Issuu on Google+

Ano 14 - nยบ 70 - Agosto 2011

30 ANOS DE BRASIL


03 perspectiva 04 expressão O presente é aqui

Oswaldo Nardinelli Diretor geral da Arcor Brasil

07 10

28 Marketing & eventos

Arcor ganha prêmio de “Melhor Design” na categoria Estande de Grande Porte durante a Abad 2011

30 Campanhas & ideias

O melhor do Brasil: Rodrigo Faro é o novo garoto-propaganda dos tabletes Arcor

consumidores Mais do que chocolates, biscoitos e guloseimas, os produtos da Arcor são parte da vida deles

mercado & tendências Yes, nós temos cacau. Brasil é um dos principais produtores e consumidores mundiais de chocolate

12 mercado & tendências

34

Colaboradores compartilham histórias pessoais ocorridas em momentos-chave vivenciados pelo Grupo Arcor no Brasil

Coordenação:

capital humano

Colaboradores:

Colaboradores que estão completando 30 anos de casa relembram trajetória e dão boas-vindas a quem chega

Projeto editorial:

37

viagens & gastronomia Trinta lugares incríveis no Brasil e suas particularidades culinárias

A trajetória da Arcor no Brasil: 30 anos de atuação e os fatos que marcaram o crescimento do Grupo

Conselho editorial: Jorge Conti, Gabriel Porciani, Rodrigo Peçanha, Otameiry Furtado, Sandra de Souza e Célia Aguiar

Juliano Almeida e Margareth Moura

Trama Comunicação

Diretora de redação: Editora-chefe: Helen Garcia MTb: 28.969

Editor: Adriano Zanni MTb: 34.799

Reportagens: Adriano Zanni, André Salvagno e Caroline Pellegrino Paracatu - MG

capa

Meire de Souza – Gerente de Serviços de Marketing

Leila Gasparindo MTb: 23.449

Guloseimas que alegram diferentes gerações e fazem parte da memória afetiva

16

A Revista IMPULSO! é produzida sob a responsabilidade da área de Marketing da ARCOR Brasil e dirigida a seus colaboradores, clientes e parceiros comerciais.

32 nossa gente

Saudáveis, sofisticados e práticos para consumir: os biscoitos e os regionalismos dessa indústria

14 mercado & tendências

EXPEDIENTE

41

cultura Filmes, canções e desenhos animados tiveram como inspiração o mundo das guloseimas, biscoitos e chocolates

Revisão gramatical e ortográfica: Gisele C. Batista Rego

Revisão, desenhos e imagens: Gilberto Colorni

Projeto gráfico e design: Arthur Siqueira / Celso Barbosa

Impressão: A.R. Fernandez

44 22

parcerias de sucesso O relacionamento como elemento de diferenciação

25 visão de alcance

Crescimento da indústria de biscoitos, balas, chicles, pirulitos e chocolates está intimamente atrelado ao surgimento de novos consumidores e à estabilidade da economia brasileira

atitude cidadã

Tiragem: 6.000 exemplares

Instituto Arcor está presente em várias regiões do País e celebra a ampliação das parcerias

Entre em contato conosco:

47 vida saudável

Suas sugestões, críticas e ideias contribuirão com nossa publicação. E-mail: impulso@arcor.com Twitter: @ArcordoBrasil

Trinta dicas que podem fazer a diferença. Equilíbrio entre corpo, mente e alma é fundamental para alcançar o bem-estar

51 express

A economista Amaryllis Romano fala sobre o momento oportuno para o desenvolvimento do setor alimentício no Brasil

Arcor Brasil Ltda. Rua Olimpíadas, 205 – 16º andar CEP 04551-000 - São Paulo – SP Tel.: (11) 3046-6800


Revista Impulso PERSPECTIVA

O presente é aqui

a

Ao comemorarmos 30 de atuação no Brasil e 60 anos de operações em nível mundial, estamos certos de que, ao longo dessas décadas, obtivemos grandes conquistas e, sobretudo, importantes aprendizados, pesquisando, conhecendo e adaptando-nos às características e culturas locais dos mercados onde atuamos. Desde sua fundação, o Grupo Arcor é destacado por uma forte dedicação à expansão internacional. Atualmente, com mais de 20 mil colaboradores e com escritórios de negócios localizados nos cinco continentes, a Arcor tem uma flexibilidade operacional que lhe permite fornecer respostas imediatas a diferentes contextos de mercado, investindo em marcas, produtos e conceitos que atendam às expectativas de seus diversos consumidores no mundo. A receita de sucesso de nossa existência no Brasil, por exemplo, está não apenas na força de vontade e comprometimento dos colaboradores e parceiros, mas também no fato de sempre termos enxergado o País como um grande celeiro de possibilidades, ampliando nossa

criatividade, fortalecendo nossas competências, o que resultou em uma história marcada pelo crescimento contínuo com significativos investimentos em ações de marketing, processos, modernização das plantas industriais e capacitação dos profissionais. Experimentamos hoje mais um momento especial, não somente de comemoração, mas de transformação, com inúmeras oportunidades e excelentes perspectivas somadas ao nosso DNA de inovação e qualidade. Certamente, não desperdiçaremos cada boa ideia que surgirá capaz de contribuir com a consolidação e sustentabilidade dos negócios em um País que é sinônimo de presente. A todos que têm ajudado e ainda ajudarão muito a construir esta brilhante trajetória, parabéns e o nosso “muito obrigado”. Que as três décadas de sólida atuação no mercado brasileiro inspirem as atuais e futuras gerações. Boa leitura. Conselho Editorial

3


Revista Impulso EXPRESSão

Oswaldo Nardinelli é o novo diretor geral da Arcor Brasil. Com vasta experiência profissional, demonstra sólidos conhecimentos sobre os caminhos que levam ao crescimento: pensar e agir de forma diferente para surpreender os consumidores é uma das apostas do executivo

