Page 1

JORNAL JAN FEV MAR 2015

.06 “O SOM DA PRATA” João Botelho para a Topázio

.09

.10

MANUEL ALCINO Condecorado pelo Presidente da República

PORTUGUESE JEWELLERY RUNS GLOBAL Internacionalização


PULSEIRA by MARIA ANITA Ana Luísa Pinho é natural de Oliveira de Azeméis, a sua marca, Maria Anita, surge de um sonho de menina que iniciou a sua criatividade na infância, através da criação de acessórios, tais como colares, pulseiras, anéis e carteiras resultantes do aproveitamento de excedentes de matéria-prima de sapatos. Uma joia vai muito para além do conceito de moda, é uma refinada forma de expressão, carácter e persona-lidade. Desta forma Maria Anita surge num contexto de simplicidade e elegância, com a apresentação de peças em ouro de 18 k e diamantes, destinadas a uma mulher sofisticada mas que acima de tudo privilegie o conceito de elegância, requinte e intemporalidade. A inspiração surge da vivência do quotidiano, de viagens e de uma frase que considera fundamental no seu trabalho: “Simplicity is the ultimate sophistication” Leonardo da Vinci Sob o tema “A-Z all Accessory Collection Must-Haves” é possível ver na última publicação da Vogue Accessory uma joia sua em destaque nas páginas de tendências. www.mariaanita.pt


Caros Colegas, Recomeços apontam para inúmeras novas possibilidades. É dessa forma que encaramos o novo ano, e este trimestre. Tradicionalmente os primeiros meses do ano são sinónimo de balanços, análises e restruturação de estratégias. E a ourivesaria não é excepção. Por aqui fizeram-se as contas à vida, e lançou-se o caminho. Este 2015 significa para a AORP a implantação de ações mais consistentes e ousadas. O setor, que se transforma a uma velocidade vertiginosa, abraça uma nova abordagem da problemática setorial fundamentada na partilha de responsabilidades entre a Associação e as empresas. A maior incidência nos campos da inovação, da criatividade e internacionalização tem que ter em vista a consolidação dos resultados obtidos numa maior orientação das empresas para os mercados externos e num aumento consistente das exportações. O pontapé de partida está dado com o novo projeto conjunto de internacionalização que permitirá a mais de 30 empresas potencializar as oportunidades de negócio nos mercados internacionais escolhidos. O objetivo é aumentar a orientação das PME para os mercados externos através do reforço da notoriedade mas também das vendas em mercados estrangeiros. Dentro de portas, a AORP redesenhou-se para cativar um maior número empresas, e superou-se na criação de serviços mais especializados e à medida dos associados. Inauguramos um novo site, requintado, de fácil leitura e muito intuitivo. Criamos uma campanha de divulgação da AORP tendo em vista levar quem somos a mais empresas, potenciando o seu crescimento ao nosso lado, aumentando a nossa rede de influência e de intervenção. Nesta primeira edição do ano do nosso jornal, abrilhantámos a chegada do sol, como estas novidades. Damos conta do que as empresas fazem em Portugal, mas também nos países estrangeiros. Salientamos boas parcerias entre setores da moda, como é o caso do Âme Moi. Aplaudimos apostas artísticas das nossas empresas e promovemos os eventos em destaque nesta temporada, como mais uma edição da feira Ourindústria. Boas leituras e bons negócios.

(Presidente AORP)

CONCEPÇÃO GRÁFICA

JOIA CAPA

Sílvia Silva Gabinete de Comunicação e Imagem da AORP silvia.silva@aorp. pt

Mimata by Joana Mieiro

PROPRIEDADE

EDITORIAL

AORP Associação de Ourivesaria e Relojoaria de Por tugal geral@aorp. pt

AORP Associação de Ourivesaria e Relojoaria de Por tugal


04 TENDÊNCIAS

2015 HOUSE OF SILLAGE Perfumes Um dos nomes de luxo de beleza, House of Sillage, lança esta linha de perfumes que são autênticas obras de ar te em forma de joias.

MARCO CRUZ Brincos em Prata e Ouro com Ágata Lapidada

ÂME MOI Mala Prata 925


05 TENDÊNCIAS

LILIANA ALVES Colar em Prata

SUSANA TEIXEIRA Jewelry Colar em Prata 925

BRUNO DA ROCHA Prata, foto cerâmica

Manual de Ourivesaria para a Próxima Estação

GATZ Anel em Prata

MINHA JOIA ATELIER Brincos em Prata e Pérola

STYLIANO JEWELLERY Anel em Prata e Ouro com Cristal de Rocha

FERNANDO ROCHA - LOOXE Anel em Prata polida e Ouro polido com cravação de Zircónias Águas Marinhas e Topázios Azuis


06 SPRING SUMMER 2015

Nina Ricci

Nina Ricci

Marni

Christian Dior

Chanel

Christian Dior

PRIMAVERA Spring 2015

TendĂŞncias de joias nas passerelles dos desfiles internacionais desta primavera 2015.


