Page 1


Revista NónaPalavra

Nó na palavra, nona palavra. A palavra nono ano. A voz que baixa o tom até o chão da sobriedade. A figa da resposta imediata, do grito oco, da conclusão veloz. A luta do pensamento para achar a sua forma: Atar e cesatar, tecer, refazer, ponderar, reavaliar. A juventude e seu lugar. As juventudes e seus lugares. Arte, política, comportamento, educação. A casa, a rua, a escola, a cidade. A ciência e o desejo. A opinião construída em construção A palavra do nono ano sobre si e, principalmente, sobre os Outros: eis o nó.

Evandro Rodrigues


A revista NónaPalavra resulta da trajetória do Projeto de Escrita, disciplina organizada especialmente para o 9º ano, série essa que marca, como sabemos, o fechamento do Ensino Fundamental II e promove a passagem para um momento muito privilegiado da escolaridade, o Ensino Médio.

O objetivo do curso é levar o aluno a perceber a escrita como um espaço importante para a compreensão do texto, elemento organizador de nossas ideias. Durante o ano, a partir de práticas dissertativas e argumentativas, os alunos aprimoraram técnicas de pesquisa, exposição, explanação, explicação de ideias, bem como, no caso argumentativo, persuasão, convencimento e construção de opinião crítica.

Tivemos como tema central o conceito de Juventudes, no plural, a fim de reforçar o caráter múltiplo da ideia de juventude. Lançamos mão de contribuições de distintos campos do saber (literatura, história, sociologia, psicanálise, música popular), com o intuito de transcender o recorte meramente etário que se costuma dar ao conceito de juventude e refletir sobre a experiência do ser jovem enquanto construindo.


SUMÁRIO Nó na Opinião Escola Pra que? Alan Senna Gorodetcki . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Antonio Amazonas Cabral Arcanjo Gonzalez Neto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Arthur Torres Bergami Rodrigues . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Augusto Cunha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Beatriz Borges - .9A . . .- .N4 . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Bernardo Florentino . . . .9A . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Caio Alvim . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Calú Araripe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Catarina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Clara Slywitch de Santi . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Clarice Romeu Boffa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Clarissa Girão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Cópia de Calú Araripe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Daniel Mendes Santos 9A . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Dante Fukuda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Evandro Rodrigues da Silva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Francisco Noventa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Gabriel Hampel 9A 12 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Guilherme Campanhã de Barros Freire . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Henrique Gandelman 9B . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Josè Pedro Couto Falcão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Lara Tchernobilsky 9B . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Lucas Bogéa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Luiza Abreu 9A . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Luiza Reder . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manuel Peralta 9˚A . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manuela Barros Vomero . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manuela Marques . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Marina Falcona . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Marina Gloeden 9B . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Marina Mattos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Mario Farina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Matheus Palmeira 9b . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Maya Garcia Brant . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Michel Luiz Vardi . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Rodrigo Costa Cespedes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sofia Petti Figueiró . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Tales Wroblewski . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Teodoro Buendia . . .Jacinto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Thiago Thompson. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Thomas Stanquevisch Tomaz Araujo Vitor Cozza, 9A

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44


Juventude na cidade

01 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Juventude, Rap e espaรงo urbano

06 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . .

Nรณ na Prosa - Vidas secas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

13

- Pai contra Mรฃe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .14. . - Prosa Livre

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15


ESCOLA SERVE PARA ENSINAR, PARA PREPARAR PARA A VIDA. MAS COMO FAZER ISSO, E POR QUE O FAZER NA ESCOLA, SENDO QUE HOJE EM DIA É TÃO FÁCIL APRENDER O QUE QUISER NA INTERNET?

Por causa disso, atualmente, o professor serve como um facilitador entre o conhecimento e o aluno, e não um detentor do conhecimento que o passa para os alunos. Enquanto isso, a escola, é apenas um meio de transmitir este conhecimento, e de incentivar a sua procura. Além disso, alguns dos principais aprendizados da escola são o trabalho em equipe, e a socialização. Nos dias de hoje, com a informação estando no nossos bolsos a um clique de distância, o papel do professor e da escola está mudando. Podemos ter o melhor professor do país nos ensinando através de uma vídeo-aula, porém não é o mesmo que ter o professor ao nosso lado. Como podemos ver no documentário “Quando sinto que já sei”, a diretora do projeto Zezinho fala que algo muito importante na educação é a relação professor-aluno, onde o educador tem um conhecimento de cada aluno, podendo ajudá-lo melhor, sabendo como lidar com cada um. Estes são fatores muito importantes que só conseguimos nas escolas. Sobre o ambiente escolar, podemos ver no documentário “Quando sinto que já sei”, várias escolas com projetos diferentes, onde os alunos são mais livres, e têm mais autonomia. Nestas escolas, podemos ver que os professores já não são mais simples detentores de conhecimento, e sim facilitadores entre o aluno e o conhecimento.

Alan Senna Gorodetcki

Exemplos disso seriam duas escolas. A primeira, incentiva os alunos a irem para fora da sala de aula, onde eles podem fazer os exercícios que quiserem no livro, e o professor só dava pequenas orientações, ajudando sempre que o aluno não conseguia aprender sozinho. Isso mostra como nem sempre a sala de aula é o melhor ambiente para o estudo.

A outra escola juntava alunos de diferentes séries do Ensino Fundamental dois, e juntos, também com pequenas orientações do professor, procuravam sozinhos os conteúdos. Assim os alunos mais velhos ensinavam aos mais novos, com isso aprendendo ainda mais. Como podemos ver pela fala de uma aluna de 9° ano desta escola, o começo da transição para este modelo de escola foi muito difícil, porém depois que se acostumou ela começou a gostar. A aluna fala que o professor só ajuda quando os alunos não conseguem entender de jeito nenhum.

O modelo destas duas escolas mostra como o papel do professor, e o ambiente escolar estão mudando. Apesar deste modelo de escola não ensinar tanto conteúdo, incentiva muito o trabalho em equipe e a autonomia.

Portanto, a escola continua tendo um papel muito importante na sociedade para o aprendizado, mesmo com a facilidade de ter boas aulas na internet. A mudança do professor e do ambiente escolar está aos poucos virando uma necessidade.


Antonio Amazonas Cabral Antonio Amazonas Cabral 9A

Para entender o presente, é preciso uma análise do passado. A escola não é uma exceção. A formação do jovem em um ambiente escolar sempre se desenvolveu de várias maneiras distintas. O objetivo da escola, é desenvolver o jovem e prepará-lo para a sociedade de maneira com que tenha pensamento crítico e uma visão aprofundada da sociedade. Esse texto é um exemplo disso. O problema todo é, na verdade, uma generalização e falta de recursos. O Brasil é um país com uma grande diversidade cultural e demográfica. A partir disso, o brasileiro já está acostumado a viver com realidades diferentes entre si. A escola não é diferente. Existem vários ´universos´ escolares diferentes em todo país. Essas diferenças causaram um certo disfarce da verdadeira natureza de muitas escolas brasileiras, que não exploram o verdadeiro potencial dos alunos. Esse disfarce também ocorre pois, em muitas escolas, normalmente localizadas em periferias ou cidades de interior, não existem oportunidades para alguns alunos que, mesmo com talento, não conseguem evoluí-lo e acabam em um emprego terceirizado. Essa reflexão acaba levando para a pergunta: escola para quem? Muitos acabam abandonando à escola, pois ela não aborda temas importantes para à sobrevivência fora dela. Isso ocorre devido ao adultamento de muitos jovens que começam a trabalhar. Outros não resistem à tentação dá vida criminal.

Nas cidades mais populosas, em bairros mais estruturados, o foco de oportunidades fica em estudantes com maior possibilidade financeira. Esses estudantes recebem investimentos vindo dos pais, e são levados mais a sério no mercado de trabalho. Precisamos analisar o passado e ver como chegamos a esse ponto, o que é bem difícil. Isso requer uma análise mais profunda, mas é uma coisa é certa: isso precisa mudar.

Arcanjo Gonzalez Neto No Brasil os jovens largam a escola por causas de gravidez precoce, alguns para trabalhar e ajudar a família. Segundo o documentário “Pro dia nascer feliz” muitos jovens pensam em sair da escola para ter uma vida de crime, para ganhar dinheiro. O Instituto Unibanco (2014) afirma que apenas 19% dos jovens brasileiros concluem o ensino médio na idade certa, e que há 1,3 milhão de jovens entre 15 a 17 anos que deixaram a escola sem concluir os estudos, dos quais 52% não concluíram o ensino fundamental.Abandono escolar se deve a pobreza


Augusto Cunha

A escola como a conhecemos hoje é uma criação do século XVIII, com forte influência dos pensadores e ideias iluministas da época, que atendia às necessidades e desejos da época. Serão as necessidades e os desejos de hoje, os mesmos?Aparentemente não. Segundo um levantamento feito pelo movimento “Todos pela educação”, com base em dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio, hoje no Brasil, 2,5 milhões de crianças e adolescentes entre 4 e 17 anos não frequentam a escola. Além disso, as taxas de abandono do ensino médio são altíssimas, o que prova que existe algo de errado com o sistema atual de educação. Quais seriam esses problemas? Bem, em primeiro lugar temos o fato de que, como foi criado no século XVIII, o sistema atual de educação, que não sofreu alterações marcantes desde a sua criação, não se adequa às necessidades e pensamentos dos jovens que estão sendo submetidos a esse sistema. Afinal, estamos no século XXI.

Depois, temos as oportunidades oferecidas a alguns jovens que, quando comparadas com a escola, são visivelmente mais vantajosas, como a entrada precoce no mercado de trabalho ou o envolvimento com a criminalidade. Analisando estes dados, uma das conclusões à qual poderíamos chegar é a de que a escola está falhando em seu papel de ser o melhor espaço para o jovem estar presente e de ser um lugar de obtenção de conhecimento. Apesar disso, existem alguns projetos como o Projeto ncora, Gente e o Centro Popular de Cultura e Desenvolvimento, que oferecem propostas diferentes de ensino, que aparentemente são mais eficientes e parecem agradar mais aos alunos.

“AO NASCER O HOMEM É UMA TÁBULA RASA, QUE DEVE SER PREENCHIDA” - JOHN LOCKE

“AS CRIANÇAS SÃO COMO UMA PÁGINA EM BRANCO, ONDE DEVEMOS ESCREVER UM BELO LIVRO” - DIRETORA CITADA NO DOCUMENTÁRIO “QUANDO SINTO QUE JÁ SEI”


Beatriz Borges Zackiewicz

Dito isso, não podemos fazer com que a educação tenha um modelo padronizado, pois se assim for, não irá render e os alunos continuarão a perder seu interesse. Para combater isso, veja como um dos caminhos a evolução. Temos que evoluir, sair desta relação de professor manda e aluno obedece, temos que oferecer uma relação de troca entre esses dois indivíduos. Nos últimos anos começamos a observar um movimento muito grande de evasão escolar no nosso país, onde um terço dos alunos que t6em a oportunidade de entrar na escola saem ao se aproximar do final da jornada escolar básica. Isso nos passa a impressão de que em algum momento a escola para de fazer sentido aos seus alunos, seja ele homem ou mulher, seja ele novo ou velho. Mas, qual seria o porquê deste movimento e pra que a escola nos estaria servindo atualmente? Quando esta última pergunta é feita para a maioria das pessoas obteremos respostas como: para passar na faculdade, para termos maiores possibilidades de emprego, para aprender. Este último motivo talvez seja a principal razão para a taxa de aumento da evasão escolar, não porque as pessoas não querem aprender, mas sim porque este é um termo relativo para cada um. Cada pessoa ou criança têm o seu jeito de aprender, um jeito particular e único.

Isso tudo nos faz pensar que não são só apenas os alunos que têm que mudar a sua visão sobre a escola (voltar a estudar ou não pensar mais em sair das escolas), mas também os professores, já que não existe educação de ensino sem eles, e o resto da população. Para que este fato mude sabemos que precisamos de tempo, paciência e coragem. São esses últimos aspectos que temos que nos aplicar agora, seja você aluno, professor ou outro membro da sociedade, para vermos no futuro uma maior e melhor educação no nosso país.


Caio Alvim

Hoje em dias muitos jovens se perguntam pra que ir a escola, por que continuar estudando; na maioria das vezes essas perguntas são feitas por jovens de baixa renda, por já terem outros meios mais fáceis e mais rápidos para conseguirem sustentar eles mesmo ou até mesmo seus familiares, então preferem abandonar os estudos (o meio mais demorado, para depois, no fim, conseguirem empregos e com isso dinheiro se sustentar) de acordo com a reportagem do ¨nem nem¨ dos jornais el país.

De acordo com o documentário ¨Quando sinto que já sei¨, 1/3 dos jovens perdem o interesse pela à escola após saírem do ensino fundamental. Eles dão a explicação que a falta de interesse vem do antigo método de ensino, o espaço de estudo e o convívio dentro das escolas e os próprios professores, que deveria influenciar e ajudar na construção do caráter de seus alunos, mas, ao invés disso, não atraem as atenções dos jovens alunos.

Apesar disso tudo, também há outros motivos que seriam: falta de transporte de qualidade, apostado por 24,2% dos homens e 15,6% das mulheres. Mas afinal a escola está ai para construir nossos pensamentos, definir nosso caráter, nos fazer pensar sobre a sociedade em que vivemos e nos dar um futuro.


Calú Araripe

A escola é fundamental na vida e na formação de uma pessoa. A escola ensina a pensar no próximo, trabalhar em equipe e a viver em harmonia e a respeito com todos. Uma boa escola não ensina só matérias e conteúdos, ela forma o que você vai ser quando crescer. A educação é uma coisa que só acontece no plural, é preciso ter o professor querendo ensinar e o aluno querendo aprender. É preciso tornar, para os alunos, o estudo um prazer. Apesar dessa importância que ela tem, muitos jovens (pessoas de 15 a 29 anos) não estudam. No Brasil, são 11 milhões de jovens que não estudam e nem trabalham, segundo o jornal El país. Em uma pesquisa feita pelo IBGE algumas explicações para muitos jovens não estudarem são: Porque têm que fazer tarefas domésticas, porque não têm interesse. Jovens com mais dinheiro largam menos as escolas do que jovens pobres.

Mas, se a escola é tão importante porque muitos jovens largam ela? Por que há esse desinteresse? Pois, como foi provado, jovens mais pobres largam mais a escola do que jovens mais ricos. Isso porque as escolas onde os jovens pobres estudam são muito precárias (segundo um levantamento da Central Connecticut State University, o Brasil ficou em 55ª posição, entre 61 países em relação à qualidade de ensino). Por isso eles largam tanto as escolas. Com essas escolas precárias, os alunos sabem que, mesmo se estudarem muito, será muito difícil ter algumas oportunidades boas de trabalho.

O documentário: “Quando sinto que já sei” nos mostra que é possível ter escolas onde o estudo seja prazeroso para o aluno. E existem algumas dessas no Brasil. Esse documentário nos mostra que escolas boas pretendem dar voz ao aluno e buscar uma relação mais horizontal entre professor e aluno. A escola é realmente muito importante, uma boa escola irá formar o que uma pessoa vai ser. A escola e o estudo podem ser prazerosos se a escola for boa. Quando as escolas são precárias, e não cumprem essa função de ensinar prazerosamente, fica difícil de os alunos se interessarem por ela. A escola é fundamental na formação de uma pessoa. Escola serve para ensinar matérias, ensinar a respeitar, a pensar no próximo e a conviver. A escola forma muitos jovens, ela os torna adultos.


Catarina Silva

Em termos de prática educacional, construímos muitas teorias e muitas ideias, mas, no fundo, se praticou muito pouco. Quase sempre, temos a ideia de que “para aprender tem que sofrer”, e isso é algo já imposto na sociedade. Com isso, com essa “alienação” à sala de aula e com a relação vertical de professor e aluno, acontece que, ao invés de o aluno ser alguém que quer aprender, ou que tem vontade de aprender, se torna algo “alienado” (alguém que só estuda, decora e faz prova, sem vontade própria). Segundo o documentário “QUANDO SINTO QUE JÁ SEI”, “a educação é mais que uma conversa em sala de aula, é uma invenção humana para transmitir o humano, uma forma de transmitir o humano entre as gerações. A sala de aula é apenas um dispositivo para que isso aconteça”. Os alunos querem mais liberdade para perguntar durante as aulas, para estudarem ao ar livre (com os colegas ou sozinhos), não dentro de quatro paredes o tempo inteiro, tratando a escola como se fosse uma ditadura ou um presídio. O papel do professor está mais ligado a um facilitador para que o alunos passe a receber esse conhecimento, do que alguém que detenha um conhecimento determinado e que vá passar para o aluno. “Trazer dentro do processo de educação o que temos de mais forte que é a criatividade, a ‘ginga’, a cultura muito forte, a diversidade, só que não trazemos isso ao processo formal de educação”, disse um educador do projeto ncora, de São Paulo.

O que, não só esse projeto (como alguns outros também) oferecem às crianças, seria trazer mais à tona o trabalho em grupo, onde todos podem se ajudar e “criar suas próprias regras”. Oferecem um outro modelo de educação, algo que não seja entre quatro paredes, e sim que seja um coletivo - um modelo onde os alunos tenham voz, e onde sejam protagonistas da própria educação, e onde possam se expressar - que de direito à voz do aluno/ criar um espaço protegido onde a criança possa expressar quem ela é. Educação é escolha, algo que só acontece no plural, a possibilidade de aprender “COM” e não “PARA”.


Clara Slywitch de Santi

Como é de conhecimento geral, a escola é algo que deveria fazer parte do dia a dia de toda criança e adolescente, porém sabemos que isso não é bem executado no Brasil, pois 5 milhões de jovens estão fora da escola, apenas 76% cumprem o fundamental e 58% o ensino médio o ensino médio. Por que os jovens abandonam seus estudos? Há várias respostas para essa pergunta, mas vou me aprofundar mais sobre o desinteresse. Para quê escola? Como foi possível ver no documentário: ´´Quando sinto que já sei´´, no qual vários especialistas discutem métodos tradicionais de ensino, muitos deles questionam como a sala de aula dos séculos anteriores são praticamente iguais às dos dias de hoje, e como tanto a sala de aula, quanto os professores não estão preparados para lecionar aos jovens dos dias atuais. O documentário ´´Pro dia nascer feliz´´, deixa bem claro que para os jovens de classes sociais mais baixas, há preocupações além da escola e do seu círculo social, já que boa parte abandona os estudos para começar a trabalhar logo. No mesmo filme, há o depoimento de uma menina, que diz que seus professores não acreditavam que suas produções de texto eram dela. Então para que a escola se nem todos os professores dão suporte aos alunos?

Na rede de escolas públicas as coisas costumam ser mais complicadas, sendo que os alunos têm mais dificuldade em chegar nas escolas, vários professores faltam diariamente, como mostra o documentário "Pro dia nascer feliz". Outra coisa que dificulta, é o fato de que no Brasil, cerca de 200.816 professores dão aula em disciplinas em que não são formados, isso equivale a 38,7% do total de 518.313 dos professores na rede, esses dados podem ser encontrados no Censo Escolar de 2015 e foram divulgados pelo Ministro da Educação, Aloizio Mercadante. Deste modo dificultando o aprendizado dos alunos, já que seus professores não têm total domínio da matéria que lecionam. Como foi visto no documentário "Quando sinto que já sei", existem diversas maneiras de fazer o ensino diferenciado e estimular mais sentidos dos jovens. Exemplos: escolas sem grades, misturar alunos de vários anos, eles ajudarem a cuidar da escola, fazer um ambiente mais tranquilo. Essas seriam boas soluções para melhorar o método de ensino.


Clarice Romeu Boffa

Como é perceptível que a educação é um fracasso? Pela taxa de evasão. No Brasil que 1/3 , segundo o documentário “Quando sinto que já sei”, dos alunos matriculados em escolas saem. Quais são os seus motivos? Desinteresse? Muitos alunos acreditam que que a escola não vai levá-lo a lugar nenhum, por isso acabam preferindo largar os estudos. Outros acabam tendo problemas financeiros, tendo assim que largar os estudos para ajudar a família. Mas o que causa a evasão desses alunos desinteressados pelo estudo? As escolas, muitas vezes são lugares fechados, cheios de de grades, parecendo uma prisão. Como se estudar fosse um castigo. O ambiente da escola não pode ser um lugar totalmente fechado, tem que ser algo aberto. Porque estudar é muito mais do que ficar preso na sala de aula fazendo exercícios, mas sim algo prazeroso. Para fazer os alunos se envolverem no estudo e terem prazer de estudar, precisamos fazer algo que eles também tenham voz. Segundo o documentário “Pro dia nascer feliz” percebemos uma guerra entre alunos e professores. professores que querem que alunos prestem atenção, e alunos reclamando de de atitudes de professores. Os alunos e professores têm que se comunicar bem e terem uma relação boa.

A escola não pode ser um ambiente fechado, parecendo uma prisão, professores e alunos se desentendendo, alunos brigando entre si, sem estrutura mas essa é a realidade da escola brasileira, segundo foi mostrado no documentário “Pro dia nascer feliz”. Se a escola vira um ambiente como esse acaba sendo realmente muito difícil de convencer o aluno e continuar na escola. O que ter como consequência essas evasões de alunos desinteressados.


Clarissa Girão

Há um novo tipo de ensino aparecendo e crescendo nos meios escolares, como mostram os documentários (“quando sinto que já sei” e “pro dia nascer feliz”), as pesquisas, as notícias etc… Esse modelo do século dezenove não está mais funcionando. uma porcentagem assustadora de crianças e jovens não estão estudando, seja na escola ou em cursinhos, ou até mesmo nos cursos de qualificação profissional. Como mostra uma pesquisa feita pelo movimento Todos Pela Educação, o Brasil possui cerca de 2,5 milhões de crianças e adolescentes, de 4 a 17 anos, fora da escola. A escola como foi criada não funciona mais, conflitos entre alunos e professores acontecem. Como vimos no documentário “para o dia nascer feliz” alunos xingavam os professores, outro caso foi o de uma menina que matou a outra, por motivos, que podemos classificar como banais. O espaço escolar não deveria ser caracterizado como prisão, ou um sufocamento do aluno como muitas vezes é chamado pelos próprios. Não pode ser fechado, precisa se abrir, incluir e dialogar mais com outras instâncias.

Com dados do IBGE, de 2016, pode-se perceber e se perguntar: “Escola? Pra quê? Pra quem?”, talvez sejam essas perguntas que alguns ex-alunos se perguntam ao sair da escola, enquanto outros não têm escolha. A pesquisa mostrou que 24,8 milhões de jovens de 14 a 29 anos de idade não frequentavam a escola, nem qualquer outro curso educativo. Deste grupo, 41% das pessoas estavam fora da escola porque trabalhavam, buscavam por trabalho ou conseguiram trabalho que começarão em breve. 19,7% não tinham interesse em estudar.

Parte de nossa sociedade tem a tendência de viver fechada, em condomínios, clubes e coisas desse tipo. A rua vira a terra de ninguém, um lugar perigoso, onde estas pessoas se sentem desprotegidas, então se enfiam nestes outros lugares. Quando se diz que a escola não mudou, é que ela deixou de fazer sentido, não mudou por uma razão, hoje ela não têm suporte nem do bom senso, quanto mais da ciência. Mas a escola sozinha não muda. Educação é uma coisa que precisa ser pensada, refletida. O professor aprende com o aluno e o aluno com o professor. Não é o que está mandando e o outro obedecendo e sim construindo em conjunto. E é isso que precisa ser propagado.


Calú Araripe

A escola é fundamental na vida e na formação de uma pessoa. A escola ensina a pensar no próximo, trabalhar em equipe e a viver em harmonia e a respeito com todos. Uma boa escola não ensina só matérias e conteúdos, ela forma o que você vai ser quando crescer. A educação é uma coisa que só acontece no plural, é preciso ter o professor querendo ensinar e o aluno querendo aprender. É preciso tornar, para os alunos, o estudo um prazer.

Isso porque as escolas onde os jovens pobres estudam são muito precárias (segundo um levantamento da Central Connecticut State University, o Brasil ficou em 55ª posição, entre 61 países em relação à qualidade de ensino). Por isso eles largam tanto as escolas. Com essas escolas precárias, os alunos sabem que, mesmo se estudarem muito, será muito difícil ter algumas oportunidades boas de trabalho.

Apesar dessa importância que ela tem, muitos jovens (pessoas de 15 a 29 anos) não estudam. No Brasil, são 11 milhões de jovens que não estudam e nem trabalham, segundo o jornal El país. Em uma pesquisa feita pelo IBGE algumas explicações para muitos jovens não estudarem são: Porque têm que fazer tarefas domésticas, porque não têm interesse ou porque não têm. Jovens com mais dinheiro largam menos as escolas do que jovens pobres. A partir de dados compilados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNDA) mostram que, apenas 22,4%, de jovens de 19 anos, concluem o ensino médio nessa idade. Entre o quinto (20%) mais rico da população, 84,1% dos jovens (de 19 anos) concluem ou já concluíram o ensino médio nessa idade.

O documentário: “Quando sinto que já sei” nos mostra que é possível ter escolas onde o estudo seja prazeroso para o aluno. E existem algumas dessas no Brasil. Esse documentário nos mostra que escolas boas pretendem dar voz ao aluno e buscar uma relação mais horizontal entre professor e aluno.

Mas, se a escola é tão importante porque muitos jovens largam ela? Por que há esse desinteresse? Pois, como foi provado, jovens mais pobres largam mais a escola do que jovens mais ricos.

A escola é realmente muito importante, uma boa escola irá formar o que uma pessoa vai ser. A escola e o estudo podem ser prazerosos se a escola for boa. Quando as escolas são precárias, e não cumprem essa função de ensinar prazerosamente, fica difícil de os alunos se interessarem por ela. A escola é fundamental na formação de uma pessoa. Escola serve para ensinar matérias, ensinar a respeitar, a pensar no próximo e a conviver. A escola forma muitos jovens, ela os torna adultos.


Daniel Mendes Santos

POR QUE AINDA A ESCOLA? A escola é uma instituição conhecida por muitos, porém não frequentadas todos. Existem muitos motivos para crianças e jovens não irem à escola, como por exemplo os professores, a falta de professores no mercado de trabalho faz pessoas não especializadas na área fazerem “bicos”, o que às vezes faz a qualidade do ensino cair. Às escolas não têm infraestrutura suficiente para poder suportar tanta gente que necessita de ensino e estudo. A juventude atual geralmente é moldada por quem ela convive, ou seja, pais, amigos e professores, por isso se os jovens não têm uma pessoas em que confiar e ensiná-los podem ir para maus caminhos. No documentário “Pro dia nascer feliz” temos o depoimento de uma menina que fala que poderia ter se matado se não fosse sua professora de literatura que conversou ela e a instruiu. Porém também há o outro lado, a falta de apoio dos pais. Neste mesmo documentário temos vários jovens que não têm pais presentes, o que também pode atrapalhar.

A pergunta é, por que ainda há escola? A escola é para o jovens poderem descobrir seus gostos e vocações, mas para isso é preciso compromisso de todos os lados. A escola não pode exigir o perfeccionismo, os alunos e pais não podem achar que é tudo compromisso da escola. O que funcionaria na escola seria uma escola que ensinasse além de coisas teóricas, coisas práticas, que desse apoio e deixasse os alunos livres para escolher as matérias de seu gosto a partir do ensino médio.

Mas o que poderíamos fazer para chegar nesta escola? Como faríamos às escolas públicas melhorarem?


Dante Fukuda

PRA QUE SERVE A ESCOLA HOJE EM DIA? Hoje em dia, o Brasil tem enfrentado muitos problemas educacionais. Então, afinal de contas de contas como a escola interfere nas formações dos jovens(estudantes) brasileiros? As escolas originalmente foram feitas para ensinar e preparar nossos jovens para o mundo,mas, será que elas ainda cumprem este papel? No Brasil, muitas escolas pùblicas têm vários professores ausentes, e isso interfere no aprendizado dos jovens. Isso se deve ao fato de que os professores não são muito reconhecidos pela sua profissão e nem serem bem pagos, além de da dificuldade que é lidar com os alunos que, às vezes, os desrespeitam. Isso,também pode levar os jovens para o crime, mesmo que eles se esforcem e se formen, não têm onde trabalhar e se sustentarem os levando ao crime como o filme “pro dia nascer feliz” mostra. Mesmo nas escolas privadas, os alunos enfrentam muitas dificuldades como pressão, depressão, ausência dos pais e etc. Muitos largam a escola e não conseguem um trabalho bom, até os que se formaram pode achar dificuldade em achar um bom trabalho. Além, de aprenderem matérias que podem não ser úteis em seus futuros, por exemplo: ciências, engenharia, física, história entre outras.

A escola é um lugar onde os alunos têm parte de seu futuro decidido, onde eles podem realizar seus sonhos ou no mínimo aprender um pouco mais sobre os outros e o mundo. Mesmo que seja de uma maneira meio falha. O futuro de nosso país depende dessa nova geração, e essa geração deve ser ensinada e as escolas hoje em dia não estão cumprindo esse dever muito bem.


Clarissa Girão

EDUCAÇÃO PRAZEROSA? A educação está em mudança, todos têm seus projetos e reformas para transformar ela, mais poucos se perguntam o que os jovens pensam sobre a educação? As escolas que seguem padrões de ensino do século XVIII são capazes de fazer os alunos se interessar pelos estudos?

Segundo o INEP, 11,2% dos estudantes que se matriculam nas escolas evadem dela no ensino médio e a FGV(Fundação Getúlio Vargas) realizou uma pesquisa que mostrou que os dois principais motivos dos jovens evadirem da escola são a falta de incentivo e o baixo intere0sse

Gabriel Hampel Atualmente, nas classes média, baixo e alta, a escola tem sido muito presente no dia a dia. Na escola o objetivo é aprender, mas é realmente necessário ir à escola para aprendermos? não necessariamente, com a internet ficando cada vez mais disponível nunca foi tão fácil ter acesso à informação, e então chegamos à pergunta: ¨Escola para quê?¨.

Mesmo com acesso à internet ainda é necessário uma guia, algo para acompanhar, criar uma rotina e o papel da escola aparece, não apenas ensinar mas provar que aquilo que o aluno estudou, o aluno aprendeu. Mas como temos visto, as classes mais baixas não têm acesso a ferramentas como a internet, e a escola é uma alternativa.

A educação no Brasil não está disponível em todo o Brasil e às vezes, até mesmo situações financeiras podem barrar a entrada na escola e nem sempre é garantido um emprego ao terminar a escola, fazendo com que muitos decidem não ir mais, mas mesmo assim a escola tem uma importância gigantesca, com ensino médio completo os alunos têm bastante chance de conseguir um emprego a alguém que nunca fez o ensino médio, e até os filhos consigam empregos melhores. Escola para quê? Escola para aprender, escola para melhores oportunidades na vida. Há muitas vantagens na escola e bem mais chance de competir no mercado de trabalho, mesmo complicado para classes mais baixas, mas ainda é melhor(se possível) do que a vida na ¨Malandragem¨ andando lado a lado com o crime(não que não seja possível roubar após passar a escola).


Guilherme Campanhã de Barros Freire

As escolas no Brasil tem um bom índice de alunos que entram, mas a taxa de evasão beira um terço. No Brasil o caso de jovens entre 15 e 29 anos que estão fora da escola e que não trabalham é muito alto: 11 milhões, quase um quarto da população desta faixa de idade.

Apesar de todos as dificuldades ainda há muitos jovens, mesmo em escolas públicas, que recebem o estímulo certo e conseguem o que querem, como por exemplo Deivison, do documentário “Pro dia nascer feliz”, que consegue entrar para o exército.

Um grande problema, principalmente em escolas públicas é a violência, além dos baixos salários dos professores e as más condições de trabalho são as principais causas que desestimulam a profissão. É disso que se trata a escola então? Pegar a criança pequena e colocá-la no formato de um trabalhador? A escola é uma formadora de trabalhadores que vão atender às demandas de um mercado competitivo? O documentário “Quando sinto que já sei” mostra que pode ser diferente, estimular as crianças, a escola pode ser o lugar onde se dispara o gatilho do pensar, pensar criticamente, pensar de forma responsável e com autonomia.

As escolas no Brasil precisam dar o estímulo certo, e ensinar a pensar e não apenas prepará-las para o mercado de trabalho, algumas escolas fazem o certo para estimular as crianças e jovens do jeito certo.

Os casos em escolas públicas que tentam realmente ficar perto dos alunos não são a maioria, as condições precárias, a vida com violência e a necessidade de ganhar dinheiro faz com que muitos alunos desistam. A qualidade estrutural nas escolas públicas também são muito ruins, o censo de 2017 mostra que as escolas que oferecem o ensino fundamental, apenas 41,6% contam com rede de esgoto, e 52,3% apenas com fossa. A tecnologia não está acessível aos estudantes em cerca da metade das escolas de ensino fundamental.


Henrique Gandelman

BRASIL, O LUGAR ONDE ESCOLA NÃO É ESCOLA Desde o começo de nosso país industrial, os níveis de alunos interessados, ou mesmo na escola, é baixo. Apenas 76% de nossos jovens concluem o ensino fundamental, e 58% o ensino médio, segundo pesquisa feita pelo site G1. 2,5 milhões de jovens entre 15 e17 anos não estão matriculados em escola. Os dados assustam. Não podemos atribuir a falta de alunos em escolas ao jovem pobre, pois existem fatores muito maiores. A falta de renda, a falta de apoio, professores mal qualificados e o mau relacionamento familiar contribuem à falta de alunos em escolas, e mais, quanto dos mesmos em escola se interessam pela aula ou gostam de estudar? Assistindo ao documentário, ``Quando sinto já sei``, vemos que lugares com um ambiente aberto e preocupação com o aluno tendem a chamar atenção e vontade do estudante para permanecer no local. Nos anos de 2016-2017, apenas, houve uma queda de 1,5 milhões de alunos no Ensino Médio. Os de menor renda sabem da dificuldade de continuar estudando, pois o mercado de trabalho brasileiro não aceita esses tipos de pessoa. Ou seja, os mais pobres sabem que mesmo terminando a escola não terão chance no mercado de trabalho. Aí vem a pergunta, ”escola para quê?” As dificuldades em casa superam, e muito, a vontade do aluno pobre de permanecer na aula, pois o mesmo não é ``burro``para entender que mesmo na escola sua vida no futuro não irá melhorar, pois será pouco qualificado para o mercado de trabalho.

O interesse dos pais mais pobres em alguns casos é mandar o filho à escola para que o mesmo coma a merenda e se distancie da família nesse tempo, pois alguns responsáveis não conseguem lidar com as crianças. As famílias precisam de ajuda em casa, então mandam seus filhos ao trabalho. E mesmo assim, qual é o percentual desses jovens que gostam de ir à escola assistir aulas de professores rabugentos e não entender nada do conteúdo dado? Outras dificuldades existem, como a falta de transporte para os levar até a escola. Famílias com renda não tem condição para pagar este meio, então para que mandar o menino para escola, se ele pode trabalhar e contribuir? A falta de tantos alunos vem muitas vezes de escolas públicas, pois é um ambiente que afasta o aluno ao invés de o aproximar. Isso devido que na maioria o local parece uma cadeia e afasta os mesmos. O que falta para envolver o aluno a ir para a escola e um ambiente que o afasta da pobreza, o valorizar, atividades extracurriculares e diminuir disciplinas escolares. Valorizar o aluno e o acolher mudará tudo sobre a escola e, ao invés de o afastar, irá o aproximar.


José Pedro Couto Falcão

ESCOLAS NOS DIAS DE HOJE Nos dias de hoje, as escolas são fundamentais na formação dos jovens brasileiros e do mundo, porém há inúmeras diferenças entre escolas públicas e privadas, do modo de ensino na estrutura, liberdade e método de ensino.

A principal ideia é discutir a influência da escola na vida de nossos ajovens. Por que essas crianças são obrigadas a estudar? Por que desistem?

No documentário ¨Pro dia nascer feliz¨ somos apresentados a uma situação de extrema miséria no Sertão do Nordeste Brasileiro, onde os jovens possuem péssimas condições de estudo e difícil acesso às escolas. O transporte publico é muito utilizado, porém a distribuição dos ônibus é crítica. No mesmo documentário, é perceptível a falta de mão de obra qualificada profissional. Em Duque de Caxias, na baixada Fluminense, os professores têm o costume de faltar e acabam prejudicando a qualidade das aulas e do ensino. Esses professores alegam que é muito díficil dar aula para alunos que não querem aprender e sim curtir com os amigos e falam que precisam de descanso.

A grande maioria de jovens se esforçam para estudar, e até dividem atenções com o trabalho, ou acabam a escola em futuro considerado próximo. No documentário Quando Sinto Que Já Sei, somos apresentados à discussão do modo de ensino das escolas brasileiras, principalmente as que lidam com criancas. A extrema maioria das escolas possuem um modo de ensino padrão, com um professor posicionado em frente à lousa e alunos enfileirados, porém há escolas em que os alunos não precisam ficar em um ambiente determinado e outras em que ajudam uns aos outros e os professores só estão lá para auxiliar e educar de uma forma divertida, fazendo com que a escola possa ser legal. Segundo Tiao Rocha ‘Para educacao ser mais evoluida, devemos mudar a relacao entre aluno e professor e o modo de ensino dessas escolas e ensinar que a escola pode ser um lugar de aprendizado e diversaão, nao um lugar entediante para as criancas, senao o aprendizado sera inferiorao que já temos.


Lara Tchernobilsky

A Escola é um lugar essencial na vida, aprender é muito importante, mas será mesmo que todos pensam assim? Muitos jovens abandonam a escola, e vários deles apenas por falta de interesse. No Brasil, a taxa de acesso à escola é muito boa, é quase algo universal, já a taxa de evasão das escolas ocupa disso, então podemos concluir que em algum momento, a escola deixa de fazer sentido para o aluno. Agora será que é possível impedir isso, é possível fazer com que a escola seja um lugar onde os alunos queiram ir, algo prazeroso, ou tem que ser aquele serviço militar obrigatório a partir dos seis anos? Como citado no filme: “Sinto que já sei”, já existem algumas escolas com uma outra proposta de ensino, com mais liberdade, menos com essa ideia de que o professor é superior ao aluno, e mais com a ideia de que o professor aprende com o aluno, e o aluno aprende com o professor. Alguns desses projetos são o Projeto ncora (que acontece em Cotia, SP), o Projeto GENTE e o Projeto CPCB, mas esses são apenas alguns exemplos. Essas propostas podem incentivar o aluno a continuar na escola, e a querer aprender.

Outro ponto que pode ser prejudicial à educação, é que o ensino continua muito parecido, por exemplo, hoje em dia eu aprendo coisas que meus pais aprenderam, e se um professor do século XX, ou até do século XIX entrar para dar aula em uma sala do século 21, ele não vai achar muito diferente, assim como dito no filme, a única diferença é a cabeça dos alunos do século 21.

A escola, às vezes, põe muita pressão sobre os alunos, e muitas vezes isso acaba atrapalhando, porque educação é muito mais que o vestibular por exemplo, ou o mercado de trabalho, educar vai muito além disso, educação é uma escolha, e algo que sempre é no coletivo, porque como o professor Tião Rocha, que apareceu no filme: “Quando sinto que já sei”, educação significa algo no plural, sempre, porque para acontecer são necessárias no mínimo duas pessoas.


Lucas Bogéa de Mello Franco

O Brasil tem, segundo a ONG Todos Pela Educação, 2.486.245 jovens de 14 a 17 anos fora da escola. A média de escolaridade no país é de apenas 7,2 anos. Dados como esses indicam um sistema educacional falido, com baixo interesse dos jovens. A partir daí, cabe uma reflexão: O que está dando errado? Como sanar o problema ou, ao menos, atenuá-lo? É importante lembrar que a escola não está, de forma alguma, isolada de seu meio, e que sua comunicação com a sociedade é uma via de mão dupla. A partir daí, é necessário se adaptar às necessidades de cada região e de cada jovem. Um possível exemplo é o caso de Deivison, estudante de Duque de Caixias citado no filme “Pro Dia Nascer Feliz”. Ele flertava com o crime organizado, e o que o impedia de se tornar traficante era a participação na banda da escola. Cativar o aluno é importantíssimo para o ensino. E trabalhos da escola em conjunto com a comunidade podem melhorar ambas as instâncias. O que passa, como dito anteriormente, por uma adaptação às especificidades dos alunos e do meio social.Uma escola em uma zona rural não pode ser igual a de uma favela na cidade de São Paulo. Afinal, os interesses e necessidades dos alunos em ambas são completamente diferentes.

Não se pode, no entanto, cair na armadilha de pensar que a escola pode ser completamente auto-gerida. É preciso alguma orientação por parte de professores .Outro fator muito importante é a valorização dos professores e pedagogos. Essas profissões são mal remuneradas, apesar de serem peça fundamental da educação.

Escolas bem equipadas e com professores valorizados, em conjunto com estratégias que se adaptem às especificidades dos alunos e atraiam seu interesse são fundamentais para uma boa educação.


Luiza Abreu

Essa é a principal pergunta que muitos jovens fazem, mas afinal, para que servem as escola? Segundo os dados do censo demográfico de 2010 (IBGE), mais de 3,8 milhões de crianças e adolescentes, entre 4 e 17 anos de idade, estão fora da escola, sendo as crianças de 4 e 5 anos ( idade para frequentar a pré escola) e os adolescentes de 15 a 17 anos, que deveriam estar cursando o ensino médio, os mais afetados por essa exclusão. Mas por que isso é algo tão inaceitável?

Muitas pessoas colocam em mente que a escola serve apenas para ensinar e aprender, mas ela vai muito além disso, a escola serve para mostrar aos alunos como é a nossa sociedade, mostrando-os como transformá-la em uma experiência mais humana, para que os jovens saibam respeitar as diferenças entre as pessoas e os mostre como conviver em sociedade. Pelo menos, é o que ela deveria fazer. As escolas na maioria das vezes, deixam um pouco a desejar, não estabelecendo a união adequada entre o aluno, o professor e os funcionários. Como uma escola forma cidadãos que aprendam a ter uma união com a sociedade se a própria não possui? É aí onde erramos.

Nos deixamos convencer que um aluno vai para escola apenas para receber conhecimento, sem questionar, compartilhar suas ideias e principalmente estabelecer suas dúvidas com o seu professor. A escola serve para contribuir no desenvolvimento das pessoas, prepara para viver a cidadania e qualifica o seu alunos para a vida adulta.


Luiza Reder

Hoje em dia muitas crianças e jovens não frequentam mais a escola. Mas, por que isso está ocorrendo? As crianças têm interesses sobre o que aprendem no colégio? A escola, se encaixa na sociedade atual? A escola é um lugar agradável para alunos e professores? Para aprender é preciso frequentar a escola? A educação só está presente em uma sala de aula? A escola é realmente necessária para a educação de crianças e jovem?

É claro que quando uma criança vai pela primeira vez à escola ela não é uma folha em branco. Ela na maioria das vezes já sabe se comunicar, ou seja, já sabe pensar, processar algumas informações e assim respondê- las. A escola só irá ter que desenvolvê-la. Mas, será que todos concordam com esta informação? Não. O documentário “ Quando sinto que já sei” mostra uma diretora de uma das escolas que ele apresenta, na opinião dessa educadora as crianças, antes de ir à escola, são apenas “uma página em branco”. A escola nos ajuda a concretizar nossa ideias, pois quando vamos pela primeira vez a escola já sabemos pensar. Então com isso, podemos concluir que a escola não é o único local de aprender. No documentário “Pro dia nascer feliz” vimos muitos jovens sofrendo, pois a pressão para saberem cada vez mais é intensa. Aprendemos coisas que, dependendo da profissão, a matéria será útil ou não. Então, a escola favorece normalmente pessoas que serão engenheiras, médicas etc. Os jovens estudam matérias muito difíceis que prejudicam a sua saúde emocional, no documentário uma menina diz que está com depressão.

No documentário “Quando sinto que já sei” mostra-se uma menina que não entende o porquê de escolas terem grades, ela sente-se desconfortável, o que interfere no seu aprendizado, limitando-a. Depois essa menina mudou-se de escola para uma mais “livre”, ela disse que prefere um lugar aberto pois tem mais liberdade para aprender. O aprendizado com base em quadro, caneta, giz, provas, não se encaixa mais nos dias atuais. Ele prejudica a saúde emocional dos jovens e crianças. Para aprender é preciso querer, é preciso ser uma brincadeira. A escola precisa ser uma instituição que ensina o gostar de aprender. Mas, podemos concluir que muitos jovens e crianças não conseguem aprender no sistema de ensino utilizado atualmente. O mundo evoluiu e a escola ficou para trás. Precisamos repensar o sistema educativo de hoje em dia. Precisamos explorar cada vez mais ambientes que não se encaixam em sala de aula de 2018. Precisamos antes de saber tudo do vestibular, aprender a conviver, aprender a respeitar, aprender a educar. Precisamos incluir todas as pessoas na escola. O sistema escolar deverá se adaptar a cada tipo de criança. As pessoas são diferentes e não possuem o mesmo jeito de aprender. Mas acima de tudo aprender é uma troca e para aprender é preciso se sentir bem e à vontade. É preciso evoluir, a escola precisa despertar para deixar a criança ” florescer e crescer” ainda mais.


Manuel Peralta

OS ALUNOS DO BRASIL A escola serve para muitas utilidades, serve para ensinar matérias, ensinar lições da vida e serve também para ensinar a fazer amigos, mas tem coisas que a escola acaba apresentado deixando o convívio dos alunos com com o espaço e as pessoas que o habitam ruim.

O aluno, na maioria das vezes, acaba se decepcionando com a escola em alguns aspectos, provas ou tarefas em grandes quantidades, existem maneiras de fazer com que os alunos gostem da escola. Alguns alunos apresentados no filme “quando sinto que járea sei

Manuela Barros Vomero Afinal, para que serve a escola ? Uma pergunta que pode ser vista como irônica e também realista. Para ensinar. Poderíamos responder facilmente,mas não se trata só disso. Quando perguntamos para que a escola serve, queremos saber o contexto disso tudo. A realidade da maioria dos jovens brasileiros é ter essa pergunta em mente mas nunca se colocar a questionar. Desde pequenos somos colocados na escola e dessa forma obrigados a se conformar com essa realidade. Não cabe ao estudante escolher estudar ou não,e isso tudo se baseia em você ter um futuro. A criança nunca conhecerá sua vida sem escola pois, com 3 ou 4 anos, são colocadas numa rotina que cresce com elas e acaba fazendo parte da sua vida. Muitos pais costumam dizer que “O mundo não tá fácil e preciso preparar meu filho”. Assim,desde cedo, na idade em que a escola nem é obrigatória ainda, já se escolhe o colégio pensando em palavras como “enem”, “mercado de trabalho”, “disciplina” e “sucesso”. Bom, e assim já se traça um futuro para o filho,uma aposta alta na sua felicidade laboral,mas fecha-se os olhos para o “como”,diz Fabiana Ribeiro, formada em jornalismo,com mestrado em ciências sociais.

Podemos dizer que a escola serve para nos educar e nos preparar para trabalhar em fábricas, por exemplo: com carteiras em fileiras retas,você sempre tem que ter uma certa postura e se não tiver, será punido,para questionar deve levantar a mão, ter que obter notas boas para passar de anos, criando uma competição constante entre os alunos e um certo autoritarismo, ser chamado por um número, entre outras coisas. Mas ao mesmo tempo que a escola pode ser isso, ela também pode ser um lugar que de o gatilho para suas ideias e atitudes. Se formos analisar o passado das instituições de ensino, nada mudou, faz um século que a estrutura de uma sala de aula continua igual e se conseguimos melhorar tento estruturas de carros,celulares,saúde por que não conseguimos fazer o mesmo com as escolas ? Na escola estamos lidando diretamente com novas gerações e com uma estrutura igual a de sempre, acaba fazendo com que fique algo cansativo para os jovens. Aprender nunca deveria ser chato ou entediante, pois ter conhecimento é muito bom e interessante, mas algo não está satisfazendo as pessoas.


Marina Falcona

NO BRASIL, 11 MILHÕES DE JOVENS, ENTRE 15-29 ANOS NÃO ESTUDAM NEM TRABALHAM. JOVENS DE 15 A 17, 2,5 MILHÕES NÃO FREQUENTAM A ESCOLA. A escola é considerada um dos espaços mais importantes na formação do indivíduo. Mas nem sempre foi assim, ela é uma organização social formada por homens e mulheres, controlada pelo Estado, onde o futuro é treinado. Nela há provas, trabalhos, apresentações, professores formados em uma determinada disciplina para ensinar aos alunos. Podemos ver que há um certo padrão de escola e de sociedade. Depois de anos na escola, o estudante ao final do ensino médio, faz vestibular, vai para a faculdade. O currículo exige que ele saia ¨formado¨, dentro dos padrões estabelecidos. Mas para uma grande parte da população brasileira isso é difícil.

76% dos alunos terminam o ensino fundamental e 58% terminam o ensino médio. Segundo o IBGE, a maioria dos jovens estudam até os 14 anos, a partir dos 15 anos, o número de jovens que saem da escola vai aumentando e cresce 19% aos 17 anos.

Um documentário chamado ¨Pro dia nascer melhor¨, mostra diferentes escolas, em diferentes regiões do país, escolas públicas e privadas. No interior de Pernambuco, o documentário mostrou uma escola muito pobre, que às vezes os alunos não têm condições de ir para a escola, os professores faltam e cancelam as aulas. Querem colocar os padrões das escolas em uma região que isso não será possível, em uma região pobre. O documentário mostra a desigualdade dos alunos e das escolas em diferentes regiões do Brasil. Podemos ver que há uma grande parte da população que não frequenta a escola por causa das condições precárias, vão direto para o mundo do trabalho. Uma grande maioria da população diria que a escola serve para contribuir para o desenvolvimento das pessoas, prepara para a cidadania e qualifica o indivíduo para o trabalho. Serve para orientar o caminho e construir a significância para viver, primeiro a escola depois a sociedade. Para o cidadão conseguir um trabalho ele precisa ler, escrever, contar.


Marina Gloeden

A escola é um lugar para inovar os conhecimentos mas sempre existe algo que impede os alunos de ir para a escola, e pode ser sua falta de interesse, a arquitetura que pode não ser agradável, e muitos outros tópicos, mas a escola também tem muita coisa importante, além dos estudos. Segundo o documentário "Quando sinto que já sei", "A educação é muito mais do que acontece na sala de aula, e sim uma invenção para transmitir o humano entre as gerações, e a sala de aula é um dispositivo para isso acontecer e nem sempre é o melhor". Podemos provar essa frase, pois sempre onde você está ou com quem anda vai influenciar seus pensamentos, e esses lugares podem ser museus, teatros ou até cinemas, então realmente a sala de aula é só mais um lugar. Ainda sobre o documentário, mostram-se escolas que não são "normais" e trazem uma proposta que acaba sendo divertida para os alunos. O Projeto ncora é uma dessas, e apresenta um espaço livre em que os alunos estudam livremente, sentados na grama ou no lugar que quiserem. Conseguimos ver que os alunos gostam muito de estudar desse jeito.

A escola não é para ser um lugar prazeroso, mas se planejada de um jeito legal, acaba sendo um lugar onde os alunos gostam de ir. No documentário "Pro dia nascer feliz", as escolas mais pobres não tem um espaço agradável, e isso pode implicar na aprendizagem do aluno, ou o fazer querer sair da escola. Uma frase importante para falar da aprendizagem é "A aprendizagem é uma brincadeira constante que não tem hora de brincar", e é muito bom relembrar que você não recebe conhecimento só na escola e sim vivendo sua vida.


Marina Mattos

De acordo com o Jornal El País, onze milhões de jovens, quase um quarto da população entre 15 e 29 anos não estudam nem trabalham. Esses jovens brasileiros são chamados ¨nem-nens¨ ou ¨desengajados¨ e há vários motivos para estarem assim. Há a falta de motivação interna, que seria ter um certo interesse nos estudos ou trabalho, há a falta de ferramentas e apoio necessárias/os, a dificuldade de conciliar o emprego com os estudos, poucos recursos financeiros ou qualificação, falta de transporte público, falta de segurança e a crise econômica do país. Segundo uma matéria da G1, atualmente, 90% dos estudantes brasileiros não estão satisfeitos com suas aulas. Isso pode ser pelo ambiente escolar que frequentam, por ficarem o dia todo em sala de aula, ouvindo explicações, lendo textos e fazendo exercícios, por a escola só dar matérias que estão no currículo, sem nada alternativo, pela violência (não só física, mas também verbal), por ter que pegarem transportes públicos, muitas vezes lotados e atrasados para chegar no local de suas aulas, por não verem no que a escola ajudaria em suas vidas e etc. A escola serve para ensinar coisas necessárias/muito importantes para a vida, como aprender a ler, escrever, interpretar significados de textos ou frases, aprender a se comunicar, se expressar, mostrar e saber defender seu ponto de vista, argumentar, saber fazer as operações básicas da matemática, conhecer um pouco da história do mundo e do que aconteceu no passado e etc.

Mario Farina

A escola serve para, ensinar,educar a juventude esse método vem acontecendo por muitos anos desde do século 19. Hoje em dia a escola serve para ajudar a criança o adolecente a se virar a um adulto


Matheus Palmeira

Os jovens de hoje em dia fazem a escola até certo ponto,mas depois de um tempo a abandonam, eis a pergunta, pra que escola?

O BRASIL TEM UM PERCENTUAL ALTÍSSIMO DE MATRÍCULA NAS ESCOLAS, MAS TAMBÉM TEM UM ALTÍSSIMO NÚMEROS DE EVASÃO,QUASE 1/2, POR QUE TANTO ABANDONO? Segundo o documentário “Quando sinto que já sei”, os jovens abandonam as escolas porque eles sabem que provavelmente não vão chegar a lugar algum, e assim vão ganhar mais trabalhando no tráfico ou roubando coisas no centro da cidade, o documentário pro dia nascer feliz, também afirma isso. No documentário aparece uma proposta de uma escola pública, que deixaria esses jovens e crianças ao ar livre estudando e se ajudando nas matérias, sem a ajuda dos professores. Essas escolas criam vários grupos chamados família, com alunos do 6o,7o,8o e 9o ano para se ajudarem nas matérias. Essas escolas tem um objetivo de deixar o ambiente o mais agradável possível para os jovens não saírem da escola. O documentário “pro dia nascer feliz” diz que muitos jovens vão para a escola apenas para não ficar em casa e estar exposto à violência, pois muitos pais de jovens foram assasinados, fugiram ou morreram por doenças.

Mas mesmo na escola a violência está presente, como dito no documentário,duas jovens brigaram e uma delas acabou sendo morta por esfaqueamento. Além disso, algumas entrevistas que estavam no documentário afirmaram que alguns jovens, não tinham esperanças sobre uma vida de sucesso, um pensava que ele iria estudar e estudar, tentar passar no vestibular, falhar e achar um emprego que o iriam o tratar muito mal, por isso eles preferem trabalhar na boca, traficar drogas e ganhar um dinheiro para sustentar a família.

Rita,uma jovem de escola pública não terminou o ensino médio por conta de pessoas maltratando-a e humilhando-a, depois de sair da escola, ficou grávida com 18 anos e voltou à escola com 20, para terminar o ensino médio, Hoje em dia cada vez mais jovens acabam saíndo da escola, antigamente tínhamos diminuido muito o número de crianças na rua, mas agora as crianças voltaram.

A diretora da escola de Rita afirmou que a escola é uma reflexão do Governo. Muitos jovens se perguntam se vale a pena estudar, e ver se eles conseguem algo,mas pra eles, pra quê escola?


Maya Garcia Brant

Hoje em dia existe um grande desinteresse pelos jovens nas escolas, principalmente os de baixa renda. No documentário ¨Pro dia nascer feliz¨ é retratada a situação precária de muitas escolas pelo Brasil. Além disso, também é retratado o grande questionamento dos jovens sobre o real papel da escola.

Para muitos, o papel da escola é preparar o aluno para o mercado de trabalho. Mas existe alguma escola que ensina o aluno sobre a vida social? Os reais valores da vida? É sobre isso que fala um outro documentário chamado ¨Quando sinto que já sei¨. Ele mostra métodos alternativos de ensino, nos quais os alunos parecem estar muito mais interessados.

Estes outros métodos consistem em quebrar os costumes escolares mantidos desde o século XIX, por exemplo: ao invés de os alunos ficarem sentados, um atrás do outro, em fileiras, eles têm aulas externas, aulas em roda. Além disso, nessas escolas, não existe separação por idades, ficam todos juntos e todos se ajudam. Com tudo isso, ficamos a nos questionar, qual é o real papel de uma escola? Todas aquelas matérias didáticas são mesmo necessárias para nossas vidas? O que as escolas realmente deveriam estar ensinando?


Michel Luiz Vardi

Em 2004, foi gravado um documentário chamado “Pro dia nascer feliz”, que fala sobre muitas crianças, de diferentes classes e escolas são entrevistadas e perguntadas sobre escolaridade, e com os resultados surge a dúvida, ir escola pra que?

Na primeira escola visitada, que fica em um bairro pobre, ao lado da boca de fumo, um menino chama a atenção, porque na maioria das vezes ia para a escola, não para aprender, mas para tocar na bateria da banda, ele mesmo deixa a duvida, escola pra que? O sonho desse menino era ser militar com uma posição decente, não queria estudar. PAra procurar uma profissão que pagasse bem pois sabia bem que a concorrência seria grande e pesaria para os estudos, por isso não dava muita bola para a escola, e também não queria. Em outro documentário, “quando sinto que já sei”, uma professora esclareceu que na escola os alunos não podem apenas ir por obrigação “eles têm que gostar de aprender ou pelo menos aprender a aprender”, ou seja, uma criança que não teve uma boa convivência escolar quando era mais nova, tende a não gostar do método de aprendizagem quando chegam na adolescência.

MAS O QUE ISSO ESCLARECE? PRA QUE ESCOLA OBRIGATÓRIA HOJE?

A tendência à criminalidade existe dentro de todas as escolas, principalmente nas mais pobres, nessa região mais pobre os jovens necessitam mais do convívio escolar para aprender a conviver em sociedade. Além da criminalidade, o mau desempenho e baixa escolaridade primária ajudam a diminuir a quantidade de jovens pobres que terminam o ensino médio.

Hoje em dia, há um grande desinteresse escolar por parte dos jovens, porque o convívio externo os tira da realidade escolar. Vários impulsos externos que afetam todas as classes sociais, como drogas, ser social fora da escola e até a tecnologia os distanciam do prazer por aprender algo novo. Muitas vezes, os alunos gostam de umas materiais específicas e deixam as outras de lado.

Nos dias atuais, uma escola que tratam de assuntos específicos seriam mais interessantes para os jovens e trariam mais prazer ao ensino e estudo, com menos matérias obrigatórias. assim tanto rico como pobre fariam o que queriam, se dedicando, mais, aos estudos ou pelo menos com mais prazer.

Hoje, também há outros jeitos de aprender uma matéria, como pela internet, que diz tornar o professor em sala inútil. O maior problema dessa tecnologia é que sem o professor em sala não há autoridade que obrigue os jovens a fazer o que devem antes do que querem. A escola é necessária para regular a aprendizagem.


Rodrigo Costa Cespedes

Com os novos tempos, as crianças estão mais modernas, e com mais acesso à informação com a internet. O tipo de ensino não pode ser o mesmo de cem atrás, é preciso ser atualizado. Não pode ser o mesmo velho sentido de escola. A escola em que o professor bombardeia o aluno com matéria, com a promessa de um emprego e a tentativa do aluno de passar no vestibular. A escola tem que ser um local em que a criança aprenda, mas não sofra. A sala de aula agora não tem a função só de dar conteúdo, mas também de integrar o aluno na sociedade e ensiná-lo a conviver no mundo. Com esse sistema antigo é difícil um aluno gostar de ir à escola. Muitos jovens estão perdendo a vontade de estudar e largando a escola por diversos motivos. A escola deixa de fazer sentido, e podemos ver que o momento no qual a escola deixa de fazer sentido, é na entrada do ensino médio. Podemos ver isso nos números, pois a taxa de escolarização no ensino médio é de 87,1% enquanto no ensino fundamental é de 99,2%, de acordo com o IBGE. O aumento da população nas cidades, em 1980 havia o dobro de gente que em 1940. O que fez com que houvesse o desemprego e o desemprego juvenil nas cidades. Paralelamente, os níveis de escolaridadeainda muitos baixosmelhoraram nesse período. Porém com a maior oferta da educação, fez com que houvesse uma diminuição da escolarização como credencial de distinção no trabalho.

houvesse uma diminuição da escolarização como credencial de distinção no trabalho. Como o fato de o ensino médio ter deixado de ser uma diferenciação na hora de se candidatar a uma vaga no mercado de trabalho. E virou o mínimo de escolarização que o trabalhador deve apresentar. Uma vez que parcela maior da população passou a apresentá-la. O que, como consequência, fez com que houvesse uma vontade menor de terminar o ensino médio, uma vez que terminá-lo não iria servir como um diferencial na hora de procurar um emprego.

OS JOVENS PERDERAM A VONTADE DE IR À ESCOLA POR FALTA DE QUALIDADE DO ENSINO, PRINCIPALMENTE EM ÁREAS MAIS POBRES E ESCOLAS PÚBLICAS. EM MUITAS DESSAS ESCOLAS O MATERIAL PEDAGÓGICO É PRECÁRIO E A QUALIDADE DOS PROFESSORES TAMBÉM BAIXAS. Para melhorar a qualidade dos professores é preciso fazer a profissao atrair mais estudantes, fazendo-a ser uma profissao mais competitiva e com melhores profissionais. Um dos jeitos de fazer isso e aumentando o investimento na educaoca, aumentando seus salarios fazendo a maior busca dos alunos. O aumento salarial poderia fazer os professores ganham mais motivacao e disposicao, fazendo seu desempenho ser melhor. O que poderia impactar na esducacao, fazendo os alunos gostarem mais de ter aulas, uma vez que a qualidade seria melhor.


Só Fáiyá Petti Figueiró

Não é segredo para ninguém que a educacao no Brasil não funciona. Segundo a Dnad, são mais de 2486245 e criancas e adolescentes de 4 a 14 fora da escola. Já 24,8 milhoes de jovens de jovens entre 14 e 29

Tales Wroblewski

A escola é um espaço que crianças e adolescentes para no futuro aprender matérias para no futuro estarem para uma profissão.

No documentário Quando sinto que já sei, mostra vários tipos de escolas. Uma em Ubatuba, outra no interior na Bahia. Há outros tipos de escolas, ao ar livre, dando uma sensação de liberdade para crianças que se sentiam presas em salas de aula. Já no documentário Pro dia ser feliz mostra-si várias escolas, alunos com melhores condições e outros com piores condições

Teodoro Buendia Jacinto

A escola serve para ensinar matérias aos alunos, para estudar e preparar o jovem para a vida adulta, fora da escola, ou pelo menos deveria. A taxa de jovens que abandonam a escola é aproximadamente da taxa de entrada, ou seja, uma boa parcela dos jovens que entram na escola estão fora dela, propensas e expostas a toda violência que existe no mundo. E para os jovens pobres da periferia a situação é pior. As escolas públicas e do interior do país têm condições muito precárias, como foi possível notar no documentário “Pro dia nascer feliz”, os banheiros são quebrados, os professores têm um certo descaso e uma falta de preparação para aguentar o dia na sala de aula. E por causa desses e outros motivos, os jovens não têm vontade de ir à escola, que, como alguns falam no documentário citado acima, é entediante e chata.

Thiago Thompson

É possível criar uma escola perfeita ? Acho que não, pois cada criança ou jovem tem seu jeito de aprender e de interagir e relacionar-se. Mas, acho que é possível criar uma escola boa Uma escola boa seria aquela que ouve o aluno, que sabia ensinar o aluno a estudar brincando, mostra que a escola não é um demônio de sete cabeças e sim um lugar para brincar, aprender e estudar. Acho que isso vai demorar um pouco para acontecer, pois como mostra o documentário ´Pro dia nascer feliz´, pois muitas das pessoas entrevistadas falam isso. Neste documentário mostra-se algumas escolas públicas e privadas do Brasil. As escolas públicas estão muito ruim, pois muitos professores faltam por conta da agressão que os alunos fazem a eles, com xingamentos e outras coisas. Muitas vezes o alunos


Thomas Stanquevisch

Desde o começo dos anos 2000, 0,6% segundo o IBGE, deixando o país e os donos de escolas preocupados, então muitos desses donos começaram a pensar “Será que o método que usamos no nosso insinuo não serve mais para a formação?” como é mostrado nos documentários “Pro dia nascer feliz” “Quando sinto que já sei “ então muitos desses donos de escola decidiram criar novos formatos para dirigir suas escolas. Um desses formatos foi aplicado na escola EMEF Campos, que trata a escola como se fosse uma república, nela existe um presidente e vários grupos que cuidam de áreas diferentes, por exemplo um grupo cuida da matemática, uma dos esportes ETC… (informações tiradas do documentário “Quando sinto que já sei”.

Como diz a teoria de John Locke, o humano nasce sem nenhum mal em sua mente, se você seguir este raciocínio a escola é muito importante para a formação intelectual de uma criança, já que ela mostra diferentes visões sobre o mundo, crianças que não estudam tendem a enxergar a realidade à sua volta, já que a única visão do mundo que ela viu foi a da sua família.

Muitas das escola estão deixando os alunos decidir escolhas importantes para o seu ensino, como por exemplo o que irão estudar e em que lugar da escola irão estudar, uma dessas escolas é a Projeto âncora, ou como a Escola Gente que as aulas não são feitas em fileiras e sim em grupos.

Cada vez mais escolas como essas estão a aparecer, mas se terá baixa nas porcentagens de jovens fora da escola só saberemos daqui alguns anos.


Alan Senna Gorodetcki

Hoje em dia há muita variação entre os lugares que os jovens frequentam, devido a grande diferença de classes sociais. Os lugares que os jovens da elite frequentam varia muito dos lugares que os moradores de periferia vão. Um bom exemplo disso são os shoppings, que deveriam ser um lugar que qualquer um pode entrar, porém é praticamente um lugar privado, apenas para a classe média alta e a elite. Um bom exemplo disso é uma notícia que aconteceu um tempo atrás sobre um grupo de jovens de classe baixa que foram fazer um “rolezinho” em um shopping e foram expulsos de lá pela polícia “por que um grande grupo de jovens como esse poderia causar vandalismo”.

Segundo uma pesquisa feita pela ABRASCE (Associação Brasileira de Shopping Centers) a maior parte das pessoas que frequentam shoppings são jovens, normalmente acompanhados e quase sempre de classe média alta, ou classe alta. Essa pesquisa também mostra que os frequentadores de classe alta vão muito mais vezes e ficam muito mais tempo.

Outro lugar que aos poucos está se tornando mais e mais presente na vida dos jovens é a internet. Lá os jovens podem fazer muitas coisas, como conversar em grandes grupos de onde estejam, pesquisar o que quiser, entre outros. É claro que também há coisas ruins, como estarem expostos a muitas pessoas que não fazem a menor ideia de quem são, entre outros. Porém mais uma vez a maior parte das pessoas que usam a internet são de classe média, e da elite.

Como podemos ver os jovens de classe baixa são a minoria em muitos dos lugares, talvez devido ao fato de não terem acesso a esses lugares, às vezes simplesmente porque a elite não quer interagir com a classe baixa. Há também o problema da juventude da classe baixa de certo modo ser menor, pois muito dos jovens precisam largar escola e trabalhar para ajudar a sustentar a família.

Talvez um dos poucos lugares que há muita representação dos jovens das 2 classes seria em manifestações (não em todo tipo delas), como no dia da mulher, ou em manifestações contra o governo.


Anik Zegman Zaharic

A juventude é uma época da vida em que temos muitas dúvidas, incertezas, angústias, nos transformamos muito, descobrimos um pouco mais de nós mesmos, o que gostamos e o que não gostamos. Nessa fase, precisamos do apoio dos nossos amigos da nossa família e das pessoas ao nosso redor. Muitas vezes as famílias não compreendem isso, não dão atenção para o que falamos, falam que é bobagem e que não sabemos de nada. Com a pressão que sentimos sobre nós, seja da escola ou de outras situações, precisamos de um refúgio. Mas será que realmente há um refúgio? Na nossa cidade, há lugares de representação da juventude, como, shoppings, onde acontecem os "roles", parques, ruas... As redes sociais não são um lugar físico,mas são muito usadas pela juventude, para se comunicar com pessoas conhecidas ou desconhecidas e para o lazer.

Mesmo tendo esses lugares, não são todos exclusivos para a juventude, muitos não são públicos e mesmo sendo ''públicos'' fazem uma separação de classes. Então podemos realmente dizer que a juventude tem lugares legítimos? Sim podemos, ha vários movimentos juvenis que são liderados e constituídos somente por jovens, como o grêmio, mas nem sempre os jovens querem fazer parte deles. Nem todos os adolescentes têm essa necessidade, pois já se sentem confortáveis no seu ciclo de amigos.

Arcanjo

Ser jovem hoje em dia é muito diferente do que era ser jovem na época dos nossos pais e avós. O mundo mudou muito. O mundo hoje é mais rápido, é mais tecnológico, é todo digital. Já não sabemos da vida da vizinha batendo um papo na janela. Os jovens de hoje abrem o windows e vão direto para as redes sociais. Os jovens dominam: ‘Centro Cultural Vergueiro, perto da paulista, onde ocorrem vários eventos culturais’ ; ‘Largo da Batata, onde os jovens dominaram com os Skates’ ; ‘Parques’ Apesar de muitas mudanças, há coisas na vida do jovem de hoje em dia que são como sempre foram e sempre serão. É na juventude que desbravamos o mundo, descobrimos quem somos e aprendemos com as experiências da vida, e vivemos aquilo que quando formos mais velhos vai ser a m Zzfonte da nossa sabedoria.


Arthur

A juventude em São Paulo é representada de uma forma legítima em todos os lugares obviamente alguns lugares mais que outros mas sempre sendo vista por qualquer um com um olhar amplo e não aquele olhar em só uma direção como por exemplo no Parque Villa Lobos onde vários jovens vão para se encontrar conversar, saírem com alguém, se divertir.

Outro exemplo que pode ser bem radical são as favelas obviamente os jovens de lá vivem em uma realidade muito diferente que para muitos a juventude é tirada e eles são forçados a viverem como adultos mesmo sendo pequenos, porém mesmo com tudo isso isso ainda conseguem colocar um sorriso no rosto por um uma brincadeira dos seus amigos com ele, por isso é um lugar digno e talvez mais digno do que os lugares que as elites ficam pelo simples fato de que mesmo com todas as dificuldades eles ainda conseguem se manter em pé.

A escola também pode se encaixar nesse sentido,pois é lá que você começa a se forma e onde boa parte dos jovens que tem a oportunidade e querem podem passar.

Shows se intercalam entre essa tema, pois muito dos shows hoje em dia são dominados pelos jovens querendo conhecer seus ídolos e se divertir o que faz isso um lugar legítimo da juventude.

Anik Zegman Zaharic

“Nem-Nens” No Brasil há 11 milhões de jovens (um quarto da população) de 15 a 29 anos que não estudam e nem trabalham. Esse fenômeno não acontece somente no Brasil e sim na américa latina inteira. Segundo William Summerhill, pesquisador do assunto, os adultos das famílias de classe baixa, pensam que os jovens não necessitam terminar seus estudos, resultando em adolescentes que ficam cuidando da casa e dos irmãos. Muitos jovens não terminam seu estudos por falta de interesse e problema financeiros, o que acaba prejudicando a procura de empregos bons, gerando um ciclo viciosos de desemprego e jovens que não estudam. Infelizmente, no Brasil, para as pessoas de classes mais baixas não é uma grande garantia terminar os estudos e conseguir um bom emprego tanto quanto é para as pessoas de classes mais altas. Mirian Müller diz "a culpa não é dos jovens". os estudos mostram que a pobreza e o gênero produzem um conjunto de barreiras difíceis de superar. 66% dos nem-nens (termo usados para os que não estudam e nem trabalham) são mulheres, isso faz com que o "papel da mulher como dona de casa" seja reforçado. É uma lástima que o Brasil seja um dos países com mais jovens fora da escola e do trabalho. Esse é um problema que atrapalha a economia, o desenvolvimento do país e alguns outros fatores. Espero que em um futuro próximo, o número de nem-nens diminua.


Beatriz Borges

Teoricamente há sim locais apontados como legítimos de representação das juventudes em nossa cidade, tais eles como parques, shoppings e ruas principalmente. Apesar de alguns deles serem denominados para o uso de jovens em específico, acaba que na verdade eles não são usados totalmente por esse público. Isto acaba acontecendo por diversos fatores, um deles, talvez o principal, seja a segurança. Hoje em dia as nossas ruas não são mais tão usadas para gerar encontros, como antigamente. Por conta da falta de segurança e estrutura, que o nosso governo acaba não oferecendo, elas foram substituídas por espaços privados, tais como condomínios, clubes e shoppings. Isso porque as famílias da maioria dos jovens, acaba não querendo arriscar a segurança e o seu bem estar, não confiando na cidade. Até mesmo shoppings, que são na teoria espaços públicos, na verdade são espaços privados mascarados. Para provar isto é apenas necessário que observemos alguns casos que aconteceram e acontecem em alguns shoppings de nossa cidade. Os tais chamados rolêzinhos, podem ser considerados um desses exemplos, nesse caso onde os jovens foram proibidos de fazer encontros em larga escala nos shoppings, tudo por conta de que isso acarretaria um suposto vandalismo ou até mesmo atitudes ilícitas das partes dos jovens. Outro exemplo é que quando paramos para analisar algum shopping localizado em um bairro nobre da grande São Paulo, podemos perceber que apenas certos tipos de pessoas, de certas classes sociais, podem entrar sem serem julgadas por olhos alheios.

É claro que não podemos culpar a falta de jovens em nossas ruas apenas em nossa segurança e governo, mas sim também na internet. Por conta da aproximação dos jovens a os locais fechado, pelos motivos que vimos anteriormente, eles acabaram encontrando este espaço amplo que é a Internet. As redes sociais estão cada vez mais presentes na vida dos jovens, este é fato que não pode ser ignorado, o acesso a internet e smartphones está ficando mais fácil. Nisso eles encontraram um espaço onde era aberto, teoricamente mais seguro e com uma grande quantidade de coisas que podem ser testadas e experimentadas. Com essa grande variedade de coisas encontradas em um só lugar e de uma só vez, podemos arriscar dizer que eles tenham encontrado um espaço próprio. Um espaço onde eles podem se conectar a qualquer lugar do mundo, se encontrar em algo que gostem e experimentar diversas coisas não vistas antes. Claro que a Internet tem os seus problemas, mas para evitar isso é preciso saber usa-lá com inteligência e cuidado, talvez este seja um dos próximos obstáculos que eles venham a enfrentar.


Caio Alvim

Hoje em dia a juventude é aproveita e destacada de uma forma bem diferente do que era antigamente na época de nossos pais e avós. O mundo mudou muito de uma forma em que as pessoas/ jovens tenham medo de ficar na rua até tarde e de que hoje em dia a tecnologia chega em nossas mãos com muito mais facilidade do que antigamente. Cada vez mais nos/ jovens ficamos mais independentes da tecnologia que vai se expandindo com muito mais velocidade e frequência. Simplesmente tudo que você quiser saber está tão próximo com um simples toque na tela. Mas nem tudo está perdido, porque ainda existem, sim, locais onde os jovens vão para se divertir e sair de casa sem ter que se preocupar tanto com o perigo e se depender da tecnologia. Como por exemplo o Centro cultural Vergueiro, que ultimamente vem sendo cada vez mais ocupado pelos jovens que vão lá para encontrar com seus amigos, dançar, ensaiar peças de teatro, usar a biblioteca, assistir eventos de rap, teatro, entre outras coisas, mas o mais importante com isso tudo aumentam o seu conhecimento cultural. Também tem o Largo da Batata, Praça roosevelt que nos últimos anos estão se tornando um ponto de encontro da juventude skatista de São Paulo. Não foram feitas para os jovens mas são eles que dominam o espaço agora, mesmo assim tento uma convivência com todas as idades. Apesar disso tudo ainda existem locais “públicos” que infelizmente os jovens só podem usar dependendo da sua classe social e isso ainda é um problema.


Clara Slywitch de Santi

Como todos dizem, a juventude é uma época muito difícil da vida de um indivíduo, é a época que está descobrindo do que gosta, do que quer seguir, como se expressar etc. Mas parece que os adultos esquecem como foi ser jovem, como foram suas crises existenciais, angústias, entre outros. Por que agora se perguntamos à alguns adultos o que eles acham de suicídio, anorexia, auto mutilação, eles dizem ''é tudo frescura''. Como muitos jovens têm pais como esses, eles não tem como se expressar dentro de casa, para isso eles tem que ir para rua, mas será que em uma sociedade feita a maioria de adultos com memória curta eles tem espaço para isso? Há alguns espaços que podem ser considerados para o jovem se expressarem, como pista de skate, parques, shoppings, Av. Paulista de domingo, pixação, músicas, rede sociais, como blogs, canais do youtube, entre outros. Cheguei à conclusão poucos jovens se contentam com a “liberdade” dada pela sociedade, não duvido que haja algum jovem que está feliz escrevendo contos só para ele, mas para aqueles que querem ser vistos, ouvidos e terem liberdade, na cidade que vivemos, no mundo que vivemos temos esse espaço? (todas as atividades que citei à cima são elitista, assim deixando claro que esse texto falo sobre os jovens de classe média-alta) Todos os exemplos que citei são os mais clássicos que se perguntar para alguém o que os jovens fazem no seu tempo livre, mas acredito que todos deem uma visão artificial e confinada sobre nós.

Shopping, ficamos cercados por seguranças que nos “protegem” e por milhares de lojas, pois somos a chave do capitalismo, somos as capas de revistas, propagandas e inclusive uma grande parte de quem compra. E inclusive parques, andar de ônibus da escola para casa, e de casa para a escola, são “liberdades” já esperadas, que a sociedade já espera, apesar de serem exposições, são apenas falsas liberdades. Outros motivos para a liberdade dos jovens não ser possível é por causa da segurança da nossa cidade. Pelo tamanho da nossa cidade e pelas separações sociais que temos, não conhecemos nada de São Paulo, ao mesmo tempo que isso é triste, não há nada que possamos fazer, pois poderia ser perigoso adolescentes dessa classe social ir a uma periferia sem conhecer seus espaços e funcionamentos. É claro que isso acontece pela pobreza não combatida e pela falta de dedicação à educação do país. A conclusão deste texto, é que os jovens têm apenas uma falsa liberdade, o que parece ser liberdade é na verdade um confinamento controlado sempre sabem onde nós estamos- onde nos deixam apenas com um “gostinho” do que seria a real liberdade, devido às situações atuais do nosso país, e de como nossa sociedade/governo nos controlam. Uma pergunta que não fui capaz de falar sobre, e sinto muito por não saber a resposta: como é a juventude para pessoas de classe social mais baixa? Como seria se pedíssemos para que eles fizessem um texto com essas mesmas perguntas?


Clarice Romeu Boffa

Eu acredito que há sim espaços legítimos de representação das juventudes em nossa cidade, São Paulo. Mas isso varia entre as classes sociais. Na nossa classe social, uma classe média alta, os lugares que esses jovens ocupam são shoppings, parques, clubes, ou até mesmo as ruas, como a Avenida Paulista, para se manifestar, ouvir música, dançar, andar de bicicleta na ciclovia, andar de skate, isso tudo porque a avenida fecha para carros aos domingos com a intenção de ser usada por pessoas. Não podemos esquecer a internet, que não é exatamente um lugar físico, mas é um lugar onde podem se conectar com o mundo inteiro, através das redes sociais, ela está presente cada vez mais no cotidiano dos jovens. Um outro meio em que os jovens acabam se encontrando é música, ela está no mundo todo. Os lugares em que podem ouvir são os shows, batalhas de rap, festivais, entre outros. Os jovens frequentam esses espaços de música independentemente de sua classe social. As questões sociais, culturais e econômicas tentam definir lugares em que os jovens devem frequentar, mas eles estão tentando mudar isso, transgredir. Como por exemplo os jovens têm organizado encontros em parques, principalmente em shoppings, ou em outros espaços através das redes sociais, às vezes podem ter mais de 100 pessoas, que são mais conhecidos como "rolês" ou "rolezinhos". O problema é que o shopping pode

Mas estes "rolezinhos" acontecem também em estacionamentos de supermercado ou em postos de gasolinas na madrugada dos finais de semana. Eles se reúnem muitas vezes com a intenção de se divertir. Esses encontros acontecem porque existem poucos espaços públicos. Na minha opinião a cidade é dos jovens, mas eles tem que brigar por esses espaços. Frequentando e aproveitando. E cobrando do poder público mais espaços.


Clarissa Girão

A juventude que só muito recentemente foi representada, não apenas de uma maneira, mas de diversas, como melhor época da vida ou um tempo que não importa realmente, ela até chega a não aparecer e a não ser representada, principalmente nos séculos passados. Com o crescimento e evolução da tecnologia, abriu-se um espaço onde a juventude achou um meio de se expressar e fazer, às vezes não só nesta época, algo com relação ao seus interesses e paixões. As plataformas, que foram criadas muitas vezes por jovens, são o principal meio de comunicação na era em que vivemos, e com toda essa repercussão ficou mais fácil das informações circularem e é aí que entram os jovens. Com sua criatividade e maior facilidade de entrar neste mundo da mídia, pois muitos já praticamente nasceram nele, os nem criança e nem adulto conseguiram criar um espaço, não só, mas principalmente, para eles. A plataforma de vídeos YouTube foi tomada pelo carisma da juventude, onde abertamente eles falam sobre os assuntos de seu cotidiano e no mundo em que vivem, mas principalmente, colocando detalhes sobre a época em que vivem.

Outros meio de comunicação como as redes sociais, estão lotadas desse humor realístico que trata questões que fazem parte do nosso dia a dia de uma maneira descontraída e atraente para aqueles que se identificam. Ganhando seguidores a todo o momento, atualmente existem grandes influenciadores digitais que ganham cada vez mais espaço no mundo do trabalho, que é onde estes jovens, de toda faixa etária que roda este meio, descobriram um novo jeito de ganhar dinheiro fazendo o que amam.


Emanuel

Existem vários lugares que podemos achar a juventude sendo representada no Brasil, principalmente nas cidades grandes como São Paulo. Mas quando falamos de juventude representada não necessariamente é uma juventude positiva ou negativa, é apenas uma juventude sendo representada, então nesse texto mostrarei algumas representações de juventude, sejam boas ou ruins.

Alguns desses lugares são parques e praças onde os jovens e adolescente podem se divertir com seus amigos e ter liberdade para ficarem tranquilos, outro lugar para mim que o jovem pode ter liberdade é por exemplo a paulista aberta onde mesmo dentro de normas impostas pela sociedade e pelo governo em geral, os adolescentes podem passear e frequentar lugares públicos com liberdade e autonomia.

Antes de dar alguns exemplos de representatividade da juventude, gostaria de falar um pouco sobre a origem da palavra. A palavra juventude vem do latim e significa o período de amadurecimento do jovem e também o período de maior mudança no organismo de uma pessoa.

Para finalizar, gostaria de falar lugares onde a juventude é representada mas de modo privado. Na minha opinião os melhores lugares para se falar quando se trata desse tema são os shoppings e os clubes, o shopping é um lugar segregacionistas onde não entram moradores de rua nem pessoas de classes baixas e mal vestidas mas mesmo assim ele é citado como lugar "público" mas não é, ele é representado pelo jovem de classe alta que vai sair com seus amigos para ir no cinema ou fazer compras. Já o clube tem um lado legal que lá é um lugar onde o jovem pode interagir junto e ter liberdade pois pode fazer esportes e se divertir, mas é um lugar privado e pago com mensalidade, ou seja, só para jovens de classes altas.

Agora sim falarei de alguns lugares da representatividade da juventude, começarei falando que na minha opinião o jovem não só no Brasil mas no mundo todo, é muito controlado e em poucos momentos tem uma liberdade própria, um bom exemplo é a própria escola onde o jovem é representado mas está sempre atarefado e dentro de várias normas impostas por essa instituição. Falarei agora de lugares que para mim o jovem é representado com liberdade própria e uma liberdade também maior da sociedade.


Francisco Noventa

Na cidade de São Paulo aproximadamente 30% dos 12 milhões de habitantes (IBGE) são jovens, ou seja tem entre 14 e 29 anos (a faixa etária dos jovens ainda está sendo discutida, mas este foi o dado mais legítimo encontrado). A juventude usufrui de diversos espaços de lazer e cultura da cidade, porém não existem locais organizados com ela ou por ela, nos lugares que são destinados aos jovens sua programação e seu controle são feitos por adultos em sua maioria de classe média/alta e brancos, porém as juventudes mesmo assim se apropriam desses locais, isso ao invés de representar a juventude, acaba representando o que querem que a juventude represente. Um bom exemplo deste controle feito pelos adultos são os cinemas, museus e teatros que por sua vez são muitas vezes voltados para a juventude, mas a organização das programações e do espaço não tem nenhuma participação de jovens e são feitas com o propósito de consumo e venda, que em muitos casos acaba gerando segregação social. Como os lugares acabam representando o que querem que a juventude seja, os espaços voltados aos jovens acabam tentando criar um padrão aos seus frequentadores, criando espaços só para skatistas ou só para "hipisters" etc. Como a juventude é plural na maioria das vezes este padrão não é seguido e lugares diferentes são frequentados por diferentes jovens.

Um dos grandes exemplos de padronização e de segregação social são os shoppings. Os shoppings são locais que excluem grande parte da população, seu público é em sua maioria jovens brancos de classes sociais médias/altas, tanto que quando ocorreram os "rolezinhos" (organizados por jovens de periferia, muitas vezes negros) dentro dos shoppings em 2013 e 2014, esta juventude foi tratada como caso de polícia, sendo expulsa e criminalizada. Um local que quebra muitos padrões permitindo que a juventude possa se transformar, encontrar e se expressar sem ser julgada é a Galeria do rock que se localiza no centro da cidade de São Paulo na Avenida São João. Por ser no centro, facilita a chegada de pessoas de todos os lugares da cidade, sendo da periferia ou não. O local é composto por lojas de diversos temas e gostos desde ícones da cultura branca hegemônica até lojas de hip hop e cultura negra. Apesar disso a Galeria do rock não é organizada com jovens ou por jovens, quem organiza o espaço, o lugar e a programação também são adultos comerciantes.


Gabriel 9 A

Há espaços legítimos de representação das juventudes em nossa cidade? Sim, e não, o jovem ainda é classificado como “imaturo”, então temos representação do jovem como uma passagem com alegria, festas e diversão mas além disso temos a opinião, a opinião do jovem não é tão representada quanto deveria ser e por isso bons argumentos são perdidos. O jovem tem sua opinião mas não tem o lugar onde se expressar e isso os faz se encontrar,se exprimirem e se transformarem em lugares públicos, onde chamam atenção, pois precisa-se de atenção para ouvir uma opinião e se não há atenção que melhor jeito se não de uma manifestação. A juventude é uma época onde o jovem está crescendo e criando suas dúvidas e aprendendo sobre o mundo como ele é, com isso surgem dúvidas, entendendo o conceito vem a opinião que se forma de vários argumentos relacionados a um específico assunto. Os jovens tendem a se expressar mesmo sendo ignorados, e sem lugares onde essa expressividade é noticiada, eles preferem escolher a lugares onde todos, ambos jovens, adultos e até crianças estão. Os jovens hoje dominam áreas que apresentam entretenimento e conhecimento, há vários exemplos de lugares em que o jovem domina, mas temos menos espaço voltado para opinião pública do jovem, que são menos consideradas.

Há espaços legítimos de representação da juventude em nossa cidade sim, por exemplo shoppings, parques e outros lugares onde os jovens trocam informação, esses lugares são usados por diversas pessoas além dos jovens, tanto que quando os jovens começaram a se encontrar em shoppings uma parte da população ficou assustada. Os jovens trocam informações, conversam e fazem outros tipos de atividades, por exemplo jogar basquete ou futebol. Hoje em dia a juventude está muito melhor representada do que antigamente, por exemplo o governo está fazendo projetos de cultura e lazer para jovens, mas a algum tempo atrás não era assim, os jovens se encontravam onde dava e trocavam informações, e foi assim que uma parte dos rappers brasileiros nasceu. Eles se encontravam depois do trabalho em lugares públicos para fazer rap e trocar experiências. As juventude se encontram onde conseguem por exemplo parques, shoppings, ruas, os jovens saem para os “rolês” e conversam ou vão com algum objetivo em mente, como visitar algum lugar ou praticar algum esporte e assim trocam informações entre eles, e assim se divertem e se transformam com novas informações. Muitas pessoas veem isso como algo ruim, mas é uma forma dos jovens trocarem informações importantes e se divertirem, e com a interação elas se transformam muitas vezes para melhor. O encontro em parque por exemplo, onde podem praticar algum esporte, conversar e se divertir, que é algo importante. Porém encontros em shoppings podem muitas vezes ser algo menos produtivo do que em parque por exemplo, já que eles ficam preso no consumo e acabam não trocando informação.


Henrique Gandelman

A legitimidade de espaços juvenis na cidade de São Paulo existe, e começa 10-15 anos depois da metade do século xx. Temos pela criação de espaços dedicados para jovens pelo o governo, como o centro cultural vergueiro, quanto a tomada de espaços públicos e ruas como uma necessidade de usar locais ao ar livre para satisfazer suas necessidades, isso devido a poucos lugares para praticar a sua cultura no passado. Podemos acrescentar nessa lista cinema, parques e shoppings centers, mas já para uma certa classe social. Onde percebemos uma maior mistura de classes sociais são nos espaços públicos conquistados pelos jovens, como na Praça Roosevelt e no Largo da Batata. Usando a Praça Roosevelt como exemplo, podemos dizer que depois de sua reforma em 2012 foi completamente tomada pelos jovens de todas as classes sociais. Isso pois devido ao seu bom piso e plataformas boas para manobras, foi considerado um skate plaza para todos que gostam do esporte, que são pessoas de classes variadas. Mais além, esse lugar virou um ponto para entretenimento também, com peças musicais individuais, pequenos artistas fazendo sua arte e local para ver espetáculos pequenos. Já no Largo, um espaço mais velho conquistado para os jovens, podemos perceber uma alta variedade que também usa o local para praticar esportes como skate e bicicleta.

