Page 1

Untitled-2 1

11.03.10 14:50:48


Untitled-5 2

11.03.10 16:36:44


Untitled-5 3

11.03.10 16:39:02


Março 2010 - Número 173

Índice

20

12 I .Com

72 - Liv

Confira o que foi destaque no portal Saúde Business Web

74 - Car

20 I Raio X

76 – Vi

Expansão à vista: Hospital Sírio-Libanês apresenta os projetos de investimento de R$ 600 milhões

98 – Ho

24 I Panorama

Errata:

Maioridade no setor de saúde: Confira as transformações pelas quais o setor passou ao longo dos últimos 18 anos

36 I Artigo

24

Indicadores: painel de bordo do desempenho da empresa

55 I Saúde Business School Confira as dicas de nossos consultores sobre Gestão Comercial

64 I Espaço Jurídico Gestão Comercial e os Serviços de Saúde

66 I De olho na indústria Parceria de longa data: A Angiocardio mostra como uma parceria pode render bons frutos

68

68 I Tecnologia Transações seguras: Saiba quais são os benefícios da certificação digital e como o tema tem evoluído no mercado

70 I After Hours Angelo Marciano Lopes, do Hospital Monte Sinai, mostra como é viver no ritmo do jipe

72 I Livros 74 I Carreiras 76 I Vitrine 98 I Hot Spot

70 

lay_indce 4

Erramos Diebold é a grafia correta da empresa. (Edição 171 – Pacote completo)

revista Fornecedores Hospitalares

16.03.10 15:04:14


DeBRITO

Enfermeiro, Técnico e Auxiliar de Enfermagem. O melhor de cada um pelo bem de todos. COREN-SP é o órgão que fiscaliza e disciplina o exercício profissional de Enfermagem, o que garante à sociedade uma assistência ética, científica e de qualidade. Só profissionais inscritos no conselho podem exercer a profissão.

Enfermeiro coordena a equipe de Enfermagem, participa e executa procedimentos de alta complexidade. Tem formação superior. A cor de sua carteira de identificação é verde.

Técnico de Enfermagem realiza a prescrição de cuidados ao paciente de média complexidade determinados pelo Enfermeiro. Tem formação técnica. A cor de sua carteira de identificação é azul.

Auxiliar de Enfermagem executa atividades de rotina, garantindo conforto e bem-estar ao paciente. Tem formação técnica básica. A cor de sua carteira de identificação é vermelha.

A supervisão da assistência de Enfermagem é privativa do Enfermeiro, que planeja e organiza os serviços da assistência.

26,6x31.indd 1 Untitled-1 1

26/11/09 19:40 15.03.10 10:18:52


Adelson de Sousa • adelson@itmidia.com.br

PRESIDENTE-EXECUTIVO

Miguel Petrilli • mpetrilli@itmidia.com.br

vice-presidente executivo

João Paulo Colombo • jpaulo@itmidia.com.br

DIRETOR de recursos e finanças

Guilherme Montoro • gmontoro@itmidia.com.br

Diretor de marketing

Stela Lachtermacher • stela@itmidia.com.br

PRESIDENTE DO CONSELHO EDITORIAL

Marketing – Emerson Moraes • emoraes@itmidia.com.br

FÓRUNS

Gerente – Marcos Toledo • mtoledo@itmidia.com.br

WEB

Analista – Andreia Marchione – amarchione@itmidia.com.br

CIRCULAÇÃO E DATABASE

Gerente – Marcos Lopes • marcos@itmidia.com.br

FINANCEIRO - ADMINISTRATIVO

FORNECEDORES

H O S P I TA L A R E S www.revistafh.­com.br UNIDADE SETORES E NEGÓCIOS • SAÚDE DIRETOR-EXECUTIVO E PUBLISHER

Alberto Leite • aleite@itmidia.com.br

EDITORIAL EDITORA

Ana Paula Martins • amartins@itmidia.com.br

REPÓRTERES

Thaia Duo • tduo@itmidia.com.br

PRODUTOR DE ARTE

Bruno Cavini • bcavini@itmidia.com.br

CONSELHO EDITORIAL

Alfredo Cardoso • Diretor de normas e habilitações da ANS Edson Santos • Presidente do Grupo Vita e vice-presidente do International Hospital Group Luiz de Luca • Diretor - superintendente do Hospital 9 de Julho Marília Ehl Barbosa • Presidente da Capesesp Pedro Fazio • Diretor da Fazio Consultoria

MARKETING GERENTE DE MARKETING

Gaby Loayza • gloayza@itmidia.com.br

ANALISTAS DE MARKETING

Ana Luísa Luna • aluna@itmidia.com.br Gabriela Vicari • gvicari@itmidia.com.br

COMERCIAL GERENTE COMERCIAL

Luciana Macedo • lmacedo@itmidia.com.br • (11) 3823-6633

GERENTE DE CLIENTES

Tania Machado • tmachado@itmidia.com.br • (11) 3823-6651

EXECUTIVOS DE CONTAS

Ciro Horta Hashimoto • chashimoto@itmidia.com.br • (11) 3823-6706 Gabriela Marcondes • gmarcondes@itmidia.com.br • (11) 3823-6629 Jucilene Marques • jmarques@itmidia.com.br • (11) 3823-6604 Rio de Janeiro: Sidney Lobato • sidney.lobato@itmidia.com.br Tel: (21) 2275.0207 Cel: (21) 8838-2648

REPRESENTANTES

Rio Grande do Sul: Alexandre Stodolni • stodolnimark@pop.com.br Tel: (51) 3024-8798 Cel: (51) 9623-7253 USA e Canadá: Global Ad Net • ed@globalad-net.com Tel: 603-525-3039 Fax: 603-525-3028 Impressão

Log & Print Gráfica e Logística S/A

COMO RECEBER Fornecedores hospitalares

www.revistafh.com.br/assinar

COMO ANUNCIAR

comercialsaude@itmidia.com.br | Tel.: (11) 3823.6708

TRABALHE CONOSCO

pessoas@itmidia.com.br

CENTRAL DE ATENDIMENTO AO LEITOR (recebimento, alterações de endereço, renovações)

atendimento@itmidia.com.br | Tel.: (11) 3823.6700

Conheça o portal vertical de negócios SaÚde business web: www.saudebusinessweb.com.br Receba as últimas noticias do mercado em tempo real, diariamente em seu e-mail, assine a newsletter saÚde Business WEB www.saudebusinessweb.com.br/cadastro.asp

Fornecedores Hospitalares Fornecedores Hospitalares é uma publicação mensal dirigida ao setor médico-hospitalar. Sua distribuição é controlada e ocorre em todo o território nacional, além de gratuita e entregue apenas a leitores previamente qualificados.

o r Re av

Conheça a solução completa de mídia de negócios que a IT Mídia oferece: www.itmidia.com.br

lay_expediente 6

ta

ta

es

INSTITUTO VERIFICADOR DE CIRCULAÇÃO

cle

Por

ci

f

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídiaou quaisquer outros envolvidos nessa publicação. As pessoas que não constarem no expediente não têm autorização para falar em nome da IT Mídia ou para retirar qualquer tipo de material se não possuírem em seu poder carta em papel timbrado assinada por qualquer pessoa que conste do expediente. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da IT Mídia S.A.

r e vi

s

IT Midia S/A Pça Prof José Lanes, 40 • Edifício Berrini 500 • 17º andar • 04571-100 • São Paulo • SP Fone: 55 11 3823.6600 | Fax: 55 11 3823.6690

17.03.10 10:01:26


Untitled-1 1

11.03.10 17:01:13


EDITORIAL

PAIXÃO É

consenso entre os consultores de recursos humanos e especialistas no assunto que para desempenhar bem um trabalho é fundamental gostar daquilo que se faz. No setor de saúde, é ainda mais comum ouvir que atuar nessa área é apaixonante, seja pelos desafios que o mercado apresenta, seja pelo importante papel que a saúde tem na sociedade. De alguma maneira, quem atua nessa área não só torce, mas trabalha muito para que as coisas deem certo.

Foto: Roger Soares

Ao longo desses 18 anos, a revista Fornecedores Hospitalares não só testemunhou, mas discutiu, destrinchou, analisou, cavou informações, pesquisou, entrevistou, antecipou e acompanhou de perto os grandes temas da saúde, fazendo assim, a sua história também. Muitas equipes passaram por aqui, mas certamente, tiveram em comum a paixão pelo trabalho e o compromisso com o desenvolvimento do setor. A NA PAULA M ARTINS É EDITORA DA IT M ÍDIA S.A

UNIDADE DE SAÚDE DA

Nesse aniversário, os cumprimentos ficam para todos aqueles que ajudaram na construção dessa trajetória: fontes, anunciantes, jornalistas, executivos de contas, agências, assessores de comunicação, articulistas, produtores de arte, fotógrafos, enfim, colaboradores de toda ordem, que tornam possível a realização desse trabalho. E o resultado, você pode conferir nas páginas que retratam as principais transformações pelas quais o setor passou. Os números mudaram pouco, mas o que ficou claro é que o amadurecimento aconteceu, o foco da gestão mudou, a tecnologia assumiu o papel estratégico que lhe cabe e o acesso continua sendo o grande desafio. Como em toda paixão, tropeços, desencontros e frustrações por não ter as expectativas atendidas acontecem, mas no fim sempre fica a sensação de que valeu a pena. Sinto-me orgulhosa por fazer parte dessa história e certamente torço para que os próximos anos sejam ainda mais repletos de sucesso para todos nós. Boa leitura! Ana Paula Martins Editora P.S.: envie comentários para amartins@itmidia.com.br

8

lay_carta 8

REVISTA FORNECEDORES HOSPITALARES

15.03.10 12:22:06


Untitled-5 1

11.03.10 16:28:55


CANAL ABERTO

FOTO: DIVULGAÇÃO

EU LEIO A FORNECEDORES HOSPITALARES

REYNALDO GOTO, Gerente de Marketing Estratégico da Siemens

EU LEIO A FH PELA RELEVÂNCIA DE SEUS ASSUNTOS E PRINCIPALMENTE PELA CAPACIDADE DA REVISTA EM REFLETIR O PENSAMENTO DAS PRINCIPAIS REFERÊNCIAS DO SETOR DE SAÚDE . A LINGUAGEM DA REVISTA É MUITO OBJETIVA E SUA DIAGRAMAÇÃO FACILITA MUITO A LEITURA

PRÓXIMA EDIÇÃO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Saiba quais são as tendências em análises quantitativas em imagens. Para onde as indústrias estão indo e qual impacto essas soluções terão no setor SAÚDE BUSINESS SCHOOL No quarto capítulo, nossos consultores abordam o tema Gestão Financeira

O MELHOR DA ÚLTIMA EDIÇÃO A equipe da Unidade de Saúde da IT Mídia elegeu o anúncio da Fanem, publicado na página 02 e 03 veiculado na revista Fornecedores Hospitalares 172, como o mais bonito da edição. A peça foi desenvolvida pela agência Wake-Up Comunicação, com direção de arte de Danilo Arruda e Diretor de atendimento e planejamento Luciano Maresca e aprovado na Fanem pela Diretora Marlene Schmidt, Diretor Djalma L. Rodrigues e Ivan Quaglio, Marketing.

Para anunciar ligue: (11) 3823-6633 • E-mail: comercialsaude@itmidia.com.br 10

lay_pq_leio 10

REVISTA FORNECEDORES HOSPITALARES

16.03.10 17:59:43


CLIENTES ESPECIAIS MERECEM OPORTUNIDADES

IMPERDÍVEIS. SERVOVENTILADOR CARMEL

APARELHO DE ANESTESIA SAT 500

Entregue o seu equipamento usado e ganhe um desconto de 20% na compra de um Aparelho de Anestesia ou Servoventilador KTK. E ainda: Financie em até 10X sem juros com Visa, em até 48X no cartão BNDES ou Finame.

Aproveite este ótimo negócio e invista ainda mais em sua empresa! Consulte regulamento com um de nossos representantes ou ligue para (11) 4176-3500.

www.ktk.ind.br

Untitled-1 1

15.03.10 10:19:38


.com

Blogs

Leia e discuta com nossos blogueiros os assuntos mais quentes do mês: www.saudebusinessweb.com.br/blogs

Érico Bueno

Último post: Razões para você mudar de fornecedor de sistemas Érico Bueno é consultor na área de TI para saúde

1 2 3 4 5

As 10 mais clicadas 6 7 8 9 10

Eurofarma é o novo patrocinador do Santos Futebol Clube

Intermédica pode ser vendida

Inscrição de concurso para Militares da área de saúde é prorrogada

Caso Geap volta a ser discutido no Tribunal

Amil compra Esho por R$ 60,1 milhões

Parceria Estratégica

Federação das Unimeds sob nova presidência

“Vamos fazer o que o governo federal não fez”

Registro de produtos para a saúde tem novos critérios

Top Hospitalar: acompanhe a expectativa dos finalistas

Ildo Meyer

Último post: Comunicação e Saúde Ildo Meyer é palestrante motivacional e médico com especialização em anestesiologia e pós-graduação em Filosofia Clínica pelo Instituto Packter

João Carlos Bross

Último post: Geração de conhecimento por fricção social João Carlos Bross é arquiteto e presidente da Bross Consultoria e Arquitetura

Webcast Entrevista J&J inova em equipamento tecnológico para programas de treinamento em cirurgia George Marques, diretor do Medical Innovation Institute estima o treinamento de 4 mil profissionais em 2010. Instituto é o único da América Latina

Assista outras entrevistas no

www.saudebusinessweb.com.br/webcasts Pedro Fazio

Último post: Saúde, ainda objeto de maus tratos Pedro Fazio é economista e diretor da Fazio Consultoria

Roberto Latini

Último post: Ordem cronológica X prazo legal Roberto Latini é diretor da Latini & Associados e irá abordar as regulações do setor de Vigilância Sanitária

Cassems investe R$ 4,2 milhões em reinauguração do hospital O Hospital Cassems, em Dourados, Mato Grosso do Sul, foi reinaugurado com novos centros cirúrgicos e equipamentos. O investimento total foi de R$ 4,2 milhões. Cerca de R$ 2,7 milhões foram destinados a ampliação do hospital, que passou de 2.100 m² para

3.480 m², e contará agora com mais quatro salas de cirurgias, uma nova sala de parto e o dobro de número de leitos, além de ter uma CTI avançada. Já o R$ 1,5 milhão restante foi destinado a compra de equipamentos na área de cardiologia.

Leia mais: www.saudebusinessweb.com.br – Seção Investimento

12

lay_com 12

revista Fornecedores Hospitalares

15.03.10 14:41:35


Untitled-1 1

16.03.10 14:50:28


.com

Hospital Santa Izabel

Resultado

no alvo da Funef Thaia Duó - tduo@itmidia.com.br A Fundação de Estudos das Doenças do Fígado (Funef) acaba de adquirir mais uma instituição. Dessa vez, o alvo foi o Hospital e Maternidade Santa Izabel, de Curitiba. Com R$ 4,5 milhões em mãos, a fundação não hesitou em apresentar um projeto de compra com foco na expansão do hospital - hoje considerado de pequeno porte. “Vamos investir um total de R$ 27 milhões para que a unidade tenha 160 leitos”, relata o diretor superintendente da Funef, Marcial Ribeiro. Embora a aquisição ainda tenha que passar pela aprovação da Promotoria Pública, as reformas básicas do local já se iniciaram e as etapas do projeto já estão definidas. “Estamos dentro da legalidade. A chance de que a compra não seja aprovada é praticamente nula, mas é obrigatório que haja essa opinião para a formalização do processo.” A primeira fase do projeto prevê a ampliação de 45 para 105 leitos, num período de um ano. As estruturas físicas do hospital serão repaginadas e um andar superior será construído ao final desta etapa junto com a criação de uma unidade diagnóstica. Em segundo plano está a construção de um novo prédio, com outros 50 leitos, agregado ao hospital. “Será uma unidade moderna, ampliada para atendimento de todos os convênios particulares e do próprio setor público”, conta Ribeiro ao citar que o projeto total deve ser concluído nos próximos dois anos. De acordo com o executivo, o fato do Hospital e Maternidade Santa Izabel estar situado na cidade industrial de Curitiba

e circundada por 720 indústrias colaborou para a escolha da Funef, que atende 60 mil pessoas/mês e busca meios de se expandir para dar conta da crescente demanda. “Ao lado do hospital existe um condomínio de 20 mil pessoas que trabalham nessas indústrias e já são atendidas no Santa Izabel. Isso também tem despertado a atenção de operadoras e cooperativas médicas, como é o caso da Unimed que mostrou interesse em ocupar as dependências do hospital”, destaca. No próximo mês, deverão ocorrer negociações com a própria Unimed e outros interessados na ocupação. “Vai depender de cada uma para sabermos com qual vamos ficar”, afirma Ribeiro. Em apenas oito anos é o segundo hospital que a Fundação assume. Em abril de 2002 ela passou a administrar o Hospital São Vicente, também de Curitiba. Para esta unidade, o projeto em 2010 é de automanutenção. Segundo o executivo, serão instalados outros 10 consultórios médicos no prédio ao lado do hospital. A ideia é que os profissionais médicos do São Vicente possam ter um consultório próximo para facilitar e agilizar os atendimentos diários. “Como o prédio também é da Funef, o investimento, neste caso, não deve chegar a R$ 1 milhão.” Para Ribeiro, é natural que a fundação cresça em função dos serviços prestados e do acúmulo de pacientes nas filas dos hospitais.

da enquete

A nova relação de 70 procedimentos e coberturas obrigatórias foi publicada no Diário Oficial da União, em 12 de janeiro último. No mesmo dia, foi dada a garantia de que não aumentará o valor do reajuste anual dos planos de saúde particulares. De acordo com o presidente em exercício da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), Alfredo Cardoso, o reajuste não vai englobar a previsão de gastos extras com a inclusão das novas coberturas médicas e odontológicas anunciadas, já que o reajuste será anunciado em maio, e o novo rol entra em vigor a partir de 7 de junho. Por outro lado, a Federação Nacional de Saúde Suplementar (Fenasaude) afirma que a partir de 2011, os valores dos planos de saúde devem, sim, ter aumento por causa da inclusão de 70 novas coberturas médicas e odontológicas. Segundo a federação, algumas empresas estimam alta de até 40% nos planos odontológicos, que passarão a cobrir, por exemplo, a colocação de coroa e bloco dentário. Boa parte dos leitores do portal Saúde Business Web está dividida entre as afirmações da ANS e da Fenasaude. A inclusão de 70 novos procedimentos tende a ser positiva para 40,54% dos usuários do portal, e a mesma porcentagem acredita que a nova relação tende a aumentar os custos assistenciais. Enquanto 18,92% acreditam que as mudanças favorecem mais os usuários do que as empresas do setor.

No ar

Participe da nossa enquete! Vote em www.saudebusinessweb.com.br/enquete Marcial Ribeiro, da Funef: Investimento de R$ 27 milhões e parceria com operadoras para expandir o hospital

Você é a favor da suspensão definitiva da Resolução n. 03 da Cmed, que prevê a proibição do Preço Máximo ao Consumidor (PMC) para os medicamentos exclusivos de uso hospitalar?

m Sim. Essa resolução traz efeitos maléficos para os prestadores de serviço.

m Não. Hospitais e clínicas não podem Foto: Rafael Danielewicz

nem devem comercializar medicamentos, mas sim focar em assistência.

m A medida da Cmed pretende apenas Leia mais: www.saudebusinessweb.com.br – Seção Economia

14

lay_com 14

desestimular essa prática e desonerar os sistemas de saúde dos custos indevidos.

revista Fornecedores Hospitalares

15.03.10 14:41:55


Anúncio Covidien Linha do Tempo - Forn. Hospitalares - 02.ai

1

3/10/10

3:52 PM

COVIDIEN e COVIDIEN com logotipo são marcas registradas de COVIDIEN AG. © 2010 Covidien. Todos os direitos reservados.

Marcas que você conhece e confia. Autosuture™ Kendall™

Av. das Nações Unidas, 12.995 Cj. 23 São Paulo - SP - 04578-000 Tel.: 11 - 2187.6200 Fax: 11 - 2187.6375

Untitled-1 1

Liebel-Flarsheim™ Mallinckrodt™

Nellcor™ Polysuture®

Puritan Bennett™ Sofradim™

Syneture™ Valleylab™

atendimento.brasil@covidien.com www.covidien.com

15.03.10 10:21:30


finalistas confira OS FINALISTAS DO TOP HOSPITALAR 2009: AUTOGESTÃO

INDÚSTRIA DE TI

CABESP (Banespa)

MV

CASSI (Banco do Brasil)

TOTVS

AMS (PETROBRAS)

WPD

CONSULTORIA

INDÚSTRIA DE SERVIÇOS

DELOITTE

ESTAPAR

IQG

GRSA

PLANISA

SODEXO

COOPERATIVA

INSTITUIÇÃO DE ENSINO

UNIMED-BH

FUNDAÇÃO DOM CABRAL

UNIMED-RIO

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS

UNIMED PORTO ALEGRE

INSPER

HOME CARE

MEDICINA DE GRUPO

DAL BEN

AMIL

HOME DOCTOR

GOLDEN CROSS

PRONEP

INTERMÉDICA

HOSPITAL FILANTRÓPICO

MEDICINA DIAGNÓSTICA

HOSPITAL ALEMÃO OSWALDO CRUZ

DASA

HOSPITAL ISRAELITA ALBERT EINSTEIN

FLEURY

HOSPITAL SÍRIO-LIBANÊS

HERMES PARDINI

HOSPITAL PRIVADO

MELHOR COMUNICAÇÃO COM O MERCADO

HOSPITAL 9 DE JULHO

AMIL

HOSPITAL COPA D´OR

FLEURY

HOSPITAL SÃO LUIZ

HCOR

HOSPITAL PÚBLICO

HOSPITAL SÃO LUIZ

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DE SP

TOTVS

HOSPITAL GERAL DE PEDREIRA

SEGURADORA

INCOR-SP

BRADESCO SAÚDE

INDÚSTRIA DE ARQUITETURA, ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO

PORTO SEGURO

BROSS CONSULTORIA E ARQUITETURA

SULAMÉRICA

L+M GETS MHA ENGENHARIA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS GE HEALTHCARE PHILIPS

SIEMENS INDÚSTRIA FARMACÊUTICA EUROFARMA

PFIZER ROCHE INDÚSTRIA DE INFRAESTRUTURA

AIR LIQUIDE LINDE WHITE MARTINS INDÚSTRIA DE MATERIAIS

SERVIÇOS FINANCEIROS BRADESCO BANCO SANTANDER ITAÚ SUSTENTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO CONGREGAÇÃO DE SANTA CATARINA BANCO REAL HOSPITAL ISRAELITA ALBERT EINSTEIN ADMINISTRADOR HOSPITALAR Charles Souleyman Al Odeh (9 de Julho)

FABIO SINISGALLI (NOSSA Senhora DE LOURDES) GONZALO VECINA NETO (SÍRIO-LIBANÊS) SERGIO LOPEZ BENTO (SAMARITANO) EMPRESÁRIO DO ANO EDSON DE GODOY BUENO ( AMIL)

B.BRAUN

JORGE MOLL (REDE D´OR)

BD

PAULO BARBANTI (INTERMÉDICA)

JOHNSON&JOHNSON

EXECUTIVO DA INDÚSTRIA

INDÚSTRIA NACIONAL EUROFARMA

FANEM MERCEDES IMEC

Dupla TOP 173.indd 2

CLAUDIA GOULART ( GE HEALTHCARE) DAURIO SPERANZINI ( PHILIPS) PABLO TOLEDO (BAXTER)

15.03.10 10:09:33


CONHEÇA A TRAJETÓRIA DE ALGUNS FINALISTAS QUE SE DESTACAM NO MERCADO:

Air Liquide

Associação Congregação de Santa Catarina

B. Braun

A Air Liquide possui a solução tecnológica para o fornecimento de gases e misturas especiais para a área hospitalar, materiais e equipamentos de última geração como ventiladores pulmonares, focos cirúrgicos, criopreservação, e um corpo técnico altamente capacitado para realizar projetos e instalações seguindo normas vigentes e rigorosos conceitos de segurança. A busca constante por inovações tecnológicas visando o desenvolvimento da saúde e a melhoria da qualidade de vida dos pacientes nos fazem líderes mundiais em soluções para a saúde.

A Associação Congregação de Santa Catarina é o braço executivo da Congregação das Irmãs de Santa Catarina. Com um modelo próprio de gestão, nosso negócio foi definido como integração, desenvolvimento e compartilhamento. Integração de todas as nossas obras, tais como escolas, creches, lar de idosos, centro de convivência, pastoral e hospitais. Desenvolvimento para continuarmos nosso caminho de ajudar os mais necessitados, mantendo uma história de auto-sustentação que conta com mais de 100 anos. Compartilhamento com as pessoas assistidas, com nossos 8.006 colaboradores e demais parceiros.