07 SPRING SUMMER 2015

Temas chave das tendências de Primavera/Verão 2015.

Brincos

Louis Vitton

Nature

Num estilo aparentemente elegante, os brincos parecem “emprestados” pela avó, estes enfeites delicados prestam uma verdadeira homenagem às mulheres que em tempos os usaram.

A consciência pela sustentabilidade, nos dias de hoje, guia-nos até resultados nunca antes explorados. Somos inspirados pelo tesouro que é a mãe natureza, formas orgânicas, texturas e padrões.

One World

Aproveitar a identidade de cada cultura e usá-la como fonte de inspiração. Uma inspiração sem barreiras onde todo o Universo pode ser combinado para criar estilos únicos.

Sentiment Uma subcorrente romântica, inspirada nos monarcas de outrora, mas ao mesmo tempo atualizada por twists contemporâneos. Queen é um look que revela drama e ornamentação.

Urban

Vire-se para o não convencional, o inesperado. Abrace a desordem e o caos como ponto de partida para o design de looks mais contidos explorados noutros lugares. Ambos são expressão dos dias de hoje. As formas continuam muito gráficas, desde o geométrico chique com updates frescos de combinações, a padrões repetidos e blocos de cor.

Altuzarra

Dolce & Gabanna

Loewe

5


08 NOVIDADES AORP

.Definir .Posicionar .Empreender NOVO SITE AORP Com a sua estratégia redefinida a AORP apresentou o seu logótipo e respetivo símbolo. Vestiu-se de bordeaux, sinónimo da elegância, requinte e sofisticação que representam a ourivesaria, e com formas geométricas circulares que traduzem um setor unido, pronto a cooperar e competir. Posiciona-se, relança-se e dirige-se a toda a cadeia de valor do nosso setor. São grandes as ambições para o futuro da ourivesaria, e a AORP está à altura, entregando a melhor proposta de valor às empresas do setor, em particular aos atuais e futuros associados. É um compromisso que assume, e nessa medida dá-se a conhecer, com esta imagem. A este conjunto de mudanças, que estão já no terreno segui-se-ão uma série de novas ações focadas para as empresas. Saiba tudo junto da AORP, ou em www.aorp.pt.

WWW.AORP.PT


09 NOVIDADES AORP

AORP CONHEÇA-NOS! Serviços

1. Representação Política e Institu-

cional; 2. Apoio Jurídico; 3. Apoio a candidaturas no âmbito do Programa Portugal2020; 4. Apoio a candidaturas a Medidas Estágio – Emprego; 5. Apoio a Licenciamentos Industriais e Comerciais; 6. Participação em Feiras Internacionais de Ourivesaria, com cofinanciamento, através de Projetos Conjuntos; 7. Melhores condições no acesso a produtos e serviços de entidades com protocolos celebrados com a AORP; 8. Parceria com planos de seguros oferecidos aos empresários, trabalhadores e seus dependentes; 9. Possibilidade de fazer publicidade nos nossos meios de comunicação (site, jornal, newsletter); 10. Assessoria de Comunicação Nacional e Internacional; 11. Informação setorial permanente através de site, newsletters e redes sociais; 12. Divulgação de trabalhos, coleções, eventos promovidos por associados; 13. Cedência de instalações para reuniões e exposições; 14. Acesso a toda a informação que a AORP tenha criado ou esteja na sua disponibilidade atendendo às necessidades dos seus membros (quer de âmbito jurídico, económico, tendências ou estudos de mercado); 15. Biblioteca com livros e revistas de interesse do setor.

QUEREMOS UM SETOR ATIVO

• Formação e Consultoria Formativa adequada às necessidades de cada empresa. • Matchmaking - Ourivesaria Em Ação: Intercâmbio de informações, networking e novas oportunidades de negócio. • Jornadas de Ourivesaria: Principal evento de apresentação e debate de diversos temas de interesse para o setor da ourivesaria em Portugal.

PROCURAMOS UM POSICIONAMENTO INTERNACIONAL • Marca Portuguese Jewellery Shaped with Love; • Sessões Fotográficas e Publicações Vogue Gioiello e Vogue Accessory; • Presenças em Feiras Internacionais: Paris, Munique, Madrid, Barcelona, Basileia, Londres, Cracóvia, Las Vegas, Vicenza, Dubai, etc.

