Page 1

ABRIL 2018

A Revista Global de Avicultura mais lida na AmĂŠrica Latina e no Brasil


www.exafan.com ´

QUALIDADE GARANTIDA A maior gama de produtos para melhorar os níveis de climatização e higiene de seus animais. - Climatização - Equipamentos - Alojamentos - Construção chave na mão

Siga-nos:

A Exafan é líder mundial no desenvolvimento de sistemas de automatização para o setor de aves, suínos e coelhos. Nosso objetivo é criar condições excelentes tanto para o alojamento dos animais como para a gestão das granjas. A Exafan oferece ao mercado uma vasta variedade de componentes, sistemas e soluções para colocar em prática a gestão das granjas. Uma variedade completa de produtos para sua granja:

Ventilação

Regulação

Alimentação

Controle de janelas e entradas de ar

Aquecimento Refrigeração

Alojamento

Pol. Ind. Río Gállego Calle D • Nº10 - 50840 San Mateo de Gállego. Zaragoza - España - Tel: +34 976 694 530 - Fax: +34 976 690 968


E D I Ç ÃO B R A S I L

energética com 07 Economia ventiladores em túnel

da contaminação 47 Redução por salmonella durante o processamento

Brian Fairchild & Mike Czarick

Scott M. Russell

Departamento de Ciências Avícolas, Universidade da Geórgia

21

Departamento de Zootecnia Avícola, Universidade da Geórgia

Avaliação de desempenho e diagnóstico de estresse em frangos pelo desenvolvimento de nova estratégia molecular Fábio Pértille Médico veterinário, Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”

29

Práticas ou manejo da planta incubadora. Diminuição da mortalidade precoce na granja Juan Carlos López

DVM, MVSc, PhD, Hendrix Genetics

57

O início da postura Período-chave para o sucesso de um lote de poedeiras Rafael Lera García

37

Veterinário Especialista, Técnico da Hendrix Genetics Poedeiras

Prevenção e controle da doença de Marek A. Gregorio Rosales DVM, MS, Ph.D, DACPV Consultor em saúde avícola

66

Entrevista com Daniel Pigatto Presidente da Tectron

1 aviNews América Latina Abril 2018


avicultura.info 73

Nutrição do frango durante a primeira e última semana Antônio Mário Penz Junior

XIII Seminário Internacional de Patologia e Producão Aviária. AMEVEA Universidad da Geórgia, Cargill Animal Nutrition

Suporte nutricional durante

87 a temporada de estresse calórico

Marco A. Rebollo DVM, Zinpro Corp.

Segurança e eficácia no

100 controle da doença de Newcastle

Ceva Saúde Animal

Aplicação do cobre como

103 superfície antimicrobiana na medicina veterinária Ronise Depner

93

Síndrome de nanismo infeccioso em frangos de corte Guillermo Zavala

MVZ, MAM, MSc, PhD, Dipl. ACPV Avian Health International, LLC

MVZ, Médica Veterinária

LPN CONGRESS 2018,

108 evento oficial de nutrição

animal e avicultura de toda América Latina

3 aviNews América Latina Abril 2018


O FUTURO PROMISSOR DA CARNE DE FRANGO

A

carne de frango é a segunda mais

consumida no mundo, mas se posiciona cada vez mais para ser a primeira. Seu consumo proporciona uma boa fonte de proteínas de alto valor, importantes vitaminas, minerais e menos gordura saturada que outras carnes. O baixo teor de gordura saturada e colesterol da carne de frango a torna um alimento ideal para aqueles que se preocupam com a saúde e para os atletas. Essa boa imagem da carne de frango deve ser preservada, com muito cuidado, principalmente agora que as mídias sociais espalham informações negativas com grande rapidez. A carne de frango tem um preço acessível, o que a torna um alimento imprescindível para o desenvolvimento dos países.

Outro ponto que começa a ganhar a atenção dos países mais desenvolvidos é o impacto ambiental produzido na obtenção da proteína animal. A avicultura é a segunda fonte de proteína animal menos poluente no nível ambiental. A produção de 1 quilo de carne de frango gera somente 3,5 quilos de CO2; enquanto a de 1 quilo de carne de porco produz 6 quilos de CO2; a de gado, 43 quilos de CO2; e a de carne ovina, 51 quilos de CO2. A América Latina precisa cuidar de seu meio ambiente e da grande quantidade de recursos naturais. É preciso resolver problemas de saúde pública e passar a informar e educar o consumidor antes que haja desinformação; para isso, é imprescindível investir na formação dos profissionais que trabalham diariamente no setor avícola.

Um evento que certamente contribuirá para isso é o LPN Congress, que será realizado na cidade de Miami entre os dias 23 e 25 de outubro. O LPN é um congresso de alto valor qualitativo sobre avicultura e nutrição animal, exclusivamente voltado para o público latino-americano. A direção técnica é liderada pelos doutores Gregorio Rosales e Edgar Oviedo Oviedo no salão de frangos, pelo doutor Antonio GIlberto Bertechini no salão de postura; e, no salão de nutrição e alimentação de monogástricos, pelo doutor Mario Penz Junior.

Na edição Brasil de dezembro de 2017, traduzimos ao português um artigo e um anúncio da MSD Saúde Animal, originalmente publicado em espanhol na aviNews América Latina. A iniciativa nos levou ao equívoco de veicular no Brasil propaganda de um produto ainda não registrado no país. Tal iniciativa é de única e exclusiva responsabilidade do Grupo de Comunicação Agrinews, que não consultou previamente o anunciante a respeito da veiculação do conteúdo no Brasil.

BRASIL

EDITOR

GRUPO DE COMUNICAÇÃO AGRINEWS S.L. DESIGN GRÁFICO & WEB Marie Pelletier Enrique Núñez Ayllón Maitê Paier Antunes Ana Lorena Ríos de la Llave Sergio Rodríguez Núñez Oriol Marquès PUBLICIDADE Luis Carrasco +34 605 09 05 13 lc@agrinews.es Simone Dias +55 (11) 98585-2436 brasil@grupoagrinews.com DIREÇÃO TÉCNICA Dr. Gregorio Rosales, MVZ, MS, PhD., DACPV

Edgar Oviedo, Especialista de extensão-nutrição e manejo de frangos de corte

REDAÇÃO José Luis Valls Osmayra Cabrera Daniela Morales Priscila Beck TRADUÇÃO Diana Sorgato | Tikinet Caique Zen | Tikinet PREPARAÇÃO/REVISÃO Hamilton Fernandes | Tikinet COLABORADORES Winfridus Bakker Juan Carlos López Mike Czarick Dr. Susan Watkins Rodrigo Castillo Jorge Amado

Brian Jordan Ramiro Hernán Delgado Franco Douglas Waltman Douglas Zaviezo Víctor Naranjo

Barcelona - Espanha Tel: +34 93 115 44 15 info@grupoagrinews.com redacao@grupoagrinews.com

www.avicultura.info lpncongress.com A direção da revista não é responsável pela opinião dos autores. Todos os direitos reservados. Imagens: Noun Project / Freepik/Dreamstime

Revista de distribuição gratuita DIRIGIDA A VETERINÁRIOS E TÉCNICOS

Depósito Legal Avinews B11597-2013

5 aviNews América Latina Abril 2018


ECONOMIA ENERGÉTICA

COM VENTILADORES EM TÚNEL Brian Fairchild & Mike Czarick Departamento de Ciências Avícolas, Universidade da Geórgia

O

s ventiladores “eletrônicos”

frangos

com variador de frequência ou ventiladores em túnel de

velocidade variável podem resultar numa espetacular economia de energia.

A quantidade de energia elétrica utilizada por um ventilador de extração não é determinada pelo tamanho do motor, mas sim pela velocidade com que giram as pás do ventilador

Foto 1. Ventilador de 55” de velocidade variável

Foto 2. Ventilador tradicional de parede inclinada de 48” dos anos 1990

7 aviNews América Latina Abril 2018 | Economia energética com ventiladores em túnel


Quanto mais rápido o ventilador gira, maior é a quantidade de ar movimentada e maior é a potência consumida.

ENERGIA UTILIZADA PELO VENTILADOR

Podemos alterar tanto a quantidade de ar O fato de que o uso de energia aumenta exponencialmente com a velocidade do ventilador, significa que os aumentos relativamente pequenos na sua velocidade podem gerar aumentos muito grandes na quantidade de energia utilizada pelo equipamento.

movimentada como a energia consumida por um ventilador em túnel simplesmente aumentando ou diminuindo o tamanho da polia do motor, o que alteraria a velocidade com que as pás giram.

MOVIMENTO DO AR DO VENTILADOR Embora a capacidade de movimento do ar de um ventilador aumente proporcionalmente com sua velocidade, o 400 rpm

uso de energia aumenta exponencialmente com a velocidade.

1.000 W

Temos um ventilador que gira a 400 rpm (move 20.000 cfm) usando 1.000 watts de potência.

Se a velocidade do ventilador

frangos

20.000 cfm

aumentar 20%, a capacidade de movimento de ar do ventilador aumentará 20%, aproximadamente. 480 rpm

24.000 cfm

1.730 W

Aumentamos o tamanho da polia do motor para que o ventilador gire a 480 rpm (aumento de 20% do mov. de ar).

Por exemplo, se você tiver um ventilador que move 20.000 cfm (≈566 m3/min) girando a 400 rpm e aumentar a velocidade do ventilador para 480 rpm, instalando uma polia de motor maior, a capacidade de movimento de ar do ventilador aumentará 20% a 24.000 cfm (≈680m3/min).

480 rpm 400 rpm

x 20 000 cfm

24.000 cfm

mov. ar

+73%

consum. elétrico

Consequentemente, o uso de energia NÃO aumentará 20%, mas quase duplicará para 1.730 watts

IMPORTANTE

480 rpm

+20%

Os produtores NÃO devem substituir suas polias de motor de ventilador existentes por outras maiores para aumentar a capacidade de movimento de ar de seus ventiladores.

Aumento de 20% 24.000 cfm

8 aviNews América Latina Abril 2018 | Economia energética com ventiladores em túnel


Embora inicialmente possa ser menos dispendioso substituir as polias do motor do que instalar ventiladores adicionais, o uso da energia do ventilador quase duplica para um aumento de 20%, gerando um sobrecusto a longo prazo longo prazo.

Reduzir a velocidade do ventilador em 20% fará com que a capacidade de movimento de ar do ventilador no exemplo anterior diminua de 20.000 cfm para 16.000 cfm, mas a quantidade de energia utilizada pelo ventilador será reduzida pela metade, para 512 watts.

Aumentar a velocidade do ventilador não costuma ser um bom investimento; no entanto, diminuir a velocidade do ventilador pode gerar uma economia substancial de energia.

400 rpm

20.000 cfm

1.000 W

Reduzimos em 20% o movimento Diminuição do consumo em 50%

Quanto maior for a redução na velocidade do ventilador, mais drástica será a redução no uso de energia do ventilador.

512 W

frangos

16.000 cfm

VENTILADOR: Potência vs. Velocidade A Figura 1 mostra um exemplo de como o uso de energia varia com a velocidade do ventilador para um ventilador em túnel de velocidade variável de 55”.

Quando a velocidade do ventilador é reduzida de 550 rpm para 450 rpm, uma redução de aproximadamente 20%, o uso de energia do ventilador quase é reduzido pela metade, para 780 watts.

2

Mas é possível obter economias de potência ainda mais drásticas reduzindo a velocidade do ventilador de 550 rpm para 340 rpm. 3

A redução de 38% na velocidade do ventilador reduz o consumo de energia do ventilador em 65%, para apenas 350 watts, aproximadamente a mesma quantidade de potência que um ventilador de circulação de 1/3 hp-18” utiliza.

1.300 1.200 1.100

Potência em W

Quando opera na velocidade máxima, o ventilador usa 1.400 watts de potência.

1

1.400

Potencia del ventilador (vatios)

1

1.500

1.000 900 800

2

700 600 500 400

3

300 200 100 0

00 5050 100 400 450 450 500 100 150 150 200 200 250 250 300 300 350 350 400 500 550 550 600 600 Velocidade em rpm

Velocidad del ventilador (RPM)

9 aviNews América Latina Abril 2018 | Economia energética com ventiladores em túnel


A Figura 2 ilustra a relação linear geral entre a velocidade do ventilador e a capacidade de movimento de ar.

Reduzimos a velocidade de 550 rpm para 340 rpm Diminuição da velocidade em 38%

550 rpm

Pressão 0,10’’

29.000 cfm

Reduzimos em 20% a velocidade

350 rpm

14.000 cfm

menos 52% na capacidade de movimento de ar 450 rpm

22.000 cfm menos 24% na capacidade de

Ao reduzir a velocidade do ventilador de 550 para 340 rpm, uma redução de 38% na velocidade, diminui a capacidade de movimento de ar do ventilador a aproximadamente 14.000 cfm (redução de 52%).

movimento de ar

frangos

A 550 rpm e a uma pressão estática de 0,10”, o ventilador de 55” move aproximadamente 29.000 cfm. Quando a velocidade é reduzida em 20%, a capacidade de movimento de ar do ventilador diminui para aproximadamente 22.000 cfm (redução de 24%).

A redução real na capacidade de movimento de ar dos ventiladores, neste caso, NÃO é diretamente proporcional à velocidade do ventilador, uma vez que o ventilador está movendo o ar sob uma pressão estática de 0,10” e não zero.

Capacidade de movimento do ar vs. velocidade do ventilador

Capacidade de movimento de ar 0.10 (cfm)

Pressão 0,10’’

30.000 28.000 26.000 24.000 22.000 20.000 18.000 16.000 14.000 12.000 10.000 8.000 6.000 4.000 2.000

Capacidade de movimento do ar ao reduzir 52%

Redução de 38% da velocidade

200

250

300

350 400 450 Velocidade do ventilador (RPM)

500

Figura 2. Capacidade de movimento do ar vs. velocidade do ventilador

10 aviNews América Latina Abril 2018 | Economia energética com ventiladores em túnel

550

600


Imagine... Imagine…

...que você pode reagir a tempo em uma infestação de ácaros. …you could react in time on a red mite infestation.

MiteAlert®

um medidor automático de ácaros que permite tratamento rápido MiteAlert® e oportuno focos sangue prejudiciais às suas treatment aves. An automatic red para mite evitar counter thatde enables rapid and appropriate to pre vent a blood flare infestation.

The Power of Intelligence The Power of Intelligence

hotraco-americalatina.com


Há meio século cuidando dos equipamentos para o controle do clima em sua granja. Conheça a nossa gama de produtos e as últimas tendências em climatizadores.


Ventilador de velocidade variável Com um ventilador de velocidade variável, à medida que se reduz a velocidade do ventilador, reduz-se significativamente sua capacidade de mover o ar baixo com alta pressão estática. Poderíamos ter um caso onde a velocidade do ventilador é reduzida em 20%, mas considerando que está movendo o ar sob alta pressão estática (0,15”), a capacidade de movimento de ar do ventilador poderia ser reduzida em 50% ou mais. Se a velocidade do ventilador for excessivamente reduzida, é possível que um ventilador de velocidade variável não seja capaz de gerar suficiente pressão para abrir seu próprio obturador.

Geralmente, recomenda-se que os exaustores de velocidade variável não operem abaixo de 60% de sua velocidade “total” indicada. Embora possa ser difícil entender isso no início, a observação dos ventiladores nos diz que, do ponto de vista da economia de energia, é melhor operar mais ventiladores em menor velocidade, do que menos ventiladores em velocidade alta.

Não é a quantidade de ventiladores operantes que determinará as faturas de energia, mas sim a velocidade em que estão operando.

frangos

IMPORTANTE

Se operarem a toda velocidade, três ventiladores moverão um total de 87.000 cfm (29.000 cfm a 0,10 × 3) e consumirão 4.200 watts (1.400 watts × 3). Mas operar cinco ventiladores a 375 rpm (68%) moverá a mesma quantidade de ar e consumirá apenas um total de 2.250 watts de potência (450 watts × 5). Uma economia de quase 50%, ou seja, mais ventiladores, porém contas de energia elétrica mais baixas!

13 aviNews América Latina Abril 2018 | Economia energética com ventiladores em túnel


Foto 1. Ventilador de 55” de velocidade variável

6

Foto 2. Ventilador tradicional de parede inclinada de 48” dos anos 1990

GALPÃO B

Ventiladores de velocidade variável

55“

GALPÃO DE CONTROLE A 8

4

Ventiladores de parede inclinada

Ventiladores originais

48“ 2

frangos

Exaustores de parede lateral Recentemente, um estudo começou a analisar o uso de ventiladores de túnel de velocidade variável para reduzir o custo operacional do ventilador. O estudo foi realizado num criadouro de frangos de corte com dois galpões no noroeste da Geórgia. Os galpões tinham paredes do tipo cortina de 40’ × 500’, foram construídos na metade da década de 1990 e estavam equipados com oito ventiladores de parede inclinada de 48” e dois exaustores de parede lateral de 36”.

36”

Foto 3. Ventiladores de 55” de velocidade variável equipados com controladores de velocidade (ventiladores superiores)

Num dos galpões, foram instalados seis ventiladores de velocidade variável de 55” e quatro dos ventiladores originais de 48” foram mantidos no local por segurança (Foto 1). Cada um dos ventiladores estava equipado com um “controlador de velocidade” que permitia ajustar a velocidade dos ventiladores entre 60 e 100% .

A operação do ventilador foi controlada através do controlador ambiental que enviou sinais de ligado/desligado para uma “caixa de controle” que, por sua vez, ativou o controlador de velocidade de cada ventilador conforme necessário (Foto 4).

14 aviNews América Latina Abril 2018 | Economia energética com ventiladores em túnel

Foto 4. Controlador com interface de ventilador (caixa azul) e medidores de potência (esquerda)


A velocidade inicial de cada um dos seis ventiladores de 55” (GALPÃO B) foi definida para que os ventiladores movessem a mesma quantidade de ar que a dos ventiladores existentes de 48” (340 rpm ou 62%) do GALPÃO A. O objetivo é que quando o controlador no GALPÃO B com ventiladores de velocidade variável ligasse um ventilador em túnel, este movesse a mesma quantidade de ar que os ventiladores de 48” no GALPÃO A. Quando o controlador solicitou um sétimo ventilador em túnel, a velocidade dos seis ventiladores de velocidade variável (GALPÃO B) foi aumentada para igualar a capacidade de movimento de ar de sete ventiladores de 48” (395 rpm ou 71%) do GALPÃO A. Do mesmo modo, quando o controlador solicitou um oitavo ventilador em túnel, a velocidade dos ventiladores de velocidade variável (GALPÃO B) foi aumentada para igualar a capacidade de movimento de ar de oito ventiladores de 48” (450 rpm ou 82%) do GALPÃO A.

Com a configuração a seguir: - GALPÃO A operando com 8 ventiladores - GALPÃO B operando com 6 ventiladores a 82% A velocidade do ar na área zero de ambos os galpões foi de aproximadamente 2,43m/s e 1,5m/s nas laterais. Os seis ventiladores de 55” do GALPÃO B foram capazes de mover aproximadamente 30% mais de ar quando funcionaram a 100%, embora o controlador ambiental tenha sido definido somente para permitir 100% em caso de temperaturas internas excessivas. É importante considerar que o objetivo do estudo não era aumentar a velocidade do ar no galpão com os novos ventiladores (GALPÃO B), mas fazer coincidir a capacidade de movimento de ar do sistema de ventilação existente com ventiladores muito mais eficientes energeticamente.