A B. Braun é uma empresa global com mais de 35 mil colaboradores, faturamento de 4,1 bilhões de dólares, e presente em mais de 50 países, oferecendo ao mercado de saúde (hospitais, clínicos gerais, homecare e tratamento extracorpóreo do sangue) mais de 30 mil produtos em diversas linhas. Com mais de quatro décadas no Brasil, empregando 1.582 colaboradores, atuando em todo o território nacional e exportando para mais de 15 países, a B. Braun vem servindo à comunidade de profissionais de saúde, pesquisando e desenvolvendo produtos que incorporam o que existe de mais moderno no campo das tecnologias de saúde.

Bross

fanem

GRSA

A Bross que comemora cinqüenta anos de atividade com seu fundador à frente, dedicada exclusivamente a conceber e a participar de empreendimentos de saúde, conta com um acervo acentuado de realizações e participações, o que lhe permite recomendar os mais modernos perfis empresariais de sucesso, ou mesmo adequar àqueles necessitados de mudanças operacionais e físicas para incorporação de inovações e melhores práticas. Os trabalhos realizados mais recentemente incluem o novo Hospital São José da Beneficência Portuguesa de São Paulo e a grande ampliação do Hospital IGESP, já em plena operação.

Em 2009 a fanEM comemorou 85 anos, consolidando-se na liderança em neonatologia com 85% do mercado nacional. Presente em 93 países, foi convidada, em dezembro, para participar de evento da Apex Brasil com a presença do Presidente da Republica e de Ministérios. No evento, denominado “O Melhor do Brasil”, a fanEM apresentou produto inovador, o Ampla, primeiro equipamento total care para neonatos desenvolvido no mercado brasileiro. Recebeu os prêmios “Excelência em P&D”, da Plano Editorial, e “Empresa do Ano”, da Hospital Best.

A GRSA atua nos segmentos Empresas, Saúde, Educação, Varejo e Serviços, com um completo portfólio de soluções em alimentação. Com mais de 1,5 mil unidades operacionais no Brasil, o Grupo está presente em 330 cidades. Na divisão Saúde, serve 37 mil refeições por mês em 7,5 mil leitos hospitalares. Especialista no segmento de Saúde a GRSA fornece produtos e serviços para o atendimento ao paciente, colaborador, corpo clínico e visitantes.

Home Doctor

Hospital São Luiz

Planisa

A busca contínua pela qualidade, o compromisso com pacientes e clientes e um forte sentido de inovação, resultou na recente certificação pela ONA em excelência - nível 3, fortalecendo ainda mais a sólida trajetória da Home Doctor ao longo de seus 15 anos. As inúmeras conquistas se traduzem no crescimento da empresa e foram fundamentais para disseminar e fortalecer a assistência médica domiciliar no País. Atualmente possuímos 6 unidades de negócio, atendendo as regiões de São Paulo, Vale do Paraíba, Baixada Santista, Campinas, Rio de Janeiro e Salvador.

A Rede São Luiz é referência nacional como hospital geral, pronto-atendimento, diagnósticos, maternidade e UTI Neonatal referência na América Latina. Suas três unidades somam 4,4 mil internações, 3,4 mil cirurgias e 13 mil partos/ano. Foi pioneiro no conceito de hotelaria hospitalar no Brasil e é o hospital oficial do Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1.

Com sólida experiência no mercado, a Planisa dispõe de diversas soluções voltadas à melhoria dos processos e otimização dos recursos da organização. Com novas ferramentas que possam auxiliar seus clientes, desenvolveu alianças estratégicas que promovem significativa ampliação dos produtos e serviços.

Siemens

Fabio Sinisgalli (Grupo N.S. Lourdes)

A Siemens Healthcare, que já teve o reconhecimento por dois anos consecutivos do Prêmio Top Hospitalar, está entre os finalistas da premiação em 2010. Uma das maiores fornecedoras do mundo para o setor da saúde e referência em diagnóstico por imagem, laboratoriais, tecnologia de informações médicas e aparelhos auditivos, a empresa atua desde a prevenção e detecção precoce até o tratamento e cuidados posteriores.

Diretor geral do Grupo Nossa Senhora de Lourdes – formado por 10 empresas da área de saúde. Membro do conselho deliberativo da ANAHP e diretor do SINDHOSP, Fábio assumiu a presidência do Hospital Nossa Senhora de Lourdes e Hospital da Criança.

Pfizer Empresa que mais investe na busca por novos medicamentos, é líder mundial no setor farmacêutico. Com um amplo portfólio de tratamento para doenças de diversas especialidades, a companhia possui uma unidade de negócios dedicada ao segmento hospitalar, que inclui medicamentos para Oncologia e Infectologia. Apenas na área de Oncologia, a Pfizer possui 22 moléculas em diversas fases de desenvolvimento clínico.

As empresas citadas nessa página e identificadas com a estrela na página ao lado fazem parte da campanha de marketing Sou Top!. Saiba mais sobre a campanha: COMERCIALSAUDE@ITMIDIA.COM.BR

WWW.TOPHOSPITALAR.COM.BR

Dupla TOP 173.indd 3

15.03.10 10:15:14


AGENDA

Abril | Maio ABRIL 1| QUINTA

Atualização Profissional na Á rea da Saúde Local: Local: São Paulo/SP www.prosaude.org.br/cursos

A perfeiçoamento em Insuficiência Respiratória para Profissionais de Saúde Local: Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa www.hospitalsiriolibanes.org.br/iep

O evento abordará os seguintes temas: Gestão de Pessoas (09); Recepção em Serviços de Saúde (16); Lavanderia Hospitalar (27); Controladoria Hospitalar (24); e Auditoria em Serviços de Saúde (25).

imaginou

sua empresa em

destaque na agenda dos

maiores líderes do setor da

?

saúde lay_com 18

4| DOMINGO

13| TERÇA

Inspeções Internacionais - Produtos para a Saúde Local: Centro Atualização Optionline www.optionline.com O evento vai abordar a pré-inspeção e custos; certificado de Boas Práticas de Fabricação; e Controle-BPFC da ANVISA para fins de registro, como legislação, abrangência e peticionamento.

8| QUINTA

Auditorias em sistema de gestão integrada (ISO 9001, 14001 E OHSAS 18001) Local: SINDHOSPE – Sindicato dos Hospitais de Pernambuco www.sindhospe.org.br

1| QUINTA

2º Congresso ABCDT - Gestão, Saúde e Lazer Local: Cruzeiro de 4 noites - Santos, Rio de Janeiro, Angra dos Reis, Ilha Bela e Santos www.abcdt.org.br/congresso A ABCDT lança o II Congresso Gestão, Saúde e Lazer a bordo de um cruzeiro da Ibero Cruzeiros. O navio sairá de Santos com destino ao Rio de Janeiro, Angra dos Reis, Ilha Bela e voltará para Santos, no período de 01 a 05/04/2010. O público-alvo é proprietários, administradores, médicos nefrologistas, enfermeiros e funcionários de clínicas de diálise e também para fornecedores e gestores. A intenção é continuar a discussão sobre os caminhos de gerenciamento, direcionamento e administração das clínicas de diálise e ampliar o debate sobre as questões financeiras e de regulação.

18

A jornada tem como objetivo esclarecer dúvidas e traçar, em linhas gerais, o caminho percorrido por um empreendedor que deseja certificar nas normas ISO. Diferenciar funções do consultor, auditor interno e auditor externo em sistema de gestão integrada, assim como expor a base das 3 normas em questão.

10| SÁBADO

VIII Congresso Paulista de Clínica Médica Local: Fecomércio (R. Plínio de Barreto, 285) www.clinicamedicaonline.com.br Regional São Paulo da Sociedade Brasileira de Clínica Médica realiza a oitava edição do Congresso Paulista de Clínica Médica, presidido pelo Dr. Roberto Raduan e coordenado pelo Dr. Abrão Cury Jr. Espera-se a participação de 1.500 profissionais da saúde, na maioria médicos clínicos gerais, que assistirão palestras, simpósios e mesas-redondas sobre pesquisas, avanços técnicos, prevenção.

14| QUARTA

Registro de Produtos Saúde na A mérica Latina Local: Centro de Atualização Optionline www.optionline.com

para a

Curso tem como objetivo o registro na América Latina: países regulados, requisitos de pré-mercado. Além disso, o curso vai tratar de pósmercado na América Latina: países regulados, tecnovigilância e tendências futuras.

revista Fornecedores Hospitalares

17.03.10 17:05:53


Anuncie

aqui,

Abril | Maio

formato

diferenciado e

MAIO 3| SEGUNDA

Informática Hospitalar Local: São Paulo - SP www.fundacaofia.com.br/profuturo Discussão prática de infraestrutura e sistemas hospitalares para gestores e fornecedores de produtos e serviços do segmento da saúde.

21| SEXTA

Seminário Nacional de Acreditação Internacional Local: São Paulo - SP www.cbacred.org.br

25| TERÇA

15º Congresso Latino-A mericano de Serviços de Saúde Local: Expo Center Norte - São Paulo - SP www.classaude.com.br Com o tema central “Saúde: Um Desafio Mundial, o evento está dividido em 3 módulos: Saúde Público-Privada (25/05), Saúde Suplementar (26/05) e Capacitação Profissional (27/05). As inscrições já estão abertas e podem ser feitas pelo site www.classaude.com.br. Evento oficial da Hospitalar, o Congresso é promovido pela CNS, FENAESS, SINDHOSP e Hospitalar.

exclusivo

27| QUINTA

Congresso Brasileiro de Aspectos Legais para Gestores e A dvogados da Saúde Local: Expo Center Norte - São Paulo - SP www.classaude.com.br Após 3 encontros nacionais e 7 jornadas, o evento ganha status de Congresso. Integrante do portfólio ClasSaúde, o programa irá abordar Prontuário Eletrônico como Meio de Prova, Judicialização da Saúde e seus Impactos nos Setores Público e Privado e Nexo Técnico Epidemiológico e o Impacto do SAT e FAP nas Empresas.

28| SEXTA

Gestão em Clínicas de Serviços de Saúde Local: Centro de Convenções - Expo Center Norte - São Paulo www.classaude.com.br

Gestão e Sustentabilidade do Ambiente Assistencial de Saúde - A Segurança do Paciente como Prioridade. Esse será o tema central do V Seminário Nacional de Acreditação Internacional, programado pela Joint Commission International e pelo Consórcio Brasileiro de Acreditação para 21 de maio.

O evento debate temas importantes, como O Poder do Relacionamento na Obtenção de Resultados para a Organização; Investimentos: Repensando o Presente para Preparar o Futuro; A Capacidade de Reinvenção diante das Mudanças do Mercado e inicia com palestras sobre Aspectos Importantes na Gestão Administrativo Financeira. Inscrições abertas.

nova

na agenda

FH da revista

e-mail:

comercial

26| QUARTA

saude@

4º Congresso Brasileiro de Gestão em Laboratórios Clínicos Local: Expo Center Norte - São Paulo - SP www.classaude.com.br

itmidia.com.br

Promovido pela CNS, FENAESS, SINDHOSP, SBPC/ML e Hospitalar, o evento tem como tema central “Construção, Desenvolvimento e Valor da Marca”. O programa aborda a cadeia do sistema de saúde, indicadores formadores de preço e estratégias para a consolidação da marca. Vagas limitadas.

Fornecedores Hospitalares revista

lay_com 19

tel.: 19

(11) 3823-6633 15.03.10 13:33:11


raio x

EXP F���: R������ B�������

paulo chapchap, do Sírio-libanês: Investimentos até 2012 serão da ordem de r$ 600 milhões

20

lay_raiox 20

revista Fornecedores Hospitalares

16.03.10 15:07:14


XPANSÃO Thaia Duó – tduo@itmidia.com.br

À VISTA

crescimento da demanda por serviços do Hospital Sírio-libanês provocou mudanças estratégicas nos projetos da instituição

Referência em várias especialidades, o Hospital SírioLibanês, em São Paulo, adotou o conceito de Centros de Excelência, que agregam atendimento especializado e tecnologia de ponta, além de proporcionarem satisfação aos clientes por meio da eficiência no diagnóstico, com foco nas patologias e com uma visão integrada de tratamento. O Centro de Oncologia é um dos exemplos do hospital que reúne especialistas de grande renome no País e oferece desde o diagnóstico até tratamentos como a radioterapia e radiocirurgia. Também proporciona suporte nutricional, psicológico e odontológico para os pacientes, sem deixar de lado o apoio humano. Além do Centro de Oncologia, as demais áreas atendidas por este modelo são: Tórax, Infectologia, Mastologia, Cardiologia, Dor, Parkinson e Distúrbios do Movimento e Nefrologia. “O crescimento da demanda por nossos serviços está sendo superior a nossa capacidade instalada. Temos que crescer rapidamente e por isso lançamos uma mudança estratégica que levará o atendimento oncológico, entre outros, para mais perto dos pacientes”, relata o superintendente de Estratégia Corporativa do Hospital Sírio-Libanês, Paulo Chapchap, ao comentar a

Fornecedores Hospitalares revista

lay_raiox 21

instalação de um novo prédio no Itaim Bibi, zona sul da capital paulista. A nova unidade ocupará 4,3 mil m2 em um prédio dedicado a área da saúde, onde oferecerá serviços de baixa e média complexidade e ambulatoriais como, por exemplo, endoscopia, reprodução humana e hospital-dia. Com um investimento de R$ 35 milhões, o projeto executivo está em fase de finalização enquanto as obras de adaptação já começam a ser planejadas. “Nossa expectativa é que os oito andares da unidade Itaim sejam inaugurados em julho deste ano”, afirma. No mesmo ritmo estão as obras de instalação do centro cirúrgico, localizado no prédio central do hospital. Atualmente é realizada cerca de 45 cirurgias por dia e a estimativa é que com a ampliação do centro esse número salte para 65. “Temos 12 salas e a meta é ter 19 até o final do primeiro semestre de 2010. Outro benefício será a integração dessas salas com uma enfermaria de hospital-dia”, conta. Segundo Chapchap, o ritmo de crescimento do Sírio-Libanês será estendido até 2012 e contará com recursos de R$ 600 milhões na ampliação de sua planta atual, que prevê novas instalações e a construção de outras três torres.

21

16.03.10 15:07:47


raio x

Recentemente o hospital inaugurou o novo espaço de seu Pronto Atendimento (PA). A área interna recebeu investimentos de R$ 9 milhões para ter seus leitos triplicados. Diariamente o PA do Sírio-Libanês atende cerca de 150 pessoas, com a ampliação a capacidade de atendimento sobe para 450 pacientes/dia. “Além de ampliar, nós passamos a atender de forma humanizada: o paciente entra em um box e fica monitorado, protegido na sua privacidade.” A humanização também faz parte da ‘UTI do Futuro’, de acordo com Chapchap. Inaugurada no final de 2009, a Unidade de Terapia Intensiva do SírioLibanês faz parte do projeto de ampliação do hospital que, até o final deste ano, contará com 82 novos leitos. A área de pesquisa não fica atrás. Serão investidos R$ 15,3 milhões, sendo R$ 5 milhões direto do Sírio e R$ 10 milhões da filantropia. De acordo com o executivo, o hospital terá novidades em estudos de novas moléculas para tratamento de câncer; em patentes para endoscópico cirúrgico, robótica e desenvolvimento do Núcleo de Pesquisa em Células-Tronco, entre outros. “Você não tem excelência se não tiver ensino e pesquisa. Chamamos isso de estímulo acadêmico para manter todos os profissionais na fronteira do novo conhecimento. O médico tem interesse em se desenvolver para trabalhar com conforto e atuar como docente.” Acreditado internacionalmente pela Joint Comission International (JCI), o Hospital Sírio-Libanês se reúne regularmente com outras instituições de excelência para discutir projetos que podem ser desenvolvidos juntos para buscar melhores resultados. A incorporação de novas tecnologias médicas nos hospitais é um dos temas que, segundo Chapchap, precisa ser discutido. “O que acontece é que a incorporação dessas tecnologias depende mais da falta de formar gente do que a falta de dinheiro. Embora São Paulo seja bem provido de tecnologia médica, essa não é a realidade no Brasil todo”, diz o executivo ao citar que o País tem parque tecnológico de radioterapia atrasado. “Isso é um desafio grande para o Inca.”

22

lay_raiox 22

O Sírio-Libanês recém adquiriu dois aparelhos de radioterapia, um de radiologia intervencionista, além de um PETCT e uma ressonância magnética. A próxima aquisição do hospital será um tomógrafo. No total foram destinados R$ 100 milhões para a compra de novos equipamentos. Integração com o SUS e responsabilidade social O fato de o ano de 2010 ser eleitoral é apenas um detalhe para o Hospital Sírio-Libanês, que planeja dar continuidade nos seus projetos independente das mudanças no governo. Protegido pelas regulações destinadas exclusivamente para os hospitais de excelência, a instituição filantrópica acredita que nem mesmo o projeto em parceria com o Ministério da Saúde deve ser afetado. Em 2008, o hospital assinou um contrato com o ministro José Gomes Temporão onde se prontificou a converter o benefício fiscal propiciado pelo governo federal em projetos de avaliação e incorporação de tecnologias, capacitação de recursos humanos, pesquisas de interesse público e desenvolvimento da gestão em serviços de saúde, em prol do Sistema Único de Saúde (SUS). “Os programas do Mais Gestão não são de cunho político e sim técnico”, confirma o superintendente de Estratégia Corporativa do Hospital Sírio-Libanês, Paulo Chapchap. Em conjunto com os hospitais paulistas Oswaldo Cruz, Samaritano, Albert Einstein e o Hospital do Coração (HCor), além do Moinhos de Vento, de Porto Alegre (RS), o Sírio-Libanês deve investir nos próximos três anos cerca de R$ 158,3 milhões nos programas desenvolvidos pelo Ministério da Saúde como, por exemplo, na reestruturação e qualificação da gestão dos hospitais federais do Rio de Janeiro. A ideia é diagnosticar o que pode ser melhorado e transferir conhecimento por meio de consultoria externas. “Esse projeto está em fase de diagnóstico,

partindo para um plano de ação e prometendo bons frutos num período breve.” O projeto deve durar em média dois anos e consumir R$ 400 milhões na capacitação de pessoal, infraestrutura e equipamentos. Deste montante, R$ 43 milhões devem ser destinados pelos seis hospitais de excelência. As unidades contempladas serão: a do Andaraí, a do Geral de Bonsucesso, a de Ipanema, a de Jacarepaguá, a da Lagoa e a dos Servidores do Estado. Com foco na integração do SUS, o Sírio-Libanês também mantém convênio firmado com a Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo, onde já foi possível o investimento de R$ 2,5 milhões com a reforma de cinco unidades básicas de saúde, além de R$ 1,5 milhão na implantação do Serviço de Ultrassonografia em quatro unidades carentes e R$ 4 milhões na reforma e restauro do SAE DST/AIDS Campos Elíseos, entre outros. O hospital, que teve isenção de cerca de R$ 62 milhões em 2009, destaca os projetos do Instituto Sírio-Libanês de Responsabilidade Social, que administra equipamentos públicos de saúde nas AMAS Especialidades Santa Cecília, Jardim Peri-peri, Vila Piauí e no Hospital Municipal Infantil Menino Jesus. “Nós temos dois tipos de responsabilidade social e essa é uma delas. Nesse caso não trabalhamos com verba nossa e sim com parcerias com o poder público para fazer gestão. Esse é um modelo que veio para ficar”, afirma Chapchap. Outro tipo de responsabilidade social praticado pelo SírioLibanês é o que está dentro do âmbito de sua atuação como hospital de excelência. “Tudo que fazemos para aplicar nossa filantropia é junto com Ministério da Saúde, que sabe das necessidades de assistência no Brasil. Não existe forma de fazer filantropia que não seja em parceria com o ministério e com foco no desenvolvimento do SUS. Nenhuma outra forma vai funcionar, senão essa”, conclui.

Hospital Sírio-libanÊs Com urgência de crescer, projeto do hospital prevê mais de R$ 600 milhões em investimentos

serviços Faturamento anual ou repasse anual Data de inauguração Número de leitos

números 2007: R$ 432 milhões; 2008: R$ 549,2 milhões 1921 323

Número de Leitos de UTI

44

Número de salas cirúrgicas

12

Número de Funcionários

4.500

Número de Médicos

2.756

Cirurgias / mês

1.271

Exames de diagnóstico / mês Internações / mês Investimentos em 2009

60.000 1.210 R$ 121,9 milhões

Fonte: Hospital Sírio-Libanês

revista Fornecedores Hospitalares

16.03.10 15:07:47


C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

Untitled-5 1

11.03.10 16:40:17


panorama

Cylene Souza - editorialsaude@itmidia.com.br

Assim como seres humanos evoluem do nascimento à idade adulta quando completam 18 anos - e tornam-se mais independentes e responsáveis, o setor de Saúde também viveu importantes evoluções de 1992, ano em que circulou a primeira edição da Fornecedores Hospitalares, e o momento presente. Veja como profissionais diretamente ligados à área avaliam este período

24

lay_repcapa 24

revista Fornecedores Hospitalares

15.03.10 13:53:00


Em 1992 não haviam órgãos reguladores como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e o Sistema Único de Saúde (SUS) ainda dava seus primeiros passos. Dezoito anos depois, muita coisa mudou. Depois da queda de Fernando Collor de Mello, em 1992, seu vice, Itamar Franco, assume a presidência e, em 1993, nomeia seu então ministro das Relações Exteriores para o posto do Ministério da Fazenda. Fernando Henrique Cardoso lança as bases para o Plano Real, que foi totalmente implantado em 1994. A nova moeda e o sistema econômico estável permitiram uma programação maior do futuro das instituições, embora reduzissem a possibilidade de ganhos com operações financeiras. “Antes do plano Real, as discussões sobre prazos de pagamento entre prestadores de serviços e planos de saúde eram até mais importantes do que os debates sobre preços, pela necessidade de realizar aplicações financeiras e evitar a perda de valor (N. da R.: antes do Real, era comum realizar aplicações de overnight no mercado aberto, para resgate no dia seguinte). Depois disso, as discussões passaram a ser mais técnicas e focadas no atendimento”, re-

Fornecedores Hospitalares revista

lay_repcapa 25

lembra o presidente da Federação Brasileira de Hospitais, Eduardo Oliveira. Os debates mais maduros começaram a exigir a profissionalização da gestão e o uso de ferramentas mais apuradas para a geração de dados. “Daí a importância da abertura de mercado, iniciada no governo Collor. Pudemos começar a importar computadores para apoiar a gestão dos hospitais e o Brasil saiu de um isolamento que o mantinha muito distante dos países modernos”, analisa Oliveira. Mas a profissionalização e uso de ferramentas de gestão só se tornou uma necessidade evidente com a criação dos órgãos reguladores: a Anvisa, em 1999, que passou a ditar normas e fiscalizar os estabelecimentos de saúde, e a ANS, em 2000, que começou a regular os planos de saúde. “Um mercado em franco crescimento e amadurecimento exige uma entrada mais forte da regulação e estes órgãos têm feito o seu papel. Com o tempo, foram se ajustando, de forma a garantir a segurança e os direitos dos usuários, mas sem se tornar rígido demais e impedir o acesso aos serviços”, analisa o Diretor – Líder da Indústria Life Sciences & Health Care da Deloitte no Brasil, Enrico de Vettori. A ANS, em especial, tornou-se um agente de consolidação do mercado. “Na época da criação da Agência, o Brasil tinha cerca de 2,7 mil operadoras, e hoje são cerca de 1,5 mil. O processo de consolidação se assemelha ao que aconteceu no setor bancário e tem ajudado a sanear o mercado”, avalia Vettori. Um mercado com menos fontes pagadoras aumentou às exigências sobre os prestadores de serviços, tanto quanto à gestão de custos, quanto à qualidade, o que leva aos primeiros movimentos em busca da acreditação, que culminam na criação da Organização Nacional de Acreditação, em 1999. “No começo da ONA, contávamos os hospitais acreditados nos dedos – em 2001, eram apenas sete. Hoje, temos mais

de 100”, diz o diretor-presidente da Planisa, Afonso Matos. O número, porém, é irrisório se comparado ao universo de 6.540 hospitais. “O processo de acreditação no Brasil é relativamente novo e a gestão não é totalmente profissionalizada. Evoluir nesta área não é simples, ainda mais se considerarmos a pulverização dos prestadores de serviços, alguns tão pequenos e passando por tantas dificuldades que nem conseguem se preocupar com gestão”, complementa. Os poucos hospitais que se destacam por suas práticas profissionalizadas de gestão, capacidade de investimento e uso de tecnologias avançadas começaram a buscar no mercado profissionais de diversos segmentos para integrar o corpo diretivo e gerencial, de forma a absorver conhecimentos de outras indústrias e adaptá-los à realidade da saúde, e passaram a ser vistos além de sua função social. “Dizer, no início da década de 1990, que o hospital precisava gerar lucro, era muito mal visto. Porém, com a profissionalização da gestão, a percepção do hospital como empresa vem se consolidando”, pondera o presidente da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), Henrique Salvador. O hospital-empresa traz a reboque mudanças na relação com fornecedores e clientes e exige ref lexões quanto à prática médica, modelos de gestão e formas de remuneração que sejam mais adequadas à realidade do século XXI. Especialmente nas relações conf lituosas entre prestadores de serviços e fontes pagadoras, ainda há muito a evoluir. A expectativa é que, nos próximos 18 anos, quando a Fornecedores Hospitalares chegar à meia-idade, que simboliza estabilidade, experiência e maturidade, o mercado esteja mais preparado para debater e implementar ideias que busquem a evolução conjunta, injetando mais recursos na economia e melhorando o acesso e qualidade da saúde no Brasil.