Determinação, foco e inovação 4

arcor impulso


Marcos Fernandes

Oswaldo Nardinelli é o novo diretor geral da Arcor Brasil. Com vasta experiência profissional, demonstra sólidos conhecimentos sobre os caminhos que levam ao crescimento: pensar e agir de forma diferente para surpreender os consumidores é uma das apostas do executivo

n

Natural de São Paulo, nascido no bairro do Brás, ele passou boa parte da infância na vizinha cidade de Guarulhos (SP). Oswaldo Nardinelli é o filho caçula (tem outros dois irmãos) de uma família de imigrantes italianos. Casado há duas décadas com Cristina, pai de três filhos (Alessandro, 18 anos, Isabella, 16 anos, e Fabrício, 12 anos), assumiu recentemente o posto de diretor geral da Arcor Brasil. Formado e pós-graduado em Marketing pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), acumula 25 anos de experiência profissional em empresas de grande porte como Pirelli, Pepsico, Cadbury e Kraft. “Sempre atuei na área comercial de marketing, vendas e gerência geral. Minha experiência inclui vivência local, regional e global em diversos cargos que ocupei”, diz. Em entrevista exclusiva à Impulso!, o executivo trata de sua chegada ao Grupo Arcor e dos desafios que se impõem à gestão da empresa frente às expectativas de crescimento. “Fui muito bem-recebido e acolhido na Arcor. É realmente impressionante ver a energia das pessoas, a paixão pelo negócio e também a vontade de fazer a companhia crescer”, relata.

Como está sendo o processo de integração à cultura organizacional da Arcor, pelo qual você está passando nesses primeiros meses? Oswaldo Nardinelli – A empresa tem uma cultura própria de empreendedorismo, coragem e dedicação, que faz toda a diferença. Tive a oportunidade de visitar fábricas, nossos negócios na Argentina, falar com as pessoas, encontrar clientes, visitar o mercado e, mais importante, conhecer a realidade das categorias, nossas oportunidades e desafios. Enquanto você esteve trabalhando em outras organizações, qual era a imagem percebida da Arcor e com quais realidades se deparou ao ingressar no grupo? Oswaldo Nardinelli – A Arcor sempre foi uma empresa muito respeitada no mercado, por seus consumidores, clientes e concorrentes. A qualidade de seus produtos é inquestionável. A inovação rápida é uma marca que faz muita diferença, e o posicionamento de seus produtos é um enorme diferencial competitivo. Temos produtos que ninguém possui, como é o caso de Tortuguita, Butter Toffees, Choco Snack, entre outros, além de marcas muito fortes como Aymoré e Triunfo. Temos profissionais respeitados no mercado e um forte apelo na área social com o Instituto Arcor. Acho também que temos oportunidades de nos tornarmos uma empresa ainda mais atraente para novos talentos, de sermos mais disciplinados em nossas escolhas estratégicas para que possamos nos diferenciar agregando valor a nossa cadeia de abastecimento e vendas. Muitas vezes, o vencedor não é o maior nem o mais poderoso, e sim o diferente e o mais rápido. Por esse caminho, vejo uma superoportunidade para a Arcor.

“A Arcor sempre foi muito respeitada no mercado, por seus consumidores, clientes e concorrentes. A qualidade de seus produtos é inquestionável. A inovação rápida é uma marca que faz muita diferença” Que avaliação você faz da Arcor hoje, considerando seu posicionamento e sua atuação nos negócios de chocolates, biscoitos e guloseimas nesses 30 anos de trajetória no mercado nacional? Oswaldo Nardinelli – Sem dúvida, a marca de 30 anos no mercado é um evento para se comemorar muito. Poucas empresas têm o privilégio de chegar a 30 anos como a Arcor teve. Uma empresa madura, vibrante e que participa de categorias grandes e que crescem. Porém, estas categorias são extremamente competitivas com jogadores com diferentes perfis. A Arcor terá de continuar seu processo de amadurecimento e estruturar-se para enfrentar esta nova realidade que exigirá foco, determinação e atitude.

5


Quais são os desafios de sua gestão? Onde estão os pontos-chave para a Arcor crescer ainda mais nos próximos dez anos? Oswaldo Nardinelli – Resumiria nossos desafios em três áreas importantes: 1. Acelerar o potencial de crescimento de nossas marcas. Temos marcas únicas, com excelente apelo estratégico e que precisam estar mais próximas de nossos consumidores. Elas precisam também de investimentos contínuos, inovação e foco. 2. Melhorar nossa capacidade de execução no campo. Acredito que esta seja uma das maiores oportunidades da Arcor. Vamos trabalhar duro para alinhar nossos objetivos na área de Vendas e Trade Marketing, para garantir uma execução com excelência. 3. Atrair, reter e desenvolver nossas pessoas. Este é fator-chave de sucesso e não vamos medir esforços para ter uma empresa atraente, dinâmica e que seja um excelente lugar para trabalhar e desenvolver-se. Sem dúvida, o Brasil assistiu, nos últimos anos, a um forte crescimento da renda, com melhorias em sua distribuição. Isso elevou o consumo, principalmente por parte das classes C e D. Como a Arcor se contextualiza nesse cenário? Oswaldo Nardinelli – A Arcor tem forte DNA para crescer neste mercado. Temos produtos de baixo desembolso, produtos de que todo mundo gosta, produtos com valor percebido e que podem estar disponíveis em qualquer lugar. As classes C & D estarão sendo disputadas por todos e só os que entenderem realmente este público serão vencedores da preferência desses consumidores.

