Page 1

Ano 8 • Edição 41

João Carlos Basilio O mercado do bem-estar

Histórias dos associados Foto: Charles Oliveira - www.charlesoliveira.com.br

Trajetórias de sucesso

Cultura Aleijadinho, o enigma de um gênio

DE PAI PARA FILHO,

NETO, BISNETO... Sucessões familiares bem estruturadas, acompanhadas de planejamento transparente e objetivo, garantem que a empresa siga forte e lucrativa Disponível para Android e iOS


10 50 16

ÍNDICE

10 ACONTECE

OS PRINCIPAIS EVENTOS DO SETOR

14 ECONOMIA

PRÓS E CONTRAS DA PRIVATIZAÇÃO

16 ENTREVISTA

JOÃO CARLOS BASILIO

20 MERCADO

NOVIDADES DO MUNDO FARMA

26 CAPA

SUCESSÃO FAMILIAR EM EMPRESAS


34

56

44 32 ARTIGO

JORGE VIEIRA DA SILVA

34 CULTURA

ALEIJADINHO, MESTRE DO BARROCO

38 ARTIGO

SILVIO CELESTINO

40 NOSSA HISTÓRIA NAVARRO

44 NOSSA HISTÓRIA GAUCHAFARMA

48 ARTIGO

EDISON TAMASCIA

50 TURISMO

A PARADISÍACA ARRAIAL DO CABO

54 ARTIGO

OSVALDO CONTARDI

56 GASTRONOMIA

A POPULAR GALINHADA DO JOÃO

59 ARTIGO

ALBERTO KEIDI KUREBAYASHI


CAROS ASSOCIADOS, SÓCIOS-COLABORADORES E COLEGAS DO SETOR

Juliano Cunha Vinhal Presidente do Conselho Diretivo da Abradilan

Baixe na Apple Store e Google Play ou utilize um leitor QR code em seu celular ou tablet para escanear o código e conferir as edições da Revista Abradilan

Como têm notado, nossa revista está trazendo inovações a cada número. Começamos alterando o formato para eliminar aparas no processo de corte do papel, acabando com o desperdício e adotando o papel FSC, ambientalmente correto. Escolhemos também outro tipo de capa para destacar uma das mais importantes expressões da nossa cultura, a escultura. Há quatro novas seções: Nossa História, Os dois Lados da Economia, Gastronomia e Turismo. A primeira começa com duas histórias sobre empresas familiares: a Gauchafarma (Porto Alegre – RS) e a Navarro (Barueri – SP), exemplos de sucessão familiar que levam à continuidade e sucesso dos negócios. Ao longo das próximas edições, todas as empresas dos associados terão suas histórias publicadas, pois temos a convicção que ajudamos a construir parte da história recente do nosso país. Quanto à matéria de capa, sabemos que um dos momentos mais delicados para um negócio familiar é a transferência do controle da gestão, normalmente passada de pai para filho. A boa notícia é que, quando o processo de sucessão familiar está no planejamento estratégico da empresa, ele pode ser fonte de inovação e crescimento. Em geral, a transferência de gestão é um processo longo e delicado, que pode durar até 10 anos. Nesta edição da revista Abradilan, ouvimos diversos especialistas em gestão familiar, que explicam como a troca de gerações pode agregar valor à companhia. Eles dão dicas de como o sucessor pode se capacitar para ocupar a posição de liderança, como deixar de lado divergências pessoais e como lidar adequadamente com a resistência do fundador em delegar.

EXPEDIENTE

Boa leitura a todos.

6

ABRADILAN (Gestão 2017/2019): Presidente do Conselho Diretivo: Juliano Cunha Vinhal(Meditem/MG); Vice-presidente: Vinicius Casimiro Carneiro Andrade (Orgafarma/MG); Diretor-financeiro: Jony Anderson Tavares de Sousa (Emefarma/RJ); Diretor de Relações Institucionais: João Orologio Marchiori (Elite/SP); Diretor-secretário: Teo Vargas de Machado (Baiana Medicamentos/BA); Diretor-secretário Adjunto: Aclair Machado (Medsul Medicamentos/SC). Conteúdo, Edição e Arte: Editora CMN (19) 3583-1251 Direção Executiva: Alexandre Serpentino e Tiago Serpentino Jornalista Responsável: Rafael Guedes - MTB 0011210/PR Redação: Daniel Sender e Michelle de Geus Direção de Arte: Raphael Freire Revisão: Diogo Coelho Administração: Fabiana Cruz Relacionamento: www.editoracmn.com.br IMPRESSÃO: Gráfica NywGraf Tiragem: 2 mil exemplares. Publicação produzida para a Abradilan direcionada para associados, fornecedores, clientes, profissionais e interessados no mercado farmacêutico. A Abradilan não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos assinados ou opinião de terceiros. A reprodução total ou parcial do conteúdo desta obra é expressamente proibida sem prévia autorização. Para anunciar: Tiago Serpentino - tiago.serpentino@editoracmn.com.br, contato: (19) 97117-7435.

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41


NOVIDADES

ESTAMOS DE

CARA NOVA Repleta de novas seções, a revista Abradilan reafirma ma o seu compromisso de valorizar os associados e o Brasil rasil

U

m dos principais valores ores defendidos articipação dos pela Abradilan é a participação laboradores em associados e sócios-colaboradores suas iniciativas. Com isso em vista, a revista da associação passou por uma intensa transformação para aproximá-los ainda mais da entidade, ganhando novas seções. Na editoria ‘Nossa História’, contaremos como surgiram as distribuidoras que hoje fazem parte da associação. Você vai conhecer como foram fundadas essas empresas, quais foram as suas principais conquistas e quais são os seus planos para o futuro. No mesmo espírito, a editoria ‘Gastronomia’ trará receitas de pratos preparados pelos associados e que fazem sucesso. A seção ‘Os Dois Lados da Economia’, assinada pela Diretora Executiva da Abradilan, Maria Cristina Amorim, abordará questões importantes da economia nacional sempre apresentando diversas perspectivas. Economista, consultora do

8

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

mercado de saúde e coordenadora de pesquisas sobre a cadeia produtiva da saúde, Maria Cristina apresentará diversos argumentos para que você você, leitor, conheça mais do assunto em pauta e forme a sua própria opinião. Para valorizar as belezas do Brasil, a seção ‘Turismo’ convidará você a conhecer lugares incríveis e, não raro, desconhecidos pelos próprios brasileiros. A cada nova edição, abordaremos as belezas e peculiaridades das regiões onde os associados atuam. E, falando em valorização, outra novidade é a editoria ‘Cultura’, que apresentará ao leitor algumas das manifestações culturais mais importantes do país. Valorização que poderá ser conferida já na capa de toda edição, que sempre contará com a obra de algum artista nacional. Além de todas essas novidades, a revista continuará a trazer artigos, entrevistas e matérias cuidadosamente planejadas para lhe informar, esclarecer e entreter.


ACONTECE

CAMINHANDO JUNTOS PARA

O FUTURO Encontro Febrafar 2018 promoveu o desenvolvimento do espírito empreendedor e a busca de soluções para o avanço das redes de farmácia

U

ma oportunidade única para desenvolver o espírito empreendedor e buscar novas soluções voltadas ao aprimoramento das redes associadas e do segmento farmacêutico como um todo. Essa foi a meta do último Encontro Febrafar, que aconteceu entre 16 e 18 de março, em São Paulo (SP). O evento reuniu representantes de mais de 10 mil pontos de venda espalhados por municípios de todo o Brasil, bem como dirigentes das redes associadas, executivos das principais indústrias e distribuidoras do mercado, e demais representantes do mercado. Na perspectiva de Edison Tamascia, presidente da

10

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

Federação Brasileira das Redes Associativistas de Farmácias (Febrafar), a mais recente edição do encontro marcou um ponto alto para as redes associadas e também para o associativismo como um todo, pois representou uma oportunidade especial para fazer novos negócios e parcerias. “Podemos dizer que a principal mensagem transmitida pelo evento é que a modalidade associativa é, e continuará sendo, um ótimo caminho para os negócios”, resume. Ainda de acordo com ele, o evento possibilitou a troca de visões com relação à modalidade associativa, ficando claro para todos que é preciso ter os olhos voltados para o futuro, a fim de garantir que


Fotos: alefotografo

Por Daniel Sender

as redes associativistas continuem viáveis e prósperas. “Precisamos ter em vista o futuro, pois o desenvolvimento da modalidade e do segmento como um todo é responsabilidade nossa, e sabemos que podemos ser melhores do que somos. Portanto, precisamos caminhar juntos reforçando o espírito coletivo”, explica.

INTERAÇÃO No primeiro dia do encontro, os representantes das redes associadas à Febrafar participaram da análise e aprovação das contas referentes ao ano de 2017, e também puderam debater pontos para o avanço e consolidação da entidade. O momento foi marcado ainda pela comemoração da adesão de uma nova rede associada, a FarMelhor, que conta com aproximadamente 200 lojas nos estados de Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e Paraná. No evento, também foram anunciadas a entrada de quatro sócias honorárias na rede, que agora pas-

sa a reunir um total de 116 empresas parceiras. De acordo com Tamascia, esse apoio é fundamental na consolidação de um projeto de futuro para a Febrafar. “Incentivamos a interação cada vez maior entre esse grupo [de sócias honorárias] e nossas redes, trocando informações e criando caminhos para negócios”, explica. Ainda no primeiro dia, aconteceu o tradicional Jantar Anual da Febrafar, em que estiveram presentes mais de 800 convidados entre representantes da entidade, redes e indústrias, e distribuidores e prestadores de serviço. Após a recepção dos organizadores, o presidente da Febrafar apresentou os números da associação, que serviram de base para abordar a importância das novas ferramentas oferecidas pela entidade, que impactam diretamente no crescimento das redes associadas. Terminada a apresentação, os participantes tiveram a oportunidade de fortalecer o network enquanto o jantar era servido.

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

11


ACONTECE

PARCERIAS Durante todo o dia 17, aconteceu uma grande movimentação dos representantes de redes associadas e parceiros dos segmentos da indústria, distribuidoras e serviços, que puderam alinhar novas parcerias e fazer negócios, que, segundo a entidade, devem beneficiar as mais de 10 mil farmácias que foram representadas no encontro. Na visão de José Abud Neto, diretor-geral da Febrafar, o evento apresentou uma ocasião especial para que as redes e seus parceiros pudessem se aproximar e realizar negócios com importantes representantes do mercado. “Hoje, a abrangência da Febrafar é tão grande que conseguimos dar suporte a praticamente todas as demandas das farmácias em um grande evento como esse”, avalia.

APRESENTAÇÕES No último dia do encontro, 18, os presentes assistiram a diversas apresentações em que foram fornecidas informações que deverão se tornar peças-chave em

12

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

iniciativas futuras da entidade. Entre os projetos, foram apresentadas as atualizações do Sistema Integrado de Compras (SIC) da associação. O novo SIC já funciona sob a modalidade piloto, mas deve ser concluído e começar a operar sob o modelo de compra coletiva com base na demanda, sendo que a negociação com os laboratórios deverá ser realizada pela Febrafar, ficando ao cargo das redes negociarem com os distribuidores. Outra importante apresentação ocorrida no último dia do encontro foi a do Projeto de Gerenciamento de Categorias de Medicamentos Isentos de Prescrição, desenvolvido para dar uma nova perspectiva comercial a esses medicamentos no varejo farma. Segundo Karen Corridoni, diretora comercial da Febrafar e coordenadora do projeto, essa variedade medicamentosa não pode ser ignorada e precisa se tornar cada vez mais presente no mix de produtos e ofertas dos pontos de venda. “A exposição adequada desses produtos é muito importante impulsionar as vendas das farmácias”, destaca.


Fotos: alefotografo

A FEBRAFAR EM NÚMEROS

Com a entrada de uma nova rede, FarMelhor, e as novas sócias honorárias, a Febrafar passa a ser composta por 57 redes associadas e 116 empresas parceiras, somando um total de mais de 10 mil farmácias e pontos de venda. Atualmente, as redes ligadas à federação são responsáveis por 68 mil empregos diretos e 204 mil indiretos, estando presente em cerda de 50% dos municípios do Brasil. De acordo com dados apresentados durante o evento, no período entre fevereiro de 2017 e fevereiro de 2018, as redes associadas apresentaram um faturamento de R$ 11,8 milhões.