25

15.03.10 13:53:10


PANORAMA DO FATUR AMENTO AO PROCESSO DECISÓRIO Se na década de 1990 informatização em saúde significava ter um sistema de faturamento e uma ferramenta para o controle das internações, hoje, a indústria de TI consegue fornecer sistemas abrangentes, que continuam a realizar estas tarefas, mas que também podem reunir todo o histórico de saúde do paciente, gerir da recepção às áreas de apoio, passando pelas áreas de logística e fi nanças das instituições, e fornecer indicadores que apoiem a tomada de decisões. “Passamos de uma utilização muito restrita, com uma pequena quantidade de sistemas instalados, para uma grande evolução, especialmente na iniciativa privada, o que possibilitou a consolidação das empresas surgidas nos anos 1990, que hoje contam com boas soluções e uma base de clientes grande”, relembra o presidente da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS), Claudio Giulliano Alves da Costa.

Outra diferença marcante nestes quase 20 anos, segundo Costa, foi a mudança de foco da área financeira para a área clínica e a integração entre as áreas por meio da TI. “A evolução da TI para fins médicos é marcante. Hoje, falamos em prontuário eletrônico, prescrição eletrônica e gerenciamento de imagens (pelo sistema Picture Archiving Communication System – PACS). Além disso, saímos de uma visão departamentalizada para uma visão unificada, dentro do hospital, de hospital para hospital e de hospital para operadora”, analisa. Mas se as ferramentas evoluíram, o perfil do gestor de TI dos hospitais ainda deixa a desejar. “O profissional da área ainda é muito técnico, alcança no máximo o nível de gerência e acaba se reportando ou para a área administrativa, ou para a área financeira. São poucos os casos em que há um CIO de fato.” E numa era em que até os equipamentos médicos se apoiam na TI, como é o caso de tomógrafos e ressonâncias magnéti-

cas, o profissional precisa ser altamente capacitado e buscar especialização constante, para que possa tomar decisões e envolver-se com as estratégias e necessidades de diversas áreas. “Já temos prontuários eletrônicos que captam informações de monitores de UTI e equipamentos de imagem e marcapassos automatizados, por exemplo. Este tipo de tecnologia exige que o profissional de TI interaja com médicos, engenheiros biomédicos e clínicos. Por isso, começam a surgir subespecialidades na TI em Saúde, como é o caso dos bioinformatas, que tornaram viável o sequenciamento do genoma.”

Antes do Real, as discussões giravam em torno de pagamentos e prazos. Hoje, o foco é qualidade

F���: D���������

Eduardo Oliveria, da FBH

INTERNET E SAÚDE Da década de 1990 para hoje, houve também uma transformação no papel do paciente. “Com a evolução das telecomunicações e, em especial, da internet, o paciente começou a buscar outras fontes para conhecer sua saúde, que não o médico. Ele hoje é mais exigente com as condutas e mais questionador, o que o tornou um transformador da qualidade nas instituições. E não me refiro só às classes sociais mais altas. Com lan houses e telecentros, a informação passou a estar disponível para todos.” Se a internet tornou o paciente mais exigente, também serviu para facilitar a busca por especialização e o compartilhamento de experiência entre os médicos. “Iniciativas como o Telessaúde, do Ministério da Saúde, e a Rede Universitária de Telemedicina (Rute) promovem cursos por videoconferência e permitem segunda opinião ou mesmo análise de casos à distância.” E estes são só os primeiros aplicativos. Para o futu-

26

lay_repcapa 26

ro, o presidente da SBIS aposta no uso de mecanismos 100% digitais, sem papel, filme ou outras mídias, mais dispositivos móveis para o acompanhamento do paciente e convergência digital. “A chave para tudo é a interoperabilidade, que vai permitir a integração da informação, com redução de custos e aumento da qualidade. Os dados estarão disponíveis o tempo todo e o paciente poderá ser monitorado onde quer que esteja, com um sistema que garanta segurança e confidencialidade, pontos críticos para a área de saúde”, conclui. SOFISTICAÇÃO NA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS Os hospitais evoluíram e exigiram que seus fornecedores também se desenvolvessem. A indústria nacional, que tinha um baixo grau de uso de tecnologia, hoje atende padrões de qualidade internacionais e já exporta para diversos países.

Com a criação da Anvisa, em 1999, as indústrias brasileiras de saúde começaram a se preocupar mais com a criação de processos e acompanhamento da produção e se tornaram menos artesanais. “Com a exigência normativa, fundamental para um setor que trabalha com produtos que podem colocar vidas em risco, nossos gestores entenderam que ou passavam por um processo de qualidade e estruturavam o pós-venda, ou não resistiriam no mercado. Por causa deste processo de profissionalização, hoje nossa indústria é capaz de atender 90% das necessidades de um hospital”, conta o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Artigos

REVISTA FORNECEDORES HOSPITALARES

15.03.10 13:54:09


Um mercado em franco crescimento exige uma entrada mais forte da regulação

F���: D���������

Enrico de Vettori, da Deloitte

e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios (Abimo), Franco Pallamolla. A atenção dispensada pelo governo e a importância econômica também eram bem diferentes das de hoje. “A indústria nacional nem era abrangida nas políticas de governo e era tida como acessória. Hoje, é listada na Receita Federal, conta com uma linha de financiamento do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e integra o Complexo Industrial de Saúde”, enumera. Com o Complexo Industrial de Saúde, o governo, por meio do Ministério da Saúde e do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio

Exterior (MDIC), passou a estimular o desenvolvimento de tecnologia e utilizar o poder de compra do Estado para alavancar o desempenho das empresas brasileiras. “Dar algumas vantagens à indústria nacional é lícito. Foi assim que os grandes players internacionais, que hoje formam um oligopólio, cresceram: alavancados pelo poder de compra de seus países e por financiamentos de baixo custo. Hoje vivemos uma contradição: temos o maior sistema de saúde do mundo em cobertura e não temos uma indústria nacional de grande porte”, avalia. Mas, na opinião do presidente da Abimo, o cenário tende a mudar. “Minha crença é que temos todas as condições de fazer parte deste pequeno grupo de países que formam os players da saúde. As bases estão postas e nós só precisamos trilhar por esta estrada. Agora o futuro chegou e nós estamos ocupando nosso espaço. Em 10 anos, teremos um domínio tecnológico importante e, em breve, seremos notícia no mundo.

Antigamente, se dizia que o Brasil era o País do futuro”, aposta Pallamolla. ACESSO À TECNOLOGIA GLOBAL Embora venha se desenvolvendo, a indústria nacional ainda não é capaz de fornecer equipamentos de grande porte e altamente sofisticados, o que abre espaço para importações que, hoje, permitem que o País se equipare às tecnologias de nações maduras em pouco tempo: a primeira ressonância magnética de 3 Tesla foi instalada no Brasil em 2004 e, logo em seguida, em 2005, foi instalado o primeiro PET/CT. “Dos anos 1990 para cá, os hospitais tiveram acesso a muitas tecnologias. Os primeiros tomógrafos não faziam imagens de coração e hoje evitam cateterismo; passamos do ultrassom preto e branco em duas dimensões para o de

Evoluir na área de gestão não é simples, ainda mais se considerarmos a pulverização dos prestadores de serviço

F���: R������ ��������

Afonso Matos, da Planisa

FORNECEDORES HOSPITALARES REVISTA

lay_repcapa 27

27

17.03.10 11:07:35


PANORAMA

No início dos anos 90, dizer que o hospital precisava gerar lucro era mal visto pelo mercado

F���: G������� P����

Henrique Salvador, da Anahp

Hoje nossa indústria é capaz de atender 90% das necessidades de um hospital

F���: D���������

Franco Pallamolla, da Abimo

28

lay_repcapa 28

quatro, que oferece uma foto nítida do bebê na barriga da mãe. Além disso, há duas décadas, por falta de tecnologia, as pessoas iam se tratar fora do País e agora temos o f luxo inverso, com o turismo em saúde”, exemplifica o presidente da Associação Brasileira dos Importadores de Equipamentos, Produtos e Suprimentos Médico-Hospitalares (Abimed), Abrão Melnik. O aumento do f luxo das importações, estimulado pela estabilização do câmbio, exigiu que os órgãos governamentais investissem também em tecnologia. “Podemos apontar como fatos positivos a digitalização de parte do procedimento de importação e a criação do Sistema de Análise das Informações de Comércio Exterior, o Alice-Web”, cita o diretor-secretário da Abimed, Reynaldo Goto. As queixas ficam por conta dos processos de fiscalização e desembaraço nos portos e aeroportos, considerados lentos, e da carga tributária, ainda considerada alta, especialmente para a importação de partes e peças. Os obstáculos, porém, não impedem as expectativas positivas para as próximas décadas. “O País vive um momento muito positivo, com possibilidade de receber investimentos, crescer e até mesmo intensificar a produção local, o que pode tornar o Brasil um polo exportador”, prevê Melnik. Embora pareça contraditório, a Abimed acredita que o fortalecimento da indústria nacional irá trazer benefícios também para os importadores. “A complementaridade sempre vai existir. O Brasil já é conhecido, por exemplo, pela produção de etanol, votação eletrônica e exploração de petróleo em águas profundas. Na Saúde, vai também encontrar seus nichos e se tornar líder em exportações”, conclui Goto. NOVOS PAR ADIGMAS Mudanças no cenário econômico e regulatório, aliados à visão dos estabelecimentos de saúde como negócio, levantaram novas questões a serem debatidas entre os players da saúde. Entre as mais polêmicas e que talvez por isso pouco tenha evoluído diz respeito aos modelos de remuneração.

REVISTA FORNECEDORES HOSPITALARES

15.03.10 13:55:42


“Ainda há uma grande fi xação no fee for service”, reconhece o presidente da Anahp, Henrique Salvador. A visão é corroborada pelo diretor-presidente da Planisa, Afonso Matos. “Com a estagnação do modelo de pagamento, os esforços de auditoria e o custo administrativo também cresceram, o que levou o mercado a uma situação limite.” Agora, duas iniciativas prometem impulsionar as discussões sobre uma nova forma de remuneração. A primeira é a resolução 03/2009, assinada no final do ano passado pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), que proíbe a publicação do Preço Máximo ao Consumidor para medicamentos cujo registro defina ser de uso restrito a hospitais e clínicas. Logo em seguida a CMED divulgou nota dizendo que os hospitais e clínicas não poderiam lucrar com a venda de medicamentos, que hoje, junto às órteses, próteses e materiais especiais, compõem a maior parte da receita dos prestadores de serviços. As entidades de classe recorreram à Justiça e a resolução está suspensa, mas reacendeu as discussões sobre a remuneração dos serviços. A ANS também decidiu apoiar os debates e no início deste ano formou um grupo técnico, com representantes de fontes pagadoras e prestadores de serviços para buscar um modelo que atenda às necessidades de ambas as partes. A expectativa é que

as discussões levem à composição de um mix, a ser aplicado em diferentes situações vivenciadas por hospitais e operadoras. “Não acredito num modelo único. Não podemos admitir que só uma das partes assuma os riscos assistenciais. Teremos uma diversidade de modelos para compartilhar este risco”, prevê Salvador. PERSPECTIVAS O cenário econômico parece promissor também na saúde, especialmente quando se consideram eventos como a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016, que devem projetar o País no exterior. “O Brasil entrou de vez na rota do crescimento e a Saúde evolui independente do cenário econômico. Na política, esta também é a área em que todos querem apresentar algum projeto”, aponta o diretor-líder da Indústria Life Sciences & Health Care da Deloitte no Brasil, Enrico de Vettori. Porém, os benefícios só serão desfrutados por quem estiver altamente profissionalizado e com um planejamento estratégico claro. “A falta de profissionalização acaba estimulando a consolidação. O gestor resiste a mudanças, se apega e passa do ponto em que ainda é possível se reestruturar para o ponto em que a única solução é ser adquirido”, diz o especialista da Delloite. Por isso, a terceira onda de consolidação, que se segue aos processos de fusões e aquisições de centros de

diagnóstico e de operadoras, na definição de Vettori, tende a se intensificar nos próximos anos, não apenas pelo aspecto ruim, de incapacidade administrativa, mas também pelas vantagens que traz. “Os hospitais veem que sozinhos não sobrevivem e se ligam a outros, para ganhar escala e poder de barganha.” Para Matos, outras mudanças serão obrigatórias com o uso intensivo de tecnologia. “As novas tecnologias sempre vêm mais cara e muitas vezes não são substituídas, mas agregadas às outras. A oferta maior de exames e procedimentos aumenta a demanda por serviços e leva ao encarecimento da saúde. Por outro lado, é preciso reconhecer que a resposta da atenção à saúde ficou melhor, com mais possibilidades de cura e melhora na qualidade de vida. Além disso, os processos menos invasivos reduziram os custos com internações e complicações. Se há 18 anos o tempo médio de hospitalização chegava há 15 dias, hoje muitos procedimentos nem exigem internação e são realizados nos hospitais-dia”, avalia. Com isso, os hospitais precisarão se reinventar para manter-se sustentáveis. “Como muitas coisas serão resolvidas no nível ambulatorial e em home care, os hospitais precisarão reajustar sua operação e posicionar-se com uma oferta de soluções especializadas para casos altamente complexos. Acredito que isso acontecerá nas próximas duas décadas”, conclui.

Na saúde, o Brasil vai encontrar seus nichos e se tornar líder em exportação Reynaldo Goto, da Abimed

EM 1992... • Havia 6.653 hospitais e 544.357 leitos no Brasil • As instituições privadas representavam 71,5% dos estabelecimentos de saúde • Havia 0,91 leito público para cada mil habitantes • O mercado de trabalho era composto por 307.952 postos médicos • A cobertura vacinal era de 38,27% • Havia 151.546.843 de habitantes • Nasceram 3.453.149 bebês • A taxa de fecundidade era de 2,6 filhos /mulher • A esperança de vida ao nascer era de 67,34 anos • Eram registrados 42,6 óbitos de menores de um ano por mil nascidos vivos

EM 2010... • O Brasil conta com 6.540 hospitais e 511.833 leitos • As instituições privadas representam 68,82% dos estabelecimentos de saúde • Há 0,86 leito público para cada mil habitantes* • Mais de 1,7 milhão de profissionais atuam na saúde • A cobertura vacinal é de 78,94% • O País terá 193.353.605 habitantes • Nascerão 2.938.214 bebês • A taxa de fecundidade será de 1,76 filhos /mulher • A esperança de vida ao nascer atingirá 73,4 anos • Serão registrados 21,6 óbitos de menores de um ano por mil nascidos vivos

* O último dado disponível pelo SUS se refere a dezembro de 2007

F���: D���������

Fontes: Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde (CNES/Datasus), Pesquisa de Assistência Médico-Sanitária 1992-2002 (IBGE) e Ministério da Saúde

FORNECEDORES HOSPITALARES REVISTA

lay_repcapa 29

29

15.03.10 13:56:07


PANORAMA

MINISTROS DESDE 1992...... ADIB DOMINGOS JATENE 13/02/92 a 01/10/92 Em março de 1992, mês em que nasceu a FH e durante o governo de Fernando Collor de Mello, o cardiologista Adib Jatene assumiu o cargo de ministro da Saúde, substituindo José Goldemberg, que ficou apenas 19 dias no cargo. Nascido em Xapuri, no Acre, em 4 de junho de 1929, Jatene se formou pela Universidade de São Paulo (USP) em 1953 e em 1980 fundou e presidiu o Conselho Nacional de Secretários de Saúde, época em que era Secretário de Saúde de São Paulo. Indicado pelo ministro da Justiça da época, Jarbas Passarinho, Jatene elegeu como prioridades a prevenção, imunização, saneamento básico e educação sanitária. O então ministro tinha a meta de erradicar o sarampo, tratar a rede de esgotos de todo o Nordeste e implementar o trabalho dos agentes comunitários de saúde. Deixou o governo oito meses depois dizendo: “Não dá para ficar. Meia dúzia de empreiteiras mandam neste país.” Dois meses depois, o presidente Collor sofria um processo de impeachment por suspeita de corrupção. JAMIL HADDAD 08/10/92 a 18/08/93 No lugar de Jatene e logo após o afastamento de Collor, que foi substituído por Itamar Franco, assume Jamil Haddad, nascido em 2 de abril de 1926, no Rio de Janeiro. Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1949, Haddad propôs que a Central de Medicamentos (Ceme) tivesse um orçamento maior, para que pudesse fabricar remédios mais baratos em laboratórios oficiais. O ministro também criou farmácias populares, que vendiam medicamentos produzidos pelas faculdades de farmácia, e deu início à implantação do Sistema Único de Saúde em 400 municípios. SAULO PINTO MOREIRA 19/08/93 a 29/08/93 Como ministro interino após a saída de Haddad, Saulo Pinto Moreira passou apenas 10 dias no cargo. Nasceu em Miracema (RJ), em 15 de fevereiro de1922, o médico graduou-se em 1946 pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal Fluminense, foi professor na Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora (MG) e prefeito da mesma cidade, além de ter sido assessor especial da Secretaria da Presidência da República no governo de Itamar Franco. HENRIQUE ANTÔNIO SANTILLO 30/08/93 a 31/12/94 Em caráter efetivo, Henrique Antônio Santillo assume o cargo. O pediatra formado pela Universidade Federal de Minas Gerais e nascido em Ribeirão Preto, em 23 de agosto de 1937, estava no cargo quando a Organização Mundial de Saúde

30

lay_repcapa 30

confirmou a erradicação da paralisia infantil no Brasil e foi responsável pela implementação das propostas de municipalização da saúde, pela criação do Disque-Saúde e pela assinatura de uma portaria que proibia a propaganda de cigarros nos meios de comunicação. ADIB DOMINGOS JATENE 01/01/95 a 06/11/96 Adib Jatene assume novamente o Ministério da Saúde, agora a convite do presidente Fernando Henrique Cardoso. Nesta gestão, seu feito mais famoso e polêmico foi o empenho para a aprovação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). O ministro acreditava que, com a aprovação do novo tributo pelo Congresso, seria possível sanar o problema da falta de recursos para a área de saúde. Quando foi extinta, em 2007, apenas metade do valor arrecadado com a contribuição ia, de fato, para os cofres da Saúde. A última gestão de Jatene frente ao Ministério também foi marcada pela preocupação permanente em disciplinar e sanear o Sistema Único de Saúde e em elaborar o projeto de lei que, dois anos mais tarde, regulamentaria o mercado de saúde suplementar e culminaria na criação da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). JOSÉ CARLOS SEIXAS 07/11/96 a 12/12/96 Paulista de Marília, no interior de São Paulo, José Carlos Seixas foi secretário executivo, secretário geral e, finalmente, ministro da Saúde, por apenas um mês. O médico sanitarista formou-se pela Universidade de São Paulo (USP), em 1963, universidade em que também se especializou em Administração Hospitalar e obteve doutorado. Seixas também buscou no Chile uma especialização em Planejamento pelo ILPES/OPAS. O ministro também foi secretário-adjunto da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo e professor de Administração e Políticas de Saúde, na Faculdade de Saúde Pública da USP. CARLOS CÉSAR DE ALBUQUERQUE 13/12/96 a 30/03/98 Também com passagem rápida pelo Ministério, o capixaba de Barra do Ribeiro, Carlos César de Albuquerque, graduou-se em Medicina em 1966, pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Foi presidente do Hospital das Clínicas de Porto Alegre, a partir de agosto de 1984 e, em 1996, tornou-se ministro, tendo como pilares a defesa da descentralização do Sistema Único de Saúde (SUS) e o combate ao desperdício e à corrupção. O lançamento do Piso Assistencial Básico (PAB), previsto para vigorar a partir de novembro de 1997, foi a principal realização de Albuquerque como ministro. Concebido por Adib Jatene, o plano previa o fim da tabela única de preços e do pagamento por produção.

REVISTA FORNECEDORES HOSPITALARES

16.03.10 11:10:06


LINHA

DO T EM PO DA SAÚ DE

2................................................. JOSÉ SERRA 31/03/98 a 20/02/02 Em março de 1998, um engenheiro formado pela Escola Politécnica da USP torna-se ministro da Saúde, o paulistano José Serra. Serra era presidente da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal, desde março de 1997, quando recebeu este convite de FHC. Uma de suas primeiras medidas foi a criação de um endereço eletrônico para os hospitais públicos divulgarem os preços dos remédios, como forma de permitir a comparação de cotações dos produtos. Estava no cargo quando foi aprovada a lei 9656, que regulamenta os planos de saúde, e também ficou conhecido pela Lei dos Genéricos. Em fevereiro de 2002, deixou a pasta para candidatar-se à Presidência da República, eleição em que foi derrotado por Luiz Inácio Lula da Silva. BARJAS NEGRI 21/02/02 a 31/12/02 Barjas Negri foi ministro nos 10 meses finais do governo FHC. Também paulista, o economista formou-se pela Universidade Metodista de Piracicaba (SP), em 1973 e fez mestrado e doutorado na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). O substituto de Serra já atuava há cinco anos como secretário-executivo e, anteriormente, havia sido secretário de Educação de Piracicaba, de 1979 a 1982, e secretário de Planejamento, em 1993 e 1994. Também foi coordenador de Políticas Sociais e de Planejamento e Avaliação do governo de São Paulo, entre 1983 e 1986, e secretário-executivo do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), no Governo Federal. HUMBERTO SÉRGIO COSTA LIMA 01/01/03 a 08/07/05 Humberto Costa foi o ministro nomeado por Lula no início de seu mandato. Natural de Campinas, o médico é pós-graduado em Medicina Geral Comunitária e Psiquiatria, na Universidade Federal de Pernambuco, e em Clínica Médica, na Faculdade de Ciências Médicas de Pernambuco, além de ser também jornalista, diplomado pela Universidade Católica de Pernambuco. Costa foi primeiro-secretário do Sindicato dos Médicos de Pernambuco, deputado estadual e federal e vereador de Recife (PE). Em 2001, assumiu a Secretaria de Saúde do Recife. Em sua gestão foi criado o Serviço de Atendimento Médico de Urgência (SAMU) e implantou o Programa Academia da Cidade. Deixou o cargo em 2005 para disputar o governo de Pernambuco, em que terminou a eleição em 3º lugar, e foi denunciado pela Polícia Federal no episódio da Máfia dos Vampiros, referente ao superfaturamento dos hemoderivados. Desde 2007 é secretário das Cidades em Pernambuco, no governo de Eduardo Campos. JOSÉ SARAIVA FELIPE 08/07/05 a 31/03/06 O médico mineiro José Saraiva Felipe substituiu Humberto Costa, mas também viu-se envolvido em um escândalo de corrupção: seu nome foi citado na CPI dos Sanguessugas, que tratou da máfia das ambulâncias. Inocentado, deixou o cargo para concorrer a mais um

FORNECEDORES HOSPITALARES REVISTA

lay_repcapa 31

mandato de deputado por Minas Gerais. Com mestrado em Saúde Pública, Saraiva Felipe também foi professor de Medicina Preventiva e Social e coordenador-técnico do Núcleo de Pesquisa em Saúde Coletiva e Nutrição da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), local onde graduou-se. Na área pública, foi secretário municipal de Saúde e Ação Social de Montes Claros (MG), secretário da Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde e secretário da Saúde do Estado de Minas Gerais. JOSÉ AGENOR ÁLVARES DA SILVA 31/03/06 a 16/03/07 José Agenor Álvares substituiu Saraiva Felipe interinamente. O bioquímico e sanitarista, mineiro de Abaeté, é especializado em Saúde Pública, pela Escola de Saúde de Minas Gerais; em Administração Pública, pela Fundação Getúlio Vargas e em Planejamento Social, pelo CEPAL/CENDEC. Foi coordenador do Programa de Interiorização das Ações de Saúde e Saneamento (PIASS), secretário de Planejamento e secretário-adjunto do Ministério da Saúde, consultor nacional da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e presidente da Fundação Ezequiel Dias (MG). Coordenou também o Projeto Nordeste do Ministério da Saúde e foi gerente de Descentralização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Antes de assumir, era secretário-executivo do Ministério da Saúde. JOSÉ GOMES TEMPORÃO 17/03/07 – Atual O ministro da Saúde mais duradouro do governo Lula, José Gomes Temporão, que nasceu em Portugal e mudou-se para o Rio de Janeiro com um ano de idade. Formado em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), tem especialização em Doenças Tropicais, também pela UFRJ, é mestre em Saúde Pública, pela Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz, e doutor em Medicina Social, pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). Foi Secretário de Atenção à Saúde do Ministério, diretor do Instituto Nacional do Câncer (Inca) e subsecretário de Saúde da prefeitura do Rio de Janeiro. Passou por uma forte crise em 2008, com a epidemia de dengue no Rio de Janeiro e a febre amarela no interior de Goiás. O ministro defende que o aborto é questão de saúde pública, criou políticas para evitar a discriminação de gays, lésbicas, bissexuais e transexuais (GLBT) nos serviços de saúde e, em seu mandato, o governo conseguiu a quebra de patente do Efavirenz, anti-retroviral que agora pode ser produzido por laboratórios públicos. Em parceria com o Ministério de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio, lançou o Complexo Industrial de Saúde, programa que pretende fomentar o desenvolvimento da indústria nacional do setor.

