Page 1

H ist贸ria DA

Assembl茅ia de Deus NO ESTADO DE

Mato Grosso


®2010. KCM Editora & Distribuidora Ltda. Distribuição em todo o território nacional. Direitos reservados para os autores, protegidos pela Lei 9610/98. A originalidade dos artigos e as opiniões emitidas são de inteira responsabilidade de seus autores. “Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida por qualquer meio, sem a prévia autorização do autor.” MARCAS REGISTRADAS: A KCM Editora & Distribuidora resguardou as titularidades das marcas registradas e de suas respectivas proprietárias ao fornecer informações sobre nomes de empresas, produtos e serviços citados nesta publicação.

Coordenador:

Colaboradores:

Pr. Rubens Siro de Souza

Engenheiro Sebastião Rezende Rosângela Rezende

Participação Especial: Pastor Sebastião Rodrigues de Souza Irmã Nilda de Paula Souza Jornalista Responsável: Sara Brasília Brunini Revisão Ortográfica e Gramatical: Mônica Amaral de Andrade Supervisão Ortográfica: Paulo Henrique Castelo Branco Equipe de Pesquisa:

Luiz Roberto Rezende da Cruz Luís Fernando Dutra Raimundo Ximenes Mesquita Thais Toledo pereira de Souza Silas Paulo de Souza Silene Rubna de Souza Carneiro Manoel Abílio Moumer Diagramação: Abilio Jacques Brunini Moumer Impressão e Registro: KCM Editora & Distribuidora Ltda.

Sara Brasília Brunini

Av. Ipiranga 1322 - Bairro: Porto

Manoel Januário Proença

Tel.: (0xx65) 3624-3223

Pedro Peixoto de Souza

CEP: 78031-030 - Cuiabá/MT

Felismina Castilho

Site: www.kcmeditora.com.br

Odilza Lemes

E-mail: kcmeditora@terra.com.br


MensagemdoPastorPresidente

É

com satisfação que apresentamos parte da história da Igreja Evangélica Assembléia de Deus em Mato Grosso, mostrando através deste livro acontecimentos que no decorrer do tempo fizeram história. No contexto aparecem pessoas como os pioneiros, tanto homens quanto mulheres, que cooperaram de forma voluntária e decisiva desde a sua fundação. Conhecer e vir morar nesta terra, juntamente minha família em 1974, foi um presente de Deus. Aqui pudemos desfrutar da chamada que, no princípio, não entendíamos completamente. Com o passar do tempo tivemos o privilégio de ver a mão do Senhor agindo, conduzindo a grande Obra, bem como o fluir do plano divino neste lugar. Somos gratos pela colaboração irrestrita de servos e servas de Deus, entre os quais muitos anônimos, que cooperaram decisivamente para a expansão da obra em todo o estado, levando a mensagem do Evangelho não importando as dificuldades e situações adversas tais como estradas ruins, trilhas em meio às matas, animais selvagens, selvas e rios praticamente intransponíveis, fiéis que enfrentaram tudo, decididos empunharam a bandeira do calvário. Por Sua grande bondade, o Senhor concedeu a mim e minha

esposa, a mui digna irmã Nilda de Paula Souza, o privilégio de dar uma parcela de trabalho e contribuição, com esforço e responsabilidade a nós atribuídos, numa continuidade a tudo quanto os pioneiros plantaram, regaram, dando Deus o Crescimento. Agradecemos ao Governo do Estado e à Secretaria de Estado de Cultura, através do deputado estadual Sebastião Machado Rezende, que ajudaram a concretizar este grande projeto, de dar início ao resgate da história da Assembléia de Deus no Estado de Mato Grosso.

Pr. Sebastião Rodrigues de Souza e esposa Nilda de Paula Souza Pastor Presidente da COMADEMAT (Convenção dos Ministros das Assembléias de Deus no Estado de Mato Grosso)


Pastor Vice-Presidente

D

esde que viemos definitivamente para o Estado de Mato Grosso, atendendo a chamada de Deus, em maio de 1968. Iniciamos a nossa cooperação na obra do evangelho do Senhor Jesus Cristo com toda a família. Já se passaram muitas décadas desde que chegamos, já enfrentamos muitos desafios, e com a misericórdia de Deus, levamos a Palavra de Deus para muitos lugares e continuamos somando esforços com os grandes e valorosos servos de Deus, muitos já não se encontram mais em nosso meio, outros ainda estão na batalha lutando com lealdade e coragem. Pudemos acompanhar o avanço deste trabalho feito sobre joelhos e lágrimas na presença de Deus, a fim de que viessem todas as bênçãos que agora podemos contemplar. Com a chegada do pr. Sebastião Rodrigues de Souza e família no Estado de Mato Grosso, vimos através desta liderança a obra alavancar com tão grande crescimento, pelo entusiasmado servo de Deus

e esposa irmã Nilda de Paula. Pudemos viver um momento da Graça e misericórdia de Deus iniciada de forma decisiva sem jamais recuar, e eu continuo com a mesma disposição de quando cheguei aqui, mesmo com os meus quase 80 anos, continuo firme e posso dizer com alegria: “Eu e a minha casa servimos ao SENHOR” (Josué 24.15).

Pr. Cristiano Alves de Oliveira e esposa Stael de Soares

1º Vice-Presidente da COMADEMAT (Convenção dos Ministros das Assembléias de Deus no Estado de Mato Grosso)


Dedicatória e Prefácio

O

Pastor Rubens Siro de Souza, idealizador deste trabalho, juntamente com sua equipe, dedica este livro ao Ministério e público da Assembléia de Deus. E em especial aos ilustres obreiros desta causa santa e com muita honra ao seu presidente Pastor Sebastião Rodrigues de Souza e sua esposa, a mui digna e honrada irmã Nilda de Paula Souza, que por ocasião de suas bodas de diamante e agora com mais de sessenta anos de casados e já se aproximando dos quarenta anos em Mato Grosso, vivem para transmitir segurança e satisfação a todos, são vistos como um casal resoluto nas virtudes, fortes em patriotismo, ardorosos na piedade, corajosos nas adversidades, pacíficos de temperamento, protetores dos fracos, prudentes nas decisões, ansiosos pela justiça, honrados, moderados, sóbrios, inteligentes e amigos de todos. Nas páginas finais deste Livro, veremos os relatos de sua trajetória, chamada minis-

terial, relatos da construção do Grande Templo, mensagem do Pastor Sebastião Rodrigues. E até a importante história da origem do nome Mato Grosso, por João Carlos Vicente, autor do livro “Cidades de Mato Grosso”

Pr. Rubens Siro de Souza e esposa Thaïs Toledo

Pastor Vice-Presidente das Igrejas Evangélicas Assembléias de Deus de Cuiabá e Região Pastor do setor Sub-Sede em Várzea Grande - MT


A origem do nome Mato Grosso

E

m 1780, o cronista José Gonçalves da Fonseca escreveu notícia da situação de Mato Grosso e Cuiabá publicada na revista do instituto Histórico e Geográfico Brasileiro de 1866. Neste importante trabalho acerca de nosso Estado, elucida-nos o porquê do nome Mato Grosso, dado às minas do mesmo nome pelos irmãos Sorocabanos Fernando e Arthur Paes de Barros: “( ... ) se determinaram atravessar a cordilheira das Gerais de oriente para poente; e como estas montanhas são escalvadas, logo que baixaram a planície da parte oposta aos campos dos Parecis ( que só tem algumas ilhas de arbustos agrestes), toparam com matos virgens de Arvoredo muito elevado e corpulento, que entrando a penetrá-lo, o foram apelidando Mato Grosso; e este é o nome que ainda conserva todo aquele distrito. “ Caminharam sempre ao poente, e depois de vencerem sete léguas de espessura, toparam com o agregado das serras ( ... )”.

“Logo que baixaram a planície da parte oposta aos campos dos Parecis ( que só tem algumas ilhas de arbustos agrestes), toparam com matos virgens de Arvoredo muito elevado e corpulento, que entrando a penetrá-lo, o foram apelidando Mato Grosso,” Entende-se que a denominação adveio das minas do Mato Grosso, ponto que os irmãos Paes de Barros determinaram a partir de relatos sobre a exuberância da mata que circundava o atual Rio Galera, ainda em 1734. Em 9 de maio de 1748, ocasião que se criou a capitania de Mato Grosso, o governo lusitano assim se pronunciou: “ Dom


João, por graça de Deus, Rei de Portugal e dos Algarves, “( ... ) Faço saber a vós, Gomes Freire de Andrade, Governador e Capitão General do Rio de Janeiro, que por resoluto se criem de novo dois governos, um nas Minas de Goiás, outro nas de Cuiabá ( ... ) por onde parte o mesmo governo de São Paulo com os de Pernambuco e Maranhão e os confins do Governo de Mato Grosso e Cuiabá ( ... )”. Em 19 de janeiro, a Rainha D. Mariana Vitória, por meio de um documento formal que continha instruções administrativas para Dom Antonio Rolim de Moura, lembrando da importância da guarda das fronteiras com o reino de Espanha, lhe diz o seguinte: ( ... ) fui servido criar a capitania Geral com o nome de Mato Grosso ( ... ) : 1 - ( ... ) atendendo que no Mato Grosso se requer muita vigilância por causa da vizinhança que tem, houve por bem determinar que a cabeça do governo se pusesse no mesmo distrito do Mato

Grosso ( ... ) ; 2 - Por ter entendido que no Mato Grosso é a chave e o propugnáculo do sertão do Brasil ( ... ) “. Desde então Mato Grosso passou a ser o nome deste imenso Estado que compõe a República Federativa do Brasil, não sem antes passar pelos crivos históricos e políticos da independência e da Proclamação da Republica. Ocorreram os movimentos separatistas e, surgiram, então, os estados de Rondônia e Mato Grosso do Sul.

“No Mato Grosso se requer muita vigilância por causa da vizinhança que tem, houve por bem determinar que a cabeça do governo se pusesse no mesmo distrito do Mato Grosso.”


Sumário Introdução......................................... 13

Conheça a COMADEMAT .............. 17 História da CGADB ....................... 19 O que é a Assembleia de Deus .... 23 O Compromisso com a Proclamação da Palavra de Deus ........................... 24 Sua estrutura Administrativa .......... 24 A trajetória de um cidadão dos céus .163 Chamada ministerial ...............164 A Construção do Grande Templo .166 Um humilde porém grande construtor ................................169 Um líder a serviço ...................170

A

Água Boa.........................................28 Alta Floresta....................................30 Alto Araguaia...................................31 Altas Garças.....................................32 Altos da Boa Vista............................34 Apiacás............................................35 Alto Taquari.....................................38 Araputanga......................................40 Arenápolis.......................................41 Aripuanã..........................................42

B

Barra do Bugres...............................45 Barra do Garças...............................48 Brasnorte.........................................49

C

Cáceres............................................50 Campinápolis...................................52 Campo Novo dos Parecis.................53 Campo Verde...................................54 Canarana.........................................55

Canabrava do Norte........................56 Cocalinho.........................................57 Colíder.............................................58 Colniza.............................................60 Confresa..........................................61 Comodoro.......................................62 Cotriguaçu.......................................64 Cuiabá..............................................66 Além do Grande Templo 77 Dentro do Grande Templo 75 O construtor de Deus 71 O Grande Templo 74 Santas mulheres na obra de Deus 70

D

Diamantino......................................80

E

Estrela do Araguaia..........................81

G

Gaucha do Norte.............................82 Guarantã do Norte..........................83 Guiratinga........................................84 Guariba............................................86

I

Itiquira.............................................87

J

Jaciara..............................................88 Jauru................................................91 Juína................................................92 Juara................................................94 Juruena............................................95

L

Lucas do Rio Verde..........................96


Luciara.............................................97

M

Marcelândia....................................98 Matupá.......................................... 100 Mirassol D’Oeste...........................101

N

Nobres...........................................102 Nova Bandeirantes........................106 Nova Brasilândia............................107 Nova Canaã do Norte....................108 Nova Lacerda.................................110 Nova Mutum.................................111 Nova Xavantina..............................112 Novo Horizonte do Norte..............113 Novo São Joaquim.........................114

P

Paranatinga....................................115 Pedra Preta....................................116 Peixoto de Azevedo.......................117 Planalto da Serra...........................118 Ponte Branca.................................119 Poconé...........................................120 Pontes e Lacerda...........................122 Porto dos Gaúchos........................124 Porto Alegre do Norte...................126 Primavera do Leste........................128 Poxoréo.........................................129

Q

Querência......................................130

R

Ribeirão Cascalheira......................131 Rio Branco.....................................132 Rondolândia..................................133

Rondonópolis................................134 Rosário Oeste................................138

S

Salto do Céu..................................139 Santa Terezinha.............................141 São Félix do Araguaia....................142 São José do Rio Claro.....................143 São José do Xingu..........................144 São José dos Quatro Marcos.........145 Sapezal..........................................147 Santa Cruz do Xingu.......................148 Sorriso...........................................151 Sinop..............................................153

T

Tangará da Serra............................156 Tapurah..........................................158 Terra Nova do Norte......................160

V

Vila Bela da Santíssima Trindade...161 Vila Rica.........................................162

Pastores Pioneiros da Assembléia de Deus em Mato Grosso Cícero Canuto de Lima Joaquim Honório Tostes Juvenal Roque de Andrade Vital de Oliveira Oscar Castelo Eduardo Pablo Joerke Sebastião Rodrigues de Souza


Introdução

E

ste livro relata os principais fatos que contribuíram para a criação das Assembléias de Deus no Estado de Mato Grosso. De início humilde, a igreja hoje conta com aproximadamente 400 mil fiéis. Este grande crescimento só pode ser explicado por intermédio de o poderoso mover do Espírito Santo que comoveu homens simples a enfrentar barreiras inimagináveis para a pregação do Evangelho.

O crescimento da Igreja Assembléia de Deus em Mato Grosso está esquadrinhado pela Palavra de Deus, o Evangelho e construção de templos em cidades, nas vilas, nos bairros, arraiais, em todos os lugares que emergem um povoado, existe ali um templo da Assembléia. A disposição dos que estão trabalhando na obra transborda, motiva e incentiva os que estão vindo, convertendo-se a nova fé.

“São mais de 60 anos de atuação no campo evangelístico salvando almas, socorrendo aos necessitados, edificando templos, recuperando vidas”

A Igreja Evangélica A s s e m bléia de Deus em Mato Grosso nasceu no ano de 1944. E desde então apresenta à sociedade um profícuo trabalho, primando pelo zelo da obra de Deus e pela face social que transforma, assim, a vida do homem. São mais de 60 anos de atuação no campo evangelístico salvando almas, socorrendo aos necessitados, edificando templos, recuperando vidas dos vícios e desenvolvendo projetos particulares e/ou junto às administrações públicas para o bem estar social.

Milhares de templos estão espalhados pelo Estado de Mato Grosso, alguns são pequenos, outros de grande porte, proporcionalmente ao lugar de sua localização. O povo que aceita Jesus, seja nos sertões, ou nas cidades sempre permanecem fiéis na Rocha que é Cristo, e mesmo os que vivem nas brenhas das selvas, sabem a hora do culto. É possível encontrar um pequeno templo aparentemente no meio do nada ou em meio à mata, por maior que seja, começa a ficar repleto de pessoas na hora dos cultos. Até parece que vai “brotando” pessoas do meio da mata, tanto fazen13


Pr. Sebastião e irmã Nilda, e equipe de semeadores de Cristo em caravana de evangelismo no nortão de Mato Grosso - 1979

deiros como os empregados, pessoas humildes ou os mais ricos, chegam de bicicletas, montados a cavalo, em charretes, “Jeeps”, caminhonetes, veículos exóticos como os usado no interior, e mesmo vindo a pé pelos trilhos e picadas no meio das selvas, muitos vem subindo os barrancos dos rios que chegaram de canoas, barcos e até de jangadas, na intenção de cultuar ao Senhor e receber a unção do Espírito Santo que preenche os anseios da alma na esperança de uma vida eterna com Deus. Nesta mesma dedicação que os crentes mato-grossenses se dispõem para ouvir a Palavra de Deus, não temendo os perigos para levar a mensagem Pentecostal. Muitos enfrentaram os rumores das onças e serpentes de todo tamanho, os índios selvagens, as tempestades e temporais com grandes chuvas, as enchentes dos rios, a intole14

rância religiosa, as epidemias; porém nunca se deixaram intimidar e nem recuaram pelo desânimo, pacientemente na virtude do Espírito Santo cumpriram a ordenança Divina “Ide e pregai o Evangelho a toda criatura.”1 Este crescimento vertiginoso da igreja no estado pôde ser realizado por causa de homens e mulheres valorosos que não mediram esforços, não pouparam suas próprias vidas para implantarem o Evangelho do Senhor Jesus. Tais nomes estão escritos no Livro de Deus, e se tentarmos lembraremos alguns destes, mas certamente nos esqueceremos de outros, por isso a nossa homenagem a todos os pioneiros da chama pentecostal em cada região do Estado. A recompensa, o galardão, a coroa preciosa receberão de Cristo naquele grande Dia, um re1

Bíblia de Estudo Pentecostal. Marcos 16.15


conhecimento muito mais inefável que Canuto de Lima, considerado como qualquer honraria humana. Alguns um desbravador do Centro-Oeste do nomes foram resgatados e estão inseBrasil, vindo das plagas de Alagoas, ridos neste trabalho de pesquisa que passando pelo Rio de Janeiro e fixandurou cerca de dois anos, mas devido do seu Ministério, até seus últimos a uma série de dificuldades encontradias em São Paulo. Seu sucessor pasdas não foi possível identificar todos tor José Wellington Bezerra da Costa os irmãos que fizeram a história das continuou com o mesmo amor pelo Assembléias de Deus. Estes fiéis desMinistério de Mato Grosso, continuanbravadores que enfrentaram muitas do as visitas anuais nas Escolas Bíblicas adversidades no vasto e extenso Mato de Cuiabá, nos meses de julho, no Grosso. Onde para evangelizar era neGrande Templo. O grupo que vem de cessário andar a pé, a São Paulo, nessa ocacavalo, à canoa, à bisião, é denominado de “Este crescimento cicleta e tantas outras “Caravana da Paz”. vertiginoso da igreja formas criativas de no estado pôde ser se locomover para o Há entre os Estados realizado por causa Evangelho Pentecostal de Mato Grosso e São penetrar com o objetide homens e mulheres Paulo mais uma envo de levar pessoas a tidade que os une, valorosos que não ter um encontro com a CONFRADESP mediram esforços, O Senhor Jesus e exal(Convenção Fraternal não pouparam suas tar ao nome de Deus Interestadual das próprias vidas para nesse Estado. Assembléias de Deus em São Paulo), à qual implantarem o O Ministério todos os Ministros de Evangelho do de São Paulo teve Mato Grosso podem Senhor Jesus.” uma participação atiestar associados. va, ou pode-se dizer “paterna”, trazendo a Mensagem do O livro está organizado de Evangelho Pentecostal praticamente, forma a facilitar a sua compreensão. cidade por cidade, alcançando lugaOs Campos podem ser encontrares como Campo Grande, Corumbá, dos, por ordem alfabética, consideCoxim que hoje pertencem a Mato rando que são as regiões definidas Grosso do Sul. Nos municípios de pela Convenção de Ministros das Rondonópolis, Cuiabá e Cáceres os Assembléias de Deus de Mato Grosso, trabalhos foram abertos por São Paulo, COMADEMAT. precisamente pelo pastor Cícero 15


16


Conheça a COMADEMAT

A

COMADEMAT foi criada para melhor administrar os trabalhos desenvolvidos pelas Assembléias de Deus no Estado de Mato Grosso. A princípio se chamava CADEMAT - Convenção das Assembléias de Deus no Estado de Mato Grosso - no dia 9 de fevereiro de 1983, com sede provisória na Rua Arnaldo de Matos, 153- Bairro Goiabeiras, em Cuiabá. Na época, O irmão Jairo Bartolomeu da Rocha foi escolhido para ser o secretário do ato solene e o pastor José Wellington Bezerra da Costa para presidir os trabalhos, apresentando aos convencionais um anteprojeto do estatuto que foi aprovado por unanimidade. Segundo a Ata lavrada na sua abertura, os objetivos da convenção são: Artigo 4º a) Promover o desenvolvimento espiritual moral e cultural dos Ministros das Assembléias de Deus no Estado de Mato Grosso; b) Enaltecer a unidade doutrinária por meio de escolas bíblicas, estudos bíblicos, literatura, evangelização e obras missionárias;

c) Zelar pela manutenção e ordem nas igrejas filiadas. Artigo 5º A CADEMAT assegura a liberdade inerente a cada Assembléia de Deus, sem limitar de forma alguma suas atividades, desde que não atinja os direitos de outras igrejas co-irmãs; Parágrafo 1º No caso de intervenção, por solicitação do pastor e Ministério, quando for verificado e comprovado desvio doutrinário, moral ou subversão da ordem por grupos rebeldes, a mesa atenderá, porém, no sentido de dirimir o impasse, todavia, sem tolher os direitos do ministro local; Parágrafo 2º A CADEMAT não descaracterizará o vínculo ministerial existente entre as igrejas agregadas ao Ministério de Belém, Capital de São Paulo.

17


Estavam presentes os seguintes pastores: José Wellington Bezerra da Costa, Sebastião Rodrigues de Souza, Eduardo Pablo Joerke, Benedito da Silva, Jairo Bartolomeu da rocha, Vanderlei Gonçalves Rocha, Elias Rangel Soares, Manoel Antônio de Oliveira, entre outros. O nome do pastor Sebastião Rodrigues de Souza foi apresentado como candidato único para presidente da Convenção, o mesmo ocorrendo com o pastor Benedito da Silva para vice-presidente. Ambos foram eleitos por aclamação. A primeira diretoria ficou, então, assim composta: Presidente de Honra: José Wellington Bezerra da Costa; Presidente: Sebastião Rodrigues de Souza; 1º Vice-Presidente: Benedito da Silva; 2º Vice-Presidente: Vanderley Gonçalves Rocha; 1º Secretário: Elias Rangel Soares; 2º Secretário: Lázaro Benedito Alves; 18

1º Tesoureiro: Manoel Antônio de Oliveira; 2º Tesoureiro: Walter dos Santos; Conselho Fiscal: João Pereira de Andrade e Silva, João Agripino de França, José Veloso Gomes; Suplentes: Eduardo Pablo Joerke, Albino Marques do Couto, Zaqueo Francisco da Silva.

Ainda na década de 80, a CADEMAT passou a ser Convenção dos Ministros das Assembléias de Deus no Estado de Mato Grosso, COMADEMAT, passando de entidade filantrópica à associação religiosa, conforme preconiza o novo Código Civil Brasileiro. A COMADEMAT mantém a ordem doutrinária dos membros e seus pastores, bem como escolhe, na direção do Espírito Santo, seus novos obreiros. A Convenção compete a designação de funções aos seus membros e apoio nos ministérios locais. São duas reuniões anuais no Grande Templo, Cuiabá, onde são dirimidas as dúvidas oriundas de questões doutrinárias e pessoais.


História da CGADB

A

história da Convenção Geral os missionários suecos transferiram das Assembléias de Deus no a liderança das Assembléias de Deus Brasil (CGADB) dá-se no ano do Brasil para os pastores brasileiros. de 1930. Após três décadas do Nesta mesma reunião, a liderança nasurgimento das Igrejas Assembléias de cional decidiu criar um veículo de diDeus no país, e devido ao seu estupenvulgação do evangelho e também dos do crescimento iniciado pelos missiotrabalhos, até então, realizados pelas nários Daniel Berg e Gunnar Vingren, Assembléias de Deus em todo o terrios pastores das tório nacional. Estava Assembléias de Deus lançada a semente do CGADB resolveram que já era que viria a ser o atual tempo de se criar uma jornal “Mensageiro da organização que estaPaz”. Com a rápida beleceria o espaço para repercussão nacional, discussão de temas o periódico, dirigide máxima relevância do pelo missionário para o crescimento da Gunnar Vingren, tordenominação. nou-se o órgão oficial das Assembléias de A CGADB foi Deus no Brasil. idealizada pelos pastores brasileiros, visto que a igreja esAs primeiras resoluções, ematava na responsabilidade dos missionadas em Assembléias convencionais nários suecos, e deram os primeiros de pastores das Assembléias de Deus, passos em reunião preliminar realizaforam emitidas nas Assembléias geda na cidade de Natal-RN no dia 17 e rais dos anos de 1933 a 1938. Nessas 18 de fevereiro do ano de 1929. A priAssembléias gerais deram-se longos meira Assembléia geral da Convenção debates sobre as características e idenGeral das Assembléias de Deus no tidade da igreja, o que hoje são por nós Brasil foi realizada entre os dias 5 e 10 conhecidas como “usos e costumes”. de setembro de 1930, na qual se reuniAs primeiras resoluções também trataram a maioria dos pastores nacionais e vam acerca de alguns pontos doutrináos missionários que atuavam no país. rios, principalmente no que se referia Foi nessa assembléia convencional que à conduta dos obreiros e o que deveria

“A foi idealizada pelos pastores brasileiros, visto que a igreja estava na responsabilidade dos missionários suecos

19


caracterizar a igreja, os quais seriam de Deus poderá viver isoladamente, adotados por todas as Assembléias de sendo obrigatória a interligação das Deus no Brasil. A igreja experimentaAssembléias de Deus no Brasil, com a va um extraordinário crescimento e finalidade de determinar a responsachegava aos mais longínquos recantos bilidade perante a Convenção Geral e do país. Entre os anos de 1938 e 1945, perante as autoridades constituídas”. quando se deu os rumores e finalmente o transcorrer da 2ª Grande Guerra As assembléias gerais realizaMundial, os lideres das Assembléias de das nas décadas seguintes foram marDeus tinham enormes dificuldades de cadas por discussões e debates sobre se locomoverem pelo país, e por causa temas relacionados às doutrinas bídesse fator não foi realizada nenhuma blicas básicas e aos projetos de desenAssembléia convenvolvimento da Obra cional entre os anos de de Deus. Em 1989, a “O primeiro Estatuto 1939 e 1945. CGADB promoveu apresentou como uma Assembléia Geral Finalmente em principais objetivos da Extraordinária na ci1946, em Assembléia dade de Salvador-BA, CGADB : “promover Geral Ordinária reaquando foi decidido a união e incentivar pelo desligamento dos lizada na cidade de Recife-PE, os pastores pastores do Ministério o progresso moral das Assembléias de de Madureira, por fore espiritual das Deus de todo o país ça de dispositivo estadecidiram-se por tor- Assembléias de Deus” tutário que impede ao nar a CGADB em uma ministro pertencer a pessoa jurídica, com a responsabilidade mais de uma convenção nacional. Os de representar a igreja perante as autoministros do Ministério de Madureira ridades governamentais, bem como a optaram por manter a existência da entodos os segmentos da sociedade. O tão recém-criada Convenção Nacional primeiro Estatuto apresentou como de Ministros da AD de Madureira principais objetivos da CGADB: “pro(CONAMAD), abrindo com isso uma mover a união e incentivar o progresdissidência na igreja. so moral e espiritual das Assembléias de Deus; manter e propugnar o desenOs anos 90 marcam uma nova volvimento da Casa Publicadora das fase de crescimento das Assembléias Assembléias de Deus” e principalmende Deus no Brasil. Em maior parte a aproximação das Assembléias de te, os resultados apresentados nesse Deus no país: “Nenhuma Assembléia novo período de crescimento se dão, 20


claramente, decorrente de medidas tomadas pela CGADB durante essa década. Sob a liderança do pastor José Wellington Bezerra da Costa, a principal decisão foi a implantação do projeto Década da Colheita, um esforço evangelístico que envolveu praticamente toda a igreja no Brasil. O censo do IBGE de 2000 mostrou, em comparação com último censo de 1991, o quanto a Assembléia de Deus cresceu nos últimos dez anos do século 20.

Deus no Brasil continua implantando um projeto de desenvolvimento de sua participação mais ativa na sociedade do nosso querido país. Criou-se o Conselho Político da CGADB que tem por finalidade coordenar o projeto “Cidadania AD Brasil”, que desenvolve a consciência política na liderança das Assembléias de Deus no Brasil e gerencia o lançamento de candidatos oficiais da denominação nos pleitos eleitorais em todo Brasil.

Assombrada pelo vultoso crescimento da igreja e pela necessidade de um espaço mais adequado para o desenvolvimento de suas atividades, a CGADB inaugurou no dia 26 de novembro de 1996, sua nova sede, no bairro da Vila da Penha, cidade do Rio de Janeiro - RJ, em um moderno edifício de 4 andares, onde foram disponibilizados salas administrativas e um auditório com capacidade para 700 pessoas, além de anexo no qual está instalada a EMAD – Escola de Missões das Assembléias de Deus – e uma ampla loja da CPAD – Casa Publicadora das Assembléias de Deus.

Na área cultural, a CGADB inova com o ambicioso projeto de implantação da Faculdade Evangélica de Ciências, Tecnologia e Biotecnologia da CGADB – FAECAD, oferecendo a princípio quatro cursos: Administração de Empresas, Comércio Exterior, Direito e Teologia. A FAECAD já obteve o reconhecimento do MEC e as atividades da mesma começaram no mês de agosto de 2005.

“O projeto ‘Cidadania AD Brasil’, desenvolve a consciência política na liderança das Assembléias de Deus no Brasil”

Neste início de século 21, a Convenção Geral das Assembléias de

Os frutos de um trabalho volumoso que vem sendo empreendido na liderança do pastor José Wellington Bezerra da Costa, juntamente com a mesa diretora, continuam a ser colhidos pela Convenção Geral, pois temos depositado no Senhor Jesus, o galardoador fiel, nossa gratidão. E a cada 21


1º Convenção da CGADB - 1930

1ª Máquina para imprimir as Harpas Cristã

dia que olhamos para o gigantesco trabalho que tem se tornado a Convenção Geral das Assembléias de Deus no Brasil, devemos louvar ao Senhor, rendendo-lhe a mais tenra adoração e gratidão, e ainda sim, pedir graça ao bom Deus no intuito de continuar iluminando nossa liderança maior, a fim de que esta obra faça avançar o Reino de Deus na Terra. Diz a Palavra de Deus: “Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças.” Ec. 9.10. Foi em 1930 que se realizou a primeira Assembléia convencional. A igreja hospedeira foi a Assembléia de Deus em Natal, RN. Os trabalhos foram presididos pelo pastor Cícero Canuto de Lima. Por falta de registros, pouco se sabe o que foi tratado naquela Assembléia. No entanto, sabese que naquela reunião ocorreu a fusão dos jornais “Boa semente” e “Som Alegre”, resultando daí o “Mensageiro da Paz”, que é o nosso atual órgão oficial. De 1990 até 2010, o pastor José Wellington Bezerra da Costa foi reeleito presidente da entidade, com exceção do biênio 1993/1995, em que o encontro foi realizado em Mato Grosso e foi eleito o pastor Sebastião Rodrigues de Souza.

22


O que é a Assembléia de Deus

A

Assembléia de Deus é uma comunidade protestante, segundo os princípios da Reforma Protestante pregada por Martinho Lutero, no século 16, com várias restrições na doutrina e conceitos da Igreja Católica Romana. Cremos que qualquer pessoa pode se dirigir diretamente a Deus baseado no sacrifício vicário de Jesus na cruz do calvário. Este é um relacionamento pessoal e significativo com Jesus. Embora sejamos menos formais em nossa adoração a Deus do que muitas denominações protestantes, a Assembléia de Deus se identifica com eles na fundamentação doutrinária Bíblica, com exceção da doutrina pentecostal (Hebreus 4.14-16; 6.20; Efésios 2.18).