COMUNICAMOS ATRAVÉS DE VÁRIOS SUPORTES • Newsletter Semanal • Jornal Trimestral • Anuário • Portuguese Jewellery Insight • Facebook • aorp.pt • portuguesejewellery.pt • ourivesariaemsegurança.pt


10 TOPÁZIO

TOPÁZIO 140 ANOS Realizador João Botelho filma “O Som da Prata” na fábrica da Topázio

No âmbito da celebração dos 140 anos da marca, a Topázio lançou o desafio a João Botelho para filmar a fábrica, onde a arte e o design ganham forma pela mão dos artesãos da prata. O realizador aceitou e partiu à descoberta dos rostos e do som da prata. A arte de trabalhar a prata é familiar ao realizador: “Quando eu era muito menino, aos 5 ou 6 anos, o meu tio Custódio, na cave da sua casa em Vila Real, de Trás-os-Montes, passava dias e noites inteiras a bater cinzéis de todos os tamanhos e feitios com pancadas milagrosas em folhas de prata. Transformadas em relevos de rosas e anjos faiscavam nos meus olhos inocentes e comoviam-me a alma, que na altura julgava ter. Era um artista da prata!” Por isso, quando recebeu o repto da Topázio, não hesitou em aceitar. “Seis décadas depois eis-me perante dezenas de artistas, mesmo que apoiados em enormes e sofisticadas máquinas, com a mesma delicadeza e sabedoria a moldar e terminar magníficas peças que espalham pelo mundo. E os sons diferentes, múltiplos dos trabalhos sofisticados e precisos desta pequena multidão que devolve à prata o seu

brilho único”, partilha João Botelho. “Fico contente por saber que existe em Portugal esta fábrica e que existe esta gente”, acrescenta! Para a Topázio o objetivo era eternizar a maior riqueza da marca: a mestria dos artesãos. “O nosso maior capital é, sem dúvida, o humano. A Topázio vive há 140 anos da sabedoria e do perfeccionismo de centenas de artesãos. Ao assinalar o 140º aniversário, era para nós imprescindível homenagear e enaltecer as centenas de homens e mulheres que trabalham para que os produtos Topázio sejam símbolos de requinte e autenticidade”, realça Maria do Rosário Pinto Correia, administradora da marca centenária, com fábrica em Gondomar. O filme, com cerca de 5 minutos, percorre as várias fases da produção da Topázio, dando a conhecer, em planos apertados, as mãos e os rostos da fábrica. O som tem um papel predominante no vídeo, transmitindo de forma fiel o ambiente fabril, onde os processos de produção, praticamente todos manuais, orquestram a melodia mágica que transforma o metal bruto em peças requintadas e intemporais.


Participe nesta experiência e descubra a origem de todas as peças Topázio, através da sensibilidade apurada do realizador João Botelho. O filme chama-se “O Som da Prata” e foi elaborado para celebrar os 140 anos da Topázio. Segundo o talentoso realizador português, o filme retrata “os sons diferentes, múltiplos, dos trabalhos sofisticados e precisos desta pequena multidão que devolve à prata o seu brilho único”.


13 ELEUTERIO

ELEUTERIO ELEUTERIO LANÇA NOVIDADES PARA 2015

A Eleuterio é uma marca portuguesa de alta joalharia que tem na sua génese a arte da filigrana. A esta arte ancestral de trabalhar finos fios de ouro, Eleuterio acrescentou um design contemporâneo diferente do tradicional, sendo também pioneira no uso de diamantes e outras pedras preciosas, em joias com filigrana.

No arranque do ano, a marca Eleuterio apresentou a sua nova imagem e as novas coleções para 2015, primeiro no Meliá Hotel em Braga e de seguida no ambiente exclusivo e cosmopolita do Grémio Literário em Lisboa. Ao longo de várias décadas, a Eleuterio tem criado peças exclusivas apresentadas aos mais altos níveis, tanto em Portugal como no estrangeiro, concedendo à marca reconhecimento e notoriedade pela sua elegância e perfeição artesanal.

A Eleuterio é uma marca portuguesa de alta joalharia que tem na sua génese a arte da filigrana. A esta arte ancestral de trabalhar finos fios de ouro, Eleuterio acrescentou um design contemporâneo diferente do tradicional, sendo também pioneira no uso de diamantes e outras pedras preciosas, em joias com filigrana. Deco, Couture e Diva, embaixadoras das oito coleções que compõem o universo da marca, estiveram em grande destaque. Falam de joias que contam histórias, no espaço e no

tempo. A história da Eleuterio está intimamente ligada à história da ourivesaria portuguesa. Este ano, ao celebrar 90 anos de criatividade, Eleuterio pretende assinalar a data com o lançamento de um livro, que há-de apresentar toda a grandiosidade da marca, contando como cada peça Eleuterio consegue refletir elegância e requinte, tornando-se atemporal. A marca identifica como um dos seus valores, a incorporação do design em tudo o que criam, juntando-lhes o luxo e a sofisticação. Constrói-se na

fusão de habilidades técnicas e manuais dos artesãos e na paixão criativa dos designers. Uma terceira geração da família assume desde 2002 os rumos da empresa, com o desígnio de a levar mais além. Uma marca de alta joalharia portuguesa a conquistar o mercado internacional.


