Issuu on Google+

IT MÍDIA DEBATE

FOTO: THAYS CABETTE

RESPONSABILIDADE SÓCIO EMPRESARIAL COMEÇA A SER VISTA COMO FATOR DE CRESCIMENTO PARA AS EMPRESAS

EM ENTREVISTA, MARINA SILVA AVALIA OS IMPACTOS DO ADOECIMENTO DO PLANETA NA SAÚDE DA POPULAÇÃO

SUSTENTABILIDADE COMO VALOR

lay_capa.indd 2

11/09/13 10:49


www.fanem.com.br

Ressuscitador Infantil é Babypuff®. Mas pode chamar de "Anjo da Guarda". O Babypuff® 1020 é um ventilador mecânico manual em T que proporciona ótimos resultados em situações emergenciais para procedimentos de reanimação. Com controle preciso das pressões, o Babypuff® gera um fluxo continuo e assegura a oxigenação, mantendo os alvéolos abertos, evitando assim o colapso dos pulmões do recém-nascido. É um equipamento versátil que facilita as leituras diretamente no mano-vacuômetro de resposta rápida. Outro diferencial em relação aos ressuscitadores manuais de bolsa é o seu eficiente sistema de interface ao paciente. Principais Características: - Excelente oxigenação - PIP constante - Controle do PEEP - Garante a proteção pulmonar. - Design diferenciado com alça e caixa plástica para facilitar o transporte.

Babypuff® de parede Babypuff® de mesa

Babypuff® móvel

Fanem. Presente desde as primeiras horas de vida.

Untitled-2 4

10/09/13 10:07


setembro de 2013 • FH 215

22

04

editorial

06

CoNeXÃo SaÚde WeB

24

MuNdo afora especialista em inovação, Vijay Govindarajan mostra como o Sistema oftalmológico aravind, na Índia, se mantém sustentável oferecendo tratamentos de graça

28

SaÚde CorporatiVa Medicina do trabalho contribui para diminuir os gastos das empresas ao promover a saúde

47

SaÚde BuSiNeSS SChool Como evitar erros em decisões que só um Ceo pode tomar?

58

MediCiNa diaGNóStiCa laboratórios podem se deparar com altos investimentos na busca pela excelência, mas a falta de qualidade custará ainda mais caro

32 poNto de ViSta Sua empresa enxerga a responsabilidade sócio empresarial como valor para o negócio?

62

eSpeCial dor hospital a.C.Camargo e São Camilo de São paulo investem em áreas específicas para lidar com a dor

34 hoSpital de equipamentos de última geração à reutilização da água da chuva: conheça as preocupações do edifício verde

66

operadora Setor discute o impacto das regulamentações na operação de empresas de pequeno e médio porte

68

eNtre eloS hospital Moinhos de Vento fecha parceria com o instituto Johns hopkins Medicine international

70

iNdÚStria inovação: setor aponta entraves no acesso à pesquisa, financiamento e questão tributária durante MdM&M

76

Na BaGaGeM em Copenhagem (dinamarca), com paulo eduardo Cicogna, da fundação pró-rim

80

teCNoloGia Mobilidade faz parte estratégica do hospital de Clínicas de porto alegre e rede d’or São luiz

86

liVroS

88

ShoWrooM

98

eM CeNa expedicionários da Saúde atendendo em comunidade indígena Munduruku, no pará

perSoNalidadeS Vice-presidente da Ge heathcare para a al, daurio Speranzini, conta sobre a nova onda de aquisições e a relação com os concorrentes

eSpeCial SuSteNtaBilidade

38 it MÍdia deBate Sustentabilidade é diferencial na hora de captar recursos, abrir capital, contratar fornecedores, prospectar fusões etc

14

peNSadoreS Marina Silva vê a sustentabilidade como saída para o adoecimento do planeta e os impactos na saúde populacional

38

3

lay_indice.indd 3

10/09/13 18:05


Foto: Bruno Cavini

EDITORIAL

SEU NEGÓCIO É SUSTENTÁVEL? Nesta edição trazemos uma reflexão sobre sustentabilidade, termo usado tão corriqueiramente que, muitas vezes, tem o seu valor distorcido. Apresentamos para você, caro leitor, uma discussão que vai além das práticas associadas ao marketing e aos balanços de responsabilidade socioambiental, que costumam ser repletos de sorrisos dos colaboradores. Queremos que você reflita sobre o seu negócio e como a sustentabilidade da sua empresa e a sua responsabilidade como agente do setor podem ser impactados. Muito mais do que cuidar da pracinha ao lado da empresa, o gestor de saúde deve ter em mente quais são as consequências que o seu negócio pode causar no entorno da comunidade e como atuar de forma efetiva para reduzir e até eliminar esses danos. Estamos falando em tratar de doentes, evitar novos pacientes, e não ser um agente causador de malefícios -, fato que torna a missão do setor uma grande contradição. As ações para reduzir esse impacto vão além de cumprir o que a legislação exige, elas permeiam desde a própria saúde do colaborador empregado na instituição até a escolha pelo fornecedor, entendendo este como uma extensão da empresa - ou você

gostaria de ter um prestador de serviço com práticas ligadas à corrupção, destruição do meio ambiente ou trabalho escravo? E é isso que abordamos no IT Mídia Debate desta edição: como as instituições de saúde estão percebendo, mesmo que lentamente, o valor que a sustentabilidade traz ao negócio. E vimos que isso está diretamente atrelado a boas práticas com todos os envolvidos e à perenidade, pois cada vez mais as instituições financeiras irão considerar a responsabilidade sócio empresarial como um componente para avaliação de um empréstimo, por exemplo. Será comum a cobrança por práticas sustentáveis, pois há também um novo tipo de consumidor: o consciente. Ainda dentro da temática redundante mas necessária “saúde da empresa de saúde”, entrevistamos a ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva, que será palestrante do Saúde Business Forum 2013, sobre os impactos do adoecimento do planeta na saúde da população. E essas consequências, como já mencionado acima, são também preocupações que devem estar na pauta do gestor socialmente responsável para um presente melhor e um futuro sustentável. Boa leitura!

Maria Carolina Buriti Editora de Saúde 4

lay_editorial.indd 4

SETEMBRO 2013 REVISTAFH.COM.BR

10/09/13 18:04


AF_anuncio_FH_Setembro_266x310mm.pdf

1

9/3/13

6:04 PM

PARA O DR. ALCEU, INDISPENSÁVEL É TER INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS.

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

Dr. Alceu Alves da Silva

Superintendente Executivo Sistema de Saúde Mãe de Deus

O Sistema de Saúde Mãe de Deus utiliza as soluções MV para gerenciar as informações clínicas, assistenciais, administrativas e financeiras de cada uma das dez unidades hospitalares administradas pela instituição. Para o Dr. Alceu Alves da Silva, contar com as soluções MV desde 2007 tem proporcionado simplicidade no acesso a informações estratégicas das unidades, além de garantir o monitoramento do desempenho e alinhamento corporativo. Indispensável é ter mais eficiência na gestão de saúde.

/comunidademv

Untitled-2 4

10/09/13 10:15


FH | CONEXÃO SAÚDE WEB

CURTAS

Você sabia? Toda vez que você ver estes ícones pode acessar nosso portal e consultar fotos e vídeos

www.saudeweb.com.br

Foto: Divulgação

Mercado Grupo NotreDame Intermédica inaugurou em São Paulo o complexo QualiVida, que abrigará 133 profissionais em 18 consultórios, com capacidade de atender 31,5 mil associados ao mês. Estrutura marca aposta em medicina preventiva. Foto: Divulgação

Subsidiária do Grupo Veolia, a Dalkia Brasil anunciou no início de setembro sua venda para o fundo de private equity Axxon (que ficou com 90% do capital) e para três executivos (10% restantes), incluindo o CEO Phillipe Enaud. Com a mudança, a empresa assume a marca Vivante.

Após a fusão entre a Unimed Belo Horizonte e a Unimed Betim, as cooperativas anunciaram investimento de R$ 220 milhões na cidade interiorana. Serão construídos um hospital geral e maternidade e um centro de promoção da saúde.

VAI E VEM

6

lay_online.indd 6

O executivo liderou durante os últimos quatro anos o Programa de Qualificação dos Prestadores de Serviços de Saúde da ANS. Em setembro, assumiu a diretoria executiva da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp) no lugar de Daniel Coudry, agora diretor geral da Universal Saúde Assistência Médica.

Secretário geral da Abramge assume presidência da Alami

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Carlos Figueiredo (foto), ex-ANS, assume diretoria executiva Anahp

Uma Parceria Público Privada (PPP) assinada entre o laboratório EMS e a Furp (Fundação para o Remédio Popular) permitirá o desenvolvimento de 96 novos registros na fábrica de Américo Brasiliense, no interior de São Paulo. Os investimentos previstos superam R$ 130 milhões nos próximos cinco anos.

Reinaldo Scheibe, atual secretário geral da Abramge, é o novo presidente da Associação Latino-Americana de Sistemas Privados de Saúde (Alami). Para ele, Brasil tem experiências regulatórias positivas e negativas para compartilhar com os países da região, mas ressalta: “toda forte regulação engessa o mercado e a criatividade”.

Merck Serono anuncia novo diretor geral no Brasil

Roberto Alvarenga é o novo diretor geral da divisão biofarmacêutica da Merck. O executivo tem 25 anos de experiência em grandes grupos farmacêuticos globais. No novo cargo, terá a missão de liderar o crescimento da Merck, que no País possui 1.100 funcionários.

SETEMBRO 2013 REVISTAFH.COM.BR

11/09/13 11:50


Untitled-2 1

10/09/13 16:46


FH | conexão saúde web

curtas

www.saudeweb.com.br

Tecnologia

o estado de são Paulo adotou um sistema de prontuário eletrônico nos hospitais do sUs. desenvolvido desde o início de 2012 pela Prodesp, o S4SP (saúde para são Paulo) custou r$ 56 milhões e deve armazenar prontuários e históricos de 20 milhões de pacientes em, inicialmente, 22 hospitais.

Pesquisadores do UC Davis Children’s Hospital descobriram que consultas por vídeo melhoram os resultados dos tratamentos infantis. nos eUa, 3% dos especialistas em cuidados pediátricos críticos atendem apenas 21% das crianças no interior do país.

os hackers não poupam ninguém. desta vez foi a agência nacional de Vigilância sanitária (Anvisa) que teve um de seus sistemas, o VIsadoc, violados. Usado para consulta de registro de produtos, o sistema foi retirado do ar e todos as senhas obtidas foram inutilizadas.

8

lay_online.indd 8

a Rede D’Or São Luiz anunciou um projeto de integração que permitirá administrar processos distribuídos em todas as filiais, melhorando a comunicação, reduzindo o tempo de resposta dos procedimentos e integrando pedidos de exames. a solução fornecida pela Ibm também integra o sistema de triagem smarttrack nas emergências da rede.

setembro 2013 revistafh.com.br

10/09/13 17:12


anuncioITcrono copy.pdf

1

10/09/13

13:41

anuncioITcrono copy.pdf

1

10/09/13

13:41

VI FÓRUM VI FÓRUM INTERNACIONAL INTERNACIONAL DE QUALIDADE EM SAÚDE DE QUALIDADE EM SAÚDE 21 e 22 de novembro 21FECOMERCIO/SP e 22 de novembro FECOMERCIO/SP

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

WWW

Armazenar e compartilhar informações de saúde pessoal e familiar por meio de um portal colaborativo. Esse é o objetivo do Digite Saúde (digitesaude.com. br), site para usuários finais, empresas, instituições de saúde, operadoras e governos. A ideia das desenvolvedoras - HQI Consultoria e A2F - é formar uma rede social com informações demográficas de saúde.

C C M M Y Y CM CM MY MY CY CY CMY CMY K K

Outra iniciativa online na área de saúde é o Portal Diabetes (portaldiabetes.com.br), lançado pela gigante Bayer com conteúdo desenvolvido por médicos e pacientes para o controle da doença. A iniciativa acompanha um aplicativo para dispositivos móveis, o GlicoCare, que pode ser baixado nas lojas Google Play e Apple Store.

Saiba mais em www.forum.iqg.com ou relacionamento@iqg.com.br 9 Saiba mais em www.forum.iqg.com ou relacionamento@iqg.com.br

lay_online.indd 9

10/09/13 17:12


FH | conexão saúde web

Desde 2009 o número de mulheres que entram na medicina no Brasil é maior que o de homens. entre os profissionais com menos de 29 anos, elas já são maioria. e até 2028, haverá um equilíbrio entre o número de homens e melhores exercendo a profissão. Para o estudo, foram considerados os registros disponíveis em Crms, sociedades médicas, Comissão nacional de residência médica, Instituto Brasileiro de Geografia e estatística (IBGe) e ministério do Trabalho e emprego (mTe).

• Mulheres médicas representam 39,9% entre cerca de 400 mil profissionais registrados no País; • Em 2010, 7.634 mulheres ingressaram na profissão (antes 6.917 homens);

13 mil

leitos

números

foram desativados entre janeiro de 2010 e julho de 2013 no sUs, segundo levantamento feito pelo conselho Federal de medicina (cFm) baseado em dados do ministério da saúde. Psiquiatria foi a especialidade mais prejudicada, com 7,5 mil vagas a menos

55

milhões de reais

foi o valor do lance feito pela amil no leilão do Hospital santa marina, na capital paulista. Lote inclui imóveis e equipamentos da instituição desativada, e foi vendido para quitar dívida de cerca de 2 mil processos trabalhistas acumulados

10,2%

• Entre médicos com menos de 29 anos, 53,31% eram mulheres em 2012;

de crescimento

• Entre 53 especialidades reconhecidas no Brasil, mulheres predominam em 13, principalmente na atenção básica: pediatria (são 70%), medicina de família e comunidade (54,2%), clínica médica (54,2%) e ginecologia e obstetrícia (51,5%).

levou a produção da indústria brasileira de equipamentos médicos ao patamar de r$ 4,8 bilhões em 2012. apesar do bom resultado, hospitais continuam importando mais e déficit comercial do setor chegou a Us$ 3,7 bilhões

• As áreas em que as mulheres menos estão: cirurgia cardiovascular (10%), neurocirurgia (8,2%), ortopedia (5%) e urologia (1,2%). • Tendência se verifica entre os países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE): porcentagem de mulheres médicas passou de 28% em 1990 para 38% em 2005.

* Fonte: “A feminização da medicina no Brasil”, de Mário Scheffer e Alex Jones Flores Cassenote, da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), publicada na revista Bioética. Endereço: http://migre.me/g0GQq

10

lay_online.indd 10

720

profissionais

serão treinados pelo Instituto Israelita de responsabilidade social (IIrs), pertencente ao albert einstein, de acordo com um novo protocolo de socorro a paradas cardiorrespiratórias, conhecida como código azul, na atenção primária de são Paulo

setembro 2013 revistafh.com.br

10/09/13 17:12


BIOCOR INSTITUTO NOSSA META É A SUA SATISFAÇÃO O Biocor Instituto é pioneiro nas certificações pelas normas ISO’s 9001 (qualidade), 14001 (meio ambiente) e 27001 (segurança da informação); OHSAS 18001 (saúde e segurança ocupacional); ONA Nível III (acreditação máxima com excelência); QSP 31000 (baseada na ISO 31000 – gestão de riscos); NIAHO (acreditação internacional norte-americana) e FNQ (padrões de excelência), certificação de conformidade a 100% dos requisitos legais, além de diversos prêmios nacionais e internacionais. Porém, o nosso compromisso em oferecer acolhimento e serviços de qualidade é auditado, todos os dias, pelos pacientes, acompanhantes e familiares.

A VIDA COMO VALOR MAIOR ALAMEDA DA SERRA, 217 - VILA DA SERRA - NOVA LIMA - MG

FONE: (31) 3289 5000 - WWW.BIOCOR.COM.BR

Untitled-3 1

10/09/13 17:35


FH | CONEXÃO SAÚDE WEB

MULTIMÍDIA

BLOGS BENEFÍCIOS DA SUSTENTABILIDADE EM DEBATE Especialistas e gestores se reuniram na IT Mídia para discutir benefícios, dificuldades e formas de inovação em sustentabilidade hospitalar. Veja: http://migre.me/g10oC

DISCOTECA VIRA PRESENTE DE ANIVERSÁRIO PARA CENTRO PSIQUIÁTRICO DO RIO Aniversário de 15 anos do Centro Psiquiátrico do Rio de Janeiro (CPRJ) inaugurou discoteca com mais de 3,5 mil LP’s doados à instituição. Veja: http://migre.me/fYuue

MARCELINO CHAMPAGNAT INAUGURA UNIDADES DE CARDIOLOGIA E NEUROLOGIA Hospital do Grupo Marista, de Curitiba (PR), colocou Unidade Coronariana e Neurovascular (UCN) com 10 boxes em funcionamento. Veja: http://migre.me/fYuxI

Leia e discuta com nossos colaboradores os assuntos mais quentes do mês: www.saudeweb.com.br/blogs

MÉDICO HOSPITALISTA Guilherme Brauner Barcellos Notificação de erros associados aos cuidados em saúde: está o Governo no momento e no caminho certo? “Precisam deixar mais claro para as entidades de classe, sindicatos, representantes de hospitais e, principalmente, para os profissionais da linha de frente, como irão proteger eventuais inocentes de acusações injustas, riscos legais e de exposição pública.” GESTÃO COMERCIAL EM SAÚDE Enio Salu S4SP poderá ser o divisor de águas na gestão da saúde “Estamos em uma situação tão crítica na saúde pública que esta discussão é irrelevante… O melhor sistema é o ‘que seja único para todos os hospitais’, e ‘que funcione’ quando aquele que depende dele necessitar!” VIGILÂNCIA SANITÁRIA ESTRATÉGICA Gil Meizler Atenção! Decreto desobriga Cbpf para dispositivos médicos Novas regras trazerem descompasso entre o preconizado e o praticado, podendo causar prejuízos à população e às empresas fabricantes de dispositivos que participam de licitações. JURISPRUDÊNCIA NA SAÚDE Renata Vilhena Silva Ineficiência da ANS impulsiona reajustes abusivos Para advogada, Brasil patina em questões éticas ao nomear para a direção da agência reguladora “pessoas com interesses escusos”.

EU LEIO A FH

Foto: Divulgação

EU LEIO A FH POR SER UM RICO INSTRUMENTO DE INFORMAÇÃO NO SEGMENTO DE SAÚDE. SEU CONTEÚDO ESTÁ SEMPRE ALINHADO AOS TEMAS MAIS IMPORTANTES PARA O NOSSO SETOR, E FINAMENTE CONECTADO ÀS EXPECTATIVAS DOS GESTORES, O QUE A TRANSFORMOU EM UM DOS MAIS CONCEITUADOS VEÍCULOS DE COMUNICAÇÃO DO NOSSO MERCADO. Gabriel Palne, CEO da Geriatrics

12

lay_online.indd 12

SETEMBRO 2013 REVISTAFH.COM.BR

10/09/13 17:12


Untitled-2 4

10/09/13 10:14


FH | pensadores

maria Carolina buriti | mburiti@itmidia.com.br

Caminho

único

Às vésperas do registro do partido rede sustentabilidade, a palestrante do saúde business Forum 2013 Marina Silva aFirma que é impossível dissociar o adoecimento do planeta dos impactos na saúde da população, e aFirma que para o gestor de saúde só há a alternativa do desenvolvimento sustentável

m

aria osmarina marina silva vaz de lima ou marina silva, como é conhecida mundo afora, é uma das 50 pessoas que podem ajudar a salvar o planeta, de acordo com o jornal britânico the guardian. sua trajetória, tantas vezes já mencionada, registra a luta pela própria vida (foram três hepatites, cinco malárias e uma leishmaniose), pelo aprendizado, pois só conseguiu se alfabetizar aos 16 anos e a já sabida militância em prol do desenvolvimento sustentável - que segue esbarrando em conflitos econômicos. mas a ex-ministra do meio ambiente garante: “mesmo os gestores de saúde incapazes de enxergar essa questão acabarão por entender que esse é o único caminho”. nos últimos dias do mês de agosto, ela enfrenta um novo desafio: conseguir registrar o partido rede sustentabilidade, o que implica uma provável candidatura à presidência da república em 2014, que a ex-senadora afirma ser “apenas uma possibilidade”. e foi justamente na reta final da formalização de seu partido -, até o fechamento desta edição, que ocorria o processo de validação das 500 mil assinaturas necessárias para a criação -, que ela concedeu essa entrevista à Fh. por conta dos compromissos relativos ao registro, ela respondeu às perguntas por e-mail.

14

lay_Entrevista.indd 14

setembro 2013 revistafh.com.br

10/09/13 17:14


PERFIL

FH: Como ser um homem saudável em um planeta doente? Marina Silva: É claro que há uma dimensão pessoal nesta discussão, afinal todos sabem que é preciso ter uma vida saudável, cuidar da alimentação, fazer exames periódicos e procurar um médico sempre que necessário. Mas não faz sentido pensar na saúde individual como se estivesse separada da saúde do planeta. Nossa saúde depende de fatores como a qualidade do ar, da água e dos alimentos. Como posso ser saudável se vivo em uma região sem saneamento básico? Como posso ser saudável se habito uma cidade que não controla os poluentes? Questões como estas são fundamentais para a saúde dos indivíduos. Não dá para ter vida saudável sem acesso à rede de esgoto, triste situação da metade da população brasileira; ou à água potável, problema que afeta 30 milhões de brasileiros. Se o governo libera agrotóxicos proibidos na maioria dos países, é claro que isso irá afetar a saúde das pessoas. Todas essas questões estão interligadas.

QUEM

É licenciada em História pela Universidade Federal do Acre e pós-graduada em psicopedagogia. Foi vereadora, deputada estadual, senadora por dois mandatos (1995 a 2011) e Ministra do Meio Ambiente (2003 até maio de 2008) pelo Partido dos Trabalhadores (PT). Em 2010 foi candidata à Presidência da República pelo Partido Verde, do qual desfiliouse em julho de 2011. Recebeu o “2007 Champions of the Earth”, principal prêmio da ONU na área ambiental, a medalha Duque de Edimburgo, em reconhecimento à sua trajetória e luta em defesa da Amazônia brasileira – o prêmio mais importante concedido pela Rede WWF e, em 2009, recebeu o prêmio Sophie da Sophie Foundation, concedido a pessoas e organizações que se destacam nas áreas ambientais e do desenvolvimento sustentável, em Oslo, Noruega.

