Page 1


EXPEDIENTE

:: Diretor Editorial Diego Almeida diego@centralskatemag.com.br :: Editor Fotografia Alex Seabra :: Redação Evaldo Oestreich evaldo@centralskatemag.com.br :: Staff Fotografia Diego Almeida, Victor Oliveira, Frederico Augusto, Guilherme Alves, Paulo Tavares, Jhon Douglas, Alex Seabra, Elias Pereira & Ewerton Pereira :: Colunistas Eduarda Metzker, Estefania Lima & Evaldo Oestreich :: Colaboraram nessa edição: Foto: Fellipe Francisco, Samuel Pires e Gustavo Suísso Texto: Renata Oliveira :: Comercial contato@centralskatemag.com.br :: Editor Portal Rodrigo Marcel rodrigomarcel@centralskatemag.com.br :: Periodicidade Bimestral :: Para anunciar contato@centralskatemag.com.br

As matérias e fotos publicadas não refletem necessariamente a opnião da revista e sim de seus autores.


:: CAPA Alber Leandro - Half Cab Heelflip Foto: Fellipe Francisco

:: FACEBOOK.COM/CENTRALSKATEMAG


:: 10

6 anos divas

:: 22

TAMPA AM

:: 30

foco central

:: 47

RUA CENTRAL

:: 76

primeiro passo

Alber leandro

rodrigo laroqui


6DIVASANOS SKATERAS Texto: Renata Oilveira

Em novembro de 2012 o projeto Divas Skateras completou 6 anos de existência, sempre aproximando as skatistas, levando informações sobre o que está acontecendo no skate feminino nacional e mundial, e lutando para cada vez mais a cena crescer dentro do nosso país mostrando que é possível sim unir uma skatista do Norte com uma do Sul, Sudeste, Nordeste com uma skatista de outro país, sempre dando espaço para que elas interajam entre si de forma livre. A diva da vez dessa edição é Estefânia Lima uma cuiabana quente, guerreira, sonhadora, que idealizou esse projeto maravilhoso e que vem lutando com toda força de vontade para que o Divas cresça cada vez mais. Para provar essa união, as Divas de toda parte do Brasil mandaram suas perguntas e suas mensagens de agradecimento por toda essa dedicação da Fânia!


EstĂŞfania Lima- Fakie Fifty 270 Foto: Diego Almeida


Renata Oliveira –SE – Como foi seu primeiro contato com o skate? Estefânia – Se não me falha a memória foi em 98. Tinha uma galera que sempre passava remando perto da minha casa, via skate na TV também e fui me interessando, pedi um para minha mãe, ganhei um daqueles “tubarões”, rsrs. Desde então nunca mais larguei.

Fernanda Tabith –SP - Perguntinha básica começou a andar de skate com quantos anos? Estefânia – Comecei andar mesmo em 2002, com 14 anos, quando ganhei outro skate da minha mãe, com peças boas.

Rayanna Lopes – CE - Fania, já completaram seis anos desde a criação do blog e logo depois o site, o que te motivou para criar o Divas Skateras? Estefânia - Passei um tempo andando somente com os meninos, não tinham mais meninas andando na minha cidade, eles nunca deixaram de me incentivar, mas eu fui desanimando. Como eu estava começando ter acesso à internet tive a idéia de procurar meninas de outros estados para manter contato e assim me sentir menos sozinha e descobri que não era só eu que passava por aquela situação. Conheci várias meninas e queria apresentar umas às outras, foi aí que eu criei uma comunidade no Orkut para isso. O nome Divas Skateras veio depois, através de uma propaganda de sabonete que passava na época, “Somos todas Divas”, sempre brincávamos “TEM QUE SER MUITO DIVA PRA AGUENTAR O SKATE NA CANELA”.


Boneless Foto: Gustavo Suísso

Quero parabenizar a Estefânia pela dedicação ao divas e por tudo que ela tem feito ao skate feminino nesses 6 anos , todos movimentos , promoçoes , divulgaçao , tudo para a evoluçao do nosso skate e monstrando tudo de novo que as meninas tem feito pelo mundo! Continue assim em evolução constante, que sem duvida estarei sempre ligada no site e em tudo que ela anda lançando para as meninas!! Estamos juntas e avante! Bia Sodré - Skatista Profissional Niterói/RJ


Paula Gnomo - Quais as maiores diferenças que você notou no skate feminino de lá pra cá? Estefânia – Antes não sabia da dimensão da parada... Hoje temos fácil acesso ao que acontece no mundo inteiro, todo dia tem material novo, seja foto, vídeo, enfim... Conseqüentemente aumentou o número de praticantes também. Tem muita menina andando melhor que menino, é surpreendente a evolução constante. Onde você menos imagina, tem uma skatista dando a vida no rolê e isso é muito louco.

