Issuu on Google+

RELATร“RIO DE ATIVIDADES DA REDE ASA/Cรกritas 2013


2

ASA – Ação Social Arquidiocesana

1

Apresentação Relatório 2013

Queridos amigos e Queridas amigas É com grande alegria que apresentamos este relatório que demonstra de forma objetiva, compreensível e sintética a ação desenvolvida pela ASA e por suas entidades-membro ao longo de 2013. O relatório está dividido em duas partes. Na primeira parte temos a descrição qualitativa e quantitativa de cada uma das diretrizes de ação da entidade. Na segunda apresentamos um quadro sintético das atividades realizadas pelas ações sociais paroquiais, o que demonstra de forma parcial o alcance social do trabalho realizado pelas entidades que compõem a Rede ASA/Cáritas. O ano de 2013 foi marcado por um investimento de atuação em duas áreas distintas, mas complementares para o cumprimento da missão da ASA, que são: o fortalecimento da dimensão social da Arquidiocese, a partir dos indicativos de ação do 13º Plano Arquidiocesano de Pastoral e na elaboração de propostas de sustentabilidade da ASA após o encerramento do convênio com a Misereor, que ocorrerá em abril de 2014. Agradecemos a todos e a todas que caminharam com a Rede ASA/Cáritas em 2013, principalmente aos diretores, colaboradores, voluntários, parceiros e apoiadores. Desejamos que jamais se apague em seus corações a chama que arde por justiça social. Que continuem sendo sempre solidários, pois segundo o Papa Francisco “Ninguém pode permanecer insensível às desigualdade que ainda existem no mundo! Cada um, na medida das próprias possibilidades e responsabilidades, saiba dar sua contribuição para acabar com tantas injustiças sociais! Não é, não é a cultura do egoísmo, do individualismo, que frequentemente regula a nossa sociedade, aquela que constrói e conduz a um mundo mais habitável: não é ela, mas sim a cultura da solidariedade; a cultura da solidariedade é ver no outro não um concorrente ou um número, mas um irmão. E todos nós somos irmãos!” (Comunidade da Varginha – Rio de Janeiro, 25/07/2013).

Boa Leitura! Sandra Aparecida de Souza Schlichting Presidente da ASA


Relatório Anual de Atividades – 2013

2

3

APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE

A Ação Social Arquidiocesana (ASA) é uma associação civil, sem fins econômicos, criada em 17/11/1960. É reconhecida como Entidade Beneficente de Assistência Social e possui os títulos de Utilidade Pública Municipal, Estadual e Federal. Desenvolve sua atuação nos trinta (30) municípios que formam a Arquidiocese de Florianópolis. Seu quadro de associados atualmente consiste em 48 Entidades-Membro, que desenvolvem trabalhos junto às comunidades empobrecidas no atendimento às famílias, especialmente a crianças e adolescentes, pessoas idosas e mulheres. É entidade-membro da Cáritas Brasileira e comunga com sua missão “Testemunhar e anunciar o Evangelho de Jesus Cristo, defendendo e promovendo a vida e participando da construção solidária de uma sociedade justa, igualitária e plural, junto com as pessoas em situação de exclusão social.” A ASA organiza seu trabalho a partir de quatro Diretrizes de Ação, que são: 1) Fortalecimento da Rede ASA: institui uma metodologia de trabalho em rede, oferecendo assessoria e consultoria, visando ao aprimoramento do trabalho das entidades sociais filiadas à ASA em direção a organização e desenvolvimento comunitário. 2) Acesso e Controle Social das Políticas Públicas: contribui no processo de acesso às políticas públicas e garantia dos direitos, promovendo a participação qualificada das entidades sociais nos espaços de controle social. 3) Desenvolvimento Solidário e Sustentável: amplia a consciência ambiental e o compromisso com o desenvolvimento solidário e sustentável, através de projetos locais que visem à proteção e defesa do meio ambiente. 4)

Sustentabilidade Financeira: identifica e amplia da rede de parceiros e investidores com vistas à constituição de novas possibilidades de suporte financeiro para os projetos da Rede ASA.

3

MISSÃO/VISÃO/VALORES

Missão: Atuar e potencializar as Ações Sociais, por meio de assessoria e acompanhamento, fortalecendo a promoção e defesa dos direitos e políticas sociais, na construção de uma sociedade justa, democrática, solidária, sustentável e plural. Visão: Ser reconhecida enquanto entidade de assessoria qualificada com metodologia e dinâmica de trabalho em rede, aprimorando e ampliando a sua visibilidade e sustentabilidade. Valores: Ética – incide em atuar com princípios de justiça, pautado em valores que promovam o bem comum e a defesa dos direitos humanos, respeitando as pessoas com quem interage. Democracia – implica numa relação coletiva, participativa, horizontalizada com contribuição e responsabilidade de todos. Solidariedade – para além do ato de ajudar, de fazer algo, é um princípio inerente e continuo de vida, e que permeia a justiça, os direitos, o respeito, irradiando-se para o meio ambiente. Respeito – aceitar a diversidade, diferenças culturais, de gênero, etnia, geração, crenças, entre outras. Transparência – ato de publicizar quem somos, o que fazemos, em que e como investimos e com quem interagimos. Justiça, cidadania e direitos – elementos que se complementam para a efetivação e garantia dos direitos, para assegurar a promoção e a dignidade humana. Sustentabilidade ambiental – ação humana que gere menor impacto ao meio ambiente, entendendo o planeta como casa de todos e que merece cuidados para a manutenção da vida e das futuras gerações. Protagonismo – participação ativa e autônoma nos espaços de interação e inserção social.


4

ASA – Ação Social Arquidiocesana

4 OBJETIVOS a)

Prestar assessoramento às ações sociais no que se refere à estrutura e organização, à formação, à elaboração de projetos, à captação de recursos, bem como a outras ações voltadas ao aprimoramento e adequação das entidades de Assistência Social à Política Nacional de Assistência Social.

b)

Desenvolver trabalho em Rede com vistas ao fortalecimento, ampliação e unificação da Rede de trabalhos Social da Arquidiocese de Florianópolis.

c)

Desenvolver suas ações em consonância com a Política Nacional de Assistência Social, com as diretrizes da Cáritas Brasileira e demais legislações pertinentes.

d)

Prestar assessoramento voltado prioritariamente para o fortalecimento dos movimentos sociais e das organizações de usuários, desenvolvendo formações e capacitações de lideranças, dirigidos ao público de assistência social.

e)

Atuar de forma permanente e planejada na defesa e efetivação dos direitos socioassistenciais, contribuindo na construção de novos direitos, promovendo a cidadania e enfrentando as desigualdades sociais, articulando-se com órgãos públicos de defesa de direitos, dirigidos ao público de assistência social.

f)

Ampliar a consciência ambiental e compromisso com o desenvolvimento solidário e sustentável, promovendo iniciativas locais.

g)

Divulgar os trabalhos no campo social.

h)

Promover eventos culturais, artísticos, religiosos e turísticos em vista do desenvolvimento solidário e sustentável.