31

16.03.10 11:10:28


PANORAMA

1994 • A Organização Pan-Americana de Saúde, órgão ligado à Organização Mundial da Saúde (Opas/OMS) reconhece que o Brasil erradicou a poliomielite. • Tem início o programa de incentivo ao desenvolvimento de medicamentos. • É criado o Programa de Saúde da Família (PSF), que teve o objetivo de oferecer atenção básica e reorganizar o sistema de saúde, muito focado em hospitais. O PSF começou com 55 municípios e 328 equipes. Hoje são 5.229 municípios e 29.710 equipes. A meta para este ano é atingir 32 mil equipes. • Pesquisadores da Duke University provam que cirurgias entre espécies são possíveis, após transplantar, de forma bem sucedida, corações de porcos alterados geneticamente em babuínos. Anos depois, a medula de um babuíno foi transplantada em um doente de Aids. • A epidemia de Ebola explode no Zaire. • Brasil vive epidemia de cólera, com 883 casos registrados no Norte e Nordeste.

1992 • A vacina tríplice viral, contra sarampo, rubéola e caxumba, é implantada em todos os Estados do Brasil. • A lei 8.489 é promulgada e passa a regulamentar os transplantes no País. Foi revogada em 1997 pela lei 9.434. • É desenvolvida a primeira vacina do mundo para a Hepatite A. • A Fundação Pró-Sangue cria o primeiro banco de medula óssea do país. • É descoberto o primeiro gene do câncer de mama.

32

lay_repcapa 32

1996 • A lei 9.313 passa a garantir a distribuição gratuita de medicamentos a todos os portadores de HIV e doentes de Aids. • A ovelha Dolly é apresentada como o primeiro ser vivo clonado do mundo.

1993

1995

• A portaria 545 é promulgada e passa a regulamentar o processo de descentralização da gestão dos serviços e ações do Sistema Único de Saúde (SUS). • A lei 8.689 extingue o Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social (Inamps), o modelo precursor do SUS, mas que era restrito aos contribuintes da previdência social. • É anunciado o primeiro mapa dos 23 pares de cromossomos humanos.

• A primeira iniciativa política de combate ao tabagismo foi dada com a edição da Portaria Interministerial 477, que recomendou que as emissoras de TV evitassem a transmissão de imagens em que personalidades aparecessem fumando e recomendou que os órgãos do SUS recusassem patrocínio das indústrias produtoras de tabaco para campanhas de saúde pública. • O Instituto Brasileiro de Combate ao Câncer (IBCC) lança a campanha “O câncer de mama no alvo da moda.”

REVISTA FORNECEDORES HOSPITALARES

16.03.10 11:13:15


1998 • A vacinação contra a hepatite B é ampliada. • É promulgada a lei 9.656, que regulamentou os planos e seguros privados de assistência à Saúde. • A portaria 3.916 aprova a Política Nacional de Medicamentos. • É implantado o Piso de Atenção Básica, que viabilizou a destinação de recursos exclusivos para ações básicas de saúde (prevenção, promoção ou recuperação) • É lançada a Central de Transplantes, que reúne informações sobre os pacientes da lista de espera por órgãos e estabelece critérios para a seleção dos receptores. • O Programa Nacional de Inspeção na Indústria Farmacêutica e Farmoquímica (PINIFF) é relançado e prevê o trabalho permanente dos fiscais da vigilância, de todos os estados, para inspecionar os laboratórios de medicamentos existentes no país. • É criado o Sistema de Fiscalização das Operadoras de Planos e Seguros Privados de Assistência à Saúde. • A Federação Nacional dos Médicos (FENAM) lança o Movimento S.O.S. Hospitais Universitários, para tentar tirar estas instituições da crise financeira. • São apresentados os resultados dos primeiros testes de laboratório de cultivo de células-tronco embrionárias bem-sucedidos. •O Estado de São Paulo começa a terceirizar a gestão de hospitais públicos para as Organizações Sociais de Saúde. Em 2005, a Prefeitura da capital decidiu seguir o exemplo e também cedeu suas unidades para a terceirização da administração pelas instituições filantrópicas.

2000 • A lei 9.961cria a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), órgão regulador das operadoras de planos de saúde. • É criado o Cartão Nacional de Saúde, mas, 10 anos após o lançamento, a cobertura e uso do cartão ainda é irrisória. • Cientistas dos Estados Unidos e Grã-Bretanha anunciam o primeiro rascunho com a sequência completa do genoma humano. • O Instituto Ludwig e a Fapesp atingem a marca de um milhão de sequências de genes de câncer.

1997

1999

• A CPMF é instituída pela lei 9.311, com o objetivo de custear os serviços de saúde. Começou com a cobrança de um percentual de 0,25% sobre qualquer movimentação financeira e terminou em 2008, com um percentual de 0,38% e menos da metade dos recursos destinados à saúde. • A lei 9.294 restringe a propaganda de cigarros, bebidas alcoólicas, medicamentos, terapias e defensivos agrícolas. • A lei 9.434 determina que os cidadãos que não quiserem se submeter à doação compulsória de órgãos deverão fazer novo documento de identidade contendo o carimbo “não doador”. • A lei 9.431 obriga todos os hospitais do País a manter um Programa de Controle de Infecções Hospitalares. • É comemorado o Ano da Saúde no Brasil. O governo estabelece como meta ampliar o programa saúde da família, ampliar a cobertura vacinal de 70% para 90%, reduzir a mortalidade materna de 115 para 80/1000 e reduzir a mortalidade infantil de 40 para 23/1000 nascidos vivos, entre outras ações. • A Portaria 1.886 aprova as Normas e Diretrizes do Programa de Agentes Comunitários de Saúde e do Programa de Saúde da Família.

• O Brasil começa a promover a vacinação contra a bactéria Haemophilus influenzae tipo B, causa mais frequente da meningite bacteriana. • A Lei 9.787 - dispôs sobre a vigilância sanitária e estabeleceu o medicamento genérico, tratando da utilização de nomes genéricos em produtos farmacêuticos. • A lei 9.782 cria a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que passou a regular e fiscalizar instituições de saúde, indústria de equipamentos, materiais, medicamentos e insumos. • É criada a Organização Nacional de Acreditação (ONA), que hoje conta com 200 instituições acreditadas, em nove categorias de serviços. • A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) apresenta o primeiro coração artificial total, inteiramente desenvolvido com tecnologia brasileira. • Tem início o Programa de Vigilância de Doenças Emergentes, fruto de uma parceria entre UNICAMP, Organização Pan-Americana de Saúde e Ministério da Saúde. • A Portaria 1.399 define as competências da União, Estados, Municípios e Distrito Federal na área de epidemiologia e controle de doenças, trata da sistemática financeira e dá outras providências. • É lançado o Plano Nacional de Controle da Tuberculose. • Começa a Campanha Nacional de Vacinação para a Terceira Idade (gripe, tétano e difteria). • O Congresso Nacional promulga a a emenda constitucional (PEC-29), que vincula verbas para o setor saúde. A emenda ainda aguarda aprovação.

FORNECEDORES HOSPITALARES REVISTA

lay_repcapa 33

33

16.03.10 11:13:41


PANORAMA

2001 • A lei 10.332 viabiliza o financiamento do Programa de Fomento à Pesquisa em Saúde e do Programa Biotecnologia e Recursos Genéticos (Genoma). • A lei 10.289 institui o Programa Nacional de Controle do Câncer de Próstata. • A lei 10.213 define normas de regulação para o setor de medicamentos, instituiu a Fórmula Paramétrica de Reajuste de Preços (FPR) e cria a Câmara de Medicamentos.

2002

2005

• São instituídos o Programa Nacional de Prevenção e Controle da Malária e o Subsistema Nacional de Vigilância das Doenças e Agravos não Transmissíveis.

• A Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados aprova o projeto de lei complementar que irá defi nir os gastos públicos em saúde. A regulamentação auxilia a emenda constitucional nº 29, de 2000, que estabelece a obrigatoriedade dos gastos em serviços de saúde vinculados à arrecadação de Estados e municípios. Os entes federados devem aplicar respectivamente 12% e 15% de seus recursos na área. • Lançada a Política Nacional de Atenção Oncológica que estabelece uma nova relação entre o paciente portador de câncer e o seu acompanhamento pela rede pública. Um dos principais objetivos é detectar precocemente a doença. Entre as metas, está a criação de uma rede nacional para mobilizar a população para o controle do câncer. • A pesquisa “Heterogeneidade de vetores e malária no Brasil” aé suspeita de usar cobaias humanas para estudo de caracterização da dinâmica da transmissão da malária. • É instituída pela Portaria 1.721 a Política de Estruturação e Contratualização dos Hospitais Filantrópicos. • É inaugurado no Rio de Janeiro o Complexo Tecnológico de Medicamentos (CTM) da Fundação Oswaldo Cruz. Entre os produtos da fábrica destacam-se anti-hipertensivos, anti-retrovirais, antianêmicos, antiinfecciosos e antidiabéticos. São de fabricação exclusiva de Farmanguinhos os medicamentos

2003 • O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) é lançado para atender as urgências de natureza traumática, clínica pediátrica, cirúrgica, gineco-obstétrica e psiquiátrica. • O mundo entra em alerta para evitar uma epidemia global da Síndrome Respiratória Aguda Grave, que ficou conhecida internacionalmente como SARS (da sigla em inglês Severe Acute Respiratory Syndrome) ou Pneumonia Asiática. • A Anvisa passa a editar os compêndios de bulas de medicamentos, para que a linguagem seja mais acessível e uniformizada. • A Resolução Normativa 44, da ANS, proíbe que hospitais particulares peçam garantias de pagamento pelo atendimento de pacientes de planos de saúde. • A fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) assina acordo para fabricação nacional da vacina tríplice viral, contra sarampo, rubéola e caxumba. • É lançada a Política Nacional de Saúde Mental, com foco na desospitalização.

2004 • É lançado o programa Brasil Sorridente, que tem o objetivo de melhorar as condições de saúde bucal da população. • O Ministério da Saúde lança a Política Nacional de Humanização no Sistema Único de Saúde (HumanizaSUS), que determina: que todo usuário tem direito de saber quais são os profissionais que o atendem; redução de fila com acolhimento e avaliação de risco; todo usuário tem o direito a ter um acompanhante nas internações e consultas; usuários e trabalhadores têm o direito de participar da gestão dos serviços. • O Ministério da Saúde intensifica as ações pela desospitalização de pacientes psiquiátricos com uma medida que determina que, cada vez que um hospital reduzir 40 leitos, mudará de classificação e ganhará um aumento no valor da diária paga pelo SUS. •• Os ministérios da Saúde e Educação lançaram o Programa de Reestruturação dos Hospitais de Ensino do MEC no Sistema Único de Saúde (SUS). • O Ministério da Saúde lança programa de combate ao tabagismo e pesquisa sobre perfil dos fumantes no Brasil. • A Resolução RDC 154 especifica regras para os serviços de diálise, entre elas: limite de 200 pacientes por serviço e de três turnos para o atendimento, habilitação na Rede Brasileira de Laboratórios Analíticos em Saúde (Reblas) dos laboratórios que realizam análise da água usada nas máquinas de hemodiálise e a obrigatoriedade de o quadro de funcionários ter psicólogos, nutricionistas e assistentes sociais. • É lançada a Política Nacional de Alta Complexidade, para reestruturar a atenção especializada no Sistema Único de Saúde (SUS) e integrá-la à atenção básica e média complexidade. • O Ministério da Saúde e o Instituto Nacional de Câncer (Inca) apresentaram o Consen-

34

lay_repcapa 34

so Brasileiro de Mama, documento para nortear a política nacional para o controle do câncer de mama e reduzir em 20% as taxas de mortalidade pela doença no Brasil. • É lançado o programa Farmácia Popular. • É lançada a Política de Qualificação de Atenção à Saúde do Sistema Único de Saúde (SUS) – QualiSUS. • Na 15a Conferência Internacional de Aids, realizada na Tailândia, foi anunciada a criação de uma rede de transferência de tecnologia entre países para a produção de medicamentos para Aids, produção de preservativos e de exames de Aids (CD4, carga viral e testes de detecção do HIV). • O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro da Saúde, Humberto Costa, assinaram o Termo de Posse da fábrica de medicamentos que a Fiocruz adquiriu da Glaxo Smith Kline Brasil. • O Ministério da Saúde começa a implantação da Rede Pública de Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário – Brasilcord, com dez unidades instaladas em hemocentro sde Belém (PA), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Campinas (SP), Curitiba (PR), Porto Alegre (RS), Recife (PE), Ribeirão Preto (SP), Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP). • O Ministério da Saúde lança Sistema de Monitoramento da Aids – MonitorAids, com indicadores nacionais, regionais e estaduais. • A Portaria 2607institui o Plano Nacional de Saúde – um pacto pela saúde no Brasil. • A Dasa se torna a primeira empresa de saúde do Brasil a negociar suas ações na Bolsa de Valores. Hoje, é a maior rede de centros de medicina diagnóstica da América Latina.

REVISTA FORNECEDORES HOSPITALARES

16.03.10 11:15:06


para tratamento de endemias focais, tais como malária, hanseníase, tuberculose e filariose. • É assinado convênio garantindo a isenção de ICMS sobre os medicamentos comercializados em todas as unidades do Programa Farmácia Popular do Brasil. • O Decreto 5.348 autoriza o fracionamento de medicamentos. • O Brasil realiza o maior estudo do mundo em célulastronco, o Estudo Multicêntrico Randomizado de Terapia Celular em Cardiopatias. • O Ministério da Saúde lançou a Política Nacional de Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos, com foco no planejamento familiar. • É decretado estado de calamidade na rede hospitalar do Rio de Janeiro. • Entra em consulta pública o documento que contém as diretrizes do Plano de Carreiras, Cargos e Salários do Sistema Único de Saúde (PCCS-SUS). • É assinado o decreto que reduz a zero as contribuições para o PIS e Cofins sobre mais de mil apresentações de medicamentos. • A CPI dos Sanguessugas denuncia o ministro Humberto Costa e também cita seu substituto, Saraiva Felipe, e os ex-ministros José Serra e Barjas Negri. O relatório final conclui que não há provas contra nenhum dos denunciados.

2007

2009

• É enviado ao Congresso o Projeto de Lei Complementar que propõe a criação das Fundações Estatais de Saúde. • O Instituto Nacional de Câncer (Inca) lança o sistema de Anatomia Patológica Web, que permite a troca de informações sobre diagnóstico em câncer,. • O Ministério da Saúde e o Ministério da Educação lançaram novas regras para hospitais de ensino integrarem o SUS, que têm como prioridade o compromisso do hospital em relação à assistência; formação e educação permanentes; pesquisa e avaliação tecnológica e aprimoramento da gestão. • Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai e Venezuela assinam acordo para a implantação do Banco de Preços de Medicamentos. • É lançado o Plano de Aceleração do Crescimento da Saúde (PACSaúde) que prevê investimentos de R$ 89 bilhões até 2011; desse total, R$ 24 bilhões são recursos novos. • A CPMF é extinta. • A Câmara dos Deputados aprova o projeto de lei 3.466, que cria o rol de procedimentos e serviços médicos com base na Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos (CBHPM). • Seguindo os passos de sua concorrente, a Medial Saúde, a Amil também decide abrir o capital. Em 2009, a Amil anuncia a aquisição da concorrente.

• A Influenza H1N1, torna-se uma epidemia global. • É aprovada a portabilidade da carência dos planos de saúde. • O projeto de lei 7703, que regulamenta o Ato Médico, é aprovado pela Câmara dos Deputados. • Amil compra a Medial Saúde. • Fleury abre capital. • A Anvisa determina mudanças nos rótulos de medicamentos e a adoção do código de barras bidimensional para a captura e transmissão de dados que possibilitem o rastreamento.

2006

2008

2010

• Pela primeira vez em 70 anos, as entidades e movimentos sociais que compõem o Conselho Nacional de Saúde (CNS) foram escolhidos em processo eleitoral. • Lançada a campanha nacional de incentivo ao parto normal e a redução da cesárea desnecessária. • Lançado o projeto Telessaúde, aplicado à Atenção Básica, que permite que as equipes de saúde da família tenham acesso a tecnologias como a educação a distância (teleeducação) e a troca de informações entre profissionais de saúde (telemedicina) pela internet. • O programa Farmácia Popular do Brasil permite que a rede privada de farmácias e drogarias passe a vender remédios para hipertensão e diabetes com preços até 90% menores que os cobrados no mercado. • A primeira vacina contra o HPV é aprovada. • A Medial Saúde negocia suas ações na Bolsa de Valores de São Paulo. • O Conselho Federal de Medicina aprova a resolução que trata da suspensão de procedimentos que prolonguem a vida de pacientes em fase terminal. • O Instituto do Coração (Incor) passa por uma das piores crises de sua história e recorre ao governo para tentar sanar a dívida de R$ 250 milhões.

• Autorizada a implementação dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (Nasf), que reunirão profissionais de diversas áreas no atendimento à população. • O Rio de Janeiro enfrenta uma grave epidemia de dengue, em que o número de casos dobrou de um ano para outro, enquanto a incidência caiu 40% no restante do País. Para buscar uma solução para o problema, foi montado um gabinete de crise. • Um surto de febre amarela causa caos nos postos de vacinação. • É realizado o primeiro transplante facial total do mundo. • O Brasil aprova o uso de células-tronco embrionárias em pesquisas. • O Ministério da Saúde e o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior lançam as bases do Complexo Industrial de Saúde. • A resolução RDC 96 restringe a propaganda de medicamentos. • Seguindo os passos da rival Microsoft, o Google também lança seu sistema de registro de saúde on-line, o Google Health.

• A missionária brasileira Zilda Arns, reconhecida mundialmente por seu engajamento na área de saúde, morre no terremoto do Haiti. • Organização Mundial de Saúde é acusada de exagerar na classificação da epidemia de gripe suína. • O medicamento mais vendido do mundo, o Liptor, da Pfizer, perderá a patente este ano e deverá estimular a entrada de fabricantes de genéricos no mercado de drogas contra o colesterol.

FORNECEDORES HOSPITALARES REVISTA

lay_repcapa 35

35

16.03.10 11:15:36


ARTIGO

INDICADORES: PAINEL DE BORDO

DO DESEMPENHO DA EMPRESA “Só é gerenciado aquilo que se mede.” Kaoru Ishikawa

Foto: Ricardo Benichio

N GENÉSIO KÖRBES É A DMINISTRADOR HOSPITALAR MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL SÓCIO DA KÖRBES CONSULTING

36

lay_artigo 36

ão se pode controlar o que não se mede, da mesma forma que é impossível gerenciar o que não se controla. As medições condicionam o comportamento dos indivíduos; não raro, tão logo se começa a medir algo, este “algo” melhora. Daí a importância dos indicadores, que são as referências de desempenho da organização em cada objetivo estratégico, dentro de cada perspectiva avaliada – no caso do Balanced Scorecard (BSC), por exemplo, as quatro perspectivas: financeira, cliente e mercado, processos internos e aprendizado e crescimento. A utilização de indicadores é fundamental para a consecução dos objetivos de uma empresa. Após a definição da estratégia a ser seguida, o indicador funciona como o painel de bordo que vai indicar aos gestores da organização se os resultados alcançados estão de acordo com o que foi traçado anteriormente. O indicador é o instrumento indispensável para avaliação do plano estratégico da empresa. Medir é extremamente importante – tão importante que, no ambiente organizacional, grandezas que não podem ser medidas devem ser descartadas, afi nal, será um desperdício de energia manter um indicador que não indica se a ação ou o objetivo estratégico alcançou ou não o resultado esperado. Segundo os autores Kaplan e Norton, os indicadores afetam fortemente o comportamento das pessoas dentro e fora da empresa. Ainda de acordo com os autores, é preciso bom senso para a escolha e elaboração dos indicadores. Além do bom senso, outro ingrediente essencial para o trabalho com indicadores é a disciplina, que pressupõe organização. O primeiro passo é ter em mente o que se quer fazer; depois disso, vem a execução das ações; na sequência – e daí a importância dos indicadores – é a vez das intervenções, ou seja, dos ajustes necessários caso não se chegue ao resultado desejado. E é só por meio dos indicadores que o gestor saberá se os resultados foram efetivamente alcançados. Outra condição a ser cumprida para a utilização dos indicadores é a existência de sistemas de informação. Os dados sobre o desempenho do hospital em suas diferentes unidades de negócio e referentes aos diferentes processos realizados têm de ser confiáveis e estar à disposição das lideranças, para que alimentem os indicadores e os utilizem como matéria-prima para a tomada de decisões. Em muitas empresas, utiliza-se a divisão em indicadores de qualidade, desempenho, produção e financeiros. Pode ser que essa distinção facilite o trabalho em seu serviço de saúde. Da mesma forma, a adoção de um sistema de Business Intelligence (BI), que trata os indicadores de forma inteligente, disponibilizando-os gerencialmente, pode ser uma boa ideia. Contudo, qualquer que seja o método adotado, de nada adianta um rol de indicadores selecionados com critério e bom senso se a ideia for apenas medir por medir. É preciso interpretar esses indicadores, extrair deles um retrato da atuação da empresa, comunicá-los aos setores de interesse e utilizá-lo de fato como um apoio para a consecução do plano estratégico, no sentido de indicar se a companhia está seguindo a trajetória previamente traçada. Os indicadores devem ser encarados como parte do planejamento da organização. É como o mostrador de combustível de seu carro: quando ele indica que a gasolina está acabando, sua primeira atitude é parar no posto mais próximo, certo? Se um indicador estratégico – como o índice de satisfação de cliente, o número de novas operadoras de planos de saúde cadastradas ou mesmo a quantidade de cirurgias canceladas sem motivo, por exemplo – não atinge a meta (que é a quantificação do objetivo, a quantidade a ser alcançada em cada indicador), é hora de rever os processos e tomar as medidas necessárias para que se atinja o resultado almejado.

