Page 1

gira

Atualidade dos concelhos de Vila Franca de Xira | Arruda dos Vinhos Alenquer | Azambuja | Salvaterra de Magos | Benavente diretor António Dias | revistagira.com | €1 | assinatura anual €12 número 20 | mensal | maio de 2018

revista

esta terra é gira

reportagem

Bombeiros precisam-se

A 1 de maio, os bombeiros de Vila Franca de Xira celebram mais um aniversário e a 4 de maio assinala-se o Dia Internacional dos Bombeiros. Há motivos para festejar? Falámos com alguns soldados da paz e parece-nos que o futuro é preocupante. com: Pedro Carolino e Miguel Oliveira (na foto), Bruno Gomes, Cláudia Tavares, Nuno Santos, Sandra Carvalho e Acácio Raimundo

edição on line aqui:

entrevista: RICARDO LEVESINHO passeio: MIRANTES DO TEJO agenda: FEIRA DAS TERTÚLIAS


gira número 20 maio 2018

propriedade: António Manuel Domingues Dias NIF: 216 680 611 diretor e editor: António Dias colaboradores: David Fernandes Silva (estórias), Maria Martins (moda), Paula Martins (nutrição), Sónia Teles (farmácia), Guida Alves (psicologia), Daniel Gonçalves (pets), Carlota de Pina (política), Maria da Luz Rosinha (política) e Ana Paula Vieira (fotografia) publicidade: revista gira: 243 761 130 | 968 236 531 Voz Ribatejana Lda. sede do editor: rua doutor Manuel Branco, nº30 2005-388 Vale de Santarém telefone: T: 968 236 531 redação: rua doutor Manuel Branco, 30, Vale de Santarém web: www.revistagira.com mail: revistagira@revistagira.com facebook: /revistagira impressão: soartes/Carregado tiragem: 5.000 exemplares depósito legal: 415958/16 número registo na ERC: 126901 foto de capa © Ana Paula Vieira Para aparecer na capa da gira ou no interior contacte 968 236 531 ou revistagira@revistagira.com. Fotografia, filmagens, reportagens giras. Empresariais ou pessoais. As nossas produções são giras!

© maio de 2018 Todas as imagens e textos desta publicação são propriedade da revista gira. É interdita a cópia ou a utilização de qualquer conteúdo sem a devida autorização do proprietário. O estatuto editorial da revista gira está disponível no sítio www.revistagira.com

5

14 moda Será desta, primavera? O bom tempo pede roupa leve

18 agenda Feira das tertúlias Evento inédito anima Vila Franca

24 entrevista Ricardo Levesinho O novo empresário da Palha Blanco regressa, em grande, à praça de toiros

30 reportagem Bombeiros da região Qual o futuro das nossas corporações?

42 passeio O Tejo ao longe Passeios a ver o rio, os vales e os montes

COLUNISTAS SECÇÕES David Fernandes Silva:6 Maria Martins: 15 Paula Martins: 27 Sónia Teles: 29 Carlota de Pina: 37 Maria da Luz Rosinha: 38 Adélia Gominho: 41 Daniel Alves: 46

efemérides: 7 notícias: 8 diretório: 17 editorial: 21 pets: 46


6 // curiosidades // maio história

A velha vila David Fernandes Silva*

Chegamos a Maio, mês em que habitualmente recai o feriado municipal, o da Quinta-Feira da Espiga ou da Ascensão. O que significa aludir a uma das mais antigas romarias do Ribatejo: a do Senhor Jesus da Boa Morte, em Povos - Vila Franca de Xira. A romaria existe, pelo menos, desde o século XVIII, e é uma das grandes festividades da cidade de Vila Franca de Xira, com missa, procissão, bênção dos campos e da cidade. A propósito dessa festa, gostaria de falar um pouco da antiga vila de Povos, hoje administrativamente englobada na freguesia de Vila Franca de Xira. Tem origens imemoriais e quase míticas, ao ponto de, durante séculos, certos autores a terem identificado com a cidade romana de Ierabrica, que até hoje não foi encontrada. De facto, no seu território, ainda há vestígios do domínio romano e também árabe, ao ponto de percebermos que o que sobra do seu castelo (no mesmo Alto do Senhor da Boa Morte) era um fortificado do domínio berbere, que foi tomado, em 1147, pelas tropas afonsinas, e entregue à Ordem do Templo. O topónimo Povos refere-se ao facto de a sua estrutura de vila acastelada recolher as populações dos vários povoados em redor, que nasceram em torno de torres de atalaia (Vila Franca, Alhandra, etc.) e de cujo castelo eram foreiras. Povos teve foral castelejo em 1195, dado por D. Sancho I, e, mais tarde, em 1514, D. Manuel I outorga-lhe Foral Novo. Falamos, pois, da mais antiga autarquia do actual concelho de Vila Franca de Xira. Depois de séculos de rica história, a partir do século XIX acentuou-se a feição rural de

Povos e foi decaindo. A partir dos anos 60 do século XX, na zona da antiga Quinta do Cabo e nas antigas propriedades da família Palha, Povos voltou a ter um incremento populacional e urbano e é hoje uma grande vila, com muitos bairros e estruturas habitacionais. A época menos gloriosa motivou que o concelho de Povos tenha sido extinto em 1836 e a sua freguesia tenha ficado anexa à de Vila Franca, no final do século XIX, até ser sido extinta como freguesia em 1942. O facto da sua freguesia e concelho terem sido extintos, não significa que ela se tenha extinguido enquanto vila, pelo que é incorrecto dizer “bairro de Povos” ou “zona de Povos”. Povos continua a ser vila e, como tal, tem orgulho nos seus “pergaminhos” Os habitantes da vila de Povos, os povosenses, são ainda hoje profundamente “bairristas” e tem motivos para o ser: ou não fosse daí a “barca de Povos” que Camões cantou; ou não tivesse sido do seu cais que partiu Bartolomeu Dias a dobrar o cabo da Boa Esperança; ou não tivessem nascido aí o grande José da Costa e Silva, arquitecto do Teatro Nacional de S. Carlos e do Palácio de Queluz (1747-1819); ou não fosse daí natural o matador de toiros José Falcão; ou não tivesse ali nascido José Van Zeller Pereira Palha, fundador do Colete Encarnado (1895-1978). Por isso, quando chega Maio, todo o concelho se volta para o Senhor da Boa Morte e recorda, no seu feriado municipal, que ali, naquele castelo, que hoje mal se nota, nasceu o seu domínio público autárquico. Viva a vila de Povos!

*estoriador

o autor escreve conforme a antiga grafia


7

1.mai.1891

27.mai.1823

Começa neste dia uma revolução destinada a repor o Absolutismo em Portugal. Esta insurreição, que ficou conhecida como Vilafrancada, foi liderada pelo infante D. Miguel, que a 27 de maio de 1823, declarou, em Vila Franca: "Portugueses, é tempo de quebrar o férreo jugo em que vivemos (…) A força dos males nacionais, já sem limites, não me deixa escolha (…)”. A incursão militar, que terminou quatro dias depois, acabou por ter a adesão do rei D. João VI que veio a Vila Franca obrigar o infante rebelde a submeterse-lhe, tendo regressado a Lisboa em triunfo, entre vivas ao rei absoluto. Por causa disso, durante um período curto, a Vila passou a designar-se “Vila Franca da Restauração”.

É neste dia fundado o Ateneu Artístico Vilafranquense, brasão à direita. Uma das mais importantes coletividades de Vila Franca de Xira, que comemora o aniversário sempre com a atuação, pelos ruas da cidade, da banda filarmónica, a que se junta a fanfarra dos bombeiros de Vila Franca, brasão à esquerda, que nasceram também a 1 de maio, mas de 1882.

6.mai.1970

Morre o vilafranquense Reynaldo dos Santos, considerado por muitos “o último dos eruditos do Renascimento”, uma vez que tocou, com os seus estudos, áreas muito diversas, desde a Medicina à Literatura, passando pela História, até à História de Arte. É o primeiro teorizador do gótico flamejante português, que baptizou de “Manuelino”.

10.mai.1903

Nasce, em Alhandra, Francisco Câncio, que foi historiador, investigador e académico, com estudos sobre a História e a Etnografia locais do qual deixou grande obra, que ainda hoje é base de muitos estudos. Ficou conhecido pelo seu estilo romanceado de contar a história, sem nunca deixar de ser rigoroso com factos.

14.mai.1914

Nasce, em Vila Nova da Rainha, freguesia do concelho de Azambuja, a primeira escola de aeronáutica em Portugal. A localidade é considerada o berço da aviação militar portuguesa. Em 2016 foi inagurado por Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República, a propósito dos 100 anos da data, um monumento que continua a a admirar muitos curiosos.


8 // notícias // maio participação popular

Arrudenses escolhem projeto a apoiar

solidariedade

Empresa apoia famílias carenciadas

A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) volta, em 2018, a apoiar as famílias mais carenciadas do concelho de Vila Franca de Xira. O protocolo com a Câmara Municipal foi assinado em abril. “A SCC vê como essencial o apoio à comunidade onde a empresa está inserida, procurando contribuir para o bem estar das pessoas, nomeadamente as mais desfavorecidas, e para o desenvolvimento económico e social da região", defendeu o CEO da SCC, durante a cerimónia. "Os resultados da ajuda prestada nestes 12 anos é algo que nos orgulha e que nos incentiva a renovar este protocolo”, congratulou-se FrançoisXavier Mahot, na foto, o primeiro à direita, com Alberto Mesquita, presidente do município vilafranquense e Nuno Pinto de Magalhães, responsável de Relações Instituicionais da SCC. O apoio ao munícipio é entregue, anualmente, desde 2006 e, este ano, atinge os cem mil euros. Até agora já foram distribuídos mais de um milhão de euros. promessa

Vialonga terá nova escola em breve

Está praticamente pronto o projeto de requalificação da escola básica dos segundo e terceiro ciclos de Vialonga. Técnicos da Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGESTE) já estão a par das ideias da Câmara Municipal e têm se deslocado ao estabelecimento de ensino para verificar as possibilidades de executar a obra conforme o pretendido. Um auditório e novas salas estão entre as ideias previstas. Numa das últimas reuniões de câmara, o presidente da edilidade revelou-se esperançado de que “teremos o projecto pronto até ao final do ano”. Alberto Mesquita acredita que “desta vez” haverá condições e compromisso governamental de requalificação daquela escola. Depois de aprovado o projeto, será lançado um concurso para a adjudicaçao das obras.

Há duas propostas a votação no Orçamento Participativo de Arruda dos Vinhos. Depois de uma fase de apresentação de sugestões, foram selecionadas duas ideias que estão a votos este mês de maio no sítio da internet da Câmara Municipal. A população terá que escolher entre apoiar a aquisição de uma viatura ligeira de combate a incêndios para os bombeiros de Arruda dos Vinhos, ou reparar o telhado da igreja de S. Miguel de Cardosas, proposta pelo Clube Desportivo Recreativo e Cultural de Cardosas. Para votar vai até www.cm-arruda.pt ou deslocate a uma das assembleias de voto, localizadas nas juntas de freguesia. de 16 a 19 de maio

Festival da Juventude com ofertas de emprego O Festival da Juventude de Vila Franca de Xira vai ser ainda melhor este ano. O evento que irá decorrer de 16 e 19 de maio, no pavilhão multiusos de Vila Franca de Xira, além da animação habitual, contará com presença de empresas que irão apresentar possíveis saídas profissionais para os jovens estudantes. É uma das novidades que a autarquia introduziu.


9 12 de maio

Catarina e Renato lutam por Portugal na Hungria

Catarina Gemelgo e Renato Brás irão representar Portugal, a 12 de maio, no campeonato da Europa de Dança Desportiva. O par da Sociedade Euterpe Alhandrense irá atuar na categoria Latinas de Adultos. A prova que vai decorrer em Debrecen, na Hungria, é considerada o expoente máximo da modalidade a nível mundial. São vários os resultados obtidos em 2017 que contribuíram para a convocatória da Federação Portuguesa da Dança Desportiva. Na época passada, o par da coletividade alhandrense ficou classificada em sexto lugar no ranking do circuito nacional de adultos. O desempenho de ambos os atletas, com 23 anos de idade, foi assinalável, e fruto de um árduo trabalho de vários anos. Catarina Gemelgo e Renato Brás dançam juntos há cinco anos e começaram a praticar dança desportiva ainda em crianças: ela com sete anos de idade, e ele com nove.