2

Potência do ventilador (watts)

A Figura 3 ilustra o uso total de energia dos ventiladores em túnel de acordo com o número de ventiladores que operam em cada galpão

Capacidade de movimento do ar vs. velocidade do ventilador Figura 3. Uso total de potência do ventilador vs. número de ventiladores operando

8.500 8.000 7.500 7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 0

1 0

GALPÃO DE CONTROLE A 48”

GALPÃO B Variable 55” 0

1

2

3 4 5 Número de ventiladores operando

GALPÃO DE CONTROLE A 8

1.000 W Potência fixa

Situação inicial

48“

0

GALPÃO B

GALPÃO DE CONTROLE A

6 Ventiladores Velocidade Variável

6 Ventiladores

operam a 68%

1.000 W x 6 = 6.000 W

Situação 7 ventiladores

Ventiladores de parede inclinada

350 W x 6 = 2.100 W

6 Ventiladores Velocidade Variável

1.000 W x 7 = 7.000 W

8 Ventiladores

530 W x 6 = 3.710 W

8

Cada um dos oito ventiladores de 48” do galpão de controle (GALPÃO A) usa aproximadamente 1.000 watts de potência independente de que seja o primeiro ventilador ou o oitavo ventilador a ser ligado.

Quando os primeiros seis ventiladores de velocidade variável estão ligados, estão configurados para operar a 68% da velocidade máxima para igualar a capacidade de movimento de ar dos ventiladores de 48” no galpão adjacente. Como resultado, consumirão apenas cerca de 350 watts em comparação com os 1.000 watts consumidos pelos ventiladores de 48” no galpão adjacente (65% de redução no uso de energia).

Quando o controlador solicitar um sétimo ventilador no galpão de controle A, cada um dos seis ventiladores de velocidade variável será acelerado um pouco para coincidir com a capacidade total de movimento de ar de sete ventiladores de 48” e o uso de energia de cada ventilador aumenta para 530 watts.

2

6 Ventiladores Velocidade Variável

1.000 W x 8 =8.000 W

7

1

7Ventiladores

Situação 8 ventiladores

6

740 W x 6 = 4.440 W

Quando o controlador solicitar um oitavo ventilador, a velocidade dos seis ventiladores aumentará novamente e o uso de energia de cada ventilador aumentará para 740 watts.

Embora o uso de energia de cada um dos ventiladores de velocidade variável aumente à medida que o controlador aciona o sétimo e o oitavo ventilador no galpão de controle, o resultado é uma redução significativa no uso total de energia dos ventiladores.

16 aviNews América Latina Março 2018 | Economia energética com ventiladores em túnel


Uso total de potência do ventilador cada hora (kw*hrs)

8 7

Potência quando conectado a um sistema de registro de dados configurado para registrar o consumo de energia a cada 15 minutos. A Figura 4 ilustra o uso total de energia do ventilador, por hora, durante os primeiros dez dias do lote de reprodutoras. Observamos uma redução significativa no uso total de energia do ventilador.

GALPÃO DE CONTROLE A 48” GALPÃO B Variável 55”

6 5 4 3 2 1

Figura 4. Uso de potência do ventilador a cada hora

CONCEITO DE FRANGOS DE CORTE A Roxell desenvolve, fabrica e comercializa equipamentos que ajudam os avicultores a produzirem proteína animal da forma mais rentável possível.

/

sistema de alimentação

/

sistema de bebedouros tipo niple

/

aquecedor infravermelho

/

sistema de ventilação

Conheça mais em roxell.com

ut 30 O

ut 29 O

ut 28 O

ut 27 O

ut 26 O

ut 25 O

ut 24 O

23 O

ut

ut 22 O

ut 21 O

20 O

ut

0


A Figura 5 ilustra o custo diário de operação dos ventiladores em cada um dos galpões assumindo um custo de energia de $ 0,10 kW/h. Como era de se esperar, os ventiladores em túnel de velocidade variável reduziram o uso de energia desse equipamento entre 46% e 65%, dependendo do número de ventiladores que operem ao longo do dia.

frangos

Embora estejamos no início de um estudo de um ano, esta janela inicial para a economia potencial de energia no uso de ventiladores de velocidade variável ilustra porque existe um interesse crescente neste conceito.

9$

Custo diário de energia do ventilador

8$

Custo diário por ventilador a 0,10 kW/h

7$ 6$ 5$

GALPÃO B Variável 55”

GALPÃO DE CONTROLE A 48”

4$ 3$ 2$ 1$

Figura 5. Custo diário de energia do ventilador a $0,10 por kW/h

18 aviNews América Latina Abril 2018 | Economia energética com ventiladores em túnel

ut 30 O

ut 29 O

t 28 O u

ut 27 O

ut 26 O

25 O ut

t 24 O u

ut 23 O

ut 22 O

21 O ut

20 O

ut

0$


Ventiladores em túnel de velocidade variável Uma garantia do futuro Devido ao potencial de economia de energia significativo, há poucas dúvidas de que, no futuro, os galpões de aves de produção utilizem ventiladores em túnel de velocidade variável.

Número ideal de ventiladores Qual é o número ideal de ventiladores de velocidade variável que deve ser instalado? Quando os ventiladores de velocidade variável operam a

Mas antes de se tornarem comuns, há

toda velocidade, tendem a não ser

uma série de perguntas a responder:

muito mais eficientes do que muitos

Economia

ventiladores de velocidade fixa.

Atualmente, os ventiladores de velocidade variável e os controles associados são duas ou três vezes mais dispendiosos do que os ventiladores tradicionais de

A chave para economizar energia é instalar ventiladores suficientes. Quanto mais ventiladores forem instalados, menos horas deverão operar a 100% e maiores serão as

velocidade fixa.

frangos

economias de energia. No entanto, o custo inicial será maior.

Vida útil/confiabilidade Os ventiladores de velocidade variável requerem controladores

Economia energética

de velocidade eletrônicos que,

Economia de energia em comparação

se falharem, fazem com que seja

com os ventiladores modernos.

praticamente impossível operar com a ventilação.

Este estudo atual está analisando a substituição de velhos ventiladores em

Controle

túnel com classificações de eficiência energética mais baixas que a maioria

Atualmente, nem todos os controladores ambientais das granjas de aves de produção podem ser modificados facilmente para controlar adequadamente muitos ventiladores de velocidade variável.

dos ventiladores em túnel modernos. Os estudos devem ser realizados comparando o ventilador moderno, igual ou similar, com e sem tecnologia de velocidade variável.

A resposta a estas preguntas e a outras serão abordadas futuramente, à medida que continuem os testes nesta granja e em outras, onde atualmente estamos experimentando esta nova e promissora tecnologia.

Economia energética com ventiladores em túnel BAIXAR O PDF

19 aviNews América Latina Abril 2018 | Economia energética com ventiladores em túnel


QUER MAiS Do Seu CULTIVO DE LEVEDURA? Grandes mentes pensaM igual. Sou um frango inteligente, com seus melhores interesses de fundo. Alcancei todos meus objetivos de peso, consistentemente e com facilidade. E suas aves também podem fazer o mesmo. Meu segredo? A-MAX™ minimiza os riscos de variação na qualidade do alimento e através da cepa comprovada de levadura ajuda a estar preparado para as demandas de crescimento, produção e manutenção. É hora de trocar? Acredito que sim.

#ScienceHearted

Para mais informações sobre A-MAX, contate seu nutricionista veterinário o representante da ARM & HAMMER™ ou visite AHanimalnutrition.com. © 2018 Church & Dwight Co., Inc. ARM & HAMMER, A-MAX y sus logotipos son marcas registradas de Church & Dwight Co., Inc. AMP04182637ESP


AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

E DIAGNÓSTICO

DE

ESTRESSE EM FRANGOS PELO DESENVOLVIMENTO DE NOVA

ESTRATÉGIA MOLECULAR frangos

Dr. Fábio Pértille Médico veterinário, Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”

21 aviNews América Latina Abril 2018 | Diagnóstico de estresse em frangos pelo desenvolvimento de nova estratégia molecular


A galinha é um organismo ideal para estudos em filogenia, embriologia, medicina e diversas áreas da pesquisa. A proteína de frango é conhecida por

Para atingir estes padrões de produção de

possuir baixo grau de gordura, elevado

carne de alta qualidade, foram aplicados

grau de insaturação de ácidos graxos e

grandes avanços em nutrição e gestão destes

baixos níveis de sódio e colesterol, que

animais.

respondem à demanda atual do consumidor.

frangos

O frango doméstico (Gallus gallus domesticus) tem sido uma das principais fontes de proteína de alta qualidade para humanos

Todavia, grande parte dos avanços até então alcançados, são advindos da alta pressão de seleção dos animais em programas de melhoramento genético para obtenção de índices ótimos: Carcaça Eficiência Crescimento

22 aviNews América Latina Abril 2018 | Diagnóstico de estresse em frangos pelo desenvolvimento de nova estratégia molecular


frangos

Baseado em informações genômicas, o uso de abordagens moleculares tem sido uma ferramenta fundamental para entender genes que controlam características de interesse comercial para melhorar as estratégias de seleção dentro dos programas de melhoramento já existentes

Estas abordagens moleculares não só contribuem para a melhoria da seleção, mas também para a compreensão da história evolutiva das galinhas e dos mecanismos genéticos e epigenéticos envolvidos neste processo evolutivo e na diversificação genética desta espécie. Este entendimento também é importante em um contexto humanitário para melhorar as necessidades dos animais e seus ambientes de criação, visto que os modelos atuais de produção em larga escala são questionados em relação à saúde e bemestar animal.

23 aviNews América Latina Abril 2018 | Diagnóstico de estresse em frangos pelo desenvolvimento de nova estratégia molecular


Neste sentido, nosso grupo de pesquisa no Brasil uniu esforços em colaboração com um grupo de pesquisa na Suécia para otimização de técnicas moleculares para identificação de marcadores que nos ajudassem a entender os genes controladores de caraterísticas de desempenho

Sequenciamento de próxima geração (NGS)

e bem-estar em frangos.

Para entender os mecanismos moleculares que regem estas características de interesse, especialmente na última década, surgiram abordagens de sequenciamento de alto rendimento, também chamados de sequenciamento de próxima geração (NGS, Next-Gen Sequencing)

Estas metodologias forneceram uma grande quantidade de informações a serem usadas tanto para identificação de mutação genética, como variações epigenéticas por meio de marcadores moleculares chamados: polimorfismos de nucleotídeos únicos (SNPs) e janelas de metilação diferencial no DNA (DMRs).


Neste sentido, tendo em vista a demanda na criação de um método de custo eficiente, realizamos simulações in silico para seleção de uma enzima de restrição (ER) que de uma fração reduzida do

responsáveis por alterações

genoma da galinha de forma

funcionais no genoma da galinha,

eficiente, econômica, confiável

ou podem ser localizados em

e reprodutível para descoberta,

regiões genômicas neutras, sendo

caracterização e validação de SNPs

fundamentais em muitos processos

e regiões metiladas.

e atividades genéticas.

frangos

permitisse o sequenciamento Esses marcadores podem ser

Esta estratégia possibilitou a obtenção de fragmentos

Além disso, a NGS permitiu o desenvolvimento

que apresentam distribuição

de painéis de SNP que permitem testes

abrangente e enriquecem regiões

generalizados de associações de SNPs com

de microcromossomos, que são

fenótipos específicos de interesse. No entanto,

subrepresentados nos painéis

estes painéis de SNPs têm cobertura limitada

de genotipagem disponíveis

em regiões genômicas funcionalmente

comercialmente.

importantes em populações experimentais. Embora a NGS tenha poder suficiente para detectar polimorfismos informativos, seu alto

in silico: Feito por computador

custo a torna impraticável para utilização no melhoramento genético animal, estudos de associação genômica ampla (GWAS) e estudos para detecção de DMRs por imunoprecipitação do DNA metilado (MeDIPS).

25 aviNews América Latina Abril 2018 | Diagnóstico de estresse em frangos pelo desenvolvimento de nova estratégia molecular


Regiões dos microcromossomos são ricas em

Assim, a partir de uma abordagem

genes com alto conteúdo de CpG*.

desenvolvida em Cornell, EUA, descrita

A citosina (C) dos dinocleotídeos CpGs é passível de metilação em animais, podendo ser utilizada como marcador epigenético.

anteriormente para o milho, realizamos uma detalhada descrição, passo a passo, da otimização completa do protocolo reprodutível com base no sequenciamento reduzido do genoma do frango.

Citosina

ESTUDO

462 A partir de 462 animais genotipados usando este protocolo, foi possível identificar SNPs associados com características de desempenho em galinhas.

frangos

Parte destes SNPs já foram descritos como associados com as mesmas características em outras populações e outros revelaram novas regiões candidatas. O detalhamento destas regiões genômicas associadas com desempenho foi também publicado em forma de artigo científico.

Esta metodologia de baixo custo também teve colaboração de pesquisadores da Universidade Federal da Amazônia para aplicação da técnica em uma espécie (Colossoma macropomum) de peixe da Amazônia, conhecido como Tambaqui.

A metodologia desenvolvida também permitiu um aprimoramento na técnica de sequenciamento de DNA metilado por imunoprecipitação (MeDIPseq), visto que nossa abordagem utilizando RE mostrou um padrão de cobertura no genoma que o torna único em comparação com outras abordagens. Esse perfil inclui não apenas um enriquecimento de diferentes regiões funcionais, mas também uma alta interrogação de microcromossomas, que são regiões ricas em CpG e apresentam maior densidade de genes do que os macrocromossomos. Isto nos fez considerar o uso desta metodologia para o desenvolvimento de outros estudos envolvendo acesso de perfis de metilação de indivíduos. SNPs: Polimorfismos de nucleótidos únicos

*Ilhas CpG: regiões de DNA onde existe uma grande concentração de pares de citosina e guanina ligados por fosfatos

26 aviNews América Latina Abril 2018 | Diagnóstico de estresse em frangos pelo desenvolvimento de nova estratégia molecular


Tradicionalmente, a análise de regiões diferencialmente metiladas (DMR) considera o genoma completo e tem custo elevado. Nossa descoberta possibilitou reduzir o preço da técnica por meio da utilização de uma ER derivada da otimização do GBS*.

CONCLUSÕES

Os CpGs enriquecidos por digestão com enzima de restrição podem ser usados como sentinelas de estresse prolongado.

Em resumo, nosso trabalho resultou na descoberta de regiões genômicas, associadas ao desempenho em galinhas, e na mensuração de estresse em animais, por quantificação de

Utilizamos DNA de eritrócitos de galinhas, visto que são células de fácil acesso a campo e fácil isolamento do tecido sanguíneo, em condições diferentes de criação (criados em gaiola vs aviário aberto).

regiões diferencialmente metiladas. Esta metodologia nos aproxima muito do desenvolvimento de uma de estresse em animais, submetidos a diferentes condições de criação,

Identificamos centros de regiões diferenciadamente metiladas.

e da realidade da aplicação direta dos resultados obtidos por meio de

Estas DMRs podem ser acessadas no repositório (EMBL-EBI) do European Nucleotide Archive (ENA) sob número de acesso PRJEB21356.

*GBS: Genotipificação por sequenciação

frangos

ferramenta definitiva para diagnóstico

ferramentas moleculares ao campo.

Avaliação de desempenho e diagnóstico de estresse em frangos pelo desenvolvimento de nova estratégia molecular BAIXE O PDF

Este trabalho contou com o apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e, atualmente, sua continuidade recebe o respaldo da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). As referências podem ser requeridas por petição.

27 aviNews América Latina Abril 2018 | Diagnóstico de estresse em frangos pelo desenvolvimento de nova estratégia molecular


PLANTA DE INCUBAÇÃO LIVRE DE PREOCUPAÇÕES É um estado de espírito. Saber que a equipe está bem, que o HVAC é eficiente e que os embriões estão acomodados em um ambiente perfeito.

www.jamesway.com

La Compañía de Incubació n


PRÁTICAS OU MANEJO

DA PLANTA INCUBADORA

DIMINUIÇÃO DA MORTALIDADE PRECOCE NA GRANJA

incubação

Juan Carlos López, DVM, MVSc, PhD Hendrix Genetics

A

terceira fase do ciclo total de vida de um frango até chegar ao abatedouro ocorre na planta

incubadora: 20 a 21 dias de incubação

+ 35 a 40 dias na granja.

Os manejos e práticas realizados na planta incubadora podem aumentar o potencial genético dos pintos, comprometê-lo e, no pior dos casos, ser a causa da mortalidade ao chegar à granja

29 aviNews América Latina Abril 2018 | Práticas ou manejo da planta incubadora


Desinfecção correta dos ovos e transporte para a granja

Recebimento dos ovos férteis e armazenamento na planta Deve-se controlar a temperatura dos ovos

Partindo do princípio de que os ovos

ao serem descarregados do caminhão e no

dessa indústria provêm de aves saudáveis,

trajeto para dentro da planta.

devemos garantir que: Haja coleta frequente dos ovos.

Aumentos na T

Os ninhos sejam suficientes, estejam

podem fazer com

limpos e sejam fechados à noite.

que os ovos “suem”.

A desinfecção, independente do produto utilizado, seja realizada o mais cedo possível.

Ao diminuir novamente a temperatura ao entrar na planta incubadora, os

Os ovos sejam armazenados em

agentes patogênicos que estavam na

temperatura abaixo do zero

superfície da casca podem ter acesso

incubação

fisiológico.

ao interior dos ovos.

O caminhão, que transporta os

Os agentes patogênicos que

ovos da granja para a planta, seja

penetraram podem causar

previamente limpo, desinfetado e

mortalidade embrionária durante o

sua temperatura seja igual ou menor

processo de incubação, ou estarem

que a do recinto de armazenamento

presentes nas aves no momento

dos ovos na granja.

do nascimento e serem causa de mortalidade na granja.

Tabla 1. Tabela de referência da temperatura para evitar que os ovos suem.

Zero fisiológico 1

Temperatura fora do local de armazenamento

Temperatura do local de armazenamento

15°C

18°C

21°C

24°C

21°C

> 85 % HR

18°C

> 83 % HR

> 71 % HR

16°C

> 89 % HR

> 74 % HR

> 60 % HR

11ºC

> 74 % HR

> 64 % HR

> 53 % HR

> 44 % HR

É quando a temperatura é baixa o suficiente para manter a atividade celular do embrião a um nível reduzido, mas que seja reversível, isto é, que o embrião esteja apto a continuar seu desenvolvimento posterior.

30 aviNews América Latina Abril 2018 | Práticas ou manejo da planta incubadora


Reidratante em gel para pintinhos Melhora o arranque e o peso corporal do pintinho na primeira semana de vida. Melhora o sistema imunolĂłgico e gatrointestinal do pintinho. Melhor qualidade de pintinho.


O objetivo do pré-aquecimento é fazer com que os ovos, antes de serem colocados na incubadora, tenham temperatura e grau de desenvolvimento semelhantes, o que favorece que o maior número de aves nasça ao mesmo tempo e que não se desidratem

Temperatura embrionária

A temperatura embrionária é o fator mais determinante não somente para o nascimento, mas também para o desenvolvimento corporal adequado e, portanto, para a boa sobrevivência na granja. Temperaturas acima de

desnecessariamente nos nascedouros

101oF (38,3oC) têm sido

à espera de que as outras aves estejam

associadas a problemas de

prontas.

patas, malformação e mau posicionamento (Foto 1).

O tempo de pré-aquecimento deve ser o necessário para que a temperatura interna dos ovos chegue a 25°C (77°F)

Problema de cicatrização umbilical (Foto 2).

incubação

Pré-aquecimento

Temperatura, ventilação e umidade

do saco da gema

carbono (mais de 1000 ppm no local das

(Foto 3. Esquerda, saco da

incubadoras; mais de 3000 ppm dentro

gema 8%; direita, 25%).

da incubadora) são o resultado de uma ventilação inadequada, que deve ser corrigida.