REVISTA FORNECEDORES HOSPITALARES

16.03.10 11:55:26


DNV_Biocor.indd Untitled-1 1 1

06.01.10 15.03.10 11:36:36 10:22:32


tĂşnel do tempo - sercon (informe publicitĂĄrio)

Untitled-5 2

17.03.10 11:37:48


Untitled-5 3

17.03.10 11:38:51


TÚNEL DO TEMPO - FANEM (INFORME PUBLICITÁRIO)

FANEM ANTIGAMENTE Setembro de mil novecentos e vinte e quatro. Naquele ano, o imigrante alemão Arthur Schmidt fundou aquela que viria a se tornar a maior fabricante de produtos neonatais do Brasil, a Fanem. Na Década de 1920, o Brasil recebe cerca de 75 mil imigrantes alemães. 1919: Chegada do imigrante alemão Arthur Schmidt, vindo a convite da empresa Siemens. 1920: Criação da Arthur Schmidt & Cia LTDA, que, em pouco tempo, passaria a se chamar Fanem. 1924: Primeiros produtos da Fanem. 1930: Produtos comercializados pela Fanem. 1937: Inauguração da fábrica na Avenida General Ataliba Leonel, Carandiru, São Paulo. 1939: Primeiro catálogo de produtos Fanem. 1940: Fanem conquista a liderança de mercado em seu segmento. 1954: O Falecimento do fundador da Fanem, Arthur Schmidt. Walter Schmidt assume a direção da empresa. 1954: Lançamento da primeira incubadora brasileira para prematuros. 1961: Lançamento do Negatoscópio Estufa. 1960: Participação nas principais feiras do setor de saúde. 1962: Criação da ABIMO – Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios, que foi presidida por Djalma Luiz Rodrigues por mais de uma década. 1969: Lançamento da primeira fototerapia brasileira com lâmpadas fluorescentes. 1970: Primeira exportação de incubadoras (América do Sul e África). 1971: Lançamento do primeiro berço de calor irradiante produzido no Brasil. 1971: Primeiro curso de treinamento para usuários. 1974: Inauguração da fábrica em Cumbica – Guarulhos. 1975: Produção da incubadora Isolette C-86. 1980: Produção da primeira incubadora de transporte do Brasil. 1984: Nasce o primeiro bebê de proveta do Brasil e da América Latina. A criança, do sexo feminino, recebeu o nome de Anna Paula Caldeira. 1984 – Fanem fornece estufa modelo 060, utilizada durante a incubação de Anna Paula Caldeira, primeira criança brasileira fruto de fertilização in vitro. 1985: Inauguração da Rua Arthur Carl Schmidt, em Guarulhos. 1990: Início das pesquisas do Projeto Genoma. 1990: Morte de Walter Schmidt, pioneiro da Neonatologia brasileira. Marlene Schmidt passa a comandar a Fanem. 1991: Lançamento do Bilispot. 1995: Participação na segunda edição da Feira Hospitalar. 1997: Criação da APEX – Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos. 1997: Conquista do primeiro certificado de produto eletromédico da América Latina. 1999: Fanem exporta para mais de 40 países.

Fanen.indd 2

16.03.10 14:40:08


FANEM ATUALMENTE Década de 2000 Hoje, 85 anos depois, a empresa lidera o mercado nacional de incubadoras, além de fornecer seus aparelhos a noventa e três países. É, também, considerada a empresa brasileira com maior representatividade na indústria mundial de equipamentos médicos, em especial de neonatologia, com grande expressão no mercado global de incubadoras. Década de 2000: Praticamente deixam de existir partos fora de hospitais. 2000: Fanem conquista o Certificado de Boas Práticas de Fabricação e Controle de Produtos Para a Saúde (ANVISA). 2000: Exportações regulares para mais de 90 países nos cinco continentes. Fanem é responsável por 90% da pauta de exportação de produtos neonatais do Brasil. 2000: Empresa brasileira mais votada na premiação IBest. 2002: Primeira edição do Troféu Walter Schmidt. 2003: Criação do Centro de Estudos Fanem. 2004: Produção da primeira fototerapia microprocessada do mundo, chamada Bilitron. 2004 e 2007: Marlene Schmidt protagoniza campanha do governo federal para a APEX-Brasil, como exemplo de empresa bem-sucedida no exterior. 2005: Fanem recebe o Prêmio P&D Inovação e Tecnologia com o produto Bilitron. Década de 2000: 60% do mercado na linha de laboratório e 85% em Neonatologia. 2008: Presidente Lula visita estande da Fanem na Feira Hospitalar. 2009: A Fanem comemorou 85 anos. 2009: A Fanem recebe o Prêmio P&D Inovação e Tecnologia com o produto AMPLA 2085. EMPREENDEDORISMO Foi na década de 1970 que a FANEM passou a exportar suas incubadoras. Decidida a fazer das exportações sua principal meta, a empresa trabalhou intensamente nos últimos dez anos concentrando esforços na racionalização de processos e serviços, no incremento da qualidade e do atendimento aos usuários dos seus produtos no exterior. Investimentos foram realizados visando à adequação dos processos para a obtenção das principais certificações de qualidade - nacionais e internacionais, entre as quais, ISO, Certificação MERCOSUL e Certificação Comunidade Européia. Como resultado, a FANEM elevou as vendas no mercado externo em 650% nos últimos seis anos. A surpreendente história de empreendedorismo e internacionalização dessa empresa familiar foi destaque – juntamente com companhias como Alpargatas, Azaléia e Odebrecht - no livro “Internacionalização, Estratégia e Estrutura”, uma coletânea de estudos organizada pelo professor e pesquisador Eduardo Vasconcellos, da FEA-USP, lançado em 2008. Também em 2008, a FANEM recebeu o prêmio Apex-Brasil de Excelência em Exportação na categoria Abertura de Novos Negócios. O prêmio reconheceu a empresa que abriu o maior número de oportunidades e mercados e utilizou a melhor estratégia de exportação entre 2006 e 2007. Foi disputado também pela Sadia e Aquila Internacional Business.

Fanen.indd 3

16.03.10 14:40:50


TÚNEL DO TEMPO - DELTRONIX (INFORME PUBLICITÁRIO)

DELTRONIX ANTIGAMENTE A DELTRONIX Equipamentos Ltda. é uma empresa genuinamente nacional que está no mercado desde 1970 produzindo equipamentos para o setor médico/hospitalar/odontológico, utilizando os melhores recursos da engenharia. Localizado na cidade de Ribeirão Preto, estado de São Paulo, seu parque industrial tem anexado a ele o setor administrativo e comercial da empresa, utilizando uma área de 1200 metros quadrados. Contando com uma equipe de funcionários treinados e altamente qualificados, trabalhando em sintonia com os objetivos da empresa, a DELTRONIX utiliza todo este conhecimento para a produção de seus equipamentos, oferecendo produtos considerados como dos melhores em sua categoria. Tendo como princípio básico a união da ciência com a tecnologia, a DELTRONIX é a prova consistente desta compatibilidade, pois há uma permanente troca de experiências entre a empresa e seus principais usuários.

Deltronix.indd 2

17.03.10 16:03:06


DELTRONIX ATUALMENTE Comemorando neste ano seus 40 anos de existência, a DELTRONIX adquiriu know-how e conta hoje com o reconhecimento do segmento no Brasil e nos países com os quais tem relacionamento técnico/comercial. A união da experiência de campo desses profissionais com a alta tecnologia desenvolvida pela DELTRONIX resulta em produtos mais eficientes que propiciam a otimização do tempo em todos os procedimentos cirúrgicos. Com o controle rigoroso de todas as etapas do processo de fabricação dos equipamentos, nenhum produto é colocado no mercado sem ser exaustivamente testado. A produção dos bisturis eletrônicos DELTRONIX e seus acessórios somente é possível com o envolvimento dos mais diversos profissionais: são médicos, engenheiros, fornecedores de serviço e de matéria-prima, que colaboram permanentemente para colocar no mercado equipamentos de última geração. O grande diferencial da DELTRONIX em relação aos seus concorrentes, reconhecido pelos seus usuários, são: qualidade, funcionalidade, durabilidade e simplicidade de operação. A DELTRONIX tem como principal objetivo prover o setor médico, hospitalar, odontológico e veterinário com equipamentos modernos, confiáveis, precisos, duráveis e de alta qualidade favorecendo, assim, o desenvolvimento e o aprimoramento da eletrocirurgia. A evolução tecnológica na DELTRONIX é uma constante. Como empresa inovadora acompanhou prontamente a substituição dos equipamentos valvulados pelos transistorizados e está absolutamente em dia com a tecnologia digital, oferecendo atualmente os mais modernos equipamentos micro processados com todos os recursos propiciados por esta moderna tecnologia. “A obtenção da certificação de qualidade ISO 9001:2008, ISO 13485:2003, e das Certificações pelo INMETRO segundo as Normas NBR IEC 60601-1, NBR IEC 60601-2-2, NBR IEC 60601-1-2 alem das Boas Práticas de Fabricação de Equipamento Médico vem confirmar o empenho da DELTRONIX na valorização e na qualidade de seus produtos, sempre reconhecida pelos seus clientes”. A qualidade DELTRONIX é mantida também através de sua rede de assistência técnica, em todo território nacional, com técnicos treinados na própria fábrica. A ELETROCIRURGIA é o nosso forte, e por isso oferecemos sempre o que há de melhor no setor.

Deltronix.indd 3

17.03.10 16:03:53


TÚNEL DO TEMPO - BD (INFORME PUBLICITÁRIO)

liNHa DO TeMPO BD 1956- Em Juiz de Fora, nascia a Becton Dickinson Indústrias Cirúrgicas S.A., cuja primeira fábrica produzia seringas de vidro. 1958- Agulhas hipodérmicas e especiais para anestesia foram agregadas à linha de produção. Em 1970 a BD começa a fabricar agulhas especiais para biópsia e outras aplicações técnicas. 1970- O Brasil começa a importação de seringas plásticas descartáveis.. Em 1974, a Companhia passou a fabricar termômetros de vidro, produto que é manufaturado atualmente apenas na China. 1970- A BD-Brasil iniciou suas atividades na área laboratorial, quando passou a comercializar no Brasil os tubos BD Vacutainer®, um sistema de coleta de sangue a vácuo. 1978- A operação se verticalizou com a implantação da fábrica de microtubos, destinados à produção de agulhas. 1980- O mercado para agulhas e seringas descartáveis praticamente explodiu pela procura instantânea destes produtos. 1984- A fabrica da BD em Curitiba - PR inicia suas atividades fabricando seringas e agulhas descartáveis para atender o mercado Brasileiro e Sul-Americano. Até hoje as seringas e agulhas fabricadas em Curitiba ditam os standards de qualidade do mercado brasileiro. 1985- A Companhia lançou a primeira publicação nacional com informações sobre o tratamento de diabetes, o jornal Bom Dia – hoje, revista BD Bom Dia, que alcançou uma tiragem de 100 mil exemplares distribuídos gratuitamente para este público em todo o Brasil. Um ano depois foi criado o Centro BD de Educação em Diabetes. 1985- A Companhia instalou o primeiro sistema automatizado de hemocultura - BD BACTECTM - lançado no país para o diagnóstico de doenças infecciosas, como a tuberculose. 1986- A Sede Administrativa da Empresa foi instalada em prédio próprio da BD, na rua Alexandre Dumas, Zona Sul da capital paulista, onde funciona até hoje. Até o início dos anos 90- Só eram vendidas no Brasil insulinas nas concentrações U40 e U80. Em 1991, a insulina U100 começou a ser produzida no Brasil.

BD.indd 2

16.03.10 18:56:22


1990- A unidade Medical Surgical Systems criou o Centro de Treinamento de Acesso Vascular - CTAV, uma iniciativa educacional que tem como objetivo promover a capacitação e habilitação, mediante educação e treinamento, de profissionais de saúde em procedimentos de implantação e manutenção de cateteres, assim como em Anestesia Regional. No final dos anos 90- A BD iniciou o segmento BD Biosciences no Brasil no campo da citometria de fluxo, lançando no país equipamentos e reagentes de elevado nível de tecnologia para a monitoração de HIV/ AIDS e leucemia. 2000- São lançados pela BD os jornais Diálogos Clínicos em Anestesia e Intravenous, respectivamente. Para consolidar sua política de investimentos no Brasil, a BD instalou em 2001, na Fábrica de Juiz de Fora, novos equipamentos trazidos dos EUA para a produção dos tubos BD Vacutainer®, mantendo o espírito empreendedor e inovador da Companhia. Além disso, as unidades de negócios Preanalytical Systems e Diagnostic Systems desenvolvem projetos educacionais para os profissionais e gestores da área laboratorial. Em 2005, a BD apoiou a elaboração do documento da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica e Medicina Laboratorial (SBPC/ML) Recomendações da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial para Coleta de Sangue Venoso. A obra é uma das mais completas fontes de informação sobre coleta de sangue venoso já lançada no Brasil. BD Medical É uma das lideranças no Brasil e no mundo no fornecimento de dispositivos médico-hospitalares. Assim como ocorreu nos Estados Unidos em 1906, no Brasil a BD foi pioneira na produção de seringas e agulhas há mais de 50 anos, com a instalação de sua primeira fábrica no país, em Juiz de Fora - MG. Desde então, a Companhia continua empenhada em manter sua posição de liderança em inovar nos processos de construção de dispositivos médico-hospitalares. Constituída pelas unidades Diabetes Care, Medical Surgical Systems, Ophthalmic Systems e Pharmaceutical Systems, a BD Medical possui no Brasil uma ampla linha de produtos que inclui agulhas, seringas, seringas de segurança, cateteres intravenosos, dispositivos para aplicação de insulina, sistemas de seringas e dispositivos preenchidos para administração de medicamentos produzidos especialmente para a indústria farmacêutica, lâminas de bisturi, agulhas e conjuntos para anestesia regional, dispositivos para terapia intensiva, coletores de material perfurocortante, produtos para atenção domiciliar do paciente e, futuramente, uma linha de dispositivos para cirurgia oftálmica.

BD.indd 3

16.03.10 18:56:37


TÚNEL DO TEMPO - WEM (INFORME PUBLICITÁRIO)

WEM ANTIGAMENTE 1985. A WEM Equipamentos Eletrônicos dá os primeiros passos na jornada que projetou sua marca na história da eletrocirurgia nacional. Desde o início, a empresa se concentrou na produção de equipamentos que levassem às mãos do especialista a qualidade essencial para quem se dedica à vida humana. O trabalho começou com uma linha de detectores de batimentos cardíacos fetais e de fluxo sanguíneo, além de um bisturi portátil de baixo custo, desenhado para cirurgias de menor porte. Em 1987 a empresa deu um novo salto de qualidade, desenvolvendo seu primeiro bisturi elétrico para centros cirúrgicos hospitalares. Com uma fórmula 100% nacional, a WEM conquistou novos mercados a cada lançamento, atuando em sintonia com as aspirações da classe médica para levar soluções em tempo real a especialidades diversas, mesmo em procedimentos de alta complexidade. Pioneira no setor a obter a certificação de acordo com as normas técnicas do Inmetro, marca CE e BPF (Boas Práticas de Fabricação), a empresa se expandiu pelo mundo, abrindo caminhos para difundir a qualidade made in Brazil, há 25 anos.

Wem.indd 2

17.03.10 11:55:47


WEM ATUALMENTE 2010. A WEM segue ampliando suas fronteiras no universo da eletrocirurgia, exportando seus produtos para mais de 60 países do mercado europeu, asiático e americano. No Brasil, 7 em cada 10 equipamentos eletrocirúrgicos hoje em operação nos consultórios e centros médico-hospitalares têm a marca WEM, uma linha completa de bisturis eletrônicos microprocessados, coaguladores por plasma de argônio, aspiradores de fumaça e monitores fetais. Líder no mercado nacional, a empresa atende clientes com os mais altos níveis de exigência como o Ministério da Saúde, secretarias estaduais e municipais, além dos mais importantes hospitais do Brasil. Atuando em parceria com universidades e institutos de pesquisa, desenvolve novas tecnologias em um processo de evolução contínua, que se ilumina com as possibilidades para o futuro, como a nova geração de bisturis a laser, jato d’água, ultrassom e raios solares. Hoje, 25 anos depois do primeiro passo, a empresa vê sua liderança como um verdadeiro compromisso com a vida. Uma aliança que se renova a cada dia, e que transformou a WEM na marca da eletrocirurgia.

Wem.indd 3

17.03.10 11:56:39


TÚNEL DO TEMPO - ESTAPAR (INFORME PUBLICITÁRIO)

ESTAPAR ANTIGAMENTE ESTAPAR: UMA HISTÓRIA DE INOVAÇÃO A história da rede Estapar começou em 1981, com a inauguração da marca Riopark para atuar no mercado do Rio de Janeiro. Um ano depois, nascia no Paraná a bandeira Estapar, com a finalidade de operar as vagas do Centro Comercial Itália, a maior garagem de Curitiba, administrada pela empresa até hoje. A expansão nacional da rede foi iniciada em janeiro de 1987, com a chegada da bandeira Estapar à capital paulista. Um ano depois, já mantinha 56 estacionamentos em São Paulo, no Rio de Janeiro e no Paraná, e ocupava a quinta posição no ranking do setor. Em 1995, prestava serviços em 210 estacionamentos, num total de 30 mil vagas. Hoje, com 130 mil vagas em 615 unidades, é a maior e mais conhecida operadora de estacionamentos da América Latina. Desenvolvendo soluções diferenciadas, a Estapar especializou-se na operação e administração dos mais variados segmentos de estacionamentos privados, como hospitais, centros médicos e clínicos, condomínios comerciais e empresariais, hotéis, flats, instituições de ensino, terminais metroviários e rodoviários, casas de shows, clubes, shopping centers, agências bancárias, entre outros. Pensou em estacionamento, pensou em Estapar Nesses 29 anos de trajetória, a Estapar conquistou a reputação de ser uma empresa inovadora e competente, uma das melhores do segmento para trabalhar, para contratar e para fazer uso de seus serviços. Mesmo sendo líder de mercado, não pára nunca. A empresa lançou serviços de projetos e consultoria para estacionamentos (1990), valet parking para eventos (1992), foi a primeira rede a instalar no país equipamentos automatizados para estacionamentos (1994), trouxe para o Brasil a Área Azul Eletrônica (1996), participa dos consórcios que viabilizaram as duas primeiras garagens subterrâneas em regime de concessão pública (1999). Também foi pioneira em parceria com seguradora (1987), em aceitar pagamento da estadia com cartões de crédito e de débito (a partir de 2001) e em participar de projetos em prol da mobilidade urbana sustentável. Em 2007, a empresa deu mais um importante salto em qualidade e eficiência administrativa, promovendo a integração tecnológica dos estacionamentos. No ano passado (2009), a Estapar anunciou uma parceria com o BTG Pactual, pela qual o banco de investimentos se torna sócio da rede de estacionamentos. A associação confirma a vocação para inovação e liderança da Estapar, dando início a um novo posicionamento estratégico da empresa.

Estapar.indd 2

17.03.10 17:55:55


ESTAPAR ATUALMENTE ESTAPAR: SOLUÇÕES COMPLETAS Líder de mercado na América Latina, a Estapar oferece soluções completas em off-street parking (estacionamentos privados) e on-street parking (estacionamento regulamentado em vias públicas - Área Azul Eletrônica). No setor off-street, administra 615 estacionamentos, num total de 130 mil vagas, que representam cerca de 2,6 milhões de metros quadrados de área. A bandeira está presente em onze Estados e 60 municípios, gerando cerca de 4.000 empregos diretos. No segmento on-street, a Estapar é concessionária de serviços de Área Azul Eletrônica em 11 cidades. O moderno sistema adotado pela empresa é operado por parquímetros eletrônicos multivagas, equipamentos de uso coletivo que emitem automaticamente o tíquete para estacionamento em vias públicas. No total são mais de 15,3 mil vagas e 747 parquímetros eletrônicos multivagas instalados. O modelo utilizado pela Estapar é similar ao instalado em mais de 4 mil cidades no mundo, entre elas Madri, Paris, Roma, Milão, Amsterdã, Berlim e Nova York. Além da qualidade técnica, operacional e de atendimento, transparência e ética na condução dos negócios também são valores da Estapar reconhecidos no mercado. A empresa alia governança corporativa aos mais modernos recursos tecnológicos, certa de que eficiência e transparência na prestação de contas - accountability - são primordiais para os gestores dos empreendimentos que contratam seus serviços. POSICIONAMENTO INOVADOR No ano passado, a Estapar anunciou mais uma inovação na indústria de estacionamentos. A partir da associação com o banco de investimentos BTG Pactual, incluiu em seu posicionamento estratégico a atuação como empresa de negócios imobiliários em estacionamentos. Além de seu reconhecido expertise em consultoria e gestão, a Estapar agora também conta com a sofisticação financeira que permite à empresa participar da incorporação de garagens em empreendimentos imobiliários. GESTÃO ESTAPAR EM ESTACIONAMENTOS DE HOSPITAIS A gestão de estacionamentos em hospitais é uma das especialidades da Estapar. A rede é reconhecida por desenvolver técnicas para harmonizar o atendimento de veículos dos diferentes públicos – médicos, funcionários, pacientes, acompanhantes de pacientes e visitantes – oferecendo serviço de estacionamento qualificado e prestado por equipes integradas aos procedimentos e políticas de qualidade dos hospitais. A Estapar opera 70 estacionamentos em empreendimentos do setor de saúde (clínicas, institutos, centros médicos e laboratórios), num total de mais de 10 mil vagas.

Estapar.indd 3

17.03.10 17:56:17


Soluções para a saúde d Empresas de saúde, apoiadas pela confiabilidade da Serasa Experian, estão cuidando também da saúde do planeta e de seus negócios. Use os Certificados Digitais da Serasa Experian para acessar com validade jurídica*:

r SISREL – Sistema de Ressarcimento Eletrônico do SUS r TISS – Troca de Informações em Saúde Suplementar r PEP – Prontuário Eletrônico do Paciente r GED – Gerenciamento Eletrônico de Documentos

* Resolução CFM 1821/2007

Conte com a Serasa Experian para eliminar papel, reduzir custos operacionais e aprimorar o atendimento.

0800 773 7728

certificadodigital.com.br

AnuncioCDSaúdeDuplo_532mmx310mm.indd 1 Untitled-4 2

16.03.10 18:03:02


e dos seus neg贸cios

16/3/2010 17:43:47 Untitled-4 3

16.03.10 18:03:02


Liba Propaganda

março/2010

Fresenius Kabi, a marca intrínseca na vida há mais de 5 séculos.

an_institucional_fresenius_VIDA_pgdupla.indd 1 Untitled-2 2

16.03.10 16:09:32


É preciso muita saúde para trabalhar 548 anos pela VIDA.

O

Grupo Fresenius é um dos mais antigos, sólidos e importantes do mundo na área da saúde: nasceu em 1462 na Alemanha com a Hirsch Pharmacy, adquirida pela família Fresenius no século XVIII, para se tornar referência internacional. Hoje, líder em Terapia de Infusão e Nutrição Clínica na Europa e principais países da América Latina e ÁsiaPacífico, a Fresenius Kabi também é uma das principais fornecedoras de medicamentos genéricos intravenosos para o rigoroso mercado dos Estados Unidos. Com uma história de mais de 40 anos no Brasil, a Fresenius Kabi fabrica uma extensa linha de produtos farmacêuticos com a mesma competência internacional. Focando a terapia e cuidados com os pacientes críticos e crônicos, tanto no tratamento hospitalar quanto nos tratamentos ambulatoriais, a Fresenius Kabi conta hoje com mais de 21.000 colaboradores no mundo todo, mais de 50 fábricas nos 5 continentes e uma rede global com 55 organizações de vendas.