FERRAMENTAS O encerramento do encontro ficou por conta do presidente da Febrafar, que abordou temas de interesse para o mercado, como as principais características do comportamento de consumo dos clientes do varejo farmacêutico. Tamascia também exibiu dados referentes ao mercado, nos quais ficou claro que o maior desafio para as redes associativistas não são as redes concorrentes, mas a incapacidade de aproveitar as ferramentas e oportunidades que estão surgindo e sendo oferecidas constantemente. O presidente da entidade explicou que, nesse contexto, basta que as redes aproveitem daquilo que já está à disposição delas, pois, segundo ele, tais ferramentas representam um grande potencial de avanço para as redes associadas. “Todos querem fazer negócios conosco, e concretizar esses resultados é algo que depende só de nós”, conclui.

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

13


OS DOIS LADOS DA ECONOMIA

PRIVATIZAR OU NÃO?

A economia não é uma “ciência exata”, e por isso mesmo não há necessariamente análises e recomendações certas ou erradas, verdades ou mentiras. O melhor a se fazer é conhecer todos os argumentos e formar a própria opinião. A privatização de organizações no Brasil O que é? É a venda de organizações e/ou direitos de exploração pertencentes aos governos (União, estados e municípios) para agentes privados. Os argumentos:

A favor da privatização administração pública é ineficiente, desperdiça recursos e atende mal ao cidadão. A privada, por sua vez, ao visar o lucro, é mais eficiente e atende melhor ao cidadão – do contrário, perde seus clientes. • As organizações públicas estão sujeitas aos interesses políticos dos poderes executivo, legislativo e judiciário, e por isso mesmo mais expostas a todo tipo de ilicitude. • O Estado não deve, por princípio, envolver-se na oferta de bens e serviços para não tolher a liberdade da iniciativa privada. • A privatização leva ao aumento da oferta dos bens e serviços; gera lucro e maior taxa de desenvolvimento econômico. • A concorrência entre empresas privadas é o melhor caminho para promover o desenvolvimento econômico. Empresas estatais prejudicam a concorrência. •A

Para pensar • É possível ser favorável à privatização em determinados casos e desfavorável em outros?

14

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

Contra a privatização • Não há evidências robustas (apenas casos)

de que empresas privadas sejam mais eficazes que as públicas. Empresas privadas podem tratar mal o cliente e, mesmo assim, continuar no mercado. • Todas as organizações, estatais ou privadas, são governadas por interesses políticos de pessoas ou grupos. Os atos ilícitos são tão frequentes nas empresas estatais quanto nas privadas. • A execução de medidas econômicas exige que os governos controlem empresas – ou essas não saem do papel. • Há setores estratégicos que devem estar sob o controle dos governos como condição de servir aos interesses nacionais e não ao lucro, pois nas democracias os governantes são periodicamente avaliados pelos cidadãos. • Há setores importantes para o desenvolvimento econômico e social que não são do interesse privado. Resta aos governos assumi-los.

MARIA CRISTINA S. AMORIM, diretora executiva da Abradilan, economista e professora titular da PUC/SP.


ENTREVISTA

Presidente-executivo da Abihpec, João Carlos Basilio critica a tributação excessiva sobre os produtos de HPPC e destaca o potencial da categoria para o varejo farma

A INDÚSTRIA DA

VAIDADE E DO BEM-ESTAR 16

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41


Por Daniel Sender

J

oão Carlos Basilio é o atual presidente-executivo da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec), entidade representativa que busca promover um ambiente mais favorável aos negócios em todo o segmento e incentivar a pesquisa e inovação, garantindo que produtos de alta qualidade se tornem cada vez mais acessíveis aos consumidores brasileiros. Com a experiência de quem está há mais de 20 anos à frente da entidade, Basilio é taxativo ao afirmar que o maior obstáculo para o crescimento do setor no país é a tributação excessiva, que incide sobre produtos considerados essenciais para a população. Em relação ao segmento farmacêutico, ele afirma que os produtos das linhas de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos (HPPC) tendem a entrar cada vez mais nas gôndolas e prateleiras de todo o Brasil, compondo parte significativa dos lucros dos pontos de venda (PDVs). Já considerada como essencial pelo consumidor brasileiro em seu dia a dia, a categoria HPPC, na previsão de Basilio, deverá ter uma importância crescente no mix de produtos de farmácias e drogarias. Confira a seguir um bate-papo com ele.

Qual é o papel da Abihpec na criação de um ambiente de negócios propício para o segmento no país? Enquanto associação representativa de nosso segmento, buscamos fomentar um ambiente mais favorável à realização de negócios por meio de ações entre as diversas partes interessadas nesse bem comum. Nossa atuação em defesa dos interesses do setor de HPPC se dá também nas diversas esferas públicas, onde levamos nosso apoio a ações que tenham por objetivo o progresso da indústria por meio do desenvolvimento de projetos e programas que incentivem a inovação, sustentabilidade, regulamentação, internacionalização e projeção setorial. Ao realizar ações nessas diversas esferas, nossa associação zela por uma indústria que gera emprego e renda para o país, e que verdadeiramente cuida da população, já que seus produtos são considerados essenciais pelos brasileiros em virtude de seu impacto na saúde e na autoestima.

O segmento dos produtos de HPPC voltou a se expandir após um período de desaceleração em seu crescimento. Considera que isso já sinaliza uma recuperação consistente para o ramo? Mesmo com a tendência de recuperação econômica que temos visto surgir no Brasil, a qual tem trazido uma melhora no desempenho do nosso segmento e reduzido perdas, a tributação pesada sobre o setor ainda tem um impacto negativo em nossos resultados, gerando preocupação para todos os atores que trabalham no ramo. A indústria do segmento, responsável por fornecer itens essenciais à população, fechou o ano passado com um modesto crescimento ex-factory [líquido de imposto sobre vendas] de 2,8%. No entanto, a pequena reação apresentada está longe de compensar os números ruins registrados no auge da recessão econômica do país, entre os anos de 2015 e 2016, quando o setor amargou, respectivamente, perdas de 6% e 9% em relação aos anos anteriores.

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

17


ENTREVISTA

O mercado de produtos de beleza no Brasil é considerado um dos maiores do mundo. Que vetores e características próprias do país considera como diferenciais para essa presença pujante? Atualmente, o Brasil ocupa a posição de quarto maior mercado mundial em produtos HPPC. Em algumas categorias, como a de desodorantes, perfumes, produtos masculinos e proteção solar, o país já ocupa a segunda posição; e, em itens de higiene oral, produtos capilares e infantis, ocupamos a terceira posição. Esses dados denotam uma característica muito evidente do brasileiro: ele gosta de se cuidar. E a indústria está cada vez mais atenta a essas qualidades de nosso povo, buscando desenvolver tecnologias avançadas para que resultem em novos produtos voltados a proporcionar um cuidado diferenciado nessa linha, que é importante tanto para saúde quanto para o bem-estar da população. Na última edição do Abradilan Conexão Farma 2018 vimos uma forte participação de empresas do segmento HPPC na feira, algo que tende a aumentar nos próximos anos. Como vê a integração destes produtos no segmento farma? Como mencionamos, os produtos oferecidos pela indústria de HPPC são considerados itens de primeira necessidade pelos brasileiros e chegam a esses consumidores por meio de diversos canais. As empresas do setor estão atentas a novas movimentações do mercado e do comportamento de consumo, buscando sempre melhores formas de chegar ao seu público consumidor, de maneira a atendê-los em suas necessidades. Com relação à sua integração no mix de produtos de farmácias e drogarias, essa é uma tendência que vemos aparecer nos indicadores de vendas do segmento farmacêutico

18

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

como um todo, evidenciando uma busca cada vez maior pela variedade nos pontos de venda, que passam a contar com mais uma fonte de lucros. Para um leitor do segmento farma que não possui muito conhecimento sobre as particularidades do segmento, como apresentaria os produtos HPPC com relação a suas características próprias? Poderíamos dizer que a indústria de HPPC busca inserir no mercado os produtos que são considerados essenciais para a sociedade. O brasileiro tem como uma característica cultural própria essa espécie de “cuidado” de si, e qualquer produto de qualidade que atenda a essa demanda, com certeza, é e será bem recebido pelos consumidores, independentemente do canal em que seja oferecido. Essa natureza de nosso povo representa uma ótima oportunidade de negócios para todos os atores do segmento farmacêutico que desejam investir em novos nichos de consumo em uma relação que certamente será marcada pelo ganho para todos os membros desta cadeia.

MESMO COM A TENDÊNCIA

DE RECUPERAÇÃO ECONÔMICA QUE SURGE NO BRASIL, A QUAL TEM TRAZIDO UMA MELHORA NO DESEMPENHO DO SEGMENTO, A TRIBUTAÇÃO PESADA AINDA TEM UM IMPACTO NEGATIVO NOS RESULTADOS


O BRASILEIRO GOSTA DE SE

CUIDAR. E A INDÚSTRIA ESTÁ ATENTA A ISSO, BUSCANDO DESENVOLVER TECNOLOGIAS PARA CRIAR PRODUTOS QUE OFEREÇAM UM CUIDADO DIFERENCIADO TANTO PARA SAÚDE QUANTO PARA O BEM-ESTAR

Muito se fala sobre o público feminino quando o assunto é HPPC, mas estamos vendo uma grande expansão em produtos voltados para o segmento masculino. Como esta tendência deve ser explorada pelo varejista farmacêutico? Estamos vendo que essa é realmente uma tendência a ser explorada nesse segmento de consumo, e isso é comprovado inclusive por abrangentes análises de mercado. De acordo com os últimos dados da agência de pesquisas e inteligência de mercado Euromonitor, entre os anos de 2015 e 2016 a lucratividade em reais, resultante do consumo de produtos masculinos, cresceu 9,6%. Segundo essa mesma pesquisa, que apurou dados até o ano de 2016, o Brasil já é o segundo maior consumidor de produtos de higiene e beleza masculinos em todo o mundo. Assim, podemos constatar que essa tendência de crescimento do consumo de produtos masculinos já é uma realidade comprovada e pode representar um caminho ainda mais promissor para o varejista farmacêutico que deseja contemplar novos produtos em seu mix, com garantia de sucesso e lucros.

” De que forma o segmento HPPC poderia crescer mais no Brasil? Em sua visão, quais são os desafios e obstáculos que precisam ser superados para que o setor se expanda ainda mais? Podemos dizer que o principal obstáculo para um crescimento ainda maior do setor é o excesso de tributação que recai sobre essa variedade de produtos em nosso país. Os itens do segmento HPPC são essenciais para todos, pois representam o próprio cuidado com a saúde e o bem-estar do povo brasileiro. Por esse motivo, consideramos que a variedade deveria sofrer menos com o impacto tributário. Além disso, quando falamos em segmento HPPC, estamos falando de um setor altamente produtivo e representativo, tanto para a economia quanto para o trabalho no Brasil, sendo responsável pela geração de mais de 5,6 milhões de oportunidades de trabalho.

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

19


MERCADO

NOVA TERAPIA PODE REVOLUCIONAR LUTA CONTRA O CÂNCER DE MAMA Um novo tratamento para o câncer de mama promete revolucionar o combate a essa doença que afeta mulheres em todo o mundo. Pesquisadores da Universidade de Lund, na Suécia, desenvolveram uma forma de fazer com que as formas de cânceres mais agressivas respondam às formas de tratamento convencional. Normalmente, os tratamentos envolvem a limitação da ação do hormônio estrogênio, que nutre os tumores na mama e em outras partes do corpo, caso haja metástase. No entanto, existem casos mais agressivos onde o tratamento não surte efeito (de 10 a 15% do total). Visando esses casos, os cientistas desenvolveram um tratamento que inibe o fator de crescimento chamado PDGF-CC, responsável por transmitir informações entre as células cancerígenas e os tecidos conjuntivos, impedindo que o tumor responda ao tratamento. A nova terapia biológica se mostrou efetiva em impedir a ação do fator, fazendo com que os cânceres agressivos passem a responder ao tratamento. Novos estudos estão sendo realizados para avaliar a segurança e eficácia da terapia em seres humanos.

ANTICONCEPCIONAL MASCULINO MOSTRA EFICÁCIA EM TESTES Uma pílula anticoncepcional desenvolvida especialmente para o uso masculino completou recentemente um mês de testes clínicos com resultados positivos. A droga, conhecida como DMAU (undecanoato de nandrolona), precisa ser ingerida apenas uma vez ao dia e sua eficácia resulta da modulação da quantidade de testosterona no corpo, o que acarreta no impedimento da produção de espermatozoides. De acordo com os pesquisadores da Universidade de Washington, responsáveis pela criação do medicamento, os testes foram realizados em 100 voluntários saudáveis, entre 18 a 50 anos, sendo que 83 completaram todas as etapas propostas pelo experimento e poucos apresentaram sintomas relacionados à perda do desejo sexual e fadiga, decorrentes dos baixos níveis de testosterona. Novos testes ainda serão necessários para averiguar se existem efeitos indesejados a médio e longo prazo, e para saber qual é o tempo necessário para a fertilidade ser restaurada plenamente após a interrupção do uso.