índice

Salvaterra de Magos é das autarquias mais transparentes do país

Salvaterra de Magos está em primeiro lugar, no distrito de Santarém, no índice de transparência municipal (ITM). A avaliação é feita através da análise de 76 indicadores agrupados em sete dimensões, como a composição social do município, os relatórios autárquicos, os impostos, a apresentação das contas, a relação com a comunidade, entre outros parâmetros. Os dados são compilados pela associação cívica Transparência e Integridade que, anualmente, avalia o grau de transparência das autarquias do país com base na análise de informação disponibilizada aos cidadãos nos sites das autarquias. Ao nível do distrito de Santarém, Salvaterra de Magos passou do terceiro posto, em 2016, para o topo do pódio no ano passado. Em termos nacionais, registou uma subida de mais de 50 lugares, da 71.ª posição para o 18.º lugar. “É com orgulho que, neste particular, o município está entre os melhores", congratula-se Hélder Esménio, o presidente da autarquia.

orçamento

Câmara de Azambuja caminha em direção ao equilíbrio financeiro

Azambuja está na peugada para ser uma das autarquias mais saudáveis a nível financeiro em Portugal. O executivo de maioria PS acaba de aprovar as contas de 2017 que apresentam um saldo de mais de quatro milhões de euros. As receitas arrecadadas totalizaram 17 milhões de euros, enquanto que a despesa ficouse pelos 16 milhões de euros. Houve uma cobrança extraordinária do Imposto Municipal sobre a Transmissão Onerosa de Imóveis (IMT) no valor de dois milhões de euros, o que contribuiu para um nível de execução orçamental da receita de 115%. A autarquia consegue, assim, cumprir as imposições do Orçamento de Estado que estipula uma redução do endividamento dos muncípios e defende um equilíbrio orçamental, nomeadamente não ter pagamentos em atraso, sendo que Azambuja paga, em média, ao seus fornecedores, em um dia. Aliás, neste indicador, a autarquia azambujense é das que está no topo a nível nacional. Azambuja está certificada pelo “Compromisso Pagamento Pontual” como uma entidade que paga a fornecedores a tempo e horas.


10 // notícias // maio

9 de maio

Jovens debatem a igualdade de género

Esta é a mesa da assembleia que irá conduzir os trabalhos da Assembleia Municipal Jovem de Vila Franca de Xira deste ano. A iniciativa promovida pela Assembleia Municipal do concelho pretende promover a participação cívica e política entre os mais novos. Nesta edição, o tema coloca em debate a igualdade de género. A edição de 2018 da Assembleia Municipal Jovem realiza-se a 9 de maio, na escola secundária Alves Redol, em Vila Franca de Xira, e conta com a participação de 11 estabelecimentos de ensino do concelho, entre os básica com terceiro ciclo do Bom Sucesso (Alverca); EB2,3 Pedro Jacques Magalhães (Alverca); EB2,3 Prof. Reynaldo dos Santos (Vila Franca de Xira); EB2,3 de Vialonga; escola se-

cundária de Alves Redol (Vila Franca de Xira); escola secundária do Forte da Casa; escola secundária Gago Coutinho (Alverca); colégio José Álvaro Vidal (Alverca); Escola Profissional de Hotelaria e Turismo de Lisboa – Pólo da Póvoa de Santa Iria; e Centro de Formação Profissional de Alverca do IEFP. João Mata, do colégio José Álvaro Vidal, na foto, ao centro, será o presidente da mesa da assembleia e será apoiado pela Beatriz Sabino, primeira secretária, na foto, à esquerda, do agrupamento de escolas de Alves Redol; e pelo segundo secretário, Tiago Rocha, na foto, à direita, do agrupamento de escolas professor Reynaldo dos Santos. Espera-se a participação de centenas de estudantes.

A Câmara Municipal de Vila Franca de Xira mantém, este ano, o apoio financeiro às associações do concelho. O valor ronda um milhão de euros, cifra que é praticamente idêntica a períodos anteriores. Metade da verba destina-se, sobretudo, à atividade regular de 109 coletividades com trabalho em áreas da cultura, desporto, solidariedade, entre outras. A restante verba servirá para obras extraordinárias, abrangendo um total

de 40 candidaturas, considerando trabalhos de construção, conservação e remodelação, aquisição de viaturas e aquisição de equipamentos. O Programa de Apoio ao Movimento Associativo (PAMA) vigora desde 2008, sendo um instrumento de apoio ao movimento associativo do concelho, através do qual a autarquia vilafranquense reconhece o trabalho realizado pelas instituições que prestam autêntico serviço público.

pama

Associações de Vila Franca recebem 1 milhão de euos


11 teatro

Câmara chega a acordo com o Cegada e a Inestética perfil

Vila Franca está a envelhecer

O concelho de Vila Franca de Xira “mantém a tendência de envelhecimento demográfico apresentada pela área da grande Lisboa”. Esta é uma das principais conclusões do Perfil Municipal de Saúde. O documento apresentado em abril, na Fábrica das Palavras, na foto, faz um retrato da saúde da população. O objetivo é “identificar os problemas e as necessidades dos munícipes, referenciar os serviços e os recursos disponíveis e definir prioridades”, esclareceu o presidente da autarquia. Alberto Mesquita reconhece que nos últimos anos assistiu-se a uma importante mudança de paradigma no setor, pela passagem de um modelo centrado na doença e no seu tratamento, para um outro focado na promoção de estilos de vida saudáveis”. Na última edição da revista gira, Pedro Bastos, presidente da comissão executiva do Hospital Vila Franca de Xira, reconheceu que, desde a inauguração da nova unidade clínica de saúde, “tem surgido um maior fluxo de idosos nas urgências no atendimento geral”. Reflexo do “aumento da esperança média de vida”. O documento, que pode ser consultado em www-cm-vfxira.pt, aponta para um acréscimo da percentagem de idosos (65 ou mais anos) de 11% para 13%. Em resultado destas alterações, o índice de envelhecimento aumentou de 67 para 79 idosos por cada 100 cidadãos dos 0 aos 14 anos de idade. Ainda assim, o concelho mantém-se como um dos mais jovens na área metropolitana da capital. A autarquia assegura que tem feito a sua parte para prevenir problemas e atrair mais jovens. “A Câmara Municipal realizou um forte investimento na construção e na remodelação dos centros de saúde, na disseminação de equipamentos desportivos por todas as freguesias, na criação e desenvolvimento de projetos desportivos e na requalificação da frente ribeirinhapromovendo e potenciando a adoção de estilos de vida saudáveis”, enumerou Alberto Mesquita.

O grupo de teatro Cegada, instalado no teatro estúdio Ildefonso Valério, em Alverca, irá receber, até 2020, cerca de 36 mil euros por ano. Já a Inestética, que é responsável pela programação cultural no palácio do Sobralinho, terá direito, anualmente, a cerca de 30 mil euros. Esta verba é um ligeiro aumento em relação aos apoios fornecidos em períodos anteriores. Depois de um corte abrupto em 2017, que causou alguma crispação entre os grupos de teatro e o executivo camarário, os dois lados chegaram a acordo para um plano financeiro a médio prazo. “Os apoios atribuídos a estas duas estruturas locais tiveram em conta o caráter diferenciador das suas tipologias, dinâmica e abrangência, especialmente no que diz respeito aos seus projetos artísticos”, refere a autarquia, numa nota às redações. Alberto Mesquita, presidente da Câmara Municipal, e Manuela Ralha, vereadora com o pelouro da Cultura, manifestaram a sua satisfação pela forma como decorreram as reuniões com ambas as companhias. “Através desse trabalho conjunto, foi possível encontrar soluções equitativas, tendo em conta o trabalho realizado e os recursos existentes”.


12 // notícias // maio segurança

Novo posto da GNR de Salvaterra em 2019

vitivinicultura

Azambuja premeia os melhores vinhos do concelho A Agro-batoréu e a Agrovia foram as empresas premiadas com os troféus para melhores vinhos do concelho de Azambuja. A cerimónia de entrega dos prémios teve lugar a 12 de abril, na cerimónia de abertura da ÁVINHO. A 14.ª festa do vinho e das adegas animou a freguesia de Aveiras de Cima durante três dias. O painel de provadores avaliou os vinhos concorrentes no modelo habitual de “prova cega” e foi composto por cinco enólogos: Carlos Pereira, Hernâni Magalhães, Jorge Páscoa, Sérgio Oliveira e Cruz Ferreira. A participação destes profissionais enquadra, igualmente, a colaboração institucional com o município de Azambuja de várias entidades ligadas ao

setor, como são a Associação de Municípios Portugueses do Vinho, a Viticartaxo, a Associação Portuguesa de Enologia e a Comissão Vitivinícola Regional do Tejo. O júri atribuiu, assim, o primeiro lugar na categoria de vinho tinto à Agro-batoréu, na foto; e ao branco à "Quinta da Lapa", da Agrovia. Cada empresa leva para casa 750 euros. Foram ainda atribuídos prémios monetários de 500 euros aos segundos classificados e 250 euros aos terceiros. Além de promover os bons vinhos locais, a economia e o nome do concelho, estes prémios procuram prestigiar o concurso recompensando a qualidade do trabalho e a dedicação dos produtores.

Já foi lançado o concurso público para a empreitada de remodelação e ampliação do posto da GNR de Salvaterra de Magos. As novas instalações ficarão situadas na antiga escola da Avenida, que agora está fechada ao público. Os trabalhos deverão começar ainda este ano e custar mais de 650 mil euros. Se tudo correr dentro dos prazos, aquela força de segurança mudará das atuais instalações provisórias no próximo ano. emprego

Autarquias terminam vínculos precários

Diversos municípios da região estão a colocar nos quadros alguns trabalhadores que mantinham em vínculos precários. Após um forte período de contenção orçamental, as autarquias têm alguma margem de manobra para resolver este tipo de situações pendentes. Azambuja, por exemplo, teve, em 2017, mais 22 trabalhadores, em relação ao ano anterior, e a Câmara Municipal de Arruda dos Vinhos lançou o concurso para o preenchimento de nove postos de trabalho, dois técnicos superiores e sete assistentes operacionais.


13

automóveis alenquerense

Hélder Baptista pedala pela Acreditar

É já no próximo sábado, 5 de maio, que Hélder Baptista, na foto, parte rumo a Moscovo de bicicleta. O alenquerense, de 53 anos de idade, vai pedalar os cerca de 4.700 quilómetros entre Alenquer e Moscovo, onde conta apoiar a seleção portuguesa de futebol no Mundial de 2018. O objetivo “é chegar na véspera do jogo com Marrocos, a 20 de junho, e apoiar a seleção portuguesa em Moscovo. Já comprei o bilhete para ir ver a partida e espero conseguir falar e tirar fotografias com os jogadores", afiançou Hélder Baptista. O funcionário da Câmara Municipal de Alenquer tem ocupado os tempos livres entre o ginásio e o treino ao ar livre, realçando que, mais do que o esforço físico, "o desafio é psicológico". O ciclista amador prevê fazer, em média, entre 100 a 110 quilómetros por dia. Mas esta iniciativa tem, sobretudo, um caráter solidário, já que o objetivo é reunir fundos para ajudar a Acreditar, associação que se dedica a tratar crianças com cancro. Para já, tem o patrocínio de 40 empresas. Recorde-se que Hélder Baptista já completara, em 2015, a distância de 1.830 quilómetros, entre Alenquer e Paris, também de bicicleta, naquela que foi a sua aventura mais longa até ao momento. obras públicas

Câmara recupera estrada de Alhandra

Já começaram as obras de pavimentação de diversas estradas de São João dos Montes. O investimento superior a 100 mil euros incide especificamente em trabalhos de melhoramento do impasse de serventia aos lotes 43 a 46, na Quinta da Nossa Senhora de Fátima, e na execução de arruamento de ligação da rua das Indústrias e da rua Policarpo Silvério dos Santos, na Quinta da Ponte. As obras deverão estar concluídas em agosto.