14 NOTÍCIAS

Empresários em nome Individual têm direito a subsídio de desemprego Desde o dia 1 de janeiro de 2015, os trabalhadores independentes com atividade empresarial, nomeadamente empresários, gerentes e administradores, passam a ter direito a subsídio de desemprego.

Para isto é necessário cumprir alguns prazos e requisitos que passamos a referir: 1. Para que os indivíduos possam ter acesso ao subsídio de desemprego é necessário que cumpram um prazo de 720 dias (2 anos) de descontos nos 4 anos anteriores ao desemprego. O que significa que estas pessoas terão de descontar por um período maior que os trabalhadores por conta de outrem. 2. A cessação de atividade deve justificar-se pela redução do volume de negócios igual ou superior a 60% no ano de cessação e nos dois anos anteriores; apresentação de resultados negativos contabilísticos e fiscais no ano de cessação e no ante-

rior; declaração de insolvência não qualificada como culposa; motivos económicos, técnicos, produtivos e organizativos que inviabilizam a atividade ou ainda motivos de força maior que determinem a cessação da atividade empresarial. O requerimento do subsídio de cessação deve ser apresentado no centro de emprego da área de residência do beneficiário, juntamente com a declaração da situação de involuntariedade da situação de desemprego. Fonte: Boletim do Contribuinte Económico

OURIVESARIA PORTUGUESA TEM CONDECORADO DE MÉRITO O dia 27 de janeiro de 2015 representou um marco importante para a Ourivesaria Portuguesa!

estratégia da sua casa centenária, mas também como dirige nos últimos 9 anos o rumo da AORP.

Manuel Alcino, dono de uma das maiores empresas de Pratas de Portugal, ALCINO SILVERSMITH SINCE 1902, e atual Presidente da Direção da AORP, foi condecorado com a Comenda de Ordem de Mérito entregue pelo Chanceler das Ordens Honoríficas, Prof. Doutor Valente de Oliveira.

As Ordens de Mérito Civil têm o objetivo de galardoar o mérito civil, manifestado no exercício de funções públicas ou privadas, em especial na área social, na educação e no meio empresarial. São, no seu conjunto, uma mescla entre Ordens criadas já no período da República ou que resultam de reformulação de Ordens criadas no final do século XIX.

Manuel Alcino foi agraciado pelo seu grande percurso profissional, de uma vida dedicada ao setor da ourivesaria, com grande relevo na construção de um ambiente empresarial de qualidade ímpar e tendo como motor uma grande visão de futuro e de modernidade. Características intrínsecas à forma como liderou e lidera a

A Ordem do Mérito é o desdobramento de uma Ordem criada em 1927, a Ordem da Instrução e da Benemerência, que foi reformulada em 1929. A Ordem da Benemerência, que resultou desse desdobramento, foi renomeada em 1976 como Ordem do Mérito. São três as Ordens de Mérito Civil:

Ordem do Mérito, Ordem da Instrução Pública e Ordem do Mérito Empresarial. A cada uma das Ordens de Mérito Civil correspondem finalidades e insígnias específicas, consagradas na Lei das Ordens Honoríficas.

Desde o dia 1 de janeiro de 2015, os trabalhadores independentes com atividade empresarial, nomeadamente empresários, gerentes e administradores, passam a ter direito a subsídio de desemprego.


15 NOTÍCIAS

JCK LAS VEGAS PROJETO GET OUT

Em colaboração com a AORP, a ANJE, no âmbito do GET OUT - Projeto Conjunto de Internacionalização de PME cofinanciado pelo QREN, está a organizar uma ação na feira JCK Las Vegas Las Vegas, USA, que se realizará de 27 de maio a 2 de junho de 2015. O Projeto pretende promover a presença das PME nos mercados internacionais, reforçando a sua competitividade e assegurando uma maior orientação do produto interno