20

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

DROGAS PREVENTIVAS PARA O ALZHEIMER PODERÃO VIRAR REALIDADE Até hoje, não existem terapias que consigam reverter o progresso do Alzheimer. O máximo que os pacientes têm disponível são tratamentos que amenizam os sintomas e fortalecem temporariamente o raciocínio e a memória. Já em relação às formas de prevenção da doença, pode-se dizer que estão sendo realizados grandes avanços, pois existem 12 medicamentos que já estão em fase final de testes, de acordo com a Alzheimer Research UK. A entidade britânica aponta que a maioria desses testes envolve drogas que impedem a formação e acumulação de aglomerados pegajosos de beta-amiloide, que bloqueiam a comunicação entre os neurônios, sendo a principal causa da doença. Ainda de acordo com a entidade, nos próximos dez anos já deverão existir drogas disponíveis para vacinar todas as pessoas com mais de 50 anos. Estima-se que, com isso, seja possível prevenir cerca de 70% dos casos de Alzheimer.


MERCADO

MERCK INVESTE US$ 390 MILHÕES EM TRATAMENTOS CONTRA O CÂNCER A farmacêutica Merck anunciou, em março último, seus planos de aquisição do laboratório australiano Viralytics, que atualmente trabalha em um tratamento experimental baseado no vírus da gripe. A pesquisa visa o fortalecimento do medicamento oncológico Keytruda, que atualmente é o carro-chefe da companhia australiana. De acordo com a Merck, a transação deve chegar à soma de 502 milhões de dólares australianos (US$ 390 milhões de dólares americanos) e denota a importância dessa nova modalidade de pesquisa representada pelos “vírus oncolíticos”, que são capazes de infectar e destruir as células cancerígenas, bem como estimular a resposta imunológica do organismo. A compra da Viralytics marca o crescente interesse das companhias farmacêuticas pela possibilidade de combinação do vírus com uma nova geração de medicamentos chamados “inibidores de checkpoint”, que bloqueiam a tática das células cancerosas para não serem detectadas pelos tratamentos convencionais.

ANTICOAGULANTE ORAL É APROVADO NO BRASIL Um novo medicamento destinado a reduzir os riscos de um acidente vascular cerebral (AVC) e servir de tratamento para o tromboembolismo teve seu registro aprovado pela Anvisa. O anticoagulante Lixiana (edoxabana), inédito no país, será em forma de comprimidos revestidos de 15mg, 30mg e 60mg, sendo também indicado para o tratamento de adultos diagnosticados com fibrilação atrial não valvular (FANV), tromboembolismo venoso (TEV), trombose venosa profunda (TVP), embolia pulmonar (EP). Além disso, o produto também serve como medicamento preventivo para casos recorrentes das condições. De acordo com os estudos divulgados, a droga teria maior eficácia se comparada à varfarina na redução de casos de AVC e eventos tromboembólicos, apresentando menores taxas de sangramento e tendo menos limitações que o tratamento padrão. A droga será fabricada no país pela Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda., detentora do registro do produto na Anvisa.

PSORÍASE RECEBE DOIS NOVOS TRATAMENTOS NO BRASIL Duas novas opções de tratamentos para a psoríase foram aprovadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em março último. O medicamento biológico Tremfya (guselcumabe) é indicado para tratar adultos com psoríase em placas, que são lesões secas com escamas na pele, em estágios moderado e grave. Além disso, ele é recomendado para quem é candidato à terapia sistêmica e fototerapia. No Brasil, a detentora de seu registro é a empresa Janssen-Cilag Farmacêutica Ltda. A droga sintética Otezla (apremilaste) é outro remédio que fará parte do rol de opções para o tratamento da psoríase, sendo indicada para pacientes nos mesmos estágios de evolução e com os mesmos sintomas tratados pelo Tremfya, mas que não respondem ou apresentam intolerância às terapias com medicamentos antirreumáticos. Fabricada pela empresa suíça Celgene InternationalSarl, a Otezla será comercializada no país pela Celgene Brasil Produtos Farmacêuticos Ltda., detentora de seu registro local.

22

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41


MERCADO

MEDICAMENTO INOVA NO COMBATE AO CÂNCER DE MAMA INICIAL O combate ao câncer de mama recebeu, recentemente, um novo aliado que pode revolucionar a luta contra a doença em estágio inicial HER2+ sob a forma de tratamento adjuvante (pós-cirurgia). O novo medicamento produzido pela Roche Farma Brasil se chama Perjeta® (pertuzumabe) e teve sua comercialização liberada pela Anvisa. A autorização da agência se baseou em estudos que comprovaram a eficácia da nova droga quando combinada com o Herceptin® (trastuzumabe) e a quimioterapia. Nos testes, o remédio mostrou que 94,1% de todas as pessoas tratadas com o novo medicamento não apresentaram novos sinais de reincidência do câncer após três anos. O medicamento representa uma nova perspectiva de tratamento para a modalidade da doença, que representa em torno de 20% de todos os casos de tumores de mama registrados e tem a característica de crescer e se disseminar mais rapidamente do que outras formas.

EXAME PROMETE DIAGNOSTICAR ENDOMETRIOSE COM PRECISÃO Um exame de primeira linha para a identificação da endometriose, conhecido como “Ultrassonografia transvaginal com preparo intestinal”, tem se mostrado a forma mais precisa de identificação das lesões ocasionadas pela doença no corpo. O exame, que também é conhecido por “Ultrassonografia transvaginal”, é considerado uma das maiores evoluções no diagnóstico da doença, pois coleta imagens complexas e nítidas, capazes de identificar e determinar as estruturas comprometidas e o grau de infiltração da condição. O exame permite a edificação dos focos de endometriose em regiões de difícil diagnóstico, como nos ovários, na bexiga, no espaço entre útero e a bexiga, na região atrás do colo uterino – o local mais frequente da doença –, no intestino grosso, na vagina, bem como em outros segmentos intestinais presentes na pelve, como o ceco, as alças de intestino delgado e o apêndice. De acordo com especialistas, em situações em que há o comprometimento do intestino pela doença, o método se mostra superior aos demais para a identificação de múltiplos focos.

24

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

DERMATITE ATÓPICA GANHA NOVAS TERAPIAS BIOLÓGICAS A dermatite atópica, também conhecida por eczema atópica, é uma espécie de doença crônica que resulta na inflamação na pele, principalmente por meio de lesões avermelhadas com crostas que coçam, descamam e, muitas vezes, apresentam umidade. A condição, que atinge cerca de 20% das crianças e 3% dos adultos, tem incidência crescente nas regiões urbanas e, embora ainda não tenha causa exata determinada, a agência regulatória americana FDA recentemente aprovou uma injeção subcutânea fabricada a partir do princípio ativo biológico Dupilumabe, que trabalha inibindo o mecanismo responsável pelo processo inflamatório da doença, impedindo que o paciente desenvolva irritações na pele. A droga também foi aprovada no Brasil pela Anvisa. Outra substância biológica recentemente aprovada para a doença é o Crisaborole, um inibidor de PDE-4 que demonstrou ser muito efetivo em melhorar a qualidade de vida de pacientes adultos e pediátricos, e que agora está em fase de estudos para averiguar sua efetividade em crianças menores de dois anos.


CAPA

QUANDO É HORA DE

PASSAR O BASTÃO Planejada com organização e transparência, a sucessão em uma empresa familiar pode ser uma grande oportunidade de inovação e crescimento

M

anter uma empresa familiar saudável e lucrativa por décadas é um grande desafio, que fica maior ainda quando o fundador precisa passar o comando dos negócios para seu sucessor, geralmente um dos filhos. Esse é um momento extremamente delicado e pode ser decisivo para a sobrevivência da empresa. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apenas 30% das empresas familiares chegam à segunda geração, enquanto só 5% atingem a terceira.

26

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41


Por Michelle de Geus

UM DOS SEGREDOS PARA

ASSEGURAR A LONGEVIDADE DA EMPRESA FAMILIAR É A SEPARAÇÃO DOS ASPECTOS FAMILIARES, EMPRESARIAIS E PATRIMONIAIS

ANA RITA BITTENCOURT

CABO DE GUERRA “A principal razão para tantos negócios fracassarem durante a troca de comando é o convívio complexo entre duas gerações. Um dos segredos para assegurar a longevidade da empresa familiar é a separação dos aspectos familiares, empresariais e patrimoniais”, explica Ana Rita Bittencourt, da Une Consultoria. Ela observa ainda que é comum os familiares guardarem mágoas e insatisfações, transformando a gestão dos negócios e o processo de sucessão em um verdadeiro cabo de guerra.“O maior erro que as famílias empresárias podem cometer é acreditar que estão imunes aos riscos da sucessão. Os desafios são previsíveis e, portanto, podem ser trabalhados de forma preventiva, com antecedência e planejamento”, acrescenta Bittencourt, destacando ainda que crença de que o fundador é insubstituível ou que a nova geração nunca estará pronta para assumir os negócios podem paralisar a empresa por anos e tornar impossível sua recuperação.

ETAPAS DA SUCESSÃO O segredo para garantir a longevidade da empresa é planejar a sucessão e não adiar essa tarefa. Para Gustavo Sette, da Generations Consultoria, um bom processo de sucessão leva de cinco a dez anos e deve passar por, pelo menos, cinco etapas: • Preparação do fundador: Quem está passando o bastão precisa planejar um cronograma de saída do negócio e estruturar um plano de remuneração para financiar a sua nova vida fora da empresa. • Preparação da empresa: É preciso formatar a empresa para seguir em frente sem a presença do fundador e legitimar a liderança da nova geração. • Desenvolvimento do sucessor: A escolha do sucessor não é uma tarefa fácil. Não basta que ele tenha desejo, ele precisa ter capacidade para estar à frente da empresa. • Preparação da família: A sucessão precisa do apoio da família, inclusive daqueles que não trabalham na empresa. É importante estabelecer a forma como os parentes podem atuar no negócio e, principalmente, as regras de remuneração dos familiares. • Preparação dos novos donos: Dificilmente o sucessor será o único dono. Na maioria das vezes, os outros irmãos serão sócios, terão percentagem nas ações e costumam ter bastante influência no negócio.

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

27


CAPA

TRADIÇÃO RENOVADA PREPARANDO O SUCESSOR De acordo com Walther Bottaro, da BC Consultoria, é possível ver na nova geração como uma vantagem competitiva para o negócio, trazendo inovação e incentivando a abertura de novos mercados. A preparação do sucessor pode ser dividida em três etapas: • Jovem Aprendiz: O primeiro emprego dentro da empresa da família é uma forma de educar o jovem para que ele compreenda o valor do dinheiro e conheça o negócio. • Aprendizado Externo: Durante ou após o ensino superior, é interessante que ele busque experiências fora do ambiente familiar e aprenda novas habilidades. • Retorno aos negócios: Após um período de vivência fora do negócio familiar, o jovem terá uma visão mais clara sobre sua vocação e poderá trazer novos conhecimentos e expertises para a empresa.

Na visão de Cinthia Kawata Habe, também da Une Consultoria, a cada troca de gerações a empresa passa por um ciclo de renovação e encontra novas oportunidades de crescimento. “As novas lideranças devem cuidar de forma responsável dos negócios familiares, com visão de longo prazo e sem perder de vista os fundamentos sólidos criados pelas gerações anteriores”, orienta ela, enfatizando que os sucessores que cuidarem do legado familiar pensando em preservá-lo para as próximas gerações terão mais chances de ver a empresa permanecer no mercado por décadas. Segundo Fernando Góes, da OCKAM Consultoria, preparação e planejamento são fundamentais para que o processo sucessório ocorra bem e a empresa não perca a sua essência. Ele afirma que deve-se preservar a mentalidade do fundador e agregar a ela os novos conhecimentos trazidos pelas futuras gerações. “A longevidade do negócio consiste em aliar os valores e princípios que construíram a empresa à capacidade de mudar e se adaptar a um mundo em

A LONGEVIDADE DO NEGÓCIO CONSISTE EM ALIAR OS VALORES E

PRINCÍPIOS QUE CONSTRUÍRAM A EMPRESA À CAPACIDADE DE MUDAR E SE ADAPTAR A UM MUNDO EM CONSTANTES TRANSFORMAÇÕES FERNANDO GÓES

28

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41


A SUCESSÃO PRECISA SER PREPARADA AO LONGO DE VÁRIOS ANOS E FA-

ZER PARTE DO PLANEJAMENTO DE MÉDIO E LONGO PRAZO DA EMPRESA RENATA MONTEIRO

constantes transformações”, indica ele, frisando que o equilíbrio só é alcançado quando a sucessão é bem planejada e organizada. Góes salienta ainda que o primeiro passo de uma sucessão familiar bem-sucedida é aceitar que chegou o momento de passar o bastão. “Toda a família precisa estar disposta e comprometida a dar o melhor de si e se desapegar para preservar o bem maior, que é a empresa”, explica. A transferência deve ser realizada de maneira clara e transparente e, de preferência, quando o negócio encontra-se em um bom momento.