Já espaços para certas classes sociais mais altas podemos dizer que são os parques, shoppings centers e cinemas. Nem todos os jovens têm uma condição econômica para ir a esses lugares, e alguns que são mais pobres, são vistos com maus olhares ou até expulsos desses locais. Começaram a ser frequentados para se poder namorar, relaxar e se sentir bem, mas também para ficar mais longe de pobres e se sentir bem ao lado de pessoas da mesma classe social. Esses foram influenciados por uma industria de pessoas mais jovens, como os diretores mirins e os produtos de moda, também representando uma certa juventude de classe mais alta, mas podemos excluir o parque em certas dessas representações pois todas as pessoas podem entrar no local mas devido a preços altos de produtos lá dentro nem todos vão. Existem espaços feito pelo governo para os jovens, mas às vezes não são muito frequentados. Podemos dizer que o centro cultural vergueiro é de longe o espaço feito pelo governo para jovens mais frequentado de São Paulo, mas também com uma certa ausência social de pessoas mais ricas. Podemos citar também a exposição ”Era dos games”, que foi bem frequentada por pessoas de altas variedades devido a curiosidade sobre videogames antigos, mas feita por interesse privado e por empresa privada. Em conclusão, podemos dizer que os espaços mais frequentados por diferentes classes sociais são os espaços públicos tomados pela massa jovem, que se transformam em uma só juventude formada por várias pessoas diferentes.


Ian Camargo Gigeke Iwazaki

A juventude atualmente não tem muitos espaços próprios na cidade, por isso acabaram “tomando” alguns lugares para eles como; a paulista, o largo da batata, a liberdade e a praça Roosevelt. Em ambos os lugares os jovens de diferentes classes socias se encontram por vários motivos como: entreterimento, cultura, etc. Os jovens fizeram isso pois estavam sem muitos lugares de lazer oferecidos pela própria cidade, e precisavam de algum lugar para ter liberdade, por isso acabaram tomando alguns lugares para eles Na paulista que é fechada de domingo eles se encontram pois é um lugar grande e nao tem carros nesse dia por isso eles aproveitam la para andar de skate, bicicleta e os “roles”. Sem contar q la tem os fast foods que são mais baratos e mais rapidos; e algumas exposições temporárias No largo da batata os jovens se encontram lá para andar de skte biciclete etc. Pois la é uma praça grande e de fácil acesso. Contendo uma boa localização numa avenida bem movimentada.


Henrique Gandelman

São várias as representações de juventude que podemos perceber quando falamos em grandes cidades e metrópoles.A palavra juventude vem do latim da palavra ‘’juventude’’ que significa a idade de ‘’amadurecer’’ na qual uma mudança de comportamento acontece e também a responsabilidade dos jovens aumentam pelo fato de já terem uma noção do que acontece no mundo a fora. Podemos perceber que a juventude é um grupo que mais usufrui e ocupa espaços públicos tal qual como o largo da batata que já é mais atual e como o Minhocão antigamente que skatistas usavam para andar de skates. O fato da cidade de São Paulo obter uma grande quantidade de pessoas e de principalmente jovens faz com que os espaços para os jovens se tornem escassos e também faz com que eles ocupem espaços não tão bem vistos pela população da cidade que preferem os jovens longe desses lugares.Além do mais são em muitos poucos lugares que há uma boa arquitetura e que pode ser designada a uso exclusivo da juventude. Em anos anteriores a prefeitura de São Paulo fez com que avenidas e ruas fossem fechadas para automóveis aos fins de semanas para o lazer e a diversão desses jovens,como a ‘’Avenida Paulista’’ aos domingos e o ‘’Minhocão’’ também aos domingos.Os parques são a principal fonte dos encontros de jovens na cidade para lazer,ouvir músicas e também conversar.

Outro lugar que a juventude costuma se encontrar são em espaços privados tais como shoppings centers em que se encontram para comer,ir ao cinema,comprar roupas etc .Clubes também são pontos de encontro de jovens principalmente de classe alta que preferem ficar em um espaço privado do que em espaços públicos, pelo índice de criminalidade ser alto, o que faz com que as ruas fiquem mais vazias e a juventude perca‘’força’’, espaço,voz e reconhecimento de adultos que cada vez mais não deixam seus filhos irem à rua, para se divertirem e preferem que fiquem em casa.


Luiza Reder

Grande parte da juventude principalmente nos dias de hoje se expressa no palco, no teatro. Muitos jovens se identificam com a profissão do ator/atriz, pois essa profissão ultimamente vem sido muito comentada e falada nas redes sociais. Já um fato, que o jovem está muito presente nas redes socias, e claramente o que eles lêem ou vêem nela, os influencia muito. Por exemplo a primeira coisa que influencia muitos dos jovens quererem participar do meio artístico é a fama/sucesso, que aparecem todos os dias no Instagram, Snapchat,entre outros. A segunda grande influência é pelas fotos que mostram carros, casas, em geral coisas materiais muito luxuosas, que nos passam a mensagem de muito dinheiro, conclusão: os jovens ficam atraídos pelo dinheiro que é representado nas fotos de maneira material. Mas, como em qualquer profissão, nem tudo é um “mar de rosas”, então para você fazer parte do meio artístico você deve se esforçar muito e ter em mente que nem sempre você alcançará a fama e a riqueza que vemos em revistas e internet. Os que realmente se interessam pela arte teatral, percebem que o teatro não é luxo, e então eles esquecem um pouco a fantasia de fama e riqueza que é associada a esta profissão. Acabam percebendo que o teatro oferece a eles a oportunidade de falar algo que estão sentindo para outras pessoas em um espaço democrático, que é o teatro.

No palco, os jovens conseguem dar voz a sentimentos e opiniões que a sociedade não enxerga ou não aceita. Temas como preconceitos em geral, respeito ao próximo, desigualdade social, dentre outros, são frequentemente abordados, com objetivo de provocar reflexões ao público que assiste e até mesmo trazer discussões e debates para os atores e quem participa da produção. O teatro oferece liberdade de expressão para falar e abordar temas considerados polêmicos, que na TV por exemplo, na maioria das vezes não é possível a abordagem. Nele você pode falar por você e pelo outro, sem ninguém julgar e rotular, isso traz muitas das vezes a sensação de conforto. É uma oportunidade de trazer reflexões a diversos tipos de pessoas, oportunidade de refletir e debater com os parceiros de trabalho, oportunidade de saber o que muitas pessoas pensam (opiniões variadas), oportunidade de reconhecer outras realidades e sentimentos, oportunidade de colocar-se no lugar do outro, empatia. Normalmente as pessoas que entram ainda na flor da idade nesse meio, nunca mais saem, pois atuar torna-se uma necessidade. E ali poucos dos jovens, se permanecem, se estabelecem e criam uma carreira.


Lucas Bogéa de Mello Franco

São múltiplas as representações da juventude. Esse é um dos grupos mais representativos na dinâmica das grandes cidades, e é um dos que mais ocupa e movimenta as ruas e espaços comuns. Mas os espaços e políticas públicas destinadas à juventude são condizentes com a sua necessidade? Em termos do público, as juventudes são, como dito anteriormente, um dos grupos que mais usufrui dos espaços da cidade. Porém são poucos os que tem arquitetura e planejamento destinados a esse fim. Assim como as áreas verdes, os espaços são muito menos presentes em São Paulo do que em outras grandes metrópoles. O principal indicador no ramo (a área verde por habitante) é, segundo dados de 2016, de cerca de 17 metros quadrados de área verde por habitante, enquanto Estocolmo, capital da Suécia e referência mundial, chega a ter 86, o que indica uma grande deficiência da cidade. Em termos de políticas e projetos, podem se citar alguns como o programa Ruas Abertas (que fecha aos domingos vias da cidade para carros e as abre para o lazer, tendo como maior expoente a Paulista Aberta), os FabLabs (rede de laboratórios públicos municipais) o Centro de Esportes Radicais e as ciclovias (segundo pesquisa da ONG Ciclocidade, 46,5% dos ciclistas têm até 34 anos), todos muito usados por jovens e desenvolvidos entre 2013 e 2016. Porém são poucos, a maioria foi rechaçada pela opinião pública e posteriormente descontinuada na gestão Doria.

Um dos espaços mais utilizados por jovens, no entanto, é comum, mas privado. Tratam se dos shopping centers, no qual existem contradições. Esse modelo visa o consumo (o ticket médio de um shopping em 2016 era, segundo o G1, de 243 reais), e "substitui" espaços públicos, levando o lazer e as compras a não serem mais feitos na rua, o que a torna menos movimenta e usufruída. Segundo a BBC, o modelo cresce 5% ao ano na América Latina, enquanto está em queda, com 1,1 mil estabelecimentos próximos de deixarem de existir, em seu "berço", os EUA. Isso é, em parte, um reflexo da questão da segurança pública. Muitos preferem shoppings devido a alta criminalidade, assim como ocorre, por exemplo, com os condôminos, que partem da mesma lógica. Isso é, porém, um ciclo vicioso. É praticamente consenso entre urbanistas que as ruas se tornam mais perigosas conforme estão mais vazias. O aumento da oferta de espaços públicos e sua maior qualificação, com por exemplo mais arborização e iluminação (que também aumenta a segurança), levaria a uma maior ocupação das ruas e áreas verdes pelos jovens, e por todos. Falta, porém, interesse econômico e político.


Manuela Marques

A juventude é o período de vida que ocorre entre 15 e 24 anos. Geralmente define a pessoa, seus interesses, sonhos, projetos e relacões com outras pessoas. Pode ser considerada uma fase de busca da identidade, com forte energia para ingressar no mundo. Na cidade de São Paulo, existe a necessidade de locais seguros para a convivencia dos jovens. Entretanto tem diversos espacos que representam a juventude. A Escola e um ambiente onde os alunos dialogam, expressam suas ideias e discutem sobre vários assuntos. Através da escrita, das músicas, de vídeos, da internet e das redes sociais, os jovens interagem, fazem suas reinvindicacões e expressam-se. Dependendo da idade, os jovens podem participar de gremios estudantis, onde questionam e expressam seus pensamentos. As participacões em movimentos sociais, transformam e causam mudancas internas, sejam individuais, sociais, culturais, economicas e políticas. Essas transformacões estão relacionadas com valores, atitudes, acões, fundamentais para o amadurecimento do jovem. As ruas também sao utilizadas para demonstracoes de opinioes, especialmente a Av. Paulista. Outra rua que é bastante usada pela juventude, principalmente skatistas, é o Largo da Batata. Em conclusão, os jovens da nossa cidade, São Paulo, possui varios lugares onde podem se encontrar, se expressar e se transformar.


Marina Falcão

A juventude toma a necessidade de independência da família, bem como a entrada ao mundo, composto por grande parte da sociedade, ela marca o tempo das amizades, dos relacionamentos, a descoberta da sua identidade, na juventude, você também toma certa posição sobre alguns fatos. Com uma população muito grande em São Paulo, existem muitos espaços legítimos de representação de juventudes na cidade, como por exemplo: praças, escola, teatro, cinema, parques, ruas abertas, clube, shopping e até o próprio espaço virtual, a internet. A maioria desses lugares a juventude que frequenta, por exemplo os teatros, escolas, parques, cinemas para o consumo e a venda. Não vemos muito ela pelas ruas pois está ficando cada vez mais perigoso, mas antigamente era comum você frequentar a rua com seus amigos sem perigo, com certeza que um jovem poderia frequentar as ruas com os amigos para passear e conversar mas não é mais comum isso. Agora são os parques, shoppings, cinemas No shopping, vimos muito a juventude lá por causa da venda e do consumo. O shopping não é público, não é todo mundo que pode entrar em um shopping, mesmo que seu público seja um público mais jovem, e são as pessoas de classe média ou alta que passam por lá por causa do consumo.

A tecnologia também é um espaço que a juventude toma conta. É muito comum nos depararmos e ver a sociedade jovem viciados em videogames, nos celulares, nos tablets… eles possuem uma forma de conversa muito mais rápido do que havia antigamente. Eles costumam passar muito tempo do dia conectados no mundo virtual e com consequência, acabam não desenvolvendo habilidades sociais mas isso não é problema da tecnologia e sim do mal uso dela, o excesso. Como conclusão, a juventude está em muitos lugares, principalmente naqueles de consumo e venda que é onde ela se concentra, e em lugares privados por exemplo os shoppings. E ela toma certo padrão na sociedade, as pessoas de classe média frequentam o shopping, quem joga basquete vai em parques que tem quadra de basquete, quem anda de bicicleta vai em parques, a maioria passa horas na tecnologia.


Marina Gloeden

Juventude é sempre uma das fases mais marcantes na vida de uma pessoa, pois nela que você se descobre melhor, forma opiniões, e principalmente se diverte de diferentes formas.

MAS ONDE QUE OS JOVENS TÊM ESPAÇO PARA SE DIVERTIR? Podemos apontar vários lugares onde jovens podem ir para se divertir, como ruas, shoppings, parques, mas esses lugares não são denominados para serem utilizados somente por adolescentes. Isso gera uma certa “polêmica”, pois outras faixas etárias possuem mais locais de diversão e descontração denominados só para eles. A falta de lugares para jovens se divertirem pode ser dada por causa da segurança, pois nessa fase os adolescentes querem ser mais independentes, mas às vezes essa vontade pode colocar a pessoa em risco. Não podemos afirmar que jovens não possuem nenhum local para eles, pois a internet é uma plataforma muito ampla que pode juntar muitas pessoas de locais diferentes. Mas a internet tem seu lado ruim, pois pode trazer certos problemas que são “normais” na juventude, como cyberbullies, e outras coisas. Na minha opinião poderiam pensar em fazer mais lugares onde só jovens possam frequentar, claro que com segurança e o mínimo de cautela.


Mateus Borges Carvalho

As juventudes têm muito pouco espaço na sociedade atual, muito raramente conseguem eleger algum representante, muito menos expressar-se por si próprios. Suas vozes ecoam pelas ruas porém sem ninguém para ouvi-las,

A Avenida Paulista, graças aos movimentos populares, que muitas vezes é composto por jovens, fecha aos domingos dando ainda mais oportunidades aos mesmos para se juntar.

AFINAL QUAL É O PESO DA OPINIÃO DE UM JOVEM?

A internet vem crescendo muito, dando espaço às redes sociais, que abruptamente atrai os jovens. Acredito que a razão disso seja a liberdade de expressão proporcionada, postam mas elas também podem ser perigosas, pois todos pensam que estão protegidas atrás das telas, que juntando com a facilidade de se expressar abre portas ao webbullying.

Seja em casa, no bairro ou na comunidade, seus argumentos provavelmente serão vistos como vazios.

Pouco a pouco eles vão tomando espaço, nas escolas por exemplo, uma instituição voltada para a juventude, mas que somente de tempos pra cá agora desenvolveu um sistema de representantes de classe. Os alunos precisam de algum microfone para expor seus interesses, esse é o papel dos representantes de sala. A União Nacional dos Estudantes (UNE), é uma organização que representa os alunos do ensino superior, e tem como principal interesse melhorar o âmbito educacional. Para isso, organizam-se debates, encontros, passeatas etc., além disso, existe um representante para cada estado, permitindo uma maior facilidade de contato. Essas instituições ajudam os jovens a expressar-se ao mundo, porém a juventude precisa de um lugar para encontrar-se e discutir além da escola, esses lugares vão se ampliando e hoje em dia existem diversas opções. Como a liberdade é um atributo muito importante, os parques têm se tornado cada vez mais um espaço dominado por jovens, os shoppings, também, apesar de ser um local movido basicamente a dinheiro.

O skate está ganhando grande popularidade entre os jovens, e por isso criaram-se vários pontos de encontro de skatistas, sendo locais públicos ou pistas. O Largo da Batata é um local plano, com um solo relativamente bom, e perto de um metrô, o que facilita a locomoção e a acessibilidade. A pista da Sumaré também é um ponto de encontro bastante famoso pela vizinhança, existem vários tipos de pistas de skate, e essa abrange quase todos tipos. Lá os skatistas se ajudam a melhorar, colaborando e introduzindo seu próprio estilo.


Matheus Palmeira

Existem vários espaços na cidade que representam os jovens, como o Largo da Batata, que virou um lugar de skatistas, e os parques, que muitos vão lá passear ou andar de skate, bicicleta, triciclo entre outros, já que o lugar é público. Certos lugares alguns jovens não conseguem entrar, por conta do dinheiro e cor de pele, como o shopping, que dizem que é público, porém os seguranças não deixam entrar qualquer pessoa, só deixam pessoas de classe alta e média. A juventude se exprime, se encontram e se transformam em vários lugares como a Paulista que andam e fazem manifestações, várias praças e lugares públicos os jovens tomam da cidade é ocupam ele. Outra coisa que representam os jovens são as músicas, que muitos deles se expressam e fazem muitos tipos de música, especialmente para jovens. Existem também festivais de música com muitos estilos, como shows de vários artistas e o lollapalooza. A juventude pode se expressar também em baladas, que muitos jovens vão para poder se manifestar lá, alguns exemplos de baladas famosas que muitos jovens vão é a Haze, Pinheiros etc...

Maya Garcia Brant

Quando penso em espaços de representação das juventudes na nossa cidade me lembro de alguns lugares, como por exemplo, os espaços públicos em geral, que são locais que oferecem acesso a juventude. Parques e praças são grandes pontos de encontro de jovens pelo fato de dar um sentimento de liberdade, por que além de ser ao ar livre, lá tem muitos outros jovens e é um espaço público então qualquer um pode frequentar. Um exemplo mais concreto é a praça Roosevelt, uma praça de skatistas que começou a ser ocupada por jovens e agora é um grande ponto de encontro entre eles. Você também pode encontrar muito jovens em manifestações porque na rua todos tem a mesma voz e todos estão lutando juntos pela mesma causa. Neste tipo de ambiente eles realmente encontram espaço para soltar suas vozes. Na internet também é muito fácil conseguir representatividade, você pode simplesmente publicar a sua opinião, participar de grupos e se organizar com outros jovens por lá, além de seguir pessoas que tem opiniões parecidas com a suas. O shopping também é um lugar comum para jovens se encontrarem por conta da influência do consumo. Eles são motivados pela mídia em geral a frequentar esse espaço para fazer compras, comer, e passear com os amigos. Nossa cidade oferece uma série de lugares em que a juventude pode se reunir, trocar ideias, se divertir e se ouvir. Mas isso não significa que suas vozes são ouvidas nesses espaços pela sociedade em geral.


Michel Vardi

A juventude tem lugares legítimos mas os jovens de hoje preferem se expressar em lugares abertos e com grande concentração de pessoas o que leva a muitos jovens se encontrarem nos parques e praças para mostrar que podem ter lugares legítimos mesmo não físicos. A juventude se expressa em grande parte nas escolas e universidade onde “podem encontrar um lugar em meio aos adultos” representados pelos pais e professores, a juventude também é representada em filmes séries e até livros que tratam do assunto, mesmo não tendo um espaço extenso e legítimo ainda desfrutam de um lugar não físico. Os espaços no qual a juventude se expressa faz com que ela se transforme pois a juventude não pode avançar sozinha e para isso se encontram os jovens mesmo para estudar na escola ou fora estão transformando a juventude e quanto maior for a quantidade de jovens melhor se desenvolverá a juventude pois para que ela se transforme e transforme outras juventudes precisa haver troca de ideias e conversas, porém hoje a juventude está muito apegada ao consumo e não as amizades e conversas e experiências uns dos outros.

A comunicação digital fortalece muito a juventude pois podem se encontrar em diferentes lugares e ainda sim estarem fazendo coisas juntos como em jogos e até mesmo em estudos. Porém há um lado ruim na comunicação digital pois qualquer coisa que for postada na internet pode se tornar motivo para bullying e deixa o jovem muito exposto. às vezes os jovens não desfrutam de seus lugares legítimos por que não querem ficar excluídos de outras ideias e opiniões então desfrutam e lugares “públicos” para então dialogarem com outras juventudes e até mesmo os adultos.


Rodrigo Costa Cespedes

São alguns os lugares de representação da juventude nas grandes cidades. Este é um dos grupos que mais ocupa e movimenta as ruas e lugares comuns da cidade. Em termos de espaços públicos as juventudes são um dos grupos que mais utilizam os espaços públicos, como praças e ruas. Mas são poucos os lugares dedicados à essa faixa etária. São poucos os lugares que a arquitetura é destinada à juventude, na cidade. Os projetos e lugares que podem ser considerados mais dedicado à juventude são poucos. Como exemplo o programa implantado pelo governo das Ruas Abertas, como exemplo a Av. Paulista que fecha aos domingos para carros e abre para lazer, e o Centro de Esportes Radicais e ciclovias (39% dos ciclistas têm entre 25 e 34 anos de idade), (33% dos skatistas têm entre 11 e 15 anos, 31% têm entre 16 e 20 anos e 14% têm entre 21 anos ou mais, segundo a ESPN). Ambos projetos e lugares são muito usados pelos jovens. Os parques são um dos lugares que as juventudes mais se encontram, seja para ouvir música ou andar de bicicleta, é um dos poucos lugares que elas podem se expressar. Um espaço usado pelos jovens que é privado são os shoppings centers, mas estes são destinados apenas à uma certa classe social, os que usam os shoppings são apenas os de classes sociais altas. Com os shoppings vem um modelo de consumo, as pessoas que vão tem que ir para comprar. E cada vez mais os lugares que as juventudes se encontram começam a deixar de ser público e começa a virar privado.

Um dos motivos para a privatização do espaço de encontro das juventudes é a segurança. Por causa do alto índice de criminalidade, os jovens vão optar, cada vez mais, em ir à espaços privados com mais segurança. E com isso os espaços públicos vão começar a esvaziar, e vai abrir portas a um novo ciclo em que os jovens de classe alta vão ficar presos em seus condomínios e só vão à espaços privados como shoppings e clubes. E com isso os espaços de expressão das juventudes vão cada cada vez mais privatizado.


Sergio Xavier

A juventude é representada em alguns locais em nossa cidade, em manifestações, na rua, nas escolas, entre outros. Mas são poucos os lugares onde se encontram. Com o programa Ruas Abertas, muitos jovens vão passear por exemplo aos domingos na Av. Paulista, alguns também andam de bicicleta nas ciclovias, ambos feitos pelo governo. Os jovens se encontram em alguns locais públicos, como parques, praças, onde podem se divertir com seus amigos, e uma parte gosta de andar de skate em pistas feitas para o esporte, que também é público. Um lugar privado que jovens vão, são os shoppings, mas nem todos podem ir, pois quem vai para esse local, vai para comprar ou ir ao cinema, então a maioria que vai é de classe alta e nenhuma pessoa de classe baixa, moradores de rua e pessoas mal vestidas vão (nem podem entrar). Outro local privado é o clube, ambos só entram pessoas de classe alta pois nos dois tem que pagar. Jovens também se encontram em protestos, como em 2016 quando aconteceu o movimento dos estudantes contra o fechamento de escolas por parte do governo estadual. Escola foram ocupadas, aulas foram paralisadas e houve alguns conflitos com a polícia. Todos esses acontecimentos foram amplamente divulgados pela imprensa e contribuíram então para que a sociedade conhecessem os desejos da juventude. Eles também se encontram em eventos culturais, esportivos, organizados pela prefeitura, como a Virada Cultural, shows, entre outros.

Um dos motivos para a privatização do espaço de encontro das juventudes é a segurança. Por causa do alto índice de criminalidade, os jovens vão optar, cada vez mais, em ir à espaços privados com mais segurança. E com isso os espaços públicos vão começar a esvaziar, e vai abrir portas a um novo ciclo em que os jovens de classe alta vão ficar presos em seus condomínios e só vão à espaços privados como shoppings e clubes. E com isso os espaços de expressão das juventudes vão cada cada vez mais privatizado.


Sofia Figueiró

A juventude em São Paulo é muito representada na Arte Urbana nos espaços públicos da cidade. Graffiti, Lambe-Lambe e Pichações são lugares na arte que jovens de todas as classes sociais se encontram e podem se encontrar. Infelizmente não vemos isso se repetindo nos espaços da cidade. Já que um dos principais meios dos jovens encontrarem pessoas com interesses comuns é a escola o que acaba fazendo uma divisão entre alunos de escola pública e privada. A realidade de um alunos de escolas privadas e públicas é completamente diferente, e sem o contatos desses alunos acabam ficando isoladas. Muitas das atividades extracurriculares são privadas, e assim como as escolas privadas acabam sendo exclusivas para a elite, que só tem o contato com as pessoas de seus meio social. As ruas são espaços públicos mas que nem sempre atendem todos os públicos, os bairros podem ser bem segregacionistas tendo distritos com o idh super baixo como: Jaraguá, Capão Redondo, São Miguel Paulista enquanto de outro lado temos distritos como: Butantã, Morumbi, Jardins, Alto de Pinheiros. Outro lugar que sempre que falam de juventude é lembrado são os clubes e shoppings, esses assim como os condomínios são lugares extremamente segregacionistas e que mostram o desejo de uma elite de não se misturar com classes mais pobres. Shoppings mostram aos jovens um mundo fechado e exclusivo, que promovem uma segurança. Além disso shoppings são privados e criados com o objetivo apenas de lucro. Sesc poderiam ser uma alternativa aos shoppings com opções acessíveis para jovens de quase todas as classes. Mas atualmente esse espaço acaba sendo mais ocupado por adultos e crianças deixando poucos lugares para os jovens.

O centro de São Paulo pode ser considerado um espaço público aberto para todos os jovens. Mesmo lá os dois grupos não se misturando muito eles se cruzam e conseguimos ver uma mistura de juventudes na cidade. Lugares como: Praça da Sé, Galeria do Rock,etc… Tem juventudes que conseguem se expressar e se encontrar. Lugares no centro como a Galeria do Rock, além de lugares como a Paulista tem manifestações constante das juventudes, sendo elas juntas e separadas. Esses encontros de juventudes são muito importantes para os jovens, e mesmo não acontecendo tanto em espaços públicos acontecem músicas, arte, e até mesmo pela internet. Mas mesmo assim vemos vários espaços públicos em que os jovens se encontram como parques, o centro, a avenida paulista, praças, e até mesmo a rua. Com esses encontros as juventudes entendem a realidade uma da outra, e saem de bolhas sociais com pessoas de mesma classe, religião.


Tales Wroblewski Brasil

A juventude é representada em alguns locais em nossa cidade, em manifestações, na rua, nas escolas, entre outros. Mas são poucos os lugares onde se encontram. Com o programa Ruas Abertas, muitos jovens vão passear por exemplo aos domingos na Av. Paulista, alguns também andam de bicicleta nas ciclovias, ambos feitos pelo governo. Os jovens se encontram em alguns locais públicos, como parques, praças, onde podem se divertir com seus amigos, e uma parte gosta de andar de skate em pistas feitas para o esporte, que também é público. Um lugar privado que jovens vão, são os shoppings, mas nem todos podem ir, pois quem vai para esse local, vai para comprar ou ir ao cinema, então a maioria que vai é de classe alta e nenhuma pessoa de classe baixa, moradores de rua e pessoas mal vestidas vão (nem podem entrar). Outro local privado é o clube, ambos só entram pessoas de classe alta pois nos dois tem que pagar. Jovens também se encontram em protestos, como em 2016 quando aconteceu o movimento dos estudantes contra o fechamento de escolas por parte do governo estadual. Escola foram ocupadas, aulas foram paralisadas e houve alguns conflitos com a polícia. Todos esses acontecimentos foram amplamente divulgados pela imprensa e contribuíram então para que a sociedade conhecessem os desejos da juventude. Eles também se encontram em eventos culturais, esportivos, organizados pela prefeitura, como a Virada Cultural, shows, entre outros.

Outro espaço em que tem jovens é a internet. É um espaço em que muitos adolescentes estão presentes, lá eles jogam jogos com outras pessoas e conversam com elas. Também é um espaço em que muitas pessoas criam amizades. Mais como tudo no mundo tem a parte ruim, no caso da internet é o de ficar exposto. Existem muitos aplicativos nos aparelhos eletrônicos que você pode mandar coisas pessoais para pessoas que você não conhece então é sempre bom ter controle do que vai mandar para desconhecidos. Pelo que dá para perceber os ricos tem mais diversidades de espaços que os pobres. Então tem muitos exemplos de jovens na cidade.


Teodoro Jacinto

Existem espaços que de certa forma representam a juventude em nossa cidade. Eu acredito que os parque de certa forma são um local onde os jovens têm liberdade e podem conversar, passear, e se divertir e é um local onde se encontram muitos adultos, mas em sua maioria, muitos jovens. Os shoppings também são lugares muito frequentados pelos jovens da nossa idade e da nossa classe social (média-alta), porém é mais difícil o acesso para pessoas que são de uma classe inferior, pelo custo das coisas dentro do shopping ser muito alto, diferente do parque, que qualquer um pode entrar a aproveitar. Uma outra coisa que une bastante os jovens é a música. Música engloba vários gostos muito distantes e existem muitas pessoas que gostam de cada tipo de música. Os jovens socializam com música, por exemplo indo em festivais de música, como o Lollapalooza, onde existem músicos de rap, música eletrônica e rock. Também existem muitos shows em São Paulo, e baladas. O skate é outro tópico onde os jovens se unem bastante. Existem muitos pistas de skate na cidade, ou até nos parques é possível andar de skate. Alguns lugares também foram ocupados pela juventude skatista onde eles andam de skate, ouvem música e conversam, um exemplo é o Largo da Batata. Existem também alguns lugares que não necessariamente representam a juventude, mas são ocupados por boa parte dela, por exemplo a Avenida Paulista, onde várias pessoas vão para passear, ir em museus entre outras coisas.

Thomas Stanquevisch

Desde O começo do século XXI os jovens viram a necessidade de sair então começaram a dominar parte da cidade de São Paulo,por conta de seu alto número de espaços culturais, hoje em dia nós andamos pela rua e vemos jovens andando pela cidade. Um dos lugares a onde vemos muitos jovens é a Praça Roosevelt, após sua reforma em 2012 o lugar foi alvejado por vários “bandos” de jovens, como por exemplo os skatistas já que seu chão era muito liso e bom para andar eles começaram a frequentar a praça para andar e fazer manobras eles apelidaram a praça de “Skate Plaza”.Nesta mesma praça a muitos artistas de rua que tocam suas músicas no meio da praça para ganhar algum dinheiro, também a dançarinos que também dançam para ganhar dinheiro.Nesta praça em volta a cafés e muitos teatros atraindo também o público adulto. Com surgimento de shoppings e de seus cinemas, os jovens começaram a combinar de ir a estes lugares para namorarem, comerem e assistirem filmes, conforme os anos se passaram os jovens começaram ir cada vez mais nestes locais para fazerem mais coisas por exemplo ir na cafeteria para estudar. Um lugar muito parecido com a Praça Roosevelt é o Largo da Batata que também é um lugar dominado pelo “bando” dos Skatistas, por conta de seu chão liso e reto os skatistas foram atraídos, aos domingos se você for ao Largo é quase impossível você não ver um jovem. Lugares ao ar livre também são muito frequentados pelos jovens já que nessa idade pessoas costumam fazer muitos esportes como andar de bicicleta,jogar bola, andar de skate, entre outros.


Teodoro Jacinto

Hoje em dia, podemos perceber uma ocupação de certos espaços da cidade pelos jovens, porém existem certos fatores que os diferenciam e separam, sendo eles benefícios socioeconômicos, proximidade, pontos conhecidos, entre outros. Por exemplo quando alguém se refere a um grupo de adolescentes de classe média e alta, brancos gastando o dinheiro de seus pais, um local que vem a cabeça de grande parte da população seria o shopping, porém ao citarmos um grupo de adolescentes de classe baixa, com jovens brancos, negros e mestiços se divertindo em um local, a imagem que a sociedade criou, é da rua, com chinelo no pé soltando pipa. Então antes de mostrar os espaços em que jovens de diferentes classes sociais convivem junto, é preciso mostrar os desdobramentos da situação. Existem poucos lugares onde é possível achar a convivência de jovens de diferente faixa etária e classe social, porém eles existem como por exemplo parques. Os parques de uma maneira generalizada, são locais onde existe uma convivência dos jovens muito normalmente relacionada a esportes, como futebol, basquete, vôlei, onde mesmo assim ainda existe uma maioria de uma classe social em específico, porém ela varia, diferente do shopping por exemplo, um espaço que exclui as classes sociais mais baixas. Mas como parques não se refere a um local em específico, um outro ótimo exemplo citado em aula é a Praça Roosevelt, um local que não foi dado, negociado ou comprado aos jovens, e sim tomada, após grandes concentrações de jovens se reunirem lá por vários anos, o local agora pertence a eles.

Com alguns poucos exemplos o que podemos perceber é que a maioria dos espaços de convívio social entre jovens são áreas públicas, porém, o que é pago o pobre não quer pagar, e onde é público o rico não quer usar pois, foi tomado por pobres. Então uma das soluções que a prefeitura achou foi criar um espaço parecido com um clube ou seja com muros, portaria, quadras, mas que fosse público. Essa obra do governos tem vários nomes e um ótimo exemplo é o famoso “Pelezão”, um local onde pessoas de diferentes classes convivem, especialmente jovens. Então é claro que se analisado de uma maneira superficial acharemos muitos exemplos do uso dos jovens na cidade porém tudo muda quando fatos em relação a estes locais são analisados.


Vitor Cozza

A juventude, nessa geração, é tratada como futuro e esperança da família e da sociedade, e nem sempre foi assim. Os jovens hoje são os que mais usam espaços públicos em nossa cidade em função da liberdade não existente, em muitos casos, mas desejada. Porém, não são muitos os lugares em que há uma grande união de jovens de classes diferentes. No nosso país, são somentes alguns os espaços de grande presença jovem, e mesmo entre elas há uma grande desigualdade social dividindo a juventude, entre ricos e pobres. A escola, provavelmente o lugar de maior presença jovem no Brasil, está dividida em a pública e particular. Um grande sinal da divisão da juventude entre classes. Se a maior instituição educacional separa os jovens entre pobre e rico, quem que os unirá novamente. O Brasil está entre os 10 países mais desiguais do mundo e talvez uma melhor distribuição de renda junto de uma melhora da educação publicação resultaria em uma nova união da juventude. Outro lugar em que a juventude é dividida entre classes é o Shopping. Segundo a ABRASCE, os jovens são os que mais frequentam o espaço. Porém, cada shopping tem sua classe. Segundo o EXAME, o custo médio de uma pessoa em um shopping é de R$208,00. E quando tentam mudá-las são expulsos, por exemplo quando grupos de classes populares tentaram fazer passeios pelo shopping dos mais ricos. Assim se mostra, mais uma vez que os jovens são divididos em muitos dos lugares pela sua condição econômica.

Porém, há lugares públicos e acessíveis em que muitos jovens, independente de qual for a classe, se reúnem como parques, praças e alguns outros pequenos lugares onde um público mais jovem se junta para andar de skate e fazer práticas de parkour. Esses esportes, diferentes dos mais tradicionais não são elitistas, pelo fato de não precisar de muitos equipamentos caros e acontecerem na rua, onde os jovens se reúnem. Já são alguns os lugares abertos, como a Avenida Paulista e o Minhocão, importantes avenidas na cidade, normalmente ocupadas pelos carros, que estão abertas aos sábados e domingos para atividades esportivas e artes culturais. Há algumas praças onde os jovens se reúnem para relaxar como a praça do pôr do sol, e também alguns parques importantes, o parque Ibirapuera e o parque Villa Lobos. Esses lugares mostra alguns dos exemplos em que espaços públicos e acessíveis a todas as classes são eficientes.


Alan Senna Gorodetcki Um gênero musical criado nas comunidades negras dos Estados Unidos, com letras normalmente sobre o cotidiano da comunidade local, cheias de gírias, que transformam protesto em música. O Rap desde seu início teve um caráter machista, geralmente sendo interpretado por homens, porém isso tem mudado nas últimas décadas. O machismo presente no rap vem da sociedade, que durante muitos séculos tratou, e muitas vezes ainda trata, as mulheres como se fossem mais frágeis que os homens. Como o poder sempre esteve nas mãos masculinas, a sociedade sempre deu preferência para os homens, e menos direitos para as mulheres. Não só no Rap, mas em tudo. Porém desde o século XIX as mulheres vêm lutando por seu devido lugar na sociedade, e pelos seus direitos. E nas últimas décadas, elas têm ganhado cada vez mais e mais voz.

Mano Brown, um dos grandes rappers brasileiros, em uma entrevista no ano passado disse “tem música que não canto mais”, se referindo a antigas letras machistas que ele escreveu. Um exemplo disso seria “Mulheres Vulgares”, composta pelo integrante dos Racionais em 1993. A música é machista, sendo preconceituosa em relação a prostitutas, generalizando e objetificando as mulheres, dizendo que não faz sentido o movimento feminista, assim anulando-o. No Brasil, as mulheres começaram a surgir mais no Rap durante as décadas de 80 e 90. No começo era raro vê-las no palco, e mesmo quando elas estavam lá, para não serem julgadas, se “escondiam”, em roupas largas masculinas, como as que rappers homens normalmente usavam. Porém com o tempo, e a luta das mulheres, esse pensamento foi extinto. Não foi fácil para as mulheres conseguirem seu lugar no Rap, e elas ainda estão se fixando. Olhando ao redor do mundo em que vivemos hoje, elas não deveriam precisar continuar lutando para isso, porém ainda é preciso. Atualmente, no nosso país vemos muitas vozes femininas usando o Rap e sua característica de transformar protesto em música, cantando por reivindicações, como igualdade, reconhecimento e respeito.

Bebel Du Guetto, está a 12 anos no ramo musical, e é um exemplo disso. Desde sempre ela usou as roupas que queria, sem se “esconder” em roupas de rappers homens. E desde sempre, sofreu preconceito por causa disso. A maranhense, no começo de sua carreira costumava participar de batalhas de Rap, e o fato dela ser mulher e usar shorts curtos sempre eram usados como argumentos contra ela: “Meus shorts curtos viravam argumento para os homens tentarem me agredir e me diminuir”. Porém o preconceito não fez Bebel desistir, e sim deu a ela mais motivos para continuar cantando, e usando sua música como protesto. Escreveu músicas como “Beijo na boca” que fala sobre atitudes machistas que são consideradas normais no dia a dia: “Sempre tive muitos amigos homens e acabava escutando coisas desagradáveis sobre as mulheres. Machismo não é só agressão física. Isso eu vi minha mãe passar em casa, vi a vizinha”.

Uma das grandes dificuldades ainda impostas sobre as mulheres no Rap, é conseguir divulgar seus trabalhos. Como Bebel diz, os produtores não investem nelas, pois grande parte deles ainda trata as mulheres como inferiores, e preferem investir nos homens, que são “melhores”. Por causa disso, a cantora maranhense diz: “As mulheres precisam ser mais unidas e divulgar o trabalho das outras” Yas Werneck, assim como Bebel, é outro exemplo de uma voz feminina que canta por protesto no Rap. Ela começou sua carreira em 2010, após ver uma apresentação machista, o que a motivou em escrever uma resposta, e junto com outras 2 mulheres começou a transformar protesto em música. Elas cantaram juntas até 2012, e hoje Yas Werneck segue sua carreira solo, conseguindo bastante sucesso. Seguindo o exemplo de Bebel du Guetto, e Yas Werneck, a luta das mulheres pelo seu lugar no Rap ainda é necessária, e está, como o feminismo em geral, ganhando cada vez mais e mais vóz, e vai continuar crescendo. Portanto produtores músicas, e rappers que escrevem letras machistas, aprendam com isso, e deem igualdade, reconhecimento e respeito para as mulheres.


Anik Zegman Zaharic

FEMININO NO RAP O Rap, uma abreviação de rhythm and poetry (ritmo e poesia) é um gênero musical que foi criado entre as comunidades negras dos Estados Unidos no final do século 20. as letras tratam em geral de questões do cotidiano da comunidade. Desde que chegou no Brasil, no fim da década de 70, o Rap foi feito por homens. Sabotage, Emicida, Racionais…

Onde estão as mulheres nisso? As mulheres estão bem presentes nas letras da canções, Na maioria das vezes de forma pejorativa como no rap "loráburra" do Gabriel o Pensador que fala "Existem mulheres que são uma beleza, Mas quando abrem a boca, Hmm que tristeza!, Não é o seu hálito que apodrece o ar, O problema é o que elas falam que não dá pra agüentar, Nada na cabeça, Personalidade fraca, Tem a feminilidade e a sensualidade de uma vaca".Felizmente as mulheres têm começado a aparecer na mídia há pouco tempo. Com a internet democratizando a criação de conteúdo, com o movimento feminista, algumas rappers tem sido alavancadas e mostrado que rap não é coisa só de homem.

Elas não estão só cantando, mas também mixando e produzindo músicas, além de participarem de outros campos da cultura hip hop, como o grafite e o break dance. As rappers tratam de assuntos como empoderamento feminino e violência contra a mulher, discutindo o machismo na sociedade Karol Conka, por exemplo, é uma das mulheres que mais fazem sucesso hoje em dia cantando rap aqui no Brasil. Com a sociedade mudando aos poucos, em um futuro (espero que próximo), creio que haverá homens e mulheres cantando Rap sem precisar estar ofendendo e defendendo um ao outro.


Arcanjo Gonzalez Neto

Desde que o Rap chegou ao Brasil, na década de 70, o rap foi feito por homens, como por exemplo: Sabotage, Thaide, Racionais MCs, MV Bill, entre outros.As mulheres têm começado a aparecer na mídia há pouco tempo com o movimento feminista. Algumas rappers que influenciam as novas gerações das rappers femininas são a Negra Li (Periferia), Karol Conka (Tombei), Lívia Cruz (Ordem na classe), Dina Di (A Noiva Do Thock) ,Drik Barbosa (Inconsequente), Tássia Reis (Se avexe não) O feminismo no Rap atual, vem das décadas de 80, 90, e as mulheres que gostam desse ritmo, tiveram que lutar muito para entrar nesse meio musical que tem um conteúdo muito machista. Segundo o site ZonaSuburbana as “minas” do Rap brasileiro sempre dizem que a cena, os blogs, produtoras, e agência não dão devido valor ao Rap feminino .

Segundo o jornal Estadão, da mesma maneira que Dina Di, Negra Li batalhou contra o preconceito para que futuras MCs pudessem ter maior liberdade criativa, ela lembra os tempos em que vestia roupas masculinas para se firmar com o RZO, grupo em que iniciou sua carreira, em 1995. “O rap era um mundo bem machista. Eu era a única mulher no meio de uns 15 caras”, diz Negra Li. “Me vestia com roupas do meu irmão e quase não falava nada. Tudo para manter o respeito.” Hoje em dia, Negra Li, que não precisa mais dividir o armário com o irmão, se considera até vaidosa. “A cada dia, me sinto mais. Um elogio me envaidece. Afinal, sou mulher”, diz. “Mas a mudança que mais sobressai é a responsabilidade que adquiri quando percebo que eu estava servindo de inspiração para outras meninas.”

O Rap sempre tratou as mulheres de forma secundária e figurativa. Acho que essa mudança, de atitude feminina, está sendo mais importante do que esperar que os homens deem espaço para elas, diz MV Bill.

“As mulheres estão cavando os próprios espaços. Não com revanchismo, mas com muito talento.”


Caio Alvim

AQUI É O LUGAR DELAS! Desde quando o rap chegou ao Brasil na década de 70, sempre foi visto como uma coisa de homens, tomando como exemplo o grupo Racionais Mc's, porém em certo tempo as mulheres começaram a ganhar espaço e fama no meio de um estilo musical que foi dito como apenas para homens. MV Bill disse "O rap sempre tratou as mulheres de forma secundária e figurativa. Acho que essa mudança, de atitude feminina, está sendo mais importante do que esperar que os homens deem espaço para elas” “As mulheres estão cavando os próprios espaços. Não com revanchismo, mas com muito talento." O RAP traz consigo a ideia de estar sempre fazendo uma crítica aos problemas, sociais, nestes casos ele serve para que ocorra o empoderamento feminino através da música dando ênfase a assuntos como poder das mulheres e violência contra a mulher, discutindo o machismo na sociedade, como Lívia Cruz fala em um dos seus raps chamado Ordem Na Classe "eles têm medo de buceta", querendo dizer que os homens têm medo das mulheres por conta do movimento de mudança que elas propõem, certa hora, ela diz que tentaram fazer com que ela se calasse, e que pode representar força machista contra as ideias feministas.

Sierra Sorrentino( uma colunista) disse que 2017 parece ter sido o ano em que a indústria da música começou a dar o reconhecimento que as mulheres do rap sempre mereceram. “O gênero hip hop precisa, especificamente, jogar fora seu sexismo institucionalizado e desenvolver um sistema de apoio entre rappers masculinos e femininos. Se artistas como Cardi B continuam a crescer, o futuro do gênero não é apenas feroz, mas também feminino” . É possível dizer que as mulheres possuem uma história de superação e quebra de barreiras no meio do rap para chegarem onde se encontram hoje, mesmo que às vezes sejam colocadas em planos secundários quando comparadas a homens, que é um dos obstáculos a serem ultrapassadas, entre outros, como o fato de em várias músicas serem descritas de forma desrespeitosa e depreciativa, porém é possível concluir que elas vem ganhando seus devidos espaços e que elas precisam de apoio para continuarem lutando por seus direitos.


Calú Araripe

O rap é um estilo de música que fala muito sobre o preconceito e sobre a segregação. Ele dá voz às pessoas que sofrem isso todo dia. Esses temas são citados muito pelos rappers em suas músicas. O rap é cantado predominantemente por homens. Mas e a voz feminina no rap? Sobre o que as mulheres cantam nos raps? Além de falar sobre esse preconceito e segregação segundo a revista desacato as mulheres também agregam outros três temas nas suas letras de rap: Igualdade, reconhecimento e respeito. As mulheres rappers têm começado a aparecer na mídia a pouco tempo. O rap feminino começou a aparecer com o movimento feminista. E as mulheres vieram para mostrar que rap não é só coisa de homem. Elas querem igualdade de gênero, reconhecimento em suas músicas e respeito por todo mundo. Em muitas letras é citado o machismo, abuso e violência que as mulheres sofrem diariamente. Segundo o Anuário Brasileiro de segurança pública uma mulher é estuprada no Brasil a cada 11 minutos (dados de 2015). Segundo o instituto Maria da Penha, a cada 7.2 segundos uma mulher é vítima de violência física. As rappers vieram mostrar isso com suas letras e vieram mostrar que são fortes e tem que ser respeitadas. Segundo a cantora de rap Bebel du Guetto ainda existe uma dificuldade para divulgar trabalhos femininos, mas as mulheres estão se impondo cada vez mais. Ela diz que os próprios produtores não investem na carreira da rappers mulheres e consideram o trabalho delas inferior ao dos homens. “As mulheres precisam ser mais unidas e divulgar o trabalho das outras” disse Bebel em uma entrevista para a revista desacato.

Pensando nessa união com o papel de valorizar o trabalho das mulheres a rapper Juliana Silva Dorotea fundou o projeto Rima Q Age. Consiste em divulgar trabalhos femininos em diferentes campos e, por meio de oficinas, ensinar estratégias e encorajar as meninas. Então o movimento do rap feminino tem muito a ver com o empoderamento feminino e o feminismo. O rap feminino conta com algumas vozes como: Negra Li, Carol Conká, Lívia Cruz, Flora Mattos, Dina Di, entre outras. Uma música que mostra muito desse movimento de empoderamento feminino no rap é: 100% feminista, da Carol Conká. Uma parte da música diz assim: “ Minha fragilidade não diminui minha força”. Com isso ela quer dizer que apesar de sua fragilidade ela é muito forte como todas as mulheres. Depois vem um trecho assim: “Eu que mando nessa porra, eu não vou lavar a louça”. Com isso ela quer dizer que não vai aceitar o papel que a sociedade impõe para as mulheres (o papel de dona de casa muitas vezes), e que ela vai ocupar o papel que quiser na sociedade. O próximo trecho é assim: “Sou mulher independente não aceito opressão. Abaixa sua voz, abaixa sua mão”. Esse trecho representa a opressão que as mulheres sofrem tanto verbal quanto fisicamente, e que elas têm que lutar contra isso. O rap feminino é um movimento onde as mulheres, por meio das letras, exigem respeito e igualdade. Ou seja, o rap feminino anda acompanhado de um movimento de empoderamento feminino e feminismo que vem nascendo atualmente.


Clara Slywitch de Santi.

O Rap surgiu nos bairros mais pobres dos Estados Unidos, nos anos 70 numa tentativa dos jovens mostrarem sua voz a todos.

O Rap brasileiro surgiu na década de 80, e aos anos 90 quando o rap começou a ter uma força maior no Brasil, quase nenhuma mulher podia fazer o rap e, se quisesse, era necessário usar roupas largas e masculinas. Nessa mesma época quando uma mulher era retratada em um rap, era sempre de uma maneira pejorativa e machista. Peguei um trecho da música ''Mulheres Vulgares'' dos Racionais, a música foi composta em 1993, e hoje é reconhecida pelo próprio Mano Brown que não pode ser cantada pelo machismo presente nas letras '' Derivada de uma sociedade feminista/Que considera e dizem que somos todos machistas./Não quer ser considerada símbolo sexual./Luta pra chegar ao poder, provar a sua moral/Numa relação na qual/Não admite ser subjugada, passada pra trás./Exige direitos iguais.../E o outro lado da moeda, como é que é?/Pode crê!/Pra ela, dinheiro é o mais importante./Seu jeito vulgar, suas idéias são repugnantes./É uma cretina que se mostra nua como objeto/É uma inútil que ganha dinheiro fazendo sexo”. O sexismo é evidente, nesses tempos até eram aceitas essas letras. Porém, hoje em dia o rap feminino está ganhando seu espaço, as mulheres não estão mais aceitando serem tratadas como nada ou objeto sexual, a luta é grande. Dentro e fora do rap, o machismo não está nem perto de acabar. Mesmo o rap feminino não tendo uma visibilidade tão grande quanto o masculino, está começando a crescer.

Algumas das vozes mais importantes são: Negra Li, que é uma rapper, compositora e atriz, Karol Conka, é uma rapper que começou sua carreira em um concurso, e hoje é considerada umas das principais rappers do Brasil, Lívia Cruz, compõe e canta desde os quatorze anos, Flora Matos, desde os treze anos frequenta bailes de rap, Dina Di, foi uma das primeiras referências do rap feminino, começou sua carreira em 1989, e morreu em 2010, ao contrair uma infecção no hospital, após o parto de sua filha. Uma das perguntas frequentes é “Como mudar isso? Como incentivar mais meninas conhecerem e participarem do mundo do rap?” Pensando justamente nisso e com intuito de valorizar o papel da mulher, a produtora cultural e rapper Juliana Silva Dorotea, criou em 2013, junto com uma amiga, o projeto Rima Q Age. Esse projeto foi premiado pela Secretaria do Estado de Cultura do Rio de Janeiro e ficou conhecida na cidade de Volta Redonda, o projeto consiste em divulgar trabalhos femininos em vários campos como o da música, o da dança e o do graffiti e, por meio de oficinas. O projeto pode ser frequentado por meninas a partir de quinze anos, e é ensinado a elas como escrever, técnicas de canto, práticas no palco. Além da parte didática, essas jovens aprenderem a expressar suas dores através da música. As fundadoras do projeto acreditam que isso é o importante, mostrá-las que nada é impossível, não há nada que os homens possam fazer que elas não possam. É possível concluir que o rap feminino cada vez vem ganhando mais espaço, mesmo o masculino sendo mais visível. Outra mudança foi o fato de que não estão sendo tão aceitas letras machistas, ou com qualquer outro tipo de discriminação, o que é um grande avanço. Ter projetos de rap para incentivar meninas jovens a se expressarem, e praticarem o rap, pode ser uma grande oportunidade do empoderamento feminino crescer dentro e fora do rap.


Clarissa Girão

O RAP, A JUVENTUDE E A SEGREGAÇÃO. A definição do dicionário de segregação é: “Afastamento, separação, segregamento. Ato ou processo de isolar ou ser isolado de outros ou de um corpo principal ou grupo.” Já a segregação espacial é definida por: “É quando as classes sociais ficam concentradas em determinadas regiões ou bairros de uma cidade. Essa segregação ocorre em locais onde há uma grande diferença de renda entre os grupos, uns possuem todas as condições de moradia e serviços, e outros não possuem nada parecido.” O que isso tem haver com rap por exemplo? Podemos perceber a segregação espacial no meio musical, incluindo no rap. Uma música onde isso aparece é “Final de semana no parque” dos Racionais. Já no começo da música a zona sul é mencionada como: “A toda a comunidade pobre da zona sul!” um chamado feito pelo Mano Brown, para sua zona de origem, já que nasceu em Capão Redondo. Um parque que é mencionado nesta música, o Parque Santo Antonio, foi na verdade onde Mano Brown nasceu, este é o trecho: “Mas ele só querem paz e mesmo assim é um sonho; Fim de semana do Parque Sto. Antônio.” Também é mencionado no final da música: “Aí rapaziada do Parque Ipê,Jd. São Luiz, Jd. Ingá, Parque Ararí, Váz de Lima Morro do Piolho e Vale das Virtudes e Pirajussara”. Só com esses trechos é possível perceber a tremenda segregação que ocorre no meio urbano.

Um dos lugares em que eu considero um grande exemplo de segregação urbana são os condomínios fechados, já que pessoas buscam por segurança e tranquilidade, fazendo-as ir a determinadas áreas da cidade, construindo muros para se proteger da rua, o que aumenta ainda mais a segregação. Do outro lado temos as favelas, comunidades, em alto de morros, ou até mesmo do lado de prédios. Pode se dizer que a segregação espacial é uma representação geográfica da segregação social. Está quase sempre relacionada com o processo de divisão, onde a população mais pobre tende a ficar em áreas mais afastadas e menos acessíveis. Segundo o IBGE, em 2016 a taxa de analfabetismo entre negros e pardos era de 9,9%, já a de brancos 4,2%. Não existe apenas a segregação espacial, mas também há a segregação social e racial, sendo a racial uma política que tem como objetivo separar e isolar de uma sociedade um grupo específico, levando em conta a raça.


José Pedro Couto Falcão

Hoje em dia é muito perceptível a segregação dos brasileiros que foi principalmente construída no passado, mas ainda é atual. A escravidão mesmo após de abolida há mais de 130 anos, deixou muitos vestígios de segregação racial e principalmente o racismo em nossa sociedade.O principal motivo para a elaboração deste texto está ligado à origem desse tipo de preconceito, às diferenças étnicas da população brasileira e principalmente à segregação racial e espacial que nos afligem até hoje. Segundo matéria no Nexo jornal, a área em que mais reside brancos é o sul seguido pelo sudeste, já no norte e nordeste os grupos étnicos que predominam são os negros, pardos e amarelos.Infelizmente indígenas acabam correspondendo à uma mínima porcentagem de terra em nosso território devido às perseguições sofridas historicamente principalmente no passado colonial. Uma alta concentração de brancos está localizada no bairro de Leblon na zona Sul do Rio de Janeiro, no século 19, a área abrigava várias chácaras e até um quilombo. Porém,hoje em dia,acabam residindo brancos. Cerca de 90% da população do bairro é branca e isso equivale ao metro quadrado mais caro do Brasil, ou seja, a elite branca acaba residindo o bairro do Leblon. No ano de 2004, uma pesquisa da PNAD revelou que 51,2% dos brasileiros se diziam brancos, outra pesquisa também da PNAD porém em 2014, apurou que 53% dos brasileiros se consideram negros e pardos, isso não nos mostra que a população de negros e pardos teve um alto grau de natalidade durante esse intervalo de 10 anos, isso nos mostra que agora mais pessoas se consideram negras pelo reconhecimento de suas raízes de matrizes africanas. Outra informação que podemos classificar como muito importante está ligada às cidades que possuem um alto de grau de segregação.Em ordem crescente as cidades que mais separam negros de brancos são:Niteroi, Santana Parnaiba, Santos, Santa Cruz do Sul e Porto Alegre. Seria possível haver algo em comum entre elas?

Todas essas cidades estão localizadas no sul e sudeste do país, onde onde são os maiores graus de segregação do país. Já as capitais que possuem o menor índice de segregação racial são: Macapá, Rio Branco, Manaus, Porto Velho e Belém. Ao compararmos o Brasil com os EUA e a África do Sul, que no passado tiveram sérios problemas de separação entre brancos e negros, vemos conflitos que se agravaram desde o passado até o presente. Porém, há diversas diferenças no desfecho entre esses países segundo os períodos históricos analisados. Na África do Sul acontecia o Apartheid, Mandela e seus aliados promoviam ataques terroristas para acabar com isso e, posteriormente, foi eleito e se tornou presidente do seu país. Já nos EUA, os negros segregados tentavam acabar com o aparthaid com base do diálogo e envolvendo principalmente Martin Luther King, lider que lutou até sua morte (assassinado) em 1958, mas nos dias de hoje, os EUA ainda é um país extremamente segregacionista. A cidade considerada mais segregacionista no país americano é Chicago com uma taxa de 82,5 para 100 mil habitantes de índice demográfico de dissimilaridade, segundo o Nexo jornal. No Brasil, onda de conflitos generalizados no país ainda não aconteceu,porém,um acontecimento que chocou todo o país foi o assassinato de Marielle Franco, uma mulher que estava começando sua carreira de política ao ser eleita vereadora da cidade do Rio de Janeiro pelo PSOL. Marielle lutava pelos negros por ter nascido e crescido em uma favela, tudo estava seguindo o curso de sua militância, até que foi assassinada e até hoje não sabemos quem a matou, já se passaram 7 meses desde seu assassinato...


Se formos observar o grau de segregação social segundo a faixa etária, a maioria dos jovens que estão presos são negros e na linha da pobreza, a maioria dos crimes desses jovens cometidos foram tráfico de drogas ou roubo de pertences. Já a segregação espacial é extremamente visível, um dos maiores exemplos são os shoppings que podem ser considerados uma cidade dentro de uma cidade, pelo fato de proibirem qualquer pessoa que não esteja nos padrões da sociedade de consumo de entrarem lá. A população negra e pobre principal de São Paulo foi segregada na escala que a cidade ia se industrializando onde a população passou a morar mais nas zonas urbanas.Um exemplo disso foi o pedido das pessoas que residiam o bairro de Higienópolis,na zona sudoeste da capital paulista de suspender a obra de construção da linha 4 amarela, alegando que isso iria trazer pobres e moradores de rua para perto de suas casas.

Há muitos que acham que a segregação racial, social e espacial no Brasil não existe, e que tudo são problemas pessoais sofridos por um determinado indivíduo. Mas quando chegamos no ponto em que milhões de cidadãos sofrem com algum tipo de segregação tal qual como étnica ou porque é diferente, isso acaba se tornando um problema grave e que deveríamos nos mobilizar. Enfim, parece que a relação só mudou de senhor de engenho e escravo para branco para negro, da senzala e casa grande para centro e periferia.

Lara Tchernobilsky O Rap é um estilo musical, que faz parte da cultura do Hip-Hop, muito presente e perceptível aqui no Brasil. Ele chegou aqui por volta dos anos 80, alguns anos depois de seu surgimento nos Estados Unidos. Como dito antes, o Rap é algo muito presente, e é assim até hoje, está se tornando cada vez mais. Mas um lado que quase nunca olhamos são as mulheres, o feminino no rap, a coisa mais comum quando alguém pensa em um Rap, é pensar em um homem cantando, porque na realidade, é um gênero predominantemente masculino, muitas vezes com letras machistas.

Mas e as mulheres que são rappers, onde elas entram nisso, será porque não existem tantas mulheres no Rap, é apenas um fato, ou é falta de reconhecimento? Apesar de tudo, as mulheres estão cada vez mais entrando de cabeça nesse mundo, e o número de rappers femininas vem crescendo, mulheres que estão cansadas de todo preconceito e que estão dispostas a combater tudo que tiver pela frente, se impondo, cantando letras fortes, quebrando a barreira do machismo,racismo e todo tipo de opressão que as mulheres sofrem.

Tanto que na maioria das vezes, suas músicas falam sobre isso, e usam algumas palavras como igualdade, reconhecimento e respeito. Um bom exemplo é “Poetistas no Topo” das rappers Mariana Mello, Nabrisa, Karol de Souza, Azzy, Souto, Bivolt e Drik Barbosa. É uma letra forte e empoderada, que fala sobre o machismo, o racismo, e sobre como as mulheres estão lutando e se destacando agora, sobre como nós mulheres temos direitos iguais à todos, e que não fomos feitas pra agradar ninguém, como é possível ver na letra: “Minhas linhas têm verdade, a gente busca igualdade. Com as mina a força rege, aniquilamos a maldade…”, “Vai dominar, todo lugar é meu lugar. Ah, eles vão me ligar, pra querer me alugar e me dizer. Que mina pode fazer rap, a prova disso é você…”. Existem, sim, mulheres no Rap brasileiro, elas é que não ganham o reconhecimento que merecem. Durante séculos, em qualquer lugar, nós mulheres fomos, e muitas vezes ainda somos, consideradas frágeis. Os homens, por outro lado, vistos como fortes. E no rap, um estilo resistente, que associa protesto em forma de música, não é diferente. Mas isso está mudando.


Marina Gloeden Nos dias de hoje as mulheres estão começando a conseguir igualdade com os homens, já que no século XXI organizaram-se vários grupos para discutir o que seria o feminismo. Com isso algumas músicas que ouvimos hoje em dia representam esse movimento, e o rap é um gênero musical que é mais usado para as pessoas se manifestarem e falarem o que bem entendem. Desde que chegou ao Brasil, no fim da década de 70, o Rap foi feito por homens, mas onde estariam as mulheres? O feminino no rap foi surgindo aos poucos, quando foi colocada em pauta a questão que “rap não é coisa só de homem”, e com isso várias mulheres começaram suas carreiras se manifestando contra esse estereótipo. Hoje em dia existem várias mc’s, entre elas: Karol Konka, Negra Li, Targa Preta, Dina Di, entre outras. Já que foi e ainda é difícil para as mulheres conseguirem a mesma voz que os homens no rap nacional, existem projetos com o intuito de incluí-las mais nesse grupo, que é o caso do programa “Rima Dela”, que é uma iniciativa do projeto Soul Di Rua, e além de dar voz e visibilidade às mulheres do rap nacional, tem um novo projeto, o Minas do Hip Hop. A ideia é mapear MCs, DJs, beatmakers, produtoras, jornalistas, publicitárias, fotógrafas, videomakers e grafiteiras de todo o Brasil que estejam envolvidas na causa, com o objetivo de levantar dados oficiais sobre a atuação feminina no rap. O projeto visa também potencializar a divulgação dos seus trabalhos e eventos, para que assim possam se conhecer e trocar experiências, dúvidas, e criar possíveis parcerias.

Dina Di, nome artístico de Viviane Lopes Matias, natural de Campinas, vocalista do grupo Visão de Rua e carinhosamente apelidada de “Rainha do RAP”, foi uma das maiores representantes do RAP feminino no país. Considerada a primeira mulher a alcançar sucesso no rap nacional, Dina Di iniciou sua carreira em 1989. Em 1994 fundou o grupo Visão de Rua que posteriormente lançou a sua primeira canção de trabalho chamada “Confidências de uma Presidiária”, que relata o dia-a-dia do sistema carcerário feminino. No ano de 1996, Dina lançou o single “Periferia É o Alvo”, na sequência realizando uma série de shows pelo interior paulista e pelo Brasil.

A igualdade de gênero vai ser sempre um assunto para ser falado e debatido, mesmo que demore muitos anos para acontecer definitivamente. E o rap é um jeito de lutar e combater o machismo, e cada dia é mais utilizado pelas mc’s para falar o que vivem no seu dia a dia sendo mulheres ou sobre outros assuntos, então a nossa sociedade tem que começar a valorizar mais essa arte e ouvir tipos de musicas desse tipo para poderem ver o que as mulheres passam e assim combater junto com elas o machismo.


Matheus Palmeira A segregação pode ser representada por muitos jeitos, como a segregação espacial, social e racial. Alguns rappers falam sobre as segregações em suas músicas, por exemplo a música fim de semana no parque, dos racionais e a música segregação social da banda Ponto de Equilíbrio. A segregação racial pode ser interpretada como uma segregação de negros, brancos etc, em nossa sociedade podemos ver que a maioria das pessoas de classe alta ou média alta são na maior parte brancos, enquanto na classe baixa a maioria da população são negros.Mesmo quando acabou a escravidão e foram criadas as leis contra a escravidão os negros continuam sofrendo com racismo, isso acontece até hoje com os negros que sofrem racismo e até morrem com isso.

Segundo o site da UOL entre os anos de 2006 e 2016 a taxa de morte de pessoas não negras diminui em 6,8%, já nesses anos saltou em 28% a mais de mortes de pessoas negras. O jornal nexo comentou que a maioria dos brancos moram na parte sul ou sudeste, já os negros moram em maioria na parte norte e nordeste do Brasil. A segregação espacial ocorre muito hoje em dia, onde periferias são afastadas do centro da cidade e normalmente são escondidas, para as pessoas não olharem as periferias e olhem só as partes “bonitas” da cidade, enquanto os de classe média alta ficam no centro ou em bairros conhecidos com grandes casas ou apartamentos.

A cidade com a maior população de negros é São Paulo, seguida pela Bahia e Minas Gerais, de acordo com uma tese da usp, escrita em 2000/2005, e as cidades com mais brancos no Brasil é São Paulo, seguido por Rio Grande do Sul e Minas Gerais. Como a música dos racionais fim de semana no parque cita, os jovens “prayboyzada” desperdiçam a água com seus carros que saem da sua garagem, enquanto ele está a 1 hora de sua quebrada. Ele também fala que enquanto os playboys estão saindo para o parque com seus eletrônicos eufóricos, ele lembra da mulekada da rua que joga bola descalço ou brinca com o que dá, falando que eles gritam palavrões, e brincam na rua, pois não possuem videogames e às vezes nem televisão.A maioria dos trabalhadores que trabalham com empregos de baixa classe são negros, podemos ver isso quando a maioria das empregados ou dos empregados, faxineiros, motoboys ou camelôs são negros, e provavelmente devem demorar horas para chegar em seus trabalhos por conta de sua moradia ser longe. Hoje em dia mesmo com as leis de racismo, as pessoas ainda cometem esse ato porém na internet, que as pessoas podem ficar em anônimo e ofender uma pessoa sem ser reconhecidas, esse é um problema grande, pois as pessoas se sentem mais livres para expor seus pensamentos e acabam ofendendo muitas pessoas a mais por conta da rápida circulação de tweets ou mensagens na internet. Conseguimos ver esses crimes hoje em dia, por exemplo a Marielle Franco, uma política negra no Rio de Janeiro que foi assassinada, e até hoje não sabemos quem foi o assassino.


Tales Wroblewski Brasil O Rap feminino não é muito conhecido no Brasil. Chegou na década de 70, foi criado por homens fazendo assim com que eles tivessem mais destaque. As mulheres atualmente vem aparecendo mais no Rap e assim mostrando que não é só para homens. Houve um grande crescimento de grupos e Mcs mulheres mas mesmo assim não tem o mesmo destaque que os rappers masculinos tem. O preconceito no Rap feminino é algo muito presente. Muitas rappers já sofreram preconceito. Tássia Reis já sofreu preconceito de machistas e disse que acontece o preconceito com as mulheres, é muito praticado por homens segundo o site G1. E também já aconteceu com outra rapper chamada Sara Donato que cansou de encarar o machismo como algo normal. As mulheres sempre lutaram e atualmente lutam mais ainda pelo seu espaço no Rap brasileiro.Muitos Raps feitos por mulheres falam sobre o preconceito e o machismo que as mulheres recebem, não só no Rap mas também nas ruas e em todos os lugares.

Os rappers expressam também o vínculo afetivo com o lugar por meio de referências pessoais, como o Mano Brown que direciona certas músicas para comunidade pobres que o ouvem. Em suas músicas eles registram fotografias, como em Sobrevivendo no inferno, se coloca como um ato político, pois fixam a indignação contra o esquecimento e o descanso em punir os homicidas.


Daniel Mendes Santos Hoje em dia, com a tecnologia presente em nosso cotidiano, nós conseguimos ouvir músicas muito mais facilmente. Essas músicas atualmente representam muita coisa em nossa sociedade, muitas delas tem um tom de crítica a civilização em que nós vivemos. Por exemplo a letra de “Segregação Social”, obra do grupo Ponto de Equilíbrio, fala muito sobre como a sociedade e o estado os discrimina e os separa sócio espacialmente, como o povo não deve aceitar tal comportamento e que devem lutar contra o preconceito. Voltando a falar de como as comunidades mais pobres são segregadas, podemos falar de um exemplo extremamente visual, cada vez mais as favelas se afastam do centro. O governo dos municípios usa uma das táticas para “expulsar” as famílias, eles começam a encarecer os produtos e o próprio bairro, assim as pessoas não conseguem comprar coisas de higiene básica e alimentos. A partir daí os trabalhadores começam a ter que pegar mais ônibus ou andar mais para chegar ao local de trabalho, o que faz eles não terem tempo de lazer, ou seja eles acordam umas quatro da manhã e vão para o trabalho, chegam lá por volta das oito horas da manhã e saem de lá às seis horas da tarde, chegando só a noite em casa. A tabela abaixo, mostra que quanto mais longe do centro:

Porém a segregação não vem só do estado, vem também das pessoas, por exemplo no parque que é um lugar “público”, temos muita discriminação, vemos pessoas geralmente da elite, olhando feio para pessoas com uma condição financeira não tão boa. Como podemos resolver isso? Bom, na realidade só conseguiremos solucionar este problema se entendermos o que causa essa segregação. Geralmente a separação ocorre quando há uma parcela que está no local com uma condição financeira ou social diferente. O que quer dizer que é basicamente fundamentada em preconceitos e no que as pessoas acham das outras. As soluções destes problemas envolvem uma consciência coletiva, que deve respeitar e acolher em vez de segregar. Poderíamos por exemplo, procurar não encarecer tanto os bairros, tornando mais fácil melhorar a condição de vida das pessoas. Acho que quando conseguirmos fazer tudo o que podemos para acolher os jovens que estão sendo segregados, conseguiremos pensar em resolver o problema permanentemente.


Dante Fukuda O Rap nasceu no Brasil no final da década de 80 com os Racionais MC’s. Formado por quatro integrantes, sendo eles, Mano Brown, Ice Blue, Edi Rock e DJ KL Jay, o grupo foi montado no Capão Redondo, um dos bairros mais pobres e mais violentos de São Paulo, o que mostra que o Rap surgiu em áreas de muita pobreza e violência. Em várias músicas dos Racionais, são citados nomes de comunidades, por exemplo na música “Da ponte pra cá” na qual Mano Brown cita várias vezes como é a vida no Capão Redondo e também diz o nome de algumas comunidades como Jardim Rosana, Parque Chácara, Dom José, etc. Na minha opinião as citações dessas favelas feitas não só nessa música mas também em outra dos Racionais e de outros artistas, mostra a presença das comunidades no rap, tanto por ter sido criado nas próprias comunidades e também pelo fato de quase todos os rappers terem nascido em favelas.

Assim como as comunidades, a juventude também é muito presente no rap, segundo pesquisa feita pela Veja, o Rap está apenas atrás do funk como gênero de música mais escutado nas comunidades. O funk mesmo tendo letras menos críticas do que o Rap, tem as mesmas raízes do que ele, ambos vem de cantores pobres e na maioria das vezes negros, suas batidas são algumas vezes parecidas, a principal diferença entre os dois é, que diferente do rap o funk se popularizou mais recentemente, diferente do rap que à mais tempo cresceu no Brasil.

Emanuel Rodriguez Boll O Rap nasceu no Brasil no final da década de 80 com os Racionais MC’s. Formado por quatro integrantes, sendo eles, Mano Brown, Ice Blue, Edi Rock e DJ KL Jay, o grupo foi montado no Capão Redondo, um dos bairros mais pobres e mais violentos de São Paulo, o que mostra que o Rap surgiu em áreas de muita pobreza e violência. Em várias músicas dos Racionais, são citados nomes de comunidades, por exemplo na música “Da ponte pra cá” na qual Mano Brown cita várias vezes como é a vida no Capão Redondo e também diz o nome de algumas comunidades como Jardim Rosana, Parque Chácara, Dom José, etc. Na minha opinião as citações dessas favelas feitas não só nessa música mas também em outra dos Racionais e de outros artistas, mostra a presença das comunidades no rap, tanto por ter sido criado nas próprias comunidades e também pelo fato de quase todos os rappers terem nascido em favelas.

Assim como as comunidades, a juventude também é muito presente no rap, segundo pesquisa feita pela Veja, o Rap está apenas atrás do funk como gênero de música mais escutado nas comunidades. O funk mesmo tendo letras menos críticas do que o Rap, tem as mesmas raízes do que ele, ambos vem de cantores pobres e na maioria das vezes negros, suas batidas são algumas vezes parecidas, a principal diferença entre os dois é, que diferente do rap o funk se popularizou mais recentemente, diferente do rap que à mais tempo cresceu no Brasil.

Na minha opinião podemos dizer que a juventude o rap e a comunidade estão relacionados, os três e não apenas laços paralelos, podemos dizer que como a comunidade e a juventude estão fortemente relacionados, o rap seria uma forma de uni-las, pois ele critica a dura vida em meio à pobreza das favelas brasileiras e também tenta mandar uma mensagem aos jovens pobres brasileiros para que não desistam de conseguir um trabalho honesto e não entrar no crime, algo constantemente presente nas comunidades brasileiras.


Guilherme Campanhã de Barros Freire A juventude brasileira é extremamente segregada, como podemos ver em nosso dia a dia, por exemplo a segregação econômica, segregação espacial, segregação racial. As pessoas de classe baixa moram bem longe de locais de comércio, e podemos ver que em grande maioria eles são negros pobres. Podemos ver que esse grupo que é mais separado sofre com muita violência, como mostra a tabela de Homicídios (Número e Taxas) Por Raça/Cor. Faxa Etária: 14 a 24 Anos de 2002 (fonte: WAISELFISZ, J. J. Mapa da violência IV, p. 57) no Rio de Janeiro o número de homicídios de brancos foi 951, já o de negros foi 2.160, em Minas Gerais 294 brancos foram vítimas de homicídio e 785 negros foram vítimas. Com isso podemos ver que os jovens negros sofrem muito mais com a violência do que os jovens brancos. Com esses dados nós podemos ver que o Brasil é um país que segrega, a violência atinge em maior número os negros pobres, que estão longe dos principais pontos de cada cidade, já que muitos acabam tendo que morar em favelas e de acordo com a Oxfam Brasil, em 2015, brancos ganhavam em média, o dobro do que ganhavam os negros: R$ 1.589 em comparação com R$ 898 por mês. Os rappers sofreram com o cotidiano das periferias, como o Mano Brown, que foi abandonado pelo pai, então eles cresceram vivendo essa situação na pele e rap foi um jeito que muitos encontraram para se “divertir”, ou seja eles também nasceram segregados.

Os rappers expressam também o vínculo afetivo com o lugar por meio de referências pessoais, como o Mano Brown que direciona certas músicas para comunidade pobres que o ouvem. Em suas músicas eles registram fotografias, como em Sobrevivendo no inferno, se coloca como um ato político, pois fixam a indignação contra o esquecimento e o descanso em punir os homicidas. Mano Brown desabafa algo que mostra bem o cotidiano e a extrema violência nas periferias: As vezes eu vejo o Racionais tipo no meio de um inferno, cercado de uma pá de coisas - tráfico de um lado, policía que quer ferrar a gente de outro, a inveja do outro, os playboys que querem pegar você e te esmagar. Então cê tá no meio, driblando o tempo todo pra sobreviver. É treta, é maluco que é viciado, é mano que mata o seu camarada e pode querer vir atrás de você também e você tá no meio. Ao mesmo tempo, cê não quer se vender pro sistema dos caras e tem que conviver com o sistema dos cara aqui embaixo também. Então é como um desabafo de como você faz prá sobreviver no meio disso tudo.” Então podemos ver que o Brasil é um país que segrega, racialmente, economicamente e espacialmente, os rappers estão extremamente ligados com essa segregação, no qual vivem em um cotidiano violento e complicado, em muitas músicas podemos ver os rappers mostrando toda essa violência e segregação.


Henrique Gandelman

VOZES ROUBADAS O gênero musical Rap, estilo que ficou famoso nos Estados Unidos e posteriormente no Brasil durante a década de 1970, começou em nosso país com seus cantores masculinos, como Mano Brown e Rappin Hood. Devido ao alto grau de machismo durante os anos de sua origem, entre 1970-1990, o feminino começou a entrar por volta dos anos 90, porém sem muita força. Apenas neste século começou a avançar de modo significativo. Bebel Du Guetto, cantora veterana de rap, dizia que no começo de sua carreira seus shorts curtos viravam argumento para homens tentaram a agredir e a diminuir. Devido a esse e outros modos na opressão ao feminino, muitas vozes do gênero foram roubadas pois as mulheres não eram levadas a sério, então suas palavras também, junto a seus atos. Para a rapper Vera Verônika, o avanço do feminino no gênero é importante, mas diz que ainda existem atrasos. "A gente percebe que os caras não estão lendo e, consequentemente, tendo conhecimento do mundo atual. Nas batalhas, atacam as mulheres falando do corpo, cabelos e por aí vai", comenta. "Por isso batalhas de minas são importantes para que elas possam rimar e colocar a sua voz, sem que sejam ofendidas”. Essas formas de opressão, porém, não impediram que artistas do rap feminino ficassem famosas. Grandes artistas que influenciaram o rap feminino foram e são: Negra Li , Karol Conka, Lívia Cruz, Dina Di ,Drik Barbosa , Tássia Reis, Flora Mattos, dentre outras.

Essas artistas abriram espaços para que outras mulheres, hoje, consigam rimar sem tantas discriminações. Mas a luta não é tão simples. “O rap sempre tratou as mulheres de forma secundária e figurativa. Acho que essa mudança, de atitude feminina, está sendo mais importante do que esperar que os homens deem espaço para elas”, diz MV Bill. “As mulheres estão cavando os próprios espaços. Não com revanchismo, mas com muito talento.” Essa batalha vai além da igualdade de quem canta, também cerca as letras machistas de várias músicas, atualmente. Um dos maiores, senão o maior rapper do Brasil, Mano Brown, também foi um dos que atacaram as mulheres em suas letras. Em entrevista à Folha de São Paulo, Brown admite que sua visão mudou, mas que na década de 90 tinha uma visão mais machista. Em letra de sua música, “Mulheres Vulgares”, de 1993, Brown disse: “Derivada de uma sociedade feminista; que considera e dizem que todos somos machistas; não quer ser considerada símbolo sexual; e o outro lado da moeda, como é que é? Pode crê!; para ela, dinheiro é o mais importante; seu jeito vulgar, suas idéias são repugnantes; é uma cretina que se mostra nua como objeto”. Porém, em dezembro de 2017, se desculpou, e ainda disse: “Veja bem, passaram 25 anos, me perdoe, eu era apenas um garoto, era um outro Brasil, eu não tinha uma filha. A gente tinha uma visão realmente machista”.


Por mais repudiante que as palavras de Brown em sua música foram, devemos afirmar que a atitude de se desculpar foi sadia, porém não muda o que disse e a quem atingiu. O que realmente muda é sua nova visão não machista para com o rap, e se todos os artistas fizessem o que ele fez, a entrada em massa feminina no rap seria muito mais alegre sem ter que lutar contra uma opressão visível hoje em dia. O avanço feminista no século XXI e no mundo de hoje também é muito importante em todos os setores sociais, mas no rap este movimento fez com a voz de mulheres, hoje em dia, sejam equivalentes ou até maiores que a masculina. O ápice da necessidade de uma mudança da soberania masculina no rap, foi quando, em palavras da Negra Li: “Me vestia com roupas do meu irmão e quase não falava nada. Tudo para manter o respeito.” E além: “O rap era um mundo bem machista. Eu era a única mulher no meio de uns 15 caras”, isso em 1995. Com esse movimento de igualdade entre gêneros, uma maioria de cantoras femininas lutaram para chegar no ponto que a rima se encontra hoje em dia. Existem ainda avanços para ser feitos, porém essa luta é um ganho muito grande. O avanço ainda não acabou. Existem ainda muitas músicas com versos machistas, e até cantores, mas no mundo do rap esse número diminuiu. Atitudes de desculpas como as de Mano Brown são essenciais para que o movimento feminino se perpetue ainda mais. Devido ao “sacrifício” que muitas rappers fizeram para que a voz feminina seja escutada, acho que para gerações futuras as vozes não serão roubadas devido a opressão, e sim ganhas devido a luta.


Ian Waitman Rap é um discurso rítmico com rimas e poesias, que surgiu no final do século XX entre as comunidades Afro-descendentes nos Estados Unidos. É um dos cinco pilares fundamentais da cultura hip hop. O rap chegou no Brasil em 1986, na cidade de São Paulo, nesta década de 80, as pessoas não aceitavam o rap, pois consideravam este estilo musical como sendo algo violento e tipicamente de periferia. Desde que o estilo musical chegou no Brasil, ele tem sido cantado pelos homens. Alguns nomes conhecidos são Emicida, Projota, o grupo Racionais Mc’s e muitos outros. As mulheres começaram aparecer há pouco tempo, com a criação da internet e o movimento feminista, algumas "rappers" têm sido alavancadas e mostrado que rap não é coisa só de homem. O rap tinha uma origem muito machista. Em uma entrevista do jornal Folha de São Paulo com Mano Brown, integrante do grupo Racionais Mc’s, ele disse: "Tem música que eu não canto mais. Outro dia tocou uma, e eu: 'paaaaara, vamos ser linchados, se liga no momento do Brasil! As negona vão me matar amanhã, a gente não pode nunca mais falar essas coisas'." O cantor estava reconhecendo que ficaram no passado o tempo que eles cantavam músicas machistas como "Mulheres Vulgares", de 1993, com os seguintes versos:

"Derivada de uma sociedade feminista Que considera e dizem que somos todos machistas. Não quer ser considerada símbolo sexual [...] E o outro lado da moeda, como é que é? Pode crê! Pra ela, dinheiro é o mais importante Seu jeito vulgar, suas idéias são repugnantes É uma cretina que se mostra nua como objeto."

Algumas das rappers mais famosas são Negra Li, Karol Conká, Mc Carol, Gabi Nyarai, Slick entre outras que lutam contra o machismo. Karol Conká, em parceria com a Mc Carol, compuseram uma música chamada "100% Feminista" na qual elas contam a dificuldade de ser uma mulher na sociedade machista. Veja nos versos a seguir:

"Presenciei tudo isso dentro da minha família Mulher com olho roxo, espancada todo dia Eu tinha uns cinco anos, mas já entendia Que mulher apanha se não fizer comida Mulher oprimida, sem voz, obediente Quando eu crescer, eu vou ser diferente [...] Sou mulher independente não aceito opressão Abaixa sua voz, abaixa sua mão Mais respeito Sou mulher destemida, minha marra vem do gueto Se tavam querendo peso, então toma esse dueto Desde pequenas aprendemos que silêncio não soluciona Que a revolta vem à tona, pois a justiça não funciona Me ensinaram que éramos insuficientes Discordei, pra ser ouvida, o grito tem que ser potente" O machismo precisa ser combatido, e é muito importante que diversas figuras públicas mostrem esta luta. Atualmente o rap consegue ajudar muito nesta questão , já que ele é um estilo de música popular conhecido por conter letras com críticas sociais.


João Gilberto

O Rap, é um estilo de música que faz parte do movimento Hip-Hop, no Brasil está mais associado em favelas e periferias, encontramos o Rap na maioria dos estados do Brasil. O estilo em certo tempo foi associado a criminalidade, mas com decorrer do tempo, foi dentificado como um estilo forte que associa protesto em forma de música. O Rap chegou ao Brasil no final dos anos 1980 com grupos de periferia que se reuniam na galeria 24 de maio e na estação São Bento do metrô de São Paulo. Em 1987 foi lançada Kátia Flávia pelo cantor carioca Fausto Fawcett considerado o primeiro Rap do estado.

Desde que chegou ao Brasil, o Rap foi feito por homens, são grandes nomes Sabotage,Thaíde, MV Bill, D2, Gabriel o pensador, Racionais Mc´s, Projota, Emicida, etc. Já as mulheres começaram a aparecer na mídia em pouco tempo e mostram que Rap não é só para homens, algumas se destacam Negra Li, Karol Conka, Lívia Cruz, Flora Matos, Dina Di etc. Acho que as mulheres conquistaram um espaço de respeito no Rap, mostraram que são tão capazes quanto os homens.exemplos de músicas de rap no final dos anos 90 as menias então


Julia Castex

Quando se pensa em segregação no Brasil, não é difícil imaginar casos possíveis na região. Cidades metropolitanas, com milhões de moradores, podem parecer ou até ser - espaços completamente diferentes dependendo do lugar. A urbanização de várias cidades é praticamente “planejada” pelos habitantes, as elites não se sentem seguras vivendo ao lado da classe baixa, e resolvem esse problema criando um novo modelo socioespacial, com fatores como por exemplo, o erguimento de muros, monitoramento eletrônico e segurança privada. Conseguimos perceber com facilidade a existência da segregação urbana em São Paulo. Ela está de fato muito presente na nossa sociedade, e acima de tudo no nosso país, e com ela, outros tipos de segregação se unem, como a segregação racial, social, etc. Muitos jovens que convivem e sofrem com a segregação, usam o rap como uma maneira de se expressar. Ele tem uma batida rápida, e a sua letra vem em forma de discurso, muita informação e pouca melodia. Algumas músicas até contém ironia, com a intenção de fazer uma crítica ou denúncia. As críticas nem sempre estão explícitas nas letras, e em alguns casos é necessária uma interpretação mais cuidadosa. O grupo brasileiro de rap Racionais Mc´s é bastante conhecido pelas suas letras que expõem grandes dilemas sociais em forma de arte. De acordo com o site informativo Wikipédia, “Suas canções demonstram a preocupação em denunciar a destruição da vida de jovens negros e pobres das periferias brasileiras e o resultado do racismo e do preconceito, ao sustentarem a miséria diretamente ligada com a violência e o crime”.

A música “Fim de semana no parque” do grupo, fala sobre diversos tipos de segregação. Uma das primeiras frases da composição é “À toda comunidade pobre da zona sul”, uma das áreas mais pobres de São Paulo, ou seja, a obra está especificamente sendo direcionada às pessoas que são afetadas com a segregação. Um segmento da letra que também chamou atenção foi: “No último natal papai Noel escondeu um brinquedo. Prateado, brilhava no meio do mato. Um menininho de 10 anos achou o presente. Era de ferro com 12 balas no pente”. Vários jovens são expostos ao crime, e se tornam criminosos por influência, e/ou também pelo elemento presente nesses lugares, os diversos tipos de preconceito, e entre eles, o racismo. Em outra parte da música, a discriminação racial é colocada em pauta: “Olha só aquele clube que dá hora. Olha o pretinho vendo tudo do lado de fora. [...] Ele apenas sonha através do muro”, não há maneira de dizer que essa frase não se refere à segregação urbana, mas principalmente ao racismo, um problema muitas vezes minimizado pelas pessoas que não vivem em condições como esta. Muitas vezes problemas como esse passam despercebidos, mas não é preciso muita análise para encontrá-los. Tanto o rap quanto outros gêneros levam esses problemas aos ouvintes, dando mais atenção a esses tópicos, e isso é fundamental.


Manuel Peralta

Atualmente o rap brasileiro contém uma grande parte de mulheres atuando na cena, tendo boas cantoras e com bastante visibilidade, o “youtube” é a plataforma mais utilizada para postar esse tipo de conteúdo. A inserção feminina já vem se dando a muito tempo, desde o início do rap nacional, as mulheres vem tentando conseguir seu espaço no rap, mas só em 1980 uma mc novaiorquina (Roxanne Roxanne) conseguiu o seu espaço, depois desse acontecimento as mulheres começaram a participar do rap nacional.

A maior parte das vezes os homens falam sobre coisas diferentes do que as mulheres durante a letra da música. AS Mulheres durante suas letras de rap costumam falar sobre o universo delas com coisas como o machismo, a sociedade e a luta feminina. Flora Matos, Karol Conká, Lurdez da Luz, Carol de Souza. Esses são nomes que tiveram destaque no rap nacional. Dina Di (morreu em 2010) foi uma grande inspiração para a maioria das mulheres que estão atualmente fazendo rap.

A criação de grupos de rap feminino está bem destacada no Brasil todo, criando batalhas de “freestyle” só para mulheres. Hoje em dia é difícil achar batalhas de “freestyle” mistas, contendo homens e mulheres na mesma batalha. Dependendo de cada estado tem um grupo de batalha por exemplo os mais famosos, em SP é a aldeia, no DF é a batalha do relógio, no RJ batalha do tanque e etc. Em todos os grupos de batalha atualmente estão com mulheres muito fortes na cena do rap, e batalhando em batalhas mistas.

Foi por volta dos anos 80 e 90 que as mulheres começaram a se interessar pelo rap, mas para conseguirem ter acesso as batalhas elas tinham que se passar por homens, se vestindo como tal e também agindo, e isso mostra como a luta delas foi importante para elas poderem ter se inserido no rap atualmente. Inicialmente como um evento realizado antes da Batalha do Museu, as integrantes notaram a necessidade de aproximar as mulheres e promover um círculo confortável para expressão artística feminina. Foi então que a Batalha das Gurias passou a ter mais autonomia. Primeiro, trocaram o dia do evento das meninas, sendo fortalecido por personalidades culturais da cidade. Depois, fundaram uma batalha itinerante, todo o ano passado, que consistia em montar a batalha em outras regiões do Distrito Federal com o objetivo de dar visibilidade às mulheres da periferia e estimular a participação delas no meio do rap, que, infelizmente, ainda é pequena.


Henrique Gandelman

O RAP COMO EXPRESSÃO DA VIDA NA COMUNIDADE O rap surgiu no Brasil no ano de 1986, na cidade de São Paulo. Foi criado por afro-descendentes dentro das comunidades. Ainda na década de 80, a maioria da população não aceitava o rap, pois o considerava um estilo musical violento e típico da periferia. Em 1990, o rap ganhou espaço dentro das rádios e atenção das indústrias da música especializadas em gravação, edição e distribuição de mídia sonora. Os primeiros rappers a fazerem sucesso foram Thaide e DJ Hum, e logo depois surgiram outros: Racionais MCs, Pavilhão 9, Detentos do Rap, Câmbio Negro, Xis & Dentinho, Planet Hemp e Gabriel, O Pensador.