FH: As mudanças climáticas também têm como consequência populações mais vulneráveis e novas enfermidades. Você acredita que essas consequências são levadas em consideração pelas lideranças de Saúde no Brasil e no mundo? Marina: O aquecimento global traz riscos enormes. Há inúmeros estudos que preveem o aumento da incidência de doenças tropicais transmitidas por mosquitos, como a malária e a dengue. A Agência Francesa de Segurança Sanitária do Meio Ambiente já apontou que, com a elevação da temperatura dos oceanos em um ou dois graus Celsius, podem surgir novas bactérias que representarão risco potencial para o homem. As mudanças climáticas provocam o aumento de poluentes, como as partículas finas, que causam doenças respiratórias. Há na comunidade científica um consenso de que o aquecimento global é responsável também por uma incidência maior de eventos extremos, como furacões, chuvas inten-

Também em 2009, recebeu da Fundação Príncipe Albert II de Mônaco o Prêmio sobre Mudança Climática (Climate Change Award), em reconhecimento à sua contribuição para projetos na área do meio ambiente, ações e iniciativas conduzidas sob a ótica do desenvolvimento sustentável.

Foto: Cacá Meirelles

Desde março de 2011 integra o Millennium Development Goals (MDG) Advocacy Group, organismo voltado para trabalhar juntamente com o secretário-geral da ONU na construção de uma vontade política e uma mobilização global para que os objetivos sejam realizados até 2015 em benefício dos pobres e vulneráveis.

lay_Entrevista.indd 15

15

10/09/13 17:14


FH | PENSADORES

FH: Uma de suas propostas está ligada a cidades saudáveis, o que também implica em cidadãos saudáveis. Como alcançar esse objetivo em metrópoles cada vez mais problemáticas e, por consequência, moradores mais adoentados? Marina: A criação de cidades saudáveis passa pela adoção de políticas urbanas que tenham a sustentabilidade como valor central. Isso significa a proteção de mananciais, a garantia de acesso da população à rede de coleta e tratamento de esgotos e a eliminação dos lixões, entre outros desafios. Há muita coisa a ser feita. Quase 40% do lixo produzido no Brasil é despejado nos lixões e aterros controlados. Apenas 27% dos municípios brasileiros enviam seu lixo para os aterros sanitários. Há três anos foi promulgada a lei que instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Ela estabeleceu que os municípios encaminhassem seus planos de

16

lay_Entrevista.indd 16

Foto: Cacá Meirelles

sas e grandes secas. O efeito desses fenômenos sobre a saúde pública pode ser tremendo, especialmente entre as pessoas mais pobres, como as populações do semiárido nordestino e das periferias das grandes cidades brasileiras. Acredito que as lideranças de Saúde estão, em boa parte, conscientes desses problemas e riscos. A questão é que não podemos enfrentar as mudanças climáticas por meio de instrumentos isolados e pontuais. Os governos têm o dever de transformar esse desafio em uma política central de Estado e, ao mesmo tempo, estabelecer diretrizes que envolvam diferentes áreas de suas administrações. A transversalidade das políticas públicas é fundamental para que possamos mitigar os efeitos do aquecimento global. A dificuldade existente hoje no Brasil é que as políticas públicas são desenvolvidas para o curto prazo dos políticos. Mas é preciso pensar no País das próximas décadas, não dos próximos quatro anos.

gestão ao governo federal até 2012, mas apenas 10% cumpriram o prazo. Ou seja, os desafios são tremendos em todas as esferas de governo. Não se pode, tampouco, pensar em cidades saudáveis sem uma política de mobilidade urbana saudável. É preciso reordenar os investimentos com o objetivo de integrar modais e otimizar frotas e itinerários, sempre com o objetivo de reduzir o tempo das viagens dos trabalhadores. É preciso garantir uma urbanidade saudável, o que passa pela criação de mecanismos de financiamento e de subsídios para dar conta das necessidades habitacionais dos brasileiros e pela urbanização das favelas. A bicicleta deve ser vista como um meio de transporte, não apenas como equipamento de lazer, e para isso é preciso criar uma estrutura para que possa ser usada de forma segura.

NÃO FAZ SENTIDO PENSAR NA SAÚDE INDIVIDUAL COMO SE ESTIVESSE SEPARADA DA SAÚDE DO PLANETA FH: As empresas de saúde (envolvendo toda cadeia: hospitais, operadoras, indústria) têm a missão de prezar pela saúde da população, mas são grandes causadoras de impactos ambientais, principalmente os hospitais que são produtores de grandes quantidades dos mais variados tipos de lixo (químico, biológico). Como você avalia a atuação destas empresas no que tange a redução de impactos? Marina: Não sou especialista em lixo hospitalar, mas sei que nos últimos anos avançou muito a consciência das empresas de saúde sobre a importância da coleta e destinação correta de lixos químicos e biológicos. É claro que ainda existem problemas. Há poucos dias, por exemplo, os jornais noticiaram que foram encontrados materiais como seringas, ampolas, medicamentos e roupas de pacientes em uma área

SETEMBRO 2013 REVISTAFH.COM.BR

10/09/13 17:14


Untitled-2 4

10/09/13 10:18


FH | PENSADORES

Foto: Cacá Meirelles

de proteção ambiental na Baixada Fluminense. Essas notícias volta e meia aparecem. O questionamento mais importante sobre lixo hospitalar talvez deva ser feito às autoridades municipais, responsáveis pela gestão desses resíduos. A dura realidade é que, por não terem aterros sanitários, muitos municípios despejam o lixo hospitalar em lixões. A Política Nacional de Resíduos Sólidos estabelece o fim dos lixões até 2014, meta que, infelizmente, não deve ser alcançada. FH: Em sua opinião, o gestor de saúde (o empresário, dono de hospital ou seguradora) já enxerga a sustentabilidade como valor para o negócio ou há ainda muita miopia se comparada aos outros setores? Marina: Muitos dos novos hospitais construídos no Brasil já obedecem a padrões sustentáveis. O empresário do setor parece ter se dado conta de que vale investir um pouco mais na construção e depois economizar no consumo de energia, na geração de energia alternativa, na diminuição e tratamento de resíduos e no aproveitamento de águas pluviais, que podem ser usadas para a lavagem de áreas coletivas, por exemplo. Alguns hospitais brasileiros já fazem a compostagem de lixo orgânico, que depois é usado como adubo. Muitos hospitais e consultórios já começam a substituir termômetros e equipamentos que usam mercúrio por soluções digitais, que não agridem o meio ambiente. Mesmo os gestores de saúde incapazes de enxergar essa questão acabarão por entender que esse é o único caminho. Os consumidores de serviços, em todas as áreas, estão cada vez

18

lay_Entrevista.indd 18

A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ESTABELECE O FIM DOS LIXÕES ATÉ 2014, META QUE, INFELIZMENTE, NÃO DEVE SER ALCANÇADA

mais conscientes de que qualquer atividade humana deve respeitar o meio ambiente e colaborar com o desenvolvimento sustentável. Os empresários que resistirem a essa nova consciência enfrentarão cada vez mais dificuldades em seus negócios. FH: Como levar ao setor de saúde a pauta do desenvolvimento sustentável diante de tantos gastos em novos empreendimentos, motivados pela carência de estrutura? Marina: A necessidade de investir em infraestrutura e novos empreendimentos de saúde, dos quais o País está tão carente, não elimina a urgência de trazer as preocupações sustentáveis ao setor. É importante que a sustentabilidade seja entendida em sua dimensão mais ampla. Ela não significa apenas cuidado com o meio ambiente. Passa também pela gestão eficiente dos recursos, pela colaboração entre todas as esferas envolvidas e pela criação de mecanismos que antecipem problemas futuros. FH: Saúde está na pauta dos candidatos em todas as esferas de governo. E, nos últimos meses, as pessoas tomaram as ruas pedindo respostas mais efetivas dos gestores públicos, o que promete debates acalorados no próximo ano em razão das eleições. Na sua avaliação, qual é o principal problema da saúde brasileira? Marina: Um dos principais problemas é o fato de o Brasil priorizar o atendimento emergencial. Precisamos adotar estratégias preventivas, com o reforço da Atenção Básica. O Brasil precisa promover a formação de médicos generalistas, enfermeiros, assistentes sociais e

agentes comunitários, profissionais que trabalhem junto da população e que entendam seus problemas, o ambiente em que vivem. O Programa da Saúde na Família precisa ser fortalecido e aprimorado, para que as pessoas recebam em suas casas ou no posto de saúde mais próximo toda a atenção de que necessitam. Na minha visão, outro problema importante é o SUS, uma conquista da população brasileira que, porém, precisa ser fortalecida e aprimorada. É fundamental que o governo federal aumente os repasses ao sistema e aprimore a gestão desses recursos. FH: Como ex-candidata à presidência do Partido Verde e possível candidata pelo pela Rede Sustentabilidade, o que você propõe para mudar? Marina: É preciso deixar claro que, por enquanto, essa é apenas uma possibilidade. Se eu for candidata, pretendo em primeiro lugar ouvir as pessoas engajadas na discussão da melhoria da saúde no Brasil, o que inclui empresários, gestores públicos e profissionais. Não acredito em fórmulas prontas, feitas para causar impacto no horário eleitoral. É preciso discutir e encontrar as melhores soluções. Há, porém, algumas questões que são consensuais. O aumento dos repasses federais ao sistema de saúde é uma delas. Outra é dar prioridade à atenção básica, com o fortalecimento do Programa Saúde da Família. É preciso ainda promover a articulação das três esferas de governo em uma rede de serviços de saúde, integração que precisa ajudar também na prevenção e combate de doenças, como a dengue e a hepatite.

SETEMBRO 2013 REVISTAFH.COM.BR

10/09/13 17:14


DeDicação, ética e respeito à viDa. Mais que uMa Missão, uM coMproMisso

O Igesp é um dos mais modernos complexos hospitalares do país. Sua infraestrutura permite a realização de procedimentos de alta complexidade, por meio de equipamentos de última geração e equipes multiprofissionais comprometidas com o bem-estar dos pacientes e focada no atendimento humanizado e acolhedor.

hemodinâmica

UTI

centro cirúrgico

Responsável Técnico: Dr. Alcides Félix Terrível - CRM 45.549

mktone.com.br

que se renova a caDa Dia.

apartamento apartamento

Rua Silvia 276 | Bela Vista São Paulo - SP - 11 3147.6200 www.hospitaligesp.com.br O melhor pra você

Untitled-1 1

11/03/13 09:58

Untitled-2 1

10/09/13 16:47


AF_anuncio_53,2x31_brasanitas_hospitalar_08_agosto.pdf

1

8/14/13

12:16 PM

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

Com processos amplamente estruturados e investimentos constantes em tecnologia, há mais de 30 anos garantimos qualidade, eficiência e segurança para instituições dos mais variados portes. São mais de 300 estabelecimentos atendidos, que fazem da Brasanitas Hospitalar líder em higienização. Se você quer os melhores serviços, aliando experiência e inovação, já sabe com quem contar. GRUPO BRASANITAS. NOSSA VIDA É FACILITAR A SUA.

/grupo.brasanitas

Untitled-2 2

HIGIENIZAÇÃO GERENCIAMENTO HOSPITALAR DE LEITOS

MANUTENÇÃO PREDIAL

GESTÃO DE ROUPARIA

CONTROLE DE PRAGAS

/grupobrasanitas

10/09/13 10:03


ONDE TEM BRASANITAS HOSPITALAR, TEM SERVIÇOS DE ALTA QUALIDADE.

0800 702 7714

www.grupobrasanitas.com.br

Untitled-2 3

10/09/13 10:03


em depoimento a Verena souza

FH | personalidades

para o Vicepresidente comercial da Ge HealtHcare para a américa latina, daurio speranzini Jr, o desenVolVimento de noVos mercados depende do entendimento do JoGo em cada território. À FH, ele contou sobre a noVa onda de aquisições da multinacional americana e a relação com os concorrentes

22

lay_personalidades.indd 22

Para desenvolver uma visão de negócios sobre o setor de saúde brasileiro é preciso... compreender os desafios de infraestrutura do País, respeitar as características geográficas das regiões e, acima de tudo, contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos pacientes, levando saúde de qualidade a mais brasileiros. Mais de dez anos em cargos de liderança de empresas de saúde (GE Healthcare, Philips Healthcare e Guerbet Internacional) serviram... para concluir que a América Latina (AL) é uma das regiões mais complexas no mundo em termos de sistemas de saúde. Com a heterogeneidade cultural dos 37 países que compõe a região e economias em diferentes momentos de maturidade. O que me motiva acordar todos os dias e enfrentar as responsabilidades de ser o vice-presidente comercial da GE Healthcare para a América Latina é... saber que podemos, de forma única e genuína, a judar os médicos e profissionais de saúde a proporcionar melhoria na qualidade de vida da população, mais especificamente dos pacientes. Olhar para os quase sete anos de Philips, tendo conduzido importantes aquisições (VMI, do segmento de raio-X; Dixtal, de cuidados críticos; Tecso, especializada em RIS; e Wheb Sistemas, com foco em sistema de gestão hospitalar) representou... o desenvolvimento e implementação de uma estratégia de médio e longo prazo baseada em ações orgânicas e inorgânicas bem definidas. Parte da política industrial do setor de saúde do Brasil foi influenciada pelo momento que eu vivi na empresa. Além de ter contribuído para que o mercado industrial de saúde tivesse um desenvolvimento acelerado e importante em termos de transferência de tecnologia e processos industriais. Atualmente, muitas empresas multinacionais possuem fábricas no Brasil e, hoje, vê-la como competidora significa a realização de um sonho maior para o País. Com as recentes aquisições (XPro e Omnimed), a GE pretende... criar oportunidades significativas de vendas e expandir a cobertura de mercado da companhia. As tecnologias desenvolvidas por estas empresas são um complemento para a GE. Espera-se que as aquisições proporcionem uma plataforma de exportação para a América Latina, reforçando o nosso comprometimento de tornar o acesso à saúde uma realidade na região. Avalio a disputa de mercado entre GE, Philips e Siemens como... um exercício diário, por parte da GE Healthcare, de buscar melhorias contínuas em seus produtos, processos e soluções. Acredito que empresas fortes elevam o nível da concorrência. De um lado, o crescimento de soluções em diagnósticos por imagens, de outro, a falta de um registro integrado, assim como problemas para o acesso de exames. Essa situação será solucionada quando... o governo e a iniciativa privada puderem encontar uma forma de se conectar de maneira mais efetiva e regulamentada. A cada momento as empresas desenvolvem produtos e serviços que a judam a suprir essa grande demanda de mercado. Para impulsionar comercialmente a região latino-americana, levando em conta sua heterogeneidade, e desenvolver produtos locais, sigo a estratégia... de jogar o jogo que o País exige, apostando em soluções e projetos que condizem com a necessidade e realidade nacional. O Brasil e outros países da AL têm muitas oportunidades de melhoria de cober-

setembro 2013 revistafh.com.br

10/09/13 09:18


tura territorial, por exemplo. Além disso, encontrar soluções com excelente custo-benefício é extremamente importante em algumas linhas de produtos. Os problemas recorrentes da relação prestador de saúde e indústria que persistem são... a falha de comunicação, que dificulta a busca conjunta por novos modelos de negócios que podem viabilizar a rentabilidade das empresas e garantir qualidade e acesso dos pacientes a saúde de qualidade. Ocupo um cargo no Conselho do São Paulo Futebol Clube porque... o São Paulo fez parte da minha história de vida. Eu amo meu clube e quero retribuir todas as experiências positivas que tive com ele fazendo parte do conselho. DICAS

Posso dizer que as semelhanças entre o Daurio pai de três filhos, casado, e o Daurio executivo respeitado do setor de saúde são... seriedade, transparência e vontade de construir coisas novas, deixando legado para as pessoas.

Uma viagem:

Vietnã, pela riqueza da diversidade cultural Um filme:

Uma Mente Brilhante

Um conto de duas cidades – Charles Dickens

Foto: Ricardo Benichio

Um livro:

As pessoas me descrevem como... sério e visionário, e eu me vejo... disciplinado e esforçado, além de preocupado em poder a judar as pessoas a serem melhor a cada dia.

23

lay_personalidades.indd 23

10/09/13 09:18


FH | mundo afora

verena souza | vsouza@itmidia.com.br

a serviço

do outro Em visita ao Brasil, o rEnomado profEssor dE inovação Vijay GoVindarajan aBorda o casE do sistEma oftalmológico aravind, na Índia, quE ofErEcE tratamEnto aos quE não podEm pagar, dEsafiando a lógica dos nEgócios E provando quE é possÍvEl fazEr “mais com mEnos”

24

lay_mundo a fora.indd 24

m

esmo quem nunca pisou em solo indiano conhece - até pelos filmes de bollywood -, algumas de suas características, como o fato de ter mais de 1 bilhão de habitantes, péssimas condições de higiene e importantes contrastes sociais. em 2010, um levantamento do banco mundial reportou que 32,7% dos indianos vivem abaixo da linha da pobreza, ou seja, com menos de us$ 1,25 por dia; e 68,7% com menos de us$ 2 por dia. em um cenário como este não é difícil prever que o sistema de saúde da Índia esteja entre os piores do mundo. sem uma política nacional de saúde e com uma média de 1 médico para 2.040 habitantes, o desafio do setor é proporcional ao tamanho de sua população. mas o professor da tuck school of business (eua) vijay Govindarajan enxerga tais problemas e necessidades como oportunidades, inclusive para a inovação. Conhecido como vG, o professor, que é considerado um dos maiores especialistas do mundo em estratégia e inovação pelos periódicos forbes, the economist e businessweek, escolheu um exemplo indiano sobre como fazer “mais com menos” para apresentar aos participantes do 18° Congresso abramge (associação brasileira de medicina de Grupo).* TraTamenTo em massa baseada no fordismo, a indústria automobilística brasileira conheceu a prosperidade depois de ter perseguido a meta de baratear o automóvel até que todos conseguissem comprá-lo. e se essa lógica de produção e consumo em massa, idealizada por Henry ford, fosse aplicada na saúde, para que todos tivessem acesso à assistência?

setembro 2013 revistafh.com.br

10/09/13 09:21


VG, sobre o modelo inovador de Aravind: “Por que não fazer cirurgias como uma linha de montagem?”

Foto: Divulgação

E foi. Com o claro objetivo de eliminar a cegueira curável para os que podem e os que não podem pagar, o Sistema Oftalmológico Aravind, localizado no sul da Índia, passou de uma clínica com 11 leitos, em 1976, para a maior e mais produtiva organização mundial de tratamento e prevenção da cegueira da atualidade, com um total de 1.204 leitos. Estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que 39 milhões de pessoas no mundo são cegas, e que 80% dos casos poderiam ser evitados – estes denominados como “cegueira desnecessária”. A Índia, ocupante da 136° posição no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), possui cerca de 12 milhões de cegos. Aravind, uma organização sem fins lucrativos de Madurai, uma das cidades mais antigas do sul do país, lar de 1 milhão de pessoas, arrancou a etiqueta de preço da cirurgia de restauração da visão, tratando mais de um terço de seus pacientes de graça. Enquanto nos Estados Unidos (EUA) uma cirurgia de catarata custa cerca de US$ 4 mil, o preço intermediário (são vários pacotes oferecidos e este é um dos mais escolhidos) na entidade para quem opta pagar é de R$ 110, segundo VG. Outro aspecto paradoxal é o fato de não existir critério de qualificação para quem está, ou não, apto a pagar. “É por autoescolha. As pessoas não trapaçam. Se você pode pagar, você paga. Se não pode, não paga”, enfatiza VG. Para o professor, o sucesso de Aravind está calcado na qualidade de ser frugal para a inclusão de todos. “O motivador não é o dinheiro, e sim a cura. Os olhos de todos [dos que podem e dos que não podem pagar] são igualmente importantes”, diz, lembrando que a rede é superavitária e possui, em média, uma margem bruta de 35%. Como? Os resultados impressionam e já atraíram a atenção de diversas personalidades como, por exemplo, Bill Clinton, ex-presidente dos EUA, o ícone da administração Peter Drucker e uma da principais defensoras americanas da reforma da assistência médica nos EUA, Regina Herzlinger. Por trás dos números diários como 850 mil cirurgias, 7,5 mil visitas ambulatoriais, 500 a 600 consultas de telemedicina, 7 mil lentes intraoculares produzidas e aulas para 100 médicos, 300 profissionais e administradores, esteve um homem cuja mentalidade pode ser traduzida na seguinte frase: “Colocar-se a serviço de outros é servir a si mesmo. Nossas limitações não nos definem. E, incrustadas no espírito humano, estão uma sabedoria e uma força que podem se elevar para atingir maiores desafios. Juntos, podemos iluminar os olhos de milhões”. Através dessa certeza que o cirurgião Govindappa Venkataswamy, mais conhecido como Dr. V, construiu Aravind e seu legado que, hoje, é estudado todos os anos por aproximadamente 900 alunos que passam pelo programa de MBA de Harvard. O lema alto volume, alta qualidade e custo acessível foi comparado à lógica do McDonald´s pelo próprio Dr. V, defensor do poder da padronização e acessibilidade em escala. O modelo

25

lay_mundo a fora.indd 25

10/09/13 09:21


FH | mundo afora

Estrutura dE prEços E Estatística dos paciEntEs dE aravind* Preço da consulta para pacientes pagantes: • Rupias - Rs. 50 (~$1) • Válido por 3 meses ou 3 visitas (o que ocorrer primeiro)

Preços de cirurgia de catarata Tipo de cirurgia Gratuita Pagamento Mínimo Regular Premium