O QUE É UMA EMPRESA FAMILIAR? A empresa familiar é aquela que tem o controle acionário nas mãos de uma ou mais famílias, independente da gestão ser exercida por essas pessoas. Elas representam entre 80% a 90% das empresas no mundo e, mais cedo ou mais tarde, terão que se preparar para a sucessão familiar.

PLANEJAMENTO Renata Monteiro, da Apsis Consultoria, relata que a sucessão deve estar presente no planejamento da empresa e ser discutida abertamente com todos os interessados. “A sucessão precisa ser preparada ao longo de vários anos e fazer parte do planejamento de médio e longo prazo da empresa”, sublinha. “Dessa forma, o herdeiro poderá se preparar para a função, buscando aprimoramento profissional e tomando conhecimento dos principais processos da empresa e do mercado onde ela está inserida.” De acordo com a orientação dela, a empresa deve ser colocada como prioridade durante a escolha

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

29


CAPA

AS DIFERENTES OPINIÕES E

VISÕES SOBRE O FUTURO DA

EMPRESA DEVEM SER IDENTIFICADAS, DISCUTIDAS E UNIFICADAS ALESSANDRO SANTIAGO

do sucessor. “Um dos principais desafios reside na difícil tarefa de separar os negócios das relações familiares. A empresa deve ser comandada pela pessoa que estiver melhor preparada para a função, independentemente do grau de parentesco”, recomenda ela, salientando que o herdeiro hipotético precisa ter senso crítico para saber se tem condições de assumir os novos desafios. “Quando o processo de sucessão é bem estruturado, acompanhado de um planejamento estratégico claro e objetivo, certamente a empresa continuará saudável e lucrativa”, garante.

FONTE DE INOVAÇÃO O consultor Tomaz Solberg assegura que é possível transformar o processo de sucessão familiar em uma vantagem competitiva para a empresa. “Cada geração possui uma visão de mundo, e es-

30

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

E QUANDO NÃO HÁ HERDEIROS? Muitas vezes, o empresário não tem herdeiros ou seus familiares mais próximos não têm capacidade para conduzir o negócio com o mesmo sucesso. Nesse caso, o consultor José Renato de Miranda sugere a contratação de uma consultoria especializada para tentar encontrar um sucessor entre os principais colaboradores da empresa. Se não houver nenhuma possibilidade, pode-se pensar numa sociedade entre os diretores ou contratar um profissional no mercado. Em última hipótese, os familiares entram em consenso e optam pela venda ou fusão da empresa.


CADA GERAÇÃO POSSUI UMA VISÃO DE MUNDO, E ESSAS DIFERENÇAS PODEM SER BENÉFICAS PARA A EMPRESA

SE FOREM TRABALHADAS DE FORMA COMPLEMENTAR TOMAZ SOLBERG

sas diferenças podem ser benéficas para a empresa se forem trabalhadas de forma complementar. Quando as opiniões são vistas como concorrentes, em que apenas uma pode estar certa, surgem conflitos nada construtivos”, alerta ele, mencionando ainda que a transferência pode ser uma oportunidade para inovar e rever processos. Um dos erros mais comuns, na opinião dele, é negar que a sucessão familiar terá que ocorrer mais cedo ou mais tarde. “Evitar ou postergar o assunto não ajuda em nada. Quando a família não conversa a respeito, a empresa acaba sendo empurrada para um dos filhos, que não necessariamente quer assumir o comando ou está preparado para tal”, ressalta. “Além disso, o dono atual não pode achar que ele escolhe o sucessor sem precisar ouvir os outros.”

quê, da avaliação de competências para as posições de comando e das necessidades de se obter resultados. “É preciso equilibrar as necessidades dos familiares e sócios, e as demandas do mercado. As diferentes opiniões e visões sobre o futuro da empresa devem ser identificadas, discutidas e unificadas. Com o entendimento do que se espera do negócio, a família pode trabalhar em conjunto e sem conflitos de interesses”, aconselha.

COMO SE PREPARAR A profissionalização dos negócios da família e a formação dos sucessores e gestores que darão continuidade à empresa são as bases da boa sucessão. Na visão de Alessandro Santiago, da consultoria NBS Consulting Group, a profissionalização vai além da identificação de quem faz o

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

31


JORGE VIEIRA DA SILVA

SUCESSÃO NA EMPRESA FAMILIAR

Empresa familiar é aquela em que uma ou mais famílias detêm o controle da empresa. Sendo proprietárias da parcela majoritária de poder da companhia, elas nomeiam gestores e decidem sobre a gestão. A continuidade dos negócios exige que a família – ou famílias – prepare um plano de sucessão. Antes do desenho do plano, é preciso entender as diferenças entre governança, administração e competências.

1. Propriedade: os sucessores saberão agir como proprietários da empresa, nomeando gestores, decidindo sobre sua gestão, aumentando ou, no mínimo, preservando seu patrimônio?

Governança e administração Saber ser proprietário não é o mesmo que saber ser gestor. São saberes distintos, competências distintas ou, como dizem os manuais de governança corporativa, são diferentes “agentes”. O proprietário “governa” a empresa, seu patrimônio; o gestor a “administra”. O gestor é contratado e segue as decisões do proprietário. São diferentes papéis, mesmo que possam ser desempenhados pela mesma pessoa, o proprietário gestor.

3. Família: os sucessores saberão se relacionar com a família, com familiares proprietários e não proprietários, trabalhadores e não trabalhadores na empresa?

Competências Se os herdeiros não tiverem competências para gerir a empresa – o que não é nenhum crime –, o melhor é assumirem apenas a condição de proprietários no conselho diretivo, que saibam nomear gestores, recebam lucros, mas, sem administrar a empresa. Se tiverem competências dadas pela formação, experiência e, principalmente, atitude, poderão ser também gestores da empresa.

2. Gestão: os sucessores, se forem também gestores, saberão administrar, garantindo liquidez e rentabilidade no curto e longo prazo, desenvolvendo comercialmente a empresa?

4. Preparação: a geração atual sabe preparar sua sucessão com um plano adequado à empresa e à família, eventualmente investindo na capacitação dos futuros proprietários e gestores? Conclusão Se os sucessores tiverem as competências para ser proprietários e/ou gestores e para o “endomarketing” familiar, e se a geração atual tiver as competências necessárias para preparar sua sucessão, então o plano de sucessão preservará, sem tentativa e erro, o patrimônio da família.

JORGE VIEIRA DA SILVA, administrador pela Universidade de São Paulo (USP), mestre em administração e doutor em política (PUC/SP), professor das Faculdades Rio Branco e trabalha

Um plano de sucessão deve sempre considerar quatro pontos:

32

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

há mais de 15 anos com sucessão na empresa familiar e na preparação de sucessores.


CULTURA

A vida e a obra do Aleijadinho são repletas de incertezas, mas a sua importância como um dos maiores artistas do mundo é indiscutível

O HOMEM, O

MITO E A ARTE M inas Gerais é um dos celeiros culturais do Brasil. O estado é reconhecido pelas suas comidas típicas, pela arquitetura exuberante e pelo rico patrimônio histórico, herança do tempo em que o Brasil era colônia de Portugal. É também em Minas Gerais que nasceram alguns dos mais importantes escritores, artistas, músicos e atores do país. O maior expoente do estado é, sem dúvida, o escultor e arquiteto Antônio Francisco Lisboa, também chamado de Aleijadinho, um dos artistas brasileiros mais reconhecidos no mundo. Ele é considerado o grande mestre do Barroco Mineiro e admirado por suas esculturas e pelas igrejas que ajudou a projetar.

MISTÉRIO Pouco se sabe sobre a vida de Antônio Francisco Lisboa. Os diversos estudos realizados sobre a biografia do artista não foram capazes de confirmar boa parte das informações. Acredita-se que ele tenha nascido por volta de 1738, em Vila Rica (atual Ouro Preto). Ele teria sido filho do português Manuel Francisco Lisboa e da escrava Isabel. Aleijadinho, ao que parece, não era filho legítimo, e a sua condição de mestiço impediu que completasse os estudos quando era criança. Ele teria aprendido a esculpir e entalhar com o pai, que também era artista.

34

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41


Por Michelle de Geus

GLOSSÁRIO: BARRO MINEIRO O Barroco Mineiro é um estilo artístico presente na arquitetura, pintura e escultura. Ele surgiu no século XVIII, em Minas Gerais. Entre suas principais características, estão a riqueza de detalhes e as obras grandiosas. Os símbolos religiosos são parte essencial da arte barroca.

REQUISITADO No século XVIII, a extração de ouro colocou Minas Gerais em destaque no cenário nacional. Com bastante dinheiro circulando, as construções foram ficando maiores e mais imponentes, principalmente as religiosas. É nessa época que Antônio Francisco Lisboa começa a chamar a atenção pelo seu talento como escultor e projetista. O seu trabalho passou a ser requisitado por várias igrejas, tornando-o conhecido em outras cidades do estado. Nesse período, suas obras exprimiam uma personalidade alegre e vibrante.

Foto: Charles Oliveira - www.charlesoliveira.com.br

DOENÇA Por volta de seus 40 anos de idade, tudo mudou. O artista foi diagnosticado com uma doença grave e degenerativa que comprometeu os movimentos dos pés e das mãos e deformou o rosto. Acredita-se que tenha sido hanseníase ou sífilis, mas a questão ainda está em aberto. Alguns historiadores afirmam que ele perdeu a maior parte dos dedos das mãos, enquanto outros afirmam que estavam “apenas” atrofiados. Há quem diga que ele perdeu também todos os dedos dos pés e era obrigado a andar de joelhos. É assim que Antônio Francisco Lisboa se tornou o Aleijadinho. Apesar das intensas dores e dos movimentos limitados, Aleijadinho não parou de trabalhar. Pelo contrário: foi nesse período que ele produziu al-

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

35


CULTURA

O MESTRE DO BARROCO

É difícil definir quantas e quais são as verdadeiras obras de Aleijadinho. Durante a época colonial, era comum que os artistas não assinassem suas criações, deixando que os contratos e recibos se encarregassem de comprovar a autoria. Grande parte das obras associadas ao artista foi atribuída a ele por semelhança com as poucas peças documentadas e comprovadas. O que se sabe é que Aleijadinho não trabalhava sozinho – ele tinha uma oficina com ajudantes e aprendizes, como era comum no período. Ao todo, estima-se que ele deixou mais de 400 obras, a maioria delas ligadas à fé católica. Os materiais preferidos do artista eram a pedra-sabão e a madeira. A obra de Aleijadinho pode ser dividida em duas fases com características distintas e marcantes. Antes da doença, os trabalhos eram leves e dinâmicos. É dessa fase o projeto da fachada e da decoração da Igreja de São Francisco de Assis, em Ouro Preto, um dos monumentos mais importantes da arte colonial e do Barroco Mineiro. Ainda nesse período, ele foi o responsável pelo altar e algumas imagens da Igreja Nossa Senhora das Mercês e Perdões, também localizada em Ouro Preto. Na segunda fase, Aleijadinho deixa transparecer em suas criações o sofrimento com a doença. É nesse período que ele produz as estátuas da série “Doze Profetas”, do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, bem como as esculturas das seis capelas que narram os “Passos da Paixão”, ambas em Congonhas do Campo. Elas estão entre as maiores criações da arte brasileira e exibem todo o talento de Aleijadinho.

36

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

gumas de suas obras-primas. Diversos historiadores afirmam que ele pedia para que seus assistentes amarassem as ferramentas no seu pulso a fim de que pudesse continuar esculpindo. Suas obras passam a retratar a mudança de personalidade do artista, agora amargurado e solitário.

O FIM Aleijadinho trabalhou intensamente até o final da vida e só deixou a sua oficina em 1812, quando perdeu a visão. Morreu apenas dois anos depois, com mais ou menos 76 anos de idade.