QUALIDADE E TECNOLOGIA MUNDIAIS t5FDOPMPHJBEF*OGVTÍP t"OFTUÏTJDPT t"OUJCJØUJDPT t*SSJHBÎÍP t/VUSJÎÍP&OUFSBM t/VUSJÎÍP1BSFOUFSBM t3FQPTJÎÍP)JESPFMFUSPMÓUJDB t3FQPTJÎÍP7PMÐNJDB t0ODPMPHJB t1SPEVUPT.ÏEJDPT

março/2010

Presença Global

Unidade Barueri/ SP Av. Marginal Projetada, 1652 Fazenda Tamboré Barueri - SP - 06460-200 Fone: (11) 2504-1400 / Fax: (11) 2504-1601 SAC: 0800 707-3855 www.fresenius-kabi.com.br E-mail: fresenius.br@fresenius-kabi.com

16/3/2010 14:46:43 Untitled-2 3

16.03.10 16:09:42


Untitled-1 1

15.03.10 10:24:39


2

0

1

0

S a ú d e B u s i n e ss S c h o o l Os melhores conceitos e práticas de g e s t ã o , a p l i c a d o s a o s e u h o s p i ta l

Módulo 3

Gestão Comercial Este caderno pode ser destacado

lay_scholl 55

15.03.10 17:01:18


Introdução Depois do sucesso do primeiro saúde business school, continuamos com o projeto. Este ano falaremos sobre gestão hospitalar Percebendo um intenso interesse do mercado por assuntos mais aprofundados

especializadas, para que cada uma escreva sobre o tema

em gestão, nesta edição do projeto

de sua expertise, trazendo assim ao leitor um material

Saúde Business School falaremos

abrangente e didático, escrito pela visão de quem ensina e

sobre administração hospitalar. Em

vivencia a realidade da saúde no Brasil.

cada um dos capítulos, falaremos

O projeto será desenvolvido em 12 módulos, que serão

sobre a gestão de cada área do

publicados de janeiro a dezembro de 2010 nas edições da

hospital, buscando auxiliar os leitores

revista Fornecedores Hospitalares. Cada um deles tratará

na

de tema específico de gestão, detalhado abaixo.

organização,

planejamento

e

implantação de processos em cada

O grande objetivo desse projeto é auxiliar os hospitais na

uma das áreas abordadas.

gestão de suas instituições trazendo um material que pode

Para ter um conteúdo aprofundado e

ser utilizado como instrumento de apoio para as atividades

relevante, buscamos a parceria com

de cada área. Conteúdos complementares poderão ser

instituições de ensino e consultorias

acessados no site www.revistafh.com.br/businesschool

O projeto envolve os seguintes temas: Módulo 1 – Gestão da Qualidade Módulo 2 – Gestão da Hospitalidade Módulo 3 – Gestão Comercial Módulo 4 – Gestão Financeira Módulo 5 – Gestão de Serviços Terceirizados Módulo 6 – Gestão de TI Módulo 7 – Gestão do Corpo Clínico Módulo 8 –Gestão de Tecnologia e Infraestrutura Módulo 9 –Gestão de Suprimentos Módulo 10 – Governança Corporativa Módulo 11 – Gestão de Pessoas Módulo 12 – Gestão de Marketing

lay_scholl 56

15.03.10 17:01:23


Gestão comercial Por Francisco Wilomar Silva , Sinézio Beltrão e Rodrigo Sousa

A área comercial é a porta de entrada dos negócios de qualquer empresa, e isso não é diferen-

Assim, o hospital e seus serviços serão conhe-

te nos hospitais.

cidos pelos funcionários. Importante salientar a

A gestão comercial reúne com um conjunto de processos que geram resultados à organização

importância de a área Comercial interagir com

com a sua execução.

a área de Marketing para que os eventos plane-

Importante lembrar que processos representam um conjunto de atividades sequenciais ou correlatas

jados atinjam seus reais objetivos.

que, recebendo os insumos necessários e sendo executadas, produzem bens ou serviços destinados

Ainda nesse macroprocesso, outras atividades

aos clientes ou consumidores.

que são desenvolvidas: • Identificação de oportunidades de negócios nas empresas prospectadas (criação de paco-

f o r n e c e d o r e s

tes de serviços específicos – parto cirúrgico,

saídas

entradas

Atividades

c l i e n t e s

cirurgia plástica, cirurgia cardíaca etc.). • Negociação da contratação dos serviços hospitalares por empresas com suas cláusulas pertinentes. Algumas empresas podem conceder benefícios de serviços hospitalares (atendimento ambulatorial, pacotes específicos de cirurgias, etc.) a seus funcionários. Esses serviços serão

Retro Alimentação Feedback

considerados atendimentos particulares pelo Hospital, e seus valores devem ser negociados

Segundo CHIAVENATO, as entradas podem ser: Recursos Materiais, Informações e Energia Figura 1 - Apresentação Genérica para um Processo

com as empresas. Depois de firmado parceria/contrato com empresas para oferecimento de serviços hospitalares, todas as atividades sequenciais já citadas de comunicação com as áreas hospita-

lay_scholl 57

Quando se analisa os processos envolvidos com a área comercial de uma instituição hospitalar,

lares, intermediação para solução de desvios e

pode-se agrupar em três macroprocessos:

promoção de atividades de pós-venda junto às

• Relacionamento com Operadora de Plano de Saúde

empresas também passam a ser executadas.

• Relacionamento com Empresas

Por fim, no macroprocesso de Relacionamento

• Relacionamento com Médicos

com Médicos as principais atividades relacio-

Esses macroprocessos se desdobram em diversas outras atividades dentro da estrutura comercial.

nadas dizem respeito à apresentação do hos-

No macroprocesso de Relacionamento com Operadora de Plano de Saúde, se destacam as atividades

pital e suas instalações aos médicos da região

de prospecção e negociação de operadoras para venda dos serviços hospitalares e definição, junto

e a promoção de um relacionamento mais

à controladoria, de valores para os serviços hospitalares considerando as tabelas de diárias, taxas e

próximo com esses profissionais médicos para

serviços, tabelas de honorários médicos, tabela base para cobrança de materiais e medicamentos.

que eles realizem no hospital procedimentos

Outras atividades envolvidas com o macroprocesso são listadas a seguir:

que necessitem de suporte hospitalar. Além da

• Cadastro das informações contratuais estabelecidas com as operadoras no sistema informatizado

apresentação das instalações dos hospitais, a

do Hospital, mantendo-o atualizado;

área Comercial junto com o Marketing pode

• Comunicação às demais áreas hospitalares dos novos serviços contratados e seus respectivos ter-

promover eventos e feiras junto aos médicos.

mos pactuados, através de sua gerência;

Depois de firmada as negociações com médi-

• Intermediação entre o Hospital e a Operadora de Plano de Saúde para solução de desvios detectados;

cos para oferecimento de serviços hospitalares

• Apresentação, sistemática, às operadoras dos novos serviços hospitalares não contratados e aque-

nas instalações do hospital, todas as atividades

les suspensos;

sequenciais já citadas de comunicação com as

• Atualização/manutenção constante do contrato firmado com as operadoras;

áreas hospitalares, intermediação para solução

• Promoção de atividades de pós-venda junto às operadoras de forma sistemática e programada.

de desvios e promoção de atividades de pós-

Já no macroprocesso de Relacionamento com Empresas, as principais atividades dizem respeito ao

venda passam a ser executadas.

levantamento regional de empresas e do plano de saúde disponibilizado aos funcionários para, poste-

A seguir, apresenta-se a cadeia de valor referente à

riormente, estabelecer relacionamento com essas empresas, por meio de eventos, feiras e simpósios.

área comercial e com uma breve caracterização.

15.03.10 17:01:23


1. COMERCIAL 1.1. Prospecção de produtos e serviços Caracterização: Este processo visa a identificação sistemática dos novos serviços e/ou equipamentos adquiridos pelo Hospital para posterior oferta ao mercado (operadora de planos de saúde, empresas e médicos). Neste processo há forte interação com a área de Marketing. 1.2. Venda de produtos e serviços 1.2.1. Análise de produtos e serviços (inclusive o custo de serviços) Caracterização: Este processo visa a definição da precificação dos serviços hospitalares. Neste processo há forte interação com a área de Controladoria. 1.2.2. Prospecção de operadoras de plano de saúde Caracterização: Este processo visa a identificação e busca de operadoras de planos de saúde que possam comprar os serviços hospitalares ofertados.

1.6. Definição e padronização dos indicadores suportam a gestão comercial Caracterização: Este processo visa a atualização das regras contratuais segundo as determinações legais. Dependendo do Hospital, essa análise pode ser realizada por outro departamento. GESTÃO COMERCIAL BASEADA EM RESULTADOS Após apresentados os macroprocessos da área comercial e sua cadeia de valor, apresenta-se, a seguir, um modelo de gestão para a área comercial, chamado Gestão Baseada em Resultados. Esse modelo estabelece uma hierarquia dos vários “tijolos” que são necessários para implantação de uma efetiva gestão baseada em resultados. Trata-se de um modelo, mas que pode ser montado com foco na área comercial.

1.2.3. Análise e projeção de resultados oriundos de faturamento a serem negociados

Recompensa

Caracterização: Este processo visa a análise de resultados com os reajustes de tabelas negociados com as operadoras de plano de saúde. Neste processo há forte interação com a área de Controladoria.

Impacto organizacional

1.2.4. Negociação comercial Caracterização: Este processo trata as atividades de negociação visando a efetivação de novos contratos, adendos para novos serviços hospitalares ofertados, além da negociação dos valores das tabelas.

integração e Melhorias de processos

1.3. Gestão de contratos 1.3.1. Definição de check list de elaboração de contrato e seus anexos 1.3.2. Padronização de modelos de contrato 1.3.3. Credenciamento (Fechamento de Contrato)

liderança e direção da organização

1.3.4. Atualização de contratos 1.3.4.1. Renovação de contratos 1.3.4.2. Atualização de tabelas (diárias, taxas e serviços hospitalares) 1.3.4.3. Oferta de novos serviços hospitalares (por conta da ampliação dos serviços hospitalares) 1.3.5. Atualização/Manutenção das regras contratuais e tabelas de serviços e valores 1.3.6. Atualização/Manutenção das regras contratuais e tabelas e configurações de sistema 1.3.7. Comunicação sobre adição e atualização de contratos nas áreas hospitalares Caracterização: Este processo trata as atividades que manterão os contratos e seus adendos atualizados. 1.4. Relacionamento com as operadoras de plano de saúde Caracterização: Este processo trata das atividades de manutenção do relacionamento com a operadora de plano de saúde, mantendo-a atualizada de todas as ações de melhoria no Hospital (novos serviços, suspensão de serviços, novas instalações). Recomenda-se a realização de visitas periódicas entre as partes. 1.5. Análise sistemática e periódica da legislação vigente Caracterização: Este processo visa a atualização das regras contratuais segundo as determinações legais. Dependendo do Hospital, essa análise pode ser realizada por outro departamento.

lay_scholl 58

A) LIDERANÇA E DIREÇÃO DA ORGANIZAÇÃO

Tijolos para construção da camada “Liderança e Direção da Organização”: 1. Liderança da Diretoria e Gerências Neste bloco, trabalhamos os aspectos relacionados ao desenvolvimento de todos os níveis gerenciais, buscando implementar ações que envolvam os profissionais no processo de mudança (lideranças e liderados). Algumas questões que são trabalhadas durante a implantação do modelo: a) Como líder, você tem clareza do papel a executar para alcance dos objetivos da organização? b) Como são trabalhadas as pessoas sob sua responsabilidade para o alcance de metas individuais, setoriais e corporativas? 2. Estrutura Organizacional Neste bloco, trabalhamos os conceitos relacionados às hierarquias, papéis e responsabilidades, buscando: a) Analisar a estrutura organizacional vigente, propondo melhorias (se cabível); b) Reforçar e dar maior clareza às atribuições setoriais de cada área da instituição.

15.03.10 17:01:23


Algumas questões que são trabalhadas durante a implantação do modelo: a) O organograma atual reflete o melhor modelo para o alcance dos objetivos empresariais? b) Os líderes das várias áreas da instituição conhecem as atribuições setoriais que estão sob sua responsabilidade? c) Existem instrumentos de monitoramento e controle dos resultados esperados de cada área? 3. Planejamento Estratégico Neste bloco, trabalhamos as questões relacionadas às estratégias da empresa, buscando: a) Tornar cada vez mais presente a missão, visão e valores junto aos profissionais; b) Apresentar os caminhos estratégicos para todos os níveis organizacionais; c) Traduzir as estratégias na prática para que sejam executadas e monitoradas. Algumas questões que são trabalhadas durante a implantação do modelo: a) Todos os níveis da organização conhecem os caminhos a serem trilhados para se alcançar as estratégias empresariais? b) Os projetos desdobrados das estratégias são monitorados e controlados? c) Os resultados não alcançados têm planos de ação implementados para correção de rotas desfavoráveis? 4. Gestão de Mudança Neste bloco, trabalhamos os conceitos de gestão de mudança, buscando: a) Demonstrar para o gestor que o principal guia para a gestão de mudança está presente em suas atitudes; b) Implementar mecanismos para se alcançar uma gestão de mudanças com eficiência. Algumas questões que são trabalhadas durante a implantação do modelo: a) A organização se utiliza da gestão de mudanças para auxiliar na execução dos projetos de melhoria? b) Como lidar com as mudanças?

lay_scholl 59

B) INTEGRAÇÃO E MELHORIA DE PROCESSOS

Tijolos para construção da camada “Integração e Melhoria de Processos”: 1. Excelência de Processos Gerenciais e Operacionais Neste bloco, trabalhamos os processos, considerando: a) O conhecimento dos atuais processos; b) A análise, melhoria e redesenho dos processos; c) Estabelecimento dos processos críticos e seus indicadores de monitoramento; d) Documentação dos processos; e) Treinamento dos profissionais na nova sistemática de trabalho; f) Monitoramento dos processos implantados. Algumas questões que são trabalhadas durante a implantação do modelo: a) Os profissionais conhecem os produtos que são gerados pela execução de processos e seus níveis de qualidade correspondentes? b) Quais são os processos críticos da organização (que merecem maior atenção)? c) Existe monitoramento dos indicadores de processos? d) São tomadas ações para melhoria dos resultados apontados nos indicadores de processos? 2. Medição de Resultados Neste bloco, trabalhamos os processos, considerando: a) O estabelecimento de metas para os processos críticos; b) A sistemática de gestão de resultados; c) O treinamento dos profissionais na nova sistemática de trabalho. Algumas questões que são trabalhadas durante a implantação do modelo: a) Existem indicadores e metas estabelecidas para os processos críticos da organização? b) Os profissionais conhecem os processos críticos sob sua responsabilidade com indicadores e metas correspondentes? c) Como o nível gerencial apresenta seus resultados? d) Existe sistemática adotada para a constante melhoria de resultados?

15.03.10 17:01:28


3. Excelência em Melhoria de Processos Neste bloco, trabalhamos a melhoria dos resultados gerados pelos processos.

• Processos Comerciais: envolve o mapeamento de processos da área comercial,

Trata-se da análise sistematizada do processo para cada vez mais aperfeiçoá-lo

a identificação e caracterização de pontos críticos, a logística comercial integra-

em busca de melhores resultados para a organização.

da, a análise do sistema de pós-venda e do sistema de informação comercial e a análise financeira dos procedimentos.

C) IMPACTO ORGANIZACIONAL Tijolos para construção da camada “Impacto Organizacional”:

1. Gestão Baseada em Processos e Mudança da Cultura Organizacional Nestes blocos, com a implementação, notadamente dos processos padronizados e seus indicadores, a organização passa a trabalhar focada em processos, acompanhando seus indicadores e metas estabelecidas. São estabelecidas rotinas de acompanhamento dos resultados por todos os níveis gerenciais.

D) RECOMPENSAS

Tijolos para construção da camada “Recompensas”:

• Equipe Comercial: envolve a identificação do perfil da(s) chefia(s) e do perfil integrado da equipe, a avaliação de desempenho e de potencial de desenvolvimento e a análise do sistema de planejamento e controle da produtividade da equipe. • Serviços ao Cliente: envolve a análise global dos serviços prestados (caracterização, importância e possibilidades de novos serviços), a análise dos procedimentos de gestão dos clientes, da política e de ações de fidelização, do sistema de informação de apoio, da carteira de clientes e do processo de decisão e compra dos clientes. Com a adoção do modelo de gestão por resultados focado na gestão comercial, espera-se produtos como:

1. Recompensas e Reconhecimento

a) aumento da produtividade;

Este bloco contempla os processos de agradecimento aos profissionais de

b) melhor qualificação na gestão de contratos;

maneira significativa – momento para recompensas e reconhecimento verbais e

c) redução de custos operacionais da cadeia produtiva hospitalar;

financeiros com regras bem estabelecidas. O processo de reconhecimento deve

d) estreitamento do relacionamento com as operadoras de plano de saúde;

contemplar ambos.

e) faturamento melhor qualificado.

Utilizando o modelo de gestão por resultados para os processos de gestão

Normalmente, aconselha-se o desenvolvimento de um projeto com essas carac-

comercial (com foco na perspectiva de INTEGRAÇÃO E MELHORIA

terísticas com auxílio de consultoria externa.

DE PROCESSOS) A gestão por processos é um dos mecanismos mais eficaz para o alcance A área comercial de uma instituição se destaca pelo conjunto de atividades pró-

da melhoria de resultados e a padronização das rotinas em qualquer uni-

ximas do cliente, sendo a origem dos maiores estímulos e as maiores pressões

dade da organização. Vários gastos, por vezes não percebíveis, mas que

da companhia. Dessa forma é essencial que haja uma atenção especial para que

existem e reduzem o resultado, são eliminados com a gestão por proces-

esses estímulos e pressões sejam tratados de forma produtiva. Para isso, é preci-

sos eficaz.

so que instrumentos de gestão adequados sejam estabelecidos. Podemos citar, para nossa reflexão, uma das frases citadas por William Edwards Por fim, em relação a área comercial, destacam-se quatro pontos a serem observados:

Deming, “Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia”.

lay_scholl 60

• Área Comercial: envolve a análise das vendas, recursos comerciais, gama de

Assim, como o método implantado, todas as áreas possuirão processos, indica-

produtos/serviços, marca(s) comercializada(s) e potencial de mercado.

dores e metas definidas.

15.03.10 17:01:31


C a s o d e s u c e ss o Conhecimento necessário a gestão comercial do Hospital da Baleia é assunto estratégico, que tem como meta conhecer todo o ambiente hospitalar desde a comercialização de órtese e prótese até as suas particularidades Thaia Duó – tduo@itmidia.com.br Reestruturar a governança corporativa com foco em tornar os recursos

Através de um modelo de gestão implementado pelo hospital, a gestão

humanos estratégicos e definir a visão dos clientes. A partir desses anseios,

comercial tem como base o Balance Scored Card e, assim como outras

o Hospital da Baleia, em Belo Horizonte (MG), transformou a sua gestão

áreas da instituição, também tem metas a serem atingidas. São elas: novos

comercial em um plano estratégico dentro da unidade, sendo responsável pela

cliente; novos serviços; novos contratos; e a fidelização e satisfação dos

execução de tarefas tanto comercial quanto de marketing. Com apenas dois

usuários e fornecedores.

anos após a mudança, o plano já é considerado fundamental para a previsão

Os resultados são obtidos por meio de pesquisas realizadas com clientes

de cenários determinando as principais ameaças que se apresentam dentro

e acompanhantes sobre o atendimento diário do hospital. Da mesma

do mercado. “Além disso, conseguimos definir estratégias de atuações neste

forma, os convênios são convidados a avaliarem o seu desempenho.

conturbado segmento de saúde. Hoje, o nosos principal no mercado, muito

“Esses estudos são realizados periodicamente para que possamos saber

mais que a conquista de novos clientes, é a fidelização, que também faz parte

qual é o percentual de satisfação do mercado dentro da nossa institui-

da gestão analisando os serviços pós- venda e gestão de reclamação desses

ção”, revela Figueiredo.

clientes”, completa o superintendente geral do Hospital da Baleia, Francisco

Após medir a qualidade dos serviços oferecidos, é hora da gestão comercial,

de Assis Figueiredo.

em conjunto com a assessoria de marketing, verificar o que o mercado apre-

Dentro dessa mudança, o executivo afirma que uma das visões ligadas

senta de possíveis demanda, principalmente aquelas reprimidas dentro da

a gestão comercial passa por implementação de novos negócios. “É um

região metropolitana de Belo Horizonte. A partir disso, o Hospital da Baleia

casamento que deu muito certo entre a área comercial e o marketing e com

definiu duas novas implementações até dezembro de 2010: a de um novo ser-

toda a estratégia organizacional.”

viço de radioterapia e toda modernização do serviço de imagem.

Ligada e alinhada diretamente à superintendência, a gestão comercial, que

Com investimentos na ordem de R$ 10 milhões, o hospital também tem planos

conta com três funcionários diretos, tem como dever possuir uma vista

de expandir o número de leitos – saltando de 239 para 311. Nos últimos dois

abrangente do desempenho do hospital como um todo, colaborando para o

anos, a instituição investiu cerca de R$ 7 milhões nas necessidades dos clien-

crescimento do negócio. “Essa área é dependente da motivação e capacitação

tes, definidas pela gestão comercial.

de todos da instituição e não só da gestão comercial, dos benefícios por nós

Segundo Figueiredo, o hospital, que tem faturamento anual na média de R$ 50

comercializados”, destaca.

milhões, tem direção em gestão de serviços de alta complexidade e o Sistema

De acordo com Figueiredo, essa é uma característica importante da gestão

Único de Saúde (SUS) é o seu principal cliente. “É por isso que precisávamos

comercial que tem uma visão geral do Hospital da Baleia e não especifica-

mudar e a principal mudança foi a gestão comercial conhecer todo o ambiente

mente uma como, por exemplo, a melhoria da tabela de preço definida pelos

hospitalar desde como funciona comercialização de órtese e prótese até as suas

convênios. Neste caso, o executivo afirma que é necessário observar os custos,

particularidades para ter certeza daquilo que estava expondo num ambiente

a hotelaria e o financeiro. “É preciso ter uma visão macro do negócio em si.”

externo para parceiros e clientes”, conclui.

Sobre os Autores / empresas autores

Professor Francisco Wilomar Sales e Silva é MBA em Finanças Empresariais e Gerenciamento de Projetos, pela Fundação Getúlio Vargas, Bacharel em Ciências Contábeis pela PUC-Campinas e docente na mesma. Sócio-Diretor do Grupo Notória, que atua no ramo de ensino, governo, saúde, empresarial e soluções tecnológicas. Sinézio Beltrão é MBA em Gestão de Serviços Hospitalares e Sistemas de Saúde, pela FGV, Bacharel em Administração de Empresas pela PUC-Campinas. Consultor especializado na área de Gestão Comercial em Hospitais e Operadoras de Plano de Saúde. Rodrigo Santos Sousa é graduado em Informática pela UNICAMP e pós-graduando em Gestão Estratégica de Negócios. Consultor de processos e gerente comercial na Notória Consultores Associados.

empresa A Notória Consultores Associados (site: www.notoria.com.br e-mail: notoria@notoria.com.br) é uma organização empresarial com embasamento tecnológico e gerencial, contando com profissionais especializados na área de saúde. A Notória também oferta cursos e treinamentos especializados nesta área.

lay_scholl 61

15.03.10 17:01:32


Ace sse o m at e r i a l c o m p l e m e n ta r e m www. r e v is ta f h . c o m .b r / b u s i n e sssc h o o l

Saúde business school

Saúde Business School é uma iniciativa da IT Mídia. Todos os direitos reservados.

lay_scholl 62

15.03.10 17:01:44


Untitled-1 1

15.03.10 10:25:25


ESPAÇO JURÍDICO

GESTÃO COMERCIAL E OS SERVIÇOS DE SAÚDE

A

gestão comercial, foco tradicional da indústria da saúde, cresce a cada dia em importância nos serviços de saúde em decorrência das necessidades de sobrevivência e profissionalização do setor, impulsionada inclusive pela consolidação do segmento de análises clínicas e hospitalar.

Neste contexto, cabe ao departamento jurídico indicar as ferramentas disponíveis para a composição do mix de canais de distribuição, em atenção às normas de direito empresarial e também às restrições de ordem regulatória próprias do setor, como: internet, vendedores próprios, representantes comerciais, distribuidores, franquias, etc. Além de apontar as possibilidades, caberá ao departamento jurídico preparar os respectivos instrumentos contratuais, em estreita colaboração com as respectivas áreas de negócio, de modo a agregar valor e garantir a segurança da empresa, criando, assim, um sistema integrado de comercialização de produtos e serviços. Foto: Ricardo Benichio

A eficiência da cadeia de distribuição decorrerá de contratos que prevejam níveis de serviço e partilha de resultados adequados com regras claras, que de fato tragam solução das controvérsias que podem surgir com o desenvolvimento dos negócios.

RODRIGO A LBERTO CORREIA DA SILVA É SÓCIO DO ESCRITÓRIO CORREIA DA SILVA A DVOGADOS, PRESIDENTE DOS COMITÊS DE SAÚDE DA C ÂMARA BRITÂNICA DE COMÉRCIO (BRITCHAM) E DA C ÂMARA A MERICANA DE COMÉRCIO (AMCHAM), ADVOGADO DE DIVERSAS ASSOCIAÇÕES DE CLASSE E EMPRESAS DE PRODUTOS E SERVIÇOS DE SAÚDE , M ESTRE EM DIREITO PELA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE C ATÓLICA DE SÃO PAULO (PUC-SP) E AUTOR DO LIVRO “R EGULAMENTAÇÃO ECONÔMICA DA SAÚDE” – RODRIGO@ CORREIADASILVA.COM.BR

Considerando a alta carga tributária no Brasil, o design desta cadeia de fornecimento também deverá considerar fluxos financeiros e comerciais que combinados com outras formas de remuneração, como, por exemplo, licenciamentos ou pagamento de royalties, tenham a menor carga fiscal possível sobre a cadeia como um todo. Não se deve deixar de levar em conta que em uma rede de empresas diferentes, com diferentes lideranças, cada uma delas vai sempre buscar os maiores retornos possíveis, o que pode reduzir os retornos dos demais participantes. Para evitar atitudes que prejudiquem a rede é fundamental que o conjunto de contratos que dá base para a rede preveja regras que em conjunto claramente estabeleçam a governança da rede respeitando os limites impostos pelo sistema brasileiro de defesa da concorrência. Nesta linha, a gestão comercial da empresa passa a integrar a gestão interna da empresa com a gestão dos parceiros da empresa, responsáveis pela colocação de seus produtos e serviços no mercado. Em estágios mais desenvolvidos, a empresa ainda integraria no sistema a gestão de seus próprios fornecedores e passaria a focar na sincronia de toda esta cadeia com os clientes que atende direta ou indiretamente. Para empresas que fornecem para órgãos públicos é necessário um desdobramento da gestão comercial adequado para este mercado, que tem uma lógica distinta movida por licitações públicas, processos altamente formais e inflexíveis. A venda para o mercado público pode ser dividida em duas etapas: homologação do produto no órgão comprador, feita através de visitas e argumentação técnica (não é obrigatória para produtos de uso comum pela administração pública) e efetiva participação do processo da licitação. Para a participação em licitações públicas é importante ter serviço interno ou terceirizado de coleta e filtragem de oportunidades e atendimento a burocracia do processo, inclusive com a utilização de medidas judiciais quando detectadas ilegalidades e favorecimento de concorrentes. Itens que no mercado público são mais relevantes que a gestão de marca e relacionamento tão caros ao mercado privado – pois atendidas as especificações e documentação de habilitação o órgão comprador não tem liberdade para escolher o fornecedor, valendo a lógica do menor preço, exceto para licitações de melhor técnica ou técnica e preço que são exceções. A partir da acumulação de experiência e dados deste mercado, o gestor comercial passará a ter informações para definir uma estratégia de precificação voltada para este mercado específico. A adequada orquestração da atuação no mercado privado e no mercado público pelo gestor comercial, com apoio jurídico comprometido com os resultados, é feita com arte e técnica, feeling e análise de dados, capaz de alavancar significativamente os resultados da empresa.