A doutrina que distingue as Assembléias de Deus de outras igrejas diz respeito ao batismo no Espírito Santo, pois creem que por meio desse batismo, são concedidos aos crentes vários benefícios como estão registrados no Novo Testamento. Estes incluem poder para testemunhar e servir aos outros; uma dedicação à obra de Deus; um amor mais intenso por Cristo, sua Palavra, e pelos perdidos; e o recebimento de dons espirituais (Atos 1.4,8; 8.15-17).

“São mais de 60 anos de atuação no campo evangelístico salvando almas, socorrendo aos necessitados, edificando templos, recuperando vidas”

A Assembléia de Deus é uma igreja evangélica pentecostal que prima pela ortodoxia doutrinária. Tendo a Bíblia como a sua única regra de fé e prática, acha-se comprometida com a evangelização do Brasil e do mundo, conformando-se plenamente com as reivindicações da Grande Comissão.

As Assembléias de Deus creem que quando o Espírito Santo é derramado, ele enche o crente, fazendo com que fale em línguas estranhas como aconteceu com os 120 crentes no Cenáculo, no Dia de Pentecostes. Embora esta convicção pentecostal seja distintiva, a Assembléia de Deus não a tem como mais importante do que as outras doutrinas (Atos 2.4). O seu Credo de Fé realça a salvação pela fé no sacrifício vicário de Cristo, a atualidade do batismo no Espírito Santo e dos dons espiritu23


ais e a bendita esperança na segunda vinda do Senhor Jesus. Consciente de sua missão, a Assembléia de Deus não prevalece do fato de ter, segundo dados do IBGE (Censo 2000), mais de oito milhões de membros. Apesar de sua força e penetração social, optou por agir profética e sacerdotalmente. Se por um lado, protesta contra as quidades sociais, por outro, não pode descuidar de suas responsabilidades intercessórias.

Sua estrutura Administrativa As igrejas Assembléias de Deus atuam em cada lugar sem estarem ligadas administrativamente a uma instituição nacional. A ligação nacional entre as igrejas é feita por intermédio de seus pastores que são filiados à Convenção Geral das Assembléias de Deus no Brasil (CGADB), com sede no Rio de Janeiro. Em cada Estado, os pastores estão ligados a convenções regionais ou a ministérios. Essas convenções, em geral, credenciam evangelistas e pastores, cuidam de assuntos da liderança e de direção das igrejas e operam um tipo de liderança regional entre a igreja local e a Convenção Geral. A CGADB é dirigida por uma 24

Mesa Diretora eleita a cada dois anos numa Assembléia Geral. Para várias áreas de atividades da Assembléia de Deus a CGADB tem um conselho ou uma comissão. Desta forma, existem o Conselho Administrativo da Casa Publicadora (CPAD), o Conselho de Educação e Cultura Religiosa, o Conselho de Doutrinas, o Conselho Fiscal, o Conselho de Missões, a Secretaria Nacional de Missões (SENAMI), e a Escola de Missões das Assembléias de Deus (EMAD).

O Compromisso com a Proclamação da Palavra de Deus Sendo uma comunidade de fé, serviço e adoração, a Assembléia de Deus não pode furtar-se às suas obrigações – proclamar o Evangelho de Cristo e promover espiritual, moral e socialmente o povo de Deus. Somente assim, estaremos nos firmando, definitivamente, como agência do Reino de Deus. As Assembléias de Deus não são a única igreja. Deus está usando muitos outros para alcançar o mundo para Ele. No cenário brasileiro e mundial, somos uma das muitas denominações comprometidas em conduzir crianças, adolescentes, jovens e adultos a Cristo.


Nossa oração nas Assembléias de Deus é que sejamos usados por Deus para ajudar os perdidos e propiciar um ambiente onde o Espírito Santo possa realizar sua obra especial na vida dos que creem. Se você ainda não pertence a uma igreja, queremos convidá-lo(a) a adorar a Deus em Espírito e em verdade, numa de nossas igrejas (João 4.24).

1º Templo da AD no Brasil, em Belém - PA

Daniel Berg e Gunnar Vingren

2º Templo da AD no Brasil, em Belém - PA

Família de Daniel Berg

Família de Gunnar Vingren 25


Campos das Assembléias de Deus em Mato Grosso

A

história da igreja Assembléia de Deus foi escrita englobando 82 cidades ou distritos considerados como Campo autônomo pela COMADEMAT. Os Campos não são definidos de acordo com a divisão política do Estado e sim conforme a realidade da igreja naquela região, como por exemplo, Guaíba é um Campo Autônomo da Igreja Evangélica Assembléia de

Deus de Mato Grosso e, no entanto, é ainda zona rural do município de Colniza. As regiões definidas pela COMADEMAT não seguem a divisão política estabelecida no Atlas Regional. São seis regiões com mais de 80 municípios e cada localidade tem o seu pastor presidente da igreja autônoma, porém, ligadas à Convenção, conforme distribuição a seguir:

NORTE

CENTRO SUL

Araputanga Barra do Bugres Cáceres Jauru Mirassol D’Oeste Nobres Nova Lacerda Poconé Pontes e Lacerda Rosário Oeste Salto do Céu S. José dos 4 Marcos Vila Rica da Stª Trindade

CUIABÁ

Barão de Melgaço Jangada Novo Mato Grosso Chapada dos Guimarães N. Srª do Livramento Stº Antônio do Leverger Várzea Grande 26

NORDESTE

Água Boa Alto da Boa Vista Barra do Garças Campinápolis Canabrava do Norte Canarana Cocalinho Confresa Luciara Novo São Joaquim Nova Xavantina Porto Alegre do Norte Querência Ribeirão Cascalheira Santa Terezinha São José do Xingu São Félix do Araguaia Vila Rica

NOROESTE

Alto Paraguai Arenápolis Aripuanã Brasnorte Campo Novo dos Parecis Cotriguaçu Colniza Comodoro Diamantino Juara Juína Juruena Nova Lacerda Nova Mutum São José do Rio Claro Tangará da Serra

Alta Floresta Apiacás Colíder Guarantã do Norte Lucas do Rio Verde Marcelândia Nova Canaã do Norte Peixoto de Azevedo Sinop Sorriso Tapurah Terra Nova do Norte

SUDESTE

Alto Araguaia Alto Garças Alto Taquari Guiratinga Itiquira Jaciara Nova Brasilândia Paranatinga Planalto da Serra Pedra Preta Ponte Branca Poxoréo Primavera do Leste Rondonópolis


Missões Transculturais Africa

GUINÉ-BISSAU

Genilda e Tamara

Alemanha

Grécia ATENAS

Pr. Eduardo Araújo Souto

FRANKFURT

Índia

USA

Bolívia

Ademir de Souza e Darlene G. Freitas César, Gabrie, Philipi

Jose Geraldo Lopes e Nerley M. Lopes

Rolf Dietz

TRINIDAD

NEW DELHI

Manoel Firmino do Espírito Santo

Itália

MAIRANA

Valmir Farinelli e Olga Sartori Farinelli Vinícius e Marcelo

Manoel Botelho e Joselina, e filhos Ademir, Adenilson, Josileide e Josilene

Chile

SANTIAGO

Ivan Gho Gozalez e Sumaya Gho Mechaileh, Wesley e Matheos

Espanha VALÊNCIA

Adão Soares de Souza

VALÊNCIA

Valmir Luna da Costa e Ana Lucia

SIRACUZA

REGIÃO NORTE

Luiz Carlos Farinelli e Chirley S. R. Farinelli Lucas e Jeane

Japão

OGAKI-SHI

José Gomes de Abreu e Maria F.F. Gomes

KANAGAWA

Pr. Wilson Leal

NEWARK

CALIFÓRNIA

Valdenor A Oliveira e Luzinete, Valdenor Jr, Valdenuza e Sulamita

Líbano BEIRUTE

Pr. George Nassib Ghattas

Timor Leste ILHA DE BALI

Oíres Mendes Viana e Maria de Lurdes

Venezuela MARACAY

Vanderlei Florêncio da Silva e Andréia Noemy

NAGAHAMA

Pr. Ícaro Lopes

27


Água Boa

N

o mês de fevereiro de 1978, chega a Água Boa um grupo de novas famílias oriundas do Sul do país. Entre os imigrantes, também estava o Pastor Josué Alberi Monteiro e a esposa Marlene de Fátima. Convictos que fora o Senhor que os enviara, sem demora, celebraram o primeiro culto pentecostal na pequena cidade. Este realizado na casa do irmão Ananias, contando com cerca de 30 pessoas. Alberi não media esforços para fazer a obra de Deus. Com um carro emprestado, movido muitas vezes pela fé, pois tamanha era a falta de dinheiro para o combustível, que o pastor fez até um voto com Deus, para que o ponteiro que marca o nível de gasolina nunca baixasse. E assim aconteceu, o pioneiro dirigia pelas ruas da cidade evangelizando a população. Os frutos de seu trabalho logo começaram a brotar. Os primeiros membros batizados com o Espírito Santo e nas águas foram da família do irmão Geraldo Carlos Ferreira.

28

O Pastor construiu o primeiro templo no município. Deus usava pessoas crentes e não-crentes para ajudar na construção da obra. A igreja ganhou dois terrenos, madeiras e tomou 4.000 tijolos emprestados do irmão Ananias. E nesse ritmo, a obra crescia e se firmava. Na Convenção de novembro de 1994, o Campo foi emancipado da igreja de Cuiabá pelo pastor Sebastião Rodrigues de Souza. Os ministros de Deus que contribuíram com esta obra, foram: Josué Almeri Monteiro, José Damasceno, Davi Costa, Leodato Medeiros e Pedro Dias Costa.

“O pioneiro dirigia pelas ruas da cidade evangelizando a população. Os frutos de seu trabalho logo começaram a brotar.”


Pioneiro Josué Alberi e esposa Irmã Marlene

Pr. Pedro Dias (ao centro) e amigos

Igreja Atual

29


Alta Floresta

N

o mês de Julho de 1976, chega a Alta Floresta, vindo da cidade de Pato Bragado – Paraná, o evangelista Anacleto Brasil da Silva e o diácono Sebastião Ribeiro e suas respectivas famílias, para dar início aos trabalhos pentecostais na cidade. Porém, antes dessa data, já morava na cidade alguns crentes da Assembléia de Deus. Os irmãos Miguel Paula da Silva, Manoel Francisco, Osvaldo Paiva, José Pinheiro, João Neves, José Luiz Pedro Feijó, entre outros. Os quais se reuniam, periodicamente, para louvar e salmodiar ao Senhor. Os trabalhos evangelísticos na cidade de Alta Floresta se desenvolveram de forma pacifica e tranqüila. No mesmo ano da chegada dos ministros de Deus, os irmãos em mutirão construíram o primeiro templo feito de madeira na cidade. O primeiro dirigente da igreja foi o evangelista Anacleto. O obreiro, logo trabalhou para construção de um templo de alvenaria, que foi inaugurado no ano de 1981. O segundo pastor da igreja foi José Antonio da Silva Sobrinho

30

que ficou nesta obra por apenas um ano. No mês de agosto de 1983, a igreja recebe sua emancipação sob a direção do pastor Julio Bispo. Pastores de Alta Floresta; Anacleto Brasil, Valdivino Ferreira Dias, Jose da Silva Sobrinho, Julio Bispo Cerqueira, João de França, Claudomiro Alves, Otaviano, João de França.

“O primeiro dirigente da igreja foi o evangelista Anacleto. O obreiro, logo trabalhou para construção de um templo de alvenaria, que foi inaugurado no ano de 1981.”


Alto Araguaia

C

uras, conversão e batismo com o Espírito Santo marcaram o início da formação das Igrejas Assembléias de Deus em Alto Araguaia. No ano de 1960, o presbítero Antônio de Jaboticabal – SP foi enviado pela Igreja de São Paulo (Belenzinho) para abrir caminho para o evangelho na cidade. A princípio, apenas o irmão Agenor Romualdo Pereira e esposa, Sebastiana Pereira de Nicésio, juntaram-se aos trabalhos. Porém, a graça de Deus foi tão grande, que dessas poucas sementes, cem almas desta mesma família se renderam a Jesus. O primeiro batismo nas águas, ocorrido seis meses depois, contou com 60 pessoas. Nesta época, os cultos eram celebrados em uma “palhoça”, de 6x4m. Entre os primeiros crentes, estavam Derci Pereira Souto, Nedina Alves Pereira, Eva Luiza, Verediana, Eva de Lourdes, Mariquinha, Elias, Iraci Pereira, Lourdes Pereira, Romualdo, Cecília Rodrigues Souto, pastor Ermelindo e esposa Maria Paniago.

A igreja de Alto Araguaia era ministerialmente ligada à igreja do Belenzinho, São Paulo. E em 1987, foi transferida para a COMADEMAT. Os pastores que cooperaram para o crescimento desta obra foram: Ezequiel, Eurides Galdino de Paula, Antonio Francisco dos Santos, Julio Bispo Serqueira, Henrique do Carmo, Antonio Jaime Nunes, Mauro dos Santos, Alinor Barreto Rondon e Irineu Vital Rocha.

“A princípio, apenas o irmão Agenor e esposa, Sebastiana, juntaram-se aos trabalhos. Porém, a graça de Deus foi tão grande, que dessas poucas sementes, cem almas desta mesma família se renderam a Jesus.” 31


Alto Garças

O

irmão Glicério Francisco dos Santos e sua família foram os primeiros crentes pentecostais na cidade de Alto Garças. Certo dia, o irmão Aniceto Xavier visitando a cidade, encontrou Glicério orando para que Deus enviasse alguém, que se prontificasse a iniciar o trabalho do Senhor no município. Sensibilizado, Aniceto ofereceu-se para ajudá-lo nesta obra. Assim, no ano de 1966, os irmãos celebraram o primeiro culto pentecostal na região. A primeira pessoa a aceitar o Senhor Jesus foi José Antônio Rodrigues, conhecido como Zé Pedro, que de imediato colocou sua residência para a celebração dos cultos. O primeiro batismo ocorreu no dia 18 de setembro de 1966, quando oito almas desceram às águas: Antônio Honório, Arnaldo Antônio Rodrigues, Clarinda Francisca Rodrigues, Glicério dos Santos, Lázaro Nascimento de Souza, Josefina Barbosa dos Santos, Nercina Rodrigues e José Antônio Rodrigues. O pastor da igreja de Rondonópolis, José Francisco da Silva, colaborou muito para

32

o crescimento desta obra. Com auxilio de muitos voluntários, colaborou também na construção do primeiro templo. Além disso, o pastor, também enviou filho Zaqueo Francisco da Silva, para ajudar na evangelização na cidade. Zaqueo, seu filho, muitas vezes viajava a Alto Garças em cima do lombo de animais. A igreja se emancipou do campo de Alto Araguaia, no dia 16 de outubro de 1993, sob a direção do pastor Ronivan Guimarães. Os fiéis ministros de Deus que colaboraram nesta obra, foram: Aniceto Xavier, Antônio Lavrista, Antônio Honório da Silva, Aquilino Pedro de Alcântara, Miguel Monteiro, Manoel Rodrigues, Francisco Assis, Adalberto Paulo e Antônio Querendo, Ronivan dos Reis Guimarães, Geraldo Rodrigues Lopes, Joaquim Alves Rodrigues e Osvaldo José de Souza.

“Em 1966, os irmãos celebraram o primeiro culto pentecostal na região.”


Primeiro dirigente, irmão Aniceto Xavier, 1966 Culto festivo no Primeiro Templo

Culto doméstico na casa da irmã Clarinda Rodrigues, esposa do irmão José Pedro, na Avenida Marechal Rondon

Primeiro Templo, Rua Major da Mata

Novo Templo da Igreja de Alto Garças

Pr. Osvaldo José de Souza 33


Alto da Boa Vista

N

o mês de março de 2002, o pastor Possidônio Antônio da Costa celebrou, embaixo de um “pequizeiro”, o primeiro culto da Igreja Assembléia de Deus na cidade de Alto da Boa Vista. O culto, realizado em um casa na Avenida Brasil, contou com a presença de quatro pessoas: Jucimar Pinto da Cruz, Leila Maria, Cordélia e Marcelo. Para a construção do primeiro templo, os crentes, reunidos em mutirão, tiveram que entrar na floresta para tirar madeira e carregá-las nas costas. Apesar de árduo, todos cooperavam com alegria nesta obra. Ter um espaço para cultuar a Deus compensava quaisquer esforços. A igreja, que outrora era campo da cidade de Confresa, teve sua emancipação na gestão do pastor José Roberto Bonifácio em novembro do mesmo ano. Os obreiros de Deus, nesta cidade, foram: Possidônio Antonio da Costa, José Roberto Bonifácio e Gilson Rodrigues dos Santos.

34

“Para a construção do primeiro templo, os crentes, reunidos em mutirão, tiveram que entrar na floresta para tirar madeira e carregá-las nas costas. Apesar de árduo, todos cooperavam com alegria nesta obra. Ter um espaço para cultuar a Deus compensava quaisquer esforços.”


Apiacás

A

piacás começou a ser colonizada durante a década de 80. Já, no surgimento dos primeiros povoados, nasceu também a Igreja Assembléia de Deus. O presbítero Nelson Rocha chegou ao município em 5 de maio de 1984. O primeiro culto realizado, embora com apenas quatro participantes – Nelson Rocha, Francisco dos Santos, José Sabino Rosa, Geraldo Barbosa de Queiroz –, foi uma benção e marcou a história da igreja. O irmão José Maria Justo colaborou com o presbítero para o desenvolvimento dos trabalhos nos bairros da cidade. Iniciou uma obra de evangelização na Vila Mutum e abriu um ponto de pregação na mineração Posto Estrela. A primeira igreja construída foi um pequeno templo de 6x8m, de madeira, localizado na Rua Aguinha. O poder de Deus sempre foi evidente com inúmeras ocorrências de milagres na modesta casa de oração. Como, por exemplo, o caso da esposa do irmão Francisco, irmã Dejanira

da Costa, que em uma das festas do Círculo de Oração recebeu do Senhor um coração novo na hora da oração. A igreja, também investiu na obra missionária, enviou os presbíteros Lázaro Narciso de Lima, Enoque Cavalcanti e Sebastião ao município de Brotas de Macaúbas - BA. Os irmãos que pastorearam nesta igreja foram: José do Nascimento, Sebastião Ribeiro, Antonio Ferreira Justo, Nelson Pessoa, Valdecir Pimenta, Fernandes Novaes Coelho, Alcione de Lima, Abel Bispo da Silva, Osvaldo Jose da Silva, João Caetano e Joaquim Alves Pereira.

A “ primeira igreja construída foi um pequeno templo de 6x8m, de madeira, localizado na Rua Aguinha.”

35


Alto Paraguai

U

m dos pioneiros a levar a Palavra de Salvação, na cidade de Alto Paraguai, foi Benedito Pereira da Silva. O irmão, que outrora tinha a fama de ser valente e perigoso, além de possuir uma coleção de armas e até metralhadora, se tornara um valoroso soldado na obra divina. No final da década de 50, o pastor Eduardo Joerke, com um simples aparelho de som, realizava cultos na Praça Vasconcelos. Benedito, ainda antes de aceitar a Jesus, ficou com dó do solitário pastor e resolveu “protegê-lo”. E qualquer que se atrevesse a ofender o pregador, ele rebatia a ofensa e se preparava para “meter bala”. Contudo, Deus abençoou de tal maneira, que logo no primeiro culto uma mulher paralítica aceitou Jesus e foi curada na mesma hora. Uma criança muito enferma foi levada pelos seus pais e depois da oração começou a andar. Esses milagres chamaram muito a atenção de todos os moradores do município e também de Benedito que se rendeu aos pés do Senhor Jesus.

36

Aos 50 anos de idade, Benedito ainda tinha muita força e disposição para pregar o Evangelho a pé, a muitos e muitos quilômetros de distância. Na Vila Capão Verde, ele foi várias vezes a pé, cerca de 150 km, ida e volta. Às vezes, ia de bicicleta e tinha que parar no meio do caminho para dormir. Naquela época, na década de 60, era comum ser atacado por animais nas estradas. O irmão tinha a seguinte convicção: “Se quando eu era do mundo, bicho não me pegava, agora, então que eu sou de Jesus não preciso temer nada”. E assim, com essa coragem, dormia nas estradas e só via que os animais tinham passado perto dele, quando via pegadas ou cheiro de urina ao seu redor. Mas, nunca foi atacado por nenhuma onça ou qualquer outro animal. Uma das provas difíceis que passou, não foi a ameaça de ele ser comido por um animal, mas sim, ele ter que comer uma cobra. Benedito costumava visitar várias aldeias para pregar para os índios. Certo dia, o chefe da tribo o convidou para comer o prato do dia: uma cobra de duas


cabeças. No instante em que viu a serpente, sentiu um arrepio e ao mesmo tempo acreditou que Deus iria tirá-lo daquela situação. Na hora de servir a refeição, como era visitante, o cacique deu-lhe o “melhor e maior” pedaço. Se entretendo com o arroz e feijão, pensava como poderia se livrar daquela carne. Todos ficavam o encarando para ver se ele ia comer ou não. Os índios não aceitam e sentem-se muito ofendidos se uma pessoa se recusasse a comer o que eles servem. Então, no momento que ninguém estava olhando, jogou o pedaço da carne no chão e cobriu com areia. Aliviado, Benedito chegou a pensar que não iria conseguir sair daquela situação embaraçosa. Contudo, ainda assim, creu no livramento divino, e saiu da aldeia glorificando o Senhor. Sensibilizado com a dificuldade da igreja em se reunir, devido à falta de um templo, Benedito propôs em seu coração que se conseguisse “bamburrar”, pegar um diamante grande, iria doar todo o dinheiro arrecadado para a construção da igreja. Deus honrou a fé do humilde garim-

peiro. E assim, ele construiu o primeiro templo de Alto Paraguai, de 6x8 m, na Rua Antônio Gato, casa número 07 no ano de 1962. Os pastores que trabalharam neste campo foram: Abelardo San Martin Camiña Filho, Chico Viana, Henrique do Carmo, Raimundo Ximenes Mesquita, Sebastião Valério, Sebastião Ferreira, Pedro Neves, Rosalvo, Ilton da Silva e Geraldo Rodrigues Lopes.

“Um dos pioneiros a levar a Palavra de Salvação, na cidade de Alto Paraguai, foi Benedito Pereira da Silva. O irmão, que outrora tinha a fama de ser valente e perigoso, se tornara um valoroso soldado na obra divina.” 37


Alto Taquari

A

lice dos Santos Rodrigues, seu esposo – José Rodrigues Barbosa – e seus três filhos – Joab, Joaz e Tirza – se mudaram para Alto Taquari, no mês de janeiro de 1973. Um ano depois, Alice aceitou a Jesus Cristo como seu Salvador. Não conhecemos os pormenores de sua conversão. A partir de então, começou a ler a Bíblia e orar sozinha, pois não conhecia nenhum crente na cidade. Com o tempo, cheia da Palavra de Deus, a irmã começou a pregar aos seus conhecidos ou a qualquer um que se aproximasse dela. No ano 1980, Alice viajou para a cidade de Alto Araguaia, onde conheceu o diácono Aníbal, da Igreja Assembléia de Deus. Alice convidou o diácono e alguns irmãos locais para que fossem fazer um culto em Alto Taquari, pois estava sedenta de ouvir mais sobre Jesus. Então, no dia 15 de março de 1981, foi realizado o primeiro culto das Assembléias de Deus no município. A partir desse dia, os cultos começaram a ser freqüentemente realizados na casa da irmã, que

38

convidava amigos e vizinhos para participarem. Os primeiros crentes foram Klinger e esposa, irmãs Maria, Maria da Glória, Tereza e Deloridi. E mensalmente, um dos obreiros, de Alto Araguaia, levava a Ceia para irmã Alice. A obra do Senhor na região foi crescendo, e aumentando o número de novos convertidos. Os obreiros de Alto Araguaia levavam mensalmente a Santa Ceia aos crentes de Alto Taquari. O neófito, Eliasim Mendes de Oliveira, doou um terreno (na Rua Francisco Mendes de Morais, 662, Centro) para a construção do primeiro templo na cidade. A emancipação da igreja ocorreu no dia 5 de junho de 1988 sob a direção do pastor Irineu Vital da Rocha. Os servos do Senhor a trabalhar nesta obra foram: Zaqueu Francisco da Silva, Irineu Vital da Rocha, Antonio Alcântara, Clinton, Ailton, Eurides de Paula Junior e Wilson Antonio dos Santos.


JosĂŠ Rodrigues Barbosa, esposa Alice e seus filhos Joab, Joaz e Tirza.

Primeiro Templo

Igreja Atual

Culto no atual templo

Pr. Wilson Santos e esposa 39


Araputanga

A

o saber que na cidade de Araputanga, existiam alguns irmãos que haviam chegado de Goiás, mas que estavam congregando na “Igreja de Deus” por falta de um templo da Assembléia de Deus. O pastor Benedito da Silva, dirigente do campo de Cáceres, enviou ao município o pastor Joaquim Luiz Ferreira. No dia 21 de abril de 1970, inaugurou o primeiro templo, feito de madeira na Rua Sebastião Fernandes de Oliveira. Os primeiros membros da igreja foram Alice Gotijo dos Santos e Valdevino Elídio da Silva. Joaquim, não se contentando em pastorear somente as “ovelhas” do aprisco, pregava a salvação em Cristo para toda a região rural do município. Até que, a Palavra de salvação alcançou José Antônio Araújo e família. Este, convicto de que o “Caminho era Cristo”, ofereceu sua longínqua fazenda como um ponto de pregação. Durante os cultos, que era realizado a cada 15 dias, a esposa Iolanda também aceitou a nova fé. As Boas Novas se espalharam pela cidade e chamaram

40

a atenção de Justino Alves da Silva. Curioso, de tanto ouvir comentários que Jesus curava, foi a um culto para descobrir como era isso. No primeiro dia, não aceitou a Jesus, mas chegou a sua casa anunciando a esposa que iria ser crente. Sua mulher duvidou e disse: “Como você vai ser crente, se você fuma e bebe?”. Ele imediatamente respondeu: “mas, eu ouvi falar que lá tem um Jesus que não deixa a gente beber, nem fumar”. Justino foi à igreja no dia seguinte e aceitou Jesus. Liberto, nunca mais bebeu nem fumou. Depois de um ano, sua católica esposa também se converteu. O irmão permaneceu fiel ao Senhor e, em 1978, passou a trabalhar como secretário e tesoureiro. No dia 11 de setembro de 1996, a igreja, pastoreada por Darci Alves Borges, se emancipou do Campo de Cáceres. Os pastores que cooperaram com esta obra foram: Joaquim Luiz Ferreira, Aluízio de Oliveira, Eduardo da Silva Neto, Darci Alves Borges, Jair Fagundes, José Wilton Pereira dos Santos, Elias Francisco de Matos e Josué Barbosa Cerqueira.


Arenápolis

E

m 1952, o Pastor Júlio José de Cerqueira foi enviado à Arenápolis, por um pastor do Paraná, a fim de dar início aos trabalhos da Assembléia de Deus na cidade. Os cultos iniciais foram realizados em sua residência, reunindo poucas pessoas. Os primeiros crentes foram os irmãos Carrinho, Pedro Pereira Neves e esposa Maria. Certo dia, Júlio estava pregando nas ruas quando foi convidado para pregar na Igreja Presbiteriana local. No dia do culto, várias pessoas mudaram de igreja e foram congregar com ele, e assim o rebanho foi aumentando. Em multirão, os irmãos se reuniram para construir um templo de madeira de 8x15m. A emancipação da igreja em Arenápolis, do campo de Cuiabá, ocorreu sob a direção do pastor Lázaro Benedito Alves. Os pastores enviados por Deus a essa obra foram: Abelardo San Martins, José Veloso Gomes, Cristiano Alves de Oliveira, Paulo Teodoro, Lázaro Benedito Alves,

Sebastião Ferreira, Manoel Santana, José Gomes de Abreu, Valério da Conceição, Edilson Lopes e Almiro Dias.

Igreja Atual

Pr. Almiro Dias e esposa Irmã Neide 41


Aripuanã

N

o final do ano de 1977, tiveram início os primeiros cultos pentecostais na cidade de Aripuanã. Os cultos eram realizados nas casas dos irmãos, dirigidos pelo presbítero Augusto da Mata. São eles: Jaime Adams e esposa Miozote, Francisca Pereira da Silva, Zilma Marinho Vasco, Pedro Davi dos Santos, Maria Iracema da Cruz, Arcelino Vieira, Osmar Rodrigues Galvão e Liberalina Aparecida Galvão que foi a primeira dirigente do círculo de oração.

pastor Sebastião Rodrigues de Souza. Este lhe apresentou outro projeto ainda maior, uma igreja de 40x35m. Emanoel saiu do encontro satisfeito a seguir as orientações do líder. O templo foi inaugurado em 2003. Foram pastores desta igreja: Augusto da Mata, Alfredo Nogueira, Osmar Galvão e Felisberto da Costa, Manoel Gomes, Manoel Inácio, Manoel Cícero, Nilzo de Almeida, João Camargo e Emanuel Borges dos Santos.

