Page 1

Considere a sua posição relativamente à desigualdade.

Considerar-se um entre iguais exige um esforço pessoal e o assumir de uma posição.


Igualdade Direito Oportunidades Cidadania

A igualdade é um direito. A igualdade entre mulheres e homens, a Igualdade de Género, implica igualdade de direitos e de liberdades. Igualdade de oportunidades de participação, de reconhecimento e valorização de mulheres e de homens, em todos os domínios da sociedade: político, económico, laboral, pessoal e familiar.


E n tr ada da mul h e r n a ge n e r al idade das pr o f issõ e s

L uta pe l o dir e ito ao vo to

Democra t i z a ç ã o da vi da p olít i ca

A Igu a l da de de Géner o c omeçou por s er en c a rada co mo e manc ipação feminina e l u t a co nt ra a disc r iminação se xista . A inda ho je a luta pela emanc ipação d a m u lh er s e enq u a dr a numa luta mais vas ta p e la t r ans f o rma çã o d a soc ie dade. Par a todas e par a t o do s . É u m c aminho que te r emos q ue c o n t i nu a r a percor r er par a a c onstr ução d e um a so c i edade ma i s livr e, mais d emoc r ática , mai s ju s t a e ma i s igual par a a humanidade.

1 85 7

G re v e d a s op e rária s d o s et or t ê x t il em N ov a Iorq ue

1 91 0

2 ª C on f e rê n cia In t ern a cion al d e Mul h e res S ocia l is t as , D in a m a rca

1 931

E m Port ug al é recon h ecid o o d ireit o d e v ot o à s m ul h ere s


O g é nero é u ma c onstr ução soc ial. É um a c on d i çã o de equilíbr io d a soc iedade. Ce l eb rar o D i a Int erna ci onal da Mulher , pelo seu s i g n if i ca do , é m anifestar os seus pr incíp io s. É t r az er à l u z o muito que aind a está p o r f a z er. É r e af i rma r qu e a iguald ad e é nec e ssária .

Ig u a l da de de G éner o

Por oposição à desigualdade entre os sexos, a Igualdade de Género significa dar igual visibilidade, poder e participação a mulheres e homens em todas as esferas da vida privada e/ou pública.

O s e x o é u m mer o at r ib ut o r epr odut ivo, b iol óg ic o. O gé n e r o é u m a c ons t r uç ão s oc ial qu e var ia c om as a l t e r a ç õ e s d a s oc iedade ab r ang endo todas e t odos . U - O r gan izaç ão das N aç ões 1 9 7 5 OUnNidas r ec on he c e of ic ial m e n te

1948

Dec l ar aç ão Un ivers a l d o s Di r e i tos Huma n os

Preâmbulo: “…na Carta, o s po vo s d a s Na çõ e s Un id a s proclamam, de novo , a sua fé n o s d ireit o s fun d am en tais do Homem, na sua d ig n id a d e e n o va l o r d a pe sso a humana, na iguald ad e d e d ireit o s d o s h o m e n s e d a s mulheres e se declaram reso l vid o s a fa vo rec er

o dia 8 de m ar ç o c om o D ia I n ter n ac ion al da Mu l he r

in c íp io da I gu al dade de D ir eitos e n tr e 1976 OMuplrhe r e s e Hom e n s está p r e v isto n a Con stitu iç ão da Re p ú b l ic a Por tu gu e sa, n o A r tigo 1 3º

o progresso social e a inst a ura r m el h o re s c o n d içõ e s d e vida d entro d e uma l ib e rd a d e m a is a m pl a; ” A r ti g o 1 3 º - Pr i n cí pi o d a i g u a ld a d e

A rtigo 2º: “T o d o s o s seres h um a n o s po d em in vo c ar o s d ireitos e as liberdad e s pro c l a m a d o s n a pre se n t e Declaração , sem d istinç ã o a l g um a , n o m e ad a m e n t e d e raça, de cor, d e sexo , d e l ín g ua , d e rel ig ião , d e opinião política ou out ra, d e o rig e m n ac io n a l

1 . T o d o s o s ci d a d ã o s tê m a m es m a d i g n i d a d e s o ci a l e s ã o i g ua i s per an te a lei . 2 . N i n g u é m po d e s e r pr i v i leg i a d o , b e n ef i ci ad o , pr e ju d i ca d o , pr i v a d o d e

o u social, d e fo rtuna, d e n asc im e n t o o u d e q ua l q ue r

q u alq u er d i r ei to o u i s en to d e q u a lq u e r d ev er em r a z ã o d e a s ce n d ê n ci a ,

o utra situação .”

s e x o , r a ç a , lí n g u a , ter r i tó r i o d e o r i g em , r eli g i ã o , co n v i cç õ e s po lí ti cas o u i d e o ló g i ca s , i n s tr u ç ã o , s i tua ç ã o e co n ó m i ca , co n d i ç ã o s o ci a l o u o r i e n taç ã o s e x ua l.