% de pacientes por faixa de preço

dólares -11-17

Gratuita

27%

Pagamento Mínimo

26%

Regular e Premium

111-178

47%

204-1,004

permite que os médicos realizem quase cinco vezes mais cirurgias do que a média nacional. em 2010, aravind atendia mais de 2,5 milhões de pacientes e realizava 300 mil cirurgias por ano em sua rede de cinco hospitais. Para se ter uma ideia, o serviço nacional de saúde (national Health service) do reino unido faz um pouco mais de meio milhão de cirurgias oftalmológicas anualmente. “se o custo fixo do equipamento é alto e se sua utilização é aumentada, o custo por paciente baixa. Por que não fazer cirurgias como uma linha de montagem?”, provoca VG, autor do best-seller Os 10 mandamentos da inovação estratégica e ex-consultor-chefe de inovação da General eletric. antes mesmo de qualquer manifestação da plateia, o professor já refuta a ideia de que esse sistema pode ser perigoso para a qualidade assistencial. “reclamamos de automóveis em massa? ao contrário, a qualidade aumenta, pois os médicos tornam-se especializados e extremamente experientes”. segundo ele, o sistema de saúde dos eua está mais preocupado com o luxo, a imagem, do que com o atendimento otimizado da saúde. “muitos centros hospitalares norte-americanos utilizam apenas 15% da capacidade dos equipamentos”, conta, lembrando que o brasil é fortemente influenciado pelo modelo americano. a máxima reutilização de dispositivos médicos por aravind foi outro exemplo mencionado por VG, prática impensada nos eua. Presente no Congresso, o diretor técnico da

amil assistencial, antonio Jorge Kropf, concorda com VG. “Infelizmente nosso modelo copiou o americano e acredito que através de medidas diferentes como esta é que solucionaremos nossos problemas”. outra estratégia do hospital indiano para aumentar a produtividade está na existência de um verdadeiro “exército” de “para-profissionais” (enfermeiros, conselheiros, refracionistas e técnicos), cada um especializado em um conjunto claramente definido de procedimentos recorrentes. tudo é equipado para permitir que os médicos se concentrem exclusivamente no diagnóstico dos pacientes e nas cirurgias. “dessa forma, eles não ficam sobrecarregados”, explica VG. os profissionais de enfermagem realizam 70% de todas as atividades da sala de operação. sob a certeza de que “quando o trabalho que tem que ser feito é feito, os recursos necessários aparecem”, aravind tornou-se um sistema de longo alcance colaborativo, ostentando uma vasta rede, de mais de 500 patrocinadores, dentre eles organizações sem fins lucrativos, instituições religiosas, universidades, indústrias e indivíduos. atualmente possui, entre outras iniciativas, uma fundação de pesquisa global, um instituto de pós-graduação que treina 15% dos oftalmologistas na Índia, uma fábrica, com certificação internacional, para a produção de implante de lente intraocular a um preço de us$ 10 e uma consultoria em gestão chamada Instituto Lions

aravind de oftalmologia Comunitária (LaICo). apesar das peculiaridades da Índia e seu contexto social adverso, o modelo é amplamente estudado por diversas nações, afinal, conseguiu unir pacientes ricos e pobres em benefício mútuo. de acordo com o presidente da associação Latino-americana de sistemas Privados de saúde (aLamI), reinaldo scheibe, o exemplo de aravind provoca uma profunda reflexão. “Comparado à Índia e aos eua, nós brasileiros estamos no meio e temos que encontrar o que seria ideal nesse ínterim”, opina. o caminho sustentável, segundo VG, não está em construir mais hospitais, abrir novas universidades ou importar médicos estrangeiros, está na prevenção, descentralização das atividades e procedimentos - tanto em termos estruturais e de profissionais -, e na mentalidade de ser frugal. entretanto, o que aravind mostra é que tudo isso só funciona quando se está verdadeiramente a serviço do outro. “Quando o núcleo de sua energia e atenção é focado em servir incondicionalmente, as fronteiras de sua percepção mudam. Você descobre valor e relevância em lugares inesperados. o trabalho adquire uma força magnética e geradora. Constrói confiança e boa vontade. sustenta e alinha os recursos com a missão de forma que o dinheiro por si só não consegue fazer”. a citação, retirada do livro sobre sua história**, mostra como pensava dr. V que, apesar de ter morrido em 2006, continua vivo nos frutos de sua compaixão.

* O Congresso Abramge ocorreu nos dia 22 e 23 de agosto em São Paulo- SP **As referências ao fundador de Aravind foram retiradas do livro “Visão Infinita – Como a solidariedade e a compaixão fizeram do Sistema Oftalmológico Aravind um sucesso que desafia a lógica dos negócios”, de Pavithra K. Mehta e Suchitra Shenoy.

26

lay_mundo a fora.indd 26

setembro 2013 revistafh.com.br

10/09/13 09:21


Untitled-2 4

10/09/13 10:10


FH | SAÚDE CORPORATIVA

FALTA DE CONHECIMENTO SOBRE LEGISLAÇÃO, BAIXA DISPOSIÇÃO PARA INVESTIR EM PREVENÇÃO DE ACIDENTES E GESTÃO DE SAÚDE, FAZEM O BRASIL GASTAR MILHÕES POR ANO COM PROBLEMAS LIGADOS AO TRABALHO

PERIGO OCULTO Tércio Saccol | editorialsaude@itmidia.com.br

28

SETEMBRO 2013 REVISTAFH.COM.BR

Lay_Saude Corporativa.indd 28

10/09/13 09:27


I

nvestir em ergonomia, programas de conscientização em saúde e prevenção de acidentes pode parecer desnecessário, se comparado com outros tantos gastos urgentes que fazem parte do orçamento das organizações. Mas só parece. Segundo a Associação Internacional de Seguridade Social (AISS), a cada real investido em prevenção de acidentes de trabalho, as empresas podem lucrar até R$ 2,20. O alerta da organização, presente na pesquisa “Os lucros da prevenção: cálculo dos custos e benefícios dos investimentos na segurança e saúde no ambiente de trabalho”, só corrobora a máxima popular de que é melhor prevenir que remediar – in-

lho e Empresa, são 700 mil acidentes de trabalho por ano no Brasil. Hoje, boa parte da legislação que regula normas sobre segurança no ambiente corporativo está inclusa dentro da CLT, com o título Normas Regulamentadoras. Uma das empresas que auxilia as corporações a identificar problemas nesta área é a Mednet, que atende cerca de 4500 clientes em todo o País. O diretor da companhia, Paulo Barbudo, lembra que nos últimos anos muitas empresas adotaram práticas para melhorar os indicadores dessa área. O problema é que um número significativo delas atende às regras de forma parcial e, no caso das pequenas empresas, ainda falta conhecimento para entender até quais leis regulam o tema. Barbudo, que também é médico, lembra que investir na saúde ocupacional não se traduz apenas em evitar que um funcionário sofra um acidente, como se prega no senso comum. “Para cada empresa existe

O QUE FAZER Apesar de se tratar de um problema que provoca milhões de reais em prejuízo às empresas todo ano, algumas medidas preventivas não consomem grande tempo ou volume de recursos, e requerem apenas organização, como lembra o diretor do grupo Mednet. “O empresário pode fazer pequenos investimentos para minimizar os riscos. Um deles é a elaboração de dois programas básicos: o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais que irá ‘mapear’ os riscos existentes no ambiente de trabalho e estabelecer uma prioridade nas ações. O outro é o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional, no qual o médico do trabalho estabelecerá medidas para averiguar se os funcionários estão adoecendo em função do dia a dia na empresa”, recomenda. E além de ficarem atentas aos problemas de rotina – como de audição em indústrias têxteis e LER, em atividades com digitação, por exemplo - há uma mu-

Fotos: Divulgação

Fábrica da Vulcabras/Azaleia, na Bahia: empresa investiu R$ 500 mil em treinamento e capacitação

clusive nas empresas. O estudo, que ouviu 300 companhias de 15 países, constatou que metade delas que investiu mais em segurança e saúde no ambiente corporativo obteve a diminuição de seus custos. Para o proprietário de empresas na área de segurança e medicina do trabalho e coordenador da Escola Técnica Faculdade Futuro de Curitiba, Vanderlei do Rocio Borges, a cultura de atuar nas consequências e não nas causas ainda é predominante entre as corporações brasileiras. “O conceito de segurança só aumenta após o empresário ter as planilhas mostrando os benefícios que a sua empresa obtém quando não há afastamento e acidentes”, afirma. Segundo o anuário dos Ministérios da Previdência Social e do Traba-

um programa específico e riscos diferentes, mas na média assume-se que para cada R$ 1 investido haverá uma economia de R$ 5 em ações trabalhistas, multas, absenteísmo e queda de produtividade no trabalho”, projeta. ACIDENTES Segundo o Ministério da Saúde, os acidentes mais comuns são aqueles que causam fraturas, luxações, amputações e outros ferimentos. O alerta, nesses casos, é que a prevenção simples e o investimento em tecnologia poderiam reduzir ou até anular esses casos. Depois, estão os casos de Lesões por Esforço Repetitivo (LER) e também os Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort), que incluem dores nas costas. Esses problemas são solucionados com mobiliário adequado e oferta de instrumentos corretos para atividade. Em terceiro, estão os mais complexos, como transtornos mentais e comportamentais, como episódios depressivos, estresse e ansiedade.

NA MÉDIA ASSUME-SE QUE PARA CADA REAL INVESTIDO HAVERÁ UMA ECONOMIA DE CINCO REAIS EM AÇÕES TRABALHISTAS, MULTAS, ABSENTEÍSMO E QUEDA DE PRODUTIVIDADE NO TRABALHO BARBUDO, DA MEDNET

29

Lay_Saude Corporativa.indd 29

11/09/13 11:48


FH | saúde corporativa

PROBLEMAS

MAIS COMUNS Fraturas, luxações, ferimentos e até amputações

Solução: criar sistemas de prevenção, investir em tecnologia e programas para criar procedimentos padrões em sistemas de trabalho

Lesões por esforço repetitivo (membros superiores, com lesões no sistematendíneo, muscular e ligamentar) e Distúrbios Osteomusculares relacionados ao Trabalho (alterações no pescoço, braços, punhos em decorrência de atividades corporativas).

Solução: ergonomia, mobiliário adequado e oferta de instrumentos corretos para atividades. Ginástica laboral pode contribuir para minimizar os efeitos

Transtornos mentais e comportamentais, episódios depressivos, estresse e ansiedade Solução: levantar causas, realizar pesquisas de clima, compreender todas as dinâmicas que impactam na atividade diária, relacionamento no ambiente de trabalho e canais que a empresa abre em seu sistema de comunicação

30

dança em curso neste cenário que deve ser analisada pelas empresas, como lembra o presidente da associação Nacional dos médicos do trabalho (aNamt), Zuher Handar. “vivemos no mundo uma epidemia de doenças osteomusculares relacionadas ao trabalho e de transtornos mentais que atingem milhares de trabalhadores no mundo inteiro. de acordo com a organização internacional do trabalho vivemos, no momento, com uma pandemia oculta de doenças relacionadas ao trabalho”, alerta. e é justamente por isso que a própria associação tem se preocupado com a notificação que, muitas vezes, deixa de ser feita em diversos casos pelo temor das empresas em desgastar a imagem. “É desta maneira que vamos conseguir conhecer melhor o que está acontecendo e como poderemos intervir neste processo”, diz Handar. ele acrescenta que é necessário que os, hoje, 20 mil médicos do trabalho atuantes no brasil mudem o olhar com relação à saúde do trabalhador. “o médico do trabalho precisa ter uma visão que enxergue o indivíduo por inteiro e entender que os riscos de adoecimento e agravo à saúde dele não estão somente relacionados aos agentes físicos ou químicos, mas também aos agentes das condições do trabalho. precisamos identificar todos os determinantes que possam interferir na relação saúde e trabalho para que possamos atuar no seu controle e buscar, desta forma, uma condição de vida produtiva no aspecto social ou econômico”, descreve. InvestImento a empresa vulcabras|azaleia começou, há três anos, um programa para diminuir os problemas ligados à saúde de seus colaboradores, em unidade baiana. Foram r$ 20 milhões em proteções de máquinas, r$ 6 milhões em equipamentos de proteção individual e coletiva e r$ 500 mil em treinamento e capacitação. “Havia instalações, máquinas e equipamentos que estavam fora das normas de segurança. Não havia uma cultura voltada para o cumprimento de normas e padronização de tarefas e qualificação profissional. diante disto, foi realizado um planejamento para adequar 100% de todo o parque fabril. também se investiu para criar uma cultura de prevenção”, conta o engenheiro de segurança do trabalho da vulcabras|azaleia, emílio Frota. apenas nos últimos três anos, o grupo recebeu, na unidade baiana, cerca de 500 mil horas de treinamentos de segurança. apesar das conquistas, a ideia é seguir o projeto e continuar sendo referência. “Queremos nos manter entre as melhores empresas do brasil em relação às questões de saúde e meio ambiente e qualificar nossos funcionários para essa visão de trabalho seguro e saudável”, revela Frota.

setembro 2013 revistafh.com.br

Lay_Saude Corporativa.indd 30

10/09/13 09:27


Instituto de Ensino e Pesquisa

17 a 19 de outubro de 2013 Sheraton São Paulo WTC Hotel Av. das Nações Unidas, 12.559 Brooklin Novo – São Paulo - SP

Principais Temas

Palestrantes Internacionais Confirmados

- Gerenciamento de Risco e Segurança do Paciente: Desafios para a Instituição de Saúde - Adequação das Instituições Hospitalares para o Atendimento de Catástrofe - A Simulação Realística na Educação Continuada em Saúde - Presente e Futuro do Atendimento a Urgência e Emergência nas Instituições Privadas - Atendimento a Múltiplas Vítimas no Pré-hospitalar - As Melhores Práticas em Sustentabilidade Hospitalar

- Connie M. Lopez (National Leader, Simulation-based Education & Training National Risk Management and Patient Safety - Kaiser Permanente Program Offices - Oakland, Ca.) - Al Iannuzzi (Sr. Worldwide Director Product Stewardship & Green Marketing, WW Environment, Health & Safety at Johnson & Johnson)

Outras Informações e Inscrições: www.saocamilo.com/congresso Patrocinadores:

Apoio:

Parceiros:

Organização:

Dr. Fábio Luís Peterlini Responsável Técnico Corporativo CRM-SP 54289

Untitled-2 4

10/09/13 10:11


FH | ponto de vista

Impacto no

entorno verena souza | vsouza@itmidia.com.br

O IT MídIa debaTe prOpôs que especIalIsTas e líderes dO seTOr de saúde dIscuTIsseM a respOnsabIlIdade sócIO eMpresarIal, que englOba quesTões éTIcas, IMpacTOs aMbIenTaIs e sOcIaIs, vIsãO esTraTégIca, enTre OuTrOs faTOres. apesar dO crescIMenTO de pOlíTIcas eMpresarIaIs susTenTáveIs, O grau de IMpOrTâncIa dessas InIcIaTIvas aInda varIa enTre as InsTITuIções de saúde. dessa fOrMa, a revIsTa fH quIs saber: cOMO a sua eMpresa enxerga a respOnsabIlIdade sócIO eMpresarIal cOMO valOr para O negócIO?

*(Confira a reportagem do it mídia debate na página 38)

32

lay_ponto de vista.indd 32

setembro 2013 revistafh.com.br

10/09/13 11:27


Foto: Divulgação Foto: Divulgação Foto: Divulgação

O próprio slogan do Hospital Santa Cruz (‘Aqui celebramos a vida’) já diz o que enxergamos e praticamos de valor para o negócio, pois ao mencionarmos Vida está implícita a prática voluntária do valor da Ética, da Moral, com Preservação Ambiental, da Satisfação Social, do Equilíbrio Econômico, dentre outros quesitos para enquadrar-se na Responsabilidade Sócio Empresarial. JOSÉ LUIZ CUONO, VICE-PRESIDENTE DO HOSPITAL SANTA CRUZ

Como centro de excelência reconhecido pelo Ministério da Saúde, o HCor assume seu papel social de muitas formas. Realizamos pesquisas focadas nas principais necessidades de saúde do País e, às vezes, até do exterior. Hoje investigamos dietas com propriedades cardioprotetoras, a eficácia da cirurgia bariátrica como alternativa no combate à hipertensão e novos protocolos para reduzir a mortalidade em UTI. Também firmamos parceria com os governos federal e de Brasília na área de monitoração da saúde à distância. A nossa Central de Telemedicina emite laudos para o SAMU e para 200 unidades de saúde no Distrito Federal, assim agilizando o atendimento em instituições públicas. Sobre a questão ambiental, vamos inaugurar um prédio nesse semestre e estamos em processo de certificação LEED (Leadeeship in Energy and Environmental Design), um sistema de avaliação de edifícios sustentáveis. CARLOS ALBERTO BUCHPIGUEL, SUPERINTENDENTE MÉDICO DO HCOR

A responsabilidade Sócio Empresarial representa o modelo de gestão que visa a qualidade, a segurança e a perenidade das atividades dentro de um ambiente de trabalho saudável e estimulante. Por isso, o Grupo Saúde Bandeirantes desenvolve ações, alternativas e políticas sustentáveis que contemplem os objetivos de seu planejamento estratégico e de expansão, mantendo o respeito aos pacientes e colaboradores, à comunidade e ao meio ambiente. Para o GSB, essa Responsabilidade é um compromisso e tornase essencial para instituições que oferecem assistência à saúde. RODRIGO LOPES, DIRETOR EXECUTIVO DO GRUPO SAÚDE BANDEIRANTES

33

lay_ponto de vista.indd 33

10/09/13 11:27


FH | hospital

De equipamentos De última geração a um jeito De reutilizar a água Da chuva. conheça as preocupações que um hospital Deve ter ao pensar em um selo De eDifício sauDável

CheCK-Up

ambiental

paulo silvia Jr. | editorialsaude@itmidia.com.br

l

avar os pneus de um trator no primeiro estágio de uma gigantesca obra para a construção de um novo hospital pode fazer a diferença na hora de uma certificação ambiental para o futuro prédio. isso mesmo. À parte os olhares dedicados à eficiência energética, à compra de materiais com o mínimo possível de emissões nocivas ao ar ou ainda ao aproveitamento do entulho gerado pela obra, um ato singelo, um simples enxaguar de mangueira comum em rodas minimamente sujas de terra seca, estão na mira dos auditores de um dos principais selos de qualidade do mundo neste segmento. a avaliação é de quem busca o leadership in energy and environmental Design, mais conhecido como leeD, do Green build Concil, um dos sistemas internacionais de orientação ambiental para edifícios, que é dividido em quatro níveis de classificação, de acordo com a pontuação atingida pelo empreendimento: verde, prata, ouro e diamante. o hospital Unimed-rio, inaugurado no início do ano e que tem 219 leitos e 11 salas cirúrgicas em 30 mil m² de área construída, está em busca do selo verde, o primeiro da escala progressiva do

34

Lay_Hospital.indd 34

leeD. por isso, o investimento realizado na obra cresceu em cerca de 20% para se adequar às normas do certificado, revelou durante o seminário hospitais saudáveis*, o gerente de engenharia do hospital, sandro Constant. “Um dos principais desafios é escolher pelo certificado e pelo nível dele ainda na fase de projeto, porque depois não tem como mudar. Definir o nível é medir o investimento. outras questões importantes são: lidar com informações duvidosas de fornecedores [sobre emissão de gases dos produtos, por exemplo], custo maior dos materiais e ainda conseguir dimensionar o trabalho da sua equipe interna com o certificador", explicou o engenheiro. o leeD tem sete áreas de avaliação – espaço sustentável, eficiência no uso de água, energia e atmosfera, materiais e recursos, qualidade ambiental interna, inovação e processos, e, por fim, créditos de prioridade regional -, e em cada uma delas o prédio, no caso, o hospital, precisa promover iniciativas para ganhar pontos nos monitoramentos realizados a cada semana, desde o início da obra.

assim, conforme colocou Constant, a Unimed-rio instalou, por exemplo, um dos mais eficientes resfriadores líquidos do mercado (0,33KW/tr); escolheu colocar um vídeo de fachada com alto coeficiente de sombreamento; revestiu o prédio de modo que um espaço entre uma cobertura sobre a parede cria um colchão de ar que colabora com a ventilação; fez um bicicletário, com vestiários, para 50 vagas; disponibilizou estacionamento preferencial para carros de baixa emissão de poluentes; trabalhou um sistema de captação de água da chuva, que é usado na área externa; utilizou 30% do entulho em obras em volta do complexo; usou tintas, colas e diluentes com baixo índice de emissão de solventes; e, claro, lavou os pneus dos tratores para que não sujassem a rua. “É uma incerteza, você faz tudo isso sem saber direito se vai conseguir, mas é muito desafiador ver que a auditoria já começa na formatação do canteiro de obras, o que faz com que o ambiente limpo, tenha outra ‘cara’ ”, completa. Quem já passou por tudo isso é o albert einstein, em são paulo, cujo gerente de gestão de contratos, heitor Kuramoto, ao tomar conhecimento do

setembro 2013 revistafh.com.br

10/09/13 09:29


trabalho da Unimed-Rio, contou um fator interessante do case do hospital paulistano. “Concordo que temos de nos preparar para o selo que estamos buscando, mas com a gente aconteceu uma surpresa: pensamos e trabalhamos para pegar o prata, mas, ao fim do processo, alcançamos o nível ouro”. Entre as ações, o executivo destaca um programa de reciclagem que evitou que 75% do entulho fosse para um aterro sanitário, além de grandes espaços verdes para o conforto da comunidade do entorno. Passou também por alguns pontos já comentados no case da Unimed – sobre o bicicletário, por exemplo, o Einstein criou até uma mini rodoviária para a entrada e saída de ônibus fretados. “É um processo muito complexo e você precisa de profissionais certificados pelo Green Build Concil, até porque o LEED passa por revisões periódicas”, acrescenta Kuramoto. Responsável por abrir a discussão sobre edifícios mais saudáveis, o presidente da Associação Brasileira para o Desenvolvimento do Edifício Hospitalar, Fábio Bitencourt, ainda pontuou: “o mais importante é que nossos prédios e hospitais não causem dano nenhum para o paciente. E o conforto ambiental, com os componentes culturais e subjetivos, virou conforto humano. A qualidade do ar, por exemplo, é uma das grandes preocupações do século 21 e tem de estar na pauta”. MercúriO A discussão no evento também dedicou espaço para o debate sobre a iniciativa “Saúde Sem Mercúrio”, da Organização Mundial da Saúde (OMS). A coordenadora para a América Latina da organização Saúde Sem Dano, Veronica Odriozola, explanou sobre o atual momento do tema. “O desafio agora é um instrumento global a ser lançado em outubro e assinado por 140 países, inclusive o Brasil, para determinar a proibição da produção, importação e venda de termômetros e esfignomanômetros

Foto: Divulgação

Hospital Unimed-Rio: Principal desafio é escolher o certificado e o nível do Leed

O desafio agora é determinar a proibição da produção, importação e venda de termômetros e esfignomanômetros com mercúrio até 2020 Veronica, da Saúde Sem Dano (aparelho de pressão) com mercúrio até 2020”. Segundo ela, o convênio também diz que essa data pode se estender por cinco anos e, depois, os países que desejarem podem pedir ainda mais cinco. “Queremos junto à OMS fortalecer a ideia de que os países não precisam esperar até 2030, não há razão para demorar tanto assim. Não é um problema econômico, não tem um porquê para seguir contaminando o meio ambiente”. A especialista ainda apresentou exemplos de iniciativas pelo mundo – em São Paulo, uma resolução em 2010 proibiu a compra dos equipamentos com mercúrio pela Secretaria Estadual de Saúde, enquanto a União Europeia vetou os termômetros em 2008 (em 2014 cai o estignomanômetro), por exemplo. “Nosso interesse é que o governo brasileiro dite uma política para todos os hospitais passarem a usar dispositivos alternativos. A resposta deles é que seria possível em estados mais ricos, mas mais difícil nos mais pobres”, acrescentou Veronica. Um case apresentado foi o do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás. O local passou a gerenciar os resíduos em 2007, entrou de cabeça nas legislações do setor e, sobre o mercúrio, retiraram todos

os dispositivos da instituição que levavam o elemento – o uso médio por lá é de 1200 termômetros por ano. “É um dos pontos do nosso plano que leva uma enfermeira todas as manhãs passando informações para todos os pacientes e acompanhantes, ensinando, por exemplo, como descartar cada tipo de resíduo. E já tivemos caso de paciente reclamar de médico que não usou o recipiente correto”, contou a coordenadora do Departamento de Radiologia e Imagenologia do Clínicas, Soraya Coelho Meira. Já a enfermeira do trabalho do Hospital Infantil Albert Sabin, em Recife, Morgana Gomes Silva, falou sobre as dificuldade deste processo de reformulação do modo de operação de um centro médico. “Levamos essas ideias [plano de tornar o hospital mais saudável] em abril para gestores, em maio para colaboradores e agora, em agosto, para pacientes. Mas é difícil a absorção disso pelos diretores, até pelo problema do custo que isso envolve”, afirmou, dizendo ainda que já foram substituídos os termômetros e sefignomanômetros com mercúrio e agora o hospital deu início a um projeto de troca de lâmpadas por equipamentos mais econômicos.