Um cidadão descrente, sensibilizado em razão dos crentes não ter um templo de adoração, doou um terreno no centro da cidade para a construção da igreja Assembléia de Deus. O primeiro templo foi concluído no ano de 1986. Em 1999, o pr. Emanoel Borges dos Santos assumiu os trabalhos na cidade. Visando ampliar a igreja, projetou a construção de um templo de 14x40m. Como o Campo ainda não era autônomo, viajou para Cuiabá a fim de apresentar o projeto ao 42

Fundadores da Igreja de Aripuanã


1º Tempo Sede - Aripuanã

Atual Templo Sede

Interior templo atual

Inalguração Sub-Congregação Projeto Rio Branco - Aripuanã

Começo do ministério, Emanoel Borges dos Santos, Pascoal Ramos

Pr. Emanoel Borges, esposas e filha

1º Conjunto do Circulo de Oração

Atual Círculo de Oração no Templo Sede

43


44


Barra do Bugres

N

a década de 1970, foram lançadas pelo irmão Fidélis e Presbítero Wanderlei as primeiras sementes do Evangelho na região de Barra do Bugres. Nesta mesma época em 1972, chegaram à região alguns irmãos, vindo de Votuporanga estado de São Paulo. Valdenir e Odenir trazidos pelo irmão Bambuí para adquirir terras às margens do Rio Vermelho Grande, junto com eles o irmão Chiquinho e toda família, seu filho Armando Ferreira dos Santos, e ainda nesta caravana estava o Presbítero Jose Maria de Oliveira com sua grande família, e Rubens Siro de Souza, vindo como que por um vento do mistério de Deus a realizar uma missão da qual somente o Senhor sabia e trabalhava para consolidar seu plano. E, depois de algum tempo, veio para Mato Grosso seu pai, o entusiasmado Pastor Sebastião Rodrigues de Souza, e família. Desde então, o crescimento da obra começou a florescer e dar muitos frutos. Na região de Barra do Bugres no ano de 1978, quando o pastor Walter assumiu o Campo, havia vários

membros na Igreja. Com muita dificuldade, contudo, não desanimou, abriu uma campanha de oração das três às seis da manhã durante seis meses. O Senhor, então, começou a realizar uma grande obra. O primeiro batismo, nas águas do Rio Paraguai, foi realizado com 250 pessoas. Incansável na obra de Deus, todos os sábados à tarde, este fiel soldado saía para evangelizar de casa em casa. Numa dessas tardes, encontrou um simples lavrador carpindo sua horta. O pastor perguntou se havia alguma pessoa doente naquele local e o homem lhe contou que sua esposa estava muito enferma e desenganada pela medicina. Ela havia feito três operações que agravaram muito seu estado por causa de diabete alta e para piorar também estava com infecção hospitalar. Os médicos a desenganaram; na casa, o mau cheiro tomava conta do ambiente, com esforço e coragem o pastor fez uma oração. Deus operou de forma tremenda e no dia seguinte o marido desta mulher foi cedo agradecer ao homem de Deus, 45


Barra do Bugres pois sua esposa estava totalmente curada. Este foi o milagre que marcou o início dos trabalhos da Assembléia de Deus na cidade. Durante uma manhã de oração e jejum, pastor Walter teve a revelação da construção de um novo templo. Ainda sem saber onde seria a obra, continuou em consagração para buscar a orientação de Deus. Foi então, que o abnegado servo do Senhor teve uma visão de um terreno com um pé de mamão e dois mamões: um verde e outro maduro. Convicto da direção divina, convidou o irmão Nelson Sartori, e saíram pela fé a procura do local revelado. Foi então, que em meio a um matagal, o pastor encontrou o tal pé de mamão com os dois mamões. Ao perguntar a Nelson se conhecia o proprietário da terra, teve outra boa surpresa, o terreno era do irmão. O qual fazia parte da família dos pioneiros, como Osvaldo Sartori e seus irmãos de família muito grande. Mesmo sob a direção divina, muitos duvidaram de que ele conseguiria construir a igreja 46

(continuação)

naquele lugar, porque naquela rua não havia água, luz, nem asfalto. Mas no dia da inauguração, o templo estava provido de toda a infraestrutura necessária. E tamanho foi o poder de Deus naqueles dias que as pessoas saíam de longe para receber o batismo com o Espírito Santo. Durante anos, o pastor Walter está à frente deste trabalho. Hoje a igreja cresceu e conta com as congregações de Monjolinho, Luzia, Assari, Nova Fernandópolis, Currupira, Vermelhinho, Vermelho Grande, Jatobá, Assentamento 18 de maio, agrovila MST, Palom, Rozinho, Rio Branco, Porto Estrela, Saloba Grande e outras. Os fiéis servos de Deus que cooperaram nesta obra foram: Fidelis, Wanderley Rocha, Walter dos santos, Cristiano Alves de Oliveira, Manoel Santana, João França, Braulino Neith Rodrigues, Claudomiro, Antonio Francisco, Adonias, Cristiano Alves de Oliveira, Walter dos Santos, Odilon Heffel...


Pr. José Maria de Oliveira, pioneiro de Barra do Bugres

Batismo nas aguas no Rio Paraguai

Pr. Walter (à esquerda), tomando posse da Igreja no Lugar do Pr. Cristiano (à direita) em 2004

Templo Sede de Barra do Bugres

47


Barra do Garças

A

igreja Assembléia de Deus em Barra do Garças foi fundada, oficialmente, no dia 15 de setembro de 2001. Os primeiros crentes foram Francisco – conhecido como Chicão encanador –, João Batista, Aparecida e Eliane. Durante 15 dias, após a inauguração do templo, os irmãos saíam pela vizinhança para convidá-los a participar dos cultos por meio desse trabalho conseguiram agregar 50 pessoas. Apesar de uma parte da população receber com alegria a fé Cristã, outros passaram a perseguir a igreja. O pastor Domiciano, à frente dos trabalhos na região, lutou incansavelmente contra os inimigos de Deus na cidade. Na sua árdua batalha, a igreja saiu vitoriosa. Em apenas cinco anos, foi construído um templo com grandes dimensões de 16 x 35m que possui toda a infraestrutura para comportar mil membros, além da Livraria Gunnar Vingren. Além disso, a igreja possui um trabalho assistencial, o “Gileade”. Que atua suprindo

48

pessoas carentes com cestas básicas, remédios e também na construção de moradias aos mais humildes.

A “ pesar de uma parte da população receber com alegria a fé Cristã, outros passaram a perseguir a igreja. O pastor Domiciano, à frente dos trabalhos na região, lutou incansavelmente contra os inimigos de Deus na cidade.”


Brasnorte

N

o ano de 1979, na varanda de uma casa rural, foi celebrado o primeiro culto pentecostal na cidade de Brasnorte. O culto, sob a direção do irmão Terto Pereira, contava com aproximadamente 10 pessoas. No início, a igreja caminhou, lentamente, devido a inúmeras dificuldades de infra-estrutura da nova cidade que se formara. Contudo, nada impedia a determinação de evangelizar dos comprometidos homens de Deus em enfrentar longas distâncias a pé, a cavalo ou à charrete. O pastor Valico construiu o primeiro templo de madeira medindo 6x8m, na Rua Vila Velha, 1.260. Os primeiros membros batizados com o Espírito Santo e nas águas foram: Samuel Rebeca, Lucinéia Rebeca, Daniel Nazau da Silva, Sueli Nazau da Silva. Um dos fatos marcantes na história da Igreja ocorreu durante um culto quando um estranho casal adentrou ao templo. Um homem barbudo que parecia estar armado e sua mulher. Terto, dando continuidade

ao culto, pensara que ia matá-lo. Porém, ao término do culto da mesma forma que adentrou, o estranho casal foi embora e nunca mais foi visto. Os ministros de Deus que cooperaram com a obra foram: Terto ferreira, Elói Pereira Luna, Sebastião Rebeca, Oderci Burgueti e Rubens Marques.

“No início, a igreja caminhou, lentamente, devido a inúmeras dificuldades de infra-estrutura da nova cidade que se formara. Contudo, nada impedia a determinação de evangelizar dos comprometidos homens de Deus.” 49


Cáceres

O

s primeiros movimentos de evangelização na cidade de Cáceres datam do mês de novembro de 1950. O primeiro obreiro que pregou nesse município foi Joaquim Claro da Silva. Nesta época, Joaquim morava em Cuiabá, e após visitar algumas vezes a igreja Assembléia de Deus, e expor sua crença no batismo com o Espírito Santo e nos dons espirituais, foi expulso da igreja Neo-Testamentária. Sem saber do grande trabalhar de Deus em sua vida, o irmão, de modo repentino, perde seu emprego. Desempregado e sem uma igreja para congregar resolve voltar para sua cidade natal. O pastor Oscar Castelo – dirigente da igreja de Cuiabá – sabendo do que ocorrera, foi a Cáceres procurar Joaquim para convidá-lo a dar início à obra pentecostal na cidade. O convite foi prontamente aceito, e sem titubear o irmão alugou um salão na Rua General Osório, nº13. No primeiro culto, estavam presentes sua esposa Amália, Generosa Ferreira dos Santos, Joaquim Ferreira dos Santos, Saturnino

50

Ferreira dos Santos, Inocêncio Rodrigues e família e outros irmãos. Porem, só no dia 20 de fevereiro de 1952, ocorreu oficialmente à fundação da igreja. O pastor Oscar batizou as primeiras cinco pessoas da cidade no Rio Paraguai. No dia 8 de junho de 1952, o pastor enviou o evangelista Benedito da Silva a apascentar as 15 ovelhas na nova igreja. Ele e sua esposa Tereza cooperaram com a obra de Deus naquele lugar por 47 anos. O trabalho prosperava, mas infelizmente, o inimigo de nossas almas usava pessoas para atrapalhar a obra. Muitas vezes, atiravam pedras, ovos podres e até bombinhas por debaixo da porta da igreja. Tudo com o intuito de acabar com os cultos, contudo, Deus nunca permitiu que ninguém ficasse ferido. E quanto mais a perseguição aumentava, mais a igreja orava. Deus ouviu as preces de seu povo. Muitos se converteram. Assim como Paulo, muitos dos que “antes nos perseguia, agora prega a fé que outrora procurava destruir”(Gl.1.23).


O pastor Benedito abriu vários pontos de cultos em muitos bairros e regiões adjacentes. Como, por exemplo, a colônia Capão Grande, a 30 km de Cáceres, este trabalho exigia muito sacrifício de si mesmo e dos irmãos que o acompanhava. Para chegar à colônia era preciso atravessar um rio de canoa e andar a pé cerca de meio dia. Contudo, nada disso desanimava o grupo que via o poder de Deus, operando naquelas vidas sedentas do Evangelho. A cada dia, aumentava mais o número de novos convertidos e com isso a necessidade de um templo maior. Sem dinheiro para a obra, o pastor resolveu fabricar tijolos e vendê-los. Com o lucro, assim, em pouco tempo foi possível construir o novo templo. A igreja foi inaugurada no mês de Julho de 1960, contando com a presença do pastor Cícero Canuto de Lima na época presidente da CGADB (Convenção Geral das Assembléias de Deus do Brasil), pastores Delfin Brunelli (SP), Antônio Simão (MS), Vicente Guedes (SP), Eduardo Joerke e outros. Os pastores que presidi-

ram a Igreja de Cáceres: Benedito de Silva, Valentim Balbino.

“Muitas vezes, atiravam pedras, ovos podres e até bombinhas por debaixo da porta da igreja. Tudo com o intuito de acabar com os cultos, contudo, Deus nunca permitiu que ninguém ficasse ferido. E quanto mais a perseguição aumentava, mais a igreja orava. ”

51


Campinápolis

E

m julho de 1996, foi realizado o primeiro culto no município de Campinápolis. O culto, celebrado na casa do irmão Gersino, foi dirigido pelo Pb. Noedes Ferreira da Silva, e entre os participantes estavam sua família – a esposa Lidya e os filhos Luana Mara e Alexandre Thiago. Não se sabem os pormenores da implantação da igreja nessa cidade. O que se sabe, é que o primeiro templo foi construído em um terreno doado por um novo convertido, exdependente químico. Os primeiros membros a serem batizados com o Espirito Santo foram as irmãs Luana Mara e Maria Silvestre. Campinápolis foi emancipada do Campo de Água Boa no ano de 2004.

Pr. Luis Carlos Milhomem e o Pr. Noedes Ferreira da Silva.

Irmãs trabalhando para a construção do Templo Sede 52


Campo Novo do Parecis

N

o início da década de 90, começaram a surgir os primeiros crentes no município de Campo Novo do Parecis. Roque Pereira de Jesus pastoreava cerca de 10 irmãs, que se reuniam todos os dias, na igreja de madeira, para orar das 05:00 às 06:00 horas e das 19:00 às 20:00 horas. Embora humilde e pequena, a igrejinha era cheia do poder de Deus. A irmã Olmira Lazzarotto testifica que Jesus curou e salvou a muitos. Ela mesma ganhou um coração e um rim novo e foi curada três vezes de veia entupida. Em 2002, o campo foi emancipado da igreja de Tangará da Serra, sob a direção do pastor Roque. Os obreiros a trabalharem nesta igreja foram: Roque Pereira de Jesus, Itamar Caetano Barbosa e Ronivan Guimaraes.

“Embora humilde e pequena, a igrejinha era cheia do poder de Deus. A irmã Olmira Lazzarotto testifica que Jesus curou e salvou a muitos. Ela mesma ganhou um coração e um rim novo e foi curada três vezes de veia entupida.” 53


Campo Verde

O

54

s trabalhos da Igreja Assembléia de Deus na cidade de Campo Verde começaram com um ponto de pregação no município de Nova Brasilândia, no ano de 1981. O irmão Dércio, dirigente do culto, convidou alguns lavradores rurais a participarem da cerimônia. Após dois meses de culto, o lavrador José Felix e toda família se converteram a Cristo.

Sebastião Rodrigues de Souza. Neste mesmo dia, ocorreu, também, o primeiro batismo nas águas na cidade. Os irmãos batizados foram: Francisco Tirado, Benedita Marques Aragão, Marcenio Ramos, Maria Aparecida Ramos, Teodora Ferreira da Silva, Dionízia Ferreira da Silva, Joaquina Marques Aragão, Tereza Marques Aragão, Alcides Marques Aragão e Geraldo Marques Aragão.

Em setembro de 1982, o irmão Félix deixou a zona rural e foi morar na cidade de Campo Verde, que na época se chamava Loteamento Cidade Jupiara. Fervoroso na nova fé, Felix realizou o primeiro culto em sua casa, contando com a presença de muitos irmãos de Nova Brasilândia. Fazendo com isso, nascer ali a primeira igreja da Assembléia de Campo Verde.

No dia 14 de dezembro de 2008, foi concluído um dos maiores templos da baixada cuiabana. O prédio de 20x50m possui um design arrojado, projeto do irmão engenheiro Sebastião Rezende. Neste mesmo dia, o pastor Sebastião Rodrigues de Souza, presidente da igreja de Cuiabá, emancipou a igreja de Campo Verde sob os cuidados do pastor José Alves de Jesus.

Com o crescente número de novos convertidos, urgia a necessidade dos crentes possuírem uma igreja própria. No dia 19 de junho de 1983, foi inaugurado o primeiro templo na cidade com a presença do pastor Christiano de Oliveira, representando o pastor

Os fieis obreiros a cumprirem a chamada do Senhor nesse lugar foram: Laurindo Oseias do Prado, Nilzo Almeida, Geraldo Lopes e José Alves de Jesus.


Canarana

N

o ano de 1987, mudou-se para Canarana, vindo da cidade Tenente Portela (RS), o irmão Nézio Donato Monteiro e família. Em sua própria casa, sem o apoio de nenhuma denominação, começou a realizar cultos. Com alegria, convidava amigos e vizinhos. As reuniões transcorriam em clima espiritual agradável, intercalando momentos de pregação e louvores ao som de seu acordeão. No ritmo alegre da sanfona, aos poucos a obra foi crescendo. O gaúcho sentiu a necessidade de um apoio ministerial. Então, procurou a COMADEMAT, que prontamente o acolheu. Assim, no dia 23 de novembro de 1993, realizou o primeiro culto da igreja Assembléia de Deus no Município de Canarana, na Rua Criciúma, no Bairro Jardim Tropical. No ano de 1992, ocorreu o primeiro batismo realizado no Rio Sucuri, onde 11 pessoas desceram às águas. No mesmo ano, o segundo batismo ocorreu na Água Limpa com cinco novos convertidos.

No ano de 1995, o pastor Daladier Ferreira dos Santos deu continuidade à boa obra iniciada pelo irmão Nézio. Foram abertas novas congregações em Querência e Brasil Novo. Em 1999, a igreja em Canarana foi emancipada da igreja de Paranatinga. No dia 13 de julho de 2000, o pastor Daladier entrega o trabalho à Convenção Estadual que empossou o pastor Joviano Veloso dos Santos que ficou à frente do trabalho até o dia 17 de dezembro de 2002. Nesse mesmo dia, o pastor Natanael Oliveira Brito assume a presidência.

“No ritmo alegre da sanfona, aos poucos a obra foi crescendo. O gaúcho sentiu a necessidade de um apoio ministerial. Então, procurou a COMADEMAT, que prontamente o acolheu.” 55


Canabrava do Norte

N

o ano de 2003, o Pastor Sebastião Rodrigues de Sousa, dirigente da igreja da cidade de Cuiabá, enviou o pastor Antonio Benedito à longínqua cidade de Canabrava do Norte, distante 1.132 Km da Capital. O primeiro culto foi realizado embaixo de uma mangueira. O lugar, outrora era ponto de prostituição, agora recebia a mensagem de salvação. O culto contou com a presença de 14 pessoas, entre elas a jornalista Valdeci, as irmãs Eliene, Stenia e os irmãos Anselmo, Jerônimo. No dia 4 de dezembro de 2005, foi celebrado o primeiro culto de inauguração do novo

Pr. Adelino e esposa (à esquerda) e equipe de pesquisa deste livro. 56

templo pelo presbítero Anselmo. Dia após dia, o trabalho na região foi crescendo, e o poder de Deus era notório. Almas se rendendo ao Senhor, descendo as águas batismais e sendo batizadas com o Espírito Santo. Almas como as das irmãs Antônia Miguelista, Suelen Cavalcanti e Poliana. O pastor Cleiton Cavalcante, cheio de poder e ousadia do Espírito Santo, pregava a Palavra de Deus, sem temer as capciosas oposições do adversário. Uma delas ocorreu quando o pastor estava evangelizando a zona rural. Ao visitar uma propriedade, logo na placa de entrada estava escrito “Sitio Morada de Satanás - Lei do diabo” e o símbolo de duas facas cruzadas. O destemido guerreiro, não só adentrou no campo do inimigo como arrebanhou sua presa. O proprietário Nelson Marinho rendeu-se aos pés de Jesus e transformou seu sítio num lugar de bênçãos. No dia 4 de novembro de 2008, a igreja recebe sua emancipação do Campo de Porto Alegre do Norte sob a direção do pastor Adelino.


Cocalinho

N

o dia 20 de dezembro de 1995, nasce a primeira igreja Assembléia de Deus na cidade de Cocalinho. Uma cidade, que outrora reinava a violência, morte e ganância de homens aventureiros e sem escrúpulos à procura de ouro. Recebe a mensagem de vida, salvação, esperança e paz. O primeiro culto realizado, na casa do irmão Dilson, contava apenas com a esposa Margarida e os filhos Carlos Edilson, Edina e Eva Inácia. Os primeiros membros batizados com o Espírito Santo e nas águas foram os irmãos Samuel e esposa, irmã Maria e as filhas Leidiane e Eliane e o irmão José da Rosa. Os dirigentes deste Campo foram: José Edilson Vila Nova, Vili, Israel, Sebastião Rebeca e Heraldo Soares de Carvalho. Na igreja de Cocalinho, são totalmente escassos os testemunhos de fé, pelo fato de não conseguirem registrá-los.

“Uma cidade, que outrora reinava a violência, morte e ganância de homens aventureiros e sem escrúpulos à procura de ouro. Recebe a mensagem de vida, salvação, esperança e paz. ”

57


Colíder

A

chama pentecostal na cidade de Colíder começou a acender no ano de 1974. O primeiro culto, realizado na casa do irmão Sebastião Mota, foi dirigido pelo irmão Manoel Silveira, e contou com a presença de 14 pessoas. Entre elas, destacam: Gerino Souto, Manoel Silvério, José Lorentino, José Balduíno e irmã Conceição. Deste modesto, mas fervoroso grupo, muitas almas foram “incendiadas” pelo poder transformador de Deus. Inúmeras vidas foram salvas, batizadas pelo Espírito Santo e nas águas. Os primeiros crentes a serem batizados na represa local foram os irmãos Genaro, Gervásio, Geremias, Gerusco. Os pioneiros faziam grandes percursos a pé, de até 70 km mata a dentro, levando as “Boas Novas” a toda região. Um fato curioso aconteceu com o irmão Gerino. Ele, desbravando longínquos sertões para a seara de Deus, se perdeu no meio da mata. Só conseguiu se localizar, quando ao

58

cair da noite ouviu altas vozes glorificando ao Senhor em um avivado culto de Santa Ceia. No ano de 1984, a igreja de Colíder foi emancipada da igreja de Cuiabá sob a direção de do pastor Sebastião Ferreira. Os pastores que passaram por esta igreja foram: José Maria, Sebastião Ferreira, Abel Azambuja, Braulino Neith Rodrigues, Sebastião Valério da Conceição, Francisco de Assis Ramos e Antônio Francisco dos Santos.

Um dos pioneiros, irmão Gerino


Templo Sede

Escola da Igreja de Colíder

Casa pastoral

Pastor atual, Pr. Antônio Francisco e esposa.

Púlpito Templo Sede

Interior Templo Sede 59


Colniza

N

o ano de 1994, na cidade de Conilza, celebra-se o primeiro culto da Igreja Assembléia de Deus. Em um pequeno barraco de 4x6m, no meio do mato, onde só se chegava caminhando por um “trieiro”, o cooperador Jorge Vieira e cinco crentes adoraram ao Senhor. Como um bom lavrador semeando em boa terra, a obra em Colniza prosperou. Um ano depois, os cinco membros se tornaram cinqüenta. Neste mesmo ano, o pastor Izaqueu Mendes do Santos assume os trabalhos nessa igreja. Certa vez, em oração, o pastor viu a igreja com centenas de irmãos vestidos de branco. Pensando ser uma imagem da realidade, comentou o ocorrido com o pastor João Camargo. Este lhe advertiu que o que vira fora uma visão espiritual. O pastor trabalhou, incansavelmente, na seara de Colniza por sete anos. Sem medir esforços, fazendo chuva ou sol, chegava a andar seis horas de bicicleta, para evangelizar a zona rural. Os frutos de sua la-

60

buta começaram a brotar. E logo, o dedicado pastor viu sua visão profética se tornar realidade. Seus esforços foram recompensados por Deus. Para tornar suas visitas mais cômodas ganhou um moto. E no ano de 2008, a igreja o presenteou com um carro. No dia 28 de agosto de 2006, a igreja recebe sua emancipação do Campo de Aripuanã. Neste dia solene estava presente uma grande comitiva de pastores de Cuiabá. Entre eles o pastor Sebastião Rodrigues de Souza, presidente da COMADEMAT, pastores João Camargo, Jeremias de Brito e Jose Teófanis de Barros. Os pastores que cooperaram com esta obra foram: Jorge Vieria, José Gomes e Izaqueu Mendes dos Santos.

“Em 1994, na cidade de Conilza, celebra-se o primeiro culto da Igreja. Em um pequeno barraco de 4x6m”


Confresa

A

distante cidade de Confresa, 1.160 km de Cuiabá, recebeu pela primeira vez a mensagem pentecostal no dia 10 de junho de 1993. O culto dirigido pelo evangelista Edmundo Alves Luz contou com a presença do irmão Agripino e esposa, Sandro, Valdir Lima, José Moreira, Luiz, presbítero Oberdam Silva e pastor Henrique Otávio. Em pouco tempo, com a ajuda dos irmãos e dos novos convertidos, foi construído o primeiro templo 6x6m de madeira. Logo em seguida, os irmãos Raimundo, Joana, Rene, Renivaldo, Wesley, Quivia, Gerciane foram batizados nas águas e no Espírito Santo. O poder de Deus na pequena igrejinha era notório. Um fato curioso ocorreu no dia em que uma cobra surucucu entrou no templo. A serpente, considerada uma das mais venenosas do mundo, não impediu que os irmãos continuassem a adorar a Deus. O Senhor, em sua onipotência, sabendo do grande perigo que seus amados adoradores corriam, além de guardá-los em sua mão poderosa, também, derramou uma ta-

manha unção e poder que ficou marcada na história da igreja. Um dos pioneiros da obra do senhor na região, o pr. Eraldo e o pb. Manoel chegavam a percorrer o trajeto de 120 km de bicicleta ou a pé, pregando a mensagem de salvação. Muitos se renderam ao Senhor Jesus; como, por exemplo, o caso do presbítero Domingos. Antes de aceitar a fé em Jesus, era conhecido como o homem mais perigoso da região. O outrora temível sertanejo, hoje, é um valioso ganhador de almas para o Reino de Deus. Outro exemplo de vida transformada, aconteceu com o cooperador Gerci. Extremamente idólatra, agora é um valoroso soldado alistado no exercito dos céus, atuando diligentemente na tesouraria da igreja. A igreja, na pequena e remota cidade, cresceu e no ano de 2002 foi emancipada do Campo de Peixoto de Azevedo sob a direção do pastor Eraldo Soares de Carvalho. Os pastores que cooperaram com a formação dessa igreja foram: Henrique Otavio, Edmundo Alves Luz, Eraldo soares de Carvalho e José Carlos da Costa Milhomem. 61


Comodoro

N

o dia 26 de Dezembro de 1979, o diácono José Liberato e sua família chegam ao pequeno distrito da cidade de Vila Bela da Santíssima Trindade após uma caminhada de 30 km. O diácono foi enviado a Comodoro pelo pastor de Pontes e Lacerda, Albino Marques de Couto, para dar início à obra pentecostal na cidade. Nessa cidade, José encontrou algumas “ovelhas” dispersas por falta de uma congregação, o que sem demora tratou de arrebanhá-las. No Vilarejo de Nova Alvorada, os irmãos se reuniram em mutirão e começaram à construção do primeiro templo de adoração. O obreiro, ao findar seus trabalhos na região, no ano de 1985, deixou a obra do templo e uma casa pastoral construída, além do conjunto do circulo de oração em pleno funcionamento. No ano de 1986, Comodoro é elevado à condição de município. Assim, como a nova cidade, a obra de Deus na região também florescia. No ano de 1988, o pastor Sebastião da Silva dá inicio a vários pontos de pregação espalhados na região, além da cons-

62

trução de um templo maior. No ano de 1991, o presbítero Simeão Mendes da Costa assume a igreja, mas concentra seu trabalho em evangelizar a zona rural do município. Em 1994, José Nunes Pereira assume o pastorado no município. Nesta época, a igreja recebe um terreno na avenida principal para construção de um novo templo Sede. Em 1997, o pastor Elias Francisco de Matos, vindo da cidade de São José dos Quatro Marcos, toma posse e com afinco, constrói o novo templo Sede. No dia 21 de Abril de 1999, sob a direção do pastor José Antônio Gonçalves, Comodoro torna-se um Campo autônomo. Os pastores que administraram essa igreja foram: Damião, Raimundo Ayres, Sebastião da Silva, José dos Reis Silva, José Nunes Pereira, Elias Francisco de Matos e Antônio Cesar dos Santos.

“No ano de 1986, Comodoro é elevado à condição de município.”


Templo Sede

Igreja Macuco

Igreja Noroagro - Sather

Antigo Templo

1º Templo Sede

Aniversário José Liberato

1º Círculo de Oração

Lançamento da Pedra Fundamental

Pr. Sebastião R. de Souza na inauguração do templo

1º Batismo

Orquestra Atual

Sub-congregação 63


Cotriguaçu

A

s primeiras sementes do movimento pentecostal lançadas na cidade de Cotriguaçu ocorreram no ano de 1986. Os irmãos Milton Pereira e Nelimar celebraram os primeiros cultos no bairro Consolata. Instruídos pelo Espírito Santo, os pioneiros deram início à construção do primeiro templo da região. O pequeno templo 5x8m, feito de madeira, foi construído em regime de mutirão pelos irmãos João Camargo, José Sidnei, Antônio Floriano e Adão Pereira, liderados pelo pastor Joaquim Santana. O pastor Renato Zacarkim – presidente do Campo de Juína –, ao tomar conhecimento dos trabalhos em Cotriguaçu, envia o obreiro Agenor de Almeida e família para cooperar com esta obra. A família ficou hospedada na casa do casal de sulista Eduardo da Silva Charneski e esposa Maria das Graças. Para dirigir os cultos na cidade, o obreiro e sua família andavam uma hora e meia a pé, empurrando seus dois filhos em cima de uma bicicleta. Muitas vezes, para ministrar os trabalhos do dia seguinte, dormiam na igreja. O

64

Irmão Eduardo também auxiliava a igreja no que podia, pregava a poderosa palavra de Deus e abrigava os servos de Deus que chegavam em sua casa voluntariamente. Os primeiros membros da jovem igreja foram Sidney Floriano, Antônio Floriano, Joares Sampaio e esposa Rosa, Adão Pereira e esposa Wilma, João Camargo, Zico, Valdelici Martins, Agenor, Clarice, Eduardo da Silva Charneski e esposa Maria das Graças e José Kohan e esposa Anita. Este último casal, assim que aceitou a nova fé, não tomava mais remédios e não aceitava que filhos fossem vacinados. A família esbanjava saúde e, a qualquer indício de enfermidades, era curada por intermédio do poder da oração. No dia 24 de Dezembro de 2004, a igreja foi emancipada do campo de Juína sob a administração do pastor Edilson Lopes Viana. Os obreiros que contribuíram com seus labores nesta obra foram: Agenor da Almeida, Renato Zacarkim, Milton Pereira, Neilimar, Sebastião Raimundo e Ilton Antonio da Silva.


Templo Atual

Primeiros membros

Círculo de Oração

1º Templo de Cotriguaçu

1º Templo de Cotriguaçu

Pr. Ilton e esposa Ester 65


Cuiabá

O

início do movimento pentecostal na cidade de Cuiabá foi marcado por perseguição e intolerância. No ano de 1936, O pastor itinerante Eduardo Pablo Joerke foi o primeiro a semear a semente da salvação na cidade. O colportor visitava casa por casa, evangelizando e distribuindo folhetos e Bíblias. Na época, era proibido ler a Bíblia na região. Por isso, um padre local, ao saber dos trabalhos do pastor, ficou muito irritado e começou a perseguir a obra de Deus. O pároco queimou em praça pública as Bíblias e os folhetos doados pelo pastor.

os protestantes iriam quebrar os santos e falar da Bíblia. Então, quando Eduardo chegava aos portos, as pessoas fugiam para o mato com medo do missionário. Sem se deixar intimidar contra as hostes infernais da maldade, o colportor, pacientemente, persistiu nos trabalhos evangelísticos, e aos poucos toda resistência contra a obra de Deus foi desaparecendo e as almas se rendendo ao Senhor.

“Na época, era proibido ler a Bíblia na região. Por isso, um padre local, ao saber dos trabalhos do pastor, ficou muito irritado e começou a perseguir a obra de Deus.”

Nesta época, a economia da cidade se dava às margens do rio Cuiabá. Em razão disso, era grande a concentração de pessoas nessa área. O padre visitava a população ribeirinha e dizia que 66

Na época, o pr Eduardo Joerke era da igreja Missão Inglesa sediada na cidade de Londrina – Paraná. O pastor, no ano de 1941, retorna a cidade de Londrina deixando para traz um pequeno grupo de crentes e o irmão Rodrigues Alves à frente dos trabalhos. Dois anos depois, no mês de Abril, Eduardo retorna à Cuiabá para a realização do primeiro batismo nas águas,


1º Templo Sede na rua Arnaldo de Matos - 1954

Templo Sede ampliado em 1976

Pr. Sebastião e o Jipe de evangelismo

Pr. Sebastião, Pr. José Welington e Pr. Joaquim Brizola, no lançamento da Pedra Fundamental do Templo Sede de Cuiabá,1975

Pr. Sebastião Rodrigues, Pr. Rubens Siro, Ivar Vingren (filho do Gunnar Vingren) e Davi Berg (filho do Daniel Berg), Inauguração do Grande Templo - 1996

Pr. Sebastião Rodrigues, Pr. Cícero Canuto, Pr. Eduardo Joerke, Irmã Pequena, Claudio do Carmo e irmãos da sede, no dia da inauguarção, 1975 67


celebrado pelo pastor Joaquim Honório Tostes da cidade de Ribeirão Preto – SP. Os cultos eram celebrados ao ar livre na esquina da Rua 13 de junho com a Rua Generoso Ponce. Os primeiros membros da igreja, Rodrigues Alves e esposa, pastor Joaquim Honório Tostes, que juntamente com o pastor Eduardo e esposa, Joana realizavam, periodicamente, cultos na Praça Ipiranga. Esses cultos ocorreram um ano antes da fundação oficial da igreja em Cuiabá. Somente no dia 7 de de 1944, a igreja Assembléia de Deus

Pr. Pablo Joerk Pastor pioneiro das Igrejas Evangélicas Assembléias de Deus de Cuiabá - MT

68

em Cuiabá foi oficialmente fundada, localizada na casa do pastor, o Paraense Juvenal Roque de Andrade, na Rua Comandante Costa, 48 (hoje 1.728). Neste mesmo dia foi realizado o segundo batismo nas águas e a primeira Santa Ceia em Cuiabá. Em 1948, o pastor Oscar Castelo assumiu a Igreja em Cuiabá, ocasião em que a congregação foi transferida para o bairro Quilombo, no salão cedido pelo irmão Máximo, (comandante da PM) . A partir daí, vários pontos de cultos foram instalados em residências, a exemplo do irmão Otávio Pinto da Silva, no bairro Terceiro. No referido ano, o pastor Joaquim Honório Tostes retornou à Cuiabá onde realizou mais um batismo de 30 novos crentes. Pastor Eduardo Joerke tinha ido embora para Londrina. Depois disso voltou para Cuiabá em 1950, quando o pastor Oscar Castelo já havia assumido o trabalho. “Em 1952, o pastor Castelo mudouse para a Cidade de São Paulo” e em seu lugar assumiu o pastor Antônio Domingues, que não se adaptou à cidade e pediu ao pastor Eduardo que tomasse conta, provisoriamente,da igreja.