Vivemos num mundo globalizado e evoluído em várias dimensões, no qual enfrentamos um futuro exigente onde as desigualdades são um desafio permanente. P ersistem as desigualdades na esfera pública e p rivada, na gestão do tempo das mulheres e homens face à sua vida profissional, familiar e doméstica, NA desigualdade salarial e precarização do trabalho, NA desigualdade de participação cívica e política. Se nos olharm o s, fac i l m ente perc ebem o s po r que razão a I gualdade de Gé nero é u m assu nto d e to d as e d e to d o s. Ho j e ainda enfrentamos sérios obstáculos no que toca à Igualdade. Em demas i ad o s po nto s.

196 9

Introd u ção n a l eg i sl ação portug u e sa do p r i n c í pi o “sal ár i o igu a l p ar a t r ab al ho i g u al ”

2006

C ar t a E u r o p ei a p a r a a I g u al d ad e d o s H o m en s e d a s Mu l h er e s n a Vi d a L o c al , d o C o n s e l h o d e Mu n i c í p i o s e R e g i õ es d a E u r o p a


2010

A l t er aç ã o d o C ó d i g o d o Pr o c e s s o P en al q u e m ud a , en t r e o u t r a s m ed i d as , o c o n c ei t o d e c r i m i n a l i d ad e v i o l en t a, p a s s an d o a incluir o crime de violência doméstica

2010

A p r o v aç ã o d a l ei q ue p e r m i t e o c a s am en t o c i v i l e n t r e p es s o as d o m es m o s ex o

2013

A p r o v aç ã o d o V Pl a n o N a c i o n a l p a r a a I g u al d a d e, G é n er o , C i d a d a n i a e N ã o D i s c r i m i n a ç ã o 2 0 1 4 - 2 0 1 7

2 3% do s jo v e n s adm i t e s e r v í t i ma de v i o lên c i a n o n am o ro

Em Portugal...

2013

Vi o l ê n c i a n o n am o r o p a s s a a c r i m e p úb l i c o

2 5% admi t e s er ag re s s o r

2 7 .31 8 q u ei xa s de v i o lên c i a do m és t i c a

2 0 % das v í t i m a s t êm me n o s de 2 4 an o s

2014

F o r a m m o r t a s 4 2 m u l h er es v í t i m a s d e v i o l ê n c i a d o m é s t i c a . Mai s d e 4 0 m i l m u l h er es d es e m p r eg a d as v i v em s o z i n h a s c o m o s f i l h o s . Po r t u g a l é d o s p a í s es e ur o p e u s c o m m ai s m u l h er es a s u s t en t a r a f a m í l i a

2015

S o m o s o t er c e i r o p a í s c o m m a i o r es d es i g u al d ad es d a U n i ão E ur o p ei a n o q u e d i z r es p ei t o à I g ua l d a d e d e G é n e r o . A p en as a R o m é n i a e a E s l o v á q u i a es t ão a b a i x o d e Po r t u g a l n a s m a i o r es d i f er en ç as en t r e h o m en s e m ul h er es

O tempo que temos, que ger i mos, é u m a res p o n s a bi li dade s o c i a l q u e de v e priv i l egi ar as o po r tuni dades e a i gual dade . A I g u a ldade de G én e ro c o n c re t i z a-s e, t am bém, na gestão do tempo : po r que é es s e n c i a l c o n c i li ar a v i da p es s o a l, fam i l i ar e pr ofi ssi o nal , po r que essa c o n c i l i a ç ão é da res p o n s a bi li da de da s mul her es e dos homens.

O t emp o d e ve se r ig u a l p a r a t o d a s e p a r a t o d o s.


É t e m p o de m u d ar.

Mu dar o s te rm o s.

A língua p ort uguesa, t al como

muitas outras línguas, sendo uma língua viva, tem que se adaptar às novas realidades e r e f l e t i r a Ig uald ad e d e Gén e r o. É c om um o género gramat ical masculino designar um c o n j u n t o d e m ulheres e hom ens . É c omum lermos ou ouvirmos “o Homem” ou “os h om e n s ” e n q u a n t o s in ón im os d e “ a Hum anidade”, o que faz com que as mulheres sejam pr a t i c a m e n t e in v is ív e is n a linguagem . A linguagem t em que se adequar às p olít icas públ i c a s q u e , e m d if erente s ár eas , pr om ovem a igualdade ent re mulheres e homens.

util i z a r e m v e z d e Pai e m ãe Pais F ilhas e/ ou filhos Filhos Ent eados e/ ou ent eadas E n t e a do s A v ó e av ô Av ós F iliação F ilho de Dat a de nasciment o Nascido Local de nascimento ou naturalidade Nascido em Agradecemos ou agradece-se a sua colaboração Ob r ig a d a o u o brigad o pe l a c olabor ação Vive só Vive sozinho


tarefas domésticas.