Relatório Anual de Atividades – 2013

5

5

ATIVIDADES REALIZADAS Fortalecimento da Rede ASA/Cáritas

A Diretriz Fortalecimento da Rede ASA possui o objetivo de instituir a metodologia do trabalho em rede, realizando assessoria e acompanhamento as Ações Sociais, visando ao aprimoramento do trabalho, contribuindo para a organização e desenvolvimento comunitário. Para alcançar este objetivo foram desenvolvidas as seguintes ações: No Assessoramento as Ações Sociais foram realizados acompanhamentos conforme a demanda existente das entidades membro, destacando a necessidade de reordenamento das entidades de assistência social, conforme a Resolução 16 do Conselho Nacional de Assistência Social – CNAS. As Ações Sociais Paroquiais são entidades de assistência social, por isso, devem se adequar às normativas do Conselho Nacional de Assistência Social e do Ministério de Desenvolvimento Social, principalmente as que possuem convênios com o Poder Público. No intuito de ampliar e qualificar os trabalhos sociais desenvolvidos, a ASA articulou Encontros da Dimensão Social nas 8 (oito) comarcas da Arquidiocese de Florianópolis envolvendo as Ações Sociais Paroquiais, Pastorais Sociais e Organizações Não Governamentais – ONG. Neste espaço debateram-se: a realidade vivenciada por estas entidades; as demandas sociais que trabalham; as dificuldades existentes para a execução dos trabalhos que desenvolvem. Os Encontros possibilitaram a integração das entidades, onde a troca de experiências e partilha do trabalho contribuiu na elaboração de estratégias e sua qualificação. Tendo presente que as entidades membro são compostas por Ações Sociais Paroquiais, sendo que, assim, possuem um vínculo com a Igreja Católica, a ASA realizou no decorrer do ano dois Encontros Formativos com os seminaristas da Arquidiocese de Florianópolis. Nesses encontros foi abordada a realidade dos trabalhos sociais existente na abrangência da Arquidiocese, assim como a Política de Assistência Social e suas exigências para as entidades que executam essa política pública. Compreende-se a importância desses momentos formativos, por ampliarem o conhecimento necessário para a atuação na área social dos futuros presbíteros. O Inter Regional Sul da Cáritas, realizado no mês de agosto em Curitiba – PR, foi um momento preparatório para a Assembleia Nacional da Cáritas, onde se refletiu a questão da segurança alimentar e nutricional, tendo presente que toda pessoa tem direito a uma alimentação adequada; esse direito, porém, não está sendo concretizado. A realização do Inter Regional também possibilitou a discussão sobre a sustentabilidade da Rede Cáritas, pois no ano de 2013 a Misereor comunicou a finalização de sua parceria com as entidades no sul do Brasil. Na XIX Assembleia Nacional da Cáritas Brasileira foi refletida a realidade da fome e pobreza, já visando ao lançamento da campanha mundial contra a fome e pobreza. A campanha no Brasil tem como tema “Uma família humana: Pão e Justiça para todas as pessoas”, sendo que as ações trabalharão na perspectiva dos direitos e da justiça social. A Campanha teve inicio no ano de 2013 e irá até 2015 com o objetivo de sensibilizar e mobilizar a sociedade sobre a realidade da pobreza, da fome e das desigualdades sociais existentes, no Brasil e no mundo, tendo presente que uma alimentação adequada e de qualidade é direito humano e deve ser garantido a todas as pessoas de maneira igualitária.

Assembleia Nacional da Cáritas Brasileira


6

ASA – Ação Social Arquidiocesana

Ao lado: cartaz da Semana da Solidariedade; acima: Encontro do Movimento da População de Rua A ASA, sendo entidade membro da Cáritas Brasileira, realizou no Encontro Arquidiocesano das Ações Sociais um momento de discussão da realidade da fome e pobreza na abrangência da Arquidiocese de Florianópolis. Nesse encontro também foram apresentadas ações que estão sendo realizadas, destacando a atuação do Movimento dos Catadores de Materiais Recicláveis; do Movimento da População de Rua e do Mesa Brasil SESC.

Atividades Principais

Atividades realizadas

Assessoria comum a todas 15 Reuniões com as Ações Sociais, sendo: as entidades membro (48) 03 Ação Social São Francisco de Assis – Forquilhinhas; 03 Ação Social Paroquial de São José – Botuverá; 02 Ação Social São João Evangelista – Biguaçu; 02 Ação Social e Cultural da Catedral; 01 Assistência Social São Luiz – Agronômica. 01 Ação Social Paroquial da Lagoa – Florianópolis; 01 Sociedade de Promoção Social, Cultural Santa Teresinha – Brusque; 01 Ação Social e Cultural São Joaquim; 01 Ação Social da Trindade.

Publico beneficiário (nº de part.) Dirigentes, funcionários e voluntários das Ações Sociais 205 pessoas (73 H / 132 M)

Assessoria comum a entidades sociais

04 Reuniões com entidades sociais: 01 Casa da Criança do Morro da Penitenciária – Florianópolis; 01 Casa Santa Maria dos Anjos – Palhoça; 01 Associação Casa São José – Florianópolis; 01 Ação Social Salto Imaruim – Colônia Santana

Dirigentes e voluntários das entidades 62 pessoas (27 H / 35 M)

Encontro da Rede ASA: Âmbito Comarcal Arquidiocesano (48 entidades membro)

19 Encontros Comarcais da Dimensão Social: 04 Encontros na Comarca de Biguaçu; 03 Encontros na Comarca de Brusque; 03 Encontros na Comarca de Itajaí; 03 Encontros na Comarca de São José; 02 Encontros na Comarca do Estreito; 02 Encontros na Comarca da Ilha e; 02 Encontros na Comarca de Tijucas.

Dirigentes e voluntários das Ações Sociais, Pastorais e Movimentos e Entidades Sociais. 260 pessoas (76 H / 184 M)


Relatório Anual de Atividades – 2013

7

Instituir a Política de Formação para a Rede ASA

02 Formações com os Seminaristas de Teologia da Arquidiocese; 01 Seminário Regional para Conselheiros – CNBB Sul IV; 01 Participação na Capacitação NOB-SUAS 2012; 01 Participação no Curso de Capacitação SICONV e; 01 Momento formativo da NOB-SUAS 2012.

Conselheiros não governamentais do CMAS de São José; entidades não governamentais; ASP da catedral; Associação das Irmãs Franciscanas de São José. 115 pessoas (35 H / 80 M)

Realização de encontros e atividades relacionadas ao processo de monitoramento e avaliação

49 Reuniões, sendo: 38 Reuniões da Equipe Executiva; 05 Monitoramentos e; 04 Reuniões de Planejamento. 01 Processo seletivo para o Projeto Gestão de Risco e Desastre; 01 Processo seletivo para o Projeto FORTEES II

Equipe Executiva e candidatos/as 23 pessoas (05 H / 18 M)

Ampliar a visibilidade dos trabalhos sociais da Rede

07 Reuniões do Jornal da Arquidiocese; 38 Matérias produzidas para o Jornal da Arquidiocese e; 02 Matérias para o Informativo da Cáritas.

Conselho editorial do Jornal da Arquidiocese; Equipe Executiva da ASA. 65 pessoas (35 H / 30 M)

Assembleia Geral da ASA Reunião da Diretoria Reunião do Conselho Fiscal

06 Reuniões da Diretoria e Conselho Fiscal; 03 Reuniões da Equipe Executiva com a Presidenta da ASA; 01 Assembleia da ASA; 01 Reunião do Conselho Fiscal da ASA.

Diretoria da ASA, Equipe Executiva da ASA, Arcebispo Metropolitano, Coordenação de Pastoral, Ecônomo da Arquidiocese e representantes das Entidades membro. 94 pessoas (50 H / 44 M)

Patrimônio, controle financeiro

02 Reuniões com a Contabilidade da ASA 01 Auditória do Projeto Misereor

Escritório de Contabilidade 04 pessoas (03 H / 01 M)

Atendimento ao Curso de Serviço Social da UFSC

01 Apresentação da ASA à turma do segundo semestre do Curso; 01 Atendimento a alunas do Curso na ASA.

Manter atualizados os registros e títulos obtidos pela ASA Articulação com Misereor

01 Relatório para Ministério da Justiça; 01 Relatório a ALESC. 01 Relatório para o CMAS. 01 Seminário dos Parceiros da Misereor da Região Sul

Estudantes do Curso de Serviço Social da UFSC 34 Estudantes (03 H / 31 M) Equipe Executiva da ASA 07 pessoas

Articulação com a Cáritas Regional Santa Catarina

12 Reuniões, sendo: 03 Reuniões com o Secretariado Regional da Cáritas; 03 Fóruns da Cáritas Regional de Santa Catarina; 01 Assembleia da Cáritas Regional de Santa Catarina; 01 Reunião do Grupo de Trabalho Nacional de Voluntariado; 01 Encontro Interregional Sul da Cáritas Brasileira; 01 Seminário Nacional sobre a Política de Assistência Social e; 01 Reunião do Grupo de Trabalho Regional de Mobilização de 334 pessoas Recurso da Cáritas. (173 H / 161 M) 01 Assembleia Nacional da Cáritas

Entidades Sociais, Pastorais Sociais e representantes da Misereor 50 pessoas (27 H / 23 M) Delegados das Caritas diocesanas do Regional de Santa Catarina, representantes dos Grupos de Trabalho dos regionais, Sec. Nacional e assessores.