Portuguese Jewellery Shaped with Love O salão Bijorhca, organizado na capital de França, é considerado o maior evento parisiense e francês. Apresenta uma oferta global de joias, sendo o destino de compradores o mundo inteiro. A perceção geral de dinamismo e abertura internacional é reforçada pelos dados fornecidos pela organização que indicam uma progressão de mais de 22% nos visitantes, alcançando um valor próximo de 15.000 nesta edição. Para além disso, conta com a presença acrescida dos principais países da União Europeia (Alemanha, Bélgica, Espanha...) e de alguns países extracomunitários como países do Médio Oriente e a Rússia. O salão continua a fazer uma aposta significativa na descoberta do universo criativo, nomeadamente de criadores e de pequenas marcas, o que consolida o seu posicionamento como local de lançamento e apresentação de tendências. A ANJE, no âmbito do GET OUT - Projeto Conjunto de Internacionalização de PME cofinanciado

pelo QREN, em colaboração com a AORP, organizou a participação na feira Bijorhca, em Paris, entre os dias 23 a 26 de janeiro. Direcionada especificamente para as empresas ligadas à área de ourivesaria, a viagem de negócios previu a participação na feira, de modo a facilitar o networking e as oportunidades de negócio entre empresários portugueses e os restantes participantes. Empresas portuguesas participantes no âmbito do projeto conjunto: - Bruno da Rocha - Goris - Liliana Alves - Our Sins - Styliano & Ribeiro Empresas portuguesas participantes individualmente: - Bergue & Co - Elza Pereira - Inês Telles Jewelry - Materialab by Carla Matos - Shomood - Wings of Feeling www.bijorhca.com www.portuguesejewellery.pt

INHORGENTA 2015 Entre os dias 20 e 23 de fevereiro, a AORP visitou a Feira Inhorgenta, em Munique, na Alemanha. Para muitos uma das maiores feiras organizadas na Europa, é o maior evento organizado no Norte da Europa, com projeção para além das fronteiras da Alemanha e com um forte poder de recomendação numa vertente contemporânea da ourivesaria. Na sua 41ª edição a feira contou com cerca de 30.000 visitantes de 80 países,

2015

sendo as nações mais representadas a Áustria, Itália, Suíça, Holanda, República Checa e Inglaterra, notando-se um acréscimo de visitantes da Polónia, Austrália, Espanha, Índia e China. Nesta edição da feira Inhorgenta estiveram representadas marcas de reconhecido valor pela sua técnica, precisão, apuramento de formas e projeção internacional. Assim, foi possível apreciar peças de rara excelência dos joalheiros: Astorga Jewels, Looxe - Fernando Rocha, André Rocha Jewellery and Photography, Margarida Pimentel e do centro de formação da Indústria de Ourivesaria e Relojoaria de Gondomar - CINDOR.


16 PORTUGUESE JEWELLERY RUNS GLOBAL

PORTUGUESE JEWELLERY RUNS GLOBAL ABRE CAMINHO PARA A ABORDAGEM CONJUNTA DA INTERNACIONALIZAÇaO


17 PORTUGUESE JEWELLERY RUNS GLOBAL

A entrada no ano 2015 supõe para a AORP a passagem para a implantação de ações mais consistentes e consensuais. O setor, que se transforma a uma velocidade vertiginosa, abraça uma nova abordagem da problemática setorial fundamentada na partilha de responsabilidades entre a Associação e as empresas. A maior incidência nos campos da inovação, da criatividade e internacionalização deve lograr consolidar os resultados obtidos numa maior orientação das empresas para os mercados externos e num aumento consistente das exportações.

O denominado Portuguese Jewellery Runs Global é a primeira iniciativa que será aplicada, nos moldes desta abordagem, de programa de ação conjunto e partilhado. É projetado para promover as pretensões globais do setor. Promovido pela AORP com a participação ativa de empresas, encontra-se enquadrado no financiamento do Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização das PME e na Estratégia Nacional Portugal 2020. O Programa proposto integra o desenvolvimento de capacidades para valorização da oferta nacional e a promoção dos atributos distintivos dos produtos, fruto da criatividade nacional no mercado global. Este Programa visa também a aposta na internacionalização como uma opção estratégica para um maior número de empresas. A agenda de atividades, que se desenvolve entre Fevereiro de 2015 e Dezembro de 2016, integra 19 missões distribuídas por 16 participações em feiras e salões e 3 missões empresariais de prospeção, abrange 12 países e materializa-se na participação esperada de mais de quarenta empresas. Só em 2015 estima-se a organização de 7 ações que permitam a presença de empresas portuguesas em diversos países: Brasil, Polónia, França, Itália, Reino Unido, Espanha e Emirados Árabes Unidos. No papel de promotora a AORP norteia-se por um modelo baseado na promoção dos fatores de competitividade, nomeadamente a valorização das produções nacionais e da marca coletiva Portuguese Jewellery Shaped with Love.