OS 12 PROFETAS A imagem que ilustra a capa desta edição de Abradilan estampa o profeta Jeremias, uma das 12 esculturas de profetas criadas entre 1794 a 1804 e consideradas as obras-primas de Aleijadinho. Elas estão posicionadas de tal maneira que se relacionam entre si e convidam o espectador a entrar no Santuário do Bom Jesus de Matosinhos para ouvir a palavra da qual são mensageiros. A posição de destaque é ocupada por Jeremias, localizado logo na entrada. Ele é representado com um pergaminho e uma pena na mão, símbolo de sua coragem de denunciar seus chefes e sacerdotes, os atos de idolatrias e os falsos profetas do seu tempo.

MUSEU ALEIJADINHO

O Museu Aleijadinho reúne peças de arte sacra e oferece um circuito por três igrejas históricas de Ouro Preto (MG), onde se encontram algumas das principais obras do artista. Os ingressos custam R$ 10 e podem ser adquiridos na secretaria do museu.


SILVIO CELESTINO

QUEM NÃO DELEGA

NÃO LIDERA “

SOB UMA LIDERANÇA CENTRALIZADORA,

A EQUIPE SENTE-SE INFERIORIZADA, IMPOTENTE E, COM O PASSAR DO TEMPO, DESMOTIVADA A dificuldade em delegar tarefas ocorre frequentemente no indivíduo que foi recém-elevado a um cargo gerencial, embora eu já tenha visto esse problema em diretores e até presidentes de empresas. Sempre que um líder não delega, acaba por sobrecarregar-se, o que é motivo de muito estresse e cansaço para si mesmo. Além do mais, sob uma liderança centralizadora, a equipe sente-se inferiorizada, impotente e, com o passar do tempo, desmotivada. A causa disso é que delegar exige método. Por essa razão é que, desde o início de sua carreira gerencial, o líder deve ser preparado com o conhecimento, os conceitos e, principalmente, as melhores práticas para delegar. Um ponto importante é que a delegação é um processo, e não um evento. É comum um novo gestor simplesmente abandonar uma tarefa nas mãos de seu subordinado sem dar-lhe nenhuma instrução. O resultado, por vezes, é um verdadeiro desastre. Portanto, iniciar o processo com muitas instruções e paulatinamente dar autonomia ao seu liderado é a maneira mais apropriada de fazê-lo. Também não adianta muito você delegar sem passar o modelo mental requerido para fazer a tarefa. O modelo mental significa o que você, que está delegando, pensa quando faz a tarefa. O nosso pensamento, em geral, é extremamente

38

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

complexo, e nunca paramos para destrinchá-lo em uma sequência de instruções compreensíveis aos nossos subordinados. Portanto, antes de delegar, você deve refletir a respeito dos macetes e manhas que aprendeu ao longo de sua experiência com a tarefa. Se não passar isso ao seu subordinado, você terá uma vivência de que está cercado de pessoas pouco inteligentes. Afinal, quando você faz a tarefa, tudo funciona, mas, quando os outros a fazem, nada dá certo. Mas é você quem não foi abrangente o bastante para passar tudo o que sabe. Logo, seja generoso e transfira seu conhecimento de forma completa. Por último, delegar sem fazer acompanhamento é o mesmo que abandonar a tarefa. Portanto, uma vez que você delegou, estabeleça pontos de controle ou reuniões periódicas nas quais o seu time lhe informe sobre o andamento das atividades. Afinal, você, como líder, é responsável pela qualidade da tarefa. E o prazo de entrega faz parte da qualidade. Uma boa delegação é uma garantia para a paz de espírito de todo bom líder. E uma competência fundamental para que você cresça cada vez mais em sua carreira, com segurança e capacidade para gerir times cada vez maiores. SILVIO CELESTINO, autor do livro “O líder transformador: como transformar pessoas em líderes”


NOSSA HISTÓRIA

A CONQUISTA DA

^

EXCELENCIA Sempre em busca do melhor, a Gauchafarma fez história na região Sul do país com inovação tecnológica, capacitação profissional e sucessão familiar planejada

C

om 30 anos de experiência no mercado, a Gauchafarma é uma das distribuidoras de medicamentos mais tradicionais do Rio Grande do Sul. A história dos seus fundadores e dirigentes é uma inspiração para quem quer transformar um pequeno negócio familiar em uma empresa sólida, rentável e reconhecida pela população. Entre os segredos que possibilitaram o crescimento da empresa, estão a inovação tecnológica, a capacitação profissional e o planejamento da sucessão familiar.

MAS COMO TUDO COMEÇOU? Em 1966, Gilberto Cervo deixou a sua cidade natal, no interior do estado, em busca de novas perspectivas na capital Porto Alegre. Foi no ramo farmacêutico que encontrou a oportunidade de crescimento que estava buscando. Ele começou a trabalhar como representante comercial de alguns laboratórios e depois encontrou a possibilidade de abrir o seu próprio negócio. A distribuidora Gauchafarma finalmente começou a dar os seus primeiros passos no ano de 1983. “A jornada foi árdua, mas foi recompensada pelo desenvolvimento da empresa

40

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

e sua posição de destaque no setor”, relembra Cervo. Começava ali uma longa história de sucesso.

UMA DÉCADA ESPECIAL A década de 90 foi especial para a Gauchafarma. Foi nessa época, mais precisamente em 1992, que a empresa adquiriu sua própria sede, uma das principais conquistas da companhia. Como a busca pela profissionalização e a inovação constante sempre fizeram parte do DNA da Gauchafarma, em 1995 a empresa implantou o seu primeiro sistema de tecnologia da informação, fazendo com que vários processos passassem a ser computadorizados. A iniciativa resultou em mais agilidade e precisão na execução das tarefas.

MEDICAMENTOS GENÉRICOS A maior surpresa, porém, ainda estava por vir. No final da década de 90, o preço dos medicamentos de marca estava subindo rapidamente e não havia nenhuma garantia da qualidade dos similares. Foi então que a Lei dos Medicamentos Genéricos (nº 9.787), aprovada em 1999, mudou o cenário. Até então, quando uma empresa desenvolvia um novo medicamento, ela era a única que podia comerciali-


Por Michelle de Geus

A JORNADA FOI ÁRDUA, MAS FOI RECOMPENSADA PELO DESENVOLVIMENTO DA EMPRESA E SUA POSIÇÃO DE DESTAQUE NO SETOR GILBERTO CERVO

zar o produto. Com a nova legislação, essa exclusividade passou a ter um prazo de 20 anos. Passado esse período, as empresas concorrentes podem produzir outros remédios com base no mesmo princípio ativo. O mercado farmacêutico se tornou muito mais competitivo e a população pôde começar a comprar medicamentos com preços mais acessíveis. A Gauchafarma foi uma das primeiras distribuidoras gaúchas a trabalhar com os medicamentos genéricos. Isso contribuiu para dar maior consistência financeira à empresa, conquistar a confiança da sociedade e ampliar o portfólio de produtos. “Nós já trabalhávamos há alguns anos com a linha de medicamentos similares, e aproveitamos para explorar também o nicho dos genéricos. O tempo mostrou que essa foi uma decisão muito acertada”, avalia Marcio Cervo, o atual dirigente da empresa.

SUCESSÃO FAMILIAR Marcio é filho de Gilberto e a segunda geração da família no comando da empresa. Ele está à frente da Gauchafarma há oito anos, mas começou a trabalhar nos negócios do pai ainda muito jovem. “Meu primeiro emprego foi quando eu tinha 18 anos. Eu era empacotador, ajudava no carregamento e descarregamento das mercadorias. Aquela época, o perfil de trabalho era bem diferente e a gente acabava fazendo um pouco de tudo”, relembra. Aos poucos, Marcio ganhou experiência e conhecimento, o que o preparou para seguir os caminhos do pai. Ele conta que passou por todos os setores da empresa. “Ter ocupado tantos cargos diferentes me deu um conhecimento grande dos detalhes do funcionamento do negócio. Hoje em dia, eu vejo que esse aprendizado me dá segurança nas decisões

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

41


NOSSA HISTÓRIA

que eu tomo na liderança da empresa”, destaca. A sucessão familiar, segundo ele, ocorreu de forma tranquila e planejada, possibilitando que a companhia permanecesse rentável até hoje. “Em vários momentos, meu pai teve que se afastar dos negócios, e isso foi uma oportunidade para que eu crescesse dentro da empresa e conquistasse a confiança dos colaboradores”, explica Marcio, observando ainda que uma consultoria especializada em gestão familiar foi contratada para conduzir o processo e preparar a passagem do comando.

BUSCA PELA EXCELÊNCIA A inovação tecnológica e a eficiência nos negócios fazem parte da missão da Gauchafarma desde o início. A empresa treina constantemente seus colaboradores e executivos para lidar com as mudanças do mercado e as novas tecnologias. Eles também recebem capacitação para prever tendências e trabalhar com inovações que ainda vão entrar em cena. Um dos resultados iniciais dessa busca pela excelência foi a implantação da primeira filial da empresa na cidade de Palhoça (SC), em 2006. Além de todo o Rio Grande do Sul, a Gauchafarma também está presente nos estados de Santa Catarina e Paraná. No processo, a gestão dos negócios

42

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

se tornou mais profissional, com quatro diretores e aproximadamente 150 colaboradores.

UM ANO MARCANTE O ano de 2011 foi marcante na história da Gauchafarma. Em maio daquele ano, a empresa se mudou para uma nova e moderna sede, localizada na região do Porto Seco, em Porto Alegre. O complexo possui 5 mil m² de área construída e está instalado dentro de um terreno de 18 mil m². “As novas instalações aumentaram a capacidade de armazenagem e logística, e proporcionaram mais conforto aos colaboradores e parceiros. Essa mudança foi fundamental para fortalecer o crescimento da empresa, que apresentou um incremento de 128% no faturamento”, analisa Marcio.

PLANOS PARA O FUTURO Os próximos anos prometem ser ainda mais favoráveis para a Gauchafarma. A empresa segue firme em sua missão de proporcionar as melhores soluções e opções do mercado, com parcerias sólidas, lucrativas e justas para clientes, fornecedores e colaboradores. “As perspectivas para o futuro são de crescimento. Continuaremos apostando nos medicamentos genéricos e vamos ampliar a nossa linha de perfumaria, beleza, higiene pessoal e cosméticos”, adianta Marcio.


ARBORETO


NOSSA HISTÓRIA

UMA HISTÓRIA DE

CONFIANÇA Iniciada no apartamento de seu fundador, a Navarro se tornou a primeira distribuidora regional de medicamentos a atender aos quatro estados da região Sudeste

N

o ano de 1987, Cledson Navarro trabalhava como representante de vendas de um laboratório farmacêutico. Entre suas idas e vindas, ele percebeu que alguns produtos demoravam muito para serem entregues e constantemente estavam em falta na fábrica. “Foi nessa época que o lado empreendedor do meu pai falou mais alto. Ele começou a estocar os medicamentos no próprio apartamento para poder atender aos clientes. Quando o produto entrava em estoque na fábrica, ele comprava uma grande quantidade e guardava”, conta o filho Marcelo. A estratégia deu certo, e logo o apartamento ficou pequeno. Como precisava de mais espaço, Cledson alugou uma garagem para armazenar os produtos. Mais tarde, o empresário abriu a sua a empresa, com tudo formalizado, e começou a vender medicamentos com CNPJ próprio. Ele tinha planos ainda mais ousados para o futuro e, junto com a esposa Jeni, fundou uma distribuidora de medicamentos para suprir a lacuna deixada pelos laboratórios farmacêuticos. Ele não era mais um representante de vendas, mas, sim, um pequeno empresário do setor. A Navarro dava então

44

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

os seus primeiros passos. A empresa cresceu rapidamente e, em 1990, Cledson alugou a sua primeira sala comercial e contratou os primeiros colaboradores. Sete anos mais depois, houve uma nova mudança de endereço: a Navarro foi transferida para a Avenida Capitão José Amaral, em São Paulo (SP). Localizada em uma região privilegiada, com uma sede maior, a empresa cresceu e se fortaleceu. Foi nesse momento que os quatro filhos – Denis, Daniel, Marcelo e Cledson Filho – passaram a trabalhar na companhia. “Nós começamos a participar dos negócios da família ainda muito jovens para entender melhor como funciona a distribuição de medicamentos e conhecer todos os detalhes da empresa”, lembra Marcelo.

PEGUE ESTA DICA A união entre os irmãos Navarro e as sólidas diretrizes deixadas pelo fundador foram os ingredientes principais para que a empresa continuasse a crescer.