Salvador Caetano assinala 50 anos da Toyota em Portugal

A empresa de venda de automóveis esteve no pavilhão multiusos, em Vila Franca de Xira, com centenas de veículos, de diversas marcas, das mais acessíveis até às de gama de luxo. Foi o segundo ano consecutivo em que a marca organizou este certame, numa forma de mostrar, ao público, todo o seu portfólio. Salvador Fernandes Caetano, nascido a 2 de abril de 1926, continua a ser a inspiração de todos os que fazem parte do grupo porque "toda a sua vida foi marcada por uma forte vontade de vencer", refere a marca, na sua página de facebook. Foi a 17 de fevereiro de 1968 que a Salvador Caetano assinou, em Tóquio, o contrato de representação da Toyota e que tornou a marca numa empresa global. Atualmente emprega milhares de pessoas, com investimentos em diversas áreas, no retalho, energias, entre outras. No Carregado, o grupo detém a Caetano Coatings, enquanto divisão industrial de decapagem, metalização e pintura de materiais ferrosos e não ferrosos.

mais notícias diariamente no facebook da gira e em revistagira.com


#overãoestáachegar #vocêmerece

#amodaéisto

must have: longos

#emeboheme

MARCAS éMe bohèMe roupa e acessórios: Maïttè, Tendências, Nekane, Mafalda Leitão, Tropical Brasil, Lolita, Carher, Bastta, Tantrend calçado: Cubanas, Ruika, Xuz aromas: Castelbel, Boles d’Olor, Lothantique, Mathilde M., Yankee Candle, gourmet: In Tube, Kusmi Tea ‘

eMe boheMe

CONTACTOS

ALVERCA | Avª Capitão Meleças, 56 Tlf. 918 771 434 Segunda a sexta 10:00 - 19:00 Sábados 10:00 - 17:00 Abertos ao almoço inspiração

latina

must have: folhos e rendas

modelo: Natália Casimiro fotografia: Ana Paula Vieira produção: Maria Martins


15 a moda ĂŠ isto!!!

A importância das cores Maria Martins*

A moda, para alĂŠm de tendĂŞncias, ĂŠ comunicação! A postura, gestos, fala, roupa e cores que escolhemos sĂŁo uma mensagem de nĂłs mesmos. Tudo isto representa os nossos sentimentos, preferĂŞncias, em suma a nossa identidade! Bem, juntando a psicologia Ă fĂ­sica, as cores tĂŞm significados e muitas vezes sĂŁo usadas para descrever emoçþes, mas quando o assunto ĂŠ moda, temos que redobrar o cuidado, visto que as nossas escolhas baseadas em cores podem sofrer influĂŞncias tanto fĂ­sicas, como psicolĂłgicas e prejudicar a silhueta. Deixo o significado de algumas cores... As minhas preferidas đ&#x;˜Š

BRANCO ĂŠ a cor da paz, ĂŠ a soma de todas as cores, transmite tranquilidade, pureza, limpeza, mas cuidado o branco tende a aumentar o volume.

PRETO Ê a ausência de cor, funciona muito como escudo, transmite sobriedade, mistÊrio e elegância. Esta Ê a cor preferida para quem estå com volume a mais, pois causa a ideia de emagrecimento.

AZUL-TURQUESA Ê a cor que representa a ågua e que estå associada a sentimentos. As pessoas que se identificam com esta cor tendem a ser intuitivas e emocionais. Esta cor ainda transmite autoconfiança e pensamentos independentes.

VERMELHO Ê uma cor quente, cor do sangue, da vida e do amor, por isso, Ê fonte de energia e transmite força. Por ser uma cor revigorante, deve ser usada por pessoas que estão debilitadas ou cansadas, mas nunca em excesso para não se tornar vulgar.

peças bastta

ROSA ĂŠ a harmonia entre o vermelho quente e a suavidade do branco, por isso traduz feminilidade, delicadeza, ternura, fragilidade e o seu efeito ĂŠ sempre calmante.

Para andarmos bem vestidas nĂŁo precisamos gastar muito. Basta optar por peças e cores que valorizem o nosso corpo. Ao conhecermos bem as “nossas coresâ€? estaremos em harmonia e equilĂ­brio com o nosso corpo e mente, transmitindo bons sentimentos Ă s pessoas que nos rodeiam. NĂłs somos a nossa melhor marca, portanto, somos nĂłs que decidimos como queremos ser interpretados. A comunicação nĂŁo ĂŠ o que falamos ĂŠ o que os outros entendem! AtĂŠ jĂĄ đ&#x;˜Š *fashion adviser & personal shopper


TO o N ã O taç a C n t ES e is D s ev E prea r D a t s a n de

THALUS

e

% 0 1

C E N T R O D E E S T É T I C A rua Brigadeiro Alberto Fernandes, 51, Alverca | 918 435 475

mesoterapia massagens personal trainer consultas de nutrição

espaço zen serviços exclusivos

Tatiana Lavareda e Lúcia Moreira juntaram os nomes e criaram o Thalus. É assim que uma conversa entre amigos origina um negócio de sucesso. Cada uma introduziu o seu estilo e know how: Tatiana, nas pestanas, e Lúcia, nas unhas, uniram competências num espaço que criaram de raíz.“Queremos que os nossos clientes (também aceitam homens) se sintam em paz”, refere Lúcia.“Além do espaço acolhedor, a grande vantagem do Thalus é que podemos oferecer um serviço completo de estética, desde uma massagem, passando pelo acompanhamento nutricional ou personal trainer até à simples manicure ou pedicure. A maioria das pessoas nunca se limita apenas a um tratamento, porque todo o corpo merece a nossa atenção”.

Tatiana Lavareda

Lúcia Moreira


// diretório // 17

vestuário

vila franca

MOOD Moda feminina com as melhores marcas, como G.Sel, Rinascimento, entre outras. Avenida dos Combatentes da Grande Guerra, 17 segunda a sexta: 9h às 20h sábados: 9h às 18h 263 031 968

ÁRAS Nova loja de vestuário feminino, com um toque de modernidade. Avenida Miguel Bombarda Vila Franca de Xira segunda a sexta: 10h às 13h - 14h às 19h sábados: 10h às 14h 937 012 474

alverca

éMe bohèMe A mulher boémia, elegante, em harmonia com a natureza. Loja com acessórios, calçado, aromas para casa, gourmet. Caso único de elegância. E agora também com loja em Lisboa, na estrada de Benfica Av. Capitão João Almeida Meleças, 56 211 940 464 918 771 434

QUEEN HOME Marcas de qualidade, exclusivas, que transformam qualquer mulher numa rainha. Rua José António Veríssimo da Silva, loja 7 216 010 306

SILHOUETTE Concept Store com vesturário, calçado e acessórios. Destaque para a marca exclusiva de malas Gabs. Rua do Trabalhador, 6 loja 3 219 593 876 segunda a sábado 10h30 às 19:30

castanheira

ESTILO FIEL As melhores marcas, exclusivas e com uma história única: Lois, Naf Naf, Mike Davis, Rockport, entre tantas outras. Rua Palha Blanco 133C 263 270 131

retrosarias

vila franca

RISCOS PITORESCOS Projeto jovem, com classe, onde tudo é possível, desde que a imaginação o permita. Rua Miguel Esguelha, 6 934 402 228

restaurantes

vila franca

TASCA DA VILA Comida feita pelo chef Eduardo, com os melhores ingredientes e sabor caseiro. Com boa comida e nesta época de março com o melhor sável e enguias. Rua Luís de Camões,18 8h30 às 23h encerra à segunda-feira

CASALEIRO'S Confeção gourmet, com produtos de primeira qualidade. (antigo Calçada) EN248 Bisau, Cotovios 219 511 864 | 968 458 883 casaleirosrestaurant.pt KOMIKALA Pratos confecionados com gosto caseiro. Centro Comercial da Mina 965 313 700

alhandra

PETISCOS NA MESA Novo espaço com pratos diários diferentes e uma seleção de petiscos suculentos de chorar por mais.

Avenida Sousa Martins T: 219 511 191

VILLA RIO Rua Sousa Martins, 114 Nova imagem e nova decoração para um dos espaços mais emblemáticos da região. Agora também com serviço de almoço. de segunda a sexta: 12h às 24h sábado: 12h às 4h domingo: 12h às 20h encerra à segundasfeiras.

alverca

O CHAFARIZ Restaurante de comida típica portuguesa com gosto a pratos caseiros e ingredientes frescos. Com música ao vivo regularmente. Largo Dr. Jaime Marques Simão, 3 Arcena T: 938 708 980 das 12h às 15h e das 19h às 24h

cafés/bares alverca CHÁARA Pratos saudáveis. Atendimento excelente e espaço acolhedor. Praça engenheiro José Vaz Guedes, 41, Malvarosa T: 219 571 012

decoração

alverca

QUEEN HOME INTERIORS Novo espaço requintado com as melhores marcas nacionais e serviço personalizado de decoração. Com assinatura de Ana Marçalo. Urbanização da Malvarosa T: 966 257 184 T: 216 010 306 queenhome@sapo.pt

saúde vila franca de xira CLÍNICA DR. PEDRO MOTA Espaço renovado para melhor cuidar dos seus dentes Praceta Jornal Vida Ribatejana, 7 Vila Franca de Xira T: 918 280 717

night clubs

vila franca

SOHO Av. Combatentes da Grande Guerra, 23 sábados das 22h às 4h

póvoa sta iria

AMAZING KLUB Rua Polígono das Atividades Económicas 23h às 4h encerra de domingo a quarta.

vialonga

STATION Rua general Humberto Delgado, 4 Verdelha do Ruivo

motos

póvoa

NP MOTOS Somos uma das melhores empresas de comércio de produtos para veículos motorizados de duas rodas. Temos oficina, boutique e marcas exclusivas como a UM. Av. D. Vicente Afonso Valente, Lt G, Fração E T: 219 522 795 T: 933 763 773 segunda a sexta: 9h às 19h30 sábado: 9h às 13h

Para fazer parte do nosso diretório contacte: revistagira@revistagira.com ou o telefone 968 236 531


18 // agenda // maio

terça :: 1

comemoração

136º ANIVERSÁRIO DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE VILA FRANCA DE XIRA ruas de Vila Franca Vila Franca de Xira 263 280 650 9h gratuito A Corporação dos Bombeiros Voluntários de Vila Franca de Xira comemora o seu 136 º aniversário com a recepção de equipamento resultante do resultado do orçamento participativo de 2016

ANIVERSÁRIO DO ATENEU ARTÍSTICO VILAFRANQUENSE Ruas de Vila Franca de Xira Vila Franca de Xira 263271418 09h gratuito Comemora-se mais um aniversário do Ateneu Artístico Vilafranquense com o desfile pelas ruas da cidade de Vila Franca de Xira e a homenagem aos Ilustres Sócios

ar livre

GINCANA Clube Recreativo dos Cotovios Cotovios 219 512 199 14h Gratuito O Clube Recreativo dos Cotovios assinala o seu 48.º aniversário com atividades todo o mês. Hoje com uma gincana com os sócios e amigos.

tauromaquia

XIII SEMANA DA CULTURA TAURINA Largo do Calvário Samora Correia 263 519 600 14h Gratuito Exposições, encierros, workshops, demonstração de toureio, folclore e muita animação nestas festas tradi-

cionais.