O projeto, conta com o acompanhamento qualificado da AORP para promover a cooperação e potencializar as oportunidades de negócio nos mercados visados. Este acompanhamento tem como finalidade reforçar a orientação das PME para os mercados externos através do aumento da notoriedade mas também das vendas em mercados de referência ou mercados tradicionais, nomeadamente França onde está prevista a organização de três ações durante a Feira Bijorhca em Paris; Espanha com a participação em duas edições da Feira Madrid Joya; Alemanha, onde será organizada uma missão durante a Feira Inhorgenta em Munich; Polónia, com duas ações durante a Feira Jubinale em Cracóvia e Reino Unido, com a presença garantida em duas edições da IJL - International Jewellery London. A penetração em mercados não tradicionais, através de um aumento da notoriedade e/ou vendas, terá como incidência 7 dos 12 países que constam no Plano de Ação. São referenciados nesta categoria os Estados Unidos, com a participação na Feira JCK Las Vegas; Itália, com a participação conjunta na Feira Vicenza Oro e Hong Kong, com a participação na HKTDC Hong Kong International Jewellery Show. Os mercados do Brasil, da Colômbia e da Suíça, serão abrangidos pela organização de ações de prospeção que permitirão a interação com estes mercados. Outros fatores tais como a exploração da marca coletiva internacional Portuguese Jewellery Shaped with Love - pelas empresas, como atributo qualitativo dos produtos criados e produzidos em Portugal; a integração das funcionalidades das TIC no processo comercial e de internaciona-

lização das empresas, com o reforço das funcionalidades da internet; o recurso eficaz às redes sociais e outros canais de promoção/venda, entre outros; o lançamento de campanhas de marketing e publicidade adequadas aos mercados-alvo; e a integração de iniciativas distintas em 3 mercados: Emirados Árabes Unidos, Hong Kong e Las Vegas, constituem plataformas incontornáveis para mercados de grande progressão e crescimento da procura, como Médio Oriente, Oriente e o continente Americano, respetivamente e serão também amplamente valorizados nos quase dois anos de intervenções. A AORP incentiva a participação de qualquer tipologia de empresas, pelo que as inscrições estão abertas para todos os interessados que, no entanto, têm que cumprir determinados critérios para assegurar a sua participação. Podem assim aderir ao Programa as PME com sede social nas regiões Norte, Centro ou Alentejo, que cumpram as condições necessárias para o exercício da atividade, com situação tributária e contributiva regularizada, contabilidade organizada nos termos da legislação aplicável e que não sejam empresas em dificuldade. A taxa de co-financiamento é de 50%, reembolsável após o recebimento do incentivo pela entidade promotora. O limite máximo de apoio por empresa participante é de 100.000€. A AORP está disponível para ajudar a preparar o caminho para a internacionalização. Mais informações sobre o processo de seleção, brevemente em www.aorp.pt.

CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS DE SELEÇÃO E PARTICIPAÇÃO A participação das empresas no programa encontra-se sujeita a uma série de procedimentos: 1) Interesse em participar na iniciativa. Na fase inicial as empresas interessadas formalizam o seu interesse, indicando em que ações do plano de ação pretendem participar. Devem demonstrar cumprir os critérios constantes no aviso de concurso do programa (localização, situação tributária e contributiva, possuir o certificado PME atualizado) e facilitar os dados para assegurar a situação líquida positiva. Segue as condições de acesso constante no SI Qualificação PME (Portaria 1463/2007, de 15 de Novembro, republicada na Portaria nº 47-A/2012 de 24 de Fevereiro. 2) Acordo de Pré-Adesão. Para as empresas pré-aderentes, é obrigatório formalizar um acordo de pré-adesão com o envio de documentos relativos à situação financeira e contributiva da empresa. 3) Formalização de um Contrato de Adesão. Após a aprovação do financiamento deste programa, é obrigatório formalizar um Contrato de Adesão. Trata-se de uma formalidade que tem subjacentes ações decisivas para o sucesso da intervenção, dado que consolida e formaliza um compromisso mútuo e de partilha de responsabilidades, entre a empresa e a AORP. Tem anexado um cronograma e Plano de Ação individualizados, com indicação dos compromissos financeiros/administrativos e a bateria de indicadores de realização e resultado que servirá de base para a avaliação da participação da empresa e do projeto.


18 ENTREVISTA ASSOCIADO

CARTEIRAS QUE SÃO AUTÊNTICAS JOIAS A âme moi é uma marca de acessórios de luxo que promete revolucionar o mundo da moda. É uma marca que se destaca das outras marcas de massa, pois tem como base a tradição e as artes ancestrais, assentando a sua filosofia no uso dos metais nobres como ouro e prata e na inspiração da arte das sedas bordadas nas casacas dos toureiros. Como é que nasceu a ligação das malas às joias?

Quando pensámos neste projeto queríamos criar uma marca completamente distinta. O conceito em que assentámos, no princípio de tudo, foi nas artes ancestrais do nosso Portugal. A técnica da filigrana estava a cair em esquecimento, então decidimos pegar nessa arte e juntar ao design dos nossos produtos. Este foi o primeiro contato que houve entre a âme moi e a ourivesaria, com o objetivo de tornar o ancestral em moderno.