8

ASA – Ação Social Arquidiocesana

Participação nos espaços pastorais da Arquidiocese de Florianópolis e Regional Sul IV

14 Reuniões do Conselho Comarcal de Pastoral, sendo: 02 Comarca de Tijucas; 02 Comarca de Itajaí; 02 Comarca de São José; 02 Comarca de Santo Amaro; 02 Comarca de Biguaçu; 02 Comarca da Ilha; 01 Comarca do Estreito e; 01 Comarca de Brusque; 31 Atividades, sendo: 04 Reuniões do Secretariado Arquidiocesano de Pastoral; 04 Fóruns das Pastorais Sociais da Arquidiocese; 04 Fóruns Regionais das Pastorais Sociais; 03 Reuniões sobre a Semana Missionária; 03 Reuniões do Conselho Arquidiocesano de Pastoral; 03 Reuniões sobre o Curso de Pós – Graduação sobre Doutrina Social; 02 Reuniões preparatórias para a Formação Introdutória sobre a Doutrina Social da Igreja; 02 Reuniões das Forças Vivas; 01 Reunião da Coordenação de Ministérios da Arquidiocese; 01 Reunião na Paróquia da Colônia Santana; 01 Encontro de Debate da Realidade da População de Rua – Biguaçu; 01 Assembleia Regional de Pastoral; 01 Encontro com Crismandos da Paróquia São Francisco de Assis – São José e; 01 Reunião dos Haitianos de Itapema.

Representantes das Pastorais, Movimentos e Organismos da Arquidiocese e do Regional Sul IV 1.308 pessoas (693 H / 615 M)


Relatório Anual de Atividades – 2013

9

Acesso e Controle Social das Políticas Públicas

Durante o ano de 2013, a ASA manteve-se atuante nos espaços de participação e controle social. A participação no Conselho Estadual de Assistência Social – CEAS, onde representava a Cáritas Brasileira Regional Santa Catarina, no Fórum Estadual Permanente de Assistência Social e nos Fóruns Municipais de Políticas Públicas, foram importantes para o monitoramento e controle social da Política de Assistência Social nos âmbitos municipais e estaduais. As Conferências de Assistência Social que ocorreram durante o ano trouxeram o debate sobre orçamento destinado à assistência social e a necessidade de cumprir as pautas pendentes de conferências anteriores. O olhar para as deliberações das últimas Conferências proporcionou o momento de refletirmos sobre os avanços ocorridos e como essa política pública é priorizada pelos seus gestores. Durante esse período pode-se observar a dificuldade dos espaços de participação popular para se estruturarem e terem realmente um impacto no andamento da política pública. As fragilidades de suas estruturas administrativas e das entidades da sociedade civil em manter a participação, já que são muitas as demandas, limitaram a possibilidade de novas estratégias para a efetivação da Política de Assistência Social. Essa realidade aponta questões importantes para reflexão sobre a forma de participação da sociedade e a prática do controle social. Enquanto Diretriz “Acesso e Controle Social sobre as Políticas Públicas”, enfatiza-se a necessidade de fortalecer os espaços de participação, buscando novas estratégias para o reconhecimento da sociedade, pois são espaços legítimos, previstos na Constituição, que garantem o exercício da democracia e interferência direta na execução das políticas públicas.

Seminário da Cáritas Brasileira sobre Assistência Social


10

ASA – Ação Social Arquidiocesana

Atividades realizadas Atuação da ASA nos 16 atividades do Fórum Estadual de Assistência Social, sendo: espaços de controle social – 01 Fórum Eletivo da Sociedade Civil; (Fóruns) – 06 Reuniões Ordinárias do FEPAS; – 04 Reuniões com a Frente Parlamentar de Assistência Social; – 03 Reuniões do Grupo de Trabalho Lei dos SUAS; – 01 Encontro de Entidades Estaduais para Formação do Fórum Estadual de Políticas Públicas; – 01 Reunião com a Federação Catarinense de Municípios – FECAM 40 atividades do Conselho Estadual de Assistência Social, sendo: – 07 Reuniões Plenárias do CEAS; – 01 Plenária Descentralizada do CEAS; – 12 Reuniões da Mesa Diretora; – 11 Reuniões da Comissão de Políticas e Finanças; – 08 Reuniões da Comissão Organizadora da Conferência Estadual de Assistência Social; – 01 Reunião Regionalizada do CNAS; 03 atividades do Fórum Regional de Economia Solidária, sendo: – 02 Reuniões do Fórum Regional de Economia Solidária; – 01 Plenária do Fórum Catarinense de Economia Solidária Ações

Publico beneficiário (nº de part.) Representantes das entidades não governamentais, parlamentares e conselheiros, 89 pessoas (15 H /74 M)

Representantes das entidades não governamentais, conselheiros e representantes governamentais 701 pessoas (79 H / 622 M)

Representantes de empreendimento de economia solidária e entidades de apoio 60 pessoas ( 25 H / 35 M) 01 reunião do Fórum Permanente de Assistência Social de Representantes das entidades São José não governamentais e conselheiros municipais 10 pessoas (03 H / 07 M) 04 reuniões do Fórum Municipal de Políticas Públicas de Representantes das entidades Florianópolis não governamentais. 152 pessoas (57 H / 95 M) 04 Participações nas Conferências de Assistência Social: Representantes das – 01 Pré-Conferência Municipal – São José; entidades, trabalhadores, – 01 Conferência Municipal – Florianópolis; conselheiros e poder público. – 01 Conferência Municipal – São Jose; 1.220 pessoas – 01 Conferência Estadual de Assistência Social (358 H / 862 M) Formação em Políticas Formação para Conselheiros: Representantes das Ações Públicas – 01 Formação sobre Participação e Controle Social Sociais e Pastorais Sociais que atuam nos Conselhos 26 pessoas (04 H / 22 M) Inserção nas mobilizações – 01 Mobilização na Comunidade Indígena Morro dos Representantes de locais, Estadual e Nacional Cavalos Universidades; Funai; que promovam a vida. comunidades indígenas 70 pessoas (40 H / 30 M) Promoção de atividades – 03 Assessorias nas Reuniões Comarcais sobre a temática Representantes das Paróquias alusivas a 5º Semana da Semana, sendo: Tijucas; Estreito e São José. (padres, diáconos, leigos); Social Brasileira – Participação no Seminário Estadual na Diocese de Caçador; Coordenação de Pastoral; Pastorais Sociais; CNBB Regional Sul IV 550 pessoas (270 H / 280 M) – 01 Sessão Solene Alusiva a CF 2013; Representantes das Paróquias Atuação em conjunto (padres, diáconos, leigos); – 01 Seminário Regional sobre a Temática CF 2014; com a Arquidiocese no Coordenação de Pastoral; – 01 Seminário Regional sobre a Temática CF 2014; desenvolvimento da Pastorais Sociais;Movimentos; temática da Campanha da Entidades Fraternidade 650 pessoas (200 H/ 450 M)


Relatório Anual de Atividades – 2013

11

Desenvolvimento Solidário e Sustentável Em 2013, essa diretriz de ação da ASA se desenvolveu em duas áreas específicas: economia solidária e gestão de risco e desastres. Ambas contribuem para a melhoria da vida pessoal e comunitária, seja por meio dos grupos de geração de trabalho e renda que atuam com os princípios da sustentabilidade ambiental, solidariedade/cooperação e autogestão, ou por meio dos NUDECs que visam a um despertar da população que vive em áreas vulneráveis e desenvolvem medidas preventivas, buscando minimizar os impactos das grandes catástrofes. Abaixo apresentamos os dados da atuação destes dois projetos específicos desenvolvidos pela ASA que conta com o apoio da Petrobrás e do Instituto HSBC de Solidariedade.

Projeto Gestão de Risco e Desastres – Construindo Comunidades Seguras Apesar do progresso da ciência e da tecnologia, os danos causados por desastres naturais têm aumentado significativamente, e as catástrofes ambientais são uma realidade, principalmente no sul do Brasil, onde já foi comprovado por pesquisadores que esta é uma região de rota de grandes eventos climáticos. A atuação da ASA em Gestão de Risco e Desastres, desenvolvida nos últimos anos junto a alguns municípios pertencentes à Arquidiocese, vem buscando, através de capacitações técnicas e debates, despertar nas pessoas e comunidades a consciência para uma nova visão sobre os problemas socioambientais que atingem milhões de pessoas no mundo, todos os dias. Com isso, busca-se construir comunidades mais seguras e cidadãos mais conscientes na relação com o meio em que vivem. Preparar as comunidades, difundir a temática de Gestão de Risco de Desastre para a população vulnerável aos eventos climáticos é a principal meta deste projeto que é apoiado pelo Instituto HSBC de Solidariedade. Assim sendo, no ano de 2013 deu-se continuidade no fomento aos Núcleos Comunitários de Proteção e Defesa Civil (NUPDEC’s), desenvolvendo capacitações, debates e saídas a campo – para reconhecimento de áreas vulneráveis. A constituição de NUPDEC neste ano se concretizou apenas na comunidade da Mariquinha. No entanto, os debates e capacitações realizadas nas demais comunidades proporcionaram aos participantes um melhor entendimento da vulnerabilidade em que se encontram diante de eventos climáticos e, da responsabilidade e da importância do papel de cada um como agente transformador a partir da pratica de ações concretas que previnam/reduzam os riscos de desastres.