SEGUNDA GERAÇÃO No ano de 2003, a Navarro enfrentou uma grande perda. Cledson faleceu repentinamente e não teve a oportunidade de ver concretizados os planos da família. “Minha mãe é uma das fundadoras e conhece como ninguém a empresa, mas tinha se afastado um pouco antes do meu pai falecer e não quis voltar. Então, meus irmãos e eu decidimos assumir os negócios da família”, observa Marcelo, destacando que foi um grande desafio e aprendizado ficar à frente da empresa. “Embora a gente já participasse desde muito cedo, todas as decisões estratégicas estavam centralizadas e ainda eram tomadas pelo meu pai”, explica. Como a sucessão ocorreu de forma inesperada, não houve tempo para planejar a troca de bastão ou preparar os sucessores. “A verdade é que ainda não tínhamos pensado nisso. Aconteceu do dia para a noite, e tivemos que aprender tudo na prática”, revela Marcelo. A união entre os irmãos e as sólidas diretrizes deixadas pelo fundador foram os ingredientes principais para que a empresa continuasse a crescer. Atualmente, Marcelo é o

RECONHECIMENTO Os investimentos da Navarro no Rio de Janeiro e a constante preocupação em promover a capacitação e o desenvolvimento da equipe renderam bons resultados. Em 2017, a empresa foi indicada como finalista à 13ª edição do Prêmio Destaque Ascoferj na categoria Distribuidor de Similares de Marca.

Diretor-Presidente da empresa; Daniel e Denis comandam o Departamento Comercial e Financeiro, respectivamente; e Cledson Filho está à frente do setor de Tecnologia da Informação (TI).

FUTURO Desde 2005, a empresa conta com sede própria, localizada na Avenida Nelson Palma Travassos, na mesma São Paulo. A estrutura de 3.500 m², moderna e elegante, foi projetada para oferecer mais

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

45


NOSSA HISTÓRIA

NÓS COMEÇAMOS A PARTICIPAR DOS NEGÓCIOS DA FAMÍLIA

AINDA MUITO JOVENS PARA ENTENDER MELHOR COMO FUNCIONA A DISTRIBUIÇÃO E CONHECER TODOS OS DETALHES DA EMPRESA MARCELO NAVARRO

conforto e comodidade para os clientes e colaboradores. Nesse período, a empresa também investiu em tecnologia de gestão de depósito, ferramentas para venda on-line e treinamento e qualificação da equipe, a fim de reforçar o seu compromisso com a qualidade e agilidade. De lá para cá, a Navarro ganhou o Brasil. Em 2000, a companhia começou a atuar no Rio de Janeiro e, oito anos mais tarde, inaugurou o Centro de Distribuição na cidade. Em 2016, tiveram início as operações no Espírito Santo. A empresa se tornou a primeira distribuidora regional a cobrir toda a região Sudeste com a abertura de uma regional em Minas Gerais, em 2017. “Nós queremos consolidar a nossa atuação no Espirito Santo e Minas Gerais, que são os mais recentes mercados conquistados pela Navarro. Também pretendemos abrir mais estados nos próximos anos, para que, em breve, possamos atuar em todo o país”, planeja Marcelo.

PROXIMIDADE “A empresa cresceu muito, mas ainda é uma família. Não deixamos de lado o que o meu pai mais valorizava: a proximidade com cada pessoa que trabalha na distribuidora”, aponta Marcelo. A Navarro completará, em breve, 30 anos de atuação no mercado, sendo referência na distribuição de me-

46

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

dicamentos genéricos, similares, acessórios e perfumaria. Atualmente, a companhia conta com uma equipe qualificada e cerca de 330 colaboradores. Em seu portfólio, estão mais de 6.500 itens de grandes empresas como Neo Química, Cimed, Geolab, Multilab, Medquímica, Legrand, EMS e demais empresas de grande representatividade no mercado.

ESTRUTURA A Navarro é a primeira distribuidora regional de medicamentos a atender aos quatro estados da região Sudeste em virtude de sua estrutura altamente qualificada, que possibilita trabalhar com precisão e agilidade. • Centro de Distribuição São Paulo - 3.500 m² • Centro de Distribuição Rio de Janeiro – 2.000 m² • Centro de Distribuição Espírito Santo – 2.500 m² • Centro de Distribuição Minas Gerais – 1.000 m²


EDISON TAMASCIA

ALÉM DA COMPRA COLETIVA

ASSOCIATIVISMO “

NO ASSOCIATIVISMO FARMACÊUTICO, É FUNDAMENTAL A ATENÇÃO ÀS POSSÍVEIS MUDANÇAS QUE DEVEM

OCORRER NOS PRÓXIMOS ANOS, AS QUAIS ESTÃO ALÉM DA LINHA DE VISIBILIDADE DOS EMPRESÁRIOS De tempos em tempos, é importante fazer análises sobre os rumos das nossas ações, principalmente com relação à quebra de paradigmas destinada a abrir os caminhos rumo a um reposicionamento de crescimento perante o mercado. Digo isso pelo fato de que chegou o momento de perceber que, no associativismo farmacêutico, a atuação deve ir muito além da compra coletiva de medicamentos. É claro que o maior poder de negociação quando se compra em grupos é relevante, mas é fundamental a atenção às possíveis mudanças que devem ocorrer nos próximos anos, as quais estão além da linha de visibilidade dos empresários. É preciso entender que, além disso, temos muito mais a oferecer, e é isso o que fará com que as redes se fortaleçam no futuro. Cito como exemplo a Federação Brasileira das Redes Associativistas e Independentes de Farmácias (Febrafar), que constantemente tem desenvolvido ferramentas diferenciais para os associados, as quais, porém, poderiam ser mais bem utilizadas em muitos casos. Como exemplo, cito o cartão fidelidade elaborado para o Programa de Estratégias Competitivas (PEC) da Febrafar, que não é fácil ser copiado. Com base em um estudo realizado recentemente pelo Instituto Febrafar de Pesquisa e Educação Continuada

48

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

(IFEPEC), constatou-se que esse é o melhor caminho para a retenção de clientes e, consequentemente, de associados para as redes. Além disso, a pesquisa “Opinião dos Consumidores sobre Programas de Fidelidade” mostra que 68% das pessoas não participam de nenhum programa, mas que 92% afirmam que gostariam de participar, sendo que o programa de farmácias é o segundo mais desejado. Isso mostra que existe um campo imenso a ser trabalhado. Como já foi dito, hoje uma boa associação não busca apenas descontos comerciais junto aos distribuidores, mas também ferramentas administrativas, layoutização de lojas, treinamentos e cursos, central de convênio e de compras, integração de dados, investimento em marketing, entre tantas outras coisas. Esses componentes fazem a diferença de uma associação para outra, e é por esse motivo que as redes profissionalizadas possuem associados bem-sucedidos, fruto das opções que o varejista tem à sua disposição para alavancar o seu negócio. Por isso, tenho a certeza de que não basta ser associativista para ser bom, mas é fundamental ser bom para ser associativista. EDISON TAMASCIA, empresário do setor farmacêutico com 40 anos de atuação no segmento. É também presidente da Febrafar, da Farmarcas e da Rede Ultra Popular.


TURISMO

O CARIBE

BRASILEIRO Guardando algumas das praias mais paradisíacas do Brasil, Arraial do Cabo (RJ) é uma ótima opção para quem busca climas mais solares

V

ocê não acredita em amor à primeira vista? Talvez uma visita a Arraial do Cabo (RJ) faça você mudar de ideia. A primeira de suas praias pode ser vista da principal rodovia que dá acesso ao município e conquista de cara o coração até mesmo dos turistas mais exigentes. Não é para menos: a imagem é tão impressionante que é difícil continuar concentrado na estrada. Essa pequena cidade localizada na região dos Lagos, no estado do Rio de Janeiro, abriga paisagens encantadoras e praias belíssimas quase desabitadas. A areia branquinha e o oceano incrivelmente azul que banha a região deram a Arraial do Cabo o título de “Caribe Brasileiro”. O mar tranquilo e sem ondas é um convite para os banhistas e a alegria das crianças. Além disso, as temperaturas por lá são sempre elevadas, mesmo nos meses de inverno.

TRANSPARÊNCIA O que mais chama a atenção em Arraial do Cabo é a transparência da água. O litoral brasileiro é banhado pela Corrente Marítima do Brasil, uma corrente de águas quentes e turvas. Em Arraial do Cabo, acontece um fenômeno conhecido co omo mo ressu urg rgên ênci c a, quee afasta essa cor orre rent nte como ressurgência, corrente marí ma rítima ma e ttraz razz para ra ra a ssuperfície uperfície as ááguas guas gu as ggelaelaamarítima dass do ffundo da undo ddoo oc un oceano. O re esu sultlttad adoo é um mm a ar resultado mar cris cr ista talinoo e aalgumas lgumas das a ppraias raia ra iass ma mais bbonitas onitas do on cristalino país ís. Ou Outra vantag agem em é qque u as ue as águas água u s do fundo país. vantagem do ocean a o sã ão ri rica cass em pplânctons lâânctons e minerais, oceano são ricas o que torna toorn rnaa a vida v da marítima vi mar arítima exuberante e atrai dive vers r os rs o ccardumes. a du ar dume mes. s É por isso que Arraial do Cabo diversos tamb ta mbém ém é cconhecida onhecida como a Capital do Mergulho. on também

50

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

COMO CHEGAR Arraial do Cabo fica a apenas 165 km da capital Rio de Janeiro. Para quem prefere não contratar um translado, é possível alugar um carro no aeroporto e seguir em direção à Ponte RioRio -Niterói, com acesso à BR 101 e depois à Via Lagos (RJ-124). Nesse trecho, as pistas são duplicadas e há cobrança de pedágio. A partir de São Pedro da Aldeia, deve-se pegar a RJ-140, com pista simples. A viagem dura, em média, 2h30. No verão, é possível pegar um ônibus do aeroporto Galeão até Arraial do Cabo.


Por Michelle de Geus

QUANDO IR

A melhor época para visitar Arraial do Cabo é durante o outono, quando as temperaturas variam entre 23°C e 28°C, e não costuma chover muito. O final da primavera e o auge do verão (de novembro a janeiro) coincidem com a alta temporada, o que significa praias mais movimentadas. Além disso, esse é um período de chuvas intensas na região. No inverno, o tempo é mais seco e as temperaturas não ficam abaixo dos 20°C. Mesmo nessa época a cidade recebe um número maior de visitantes nos finais de semana e feriados. Para quem não deseja enfrentar filas e aglomerações, é preferível pegar a estrada e fazer os passeios de segunda a quinta-feira.

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

51


TURISMO

AS PRINCIPAIS PRAIAS DE ARRAIAL DO CABO

• Prainha: A grande atração de Arraial do Cabo, é claro, são as suas praias. É uma tarefa difícil escolher quais são as melhores ou as mais bonitas, pois todas são igualmente impressionantes. A primeira delas é a Prainha, logo na divisa com Cabo Frio. Ali as águas são um pouco mais quentinhas, o que atrai vários turistas. Essa praia também recebe visitas inesperadas dos pássaros mergulhões, que frequentam o local em busca de cardumes, proporcionando um curioso espetáculo quando mergulham em busca de comida.

• Praia do Forno: As praias que fizeram a fama de Arraial do Cabo são as mais selvagens e quase desertas. De longe, elas impressionam pela cor azul turquesa e pela areia branquinha. Quando o turista se aproxima, é surpreendido por uma água incrivelmente transparente e um mar sem ondas. Este é o visual que ele vai encontrar na encantadora Praia do Forno. Para chegar lá, é possível pegar um barco-táxi ou se aventurar pela trilha que também sai da Praia dos Anjos. São apenas 15 minutos de caminhada, com a vantagem de apreciar a belíssima vista do alto do morro.

• Praia Grande: No outro extremo, fica a Praia Grande. Como o próprio nome diz, ela é gigantesca, e seus 40 km de extensão só podem ser percorridos de jipe. A grande vantagem dessa praia é a sua faixa de areia extensa e larga, com mesinhas e cadeiras à disposição dos turistas. Ali o mar é bem gelado e a temperatura da água chega a apenas 8°C.

• Pontal do Atalaia: As prainhas do Pontal do Atalaia receberam esse nome porque estão separadas por uma pedra, mas na maré alta parecem ser uma só. É possível chegar até elas de barco-táxi ou pela escadaria de 225 degraus que dá acesso à praia. É no Pontal do Atalaia que muitas pessoas se reúnem para apreciar o pôr do sol.

• Praia dos Anjos: Já no centro de Arraial do Cabo está localizada a Praia dos Anjos, a região mais movimentada da cidade. No lado esquerdo, esque do, encontram-se e co t a se muitos u tos pescado pescadores es e também barcos-táxi para a Praia do Forno e para as Prainhas do Pontal do Atalaia. É lá que fica o cais de onde saem os famosos passeios de barco. Basta caminhar um pouco na orla para encontrar vários vendedores oferecendo o serviço.