Como é que conseguem integrar os dois produtos, joias e marroquinaria, e comunicar uma peça de luxo como o são as malas âme moi? Esta incorporação entre os nossos produtos e as joias nasce da conjugação de dois mundos diferentes mas que se podem complementar de

forma harmoniosa. Juntamos o nosso design que está subjacente ao mundo da moda com joias que são pensadas e executadas para aquele determinado produto. Nada é ao acaso…

Qual a história por trás da criação desta empresa e desta marca? Há alguma ligação ao mundo da ourivesaria que tornasse esta ligação com as joias algo de inevitável?

Quando o nosso CEO pensou neste projeto, queria de alguma forma fazer algo mesmo diferente. Só ele idealizava na sua mente o que desejava, queria juntar a moda com os valores e tradições. Pretendia criar mais do que uma simples carteira, queria criar uma joia que as mulheres pudessem usar como carteira. Algo para a qual a mulher olhava e de imediato se apaixonaria…e qual é a mulher que não gosta de joias?

Como é o processo de criação e produção das malas, com incorporação de joias? Sim, porque verdadeiramente se juntam joias às malas, não? As carteira âme moi passam por quatro etapas no seu processo de criação e produção: Primeiro está o design, a inspiração e a criação. Só a partir deste ponto é que se pode construir o resto. A incorporação de joias nas carteiras âme moi surge nesta fase de inspiração, na possibilidade de conciliar a moda com a tradição. Em segundo

lugar passamos por uma fase de investigação e desenvolvimento onde adaptamos o design às tendências do momento, onde procuramos os melhores materiais e metais para o produto final. Numa terceira fase transpomos para a realidade o que está no papel fazendo um protótipo do que pretendemos. Nesta fase é-nos possível saber o que podemos ou não fazer e melhorar o que não está perfeito. Só depois de estarem reunidas todas as condições para produzirmos algo exclusivo chegamos à última fase: a da produção. A produção é o último contacto que a âme moi tem antes de entrar no mercado. Nesta última etapa o produto final é distribuído, sequencialmente, pelos vários artesãos que enriquecem as nossas carteiras com os seus diversos ofícios.


19 ENTREVISTA ASSOCIADO

Pretendia criar mais do que uma simples carteira, queria criar uma joia que as mulheres pudessem usar como carteira. Algo para a qual a mulher olhava e de imediato se apaixonaria…e qual é a mulher que não gosta de joias?


20 ENTREVISTA ASSOCIADO

Percebemos ao investigar um pouco a marca, que esta assenta em valores muito fortes, que elevam a âme moi para patamares de qualidade de topo. O que é que distingue a marca? O que é que a torna tão exclusiva?

O que nos distingue é o facto de utilizarmos metais preciosos nos nossos produtos e isso dá-nos de imediato o estatuto de marca de luxo. Os nossos produtos são manufaturados, produzidos com materiais da maior qualidade como ouro e prata, sendo as nossas alças trabalhadas com a maior delicadeza. Todas as nossas carteiras apresentam uma seda bordada com pedras preciosas cravadas e apresentam um pendente com crina

de cavalo, neste campo somos os primeiros no mercado dos acessórios. A âme moi destaca-se pela sua exclusividade, pelo facto de não produzirmos em série como tantas outras.

Qual é o perfil da mulher que compra âme moi? Qual é o feedback dessa mulher?

A mulher que compra uma âme moi, é uma mulher prática e objetiva, que sabe o que quer. Uma mulher discreta mas que ao mesmo tempo é vaidosa e gosta de dar nas vistas, e por isso atreve-se a usar algo diferente. Criamos para mulheres que gostam da combinacão entre o funcional e o requinte.

A âme moi está à venda também em ourivesarias em Portugal? Qual

o balanço que fazem do negócio neste tipo de estabelecimentos?

Sim, neste momento encontramo-nos à venda na Torres Joalheiro com a nossa gold line. Para nós faz todo o sentido porque os nossos produtos além de serem carteiras são também arte, podemos mesmo dizer, como já referimos várias vezes, que são joias. O balanço é positivo, os materiais nobres que utilizamos na produção dos nossos produtos dão-nos um forte posicionamento.

O valor de uma marca é também determinado pelo seu impacto no consumidor. Qual a estratégia para afirmação e desenvolvimento da marca?

A estratégia de afirmação e desenvolvimento da âme moi, neste momento tem em vista alcançar a notoriedade através da credibilidade que fomos construindo consoante o crescimento da marca. É necessário que as pessoas comecem a reconhecer a marca só por olhar, que lhes fique na cabeça e que queiram saber mais sobre esta. Algumas personalidades, como atrizes internacionais e membros da realeza, encontram-se neste momento ligadas a este processo de desenvolvimento de notoriedade da marca.