35

Lay_Hospital.indd 35

11/09/13 11:42


Untitled-2 2

10/09/13 10:17


Untitled-2 3

10/09/13 10:18


FH | IT Mテ好IA DEBATE

AGENTE TRANSFORMADOR Verena Souza | vsouza@itmidia.com.br

38

SETEMBRO 2013 REVISTAFH.COM.BR

lay_panorama_Debate.indd 38

11/09/13 11:39


O ESTIGMA DE QUE INVESTIR EM SUSTENTABILIDADE É GASTAR EM UM VALOR INTANGÍVEL COMEÇA A PERDER CREDIBILIDADE DIANTE DOS BENEFÍCIOS GERADOS: FACILIDADE NA HORA DE CAPTAR RECURSOS, ABRIR CAPITAL, CONTRATAR FORNECEDORES, PROSPECTAR FUSÕES, ENTRE OUTROS   Inseridas em uma lógica paradoxal, as instituições de saúde, criadas para tratar, prevenir e curar doenças, também são responsáveis por graves danos sociais e ambientais, afinal, lidam com grandes quantidades de lixo, substâncias químicas, resíduos tóxicos, alto consumo de energia e de água, além de interferirem em comunidades locais, entre outros fatores. Ignorar os impactos do setor e não investir em medidas para minimizá-los é escolher o caminho da insustentabilidade. Esta foi a conclusão evidente do IT Mídia Debate sobre “Responsabilidade Social Empresarial” que reuniu, além de uma plateia ativa, o consultor da Lanakaná Princípios Sustentáveis, Rodrigo

Henriques; o diretor clínico do Hospital Santa Paula, Otavio Gebara; e o presidente do Conselho Consultivo do Projeto Hospitais Saudáveis, Vital de Oliveira. Mesmo que lentamente, quando comparada aos setores financeiro e de energia, a Saúde já começa a entender a importância de olhar para os pilares econômico, social e ambiental de forma integrada. “Há dez anos praticamente não existia uma área ambiental em nenhum hospital. Agora encontra-se com certa frequência em instituições mais estruturadas”, diz Oliveira, lembrando que o engajamento de profissionais da área cresceu com os problemas decorrentes do lixo hospitalar. Assim, diante do interesse

por um comprometimento efetivo com a sociedade e o meio ambiente, os caminhos parecem estar melhor delineados. O Projeto Hospitais Saudáveis (PHS) é exemplo disso, pois dedica-se a transformar o setor de Saúde em um exemplo sustentável, colocando o ser humano no centro da questão por meio de pesquisas, desenvolvimento e divulgação de tecnologias, práticas e informações setoriais, articulando-se junto a profissionais e empresas, e avaliando e prevendo riscos. A entidade representa no Brasil a coalização internacional Saúde Sem Dano e dentre suas ações prioritárias está a Rede Global Hospitais Verdes e Saudáveis (HVS), composta por 40 organizações dedicadas a reduzir seu impacto ecológico e promover a saúde pública.

39

lay_panorama_Debate.indd 39

10/09/13 11:30


FH | IT MÍDIA DEBATE “É muito difícil uma instituição de saúde ter um planejamento de longo prazo. É preciso que se construa uma verdadeira cultura de sustentabilidade, a começar por cada indivíduo ao sair de casa”, Henriques, da Lanakaná

Engajar-se em valores como esses é passar a olhar o serviço assistencial por um prisma mais holístico e, até, global. “É pensar, por exemplo, se o empreendimento a ser construído vai atrapalhar a vizinhança, vai interferir na identidade do bairro. É pensar no transporte dos funcionários, como eles chegam”, afirma Oliveira, elencando uma série de outros aspectos, inclusive o modo de produção atual diante das mudanças climáticas, que podem alterar o perfil epidemiológico populacional. O que está em jogo é não apenas a “vitalidade” das empresas, mas a saúde do planeta, e como os prestadores de serviços de saúde podem, ou devem, desempenhar um papel de relevância nesse amplo contexto. Para isso, a PHS desenvolveu uma agenda com dez objetivos interligados, cada um com uma série de ações e ferramentas para serem implementados. “Estruturar isso em uma agenda foi o modo que encontramos para levar ao gestor uma pauta organizada e, obviamente, cada um trabalha em cima das suas prioridades”, explica Oliveira. CREDIBILIDADE DOCUMENTADA Aliada à PHS pelo mesmo propósito, mas de forma diferente, a Lanakaná Princípios Sustentáveis promove o desenvolvimento de relatórios de sustentabilidade no setor seguindo as

diretrizes da Global Reporting Initiative (GRI). De acordo com Henriques, da consultoria, a prática de comunicar o desempenho da gestão, não apenas limitando-se a demonstrar o desempenho econômico financeiro, tem crescido. O primeiro grupo brasileiro a investir na publicação do documento foi a Pró-Saúde, que administra cerca de 50 hospitais Brasil afora. Diferente dos relatórios em que todos os colaboradores das empresas aparecem sorrindo em meio a resultados positivos, a proposta do GRI, segundo Henriques, é levar informações transparentes, isentas, a todos os públicos interessados (clientes, funcionários, fornecedores, governo etc), o que gera credibilidade no mercado. “Lá vão constar práticas trabalhistas, índice de rotatividade dos funcionários, envolvimento em casos de corrupção, entre outros dados”, explica Henriques, e acrescenta que negócios também são feitos de riscos. “As pessoas não são perfeitas, portanto, as empresas também não o são. Não tem como ignorar os problemas quando se fala, por exemplo, sobre OPMEs (Órteses, Próteses e Materiais Especiais de Uso Cirúrgico) em saúde. A organização tem que ter honestidade e pensar ‘isso é um problema e vou abri-lo para resolver’ ”. Desde 2010, o Brasil é o País que mais contribui para o aumento de relatórios de sustentabilidade GRI (pag. 44) nos

Foto: Ricardo Benichio

40

SETEMBRO 2013 REVISTAFH.COM.BR

lay_panorama_Debate.indd 40

10/09/13 11:30


Dez

objetivos Priorizar a Saúde Ambiental Substituir Substâncias Perigosas por Alternativas mais Seguras Reduzir, Tratar e Dispor de Forma Segura os Resíduos de Serviços de Saúde Implementar Eficiência Energética e Geração de Energia Limpa Renovável Reduzir o Consumo de Água e Fornecer Água Potável Melhorar as Estratégias de Transporte para Pacientes e Funcionários

serviços de saúde no mundo, mas o assunto ainda é pouco discutido entre os elos do sistema e possui baixa representação global frente a outros setores da economia. Em 2012 foram emitidos 2.357 relatórios no mundo, sendo que 305 foram de serviços financeiros, e apenas 39 de saúde. Apesar dos avanços, os debatedores reconhecem que a questão econômica, influenciada por uma cultura de planejamento de curto prazo, ainda é a que fala mais alto dos três pilares. “É muito difícil uma instituição de saúde ter um planejamento de longo prazo, de 15 ou 20 anos. É preciso que se construa uma verdadeira cultura de sustentabilidade, a começar por cada indivíduo ao sair de casa”, diz Henriques. Sob a mesma percepção, Oliveira conta que é comum chegarem instituições a procura do “selo verde” sem a mínima compreensão do valor embutido. “Alguns dizem que querem fazer parte de um grupo de elite e não entendem que o PHS é para todos e que, para ser um integrante, é preciso desenvolver a capacidade de pensar fora dos parâmetros usuais, aspecto que a diversidade promove. Um hospital de Manaus (AM), por exemplo, pode desenvolver uma fibra de bambu que substitua a de carbono, e isso ser útil para outros”, conta.

“Há dez anos praticamente não existia uma área ambiental em nenhum hospital. Agora encontra-se com certa frequência em instituições mais estruturadas”, Vital, do PHS

Comprar e Oferecer Alimentos Saudáveis e Cultivados de Forma Sustentável Prescrição Apropriada, Administração Segura e Destinação Correta Apoiar Projetos e Construções de Hospitais Verdes e Saudáveis Comprar Produtos e Materiais mais Seguros e Sustentáveis

Foto: Ricardo Benichio

41

lay_panorama_Debate.indd 41

10/09/13 11:30


FH | IT MÍDIA DEBATE

RAZÃO PELA TRANSPARÊNCIA O estigma do valor intangível que ronda o conceito sustentabilidade começa a desvanecer estimulado por: rigorosos padrões exigidos e mensurados pelas acreditadoras (ONA, JCI etc); práticas de Governança Corporativa; facilidade na hora de captar financiamento junto ao BNDES e bancos estrangeiros; recomendações favoráveis da BM&FBovespa; movimento internacional de fusões e aquisições; seletividade de fornecedores etc. “A questão da sustentabilidade começou para nós em 2000 com a acreditação hospitalar ONA (Organização Nacional de Acreditação). Quando conquistamos as internacionais isso passou a ser absolutamente fundamental. Como instituição, precisávamos relatar o que estávamos fazendo para o entorno, para as comunidades envolvidas”, conta Gebara, do Hospital Santa Paula, localizado na zona sul de São Paulo e integrante do PHS. Além de iniciativas como a troca de embalagens tetra pack por PET e redução de 60% no consumo de copos descartáveis depois de dis-

tribuir canecas para os funcionários, o Hospital Santa Paula plantou mais de mil árvores, de mais de 50 espécies diferentes, para minimizar a emissão de CO2 , maior responsável pelo aquecimento global. Uma análise criteriosa das suas fontes de emissão de carbono, do consumo de energia elétrica e de gás, apontou para um total aproximado de 400 toneladas por ano e, segundo Gebara, o chamado Bosque Sustentável Santa Paula foi a saída para não só compensar o impacto ambiental, mas para fazer um trabalho de conscientização junto aos colaboradores. De acordo com Oliveira, um hospital consome, em média, 10% da energia comercial do planeta, que representa uma fatia de 40% na divisão entre as energias domiciliar e industrial. Para se ter uma ideia, o Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido (NHS, na sigla em inglês) - tido como uma referência no mundo em se tratando de sistemas de saúde - colocou a redução de emissão de carbono entre suas principais ações. A meta da região, que emite 18 milhões de CO2 por

“É preciso coragem para investir em sustentabilidade, sabendo que isso vai ajudar na percepção emocional do paciente no futuro” Gebara, do Hospital Santa Paula

Foto: Ricardo Benichio

42

SETEMBRO 2013 REVISTAFH.COM.BR

lay_panorama_Debate.indd 42

10/09/13 11:31


Untitled-2 4

10/09/13 10:13


FH | IT MÍDIA DEBATE

Serviços de saúde do Brasil que já publicaram ou publicam Relatório de Sustentabilidade GRI Unimed do Brasil Central Nacional Unimed Federação das Unimed do Estado de São Paulo Unimed Amparo Unimed Campinas** Unimed Circuito das águas Unimed Blumenau Unimed Cuiába Unimed Rio Unimed Vitória* Unimed Cascavel* Grupo Fleury DASA Hospital Sírio-Libanês Hospital Albert Einstein Hospital AC Camargo*** Hospital Municipal de Cubatão ( OSS Pró Saúde) Hospital Municipal de Araucária ( OSS Pró Saúde) Hospital Municipal de Foz do Iguaçu*** ( OSS Pró Saúde) *Estas Unimeds estão classificadas no Database da GRI como produtos de saúde **Esta Unimed esta classificada no Database da GRI como Turismo *** Relatórios que não constam no Database da GRI

44

ano, é diminuir em 10% até 2015 e em 20% até 2050. A Inglaterra é ainda mais agressiva e pretende baixar a emissão em 80% no mesmo período, sendo o único país a instituir uma lei para o controle do gás carbônico. Mais um exemplo de responsabilidade ambiental do Santa Paula foi a construção do Instituto de Oncologia Santa Paula (HSP), inaugurado há dois meses, sob os preceitos sustentáveis e, que dessa forma, conquistou a certificação Aqua – Alta Qualidade Ambiental - por sua estrutura de baixo impacto ao meio ambiente. “Buscamos cerca de 40% do investimento para acelerar a obra junto ao BNDES e a certificação Aqua foi um diferencial para a concessão. Ficamos surpresos com isso”, diz Gebara, ressaltando que o Santa Paula está se antecipando em uma missão que “todos um dia vão ter de cumprir”. Outra evidência sobre como o tema está impactando na hora de fazer negócios foi o lançamento do “Relate ou Explique para Relatório de Sustentabilidade ou Similar” pela BM&Bovespa, em 2011, que tem o objetivo dar visibilidade a práticas transparentes aos investidores e analistas. Em outubro de 2012, o número de empresas que aderiu à iniciativa passou de 203 para 253, um aumento de 12,64% em apenas cinco meses. Ao final de 2012, 58% das empresas listadas na bolsa havia aderido à recomendação. O conceito transparência no setor da saúde costuma ser ainda mais delicado em relação a outros segmentos, afinal engloba indicadores hospitalares como taxas de infecção, mortalidade, intercorrências que, em geral, o usuário do sistema não faz ideia de como interpretar. “Quando você entra para fazer uma cirurgia é uma aventura. Você não sabe nada sobre o que vai acontecer lá dentro. Para o paciente, a importância está na imagem, e não no produto em si. E o relatório de sustentabilidade se torna chave nesse aspecto”, reforça Oliveira, do PHS, e acrescenta que o reconhecimento por parte da diretoria sobre a relevância desse documento e das certificações sustentáveis está diretamente relacionado com a sobrevivência da instituição. “Quando o gestor de Saúde ignora isso, é melhor não esperar nenhuma política pública de seus governantes”, diz. Gebara, do Santa Paula, confessa que recentemente se deu conta que o que realmente importa é a percepção emocional do paciente, e não a racional. “Ele não volta em um hospital porque tem um robô Da Vinci, mas pelo modo como foi tratado”, diz, admitindo que a percepção da marca é a maior valia. “Mesmo com a fonte pagadora não querendo pagar nada a mais pelo fato de o hospital ter um selo verde, é preciso coragem para investir em sustentabilidade, sabendo que isso vai ajudar na percepção emocional do paciente no futuro”.

SETEMBRO 2013 REVISTAFH.COM.BR

lay_panorama_Debate.indd 44

11/09/13 11:37


Untitled-2 1

10/09/13 10:01


it mídia deBate Responsabilidade Sócio Empresarial

ESSE DEBATE TEVE O OFERECIMENTO DOS PATROCINADORES DA COMUNIDADE DE SAÚDE: PREMIUM:

TARGET:

ADVANCE: Essencial para uma vida melhor

SMART:

SEJA VOCÊ TAMBÉM UM PATROCINADOR: COMERCIALSAUDE@ITMIDIA.COM.BR - 11 3823-6695

Marketing fixa - IT Mídia Debates.indd 2

10/09/13 11:48


Saú d e B u S i n e S S S c h o o l o s m e l h o r e s C o n C e i t o s e p r át i C a s d e g e s tã o a p l i C a d o s À s a ú d e

2

M

Conteúdo:

lay_Business_School.indd 47

Ó

D

U

L

O

0

0

1

3

9

Como evitar erros em deCisões que só um Ceo pode tomar?

10/09/13 09:31


FH | SAÚDE BUSINESS SCHOOL O PROJETO ENVOLVE OS SEGUINTES TEMAS: Módulo 1 - Fabian Salum A parceria para o crescimento sustentado e explicação sustentável. Módulo 2 - Mauricio Valadares A importância de uma análise de risco nas estratégias de crescimento das organizações.

Módulo 7 - Vincent Dubois A inteligência em força de vendas em mercados competitivos.

Módulo 3 - Marcos Carvalho A gestão estratégica apoiada em processos eficientes.

Módulo 8 - Hugo Tadeu A gestão de operações com foco na inovação de processos e serviços.

Módulo 4 - Félix Theiss Júnior Objetivos estratégicos alicerçados pelo entendimento de gestão de finanças e criação de valor para as organizações.

Módulo 9 - Marcelo Dias Como evitar erros em decisões que só um CEO pode tomar?

Módulo 5 - Acrísio Tavares A governança em TI, seu diferencial e apoio para o crescimento. Módulo 6 - Paulo Villamarim Identificar talentos e Lideranças é a estratégia para crescer.

Módulo 10 – Newton Garzon A gestão por resultados o equilíbrio entre curto e longo prazos. Módulo 11 - Eduardo Veras Leitura de mercado e ações que evidenciem a proposta de valor das organizações. Módulo 12 - Pedro Lins Competitividade sustentável – o conceito Blue nas organizações.

COMO EVITAR ERROS EM DECISÕES QUE SÓ UM CEO PODE TOMAR? MARCELO DIAS

Frequentemente é dito que aprendemos com nossos erros, que devemos encará-los como oportunidades. Entretanto, seria melhor que não cometêssemos erros logo na partida ou em momentos determinantes, principalmente quanto se ocupa uma posição de direção numa organização. Existem pressões tão grandes para líderes delegarem mais e mais a seus colaboradores que poderíamos até aceitar que uma das principais tarefas de um CEO seria delegação. Pode-se dizer que isso se aplica mais aos CEOs de grandes corporações, mas também diz respeito aos

48

lay_Business_School.indd 48

líderes das pequenas e médias empresas, mesmo que, nestes casos, o trabalho do CEO tenha, aparentemente, mais esforço operacional e menos “glamour”. Não defendemos a centralização excessiva dos trabalhos e decisões, uma vez que este comportamento impede o crescimento da própria empresa. Porém, um ponto importante a ser considerado é que, tampouco, defende-se a delegação em demasia, já que ela, ao contrário, expõe a organização e aumenta o risco. Diante disso, fica a inevitável pergunta: qual a melhor medida, então? Primeiramente, independentemente da melhor

SETEMBRO 2013 REVISTAFH.COM.BR

10/09/13 09:31


medida ao se delegar, a verdade é que passamos a contratar talentos com maior frequência e vamos cada vez mais delegando, na medida em que os negócios crescem. Portanto, o principal desafio do CEO, seja na organização em crescimento ou naquela que já possua um bom tamanho, é manter a confiança e o sentimento de que todos estão envolvidos e conscientes do propósito da empresa e do rumo estratégico que ela está trilhando. Eis aí o acerto que pode prevenir muitos e muitos erros, e que deve ser defendida pelo principal executivo da empresa em seu dia a dia com a equipe: saber compartilhar com todos os gestores e a equipe em geral a missão da organização, a sua rota estratégica, os valores que a inspiram. Com todos na mesma linha, é mais difícil haver perda de direção. Neste trabalho, o CEO é, acima de tudo, o maestro que tem como função principal manter essa “melodia”, que sintoniza todos os instrumentos da organização e anima todos os seus músicos a continuarem tocando bem.