Thais Braga – SP - Qual a maior dificuldade que vc enfrenta ou já enfrentou nesses seis anos de divas? E você como idealizadora de um projeto tão legal que é o Divas, como vê o futuro não tão longe do skate feminino Brasileiro? Estefânia – A falta de tempo, pois infelizmente não vivo do projeto, poderia estar fazendo muito mais pelo skate feminino brasileiro, mas tenho a vida normal como de muitas skatistas que conheço que trabalham numa área totalmente diferente e andam de skate antes/depois do expediente ou apenas nos finais de semana (como é o meu caso). O que eu vejo são mais talentos indo para gringa, buscar o seu lugar ao sol ou tendo que desistir de seus sonhos, pois aqui no Brasil até para os meninos é difícil viver de skate. Mas podemos mudar a cena, se quisermos. Começando pela hora da compra dar prioridade às marcas que apóiam o skate feminino de verdade. Investir em quem investe na gente, simples assim. A marca cresce e pode dar maior suporte às skatistas e projetos como esse.

Mônica Torres – SP - Se pudesse mudar algo antes desses 6 anos de site para influenciar em uma melhora no futuro, o que seria? Estefânia - Se eu mudasse algo talvez não fosse o que é hoje, foi algo sem forçar, sabe? Simplesmente foi acontecendo. Só sinto que poderia ter feito muito mais, mas fiz o meu melhor dentro dos meus limites.


Thais Narciso – CE - Como surgiu à idéia genial do blog Divas Skateras? E como o blog interferiu diretamente no crescimento do skate no Brasil? Estefânia – A idéia do blog surgiu para divulgar o rolê das meninas, principalmente das que não estão na mídia, hoje temos várias mídias parceiras que fortalecem ainda mais, fazendo um maior número de pessoas verem que o SKATE FEMININO ESTÁ MAIS VIVO DO QUE NUNCA! Recebemos mensagens de meninas dizendo que se interessaram no skate depois de conhecer o nosso projeto ou que voltaram a andar pelo mesmo motivo, isso é muito gratificante.

Raissa – MG - Estefânia Lima o que você acha que poderíamos fazer para que possa ter mais união entre as Divas Skateras? Estefânia – Existem várias formas, comece pela sua cidade e redondeza, marque rolês com as meninas daí, registrem (fotografar, filmar, escrever) e se divirtam acima de tudo. Mandem para o Divas que a gente cuida da divulgação, assim mais meninas (em especial as de outros estados) vão saber o que está rolando na cena local e pode até despertar aquela vontade de fazer uma conexão. Como já aconteceu comigo várias vezes, de eu pegar um ônibus ou avião só para dar rolê com meninas de outros estados e delas virem também aqui para o Mato Grosso. Temos o grupo para convidadas no Facebook também, já com mais de 1.200 skatistas e simpatizantes que nos une virtualmente, bom para fazer novas amizades e manter as velhas, trocar experiências, debater temas interessantes, etc.

Obrigada pela força que voce tem nos dado todos esses anos Estefania voce é “O cara”, é um orgulho para skate feminino no Brasil. Elizandra Reis Brasília/DF


F/S FIFTY Foto: Diego Almeida


Marcela Mensch – MT - Fânia, com o crescimento do Divas, imagino que tenham surgido propostas pra você morar em outras cidades tais como São Paulo ou Brasília por exemplo, onde o movimento do skate é maior. Se sim, o que te fez permanecer em Cuiabá? Estefânia – Sim, eu poderia estar vivendo disso se tivesse me mudado daqui, já perdi várias propostas por ter os pés fincados em Cuiabá, rs. Sou muito ligada à minha família e esse é o maior motivo, depois vem o reconhecimento do meu trabalho pela galera, eles têm orgulho por um projeto dessa magnitude ter surgido aqui. Posso até me mudar quando eu sentir que é a hora, mas até lá o que eu puder fazer para fortalecer a cena local, que ainda é fraca, eu farei. Thais Narciso – CE Depois de 6 anos de site e blog e um grande trabalho, além de mudar a história e o caminho de várias meninas o que mudou na sua vida como skatista, e como pessoa? Estefânia - Mudou tudo, vivi Divas muito intensamente durante todos esses anos. Inúmeras vezes pensei em parar e em algumas parei mesmo, mas continuei pelo amor. Conheci muitas pessoas e lugares, já recebi muitos sim e muitos não também, vim aprendendo a lidar com minhas emoções e as diferenças do outro, enfim, a buscar ser uma pessoa melhor... Fiz curso de Marketing na universidade para trabalhar com skate, mais precisamente no feminino onde já estou engajada. Atualmente trabalho na minha área numa empresa de peças automotivas. Ando de skate aos finais de semana e feriados, me inspiro muito nelas, não só pelo rolê, mas também pela história de vida que cada uma tem. É incrível elas dividirem isso comigo, no que eu puder ajudá-las, ajudarei, sempre!