O rap sempre teve grande importância para as comunidades. Além dele ser um modo dos rappers mostrarem a realidade em que vivem e o que eles sofrem nas periferias, também pode ser uma forma de a população das comunidades se distrair um pouco da realidade sofrida. Podemos perceber isso pela frase da canção "Da ponte pra cá", dos Racionais MCs: "Mesmo céu, mesmo cep no lado sul do mapa, sempre ouvindo um rap para alegrar a rapa". O trecho da música quer dizer que realmente o rap pode ser interpretado como entretenimento, mas sem fugir do principal assunto, que é trazer à tona a crítica social em defesa das pessoas que moram "no lado sul do nosso mapa".

O rap está presente dentro das comunidades e as comunidades também são representadas dentro do rap. A música "Fim de semana no parque", dos Racionais MCs, por exemplo, fala sobre a vida nas comunidades, mostrando como nao há espaços para a diversão, cultura e o esporte: "Aqui não vejo nenhum clube poliesportivo, pra molecada frequentar, nenhum incentivo, o investimento no lazer é muito escasso, o centro comunitário é um fracasso". Atualmente, o rap saiu da periferia, vencendo os preconceitos, e ganhou mais espaço. Desse modo, em suas canções os rappers estão conseguindo expressar suas opiniões a respeito das dificuldades da vida nas periferias, apresentando-as para um maior número de pessoas com o objetivo de, quem sabe, no futuro, transformar essa realidade.


Henrique Gandelman

MULHERES, GANHAM CONHECIMENTO NO RAP O rap é um gênero de música popular, urbana, que consiste em uma declamação rápida e ritmada, com ritmos, batidas semelhantes. Surgiu no final do século XX nas comunidades de afro-descendentes nos Estados Unidos. Esse gênero musical é mais declamado, o texto é mais importante que a parte melódica ou a parte harmônica. Geralmente as letras das músicas do rap falam sobre as dificuldades da vida do escritor, trata também da questão do cotidiano da comunidade local etc. Antigamente, parte da população não aceitava o rap pois consideravam este estilo musical violento e da periferia, mas agora, o rap já cresceu e está incorporado no cenário musical brasileiro. Venceu os preconceitos e saiu da periferia para ganhar o grande público. Durante os tempos, as mulheres eram consideradas frágeis enquanto os homens, fortes. No rap, onde se protesta contra diversos assuntos, continua o mesmo. Era raro ver as mulheres em cima dos palcos, se expressando, cantando ou dançando. E quando estavam, quase nunca eram notadas. Mas esse pensamento está cada vez mais fraco devido às mulheres que deram destaque à identidade feminina. Aqui no Brasil, o universo do Rap e Hip Hop, até pouco tempo rodeado por homens, está abrindo suas portas para as mulheres, que não só cantam, mas também, em suas músicas, falam sobre a violência dos homens contra elas, gênero, empoderamento feminino, o machismo na sociedade etc. O feminismo no rap atual vem da ‘década’ de 80 e 90 e as mulheres, que se interessavam pelo ritmo tiveram que lutar muito para chegar nesse meio musical que possui um conteúdo tão machista.

Uma boa quantidade das rappers se vestem com roupas largas e “masculinizadas” para que as pessoas prestem mais atenção na declamação, na rima do que no seu corpo ou na roupa que está utilizando, ou para não serem julgadas enquanto estão no palco. Quando o rap surgiu nos bairros mais pobres nos Estados Unidos, em Nova Iorque, a maioria dos seguidores desse estilo musical, eram pessoas de classe pobre e de raça negra, e eles tinham um jeito diferente de se comportar, agir, de como andavam e gesticulavam. Sem falar das roupas que esse grupo começou a vestir para andar na cidade. Usavam roupas largas, correntes, bonés etc., esse estilo é adotado até hoje. Negra, branca, professora, mãe, novata, cada uma com seu estilo, resgataram e deram destaque à identidade feminina no rap. Graças às mulheres, rappers, fizeram um ambiente machista ser menos. Livres sem restrições e fugindo de estereótipos, sobem nos palcos e mostram trabalhos incríveis e com muito poder em sua letra, mostrando o que cada um tem de melhor e encorajando outras e buscando reconhecimento. As mulheres ganham mais uma vez respeito em um espaço machista.


Marina Mattos Desde sempre, os negros, pessoas mais pobres, mulheres e lgbts sempre foram vistos como inferiores, incapacitados, foram desprezados, julgados, excluídos, privados de vários bens e até mesmo desumanizados ou objetificados. O rap é um espaço em que, principalmente jovens negros da periferia, tem de se expressar e falarem/cantarem o que veem, passam e sentem, sua impressão sobre a sociedade, sobre o lugar onde vivemos e o mundo em geral. Fazem críticas sociais explícitas, (música colarinho branco) falam sobre os brancos sempre tendo privilégios em relação aos negros, sobre a diferença/luta de classes, sobre a extrema diferença entre a favela e, por exemplo, os condomínios etc. No natal do ano de 2013, jovens, a maioria pretos pobres da periferia, foram abordados e expulsos de um shopping (alguns até levados a delegacia) por estarem fazendo o conhecido como “rolezinho”. No texto de Eliane Brum, podemos entender melhor o ocorrido: “No sábado, 14, dezenas entraram no Shopping Internacional de Guarulhos, cantando refrões de funk da ostentação. Não roubaram, não destruíram, não portavam drogas, mas, mesmo assim, 23 deles foram levados até a delegacia, sem que nada justificasse a detenção. Neste domingo, 22, no Shopping Interlagos, garotos foram revistados na chegada por um forte esquema policial: segundo a imprensa, uma base móvel e quatro camburões para a revista, outras quatro unidades da Polícia Militar, uma do GOE (Grupo de Operações Especiais) e cinco carros de segurança particular para montar guarda. Vários jovens foram “convidados” a se retirar do prédio, por exibirem uma aparência de funkeiros, como dois irmãos que empurravam o pai, amputado, numa cadeira de rodas. De novo, nenhum furto foi registrado. No sábado, 21, a polícia, chamada pela administração do Shopping Campo Limpo, não constatou nenhum “tumulto”, mas viaturas da Força Tática e motos da Rocam (Ronda Ostensiva com Apoio de Motocicletas) permaneceram no estacionamento para inibir o rolezinho e policiais entraram no shopping com armas de balas de borracha e bombas de gás.”.

A autora também fala que os shoppings foram construídos para a classe média, média-alta ou alta e que quando esses jovens entram nesse local, revindicando aquele espaço, que se diz público, são fortemente reprimidos pela polícia, por frequentadores (elite branca) e pela mídia indiretamente. Isso acontece por conta do racismo e diferenças de classe que ocorrem no Brasil. Também diz que os seguranças de shopping são orientados a monitorar, acompanhar e se preciso, até expulsar jovens que sejam considerados ¨suspeitos¨ pela sociedade. Às vésperas do Natal, o Brasil mostra seu racismo oculto e mascarado pela ¨mestiçagem¨ dos brasileiros, que estão supostamente sempre felizes, agindo como se o preconceito racial não existisse, ou pior, existisse e não fosse uma questão importante.


Mateus Borges Carvalho O rap é o gênero musical que é caracterizado por se desprender da melodia europeia e se agarrar ao ritmo africano. Esse gênero consiste em um discurso rítmico, em que é comum encontrar rimas e é comum observar críticas sociais. Hoje, é um gênero que está crescendo muito, principalmente entre as camadas populares da sociedade brasileira. Infelizmente, o rap, apesar de ser um gênero musical que muitas vezes aponta problemas na sociedade, tem em si um problema: o machismo. Há poucas imagens femininas do rap, podemos contar as grandes rappers nos dedos. Tássia Reis, Lurdez da Luz, Karol Conka, entre outras. Além da falta de grandes rappers femininas, é muito comum encontrar a objetificação da mulher na letra dos raps, como podemos ver na letra da música “Trepadeira”, uma música que faz trocadilhos comparando uma mulher com plantas, "Mas você não dá, ou melhor, dá, mas pra todo mundo!" e "Merece era uma surra de espada de São Jorge" “E os mano me falava que essa mina dava mais do que chuchu” (…) “Dei todo amor, tratei como flor / mas no fim era uma trepadeira”. Ou em “Mulheres Vulgares”, uma música dos Racionais MC’s que menospreza o feminismo. “Derivada de uma sociedade feminista / que considera e dizem que todos somos machistas / não quer ser considerada símbolo sexual [...] E no outro lado da moeda, como é que é? Pode crer! / pra ela o dinheiro é mais importante / seu jeito vulgar, suas idéias são repugnantes / é uma cretina que se mostra nua como objeto.” Nas duas canções podemos perceber a mulher como principal ponto abordado, mas não abordado como uma reflexão, mas sim objetificada, tratada como se fosse criada exclusivamente para a satisfação do homem. A mulher está sendo tratada como um pertence, cada homem tem sua mulher, ou mais de uma, enquanto a mulher só pode ser “submissa” a um único homem. Vários rappers que haviam sido machistas no passado agora se arrependem e se recusam a cantar suas músicas machistas. Assim aconteceu com os Racionais MC`s e o Emicida, que compuseram as músicas citadas acima. Mano Brown, por exemplo, admitiu seu erro, alegando que era apenas um garoto, que era outro Brasil e ainda não havia tido sua filha.

Os tempos mudaram. O que antes era algo insignificante, hoje pode ofender alguém, e um dos principais alvos dessas ofensas são as mulheres, através do machismo. Acredito que é preciso fortalecer a presença feminina, tanto no rap ou em qualquer outra forma de expressão, pois a opressão contra elas, querendo ver ou não, é muito grande. As rappers, a pouco tempo atrás, tinham um papel secundário no rap, mas hoje em dia, com esse fácil acesso a informação para a maioria das pessoas, ficou mais fácil para as mulheres no rap adquirirem autonomia. Poder lançar um álbum online que atinja uma quantidade significativa de ouvintes é um feito da rede de informação que possuímos hoje. Para defender o feminino e sua liberdade de expressão, principalmente no rap, é necessário que tiremos o talento das que estão crescendo da sombra dos grandes rappers, assim como a internet fez. Temos que incentivá-las, deixá-las livres e sem medo de serem mal vistas na esfera do rap, pois um olhar ou comentário negativo pode prejudicar muito a autoestima de alguém que está começando sua carreira. Elas não serão aceitas no rap de um dia para o outro, mas serão aceitas.


Maya Garcia Brant O rap é um gênero musical derivado do movimento hip hop, uma forma de expressão, muitas vezes considerado como um manifesto político e cultural, e aparentemente realizado mais por homens do que por mulheres. O hip hop é considerado predominantemente machista. Mas onde está a representatividade feminina nesse meio e como as mulheres são representadas nas músicas produzidas por homens? Hoje em dia, o feminismo (movimento social e político que tem por objetivo o acesso a direitos iguais entre homens e mulheres), tem entrado muito em pauta, e assim, trazendo várias polêmicas do passado à tona. Há alguns anos, é possível enxergar que frases e xingamentos machistas cotidianos, eram muito mais naturalizados. Como o rap retrata uma realidade, é muito comum ver letras escritas por homens, menosprezando mulheres e tratando-as como objetos. O próprio Mano Brown, rapper muito conhecido no cenário artístico brasileiro, declarou em uma entrevista publicada na Folha De São Paulo, que algumas músicas autorais ele não canta mais por conta de suas letras machistas.

Porém, Mano Brown não foi o único, várias músicas antigas e famosas também contém letras extremamente machistas, algumas de forma mais sutil, escondidas em trocadilhos, e outras falam descaradamente mesmo. Um bom exemplo é a música “Trepadeira” do cantor Emicida, mais um artista bem reconhecido no cenário artístico do Brasil, que foi considerada machista por fazer trocadilhos com plantas para falar da traição de uma mulher. Outro rap também muito polêmico é o “Mulheres vulgares” dos Racionais, que generaliza e hostiliza as mulheres como se fossem todas interesseiras. Com o crescimento do feminismo pelo mundo, as mulheres perceberam uma oportunidade de mudar esse cenário, e com o tempo, foram ganhando voz e sendo cada vez mais respeitadas. Uma das pioneiras nesse movimento de inclusão foi a cantora Roxanne Shante, uma rapper americana, nascida em Queensbridge, que começou a ganhar visibilidade nos anos oitenta, com apenas quatorze anos. Sua carreira foi curta, mas depois dela vieram muitas outras.

E como é citado em um vídeo publicado pelo Jornal da USP, podemos perceber que, quando as mulheres começaram a entrar no mundo do rap, tentavam se parecer ao máximo com uma figura masculina, para ganhar espaço e não perder visibilidade. Estavam sempre usando roupas largas, correntes, bonés, e passavam uma impressão de “duronas”. Hoje em dia esse padrão de rappers já não é mais o mesmo, o estilo é mais livre e até mais feminino, porém é importante lembrar que muitas mulheres ainda são desrespeitadas e mal faladas pelas roupas que usam. Mesmo ainda sendo minoria, hoje em dia já existe um grande número de mulheres compartilhando suas histórias e opiniões através de letras de rap. Atualmente temos mulheres que são tão famosas quanto homens nesse ramo. Alguns exemplos de grandes artistas internacionais são: Lil’ Kim , Queen Latifah, Missy Elliot, Nicki Minaj, entre outras. E alguns exemplos de rappers mulheres brasileiras são: Mc Carol, Negra Li, Karol Conka, Flora Mattos, Dina Di, Preta Rara, Mc Soffia, entre muitas outras. A grande maioria dessas mulheres citadas acima, abordam em suas músicas temas como o preconceito (todos os tipos), o machismo e a discriminação. Como podemos ver, a representatividade feminina no cenário do Rap no Brasil vem aumentando ao longo dos últimos anos, com a ajuda de outros movimentos sociais, como o feminismo, por exemplo. As mulheres buscam protagonismo, além do respeito, na forma que são retratadas pelos homens, para se colocar com igualdade em meio a esta forma de expressão artística. E apesar de muitas conquistas, elas ainda precisarão enfrentar uma série de preconceitos e se manter firmes, pois essa caminhada ainda segue necessária nos dias de hoje.


Rodrigo Cespedes É possível observar que em São Paulo a segregação, levando em consideração principalmente a segregação espacial e social, ainda é muito presente. E esse zoneamento social é conhecido por todos. Ao observarmos um mapa de São Paulo é possível observar zonas referentes a certas classes. Tomemos como exemplo a zona sudoeste da cidade, um núcleo onde está concentrado a comunidade de alta classe e as elites. Esse desenho de zoneamento espacial de São Paulo vem desde o Século XIX, com a industrialização e a urbanização. Com a valorização dos imóveis no centro, por causa dessa industrialização e urbanização, os pobres, em grande maioria negros e mulatos, foram sendo empurrados cada vez mais para áreas mais periféricas em relação ao centro, formando as periferias. Cada vez mais empurradas em direção aos morros. “Milhares de casas amontoadas, ruas de terra, esse é o morro, a minha área me espera gritaria na feira (vamos chegando !) Pode crer eu gosto disso mais calor humano Na periferia a alegria é igual é quase meio dia a euforia é geral/ É lá que moram meus irmãos meus amigos/ E a maioria por aqui se parece comigo/ E eu também sou bam bam bam e o que manda/ O pessoal desde às 10 da manhã está no samba/ Preste atenção no repique atenção no acorde (Como é que é Mano Brown ?) Pode crer pela ordem/ A número 1 em baixa-renda da cidade/ Comunidade Zona Sul é dignidade“ Trecho retirado do RAP “Fim de Semana no Parque”, é possível ver uma ilustração das periferias dos morros e a segregação social e espacial presentes nas grandes cidades, nesse caso em São Paulo. No Século XIX, devido à concentração das elites na zona sudoeste, foi determinado onde seria concentrado o maior investimento, público e privado, em lazer, cultura, saúde e negócios. Com isso a zonas periféricas ficaram com um índice baixo de centros culturais, de lazer, de comércio e de saúde. Segundo o IBGE, em 2010 as áreas de ocupação da elite apresentava a renda 3,5 vezes maior, que a média do resto da cidade. Enquanto as zonas de ocupação dos trabalhadores braçais apresentavam

“Olha só aquele clube que da hora. Olha aquela quadra, olha aquele campo Olha,/ Olha quanta gente/ Tem sorveteria cinema piscina quente/ Olha quanto boy, olha quanta mina/ Afoga essa vaca dentro da piscina/ Tem corrida de kart dá pra ver é igualzinho o que eu vi ontem na Tv,/ Olha só aquele clube que da hora,/ Olha o pretinho vendo tudo do lado de fora nem se lembra do dinheiro que tem que levar/ Pro seu pai bem louco gritando dentro do bar nem se lembra de ontem de onde o futuro ele apenas sonha através do muro…” Trecho retirado do RAP “Fim de Semana no Parque” é possível observar uma ilustração da diferença de classes e de realidade na cidade, junto de uma segregação deixando o pobre de fora, só observando, que é representada pela frase “Olha o pretinho vendo tudo do lado de fora” do Rap “ Fim de semana no parque”. O que, como consequência traz um sentimento de raiva que é expresso na letra. Essa segregação é dada tanto de modo espacial, como também uma segregação que vem junto da espacial, que é a social. Essa segregação espacial vem em grande parte por causa da política de zoneamento implantada desde o Séc XIX. Como exemplo em 1886 foi implantada uma lei que proibia habitações populares em zonas chamadas de “perímetro de comércio”. Eram estabelecidas normas urbanísticas em zonas residenciais de alta renda, de modo a beneficiar a elite que morava no local. Em 1934 foi implantada, em base legal, áreas que o uso era exclusivo para a ocupação residencial unifamiliar. Esse decreto durou até 1972. Das 194 leis criadas, apenas 13 não eram referente a zona sudoeste. É possível concluir que a segregação presente na realidade atual, é conhecida por todos, mesmo que não seja adimitida. E que muitas vezes em algumas letras de RAP, como o exemplo visto, “Fim de semana no parque”, é representada de maneira agressiva, e com um sentimento de raiva. Essa divisão imposta na cidade vem desde antigamente e não será modificada da noite para o dia, uma


Thomas Stanquevisch Segregação é a ação de separar, de segregar, de isolar ou de separar alguém. Segregação racial é quando esta ação acontece com brancos e negros, mas na realidade que nós vivemos a segregação racial acontece somente com negros. Um dos motivos da segregação racial no Brasil é existente por conta do período escravocrata que tivemos no Brasil, no qual africanos eram trazidos da África por navios portugueses, mesmo com o fim desse período e a criação da lei Áurea, o racismo e a segregação continuaram. Podemos ver esta segregação racial pelas classes sociais, maioria das pessoas de classe baixa são negras, segundo o IBGE em 2014 76% das pessoas mais pobres do Brasil são negras. Esse índice de pobreza reflete muita na criminalidade, já que muitos usam como último recurso o roubo ou o tráfico, podemos ver isso nos dados pesquisados pelo Infopen que dizem que 64% dos presidiários são negros . Uma das bases da segregação racial é o racismo, o racismo pode causar a violência ao outro grupo racial, podemos ver esta violência muito presente aos negros brasileiros segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública os negros representam 71% dos homicídios, sendo que 54% da população é negra. Uma das indústrias que mais fala sobre segregação é a indústria musical, a que mais dá destaque a segregação rap que a segregação é um tema muito presente, já que ele veio de povos de etnia negra. O rap é um estilo criado pelos jamaicanos em 1960, geralmente para mostrar em forma de canção a dificuldade da vida dos habitantes de bairros pobres nas grandes cidades. Com a chegada do rap no brasil, muitos habitantes de periferia começaram a fazer rap sobre as condições de suas residências e bairro, como por exemplo a música “Fim de semana do parque” dos “Racionais Mcs” que rima sobre as condições da zona sul de São Paulo, e questiona a segregação racial que é existente na nossa cidade como por exemplo no trecho que ele diz: “E a maioria por aqui se parece comigo”

Na política a segregação está cada vez menos existente, segundo o TSE neste ano de 2018 o número de negros eleitos aumentou em 9,2% desde a última eleição, com este aumento os negros representam 46% das candidatura deste ano. Podemos ver que ao longo dos anos a segregação vem diminuindo, mas ainda continua prejudicial aos negros que vivem em nosso país.


Teodoro Jacinto

MULHERES NO TOPO O rap se originou nos Estados Unidos, geralmente nas zonas mais pobres e mais excluídas da sociedade, e o rap era como uma forma de se rebelar e se fortalecer socialmente. E desde que chegou ao Brasil, o rap foi sempre feito por homens, e as mulheres foram sempre sendo retratadas de forma sexual, ou sendo objetificadas e presentes na música apenas sendo representadas, e não atuando. Mas de um tempo pra cá, as mulheres estão cada vez mais presentes no cenário do rap. Grandes rappers, como Negra Li, Dina Di, Flora Matos, Clara Lima, Lívia Cruz, entre outras, estão fazendo mais músicas, e conquistando o terreno que merecem no rap. Por exemplo as músicas "Ordem na classe" e "Ordem na classe #2", de Lívia Cruz, onde ela fala sobre todo o preconceito e violência sofridos pelas mulheres, além da falta de reconhecimento do rap feminino. "Enquanto os mano na balada panca/Volta pra casa e espanca/Essa ferida não estanca/Comigo é sem bandeira branca" é um dos versos onde a cantora fala sobre a violência que as mulheres sofrem. A artista fala bastante sobre isso em suas produções musicais. Outra música de Lívia Cruz, "Eu tava lá" que fala dos mesmo assuntos, mas no caso é uma resposta, uma diss track, para a música "Quem tava lá?", onde alguns rappers contam a história de vida deles, e em alguns trechos, com falas machistas, diminuindo as mulheres, e a rapper, ofendida com a música, fez a resposta, claramente atacando alguns versos dos rappers Luccas Carlos e Nog.

Como o rap sempre foi dominado pelos homens, sempre foi difícil para as mulheres se inserirem nesse universo e conseguirem ganhar reconhecimento, por causa de todo o preconceito que existe tanto dentro das músicas, cantadas pelos rappers, que, graças a pouca presença feminina, é algo parcialmente naturalizado, como também no cenário do rap, onde sempre houve e ainda há bastante preconceito contra as mulheres. Outra música que expressa bem a fala das mulheres é "Poetisas no Topo", produzida pela Pineapple StormTv, que tem um projeto chamado "Poetas no Topo", que são quatro cyphers compostas por homens, e essa quinta é feita exclusivamente por mulheres. Sete rappers fizeram um som de 11 minutos, mostrando toda a força, potência e importância que as mulheres têm no rap. "Nóis que gera, é nóis que pare, e não tem pool party/Vim contestar, fortificar, fazer mais um resgate/Nóis entra na tua mente, não mente e te devora/Podem nos chamar de psica, psicose perigosa" É um trecho da música, onde Mariana Mello fala sobre, a importância que as mulheres têm, e como estão no rap para tomar o espaço que deveriam ter desde sempre, que o rap é uma forma de resistência e fortificação. É um caminho difícil para as mulheres conquistarem o seu lugar no mundo do rap, mas hoje em dia existem muitas rappers que fazem músicas muito boas e vem ganhando espaço nesse universo, antes dominado e predominantemente feito por homens, e como estão conseguindo mais espaço no rap, fazendo mais músicas, tendo mais presença, mais respeito e maior terreno, daqui alguns anos, acredito que não haverá mais tanto estranhamento e preconceito com as mulheres no rap, e nas letras de rap, nas quais algumas vezes é naturalizada a objetificação e o preconceito.


Thiago Thompson No Brasil temos uma alta segregação racial, econômica, de classe e de gênero. Um grande exemplo disso são, os shoppings centers localizam-se em uma zona de comércio e, às vezes, em bairros nobres, onde só costuma morar gente de classe média alta, muitas vezes quando os jovens de periferias vão dar seus famosos “rolezinhos” , os seguranças não os deixam entrar pois as pessoas que estão dentro vão se incomodar, e ainda assim dizem que os shopping centers são públicos, na verdade eles são públicos para quem tem dinheiro, assim os jovens são se expressar através do Funk e do Rap pois é um lugar onde podem deixar a imaginação fluir e falar o que pensam. O Rap para os jovens é uma forma de expressão, falam o que veem no dia dia , o que sentem, o que querem ser ,ou que queriam ser quando crianças. O Rap para eles pode ser considerado uma forma de expressão e libertação, um desses exemplos e os Racionais, Criolo e Emicida. Os Rappers começaram cantando em botecos na suas regiões ou até mesmo mais perto das cidades

“ Usando e abusando da nossa liberdade de expressão Um dos poucos direitos que o jovem negro ainda tem nesse país Você está entrando no mundo da informação, auto-conhecimento, denúncia e diversão Esse é o Raio X do Brasil, seja bem vindo À toda comunidade pobre da zona sul ”

Essa última frase diz muito, ele não está dedicando a música para o “povo brasileiro” e sim a TODA A COMUNIDADE POBRE DA ZONA SUL, Com isso podemos concluir que tanto o funk quanto o rap são formas de os jovens se expressarem e se libertarem de alguma forma, eu acho que é muito importante ter esses eventos de música que temos às vezes em parques ou nos bares ou em qualquer lugar que seja, a música é uma forma de ouvir a cultura e o que se passa pelo mundo, e também o que pensam. Então acho muito importante o jovem ouvir uma música, cantar ou tocar.


Como o rap sempre foi dominado pelos homens, sempre foi difícil para as mulheres se inserirem nesse universo e conseguirem ganhar reconhecimento, por causa de todo o preconceito que existe tanto dentro das músicas, cantadas pelos rappers, que, graças a pouca presença feminina, é algo parcialmente naturalizado, como também no cenário do rap, onde sempre houve e ainda há bastante preconceito contra as mulheres. Outra música que expressa bem a fala das mulheres é "Poetisas no Topo", produzida pela Pineapple StormTv, que tem um projeto chamado "Poetas no Topo", que são quatro cyphers compostas por homens, e essa quinta é feita exclusivamente por mulheres. Sete rappers fizeram um som de 11 minutos, mostrando toda a força, potência e importância que as mulheres têm no rap. "Nóis que gera, é nóis que pare, e não tem pool party/Vim contestar, fortificar, fazer mais um resgate/Nóis entra na tua mente, não mente e te devora/Podem nos chamar de psica, psicose perigosa" É um trecho da música, onde Mariana Mello fala sobre, a importância que as mulheres têm, e como estão no rap para tomar o espaço que deveriam ter desde sempre, que o rap é uma forma de resistência e fortificação. É um caminho difícil para as mulheres conquistarem o seu lugar no mundo do rap, mas hoje em dia existem muitas rappers que fazem músicas muito boas e vem ganhando espaço nesse universo, antes dominado e predominantemente feito por homens, e como estão conseguindo mais espaço no rap, fazendo mais músicas, tendo mais presença, mais respeito e maior terreno, daqui alguns anos, acredito que não haverá mais tanto estranhamento e preconceito com as mulheres no rap, e nas letras de rap, nas quais algumas vezes é naturalizada a objetificação e o preconceito.


Augusto Cunha Durante o regime militar, um dos principais setores da sociedadeaprotestarcontraogovernoeafavordoretorno deumgovernodemocráticoforamosjovensadolescentese universitários que organizaram diversas passeatas (como a Passeata dos Cem Mil) e grupos que exigiam o fim da ditadura. A juventude também foi um dos setores mais afetados pela forte censura, repressão e violência que caracterizaramoregime,comonoscasosdoassassinatode StuartAngelJones,aprisãodeVladimirPalmeiraeademais de 400 estudantes durante um congresso clandestino da UniãoNacionaldosEstudantesemIbiúna,em12deoutubro de1968,amortedeEdsonLuísdeLimaSouto,entreoutros milharesdeexemplospossíveis. Além disso, uma outra parte da juventude teve grande influência na oposição ao governo: Os artistas jovens, tais como Chico Buarque, Gilberto Gil, Elis Regina e Caetano Veloso tiveram uma participação importante ao ilustrar atravésdamúsicaarepressãosofridapelosqueseopunham ao regime com obras tais como Cálice, O bêbado e a equilibrista, Apesar de você, Alegria Alegria e vários outros, que foram obras que serviram como meio de fazer chegar aopúblicoideiasqueemoutrosveículoseramcortadasantes mesmodeseulançamento.. Os Anos de Chumbo (1968-1974) foi o período mais duro e marcantedoregimemilitar,efoineleemqueosopositoresdo governo mais sofreram: Foi durante esse período em que aconteceramamaioriadas434mortesedesaparecimentos (confirmadaspelaComissãodaVerdade).Entreosmortose desaparecidos, vários eram jovens ligados a movimentos estudantis e políticos considerados nocivos ao regime e “comunistas”, justificativa usada pelos militares para prender, torturareassassinar. Ao analisar o período do regime militar, fica claro que a juventude daquela época sofreu uma politização muito precoceemrelaçãoaoutrasgeraçõeseque,apesardesofrer comaconstanteameaçademorteetortura,mesmoassim foramàsruaseformaramgrandepartedaoposiçãoquepor fimlibertouopaísdogovernomilitar.


Luiza Reder

A juventude era presente na Ditadura? Os jovens lutavam pelos seus direitos? As regras do regime os afetavam diretamente? Tinham liberdade de expressão? Eles tinham clareza de quem era o inimigo? O que suas roupas e seus cabelos diziam a respeito no mundo em que viviam? Os jovens eram à favor ou contra ao regime? Por quê eles estavam tão rebeldes se eram apenas jovens? Durante o período da Ditadura militar no Brasil, 1964 - 1985, quemfoiomaiorprotagonistacontraaesseregime foiuma grandeparceladosjovens.AUniãoNacionaldosEstudantes (UNE) foi um dos principais agentes de oposição ao golpe militar que, em 1961, tentou impedir a posse de João Goulart parapresidentedaRepública.Nessemomentodahistóriado nossoqueridoBrasilosjovensforam“vistos”poralgunscomo heróis e por muitos como marginais. Uma frase que repercutiaera:“Sejamarginalsejaherói.”Elessaiampelasruas manifestando a liberdade de expressão e os direitos humanos,mesmocomumenormeriscodeserem mortos. LutaramcontraaDitaduramilitar. Osjovenscriaramjornaisclandestinos,fizerammanifestações, debates, organizaram congressos, fizeram atos públicos e passeatas. Obtinham ideais completamente divergentes e distantesdossenhoresquetinhamopoderdopaísemsuas mãos,eporissoforammassacradospelapolíciaemdiversas ocasiões,porexemplo:emummovimentodeoposiçãoem marçode1968noqualumjovemchamado“EdsonLuís”foi morto pela polícia. A partir desse fato, começaram a surgir grandes mobilizações de oposição. Caro leitor, reflita: “É necessário agredir fisicamente alguém por ter opiniões diferentes da tua, opiniões diferentes do sistema? Pensar distinto é motivo para matar? Ter opinião é crime?” Todo cidadãotemodireitodeteropinião,etodosdevemrespeitar unsaosoutrosmesmosemtervaloressemelhantes.

OsjovenstambémlutarampelasreformasdebasedeJango. Uma das reformas exigia para todos acesso à universidades e educação básica. Houve também um grande movimento estudantil cultural no Brasil, a UNE criou o Centro Popular de Cultura e da UNE volante. Tinham o objetivo de através da música,teatroepoesiamostraranecessidadedemudançaque o país precisou passar pois estava acontecendo uma enorme exploração do povo brasileiro. Realizaram dois seminários nacionais para discutir sobre a reforma universitária no país, um emCuritibaeoutroemSalvador.Osestudantesqueriamdireito ao voto e voz. A partir da reforma universitária, as 40 universidades que existiam no país a maioria delas entrou em greve. A sede da UNE foi metralhada pelo Movimento Anticomunista (MAC), um grupo de extrema direita. Os estudantesocuparamdurantetrêsdiasoprédiodoMinistérioda Educação e Cultura (MEC), no Rio de Janeiro, mas foram extremamentereprimidos.Umasemanaantesdogolpemilitar, o presidente da UNE na época, José Serra, elaborou um manifestolidonaRádioNacionalque,convocavaosestudantes universitáriosaumagrevegeraldeapoioaopresidenteJango.O documento defendia a democracia brasileira e denunciava os militaresquefizerampartedoGolpe. NaDitaduramilitar,apopulaçãosofreuagressãoqueviolavamasleis dosdireitoshumanos,haviaacensuraquefiscalizavaosmeiosde comunicação,asartes,asinstituiçõesdeensino,apopulação…,existia tambémumagrandedesigualdadesocialetc.Podemosconcluir quenoperíodoDitatorialaspessoaseramcontroladasdiaenoite,a preciosa liberdade havia morrido naquele tempo de escuridão. NaDitaduraajuventudequeeracontraaoregime,tinhaumestilode roupachamadoHippie.Hippieéumestilodevidaque“prega”apaz eoamor.Obtinhamumaexpressão:"banthebomb",elacriticavao usodearmasnucleares.Expressavamsuasopiniõesatravésdafala, movimentos,comoquevestiametambémexpressavam-secom seuscabelosnamaioriadasvezeslongoserebeldes. PercebemosqueaDitadurafoiumperíododeextremarejeiçãoe escuridãonahistóriadonossopaís.Momentonoqualnãohaviamais respeito,nãohaviaaigualdadeparatodos,nãohavialiberdade,não haviacompaixão,nãohaviaavalorizaçãodasdiferenças,nãohavia tantos direitos. Havia muito desrespeito, muita desigualdade, havia censura, havia muito desespero, sangue no chão, havia massacre, morte,tortura.Aartedevivernãohavia,oódioéquevivia. Ajuventudelutoupeloseupaís.Mas,porquêosjovensficaramtão revoltadosseeramapenasjovens?


Vitor Cozza

O PAPEL DA JUVENTUDE NA DITADURA MILITAR As manifestações contra o regime militar iam além das passeatas na ruas, a ditadura sofria críticas nos movimentos culturais da época, por exemplo na música. A década de 60 foi uma época de surgimentos de novos músicos importantíssimos no Brasil. Apesar de não poderem por conta da censura, os artistas declaravam suas opiniões em relação ao regime, através de suas músicas, indiretamente nas letras. A arte começava a ter um instinto revolucionário e de luta popular, na qual a juventude passava a ter papel fundamental. Segundo a cientista política, Elizabeth Stein, os jovens iam à rua primeiro pois estão pensando mais no futuro, possuem mais idealismo e ainda têm esperança. Grupos como a União Nacional dos Estudantes (UNE) foram fundamentais como oposição ao regime. A UNE, apesar de ser posta na ilegalidade, teve papel principal, agregava os jovens a movimentos políticos, como a Passeata dos Cem Mil, e socioculturais. Caetano Veloso, com 26 anos, cantava a música “Tropicália”. Nas duas estrofes, “Na mão direita tem uma roseira autenticando eterna primavera, no jardim os urubus passeiam a tarde inteira entre os girassóis” e “No pulso esquerdo o bang-bang, em suas veias corre muito pouco sangue mas seu coração balança um samba de tamborim” é visível que o artista procura citar a oposição que esquerda fazia na época. Além do músico ainda ser jovem na época, eram os jovens o público alvo de Caetano. O artista dá a música o ritmo rock'n'roll, bastante popular entre os jovens na década de 60, procurando integrar os jovens a oposição.

Outra música, desta vez de de Geraldo Vandré, ficou marcada durante o regime. “Para não dizer que não falei das flores” foi grande símbolo estudantil durantes as passeatas contra a ditadura. A estrofe “Pelos campos há fome em grandes plantações, pelas ruas marchando indecisos cordões, ainda fazem da flor seu mais forte refrão e acreditam nas flores vencendo o canhão” cita as manifestações contra a ditadura militar. A cultura, muito associada a juventude, foi alvo forte dos militares. Mesmo com algumas letras passando pela censura, diversos artistas tiveram que se exilar durante a ditadura. Caetano Veloso e Gilberto Gil estiveram por durante dois anos em Londres, e Chico Buarque, autor de músicas revolucionárias como “Cálice” na qual criticava a falta de liberdade de expressão na época, se exilou na Itália durante um ano. O papel e a influência desses artistas eram tão grande, com que fez com os militares começassem a se preocupar. Em 1975, durante o governo de Geisel, foi criada a PNC (Política Nacional Cultural) na qual o objetivo era tirar da mão da esquerda o papel cultural, para que o povo não fosse incentivado a se posicionar contra o regime. O CPC (Centro Popular de Cultura), organização associada à União Nacional de Estudantes e ao PCB (Partido Comunista Brasileiro), não resistiu ao golpe militar de 64. Foi extinta no mesmo ano. As músicas e os artistas foram importantíssimos para que o povo se rebelasse. A oposição saía do campo cultural e ia às ruas se manifestar, ainda com participação artística. Os artistas mais conhecidos, citados acima, impulsionaram outros a se posicionarem, indo além da música, tomando rumo ao teatro e ao cinema.


Gabriel Hampel Meireles Hoje em dia os jovens têm direito a expressar suas opiniões muito mais fácil do que no período da ditadura militar, os jovens na época da ditadura militar eram impedidos de mostrarem sua opinião, muito dos jovens foram presos, torturados e exilados no Brasil durante esse regime militar, a censura influenciou muito a ditadura, impedindo que os jovens mostrassem seus pontos de vista. Mas nem todos ficaram quietos, muitos foram às ruas indo contra o regime militar de seu país, acusações levavam professores a serem presos em aula e terem suas casas invadidas pelos militares.Como diz um senhora que viveu a ditadura "A ditadura me roubou a juventude", diz a alfabetizadora aposentada, hoje com 66 anos. "Roubou pela falta de liberdade. Não só pela prisão, mas por tudo", explica. "Você ficava na rua à noite e era abordado com uma metralhadora. Ia ao barzinho morto de medo porque não sabia o que ia acontecer. Havia uma imposição do medo", relata. Em alguns anos foi crescendo uma certa individualidade nos jovens, começaram a se preocupar menos com o que acontecia ao seu redor, os debates políticos diminuíram e cada vez mais os jovens não discutem. "As pessoas estão muito fechadas em si e lendo pouco. Nós buscávamos informação nos jornais, discutíamos..." diz Ester. "Sou professora e, às vezes, comento alguma coisa sobre atualidades e poucos alunos sabem do que estou falando. É engraçado porque a informação está cada vez mais disponível mas eles cada vez sabem menos", ela crítica.

para o sociólogo João Roberto Martins Filho, não é possível comparar a geração atual com a das décadas de 1960 e 1970 no engajamento. "Nossa época era o mundo da Guerra Fria, das ditaduras, dos movimentos armados. Brasil, Argentina, Uruguai e Chile eram países onde uma parte da juventude sofreu uma politização muito precoce e muitos jovens morreram em virtude disso", diz ele.

Acredito no que o sociólogo João Roberto diz, comparado às gerações anteriores o debate político entre jovens vem decaindo mas a liberdade de expressão vem aumentando, alguns dos jovens que viveram esse regime deviam ter muitas opiniões que eram oprimidas por causa de censura ou um pensamento mais fechado de pais e amigos. Atualmente o debate político vem sendo composto por novos pensamentos, vindos de jovens que agora podem expressar suas opiniões e colocá-las em prática.


lia Os jovens estão cada dia mais presentes politicamente no mundo atual, comparado a antigamente. Há uma grande concentração da juventude em manifestações, discussões sobre determinados assuntos políticos, atos, etc. Essa atuação dos jovens vem acontecendo tempos no mundo, 54 anos atras a ditadura militar foi implantada no Brasil, como suas características principais um governo muito opressor, autoritário e de grande censura. Os jovens tiveram um grande protagonismo, mesmo sendo perseguidos. Desde do ano de 1967 o movimento estudantil se tornou um dos mais importantes a oposição ao governo ditatorial. O governo oprimia esses jovens com violência, levando muitos a prisão, e até a morte, como a de Edson Luís de 17 anos que foi morto com a invasão de policiais do governo em um restaurante que o menino estava junto de outros jovens. Uma das prioridades do movimento estudantil era contra a privatização da educação, o governo com a privatização tinha o intuito de fazer com que as escolas fossem pagas, assim os locais de ensino público foram completamente devastados e jovens sem condições para pagar a escola foram extremamente prejudicados. Os educadores da época passaram por momentos de perseguições, cassações, as expulsões, as prisões, as torturas, mortes, desaparecimentos e exílios, essa opressão aos professores afetou os jovens que não podiam ser educados com opiniões amplas, ou telas. Nos anos de 1960 até 1970 foram criados o DCEs (Diretórios Centrais Estudantis), as UEEs (Uniões Estaduais dos Estudantes) e a UNE (União Nacional dos Estudantes), esses corpos lutavam por motivos como similares :ampliação de vagas nas universidades públicas, por melhores condições de ensino, contra a privatização e também em defesa das liberdades democráticas e por justiça social. Eram formados por estudantes muito ativos e organizaram várias passeatas.

Um bom exemplo da atuação da juventude na ditadura foi a passeata dos cem mil, que ocorreu em 1968, apesar de não conter apenas jovens, teve uma grande participação deles. Todos estavam muito comovidos com a morte de Edson Luís, que influenciou a manifestação. A insatisfação com o governo ditatorial era tão grande que mais de cem mil pessoas foram às ruas. Depois desse ato, o movimento estudantil se tornou a principal forma de oposição ao governo. De acordo com a cientista política, Elizabeth Stein, o envolvimento de jovens em lutas sociais tem uma explicação: “Eles têm tempo, não têm filhos e estão pensando no futuro. Os estudantes, normalmente, possuem mais idealismo e ainda têm esperança, por isso vão à rua primeiro”. A ditadura pode ter “roubado” a juventude de muitos, pois a adolescência pode ser considerada como uma época de liberdade, expressão, formação de ideias, etc. Com um sistema ditatorial, os jovens não tinham toda essa liberdade, e com razão tinham medo do que poderia acontecer se mostrassem ou falassem abertamente suas opiniões. Além disso a escola que era um lugar para aprender, se expressar, se descobrir, não aceitava diferentes opiniões políticas. Um adolescente manifestante tinha muitos riscos de ser preso, exilado ou/e torturado. Entre 1968 e 1978 ocorreu os chamados anos de chumbo, uma época de muita censura, vários opositores sumiram, foram assassinados e torturados, nesse período não houve muitas oposições dos jovens, e a DCE, UEE e UNE foram proibidas e fechadas.


Em 1984 os jovens voltaram a rua, a manifestação “Diretas Já”, e foi um movimento político popular que teve como objetivo a retomada das eleições diretas ao cargo de presidente da República no Brasil. Este movimento aconteceu nos últimos momentos da ditadura militar, e foi um dos principais senão o, para a abertura política do Brasil com a participação de mais de 2 milhões de pessoas. A música também foi um importante fator na época da ditadura, e o estilo de música MPB, era um dos principais modos de contestar a ditadura. Se o governo descobrisse, os opositores eram censurados. Muitos cantores famosos viveram nessa época e fizeram canções sobre ela, por exemplo: Chico Buarque, Geraldo Vandré Aldir Blanc, em companhia de João Bosco , Gilberto Gil, Caetano Veloso Roberto Carlos e Erasmo Carlos. O estilo de música MPB atinge vários tipos de faixas etárias inclusive a juventude, que se identificou, um bom exemplo é a música Cálice do Chico Buarque.

Hoje em dia a situação é muito diferente da de antigamente, mesmo não sendo um mar de rosas, é bem melhor que uma ditadura. O sociólogo João Roberto Martins Filho, que se envolveu com o movimento estudantil em 1973 diz que "Nossa época era o mundo da Guerra Fria, das ditaduras, dos movimentos armados. Brasil, Argentina, Uruguai e Chile eram países onde uma parte da juventude sofreu uma politização muito precoce e muitos jovens morreram em virtude disso", lembra. "Hoje em dia não só não existe mais Guerra Fria, como nós vivemos em um regime democrático, então não existe necessidade de um movimento radical porque os direitos são garantidos", explica o professor. Mesmo em um período mais calmo, mundialmente, nosso país está em grande crise, a desigualdade social é enorme, as escolas públicas não têm boas condições, assim os jovens de classe mais baixa que não conseguem pagar uma escola privada, como consequência tem menos oportunidades. Com os resultados das novas eleições a escola sem partido está para voltar, uma lei que tira a liberdade dos professores em sala de aula, algo semelhante na ditadura.

Mesmo com muitos direitos garantidos, ainda é preciso continuar lutando por vários direitos, como o das mulheres, trabalhadores, desigualdade social, entre mil outros. Não sabemos o que pode acontecer em um futuro próximo, por exemplo com o eleito a presidente Bolsonaro, que tem muitas ideias fascistas e ditatoriais, é sempre preciso ficar atento ao presente e principalmente aprender com o passado, e não esquecer dos erros do passado, para que assim eles não se repitam.


Lívia Oliva Mendes A ditadura militar no Brasil foi um regime autoritário que teve início com um golpe militar. O regime militar começou em 1964 e acabou em 1985, ou seja, durou vinte e um anos. Mas e os jovens durante a ditadura militar? Como eles se expressavam? De acordo com o site jornal da USP, durante os anos de 1970 e 1980, o rock nacional foi o canal de expressão da juventude durante a ditadura militar. O historiador Daniel Cantinelli Sevillano falou que as bandas que eram formadas durante a ditadura eram politizadas. O rock nacional, naquela época, tomou conta das rádios brasileiras. As bandas de rock começam a aparecer no Rio de Janeiro. Em 1982 as bandas Blitz e Barão Vermelho lançam seus álbuns. No ano seguinte, em 1983, Paralamas do Sucesso lança seu álbum. Já em São Paulo, as bandas começam a surgir dois anos depois, em 1984, com o lançamento do primeiro disco dos Titãs. As letras das músicas, até então não eram tão politizadas, elas falavam mais sobre liberdade e o prazer. Em 1985, o Legião Urbana, que é originalmente de Brasília, lança o seu primeiro álbum. O historiador fala que de modo geral, as bandas de São Paulo e de Brasília tinham letras mais politizadas. Ele também fala que nessas duas cidades os jovens foram muito influenciados pelo movimento punk, nos anos de 1970. “Em São Paulo, isso foi mais forte na periferia, então as letras tinham um pouco mais de contestação social. Já em Brasília era algo mais ligado à imagem”, Disse o historiador. Entre 1985 e 1986, são lançados três álbuns que são considerados grandes marcos na música brasileira. Os álbuns são:Dois (Legião Urbana), Selvagem? (Paralamas do Sucesso) e Cabeça Dinossauro (Titãs). O disco da Legião Urbana só tinha duas músicas que falavam sobre política, Indíos e Fábrica. Tirando essas duas músicas, o álbum não era politizado. O primeiro álbum deles, lançado em 1984, era muito mais politizado.

O disco do Paralamas do Sucesso, Selvagem?, era muito mais politizado. Nele tem uma música que se chama:“O governo apresenta suas armas”. Essa música tem uma referência à censuro do governo Sarney, que proibiu a exibição do filme Je Vous Salue, Marie, de 1985. “A censura parecia ser mais moral do que política.” Já o álbum dos Titãs, praticamente todas as músicas tinham alguma contestação política ou social. Como: Polícia, Estado Violência, Igreja, Bichos Escrotos, Família, Homem Primata. Os jovens durante a ditadura militar brasileira se expressaram muito através da música. A ditadura não foi uma época fácil, e os jovens foram muito prejudicados durante a ditadura. Com isso, concluo que a música feita pelos jovens durante a ditadura militar brasileira foi um dos principais meios de expressão durante essa época.


Lucas Bogea

A juventude teve papel fundamental durante a ditadura militar brasileira. Desde o incêndio causado pelos militares na sede da União Nacional dos Estudantes em primeiro de abril de 1964 à presença massiva nos comícios do Diretas Já em 1985, os jovens foram protagonistas na história desse período. Foram diversas as investidas estatais para tentar impedir a mobilização da juventude. Soma-se, por exemplo, ao incêndio na sede da UNE a lei Suplicy Lacerda, que criminalizou a UBES (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas), ou os milhares de estudantes presos. No entanto, ainda assim foi muito presente a marca dos movimentos estudantis nos protestos contra a ditadura militar. Foram estes que organizaram, por exemplo, a Passeata dos Cem Mil, que foi uma das principais manifestações contrárias ao regime militar, realizada no Rio de Janeiro em 1968. Apesar da censura imposta pelo regime militar, diversas músicas com teor de crítica política foram feitas durante a ditadura, valendo-se de duplo sentido para não serem proibidas. Muitas delas foram produzidas por jovens artistas. Canções como "Alegria Alegria", de Caetano Veloso e "Pra Não Dizer Que Não Falei das Flores", de Geraldo Vandré, foram hinos do movimento democrático à época. "Você vai se amargar, vendo o dia raiar, sem lhe pedir licença. E eu vou morrer de rir, que esse dia há de vir, antes do que você pensa", cantava Chico Buarque em "Apesar de Você", simbolizando o fim da ditadura como um novo dia nascendo. Enquanto durante a ditadura músicas de autores como Chico Buarque e Caetano Veloso eram entoadas pelos jovens como protesto, hoje um estilo musical com forte penetração na juventude e marcado por críticas políticas é o Rap. Artistas como Mano Brown, Emicida e Criolo cantam as contradições do país e representam uma juventude pobre e negra que é alvo de segregação. "Boca de Lobo", por exemplo, a mais recente música de Criolo, traz referências a eventos recentes, como o rompimento da barragem de Mariana, incêndio no Museu Nacional, a descoberta de malas de dinheiro no apartamento de Geddel Vieira Lima e o assassinato da ex-vereadora carioca Marielle Franco, que foi assassinada aos 38 anos de idade e representava setores como a juventude negra.

O assassinato de Marielle não é um fato isolado. Se na ditadura foram presos - e até torturados ou executados - milhares de estudantes por sua militância contra o regime militar, em 2016 foram mortos 33.590 jovens de 15 a 29, segundo o "Atlas da Violência", o que representa uma taxa de 65,5 mortes a cada 100 mil nessa faixa de idade. A juventude tem hoje papel central na política e na cultura, assim como teve durante a ditadura militar. Seja por meio da arte ou da atuação política em manifestações, não se pode ignorar o papel dos jovens no país. Do mesmo modo, é a juventude um dos segmentos mais abalados pela violência no país, assim como por diversos outros problemas do Brasil.


Mario Farina

Como era ser jovem na ditadura militar? Como era viver na ditadura militar? Porque a maioria dos jovens eram contra a ditadura? Tentaremos responder essas perguntas hoje. A ditadura militar é um regime político em que integrantes das Forças Armadas de um país tomam para si a política e a administração do Estado, negando à maioria dos cidadãos a participação e a decisão nas instituições estatais. No Brasil foi um golpe instaurado no dia 31 de março de 1964, em que as Forças Armadas depuseram o presidente João Goulart. Ele havia assumido a presidência após Jânio Quadros ter renunciado em 1961. Já no primeiro dia de golpe, a sede da UNE no Rio de Janeiro foi atacada. Ela foi criminosamente incendiada por grupos de extrema direita, mostrando a indisposição dos militares com o movimento estudantil. Logo mudaram a lei para colocaram na ilegalidade a UNE e as Uniões Estaduais dos Estudantes (UEEs). Todas as entidades de representação estudantil ficaram submetidas ao regulamento do MEC. Os estudantes formaram um instrumento de extrema importância no cenário político da época. Isso porque ousaram se contrapor às leis repressivas e mostraram uma grande capacidade de mobilização social. Realizaram manifestações, passeatas e atos públicos, organizaram debates, congressos e jornais clandestinos. Agitaram profundamente a cultura brasileira, batalharam pela conscientização e pelo engajamento da juventude. Lutaram intensamente pelas reformas de base de Jango, que contrariavam os interesses da elite brasileira. Uma das reformas previstas era a educacional, que pretendia garantir o acesso à educação básica para todos e mais universidades.

Passaram a atuar na clandestinidade e muitas vezes foram massacrados pela polícia. Muitos estudantes foram presos, torturados, feridos e mortos em confrontos com os militares. Alguns líderes estudantis acabaram se enveredando pela luta armada, na tentativa de depor o governo, enquanto outros tiveram que se exilar. Eram vistos como uma ameaça à segurança nacional. Com o país em crise, inflação altíssima, a luta pelo fim da presença dos militares estava tomando força. No final de 1983 teve o início do movimento “Diretas Já” que teve seu auge no ano seguinte. Apesar de ter recebido a maioria dos votos da população, não atingiu os um terço dos v de votos necessários para sua aprovação e as eleições se deram através do Colégio Eleitoral, encerrando-se o ciclo militar no Brasil. Dessa maneira, fica claro que a Ditadura Militar não expressava o interesse dos jovens. os estudantes lutavam por mais liberdade de expressão, cultura e pensamento e eram duramente reprimidos. Atuaram na clandestinidade e não desistiram de seus sonhos, características típica de um jovem brasileiro.


Théo de Luccia Souza

Entre 1964 e 1985, o Brasil passou por um período ditatorial causada pela intervenção do exército no governo do presidente João Goulart, que foi tirado do poder dando início aos “Anos de chumbo”. Durante esses 20 anos em que o exército governou o país, a presença dos direitos humanos era usa-se inexistente, muitos opositores à ditadura foram presos, torturados, ,mortos e muitas outras coisas. Outra grande característica da ditadura foi a censura da imprensa, devido à grande quantidade de opositores muitas críticas eram feitas ao novo regime e quase todas eram censuradas. Muitas delas, eram músicas como “Cálice”, de Chico Buarque e Gilberto Gil, na qual disfarçam a oposição à ditadura como se fosse uma música referente à Jesus e brincam um pouco com a palavra “cálice”, para parecer “cale-se” do verbo calar, ou “Pra não dizer que não falei das flores” de Geraldo Vandré que foi o principal hino da resistência contra a ditadura. Esse período afetou em grandes partes a educação brasileira pois houve uma diminuição nos investimentos em escolas públicas, abaixando a qualidade dos ensinos públicos e fazendo as escolas privadas prosperarem. As matérias de filosofia e sociologia por OSPB (Organização Social e Política Brasileira) que passava a ideologia do regime autoritário, exaltava o nacionalismo, Educação moral e Cívica. Muitas vezes os estudantes tinham que atuar na clandestinidade e eram muito mal vistos pelos de extrema direita, sendo considerados uma ameaça à segurança nacional, que levou a UNE (União Nacional dos Estudantes), a principal figura política dos estudantes, para a ilegalidade. Porém isso não impediu a UNE de se opor à ditadura, em 1965 a UNE convocou uma greve na qual mais de 7 mil estudantes compareceram causando uma grande mobilização social. Várias passeatas foram feitas no centro do Rio de Janeiro e é, Belo Horizonte contra a alta violência da tropa de choque.

No geral esse foi um período de grande violência e mortes, a ausência dos direitos humanos junto com a censura à imprensa. Uma grande cicatriz na história brasileira que esperamos que nunca se repita em nenhum lugar.


vidas secas


Alan Senna Gorodetcki

RETIRANTES EM SÃO PAULO Fabiano, Sinhá Vitória, e seus dois filhos estavam morrendo de fome, sede e cansaço. Estavam no sertão, tentando fugir da seca como sempre fizeram. Já estavam vagando sem rumo por quase duas semanas, e seus suprimentos de comida e água chegavam ao final. Uma noite deitaram para descansar, e dormir. Porém Fabiano não conseguia fazer isso. Ele não parava de se culpar por não ter conseguido um lugar para a família ficar antes de começar o período de seca. Por causa disso, simplesmente não conseguia fechar os olhos, que estavam bem abertos e atentos. Perto do amanhecer, Fabiano viu uma luz se acender no horizonte. Por um momento ele achou que era apenas uma alucinação, afinal, fazia mais de 48 horas que ele não dormia. Esfregou os olhos, olhou direito, e percebeu que era real. Ele então acordou Sinhá Vitória para lhe mostrar o que aconteceu, e então os dois decidiram ir até lá, afinal podia ser uma cidade. A mãe acordou o filho mais velho, e colocou o mais novo em seu colo, enquanto Fabiano pegava os poucos pertences que a família tinha. Os quatro então foram atrás da misteriosa luz. Quando chegaram na luz, viram que não era uma cidade. Era algo que nunca tinham visto antes. Uma rodoviária. Obviamente que não faziam ideia do que era isso, então perguntaram para primeira pessoa que viram:: -Isto é uma cidade? O cidadão que estava atrasado para seu ônibus não ligou para eles, e apenas falou que fossem ao quiosque de informações, o qual ele apontou a direção. Lá eles entenderam o que era o lugar, e descobriram que era possível ir para uma cidade grande como São Paulo. O único problema é que para isso precisariam pagar pela passagem. Para isso Fabiano e Sinhá Vitória arranjaram trabalho como faxineiros da rodoviária. Demoraria para que conseguissem o suficiente de dinheiro para as passagens do ônibus, mas o trabalho dava direito a refeições de graça, portanto não morreriam de fome. Durante a noite, quando a rodoviária fechava da meia noite até às quatro da manhã, eles dormiam no chão do sertão, perto do lugar.

Após um período de aproximadamente três meses, o pai e a mãe haviam juntado dinheiro suficiente para as quatro passagens de ônibus, então a família de retirantes foi rumo à cidade grande, rumo à São Paulo. Passados dois dias dentro do ônibus eles chegaram na periferia da cidade. No primeiro momento não sabiam o que fazer ou pra onde ir, então decidiram começar procurando por um lugar para viver. Acabaram achando um cortiço, onde viveriam no canto da cozinha. Porém os moradores de lá apenas os aceitaram com a condição de que começassem a pagar contas da casa, comprar comida, e etc em uma semana, o que significava que o pai e a mãe da família teriam que arranjar emprego rápido. Sinhá Vitória pensou em ajudar a limpar a casa e cozinhar, mas já havia muita gente fazendo isso. Uma das mães no cortiço sugeriu que ela tentasse ser empregada doméstica. A mulher de Fabiano gostou da ideia, e foi atrás. Ela recebeu uma proposta de emprego em dois dias, e no dia seguinte iria até a casa que a estava contratando para ser entrevistada. O único lado ruim é que para ir até esta casa, Sinhá Vitória teria que pegar dois ônibus e o metrô, um trajeto que demoraria por volta de duas horas. Como não tinha este tipo de transporte público no sertão ela iria demorar para se acostumar. A entrevista correu bem, e ela foi contratado como diarista, das dez da manhã até às seis horas da tarde, todos dias úteis. Os moradores eram de classe média alta, e estavam pagando o salário mínimo para Sinhá Vitória, porém ela não sabia disso. Enquanto isso, Fabiano arranjou um trabalho de pedreiro, graças a um dos moradores do cortiço, que trabalhava com isso em uma empresa já havia tempo, e conseguiu que contratassem o pai da família de retirantes. Ele iria, diferente de Sinhá Vitória, trabalhar todos os dias úteis das nove horas da manhã, até às sete horas da noite, tendo uma hora para almoçar ao meia dia.


Com os pais trabalhando a maior parte do tempo, seriam os moradores de cortiço que cuidam da casa que tomariam conta do filho mais velho e do filho mais novo. Esta foi uma notícia que abalou muito a família, pois eles começariam a ter muito pouco tempo juntos com sua nova vida, na cidade grande. Por outro lado, agora não teriam mais que fugir da seca, e dificilmente passariam fome ou sede. Agora que já tinham trabalho, nos fim de semanas Fabiano e Sinhá Vitória tinham começado a procurar lugares para seus filhos estudarem. Eles acharam as escolas públicas uma maravilha, pois no sertão nunca sequer haviam chegado perto de uma escola, e agora seus filhos teriam a chance de estudar, e saber a ler e escrever, diferente de seus pais. Após duas semana, o filho mais velho e o filho mais novo começaram a frequentar a escola pública da região. A nova vida da família de retirantes na cidade grande tinha vários pontos negativos, e positivos. Fabiano continuava se sentindo injustiçado, pois sabia que recebia muito pouco, e deveria receber mais. A família tinha muito menos tempo juntos. Sinhá Vitória também não recebia muito, mas pelo menos era o suficiente para morarem no cortiço. Ela sonhava que um dia fosse empregada em um bairro nobre, onde receberia verdadeiramente bem. Por outro lado seus filhos agora estudavam, sabiam ler e escrever, e já eram mais espertos que os pais. Fabiano esperava que os dois conseguissem bons empregos no futuro, mas sabia que eles seriam injustiçados pela sociedade, e isso não aconteceria. Talvez um dia, após algumas gerações, talvez seus bisnetos, conseguissem ser médicos, ou advogados.


Anik Zegman Zaharic Chegamos em São Paulo depois de alguns dias de viagem de ônibus, com as passagens que conseguimos vendendo nossas coisas. Com esse dinheiro também conseguimos alguns dias de alimentação, porém ele acabaria logo, eu tinha que arrumar um emprego rápido. São Paulo era uma cidade muito grande, cheia de oportunidades, nem que seja mínima. Era nossa chance de recomeçar a vida, conseguir um emprego, os meninos conseguirem ir à escola. Fabiano tinha saído a procura de um trabalho e eu devia fazer o mesmo. Estávamos ficando na casa da cunhada do irmão da minha amiga enquanto não achávamos um lugar para ficar. Então resolvi sair para achar um trabalho um lugar para morar e uma escola para os garotos. Comecei a passear pelo cidade e pelos bairros com mais dinheiro e vi vários anúncios em restaurantes falando que precisavam de ajudante na cozinha, mas quando ia me apresentar falavam que vaga já tinha sido ocupada, como se eu tivesse nascido ontem eu não soubesse que o problema é comigo mesmo.

Passei na frente de um prédio que havia um anúncio que precisavam de uma empregada doméstica. Toquei o interfone para perguntar ao porteiro sobre o trabalho, ele me falou que não estavam em casa agora mais que ele poderia me passar o contato da senhora, o problema era que eu não tinha um celular.

Cheguei em casa depois do dia procurando e precisava achar um jeito de me contactar com o dona do apartamento. Fui até o bar da esquina e perguntei se poderia a usar o telefone, e como estava muito vazio eles deixaram. Consegui uma entrevista para o dia seguinte, estava bem esperançosa, pois as únicas exigências eram limpar a casa, cozinhar e cuidar das crianças, ou seja, nada diferente do que eu já fazia no meu dia a dia.

A autora também fala que os shoppings foram construídos para a classe média, média-alta ou alta e que quando esses jovens entram nesse local, reEstávamos morando em um bairro periférico onde tinha um prédio bem grande de ocupação, entrei lá para saber como as coisas funcionavam e percebi que seria bom o suficiente para começar nossa vida aqui. Era pequeno e meio desconfortável, só pelo fato de não estar mais morando na casa e alguém por favor, já me tranquilizava. Com quase todas as prioridades resolvidas, só faltava colocar os meninos na escola, para terem um futuro um pouco melhor que o meu. Vi uma escola no bairro que era pública. Eu sei que as escolas públicas de São Paulo não são as melhores mas é o que temos condições de colocá los. Era a primeira noite na "casa nova" e eu estava super ansiosa para o novo ciclo de nossa vidas, para os meninos começarem na escola… Mas tudo se acalmou quando eu deitei na minha nova cama mais conhecida como: A cama do Tomás da Bolandeira. vindicando aquele espaço, que se diz público, são fortemente reprimidos pela polícia, por frequentadores (elite branca) e pela mídia indiretamente.Issoaconteceporcontadoracismoe diferenças de classe que ocorrem no Brasil. Também diz que os seguranças de shopping são orientados a monitorar, acompanhar e se preciso, até expulsar jovens que sejam considerados ¨suspeitos¨ pela sociedade. Às vésperas do Natal, o Brasil mostra seu racismo oculto e mascarado pela ¨mestiçagem¨ dos brasileiros, que estão supostamente sempre felizes, agindo como se o preconceito racial não existisse, ou pior, existisse e não fosse uma questão importante.


Augusto Cunha

Na cidade acinzentada os prédios alargavam incontáveis manchas cinzas. A parte traseira superlotada de um caminhão que, vindo do interior de Pernambuco, terminava sua longa jornada até São Paulo acomodava Fabiano, sua família e outras duas, iguais em seus rostos cansados, corpos magros e pouca bagagem. As crianças observavam com olhos curiosos a floresta de concreto que se encontrava cada vez mais próxima, gigantica em todos os seus aspectos. Fabiano havia trocado a égua da família pela passagem só de ida a São Paulo. Uma aposta arriscada, com certeza, mas mesmo assim uma aposta que valia a pena ser feita. Ele já havia se cansado da migração cíclica a qual fora submetido a vida toda, já havia se cansado da falta de estabilidade constante de suas vidas, e acima de tudo estava farto da morte os rondando incessantemente aonde quer que fossem. Tinha achado na ida à cidade uma possibilidade de mudança e de oferecer à sua família uma maneira de satisfazer os seus anseios: Uma cama como a de Seu Tomás da Bolandeira para Sinhá Vitória e uma educação decente à seus dois filhos, de modo que não acabassem como os pais. Fabiano, porém, sabia que o seu próprio desejo era apenas um sonho inalcançável, pois não queria uma cama, conforto ou qualquer coisa material. Ele queria respeito. Assim que saíram do caminhão, Sinhá Vitória foi abordada por um sujeito um tanto quanto suspeito, mas que oferecia trabalho que naquele momento não poderia ter sido recusado. Primeiro perguntou se Vitória sabia bordar e, ao receber confirmação, disse que tinha uma vaga para ela em uma fábrica têxtil, e que também iria oferecer moradia à sua família. Eles então foram levados para a fábrica, localizada no subsolo de um edifício antigo no centro da cidade, e foram apresentados à sua nova casa: um cubículo de seis metros de largura por quatro de comprimento, onde deveriam acomodar todos os seus pertences e a si mesmos. Sinhá Vitória foi apresentada a seu local de trabalho, que consistia de uma

cadeira e uma pequena mesa, e pouco depois o dono da fábrica, homem grande, gordo e de roupas ricas, veio dar as boas-vindas e introduzi-la ao novo emprego. - Pois bem, Senhora Vitória. Você deverá confeccionar um mínimo de 70 peças e trabalhar 10 horas por dia, ganhando 900 reais por mês. Subtraindo a taxa de aluguel e comida, seu salário deve ser de cerca de 600 reais. No entanto, vejo que a senhora tem dois filhos, e, se pudermos empregá-los o aluguel e sua alimentação poderão ser pagos usando o produto de seus trabalhos. Fabiano e Sinha Vitória trocaram olhares carregados de dúvidas, e perguntaram em uníssono qual tipo de trabalho era esse. Foram assegurados de que os meninos só entregariam algumas encomendas e que era completamente seguro. pesar de não concordar, como Sinhá Rita era mais rápida na fala é na tomada de decisões, Fabiano acabou por aceitar a proposta. Agora era a vez de Fabiano. Após garantir à família um lugar no qual comer e dormir, ele precisava encontrar um emprego e uma fonte de renda para si mesmo, o que se provou tarefa mais difícil do que o imaginado. Como Fabiano já havia suspeitado, na cidade suas habilidades e as coisas que tinha aprendido durante a vida no sertão tinham pouca ou nenhuma utilidade; Lá, ninguém precisava que domasse um cavalo ou que cuidasse de uma boiada. Na cidade Fabiano era ainda mais um zé ninguém, condenado à marginalidade e ao esquecimento. Achou trabalho catando lixo na rua e revendendo o que havia coletado para empresas de reciclagem. Não entendia muito bem o propósito de se comprar lixo nem o que era feito com ele, mas afinal ele era pago, e saber só isso já bastava. Depois de alguns dias, Fabiano começou a compreender a lógica e as regras implícitas da cidade grande: Os bicos e subempregos viraram rotina, e sua nova vida começou a se moldar. Fabiano percebeu que, apesar das mudanças, sua vida ainda era regida por um ciclo: Não mais o da seca, anual, mas agora o da procura por trabalho toda manhã.


Arthur Rodrigues

Depois dos árduos 20 dias de caminhada, segundo as contas de minha mãe faltavam apenas 4 ou 5 dias para nossa chegada a São Paulo, porém mesmo sabendo o quão pouco faltava já não aguentava mais andar e andar, o que me fazia querer simplesmente desistir e esperar que os urubus aparecessem e comessem o último resto de carne que me sobrava. Porém, meu pai mesmo sendo um senhor de maior idade parecia nunca se cansar, sempre com a esperança de que chegaríamos o mais rápido possível na metrópole. Certas horas, meu irmão menor não aguentava mais andar então tinha que levá-lo a colo. No dia em que fugimos da fazenda, paramos em uma das fazendas próximas em busca de comida para seguirmos a caminhada, assim soubemos que o dono da fazenda que fugimos, tinha surtado quando soube de nossa fuga. No final da tarde achamos uma casa abandonada, praticamente caindo aos pedaços, porém melhor do que dormir no meio do nada com o risco de algum animal aparecer ou pior, pessoas. Entramos na casa que parecia tirando toda a sujeira e com certos consertos ficaria uma bela casa, demos uma volta por ela que possuía apenas um quarto, um banheiro, uma cozinha e a sala que provavelmente seria onde iríamos dormir, pois o teto do quarto já havia caido fazendo com que ficasse perigoso. Sentamos todos espalhados pela sala, apenas com os barulhos produzidos pelos nossos corpos, e nossos pensamentos. Acordamos no dia seguinte antes mesmo do sol raiar, assim poderíamos andar um pouco sem suar litros por conta do sol, e conseguir ver. Recolhemos nossas coisas e fomos. Andando, e andando, certas vezes pegavamos caronas com alguns caminhoneiros, que era o nosso momento de descanso, a cada caminhonete que passava por nós esticavamos a mão e torciamos para que parassem, mas ninguém parava, depois de perder nossas esperanças continuamos andando.

O final do dia se aproximava vendo a partir do sol deveriam ser quase cinco e meia caminhamos mais um pouco até começar a aparecer o início da escuridão, meu pai quebrou o silêncio incessante, mesmo não sendo muito de falar: -Acho que deveriamos continuar andando de noite para chegarmos antes. Com o consentimento de todos continuamos andando, em direção da grande cidade. Ao tardar das onze da noite, continuavamos andando passamos por um bar, onde paramos para pedir comida, porém a única coisa que restou a nós foi a comida do cachorro. Na hora em que estávamos a caminho da saída, o dono da fazenda na qual fugimos estava sentado em uma mesa fora do bar, que quando nos viu levantou derrubando a cadeira na qual estava sentado e puxar a pistola e deu o primeiro tiro, nesse momento minha adrenalina subiu e o pânico cresceu com o medo de me atingir ou algum de meus familiares, depois veio o segundo tiro que com o estalar da arma escutei um grito e corri junto da minha família corremos e corremos sem o rumo apenas juntos. Quando finalmente vimos que não havia mais sinal de perigo nos escondemos perto de uma árvore, e vimos se todos estavam bem, porém uma pessoa não estava presente. Meu pai, ele havia ficado lá?. Será que a segunda bala acertou ele? A tristeza veio a todos, sabendo qual foi o destino de papai, mesmo daquele jeito já sabíamos que não poderíamos ficar parados, apenas chorando precisávamos seguir e como sendo o filho mais velho eu deveria assumir o papel dele. Minha mãe e meu irmão não possuíam força para continuar pelo cansaço físico e mental, porém insisti em continuarmos e os convencido que era o certo. Pegamos carona com um feirante que nos deixou subir na caçamba de seu caminhão. Depois de uma ou duas horas de viagem em silêncio total já está possível ver a cidade pelo ao horizonte e assim ela já começava a tomar forma aos nossos arredores.


Beatriz Borges Zackiewicz Fabiano estava sentado no meio fio da calçada e passou a mão em sua testa para tirar o suor que ali acumulava, por conta do sol do meio dia. Depois que ele e a família haviam tomado a decisão de se mudar para a cidade, por conta de estarem cansados das secas e poucas oportunidades do sertão, as coisas não estavam indo como o esperado. Um dos principais problemas do sertão era realmente a seca que acabava acarretando muitas vezes problemas para a família como a fome, sede e falta de emprego. Mas o que eles não contavam era que a cidade poderia ser tão pior quanto. Os problemas começaram quando eles estavam indo para o destino, como eles não tinham condições de pagar por uma passagem de algum meio de transporte, acabaram por ir andando. Passaram por dias caminhando e dormindo na beira da estrada de terra pedindo por carona para as poucas pessoas que passavam, até que em uma tarde, depois de muito caminharem, um senhor que passava em uma carroça aceitou dar carona as quatro pessoas. Todos ficaram muitos felizes e agradeceram de seus jeitos o benfeitor. Viajaram por mais algum tempo, as crianças estavam animadas e não paravam de contar a cada coisa nova que aparecia na paisagem do caminho. Ao chegarem no destino, saíram da carroça e foram agradecer mais uma vez o senhor, que era chamado de Carlos André. Todos acharam que aquilo havia sido uma mera caridade, mas se enganaram. Antes de irem embora, Carlos foi os cobrar pela carona. Fabiano ficou confuso, tentou explicar que não sabia que teria que pagar e que não tinha dinheiro para tal coisa. O senhor nem quis saber, logo arrancou as bagagens da família e procurou por algo que poderia ser interessante a ele. Achou, o pouco de dinheiro que eles haviam levado, pegou e foi embora, mas sem antes xingar a família de ¨interesseiros do sertão, ficam tentando passar a perna por cima de mim¨. Sinhá Vitória ficou horrorizada, chegou a pensar em como puderam cair nessa, pensou em como poderiam ter sido tão inocentes a esse ponto. Brigou com Fabiano e disse que da próxima vez não aceitariam nada de ninguém. Começaram então a andar para dentro da cidade. Conforme iam andando, percebiam a vista grossa dos pedestres, que estranhavam os modos da família. Julgando seus trajes, aparência e o modo como iam andando carregando vários trapos, que no caso era a mudança deles.

Os meninos começaram a ficar com medo, Sinhá Vitória apreensiva e Fabiano decepcionado. Como nem aquela grande cidade tão cheia de oportunidades não conseguia ajudar eles, o que teriam feito para merecer aquilo? Foi por volta de umas seis da tarde, quando escurecia, que Fabiano e Sinhá Vitória acharam uma praça localizada do lado de uma grande e movimentada avenida, em que se encontravam alguns barracos e uma fogueira ao meio. As pessoas que estavam ali presentes aparentavam estar no mesmo estado dos sertanejos, então acabaram não se acanhando e se aproximaram. Viram um homem, que aparentava ter uns quarenta anos, sentado ao lado do fogo e foram falar com ele. Fabiano se apresentou e também as suas companhias, contou brevemente a sua história e perguntou se teria como eles se juntarem ao pequeno conjunto e dormirem ali já que estava tarde. ¨Claro que vocês podem ficar aqui! Também vim de longe para tentar uma oportunidade e sei como é difícil¨ respondeu o homem chamado Rael. Fabiano se remexia várias vezes, não conseguia dormir. A noite estava quente e isso o incomodava, o causava um certo estranhamento. No sertão as noites eram frias e era com isso que estava acostumado, aquele calor o abafando tal hora da noite o sufocava. Resolveu sair do barraco, se sentou virado para a avenida e ficou observando tudo tentando esquecer de suas angústias. Pensava em como seria a vida de sua família agora, se havia tomado a decisão certa de ter levado todos a cidade ou se em poucos dias todos já teriam morrido por algum problema próximo. Apoiou a cabeça nas mão e ficou refletindo, quando começa a sentir alguns leves pingos de chuva caindo sobre ele. Demorou um pouco para perceber o que estava acontecendo, olhou para cima e sentiu os pingos escorrendo no seu corpo. A chuva apertou. Fabiano ficou feliz, nunca tinha visto chover daquele jeito, de uma rapidez, tão de uma hora para outra. Sorria e abriu os braços para o céu sentindo aquilo tudo o lavar. Mas a felicidade durou pouco, aos poucos foi percebendo que aquela chuva não mais o beneficiaria. Agora cada vez que chovesse seria um risco para sua família, um risco de acabar tudo aquilo que tinham construído. Viu o barraco sendo melhado e previu que logo cederia. Começou a chorar, deixou o pouco orgulho de lado ao perceber que aquilo que antes era uma de suas alegrias, havia se tornado um de seus maiores pesadelos. Viu, que nesta nova cidade ele não conhecia nada, tudo que ele sabia agora não valeria mais.


Bruno Cruz Bregion

A CHEGADA “Chegariam a uma terra desconhecida e civilizada, ficariam presos nela. E o sertão continuaria a mandar gente para lá. O sertão mandaria para a cidade homens fortes, brutos, como Fabiano, Sinha Vitória e os dois meninos”. A família de Fabiano, estava a caminho de uma terra até então desconhecida, pois não sabiam como era nem onde era. A família que passava fome, sede e muito cansaço de andar durante alguns dias sem ter quase nada para comer, tentando de vez em quando uma fruta, que era encontrada nos pés das árvores e muitas das vezes em qualidades péssimas, quase podres. Já fazia uma semana, que Fabiano andava por uma estrada de terra, sem sinal da tal terra misteriosa, e isso estava o deixando preocupado, porque a cada momento via sua família com sede e fome, em uma qualidade muito pior do que estavam em sua terra, no sertão, e pensava que provavelmente a terra a qual pensava e esperava tanto, simplesmente não existia.

Fabiano e Sinha Vitória viam seus filhos, o mais novo e o mais velho, muito cansados e com sede, então Fabiano diz a sua família, que se encontrava numa sombra de baixo de uma árvore: -Fiquem aqui, vou procurar água pela redondeza.

Após andar um pouco Fabiano encontra um pequeno rio, de águas claras e que aparentemente a água era de boa qualidade. Voltando para a árvore, Fabiano entrega a família um pouco de água que conseguira pegar em um balde. O filho mais novo e o mais velho, com sede tomaram rapidamente a água. Fabiano vendo aquela situação, onde a família quase não descansará, diz: -Vamos descansar, e ao amanhecer nós partimos. Ao amanhecer Fabiano e sua família saem em direção ao horizonte, onde andam durante quatro dias, quando o filho mais novo diz: -Pai o que é aquilo? apontando para uma chaminé de uma fábrica. Fabiano se alegra, e diz “ isso é a terra misteriosa a qual estamos procurando meu filho”, com isso a família sai em direção, a chaminé, e no caminho encontram uma placa, “ Bem Vindo a São Paulo”. Fabiano chega à fábrica e fica deslumbrado, pois não imaginavam que era algo tão maravilhoso. O dono da fábrica estava passando pelo lado de fora, quando avista a família olhando para a fábrica e diz “ Bem Vindos”, Fabiano aproveita aquela situação para pedir um emprego, pois estava desesperado por um emprego e uma qualidade de vida melhor. O rapaz não sabia se comunicar direito, porém como era um homem bruto, forte e trabalhador, um tipo que se encaixava naquela fábrica conseguiu o emprego logo de cara, assim o emprego de Fabiano já estava fechado mas a família não tinha onde morar. O dono da Fábrica vendo aquela situação, leva-os até um aposento, parecido com um chalé, atrás da fábrica e diz que eles poderiam ficar ali até terem condições para se mudarem. Fabiano no dia seguinte já começa com o novo emprego,com o tempo das 7 da manhã às três da tarde, enquanto Sinha Vitória e os filhos, o mais novo e o mais velho, passeavam pela fábrica, conhecendo-a e entendo como era seu funcionamento. Após o horário de trabalho Fabiano olha para a Família e diz: -A partir de hoje, começa uma nova vida!!


Calú Araripe

ENGOLIDOS POR URUBUS abiano, Sinha Vitória e os dois meninos estavam indo rumo a uma vida nova. Nada era certo, de lá `a diante o destino controlava a situação. Estavam a caminho de uma terra desconhecida. Fabiano tinha esperanças nela. Sinha Vitória acreditava nele, era um homem forte. Começaram a andar e pararam em uma casinha amarela com uma velinha na varanda. Fabiano perguntou onde ficava a cidade, a velha explicou com um sorriso no rosto. Continuaram andando, o menino mais novo sonhava acordado. Queria ser igual o pai, forte e bruto. Tinha esperanças de ser como ele, admirava-o. O menino mais novo pensava no que fariam quando chegassem lá, sua curiosidade o consumia. Sinha Vitória achava que estava mais perto de conseguir uma cama igual `a de Seu Tomás da Bolandeira. Fabiano andava com suas alpercatas, sabia que tudo era incerto e que em instantes, a fome e a sede iam chegar. Continuavam em sua longa viagem. Os pés de Fabiano doíam, mas ele era bruto e forte como um animal, não sentia nenhuma dor. Fazia umas 3 horas que estavam caminhando. O menino mais velho falou: Podemos parar um pouco? Estou com muitas dores... Vai ficar com bem mais dores se reclamar seu preguiçoso! - disse Fabiano dando um tapa na cara do menino. O menino mais velho não sabia o que doía mais, o tapa que havia levado, seus pés ou sua barriga. Todos estavam muito cansados. O menino mais novo não parava de chorar. Sentaram um pouco. Fabiano olhava a paisagem, era seca como sua garganta. Nenhum sinal de vida. Os restos de vida eram engolidos por urubus. Um gole da morte. Será que eles também seriam engolidos? A família sabia que as pessoas que já moraram algum dia ali, morreram de sede de fome, de alguma emboscada ou de falta de vontade de viver. Tinham alguns restos do que um dia já foram casas.

O menino mais novo achou um caderno e um lápis, e pegou para si. De quem será que eram esses objetos, o irmão mais velho se perguntava. Muitas pessoas já devem ter desenhado a paisagem da seca. Eles abriram o caderno. Nada estava escrito nem desenhado nele. O menino mais novo achava que o caderno era como a vida nova deles, em branco, mas só poderia ser preenchido com a paisagem seca de sempre. Voltaram a andar, Fabiano encarava os urubus. O sol os iluminava com toda força, era um calor miserável. As alpercatas nem pareciam calçados mais. Sinha Vitória observava o chão seco. Nem uma gota de água onde, antes, era um rio. Fabiano, `as vezes, via Baleia andando do seu lado. Devia ser alucinação de fome. O menino mais velho nem andava mais, ele se arrastava, como animal. Na verdade, todos estavam se arrastando. O menino mais novo desenhava-se como vaqueiro e copiava a paisagem `a sua volta. Grande imaginação ele tinha. Muitas perguntas rodeavam a cabeça de Fabiano: O que será de nós? Do que vamos viver? Vamos viver? Fabiano queria muito que seus filhos trabalhassem e levassem uma vida boa e digna. Ele estava tão distraído em seus pensamentos que só depois percebeu que o menino mais novo dava gritinhos de dor. A fome o consumia. Se ao menos tivesse algo para comer... O menino desenhava para se distrair. Fabiano dizia para ele parar de reclamar. O menino mais novo respeitava-o, queria ser como ele. Estava magro e fraco, nesse momento, percebeu o quanto não era forte como o pai. Sinha Vitória chorava de desespero. O menino mais velho acalmava a mãe. O mais novo era uma criança bonita, mas agora, se assemelhava a um bicho sem vida. Todos estavam perdendo as esperanças. Ele sentia dor em tudo, e muita, muita sede.


A seca o devorava. Fabiano estava perto dele. O menino ia perdendo a vida. Perdendo os sonhos, as esperanças, as memórias. A última coisa que restou, foi a admiração pelo pai. Ele fechou os olhos, e aos poucos seu coração parou de bater. E foi ali mesmo que o menino mais novo morreu. Nos braços do pai. Mais tarde seria engolido por um urubu, como todos os outros. O menino mais velho chorava, a mãe não largava o cadáver. Fabiano abraçava Sinha Vitória e lágrimas escorriam de seu rosto. Era tão pequeno, tinha tanto `a viver. Por que a seca o levou? Perguntava Sinha Vitória a si mesma. O último olhar do menino mais novo foi ao pai. Um olhar de tristeza e de perda de esperanças. Um olhar de adeus. Pensaram em enterrar o menino. Os outros cadáveres são consumidos pelos urubus mas, esse não será, eles pensavam. Porém, não dava para cavar sem pá naquele tipo de chão. Para Sinha Vitória doía saber que o menino mais novo seria engolido por um urubu, como os outros. Fabiano pegou o caderno. Eles tiveram que se afastar da criança morta. Andaram um pouco mais, com as lágrimas nos olhos. Avistaram uma casinha não tão longe de onde estavam. Tocaram na porta e um senhor e uma senhora vieram. Sinha Vitória, Fabiano e o menino mais velho imploraram por comidas e os moradores deixaram eles entrar. Comeram pão com manteiga, umas frutas e café. A fome insaciável dos três, finalmente era saciada. Sinha Vitória explicava a situação da família para a senhora e o senhor. O menino mais velho, sentado em um banco, pensava no irmão. Fabiano abriu com cuidado o caderno do menino mais novo. Ele desenhava bem. Seu último desenho era Fabiano lutando contra um urubu. Que pena que o mais novo não conseguiu chegar até a casa para comer. Pediram uma carona ao casal, para a cidade de São Paulo. Queriam dinheiro em troca mas Fabiano, Sinha Vitória e o menino mais novo não tinham nada. Sinha Vitória dizia: Por favor, não temos nada, só a roupa em nosso corpo. Meu filho acaba de morrer. Estamos tentando buscar uma vida melhor na cidade

A senhora e o senhor, vendo a situação deles, aceitaram dar uma carona. A família estava quase feliz. A felicidade não era tão grande pois o menino mais novo ficaria no sertão, sendo engolido por urubus. Depois de algumas horas de viagem no caminhão do gentil casal, eles chegaram em São Paulo. Os três ficaram surpresos com os prédios e a paisagem diferente. Era tudo novo. Uma terra nunca explorada por eles. No momento que Fabiano olhou para a cidade sabia que não pertencia aquilo e nunca pertencerá. Ele tem ideia de que nada que ele sabe não vale nada naquela cidade grande. Pois, no sertão ou na cidade, por pessoas ou urubus, ele ia ser engolido. Sua família havia nascido para ser engolida por urubus.


Catarina Silva

Então, partiram para São Paulo. Inicialmente Fabiano não gostou da ideia, preferia continuar onde estava, perto da natureza e dos poucos animais que ainda não tinham morrido de fome e sede (ou até mesmo de calor) que ali restavam. Sinhá Vitória pensava diferente, achava que, por mais difícil fosse, essa mudança seria boa pra eles “Em cidade grande tem mais opções de trabalho, mais escolas para os meninos estudarem, e mais chances da nossa vida mudar”, dizia ela. Então juntaram suas coisas e foram embora, talvez pra sempre, da seca e da miséria. Sem dinheiro para comprar passagens de ônibus para quatro pessoas, Sinhá Vitória, Fabiano, o menino mais velho e o menino mais novo foram viajar a pé. Passaram por longos, dolorosos e difíceis meses de caminhada, mas sempre seguindo em frente. Às vezes com frio, às vezes com calor, mas sempre em frente. Quase sempre com fome, sem nenhum lugar confortável para encostar o corpo cansado e dolorido, com vontade de desistir, com vontade de parar na próxima cidade que aparecesse e ficar por ali mesmo, mas sempre que avistava alguma placa com o nome “São Paulo” escrito, um raio de esperança se iluminava dentro de Sinhá Vitória, quando esboçava um sorriso e dizia “Estamos quase chegando, vamos continuar seguindo em frente”. Era final de tarde quando chegaram à grande cidade. Aquele barulho, aquele ar sujo de poluição, as pessoas desesperadas correndo de um lado para o outro como se suas vidas dependessem daquilo, o trânsito, o barulho das imensas filas de carros que buzinavam o tempo inteiro emitindo um som que doía a cabeça. As pessoas da rua se assustavam com a aparência da família, os observando com um olhar de crítica, de desgosto, ou até mesmo de medo. Fabiano se sentia enjaulado, como um animal num zoológico. O olhar crítico das pessoas o irritava, fazia com que se sentisse humilhado. Enquanto ele via horrores, nascia dentro de Sinhá Vitória um ponto de esperança. Lá, ela via mais oportunidades, não só para os filhos, mas para si mesma e para o marido também.

Quanto mais se perdiam dentro daquele grande labirinto de concreto, mais comerciantes apareciam. Uma padaria, um mercadinho, um posto de gasolina, um vendedor ambulante diferentes apareciam a cada esquina que passavam. De vez em quando, Sinhá Vitória insistia para Fabiano ou para o menino mais velho que entrassem em uma das lojinhas, perguntando por um emprego. Nas poucas vezes que tentou Fabiano foi posto pra fora, algumas vezes apanhando com um cabo de vassoura, ameaçando chamar a polícia se não fosse embora rápido, ou até mesmo sendo ameaçado de morte. Já o menino mais velho não sofreu tantas ameaças em suas tentativas, na maioria das vezes as pessoas apenas o mandavam embora e pediam para que não retornasse mais ao local. Enquanto isso, o menino mais novo explorava a cidade, ficava fascinado com as luzes, com as cores, com as músicas que saíam dos bares de rua, e até mesmo com as pessoas, nunca tinha visto tanta gente assim. Queria explorar cada rua, cada beco daquela imensidão que era a cidade grande. Mas apesar de toda essa curiosidade também estava com fome, e aproveitava os momentos em que o pai e o irmão paravam para pedir por algum trabalho, e tentava procurar dentro dos lixos algo que pudesse prestar para, no mínimo, enganar a fome por um tempo. Em uma de suas tentativas conseguiu achar, por sorte, dentro de uma embalagem uma metade de um sanduíche. No mesmo instante saiu correndo, todo cheio de orgulho mostrar a grande descoberta para mãe, para o pai e para o irmão. Na mesma hora, os quatro retirantes saíram eufóricos em busca de um lugar para apreciarem a tão aguardada refeição. Pegaram alguns pedaços de papelão durante o caminho, e se aninharam em baixo de uma ponte para desfrutar do alimento. Ao apreciarem o meio sanduíche, pareciam verdadeiros animais enfurecidos, pois sabiam que a próxima refeição não aconteceria em pouco tempo. Ajeitaram os pedaços de papelão pelo chão e por lá ficaram. Se ajeitaram e logo Sinhá Vitória e os meninos caíram no sono. Fabiano ficou, por um momento, pensando no que se tornaria sua vida daquele momento em diante. Nunca mais sentiria a sensação daquele ar seco do sertão passando por suas narinas. Provavelmente, São Paulo era o lugar em que ficariam para o resto de suas vidas.