A falta de utilização do saco da gema (sacos da gema maiores que 15%) contribui para a falta de

Em nascedouros, o nível mais alto dentro

desejo das aves de buscar alimento e água

da máquina não deve superar 6000 ppm; geralmente está num nível entre 3500-4500 ppm. Após o nascimento das aves, o nível de CO2 deve ser inferior a 2500 ppm. Sem um nível adequado de oxigênio nos nascedouros, o mecanismo de utilização do saco da gema se vê comprometido

Umidade

Ventilação

Falta de utilização Níveis muito altos de dióxido de

A umidade das incubadoras deve ser tal que, no momento da transferência, os ovos tenham perdido cerca de 12% do peso inicial. Perdas muito baixas de peso serão refletidas em câmaras de ar pequenas que dificultarão a saída das aves, resultando em lacerações conhecidas como articulações avermelhadas. Uma ave com problemas locomotores ao chegar à granja, não vai caminhar em busca de comida e alimento e vai morrer de inanição e desidratação na primeira semana na granja

33 aviNews América Latina Abril 2018 | Práticas ou manejo da planta incubadora


Janela de nascimento Calcular a janela de nascimento é uma prática

T corporal das aves em nascedouros e durante o armazenamento

que deve ser rotineira. Isso proporciona

Após a maior parte das aves terem saído

informação vital sobre o número de horas

da casca, deve-se medir sua temperatura

de incubação total que os ovos estão

corporal e realizar os ajustes necessários

demandando, já que por diferentes manejos

para que estejam entre 39,4 e 40oC

na granja a condutância das cascas pode

(temperatura cloacal) (103 e 104oF).

mudar e, portanto, o perfil de incubação que

Durante o processo de sexagem e

incorreto.

incubação

Em frangos de corte, no máximo 2% das aves devem estar fora das 30 horas do momento programado para que sejam processados

Processo de determinação do sexo & vacinação

tem sido usado com sucesso pode ser agora

vacinação, a temperatura corporal das aves pode baixar, mas devem recuperá-la no recinto de espera, antes de serem transportadas. Temperaturas superiores ou inferiores produzem grandes perdas de peso. Ao terminar de serem processadas, as aves devem ser enviadas para a granja o quanto antes para que se alimentem e bebam água.

Um atraso desnecessário no fornecimento de ração e água afeta negativamente o desenvolvimento intestinal, a imunidade e o ganho de peso das aves

A sobrevivência das aves ao chegar à granja depende depende, em grande medida, das condições das condições ambientais oferecidas durante a incubação.

Temperatura embrionária, perda de peso, janela de nascimento ou temperatura cloacal são algumas das medições necessárias para garantir o correto desenvolvimento embrionário e o bem-estar das aves.

Práticas ou manejo da planta incubadora. Diminuição da mortalidade precoce na granja BAIXE O PDF

34 aviNews América Latina Abril 2018 | Práticas ou manejo da planta incubadora


Torne-se o campeão

da eclosão

Petersime do Brasil Rod. Jorge Zanatta, 6.537 - Anel Viário - Bairro Presidente Vargas - 88820-000 - Içara - SC Brazil T +55 (0)48 3437 0900 - vendasbrasil@petersime.com - www.petersime.com


PREVENÇÃO & CONTROLE DA DOENÇA DE MAREK

A. Gregorio Rosales, DVM, MS, Ph.D, DACPV Consultor em saúde avícola

O

patologia

vírus da doença de Marek “MDV” é um herpes-vírus extremamente contagioso que pode causar:

Mortalidade Imunossupressão severa Tumores Infiltrações linfocitárias em diferentes órgãos e tecidos Outros vírus da família dos retrovírus também são capazes de causar doenças tumorais em reprodutoras pesadas, como as leucoses e a reticuloendoteliose.

A doença de Marek continua sendo uma ameaça mundial para a saúde e para a viabilidade e rendimento produtivo de reprodutoras pesadas. O vírus continua evoluindo e torna-se mais letal

Em alguns casos, podem ocorrer infecções mistas de vírus de Marek e retrovírus aviários, dificultando o diagnóstico; além disso, ocasionalmente podem surgir tumores espontâneos de origem não infecciosa.

Este artigo é uma breve revisão das práticas mais importantes de controle e prevenção de Marek, processos adequados de vacinação e as etapas para um diagnóstico correto.

37 aviNews América Latina Abril 2018 | Prevenção e controle da doença de Marek


Vírus de Marek. Infecção e transmissão 1

O vírus de Marek se replica no epitélio folicular das penas e é disseminado no ambiente através de células epiteliais descamadas que se combinam com a poeira ambiental, onde o vírus pode sobreviver por longos períodos.

2

3

A infecção começa quando os pintinhos inalam ar contaminado com poeira ou células da descamação, e o vírus chega aos pulmões, onde é capturado por macrófagos e células dendríticas.

A poeira contaminada pode acumular nas roupas, calçados, ovos e materiais de embalagem.

Entorno

Ela se dispersa no ar com extrema facilidade e, assim, serve de veículo para a transmissão do vírus.

patologia

O vírus chega aos folículos das penas, onde completa o ciclo de replicação e é excretado dentro de células epiteliais descamadas, que se incorporam à poeira do ambiente.

Linfoma MD

Fase latente: linfócitos

É importante reconhecer que, ainda que a vacinação pode reduzir o grau de infecção e transmissão do vírus, é incapaz de prevenir totalmente a infecção, replicação e liberação de vírus patogênicos no ambiente. É impossível evitar que aves saudáveis, produtivas e livres de problemas clínicos sejam portadoras de vírus patogênicos, sendo, portanto, fonte de infecção para outras aves.

Infiltração de nervos

Transformação de linfócitos 3/4 semanas

38 aviNews América Latina Abril 2018 | Prevenção e controle da doença de Marek

Linfócito T potencialmente infectado


4

As células dentríticas processam e transportam o vírus para órgãos linfoides, onde infetam os linfócitos B e, posteriormente, os linfócitos T.

patologia

Replicação precoce nos pulmões

Infecção

Linfócito B

Fase citolítica precoce Morte celular

Linfócito T ativado 1 semana Morte celular

5

A vacinação previne a proliferação de linfócitos T tumorais (onde o vírus pode estar latente antes de gerar tumores)

39 aviNews América Latina Abril 2018 | Prevenção e controle da doença de Marek


Historicamente, a vacinação tem sido um fator determinante para a prevenção da doença e o crescimento da indústria. A maioria das vacinas disponíveis é de vírus vivo e associada a células.

Vacinas comerciais de vírus vivo As vacinas comerciais de vírus vivo incluem:

Vacinas de vírus vivo

e/ou serotipo 1 -CVI-988 (Rispens)-

2

Com a combinação dos serotipos 1 e 2, maximiza-se o grau de proteção. A combinação de HVT com Rispens é a mais usada para proteger reprodutoras contra vírus extremamente virulentos.

Vacinas de vetores ou recombinantes

rHVT/NDV: Marek+Newcastle rHVT/ILTV: Marek+Laringotraqueíte rHVT/AIV: Marek+Influenza aviária rHVT/IBDV/NDV: Marek+Gumboro+Newcastle rHVT/IBDV/ILTV: Marek+Gumboro+Laringotraqueíte

Vacinas recombinantes

In ovo patologia

Subcutânea ou intramuscular Vacinas HVT

1

Serotipos 2 -SB-1 y 301/B1-

Serotipo 3: Herpes-vírus de peru (HVT)

rHVT/IBDV: Marek+Gumboro

No nascimento, por via subcutânea ou intramuscular

A vacina HVT pode ser combinada com vacinas de:

Serotipo 2: SB-1 y 301/B1

As vacinas de vetores ou recombinantes são combinações de rHVT com inserções genéticas de outros vírus.

Na vacina de vírus vivo, ele se replica e permanece dentro de células cultivadas para a produção das vacinas, que podem ser injetadas: Em embriões, aos 18 dias de incubação (método in ovo)

Serotipo 1: CVI-988 (Rispens)

Vacinas tradicionais

Vacinas

As vacinas recombinantes contêm HVT, que funciona como vetor para inserir genes codificadores de proteínas imunizantes de outros vírus. Induzem imunidade contra o vetor HVT e contra as proteínas expressas do vírus forasteiro. As vacinas recombinantes não devem ser usadas isoladamente em reprodutoras, nem combinadas com outros vírus HVT ordinários ou rHVT recombinantes, pois a resposta para as proteínas do vírus invasor será comprometida.

40 aviNews América Latina Abril 2018 | Prevenção e controle da doença de Marek


Manipulação e preparação de vacinas As vacinas associadas a células são conservadas em nitrogênio líquido (–196°C/ –320°F) e são reconstituídas em diluentes específicos fornecidos pelo fabricante. As vacinas livres de células são liofilizadas e refrigeradas, mas não são usadas industrialmente. A reconstituição e a administração das vacinas devem ser realizadas seguindo estritamente os protocolos recomendados pelo fabricante.

patologia

A higiene rigorosa da sala de preparação de vacinas e da equipe de vacinação é um requisito imprescindível para evitar contaminações.

A importância da constante formação Os processos de armazenamento, descongelamento, reconstituição, higiene e administração das vacinas demandam treinamento periódico e auditorias rotineiras por especialistas em controle interno e externo de qualidade.

É imprescindível seguir sempre as recomendações das empresas produtoras de vacinas. Não se deve incorporar aditivos e/ou antibióticos indiscriminadamente aos diluentes das vacinas.

Os produtores devem consultar veterinários especialistas, familiarizados com os produtos disponíveis, sobre diferentes estratégias de vacinação, desafios locais e processos de seleção, manipulação, preparação e administração de vacinas.

41 aviNews América Latina Abril 2018 | Prevenção e controle da doença de Marek


Administração da vacina A administração de vacinas in ovo tem melhorado a proteção contra doenças e tem tido efeito positivo na resposta imune não específica contra outros agentes.

patologia

Em situações de grande desafio e quando frangos são transportados em viagens longas, é comum administrar uma vacina in ovo seguida de uma segunda dose no nascimento.

42 aviNews América Latina Abril 2018 | Prevenção e controle da doença de Marek

A administração de uma vacina in ovo, seguida de uma segunda dose no nascimento, tem melhorado substancialmente a proteção em áreas com alta densidade avícola, granjas de idades múltiplas e em operações que reutilizam a cama aviária

As vacinas já reconstituídas devem ser mantidas sob refrigeração e devem ser administradas num período de 30 a 60 minutos, além de serem periodicamente agitadas com suavidade para prevenir a sedimentação das células e garantir uma dose uniforme.


Falhas na vacinação

Fatores que influenciam as falhas de vacinação Deficiências no armazenamento, na manipulação, na preparação e na administração de vacinas.

Os pintinhos não estarão protegidos até que o vírus da vacina estabeleça a viremia, o que pode levar entre 4 e 5 dias. É essencial diminuir o risco de infecção precoce pelo vírus de Marek e outros agentes imunossupressores, o que se pode obter com limpeza, desinfecção,

Títulos vacinais baixos ou diluição excessiva de vacinas. Uso de aditivos (antibióticos) que afetam o pH e/ou a osmolaridade do diluente. Interferência de outros vírus na resposta contra a vacina de Marek. Exposição precoce a vírus de Marek muito letais.

descanso sanitário e

Imunossupressão por outros agentes

biossegurança.

infecciosos (Gumboro ou anemia

Fatores do manejo

infecciosa). Estresse calórico durante o nascimento, processamento ou transporte. Condições impróprias durante a criação e o desenvolvimento. Alta densidade, espaço insuficiente para comedouros e bebedouros, distribuição deficiente de alimento, ou baixo peso e baixo desenvolvimento corporal. Baixa qualidade de ingredientes nutricionais, altos níveis de micotoxinas ou níveis inadequados de nutrientes essenciais.


Diagnóstico As lesões tumorais podem surgir a partir das 3 semanas de idade, mas são mais frequentes durante o desenvolvimento e perto da maturidade sexual. Recentemente, observaram-se problemas relacionados ao pico da produção, fenômeno conhecido como Marek tardio.

patologia

O isolamento do vírus tem pouco valor diagnóstico porque mesmo as aves protegidas e saudáveis podem ser infectadas.

Amostras recomendadas para o diagnóstico Frequentemente é necessário o uso de

O diagnóstico deve ser baseado no

métodos imuno-histoquímicos, ou

histórico clínico, incluindo mortalidade, lesões que incluam nervos periféricos engrossados, tumores em vários órgãos internos, nódulos na pele e irregularidades na forma e na coloração dos olhos (olho cinza), que devem ser confirmadas pela histopatologia.

moleculares,que possam detectar proteínas específicas, ou altas concentrações de DNA do vírus de Marek nos tecidos, descartando outros vírus oncogênicos.

É importante coletar uma série completa de tecidos para serem examinados por um especialista em patologia aviária

As amostras recomendadas para o diagnóstico são resumidas a seguir: Histopatologia (tecidos afetados em uma solução de formaldeído a 10%): Fígado, rim, baço, proventrículo, nervos periféricos (ciático, vago, mesentéricos), encéfalo, bursa de Fabricius, gônadas, pele e olhos. Exames PCR e imuno-histoquímica Tecidos afetados congelados, impressão dos tecidos em cartões FTA, tecidos fixados e em blocos de parafina.

44 aviNews América Latina Abril 2018 | Prevenção e controle da doença de Marek


Quando há mortalidade e possíveis tumores, devem ser selecionadas aves caquéticas e/ou letárgicas ou paralisadas, ou que tenham morrido recentemente, para realizar os métodos confirmatórios descritos. Deve-se coletar um histórico clínico detalhado, incluindo o histórico de vacinação, mortalidade semanal e porcentagem de aves com lesões aparentemente tumorais.

patologia

Uma vez confirmado o diagnóstico, devem ser investigadas as possíveis causas. É possível encontrar infecções mistas com vírus de Marek e outros vírus tumorais, o que requer exames adicionais. O isolamento do vírus somente é adotado, ocasionalmente, para caracterizar sua patogenicidade em aves suscetíveis. O controle da doença de Marek depende da correta seleção de vacinas; de um excelente processo de manipulação de vacinas e da vacinação; de biossegurança, limpeza e desinfeção; e do controle de outros agentes imunossupressores. O diagnóstico confirmatório exige uma abordagem correta no laboratório e a exclusão de outras possíveis causas de tumores. Prevenção e controle da doença de Marek BAIXE O PDF

45 aviNews América Latina Abril 2018 | Prevenção e controle da doença de Marek


REDUÇÃO DA

CONTAMINAÇÃO POR SALMONELLA DURANTE O PROCESSAMENTO

O

s problemas de qualidade da cama aviária e o uso de nebulizadores para combater o calor podem fazer

A aviNews presta homenagem

com que as aves se molhem e se sujem com

ao Dr. Scott Russell, publicando

material da cama e excrementos, o que

uma versão resumida deste

pode gerar sério problema de contaminação

artigo escrito pouco antes de

na planta de processamento, por haver uma

seu falecimento.

grande quantidade de matéria orgânica no tanque de escaldagem.

A água contaminada entrará em contato com a pele restante das aves, de forma que, durante sua passagem pela depenadeira, as bactérias da água suja vão se fixar à pele e aos folículos das penas.

47 aviNews América Latina Abril 2018 | Redução da contaminação por salmonella durante o processamento

abatedouro

Scott M. Russell Departamento de Zootecnia Avícola, Universidade da Geórgia


A contaminação da pele e dos folículos

O objetivo é diminuir ao

das penas pela presença de agentes

máximo a matéria fecal

bacterianos na água, pode ser reduzida

presente sobre a pele das

em até 90% ao instalar uma escova e uma

carcaças antes que elas

ducha com cloro antes e depois do tanque

cheguem ao chiller.

escaldador.

Tanque de escaldagem O tanque de escaldagem é um dos pontos de contaminação com Salmonella mais importantes em qualquer planta de processamento. A maioria desses tanques não tem um fluxo de água adequado em

Figura 1. Substituição de múltiplos tanques de escaldagem para diluir a matéria orgânica

O fluxo de água deve ser abundante, de modo que a matéria orgânica no tanque possa ser efetivamente diluída. Uma prática recomendada é instalar múltiplos tanque de escaldagem para diluir ao máximo a matéria orgânica, como ilustrado na Figura 1.

Tanque 1

Saída de água

Tanque 2

Direção do fluxo de água

Tanque 3

Objetivo

abatedouro

contracorrente.

A água deve circular contra a direção das carcaças para uma lavagem efetiva.

O objetivo é reduzir ao mínimo a quantidade de matéria orgânica que entra no chiller, onde a eficácia de qualquer agente oxidante como o cloro é reduzida drasticamente, conforme aumenta a matéria orgânica.

48 aviNews América Latina Abril 2018 | Redução da contaminação por salmonella durante o processamento

Direção das aves

Entrada de água


Controle da contaminação cruzada com Salmonella no tanque de escaldagem Paradoxalmente, a ação de retirar a matéria orgânica de aves contaminadas,

Avaliação da eficácia da escaldadeira

na realidade, aumenta ainda mais a contaminação das outras carcaças, uma

A avaliação microbiológica do tanque de

vez que a matéria orgânica retirada infecta

escaldagem é fundamental para determinar

a água do tanque de escaldagem, criando

se o equipamento representa um ponto

assim condições para contaminação

de alto risco para contaminação por

cruzada.

Salmonella.

O uso de múltiplos tanques de escaldagem é muito importante para reduzir a contaminação.

A Figura 3 mostra um exemplo de tanque escaldador que não opera corretamente. Os possíveis motivos para esse problema incluem:

temperatura do tanque de escaldagem de aproximadamente 55 °C para 38-43 °C. Esta prática é prejudicial, pois faz a matéria orgânica submergir para o fundo do tanque

Temperatura muito baixa do tanque abatedouro

Algumas empresas reduzem a

Abastecimento de água insuficiente A água flui na mesma direção que as carcaças em vez de fazê-lo na contracorrente

e isso facilita a contaminação por Salmonella, que vive e, inclusive, se multiplica a 38 °C.

Figura 2. Escaldador funcionando como um banho e não como uma estação de lavagem em contracorrente Os tanques de escaldagem antigos não dispõem de um fluxo de água em contracorrente, sendo essa a pior situação para o controle da Salmonella. A situação se agrava quando a planta de processamento tem restrições de abastecimento de água.

49 aviNews América Latina Abril 2018 | Redução da contaminação por salmonella durante o processamento


Figura 3. Tanque de escaldagem com funcionamento inadequado, o que aumenta a contaminação por Salmonella conforme as carcaças transitam por ele

Uma vez implementadas essas correções,

70

microbiológica. A Figura 4 ilustra um cenário

60

realista numa planta de processamento que opera corretamente.

50 40 20

Figura 4. Tanque de escaldagem com funcionamento adequado, caso em que a contaminação é reduzida antes, durante e após a escaldagem das carcaças

10

70

30

0

Pré-escaldagem

Pós-escaldagem

abatedouro

Correção do problema Este problema pode ser corrigido com uma (ou mais) das seguintes ações: Estabelecer um fluxo de água em contracorrente

Prevalência de Salmonella (% positivo)

Prevalência de Salmonella (% positivo)

é importante fazer nova avaliação

60 50 40 30 20 10 0

Pré-escaldagem

Pós-escaldagem

Garantir uma temperatura da água de, no mínimo, 50 °C

Enfim, a escaldadeira é um

Instalar um sistema de escovação e

ponto importante para fazer

duchas de cloro imediatamente após o

intervenções que permitam o

sangramento para retirar o excesso de

controle efetivo da Salmonella,

matéria fecal antes da escaldagem

sendo especialmente relevante

Considerar a adição de algum produto químico no tanque

quando as avaliações microbiológicas demonstrem que o tanque de escaldagem é um ponto de risco importante.

50 aviNews América Latina Abril 2018 | Redução da contaminação por salmonella durante o processamento


Adição de produtos químicos ao tanque de escaldagem e controle das temperaturas Uma pesquisa da U.S. Poultry & Egg

Nenhum desses produtos é efetivo, pois

Association (Associação Americana de

o cloro perde a eficácia imediatamente

Produção de Aves e Ovos) revelou que

ao entrar em contato com matéria

aproximadamente 50% das empresas

orgânica e o hipoclorito de sódio não tem

utilizam cloro no tanque e 50% hipoclorito

impacto significativo sobre os níveis de

de sódio.

contaminação bacteriana.