Seminário Gestão de Risco, Botuverá


12

ASA – Ação Social Arquidiocesana

Foi realizado, também, o acompanhamento aos NUPDEC’s já constituídos nos municípios de Butuverá, Guabiruba e Brusque (bairros: Dom Joaquim e Águas Claras) onde se buscou promover atividades que proporcionassem o fortalecimento dos grupos, tais como a elaboração do Plano Preventivo (documento com estratégias de atuação na prevenção, mitigação, resposta e reconstrução aos eventos climáticos) para os NUPDEC´s de Botuverá, Guabiruba e Bairro Águas Claras, tendo como base a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil. Em Botuverá, o NUPDEC realizou um seminário para debater sobre a Barragem de médio porte que será construída no município, que proporcionou ao Poder Público e comunidade em geral um momento de esclarecimentos sobre os possíveis impactos desta obra. Outra ação importante que o projeto desenvolveu neste município foi a mediação para articulação da Prefeitura com a UDESC, que resultou numa parceria onde foi possível a realização do geo-referenciamento das ruas, contribuindo com o desenvolvimento local. Em Brusque, os NUDECs de Dom Joaquim e Águas Claras atuaram com ações diretas nas cheias ocorridas em 2013, como o contato direto com a Defesa Civil do Município informando a situação de cada comunidade. Embora o município de Florianópolis possua um número grande de pessoas vivendo em áreas de risco (36.000 pessoas), o Morro da Mariquinha foi a primeira comunidade a ter um NUPDEC constituído. Este NUPDEC, localizado na área central de Florianópolis, possui uma realidade de riscos iminentes de escorregamentos/deslizamentos. Através das capacitações e saídas a campo inteirou-se sobre assuntos fundamentais de prevenção de riscos na comunidade, tais como o reconhecimento da encosta como área de risco; a necessidade urgente de conter a urbanização, visita à comunidade do Morro do Baú, no município de Ilhota, onde se pôde comparar a sua realidade com a da região do Baú; Atento e articulado na defesa dos direitos da comunidade, o NUPDEC da Mariquinha busca junto aos órgãos competentes, especificamente com a Defesa Civil municipal, soluções para questões gritantes dentro da comunidade, como é o caso da Pedra Bicuda – um bloco gigante localizado acima da comunidade, como também com relação a outros problemas críticos, como entulhos e lixo colocados de qualquer jeito pelas ruas; as caixas d’água de algumas residências, sem as suas tampas, e outras tantas situações também discutidas nos encontros mensais do NUPDEC.

Formatura NUDEC, Morro da Mariquinha, Florianópolis

A ampliação da temática sobre Gestão de Risco de Desastre se deu, também, com a realização dos seminários municipais em Biguaçu, Guabiruba, Botuverá e Brusque. Dentre outros resultados destes seminários destaca-se a aproximação da população com a defesa civil de cada município e a difusão da cultura de prevenção nos municípios que realizaram os seminários.

Formatura NUDEC, Morro da Mariquinha, Florianópolis

“O NUPDEC representa a preparação, a participação e o envolvimento da comunidade na gestão de risco e desastres. Quando se conhecem os problemas, sua solução se torna mais fácil, é dessa maneira que desenvolvemos na comunidade “a percepção do risco”, ou seja, para uma comunidade que achava que determinadas ações eram normais, hoje percebem os riscos a que estão expostos quando não colocam uma simples calha em sua casa, ou quando permitem o desmatamento e/ou o corte dos morros sem o devido projeto e cuidados necessários. Mais do que ajudar a Defesa Civil no momento do desastre, os NUPDECs são importantes porque disseminam o conhecimento em toda a sua comunidade, diminuindo as construções e ocupações em áreas de risco e/ou degradadas, fiscalizam e denunciam, ou seja, são os olhos da Defesa Civil na comunidade”. (Evandro Amaral – Diretor Geral da Defesa Civil de Brusque)


Relatório Anual de Atividades – 2013

Atividades Principais

Atividades realizadas

12 Reuniões com Defesas Civis Municipais, sendo: 04 Florianópolis 04 Biguaçu 02 São José 01 Itajaí 01 Brusque Difundir a temática para 02 Reuniões de Preparação para os Seminários Municipais. as lideranças comunitárias 04 Visitas nos bairros para difusão das capacitações para as e a população lideranças comunitárias e instituições locais, sendo: 01 Biguaçu 01 Florianópolis 02 São José

Fortalecer os vínculos da população com a Defesa Civil e com o tema nos municípios

Capacitar entidades sociais e lideranças comunitárias sobre o tema

14 capacitações, sendo: 01 Biguaçu 01 São José 08 Fpolis (Mariquinha) 03 São José (Benjamim). 01 Botuverá.

Fomentar o surgimento 07 Encontros, sendo: dos NUDECs em entidades 01 no Bairro Limoeiro sociais. 03 São José (Benjamim). 01 Guabiruba 01 Botuverá (Ourinhos) 01 Guabiruba (Desbravadores) Fomentar a elaboração e 04 Reuniões para elaborar Planos Preventivos, sendo: implantação de um plano 01 Guabiruba preventivo aos eventos 01 Águas Claras climáticos. 02 Botuverá

Fomentar a inserção do 02 Atividades junto ao Movimento Urbano de São José, tema em entidades sociais sendo: 01 – Reunião com lideranças 01 – Visita ao Acampamento Desenvolver eventos específicos sobre Gestão de Risco e desastres.

04 Seminários Municipais, sendo: 01 Guabiruba 01 Botuverá 01 Brusque 01 Biguaçu 01 Solenidade de Formatura do NUDEC – Mariquinha. 01 Encontro de Avaliação do Projeto

13

Público beneficiário (nº de part.) Defesa Civil, CRAS, Secretaria da Integração e Planejamento. 70 pessoas (45 H / 25 M) Defesa Civil, Secretaria de Habitação, Voluntários da Ação Social e NUDEC 25 pessoas (07 H / 18 M) Defesa Civil de São José, Comunidade Benjamim, Secretaria de Habitação, Comunidade, Secretaria Municipal de Arquitetura e Urbanismo, Nova Acrópole, Secretaria de Associação de Moradores de Forquilhinha, Integrantes dos NUDEC e ASA 324 pessoas (183 H / 141 M) Defesa Civil, Voluntários da Ação Social e NUDEC 115 pessoas (59 H 56 M) NUDEC, Ação Social, Associação de Moradores, CRAS, prefeitura, OAB, associação dos Idosos, Defesa Civil, Corpo de Bombeiros. 54 pessoas (26 H /28 M) Lideranças do Acampamento Contestado 12 pessoas (06 H / 06 M) Proteção e Defesa Civil, Voluntários das Ações Sociais Paroquiais, Polícia Militar, Radioamadores Sindicato dos trabalhadores, NUDEC, Secretaria de Habitação, Associação de Moradores, Secretaria Municipal de Arquitetura e Urbanismo, Instituto Nova Acrópole, Secretaria de Segurança, Banco do Brasil, ASA e comunidade em geral. 220 pessoas (107 H / 113 M)


14

ASA – Ação Social Arquidiocesana

Apoiar e incentivar ações voltadas ao Desenvolvimento Solidário Sustentável em vista a adaptação de comunidades e seus ecossistemas aos eventos climáticos. Acompanhamento Sistemático aos NUPDEC’s já implantados.