Dia 2 de Maio A BALADA DA PRAIA DOS CÃES Cine-Teatro de Benavente Benavente 263 519 637 21h30 Gratuito Filme português comentado por Domingos Lobo

quinta :: 3

conferência

1ª JORNADA DO IDOSO "CUIDAR MELHOR" Quartel do Bombeiros Voluntários Benavente 263 519 790 09h30 Gratuito Evento destinado a enfermeiros, técnicos, profissionais da área e cuidadores. Participa a nutricionista Marta Vasconcelos, Drª Felipa Nogueira, a fisioterapeuta Ana Gomes e Octávio Ferreira que apresenta soluções para a incontinência. Inscrições obrigatórias sugeitas a lotação da sala.

sábado :: 5

tauromaquia

1ª FEIRA DAS TERTÚLIAS DE VILA FRANCA DE XIRA PRAÇA DE TOUROS VILA FRANCA DE XIRA 10h gratuito Realiza-se entre o dia 5 e 6 de maio a 1ª feira das Tertúlias de Vila Franca de Xira. A associação das Tertúlias Tauromáquicas do concelho em conjunto com o Município de Vila Franca de Xira e o apoio de várias entidades organizam diversas actividades. Visitas e mostra de tertúlias, largadas de toiros,

música popular, desfile, colóquios, gastronomia e muito mais

dádiva

RECOLHA DE SANGUE Centro Comercial Serra Nova Póvoa de Santa Iria 219563096 15h Gratuito Organização da Associação de Dadores Benévolos de Sangue da Póvoa de Santa Iria. Também possível deixar o registo para dador de medula óssea. Tudo numa unidade móvel do Instituto Português do Sangue.

vem

2ª MOSTRA DE TEATRO DE VIALONGA Grémio Dramático Povoense Póvoa de Santa iria 219 565 004 16h Gratuito O mês de maio, o mês do teatro em Vialonga. Dia 5 às 16 horas a peça infantil “Vanessa quer Voar”no Grémio Dramático Povoense. A entrada é livre.

música

CLÁSSICA NA FÁBRICA Fábrica das Palavras Vila Franca de Xira 263 271 200 18h Gratuito Tendo-se especializado na música dos séculos XVI-XVII, o agrupamento Diferencias caracteriza-se pela riqueza sonora dos instrumentos antigos.

humor

O QUE DIZ A TUA COISINHA Sociedade Filarmónica Recreio Alverquense Alverca 910 943 742 21h30 12€ Espetáculo de Cláudia Sousa sobre sexo e os tabus e segredos em torno do tema. Mas

tudo para rir e levar em jeito de brincadeira. Os convidados são Pedro Luzindro e João Rosa Luz. Espetáculo de Cláudia Sousa sobre sexo e os tabus e segredos em torno do tema. Mas tudo para rir e levar em jeito de brincadeira. Os convidados são Pedro Luzindro e João Rosa Luz.

teatro

A CONQUISTA Ateneu Artístico Vilafranquense Vila Franca de Xira 263 271 418 21h30 € Um musical positivo com 15 intérpretes em palco que contam uma história de vitória e superação de obstáculos. Com Mónica Sintra, Filipa Azevedo, Aline Neves, entre outros.

tauromaquia

XIII SEMANA DA CULTURA TAURINA Largo do Calvário Samora Correia 263 519 600 14h Gratuito Exposições, encierros, workshops, demonstração de toureio, folclore e muita animação nestas festas tradicionais.

domingo :: 6

convívio

RALLY PAPER DAS OGMA Ruas de Alverca Alverca 916 567 858 9h 7€ A associação do pessoal das OGMA organiza um rally paper pelas ruas de Alverca.

ar livre

PARADO É QUE NÃO Body Combat Jardim José Álvaro Vidal


// 19

primeira edição

Feira das tertúlias anima Vila Franca de Xira É uma iniciativa inédita que prentende dinamizar a cidade. A primeira edição da Feira das Tertúlias Tauromáquicas do Concelho de Vila Franca de Xira decorre já no sábado e domingo, 5 e 6 de maio. A organização é da Associação de Tertúlias Tauromáquicas, em parceria com o município de Vila Franca de Xira e com o apoio da Santa Casa da Misericórdia e da Junta de Freguesia. O vereador com a pasta da Cultura referiu que “a ideia foi acolhida, desde o primeiro momento ,de braços abertos pela autarquia” e mencionou “o necessário esforço para que a cultura e a identidade da festa brava sejam cada vez mais marcantes no concelho”. Os três membros da direcção da associação, na foto, do lado esquerdo e da esquerda para a direita, Nelson Lima, Vítor Batalha e Marques Fernandes, destacaram três

momentos relevantes do programa, nomeadamente uma exposição das tertúlias na praça de toiros, um colóquio, a corrida de toiros das tertúlias, uma novilhada popular com a presença de seis escolas de toureio e uma largada, no largo 5 de outubro. Paralelamente irá haver fados, fandango e uma zona de restauração, um desfile e uma mostra ilustrativa das tertúlias do concelho, muita gastronomia e espectáculos de música tradicional. A programação está nossa agenda de eventos atualizada em revistagira.com.

+ INFO FEIRA DAS TERTÚLIAS TAUROMÁQUICAS 5 e 6 de maio diversos locais alguns acessos gratuitos


20 // agenda // maio Alverca 263 285 600 10h30 Gratuito A Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, com o apoio de vários parceiros, regressa com um extenso programa de atividades de grupo e fitness, para que a população do Concelho, de abril a julho, corresponda ao lema “Parado é Que Não!”.

tauromaquia

1º CORRIDA DE TOIROS DA TEMPORADA NA “PALHA BLANCO” Praça de Toiros Vila Franca de Xira 263 278 475 16h30 10 a 60€ A primeira corrida de toiros da temporada realiza-se a 6 de maio na “Palha Blanco”. Os toiros da ganadaria Vale Sorraia vão ser lidados pelos cavaleiros António Telles e Luís Rouxinol. David Gomes recebe a alternativa. Pegam os forcados de Vila Franca de Xira e de Coruche

segunda :: 7

cinema

O MEU TIO Auditório Junta de Freguesia Vila Franca de Xira 263 200 770 15h Gratuito O Sr. Hulot (Jacques Tati) vive num bairro pobre e antigo de Paris, enquanto a sua irmã e o seu cunhado vivem numa casa super moderna onde tudo é automático. O Sr. Arpel (Jean-Pierre Zola) é dono de uma fábrica de plástico, que o tornou rico, e onde o humilde Sr. Hulot começa a trabalhar. O emprego foi arranjado pelo próprio cunhado que não deseja que o seu sobrinho cresça sob a má influência de Hulot, um

sujeito bom e bem desengonçado.

quarta :: 9

ar livre

FEIRA DE MAGOS Recinto da Feira Salvaterra de Magos 263 500 020 8h Gratuito Habitual feira, com diversões, comércio de tenda, música, comida e bebida.

quinta :: 10

tauromaquia

FESTA CAMPERA ARCAS Herdade do Pancas Samora Correia 10h 20€ Concentração de Cavaleiros na Herdade de Pancas, animação com Bruno China e grupo Sabor Flamengo, Apresentação da Escola de Toureio da Arcas e dia finaliza com uma vacada.

sexta :: 11

música

JAM ÀS SEXTAS Fábrica das Palavras Vila Franca de Xira 263 271 200 21h30 Gratuito Tributos de Homenagem a músicos famosos na fábrica das palavras em Vila Franca de Xira. Espetáculo aberto à participação espontânea de músicos e cantores. Entrada livre, limitada à lotação da sala.

sábado :: 12

ar livre

EMBARQUE NA NATUREZA Barco Varino

Vila Franca de Xira 263 285 600 15h Turismo e natureza reunidos numa só visita. Património fluvial e cultural em que podemos observar a Reserva Natural do Estuário do Tejo, os Mouchões, a Valada do Ribatejo, a Ponta da Erva, fauna e flora de uma grande riqueza paisagística. Ao longo dos percursos, os visitantes podem ouvir e observar aves aquáticas, que nesta zona repousam e se alimentam durante a sua migração. Vila Franca de Xira – Parque das Nações

debate

ARQUITETURAS E NARRATIVAS DA ÁGUA NO SÉCULO XVIII Núcleo Museológico Alverca 219 570 305 16h Gratuito Conversas sobre o Património e História com Maria Alexandra Gago da Câmara, docente da Universidade Aberta e doutorada em História. A participação está condicionada a marcação prévia pelo 219 570 305 ou para museumunicipal.nucleoalverca@cmvfxira.pt. Entrada Livre

vem

2ª MOSTRA DE TEATRO DE VIALONGA Grupo Desportivo de Santa Eulália Vialonga 219 522 786 21h Gratuito “Escuta aqui seu ladrão” é uma das peças em cena na comemoração do mês do teatro em Vialonga.

domingo :: 13

desporto

PARADO É QUE NÃO Parque Linear Ribeir-

inho do Estuário do Tejo Póvoa de Santa Iria 263 285 600 10h30 Gratuito A Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, com o apoio de vários parceiros organiza um extenso programa de atividades de grupo e fitness ao ar livre. Body combat

segunda :: 14

cinema

ONTEM, HOJE E AMANHÃ Auditório Junta de Freguesia Vila Franca de Xira 263 200 770 15h Gratuito Histórias sobre três mulheres (todas interpretadas por Sophia Loren) muito diferentes e os homens que elas atraem. Adelina vende cigarros no mercado negro e é casada com o desempregado Carmine (Marcello Mastroianni). Ela é sentenciada a prisão, mas pode escapar enquanto estiver grávida. Sete anos e sete filhos depois, o marido está exausto e a prisão parece algo inevitável, assim como o desprezo de Adelina por Carmine. Em Milão, Anna está entediada e resolve dar boleia a um escritor. Ela fala com um ar sonhador em fugir dali, e ele dá-lhe a atenção que ela precisa. Enquanto isso, Mara chama a atenção de um ingénuo seminarista, fazendo com que ela brigue com sua avó e faça um voto de castidade.

quarta :: 16

ar livre

FESTIVAL DA JUVENTUDE de Vila Franca de Xira


// 21 Pavilhão Multiusos Vila Franca de Xira 263 285 600 15h Gratuito Exposições, oferta educativa e profissional, concertos e muito mais neste Festival da Juventude de Vila Franca de Xira

sexta :: 18

gastronomia 2ªEDIÇÃO DO FESTIVAL DO ARROZ CAROLINO EM BENAVENTE Praça do Município Benavente 263 519 600 18h Gratuito Realiza-se de 18 a 20 de maio na zona ribeirinha de Benavente a 2º edição do Festival do Arroz Carolino das Lezírias Ribatejanas. O evento tem uma programação muito diversificada. Pedro Abrunhosa, Aurea, Carolina Deslandes, Praça do Arroz, Showcookings, degustações, bancas do arroz, Restaurantes, Artesanato, produtos regionais.

sábado :: 19

literatura

ENCONTRO DE POETAS POPULARES Núcleo Museológico Alverca 219 570 305 16h Gratuito É o IX Encontro de Poetas Populares sendo que o tema deste ano, é “Os queijos de Alverca”, porque há mais de cinquenta anos se deixou de produzir o autêntico queijo de Alverca, cujas características o tornaram conhecido a nível nacional. Um assunto im-

portante, relacionado com a história e património da freguesia para servir de mote para o trabalho de poesia que vai ser apresentado. As inscrições para participar devem ser feitas até final de abril.

vem

2ª MOSTRA DE TEATRO DE VIALONGA Sociedade Recreativa de Granja Granja 219 730 641 21h Gratuito “O Inferno são os outros” peça apresentada pela Companhia Ato Certo no mês do teatro em Vialonga

dança

FESTIVAL DE FOLCLORE Sociedade Filarmónica União Samorense Samora Correia 21h Gratuito 15.30 horas – Concentração de Ranchos no Largo do Calvário, em Samora Correia 16.00 horas – Desfile de Ranchos pelas ruas da Cidade, em Samora COrreia 21.00 horas – Festival de Folclore no Salão Nobre da SFUS, em Samora Correia

domingo :: 20

ar livre

CORRIDA CIDADE DE ALVERCA Ruas Alverca 9h Mais uma edição desta corrida especial, que começa na Malvarosa e passa pela pista do aeroporto de Alverca. Prova única do género em Portugal e onde qualquer pessoa pode participar. Há uma corrida de 10km a começar às 9h e a caminhada de 6km às 10h.