Figura 5. Efeito de um produto químico para esterilizar a água da escaldadeira (redução de bactérias aeróbicas)

Pode-se considerar a adição de um

Controle

Tratamento

6

NaClO

desinfetante ácido, o que permite reduzir a temperatura da água, embora tenha grande impacto sobre a eficácia e o custo

5 3

Benefícios da utilização de produtos químicos no tanque de escaldagem

2 1 str a Am 1 ost ra Am 2 ost ra Am 3 ost ra Am 4 ost ra Am 5 ost ra Am 6 ost ra Am 7 ost ra Am 8 ost ra Am 9 ost ra 10

0

As Figuras 5 e Figura 6 ilustram as concentrações de bactérias antes e após a escaldagem quando se utiliza água sem produtos químicos e quando se utiliza produtos para reduzir o índice bacteriológico.

Quando se utiliza produtos químicos no tanque de escaldagem é possível reduzir a temperatura da água, o que pode trazer os seguintes benefícios: Facilidade na remoção das penas (quando a água é acidificada) Menor proliferação bacteriana,

Figura 6. Efeito de um produto redutor do índice bacteriológico sobre a concentração de E. Coli (unidades formadoras de colônias) detectada em carcaças imediatamente após a escaldagem Tratamento

5

Diminuição dos problemas de superescaldagem, especialmente no músculo do peito Diminuição no custo de energia para

4

manter a temperatura do tanque de

3

escaldagem

2

Menor cozimento excessivo da gordura subcutânea, o que permite melhores

0

rendimentos

str a Am 1 ost ra Am 2 ost ra Am 3 ost ra Am 4 ost ra Am 5 ost ra Am 6 ost ra Am 7 ost ra Am 8 ost ra Am 9 ost ra 10

1

Am o

Log10 unidade de formação de colônias/mL

Controle

incluindo a da Salmonella

51 aviNews América Latina Abril 2018 | Redução da contaminação por salmonella durante o processamento

abatedouro

da escaldagem

4

Am o

Log10 unidade de formação de colônias/mL

Cl


Controle da contaminação cruzada na depenadeira Os dedos de borracha das máquinas maiores riscos de contaminação cruzada nas plantas de processamento, por entrarem em contato direto com superfícies contaminadas para, posteriormente, entrar em contato com o resto das carcaças.

Pesquisas realizadas na universidade da Geórgia mostram que a água que se acumula no fundo dessas máquinas pode conter facilmente até 1 milhão de bactérias por mililitro, mesmo quando é utilizada água com uma concentração de cloro de 40 ppm.

Figura 7. Prevalência da Salmonella antes e depois da depenagem

Prevalência de Salmonella (% positivo)

depenadeiras representam um dos

A Figura 7 mostra o aumento da prevalência de Salmonella durante a depenagem.

AviPlus® P é a mais avançada combinação microencapsulada de ácidos orgânicos e compostos naturais idênticos para melhorar o crescimento e eficiência alimentar na avicultura, com aprovação específica da Autoridade Europeia de Segurança Alimentar (EFSA). É um produto exclusivo, cujos ingredientes são liberados lenta e oportunamente ao longo do trato gastrointestinal, onde podem melhorar de forma sinérgica a integridade intestinal, aumentando a eficiência na absorção de nutrientes e, consequentemente, o desempenho produtivo. Sua inovação e eficácia estão comprovadas por patentes internacionais e publicações em revistas científicas. AviPlus® P. Escolha a diferença que faz a diferença.

80 70 60 50 40 30 20 10 0

Antes da depenagem

Depois da depenagem


Avaliação da contaminação cruzada nas depenadeiras

Estudos subsequentes comprovaram que esta ação também tem grande impacto na redução da salmonella nas carcaças conforme saem do chiller.

Um problema quanto ao uso de produtos

Controle

Tasker Blue

6 5 4 3 2 1 0

Antes da depenagem

Depois da depenagem

abatedouro

Os efeitos foram realmente surpreendentes, pois a adição dos produtos Tasker Blue resultou em uma diminuição de 2,7 log10 (mais de 99%) de bactérias sobre a superfície das carcaças ao chegar à estação de reprocessamento.

Figura 8. Recontagem de bactérias aeróbicas antes da depenadeira e após a estação de reprocessamento Recontagem de bactérias aeróbicas (log10 cfu/mL)

A Figura 8 ilustra os dados resultantes de avaliações realizadas em tanques de escaldagem, depenadeiras e estações de pulverização tipo Nova York, onde foi adicionada água clorada (controles) ou o produto “Tasker Blue”.

Desinfecção química da cadeia de processamento

químicos no tanque escaldador ou na máquina depenadeira é que os

Em geral, existem três métodos para

administradores não estão acostumados

reduzir bactérias patógenas na cadeia do

a investir em nenhum ponto “no início do

processamento, excluindo-se:

processamento”, mas sim ao final. O investimento no início do processamento pode mudar rapidamente conforme for modificada a legislação relativa aos níveis de contaminação permissíveis para

O tanque de escaldagem A depenadeira O sistema de resfriamento Os sistemas de imersão após o resfriamento

Salmonella.

53 aviNews América Latina Abril 2018 | Redução da contaminação por salmonella durante o processamento


O propósito deste equipamento é lavar e esterilizar o equipamento de processamento que entra em contato com as carcaças, de forma a evitar a transferência da contaminação para outras estações e de

Efetividade do Cl

Propósito

Duchas

reduzir a contaminação cruzada entre

do cloro é o acúmulo de gordura ou de outros materiais orgânicos sobre o equipamento, o que impede a penetração do produto e seu combate às bactérias. Esses microrganismos são liberados

carcaças.

facilmente quando entram em contato físico

É importante contar com alta pressão da

com as carcaças, o que pode ocorrer com

água e adicionar produtos químicos como

frequência em equipamentos como escovas

o cloro. Pode-se utilizar também dióxido

dedicadas à retirada da matéria fecal após a

de cloro, ácido peracético, ou produtos

evisceração.

como Zentox ou TOMCO (ácido hipocloroso

Um ponto de alto risco é a máquina que retira o bucho, pois é comum encontrar patógenos como Salmonella e Campylobacter nesse órgão.

acidificado).

pH

abatedouro

Uma restrição importante para a efetividade

Para que o cloro funcione deve ser inferior a 6,5 após a adição do hipoclorito de sódio, o que pode ser obtido adicionando-se ácido cítrico ou dióxido de carbono à água

A Figura 9 ilustra alguns pulverizadores que não estão funcionando e outros que apresentam padrão de distribuição de água muito irregular.

pH nos sistemas de lavagem

corretamente, o pH da água O pH de todos os sistemas de lavagem deve ser mantido abaixo de 6,5 e deve haver um programa de qualidade que constantemente verifique a acidez da água para manter um bom controle da contaminação por bactérias. Deve-se verificar a pressão das duchas e garantir a desobstrução dos bicos pulverizadores.

Figura 9. Equipamento de lavagem funcionando de forma deficiente

Os bicos dos pulverizadores devem estar posicionados de forma que possam efetivamente lavar a superfície do equipamento que entra em contato com as carcaças, e de forma que a água lave as carcaças de fato.

54 aviNews América Latina Abril 2018 | Redução da contaminação por salmonella durante o processamento


Duchas para lavagem interna e externa das carcaças

Existem vários produtos químicos sendo testados experimentalmente para este

Estas duchas devem ser constantemente verificadas quanto aos níveis de:

propósito, entre eles: Dióxido de cloro

Cloro

Ácido peracético

Concentração de outros produtos

Zentox & TOMCO (ácido hipocloroso

químicos

acidificado)

pH Pressão e distribuição da água

A maioria das empresas utiliza cloro nos sistemas de lavagem

abatedouro

Recomendações gerais para estações de lavagem Algumas recomendações gerais para essas estações de lavagem incluem: Manter a pressão da água. Manter o nível correto de pH. Manter a concentração correta de cloro ou de qualquer outro produto químico. Manter a distribuição correta da água sobre as carcaças.

Um estudo conduzido por Northcutt et al. (USDA/ARS,2005) sugere que a adição de cloro às duchas de lavagem interna e externa das carcaças não tem efeito positivo nas contagens bacterianas de aeróbicos, como E. coli, Salmonella ou Campylobacter, pois em muitas circunstâncias o cloro não é capaz de penetrar na matéria orgânica se estiver em grande quantidade nas carcaças.

Redução da contaminação por Salmonella durante o processamento BAIXAR O PDF

55 aviNews América Latina Abril 2018 | Redução da contaminação por salmonella durante o processamento


O INÍCIO DA

POSTURA

PERÍODO-CHAVE PARA O

SUCESSO LOTE DE POEDEIRAS DE UM

poedeiras

Rafael Lera García Veterinário Especialista, Técnico da Hendrix Genetics Poedeiras

U

m dos períodos mais críticos da vida de uma poedeira e que tem impacto determinante nos

resultados produtivos de um lote, é o início da postura.

Num sentido amplo, esta fase inicial da postura compreenderia o tempo decorrido desde o alojamento das aves no galpão de produção até o tempo para que as galinhas atinjam o peso corporal adulto, o que na prática seria um período de 17 semanas a 30-35 semanas de vida.

57 aviNews América Latina Abril 2018 | O início da postura: período-chave para o sucesso de um lote de poedeiras


Manejo da nutrição durante o início da postura Num primeiro momento, as aves precisam superar o estresse do transporte e se adaptar ao novo ambiente. Mas o desafio fundamental é, a partir do aparecimento dos primeiros ovos, conseguir suprir as necessidades nutricionais das aves, não somente das produtoras (número e tamanho de ovos), que aumentam exponencialmente em poucas semanas, mas das de crescimento, que não concluirão até

Treinamento em recria

as 35 semanas de idade aproximadamente. Superar esse desafio com sucesso vai depender de diversos fatores, como: As características do alimento,

poedeiras

tanto em composição como em granulometria. Manejo na prática, não somente na granja de produção, mas também daquele que se tenha estabelecido previamente na fase de recria.

O objetivo da fase de recria deve ser o de obter um lote de frangas de qualidade, o que será determinado basicamente por: Cumprimento do perfil de peso corporal em recria Uniformidade do lote Capacidade de ingestão Idade para a maturidade sexual Estado de saúde do lote

As galinhas com um aparelho digestivo bem desenvolvido e uma boa capacidade de ingestão terão mais facilidade para aumentar rapidamente seu consumo, que idealmente deveria aumentar em torno de 40%, entre 5% de produção e o pico de postura

Frequentemente, tende-se a pensar fundamentalmente no peso da ave e na uniformidade, e deixando-se de lado um critério fundamental como o desenvolvimento da capacidade de ingestão. Na recria, e a partir da idade mais precoce possível, é preciso preparar as aves para satisfazer suas necessidades futuras, acostumando-as a ritmos de alimentação adequados, bem como favorecendo o desenvolvimento do seu aparelho digestivo.

58 aviNews América Latina Abril 2018 | O início da postura: período-chave para o sucesso de um lote de poedeiras


Características nutricionais do alimento

Sem dúvida, as aves manifestam maior apetite no

Quanto às características nutricionais

final do dia para enfrentar

do alimento, o utilizado na fase de

as necessidades energéticas

desenvolvimento, geralmente a partir das

noturnas.

10 semanas de idade, deverá ser uma fórmula relativamente pouco concentrada

De manhã, quando a luz é

(nível de energia inferior ao da fórmula

acesa e o aparelho digestivo

de crescimento, mas também inferior ao

está vazio, também se

da fórmula que será usada no início da

observa um pico de consumo

postura):

de alimento.

Altos níveis energéticos nessa fase aparelho digestivo e apresentam o

Na prática, a partir das 6 semanas de idade,

risco de frear o consumo no início

é recomendável ajustar os horários e a

da postura.

quantidade de alimento distribuído para que as aves consumam a ração completa

É recomendável diluir a dieta com matériasprimas que forneçam alto conteúdo de fibra insolúvel de estrutura grossa, o que vai favorecer o desenvolvimento e a funcionalidade do bucho e da moela.

diariamente, de forma que os comedouros fiquem vazios, preferivelmente para a metade do dia, durante um tempo que irá aumentando progressivamente (no mínimo 1 hora).

Em todo caso, deve-se evitar as distribuições de alimento muito frequentes, pois provocam um comportamento de seleção de partículas nas aves e uma maior heterogeneidade do lote

59 aviNews América Latina Abril 2018 | O início da postura: período-chave para o sucesso de um lote de poedeiras

poedeiras

limitam o desenvolvimento do


Programa de iluminação Sabe-se que a idade em que se aplica e a amplitude do estímulo luminosoé um dos fatores de maior impacto sobre a maturidade sexual das poedeiras.

Na prática, recomenda-se um primeiro aumento de, no mínimo,

Por outro lado, o peso corporal no

1 hora no momento do estímulo

momento do aumento do fotoperíodo

luminoso (quando se atingiu o peso

terá efeito determinante sobre o peso

corporal e a uniformidade desejada

do ovo, não somente no início, mas

em função do perfil de tamanho

durante todo o ciclo da postura.

do ovo buscado), e continuar com aumentos da mesma amplitude

No entanto, nem sempre se leva em conta

(1 hora) ao menos nas semanas

que outro objetivo fundamental dos

imediatamente posteriores.

programas de iluminação é favorecer o

Considerando que a maioria dos programas de iluminação em

Numa fase em que, como se sabe, o

produção termina em 16 horas de

consumo é crítico, se os aumentos na

luz, um objetivo razoável seria

duração da luz forem curtos, ou se sua

atingir um mínimo de 14 horas de

aplicação for muito lenta e prolongada,

luz quando o lote estiver em 50%

dificilmente será possível conseguir esse

de produção.

efeito estimulante sobre a ingestão de alimento.

Programa de iluminação e evolução do peso corporal e consumo 20 190

18

As curvas de consumo de

16

alimento, peso corporal e

14

aumento da duração da

12

iluminação devem seguir evolução praticamente

Horas de luz

poedeiras

consumo de alimento.

170 150

10

130

8 110

6

paralela em condições

4

ótimas (Figura 1).

2 0

90

0

2

4

6

8

10

12

14

16

18

20

22

24

Idade (semanas)

Luz

Peso corporal

Consumo

Figura 1. Exemplo de programa de iluminação e evolução de peso corporal e consumo (Dekalb White, gaiola enriquecida, Holanda).

60 aviNews América Latina Abril 2018 | O início da postura: período-chave para o sucesso de um lote de poedeiras

26

70


Ajustar a concentração de aminoácidos ao consumo real e margem de segurança

No início da postura, o principal objetivo será satisfazer as necessidades de aminoácidos para produção e crescimento

No entanto, o consumo no início da postura

Principalmente quando a uniformidade do

é limitado e deve aumentar rapidamente

lote não é suficiente, o desafio é formular de

de um nível baixo após o transporte – cerca

forma adequada para suprir as necessidades

de 85 g – a valores acima de 110 g-115 g em

das aves mais produtivas e permitir o

poucas semanas, antes do pico de postura.

desenvolvimento das mais atrasadas.

nessa fase deve ter concentração mais alta de aminoácidos do que em fases posteriores de produção, ajustado ao consumo de alimento observado na

Dependendo da uniformidade, pode ser recomendável utilizar uma margem de segurança para os aminoácidos, ao menos para a metionina, de aproximadamente 6% acima do recomendado.

granja, mas também à massa diária de

Com esta estratégia, também se

ovo produzida – porcentagem de postura

favorece uma máxima utilização dos

x peso médio do ovo –, que é o fator de

aminoácidos sulfurados para um

maior impacto sobre as necessidades de

aumento rápido do peso do ovo, já que

aminoácidos.

é nesta fase de início de postura que as alterações nutricionais surtem maior efeito sobre o calibre do ovo.

Um aspecto muito importante, mas que muitas vezes não se leva em conta, é o fato de que, apesar de que logicamente devemos trabalhar com valores médios para alimentar adequadamente um lote de poedeiras, este lote é composto de aves com necessidades e desempenhos individuais diversos

61 aviNews América Latina Abril 2018 | O início da postura: período-chave para o sucesso de um lote de poedeiras

poedeiras

Isso implica que o alimento utilizado


Favorecer o consumo de energia Relação entre energia metabolizável do alimento e ingestão calórica 370

Infelizmente, durante o período entre 18 e 25 semanas, a capacidade de consumo das aves é limitada e elas nem sempre são capazes de satisfazer as crescentes necessidades de energia e de outros nutrientes (Figura 2), o que pode repercutir em crescimento insuficiente das galinhas e picos de produção não sustentados.

350

Ingestão calórica (Kcal/dia/ave)

330

310

290

270

250

Necessidades energéticas da poedeira durante sua vida produtiva

2000

2500

350

250

Horas de luz

poedeiras

3500

Balnave et Robinson 2000

Vilarino et al. 1996 Pegurl et coon 1991

Hanns et al. 2004

CNEVA ISA 1996

Zou et al. 2005

Hanns et al. 2000

Van der Lee et al. 2001a 300

Leeson et al. 2001a

200

Figura 3. Relação entre energia metabolizável do alimento e ingestão calórica (vários experimentos).

150

Produção

100

Crescimento

Temperatura Atividade Empenamento

Manutenção

50

0

3000

Energia metabolizável (Kcal/kg)

16

26

36

46

56

76

86

96

Idade (semanas)

Baseado no padrão Isabrown Figura 2. Necessidades energéticas da poedeira durante sua vida produtiva

Embora muitos estudos tenham demonstrado que as poedeiras são capazes de regular razoavelmente seu consumo de alimento (g/ave/dia) em razão da concentração energética deste último, essa regulação não é perfeita e, geralmente, observa-se consumo de energia superior (expresso em kcal/ave/dia) quando são adotadas dietas com níveis elevados de energia metabolizável (Figura 3).

No início da postura, é prioritário atingir logo o peso corporal adulto, o que significa aves robustas, com mais oportunidade de manter boa persistência durante o ciclo de postura e com melhor capacidade de resposta diante de possíveis desafios ou fatores de estresse (sanitários, ambientais, de manejo etc.)

Uma questão controversa é o nível de energia recomendável durante esta fase para se atingir esses objetivos

62 aviNews América Latina Abril 2018 | O início da postura: período-chave para o sucesso de um lote de poedeiras


O consumo de energia é superior quando se adotam dietas com níveis elevados de energia metabolizável.

Técnicas de alimentação

Deve-se, em parte, ao efeito aglomerante de finos e favorável sobre a palatabilidade da adição de óleos ou gorduras, matérias-primas que entram em maior proporção nas fórmulas mais concentradas.

As galinhas são granívoras, e sempre deverão preferir partículas mais grossas às mais finas

Sempre será possível aproveitar esse efeito e utilizar fórmula mais concentrada no início da postura para o crescimento, principalmente nos

Um erro relativamente frequente observado no âmbito da granja,

lotes cujo manejo anterior não tenha

especialmente quando o consumo é baixo,

sido favorável ao desenvolvimento da

como ocorre na fase de início da postura, é

capacidade de ingestão.

o excesso de distribuição de alimento.

Na fase de início da postura é essencial continuar pesando as aves com regularidade, até as 35 semanas de vida, para poder implementar os ajustes nutricionais ou de manejo que sejam necessários caso se observem desvios em relação ao objetivo.

A distribuição muito frequente favorece um comportamento alimentar seletivo das aves e como consequência o acúmulo de finos no comedouro. Tal como se descreveu para a fase

Sobre o consumo, tanta importância como o nível energético, ou inclusive maior, terá a granulometria do alimento e as técnicas de alimentação (horários e quantidades) das aves, aplicadas na granja

de recria, na produção também é essencial conseguir um período em que o comedouro fique vazio a cada dia, forçando, assim, as aves a consumir também as partículas de menor tamanho, que contêm a maior parte de vitaminas e minerais, o que garante uma nutrição bem balanceada.