Agradecimentos A Deus, minha família, meus amigos e conhecidos, a todos que direta ou indiretamente ajudam ou ajudaram o Divas Skateras a crescer, à Renata Oliveira pela iniciativa dessa entrevista, a você que está lendo, e a todas que agüentam o skate na canela! Divas Skateras por toda vida.


ALBER LEANDRO:

TAMPA AM Foto // Texto: Diego Almeida

Quais foram as primeiras impressões ao chegar em Tampa? “Pensar nossa cheguei uffa, e imaginar agora como vou chegar até o hotel que meus amigos estão?” (risos) Só lembrava do nome e arrisquei ver se o taxista sabia onde era,. Deu tudo certo, cheguei no hotel que queria, aluguei meu quarto e procurei meus amigos. Não encontrei ninguém,Tive que esperar até o dia seguinte parar marcar um role na cidade de Tampa, Florida - EUA.


Como foi competir o Tampa AM? Mais um dos meus sonhos realizados, pois vejo videos desde 2002/2003 e sempre me passava pela cabeça que um dia ia estar nesse evento. Ver tudo de frente e saber como era realmente. Quando vi eu aquela pista perfeita, foi meu momento, eu esqueci de tudo e fui andar de skate como se fosse meu último role do ano. Trinquei meu shape na segunda manobra em minha volta, fiquei bem nervoso, mas ao mesmo tempo veio em minha cabeça que estava realizando um dos meus sonhos naquele momento, e tinha mais era que ficar feliz. Mesmo com o shape “fofo”, dei várias manobras e me senti realizado por acreditar em meu potencial ,e saber que fui no melhor evento amador do mundo. Mesmo com os imprevistos, dei o meu melhor, me diverti e fiz minha parte como vários outros do mundo.

Tampa é uma espécie de vitrine para muitos skatistas brasileiros, a porta de entrada no mercado americano. Após o evento, quais são os seus planos? Meu plano é andar de skate todos os dias, e sempre que poder estar presente nesses grandes eventos do skate mundial. É aquele ditado “Quem não é visto, não é lembrado”.


B/S Anti Smith

Quais os pontos positivos e negativos dessa experiência? Pra mim, não tem ponto negativo e só positivo pois nessa viagem conheci muitos skatistas de todo o mundo, fiz grandes amizades e recebi boas propostas

Podemos esperar boas novidades para 2013? Sim, vou estar me dedicando a uma parte de vídeo em que quero superar todas que já fiz. Quero realizar mais um sonho que acredito que será muito bom para todos.


Half Cab HeelFlip Tail Slide 270 out


Algum recado para as pessoas que estĂŁo acompanhando seu trabalho? Sim, Gostaria de agradecer a todos os admiradores, amigos, minha mulher Tainara Martins, minha mĂŁe Adenice Lopes e ao meu patrocĂ­nio Bless Them All que foi quem pago todas minhas viagens de 2012, Obrigado.


www.simple skate .com.br


FOCO CENTRAL Texto: Alex Seabra

A L R Q


A O R I U Q


F/S 180 Pivot Grind Foto:Diego Almeida


Você foi selecionado pela Central Skate Mag no espaço “ Foco Central “ pelo role que estás dando. Conte nos sobre sua evolução. Boa parte da minha evolução veio graças aos caras da Dossiê Skate que estão me apoiando sempre. Fazendo o bagulho fluir de qualquer forma possível, não só com shapes, mas com qualquer coisa que precise. Isso é essencial saca...

Você acha que o mercado brasileiro se preocupa mais com manobras, a identidade do skatista ou os 2 juntos? O que vale é os dois juntos, mas não sei se o mercado brasileiro se importa de verdade com isso. E isso conta muito, de fato.