Focos de decisão Para assegurar o desempenho desse papel de maestro, um recurso importante é o tempo. Quando mais rapidamente a empresa domina essa partitura, mais a delegação pode e deve ser utilizada para se manter a orquestra. Mesmo assim, o CEO precisa continuar atento e participante de determinados focos de decisão para que a organização na desafine ou perca o ritmo. Vamos a esses pontos: 1 - Padrão de qualidade: a qualidade dos serviços e produtos tem de ser mantida e constantemente avaliada pelo CEO. Nesta situação, a sua supervisão é uma espécie de ouvidos e olhos da própria organização, com foco em manter um perfil mínimo de entrega. 2 - Saúde financeira: CFOs e controllers podem e devem ser de grande valia em entender o desempenho da empresa. Entretanto, o CEO é, em última instância, o verdadeiro responsável pela saúde financeira da rganização, mesmo que ele delegue tarefas. Desta forma, não adianta relegar essa importante atividade da corporação: é essencial que, apesar de o departamento ser de responsabilidade de outros profissionais, o principal executivo da empresa acompanhe os números constantemente, tomando decisões e mudando os rumos quando necessário. 3 - Mensagem da marca: website, logo, material de vendas ou qualquer outro suporte que carregue a mensagem da empresa tem de ter o aval do CEO. Obviamente que pode haver o apoio de fornecedores, mas o significado e a expressão do negócio precisam ter sempre o tom de voz, a afinação, a cor e o clima acompanhado por quem está no comando. Este pode parecer um trabalho menos estratégico frente às necessi-

49

lay_Business_School.indd 49

10/09/13 09:31


FH | saúde business school

dades do dia a dia, mas é extremamente importante por pontuar o posicionamento corporativo da companhia como um todo. 4 - Recrutamento: um julgamento inadequado de potenciais candidatos a estrelas na organização pode comprometer seu futuro. um ceo tem que se envolver com bastante cuidado no processo de atração, retenção, treinamento e desenvolvimento das pessoas que farão e conduzirão a empresa no futuro. É aí que se assegura a boa escolha e a transmissão da cultura organizacional. as pessoas, afinal, fazem a corporação. 5-Clientes: você conhece seu cliente? Você compreende suas necessidades? se a empresa não estiver provendo um produto ou serviço que tenha valor para os clientes, e especialmente não pensando em cada vez melhorar mais, o longo prazo poderá estar comprometido! Por mais alto que o posto do executivo seja, ele não pode esquecer o verdadeiro propósito da companhia e saber exatamente o que ela quer entregar ao mercado.

Erros mesmo diante dos focos de decisão apresentados anteriormente, vale um alerta: ninguém tem todas as respostas e, muito menos, a capacidade de forjá-las . a experiência mostra que muitos ceos gastam um tempo precioso tentando resolver problemas sozinhos, não engajando pessoas de sua equipe na busca de soluções. não saber, ou pior do que isto, não admitir que você não sabe é um grave erro. É muito mais perigoso não saber o que você não sabe, pois, em situações do tipo, é comum encontrar grandes respostas para os problemas errados. se reconhecermos essa hipótese, nós contribuímos para deixar o processo de decisão mais transparente e participativo. ao mesmo tempo, possibilitamos que as pessoas formem conosco uma visão de mundo mais humana e solidária. o ceo precisa, acima de tudo, aceitar o fato de que é impossível ser excelente em todas as áreas.

50

lay_Business_School.indd 50

não podemos esquecer que excesso de confiança e uma atitude do “faz-de-tudo” somente demonstram arrogância, o que, invariavelmente, desmotiva a equipe e prejudica a corporação como um todo. e esse mesmo ceo não estando consciente dessa sua fraqueza coloca a organização em risco constante. ou seja, quanto mais o processo de decisão estimular o envolvimento de outras pessoas da organização mais ajudará o ceo a decidir melhor, fundando a sua decisão não somente em sua intuição e conhecimento próprios, mas em cultura coletiva e mais poderosa. isso fortalece as bases estruturais da empresa, porque transmite o comprometimento com a equipe. Por isso, é fundamental sempre, no processo de tomada de decisão, saber escutar as pessoas, principalmente aquelas que conhecem o processo que a decisão irá afetar.

Mais uM ponto dE atEnção neste processo de compartilhar decisões, é muito comum cair em um engodo que nós mesmos construímos: dividir a tomada de atitudes com os demais departamentos

setembro 2013 revistafh.com.br

10/09/13 09:31


“O CEO prECisa, aCima dE tudO, aCEitar O fatO dE quE é impOssívEl sEr ExCElEntE Em tOdas as árEas”

da empresa quando, na verdade, a decisão, em seu íntimo, já está tomada. Em vez de escutar o que outros têm a dizer, passamos à tentativa de transformar/mudar a cabeça das pessoas em direção à nossa! Isso não é ouvir, é impor, de uma maneira mais polida, a nossa própria ideia. O papel do CEO ao envolver pessoas no processo de decisão é o de ser o advogado, questionando a lógica, a suposição, até sentir conforto entre confiança e humildade.

Outro ponto que considero importante é a cultura organizacional, pois se bem estimulada torna os colaboradores mais eficientes e produtivos. Não acredito em mão-pesada pois não é benéfico no longo prazo. Os esforços estão em facilitar um ambiente onde as pessoas se sintam donas de suas responsabilidades e que tenham voz na forma como fazem seu trabalho, criando uma atmosfera que permita uma performance mais favorável da organização. Arrogância causa erros e ninguém é infalível.

ConClusão Importante termos em mente que tudo que um CEO faz ou fala é enxergado e ouvido pela empresa através de diferentes olhos e ouvidos. Portanto, o papel do principal executivo é aprender a fazer perguntas, não o de ter todas as respostas. Exemplos: • Os padrões de comportamento do CEO e seu principal time têm de ser significativamente mais altos do que é cobrado do restante da empresa. Desta maneira, chegar atrasado ao trabalho e não estar preparado para reuniões, por exemplo, farão que a organização se torne leniente em outros aspectos. A liderança tem de ser, acima de tudo, pelo exemplo. • Um CEO tampouco pode vacilar nas brigas internas de seu time, favorecendo uma função em detrimento de outra. Deve sempre se perguntar se quer um “Team of Stars” (time de estrelas, onde cada um atua para demonstrar seu desempenho pessoal) ou um “Star Team” (time estrela, onde o trabalho em equipe perdura as relações de confiança e colaboração entre todos). Vale lembrar que é mais fácil ter o primeiro, mas o segundo sempre é melhor para a organização, por motivos óbvios. • Todo CEO é suscetível a uma massagem no ego! Cuidado, procure ser respeitado por competência e não por popularidade, caso contrário acabará cometendo erros... quanto mais inflado o ego, mais confiança. Quanto maior a confiança, mais a vontade de decidir sozinho. E como já falamos, quanto mais se decide sozinho, maior a chance de cometer erros e não engajar a empresa como um todo em busca de uma meta.

51

lay_Business_School.indd 51

10/09/13 09:32


FH | saúde business school

Foto: divulgação

Entrevista com o autor

Marcelo Dias possui ampla experiência na gestão de empresas de médio porte, especialmente no segmento de engenharia e logística. seu perfil profissional inclui, também, conhecimento em formação, capacitação e gerenciamento de equipes multidisciplinares de alto desempenho e elaboração de estratégias de negócio.

1. Na sua visão, existem particularidades de gestão no caso de CEOs de empresas de saúde? Por favor, descreva-as nas empresas de saúde o grande desafio está na gestão das pessoas. o negócio saúde é feito por pessoas para outras pessoas. existe uma importância muito grande: as relações humanas que passam por valores baseados na confiança, segurança e ética. além disto, o setor hoje vive um boom de novas tecnologias e avanços nos tratamentos e medicamentos, é preciso estar atento a estes movimentos, mas sempre pensando no bem estar geral do cliente final. 2. Um bom CEO engaja a companhia em uma única meta. Como fazer isso, levando em consideração que cada pessoa/empregado tem seus próprios objetivos dentro da companhia? um dos grandes desafios do ceo é exatamente este. Portanto ele/ela deve se envolver profundamente na comunicação da meta principal e ser capaz de dar um entendimento muito claro do que é importante para a empresa e seus acionistas. Quanto mais simples de entendimento e compreensão, mais fácil será ter uma equipe empenhada em atingi-la. os objetivos pessoais dos funcionários devem ser permeados pelos valores da empresa e a sua busca de crescimento e valorização devem ser refletidos em seus atos enquanto funcionário. existe um combinado de vários fatores que incluem boa comunicação, meta clara, dedicação e perseverança. considere a companhia como uma grande orquestra. a música a ser executada (meta) é clara e sabida por todos (partituras) e cada um na sua especialidade irá executar sua parte que irá compor um todo (músicos e solistas). o papel do ceo é o do maestro - dar ritmo, cadência e previamente ensaiar muito com sua equipe para que a execução seja perfeita. 3. No texto, o senhor comenta: “Não defendemos a centralização excessiva, uma vez que esta impede o crescimento da empresa, tampouco defende-

52

lay_Business_School.indd 52

mos a delegação em demasia, pois, ao contrário, ela expõe a organização e aumenta o risco.” Como saber medir o que delegar e o que não delegar? conhecer bem o perfil e competência dos seus gestores dará ao ceo o conforto necessário para estabelecer o equilíbrio ideal de delegação a cada um. em princípio, estando com as pessoas certas nos cargos de gestão não há porque temer em delegar demais. o que pode acontecer é uma fase de transição muitas vezes necessária na medida que alguns líderes já têm a maturidade esperada para assumir grandes responsabilidades, e outros que estão no caminho certo, mas necessitam de um tempo maior para lidar com níveis maiores de delegação. neste caso, cabe ao ceo gerenciar um certo gradualismo em delegar. o que não pode ser delegado pelo ceo é o dever se enxergar mais longe, num horizonte de tempo maior que os demais que estão no dia a dia. 4. No texto, o senhor explica: “O papel do CEO é aprender a fazer perguntas, não o de ter todas as respostas”. Como deve-se passar essa dica para a prática? Como criar um ambiente de ouvidoria que seja realmente efetivo e livre de filtros? antes de mais nada, o ceo tem de ser percebido como uma pessoa em quem se possa confiar. sua fala tem de ser percebida como verdadeira, em todos os níveis da empresa. se as pessoas não confiarem no caráter dele, não vão se sentir à vontade para conversar com ele a respeito dos problemas. superado este ponto, tem de haver disponibilidade de ouvir. não adianta ter “as portas abertas” mas não estar presente no momento em que as pessoas precisam falar com você. Por fim, tem de haver coerência. não prometa o que não pode, mas cumpra tudo o que prometer. 5. Um bom empreendedor é necessariamente um bom CEO? Por quê? nem sempre. Prefiro até arriscar e dizer que na maioria das vezes não é. É um tanto polêmica esta minha

setembro 2013 revistafh.com.br

10/09/13 09:32


posição, pois se a maioria dos empreendedores, fundadores de empresas de sucesso chegaram a um crescimento fantástico de suas empresas, com grande geração de valor, então por que não podemos considerá-los grandes CEOs? A resposta está nas estatísticas de perenidade de muitas organizações de controle familiar. Uma quantidade significativa destas empresas não se sustenta diante das grandes mudanças que os ambientes de negócios vêm proporcionando e a genialidade do empreendedor acaba não sendo suficiente para conduzir a empresa aos desafios do futuro. É muito difícil esperar que todo empreendedor desenvolva atributos de CEO necessários a liderar uma empresa. O empreendedorismo está mais voltado para a criatividade, liberdade de pensamentos, na busca de soluções inovadoras. O CEO está mais empenhado na busca de resultados, das metas, organização e gestão.

repetição. Erros são e devem ser vistos como um momento de aprendizado. Só erra quem faz.

6. Em especial se tratando de empresas de menor porte, a companhia costuma ser muito direcionada ao perfil de seu CEO. Quais seriam as melhores metodologias para que o DNA do CEO da empresa seja repassado para os demais funcionários e gere a tão sonhada perenidade? É preciso que haja clareza quanto aos valores que constituem o DNA da empresa. Só assim as pessoas poderão avaliar se aquele é o ambiente em que vão se sentir à vontade para dedicar as suas habilidades profissionais. Não se trata de “juízo de valores”, mas de “alinhamento cultural”. Para gerar perenidade, as pessoas que vão estar com você têm que compartilhar os seus valores. Se não for assim, o clima organizacional será péssimo. Não adianta manter pessoas infelizes, por mais competentes que elas sejam. É melhor que elas sejam felizes em outras organizações, alinhadas com os valores pessoais que elas defendem.

9. Ser CEO é ser líder. Como ser líder e, ainda assim, aceitar a liderança de outros? (em termos de controle de áreas, diretorias e definições de projetos)? Encaro isto de forma muito natural. Faz parte da missão de um CEO cuidar desta atmosfera de estímulo dos gestores exercerem a liderança na plenitude e conduzirem as equipes na busca dos objetivos. Cabe a ele ser o facilitador para que estes espaços sejam criados para o exercício da liderança. Se você não é capaz de aceitar a liderança de outros não pode exigir que os outros aceitem a sua liderança. Existem regras, a liderança é que vai ditar o ritmo, a velocidade, a efetividade das ações e, por fim, o alcance das metas de forma eficaz.

7. Quando erra, quais procedimentos os CEO deve tomar, em termos de comunicação e resolução? Não vejo outro procedimento a não ser “a linha reta”. Reconhecer erros e agir rapidamente para corrigi-los faz parte do cardápio de qualquer líder. Também é importante exercitar a pesquisa para busca da causa. Muitos se ocupam das consequências e se esquecem de identificar de forma objetiva as causas para os erros. Entendido isto é importante que todos da empresa saibam e entendam o que aconteceu para evitar a sua

8. Quais cuidados deve tomar quando um CEO decide mudar o plano estratégico de uma empresa? Antes de mais nada, consultar os acionistas. Mudar o rumo da estratégia quando necessário é o que se espera do líder maior (CEO). É importante buscar um consenso entre os gestores principais e partir para a ação! Neste caso, a comunicação cumpre outro papel fundamental e o envolvimento pessoal do CEO na condução desta mudança de rumo é imprescindível. Após mudar o plano estratégico, o mais importante é deixar claro para os demais os objetivos daquela mudança e uma imediata revisão dos planos táticos (diretoria e gerência) e dos planos operacionais (funcionários de forma em geral).

10. Como lidar com problemas de relacionamento entre diretores, que deveriam ser pares e trabalharem juntos na organização? O CEO cumpre o papel de mediador nas relações entre diretores e cuida da eliminação dos pontos de conflito. Quando ocorrem estas situações, ele deve ser ágil e direto na busca da conciliação de posições, buscando intermediar com muito senso de justiça ainda que respeitando as diferenças de temperamentos e perfis de cada um. A lógica está na definição clara do papel de cada um e do objetivo comum da empresa e dos que nela trabalham. Como já disseram antes: As ideias podem brigar, as pessoas não.

53

lay_Business_School.indd 53

10/09/13 09:32


Saúde buSineSS School

Saúde Business School é uma iniciativa da IT Mídia.

Todos os direitos reservados.

lay_Business_School.indd 54

10/09/13 09:32


Untitled-3 1

10/09/13 17:35


EM TODO SISTEMA, EXISTE UMA REFERÊNCIA E NO SETOR DA SAÚDE, ESSA REFERÊNCIA PODE SER A GESTÃO DA SUA INSTITUIÇÃO.

Campanha Referencias da saude 2013_dupla.indd 2

06/06/13 11:34


Contribua para o crescimento e desenvolvimento do setor participando da 3ª edição do Referências da Saúde, estudo realizado pela IT Mídia com apoio da PwC, que retrata o grau de maturidade de gestão de negócios entre hospitais de qualquer natureza, operadoras, centros de medicina diagnóstica e de home care. Escolha a sua categoria e mande seu case. Suas boas práticas podem direcionar o mercado de saúde brasileiro. Saiba mais: www.saudeweb.com.br/estudos (11) 3823-6675 / 6700 referenciasdasaude@itmidia.com.br Apoio:

Campanha Referencias da saude 2013_dupla.indd 3

Anúncios / patrocínios: comercialsaude@itmidia.com.br (11) 3823-6695

Realização:

10/06/13 09:04


FH | MEDICINA DIAGNÓSTICA

NÃO

TEM

PR E ÇO Paulo Silva Jr. | ed

itorialsaude@

itmidia.com.br

R $ ??? 58

Lay_Medicina.indd 58

NA CORRIDA PE LA ACREDITAÇÃO, O S LABORATÓRIOS PODEM SE DEPARAR CO M ALTOS INVESTIM ENTOS NA BUSCA PELA EXCELÊNCIA, MA S, COM A CHEGADA DE NOVOS MODELO S DE MONITORAMEN TO E DIVULGAÇÃO, A FALTA DE QUALIDADE CUSTARÁ AINDA MAIS CAR O

SETEMBRO 2013 REVISTAFH.COM.BR

10/09/13 09:34


F

alar de acredita ção é esbarrar em declarações qu firmam, obviam e con- blema ente, a importân é que a qual idad te pela excelênc cia da busca ince e é muito cobrad ia na qual idade ssan- certo e a, o que eu acho ba stante vá lido, do É veri ficar, ai nd s serv iços pres mas a gente prec tados. ter ne a, que nu m un nhum repa sse. isa invest ir sem iverso de cerca laboratórios (seg São mais de de de 12 m il na s undo estimat iv z anos sem reaj tabela s, a do SU as do mercado dos pelo Brasil, ustes S já está com 15 ) espa lha- um há muito chão anos , e isso com pouco. Temos de pa ra que as adeq un iversa lizem pl ica pe ua nsar numa enge ções se compl e alca ncem , de nharia financeira eta Lays . fato, cada si mpl feito nos chamad ”, es exame No ca os rincões dest so do Lawall, a La e País. E é ainda entender, af inal b procurar de Consultoria foi pr de contas , apes um ano e a esco ocurada há mai ar de um cená ri a tendência é qu lha foi pela norm s o em que de e as normas ch a DICQ. A gora, de pa ssar por um eg uem a cada lu ga res, por qu po a sé is ri vez mai s mar e de adequaçõ e o nú mero de es , a auditoria es cada pa ra nove laboratórios ce não chega nem tá mbro. A lém di ss rt ificados A ss a 3% do tota l? o, como membr ociação Brasile Apesa r da pequ o ir da a de Biomed icina, La ena abra ngênci um estudo sobr ys conta que há a, os nú meros constante mud e m in im izar es estão em pe ança, visto que sa fa lta de recu nsando um tip novos centros pa rsos . “Estão auditorias a todo o de financiam ssam por com momento. Ex is ento, al gu m in a chancela do go tem hoje por vo laboratórios cert cent ivo verno, pa ra ajud lta de 31 5 porq ificados no País ar os laboratóri ue estão tendo , sendo pouco m tade pela norm os , de pe ai s da me- qual dir empréstimos a DICQ , da Socied idade. E no níve para implantar ade Brasileira de Clínicas (SBAC l qu A e está , essa cont ), cerca de um te nálises Apesa a está muito alta rço pela PA LC , r desse ponto, o de Brasileira de da Socieda- da ”. di retor de acre Patologia Clín ic ditação e qual id SBPC/ML, Wilson a/ Med icina La (SBPC/M L), e a ad Sh e bo co ratorial des ap lnik, discorda de menor pa rcela, tantas dificulda em torno de 40 resentadas por a Organização N , pela ONA , de alguns laborató acional de Acred rios. “Passados 15 anos do início itação. Isso corr a 2,6% daquele m ai da s er es a de acreditação ponde que ho un iverso de 12 no País, entend m il laboratórios uve tempo sufic “A pa rt ir da regu o no Pa ís . iente para os labo la mentação do ratórios se prep fu nciona mento boratórios pela ados laA nv isa na R D C 302 em 20 0 5 [d requ isitos básico ef in iu os s pa ra a prestaçã o dos serv iços], pela acreditaçã a busca o pa ssou a ser mai s consta nte, consultor da La ap onta o b Con su ltoria, Pa ulo R ibei ro, espe em assessorar la cial ista boratórios na co nquista da acre acordo com ele, ditação. De o que era opcion al se tornou prat obrigatório. “E te icamente nho percebido um crescimento cial nesse ca m ex ponenpo por al gu ns aspectos: pr im mas estão bastan ei ro, as norte aplicáveis, el as têm um ente peculiar dedica ndimento do ao laboratóri o; segundo, a le que depois de se gi slação, já adequar às regr as de funcionam muito pouco pa en to, falta ra se acreditar; e terceiro a questã dológica , com os o m ercalaboratórios ca da vez mai s divu esses parâmetro lgando s e a sociedade pressionando a qual idade com busca pela resoluções norm at ivas”, af ir ma A í entramos no R ib ei ro. aspecto finance Shcolnick, iro. Pa ra o cons uma dificuldade da SBPC/ML: ultor, há principalmente em centros de pe e méd io porte em com norma da queno dest inar recu rs os pa ra os inve tos necessár io ANS aumentou st imens no processo de acreditação. a procura por laboratórios qu Um dos 29 e está trabalhand qualidade o com a Lab Co o Lawal l, de Ju nsultoria, iz de Fora-MG , concorda com “G eral mente é a aval iação. preciso invest ir em pessoa l, seja fu ncioná rio ou um novo uma equipe pa ra cu idar da qu ex pl ica o di reto al idade”, r do laboratóri o m inei ro, Cha executivo ressal fic Lays . O ta também a ne cessidade de in em soft wares qu vestimento e gera m vá rios tip os de regi st ro cadores como, s e indipor exemplo, o tempo que o pa da hora que ch ciente leva ega à recepção até receber o re exame, o que, se su ltado do gu ndo ele, dem anda um cá lcul em to da s as ár o pontual ea s do laborató rio. “E o nosso maior proFo tos : Ri ca rd o Be

nic hio

59

Lay_Medicina.indd 59

10/09/13 09:34


FH | mediCiNA diAgNóstiCA

Qualiss Fotos: Divulgação

O Programa de Qualificação de Prestadores de Serviços de Saúde (Qualiss), desenvolvido pela ANS, é um agente que tem sido visto com bons olhos como um estímulo para quem busca melhorar o nível dos laboratórios. Ele está dividido em duas frentes, ambas consideradas importantíssimas pelo diretor de acreditação e qualidade da SBPC/ML, Wilson Shcolnik: • Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços: “Esse programa representa um marco importante, visto que de forma pioneira introduziu um novo vetor, diferente dos preços, que poderá nortear a contratação de serviços. As operadoras com mais de 100 mil beneficiários, a partir de setembro de 2013, deverão divulgar a qualificação dos integrantes de sua rede na Internet. A partir de março de 2014, a divulgação passará a ser em todos os meios, inclusive impressos”. • Monitoramento da Qualidade dos Prestadores de Serviço: “Outro atributo importante, pois buscará a avaliação do desempenho por indicadores. Os indicadores ainda estão sendo construídos por um grupo técnico, e, no caso da SBPC/ML, como lançamos um programa de indicadores laboratoriais em 2005 em parceria com a ControlLab, já há quase 200 laboratórios familiarizados com esses itens”.