6

arcor impulso

Marcos Fernandes

Revista Impulso EXPRESSão

“O que os colaboradores podem esperar de mim e do time da liderança é muito trabalho, dedicação e compromisso de tornar a Arcor um exemplo a ser seguido no Brasil e no mundo para podermos comemorar não só 30 ou 60 anos, mas sim 80, 90, 100 anos” A Arcor é uma empresa global, de origem argentina. É líder na produção de balas e guloseimas na América Latina e um dos principais players nos mercados de chocolates e biscoitos. Qual deve ser a contribuição do Brasil nesse posicionamento estratégico? Oswaldo Nardinelli – Nos últimos anos, o Grupo Arcor tem atravessado um processo de internacionalização e, sem dúvida, o Brasil é e será o principal mercado da Arcor fora da Argentina e com o maior potencial de crescimento. Temos aqui uma base sólida, cinco fábricas, cerca de 4 mil colaboradores e presença importante no mercado. Nossos resultados são fundamentais para o sucesso do Grupo em longo prazo. Isso só aumenta minha responsabilidade e a de todos para contribuir com este processo. Logo chegará o Natal. Qual a expectativa em torno do evento sazonal mais importante da Arcor Brasil depois da Páscoa? É possível fazer algo diferente para incrementar, ainda mais, os resultados das sazonalidades? Qual é o caminho? Oswaldo Nardinelli – Sempre é possível melhorar, e esta deve ser nossa tônica daqui para frente. O Natal e a Páscoa são momentos superimportantes para nossos resultados. A Páscoa foi muito boa e as atividades para o Natal já começam a ser desenhadas e desenvolvidas. Minha expectativa é que tenhamos um excelente segundo semestre para que possamos atingir os objetivos traçados para 2011. O caminho do sucesso para os even-

tos sazonais são o planejamento, o foco e o trabalho em equipe. Eu conto com todos para fazermos um excelente final de ano. Falando especificamente sobre a relação da Arcor com o Trade, em sua opinião, é possível implementar melhorias em curto e médio prazos para fortalecer as parcerias comerciais? Oswaldo Nardinelli – Estamos trabalhando para isso. Há um projeto em curso liderado pela área de Vendas assim como diferentes iniciativas para aprimorar nossos processos de gestão e a execução no campo. Esta para mim será uma área de prioridade que daremos um enorme foco nos próximos meses. O que você espera dos colaboradores da empresa nesse novo ciclo que se inicia? Que mensagem deixaria para eles no momento em que o Grupo comemora 60 anos no mundo e 30 anos de Brasil? Oswaldo Nardinelli – Eu espero dos colaboradores a mesma dedicação e paixão por nosso negócio que trouxeram a Arcor do Brasil até onde estamos hoje. Espero ainda que possamos pensar e agir de forma diferente; encontrar soluções, manter nosso foco e surpreender nossos clientes e consumidores. O que os colaboradores podem esperar de mim e do time da liderança é muito trabalho, dedicação e compromisso de tornar a Arcor um exemplo a ser seguido no Brasil e no mundo para podermos comemorar não só 30 ou 60 anos, mas sim 80, 90, 100 anos.


Revista Impulso Consumidores

O que eles pensam sobre a marca

Shutterstock

Mais do que chocolates, biscoitos e guloseimas, os produtos da Arcor são parte da vida dos consumidores, proporcionando sensações e lembranças únicas

7


Revista Impulso consumidores

c

Criar vínculos com consumidores não é tarefa das mais fáceis. Além de dispor de produtos de qualidade, é preciso compreender o comportamento e as necessidades dos públicos-alvo. Além de bons profissionais de marketing e comercial, isso exige expertise em psicologia, sociologia, economia, cultura, comunicação social, entre várias outras áreas do conhecimento. Para a Arcor, três décadas de atuação no Brasil não poderiam render outro fruto, senão uma legião de fãs

identificados com seus diversos produtos. Com sabores característicos, além de despertarem sensações gustativas únicas, os produtos protagonizam muitas histórias interessantes nas vidas dos consumidores. E nós vamos conhecer algumas delas nesta matéria especial. A garota Big Big Para Simara da Silva, de 26 anos, o Big Big é muito mais do que um chicle. Trata-se de um companheiro de longa data e para todas as horas. “Às vezes, me levanto da cama e já logo pego um”, confessa, afirmando que há dias em que o BIG BIG acaba sendo seu café da manhã. “O sabor desses produtos dura bastante tempo e o preço é bem em conta. Não tem como não gostar”, justifica. Atualmente, Simara é funcionária de um pet shop. E adivinhe o que ela gosta de beliscar durante o trabalho? BIG BIG, é claro. “Passo o dia inteiro secando, lavando e escovando os cachorros, sempre com um estoque de chicle ao lado. Minha patroa fala que eu e minha companheira de trabalho somos malucas por doces. Ficamos o dia inteiro apreciando chicles e pirulitos BIG BIG”, relata.

Shutterstock

Moradora de Poços de Caldas (MG), ela conta que conheceu o produto há muitos anos. “Na escola, tanto na sala de aula, quanto no recreio, meus amigos e eu trocávamos guloseimas. Era assim que conhecíamos produtos novos”, relembra.