editorial

O drama dos bombeiros António Dias*

Sempre foi algo que nunca entendi: o conceito de bombeiros voluntários. É claro que prezo o desejo e a participação cívica. É natural e saudável que cada um de nós dê um pouco do seu tempo à comunidade, em coletividades ou grupos que mais se enquadrem nos nossos gostos pessoais. Em outros tempos, também eu fui um voluntário em diversas organizações com as quais aprendi e cresci como ser humano. O problema com a designação “bombeiro voluntário” é, porém, estranha porque ela assumiu uma normalidade que, considero, mina todo o trabalho das corporações. Como se pode ler no texto, a partir da página 30, se todas as restantes forças de segurança e proteção civil são pagas, como a GNR, a PSP ou o INEM, por que razão os bombeiros trabalham gratuitamente? O Estado sempre precisou dos soldados da paz e como nunca quis assumir grandes compromissos financeiros, criaram-se associações humanitárias e, assim, usando este subterfúgio da lei, as coletividades foram surgindo e “pedinchando” apoios e subsídios. A consequência disto tudo, é um sem fim de coletividades a lutar, cada uma para o seu canto, e uma atitude de submissão e vergonha enraizada. Os bombeiros aceitam os quartéis sem condições, as viaturas com décadas de existência, a falta de formação, entre outros problemas, como algo de normal no meio. Como a maioria é voluntária nem sequer tem disponibilidade e a capacidade de reagir e usar o seu tempo para lutar pelos seus direitos. Os bombeiros permaneceram, assim, o parente pobre das forças de segurança e proteção civil. Ao longo das décadas, diversas tragédias fizeram os vários governos tomar medidas avulso. Em 2017 foi o que foi e este ano andámos, à pressa, a limpar o mato à volta das casas. Houve alguém culpado pelas mortes? A culpa morre sempre solteira e os bombeiros anseiam por uma mudança. *jornalista


22 // agenda // maio PASSEIO BTT NA GRANJA Sociedade Recreativa de Granja Granja 219 730 641 9h 5€ Dois percursos, 18 ou 35 km, pelas ruas da região, com pequeno almoço.

ar livre

ROTA NECROPOMÓRFICA Gruta 1 Pelourinho Povos Vila Franca de Xira 263 285 600 9h Gratuito No âmbito do programa Percursos com História, este inicia-se no Pelourinho de Povos e percorre as antigas Fábricas dos Atanados – Senhor da Boa Morte – Gruta da Pedra Furada 1 e finaliza nas Piscinas Municipais de Vila Franca de Xira. São 8 km de Marcha de Grau de dificuldade 5 . Local de concentração: Piscinas Municipais de Vila Franca de Xira. Inscrições: até ao dia do evento e limitadas ao máximo de 25 participantes.

desporto

CORRIDA DA FAMÍLIA Pavilhão Municipal Azambuja 10h Gratuito Inserido no programa MAIS Lezíria, projeto da Comunidade Intermunicipal da Lezíria do Tejo (CIMLT) para promover a saúde, a prática desportiva de qualidade, a integração social e o bem estar.

segunda :: 21

cinema

IDA Auditório da Junta de Freguesia Vila Franca de Xira 263 200 770

15h Gratuito A jovem noviça Anna (Agata Trzebuchowska) está pronta para prestar seus votos e se tornar freira, só que antes disso, por insistência da Madre Superiora (Halina Skoczynska), vai visitar a única familiar restante: tia Wanda (Agata Kulesza), uma mulher cínica e mundana, defensora do Partido Comunista, que revela segredos sobre o seu passado. O nome real de Anna é Ida, e sua família era judia, capturada e morta pelos nazistas. Após essa revelação, as duas resolvem partir em uma jornada de autoconhecimento, para descobrir o real desfecho da história da família e onde cada uma delas pertence na sociedade.

quinta :: 24

ar livre

FEIRA DE MAIO DE AZAMBUJA Ruas Azambuja 263 400 400 9h Gratuito Uma das feiras mais castiças do Ribatejo, está de volta, entre os dias 24 e 28 de Maio! Azambuja enche-se de cor e tradição para receber milhares de visitantes.

ar livre

7º SALÃO DE AUTOMÓVEIS E MOTOCICLOS CLÁSSICOS Pavilhão Multiusos Vila Franca de Xira 263 285 600 18h Gratuito O Pavilhão Multiusos de Vila Franca de Xira recebe uma vez mais o Salão de Automóveis e motociclos Clássicos. O 7º certame recebe viaturas com história, marcas intemporais e extraordinárias carac-

terísticas estéticas e técnicas.

sábado :: 26

debate

“ANTEONTEM… ONTEM… HOJE… A QUESTÃO PÁTRIA EM TORNO DE ALMOUROL TANCOS” Sala polivalente do Museu Municipal Alverca 263 285 600 16h Gratuito Conversas com Nuno Campos, Mestre em Estudos do Património

ar livre

EMBARQUE NA NATUREZA Cais Vila Franca de Xira 263 285 600 15h 8€ Turismo e natureza reunidos numa só visita. Património fluvial e cultural em que podemos observar a Reserva Natural do Estuário do Tejo, os Mouchões, a Valada do Ribatejo, a Ponta da Erva, fauna e flora de uma grande riqueza paisagística. Ao longo dos percursos, os visitantes podem ouvir e observar aves aquáticas, que nesta zona repousam e se alimentam durante a sua migração. Vila Franca de Xira – Marina do Parque das Nações

sábado :: 27

ar livre

12ª CAMINHADA “AMOR DO PEITO” Bombeiros Vila Franca de Xira 263 280 650 10h Gratuito A Liga dos Amigos do Hospital de Vila Franca de Xira organiza uma vez mais esta iniciativa

em conjunto com a Câmara Municipal de Vila Franca de Xira que visa angariar fundos para doentes sujeitas a mastectomia e com carências económicas.

segunda :: 28

cinema

O FILHO DE SAUL Auditório Junta de Freguesia Vila Franca de Xira 263 200 770 15h Gratuito Passa-se em 1944, no campo de concentração de Auschwitz, durante a Segunda Guerra Mundial. Saul (Géza Röhrig) é um judeu obrigado a trabalhar para os nazistas, sendo um dos responsáveis em limpar as câmaras de gás após dezenas de outros judeus serem mortos. Em meio à tensão do momento e às dificuldades inerentes desta tarefa, ele reconhece entre os mortos o corpo de seu próprio filho.

quarta :: 30

desporto

BOCCIA INCLUSIVO Inserido no programa MAIS Lezíria, projeto da Comunidade Intermunicipal da Lezíria do Tejo (CIMLT) para promover a saúde, a prática desportiva de qualidade, a integração social e o bem estar. Treino aberto a toda a população.

A lista completa e atualizada em revistagira.com. Vê os nossos roteiros culturais em vídeo no facebook e fica a saber o que podes fazer no fim de semana. Às terças às 20h.


24 // entrevista // maio


25

ricardo levesinho

TUDO FAREMOS para trazer mais visitantes à praça Ricardo Levesinho prepara-se para tomar conta, novamente, da praça de touros de Vila Franca de Xira. O empresário, que também gere as arenas do Cartaxo e da Figueira da Foz, promete uma temporada com bons espetáculos e boas ganadarias. A população está expectante. A primeira corrida é já a 6 de maio e o resto da época tem espetáculos para todos os gostos. Uma entrevista conduzida por António Dias, onde se fala também de direitos dos animais, do passado, do presente e do futuro. As fotografias são da Ana Paula Vieira.


26 // entrevista // maio Deve estar nervoso. Um bocado. É sempre uma emoção trabalhar na Palha Blanco. Tantas memórias que construímos por lá. Vai ser muito bom regressar.

Qual o balanço que faz da gestão anterior. Há sempre situações que não correm tão bem. O próprio Paulo Pessoa de Carvalho queria que tudo funcionasse na perfeição. Ele era o primeiro interessado a que a nossa praça de toiros fosse uma casa de sucesso. Mas, como em tudo na vida, surgem problemas quando menos esperamos. Todos passamos por isso. Rezamos para que nunca nos cruzemos com estas complicações, mas elas aparecem.

A questão mais grave foi a escolha das ganadarias? Foi a face negativa que o público mais notou, sem dúvida. Os aficionados são muito exigentes e acabam por pedir rigor e muito cuidado na seleção dos animais. Surgiram também outros problemas causados por terceiros e que ele nem teve culpa. Enfim, foi uma confluência de fatores que se registaram negativos, que resultaram numa imagem do empresário que, considero, injusta. É preciso ter em conta uma série de bons espetáculos e grandes momentos em que a praça de toiros de Vila Franca de Xira acolheu boas molduras humanas. Ele trouxe muita gente de fora da cidade que veio a Vila Franca de Xira e à Palha Blanco para nos visitar.

É preciso aprender com os erros do passado e depois seguir em frente

Apoiava o anterior empresário? Sem dúvida. Tenho uma relação de grande cordialidade com o Paulo Pessoa de Carvalho. Aliás, no princípio do segundo ano da sua gestão, disponibilizei-me totalmente para poder contribuir de alguma forma, sobretudo na escolha dos toiros e das ganadarias. Houve essa aproximação, muito rápida, é certo, mas existiu. Quis aconselhar, porque sou da terra e tenho alguma sensibilidade e know how adquirido. Ele optou por aquele que considerava ser o melhor caminho, o que era do seu direito. Pessoalmente, tenho a minha opinião, mas há que respeitar o trabalho das outras pessoas. Ninguém é perfeito. Anteriormente também cometi erros. Não vale a pena o esconder. É necessário, agora, aprender com eles e seguir em frente.

E como vai ser daqui para a frente? Vamos pegar nos elementos positivos da gestão do Paulo Pessoa de Carvalho e introduzir as nossas caraterísticas. Temos uma visão muito própria da aficion. Vemos a tauromaquia como algo que atrai multidões e que consegue ser ainda um espetáculo de cariz muito popular, mas também pode e deve ser um trabalho feito com muita seriedade, com elegância e respeito pela tradição. Queremos, claro, evoluir e marcar a diferença. Porém, é importante que os nossos espetáculos sejam caraterísticos de Vila Franca de Xira e da sua marca histórica e cultural. No fundo, o intuito é misturar ambos os conceitos, modernos e mais clássicos, para que possamos, por um lado, seguir a linha do que é a


27 tradição vilfranquense e, por outro, montar espetáculos mais populares que tragam público de fora, para nos conhecer e, esperamos, que depois possam e queiram regressar. Admito que é quase tentar fazer um milagre, mas acho que vamos conseguir.

Como vai ser esta temporada? Iremos ter quatro momentos ao longo do ano. Começamos com esta corrida, a 6 de maio, onde asseguramos, desde logo, a aposta nas nossas melhores ganadarias. Vamos recuperar a imagem do toiro de Vila Franca de Xira, àquilo que o povo está habituado e anseia por ver num evento deste género: o toiro bravo, com uma apresentação e pose sublimes, que cria emoção entre o público. No fundo, estamos a fazer um reset, a regressar ao passado, esquecer os problemas anteriores e recuperar o bom nome da Palha Blanco, até para bem da praça. É importante que esta corrida marque pela positividade nesta área. O segundo momento, será já com o Colete Encarnado. É o evento popular por excelência e onde vamos marcar os 170 anos da ganadaria Palha. Uma marca histórica e com ligação íntima a Vila Franca de Xira. E, claro, temos já a garantia de presença de artistas que, acreditamos, têm as competências e o valor para triunfar. O Luís Rouxinol, o Franciso Palha, o Pepe Moral, matador revelação em Espanha, que cortou três orelhas em Sevilha e, claro, o Nuno Casquinha, filho da terra, triunfador da temporada de 2017 na Palha Blanco e que tem feito uma périplo pela América do Sul e que volta à cidade para mostrar o seu grande valor. Queremos criar bons acontecimentos com categoria. Depois, o terceiro momento da temporada será a celebração do aniversário da praça de toiros de Vila Franca de Xira. Algo que nem sempre foi feito e que queremos

alimentação

Comer bem demais pode fazer mal Paula Martins*

Alimentação saudável é algo positivo, com tudo de bom que daí pode advir. Nos dias de hoje, felizmente, é cada vez maior a adesão a estilos de vida saudáveis, com foco na alimentação certa e prática de exercício físico. As campanhas promovidas, a proximidade dos nutricionistas, os alertas constantes que relacionam a alimentação desequilibrada com doenças graves têm tido efeito no aumento do interesse pela área. Contudo, mais do que uma alimentação saudável, quer-se uma alimentação equilibrada! Se um indivíduo segue as recomendações alimentares ditas saudáveis ao ponto de se isolar socialmente; não se permitir de todo ingerir alimentos menos saudáveis (sentindo-se culpado quando o faz); se controla valores calóricos e nutricionais de qualquer alimento que ingere; se tem dificuldade em ingerir refeições preparadas por outros; e gasta grande parte do seu tempo no planeamento, preparação e confeção das refeições; então podemos estar perante um caso de ortorexia. Esta patologia ainda não é considerada uma doença de comportamento alimentar, como outras que conhecemos, como a bulimia ou a anorexia. Todavia, tem tudo que ver com comportamento e alimentação. A preocupação com estes indivíduos passa pelo facto desta obsessão levar a alterações de comportamento que irão afetar a sua saúde física e mental, alterando a qualidade de vida. O diagnóstico deste estado clínico não é fácil, tendo em conta a aparente aceitação social dos comportamentos saudáveis. É a obsessão que retira a este conceito o equilíbrio. Eles necessitam de um acompanhamento multidisciplinar, envolvendo nutricionistas, psicólogos e médicos. Os nutricionistas têm como papel desmistificar eventuais crenças baseadas em conceitos errados que possam existir, visto que muitas das vezes estes indivíduos são autodidatas e procuram as suas informações através de fontes pouco seguras.