Posse do Pr Eduardo Joerk, consagrado pastor presidente da AD em Cuiabá.

Durante os Estudos Bíblicos na cidade de Campo Grande – MS, no dia 24 de abril de 1953, Eduardo Joerke foi consagrado pastor presidente da igreja em Cuiabá. Assim, cumpriu em sua vida a profecia, “o teu lugar é em Cuiabá meu servo”, declarada há muitos anos antes, em uma convenção no Rio de Janeiro. O pioneiro instaurou vários pontos de pregação na cidade e regiões adjacentes, tais como: São Gonçalo, Bom Sucesso, Barranco Alto, Cáceres, Colônia da Cipa, Poxoréo e inúmeros pontos às margens do rio Cuiabá. As primeiras visitas eram feitas de bicicleta, a cavalo ou em carroceria de caminhões. Neste tempo, a igreja de Cuiabá possuía 100 membros, porém ainda não possuía um templo próprio. Na época, a igreja de Cuiabá havia se

mudado da casa do pastor Juvenal para a sala de uma humilde casa no Bairro Quilombo. Porém, quando o dono da casa faleceu, o seu filho não permitiu mais a reunião da igreja naquele local. Sem um local apropriado para se reunir, urgia a necessidade da construção do primeiro templo. O pastor Eduardo buscou em oração o socorro do Senhor neste negocio. O senhor, então, revelou em visão o lugar onde seria construído o primeiro templo da igreja Assembléia de Deus. Poucos dias depois, o irmão Antonio Celino e sua esposa a irmã Margarida, doou à igreja um terreno, justamente no lugar revelado. Onde foi construída uma igreja de 9X18m, inaugurada no dia 15 de Agosto de 1954.

69


Santas mulheres na obra de Deus Nessa época, muda-se para a capital mato-grossense a irmã umbelina e seu esposo José Veloso Gomes, vindos da cidade de Poxoréo. Umbelina instaura, a semelhança da igreja de Poxoréo, o primeiro círculo de oração da cidade. Na primeira reunião do grupo, só a irmã Umbelina compareceu; na segunda, a irmã Margarida se fez presente e nunca mais perdeu um dia de culto do círculo de oração até morrer. A primeira diretoria era composta pela irmã

Irmã Umbelina Gomes Pioneira do Círculo de Oração

70

Umbelina Gomes, como primeira dirigente; Nilda Queiroz, como segunda dirigente; Many Queiroz, como secretária e irmãs Margarida e Almerinda Silva de Oliveira (conhecida como irmã Pequena) que auxiliavam nas visitas. As abnegadas irmãs levavam as boas novas de salvação aos lares das pessoas, aos hospitais com enfermos e muitos destes eram curados. Como por exemplo, o caso de um senhor chamado João que estava internado no hospital com câncer e foi curado com a oração das fiéis servas de Cristo. No ano de 1956, em um culto do círculo de oração, a irmã Umbelina, em uma revelação divina, profetizou em alta voz por cerca de uma hora que “Deus ia dar um grande templo a esta cidade, ele queria salvar milhares de milhares e dezenas de milhares”. Além disso, profetizou como seria a construção e deu todas as medidas em côvados (medida usada na época de Jesus, que no sistema métrico 1 côvado equivale a 45 centímetros). Foram momentos inesquecíveis e de êxtase espiritual que ficaram na memória dos presentes porque naquele tempo ninguém podia imaginar que uma igreja tão pequena fosse construir um templo da enverga-


dura do Grande Templo. Cada centímetro deveria ser feito de acordo com o plano de Deus e desta forma também foi revelado ao pastor Sebastião Rodrigues de Souza, já na década de 70, todo o projeto estrutural e arquitetônico do Grande Templo. Já na década de 70, a igreja estava muito pequena para comportar a quantidade de novos crentes da cidade. O pastor Joerke, mais uma vez buscou socorro no Senhor. Consciente de sua missão, então pediu para que Deus enviasse para Cuiabá um pastor com perfil de construtor, pois sua função era evangelista, um ganhador de almas para o “Reino do Senhor.” Certa vez, ao viajar à São Paulo para cooperar com o pastor Cícero Canuto de Lima na Escola Bíblica, o Senhor usou uma irmã para confirmar sua saída da cidade de Cuiabá. Ao retornar a Mato Grosso, passou pela cidade de Votuporanga, e ali encontrou o pastor Sebastião Rodrigues de Souza que conhecia muito de construção civil e falou acerca da necessidade da construção de um templo em Cuiabá. Eles sentiram em fazer uma troca de igrejas, coube ao pastor Cícero Canuto dar a resposta aos dois servos de Deus, e no dia 15 de outubro de 1974, foi confirmada a permuta.

O construtor de Deus No dia 12 de dezembro de 1974, o pastor Sebastião Rodrigues assume os trabalhos na igreja de Cuiabá. Ao chegar à nova igreja, o pastor encontrou cuidando da limpeza do templo a irmã Pequena, que na época era a zeladora da igreja. Na solenidade de posse do pastor Sebastião esteve presente o pastor Cícero Canuto de Lima juntamente com uma grande comitiva de pastores vindos de São Paulo. Na nova igreja, o pastor Sebastião deu continuidade aos trabalhos iniciados por seu antecessor, concernente aos bons costumes, santidade e sã doutrina. Mas sobre a administração das igrejas adotou uma nova estratégia

“No dia 12 de dezembro de 1974, o pastor Sebastião Rodrigues assume os trabalhos na igreja de Cuiabá.”

71


Posse do Pr. Sebastião Rodrigues de Souza, consagrado pastor presidente da AD em Cuiabá.

de que cada congregação deveria construir seu próprio templo. Esta tática foi um dos fatores do grande crescimento da igreja, pois havia ocasião de ter mais de 15 congregações em construção ao mesmo tempo. O incansável e fiel servo de Deus não se contentou em expandir o evangelho pentecostal apenas na cidade de Cuiabá, mas a todo o Estado. Em seu Fusca azul, desbravou matas, enfrentou atoleiros, cascalhadas, instaurando a Palavra de Deus as mais longínquas cidadelas ou vilarejos. Logo após ter tomado posse da igreja de Cuiabá, o pastor Sebastião ficou sabendo da profecia da construção de um Grande 72

Templo, proferida pela irmã Umbelina anos atrás. Contudo, nada fez sobre a revelação, com o hábito de andar sempre na direção de Senhor apenas aguardou. Até que em certo culto de consagração, Deus confirmou a profecia a seu servo e assegurou que nada iria faltar para essa grande obra. Um dos primeiros passos para a construção do templo foi a apresentação do projeto de doação do terreno na Avenida do CPA (atualmente, Avenida Historiador Rubens de Mendonça, 3.500) de autoria do então deputado João José de Magalhães. O projeto foi aprovado por unanimidade pela Assembléia Legislativa e sancionado pelo Governador Júlio José de Campos em 1985.


Na presença de quase 10 mil pessoas entre autoridades civis, militares e eclesiásticas, foi realizado o primeiro culto no terreno no dia 7 de julho de 1985. Assim, os trabalhos para a construção do Grande Templo tiveram início e não pararam mais até sua conclusão exatamente 11 anos depois, em 7 de julho de 1996. O pastor Rodrigues de Souza declarou em várias ocasiões que quem colaborasse com a obra iria ser grandemente abençoado. Quem tivesse uma bicicleta iria ganhar uma moto e quem tivesse uma moto iria ganhar um carro. E assim aconteceu com milhares que colaboraram com a construção. Muitas contribuições chegavam à construção e ninguém sabia

identificar quem havia enviado. Certa vez, a irmã Jerônima “Jô” sonhou que alguém mandava despejar carretas com materiais de construção e quando perguntavam quem tinha mandado aquele carregamento, os entregadores respondiam que era Jesus de Nazaré. O Grande Templo sempre foi, desde a sua construção, local de bênçãos. Durante todo o período em que estava sendo erguido, Deus se manifestava de forma tremenda no meio do seu povo. Milhares contribuíam com 1 real, mas fizeram a diferença porque de um povo humilde Deus permitiu uma grande edificação. Muitos fizeram sacrifícios e o Senhor os recompensou.

Pr. Sebastião Rodrigues de Souza, Dep. João Magalhães, Governador Júlio Campos e Pr. Luís Carlos Milhomem no Culto de Ações de Graças pela doação do terreno do Grande Templo. 73


O Grande Templo O terreno onde foi construído o Grande Templo possui área total de 31.100m² e a área construída é de 28.500m². O Templo tem capacidade para abrigar, só no santuário, 22 mil pessoas sentadas. O estacionamento comporta mais de 1 mil veículos. A obra é dividida em 5 pavimentos: 1º Piso Três refeitórios, cozinha com toda infraestrutura. Alojamento feminino e masculino. 2º Piso Escola de Ensino Fundamental e Médio Gunnar Vingren, Faculdade Teológica das Assembléias de Deus de Cuiabá e Região, Projeto Aviva Música, auditório, lanchonete e administração e ambulatórios da Sociedade Beneficente Evangélica (SBE).

Grande Templo no ano da inauguração - 1996

74

3º Piso Santuário com capacidade para 22 mil pessoas sentadas, 4 tanques batismais, Livraria Cantares de Salomão, escritório da Fundação Cantares de Salomão, Rádio Educativa Nazareno, sala do Jornal Mensageiro da Última Hora, Secretaria Estadual de Missões, escritório da COMADEMAT, gabinetes pastorais do presidente e do vice-presidente, secretaria, tesouraria, central telefônica, salas dos departamentos da igreja, alojamentos e suítes. 4º Piso Creche e berçário, salão para vigílias, auditório para reuniões, alojamentos e escritórios dos departamentos da igreja. 5º Piso Alojamentos masculinos e femininos.


Dentro do Grande Templo Dentro do Grande Templo, além dos cultos diários, funciona também o Centro de Evangelismo das Assembléias de Deus em Mato Grosso, que possui algumas instituições, dentre elas: A Sociedade Beneficente Evangélica (SBE), oficialmente registrada no dia 2 de fevereiro de 1975, mas, só começou a funcionar a partir da chegada da família Rodrigues de Souza. A entidade propícia atendimento médico, odontológico, jurídico e social a todos que a procuram, independentemente de religião ou classe social. Ela tem sido uma fonte de bênçãos e distribui cestas-básicas à população carente. O presidente do Conselho Deliberativo é o pastor Sebastião e o diretor executivo é o Evangelista Luiz Roberto Rezende Cruz. A Faculdade Teológica das Assembléias de Deus em Mato Grosso foi fundada em 1982. A princípio, funcionava nas dependências do templo sede, depois dentro da casa do pastor Sebastião, na Avenida São Sebastião. Em 1º de março de 1983 começou a primeira turma com 30 alunos e o primeiro diretor foi o pastor João Pereira de Andrade Silva. Em 1991, a escola mudou-se para o Grande Templo,

Ev. Nelson Barbosa (Diretor Adm. Financ. SBE), Ev. Luís Roberto (Diretor Executivo da SBE), Ev. Valdemar dos Santos (Secretaria Geral da SBE).

Equipe de funcionários da SBE

Centro de Atendimento da SBE, no Grande Templo. 75


ainda em construção, funcionando com cerca de 80 alunos. O professor Victório Galli foi escolhido como coordenador pedagógico em 1992 e depois em 1998 passou a ser o diretor executivo. Ele foi aluno da faculdade em 1988. A partir de 2010, a instituição passou a fazer parte das Faculdades Evangélicas Integradas Cantares de Salomão (FEICS). A Escola evangélica Gunnar Vingren foi criada em 1987 e funcionava nas salas da casa do pastor Sebastião. Na época apenas contemplava a Educação Infantil. A primeira diretora foi Olga Sartori Farinelli. Em 1991, a Escola mudou-se para o Grande Templo. Hoje oferece 500 vagas para o Ensino Fundamental, Médio e EJA (Educação para Jovens e Adultos). O diretor desde o ano 2.000 é o professor Jairo Cândido. A Secretaria de Missões das Assembléias de Deus em Mato Grosso (SEMAD) foi criada no dia 10 de maio de 1996. O primeiro missionário a ser mantido por ela foi Valdenor Assis de Oliveira e família que estavam na Colômbia e foram enviados para Atenas, na Grécia. Desde 1997, o evangelista José Marcos de Souza é o diretor executivo da SEMAD que hoje mantém dezenas de missionários tanto no Exterior quanto em outros Estados brasileiros. A secretaria conta com toda a infraestrutura necessária para dar agilidade e melhor qualida76

de de atendimento aos missionários. A falta de comunicação que os primeiros missionários enfrentaram foi substituída por equipamentos de informática de última geração. Atualmente, a prioridade da igreja é com missões. “Missão se faz com os pés dos que vão, com os joelhos dos que oram e com as mãos dos que contribuem”.1 A Livraria Cantares de Salomão, teve também seu início no templo sede no ano de 1989. A livraria funcionava apenas com uma pequena mesa e poucos livros sob os cuidados do cooperador Manoel. Logo, se instalou no Grande Templo em apenas uma pequena sala. Hoje, sob a administração do pastor Hélio José da Silva, a livraria ocupa um espaço amplo e climatizado, oferecendo ao público material de mais de 40 editoras e várias gravadoras de CDs. Além de uma filial, no Centro da Capital, a Cantares atende muitos municípios por meio da internet, correios, fax e outros. Ela é uma das mais completas livrarias evangélicas do Estado. Para englobar algumas dades do Grande Templo foi criada a Fundação Cantares de Salomão no dia 14 de agosto de 2.000, tendo como presidente do Conselho Curador, pastor Sebastião Rodrigues de Souza e o primeiro diretor-executivo, pastor Cristiano Alves de Oliveira. Revista Grande Templo, 2006, p.23

1


A Rádio Nazareno FM, que pertence à Fundação, foi inaugurada no dia 14 de setembro de 2002. É a primeira emissora educativa do Estado e está entre as primeiras colocadas em audiência na Baixada Cuiabana. A programação é diversificada, com mais de 40 programas enfocando mensagens evangélicas, noticiário, programas sobre saúde, assistência jurídica, ensino de línguas, etc. A emissora tem milhares de ouvintes e consegue atingir várias denominações evangélicas e até pessoas que não professam a fé cristã. Muitos já foram curados, abençoados pelos programas que transmitem a Palavra de Deus com unção do Céu. O pastor Sebastião é o diretor geral da emissora que teve como primeiro Diretor Executivo, pastor Hélio José da Silva. A primeira gerente administrativa foi Lucilene Débora de Souza Carneiro.

Além do Grande Templo A Igreja Assembléia de Deus apoia várias casas de recuperação de dependentes químicos. A “Casa de Recuperação Jeruel” foi criada em julho de 1994 pelo irmão Antônio Cardoso, que é vereador por Várzea Grande, e sua esposa Margareth Marta da Silva Andrade. A entidade funciona numa chácara no Parque do Lago e hoje atende apenas 30 recuperandos porque está em processo de reforma. Cerca de 4 mil pessoas já foram bene-

Centro de Evangelismo das Igrejas Assembléias de Deus no Estado de Mato Grosso

ficiadas com o trabalho sério que é desenvolvido na entidade. O “Lar Cristão” abriga cerca de 160 internos e já recebeu pelo menos 8 mil homens desde 1996. O evangelista Teodorico Barbosa de Souza começou este trabalho levando para sua casa cinco mendigos que encontrou na rua. A entidade funciona no Bairro CPA, em duas casas amplas, cedidas pelo Governo. Há dois anos foi criada uma extensão em São José do Rio Claro, na Fazenda Canaã. O “Vale de Jaboque” foi fundada em 2 de novembro de 2005 pelo cooperador Jaqueson Henrique Rodrigues das Neves e esposa Gislaine, na região do Pedra 90. Cerca de 500 pessoas já passaram pela casa e que tem a capacidade para abrigar 80 recuperandos. 77


Templo da Igreja e Assentamento Gamaliel, 280 hectares, 175 lotes.

Pr. Sebastião Rodrigues e Deputado Sebastião Rezende visitando horta.

Pr. Sebastião e irmã Nilda no Culto em Ações de Graças pelos frutos da terra. 78

Por intermédio do engenheiro e deputado estadual Sebastião Rezende – membro da Assembléia de Deus -, o governador Blairo Maggi homologou o projeto para chácaras cognominado “Conquista” conhecida como “Assentamento Gamaliel” que fica na região Leste da Capital, após o Bairro Alto da Glória. São 280 hectares divididos em 175 lotes de 12.000 m². O governo doou o terreno e o material para construção e os que ganharam a área trabalharam em regime de mutirão para a construção das casas. A obra começou a ser feita em novembro de 2006 e foi inaugurada em dezembro de 2009. Assim como comandou a construção do Grande Templo, este foi mais um desafio conquistado pelo pastor Sebastião Rodrigues de Souza. Para oferecer mais oportunidades para o povo evangélico e o público, em geral, a Fundação Cantares de Salomão criou uma Instituição de Ensino Superior, Faculdades Evangélicas Integradas Cantares de Salomão (FEICS) nome sugerido pelo pastor Rubens


Siro de Souza. O pastor Sebastião Rodrigues de Souza, presidente do Conselho Curador da Fundação Cantares de Salomão, convocou os membros da entidade no dia 16 de maio de 2008 para a criação da instituição. A FEICS tem como objetivo “prestar serviços educacionais de nível superior, com oferta de várias modalidades, regimes, turnos, cursos, atividades educacionais complementares, interdisciplinares, transversais, cursos de extensão , sequenciais, cursos a distância, cursos de graduação para formação de bacharéis, docentes, tecnólogos e cursos de pós-graduação lato sensu e stricto sensu.” 1

O terreno para a construção da Faculdade, no Bairro Bela Vista, próximo ao Grande Templo foi doado à Fundação por meio de um projeto de autoria do deputado estadual, irmão Sebastião Rezende. Em 2010, as obras já haviam começado e a instituição estava funcionando, provisoriamente, nas dependências do Grande Templo oferecendo os cursos: Básico de Teologia (2 anos), Bacharel em Teologia (4 anos), Pedagogia e Administração de Empresas. Ata Nº 12 da Fundação Cantares de Salomão. 16 de maio de 2008. 1

Fachada da FEICS no Grande Templo.

Maquete das Futuras Intalações da Feics.

Pr. Rubens Siro de Souza, Pr. João Pereira de Andrade e Silva, e Pr. Valdenor Assis de Oliveira Início do Curso de Teologia, anos 80. 79


Diamantino

O

s trabalhos da igreja Assembléia de Deus na cidade de Diamantino foram ini ciados pelo cabo da PM, Armindo, na década de 70. O policial, que também era um crente fervoroso, foi designado para comandar o destacamento da Polícia Militar no município. Além de sua militância policial, o cabo também militava para o Senhor, evangelizando a população. Em poucos meses conseguiu formar o primeiro grupo de crentes pentecostais na cidade. O grupo de novos crentes construiu um primeiro templo de tijolo adobe, localizado na Rua Três de Dezembro, 143. Porém, assim que o soldado de Cristo foi transferido para outra cidade, a população descrente, influenciada pelo pároco local, destruiu a igreja. Em Diamantino, era proibido evangelizar, e quem assim o fazia, acabava tendo que enfrentar as hostes dos fanáticos católicos, que perseguiam, criticavam e jogavam pedras nos crentes. O pioneiro Eduardo Jorke não se deixou intimidar pelo exército inimigo, assim que podia visita-

80

va a cidade para dar assistência às ovelhas sem pastor. Após a destruição do templo, os irmãos, sob a direção da irmã Maria dos Anjos Antunes, passaram a congregar num lugar chamado Olaria que fica no pé da serra. Somente no ano de 1980, sob a administração do pastor Júlio Queiroz , que iniciou a construção de um novo templo, feito de madeira e coberto de palha. Os ministros do evangelho a cooperar com esta obra foram: Bertoldo Firmino, Albino do Couto, Manoel Urbano, Manoel Inácio, Odilon Heffel e Braulino Neith Rodrigues.

“assim que o soldado de Cristo foi transferido para outra cidade, a população descrente, influenciada pelo pároco local, destruiu a igreja.”


Estrela do Araguaia

O

s pastores dirigentes da igreja de Estrela do Araguaia foram: Fernando, Joaci, Joรกs, Leonor, Pedro, Ronaldo Atanรกzio e o Pastor Antonio Alves Gomes.

81


Gaúcha do Norte

O

s primeiros crentes pentecostais que chegaram à Gaúcha do Norte foram a família Sartori e a Irmã Enildes oriundos do Paraná. Assim que adentraram a cidade, no ano de 1979, os irmãos começaram a obra de evangelização, os primeiros novos convertidos foram Sabino Dotti e esposa Agnes. O pastor Agenor, vindo de Rondônia, foi o primeiro ministro oficial da igreja Assembléia de Deus em Gaúcha do Norte. O pastor encontrou na cidade, no início da década de 80, um pequeno grupo de crentes o esperando. Sem demora, o obreiro dá início à construção do primeiro templo de madeira, medindo 6X5m. Os primeiros membros batizados com o Espírito Santo e nas águas foram: Shirley, Eliane, Aniceto e esposa Matilde. Essa obra floresceu graças aos valorosos trabalhos dos pastores: Agenor, Gaucieno, Salviano Rogosk, Zezinho, José Inácio, Augusto, José Amorim, Galdêncio, José Raimundo Moraes, José Bráz, Deusdete,

82

Miguel Rodrigues, Nivaldo de Souza, Walmir Vieira da Silva e Elias Alves Nilo.

“O pastor encontrou na cidade, no início da década de 80, um pequeno grupo de crentes o esperando. Sem demora, o obreiro dá início à construção do primeiro templo de madeira, medindo 6X5m.”


Guarantã do Norte

D

eus tocou no coração do cooperador Antônio Bezerra Leite para iniciar as atividades pentecostais na cidade de Guarantã do Norte. No ano de 1977, foi celebrado o primeiro culto da igreja Assembléia de Deus, na vila da COTREL (Cooperativa Tritícola de Erechim). Nessa época, havia apenas alguns moradores na vila, mas nesse lugar que brotou os primeiros novos convertidos da cidade: Saturnino Bezerra Leite, Maria Aparecida, Francisco e esposa, Miguel Quadra Pereira e esposa Helena, Manoel Bezerra Leite e esposa Jaimaura. Os primeiros membros batizados com Espírito Santo e nas águas foram os irmãos: Antônio Bezerra, Luiz Cabral e Antônio Natalício. Os neófitos Antônio Bezerra e Luiz Cabral se converteram a nova fé e dispuseram-se a cooperar com o irmão Antônio nos trabalhos de evangelização. Naquele tempo, a vida na cidade não era fácil; faltavam hospitais, médicos, remédios, estradas e meios de transportes públicos. Os pioneiros, cheios de coragem e ousadia divina, enfrentavam as

dificuldades das estradas a pé e/ ou de bicicleta levando a mensagem de Cristo, e assim muitos foram salvos e libertos. O primeiro templo oficial da igreja Assembléia de Deus foi fundado no início do ano de 1982, localizado na Rua Alcides Capelini esquina com a Travessa dos Ypês. A sua emancipação, da igreja de Alta Floresta, ocorreu em 1986 sob os cuidados do pastor Bertoldo Firmino de Moraes. Os dirigentes que dedicaram a sua vida nesta obra: Manoel Botelho, Sebastião Ribeiro, Francisco Pedro, Bertoldo Firmino Moraes e Analeto Brasil.

“Os pioneiros, cheios de coragem e ousadia divina, enfrentavam as dificuldades das estradas a pé e de bicicleta levando a mensagem de Cristo.” 83


Guiratinga

O

irmão Zaqueo Francisco da Silva, a pedido de seu pai – o pastor José Francisco da Silva (dirigente da igreja de Rondonópolis), foi o pioneiro a levar a chama pentecostal à cidade de Guiratinga. O irmão, para cumprir com êxito sua missão de “ide e pregai o evangelho”, enfrentou muitas dificuldades e desafios. Às vezes, fazia visitas a pé, de bicicleta ou à cavalo, em áreas difíceis de transitar. Aos poucos, foi vencendo os desafios e almas se rendendo a Cristo. Os primeiros novos convertidos foram Marcolina, Onorina de Oliveira, Jovita Ferreira, Manoel Ferreira e a família Marques (Madalena, Manoel, Leonida, Pedro, Ana Rosa, Jovelina e Ananias). No início de julho de 1961, é inaugurado o primeiro templo da igreja Assembléia de Deus na cidade. O templo, construído em mutirão pelos fiéis, ficava na Avenida Bahia, atualmente denominada Israel Arco Verdeia. Zaqueo e o irmão José Barreto fizeram os 1.600 tijolos adobe necessários para a construção da obra. Alem disso, nessa

84

mesma época o pioneiro Zaqueo abriu dois pontos de pregação, um no distrito de Vale do Rico e outro na cidade de Tesouro. No dia 04 de novembro de 1993, a igreja recebe a emancipação do campo de Rondonópolis, este envia o pastor Edilson Lopes Viana dos Santos para dirigila. Os pastores que cooperaram com a obra em Guiratinga foram Zaqueo Francisco da Silva, Evilázio Venâncio de Souza, Juracy Augusto, Edílson Lopes Viana dos Santos, Francisco Novaes Coelho, Abel Bispo da Silva e Arione de Lima.

“No início de julho de 1961, é inaugurado o primeiro templo da igreja Assembléia de Deus na cidade. O templo, construído em mutirão pelos fiéis, ficava na Avenida Bahia, atualmente denominada Israel Arco Verdeia”


1º Templo

Pastor e irmãos em Ação

2º Batismo

Casamento realizado pelo Pr. Zaqueo

Templo Atual

Pr. Arione e esposa

85


Guariba

A

longínqua cidade de Guariba, localizada no meio da floresta amazônica, a 1.215 km da capital, recebeu a mensagem pentecostal pela primeira vez nos idos de 1980. O pioneiro usado por Deus para proclamar o Evangelho foi o presbítero Isalino Alves de Amorim. Nessa época, além das perigosas estradas no meio da mata, havia uma epidemia de malária com um alto índice de mortalidade, espalhando morte e terror pela cidade. Isalino trouxe a aterrorizada população uma nova esperança de vida e salvação. Os primeiros a aceitarem a salvação em Cristo foram: Antônio Figueiredo e esposa Genilda, Sebastião, Neuza, João, Irani Figueiredo, Isalino e família, Joventino e família, João Cruz e esposa Cleudeir e Sabá. Os primeiros crentes de Guariba tiveram grande dificuldade de professar a nova fé, pois sofreram perseguições dos católicos e até ameaças de morte, ainda assim permaneceram pacientemente fiéis a Cristo. Nesse ambiente hostil, Deus revelou seu poder com sinais de prodí-

86

gios e maravilhas. No dia do lançamento da pedra fundamental da igreja Nova Esperança, o pastor Wellington sentiu de Deus de orar pela dirigente do círculo de oração que estava com leishmaniose. O Senhor orientou o pastor para colocar a perna enferma da irmã em cima da pedra fundamental. No entanto, a princípio, o pastor não deu crédito à voz de Deus, mas logo depois de ser repreendido pelo Senhor, obedeceu à orientação dada por Deus. Após esse momento, o Senhor de forma milagrosa curou completamente a irmã, e em sua perna não constava mais mancha daquela enfermidade. Este milagre causou grande comoção na cidade e muitos aceitaram a Jesus. As curas e milagres não param por aí, tamanho é o mover de Deus que a igreja de Guariba é a única no estado de Mato Grosso a ter um culto só de testemunho. Os ministros de Deus que serviram neste Campo foram: Pb. Izalino, Miss. Gunilda, Coop. Domingos, Pb. Juventino, Pb. João da Cruz, Pr. Carlos Roberto e Pr. Wellington Antonio Norato.


Itiquira

N

o dia 15 de julho de 1964, cerca de 50 pessoas assistiram ao primeiro culto pentecostal realizado no município de Itiquira. Em uma casa, na Rua Pedro Campo sob a direção do irmão Apolinario Rodrigues. Grande parte dos presentes aceitou a Salvação em Jesus. Primeiros membros batizados com o Espírito Santo e nas águas foram Eronides do Carmo, Honorata Anicésio da Silveira, Lazaro Anicésio de Oliveira, Argemiro Campos, Sebastiana Nunes, Araci Campos Morais, Armelinda Campos da Silva, Francisco Campos, Ercília Maria Campos, João Portela. O Senhor operou maravilhas na pequena igreja que se formara e alguns milagres ficaram marcados na memória dos fiéis. Por exemplo, o jovem Samuel Alcântara curado de epilepsia e a ressurreição de um menino. No dia 9 de março de 1984, a igreja de Itiquira foi emancipada da igreja Alto Araguaia sob os cuidados do pastor Aquilino Pedro de Alcântara. Os dirigen-

tes que cooperaram neste Campo foram: Apolinário Rodrigues, Itamar Neves, Manoel Pedro, Eronides do Carmo Severino, Vitor Vital Garcia, Aquilino Pedro Alcântara, Valdivino (Valico), Geraldo Lopes, Arlindo Gonçalves, Nelson Pessoa, Josué Monteiro, David Paulino e Antônio Jaime Nunes.

“O Senhor operou maravilhas na pequena igreja que se formara e alguns milagres ficaram marcados na memória dos fiéis. Por exemplo, o jovem Samuel curado de epilepsia e a ressurreição de um menino.”

87


Jaciara

N

a cidade de Jaciara, os primeiros cultos pentecostais foram realizados pelo irmão Argemiro Mendes da Silva no ano de 1949. A cerimônia contou com a presença das famílias dos irmãos João Rodrigues dos Santos, Antônio Izidoro, Joaquim de França, Antônio Nascimento, Maria Joaquim de França e outros. Os cultos eram celebrados em sítios, nas margens do Rio Tenente Amaral. Os primeiros crentes a descerem as águas batismais foram Joaquim Miguel, Narciza, Maria Felicidade, Crel Maria, Nenê Valderlice, Poliano Lazaro e Vanda Minervindo. Mas somente no ano de 1954, a igreja Assembléia de Deus teve sua fundação oficial dirigida na época pelo pioneiro Eduardo Joerke. Quatro anos depois, os irmãos Argemiro, Manoel França, Antônio Bastos, Antônio Ferreira e outros decidiram retirar uma oferta para a compra de um terreno para construção do templo. O Senhor honrou a fé dos fiéis e os abençoou com um terreno, doado pelo irmão Milton da Costa Ferreira, na Rua Jurucê, 1351.

88

Os servos do senhor que pastorearam esta igreja foram: Raimundo Marques, Zadia, Joel Amâncio, Raimundo Soares de Lima, Vicente, José Vital, Manoel Antônio de Oliveira, Lázaro Benedito Alves, José Genésio da Silva, Valmir Farinelli, Braulino Neith Rodrigues e José Antônio Gonçalves.

“No ano de 1954, a igreja Assembléia de Deus teve sua fundação oficial dirigida na época pelo pioneiro Eduardo Joerke. O Senhor honrou a fé dos fiéis e os abençoou com um terreno, na Rua Jurucê, 1351.”