8

arcor impulso

A paixão pelo chicle da Arcor era tanta que, na adolescência, Simara recebeu o apelido de BIG BIG. Segundo conta, isso aconteceu na época em que começou a fazer aulas de capoeira, em que todos eram conhecidos por

triunfo

Com mais de 25 anos de existência, os biscoitos Triunfo colecionam aficionados pelo País. Uma das fãs incondicionais da marca é a dona de casa Joice Graziela Machuca, que, embora não revele a idade, tem menos de 30 anos e cresceu à base de muitos biscoitos Triunfo. Moradora de Santa Bárbara D’Oeste, no interior de São Paulo, Joice é só elogios aos produtos que conheceu ainda criança. “Minha mãe comprava sempre. Desde pequena, eu gostava dos biscoitos porque eram muito crocantes e tinham um sabor inigualável”, relata. Quase três décadas de fidelidade à Triunfo trazem lembranças muito boas à Joice, que já é mamãe. “Minha mãe e eu fazíamos pavê usando os biscoitos. Hoje, é a minha vez de dar Triunfo aos meus filhos. Comemos todos os dias e eles também são fãs de carteirinha”, conta.

apelidos. Como nos intervalos da aula ela sempre corria até a bolsa para pegar uns chicles e os oferecia para todo mundo, o apelido acabou pegando. O “batismo” precisava ter a ver com características da pessoa e nada combinaria melhor com Simara do que a alcunha BIG BIG. Tanto é verdade que ela é conhecida assim até hoje. “Tive um grande envolvimento com a capoeira. Cheguei a dar aulas e até comecei a cursar Educação Física para dar continuidade, mas tive uma lesão no joelho e precisei interromper tudo. Por isso tudo, BIG BIG me lembra capoeira e vice-versa”, explica, relatando como o chicle marcou sua vida. Tradição de pai para filho Para as pessoas de outros estados, uma das referências de Minas Gerais em termos gastronômicos é o famoso pão de


Divulgação

queijo. Para os mineiros, uma das referências são os biscoitos Aymoré, incorporados ao portfólio da Arcor em 2004, quando houve a união com a divisão de biscoitos da Danone. Edson Silva, que vive na cidade de Congonhas, revela que, desde criança, é fascinado pela linha Cream Cracker. Hoje, aos 33 anos, ele mantém o hábito de consumir o produto diariamente. “Compro a quantidade certa para durar o mês inteirinho e como todos os dias no café da manhã e, às vezes, à noite”, admite.

Paixão por caramelos A radialista Tânia Piazentim, de 25 anos, conheceu os produtos Butter Toffees na época de escola e a parceria de sucesso dura até hoje. “Todo final de semana, quando vou à casa de minha avó, acabo consumindo algumas balas. Até hoje, ela abre a gaveta cheia delas e eu não resisto”, confessa. Outro local em que não falta Butter Toffees é a casa dos pais de Tânia. Mas, ao falar em paladar, a jovem parece não ter preferência. “É um melhor que o outro. O que mais gosto é do resultado único da mistura do caramelo com o recheio”, opina. As balas mais famosas da Arcor não despertam apenas boas sensações gustativas, mas também provocam doces lembranças para Tânia. “Te-

nho lembranças também do tempo da escola, quando o estojo de lápis vivia cheio de papéis de Butter Toffees”, compartilha. Tortuguita: a melhor amiga da criançada Se o melhor amigo do homem é o cachorro, de carne e osso, a melhor amiga de muitas crianças brasileiras é a tartaruga de chocolate. Sofia Oliveira Bueno, quatro anos, é uma dessas crianças apaixonadas pelos simpáticos e deliciosos produtos da linha Tortuguita, da Arcor. Fernanda Henrique Oliveira, mãe da pequena Sofia, diz que a filha praticamente não come outro chocolate que não seja Tortuguita. “Preciso comprar quase toda semana. Ela ama não só as tartaruguinhas, mas os tabletes e os ovos de páscoa também. Ai de mim se não comprar”, brinca a “mãe coruja”.

Shutterstock

Na casa dele, outras marcas não têm vez. “Só compramos biscoitos Aymoré. Não tem jeito, todos nós adoramos”, afirma o pai de dois filhos, ambos fãs dos biscoitos de maisena. De acordo com Edson, o gosto já está virando uma tradição na família Silva. “Os biscoitos fazem parte de nosso cotidiano e, com certeza, dos lares de muitas famílias brasileiras”, diz.

9


Shutterstock

Revista Impulso mercado & tendências

Yes,

nós temos cacau Futebol, Carnaval e cacau: assim poderia ser conhecido o Brasil. Referência no esporte e na festa popular, o País é também um dos lugares prediletos para o cultivo da matéria-prima do chocolate

s

Segundo dados da Caobisco, entidade europeia que representa aproximadamente 2 mil fabricantes de chocolates, biscoitos e guloseimas, o Brasil já é o terceiro maior produtor de chocolates do planeta, atrás apenas de Estados Unidos e da Alemanha, primeiro e segundo no ranking, respectivamente. Não é preciso muito para explicar a razão desse cenário. Afinal, o clima tropical e o solo fértil do País são ingredientes propícios para o cultivo do cacau, principalmente na Bahia, que foi o ponto de desembarque do fruto, trazido por escravos africanos no período colonial brasileiro. O sul do estado baiano tornou-se a principal região de cultivo do cacau em todo o território nacional, sendo responsável, hoje, por aproximadamente 95% da pro-

10

arcor impulso

dução brasileira. Outros estados como Espírito Santo, Pará, Amazonas, Rondônia e Mato Grosso também abrigam fazendas de cacau. É certo também que muitos anos se passaram desde sua chegada ao Brasil, mas o fruto, na figura do chocolate, continua sendo colocado na condição de manjar dos deuses. Além disso, descobriu-se que é benéfico para a saúde. Estudos científicos indicam que o chocolate, dentre outras coisas, é uma ótima fonte de energia e é capaz de melhorar o ânimo e a disposição de quem o consome. Por falar em consumo, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (Abicab), das 582 mil toneladas de chocolate produzidas por aqui, em 2010, cerca de 562 mil foram consumidas