*nutricionista e autora do blogue Nutrisaber


28 // entrevista // maio começar a assinalar com regularidade. Será a 30 setembro que, este ano, calha a um domingo. Vamos celebrar os 117 anos da Palha Blanco e marcar a importância do espaço, da sua história, manter viva a memória dos nossos antecessores e, assim, homenagear as grandes figuras do passado. Vamos trazer dois cavaleiros com maior relevo no panorama nacional: o João Moura Júnior e João Ribeiro Telles. Tentaremos também ter uma figura internacional que ainda não está fechada. Vamos deixar decorrer a temporada para ver como correm as corridas. Nunca se sabe que toureiro sobressai este ano. E, finalmente, o quarto e último grande momento da época será a Feira de Outubro. Fechamos o ano em beleza, com três grandes espectáculos: uma novilhada, para promover os alunos da escola de toureio José Falcão; um concurso de ganadarias, para destacar seis delas que, na nossa opinião, merecerem esta distinção pelo percurso mais recente das suas camadas, com a presença dos artistas que mais marcarão esta temporada que só vamos fechar após o Colete Encarnado porque, até lá, poderão acontecer muitos destaques; e encerramos a temporada com uma luta mano a mano histórica entre António Ribeiro Telles e Diego Ventura que entendo será o momento único onde teremos uma verdadeira competição entre duas grandes referências mundiais. Será a 9 de outubro e esperamos ter a praça cheia.

O concurso para concessão da Palha Blanco teve muitos interessados. O negócio ainda é apetecível? Acho que o concurso deste ano revelou o grande interesse que a nossa arena suscita entre as empresas do meio. É sinal que o Paulo Pessoa de Carvalho fez um bom trabalho e soube criar riqueza. É algo que nunca poderemos esquecer e isso notou-se na passagem de testemunho.

No meio disto, mantêm-se vivas as forças contra a tauromaquia. Apesar de alguns números apontarem para uma subida no números de espetadores, há quem defenda o contrário. Preocupa-o o futuro, a

longo prazo, da tauromaquia? Sim. Se dissesse o contrário estaria a mentir. Considero que vivemos numa sociedade cada vez mais restritiva e há que respeitar as opiniões dos outros. A tauromaquia é atacada por diversos movimentos, a maioria são interesses económicos, não tenho dúvida nenhuma. Gente que não entende a arte, a história, a beleza e a emoção que estes eventos aportam. Se eles vissem uma corrida de toiros, muitos mudariam de ideias.

Eles dizem que já viram e que odiaram. Então é a opinião deles. Eu também se não gosto de um espetáculo não o vejo. Quero é sublinhar que é fulclal o respeito das opinões de todos.

Um dos argumentos é que as corridas de toiros são um espetáculo violento, ultrapassado, e que é preciso evoluir. Há pormenores do passado, como, sei lá, a inquisição, que eram aceites socialmente e que hoje são considerados grotescos. Claro e também acho que os próprios agentes da tauromaquia têm que saber ouvir e refletir. Mas isso obriga a que o outro lado tenha a mesma capacidade. Só assim é possível andar lado a lado. Até porque esse diálogo já trouxe ideias positivas, como no transporte de animais. Houve um debate sobre o assunto e foram feitas alterações para garantir a segurança e higine na transferências dos toiros de um sítio para o outro. É um exemplo de progresso.


29 Admite que possam surgir mais alterações? Tudo na vida pode ser melhorado. Não podemos é esquecer a nossa essência, caso contrário perdem-se as tradições e a cultura da nossa terra e das nossas gentes. E isso acho que é mau para todos. Eu, pelo menos, não quero a minha terra sem as tradições do passado.

Deveria a praça de toiros de Vila Franca de Xira ser melhor aproveitada? À semelhança do que acontece no Campo Pequeno? Seguindo o raciocínio anterior: tudo pode ser melhorado. Mas a praça lisboeta é um produto de um grande investimento. Mais do que uma praça de toiros, aquilo é um centro de lazer, com um centro comercial, cinema, lojas, e por aí fora. Tudo isso implica muito dinheiro, algo que a Santa Casa da Misericórdia não tem. Mas é um debate que deve existir, sim. Só que para cobrir a praça seriam necessários vários milhões de euros. É muito caro. Mas agrada-me ver a Câmara Municipal e a proprietária do espaço trabalharem em conjunto para reabrir o museu etnográfico.

Sim, mas o restaurante O Redondel, por exemplo, já reabriu várias vezes e fecha sempre. De que vale um museu se, depois, não há visitantes? Porque não trazer excursões? A praça de Vila Franca está, de facto, numa espécie de encruzilhada. Acredito que estamos no bom caminho. Pela nossa parte, faremos tudo para trazermos visitantes à Palha Blanco. Já temos um acordo com as agências ABEP, em Lisboa, para vender entradas dos nossos espetáculos na capital, junto dos turistas. Se conseguirmos apenas uma pequena fracção dos milhões que visitam o país acho que temos o futuro garantido.

Podes ver, em maio, excerto da entrevista em vídeo no sítio da gira na internet e na página de facebook

saúde

Tão simples como lavar as mãos Sónia Teles*

A primeira vez que se comprovou a influência da higiene das mãos na transmissão de doenças foi por volta dos anos 1846/47. Só nessa época é que foi proposto aos profissionais de saúde lavarem as mãos antes de observarem os pacientes. Nessa ocasião foi feito um estudo experimental acerca das mortes das parturientes. Os médicos começaram a lavar as mãos com uma solução desinfetante antes da observação clínica. Com este cuidado tão simples, a morte no pós parto caiu de 12,2% para 1,2%. De onde se pode aferir que a correta higiene das mãos é o primeiro passo no controle das infeções hospitalares. Se, hoje em dia, a falta de higienização das mãos em ambiente hospitalar é algo inconcebível, no dia a dia também é primordial. Todos nós, seja qual for a nossa profissão, devemos proceder a uma adequada lavagem das mãos com a frequência adaptada às tarefas que executamos, ao nosso ambiente, ao número de pessoas com as quais contactamos ou a época do ano. Por exemplo, as pessoas que manipulam alimentos têm que ter um cuidado redobrado. Se tratarmos de doentes ou tocarmos em feridas também o devemos fazer, como é óbvio. A época gripal é uma das alturas onde devemos aumentar a frequência da higienização das mãos especialmente depois de espirrarmos, tossir ou nos assoarmos. Para quando não é possível lavar com água e um detergente existem, no mercado, soluções à base de álcool que permitem a referida higienização e que pode comprar na sua farmácia. A OMS considera este tema tão importante a ponto de lhe dedicar o próximo dia 5 de maio. Estima-se que seja possível prevenir a transmissão de doenças em 40% dos casos, apenas e só, por este simples ato uma vez que nas mãos se podem encontrar todo o tipo de microrganismos. *farmacêutica na Farmácia Moderna


30 // reportagem // maio

bombeiros

VIDA por

vida

São a única força de segurança e proteção civil, em Portugal, com apoio irregular do Estado. Embora toda a gente lhe reconheça a importância, a evolução dos bombeiros no país tem originado alguma confusão no setor e problemas que muitos apontam mas ninguém assume: há uns anos, quase era desnecessária formação; a maioria ainda se apoia no trabalho voluntário dos seus elementos; há cada vez menos jovens interessados em seguir a profissão; e Portugal é o único país, na Europa, que não promove a carreira de bombeiro. E depois convivem duas realidades díspares: por um lado, as corporações municipais e os sapadores, com um quadro legal e profissional sustentado; e, por outro, os voluntários, parentes pobres, que têm que, muitas vezes, angariar fundos para comprar equipamento. Mesmo que todos os quartéis contratem alguns elementos para assegurar serviços mínimos, os ordenados baixos afastam qualquer um. Em 2006 eram mais de 42 mil, em 2016 atingiu o mínimo de 28 mil. No concelho de Vila Franca de Xira e municípios em redor o panorama é, em alguns casos, preocupante. Qual é o futuro dos bombeiros? Tentámos descobrir. texto de António Dias fotos de Ana Paula Vieira


31 Pedro Carolino, à esquerda, e Miguel Oliveira, à direita, fizeram a recruta juntos

“Tenho muito “Quero orgulho seguir em fazer carreira parte dos bombeiros” na área da proteção civil”


32 // reportagem // maio

“Ninguém vem para os bombeiros pelo dinheiro. Tem que se ter paixão” Sandra Carvalho, dos bombeiros da Castanheira do Ribatejo, veio da área da saúde e descobriu um mundo que desconhecia


33 "Se existir um acidente de viação na auto-estrada tidade sem rendimentos próprios. Dependemos do norte, está lá a GNR que é paga pelo seu traapenas do apoios externos", explica Acácio balho; o INEM que recebe pelo seu serviço; às Raimundo. vezes, pode aparecer a polícia que também é Tem sido, pois, quase suplicando por apoios que paga para estar presente; a empresa que limpa a os bombeiros têm sobrevivido. Exceto os via também é remunerada para o fazer; e depois sapadores, em Lisboa e no Porto, ou os municitem os bombeiros que estão lá de borla. Porquê? pais, os restantes vivem de subsídios. São as auNinguém sabe". Acácio Raimundo, comandante tarquias que acabam por apoiar financeiramente dos bombeiros de Arruda dos Vinhos, resume as suas corporações usando o vínculo de associnesta frase o cenário dos soldados da paz poração humanitária. A Câmara Municipal de Vila tugueses. O também responsável pela Proteção Franca de Xira, por exemplo, tem feito um Civil naquele concelho, é direto nas suas palavras enorme esforço para resolver problemas de inse um caso raro de entrada nos bombeiros pela talações e outros equipamentos. Vialonga é a via superior. A sua carreira profissional conpróxima contemplada. A juntar a estas verbas, o duziu-o diretamente ao governo transfere tamcomando da corpobém cerca de 25 milhões ração, após uma pasde euros para as mais de sagem pela direção da 430 corporações volunrespetiva associação tárias através Autoridade humanitária. A maioria Nacional de Proteção entra jovem, fruto de TELEFONES DAS Civil (ANPC), e que é "incontactos de família e CORPORAÇÕES suficiente", garantem amigos, e vai subindo muitos dos responsáveis Alenquer na carreira, um pouco Vila Franca de Xira com quem falámos. Em 263 711 319 ao sabor da vida. 263 280 650 2017 houve cerca de 20 Arruda dos Vinhos associações que receQuando se chega ao Alverca 263 975 114 topo, por convite ou 219 581 551 beram menos dinheiro Azambuja "porque não há Alhandra do que no ano anterior e ninguém que queira 219 500 021 a lei de financiamento 263 401 144 ocupar o espaço vazio", Castanheira está emperrada junto dos Benavente alguns admitem-se do Ribatejo quartéis. O presidente da 263 519 790 contrariados por acu- 263 286 830 SalvaterradeMagos Liga dos Bombeiros Pormularem uma respon- Póvoa de Santa Iria tugueses, admitia, em 263 504 463 sabilidade que nunca 219 590 032 outubro de 2017, que o pediram mas que as- Vialonga documento estava sumem para assegurar 219 527 310 "pronto para ser incluído a continuidade da sua no orçamento do Estado corporação e a segudeste ano". Contudo, rança da população de que fazem parte e juraram Jaime Marta Soares lembrava que, antes de enproteger. "É um trabalho muito complexo que já trar em vigor, "os bombeiros ainda tinham que não atrai os jovens e isso está a colocar em causa ser escutados sobre a nova legislação" o que, o futuro desta força de proteção e, sobretudo, a pelos vistos, ainda não aconteceu. Em vésperas segurança das populações", afiança o arrudense. de mais uma época de incêndios, nada saiu do São conhecidos, por exemplo, os problemas da papel. O dirigente insiste que a capacidade de corporação de Salvaterra de Magos, às voltas resposta pode estar debilitada e que é necessária com uma pesada dívida ainda por liquidar. "As uma reforma de fundo da ANPC para que os pessoas precisam de se lembrar que todo o bombeiros tenham um comando e uma direção equipamento que usamos é extraordinariamente nacional com autonomia e orçamento próprio. caro. Fatos, máquinas, carros, formação, e por aí Acácio Raimundo tem dúvidas que isto venha a fora. E, ao contrário das empresas comerciais, acontecer. "Vai ser muito complicado que a que têm o seu lucro e capital, nós somos uma enANPC assuma, de um momento para o outro, a