1º Templo Sede de Jaciara anos 60.

Templo Sede de Jaciara, anos 80.

Irmãos e obreiros em mutirão para construção do Templo

Irmãos e Banda dos anos 60.

Templo Sede Atual

Pr. José Antônio e esposa. 89


90


Jauru

A

s primeiras sementes do Evangelho chegaram à cidade de Jauru pelas mãos do irmão Paulo Amaro de Barros. O irmão foi enviado pelo pastor Benedito da Silva, dirigente da igreja Assembléia de Deus do município de Cáceres, no ano 1967. Os primeiros cultos foram realizados na casa do irmão João Alexandre de Carvalho, e contara com a presença 15 irmãos, entre eles os irmãos Alexandre e Paulo, Manoel Palmeira, João Barros e outros. Alguns meses depois, os crentes se reuniram em mutirão e construíram um simples templo de madeira, na Rua 15 de Novembro. No entanto, essa humilde igreja foi testemunha do grande poder de Deus na operação de milagres e maravilhas. Como, por exemplo, o testemunho da irmã Castorina, que havia ficado paralítica, depois de sofrer um derrame cerebral e após uma oração ficou instantaneamente curada. Derrubar barreiras, enfrentar dificuldades é acontecimento inerente à vida de gran-

des desbravadores. E com os pioneiros pentecostais na região, não foi diferente. Muitos tiveram que andar a cavalo ou até mesmo a pé, mais de 80 km, levando consigo a mensagem da cruz. Porém, o trabalho não foi em vão. O grande crescimento de fiéis foi decisivo para a emancipação da igreja ocorrida no dia 20 de outubro de 1990 sob a administração do pastor Joaquim Luiz Ferreira. Os pastores que cooperaram com esta obra foram: Daniel de Paulo, João Rodrigues da Trindade, José de Farias, Osvaldo Narciso de Brito, Iluízio de Oliveira e Joaquim Luiz Ferreira.

“Os crentes se reuniram em mutirão e construíram um simples templo de madeira, No entanto, essa humilde igreja foi testemunha do grande poder de Deus na operação de milagres e maravilhas.” 91


Juína

O

Evangelho da Salvação chegou ao município de Juína, no final do ano 1977, pelo pastor Alfredo Nogueira da Silva. O primeiro culto foi realizado em sua residência com a presença de seis pessoas: as irmãs Izidora, Genésia e três visitantes não crentes. Os primeiros crentes batizados nas águas foram Antônio Zimermamm, Shirley Guimarães, Maria Rosa, Rosenira e outros. O Pastor Alfredo ficou na região por apenas sete meses, mas deixou concluído o primeiro templo (8x12m) e uma casa pastoral. Após ele, o pastor José Carolino assumiu o comando da pequena congregação que estava em plena formação. Serviram ao Senhor nesse Campo os pastores: Alfredo Nogueira da Silva, José Carolino, Renato Zacarkim, Braulino Neith Rodrigues, José Teofanes de Barros, Edilson Lopes Viana dos Santos, Sebastião Valério da Conceição e João Nerci Camargo.

Inauguração de mais um templo

Construção do novo Templo

Inauguração de mais um templo

Inauguração de mais um templo 92


Voluntários na construção do novo templo

Pr. Sebastião Valério e esposa

2º Assentamento Laudicéia

Inauguração de mais um templo

Pr. João Camargo e esposa 93


Juara

A

Igreja de Juara teve início com o irmão Luiz Ramos da Cruz e Esposa a irmã Maria R. da Cruz e os filhos Noemi e Carlos Roberto. Ao começar o trabalho na casa do irmão luiz, que logo percebeu a necessidade de construir um local próprio para o culto, constrói um salão de madeira, e consequentemente o número dos salvos foi aumentado gradativamente. Vale ressaltar uma pioneira da fé neste lugar, a irmã Vicência do Prato que se converteu em 1.974. Por ocasião da construção do templo sede de Cuiabá, o Pastor Sebastião Rodrigues enviou o pastor João Agripino de França para visitar aquela região e dar o suporte devido para o desenvolvimento da obra na região. Primeiro Juara, depois Porto dos Gaúchos, Novo Horizonte do Norte e demais pontos de culto que já havia na região. Levando em consideração que as construções de templos são constantes e de portes grandes, o templo sede se destaca por sua exuberância e estrutura magnífica. Os pastores que dirigiram a Igreja de Juara foram: Alfredo Nogueira, José A. da Silva Sobrinho, Analeto Brasil,

94

Bertoldo, Pedro Neves, Antonio de Brito, Nemias Viana, Itamar e Jair Fagundes.

“Por ocasião da construção do templo sede de Cuiabá, o Pastor Sebastião Rodrigues enviou o pastor João Agripino de França para visitar aquela região e dar o suporte devido para o desenvolvimento da obra na região.”


Juruena

O

s trabalhos de evangelização na cidade de Juruena se deram graças a incansável dedicação do pastor Renato Zacarkim. O pastor, então dirigente da igreja de Juína, percorria todo mês 160 km para levar a Santa Ceia ao casal de crentes, Manoel Pontes e Joana, que moravam em Juruena. Os frutos do resignado trabalho do pastor foram crescendo com a conversão de novos crentes. O primeiro culto realizado foi na casa do novo convertido, irmão Wenceslau da Costa, em meados do ano de 1981, com a presença de cerca de 10 pessoas. Como o grupo de neófitos ia aumentando a cada dia, Zacarkim alugou um salão e deixou o irmão Wenceslau na liderança. Algum tempo depois, o pastor resolveu comprar um terreno para a construção de um templo. Então, procurou uma imobiliária local para adquirir um lote em uma boa área. Porém, os funcionários da empresa não quiseram vender para a igreja um terreno na parte central da cidade. Renato, então, procurou um influente cidadão, João Botinha, que acabara

de abraçar a nova fé para ajudálo nesta peleja. Decididos, ambos retornaram a empresa. Lá, João Botinha pediu para ver o mapa da cidade, mostrá-lo em que parte ficava a praça principal, onde comprou dois terrenos e os doou para a igreja. A emancipação da igreja, do campo de Aripuanã, ocorreu no dia 10 de Setembro de 2006 sob os cuidados do pastor Jacinto de Souza Neto. Os pastores que trabalharam nessa obra foram: Leodato Medeiros, Joaquim Santana, Valdir de Vargas, Gilmar Cardoso, Augusto José Ferreira, Sebastião Raimundo, Paulo Cezar Endriger, Nilson de Oliveira, Reginaldo da Silva e Jacinto de Souza Neto.

“Os frutos do resignado trabalho do pastor foram crescendo com a conversão de novos crentes.” 95


Lucas do Rio Verde

M

esmo antes da chegada dos primeiros colonos a cidade de Lucas do Rio Verde, as primeiras faíscas do movimento pentecostal, já havia começado a incendiar pelas redondezas rurais. No ano de 1980, o cooperador Leandro e esposa saíram da cidade de Nobres para trabalhar em uma fazenda em Campo Verde, às margens da Rodovia MT- 338. Sem perder tempo, além dos trabalhos seculares, a família também trabalhava na evangelização dos colonos e lavradores. Em poucos dias, as primeiras almas foram se rendendo ao poder do Evangelho. Os primeiros crentes foram os respectivos irmãos e família, Sebastião Bragança, Antônio Cordeiro, Severino, irmã Rosa e o jovem Petronílio. O primeiro templo foi construído com tijolo adobe, pelos neófitos reunidos em mutirão no ano de 1981. O pastor Benedito Siqueira, homem simples, de pouco conhecimento secular, porém, cheio do Espírito Santo, assumiu os trabalhos na região.

96

Benedito levava a Palavra de Salvação a varias famílias que viviam “escondidas” na zona rural. Muitas vezes, não perdia a oportunidade, e celebrava cultos ali mesmo, ao ar livre, sob a luz de lamparina ou mesmo o clarão da lua. Na nova igreja, pairava um manto de profecias de prosperidade, que chamou a atenção do pastor José Antônio Sobrinho, dirigente da igreja em Nobres. Uma irmã havia profetizado que a pequena cidade, em breve se tornaria grande e que a igreja também cresceria junto. O pastor, deu credito a profecia. E, na primeira oportunidade, comprou dois lotes e construiu um templo maior e uma casa pastoral. Os dirigentes nesse campo foram: Leandro Galiano, Benedito Siqueira, Osvaldo de Campos, Nicolino Confessu, Armando Buik, Juvêncio de Oliveira, Sebastião Pimentel, Nivaldo de Souza, Claudomiro de Souza, Adonias Neves, Wilton Antônio da Silva e Antônio Vicentin.


Luciara

O

pastor Sebastião Rodrigues de Souza enviou o pastor Neiron Domingos de Oliveira para dar início às atividades pentecostais na pequena cidade às margens do Rio Araguaia. O pastor, ainda antes de receber esta incumbência, já havia se preparado para a mudança. Pois, o Senhor lhe dera um sonho de que em poucos dias iria para a cidade Luciara. O primeiro culto foi realizado na casa do pastor, em maio de 2003. Na ocasião, contava com a presença de 15 pessoas, entre elas: Soni, Maeli, Maiara, Samuel, Paulo Sérgio, Nilza, Poliana e Domingos. Sem demora, Neiron já começou a trabalhar na construção de um templo. Porém, para concluir a obra, foi preciso ajuda financeira da igreja de Cuiabá. Desde então, a igreja já se mostrou bastante fervorosa. Vidas eram alcançadas e transformadas pelo poder de Deus. Um caso notório, que ficou gravado na memória dos fiéis foi à conversão de um descrente vereador. Este recebeu a visita de

uma irmã, que profetizou que ele iria ser crente. Desdenhado da profecia disse “não ter vocação para crente”. Porém, um dia sua esposa, muito enferma de câncer e hepatite, foi ao culto. Com lágrimas nos olhos, ficou totalmente curada ao receber a oração da fé. Com este milagre ela própria e toda sua casa se renderem ao Senhor Jesus. Contudo, o duro político, ainda resistia, mas após 3 meses se rendeu a nova fé. No ano seguinte, em setembro de 2004, a nova igreja foi emancipada do Campo cuiabano. O pastor Neiron Domingos se mantém como único seu único até o dia de hoje.

“Um dia a esposa do vereador, muito enferma de câncer e hepatite, foi ao culto. Com lágrimas nos olhos, ficou totalmente curada ao receber a oração da fé.” 97


Marcelândia

A

história da igreja evangélica Assembléia de Deus está intrinsecamente ligada ao desenvolvimento da cidade de Marcelândia. Mas antes de haver ruas ou avenidas, os irmãos Eraldo e Marina Rezende celebram o primeiro culto pentecostal na região. No culto, estava presente somente a numerosa prole do casal – Walter, Nilda, Vanilda, Z e n i l d e , Clemildes, C l e o n i c e , Valmir, Valdenir, Cleodenice, e Valdenice. Mas, com o passar dos dias, a sedenta vizinhança foi se achegando e com elas o brotar de novos convertidos. O primeiro culto de Santa Ceia foi realizado à beira do Rio Manito, contando com a presença de cerca de 6 irmãos – José Maria, Eraldo Rezende e esposa, José Fernandes e esposa, Evanilda, Zenilda. Os primeiros membros batizados com o Espírito Santo e nas águas fo-

ram José Fernandes, Jaci, Alcino, Edileide e outros. No dia 10 de Junho 1980, foi fundada oficialmente a pequena igreja, feita de tábua, da Assembléia de Deus no município. Um dos fatos que marcaram a época foi o testemunho de Marina. A irmã costumeiramente caminhava 8 km em densa mata para assistir aos cultos. Em uma dessas jornadas, na companhia de sua filha Cleonice, começou uma forte tempestade de chuvas, raios e trovoadas. Não se deixando abater por este fenômeno da natureza, prosseguiu a sua marcha debaixo das mãos do Todo Poderoso. Que as protegeu milagrosamente, pois nem uma gota sequer molhou essas valorosas servas de Deus.

“O primeiro culto de Santa Ceia foi realizado à beira do Rio Manito, contando com a presença de cerca de 6 irmãos”

98

A irmã Marina, sem a menor experiência prévia, mas


sob a orientação do presbítero Manoel Botelho, deu início aos trabalhos do círculo de oração. A primeira festividade do grupo “Vencendo pela Fé” teve como tema o livro de Atos 18.9 “E disse o Senhor em visão a Paulo: Não temas, mas fala, e não te cales, porque Eu sou contigo e ninguém lançara mão de ti para te fazer mal, pois tenho muito povo nesta cidade”. Essas Palavras da profecia se cumpriram rigorosamente nesta pequena comunidade.

O Campo foi emancipado da igreja de Colíder no ano 1994 com a direção do pastor Abel Bispo. Os pastores que passaram por esta igreja e contribuíram com a sua formação foram: José Maria, João Germano, Zaqueu Sabóia, Manoel Botelho, Abel Bispo, Denerval, Antonio Francisco, Juraci Augusto e Antônio Duarte Costa.

Pr. Antônio Duarte (à esquerda), esposa e amigos. 99


Matupá

E

vangelizar a cidade de Matupá não foi tarefa fácil para o presbítero Paulo Isabel da Silva. Sem meios de transportes adequados, o presbítero – morador do município Peixoto de Azevedo – visitava frequentemente a cidade, a pé, a cavalo ou de bicicleta, semeando as primeiras sementes do Evangelho em meio à população. Em julho de 1985, foi realizado o primeiro culto pentecostal na casa do irmão Aluísio, contando com a presença de 12 pessoas. Na cerimônia, o pastor Osvaldo José de Souza nomeou o presbítero Paulo à direção dos trabalhos. O dedicado arauto, além de exercer diurnamente a profissão de pedreiro, não se deixava vencer pelo cansaço. Três vezes por semana, a pé ou de carona, visitava Matupá para dar assistência aos crentes que aumentavam em número rapidamente. Um fato que marcou a história da igreja foi a libertação de uma mulher possessa por demônios durante um culto. O ocorrido chamou a atenção da descrente população, que ocasionou uma conversão em massa.

100

No ano de 1997, na administração do pastor Bernado Batista, o Campo se emancipou da cidade de Guarantã do Norte. Os pastores que contribuíram para o crescimento dessa obra foram: Paulo Isabel da Silva, Levi Dias da Costa, Agenor de Lima, Francisco Cichoski, Bernado Batista e Albertino Pinto da Silva.

“O dedicado arauto, além de exercer diurnamente a profissão de pedreiro, não se deixava vencer pelo cansaço. Três vezes por semana, a pé ou de carona, visitava Matupá para dar assistência aos crentes que aumentavam em número rapidamente.”


Mirassol D’Oeste

N

o dia 14 de maio de 1963, o pastor Benedito da Silva e o diácono Inocêncio de Oliveira realizaram o primeiro culto pentecostal na região de Mirassol D’Oeste. O casal Sebastião Felício Ferreira e Antônia Garcia, que há dois dias se mudou para a cidade, vindo do interior paulista, foi os primeiros a aceitar a salvação em Cristo. Convertido à nova fé, Sebastião se dedicou a evangelizar as redondezas. Para executar essa nobre tarefa, o irmão contou com a ajuda dos cooperadores: Nestor Ferreira, Floripes Marques dos Santos, Francisco Garcia, José Martins e Osvaldo Paiva. Esta valorosa equipe percorria muitos quilômetros a pé, a cavalo, de carroça ou de bicicleta, levando a Cristo onde quer que haja uma alma. O trabalho de evangelismo prosperou, e o número de novos convertidos aumentou. Para arrebanhar as novas ovelhas, o grupo de obreiros resolveu alugar um salão na Rua Antônio Martins da Costa, 427. Porém, com o passar dos anos, o salão não comportou mais a

quantidade de crentes. A solução foi construir o próprio templo de adoração. Os irmãos tiveram que enfrentar inúmeras dificuldades para angariar fundos para a construção da igreja. Por intermédio de campanhas, jejuns e orações, o Senhor foi derrubando todas as barreiras. As doações foram chegando, e o irmão Adolfo Pessoa chegou a doar 15 mil tijolos que contribuíram muito para o adiantamento da obra. E no dia 1 de agosto de 1993, o templo foi inaugurado sob a direção do pastor Benedito da Silva com a presença do pastor Sebastião Rodrigues de Souza. No ano de 2.000, o Campo foi emancipado da cidade de Cáceres sob os cuidados do irmão Antônio César dos Santos. Os pastores que serviram a Deus em Mirassol foram: Sebastião Felício Ferreira, José Rodrigues, Lúcio Marciano de Souza, Joaquim Germano de Lima, João Ferreira Barbosa, Albino Marques Couto, Antônio César dos Santos e José Wilton Pereira dos Santos.

101


Nobres

A

s primeiras faíscas do Evangelho a incendiar a cidade de nobres ocorreram na década de 60, causando um grande despertar espiritual. Este despertar incomodou algumas pessoas na católica comunidade, dando início a uma serie de perseguições, pedradas, xingamentos e ameaças. Contudo, os incansáveis arautos da salvação não se intimidavam e continuavam a pregar acerca de Jesus a todos na cidade.

então parei e fiquei certo, que era Jesus o meu Amado Salvador”. Assustada, olhou para os lados e não viu ninguém, apenas um pássaro que a contemplara. Temerosa, foi ao culto dos crentes pentecostais, celebrado pelo pastor Eduardo Joerke. Durante a pregação, o inimigo, fazendo uso de sua vaidade, lhe dizia aos ouvidos: “Se você aceitar esse Jesus, não poderá mais usar brincos e nunca mais cortar sua linda franja”. E então, sentia-o passando as mãos em seus cabelos. Em meio a esta batalha espiritual, Aurelina Videira ouvia a voz suave, mas poderosa do Espírito Santo lhe lembrando do hino que escutara. Nesta guerra, o Reino de Deus saiu vitorioso com mais uma gloriosa conversão. Logo após sua conversão, a irmã começou a sofrer perseguição do esposo, que também inci-

“Quando eu ia pelo deserto, ouvi de perto uma voz que me falou, então parei e fiquei certo, que era Jesus o meu Amado Salvador.”

Quanto mais o inferno se levantava, mais o poder de Deus se manifestava. Almas eram salvas e enfermos curados. Certo dia, uma mulher muito vaidosa vinha resistindo à chamada divina. Até quando, caminhando pela estrada no meio da mata, ouviu certo cântico “Quando eu ia pelo deserto, ouvi de perto uma voz que me falou, 102


tou os policiais locais a ameaçar os crentes. Toda vez que saía de um culto, o marido e os oficiais de tocaia ameaçavam os fiéis de morte. Porém, as mãos do Todo Poderoso os guardaram e nada aconteceu. Naquele tempo, os cultos da Assembléia de Deus aconteciam nas casas dos irmãos. Um dia, enquanto o pastor Bernardo dirigia o culto na casa da Dona Cecília, uns jovens que estavam escondidos no mato começaram falar palavrões para os crentes. O pastor parou a pregação e disselhes que saíssem do mato. Sem resposta, continuou dizendo que tinha a autoridade de Deus para fazer aquele culto. E que também, na terra estava amparado por lei própria que lhe dava o direito de liberdade de culto. Os rapazes desapareceram, mas o fato se espalhou. No dia seguinte, um vereador chamou o pastor e disse-lhe que sabia quem eram os jovens e iria mandá-los para cadeia. Mas o pastor, como um bom pacificador, disse-lhe não ser necessário. Mesmo assim, os pais dos garotos foram notificados da falta de respeito de seus filhos para com crentes.

Manoel Ferreira da Costa, também, foi um dos precursores da chama pentecostal na região. O irmão aceitara o Senhor Jesus ainda adolescente na cidade de Arenápolis. Desejoso por compartilhar as boas novas a parentes e amigos, viajou a Nobres a pé, caminhando por 12 horas. Na cidade, hospedou-se na casa de seu irmão Antonino e passou dois dias seguidos descansando da longa viagem. Logo após seu merecido descanso, começou a orar e cantar louvores a Deus. Os louvores chamaram a atenção da vizinhança. Em pouco tempo, o irmão passou a ter companhia das irmãs Paulina, Nilda, Benedita e seu irmão Antonio. O jovem Manoel foi ficando na cidade e pregando o Evangelho. Um ano depois, já tinha ganhado 16 almas para o Senhor. Certo dia, durante um culto de adoração, na casa do irmão Juvêncio, no ano de 1961, chega de São Paulo uma família com uma criança moribunda nos braços. Comovidos, os irmãos em conjunto oraram pela vida da criança que ficou instantaneamente curada. Todos, com lágri103


Nobres “Em meio a tantas intolerâncias, o Senhor operava grandemente no meio de seu povo, e milagres eram abundantes.” mas nos olhos, glorificavam e exaltavam o nome do Senhor Jesus. O primeiro batismo ocorreu no dia 2 de maio de 1963 com 11 pessoas descendo às águas, incluindo também o irmão Manoel. Com o número de crentes aumentando, o pastor Eduardo Joerke, no ano 1964, alugou um salão na Avenida Getúlio Vargas, deixando o irmão João Batista na administração dos trabalhos. Em pouco tempo, o salão também ficou pequeno pela quantidade de novos convertidos. Então, Januário Ribeiro – esposo da Irmã Terezinha – construiu um salão para os crentes na Avenida Marechal Rondon, 981. 104

Descrente, porém cheio de misericórdia, Januário se prontificou a cuidar da porta do templo. E ainda, defendia todos os xingamentos e pedras que eram lançadas, não deixando nenhuma delas atingir os fiéis. Em meio a tantas intolerâncias, o Senhor operava grandemente no meio de seu povo, e milagres eram abundantes. A irmã Constância Enedina da Silva sofrera de câncer no seio durante 14 anos. Naquela época, não havia hospitais, nem médicos ou remédios adequados. Certo dia, uma missionária, que estava de passagem na cidade, teve uma revelação pelo Espírito Santo, que havia ali uma irmã com câncer e precisava ser curada. Durante o culto da noite, a missionária aproximou-se da irmã cantando em línguas e orando por ela, o câncer imediatamente desapareceu. As artimanhas e investidas usadas pelo inimigo de Deus não ficaram apenas na incrédula população, os presbiterianos também se fizeram opositores dos crentes pentecostais. Com


o intuito de envergonhá-los e fazê-los recuar, incitava-os em praça pública a discutir temas bíblicos. Porém, nesse conflito, a igreja saiu fortalecida e vitoriosa. Seis irmãs presbiterianas, desejosas em receber o batismo com o Espírito Santo, mudaram para a Assembléia de Deus. O crescimento dos trabalhos na região contou com a ajuda de vários irmãos. Dentre eles, os irmãos João Batista, José Dantas, Matias Lourenço da Luz, Manoel, Sergio, Leôncio, Antonino, Roberto, Sinhoca, Lídio e o prestativo Januário Ribeiro, que sempre protegeu o templo contra os que queriam apedrejá-lo. Ele aceitou Jesus um ano antes de falecer. Além destes, a igreja também contou com os valorosos trabalhos das cooperadoras Dorica, Faustina, Terezinha, Ana, Lidia, Inês, Maria e Florentina da Costa. No dia 02 de dezembro de 1983, foi lançada a pedra fundamental do novo templo. A obra, construída por meio de mutirões e doações, levou três anos para ser concluída no dia

02 de novembro de 1986. A igreja foi emancipada da cidade de Cuiabá, no dia 29 de novembro de 1991, sob a direção do pastor José Sobrinho. Os dirigentes da igreja em Nobres foram: João Batista, José Dantas, Matias Lourenço (Matiinha), Leôncio, Evilázio Mateus, João de França, Bernardo Batista, Manoel Firmino do Espírito Santo, Antônio Sobrinho, Abel Azambuja, Sebastião Valério, Wanderley Rocha, Sírio Brasiliano Cecconello e Sebastião Rebeca. A Assembléia de Deus, também, construiu a Escola Daniel Berg, que possui uma estrutura para abrigar 500 alunos.

“O prestativo Januário Ribeiro, que sempre protegeu o templo contra os que queriam apedrejá-lo. Ele aceitou Jesus um ano antes de falecer.” 105


Nova Bandeirantes

O

s Pastores que dirigiram a I g r e j a e m N o va Bandeirantes foram: Luiz F a r i a s , Raimundo, Agenor, JosĂŠ Maria Justo, Daniel, Jose Santana, J u a r ez, Antonio GonzĂĄles Bela Rosa, Clinton, Paulo Freitas, Valdeir de Souza, Cleriston Souza Cavalcante..

106


Nova Brasilândia

E

m 20 de abril de 1973, os irmãos João Agripino de França e Acelino chegaram à região de Nova Brasilândia e hospedaram-se na casa da irmã Almerinda, nova convertida oriunda de Brasília – DF. Nesse mesmo dia, no período da manhã, logo após chegarem, já dirigiram o primeiro culto no qual o irmão Jerônimo e sua esposa Fiuca se reconciliaram. E nos vários cultos que esses irmãos realizavam, muitas pessoas se reconciliavam e aceitavam a Cristo como salvador. Quando o pastor de Cuiabá – Eduardo Pablo Juerk – soube da necessidade de atender ao trabalho, este dá posse ao cooperador Valdir e ao irmão João de França que o auxiliava na obra de Deus. A pioneira irmã Almerinda ofereceu um terreno bem centralizado para a igreja construir um templo, pois ela estaria voltando para sua terra Brasília. Na época, os pastores Antônio de Brito e Henrique do Carmo tiveram o irmão Jonas como um grande companheiro para trabalhar, evangelizando toda aquela região. Os pastores que dirigiram a igreja Nova Brasilândia fo-

ram: Tito Damião, Henrique do Carmo, Antonio de Brito, Pedro Neves, Sebastião Ribeiro, Agenor Manoel Domingos, Francisco Novaes, Francisco Cichoski, Henrique do Carmo.

“Nos vários cultos que esses irmãos realizavam, muitas pessoas se reconciliavam e aceitavam a Cristo como salvador. A pioneira irmã Almerinda ofereceu um terreno bem centralizado para a igreja construir um templo, pois ela estaria voltando para sua terra Brasília.” 107


Nova Canaã do Norte

N

o ano de 1977, assinalam os primeiros trabalhos da igreja Assembléia de Deus na cidade de Nova Canaã do Norte. Os pioneiros a levar a semente pentecostal foram o presbítero João Batista de Oliveira e esposa Maria José. O primeiro culto foi realizado em um pequeno barraco de tábua, medindo 5x7m, contando com a presença de Maria da Penha, José Virgulino e esposa Maria Virgulino, Benedito e esposa Lurdes, Ernestino Alves Santos e esposa Maria Carolina e Anailda dos Reis Carraro, primeira dirigente do círculo de oração. Os irmãos, fervorosos na fé, chegavam a andar até 50 km levando a mensagem da salvação. Os primeiros frutos colhidos foram João Magalhães e esposa Maria Conceição, Luiz Coelho, Nelson Gino, e um adolescente de 13 anos. Em uma dessas longas, mas bem aventuradas caminhadas, o presbítero João teve de enfrentar um grande temporal com raios e trovões que chegou até a derrubar árvores. Clamando ao senhor, a providência divina não tar-

108

dou, e nenhuma gota de água o alcançou. Os fiéis que cooperaram com a obra do Senhor nesta região foram: João Batista de Oliveira, Júlio de Queiroz, Manoel Borges, José Damasceno, Nivaldo de Souza, Nelson Fernandes Pessoa, Hamilton Kuss, Joel Penido, Hélio Bezerra, Bertoldo Firmino de Moraes, Antônio Jaime Nunes e Walmir Vieira da Silva.

Pr. Walmir Vieira, Pb. João Batista (Pioneiro ao centro) e Ev. Januário Proença


Templo Sede

Alguns irm達os da igreja local

Pr. Walmir Vieira e esposa 109


Nova Lacerda

H

avia alguns pistoleiros com fama de colocar todos os crentes para correr da cidade. Porém, os planos de Deus para Nova Lacerda eram outros. Uma família pentecostal, vinda de Vitória - Espírito Santo, no ano de 1986, resistiu bravamente às ameaças dos tais bandidos. Convictos da chamada divina naquele lugar, o irmão José Espiridião Mariano, sua esposa Genair e filhos não mediram esforços e largaram tudo, emprego, cidade e familiares para servir a Jesus na região.

éis não se calaram e em alto tom oravam, louvavam e pregavam a Palavra do Senhor Jesus. E nada, nem ninguém puderam parar a obra de Deus naquele lugar. Um pequeno templo de madeira foi construído, e o pastor Albino Marques do Couto – que também atendia à cidade Pontes e Lacerda – foi designado a cuidar do pequeno rebanho. O pastor também sofreu perseguições. Os pistoleiros, muitas vezes, ameaçando-o com armas nas mãos, seguiam-no até a rodoviária, com intuito de amedrontá-lo.

Por serem os primeiros crentes a permanecerem, a isolada família passou seis meses orando por providência divina. Certo dia, a irmã Genair foi levar os dízimos guardados à congregação mais próxima. O pastor, ciente das constantes ameaças, enviou o cooperador João Ferro para ajudá-la nesta peleja. O primeiro culto realizado foi no barraco da família Mariano, contando com cerca de 10 pessoas. E os pistoleiros, do lado de fora, rodeavam o local, tentando atemorizar os irmãos.

As perseguições continuaram; até que certo dia, as palavras do senhor Jesus “resisti ao diabo ele fugirá de voz” se cumpriram na vida dos crentes de Nova Lacerda. Do dia para noite, as ameaças param e os pistoleiros desaparecem. Em tempos de calmaria, a igreja crescia e contabilizava centenas de fiéis.

Apesar de viverem sempre na mira dos bandidos, os fi110

Os pastores da Assembléia de Deus de Nova Lacerda foram; Geraldo Faustino, Reinaldo Antonio de Oliveira, Nilso Claro, Reinaldo Ferreira Coelho, José Antonio de Oliveira, Mauri Correa, José Nunes Pereira.


Nova Mutum

N

o ano de 1983, um pequeno grupo de 10 pessoas se reuniu na casa da irmã Bela, na Rua dos Cedros, para adorar ao Senhor. Pelo que se tem notícia, este foi o primeiro culto da Assembléia de Deus na cidade de Nova Mutum. O pastor José Sobrinho dirigiu os trabalhos junto com os irmãos, Darci (filho da irmã Bela), Rita Soares, Alcides e outros. Os primeiros membros batizados foram: Eni, Noel, Ana Derci, Noel e Ângelo. Foi um fato que ficou registrado na história da igreja a morte e a ressurreição da filha do irmão Alcides. Em uma aula da Escola Dominical, a moça passou mal e caiu morta. Sem saber o que fazer, os irmãos levaram seu corpo para a casa de seu pai. A família, então reunida, despede-se dos irmãos, fecha a porta da casa e começa a buscar em oração um milagre de Deus, que sem demora devolve a vida de Cláudia. Este milagre causou muita comoção na pequena comunidade e foi razão de muitas conversões.

No ano de 1996, o Campo recebe sua emancipação sob a direção do pastor Armando Boigues. Os dirigentes que ajudaram esta obra florescer foram: Armando Boigues, Inocêncio Ramos, Paulo Félix, Nelson Fernandes Pessoa, Henrique do Carmo e Nivaldo de Souza.