O ingresso da Arcor no mercado nacional de chocolates deu-se em 1995 com o lançamento da linha Tortuguita. Carro-chefe da empresa no negócio de chocolates até os dias atuais, as “tartaruguinhas” ficaram famosas por conta da bem-sucedida e inesquecível campanha publicitária que estrelaram na TV. Quatro anos após o lançamento, a companhia iniciou a produção de chocolates em território brasileiro ao inaugurar a planta de Bragança Paulista (SP). “Na época, já se tratava de uma das mais modernas do segmento no mundo”, relembra Gabriel Porciani, diretor de Marketing Guloseimas e Chocolates da Arcor Brasil, ao falar da fábrica que, hoje, conta com mais de 600 colaboradores. O portfólio destinado aos fãs de chocolate, além das tartaruguinhas, conta com uma variedade em tabletes, bombons, confeitos e caixas sortidas. Além disso, há a linha institucional, composta por chocolates especiais para produções culinárias. “É um nicho interessante, já que atinge diretamente o pessoal que prepara trufas, bolos e doces em geral”, observa Porciani.

Sem se esquecer dos outros públicos, a divisão de chocolates da Arcor tem se baseado bastante na evolução da classe C, que vem incrementando seu poder de compra. Segundo o diretor de Marketing, tratase de um mercado a ser explorado cada vez mais, em todo o território nacional. Em 2007, levando em conta o crescimento do consumo de chocolates e guloseimas no Norte e Nordeste, o Grupo Arcor inaugurou uma planta e um centro de distribuição em Suape, na região metropolitana de Recife (PE). “Com isso, nos aproximamos ainda mais desse mercado, tanto em termos de relacionamento, quanto no aspecto operacional, com os ganhos logísticos”, explica Porciani.

“Completamos 30 anos no Brasil, mas comercializamos chocolates há 16 anos. Ainda podemos e vamos crescer muito” Gabriel Porciani, diretor de Marketing Guloseimas e Chocolates

Para Porciani, o chocolate é algo mágico, que as pessoas sempre associam ao bemestar. Desta forma, a Arcor, com o propósito de deixar a vida dos consumidores mais saborosa e possibilitar momentos especiais, aposta bastante neste negócio para atrair ainda mais a atenção do público. “Completamos 30 anos no Brasil, mas comercializamos chocolates há 16 anos. Ainda podemos e vamos crescer muito”, projeta o diretor de Marketing Guloseimas e Chocolates.

Alimento dos deuses Historicamente, várias teorias já supervalorizaram a matéria-prima do chocolate. Uma lenda asteca conta que o deus da Lua, Quetzalcoatl, roubou uma árvore de cacau da terra dos filhos do Sol para presentear amigos. Mais tarde, em outra época, o botânico sueco Carlos Linnaeus batizou a fruta como Theobroma que, em português, significa “alimento de Deus”. Originário das regiões tropicais das Américas do Sul e Central, o cacau chegou a ser utilizado até mesmo como moeda – dez favas valiam tanto quanto

um coelho. No período da América Colonial, uma bebida derivada da fruta era utilizada como alimento para sustentar os homens e garantir um dia inteiro de caminhada sem necessidade de ingestão de outras substâncias.

Shutterstock

pelo mercado interno. Números que expressam a pujança do setor.

11


Revista Impulso MERCADO & TENDÊNCIAS

Saudáveis, sofisticados e práticos para consumir Assim são os biscoitos produzidos pela Arcor. A preferência por produtos e marcas varia de acordo com cada região do País. Para atender com qualidade a esse vasto mercado, investimentos em pesquisa, tecnologia e embalagens são essenciais

A

A categoria de biscoitos, que é a quinta maior em vendas nos supermercados brasileiros, possui penetração em 99% dos lares de todo o País. O gosto por este alimento é bastante antigo e consolidado. A Arcor adentrou ao mercado de biscoitos em 2005 por meio da joint venture com a Danone. Ao longo desses seis anos, diversas tendências de consumo foram observadas. “As diferenças são de várias ordens e levam em consideração o consumo per capta, a importância dada aos segmentos, entre outros fatores. No Nordeste, por exemplo, a preferência por crackers é proporcionalmente maior do que no Sudeste. A dominação de marcas também varia. Em Minas, a Aymoré é líder de mercado”, ressalta Rodrigo Peçanha, diretor de Marketing Biscoitos.

Shutterstoc k

A área de Marketing Biscoitos da Arcor está estruturada em três gerências: a de desenvolvimento de produtos, a de marcas Aymoré/Danix e a de Triunfo/Break’Up/Sazonais. É um setor da empresa que se mobiliza de forma constante para estruturar pesquisas e desenvolver produtos.

12

arcor impulso

“Não há uma regra fixa, procuramos estar antenados às tendências. Surge uma ideia, a pesquisa é feita e lançamos no mercado. Às vezes, uma pequena modificação criativa pode alterar a forma como o público recebe aquele produto”, completa Peçanha. Na base da pirâmide O crescimento de consumo da classe C também influencia no quesito exigência por biscoitos de qualidade. “Os novos consumidores buscam


produtos com maior valor agregado. A portabilidade, em porções menores, e a preservação da saúde são tendências significativas entre eles”, analisa Peçanha.

15 anos, fomos a indústria de alimentos que mais crescia no Brasil. Eu me dedicava de corpo e alma, sempre tive um carinho muito grande pelo negócio.”

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) comprovam o aumento da renda média do trabalhador. De 2005 a 2009, foram incorporadas cerca de 20 milhões de pessoas com renda mensal familiar entre R$ 1.126 e R$ 4.854, o que elevou em 8,4 pontos percentuais (de 41,8% para 50,4%) a participação da classe C na distribuição da pirâmide social.

Em 1994, a Danone associou-se à Campineira. A Arcor e a divisão de biscoitos da Danone fundiram-se, em 2005, e a marca Triunfo ganhou outra nova roupagem: a coroa diminui e assume o tom dourado. O portfólio de produtos foi gradativamente ampliado e a Triunfo acompanhou esse crescimento, consolidando a liderança no mercado de Cream Cracker.

