistencial e científico. Esta é uma grande característica do Flávio, ele atenta para o desenvolvimento de todos, cuida de toda cadeia hierárquica de seu grupo e dedica paciência de forma homogênea a todos, apesar de sua carga de demandas. No começo do meu doutorado, o grupo de pesquisa liderado pelo meu orientador, professor Flávio Kapczinski, começava uma parceria com o CPAD, em função do destaque deste grupo e de sua competência científica. Devido ao objeto de pesquisas comum, o Flávio Pechansky, apesar de

119


MEMORIAL F LAVIO P ECHANSKY

não estar munido da incumbência formal, foi muito presente e elevou o patamar do meu trabalho de doutorado, solidificando esta parceria entre grupos. Sempre respeitando as relações formais, mas não limitando-se a estas, empenha-se de forma efetiva. Flávio foi definitivo em sua participação na minha tese e auxiliou-me a valorar a produção que desenvolvi. Mais que isso, hoje se trata de uma referência de impacto na minha vida: me desafia, mas me confere segurança para crescer. Joana Narvaez - Psicóloga da Unidade Álvaro Alvim - HCPA

Durante a realização de Mestrado do PPG Psiquiatria da FAMED/UFRGS e por ter acompanhado a disciplina ministrada pelo Prof. Dr. Flavio Pechansky tive a oportunidade de desenvolver habilidades para apresentação de resultados de pesquisas e de trabalhos, utilizando técnicas internacionais. Pelo fato do Professor possuir grande experiência por intensa participação e representação em comitês e grupos internacionais, bem como sua expertise pedagógica, foi possível identificar o crescimento do grupo de alunos e o aumento da qualidade dos trabalhos produzidos.Com interesse em continuar no doutorado, realizei meus estudos orientada pelo Prof. Pechansky, em uma área diversa do mestrado, mas muito gratificante pela possibilidade de novos aprendizados e pesquisa na área de meu interesse – gestão do cuidado dos pacientes usuários de crack na rede pública de atenção à saúde mental. Durante minha participação em seu grupo de pesquisa, em projeto nacional por ele coordenado, realizamos um trabalho de grande amplitude e cobertura no país, o que mais uma vez reforçou seu perfil docente. Esta sua característica é identificada pelo incentivo ao aprendizado e pela grande oportunidade que oferece aos alunos em seu desenvolvimento. Deixar livre para experimentar, mas cuidar para que o aluno encontre seu caminho de sucesso e realização pessoal e profissional, baseado na ética e exigência do acerto para quem atua com o objeto de pesquisa ser humano, é fundamental para o professor. Tenho orgulho de ter participado de grupo coordenado pelo Prof. Dr. Flavio Pechansky, que além de referência na área, é um professor que manifesta ter orgulho de seu trabalho e de seus alunos; e somente nesta relação de respeito, de confiança e de afeto se desenvolve o processo de ensino-aprendizagem. Veralice Maria Gonçalves. Analista de Sistemas; Aluna de doutorado do PPG-Psiquiatria da UFRGS

120


SEÇÃO IV O BONSAI MADURO

Uma Comunicação Final Novamente fazendo alusão à arte e técnica de desenvolver bonsais, retomo, para finalizar, aos aspectos filosóficos que fazem da relação bonsaistabonsai uma entidade única. Como mencionado no prefácio, o “caminho do bonsai” é a capacidade de encontrar na árvore jovem a árvore madura que está lá dentro. A busca é longa, e nem sempre frutífera, pois nem todas as jovens árvores, mesmo

Carl Leukefeld, Flavio Pechansky e James Inciardi, CPDD 2006

que potenciais, irão se transformar em um bonsai adulto. Ao procuramos

aprender

com

emular

suas

grandes

mestres,

características

mais

salientes: a forma de utilizar instrumentos, a combinação entre força e método para dobrar galhos na direção certa, e a humildade quase infinita para tolerar quando alguns galhos quebram. Um bonsaista é produto da inspiração e observação de elementos e modelos já existentes para, com paciente educação, transformar numa combinação de força e gentileza aquela árvore jovem em um

Eloá Casagrande Levandowski e Flavio Pechansky

bonsai maduro. Tive grandes mestres – bonsais exemplares - entre parentes, amigos, e colegas, que ao longo de minha trajetória ajudaram a formar o que hoje procurei apresentar para avaliação crítica. Acredito que este memorial seja também uma forma sincera de agradecer a tantos que deram tempo, esforço e perseverança para buscar dentro daquela árvore jovem o bonsai maduro. Porto Alegre, maio de 2015

121


MEMORIAL FLAVIO PECHANSKY Apresentado à Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul para Promoção a Professor Titular Porto Alegre, maio de 2015. Fotografia: Ana Carolina Mello Pechansky Projeto Gráfico e Editoração: Ronald Souza

Memorial Flavio Pechansky  

Memorial Apresentado à Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul para Promoção a Professor Titular Porto Alegre, ab...

Memorial Flavio Pechansky  

Memorial Apresentado à Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul para Promoção a Professor Titular Porto Alegre, ab...

Advertisement