Clara Slywitch de Santi

Fabiano acorda mais uma vez de um daqueles pesadelos onde revivia a morte de Sinha Vitória. Foi num dia que estavam andando rumo à cidade com seus filhos, ele pedira a ela para ir até um rio ,perto, para pegar água, enquanto ele e os meninos descansavam. Como sempre, ela obedeceu. Depois que já haviam passado alguns minutos, Fabiano foi, preocupado, até a margem a sua procura, só conseguiu ver seu corpo estirado nas pedras, com muito sangue à sua volta, pois havia batido sua cabeça. Ele tentou manter a calma e ir até ela, mas era isso: ela já não respirava. Com seu coração disparado e sem entender o peso disso ainda, o pai contou aos filhos o que tinha acontecido e apesar dos gritos, proibiu-os de ver o corpo. O que seria dele sem ela? Fabiano ainda não sabia, mas sabia que devia continuar o caminho. Durante todo o percurso, Fabiano ficava com lágrimas nos olhos só de pensar sobre isso, os meninos também não sabiam o que fariam sem a mãe. Essa dor se transformou em raiva e mais motivação para chegar logo à cidade, eles já estavam lá há três dias nessa noite. Fabiano já conseguiu um quarto numa casa onde várias pessoas moravam, todas pagando um baixo aluguel. Não consege um emprego ainda, e não sabe o que fazer com os meninos porém, no dia anterior, ambos venderam balas no farol, mas o dinheiro foi tão baixo que o pai não pretende submetê-los a isso. Olha as horas, já são 5 da manhã, põe uma roupa, e acorda os meninos, para comunicá-los que terão esse dia livre, logo voltam a dormir. O dia ainda não clareou, mas ele já está num ônibus rumo à Av. Paulista, dizem que é a maior avenida de São Paulo, logo achou que seria um bom lugar para encontrar um trabalho. Chega lá só às 6:30, e se espanta ao ver esse mundo novo, é tanto asfalto, prédios tão altos, carros… tudo é tão cinza. Começa a andar por lá em busca de um trabalho, porém sente-se sem ar, com todas essas pessoas a sua volta, esbarrando nele e falando alto. Logo, Fabiano percebe que não gosta desse ambiente, que o sertão com bois para ele cuidar o deixa muito mais confortável.

O primeiro lugar que vai procurar emprego é no primeiro centro comercial que ele encontra, o Center 3. Ao entrar lá, recebe alguns olhares estranhos, deve ser sua roupa, ou seu cabelo ruivo, diferenciando-o do resto. Apesar disso, ignora os olhares, ou pelo menos tenta. Olha várias lojas e simplesmente não entende o porquê alguém compraria tantos sapatos ou roupas, ao seu ver, isso é tão desnecessário. O que mais o irrita é a felicidade sem motivo das pessoas, será que elas não sabem o sofrimento que o resto está passando? Será que elas não sabem que crianças morrem de fome debaixo do nariz delas? A ignorância das pessoas simplesmente tira-o do sério, mas tenta ficar focado e voltar para o seu principal objetivo, arranjar um emprego. Ainda caminhando pelo shopping, vê na praça de alimentação um papel num restaurante dizendo que estão precisando de funcionários, logo Fabiano entra lá e se apresenta, a recepcionista olha para ele dos pés a cabeça, mas não nega sua entrada e o leva para uma sala onde há um homem que pede para ele se sentar. A primeira pergunta era sobre seu currículo, Fabiano fica levemente confuso com sua pergunta, mas o homem esclarece dizendo que quer saber sobre sua experiência de trabalho, ele explica que sabe cuidar de bois, caçar e limpar a carne dos animais. O homem não parece satisfeito e pergunta sobre sua experiência com a cozinha, Fabiano se sente triste ao explicar que quem sabia cozinhar bem era sua mulher. Seu entrevistador abre um sorriso amarelo e acaba a entrevista dizendo que entrariam em contato com ele. Fabiano sabia que dessa vez não conseguiu o trabalho, mas isso não o fez desistir. Ao sair do shopping, resolve passar nos camelôs onde se vende acessórios falsificados para eletrônicos, lá provavelmente teria algum emprego temporário para ele. Indo de tenda em tenda, todos os vendedores vêem a cara quando percebem que Fabiano não vai comprar nada, ele começa a sentir um desespero ao observar a indiferença das pessoas, mas mesmo assim não desistiu. Até uma hora em que uma mulher disse: “Meu homem, assim como você vim do nordeste, ainda era uma criança. Vou fazer com você o que gostaria que tivessem feito com minha família”, simples assim, ele começaria no próximo dia.


Voltando para sua casa, se sentia mais leve, finalmente algo estava dando certo. Ao chegar em casa, é recebido pelo menino mais velho, que está com uma cara que deixa Fabiano preocupado. Então a criança explica que apesar do dia livre, quiseram ajudar de todo jeito, e foram vender bala para pessoas na rua, porém um policial foi até eles dizendo que não podiam fazer isso, mesmo assim o irmão mais novo insistiu, e nisso, o policial o chutou na rua, e por pouco ele não foi atropelado. Fabiano entra correndo no quarto deles, e sente uma dor no coração ao ver seu filho machucado. O pai apaga as luzes para todos eles dormirem, pelo menos esse direito ainda não foi tirado deles. Fabiano pensa, como independente de tudo ele e seus filhos sempre seriam deslocados das pessoas da cidade, com nunca se acostumariam à fumaça, aos prédios altos, aos carros, aos barulhos, à ignorância do povo. E por fim ele pensa, como nunca se acostumaria a viver num mundo sem Sinha Vitória, e cercado pelas almas secas da cidade.


Clarice Romeu Boffa

A CASA É A RUA Nunca haviam visto algo tão grande, tão cinza, tão barulhento, tão assustador, tão bagunçado, tão frio e tão cheio. Era imensa a cidade. Estavam sem palavras, seus olhos brilhavam, não sabiam para onde olhar. Era tarde, chovia, estavam cansados, esfomeados e perdidos. Andaram sem rumo por um tempo, no meio das pessoas que pareciam uma boiada apressada, atrasada. Os meninos estranharam o chão de concreto, áspero, que machucava seus pés descalços. Até que encontraram um toldo de uma loja para se abrigarem e poderem descansar. Sinhá Vitória e os meninos dormiam no chão agarrados para se esquentar do frio desconhecido. Fabiano pensava na vida ou na morte que deixara lá no sertão e sentia falta do calor que os cobria todos os dias. Quando amanheceu, Fabiano estava acordado, não tinha conseguido dormir, pois desconfiava da cidade, tinha medo. Um homem de roupa limpa e sapato expulsara-os com uma vassoura, dizendo: - Vão arrumar o que fazer, vão arranjar um trabalho e parar de ficar o dia todo sem fazer nada, bando de desocupados. Fabiano e Sinhá Vitória não sabiam para onde ir, mas sim que precisavam arranjar um emprego para ganhar dinheiro como o homem que havia dito. Mas com o que poderiam trabalhar? E como iriam conseguir um emprego? Viram um cachorro mexendo em lixo catando restos de comida. Estavam com muita fome, há mais de um dia que não comiam. Então, farejaram, reviraram e caçaram restos no chão como o vira-lata. Depois de se alimentarem, foram à procura de emprego. Toda pessoa que passava, perguntavam se conhecia algum emprego ou algum jeito de conseguir dinheiro.

Mas muitos nem respondiam, nem se quer olhavam para eles. E outros respondiam: "Hoje não". Havia passado uma semana, já estavam quase desistindo de tudo e foram à procura de comida. O mesmo cachorro que, estava revirando o lixo, agora estava com um homem, aparentava ter a mesma idade que Fabiano, mas diferente de Fabiano parecia saber o que estava fazendo e o que iria fazer. O que está fazendo? - indagou se Sinhá Vitória. Comendo. - era a primeira pessoa que respondia realmente olhando nos olhos deles. - Estão perdidos? Sim. Posso ajudar? Sim. Precisam tomar um banho. Venham aqui. - O homem levou-os para um chafariz - É aqui que tomamos banho. Me chamo Eduardo, como se chamam?. Fabiano e Vitória. E vocês? - disse o homem para os meninos, mas eles não responderam-o e olharam para os pais. Bem- vindos a rua, agora ela é a casa de vocês. Acho bom irem à procura de papelões para poderem se abrigar, hoje vai chover. Obrigado. Relaxa, agora somos parceiros. Mas já vou logo avisando que aqui em São Paulo, quem mora na rua, ou enlouquece ou usa drogas. - disse o homem oferecendo para Fabiano.


Clarissa Girão

MUDANÇA DE VIDA Após a volta da seca, Fabiano e sua família tiveram que tomar uma decisão que mudaria suas vidas para sempre, ir para a cidade. Suas vidas mudaram drasticamente, nada foi fácil, desde quando foram escondidos em um caminhão e depois descobertos tendo que andar o resto do trajeto a pé, até ao chegar na cidade, que com a chuva, passaram frio. Não tinham moradia, arranjaram então depois de alguns dias, algumas caixas de papelão, que usaram para fazer um “teto” sobre suas cabeças. Duas semanas depois, um carrinho de supermercado e assim foram construindo algo que nunca imaginaram, vivendo uma vida que acharam que jamais viveriam, a vida na cidade. Fabiano arranjou algumas latinhas aqui e ali e foi assim que conseguiu seus trocados, já que suas habilidades de sertão estavam longe da vida na cidade, eram inúteis, tudo que ele havia aprendido sua vida inteira fora descartado. Sinha Vitória, agora, desocupada, apenas ficava no barraco, guardando centavo por centavo, literalmente, que sobrava. Assim em dois meses, Tiveram dinheiro suficiente para um pacotinho de bala, não para eles, esse não era um luxo que eles podiam se dar, mas sim para vender no farol. Foi isso que os meninos fizeram, a tarde toda se aventurando por ruas desconhecidas e passando no meio de carros que pareciam querer esmagá los. No final, conseguiram não mais que cinco reais e os pacotes haviam acabado. Desses cinco, Sinhá Vitória guardou, cinquenta centavos e o resto se juntou ao que Fabiano havia conseguido, dando assim pão para o jantar.

Passados mais dois meses, a cada duas semanas os meninos vendiam balas no farol, usando uma parte do dinheiro do pai, enquanto o mesmo criou uma rotina própria, acordava com o sol passando pelas frestas do papelão, que mofou por causa da chuva e já estava se despedaçando, saia,

pegava o carrinho e subia ladeiras, caminhava pelas ruas com o olhar das pessoas queimando suas costas, junto com o calor ou o vento ou até mesmo a chuva que não facilitavam seu dia de maneira alguma. Sinhá Vitória, engenhosa, começou a catar tampinhas de cerveja e de outras garrafas para fazer colares, que vendia na calçada, mas parecia que ela estava até pior que os meninos na venda, os olhares de julgamento que as pessoas davam para ela ao passar na rua e o pouco que arrecadava não servia para nada, apenas para lhe dar uma ocupação. Ao longo do tempo as coisas pareciam piorar, Fabiano havia sido espancado por um grupo de homens ao que voltava de um dia de “trabalho”, sem condições de ir enfrentar o dia seguinte, o filho mais velho assumiu seu lugar naquela semana. No meio da semana, ao que descia uma ladeira se deparou com alguns meninos conversando e fumando, meninos que pareciam ter sua idade. Ficou intrigado, não sabia o que eles estavam fazendo, mas sabia que era algo que ele nunca havia feito. Começou a passar por lá na volta para o barraco, até que um dia foi parado por um dos meninos, eles conversaram, na verdade foi o menino com seu sotaque engraçado que falou mais, deixando o filho mais velho confuso, mas tentado a proposta de ficar um pouco com eles, conversar e fazer algo de diferente. Sem noção do tempo naquele lugar desconhecido, Sinhá Vitória não soube muito bem quanto tempo depois do normal o filho mais velho havia chegado, mas sabia que esse tempo havia passado. Ao final da semana um dos meninos sugeriu algo novo para o mais novo da “turma”, deu lhe uma faca, juntos foram até uma mulher que passava na rua e dividiram tudo o que ela havia lhes dado. Nesse dia a família comeu um pouco mais do que o normal e essa nova ação virou parte do dia a dia do menino.


Dante fukuda

VIDAS SECAS NA CIDADE Entre o ar escaldante da seca Fabiano, Sinhá Vitória e os meninos, estavam indo a caminho da cidade grande em um ônibus. Onde poderiam ter uma uma maior chance de sobrevivência, porque estariam a salvo do perigo da seca, poderiam achar comida com maior facilidade e talvez um futuro melhor para os meninos. A viagem ia ser longa e a família de retirantes nordestinos não teria o'que comer ou beber durante a viagem. Durante a viagem a família e principalmente os meninos ficaram surpreendidos com a velocidade do automóvel e pela as paisagens desconhecidas que os rodeavam. A viagem durou muito tempo, dias, uma semana, quando finalmente chegaram estavam totalmente exaustos e famintos.

Na cidade, Fabiano e sua família estranhariam os seus arredores e provavelmente ficariam desconfortáveis. A cidade èra barulhenta, lotada e tinha um odor desconfortável. Os meninos iriam estranhar e iriam sentir falta de baleia nesse instante. A noite ia se-aproximando e como eles não tinham um lugar para ficar no momento eles decidiram passar a noite na rua. Nos dias seguintes a família tentou achar um abrigo para se-acomodarem e Fabiano e Sinhá Vitória um emprego, eventualmente eles acharam um prego com uma baixa qualidade de trabalho, desgastante que paga apenas o suficiente para comerem. Os meninos teriam que ficar com os pais no trabalho até eles acharem uma escola ou algum outro lugar para eles ficarem.

Quando acharam uma escola que aceitasse as crianças, Fabiano e Sinha Vitória iriam gastar todos seus ganhos na educação dos meninos, que os forçaria a comer restos de comida dos outros ou pedir comida para estranhos. A vida dessa família de nordestinos numa cidade não seria fácil, eles poderiam ter fugido dos perigos da seca e da fome mas irão enfrentar a violência e discriminalidade da cidade grande. Os seus filhos provavelmente teriam uma chance maior de serem bem sucedidos na vida do que seus pais.


Emanuel Boll

VIDAS CINZAS Fabiano abriu os olhos, estava em um abrigo na zona leste da cidade, o quarto fedia muito não tinha o cheiro da caatinga, mas o colchão era mais confortável que a cama de vara, Sinha Vitória iria gostar, ela estava dormindo em outro abrigo com os meninos. Fabiano então foi a uma praça encontrar a família, os encontrou sentados no chão, o filho mais novo iluminou os olhos ao ver o pai, mas logo começou a chorar com saudade de casa, na cidade não tinha vacas pra ele domar, a cama que ele dormira era muito mole, e a comida sem gosto. O pranto do garoto chocou seus pais, que conversavam sobre a quantia que tinham de dinheiro, "15,00 reis" disse a Sinhá Vitória, então foram os dois comprar qualquer coisa no mercado, compraram um pacote plastificado,que tinha um queijo desenhado e uma garrafa de água almoçaram isso. A tarde Fabiano foi atrás de um emprego e as crianças e a mãe foram pedir dinheiro. Fabiano andou muito perguntando em todos lugares se tinha emprego, no bar ele se sentiu desconfiado e achou que não era coisa cabra cozinhar, depois foi em um lugar muito estranho, era vermelho e tinha roda pra todo canto lá perguntaram se ele sabia mexer em carro, o cabra achou que era golpe saiu sem responder nada. Fabiano de repente se deu de cara com algo gigantesco e cinza com grandes janelas e grades, bateu palma no portão até que chegou um homem de roupa de festa, o homem falou "vaza daqui, não tem comida não" assustado Fabiano respondeu "quero comida não. quero trabalhar" o homem sem dizer nada pra ele gritou um nome, logo chegou um tal de zelador, um homem franzino, que falou que tinha emprego pra cuidar das plantas, o vaqueiro acenou um sim com a cabeça, o homem que se chamava Zé, o levou pra dentro daquela fortaleza cinza, mostrou umas plantas murchas e falou que o dever de Fabiano era cuidar delas e que ele começava no dia seguinte, foi embora meio desconfiado mas aceitou tudo, correu pra ver a família. Sinhá Vitória lhe deu 20 reais, agora comprou um suco de laranja e 4 pães.

Fabiano foi antes do sol raiar pro prédio (tinham falado que esse era o nome), entrou e foi falar com Zé, esse lhe deu uma roupa cinza, assim como tudo na cidade, e mandou ele fazer seu trabalho conforme ele tinha explicado podou as plantas, cortou a grama, no começo arrancou um tufo inteiro do mato, mas logo o patrão chamou sua atenção. No final do dia foi pegar o dinheiro e Zé falou que era só na sexta. Após umas semana revezando entre o abrigo e a rua Fabiano conseguiu 200 reais então parou num bar pediu uma pinga e fumou seu cigarro de palha e ficou apenas observando o como era movimentada a cidade, como era cinza e barulhenta, sentiu falta dos mandacarus, do gado, sentiu falta de Baleia mas logo parou de pensar nisso, ele tava tentando evitar pensar no passado queria uma vida nova, lembrou que Sinhá Vitória tinha ido ver escolas pros meninos, o mais novo tava querendo ser bruto igual o pai, mas na cidade não dava pra ser bruto. Correu pra porta do abrigo onde ele iam se encontrar, quando chegou lá viu os meninos cabisbaixos e a mulher com água nos olhos, na escola a diretora tinha dito que não tinha mais vaga pra esse ano, isso deixou todos muito tristes, ninguém se falou até o final da noite. No trabalho Fabiano viu todas as plantas amarelas, Zé veio enfurecido falar com o vaqueiro, "como que você não molhou a grama!!! o senhor sabe bem que no outono não chove", Fabiano só pediu desculpas, e molhou a grama, mas ficou encabulado de ter que molhar o chão, ainda mais quando ta com pouca água por causa da chuva. AAté que um dia, na frente do abrigo tinha uma batida policial espantando os moradores que não conseguiam entrar, tinha uma fumaça que ardia muito, e agora os soldados amarelos eram cinzas que nem a cidade, Fabiano se perdeu preocupado com a família, no meio disso um soldado cinza veio até ele e o jogou no chão, o vaqueiro se irritou mas lembrando do soldado amarelo só resmungou baixinho pra não arrumar encrenca, mas o soldado viu o resmungo, e pediu pra Fabiano repetir, irritado ele repetiu e nisso o policial agarrou ele pela nuca gritando " Baiano vagabundo, volta pra sua terra" Fabiano respondeu xingando a mãe do soldado que o levou pra um carro cheio de grades. Fabiano abriu os olhos, estava em uma cela inteira cinza, que nem a cidade, só pensava em o que a Sinhá Vitória iria fazer sem ele, agora não seria igual a vez do soldado amarelo, agora ele tava preso na cidade, sem ninguém, na cidade tudo era maior até a sentença, o bruto dormiu, e sonhou com a caatinga, com seu Tomás da bolandeira e uma casinha com um gado decente, a família feliz.


Guilherme Campanhã de Barros Freire Depois de um tempo trabalhando Fabiano junta dinheiro para uma passagem de ônibus para São Paulo com sua família, depois de longas horas viajando eles chegam, então a primeira coisa que veem são os prédios, que são grandes construções de concreto, na qual eles não tinham ideia de como haviam sido construídas, eles ficam surpresos e maravilhados, imaginando como seria morar em um desses, Sinhá Vitória imagina como seria morar morar em um desses, acordar em uma cama confortável, levantar e ver a vista dessa floresta de concreto. O filho mais velho imaginava como seria estudar em uma escola, já Fabiano imaginava empregos fáceis e que rendiam uma boa quantidade de dinheiro. Eles chegam na parada e descem, então ficam em dúvida de onde ir, todos ali estavam com fome, então decidem comer algo, eles acham um kilo bem barato ali perto, como Fabiano havia guardado o suficiente apenas para um prato eles dividem. Eles apenas saem vagando sem rumo, já que não tinham para onde ir, até que eles passam em frente a um supermercado, eles ficam espantados com a quantidade de comida que tinha. Todos já sabiam que eles iriam ter que dormir na rua esta noite. Já estava anoitecendo, eles estavam perto do mercado, até que viram alguns trabalhadores indo descartar comida e tinha pessoas esperando, então Fabiano decide ir também, ele então descobre que poderia ficar com um pouco da comida descartada, então ele leva para sua família e eles comem os restos e dormem. No dia seguinte Fabiano decidiu procurar emprego, ele então percebeu que todo conhecimento que ele havia conseguido sobre animais, a vida no campo não valiam de nada na cidade onde estavam, então ele avista um caminhão que estava recolhendo sacos de lixo, então ele decide perguntar onde poderia começar a trabalhar, mas era muito longe e os lixeiros indicaram o caminho, então Fabiano tinha de pegar ônibus para chegar lá, já que Fabiano era forte ele poderia fazer o trabalho, então pediram para no dia seguinte ele voltar que iriam instruí-lo.

Agora o maior problema seria onde morar, eles antes avistaram pessoas morando nas ruas com pedaços de papelão e cobertores, então depois de um tempo procurando acharam alguns pedaços de papelão no lixo, por enquanto seria o suficiente já que era verão, então se alocaram em uma espécie de parque perto do mercado, para poderem ter comida, nesse dia o supermercado não descartou comida, então eles comeram um pouco do que havia sobrado do dia anterior. No dia seguinte Fabiano voltou para perguntar sobre seu emprego, ele teve que assinar alguns documentos, ele conseguia escrever seu próprio nome, mas não conseguia entender oque estava naqueles papéis. Então ele foi instruído de como trabalhar, quando ele voltou de tarde ele conversou com Sinhá Vitória sobre o trabalho que ela teria que fazer mais para frente. Eles teriam que pensar sobre oque fazer com as crianças, então eles decidiram levá-las a uma escola pública, então eles descobriram uma escola que dava para ir a pé, então no dia seguinte enquanto Fabiano trabalhava a mãe levou os filhos para a escola, onde conversou com as pessoas que trabalhavam lá, então no dia seguinte eles iriam começar. No dia seguinte Fabiano foi trabalhar e enquanto as crianças estavam na escola Sinhá Vitória foi a procura de cobertores, ela primeiro tentou procurar, mas não achou nenhum, então decidiu pedir e conseguiu voltar com 2, então ela foi buscar os garotos na escola. Depois de um tempo a família começou a morar em uma ocupação, então dificultou muito para Fabiano ir trabalhar, ele tinha que pegar vários ônibus, e Sinhá Vitória quando tinha tempo ia pegar latinhas para conseguir alguns trocados, e os filhos eram levados pela mãe com alguns ônibus para a escola. Então eles continuaram seguindo assim.


Henrique Gandelman

ALMAS SEVERINAS O calor de um fogo asfixiado pairava sobre o espírito amargo de Fabiano. A brincadeira dos Santos acabara quando a fome chegou. Sob a seca margem da origem da vida, a família caminhava com rumo indeciso ao desconhecido. Sinhá Vitória já via a grande cidade. Todos viam, menos Fabiano. Ele havia resistido, como seu trabalho o ensinara. A grande cama de Tomás da Bolandeira estava a um passo da esposa, que iria a agarrar. Fabiano não deixou. Os anjos pelados estavam já acabados, a fome havia os dominado. Baleia fazia falta. Todos estavam cansados, o calor não os perdoava. A memória recente de uma vida distante era o que mantinham a família viva. Uma esperança de encontrar seu lugar no mundo, já que o mesmo havia os rejeitado em momentos passados. A dificuldade de continuar o caminho era enorme, era como se o fogo da vida havia sido extinguido de suas almas. Para que continuar? Assim era o que rodeava a cabeça de Sinhá Vitória. Se não fosse pelos meninos, ela desistiria. Fabiano não era assim. Sabia que havia um plano para ele, tinha certeza. Três semanas haviam se passado desde que os sertanejos correram da seca pela segunda vez. Apenas cidades pequenas. Nenhum emprego, nada. Comida era pouca e água menos ainda. Se não fosse a experiência vivida pela família, todos já estariam na Grande Cidade. O descanso era limitado e devido ao cansaço, caminhavam poucos quilômetros por dia. Fabiano sabia que não voltaria a seu antigo emprego se chegasse em uma cidade grande. Queria acreditar que iria encontrar um espaço cujo a família iria se adaptar, viver bem. Sabia que isso não era possível.Fugia mais do que da seca, fugia da ideia de ser apenas mais um. Severinos, pais de Fabiano, e agora seus filhos, eram o que ele sabia que teria em sua jornada no planeta. Uma longa linhagem de Severinos.

Seus pés feitos de pedra já não aguentavam o vento e o calor que os desgastava. Nenhuma cidade a vista. O fruto da vida caiu no sertão. A água restaurou o fogo já quase apagado de suas almas. Dormiram naquele mesmo lugar. Sem contar os dias, São Paulo foi avistada depois de pouco tempo. Logo na entrada da cidade, a família procurou lugar para descansar. A rua foi seu local de refúgio, o local de todos. Fabiano procurou emprego. As oportunidades eram secas e limitadas devido a ser ele mesmo. Ser Severino não funcionava em cidades. Dias se tornaram meses, e havia apenas sobrevivido devido a generosidade falsa de pessoas que davam esmola ao mesmo. Não queria isso para viver, não merecia. Um pedreiro lhe ofereceu um trabalho. Disse que havia o escutado pedir por um emprego na rua, e o mesmo homem estava precisando de um homem na obra de um prédio. Não o conhecia. Segunda a proposta, iria trabalhar como assistente de pedreiro. Tudo que lhe cabia fazer era colocar concreto em uma armação. A simplicidade daquela vida o lembrou de sua antiga, uma alma passada rejeitada pelo seu ser. Aceitou pela falta de opção. Com o mau bocado de dinheiro que ganhava, comprou um barraco na Brasilândia. Sabia que este barraco era melhor que outros espaços que havia vivido durante sua vida. Os meninos antes despidos, agora crescidos, não se assemelhavam a recém nascidos, e iam à escola. Havia a maior renda de sua vida, e conseguiu comprar vestimentas baratas na 25 de março. Sinhá Vitória, antiga costureira e trabalhadora, agora assistia novela numa tv que havia na comunidade. Os anjos pelados e brincalhões agora eram apenas crianças sem sua diversão. A família era quase feliz. Fabiano sabia a ironia.


Não era quem desejou ser, apenas uma gota num mar vasto. Sua infelicidade neste local rendia mais que sua maior felicidade em sua origem. O sertanejo voltava de seu trabalho.

Sua família o esperava para se juntar a eles. A argamassa mal feita de seu teto desabou, junto com ela, o barraco. A cidade de cinza e fumaça se ergueu. Um nevoeiro impedia a visão de Fabiano. Uma sede horrível lhe queimava a garganta. A grande estrela lhe esfriava a alma. Seu corpo murmurava como o canto de um recém nascido. Seu ouvido via o que seus olhos não escutavam. O nevoeiro se aproximava. A esperança parecia inventada pela espera. Um brilho que seus olhos nunca viram o cegava. Olhou ao redor. Lá estava a família estendida no chão, sob a seca margem da origem da vida. Baleia estava logo a frente, o chamando. Vinha em sua direção. Fabiano ficou imóvel. Não queria se mexer. Seu estômago soava como choro de criança. Em seu horizonte seco, viu a sombra de suas crianças brincando peladas, e adiante, Sinhá Vitória com a cama de Tomás da Bolandeira. Em posição fetal, arrastando-se, Fabiano foi unir-se a sua família.


Ian iwazaki

Fabiano e sua família continuaram sua jornada dura fugindo da seca, para continuar eles tiveram que pegar carona com muitos caminhoneiros diferentes até conseguir chegar na cidade. Chegando na cidade grande conhecida como São Paulo eles tiveram que achar um lugar para se estabelecer, como tinham muito pouco dinheiro, Fabiano teve que pensar como conseguiria aumentar este dinheiro. A família se dirigiu a uma avenida bem movimentada e lá começaram a perguntar a todos, se alguém teria um emprego disponível. Após longas horas de interrogatório eles finalmente acharam um homem, chamado senhor Cabral, que tinha emprego numa grande loja de roupa. Fabiano explicou que era analfabeto e só tinha experiência com domar animais, Cabral falou que este era o tipo perfeito de pessoas que eles procuravam.

Fabiano aceitou de cara, pois era o único jeito de ganhar dinheiro rápido, a família concordou pois sabia que precisavam disso. Segunda-feira, Fabiano se dirigiu a fábrica onde trabalharia, chegando lá às quatro da manhã ele iniciou o trabalho que era apenas levar a roupa da máquina até outra grande máquina para algo que nem mesmo ele sabia. Enfim, Fabiano continuou com seu trabalho até as onze onde teve uma pausa para almoçar uma gororoba nojenta que nem mesmo dava para sentir o gosto, mas pelo menos era comestível, o que resolvia problema de alimentar quatro bocas, agora só seriam necessárias três. E continuou a mesma rotina até às três e meia da tarde chegando na rua, onde a família estava, Fabiano mostrou para sua eles o dinheiro, tinha ganhado quinhentos reais de antemão só por trabalhar lá. Com esses quinhentos reais, eles deram entrada num barraco na comunidade. O salário era de duzentos e cinquenta por semana, já nas duas primeiras semanas ele não recebeu nada, por conta da entrada.

Ou seja, ele teve que pegar um pouco da gororoba escondida para dar para a família, mas para complementar a renda as crianças ficavam nas ruas, mendigando nos faróis para conseguir alguns tostões. Já Sinhá Vitória arranjou um trabalho de meio-período como empregada. Assim a vida seguiu por dois meses até que numa noite, Sinhá Vitória começou a ter enjoos e passar mal, nesse dia ela não foi trabalhar, o tempo passou e as náuseas não melhoraram e a barriga começou a crescer, o pânico foi tanto ao descobrir que estava grávida que considerou até abandonar o bebê quando ele nascesse, pois eles já não conseguiam sustentar quatro pessoa, imagina cinco e uma que não gera nenhum dinheiro, a rotina seguiu naturalmente. Até que um dia Fabiano foi demitido pois teve uma expulsão em massa algo complicado de se entender. Logo Fabiano entrou em desespero porque não sabia como ia lidar com tudo isso, a gravidez a demissão, então decidiu que fugiria e nunca mais voltará. Então saiu da fábrica e começou a andar a esmos pela cidade, andando acabou esbarrando num homem chamado Felipe que logo depois de esbarrar começou a xingá-lo por não prestar atenção por onde andando. Fabiano para se justificar explicou sua história. Felipe comovido o levou para uma casa religiosa onde seria acolhido.

Já na habitação Fabiano começou a praticar os cultos dessa religião por ser “salvo” por Ele, como se juntar ao coral, rezar todo dia, buscar mais pessoas para entrarem para o culto. Nesse culto ele ganhava moradia, comida e dividia uma sala onde todos dormiam. Até alfabetizado o padre o fizera. Até o fim da sua vida ele continuou dentro da igreja, porém sua família não teve o mesmo fim, como a renda já não era a mesma eles não conseguiram pagar o aluguel e infelizmente foram despachados, por conta disso a Sinhá Vitória foi demitida e ela e seus três filhos sendo um recém-nascido, ficaram sem teto e vivendo apenas de esmolas e as poucas comidas que lhes eram doadas.


João Gilberto

Fabiano foi de ônibus para São Paulo com sua família . A viagem foi muito difícil, não tinha comida suficiente para os familiares. Teve duas paradas, uma foi no Rio de Janeiro, outra em Itu . No Rio de Janeiro, Fabiano ficou enfermo, sentiu náuseas , dor de cabeça e calafrios. Por sorte havia no ônibus um médico do Hospital do Servidor Público, que salvou sua vida.

Chegando a São Paulo foi morar com a família em Paraisópolis. A casa era muito simples, não tinha comida suficiente, Fabiano foi procurar emprego como pedreiro. Acordava muito cedo, pegava ônibus e metrô, cinco da manhã. Sinhá Vitória ficava em casa cuidando das contas. Comprava pouca carne no atacadista e cozinhava para a família.

O irmão mais velho e o irmão mais novo iam à escola pública de São Paulo, andavam muito, ficavam sem lanche no recreio e, nas aulas, os professores não tinham um bom material, usavam coisas reaproveitadas.

Por três anos a família de Fabiano levou essa vida dura. Depois disso, ele foi contratado pelo Colégio Santa Cruz, como inspetor de alunos por um salário bem melhor que o de pedreiro. Os meninos puderam estudar nessa escola e passaram a usar materiais bons, que não haviam sido reaproveitados. Eles se lembravam da Baleia com saudades. Apesar de terem melhorado de vida, as dificuldades ainda eram muitas ,no entanto eles tinham muita esperança de que seriam felizes finalmente.


José Pedro Couto Falcão

MUDANÇA A fuga da seca tornava cada vez mais difícil a reabilitação de Fabiano e de sua família,eles somente queriam recomeçar e iniciar uma nova vida em uma grande cidade. O menino mais novo não gostará da ideia pelo fato de gostar da região em que vivia, de brincar com os animais e explorar a região, o medo de um recomeço o deixava tenso, já o mais velho que tinha um pouco de conhecimento sobre o que a família já havia passado, se mostrava ansioso. Sinhá Vitòria só queria um pouco de reconhecimento, levando em conta que não eram considerados gente, Fabiano tinha prós e contras sobre a decisão de mudar de vida. O plano inicial era seguir uma plantação que se localizava a pouco mais de trinta minutos do local onde a família estava,após completar o trajeto e a chegada à cidade.O planejado era tentar arrumar uma carona com o pessoal que também tentava um recomeço porém as coisas nao se desenrolaram como o planejado e algumas mudanças aconteceram.

A família começou a viagem logo na manhã do dia seguinte,levando seu pequeno baú com tudo que família tinha, ou seja, quase nada. Quando a família se deslocava pela plantação de trigo, o menino mais novo passou mal devido às condicoes para a continuação da jornada, que eram péssimas, a com baixa umidade no interior de São Paulo e alta temperatura atingia o local.Ao se deparar com a situação Fabiano gritou:

-Ande, pirralho, condenado do diabo! Fraco, o menino que tinha medo do pai se levantou, porém estava todo troncho e acuado,ao tentar continuar andando, o menino se deitou novamente.

Fabiano já estava mandando a família seguir em frente mas por sorte Sinhá Vitòria se colocou na discussão e mandou Fabiano apanhar o menino e levá-lo em suas costas.Fabiano que respeitava as decisões da mulher seguiu a ordem. Ao terminarem o trajeto da plantação o menino mais velho avistou uma pequena vila onde havia caminhões e algumas pessoas,exatamente o que o pai tinha planejado junto com Sinhá Vitoria.Ao se aproximarem dali, Fabiano tentava arranjar qualquer tipo de carona, enquanto isso, os dois meninos e a mulher descansavam um pouco antes da próxima aventura. Fabiano ficou discutindo com um caipira por bastante tempo, até que ele havia conseguido uma carona para a família,porém, eles não iriam com outras pessoas que buscavam uma nova vida,eles iriam com uma grande carga de animais que seriam abatidos. Quando a família entrou no caminhão,se depararam com uma condição que não era das melhores.A viagem iria durar cerca de vinte horas, pelo tamanho e peso do veículo que teria que carregar uma grande carga e animais. O mais novo ficou grande parte da viagem brincando com os animais que ali estavam,principalmente com as galinhas ele ficava andando de lá para cá atrás delas até que Sinhá Vitoria que estava passando mal pelo forte cheiro, se irritou e o mandou ficar quieto.O mais velho ficou grande parte da viagem quieto e nervoso por ter que mudar radicalmente de vida.


Quando a família havia chegado na grande capital, eles ficaram muito perdidos,não sabiam para onde ir,Fabiano teve outra impressão da grande cidade nos seus primeiros minutos , ele logo reparou na desigualdade do local,diferentemente do interior onde todos se ajudavam,o homem pedia qualquer tipo de informação e o povo simplesmente ignorava,pareciam estar apressados.Fabiano se sentia como se fosse um boi andando em uma boiada sem rumo,só seguindo em frente. A grande sorte da família foi ter encontrado um senhor de bom coração,que já lidava com esse tipo de migração constantemente,ele deu apoio para o pessoal e aconselhou que Fabiano arranjasse qualquer tipo de emprego,o velho perguntou o que o homem sabia fazer,porém, tudo que ele sabia não poderia ser aplicado em forma alguma,tudo que ele sabia eram técnicas agrícolas que aplicava a gado e plantações no interior. Depois de um certo tempo tentando se adaptar à nova cidade,Fabiano estava trabalhando como flanelinha, fazendo o povo estacionar seus carros,porém não era isso que queria,o dinheiro era muito indefinido e pouco,além do mais, quando ele ficava insatisfeito ele gastava a baixa renda da família em bebidas e descontava na mulher e nas crianças. Os dois meninos também não gostaram da drástica mudança,eles estavam mais tristes, principalmente o pequeno,que não saìa do barraco que tinham arranjado e não deixava Sinhá Rita trabalhar como dona de casa.Ela descontava sua raiva batendo no pobre menino.O mais velho ficava nas ruas pensando no espaço que tinham para viver antes e implorava a Deus para voltar. A família inteira apresentava dificuldade e o ciclo da pobreza ainda os perseguiram, Fabiano encontrou uma vira-lata que havia gostado dele, ele decidiu apanhar-la para cuidar,era muito guenza, suas costelas eram muito aparentes,mas era dócil e amenizava as dificuldades que continuavam sofrendo, mesmo com as mudanças. Após uma longa conversa entre todos decidiram que a vida seria melhor se voltassem a rotina, mesmo com as dificuldades que tinham.A mudança se repetia, porém com a família unida e com a cachorra em seus braços.


Julia Castex

ROSA, MUITO MAIS QUE UMA FLOR Fabiano olhou para os pés sujos de barro, barro seco, os dedos estavam imundos, a pele descascando queimada pelo sol. Estava andando sem ver fim, com Sinhá Vitória ao seu lado, tentando puxar assunto constantemente. Ele só pensava em como aquilo iria se desenrolar, seria essa mais uma caminhada que parece ser infinita? Não por muito tempo. De longe ele viu uma estrada, no meio do nada, mas no mesmo momento que a viu colocou em sua cabeça que aquela seria a maneira de escape, e nada iria impedi-lo. Logo depois Sinhá Vitória a viu, sugeriu uma tentativa para pegar carona, apesar de Fabiano já ter pensado nisso, concordou. Ela, animada, contagiou os filhos com sua esperança, que mesmo famintos, conseguiram demonstrar gratidão. Caminharam até a beira da estrada, a terra estava quente. Ficaram lá em pé, esperando algum carro ou caminhão passar, demorou para Sinhá virar e perguntar:

- Fabiano, aqui não passa coisa não? - Passa. - Cadê? - Vai vir. Respondeu, com ar de esperança, algo que nunca acreditou, mas nas horas de apuros, mergulhava de cabeça. E assim foi, poucas palavras, Vitória já estava acostumada, tão acostumada que parecia como se ele falasse normalmente. Sentaram na beira da calçada, e esperaram. A noite chegou e junto com ela a fome, ele não dormiu por medo de perder a sua chance de correr da seca, talvez a sua única chance de correr da morte. Já estava amanhecendo quando as crianças e a mulher acordaram para usufruir dos poucos minutos restantes de escuridão.

O sol estava no auge quando Fabiano começou a escutar um barulho de algo se aproximando, ele levantou do chão na hora e começou a gritar, o veículo se aproximou rapidamente e parou na frente de Fabiano, que se arriscou a ficar no meio da estrada impedindo-o de passar. Era uma caminhonete moderna, por sorte com cinco assentos, suja de terra, atrás tinha uma lona preta com algo grande abaixo, mas não sabiam o que. Fabiano ficou pensando o que alguém com um carro daquele modelo fazia por perto, naquele fim de mundo, ele nunca tinha visto um carro daquele tipo e ficou pasmo pensando nas mil coisas que aquela máquina era capaz de fazer. Um homem com cara de bravo tirou a cabeça da janela e gritou: - Sai da frente! Não quero ter que atropelar você. Sinhá Vitória que sabia desenrolar conversa foi falar com o moço enquanto Fabiano impedia sua passagem: - Moço, pra onde o senhor vai? - Pra que te interessa? - Eu e minha família estamos morrendo nessa seca, estamos fugindo. - O que você quer comigo então? Eu vou para o sudeste do país. - Será que o senhor pode levar a gente junto? - Poder não, mas se vocês não ficarem me atrapalhando eu levo. Sinhá Vitória olhou para Fabiano e fez um sinal para ele vir para a caminhonete. Pegou os filhos e foi para o banco de trás, enquanto Fabiano curioso entrou na frente e não parava de encontrar coisas novas dentro daquele lugar. Se ajeitar não foi um problema, era espaçoso e confortável, mas parecia que lá dentro estava mais quente do que fora. Os filhos não falaram nada por muito tempo, muitas coisas aconteceram e a cabeça do mais velho se encheu de dúvidas sobre para onde iriam e quem era aquele homem.


O menino mais novo só conseguia pensar no pai, e como ele tinha sido corajoso em se colocar na frente daquele animal gigante que corria muito rápido, e ainda mais, tinha conseguido parar o bicho. Foram dois dias de viagem, com poucas paradas, somente para usar o banheiro. O homem, tinha pouca comida no carro, sacos de bolacha, algumas coisas embaladas e um saco de pão, só deu para os quatro o pão, que ele tinha de reserva caso a comida acabasse antes do que planejado. Mas aquele saco era o suficiente para eles, que já estavam acostumados com a fome. O moço estava claramente com pressa, não dormiu. Porém os filhos descansaram tudo que precisavam, só acordaram para comer e usar o banheiro. Nas paradas, eles bebiam água nos bebedouros e aquilo era tudo, durante dois dias, tudo que eles mais queriam naqueles dias que passaram andando e vivendo na seca. Finalmente chegaram, o homem se despediu deles e foi embora. Não sabiam onde estavam, então, como já era de costume, andaram e andaram sem rumo. Os olhares eram de julgamento, o clima não era mais árido, e o solo não era mais terra. Nada fazia sentido para as crianças. O que nós estamos fazendo aqui? Andaram tanto que se cansaram. E se sentaram para descansar perto de uma avenida. Enquanto estavam sentados, viram um menino pedir algo no farol, de carro em carro, pensaram então o que seria. O menino voltou para seu lugar quando o farol abriu e colocou algumas moedas em um potinho que outro menino segurava. Era dinheiro, e também era tudo que Fabiano precisava. Levantaram então, e foram procurar outro lugar para pedir dinheiro. Foi de pouco em pouco que Fabiano conseguiu o que pedia, mas no fim do dia era mais do que se esperava. Passaram a noite lá, na calçada, ficaram impressionados com a quantidade de carros que tinha por lá. A madrugada foi muito sombria, sozinhos naquele lugar imenso, sem saber o que poderia acontecer e sem saber quando o sol ia nascer.

O dia começou faminto, então, ele pegou o dinheiro que tinha conseguido no dia anterior, chamou a família e foi à procura de um lugar que vendesse comida. Acharam depois de um tempo, um lugar bem simples onde uma idosa trabalhava, um sobrado, onde ela tinha uma loja abaixo e uma casa pequena acima. Entraram, e a senhora levantou de um banquinho para conversar com a família. Sinhá Vitória, pegou o dinheiro que já havia contado antes e a perguntou: - O que você tem de mais barato? A senhora olhou para ela com cara de desconfiada e respondeu: - Pão. Quantos você vai levar? - O tanto que o dinheiro der. Sinhá Vitória entregou para ela o pouco de dinheiro que tinha, a mulher olhou e viu que aquilo não dava nem para quatro pães, olhou para Fabiano e os filhos do lado, magros e sujos, claramente sem teto. Ela não pensou duas vezes antes de pegar um saco e dar oito pães para Vitória. Enquanto pegava os pães aproveitou e puxou assunto: - Onde vocês estão ficando minha querida?Sinhá Vitória estranhou a simpatia e respondeu: - Na rua, não muito longe. . A senhora ficou com o coração apertado olhando as crianças e a situação desesperadora que a família estava passando, olhou para Vitória comprando pão para os filhos e lembrou que estava precisando de uma ajudante na cozinha. Ela entregou os pães para ela e perguntou se sabia cozinhar, Sinhá Vitória respondeu: - Sei sim, porque? - Estou precisando de uma ajuda aqui no meu restaurante, se você aparecer aqui amanhã posso te avaliar.

Os olhos dela brilhavam de esperança, e com uma voz surpresa e alegre, respondeu que sim para a senhora. Pegou os pães e foi embora. Fabiano não sabia o que dizer, mas apesar de não entender quase nada nunca, entendeu muito bem a conversa, e estava mais surpreso com o fato de que sua mulher havia conseguido um trabalho antes dele, perguntava para ela como isso era possível e a única resposta que ela sabia dar era: - Deus, Fabiano! Ele quer cuidar de nós e da nossa família.


Os meninos pediam dinheiro no mesmo lugar do dia anterior, era uma tarefa simples e muito divertida para eles, era só estender a mão em direção ao carro, e se nada acontecesse, passava para outro carro. Enquanto para Sinhá Vitória, o dia passou mais devagar do que nunca, estava ansiosa para a sua entrevista de emprego, a primeira de sua vida, e para sua sorte sabia cozinhar sim, e muito bem. A noite foi chegando, amanheceu e lá foi ela para o mesmo lugar de ontem. Chegou lá e a senhora estava no mesmo lugar do dia anterior, e pronta para recebe-la, Sinhá Vitória simplesmente não entendia o que aquela idosa tinha na cabeça, para estar tão disposta a ajudar uma mulher como ela, alguém totalmente de fora que não sabia nem se comunicar direito. Sinhá Vitória perguntou confiante: - Se lembra de mim? - Sim. Qual o seu nome? - Vitória, e a senhora? - Rosa. Entra na cozinha que eu vou te dar umas tarefas. Rosa entrou na cozinha, deu avental, luvas e touca para Sinhá Vitória e mostrou como as coisas funcionavam por lá, depois disso passou algumas tarefas para ela fazer. Ela nunca tinha se sentido tão realizada, ela nunca tinha feito algo assim para a família dela e conquistado alguma coisa por mérito próprio, se sentiu muito bem aquele dia inteiro, não parou um segundo e estava muito dedicada à tudo que Rosa pediu. O dia se passou e quando o restaurante estava prestes a fechar, Fabiano e as crianças apareceram na porta. Eles estavam segurando o dinheiro que conseguiram aquele dia inteiro, e queriam comprar a cota de pão diária. Rosa os atendeu com prazer, e no final deu a notícia muito esperada para Sinhá Vitória, ela tinha sido contratada. Um salário pequeno porém valioso, e para ajudar a família melhor, ela ia receber semanalmente. Vitória ficou muito feliz com as novidades, e naquele momento ela já sabia que de pouco em pouco, ela iria conseguir o que já bastava.

Meses se passaram, meses morando na rua e guardando dinheiro, Rosa tinha oferecido de guardar as poupanças da família no restaurante, onde seria mais seguro. De vez em quando, eles tomavam banho na casa dela, e também eram convidados para almoçarem no restaurante, como forma de pagamento para Sinhá Vitória que tinha se mostrado melhor do que nunca neste trabalho. Fabiano havia conseguido um trabalho como assistente de marceneiro com um sobrinho de Rosa, não falava quase nada como sempre, mas era bom com essas coisas, era muito forte e ajudava em quase tudo. Com o tempo as poupanças foram aumentando e tudo se tornou mais possível e visível para a família. Compraram uma casa bem pequena em um lugar simples, onde já conseguiam sentir como se já tivessem tudo. Com certeza não tinham tudo, mas tinham comida, uma cama, e um futuro mais bonito.


Lara Tchernobilsky

UM NOVO COMEÇO A família começou a andar meio sem rumo, a idéia de Fabiano era irem até São Paulo, uma cidade grande, porque acreditavam que lá seria menos pior, mas não sabiam nem se aguentariam chegar até lá ainda vivos. Começaram a andar pois de algum jeito tinham que tentar, foram horas caminhando, era um lugar deserto, nenhuma alma viva, e muito menos algum lugar onde poderiam encontrar comida. Quando foi anoitecendo Sinhá Vitória, a mãe da família, uma mulher batalhadora, muito esperta, e que não aceitava a miséria em viviam, propôs para que eles parassem e descansassem por algumas horas.

Quando o sol começará a aparecer todos os quatro já estavam de pé, andam mais e mais e mesmo assim nenhum sinal de vida, todos já não aguentavam mais, estavam morrendo de dores no corpo inteiro, principalmente o filho mais novo, que chorava aos prantos, era um garoto muito otimista, como se fosse a alegria da família, e tinha uma imaginação que mal cabia dentro dele de tão grande, enquanto estava nessa situação tentava imaginar que era tudo uma grande aventura, e que no final Fabiano, seu pai, seu grande herói e seu maior exemplo iria salvaria a todos, apesar de não ser muito esperto, mais realista, e de ser um homem de poucas palavras, Fabiano era um homem bom, e representava essa figura heróica para o filho. O filho mais velho era também o mais curioso, sempre queria entender e saber de tudo, apesar de estar cansado e com a garganta seca, ainda conseguia fazer milhões de perguntas, queria saber para onde iam, o que iriam fazer quando chegassem lá, porque São Paulo tinha esse nome.

Também estava muito curioso com a paisagem que ia surgindo a medida que iam avançando, era algo que nunca tinha visto antes, resolveu ir explorar mais a fundo, em um lado acabou encontrando um riacho, a água era suja, e era muito pouca, um riacho muito pequeno, mas mesmo assim, era o melhor que conseguiriam, foi como uma nova esperança, um novo começo, pois quando já estavam quase desistindo encontraram um mínimo de água. Agora já faziam dias que estavam andando, ainda sem comida, e também já não restava mais água. O filho mais novo era o que mais sofria, chegou ao ponto em que estava praticamente se arrastando no chão, e então, em um breve momento, ele desistiu, não aguentou mais, o menino que era sempre o mais otimista, que sempre se esforçava o máximo, acabou simplesmente desistindo, e mesmo assim, continuava com sua inocência, suas últimas palavras eram que pelo menos agora poderia reencontrar baleia, e contaria pra ela toda sua aventura. No momento em que o menino deu o último suspiro foi quando Sinhá Vitória desmoronou, Fabiano e o menino mais velho também estavam muito abalados, mas para a mãe era uma dor inexplicável, naquele momento ela perdeu tudo, perdeu a pouca esperança que lhe restava, perdeu seu filho e perdeu a própria vida. Sinhá só chegou a morrer alguns dias depois, não aguentava mais, estava cansada, com fome, com sede e agora ainda mais sem poder suportar essa vida, era como se desejasse morrer. E derepente Sinhá caiu no chão, e a medida que caia e seus olhos iam fechando, seus sonhos, assim como os de Fabiano e do filho mais velho morriam junto com ela. Não foi uma morte sofrida, pois ela sabia que já iria acontecer, sabia que a partir do momento que seu filho morreu, ela morreu junto.


Apesar de tudo, eles tinham que continuar, e por mais difícil que fosse, não podiam desistir por nada, pois agora, Fabiano e o filho mais velho só tinham um ao outro. Andaram mais um pouco e encontraram uma estrada, sentaram lá e tinham esperança de que algum carro passasse por lá, passaram uns três carros, mas nenhum se deu ao trabalho de parar, até que um casal de idosos, parou e perguntou se poderia ajudar, primeiro Fabiano tentou os explicar, mais não era bom com palavras, depois o filho explicou, falou por tudo que tinham passado pra chegar até ali, que perderam a mãe e o irmão no caminho, contou como foi difícil, e eles entenderam, no começo queriam algo em troca pela carona, mas depois entenderam, e viram que eles realmente não tinham nada, ficaram com pena. Depois de algumas horas no carro, finalmente estavam lá, chegaram na grande cidade, era algo grandioso, como nunca tinham visto antes, seus olhos brilharam, e estavam com o pensamento leve, de que finalmente tinham chegado, e que apesar de tudo, no final deu certo. Mas Fabiano no fundo sabia que não iam conseguir ficar lá por muito tempo, e que não era um lugar muito bom para eles, era muito diferente de tudo, eles não se encaixavam lá.


Lia Lomonaco

A VIDA É SECA Fabiano, Sinhá Vitória e seus filhos andavam pelo asfalto quente, queimando seus pés descalços. Já estavam acostumados a andar esse tanto mas normalmente era em estradas de terra. A fome apertava a barriga, e a sede secava a garganta, andavam de cabeça baixa mancando, pois o sol batia nos olhos da família intensamente e suas pernas já não tinham tanta força. Já caminhavam fazia dois dias, as horas pareciam, e os dias anos. Tinham chegado nas estradas asfaltadas já a algum tempo. Fabiano estava cansado, queria que algum caminhão parasse pra dar carona, mas a estrada estava deserta, pensava na cidade grande, qual seria seu ofício? Lá não devia ter cavalos para domar, terras para arar, sabia que não podia confiar na sorte, pois ela nunca foi sua amiga. Onde iria morar? Respostas vagas passavam pela sua cabeça, mas nada parecia ter solução, porém desistir já não era mais uma opção, já estavam na metade do caminho, faltavam mais dois. Eles levavam pouca coisa, quase nada, venderam quase que tudo para se instalarem na cidade, tinham uma troca de blusa cada, dois cobertores, um pouco de água e comida, e o dinheiro que ganharam vendendo suas coisas, e todas as suas economias ganhas pelos seus antigos ofícios. Todos mantinham a aparência calma, mas o havia um desespero no coração forte de sinha vitória, pois sabia que a água estava pra acabar, e não via nada, só mais e mais estrada. Não era a primeira vez que eles passavam por essa situação, já tiveram que migrar mas de uma vez, pois a seca sempre chegava, e sempre vai chegar. Menos na cidade grande, essa seca não era a falta de chuva e nem de água, era a seca de trabalho, e pra pessoas como a sua família, era uma seca anual. Mas não tinha jeito, seria pior morrer de cede

Andaram muito, a sensação do sol queimando a pele, o suor escorrendo pelo corpo que já estava quase desidratado, tudo estava abafado, era até difícil de respirar, os pés não doiam mais, ou já tinham se acostumado com a dor. A refeição daquele dia era uma carniça de boi que cada membro da família carregava um pedaço, quando partiram de suas antigas terras tiveram que matar o último boi que havia sobrado. A carne era dura e salgada, mas parecia a melhor carne existente para uma pessoa que está faminta.. A noite chegou, junto com o frio, Fabiano e Sinhá Vitória com um dos cobertores deitaram um do lado do outro se aproveitando do calor dos corpos, e os meninos dormiam amontoados com o outro cobertor juntos se esquentavam, dormiram na beira da estrada, o vento era forte, e batia nas árvores com força, as crianças dormiram que nem pedras, Fabiano demorou para adormecer. O pai de Fabiano foi para cidade grande, trabalhou anos em fábricas, algum ofício relacionado a carvão, ele não era muito de falar, não se sabe direito o que aconteceu com o homem, ele sempre mandava dinheiro para a família, era pouco. Um dia chegou uma carta dizendo que ele morreu, nada específico. A mãe de Fabiano, que trabalhava de lavradora, morreu de tristeza depois disso. Órfã, Fabiano sempre trabalhou desde cedo, sempre sobrevivendo sofridamente. O sol nasceu, as horas de sono não pareceriam suficiente, mas eles sempre tinham que se virar com o que tinham. A caminhada continua, o sol volta, ardente e abafado em um tempo seco e árido, o calor sobre a cabeça do menino mais novo, e a falta da água, fez com que ele desmaiasse, então Sinhá Vitória o pega no colo, não era normal nem raro que isso acontecesse.


A estrada começou a ter uma certa movimentação, isso significava que eles estavam perto. Ninguém queria dar carona para a pobre família, caminhões, carros, todos passavam reto. Viram um posto de gasolina, o menino mais velho entrou no banheiro do lugar e encheu o galão de água na torneira, sem que os empregados o vissem. Já no final da tarde, o sol estava menos ardente e a briza do vento começou a se formar, o céu estava azul, quase roxo e se misturava com o amarelo alaranjado do sol. Era lindo, mas não pra Fabiano, ele odiava aquela bola de fogo flamejante que o atormentava desde que se entendia por gente, ele sempre secava suas plantações, secava os rios, dava insolação, queimava as solas de seus pés descalços, era mesmo um tormento diário. Mas claro, sem o sol ele nem viveria, provavelmente morreria no escuro, de frio, as plantas não cresceriam, nenhum dos jeitos acabavam bem então qual era o motivo de tentar. Quando anoiteceu, o frio voltou, um caminhão de palha parou para que a família subisse. Todos foram amontoados junto da palha na parte de trás do caminhão, o menino mais novo que já tinha se recuperado ao ponto de conseguir andar, ficou aliviado de poder descansar um pouco, a palha pinicava suas costas, finalmente ele podia brincar. A família se alimentou do final que havia sobrado da carniça da vaca. Finalmente eles iam conseguir chegar, a viagem a caminhada era muito mais rápida, e agora só faltava mais algumas horas.


Lívia Oliva Mendes

Os policiais disseram que Fabiano poderia escapar da cadeia se lhes pagassemos. Mas não tínhamos tal quantia, e foi dito que ele ficaria preso até que conseguissemos.

Não aguentava passar por aquilo de novo. O sol escaldante, a sede corroendo nossa garganta, a fome, a areia fofa no solo… Tudo fazia com que nosso corpo pesasse como chumbo. A cada passo, parecia que descíamos mais fundo em direção ao inferno.

Após várias agonizantes semanas, conseguimos juntar o suficiente a partir de esmolas. Mas já não era mais viável viver naquela situação. Fabiano conhecera um homem na prisão, que lhe prometeu um barraco se ele transportasse pacotes, sem dizer do que. Sem outra alternativa, foi obrigado a aceitar.

Nosso alívio ao chegar a estrada era inimaginável. Mas esse sentimento logo foi substituído por um misto de esperança e angústia por partir rumo ao desconhecido. Ao ver o que restava de nosso parco dinheiro ser consumido pela passagem de ônibus, a raiva de Fabiano por pensar estar sendo mais uma vez enganado. Mas ela logo teve que ser reprimida, ou ficaremos para fora de nosso único meio de transporte. E assim íamos, com a alma caótica como um furacão, e direção a nossa nova vida em São Paulo. Não sabíamos onde passar a noite ao chegar, mas sempre pode-se dar jeito. As crianças ao sair do ônibus ficaram assustadas. E nós também. Construções imensas, um misto de algo cinza e vidro, que não sabíamos o que era. Convenientemente, uma delas, na qual passavam carros, tinha um vão. Nele ficaríamos minimamente protegidos da chuva, do vento e do frio. E que frio! Nunca tínhamos visto nada parecido.

Os tais pacotes contiam folhas. Fabiano não sabia sua utilidade, mas sabia que os outros pagavam caro por elas. No entanto, como era algo muito estressante, chegava sempre cansado e irritado em casa. Se é que aquele barraco caindo aos pedaços ao lado de um córrego cheio esgoto podia ser chamado de casa. Se antes o rio secava e nos fazia passar sede, agora ele transbordava e suas águas fétidas nos deixavam doentes.

O tempo foi passando, e continuavamos nessa situação precária. Afinal, a grande maioria dos empregos exigia que se soubesse ler e escrever, e nenhum de nós tinha essa capacidade, então apenas nos alimentavamos por esmolas.

Se por um lado havíamos deixado de correr o risco de morrer de fome como no Sertão, aqui já quase perdemos nosso filho atropelado. E podemos perder Fabiano em uma troca de tiros durante seu trabalho a qualquer momento. Ele agora já tinha uma noção maior do que fazia. Sabia que as folhas eram ilegais e se chamavam "maconha". E que por isso precisaria escapar sempre que visse policiais. Ou se defender com sua arma.

Um dia, após acordar e ainda sonolento, nosso filho mais novo foi andando livremente como se estivesse de volta à árida e vazia Caatinga. Invadiu a pista e foi atropelado. Felizmente nada de mais sério ocorreu, já que haviam tantos veículos na rua que eles tinham que se locomover lentamente. Mas o motorista não se dignou nem mesmo a descer do carro para ajudar. Fabiano teve um de seus ataques de raiva, e começou a socar a janela.

Mas nós não suportavamos a vida na cidade. Tudo que sabíamos fazer era inútil. Não há mais serventia para se domar um cavalo. Tudo que gostávamos de fazer não era possível. Como nossos filhos poderiam montar em um cabrito em plena cidade? Indicaram que usássemos o que Fabiano vendia. Realmente ajudava a driblar a tristeza. E assim seguíamos nossa vida.

Prontamente, chegou a polícia. Fabiano tentou explicar o ocorrido, mas contra um rico e seu discurso bem articulado, de nada adiantou. Ele foi espancado e na sequência algemado. Sua raiva só aumentava. Por que ele deveria apanhar? Só por não saber se expressar? Por que o motorista, que atropelou seu filho, não ia preso junto?


Um dia, enquanto Fabiano trabalhava, eu saí para fazer compras. Enquanto estávamos fora, começou um temporal. Fiquei preocupada sobre o córrego transbordar, mas os meninos já estavam acostumados, saberiam se virar. Quando cheguei em casa, percebi que o nível da água estava mais alto do que o normal, mesmo para cheias. Fiquei mais preocupada. Mas deve estar tudo bem. Os meninos estão bem. Gritei o nome deles, e não houve resposta. Será que dessa vez algo deu errado? Não, nada pode ter acontecido. Nada. Nada. Abro a porta, nenhum sinal deles. Devem apenas ter saído para brincar. Entro na casa alagada, e passo ao lado do quarto que dividiam, cuja porta estava aberta. Dois corpos boiavam.Não, não podem ser eles. Os filhos dos vizinhos devem ter vindo. Mas quando virei um deles, vi seu rosto. Era o mais novo. Não bastassem as águas do fétido e maldito córrego, saiam de meus olhos gotas de água ácida, carregadas de ódio, tristeza, angústia e sofrimento, para se juntarem ao interminável rio de esgoto que destruira minha vida. Eu precisava chamar Fabiano. Mas como? Não, não podia esperar. Corri o caminho que fizera para chegar em casa. Por que sair bem hoje? Por que estar fora na hora das cheias? Por que tudo dá errado? Cheguei à estação de trem, este que estava chegando. Perdi meus filhos, a última parte restante em minha alma. Mas vou deixar Fabiano sozinho? Farei ele ver os corpos sozinho? Mas não aguentava mais. Não tinha tempo para pensar, o trem vinha chegando, tinha que agir antes que ele parasse por completo. Tinha que agir. - Chega de sofrimento. - Desculpe-me, Fabiano. - Pulei.


Luiza Reder

A família chegou finalmente à cidade. E, não era qualquer cidade, era a cidade de São Paulo. Aquela que recebe muitas pessoas que vem de fora do país e que vem de seu interior. É conhecida por ser repleta de oportunidades e é praticamente uma cidade que “respira” o trabalho. Seus estereótipos são basicamente: trabalho, trabalho, trabalho e é um dos lugares no qual oferece melhores condições de qualidade de vida no Brasil. Mas, há pontos negativos também, tem muito trânsito, tem violência, tem poluição, tem insegurança, tem desigualdade social, tem para certas pessoas boas oportunidades de emprego e para outras não, tem preconceito, tem racismo, tem homofobia, tem pobreza, tem xenofobia. Eles vieram lá do sertão, foram ao todo três meses e meio caminhando para chegarem ao sudeste do Brasil. Estavam literalmente morrendo de fome. Chegaram com uma mala bem puída e feia, estavam cobertos de trapos velhos. Eles não tinham muita coisa, mas Fabiano principalmente estava com uma grande esperança de conseguir proporcionar a sua família uma vida melhor, na verdade queria dar a sua família a oportunidade de viver e não a de sobreviver. Chegaram a São Paulo na manhã do dia um de maio, dia do trabalhador. Já estavam procurando por emprego mas pouco tempo depois perceberam que estava ainda muito cedo para as lojas estarem abertas. Então, decidiram esperar um pouco o tempo passar até a cidade recomeçar a funcionar. O cansaço e a fome “gritavam” e não aguentavam mais esperar. Fabiano, o filho mais novo, o filho mais velho e Sinhá Vitória acabaram adormecendo. Já para o finalzinho da tarde eles acordaram e perceberam que nada estava aberto. Até que perguntam para uma senhora de bastante idade o que estava acontecendo. Ela disse o porque de tudo não estar aberto, era feriado. E foi aí que a família percebeu que nesse dia eles não estavam com sorte. Começaram a procurar um lugar “agradável” para dormir. Andaram muito, e foram parar embaixo de um viaduto junto a várias pessoas que não tinham um lar. O lugar estava bem sujo, havia latas de refrigerantes pelo chão, papel dos mais variados, restos de comidas, insetos como filhotes de barata e aranhas porém daquelas que são bem grandes. Lá tinha em torno de umas quatro famílias.

Tinha a da “barraca um” que era formada por um casal de jovens que tinham uma ótima condição financeira, porém depois que o casal começou a ingerir muita bebida alcoólica, perderam tudo, o dinheiro e a família. A “barraca dois” era formada por apenas um homem de bastante vivência, ele nasceu, viveu e morrerá pobre. A “barraca três morava uma viúva com seu casal de gemêos e ela estava naquela situação pois seu marido morrera de câncer no ano passado, e era ele que dava à família uma vida mais digna. Já a “barraca quatro era formada por apenas uma pessoa, a Dona Maria ela era bem velhinha,lá pros seus 95 anos. Sua família era muito rica, eram donos de uma empresa de pecuária, porém quando Dona Maria tinha 17 anos, descobriram que seu pai, o dono da empresa, escravizava muita gente, e então ele acabou sendo preso. Foi nessa parte de sua vida, que ela acabou perdendo tudo: oportunidades, família, amigos… Mas, Dona Maria não era nem um pouco bobinha, ela sempre foi extremamente inteligente. E foi nesse lugar que a família de Fabiano foi parar. família de Fabiano foi parar. Chegaram lá por volta das 21:30 da noite, e ocuparam a “barraca cinco”. Amanheceu, e assim eles conseguiram ver melhor o lugar onde haviam dormiram. Não era nada parecido com o que eles imaginavam sobre São Paulo. Viram a dona da “barraca quatro”, Dona Maria, e Sinhá Vitória lhe pediu indicações de qualquer lugar que estivesse precisando de mão de obra. Maria lhe falou sobre um lugar que estava precisando de gente para trabalhar e ainda complementou que o lugar dava um bom salário, era a lavanderia “Sabão feliz”.


O lugar era bem perto de onde dormiram. Sinhá Vitória chegou à lavanderia por volta de 10:00 horas e lá encontrou Seu José, o proprietário. A mãe da família perguntou o valor que seria se seu marido e ela trabalhassem lá. Era oitocentos reais por mês. Ficou maravilhada e aceitou no mesmo instante a oferta. Seu José gostou muito de Sinhá e então disponibilizou para ela e sua família um quartinho no fundo da lavanderia. Os trabalhos começaram. A família estava muito contente com o oportunidade. As crianças já estavam indo para à escola, a família tinha o que comer, tinham um abrigo, já estavam com o sorriso estampado no rosto, estavam cheios de gratidão. Os planos de Fabiano estavam finalmente dando certo. Finalmente chegou o tão esperado dia do pagamento. O casal mal podia esperar aquela fortuna, nunca antes recebida. Já era noite e Sinhá Vitória e Fabiano não possuíam nenhum dinheiro em mãos. Foram falar com Seu José, disse que quinhentos reais eram para o aluguel do quarto e entregou à eles trezentos reais. Sinhá disse a José que o combinado era um salário de oitocentos reais sendo o quartinho uma gentileza. José falou que ela entendeu errado. Começou uma discussão. Fabiano e Vitória ficaram com raiva pois foram enganados, pediram ao filho mais novo e ao filho mais velho para catarem tudo que havia no quartinho. Eles foram embora da lavanderia “Sabão feliz”. Fabiano depois do acontecido começou a refletir. Percebeu que estavam praticamente sendo escravizados. Estava péssimo pois o que achava que era um oportunidade era um enrascada. Se perguntou porque Seu José fez aquilo. Fabiano estava sentindo-se incapaz de dar à sua família um futuro melhor e começou a perder a autoconfiança e principalmente a esperança. Percebeu que as pessoas de São Paulo os achavam inferiores pois vinham de um lugar não muito bom. Então ele e sua família voltaram para o sertão, e ali a vida ficou ainda mais seca.


Manuela Greco Marques

Estavam chegando na grande São Paulo. Industrializada, sem seca e, eles esperavam, com mais ofertas de emprego. Depois de quase três dias de viagem. Entre estar no carro e estar de pé em um posto esperando qualquer caminhão, carro ou carroça disposta a lhes dar uma carona. Revezavam cada hora era um desses. E foi assim que vieram. Fabiano sabia que estavam chegando porque o caminhoneiro gritou. A família estava na caçamba de um caminhão que levava madeira. Era madeira de eucalipto, o cheiro estava muito forte. Sinha Vitória quase passava mal com o odor. Não bebiam nada e nem iam no banheiro a dez horas. Eles ficariam com seus parentes em Itaquera, que tinham uma lojinha e haviam prometido tentar arranjar um emprego para fabiano e seus filhos. Eram primos de Sinha Vitória, moravam em SP fazia quase onze anos. Um homem, Roberto, e seu filho, Pedro. Assim que a família chegou a pequena moradia - dois quartinhos e uma cozinha minúscula -, já receberam uma péssima notícia, não teria emprego para todos, apenas para um deles. A falta de dinheiro estava alta. Na lojinha apenas trabalhavam Roberto, Pedro e um ajudante. Teriam de demiti-lo. Muito provavelmente esse jovem não iria conseguir um emprego de novo, pois era analfabeto e SP estava numa situação ruim de desemprego. Fabiano nao sabia se ele ficava com o emprego ou dava para um de seus filhos. Decidiu que o deixaria para o filho mais novo. Ele estava com esperança de que conseguiria arranjar alguma outra coisa para ele e o filho mais velho. Sinhá Vitória foi apressada para o quarto. Havia apenas uma cama de casal e um colchao no chao. Ela estava maravilhada, uma cama, uma boa cama, uma que nao estivesse caindo aos pedaços. Claro, não era a cama de um rei, mas para ela já estava o bastante. Ela deixou no chão o baú onde estava seus pertences e os do resto da família, e deitou na cama. Adormeceu. Logo depois os dois meninos foram dormir no colchão que se encontrava no chão. E depois foi a vez de Fabiano.

No dia seguinte toda a família acordou cedo. Logo de manhã, Roberto falou para Fabiano ir falar com um amigo dele que era guardinha de rua, pois ele sempre conseguia arranjar um emprego para as pessoas que vinham do nordeste, ele fazia um esforço porque o mesmo era nordestino. Ele e o filho mais velho foram então. Já filho mais novo foi trabalhar na lojinha e Sinha vitória foi no em um cabeleireiro bem pequeno que ficava ao lado da casa para ver se podia trabalhar. No dia anterior ela havia visto uma placa na frente do salão que falava “precisa-se de depiladora urgente”. Ela conseguiu o emprego. Iria trabalhar duas vezes por semana, era apenas isso o que o salão precisava. Não era muito dinheiro, mas daria para ajudar pelo menos um pouco todos. Os outros dias ela cuidaria da casa e da comida. Fabiano chegou ao tal lugar e encontrou o moço qual o primo de Sinha Vitória havia falado. Contou que tinham acabado de chegar do nordeste e que ele estava precisando trabalhar para conseguir dinheiro o mais rápido possível. O guarda disse que eles tinham dado muito sorte hoje havia aberto tres vagas de guardinha de rua, ele explicou que não era um trabalho simples e que era perigoso, mas se eles quisessem poderiam ficar com duas vagas. Fabiano feliz, sem pensar nas consequências que esse emprego podia levar acabou aceitando a oferta para ele e para o filho mais velho.

De noite a família inteira estava contente, com esperanças de que a vida na cidade grande realmente iria funcionar. E estava tudo conspirando a favor deles. Passaram duas semanas e continuava tudo certo. Cada um no seu trabalho, fazendo as suas coisas. Até que um dia, na rua em que Fabiano estava trabalhando uma casa estava sendo assaltada. O trabalho dele era apenas avisar a polícia e nada mais. Mais ele nao aguentou, era a casa que morava uma menininha de cinco anos que sempre que passava dava um oi para ele. Então, depois de ligar para a polícia e reportar o assalto Fabiano correu até aquela casa. Era uma casa branca, não era grande nem pequena. Correu pela porta e viu o assaltante apontando a arma para a menina. Ela estava assustada com uma cara de espanto que gritava por ajuda. Ele achou que podia ajudar, quando avançou no bandido um tiro acertou seu peito do lado esquerdo. Fabiano morreu.


Marina Falcão

A FUGA -Cuidado com o carro! - disse Sinhá Vitória desesperada gritando para o filho mais novo - Eu sei que é difícil mas toma mais cuidado, tudo aqui é novo só faz um mês que a gente se mudou mas pelo amor de Deus você quer morrer?- falou dando uma chicotada nele. Ela ainda podia lembrar deles vindo para a cidade grande, saindo por causa da grande seca que estava por vir. Ainda lembrara das perguntas que queria fazer para seu marido no caminho, onde iriam ficar, o que iriam fazer, onde iriam trabalhar? Bom, quase tudo estava resolvido. No começo ganhavam dinheiro pedindo esmola ou comida, mas a maioria das pessoas passavam reto e levavam os filhos para longe para não passar perto. Mas não passávamos fome, pensou Sinhá Vitória, lá no sertão algumas vezes passávamos muita fome principalmente antes de ficar na casa do chefe de Fabiano. Mas conseguimos algumas esmolas para comprar coisas como: bala, chiclete, salgadinhos e vender na rua, conseguimos até viver assim por alguns meses, mas sinto que não irá durar muito. A noite estava fria, lembrava da noite quente e seca do sertão no dia que partimos disse, pensou Sinhá Vitória. Saímos da casa, começamos a andar lentamente, não podiamos cansar rápido que ainda tinha muita caminhada pela frente até chegar ao nosso destino. Algumas horas se passaram e não sabíamos se conseguiríamos chegar até lá a pé, então dormimos na terra seca. Ao amanhecer, com o sol em nossas cabeças, Fabiano disse que podíamos pegar carona com alguém quando chegássemos mais perto, e quando a gente começasse a andar no asfalto, mas para isso ainda faltava.

Estava um dia fresco na cidade grande, um ótimo dia para vender coisas para as pessoas, pensou Fabiano ao acordar com o seu filho mais novo com fome. Havia tipos de pessoas nessa cidade, não era igual a todos do sertão que haviam passado pelo mesmo problemas da gente, pelo menos eles nos entendiam e não tinham preconceito. Quando vendíamos, tinha pessoas que davam dinheiro e começavam a ajudar nós, se precisávamos de comida, haviam pessoas que não davam nada e pessoas que até fechavam as janelas do carro. Mas não importava que tipo de pessoa parasse no farol, não podíamos desistir, pensava Fabiano, esse era nosso único trabalho, a gente não se encaixava muito bem na cidade grande porque as pessoas não precisam de pessoas como nós, que sabe cuidar de plantação, e de animais, éramos inúteis, mas Sinha Vitória sempre rezava para que coisas melhorassem. Sem querer Fabiano deixou cair alguns chicletes na rua enquanto ele estava andando pois o farol já ia abrir. Peguei rápido alguns chicletes que papai deixou cair no chão antes que o farol abrisse. Ao pegá-los, lembrei de Baleia quando estávamos procurando um lugar para ficar antes da seca, lembrei da cachorra que havia salvado nossas vidas ao caçar o preá. Lembro dela voltando toda feliz com a boca de sangue e dos meus pais lambendo os dedos. A seguir, lembrei de nós novamente em busca de um novo lar, mas dessa vez por causa da terrível seca que estava por vir, lembro de mamãe procurando comida no chão e de papai esperando um carro passar. -Venha filho - disse Sinhá Vitória para o filho mais novo. Fabiano agradeceu o ele por ter pegado os chicletes que havia deixado cair na rua. Naquela noite, não tiveram muito sucesso, haviam conseguido pouco dinheiro e precisavam de mais para conseguir algum alimento que prestasse, a vida para aquela família não era fácil, eles tinha acabado de sair de de onde estavam se hospedando por causa da seca, e seu destino era a cidade grande, mas não era tão fácil, as pessoas ainda tinham muito preconceito com esse tipo de pessoa, pobre, sem muita roupa, dinheiro ou lar.


Mas estava melhor, conseguiam pelo menos alguma coisa mas Fabiano pensava toda noite que para sustentar a família em uma condição dessas precisava de um emprego melhor mas o que? Não faziam ideia em que podia trabalhar ou para quem, para que tirassem pelo menos um pouco daquela condição em que estavam vivendo.

Estava um dia fresco na cidade grande, um Onde estão perguntou ele, Fabiano e ótimo dia indo? para -vender coisas para as Sinha Vitória se entre olharam com um pessoas, pensou Fabiano ao acordar com o pequeno sorriso no com rostofome. de cada O seu filho mais novo Haviaum. tipos Motorista tinha barba, estava com uma de pessoas nessa cidade, não era igual a camiseta comhaviam óculos de sol. todos doxadrez sertãoeque passado pelo Para a cidade grande os dois falaram. mesmo problemas da gente, pelo menos eles nos entendiam e não tinham preconceito.

Mesmo com a adaptação não indo muito bem, pelo menos a família tinha algo, pelo -Cuidado o carro! -que disseconseguiam Sinhá Vitória menos comcom o dinheiro desesperada gritando para o filho vendendo balas na rua, ajudavammais elesnovo a Eu sei que é difícil mas toma mais cuidado, comprar o necessário, pelo menos um pão se tudo aqui alimento é novo sópara faz os umfilhos, mês mas que a quer, algum a gente vida se mudou mas pelo amor de Deus era assim mesmo, pensava Sinha Vitória,você as querconseguíamos morrer?- falou dando uma chicotada vezes mais dinheiro em um dia lembrar deles vindo donele. queEla em ainda outro, podia pelos menos não estamos para a cidade grande, saindo por causa da sozinhos nessa. grande seca que estava por vir. Ainda lembrara perguntas que pensou queria nos fazer Ao deitar se,das o irmão mais velho para seu marido no caminho, onde piores dias de sua vida, deitado no coloiriam da ficar, olembrava que iriam fazer, onde iriam trabalhar? mãe, de como quase não Bom, quase estavapassava resolvido. sobreviveu à tudo mudança, fome, no

Quando vendíamos, tinha pessoas que davam dinheiro e começavam a ajudar nós, se precisávamos de comida, haviam pessoas que não davam nada e pessoas que até fechavam as janelas do carro. Mas não importava que tipo de pessoa parasse no farol, não podíamos desistir, pensava Fabiano, esse era nosso único trabalho, a gente não se encaixava muito bem na cidade grande porque as pessoas não precisam de pessoas como nós, que sabe cuidar de plantação, e de animais, éramos inúteis, mas Sinha Vitória sempre rezava para que coisas melhorassem.

meio do deserto do sertão e a família No começo ganhavam dinheiro tentando procurar algum lugar parapedindo ficar, esmola ou comida, mas a maioria das lembrara de deitar no chão pois já não pessoas passavam reto e levavam os filhos aguentava mais aquele calor, fome e cansaço, para longe para não passar Masnão não quase morrera aquela aqueleperto. dia, só passávamos fome, pensou Sinhá Vitória, morreu por causa de Baleia que havia não sólá no sertão algumas vezes passávamos muita salvado o irmão mais velho, mas a família fome principalmente antes de ficar na casa inteira ao pegar o preá. do chefe de Fabiano. Mas conseguimos comprar coisas Oalgumas calor suaveesmolas da cidadepara grande o fez lembrar como: bala, chiclete, salgadinhos e vender do dia da fuga, onde a familia estava fugindo na rua, conseguimos viver assim por por causa da seca, até quando estavam alguns meses, mas sinto que não irá durar esperando algum carro passar, para pedir muito.Um vento passou ao redor da secura carona.

Sem querer Fabiano deixou cair alguns chicletes na rua enquanto ele estava andando pois o farol já ia abrir. Peguei rápido alguns chicletes que papai deixou cair no chão antes que o farol abrisse. Ao pegá-los, lembrei de Baleia quando estávamos procurando um lugar para ficar antes da seca, lembrei da cachorra que havia salvado nossas vidas ao caçar o preá. Lembro dela voltando toda feliz com a boca de sangue e dos meus pais lambendo os dedos. A seguir, lembrei de nós novamente em busca de um novo lar, mas dessa vez por causa da terrível seca que estava por vir, lembro de mamãe procurando comida no chão e de papai esperando um carro passar.

fazendo todas as folhas secas voarem e A noite estava fria, lembrava noite quente depois, um caminhão passou eda ajudou-os. O e seca do sertão no dia que partimos disse, caminhão era grande, a família nunca havia pensouemSinhá Vitória. antes. Saímos casa, entrado um caminhão Sinhada Vitória começamos a andar lentamente, podia ver a cara dos meninos ao entrarnão e podiamos cansar rápido ainda iam tinha sentar no banco de trás. Maisque vehículos muita caminhada pelaque frente até chegar passando fazendo com os cabelos delesao nosso destino. Algumas horas se passaram balançam, com a cabeça do lado de fora da e não sabíamos seno conseguiríamos chegar janela, a Sinha Vitória meio deles e Fabiano até lá a pé, então dormimos na terra seca. na frente ao lado do motorista que estava Ao amanhecer, com o sol em nossas dirigindo. cabeças, Fabiano disse que podíamos pegar carona com alguém quando chegássemos mais perto, e quando a gente começasse a andar no asfalto, mas para isso ainda faltava.

-Venha filho - disse Sinhá Vitória para o filho mais novo. Fabiano agradeceu o ele por ter pegado os chicletes que havia deixado cair na rua. Naquela noite, não tiveram muito sucesso, haviam conseguido pouco dinheiro e precisavam de mais para conseguir algum alimento que prestasse, a vida para aquela família não era fácil, eles tinha acabado de sair de de onde estavam se hospedando por causa da seca, e seu destino era a cidade grande, mas não era tão fácil, as pessoas ainda tinham muito preconceito com esse tipo de pessoa, pobre, sem muita roupa, dinheiro ou lar.


Marina Gloeden

A VIDA DURA NA CIDADE Em 1945 Fabiano e sua família decidiram se mudar para uma cidade grande, onde tivessem mais possibilidades de empregos, já que onde moravam era uma região muito pobre, que não dava esperança de vida. Fabiano e Sinhá Vitória tinham passado meses planejando como e para onde iriam, pois não tinham nenhuma condição de comprar passagens de avião ou de alugar uma casa, então decidiram economizar dinheiro para comprar passagens de ônibus que os levariam para a cidade de São Paulo. Fabiano tinha escolhido ir para lá por falta de opção.

A família conseguiu comprar passagens para todos e dali a um mês iriam partir, então começaram a fazer os preparativos, pois iriam se mudar sem ter um lugar para morar definido, o que poderia ser um problema. Fabiano não tinha ideia do que iria fazer na cidade, pois não tinha feito faculdade e sua única função era trabalhar com madeira. Ele e Sinhá Vitória estavam muito nervosos, mas também aliviados de sair de onde moravam para tentar conseguir oportunidades, e seus filhos também não teriam rumo chegando lá, pois não era definido que iriam conseguir ir para a escola.

Depois de um mês a família de Fabiano estava partindo para uma terra desconhecida e que nunca tinham ouvido muito a respeito. Pegaram o ônibus e sua primeira surpresa foi o ambiente, que Fabiano achou muito diferente do que estavam acostumados, era limpo, cheirava bem, e muito organizado. A viagem durou três dias, e enquanto isso Fabiano pensava em algo que poderia fazer para ganhar pelo menos um pouco de dinheiro.

Quando a viagem acabou em seu destino final a família olhou para todos aqueles prédios e concreto, achando muito diferente. Ainda na estação de ônibus, Fabiano ficou impressionado com toda a tecnologia que nunca tinha visto antes, e como aquele lugar era moderno e tinha objetos que ele e sua família nunca haviam visto na vida. Depois desses minutos observando o lugar onde tinham chegado, Fabiano e sua família estavam morrendo de fome, pois no ônibus só tinham comido restos de comida que as pessoas não comiam. Haviam gastado todo o dinheiro com as passagens de ônibus, mas vasculhando toda as suas malas encontraram dois reais, que era suficiente para comprar um salgado. Quando já tinha anoitecido, a família achou melhor passar a noite no ponto de ônibus para a segurança de todos. Eles passaram uma noite desconfortável e no frio, mas não acharam ruim, pois estavam acostumados a dormir nessas condições. No dia seguinte, Fabiano falou para Sinhá Vitória ficar cuidando dos filhos enquanto ia tentar conseguir algum emprego, então ela ficou em cima de um colchão velho que tinham achado no meio da rua esperando seu marido chegar com notícias. Nesses primeiros dias, todos dormiram na rua e a família de Fabiano se sentia muito excluída da sociedade pois viam tudo tão diferente de como eram acostumados e ficavam curiosos mas ao mesmo tempo não podiam comprar nada.


Fabiano começou indo em um supermercado, mas para trabalhar lá precisava saber fazer contas. Depois foi em um bar de esquina, mas não tinham gostado dele, entao nao poderia trabalhar. Depois avistou um lugar onde vendiam ferramentas e alguns objetos que ele reconhecia, e entrou. Na entrada não viu ninguém, mas ficou muito interessado em como as ferramentas daquele lugar eram diferentes das que ele usava, então procurou alguém e começou a perguntar sobre o material. Fabiano até esqueceu de perguntar do emprego e acabou ficando apaixonado por todas aquelas ferramentas. Quando voltou para onde Sinhá Vitória e seus filhos estavam, falou que achava que ia conseguir um emprego naquela loja e conseguiu o sorriso de todos que ficaram muito felizes com a notícia.

Depois de alguns meses dormindo na rua, Fabiano ia todos os dias visitar a loja e acabou ficando amigo do dono, o Senhor Firmino, que começou a perceber que mesmo Fabiano sendo uma pessoa sem formação e sem escola, ele era muito inteligente, então o Senhor ofereceu um cargo em sua oficina que desse pelo menos um pouco de dinheiro a família. Fabiano ficou muito feliz e agradecido, pois realmente tinha gostado daquele lugar e ainda iria receber dinheiro sobre uma coisa que gostava. Depois de muito tempo trabalhando na loja, Fabiano conseguiu alugar um apartamento e com isso sair da rua. Quando Senhor Firmino faleceu, deixou sua oficina na mão de Fabiano, que começou seu próprio negócio e conseguiu dar o que comer aos seus filhos.


Mateus Borges Carvalho

VIDAS ESCORRIDAS Fabiano chegara a São Paulo, era cedo da manhã e seus filhos estavam, embora cansados e com fome, animados. Agora teriam uma vida nova, prosperariam e brincariam. Sinhá Vitória e Fabiano, por outro lado, estavam preocupados: Onde dormiriam? Como dormiriam? Conseguiriam comprar alimento? Gerar renda? Logo desiludiram-se, viveriam às margens, sem teto e sem garantia. Sinhá Vitória foi com os filhos procurar um lugar para dormir, enquanto Fabiano, procurava por emprego. Sabia que nenhuma experiência que havia adquirido até o momento ajudaria-o a achar um trabalho. Na cidade não havia cavalo para domar, terra para lavrar nem vaca para ordenhar. Tentou trabalhar em diversos setores, como operário de fábrica, como construtor civil, até como faxineiro, mas não conseguiu achar seu lugar. Decidiu trabalhar como catador de materiais recicláveis , trabalhar todos os dias, do raiar do sol ao anoitecer. Dormir na rua, sacrificar tempo que poderia passar com seus filhos, trabalhando, tudo para garantir-lhes um pedaço de pão nas refeições.

Sinhá Vitória achou uma organização que cuidaria das crianças durante a noite, e durante o dia, iriam para uma escola pública. Agora que não precisava mais se preocupar tanto com eles, foi procurar um trabalho. Começou a trabalhar como funcionária e faxineira em um posto de gasolina, não era o que esperava, mas era um emprego sustentável, receberia pagamento todo mês, não era como o emprego sem garantia de renda de Fabiano. Teriam de dormir na rua até conseguir dinheiro suficiente para alugar um quarto num cortiço.

Fabiano seguia o lixo. Foi à Vila Madalena, à Paulista, a Pinheiros. Rondava, guiado apenas pelos pedaços de papelão que o vento levava. Ficava impressionado com a quantidade de lixo que o povo gerava, desperdiçava, jogava em qualquer lugar. O que mais irritava-o era como eram tratados os rios. Era comum ir trabalhar perto do Rio Pinheiros, e quando ia, pensava “Quem imaginaria que esse povo esperto seria burro assim? Se tivéssemos rios como esse no Nordeste, ele não seria tão maltratado assim. Como eles a têm, não percebem a importância da água. Enquanto fugiamos da seca, eles fogem da chuva”. Raramente encontrava com sua mulher, apenas a encontrava quando ia a Perdizes, que era perto do local no qual ela trabalhava. Sinhá Vitória trabalhava como faxineira de um posto de gasolina em Perdizes. Durante a noite, limpava os banheiros e a lanchonete, durante o dia, trabalhava na cozinha, lavando os pratos. Trabalhava arduamente o dia todo, do nascer do sol até escurecer. Eram cerca de doze horas de trabalho por dia, e conseguia tirar apenas mil e duzentos reais por mês. O irmão mais novo brincava, conversava e jogava pelada com seus colegas. Apesar de não ter seus pais ou Baleia presentes, era parcialmente feliz. O irmão mais velho estava na oitava série, não se interessava pela escola, muito menos pelo que ensinavam lá. Gostava apenas de sua professora, passava muito tempo conversando com ela sobre moral. Não era muito sociável, tinha poucos amigos.


Certa manhã, o irmão de um colega de classe, que ficou sabendo que estava interessado sobre a existência de Deus, do inferno e do céu, lhe ofereceu uma chance para ver Deus, disse “Aí mano, o bagulho é o seguinte: tu pega a bala, chupa e vai entrar numa brisa sinistra. Pode me pagar depois” Após cerca de meia hora, começou a sentir os efeitos. Primeiramente ficou meio tonto e se sentou, o mundo girava mais rápido que o normal. Sua visão escureceu um pouco. Sua cabeça girava, ouvia ruídos, achava que era Deus cochichando em seu ouvido. Uma grande carga de adrenalina foi descarregada em seu sangue e viu o prometido. Não via a hora de falar para sua mãe que havia visto Deus. E esse momento não demorou muito, Fabiano e Sinhá Vitória já haviam juntado dinheiro o suficiente para alugar um quarto num cortiço.

Como combinado, Fabiano e Sinhá Vitória retornaram à organização que estava cuidando de seus filhos. O irmão mais velho disse: “Ví Deus! Um moço me ofereceu uma balinha para que eu pudesse ver Deus, mas falta pagar. Não sei o quanto ele vai cobrar mas já falo com ele”. Fabiano tirou o chinelo e bateu no filho, que não entendeu a razão da violência, mas aceitou. Não tinham dinheiro para pagar, então pegaram os filhos, se viraram e foram embora. Virando a esquina deram numa boca de fumo e se depararam com o traficante que havia vendido para o irmão mais velho. Ele falou: “Qual é irmão, já ta com a grana aí?” - Fabiano logo respondeu: “Me desculpe amigo, o único dinheiro que temos é o que será preciso para alugar um lugar pra dormir.” - O traficante sacou uma faca e disse: “É melhor pagar logo…’’ - Fabiano disse que pagaria quando pudesse e se virou, e ao se virar, leva uma facada. Seu sangue escorria entre os dedos de Sinhá Rita. Os meninos choravam, Sinhá Rita chorava e Fabiano gritava. O traficante fugiu rapidamente. Fabiano ia perdendo os sentidos, sentia sua vida sendo drenada de seu corpo. A verdade é que sabia que toda sua vida havia escorrido para esse momento.