60

Lay_Medicina.indd 60

Fabiana, Dasa: custo da falta de qualidade é muito maior

rarem. o estímulo que faltava veio agora, com a publicação das resoluções normativas pela Agência Nacional de saúde suplementar (ANs), que darão reconhecimento público amplo aos serviços acreditados. Assim, temos tido uma procura crescente, inclusive de algumas redes verticalizadas, de operadoras de planos de saúde, que também têm nos procurado”, explica. segundo shcolnik, os cerca de 109 laboratórios acreditados pela norma PALC, o que parece pouco em termos absolutos, correspondem a quase 40% da totalidade dos exames realizados no brasil. Agora, a associação lançou a versão 2013 desta norma, e os auditores passarão a exigir o cumprimento dos novos itens em junho de 2014. “A PALC 2013 vem com uma revisão e consequente atualização, quando necessária, de todos os itens já existentes, além da criação de novos, particularmente em gestão de sistema de informações laboratoriais, uma vez que a evolução tecnológica é rápida e essa ferramenta é imprescindível para um la-

boratório”, afirma a gestora técnica da PALC na sbPC/mL, Carla Chaves. e quem já se prepara para essa atualização é a dasa, que corresponde a 28 marcas por todo o País, como Lavoisier, em são Paulo, sérgio Franco, no rio de Janeiro, e Frischmann Aisengart, no Paraná, sendo que todos os exames do grupo têm acreditação PALC. “o grande desafio é, além de conquistar a acreditação, manter esse sistema vivo, olhando a prática diária”, diz a diretora de qualidade da dasa, Fabiana barini. “eu já fui coordenadora de cursos da vigilância sanitária para os laboratórios e, digo, o custo da não qualidade é maior que o custo da qualidade. Não controlar pode gerar desperdícios maiores que qualquer investimento. o possível gargalo eu não vou dizer que é o dinheiro, mas sim tem a ver com o executivo que está à frente de tudo. ele tem de acreditar e querer qualidade”, explica a executiva e acrescenta que as normas estão bem didáticas e que implementar significa trabalhar com previsibilidade, menos desperdício e com menos repetição de trabalho. “e isso dá para fazer num custo quase zero”, completa. Além da PALC, diversos centros do grupo buscam outras homologações internacionais como a 17025 no Frischmann Aisengart, de Curitiba, certificação que torna o laboratório o primeiro a alcançar este nível para análises de paternidade. A acreditação na norma iso 17.025 é feita por técnicos do inmetro, que acompanham por 60 horas todo o processo do exame, da coleta das amostras à emissão do laudo. “o que a gente estimula é essa melhoria interna de cada uma das regionais. Ver em que nível estamos, onde temos de chegar e ter uma equipe de qualidade coordenando esse cenário no grupo”, finaliza Fabiana.

setembro 2013 revistafh.com.br

10/09/13 09:34


Tranquilidade é ter soluções completas RIS X Clinic + PACS Aurora. Conheça as vantagens para sua instituição.

+ ECONOMIA

Favoreça um ambiente paperless e filmless;

+ TEMPO

Lista de trabalho digital unificada com laudo e imagens;

+ PRODUTIVIDADE

Fluxo de trabalho em um ambiente único.

www.pixeon.com (48) 3205 6000 | Florianópolis/SC (11) 2146 1300 | São Bernardo do Campo/SP

Untitled-2 4

10/09/13 10:16


FH | ESPECIAL

A

DOR

QUE NÃO PASSA Suzana Camargo | editorialsaude@itmidia.com.br

A DOR É O PRINCIPAL SINTOMA QUE LEVA PACIENTES A PROCURAR ATENDIMENTO MÉDICO NO MUNDO TODO. POR ESSA RAZÃO, CADA VEZ MAIS HOSPITAIS E CLÍNICAS INVESTEM NA CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS E ÁREAS ESPECÍFICAS PARA LIDAR COM O PROBLEMA

Foto: Shutterstock

62

lay_Especial.indd 62

SETEMBRO 2013 REVISTAFH.COM.BR

10/09/13 09:36


O

s números são impressionantes. Estima-se que mundialmente 1,5 bilhão de pessoas sofram diariamente com dor crônica. Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) revelam que 30% da população do planeta padeça deste mal. Os Estados Unidos contabilizam um prejuízo anual de 550 milhões de dias de trabalhos perdidos provocados pela dor. As autoridades de saúde do país já consideram essa a década da dor. No Brasil, o cenário não é diferente. Em algumas capitais brasileiras, pesquisas indicam que o percentual de pacientes com dor crônica é mais alto que o índice mundial. Em São Luís, capital maranhense (MA), por exemplo, ele chega a 47%, e em Salvador, na Bahia, a 41%. Entretanto, para os profissionais de saúde a grande dificuldade em lidar com a dor é que se está diante de uma queixa totalmente subjetiva, pois dificilmente há um exame complementar que demonstre a existência ou mesmo a intensidade dela. “Uma das definições mundialmente aceitas é de que dor é o que o paciente diz sentir”, afirma o neurocirurgião especialista em terapia da dor da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo, Alexandre Walter de Campos. Nos Estados Unidos, desde 1998 já existe uma especialidade médica dedicada ao chamado intervencionismo da dor, com mais de 5 mil profissionais atuantes no país. Aqui, a dor ainda é considerada uma área de atuação, mas não uma especialidade. Apesar disso, cresce o número de instituições de saúde investindo na capacitação de profissionais para o setor. Em cada unidade da rede, a São Camilo tem profissionais especializados – os chamados Grupos de Controle da Dor. “As equipes contam com médicos que fazem visitas diárias aos pacientes em seguimento com o grupo, uma enfermeira responsável, uma psicóloga e uma fisioterapeuta”, explica Campos. “Temos ainda um relacionamento próximo com a equipe de psiquiatria e assistência social”.

Assis, da Sobramid, defende a utilização mais ampla das técnicas intervencionistas para minimizar o sofrimento de pacientes

Foto: Divulgação

Também em São Paulo, no Hospital A.C.Camargo, referência nacional e internacional na prevenção, pesquisa e tratamento de pacientes com câncer, desde 1991 há uma Central da Dor. “Em alguma fase da doença oncológica, o paciente terá queixa de dor. Nas fases mais avançadas, isso acontece em quase 90% dos casos”, revela o responsável pela central, José Oswaldo de Oliveira Júnior. A equipe do A.C.Camargo envolve cerca de dez profissionais das mais diversas especialidades: neurocirurgiões, psicólogos, psiquiatras, neuropediatras, pediatras e fisiatras. Para o médico, a Central da Dor é vital para oferecer um melhor atendimento aos pacientes. “Dor é o sintoma que mais limita e deteriora a qualidade de vida. Muitos doentes têm um medo tão grande da finitude da vida quanto da possibilidade de sofrer de dor e a dificuldade em controlá-la”. Outro tipo de dor que tem um impacto enorme na vida da população é a crônica. (entenda mais na próxima página). “A dor aguda mal tratada pode se tornar crônica”, explica o vice-presidente da Sociedade Brasileira de Estudos para a Dor (SBED), Durval Campos Kraychete. E o maior problema, ainda segundo ele, é que a média de tempo que um paciente com dor leva até procurar um ambulatório ou serviço especializado é de oito anos. “A prevalência

ENTRE AS DORES CRÔNICAS MAIS COMUNS QUE AFETAM A POPULAÇÃO ESTÃO: • Musculoesqueléticas – fibromialgia, artrose, hérnia de disco, lesões por esforço repetitivo (LER), tendinite, bursite e a dor lombar (dor nas costas); • Neuropáticas – associadas com doenças como diabetes, lúpus, esclerose múltipla, artrite reumatoide ou a acidentes vasculares cerebrais (AVC); • Cefaleias – enxaquecas.

63

lay_Especial.indd 63

10/09/13 09:36


FH | ESPECIAL DOR É O SINTOMA QUE MAIS LIMITA E DETERIORA A QUALIDADE DE VIDA DO PACIENTE. MUITOS DOENTES TÊM UM MEDO TÃO GRANDE DA FINITUDE DA VIDA QUANTO DA POSSIBILIDADE DE SOFRER DE DOR E A DIFICULDADE EM CONTROLÁ-LA. OLIVEIRA JÚNIOR, DO A.C. CAMARGO

DOR EM NÚMEROS

de pessoas sofrem diariamente com dor crônica, segundo a OMS

é o número de dias de trabalhos perdidos provocados pela dor nos EUA

percentual de pacientes com dor crônica, em São Luís

percentual de pacientes com dor crônica, em Salvador, na Bahia

64

lay_Especial.indd 64

da dor crônica aumentou muito no mundo todo”, diz. Para Kraychete, o problema acarreta um prejuízo enorme para o Estado, mesmo assim ele acredita que a política de saúde voltada para o tratamento da dor ainda é incipiente no Brasil. “O olhar do governo ainda é restrito. O sistema público de saúde não comporta a demanda”. Para alguns especialistas, o que existe é uma subvalorização da dor. “Há uma ideia pré-concebida de que é normal sentir dor. Isso é um preconceito”, diz Oliveira Júnior, do A.C.Camargo. ESPECIALIZAÇÃO Fundada recentemente, em outubro do ano passado, a Sociedade Brasileira de Medicina Intervencionista da Dor (Sobramid) defende a utilização mais ampla das técnicas intervencionistas para minimizar o sofrimento de pacientes. No Brasil, ainda é pequeno o número de profissionais que atuam nessa área, principalmente por essa ser ainda uma especialização não reconhecida no País, somente uma área de atuação. Alguns médicos têm a certificação obtida nos Estados Unidos, país onde a especialidade é válida. Em geral, a grande maioria dos médicos intervencionistas são anestesiologistas. “A população envelhece cada vez mais e por isso mesmo precisa de uma melhor qualidade

de vida”, analisa o anestesiologista e presidente da Sobramid, Fabrício Dias Assis. Para fazer o diagnóstico e o tratamento dos distúrbios relacionados à dor, os médicos intervencionistas utilizam agulhas, em procedimentos minimamente invasivos. Entre as técnicas mais aplicadas estão bloqueios guiados por imagens com anestésicos e corticoides, bloqueios por radiofrequência, utilização de toxina butolínica para tratamento de dores musculares e a descompressão percutânea do disco intervertebral. Os intervencionistas também trabalham com técnicas de sistemas implantáveis, como o implante de bombas de infusão de fármacos no organismo do paciente. Em casos de câncer, por exemplo, a bomba de morfina deixa o paciente mais confortável. “São procedimentos um pouco mais caros, mas parte deles tem o custo coberto pelos planos de saúde”, afirma o presidente da Sobramid. Assis diz também que esses procedimentos são mais vantajosos no tratamento do que as terapias medicamentosas, pois estas, depois de algum tempo, vão perdendo o efeito e as doses precisam ser aumentadas. “Nos Estados Unidos, de 1998 a 2005, houve um crescimento das técnicas intervencionistas em mais de 400%”, revela. Para o médico Oliveira Júnior, al-

guns analgésicos ou anti-inflamatórios podem ter efeitos colaterais para certos pacientes, comprometendo funções hepáticas ou renais. Entra aí a importância do trabalho dos profissionais da Central da Dor no hospital. “Conseguimos racionalizar o tratamento com analgésicos graças ao acompanhamento e análise da equipe da dor”, afirma. Além disso, o profissional salienta que o controle da dor reduz o sofrimento dos pacientes, garante a alta hospitalar precoce e ainda um restabelecimento mais rápidos nos processos pós-operatórios. “As Centrais de Dor começam a ser incorporadas em vários hospitais, não só os oncológicos, mas outros também, já que melhoram a qualidade do atendimento”. Assim como em outras áreas da medicina, os profissionais que trabalham com a dor precisam de atualização constante para acompanhar as novas descobertas e avanços no setor. A Rede de Hospitais São Camilo oferece cursos específicos sobre o tema. “O tratamento do problema deve ser feito por uma equipe multiprofissional, que trabalhe de maneira inderdisciplinar e discuta em conjunto qual a melhor maneira de tratá-la de cada paciente”, avalia Alexandre de Campos. “O médico que não valoriza a queixa de dor está neglicenciando a atenção ao paciente”.

SETEMBRO 2013 REVISTAFH.COM.BR

10/09/13 09:36


Untitled-2 1

10/09/13 16:48


FH | operadora

seleção

Natural

setor discute o impacto das novas regulamentações na operação de empresas de pequeno e médio porte maria Carolina buriti | editorialsaude@itmidia.com.br

66

Lay_operadora.indd 66

Q

ual é o futuro das pequenas e médias operadoras de saúde? a questão preocupa a cabeça dos empresários e tem colocado em xeque a própria sustentabilidade do setor. No horizonte, a expansão do rol de procedimentos - com começo previsto para 2014, que implica na incorporação obrigatória de novos procedimentos e, por sua vez, mais gastos. No presente, a difícil realidade de tentar sobreviver em meio as grandes, obedecendo as mesmas regulamentações que incluem normas de estrutura mínima e prazos para atendimento. diante da discussão, a agência Nacional de saúde suplementar (aNs) reconhece o cenário adverso, mas como autarquia reguladora se posiciona para garantir o acesso ao beneficiário ao invés de promover “possíveis incentivos”. “o papel da agência não é incentivar ou não incentivar, e sim estabelecer padrões e regras que devem ser observados do ponto de vista assistencial e econômico-financeiro”, afirmou o diretor da autarquia leandro tavares, durante evento em são paulo*.

setembro 2013 revistafh.com.br

10/09/13 18:02


OperadOras em atividade pOr pOrte, segundO mOdalidade (Brasil - dezemBrO/2012) modalidade da operadora

total

sem beneficiários

pequeno porte (até 20.000)

médio porte (20.000 a 100.000)

grande porte (acima de 100.000)

total

1.538

218

893

325

102

Administradora de benefícios

94

94

-

-

-

Autogestão

214

18

154

32

10

Cooperativa médica

325

5

155

129

36

Cooperativa odontológica

118

1

89

22

6

Filantropia

88

4

60

22

2

Medicina de grupo

387

39

229

92

27

Odontologia de grupo

299

57

205

24

13

Seguradora especializada em saúde

13

-

1

4

8

Fontes: CADOP/ANS/MS - 12/2012 e SIB/ANS/MS - 12/2012 Caderno de Informação da Saúde Suplementar - março/2013

Movimento natural de um setor regulamentado, os 13 anos da agência e as normas estabelecidas empurraram o segmento para a consolidação. Assim ocorreu uma espécie de “seleção natural”: àquelas que conseguiram obedecer continuaram na ativa, muitas quebraram e outras foram incorporadas por grandes companhias que conseguem operar, entre outros motivos, em razão da escala. Dados da agência mostram que eram 1345 empresas em 2003 e, atualmente, o número é de 959 (considerando as operadoras com beneficiários e excluindo a área odontológica). Neste universo, com 529 consideradas pequenas empresas e 279 de médio porte (veja tabela), estão beneficiários que, muitas vezes, precisam de atendimento em pequenas cidades. “Entendo que a médio prazo não dá para a saúde suplementar deixar de contar com as pequenas operadoras nos menores centros”, alerta o presidente da Comissão de Pequenas e Médias Operadoras da Abramge Nacional, Cyro Alves de Britto Filho. A entidade representa cerca de 80% de operadoras com este perfil. Consultores ouvidos pela reportagem relataram que a própria ANS admitiu, em 2012, que

“havia cerca de 300 operadoras de pequeno porte sem condições de continuar atuando”. A autarquia não trabalha com regras específicas de acordo com o tamanho das instituições e vê nesta situação um movimento natural do mercado. “Não sei se as empresas menores existirão no futuro. Têm mercados onde já ficou claro que escala é fundamental e eles operam sem empresas menores. Há outros que tenderam a organizar melhor seu regramento e perceberam a importância das menores, pois elas possuem capacidade de estar em algumas regiões onde outras não estarão”, pontua Tavares. Para o diretor, diante disso as operadoras devem inovar na gestão, pois “o cenário adverso supera o mérito da gestão ortodoxa”. Questionado sobre como seria essa inovação, Tavares acredita que a TI pode ajudar a conter desperdícios. SObrevivênCiA O fato é que tais empresas não estão sobrevivendo e um dos fatores apontados pelo mercado é justamente o impacto das novas medidas. “Toda vez que se aumenta o rol de procedimentos, as coisas vão ficando mais complicadas e o custo do plano tende a subir

e afastar o consumidor”, afirmou o presidente da Abramge, Arlindo Almeida. De acordo com o executivo, as reservas técnicas que poderiam ajudar as pequenas operadoras, que podem quebrar com apenas um caso de judicialização ou de alto risco, por exemplo, não podem ser usadas. “Há praticamente uns R$15 bilhões para todas as operadoras, mas isso não pode ser mexido”, diz. O diretor da ANS enfatiza que o recurso não deve ser tratado como uma espécie de poupança. “O que está definido é que pode ser usado no momento de interrupção da operação, onde os recursos reservados sejam suficientes para quitar as dívidas com os prestadores”, explica. Para o consultor de saúde suplementar Horácio Cata Preta, há uma evidente crise entre as empresas de pequeno porte. Se a ANS resolvesse eliminar do mercado as operadoras com problemas econômico-financeiros e operacionais sobrariam poucas alterativas para o consumidor. “Não restariam mais do que 400 das cerca de 1000 que estão em operação atualmente, todas pequenas, com 20 mil ou menos beneficiários [seriam incorporadas]”, pontua.

* O 18º Congresso Abramge ocorreu nos dias 22 e 23 de agosto em São Paulo (SP)

67

Lay_operadora.indd 67

11/09/13 11:36


FH | ENTRE ELOS Flávia D’A ngelo | editorialsaude.com.br

TROCA DE EXCELÊNCIA Ser um centro com padrões internacionais de qualidade médica assistencial e segurança do paciente é a meta do Hospital Moinhos de Vento (HMV), localizado em Porto Alegre (RS). Alinhada a esse propósito, a instituição acaba de fechar uma parceria com o instituto Johns Hopkins Medicine International (JHMI), de Baltimore (EUA). A união é a primeira deste tipo no Brasil e tem duração inicial de dez anos. Além de promover intercâmbio técnico, científico e assistencial entre as instituições, há um grande foco na qualificação do cuidado clínico, na segurança do paciente, na prevenção e no tratamento de doenças crônicas mais comuns no Brasil. Neurologia, neurocirurgia, medicina de diagnóstico, cardiologia e oncologia serão as primeiras especialidades a serem desenvolvidas no HMV. Para a superintendente de educação, pesquisa e responsabilidade social do Moinhos, Claudia Buchweitz, o acordo vai propiciar um novo patamar de desenvolvimento. “O Hospital Moinhos de Vento tem uma nova visão para 2020 que fala de um foco internacional. A parceria se deu para que essa internacionalização efetivamente ocorresse e para que a gente pudesse ter outros termos de comparação, que não aqueles locais ou nacionais”, afirma Claudia.

68

lay_entre elos_novo.indd 68

1

O

Fachada do Hodpital Moinhos de Vento (RS)

Hospital Moinhos de Vento foi fundado em 1927 e acreditado pela Joint Commission International (JCI) em 2002. A instituição gaúcha oferece, além de assistência médico-hospitalar, cursos de formação técnica, pós-graduação e residência médica. Pertence ao grupo de hospitais de excelência estabelecido pelo Ministério da Saúde e realiza projetos para o desenvolvimento institucional do Sistema Único de Saúde (SUS). Atualmente, as instalações contam com 354 leitos e há planos de investimento de R$ 320 milhões voltados a aumentar a infraestrutura.

Foto: Divulgação

O HMV pretende ainda implementar o programa de segurança do paciente e de enfermagem criado pela Hopkins, o CUSP (Comprehensive Unit-based Safety Program). Além disso, as instituições unem esforços para a criação de um centro de pesquisa para apoiar especialistas brasileiros no desenvolvimento de estudos e pesquisas e facilitar o intercâmbio de informações entre os dois países.

SETEMBRO 2013 REVISTAFH.COM.BR

10/09/13 09:38


PAPEL DO HVM Um pouco antes de anunciar a parceria com o Johns Hopkins Medicine International, o Hospital Moinhos de Vento apresentou um plano de expansão com investimentos de R$ 320 milhões até 2014. Além de aumentar de 354 para 507 o número total de leitos, o hospital gaúcho ainda pretende contratar 600 novos colaboradores. Até agora, R$ 100 milhões foram aplicados na maternidade, na UTI neonatal, unidades de internação e de endoscopia, centros de Ortopedia e Traumatologia, e Neurologia e Neurocirurgia. A instituição ampliou a área do Centro Cirúrgico de 900 para 1,7 mil m² e, ainda, prevê melhorias na unidade de diagnóstico por imagem, CTI Adulta e UTI Pediátrica. Também estão em obras as unidades de diálise e de endoscopia. A qualificação das equipes, captação e retenção de talentos também estão nos planos do hospital. “O bom da parceria é que nenhum dos lados começa do zero. A JHMI é um parceiro internacional que está preparado para fazer um trabalho de intercâmbio com outras instituições internacionais, ou seja, a JHMI já tem um sistema pensado para isso”, ressalta a executiva. Com o convênio, os profissionais do HMV visitarão ainda neste ano a instituição norte-americana para treinamento e intercâmbio de conhecimento. Além do desenvolvimento de especialidades médicas de interesse, a instituição busca a preparação para novas certificações internacionais, a ampliação das melhores práticas médicas, assistenciais e de segurança do paciente.

2

A

CEO da JHMI, Steven Thompson, durante a assinatura do acordo de afiliação

lém do Johns Hopkins Hospital (fundado em 1889 em Baltimore - EUA), a rede Johns Hopkins Medicine International também possui uma universidade. Passaram por lá 36 vencedores do Prêmio Nobel, sendo 19 da faculdade de medicina. Berço de especialidades como neurologia, urologia, endocrinologia e pediatria; a instituição recebe anualmente mais de 120 mil internações e realiza 350 mil atendimentos de emergência e 850 mil pacientes são atendidos por médicos comunitários.