>>


34 // passeio // maio responsabilidade de 30 mil pessoas. É um pro- lado, "ainda bem que é assim", por outro, "isso blema complexo". O presidente da Liga dos está a complicar o acesso dos mais novos às corBombeiros Portugueses admitia, recente- porações", acusa Acácio Raimundo. Opinião parmente, formas de luta para que os bombeiros se tilhada por Nuno Santos, comandante dos façam ouvir. No entanto, "não é tradição da classe bombeiros da Merceana. "É importante que protestar" esclarece Luís Gaspar, vice-presidente exista formação mas tudo com peso e medida". da associação Bombeiros Para Sempre. "Era No quartel daquela freguesia do concelho de necessário que isso acontecesse, tal como já o Alenquer trabalham 19 funcionários e há 60 vofazem outras forças de segurança e proteção civil, luntários de reserva. Número idêntico em Arruda que se uniram e conseguiram resultados, depois dos Vinhos. "Mas não chega", afirmam os resde contestarem. Assim, ponsáveis de ambas as nunca chegaremos lá", corporações. As carências lamenta o jovem são tão evidentes que a bombeiro. Para este ANPC anunciou que irá dirigente associativo, "o assegurar a contratação de futuro passa pela qualicinco elementos destinaficação de metade dos dos a uma força de interoperacionais, deixando venção rápida em Arruda. a outra metade como "Se isto se replicar por voluntários". É um essas corporações fora, modelo idêntico ao pode ser uma forma de existente nos EUA. Já cativar novos recrutas", em França, por exemadmite o comandante da plo, cerca de 80% dos força arrudense. soldados da paz recebem um ordenado HISTÓRIAS DE VIDA pelo seu serviço e são Invariáveis a todas as equiparados a outras polémicas, os bombeiros forças de segurança. voluntários asseguram, "Este tem de ser o nos bons e maus momencaminho. Com tantas tos, a proteção das suas outras áreas mais ingentes. "Gosto porque me teressantes financeirasinto bem aqui", começa mente, os jovens por contar Pedro Carolino, Luís Gaspar bombeiro de terceira cafacilmente optam por vice-presidente da Bombeiros Para Sempre tegoria, na corporação de outras alternativas, como emigrar", lamenVila Franca de Xira. "Fui ta o comandante dos trazido por familiares e bombeiros arrudenses. Sim, porque o tempo do aqui fui ficando", diz, sorrindo. O também co"antigamente" já lá vai. "Antes, vínhamos para nhecido recortador de 25 anos de idade, já é funaqui, com 12 ou 13 anos, davam-nos uma farda e cionário da casa, começou pela fanfarra, tomou íamos logo combater um fogo. Hoje isso é impen- o gosto à vivência no quartel e quando atingiu a sável", recorda Elviro Passarinho, comandante maioridade apresentou uma proposta para fazer dos bombeiros de Vila Franca de Xira. "A for- parte dos bombeiros vilafranquenses. "Hoje, não mação, hoje em dia, dura um ano. Ninguém pode saberia fazer outra coisa. Tenho muito orgulho ir para um teatro de operações sem ter mais de em estar aqui", congratula-se. É claro que é um 18 anos de idade e um estágio concluído. Há trabalho com as suas vicissitudes. "Nunca sabeprovas de avaliação como em qualquer escola e mos aquilo que vamos encontrar no local do acivárias formações obrigatórias ministradas pela dente. Se alguém quiser ser bombeiro precisa de Escola Nacional de Bombeiros. É tudo muito estar preparado e ter estômago para assistir a diferente", explica o vilafranquense. E, se por um situações desagradáveis. Mas é certo que, ao fim

Os bombeiros precisam de se unir e defender os seus direitos, tal como fazem outras forças de segurança e proteção civil


35

“O primeiro serviço nunca se esquece”

Bruno Gomes, dos bombeiros de Azambuja, começou na fanfarra aos 14 anos


36 // passeio // maio

“A população tem apreço pelo nosso trabalho” Nuno Santos, dos bombeiros da Merceana, admite ser complicado gerir uma corporação sem fontes de rendimentos e onde o equipamento é caro e se desgasta com facilidade


37 de algum tempo, a gente habituase". Miguel Oliveira, colega de corporação, nunca vai esquecer o seu primeiro serviço. "Fomos assistir a um pequeno acidente com um menor. A criança tinha um corte na orelha, pouco grave. Só que a forma como reagiu connosco e a relação que criámos foi de tal forma tocante que nunca mais me esqueci da marca que deixei na sua vida e de como isso também me afetou. Tocamos na vida dos cidadãos que estão aflitos e se viram para nós à procura de ajuda". É um trabalho de enorme responsabilidade que, "no início pode assustar", admite Bruno Gomes, de 22 anos de idade. "Lembro-me do meu primeiro serviço, um transporte de retorno, sendo que a doente veio a sofrer um enfarte dentro da ambulância. Apesar de saber o que fazer, fiquei preocupado com a rapidez e a emoção do momento. No quartel resolvemos o problema e ficou tudo bem. No entanto, senti que tinha a vida dela nas minhas mãos e isso nunca se esquece”. O elemento dos bombeiros de Azambuja, começou aos 14 anos na fanfarra e progrediu assim, com o convívio entre os seus pares. "O meu pai dizia-me que eu, quando era mais novo, nem achava graça a isto. Pelos vistos, passou-me. Há uns tempos ainda tentei um emprego numa outra empresa mas não aguentei muito tempo. É aqui que quero construir a minha vida". Histórias como estas são muito comuns nos quartéis da região. Gente que chega a convite de amigos ou trazidos por familiares que ali trabalham e utilizam o quartel como modo de ocupar os tempos livres dos mais pequenos. "Vamos ficando e acabamos por gostar", sintetiza Cláudia Tavares, de 31 anos idade, há mais de uma década a percorrer os corredores dos

opinião

Alverca precisa de um novo quartel Carlota de Pina*

Tudo começa a 23 de agosto de 1395, quando o rei D. João I através da Carta Régia tomou a primeira iniciativa de promulgar a organização do primeiro serviço de incêndios de Lisboa, ordenando que “em caso que se algum fogo levantasse, o que Deus não queria, que todos os carpinteiros e calafates venham àquele lugar, cada um com seu machado, para haverem de atalhar o dito fogo. E que outros sim todas as mulheres que ao dito fogo acudirem, tragam cada uma seu cântaro ou pote para acarretar água para apagar o dito fogo". Atualmente o corpo de bombeiros é uma unidade operacional tecnicamente organizada, preparada e equipada para o exercício de várias missões, tais como o combate e prevenção de incêndios florestais e urbanos; o socorro às populações em todos os acidentes, catástrofes ou calamidades, náufragos e buscas subaquáticas; a colaboração em outras atividades de proteção civil, no âmbito do exercício das funções específicas que lhes forem cometidas, entre tantas outras. No concelho de Vila Franca de Xira temos seis corporações de bombeiros: Vialonga (1977), Póvoa de Santa Iria (1943), Alverca do Ribatejo (1926), Alhandra (1900), Vila Franca de Xira (1882) e Castanheira do Ribatejo (1976). O PSD do concelho de Vila Franca de Xira, tem apoiado incondicionalmente as corporações do concelho, porque sabemos que o seu trabalho não é sazonal e que há muito mais serviço que é realizado diariamente e que precisa de apoio. Nesse sentido, o PSD apresentou, no final de 2016, uma proposta em que o dinheiro remanescente de projetos não concretizados do orçamento participativo camarário pudesse ser investido nas corporações. Estamos a falar de um valor de €450.000 que visa apoiar a resolução de problemas antigos e estruturais e que serão distribuídos até 2018. Felizmente esta proposta foi aprovada por maioria tendo a CDU optado pela abstenção. Temos consciência da escassez de recursos humanos e físicos, por exemplo, a necessidade urgente da reestruturação do quartel em Alverca; a necessidade de mais verbas para auxiliar o trabalho diariamente desenvolvido. Quero terminar esta nota agradecendo e reconhecendo, em nome do PSD, todo o empenho que os nossos bombeiros colocam diariamente no seu trabalho. Bem hajam. *autarca do PSD em Alverca


38 // reportagem // maio opinião

Porque não a municipalização dos bombeiros? Maria da Luz Rosinha*

Escrevo este texto no dia em que se comemoram 44 anos da revolução de Abril de 1974 e quero saudar não só os militares de Abril, mas todos os homens e as mulheres que lutaram para que o que aconteceu nesse dia fosse possível. Portugal mudou. Quarenta e quatro anos de liberdade, de democracia, que se viveram com lutas diferentes. A luta pelos direitos à saúde, à educação, à igualdade de oportunidades para mulheres e homens. Percebemos o muito caminho que se fez e se é certo que muito ainda falta fazer para garantir a salvaguarda dos direitos dos cidadãos, independentemente do credo político, raça ou género, as portuguesas e os portugueses têm de fazer desse objectivo uma causa de todos os dias. Que nos possamos continuar a orgulhar sempre de um dia sobre o qual já passaram 44 anos. Neste momento e porque este número da gira é dedicado aos bombeiros, envio uma saudação muito especial a todas e a todos que dão de si sem pensar em si. O ano de 2017, ficará gravado na memória de todos os nossos soldados da paz a sangue pelo inferno que em junho e outubro atingiu Portugal e que provou que, mesmo nas alturas de maior dificuldade, não viram as costas ao perigo, com risco da própria vida e cumprem o dever que um dia, voluntariamente, abraçaram. Aos bombeiros de Portugal e particularmente aos do concelho de Vila Franca de Xira uma saudação muito forte. Considero que é importante ter atenção às condições e meios que as associações dispõem para o desempenho das suas funções. Na minha opinião é importante considerar em parte a reestruturação desta entidade e quando estamos à beira de dar um passo de gigante na reforma do estado com a descentralização, porque não equacionar a municipalização parcial das nossas associações? A todas e a todos os bombeiros de Portugal um muito obrigada pela sua generosidade e dedicação. *deputada do PS no Parlamento

bombeiros de Samora Correia. “Tenho um curso de Contabilidade e sou funcionária administrativa da corporação. Admito que a área me seduz muito e até era capaz de ir trabalhar para uma outra empresa. Mas nunca deixaria de ser voluntária aqui", diz, olhando para o edifício moderno à sua volta. "Sentimos que fazemos um trabalho em prol da comunidade, útil e valioso. Apesar de, no momento da crise, as pessoas nem sempre nos valorizarem, porque estão em sofrimento. Todavia, após o problema passar, elas serenam e reconhecem que nós estivemos lá quando mais precisaram". Se calhar "esse é o lado mais positivo de ser bombeiro" concorda Sandra Carvalho, da corporação da Castanheira do Ribatejo. "É compensador quando antigos utentes passam por aqui e nos agradecem pelos serviço prestado. Sentimo-nos úteis e valorizados. É muito bom". A operacional de 42 anos de idade, é um dos casos que caiu por acaso nesta área. Entrou no Exército, estudou análises clínicas, seguiu um percurso civil normal até que se vê no desemprego e decide ocupar o seu tempo ajudando os bombeiros. "Aprendi imenso", assegura. "Queria vir também para aperfeiçoar conhecimentos na área da saúde e descobri que os bombeiros fazem muito mais do que salvar vidas. Apagam fogos, acodem a acidentes, transportam doentes, e por aí fora". Como afirma Pedro Carolino: "nunca temos momentos mortos. Nenhum dia é igual a outro. É falsa a ideia que parte da sociedade tem de nós que estamos os dias inteiros sentados a fazermos nada. Bem pelo contrário", desabafa. Os números diferem mas há quem garanta que os bombeiros são responsáveis por 80% a 90% dos serviços de segurança e proteção civil. "É preciso valorizar o nosso trabalho", reitera Luís Gaspar da associação Bombeiros Para Sempre. "Seja qual for o caminho, a situação não pode continuar na mesma. Os bombeiros precisam de fazer parte de um sistema coordenado e nacional, bem remunerado, sem falhas, porque todos acabamos por pagar caro