Matheus Palmeira

VIDAS ESCORRIDAS Estávamos fugindo da seca de Pernambuco, achando restos de comida pela estrada e comendo frutas pelo caminho, até que achamos um vira-lata no caminho, decidimos pegá-lo e chamá-lo de Tubarão, esse cachorro nesse momento era a única felicidade do Irmão mais novo. Enquanto andávamos pela rua apareceu um homem, com um carro, e fomos pedir carona até São Paulo, uma cidade grande. Eles tinham um pouco de dinheiro, que Fabiano ganhou vendendo coisas artesanais na cidade, mas provavelmente não seria o suficiente para uma carona pra cidade, então Sinhá Vitória foi perguntar se por gentileza aquele homem poderia dar carona para a família, mas ele respondeu que daria por troca de uma coisa, o Tubarão. Naquele momento o Irmão mais novo ficou abismado, ele não daria o cachorro, pois era o que lhe deixava feliz naquele momento de tristeza, mas era obrigado a dar, Fabiano arrancou o cachorro da mão do Irmão mais novo e o deu para o motorista. Aquela viagem foi sofrida principalmente para o Irmão mais novo que estava profundamente triste e tentando apreciar os últimos momentos com o Tubarão, enquanto Fabiano tentava conversar com o motorista tentando dizer o que estavam fazendo no meio da estrada, porém eles não conseguiam se comunicar, pois o vocabulário de Fabiano era muito restrito. Depois de um dia sem comer, a família finalmente chega em São Paulo, e automaticamente já se sentem perdidas, nenhum deles sabe o que fazer agora que chegaram não sabiam o que fazer. Estavam totalmente perdidos, o ambiente era totalmente diferente da zona rural. Fabiano foi procurando casas para morar, mas todas estavam ocupadas, enquanto ele chegava nos subúrbios da cidade ele viu que conseguiria uma casa, mas ele teria que a construir.

Com o tempo eles já tinham uma casa, mas uma péssima casa, a família saberia que iria cair mas não sabiam quando. Sinhá Vitória achou um emprego que ela costurava para uma costureira, ganhava um salário mínimo e ainda era maltratada com um trabalho abusivo. O filho mais novo foi para uma escola pública, pois sua mãe o colocou lá, porém nenhum professor ia nas aulas e os alunos brigavam e se batiam, mas ele estava em uma depressão. O filho mais velho foi trabalhar como motoboy, mesmo não sabendo dirigir, o colocaram lá para trabalhar. Fabiano foi trabalhar como camelô numa loja de uma rua chamada paulista, uma rua bastante movimentada. Nos primeiros dias eles estavam desesperados , Fabiano estava levando cintadas para o trabalho, ele revidou uma vez, mas acabou levando mais chicotadas e foi demitido. Sua mulher, Sinhá Vitória, conseguiu se manter no trabalho, ela teve que deixar de dar atenção as seus filhos, pois era muito trabalho, com isso, o irmão mais novo acabou fugindo da escola e nunca mais foi encontrado. No começo, eles sentiram falta do mais novo, porém ao tempo eles pararam, pois sobrava mais comida e eles não tinham que gastar muito dinheiro para manterem o filho feliz.

O irmão mais velho chegava muito exausto em casa, dava um beijo na mãe e ia dormir, o trabalho dele não o deixava descansar. Mas eles continuavam na cidade, pois ela tinha um ponto, era muito mais fácil a vida de pobre na cidade do que no sertão porque na cidade havia comida, e é muito fácil de achar, por isso eles continuavam na cidade.


Um dia, Fabiano estava voltando para casa a pé, quando ele foi assaltado, roubaram todo salário e pertences dele, mas ele revida e tenta dar um soco no assaltante, mas acabou tomando um tiro.Felizmente, ele acabou chegando em casa e Sinhá Vitória cuidou dele com algumas coisas que ela tinha tricotado. Depois desse acontecimento a família começou a se estabilizar e se acostumar com o ambiente da cidade, eles foram conseguindo dinheiro, pagando as contas e comprando comida. Depois de um tempo, a inflação aumenta e faz as pessoas trabalharem mais para conseguir pagar as contas, com isso, as pessoas para que Fabiano trabalha começam a maltratar muito mais ele, com cintadas e tapas, deixando ele mais fraco e Fabiano acaba não conseguindo ir ao trabalho, e é demitido. Sinhá Vitória acaba tendo muito trabalho pra fazer, pois a dona da costureira não está ganhando muito dinheiro, e não consegue terminar o trabalho ao tempo, sendo assim também foi demitida. O irmão mais velho acaba tendo muito mais trabalho para entregar as comidas, e acaba sofrendo um acidente de moto e acaba no hospital, não podendo mais trabalhar e a empresa não paga o acidente. Com todos sendo demitidos por conta da inflação, eles tem que se mudar para outro lugar, pois eles não haviam mais dinheiro para comprar comida, sustentar a casa e pagar as contas, sendo assim, eles saem dessa área da cidade é vão para outro subúrbio da cidade, para tentar a vida em outra favela, pegando latinhas pelo caminho, vendendo e comprando comida.


Maya Garcia Brant

O SERTÃO NA CIDADE GRANDE A dura jornada de Fabiano e sua família se iniciou ao saírem do sertão para fugirem da seca e buscarem um novo começo. A família teve várias dificuldades durante o caminho para chegar à cidade grande, conseguiram uma carona com um jovem trabalhador chamado Ademir que dirigia seu próprio caminhãozinho e que também estava indo para São Paulo em busca de uma novo começo. Ao chegarem, os olhares de Fabiano e sua família ficaram impressionados por mal conseguirem ver o sol pela quantidade de prédios que haviam em sua volta e a quantidade de nuvens que tinha no céu, Durante o caminho até Campo Limpo, onde iriam passar alguns dias na casa de uma familiar bem distante de Sinhá Vitória, ninguém disse nenhuma palavra, só observavam a cidade, mas podia se notar no rosto de cada um o olhar de esperança e que haviam chegado em um novo lar. Os dias foram se passando e Fabiano nada de achar um emprego, tudo que ele havia aprendido na sertão não valia de nada para o que lhe esperava na cidade grande. Enquanto Fabiano procurava um emprego seus filhos estudavam e Sinhá Vitória já trabalhava com faxina em uma grande casa na Vila Madalena, seus dias eram bastantes corridos, sempre chegava exausta em casa, por sair para o seu emprego às quatro da manhã e voltar sempre às sete da noite, mal conseguia cozinhar por não ter tempo e nem dinheiro o suficiente para colocar a comida na mesa. Fabiano já muito bêbado e muito nervoso por não conseguir sustentar sua família , conseguiu um emprego com a ajuda de Ademir que ele ofereceu um emprego como seu ajudante, descarregar sacos de areia nos canteiros de obra. Então, Fabiano, sabendo que não ia conseguir algo melhor aceitou e começou a trabalhar na mesma hora.

Mas dias se passaram e Fabiano nem reclamando estava mais, ele só estava. Logo depois de seu último serviço do mês, Fabiano recebeu pouco mas adequado para seu primeiro emprego, já feliz por ser o primeiro de muitos, Fabiano volta pra casa com o objetivo de levar seus filhos e Sinhá Vitória para a lanchonete do bairro, com o objetivo de comemorar a nova vida. Mas ao longo do caminho Fabiano escolheu pegar um atalho pra chegar mais rápido em casa. Esse atalho era passar por uma rua escura que não se podia ver nenhuma alma viva ao redor. Fabiano quase chegando no final da rua, escuta um barulho de moto. Ao olhar para trás vê dois homem em cima de uma moto vindo em sua direção. Fabiano sem saber o que estava acontecendo continuou a andar, quando de repente os dois homens pararam na sua frente e lhe abordaram apontando cada um, uma arma na sua cabeça. Os dois homens mandaram Fabiano entregar tudo, mas ele não podia dar o dinheiro que havia ganhado, pois precisava dele para manter sua família viva. Então Fabiano negou, não tinha nada para entregar aos garotos, então, logo ao dizer isso os moleques não pensaram duas vezes e lhe deram dois tiros. Nesse momento, todas as lembranças da vida de Fabiano passaram em sua memória e o mesmo sentimento da morte de Baleia veio a tona, o momento foi tão rápido que nem deu tempo de pedir ajuda. Um mês tinha se passado e Sinhá Vitória e seus dois filhos já estavam melhores pela perda, tinha até adotado um cachorro chamado de Baleia jr. Por fim depois do processo de mudança, conseguiram se adaptar aos hábitos da cidade grande, e se encaixarem a sociedade.


Rodrigo Cespedes

A MORTE DE UM SONHO COMUM

UM SONHO NÃO MORRE ATÉ A MORTE DO SONHADOR Fabiano estava terminando a faxina do dia. Iria tirar os retalhos do chão e ir encontrar sua família. Quando um pedaço de aço caiu no chão e fez um barulho estridente. Gritou e gritou, mas seus gritos foram diminuindo e diminuindo, até que viraram sussurros. Tentou ver onde tinha sido atingido, mas não conseguiu identificar a ferida, um nevoeiro negro atrapalhava-lhe a visão, certamente causado pelo aço fundido. A dor, que antes estava concentrada em sua barriga, agora se espalhava em seu peito. Ela havia diminuído até quase desaparecer, agora era só um formigamento junto de uma tremura que ia até seus braços e pernas.Em segundos suas extremidades pararam de formigar, não sentia nada do tronco adiante. O nevoeiro passou, só havia escuridão, Fabiano pensou que os homens o tinham tirado de perto das caldeiras, mas achara estranho, pois não sentira, nem ouvira nada. Só queria comer, estava faminto. Nunca esteve com tanta fome, nem mesmo em sua viagem até a grande cidade. Começou a lembrar de seu caminho das dificuldades que ele e sua família passaram, para chegar até ali. Era o alto do verão quando chegaram na Bahia ainda era um longo caminho até São Paulo. Fabiano conseguiu pegar alguns suprimentos, na cidade em que pararam, não muito, mas o suficiente para a sobrevivência dele, de Sinhá Vitória e de seus filhos. Voltaram para a estrada e se puseram a andar. Esperando que um caminhão os aceitasse. Era perto do escurecer quando um motorista parou e perguntou para onde iriam. Sinhá Vitória falou que iam para São Paulo, e o caminhoneiro disse que estava indo para uma metalúrgica em São Bernardo. E este afirmou que era perto da grande cidade. Então a família entrou na carroceria e Fabiano foi no banco da frente. O caminhoneiro chamava-se Severino, era uma boa pessoa, que já esteve na mesma situação daquela família. Virou amigo de Fabiano e Sinhá Vitória, ele dizia que ela se parecia com sua querida mãe.

Ao chegarem na metalúrgica, Severino falou que iria ajudar Fabiano, pois sabia que a fábrica estava precisando de faxineiro, e tinham perguntado a ele, se conhecia alguém. E este perguntou ao sertanejo se aceitaria o emprego, que respondeu na hora que sim. E seguida perguntou se o caminhoneiro conhecia algum lugar que eles poderiam dormir, Severino respondeu que conhecia um cortiço na colina que dava umas duas horas a pé. Se despediram de seu amigo, como se fossem velhos amigos, e partiram em direção de sua nova moradia. Na manhã seguinte Fabiano se apresentou na fábrica, para seu novo emprego. Ele não conseguia lembrar-se dos detalhes, a imagem era um pouco borrada. Conseguia apenas se lembrar das manadas de homens saindo da metalúrgica, quando o sinal soava. Naquela noite ele comemorou a sobrevivência e o emprego com sua família. Que agora morava em um quarto com uma cama, que pela primeira vez, não era de varas. O primeiro pagamento veio, junto da quase estabilidade. As crianças comeram, pela primeira vez em muito tempo, uma refeição minimamente adequada. Sinhá Vitória ainda não havia se adaptado, não tinha o que fazer. Não era boa cozinheira, não costurava bem e não falava bem. Na cidade, parecia uma criança perdida, caminhando a esmo, tentando vender doces para ganhar um trocado. O único amigo que já tiveram, agora estava em alguma estrada, com seu caminhão cheio de esqueletos da fábrica. Qual era o nome dele? Fabiano não conseguia lembrar, o nome fugia como a vida que eles quase tiveram. Uma vida de quase estabilidade, uma vida de quase felicidade, uma quase vida. A vida que se acabou ao som dos retalhos de ferro que atingiram o chão. Fabiano não conseguia se lembrar de mais nada, nem mesmo da forma do rosto de Sinhá Vitória. Só conseguia sonhar com um mundo sem seca, um mundo sem fome, um mundo em que conseguiria domar seu gado, com os meninos ao lado brincando com Baleia, um mundo em que seria feliz.


Tales Wroblewski Brasil

Fabiano e sua família vão a pé até a grande cidade de São Paulo. Eles chegaram muito cansados, com fome e sono. Chegaram de manhã em São Paulo, desde que chegaram tiveram que procurar emprego. Em São Paulo Fabiano achava que ia conseguir emprego e viver em melhores condições mais aconteceu tudo errado. Eles passaram fome e tiveram que trabalhar no farol para ter pelo menos um pouco de comida. Fabiano era o chefe, ele mandava as instruções para seus filhos. Os dois irmão trabalhavam no farol vendendo balas e fazendo malabarismo. E a mulher de Fabiano dava em cima de outros homens para ganhar dinheiro. O tempo foi passando e a família de Fabiano continuava na mesma situação. Até que um dia Fabiano começou a ficar muito doente. A família não tinha condições para comprar remédios. O filho mais velho de Fabiano preocupado com seu pai resolveu procurar emprego. Ele era menor de idade e isso fez com que ninguém quisesse contratá-lo. Sua família estava desesperada pois Fabiano estava cada vez mais ficando doente. O filho mais velho pensou em virar ladrão mais ouviu sua mãe que sempre disse que roubar não era certo. Mais quando a situação apertou, o filho mais velho começou a roubar pessoas. O filho mais velho conseguiu dinheiro para pagar remédios para seu pai. Seu pai agradeceu muito e disse que não queria que eles tivessem a realidade que tinham. Seu filho mais velho disse para seu pai que não quer roubar e nem traficar, mais teve que fazer isso para Fabiano não morrer. Após isso o tempo foi passando e a situação se mantia até que um dono de uma padaria chamou Fabiano para trabalhar lá. Fabiano disse que tudo bem e falou que ia se dedicar muito. Fabiano começou a trabalhar mais teve muita dificuldade pois não sabia fazer pão e também não conseguia escrever muito bem os pedidos.

A padaria não era muito conhecida e começou a ter menos pessoas indo a ela. Com isso acontecendo o dono da padaria acabou demitindo Fabiano, pois não tinha mais condição de pagá-lo. Ele voltou para a vida que tinha no começo e assim durou mais alguns anos até que acabou falecendo. Sua família ficou mais perdida ainda depois da morte de Fabiano e cada um foi para um lugar diferente. A mulher de Fabiano ficou muito abalada e começou a ficar doida, ela foi parar no hospício. O filho mais velho ficou muito bravo consigo mesmo pois não conseguiu salvar seu pai e foi para o tráfico de drogas. Com o tráfico de drogas ele ficou muito rico. E o filho mais novo virou órfão. Uma família adotou ele e ele foi feliz.


Teodoro Jacinto

ESPERANÇA Fabiano acorda mais uma manhã para ir trabalhar e ver se consegue arranjar dinheiro para ele e sua família pelo menos almoçarem. Sai do cortiço que divide com mais duas famílias de retirantes, que sofreram e sofrem o mesmo que Fabiano, Sinhá Vitória e as duas crianças. Faz pouco menos de um mês que eles chegaram na cidade de São Paulo. Depois de tanto tempo andando e pegando carona na estrada para chegar na grande metrópole, não sabiam o que fazer para sobreviver e ter alimento. Até que João, um retirante que dividia uma casa com sua família e mais outra, percebeu que a família era também de nordestinos que fugiram da seca e tentavam ter uma vida em São Paulo, e resolveu ajudar. Fabiano teve grandes problemas para arranjar um ofício na cidade, já que tudo que sabia fazer não servia de nada lá. De que adiantava saber cuidar de boi se tudo que tinha na cidade era carro? Sinhá Vitória conseguiu trabalhar em uma oficina de costura, de onde tirava toda a renda da família. O filho mais velho pedia dinheiro e tentava vender algo na rua, enquanto o mais novo ia à uma escola pública perto da moradia deles. Fabiano tentou arranjar um emprego como marceneiro, trabalhar em obra, motorista de ônibus, mas não levava jeito para nada disto. Acabou então sendo cobrador de ônibus, conseguia pouco dinheiro e deixava todo o peso em cima da mulher. Saiu de casa e foi para o terminal de ônibus, e passa o dia pegando dinheiro e liberando a catraca para os passageiros. Quando chega em casa se depara com algo inesperado. João, aquele que ajudou a família quando chegaram na cidade, havia falecido com 78 anos. Fabiano fica muito triste, como já é de se esperar, e assim como ele, toda a família ficou abalada com a situação. Todos os integrantes da família, menos o filho mais novo, se reúnem à noite para conversar. O filho mais velho diz que não está ganhando tanto dinheiro na rua e que o que ele faz não dá em nada, e Fabiano também ganha muito pouco com o ofício que arranjou. .

Sinhá Vitória começa a chorar, pois apenas ela fazia dinheiro de verdade, já que arranjou um emprego em uma oficina de costura. A criança mais nova, que estava ouvindo tudo, chega para abraçar a mãe, e mesmo com tudo aquilo de ruim, a fome, a falta de dinheiro, ainda existe uma esperança dentro de Fabiano, uma luz. Ver toda a família junta o conforta, embora o menino mais velho não visse do mesmo jeito. Está cansado de tudo isso, de trabalhar o dia todo, se desgastar para ganhar uma merreca que mal consegue comprar comida. Está triste, com fome e não via nenhuma saída para eles. Começa então a questionar a vida, por quê ele estaria lá, na situação em que se encontra, e começa a ver a morte como uma saída mais fácil. Por outro lado Fabiano começa a achar um sentido na vida. Pensa em conseguir um bom emprego, e quem sabe ter uma casa boa, só deles quatro. No dia seguinte, ao andar pela rua até que encontra um cachorrinho que se parece muito com Baleia, e pensa em levá-lo para casa, pensando que poderia alegrar a família. O menino mais novo e a mãe adoram a surpresa, enquanto para o mais velho só piora a situação. Lembrar da cachorra que havia morrido só o faz ficar ainda mais triste, mas continua seguindo a vida, fingindo para a família e para si mesmo que está tudo bem.

Fabiano, mais motivado do que nunca, vai novamente em busca de um novo ofício. Encontra um homem, que estava precisando de um jardineiro, e consegue o emprego. A vida deles está mais estabilizada, com um pouco mais de dinheiro e muito mais esperança, menos para o filho mais velho. Ele não aguenta mais, não mesmo, então, certo dia ele resolve pular de uma ponte. Sinhá Vitória chega mais cedo nesse dia, e encontra uma carta, do seu filho, dizendo que vai se matar.


Ela não sabe o quê fazer, fica desesperada, logo agora que a vida deles estava ficando mais fácil. Quando seu marido chega em casa ela conta o que aconteceu para ele, que se desmonta na hora. Toda a esperança, toda a vontade que eles estavam para mudar a vida deles tinha ido embora.

Sinhá Vitória ficou doente, e acaba falecendo dias depois. Nessa hora Fabiano desiste de tudo. Sai de sua casa com a roupa do corpo, seu filho mais novo e o cachorro da família. O menino pergunta “Papai, pra onde a gente vai?” e Fabiano não faz ideia do que responder, nem ele sabe o que aconteceria. Já está escurecendo, mas ele continua a andar. Os dois estão cansados, o cachorro já tinha ficado para trás e os dois seguiam. O homem já está fora de si, segue reto e seu filho não consegue mais andar, então, Fabiano o deixou para trás e seguiu em frente. Por que eles foram para a cidade grande?, pensava ele. Se sente culpado por tudo que aconteceu e seguia em frente. O dia amanhece e mesmo assim, não para de andar. Está fora de si, completamente louco, e toda a esperança que, dias a trás sentia, é tomada por raiva, e ele só anda. Não sente mais nada, frio, calor, fome, sede, sono, apenas segue seu caminho. Até que uma hora ele pensa o porquê da família sair da onde vivia para ir a um lugar pior, que pensavam ser libertador e que os salvaria. Então ele cai no chão e desmaia. A família viveu toda a vida fugindo da seca e dos problemas, sempre com uma esperança, mas desta vez, eles conseguiram fugir, da vida e para sempre.


Thomas Stanquevisch

VIDA ESFUMAÇADA E MORTE MOLHADA Em menos de um ano Fabiano e sua família são obrigados a se mudar novamente por conta de outra seca que havia chegado em sua nova terra, com eles Fabiano leva uma égua que poderia servir de alimento em um possível futuro. Já havia passado dez dias o irmão mais novo já estava a beira da morte enquanto o irmão mais velho já havia os abandonado fazia dias, Fabiano decide matar a égua pois nem ele aguentava mais andar com fome e descalço pelas quentes terras do sertão, quando Fabiano dá a primeira facada um caminhão para ao seu lado, Fabiano mal sabendo o que era o objeto do tamanho de duas éguas, pede para o homem que estava pilotando, para levá lo até o destino final, então Fabiano, Sinhá Vitória e filho único entram no baú do caminhão e partem para sua viagem. Fabiano só conseguia pensar sobre a vida que teria na cidade grande, onde a vida da sua família poderia melhorar. Depois de algumas horas eles chegam em seu destino, quando saem do baú do caminhão eles se deparam com o motorista que pede um valor de pagamento pela carona, como resposta Fabiano diz: - O meu senhor não tenho esse dinheiro para te pagar neste momento, posso lhe pagar daqui a um mês, vou até sua casa e te pago pessoalmente. - Te darei uma mês me dê seu número de telefone para eu te ligar se não vier- diz o motorista do caminhão. - O que é um telefone- pergunta Fabiano. - Chega de gracinhas te darei este um mês para pagar nossa dívida se não pagar irei atrás de você. Fabiano não se preocupa-ra com o caminhoneiro já que se viesse cobrar dele ele iria matá lo, saindo da garagem onde o caminhão estava estacionado ele vê pela primeira vez a cidade, Fabiano fica maravilhado com os grandes prédios e todos aqueles veículos na rua, então ele manda a mulher e o filho ficarem esperando ele, Fabiano diz que já volta com comida e moradia.

Com o nascer do sol Fabiano sai pela cidade procurando um trabalho tenta perguntar para alguns cidadãos onde podia arranjar um trabalho na cidade mas ele percebe que naquela cidade de cinza e fumaça todos que passavam achavam graça, depois de muita busca Fabiano encontra um homem que sabe onde encontrar trabalho e moradia, o velho homem oferece para Fabiano um trabalho em uma fábrica, mas então Fabiano diz: - Mas meu senhor eu não sei como trabalhar em uma fábrica. - Tudo bem tenho muitas ofertas de trabalho para você, o que o senhor fazia em sua terra- disse o velho homem. - Dês que nasci fui ensinado como cuidar de gado. - Isso não é uma virtude útil, o que mais o senhor sabe fazer. - Sei lavrar terra também. - Aqui só há asfalto não há nada para lavrar, mas vamos direto ao ponto um saco de areia tu consegue carregar. - É claro meu senhor mas onde irei trabalhar. - Venha comigo e mostrarei em que construção você irá me ajudar. Então o Velho homem lhe mostra um local com grandes pilastras de ferro e grandes fortes homens, então Fabiano começa a trabalhar, o trabalho era mais duro que o da sua antiga vida mas pelo menos pagava melhor.


Acabando o serviço Fabiano vai até onde sua família estava o esperando para levá-los para cortiço que o Velho homem havia dado para ele, chegando na garagem Fabiano se depara com seu único filho deitado no chão morto e sua mulher chorando pela sua volta ao lado do menino, pela primeira vez Fabiano sentiu tristeza pela perda de um membro da família, pois havia percebido que seu último filho havia morrido e isso não havia volta, Fabiano tenta ao máximo não parecer abalado e leva sua mulher para o seu cortiço. Sua vida estava mais estável que nunca mas também com menos valor que nunca, havia perdido tudo que realmente importava e estava em um lugar que nem ele sabia o nome. Enquanto Fabiano estava no trabalho, Sinha Vitória vai fazer compras, durante as compras Sinhá Vitória recebe a proposta de um cafetão de que se ela se prostitui-se em Florianópolis ela receberia muito dinheiro em troca, então Sinha Vitória escrever uma carta para Fabiano mesmo sabendo que ele não sabia ler ele iria entender. Quando Fabiano chega do cortiço ele encontra a carta e pede para alguém do cortiço ler para ele, a carta contava sobre a proposta que Vitória havia recebido, abalado Fabiano deita pensativo sobre se ter ido para a cidade das fumaças foi uma boa escolha. No dia seguinte Fabiano acorda e vai para o seu trabalho no meio do caminha ele encontra um rio, ele percebe que o suicídio era a única opção para acabar com sua dor, Fabiano se joga no rio, depois de pouco tempo o resto de Fabiano que existia no velho sertanejo estava morto.


Tomaz Araujo

A, crise nos deixou ainda mais pobres, nossa única opção é mudar para São Paulo,pensava Fabiano, lá talvez eu possa conseguir um emprego com um salário baixo, mas pelo menos é melhor que ficar desempregado aqui no Nordeste. Mas com essa ideia vem um problema, que é a locomoção, até a cidade grande. Depois de pensar muito, Fabiano já havia se perdido nos seus pensamentos, a sorte dele é que sua mulher sabia desse, plano pois ele a contava toda noite. A família tinha duas opções, ir de caminhão ou ir dividindo um carro com várias famílias, para Vitória a opção mais econômica era dividir um carro com uma caçamba atrás. A viagem demoraria um dia e doze horas. Após arrumarem suas coisas, embarcaram no carro, nenhum deles iriam sentir falta de sua atual casa, pois eles a odiavam. A viagem foi muito ruim, o carro estava lotado e ninguém conversava com ninguém, tinha pouca comida e as crianças ficavam reclamando do cheiro e da falta de sua falecida cachorra Baleia, que havia morrido de uma doença . Quando chegamos em São Paulo tivemos que procurar um lugar para morar, mas como não achamos nada barato tivemos que dormir na rua por dois dias. Nossa primeira moradia foi um prédio abandonado com um grupo de pessoas. O Fabiano no dia seguinte foi procurar um emprego na cidade, seu dia foi gasto procurando-o. Ele voltou para casa dando a noticia que tinha virado um lixeiro. Seus filhos, depois de duas semanas começaram a estudar em uma escola pública, Vitória virou empregada em um apartamento, suas rendas estavam se estabilizando.

Dois meses se passaram, Fabiano com sua família está jantando, quando ouviram um barulho de porta quebrando, era a polícia, o dono do prédio abandonado havia mandado expulsar os invasores. Os meninos pararam de ir à escola, não estavam acostumados a estudar, e também esse lugar era um ambiente hostil, e com essa saída eles começaram a trabalhar como vendedor no farol. A nova casa deles ficava perto de Itaquera, uma casa com até um portão. Dois anos se passaram, Fabiano o havia morrido, o pai por uma doença que pegou no trabalho, e o mais velho foi morto por um policial enquanto assaltava uma pessoa na rua. A Vitória entrou em depressão, e como a família não tinha renda eles agora eram moradores de rua.


Marina Mattos

Em busca de fugir da seca, Fabiano, Sinhá Vitória e seus dois filhos decidiram ir para São Paulo tentar a sorte. Foram para lá de ônibus, com o pouco dinheiro que tinham. Lá tinham um amigo chamado Salatiel, que morava em uma ocupação no centro da cidade e disse que poderiam ficar lá, que tinha espaço para mais pessoas. Quando chegaram, se depararam com um trânsito de pessoas e veículos intenso no qual não estavam acostumados. Vendedores por toda parte, tanto ambulantes como lojas de diversos produtos, pessoas falando línguas estrangeiras, muitos moradores de rua, poluição, vários prédios e etc. A família achou tudo muito novo e diferente. Era muito mais movimentado do que no Nordeste, onde haviam vivido até aquele momento. Também sentiam falta de Baleia… tinham visto tantos cachorros por lá… Fabiano não tinha a remota idéia de com o que trabalharia. Sabia lidar com os animais muito bem. Sabia domar cavalos, cuidar dos bois, ir atrás de algum deles pelo meio da caatinga se fugissem e etc. Porém nada disso se encaixava com os empregos da cidade em que estavam agora. Eles todos seriam obrigados a fazer certas adaptações para se acostumar com o novo lugar onde viveriam. Sinhá Vitória sabia costurar muito bem e era isso que sustentaria a família por enquanto. Havia recebido encomendas de pessoas de seu prédio e de outras, de fora, pois agora trabalhava em um pequeno lugar, onde se concertavam roupas. O menino mais velho teve que ir distribuir panfletos diariamente para conseguir uns vinte e cinco reais, mais ou menos. E o mais novo ficava em casa a maior parte do tempo, pois ainda não tinham conseguido uma vaga em nenhuma escola.

Fabiano estava entrando em desespero, pois já tinha se passado um mês e todos tinham o que fazer e mesmo tentando todos os dias arranjar um emprego, ainda não havia recebido retorno de nenhum dos lugares que tentou a vaga. Recebiam muito pouco dinheiro e que só dava para o básico. Sentia muita falta de sua terra natal, não queira ter saído de lá… Porém não tinha outra escolha, pois a seca sempre voltava. Quatro meses haviam se passado e a comunicação da família tinha melhorado, não se falavam apenas quando realmente necessário para avisar ou pedir algo. Se falavam pouco, mas mais do que antigamente. Já os irmãos se falavam bastante, conversavam sobre como tinha sido o dia, sobre suas dúvidas e memórias da antiga casa de Baleia e etc. Fabiano conseguiu um emprego como faxineiro de um prédio nem tão perto nem tão longe de sua casa e Sinhá Vitória continuava costurando e agora também recebia algumas encomendas de doces e bolos para fazer. Estavam financeira e emocionalmente melhores. Não tinham tanto dinheiro, mas dava para se virar.


Sofia Petti Figueiró

Eram poucos os momentos em que Fabiano conseguia ficar sozinho, porém eram menores ainda os momentos que ele conseguia ficar com a sua família. O menino mais velho, oh pobre menino, Sinhá Vitória ficava triste cada vez em que ele saia de casa. O problema da cidade não era a fome não, a fome que eles sentiam até dentro de casa. O problema da cidade era a rua, sempre em movimento, em constante mudança. Sinhá Vitória, que era acostumada a apreciar um lado bom das coisas, como por exemplo os meninos estarem vestidos e com comida na mesa. Isso na cidade acabava não sendo um problema, sempre tinham comidas e roupas por pior que elas fossem. Fabiano, sabia o que aquilo era, o lixo dos outros. A comida negada pelos outros, as sobras. Fabiano andava pela cidade, procurando emprego para fazer, nas primeiras semanas ele se recusava a pegar empregos que escapavam das leis. Mais aos poucos via isso mas como o seu lugar na cidade, se sentia como às sobras que comia, descartável. Eles ficavam na casa do sobrinho do padrinho de Sinhá Vitória. O próprio chamava a casa de a Cabana. O estabelecimento de consistia em dois cômodos, o banheiro e a sala, que também era quarto e cozinha. No terreno onde ficava a Cabana, havia a Antiga Cabana, assim eles chamavam. Era basicamente, uma lona sendo sustentada por paredes de tijolos descartados empilhados, com dois colchões em baixo. O menino mais novo nunca havia morado em um lugar tão estranho quanto a Antiga Cabana. Quando chovia, o barulho era forte, era como se ele estivesse em um navio. Com água, entrando em todos os cantos, às ondas batiam forte e a água entrava por todos os lados, ele ia com seu balde e rodo tirando a água que molhava o colchão. A água, a coisa mais diferente na cidade era água. A relação deles com a água havia mudado drasticamente, era frio na Antiga Cabana, e por mais que Fabiano estivesse guardando parte do seu dinheiro para dar um jeito nela, isso estava longe de acontecer.

Foram nos primeiros dias que o menino mais novo havia pego uma pneumonia, nunca havia visto brincar na chuva como um problema. Mais aquele havia sim sido um inverno frio na cidade de São Paulo. Foram 5 horas esperando serem atendidos em um hospital público, apenas para serem mandados embora já que o menino não tinha rg nem certidão de nascimento. Ao mesmo tempo o menino mais novo era o que se dava melhor na cidade, a escola ficava apenas a alguns quilómetros de onde moravam. E com muita dificuldade ele conseguiu se matricular. Os professores faltavam, e ele não conseguia acompanhar nenhuma das aulas. Mas já era melhor do que ficar em casa, Fabiano e Sinhá Vitória fora o dia inteiro, o menino mais velho também. Às coisas começaram a melhorar quando Sinhá Vitória conseguiu um emprego como empregada doméstica, o dinheiro chegava com uma frequência um pouco maior. E pouco a pouco Fabiano conseguiu fazer uma nova casa no lugar onde ficava a velha cabana, que era muito parecida com a nova cabana. Ele arranjava muitos bicos como pedreiro, pintor, eletricista, marceneiro,etc… O menino mais velho aparecia em casa uma vez por semana, algumas vezes desesperado pedindo dinheiro, e outras com dinheiro equivalente a 3 três salários de sua mãe. Sinhá Vitória ia para casa nos fins de semanas, via os filhos de seus patrões mais que via os seus próprios. Porém eles sobreviviam...


Michel Vardi

Após muito andar, Fabiano já não sentia mais a presença de suas pernas ou seus pés, já não sentia mais a dor de cabeça, já que o sol havia deixado seu corpo sem água comida. Dera tudo que tinha a mulher e os filhos na carroceria da caminhonete antes de chegarem, e assim foi fabiano esperando na calçada enquanto sua família tentava encontrar algo pra comer, um homem pagou um almoço para as crianças, que voltaram pro pai correndo para mostrar o feito. Fabiano nunca havia visto coisa igual um pão delicioso, com uma carne sem gosto, mas mesmo assim a fome faz milagres, conseguiram também uma bebida muito estranha com bolhas que ardiam em sua garganta, deixou a para as crianças. Sinha Vitória estava exausta e com o tempo adormeceu em seus ombros.

Depois de mais uma boa hora andando encontrou uma ponte toda feita de concreto e o que lhe surpreendeu foi que não havia rio logo a baixo, apenas uns automóveis fechados que sempre punham o homem para pensar, como respiram lá dentro, que comem, e outras besteiras que considerava irrelevantes.

Um dia e meio se passou com eles morrendo de frio dormindo amontoados em baixo de uma ponte, os meninos estavam correndo d e um lado pro outro para se esquentar. Sinha Vitória então trouxe a dúvida que Fabiano não sabia responder: com que iam trabalhar. O homem se indignou começou a pensar, será que conseguiria encontrar alguém como Seu Tomás da bolandeira na cidade.

Na mesma semana resolveram sair de baixo da ponte porque os meninos iam até a rua, e Sinha Vitória não gostou. Andaram por volta de duas horas até encontrar um lugar que parecia um descampado cheio de telhas com roupas penduradas na janelas e crianças correndo, em meio a todas as casinha de tijolos encontraram um a vazia sem ninguém e ficaram a noite.

No dia seguinte acordaram no chão com um homem armado de algo parecido com um fuzil e Fabiano logo lhe perguntou “que quer” e o Homem parado na sua frente tornou a falar “aqui num funciona assim não véi cê você fica numa casa que não é sua você vai tomar bala melhor ce da no pe”. Fabiano tornou a arrumar as coisas e sem olhar pra nada e pra ninguém e caminhou até a porta. Nesse instante os meninos pararam na sua frente e o homem na sala encarou o mais velho com curiosidade, e logo falou “ vocês não tem onde de ficar né?, porque e tenho uma proposta que envolve teu filho”. Fabiano olhou para Sinhá Vitória e sabia no que pensava, mas com a chegada da frente fria não tardou a responder que sim mesmo sabendo que não tinha outro jeito. Uma semana depois de ter visto seu filho pela última vez tornou de encontrar um fornecedor de informações que dizia saber onde o menino estava, mas antes tinha que fazer um negócio para ele. Não tardou para Fabiano entrar no rumo do tráfico buscando informações sobre o seu filho, com uma troca de tiros aqui outra ali. Sinha Vitória Tinha medo de um dia fabiano não voltar pra casa e seu menino mais novo ter que sair em busca dele. Não tardou para chegar em casa com uma bala na perna e o fornecedor ir atrás do outro menino. Fabiano sai todo dia para vender um pouco aqui um pouco ali e sempre juntando informações. Um dia durante uma negociação de preços o comprador puxou um revólver e atirou nele, acertando a batata da perna, deixando Fabiano no chão. O Homem deitado começou a se esgueirar mas já não tinha forças, avistou um muro onde encostar e esperaria, uma figura na parede lhe chamou atenção, uma cadela magra de tom fraco com um ferimento também na perna estatelada no chão sem expressão como se o chamasse e com um último murmuro respondeu “baleia”.


Vitor Redua Cozza

Andaram horas pelo sertão, sem parar. As crianças já estavam com fome e Sinhá Vitória estava desesperada por conta do forte calor que fazia no sertão. Fabiano tentava acalmá-los mas de nada resolvia. Estava mais preocupado em achar alguém que os desse uma carona. Sempre que passava algum carro, tentava chamar atenção para o motorista parar. E, apesar de demorar, um senhor em um ato de caridade resolveu ajudá-los. Abriu as portas de seu carro para a família de Fabiano. A viagem foi demorada. Sinhá Vitória e as crianças descansavam enquanto Fabiano conversava com o motorista sobre a vida que os esperava na cidade grande. Chegaram. Ao acordar, a família inteira olhava pela janela os altos prédios e o turbilhão de carros que passava por eles. Estavam assustados, mas o medo da seca que os perseguia era mais forte. O caminhoneiro logo os deixou na rua, mas eles não sabiam para onde ir, pois não tinham destino. As primeiras noites, até que conseguissem achar dinheiro para um lar, seriam nas ruas. E assim foi. Passaram a primeira madrugada, fria e perigosa, nas ruas de São Paulo. Mas sabiam que seria assim. Precisavam, urgentemente, arranjar onde ficar e trabalhar. Vieram para São Paulo por mais oportunidade, melhor qualidade de vida e até uma educação para as crianças - talvez fosse tarde demais para entrarem na escola. Nos primeiros dias, Fabiano saiu a procura de algum trabalho. Enquanto Sinhá Vitória procurava alguma casa onde pudesse ser empregada doméstica, as crianças andaram pedindo dinheiro para conseguirem o que comer. Em umas das vezes em que Fabiano buscava emprego, ele achou uma vaga para servente de pedreiro. Se interessou. Não era um péssimo salário e era algo que ele conseguiria fazer bem. Na entrevista com o chefe, disse não saber nada sobre construção, mas o que fosse necessário aprender, aprenderia. O homem mal perguntara o nome de Fabiano, escutou o sotaque e já sabia o necessário. Com um certo olhar de desconfiança, deu a vaga ao retirante. Já os meninos arrecadaram o dinheiro para terem o que comer hoje. Sinhá Vitória nada encontrou. E assim foram todos os próximos dias.

Passou-se o primeiro mês. Conseguiram o dinheiro para sair da rua. Mas a nova casa não era nada confortável, um simples cortiço. Uma residência dividida com diversas famílias. Acharam melhor que a rua. Apesar de encontrarem onde morar, as dificuldades não cessavam. Sinhá Vitória ainda não havia encontrado onde trabalhar. As crianças passavam o dia na rua em meio ao preconceito e a violência. Fabiano chegava cansado todos os dias com dores no corpo de carregar tanto peso. E ainda tinham que dormir em uma cama dura, da qual Sinhá Vitória sempre reclamava. Ela sempre estava discutindo com Fabiano a possibilidade de comprar uma nova cama para eles. E, desta vez, para a surpresa de Sinhá Vitória, agora que tinha conseguido guardar um dinheiro, ele aceitou comprar. Era o sonho dela. Mas a usaram somente por algumas noites, até perceberem que não gostavam daquela cama mole. No aniversário do filho menor, tiveram a idéia de ir comer alguma coisa em um restaurante, para comemorar. Era a primeira vez que eles iam comer fora de casa. Estavam todos empolgados. Chegaram todos alegres, conversando e rindo mas não conseguiram entrar. Um homem alto e forte impediu que conseguissem passar pela porta. Perguntaram o motivo. - Me desculpem, mas só pode entrar quem for comer - disse o segurança. Disseram que iriam comer, mas não adiantou. Fabiano não aceitava que sofressem qualquer tipo de preconceito e resistiu. O moço já estava cansado de argumentar. Chamou mais um funcionário que estava perto e começaram a retirá-los a força. Fabiano chegou ao cortiço com algumas feridas na cabeça, Sinhá Vitória havia levado alguns socos na barriga e as crianças estavam assustadas como nunca. Mais até do que quando estavam se retirando a pé do sertão. Não era a primeira vez que sofriam algo parecido com o ocorrido no restaurante. Apesar de resistirem o máximo possível, a dificuldade de adaptação e o preconceito fizeram com que família escolhesse por fazer as malas. Mesmo que em São Paulo houvesse mais oportunidades, não conseguiriam continuar vivendo na cidade grande. Pela terceira vez, a familia estava fugindo de onde viviam. Agora, não por conta da seca.


Alan Senna Gorodetcki

Lá estava eu, aos meus 22 anos desesperada para conseguir um marido. Eu cosia quase o dia inteiro, como minha mãe havia me ensinado. Quando não estava cosendo, estava atrás de um amor. Eles iam e vinham, mas nunca deixavam saudade. A maioria deles já não me lembro o nome, poucos ficam na minha cabeça por mais de um dia. Aos poucos estava começando a perceber que talvez morresse sozinha, e essa ideia me apavorava.

Mas sabia que não deveria fazer isso. Se minha irmã, por mais desgraçada que seja, deixou sua filha para mim, era porque ela não queria que ela fosse para a Roda dos enjeitados.

Parecia mais um dia normal, como qualquer outro. Estava cosendo desde cedo, e o sol já estava caindo. Tinha visto pela janela alguns escravos sendo perseguidos, alguns sendo pegos. Eu tinha horror de quem tinha como profissão (apesar de isso quase não ser uma) caçar escravos fugidos. Mais tarde fui novamente à minha falha busca de um amor. Já estava preparada para quando, novamente encontrasse alguém que não me daria desejo nem saudade, e que eu esqueceria o nome em um dia. Porém desta vez foi diferente. Eu soube no momento que o conheci que era ele. Seu nome era Robério. Eu iria casar com este homem, ele era o verdadeiro e único marido. Foi o primeiro e único a verdadeiramente me dar desejo, e deixar saudade. Porém eu nunca mais o vi depois daquele dia.

Afinal, se teria que passar o resto da minha vida com ela, que pelo menos se torne alguém que eu goste de passar o tempo junto. Dois anos (graças a deus) não foram o suficiente para ela lembrar de seus pais muito bem, ou pegar suas características. Eu podia simplesmente falar que seu pai havia morrido antes dela nascer e que sua mãe havia morrido no parto. Eu ainda podia torná-la em alguém melhor, mais parecida comigo. Eu iria ensiná-la a coser como eu, a gostar de festas e bailes (por mais que mais tarde seria onde ela conheceu seu horrível marido, Cândido Neves), e outras coisas.

Acordei no dia seguinte com notícias de que a minha irmã mais velha havia ficado muito doente, e como seu marido já tinha morrido, ela deixou sua filha pra mim. Eu odiava ela e sua filha. Na nossa infância, após nossos pais morrerem de fome nós quase nos juntamos a eles. Se fosse por ela isso teria acontecido, mas eu consegui um emprego de coser para gente, e um lugar para viver. Mesmo assim ela sempre foi muito ingrata comigo, e sempre me culpa pela morte de nossos pais. Eu fiquei ainda mais frustrada com ela quando alguns anos depois, quando já não compartilhávamos o mesmo teto, e praticamente não nos falávamos mais, soube que ela havia conseguido um marido e tinha filhos, enquanto eu estava quase aceitando que iria morrer solteira. Mesmo assim, por algum motivo que nunca descobri ela deixou sua filha de 2 anos para mim. E destruiu a minha vida junto. A partir deste dia eu tive que criar uma criança, a qual eu odiava a mãe. Eu muitas vezes durante os primeiros anos com ela tive vontade de matá-la ou largá-la na Roda dos enjeitados.

Então, com o tempo (mesmo que esse bebê tivesse arruinado minha vida fazendo com que eu morresse sozinha) comecei a criar afeto pela minha sobrinha.

Vinte anos depois, depois de um longo dia cosendo com Clara, ela me disse que ia em um baile, talvez encontrasse algum amor lá, talvez dessa vez o definitivo, apesar de, eu sabia, no fundo ela, como eu, já estava desistindo e começando a aceitar que talvez morresse sozinha. Como sempre, eu lhe disse: -É como um pescar de caniço, a ver se o peixe pegava, mas o peixe passava de longe; algum que parasse, era só para andar à roda da isca, mirá-la, cheirá-la, deixá-la e ir a outras. No dia seguinte, quando acordei ela já havia levantado e estava toda feliz de si. Me contou que na noite passada havia encontrado um homem chamado Cândido Neves, e que ela tinha certeza que seria ele o seu marido. Porém quando perguntei sobre seu ofício, Clara hesitou. -Eu não sei ao certo… ele falou que já tinha sido tipógrafo, já foi carteiro, às vezes caça escravos fugidos, e outras coisas que não me lembro mais. A partir deste momento eu já sabia que esse tal de Cândido não devia ser um homem tão bom assim quanto Clara falava. Talvez para ela ele parecesse melhor do que era por causa de seu desespero.


Ele parecendo melhor ou não, onze meses depois aconteceu o casamento. Por mais que eu não gostasse muito do noivo, esse casamento foi incrível. Foi a melhor coisa que me aconteceu em anos, havia tempo que não me divertia tanto assim, que não me sentia tão viva. Fazia falta não ir mais em festas. Eu achava engraçado ver as amigas de clara tentando convencê-la a não casar com Cândido, sem dar um real motivo. Depois do casamento, na nossa nova casa pobre onde agora estávamos os três morando, perguntei à Clara e seu marido se eles pretendiam ter algum filho. Eles falaram que queriam um.. -Vocês se tiverem um filho, morrem de fome Clara retrucou: -Nossa Senhora nos dará de comer Eu sabia que devia ter-lhes feito uma advertência, ou ameaça, quando esse desgraçado do Cândido Neves foi pedir minha sobrinha em casamento. Mas eu sabia que o evento seria incrível (como foi) e eu estava precisando de um festa como essa. Com o tempo comecei a criar um pouco de afeto com Cândido. Por mais que os 3 estavam tendo que trabalhar cada vez mais, e a comida era escassa, era o suficiente para viver, nós sempre tínhamos a companhia um do outro, e era uma ótima companhia. Apesar de algumas pequenas dificuldades financeiras, nós estávamos conseguindo viver bem e comer bem. Até que Clara ficou grávida. Quando ouvi esta notícia, fiquei desorientada, enquanto o casal, todo alegre, ria dos meus sustos. Deus nos há de ajudar, titia. Eu, mesmo que de má vontade, ajudava, medindo fraldas, e cosendo camisas para o futuro bebê. -Vocês verão a triste vida Clara retrucou à mim: -Mas as outras crianças não nascem também? -Nascem, e acham sempre alguma coisa certa que comer, ainda que pouco… -Certa como? -Certa, um emprego, um ofício, uma ocupação, mas em que é que o pai dessa infeliz criatura que vem aí gasta o tempo? Cândido, no momento que ouviu isso veio retrucar, não tão calmo quanto costuma ser, nem muito bravo, e perguntou à mim se já tinha deixado de comer algum dia: -A senhora não jejuou senão pela semana santa, e isso mesmo quando não quer jantar comigo. Nunca deixamos de ter o nosso bacalhau…

-Bem sei, mas somos três -Seremos quatro -Não é a mesma coisa -Que quer então que eu faça, além do que faço? -Alguma coisa mais certa, Veja o marceneiro da esquina, o homem do armarinho o tipógrafo que casou sábado, todos têm um emprego certo… Não fique zangado; não digo que você seja vadio, mas a ocupação que escolheu é vaga. Você passa semanas sem vintém. -Sim, mas lá vem uma noite que compensa tudo, até de sobra. Deus não me abandona, e preto fugido sabe que comigo não brinca; quase nenhum resiste, muitos entregam-se logo Após alguns minutos a discussão se dissipou, e nós dois começamos a rir. Em alguns meses o bebê iria nascer, e eu sabia que iria me divertir no seu batizado. Cândido, depois que casou com minha sobrinha descobri que já havia tido muitos ofícios, mas nenhum lhe agradava. O único que lhe trazia alegria era pegar escravos fugidos. Dizia ele que não ficava entediado com esse, pois não precisava ficar horas sentado, só exigia força, olho vivo, paciência, coragem e um pedaço de corda. Eu porém odiava quem fazia este tipo de serviço. Se não fosse por Cândido ter esse horrível ofício, ele seria o homem perfeito para minha sobrinha, mas por disso, apesar de depois ter descoberto que ele era um bom homem, desprezo ele. Conforme os meses se passavam, e a barriga de Clara crescia, Cândido começou a ter problemas em fazer o que tanto se orgulhava. Havia muita gente entrando neste trabalho, e com a maior concorrência este ficou mais difícil. Uma vez o estúpido do marido da minha sobrinha pegou um homem livre achando que era escravo. O dono da casa que morávamos começou a ameaçar que ia nos pôr para fora se Cândido não pagasse o aluguel. A comida começava a ficar escassa. Foi quando falei ao casal que deveriam levar a criança a Roda dos enjeitados quando nascesse. O pai da criança, obviamente ficou furioso com a ideia, e deu um murro na mesa de jantar. Ao final do prazo que o dono da casa tinha dado para nós, Cândido não tinha conseguido nada, então fomos expulsos da casa. Eu porém, pra variar salvei as nossas vidas, conseguindo um aposento emprestado na casa de uma senhora velha e rica, que era amiga de minha mãe antes dela morrer.


Por sorte, ela ainda morava no mesmo lugar que me recordava, e também lembrou de mim e da minha mãe. Na verdade eu já havia conseguido este aposento um pouco antes de sermos despejados, sabendo que isso iria acontecer. Não contei porém para o casal para que Cândido no desespero tentasse conseguir dinheiro de algum jeito. Poucos dias depois, nasceu a criança, meu sobrinho-neto. Cândido hesitou um pouco, então eu me ofereci, caso ele não quisesse levá-la a roda, para levá-la eu mesma. Ele porém não aceitou, e me pediu para esperar que ele levaria. Começou a chover depois disso, então Cândido, provavelmente querendo ficar mais tempo com a criança falou que levaria ela no dia seguinte. E assim foi. No dia seguinte, ele levou a criança à roda após passar a manhã inutilmente indo atrás de escravos fugidos. Mais tarde Cândido voltou, porém estava com a criança. No começo achei muito estranho, mas ele então explicou à mim como no caminho a Roda tinha achado uma escrava fugida que valia cem mil-réis. Eu podia ver em sua cara que estava mais feliz que nunca, e eu então perdoei a volta da criança. Alguns meses depois, com a ajuda da senhora dona da casa em que estávamos morando, Cândido ganhou um pedaço de terra. Depois disso, foi só alegria. Milagrosamente Cândido gostou do trabalho de ser dono de terra, e em pouco tempo conseguiu alguns escravos. Após alguns anos, nós estávamos mais ricos que nunca (comparado a situação que estávamos alguns anos atrás). Conforme nós ganhávamos mais e mais dinheiro, Robério crescia mais e mais. Eu amava-o muito, e me arrependo de pensar que quando ele nasceu eu queria levá-lo a roda dos enjeitados. Alguns anos mais tarde, quando Robério ja era quase homem, alguns escravos da terra de Cândido haviam fugido, então para lembrar seu antigo (e repugnante) ofício, o pai mandou o filho vir junto com ele atrás dos escravos. Porém quando eu e Clara acordamos no dia seguinte, eles não haviam voltado. E mais dias se passaram, quando recebemos notícias de que os dois haviam sido mortos por um grupo de escravos. Depois disso nossa vida desmoronou, e não muitos dias depois, Clara pegou uma doença muito grave, e não em muito tempo faleceu. Eu então já sem motivo para viver, peguei uma corda, amarrei no meu pescoço, subi em um banco, amarrei no teto, e pulei.


Anik Zaharic

Eu corria, corria como nunca corri antes, passava por árvores, plantas e espinhos que me cortavam, mas nada disso me importava, eu estava finalmente livre. z` Cheguei na cidade, tão alegre e tão iluminada que demorei para perceber que tinha que ser mais discreta. Me repreendi e comecei a caminhar como se nada tivesse acontecido. Achei um beco abandonado perto de uma farmacia pouco movimentada, lá seria o lugar perfeito para me refugiar. A primeira noite foi maravilhosa, dormi feito um bebê, sobre as demais não posso falar o mesmo, já estava percebendo que nunca teria uma vida, sempre andando pelas sombras e me escondendo do mundo. Uma noite acordei me sentindo muita mal, super enjoada e tonta. Então lembrei que havia sido abusada e usada como objeto de prazer. Estava grávida. Sempre que andava pela rua tentando achar algo para comer, era muito cautelosa. Não era somente eu que estava em risco, meu filho também estava. As ruas estavam cheias de cartazes sobre uma escrava fugida, eu. Não podia mais andar por aí, a situação estava feia. No único dia que saí por falta de comida, fui vista por um sujeito com um bebê no colo. Ele me olhava fixamente. Sabia que estava encrencada. Comecei a andar devagar para não me entregar de cara, mas quando percebi que ele estava sem o bebê e vindo em extrema rapidez na minha direção, me rendi a correr. Corri por algumas quadras até ele me alcançar. – Socorro! Socorro! Alguém me ajude! – Pare de se mexer que será melhor para você. Não tinha nem porque eu gritar por ajuda, se alguém ouvisse e viesse ficaria contra mim e não a meu favor. – Senhor, por favor, deixe me ir, eu estou grávida. O senhor tem um filho não tem? Então me entenderá. – Entendo coisa nenhuma, fique quieta, se não terei que te machucar. – Mas…

Isso já foi o suficiente para levar um soco na barriga e no pescoço. E me calar. Quando cheguei na fazenda do meu senhor, minha barriga começou a doer muito, sabia que já era o fim pro meu filho. Cheguei na porta e fui atirada ao chão, onde abortei. O moço recebeu o dinheiro e foi embora, me deixando sozinha com aquele monstro. Assim que ele fechou a porta, tirou um chicote de seu bolso traseiro e veio em minha direção. — Você sabe o que me causou? Levei uma chicotada. —O dinheiro gasto com essa tentativa falha de fuga? Levei outra. — E agora esse bebê? Você tá pedindo mais né? Mais dois chutes vieram em seguida. Eu já não sabia se aguentaria mais, estava ficando fraca. — Você vai ver… Acordei no dia seguinte jogada em um celeiro, não lembrava como fui parar lá, mas estava toda machucada, dolorida, sangrando… Levantei para me limpar, fui até o lavatório. Quando passei a água gelada no meu corpo, estremeci. Estava muito dolorida, fisicamente e psicologicamente, não estava aguentando a dor de ter perdido meu primeiro e provavelmente único filho. Saí do celeiro e vi os filhos do senhor brincando em uma árvore, continuei andando até chegar na casa principal, afinal, trabalharia como se nada tivesse acontecido. Tive um dia muito exaustivo, já não aguentava mais esse sofrimento, sentia um vazio completo de escuridão dentro de mim. Caminhava em direção a saída quando meu senhor chamou. – Arminda, venha aqui agora! Caminhei até ele. – Pois não? – Acompanhe-me até meu quarto Assim que entrei ele me puxou e começou a tirar minha roupa… Antes de sair, sem ele ver, peguei um chicote que estava em cima do criado mudo, aquela seria a chance de me vingar. Voltei para meu quarto onde caí morta de sono. No dia seguinte, acordei e saí em direção a Casa Grande. Reparei que nenhuma criança brincava na árvore então pensei que seria a oportunidade perfeita para executar meu plano. Caminhei em sua direção e armei minha vingança. Chamei meu senhor... E assim que ele me avistou, pulei em direção a minha eterna liberdade.


Antonio Amazonas Cabral

Era uma tarde de Dezembro, estava sentada em minha cadeira como de costume, e acabei por receber uma notícia nem um pouco agradável. Magali, minha amiga de confiança, chegou aos prantos em minha porta alegando ter visto um incêndio vindo na direção da casa de minha irmã. Fiquei um tanto quanto desconfiada da veracidade da notícia. Nos dias de hoje, a falsidade viaja de boca a boca, enganando qualquer um que fosse desavisado. Infelizmente, aquela notícia não era nenhum boato qualquer. Tratei-me te me arrumar e corri até a rua de minha irmã. Chegando na casa, ví uma cena de horror. A pequena chácara, comprada com o pouco dinheiro trazido pelo ofício do marido estava completamente em chamas. O movimento dos vizinhos pelas ruas tornou impossível qualquer tentativa de aproximação ao incidente. Foram longas horas para a chegada dos policiais, tempo o suficiente para o fogo ter tomado conta de toda a casa, eliminando quaisquer chances de sobrevivência de seus moradores. Isso era o que eu achava. Foi feita com sucesso a retirada de um único corpo sobrevivente desse terrível acontecimento. Com cuidados médicos, Clara,minha sobrinha, de apenas 6 anos de idade, conseguiu resistir a muitas queimaduras de primeiro grau e se recuperou em apenas 6 semanas de cama. Eu, sem saber como reagir a essa situação, impulsivamente assumi a responsabilidade pela criança, temendo que ela fosse jogada a roda dos enjeitados. Vivemos uma vida de preocupações, devendo o aluguel quase todo o mês. Com a idade, fui deixando de trabalhar e estava completamente sem dinheiro. Clara passou a ocupar a minha posição e começou a ganhar a vida como costureira. Mesmo assim, mandei-a arrumar um homem bem sucedido que pudesse satisfazer nossas necessidades econômicas, não como esses casos rápidos que ela havia tido no passado. Meses depois, fui surpreendida por uma notícia promissora, diferente das anteriores. Clara me disse que um de seus casos tinha lhe proposto em casamento. Confesso que fiquei bem animada com a notícia, um casamento não seria de mau grado, e uma festa menos ainda. O sujeito não apresentava pobreza alguma, mas parecia desleixado. Meio esquisito, esse tal de Cândido Neves.

Quando fomos apresentados, entendi o sigilo de Clara em relação ao homem. Era um caçador de escravos. Um caçador de escravos. UM CAÇADOR DE ESCRAVOS!!! Tal ofício não nos levaria a lugar algum. Estava certa de que morreria de fome. Os meses seguintes não foram fáceis, a comida estava escassa e tive que vender parte da minha mobília. Cândido, por sua parte, trazia uma pequena quantia de dinheiro vinda do seu trabalho. A vida era incerta, e poderíamos ser expulsos pelo proprietário a qualquer minuto. Foi então que tudo mudou. Uma recompensa de 10 mil réis por um escravo, que aparenta ter 40 anos, foi colocada na praça principal. A oportunidade tinha chegado, ia garantir pelo menos uns meses antes do despejo, mas era melhor do que nada. Chegando o fim da tarde, Cândido se propôs a ir a caçada. Eu e Clara esperamos, visando a vitória do homem. Um tempo depois, com um semblante vitorioso, Cândido aparece com 10 mil réis em sua mão. Sem pensar muito, ele diz: - Eu quero ter um filho. Mesmo após minhas indagações sobre essa ideia infeliz, ele não me deu ouvidos. O avisei de que se ele tivesse um filho, mesmo que só um, iríamos morrer de fome. Nossa senhora nos dará de comer, falou Clara. Nessa hora, preferi não intervir. Fazia meses que não tivemos um momento de felicida de como esse, por mais curto que seja. Na manhã seguinte, Cândido Neves me olhou com um olhar decisivo e ameaçador. Ele queria me provar o seu valor. Andou em direção a porta com o saco contendo os 10 mil réis e foi embora. Fiquei preocupada com a integridade de nossa reputação e bens. Ainda não sabia o'que Candinho poderia fazer. Tenho o pesar na consciência até hoje por não tê-lo impedido naquela hora. Horas depois ele chega cabisbaixo, resmungando por toda a sala. Neves tinha um amigo que sempre achei uma má influência, e nesta manhã, ele convenceu Cândido a apostar todos os 10 mil réis ganhos na captura do escravo, fazendo-o perder todo o dinheiro. Os meses que se sucederam não foram fáceis. Muitos escravos, já alertados sobre a presença de Cândido Neves, já não fugiam mais, com a dívida de aluguel só aumentando, estava certa da morte. Por outro lado, minha sobrinha parecia mais alegre do que o usual. Estava feliz por ela, porém preocupada. Porém, esse mistério foi resolvido rapidamente, quando os dois me disseram que tinham algo para me contar. Clara estava grávida.


Não pude acreditar no que ouvi. Clara não era burra nem nada, já esperava esse tipo de resposta de mim, mas estava desapontada com a minha reação. Eu, por outro lado, estava desapontada com a atitude do casal, já que a minha reação foi adequada a esse tipo de situação. Sem saber como lidar com a notícia, fui para o lado externo da casa tomar ar fresco, para melhorar o pensamento. Decidi então sair daquela vizinhança, andar por aí. Foi então que me deparei com um sujeito estranho, vestido com uma túnica preta para não ser reconhecido. Ele carregava algo em seus braços. Decidi segui-lo, para variar um pouco, me aventurar pela cidade, coisa que não fazia há muito tempo. Fui andando até certo ponto que senti os efeitos da idade me afetando. Parei um pouco, na frente da roda dos enjeitados, onde o sujeito parou, tirou o pano de cima do objeto que estava carregando, que se revelou um bebê , com aparência de meses de idade, e o colocou na roda. Rapidamente a roda girou, fazendo a criança desaparecer em um piscar de olhos. Vendo essa cena, tive uma ideia que poderia cogitar em propor mais tarde em um caso de emergência. Resolvi que já estava na hora de voltar para casa. Chegando lá, Cândido estava com um olhar diferente de antes, um olhar limpo e cheio de esperança. Estamos ricos, revendo meus panfletos de escravos, encontrei uma que vale 100 mil réis, disse Cândido. Cândido querido, arrume um emprego de verdade, um que traga prosperidade para a essa família, eu disse a ele. Tu verá, trarei a recompensa de 100 mil réis, como fiz na outra vez! Se não o fizer, terá que levar o futuro filho a roda dos enjeitados! Cândido ficou perplexo com a minha oferta, mas era a única medida cabível para aquele problema. O pedi para pensar melhor sobre a oferta, pois ele poderia conseguir essa recompensa de 100 mil réis. Cândido me chamou de maluca, sem considerar a situação atual, e começamos a discutir. Antes de podermos nos exaltar diante do ar de tensão que estava presente na casa, ouvimos um estrondo na porta. Era o proprietário da casa. Nunca me senti tão constrangida na vida, pelo efeito das minhas ações, quase fomos expulsos de casa. Nessa hora, fiquei imaginando o que teria acontecido se eu não assumisse a responsabilidade por Clara. Esse pensamento foi o tipo de pensamento que incomoda, te demanda para saber uma verdade que eu nunca saberei.

Mas o que me tirou desse transe mental foi o fato de que tínhamos apenas 5 dias para pagar todo o aluguel devido ao proprietário, coisa que nunca aconteceria sem a ajuda dos 100 mil réis. Eu, desesperada, embora confiando na habilidade de caça de Candinho, procurei uma velha amiga em busca de lugar para ficar e consegui, enfim, o fundo da cocheira de sua casa. Tempo depois finalmente nasceu a criança, semeadora de tanto caos em minha vida. Insisti mais uma vez ao Cândido que levasse logo a roda, até propus eu mesma de leva-lo até lá , e ele aceitou, mas na condição de que ele levaria sua filha. Cândido então partiu para a roda, levando consigo sua própria filha. Não pude ter certeza do que aconteceu naquele dia, mas um tempo depois, Cândido retornou com seu filho e os 100 mil réis de recompensa. Não tive argumentos para contradizê-lo, uma vez trazendo o dinheiro. Tivemos mais uma vez um momento tranquilo em nossas vidas, com os 100 mil réis e a nova integrante da família, agora chamada de Maria, que tinha a cara da mãe. Nos mudamos para uma nova casa acomodativa para nós três. Tudo estava indo bem, pelo menos era o que eu achava. Com dinheiro, vem responsabilidade, e de responsável, Cândido não tinha nada. Após 1 ano, o dinheiro foi se esvaindo, sobrando apenas o necessário para um mês. Eu imaginei esse tipo de situação se repetindo. Não quero viver na cocheira de novo, não quero jejuar novamente, não nasci para isso. Nesta tarde, sugeri a a Cândido que levasse a criança para a roda, pois não tem outro jeito de resolver esse problema. Fui agredida por ele mais uma vez, e está ficando cada vez pior, devido ao novo vício em álcool de Candinho. Não aguento mais essa vida, esse sofrimento, se for para passar por toda essa experiência de novo, prefiro não passar. Por esse motivo, estou escrevendo essa carta de suicídio, para acabar com tudo isso. Adeus.


-Óbvio que estarei lá, claramente não por ele, mas por você querida eu te amo mais que tudo nesse mundo. Nesse momento percebi que teria que apoiá-la mesmo não concordando com esse casamento. Mais dois meses se passaram e Mônica foi percebendo que Cândido Neves estava cada vez ficando com menos dinheiro, pois cada vez menos apareciam-lhe algum escravo para pegar, pois com toda a concorrência de outros capitães da mata, e a senhora o conhecia e sabia que se mudasse de emprego seria pior, pois não conseguia se manter fixo em nenhum, porém como capitão da mata foi o único que conseguiu se ficar parado nele, pois seria um dos únicos que deu certo. O casamento mesmo que pequeno e humilde foi um belo casamento, todos convidados estavam bem vestidos talvez depois disso ela até começasse a gostar dele. Na pequena festa que houve depois do casamento tudo parecia aceitável, limpo, arrumado, tudo estava certo, perfeito até que Cândido decidiu fazer um discurso: -Gente um minuto da sua atenção por favor. Hoje eu estou me casando com a mulher mais perfeita, linda, incrível, e eu não poderia estar mais feliz por isso e a notícia que nós queríamos dar a vocês é que nós iremos começar a tentar ter um bebê. Quando escutei essas palavras fiquei paralisada. Como eles poderiam ter uma criança, se eles mal podem comprar comida para si mesmos, e chamou Clara de canto e disse: -Vocês enlouqueceram? Perguntei -Não, nós dois queremos isso não existe motivo para isso não ser feito. -Óbvio que tem o que vocês irão dar para essa criança comer, como ela irá crescer com um pai que tem um emprego instável, e que mesmo com ele mal consegue sustentar a si próprio. -Nós daremos um jeito nisso só basta nós queremos porque… Interrompi-a e disse: -Não basta apenas isso. Para se ter uma criança é preciso que ela tenha uma família que possa cuidar dela, lhe dar carinho, lhe dar roupas, nem tudo é uma questão de apenas querer que vai acontecer. -Tia, não adianta você tentar mudar a decisão que nós tomamos, pois ela já está tomada. -Tá bom, a vida é de vocês mesmo porque devo me intrometer. omm acho que já vou indo para casa, pois depois disso não quero passar nem mais um segundo aqui. E assim fiz dei-lhe um beijo na testa, virei-me e fui embora. Enquanto estava no caminho de casa que era uma longa caminhada comecei a me perguntar:

-Como eles puderam ter essa ideia estúpida de trazer uma criança ao mundo, e fazer-lha nascer entre pobres que possivelmente por ser ter nascido desta forma não lhe traria um futuro. Pobre dela mal sabe que quando Deus manda-la para cá perdera todo o privilégio que tinha no céu. E assim se foi. Um ano e meio se passou e a criança ja havia nascido pelo o que parece Clara ja estava grávida durante seu casamento mas não sabia disso. O nome do menino era José que tinha já tinha nove meses parecia ser feliz, mas mal sabia que quando crescesse sua alegria se tornaria tristeza. Certo dia estava na farmácia comprando seus remédios, quando vi Cândido entrando com José no colo, como um instinto me escondi atrás das prateleiras e fiquei agachada olhando para o que ele viera fazer ali, enquanto andava parecia estar procurando por alguém, quando finalmente parou perto de um farmacêutico trocou-lhe algumas palavras e saiu correndo da farmácia, porém sem carregar nada, no mesmo instante meu coração disparou, e pensei “onde ele deixou meu sobrinho neto?” quando me levantei e olhei para frente, lá estava ele, junto aos braços do farmacêutico que caminhava em direção ao balcão, andei até junto dele e perguntei: -Porque está com este bebê no seu colo? Carinhosamente para não lhe assustar -A, é o filho de um amigo meu que pediu para que cuidasse dele por um instante, e que daqui a pouco voltaria para pegá-lo. - E qual o nome deste homem? - A minha senhora, o nome dele é Cândido Neves a senhora o conhece? - Óbvio que sim, sou tia dele, e falando nele para onde ele foi preciso conversar com ele sobre uma coisa? Falei com imaginando que se ele me falasse poderia descobrir o que ele estava fazendo que -Bom, ele não falou mais acho que se a senhora correr um pouco ainda consegue encontrar ele perto daqui. -Sim, muito obrigado que Deus te abençoe. E terminando essa frase sai correndo em disparada, e sai da farmácia, porém nem precisei sair da farmácia direito que vi ele ao final da rua brigando com uma mulher, mas não qualquer mulher, uma mulata gravida corri até lá e observei a cena sem fazer nada apenas escutando os gritos de socorro da mulher até que Cândido acertou-lhe um golpe que fez-lha cair no chão dura.


.Cândido pegou-a no colo, amarrou suas mãos e pés e foi embora. Após ele sair caminhei aterrorizada até a farmácia, porém quando cheguei aonde Cândido saira a po ucos minutos atrás e diz para mim mesma: - Não consigo parar de pensar sobre uma coisa aquela escrava estava grávida e quando Cândido pegou ela no colo, no meio de suas pernas havia sangue será… que ele fez ela abortar? Não posso acreditar que deixei a minha sobrinha se casar com um monstro desses.

Beatriz Borges

Desde o começo eu havia avisado minha sobrinha, Clara, sobre o seu envolvimento com o tal Cândido Neves. Tentei guiá-la com a minha sabedoria, mas como sempre ela não me deu ouvidos. No começo, eu achava que aquilo entre os dois não daria em nada, mas com o passar do tempo percebi que era algo com que me preocupar. Cândido Neves, era um homem conhecido como aquele que não consegue ficar no mesmo emprego por muito tempo, portanto sempre endividado. Para um homem na idade dele, trinta anos, me dava impressão de encrenca. Quando Clara me veio com essa história, de que tinha certeza que o amava e que queria se casar com ele, senti a necessidade de tomar a frente da situação. Um dia enquanto estávamos cosendo, resolvi abordar o assunto: - Querida, você não acha que está tomando esta decisão de se casar com Cândido rápido de mais? - pergunto enquanto coloco a linha na agulha. - Não acho não Titia, sinto que estou fazendo o correto. - Pois eu não acho - olho sério para ela - Esta história de casamento está muito da errada. - Cândido é um homem de coração tão bom, não entendo porque tanto a senhora implica com ele. - Não digo que ele seja um homem mau, apenas que ele não é digno de você - pauso - Existem tantos homens mais ricos e trabalhadores na nossa Vila, que poderiam te dar um futuro tão melhor! O que é que custa você gostar de um deles. - Eu te digo Titia o que é que custa! - Clara diz elevando o seu tom de voz - Eu amo ele! E nada que você falar ou fizer, vai atrapalhar o meu casamento.

- Menina você me respeita! - digo me levantando e apontando o dedo na cara dela - Eu não te criei para gritar comigo! Se eu quiser eu cancelarei esse seu casamento, não quero nem saber! Dito isso, paro de coser e vou para o meu quarto diretamente fechando a porta. Quem aquela menina pensa que é? Eu mando nela sim, por conta de eu ser sua única parente viva, me dou esse direito. Continuo tendo poder sobre ela, até que se case e com alguém que eu aprove. Onze meses depois, Clara e Cândido haviam se casado. Acabei resolvendo não intervir mais nessa decisão, pois ao pensar um pouco mais afundo, tomei conta de que Clara já estava perdendo o tempo de casar. Caso ela não se casasse com alguém logo seria muito difícil ela achar outra pessoa melhor, já que todos os homens bons já estavam se casando ou encaminhados. Se ela não encontrasse mais ninguém, significaria que ela teria que ficar comigo pelo resto da minha vida e eu não estava afim de a sustentar. Até que o casamento não foi dos piores, estava muito bonito e com uma festa muito animada. Clara me contou que suas amigas a tinham a aconselhado a tomar cuidado com esse casamento e que Cândido não era bom pra ela, ela ficou muito brava e me disse que todas eram invejosas. Mesmo se esse fosse realmente o caso, eu vejo que elas estavam realmente certas. Preferi não comentar nada, para não dar mais problemas. Depois que a poeira baixou, após o casamento, resolvi abordar um assunto que não poderia ser esquecido. Filhos.


Disse que não seria a melhor das experiências eles terem um bebê nessas condições, mesmo que um só (o qual eles tanto queriam) já que eles mal conseguiam se auto sustentar, imagine o quão terrível seria eles terem que sustentar mais uma boca. Clara insistia em falar que Nossa Senhora os daria de comer, para eu não me preocupar, mas eu duvidava. Claro que novamente eles não me deram ouvidos, algum tempo depois desta nossa conversa, me vieram com a notícia de que teriam um filho. Eu, obviamente, fiquei devastada e totalmente desorientada. Pensei em como seria a vida deles daqui para frente, mais triste que já era pensei ser impossível. Me arrependi com todas as forças de ter deixado esse casamento acontecer e de não ter impedido Cândido de pedir a mão de minha sobrinha antes. Ainda sim eu não seria capaz de os deixar sozinhos, mesmo que com má vontade continuava os ajudando. O trabalho que Cândido havia escolhido, de caçar escravo fujão, fazia tempo que que nada ele ganhava. Mesmo que em algumas capturas ele conseguisse bastante, logo depois voltava a faltar. Tentei convencer o mesmo a largar este emprego e procurar um outro melhor e que rendesse mais, mas não adiantou, ele insistia. Então alguns meses depois quando o bebê estava quase para nascer, não me aguentei, resolvi sentar os dois em casa e tentar dar mais um de meus conselhos. A ideia era boa e caso eles aceitassem seria um grande alívio para mim e principalmente para os dois. Eu já havia proposto isso uma vez, eles não aceitaram, mas pensava que dessa vez seria diferente: - Eu estava pensando e cheguei a conclusão que devido a situação de vocês, que o melhor para o bebê ao nascer seria ir para a Roda dos Enjeitados. - falei tentando soar o mais convincente possível. - Não Tia Mônica! - ele gritou fazendo parecer com que o que eu havia dito fosse a maior das loucuras - Isso nunca! - Titia não fala por mal, Candinho - Clara tentou interver. - Por mal? - repliquei - Por mal ou por bem, seja o que for, digo que é o melhor que vocês podem fazer. Vocês devem tudo; a carne e o feijão faltando. Se não aparecer algum dinheiro, como é que a família há de aumentar? E depois, há tempo; mais tarde, quando o senhor tiver a vida mais segura, os filhos que vierem serão recebidos com o mesmo cuidado que este ou maior. Este será bem criado, sem lhe faltar nada. Pois então a Roda é alguma praia ou monturo? Lá não se mata ninguém, ninguém morre à toa, enquanto aqui é certo morrer, se viver à míngua. Enfim… Dei de ombros e saí, indo ao meu quarto para não discutir mais com eles. Depois disso, Cândido foi avisado que deveria pagar a dívida do aluguel da casa em cinco dias, se não seria despejado. Fiquei muito desesperada, de jeito nenhum que eu iria morar na rua.

Fiquei um dia inteiro pensando em o que poderia fazer para reverter essa situação, até que uma luz se acendeu na minha cabeça. Lembrei de uma amiga rica antiga, chamada Susana, que me devia um favor faz tempo e eu duvidava que ela se recusaria. Corri para poder conseguir um aposento para nós. Consegui falar com ela, que como eu suspeitava não recusou e prometeu emprestar os quartos assim que eu precisasse. Planejei não contar ao casal, para que eles se desesperacem e percebessem que aquela criança não estava vindo em um tempo bom, e optassem enjeita-la. Havia calculado direitinho, após os cinco dias e eles sem sucesso na busca por uma nova casa, contei o que tinha conseguido. Nos mudamos e após dois dias o filho de Cândido e Clara nasceu. Era um menino, e ambos estavam muito felizes e tristes ao mesmo tempo, pois finalmente se realizaram de sua situaçao e que o filho não seria bem criado. Abordei mais uma vez o assunto da roda, falei que se eles não tivessem a coragem de levar a criança eu faria, sem problemas. Como o esperado eles cederam, mas Cândido disse que ele mesmo levaria, então deixei sem problemas. Deram um pouco de mamar ao bebê e logo combinamos que na noite seguinte ele seria levado. Passou-se o dia e ao chegar a noite deram todo o resto do leite para a criança, os dois pais bem abalados e quando ela adormeceu, Cândido a levou. Fiquei com Clara em casa, ela chorava em meus ombros enquanto eu tentava a consolar. Sabia que essa não era uma boa hora para dar um sermão dizendo que eu os tinha alertado fazia tempo sobre isso, então apenas fiquei quieta e tentei ajudar sinceramente pela primeira vez. Várias horas se passaram, e nada de Cândido voltar. Clara e eu já estávamos um pouco preocupadas. Era apenas para ele entregar a criança e não para ele morrer no caminho. Quando a porta da casa se abriu logo revelando Cândido, eu não acreditei no que vi, a criança ainda estava nos seus braços. Logo me levantei, revoltada, pronta para perguntar o que aquilo significava. Mas antes que eu pudesse falar qualquer coisa, o homem colocou-se a pronunciar: - Calma Tia Mônica antes de você começar a falar qualquer coisa eu tenho uma explicação - ele deixou o bebê com Clara que já desatava a chorar novamente - Sentem-se a história é meio longa. Logo ele havia esclarecido tudo o que havia acontecido naquela noite, não me importei muito com as condições que ele havia conseguido o dinheiro, pois aquela quantidade era realmente bem satisfatória. Ele contou também que tinha ficado bem pensativo a respeito do que a escrava havia o falado e depois nos perguntou o que achavamos, então logo passei a dar a minha opinião: - Você Cândido, não fez mais que sua obrigação!


Bruno Cruz Bregion Novo

VIDAS ESCORRIDAS Estava eu, Cândido Neves, eu uma noite esplêndida, com um luar inacreditável, me dirigindo a um baile na Rua Do Pintor. Na mesma noite conheci uma jovem, de nome Clara, de vinte e dois anos, ela era órfã e morava com sua tia Mônica. Começamos a namorar naquela noite, e onze meses depois acabamos nos casando e tivemos a mais bela festa de casamento já vista por mim e por Clara. Após o casamento fomos a procura de um lugar para morar, acabamos por achar um cortiço para aluguel, pois a renda era muito pouca e baixa. Tia Mônica falou-nos do possível filho que viríamos a ter. - Vocês, se tiverem um filho, morrerão de fome. Com nossa renda muito pequena, tentei de vários ofícios como entalhador, tipógrafo e de caixeiro para um armarinho, até que encontrei-me em um ofício que trouxe-me um encanto novo, o qual era pegar escravos fugidos. O trabalho apenas exigia olho vivo, força, paciência, coragem e um pedaço de corda. Para eu pegar escravos fugidos, eu lia os anúncios e saía às pesquisas. Por tempos este ofício me deu lucros, mas com o tempo comecei a ter dificuldades em achar escravos fugidos, pois apareceram novas mãos a procura de escravos, com isso meus lucros entraram a escassear. Com o passar do tempo, o feto crescia e tia Mônica ia ficando frustrada, enquanto Clara e eu lutávamos para conseguir ter renda para sustentar o filho que estaria a vir ao prazo de um mês. Naquela noite, após o trabalho, apenas com vintém no bolso, a tia de Clara deu-nos o conselho de levar a criança quando nascesse para a Roda dos enjeitados. Após as palavras tão duras de Mônica, peguei meus equipamentos e quando ia saindo às pressas à procura de escravos fugidos, o dono do cortiço bateu em minha porta.

- Meu senhor, onde está o pagamento do aluguel? Perguntou o credor. Naquele momento, sem saber o que fazer pedi para que ele entrasse. Disse para mim que não era preciso. - Você tem seis dias para pagar ou é rua! Disse o credor. Desesperado saí e comecei a procura. Faltando uma semana para meu filho nascer, e já se faziam quatro dias que voltava para casa com muito pouco dinheiro, pensava já na saída daquele cortiço pois não conseguiria pagar ao credor e não teria os vinténs suficientes para manter meu filho. Com essa duas preocupações, decidi rever todas as minha anotações, manchetes e anúncios sobre os escravos fugidos e vendo suas recompensas para não ter que levar meu filho para a roda dos enjeitado. - Clara, Cândido não conseguirá o dinheiro!! Disse tia Mônica. Quando Clara ia retrucar a tia, eu encontrei em minhas anotações um anúncio sobre uma escrava mulata, com indicações de gesto e de vestido, com nome de Arminda; sua gratificação subia a cem mil-réis, então pensei essa em sair ao amanhecer para capturá-la e levar de volta para o seu dono. Ao amanhecer saí às pressas para a Rua e Largo da Carioca, Rua do Parto e da Ajuda, onde ela havia aparecido segundo o anúncio, por boatos de um farmacêutico da Rua da Ajuda, que se lembra de ter vendido uma onça de qualquer droga, a três dias atrás, para uma mulher com as mesmas características da escrava, porém passei o dia à procura da mulata e nada de encontrá-la. Voltei para a casa triste por ter que me despedir do meu filho e ainda lembrei-me de que teria de sair do cortiço. - Vamos Cândido, está na hora de ir para a casa de uma senhora velha e rica, que lhe prometeu emprestar os quartos baixos da casa! Disse Mônica.


No dia seguinte meu filho há de nascer e terei de levá-lo a Roda dos Enjeitados. Naquela noite não senti vontade de comer, pensei em vários modos de continuar ao lado do meu filho, mas nenhuma iria funcionar. No dia seguinte fui obrigado a cumprir a promessa que fiz para tia Mônica, antes de sair pedi para à minha mulher que desse ao filho o resto do leite que ele beberia da mãe, assim ocorreu. Peguei-o no colo e saí em direção da Rua do Barbonos, onde se localiza a Roda dos enjeitados. No caminho eu o agasalhava muito, beijava suas mão pequeninas e cobria seu rosto para preservá-lo do sereno. Quando entrei na Rua da Guarda Velha comecei a afrouxar o passo. - Vou tentar entregá-lo o mais tarde possível! Murmurei sozinho. Após murmurar, decidi entrar em um beco que daria na Rua da Ajuda, para tentar achar Arminda pela última vez. Ao sair do beco olhei para a direita e vi um vulto de uma mulher de vestido, era a mulata fugida. Corri até a farmácia do outro lado da rua, procurei o farmacêutico e pedi que guardasse meu filho com o maior cuidado por um instante. - Virei buscá-lo sem falta! Eu disse ao farmacêutico. Não dei-lhe tempo de dizer nada, apenas saí rápido e atravessei a rua, até o ponto em que pudesse pegá-la sem dar alarma. Quando me aproximei percebi que era a mesma, a escrava fujona. - Arminda! Gritei, conforme o anúncio dizia. Quando puxei a corda e peguei no braço da escrava, ela tentou fugir, mas com minhas mãos robustas, prendi seus braços e disse que andasse. Gritando e se jogando no chão Arminda pediu pelo amor de Deus que eu a soltasse.

- Estou grávida meu senhor! Gritou Arminda. Pouco me importei, estava querendo pegar a gratificação e levar meu filho de volta para casa então a puxei com força pelo chão, levando-a até a casa de seu dono. Cheguei finalmente a casa do senhor de Arminda. Aqui está a fujona. Eu disse. É ela mesma. Disse o senhor. Anda entra…

Ali mesmo no corredor, deixei a escrava e recebi os cem mil-réis de gratificação. Guardei em minha carteira as notas, e depois de alguns segundos quando estava me retirando a escrava abortou. Voltei correndo para a farmácia. - Onde está meu filho? Eu perguntei. - Está lá dentro! Disse o farmacêutico. Peguei meu filho, corri para casa e dei a notícia para todos. Tia Mônica não aceitou de cara, mas depois que mostrei a quantia que havia recebido ela concordou em deixar nosso filho em casa. Passados alguns meses, a gratificação que recebi por capturar Arminda acabou. Os escravos fugidos não eram mais tão frequentes. Além disso, contraí uma doença, e isso me impossibilitava de trabalhar. Eu não tive alternativa; Meu filho, como no final já estava predestinado a acontecer, foi entregue à Roda dos Enjeitados.


Clara Slywitch de Santi

ARMINDA Sinto meus cabelos sendo puxados para trás, dessa vez não pelas mãos de algum feitor ou de Seu João, é apenas o vento. Sempre que me mandam colher laranjas ou limões, sento-me debaixo de alguma árvore e contemplo aqueles poucos minutos de paz, fecho meus olhos, querendo por apenas naquele instante ser uma menina branca sem preocupações, ao invés de mim: Arminda, uma escrava, que apenas a pouco deixou de ser uma menina, que apanhava toda semana, que como a maioria de seus colegas não sabe nada sobre seus pais. Blém blém. O sino da capela toda, pego as cestas e volto correndo para a casa. Bina está me esperando na cozinha, ela me olha com uma expressão de desaprovação, ela sabe sobre minhas visitas à colina, na verdade ela sabe tudo sobre mim, desde sempre ela cuidou de mim, na medida do possível, é claro. -Menina, já te falei que não trabalhar não dá certo, Seu João é bravo, se te virem lá você tá lascada. -Eu sei, mas não consigo resistir… -Então aprenda, enfim, pouco importa, venha me ajudar a cozinhar, Hoje de noite terá uma jantar enorme, dizem que Seu João convidou todos os grandes comerciantes do país, portanto a cozinha está lotada de escravos para fazerem a ceia. Após algumas horas começo a me sentir mal, o calor está me consumindo. Todos os fogões ligados, eu mexendo a panela sem parar, seu suor escorre por todo meu rosto, braço, costas e pernas, não consigo fazer nenhum movimento sem esbarrar em alguém. Um feitor entra, se antes estava difícil respirar, agora está impossível. Tento me apressar o máximo possível, mas não vai ter jeito, até ele chegar não terei terminado. Espio de canto de olho, ele está apenas conferindo os pratos, apesar de ficar bravo com quem não acabou, está aqui apenas para nos intimidar.

-Arminda! Se apresse antes que tenha que tomar uma medida mais grave sobre isso. -Sim, mas será que poderia sair apenas por uns segundinhos para respirar? Todos me olham como se fosse louca. O feitor estende o chicote, fecho os olhos e espero pelo estalo que não vem. -Não abuse do meu bom humor. Agora volte ao trabalho! Quando toda a ceia está pronta, o feitor escolhe alguns de nós para servimos o jantar enquanto o resto fica um pouco na senzala. Tenho a sorte de ser um dos escravos que vão descansar. Ao chegar lá embaixo na senzala, aproveito o tempo para conversar com Bina: -Conheço esse olhar, Arminda, no que está pensando?

-Sobre tudo, como odeio isso que somos sujeitas, é simplesmente ridículo. -Já falei que essas suas idéias não vão te levar a lugar nenhum. Mudando de assunto, você não está mais sentindo cólicas né? Já tem uns meses que você não reclamou de dor. -Nossa Bina, tava com isso pra te perguntar, esse tempo todo não menstruei, é normal? Com uma voz um pouco insegura ela responde: -Você parou de se encontrar com Tunico quando mandei? -Sim, a última vez deve ter sido há uns cinco meses…Conforme falo me percebo respondendo à minha pergunta. Começo a suar frio, meu coração bate mais rápido. Não, não, não, isso não pode estar acontecendo comigo, não quero colocar um filho nesse mundo que vivemos. -Arminda, a partir de agora não me interrompa e preste muita atenção, senão perderei a coragem ou as palavras certas. Sua mãe era uma escrava aqui nessa fazenda, nós duas sempre fomos muito próximas. Um dia Seu João violentou-a.


Ela nem começou a falar, eu já estou em choque e ela com lágrimas nos olhos. -É claro que ela só falou para mim, senão isso poderia se espalhar e zangar Seu João. Mas conforme o tempo foi passando sua barriga foi crescendo, até um dia ela falou com ele. De noite ele a ajudaria a fugir, pois ele não poderia ter um herdeiro seu, filho de escrava em sua fazenda, e assim foi. Alguns meses depois tocaram na porta, eu fui atender, era sua mãe com você no colo, visivelmente ela estava muito doente, chamei Seu João que escutou ela implorando que cuidasse de você, ele realmente gostava de sua mãe, então falou que tudo bem, mas que você ficaria como escrava, a última coisa que ela disse antes de cair no chão sem vida foi: “cuide dela como se fosse sua”. Dessa vez ela não segura mais o choro, mas fielmente continua sua história:

-Seu João mandou todos os escravos presentes nunca mais tocarem no assunto. Arminda, dessa vez ele não terá piedade, dois herdeiros filhos de escravos em sua fazenda, ele te matará, e antes ele tinha alguma coisa com sua mãe, ele gostava dela. Não sei porque, mas essa última parte realmente doí em mim. Apesar do choque tento entender. Minha mãe morreu tentando me dar uma vida melhor, tenho que fazer o mesmo pelo meu filho. Sobre meu pai, pai é uma palavra estranha de se usar para um homem cujo não se importa com você e que já te bateu sem motivo. Meu coração bate numa velocidade que ele nunca alcançou antes, minhas lágrimas começam a descer também: -Bina, o que devo fazer? -Acredito que o único jeito seja fugindo. -Mas como? -Tome. Ela tira um saquinho da parede. -Isso era o dinheiro que estava juntando para minha alforria, mas isso não importa mais. Agora vá, fuja, se esconda e proteja seu filho. Estou desesperada, não faço idéia de como fugir e sobreviver como uma escrava fugida. Abraço Bina: -Muito obrigada por cuidar de mim todos esses anos. -Vá logo, minha filha, se cuide!