Duplo horário laboral.

Encarregue das ajuda nas tarefas da casa. Divisão biológica do trabalho doméstico.

trabalho não pago.

É tempo de mudar. Mudar a perspetiva. Nas famílias, nas escolas. As oportunidades e a igualdade começam aí a ser semeadas. Aceitar que existe uma definição de responsabilidades em tarefas domésticas e familiares, significa o contrário da igualdade e dos direitos. Ser igual é partilhar essas responsabilidades. É respeitar o princípio da Igualdade de Género.


Quando não há partilha das tarefas domésticas, as mulheres trabalhadoras cumprem um duplo horário laboral. 18-29

QUEM FAZ AS REPARAÇÕES

10,7%

12,2%

9,6%

78,7%

6,1%

9,8%

83,8%

53,2%

5,4%

1,6%

10,9%

1,3%

5,4%

48,6%

44,8% 49,1%

4,5%

26,1%

6,6% 16,3%

24%

62%

18,9% 80,5%

68,5%

76,4%

Homens Homens

Mulheres

5,7%

92,1%

7,3% 15,1%

47,4%

2,2%

5,3%

91,2%

93,7%

7,5%

4%

3,5%

5%

93,1%

83,7%

81,9%

6,1%

43,2%

50,2%

8,2%

84,5%

3,6%

47,3% 56,1%

9,9%

5,7%

2,5%

37,8%

(18+)

anos

6,6%

10,7%

78,9%

QUEM TRATA DA ROUPA

QUEM TRATA DOS DOENTES

8,9%

TOTAL

65+

anos

anos

12% QUEM COZINHA

45-64

30-44

anos

Ambos

Fonte: ISSP, 2012. In CUNHA, Vanessa; RODRIGUES, Leonor; WALL, Karin - Policy Brief I. Homens, Papéis Masculinos e Igualdade de Género. Lisboa. Ed. ICS-UL, 2015.

74,6%


Ser homem hoje passa, também, por ser pai. Um pai com mais direitos, com mais espaço para se afirmar enquanto tal. Sem medo de perder o emprego, o rendimento ou a “masculinidade”, fazendo mais por si e pelas filhas e filhos. Quando a responsabilidade da parentalidade fica com a

De crescer. De assumir os afetos

É tempo de mudar. . De equilibrar a balança da parentalidade. Ser pai ou mãe é encarado, à partida, de forma diferente e socialmente pré-definida, é uma ideia instituída. Mas, pai e mãe deveriam ter papéis iguais pois são igualmente importantes para o desenvolvimento e crescimento saudável e integral das suas filhas e filhos.

Ser pai ou mãe é estar lá. De forma igual e plena. Em tudo.

19 84

O regime jurídico de proteção da parentalidade reforça o caminho para a Igualdade de Género. A Constituição Portuguesa reconhece a maternidade e a paternidade como valores sociais eminentes (art.o 68).

E m Por t ug al é e s t a b elec id a a L ei de Pro t eç ã o d a M at erni d ad e e d a Pat ern idade

mulher, como se fosse obrigação somente dela, isso significa menos tempo para participação social, para o lazer, para si própria.


men i n a

co r -de -r osa

Mulher

É tempo de mudar. Mudar os estereótipos. De mudar as cores. De servir o arco-íris da vida desde o primeiro momento. De criar uma cultura de diversidade e fomentá-la em todos os terrenos. Uma definição é sempre uma definição e definir, à partida, é limitar a diversidade. Por isso, este é o tempo de semear a diversidade para a igualdade. O tempo de ser o que se sonha, sem limitações e entraves. De acabar com os estereótipos, para permitir a mulheres e homens a utilização plena das suas capacidades. De construir um mundo mais equilibrado.

me n i n o

a zul

Hom em


. r a d u m e d E tempo Conti nuam a n a s c e r c ri an ç as i n t e rs exo q ue s ã o p ri v adas da s ua li berda de fí si ca e da es c o l h a f u t u ra da s u a p ró p ri a i den t i dade .