A aquisição das marcas Triunfo e Aymoré, que vieram do portfólio da Danone, ampliou as linhas de produtos da Arcor, visando atender também a essa crescente camada da população brasileira. “A joint venture aumentou o tamanho do grupo Arcor Brasil e entramos na categoria de biscoitos com percentuais de mercados muito consistentes”, destaca o diretor de Marketing Biscoitos. “A perspectiva futura da Arcor para o negócio de biscoitos é crescer em distribuição e lançamentos, buscando inovações”, complementa.

Aymoré: tradição e modernidade

Alegrando os lares brasileiros

A marca Triunfo está fortemente associada ao mercado de biscoitos no Brasil. Fundada pelo português Armindo Dias, em 1974, ela ganhou proporções nacionais e conquistou milhares de famílias. Tudo começou em Campinas, no interior de São Paulo, quando Armindo comprou 25% da empresa de doces conhecida como Campineira. “Fiquei como sócio por dois anos, depois comprei toda a fábrica. Isso foi em 1964”, relembra. A produção inicial era apenas de biscoitos doces. Depois, vieram as demais linhas: Maria, Maisena, Manteiga, Leite, Cream Cracker e Água e Sal. “Certo dia, parei em um semáforo e veio um garoto com um carrinho vermelho escrito ‘Triumph’. Quando vi o nome, pensei que era ideal para uma marca de biscoitos. Em 1974, decidimos mudar as embalagens e estampar o nome Triunfo. Foi um insight muito produtivo e que atravessou gerações”, conta. Tanto foi um sucesso que, em 1993, a marca já era líder de segmento. “Nós temos o melhor cream cracker do País. Durante

A marca Aymoré surgiu na década de 1920, no Rio de Janeiro, como biscoito produzido pela Moinho Inglez. Já com grande apelo junto aos consumidores da época, o nome foi repassado para a empresa paulista Milho Brasil, sendo que, somente em 1975, a família Ballesteros comprou os equipamentos, marcas e patentes da Milho Brasil, assumindo, por consequência, o nome Aymoré. Vale lembrar que quando a família Ballesteros assumiu o nome Aymoré, os biscoitos, então, eram produzidos em uma outra fábrica, em Contagem, Minas Gerais. Planta industrial que já não existe mais. A empresa continuou a expansão. Em 1996, a Aymoré associou-se ao Grupo Danone. No ano seguinte, foi construída a fábrica de biscoitos mais moderna da América do Sul. Os tradicionais biscoitos ganharam, então, a assinatura “LU Aymoré”. Em 2005, com a operação entre Danone e Arcor, as linhas de biscoitos da marca foram incorporadas ao rol de produtos da empresa de origem argentina. Hoje, a Aymoré é a preferida dos mineiros e continua crescendo, sem deixar de lado as características que a consagraram: a qualidade e o sabor.

13


Revista Impulso MERCADO & TENDÊNCIAS

A alegria de

gerações inteiras Já imaginou a vida sem o sabor e o colorido das balas, chicles, pirulitos e outras guloseimas? Certamente, teríamos apagado da memória diversos bons momentos ao longo da infância, adolescência e da própria idade adulta. A história da Arcor no Brasil está intimamente relacionada a essas experiências de consumo

O que marcas consagradas como Butter Toffees, 7 Belo, Poosh!, Kid’s e Big Big têm em comum?

Brasil, em 1981, com a produção de guloseimas na cidade de Rio das Pedras, interior paulista.

Além da qualidade implícita em suas composições e embalagens, todas elas são sinônimo de tradição perante os mais variados públicos consumidores da Arcor. O colorido e as variações de sabores propostos pela área de Marketing Guloseimas da empresa, sobretudo nos anos mais recentes, contribuem para a continuidade da construção de doces lembranças de muitos brasileiros e de diversas pessoas ao redor do mundo.

Uma área que não parou de crescer e agregar novos produtos. Atualmente, a Arcor dispõe de nove plantas industriais de guloseimas, espalhadas por vários países: quatro na Argentina, duas no Brasil, uma no Chile, uma no México e uma no Peru. Todas elas reconhecidas pela alta capacidade de inovação. Segundo Gabriel Porciani, diretor de Marketing Guloseimas e Chocolates da Arcor Brasil, são lançados, anualmente, cerca de 100 novos itens envolvendo as mais variadas linhas produzidas nessas plantas industriais. “Assim como no mercado de chocolates, os consumidores estão em busca de produtos com maior valor agregado. A fusão de dois sabores para a criação de um terceiro representa forte tendência às guloseimas”, diz Porciani.

E não é por acaso, uma vez que, metaforicamente, o doce pode ser considerado sinônimo de felicidade e carinho. Remete ao lúdico e está sempre no imaginário das pessoas. Conceitos que inspiraram o negócio que deu origem à própria história do Grupo Arcor no

14

arcor impulso


De acordo com o GNPD Mintel, ferramenta de pesquisa de mercado, na categoria de confeitos e gomas de mascar, 25% dos lançamentos mundiais, em 2010, estiveram relacionados à mistura de sabores, dentre eles, os mais populares: morango, limão, laranja e manga. “A indústria alimentícia brasileira atravessa um período de imensa criatividade, com

sólidos investimentos em Pesquisa & Desenvolvimento (P&D) por parte dos pequenos, médios e grandes fabricantes”, acredita Porciani. Voos mais altos Dentre várias estratégias que contribuem para a consolidação das marcas de guloseimas da Arcor, uma delas diz respeito às parcerias com empresas de outros segmentos de atuação, como é o caso das ações realizadas em conjunto com a TAM, maior empresa do setor de aviação civil do País. A distribuição da bala Butter Toffees nos voos regulares da companhia aérea reforçou a imagem do produto. “Isso vem sendo feito desde 2001. Os resultados são muito satisfatórios”, complementa o diretor de Marketing Guloseimas.