Vou com toda a velocidade que consigo. Entro no mato, apesar de estar escuro, corro, corro por horas, até ficar exausta, então deito no chão e durmo. Quando acordo, avaliando pela altura do sol, já deve ser meio-dia. Não me lembro de ter dormido tanto em minha vida inteira. Ando mais um pouco até encontrar uma cidade. Fico andando o dia inteiro por lá, mas sempre às escondidas, ou em becos, é mais seguro. Já ao anoitecer percebo que há uma casa com negros entrando, bato lá. Um homem alto atende: -Olá, meu nome é Arminda, será que poderia dormir aqui e fazer uma refeição? Posso pagar. Sua família deve ter umas quatro pessoas, vejo todas se comunicando por olhares sobre o que fazer comigo. -Mas você é uma escrava fugida, não? -Sou, mas façam isso pelo meu filho, por favor. -Tudo bem, mas só por uma noite, você terá direito a um jantar e um desjejum. Não será necessário pagar. -Muito obrigada senhor. Ao julgar pelos olhares do resto da família, eles odiaram a idéia, mas também não questionam. Tenho uma ótima refeição. Porém durante todo o jantar fica um silêncio desconfortável, quando todos acabam ofereço-me para lavar a louça. Enquanto o faço, eles montam uma cama no chão para mim. Agradeço todos antes de deitar, e assim que me estico na cama, durmo. Nesta noite, sonho com minha mãe, ela me segura no colo, diz que me ama e que tudo ficará bem se ficarmos juntas. Mas o que mais me impressiona é seu olhar, um olhar gentil, amoroso, um olhar lindo, mas que nunca serei capaz de mirar. Ao acordar percebo que a fam ília está cochichando, eles percebem que eu acordei: -Arminda -diz a mulher do homem alto- o Zeca achou isso na rua, eu sinto muito. Era um cartaz com a minha cara, falando que quem me levasse de volta teria uma recompensa. Apesar disso ser terrível, não me espanto. -Então decidimos que é melhor você ficar aqui até anoitecer, aí você consegue se esconder melhor, pra você está bom? -Nem sei como vos agradecer, não precisavam fazer tudo isso.


Passo o dia inteiro ajudando a arrumar a casa, enquanto converso com todos, vou aprendendo mais sobre cada um: Zeca é o pai da família, seu pai Quincas pagou a alforria de ambos quando Zeca ainda era um bebê, ele se casou com Zefa, e tiveram a Marica, que tem a mesma idade que eu, 17 anos. Conforme o dia passa, mais quero fazer parte daquela família, todos são tão carinhosos, eles podiam ter me levado de volta para a fazenda e receber uma recompensa, mas não, eles escolheram ser bons comigo, cuidar de mim. Mas isso não pode durar para sempre, conforme o dia vai acabando meu coração vai se apertando. Sento-me no chão com Marica, então eu o sinto, pela primeira vez meu bebê chutar, meus olhos se enchem de lágrimas: -O que foi Arminda? -Ele chutou pela primeira vez. -Mããããe!! Paaai!! O bebê de Arminda está chutando, não é incrível? Todos fazem uma fila para por a mão na minha barriga, mas a hora que eu mais temo chega: -Muito obrigada, nem sei como vos agradecer. -Adeus Arminda! Se cuide! Saio da casa e me espreito pelos becos, olho para minha barriga e digo: -Não se preocupe, se ficarmos juntos tudo ficará bem… No exato momento que acabo a frase escuto uma voz chamando meu nome e se aproximando. Só compreendo o que ele é quando pega uma corda e amarra meus braços. Droga! Um capitão do mato. Devia ter imaginado. Tento fugir, mas ele é muito forte: -Ande! -Socorro! Grito com a voz mais alta que consigo, mas então percebo, eu sou a fugitiva ali, o homem não está fazendo nada de errado. Tento pensar o que falar que possa-o convencer de me soltar: -Estou grávida, meu senhor. Se tens algum filho, peço pelo amor que dele me solte. Me solte..-Você não entende -ele para de andar por um instante e me olha no fundo dos olhos- Estou fazendo isso justamente por ele. Não tenho dinheiro para cria-lo, essa é minha última oportunidade, senão terei de abandona-lo.-Você não entende -ele para de andar por um instante e me olha no fundo dos olhos- Estou fazendo isso justamente por ele. Não tenho dinheiro para cria-lo, essa é minha última oportunidade, senão terei de abandona-lo.

Porumtempoficoemsilêncio,masassimquevoltoa ser arrastada tento me esquivar. Ao passarmos em frente de lojas e comércios, as pessoas não fazem nada, grito pelo seu socorro, mas nada adianta. Apesar do desespero sinto muita raiva: -Eu sou como você, ora. Eu também tenho um filho que preciso salvar, por que você não entende isso. Começo a chorar Após acabar a frase. -A culpa é sua, quem mandou fazer filho e fugir depois? Estamos chegando perto da fazenda, não sei mais o que fazer: -Mas o senhor não entende… -Cale-se e continue andando. Chegamos lá, droga. Não faço idéia do que vai acontecer. Seu João chega. -Aqui está a escrava grávida fugida. Seu João adquire uma expressão de raiva enorme, estou lascada. -Ótimo, Cândido, sempre me ajudando. Aqui está seu pagamento. Meucoraçãonãoparadeacelerar,ocastigoestámais próximo. -Venha Arminda! Elesegurameubraçoprendendominhacirculaçãoe me leva até o meio do mato. -Então você está grávida, certo? Com uma voz trêmula respondo: -Sim, e tive que fugir, soube de tudo sobre minha mãe, eu tenho que salvar meu bebê por ela, ela se sacrificou por mim, e sei que você não deixaria mais um herdeiro seu filho de escravo e… -Acontece que está certa, a única coisa que me propus foi deixar você ficar aqui, pela sua mãe, e agora vejo que isso foi um grande erro, mas não vou desfazer isso, mas tenha certeza, não deixarei sua criança atrapalhar minha vida. - O que o senhor está querendo dizer com isso? Não faça nada com ele, por fav… A última coisa que vejo é um golpe que ele me dá na cabeça. Acordo, tento me situar, a primeira coisa que me vem à mente é: dor, muita dor. Estou na senzala, sozinha, mas me sinto mais sozinha que nunca, algo não está certo. Relembro do que aconteceu, meu primeiro instinto é sentar para olhar minha barriga, mas sinto uma dor enorme no abdômen ao tentar fazer isso. Olho deitada mesmo, o volume do meu ventrenãoexistemais.Gritocomosenãohouvesseo amanhã, como se ninguém fosse me ouvir, porque agora, nada mais importa, NADA. Enquanto grito, minhas lágrimas começam a descer e descer sem parar, ele me tirou a única coisa de boa que eu tinha, que eu teria, a única coisa que eu amava. Não sei quanto tempo se passa, mas acredito que sejam alguns minutos até Bina entrar pela porta correndo, eu paro de gritar, ela me abraça. -Bina… o que aconteceu? -Se acalme,minha filha, tudo vai ficar bem. Mas infelizmente eu e ela sabemos que isso é mentira.


Clarissa Magalhães Girão

A INSTITUIÇÃO QUE SALVOU MINHA VIDA Candinho Neves, um homem de respeito que fez de tudo para salvar a família, era assim que meu pai, Cândido, ficara conhecido na família, especialmente após sua morte dolorosa, morto em uma revolução de escravos em uma senzala, onde prestava seus serviços de guarda. O ofício foi de fato assumido logo após meu nascimento, ou quase morte, chame como quiser, onde meus pais desesperados e pobres, tiveram que fazer a difícil decisão. Aquela em que poderia morrer, mas se tivesse a força e sobrevivesse, ao menos teria uma vida melhor. Tia Mônica, mulher prendada e que ensinou bem a sobrinha, órfã, mas para compensar aqueles que não teve, virou ela mesma mãe, mesmo na pobre vida que levava, encontrou o amor e com ele fez mais um. Costurava a noite, e assim ganhava seus tostões, não o suficiente para lhe sustentar, muito menos o filho que carregava na barriga, mas mesmo assim sua esperança não acabava. A tia não era contra meu nascimento, muito menos contra a ideia de meus pais juntos, apenas se preocupava e como sempre se precavia. Correu até a farmácia próxima que havia ali e me deixou nos braços do farmacêutico. Com uma corda na mão, seguiu a escrava por algum tempo até a mesma entrar em uma rua fechada e estreita, sabia que era sua chance, pegou-a e amarrou seu braço a puxando enquanto a mesma pedia por ajuda. O que não adiantava afinal, quem ligaria para uma escrava ainda por cima fugida. Mesmo com a tentativa impossível de igualdade que a escrava fez, alegando que tinha uma criança em seu ventre, meu pai, forte como era, continuou a levando, continuou fazendo o certo. Conseguiu chegar ao dono, a entregou e recebeu o dinheiro, que não era muito, mas era o suficiente. Com a certeza que veria seu filho de novo voltou a farmácia e me colocou em seus braços contente por ter contente por ter conseguido.

Chegou na casa temporária e se encontrou com minha mãe e tia Mônica, todos vibrando em alegria e emocionados. Mas uma coisa tia Mônica não conseguiu ignorar o fato de que além da escrava de ter fugido teve um aborto depois de ter sido devolvida. Após toda esta emoção fui mais uma vez alimentado por minha mãe, aninhado por minha tia e velado por meu pai. Após algumas semanas se mantendo com o dinheiro recebido, motivado a trabalhar se fixou no trabalho de guarda, conseguindo então uma renda estável para a família. Nos mudamos para uma casa de verdade e mesmo com tempos difíceis nunca passei fome. Com o passar do tempo fui aprendendo com meus pai, todos os seus princípios e agora posso dizer que Cândido Neves foi um homem honrado. Casei-me e parece que agora que tenho o meu primogênito entendo ainda mais que nem todas as crianças vingam.


Michel Luiz Vardi

Ferramentas de tortura foram usadas por muito tempo durante o período escravocrata e mesmo assim os escravos teimavam em fugir e por muito tempo havia muitos escravos fugidos e meu trabalho era caçá-los e devolvê los a seu lugar a casa de seus donos mas eles não compreendiam isso e resistiam a voltar para casa de seus patrões. Passava horas pesquisando as notícias`procurando onde haviam passado, buscando informação e seguindo os rastros dos escravos mas mesmo assim não era fácil, muitas pesquisas passavam e muitos escravos eu pegava. Não conseguia um emprego estável pois a paciência me faltava, até pensei em aprender tipografia mas logo vi que não tinha jeito e demoraria aquele ofício então passei a caçar escravos. Havia algumas vezes voltava para casa sem ter conseguido nada em um dia em que os cacei e não tinha certeza se haveria jantar. Eu e sua mãe não tinham emprego fixo, enquanto eu passava o dia procurando por escravos fugidos sua mãe ajudava a tia cozendo e mesmo assim não ganhamos quase nada além de não ter certeza se iríamos comer mesmo que um bacalhau. ainda que sem nada pelo menos estávamos juntos. Quando conheci sua mãe contava vinte e dois e eu trinta, então começamos a namorar apesar de sua mãe ter tido muitos namorados eles não a traziam lembranças ou desejos, então foi que nos encontramos e ela já sabia que seria assim então onze mezes depois nos casarmos. Na cerimonia de casamento as amigas da sua mae não punham fé no casamento por conta de eu gostar de sair para bailes mas mesmo assim persistiu. Depois do casamento tia Mônica falou nós filhos possíveis, estávamos com o plano de ter só um mas sua tia avó não concordou pois mal havia comida para três imagine para quatro pessoas, mas continuamos insistindo na ideia mesmo sem trabalho queríamos um filho. Sem entender as reclamações até que conseguimos o que queríamos e tivemos um filho, você, mas mesmo sabendo que não haveria jeito de te sustentar se não havia comida nem para nós.

Passou um tempo até que você nasceu e mesmo com tanta alegria ainda havia uma angústia de não poder te dar de comer ou de te deixar com fome morreríamos de fome se não arranjasse de como ganhar dinheiro. Para piorar nosso situacao havia menos escravos fugidos e mais pessoas no cargo de caçador o que gerava mais disputa e baixa nos preços das quantias de gratificação só em no bairro em que morávamos havia mais de três disputando comigo e os escravos já não vinham mais como antes a vir em minhas mãos porém gostava do ofício pois exigia força bom olho velocidade e era um ofício que não levava muito tempo mesmo que incerto. Veio a chegar o oitavo mês de gravidez e as contas começaram a chegar e como não achará nenhum escravo fugido ficava difícil pagá las sua tia avó sugeriu que o levassem a roda e recusei. Então o nono mês amargo difícil de sustentar pois o cobrador do aluguel veio nos tirar a casa, dois dias depois você nasceu tia Mônica já havia pensado nisso e havia conseguido uma casa nos fundos quase no curral, de favor, tia Mônica insistiu na ideia, deixá lo na roda dos enjeitados, como doeu, essa frase para um pai significa muito e dói pensar em te deixar lá mas dói mais ainda ter que considerar em larga lo lá, no começo recusei de imediato mas então as contas começaram a calhar e ficou mais difícil do que nunca. Naquela noite te levaria a roda porque lá ao menos poderia ter o que comer, e assim foi tive que levá lo prolongando cada passo aproveitando cada minuto, cada segundo que tivesse para parar e vê lo então pouco faltava e virando em uma esquina vi um vulto de mulata passando do outro lado. Minha felicidade foi tanta que quase te larguei no meio da rua para buscá la. Corri e te deixei na farmácia onde o farmacêutico que me passara a informação da escrava estava e o deixei com ele, corri e mesmo que ela tentasse não conseguiu escapar.


Naquela noite te levaria a roda porque lá ao menos poderia ter o que comer, e assim foi tive que levá lo prolongando cada passo aproveitando cada minuto, cada segundo que tivesse para parar e vê lo então pouco faltava e virando em uma esquina vi um vulto de mulata passando do outro lado. Minha felicidade foi tanta que quase te larguei no meio da rua para buscá la. Corri e te deixei na farmácia onde o farmacêutico que me passara a informação da escrava estava e o deixei com ele, corri e mesmo que ela tentasse não conseguiu escapar. No caminho da casa do senhor com a escrava na mão ja não se debatia mais pois sabia que não adiantaria de nada as pessoas em volta não a ajudariam pois quem estava dentro da lei era eu, fazia um favor para o dono da fugida e ela ainda me vem resmungar que estava grávida, quem mandou fazer filhos e depois fugir, meu sentimento era de raiva e felicidade pois o dono daria uma grande gratificação para quem a pegasse e eu a fiz, quase arrastando a escrava cheguei a casa do dono que me deu o dinheiro quando entrou a escrava que pariu seu filho ali mesmo no chão sem ajuda nem nada . Saindo com o dinheiro corri para a farmácia como se minha vida dependesse disso e quando eu cheguei lá te vi e te abracei muito e reparei o quanto você parecia sua mãe e só imaginei a cara e a felicidade dela quando te levasse para casa com a gratificação da escrava. Chegando nos fundos da casa ao lado do curral com você no colo sua tia avó me vendo te carregando trazendo a gratificação e eu chorando, olhe que não sou homem de chorar mas por você meu filho me derramava em lágrimas. Nem todas as crianças vingam.


Emanuel Rodriguez Boll

MILAGRES NÃO EXISTEM Meu nome é Mônica Pereira, nasci em uma pequena vila pouco distante de onde atualmente vivo. Tenho 39 anos e irei contar a história sobre o ano em que minha sobrinha, Clara, teve um filho e colocou aquela praga dentro da minha casa. Nunca tive um vida tranquila, minha família sempre teve dificuldades financeiras, vivo com minha sobrinha órfã desde que ela tinha 4 anos até hoje. Seus pais morreram em um acidente de trabalho, então desde aquela época tenho mais dificuldades, mas, nada se compara com a situação que vivo desde que ela pois seu filho no mundo. Hoje César Era setembro, minha sobrinha já namorava seu atual marido Cândido Neves, caçador de escravos. Mesmo quando apenas três, eu Clara e Cândido, tínhamos pouco dinheiro e as vezes mal havia o que comer na mesa ou seja uma família com grandes dificuldades financeiras. Até que um dia, eu estava costurando uma camisa e então Clara chegou para mim e disse o seguinte. -Tia Mônica, preciso te contar uma coisa séria. Então eu repliquei. -Fale menina, com essa vida que temos não a nada mais que possa dar errado, até porque, acho difícil ficarmos pior do que já somos. E ela continuou. -Então tia… Estou grávida, do Candinho. Naquele momento não consigo nem descrever o que eu senti, era uma espécie de ódio com tristeza e também desespero, não sabia o que responder para Clara. Parei e me sentei para pensar um pouco, logo percebi que sim, tinha jeito de nossa situação ficar pior. Esperei um pouco e fui seca e realista na hora de responder minha sobrinha, então falei.

-Clara se você for criar esse menino, nessa casa é que não vai ser. Ela saiu do quarto que eu estava e não falou mais nada. Não me arrependi nada de ter falado aquilo para ela, na verdade até acho que devia ter sido mais dura com ela para ver se mudaria de ideia. Dali a cerca de dois meses, bateram na porta, Era o dono da casa, Marcelo. Cândido abriu a porta e o homem entrou, logo começou a falar em tom de voz ameaçador. -Se vocês não pagarem os cinquenta mil réis de aluguel daqui a três semanas, tirarei vocês daqui seja como for, a força ou não. Ninguém retrucou nada, sabíamos que era muito difícil conseguir o dinheiro em tão pouco tempo, o trabalho de Cândido era muito irregular, às vezes ganhava um pouco mas também podia passar alguns dias em branco e eu e Clara pouco contribuíamos com nossas costuras. Dali a três semanas não deu outra, fomos despejados. Fomos morar em um pequeno comércio de uma conhecida minha, e dessa vez mais apertados ainda. A data do nascimento do neném ia chegando perto, Clara e Cândido iam ficando ansiosos e eu ficava nervosa e tínhamos diárias discussões pois eu ia cada vez mais tentando reverter a ideia de ficar com a criança, eu conversava com minha sobrinha. -Menina Clara, você é muito nova para cuidar de uma criança, nós somos uma família precária e aquela coisa que Candinho faz, mal dá para chamar de trabalho. Você tem que levar o menino para a roda. Mas ela insistia. -Tia, deus vai nos ajudar, fique tranquila, tudo vai dar certo e nada vai sobrar para você.


Eu não acredito em milagres então para mim aquela criança não tinha jeito, insistia para os dois que deviam levar o bebê para a roda, mas os pais queriam muito ficar com o neném. Meses depois, o bebê nasceu. Eu já havia conversado muito com ambos pais mas eles tinham muita fé. Passaram-se dali alguns dias e os próprios Cândido e Clara começaram a perceber que não eram possíveis as condições de cuidar do recém-nascido, então falei com Candinho,

-Cândido, você não pode ficar com seu filho, você já percebeu que é impossível ele sobreviver nessa situação! Aproveite que Clara dorme e leve César para a roda. -Mônica, pensei bem e acho que infelizmente terei que levá-lo, infelizmente. Naquela mesma noite chuvosa, o pai chorando, partiu com seu filho no colo em direção à Roda dos enjeitados, a instituição mais temida para todos os pais pobres, até mais temida para eles, do que a própria escravidão. Naquela noite fui me deitar e lembro exatamente daquela noite e até mesmo do pesadelo que tive, me recordo como se fosse ontem, sonhei que acordava em um lugar escuro e frio e havia uma praga corroendo todo alimento e dinheiro que tínhamos guardado. Não acordei mesmo com o terrível sonho, só fui devem ser escravizadas. Não fui muito longe, parei para comer um pão amanhecido na padaria do Seu Malaquias, perguntei a ele. -Malaquias, sabe o que aconteceu com essa escrava, Arminda? Ele me respondeu. -Olha Mônica não estou muito informado mas sei que acharam ela, queria ser o sortudo que ganhou os cem mil réis. Suspirei, agradeci e fui embora sem voltar no assunto, mas mal sabia eu o que eu esperaria quando chegasse em casa. Entrei na casa e fiquei chocada, Clara estava sentada no sofá amamentando o bebê. Quase tive uma parada cardíaca, logo Candinho veio me contar a história. -Mônica, Mônica! Você não sabe o que aconteceu. Estava indo em direção a Roda com César no colo e quando estava chegando bem perto, avistei de longe a escrava fugida, Arminda. Sai correndo pois sabia que o único jeito de salvar a criança era capturando a escrava. Rapidamente deixei César na farmácia do Seu Juca sem dar explicações e comecei, cautelosamente a descer a rua que estava Arminda.

-Mônica, Mônica! Você não sabe o que aconteceu. Estava indo em direção a Roda com César no colo e quando estava chegando bem perto, avistei de longe a escrava fugida, Arminda. Sai correndo pois sabia que o único jeito de salvar a criança era capturando a escrava. Rapidamente deixei César na farmácia do Seu Juca sem dar explicações e comecei, cautelosamente a descer a rua que estava Arminda. Fui cuidadoso para ela não me perceber e então quando estava bem próximo dela joguei minha corda e amarrei a escrava. Ela lutou muito contra mim e implorava para não levá-la a seu dono, mas quando estava muito perto da casa de seu chefe ela me contou que estava grávida, fiquei com várias coisas passando pela minha cabeça naquele momento mas pensei, é uma vida pela outra. Quando cheguei na casa de seu dono depois de muita briga, Arminda abortou. Foi uma das cenas mais horrorosas que eu já vi. Peguei os cem mil réis e sai em direção a farmácia. Peguei César e não deu outra, voltei para casa para falar com Clara. Viu Mônica, Ele existe, Deus existe! ei para casa para falar com Clara. Viu Mônica, Ele existe, Deus existe! Não sabia dizer o que passava pela minha cabeça naquele momento, estava chocada, fiquei quieta, sabia que aquele dinheiro não iria nos salvar, com uma parte do dinheiro alugamos uma casa, foi bom mas dali a um mês já estávamos novamente na mesma miséria e dessa vez alimentando mais um, um menino que bagunçava tudo pois seus pais não tinham tempo de lhe dar educação, um menino que era desrespeitoso, roubava e agora estamos aturando essa criatura devido uma escrava fugida e talvez em uma miséria pior que ela e como eu digo, milagres não existem até porque estaríamos em lugar melhor, assim como o filho de Arminda. Nem todas as crianças vingam.

E é assim que minha ingrata avó Mônica, contava minha história para todos, ela não merecia mais estar aqui mesmo. Hoje já trabalho e reverti minha situação, e todos os dias agradeço a meu pai por ter acreditado em mim e em minha mãe por ter me educado só guardo rancor à avó Mônica e como dizia ela realmente nem todas crianças vingam, até mesmo eu não tive chance de me vingar dela.


Emanuel Rodriguez Boll

RAIVA Senti uma dor insuportável, mas não era uma dor qualquer era a dor de perder um filho, meu filho, isso tudo aconteceu por conta daquele desgraçado que me agarrou em frente a farmácia. Já se faziam três meses que eu estava foragida, eu fugi e fugi mesmo, me orgulho disto. Mas agora tudo tinha chegado ao fim eu voltei a ser escrava, e perdera um filho, meu filho. Meu marido, pai de meu filho, foi vendido para um baiano. Acho que nunca mais vou ver ele novamente, e cá estava eu no chão com sangue em volta de mim sangue, sangue de aborto. No chão eu não ouvia nem via nada, estava completamente desnorteada, sentia ânsia, e raiva, muita raiva. Os capangas do sinhô Aurélio me carregaram para dentro já que não respondia, fui amarrada no pelourinho e levei 50 chicotadas, não senti dor, eu só sentia raiva. Depois de apanhar, fui tentar dormir, não consegui, minhas costas ardiam, e meu choro era constante, só me calei quando veio um capanga me ameaçar “cale-se ou vou te castigar mais uma vez”, então chorei quieta. Dormi muito tarde e acordei muito cedo, eu tinha que cuidar do gado e depois limpar a casa do sinhô. As negras me ajudaram muito com as costas. Eu era muito amiga de Benta a escrava mais velha da senzala, era guerreira e cuidava de todas e de todos, a noite eu fui me curar com ela, fez curativos com ervas nas minhas costas. Benta já tinha perdido um filho, ela era muito sábia e sensível, me tranquilizou mas a raiva ainda ardia em meu corpo. Ao se passar dois dias Aurélio veio até a senzala durante a noite, me agarrou, me levou para distante de todos e me deitou na grama, ele tirou a calça e levantou meu vestido, num impulso quase que automático virei um tapa na cara dele, sua fisionomia mudou, mas sua ação não, me abusou, virei-lhe outro tapa, e mais outro, tentei sair correndo, ele me agarrou e deu um murro em minha cara e tentou continuar, eu reagi bati nele uma hora ele desistiu, me arrastou pro pelourinho e ele mesmo me chicoteou, e me deixou para passar a noite lá.

De manhã seus capatazes me agarraram e me levaram para a feira, no começo não entendi, mas quando me dei conta que seria vendida me desesperei, não queria ficar longe de Benta. Na época o tráfico negreiro já tinha sido proibido, os escravos valiam muito, fui vendida para um moço magro e baixinho, cara de bravo, fui amarrada em uma corda junto a outros dois escravos, andamos muito, até que colocaram a gente em uma carroça. O baixinho não tinha falado nada, ele e o jagunço comandavam a carroça. Perdemos a vistas do mar, a paisagem mudou, tinha muito café em nossa volta, estávamos no Vale do Paraíba, entramos em uma fazenda que tinha muitos escravos e uma casa muito grande, e uma senzala maior ainda. Ficamos em fileira e recebemos as ordens de um velho, era o nosso sinhô, sinhô Oliveira. Mais um a me fazer sofrer, mais um que me fez passar raiva, muita raiva. Como ele era muito velho quem cuidava da boa parte da fazenda era o baixinho, filho dele , depois do velho falar com a gente, tiraram nossas roupas e nos levaram para a senzala lá vestimos outras roupas mas agora, eram feitas de sacos de café. Encaminharam a gente para a colheita e um capataz em cima de um cavalo nos ensinou bruscamente a retirar o café, não entendi a princípio, mas o carrasco me deu duas chibatadas e aprendi forçadamente. Passávamos o dia na colheita o sol queimava a nossa pele, não podíamos parar, tínhamos meia hora de almoço, e as outras horas de sol trabalhávamos colhendo , o capataz (cujo o nome era Leonardo) não perdoava um minuto, já estalava o chicote em nossas costas. Passei dois meses dentro desta rotina exaustiva.


Um dia na senzala teve batucada, mas antes todos os escravos se reuniram e combinaram de fazer um motim, iriam derrubar o cavalo de Leonardo, e tirariam a cabeça dele, todos concordaram com a ideia e a festa naquela noite foi grande, uma roda de jongo enorme ocorreu, mas o que era doce acabou com um jagunço entrando e quebrando os tambores. De manhã todos estavam dispostos, o que era muito raro, depois de uma hora na colheita a gente se olhou e foi dado o sinal, derrubaram o capataz que reagiu sacando uma pistola e dando tiros para o alto, eu peguei o facão dele e o decepei, mas nisso já estavam vindo jagunços atrás de nós , corremos todos mesmo com os pés acorrentados, fomos para o mato mas o barulho deles atrás de nós era frequente, paramos de ouvir eles acho que se perderam, nos livramos das correntes arrebentando elas com pedras e seguimos caminhando, não tínhamos para onde ir, mas voltar não era uma opção. Dormimos na mata mesmo, em cima de árvores ou no chão mesmo, revezamos para ficar acordado, na minha vez pensei muito no que aconteceu, tinha fugido de novo, mas agora eu matara uma pessoa. Não tinha dó, Leonardo era um assassino, e o sangue dele era de vingança, por que uns se vingam e outros não. Eu ainda tinha raiva, muita raiva. De manhã acordamos bem cedo, nosso objetivo era caminhar até uma clareira e tentar construir um quilombo, no total éramos cerca de 40 escravos, achamos a clareira, mas não sabíamos como construir, montamos lanças, para caso aparecesse algum capitão do mato, fizemos lanças com galhos e montamos armadilhas, comida era muito escassa, comíamos frutos e raízes que encontrávamos. Começamos a montar o quilombo, nós mulheres fomos atrás de folhas e palha para fazer o telhado, e os homens procuraram galhos para montar a estrutura, trabalhamos bem juntamos folhas grandes, neste tempo pude conversar com minhas companheiras pouco tinha falado com elas, uma menina de 12 anos estava entre a gente, ela tinha fugido sozinha de sua fazenda, mas foi capturada por Oliveira, era ágil e muito esperta como nós todas. Começamos a montar o nosso abrigo, alguns escravos já tinham experiência de construir casas ou igrejas, fizemos facilmente, em 2 semanas estava de pé, não era uma casa de luxo mas abrigava a todos. Passamos 6 meses bem, caçando e plantando nossa comida, aperfeiçoando nossos métodos, era como uma família todos se cuidavam e se respeitavam, claro que tinham brigas, mas tudo se resolvia, resumindo vivíamos bem. Começaram a chegar mais escravos, construímos mais casas, 60 pessoas já habitavam o nosso quilombo, o Quilombo do Rosário como foi chamado.

Assim, como muitos escravos começaram a saber da existência do quilombo, muitos donos de escravos sabiam, e queria acabar com a gente a qualquer custo, construímos barreiras ao em torno do nosso Quilombo, resolvemos nos armar e armamos todo o povo, com lanças e arcos e flechas, estávamos em total desvantagem contra os brancos, mas não voltaríamos a ser escravos nunca mais, a raiva que eu tinha ainda existia, raiva dos brancos. No momento me lembrei do dia em que perdi meu filho, estava de novo deitada em uma poça de sangue, por culpa de Cândido Neves, minha raiva era eterna, podia morrer, mas o sentimento não se calaria. Meu ódio aos brancos era mais forte que tudo, era um “ódio social” Eu não me apresentei para você, me encontro agora na beira da morte, mas meu nome é Arminda nasci escrava, fui separada da minha mãe com 6 anos de idade, desde então vivi sempre com Sinhô Aurélio, mas sempre questionei a escravidão, não tinha voz claro eu era escrava, por isso que fugi diversas vezes, muitas fugas deram errado. tenho 16 agora, meu pai é um senhor de escravos que quis brincar com minha mãe, e acabou me gerando. Fui gerada pela raiva, nasci e morri na raiva cansei de ser explorada pelo homem branco. Estou perdendo os sentidos está tudo preto. A vida é assim, ou você se cala e vive explorado, ou você fala e é morto. Certo dia, estava sentada na beira do rio, conversando com Samara, a menina de doze anos que eu tinha dito, de repente ouvimos um estouro, era tiro, corri em direção ao Quilombo, mas dei de cara com o moço, que tinha me capturado e feito eu perder meu filho, gritei de raiva e avancei pra cima dele, acertei ele com um soco,mas ele como um reflexo me agarrou pelos braços e me amarrou em uma corda, me soltei e sai correndo, logo ele gritou “ neguinha vagabunda vou te pegar, e quando eu te pegar o couro vai cantar” e riu, riu muito em uma risada assustadora, não sabia o que fazer chorava de raiva, mas Samara segurou a minha mão e disse “não pára, a gente vai ser livre” isso me despertou corri muito, já não chorava mais, o homem correu atrás, de mim e da Samarinha, perdeu a paciência tirou um revólver e atirou, o tiro atravessou minha barriga cai no chão, homem se aproximou, e só no instante que ele me viu ensanguentada no chão ele me reconheceu, “Arminda, lembro de você” eu tremia de raiva, ele continuou “ Meu nome é Cândido Neves, por causa de você eu sai da miséria”, meu carrasco saiu correndo, em busca da Samara.


Emanuel Rodriguez Boll

INSEGURANÇA Eu abria a porta, o sol batia em meu rosto conforme a porta se abria. Estava indo entregar uma carta a um homem que minha tia Mônica conhecia, a casa dele ficava algumas rua abaixo, o sol estava bem forte mas o céu estava limpo e o vento agradável, eu estava descendo a ladeira, essa ladeira era bem estreita e íngreme sendo bem cansativo subir e descer. Na metade do caminho ouvi tia Mônica. - Clara! Ela estava chamando me chamando mas decidi ignorar pois teria que subir a ladeira de novo, descendo eu vi um negra subindo decidi ignorar e manter distância o máximo possível. As ruas estavam vazias só tinha eu e ela e isso estava me deixando com muito medo.

- será que ela era uma escrava fugitiva? E se for ela é violenta? Ela pode ter alguma doença? - fiquei falando para mim mesma. Parecia uma eternidade até antes de nos encontrarmos. Virei na primeira esquina e esperei ela passar. Podia ouvir ela, estava ofegante e parecia estar com fome e sede, mas isso era normal. Eu voltei a ladeira e continuei a descer, finalmente cheguei na rua em que a pessoa a quem eu tinha que entregar a carta estava. Andei mais um pouco até chegar em frente à casa e toquei a campainha que se encontrava no lado esquerdo da porta e esperei, ouvi barulhos de passos e então a porta se abriu com um barulho bem irritante para mim, mantive a postura, o homem que estava na minha frente parecia ter dinheiro. Eu não fazia ideia como minha tia teria um contato como aquele eu rapidamente entreguei a carta, o homem pegou-a olhou o remetente e retornou um olhar frio, fechou a porta, eu fiquei meio espantada fiquei parada por alguns segundos mas virei e voltei para a rua andei até a ladeira, vi a mesma negra que vi mais cedo descendo, esperei um pouco até ela passar e ouvi ela ofegante e falando bem baixo. - Eu, Arminda, tenho que… - e foi até esse ponto que eu consegui discernir as palavras que ouvia.

Estranho... Ela deve ser louca falando sozinha assim, enquanto subia a ladeira o sol estava mais fraco e as nuvens apareciam no céu, olhei para a ladeira e me preparei. Cheguei na minha casa e encontrei minha tia ela estava esperando por mim, eu não fazia ideia o porque ela estava esperando por mim, então falei. - A carta está nas mão do homem tia enquanto falava isso me lembrei da cara do homem e me passou um calafrio mas não deixei com que tia Mônica percebesse. - Você tem que arrumar logo um marido Clara - Mas tia, ninguém me quer mais - Eu quero achar um marido mas nenhum dos encontros em que fui nunca me chamou atenção. - Um marido com um emprego estável, a gente não vai conseguir se sustentar assim. Embora eu soubesse o que ela estava falando era verdade, eu não conseguia achar nenhum homem que me atraísse. - Eu achei uma festa aqui perto, faça algum movimento. - Tudo bem… irei tentar Minha tia falou comigo ontem sobre a festa, acho que é uma boa ideia já não vou a festas faz um tempo e na ultima vez ate encontrei umas pessoas interessantes, olhei na janela e vi dois negros passando, eles estavam correndo então provavelmente um deles havia fugido. - Tem que ser rico mesmo para ter um desses daí - falei baixo enquanto olhava eles sumindo da minha visão E esses escravos ainda tentam fugir eles merecem ser perseguidos. já se foram alguns dias desde a conversa com minha tia. Se passaram e a festa é amanhã. Eu nunca fiquei esperando por uma festa assim, eu acredito que Nossa Senhora me ajuda amanhã à encontrar meu amado.


Eu dormi bem hoje e já estou pronto para ir a festa. Cheguei na festa e não tinha muitas pessoas, eu havia chegado cedo, fiquei andando falando com algumas pessoas mas não conseguia nada que levava a uma conversa, tinha amigas minhas mas eu decidi que ia focar no que tia Mônica tinha me dito. somente as cumprimentei e depois voltei a andar. O local era meio grande então não foi estranho ficar andando sozinha, tinha bastante cor e o lugar era bem animado tinha um tronco grande sustentando o meio do lugar e o teto era de palha seca. a festa já estava com bastante gente e eu vi algumas amigas falando com uns homens elas falavam com eles como se fosse fácil, eu ouvi uma pessoas do meu lado falando. - Incrível, e o que você fez com ele depois disso… - A mulher à minha esquerda falava da história que o homem com quem ela estava conversando falava - Sério?!, não é possível, você fez tudo isso sozinho? - Outra mulher falava sobre um feito daquele homem Eu comecei a ficar meio perdida, vi um homem que era mais velho do que eu, por algum motivo ele parecia mais interessante a cada vez que eu dava um passo em sua direção. Devagar fui me aproximando até que chegou a um ponto em que eu sabia este era o possível marido, o marido verdadeiro e único. Enquanto conversava com ele descobri que seu nome era Cândido Neves, a conversa minha e dele durou por muito tempo conversamos, e comecei a me interessar cada vez mais e cada vez mais tinha certeza que ele era o marido em que esperei, nos meus olhos ele era incrível melhor que todos, mesmo que suas histórias às vezes pareciam meios exageradas, ele era um caçador de escravos não era uma boa profissão como tia Mônica disse, mas ele era com certeza o marido quem eu esperei. Nós começamos a namorar e o tempo foi passando rápido, depois de 9 meses Cândido propôs se casar comigo e 2 meses depois tivemos uma festa de casamento, mesmo tendo várias amigas minhas dizendo que o nosso casamento não ia dar certo.

- Ao menos não me caso com defunto. - eu dizia a elas Eu estava conversando com Cândido. - O lugar está lindo não é mesmo?- ele me disse - Sim, a festa perfeita para nos casarmos. - eu disse para ele com muita alegria. Passou se um bom tempo desde o meu casamento, nós tivemos um filho e ele estava destinado a ir para à Roda dos enjeitados mas Cândido fez um ato heróico de salvar nosso filho, ele conseguiu achar uma escrava fugitiva que valia muito e salvou nosso filho de ir para Roda. O céu nos deu outra chance de nos deixar-lo crescer conosco.


Guilherme Campanhã de Barros Freire

Antes de ser pega como escrava eu tinha uma família, nós passavamos por dificuldades, mas tínhamos uns aos outros. Era difícil achar água e comida para a população, mas eu não era torturada ou estuprada no dia a dia. Até o dia em que dois homens brancos apareceram onde eu estava, eles me acorrentaram e me levaram até um navio, onde fui jogada em um navio cheio de pessoas, eu demorei um pouco para perceber oque estava acontecendo.

Eu já imaginava que ia ser horrível lá, mas no primeiro dia como não estava acostumada e não sabia oque fazer e nem como fazer eu apanhei muito, então eu vi outros escravos tomarem chibatadas também, elas eram muito dolorosas e deixavam a pele muito vermelha. A primeira noite foi a pior, já que não estava acostumada não conseguia dormir direito por causa da dor das chicotadas, era insuportável de tão doloroso que era.

Ao longo da viagem muitos morriam de doenças, alguns acabavam apanhado, mas eles não batiam em quem não fazia nada de errado, afinal nós éramos como mercadorias importantes para eles. Então depois de longos meses eu cheguei em um lugar completamente desconhecido, onde eu não conseguia entender oque as pessoas falavam e elas se vestiam de uma maneira muito diferente.

Então chegou o dia em que um dos escravos me ajudou a fugir, então eu fugi com junto dele, então ele me levou a um senhor de idade, esse escravo ajudava com as compras pesadas, então ele saía bastante da casa, até que viu esse senhor que ficou quis ajuda-lo, mas ele recusou já que isso causaria mais problema no momento, mas agora era o momento perfeito, porém ele se recusou a ficar junto e foi a procura de um quilombo que tinha ouvido falar. Eu já estava grávida a algum tempo e não demorou muito até aparecerem informações para minha captura nos jornais, a recompensa pela minha captura era maior que a dos outros escravos, acho que era pelo fato de eu estar grávida. Eu ajudava com o trabalho do senhor de idade que estava cuidando de mim, apesar de ser perigoso sair na rua neste momento tínhamos de conseguir dinheiro para sustentar os dois, era muito melhor do que ser torturada na outra casa.

Eu ficava enjaulada com outros escravos esperando para que alguém quisesse nos levar para um trabalho forçado, sem descanso, sendo tratados muito mal, com uma condição horrível. Eu via os mais fortes sendo levados primeiros, para o trabalho forçado. Então apareceu um homem com uma roupa diferente das outras, parecia mais bonita, então ele conversou com o homem que estava me levando por este lugar desconhecido e entregou algo que não consegui perceber oque era, então ele me levou para um lugar bem grande e bonito, com bastante grama e alguns escravos trabalhando, eu fiquei impressionada já que nunca tinha visto um lugar tão grande pertencer a alguém. Eu já imaginava que ia ser horrível lá, mas no primeiro dia como não estava acostumada e não sabia oque fazer e nem como fazer eu apanhei muito, então eu vi outros escravos tomarem chibatadas também, elas eram muito dolorosas e deixavam a pele muito vermelha. A primeira noite foi a pior, já que não estava acostumada não conseguia dormir direito por causa da dor das chicotadas, era insuportável de tão doloroso que era.

Não demorou muito até eu ter que começar a me esconder, eu via pela janela homens perguntando sobre mim com a folha do jornal que continha as minhas informações. Até que um dia um homem estranho começou a segui-la, então ele bradou: -Arminda! Então eu me voltei. Então ele, tendo tirado o pedaço de corda da algibeira, pegou meus braços, eu compreendi na hora e tentei fugir. Já era impossível. O homem com suas mãos robustas segurava-me pelos pulsos e dizia que andasse. Eu quis gritar, gritei bem alto, mas ninguém veio ao meu resgate. Então pedi que me soltasse pelo amor de Deus.


-Estou grávida, meu senhor! - exclamei - Se você tem algum filho, peço-lhe por amor dele que me solte, eu serei tua escrava, vou servi-lo pelo tempo que quiser. Me solte, meu senhor moço! -Siga! - repetiu o homem. -Me solte! -Não quero demoras, siga! Eu tentava escapar lutando, mas estava difícil tendo meu filho dentro de mim, todos olhavam, mas ninguém me ajudava, aparentemente aquele era um cenário normal e todos achavam que quem estava certo era apenas quem capturava. Tentei fazer com que me poupasse, falando que ele seria muito mal, que me chatearia e seria muito pior do jeito que estava -Você é quem tem culpa. Quem lhe manda fazer filhos e fugir depois? - Perguntou o capturador de escravos. Eu tentei fugir, e cada vez que íamos chegando mais perto ia tentando mais mais forte, até que chegamos a rua da casa de meu senhor, eu nos últimos esforços tentei fugir com toda força que tinha, mas foi inútil, e íamos chegando cada vez mais forte, até que chegamos e o homem falou: -Aqui está a fujona, disse o homem desconhecido. -É ela mesma - respondeu meu senhor. -Meu senhor! - Exclamei. -Anda, entra… Eu caí no corredor, e ali mesmo meu senhor abriu a carteira e deu o dinheiro para o homem, meu senhor dizia para que eu entrasse. No chão sendo levada do medo e da dor, após algum tempo de luta eu abortei. Foi horrível o cenário, eu sendo arrastada a força e abortando, a partir dali tudo foi pior, meu senhor me pegou pelos cabelos e me arrastou até o lado de fora, onde me chicoteou e me espancou, a dor foi horrível, ele estava com tanta raiva e eu estava sofrendo com a dor física e a dor de perder meu filho. Depois disso ele começou a me punir com mais força e mais ódio, ele não tirava mais os olhos de mim, e todo dia eu sofria com uma punição sem ter feito nada, e todos os dias foram assim, ele me olhava com mais desprezo do que anteriormente um olhar aterrorizante e de raiva que queria me ver sofrer, eu sentia muita dor até desmaiar, de noite as feridas ardiam e eu não conseguia dormir. Até que chegou o dia em que fiquei doente, eu estava suando, com muita dor, eu nem conseguia levantar da cama, era horrível a dor de cabeça, a dor física, o mal estar, até que eu consegui levantar e fui cozinhar, mas eu desmaiei no meio. Quando acordei não sabia oque estava acontecendo, mas eu estava amarrada a um tronco, eu tentei escapar, mas estava dolorida demais para fazer qualquer esforço, então meu senhor falou:

-Ah você acordou. Então vamos começar com a punição. -Não por favor senhor eu faço qualquer coisa. - implorei - Eu estou me sentindo muito mal hoje por fa… -Cale-se! - exclamou ele -Quem mandou fugir, não me importo se você está à beira da morte, mas você vai pagar e todos os dias você vai sofrer assim até sua morte. -Não por favor! Já era tarde demais ele começou a me chicotear, a dor era horrível, eu gritava por perdão, mas era inútil, a dor era imensa, somada ao cansaço e a febre a dor se tornava insuportável. Então estava decidida, no dia seguinte eu ia fugir, não dava para esperar nem mais um dia. Então no dia seguinte quando ele foi checar o trabalho dos outros escravos eu corri o mais rápido que consegui, mesmo com a febre, eu tropeçava e me ralava, correr com aquela dor era muito difícil, mas eu tinha de conseguir, eu não queria mais aquela dor. Chegando na cidade toda dolorida eu procurei o senhor de idade que me ajudará da última vez para perguntar se ele sabia para onde o outro escravo tinha fugido, ele não sabia muita coisa, mas como o outro escravo tinha conversado com ele, o senhor sabia a direção, então ele me levou o mais longe que pode, então continuei sozinha andando para a direção que ele me disse. Depois de longas horas de caminhada, apenas com um pouco de pão e um pouco de água que o senhor havia me dado eu consegui chegar em um lugar cheio de negros trabalhando, tinha crianças, homens, mulheres, então eu entrei e procurei pelo amigo que havia me ajudado a fugir da primeira vez, mas me disseram que ele já havia morrido, ele chegou muito doente e acabou falecendo, mas mesmo assim eles me receberam, então depois de trabalhar alguns dias eu acabei ficando doente e não conseguia levantar da cama, isso pareceu com um dia antes da minha fuga, mas a dor estava pior, os homens olharam e falaram que o outro escravo que veio antes de mim acabou morrendo assim também. Eu fiquei desesperada, por sobreviver a tudo isso e acabar tendo que morrer assim.


Henrique Gandelman

Nasci do caos, e dele vim parar onde estou. Meu começo pode parecer pior que meu final, mas não se iluda, não é. Fui nascida de um amor não aprovado, e por ele, meus pais foram assassinados. O senhor abusava de minha mãe, não diferente do que faz comigo, mas com um final pior. Não posso dizer que foi culpa de minha gestante se apaixonar por um outro escravo naquele caos de trabalho todo, mas não foi um ato inteligente. Como imaginado, quando o senhor viu que o bebê era negro e não mulato, a violentou e a massacrou na frente de meu pai, que levava chibatadas nas costas. Não vejo o propósito dele me deixar viva, especialmente depois de tudo que aconteceu, mas nunca vou perguntar a ele. Tenho um ódio forte sobre este, mas nada posso fazer, pois manda em minha pessoa e agora estou condenada a viver com o mesmo pelo resto de minha vida.

Os dias eram sempre iguais. Trabalhos fortes, amamentar filhos do senhor e no anoitecer, ser violentada sexualmente contra a minha vontade, se é que eu tenho uma vontade. Minhas amigas Lucrécia e Isaura eram a única coisa que tinha perto de ser uma família, mas apenas de dia, porque a noite não as via. Não posso dizer que todas as mulheres que viviam conosco eram estupradas, mas do jeito que olhavam para o nosso senhor, parecia que sim. Não conseguia imaginar a vida dessas que engravidam do senhor, porque pelo o que todos da casa falavam, não eram boas. Passei minha vida toda aqui, nesta casa, conheci todos que passaram por aqui, tudo o que sofreram a ficar na mão deste homem, mas não aguentava mais aquela vida de dor. vTodas sabiam que nosso senhor nunca tivera um escravo fugido que não fosse pego, mas tive que me arriscar. Os dias passaram e Lucrécia e Isaura falaram que tinham visto uma janela de tempo onde os caçadores do senhor não ficavam guardando o muro do lado da casa, e logo, pensei que essa era a minha chance.

Não sabia, mas as duas começaram a comentar num curto espaço de tempo sobre uma tentativa de fugir do senhor, e como percebi que nossas intenções eram as mesmas, contei-as sobre a mesma ideia que tive. Num período pequeno, pensei que iria dar certo, mas logo minhas esperanças se alastraram quando percebi que era loucura fazer-lo. Com os dias se passando, chegou um negro alto, forte e bonito que pensei que seria outro a sofrer nas mãos daquele homem, mas era um homem livre que tinha assuntos a tratar com nosso senhor. Parece loucura dizer, mas ao nos virmos, posso dizer que nos apaixonamos. Não demorou muito a este homem voltar a casa, não sei pelos motivos, mas fui se aproximando dele, até nós conversamos brevemente. Seu nome era João. As visitas do negro vinham regularmente, mês depois de mês, e a cada vez , nós nos apaixonávamos mais. Um laço foi se formando entre nós dois, até que uma noite, decidi pular o muro naquele pequeno instante de tempo que os guardas estavam ausentes para esperá-lo até o amanhecer. Não demorou até ele chegar, e quando chegou, nós transamos durante um tempo, um período que o senhor não teria problemas de esperar. Posso dizer que esse dia foi um dos melhores que minha vida de escrava jamais teria. Não direi se foi sorte, mas quando decidi voltar a casa, o muro não estava sendo vigiado e me aproveitei disso. Os dias que ele não vinha se passavam devagar, mas todos os que João aparecia, eram bem aproveitados. Os dias se passavam e ele não aparecia mais. A começo fiquei desesperada, pois pensava que ele seria meu grande amor e que o perdido, mas lembrei que era escrava e que aquele breve momento ao seu lado já valiam meu tempo de vida. Com o passar dos meses, percebi que minha barriga começava a aumentar e minha menstruação não chegava, não sabia se chorava ou ficava feliz. Diria que a chance de eu ter o filho do senhor era pequena, porque naqueles últimos tempos não fiquei muito tempo ao seu lado, então imaginei que era de João. Minha cabeça começou a borbulhar. O que o senhor iria fazer comigo? Não poderia imaginar o que seria desta criança, o que seria de mim.


Posso dizer que comecei a perder meu juízo, mas sabia que a única chance de eu sobreviver junto com o filho de um homem que amei era fugir. Não ligava mais para ninguém ao meu lado, nem mesmo minhas amigas e o plano de fuga delas. Logo mesmo, depois de 2 dias, decidi escapar. A guarda do muro havia sido fortificada depois da fuga de um dos escravos, que depois foi recapturado. Na primeira chance que vi uma brecha pequena de espaço, tentei fugir. O horário era igual a todos os outros, 23:00 era a hora que o muro ficava um pouco desprotegido mesmo depois da fugida do escravo, e tomei minha primeira chance de escapar das garras daquele senhor. Foi bem sucedida.

Sempre tocava no assunto de sermos considerados marido e mulher, mas ele não gostava. Talvez eu fui apenas uma amante temporariamente, por isso não gostava de mim. Não posso dizer se ele parou de me amar pois estava grávida, ou pois simplesmente ficou comigo pois estava com vontade de ficar ao lado de alguém por um tempo. Consegui notar que minha presença naquela casa era mais um favor do que por amor, pois sentia que ele não me amava como me amou durante o tempo das visitas a casa do senhor. Teria de aceitar o fato de que cuidar deste filho seria mais difícil do que aparentava.

Não tinha a onde ir, estava realmente perdida. Como era tarde da noite, as ruas estavam desertas e não havia ninguém perto delas. Acabei me recordando de um endereço que João me disse durante uma de nossas conversas, como era a única coisa que tinha, fui diretamente a ele. Passaram-se horas durante minha caminhada. Chegando perto do local, logo após o sol nascer, vi um homem negro, alto e forte igual meu amado, era ele disse a mim mesma, e logo atrás o que parecia um capitão do mato, e rápido me escondi. Logo percebi que eram um erro deste tal caçador, pois João era livre, e com meus próprios olhos, vi aquele tal apanhar dos familiares de meu amor. Logo depois da saída do caçador e o que parecia a família de meu homem, tomei a energia que restava depois de tanta caminhada e bati na porta da casa. Minha suspeita estava certa, era mesmo João.

Ao andar numa rua perto da casa de João, vi um anuncio com meu rosto aparecendo como procurada por meu senhor, me assustei e fiquei desesperada. Depois de ficar olhando para o papel, o tal caçador que havia aparecido para tentar levar meu amado a algum lugar apareceu, e tive que me esconder rapidamente. Percebi que ele pegou o panfleto e saiu andando. Logo a partir deste momento, notei que tinha que tomar mais cuidado agora que estava como procurada. Consegui ver que o tal caçador era mal vestido e meio mulato, tive de assumir que este homem era pobre e achei que precisaria do dinheiro, pois a profissão de capitão do mato não era vista com bons olhos tanto por mim quanto por outros. Teria de ficar esperta para não ser pega por este ou por outros caçadores de escravos, pois agora tinha um preço em mim, um preço alto.

O olhar dele me espantou, como se tivesse acontecido algo. Imaginei que era a surpresa. Tentei explicar tudo a ele mas não me escutava, parecia que estava bravo e sem sua cabeça, e começou a gritar alto contra mim. Entendia da parte dele aquela raiva. Talvez não estivesse preparado para ser pai, ou pelo menos não comigo, mas felizmente ele seria e eu também. Contei a ele sobre a gravidez e a fuga brevemente, pois estava muito cansada e não consegui falar direito. Minutos se passaram de conversa e fui a cama. João dissera que poderia ficar na casa dele, e me aceitaria junto a nosso filho, mas não de um jeito entusiasmado. Os dias e semanas foram se passando, e meu amado aceitava as coisas de jeito mais calmo e melhor, com um ânimo maior depois de todos os acontecimentos. Ia na farmácia regularmente pois ficava doente facilmente, me obrigando a ir a tal lugar.

Minhas visitas à farmácia foram diminuindo, pois andar nas ruas não era mais seguro para mim. Meu bebê estava perto de chegar, e por isso também, não podia andar muito. Falei a João que iria fazer uma de minhas últimas visitas a aquela farmácia, pois estava chegando perto do parto. Logo, saí de casa rumo ao lugar, pegar um remédio pois não estava passando muito bem. Fui embora da farmácia rápido tomando rumo a casa de João, pois estava começando a ficar enjoada, quando fui abordada pelo o capitão do mato que não teve piedade de mim. Começa a tirar um laço e me amarrar: -Por favor, não me leve de volta, eu estou grávida, se você tiver um filho por favor me ajude!


Parecia que as palavras não entravam no ouvido do tal homem, gritava e não me escutava. Não deveria pois era uma escrava fugida, e a escravos, ninguém dava ouvido, ele estava certo ao olhar de todos. Voltaria ao lugar que escapei apenas para ser violentada, ou pior, morta junto com meu filho. Sendo arrastada para a casa do senhor, penso se João iria me ajudar em alguma coisa depois, mas não deveria, pois ele não queria ser parte de tudo isso, eu o envolvi. Ao olhar para a frente da casa de meu senhor, começo a passar mal e ficar tonta. O capitão me larga no chão fortemente e meu senhor lhe dá o dinheiro como prometido. Em um piscar de olhos meu bebê está fora de mim. Sou mãe, mãe de uma criança morta. O senhor não olha com piedade, me espanca e me faz voltar ao trabalho no mesmo dia. A dor de perder um filho me comove, perco o rendimento em trabalho e sou espancada com maior força. Não consigo imaginar que tipo de homem, mesmo caçador de escravos, consegue deixar mulher gravida na porta da casa do senhor e ainda assistir uma criança saindo morta de meu útero sem fazer nenhuma intervenção. Devia estar desesperado, mas um dia, se puder, se eu olhar na cara daquele homem ou alguém de sua família, irei matá-los. Os meses se passam e chega uma nova criança a casa do senhor. Uma criança branca. Ele me pede para amamentar-la. Faço como o pedido. Quando termino, o senhor me estupra e me diz bem baixo: -Sabe aquele menino que acabou de amamentar? Sabe o capitão do mato que capturou você? É o filho dele. O filho dele que iria para a roda dos enjeitados por falta de dinheiro da família, mas decidi cuidar eu mesmo junto a você.


José Pedro Couto Falcão

O REENCONTRO Minha tribo havia perdido a guerra contra o inimigo aqui no Benin. Uma carnificina tomou conta de todo vilarejo, o desespero estava entre todos nós, a notícia da vinda dos guerreiros do Senegal se espalhou em toda região, só faltavam algumas horas para que eles invadissem e nos capturassem, eu já temia o que iria acontecer… Enfim, chegaram nossos algozes e para a nossa surpresa eles nos trancaram em uma cela de aproximadamente 50 metros quadrados com dezenas de beninenses um em cima dos outros, sem comida, sem água e sem nenhum tipo de condição de ficarmos lá por um certo período de tempo. Eu já não aguentava mais ficar em cativeiro, não podíamos fazer nada, literalmente nada, parecia que nossa cultura não valia nada, achava que ficar sem dançar era a pior coisa para uma jovem de aproximadamente 19 anos. Eu sentia a falta de minha família porque eles haviam me separado dela. Já havia passado três dias em péssimas condições, então ouvimos uma voz com um sotaque diferente. Não parecia ser africano, achava que este homem seria nosso herói. Ao abrirem a cela, me deparei com uma luz que quase me cegou, a brancura do homem fez com que eu tirasse meus olhos dele. Notei uma coisa de estranho nesse homem, ele estava com dinheiro em sua mão e em seu bolso algumas manufaturas que eu não sabia o que era, parecia que ele estava pagando nossa liberdade… Então, começamos a comemorar o fato que havia acabado de acontecer. Os senegaleses nos libertaram mas, ao sairmos da cela, demos de cara com cerca de 100 homens brancos, de barba, chapéu, botas, roupas nobres e correntes. Foi aí que um deles que não lembrava o nome me agarrou pelo braço, sacou uma corrente e me amarrou com muita, mas muita força. Eu não conseguia parar de gritar, isso não parecia nem um pouco a tal de liberdade. Avistei no horizonte centenas de caravelas no oceano com um emblema de um reino que não me parecia nada familiar, pelo menos não era um país que se localizava perto do Benin e da região. A coisa estava ficando realmente preocupante.

O homem que estava me segurando aparentava muito ódio, não sei o motivo. Olhei para trás e todos os meus amigos, companheiros e conhecidos estavam sendo capturados e torturados pois estavam tentando reagir. Foi aí que me dei conta que estavam nos sequestrando e então simplesmente desabei e comecei a chorar muito. Estava muito descontrolada emocionalmente porque não via saída. Estávamos caminhando em direção aos enormes barcos que iam nos levar ao desconhecido. Imagina esta situação: te tiram da sua família, da sua vila que conhece para ser sequestrada para um lugar que não sabe onde é localizado e sem noção de espaço. Entramos nos barcos e fomos direto ao porão, que já estava preparado para nos prenderem. Avistei correntes no chão e várias outras bugigangas para torturarem-nos. Olhei para a direita e vi uma mulher que estava grávida, pela tensão do que estava acontecendo ela abortou na minha frente, coisa que acho que jamais irei esquecer em minha vida.

Depois de todos embarcarem, o navio partiu com destino que não sabíamos qual seria. Depois de ficarmos calmos, alguns colonos portugueses vieram nos dar regras. Pouco tempo depois recebemos nossa primeira e única refeição do dia que era milho, somente milho com um pouquinho de água. Mas eu nem queria comer, queria era guardar para o próximo dia porque de tão tensa que estava só tinha a capacidade de tomar água pelo fato de estar mais de cinquenta graus naquele porão.O barulho era ensurdecedor, crianças choravam, homens tentavam escapar mas foram contidos pelos guardas que nos vigiavam, mulheres sendo violentadas sexualmente por guardas e até mesmo barulho de água entrando pelo portão.

Para mim o pior dia até então foi quando houve uma tempestade que fez com que o barco chacoalha-se muito, então já que estávamos presas, nossos braços começaram a se rasgar e a sangrar e a água estava entrando de pouquinho em pouquinho naquele porão.


Um choque de emoção entrava em minha cabeça, queria saber para onde estávamos indo, já havia passado aproximadamente um mês que estávamos em viagem. Mas na noite seguida eu estava conversando com um menino que ficava andando pelo navio até que um vigia me dedurou para a guarda e então fui violentada sexualmente na frente de todo mundo, sim isso mesmo aconteceu… Eu ainda tive sorte que não fiquei grávida pois não queria que meu filho ficasse vivendo em condições precárias, mas mesmo se tivesse iria tentar abortar-lo. Ouvi um grito vindo de Cobinda, um conhecido do Benin, nosso país natal. Ele compreendia português e conseguiu deduzir o que os guardas estavam falando. Ele me avisou que estávamos chegando em nosso destino, era um país da América, da América do Sul que se chamava Brasil. Uma euforia tomou conta do porão. Alguns homens inclusive Cobinda que não aguentavam mais ficar nesse navio que quando os guardas abriram a porta que dava acesso a parte central do navio eles saíram correndo chutando os guardas, que reagiram e os jogaram para fora do navio. Mas por sorte de Cobinda, o principal vigia do navio o confundiu com outro negro que acabou sendo também jogado para fora do navio. Desembarcamos em uma cidade chamada Rio de Janeiro a capital do Brasil na época, ao sair havia uma fila que parecia não ter fim para o desembarque e a única coisa que eu queria era respirar um pouco de ar puro, mas acho que todos os outros também. Os colonos não nos deixaram sair de uma vez, eles foram nos liberando pouco a pouco, mas ainda assim estamos acorrentados. Ao sair de lá os brancos nos colocaram em muro e nos passaram óleo para ficarmos com um melhor visual para a possível venda. Logo depois estávamos sendo vendidos para senhores brancos que podiam nos tratar e usar como fossemos objetos domésticos. Fiquei esperando por aproximadamente 2 horas em um calor muito grande até que um homem de uns 35 anos se aproximou. Ele estava carregando uma quantia alta de dinheiro, foi aí que ele se aproximou do comerciante e perguntou o meu preço, o comerciante o informou que queria cerca de oitocentos e cinquenta mil réis, na hora ele sacou o dinheiro e deu ao comerciante, de brinde ele ganhou uma corrente para poder me torturar.

Então fomos eu e o meu senhor seguindo pelas ruas do Rio de Janeiro, ele me segurava com uma corrente presa em meu antebraço, ele morava em uma fazenda de café com outros dois escravos homens e uma escrava mulher, além de mim. A casa era grande e o meu senhor era um barão do café muito conhecido na região pelo tratamento que tinha com seus escravos. Logo comecei a conversar com Rita a outra escrava que trabalhava para o mesmo senhor, mas pouco tempo depois de iniciarmos a conversa o senhor nos interrompeu bateu em Rita e falou: -Ande sua preta imunda, vá trabalhar porque tu não sabe nem falar direito. Eu pasma pela atitude dele logo segui Rita para ver o que estava fazendo, porém ele me puxou de lado e falou: -Se você não trabalhar direito irei dar-lhe uma bela surra -gritou o senhor -Mas, mas não sei o que devo fazer -eu repliquei. -Só siga sua amiga preta e saia da minha frente, berrou o senhor me ameaçando. Eu com medo de apanhar sai correndo procurando-a que finalmente achei dentro da plantação de café. E ela logo me disse: -Arminda vc ainda é muito jovem para trabalhar como uma escrava, tente fugir, essa vida é muito ruim, você é ágil e silenciosa, então provavelmente conseguirá fugir. Eu já tentei inúmeras vezes mas fui pega em todas ja tenho trinta e dois anos e sou um pouco desastrada. Pelo o que sei tem um quilombo logo atrás do rio e falam que você é convidada de Rita e aí poderá entrar e se estabelecer lá - sussurrou Rita -Vou tentar fugir mas ainda preciso falar com Ronaldi e Marcos para ver o que acham, mas você sabe alguma boa estratégia para sair daqui, Perguntei. -Sim há um jeito de fugir, você está vendo aquele muro, então há um buraco nele e o último escravo que fugiu por ali se chamava Deivide. Ele o cavou enquanto o senhor dormia. Acho que ele está lá no quilombo, murmurou Rita. Quando Rita estava terminando sua fala de como escapar da construção o senhor nos viu conversando ao invés de estarmos trabalhando. Ele, furioso, pegou um banco e quebrou na cabeça da pobre Rita, que apagou na hora. Logo depois de nocautear Rita com um banco ele veio para cima de mim com uma faca e enfiou-a no meu braço esquerdo o sangue correu pelo chão. E ele ainda me mandou limpar o meu próprio sangue. Foi nesse ponto em que eu decidi morrer ou fugir dessa inferno. Para minha sorte Ronaldi e Marcos já haviam sido esfaqueados pelo mesmo senhor e me ajudaram a me recuperar, com uma planta que também havia no Benin que me fez lembrar da minha infância livre lá no continente africano.


Já havia se passado quatro dias eu eu estava pensando em sair daquele lugar, meu senhor já havia dormido e pelo o que Rita me disse seu sono era muito pesado. Marcos e Ronaldi estavam dormindo trancados no porão, já Rita dormia em uma cela. Para minha sorte a chave do senhor que trancava minha cela e de Rita estava na fechadura, então simplesmente a rodei e consegui abrir a cela com muito cuidado, porém já que ela estava um pouco enferrujada ela rangeu e fez um pouco de barulho, Avistei uma luz sendo acesa no quarto do senhor, ele havia acordado, eu simplesmente corri, passei pelo buraco, porém não fui em direção ao quilombo e sim pela direção da cidade. Ao sair em direção a cidade avistei uma floresta pela região então me instalei lá. Ao amanhecer já havia vários cartazes que eu estava desaparecida então fui arrancando cada cartaz que via. Tentei seguir em direção ao quilombo mas não consegui tanto que me perdi e fui parar em uma esquina em uma rua movimentada. Quando passei na rua dos Barbonos estava ouvindo um choro de um bebê que me parecia comum. Fui me aproximando e então avistei a tal criança, o menino havia sido abandonado e deixado na roda dos enjeitados, eu estava com muita pena do menino por tudo o que havia acontecido comigo então decidi que seria melhor que eu ficasse e cuidasse do pobre menino. Logo que peguei o menino no colo um homem estava se aproximando pela esquerda, era branco e me parecia muito familiar, eu deduzia que era Cândido Neves e que a sua mulher, Clara, não havia contado para ele que tinha deixado seu filho na roda dos enjeitados. Ele que parecia andar tranquilo pela rua, mudou seu semblante quando me viu com a criança nos braços. Por outro lado, ‘a direita, um homem que também era familiar se aproximava, mas esse era Cobinda, meu conhecido do Navio Negreiro. Na hora em que os dois se cruzaram gritaram ao mesmo tempo: -Arminda, quem é essa criança… Assustada, eu respondi: acho que é o filho de Cândido Neves.


Arthur Torres

TIA CONTRA PAI Certo dia minha sobrinha Clara veio me falar que havia conhecido um homem, e disse que com ele ela acreditava que iria dar em casamento. Pensei sobre o que ela me falara e decide fazer um jantar em casa para conhecer o moço de que ela tanto falava. Na noite seguinte sentada na rede na varanda vê uma sombra se aproximar, quando finalmente uma fresta de luz passa pelo rosto do homem consigo o identificar como Cândido Neves,(o homem de quem Clara tanto falava, que mesmo nunca tendo o visto sabia exatamente como ele parecia) no mesmo instante me levantei e disse: - Cândido? -Sim. -Eu sou a tia de Clara, a Mônica sabe? - Sei sim. -Venha garoto entre o jantar já está quase pronto. -Certo. Até agora estou gostando dele parece ser um rapaz de família com um bom emprego que poderá sustentar minha sobrinha e seus filhos e lhes dar uma boa vida. Alguns instantes depois quando todos estavam sentados comendo eu para quebrar o silêncio falei: - Então Cândido com o que você trabalha? Com a esperança de que fosse um emprego de grande importância, pois afinal com vestes como aquela só poderia ser um grande empresário: -Bom eu trabalho como capitão do mato. Na mesma hora me senti fria como se um fantasma tivesse passado por mim e um remorso por ter gostado dele e como um impulso se levantou e disse: - Saia da minha casa agora. Clara respondeu: -O que? Não, fique espere aqui. Tia posso falar com você? As duas foram para o quarto de Mônica, e Clara trancou a porta e disse: -Que bicho te mordeu ?

-Nenhum, mas o único bicho que tem por aqui é Cândido e quero ele fora da minha casa e de forma alguma você irá ficar com ele. -Mas porque? Ele não fez nada. -Pode não ter feito nada para mim, porém fez a outras pessoas. -Do que você está falando tia? Só porque ele é um capitão do mato ele não pode namorar comigo. -Exato você sabe muito bem o que eu penso sobre essas pessoas que trabalham com isso. -Sei mesmo, mas qual o problema é só uma profissão. -Qual o problema? Qual o problema? Vou te dizer qual é! Sabe porque você não conheceu seu tio? -Sim, ele morreu de uma doença não foi? -Não, essa foi a desculpa que eu e sua mãe e eu inventamos para você não saber como esse mundo é horrível. Seu tio era um mulato que foi assassinado por um capitão da mata quando você era apenas um bebê, e um detalhe ele não era mais um escravo já era livre. Não aguentei e me desmontei por inteiro na cama não conseguia falar dele sem começar a chorar. Olhei para cima e vi o rosto de Clara de como se não entendesse mais nada do que acontecera, alguns minutos se passaram até que Clara( que estava imóvel) abriu a porta, caminhou em direção a ele e levou-lhe até a porta para que fosse embora, depois voltou ao quarto com o rosto cheio de lágrimas e disse: -Não irei desistir dele, não importa o que a senhora disser. Saiu do cômodo, bateu a porta e só voltou a aparecer de novo na tarde seguinte. Dois meses depois de muita estranheza dentro da casa Clara chegou para mim com uma face sem esperança e disse: -O casamento será amanhã na igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro espero que você esteja lá.


Arthur Torres

COM TODAS AS SÍLABAS E LETRAS Nasci em uma cabana de madeira em um sítio bem longe daqui, no outro lado da cidade. Assim que saí do ventre de minha mãe eu já senti a dor de várias maneiras e estou aqui hoje para contar a minha história. Quando tinha dois anos minha mãe foi comprada por um homem branco de bigode castanho, esse sujeito nos levou até uma fazenda no interior em uma carroça. Passei anos naquela fazenda, trabalhando na plantação, minhas costas ardiam no sol e na chuva, no dia e na noite ao deitar delicadamente no chão duro que me dava lugar para descansar. Somente aos oito anos percebi que era escrava e entendi o que essa palavra que eu tanto ouvia significava. O homem me olhou no olho e disse: O que você está olhando? Ele tinha acabado de amarrar minha mãe ao tronco. Com a cara suja de carvão e a voz inocente e trêmula respondi: O que você vai fazer? Devolver à sua mãe o que ela deve. Deve o que? Sem mesmo re sponder a minha pergunta, ele então perdeu a paciência e pesou a mão no meu peito, me derrubando no chão com toda a raiva existente em seu coração. Minha mãe então se revoltou, mas logo se calou com o estalo do chicote em suas costas. Na mesma semana minha mãe sentou comigo e me disse apressadamente e cuidadosamente: O que deu em você? Você não entendeu ainda? É melhor começar a se comportar aqui, faça o que ele manda ou aquela corda vai sangrar você. Eu me calei, minha mãe nunca teve muita paciência, mas quando ela queria ela conseguia guiar as minhas ações e foi assim que aconteceu naquela conversa, sem mesmo dizer a tal palavra já sabia que eu era escrava, escrava com todas as sílabas e letras.

Depois daquele dia a angústia de trabalhar naquele lugar me dava medo, o sentimento de injustiça corria no meu sangue. Quando completei dez anos de idade minha mãe não aguentava mais me ver naquele lugar, ela não suportaria me ver crescer daquele jeito. Então ela armou um plano para fugir do lugar que tanto a fazia mal. Mais tarde, um pouco antes de anoitecer, quando os guardas e outros escravos estavam distraídos com suas tarefas habituais, ela pegou na minha mão e sem dizer uma palavra ou sem mesmo uma explicação começou a andar. Coração saltitando e com o medo estampado em seu rosto ela tropeçava de tanta angústia, o barro seco deixava um rastro da pressa com a poeira levantada. Faltavam alguns metros para entrar no meio da floresta quando eu parei com calma e sem entender o que estava acontecendo, perguntei: - Mãe onde estamos indo? Porque você está correndo tão rápido? E foi aí que um capataz armado ouviu a minha voz detrás da casa amarela e gritou: -Parem agora! Parem ou eu atiro! Minha mãe estava desorientada, sem dar ouvidos ao feitor ela correu com muita força, suando frio. De repente o barulho de uma bala de chumbo ecoou no fundo da tarde. O chão estremeceu com o corpo de minha mãe, eu me desesperei, o homem começou a correr em minha direção e sem antes de pensar duas vezes eu sussurrei para ela: - Eu te amo, adeus.

E lá deixei minha mãe, minha guardiã, meu porto seguro, deixei meu coração junto com o dela. Seu sangue vermelho e escuro escorria do tórax com uma bala atravessada das costas até o barro seco no qual ela caiu.


Um tiro certeiro de um rapaz profissional, tão certeiro que morreu sem sentir dor e foi sim uma morte rápida, mas para mim foi muito lenta. Então saí correndo e deixei lá Maria do Rosário, minha tão querida e amada mãe, às vezes dura e brava mas que se derretia de amor quando lhe abriam o coração.

Corri como louca, corri como se não houvesse amanhã. A imagem do corpo dela não parava de passar na minha cabeça, tudo tinha acontecido tão rápido e tão precisamente. Nem tive tempo de dizer adeus, nem tive um sequer abraço de despedida, eu pensei várias vezes em deixar de correr e voltar, mas eu não deixei o coração falar mais alto que a razão. Senti a falta dela todas as noites que eu passei sozinha depois daquele dia, até hoje eu sinto sua falta, e também sinto culpa, se eu não tivesse parado para perguntar, se eu tivesse contido a minha curiosidade, ela estaria bem agora, talvez não tão bem mas ao menos o sangue dela quente ainda correria em suas veias e seu coração ainda bateria mesmo que fosse deitada num pedaço de árvore que chamam de cama.

Por uma semana eu dormi na rua, por todo esse pouco tempo que para mim se pareciam anos, eu passei fome e sede. Às vezes arranjava algumas coisas para comer mas era muito pouco. Bebia água suja da rua e chorava a noite toda sem saber o meu destino, sem saber onde estava a minha mãe, mas de uma coisa eu tinha certeza: Maria estava morta. Talvez enterrada, talvez não, e isso era sem discussão. É o destino, pessoas morrem e pessoas vivem, alguns vingam outros não. Em uma noite fria, dormia na praça central, dormia bem, era uma das únicas noites que eu tinha conseguido descansar. Já era madrugada quando um saco de café cobriu minha cabeça, antes que eu pudesse entender o que estava acontecendo uma pancada forte atingiu minha nuca. Acordei com o balançar da carroça, as pedras faziam as rodas pularem e meu corpo rolava de um lado para o outro. No mesmo momento que abri meus olhos pensei em gritar, mas não realizei, estava tão assustada e traumatizada que nem me mexi, nem fiz sequer um barulho. Tiraram-me o saco, era um homem, um homem que desviava-me a minha liberdade.

Contei cinco anos de trabalho na cozinha daquele casarão da família do Barão de Albuquerque. Cinco anos de sincera tranquilidade, trabalhava, comia e dormia melhor do que nunca, laços de amor entre senhoras escravas que me ajudaram nos momentos difíceis. Gostava muito da Dona Margarida, escrava há mais de quarenta anos com o mesmo senhor, ela tinha me ajudado em quase tudo, a entender as mudanças no meu corpo quando tive a menarca, me ensinou a cozinhar, limpar e servir como uma boa escrava, via Dona Margarida como uma segunda mãe. A única coisa que me incomodava era o filho do Barão, sujeito pouco confiável e malicioso e sem vergonha, mexia com todas as moças que trabalhavam por lá. Eu evitava ficar perto dele, evitava até mesmo olhar diretamente em seu rosto, sentia uma mistura de nojo e medo dele, corriam boatos sobre suas ações entre as escravas. Uma manhã que começou como qualquer outra, estava organizando os mantimentos que acabavam de chegar do armazém pelos fundos da casa, fazia frio, era inverno. Foi quando ouvi a porta se fechando, e os passos do filho do Barão soavam grotescamente pelo ar. Sem dizer uma só palavra, ele me agarrou pela cintura com força e me violentou ali mesmo, entre as quatro paredes desgastadas e esburacadas da despensa. Lembro do faixo de luz pela janela, do seu hálito quente e seu suor, do feijão machucando as minhas costas. E do mesmo jeito que entrou, saiu. Não sei quanto tempo eu fiquei ali jogada, sem conseguir mover ao menos um dedo da mão. Iluminou então Dona Margarida, que mais uma vez me socorreu e me deu colo numa situação difícil, ela chegou e me vestiu, me limpou, porém não me ouviu, eu não conseguia falar nada, estava chocada, senti nojo de mim mesma por dias. Descobri que estava grávida depois de dois meses, minha barriga já estava crescendo e os enjoos começando. Não queria que meu filho nascesse naquela casa, nem que ele soubesse que era fruto de uma violência, conversei com Margarida e contei pra ela sobre o que eu sentia, na mesma hora veio na minha cabeça a ideia de fugir, e foi assim que aconteceu, eu fugi.


O sentimento não era muito diferente, estava deixando mais uma mãe para trás, estava deixando Margarida, porém eu sabia que mesmo longe de mim, o sangue dela ainda estava quente correndo pelas suas veias e sabia também que o seu coração ainda batia, mesmo que estivesse deitava num pedaço de árvore que chamam de cama. Acho que nunca fiquei tanto tempo sem saber o que fazer, estava muito desesperada, sabia que tinha que arranjar onde ficar, achar do que comer e beber, e claro, considerava os nove meses que eu via pela frente a prioridade. Eu não queria esquecer do que eu tinha passado, e muito menos deixar de ter meu filho, tudo aquilo que eu tinha passado, me fez forte e melhor. Confesso que eu não estava me sentindo forte aqueles primeiros dias de rua, eu estava me sentindo muito sozinha e sabia que uma vez lá fora meus problemas aumentariam, mas eu nem estava me importando mais com isso, tudo já estava melhor, foi aí que a coisa mais inesperada possível aconteceu.

Eu estava por toda a cidade, o meu nome estava em todos os cartazes e tudo parecia pior. “Procura-se escrava fugida, Arminda. Valendo cem mil-réis de gratificação”, era isso que o cartaz dizia, me senti vendida, rifada como se fosse um prêmio. Me escondi em todos os lugares, alguns dias passava o tempo todo correndo, outros me enfiava em algum beco e comia restos. Aqueles dias me lembraram da semana que tinha morado na rua quando era menor, e isso de algum jeito mas não sei qual, me incomodava profundamente. Andando perto de um beco em um dia de tranquilidade, me senti bem por uma vez, não me senti procurada, era um dia claro e quente, me lembro bem desse dia, de como ele se parecia porque foi um dia importante para mim, foi o dia que eu percebi que tudo que é bom dura pouco. O belo dia se tornou cinzento o momento que um homem distante e completamente desconhecido, bradou: - Arminda! Com a voz de quem tinha achado um tesouro.

Meu coração parou, minha nuca esquentou e mil imagens se passaram na minha cabeça. Ele pegou nos meus braços e eu logo entendi que ele era mais um desgraçado que ganhava dinheiro fazendo o mau. Eu disse gaguejando: - Estou grávida, meu senhor! Se vossa senhoria tem algum filho, peço-lhe por amor dele que me solte; eu serei tua escrava, vou servi-lo pelo tempo que quiser. - Me solte, - meu senhor moço! - Não tive compreensão, ele logo me ordenou seguir em frente. Eu lutei com o sujeito, eu lutei, eu discuti, eu falei para ele tudo que o Barão faria se me recebesse daquele jeito, toda a dor que eu sentiria e incluindo a dor do meu filho. Andava tropeçando no meu pé e no pé do moço, andava pensando, desesperada, imaginando tudo que eu receberia. Chegando perto da rua casa eu ainda lamentava, então o homem, olhando para a esquina com voz de raiva me disse: Você é que tem culpa. Quem lhe manda fazer filhos e fugir depois? Eu senti ódio, puro ódio, raiva, vontade de chorar, já estava muito perto da casa, não tinha mais jeito, o meu caminho já estava traçado. Virou a esquina então e eu vi, o próprio sujeito que havia me tirado tudo, o filho do Barão, estava surpreso, não me esperava, então, saiu correndo e foi chamar o pai. Ajoelhei no corredor e o homem me jogou no chão, então o Barão chegou, tirou as duas notas de cinquenta mil-réis da carteira e deu ao sujeito que havia me capturado, no qual nunca saberei o nome. O Barão me ordenava a entrar, eu não me levantei, nem mesmo olhei para o rosto dele e sem esperar ou saber o porque, eu abortei. Todos viram, todas as escravas viram o que acontece se você foge do casarão. Eu perdi outra mãe aquele momento, eu perdia a mim mesma, eu perdi meu filho, meu filho tinha perdido a mãe.


Lara Tchernobilsky

Nasci sem chances, sem oportunidades, numa família com essa mesma vida. Minha mãe me teve muito jovem, com apenas 15 anos, mais na verdade ela não queria, foi por conta do patrão dela, que é o avô do Jadilson, o meu patrão. Minha mãe morreu quando eu ainda tinha 6 anos, me deixando sozinha na vida, e aprendi a me virar. Desde cedo ele me fazia trabalhar, cuidar da casa, fazer a comida, não tive nem o direito de ir à escola, aprendi a escrever com André, seu filho, todo dia depois que todos já estavam dormindo a gente se encontrava escondido para ele me ensinar, e ao longo do tempo essa “amizade”, se posso chamar disso, foi se tornando algo a mais, mas claro que ele não podia chegar e contar para o pai que estava completamente apaixonado por uma escrava, e ainda mais por mim. Então minha vida era como se eu nem existisse, escondida do mundo, em todos os momentos da minha vida, até na hora de amar. Óbvio que não consegui esconder por muito tempo quando descobri que estava grávida, André estava na guerra, e ia demorar meses para voltar, isso se ele voltasse, então eu só podia contar comigo mesma, e lá estava eu sozinha de novo. Quando Jadilson descobriu ficou furioso, disse que ia me matar e que o bebê ia junto, mas quando descobriu quem era o pai ficou sem reação, e não tinha nem como se comunicar com André. Então ele decidiu esperar, quando o bebê nascesse ficaria com ele, e eu não sobreviveria. Mais eu não queria isso, não queria uma vida dessas para o meu filho, o problema não era eu morrer, o problema era a vida que restaria para ele, eu já tive a experiência de crescer num lugar desses e não desejo isso a ninguém, então decidi fugir, e nem pensei duas vezes antes de ir. Então chegou o grande dia, eu esperei todos dormirem, e simplesmente saí, não sabia o que faria, onde acharia comida ou um lugar para dormir, só precisava sair logo daquele inferno. E quando puis o pé para fora da casa, foi uma sensação tão boa, me senti livre, uma coisa que nunca tinha tido a oportunidade de sentir antes, naquele momento eu só queria esquecer de tudo e sair por aí explorando esse novo mundo, fingir que eu não estava correndo perigo e deixar a vida me levar, mas isso para mim era impossível.

Nunca tinha saído de lá a não ser para ir no jardim, é muito diferente passar a vida vendo o mundo pela janela, sair, e dar de cara com isso. Na primeira noite eu fui andando pra qualquer lugar, no caminho encontrei um banco e fiquei por ali mesmo, grávida, abandonada e literalmente sem nada. No dia seguinte acordei com o nascer do sol, já estava da vigésima quinta semana de gravidez, e começaram a vim as contrações, avistei uma farmácia ali na frente e resolvi ir pedir ajuda, o que não sabia era que essa farmácia que seria a causa de todos os meus problemas. Não sabia que as pessoas podiam ser monstros desse jeito, cheguei lá e o dono nem deixou eu entrar, aí vi minha cara em um panfleto preso na porta, e entendi tudo, não estava segura lá, assim como em nenhum outro lugar, as pessoas me tratavam de um jeito diferente, como se eu nem fosse uma pessoa, aí saí correndo e me escondi num beco ali do lado, e fiquei por lá, horas e horas, até que um homem, com uma cara boa, apareceu, e veio em direção a mim, eu só não sabia quem ele era, mais acabei descobrindo, ele era o Cândido, Cândido Neves, um dos maiores “caçadores” de escravos daquela época, casado com Clara, e que vivia junto com ela e com sua Tia Mônica, as duas costuravam juntas. Clara e Cândido se conheciam a pouco tempo, mais já tinham alguns anos de casado, e tinham o sonho de ter um filho, mais como Tia Mônica sempre os avisara, eles não tinham condições, mais tentavam do mesmo jeito,e um dia acabaram conseguindo. Mais foram percebendo que realmente não tinham como ficar com a criança, por mais que fosse a coisa que eles mais queriam na vida, então combinaram que logo que a criança nascesse, seria levada para a roda dos enjeitados, onde você punha o bebê numa roda, girava, e ele ia direto para o orfanato. Uma semana antes, o pai saía todo dia atrás de escravos para conseguir dinheiro antes do seu filho nascer para não ter que abandonar ele, mas não conseguiu.


No dia em que ele nasceu Clara mandou Cândido levar ele de noite, para poderem se despedir. E quando anoiteceu chegou a hora, mais no caminho ele passou na frente de uma farmácia, e era a mesma farmácia que tinha o meu panfleto, então quando o farmacêutico o viu, aproveitou e falou que eu tinha passado por lá, então ele foi atrás de mim, e foi nessa hora que encontrou o beco, e veio até mim, então ele me puxou derrepente sem sequer uma explicação, e eu o implorei tanto, contei que estava grávida, que a única coisa que me importava era a felicidade e a vida do meu filho, mas não era só eu que pensava assim… E ele me levou de volta para o Jadilson, quando cheguei ele nem trocou uma palavra, começou a me espancar, e naquele momento de desespero eu esqueci de tudo, esqueci de toda a tortura, de toda dor, de todo o sofrimento. E a cada gota de sangue escorrendo pelo chão, eu só pensava em uma única coisa, meu filho, como ele iria crescer num mundo desses, sendo maltratado por todos, mas meus pensamentos foram em vão, porque nós não sobrevivemos para ver o fim dessa história.


Lívia Oliva Mendes

Acordei com o sol no meu rosto e com muita dor, olhei para o lado e não achei nada familiar. Não lembrava muita coisa da noite passada. Só me lembro que um homem me pegou na cidade enquanto eu estava fugindo. Lembro muito bem do homem, ele estava com pressa, queria me levar rápido para o meu patrão, falou que tinha um filho e que só estava fazendo isso por ele. Eu falei que só estava fugindo por causa do meu filho, mas parece que o homem só estava pensando nele mesmo. Acho que o nome dele era Candido. Ouvi ele dizendo para o meu patrão antes deu desmaiar.

Eu não podia falar não e eu nem queria, eu queria saber o que tinha acontecido com o meu filho. Indo para a casa do seu Antonio e de sua família, eu via todos os escravos me olhando com uma cara estranha afinal, eu havia tido um filho dentro da fazenda que ninguém sabia quem era o pai, só eu e Joana. Cheguei na casa principal e só tinha eu e o seu Antonio e mais ninguém. Foi naquele momento que eu comecei a ficar com muito medo.

Depois que eu lembrei de tudo que aconteceu na noite passada, eu tomei coragem e fui ver aonde eu estava. Sai do quarto e percebi que eu estava na parte de trás da fazendo do meu patrão, o seu Antonio. De repente me lembrei, o meu filho não estava comigo, eu não sabia o que tinham feito com o meu filho. Se ele estava vivo ou morto, com quem ele estava e se eu nunca mais iria ver ele. Continuei andando muito nervosa, com muitas dores e com lágrimas saindo dos meus olhos. Quanto mais perto eu chegava, eu começava a ver as pessoas que sofriam de tanto trabalhar e de tanto apanhar comigo. Eu tinha uma amiga que sempre estava comigo, me protegeu desde o primeiro dia que eu cheguei aqui, mais ou menos uns cinco ou seis anos atrás, na época que eu era muito jovem e tinha perdido os meus pais.

-Quero que você me conte a verdade Arminda, quem é o pai dessa criança? Eu não estava com coragem de dizer que o pai do meu filho era o seu próprio filho, o João. Seu Antonio tinha três filhos e o filho com meio era o João, com quem eu estava dormindo sem ninguém saber. - Eu prefiro não contar quem o pai é. - Você tem que me contar Arminda, eu sou o seu patrão. - Eu não quero e isso não vai fazer diferença nenhuma. Depois que eu falei isso, seu Antonio ficou com raiva, parecia que ele queria me matar naquele momento. Mas ele não desistiu de querer saber quem é o pai, ele continuou me perguntando. - Você não sai daqui se você não me falar quem é o pai. Eu preciso saber. - Porque você precisa saber? Pergunto eu, com medo do que ele iria me responder. - Para eu poder castigar você e o pai dessa criança. Vocês não pensaram nas consequências disso, essa criança vai ser minha também e vai trabalhar aqui na fazendo como escravo também. Eu não sabia o que falar e nem como reagir, a única solução era eu falar que o meu filho, não era só o meu filho, mas também era neto do seu Antonio. - O pai do meu filho é o João, o seu filho. Eu disse. - Você só pode estar brincando comigo, o meu filho não seria capaz de dormir com uma escrava. Disse seu Antonio.

O nome dela era Joana, quando eu vi ela eu fui direto abraçar ela e pergunta se ela sabia de alguma coisa sobre o meu filho. - Joana minha amiga, você sabe onde o meu filho está? - Não, nem vi ele. Eu só vi o seu Antonio hoje de manhã e ele parecia estar bem bravo. - Preciso saber onde está o meu filho. Eu preciso saber dele. Enquanto eu estava falando com Joana, eu avisto seu Antonio vindo na minha direção. Ele geralmente não vem chamar seus escravos para ir falar com ele, ele sempre fala para alguns de seus homens ir pegar os escravos para ir lá e falar com ele. Seu Antonio chegou na minha frente e foi muito curto, só falou uma frase com toda a sua raiva no seu rosto. - Arminda, venha comigo.