De assimi l a r o Exi stem t ran s g én e ro s e t ran s e xua i s c o m ac e s s o li mi t a do , ou mes mo v edado , ao m e rc ado labo ra l. O u m e s m o a g redi do s direi t o à esc o l ha e d e o u m es mo a s s as s i n ado s . P o rq u e s ã o “ aberraç õ e s ” , p o rq u e s ã o c o n s i derado s do e n t es . I mp e di do s t ra z e r l i b er d ad e à de v i v e re m li v rem en t e a s ua p ers o n a li da de p e la ún i c a ra z ã o de n ão s e i de n t i f i c arem n o g én e ro c o m o s exo in d ividual i d a d e. D e c o m q ue n as c eram . O u p o rq ue n ã o s e i den t i f i c a m c o m n en h u m do s do i s g én e ro s p redet erm i n ado s . con s u m ar a ac ei t a ç ã o d a diversidad e. É t emp o d e c on st ru i r o f u t u r o , s em e x c lu s ã o, s o f r i men t o e d o r . É t em po d e d a r mo s f o r m a ao dir eit o d e i g u a l d a d e sem di scrim in aç ã o p o r i d en t i d a de de género e o r i en t a ç ã o s ex u a l.

E tempo de

integrar.


É t empo d e mu d a r. D e o l h ar p o r n ó s. D e o l h ar e i nt ervir pa ra q ue haja i g u al dade de o po r t un i da d es q ue é um princ ípio jur í di c o u n i ver sal . I g u al dade é ef i ci ênc ia . Direitos i g uai s, o po r t u n i dade s i g u ais , geram melhores resul t ado s so c i ai s, ec o n ó mi c o s e hum an os. A eq u id a d e de p ar t i c i p ação das mu l h eres e do s hom ens nos proc esso s e t o madas de dec i são c o ntr i buem pa ra m elh o r es p o l í t i c as, n as q uai s a m bo s sã o rec onhec id o s em i g u al dade de di r ei t o s e dever es.

Continuamos a não ter salário igual para trabalho igual.

15-24

25-34

35-44

45+

TOTAL

82,1% 73,0%

93,9% 89,6%

95,5% 92,0%

82,7% 80,0%

88,5% 85,2%

Nº HORAS SEMANAIS EFETIVAS TRABALHO PAGO EMPREGO A TEMPO INTEIRO

39h 36h

35h 33h

38h 34h

37h 34h

35h 32h

36h 33h

Nº HORAS SEMANAIS EFECTIVAS TRABALHO PAGO EMPREGO A TEMPO PARCIAL

Em Portugal a crise aumentou a desigualdade entre homens e mulheres e teve consequências mais graves para as mulheres. A austeridade aumentou a desigualdade do género.

14h 15h

Nº HORAS SEMANAIS EFETIVAS TRABALHO PAGO

EMPREGO A TEMPO INTEIRO

anos

anos

anos

anos

Fonte: INE, Inquérito ao Emprego (dados disponibilizados em Maio de 2015). In CUNHA, Vanessa; RODRIGUES, Leonor; WALL, Karin - Policy Brief I. Homens, Papéis Masculinos e Igualdade de Género. Lisboa. Ed. ICS-UL, 2015.

TOTAL

(15+)

(15+)

Homens

Mulheres


Quanto tempo temos? É tempo de mudar. De decidir. De agir de forma local e global. De criar raízes na defesa da Igualdade de Género. De erradicar a indiferença e a desigualdade. De mudar os termos, a perspetiva, de crescer, mudar as cores, de integrar, de olhar por nós. É este o nosso tempo para construirmos, em igualdade, um mundo diferente.

Porque sobre o passado podemos erigir o nosso presente, mundialmente e localmente.

A Igualdade de Género é uma condição essencial para que os homens e as mulheres possam determinar a sua própria vida e tenham verdadeiras possibilidades de escolha.

Temos mais instrumentos do que nunca para pensar e agir sobre a nossa realidade. A Um gigantesco, generoso e diverso passado de lutas e pensamento, o devemos. Para acabar com a desigualdade de género é necessário que existam as mesmas oportunidades para ambos os sexos e para isso devemos universalizar os Direitos Humanos.

. O n a r osso tempo é ago

2 01 5 2 01 6

Plan o Municipa l p ar a a I g ual dade de Gé n er o Di a Internac iona l da M ul her

Plano Municipal para a Igualdade de Género | Almada

Profile for Câmara Municipal de Almada

Exposição Ser Igual - Comemorações do Dia Internacional da Mulher 2016  

Esta mostra comemorativa do Dia Internacional da Mulher esteve patente na praça da Liberdade, junto ao Fórum Municipal Romeu Correia, durant...

Exposição Ser Igual - Comemorações do Dia Internacional da Mulher 2016  

Esta mostra comemorativa do Dia Internacional da Mulher esteve patente na praça da Liberdade, junto ao Fórum Municipal Romeu Correia, durant...

Profile for cmalmada
Advertisement