63 aviNews América Latina Abril 2018 | O início da postura: período-chave para o sucesso de um lote de poedeiras

poedeiras

favorecer o consumo de energia e


garantir o CONSUMO antes da noite

Considerando o comportamento das galinhas, sua fisiologia e o ciclo diário de formação do ovo e, especialmente da casca, na produção é recomendável garantir maior consumo nas horas que precedem a noite, de forma que, aproximadamente, 60% do total da ração diária seja consumida à tarde e o restante na manhã seguinte, de forma que o momento em que o comedouro fique vazio seja na metade do dia, e por uma duração máxima de 1h30min (Figura 4).

60% à tarde

Distribuição de alimento para estimular o consumo

poedeiras

6h-7h 60% alimento

40% alimento Noite

Comedouro vazio 1 1/ h 2

Noite

16h de luz

Figura 4. Técnica de distribuição de alimento para estimular o consumo.

Esta técnica de alimentação será mais eficaz e fácil de colocar em prática quando as aves forem previamente “treinadas” na fase de recria. O início da postura: período-chave para o sucesso de um lote de poedeiras BAIXE O PDF

64 aviNews América Latina Abril 2018 | O início da postura: período-chave para o sucesso de um lote de poedeiras


Profissionalismo Assessoria Garantia Serviço

marca o valor de uma e inovação com 30 anos d

em avicultura

Polígono Morea Norte, Calle C - Nº 2 • 31191 Beriáin, Navarra (Espanha) T +34 948 368 301 • contact@zucami.com • www.zucami.com


entrevista

Entrevista com

DANIEL PIGATTO Presidente da Tectron

66 aviNews AmĂŠrica Latina Abril 2018 | Entrevista com Daniel Pigatto Monteiro, presidente da Tectron


Tecnologias brasileiras de nutrição animal conquistam EUA

Em 1940, o autor baiano Assis Valente já dizia: “o Tio Sam está querendo conhecer a nossa batucada”. E emendou: “anda dizendo que o molho da baiana melhorou seu prato”, referindo-se ao estrondoso sucesso, nos EUA, da cantora portuguesa, radicada no Brasil, Carmen Miranda.

entrevista

E em 2018 o Brasil continua a encantar os Estados Unidos da América. Só que desta vez não é o molho da baiana melhorando o prato dos norteamericanos, são as tecnologias desenvolvidas pela Tectron, empresa brasileira de nutrição e saúde animal, que entram, de maneira inédita, em solo norte-americano. A TECTRON é uma empresa brasileira nascida em 2002, com objetivo de criar soluções inteligentes para o mercado de nutrição e saúde animal. Sua fábrica está localizada no município de Toledo, região oeste do Paraná, onde são desenvolvidas tecnologias focadas no tripé sustentabilidade, evolução e viabilidade econômica. A partir de 2015, a TECTRON deu início a um processo de internacionalização e hoje exporta para nove países com produtos em fase de registro em mais de 35 países. Em janeiro de 2018, a abertura da Tectron USA foi anunciada durante a IPPE (International Production & Processing Expo), em Atlanta (EUA). Na ocasião, a aviNews conversou com Daniel Pigatto Monteiro, presidente da Tectron, que nos contou um pouco sobre a história da empresa até a chegada ao posto de primeira empresa brasileira de nutrição a conseguir registrar um produto a ser comercializado nos Estados Unidos. Confira!

67 aviNews América Latina Abril 2018 | Entrevista com Daniel Pigatto Monteiro, presidente da Tectron


Que caminho foi percorrido até o lançamento da TECTRON USA? De 2015 para cá, nós começamos o processo de internacionalização da TECTRON. Hoje, exportamos para nove países e estamos com produtos em registro em mais de 35 países. Com base nisso, obtivemos registro de alguns produtos nos Estados Unidos, o que é um fato inédito. Na história da nutrição animal do Brasil, nunca antes uma empresa brasileira conseguiu a aprovação do governo americano para vender um aditivo nos EUA, porque não se trata de um processo fácil. Foi um trabalho de quase três anos.

entrevista

Com o fato de estarmos iniciando a comercialização de um produto nos EUA, entendemos a necessidade de trazer a empresa para Miami, pois vamos abastecer não só os Estados Unidos, mas também o México e o Canadá. Trata-se de uma estrutura com escritório comercial e depósitos para armazenar os produtos vindos do Brasil. E muito em breve vamos iniciar a fabricação dos produtos “made in USA”. Porém, antes disso, por volta dos meses de maio, junho, está programada a abertura da TECTRON Europa, em Madrid (Espanha), com a finalidade de atender o mercado europeu.

Quais as especificidades das tecnologias desenvolvidas pela Tectron para o mercado norte-americano e para o mercado europeu? Atualmente estamos atuando muito focados em três tecnologias. Uma delas a TecMax Pro, que são proteases termoestáveis para uso em ração de todas as espécies animais. Basicamente, você coloca uma protease na ração e economiza, retirando dela parte do farelo de soja e óleo de soja. Então, você tem uma economia direta na formulação, de 5 a 10 dólares por tonelada, pela simples decisão de usá-la. Inclui na ração o TecMax Pro, tira parte do farelo de soja e o óleo de soja e sai economizando no dia seguinte em que a fórmula entrar em produção, na fábrica de rações. TecMax Pro tem tudo a ver com economia de nutrientes e diminuição no custo fórmula. A segunda é uma tecnologia exclusiva de tripla fermentação denominada KeyPro. Nós fazemos uma tripla fermentação do que o Brasil tem de mais competente e moderno, que é fermentação de produtos de canade-açúcar, com fermentação de cervejaria e também de panificação. Selecionamos e purificamos os metabólitos nutricionais e criamos um produto que vem com DNA tecnológico do mundo food, que serve ao mundo feed para melhorar o consumo da ração pelo animal, a digestibilidade e os resultados zootécnicos de ganho de peso e conversão alimentar, para melhorar a nutrição e saúde animal. KeyPro tem tudo a ver com melhoria de performance zootécnica.

68 aviNews América Latina Abril 2018 | Entrevista com Daniel Pigatto Monteiro, presidente da Tectron


Nasce assim a linha ProTec de produtos 100% naturais e saudáveis, que não só sequestram micotoxina, mas também protegem esses órgãos vitais e a imunidade do animal. ProTec tem tudo a ver com a evolução do conceito básico de proteção contra micotoxinas. Esses são os nossos três carros-chefes para a Europa e Estados Unidos.

O anúncio da nova unidade nos Estados Unidos foi durante a IPPE, aqui em Atlanta. Como essa notícia foi recebida pelos clientes que passaram pelo estande da Tectron e que balanço vocês fazem da presença Tectron na IPPE 2018? A notícia foi recebida, de maneira geral, com bastante alegria por quem já acompanha a trajetória da TECTRON nesses 15 anos. Nós só estamos aqui porque as nossas tecnologias foram aprovadas para estar nos EUA. É um motivo de muito orgulho para nós como representantes do setor brasileiro de nutrição animal, que é um dos mais competentes do mundo. É também motivo de orgulho para quem é brasileiro, para quem trabalha na TECTRON e para quem vive e sobrevive do setor de proteína animal no Brasil como um todo.

O balanço que fazemos da IPPE é muito bom. Nós debutamos na feira esse ano, com um estande bonito e moderno. Fomos muito bem recebidos, bem aceitos pelos clientes que aqui vieram. Claro que nós somos uma empresa que está iniciando sua trajetória no caminho mundial. Então, muita gente não nos conhecia, mas quem entrou no estande entendeu a nossa tecnologia e o nosso propósito, e arrisco dizer que se surpreendeu. Saímos daqui com muitos negócios engatilhados em várias partes do mundo, que é o mais importante do ponto de vista dos negócios.

Aproveitando, vocês também promoveram um encontro técnico que debateu essas tecnologias comentadas aqui. Quais foram as participações e qual sua avaliação desse encontro? No dia anterior ao início da IPPE fizemos o nosso primeiro encontro global para discutir, difundir e posicionar nossos parceiros globalmente estratégicos sobre as tecnologias que nós produzimos. Nos reunimos em um hotel durante uma manhã inteira e realizamos uma apresentação muito proveitosa. Além do pessoal do Brasil, tivemos técnicos e dirigentes de empresas da Argentina, Chile, Colômbia, México, Estados Unidos, Canadá, Paquistão, China, Índia e Turquia. Foi uma excelente oportunidade de desmistificar, orientar e informar tecnicamente sobre o uso de proteases. E ainda pudemos compartilhar toda a evolução tecnológica utilizada para criar o Tecmax Pro, ProTec e KeyPro.

Grande parte do sucesso da TECTRON se deve ao fato de que nossas tecnologias foram aprovadas para estar nos EUA.

69 aviNews América Latina Abril 2018 | Entrevista com Daniel Pigatto Monteiro, presidente da Tectron

entrevista

E a terceira tecnologia tem a ver com evolução dos adsorventes de micotoxinas, focando a necessidade de proteger fígado, rim, intestino, melhorar a condição imune, já que as micotoxinas são imunossupressores.


Considerando a filosofia da Tectron, de que “não há linha de chegada para a corrida da qualidade”. Certamente, já há novas pesquisas sendo desenvolvidas. Você pode comentar um pouco sobre isso? Trabalhamos no passo a passo. Então, dessas tecnologias que nós estamos desenvolvendo, o carro-chefe delas é a protease termoestável TecMax Pro. Para ser divulgada para o mercado, envolveu mais de seis anos de trabalho, de investimento, investigação e pesquisa. Então, hoje ela está consolidada para ser apresentada ao mercado mundial. O passo seguinte, que é a linha Keypro, esses metabólitos de fermentação, já estamos há bastante tempo trabalhando e está quase pronto para concluirmos todas as pesquisas desenvolvidas.

entrevista

A linha ProTec tem pouco mais de dois anos e está em processo de maturação final, necessitando um tempinho mais para as últimas pesquisas e assim ser apresentada no mercado de uma forma tecnicamente robusta.

Durante a feira, nas várias vezes em que passamos pelo estande da Tectron, observamos você e o diretor internacional de vendas da empresa, Jorge Benitez Belon, constantemente presentes, atendendo pessoalmente ao público. Essa dedicação direta tem a ver com a filosofia da empresa? Eu acho que uma empresa, que como todas, nasce pequena, se torna média e tem o sonho de ser uma empresa grande, vê nas pessoas fator primordial para fazer a diferença. O jeito que a gente está atendendo ao mercado é diferente. Somos uma equipe motivada. São as pessoas que movem o mundo. E ter uma equipe motivada, que pensa positivo, tem tudo a ver com a filosofia da Tectron.

O que quer dizer Tectron? Tecnologia, Nutrição e o On quer dizer que somos uma empresa ligada, que não desliga nunca.

E, com isso, temos bastante serviço para os próximos dois anos. As próximas tecnologias deverão surgir por volta de 2020.

Entrevista com Daniel Pigatto BAIXE O PDF

70 aviNews Abril 2018 | Entrevista con Daniel Pigatto Monteiro, presidente de Tectron


^ ^

Proteases termoestáveis para aumentar o rendimento e diminuir o custo da alimentação

Tecnologia de tripla fermentação natural para melhorar performance e saúde animal

Detoxificação polimodal a base de tecnologias para proteger e mitigar as micotoxinas


Um excelente alimento... ou nem tanto??

GESTÃO DO PROBLEMA DAS MICOTOXINAS: DESCUBRA NOSSAS SOLUÇÕES

A MM006-08

Os nutricionistas criam alimentos com uma composição ideal usando as melhores matérias-primas. No entanto, não podem controlar as condições existentes no campo, ou durante o armazenamento. As micotoxinas podem afetar gravemente a saúde e o crescimento dos animais. A Nutriad é uma empresa líder em soluções para o controle dos fungos e micotoxinas nos alimentos e nas matérias-primas com as quais estes são elaborados. A Nutriad disponibiliza para você uma gama completa, prática e homologada na UE, de soluções válidas para diversos tipos de espécies, como UNIKE® PLUS, TOXY-NIL® e MOLD-NIL®. Essas soluções foram submetidas a testes exaustivos análise de micotoxinas que lhes dá informações precisas sobre o estado dos campos; isto, aliado com a aplicação do MYCOMAN®, lhe permitirá escolher o produto e a dose idôneos da forma mais rápida possível. Ajudamos nossos clientes a proteger seus animais e melhorar o rendimento de suas produções.

Está interessado? Estamos à sua disposição! Acesse nutriad.com e encontre o nosso contato na sua região.


NUTRIÇÃO

DE FRANGOS DURANTE A

PRIMEIRA & ÚLTIMA SEMANA formulação

Antônio Mário Penz Junior XIII Seminário Internacional de Patologia e Produção Aviária. AMEVEA Universidade da Geórgia, Cargill Nutrição Animal

Por que são tão importantes a primeira e a última semana de vida do frango?

A

evolução genética dos frangos trouxe alguns desafios para os especialistas. A nutrição e o

consumo de alimento são alguns deles, uma vez que o período de vida dos animais em produção diminuiu significativamente. As duas fases abordadas neste artigo implicam o desafio mais importante da produção de frango de corte e podem corresponder a 30% ou 40% da vida total dos animais.

A qualidade da dieta da primeira semana é fundamental

73 aviNews América Latina Abril 2018 | Nutrição de frangos durante a primeira e última semana


Primeira semana

Os pintinhos saem de uma condição embrionária, em que a base energética de sua nutrição é a gordura da gema e a proteína da clara. Imediatamente após o nascimento, a base energética provém do amido, componente nutricional com o qual nunca teve contato na vida embrionária e a base proteica de outras proteínas, que podem ter digestibilidades diferentes, dependendo das fontes. Também nesta fase se desenvolve a

formulação

base da estrutura muscular, que será importante para a formação posterior das coxas. Por todas essas limitações iniciais é que a qualidade da dieta da primeira semana é fundamental.

Os pintinhos devem aprender a consumir água rapidamente para compensar a desidratação, ocorrida desde o nascimento até a chegada à granja, e favorecer o consumo de alimento e sua digestibilidade. Nos primeiros dias de vida eles não têm o sistema de termorregulação desenvolvido. Assim, na condição de “poiquilotérmicos”, devem ficar num ambiente com temperatura

Nas primeiras horas há uma redução

muito uniforme, para não perder calor

significativa dos níveis de glicogênio

indevidamente.

endógeno, que precisam ser substituídos, de preferência, por glicogênio proveniente do consumo de amido de milho ou de outra fonte de amido.

Há uma razoável correlação entre o peso de 7 dias e o peso do abate. Assim, apresentar bom peso aos 7 dias tem importância significativa na produção

Os pintinhos devem aprender a consumir

final do lote. Recomenda-se, como

alimento rapidamente para que seu sistema

referência, que os pintinhos, aos 7 dias,

digestivo tenha rápida transformação

tenham perto de 4,5 vezes o peso do

anatômica e fisiológica. O rápido consumo

primeiro dia.

de alimento favorece o desenvolvimento efetivo do sistema imune.

Os pintinhos devem APRENDER a consumir rapidamente água e alimento 74 aviNews América Latina Abril 2018 | Nutrição de frangos durante a primeira e última semana


Última semana

Nutrição na primeira semana

Geralmente é a semana que apresenta maior mortalidade. Por isso é que em algumas condições os frangos são submetidos a restrição alimentar, nas mais variadas intensidades. Então se define que terá de 5 a 7 dias,

Consumo de alimento e água Este é o primeiro grande desafio nesta semana de vida dos pintinhos. Aqui as preocupações básicas estão relacionadas a: Consumo de alimento

em relação ao consumo do alimento. Este

Estrutura física do alimento

período pode variar de acordo com:

Consumo de água A relação consumo água/alimento deve ser

Sexo

2:1 desde o primeiro dia de vida.

Uniformidade

O consumo de alimento e sua estrutura física,

Temperatura

junto com o consumo de água, representam

Densidade

ponto importante no início da vida dos

correta dos nutrientes para esta fase e a manipulação de aditivos que requerem

pintinhos, pois precisam de água para consumir alimentos por produzir pouca saliva. Diz-se que

formulação

Isso pode dificultar a administração

os “frangos comem porque bebem”. Os frangos devem ter partículas grossas à

prazos legais de retirada.

disposição para vê-las facilmente e assim

É possível que em diferentes dias da última semana se retirem frangos do galpão, causando períodos de estresse e retirada de alimento não recomendados, além de aumentar os riscos de biossegurança.

estimular os mecanorreceptores do bico, para maior consumo. Desde a primeira semana de vida, preferem comer partículas grossas, quando têm esta possibilidade

(Bueno, 2006). Krabbe (2000) mostrou que o aumento das partículas da dieta de pré-iniciação aumentou a energia metabolizável da dieta, assim como elevou a retenção de nitrogênio e de matéria seca.

Se os frangos forem separados por sexo, toda a programação de retirada deverá exigir diferentes estratégias. Além disso, as dietas nesta fase e na fase anterior podem

A relação consumo água vs. alimento deve ser de 2:1 desde o primeiro dia de vida

ter composições diferentes e requerem

Um consumo imediato e na quantidade

estratégias específicas para quantidades de

correta permite o desenvolvimento e a

alimento e sua distribuição.

secreção das enzimas digestivas, que são substratos dependentes (Nitsan, 1995). Esse consumo imediato permite ainda uma absorção mais rápida do saco vitelino, o que favorece o desenvolvimento do sistema imune das aves.

75 aviNews América Latina Abril 2018 | Nutrição de frangos durante a primeira e última semana


Dibner et al. (1988) demostraram que pintinhos submetidos a jejum de 72 horas, tiveram uma significativa redução no desenvolvimento da bolsa de Fabricius (Doença de Gumboro). A falta de consumo de alimento também compromete a síntese de glicogênio, indispensável para a manutenção da atividade cerebral dos pintinhos e seu crescimento.

Qualidade dos ingredientes A qualidade do alimento é outro tema fundamental para o devido desenvolvimento dos pintinhos na primeira semana. Essas aves provêm de uma condição diferente na fase embrionária e dependem de muitos

A quantidade de glicogênio no pintinho,

fatores ambientais para começar a acostumar-se

proveniente de sua vida embrionária, não lhe

a uma nova condição. Se não receberem dietas

permite ter níveis normais deste metabólito

com ingredientes de alta digestibilidade, elas

por mais de um dia. Após este período, a

se atrasarão desde o início e serão identificadas

apatia da ave é significativa (Best, 1966).

variações nos lotes. Conhecer a qualidade dos ingredientes

Os frangos submetidos a jejum nos dois primeiros dias terão porcentagem de peito menor do que aqueles que consumam alimento nesse período. IMW_Solução Natural_8,5cm x21,5cm_ES_REVISADO.pdf

1

17/04/2018

é o primeiro passo para ter uma dieta eficiente na primeira semana. De nada serve ter uma fórmula teoricamente bem elaborada se o alimento que chega aos pintinhos não 13:53:08

corresponde à teoria.

C

M

Y

CM

MY

ImmunoWall®

CY

CMY

Perfeito equilíbrio entre saúde intestinal e desempenho.

K

Alimentos mais seguros e saudáveis.

Para mais informações: +55 11 3093-0753 icc@iccbrazil.com.br www.iccbrazil.com


Deve-se ter a mesma preocupação em relação à FARINHA DE SOJA. Quanto mais elevado o nível de proteína crua, menor o nível de fibra crua e melhor o desempenho dos frangos nos primeiros dias de vida (Gerber et al, 2006). Quando a farinha de soja é de má qualidade,

Moore et al. (2005)também fizeram referência à importância da leucina na dieta inicial, pois seu metabólito, βhidroxi βmetil butirato, aumentou o peso de perus, a quantidade de células-satélite e, consequentemente, o músculo do peito.

o principal sintoma na primeira semana é a presença de cloaca suja, sinal de que a digestibilidade dos ingredientes foi reduzida, proporcionando um aumento da velocidade de passagem pelo trato digestivo – aumento do peristaltismo. Além disso, favorece a renovação

Em geral, por sua disponibilidade na América,

das células intestinais e altera a composição

destacam-se os seguintes ingredientes:

microbiana do trato digestivo.