“Em uma aula da Escola Dominical, a moça passou mal e caiu morta. Sem saber o que fazer, os irmãos levaram seu corpo para a casa de seu pai. A família, então reunida, despede-se, fecha a porta da casa e começa a buscar em oração um milagre de Deus.” 111


Nova Xavantina

Q

uase não se tem testemunho do início da igreja na cidade de Nova Xavantina. Pelo que se sabe, o primeiro pastor a dar início à obra de Deus nessa cidade foi Josué Alberi, no ano de 1997. Os primeiros cultos eram realizados nas casas dos irmãos. O pastor trabalhou incansavelmente visitando os moradores e anunciando a salvação em Jesus Cristo. A obra do Senhor contou com o precioso trabalho do evangelista João Santana. Este percorria longas distâncias em sua bicicleta para levar a Palavra de Deus. O primeiro templo construído, localizado na Rua Iporã, estava sob a administração do Pastor Joviano Veloso. Os pastores que passaram por esse Campo foram: Josué Almeri Monteiro, João Santana, Maurício Lino e Joviano Veloso.

112

“O primeiro pastor a dar início à obra de Deus nessa cidade foi Josué Alberi, no ano de 1997. Os primeiros cultos eram realizados nas casas dos irmãos. O pastor trabalhou incansavelmente visitando os moradores e anunciando a salvação em Jesus Cristo.”


Novo Horizonte do Norte

N

ão foi um pastor, um obreiro ou um irmão a levar a mensagem pentecostal à cidade de Novo Horizonte do Norte. Foi uma humilde dona de casa, mas fervorosa na fé, que pregava a Palavra de Deus mesmo a contragosto do marido. A irmã Nilza e sua família deixaram a cidade de Assis Chateaubriand (PR) no ano de 1974 e mudaram-se para o pequeno município de Novo Horizonte do Norte, lugar de muitas matas e poucas casas. Tão logo chegou à sua nova moradia, a irmã começou a plantar a semente do Evangelho. Porém, seu incrédulo esposo, Domécio de Goes, muitas vezes dificultava a realização desta nobre tarefa. Contudo, esta serva permaneceu fiel e sabiamente conseguiu contornar a situação, trazendo almas para o Senhor Jesus inclusive a de seu marido. O que outrora tentara impedir, Domécio passa a compartilhar com sua esposa o labor de ganhar vidas para o Reino de Deus. O fiel casal evangelizava a população ribeirinha, percorria de bicicleta distância de até 10

km levando a Palavra a distantes lugares. A semente foi germinando, e as pessoas se convertendo. Os primeiros membros batizados foram: as irmãs Neuza e Sebastiana. No ano de 1985, os irmãos Domécio de Góes, Antônio Alves de Souza, Otávio José da Silva e José Antônio Sobrinho se juntaram e fundaram oficialmente a primeira igreja Assembléia de Deus no município. Os pastores que contribuíram com o crescimento desta igreja foram: Alfredo, Francisquinho, José Sobrinho, Francisco Cichoski, Luiz Ramos, Luiz Dantas, Joviano Veloso, José Aparecido do Nascimento, Francisco Tenório, João Tenório e Hélio Bezerra.

“Não foi um pastor, um obreiro ou um irmão a levar a mensagem pentecostal à cidade de Novo Horizonte do Norte.” 113


Novo São Joaquim

A

s informações do início da igreja em Novo São Joaquim são muito escassas. No ano de 1999, o presbítero Noades Ferreira da Silva deu início aos trabalhos da Assembléia de Deus na cidade. Evangelizar a população não foi tarefa fácil, pois era um lugar de chuvas intensas, sem asfalto, de difícil caminhada. O irmão, com o apoio da irmã Deuzila Pires da Silva – primeira dirigente do Circulo de Oração –, superando os desafios, conquistava almas ao senhor. Os primeiros membros batizados com o Espírito Santo e nas águas foram os irmãos Ronaldo, Marilene e Mário Alves. A emancipação do Campo ocorreu no ano 2004 sob a direção do pastor Elias Alves Nilo. Os dirigentes deste campo foram: Noades Ferreira da Silva, Evaldo Nonato, Domiciliano, Elias Alves Nilo e Waldir Gregório de Almeida.

114

“No ano de 1999, o presbítero Noades Ferreira da Silva deu início aos trabalhos da Assembléia de Deus na cidade. Evangelizar a população não foi tarefa fácil, pois era um lugar de chuvas intensas, sem asfalto, de difícil caminhada.”


Paranatinga

P

aranatinga é uma das mais antigas cidades do estado de Mato Grosso a receber a mensagem pentecostal. No ano de 1964, os irmãos Carlindo Gomes de Oliveira, Silvino, Antônio Melo, Santana e Benjamim celebraram o primeiro culto às margens do Rio Paranatinga para uma plateia exclusivamente de garimpeiros. Os primeiros a se converterem a nova fé foram: Claudino Rodrigues, Francisco Dantas, Luiz e esposa, Raimunda, Manoel e outros. A pequena igreja de madeira sobrepujava na graça do Espírito Santo, e não havia um dia sequer que uma alma não fosse salva. Os cultos eram sempre encerrados com os crentes transbordando de alegria e de línguas estranhas. Porém, o inimigo de Deus, com seus ardis, tentou minguar este fervor pentecostal. De um ponto comercial em frente à igreja, sistematicamente nas horas do culto, começavam a lançar fogos de artifício no telhado do templo. Até que certo dia, a esposa do proprietário do tal comércio “caiu” endemoniada. Seu estado ficou deplorável,

a mulher latia e mordia as pessoas. Desesperado, o esposo procurou todos os recursos possíveis indo até Goiânia em busca de um padre. Este admitiu sua incapacidade, dizendo: “meu filho, eu não mexo com isso, isto é coisa para os crentes”. De volta à Paranatinga, envergonhado, sem alternativa, o jeito foi recorrer à igreja que outrora perseguia. O pastor, vendo de quem se tratava, lançou uma proposta: “só oro se o senhor aceitar a Jesus como Salvador e trouxer todos seus amigos que participaram dos foguetórios”. Encurralado, aceitou a proposta, e a mulher foi liberta. O ocorrido engrandeceu o nome do senhor Jesus na cidade, porque muitos se renderam a nova fé. No ano de 1991, a igreja fora emancipada da cidade de Cuiabá. Os pastores que contribuíram com essa obra foram: Carlindo Gomes de Oliveira, Augusto da Mata, Wanderlei Gonçalves, José Maria de Oliveira, José Carolino, José Pompilho, Osvaldo Almeida, Henrique do Carmo, Antônio Jaime Nunes, Nilson Pessoa, Nivaldo, Reinaldo e Arlindo Gonçalves Pereira. 115


Pedra Preta

O

pequeno município de Pedra Preta recebeu as primeiras mensagens pentecostais no final da década de 70. O pastor Valdevino Ferreira foi enviado pelo pastor José Francisco da Silva – dirigente da igreja de Rondonópolis – para iniciar os trabalhos de evangelização da população. Na época, as reuniões de culto eram feitas nas casas dos próprios convertidos. Com o número de neófitos aumentando, surgia a necessidade da construção de um templo. Os primeiros crentes foram: Alcebíades Bernardino, Valderez Bernardino, Luiza, Eurico Gentil e outros. O Campo foi emancipado no dia 19 de janeiro de 1995 aos cuidados do pastor Merquíades Lemes dos Santos. Os pastores que deixaram seus valorosos labores na pequena igreja foram: Valdevino Ferreira, Antônio Cardoso, Jovêncio Erasmo da Cunha, Zaqueo Francisco da Silva, José Antônio da Silva, Clinton Dias de Souza, Edelázio, Edilson Lopes Viana, Ildon Heinheimer, Melquíades Lemes dos Santos, Francisco Novais, Agenor, David Cirillo da Silva e Sebastião Raimundo da Silva.

116

“Na época, as reuniões de culto eram feitas nas casas dos próprios convertidos. Com o número de neófitos aumentando, surgia a necessidade da construção de um templo.”


Peixoto de Azevedo

S

em credenciais avalizadas, sem ser enviada por pastor algum, mas uma fiel pioneira leva a mensagem pentecostal em regiões onde a predominância masculina impera. O garimpo na cidade de Peixoto Azevedo atraía milhares de aventureiros em busca de riqueza. Porém, uma simples mulher, mas cheia da virtude do Espírito Santo, levou as primeiras sementes da Palavra de Deus à rude população, dando-lhes uma nova esperança de vida. No ano de 1981, a irmã Maria Clarinda, dirigiu o primeiro culto contando apenas com seis pessoas. Dedicada à obra divina, transformou sua residência em um ponto de pregação. Evangelizar a região exigia muita determinação e força de vontade. Estradas não havia, as florestas eram muito densas com perenes rios e córregos, os meios de transportes mais adequados eram os barcos e balsas. A alternativa encontrada era o esquisito “paco-paco”. Uma condução motorizada intermediária entre trator e jeep, cuja velocidade máxima girava em torno de 20 a 30 km por hora. O exótico automóvel foi um

meio muito utilizado na difusão do evangelho. Com o numero de neófitos aumentando, construíram um templo de tábua medindo 10x6m. Sem perder tempo, as irmãs Maria Josefa Ramos e Hidelfonsa deram início aos primeiros trabalhos do círculo de oração. Cheios da graça e do poder de Deus, não faltam testemunhos e atos de fé na história da igreja. Certa ocasião, uma irmã sofreu uma súbita vertigem ao passar junto a um poço fundo, deixando cair de seus braços seu filho de nove meses. O pastor Osvaldo, sem titubear , se jogou poço adentro, resgatando Samuel com vida. O Senhor Jesus guarda e protege, e nenhum dos seus se perde. No ano de 1986, o Campo se emancipou da igreja de Alta Floresta com a direção do pastor Osvaldo José de Souza. Desde a fundação, os pastores que contribuíram com o crescimento do ministério nesta cidade foram: Geraldo Lopes, Manoel Urbano, Osvaldo José de Souza, Bertoldo Firmino de Moraes, Claudomiro Alves, Valdir Acioli e Odonel Cesário de Oliveira. 117


Planalto da Serra

M

ais uma vez, o Senhor usa uma fervorosa serva para alastrar as primeiras chamas do movimento pentecostal. No início da década de 70, a irmã Júlia dos Santos Silva reunia vizinhos, parentes e amigos e celebrava os cultos em sua chácara a 13 km de Planalto da Serra. Nos cultos, Júlia contava com o apoio de seu irmão Argeu Evangelista dos Santos, José e sua esposa Betinha. Os primeiros novos convertidos foram Irineu Evangelista, sua esposa Ana e seu filho Rezende. No ano de 1975, a pequena igreja rural se muda para a cidade. Os cultos eram realizados debaixo de um mangueiral na casa da senhora Alvarina Alves de Freitas. Na época, Alvarina era espírita, mas permitia que as reuniões da igreja fossem celebradas em seu quintal. Com tão grande Luz adentrando em sua casa, não se passou muito tempo para que a espírita e família se rendessem aos pés do Senhor. Enfrentando inúmeras dificuldades financeiras e de saúde, o presbítero Antônio

118

Aderaldo, ainda assim, cooperava fielmente com a obra, ministrando cultos evangelísticos a pontos distantes da cidade. Seu abnegado trabalho não foi em vão, em pouco tempo, os novos convertidos foram se multiplicando. Em razão deste crescimento, foi erguido o primeiro templo medindo 8 x 15m, coberto de palha. A emancipação da Igreja ocorreu no dia 3 de junho de 2004 sob a direção do pastor Joab Macedo. Os fiéis servos de Deus a contribuírem neste trabalho foram: Manoel dos Reis, Irineu Evangelista, Benedito Paz, Ivo Paz, Benedito Hércules de Campos, João Mendes, Sírio Brasiliano Ceconello,Júlio Damião, Joab Macedo e Waldir Acioli de Melo.

“Em 1975, os cultos eram realizados debaixo de um mangueiral na casa da senhora Alvarina Alves de Freitas.”


Ponte Branca

A

graça do senhor Jesus revelada aos pobres e pequeninos é abundante na vida dos cinquenta crentes desta singela cidade. O município de Ponte Branca possui dois mil habitantes; contudo, mesmo sendo considerado um medíocre vilarejo por muitas pessoas, esse lugar era importante aos olhos de Deus. No ano de 1972, o irmão Júlio Pereira – conhecido Júlio Baiano – saía da cidade de Alto Paraguai, distante cerca de 300 km, para celebrarem cultos e evangelizar o acanhado povoado. Durante anos, o irmão sozinho evangelizou a cidadela. Até que, o Senhor da seara envia mais obreiros para contribuir na obra. Desde então, o pequeno rebanho vem sendo protegido e guardado poderosamente debaixo das potentes mãos de Deus. A igreja era campo de Alto Paraguai, até que no dia 20 de junho de 1997, quando foi emancipada pelo pastor Eurides Galdino de Paula que deixou seu filho Eurides Galdino de Paula Júnior na direção. Os obreiros que

contribuíram como dirigentes da igreja são: Júlio Pereira, Antônio Alcântara Barbosa, Antônio Pitote, Manoel Rodrigues, Francisco Assis Ferreira Neto, Antônio Querendo, Eurides Galdino de Paula, Alcides da Silva Reis, Simão Eduardo de Souza e Francisco Novais Coelho.

“Durante anos, o irmão sozinho evangelizou a cidadela. Até que, o Senhor da seara enviou mais obreiros para contribuir na obra. Desde então, o pequeno rebanho vem sendo protegido e guardado poderosamente debaixo das potentes mãos de Deus.” 119


Poconé

U

ma das primeiras pessoas a receber a mensagem de Cristo não foi um legítimo poconeano, mas um boliviano. No inicio da década de 60, Lúcio Marzana Coimbra veio para Poconé trabalhar na construção da rodovia. O pioneiro a semear a palavra foi o pastor Eduardo Joerke, que visitava periodicamente a cidade, evangelizando de casa em casa. Em uma dessa visitas, a mensagem da Salvação adentrou no coração de Lúcio. Desde então, sua casa virou um “ponto” de pregação e de parada para pastores e irmãos, que precisavam de um pouso. Para pastorear o pequeno grupo de dez pessoas, que se reunia na casa do boliviano, o pastor Eduardo nomeou o irmão José Nogueira dos Santos. O fogo dos céus descia, copiosamente, na vida do humilde rebanho. Certo dia, uma nova convertida foi “incendiada” com este fogo divino. Sem conseguir se controlar, Zuleima chegou a sua casa falando em línguas estranhas. Isto, assustou seu marido, que se queixou ao delegado local, que sua esposa estava louca por causa da religião. Na ocasião, o delegado mandou prender o irmão Nogueira que fugiu a pé para Cuiabá.

120

Este incidente não cessou o poder de Deus no meio dos crentes. O fiel boliviano sempre disposto a cooperar com a obra do Senhor, dirigia os trabalhos durante os períodos em que a igreja estava sem pastor. Passado certo tempo, o pastor Abelardo San Martin Caminã Filho assume a direção da igreja. Dando continuidade ao bom trabalho, Abelardo idealizou a construção do primeiro templo. Porém, concluir a obra não foi tarefa fácil, a escassez de recursos financeiros era grande. Todos então, arregaçando as mangas, se dispõem a cooperar. O pastor Eduardo comprou o terreno, Abelardo passou a fabricar tijolos, os irmãos em regime de mutirão ergueram o templo e os bancos foram feitos pelo irmão Antônio Brito, conhecido como Ararinha. No ano de 1994, o Campo se emancipa da cidade de Cuiabá com o pastor Adonias da Silva Neves a administrálo. Os dirigentes que passaram na seara de Poconé foram: José Nogueira, Abelardo San Martin, Lúcio Marzana, José Genésio, Júlio Bispo Cerqueira, José Pompilho, Sebastião Ferreira, Sinval Ferreira, Adonias, Renato Zacarkim, Claudomiro e Alinor Barreto Rondon.


Pr. Eduardo Pablo Joerk, preparando batismo

Pr. Sebastião Rodrigues de Souza e Pr. José genézio, batismo

Pr. José Genezio e Pr. Benedito da Silva

Pr. Eduardo Joerk, batismo no Pai André 121


Pontes e Lacerda

P

elo que se tem notícia, no ano de 1963, já se cultuava a Deus na cidade de Pontes e Lacerda. Os cultos pentecostais eram celebrados ora na casa do irmão Elízio Mendes, ora na casa de Pedro Leite. Nos cultos, participavam cerca de 20 pessoas, entre eles: Angelina Rita, Pedro e esposa, Laura Mendes, Paulo Mendes, Ângela Mendes, Edite, Nilce e esposo Luiz Medeiros, Moisés Mendes e outros. Homens cheios do Espírito Santo contribuíram para o florescimento do evangelho na região. Manoel Sandro L. da Silva, desde sua conversão na década de 60, já se dispôs a cooperar com a obra. No ano de 1973, ajudou a inaugurar o primeiro templo da Assembléia de Deus de Pontes e Lacerda que foi construído com tijolo adobe. Os pioneiros, com muita dedicação e fé, para ganhar almas para Jesus chegavam a percorrer até 60 km e lançar mão de inúmeros artifícios e meios de transportes disponíveis, como: o cavalo, a carroça, a bicicleta e barcos. Como

122

por exemplo, o irmão Igino, certa vez, foi evangelizar a zona rural e teve que esperar, durante horas, uma onça sair da estrada para poder passar. Outra vez, tivera que atravessar o rio com águas que chegavam ao pescoço, carregando a bicicleta no alto. Este comprometimento com a obra de Deus arrebanhou muitas ovelhas ao aprisco de Pontes e Lacerda. No ano de 1990, a igreja recebeu sua emancipação do Campo de Cáceres com o pastor Joaquim Germano que passou a administrá-la. Os ministros que serviram ao Senhor Jesus em Pontes e Lacerda foram: Manoel Inácio, Alfredo Hilário, Josino Clementino Campos, Joaquim Luiz, Alcino Marques Couto, Joaquim Germano, Manoel Santana da Silva, José Antônio Gonçalves e Moisés Dias de Oliveira.

“Homens cheios do Espírito Santo contribuíram para o florescimento do evangelho na região.”


Primeiro Templo Sede

Atual Templo Sede e igreja anterior

Interior do Templo Sede, Festa do Círculo de Oração

Pr. Moisés e esposa Laudicéia

Prédio anexo

Pr. Sebastião Rodrigues de Souza, em visita ao Templo Sede 123


Porto dos Gaúchos

N

o ano de 1975, na chácara do sudoso irmão Claro e sua esposa irmã Deraldina Rosa da Silva, na comunidade do Rio Engano, foi realizado o primeiro culto à Cristo, na cidade de Porto dos Gaúchos, sob direção do pastor João de França, aproximadamente 30 pessoas participaram deste culto, dentre elas, as famílias: Mercedes Barreto e esposo, Mercedes Castro e filhos, Ir. Juvenil, Natividade, João da Mota, Alcina Carmelita, Cleuza. Assim como quase todas as cidades, havia muitas dificuldades por meio do transporte, que era mais utilizado bicicletas. Os irmãos como o Pr. Antonio Sobrinho, andavam 40 ou mais km, no meio das matas, para levar a Santa Ceia até a igreja mãe, aqui deste município para os primeiros crentes desta região. Os primeiros irmãos à batizar nas águas foram: Miriam Rosa da Silva, Cláudio Pereira da Silva e Marta Rosa

124

da Silva, e no Espírito Santo: Dejanira Rosa da Silva A igreja foi fundada oficialmente no dia 29 de Julho de 1998, e emancipada de Juara no dia seguinte pelo pastor Antônio Brito. Hoje a Igreja conta com um belo trabalho de assistência social, através da IEADEPOR, e congregações nos bairros: Creche, Comunidade Novo Paraná, Jardim de Deus, Comunidade do Rio Engano, Nova Jerusalém na Comunidade São João, Cambará e pontos de culto na Fazenda Nova Esperança e Catuaí. Os dirigentes que ajudaram esta obra florescer foram: Pr. João de França - (Pastores que davam assistência no campo), Pr. Alfredo Nogueira, Pr. José Sobrinho, Pr. Analeto Brasil, Pr. Bertoldo, Pr. Pedro Neves, Pr. Antonio de Brito, Pr. Luiz Ramos, Pr. Luiz Dantas, Pr. João Tenorio, Pr. Josué da Silva, Pr. Valdemar de Matos, Pr. Francisco de Castro e o Pr. Joel Silva de Jesus.


Irmão Claro e esposa irmã Deraldina (ao fundo a parede do 1° templo no sitio deles)

Inauguração do templo na Chácara da igreja (na fita ir Claro e ir Luis Dantas) de terno claro Pr. Pedro Neves, de paletó escuro Pr. Luis Ramos

Lançamento da pedra fundamental do primeiro templo

Primeiros obreiros de Proto dos Gaúchos. (Ao centro Pastor Antônio Sobrinho)

Atual Templo sede de Porto dos Gaúchos

Pr. Joel e esposa irmã Rose 125


Porto Alegre do Norte

O

126

inicio do movimento pentecostal no Vale do Araguaia foi marcado com todas as pompas e honrarias. No dia 12 de abril de 2002, saíram de Cuiabá três caravanas com destino à cidade de Porto Alegre do Norte. Na comitiva, estavam presentes ilustres representantes das igrejas Assembléias de Deus em Mato Grosso. Dentre eles: os pastores Sebastião Rodrigues de Souza, Jeremias de Brito, Enésio Barreto Rondon, Leodato Medeiros, Cristiano Alves de Oliveira, José Antônio Gonçalves, Domiciano de Lana Barbosa, Luiz Carlos Milhomem, José Lopes, Odonel Cezário de Oliveira, Eraldo Soares; os evangelistas Davi Cirilo, Antônio Benedito, Moisés Ribeiro, Eugenio Kemit, Francisco Pereira e Carlos Cezar; e os cooperadores Ivo Borges, Calebe Ferreira Borges, Elias Silva, Ivan.

que também se fizeram presentes à reunião solene.

Sete dias depois, os líderes celebraram o primeiro culto da Assembléia de Deus na cidade em baixo de uma árvore. No culto, o evangelista Antônio Benedito recebe a posse da igreja. A movimentação religiosa chamou a atenção dos moradores e transeuntes das proximidades

O zelo de um pai amoroso é manifesto na vida de seus filhos, pois o Senhor supria todas as necessidades e dificuldades de seu povo. Certo período, o evangelista Antônio e sua família estavam passando por inúmeras dificuldades financeiras, que até o alimento em sua mesa come-

A partir deste dia, os trabalhos da igreja foram oficialmente abertos em Porto Alegre do Norte. Os cultos passaram a ser celebrados na varanda da casa da irmã Gina. Com o tempo, a varanda não comportou mais o número de crentes, que não parava de crescer. O pai de duas professoras – proprietário de um clube de dança – proíbia as moças de frequentarem a igreja, pois tinham que trabalhar no clube. Certo dia, o teto do estabelecimento desabou, e o local ficou interditado. A irmã Lionesa teve um sonho que o clube (lugar que outrora abundava o pecado) estava reservado por Deus para superabundar sua graça. O que de fato ocorreu, o imóvel foi vendido para Assembléia de Deus e tornou-se o primeiro templo na cidade.


çou a faltar. Então, em oração, o evangelista buscou o socorro no Senhor. A provisão divina não tardou a chegar, uma caminhonete carregada de alimentos para em frente a sua casa. O mantimento abasteceu sua dispensa por um bom tempo e até sobejou para a obra social. Outro exemplo da misericórdia divina, em aliviar o sofrimento de seu povo, ocorreu com a senhora Enedina. A irmã tinha em seu abdômen três enormes caroços, que haviam sido diagnosticados como um câncer em estado avançado. Em um culto, Enedina recebeu oração da cura e milagrosamente os caroços desapareceram. A senhora ficou tão grata pela benção recebida que a todos testificava que Jesus a curara. A dedicação em prosperar a obra de Deus, é uma inefável característica dos irmãos dessa cidade. Certo dia, o irmão Elvecino Mota Barros ouviu dizer que um pastor de fora estava evangelizando a Gleba Fartura, apressadamente pegou sua bicicleta e correu ao encontro do obreiro. O irmão, de antemão, certificou se tratar de um pastor pentecostal, feliz se prontificou em ajudá-lo. O trabalho dos irmãos sem demora floresceu e

no dia 4 de agosto de 2002, foi celebrado o primeiro culto na Gleba sob os cuidados de Elvis. Contudo, no ano de 2004, no município não tinha um templo apropriado. A igreja decidida a iniciar a construção, no dia 12 de Julho, compra um terreno no centro da cidade. Porém, alguns obstáculos impedem o início da obra. Um deles foi a falta de um mestre de obra. Os irmãos reunidos dão início a uma campanha de oração para o Senhor enviar um profissional adequado. A providência divina chegou em uma tarde de domingo de fevereiro de 2005. Um homem apareceu na casa do pastor, pedindo serviço por um prato de comida. Salustrino, outrora havia sido diácono da Assembléia de Deus, construiu vários templos no estado de Goiás, mas, vivendo errante de cidade em cidade, estava afastado da família e desviado dos caminhos de Deus. O ex-andante reconciliou-se com o Senhor, instalou-se na cidade e deu início à obra do templo. Os abnegados servos a cooperar na obra do Senhor foram: Antônio Benedito, Valdir de Vargas, José Adelino e Etevildo Novais Coelho. 127


Primavera do Leste

D

e início humilde, mas hoje própera, a Igreja Assembléia de Deus em Primavera do Leste contabiliza cerca de mil membros e congregados. O primeiro culto, dirigido pelo irmão José Deodato, no ano de 1978, contou com a presença de apenas dois irmãos: Dirceu Oliveira dos Santos e Neli dos Santos. Essa façanha revela um dos grandes mistérios do Criador, assim como um pequeno grão de mostarda que é semeado na terra, mas crescendo se torna uma frondosa árvore, assim também é a formação da igreja de Deus na terra, cresce no oculto e no silêncio. No ano de 1994, a igreja torna-se independente do campo de Poxoreo, tendo o pastor Mauro dos Santos a administrá-la. Os obreiros que atuaram nesta obra foram: José Deodato, Clementino, Fioravante da Costa, José Rodrigues, Antônio Jaime Nunes, Arlindo Gonçalves, Ronivan Guimarães, Odilon Heffel, Valter dos Santos.

128

“Primavera do Leste contabiliza cerca de mil membros e congregados. O primeiro culto, dirigido pelo irmão José Deodato, no ano de 1978, contou com a presença de apenas dois irmãos.”


Poxoréo

N

os idos de 1952, a Igreja Assembléia de Deus da cidade de São Paulo – SP envia à remota cidade de Poxoréo o pastor José Leonel. Disposto a instaurar o movimento pentecostal a terras distantes, Leonel se instala nas casas dos poucos crentes que ali havia. O trabalho de evangelismo contou com a ajuda dos irmãos José Veloso Gomes e esposa Umbelina, Augusto da Mata, Veríssimo Raimundo, Manoel Raimundo dos Santos. Irmã Umbelina foi uma valorosa coluna na formação da igreja no estado. Na época, o casal acabara de se mudar do Nordeste para Poxoréo. Umbelina, duvidosa de que este era o lugar escolhido por Deus para sua família, fez prova com o Senhor. Em um culto de adoração, se ao menos duas almas aceitassem a Jesus Cristo como seu Salvador, entenderia que Deus a queria naquele lugar. No entanto, ao final do culto, 60 pessoas aceitaram a Cristo. Obediente à vontade divina, o casal trabalhou incansa-

velmente para o crescimento da obra de Deus na região. Veloso prontamente cooperava com o pastor paulistano na direção da igreja. Porém, o trabalho de “formiguinha” que mais se propagou na cidade como um incontrolável incêndio, o qual se alastrou para todo o estado, foi o da virtuosa irmã Umbelina. A irmã fundou na cidade o primeiro círculo de oração do estado. Este trabalho prosperou para todas as cidades mato-grossenses. O grupo de abnegadas mulheres com suas inseparáveis “toalhinhas” (devido ao calor de Mato Grosso, as irmãs têm o costume de levar para a igreja uma toalhinha de mão bordada com fitas, enfeitada com renda e nome marcado), é hoje um importante sustentáculo da igreja. A igreja de Poxoréo ainda era ligada ao Ministério de São Paulo. Somente no ano de 1975, o campo foi emancipado sob os cuidados do pastor Elias Rangel Soares. Os fiéis servos de Deus que cooperaram para o bom andamento desta obra foram: José Leonel, José Veloso Gomes, Elias Rangel Soares, Mauro dos Santos, Henrique do Carmo e Abel Azambuja. 129


Querência

Q

uem vê uma pacífica igreja repleta de membros, não imagina os difíceis caminhos percorridos por seus desbravadores. A trajetória da Assembléia de Deus em Querência começou quando o pastor de Canarana, Daladier Ferreira dos Santos, enviou o presbítero Aelço Rodrigues de Souza à cidade. O irmão Aelço enfrentou inúmeras dificuldades para dar início a sua tarefa. Percorreu 120 km de carroça em esburacadas trilhas abertas entre matagais. O tortuoso caminho atravessava o cerrado mato-grossense, a floresta amazônica, além de rios e córregos sem pontes. Contudo, os obstáculos foram vencidos, e, no ano de 1998, Aelço celebra o primeiro culto em Querência com a presença de cinco pessoas: Gracieli, Agenir Gilda, Clodoaldo, Clomar e Gersiva. Os primeiros membros batizados com o Espírito Santo e nas águas foram Antônio e Altair Gomes. Pouco tempo depois, começaram a construção do primeiro templo. Aelço conseguiu, junto ao prefeito, a doação de um terreno na

130

periferia. Os crentes sem demora construíram uma pequena igreja de madeira de 6x5m. A igreja, até então ligada ao campo de Canarana, recebeu sua autonomia no dia 17 de dezembro de 2006 com o pastor Vanderlei José Pereira na direção. Os irmãos que ajudaram no crescimento desta obra foram: Aelcio Rodrigues, Antônio Anderson Macedo, Belmiro Gregório e Wanderlei José Ferreira.

“Quem vê uma pacífica igreja repleta de membros, não imagina os difíceis caminhos percorridos por seus desbravadores.” ... “120 km de carroça em esburacadas trilhas abertas entre matagais.”


Ribeirão Cascalheira

E

m cima de uma moto Titan percorrendo uma área de até 12.000 km², o pastor Josué Alves Bezerra deu início à obra pentecostal no município de Ribeirão Cascalheira. O primeiro culto, realizado em um salão na Rua Padre João Bosco, contou com a presença dos irmãos Luiz Dourado Farias (irmão Pernambuco) e o presbítero Sandro de Alcântara e família. A partir desses poucos irmãos, a semente do Evangelho se propagou como um fogo abrasador. Em apenas três meses de trabalhos, a igreja já possuía 80 membros. Os primeiros crentes a descerem às águas batismais foram seis pessoas da família Dantas. Desde o princípio, já no século XXI, a igreja se mostrou bastante avivada e fervorosa. Além dos cultos cheios do poder de Deus, a igreja também realizava uma grande cruzada evangelística na avenida principal da cidade, onde milagres eram operados, e vidas eram salvas. Certo dia, na cruzada, durante o louvor, Deus operou

milagrosamente, uma criança paralitica foi curada, e a partir daquele culto passou a andar normalmente. O milagre teve grande repercussão na cidade, fazendo com que ocorressem inúmeras conversões, famílias inteiras se rendiam a Cristo. Neste ritmo de crescimento, a igreja se mobilizou na construção de um templo, que foi concluído no ano de 2006 com o pastor Alcides dos Reis na direção. O antigo salão continuou ativo como o templo sede. Esta igreja recebeu sua emancipação, no ano de 2005, sob a administração do pastor Jonas. Os pastores Josué Alves Bezerra, Jonas, Alcides dos Reis, Sebastião Ribeiro e Genírcio Rodrigues de Souza cooperaram para o bom desenvolvimento desta obra. Graças aos abnegados trabalhos destes servos de Deus, a igreja hoje se estendeu para as localidades de Bom Jesus do Araguaia, Serra Nova Dourada, Campina do Araguaia e um ponto de culto em Piabanha. 131


Rio Branco

D

o início do movimento pentecostal, na pequena cidade Rio Branco, só restaram alguns fragmentos nas memórias dos fiéis. No ano de 1965, o primeiro culto da Assembléia de Deus foi celebrado em um sítio da redondeza pelos irmãos Sebastião e Valdeci. O culto contou com a presença da irmã Mariquinha e seus três filhos, Sebastião e esposa Geni, José Peixoto da Silva e esposa Zulmira e os filhos Rosalvo, Elias, Elza, Isaías, Elza Nalva. O primeiro templo construído foi um pequeno barraco de madeira, na Rua 7 de Setembro, 71- Centro. Os primeiros membros foram os irmãos Guerino Rodrigues Tomé, Ilda Manoela, Luíza, Marta, José Martins, Diva, Aparecida e outros. No ano de 1966, o pastor sul-mato-grossense, Isaque Duarte de Oliveira Lima, foi enviado pelo pastor Benedito da Silva, da cidade de Cáceres, para pastorear os 20 membros da singela igreja. No mês de junho de 2000, a igreja recebeu sua autonomia com o pastor Valentim Balbino

132

de Souza para dirigi-la. Os ministros, que serviram ao Senhor e cooperaram para o crescimento de seus atuais 450 membros, foram: Adevaldo Alves Barbosa, Darci Alves Borges, Antônio Sobrinho, Osvaldo Narciso de Brito, Arão de Oliveira, Cirilo Alves Barbosa e Adelino Caetano. Os irmãos, também contribuíram para a expansão do campo para os bairros de Vila Maria e Centro. E na zona rural: Assentamento Cecília Antunes, Médio Alegre, Morada do Vale e a congregação no Distrito Boa Esperança.