- Não estou não, se você quiser, pergunte para o seu filho, ele irá confirmar tudo. Seu Antonio não pensou duas vezes, pediu para seus homens irem procurar João, que por acaso estava na fazenda esse dia, já que não era todo dia que ele ficava, ele só fazia questão de ir quase toda noite por causa de Arminda, mas, depois que ela fugiu ele não ia tanto na fazenda. João chegou e olhou diretamente pra Arminda, ficou surpreso em ver ela, ele não tinha esperanças de que ela iria voltar. - Arminda, você está aqui. Tudo bem com você? Perguntou João. - Não sei como eu me sinto agora João, eu só quero ver o nosso filho. Eu respondo. João ficou chocado, não por causa do filho, porque ele já sabia que eu estava grávida, mas pelo de eu falar isso na frente de seu pai e meu patrão. Ele não sabia o que falar, só ficou olhando para o seu pai com uma cara de desculpas e muito nervoso. - Você pode me explicar o que essa escrava está falando João? Disse seu Antonio. - Eu, eu, eu, posso explicar pai. Disse João. - Não tem o que explicar João, só me fale se o que essa escrava está falando é verdade ou não. - É. Disse João. Seu Antonio não sabia o que fazer, ele me olhava com uma cara de raiva e nem olhava para o seu filho. Ele ficou uns vintes minutos em silencio, ninguém falava, só estava nós três na sala e nenhuma fala. Até que seu Antonio resolveu falar, eu achei que ele não estava muito certo do que ele ia falar, mas a raiva tomou conta do corpo dele e então ele falou: - Eu não quero mais que vocês se vejam, não quero nem que vocês se olhem. Cada um para um canto. Arminda vai continuar sendo a minha escrava e vai ser punida, já você meu filho, nunca mais vai encostar o pé nessa fazenda. Eu não ver vocês dois juntos. - E o nosso filho? Eu falo. - Ele fica na fazenda, mas você não vai ficar com ele, você só vai dar o leite para ele e é só isso. - Eu não vou ter direito de ver o meu filho? Pergunta João. - Não. Disse seu Antonio bem curto e grosso. Depois daquele momento eu nunca mais vi João, o Seu Antonio quase nunca me olhava. Acho que ele tinha vergonha por ter um neto que era filho de uma escrava. Eu via o meu filho muito pouco tempo, ele ficava com outras moças que cuidavam dele e eu só via ele para dar leite.

Depois de alguns meses, veio um homem na fazenda, ele queria falar com o seu Antonio, eu lembrava da cara dele, era o homem que tinha me pegado na cidade me levado de volta para a fazenda. Não sabia o que ele estava fazendo lá, mas ele queria falar rápido com o seu Antonio. Seu Antonio chegou, viu ele e falou: - Eu te conheço de algum lugar, não foi você que trouxe a minha escrava Arminda de volta? - Foi eu sim. Diz Cândido. - O que você quer? - Eu preciso que você fique com o meu filho, eu não tenho condições de ficar com ele, o senhor pode ficar? - Quantos meses ele tem? Pergunta Antonio. - quatro Meses. Ainda é um bebe, só precisa de leite materno. Diz Cândido. - Me dá o bebe. Eu fico com ele. Você só precisa dar o seu filho para a Arminda, ela está bem na sua frente. Ela que vai dar leite materno para o seu filho.

- Sim senhor. Diz Cândido. O homem que me pegou estava vindo a minha direção com um bebe, eu lembro o nome dele, era Cândido. Quanto mais perto ele chegava com mais raiva eu ficava e não queria nem olhar para a cara dele. Ele veio perto de mim e falou comigo. - O seu patrão pediu para eu deixar meu filho com você, já que você tem leite materno. - Porque? Você não vai ficar com o seu filho? Eu pergunto. -Não. Eu não tenho condições para ficar com ele. Não tenho dinheiro. Diz Cândido. Ele me deu o filho e eu com muita raiva dele e de tudo que ele tinha me causado, olhei para ele de uma forma que eu nunca tinha olhado daquele jeito pra ninguém, um olhar de ódio e de dor e falei: - Nem todas as crianças vingam.


Luiza Abreu

FILHO CONTRA PAI Sabe, às vezes eu tenho vontade de voltar no tempo, na época em que meus pais estavam pensando em ter um filho, tenho vontade de voltar atrás e pedir a meus pais que nunca tivessem me desejado e que só tivessem dado ouvidos a minha tia avó Mônica, me chamo João, sou filho de Cândido Neves, um homem que logo cedo se apaixonou por uma linda moça chamada Clara. Hoje irei lhe contar uma história, uma história que uma dia minha mãe me contou e que até hoje sinto medo. Tudo isso começou a muito tempo atrás, quando dois jovens se apaixonaram, Candinho e Clara, mais conhecidos como meus pais, naquela época a escravidão ainda existia, meu pai é um exemplo disso, ele era caçador de escravos, sim, ele caçava escravos fugitivos para devolvê-los aos seus donos. Minha tia avó Mônica nunca foi a favor dessa união entre meus pais, pelas condições e faltas de recursos do casal, até que um dia os dois decidiram ter um filho, minha tia ficou muito brava, pois sabia que não iria dar certo, e de fato, eu concordo com ela, porém meus pais insistiram no assunto. Com mais ou menos 3 meses de gravidez minha tia ordenou que meus pais me levassem para uma tal de roda dos enjeitados, porém depois de alguns meses, tia Mônica começou a se apegar com a criança que estava se formando no ventre de minha mãe e disse aos meus que não precisariam mais me entregar para aquela tal de roda, meus pais então ficaram super felizes e decidiram que teriam aquela criança. Tudo estava indo muito bem até o 5 mês, meus pais tinham certeza de que iriam me ter, porém com o tempo essa certeza foi ficando cada vez mais distante, no quinto mês de gravidez meus pais tiveram uma briga feia, pelo menos é que eles me contam, meu pai havia ficado com outra mulher.

Ele sempre foi um cara muito malandro, no começo dessa relação ele era super compreensivo, até ele começar a mentir para minha mãe, talvez seja por isso que tia Mônica não apoiava a tal relação, já minha mãe era uma mulher super fiel, sempre ajudava meu pai, estava do lado dele para tudo, até ele fazer o que ele fez. Minha mãe ficou tão brava que os gritos dela conseguiam ser escutado por quem estava passando pela rua, tia Mônica então, foi pior ainda, ela já não gostava do meu pai, agora as coisas ficariam piores, mamãe e tia Mônica começaram a gritar com meu pai, gritos desesperados saiam da boca de minha mãe, até que tia Mônica decidiu deixá-los a sós e foi caminhar um pouco na rua, até hoje não entendo porque ele decidiu tomar essa decisão. Quando tia Mônica voltou, ela não achou meu pai, e quando achou minha mãe, ela ficou em choque, mamãe estava sentada no chão do banheiro chorando, ela estava cheia de marcas em seu rosto, nos seus braços, em sua pernas, meu pai havia batido em minha mãe, sabe, até hoje me pergunto porque minha mãe me contou essa história, mais vamos continuar, minha mãe disse para tia Mônica que meu pai tinha traído ela com outras duas mulher porque ele estava cansado da tal “relação” entre eles e que ele queria descontrair um pouco, e é óbvio que minha mãe ficou muito brava, com tantos gritos e ofensas saindo pela boca de minha mãe, no calor do momento, ele deu uma tapa em meu pai, e é óbvio que ele não iria deixar isso quieto, papai retribuiu o tapa muito mais forte, ele se empolgou e começou a bater em minha mãe sem parar, até que ela decidiu tomar contar da briga e ordenou que meu pai saísse de casa.


Tia Mônica depois de um tempo decidiu que tomaria conta de mim, estava tudo correndo bem, até a notícia chegar aos ouvidos de minha mãe, minha tia Mônica, a única que sentia as mesmas coisas que eu, havia falecido, minha mãe ficou devastada, foi atrás de meu pai e descobriu que ele estava morando em uma pequena casa, fizeram as pazes e minha mãe foi morar com ele. Quando eu estava prestes a nascer um homem, o dono da casa em que meus pais moravam, expulsou-os do estabelecimento, neste momento eles entraram em desespero, os dois estavam sem teto, então foi quando a decisão surgiu, eles me deixariam na roda. No dia do meu nascimento, minha mãe me escreveu um bilhete antes de me colocar nos braços de meu pai para me levar a roda, meu pai estava super triste com a decisão, mais era necessário. Quando meu pai estava quase me deixando na roda, ele olhou para um canto e se deparou com uma mulata, ela estava sentada num cantinho da calçada, nesse momento uma luz apareceu na vida de meu pai, ele se lembrou que aquela negrinha era uma escrava fugitiva, seu nome era Arminda, seu dono era um homem muito rico, e a recompensa por sua entrega era muito grande, meu pai não pensou duas vezes, me deixou em uma farmacinha e foi pegar a negrinha. tEle foi até a moça e puxou-a pelos braços, Arminda revidou, meu pai continuou puxando ela cada vez mais violento, a cada segundo tudo ficava mais intenso, ele nem imaginava que a mulata carregava uma criança em seu ventre e que ele acabara de arruinar toda a sua vida. A cada vez que meu pai fazia mais força, a negrinha revidava em dobro para conseguir se soltar, ela pedia socorro, mais todos na rua agiam como se fosse normal. Meu pai conseguiu o dinheiro que queria, porém Arminda perdeu sua criança de tanto fazer força. E essa história assustadora é a história de como meu pai arruinou a vida de uma bela moça para salvar a minha.


Luiza Reder

Me chamo Arminda Pereira da Silva. E isso que está diante a seus olhos é o meu diário. Então, cuide muito bem dele. Preste bem atenção em cada detalhe que vou escrever no meu querido. Pois, um dia quem sabe você pode me ajudar e salvar a vida da maioria da população que vive no Rio de Janeiro. Nele, vou escrever todos os meus segredos, medos, desejos, sonhos, e principalmente minhas opiniões, pensamentos e reflexōes, que em minha visão são bastante distintas das pessoas que vivem ao meu redor. Vou escrever aqui o que acontecer de importante em meu trajeto. Para me conhecer um pouco: nasci no dia dois de março de 1807 e tenho atualmente treze anos ou seja, estamos no ano de 1820. Sou do Rio de Janeiro, e venho de um abrigo comunitário que fica no bairro de Santa Teresa. Não me lembro como cheguei lá, as moças do abrigo me disseram que minha mãe me deixou lá quando eu tinha em torno de um mês. As mulheres que trabalham no local são completamente nojentas, hipócritas, mesquinhas, arrogantes e têm um coração tão pequeno quanto a cabeça. Só há uma mulher de coração sensível e cheio de empatia, a Dona Angela. Ela costumava me contar histórias de minha mãe quando eu era pequena. Dizia que era bonita como as estrelas que brilhavam no céu e que era uma pessoa de se admirar. Falava que minha mãe passava uma imagem de segurança e bondade. Sei que ela vem de uma família muito rica. Ela chama-se Julieta. Além dessas informações, não sei quem são meus pais, não sei onde moram, não sei se algum dia já tive um que gostasse de mim ou se importasse comigo. Mas, tá tudo bem, porque falta não tenho, só tenho curiosidade de saber como qualquer um. A única coisa que sei relacionado a minha família é que meu pai chama-se Escoteco, pois é, é um nome bem diferente. Mas veja pelo lado bom se um dia o ver vou saber que é ele, só pelo nome. Meu pai morreu logo depois que eu nasci. Essas são as pequenas e únicas informações que sei sobre minha família.

O que gosto de fazer: eu amo ler, aprendi com o jornaleiro que fica perto do orfanato. Apesar de eu não ter a oportunidade de ler bastante por causa das muitas tarefas que eu e minhas amigas temos no orfanato, sempre dou um jeito e na madrugada vou para a banca e pego os livros que o jornaleiro deixa para mim. Adoro refletir e pensar sobre os mais diversos assuntos que a mente humana é capaz de raciocinar e questionar. Sempre antes de dormir imagino que vivemos em um mundo no qual todos têm o que comer, onde morar, acesso a médicos e medicamentos e direitos iguais para todos, independente de suas características físicas. Sonho em um mundo no qual um dia viveremos em paz. Se eu pudesse ser uma palavra, seria esperança. Acredito que devemos lutar por uma sociedade melhor para todos terem o básico para viver, é como aquela história: ‘’Poucos tem muito, e muitos tem pouco’’. Vejo todos os dias nas ruas pessoas passando necessidades enquanto alguém que possui muito dinheiro e patrimônio passa ao lado e simplesmente não olha nem no rosto do ser que está pedindo ‘’socorro’’. Não podemos ignorar esse fato quem vem acontecendo há muitos e muitos anos. Meu maior sonho além de mudar o Brasil, é ser escritora de histórias protagonizadas por mulheres valentes e corajosas, e nele estar meu nome, representando a mulher que mudou a vida da sociedade brasileira no século XIX. Na minha visão de mim mesma, eu sou completamente construída de metas/desejos/sonhos que são muito mais fortes que meus medos. E, é claro que isso me faz ser alguém segura de si, uma pessoa corajosa que tem vontade e coragem de lutar pelos seus direitos e forte o suficiente para fazer alguma mudança nessa miserável e mesquinha sociedade na qual vivemos. Hoje é dia quatorze de abril do ano de mil oitocentos e vinte. Acabei de fugir do abrigo. Aquele lugar era horrível de se viver, mas era melhor do que onde vivem os escravos já adultos. Devo começar o meu ‘’plano’’ de salvar a sociedade esse ano, pois já me sinto preparada para fazer a diferença.


São exatamente oito e dez da noite e não tenho onde dormir e o que comer. Mas, fugir foi escolha minha e agora tenho que lidar com as conseqüências que essa ação, provocou. Essa será uma nova fase, um novo modo de sobrevivência. Estou preparada. São dez horas e a lua já está cheia, achei um sobrado e aqui vou dormir. Dia quinze de abril Já é noite. E tenho muita coisa para contar. Quando acordei naquele sobrado no qual havia dormido, vi que na Rua da Assembleia tinha uma multidão, como se estivesse poluído de gente. Desci do sobrado e fui ver o que estava acontecendo. Quando entrei no caos, percebi que um homem alto e muito forte agarrou meu braço e começou a me puxar, fez o mesmo com outras meninas. Ele estava nos arrastando brutalmente. Ele nos colocou em um porta malas de um carro bem grande. Estávamos eu e mais quatro meninas, de mais ou menos onze a quinze anos, espremidas, com falta de ar, em um carro em movimento. Estava sem entender nada do que estava acontecendo. Depois disso, lembro que avistei uma grande casa, tão grande que parecia um castelo. Percebi que ficamos muito tempo no carro porque quando chegamos ao local já era noite. Quando entrei, havia muito homens bem vestidos, elegantes e ricos. Vi também outras meninas parecidas comigo, negras, bem magrinhas, com os olhos arregalados. Percebi também que elas estavam transpirando muito, com a feição pedindo ‘’socorro’’ e em um período de pouco tempo ouvia gritos bem escandalosos. Fiquei com medo e ainda mais assustada do que eu já estava. O homem que nos sequestrou estava nos levando para fora daquela luxuosíssima casa. Estávamos entrando em várias salas, uma atrás da outra, até que chegamos em uma sala que ficava atrás de duas portas secretas. Lá, havia realmente muita sujeira, era pouco iluminado, os móveis estavam em situação desastrosa, e um cheiro de ‘’catinga pura’’. Esse era um espaço completamente voltado à escravidão. Meninas eram forçadas a trabalhar. Vi que elas seguravam duas espécies de pinças nas mãos pois procuravam em grandes pedaços de rochas pedras preciosas. Mais tarde, notei que estava dentro de uma prisão, que meninas eram abusadas fisicamente, violentadas, massacradas para “trabalharem” 24 horas por dia.

Uma da manhã e vou dar um pequeno cochilo, estou muito cansada, hoje o dia foi intenso. Quero que Deus me proteja de tudo de pior que pode acontecer comigo nesse lugar. Estou me perguntando como alguém pode fazer algo tão cruel. Eu sabia que a escravidão era horrível, pois limpávamos, cuidávamos do abrigo quinze horas por dia. Mas esse lugar… E isso foi exatamente o que eu vivi hoje, triste não é? Dia dezesseis de abril. Acordei com o barulho que estava vindo da mansão, eram muitas risadas e de vez em quando escutava uns gritos meio malucos. Hoje estávamos trabalhando muito. Até que um dos guardas que vigiavam a gente, gritou e agrediu seriamente uma menina, o nome dela era Cassandra. Ela ficou em ‘’estado de choque’’, começou a vomitar e a suar. Mas ela já deu uma melhorada. Conversei com Cassandra, é bem legal, é tímida e muito organizada. Se passaram dez dias, vinte dias, um mês, depois um ano, e agora dois anos. Vivemos ainda em uma sociedade na qual uns são mais respeitados, os que possuem mais dinheiro e patrimônio, mais comida, mais oportunidade de viver e não tentar sobreviver. Ainda vivemos na sociedade na qual os brancos são os ricos e os negros como eu, são pobres, explorados, escravizados, violentados e aprisionados. Vivemos em uma completa hierarquia, na qual o leão é o branco. Vivemos em uma sociedade dividida em classes, que uns tem muito e outros não possuem absolutamente nada, e muitas vezes os que não tem nada, acabam morrendo de tão fraca a situação que seu organismo se encontra. Quando eu estiver à beira da morte não quero que essa seja a realidade de nosso país. Um dia, todos seremos livres e iguais. Isso é o que eu repito para mim todos os dias antes de dormir. Dia quatro de outubro de mil oitocentos e vinte e dois. Dois dias sem comer nada apenas um copo de água. Na madrugada estava com muito sono, e acabei adormecendo enquanto trabalhava. Meu corpo está demasiado dolorido. Meus braços, pernas e pescoço estão machucados. Fui violentada por três homens que me colocaram no tronco e me bateram até sangrar. Mas, eu dei sorte, sobrevivi. Dia cinco de outubro de mil oitocentos e vinte e dois.


Trabalhei o dia inteiro para compensar o dia de ontem. Foi um dia bem diferente e enlouquecedor de todos os outros. A dona da casa, que nós costumávamos chamar de Senhora, convidou todas as escravas para jantar junto a ela. Não tinha ideia do que estava acontecendo, pois a Senhora nunca havia tido contato ou interesse de falar conosco. Então, com absoluta certeza era algo muito importante a ser dito. O jantar ocorreu as oito e meia da noite. Quando entrei na bela mansão, percebi que estava tudo muito bem arrumado e organizado. Foi a primeira vez em toda minha vida que vi tanta comida diante de mim. Havia de tudo, carne de porco, frango, carne vermelha, arroz, macarrão... Estava um clima muito tenso rodeando aquele ar. Até que finalmente ela nos pediu para sentar à mesa. A Senhora era branca, de olhos castanhos, e aparentava desconfiança. Não acredito que estou escrevendo isso mas senti uma semelhança em mim, nela. Comemos muito, achei ótimo, enchi a pança. Realmente estava necessitando de uma refeição dessas. A Senhora esperou todas as escravas comerem para começar a falar. Foi bem estúpida e arrogante, falou que não estávamos trabalhando bem. Não estávamos encontrando nas rochas pedras preciosas o suficiente para o ‘’gosto’’ dela. Ela sempre queria mais. Falou que éramos mal agradecidas por tudo que ela fez por nós. Juro que nunca ouvi tanta mentira em um período de tempo considerado curto. Nos disse que éramos como filhas para ela, só que ela que era muito exigente e por isso não nos deixava na mansão, não nos dava comida nem para o necessário. Era uma completa manipuladora. Falar que nós somos como filhas para ela? As outras escravas no meio do jantar começaram a comunicar-se entre si, falando que nunca haviam visto alguém tão manipulador, louco e completamente sem nexo. Sendo que nó estávamos fazendo um ótimo trabalho, encontrávamos em vinte quatro horas em torno de oitenta pedras preciosas. As meninas começaram a pensar que ela tinha algum problema muito sério. Sempre quando ela terminava uma frase ela piscava nitidamente os dois olhos ao mesmo tempo. A cada cinco minutos ela apertava suas mãos como se algo fosse morde-la. E além do mais, essa louca ficava olhando diretamente para mim.

A Senhora mandou todas se retirarem da sala e voltarem aos seus aposentos. Mas pediu para uma pessoa ficar. Ela me pediu para ficar na mesa com ela e ainda mandou os seguranças irem embora. Comecei a tremer, fiquei tendo calafrios pelo corpo todo. Ficava pensando o que ela queria comigo, o que me tornava especial para ficar ali sozinha com ela. Estava morrendo de medo. Ela se aproximou de mim, olhou bem no fundo dos meus olhos e acariciou meu cabelo. Me fez muitas perguntas. Perguntou meu nome, minha idade, da onde eu vinha, quem eram meus pais, qual era o dia do meu aniversário, e principalmente se eu tinha uma mancha abaixo do umbigo. Eu respondi todas as perguntas com a maior sinceridade possível pois não tinha feito nada de errado e prejudicial à ninguém, mas quando eu respondi que, sim eu tinha uma mancha abaixo do umbigo, ela surtou. Andava por aquela imensa sala de jantar, de um lado por outro, com a mão na cabeça. Estava suando demais, começou a chorar, e sussurrava “não é possível”. Eu, a essa altura, já estava maluca. A Senhora parou e falou “é isso, não tem como não ser”. Ela apoiou as mãos em meu ombro olhou profundamente para o fundo dos meus olhos e para a minha boca. Me abraçou. Fiquei imóvel, e perguntei o que estava acontecendo. Agora segura o coração porque é inacreditável. Ela se chama Julieta e tem uma mancha abaixo do umbigo que nem a minha mancha que também fica abaixo do umbigo. Ela é a minha mãe. No momento exato que percebi isso, fiquei muito feliz de saber que tenho uma mãe e que eu a conheço. Demos um forte abraço. Quando ele acabou, percebi que eu não queria aquela mãe. Eu queria uma boa pessoa para chamar de mãe e infelizmente a minha não é boa o suficiente para mim.


Como chamar de mãe alguém que deixa pessoas passarem necessidades, como chamar de mãe alguém que sequestra crianças, como chamar de mãe alguém tão narcisista, como chamar de mãe alguém que permita que crianças morram por falta de comida, como chamar de mãe alguém que estimula a escravidão, como chamar de mãe alguém que tem condiçōes de melhorar muito a vida de muita gente mas principalmente como chamar de mãe alguém que tira a vida de outra pessoa. Mas você lembra que eu falei no começo do diário que eu tenho muita esperança? Então, eu também tenho esperança em Julieta. Pedi a ela que libertasse todas as escravas e que me ajudasse a melhorar as condições de vida da população do Brasil. Ela disse sim. Magicamente aquele coração frio e insensível foi transformado. Estou realmente muito feliz que irei mudar a vida de muita gente, e principalmente de ter a oportunidade de começar a realizar o meu grande sonho de mudar as condições de vida do meu povo. Adorei saber que Julieta esta disposta a mudar de pensamento e opinião, sobre sermos iguais. Hoje, fechou- se um ciclo em minha vida. Estou realizada e pronta para o que me espera. Nunca se esqueça Arminda, acredite.


Manuel Augusto Peralta

A VIDA DE TIA MÔNICA Tudo começa quando eu tinha 4 anos de idade, bom pelo menos começa de onde eu lembro! Mas enfim eu tinha um pai chamado José Carlos da Costa e minha mãe Lucia Almeida da Costa, os dois eram muito próximos mas quando eu nasci isso acabou. Eu desde pequena fui criada para ser uma dama, pois minha mãe achou mesmo que eu ia ser, minha rotina era muito intensa e cansativa mas mesmo assim minha mãe me obrigava pois sem ser uma dama você não ia ter comportamento adequado e uma postura “de rico”. Eu estudava com professores particulares e com materiais caros, pois minha mãe dizia que o estudo era importante. com o passar do tempo eu fui ficando maior, ate os meus 15 anos, foi quando eu fui no meu primeiro baile, foi uma festa maravilhosa a melhor que já tive na minha vida, pelo oque eu me lembro foi nesse mesmo dia que conheci o homem dos meus sonhos, mas eu nunca tive a chance de falar com ele, porque meu pai não deixava. Então de repente tudo passa muito mais rápido e enfim eu faço 18, eu n sabia oque fazer da minha vida, e nem com quem eu ia me casar, foi ai q eu descobri que eu tinha uma irmãzinha com mais ou menos 14 anos. Depois dessa descoberta minha vida mudou, tudo estava muito estranho e confuso para mim, eu ter uma irmã foi um choque para mim porque eu nunca tido uma irmã na minha vida Dai quando minha irmã que se chamava Maria completou 18 anos ela teve uma filha, um bebê muito lindo e meigo, das um futuro espacial o bebe era lindo demais e não se importava com os adultos, só saia andando, pois era a única coisa que aquele bebê saberia fazer. Mal sabia que iria ter um futuro bagunçado. O tempo foi passando e a criança foi envelhecendo, até que se torna mulher, ela fica jovem, saudável, linda e forte. Quando enfim parou de crescer ela percebeu que se tornou uma mulher linda, por onde ela passava todas as pessoas olhavam para ela. t

A menina enfim se casou, mas foi com um homem vagabundo, na minha época esse homem ia ser espancado pelo pai da garota, mas como ele autorizou então não é uma coisa de se ficar falando. Esse homem era um folgado, por que ele ficava o dia inteiro dormindo, me dava raiva porque eu chamava eles para vir comer em casa, e sempre quando minha sobrinha ia comer eu conversava com ela sobre o homem O casamento ia mal e a vida deles estava despencando no chão quando foi ai que eles resolveram ter um filho, ai eu fiquei indignada! Porque alguém que tá passando fome e não tem casa faz um filho. com toda a situação daquele jeito eu autorizei eles se estabelecerem na minha casa até o homem arranjar um emprego, ele começou a procurar, arranjava uns bicos aqui e ali, mas eu sentia que minha casa estava ficando meio estranha, tudo estava chato e mais escuro. Ai em um certo dia eu mandei os dois para fora de casa não queria nem saber se eles iam se dar bem, mas se eles não passarem por isso eles não colocar no cérebro deles. A minha sobrinha veio falar comigo sobre ela dar uma chance mas eu não podia, foi ai que tudo mudou. Candinho que era o nome do homem da mulher conseguirá um emprego como caçador de escravos, eu acho um péssimo e ainda fica todo machucado. Candinho estava ganhando dinheiro, mas ainda não era suficiente, foi ai que Candinho levou a criança até a roda e a deixaram lá, foi quando eu tive uma ideia brilhante A ideia era a seguinte: eu iria na roda mas para pegar meu sobrinho neto para morar comigo ate que ele seja um homem. Em alguns dias eu terei que assinar papelada mas eu não paguei nada ainda.


Eu pedi a autorização dos pais para ficar com a criança, mas falaram que ele é estranho eu querer ficar com o bebê e não com eles, mas ai eu disse que o bebê ia dar menos trabalho que eles e que não ia ser folgado igual o pai Candinho já estava ficando vermelho de tanto que xingavam ele, pois Candinho não era nada calmo, Clara que é a sobrinha neta acalmou ele o castrando, mas ele ainda está atrás do bebê. o menino estava crescendo e eu estava ensinando o menino oque eu aprendi, com um duro. Jeito de viver, mas a vida não é fácil, então decidi educar o jovem para o mundo De repente o menino faz 18 e vira um homem bonito e forte que vai estudar medicina, então o soltei para o mundo para criar sua própria história.


Manuela Greco Marques

NEM TODAS AS CRIANÇAS VINGAM Me chamo Clara. Meu noivo, Cândido Neves, e eu, estamos passando por dificuldades. Quase não conseguimos sustentar a pequena casa em que moramos. Enquanto ele sai todo os dias a procura de escravos fugidos, eu fico em casa cosendo o máximo de produtos que consigo. Nem todos os dias Candinho, como o chamo raramente, consegue capturar um escravo. E então, nesse dia, ficamos sem lucro. Moramos, eu, minha tia Monica e Cândido. Desde quando nos casamos, tia Mônica sempre nos dizia para não termos filhos pois não teríamos condições de criá-lo. Bancar a comida, as roupas, nada, nem mesmo uma moradia aceitável. Até que em um dia descobri. Havia um feto crescendo dentro de mim. Desde então , eu já amava a criança, que ainda nem existia, mais do que tudo no mundo. Era incontrolável o que eu sentia. Uma coisa que nunca havia acontecido comigo. Por um lado tinha medo, medo de não ser uma boa mãe ou mesmo o medo de meu filho viver em nossa sociedade. Escravagista. Nunca concordei por motivos óbvios, mas que todos pareciam cegos para mim por não enxergar. Não podia contar isso a ninguém, e se me julgassem? Falei sobre a criança primeiro com Cândido. Sua reação era esperada. Ele sempre teve sonho de um dia ter um filho. Mas sabia que iria ser difícil. Decidimos tentar esconder o tempo que conseguíssemos da tia Mônica. Não seria fácil, pois os sintomas da gravidez ficavam cada vez mais evidentes. Por um tempo consegui, mas em um dia, durante o jantar, sem perceber disse: Tia não irei comer, estou me sentindo enjoada. Nossa Clara, há dias você não está se alimentando direito - disse tia Mônica - eu me lembro naquela tarde que tomamos café e você se sentiu enjoada também. Seria bom procurarmos a dona Marta, esposa do seu Manuel, aquele que vende frutas…

Ela é famosa por curar várias doenças com ervas medicinais. Lembra quando a Sandra, a artesã, estava se sentindo mal e foi até a casa de Marta que lhe deu folha de jabuticaba? Mas, afinal, não adiantou porque os sintomas eram de gravidez… Clara, não vai me dizer que você está grávida? Tia, não consigo mais esconder. Estou sim. Você está louca? Como vocês vão sustentar essa criança! Por conta do grito da minha tia, Cândido entrou na sala e me olhou assustado. O que está acontecendo aqui? Eu é que pergunto o que está acontecendo aqui - disse tia Mônica Eu não me contive nessa hora e disse: Tia, nós sempre quisemos ter um filho. É o nosso sonho! Vocês não tem dinheiro. Cândido não tem um trabalho fixo. Você sabe que estou em busca de uma escrava que vale muitos réis - disse Meu marido a Mônica - Vou conseguir pegar ela. Prometo. Esse dinheiro não vai dar para bancar a vida inteira da criança - retrucou a tia - Voce vai precisar levar ele para roda dos enjeitados. Não irei levá-lo para a roda. Eu vou ficar com o bebê. O filho é meu. Assunto encerrado! Cândido exclamou

No dia seguinte, meu marido marido saiu em busca da escrava. Por mais que eu detestasse essa ideia, sabia que era necessário, e torcia para ele encontrá-la. A vida de meu filho dependia disso. No entanto, passaram-se nove meses e Cândido nao conseguiu capturar a fugitiva. Meu filho nasceu. Minha alegria foi enorme, o pai sorria sem parar. Mas nossa angústia e preocupação aumentavam a cada minuto.


Não tínhamos nenhuma moeda. Não tínhamos sequer pão pra colocar na mesa. O pior mesmo era a insistência da tia Mônica que a cada instante tentava nos convencer que a melhor solução era levar meu filho para a cruel roda dos enjeitados. Essa ideia me aterrorizava. Tinha pesadelos todas as noites! Neles via minha tia correr com o meu amado filho em seus braços, noite a fora. A situação piorou quando recebemos a notícia de que teríamos que sair da nossa casa. Havíamos parado de pagar o aluguel há meses. Chegou um momento que não houve outra solução, nenhuma outra saída. Então, amamentei a criança pela última vez, aos prantos… O último leite que ele tomaria dos meus seios. Cândido, que estava ao meu lado, olhava a cena e tentava me consolar. Tia Mônica apenas dizia para nos apressarmos. Foi então que Candido tomou o menino dos meus braços e eu em momento de tristeza enorme, coloquei as mãos sobre meu rosto para não ver tal acontecimento. Horas depois soube de toda história. Cândido voltou com a criança, feliz dizendo que poderíamos ficar com nosso filho. Em primeiro momento tia Mônica não gostou nada. Ele nos contou tudo que acontecera. Ao sair de casa, caminhou muito lentamente em direção a roda dos enjeitados, pois não conseguia aceitar a ideia de entregar o menino. Foi então que decidiu fazer um caminho mais longo e entrou num beco escuro, o que iria atrasar o caminho. Enquanto andava lentamente olhando para nosso filho, subiu o olhar uma vez e avistou a silhueta de uma mulher negra. Naquele momento imaginou que poderia ser a escrava fugida. Sem querer perder tempo, correu até uma farmácia próxima, onde o dono era nosso amigo. Lá deixou a criança e saiu em busca da escrava, sem dar qualquer explicação. Seu coração batia forte, me disse, a medida que avançava pensava que aquele podia ser um jeito de ficar com o bebê. O destino estava ao nosso favor. Em poucos instantes alcançou o beco, viu a figura e gritou: - Arminda! A mulher se denunciou. Meu marido sabia seu nome, pois o tinha visto no jornal. Sem hesitar ela olhou para trás, Cândido teve a certeza de que era a escrava que buscava. Ao mesmo tempo, percebeu pavor nos olhos dela.

- Nem todas as crianças vingam. Tia Mônica ouvia atentamente todo relato do meu marido e entendeu que nosso filho era muito importante para nós. Mas para ela o mais importante era Cândido ter trazido os cem mil réis. Enquanto mostrava o dinheiro, contou-nos o momento da entrega de Arminda. Depois de tê-la arrastado pelas ruas da cidade, ao chegar na casa do senhor, a escrava gemia de dor… Assim que o senhor apareceu, viu que sangue escorria pelas pernas da escrava. Ele desviou o olhar mas com a certeza de que estava lutando pelo futuro da nossa família, pegou o dinheiro e se retirou. Confesso que a narração me deixou comovida, mas ao mesmo tempo pensava sobre a ideia de ter nosso bebê em meus braços. Quem não faria o mesmo para salvar seu próprio filho?


Manuela Greco Marques

OS BRANCOS SEMPRE GANHAM A minha vida inteira eu não conheci meu pai, minha mãe me teve mas minha avó que cuidou de mim, minha avó falava que minha mãe dizia que eu gritava e chorava muito então ela me deixou com a minha avó quando eu tinha quatro anos de idade. Minha mãe me deixando não era um problema pois ela me batia e gritava comigo toda a vez que eu fazia algo errado, ela me mandava fazer tarefas de casa, mandava eu lavar as roupas e minha avó tinha medo da minha mãe então ela não fazia nada ao respeito, ela que me disse. Minha avó contava umas histórias da minha mãe que eu não queria acreditar, pois por essas histórias, a minha mãe era uma pessoa ruim, egoísta que não fazia nada da vida. Eu sempre perguntava perguntava sobre meu pai mas ela não respondia. A escravidão é uma coisa horrível, éramos humilhados, torturados e explorados por todos, havia ferramentas para usar em nós quando faziamos ago errado ou quando o Senhor queria, por exemplo a máscara que colocavam quando um escravo havia furtado ou roubado algum tipo de alimento ou mesmo quando um deles eram flagrados por estar comendo terra, porque era a única comida que tinha, a máscara era um artefato de ferro atrelado à cabeça e ao pescoço punido, uma espécie de placa de metal era colocado na boca que era para proibir a comer, a máscara só era retirada por autorização do senhor ou do dono de fazenda. O tronco, que tinha mais ou menos dois metros de altura e havia uma fila de escravos “rebeldes” prontos para serem torturados com vinte até cem chicotadas, com uma plateia assistindo a tortura, muitos morriam durante as chicotadas e aqueles que sobreviviam eram colocados em uma banheira com uma solução de água e sal que acelerava o processo de cicatrização, sem falar da dor. Isso tudo porque tínhamos uma cor diferente do que branco, só por isso éramos castigados, traídos, comprados...

Eu era uma escrava, mestiça e havia sido comprada por um branco. Havia um mercado de escravos, eles procuravam por homens fortes para a mão de obra, para trabalhar com coisas mais pesadas, e as mulheres, os donos, os senhores, as pessoas que nos compravam estavam querendo uma mulher não tão magra, forte e bonita. Foi horrível quando me eu estava lá pois eles ficavam falando coisas sobre mim e sobre outras pessoas, eu me senti muito inconfortável com aquilo. Comecei a trabalhar para ele, era horrível, ele me maltratava, ficava colocando a mão em mim, me chamava de nomes que me ofende muito. Eu tentava fazer tudo certo para que eu não fosse castigada ou maltratada, mas não adiantava, qualquer coisa ele me batia. Um dia estava passando por uma rua e uma garota de uns catorze anos sendo maltratada pelo senhor dela, havia outras escravas na mesma casa vendo a cena horrível e elas estavam muito apavoradas porque podia ter acontecido com elas.

-Para, você vai matar ela! exclamei para o senhor enquanto batia na menina. As outras não podiam interferir porque se não ele poderia fazer pior com elas. -Negrinha, vai trabalhar! gritou o senhor para mim. -Não vou a lugar nenhum se você não soltar ela. -Sai se nao eu mato as duas!! E sai chorando, enquanto ainda batia na menina e o senhor falou para as outras. -Se me desobedecer, eu mato, e jogou a menina no chão Fiquei muito surpresa com a ação do senhor mas um milhares de escravos e escravas eram mortas todos os dias por causa de abuso, fome, chicotada, agressão… Contei para a minha avó que mais uma escrava jovem foi agredida e ela não ligou muito pois já estava acostumada com esse comportamento. Quando estava conversando com ela, ela ficou calada por um momento


-O que foi vó, perguntei -Nada neta, falou ela olhando para baixo, eu sabia que ela estava mentindo porque quando ela mentia ela olhava não conseguia olhar para os meus olhos. -Vó, eu sei que alguma coisa está errada, me fale. -Vou te contar o maior segredo da minha vida, que guardei e não consigo mais guardar, olho para você e não consigo mais mentir… sua mãe não te abandonou e te deixou comigo, ela não tinha condições de cuidar de tu, a vida dela não estava muito bem e realmente ela estava sozinha, o marido tinha abandonado, e não queria ela mais aqui na minha casa, então expulsei ela daqui e cuidei de tomei conta de você. Eu não conseguia olhar na cara dela, ela tinha mentido para mim a minha vida inteira, eu tinha sim uma mãe, todas aquelas histórias de que minha mãe me agrediu, e me maltratava era mentira da minha avó, eu criei uma pessoa má na minha cabeça que nem era… -Me desculpa, falou ela com um olhar maléfico. Sai correndo para a casa do senhor pois tinha fugido só para ver a minha avó, que nunca mais que ver. Ás tres horas da tarde ele sempre saia para ir ao mercado de escravos, para ficar de olho nas coisas que aconteciam na cidade, como se ele fosse o dono de tudo. Ele tinha mais duas escravas, sem contar comigo, elas eram legais, mas tinham as costas lascadas, cheias de marcas de chicotes e de mãos do senhor. Rita era uma menina de vinte e quatro anos que havia sido trocada e apostada inúmeras vezes, era bonita, fazia tudo o que o senhor mandava, mas mesmo assim tomava-lhe chicotadas. Severina tinha dezesseis anos, era a mais nova, mas era a que apanhava mas, não tinha mais pais mas tinha um irmão que era mais velho que era um escravo também, e ela gostava muito dele porque ela só tinha ele de família, não restava mais ninguém, às vezes o irmão ia visitar Severina quando o senhor saia, mas ainda pouco pois tinha medo de ser pego e ser castigado. Seu irmão já havia sido castigado e torturado muitas vezes, o senhor não dava comida para a nós e Severina quando o irmão foi visitá-la, por conta disso estava muito fraca, jaja ia morrer de fome então ele roubou umas comidas do mercado e deu para ela, graças a Deus que ele não foi pego se não teria suas mãos cortadas devido ao roubo de alimento.

O senhor mandava muito em Severina pois era uma menina muito bonita e ele ficava se apegando nela e colocando a mão em seu corpo e assistir ou viver isso é uma coisa terrível, ela vivia muito isso e a pobre só tinha dezesseis anos, a vida para nós escravos não era nada fácil, nem de pensar era, éramos tratados como lixo total, como se a gente não fosse humano só por causa de nossa cor. Correndo, sem fôlego, depois de saber que a única pessoa que cuidou de você a vida inteira havia mentido todos os dias na sua cara, vi o senhor do lado de fora da casa e Severina e Rita na janela falando para eu me esconder. Tarde demais, ele tinha me visto, não sei o que senti na hora mas sei que já não dava mais para correr porque só iria piorar as coisas, eu ia correr e ele ia me agarrar e eu ia fugir e não sei para onde iria então fiquei parada sem reação. -Onde voce estava negrinha? -Eu…, o senhor me puxou sem nada me levando para seu quarto Nunca na minha vida, eu tinha entrado no quarto do senhor, nenhum escravo podia na verdade. Conheço um escravo que ele entrou no quarto de seu senhor e ficou observando, olhando para o quarto vendo que essa era a vida que ele nunca ia ter, ele estava com terra no pé e quando saiu, o quarto ficou com um pouco de terra, ai quando o senhor entrou no quarto e viu que tinha terra, ele culpou outro escravo de ter pisado no quarto dele e ele torturou ele até a morte, deu chicotadas nele até não aguentar mais, deixou ele sem comer por uma semana e ele morreu fraco, e o escravo que tinha realmente entrado no quarto não podia ter feito nada pois seria até pior. O quarto dele era grande, com uma cama de casal e com livros e cadernos, a luz do sol batia nas cortinas e refletia no espelho que estava em pé na parede. Não gosto muito de espelhos pois quando olho para eles vejo a mim mesma e tenho o pensamento que não sou que nem os outros, brancos, ricos, que tem, uma vida, tem comida. No reflexo, vi que Severina e Rita estavam olhando para mim e para o quarto, que a porta estava sempre trancada para nenhum negro passasse. O tapete era branco, havia uma mesa na frente da cama que havia papeladas.


Não sabia direito porque eu estava lá, eu havia fugido e ele tinha me visto, achei que ele ia me castigar, me torturar por horas mas não. Eu tinha entendido. Ele fechou a porta com gentileza e a trancou. Agora estava presa com ele lá dentro naquele quarto. Ele foi se aproximando, devagar, com um olhar maléfico, lembrei da minha avó, que tinha pedido desculpas por mentir para mim a minha vida inteira. Ela usou o mesmo olhar. Mas o olhar dele era diferente, era sim um olhar maléfico mas também um olhar de que ele sabia o que estava fazendo e que ele ia sair do quarto depois muito satisfeito e orgulhoso de si. Ele começou a tirar a minha calça e em seguida minha blusa. Minha calça estava toda rasgada e só tinha ela, usava ela todos os dias e era difícil mantê la por conta dos trabalhos que eles mandavam a gente fazer. A minha blusa era larga, nem sei mais que cor era pois ela era muito velha e vivia suja também por conta das tarefas. Nós escravos ligamos mais para ver o que ia comer no mês e em fazer as tarefas certas do que roupa, e também não tínhamos nada para nem comer, imagina para ter roupas limpas e novas. Minhas roupas já estavam no tapete branco, ele me virou, abaixou suas calças… Não consegui mover. Toda vez que via ele fazer uma coisa dessas com a Severina ou a Rita, eu falava para elas gritarem, pedirem ajuda, tentarem sair, elas sempre diziam que isso só ia piorar e ele ia fazer mais força ainda e ia piorar. -Eles sempre vão sempre ganhar no final Arminda, nós não temos poder, dinheiro, liberdade, e não podemos nem falar o que pensamos. Agora entendi do que elas estavam falando, entendi o sentimento que elas sentiam toda vez que ele passava a mão nelas, eu me senti sem poder nenhum, nem de me mexer, nem de falar ou gritar. Eu sempre tentava apartar o senhor das escravas quando os senhores a pegavam para castigá-las, eu sempre entrava ou tentava entrar no meio para falar alguma coisa que fizesse diferença para que ele parasse e pensasse duas vezes, mas nunca adiantava, e também nunca parei, sempre tentei e tentei e os olhares delas de que ninguém poderia ajudá-las agora estava no meu rosto. Se passaram dois meses e minha mestruação não havia chegado, estava passando mal todo dia, me sentia enjoada e tonta.

-Você pode estar grávida Arminda -Não estou grávida, só estou passando mal, não queria acreditar no que ela havia falado porque eu não teria a mínima condição de cuidar desse bebê, se fosse verdade. Os dias se passaram e a barriga foi crescendo… eu estava mesmo grávida. Pensei mais sobre o bebê, agora eu queria te-lo porque seria a única pessoa que me restaria, minha vida estava acabada. Fugi. Depois de umas tres semanas que havia fugido , já tinha cartazes de mim em toda a cidade. Estava correndo e vi um homem branco segurando um bebê. Me perdi e depois vi o mesmo homem correndo em minha direção mas ele não estava mais com o bebê. -Ei fujona !


Marina Gloeden

Dia 24 de abril, em Salvador, eu nasci. Minha mãe tinha um romance com um escravo que morava junto com ela, e um dia acabou engravidando. Mesmo sem nenhuma condição financeira, estando na miséria, e sendo escravos, minha mãe e meu pai cuidaram de mim com toda a força de vontade do mundo. Deixavam de comer o pouco de comida que lhe serviam para poder me alimentar e sempre deixavam que o senhor batesse neles para não ter que me machucar. Por isso cresci uma menina saudável e feliz, mesmo morando no porão de uma casa e vendo meus pais sendo explorados. Minha mãe nunca deixou que eu ficasse triste pela nossa situação, sempre falava que o lado bom de tudo era que estávamos juntos em família, e isso que importava. Mas como meus pais me tiveram muito velhos, infelizmente os dois faleceram quando eu ainda tinha quatorze anos, e a partir daí que comecei a entender melhor como a vida funcionava e que naquela hora eu tinha que me defender sozinha, sem a ajuda de ninguém. Quando meus pais morreram, o meu senhor decidiu que não queria mais ficar comigo, então me vendeu para um homem que morava no Rio de Janeiro. A vida naquela casa era difícil pois agora não tinha mais meus pais para cuidarem de mim, então comecei a sentir na pele o que era ser uma escrava de verdade, pois até aí, minha mãe que fazia tudo para mim e do nada comecei a fazer absolutamente tudo sozinha, e isso me fez entrar em desespero, e foi aí que minha vida começou a piorar. As vezes eu subia para a casa do senhor para fazer faxina, e via que ele me olhava com um olhar malicioso, e isso me incomodava muito por eu ter quatorze anos e ele sessenta, então um dia quando estava limpando seu quarto, ele me puxa e começa a me forçar a ter relações sexuais com ele, e eu comecei a empurrá-lo para que ele parasse, mas desde esse dia o senhor me forçava a dormir com ele uma vez por semana. Cada dia que passava, eu ficava mais triste e com ódio do que eu estava passando, pensei em me matar várias vezes, mas quando pensava em meus pais, me dava uma força para que eu tentasse continuar vivendo.

Quando completei vinte e um anos eu descobri que estava grávida. Naquele momento o meu mundo caiu e nao sabia mais o que fazer, porque eu não sabia cuidar de mim mesma imagine de um bebê. Então decidi contar para o senhor para ver se existia a possibilidade de abortar, mas quando ele soube, sua reação foi totalmente a contrária do que eu estava esperando. Falou que a culpa foi minha e me espancou até eu ficar inconsciente. Quando acordei toda machucada percebi que não dava mais para morar naquele lugar, então de noite, quando o senhor já estava dormindo, pulei a cerca de sua casa e fugi. Sem rumo nenhum, saí correndo o mais rápido que eu conseguia. So sair daquele lugar já me fazia muito feliz. Fiquei dois dias andando sem comer, sem destino e grávida, então uma hora fiquei tão fraca que acabei desmaiando. Quando despertei, estava em um quarto muito bonito, com uma bandeja com café da manhã e uma roupa na cabeceira da cama. Fiquei muito assustada, mas mesmo assim aliviada de ter saído daquele inferno. Depois de algum tempo sem entender nada do que estava acontecendo, um homem entra no meu quarto muito bem vestido e com cara de boa gente, mas mesmo assim fiquei com medo que ele fizesse algo comigo. O homem sentou do em uma cadeira do lado da cama e ficou me olhando com uma cara observadora, e então disse: “Ola Arminda” . Fiquei paralisada pensando porque ele sabia o meu nome. E depois falou que tinha me achado no meio da rua, desmaiada, e me reconheceu pois estava em todos os cartazes dos postes falando que eu tinha fugido e quem me achasse tinha uma recompensa em dinheiro, mas que ele não iria me entregar e sim me esconder. O homem se chamava Pedro e era uma pessoa muito rica, e contra o regime escravocrata, por isso não ia me entregar e cuidar de mim.


Pedro era um homem muito bem sucedido. Tinha vinte e seis anos e já era rico por conta da sua família. Ele cuidou muito bem de mim, até que começamos a nos gostar, e depois de um tempo já estávamos juntos. Nao eramos um casal qualquer pois eu não podia sair daquela casa de jeito nenhum, se nao iriam me levar se volta para a casa do senhor e Pedro seria preso. Já tínhamos ouvido histórias horríveis de um homem que pegava escravos que se chamava Cândido Neves. Esse homem era o meu pior pesadelo, pois só havia histórias que ele estava no meio, entao nao tinha vontade nenhuma de sair daquele lugar, até porque eu estava no oitavo mês de gravidez, e naquela casa eu tinha condição de cuidar do bebê por estar em um lugar que eu me sentia mais segura e tinha dinheiro.

Um dia, Pedro e eu brigamos feio e acabei ficando tão brava que sai de casa. Naquele momento eu não estava pensando em nada. Sai andando até que encontrei um banco, e então sentei para descansar. Quando olhei para frente avistei uma pessoa vindo muito rápido para a minha direção, olhei para seu rosto e era Cândido Neves, o homem que eu mais ouvia falar estava vindo em minha direção para me entregar. Sai correndo mas ele me agarrou e conseguiu me pegar. Implorei de todas as formas para que ele nao me entregasse ao senhor mas ele me ignorava e acabou me levando para a casa do meu senhor onde meu filho nao aguentou e morreu.


Mateus Borges Carvalho

Gritos, chicotadas, fugas e pessoas degeneradas, se é que posso chamá-las de pessoas, é esse tipo de coisa que um branco, proprietário de terra há de aguentar. Meus escravos erram, mas sou eu quem tem de escutar seus ruídos de sofrimento. Eu não tenho responsabilidade alguma se nasceram pretos. Nasci, graças à deus, branco e rico. Desde pequeno, embora morasse com minha mãe, visitava a fazenda de meu pai, que é agora minha. Aprendi com ele que nunca se deve respeitar negros, que são de raça inferior e que os escravos devem ser severamente punidos quando erram. Foi assassinado por um escravo, eu tinha vinte e dois anos e vi meu pai sendo morto à facadas por um mísero preto, todos escravos fugiram. Perdi todo meu respeito por ele, mas seus ensinamentos estiveram sempre certos. Como filho mais velho, herdei a fazenda, comecei a gerenciá-la a partir dos meus vinte e três anos. Minha primeira ação foi colocar um prêmio pela cabeça daquele que assassinara meu pai. Comecei comprando uma dúzia de escravos. Era comum escravos tentarem fugir, mas isso possibilita minha parte favorita do dia, a punição, usava tampões de ouvido para não ouvir seus zumbidos insignificantes, o sangue escorria pelas costas pretas, dando-o um grande contraste, era lindo de se ver. Quando estava cansado, sem vontade de bater nele, apenas prendia suas mãos com seus pés, era quase como um teatro cômico, andavam feito macacos e gemiam enquanto rolavam pela terra. A medida que ia crescendo, comprava mais escravos e mais comum eram suas fugas e por sorte criou-se uma nova profissão: os capitães do mato. Foram eles que me trouxeram o maldito que matou meu pai e mais meia dúzia de escravos que haviam fugido. Pensei por dias numa punição digna, então, cheguei à conclusão de que deveria usar todas punições que meu pai já usou em um escravo. Era muito comum ele usar o método da palmatória de ferro quente ou trancá-los no celeiro com os cavalos mais bravos.

Decidi fazer ambos. Peguei o negro e sentei-o numa cadeira, esquentei o ferro e bati na mão dele com todas minhas forças, desta vez não usei os tampões de ouvido, tudo que eu queria era vê-lo e ouví-lo sofrer. Seus gritos não eram apenas de dor, eram também de todas suas lembranças do meu pai. Quando anoiteceu tranquei-o no celeiro com os cavalos, não vi nem ouvi nada, tudo que vi quando amanheceu foi uma sombra irreconhecível numa poça de sangue. O escravo que mais atrapalhou-me foi Bento, ele era um negro alto e musculoso, quase como um gigante. Comprei-o de um vendedor pequeno, que logo me avisou: cuidado com o safado, ele é fujão! - Reparei que em seu rosto havia uma cicatriz em formato de “F”, essas cicatrizes eram comuns em escravos que costumavam fugir. Levei-o atrás de minha carroça até minha fazenda, foi falando palavras irreconhecíveis, como se estivesse rezando, avisei-o que as punições eram severas àqueles que compartilham de religião africana, porém de nada adiantou, então logo que chegamos dei-lhe chicotadas. Toda noite eu ia verificar o estado de meus escravos e dar-lhes os restos da comida, normalmente ficavam com os miúdos, se fosse frango dava-lhes as patas, caso comesse boi, dava-lhes a língua, o bucho, o rabo e as pernas, quando era porco, ganhavam o rabo e o focinho. A única voz que ouvia era a de Bento, a voz grossa e incompreensível que ecoavam pela senzala. Não consigo contar nos dedos as vezes que tive que puní-lo por falar em sua língua de origem. Certa vez, fui dar-lhes de jantar, como de costume, porém ao entrar lá, Bento avançou em mim, agarrou-me e jogou-me no chão. Logo atrás dele, mais uma dezena de escravos saíram da senzala e começaram a pisotear-me, os chutes que vinham de todos os lados estalavam minhas costelas. Em pouco tempo, amarraram-me a um tronco, chicoteando minhas costas, todos golpes que já havia dado ricochetearam em mim, pude sentir os anos de sofrimento do desgraçado, me tiraram do tronco e amarraram minha mão esquerda ao pé direito e mão direita ao pé esquerdo. Minhas dezenas de negros sumiram na escuridão da noite.


Cambaleando fui à cidade, até a casa da minha mãe, meu sangue deixava um rastro na cidade. Bati na porta com a cabeça, minha mãe atendeu, já contava 39 anos e tinha muita experiência em cuidar de ferimentos, quando era jovem passou dois anos trabalhando como enfermeira. Quando abriu a porta e viu meu estado, desmaiou. Entrei na casa e fechei a porta, com as mãos e pernas, deitei no tapete e esperei. Quando minha mãe acordou, foi correndo aos tropeços até a farmácia, ainda não tinha se recuperado muito bem, voltou com uma sacola cheia de ervas medicinais e começou a amassá-las, fez-se uma pasta verde, densa e áspera. Quando colocou em meus ferimentos, minha pele começou a queimar e formigar, mas dentro de minutos parei de sentir dor. Com o resto da pasta verde, fez-se um chá, que foi usado para acelerar a recuperação da costela.

Quando cheguei em casa, percebi que Arminda não estava ao redor, esqueci de trancá-la. Fiz questão de procurar por ela, procurei por dias, toda manhã quando acordava procurava por ela, porém ela já devia estar muito longe. Colei cartazes dela por toda a cidade, mandei aos jornais uma foto sua, a recompensa estava generosíssima, apesar disso, passara um mês e eu não tinha nenhuma notícia de Arminda. A vida não era mais a mesma, minhas relações sexuais foram-se todas.

Jurei que iria me vingar de todos escravos, que iria ser extremamente violento com qualquer negro, então após me recuperar, colei cartazes em toda cidade e contratei um time de capitães do mato, no total 10, para achar o quilombo no qual meus escravos estavam escondendo-se.

Adicionei informações ao cartaz, dizendo que foi encontrada perto de minha loja, e pelo jeito, essa informação foi extremamente útil, quando publiquei os novos cartazes, estava muito ansioso, esperando que a safada voltasse. Para minha surpresa, cinco dias depois, lá estava ela, em frente à minha porta, nas mãos de um capitão do mato, ela foi jogada aos meus pés, tirei do bolso minha carteira, peguei cem mil réis e dei para o mercenário. Aos meus pés, Arminda expeliu um mulatinho de dentro dela. Provavelmente meu filho, felizmente, ele morreu. Seria uma vergonha ter um filho Mulato.

Disse-lhes para amarrar todos os escravos, os que fossem meus trazer-me de volta e o resto devolver ao devido dono e pegar a recompensa. Ao lado de minha fazenda havia uma floresta e provavelmente o quilombo estaria por perto. Depois de 3 dias voltaram os capitães do mato, disseram que amarrara os escravos durante a noite, sem ninguém perceber. Muitos dos meu esquadros estavam agora de volta, mas não chegava nem perto da quantidade que tinha antes, voltaram quinze, sobraram catorze. Infelizmente tive que tirar a vida de Bento, ele deu aos outros escravos esperança e noção de liberdade, isso era muito perigoso. Comprei mais uma dezena de escravos, dentre eles, Arminda: Uma negra com o corpo lindo. Quando ela chegou, fiz dela minha escrava pessoal, era sempre ela que me servia e que eu usava para saciar minha vontades. Meus lucros estavam subindo como nunca, e além disso, tinha alguém para satisfazer minhas necessidades. Nunca havia me sentido tão bem. Passaram-se quase e Arminda nunca perdia a graça, nunca enjoei de seu corpo. Me lembro claramente daquele dia, como sempre, eu havia ido à cidade para vender minhas produções, o dia foi lucrativo, vendi bastante, porém também perdi muito.

Certo dia, fui à cidade vender minha mercadoria como de costume, vi uma negra de costas. Sim, era ela. Ela estava prestes a entrar numa carroça, corri atrás dela gritando: Arminda! Arminda sua safada, volte para mim fujona! - Mas de nada adiantou, ela olhou para atrás e abruptamente entrou na carruagem e desapareceu dentre as casas.


Matheus Palmeira

MATHEUS PALMEIRA Eu vou contar sobre minha história. Eu sou a Arminda, nasci em (1750) até os dias de hoje (1766). No início da minha vida minha mãe sofreu com o parto e acabou morrendo por conta dele e meu pai, tenho dúvida de quem é. Eu acho que o senhor José me abusa muito mais por isso,pois fiz ele perder uma escrava, enfim, quando eu tinha 5 anos começaram a fazer eu trabalhar, eu trabalhava limpando o chão, as paredes, os quadros, pintura etc, eu odiava meu dono, ele me tratava muito mal, mandava e me batia às vezes com um chicote, que doía muito. Aos 8 anos eu vi como era difícil a vida de escravos, como eles trabalhavam muito, mas como eu era mulher, eu acho, ele me abusava quase todo dia por causa de um erro, muitas vezes eu ficava com muita raiva, mas tinha que me conter, senão o abuso e as chicotadas pioravam muito. Quando cheguei aos 10 anos as coisas começaram a complicar as coisas. Chegou um novo escravo na casa. Eu virei muito amigo dele, ele tinha 15 anos enquanto eu tinha 10, o nome dele era Macario. Um dia eu não consegui conter minha raiva, eu fui estuprada pelo meu dono, que parecia que era o mais poderoso da área, e um amigo dele. Nesse dia eu envenenei a comida da esposa dele, causando a morte da própria. O José desconfiou de todos os escravos, até mesmo os da fazenda, quando eu comecei a pensar que ia melhorar, só piorou na minha vida. Por conta de sua mulher ter morrido, meu dono começou a me abusar muito mais, e começou a ser muito mais rígido e rude com os trabalhos domésticos, e com os escravos da fazenda, eu e Macario estávamos com medo dele, foi aí que começamos a trabalhar num plano de fuga, que era quando o feitor não estava olhando, sair correndo, atordoar o senhor e ir para a mata, num lugar distante.Era um plano muito arriscado e nós poderíamos morrer com isso, por conta da punição de José, ou pela caça dos Capitães do Mato, portanto tivemos que juntar mais pessoas para não arriscar tanto.

Em 10 dias só conseguimos arranjar mais 3 pessoas além de mim e Macario, os outros escravos achavam um péssimo plano, então tivemos que esperar os outros se rebelarem. Depois cinco anos, com toda raiva do José, o cara mais poderoso de nossa vila, maltratando a todos, então fomos eu, Macario e mais 5 escravos, eu já tinha 12 anos, quando começamos a fuga, no momento que saímos correndo, um foi pego e ninguém sabe o que irá acontecer, até morrermos, conseguimos nocautear o José, sem muita dificuldade, pois ele estava comendo com sua outra esposa. No caminho da floresta(ainda na cidade), só tinha eu, Macario e João, estávamos perdidos no meio da cidade com guardas por perto, mas felizmente nós chegamos a floresta. Quando chegamos lá estávamos aliviados por uma hora,, e começamos a descansar. No momento achei que iríamos conseguir, portanto começou a doer MUITO. Eu estava sentindo uma dor que só tinha sentido nos piores castigos de José, quando chegou Macario e perguntou: - Arminda você está bem? O que aconteceu? - Eu não sei bem, esta dor na minha barriga está muito estranha, deu um ataque acho. Foi quando eu percebi que eu estava grávida e eu tinha 15 anos, o pior que o pai era o José, eu já tinha sido tantas vezes estuprada por ele, mas nunca pensei que isso poderia acontecer.

Eu não sabia quantos meses tinha o bebê, e não sabia se eu conseguiria fazer mais exercícios para correr de um lugar para outro, eu estava com medo e uma angústia indescritível, não sabia se era medo dos Capitães do Mato, porque naquele tempo já devem ter colocado cartazes de procurado, com um preço absurdo, já que eu era a única mulher escrava na casa e na fazenda. Estava anoitecendo e estávamos morrendo de fome, a procura de um quilombo. Nós tivemos que acampar no meio da floresta, conseguimos um animal para assar que tirou nossa fome.


No dia seguinte João foi na farmácia comprar remédios para minha gravidez, para eu não passar mal, acho que ele pegou dinheiro roubado de alguém, mas isso não vem ao caso, estávamos esperando por ele para continuar nossa busca ao quilombo, mas estava demorando, podia ser que ele se perdeu na floresta ou foi pego por guardas, mas temos que esperar pelo melhor, que ele volte com muitos remédios.

Está de manhã e tenho que ir pegar comida e remédios, senão morro de fome. Cheguei à cidade, fui escondido de todos até a farmácia, onde comprei remédios, o farmacêutico parece não ter me reconhecido, por enquanto nada de mal aconteceu, porém no caminho de volta vi um homem, provavelmente outro Capitão da Mata, me escondi dele, conheci algo sobre ele, o próprio se chama Cândido, mas não consegui detalhes.

O dia passava e ele não voltava, começamos a se preocupar com ele, quando decidimos ir a cidade a sua procura, chegamos e vimos nossos cartazes de procurado, meu e do Macario, mas de João não estava lá, então percebemos que ele foi pego.

Depois de uma semana, voltei à farmácia, comprei novamente os remédios e estava indo em direção ao beco para me desviar de certas coisas, quando de repente escuto uma pessoa me chamando, ele sabia meu nome então parei para olhar, quando vi a cara da pessoa eu sabia que estava perdida, era o próprio Cândido, o caçador de escravos que vi a uma semana atrás, eu tentei fugir mas rapidamente ele me alcançou, não conseguia escapar facilmente, estava grávida e não conseguia correr muito. Ele começou a me amarrar, tentei resistir apelando para o lado sensível dele, mas parece que ele não o mostrava, falei para ele me dar perdão, se ele tinha um filho, que pelo bem dele, me soltasse, mas ele não respondia a nada. Foi quando eu vi ele me mandando de volta para a casa de José, foi essa hora que eu soube que estava perdida, José nunca iria me perdoar por nada, ia me dar os piores dos castigos, então insisti de novo para me soltar, Cândido não ligou para nada e me entregou a José, eu vi meu dono puxando cem mil réis, e com todo o esforço que eu fiz para me soltar, meu filho saiu, foi abortado, foi a cena mais triste da minha vida, estava chorando muito por conta de eu ter voltado a essa casa, e pelo meu filho que morreu exatamente naquele dia.

Comecei a sentir um peso sobre ele, pensava que eu era a culpada sobre tudo que aconteceu, ele sendo pego e arrastado, e depois a punição de José, só de pensar já sentia pena. Macario conseguiu roubar dinheiro e comprar remédios para minha gravidez, porém ainda sentia pena de João, voltamos a floresta e continuamos a busca ao quilombo. Depois de alguns meses já havíamos conhecido certas pessoas no quilombo, tinha cerca de 4 escravos além de nós, não sabemos se eles eram fugitivos ou eram livres, mas eles nos aceitaram até certo mês. Um dia as dores já estavam muito fortes, o bebê provavelmente nasceria daqui uns 2 meses, minha barriga já estava muito grande, quando 2 capitães do mato nos acharam e destruíram o quilombo, naquela hora descobrimos que eram escravos fugidos, pois os capitães estavam perseguindo eles, até nos acharem. Macario quando percebeu que tínhamos que correr me salvou deles, enquanto eu corria, ele lutou contra os capitães, junto com os outros escravos. Agora estou aqui, escondida em um lugar esperando o sinal de Macario, estou com muito medo do que aconteceu, pois todas as pessoas que conheci a este momento podem estar mortas, ou ainda sendo punidas. Está a noite agora, e ainda não recebi um sinal de Macario, será que ele teve o mesmo destino que João? Estou me fazendo essas perguntas desde que estou escondida no buraco, pensei em me matar, mas eu tenho uma vida dentro de mim, e as últimas palavras dele… Eu não posso ignorar isso, eu tenho que sobreviver a tudo e dar a liberdade a minha filha! Mas ela será um bebê, provavelmente sem mãe, o que ela iria fazer na vida?

Dias depois eu estava passando mal, parecia que eu estava muito doente até que...


Maya Garcia Brant

SENHOR CONTRA MÃE Eu não sei ao certo de onde vim, mas sei que nasci escrava. A maioria lá na roda nasceu, éramos muitos de cor. Na roda dos enjeitados eu não tinha ninguém, me sentia sozinha, mesmo com muita gente em volta, e sentia que eu merecia a verdade sobre mim. Então um dia fui procurá-la lá fora, sozinha. Achei que poderia viver uma vida livre, e ser feliz. Mas não foi bem assim. Mal eu sabia que filha de negra nascia escrava. Mal saí de lá e já estava encoleirada. Lembro bem daquele dia, onde tudo começou, o dia em que o senhor Pedro me adotou. Ele me levou para casa dele e me deu um quartinho (que eu dividia com mais umas seis negrinhas) no porão da casa, e um senhor de cor chamado Salomão ficava de olho na gente, mas mesmo sendo um igual, era muito bravo conosco e demandava muito, nem nos deixava conversar. Naquela época eu achei que meu senhor estava me fazendo um favor, eu era muito novinha para entender o perigo que represento na sociedade que vivo. Eu acordava todo dia cedinho para limpar a casa toda, de cima até o andar de baixo, eu só parava para cozinhar. Mas uns anos depois essa rotina começou a mudar. Ele começou a me tratar diferente das outras, ele era mais carinhoso comigo, me dava mais comida e até deixava eu tomar banho mais de uma vez por semana! Mas um certo dia toda essa bondade acabou. Sem mais nem menos, senhor Pedro me puxou para o quarto dele e a força, tirou minha virgindade. Ele sempre foi um bom senhor, às vezes ele me batia só uma vez por dia. Mas esse dia foi terrível, nunca sai da minha memória. Ainda mais por que não parou por aí, depois daquele dia senhor Pedro passou a fazer isso mais e mais, sem parar, até recebermos a notícia, eu estava grávida.

Eu sofri muito por essa escolha que nem sequer foi minha. O senhor Pedro ficou muito bravo. Passou a me bater pelo menos três vezes mais, mesmo sabendo que era o filho dele que eu estava carregando. Mas eu entendo ele, seria um escândalo em uma cidade pequena como essa o filho de Pedro da Costa nascer negro. Os meses foram passando e com isso, minha barriga crescendo. Eu estava começando a ficar muito aflita porque sei que se meu filho nascesse aqui ele seria sacrificado. Meu senhor estava tão preocupado com a possibilidade da notícia vazar que eu nem podia passar na frente de janelas, eu não limpava mais a casa, eu não cozinhava mais e quase não tomava banho. Eu virei um saco de pancadas, o senhor descontava sua raiva em mim quando não sabia mais o que fazer. Chegando perto do nascimento, pelo bem da criança, eu decidi fugir. De um jeito ou de outro ia ter que funcionar, não adianta mais, eu só penso na proteção do meu filho, não vão matá-lo, ele não merece isso, ele merece ter uma infância boa, livre e feliz. Quero dar a ele tudo aquilo que não tive. Então durante uma noite, depois que todas as negrinhas já estavam a dormir e o senhor Salomão também, eu levantei da cama bem de fininho sem fazer nenhum barulho. Fui tentar sair do quarto e por incrível que pareça, a porta estava aberta. Fui subindo uma grande escada de madeira bem devagar, mas os últimos degraus estavam meio soltos e quando pisei neles, senti a morte do meu lado. O piso fez um barulho estrondoso e consegui ouvir Salomão levantando, então comecei a correr o mais rápido que pude, quando terminei de subir a escada vi uma janela e nem pensei duas vezes, peguei um livro qualquer que estava em uma mesinha no meio da sala, o joguei no vidro que na hora quebrou, fazendo um barulho que me deixou incrivelmente feliz, um barulho de liberdade.


Pulei para fora da janela e usando toda minha força que restava, corri o mais longe que pude e me escondi no meio de duas casas. Eu tentei ficar alerta para minha proteção, mas acabei caindo no sono involuntariamente. Acordei bem cedo com o barulho dos trabalhadores abrindo suas lojas. Comecei a perceber que uma das casas que estavam bem na minha frente estava desocupada, os donos não estavam lá, então nem pensei direito, só entrei pelas portas dos fundos que estavam destrancadas. Passei o dia lá encolhida na lavanderia e passei bem rápido na cozinha só para não morrer de fome. Estava muito aflita com tudo que poderia acontecer.

Tive muito tempo para pensar lá, eu estava sem rumo, não tinha para onde ir e não fazia ideia de como as pessoas vivem suas vidas fora de um cativeiro. De repente ouço um barulho que me desperta um sentimento de medo que eu nunca tinha vivenciado antes, os donos da casa estavam entrando. Sai pelas portas dos fundos sem dar um pio e percebi que já estava de noite. Mal sabia eu o que me aguardava naquela noite. Eu estava me movimentando cautelosamente, olhando para os lados a todo momento, rezando para ninguém me encontrar e fico muito assustada quando descubro que já foi anunciado que eu fugi e sabe o que isso significa ?Já tinha gente me procurando.

Eu comecei andar meio sem rumo, eu não sabia o que fazer, estava meio confusa sobre minha decisão. Será que eu fiz a escolha certo deixando a casa? Estava andando por um beco no escuro bem perto da roda, eu reconheço esse lugar do dia que fugi, mas começo a sentir que estou sendo observada. Continuo andando e prestando bastante atenção aos meu arredores. Um homem veio correndo minha direção gritando meu nome, e quando percebi o que estava acontecendo já era tarde demais. Eu tentei fugir mas o homem me prendeu com uma corda e me disse para andar. Eu pensei em gritar, até soltei uma voz um pouco mais alta do que o costume, mas logo percebi que ninguém iria me ajudar, pelo contrário, algo de pior poderia acontecer. Então comecei a argumentar na esperança de piedade.

-Pelo amor de Deus, me solte! -Andando! -Estou grávida meu senhor! Se você tem algum filho, te peço que pelo amor dele que me solte, eu serei tua escrava, vou servi-lo pelo tempo que quiser. Me solte, meu senhor moço! -Siga! -me solte! -Não quero demora, siga! Eu estava lutando com toda minha força, e não conseguia parar de pensar na minha pobre criança sendo executada -Você é que tem culpa. Quem mandou fazer filhos e depois fugir? Ele foi me arrastando pelo mesmo caminho que lembro ter feito na noite que fugi da roda. Quando vejo a casa do senhor Pedro, entro em pânico. Estou desesperada e acabada, mas chegando lá, para tentar uma última vez eu me ajoelho, mas não adianta de nada, as luzes da casa estão acesas. Então meu senhor abre a porta: -Aqui está a fujona! -É ela mesma

Agora já está tudo acabado, tenho que pelo menos tentar amenizar o meu castigo que com certeza vai ser o pior que eu já tive. -Meu senhor!! -Anda, entra. Ali no chão, sem salvação, nada mais fazia sentido para mim. Eu não ouço mais nada, estou tomada por medo e dor, não consigo nem me mover. Mas de repente, o pior acontece. Minha criança nasceu, mas ela está morta, não foi necessário uma execução que com certeza aconteceria dali umas semanas. Eu mesma o matei. Nada mais me importa. Aquela noite foi terrível, nunca sairá de minha memória, eu fui agredida quase até a morte. Mas o que importa? Eu não sinto mais nada. Não consigo mais comer e nem dormir. Não tenho força nem mais para chorar.


Michel Luiz Vardi

Ferramentas de tortura foram usadas por muito tempo durante o período escravocrata e mesmo assim os escravos teimavam em fugir e por muito tempo havia muitos escravos fugidos e meu trabalho era caçá-los e devolvê los a seu lugar a casa de seus donos mas eles não compreendiam isso e resistiam a voltar para casa de seus patrões. Passava horas pesquisando as notícias`procurando onde haviam passado, buscando informação e seguindo os rastros dos escravos mas mesmo assim não era fácil, muitas pesquisas passavam e muitos escravos eu pegava. Não conseguia um emprego estável pois a paciência me faltava, até pensei em aprender tipografia mas logo vi que não tinha jeito e demoraria aquele ofício então passei a caçar escravos. Havia algumas vezes voltava para casa sem ter conseguido nada em um dia em que os cacei e não tinha certeza se haveria jantar. Eu e sua mãe não tinham emprego fixo, enquanto eu passava o dia procurando por escravos fugidos sua mãe ajudava a tia cozendo e mesmo assim não ganhamos quase nada além de não ter certeza se iríamos comer mesmo que um bacalhau. ainda que sem nada pelo menos estávamos juntos. Quando conheci sua mãe contava vinte e dois e eu trinta, então começamos a namorar apesar de sua mãe ter tido muitos namorados eles não a traziam lembranças ou desejos, então foi que nos encontramos e ela já sabia que seria assim então onze mezes depois nos casarmos. Na cerimonia de casamento as amigas da sua mae não punham fé no casamento por conta de eu gostar de sair para bailes mas mesmo assim persistiu. Depois do casamento tia Mônica falou nós filhos possíveis, estávamos com o plano de ter só um mas sua tia avó não concordou pois mal havia comida para três imagine para quatro pessoas, mas continuamos insistindo na ideia mesmo sem trabalho queríamos um filho. Sem entender as reclamações até que conseguimos o que queríamos e tivemos um filho, você, mas mesmo sabendo que não haveria jeito de te sustentar se não havia comida nem para nós.

Passou um tempo até que você nasceu e mesmo com tanta alegria ainda havia uma angústia de não poder te dar de comer ou de te deixar com fome morreríamos de fome se não arranjasse de como ganhar dinheiro. Para piorar nosso situacao havia menos escravos fugidos e mais pessoas no cargo de caçador o que gerava mais disputa e baixa nos preços das quantias de gratificação só em no bairro em que morávamos havia mais de três disputando comigo e os escravos já não vinham mais como antes a vir em minhas mãos porém gostava do ofício pois exigia força bom olho velocidade e era um ofício que não levava muito tempo mesmo que incerto. Veio a chegar o oitavo mês de gravidez e as contas começaram a chegar e como não achará nenhum escravo fugido ficava difícil pagá las sua tia avó sugeriu que o levassem a roda e recusei. Então o nono mês amargo difícil de sustentar pois o cobrador do aluguel veio nos tirar a casa, dois dias depois você nasceu tia Mônica já havia pensado nisso e havia conseguido uma casa nos fundos quase no curral, de favor, tia Mônica insistiu na ideia, deixá lo na roda dos enjeitados, como doeu, essa frase para um pai significa muito e dói pensar em te deixar lá mas dói mais ainda ter que considerar em larga lo lá, no começo recusei de imediato mas então as contas começaram a calhar e ficou mais difícil do que nunca. Naquela noite te levaria a roda porque lá ao menos poderia ter o que comer, e assim foi tive que levá lo prolongando cada passo aproveitando cada minuto, cada segundo que tivesse para parar e vê lo então pouco faltava e virando em uma esquina vi um vulto de mulata passando do outro lado. Minha felicidade foi tanta que quase te larguei no meio da rua para buscá la. Corri e te deixei na farmácia onde o farmacêutico que me passara a informação da escrava estava e o deixei com ele, corri e mesmo que ela tentasse não conseguiu escapar.


Pulei para fora da janela e usando toda minha força que restava, corri o mais longe que pude e me escondi no meio de duas casas. Eu tentei ficar alerta para minha proteção, mas acabei caindo no sono involuntariamente. Acordei bem cedo com o barulho dos trabalhadores abrindo suas lojas. Comecei a perceber que uma das casas que estavam bem na minha frente estava desocupada, os donos não estavam lá, então nem pensei direito, só entrei pelas portas dos fundos que estavam destrancadas. Passei o dia lá encolhida na lavanderia e passei bem rápido na cozinha só para não morrer de fome. Estava muito aflita com tudo que poderia acontecer.

Tive muito tempo para pensar lá, eu estava sem rumo, não tinha para onde ir e não fazia ideia de como as pessoas vivem suas vidas fora de um cativeiro. De repente ouço um barulho que me desperta um sentimento de medo que eu nunca tinha vivenciado antes, os donos da casa estavam entrando. Sai pelas portas dos fundos sem dar um pio e percebi que já estava de noite. Mal sabia eu o que me aguardava naquela noite. Eu estava me movimentando cautelosamente, olhando para os lados a todo momento, rezando para ninguém me encontrar e fico muito assustada quando descubro que já foi anunciado que eu fugi e sabe o que isso significa ?Já tinha gente me procurando.

Eu comecei andar meio sem rumo, eu não sabia o que fazer, estava meio confusa sobre minha decisão. Será que eu fiz a escolha certo deixando a casa? Estava andando por um beco no escuro bem perto da roda, eu reconheço esse lugar do dia que fugi, mas começo a sentir que estou sendo observada. Continuo andando e prestando bastante atenção aos meu arredores. Um homem veio correndo minha direção gritando meu nome, e quando percebi o que estava acontecendo já era tarde demais. Eu tentei fugir mas o homem me prendeu com uma corda e me disse para andar. Eu pensei em gritar, até soltei uma voz um pouco mais alta do que o costume, mas logo percebi que ninguém iria me ajudar, pelo contrário, algo de pior poderia acontecer. Então comecei a argumentar na esperança de piedade.

-Pelo amor de Deus, me solte! -Andando! -Estou grávida meu senhor! Se você tem algum filho, te peço que pelo amor dele que me solte, eu serei tua escrava, vou servi-lo pelo tempo que quiser. Me solte, meu senhor moço! -Siga! -me solte! -Não quero demora, siga! Eu estava lutando com toda minha força, e não conseguia parar de pensar na minha pobre criança sendo executada -Você é que tem culpa. Quem mandou fazer filhos e depois fugir? Ele foi me arrastando pelo mesmo caminho que lembro ter feito na noite que fugi da roda. Quando vejo a casa do senhor Pedro, entro em pânico. Estou desesperada e acabada, mas chegando lá, para tentar uma última vez eu me ajoelho, mas não adianta de nada, as luzes da casa estão acesas. Então meu senhor abre a porta: -Aqui está a fujona! -É ela mesma

Agora já está tudo acabado, tenho que pelo menos tentar amenizar o meu castigo que com certeza vai ser o pior que eu já tive. -Meu senhor!! -Anda, entra. Ali no chão, sem salvação, nada mais fazia sentido para mim. Eu não ouço mais nada, estou tomada por medo e dor, não consigo nem me mover. Mas de repente, o pior acontece. Minha criança nasceu, mas ela está morta, não foi necessário uma execução que com certeza aconteceria dali umas semanas. Eu mesma o matei. Nada mais me importa. Aquela noite foi terrível, nunca sairá de minha memória, eu fui agredida quase até a morte. Mas o que importa? Eu não sinto mais nada. Não consigo mais comer e nem dormir. Não tenho força nem mais para chorar.


No caminho Pulei para fora dada casa janela do senhor e usando com toda a escrava minha força na mão quejarestava, não secorri debatia o mais mais longe poisque sabia pude que e me escondi não adiantaria nodemeio nadade as duas pessoas casas. em Eu volta tentei não ficar a ajudariam alerta para pois quem minhaestava proteção, dentro mas daacabei lei era caindo eu, faziano um sono favor involuntariamente. para o dono da fugida e ela Acordei ainda me bem vem resmungar cedo comqueo estava barulho grávida, dos trabalhadores quem mandouabrindo fazer filhos suase depois lojas. Comecei fugir, meu a perceber que sentimento erauma de raiva das casas e felicidade que estavam pois o dono bem na minha daria umafrente grande estava gratificação desocupada, paraos quem donos a não estavam pegasse e eu a lá,fiz, então quase nem arrastando pensei direito, a escrava só entrei pelas cheguei a casa portas do dono dosque fundos me deu queoestavam dinheiro destrancadas. quando entrouPassei a escrava o dia que lá pariu encolhida seu filhona ali lavanderia mesmo noechão passei sem bem ajuda rápido nem nada na cozinha . só para não morrer de fome. Estava muito aflita com tudo Saindo com queopoderia dinheiro acontecer. corri para a farmácia como se minha vida dependesse disso e quando eu cheguei lá te vi e te abracei muito e Tive muito reparei o quanto tempo para vocêpensar parecia lá,sua eu estava mãe esem só rumo, nãoatinha imaginei cara para e a felicidade onde ir e não dela fazia quando ideia de te como as levasse para pessoas casa com vivem a gratificação suas vidas fora da escrava. de um cativeiro. Chegando fundos da casaque ao lado do curral De repentenos ouço um barulho me desperta com você no colo sua tiaque avóeume vendo te um sentimento de medo nunca tinha carregando trazendo a gratificação e eu vivenciado antes, os donos da casa estavam chorando, entrando. olhe que não sou homem de chorar mas por portas você meu filho me derramava em Sai pelas dos fundos sem dar um pio e lágrimas. percebi que já estava de noite. Mal sabia eu o que me aguardava naquela noite. Nem todasme as crianças vingam.cautelosamente, Eu estava movimentando olhando para os lados a todo momento, rezando para ninguém me encontrar e fico muito assustada quando descubro que já foi anunciado que eu fugi e sabe o que isso significa ?Já tinha gente me procurando.

Eu comecei andar meio sem rumo, eu não sabia o que fazer, estava meio confusa sobre minha decisão. Será que eu fiz a escolha certo deixando a casa? Estava andando por um beco no escuro bem perto da roda, eu reconheço esse lugar do dia que fugi, mas começo a sentir que estou sendo observada. Continuo andando e prestando bastante atenção aos meu arredores. Um homem veio correndo minha direção gritando meu nome, e quando percebi o que estava acontecendo já era tarde demais. Eu tentei fugir mas o homem me prendeu com uma corda e me disse para andar. Eu pensei em gritar, até soltei uma voz um pouco mais alta do que o costume, mas logo percebi que ninguém iria me ajudar, pelo contrário, algo de pior poderia acontecer. Então comecei a argumentar na esperança de piedade.

-Pelo amor de Deus, me solte! -Andando! -Estou grávida meu senhor! Se você tem algum filho, te peço que pelo amor dele que me solte, eu serei tua escrava, vou servi-lo pelo tempo que quiser. Me solte, meu senhor moço! -Siga! -me solte! -Não quero demora, siga! Eu estava lutando com toda minha força, e não conseguia parar de pensar na minha pobre criança sendo executada -Você é que tem culpa. Quem mandou fazer filhos e depois fugir? Ele foi me arrastando pelo mesmo caminho que lembro ter feito na noite que fugi da roda. Quando vejo a casa do senhor Pedro, entro em pânico. Estou desesperada e acabada, mas chegando lá, para tentar uma última vez eu me ajoelho, mas não adianta de nada, as luzes da casa estão acesas. Então meu senhor abre a porta: -Aqui está a fujona! -É ela mesma

Agora já está tudo acabado, tenho que pelo menos tentar amenizar o meu castigo que com certeza vai ser o pior que eu já tive. -Meu senhor!! -Anda, entra. Ali no chão, sem salvação, nada mais fazia sentido para mim. Eu não ouço mais nada, estou tomada por medo e dor, não consigo nem me mover. Mas de repente, o pior acontece. Minha criança nasceu, mas ela está morta, não foi necessário uma execução que com certeza aconteceria dali umas semanas. Eu mesma o matei. Nada mais me importa. Aquela noite foi terrível, nunca sairá de minha memória, eu fui agredida quase até a morte. Mas o que importa? Eu não sinto mais nada. Não consigo mais comer e nem dormir. Não tenho força nem mais para chorar.


Rodrigo Costa Cespedes

UMA CONTRA TODOS Acordei enjoada e com dor nas costelas depois de mais uma noite com o Sinhô Paulo. Levantei para fazer o café da família. Durante o dia apanhei constantemente, por ir muitas vezes ao banheiro, conseguia sentir o bebê se mexendo dentro de mim. Sabia que se Sinhá Mariana descobrisse que eu estava grávida de seu marido, eu iria morrer junto da criança. Não podia correr riscos de deixar isso acontecer, e nem podia criar-lá nesse lugar. Precisava fugir. Os dias estavam cada vez mais insuportáveis, conforme eles iam passando a barriga ia crescendo. O enjoo piorava, e estava muito fraca, a comida que recebia não era o suficiente para mim e para meu filho. Não aguentava mais, eu precisava fugir, precisava de um plano. Comecei a incrementar um plano de fuga. Eu ia acordar bem cedo e fazer o café do Sinhô, ele não suspeitaria que eu tinha fugido. Eu tinha um amigo que me dera a localização de um quilombo na floresta e que contara que a segunda leva de escravos seria na próxima semana e sugeriu que eu fosse com eles. Eu tinha planejado a fuga para acontecer na semana seguinte, pois era quando a próxima leva de escravos ia entrar no quilombo, mas algo agilizou a execução do plano. A mulher de Paulo havia descoberto que eu estava grávida e desconfiava que o filho fosse de seu marido. Sabia que a minha vida estava em risco, afinal em qualquer momento ela poderia me matar. Eu decidi que iria executar o plano na madrugada seguinte. Acordei às três horas da manhã. Fui até a casa, estava vazia, ninguém estava acordado. Então fiz o café e coloquei-o na mesa silenciosamente, aproveitei e roubei um pouco de comida, para a viagem, mas não muito, pois não queria que eles percebessem.

Na hora que eu estava saindo ouvi um barulho, era Mariana. Podia ouvir o som dela descendo pelas escadas. Gelei por dois segundos, pensei que meu plano estava acabado e que eu ia ser descoberta e ia apanhar. Não dava tempo de sair pelos fundos, pois estava muito e nem pela frente, pois faria muito barulho e a Sinhá ia ver. Estava sem opção então, sem pensar, me escondi no armazém da cozinha rezando para que ela não abrisse a porta. Observei-a por uma fresta na porta, ela pegou um copa d'água e voltou para seu quarto. Nem reparou que a mesa do café estava posta. Fiquei sem me mover por volta de uns vinte minutos, para ter certeza que ela estaria dormindo quando eu fugisse. Então voltei à execução do meu plano. Saí da casa por volta das três e trinta e cinco da manhã. Sabia que estava atrasada, precisava chegar no quilombo antes do amanhecer, e este era a três horas caminhando dali. Sem esperar nem mais um segundo comecei minha jornada. Atravessei a cidade pelos becos escuros, evitando ser vista, mesmo não tendo ninguém nas ruas. Não podia correr o risco de deixar alguém me ver. Depois de atravessá-la cheguei na entrada da estrada que ia para o litoral. Meu amigo que era para eu ir pela beira direita da estrada até eu encontrar duas palmeiras caídas formando um X, ali eu virava à direita e era para seguir a trilha até uma divisória, nela era para eu pegar a esquerda e seguir reto até o rio, era para atravessá-lo e subi-lo pela margem direita até uma cachoeira nela pegar a direita e entrar no mato e seguir reto até encontrar uma trilha e segui-la e quando ela acabasse era para eu seguir em frente até chegar no quilombo.


Pulei Assim para eu forafiz. daQuando janela e usando chegueitoda ao quilombo minha força encontrei que restava, duas corri barracas o mais longe e uma que pude fogueira e meapagada, escondi no masmeio não de vi ninguém. duas casas. Entrei Eu em tentei uma ficar delas alerta e encontrei para minha cinco proteção, pessoasmas três acabei negros e caindo duasno sono mulatas, involuntariamente. estavam dormindo, mas Acordei acordaram bemcom cedo minha com presença. o barulho Quando dos virei trabalhadores para trás senti abrindo uma suas pancada lojas.forte Comecei em minha a perceber cabeçaque e desmaiei. uma das casas que estavam bem na minha frente estava desocupada, os donos nãoAcordei estavam assustada, lá, entãoamarrada nem pensei em direito, uma árvore, só entrei compelas três portas homensdos de fundos pé na minha que estavam frente. No destrancadas. momento que Passei perceberam o dia lá queencolhida tinha acordado na lavanderia eles tiraram e passei uma faca bemdarápido bainhana e colocaram cozinha sóem para meu não pescoço. morrerPerguntaram de fome. Estava quem muito eu era, aflita o que com eutudo fazia queali, poderia e para acontecer. quem eu trabalhava. Expliquei-os tudo, que eu era uma escrava que tinha fugido, estava grávida, que se a Sinhá Tive descobrisse muito tempo eupara ia ser pensar mortalá,eeuque estava umsem amigo rumo, tinha não dado tinha a localização para onde irdo e não quilombo. fazia ideia de como as pessoas vivem suas vidas fora de um cativeiro. Depois de de discutirem entre si, por um tempo, me soltaram se desculparam. Explicaram Deeles repente ouço umebarulho que me desperta nos últimos doisque quilombos umque sentimento de medo eu nuncaque tinhaeles estavam antes, foram invadidos vivenciado os donos da casa estavampor caçadores-do-mato e que eles conseguiram a entrando. espiões. Escravos que Sailocalização pelas portas com dos fundos sem dar um pio e entravam no quilombo passavam percebi que já estava de noite. Malesabia eu o que informações me aguardava sobre naquela o mesmo noite. para os caçadores, Euonde estavaera, mequantos movimentando escravoscautelosamente, tinham, se tinha olhando vigias e para coisas os do lados tipo. a Falei todo que momento, entendia rezando perfeitamente para ninguém e que eles me encontrar não podiam e fico correr muito riscos assustada nenhum quando de deixar descubro descobrirem que já foi a anunciado localização quedo eu fugi quilombo. e sabe Depois o que isso perguntaram significa ?Jámeu tinhanome, gente me respondi procurando. “Arminda”. Perguntei o deles, e o do meio respondeu: “Eu sou Arouca, o da esquerda é o Joaquim e o da direita é o EuAntonio. comecei andar meio sem rumo, eu não sabia o que fazer, estava meio confusa sobre minha decisão. Durante Será o diaque eles trabalharam eu fiz a escolha constantemente, certo deixando construindo a casa? armadilhas para pegar animais e Estava protegendo andandoo por perímetro um beco comno espetos escurofeitos bemde perto madeira. da roda, Atéeuque reconheço pararamesse de lugar trabalhar do dia para que comer fugi, mas o almoço começo que a sentir as duas queúnicas estou mulheres sendo observada. preparavam. Continuo andando e prestando bastante atenção aos meu arredores. hora doveio almoço eles me minha perguntaram UmNahomem correndo direçãopor gritando que eumeu nãonome, vim naesemana quandoque percebi vem,oque queera quando eles estavam segundaEu leva. estava acontecendo já esperando era tarde ademais. Contei-os que o a Sinhá havia descoberto que eu tentei fugir mas homem me prendeu com uma estava cordagrávida e me disse e que para se descobrisse andar. Eu pensei que em o filho gritar, eraaté de seu soltei marido, uma voz elaum mepouco mataria. mais Faleialta que donão podia correr riscos então eu fugique o quanto antes que o costume, mas logo percebi ninguém pude, e o dia maiscontrário, perto quealgo era possível fugir iriaeu me ajudar, pelo de pior era aquele dia que eu cheguei quilombo. Eles poderia acontecer. Então comeceino a argumentar na ficaram esperança em desilêncio piedade.por uns cinco minutos, balançando a cabeça.