Foto: Divulgação

PAPEL DO JHMI Embora a parceria seja inédita no Brasil, o JHMI mantém acordos desse tipo em outros países como Canadá, EUA, México, Colômbia, Chile, Peru, Trinidad & Tobago, Panamá, Índia, Singapura, Malásia, China, Japão, Emirados Árabes, Arábia Saudita, Líbano e Turquia. A escolha pelo HMV se deu pelo compartilhamento dos mesmos valores: compromisso com a melhoria da saúde oferecida à comunidade. Segundo a instituição norte-americana, enquanto o HMV tem se dedicado à prestação da medicina, a Johns Hopkins, desde o século XIX, se consagra pelo treinamento médico. Além de apoio e colaboração científica entre profissionais, o acordo visa melhorar os protocolos de controle à infecção hospitalar, trazer novos padrões de segurança e possibilitar o aperfeiçoamento dos médicos gaúchos. “Acreditamos que essa iniciativa terá um impacto de longo prazo significativo na atenção à saúde no Rio Grande do Sul e mais além”, afirma o CEO da JHMI, Steven J. Thompson, em comunicado. O convênio entre JHMI e HMV possibilitará ainda o acesso de pacientes brasileiros que demandam atenção médica de alta complexidade à rede e aos especialistas da instituição norte-americana. Em casos complicados ou raros, os especialistas do JHMI se colocarão à disposição no fornecimento de uma segunda opinião médica.

69

lay_entre elos_novo.indd 69

10/09/13 09:38


FH | indústria

SubSiStir ou morrer:

o dilema da inovação nas Pmes Balança comercial Brasileira para equipamentos médicos amargou déficit de us$ 3,7 Bilhões em 2012. setor de saúde discute formas de reforçar o papel da indústria Brasileira na redução do proBlema, mas ainda há dificuldades para estaBelecer cultura de inovação marcelo vieira | marcelo.v ieira@itmidia.com.br

70

Lay_Industria_riscos.indd 70

setembro 2013 revistafh.com.br

10/09/13 09:41


I

novar e crescer não deveriam ser conceitos mutuamente exclusivos. Em territórios como o da tecnologia da informação (TI), é quase regra que as companhias mais inovadoras, ao revolucionar o mercado, aumentem de tamanho - e receitas - rapidamente. Pequenas empresas, nascidas em garagens pelas mãos de jovens idealistas, são capazes de concorrer com as grandes justamente agregando valor pela inovação. No Brasil, no entanto, ao menos para a maior parte da indústria de equipamentos médicos, a infeliz escolha está entre subsistir ou morrer. Dados da Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios (Abimo) mostram que, atualmente, cerca de 60% das empresas brasileiras do segmento são micro, pequenas e médias, sendo que destas quase 70% são familiares. “A equação é muito simples: para a empresa crescer ela precisa ser inovadora, e para ser inovadora deve estar consolidada no mercado”, explicou o presidente executivo da associação, Paulo Henrique Fraccaro. Para o executivo, as PMEs brasileiras que decidem inovar acabam consumindo todos os seus recursos no desenvolvimento de novos produtos e não investem em estruturas comerciais e de marketing. “É triste ver uma empresa ganhadora de vários prêmios, mas de um produto só, que não consegue deslanchar na mesma velocidade em que foi reconhecida e tem que vender aquela ideia para uma multinacional”, lamentou Fraccaro.

Braile, da Braile Biomédica: “Não só é possível inovar no Brasil, como devemos inovar para sobreviver”

Para mudar esse cenário e fortalecer a indústria nacional, a UBM, multinacional em mídia de negócios, e a Abimo realizaram a segunda edição da MD&M Brazil*, feira de tecnologia para a fabricação de equipamentos médicos e odontológicos. Expositores nacionais e estrangeiros se reuniram com dois objetivos: fazer negócios e fortalecer a capacidade produtiva nacional em um mercado global que alcançou US$ 325 bilhões em 2011. DificulDaDes Boa parte dos debates durante a MD&M se concentraram sobre os entraves para a inovação na indústria médica brasileira. O presidente do conselho da Braile Biomédica, Domingo Braile, foi categórico: “Não só é possível inovar no Brasil, como devemos inovar para sobreviver”, disse o fundador da empresa especialista em dispositivos cardiológicos. Para ele, parte do problema da inovação no País passa pela distribuição da pesquisa entre universidades e indústrias. Enquanto em países como Estados Unidos, Japão e Alemanha o número de estudos desenvolvidos nas empresas é substancialmente maior do que as subsidiadas pelo governo e universidades, no Brasil essas últimas concentram 90% do esforço, e o conhecimento não é transferido para a iniciativa privada. “O lugar da inovação é a empresa”, diz Braile. O professor titular e coordenador do curso de Engenharia Biomédica da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Paulo Roberto Pialarissi, disse que a dificuldade em inovar não é exclusiva do Brasil, mas a taxa de formação no País de engenheiros biomédicos, capazes de construir máquinas utilizáveis em organismos, é muito baixa. “Se tivéssemos um capital humano maior poderíamos melhorar a qualidade e a manutenção dos equipamentos e a população teria melhores condições de saúde e vida. Mas para isso precisamos ter um ecossistema de inovação”, afirmou. O professor e diretor-geral da Protec - associação civil de fomento a inovação tecnológica nacional -, Roberto Nicolsky, disse que parte do caminho para a inovação é evitar a armadilha de “tentar reinventar a roda”. Para ele, as invenções realmente disruptivas são as incrementais, ou seja, aquelas que aperfeiçoam um produto já criado, e não as radicais, que demandam muito

Foto: Divulgação

71

Lay_Industria_riscos.indd 71

10/09/13 09:41


FH | indústria

ajuda

Incentivo local

Uma parceria entre Secretaria de Desenvolvimento de São Paulo, Prefeitura municipal de ribeirão Preto, abimo e Sebrae-SP, entre outros fomentadores, resultou na criação do projeto para o desenvolvimento do arranjo Produtivo Local (aPL) da indústria de equipamentos médicos, Hospitalares e odontológicos (emHo), na cidade do interior do estado. o complexo da saúde reunia 69 Pmes até o fim de 2012. o plano inclui parcerias com entidades locais para entender a cultura das empresas, reduzir a lacuna em termos de boas práticas e transmitir fundamentos de excelência de gestão e qualidade. em um segundo momento, por meio do Sebraetec, oferece consultoria tecnológica para avaliação e adequação de processos. o objetivo final é reforçar a competitividade das empresas. Segundo o consultor do Sebrae-SP, marcelo caetano alves, a meta é que as empresas de pequeno e médio porte do aPL estejam aptas para ir ao mercado e crescer de forma sustentável, criando uma cultura corporativa de inovação e superando resistências burocráticas. Para facilitar o acesso a este mercado, a consultoria subsidia inclusive a participação destas companhias em feiras nacionais e no exterior, “tendo a internacionalização como estratégia competitiva”, disse. “não há como pensar o mercado de saúde sem pensar no mercado externo. Queremos que as empresas brasileiras estejam fortes para competir.” a Kidopi, empresa integrante do aPL de ribeirão, recebeu em agosto um prêmio da organização das nações Unidas (onU) na categoria e-Health & environment. Fundada por ex-alunos do curso de informática Biomédica do campus de ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP), a Kidopi atua na área de gestão hospitalar inteligente e informatização de clínicas e consultórios. o projeto premiado é o HealthBi, ferramenta de business intelligence para que gestores acessem indicadores em tempo real.

72

Lay_Industria_riscos.indd 72

Discussões durante a MDM&M apontam entraves como acesso a pesquisas e financiamento Foto: Divulgação

mais tempo e investimento. “são aperfeiçoamentos que agregam valor e viabilizam a competitividade dos produtos”. Financiamento o financiamento para inovação na indústria de equipamentos médicos também é uma das dificuldades do setor. o gerente setorial da área industrial do banco nacional de desenvolvimento econômico e social (bndes), andré Landim, detalhou o Plano inova saúde equipamentos médicos, programa conjunto entre o banco, o ministério da saúde e a agência brasileira de inovação (Finep). a iniciativa, que desde junho seleciona empresas brasileiras interessadas, destinará r$ 600 milhões em financiamentos para inovação no segmento – e surge como alternativa às modalidades de obtenção de fundos já oferecidas por essas instituições. segundo o gerente, a maior parte dos projetos propostos ao bndes para o Plano (43%) referia-se a ampliação e mo-

dernização. “talvez devido à frágil competitividade brasileira, o financiamento à inovação no setor é, até agora, pequeno”. o chefe do departamento do Complexo da saúde da Finep, Victor odorcyk, apresentou os resultados preliminares do inova saúde. a demanda inicial foi mais de duas vezes superior ao orçamento previsto, com 145 cartas de manifestação de interesse encaminhadas por empresas. tecnologias de informação e Comunicação (tiCs) e equipamentos eletromédicos e odontológicos foram responsáveis pela maioria dos projetos (70 e 58 respectivamente), seguida por diagnóstico in-vitro e por imagem (34) e a de dispositivos implantáveis (32). Setor apesar dos percalços para pequenas e médias fabricantes de equipamentos médicos no brasil, a produção da indústria médica brasileira atingiu r$ 4,8 bilhões em 2012,

setembro 2013 revistafh.com.br

11/09/13 11:33


20 – 23 Nov 2013 Düsseldorf • Germany www.medica-tradefair.com

*O MD&M Brazil ocorreu durante os dias 27 e 28 de agosto, em São Paulo (SP) Informações e venda de ingressos: MDK Feiras Internacionais Rua Barão do Triunfo, 520 _ 7º andar – Conj. 71 04602-002 – São Paulo, SP Tel: (0XX) 11 5535-4799 _ Fax: (0XX) 11 5093-6041 E-mail: mdk@mdkfeirasinternacionais.com.br

73

2013-08-20 Medica 2013_Brasilien_MEDICA 2013_133 x 310mm +5mm_Revista Fornecedores Hospitalares_4c_2421.indd 09.07.13 1 12:05

Lay_Industria_riscos.indd 73

10/09/13 10:08

2013-08-20 Medica 2013_Brasilien_MEDICA 2013_133 x 310mm +5mm_Revista Fornecedores Hospitalares_4c_2421

10,2% mais que em 2011. Segundo os resultados apresentados pela Abimo e pela Fundação Getúlio Vargas, os ganhos de produtividade foram de 5% ao ano no período entre 2007 e 2012, acima dos 4% registrados pela indústria de transformação, mostrando o potencial do setor. O investimento total do setor em 2012 foi de R$ 307 milhões, ou cerca de 13% do PIB setorial (R$ 2,4 bilhões). No entanto, disse Fraccaro, os resultados poderiam ser ainda melhores caso hospitais públicos e filantrópicos pudessem adquirir equipamentos nacionais com a mesma isenção concedida aos importados. A isonomia tributária é, há anos, a principal bandeira da Abimo e é defendida para reduzir a dependência brasileira de equipamentos médicos importados – o déficit nesta balança comercial passou de US$ 1,7 bilhão em 2007 para US$ 3,7 bilhões em 2012.

Be part of the No. 1!


Untitled-2 1

10/09/13 16:48


SOLUÇÕES COMPLETAS EM AMBIENTES DE SAÚDE. 26 anos

de experiência

+ 1 milhão + 300 mil + 320 clientes de m2 de projetos

m2 construídos

em todo o Brasil

Consultoria em negócios Arquitetura Construção Implantação de Tecnologias Médicas Gestão de Operações e Manutenção

Rua Fidêncio Ramos, 100 Vila Olimpia – São Paulo-SP 11 3215 8200 lmgets.com.br

Untitled-2 1

10/09/13 16:49


FH | na bagagem Foto: Arquivo Pessoal

O médico nefrologista e coordenador das unidades de diálise da Fundação Pró-Rim, Paulo Eduardo Cicogna, participou do MEDINFO 2013, na cidade de Copenhagem, Dinamarca. Confira! Foto: Shutterstock

AO AR LIVRE...

Passamos pelo Tivoli Gardens, segundo parque de diversões mais velho do mundo e que fica no centro da cidade, inaugurado em 14 de agosto de 1843. em 1943 o parque foi queimado pelos nazistas, mas prédios temporários foram construídos e o parque voltou a funcionar em poucas semanas. a iluminação é uma das suas características especiais. Vale a pena o passeio. Foto: Shutterstock

Paulo Eduardo Cicogna, da Fundação Pró-Rim

GASTRONOMIA...

O CONGRESSO

são vários os restaurantes da cidade e com diversas especialidades e nacionalidades. Torvehallerne se destaca por ser o point culinário da cidade (parece um mercado público).

CULTURA

o museu de arte Thorvaldsen Museum (1) é dedicado ao artista dinamarquês bertel thorvaldsen que passou grande parte da vida na Itália. Quando voltou esse museu foi construído para guardar suas obras. ele está enterrado nos jardins do museu. o Palácio de Christiansborg, além de ser a sede do Parlamento dinamarquês, divide o edifício com a suprema Corte, os escritórios do Primeiro-ministro e os apartamentos reais. antigamente era a residência dos reis e rainhas da Dinamarca. todos os dias ocorre uma salva de canhão em Fladestation Holmen (2).

Paulo Eduardo Cicogna, da Fundação Pró-Rim, e sua esposa Adriana Cicogna. Foto: Arquivo Pessoal

Passamos também por Mastekranen (3), local onde eram colocados os mastros nos navios. em alguns casos, quando chegavam ao porto, os mastros eram removidos para poderem aportar.

TRANSPORTE... De trem ou até mesmo com as bicicletas públicas é possível ir para qualquer lugar na cidade de Copenhagem. na estação Central da cidade mesmo com as malas é muito fácil de ir e vir.

Kronborg Slot (4) é um castelo e fica no norte da Dinamarca, fácil chegar de trem, passeio muito bonito. Ficou famoso pelas encenações de Hamlet, de shakespeare!

tendo como tema central a condução da informática médica através da convergência das tecnologias, profissionais de áreas multidisciplinares, como médicos e engenheiros, puderam trocar experiências e apresentar novos trabalhos e propostas tecnológicas para aprimorar as informações e os atendimentos em saúde.

TRABALHO Participei do Congresso pela primeira vez com a apresentação oral de um trabalho resultante do mestrado em tecnologia em saúde, realizado na PUC-Pr. Foram dias muito produtivos, onde pudemos trocar experiências e ideias para que o registro em saúde seja cada vez mais padronizado e disponível para todos os países.

Evento: Medinfo - 14ª Congresso

Mundial de Tecnologia em Saúde. Data: 20 a 23 de agosto Local: Copenhagem, dinamarca

Vai viajar e participar de algum evento na área da Saúde? Envie sua sugestão para mburiti@itmidia.com.br

1

2

76

lay_bagagem.indd 76

3

4

Fotos: Arquivo Pessoal

setembro 2013 revistafh.com.br

10/09/13 09:43


Classic Colours (cores 3242876, 3242899 e 3242900)

MAIS DE

O piso vinílico mais utilizado do mundo no segmento hospitalar. iQ Optima® possui exclusiva tecnologia iQ, representando o que há de mais moderno em pisos: alta qualidade, sem necessidade de cera e polimento, baixo custo de conservação e durabilidade única. Disponível em 38 cores, iQ Optima® é ideal para você especificar em seus projetos, pois sua qualidade é reconhecida no mundo todo. Tudo isso garantido por quem entende de pisos perfeitos há mais de 130 anos.

Exclusividade Tarkett

Cordão de Solda Multicolor Imperceptível na instalação.

Cores 3242825, 3242862 e 3242841

Cores 3242838 e 3242861

www.tarkett.com.br | 08000 119 122

Untitled-2 4

10/09/13 10:20


Comunidade saude dupla.indd 2

10/09/13 14:58


NENHUMA EMPRESA BRASILEIRA CONHECE TANTO A COMUNIDADE DE SAÚDE COMO A IT MÍDIA

Comunidade saude dupla.indd 3

10/09/13 14:58


fH | tecnoloGia

Mobilidade leva à saúde novas possibilidades operacionais, Mas o desafio está eM coMo trazer o conceito para dentro da estratégia da instituição coMo uM todo

Vidas sem

fio Gabriela Stripoli | Gabriela.Stripoli@itmidia.com.br *

80

lay_Tecno_IW.indd 80

Setembro 2013 revistafh.com.br

10/09/13 09:47


C

onforme deteCtado no estudo antes da tI, a estratégIa na saúde, realIzado pela It mídIa em parCerIa Com os Consultores empresarIaIs ClaudIo gIullIano e sérgIo lozInsky, para grande parte das InstItuIções brasIleIras o hospItal Completamente InformatIzado, sem papel e ConeCtado, pode estar longe da realIdade. relatos de CIos de hospItaIs, Contudo, mostram que já é possível ver InICIatIvas de suCesso e de destaque que Começam a reverter esse quadro, servIndo de exemplo para se multIplICarem ao redor do país. o debate mobIlIdade na saúde, realIzado durante o It forum+ 2013*, mostrou um desses Casos. trata-se do hospItal de ClínICas de porto alegre (hCpa), Com uma exemplar rede sem fIo na qual são ConeCtados smartphones e tablets de médICos e enfermeIros para Consultas, prontuárIos e sItuações de Cada paCIente. a rede também ofereCe novas possIbIlIdades de terapIas reCreatIvas aos Internados.

81

lay_Tecno_IW.indd 81

10/09/13 09:47


FH | tecnologia

Luiza, do Hospital de Clínicas de Porto Alegre: “Não podemos nos colocar como super-heróis para resolver tudo dentro do hospital. É a direção estratégica que nos demanda”

Oliveira, da Rede D’Or São Luiz: “Mobilidade faz parte do nosso plano estratégico porque vemos muito potencial nisso”

Fotos: Photogama

À frente da diretoria de ti do HcPa, maria luiza malvezzi conta que a iniciativa partiu do próprio corpo médico do hospital. “os próprios médicos trouxeram seus smartphones e queriam usá-los no ambiente de trabalho. Hoje, todo mundo tem um aparelho e faz grande parte das atividades com ele”, conta luiza. a mobilidade entrou na pauta do HcPa em 2005, em fase de estudo, e o Prontuário eletrônico do Paciente (PeP) móvel foi implantado em 2012, após o desenvolvimento de prontuário eletrônico em PDa’s, instalação de rede wireless e registro da administração da medicação na beira do leito com código de barras. o sistema permite consulta a diagnósticos, prescrição vigente, resultados e laudos de exames e evolução. além disso, também registra sinais vitais, monitoramento e evolução do paciente, seguindo os mesmos princípios éticos e legais já adotados

82

lay_Tecno_IW.indd 82

no prontuário eletrônico. Para isso, é essencial o alinhamento estratégico e o trabalho convergente de todas as áreas internas em prol do bem do paciente com o uso da tecnologia. “nós [cios da saúde] não podemos nos colocar como super-heróis para resolver tudo dentro do hospital. É a direção estratégica que nos demanda. se a gestão de vocês não estiver puxando isso, não é o cio sozinho que vai mudar todo o cenário”, relata. realidade diferente é a vivida por marlon oliveira, da rede D’or são luiz. ele está implantando um sistema móvel na rede de hospitais, após se deparar com algumas dificuldades em outros projetos de ti. “tentamos implantar ultrabooks ao lado do leito e até que houve uma boa aceitação, mas não tínhamos a agilidade necessária. sem contar pequenos detalhes, como a luz do notebook no quarto que gera desconforto para alguns pacientes”, relata.

a principal expectativa com o sistema móvel para smarphones e tablets é o ganho de agilidade, especialmente na direção do hospital que, aos poucos, será replicada nas unidades onde o sistema ainda não chegou. “Faz parte de nosso plano estratégico porque vemos muito potencial nisso”, conta. Barreiras o cio do Hospital são camilo, Klaiton simão, evidencia o pré-requisito de se ter certificação digital para que a mobilidade seja trabalhada com segurança. o ambiente hospitalar, contudo, se sente mais seguro com o papel. “sem ele, muitas vezes você não tem garantias”, pontua. Para ele, a tecnologia deve evoluir para biometria, já usada por bancos, com o objetivo de aumentar a segurança nas operações móveis na saúde. “grandes iniciativas já vem acontecendo, e vejo um viés de esperança na evolução. todas iniciati-

setembro 2013 revistafh.com.br

10/09/13 09:47


LEAN STERIS: Parceria estratégica em Centro Cirúrgico e Central de Esterilização de Material

Presente mudialmente e líder global na fabricação de produtos e serviços para prevenção de infecções, controle de contaminações e suporte cirúrgico. A STERIS Latin America tem como objetivo ser a parceira estratégica em duas áreas das áreas mais críticas do seu hospital: a central de esterilização e o centro cirúrgico. Nosso amplo portfólio de produtos, que varia desde esterilizadoras, lavadoras, foco, mesas cirúrgicas, salas integradas até detergentes e indicadores biológicos, permite que seu hospital amplie a produtividade, reduza os custos, inove em tecnologia e garanta maior qualidade e segurança para seus pacientes e colaboradores.

Experimente STERIS. Parceria para toda a vida. (11) 5053-9823 | contato@steris.com www.steris.com.br

Untitled-4 1

10/09/13 18:15


FH | TECNOLOgIA

Simão, do São Camilo: iniciativas do Ministério da Saúde e da ANS trazem boas perspectivas para o futuro móvel na saúde

Foto: Photogama

vas do Ministério da Saúde e da Agência Nacional da Saúde (ANS), como o cartão nacional do SUS, centralizando e digitalizando informações, eram impensáveis quando entrei no ramo de saúde, há 15 anos”, exemplifica. Na perspectiva de Simão, após a consolidação do padrão TISS (sigla para Troca de Informação de Saúde Suplementar, programa da ANS), a saúde brasileira terá mais perspectivas de colocar em prática diversos projetos de mobilidade em mais hospitais. “Mais ou menos o que acontece com o Cnab na área bancária”, completa, fazendo referência ao Centro Nacional de Automação Bancária da Febraban. Evolução Projetos de mobilidade na saúde, quando vencem os obstáculos para desenvolvimento e implantação, mostram benefícios além da

resposta ao corpo médico. No caso do HCPA, a rede acabou evoluindo para alguns sistemas de recreação terapêutica, visando a pacientes com internação de longo prazo. “Não prevíamos isso, mas vimos que melhorou a qualidade e satisfez nossos pacientes. Então, mantivemos”, expõe Luiza. Para manter essa vertente e evitar o contato de pacientes com sua equipe de TI, a executiva propôs o treinamento da equipe de terapia por um de seus funcionários. Assim, os próprios terapeutas podem auxiliar no suporte e seus profissionais não têm foco desviado. São coisas simples, como tirar pequenas dúvidas de conexão e sugerir conteúdos como filmes e jogos. Mesmo consolidado, melhoria e evolução são contínuas. Uma das demandas, em estudo, é o acesso ao sistema em redes remotas – hoje, isso só é possível quando o médico estiver dentro do

hospital por razões de segurança. “É um caminho sem volta. Por que limitar a mobilidade, se é algo que por definição deve ser acessível e sem fronteiras?”, questiona Luiza. Para Oliveira, da Rede D’Or, essa expansão é viável, com o incremento apenas em segurança da informação. “A única preocupação é garantir os níveis de segurança, porque os dados serão sempre acessados”, explica. A possibilidade de dar conteúdo ao corpo médico fora do ambiente de trabalho expande o pré-atendimento, assim, o profissional pode chegar ao local já previamente informado sobre as condições de cada atendimento. “O profissional de saúde tem que manter a percepção de que seu trabalho deve ter aderência ao paciente e à melhora de sua saúde”, resume Simão, do São Camilo. “Tudo que gera resultados positivos deve ser fomentado”, apoia.