“No ano de 1965, o primeiro culto da Assembléia de Deus foi celebrado em um sítio da redondeza pelos irmãos Sebastião e Valdeci.”


Rondolândia

T

rabalho iniciado, recentemente, na época do Pastor Silas Paulo de Souza, região de Tangará da Serra, que enviou o Pastor Regis Barbosa Cerqueira, como presidente do campo de Rondolândia, o qual já está fazendo história e conquistando as almas aos pés do Senhor Jesus. A abertura oficial dos trabalhos pela administração da comademat iniciou em 28-11-2009.

133


Rondonópolis Templo atual

1º Templo

E

m meados dos anos de 1954, Rondonópolis recebia as primeiras sementes do Evangelho pentecostal pelas mãos do pastor Eduardo Pablo Joerke. Contudo, somente com a chegada do pastor José Francisco, sua esposa irmã Maria do Carmo e seus nove filhos, vindos da cidade de São Paulo-SP, deu-se início oficialmente aos trabalhos da Assembléia de Deus na cidade. No dia 07 de novembro de 1955, em uma manhã de domingo, o pastor realiza o primeiro culto. O primeiro batismo aconteceu no dia 11 de março de 1956 com 21 novos convertidos descendo às águas.

134

No ano de 1959, o primeiro templo, localizado na Avenida Cuiabá 1.223, foi inaugurado. A festividade contou com a honrosa presença da Caravana da Paz, uma comitiva liderada pelo saudoso pastor Cícero Canuto de Lima das Assembléias de Deus de São Paulo-SP. Nesta época, Rondonópolis recebe um grande fluxo de migração, que transforma a outrora pacata cidade em um importante polo econômico do Centro-Oeste. Com este desenvolvimento, o trabalho evangelístico também cresceu na região. Onde quer os imigrantes fossem se instalando, o pastor José Francisco fundava um ponto de pregação.


O pioneiro, José Francisco, pastoreou a próspera igreja até o ano de 1970. Tendo em seguida, como seu sucessor o pastor Lourival Vilela, no período de 1970 a 1973. O pastor Ângelo Secon assumiu os trabalhos entre os anos de 1973 a 1975. Em seguida, o pastor José Luiz de França assumiu a liderança da igreja. O pastor, no dia 15 de março de 1977, permutou com o pastor Alvino Pereira Rocha da igreja da cidade de Rio Verde-GO. Alvino permaneceu em Rondonópolis até o dia 28 de julho de 1981, quando desfez a permuta com o pastor José Luiz de França. Este reassumiu a presidência da igreja, onde permaneceu até ser transferindo para São Paulo no dia 27 de maio de 1982. O pastor Wanderley G. Rocha, oriundo da cidade de Paranaíba-MS, permaneceu na direção do campo até o dia 05 de

fevereiro de 1987, permutando com o pastor Manoel Esperança da cidade de Piracicaba (SP). O pastor Manoel permaneceu apenas cinco meses na direção da igreja em razão de um sério problema de saúde. O pastor foi jubilado e retornou para São Paulo. O pastor Walter dos Santos assume os trabalhos até o ano de 1995.

“Onde quer os imigrantes fossem se instalando, o pastor José Francisco fundava um ponto de pregação.”

Esta grande mobilização pastoral não prejudicou o andamento da obra. Pelo contrário, cada servo contribuiu com seus preciosos labores para o florescimento da igreja, que crescia vertiginosamente. Decorrente desta grande expansão, o pastor Walter dá início à construção de um novo templo com capacidade para comportar 2.800 pessoas sentadas na Avenida Amazonas, 1.812 - Centro. No dia 19 de janeiro de 1995, o pastor José Genésio da Silva, vindo da vizinha cidade 135


Rondonópolis “Hoje, passado mais de 50 anos do cintilar da primeira centelha missionária, a igreja sob a direção do pastor Genésio compartilha o ardor de fazer missões.” de Jaciara, assume a direção da igreja e dá continuidade a obra do templo, que só foi concluída no dia 25 de julho de 1999. Os longos anos de trabalhos dos abnegados ministros pentecostais foram fielmente recompensados por Deus por intermédio de um grande derramar de bênçãos. Além de as almas se renderem a Cristo, batismos com o Espírito Santo e operações de maravilhas, a igreja também cresceu como entidade. No ano de 2003, foi inaugurada a Rádio Shalom, levando mensagens bíblicas a mais de 20 mil ouvintes 136

diários. Em 2006, a igreja construiu 50 casas em parceria com o governo do estado, formando o primeiro núcleo habitacional evangélico, doadas aos crentes mais humildes. A igreja, também, atua na área de assistencial, distribuindo cestas básicas aos membros mais carentes. Hoje, passado mais de 50 anos do cintilar da primeira centelha missionária, a igreja sob a direção do pastor Genésio compartilha o ardor de fazer missões. A Secretaria de Missões (SEMADER) mantém 16 famílias missionárias espalhadas nos estados da Bahia, Minas Gerais e no Baixo Araguaia em muitos outros campos missionários abertos que já seguem independentes. Os pastores titulares de Rondonópolis desde o princípio foram; José Francisco, Lourival Vilela, Ângelo Secon, José Luiz de França, Alvino Pereira Rocha, Vanderlei Rocha, Manoel Esperança, Valter dos Santos, José genézio da Silva.


Pr. José Francisco

Pr. José Genésio

Foto interna do Templo Sede

Rádio Shalom FM 107.5 Mhz

50 casas e local do futuro Centro Evangelístico

Conjunto Habitacional Ebenezer 137


Rosário Oeste

A

Assembléia de Deus em Rosário Oeste começou no ano de 1962, por meio do irmão Abidiel de Souza Castro. O irmão deslocouse da região de Forquilha do Rio Manso para trabalhar na localidade chamada de Chiqueirão. Neste lugar, Abidiel, em companhia de alguns irmãos, deu inicio aos trabalhos pentecostais. As primeiras pessoas que aceitaram Jesus foram Plácido Neponoceno de Almeida e sua esposa Marina. O pr. Eduardo Joerke, também, foi outro pioneiro a semear a palavra da salvação na cidade. Dirigindo o seu jipe, o pastor evangelizava, principalmente, as áreas rurais. Deus sempre operava, maravilhosamente, com inúmeras curas e salvação de almas. A igreja, no dia 10 de abril de 1992, se tornou independente do campo de Cuiabá com o pastor Valdevino Ferreira Dias a dirigi-la. Os pastores que contribuíram com essa obra foram: Júlio Bispo Cerqueira, Paulo Teodoro, José Genésio da Silva, Henrique do Carmo, Antonio Rufino, Geraldo Lopes, Odilon Eiffel, Valdevino Ferreira Dias e Alfredo Nilo da Silva.

138

“Dirigindo o seu jipe, o pastor evangelizava, principalmente, as áreas rurais. Deus sempre operava, maravilhosamente, com inúmeras curas e salvação de almas.”


Salto do Céu

S

ão escassas as informações da história da igreja na cidade Salto do Céu. O que se sabe, é que os trabalhos na região são mais um fruto dos labores do pastor Benedito da Silva. A igreja, fundada no ano de 1962, ficou sob os cuidados do irmão Luís Lopes. Seus sucessores nesta obra foram: Sebastião Ferreira da Silva, Albino Marques do Couto, Darci Alves Borges, Eduardo da Silva Neto, Joaquim Luís Ferreira, Elias Francisco de Matos,José Wilton Pereira dos Santos e Samuel Alves da Silva. A emancipação da igreja, do município de Cáceres, ocorreu no ano de 2000. Na ocasião o pastor Valentim Balbino de Souza empossou o pastor Albino Marques do Couto dirigente do novo campo. As congregações pertencentes a Salto do Céu são: Vila Progresso, Quinta Sessão, Rio Vermelho, Lua Nova, Alto Alegre, Tucandira e Comunidade São José. E contabilizam cerca de 300 membros e congregados.

A “ emancipação da igreja, do município de Cáceres, ocorreu no ano de 2000. Na ocasião o pastor Valentim Balbino de Souza empossou o pastor Albino Marques do Couto dirigente do novo campo.” 139


Santa Terezinha

A

igreja Assembléia de Deus realizou o primeiro culto na longínqua cidade de Santa Terezinha, a 1.329 km de Cuiabá, no mês de julho de 1999. O culto, celebrado pelo pastor Braulino Silva, contou com a presença de 35 pessoas. Os primeiros crentes batizados com Espírito Santo e nas águas foram os irmãos Essivan, Romildo, Anadabe e Eraldo. No período de fundação da igreja, os pioneiros encontraram muitas dificuldades para evangelizar a região do Baixo Araguaia. O lugar, além de ser área indígena, era muito ermo e faltavam estradas adequadas. Os desbravadores pentecostais tiveram de percorrer longas distancia a pé, de bicicleta, a cavalo ou qualquer forma possível de veículo, além de enfrentar os nativos e hostes infernais. O pastor Edson de Brito, quando foi enviado para a Santa Terezinha, teve de vencer inúmeras ameaças de morte pelos indígenas e o risco de acidentes nas perigosas estradas, mas Deus o guardou debaixo de suas mãos poderosas. Entretanto, o inimigo de nossas

140

almas continuava suas investidas e incitava ciúmes de outras denominações para destruir e perseguir os trabalhos da igreja. A igreja teve a sua emancipação no ano de 2003, anteriormente pertencia à Vila Rica. Nesse período o pastor Adão Celestino era o presidente do Campo e pastor Levi Pereira da igreja emancipada. Também passaram por este Campo os seguintes dirigentes: Braulino da Silva, Silva La Roque, Adão Celestino, Edson de Brito e Levi Pereira.

“No período de fundação da igreja, os pioneiros encontraram muitas dificuldades para evangelizar a região do Baixo Araguaia. O lugar, além de ser área indígena, era muito ermo e faltavam estradas adequadas.”


Templo Sede de Sta. Terezinha em reforma.

Irm達os trabalho na reforma do Templo Sede

Nave do Templo Sede de Sta. Terezinha

Pr. Edson na moto de evangelismo

Pr. Edson e esposa Mariunice 141


São Félix do Araguaia

E

mbora a cidade de São Félix do Araguaia tenha sido criada na década de 40. Em maio de 2001, o Evangelho Pentecostal foi proclamado no município. O irmão Paulo Domingos Viana, vindo de Juara, foi o dirigente do primeiro culto da Assembléia de Deus realizado na cidade. O culto foi celebrado em sua casa com a presença de sua família, a esposa Mirian, as filhas Ana Paula e Jéssica e os irmãos Levi Souza Lima, Cláudio e família. Os primeiros membros batizados com o Espírito Santo e nas águas foram os irmãos Jair e Catiane. A emancipação do campo, da igreja de Juara, ocorreu no mês de maio de 2005. Atualmente, a igreja possui 800 membros e congregados. A Sede localiza-se na Rua Manoel Ferreira Rocha, 449 - Bairro Jardim Floresta e as congregações na Avenida Principal, Assentamento Dom Pedro, Assentamento Chapadinha na Rodovia 242 e no município Novo Santo Antônio. Os dirigentes do campo foram: Paulo Viana, Josué da Silva e Luiz Antônio da Silva.

142

“Em maio de 2001, o Evangelho Pentecostal foi proclamado no município. O irmão Paulo Domingos Viana, vindo de Juara, foi o dirigente do primeiro culto da Assembléia de Deus realizado na cidade.”


São José do Rio Claro

N

ão foi tarefa fácil iniciar a obra pentecostal em São José do Rio Claro. No ano de 1967, os irmãos José Berto Sobrinho e esposa Zaira Alves Berto viveram uma verdadeira saga evangelística para chegar à cidade. Na época, sem ruas nem estradas na tal cidade, não havia mais do que poucos casebres feitos de lascas de madeira no meio nada. O casal junto com mais nove famílias de aventureiros, que iam em busca de riquezas e prosperidade no “Novo Eldorado”, desembarcaram de um caminhão no último ponto da estrada BR- 364. O resto do percurso era uma caminhada de 130 km em pleno cerrado mato-grossense. O grupo teve de esperar, durante três dias inteiros, para atravessar as margens do Rio Claro de canoa. Fronteiras atravessadas e desafios vencidos, o casal de pioneiros instaura os trabalhos da igreja Assembléia de Deus em sua casa. O primeiro culto realizado na Avenida Brasil contou com a participação de 30 pessoas, dentre elas: os irmãos José Berto Sobrinho e esposa, Antônio Pereira, Antônio França, Vicente França, Antônio

Berto, Domingos Brian, irmã Geni Gumercindo de Oliveira entre outros. E os primeiros membros batizados nas águas e com o Espírito Santo foram: Santos Moraes da Silva, a família Fialho, Ana, Helena, e Isabel. O casal evangelizava toda região rural a pé ou de bicicleta percorrendo até 50 km de distância. Os trabalhos foram muito expressivos e muitas famílias de aventureiros em vez de riquezas terrenas, abraçaram as espirituais. Com o número de novos convertidos aumentando a cada dia, a casa da família ficou pequena. Então, o primeiro templo, medindo 4x5m, foi construído com lascas de madeira. A singela igreja, desde seu início, se mostrou avivada. Entre os milagres que aconteciam, a cura de uma jovem que sofria de ataques epiléticos ficou registrada na história da igreja. Os dedicados ministros a cooperar com a obra de Deus na região foram: José Berto, Paulo Kanashira, Raimundo Ximenes Mesquita, Júlio Bispo, Bertoldo Firmino de Moraes, Sebastião Ribeiro da Costa, Rubens Marques, Sebastião Rebeca e Sírio Brasiliano Cecconelo. 143


São José do Xingu

O

s pastores que dirigiram a Igreja de São José do Xingu: Miguel, Elizeu, Pr. Silvio M. de Assunção e o atual pastor do local é o Ev. Rivanildo Gonçalves Coelho.

144


São José dos Quatro Marcos

N

ão foi possível coletar testemunhos de como se deu a implantação da igreja na cidade de São José dos Quatro Marcos. O ano de 1968 assinalou o início dos trabalhos da igreja Assembléia de Deus na cidade por intermédio do diácono Francisco Ponce da Silva. A emancipação da igreja foi realizada em 8 de abril de 1994 sob a direção do pastor Walter dos Santos. Os irmãos que passaram por este município como dirigentes dos trabalhos foram: Francisco Ponces da Silva, Napoleão Marques Ferreira, Julião Soares de França, Cirilo Alves Barbosa, Joaquim Luiz Ferreira, Albino Marques do Couto, Elias Francisco de Matos, Aluizio de Oliveira, José Wilton Pereira dos Santos, Walter dos Santos e José Pinheiro.

“O ano de 1968 assinalou o início dos trabalhos da igreja Assembléia de Deus na cidade por intermédio do diácono Francisco Ponce da Silva.” 145


Sapezal

A

s primeiras sementes do evangelho foram lançadas na região rural da cidade de Sapezal. No dia 3 de dezembro de 1991, Manoel Firmino do Espírito Santo – pastor de uma igreja em Tangará da Serra – dirigiu o primeiro culto da Assembléia de Deus na fazenda Tucunaré. Neste dia, irmã Ester, outrora desviada, se reconcilia com o Senhor Jesus. No dia seguinte, o visitante pentecostal realizou mais um culto e mais duas pessoas aceitaram a nova fé. Nesse mesmo dia, o pastor requereu junto à prefeitura um terreno para a construção de um templo. Um ano depois, o pequeno grupo de crentes tomou posse do terreno doado e construíram um templo de madeira de 6x9m. O primeiro dirigente da igreja foi o cooperador Saulo Vieira de Siqueira. No dia 3 de novembro de 1993, teve início o trabalho do círculo de oração com as irmãs Maria José Rebeca Porto e irmã Idalina Maria dos Santos que muito contribuíram para o trabalho do Senhor. Com o tempo, a cidade cresceu, e a humilde arquitetu-

146

ra da igrejinha começou a incomodar os poderosos da cidade. Os crentes, então, foram convidados a se retirar da parte central e mudar-se para a periferia da cidade. Em resposta ao “convite”, a igreja, dirigida na época pelo pastor Lázaro Benedito Alves, devolveu o terreno doado e comprou um lote ao lado. Lugar onde foi construído um novo templo. No ano de 1994, o pioneiro Manoel Firmino assume os trabalhos em Sapezal por apenas dois anos. E no dia 18 de setembro de 1996, o evangelista Daniel Rebeca dá continuidade ao bom trabalho. Em sua administração, Daniel deu início à obra do novo templo com capacidade para comportar 1000 pessoas sentadas. Além disso, no dia 3 de dezembro de 2003, o campo foi emancipado da igreja de Tangará da Serra. O evento contou com a presença do pastor Sebastião Rodrigues de Souza, Jeremias de Brito, Lázaro Benedito Alves, Silas Paulo de Souza. Os ministros de Deus que cooperaram com esta obra foram: Julio, Manoel Firmino do Santo, Daniel Rebeca e Joab Almeida.


Novo Templo Sede ainda em fase de construção.

Primeiro Templo

Mutirão para construção do Novo Templo

Interior do Templo Novo

Círculo de Oração no Templo Novo 147


Santa Cruz do Xingu

E

ntre os pioneiros do evangelho na região está o irmão Hélio Parente, o qual teve participação desde que iniciou este trabalho, contribuindo para que o evangelho fosse levado para o Vale do Xingu. Onde possui uma propriedade rural e mais que depressa propaga as boas novas de salvação às preciosas vidas daquela grande localidade. Nisto, saindo da cidade em que mora metade de seu tempo e cooperando na sede com o presidente pr. Sebastião Rodrigues, enfrenta as dificuldades de acesso e da grande distância como é próprio dos sertões brasileiros. O pastor que praticamente iniciou este trabalho em Santa Cruz do Xingu como Igreja autônoma ligada à Convenção do estado é o Pastor Eliomar Fabiano da Silva e sua família. Vale ressaltar que em uma próxima edição, com certeza, teremos muitas matérias históricas publicadas. Diante disso, a igreja cresce com muitos testemunhos de bênçãos e vitórias e, acima de tudo, a certeza de salvação da alma e de vida eterna com Deus.

148

“O pastor que praticamente iniciou este trabalho em Santa Cruz do Xingu como Igreja autônoma ligada à Convenção do estado é o Pastor Eliomar Fabiano da Silva e sua família.”


149


Sorriso

O

primeiro culto pentecostal, realizado na cidade de Sorriso, aconteceu dentro de uma madeireira no ano de 1982. A cerimônia, dirigida pelo presbítero Nelson Klimk, contou com a presença de oito pessoas, dentre elas: Lola, Renato e esposa Iraci, Renatinho e esposa. Nelson chegou a Sorriso em 1980 e distribuía, de casa em casa, exemplares do Novo Testamento. Devido a uma grande intolerância aos crentes, fermentados pelos párocos locais, o colportor, muitas vezes, foi perseguido e escarnecido. Porém, jamais se acovardou ou recuou, revestido de coragem continuou a obra do Senhor. O pioneiro, também, contou com a valorosa ajuda do pastor Bernardo Batista na evangelização da região. Os ministros percorriam até 200 km a pé, de bicicleta ou de carona, pregando o evangelho aonde quer que fosse necessário. Bernardo não deixava escapar ninguém; pregava para o prefeito, vereadores, delegados, professores ou simples transeuntes, todos recebiam a mensagem da Salvação. O pastor, além de se dedicar a evangelizar, também

150

ajudou na edificação do primeiro templo, carregando madeira nos ombros e cimento na garupa de sua bicicleta. O pequeno templo de madeira, medindo 4x6m, foi inaugurado no dia 10 de Junho de 1984. Os primeiros membros batizados com o Espírito Santo e nas águas foram: Rute Batista, Isac, Silas, Elizângela, Darlene Bodesine, Leônidas Barros. No ano de 1996, a igreja recebeu sua autonomia do campo de Sinop. Os pastores, que contribuíram para a conversão de aproximadamente 4.000 pessoas, foram: Bernardo Batista, Francisco Cichoski, Waldeci Pimenta, José Claudino dos Santos, José Alves de Jesus, Geraldo Rodrigues Lopes, Cristiano Alves de Oliveira e Waldir de Vargas.

“Nelson chegou a Sorriso em 1980 e distribuía, de casa em casa, exemplares do Novo Testamento. ”


Templo Sede, festa da UMADESOR (Confraternização de Jovens) - 2009

Conjunto da USADESOR (Senhoras)

Banda de Música no Templo Sede

Pr. Waldir apresentando o programa “A voz da Assembléia de Deus” na Rádio Sorriso

Pr. Waldir de Vargas e esposa irmã Érica 151


Sinop Maquete Eletrônica do Grande Templo (CEM) de Sinop

A

chegada da primeira família pentecostal à cidade de Sinop ocorreu junto ao período de colonização do município no ano de 1974. Na época, não havia nenhum templo cristão na região. A irmã Tereza Emília dos Santos e seus cinco filhos, vindos da cidade de Castelo Branco – PR, ficaram aproximadamente três anos sem congregar. No dia 04 de fevereiro do ano de 1977, o diácono Ivaldo Ilário da Silva, esposa irmã Marlene e seus dois filhos Melquisedeque e Miquéias, vindos do estado do Rio de Janeiro, dão inicio

152

ao pioneiro trabalho da igreja Assembléia de Deus na região. Neste mesmo ano, o primeiro templo, feito de madeira, é construído. A pioneira igreja, na evangelização do norte de Mato Grosso, colheu bons frutos de seu trabalho. Os neófitos chegavam a caminhar até 20 km para cultuar a Deus no novo templo. No ano de 1978, foi realizado o primeiro batismo nas águas pelo pastor João Agripino de França, batizando seis pessoas: Dimas Viana filho e os cinco filhos da irmã Tereza Emília dos Santos. A cerimônia contou com a presença dos pastores: Sebastião


Templo Sede de Sinop

Mutirão na construção do Templo Sede

Construção do Grande Templo (CEM) - 2009

Ações de Graça, pela aquisição do Terreno (CEM)

Pr. Sobrinho, Pr. Sebastião, e equipe de obreiros em visita ao Grande Templo (CEM)

Lançamento da Pedra Fundamental (CEM)

Um dos primeiros batismo de Sinop com o Pr. Manoel Santana 153


Sinop Rodrigues de Souza – presidente da igreja de Cuiabá –, José Genésio, Manoel Santana e o irmão Benedito Pinto. Naquele tempo, a cidade não passava de um vilarejo no meio da selva. Sem quaisquer recursos médicos ou remédios, a 500 km de distância da capital, o diácono Ivaldo perdeu um de seus filhos para malária. O alto preço pago, pelo amor da obra de Deus, lhe custou o ministério. Abalado, o precursor evangélico deixou a cidade e foi para Cuiabá. O pastor Manoel Santana foi designado pelo pastor Sebastião, a dar continuidade aos trabalhos na região. Em seqüência, os ministros que serviram a Deus na cidade foram: Antônio Públio de Brito, Sebastião Ferreira da Silva, Pedro Pereira Neves, Raimundo Ximenes de Mesquita, João Agripino de França, Filemon Francisco do Nascimento e José Antônio da Silva Sobrinho. A igreja cresceu muito e atua significativamente nas vidas dos moradores da cidade. No ano de 1994, foi criado um departamento de Assistência Social (ASBE) – Assistência Social Beneficente Evangélica. O depar154

tamento atua, junto à população carente, doando cestas básicas e aconselhando psicologicamente e espiritualmente as famílias afetadas pelos vícios das drogas. Além disso, a igreja também conta com um centro de reabilitação para dependentes químicos (FUNVIDA) – Fundação Livre Para Viver, que vem salvando e libertando muitos jovens das garras do mal. No dia 7 de Janeiro de 1995, foi criada uma secretaria de missões, a SEMIRADES – Secretaria de Evangelismo e Missões Regional da Assembléia de Deus em Sinop. Deus tem abençoado grandemente este projeto, a secretaria já enviou 33 missionários aos estados do Piauí, Ceará e até a alguns países do mundo, como: Guiana Francesa, Alemanha e Timor Leste.

A “ igreja cresceu muito e atua significativamente nas vidas dos moradores da cidade.”


Anexo Templo Sede de Sinop

Sala de Triagem ASBE - FUNVIDA

Panorâmica Interna do Grande Templo de Sinop (CEM) - 2009

Pr. Sebastião no 1º Templo de Sinop

Pr. José Sobrinho e esposa irmã Rute 155


Tangará da Serra

O

primeiro culto pentecostal, realizado na cidade de Tangará da Serra, foi nos idos de 1960. O irmão Antonio José da Silva realizou o primeiro culto em um lugar chamado Vila Progresso, no qual estava presente apenas sua família. Neste lugar foi construído, também, o primeiro templo de 8x10m, feito de lascas de madeira. O pastor da cidade de Arenápolis, Osvaldo Marcio, viajava, periodicamente, a distância de 120 km de bicicleta para auxiliar os novos convertidos em Tangará da Serra. A viagem era uma verdadeira provação de fé. Naquele tempo, as estradas não eram asfaltadas, viravam uma grande poça de lama em períodos de chuvas intensas, dificultando a passagem. O pastor, muita vezes, chegava à igreja todo coberto de lama. Além disso, as chuvas, também, provocavam um surto de dengue que abalava a descrente comunidade. Devido à falta de recursos médicos, muitos morriam desta moléstia. Certa ocasião, na pequena vila, já sepultaram nove cadáve-

156

res em um único dia. Não obstante a esta situação, “aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Onipotente descansará” (Salmos 91.1), nenhum dos crentes caiu enfermo. O primeiro batismo nas águas, na serrana cidade, ocorreu pelas mãos do pioneiro itinerante Eduardo Pablo Joerke. Os pastores que contribuíram para o crescimento da obra de Deus na região: Osvaldo Marcio de Brito, Antonio Jose da Silva, Benedito de Oliveira, Valdevino Ferreira Dias, Sebastião Ferreira, José Genésio da Silva, Lazaro Benedito Alves e Silas Paulo de Sousa.

Antônio José da Silva (Café) Fundador da 1ª AD Tangará da Serra 08 de Junho de 1958


Assembléia de Deus em após 2º batismo em Tangará 14 de abril 1968

Templo Sede nos anos 2000

Interior do novo Templo Sede de Tangará - 2010

Novo Templo Sede de Tangará - 2010

Pr. Silas Paulo de Souza e família. 157


Tapurah

A

história da igreja Assembléia de Deus de Tapurah começou na cidade de Lucas do Rio Verde. No mês de maio de 1985, o pastor Armando Boigues e sua esposa Vilma foram enviados pela COMADEMAT – Convenção de Ministros das Assembléias de Deus de Mato Grosso – à cidade de Lucas do Rio Verde. Na época, as condições de infraestrutura ainda eram precárias, não havia água, nem luz na cidade. Ainda assim, o trabalho evangelístico prosperou muito, não só no município mas também nas regiões adjacentes. No mesmo ano, no dia 1º de Setembro, o casal deu início à obra de evangelização da cidade de Tapurah, distante 90 quilômetros de Lucas. O primeiro culto foi realizado na serraria de Osvaldo Fernandes, no Setor Industriário. O pastor Armando dirigiu o culto na presença de 10 pessoas, dentre elas: Eronda, Denival, João, Luzia, Janete, Elizabeth, Jorge, Rosa, Altair de Lima. A partir de então, os cultos foram sendo realizados nas casas dos irmãos.

158

Somente após cinco anos, o primeiro templo, localizado na Avenida Brasil, foi concluído. Os primeiros crentes a serem batizados com o Espírito Santo na nova igreja foram: Eronda, Erondina, Janete, Denival e Vanderlei. O Senhor, desde o início, derramou poder sobre a igreja. Inúmeras curas foram registradas, tais como: meningite, pneumonia, malária, hemorragia e outras doenças tipicamente tropicais. Os milagres glorificaram e exaltaram o nome do Senhor Jesus acima de todos os nomes. A população, desprovida de assistência médica, se converteu a nova fé. Os primeiros irmãos batizados nas águas foram: Janete, Denival, Rosa, Sebastião, Celso, Valdecir, José Antônio,Vanderlei,Vera, Erondina, Paulista e Ironi. No dia 17 de dezembro de 2001, a igreja, sob a direção do pastor Etevildo NovaIs Coelho, se emancipou do campo de Lucas do Rio Verde. Os pastores que contribuíram com a conversão de seus atuais 600 membros e oito congregações foram: Paulo Teodoro, José Pimentel, Armando Boigues, Nelson Botelho de Oliveira, Etelvino Novais Coelho e José Adelino Teodoro dos Santos.


Pr. Pimentel e primeiros membros da igreja.

Pr. Armando e esposa.

Pr. Nelson Botelho.

Templo Sede e obreiros de Tapurah.

Sub-Sede e obreiros de Tapurah.

Pr. Etevildo e esposa.