Tinha -Pelopassado amor deuma Deus, semana me solte! desde que cheguei. Durante -Andando! o dia nós nos preparamos para receber a-Estou segunda grávida leva.meu Passei senhor! o diaSe pescando você temno algum rio junto filho,de te peço Arouca, que conseguimos pelo amor dele pegar que uma medúzia solte, de eupeixe, serei tua na parte escrava, da manhã vou servi-lo e à tarde pelopescamos tempo que mais quiser.meia Me solte, dúzia. meuTínhamos senhor moço! comida para conseguir -Siga! alimentar nós nove, mas não o suficiente -me solte!para alimentar os outros oito que viriam. -Não quero demora, siga! Conforme Eu estavaolutando sol foi caindo com toda eu eminha Aroucaforça, tentamos e não pescar conseguia mais peixes, parar de maspensar não obtivemos na minha sucesso, pobre mas criança mesmo sendo assim executada me diverti muito com ele. Eu tentava segurar, mas não conseguia cada vez mais -Você euéme que apaixonava tem culpa. porQuem ele. mandou fazer filhos e depois fugir? AEletarde foi mefoiarrastando chegando pelo aomesmo seu fim, caminho o sol que foi desaparecendo lembro ter feitoena asnoite estrelas quesurgindo. fugi da roda. Eu lembro claramente Quando vejo daquela a casa noite, do senhor o céu estava Pedro, estrelado entro em a lua pânico. era cheia. Estou Lembro desesperada muitoe bem acabada, daquela mas noite,pois chegando foilá,aquela para tentar noite que umaganhei última tudo, vez eu mas me também ajoelho, mas foi a não noiteadianta que perdi de tudo. nada,Foi as aluzes última da noite casaque estão euacesas. vi Arouca sorrir, e foi a primeira vez que Então ele fez meu um senhor ato amoroso abre a porta: para mim. -Aqui está a fujona! Nós -É ela dois mesma nos deitamos em uma rocha na beira do rio sob as luzes das estrelas. Foi naquele momento que ele me beijou, foi naquele momento Agora já está que descobri tudo acabado, que meu tenho amado que pelo me amava menosde tentar volta.amenizar Foi aquele o meu o primeiro castigo eo que último com beijo certeza quevai eleser meodera. pior que Foi aquele eu já tive. momento que eu -Meu senti senhor!! que eu estava completa. -Anda, entra. Depois um sem tempo voltamos ao mais quilombo Ali no de chão, salvação, nada fazia para prepararmo-nos. sentido para mim. Eu não ouço mais nada, estou Estávamos esperando quenão elesconsigo chegassem tomada por medo e dor, nem no me meio daMas noite.de Escondemos tudoacontece. para casoMinha que mover. repente, o pior eles fossem seguidos nos escondemos criança nasceu, mas eela está morta, nãonas foi moitas queuma ficavam atrásquedas barracas, necessário execução com certeza escondemos as umas barracas nos arbustos queo aconteceria dali semanas. Eu mesma ficavam do lado direito da clareira, e os homens matei. Nada mais me importa. mais fortes ficaram escondidos arbustos da Aquela noite foi terrível, nuncanos sairá de minha entrada caso fosse necessário atacar alguém. memória, eu fui agredida quase até a morte. Mas Mas o que ninguém importa? veio.Eu Saímos não sinto de nosso maisesconderijo nada. Não econsigo remontamos mais comer o acampamento, e nem dormir. em Não silêncio. tenho Mesmo nós chorar. não tínhamos sido força nemque mais para descobertos, aquilo tinha sido uma derrota, pois agora estávamos perto de ser descobertos. Precisávamos sair daquele lugar. Aquela era a última noite ali, pois no dia seguinte iríamos sair dali. Eu e Arouca tínhamos saído do acampamento para discutir o que íamos fazer quanto a “nós”. E os outros estavam combinando quem ia fazer o turno da noite, quando ouvimos um barulho vindo do mato, Joaquim e Antonio sacaram as facas da bainha.


Pulei Eupara e Arouca fora da tínhamos janela esaído usando do acampamento toda minha força para que discutir restava, o que corriíamos o mais fazer longe quanto que pude a “nós”. e E meosescondi outros estavam no meiocombinando de duas casas. quem Eu ia tentei fazer o ficar turno alerta dapara noite,minha quando proteção, ouvimos mas umacabei barulho caindo vindo nodo sono mato, involuntariamente. Joaquim e Antonio sacaram as Acordei facas da bem bainha. cedo Doiscom homens o barulho saíram dodos mato trabalhadores caindo no abrindo chão, suas ambos lojas.negros, Comecei ambos a perceber pareciam queescravos uma dasecasas ambos quemachucados. estavam bemOs na protetores minha frente doestava quilombo desocupada, guardaram osas donos facas e nãoforam estavam ajudar lá, os então homens nem caídos. pensei direito, Eles falaram só entrei quepelas eramportas escravos dosque fundos tinham quefugido, estavam mas destrancadas. durante a fuga Passei eles foram o dia pegos, lá encolhida e só elesna dois lavanderia conseguiram e passei escapar. bem rápido na cozinha só para não morrer de fome. Estava muito aflita com Quando tudo que ouvi poderia a agitação acontecer. no acampamento me dirigi ao mesmo para ver o que estava acontecendo, mas antes que eu pudesse fazer Tive alguma muito tempo Aroucapara me segurou pensar lá,eeu disse:” estava Acho sem que rumo, ouvinãomovimentação tinha para onde no ir e não mato, fazia pode ideia deser como caçador-do-mato, as pessoas vivem acho suas que vidas é uma foraarmadilha. de um cativeiro. Me segue. “ segui-o silenciosamente até um observamos os dois Dearbusto repenteperto ouçodas umbarracas. barulho que me desperta e o resto grupo. Até elestinha tiraram umcaído sentimento dedo medo que euque nunca uma faca do bolso e cortaram perna de vivenciado antes, os donos da casaaestavam Joaquim e Antonio, ambos caíram no chão com entrando. perna sangrando. Foi nessa horaum que Saiapelas portas dos fundos sem dar piocinco e capitães-do-mato dosMal seussabia esconderijos percebi que já estavasaíram de noite. eu o que e mecapturaram aguardava naquela todos noite. que estavam no Euacampamento. estava me movimentando cautelosamente, olhando para os lados a todo momento, Naquele tomei impulso para rezando paramomento ninguém me encontrar e fico começar a correr para longe dali, mas muito assustada quando descubro que naquele já foi segundoque Arouca segurou meu e disse: ” anunciado eu fugi e sabe o quebraço isso significa não sabem estamos aqui, se corrermos ?JáEles tinha gente meque procurando. seremos pegos. Precisamos nos esconder “ então ele apontou para um buraco embaixo de Euum comecei tronco andar de árvore meioatrás sem rumo, de umeu arbusto. não sabia Então o que nós fazer, nosestava escondemos meio confusa ali sobre embaixo minha e decisão. observamo-os Será que peloeu arbusto. fiz a escolha certo deixando a casa? Os capitães-do-mato ronda pelo Estava andando por um fizeram beco nouma escuro bem perímetro para se encontravam algum outro perto da roda, eu ver reconheço esse lugar do dia escravo. Quando dois delesque perceberam uma que fugi, mas começo a sentir estou sendo movimentação onde estávamos e vieram observada. Continuo andando e prestando checaratenção o que era. tirou seu colar de seu bastante aosArouca meu arredores. colocou em minha mão, e disse: Umpescoço homeme o veio correndo minha direção gritando “ Espere meu o nome, momento e quando certo percebi para fugir. o que Eu te amo”.acontecendo Essa foi a última que demais. ouvi a voz estava já eravez tarde Eude meufugir amado. tentei mas o homem me prendeu com uma corda e me disse para andar. Eu pensei em Então ele saiu do um esconderijo, pegou gritar, até soltei uma voz pouco mais alta doum pedaço de pau e começou a correr. Bateu com que o costume, mas logo percebi que ninguém pauajudar, em doispelo delescontrário, e ambosalgo caíram chão, iriaome denopior entãoacontecer. os outrosEntão três partiram cima dele e poderia comeceipara a argumentar espancá lo. Olhei-o por uma na começaram esperança deapiedade. última vez e comecei a correr. Corri sem olhar para trás, corri sem parar, corri sem pensar, corri desesperada.

Parei -Pelode amor correr de Deus, quando mecheguei solte! na margem do rio -Andando! atravessei-o. Ainda conseguia ouvir de longe o-Estou som dos grávida capitães. meuEles senhor! estavam Se você a uns tem dois algum km rio filho, acima. te peço E quando que pelo olhei amor para dele trás quenão metinha solte, ninguém eu serei tua , euescrava, tinha conseguido vou servi-lo fugir. pelo tempo que Desci quiser.mais Me solte, um pouco meu senhor o rio até moço! chegar em uma cachoerinha, -Siga! embaixo dela tinha um laguinho com -me solte! alguns peixes. Sentei em uma pedra e observei -Não quero o colar demora, que Arouca siga! me dera, era lindo, era Euoestava de seulutando orixá, coloquei-o com todaem minha meu força, pescoço. e não conseguia parar de pensar na minha pobre criança Lavei minha sendoperna executada que estava sangrando de um corte que fiz na travessia, mas não parava de sangrar. -Você é que Descansei tem culpa. ali Quem por mandou um tempo, fazer observando filhos e depois o fugir? nascer do sol. Fiquei ali até o entardecer. Ele foi me arrastando No final dapelo tarde mesmo me dirigi caminho à cidade. que Precisava lembro ter defeito comida. na noite que fugi da roda. Quando Quandocheguei vejo a casa passei do senhor pela farmácia Pedro, entro e roubei em uma pânico. atadura, Estoupara desesperada um corte que e acabada, fiz na perna, mas precisava chegando estancar lá, para o tentar sangue. umaSaí última de lávez e passei eu me por ajoelho, uma mas feira que nãoestava adianta fechando de nada,eas roubei luzesum da pão casaeestão uma maçã. acesas.Me dirigi a um beco escuro e enfaixei Então meu o machucado senhor abrefazendo a porta: pressão para parar -Aquide está sangrar a fujona! e comi meu jantar. Enquanto eu comia -É ela mesma percebi que tinham panfletos com a minha descrição e uma imagem de mim oferecendo cem mil réis a quem me pegasse. Então Agoracomecei já está tudo a tomar acabado, extra cuidado tenho que quando pelo saia menos na tentar rua, mas amenizar sempre o meu eu tentava castigo que ir pelos com becos. certeza vai ser o pior que eu já tive. -Meu senhor!! -Anda, entra. AAli noite passando a rua ia esvaziando, no iachão, sem esalvação, nada maisentão fazia fui pelo beco que ligava rua Ajuda, que sentido para mim. Eu nãocom ouçoamais nada, estou era perto por da fazenda Lorenzo,nem queria tomada medo eda dor,família não consigo me ver se conseguia ver Arouca, se ele estava mover. Mas de repente, o piorver acontece. Minha bem, fiz isso semmas pensar. pela farmácia criança nasceu, ela Passei está morta, não foi rapidamente, paraexecução o dono que nãocom me certeza ver e necessário uma comecei a medali dirigir emsemanas. a fazendaEu eramesma só a unso aconteceria umas cem metros quando estava a uns cinquenta matei. Nadadali, mais me importa. metros fazenda percebi quesairá estava Aquelada noite foi terrível, nunca desendo minha seguida. Entrei em pânico,quase comecei memória, eu fui agredida atéaacorrer morte.com Mas toda o que força importa? que me Eurestava. não sinto Estava mais nanada. frenteNão do campo consigoquando mais comer fui pega, e nemconseguia dormir. Não ver tenho os escravos entrando sua cabana, esperava força nem mais paraem chorar. que um deles fosse Arouca. Então comecei a gritar e lutei com todas as forças para ele não me amarrar. Gritei que estava e implorei para que ele tivesse piedade de mim. Gritei e berrei, mas ele não teve nenhuma.


Quando olhei para o lado vi um escravo correndo em minha direção vindo da fazenda, era Arouca. Segurei o máximo que pude só para ver se conseguia ver meu amo novamente. Conforme ele ia puxando eu me distanciava da fazenda, então num último esforço empurrei meus pés contra a parede para ganhar tempo. De repente ouvi um barulho de tiro. Quando olhei para o lado vi Arouca caindo morto no chão. Minhas forças começaram a cair e senti uma forte quando o homem começou a me bater, mas não ligava.

Quando chegamos à casa de meu Sinhô ajoelhei-me. O senhor estava em casa, acudiu ao chamado do homem que falou: “ Aqui está a fujona ” e Paulo respondeu: “É ela mesma. Diga meu caro qual é seu nome?” “Cândido, Cândido Neves” então tirou cem reis da carteira e entregou a Cândido. Cai no corredor ao entrar e comecei a me contorcer no chão. Paulo começou a gritar para que eu entrasse, mas eu não o ouvia. Sentia algo saindo de dentro de mim a dor era insuportável, berrei e chorei. Quando olhei para o chão vi meu filho morto no chão. E quando olhei para Cândido ele disse “ Nem todas as crianças vingam” Sofri uma dor incomparável nessa, sofri como nunca imaginei que sofreria. Não aguentava mais.

Na hora que fui dormir tirei colar e segurei-o na minha mão, e rezei por Arouca. Acordei no meio da noite, quando Sinhá Mariana entrou no quarto. Não resisti, segurei o colar bem forte e o pressionei contra meu peito e simplesmente deixei acontecer.


Sofia Petti Figueiró

A BASTARDA Não sei que mundo vivo. Às vezes penso como deus permite tais aberrações, como eles podem andar nas nossas ruas e sujar o nome do nosso país. Sinto como se eu fosse o único que vê o que está acontecendo. E não tem como agir se até o governo está se virando contra você. O ventre livre? Como se uma deles soubesse cuidar de seu próprio ventre, e meu dinheiro, minha escrava, meu ventre. Mas mesmo assim os meus não se reproduzem, sexo de negros? Em minha propriedade? “Levante-se! Limpe essa bagunça, e da próxima vez vê se geme mais baixo pois não consigo me concentrar!”; A preta nua me olhava assustada e com olhos cheios de lágrimas, porque ela tinha que ser tão chorona, manipuladora achando que eu me deixaria jogar pelos seus joguinhos mentais. Me ergui colocando minhas vestes, bravo porque ela tinha estragado a parte divertida do meu dia. Saio do quarto e subo em direção a o casarão, minha mulher odiava quando eu chegava do chalé de hóspedes desse jeito. É claro que ela não dizia nada mas demonstrava com os olhos, o que era muito pior pois assim não tinha chance de brigar com ela pela atitude ridícula. Uma vez ouvir ela dizendo que era vergonhoso, mas o que tinha de vergonhoso naquilo? Paguei pela escrava com o meu trabalho duro, ela quer que esse dinheiro que eu conquistei seja jogado no lixo? Chego em casa depois de ter feito tudo que eu queria com a escrava, aliviado e feliz, como estou feliz não brigamos e conseguimos ter um jantar agradável. Tudo que faço, faço por essa família, ela deveria me agradecer porque no fundo ela sabe que estou fazendo isso por ela. É mesmo uma ingrata. Entro em casa e sou recebido com um belo jantar, tenho que piscar duas vezes para acreditar no que estou vendo. Na mesa um belo jantar ao invés da porcaria do dia a dia. Olhei para minha mulher surpreso ela me explicou que pediu para uma escrava fazer o jantar especial pois ela tinha noticias.

Agradeci o ato dela de bondade, preparar um jantar daqueles, estava quase me arrependendo dos pensamentos que eu tive anteriormente. Nos sentamos e ela começa a puxar assunto: “Que que você fez hoje meu querido”; achei muita graça nessa pergunta já que faço exatamente a mesma coisa todos os dias. Poderia ter respondido com ironia ou grosseria, mas preferi ser gentil. “O mesmo de sempre, tive que dar um jeito em uma vaca. Fazer ela entender o lugar dela sabe”; claro que não temos vacas mas Pietra estava tão distraída que duvido que lembraria disso. “Mas que interessante!, Você quer saber o que fiz hoje?”; não queria mas apenas assenti com a cabeça. “O doutor veio aqui em casa”; me enchi de fúria, enciumado seria por isso que ela fez esse jantar. Meu pai já me dizia nunca confiar em uma mulher, mesmo sendo a sua mulher. “Por que não vi o doutor aqui em casa?”; agora ela teria que contar tudo. “Porque você estava cuidando da sua vaca”;senti a ironia naquelas palavras, querendo me atingir. Nunca que deixaria falar comigo daquele jeito, mas naquele dia estava me sentindo bom, pensando o melhor da pessoas então a-deixei continuar: “Ele confirmou minhas suspeitas, estou grávida.” Acho que esse foi um dos episódios mais felizes da minha vida, minha família crescendo, aumentando pouco a pouco. Nesses meses não mudei minha rotina, mas agora fazia tudo sabendo que meu filho ganharia tudo aquilo. Sei que vai ser um menino, meus genes produzem homens fortes, verdadeiros dominadores. Minha mulher com todos os seus defeitos é forte o suficiente para carregar meu menino em seu ventre.


Gostava de sentar às margens dos rios para ler meu jornal, no lugar onde as escravas tomavam banho, era uma vista bonita com um vento agradável. Silencioso, apenas com uma ou outra fofoca das mulheres costumava a mandar elas ficarem quietas, mas com o tempo aprendi que conseguiria ouvir informações importantes. Principalmente sobre escravos foragidos. Foi um dia desse, perto do segundo trimestre de gravidez da minha mulher, que vi a minha escrava favorita com uma barriga incomum. Meio feia por sinal, gorda demais, os peitos inchados e caídos. Teria que dar menos comida para ela, eu andava sendo muito generoso. “É do senhor?”;ouvi uma escrava dizendo para ela, e foi naquele momento que a situação fez sentido em minha cabeça. O peso, os seios, a barriga, a tristeza em seu olhar. Ela estaria carregando meu filho, meu bastardo, meu fardo. Meu primeiro impulso foi mandar matar a escrava, assim nunca teria que ver a criança. Tomado por raiva daquele feto que ainda nem tinha chegado no mundo, querendo ver ele sumir antes de existir. Aquele fardo, aquela praga. Me levanto fora de mim, precisava extravasar minha raiva em algo, alguém. Olho para as escravas, elas se afastam quase percebendo a minha raiva. Olhei para a prenha, ela já previa o que iria acontecer. Aquela noite demorei para voltar para casa, transformando minha raiva daquela escrava em prazer. Se ela chorasse eu saberia que meu objetivo estaria completo, mas não saía uma lágrima do olho da desgraçada. Ela queria me desafiar aquela safada.

Não voltei para casa aquela noite, quando acordei a escrava tinha saído do quarto provavelmente para fazer seus afazeres. Ainda confuso, com o mundo turvo levantei da cama. Entrando no casarão minha mulher me esperava. Via a decepção em seus olhos, e sabia que ela via a raiva em meus. Ficou quieta, ainda bem. Sabia que se eu explodisse nós dois iriamos sair machucados. Talvez mais ela do que eu. Os próximos dias foram quietos, ninguém dizia uma palavra. O ódio havia me consumido, como uma praga lançada pela aquela escrava para me seguir por toda a eternidade. Estava planejando o que fazer com ela quando minha Pietra abriu a boca, dessa vez para dizer algo sábio.

“Você soube da escrava grávida?”; não respondo, ela sabia a resposta. “Ela bem que daria uma ótima ama-de-leite.” Considerei a ideia, precisaríamos comprar uma ama-de-leite de qualquer maneira. Ela não nos serviria de nada morta, não foi uma escrava barata. Lembro quando meu pai me levou para comprar ela, ele sempre dizia que quanto mais nova a escrava melhor. Assim ela durava muito mais tempo. Agora se ela tiver uma filha a criança duraria muito tempo. Poderia substituir a mãe, eu poderia até esperar ela crescer e vendê-la. Com a lei do ventre livre minhas opções ficavam cada vez mais limitadas, a mercadoria e meu filho estavam quase nascendo. O enxoval tinha sido feito pelo irmão de Pietra que tinha acabado de voltar de Portugal. Já tinha pesquisado os preços que iria custar o fardo. A parteira já tinha sido contratada e morava perto da casa. Ainda estava pensando com quantos anos venderia o peso. O nome do meu filho seria Paulo, o nome de meu pai, o melhor homem que conheci. Nasceu primeiro a filha da escrava, seu nome era Arminda. Não que importasse muito, achei graça quando ouvi a mãe de escrava explicando para outra escrava o significado do nome: “Arminda, a que possui armas”. Enquanto ela fosse minha propriedade não tocaria em arma nenhuma. Não sabia o que faria com a mulata, ser livre não era uma opção. Vinha contra tudo que eu tinha lutado a minha vida inteira. Os escravos mantinham Arminda longe de mim e da minha família, não queria ser lembrado do meu erro todos os dias. A barriga de Pietra estava tão grande que poderiam até ser gêmeos. Chegou o dia que eu iria conhecer meu filho. Foram nove meses difíceis, mas meu garoto não iria ter que passar por nada daquilo. Ele iria chegar e tudo iria se arrumar, tudo que fiz foi para ele, tudo que aconteceu foi para ele. Quando Paulo nasceu, foi uma grande felicidade. Eu e Pietra nos conectamos mais do que nunca. Ele tinha uma ama-de-leite, um quarto só para ele. Coisa que poucos tinham o privilégio de ter. Paulo ia crescendo como um foguete. Em um ano ele já estava falando e andando. Correndo pela casa. Com três anos já sabíamos que ele iria se tornar um rapaz muito bonito, tinha os olhos azuis da mãe e meus cabelos pretos cacheados. Suas bochechas eram rosadas, e sua pele de um branco puro.


Havia quase me esquecido da outra criança, nem sei se aquilo poderia ser chamado de criança. Ela não apareceu na minha frente uma naqueles anos. Mesmo assim me trouxe alguns problemas, eu não mais ia ler o jornal na margem do rio porque Arminda estaria lá. Mas passava muito mais tempo com a minha família agora. O primeiro grande problema que Arminda causou foi quando ela estava doente, eu estava cansado naquele dia. A ama-de-leite, mãe de Arminda, estava cuidando de Paulo. Ela aproveitou-se da situação e trouxe sua filha para brincar com meu pequeno. Paulo era novo e não entendia o horror da situação. Sorte que consegui interromper a situação, mas para isso tive que fazer um grande sacrifício. Ver aquela bastarda com meus próprios olhos. Ela era suja, com uma pele marrom cabelos pretos, com cachos feios, crespos. Seu nariz lembrava um pouco do meu, mas não gosto de pensar sobre isso. Aquilo me deixou com tanta raiva, memórias vinham em minha mente. A criança estava muito crescida para ir para roda, mas ainda sim muito pequena para começar a trabalhar para mim. Além disso alguém do governo poderia me denunciar, por causa dessa idiota ideia do ventre livre, mas nada que não pudesse ser resolvido com uma certa quantia de dinheiro. Com seis anos contratamos um padre para começar a ensinar Paulo, meu filho teria um futuro brilhante. Ainda estava na dúvida de se ele seria Médico ou Advogado, Pietra queria que ele fosse do Clero mas encerrei essa ideia quando vi o clero ajudando algumas crianças pretas. Já Arminda com seis anos já começava a ajudar nas plantações, se ela teria que existir pelo menos que fosse uma escrava útil. Que ajudasse na colheitas. Já tinha me acostumado com a ideia da existência de Arminda, ela sempre fazia as tarefas na casa. Pietra nunca olhou no rosto dela, sentia mais ódio do que eu da bastarda. Paulo não via ela como irmã nem em seus piores pesadelos. Lembro de uma vez que ele a agradeceu como igual quando ela veio lhe-entregar um copo de suco, meu corpo gelou. Mais tarde percebi que era só burrice de criança.

Paulo cresceu e se tornou tudo que planejamos para ele, um homem bonito, que estava em caminho de se tornar um ótimo médico. Não podíamos estar mais orgulhosos, ele tinha várias pretendentes entre elas filhas de duques e até uma filha de um visconde. Ele ainda não parecia ligar muito para casamento mas eu realmente amaria conhecer meus netos. Os escravos estavam ouvindo cada vez mais ideias abolicionistas, era difícil de controlá-los. Outro dia uma escrava tentou fugir, há levamos para o pelourinho para da exemplo para outros rebeldes de plantão. A escrava era a antiga ama-de-leite de meu filho, mãe da bastarda. Era finalmente o momento da minha vingança, cada grito da escrava era música para os meus ouvidos. A mulher que quase arruinou minha família finalmente pagando pelos os seus pecados. Todos me olhavam para ver quando a tortura iria acabar, não queria que acabasse, ela havia afetado demais a minha família. Fui vendo a vida sumir de seus olhos, o choro de Arminda no fundo, lágrimas nos olhos de Paulo e Pietra. Mas nada disso importava. Eu finalmente iria conseguir seguir minha vida.

Foi uma ação idiota, admito. Só tínhamos agora cinco escravos contando com Arminda. E eles não estavam mais calmos apenas mais agressivos, não faziam às suas tarefas com empenho. A casa andava suja, e as plantações poucos frutos. Me penso se valeu a pena, se é o espírito daquela desgraçada que me amaldiçoou. Ela não me deixaria em paz. Foram dois escravos foragidos em menos de 3 anos, os caçadores de escravos eram bons para mulatos qualqueres, mas só conseguiram me trazer de volta um escravo. Andava nervoso sem ter ninguém exceto Pietra para descontar minha raiva. Paulo via o meu fracasso, sabia que ele era o que ia reconstruir a nossa família. Paulo partiu para a europa, ia estudar em Coimbra.

Enquanto Paulo estava fora eu tentava me manter são, e estava conseguindo. Nossos escravos de quatro foram para 6 o que era o suficiente para manter a fazenda funcionando. Depois da morte da mãe da Arminda, sempre esquecia que ela era minha filha, e isso passou a não ser relevante. Pietra e eu passamos a brigar menos no momento que comprei uma escrava para suprir minhas vontades.


A gravidez de Arminda não nos pegou de surpresa, ela era uma escrava muito atrevida assim como a sua mãe. Sempre causando intrigas, já tinha ido para o pelourinho diversas vezes. A gravidez dela não mudou nada, ela ainda limpava a casa, ajudava os homens na colheita. O bebê que ela carregava teria o mesmo destino dela, essa era a maior punição que ela poderia ver. Estava observando o rio como o de costume. Às escravas tomando banho, o jornal com as mesmas notícias de sempre. Eu observava as minhas posses orgulhoso do que meu filho veria quando voltasse para a casa. Contei minhas escravas como o de costume e me dei conta que faltava uma. Safada como sua mãe. A cara de Arminda estava estampada por toda cidade, sabia que os melhores estariam procurando por ela. Dias de procura e nada de Arminda, a bastarda assim como a sua mãe destinada a trazer desgraça para a minha família. Minhas noites com a escrava iam aumentando. Ela era diferente da mãe de Arminda, não brincava joguinhos, se eu quisesse que ela gemesse ela gemeria. Ela sabia do que aconteceu e iria me obedecer. Eu tinha o controle.

Mas parecia que com Pietra esse controle ia embora em segundos. Ela me perguntava constantemente porque a importância de achar Arminda. Achava que eu tinha sentimentos paternos pela bastarda. Não conseguia entender como eu queria minha vingança, queria me vingar pela sua existência. Fazer o fato dela existir ser pior para ela do que para mim. Estava jantando quando ouvi alguém batendo na porta freneticamente. Pietra me olhou e perguntou: “Querido você sabe quem é?”; eu não sabia, mas disse que sabia para não preocupá la. Me levantei e abri a porta, Arminda estava sendo segurada por um mulato de cabelos escuros, um caçador de escravos. Uma felicidade misturada com raiva tomou meu peito, queria abraçar o capturador e me vingar da Bastarda. Ele largou Arminda no chão, que começou a sangrar imediatamente. Aquela acho que foi o último ato de desobediência, meu futuro escravo não nascendo. Ver o responsável da minha vingança não vingando.


Sofia Petti Figueiró

A HISTÓRIA DE TIA MÔNICA Olá meu nome é Mônica e vou contar uma história. Eu sou tia de uma garota de vinte e dois anos chamada Clara. Ela foi abandonada pela mãe quando era bem pequena então eu fiquei com ela. Eu trabalhei minha vida inteira sendo costureira. Clara com vinte e dois anos já estava na idade de se casar. Foi aí que ela achou Cândido Neves um homem de trinta anos. Cândido era um homem muito bom mais tinha um problema era que Cândido nao tinha um trabalho de ofício sempre ficava mudando de emprego. No futuro quando eles já estavam perto de se casar eu, Clara e ele fomos morar juntos. Nunca fomos ricos, sempre moramos em uma casa alugada e pequena, e com pouca comida. Mesmo assim conseguimos nos sustentar sempre tinha comida, em pouca quantidade as vezes mais sempre tinha. Clara e Cândido começaram a querer ter um filho. Eles sempre falavam a onde cabem três podem caber quatro. Eu desde o começo não gostei da ideia. Porque a gente já não tinha muita condição financeiras em três, em quatro séria muita gente para pouco dinheiro. Sempre deixei minha opinião de ter um bebê claro para Clara e Cândido. Depois de um tempo Clara e Cândido resolveram se casar com isso também cada vez mais eles tinham vontade de ter um filho. Depois de onze meses longos eles se casaram foi uma linda comemoração para eles e para mim também, fiquei emocionada porque Clara q eu cuidei finalmente se casou. Depois de um tempo eles decidiram ter um filho. Eu não queria que eles tivessem um filho porque sei que não iria dar para sustentar todos. Muito tempo depois Clara ficou grávida e seu filho já estava para nascer. Cândido estava muito empolgado para o bebê nascer e Clara também. Depois de alguns meses o bebê nasceu. Ele ficaram muito felizes. t

Depois tudo que eu falei antes aconteceu. Com o filho de Cândido eles começaram a ter que trabalhar mais. Cândido trabalhava como caçador de escravos e eu e Clara éramos costureiras. O dinheiro não estava sendo suficiente para nos quatro. Estávamos trabalhando muito mais sempre faltava comida na casa. Até que chegou o dono da casa que alugamos e falou que a gente tinha 5 dias para pagar o aluguel e se não pagássemos teríamos que sair. Foi nessa hora que o meu Clara e Cândido tiveram que decidir o que iriam fazer porque nos quatro na mesma casa não estava dando certo. Então Cândido depois de um tempo decidiu fazer um sacrifício, botar o filho na roda.

A gente já estava sem escolha não tínhamos comida, saúde e casa. Era a única escolha que tínhamos para talvez conseguir sair dessa crise. Cândido e Clara estavam muito tristes de ter que deixar o filho mais sabiam que não tinham escolha. Chegou o dia Cândido já estava levando o filho para roda, ele estava triste e suas pernas pesavam quando caminhava. Quando estava já bem perto da roda acontece o impossível. Ele encontrou uma escrava fugitiva, o nome dela era Arminda ela estava grávida. Cândido pegou ela e levou para o dono. Ela no caminho gritava pedindo para ele não a llevar mais ele mesmo assim levou. Quando Cândido entregou ela o dono na hora pagou cem mil reais para ele. Ele ficou muito feliz pois com esse dinheiro ele não ia precisar deixar o filho dele na roda. Depois ele voltou para casa e avisou para mim e para Clara que conseguiu o dinheiro e que não teríamos que deixar o bebê na roda.


Com esse dinheiro tudo mudou Cândido consegui comprar uma casa conseguiu comprar mais comida, móveis entre outras coisas. Ele comprou uma casa para mim, fiquei muito contente. Ele finalmente conseguiu um emprego. Virou um dono de terras super famoso no mundo. assim conseguiu sustentar sua família. Clara virou costureira e conseguia um dinheiro com isso. Além disso Clara também cuidava muito bem de seu filho. E eu continuei costurando agora sozinha mais mesmo assim muito feliz. O tempo passou e vi a evolução do filho da Clara que eu cuidei quando mais jovem. Seu nome era Peter, ele sempre foi uma criança feliz. Ele era muito inteligente aprendia as coisas muito rápido. Sempre foi para minha casa e eu contava para ele sobre tudo que eu e seu país passaram. Ele adorava vir na minha casa para ouvir essas histórias. Depois de alguns anos Clara morreu de uma doença muito forte. Cândido ficou muito chateado quando ela morreu e a abandonou o filho comigo. Eu cuidei dele dei carinho e fiquei muito chateada com a morte da Clara e também fiquei com muita dó do Peter que já tinha passado tanta coisa quando nasceu agora passar por mais isso. Eu antes dele nascer não queria que ele nascesse mais ele nasceu e eu peguei um carinho enorme por ele. Cada dia que passava mais ele crescia e mais ele ficava inteligente. Eu tinha um dinheiro deixado por Cândido mais cada vez mais ele ia acabando. Também costurava e conseguia um dinheiro com isso. Quando Peter Peter estava um pouco mais velho decidiu me ajudar pois viu que o dinheiro estava acabando e eu não ganhava tanto dinheiro costurando. Ele começou a vender balas na rua, escola e outros lugares e com esse dinheiro também ajudava a gente a ter comida. Eu e Peter conseguimos bastante dinheiro vendendo bala e costurando. Moramos juntos e com ele eu sinto a mesma coisa que eu sentia com Clara. Alguns dias depois Candido Neves volta e pega Peter. Ele veio e falou que o filho era dele e que ele ia levar ele para morar muito longe. Eu falei pra ele que ele tinha abandonado e que eu tive que cuidar dele porque o pai o abandonou. Ainda depois falei que não era primeira vez que ele ia abandonar o filho.

Cândido ficou furioso pegou o menino e foi embora. Fiquei muito triste, fiquei vários dias pensando porque o Cândido mudou tanto. Quando Clara estava tudo perfeito foi só ela ir que o mundo virou de ponta cabeça. Fico com muita dó do Peter que depois de tudo ainda tem que se mudar para longe ele ainda é uma criança. Meses se passaram e eu não tinha nenhuma notícia, nem de Cândido nem de Peter. Até que um dia tocam na porta da minha casa. Eu atendo e dou de cara com Cândido. Ele estava com uma cara triste com cara de que precisava de ajuda. Deixei ele entrar, e a gente começou a conversar. Primeiro ele pediu desculpa por ter levado Peter sem explicações e também de um jeito estranho. Contou que estava muito mal pela Morte de Clara, e também porque toda hora que ele ia conversar com o filho ele nem respondia de raiva e tristeza.Ele pediu para eu ir morar com eles para a alegria do filho. Eu demorei um pouco para entender mais sabia que ele era um bom homem então aceitei o convite. Botei minha casa para vender e fui morar com eles. Quando cheguei vi Peter e quando ele me viu saiu correndo e me deu um abraço bem apertado.

Depois disso começamos a viajar pelo mundo. Viajamos pela América e Europa conhecemos muitos lugares diferentes. Quando voltamos Cândido estava melhor e finalmente teve uma relação verdadeira entre pai e filho. Peter também compreendeu seu pai por tudo que ele tinha passado. Seguimos longos anos juntos aprendendo e mostrando novas coisas um ao outro. Um dia fui comprar comida e vi uma moça que parecia com alguém que eu conhecia. Quando eu olhei para ela ela deu meia volta e saiu andando. Segui era até um lugar sem saída. Ela não tinha para onde fugir daí eu falei: - Eu te conheço - Não - Quem é você? - Está bem eu vou contar. Eu sou Bianca, sou irmã da Clara. Nossa mãe nos abandonou e viramos órfãs mas minha irmã conseguiu uma família e eu não. Consegui uma família depois e fui procurar minha irmã achei o seu nome relacionado ao dela por isso te segui. Você sabe onde está minha irmã. - Bianca sua irmã morreu já faz um tempo ela estava com uma doença e acabou falecendo.


- Meu deus, que horrível estou a muito tempo procurando ela agora acho que nunca vou vê la Sinto muito, ela era uma pessoa muito boa. - É acontece. - Bom você é tia então. - Como assim? - A Clara se casou e teve um filho. - Nossa que legal sou tia e nem sabia. - Ela me seguiu até em casa e eu a apresente para Cândido e Peter. Depois de Cândido conversar bastante sobre Clara com Bianca eles viraram super amigos. Eu e Peter também gostamos muito dela. Depois desse encontro ela começou a vir várias vezes na casa e com o tempo foi cada vez mais entrando na família até que um dia Cândido convidou ela para morar junto com eles. Ela aceitou e ficou muito feliz pois não tinha ninguém. Ela virou meio que a mãe de Peter tratava ele como se fosse seu filho. E assim se formou uma família.


Teodoro Jacinto Acordo mais um dia com meu senhor berrando meu nome. Levanto e vou correndo para a plantação de café. Chegando lá, me junto com Maria, que já está colhendo os grãos. Ela é um pouco mais velha que eu, já está na casa dos 40 anos. Começamos a conversar, e conto para ela mais ideias sobre nosso plano. Estamos pensando em fugir a bastante tempo, mas é necessário que tudo seja combinado previamente e que ocorra tudo certo. Estamos pensando nisto com vários outros. Então, já de noite, todos nos juntamos para continuar articulando o plano. Zeca diz que devemos escapar à noite, quando o dono já estiver dormindo. Mas João destaca o fato de que os capangas dele ficam acordados a noite toda. “É só pegarmos uma pedra e nocautear algum deles e fugir“ fala Maria. Acabamos por decidir que iremos escapar à noite, quando nosso dono já estiver dormindo, vamos derrubar um dos guardas e fugir. Depois de decidir tudo, voltamos a conversar. Meu dono é a pior pessoa que já existiu. Qualquer erro que cometêssemos, éramos castigados bravamente. Ele, juntamente com sua mulher, cuidava dos escravos com a ajuda de guardas e capangas, violentos como o casal. A punição mais grave que já tomei foi quando desrespeitei o dono e me deram um tiro no pé. Fiquei quase 1 ano sem conseguir andar direito, pois tinha de trabalhar mesmo machucada. Sinto até hoje a dor no meu calcanhar, assim como sinto a dor em minha alma quando fui estuprada. Eu lembro de quando fui capturada. Quando cheguei aqui, me deparei logo com Maria, que estava sendo agredida pelo feitor. Mais tarde descobri que ela tinha demorado muito para atingir sua meta, e por isso, tomou chicotadas. Logo que cheguei comecei a trabalhar. Tinha 19 anos, e Maria tinha por volta dos 25. O dono, no dia que cheguei, me chamou para a casa dele. Foi nessa noite que ele me estuprou. Saí chorando e fiquei muito traumatizada desde então. Foi a primeira vez de algumas outras que ele fez isso comigo. O dono, desde sempre, é muito exigente, todo dia me faz acordar cedo, e trabalho o dia inteiro sem pausa, e se não fizer tudo corretamente, sou punida. Todo dia colho quilos e quilos de café. Daqui 3 dias, fugiremos.

Acordo com um grito. É Gilberto, sendo chicoteado até a morte. Todos começam a gritar a ficam desesperados. Aproveitamos então o momento para fugir. Abortamos o plano e saímos correndo com tudo para fora do terreno. Quando saímos, vamos correndo e encontramos uma construção com luz acesa. Entramos e lá nos deparamos com um homem já mais velho, deve ter 50 anos. Falamos que somos escravos fugidos e imploramos para ele nos salvar. Para nossa sorte, ele dá abrigo e alimento para nós, mas fala que temos que sair no dia seguinte. Dormimos rapidamente, mas nem assim para eu relaxar. No meu sonho eu revivo o momento em que fui estuprada pelo meu dono. A primeira vez que fui, no dia que eu cheguei. Acordo desesperada e chorando, mas João estava lá para me ajudar, assim como sempre esteve. Tento dormir novamente mas não consigo, então começo a pensar em o que fazer quando o farmacêutico acordar e nos mandar para fora.

Depois de todos acordarem, concordamos em sair escondidos e procurar algum lugar onde ficar. É bem cedo ainda, a maioria das casas estão fechadas e seus moradores dormindo. Encontramos então, um casarão abandonado onde podemos ficar por um tempo. O problema é comida. Tentamos, todos, arranjar alguma coisa em que trabalhar no dia seguinte. Zeca consegue arranjar algum dinheiro ajudando o padeiro a assar o pão. Maria consegue um trabalho de caseira numa casa perto de nosso casarão. Eu e João começamos a trabalhar em uma casa de carnes. Os outros ficaram de cuidar de nossa casa e tentar arranjar algum lugar em que possam trabalhar no futuro. Acabo descobrindo nesta mesma noite, que estou grávida. Começo a sentir algumas dores na barriga e acabamos assumindo que vou ser mãe.


Depois de algum tempo trabalhando, conseguimos uma boa quantia e vivemos, na medida do possível, bem. Há cartazes com nossos rostos em cada esquina da cidade, e sempre que vemos algum cartaz, arrancamos e jogamos fora na hora, claro que sem deixar que ninguém veja para não suspeitar de nós. Os três de nós que não arranjaram nenhum ofício ficaram encarregados de procurar os folhetos de procurado e arrancá-los, além de limpar a casa. Minha barriga já está começando a crescer.

Um dia, Maria acordou se sentindo mal. Estava enjoada e com dor de cabeça, e como nosso dinheiro não era nada demais, não podíamos comprar nenhum remédio. Ela acabou adoecendo mais a tarde neste mesmo dia. Então, fomos nos perdendo, uma semana depois, Zeca vai andar na rua e se depara com um dos capangas do nosso dono, que leva-o de volta para o sofrimento que conseguira escapar. Começamos então a ficar mais preocupados e a tomar mais cuidado quando saíssemos de casa. Somos agora, apenas 5, sendo que apenas eu e João estamos com um trabalho. Pelo menos estamos recebendo o suficiente para sustentar todos nós. José acaba sendo pego também, por um capitão do mato, que provavelmente conseguiria dinheiro para viver umas 2 semanas. Somos agora, uma das coisas mais valiosas da cidade. Felizmente, a imagem do meu panfleto estava ruim e não me buscavam ainda. Um dia, estava andando na cidade à caminho do açougue onde consigo meu dinheiro e me deparo com um homem. Um capitão do mato, o mesmo que pegara José. Ele não me vê inicialmente. Desço a rua e volto rapidamente para nossa casa, assustada e com medo, conseguira escapar. Depois de meia-hora, saio de casa e vou em caminho ao açougue novamente. Havia me enganado, ele tinha me visto. Logo que saio de casa, está ele lá do outro lado da rua, apenas me esperando sair. Ele me captura sem dó e começa a me amarrar: - Por favor, não me capture, eu estou grávida, você não tem filho?! Ele não diz nada, apenas me amarra enquanto tento me soltar, não grito pois sei que não adiantaria nada, não tenho salvação. Estou condenada e novamente terei que voltar para o inferno que é aquele lugar.

Chegando na terra de meu dono, começo a me sentir mal. Sou largada no chão com força e o capitão do mato que me capturou recebe o dinheiro pelo serviço. Sinto uma dor muito forte. E o bebê saiu de mim, eu virei mãe. Mas este bebê tinha um diferencial, ele estava morto, eu sou a mãe de um bebê morto. No dia seguinte já estou trabalhando normalmente, obviamente com uma cobrança maior, por ter fugido. Fico pensando em João, o que será que ele está fazendo, será que ele está bem? E agora estou de volta na casa de meu dono, só que sem amigos e muito mais triste. Cada segundo que tive e cada esperança de liberdade que poderia ter foram jogados fora.

Depois de umas duas semanas, João chega também capturado e cheio de marcas de luta e hematomas. Tudo está muito ruim, começo a ficar mais doente. Até que um dia, não acordo mais.


Thiago Thompson Fugi de casa aos 16 anos de idade porque não aguentava mas o meu pai, ele devia ter por volta dos 45 anos nunca soube direito pois faz muito tempo que não falo com ele, quando eu era pequeno éramos muito ligados até que ele parou de falar comigo nunca entendi o motivo, era uma homem que não conseguia ficar em nenhum emprego pois era muito preguiçoso estávamos sempre nos mudando por causa dele. Minha mãe e ele sempre me tratavam bem quando eu era pequeno mas depois não ligava mais para mim. Minha Tia Mônica sempre pediu pra eu ir morar com ela mas nunca aceitava pois queria ficar com os meus pais, ela sempre me falava que eu iria viver melhor com ela mas quando eu era pequeno passei um tempo com ela porque meus pais sairam e me deixaram com ela, ela não me tratou bem então na hora que eu decidi sair de casa escolhi não ir para a casa dela pois sabia que eu não ia ser feliz lá.

Fugi em uma noite escura do mês de julho ou agosto não me lembro muito bem a única coisa que me lembro bem é que estava muito frio então comecei a procurar um lugar para dormir , perambulei um pouco pelas ruas sem rumo até eu encontrar uma casa abandonada no alto da colina percebi que estava muito longe de casa pois nuncas tinha andando naquela região.Quando cheguei perto da casa percebi que era uma casa em ruínas a única parte da casa que estava em pé era a parede que eu tinha visto o resto era só mato não tinha nada só fica mais frio lá em cima então vi ao longe uma luz bem fraca do outro lado da cidade no meio da mata, decidi ir em direção a ela já tinha ouvido histórias de quilombos aqui perto.Quando amanheceu eu já tinha cruzado a cidade e estava começando a entrar na mata não sabia direito pra onde ir, quando do nada um cara começou a me perseguir com seu cães , então comecei a correr por susto, mais não corri muito pois não tinha dormido e estava morrendo de fome, então ele me pegou quando a ele viu percebeu que não era a pessoa que estava procurando, então me mostrou um cartaz com o nome do escravo que estava fugindo seu nome era Bagé, falei que não tinha visto ele pediu desculpa e foi embora .

Após algumas horas dentro da mata sem saber onde ir,ouvi um barulho no meio da mata era uma pessoa ele perguntou - Quem é você ? -perguntou ele - Sou o Benício - O que você está fazendo aqui ? - Procurando um quilombo mas não sei onde fica Então ele saiu de trás das moída perguntei quem era Sou Bagé, eu sei onde fica o quilombo quer ir comigo ? - Claro Então começamos a conversar sobre tudo sobre nossas famílias, onde morava ,como eram nossas vidas e muito mais. Bagé começou a contar de sua mãe falou que seu nome era Arminda e que morreu após tentar fugir mas não conseguiu fugir pois foi pega por um cara chamado Cândido Neves ,nessa hora eu parei assustado , Bagé perguntou: O que foi ? Cândido Neves é o nome do meu pai Bagé ficou um pouco irritado mas não falou nada, então falei: - Nunca soube que ele era um caçador de escravos fugidos, meu pai nunca fica mais de duas semanas em um emprego sempre sai antes porque é muito preguiçoso ele sempre falou que era tipógrafo. Nessa hora ficamos um tempo sem conversar até ele ouvi a minha barriga roncando, Bagé perguntou se eu estava com fome respondi que sim com a cabeça. Após alguns minutos de caminhada encontramos um rio era um um lugar muito bonito cheio de árvores exuberantes em volta a água era quase tão azul quanto o céu havia também algumas araras e maritacas como era fim de tarde estavam todas voando para os seu ninhos e cantarolando parecia uma coisa surreal foi tão bonita que perguntei para Bagé se a gente podia dormir aqui mesmo ele respondeu que não que sabia um lugar muito bom e que eu iria gostar.


Bagé pegou um graveto e começou a pegar alguns peixes para nós comermos, peguei os peixes e comecei a seguir Bagé porque já estava ficando tarde e precisávamos dormir. ele me levou para um lugar que era muito bonito era em uma colina cheia de pedras que dava para ver a cidade inteira era muito bonita no meio das pedras havia uma casa mais era dentro da colina foi onde nós dormimos. Bagé acendeu uma fogueira assamos o peixe e depois só me lembro de estar exausto pois tinha andado o dia todo e n tinha dormido a noite anterior. Bagé me acordou cedo porque queria chegar rápido no quilombo. Após algumas horas de caminhada chegamos no quilombo era um lugar muito bonito em volta tinha algumas palmeiras e no meio delas tinha algumas casinhas todas bem humildes e muito bonitas todas feitas de palha e as casas em redondas diferente do que eu era acostumado, parecia que eu estava na minha terra natal todos se vestiam como com roupas típicas da suas tribos. Após um ano vivendo com eles conheci Alika ela era maravilhosa não sei nem como descrever ela parecia um anjo . Alika era filha do patriarca do quilombo que era um homem muito bravo mas muito simpático também, Alika devia ter por volta dos 17 anos. Como eu era novos no quilombo estava sempre aprendendo coisas novas como agricultura, caça , costura, a construir as casas e muitas outras coisas. O que eu mais gostava era a caça porque sempre aprendi muitas coisas mas também gostava das aulas de costura porque era Alika que dava a aula. t Após alguns anos comecei a namorar Alika, Abiodun não gosto muito de eu namorar a minha dele. Como Abiodun era quem me ensinou a caçar sempre me chamava para caçar pois virei um dos melhores caçadores da tribo.caçamos cheralmente cervos , capivaras , jacares e muitos outros. Um dia sai para caçar com Abiodun e encontramos algumas pessoas por perto mas não eram pessoas qualqueres eram caçadores de escravos fugido então saímos o mais rápido que pudermos sem fazer barulho avisamos a todos e fugimos fomos para o alto de um morro que ficava perto mas duas crianças ficaram para tras entao Abiodun alguns de seus melhores guerreiros para lutar contra os caçadores de escravos fugidos e me pediu para levar o resto para um lugar bem longe onde não podiam nos encontrar.

Pelo que sei todos morreram aquele dia pois nunca mais vi ninguém, achei um lugar em uma encosta de uma montanha perto de um rio que eram tão bonito quanto o céu estrelado. Começamos a construir a tribo. Me casei com Alika tivemos um filhos, Ayo, e duas filhas , Hadya e Shany. tudo que eu aprendi com Abiodun passei para os meus filhos pois ele me ensinou tudo o que sei. Para descobrir mesmo se Abiodun e seus homens tinham morrido envie uma pessoa de confiança, Akileine para descobrir .

Após algumas semanas sem notícia Akileine volto , disse que os que sobreviveram foram levados para a casa de algum homem muito rico e foram torturando até a morte. Quando contei à Akila começou a chorar na hora. Com não sabia o que fazer para ela parar de chorar, levei ela para seu lugar favorito um rio que eram tão sinuoso quando uma cobra se arrastando. Após algumas semanas Akila se recuperou, e aqui estamos vivendo no meio da mata e muito felizes.


Thomas Stanquevisch

ESCRAVA DE JÓ Éramos eu e mais 4 escravos, nós nascemos em um quilombo todos juntos, até que um grande Bandeirante invadiu nosso quilombo e o destruiu. Fomos colocados no tráfico quando tínhamos dezesseis anos de idade, todos éramos fortes, nós fomos comprados cedo. Nosso Senhor se chamava Jó era uma homem com uma grande fazenda de algodão, ele era muito violento, qualquer barulho que eu fazia ele me estuprava era uma coisa horrível. Um de meus amigos Francisco conseguira fugir uma vez ma havia sido pego por um tal de Cândido, Francisco contou que Cândido era muito ágil nem a capoeira o derrubava. O senhor havia um filho Adão, ele conseguia ser mais violento que seu pai ele tinha apenas quatorze, ele era igual o pai castigava por qualquer coisa, nossa vida era insuportável . Não dava mais para aguentar aquela vida então fizemos um plano de fuga quando os tambores tocarem tínhamos que correr, havíamos achado uma brecha da vigilância, no dia seguinte fugiriamos, nosso plano era fugirmos e irmos a um quilombo que ouvíamos falar em uma saída que tiveram para trabalhar com seu dono, diziam que havia um homem no quilombo ele era muito forte e ágil. Os tambores começaram a tocar era hora de fugir, o Senhor Jo estava longe o momento certo era naquela hora, eu e mais quatro escravos estávamos tão perto da fuga, fomo pegos, como castigo os homens foram chicoteados, eu a única escrava mulher na fazenda de Jo fui estuprada por ele e seu filho, foi horrível talvez uma das piores coisa que já havia sentido.

Combinamos outra fuga, achamos de vez uma brecha, era um lugar onde ficava guardado armazenado o algodão, lá tinha um buraco que cabia todos eles. Então chegou o dia da segunda fuga, então começamos a fugir, foram ao buraco onde dessa vez não havia nenhum guarda, conseguimos fugir, então fomos ao quilombo que havíamos ouvido boatos sobre.

Quando chegaram lá descobriram que tudo era mentira, o homem forte e ágil que vivia no quilombo não era um abolicionista e sim só um negro que escravizavam outros negro, negociamos com ele. No final da conversa o dono do quilombo (chamado de Esqueleto dentro do quilombo) decidiu me liberar, vivi lá por alguns meses, acabei tendo relações com o Esqueleto, pela primeira vez tive uma relação sexual que não era forçada. Virei a rainha do quilombo então liberei meus amigos, lá tínhamos uma vida boa, comida todos os dias, melhor que muitas famílias que ficava perto do quilombo. Cada um tinha uma função eu cozia as roupas para o povo, meus amigos eram guardas do quilombo. Nem todos os brancos eram maus, havia um que morava conosco ele levava as nossas mercadoria e trazia o dinheiro e comida, era um homem alto de olhos azuis, cabelos dourados, e uma boa lábia, me apaixonei, mesmo tendo relações com o Esqueleto. Não me contive, fui com ele a cama, foi a vez que tive mais prazer na minha vida, era apaixonante ele era gentil, foi a única vez que consegui olhar para o meu parceiro durante a transa, foi ótimo quando aconteceu, mas um arrependimento depois , Esqueleto descobriu tudo abriu a porta da casa do homem no meio do ato, Esqueleto com sua força bruta matou o homem . Era tudo culpa minha, ele disse que dessa vez ele deixava passar mas na próxima era eu que apanhava. Depois do ocorrido ele não deixava eu falar com nenhum outro homem mandou Francisco buscar outra pessoa que nos ajudaria a comprar e vender nosso produtos. Depois de dias Francisco voltou trazendo um vendedor de roupas, era igual ao outro homem que havia me apaixonado o nome dele era Paolo, ele vinha da itália, era um otimo medico então veio ao brasil pensando na oportunidade de ganhar mais dinheiro que na itália, Esqueleto logo avisou ao rapaz que eu era mulher dele. Paolo contou a história dele para todos nós explicou como era na itália falou sobre sua família que estava lá, contou como era gostoso as comidas de lá.


Alguns dias depois Paolo contou a mim que me viu no jornal como procurada, eu fiquei com medo de ser encontrada e levada de volta a Jó, mas sabia que no quilombo de Esqueleto eu estava bem escondida. Sua localização era improvável e longe de qualquer instância, por isso estamos bem seguros. No quilombo nós relembramos nossas culturas, aprendemos a tocar mais músicas do tambor, aprendemos o candomblé a religião de nossos ancestrais, aprendemos toda a cultura africana. t Depois de alguns meses Francisco foi a cidade em busca de livros, ele foi pego, voltou direto a fazenda do Senhor Jó, ficamos todos com medo de ele revelar a localização do quilombo, mas ao mesmo tempo com medo de ele não revelar e morrer pelos chicotes. Pelo visto ele estava morto, ninguém nos achou não estávamos mais preocupados. A vida continuou eu estava abalada, Francisco era meu amigo mais próximo. Depois de um mês comecei a me sentir mal, minha barriga doía, não sangrava fazia semanas, suspeitei de alguma doença mas não era nenhuma. Paolo me recomendou ir a casa de seu irmão farmacêutico que vinha ao brasil junto com ele. Contei tudo ao Esqueleto, ele disse para algum guarda ir comigo para eu não ter nenhum ferimento. Chegando na farmácia pergunto se o homem era irmão de Paolo, ele respondeu que sim e disse que seu nome era Mário, lhe perguntei se podia me examinar, então foi isso que ele fez pegou alguns equipamentos e me examinou fez algumas perguntas e a respondi, no final ele disse que poderia ser uma infecção ou uma gravidez, então ele disse para eu tomar alguns remédios e voltar depois de um mês para ter certeza do que eu estava tendo.

Fiquei com medo de estar grávida, não estava pronta para isso , tinha medo de ser filho do homem loiro que havia morrido, se o filho não nascesse negro de olhos pretos Esqueleto iria me matar, era uma homem muito vingativo. Continuei tendo dor de barriga, e ainda não havia sangrado esse mês para mim era definitivo eu estava grávida, agora eu tinha que tomar mais cuidado com as saídas para cidade, se fosse pega e levada para Jó assim minha punição seria ainda maior, além de fujona iria ser tratada como uma prostituta.

Passou um mês fui a farmácia, fizemos alguns testes tudo apontava para uma gravidez, fiquei frustrada comecei a chorar, o guarda que viera comigo não sabia porque , para ele um filho era uma benção, ele falava que teríamos uma futura mão de obra para o quilombo. Eu não achava isso, ainda pensava que o filho poderia ser do homem que morrera depois de tranzar comigo, e como eu já havia dito se isso acontecer eu iria morrer. Comecei a planejar de um jeito de me livrar da encrenca, perguntei ao Paolo se havia algum jeito de me livrar do bebê, ele me disse que so o unico jeito era muito perigoso, Paolo deu a ideia de eu fugir, assim não iria morrer pelo Esqueleto. Comecei a planejar minha fuga, iria embora no dia seguinte. Com ajuda de Paolo fugi, corri para casa de um amigo que havia recebido a alforria, fiquei lá por um tempo enquanto a gravidez ia progredindo. Tinha ouvido boatos que o Esqueleto estava a minha procura. Um dia fui comprar remédio a noite, ouvi um homem gritando: -Arminda!!!

Não sei como ele sabia meu nome, era um homem branco alto e forte, veio correndo atrás de mim, quando decidi fugir já era tarde, ele já estava segurando meu braço puxava me forte, Lhe perguntei: -Estou grávida, você não tem filho pense como seria perder um. -Cale-se, ninguém mandou você fugir escrava imunda. Continuava a chorar e pedir ajuda, Mario irmão de Paolo estava assistindo tudo com uma cara de decepção, era tarde não dava mais para fugir, vi de relance o Esqueleto ele vinha correndo, mas era tarde ele levou um tiro nas costas por um guarda. O maldito que havia me captura chegou a fazenda de Jó, me jogou pelas escadas como se eu nem fosse um humano, quando toquei no chão saiu de mim o meu bebê, o chão ficou todo ensanguentado, Jó pagou o homem e logo descobri que seu nome era Cândido. Logo ao fechar a porta, Jó me puxou o cabelo e me disse: -Nunca mais fuja sua escrava imunda

E pelo resto de minha vida fiquei presa na fazenda com trauma de ser encontrada em uma fuga.


Tim Michellepis de Siqueira

A ESCRAVA DESOBEDIENTE Meu nome é Clara Oliveira, e começarei a escrever aqui neste caderno em que achei na rua, histórias sobre minha vida. meu dia a dia, minha vida amorosa minhas preferências, e essa plataforma servirá para eu me expressar de uma maneira positiva. Muitos ao ver a minha capacidade de raciocínio e intelectual ficam surpresos, claro porém uma mulher que saiba ler e escrever atualmente já é algo difícil de encontrar, porém uma mulher mestiça e dona de casa que sabe, surpreende a todos os olhos. Claro que não me atreveria de usar o meu sobrenome de preta em minhas redações, por isso deixo apenas Oliveira. O meu homem é de qualidade, sua pele é branca como Neve, seu nome é Cândido, ele trabalha atualmente com seu primo, não saberia dizer ao certo com o que pois normalmente ele chega em casa tarde e não quer conversar. Faço uso da palavra casa para me referir a um cômodo onde nos abrigamos, porém sei que caso a renda de dele continue baixa nos iremos para a rua, porém apesar de não ter um emprego fixo e estável eu o amo, diferente de minhas amigas ele só bate em mim as vezes, claro que algumas vezes em que não sobra pra mim é porque ele está muito cansado do trabalho. Então quando estava prestes a terminar a página a porta se abre, e pergunto: Amor, é você ? Sim. Ele responde com sua voz grossa e cansada. Nossa, você voltou… minha fala é interrompida por um longo beijo, a partir daquele momento sabia que tinha de ficar quieta, pois iríamos fazer um bom sexo.

Agora já se passara por volta de um mês, daquela maravilhosa transa que tivemos, e não consigo deixar de lado, pois acredito que a função reprodutiva foi cumprida, teríamos um filho nesse tempos duros, não seria possível alimentar tres bocas, porém talvez com o novo emprego de meu homem o feto poderia ter uma minima chance.

Cândido que agora trabalha como caçador de escravos desobedientes, ficará surpreendentemente feliz com a notícia, mesmo sabendo que a possibilidade do garoto não render era muito alta. a única pessoa além de Cândido que saberá da informação, era minha tia Mônica, quem por mim era mais considerada como mãe, pois meus verdadeiros pais morreram quando eu era adolescente. Porém, ela diferente de meu marido não aceitava a notícia de braços abertos, inclusive muito pelo contrário, ela dizia que o garoto morreria de fome conosco, que ele nunca teria uma chance com os brancos puros, e que eu deveria o mandar para a roda, porém Cândido a impediria, provavelmente mais para provar sua dignidade e sua responsabilidade do que para manter a família, mas ambos nós três sabíamos que o garoto ou garota provavelmente iria para a roda. Já se passaram duas semanas que o pequeno rapaz nascera, e as discussões entre Cândido e Mônica ficavam cada vez mais intensas, uma das vezes Cândido se estressou tanto que quebrou a parede após dar um soco com toda sua força. Eu e Candido júnior apenas ouvíamos as discussões, esse é seu nome atual porém como Cândido e Mônica haviam feito um acordo de não dar nomes, era assim que me referia a ele. Porém outro acordo feito pelos dois que resolveria todas essas discussões, foi um proposto por Mônica que dizia que caso ele conseguisse dinheiro a tempo para pelos menos sustentar o garoto por um mês a mais, ele ficaria, se não ele ia ser mandado pra roda. Cândido por sua vez tomou tempo para pensar, mas no final aceitou prometendo conseguir dinheiro de sobra.O tempo se passava e ele não conseguia um tostão, a comida ia ficando pouca, dia após dia, e nem pra ter a porcaria de um escravo fujão que nos rende uma refeição.


Alguns dias depois Paolo contou a mim que me viu no jornal como procurada, eu fiquei com medo de ser encontrada e levada de volta a Jó, mas sabia que no quilombo de Esqueleto eu estava bem escondida. Sua localização era improvável e longe de qualquer instância, por isso estamos bem seguros. No quilombo nós relembramos nossas culturas, aprendemos a tocar mais músicas do tambor, aprendemos o candomblé a religião de nossos ancestrais, aprendemos toda a cultura africana. t Depois de alguns meses Francisco foi a cidade em busca de livros, ele foi pego, voltou direto a fazenda do Senhor Jó, ficamos todos com medo de ele revelar a localização do quilombo, mas ao mesmo tempo com medo de ele não revelar e morrer pelos chicotes. Pelo visto ele estava morto, ninguém nos achou não estávamos mais preocupados. A vida continuou eu estava abalada, Francisco era meu amigo mais próximo. Depois de um mês comecei a me sentir mal, minha barriga doía, não sangrava fazia semanas, suspeitei de alguma doença mas não era nenhuma. Paolo me recomendou ir a casa de seu irmão farmacêutico que vinha ao brasil junto com ele. Contei tudo ao Esqueleto, ele disse para algum guarda ir comigo para eu não ter nenhum ferimento. Chegando na farmácia pergunto se o homem era irmão de Paolo, ele respondeu que sim e disse que seu nome era Mário, lhe perguntei se podia me examinar, então foi isso que ele fez pegou alguns equipamentos e me examinou fez algumas perguntas e a respondi, no final ele disse que poderia ser uma infecção ou uma gravidez, então ele disse para eu tomar alguns remédios e voltar depois de um mês para ter certeza do que eu estava tendo.

Fiquei com medo de estar grávida, não estava pronta para isso , tinha medo de ser filho do homem loiro que havia morrido, se o filho não nascesse negro de olhos pretos Esqueleto iria me matar, era uma homem muito vingativo. Continuei tendo dor de barriga, e ainda não havia sangrado esse mês para mim era definitivo eu estava grávida, agora eu tinha que tomar mais cuidado com as saídas para cidade, se fosse pega e levada para Jó assim minha punição seria ainda maior, além de fujona iria ser tratada como uma prostituta.

Como a situação era crítica, todo os dias Cândido contava sobre como pegaria tal escrava desaparecida chamada de Arminda, seu eu pegasse a desgraçada eu a levaria de volta a seu senhor, nem que isso me custasse a vida de outra criança. E fiz de certeza que caso acontecesse de mim ter que pegá la com minhas próprias mão assim que seja, foi o que disse a Cândido, quando soube disse fez questão de me trazer o cartaz de procura de desgraçada, olhei bem a cara da preta, seus traços, curvas, olhar, tudo que era possível de extrair de seu cartaz. Três dias depois de verificar a cartela da escrava, estou eu a lavar louça quando avisto de minha janela um vulto preto roubando comida, então chamo Cândido: Cândido !, tem uma preta fujona na frente de casa !! Ele passa correndo do meu lado, com seu rifle na mão. Quando a escrava o avista ela corre, e ele a segue porém Cândido não a atira primeiramente, pois ela tinha um valor alto, viva. Porém após tanto tempo de discussões e brigas o desfecho parecia próximo, então entrego Junior a José o nosso amigo padeiro que acabara de ser furtado, e correndo muito rapidamente e silenciosamente eu os encontro a frente. Não falo nada pois não quero que saibam que eu estou os vendo. Parados ambos estavam, Cândido apontava a arma à cabeça da coisa que apesar de desobediente era uma moça bonita, cheia de curvas, devia ser a puta do senhor, então me aproximo um pouco mais e começo a ouvir a conversa : Por Favor senhor tenha piedade, em nome de deus não faça isso, tenho uma criança em minha barriga, um filho de senhor de terras, me solte, pois quando o filho assumir o lugar do pai te darei uma fazenda inteira. Dizia a vadia preta desesperada. Não farei acordos com uma preta fujona, uma folgada e ainda pior, uma ladra, ainda mais um acordo tão mal feito como esse, afinal um filho mestiço o máximo que teria do pai seria talvez ganhar o benefício de não ser chicoteado, e eu não vou esperar um moleque crescer para mim receber meu dinheiro, eu quero ele agora. Respondeu Cândido com autoridade. Então seguiram seu caminho, ambos em silêncio, a escrava fazia cara de quem estava a pensar em um acordo a ser feito, quando veio a sua mente uma idéia: Bom, eu posso ver que pela suas roupas e acessório, você é um homem que trabalha muito, talvez você precise de um pouco de sexo para te acalmar, e se tem uma coisa que eu posso te ajudar, é nisso. A vadia barata propôs a meu fiel e amado homem, quem olha para os lados e responde : Ok, mas não grita.


Naquele momento eu fique brava com ele de uma maneira de que eu nunca fiquei, mas não conseguia parar de pensar em Junior, então em nome dele eu não interferi. Não fiz nada quando a puta começou a abaixar sua calça e fazer o que faz todos os dias da semana, ela quebrou o acordo, gritou muitas vezes, porém não eram gritos de dor, e sim de prazer, aquilo parecia tortura, mas como era uma prostituta formosa, Cândido não demorou. Ao acabar levantou as calças fechou, e quando Arminda tentara escapar ele a segura pelo braço e pergunta : Onde você vai ?! Então com a voz desafinada a vadia responde : Nós tínhamos um acordo. E como já era de se imaginar aquele acordo não significava nada a ele, que por sua vez a responde : Você devia prestar mais atenção, pois no começo de nossa conversa eu falei que não fazia acordo com pretas. Seu desgraçado, te rogo praga pro resto de minha vida, você se acha melhor que eu, mas os senhores de terras o consideram tão desprezível como um negro ! Então Cândido a catou pelo braço com uma fúria e força que eu jamais tinha visto, a arremessou no chão e começou a espancá la, duas senhoras brancas passaram do lado do acontecimento e ele nem se deu o trabalho de olhar para elas, mesmo após verem que o traidor batia em uma preta, quando as damas se deram ao trabalho de aplaudir. Candido a socava muito porém ela protegia a barriga, mas não foi o suficiente, ele levanta e braço de proteção dela e acerta quatro socos fortes nela, e então ela berra, era uma dor de extrema agonia e tristeza até cheguei a ficar com um pouco de dó da preta. Mas não trocaria a vida de meu filho pela de um escravo desprezível.

Então eles seguiram o caminho, a mulher não conseguia parar de chorar e insistir que Cândido a soltasse, mas não adiantava a nada ele nem a olhava, com a expressão séria estampada em seu rosto. De tempo em tempo ela tentava uma fuga, mas de nada adiantava pois a cada tentativa ele a batia mais.Até um momento em que ela parou de tentar. Primeiramente imaginei que ela tivesse desistido, mas após analisar bem o olhar dela percebi que não havia desistido, e sim, que estava a bolar um próximo plano de fuga. Então minutos depois a vadia pergunta Cândido :

Oksenhoreuaceitoquemeleveameudono,porém porfavor, me de um bom sexo como uma mulher livre, antes que eu volte para aquela fazenda, você viu que sou boa. Cândido analiso a negra mais uma vez, uma mulher cheia de curvas, então o desgraçado responde : Farei, mas não por você, e sim pelo meu meu prazer, entendeu nega ?! Sim. Então como já imaginava, no momento em que a putaabaixaascalçasdeCândido,elacorre,eoanimal tenta ir atrás dela mas cai de cara no chão com as calças arriadas. Eu avistei a preta correndo em minha direção, escondida atrás de um arbusto fiquei, e quando ela passou de meu meu lado a acertei com uma forte paulada de um tronco que havia achado no chão em sua testa, ela cai para trás já de olhos fechados, a pancada desmaiou a nega, mas não matou. Então seguimos como nosso longo e difícil caminho enquanto eu discutia com o desgraçado : Como você pode seu imundo, porco, nóis pega a pretaprasalvaromolequequetufezemmim,evocê sai aí comendo qualquer puta preta, que vê pela frente ! Eu berrava sem nem mesmo pensar, em minhas palavras. Desculpe meu amor eu não sabia que você estava vendo, mas de qualquer jeito não temos tempo para discutir isso, ainda mais na frente dessa aí, que apesar deestarapagada,ébemespertinhapraumaescrava Eu não continuei a discussão, pois sabia que não valia a pena, e Junior dependia daquilo. Então já a poucos metros era possível avistar a enorme fazenda, com uma linda entrada e belos campos de jardins repletos de pretos que nos encaravam ao passarmos pelo local, então quando finalmente chegamos a porta da casa sai dela um homem de terno branco, acompanhadoporumpretoderaça,quepareciaser seu mordomo pessoal e fiel escudeiro. O homem não se apresentou nem fez questão de mostrar formalidades cordiais , indo direto às negócios : Vejo que carregam com vocês, algo que me pertence. Diz o senhor enquanto a escrava abre seus olhos. Sim, e quero meu pagamento por ela. Afirma Cândido. Pois bem. Até um momento em que ela parou de tentar. Primeiramenteimagineiqueelativessedesistido,mas após analisar bem o olhar dela percebi que não havia desistido,esim,queestavaabolarumpróximoplano de fuga. Então minutos depois a vadia pergunta Cândido : .


Vinicius

PAI CONTRA FILHO Estávamos todos jantando certo dia quando uma briga entre meu pai e minha mãe começou repentinamente. Como eu não estava prestando atenção, eu não sabia o motivo a princípio. Assustado com o despertar da briga, perguntei o que estava a acontecer. Eles me olharam como se acabassem de perceber que eu estava alí e depois de um pequeno intervalo silencioso meu pai disse:

Quando voltei para casa, eram oito da noite e minha ansiedade estava no ápice por não saber do que se tratava a briga de ontem. Abri a porta de casa perguntando o porquê da briga de ontem. Meu pai que estava na sala se assustou com a pergunta repentina e minha mãe que estava com ele soltou um pequeno grito. Labe exige uma explicação do motivo da briga do dia anterior.

-Vá para seu quarto, Labe, isso não é um assunto para crianças. Eu o confrontei, por não entender seus motivos, já que ele geralmente me contava tudo. -Eu não sou mais uma criança, já tenho até emprego. E além disso, por que você não me contaria? Você sempre me conta…- Eu disse indignado com ele. Minha mãe, vendo as ocorrências, interveio, dizendo: -Seu pai está certo. Vá dormir, menino.

-Espere. Meu pai disse, e então minha mãe foi pegar a janta, que já estava pronta. O jantar havia sido tenso, não conseguia mastigar direito ou parar de pensar em suas pergunta. Após comermos, meu pai disse: -Me encontre no seu quarto, filho. Se levantando da mesa e subindo as escadas. Após entrar no quarto eu vi meu pai sentado em minha cama, cabisbaixo, vendo aquilo, perguntei:

Sua fala me deixou ainda mais indignado, pois esperava que minha mãe concordaria comigo e ficasse do meu lado. Vendo que não conseguiria nada insistindo, dessa forma, me levantei da mesa e fui para o meu quarto batendo o pé e emburrado. Cheguei no quarto batendo a porta contra a batente o que me rendeu uma bronca vindo da cozinha. Apesar de curioso, estava enfurecido com meus pais. Por que não me contaram nada? fiquei pensando sobre isso, até a manhã chegar sem eu ter dormido a noite toda. Eu teria que trabalhar atendendo clientes que iam à barbearia apesar da minha falta de horas de sono. Foi complicado me manter acordado no trabalho, até que me rendi ao sono por volta das duas da tarde onde os produtos eram guardados. Por sorte, aquele foi um mal dia para os negócios, então poucas pessoas foram à barbearia, portanto, ninguém notou minha falta de presença. depois de acordar voltei ao trabalho contando os segundos para o expediente acabar. Foram exatamente quatro horas que pareciam ser cem.

-Oque foi? -Ultimamente, nossa família está tendo problemas financeiros,- Ele respondeu.- A nossa principal fonte de renda, que eram as minhas caças aos escravos, hoje são praticamente impossíveis por causa da tal lei do “ventre livre”. Então estávamos discutindo sobre o futuro e como ganharíamos dinheiro. -Você caçava escravos?- Perguntei surpreso. -Hoje ainda caçaria se possível. Curioso perguntei como ele havia começado seu ramo. -Você quer mesmo saber? É uma longa história… -Sim!- Respondi entusiasmado.

-Bem… Tudo começou quando eu estava procurando um emprego. Eu não consigo ficar parado para estudar e aprender, você deve saber disso melhor do que ninguém.


Balancei minha cabeça para cima e para baixo como se fazendo um sinal de confirmação -Portanto, não conseguia aprender algo que me colocasse em uma boa oficina. Houve uma vez que ganhei um ofício, porém perdi ele em alguns meses. Não consegui fazer obras de alta qualidade. Acho que foi um pouco depois de conhecer sua mãe. Depois de me casar com ela, tivemos um filho, você. Sua tia avó, agora falecida nos avisou, mas não a demos ouvidos, e acabamos empobrecidos. acabamos perdendo a casa, mas ela nos arrumou um quarto no fundo de uma cocheira de uma velha rica para morarmos. Como naquele momento haviam outros caçadores como eu, eram menos escravos, portanto ganhávamos menos dinheiro ainda. Um dia eu procurei por anúncios de escravos fugidos, e em um deles havia uma mulher que valia muito dinheiro, então, fui à caça. Não a encontrei, mas conheci alguém que a conhecia, e no dia seguinte, quando levando você à roda, a encontrei. -O que é a roda?- perguntei. -São como… De repente meu pai parou de falar como se acabasse de notar algo. -Nada não.- Ele disse com um tom suspeito -Por favor, me conta. -Está bem,- ele disse suando - é como um daqueles brinquedos no parque, o gira-gira.

Sua mentira era óbvia, mas ele não iria me dizer o que era, então resolvi descobrir sozinho. Meu pai foi para seu quarto dormir, e eu me deitei em preparação para dormir. No dia seguinte fui trabalhar, e um dos clientes frequentes apareceu. Seu nome era Socium, geralmente vagabundeava no bar ao lado, Bibe, mas quando precisava, vinha à essa barbearia, às vezes para cuidar de um ferimento de uma briga que comprou enquanto bêbado, às vezes para simplesmente cortar a barba, mas ele era bem amigável com os outros, porém todos se perguntavam como conseguia dinheiro. tEle veio para cortar a barba dessa vez. Como de costume, eu fui prepará-lo, porém quando cheguei perto dele, ele me disse que eu estava muito distraído e com uma expressão de preocupação. Pego de surpresa por aquela fala, eu disse: - O-O que? - Você parece distraído, menino. - É mesmo, é?

- Pois. O avental está até ao contrario. Tomei meu tempo para olhar para o avental. Estava mesmo ao contrário. - Me desculpe. -Disse enquanto o arrumava - É que minha cabeça está em outro lugar. - O que está em sua mente, jovem? - E que… Você saberia o que é a Roda? Derepente,outrocliente,queestavasendobarbeado na cadeira atrás de nós, Carlos Alberto, interveio dizendo: - Quem não sabe, menino? São aqueles círculos que ficam nos lados das carroças, burrinho! Depois ele começou fazer um som que eu não conseguia distinguir entre uma risada e um grito. Socium olhou para ele intrigado e disse friamente: - Cale a boca. Não é disso que ele está falando. Intrigado com essa resposta de Socium, perguntei: - Do que fala, Socium?

Olhando seriamente para mim e falou: - Rodas eram lugares muito deprimentes. - Por quê? -Nelaseramondecomeçosdevidassedesviavam do seu destino… - Meu deus do céu, Socium… Como assim? perguntei, ficando cada vez mais assustado. - São locais onde os filhos indesejados acabavam sendo levados. - O que quer dizer? O que acontecia com eles? - Eles… Eram levados… - Como assim? Para onde? - Para longe de suas famílias. Ouvindo aquilo, terminei de o barbear o mais rapidamente que pude e voltei para casa, lá eu abri a porta com força. - O que é isso filho? - meu pai disse surpreso.

- Por que você mentiu para mim? - Estava furioso. Onde está a mãe? - Não conseguia pensar claramente. - Acalme-se - Cale-se! Por que você me colocaria na roda? - Então você descobriu… - Diga-me! -… - Diga! - Está bem… - Ele disse baixando a cabeça - Você lembra da história que eu te contei ontem, não é? Sim - disse impacientemente. - Então você lembra dos nossos problemas financeiros certo? - Acenei a cabeça, afirmando. Certo… Como que eu explico isso… - Ele ficou alguns minutos silencioso, mas depois de um tempo voltou a falar. - Como nós não tínhamos mais dinheiro ou uma casa, achamos que você morreria de fome conosco se ficasse.


Ouvindo aquilo comecei a pensar, é verdade, provavelmente todos morreriam se eu ficasse, mas ainda assim… não era certo, né? Você ainda não respondeu, onde está a mãe? Disse, agora calmamente.Ela já vai voltar… Me leve até ela. Espere ela terminar de vender seus produtos. Não conseguia esperar mais, haviam muitas dúvidas na minha cabeça, como o por que de eu não ter sido levado em um caso tão grave. Onde ela está? Não interessa. Como não interessa? Apenas me diga. Eu não direi. Me diga! Cale-se, criança tola! você não sabe de nada ainda, então, sente e espere! Está claro? Era possível sentir sua raiva no ar, como se fosse uma aura emanando dele, como uma densa neblina. De repente, a porta foi aberta, e dela saiu a minha mãe. O que está acontecendo? - Ela disse Mãe, porque? - Falei sem pensar. Como assim? - Ela respondeu Cale-se menino. - meu pai disse. No momento em que ele falou, eu fiquei paralisado, uma mistura de raiva, tristeza e medo passaram por mim. Relaxe, - Ele disse para minha mãe - É só rebeldia dos jovens.


Vitor Redua Cozza

PAI CONTRA A MÃE Meu pai nunca acreditou em uma reviravolta. Sempre me contou que eu passaria pelo mesmo, e por ser mulher, talvez pior. Eu nunca desconfiei dele, até porque foram diversas as vezes que ele tentou a fuga, quase nunca dando em resultado. Quando escapava, era logo pego pelos caçadores de escravos. Ele me mandou promete-lo que nunca faria o mesmo, que a situação só pioraria. Até eu crescer, sempre confiei na sua palavra e nunca sequer tinha dado pistas de fugir. Minha mãe eu não cheguei a conhecer, segundo meu pai ela tentou fugir de qualquer maneira até que o dono cansou de se esforçar e a vendeu para outro lugar. Depois disso, diz ele que nunca mais a viu. Eu, dessa vez, não acreditei nessa história mal contada. Na verdade, demorei para desconfiar dessa história. Quando ainda era uma garota, não conhecia o que era realmente ser uma escrava, por enquanto não havia acontecido nada do que tinham me falado. Só, aos meus dez anos que deixei de ser garota e entendi que nada do que meu pai havia falado, sobre minha mãe, era verdade. Ela provavelmente havia sido morta por algum daquele donos que agora estavam fazendo de mim o que fizeram com ela. Nós vivíamos em um grande casarão convivendo com mais dos nossos e mais alguns poucos donos. Eu passava o dia limpando a casa inteira e fazendo mais alguns serviços extras para os donos. Eu não sabia mais quanto tempo aquilo iria durar porém eu não aguentava mais. Mas decidi, por ordens de meu pai, aguardar. Em mais um dia de trabalho esforçado, um dono me chamou ao quarto para mais uma daquelas conversas. Eu já me preparando, reparei que não era para aquilo que o senhor havia me chamado. Ola, senhor. Você irá se transferir amanhã de manhã para uma vila vizinha. O dono ofereceu um bom dinheiro em troca e decidimos mandar-lá. Tudo bem, senhor. Posso me retirar? Vá, pode ir. t

Eu não pensava que podia vir algum dono pior. Porém, logo de cara vi que estava errado. Não foram muitos os dias até eu começar a pensar em um plano de fuga. Mas a rotina estava desgastante demais para que no final do dia tivesse forças a pensar. Era muito pior. As coisas começaram a ficar pior. Comecei a me sentir mal, enjoada. Comecei a achar que estava doente, o que me deixou bastante preocupado. Não havia nada que pudesse fazer caso estivesse. As coisas ainda não haviam se acalmado quando se passaram uns dias e ainda estava bastante enjoada. Era novamente uma questão de se esperar. Se passaram novas semanas, até que eu pude perceber o que estava acontecendo. Estava grávida, de algum daqueles donos. Não queria que meu filho passasse pelo o que eu passei e pelo o que meus pais passaram. Mas apesar disso tudo, perdê-lo era ainda muito pior. Ainda estava indecisa se contava para os senhores. Provavelmente mandariam o mata-lo e talvez eu junta. Mas mesmo se não quisesse, uma hora eles saberiam pelo meu tamanho. Teria que contar. Entrei na sala com medo de já me mandarem a morte, ou meu filho. Esperei do melhor momento para contá-lo a notícia. Com licença, senhor. Tenho de te falar uma notícia. Já faz algum tempo que estou pouco doente e passando mal. E agora descobri que estou gravida do senhor. O que fala? Isso não é possível! Temos de matar agora! Não podemos cuidar de uma criança de uma escrava, não temos condições!

O que era esperado foi falado. Estava prestes a perder meu primeiro filho ainda na barriga. Precisava mas não podia e nem tinha condições de fazer alguma coisa a não ser pedir misericórdia de meu dono. Pouco ligou e ouviu. Para ele mais importava do que os outros pensariam dele caso tivesse um filho com uma escrava.


Ao decorrer dos dias, comecei a pensar em como fugir. Não tinha coragem de fazer isto e imaginava o que meu pai pensaria de mim. Ou o que meu filho no futuro pensaria da mãe que o salvou. Antes disso havia ainda Francisco, meu dono e da criança que estava ali a nascer. Eram poucas as vezes que ia tentar falar com ele. Se insistisse demais, sobraria para mim e para o bebê. E quando falava pouco se conseguia, somente não. Além disso, haveria de agir rápido antes de qualquer ação do senhor. Chegou o momento em que não conseguia mais trabalhar, por causa da minha cabeça e do meu corpo. Já havia definido que iria escapar, e de que não havia outra chance. E depois de sair, haveria ainda caçadores tentando me achar para ganhar algum dinheiro. Mesmo com esses problemas, meu filho ainda estava acima. Foi em uma noite escura e chuvosa na cidade que decidi fugir. Consegui sair do casarão com uma certa facilidade para uma mulher grávida, por conta de um grande conhecimento da casa. Na rua já estava perdida. Estava meio a chuva, sozinha e completamente sem saber onde ir. Comecei a caminhar em meio a nada, a procura de alguém que pudesse me ajudar. Ainda que fosse difícil achar alguém que gostaria de me abrigar. Minha primeira noite foi no meio do mato, e provavelmente a pior noite de sono da minha vida. E com certeza as próximas seriam iguais. Porém, foi mais rápido do que eu imaginei. Uma velha senhora, foi a primeira a se preocupar. Mas o que a moça está fazendo no chão da rua? Sou uma escrava fugida - mesmo sem a conhecê-la decidi confiar nela - e estou gravida de algumas semanas. Estou sem onde comer e dormir. Eu posso, se quiser, fazer alguma coisa por você. Meus olhos, instantaneamente, brilharam depois do que a senhora falou. Nunca imaginei que já no primeiro dia, haveria alguém tão solidário para me ajudar. A senhora me mostrou o caminho a sua casa e disse que poderia passar lá para comer e dormir. E disse mais, se tomasse confiança daria um espaço de sua casa a mim. Ia todos os dias, visitá-la para me alimentar e dormir em um pequeno quarto embaixo de sua casa. Apesar disso tudo, passava os dias na rua, com o perigo de ser encontrado. Já havia alguns papéis nas parede, pedindo a busca por mim com uma alta recompensa. Com certeza, não podia ficar mais muito tempo rodeando a cidade.

Ao meio do medo, encontrei algumas pessoas que me ajudaram e o meu filho também. Um senhor padeiro, às vezes, doava um pedaço de pão quando passava na frente de sua padaria, o que já era bastante para matar uma fome de duas pessoas. Além dele, um menino novo que trabalhava na farmácia, me ajudava diversas vezes com alguns remédios para minha gravidez. E ao decorrer do tempo, fomos criando uma relação de amizade. Passava diversas vezes na sua loja, para conversar e explicar o que fazia e sofria quando ainda presa como escrava. Ele sempre concordou com o que dizia e parecia ser um dos pouco que era contra aquele sistema escravocrata, o que me surpreendeu bastante. A nossa relação foi aumentando cada vez mais ao ponto de dividir o dia com a senhora e ele. Começamos a ter outra relação, além de amigos. Era realmente uma sensação de amor. E por essa sensação, consegui ver o que é ter uma vida de humano, sensação jamais sentida antes.

Em uma das minhas idas e vindas da farmácia, um homem com uma criança no colo, começou a vir em minha direção. A primeira impressão é que ele estava em um momento de despedida com seu filho em direção ao roda dos enjeitados. Consegui sentir por ele o que passava com o ele. Passava na minha cabeça, a mesma imagem comigo e meu filho. Porém, todo esse sentimento foi se em vão quando o moço quando começou a correr em minha direção e gritar meu nome. Era um dos caçadores em busca de mim. Ao perceber sua movimentação comecei a correr junto. O moço deixou o filho na farmacia e voltou a correr atrás. Eu já sabia que não tinha mais o que fazer, o homem estava muito mais rápido quase encostando em mim, só restava pedir ajuda e rezar a Nossa Senhora. Nem ela e nem o menino da farmacia me ouviram. Não saia de mim o grito, não me restava forças.

O homem ao me segurar, começou a me levar a casa de meu dono. Ainda tentava convencê-lo, porém a vida de seu filho era mais importante do que a do meu. O homem nem se preocupava em me ouvir, estava somente pensando em sua mulher e seu bebê.


Chegamos a casa, e o Francisco pagou já no portão o moço que me assistia chorar e gritar no chão. Já não havia mais saída dessa vez. Estava presa, pronta para perder meu filho. E realmente não houve como escapar dessa vez. Estava morto. E eu praticamente também. Estava presa novamente naquele casarão com as mesmas pessoas. E não sabia quanto tempo eu ia aguentar. E sabia que algum momento ia desistir de ficar ali e fazer minha própria liberdade. E não demorou muito tempo, se passaram duas ou três semanas, e eu já estava fora novamente. Dessa vez para sempre, se voltasse para a casa, não sobreviveria. E logo depois de sair, fui correndo a farmácia. Contei a ele tudo que podia, e derramei tudo que continha. Depois ter perdido um filho sem mesmo o conhecer, queria ter mais um, agora com pai e mãe. O Carlos concordou, era sonho dele pode ter um filho, talvez não com uma antiga escrava, mas para ele não fazia diferença. Não para ele. Ainda assim, era para nós muito difícil sustentar uma criança. Mas como vamos arranjar comida a ele? questionou Carlos. Se Nossa Senhora quiser teremos. Com seu trabalho já conseguiremos comida para o nosso filho. Mesmo com o seu trabalho, não tínhamos comida para os três, e eu não podia sair de casa, era um risco altíssimo. Já sabíamos disso e quando o menino nasceu aconteceu o que imaginavamos. Passamos alguns dias sem comer. E Carlos precisava de um novo trabalho urgentemente. Sabíamos que o melhor emprego era o caçador de emprego. Sabíamos que estávamos errados, mas precisavamos se não o melhor destino do nosso filho era a Roda Dos Enjeitados. E decidimos que por necessidade, Carlos começaria a trabalhar como um deles. A criança precisava. Precisávamos tirar a vida de uma criança para ter a do nosso filho. Nem todas as crianças vingam.

Profile for Colégio Oswald de Andrade

Revista Nó Na Palavra 2018  

Revista produzida pelo 9º ano do Ensino Fundamental II do Oswald, com reflexões autorais dos alunos sobre juventude, literatura e educação.

Revista Nó Na Palavra 2018  

Revista produzida pelo 9º ano do Ensino Fundamental II do Oswald, com reflexões autorais dos alunos sobre juventude, literatura e educação.

Advertisement