64

lay_juridico 64

REVISTA FORNECEDORES HOSPITALARES

15.03.10 12:08:55


Untitled-3 1

16.03.10 16:14:59


TI

de olho nos fornecedores

Parceria de longa data Mais do que um prestador de serviço, a Angiocardio tornou-se aliada do Grupo Bandeirantes e teve seus negócios expandidos na mesma velocidade dos hospitais

materiais e medicamentos

infraestrutura

equipamentos

serviços

Thaia Duó – tduo@itmidia.com.br De prestador de serviços a um parceiro na gestão. Esse foi o rumo da Angiocardio dentro do Hospital Bandeirantes, de São Paulo. Fundada em 1992, a empresa foi contratada naquele mesmo ano pelo hospital da capital paulista para oferecer serviços de hemodinâmica e cateterismo, mas o bom desempenho fez com que o contrato fosse além do combinado. Ao longo de seis anos o Bandeirantes e a Angiocardio trabalharam com equipes e aparelhos em números reduzidos e, a partir de 1998, veio o primeiro plano de crescimento: a aquisição de novos equipamentos, avaliados em US$ 1,5 milhão. “Esse investimento foi feito por conta do hospital. Hoje nós temos apenas dois aparelhos de hemodinâmica dentro da unidade”, conta um dos sócios da Angiocardio, Hélio Castello, que logo teve sua função de prestador de serviço pequena na visão do Hospital Bandeirantes, que mudava seu foco para expansão e desenvolvimento da instituição. Pouco tempo depois, a Angiocardio propôs fazer uma gestão compartilhada para alavancar o sistema de hemodinâmica dentro do hospital, sendo responsável por gerir os serviços da unidade em termos de atendimento e em escolhas de materiais e equipamentos, formatação de protocolos, entre outros. “O projeto visava atendimento diferenciado para o paciente, com um toque mais humanizado e inovador do que se espera no serviço que oferecemos.” Um dos grandes diferenciais foi o serviço chamado de 24/7/365, segundo Castello. Daquele momento em diante o hospital, por meio da Angiocardio, passou a oferecer equipe especializada no setor 24 horas por dia, sete dias da semana e 365 dias no ano. “Há 18 anos a Hemodinâmica era pouco utilizada como um serviço de urgência e hoje ela é uma extensão do Pronto Atendimento.” Com a chegada do ano 2000, as necessidades do hospital se tornaram mais agressivas e fizeram com que a Angiocardio realizasse um trabalho junto com os clientes médicos, fontes pagadoras e os próprios pacientes, definindo ações específicas para cada um. Os convênios e o próprio SUS passaram a ter protocolos de atendimento com previsibilidade de custo e indicadores de performance elaborados com base no histórico de 50 mil procedimentos realizados pela Angiocardio dentro do Bandeirantes. Já os usuários do serviço, além de terem atendimento 24 horas, contam com laudo imediato e digitalizado. Os profissionais da saúde foram treinados para atender especialmente os pacientes da Hemodinâmica. “Esse processo deu tão certo que

66

lay_deolho 66

em 2003 nos tornamos um centro de formação de médicos especialistas dentro da instituição”, conta Castello. Reconhecido pela Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intensivista (SBHCI), o centro forma dois profissionais por ano e o curso tem duração de 48 meses. Parceria Público Privada (PPP) A relação da Angiocardio com o Hospital Brandeirantes estava prestes a mudar. Com o intuito de se tornar um grupo e não mais apenas um hospital, o Bandeirantes iniciou em 2004 uma Parceria Público-Privada (PPP) com o Hospital Vale do Paraíba, de São Paulo. Após um ano, o contrato com a Angiocardio foi estendido para que a empresa levasse o modelo de gestão do Bandeirantes para o Vale do Paraíba, com apenas uma diferença: sendo responsável pela aquisição de um novo equipamento de Hemodinâmica. “A compra foi necessária porque o aparelho disponível no hospital era muito antigo e não dava conta da demanda”, afirma Castello. O investimento foi de US$ 600 mil e permitiu o avanço de 50 procedimentos/mês. O executivo viu o processo se repetir quando o então Gru-

Confiança Pelo lado do negócio, Castello afirma que o contrato com outros dois hospitais proporcionou o crescimento da empresa. “Por meio da gestão unida nós estendemos a parceria com fornecedores e esse tipo de retorno não é aceito por outras instituições. Essa confiança do Bandeirantes na Angiocardio deu um padrão de qualidade ao hospital, permitindo a acreditação nível 3 da ONA [Organização Nacional de Acreditação].” Para 2010, o projeto da empresa é investir consideravelmente no Hospital Leforte com foco em se tornar referência de atendimento cardiovascular naquela região. E ainda, a Angiocardio deve ampliar o seu atendimento no Hospital Bandeirantes a partir da inauguração do novo

Com a parceria com o Hospital Bandeirantes, a empresa cresceu sete vezes em 10 anos Helio Castello, da Angiocardio

po Bandeirantes inaugurou o Hospital Leforte, em 2009. Com o mesmo valor do contrato assinado anteriormente, a Angiocardio desembolsou outros US$ 600 mil para o mesmo fim na nova instituição. “Nesse hospital, assim como no Vale do Paraíba, nós somos terceirizados para fazer gestão e investimento em tecnologia.”

prédio, prevista para o primeiro semestre do ano. “Todo esse projeto desenvolvido junto com o grupo Bandeirante fez nosso faturamento crescer sete vezes nos últimos 10 anos”, conclui.

revista Fornecedores Hospitalares

15.03.10 12:06:27


Fornecedores Hospitalares revista

lay_deolho 67

67

15.03.10 12:06:32


tecnologia

transações

seguras

Fundamental na NFe, Certificação Digital garante segurança em dados criptografados, agilidade e desburocratização com economia e TI sustentáveis

Imagem: Glowimages

m.br rialsaude@itmidia.co Perla Rossetti – edito

Garantir o sigilo das informações sobre pacientes e agilizar o fluxo clínico e financeiro tem estimulado no ambiente hospitalar a implantação da Certificação Digital, cujo escopo inclui a substituição do papel por referências em TI sustentável. A certificação comprova a identidade da empresa nas transações on-line e oferece segurança nas trocas eletrônicas de documentos e pagamentos, sendo totalmente assimilada no setor bancário e nas operações de faturamentos entre hospitais, operadoras e planos de saúde, por meio do padrão TISS, da Agência Nacional de Saúde Suplementas (ANS). Já as normas de validação jurídica da assinatura eletrônica em saúde seguem à Resolução 1821/2007 do Conselho Federal

68

lay_tecnologia 68

de Medicina e determinam os critérios para a aceitação em procedimentos médicos. O CFM e a Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS) certificam os Sistemas de Registro Eletrônico de Saúde (S-RES) de empresas de TI que capturem, armazenem, apresentem, transmitam ou imprimam esse tipo de informação. A lista dos certificados está disponível em www.sbis.org.br/certificacao. Presidente da SBIS, Claudio Giulliano afirma que a certificação digital é o único mecanismo tecnológico no país com garantia jurídica e eficiência corporativa. “O hospital pode utilizar o prontuário eletrônico sem a necessidade de imprimi-lo. Com a informação, os gestores tornam os processos

mais rápidos, menos burocráticos e a tomada de decisão é feita de forma mais segura e confiável.” A adoção dos certificados está sendo impulsionada pelo CRM Digital que será emitido pelo CFM, no segundo semestre, para todo o País. Serasa Experian, Certisign, E-Val, Serpro e Casa da Moeda são algumas das empresas e órgãos que podem emitir o certificado digital para hospitais, indústrias ou distribuidoras por serem Autoridades Certifica-

revista Fornecedores Hospitalares

15.03.10 12:03:50


doras, título que obtiveram após análise de requisitos tecnológicos e de idoneidade para darem fé a terceiros. A avaliação e supervisão é realizada pelo Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI) com base na Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP Brasil), estabelecida pela MP 2200-2/2001 do governo federal. Panorama Várias empresas já são obrigadas a possuir o e-CNPJ como certificado digital. No entanto, poucos hospitais têm o prontuário eletrônico (PEP) e menos de 10 estão usando a certificação digital no Brasil, de acordo com Giulliano. A falta de informação impede o avanço da tecnologia. Segundo pesquisa da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), realizada em janeiro com 500 executivos, 75% não possuem o certificado, entre eles, 29% declararam desconhecimento. Porém, as prestadoras de serviços, como hospitais, parecem menos alheias, com 18%, seguidas de 35% no varejo, 46% no atacado e 37% na indústria. Aspectos Como a partir de abril todas as empresas do país devem emitir a Nota Fiscal Eletrônica, um dos projetos do Sistema de Escrituração Digital (SPED) da Receita Federal, é possível uma corrida por implantação de certificações digitais para enviar dados ao Fisco. “E empresas de Lucro Presumido também devem enviar as declarações de Imposto de Renda assinadas digitalmente, de acordo com a Instrução Normativa 969, de outubro de 2009. E qualquer inconsistência é verificada

Funcionamento Autoridade Certificadora, a Certisign tem mais de 500 projetos para órgãos públicos e privados e oferece o Plano Diretor em Certificação Digital (PDCD) de orientação nos caminhos e retornos de investimento. A empresa também oferece bibliotecas de desenvolvimento para áreas técnicas e soluções para servidores, assinaturas digitais, inclusive treinamento de TI e área jurídica. Por isso, o diretor Nunes diz que empresas de qualquer porte podem obter a certificação, sendo os custos variáveis, de acordo com a arquitetura do projeto, validade de um a três anos das certificações digitais e se os dados serão guardados em chip ou em Token. Com a mesma propriedade de um pen drive, o Token é um dispositivo criptográfico com memória protegida contra cópias. Para a Nota Fiscal Eletrônica (NFe) a certificação é por CNPJ e há prestadoras de TI cujo custo é de R$ 0,50 centavos por documento emitido, quando o contrato estabelece custo por transação, uma boa opção para quem conhece seu volume mensal e precisa mensurar despesas com antecedência. Gerente de projetos de Identidade Digital da Serasa Experian, Márcia Moratona reforça que as certificações digitais reduzem o retrabalho e até a necessidade de espaço físico. “As instituições hospitalares precisam guardar os

documentos por 20 anos, e esse volume de papel pode ser digitalizado, assinado e certificado, com valor jurídico, um grande ganho de tempo e eficiência”. A Serasa Experian desenvolveu a certificação digital para PEP e o Gerenciamento Eletrônico de Documentos (GED), de acordo com o padrão da SBIS e já os implantou na Faculdade de Medicina do ABC (FMABC), Ambulatório Jardim dos Prados e nos hospitais Real Português, de Recife; Clínicas, de Porto Alegre; Adriano Jorge, em Manaus; e Leonilda Brunet, de Ilópolis (RS). No Português de Pernambuco o retorno do investimento de R$ 65 mil, para 500 certificados – a R$ 130 cada -, se deu em quatro meses. “O corpo clínico é de 2 mil profissionais e o investimento total até o final da implantação será na casa de R$ 260 mil em dois anos”, detalha Márcia. Case Cliente da Certisign para certificação digital de SPED e PEP, o Hospital São Vicente de Paulo, no Rio de Janeiro, começou a implantar o projeto em julho de 2008. Na primeira fase ocorreu a adaptação do PEP CRAKcare, da Intersystems, pela Business Consult. No segundo momento, foram certificados 750 médicos, enfermeiras, e outros profissionais. Em seguida, a infraestrutura foi expandida. “Tivemos ocorrências no meio do caminho e a necessidade de um plano de contingência que elevaram os investimentos, em torno de R$ 400 mil até agora. Aumentamos o tamanho do HSM comprado inicialmente, pois não queremos o risco dos usuários perderem os Tokens ou smart cards”, conta a gerente de TI do hospital, Bárbara Aguiar. Atualmente na etapa de backups, os certificados em uso já mostram resultados. “Eliminamos o retrabalho e simplificamos a logística de distribuição dos prontuários, evitando perdas. Na necessidade de imprimi-los, a cópia vem totalmente atualizada. Com a eliminação do papel, os custos de compra do material e de impressão também caíram significativamente.” A próxima renovação dos certificados é daqui a três anos, e o hospital está se organizando para tornar-se uma Autoridade de Registro, acelerando assim a certificação presencial do corpo médico. Pelo visto, depois de entendido o processo, com as novas demandas fiscais e de gestão, soluções e segurança não são mais um dilema com uma TI eficiente na área hospitalar.

Márcia, da Serasa Experian: Com a certificação digital o hospital ganha tempo e eficiência

Fotos: Divulgação

Nunes, da Certisign: A certificação digital é acessível a empresas de qualquer porte

imediatamente via on-line”, lembra o diretor de inovação e desenvolvimento da Certisign, uma Autoridade Certificadora, Márcio Nunes. O problema é diferenciar quando o projeto é desenvolvido em regime de outsourcing, pois muitas empresas de TI oferecem assinatura eletrônica e não o certificado digital, que é criptografado, tem garantia inequívoca de autenticidade e evita fraudes. “Alguém pode copiar os dados, mas dependerá dos certificados digitais para acessá-los”, esclarece Nunes. A interoperabilidade entre os sistemas e a adaptação às certificações digitais para uso financeiro e clínico, como no caso dos PEPs é possível e até recomendado uma vez que entidades como a Organização Nacional de Acreditação (ONA) ou a Joint Comission exigem uma gestão apurada. “O hospital torna-se mais eficiente e operacionalmente melhor, o que facilita a adesão às regras da acreditação”, observa o presidente da SBIS, Claudio Giulliano.

Fornecedores Hospitalares revista

lay_tecnologia 69

69

15.03.10 12:03:53


after hours

No ritmo do Jipe

Fotos: Divulgação

Depois de participar de um rally de regularidade, Angelo Lopes, do Hospital Monte Sinai, nunca mais ficou longe das trilhas e passeios

70

lay_after 70

revista Fornecedores Hospitalares

15.03.10 11:59:15


e

Fred Linardi – editorialsaude@itmidia.com.br Há seis anos, quando estava prestes a tirar férias, Angelo Marciano Lopes, diretor comercial do Hospital Monte Sinai, de Juiz de Fora (MG), e diretor financeiro da Faculdade Suprema, recebeu um convite para participar do Rally dos Sertões. A jornada levaria cerca de 10 a 12 dias e ele faria parte do apoio para a equipe que acompanharia neste tempo. “Gostei daquele ambiente, daquele circo formado pelos jipeiros, diferenciado, com pessoas como se fossem já antigos amigos”. Assim como o ritmo de um jipeiro de rally, Lopes não tardou e logo depois dessa primeira experiência, comprou um modelo de tração quatro por quatro. A partir disso, nunca mais deixou de estar nesses eventos. Escolheu que participaria sempre dos rallys de regularidade, aqueles em que se deve manter uma velocidade constante, mesmo que aparentemente baixa, como 40 km/h. Em solo judiado e trilhas curvas, essa velocidade pode passar a ser alta. Para avaliar os competidores, equipes do evento ficam em determinados pontos do roteiro para ver se o jipe irá passar no momento certo. Se estiver adiantado ou atrasado, sofrerá descontos na pontuação. Mesmo com descontos e regras, no final o que fica guardado são as boas sensações e experiências deste mundo. Em pouco tempo de conversa, o jipeiro cita nomes das mais variadas competições, como a Cerapio, que abrange os estados do Ceará e Piauí. Ou o Rally Dakar, que acontece na Argentina, onde ele e uma equipe de amigos estiveram no passado apenas para acompanhar de fora a competição. “Nós não chegamos a ficar seis meses sem fazer uma viagem de jipe”, lembrando que passeios mais leves e trilhas também contam. O ambiente com muitas pessoas e a necessidade de se formar uma equipe para a prática do esporte acabou trazendo a ele, além de amigos, um conhecimento plural nas funções que envolvem esses times. Isso porque Lopes já esteve em todas elas. Começou como apoio, que fica responsável em manter o bom funcionamento mecânico e limpeza do veículo do competidor. Também já esteve como navegador do piloto, que fica no banco do passageiro dizendo onde ele deve ir. Já foi também como o próprio competidor, no controle da direção, e já participou como Zequinha, que é o carona, observando e dando alguns palpites aos colegas nos bancos da frente. “Para fazer uma prova dessas, é preciso estar bem preparado, pois é muito cansativo, por menor que seja sua duração. Mesmo naquelas que duram um ou dois dias”, diz Lopes, referindo-se ao físico e ao psicológico. A jornada começa entre quatro e cinco horas da manhã e segue nas trilhas até cerca de oito da noite, com riscos de estragar o jipe, furar pneus, atolar etc. Numa competição de cinco, 10, 12 dias a fio, essa prática se torna repetitiva e constante. “Por isso um navegador é tão importante. Tanto é que no início das competições ele é anunciado antes do motorista”. Junto ao espírito aventureiro e de apoio mútuo, entre paisagens naturais exuberantes, é consequência conhecer, então, a essência da solidariedade e o respeito à natureza. Este legado vem junto com toda essa satisfação. E o melhor é que estes princípios podem ser compartilhados com aqueles que não participam diretamente dos rallys. Pois quando se trata de passeios, as famílias vão junto. Entre os encontros existe um que se chama “À procura do churrasco”, em que ninguém sabe onde será, pois o mapa da trilha é dado somente na manhã deste encontro. “Nós seguimos a trilha, chegamos ao lugar, cada um leva alguma coisa para complementar o churrasco. Ficamos junto à natureza e, depois que acaba, não fica nem uma tampinha de cerveja. É bom ter essa convivência com as pessoas e a natureza. Ser família, ser amigo”.

Fornecedores Hospitalares revista

lay_after 71

15.03.10 11:59:23


LIVROS

EU RECOMENDO

F���: D���������

Ricardo Minotto é Diretor Financeiro e de Planejamento da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre A liderança é fator decisivo para o sucesso ou insucesso das organizações. Não é por acaso que liderança é o 1º dos critérios de excelência do Prêmio Nacional da Qualidade, ou do Malcolm Baldrige (prêmio americano da qualidade), entre outros. Para o exercício da liderança ter objetivos individuais bem definidos é um elemento diferenciador. Quando esses objetivos individuais são convergentes, e estão alinhados aos objetivos da organização (companhia), obtém-se poderosa sinergia. O livro “Coaching Prático - O caminho para o sucesso” apresenta, de forma simples e direta, conceitos e métodos para o estabelecimento e alcance de objetivos, tanto particulares como corporativos. Por isso é a minha sugestão de leitura e consulta.

Coaching Prático- O caminho para o sucesso Autores: Paul Campbell Dinsmore e Monique Cosendy Soares Editora: Qualitymark Número de páginas:144 Preço sugerido: R$ 34,90

An

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

72

lay_livros 72

REVISTA FORNECEDORES HOSPITALARES

16.03.10 10:06:58


Transdisciplinaridade em oncologia

Medicina psicossomática

Cirurgia plástica e reconstrutiva da mama

Escrito por 45 profissionais de diversas áreas, como filósofos, médicos, enfermeiros, psicólogos, terapeutas ocupacionais, dentistas e assistentes sociais, este livro foi desenvolvido pela Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (ABRALE) e tem como objetivo instigar pensamentos e ações que levem à adoção de uma postura transdisciplinar. O objetivo é oferecer o melhor atendimento aos pacientes e familiares durante a trajetória de doenças onco-hematológicas e os devidos tratamentos. A obra é encontrada nas lojas e site da Livraria Cultura.

Apresentadas num formato prático e acessível, encontram-se no livro as diretrizes para os profissionais da saúde mental que trabalham na interface entre a psiquiatria e as demais especialidades médicas. Entre outros tópicos, é abordada a interconsulta psiquiátrica junto a profissionais e pacientes envolvidos com condições clínicas como doenças cardíacas e renais; oncologia, queimaduras e traumatismos; distúrbios endócrinos, autoimunes e neurológicos; HIV/AIDS. Os assuntos são sustentados por exemplos clínicos e os capítulos são seguidos por quadros de pontos-chave que facilitam a leitura.

Nesta segunda edição de um dos livros referência no assunto, o leitor contará com um texto revisado e ampliado, fartamente ilustrado com fotos do pré, intra e pós-operatórios das mais diversas necessidades cirúrgicas. Quando preciso, os cirurgiões plásticos e mastologistas poderão contar com indicações e introdução a técnicas recentes. Entre os pontos tratados na obra está a ênfase na cirurgia estética para aumento da mama e o destaque para cirurgia conservadora da mama em pacientes com câncer de mama.

Coordenação: Maria Teresa Veit Editora: ABRALE Número de páginas: 336 Preço sugerido: R$ 79,00

Anúncio Março_cv.pdf

3/3/2010

Autores: Michael Blumenfield e Maria Tiamson-Kassab Editora: Artmed Número de páginas: 292 Preço sugerido: R$ 48,00

Autores: Christian J. Gabka e Heinz Bohmert Editora: Artmed Número de páginas: 296 Preço sugerido: R$368,00

11:19:37

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

FORNECEDORES HOSPITALARES REVISTA

lay_livros 73

73

16.03.10 10:07:14


carreiras

Mudanças no Nossa Senhora de Lourdes

Ronie Reyes: Primeiro projeto será o plano de aquisição de bens e equipamentos para expansão de leitos

Foto: Divulgação

O Hospital Nossa Senhora de Lourdes, de São Paulo, contratou o especialista em suprimentos hospitalares Ronie Oliveira Reyes. O executivo será responsável pela gerência de Compras e terá como objetivo a reestruturação da área, buscando readequar os processos do hospital às melhores práticas do mercado, fomentando o uso racional dos recursos financeiros da empresa. “Como primeiro projeto conduzirei o plano de aquisição de bens e equipamentos para expansão de leitos e salas cirúrgicas”, afirma Reyes. Formado em Administração de Empresas e com MBA em Gestão de Negócios em andamento, o executivo possui 20 anos de experiência adquiridos no Hospital São Luiz, de São Paulo, tendo atuado nos diversos setores da cadeia, com ênfase na gestão e liderança de equipe de Compras. Um dos destaques de sua atuação foi a negociação com os principais fornecedores do setor, tendo coordenado a criação de um banco de dados de qualificação e auditoria de empresas do setor da saúde, com mais 600 abastecedores visitados. “Através dos conceitos de inovação em Compras, desenvolvi um controle de performance único para a área baseado no estudo do estágio do ciclo de vida das relações comerciais, na prospecção de alternativas de abastecimento e no acompanhamento de KPI’s compartilhados por equipes autogerenciáveis.”

Novidade na diretoria da Sociedade de Anestesiologia do Estado de São Paulo

Treinado pela equipe de Ivo Pintaguy, José Eduardo Lintz assume cirurgia plástica no HCor

O médico José Eduardo Lintz será o chefe do recém-criado serviço de Cirurgia Plástica do Hospital do Coração (HCor). Lintz será responsável por uma equipe de quatro cirurgiões, dois anestesistas, uma enfermeira e dois fisioterapeutas. O serviço tem como objetivo oferecer um atendimento de excelência na realização de procedimentos estéticos e reparadores, sendo eles eletivos ou emergenciais. O executivo é formado em Medicina pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas, com residências médicas em Cirurgia Geral, também pela universidade paulista, e em Cirurgia Plástica, pelos institutos Nacional de Câncer (INCA) e Pitanguy, ambos do Rio de Janeiro.