39

“Os testemunhos das pessoas que ajudamos e nos agradecem é o que mais me comove” Cláudia Tavares, bombeira de Samora Correia, pode vir a ter outro emprego, mas nunca deixará de ser voluntária na sua corporação


40 // reportagem // maio

Acácio Raimundo, comandante dos bombeiros de Arruda dos Vinhos e coordenador da Proteção Civil do concelho não tem papas na língua e defende mais qualificação e medidas que atraiam os jovens às corporações

“Os bombeiros precisam de saber cativar os mais jovens”


41 pelos erros". No ano passado, morreram mais de 60 pessoas nos incêndios. Um drama que obrigou o governo a tomar algumas medidas, como a limpeza em torno das habitações. Muita gente está satisfeita com a decisão. "Mas ainda falta um longo caminho para percorrer" suspira Acácio Raimundo. "Esta não é uma profissão de entrar às 9h e sair às 17h, com uma hora de almoço e dois dias de folga por semana. As emergências surgem a qualquer altura do dia ou da noite. E é importante que haja um corpo preparado e qualificado para responder às emergências. A ANPC vai colocar aqui cinco elementos, o que é maravilhoso, mas não chega, porque nunca conseguirão responder a todas as necessidades, sem parar, 24 horas por dia, sete dias por semana, 365 dias por ano". As queixas repetem-se em todos os lados e Portugal só parece evoluir nesta questão com tragédias semelhantes às do último verão. Há quem admita protestos. "Se outras forças já o fizeram, porque não poderemos nós seguir o mesmo caminho?", questiona Luís Gaspar. O comandante dos bombeiros da Merceana é cauteloso na escolha das palavras mas acaba por admitir que os apoios são insuficientes. “A população, em geral, até acho que tem um grande apreço pelo nosso trabalho. Falta é às instituiões responsáveis as medidas urgentes para resolver os problemas que temos". Nuno Santos olha em redor do seu quartel com algumas décadas. "Precisamos com urgência de mais viaturas de combate. Ainda nos candidatámos aos fundos do Portugal 2020 mas não fomos contemplados. Por isso, só nos restou a solidariedade da população e o apoio da Câmara de Alenquer". Conseguiram 45 mil euros mas as carências mantêm-se. A 4 de maio assinala-se o dia nacional do bombeiros e Vila Franca celebra, a 1 de maio, mais um aniversário da sua corporação. É uma altura de festa mas também de reunir forças para o futuro.

Ao longo do mês iremos divulgar excertos destas entrevistas no sítio da internet e facebook da gira

opinião

A natureza na cidade Adélia Gominho*

Assinala-se a 24 de maio o dia europeu dos parques naturais, que são áreas onde predominam ecossistemas naturais, pretendendo-se assim preservar a biodiversidade. Mas como foi possível chegar ao ponto de termos que proteger, por decreto, pequenas áreas do planeta, a nossa casa comum? Afastámo-nos do campo em direção à cidade, e temos hoje uma geração que perdeu esse contacto. Quantos distinguem um castanheiro ou uma simples árvore de fruto? E quantos nunca tiveram a oportunidade de ver uma raposa ou um ouriço no seu habitat natural? Os parques têm essa dupla função de proteger e educar. Mas, mais que proteger, é necessário trazer a natureza para dentro da cidade, não por questões estéticas, mas por questões de sobrevivência. É fundamental renaturalizar espaços devolutos, criar corredores verdes ou ecológicos, que servem como sumidouros de CO2 e ajudam a atrair e dispersar aves e as tão ameaçadas abelhas, fundamentais na sua função de polinização. E pensar a urbe também como parte do ecossistema, que pode em si mesma ajudar a mitigar os problemas ambientais que cria. Nunca estivemos tão conscientes para a necessidade de preservar e cuidar as árvores em espaço público, dos malefícios da utilização de herbicidas, e até para a beleza de um malmequer que cresce espontâneo num canteiro qualquer. Mas, se a natureza tem o poder de se adaptar nas pequenas coisas, também os nossos gestos por cá, afetam o planeta e a vida de milhares de pessoas e animais do outro lado do mundo. Os nossos hábitos alimentares, pois a produção intensiva contribui para a desflorestação, o caso do óleo de palma ou a produção massiva de soja para alimentar gado, têm que ser equilibrados sob pena de, a este ritmo, não conseguirmos alimentar toda a população mundial. E enquanto mudamos pequenos hábitos, porque não aproveitar estes dias de primavera para visitar o EVOA? É uma forma de ter um vislumbre das cores, das flores, das aves e da beleza do estuário do Tejo, mesmo aqui na nossa terra.

*membro do partido PAN


42 // passeio // maio


43

EIS OS MIRANTES do Tejo

A paixão pelas caminhadas está a aumentar em todo o país e Vila Franca de Xira não passa ao lado da moda. Com paisagens diversificadas, tem percursos de todo o tipo que podes descobrir facilmente. Deixamos-te algumas ideias.


44 // passeio // maio Por Diogo Rosa

Os “Mirantes do Tejo”, surgiram em agosto de 2016, com a finalidade de dar a conhecer, prioritariamente, os encantos da região do concelho de Vila Franca de Xira e Vale do Tejo, assim como outras perspetivas onde reine a liberdade de sentir a natureza com espírito de aventura, camaradagem e companheirismo, dando lugar à experiência e convivência com as tradições locais. Da equipa, constam quatro elementos, que compõem a estrutura técnica, movidos pela amizade e pelo gosto pela natureza e pela atividade praticada. Têm diversos percursos, mas destacamos a caminhada Entre Montes à Beira Tejo. Esta iniciativa surgiu de forma a dar a co-nhecer alguns dos mais emblemáticos miradouros de Vila Franca de Xira e toda a sua envol-

vente, passando por paisagens rurais, zonas verdes e algumas povoações do nosso concelho. Os participantes tiveram a oportunidade de conhecer o chafariz de Povos (sec. XVI); o pelourinho de Povos (único do concelho que não foi removido do seu local original); o miradouro do Senhor da Boa Morte, bem como a sua ermida e o cemitério medieval existente no local; o miradouro dos Remédios, e o emblemático miradouro do Monte Gordo (inaugurado em 1965), entre outras locais emblemáticos e cheios de história. Todas as propostas organizadas pelos Mirantes do Tejo têm como finalidade a promoção da atividade física e estilos de vida saudáveis, sendo que o nível de dificuldade varia entre os vários eventos. Esta é apenas uma das ideias de caminhadas que nos propusémos realizar. Querem fazer

+ INFO Mirantes do Tejo t: 910 238 736


45

mais e já desenharam diversos percursos que, acreditam, podem ter sucesso. Destacam, como exemplos, as seguintes caminhadas já realizadas: rota Vulcânica de Santa Quitéria; rota do Vale Purificado; rota do Monte Jurássico; rota dos Castelinhos; e a rota Entre Montes à Beira Tejo. São alguns dos exemplos dos eventos realizados nos primeiros anos da sua atuação. Acompanhem-nos no facebook para estar a par do calendário do grupo e assim poderes participar nas suas iniciativas. Todos são bem vindos.


46 // animais // maio

Os portugueses são pet-friendly Daniel Gonçalves*

Segundo um estudo da GFk, mais de metade dos lares portugueses possui um animal de estimação. A tendência continua em crescendo e uma das principais razões são as mudanças do paradigma familiar. A divisão das famílias duplica cada vez mais a necessidade do bem estar físico e psicológico dos cuidadores. A entrada de um animal de estimação num lar é um momento único. O tratamento mais hu-

manizado dos cães e gatos leva ao estabelecimento de uma ligação mais comovente e afetiva do que prática. Os lares portugueses nos seus seios familiares já registam mais cães e gatos do que crianças. O estudo conclui que metade dos cães são de raça (48%) e que as inclinações vão para, retriever de labrador, caniche, pincher, pastor alemão e podengo português. Em crescendo está o número de animais a viver dentro de casa (53%) e dos portugueses a adoptarem mais cães (15% comparando com os 3% em 2011). Contudo maioritariamente são ofereci-

dos (56%). Também nos gatos se verificam as mesmas tendências: 28% são de raça e os mais apreciados são o europeu comum, siamês, persa, azul inglês de pelo curto e azul da rússia. O estudo apresenta-nos um grande crescimento de gatos adoptados (25% em comparação com os 3% de 2011) da mesma forma como os cães, os gatos vivem na sua maior parte no interior das casa casa (64%). A maior preocupação do cuidadores de cães e gatos são a saúde e a alimentação contudo a higiene e conforto são também um dos principais factores de apreensão Portugal encontra-se em 12.º do ranking dos países europeus com mais animais de estimação. A Rússia está em primeiro lugar seguida de França, Itália, Alemanha e Reino Unido. Os EUA, a nível mundial, surgem como o país mais pet friendly uma vez que tem a maior penetração de animais de estimação com 65% dos lares a ter pelo menos um animal. A frase “os animais são nossos amigos” ganha cada vez mais sentido e a sua presença no núcleo familiar torna-se por vezes central. Uma humanização, desde que equilibrada, é fonte de bem estar e pacifica qualquer desavença familiar. Quem é que resiste a um olhar de um cão, uma lambidela ou um convite para entrar numa brincadeira?

+ info

Rua do Tejo, 18, loja A (junto aos bombeiros) PÓVOA DE SANTA IRIA

T: 219 561 814

especialista em animais*


Bem vindo! Está a ver o logótipo ao lado? Já o viu

por aí, certo? Estamos por cá há algum

tempo. Temos a nossa própria marca de produRua do Tejo, 18 loja A PÓVOA DE SANTA IRIA

219 561 814

(junto aos bombeiros) segunda a sábado 9h às 20h lojakoala@sapo.pt

assina a

DADOS PESSOAIS

tos, clientes fiéis e recebemos toda a gente de

braços abertos. É claro que ouviu falar de nós. Somos o Koala, claro!

gira

Se gostaste do que leste e do que viste, então assina a gira. Ela é feita com um enorme esforço de uma equipa pequena e precisa do teu apoio para continuar a cobrir eventos, fotografar, filmar, entrevistar e apoiar a tua terra.

nome morada

-

código postal email

localidade

nif profissão

telefone

-

-

data de nascimento

A TUA ASSINATURA

O TEU PAGAMENTO

A TUA OPINIÃO

1 ano 12 edições

cheque

onde conheceu a revista gira ?

dinheiro

quais os artigos que mais gostou?

€12

2 ano 24 edições

€23

transferência bancária

recorte e envie para: revista GIRA, rua doutor Manuel Branco, 30, 2005-388 Vale de Santarém info: 968 236 531 | www.revistagira.com


gira #17 maio 2018  
gira #17 maio 2018  
Advertisement