Você está sendo uma pessoa de grande importância para o skate de Brasília, junto com a Dossiê Skateboard. Quando sairá uma parte de vídeo sua pela Dossiê? Você sonha com a possibilidade de se tornar um skatista Pro algum dia? Vai sair uma parte minha, pelo menos estamos querendo lançar no dia do meu aniversário, 3 de março. Estamos fazendo o corre aí pra ver se consegue. E quanto à ideia de virar Pro... Pisssss...

Além do corre fudido que você faz pra colar sempre nos roles, o que mais você faz da vida? Eu tento dividir bastante meu tempo, sei lá... Gosto muito de ir pras festas com meus amigos, bares, tomar uma cerveja e trocar uma ideia. Quando não estou andando de skate, estou com minha família. Não consigo ficar alienado com uma coisa só...


B/S Smith Grind Foto:Alex Seabra


Quem te dá inspiração no skate, nas coisas boas e na sua vida? Primeiramente, quem está comigo todos os dias, porque eles que fazem meu role acontecer de verdade. Tenho meus ídolos como Janis Joplin, Jim Morrison, vários poetas, Collin Provost, Caio Boca, Marquin Otoni, Rafinha e Tunico. Tunico é essencial. Inspiração é Tunico, hahahahahaha!

Você participa de campeonatos? Prioriza ou prefere o role de rua? Não, não priorizo campeonato nunca... Eu prefiro estar no role sempre na rua fazendo fotos e vídeos pra divulgar o role de skate que eu acho de verdade. O skate de verdade está na rua, tem que ser vivido dia a dia, e não uma coisa programada igual campeonato. Tipo, você faz uma linha em um campeonato toda estudada, pra ganhar e pronto... Qual é a graça disso? Pra mim, skate vai muito mais além disso...


B/S Board Slide Foto:Diego Almeida


B/S Ollie Foto: Diego Almeida


Conte-nos seu ponto de vista positivo e negativo da cena do skate de Brasília e do Centro-Oeste. O positivo é que tem marca investindo nos skatistas do Centro-Oeste ultimamente, e isso está explícito pra todo mundo eu acho... O ponto negativo é que algumas marcas não estão no foco certo, e estão se preocupando mais com amizades e panelas.

Quais são os maiores desafios de ser um skatista amador? E quais são os planos que você tem com a Dossiê Skateboard para o futuro? Conseguir sempre me superar em cada role novo, acertando as manobras que me satisfazem, daí me vejo feliz. Com relação a Dossiê no futuro, sei lá.. Eu quero muito que estejamos sempre unidos, andando de skate sempre e viajando pelo mundo todo.


B/S 360 Foto: Diego Almeida


E seus planos além do skate? O que você gostaria de fazer a mais? Eu pretendo passar no vestibular 1°, pra Ciências Sociais na UnB, viajar muito com o curso porque assim, ele vai me proporcionar uma parada certa pro meu futuro, além de aprender várias línguas, que são necessárias para um cargo profissional decente no meu futuro. Nada disso será em vão...

Vamos deixar essa última pergunta, pra você deixar seu recado para os skatistas de todo o Brasil... Mermão, skate tem que ser uma parada que você faça com amor. Não dá pra ficar satisfeito andando de skate para impressionar o seu brother ou qualquer outro... Ou pra querer ser melhor que ele, porque é triste a visão do derrotado. Pra mim a verdadeira vitória é quando nao há vencidos sacou? Não foque em competições! Vão andar de skate na rua com seus amigos de verdade! Filmem e fotografem muito! Acho que é isso. Valeu!