52

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

• Ilha do Farol: A praia da Ilha do Farol é uma atração imperdível de Arraial do Cabo. Ela só é acessível de barco e, definitivamente, o passeio vale a pena. Não é exagero dizer que essa é uma u a das praias p a as mais a s bonitas bo tas do país. pa s Como é uma área de preservação ambiental, o local recebe apenas 250 visitantes por vez, e o tempo de permanência é de, no máximo, 45 minutos. A praia também é de interesse histórico, pois conta com um sítio arqueológico que demonstra a presença humana na ilha há mais de 4 mil anos.


Não é raro ver tartarugas, arraias, baleias, golfinhos e até mesmo orcas que vão para lá em busca de alimento.

AR INTERIORANO No município, as casas são baixas e as ruas são estreitas, o que dá à cidadezinha um ar de interior. A região é bem pacata, com ritmo de vida sossegado. O local é perfeito para quem deseja descansar e fugir da agitação carioca. Outro charme da região é a simpatia de seus moradores. As pessoas são alegres e hospitaleiras, e estão sempre preparadas para atender aos turistas da melhor maneira possível.

RESTAURANTES A maioria dos restaurantes de Arraial do Cabo fica nos arredores da Praça do Cova, na Praia dos Anjos. Ali também estão diversos food trucks que servem sanduíches, churros, espetinhos e drinks variados. A orla da Prainha e da Praia Grande também possuem boas opções de quiosques e lanchonetes à beira-mar.

e a Praia do Forno, passando pela Gruta Azul e pela Fenda de Nossa Senhora. São inúmeras as agências de viagem que oferecem o passeio, mas é preciso escolher com bastante atenção. Nem todas têm paciência de aguardar a permissão da Marinha do Brasil para que os turistas desçam na Praia da Ilha do Farol. O preço médio é R$ 60,00 e o passeio dura 3 horas.

MERGULHO PASSEIO DE BARCO Os famosos passeios de barco de Arraial do Cabo são de fato imperdíveis. Eles percorre a Praia da Ilha do Farol, as Prainhas do Pontal do Atalaia

Amadores ou experientes, todos os mergulhadores podem ter uma experiência incrível em Arraial do Cabo. O local possui uma vida marinha tão rica e diversificada que até mesmo os mergulhos de superfície podem ser impressionantes. O batismo é a opção mais interessante para quem quer aprender a mergulhar em profundidade. Os profissionais explicam como funciona o equipamento e aco ompanham m o me merg rgulhador durante todo o acompanham mergulhador pe erc rc rso. rcur so O Saco Saaco co do do Cherne Ch percurso. e a Ilha dos Porcos sã ão ót tim imos pon onnto t s de m ergulho, com mar calmo e são ótimos pontos mergulho, m uititta vidaa marinha. mar arin inha ha. O valor do curso de batismo muita fic ca em torno toorn rno de R$ R$ 160,00. Para os mergulhadofica re mais res iss experientes, exp xper erie i ntes, Arraial do Cabo reserva navios nnaufragados aufraggados e grutas surpreendentes. O Saco aufr doss Ingleses Ingleses e a Ilha dos Franceses são os locais In ma ais is procurados para a atividade. mais

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

53


OSVALDO CONTARDI

FLUXO DE CAIXA

ESSENCIAL PARA A SAÚDE FINANCEIRA

QUANDO FALAMOS EM GESTÃO, ISSO SIGNIFICA FAZER O

ACOMPANHAMENTO, PREFERENCIALMENTE DIÁRIO, COM

PROJEÇÕES DE ENTRADAS E SAÍDAS REAIS, ANTECIPANDO SITUAÇÕES QUE POSSAM CAUSAR DESCONTROLE O movimento aumentou, vendi mais e o balancete mostra lucro; porém, não vejo esse dinheiro no caixa. Como pode ser? Para onde foi o meu dinheiro? Essa constatação acontece com muita frequência, e leva o administrador do varejo a fazer diversos questionamentos. É sabido que a administração financeira é um calcanhar de Aquiles para muitos empresários, em especial os do setor farma – afinal, o farmacêutico tem uma formação técnica voltada para área de saúde e, consequentemente, outras áreas, como finanças, marketing e gestão de pessoas, acabam sendo negligenciadas em seus estudos. De fato, diversas pesquisas mostram que muitos empresários não estão devidamente preparados. Um estudo realizada pelo Instituto Endeavor com mais de 1.000 empreendedores brasileiros constatou que a gestão financeira é um dos cinco principais desafios a serem enfrentados. Entre os diversos temas relacionados à gestão financeira, vale destacar o fluxo de caixa (FC), considerado crucial para a administração de um negócio. Podemos comparar o FC ao fluxo sanguíneo que irriga o corpo humano. As entradas (receitas) são o sangue arterial, que mantém saudável todo o organismo, levando oxigênio e nutrientes. Por outro lado, as saídas (despesas) são o sangue venoso, que utiliza todo o oxigênio e nutrientes do sangue

54

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

arterial, devendo ser renovado. Assim como no corpo humano, na empresa deve haver equilíbrio, pois descontrole do fluxo de entradas e saídas pode comprometer a saúde financeira do seu negócio. Registrar no sistema de gerenciamento (ERP) da loja todos os lançamentos e obter uma planilha de fluxo de caixa não são a mesma coisa que gestão. Quando falamos em gestão, isso significa fazer o acompanhamento, preferencialmente diário, com projeções de entradas e saídas reais, antecipando situações que possam causar descontrole. Para iniciar a gestão, estabeleça um objetivo diário de vendas (receita) e lance-o no fluxo de caixa com todas as despesas. Feito isso, analise e veja se haverá necessidade de reajustar pagamento ou antecipar algum recebível para não ficar no vermelho. Fazendo isso, você irá se prevenir de surpresas e gastos desnecessários com juros e outras despesas, aumentado sua lucratividade.

OSVALDO CONTARDI, mestre em Administração com ênfase em Finanças pela Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP); palestrante; consultor de empresas; coordenador e professor dos cursos de pós-graduação Gestão de Farmácias e Drogarias, e Marketing Farmacêutico, da Faculdade Oswaldo Cruz; e professor de pós-graduação na Universidade Unimonte.


GASTRONOMIA

A GALINHADA DO JOÃO

Preparado pelo associado João Marchiori, o saboroso prato já virou tradição nos encontros da Abradilan

T

odos os anos, a Abradilan reúne seus associados, sócios-colaboradores e colegas do setor farmacêutico para um jantar de confraternização. O prato mais esperado da noite é a famosa “galinhada do João”, preparada pelo associado João Marchiori, proprietário da Elite Distribuidora (SP). Marchiori conta que sempre gostou de cozinhar e que criou a receita sozinho. “Comecei a fazer a galinhada há uns cinco anos. Eu tive a ideia de preparar o prato em uma das nossas reuniões, aí o pessoal gostou e me pediu para fazer mais vezes. O sucesso foi tão grande que eu não parei mais”, explica. A galinhada acabou se tornando uma tradição entre os associados da entidade.

APRIMORAMENTO O empresário explica que chegou à sua bem-sucedida fórmula por meio de inúmeros testes e experimentos. “Há muitos anos, um amigo estava fazendo uma galinhada e só de olhar eu já consegui entender como o prato é preparado. A partir daí fui aprimorando, testando as combinações entre os ingredientes e as medidas de cada um até chegar no resultado que eu queria”, conta. Com a receita guardada na memória, ele começou a fazer a galinhada para a família e amigos próximos. À medida que o sucesso do prato foi crescendo, ele passou a servi-lo em eventos maiores, até chegar aos tradicionais jantares da Abradilan. Entre os desafios de se preparar uma galinhada, Marchiori aponta a quantidade. Segundo ele, quanto mais bocas, mais desafiante. Mas não é

56

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

nada que ele não tire de letra. “O pessoal geralmente fica espantado quando me vê na cozinha com aquelas panelas enormes. Eu costumo fazer a galinhada para muitas pessoas, mas, graças a Deus, sempre dá tudo certo e o prato fica uma delícia”, aponta ele, observando ainda que já chegou a preparar a receita para mais de 200 pessoas em uma única noite.

SATISFAÇÃO O chef de ocasião afirma que a arte de cozinhar está entre os grandes prazeres de sua vida. “Eu sempre gostei muito de cozinhar, é algo que está bem presente na minha vida. Para mim, é uma satisfação reunir os amigos para saborear uma refeição que eu mesmo preparei”, declara. Além da galinhada, existem outros pratos que Marchiori prepara em eventos da sua própria


EU SEMPRE GOSTEI MUITO DE COZINHAR, É ALGO QUE ESTÁ BEM

PRESENTE NA MINHA VIDA. PARA MIM, É UMA SATISFAÇÃO REUNIR OS AMIGOS PARA SABOREAR UMA REFEIÇÃO QUE EU MESMO PREPAREI JOÃO MARCHIORI

O QUE É A GALINHADA?

A galinhada é um prato típico de Minas Gerais e Goiás. A receita tem como ingredientes principais o arroz ao ponto e o frango cozido em pedaços. Cada um tem o seu jeito de temperar e as receitas costumam passar de geração para geração. Ela fica ainda mais deliciosa quando servida com polenta, farofa ou uma saladinha.

empresa e da Abradilan, e que também são muito apreciados, como a macarronada, o yakisoba e o estrogonofe. Marchiori lembra que, há mais ou menos dois anos, uma empresa parceira da entidade ofereceu um jantar de confraternização e contratou cozinheiros profissionais para preparar uma bacalhoada. Como é um prato que nem todos apreciam, Marchiori decidiu incluir no cardápio uma macarronada e alguns aperitivos. “Mesmo quem estava comendo bacalhau, não deixou de experimentar o macarrão. Modéstia à parte, meu prato foi muito elogiado”, brinca.

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

57


GASTRONOMIA

FICOU COM VONTADE DE FAZER A “GALINHADA DO JOÃO”? CONFIRA A RECEITA Serve de quatro a seis pessoas. INGREDIENTES • 1 colher de açafrão para paella • 3 dentes de alho picados • 2 xícaras de arroz • 1 colher de azeite de oliva • 100 g de bacon picadinho • 1 tablete de caldo de galinha • 1 cebola picada • Cebolinha a gosto • 1 cenoura ralada • 50 g de couve manteiga • 6 pedaços de frango (coxa e sobrecoxa) • 100 g de linguiça calabresa • 1/2 lata de milho verde • 1 colher de óleo • 1 alho-poró picado • 3 ovos cozidos • Pimenta calabresa a gosto • 1 pimentão picado • 50 g de queijo parmesão em pedaços • 50 g de queijo parmesão ralado • Sal a gosto • Salsinha a gosto • 1 tomate picado • 100 g de torresmo

SABOR BRASILEIRO Que a “galinhada do João” é presença garantida nas reuniões da Abradilan, todos já sabem. Mas a receita também é sucesso no exterior. Uma vez por ano, a entidade promove a aguardada Viagem Técnica Internacional (VTI), em que associados, sócios-colaboradores e membros do conselho diretivo embarcam para um novo país com o objetivo de conhecer o seu cenário farmacêutico, novas tecnologias e tendências.

58

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

MODO DE FAZER Escolha uma panela grande e coloque o bacon picadinho para fritar. Quando estiver dourado, retire o bacon, mas mantenha a gordura na panela. É hora de refogar a cebola e o alho. Acrescente os pedaços de frango já temperados com sal e pimenta e um pouco de água. Cozinhe até a água quase secar e o frango amaciar. Acrescente o caldo de galinha dissolvido em água fervente e cozinhe por mais alguns minutos. Um pouco antes do frango estar no ponto, entra a linguiça calabresa. Aguarde ficar tudo douradinho e coloque na panela as cenouras, o milho, o tomate e o alho-poró, tudo bem picadinho. No momento em que os primeiros vegetais começarem a murchar, chega a vez dos pimentões e da couve. Como tempero, use açafrão para paella e espere ele deixar tudo com aquela cor apetitosa. Chegou o momento de colocar o arroz. A dica é não mexer, para que ele fique soltinho e cheio de sabor. Nos minutos finais, acrescente salsinha, cebolinha, queijo parmesão ralado e azeite de oliva para dar ainda mais perfume à galinhada. O último passo é acrescentar o torresmo, o queijo em pedaços e os ovos já cozidos.

Como o clima das viagens é mais descontraído, Marchiori aproveita os horários de lazer para fazer o tradicional prato. “O pessoal pede bastante e já saímos daqui sabendo que uma das refeições será a galinhada. A receita tem tudo a ver com essas viagens, pois ajuda a matar a saudade de uma comidinha mais caseira e da gastronomia brasileira”, destaca. Quem já viajou com a Abradilan para os Estados Unidos, Canadá e México voltou para casa podendo contar que experimentou a famosa receita.