Milho

Uma cloaca suja na primeira semana de vida

Farinha de glúten de milho

pode ser consequência da má qualidade

Farinha de soja

da gordura empregada na dieta e/ou da presença de polissacarídeos não amiláceos

proporcionam a energia e a proteína das

(NSP, na sigla em inglês)

dietas

Milho Em relação ao MILHO, cada vez ganha mais crédito a recomendação de que deve ser o mais limpo possível (os processos de pré-limpeza são inevitáveis), e que a seleção se dê por densidade, empregando mesas densimétricas. Estes procedimentos melhoram a uniformidade do ingrediente e diminuem significativamente a presença de micotoxinas. Silva et al. (2008) mostraram que milhos mais densos apresentam mais energia do que os menos densos, tanto para

Farinha de carne

Farinha de carne, como os macros que

Referente à GORDURA, não somente a qualidade é importante, por tudo o que pode provocar no intestino, como descrito acima. Também é importante o tipo de gordura que se deve empregar na dieta pré-inicial. Wiseman y Salvador (1991) já demonstraram que pintinhos jovens digerem gorduras saturadas com menos eficiência do que os mais velhos. Os ácidos graxos saturados promovem menos ativação da colipase e a formação de micelas, importantes neste período de vida, quando a atividade de lipase geralmente é mais baixa do que em períodos posteriores.

animais mais jovens como para os mais velhos.

Maiorka et al. (1997) demonstraram que, na

Os milhos mais densos apresentam menos

primeira semana, eles não digerem a gordura

micotoxinas (aflatoxinas, fumonisinas etc.)

adicionada à dieta, o que foi identificado quando se observou que não tinham resposta

Os milhos mais densos têm mais energia e menos micotoxinas

com ganho de peso e conversão alimentar ao aumentar a gordura (energia) da dieta.

77 aviNews América Latina Abril 2018 | Nutrição de frangos durante a primeira e última semana

formulação

Halevy et al. (2000) mostraram que o jejum dos pintinhos nos dois primeiros dias de vida compromete o desenvolvimento das células-satélite e o futuro desenvolvimento das células musculares.

Farinha de soja

Vieira e Moran (1999) já haviam demonstrado que 24 horas de atraso no alojamento dos pintinhos diminui o ganho de peso e aumenta a mortalidade.


Água A ÁGUA pode ser considerada como ingrediente ou nutriente. Aumentar seu consumo promove, de forma linear, o

Fernandes et al. (2009) já haviam demonstrado que o aumento de lisina nas dietas proporcionava aumento no peso do peito e do filé de peito; além de elevar a espessura do filé de peito em frangos com 7 dias.

consumo de alimento que, por sua vez, aumenta o ganho de peso (Viola, Penz e Ribeiro, 2005).

Tesseraud et al (2011) identificaram que a metionina tem função especial na primeira

Todos os cuidados com a quantidade, a

semana de vida dos frangos, que é a

qualidade e a temperatura da água são

estimulação da atividade gênica das aves.

fundamentais para o bom desempenho na

Na forma de seus metabólitos, glutamina

primeira e demais semanas de vida das aves.

e cisteína, funciona como inibidor dos

Os mesmos autores identificaram que a falta

processos oxidativos celulares.

de água comprometeu o desenvolvimento das vilosidades do duodeno.

A produção de mucina é importante para proteger o hóspede contra a ação dos patógenos, das enzimas digestivas e do

formulação

quimo, bem como para auxiliar o processo da digestão e absorção dos nutrientes. Aminoácidos importantes na síntese de mucina, como treonina, glicina + serina e procisteína, são fundamentais nas dietas de frangos (Horn et al., 2009 y Lehmann et al., 2009).

Proteína e aminoácidos

Em 2010, Wijtten et al., trabalhando com uma

A proteína e os aminoácidos são

outra com 30% a mais de proteína que a

componentes nutricionais fundamentais

primeira, identificaram maior desenvolvimento

nesta fase da vida dos pintinhos.

do duodeno, acompanhado de um maior

dieta com um valor normal de proteína e

ganho de peso na primeira semana de vida Wijtten et al. (2012), comparando dietas com proteínas de alta digestibilidade (farinha

dos frangos. Isso foi observado para frangos machos Cobb 500 e Ross 308.

de pescado, proteína de batata e glúten de milho) com dietas à base de farinha de soja,

Everaert et al. (2010) observaram que dietas mais

observaram melhores ganhos para os frangos

ricas em proteína favorecem a absorção do

que receberam a dieta de alta digestibilidade.

saco vitelino na primeira semana de vida

Esta diferença se mostrou mais efetiva nos

deles, podendo ser reconhecida por um

primeiros 4 e 7 dias de idade.

melhor desenvolvimento do sistema imune das aves, 70% da estrutura imune dos tecidos digestivos.

78 aviNews América Latina Abril 2018 | Nutrição de frangos durante a primeira e última semana


Minerais

A relação entre cálcio e fósforo disponível a partir da dieta da primeira semana é muito importante. Deve-se respeitar os níveis mínimos de cada um dos minerais. A Granja Experimental de Provimi, Holanda

Deficiências marginais de sódio na primeira semana vêm acompanhadas de perda de peso, aumento de conversão alimentar e falta de uniformidade do lote

(2011), demostrou que a relação ideal é próxima a 2:1 nos períodos de 1 a 3 dias e

Evidências práticas confirmam a observação

1 a 17 dias de idade.

de Stevens et al. (1984), pois deficiências

Na primeira semana, se o nível de cálcio aumentar acima de 1%, mantendo a relação de 2:1 com o fósforo disponível, os resultados de ganho de peso diminuirão. O sódio é um mineral importante nesta fase de produção. Stevens et al. (1984) demonstraram que a absorção de glicose e metionina após a eclosão pode estar relacionada com uma deficiência de sódio, mineral que faz parte do mecanismo de transporte de carboidratos e aminoácidos.

marginais de sódio nesta idade vêm acompanhadas de perda de peso, aumento de conversão alimentar e falta de uniformidade dos lotes.

Muitas vezes, devido à preocupação com o tema das camas úmidas, o nível de sódio é diminuído, o que pode melhorar a cama, mas, eventualmente, comprometer o desenvolvimento dos frangos

Com MINAZEL PLUS, as MICOTOXINAS não são mais um problema.

Especialistas em prevenção


Maiorka et al (1998) y Vieira et al (2003) demonstraram a importância da suplementação de sódio em dietas de pré-iniciação e como se comportaram as umidades das excretas e das carcaças dos frangos. Os dados mostram que nessa fase específica, aumentar o valor de sódio na dieta melhora o rendimento dos frangos sem comprometer a umidade das excretas e das carcaças. Também foi possível identificar a importância da relação do cloreto de sódio e do bicarbonato de sódio na primeira semana de vida. A melhor relação entre essas duas fontes de sódio foi de 63% de cloreto de sódio, para uma dieta que tinha como sódio total 0,21% (Provimi Brasil, 2009).

A XILANASE MAIS RESISTENTE AO CALOR GERA A MÁXIMA ENERGIA Sendo a única xilanase intrinsicamente termoestável à temperatura máxima de 95°C, adicionar Econase XT à ração garante a quebra ideal de PNAs, liberando o máximo de energia possível para melhorar a CA e reduzir custos. Com resultados comprovados em vários tipos de ingredientes para ração de aves e suínos, Econase XT é a xilanase ideal para maximizar o aproveitamento de energia da dieta. Para mais informações, visite www.abvista.com

www.abvista.com www.abvista.com


Nutrição na última semana

As empresas devem contar com programas nutricionais adaptados às datas do abate. Em geral, as dietas que aumentam a

nutricionistas ajustarem as necessidades nutricionais dos frangos. Alguns parâmetros

energia diminuem os nutrientes e mantêm ou aumentam as relações de aminoácidos digeríveis com a lisina digerível.

importantes devem ser considerados antes de

Na produção de frangos sexados é

formular a dieta para a última semana, como:

fundamental considerar dietas diferentes para

Idade de abate das aves (28, 35, 42 ou

todas as fases, principalmente após os 21 dias de idade. Formulações para machos e fêmeas

49 dias).

têm diferenças de preços, que podem atingir

Aves separadas por sexo ou de forma

valores ponderados de preço mínimo 3%,

mista e com alimentação diferenciada

incluindo também a decisão do produto final.

Formas de alimentar os frangos nesta fase

Na formulação de venda de frangos

(ad libitum ou até restrições alimentares

vivos, as demandas são diferentes

através de regime de luz).

das exigidas pelos frangos que serão

Disponibilidade de alimento por quantidade definida por dia ou por retirada de alimento de forma mais ou menos intensa.

esquartejados, caso em que as diferenças de custo de formulação são significativas. O mais complexo na última semana são as restrições alimentares. Os frangos

Propósito dos frangos produzidos

consomem quantidades de nutrientes com

(venda como vivo ou como produto

aumento diário. As referências em calorias ou

para ser empregado em processos de

porcentagem de nutrientes das dietas são as

transformação das carcaças).

que acomodam os consumos adequados para cada dia, pois ocorre um aumento diário de

Os tecidos dos frangos têm diferentes

consumo total do alimento.

crescimentos alométricos: o peito tem valor maior (1,26) do que as coxas (1,06), diferença presente em fases mais tardias do

Quando há restrições, ou a densidade

desenvolvimento (Govaerts et al., 2000 e Schmidt

dos nutrientes deve ser aumentada para

et al., 2009), sendo diferente a demanda de

compensar as reduções de consumo ou

aminoácidos conforme o propósito final de

os frangos devem ter acesso a menos

produção.

nutrientes a cada dia (o que implica, por

Quando a idade de abate muda, a composição das fórmulas não pode ser a mesma, já que os períodos fisiológicos e de desenvolvimento variam em períodos muito curtos

sua vez, uma suplementação marginal de todos os aditivos, reduzindo sua velocidade de crescimento), geralmente a segunda situação é a mais comum, pois a ideia é reduzir a velocidade de consumo, por alguma razão metabólica e que leva a um aumento de mortalidade.

81 aviNews América Latina Abril 2018 | Nutrição de frangos durante a primeira e última semana

formulação

A última semana é muito desafiante para


Energia Sobre o consumo da energia, foram realizados diversos estudos para identificar

Os machos sempre responderão melhor do que as fêmeas aos aumentos de energia metabolizável

seus efeitos no desempenho de machos e fêmeas em fases finais de produção,

Uma melhor resposta ao aumento de

em que o consumo de alimentos é muito

energia metabolizável dos machos se

representativo.

explica com certa clareza, já que nesta

Dozier III et al. (2011), trabalhando com machos e fêmeas

idade as diferenças de ganho diário

Ross x Ross 708, no período de 36 a 47 dias, empregando uma

entre os dois sexos são significativas – os

amplitude de EMAn de 3.140 a 3.240 kcal/kg, desenvolveram

machos precisam de mais energia para

dois experimentos. No experimento 1, independente do sexo, o

continuar com ganhos mais elevados do

aumento de energia teve efeito quadrático para o ganho de peso

que as fêmeas.

e consumo de energia e efeito linear para consumo de alimento, conversão alimentar e conversão calórica.

formulação

Proteínas e aminoácidos Rostagno et al. (2007) apresentaram um trabalho

Os autores encontraram respostas

de seu grupo de pesquisa (Paéz, 2007), no qual

quadráticas para rendimento de carcaça

trabalharam com modelos de crescimento

(0,88%), rendimento de filé (0,93%) e

e deram especial atenção às demandas de

rendimento total de peito (0,93%).

lisina digerível das dietas.

Assim, com os valores obtidos, os autores

A redução de lisina aumentou a deposição de

concluíram que os machos de alto

gordura abdominal. No entanto, os autores

desempenho precisam de 0,93% de lisina

não constataram que a redução de proteína

total, o que, segundo eles, representa 0,85%

da dieta compromete o desempenho e

de lisina digerível.

o rendimento de peito dos frangos, mas identificaram um aumento da gordura abdominal. Corzo et al. (2006), trabalhando com machos e fêmeas Hubbard Ultra Yield, entre 42 e 56 dias de idade, avaliaram as demandas de lisina total, empregando uma faixa destes aminoácidos de 0,68% a 1,10%. As fêmeas não apresentaram nenhuma resposta aos diferentes níveis de lisina para todos os parâmetros medidos. No entanto, os machos apresentaram uma resposta

Dozier III et al (2008) avaliaram a demanda de lisina digerível para machos e fêmeas Ross x Ross 708, num período entre 49 e 63 dias de idade. Neste trabalho, os autores, como no trabalho de Corzo et al. (2006), também identificaram uma diferença entre sexos, para a demanda de lisina digerível. As demandas para machos foram de 0,87%, para crescimento, e 0,90%, para rendimento de peito. Para fêmeas, a demanda para crescimento foi de 0,81%.

linear para a suplementação para conversão alimentar.

82 aviNews América Latina Abril 2018 | Nutrição de frangos durante a primeira e última semana


Dozier et al. (2010) também foram capazes de identificar diferenças entre linhas genéticas de alto desempenho. Os autores trabalharam com Ross x Ross TO16 e Cobb x Cobb 700, entre

Minerais Dandu y Angel (2003) demonstraram a importância de avaliar as demandas de fósforo (P), principalmente nas fases finais da produção de frangos, considerando que representam de 45% a 65% do total consumo dos animais.

28 e 42 dias de idade. Os frangos Ross e Cobb

Geralmente, P se expressa como P total (tP),

apresentaram, para ganho de peso, demandas

fósforo disponível (dP) e fósforo não fítico

de 0,988% e 0,965%, para conversão alimentar,

(nPP). O primeiro representa, como a palavra

1,053% e 1,012%, para peso da carcaça, 0,939%

diz, o total de P obtido por análise. Fósforo

e 1,029%, e para peso do peito, 0,962% e

disponível refere-se à parte do P total que é

0,987%, respectivamente.

empregada pelo animal. No entanto, Fósforo

Em 1999, Kidd e colaboradores, ainda trabalhando com exigências totais de aminoácidos, definiram a importância da treonina no ganho de peso, a conversão alimentar e o rendimento

não fítico é aquele que não está associado com o inositol e, por isso, é não fítico, sendo seu valor obtido pela diferença entre os valores analisados de tP e P fítico.

de peito de machos Ross x Hubbard no

No experimento em que trabalharam com frangos machos

período entre 42 e 56 dias de idade. A resposta

Ross 308, no período de 42 a 49 dias de idade, os autores

foi quadrática para esses três parâmetros e,

identificaram a exigência de 0,16% de nPP, sendo o

no final, a recomendação foi de 0,67%, de

nível de cálcio 0,72%. Os autores defendem esta forma

treonina total. Os autores comentaram que isso

de determinação de fósforo, pois está mais próxima da

corresponderia a 0,60% de treonina digerível e

necessidade real do animal, sendo sua recomendação

que sua relação com lisina digerível deveria ser

mais precisa, eliminando, assim, um possível excesso de

de 70%.

suplementação deste mineral.

Mejia et al. (2012) avaliaram a relação lisina digerível: arginina

Rousseau et al. (2012) também conseguiram demonstrar,

digerível de dietas para machos Ross x Ross 708, no período de

trabalhando com frangos Ross PM3, com idade entre 21

21 a 42 dias, submetidos a ambiente com alta temperatura.

e 38 dias, que é possível formular dietas com nível mais

Os autores concluíram que a melhor resposta é de 110% para

baixo de fósforo não fítico que os comumente empregados.

conversão alimentar, ainda que os valores entre 105 e 120 não tenham mostrado resultados estatisticamente diferentes. Não foram encontradas diferenças para consumo de alimento, ganho de peso e mortalidade, assim como para rendimento de carcaça e de peito e gordura abdominal Mejia et al. (2011) demonstraram que machos Ross x Ross 708, num período de 28 a 42 dias de idade, têm uma demanda de

Os autores reforçaram que é necessário compatibilizar o nível de fósforo não fítico com o de cálcio e com a fitasa, se esta for adicionada à dieta. Os principais efeitos foram observados nas características ósseas dos animais e não em seu rendimento.

relação Ile digerível: Lys digerível de 68,9% para desempenho e de 71,7% para rendimento de peito.

83 aviNews América Latina Abril 2018 | Nutrição de frangos durante a primeira e última semana

formulação

A demanda de aminoácidos pode ser diferente de acordo com o propósito final da produção


Restrição alimentar

Cornejo et al. (2007) realizaram restrição qualitativa em frangos Hubbard, através da diminuição dos níveis de energia

Como comentamos anteriormente, a

metabolizável e do aumento dos níveis de proteína crua da

restrição alimentar nas últimas fases de

dieta. Isso foi feito com o propósito de diminuir a relação

produção de frangos requer avaliação caso a

energia/proteína da dieta. As aves foram divididas em 4

caso, desde quando se inicia a restrição até a

grupos, um grupo-controle, com alimentação à vontade e

forma como é aplicada e a sua intensidade.

outros três grupos com restrição alimentar de 7 a 14, de 7 a 21 e de 22 a 35 dias de idade.

As duas principais razões para aplicar a restrição são diminuir problemas

O ganho de peso acumulado (1 a 49 dias de idade) dos frangos

metabólicos de final de produção (ascitis,

do grupo-controle foi estatisticamente superior daqueles

morte súbita, problemas nas pernas etc.),

que receberam qualquer uma das restrições. Considerando

que resultam numa maior mortalidade, ou

somente a restrição de 21 a 35 dias, constata-se que não afetou

para buscar melhor conversão alimentar do

significativamente o consumo de alimento, mas alterou o

lote.

ganho de peso e a conversão alimentar dos frangos

O risco, quando indevidamente manejado, é que o lote tenha uma redução de ganho de peso e pior conversão alimentar,

formulação

permanecendo por mais tempo no galpão para atingir o peso e tenha a uniformidade do lote comprometida.

Uma vez estabelecida a restrição, e se posteriormente o alimento voltar a ser oferecido à vontade, o consumo aumentará, mas não haverá tempo para compensar as perdas ocorridas durante o período de restrição alimentar

A nutrição da primeira semana, assim como

A primeira semana é importante para a uniformidade final do lote

a da última semana de vida dos frangos, é

Somando os dois períodos, podem representar até 40% do período total de criação. No entanto, cada fase tem suas

Primeira semana

características importantes.

Última fase

muito importante para a produção de um lote.

A última fase é muito complexa, pois, antes de estabelecer qualquer programa nutricional, é fundamental definir:

Na primeira semana, o frango

A idade de abate dos frangos

é preparado para seu máximo

Se serão criados separados por sexo

desenvolvimento futuro. Qualquer

ou não

restrição de ganho nesta fase vai comprometer o desempenho final dos animais. Nesse período, desenvolve-se toda a estrutura de digestão e absorção,

Se serão estabelecidas restrições alimentares nesse período. Todas essas variáveis devem ser levadas em conta no momento da formulação.

permitindo melhor aproveitamento dos nutrientes nas fases seguintes.

Nutrição de frangos durante a primeira e última semana BAIXAR O PDF

84 aviNews América Latina Abril 2018 | Nutrição de frangos durante a primeira e última semana


Alimentos mais Saudáveis. Nossa Responsabilidade. Os produtores, processadores e vendedores do setor avícola necessitam de soluções sem antibióticos para satisfazer as atuais demandas dos consumidores. O Original XPC™ age de forma natural com a biologia da ave para ajudar a manter a força imunológica.

Alimentos mais Saudáveis. Um Sistema Imunológico forte promove: Nossa Responsabilidade.

 A saúde do animal e seu bem-estar  

Os produtores, processadores e vendedores do setor Produção eficiente avícola necessitammais de soluções sem antibióticos para satisfazer as atuais demandas dos consumidores. Alimentos mais saudáveis da granja à mesa O Original XPC™ age de forma natural com a biologia da ave para ajudar a manter a força imunológica.