Foto: Divulgação

Desiré Carlos Callegari, 1º secretário do Conselho Federal de Medicina (CFM), é o presidente na nova diretoria da Sociedade de Anestesiologia do Estado de São Paulo para o biênio 2010-2011. A nomeação aconteceu em cerimônia realizada no Auditório Nobre da Associação Paulista de Medicina, em São Paulo. Callegari subsitui a médica Glória Maria Braga Portério. A vice-presidência estará sob responsabilidade de Kazuo Uemura. Já Carlos Rogério Degrandi Oliveira e Ricardo Antonio Guimarães Barbosa foram nomeados 1º e 2º Secretários, respectivamente.

Eduardo Lintz comanda o Serviço de Cirurgia Plástica do HCor

74

lay_carreiras.indd 74

revista Fornecedores Hospitalares

15.03.10 11:54:16


Untitled-1 1

11.03.10 16:51:49


vitrine Nesta edição, fique sabendo sobre as principais novidades nacionais e mundiais em esterilização

1

1 | Baixa temperatura

A V-PRO 1 é a nova esterilizadora à baixa temperatura da Steris. Indicada para instrumentos sensíveis ao calor, utiliza tecnologia de vapor seco e Peróxido de Hidrogênio Vaporizado (VHP) como agente esterilizante. Sua câmara é de 136 litros, seu rendimento faz um ciclo completo de 55 minutos e seu cartucho dura 15 ciclos. Com menor sensibilidade à umidade, reduz as chances de problemas de ciclos abortados. Ao final do ciclo não são produzidos resíduos tóxicos, pois seus subprodutos são somente água e oxigênio, protegendo funcionários, pacientes, instrumentos e o meio-ambiente.

2 3 | Proteção e facilidade

O Esterilizador a Peróxido de Hidrogênio, da Baumer, visa conveniência e proteção ao usuário, além de respeito à natureza, já que não descarta subprodutos tóxicos. Com capacidade de 105 litros, o processo de esterilização termina em 75 minutos, reduzindo a necessidade de um grande arsenal de itens. A facilidade de utilização inclui tela colorida touch screen, com dados do processo de esterilização sendo impressos automaticamente, ou com a possibilidade de serem salvos num pen drive. As baixas temperaturas permitem também a inclusão de aparelhos sensíveis ao calor.

3

2 | Esterilização prática

A autoclave Vitale Plus, da Cristófoli Biossegurança, tem capacidade para 12 e 21 litros, com diferenciais que facilitam as operações de esterilização, oferecendo mais comodidade, além da segurança e proteção. O equipamento tem design que facilita a manutenção e limpeza, com display de cristal líquido que mostra os parâmetros das etapas em curso. A autoclave dispõe de vários programas de esterilização, entre eles o ciclo para kit cirúrgico, que operam com secagem com porta fechada. Entre os benefícios do equipamento estão os seus 16 sistemas de segurança e dois anos de garantia.

4 | Esterilização conservada

A Kimberly & Clark oferece uma linha completa de invólucros que permitem a prevenção de infecções em centros cirúrgicos e na central de esterilização – onde tais medidas se tornam extremamente necessárias. A linha Kimguard oferece diferentes invólucros para a adequação em diversos tamanhos de caixas e pacotes de esterilização. Na linha Kimguard One Step, duas camadas de invólucro são seladas nas laterais e permitem maior rapidez e eficiência na proteção dos instrumentais.

4

5 | I nformatização

O Itineris, da Cisa Group, é um sistema informativo que gerencia todas as atividades das centrais de esterilização. Graças à introdução de metodologias operacionais bem definidas e ao suporte e controle das atividades por parte do sistema Itineris, as centrais de esterilização apresentam um alto nível de padronização, qualidade, segurança e produtividade. Entre seus atributos está a rastreabilidade do material esterilizado, suporte à gestão administrativa, padronização do sistema que garante maior segurança e confiabilidade. 76

lay_vitrine 76

revista Fornecedores Hospitalares

15.03.10 11:48:01


market place

Fornecedores Hospitalares revista

lay_mktplace 77

77

15.03.10 10:57:55


market place

CERTIFICAÇÃO

BPF Boas Práticas de Fabricação

OCS-0010

78

lay_mktplace 78

revista Fornecedores Hospitalares

15.03.10 11:13:56


market place

Fornecedores Hospitalares revista

lay_mktplace 79

79

15.03.10 11:14:07


market place

80

lay_mktplace 80

revista Fornecedores Hospitalares

15.03.10 11:16:24


market place

Fornecedores Hospitalares revista

lay_mktplace 81

81

15.03.10 11:16:41


market place

82

lay_mktplace 82

revista Fornecedores Hospitalares

15.03.10 16:51:02


market place

Fornecedores Hospitalares revista

lay_mktplace 83

83

15.03.10 16:51:27


market place

o ã ç a u d a r G s Pó lo

i m a C São

o. trabalh e d o d rca no me a ç n e r e à vida. a dif o t i e p s ( ) Faz o re ais. ica e n t é fission a o n r o p c s o e or ( )F s melh o d o l u curríc riores. e t n a s ( ) No iva lternat a s a s a ( ) Tod Inscriçõ Abertases

Ser um profissional atualizado é mais do que ter informação: é abordar as questões importantes da atualidade sob a luz da ética e do respeito à vida. Especialização • Administração Hospitalar

• Enfermagem Obstétrica

• Anatomia Macroscópica e por Imagens

• Farmacologia Clínica – NOVO

• Auditoria em Enfermagem

• Formação Docente em Saúde – NOVO

• Enfermagem do Trabalho

• Gerontologia

• Enfermagem em Cardiologia

• Gestão de Unidades de Alimentação e Nutrição – UAN

• Enfermagem em Centro Cirúrgico

• Nutrição Clínica

• Enfermagem em Emergência

• Nutrição Esportiva e Estética – NOVO

• Enfermagem em Neonatologia

• Ressonância Magnética e Tomografia

• Enfermagem em Terapia Intensiva Adulto • Enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica

Computadorizada em Saúde – NOVO • Saúde Pública com Ênfase na Estratégia

Saiba mais sobre nossos cursos:

www.saocamilo-sp.br 0800 17 8585

de Saúde da Família (ESF)

Campi: Ipiranga 1 • Ipiranga 2 • Pompeia • Estação Ambiental São Camilo

SCM11449041_An_Rev_FornecHosp_243x261.indd 1

84

lay_mktplace 84

04.03.10 15:08:47

revista Fornecedores Hospitalares

15.03.10 11:27:07


market place

Fornecedores Hospitalares revista

lay_mktplace 85

85

15.03.10 11:27:55


MARKET PLACE

PARTICIPE DO MAIOR EVENTO DO SETOR DE SAÚDE DA AMÉRICA LATINA

Tema Central Saúde no Brasil: Promoção e Sustentabilidade

Agenda ADH’2010 – São Camilo 25 a 28 de maio de 2010 • Local: Expo Center Norte – São Paulo/SP ADH’2010 – Congresso Nacional de Administração Hospitalar

XII Congresso Brasileiro de Hotelaria Hospitalar

ENFQUALI’2010 – XI Congresso Brasileiro de Qualidade em Enfermagem

X Congresso Brasileiro de Auditoria em Saúde

CQH’2010 – XIV Congresso Brasileiro de Qualidade em Serviços de Saúde XX Congresso Brasileiro de Engenharia e Arquitetura Hospitalar e XI Congresso Internacional de Engenharia e Arquitetura Hospitalar XV Congresso Brasileiro de Gestão Financeira e Custos Hospitalares e XI Congresso Internacional de Gestão Financeira e Custos Hospitalares

VI Congresso Brasileiro de Gerenciamento de Riscos e Segurança do Paciente V Congresso Brasileiro de Reabilitação VIII Jornada Brasileira de Gestão de Pessoas (RH) em Saúde II Jornada de Gestão Ambiental em Instituições de Saúde I Jornada Brasileira de Gestão Médica I Simpósio Brasileiro de Farmácia Hospitalar

Informações: eventos@saocamilo-sp.br | www.saocamilo-sp.br | (11) 3465-2700

Realização

Promoção

SCM11083030-An_ADH10_FornecHosp_243x261.indd 1

86

lay_mktplace 86

Mídia Exclusiva

Parceria

04.03.10 15:38:34

REVISTA FORNECEDORES HOSPITALARES

15.03.10 11:31:33


An_medico26,6X31.pdf

1

24/02/10

MARKET PLACE

13:25

A melhor empresa de equipamentos hospitalares na opinião dos médicos. E se pedir uma segunda opinião, também. DR. GUILHERME SANCHES CIRURGIÃO, 47 ANOS

Em 15 anos de profissão, sempre prezei pelo respeito, bom atendimento e eficiência dos equipamentos. Certamente, na minha história

MI 603C

e na vida dos meus pacientes, tem Mercedes Imec.

MACA DE ALUMÍNIO PARA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA

www.imec.com.br Desde 1943, a Mercedes Imec faz parte da vida de milhares de pessoas. Mesas cirúrgicas, camas fowler motorizadas, macas, carros de transporte e móveis em geral fazem parte do nosso cuidado de qualidade e tecnologia, com foco na sua atenção à saúde. Todo mundo sente o resultado.

11 3729-5212 11 3729-5215 comercial@equipotechmed.com.br

Mercedes Imec. Histórias de vida. Trabalho de confiança.

Visite-nos na Feira Hospitalar 2010

25 a 28 maio - Expo Center Norte, São Paulo - Stand: Rua C/D 63/64 Branco

FORNECEDORES HOSPITALARES REVISTA

lay_mktplace 87

87

15.03.10 11:32:02


market place

88

lay_mktplace 88

revista Fornecedores Hospitalares

15.03.10 11:34:01


market place

Fornecedores Hospitalares revista

lay_mktplace 89

89

15.03.10 11:34:28


MARKET PLACE

Anuncio_FH_243x129mm_2502.ai 4/3/2010 11:36:52

No ambiente hospitalar, todos esperam pela alta: alta tecnologia, alto rendimento e alto nível de satisfação. C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

Registro de atividades identificando o profissional

Chamada de Enfermagem Medvox

Bipsoro Eletrônico

Matriz: (81) 3366.9100 - Filial: (11) 3938.9100 | www.tmed.com.br | tmed@tmed.com.br

90

lay_mktplace 90

REVISTA FORNECEDORES HOSPITALARES

15.03.10 11:37:03


MARKET PLACE

INFRAESTRUTURA E AUTOMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TELECOM

SISTEMAS HOSPITALARES

MOBILIDADE E RASTREABILIDADE

HIS/RIS/PACS/LIS/PEP

GESTÃO DE PROJETOS

HOSPITAIS ENTENDEM DE GENTE, NÓS ENTENDEMOS DE HOSPITAIS

FORNECEDORES HOSPITALARES REVISTA

lay_mktplace 91

f. 11 2847-4968 www.healthconsult.com.br

91

15.03.10 11:37:41


market place

92

lay_mktplace 92

revista Fornecedores Hospitalares

15.03.10 11:40:08


market place

79 ANOS INOVANDO com Experiência e Tecnologia

ANÚNCIO_JAN_2010_proposta_02.indd 1

Fornecedores Hospitalares revista

lay_mktplace 93

06/01/2010 14:33:57

93

15.03.10 11:40:33


market place

UM BANHO DE EVOLUÇÃO

Painel de controle

Registros independentes

O “ACQUA THERM” POSSUI: n Carrinho

com alça e rodízios giratórios em aço inox com capacidade para até 20 litros de água n Mostrador de nível da água n Painel de comando com display digital n Chave liga e desliga n Controle de temperatura da água até 41º C n Ducha ergométrica com controle de pressão do jato de água n Controlador de pressão n Válvula de despressurização n Reservatório de sabonete líquido com bico injetor n Registros independentes de água e sabonete líquido n Reservatório

Rodízios giratórios

Reservatório de água em aço inox

Reservatório de sabonete líquido

VANTAGENS DO USO DO “ACQUA THERM” n Proporciona

aos pacientes em recuperação uma higiene completa, além de uma deliciosa sensação de conforto e bem-estar Retira todo o resíduo de sabonete, evitando qualquer sensação desagradável que possa ser gerada por agentes irritantes após a secagem da pele n Não precisa estar conectado à rede elétrica nem à rede de ar comprimido para funcionar n Controla a temperatura da água n A água permanece aquecida por um longo período n Reduz o tempo de banho no leito em comparação com os meios tradicionais n Totalmente portátil e transportável n Ocupa pouco espaço no ambiente hospitalar n Silencioso, não agride o ambiente de repouso n Reduz o consumo de energia elétrica, água e sabonete líquido n Evita o desperdício de água e sabonete líquido n Sua desinfecção pode ser feita com produtos já utilizados na rotina do hospital, como água e sabão, álcool, PVPI ou qualquer outra solução anti-séptica n

Tecnologia e qualidade para o conforto e bem-estar do seu paciente.

X-Ray Medical • Indústria e Comércio de Equipamentos Hospitalares Ltda. Rua Coelho Barradas, 520/526 • Vila Prudente São Paulo • SP • CEP 03139-050 • Fone/Fax: 11 2341 5445 http://www.xraymedical.com.br • email: xraymedical@xraymedical.com.br

Atitude Sustentável

XRay Medical Acquatherm 1modok.i1 1

9/22/09 8:58:28 AM

Atitude Sustentável é proporcionar soluções de qualidade e pontualidade com 100% de compromisso ambiental. A LJM Gráfica e Editora utiliza 90% de sua matéria-prima provinda de floresta de manejo e oferece resultados com foco nas necessidades de cada cliente, com respeito e transparência.

Pensando no Meio Ambiente. Imprimimos de modo consciente. Soluções em impressão de receituários, manuais, pastas, impressos blocados, folders, catálogos, displays, encartes e envelopes são alguns de nossos serviços. www.ljmgrafica.com.br • e-mail: mkt@ljm.com.br • tel.: 11 2186 7604

94

lay_mktplace 94

revista Fornecedores Hospitalares

15.03.10 11:42:48


market place

Fornecedores Hospitalares revista

lay_mktplace 95

95

17.03.10 11:13:43


empresas

Empresas e instituições citadas nesta edição: Abimed Panorama - Pág. 24

Deloitte Panorama - Pág. 24

IBCC Panorama - Pág. 24

Abimo Panorama - Pág. 24

E-val Tecnologia - Pág. 68

Instituto Nacional do Câncer (Inca) Panorama - Pág. 24

Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Panorama - Pág. 24

Federação Nacional dos Médicos Panorama - Pág. 24

Intersystems Tecnologia - Pág. 68

Fleury Panorama - Pág. 24

Irmandade Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre Livros - Pág. 72

Amil Panorama - Pág. 24 Angiocardio De olho nos forncedores - Pág. 66 Anvisa Panorama - Pág. 24 Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp) Panorama - Pág. 24 Baumer Vitrine - Pág. 76 BNDES Panorama - Pág. 24 Casa da Moeda Tecnologia - Pág. 68 Cassems .Com - Pág. 12 Certising Tecnologia - Pág. 68 Cisa Group Vitrine - Pág. 76 Cristófoli Vitrine - Pág. 76 96

lay_participantes 96

Fundação Pró-Sangue Panorama - Pág. 24 Fundação Oswaldo Cruz Panorama - Pág. 24 Hospital da Baleia Saúde Business Shcool - Pág. 55 Hospital do Coração Carreiras - Pág. 74 Hospital Monte Sinai After Hours - Pág. 70 Hospital Nossa Senhora de Lourdes Carreiras - Pág. 74 Hospital Santa Izabel .Com - Pág. 12 Hospital São Luiz Hot Spot - Pág. 98 Hospital São Vicente de Paulo Tecnologia - Pág. 68 Hospital Sírio-Libanês Raio X - Pág. 20

Johnson & Johnson .Com - Pág. 12 Kimberly & Clark Vitrine - Pág. 76 Medial Panorama - Pág. 24 Organização Nacional de Acreditação (ONA) Panorama - Pág. 24 Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) Panorama - Pág. 24 Planisa Panorama - Pág. 24 Serasa Experian Tecnologia - Pág. 68 Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS) Panorama - Pág. 24 Sociedade de Anestesiologia do Estado de São Paulo Carreiras - Pág. 74 Steris Vitrine - Pág. 76 revista Fornecedores Hospitalares

16.03.10 15:11:17


índice anunciantes

w w w. r e v i s t a f h . c o m . b r

Participe ADH – São Camilo - 86 Tel.: (11) 3465-2700 www.saocamilo-sp.br

Cristofoli – 88 Tel.: (44) 3518-3430 www.cristofoli.com

JG Moriya – 80 Tel.: (11) 5573-9773 www.jgmoriya.com.br

Samsung – 13 Tel.: (11) 5644-0000 www.samsung.com.br

Aglon – 92 Tel.: (19) 3573-7300 www.aglon.com.br

C/S Group – 90 Tel.: (11) 5073-9775 www.c-sgroup.com.br

KTK – 07 Tel.: (11) 4176-3500 www.ktk.ind.br

Schioppa – 47 Tel.: (11) 2065-5200 www.schioppa.com.br

Anadona - 92 Tel.: (11) 2088-7050 www.anadona.com.br

Deltronix – 42, 43 e 89 Tel.: (16) 4009-5454 www.deltronix.com.br

L+M Gets – 23 Tel.: (11) 3215-8200 www.lmgets.com.br

SERASA – 50 e 51 www.serasa.com.br

Baumer – 73 Tel.: (11) 3670-0000 www.baumer.com.br

DNV - 37 Tel.: (11) 3305-3305 www.dnv.com/industry/healthcare

LDM - 85 www.grupoldm.com.br

BD – 44 e 45 Tel.: (11) 5185-9833 www.bd.com.br

Ecotec – 79 Tel.: (11) 4792-3820 www.ecotecmed.com.br

Biosensor – 91 Tel.: (11) 5083-3444 www.biosensor.com.br Brasanitas – 3ª capa Tel.: 0800 702 77 14 www.brasanitas.com.br Bross – 75 Tel.: (11) 5505-1555 www.bross.com.br

Estapar – 48 e 49 Tel.: (11) 2161-8000 www.estapar.com.br Fanem – 2ª capa, 03, 38 e 39 Tel.: (11) 2972-5700 www.fanem.com.br Fresenius – 52 e 53 Tel.: (11) 2504-1400 www.fresenius-kabi.com.br

Sercon – 36, 37 e 81 Tel.: (11) 2149-1733 www.sercon.ind.br

LJM – 94 Tel.: (11) 2186-7604 www.ljmgrafica.com.br

Siemens – 89 www.siemens.com.br Sincron - 93 Tel.: (11) 2028-8866 www.sincron.com.br

Macrotec – 94 Tel.: (11) 4243-3171 www.macrotec.com.br

Sismatec – 82 Tel.: (41) 3213-5900 www.sismatec.com.br

Medicalway- 77 Tel.: (41) 3253-0500 www.medicalway.com.br Mercedes-Benz – 4ª capa Tel.: 0800 970 90 90 www.mercedes-benz.com.br

Health Consult – 91 www.healthconsult.com.br

Mercedes Imec – 61 Tel.: (11) 3729-5212 comercial@equipotechmed.com.br

Health Móveis – 93 Tel.: (11) 3645-2226 www.healthmoveis.com.br

Ortosíntese - 78 Tel.: (11) 3948-4000 www.ortosintese.com.br

Coren -SP – 05 www.coren-sp.gov.br

Hospclean - 94 Tel.: (11) 4408-5772 www.hospcleanlavanderia.com.br

Probo Hospitalar – 83 Tel.: (11) 2082-3375 www.probohospitalar.com

Cosimo Cataldo - 95 Tel.: (11) 5073-3838 www.cosimocataldo.com.br

Indrel – 95 Tel.: (43) 3378-5500 www.indrel.com.br

São Camilo - 84 Tel.: 0800 17 8585 www.saocamilo-sp.br

Covidien – 15 Tel.: (11) 2187-6200 www.covidien.com

Instramed - 72 Tel.: (51) 3334-4199 www.instramed.com.br

Clean Mall - 65 Tel.: (11) 3723-4100 www.grupofb.com.br Convergence – 63 Tel.: (11) 3886-9043 www.convergence.com.br

Fornecedores Hospitalares revista

lay_indice anun 97

desse importante grupo de empresas que acreditam em nosso compromisso de levar conteúdo de gestão ao setor da saúde e aproximar os decisores que são impactados pela comunicação dos anunciantes aqui representados.

Tmed – 90 Tel.: (81) 3366-9100 www.tmed.com.br WEM – 46, 47 e 93 Tel.: (16) 3512-4600 www.wem.com.br Wheb Sistemas – 07 Tel.: (47) 3144-4000 www.wheb.com.br X-Ray Medical – 94 Tel.: (11) 2341-5445 www.xraymedical.com.br

Entre em contato agora mesmo no (11) 3823-6633 ou pelo e-mail comercialsaude@itmidia.com.br   Equipe Comercial Saúde IT Mídia

97

16.03.10 16:21:02


HOT SPOT

QUIDAM S Foto: Ricardo Benichio

egundo o dicionário Quidam significa “indivíduo sem importância, pessoa de quem se ignora ou não se diz o nome”. Estava a procura disso, pois acabo de ver Quidam, o espetáculo tema do Cirque de Soleil, presente no Brasil no mês de março. Seria um espetáculo comum, se não fosse por um singelo detalhe: fui vê-lo como convidado do Hospital São Luiz, que reuniu numa mesma noite, médicos, parceiros e clientes para uma sessão fechada e especial. Que ideia maravilhosa!

A LBERTO LEITE É DIRETOR EXECUTIVO E P UBLISHER DA IT M ÍDIA S.A

Olho para um lado e vejo um representante de operadora de saúde, para outro e vejo um cirurgião, rindo à toa com a família. Outro, num canto, observa, sem piscar os olhos, as acrobacias dos mágicos garotos com suas cordas quase invisíveis, pensando talvez em como seria um Quidam da saúde. Um sincronismo inimaginável faz com que a gente pense que algo vai cair no chão a cada minuto, mas por uma mágica que eles conhecem, não cai. A mágica tem a ver com um objetivo real e simples de fazer com que a plateia se surpreenda, entre no clima criado, tenha uma impressão de que algo vai dar errado, mas nunca dá. O segundo ponto é a disciplina, o ensaio, que faz com que cada um conheça exatamente o que precisa fazer naquela fração de segundo. Uma dessas, feita de forma errada, faz com que tudo desabe, mas não desaba. Quando algo dá errado, todos respiram fundo, se posicionam e realizam tudo novamente, desta vez de forma impecável. A atenção aos processos é imprescindível. Cada um faz uma parte de um grande processo que tem como objetivo único a cena final. De repente você está assistindo a um malabarista e um palhaço passa de bicicleta tirando a atenção de todos. Você pensa no porque daquilo e percebe que naquele exato momento o trapezista está lá, recuperando o fôlego. Um tira a atenção, o outro respira. O público não percebe, mas o processo está lá, acontecendo. Uma banda extremamente competente toca no fundo, trazendo clima a tudo aquilo, levando as pessoas ao sonho. Entre eles a comunicação é quase inaudível, sinais visuais e sonoros são trocados sem que ninguém veja ou ouça, é quase uma nova linguagem, uma linguagem que só é entendida por quem a estudou. Um médico é convidado a participar como coadjuvante numa cena irônica. Penso na hora que, se alguém que acabou de ser operado por ele, o visse naquela situação, talvez repensasse tudo, mas chego à conclusão que é aí que mora a visão do circo, a criação de personagens e cenários. As pessoas aplaudem de pé a todos aqueles que transformaram uma noite da saúde em uma noite feliz, sem nenhuma distinção entre elos da cadeia, cargos, pessoas, enfim, uma noite onde quem manda é a magia do circo todo. Imagino agora um hospital e a plateia chegando, todos lá dentro fazendo com que sua participação seja mágica, cheia de sincronismo, magia, alegria e que no final alguém seja aplaudido. Quidam neles meus amigos!

98

lay_hotspot 98

REVISTA FORNECEDORES HOSPITALARES

15.03.10 18:14:48


Nosso compromisso é com a sua satisfação.

Sua equipe ou empresa de serviços alcança este grau de satisfação? Qualidade

Economia

Resultados

Higienização | Manutenção Predial

Solicite uma visita pelo 0800 702 77 14 ou acesse www.brasanitas.com.br

Untitled-5 1

Especialização

Referência nos ambientes de saúde

| Controle de Pragas | Serviços de Apoio Administrativo

Facilities Services

11.03.10 16:30:00


Untitled-5 1

11.03.10 16:42:41


FH 173  

Revista de Saude

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you