O facto de associar o produto a joias é uma mais valia? Cria mercado? Diferencia?

Sim, a incorporação de joias nos nossos produtos são um fator diferenciador de outras marcas. O impacto


21 ENTREVISTA ASSOCIADO

desta diferenciação depende dos mercados. Se forem mercados com elevado poder de compra podemos considererar uma mais valia. Mercados como o Dubai e o Qatar são exigentes e escolhem sempre o melhor do melhor. Interpretar as nossas carteiras como joias pode ser um fator de diferenciação em relação a outras marcas já tão conhecidas. Também existem mercados em que esta conotação a joias pode não ser benéfica pois pode levar o cliente a não querer adquirir o produto por se tratar de algo muito valioso. Por isto é que temos que estudar bem os mercados e saber como interagir com os diferentes consumidores, é necessário planear e utilizar estratégias adequadas para cada mercado.

O mercado globalizado como o temos hoje em dia obriga as empresas a não se reduzirem ao mercado interno. Como é que a vossa empresa projetou o plano de internacionalização? Numa primeira fase a nossa estratégia tinha em vista apenas países com poder de compra, economias emergentes que apesar de serem países

ricos não eram, na altura, vistos como referências de cidade de moda. Como éramos uma marca recente e por não termos capacidade para concorrer com outras marcas, seria dificil entrar diretamente nas grandes capitais de moda como Paris, Londres ou Nova Iorque, sem qualquer notoriedade. Neste momento, uma vez que já entramos nesses mercados que podemos chamar de mercados secundários ou paralelos, estamos a posicionar-nos naqueles mercados que para nós fazem sentido para ganhar a tão desejada notoriedade.

Quais são os sonhos para o futuro?

Pensamos sempre na âme moi a longo prazo. Sabemos que temos todo o potencial para chegarmos ao topo como tanto ambicionamos. Trabalhamos muito para isso todos os dias. Queremos ser uma marca de topo que se destaca pela diferença, pela exclusividade e requinte do nosso design. Esperamos, a seu tempo, chegar a todos os mercados através de diferentes estratégias que façam da âme moi a marca mais desejada pelas mulheres.

www.amemoi.com


22 SUGESTÕES

1

LILIANA ALVES Separadores RTP1

Já repararam nos novos separadores da RTP1? Um projeto para o qual a marca Liliana Alves - Jewelry Design foi convidada a dar o seu contributo com técnicas da joalharia moderna portuguesa. A passar nos novos separadores de canal da RTP1.

www.facebook.com/liliana. alves.jewelry.design

2

JOSEFINAS A Incorporação da Ourivesaria noutros Setores da Moda

As sabrinas mais caras do mundo são portuguesas e adornadas com uma joia de ouro e topázio azul. São as sabrinas mais caras do mundo e são portuguesas. A marca de sabrinas Josefinas pôs à venda, no passado mês de fevereiro, as sabrinas mais caras do mundo, a joia da coroa e o último modelo da coleção Mil e Uma Noites, apresentada em janeiro. Com solas e palmilhas em pele natural, as Josefinas Sal Azul Persa são adornadas com uma joia de ouro e topázios azuis, criada à mão por mestres joalheiros portugueses. “São mais uma forma de fazermos, através de coisas simples, coisas extraordinárias”, explica Maria Cunha, uma das fundadoras da marca, ao Dinheiro Vivo. O lançamento destas sabrinas, que custam 3.369 euros, é mais um dos passos que integram a estratégia da empresa, criada em 2013.

www.josefinas.pt

PORTUGAL FASHION

3

Portugal Fashion: 20 anos comemorados em seis edifícios

Mais de 30 desfiles, espalhados por seis edifícios, entre Lisboa e o Porto, composeram a edição comemorativa das duas décadas do Portugal Fashion, de 25 a 28 de março, na qual regressou Pedro Pedro. No 36.º Portugal Fashion - que no Porto passou por locais como o Palácio da Bolsa, o ginásio da Escola Rodrigues de Freitas, o Palácio dos CTT e a Alfândega - comemorou-se ainda os 25 anos de carreira do criador Luís Buchinho, presente desde a primeira edição do evento de moda, em 1995. Em antecipação à agência Lusa, a organização do evento da responsabilidade da Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE) - anunciou que do programa de quatro dias fizeram parte 31 desfiles com as propostas para o próximo outono/inverno, que reuniu 17 criadores, nove marcas de vestuário, seis marcas de calçado, seis jovens designers e quatro marcas de jovens estilistas, sendo o tema ‘Reflector’ um “tributo à moda portuguesa enquanto fenómeno estético que reflete a imagem de país moderno, empreendedor e criativo”.

www.portugalfashion.com


24 23 ESTATÍSTICAS NOTÍCIAS


Jornal AORP JAN.FEV.MAR 2015  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you