Diamond V Força Imunológica para a Vida Um Sistema Imunológico forte promove:

 A saúde do animal e seu bem-estar Produção mais eficiente Alimentos mais saudáveis da granja à mesa Diamond V

7575

Força Imunológica para a Vida

B U I L D I N G O N

B U I L D I N G O N

YEARS OF

YEARS TRUST TRUST OF

D I A M O N D V

D I A M O N D V

Para mais informações, visite www.diamon

Para mais informações, visite www.diamondv.com


Alimente o melhor por toda a vida Para progredir de verdade, as aves devem receber uma ótima nutrição mineral ao longo de seus estágios de vida. É o que nós da Zinpro chamamos de Lifetime Performance®. Como você, nós cuidamos do bem-estar, desempenho e rentabilidade de seus animais. É por isso que passamos mais de 45 anos desenvolvendo programas patenteados como o Performance Minerals®, entre outros programas com padrões mundiais que atendem seus objetivos, todos apoiados pelos nossos princípios dos 5Rs. Return - Response - Repeatability - Research - Reassurance Para saber mais sobre Lifetime Performance®, visite zinpro.com/lifetime-performance

Todas as marcas registradas aqui são propriedade da Zinpro Corp. © 2017 Zinpro Corp. Todos os direitos reservados.


SUPORTE NUTRICIONAL

DURANTE A TEMPORADA DE

ESTRESSE CALÓRICO

frangos

Marco A. Rebollo DVM, Zinpro Corp.

87 aviNews América Latina Abril 2018 | Suporte nutricional durante a temporada de estresse calórico


S

abemos que mesmo contando com a tecnologia mais avançada de controle ambiental (aviários isolados,

ventilados, fechados, com paineis etc.), o controle nunca será 100%, especialmente nesses momentos de calor externo.

Bastam algumas horas para causar mortalidades significativas, além do impacto crônico no baixo peso e conversão desfavorecida.

A zona térmica neutra das aves está entre 19° e 25°C (DaghirN.J., 1998). Em época de calor, as temperaturas dentro do galpão

frangos

climatizado facilmente excedem os 28° C. Dependendo da umidade relativa, estas temperaturas podem cair na zona de risco (<65%HR) e até de emergência (<90% HR) (Baumgard, L. 2013). Por não contar com glândulas sudoríparas, as aves dependem muito da perda evaporativa pela respiração ofegante, a qual, se for prolongada, leva à hiperventilação seguida de descompensação metabólica (alcalose, desequilíbrio ácido-base, imunodepressão, afecção gastrointestinal etc.) e morte.

O manejo que é dado às aves em época de calor inclui: Diminuir densidades Abastecimento pleno de água fresca Aumentar o fluxo de ar no galpão

Além disso, as aves contam com uma densa

Administrar eletrólitos

camada de penas e, no caso do frango de

Restringir o acesso ao alimento prévio às

engorda, na sua relação massa corporal,

horas críticas

a capacidade ventilatória é ainda mais

Molhar as aves*

desfavorável.

88 aviNews América Latina Abril 2018 | Suporte nutricional durante a temporada de estresse calórico


Quanto à nutrição, também são comuns ajustes preventivos para estresse calórico.

Ao preparar as dietas para épocas quentes deve-se considerar alguns pontos importantes: Ajustar a nutrição ao consumo de alimento. O principal fator associado às

frangos

perdas produtivas por calor é a redução no consumo de alimento. Não obstante, é importante considerar que há fatores associados ao estresse calórico per se, que serão mencionados a seguir. O uso de alimento em pellet ajuda a manter o consumo e o desempenho.

Ajustes de energia e suas fontes. Níveis

*Os foggers só devem ser usados quando a umidade não é muito alta (<85%), já que do contrário, longe de ajudar, agravarão a situação

maiores de temperaturas implicam maior eficiência de energia, mas também o risco de morte posterior ao consumo – eficiência devido a

Foram feitas tentativas deletar de aclimatização em algumas zonas tropicais; expondo as aves gradualmente ao calor (4 a 5 dias, 32-35 °C, Hillerman and Wilson, 1955).

menores requerimentos de manutenção. Aumentar a proporção de energia proveniente de gorduras (até 21,7% das calorias para frango de corte, Dale & Fuller, 1980) ajuda a reduzir o aumento térmico inespecífico.

89 aviNews América Latina Abril 2018 | Suporte nutricional durante a temporada de estresse calórico


As aves sob estresse calórico sofrem mudança metabólica derivada da liberação de gluco e mineralocorticoides.

frangos

Isto implica: Aumento no metabolismo das gorduras, sendo importante, portanto, não exceder os níveis de energia.

É importante considerar o máximo de íons possíveis para estabelecer um adequado equilíbrio eletrolítico (mEq/Kg); Na, K, Cl, Ca, fosfatos, sulfatos, Mg. Eventualmente, é importante contar com análises dos

Redução do metabolismo das

ingredientes e da água em relação ao

proteínas (Waldroup et al., 1970),

conteúdo, para conseguir maior precisão.

ainda que não haja aumento da necessidade de aminoácidos. Por

Aumentar os níveis de vitaminas A, E e C

isso, a formulação por aminoácidos

tem sido de grande ajuda (Moreng, 1980;

digestíveis é fundamental (Brake et

Cheville, 1970; Njoku, 1984).

al., 1998). Perda de minerais: Ca, Na, K, Zn, Fe y Cr (El Husein, 1981; Klassing, 1988; Sahin et al., 2005). No entanto, devese considerar níveis ótimos e usar fontes de grande biodisponibilidade.

A administração de bicarbonato de sódio pode ser útil como fonte compensatória de sódio sem agregar mais cloro e tem sido controversa em relação a seu efeito como fonte de carbonatos. O uso de vitamina C provou ser importante também.

90 aviNews América Latina Abril 2018 | Suporte nutricional durante a temporada de estresse calórico


Em um estudo feito em broilers Ross 308, submetidos a estresse calórico de 21 a 35 dias (33ºC, 85%HR), na comparação com uma amostra que tinha picolinato de cromo aos 35 dias, foram observadas melhoras em:

Recentemente foi desenvolvido o uso combinado de zinco e cromo (III), combinando aminoácidos (complexos metal aminoácidos, Availa®Mins, Zinpro Corp.).

Ganho de peso Conversão alimentar Rendimento do peito Níveis de albumina e imunoglobulinas

Efeito de Availa®Craa e Availa®Znb em Frango Ross 308 Baixo Estresse Calóricoc a 35 d

1,6

Estudos prévios demonstraram melhoras na saúde intestinal com o uso dessa fonte de zinco para preservar o intestino (Peirce, S. et. al. 2013).

1.477 y

1,5

1,4

frangos

Índice de conversão g

1.507 z

Availa-Cr (o MiCroPlex®): complexo de metionina de cromo (Zinpro corp. USA) Availa-Zn: complexo de zinco-aminoácidos (Zinpro corp. USA) c 33ºC and 85% de umidade relativa Controle: 120 ppm Zn de ZnSO4 + 0,8 ppm Cr de tri-picolinato de cromo Availa-Zn/Cr: 80 ppm Zn de ZnSO4 + 40 ppm Zn de Availa-Zn + 0,5 ppm Cr de Availa-Cr/MiCroPlex yz Literais diferentes, diferem estatisticamente, p ≤ 0.06 a

b

1,3

Machos Controle

Availa-Zn/Cr

As aves submetidas ao estresse por calor

O cuidado das fontes e com os níveis

são capazes de se adaptar, se a exposição

nutricionais são fundamentais, assim como

for gradual; no entanto, a perda produtiva

a suplementação de eletrólitos e algumas

sucede tanto por redução no consumo

vitaminas. O uso de Zn e Cr de complexos

como pelo transtorno metabólico que se

metal aminoácidos (Availa®Mins) oferecem

desencadeia.

uma nova alternativa para mitigar os efeitos produtivos adversos do estresse calórico.

A exposição súbita a altas temperaturas leva, sem dúvida, ao aumento da mortalidade.

Suporte nutricional durante a temporada de estresse calórico BAIXAR O PDF

91 aviNews América Latina Abril 2018 | Suporte nutricional durante a temporada de estresse calórico


SÍNDROME DE

NANISMO INFECCIOSO EM FRANGOS DE CORTE

P

oucos aspectos da síndrome de nanismo e raquitismo (runting

patologia

Guillermo Zavala MVZ, MAM, MSc, PhD, Dipl. ACPV Avian Health International, LLC

stunting syndrome, ou RSS, em

inglês) foram definidos claramente. A RSS é provavelmente multifatorial. Na síndrome há grande proporção de indivíduos menores que o normal.

93 aviNews América Latina Abril 2018 | Síndrome infecciosa de nanismo em frangos de corte


100%

A síndrome de nanismo e raquitismo

100%

(RSS) foi descrita pela primeira vez

100%

por volta dos anos 1970. Desde então, tem-se especulado muito sobre sua origem: genética, manejo, meio ambiente, nutrição e alimentação, agentes infecciosos ou uma combinação desses e

PARVOVIRUS

de outros fatores. Levantou-se a suspeita quanto à participação de diferentes vírus entéricos,

81,3%

entre eles:

80%

Astrovírus

Rotavírus

Reovírus

Picornavírus

Parvovírus

Calicivírus

66,7% ASTROVIRUS

patologia

56,3%

60%

12,5%

0%

20%

ROTAVIRUS

REOVIRUS 50%

Em suma, os vírus mais frequentes foram: Vírus detectados em 8 experimentos com frangos de corte alojados em camas contaminadas. Porcentagem do total de amostras Porcentagem do total de amostras positivas Porcentagem do total de amostras negativas

1 Parvovírus 2 Astrovírus 3 Rotavírus 4 Reovírus Embora não sejam os mais frequentes, o astrovírus e o reovírus aparentemente são os vírus de maior patogenicidade.

94 aviNews América Latina Abril 2018 | Síndrome infecciosa de nanismo em frangos de corte


As causas do impacto econômico são: Atraso no crescimento Eliminação de aves atrasadas Mais dias para alcançar o peso de comercialização Baixa uniformidade, tanto na granja, quanto na planta de processamento Problemas de segurança alimentar resultantes de maior contaminação fecal das carcaças

Há muitas causas possíveis para o atraso no

Microscopicamente: as lesões incluem

crescimento e a perda de uniformidade. No

a formação de cistos localizados nas

caso da RSS, o atraso torna-se evidente a

criptas de Lieberkühn, o encurtamento

partir de 5 ou 6 dias de idade. Embora não

e a fusão das vilosidades intestinais e

aumente diretamente, a mortalidade pode

patologia

Conversão alimentar e outros fatores

a infiltração de células

crescer por causa da eliminação de aves

inflamatórias.

atrasadas. Surge diarreia aquosa profusa, que rapidamente umedece a cama. Os frangos parecem febris e não se alimentam. As aves afetadas podem demorar 1 ou 2 dias a mais para consumir a quantidade adequada de ração inicial.

Macroscopicamente: o intestino delgado apresenta palidez e paredes finas, com conteúdo aquoso e alimento mal digerido. O fígado fica pequeno, escuro e sem reservas de gordura. A vesícula biliar pode estar cheia de bílis.

Intestino pálido, com conteúdo aquoso; fígado sem reservas de gordura e vesícula biliar repleta de bílis

Intestino com paredes adelgaçadas e transparentes, com conteúdo aquoso e alimento não digerido

95 aviNews América Latina Abril 2018 | Síndrome infecciosa de nanismo em frangos de corte


Conhecida como enterite multicística, a formação de cistos nas criptas de Lieberkühn causa grande impacto ao impossibilitar que as células das criptas se multipliquem e preencham as vilosidades. As células das criptas são a origem das células que preenchem as vilosidades, indo ao ápice de cada uma delas.

Cistos/Seção Transversal de Duodenos

patologia

Enterite multicística. As criptas de Lieberkühn se apresentam dilatadas (ectasia vascular), com epitélio atenuado (plano) e detritos celulares no lúmen.

100 90 80 70 60 50 40 30 20 10 0 5

10

15

20

25

30

Idade (dias) Número médio de cistos por seção transversal de duodeno em aves de 5 a 35 dias. Foram examinados os duodenos de 311 frangos, representando 6 integrações com problemas de RSS no sul dos Estados Unidos. O gráfico ilustra claramente que a maior incidência de lesões por RSS ocorre entre os 7 e 14 anos de idade.

96 aviNews América Latina Abril 2018 | Síndrome infecciosa de nanismo em frangos de corte

35


Durante essa migração, as células se

Além disso, a diarreia aquosa aumenta

especializam, dividindo-se em três tipos

a umidade da cama, gerando problemas

principais:

respiratórios e digestivos. A cama úmida favorece, por exemplo, a esporulação

Enterócitos, encarregados de digerir, absorver e aproveitar os nutrientes; Células enteroendócrinas, cuja função é regular o trânsito de nutrientes e a secreção de enzimas;

de oocistos de Eimeria. Terminada a etapa crítica da RSS, entre 7 e 14 dias de idade, podem ocorrer outros problemas gastrointestinais, como a coccidiose clínica ou subclínica, seguida da proliferação de clostrídios causadores de enterite necrótica.

Células caliciformes, produtoras de mucopolissacarídeos, que contêm imunoglobulina A (IgA) e contribuem para a proteção contra patógenos. Se as células das criptas não podem se dividir e preencher o epitélio das

patologia

Aves de 7 dias com cama molhada e comportamento anormal

vilosidades, estas encurtarão gradualmente, à medida que as células envelheçam sem serem substituídas por novas células

Esses problemas podem gerar desafios

geradas pelas criptas. Esse fenômeno

relacionados à segurança alimentar. A

reduz a capacidade do intestino de digerir,

diarreia aquosa faz com que aves levem

absorver e aproveitar nutrientes.

uma quantidade maior de matéria fecal para a planta de processamento, acarretando risco de contaminação por Salmonella e Campylobacter. A fragilidade intestinal também pode induzir a ruptura de vísceras e contaminação fecal.

Numerosos vírus intestinais foram detectados, sendo os astrovírus e os reovírus os mais relevantes. Algumas vacinas autógenas para reprodutoras têm o objetivo de gerar Vilosidades normais de frangos saudáveis

Vilosidades encurtadas de frangos infectados experimentalmente com astrovírus aviário

imunização passiva para a progênie, mas os resultados positivos não foram consistentes. Por isso, procurar outras medidas de controle é fundamental.

97 aviNews América Latina Abril 2018 | Síndrome infecciosa de nanismo em frangos de corte


A partir de pesquisas realizadas na Universidade da Geórgia, foi possível determinar que os fatores de manejo que causam mais impacto são: vazio sanitário, reutilização da cama e criação em baixas temperaturas.

A natureza infecciosa da RSS foi claramente demonstrada por diversos experimentos em que pintinhos do mesmo lote de reprodutoras, incubados na mesma incubadora e nascidos no mesmo nascedouro, foram alojados separadamente, em um ambiente perfeitamente limpo, desinfectado e com cama nova, ou em um ambiente com camas contaminadas,

Foi investigada também a possível participação de agentes infecciosos. O maior impacto positivo foi obtido com um vazio sanitário de pelo menos 18-21 dias em granjas altamente contaminadas.

provenientes de granjas severamente afetadas com RSS.

Foi estabelecido um programa intensivo de limpeza e desinfecção, e as camas deixaram de ser reutilizadas. Também ficou demonstrado que o nanismo aumenta drasticamente com a temperatura baixa das aves nos primeiros dias de vida.

Nesse período curto, permitiu-se que a cama contaminada

Os pintinhos foram criados por um período de 10 a 12 dias, com apenas 2 dias de vazio sanitário ao final desse período.

permanecesse no ambiente contaminado, e que o ambiente limpo fosse novamente sujeito a uma exaustiva desinfecção, com provimento de novas camas antes de que outro grupo experimental de pintinhos fosse alojado. Esse proceso foi repetido 27 vezes e, em 100% dos casos, as

patologia

aves alojadas no ambiente contaminado apresentaram, já

Por isso, é fundamental aderir a práticas de manejo que impeçam o esfriamento das aves e favoreçam o consumo de alimento, desestimulando o consumo de cama aviária. Por fim, a espessura da cama demonstrou ser um fator determinante para a redução da síndrome. É importante contar com pelo menos 10 cm de espessura de cama, especialmente em granjas repetidoras.

entre 10 e 12 dias de idade, peso corporal 50% menor que o das aves alojadas no ambiente limpo.

Isso ilustra o papel fundamental da biossegurança, da limpeza e da desinfecção no controle da RSS.

98 aviNews América Latina Abril 2018 | Síndrome infecciosa de nanismo em frangos de corte


Uma última prática que pode contribuir substancialmente para reduzir problemas causados pela

CONCLUSÕES

RSS é fermentar e aquecer a cama contaminada.

Resumidamente, as ações mais importantes Dentro da série de experimentos

para controlar a síndrome infecciosa de

mencionada, ficou demonstrado

nanismo incluem:

que o aquecimento da cama a 40 °C durante 100 horas reduziu o

Limpeza, desinfecção e camas

impacto negativo de RSS em lotes

novas.

subsequentes de filhotes.

Aumento do tempo de vazio

Se implementarmos um programa

sanitário.

eficaz de compostagem da

Aquecimento e fermentação da

cama, será possível reduzir a

cama (compostagem).

viabilidade de agentes infecciosos

Impedir que a temperatura dos pintinhos baixe nas primeiras horas

patologia

participantes da RSS.

e estimular desde cedo o consumo de alimento. O tipo, a quantidade e a distribuição dos comedouros é essencial.

Síndrome infecciosa de nanismo em frangos de corte BAIXAR O PDF

99 aviNews América Latina Abril 2018 | Síndrome infecciosa de nanismo em frangos de corte


SEGURANÇA E EFICÁCIA NO CONTROLE DA DOENÇA DE

NEWCASTLE Vectormune® ND

CEVA Saúde Animal

vacinas

A

doença de Newcastle (ND) é uma doença altamente contagiosa com impacto econômico muito alto e uma das principais barreiras ao comércio internacional da avicultura. A vacinação é uma parte crucial dos programas de prevenção contra esta doença. No entanto, os planos convencionais de vacinação apresentam sérios problemas de eficácia em razão dos altos títulos de anticorpos maternos dos pintinhos de um dia e da enorme dificuldade para alcançar uma vacinação adequada das aves no campo.

Neste contexto, era necessária uma nova geração de vacinas e a tecnologia de vacinas vectorizadas com rHVT-F, como a Vectormune® ND, supera totalmente os obstáculos acima mencionados (Paniago et

Vectormune® ND é uma vacina vetorizada que usa HTV cujo genoma foi inserido: O gene “F” extraído do vírus da EN (VEN). O vetor HVT utilizado (cepa FC 126, gerada após um número reduzido de passagens), a inserção do gene “F”, o local de inserção e o promotor selecionado para garantir a expressão do gene F, são elementos-chave da singularidade desta vacina. A vacina Vectormune® ND da Ceva Saúde Animal tem um design estrutural único. A proteína “F” (“fusão”) é o epítopo presente na superfície de qualquer VEN, permitindo a união e penetração nas células alvo. Se existe imunidade contra a proteína “F”, o VEN não pode infectar as células e induzir a EN. Isso explica a eficácia muito alta de Vectormune® ND contra mortalidade e perdas de desempenho. Como a replicação de VEN dentro do organismo da ave também é impedida, ocorre uma redução significativa na eliminação do vírus de desafio.

al. 2016).