Shu

tters

tock

Personagens de desenhos animados e de histórias em quadrinhos representam também poderosas iniciativas para aumentar a interatividade entre os produtos da Arcor e consumidores. Os itens licenciados de marcas famosas, como a Turma da Mônica, Ben 10 e Disney fazem parte da trajetória de evolução dos negócios da empresa. Parceira da Arcor, a Redibra é responsável pelas autorizações das marcas Ben 10, Cartoon Z@um e Meninas Superpoderosas. Segundo Ana Lúcia Saraiva, gerente de Negócios da empresa, os produtos

licenciados que trazem maior retorno em vendas são as linhas de balas, chicles, pirulitos e confeitos. “Cerca de 25% das vendas de licenciados são feitas em lojas de departamento e hipermercados. Daí também a importância de termos parceiros muito bem posicionados nesses ambientes de negócios”, avalia. Apenas para fins de mensuração, o faturamento do setor de licenciamentos, no ano de 2009, foi de R$ 4 bilhões. Em 2010, houve um crescimento de 5%. E para 2011, a expectativa da Associação Brasileira de Licenciamento (Abral) é de crescimento de 6% a 14%. “A participação dos produtos licenciados e o acompanhamento das tendências de consumo fizeram da Arcor um dos principais fabricantes de guloseimas no mercado brasileiro e latino–americano. A empresa é considerada a primeira produtora mundial de guloseimas e principal exportadora da categoria na América do Sul”, destaca Porciani. A eficiente cadeia de distribuição nacional e internacional de chicles, balas e pirulitos do Grupo Arcor é outro fator que merece destaque, fruto de estratégias que definem claramente os segmentos de mercado, respectivo modelo comercial e como melhor atender às expectativas dos consumidores. “O objetivo é continuar gerando um nível de serviço que supra a expectativa dos clientes, que se destaque dos concorrentes e acompanhe o crescimento do Brasil, com eficiência operacional, permitindo crescer de forma rentável e sustentável”, completa José Dib, diretor de Operações, Compras, Planejamento, Suprimento, Manufatura e Logística da Arcor Brasil.

15


Revista Impulso CAPA

Os 30 anos da Arcor no B A trajetória da Arcor no Brasil teve início em Rio das Pedras, expandiu-se por todo o País e hoje representa a alegria dos lares de milhares de brasileiros

e

Em 1981, começava a história da Arcor no Brasil, na pequena cidade do interior paulista Rio das Pedras, distante 158 quilômetros da capital. Pequena em número de habitantes, mas extremamente representativa para os projetos do Grupo. Quando aterrissou em solo brasileiro, a Arcor era uma empresa ainda relativamente nova, porém, já consolidada no mercado argentino. Havia sido fundada em 5 de julho de 1951, na cidade de Arroyito, Província de Córdova, fruto do sonho de jovens empreendedores, sob a liderança de Fulvio Salvador Pagani. O início das operações no Brasil tinha como meta a produção de dez toneladas de balas por dia. Mas a visão de longo prazo consistia em conquistar o maior mercado consumidor da América do Sul. Por meio de um crescimento sustentado, a Arcor foi ampliando suas divisões, especializando-se cada vez mais na elaboração de balas, pirulitos, chicles, biscoitos e chocolates, fabricados com a mais alta qualidade.

16

arcor impulso

Em pouco tempo, o Grupo já superava as expectativas de produção e passava a agregar diversos itens ao portfólio. A aceitação do mercado nacional foi tamanha, que ajudou a Arcor a tornar-se a número um em produção mundial de balas, investindo em novas plantas industriais. Hoje, o Grupo possui 40 indústrias na América Latina: 29 na Argentina, cinco no Brasil, quatro no Chile, uma no México e uma no Peru. Ao todo, são mais de 200 lançamentos anuais de produtos para atender consumidores de diferentes faixas etárias e classes socioeconômicas. “Sentimo-nos muito felizes em comemorar 30 anos de atuação da Arcor no Brasil, um mercado com 190,7 milhões de habitantes e com alto grau de exigência nos produtos alimentícios”, comenta Mario Pagani, presidente da Arcor Brasil. No País, existem atualmente quatro Centros de Distribuição, localizados em Campinas (SP), Contagem(MG), Bragança Paulista (SP) e Suape (PE), além de um operador logístico.


4 mil colaboradores

Brasil

5

plantas industriais

4

centros de distribuição

9

escritórios regionais de vendas

130

“O êxito da empresa foi alcançado graças aos constantes investimentos em tecnologia de ponta e mão de obra, que nos permite produzir alimentos com os mais altos padrões de qualidade. Além da busca por novos desenvolvimentos, por meio de pesquisa para adequação da nossa oferta ao gosto e à necessidade dos consumidores de todas as culturas”, diz Luis Pagani, presidente do Grupo Arcor, ressaltando que a empresa exporta hoje para mais de 120 países de todos os continentes e gera mais de 20 mil postos de trabalho. Estrutura no Brasil “A empresa se desenvolveu em distribuição e eficiência de operações, ao longo dos anos. Fomos crescendo muito, incorporando tecnologias e crescemos em termos profissionais também”, acrescenta José Dib, diretor de Operações, Compras, Planejamento, Suprimento, Manufatura e Logística da Arcor Brasil. O modelo de distribuição varejista da Arcor é referência internacional e constitui uma das principais fortalezas e chave para o sucesso.