Caballerial Foto: Diego Almeida


RUA

CENTRAL Foto: Frederico Bibi


Welinton Ferreira - Drop Noseblunt - BrasĂ­lia/DF Foto: Alex Seabra


Adilson - Varial Heelflip - BrasĂ­lia/DF Foto: Paulo Tavares


Tiago Oliveira “Secura” - S/S Crooked Grind - Brasília/DF Foto: Renan Agá


Vagner Índio - Flip - Brasília/DF Foto: Paulo Tavares


Ramon Ovidio - B/S Crooked Grind - Goi창nia/GO Foto: Elias Pereira


Juliano Amaral - S/S Big Spin - Goi창nia/GO Foto: Frederico Bibi


Eduardo Dudu - Ollie - Campo Grande/MS Foto: Ewerton Pereira


Dennes Ferreira - Ollie - Taguatinga/DF Foto: Samuel Pires


Mario Lima - F/S Rock Slide - BrasĂ­lia/DF Foto: Diego Almeida


Vitor Teles - F/S 180 - BrasĂ­lia/DF Foto: Alex Seabra


Wellington Correia - Crooked Out - MaracanaĂş/CE Foto: Victor Oliveira


Antonio “Tunico” - Boneless - Brasília/DF Foto: Alex Seabra


Gabriel Erckmam - Flip - BrasĂ­lia/DF Foto: Paulo Tavares


Sued Berรงa - B/S Boardslide - Cuiabรก/MT Foto: Diego Almeida


Geovanne Rodrigues - Ollie - Goi창nia/GO Foto: Elias Pereira


Enrico Vidal - F/S INDY - BrasĂ­lia/DF Foto: Diego Almeida


Willian Benitez - B/S Grind - Campo Grande/MS Foto: Ewerton Pereira


PRIMEIRO PASSO

PEDRO PEREZ NOME: PEDRO PEREZ IDADE: 12 ANOS TEMPO DE SKATE: QUASE 3 ANOS PATROCÍNIO: BLESS THEM ALL CIDADE: BRASÍLIA/DF ULTIMA MANOBRA QUE VC APRENDEU? FLIP NOSE SLIDE O QUE VOCÊ MAIS GOSTA DE FAZER QUANDO NÃO ESTA ANDANDO DE SKATE? VER VÍDEOS DE SKATE. QUEM TE INSPIRA NO ROLE? ALBER LEANDRO, LEHI LEITE E FELIPE GUSTAVO. COMO O SKATE ENTROU EM SUA VIDA? Conheci um vizinho de bloco que tinha um skate, comecei a brincar e estou até hoje. Agradecimentos: Primeiramente a minha família, a Bless Them All, Central Mag e meus amigos


Hard Flip Foto: Diego Almeida


PRIMEIRO PASSO

MAYCOL NOME: Maycol Entonny IDADE: 16 anos TEMPO DE SKATE: 2 anos e meio PATROCÍNIO: Nenhum CIDADE: Cuiabá-/MT ULTIMA MANOBRA QUE VC APRENDEU? Pivot grind e Vareal heel flip O QUE VOCÊ MAIS GOSTA DE FAZER QUANDO NÃO ESTA ANDANDO DE SKATE? Quando não estou andandoo de skate gosto de ficar em casa tomando tereré, ouvindo um som e lógico vendo vdeo de skate. QUEM TE INSPIRA? MARCELO AMADOR. QUEM VOCE GOSTARIA DE AGRADECER? Gostaria primeiramente agradeçer a deus por me dar a oportunidade de andar de skate, minha familia e meus parceiro de sessão, Diego, Marlon e Pedro que sempre está colando no rolE!!!


F/S Grind Foto: Diego Almeida


PRIMEIRO PASSO

MUSKITO NOME: Carlos Henrique (MUSKITO) CIDADE:13anos TEMPO DE SKATE: 2 anos PATROCÍNIO: Bomber Skateshop APOIO: V8 Trucks cIDADE: Caucaia, CE ULTIMA MANOBRA QUE VC APRENDEU? PRESURE F/S TAIL. O QUE VOCÊ MAIS GOSTA DE FAZER QUANDO NÃO ESTA ANDANDO DE SKATE? FICAR NO FACEBOOK E ASSISTIR VIDEO DE SKATE Quem te inspira? TODO MUNDO QUE ANDA DE SKATE,VIDEOS.LUAN DE OLIVEIRA, é O skatista QUE EU MAIS CURTO. QUEM VOCE GOSTARIA DE AGRADECER? DEUS, MINHA MÃE, MEU PAI, MARCIO RAHOANE, CARLPSO QUEBRADO, EDNARDO ROCHA, RODOLFO SANTIAGO, PROJETO CORRERIA PRA CRISTO, EQUIPE DE FRONT, V8 TRUKS, FAMília BOMBER SKATESHOP E TODOS QUE ME AJUDAM.


Flip Foto: Victor Oliveira


:: SAIU NA SESSテグ E FEZ UMA FOTO LEGAL? MANDE PARA CENTRAL! contato@centralskatemag.com.br


Jan Yuri - Ollie - Minas Gerais/MG Foto: Crancho


Renato Caju - F/S INDY Rondon贸polis/MT


contato@centralskatemag.com.br

Central Skate Mag - #3  

Terceira edição Central Skate Mag.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you