01 Reunião com Movimento Nacional Catadores Recicláveis – MNCR

MNCR e ASA 03 pessoas (02 H / 01 M)

02 Reuniões para retomada do Planejamento, sendo: 01 Águas Claras 01 Dom Joaquim. 13 Encontros de acompanhamento aos NUPDECs, sendo: 01 – Guabiruba; 03 – Brusque; 07 – Florianópolis; 02 – Botuverá

Integrantes dos NUPDEC’s 141 pessoas (74 H 67 M)

Projeto Fortalecendo Experiência de Economia Solidária em Santa Catarina (FORTEES): No segundo semestre de 2013 foi dado inicio à segunda fase do Projeto FORTEES, que é coordenado pela Cáritas Regional de Santa Catarina e patrocinado pela Petrobrás. A partir da atuação da articuladora local foi possível desenvolver as seguintes atividades: Acompanhamento aos empreendimentos: O projeto prevê que haja acompanhamento a 12 empreendimentos de economia solidaria durante sua execução, que será de 2 anos. Neste primeiro semestre de atividades buscamos mapear os grupos existentes na região da Grande Florianópolis que atendam as exigências estabelecidas pelo projeto. Neste momento de mapeamento levantamos oito grupos. Iniciamos o contato com estes grupos indo in loco e apresentando o Projeto FORTEES, convidandoos a fazerem parte deste projeto. Com isto conseguimos fechar o semestre com o cadastro de seis grupos, tendo em vista para o inicio de 2014 a aproximação com mais seis grupos. Após o cadastro dos grupos, foram realizadas visitas mensais a estes com o objetivo de se aprofundar mais na discussão sobre economia solidaria, além de traçar o perfil e levantar as necessidades de cada grupo, preparando-os assim para a primeira etapa do Curso de Gestão e Viabilidade Econômica. Curso de Gestão e Viabilidade Econômica: além do processo de acompanhamento sistemático, o projeto proporcionou a realização da primeira etapa do Curso de Gestão e Viabilidade Econômica. Este curso está dividido em quatro etapas e tem como finalidade a qualificação dos empreendimentos de economia solidaria aprimorando a gestão e a viabilidade econômica através do aprimoramento das técnicas de gerenciamento de um plano de negócios. Durante o curso é possível debater e aprofundar temas pertinentes ao funcionamento e melhor organização dos empreendimentos.

Oficina de Gestão para empreendimentos da Economia Solidária


Relatório Anual de Atividades – 2013

15

A cada etapa do curso realizada serão potencializados os grupos acompanhados para alcançar a sustentabilidade organizacional e financeira do empreendimento. A participação no curso permite também que os empreendimentos se socializem, troquem experiências, discutam sobre outras formas de desenvolverem seu trabalho. Comercialização: o projeto tem como um dos seus objetivos fomentar a comercialização, através de cadeias produtivas e da realização de feiras, visando assim ao crescimento financeiro dos empreendimentos de economia solidaria. Nas feiras de economia solidária, além dos produtos, também é vendida uma nova perspectiva de consumo, que é o consumo consciente. Através da parceria formada com o Programa Mesa Brasil do Sesc, foi possível inserir os grupos acompanhados pelo FORTEES nas feiras solidarias organizada pelo Mesa Brasil que ocorre uma vez por mês no espaço do Hotel Sesc Cacupé Abaixo, quadro das atividades desenvolvidas pelo Projeto FORTEES: Ações Planejadas Visitas de acompanhamento aos empreendimentos

Cursos de Gestão e Viabilidade econômica para os empreendimentos acompanhados Comercialização

Atividades realizadas 17 visitas de acompanhamento aos Empreendimentos, sendo: 02 Mulheres em Ação pela Superação; 03 Buscando Oportunidades; 02 Estampa Livre; 05 AFAGO 02 União Norte 01Alecrim Rosas do Amor Solidarias; Rosas do Amor Tecidas; 01 Doce da Fortuna; 01 MAG 1 Etapa do Curso de Gestão e Viabilidade Econômica

Participação em 01 Feira de Economia Solidária (Hotel SESC Cacupé – Florianópolis

Público Envolvido (Nº de participantes) ASA, Articuladora Local e Empreendimentos 116pessoas (97M/ 19H)

Representantes dos Empreendimentos acompanhados Pessoas (12 M ) Empreendimentos acompanhados pelo Mesa Brasil; 03 grupos acompanhados pelo FORTEES. Hospedes do hotel


16

ASA – Ação Social Arquidiocesana

Sustentabilidade Financeira O aprimoramento da sustentabilidade financeira das entidades sociais tem-se tornado uma área de grande preocupação dos gestores e de profissionais, exigindo investimento de tempo e de recursos, buscando a diversificação das fontes financiadoras para manter os trabalhos desenvolvidos. Essa realidade atinge todas as entidades, sem distinção de área de atuação ou de tamanho da instituição. Inclusive, quanto maior a entidade, maior deverá ser seu investimento para manter sua sustentabilidade. No campo da sustentabilidade, o ano de 2013 foi dedicado para definir a continuidade da atuação da ASA na Arquidiocese após o encerramento do apoio de Misereor que acontecerá em abril de 2014. Inicialmente foi elaborado um Plano de Sustentabilidade mapeando as áreas de atuação da entidade e as possibilidades de captação de recursos. No entanto, fez-se uma opção de garantir a diversificação de recursos para manutenção do trabalho da ASA, mas não perder a seu propósito de constituição, que é ser a animadora dos trabalhos sociais na Arquidiocese, sob a cautela de a ASA não se tornar uma mera executora de projetos. Essa decisão gerou um debate sobre a realiPrograma de Formação de Parceiros dade social da Arquidiocese e a opção feita hoje em relação à atuação com as questões sociais presentes em nossas comunidades, culminando na elaboração de um projeto social da Arquidiocese, que será trabalhado durante o ano de 2014.

Seminário dos Parceiros de Misereor, Santa Maria, RS


Relatório Anual de Atividades – 2013

17

Contudo, uma área de atuação que se fortaleceu foi o Fundo Arquidiocesano de Solidariedade que se apresenta cada vez mais como uma importante ferramenta de inserção social da Arquidiocese, contribuindo localmente com a mudança de diversas realidades vulneráveis. A Coleta da Solidariedade, realizada sempre no Domingo de Ramos, arrecadou em 2013 um total de R$ 243.846,82, o que representa 12% a mais que no ano anterior, sendo que 40% foi enviado para o Fundo Nacional de Solidariedade, que apoiou 241 projetos em todo país, e 60% deste recurso constituiu o Fundo Arquidiocesano de Solidariedade (FAS), possibilitando o apoio de 24 projetos sociais na Arquidiocese, com um total de R$ 94.049,58 investidos, beneficiando mais de 2.800 pessoas. Um avanço importante do FAS foi o aprimoramento do acompanhamento aos projetos, com a ampliação da quantidade de visitas e de orientações aos projetos apoiados, fortalecendo o propósito que o FAS tem de não ser um mero repassador de recursos, mas um fundo que contribui no aprimoramento dos trabalhos realizados pelas entidades apoiadas.

Ações Planejadas Elaboração de um Plano de Sustentabilidade

Atividades realizadas Plano elaborado para o biênio 2013-2014

Execução do Plano de Sustentabilidade

– 01 Entrevista com Pesquisadora da Misereor; – Conclusão do cadastramento da ASA no SICONV; – Elaboração de um Projeto Social na Arquidiocese para manter e dinamizar os trabalhos sociais. Identificação de novas – Busca ativa em sites e acompanhamento dos editais fontes de financiamento abertos. – Participação no Seminário Responsabilidade Social da ALESC Ações para Captação de Elaboração de 03 projetos para o FAS. recursos Elaboração de um Projeto de Bancos Comunitários para SENAES/MTE Formação em captação de – Elaboração de um folder de prestação de contas e de recursos e divulgação dos um vídeo para divulgação da coleta da solidariedade; – – Fundos Solidários Elaboração e divulgação de um edital para recebimento de projetos para o FAS; – Realização de uma oficina sobre Elaboração e Gerenciamento de Projetos Sociais; – 01 Assessoria sobre elaboração de projetos em Biguaçu; Fundo Arquidiocesano de 05 reuniões do Conselho do FAS; Solidariedade (FAS) 04 reuniões de repasse de recursos com os projetos apoiados pelo FAS; – Elaboração de uma proposta de captação de recursos com empresas para potencialização do FAS.

Acompanhamento aos projetos apoiados pelos fundos solidários

14 visitas de acompanhamento aos projetos apoiados pelos Fundos Solidários

Publico beneficiário (nº de part.) Equipe Executiva, Diretoria e Conselho Fiscal da ASA 17 pessoas (7 H / 10 M) Equipe Executiva, Diretoria e Conselho Fiscal da ASA 23 pessoas (9 H / 14 M) Equipe Executiva da ASA e Gestores de Entidades Sociais 152 pessoas (76 H / 76 M) Equipe Executiva da ASA 07 pessoas (02 H / 05 M) Equipe Executiva da ASA, Gestores e Profissionais de Entidades Sociais e Lideranças Comunitárias 28 pessoas (13 H / 15 M) Coordenação Arquidiocesana de Pastoral, Ecônomos da Arquidiocese, Equipe Executiva da ASA, representantes das entidades apoiadas 61 pessoas (34 H / 27 M) Representantes de entidades comunitárias, grupos que atuam em projetos sociais nas comunidades 147 pessoas (60 / 87 M)


18

ASA – Ação Social Arquidiocesana

6

ATIVIDADES DA REDE

Abaixo apresenta-se uma síntese dos trabalhos realizados pelas ações sociais paroquiais que compõem a Rede ASA/Cáritas enquanto entidades membros. O quadro apresenta a amplitude do trabalho realizado por cada entidade, enquanto integrante da rede sócio-assistencial dos municípios que pertencem.