Pr. JosĂŠ Adelino e esposa. 159


Terra Nova do Norte

N

o ano de 1978, os evangelistas Pedro Silveira – oriundo da cidade de Planalto / RS – e o pernambucano Pedro Néri de Oliveira dão inicio a obra pentecostal na cidade de Terra Nova do Norte. Na época, cidade propriamente dita não existia, o que havia eram apenas três casinhas no meio do mato. Embora pequena, ainda assim, era uma lavoura amada por Deus e precisava ser evangelizada. Na lavoura do Senhor, um planta, outro rega, mas é Deus que dá o crescimento (I Co 3.6). Dando continuidade à obra, o presbítero Analeto Brasil e o irmão José Bernardo celebraram o primeiro culto na casa do cooperador Pedro da Silveira. O culto, realizado no dia 26 de agosto de 1978, contou com a presença de 26 pessoas, dentre elas: a irmã Noemi e seus filhos, Mauro, Luiz, Nelson, Vanir, Marlene, Vânia, Agenir, Osmar e Margarida e seus filhos. Os primeiros membros batizados com o Espírito Santo e nas águas foram: Neiva, Nevair, Dani, José Bernardo, Iracema Lopes, Noemia Lemes de Rosa, Lenair da Silveira. O cooperador enfrentou inúmeras barreiras para prosseguir fielmente com essa obra. Certa vez, Pedro foi evangelizar um lu-

160

gar chamado Nazaré, próximo às localidades rurais, distante 25 km montado em um burrinho. Porém, naquele dia era dia de santa ceia e o cooperador precisava retornar mais cedo a cidade para servir a ceia aos irmãos. Apressadamente, resolveu pegar um atalho que diminuía o trajeto para 17 km e, no caminho, o obreiro teria que passar por sobre uma ponte. Contudo, o dono de uma fazenda nas imediações, intencionalmente, retira as pranchas de madeira sobre as longarinas, deixando um grande buraco. O obreiro se viu em uma emboscada, se voltasse não chegaria a tempo para celebrar a ceia, encurralado resolve seguir adiante. Fez uma oração ao Senhor, tomou as rédeas do animal pelas mãos, encheu-se de coragem e atravessou passo a passo pelas vigas laterais. E para a Glória de Deus, chegou ao outro VILA lado da ponte são e salvo e a tempo de celebrar a santa ceia com os crentes na cidade. Muitos pastores contribuíram para o crescimento dessa obra, são eles: José Bernardo da Silva, Pedro Silveira, Adão Brid, Eurico Monteiro, Manoel Botelho, Ademar de Campos, Joaquim Capoto, José da Silva, Ariovaldo Pereira da Silva, Dirceu Ferreira da Silva e Itamar Caetano de Oliveira.


VilaBeladaSantíssimaTrindade

U

ma missionária da Suíça deu início aos trabalhos pentecostais na cidade de Vila Bela da Santíssima Trindade, nos idos de 1957. Tekla Cordes veio ao Brasil para trazer a mensagem da salvação, e o lugar, que Deus lhe mostrara, foi justamente a antiga capital mato-grossense, onde praticamente começou a história do estado. Na época, a velha capital foi abondanada por seus senhores devido a inúmeras dificuldades de distância, doenças e falta de estradas, deixando para traz seus escravos. Irmã Tekla ficou movida de grande compaixão, ao se deparar com a situação dos escravos abandonados. Além de oferecer-lhes “água viva”, ela os socorreu com medicações e alimentos para os mais necessitados. O primeiro fruto colhido nesta lavoura foi à conversão de João de Deus Fernandes Leite e sua família, a esposa Isaura e os 17 filhos. O neófito, sentindo a chama pentecostal inflamar em seu peito, desde sua conversão, se prontificou em ajudar a suíça nesta obra. No ano de 1960,

o irmão João assumiu a pequena igreja, que estava sob a direção da missionária. No entanto, Tekla não parou seu trabalho no Senhor, continuava visitando os enfermos, levando consigo remédio e o evangelho. A missionária dedicou sua vida a ajudar esse povo pobre, sofrido, isolado. Entretanto, ao saber que estava doente, vai embora da região no ano de 1974, falecendo no seu país de origem. A igreja de Vila Bela da Santíssima Trindade recebeu sua emancipação do Campo de Cáceres, no dia 16 de dezembro de 1999, durante a administração do pastor Antônio Duarte da Costa. Os despenseiros de Cristo que proclamavam o Evangelho na cidade foram: Tekla Cordes (extraoficial), João de Deus Fernandes Leite, Reinaldo Antônio de Oliveira, Antônio Minervino, Neri Cardoso, José Antônio Gonçalves, José Claudino dos Santos, Antônio Duarte da Costa, José Nunes Pereira, Juraci Augusto da Silva e Donizete Aparecido Pereira.

161


Vila Rica

O

primeiro culto pentecostal, realizado na cidade de Vila Rica, foi no mês de agosto de 1979 na casa do irmão Leontino da Silva. O culto celebrado pelo irmão José Francisco Eufrásio reuniu 18 pessoas, dentre elas: José Francisco Eufrásio, Braulino da Silva, Domingos Joaquim da Silva, Amália Francisca da Silva, Romana Calixto da Silva, Leontino da Silva, Noêmia Ribeiro da Silva, Valtino da Silva, Maria Creuza da Silva, João Fortunato Neto, Eudes Fortunato Neto, Isaías Batista, Joana Batista, Vanália da Silva Santos, Vanilda da Silva Fortunato. Os irmãos, desde o início, se mostraram bastante fervorosos e dispostos a cooperar com o crescimento da obra de Deus naquele lugar. Reunidos em mutirão construíram um pequeno templo de madeira de 6x8m. Os primeiros membros da simples igrejinha a serem batizados nas águas e com o Espírito Santo foram: Valtino da Silva, Maria Creuza da Silva, Eudes Fortunato Neto, Vanilda da Silva Fortunato. Somente no ano de 2005, com

162

poucos recursos financeiros, mas guiados pela fé e coragem, a igreja conseguiu inaugurar um templo maior, medindo 25x12m, de alvenaria. A igreja estava vinculada ao Ministério SETA (Serviço de Evangelização dos Rios Tocantins e Araguaia). Quando no dia 12 de junho de 1985, já na gestão do pastor Braulino, foi transferida para a COMADEMAT. Os pastores que contribuíram para a conversão de seus atuais 300 membros foram: José Francisco Eufrásio, Braulino da Silva, Augusto Moraes, Agnel, Raimundo Bezerra, Francisco Campos, Jailson da Silva, Raimundo da Silva Santos, Raimundo Santos Silva e Joviano Veloso.

Pr. Braulino da Silva e Esposa


A trajetória de um cidadão dos céus

D

escendente de Bandeirantes, da árvore genealógica de Amador Bueno, o pastor Sebastião Rodrigues de Souza descobriu a origem de sua linhagem no encontro que teve com Laércio Vieira, autor do livro “Somos todos bandeirantes”. Sebastião Rodrigues de Souza nasceu dia 11 de agosto de 1931, na Fazenda Borges, próximo à Pirajuba (MG). Foi o terceiro de cinco filhos do casal José Antônio de Souza e Maria Abadia Rodrigues.

Bergstron, em 1947. Já em 24 de outubro de 1948, com 17 anos, o jovem Sebastião foi batizado nas águas no rio Douradinho pelo pastor Henrique Lélis e logo em seguida recebeu o batismo com o Espírito Santo. Naquele dia, foi lançada a pedra fundamental do primeiro templo da Igreja Evangélica Assembléia de Deus em Pirajuba e, a partir daquela data, o jovem trabalhou na construção do templo e nunca mais parou de construir templos. Pela primeira vez, sentiu que estava sendo chamado para o trabalho do Senhor.

“No dia 24 de outubro de 1948, com 17 anos, o jovem Sebastião foi batizado nas águas no rio Douradinho pelo pastor Henrique Lélis e logo em seguida recebeu o batismo com o Espírito Santo.”

Seus pais não eram crentes, mas assim que visitaram seus avós maternos, em São Paulo, ganharam uma Bíblia e começaram a lê-la. Nessa época, no ano de 1937, seu pai fora evangelizado pelo diácono Fábio – tio materno da irmã Nilda – e se converteu aos caminhos do Senhor. Sua mãe foi batizada posteriormente pelo missionário Gustavo

No dia 17 de agosto de 1929, nasce em Uberaba (MG), Nilda de Paula, filha de Manoel Ribeiro de Paula e Dorozel Marciana de Freitas. Irmã Nilda aceitou a Jesus como seu único e suficiente salvador, ao sete anos de idade. Criada nos caminhos do Senhor, foi batizada nas águas em 163


25 de outubro de 1943. Em 1947, sua família muda-se para Pirajuba - MG e lá conhece o jovem com quem se casaria. Segundo Sebastião, Nilda era uma crente exemplar, jovem muito bonita, simpática em todo o comportamento, exímia cantora e tímida. Com um namoro abençoado por Deus, pautado no temor do Senhor, os dois se casaram em 24 de setembro de 1949. Ambos sendo o primeiro namoro, e logo em seguida o casamento, o qual foi abençoado pelas palavras do oficiante Pastor Miranda, e com a presença de um grande amigo da família, o Pastor Neemias José Ignácio o qual enquanto viveu manteve contato com a família Rodrigues de Souza.

Chamada ministerial No ano de 1958, na escola bíblica em Uberaba, quando o pastor Cícero Canuto de Lima ministrava uma mensagem, o Espírito Santo caiu sobre todo o povo e todos se ajoelharam, sendo ali confirmada sua chamada para o ministério da Palavra. Na década de 70, novamente, sua chamada fica muito clara por meio de uma profecia sobre a qual ele havia sido escolhido desde o ventre de sua mãe, durante uma visita em Cuiabá. Na época, ainda recém-casados foram designados para a direção da congregação de Pirajuba, onde fi164

Casamento do Pr. Sebastião e irmã Nilda

caram por dois anos. O Senhor “apertava” o irmão Sebastião para sair para a obra, mas ele resistia. Deus, então, mostrou à irmã Nilda, em sonho, que ela era um cavalo dentro de uma lagoa presa a um cabresto. Um anjo a puxava e dizia enfaticamente para ela: “diga a ele que é lá em Frutal que vou abençoá-los, lá em Frutal”. E aí o anjo a arrancou da lagoa. A partir daí, “delineou-se” seu trabalho, e eles foram para Frutal. Ainda assim, não se entregou totalmente a obra divina. Para sustentar a família e a jovem esposa, trabalhava no setor de olarias e construção civil. Apenas quando se mudaram para o município de Prata


(MG), o valoroso homem de Várzea Grande: uma conDeus aprendeu a depender gregação e outra no Cristo do Senhor para prover o seu Rei; e em dois bairros de sustento e de sua família. Lá Cuiabá, já existiam os temencontraram um templo feplos de São João dos Lázaros chado, habitado só por more Despraiado, que ainda cegos, e durante cinco meeram de madeira. Nessa ses se empenharam na obra época, existiam cerca de três de Deus, “vivendo absolutamil crentes no estado. Em Pr. Cícero Canuto de Lima mente pela fé”. Logo após, termos de conhecimentos seguindo a orientação doutrinários, o pastor divina mudou-se para encontrou um povo “Após passarem sete Campinápolis (MG) muito culto, muito onde ficaram por três sábio que conservava anos na cidade de anos e oito meses. os ensinamentos do Depois disso assumiu Votuporanga, o pastor pastor Joerke. Os mais a igreja de Ituiutaba velhos influenciavam Sebastião, por meio (MG). Pouco tempo os mais novos, princidepois foram desigde uma permuta com palmente, concernennados pelo Ministério te à santidade, bons o pastor Eduardo a assumir a igreja em costumes, dízimos e Igarapava (SP), terPablo Joerke, assume ofertas, passando o ra de seus pais. Após conhecimento de gea direção da igreja de quase dois anos ali, ração a geração. foram enviados pelo Cuiabá no dia 10 de pastor Cícero Canuto Ao assumir o dezembro de 1974. ” novo Campo, o pasde Lima a cidade de Votuporanga (SP). tor Sebastião adotou o seguinte método: cada congregação Após passarem sete anos deveria construir o seu próprio temna cidade de Votuporanga, o pastor plo. A princípio, essa estratégia teve Sebastião, por meio de uma permuta alguma dificuldade de aprovação pelo com o pastor Eduardo Pablo Joerke, asMinistério local, mas logo foi posta em sume a direção da igreja de Cuiabá no ação. Às vezes, chegavam a ter mais de dia 10 de dezembro de 1974. Quando 15 congregações em construção simultao casal aqui chegou, encontrou consneamente. E assim, a igreja Assembléia truídos os templos em Cuiabá: a Sede, de Deus foi crescendo, o povo aceitando Cidade Alta, Coxipó da Ponte; em Jesus e a obra prosperando. 165


A Construção do Grande Templo

Pr. Sebastião, obreiros e o “Fusca”.

Para pregar o Evangelho em todo o Estado, o pastor Sebastião enfrentou muitas adversidades, mas nenhuma delas o desanimou. Dirigindo um Fusca Azul 1.500, o abnegado servo de Deus viajou por todas as cidades do Estado, enfrentando cascalhada, atoleiros, carro sendo puxado por corda e outras situações difíceis. Contudo, não eram empecilhos para fazê-lo desistir. Em fevereiro de 1975, fez sua primeira viagem para Sinop, na companhia dos irmãos Urbano do Carmo e José Pires de Andrade, onde encontraram o irmão Elizeu Feitosa começando um trabalho naquela região. Como ele estava ligado à Campo Grande, na época ainda fazendo parte de Mato Grosso, o pastor Sebastião propôs ressarcir os gastos com aquela congregação para que o trabalho passasse para a igreja em Cuiabá e assim foi feito. 166

A revelação sobre a construção do Grande Templo ocorreu em 1956 por intermédio da irmã Umbelina Veloso que profetizou: “em Cuiabá iria ser construído um templo grande que iria abrigar dezenas de milhares de pessoas”, naquele tempo, a Capital tinha 55 mil habitantes. O Grande Templo tem capacidade para comportar até 70 mil pessoas. No Santuário, ou nave, é possível abrigar 26 mil pessoas sentadas. Certo sábado de consagração na Sede, Deus falou fortemente ao coração do pastor Sebastião. A experiência foi de tal forma, que ele não suportou a presença do Espírito Santo, a ponto de desejar que Deus abrisse um lugar para se esconder da presença dele. Quando terminou a manifestação de Deus, foram entoados alguns hinos e alguém dava o testemunho de sonho ou visão que teria tido em relação ao Grande Templo. O Senhor disse que apressasse com o projeto, prometendo não faltar nada. Além disso, o Espírito Santo falou à alma do pastor Rodrigues de Souza que o formato do templo seria redondo, cem por cem. Para dar início à construção do Grande Templo, o engenheiro José Ribeiro Filho foi até a irmã Umbelina


“Para dar início à construção do Grande Templo, o engenheiro José Ribeiro Filho foi até a irmã Umbelina e anotou tudo o que Deus havia lhe revelado. De como seria a forma do templo, medida em côvados” e anotou tudo o que Deus havia lhe revelado. De como seria a forma do templo, medida em côvados (sistema de medidas no tempo em que a Bíblia fora escrita). Quando o engenheiro leu na igreja aquele relato histórico sobre a revelação, o pastor Sebastião afirma que “tremeu nas bases”, de medo de não ter entendido a ordem divina em relação às dimensões do templo. Isso porque, quando o doutor Valter Peixoto, fazia o projeto de acordo com as informações que o pastor lhe passava, e disse que ele já estava quase pronto, com uma diferença, para que houvesse mais espaço seria necessário que a medida fosse de 130x130m. Naquele momento, o pastor Rodrigues de Souza orou e pediu graça ao Pai

para comunicar ao engenheiro o que Deus havia lhe falado: “ Nós não podemos fazer nem 99 nem 101; tem que ser 100mx100m”. O engenheiro refez o projeto na medida revelada por Deus. Este fiel pastor sempre muito zeloso e cuidadoso em obedecer a voz de Deus na íntegra. A equipe de engenheiros foi composta por Itsuo Takayama, José Antônio Ribeiro Filho, Eduardo Souto, George Nassib Gatthas, Inês Souto, Carlos Ferreira, Valter Peixoto, Eudes. O terreno foi doado, no ano de 1985, pelo então governador Júlio José de Campos. Ele e seu irmão Jayme Campos, também, contribuíram com cimento para algumas “sapatas” da fundação. Na verdade foram tantas as doações de ilustres e anônimos que seria impossível relatá-las aqui. Um dos principais fatos que ocorreu durante a construção do Grande Templo foi quando a chuva e os ventos fortes que caíram sobre Cuiabá arriaram a primeira cobertura. Nesse momento, o pastor Sebastião estava visitando um pastor no Hospital Santa Casa de Misericórdia, quando alguém ligou para o irmão Eugênio que o acompanhava. Assim que o irmão recebeu a ligação, Rodrigues de Souza perguntou o que havia acontecido e o irmão respondeu: “Nada”. Sem querer dar-lhe a notícia completa, o irmão disse: “o vento alterou algu167


Queda da primeira cobertura.

ma coisa na cobertura”. Sem demora, o pastor Sebastião disse que iria naquele instante para a construção e o irmão Eugênio resolveu acompanhá-lo. A c e r t a a l t u r a d a Ave n i d a H i s t o riador Rubens de Mendonça, onde fica o Grande Templo, o irmão resolveu contar que a cobertura havia sido arriada completamente. Na mesma hora, o pastor disse: “Glória a Deus!”. Quando chegaram na obra, alguns irmãos estavam tristes, muitos orando, chorando e a primeira pergunta que o pastor fez foi se havia alguém se machucado. Como não havia, em seguida, o pastor começou a cantar o Hino 115, da Harpa Cristã; “Eu quero trabalhar para o meu Senhor...”.Vendo que o pastor Sebastião estava firme, os irmãos pararam de choramingar e ouviram a seguinte palavra: “Irmãos não murmurem, não reclamem porque o Deus que nos deu essa cobertura, nos dará outra melhor, por misericórdia de Deus, temos seguro total da cobertura”. Nesse momento, todos ficaram aliviados. 168

A Seguradora Bamerindus, tendo como presidente o Dr. José Eduardo Vieira, concedeu a apólice, com reajuste de U$ 112 mil dólares, à empresa que venceu a licitação para a segunda cobertura. E como a igreja havia comprado o material sinistrado da seguradora, por um preço simbólico, foi possível fabricar os pés dos bancos do Grande Templo, com a telha construíram vários galpões e templos, cujo valor resgatou o que a igreja gastou com mais de 100 mil dólares do reajuste concedido pela empresa seguradora. O engenheiro Henrique de Curitiba, da empresa Engetel, que fez a segunda cobertura disse que era necessário fazer uma estrutura que levasse pelo menos 20 anos para “apertar qualquer parafuso”. E assim, a cobertura nova foi feita entre os anos de 1992-1994 com toda a segurança.

Estrutura da nova cobertura.


A contribuição para a construção do Grande Templo, na expressão da ordem divina, foi a partir de que toda a igreja, até as crianças deixassem de chupar o seu picolé para contribuir com seus centavos de cruzeiros ou de real, para que todo o povo de Deus pudesse dizer ao final: “Eu contribuí com a construção do Grande Templo”. Em função disso, houve época em que o pastor Sebastião incentivava para que as pessoas criassem atividades próprias para sobrevivência e sustento da igreja, que não esperassem só o emprego formal. Também foi feito apelo para que os fiéis contribuíssem com o salário integral, porque “Deus não deixaria faltar nada para aquele que assim o fizesse”. Para quem tem uma bicicleta, o pastor falava que Deus iria dar uma motocicleta; quem tivesse uma moto, Deus daria um carro; quem morasse de aluguel, iria ter sua casa própria.

Um humilde, porém grande construtor Quando foi inaugurado o Grande Templo, chegavam pessoas de todos os lugares do mundo para conhecer a obra. Em certa ocasião, os estrangeiros imaginaram que para poderem falar com o responsável pela edificação, seria necessário passar por um pelotão de segurança com hora marcada, além de atender a muitos requisitos de burocracia. Esperavam encontrar um

homem com várias estrelas, com divisas, aparatos. Qual foi o espanto quando rapidamente foram atendidos pelo pastor Sebastião Rodrigues de Souza, os semblantes de tais figurões se arrefeceram. Ele explica que ser humilde é uma das principais características do cristão e cita a passagem de Mateus 11.29 quando Jesus diz “...aprendei de mim que sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para a vossa alma”. Quando ele notou que os turistas ficaram estupefatos diante de sua humildade, glorificou o nome de Deus por ter sido o escolhido para fazer tão grande obra. Tanto ele, quanto sua esposa, “têm a divisa do sangue de Jesus”. Conhecido como um grande construtor, não só pelo Grande Templo, o pastor Sebastião de Souza já construiu em Cuiabá e Várzea Grande cerca de 270 templos e em todo o Estado de Mato Grosso mais de mil constru-

“Glorif icou o nome de Deus por ter sido o escolhido para fazer tão grande obra. Tanto ele, quanto sua esposa, “têm a divisa do sangue de Jesus”. 169


ções. Ele destaca que um dos maiores é o de Sinop, que é uma réplica do Grande Templo. Rondonópolis, Alta Floresta e Juína, também, se destacam em sua grandiosidade arquitetônica. Em 2010, ainda estavam em andamento os projetos: Complexo Educacional Gunnar Vingren, Faculdades Evangélicas Integradas Cantares de Salomão FEICS, a construção do templo suplementar ao Templo Sede com estacionamento na Avenida Arnaldo de Matos, todos em Cuiabá. Em seu modo de administrar, o pastor Sebastião sempre foi contrário ao pagamento de aluguel, ele diz que isso “é peso morto”. O dinheiro da igreja precisa ser usado na evangelização, na construção de templos e outras construções necessárias para o dinamismo da igreja, porque “o Senhor não aceita que desperdice nada”.

“Eu sempre procurei ser amigo dos políticos, não com interesse próprio, mas com a finalidade de ganhálos para Jesus, porque no juízo final eles não terão como dizer que nunca ouviram a Palavra.” 170

Um líder a serviço Sua influência no mundo político tem sido notável, mas o pastor Sebastião declara: “Eu sempre procurei ser amigo dos políticos, não com interesse próprio, mas com a finalidade de ganhá-los para Jesus, porque no juízo final eles não terão como dizer que nunca ouviram a Palavra.” Tem Recebido várias condecorações e títulos como a “Comenda Filinto Muller”, cidadão cuiabano, cidadão várzeagrandense e de vários municípios, além do título de cidadão mato-grossense, do qual a irmã Nilda também é detentora. Os políticos chegavam ao pastor de várias formas, como Júlio José de Campos, por exemplo, fez três cultos em ação de graças pelo seu governo. Alguns dias antes de falecer, a secretária de Dante de Oliveira procurou o pastor para agendar uma visita. Na

Fernando Henrique Cardoso no Grande Templo - 1996


reunião, Dante disse que ia voltar para a política. O pastor sentiu de Deus em lhe falar: “O senhor já usufruiu de todos os mandatos que Deus permitiu em relação à política secular, hoje eu lhe aconselho que abandone a política secular, aceite a salvação em Jesus Cristo e nos ajude a pregar o Evangelho, nesse tempo do fim, quando se aproxima a volta de Jesus para o arrebatamento da igreja. E o senhor com a vocação para o discurso, vai nos ajudar muito a ganhar outros para Jesus”. Ele respondeu: “Tudo bem. Ore por mim!”. E no dia 6 de julho de 2008, quando estava no culto, alguém lhe comunicou o falecimento de Dante de Oliveira, o que o assustou muito.

O pastor é categórico em dizer que os acontecimentos mundiais prenunciam que “estamos às vésperas do arrebatamento da igreja”. O pastor tem ouvido muitas profecias em relação a isto, mas, em setembro de 2009, recebeu a seguinte revelação:

Houve um tempo em que o presidente da COMADEMAT apoiava publicamente os candidatos da igreja, no entanto, por ordem do Senhor Jesus, o Espírito Santo, o nosso Mestre, deixou de fazê-lo. A desobediência daqueles que não eram os escolhidos para o pleito em concorrerem também, acabava por prejudicar os aprovados pela Convenção.

• O Senhor disse que muitos pastores não são submissos a sua Santa Palavra, não tem compromisso com a igreja e querem igreja para o seu benefício próprio. O Senhor vai tirar pastores e colocar outros, vai levantar um exército de homens submissos a Deus para a grande obra.

Deus já levou o pastor Sebastião Rodrigues de Souza a várias partes do mundo, como: Japão, Estados Unidos, Grécia, Itália, Alemanha e Espanha. A Secretaria de Missões já enviou missionários, além dos países mencionados acima, para o Líbano, Índia, Síria.

• O Senhor exige de cada um de nós, crentes, inteira submissão a Deus e a sua Santa Palavra. O Senhor refuta qualquer interferência de quem quer que seja que a interpretação seja diferente para desviar o povo da sã doutrina e bons costumes para que a igreja esteja preparada, em santificação, para o arrebatamento;

• O Senhor revelou que estaria continuando a falar com o homem, por meio da natureza, além de outras catástrofes, o terremoto que houve no Haiti e Chile. Conforme explicação do pastor Rodrigues de Souza, o “Fim do Mundo” se dará da seguinte forma: no 171


final da Dispensação da Graça, o que forem condenados serão lançados com já está acontecendo, se dará o arrebaSatanás e seus anjos no lago do fogo tamento da igreja e os crentes estarão eterno. Após este grande acontecimento, com o Senhor nas Bodas do Cordeiro. os Céus e a Terra que hoje existem serão A partir do término de 7 anos de Bodas queimados com fogo e aí se farão novos do Cordeiro, concomitantemente, se Céus e Nova Terra, onde será feita a dará na Terra o período da Grande justiça, conforme o Hino da Harpa Nº Tribulação, no final dela, se dará a des3, “Plena Paz” que na sua última estrocida do Senhor Jesus, com toda a Igreja, fe diz: “Nesse tempo, céu e terra hão e vai estabelecer o Reino Milenial, de ser a mesma grei, entoando aleluias no governo de Cristo. Mil anos após, ao meu Rei”. Satanás, a Besta e o Falso Profeta serão Na visão do “Os fiéis procuram ser soltos e mobilizapastor Sebastião, rá os governos da o crescimento da submissos ao Senhor, Terra para levantaigreja no estado guardando a Santa rem guerra contra ocorreu, devido o Cordeiro e o seu Palavra e o Espírito Santo ao fato da disposiExército, querendo ção do Ministério, tem liberdade nas vidas dos vencer o Senhor ( C O M A D E M AT ) Jesus. Mas, o em obedecer às orfiéis. Senhor Jesus como dens do Senhor, tem todo o poder a sã doutrina e a em suas mãos, nos prática da santifiCéus e na Terra, e cação; na abstinên” nas águas embaixo cia de tudo o que o da Terra, com a esEspírito Santo propada da sua boca. Com a sua Palavra íbe, como televisão, libidinagem (tandestruirá Satanás e seus anjos, a Besta to de namorados como de casais) e e o Falso Profeta. A partir de quando uma série de ditames que o Senhor estabelecerá o Juízo Final do Trono tem falado. Os fiéis procuram ser Branco, quando todos os mortos, que submissos ao Senhor, guardando não ressuscitaram para o arrebataa Santa Palavra e o Espírito Santo mento, ressuscitarão naquele dia para tem liberdade nas vidas dos fiéis. serem julgados pelo justo juiz, Jesus Em razão disso, os cultos são aviCristo, o Rei dos Reis e Senhor dos vados, as pessoas entram na igreja Senhores. O Senhor separará os que e aceitam a Jesus. foram salvos pelas suas obras e os que

Em razão disso, os cultos são avivados, as pessoas entram na igreja e aceitam a Jesus.

172


Avaliando sua administração em Mato Grosso, desde 1974, o pastor analisa que foi uma continuidade de todos os lugares pelos quais tenha passado, porque desde os seus 14 anos Deus já falava com ele. Recordase que estava na casa de um parente em Minas Gerais e eles estavam falando sobre televisão e então ouviu a voz do Senhor: “Televisão não é para crente!” Ele ficou trêmulo e olhou ao redor para ver se alguém mais tinha escutado, porque aquela voz tinha falado em sua alma. Saindo dali foi para a sua casa e contou aos seus pais. Em 2005, quando estava no alpendre de sua casa na Rua São Sebastião, em Cuiabá, o Espírito Santo falou com ele: “Lembra daquele dia que você estava numa casa cheia de gente e só você escutou a repreensão divina? Assim será no Dia do Arrebatamento da Igreja; só os que estiverem salvos ouvirão o som da última trombeta!” Novamente ele ficou tremendo e começou a falar com a igreja sobre esta revelação. O pastor faz questão de frisar que o Senhor em toda sua vida o corrigiu e ensinou como deveria andar na sua Santa Presença. E por todos os lugares por onde passou, não temos deixado de falar toda a verdade da Palavra de Deus e aqui em Cuiabá não tem sido diferente, pois quando olha para a igreja não vê um ajuntamento de povos, e sim a amada do Senhor, da qual o Senhor espera santificação para

o Dia do Arrebatamento. E enfatiza “se ficar alguém, que fique o menor número possível, mas, para que nos encontremos num raio bem curto de distância para a grande festa das Bodas do Cordeiro, onde espero que todos estejam juntos, com o Senhor Jesus, o Nosso Amado, Bendito e Maravilhoso Salvador”.

Pr. Sebastião e irmã Nilda louvando ao Senhor por tudo que Ele tem feito.

Pr. Sebastião e irmã Nilda, fiel companheira, que em todos os momentos estava ao seu lado, sem a qual nenhuma vitória seria plenamente alcançada. 173


174


Bibliografia ALMEIDA, João Ferreira. Bíblia de Estudo Pentecostal. Edição Revista e Corrigida. Editora Casa Publicadora das Assembléias de Deus,CPAD, Rio de Janeiro, 1995. ( todas as referências bíblicas citadas neste livro são desta obra.) ARAÚJO, Alceu Maynard. Brasil, Histórias, Costumes e Lendas: São Paulo, Ed. Três, 2000. CONDE, Emílio. História das Assembléias de Deus no Brasil. Ed. CPAD, Rio de Janeiro, 2ªed. 1982 CONDE, Emílio. História das Assembléias de Deus no Brasil. Ed. CPAD, Rio de Janeiro,5ªed. 2006. CUNHA, José Marcos Pinto da. Dinâmica migratória e o processo de ocupação do Centro-Oeste brasileiro: o caso de Mato Grosso. R.bras Est.Pop., São paulo,v.23,n1,p.87-107, jan/junho 2006 FERREIRA, João Carlos Vicente. Cidades de Mato Grosso. Ed. Buriti, Cuiabá, 1998. FERREIRA, João Carlos Vicente. Cidades de Mato Grosso. Ed. Buriti, Cuiabá, 2001. JORKE, Pablo Eduardo. Diário de um Pastor. KCM Editora,Cuiabá, 2005. LOPES, José Geraldo. Biografia Testemunhos e Mensagens do Pastor Sebastião Rodrigues de Souza. Cuiabá, 2001. MIRANDA, Leodete e Amorim, Lenice. Mato Grosso Atlas Geográfico. Ed. Entrelinhas. Cuiabá, 2001(todas as referências de distância da Capital, partindo do Terminal Rodoviário, são deste Atlas.)

175


Sites

http://www.Assembléiadedeus100.org.br/htm/pioneiros/22.htm http://www.iadcg.org/portal http://www.adbelem.org.br/ http://www.cpad.com.br/paginas/quem_assembl.htm http://www.templocentral.com.br http://www.cpad.com.br www.mt.gov.br http://www.pousadamutum.com.br/

Jornais Jornal Mensageiro da Paz. Ano 71. Ed.1.388, 16-30 de junho, CPAD, Rio de Janeiro, 2001. Jornal Mensageiro da Paz. Ano 73. Ed.1.425, Fevereiro, CPAD, Rio de Janeiro, 2004. Jornal Última Hora. Ano XIX ed.70. Março/Abril, 2005

Revistas Revista Jubileu de Ouro, Gráfica Centro Oeste,Cáceres, 2002. Revista Isto É. Guia Turístico. Revista 40 Anos da Assembléia de Deus Mirassol D’Oeste-MT. Gráfica Millenium, Cuiabá, 2003. Revista Grande Templo 10 Anos. BILOidéias®, 2ª ed., Cuiabá, 2006. Revista Inauguração do Grande Templo. Editora Casas Publicadoras das Assembléias de Deus, CPAD, Rio de Janeiro,1996. Revista História da Igreja Evangélica Assembléia de Deus de Campo Verde, 2009.

176

Livro da História das Assembleias de Deus em Mato Grosso  

Livro da História das Assembleias de Deus em Mato Grosso, produzido pelo Grande Templo em Cuiabá - MT - Brasil.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you