* Gabriela Stripoli é editora adjunta de TI Corporativa da IT Mídia ** O debate sobre mobilidade ocorreu durante o IT Forum +, entre os dias 14 a 18 de agosto, na Bahia

84

lay_Tecno_IW.indd 84

SETEMBRO 2013 revistafh.com.br

11/09/13 11:30


setor da saúde: venha discutir modelos nacionais e internacionais e as estratégias da sua organização

Gestão em Agronegócio

Programa Gestão Estratégica em Saúde

O Programa Gestão Estratégica em Saúde da FDC proporciona reflexões sobre aspectos críticos do setor e de práticas nacionais e internacionais, com foco em resultados. Compreenda as interrelações entre os elos do sistema na melhor escola de negócios da América Latina*. Conheça outras soluções educacionais em diversas áreas da gestão: www.fdc.org.br • atendimento@fdc.org.br • 4005 9200 (capitais) • 0800 941 9200 (demais localidades) *Segundo os rankings de educação executiva do Financial Times e da AméricaEconomia.

Em parceria com:

FDC-0133-13-An._Prog._Saude_26.6x31_AF.indd 2

8/9/13 3:59 PM

Untitled-1 1

10/09/13 11:03


FH | LIVROS

BOA LEITURA

A advogada e coordenadora do curso de especialização em direito sanitário IDISA (Instituto de Direito Sanitário Aplicado) - Hospital Sírio-Libanês, Lenir Santos, acaba de lançar o livro “Sistema Único de Saúde: Os Desafios da Gestão Interfederativa”. Nele, afirma que é preciso regionalizar a descentralização da saúde para não fragmentar o Sistema Único de Saúde (SUS) e, dessa forma, garantir a integralidade da assistência.

Analice Bonatto | editorialsaude@itmidia.com.br Foto: Divulgação

arquitetura sanitária organizativa de grande complexidade. A somar pelo fato de nossos municípios serem profundamente desiguais do ponto de vista demográfico e socioeconômico, exigindo definição mais precisa e equitativa quanto às responsabilidades pela saúde.

Ao analisar a organização jurídicoadministrativa da saúde pública no País, qual é o maior desafio na gestão do SUS hoje? Lenir Santos: Entendo que o principal desafio é organizar o SUS nacional a partir de 5.568 sistemas municipais e 27 sistemas estaduais fazendo com que esses sistemas se integrem em regiões de saúde resolutivas. A Federação brasileira incluiu, a partir da CF de 1988, o município como ente federativo, conferindolhes competências, como as da saúde. A Saúde por ser um sistema de interdependências no tocante à prestação de serviços (solidariedade e cooperação) - uma vez que nenhum ente faz sozinho da vacina ao transplante, necessitando integrar suas ações e serviços em rede regionalizada e hierarquizada em níveis de complexidade de serviços -, exige dos entes federativos a construção de uma

86

Lay_Livros.indd 86

Nessa perspectiva, de que forma é possível garantir de fato a integralidade da assistência à saúde? Lenir: A integralidade, que significa completude, exige essa integração das ações e serviços de saúde entre os entes federativos. Exige solidariedade e compartilhamento; solidariedade e cooperação. Um cidadão para garantir sua saúde deve, muitas vezes, ter que percorrer serviços de diversos entes, que por sua vez precisam estar unidos no sistema de referências, sob pena de a integralidade não se efetivar. É sob essa dimensão que a organização jurídica, administrativa e sanitária do SUS é bastante complexa por envolver diversos entes, repasse de recursos, consenso na definição de políticas e assim por diante. Por isso o SUS conta com as instâncias de deliberação interfederativas no sentido de juntar o que a descentralização separou, sem perder as autonomias federativas. O que é preciso para vencer os desafios da gestão compartilhada? Lenir: Maturidade política, em primeiro lugar, para que a saúde não seja moeda de troca, de barganhas políticas, mas sim uma política pública voltada para a garantia da efetividade de um direito constitucional que é a saúde; capacidade técnica para unir serviços de entes autônomos; novas formas de gestão que permitam esse compartilhamento e outros aspectos da gestão pública, como as partilhas de recursos federativos que devem centrar-se em critérios legais e não em critérios políticos. Sistema Único de Saúde: Os Desafios da Gestão Interfederativa Autora: Lenir Santos Editora: Saberes Editora Número de páginas: 262 Preço: R$ 37

GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS HOSPITALARES Este livro é o primeiro da série Gestão Estratégica de Saúde. Com o objetivo de tornar mais eficientes os processos de gestão de materiais e equipamentos em hospitais, o livro trata a gestão estratégica de suprimentos e a de equipamentos, discutindo de maneira sistêmica o planejamento, a aquisição, o recebimento, o armazenamento, as políticas de descarte e outras questões. Coordenador: Haino Burmester Autores: Alexandre Henrique Hermini e Jorge Alberto Lopes Fernandes Editora: Saraiva Número de páginas: 232 Preço: R$ 49

ENFERMAGEM GERONTOLÓGICA Neste livro, os leitores podem acompanhar as teorias e os conceitos de envelhecimento, as alterações fisiológicas e psicossociais e as principais intervenções ligadas ao paciente idoso. Houve adaptação de conteúdo para o País, incluindo legislação do SUS e competências, aspectos demográficos, epidemiológicas e quadros culturais e sociais. Autora: Gloria Hoffman Wold Editora: Elsevier Número de páginas: 408 Preço: R$ 169

SETEMBRO 2013 REVISTAFH.COM.BR

11/09/13 11:31


Untitled-2 4

10/09/13 10:05


FH | showroom

destaques do mês

Maior caPacidade de iMPressão A Zebra traz ao mercado a nova geração da sua impressora ZXP series 3. Voltada para aplicações de médio a alto volume, é usada para impressão de cartões e crachás de identificação. A impressora apresenta vantagens como o suporte expandido para cartão e introdução de fitas inteligentes com maior capacidade e ecologicamente corretas Load-N-Go. www.zebra.com

Ventilação não inVasiVa A linha de máscaras respireo, fabricada pela Air Liquide medical systems, na Itália, foi desenvolvida para oferecer ventilação não invasiva a pacientes que necessitem de ajuda respiratória constante. Projetada para dar conforto, há várias opções de modelos para se adequarem a diferentes formatos de rosto. www.airliquidemedicalsystems.com.br

Higiene e Hidratação o banho de Leito biosoma, da bace healthcare, foi desenvolvido para higienizar a pele do paciente acamado. Composto por tecido de poliéster umedecido em uma fórmula de ingredientes naturais, como o extrato de Aloe vera e vitamina e, apresenta vantagens como conforto ao paciente, praticidade e redução de custos com os serviços de lavanderia. www.bace.com.br

88

lay_vitrine.indd 88

Precisão e segurança Desenvolvida para cirurgias abertas, a Lâmina Jaw, da Covidien, tem o objetivo de proporcionar segurança e precisão ao cirurgião. merece destaque a multifuncionalidade do equipamento que foi desenvolvido com mecanismo de corte integrado independente da selagem e sinal sonoro que indica o ciclo completo de fusão. Além disso, seu acionamento pode ser manual ou por pedal. É indicado para cirurgias endócrinas, de cabeça e pescoço, geral e plástica reconstrutiva. www.covidien.com

setembro 2013 revistafh.com.br

10/09/13 09:53


FH | market place

89

lay_MKT.indd 89

10/09/13 16:52


FH | MARKET PLACE

Higienização Hospitalar: soluções integradas que permitem um ambiente cirúrgico livre de infecções. Em outras palavras, você trabalhando em condições adequadas. Os serviços de Higienização Hospitalar do Grupo Tejofran são soluções integradas com atuação em todas as áreas: limpeza concorrente, terminal, cirúrgica e imediata. Além de todo composto de governança hospitalar. Ou seja: seu hospital operando em condições adequadas. Para saber mais, ligue e agende uma visita:

0800 7707681 www.tejofran.com.br

90

lay_MKT.indd 90

SETEMBRO 2013 REVISTAFH.COM.BR

10/09/13 16:32


Provamos que um desfibrilador básico, além de acessível, também pode ser avançado, confiável e prático.

www.instramed.com.br

Nova linha Apolus: basicamente o que você queria. O melhor custo-benefício em um equipamento voltado para função básica de desfibrilação, sem abrir mão da segurança de um fabricante consagrado que desenvolve e produz no Brasil há mais de 25 anos, oferecendo agilidade, garantia de pós-venda e suporte técnico em todo o país como só o fabricante pode proporcionar. • Pás multifuncionais adulto e infantil integradas com indicador de carga pronta e contato com o paciente.

• Energia bifásica entregue de até 360J, limitada eletronicamente em 50J quando utilizado com pás infantis.

• Conexão para sincronismo com monitor cardíaco externo (cardioversão).

• Inicialização instantânea. Pronto para choque em menos de 6 segundos.

• Leve e robusto com grandes alças em ambos os lados que facilitam o uso. • Desenho sem cantos vivos, projetado para o transporte de emergência.

• Principais funções concentradas em apenas um botão com operação no padrão 1, 2, 3.

Instramed - A marca brasileira de tecnologia médica

91

lay_MKT.indd 91

10/09/13 16:32


FH | market place

www.dgrau3.com.br

New Avantech Diâmetro da roda 5”, 6” e 8” KG

Capacidade até 150Kg

Design por BMW DesignworksUSA. Qualidade Schioppa.

L 12

STILUS

BUMPER REDONDO

ZAFIRA

EVOLUTION

BUMPER CANTONEIRA

AGILE

PEDAL NEW AVANTECH

EVIDENCE

FUTURA

CAPA PLÁSTICA

Rua Álvaro do Vale, 284. São Paulo - SP - Brasil Tel: 55 11 2065.5200 • vendas@schioppa.com.br www.schioppa.com.br facebook.com/schioppabrasil

92

setembro 2013 revistafh.com.br C

lay_MKT.indd 92

M

Y

K

SCHIOPPA - Anúncio REVISTA FH - SET/2013 - FORMATO: 26,6 x 31 cm - DGRAU3

10/09/13 16:32


93

lay_MKT.indd 93

10/09/13 16:32


FH | MARKET PLACE anuncio FH.pdf

7

02/08/13

08:52

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

94

lay_MKT.indd 94

SETEMBRO 2013 REVISTAFH.COM.BR

10/09/13 16:32


ISO 9001

QUALIDADE , CONFIAÇA E SEGURANÇA

ISO14001

OHSAS 18001

PROJETOS DE ENGENHARIA E GERENCIAMENTO DE OBRAS Projetos de Engenharia

DEDICAÇÃO EM LAVANDERIA HOSPITALAR

• Instalações elétricas

COM MAIS DE

• Instalações hidrossanitárias

• Instalações eletrônicas

20 ANOS NO MERCADO

• Instalações de prevenção e combate a incêndios

A Hospclean é uma empresa prestadora de serviços no ramo de lavanderia hospitalar, desde 1993. Nosso objetivo é oferecer ao cliente, o enxoval em perfeitas condições de uso, atendendo assim os padrões exigidos pela legislação. Contamos com equipe de trabalho especializada e treinada, seguindo o mais alto e rigoroso padrão de qualidade, garantindo os processos de higienização.

• Instalações de telecomunicações • Processos • Climatização

CERTIFICAÇÕES

• Utilidades

Desde 2004, a Hospclean mantém o Sistema de Gestão de Qualidade, tendo como referencia tecnica o Manual de Processamento de Roupas de Serviços de Saúde editado pela ANVISA.

• Instrumentação

Em 2008 adotou a NBR ISO 9001:2008 no seu processo de Gestão da Qualidade.

• Automação - BMS

Em março de 2009, a Hospclean teve seu Sistema de Gestão da Qualidade Certificado ISO 9001:2008, através da Certificadora DNV - Det Norske Veritas.

• Civil - Concreto e Metálica Gerenciamento de Obras

WWW.HOSPCLEANLAVANDERIA.COM.BR

COMERCIAL@HOSPCLEANLAVANDERIA.COM.BR Rua José Rangel de Mesquita, 278 • Cajamar - SP • Fone / Fax: (11) 4408-5773 / 4408-5772 / 4448-2759

Hospclean_4Mod_2013.indd 2

Hospital Alemão Oswaldo Cruz São Paulo SP

INCA - Instituto Nacional de Câncer Rio de Janeiro RJ

MHA Engenharia Avenida Maria Coelho Aguiar 215 Bloco F 8° andar Centro Empresarial de São Paulo 05805-000 São Paulo SP Brasil tel +55 11 3747 7711 fax +55 11 3747 7700 www.mha.com.br mha@mha.com.br

08/03/13 12:50

95

lay_MKT.indd 95

10/09/13 16:32


FH | EXPEDIENTE

Gerente acav ADELSON DE SOUSA Presidente Executivo adelson@itmidia.com.br

www.revistafh.com.br Receba as últimas notícias do mercado em tempo real, diariamente em seu email. Assine a newsletter do SAÚDE WEB: www.saudeweb.com.br

PRESIDENTE EXECUTIVO ADELSON DE SOUSA • adelson@itmidia.com.br VICE -PRESIDENTE EXECUTIVO MIGUEL PETRILLI • mpetrilli@itmidia.com.br

MIGUEL PETRILLI Vice -presidente Executivo mpetrilli@itmidia.com.br

GERENTE ADMINISTRATIVA E OPERAÇÕES Emanuela Araújo earaujo@itmidia.com.br GERENTE FINANCEIRO Marcos Lopes marcos@itmidia.com.br COMO RECEBER REVISTA FH www.revistafh.com.br/assinar

MARIA CAROLINA BURITI Editora de Saúde mburiti@itmidia.com.br

CENTRAL DE ATENDIMENTO AO LEITOR atendimento@itmidia.com.br (11) 3823-6615 (11) 3823-6675 COMO ANUNCIAR comercialsaude@itmidia.com.br | Tel.: (11) 3823.6600 Rio de Janeiro: Sidney Lobato • sidney.lobato@itmidia.com.br (21) 2565-6113 – (21) 8838-2648 USA: Huson International Media Tel.: (1-408) 879-6666 - West Coast | Tel.: (1-212) 268-3344 - East Coast ralph@husonusa.com Europa: Huson International Media Tel.: (44-1932) 56-4999 - West Coast | t.holland@husonmedia.com

VERENA SOUZA Editora Adjunta de Saúde vsouza@itmidia.com.br

TRABALHE CONOSCO rh@itmidia.com.br

IMPRESSÃO Log & Print Gráfica e Logística S.A.

FRANCISCO YUKIO PORRINO Editor de Arte e Vídeo fporrino@itmidia.com.br

REVISTA FH

A revista FH é uma publicação mensal dirigida ao setor médico-hospitalar. Sua distribuição é controlada e ocorre em todo o território nacional, além de gratuita e entregue apenas a leitores previamente qualificados. As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídiaou quaisquer outros envolvidos nessa publicação. As pessoas que não constarem no expediente não têm autorização para falar em nome da IT Mídia ou para retirar qualquer tipo de material se não possuírem em seu poder carta em papel timbrado assinada por qualquer pessoa que conste do expediente. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da IT Mídia S.A.

MARCELO VIEIRA Repórter de Saúde marcelo.vieira@itmidia.com.br

THAIA DUÓ Repórter de Saúde thaia.duo@itmidia.com.br

BRUNO CAVINI Produtor de Arte e Vídeo bcavini@itmidia.com.br

INSTITUTO VERIFICADOR DE CIRCULAÇÃO

r

IT Mídia S/A Praça Prof. José Lannes, 40 • Edifício Berrini 500 • 17º andar 04571-100 • São Paulo • SP Fone: 55 11 3823.6600 | Fax: 55 11 3823.6690 www.itmidia.com.br

96

lay_Expediente.indd 96

CONSELHO EDITORIAL REVISTA FH Cláudio Giulliano A. da Costa • Diretor comercial para OPME da Bionexo Eduardo Perillo • Vice-coordenador do grupo de pesquisa Regulação Econômica e Estratégias Empresariais da PUC-SP Francisco Balestrin • Presidente do Conselho da Anahp (Associação Nacional de Hospitais Privados) Gonzalo Vecina Neto • Superintendente corporativo do Hospital Sírio-Libanês Gustavo Campana • Diretor executivo de desenvolvimento de negócios do DLE Medicina Laboratorial Mohamad Akl • Presidente da Central Unimed

SETEMBRO 2013 REVISTAFH.COM.BR

10/09/13 10:36


ANDRÉ CAVALLI Gerente Executivo de Vendas acavalli@itmidia.com.br ERIC OUCHI Gerente de Marketing Digital eric.ouchi@itmidia.com.br

GABRIELA VICARI Gerente de Marketing Comunicação gvicari@itmidia.com.br

CRISTIANE GOMES Gerente de Marketing Revistas cgomes@itmidia.com.br

GABY LOAYZA Gerente de Estudos e Análises gloayza@itmidia.com.br

LUCIANA BELLINI Gerente Comercial de Saúde luciana.bellini@itmidia.com.br (11) 97496-0875 EMERSON MORAES Gerente de Marketing Fóruns emoraes@itmidia.com.br

RODRIGO MORAIS Executivo de Contas rmorais@itmidia.com.br (11) 99655-6413

DANIELLA IGLESIAS Executiva de Contas daniella.candia@itmidia.com.br (11) 97144-2542

SUELLEN MARQUES Executiva de Contas suellen.marques@itmidia.com.br (11) 99639-7527

MÁRCIO LIMA Gerente de Relacionamento com Clientes mlima@itmidia.com.br

97

lay_Expediente.indd 97

10/09/13 10:37


FH | em cena Foto: André François

Na foto: Equipe dos Expedicionários da Saúde a caminho de atendimento em comunidade indígena Munduruku, no Pará. Enquanto o Brasil importa médicos estrangeiros para trabalharem em regiões remotas, a Associação Expedicionários da Saúde leva medicina especializada a populações indígenas.

98

lay_Foto.indd 98

setembro 2013 revistafh.com.br

10/09/13 10:01


Confie na experiência de quem é especialista em gases medicinais.

Ar

O2

Os gases medicinais agora são medicamentos. Desde o início do ano, os gases medicinais no Brasil passaram a ser considerados medicamentos e, portanto, devem cumprir condições específicas de produção e requisitos de boas práticas de fabricação de um ambiente farmacêutico.

N2O

A regulamentação dos gases medicinais promove a diferenciação de um produto de uso industrial, tornando compulsória a rastreabilidade até o cliente final, assim como a notificação, denúncia, reporte de lesão ou qualquer efeito adverso relacionado à prescrição e uso dos gases.

CO2

Com ampla experiência e liderança nos mercados já regulados no mundo, a Linde está preparada para o novo ambiente de gases medicinais no Brasil, oferecendo total segurança e orientação a clientes e parceiros. A Linde Healthcare oferece um amplo portfólio de soluções para terapias de saúde, como: Oxigenoterapia, Sono, Ventilação, Analgesia, Anestesia, Gasoterapia, Criopreservação, Medicina diagnóstica e Infraestrutura hospitalar.

N2

Linde: Living healthcare

de ento 00-5) m a n 0.0 ncio de Fu cinais (2.2 das o ã ç di iza cia Autor Gases Me nais licen E F ci → A resa de medi s i r b Emp a sf idade Brasil n U → do o em to

Linde Gases Ltda. Linde Healthcare, Al. Mamoré, 989, 11º e 12º andares, Alphaville, 06454-040, Barueri, São Paulo, Brasil Phone 0800.725.4633, crc.lg.br@linde.com, www.linde-healthcare.com.br

Untitled-2 1

10/09/13 16:45


www.renaultmaster.com.br

SE SUA EMPRESA PRECISA DE VERSATILIDADE, ELA PRECISA DO NOVO RENAULT MASTER.

VERSÕES DE SIMPLES REMOÇÃO A UTI ABERTURA TRASEIRA DE ATÉ 270º*

Master Ambulância Versão L3H2

AIR BAG DUPLO MENOR CUSTO DE MANUTENÇÃO PRIMEIRA REVISÃO COM 20 MIL KM

Respeite a sinalização de trânsito.

NOVO RENAULT MASTER. ENCARA TUDO. Também nas versões Chassi Cabine, Minibus e Vitré. *Disponível para as versões L2H2 e L3H2. A 1a revisão, com 20.000 quilômetros, pode ser antecipada em caso de utilização severa, conforme indicação do sistema OCS – Oil Control System. GARANTIA RENAULT – Para a linha Renault Master, garantia total de 1 ano, sendo 3 meses de garantia legal e 9 meses de garantia contratual, ou 100 mil quilômetros, o que ocorrer primeiro, condicionada aos termos e condições estabelecidos no Manual de Garantia e Manutenção do veículo, referente à gama 2013/2014. A Renault oferece 6 anos de garantia anticorrosão da carroceria para veículos da gama 2013/2014 e mantém a garantia de fábrica para veículos transformados em empresas homologadas pela Renault. Procure um implementador de sua preferência. Reduza a velocidade, preserve a vida.

20327-055-RENAULT-INSTITUCIONAL-REV-266X310.indd 1 Untitled-2 4

7/8/13 10:53 AM 10/09/13 10:17


Fh 215