Brusque: Ação Social São Luiz Gonzaga

Contato: (47) 3355-5556 – asslg@uol.com.br Caracterização da Entidade Infra-estrutura: Cedida Recursos Humanos: 140 voluntários Recursos Financeiros: Contribuições da Comunidade; Brechó; Doações; Serviços Voluntários.

Programas Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Clube de Idosos (07 Grupos)

Público Idosos

Atendimentos em 2013 715 idosos

Recursos Humanos 60 voluntários

Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Clube de Mães (08 Clubes)

Famílias

200 famílias

36 voluntários

Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Gestantes Carentes (04 Cursos) Serviço de Atendimento a Família: Enfrentamento a Pobreza

Gestantes

156

10 voluntários

Famílias

– 2.527 Cestas básicas; – 1300 medicamentos (fitoterapia); – 31.993 peças de roupas.

01 Coordenadora 10 Voluntárias

Público Famílias

Atendimentos em 2013 Não mensurado

Recursos Humanos Voluntários

Florianópolis: Ação Social Paroquial da Lagoa – ASPL Contato: (48) 3232-1972 Caracterização da Entidade Infra-estrutura: Cedida Recursos Humanos: voluntários Recursos Financeiros: Brechós.

Programas Serviço de Atendimento a Família: Doação de Roupas

Obras Sociais da Comunidade Paroquial de Coqueiros – Oscopac Contato: (48) 3244-3327 – nsc@nscarquifloripa.org.br Caracterização da Entidade Infra-estrutura: Sede Própria Recursos Humanos: Contratados (Secretaria e Casa Lar) e Voluntários. Recursos Financeiros: Convênios com governo federal, estadual e municipal; Brechó; Doações; e Entidades financiadoras.

Programas Serviço de Acolhimento Institucional: Casa Lar Nossa Senhora do Carmo

Público Atendimentos em 2013 Crianças e 25 crianças e adolescentes Adolescente de 06 a 15 anos

Destaques: – Atuação da Diretoria; – Articulação com o Juizado da Infância e Juventude; – Avanços na área educacional a partir das discussões em Equipe; Limites: – Recursos investidos pelo poder público ainda são escassos.

Recursos Humanos 02 Assistentes Sociais; 01 Estagiária de Serviço Social; 01 Professor – Apoio Pedagógico; 04 Educadores Sociais e 02 auxiliares; 01 Auxiliar Administrativo; 01 Auxiliar Serviços Gerais; 06 Colaboradores; 02 Psicopedagogas Voluntárias; 01 Médico Voluntário.


Relatório Anual de Atividades – 2013

19

Ação Social e Cultural Nossa Senhora da Glória – ASCUNSEG Contato: (48) 3206-5135 – ascunseg@yahoo.com.br Caracterização da Entidade Infra-estrutura: Cedida Recursos Humanos: 07 voluntários; Parceria SESC e Posto de Saúde Balneário. Recursos Financeiros: Mensalidade associados; Serviços Voluntários; Entidades Financiadores..

Programas Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Clube de Idosos (07 Grupos)

Público Idosos

Atendimentos em 2013 715

Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Espaço Bem Viver

Idosos

29

01 Assistente Social; 05 Voluntários

13

01 Assistente Social 02 Voluntários

Atendimentos em 2013 100 crianças e adolescentes

Ações de Promoção do Acesso ao Mundo Jovens e do Trabalho Adultos (a partir 18 anos)

Recursos Humanos 60

Assistência Social São Luiz: Contatos: Fone (48) 3228-3527 Caracterização da Entidade Infra-estrutura: Espaço da Paróquia Recursos Humanos: 10 profissionais contratados; 40 Voluntários e 03 profissionais cedidos por convênios. Recursos Financeiros: Convênio com município (educação e assistência social); Brechós e Bazares; Festas e Promoções;

Programas Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Criança e Adolescente: Projeto Esperança;

Público Crianças e Adolescentes

Serviço de Convivência e Fortalecimento Idosos de Vínculos: Idosos Grupo de Convivência Santana e Amizade

97 idosos

Recursos Humanos 04 Professores; 01 Assistente Social; 05 Profissionais (cozinha, auxiliar de cozinha, motoristas, auxiliares de limpeza); 01 Administrativo e Financeiro; 05 voluntários 04 Voluntárias

Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Criança e Adolescente: Projeto Criança Feliz

Crianças, Adolescente e suas Famílias.

350 crianças e adolescentes

29 Voluntários

Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Comunidade Grupo de Apoio de Trabalhos Manuais

Mulheres da Comunidade

Projeto Natureza Sábia – Pastoral da Saúde

Famílias

50 famílias

04 Voluntarias

Atendimento e Concessão de Benefícios: Projeto Assistência Comunitária

Famílias

50 famílias

01 Assistente Social; Coordenadores dos demais projetos.

03 Voluntárias e Convidados

Ação Social da Trindade: Contato: Fone (48) 3025-6772 – E-mail: acaosocialdatrindade@yahoo.com.br Caracterização da Entidade Infra-estrutura: Sede Própria Recursos Humanos: 50 voluntários e também profissionais contratados Recursos Financeiros: Convênio com Município; Brechó; Doações; Serviços Voluntários.

Programas Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Creche São Francisco

Público Crianças de 0 a 06 anos

Atendimentos em 2013 120

Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Casa São José; Casa da Criança; Projeto Crescer com Amor Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Pastoral da Pessoa Idosa; Clube da Experiência; Grupo de Idosos Santana; Feira do Artesanato da Trindade. Serviço de Atendimento a Família: Projeto Solidariedade; Grupo de Gestantes; Atendimento Psicológico

Crianças e 316 Adolescente de 06 a 15 anos Idosos 207

38 Profissionais e voluntários

Crianças, 550 Adolescentes, Adultos, Idosos e famílias.

35 Profissionais e voluntários

Destaques: –

Parceiras estabelecidas para desenvolvimento das ações.

Recursos Humanos 23 Profissionais e voluntários

73 Profissionais e voluntários


20

ASA – Ação Social Arquidiocesana

Ação Social Paroquial de Ingleses: Contatos: Fone (48) 3365-1678 – E-mail: acaosocialingleses@hotmail.com Caracterização da Entidade Infra-estrutura: Sede Própria onde funciona a Secretaria e o Projeto acontece em prédio alugado. Recursos Humanos: 02 Contratatos (Assistente Social e Merendeira) e 10 voluntários; 1 Professor cedido (Convênio Prefeitura Municipal de Florianópolis). Recursos Financeiros: Convênio com Município; Brechó; Doações; Mensalidades; Promoções; Serviços Voluntários.

Programas Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Casa Madre Teresa de Calcutá – Cozinha Experimental; Oficina Cultural; Hora do Conto; Oficinas Artesanais e Reciclagem; Oficina de Esporte. Atendimento e Concessão de Benefícios: alimentação, roupas e calçados, enxovais, visitas domiciliares e outras instituições.

Público Atendimentos em 2013 Crianças e 45 crianças e adolescentes Adolescente de 06 a 15 anos e Família

Recursos Humanos 01 Assistente Social; 01 Merendeira; 02 Professores; 07 voluntários

Famílias

01 Assistente Social; 01 Estagiário; 21 Voluntários

75 famílias

Destaques: –

Fazer com que a Ação Social seja autossustentável;

A implantação de Projetos na linha da Economia Solidária a fim de garantir sustentabilidade às famílias;

A falta de profissionais por falta de recursos, com isso não consegue manter um trabalho contínuo com as crianças.

Avanços: –

Ampliação do espaço físico da Casa Madre Teresa e Revitalização da Quadra de Esportes

Guabiruba: Assistência Social Nossa Senhora Perpétuo Socorro: Contatos: Fone (47) 3354-4183 – E-mail: josebaron@terra.com.br Caracterização da Entidade Infra-estrutura: Cedida Recursos Humanos: 25 Voluntários Recursos Financeiros: Aluguel de imóvel. Brechó e Doações.