VETOR HVT Vírus vacinal

100

GENE “F” PEC Promotor DOADOR Vírus EN VEN D26

GENOMA HVT

aviNews América Latina Abril 2018 | Segurança e eficácia no controle da doença de Newcastle

Vectormune® ND


Unidade equivalente de títulos (lg EID 50/0,2 ml)

O início da imunidade induzida por Vectormune® ND depende diretamente da replicação do vírus do vetor HVT e, consequentemente, da expressão do gene de fusão (F) do vírus da doença de Newcastle. A proteção aumenta progressivamente ao longo do tempo, atingindo proteção total em torno de 3 a 4 semanas de idade. Na verdade, a imunidade pode já ser detectada às duas semanas de idade. Sob condições epidemiológicas especiais, as vacinas vivas podem ser aplicadas como reforço no incubatório e/ou campo (10-15 dias de idade).

Unidade equivalente de títulos (lg EID 50/0,2 ml)

Extraído do estudo SCI-137-2011

Redução da Excreção do Vírus do Desafio

% de proteção

Vectormune®ND Controle

20 0

2

3

4

6

100

% de proteção

80 60 40 20 0

3

4

6

10

15

25

33

40

Idade dos animais desafiados em semanas

Extraído do estudo SCI-159-2010

55 72

Espectro de proteção

Duração da imunidade

Idade dos animais (semanas)

Uma vacinação com o Vectormune® ND em poedeiras comerciais de um dia de idade, após uma proteção clínica completa contra desafio pela VEN às 4 semanas de idade, induz 100% de proteção clínica até as 72 semanas de idade. Além disso, há uma alta proteção contra queda de produção e mortalidade (estudo DV-055-2007, desafio com cepa genótipo VII da Malásia às 3, 4, 6, 10, 15, 25, 33, 40, 55 e 72 semanas de idade; Palya et al., 2014).

7 dias após desafio orofaríngeo 7 dias após desafio cloacal

Vectormune® ND

Controle Extraído do estudo SCI-007-2011

7 6 5 4 3 2 1 0

Vectormune®ND

Vacina viva contra EN

Controle

Tipo de vacina aplicada

60 40

4 dias após desafio cloacal

Idade dos animais desafiados (dias)

100 80

4 dias após desafio orofaríngeo

Redução da excreção do vírus após o desafio aos 25 dias de idade (estudo SCI-155-2012, cepa desafio da indonésia do genótipo VIIa). O grupo vacinado com Vectormune® ND apresentou uma boa redução no nível de excreção do vírus em comparação com as aves-controle (vacina inativada). Os resultados de excreção do vírus de desafio indicado no estudo SCI-007-2011 (desafio por um paramyxovirus de ganso genótipo VIId da África do Sul aos 28 dias de idade) demonstram claramente a menor excreção viral em aves vacinadas com o Vectormune® ND em comparação com aves do grupo controle (vacinas vivas).

A Vectormune® ND foi testada em estudos de desafio usando vários genótipos do VEN (II, IV, V, VII, VIIa, VIIb, VIId e VIII) com excelentes níveis de proteção (Paniago et al., 2016). A experiência de campo gerada por mais de 27 bilhões de aves vacinadas em todo o mundo, em diferentes contextos epidemiológicos, tem demonstrado claramente os grandes benefícios do uso de Vectormune® ND para um controle mais eficaz da mortalidade e excreção do vírus da EN e, assim, proporcionar maiores lucros e tranquilidade para a indústria avícola. Segurança e eficácia no controle da doença de Newcastle BAIXAR O PDF

101 aviNews América Latina Abril 2018 | Segurança e eficácia no controle da doença de Newcastle

vacinas

Início da Imunidade

A proteção clínica está resumida no gráfico do estudo SCI137-2011 (cepa desafio da Malásia do genótipo VII).

7 6 5 4 3 2 1 0


APLICAÇÃO DO COBRE COMO

SUPERFÍCIE ANTIMICROBIANA

NA

MEDICINA VETERINÁRIA

O

Dra.Ronise Depner Médica Veterinária

cobre é um metal de transição na tabela periódica. Sua capacidade

investigação

de facilmente doar ou receber elétrons é a fonte de muitas de suas propriedades úteis, incluindo condutividade térmica e elétrica e das propriedades antimicrobianas.

Sua forma oxidada é indicada como Cu+2 Sua forma reduzida é indicada como Cu+1 Trata-se de um microelemento necessário para quase todos os organismos vivos, incluindo humanos, contribuindo com numerosos processos metabólicos. Entretanto, íons de cobre em níveis elevados são tóxicos para a maioria dos organismos.

102 aviNews América Latina Abril 2018 | Aplicação do cobre como superfície antimicrobiana na medicina veterinária


O mais antigo uso médico

O registro permite a comercialização com o

já registrado do cobre é

argumento de que o cobre “elimina 99,9%

mencionado no Smith

das bactérias dentro de duas horas”. Sua

Papyrus. Esse texto

utilização foi autorizada para a fabricação

médico egípcio escrito

de produtos para ambientes comerciais,

entre 2600 e 2200 antes de Cristo,

residenciais e de saúde. A agência esclarece

descreve a aplicação do cobre para

que as ligas de cobre devem ser utilizadas

esterilizar ferimentos torácicos e água

como um complemento e não para a

potável. Gregos, romanos, astecas e

substituição das práticas-padrão de limpeza

outros povos tratavam dores de cabeça,

e desinfecção das superfícies. Acrescenta

doenças pulmonares, queimaduras,

ainda que tais produtos não representam

vermes intestinais e infecções no ouvido

nenhum risco à saúde pública.

com o cobre. Sua utilização se difundiu na medicina a partir do século XIX e seu uso como agente antimicrobiano continuou até a disponibilização de antibióticos em escala comercial em

investigação

1932. O estudo das propriedades antimicrobianas das superfícies metálicas de cobre é relativamente recente e ganhou destaque quando o órgão norte-americano Environmental Protection Agency (EPA) registrou quase 300 ligas distintas de cobre como antimicrobianas em 2008.

Antes disso, uma série de estudos demonstrou o efeito bactericida do cobre e suas ligas contra cinco cepas de bactérias testadas de acordo com os protocolos da EPA: Apesar da antiguidade de sua O cobre é o primeiro metal a ter

descoberta e utilização, o cobre

reconhecido tal status.

tem suas propriedades ainda pouco exploradas e suas aplicações estão longe de serem esgotadas.

103 aviNews América Latina Abril 2018 | Aplicação do cobre como superfície antimicrobiana na medicina veterinária


ASPECTOS GERAIS DA ATIVIDADE ANTIMICROBIANA

Entre os vários micro-organismos já

Com relação à atividade antimicrobiana do

comprovadamente inativados pelo cobre, alguns são de interesse em

cobre e de suas ligas, estudos concluíram

medicina veterinária, como:

que o efeito antimicrobiano aumenta à medida que a temperatura passa da

Escherichia coli O157: H7

refrigeração para a temperatura ambiente

Staphylococcus aureus meticilina-resistente (MRSA)

e à medida que o teor de cobre das ligas aumenta.

Salmonella enterica

A maior resistência à corrosão leva a menor disponibilidade de íons cúpricos (Cu+2)

Campylobacter jejuni

e consequentemente menor atividade

Listeria monocytogenes

antimicrobiana.

Candida albicans

investigação

As superfícies manchadas liberam Cu+2

Virus Influenza

mais facilmente, exibindo atividade inibitória mais rapidamente que as superfícies brilhantes. Entretanto, espessa camada de óxido de cobre reduz a atividade antimicrobiana das superfícies de contato.

MECANISMO DE AÇÃO ANTIMICROBIANA (ANTIBACTERIANO, ANTIVIRAL E ANTIFÚNGICO) O mecanismo pelo qual se dá a morte microbiana em superfícies de contato de cobre é chamado de contact killing, ou morte por contato. A toxicidade ocorre devido à sua tendência em alternar seu estado de oxidação entre cuproso (Cu1+) e cúprico (Cu2+).

Como o efeito antimicrobiano é uma propriedade contínua do cobre, a recontaminação é mitigada.

Em condições aeróbicas, esse ciclo redox leva à geração de radicais hidroxila altamente reativos que danificam as biomoléculas, como DNA, proteínas e lipídeos. Fatores que aumentam as espécies reativas de oxigênio (ROS) aumentam a taxa de morte bacteriana.

Radical hidroxilo

Assim, a produção de radical hidroxila pela reação de Fenton-like contribui para a inativação dos microorganismos.

104 aviNews América Latina Abril 2018 | Aplicação do cobre como superfície antimicrobiana na medicina veterinária


A “morte por contato” se efetua por:

APLICAÇÕES EM SAÚDE PÚBLICA

Sucessivos danos na membrana

Pesquisadores comprovaram, na prática

Influxo de cobre para dentro das células

hospitalar, a funcionalidade do cobre

Danos oxidativos

superfícies podem auxiliar o uso de

e suas ligas, confirmando que essas antibióticos, desinfetantes e a prática de

Morte celular Degradação do DNA

lavagem de mãos, minimizando o risco de aparecimento e disseminação de microorganismos resistentes.

Superfícies secas de cobre metálico tem maior poder antimicrobiano que as mesmas superfícies quando úmidas.

Os números médios de bactérias recuperadas das superfícies hospitalares contendo cobre foram entre 90% e 100% menores do que os das superfícies controle em um hospital do Reino Unido. Já em um posto de saúde em Grabouw, África do Sul, as superfícies de cobre tiveram uma carga microbiana

investigação

71% menor.

PERSPECTIVAS DE FUTURO Os materiais de cobre Células microbianas expostas a superfícies

podem também ser

secas de cobre acumulam grandes quantidades

úteis como superfícies

de íons mais rapidamente que nas superfícies

antimicrobianas em

úmidas. Elas sofrem extensos danos nas

confinamentos, bebedouros e

membranas e perdem a integridade celular em

comedouros para os animais, materiais de

poucos minutos.

gaiolas e recipientes de armazenamento.

Em condições de anaerobiose, a ausência de

Os custos podem ser diluídos pelo menor

oxigênio apenas aumentou o tempo necessário

uso de antibióticos e diminuição do

para a inativação de 109 células de E. coli (de

risco de seleção para cepas de bactérias

1 para 2 minutos) em plaqueamento seco, mas

multirresistentes aos antibióticos.

não as protegeu da morte. O cobre metálico pode ser aplicado em O contato com as células pode oxidar

áreas com alta exposição à contaminação

diretamente a superfície de cobre, levando à

como as encontradas em abatedouros

liberação de íons Cu+1. Esses não são muito

avícolas. O uso de chapas de cobre seria

solúveis e não são estáveis em aerobiose,

útil para diminuir a contaminação cruzada

porém são mais tóxicos que os íons Cu+2.

causada por bactérias patogênicas como

Sendo assim, as condições de anaerobiose não

Salmonella enterica e Campylobacter jejuni

aumentam significativamente a sobrevivência

e evitar a formação de biofilmes.

em cobre metálico.

105 aviNews A. Latina Marzo 2018 | Aplicación del Cobre como superficie antimicrobiana en la medicina veterinaria


CONCLUSÕES Está claro que o uso do cobre e suas ligas como superfície antimicrobiana pode ser muito útil em diversas áreas da medicina veterinária. Hospitais e clínicas Laboratórios

Grande parte dos desinfetantes utilizados atualmente possuem restrições de uso, como o formaldeído, conhecido pela sua ação carcinogênica, e o iodo e os ácidos, que possuem ação corrosiva.

Instrumentos cirúrgicos Instalações Fômites Abatedouros

investigação

Laticínios, entre outros

O uso de superfícies antimicrobianas de cobre poderá resultar em menores taxas de infecções e menor utilização de antibióticos, resultando em menores chances de desenvolvimento de microorganismos multirresistentes, com

Além da já comprovada ação das

benefícios para a saúde animal e humana.

superfícies de cobre contra bactérias e vírus e fungos, sua aplicação prática na parasitologia também deve ser

Poder-se-á contar ainda com a redução de

considerada.

custos com:

Na avicultura, há uma extensa possibilidade

Tratamento de doenças animais

de aplicação do cobre e suas ligas, a

Melhor desempenho zootécnico

começar pelos incubatórios onde a limpeza dos

Maior lucratividade

equipamentos e das salas

Menor gasto com saúde pública

é fundamental para

pela redução da transmissão das

a sanidade dos

zoonoses

pintinhos. Depner RFR, Depner RA, Lucca V, Lovato M. O cobre como superfície de contato antimicrobiana e sua potencial aplicação na Medicina Veterinária. Veterinária e Zootecnia 2015;22(4):532-543.

Aplicação do cobre como superfície antimicrobiana na medicina veterinária BAIXE O PDF

106 aviNews América Latina Abril 2018 | Aplicação do cobre como superfície antimicrobiana na medicina veterinária


Para um padrão científico de ouro

Os pioneiros sempre lutam pelo ouro

…e assim conquistar o registro zootécnico para o Biostrong 510 EC. Foi demonstrada e confirmada a segurança e a eficácia do aditivo fotogênico para ração de frangos de corte e galinhas poedeiras até o início da postura. Encontre mais informações online!

www.delacon.com


2018

LPN CONGRESS

Evento oficial da NUTRIÇÃO ANIMAL & AVICULTURA eventos

de toda a AMÉRICA LATINA

O LPN Congress 2018 é o ponto

20 1 8

ress g n Co

LPN iami M

25 & 4 23, 2 o 2018 br Outu

de encontro oficial da nutrição de monogástricos e avicultura de toda a América Latina. Este espetacular congresso internacional é marcado pelo altíssimo valor qualitativo da programação voltada, única e exclusivamente, ao público latino-americano do setor avícola e de nutrição animal.

108 aviNews América Latina Abril 2018 | LPN Congress, onde se unem a avicultura e a nutrição animal de TODA a América Latina


Direção técnica

Público alvo O LPN Congress 2018 foi pensado com foco no seguinte público:

Sala de produção de FRANGOS, REPRODUTORAS PESADAS E INCUBAÇÃO

Diretores de produção

Dr. Gregorio Rosales

Veterinários

Consultor privado

Técnicos zootecnistas Nutricionistas Consultores

Dr. Edgar Oviedo

Granjas de postura Plantas de incubação Fábricas de alimentos Plantas de processamento

Especialista de extensão-nutrição e manejo de frangos de corte

Sala de produção de OVOS CRIA - RECRIA eventos

Integradoras

Empresas

Profissionais

Gerentes

Dr. Antonio Gilberto Bertechini Pesquisador do CNPq

Miami

Sala de NUTRIÇÃO ALIMENTAÇÃO DE MONOGÁSTRICOS Dr. Mário Penz

Key Accounts Director de Cargill Nutrición Animal

A organização do LPN Congress 2018 já concluiu a programação técnica sobre avicultura e nutrição animal, construída especialmente para atender os anseios do público latino-americano.

lpncongress.COM

109 aviNews América Latina Abril 2018 | LPN Congress, onde se unem a avicultura e a nutrição animal de TODA a América Latina


Workshops... Terça-feira 23 de outubro 2018

Durante o primeiro dia serão realizados 4 workshops, cada um patrocinado por uma empresa especializada do setor.

eventos

A TECTRON está patrocinando um workshop sobre nutrição e alimentação A JAMESWAY está patrocinando um workshop sobre incubação e reprodutoras A LOHMAN patrocina um WORKSHOP SOBRE AVICULTURA DE POSTURA A EXAFAN patrocina um workshop sobre instalações

Tradução simultânea ao espanhol e português Para a organização do LPN Congress 2018 é fundamental oferecer esta opção de tradução simultânea ao público do evento, possibilitando

Quando a palestra for em inglês, as traduções serão realizadas tanto para o espanhol, como para o português

sua participação e envolvimento nas palestras sem preocupação com o idioma.

110 aviNews América Latina Abril 2018 | LPN Congress, onde se unem a avicultura e a nutrição animal de TODA a América Latina


lpncongress.COM

S E S S ÃO P L E N Á R I A Perspectivas globais e regionais na América Latina para a produção de proteína animal

Programação técnica Quarta-feira 24 de outubro 2018

Durante o segundo dia acontece a sessão plenária que colocará em debate as perspectivas globais e regionais para a produção de proteína animal na América Latina. Os participantes contarão com três

ni hi

eventos

lb Gi

io on

Be

rt

SALA de carne, reprodutoras e incubação

SALA de nutrição alimentação de monogástricos

ec

Dr .A

nt

MO

DE

RA

DO

R

er

to

salas temáticas:

R DO RA DE

nz

MO

Pe

Moderada pelo Dr Antonio Gilberto Bertechini concentrará conferências sobre as interações entre genética, nutrição, sanidade, economia e manejo na produtividade da indústria de ovos e/ou os desafios presentes e futuros para a indústria de ovos: experiência europeia.

rio

SALA de ovos, cria e recria

MO Dr DE .G RA DO Ro r e g sa ori RE les o S

Moderada pelo Dr. Gregorio Rosales e pelo Dr. Edgar Oviedo debaterá temas como o manejo epidemiológico e econômico de doenças respiratórias em frangos e reprodutores e/ou a importância do Benchmarking na produção de carne de aves.

Moderada pelo Dr. Antonio Mário Penz destaca várias palestras como o impacto das micotoxinas na produção livre de antibióticos e/ou os efeitos da nutrição sobre a imunologia das aves e suínos.

ar dg o .E Dr vied O

111 aviNews América Latina Abril 2018 | LPN Congress, onde se unem a avicultura e a nutrição animal de TODA a América Latina


Quinta-feira 25 de outubro 2018

S E S S ÃO P L E N Á R I A Big Data na avicultura: como resgatar e utilizar, produtivamente, milhões de dados na produção avícola

lpncongress.COM SALA de carne, reprodutoras e incubação

eventos

Moderada pelo Dr. Gregório Rosales e pelo Dr. Edgar Oviedo, sediará debates sobre temas como as perspectivas e desafios na produção de perus na América Latina e/ou a melhora do rendimento e a redução de perdas na planta de processamento. O Double Tree Hilton Hotel Miami Airport & Convention Center foi selecionado para abrigar o LPN Congress 2018, ponto de encontro

SALA de nutrição alimentação de monogástricos

da avicultura e nutrição animal de toda a América Latina. Trata-se de um hotel extraordinário, que oferece instalações ideais para acolher um evento dessa categoria. O Double Tree Hilton Hotel Miami

Moderada pelo Dr. Antonio Mário Penz, destacará várias palestras como os cuidados na produção pós-retirada do AGP e/ou como implementar a produção em tempo real em granjas.

Airport & Convention Center tem excelente localização, a apenas alguns minutos da esquina suloeste do Aeroporto Internacional de Miami

SALA de ovos, cria-recria

(MIA) e apenas 25 minutos de South Beach e do centro das atrações de Miami.

Moderada pelo Dr. Antonio Gilberto Bertechini, debaterá sobre a redução das perdas de produtividade de ovos associadas a problemas sanitários, nutricionais ou de manejo em plantas classificadoras e empacotadoras

112 aviNews América Latina Abril 2018 | LPN Congress, onde se unem a avicultura e a nutrição animal de TODA a América Latina


Com a presença das team leaders do MIAMI HEAT

Não perca!

Abertura & Evento Social 23 de outubro O LPN Congress 2018, com o

de compartilhar experiências e

objetivo de estreitar as relações

opiniões com setor avícola e de

profissionais e servir como elo

nutrição de monogástricos de

entre os produtores, empresas,

toda a América Latina.

técnicos e demais representantes da indústria avícola e da nutrição de monogástricos, contará com uma fantástica sala de exposições de 16.000 m2.

O evento social que vai marcar a abertura do LPN Congress será realizado no dia 23 de outubro na área de exposições.

A área de exposições é o espaço onde as empresas participantes irão expor suas novidades, além

LPN Congress 2018, o evento oficial da nutrição animal e avicultura da América Latina BAIXE O PDF


SOLUÇÕES GLOBAIS E M B I OS S E G U R A N Ç A Serviço de produtos Desinfetantes Rodenticidas Inseticidas

Assessoramento técnico Protocolos, formações etc.

Implantação de Protocolos

Seguimento dos resultados

M www.bioplagen.com

aviNews Brasil Abril 2018  
aviNews Brasil Abril 2018