ALBERTO KUREBAYASHI

INOVAÇÕES DERMOCOSMÉTICAS O segmento dermocosmético é dinâmico, e suas tendências decorrem de estudos científicos. Sendo assim, é importante estarmos sempre atentos e acompanhando as novidades que aparecem nos principais eventos científicos do setor. Todos os anos, a Academia Americana de Dermatologia realiza o Meeting AAD, evento referência no segmento e norteador para os novos desenvolvimentos de produtos. Este ano, o evento ocorreu em San Diego, na Califórnia (EUA). Ele não é importante apenas por trazer os mais recentes estudos em dermatologia, mas também por permitir a discussão de temas polêmicos, resultando em um consenso quanto a algumas questões. Os dermatologistas brasileiros que participam desse evento aplicam os novos conceitos em suas clínicas, consultórios, procedimentos cirúrgicos e prescrições dermatológicas. Esse movimento exerce uma força sobre todos os serviços, fazendo com que fiquem atualizados e ofereçam ativos de última geração. Entre os diversos temas que envolvem a dermatologia, os mais destacados focam em poluição, microbiota da pele, proteção à luz visível, produtos naturais, pele atópica, cosméticos masculinos, antimanchas e outros. Vejamos alguns: Poluição: diversos estudos científicos demonstram os danos causados à pele quando exposta a um ambiente poluído. A poluição pode causar manchas na pele, perda da elasticidade e do brilho natural, flacidez, alergias, entre outros males. Formulações dermocosméticos com ativos de

eficácia comprovada serão os grandes players no combate aos efeitos da poluição. Luz Visível: não são apenas as luzes de ambientes fechados, como escritórios e residências, que podem causar danos na pele. A chamada poluição digital, aquela luz azul de tablets, celulares, computadores e televisores, está na lista de potenciais agentes causadores de estragos na pele. Para isso, novos ativos estão à disposição dos pesquisadores, a fim de que possam oferecer essa proteção por meio de produtos inovadores. Microbiota de Pele: esse, geralmente, é um dos temas mais abordados, e leva à conclusão de que a saúde da pele está diretamente relacionada à saúde e ao equilíbrio da microbiota cutânea, como são chamados os micro-organismos que vivem na pele humana. Ingredientes que eliminam 99,9% os micro-organismos da pele estão em desacordo com as novas descobertas e diretrizes. Produtos que não perturbem o equilíbrio da microbiota cutânea serão o futuro. Manchas: existe uma lista de ingredientes clássicos e funcionais no combate às manchas. Vale a pena lembrar da multifuncionalidade da niacinamida em diversos produtos com suas inúmeras aplicações. Ainda nesse tema, um ativo foi destacado nas palestras: o clássico ácido tranexâmico. ALBERTO KEIDI KUREBAYASHI, farmacêutico bioquímico da Universidade de São Paulo (USP) e diretor da Protocolo Consultoria em Dermocosmética.

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

59


NOTAS

MÁXIMA SISTEMAS FORTALECE ATUAÇÃO NO SEGMENTO FARMA No canal farma, cada vez mais são exigidos processos rápidos para que todas as pontas da cadeia de abastecimento estejam integradas desde o momento da saída da indústria até a chegada do medicamento às gôndolas das farmácias. Para reforçar sua atuação nesse segmento, a Máxima Sistemas anunciou a chegada da nova executiva de negócios, Dulcimara Silva, profissional com mais de 20 anos de experiência no mercado farma, que estará ao lado da gestora de mercado Luciana Moura. “Estou feliz com a oportunidade de fazer parte da Máxima e poder contribuir para suprir as necessidades de distribuidores de produtos farmacêuticos com tecnologias móveis especializadas”, afirma Dulcimara.

MEMÓRIA, CONCENTRAÇÃO, FOCO E LUCRO! Construindo o futuro com investimentos contínuos em qualidade, tecnologia e produtos, a Maxinutri lançou em março último o Memorin, suplemento mineral à base de fósforo. Uma fórmula completa, desenvolvida a partir de uma seleção de princípios ativos que auxiliam a atividade cerebral, contribuindo significativamente para a melhora da atenção, concentração, raciocínio e foco. Apresentação disponível em cápsulas. Memorin é uma garantia de performance superior para os seus clientes. Garanta essa exclusividade.

MAIS FORÇA E POTÊNCIA A UMA FÓRMULA CONSAGRADA Desde que foi criado, o Kimera tornou-se um dos suplementos termogênicos mais vendidos do país, esgotando estoques e faturando prêmios, como o do site Corpo Ideal, que o elegeu como o melhor termogênico do Brasil. Agora, o produto ganhou a companhia do Kimera Extreme, com um poder termogênico ainda mais potente, especial para pessoas que buscam mais energia, emagrecimento e definição muscular. Com exclusiva tecnologia time-release, o Kimera Extreme contém TCM e 420 mg de cafeína por dose para a melhora do desempenho físico, o aumento da termogênese e da queima de gordura corporal. Para o seu consumo, é indicado ingerir uma ou duas cápsulas de Kimera Extreme ao dia ou de acordo com a orientação de um médico ou nutricionista.

62

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41


UNILIFE LANÇA PRODUTO CONTRA A LACTOSE Atendendo à necessidade do consumidor, a Unilife Vitamins, que tem uma linha com mais de 400 produtos, acaba de lançar mais uma novidade. Chegou ao mercado o Lactapod, um produto feito à base de lactase, enzima que ajuda a quebrar o açúcar do leite, conhecido como lactose. O produto vem em cápsulas que devem ser tomadas 15 minutos antes da ingestão de leites e derivados, reduzindo assim o mal-estar e a indigestão daqueles que possuem intolerância à lactose. A Unilife Vitamins atende a todo território nacional por meio das linhas de suplementos alimentares, fitness, vitaminas, minerais e veganos. Para mais informações, acesse o site: www.unilife.com.br.

INVERNO LUCRATIVO COM VALDA

As estações mais frias do ano criam um ambiente propício para as linhas Classic e Diet, afinal, a demanda aumenta bastante com essa sazonalidade. Além disso, o consumidor se preocupa com a qualidade do produto. É quando Valda C, Colágeno e Fibras se destacam pelo diferencial saudável. Com esses fatores a favor da marca, o ideal é explorar todo o mix Valda com o campeão de vendas Valda Friends e os chicletes Friends Gum e Valda X, esse último rico em xilitol, que é muito procurado por pessoas que desejam reduzir a ingestão de açúcar.

RESPIRAR COM LIBERDADE Uma das causas mais comuns do ronco é a respiração bucal. O desvio de septo, a falta de sustentação do nariz e a congestão nasal (normalmente ocasionada por rinites e sinusites) impedem o fluxo de ar pelo nariz. Pensando nisso, médicos desenvolveram o Dilatador Nasal Interno Flux Air, da Stra Medical. Projetado para desobstruir as vias aéreas nasais facilitando a respiração, o produto é fabricado com silicone médico e pode ser usado dentro do nariz com total segurança. Com o Flux Air, é possível desfrutar dos benefícios de respirar livremente pelo nariz sem ação ou efeitos colaterais dos medicamentos. Além de facilitar a respiração, ra melhorar o sono, reele é indicado para io duzir o ronco, alívio al, da congestão nasal, desvio de septo e s. prática de esportes. aPara mais informate ções, acesse o site w. do produto: www. fluxair.com.br.

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

63


NOTAS

GOMA DA PEPPA PIG TEM ALTO GIRO NO CHECK-OUT As gominhas Nesh C + Zinco Peppa Pig vêm ganhando destaque nos PDVs. Disponíveis em embalagens sob medida para garantir a dose diária de Vitamina C e Zinco para as crianças, as gominhas sabor morango conquistam pais e filhos no ato do check-out e garantem alta rentabilidade aos varejistas. O pacotinho é ideal para ser levado a qualquer lugar e substituir as guloseimas de um jeito saboroso e saudável, fortalecendo a imunidade dos pequenos e afastando gripes e resfriados. Para as distribuidoras que buscam bons resultados com um produto que combina prevenção, inovação e rentabilidade, a Nesh C + Zinco Peppa Pig pode ser uma boa indicação.

NOVA LINHA DA FITOWAY SE DESTACA PELA CREDIBILIDADE Contando com uma ótima aceitação por parte do consumidor final, a Linha Pharma, nova linha de suplementos alimentares da Fitoway, vem conquistando seu espaço nas prateleiras por se destacar em sua proposta de passar credibilidade e gerar confiança, especialmente em novos consumidores. Se você deseja oferecer o produto a seus clientes, contate a fabricante pelo e-mail: viviane. metta@fitoway.com.br.

64

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

ALIADO DAS DIETAS E DA PERFORMANCE A linha Thermogenize foi projetada para levar o máximo de desempenho físico aos atletas amadores das mais variadas modalidades esportivas, ou seja, toda comunicação para o sell out do produto terá foco no público consumidor do canal farma. Diferente das principais marcas de termogênicos do mercado, a linha Thermogenize direciona suas forças de marketing para dentro das farmácias e drogarias de todo o Brasil, potencializando esse “novo consumidor”.

NOVIDADE CONTRA A OSTEOPOROSE Desenvolvido pela ForHealth Nutrition, o Supreforce Cálcio + D3 + K2 é uma inovação no que se refere à reposição de cálcio, evitando a osteoporose. Ele traz uma combinação das vitaminas K2 e D3, que, de acordo com diversas pesquisas, atuam em conjunto no fortalecimento ósseo e na saúde cardiovascular. De acordo com Cees Vermeer, um dos mais destacados pesquisadores da vitamina K, quase todas as pessoas são deficientes dessa vitamina, bem como da vitamina D. A Vitamina K2 é a grande responsável pelo direcionamento do cálcio para a absorção pelos ossos. Ela é importante para a produção de proteínas que representam até 2% da estrutura óssea humana e tem gar se ao cálcio, colaborancolaboran a função de ligar-se alecimento dos ossos. Para do para o fortalecimento ações mais informações duto, sobre o produto, acesse o site www. m.br. supreforce.com.br.


CONTATO

Meire Moreira vendas@compex.com.br (11) 3900 9333

Gean Martins • Diretor Comercial e de Trade Marketing geanmartins@lupin.com +55 (11) 96400 6486

www.fitoway.com.br comercial@fitoway.com.br (18) 3329 1630

Leonardo L. Straliotto • Diretor Geral (47) 3183 8200 | (47) 9 9147 7060 contato@fluxair.com.br www.fluxair.com.br

Nilton de Oliveira • Diretor Comercial (61) 3297 9321 | (61) 9 9228 1793 nilton@forhealthnutrition.com.br www.forhealthnutrition.com.br

Tiago Serpentino (19) 97117 7435 www.isco-consultoria.com

Valmor Dirceu Senger Gerente Comercial (62) 98221 0033 | (62) 3902 3275 Fax (62) 3902 3241 valmor.senger@melcon.com.br

Thais Motta Trade Marketing Manager Biopharma | Brazil +55 (21) 2444 2030 | +55 (21) 97209 7690 thais.motta@merckgroup.com www.merckgroup.com

Ismael Ferreira • Marketing (44) 3063 6465 marketing@unilife.com.br

Paulo Avila Jr. Gerente Comercial Nacional paulo.avila@photongroup.com (11) 94597 1807 Robson Moreno Gerente Comercial Farma robson.moreno@photongroup.com (11) 97084 3786 Duda Silva Executiva de Negócios duda.silva@maximasistemas.com.br (62) 99995 6622 | (17) 98114 8357 Luciana Moura Gestora Mercado Farma luciana.moura@maximasistemas.com.br (62) 99601 8183 | 99949 5279

Silvia Poli comercial@maxinutri.com.br (43) 3274 5262

66

ABRADILAN EM REVISTA | EDIÇÃO 41

Julio Nascimento Gerente Nacional de Vendas (21) 99878 3952 julionascimento@valda.com.br Alexandre Alves Gerente Regional de Vendas (SP/Sul) (11) 98441 1314 • alexandrealves@valda.com.br Adriana Viola Gerente de Contas (SPI/CO) (16) 99616 5633 • adrianaviola@valda.com.br Alexandre Scuvero Gerente de Contas (RJ/MG/ES/DF/GO) • (21) 97218 6047 alexandre.scuvero@valda.com.br Rômulo Santos • Gerente Regional de Vendas (NO/NE) (85) 9756 9853 • (85) 98186 8978 romulo.santos@valda.com.br


Revista Abradilan 41  
Revista Abradilan 41  
Advertisement