Programas Público Atendimentos em 2013 Ações de Promoção do Acesso ao Mundo Adolescentes e 45 Adolescente e Jovens do Trabalho: Adolescentes e Jovens de Jovens 15 a 17 anos: Projeto Jovem Aprendiz. Gestão de Risco e Desastre: Núcleo Comunidade Implantação em 2012 Comunitário de Defesa Civil

Recursos Humanos Voluntários

Atendimento e Concessão de Benefícios: doação de cestas básicas, remédios e outras necessidades.

Voluntários

Famílias

40 Famílias

15 voluntários

Itajaí: Ação Social Paroquial de Cordeiros: Contatos: Fone (47) 3341-1408 – E-mail: psc.secretaroa@hotmail.com Caracterização da Entidade Infra-estrutura: Cedida pela Paróquia São Cristovão. Recursos Humanos: 10 Voluntários Recursos Financeiros: Brechó, doações, mensalidades, promoções e serviços voluntários.

Programas Atendimento e Concessão de Benefícios: doação de cestas básicas, remédios e outras necessidades.

Público Famílias

Atendimentos em 2013 340 famílias

Recursos Humanos Voluntários


Relatório Anual de Atividades – 2013

21

Ação Social Paroquial da Fazenda: Contatos: Fone (47) 3344-3972 – E-mail: secretaria@paroquiadafazenda.com Caracterização da Entidade Infra-estrutura: Cedida pela Paróquia Nossa Senhora de Lourdes Recursos Humanos: 28 Voluntários, sendo 01 Pedagogo que acompanha do Grupo de Idosos. Recursos Financeiros: Municipal, Brechós e Doações.

Programas Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Idosos Protegendo o Idoso e sua Família

Público Idosos e Famílias

Atendimentos em 2013 85 idosos 30 famílias

Recursos Humanos 01 Pedagoga 28 Voluntárias

Ação Social Paroquial São João:

Contatos: Fone (47) 3349-1580 – E-mail: asppc@uol.com.br / rosanecg@terra.com.br Caracterização da Entidade Infra-estrutura: Cedida Recursos Humanos: 02 funcionários e 22 voluntários. Recursos Financeiros: Municipal, Brechós, Doações, Promoções e Serviços Voluntários.

Programas Público Atendimentos em 2013 Serviço de Convivência e Fortalecimento Adolescentes e 45 adolescentes e jovens de Vínculos: Adolescentes e Jovens de 15 Jovens a 17 anos: Projeto Jovem Cidadão Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Adolescentes e Jovens de 15 a 17 anos: Música para crianças e adolescentes Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Idosos Inclusão Digital básica para pessoa idosa, visando promoção do acesso à rede.

Adolescentes e 07 alunos Jovens

Idosos

10 idosos

Recursos Humanos 01 Professor; 01 Auxiliar Administrativo; 01 Assistente Social. 01 Professor; 01 Assistente Social;

01 Professor; 01 Assistente Social;

Destaques: – Parceria com o SENAC; Limites: – Acessibilidade limita a participação dos jovens;

Ação Social São Vicente

Contatos: Fone (47) 3241-2385 Caracterização da Entidade Infra-estrutura: Cedida Recursos Humanos: 10 voluntários. Recursos Financeiros: Brechós, Doações e Serviços Voluntários.

Programas Projeto de Educação Ambiental: Horta Comunitária

Público Atendimentos em 2013 Crianças, 310 pessoas Adolescentes e Jovens, Idosos e Famílias

Recursos Humanos Voluntários

Itapema: Ação Social Santo Antônio – Casa da Caridade Madre Teresa de Calcutá: Contatos: Fone (47) 3398-3091 – E-mail: casamadreteresa@bol.com.br Caracterização da Entidade Infra-estrutura: Sede Própria Recursos Humanos: 01 Secretária contratada e 96 voluntários. Recursos Financeiros: Municipal, Brechós, Doações, Promoções e Serviços Voluntários.

Programas Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Famílias: Clube de Mães

Público Famílias

Atendimentos em 2013

Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Crianças, Adolescentes e Jovens de 15 a 17 anos: Reforço Escolar; Aulas de Dança; Sábado com as crianças; Atendimento de Pediatria; Biblioteca; Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Idosos Inclusão Digital básica para pessoa idosa, visando promoção do acesso à rede. Atendimento e Concessão de Benefícios: visitas à famílias; cestas básica; Padaria; Costura.

Adolescentes e 155 pessoas Jovens

-

Idosos

10 idosos

Famílias

-

Recursos Humanos Voluntários Voluntários

Voluntários


22

ASA – Ação Social Arquidiocesana

Nova Trento: Ação Social Neotrentina Contatos: Fone (48) 3267-0127 – E-mail: asn_nt@hotmail.com Caracterização da Entidade Infra-estrutura: Cedida Recursos Humanos: 20 voluntários. Recursos Financeiros: Doações, Dízimos e apresentação de Projeto ao Fundo Arquidiocesano de Solidariedade – FAS.

Programas Público Qualificação Profissional: Projeto de Mulheres e Formação Humana e Profissional para Jovens pessoas e famílias necessitadas. Crochê, Pintura em tela, Informática, Tricô, Costura, Grupos de Geração de Trabalho e Renda: Mulheres Grupo Mulheres em Ação pela Superação

Atendimentos em 2013 44 pessoas

Recursos Humanos Diretoria, Voluntários e Professor.

02 Mulheres

02 participantes do Grupo; Voluntários

Limites: – A não efetivação da parceria com a Secretaria Municipal de Assistência Social para desenvolvimento dos cursos.

São José: Ação Social de Barreiros: Contatos: Fone (48) 3246-8600 – E-mail: contato@acaosocialdebarreiros.org.br Caracterização da Entidade Infra-estrutura: Sede Própria. Recursos Humanos: 09 Contratatos; 36 voluntários Recursos Financeiros: Convênio com governo do estado e município; Brechó; Doações; Mensalidades; Promoções; e Serviços Voluntários.

Programas Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Crianças e Adolescente de 06 a 15 anos: Projeto Fortalecimento de Vínculos Pedregal

Público Atendimentos em 2013 Crianças e 50 crianças e adolescentes Adolescente de 06 a 15 anos;

Serviço de Convivência e Fortalecimento Idosos de Vínculos: Idosos Grupo Girassol e São Cristovão Projeto Inclusão Produtiva: Informática e Adolescentes, Inclusão Digital; Adultos e Idosos da Comunidade. Atendimento e Concessão de Benefícios: Famílias Confecção de fraldas para distribuição;

Recursos Humanos 04 Professores (Informática; Dança; Capoeira) 01 Merendeira; 01 Serviços Gerais. Voluntários

20 pessoas

01 Professor; 01 Merendeira; 01 Serviços Gerais.

-

Voluntários

Ação Social Paroquial de Campinas: Contatos: Fone (48) 3241-3219 – E-mail: acaosocial.campinas@yahoo.com.br Caracterização da Entidade Programas Infra-estrutura: Sede própria Inclusão Produtiva: Informática. Recursos Humanos: 01 Assistente Social Contratada e 05 Voluntários. Recursos Financeiros: Estadual e Serviço de Convivência e Fortalecimento Municipal; Doações. de Vínculos: Grupo de Idosos Atendimento e Concessão de Benefícios: alimentos, remédios, orientações e encaminhamentos.

Público Jovens e adultos (18 a 60 anos)

Atendimentos em 2012 54 alunos

Recursos Humanos Professores

Idosos

1350

16 Voluntários

Famílias e 52 famílias Pessoas em Situação de Rua

07 voluntários

Destaques: – Encontros de grupos para troca de experiência, buscando favorecer ao idoso e sua socialização.

Paulo Lopes: Ação Social e Cultural de Paulo Lopes – ASCPL: Contatos: Fone (48) 3241-3219 – E-mail: acaosocial.campinas@yahoo.com.br Caracterização da Entidade Infra-estrutura: Sede própria Recursos Humanos: 10 Voluntários. Recursos Financeiros: Doações; Promoções próprias e Serviços Voluntários.

Programas Inclusão Produtiva: Projeto Aprendiz Artes Aplicadas (Crochê; Tricô e Bordados; Fuxico; Patcolagem); Costura (Corte e Costura) Pintura (Pintura óleo sobre Tela); Artística (Ballet); Cultural (violão); Social (Projeto Informática Básica).

Público Atendimentos em 2012 Crianças, 106 pessoas Adolescentes, Jovens, Adultos e Idosos

Recursos Humanos Voluntários


Relatório Anual de Atividades – 2013

7

23

A CAMPANHA MUNDIAL CONTRA A FOME E A POBREZA No dia 10 de dezembro de 2013, Dia Internacional dos Direitos Humanos, foi lançada a Campanha Mundial contra a Fome e a Pobreza. Motiva pelo Papa Francisco, a campanha será coordenada pela Cáritas Internacionallis, que tem presença em 200 países através de suas 164 entidades-membro.

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) também lançou a campanha na mesma data, mas considerando que a desigualdade social é uma das principais causas da fome e da pobreza, a campanha terá como tema “Uma família humana, pão e justiça para todas as pessoas”. A campanha se desenvolverá até dezembro de 2015, tendo como objetivos: 1) Sensibilização da igreja e sociedade sobre a fome, a pobreza e a desigualdade na Arquidiocese e estado de Santa Catarina; 2) Mobilizar a igreja e a sociedade para um diálogo sobre a pobreza e a desigualdade social a fim de colaborar para uma mudança efetiva da situação; 3) Evidenciar as ações da igreja no enfrentamento da fome, pobreza e desigualdades social; 4) Promover um gesto concreto em favor dos pobres do Brasil e do Haiti. Por que realizar essa campanha? A alimentação é essencial para viver dignamente. É também algo central para a fé Cristã, começando no ato da transformação do pão no corpo de Cristo, compartilhado com os fiéis durante a celebração da Eucaristia. O primeiro Objetivo do Desenvolvimento do Milênio é eliminar a fome e a pobreza até 2015. Como já estamos chegando a essa data, a confederação Cáritas quer colocar seu poder coletivo e boa vontade e juntar-se com outros a fim de contribuir para o processo de desenvolvimento pós-2015 e por fim ao sofrimento de milhões de pessoas famintas no mundo. O que é fome? A fome existe quando as pessoas não têm o alimento em quantidades suficientes, seguros e nutritivos para o crescimento e desenvolvimento normal e uma vida ativa e saudável. Isso significa que eles vivem em um estado de insegurança alimentar – que pode ser crônica, sazonal ou transitória. A insegurança alimentar pode ser causada por não haver comida suficiente ou por pessoas não terem dinheiro suficiente para comprá-la. Os alimentos também podem ser mal distribuídos por causa da fragilidade do sistema e da desigualdade econômica. A Concentração de Renda no Brasil: Segundo o IBGE o Brasil é a sexta economia mais rica do mundo, no entanto 16 milhões de pessoas, 8,5 % da população do país, vivem em condições de pobreza extrema com renda de até R$ 70,00 mês. Os 20% mais ricos detém 63,8% da renda nacional, enquanto os 20% mais pobres acessam apenas 2,5% de toda riqueza que é produzida pelo país. Essa realidade coloca o Brasil com o terceiro pior índice do mundo em desigualdade entre pobres e ricos. O desperdício de alimentos: Infelizmente de tudo o que produzido de alimento no país, sendo que somos o quarto produtor mundial de alimentos, 64% é desperdiçado ao longo da cadeia produtiva, sendo: 20% na colheita, 8% no transporte e armazenamento, 15% na indústria de processamento, 1% no varejo e 20% no processamento culinário e hábitos alimentares. A mensagem do Papa Francisco: “Compartilhemos o que temos, em caridade cristã, com os que são obrigados a enfrentar muitos obstáculos para satisfazer uma necessidade tão primária; e ao mesmo tempo, promovamos uma autêntica cooperação com os pobres para que, através dos frutos do seu e do nosso trabalho, possamos viver uma vida digna”.

Lançamento da Campanha


24

ASA – Ação Social Arquidiocesana

Período da Campanha:

Oração da Campanha Mundial Senhor Nosso Deus, que nos confiaste os frutos da criação para que cuidássemos da Terra e nos alimentássemos de sua generosidade. Enviaste teu Filho para partilhar sua própria carne e sangue e para ensinar-nos a Lei do Amor. Por Sua morte e ressurreição, nos tornamos uma única família humana. Jesus teve grande preocupação com as pessoas que não tinham o que comer. Transformou cinco pães e dois peixes em um banquete que alimentou mais de cinco mil pessoas. Viemos diante de Ti, Senhor, conscientes de nossas fraquezas, mas com muita esperança, para compartilhar o alimento com todas as pessoas da grande família humana. Na Tua sabedoria, ilumina os governantes e todos os cidadãos e cidadãs a encontrar soluções justas e solidárias para acabar com a fome no mundo e garantir o direito de cada ser humano à alimentação. Por isso Te pedimos, Senhor Nosso Deus, que ao nos apresentarmos diante de Ti, possamos nos proclamar como parte de “Uma Família Humana” com “Pão e Justiça para todas as pessoas”. Amém! Axé! Hawere! Aleluia!


Relatório Anual de Atividades – 2013

8

GESTÃO DA ASA

Entidades-Membro: Nº 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 28 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48

Entidade Membro Assistência Social São Sebastião Centro Social São Sebastião Ação Social Paroquial São João Evangelista Ação Social Paroquial de São José Ação Social Paroquial São Luis Gonzaga Ação Social Paroquial de Santa Catarina Sociedade de Promoção Social, Cultural Santa Teresinha. Ação Social e Cultural Cristo Rei Ação Social e Paroquial Monte Alegre Ação Social Santa Teresinha do Menino Jesus/Prainha Ação Social do Saco dos Limões Ação Social São Francisco Xavier Ação Social Nossa Senhora de Fátima Ação Social Santa Maria Goreti Ação Social São José e Santa Rita de Cássia Obras Sociais Dom Orione Ação Social e Cultural N. Sra da Glória Obras Sociais da Comunidade Paroquial de Coqueiros Ação Social de Santo Antônio Ação Social Paroquial de Ingleses Ação Social da Trindade Assistência Social São Luis Ação Social Nossa Senhora de Guadalupe Ação Social Paroquial da Lagoa Ação Social e Cultural da Catedral Ação Social Nossa Senhora da Lapa Ação Social São Joaquim Ação Social Nossa Senhora dos Navegantes Assistência Social Nossa Senhora do Perpétuo Socorro Ação Social Paroquial da Fazenda Ação Social Paroquial São João Ação Social Paroquial de Cordeiros Ação Social Paroquial de São Vicente Ação Social Paroquial de Santo Antonio (Itapema) Ação Social Neotrentina Ação Social Ponte do Imaruim Ação Social Paroquial de Palhoça Ação Social São Francisco de Assis/Aririú Ação Social Paroquial de Enseada do Brito Ação Social Paroquial de Paulo Lopes Ação Social Paroquial de Santa Cruz Ação Social de Barreiros Ação Social Paroquial Nossa Senhora do Rosário Ação Social São Judas Tadeu Ação Social São Francisco de Assis/Forquilhinhas Ação Social Paroquial de Campinas Ação Social Paroquial de São José Ação Social de São Pedro de Alcântara

Município Anitápolis Balneário Camboriu Biguaçu Botuverá Brusque Camboriú

Florianópolis

Garopaba Gov. Celso Ramos Guabiruba Itajaí Itapema Nova Trento Palhoça Paulo Lopes

São José

São Pedro de Alcântara

25


26

ASA – Ação Social Arquidiocesana

Diretoria Triênio 2011-2014 Nome Sandra Aparecida Schlichting Katya Souza Leda Cassol Vendrúscolo Maria Inês Clasen Renato Ghellere Djalma Lemes

Função Presidente Vice Presidente Secretária 2ª Secretária Tesoureiro 2º Tesoureiro

Conselho Fiscal Nome Pe. Siro Manoel de Oliveira Antonio José de Souza Paulo Schmidt João Carlos da Costa Maria Elisabeth da Silva Ivone Martins

Função Titular Titular Titular 1º Suplente 2º Suplente 3º Suplente

Equipe Executiva Nome Fernando Anísio Batista Inês Jalcira de Souza Nascimento Laura Santos Neitsch Luciano Leite da Silva Filho Maria Antonia Carioni Carsten Sabrina Aparecida de Freitas Simone A. Marcelino de Jesus

Função Coordenador Auxiliar de Projetos Sociais Articuladora do Proj. FORTEES Téc. de Projetos Sociais Assistente Social Assistente Administrativo Téc. de Projetos Sociais

Formação Cientista Social Biblioteconomia (cursando) Serviço Social Serviço Social (cursando) Serviço Social Serviço Social (cursando) Serviço Social


Relatório Anual de Atividades – 2013

9

Parceiros

27



Relatorio asa atividades 2013