“A empresa se desenvolveu em distribuição e eficiência de operações, ao longo dos anos. Fomos crescendo muito, incorporando tecnologias e crescemos em termos profissionais também”

Marcos Fernandes

distribuidores

José Dib, diretor de Operações, Compras, Planejamento, Suprimento, Manufatura e Logística

“A dedicação e o compromisso diários de milhares de colaboradores contribuem para que a Arcor se consolide como uma empresa líder em nível mundial. Temos uma grande capilaridade no Brasil para nosso amplo portfólio de produtos”, diz Mario Pagani. A área de Capital Humano, por sua vez, também acompanha os “novos tempos”, evoluindo quan-

17


Revista Impulso capa

A Arcor Brasil e o mundo nos últimos 30 anos 1995

1998

1997

1996

Lançamento Tortuguita acompanhado por uma memorável campanha de mídia

1981

1980

rasil ara o B har r vem p c - A Arco uisição da Ne q a a m é o 0 c 98 e tos Ltda da de 1 general Alimen exportações d nos da déca do as O início pelo governo pelo d foco io m íc o c In s o o pirulito ul marcad o, caracterizad olítica balas e América do S d p a e d Figueire de reabertura gre d s a e c país fábri o ila ução da onfeitados, process pelo fim do m ntou tr s n o C c e e fr de bola do País o. O Brasil en que chicles s Pedras (SP) ic as da econôm o de mudanç s coisas, io R em od tra um perí ram, entre ou mo u s cia influen rências de con fe nas pre

1994

1993

O Brasil conquista seu tetracampeonato mundial de futebol. Início do Plano Real.

Chegada das Butter Toffees voltadas para o público adulto A internet apresenta crescimento e torna-se aliada ao consumo. Aumento do e-commerce e outras opções virtuais de compras coletivas. O consumidor passa a ser mais exigente e a buscar sofisticação nos produtos

1999

- Inauguração da planta industrial modelo de chocolates em Bragança Paulista (SP) - Aumenta o portfólio de marcas de chicles infantis. Surgem Bolin Frutas, Bolin Bolão e Dinovo

2000 arcor impulso

1991

ento da - Redesenho e lançam tuguita. nova logomarca da Tor ial de TV do erc com do ão laç icu Ve “Estúpida”, chocolate, intitulado cidos e he um dos mais recon do rca me do s ado premi o Big Big, - Lançamento do pirulit e, junto com qu das ven em o ess suc a Arcor um u no tor s, rca outras ma brasileiro do rca dos líderes do me nto me no seg ionais e - Arcor adquire tradic s da categoria, rca ma as cid he on rec Belo, Pirapito 7 ’s, Kid or, como Am e industrial dad e amplia sua capaci

- Começa a produção nacional de chocolates

18

1992

A última déca da do século XX foi m arcada pela consolidaç ão da democracia ea globalização, pela popularização da internet que também contribuiu para redefinir o perfil do consumidor br asileiro

2001

1990

Lançamento em 2002 do Poosh!, um dos chicles de bola mais vendidos do País

2002


1983

2011

1982

- 4 mil colaboradores - 4 centros de distribuição - 5 plantas industriais - Líder em chicles infantis - 3º fabricante de chocolates (170 mil toneladas/ano)

1986

- A Arcor relança a linha Arcor Chocolates, trazendo produtos como o Tablete Amargo - Inauguração da planta de Guloseimas em Suape/Recife (PE) com investimento de R$ 40 milhões

-se ao grupo - A Arcor associa atividades no cia ini Danone e de biscoitos, iro negócio brasile líderes e s ca ar m o ind assum unfo, Tri o m co , tradicionais Break’Up e nix Da é, or m Ay uto Arcor Brasil. - Criação do Instit chicle sem - Lançamento do e Lin p To ar açúc

2003

200 5

2006

2007

1989 1988 1987

2008 2009

1985 - Lançamento do chicle infantil Bolin Bola, o primeiro chicle de bola confeitado do Brasil - Lançamento do chicle de bola Big Big

2010

1984 - Lançamento do inovador Triunfo Menos Sal

2004

19


Revista Impulso capa

to ao foco e ao gerenciamento de projetos e processos de trabalho. “Posso afirmar que crescemos tanto quantitativa quanto qualitativamente, sendo que nossos clientes internos percebem concretamente uma evolução da área em seu papel global e como parceira estratégica do negócio”, afirma Otameiry Furtado, diretora de Capital Humano da Arcor Brasil. Aquisições e fusões A aquisição da Nechar Alimentos Ltda., uma pequena fábrica de balas, em Rio das Pedras (SP), foi o pontapé inicial para as operações do Grupo no País. Com apenas 60 funcionários e três linhas de produção, a Arcor fincou seus alicerces no mercado de guloseimas e desenvolveu este segmento, com sólidos investimentos e conhecimento empresarial. Os chocolates foram lançados 14 anos depois, em 1995 com a linha Tortuguita. A partir de então, novas marcas e linhas de produtos foram apresentados para os consumidores. O surgimento das balas Butter Toffees, em 1996, consolidou ainda mais a posição da Arcor no mercado brasileiro de guloseimas. Em 1999, tinha início a produção nacional de chocolates, com a inauguração da planta de Bragança Paulista (SP), uma das mais modernas do segmento, e que produz os

A história da Arcor Brasil continua sendo escrita todos os dias, quando diversos brasileiros consomem os produtos que levam o sabor do sucesso. Hoje, são produzidos mundialmente pelo Grupo mais de 3 milhões de quilos diários conhecidos tabletes e ovos de Páscoa, entre outros itens. No ano de 2001, a Arcor Brasil aumentou seu portfólio com a aquisição de marcas de guloseimas já conhecidas do consumidor brasileiro como as balas Kid’s, o chicle Poosh, a paçoca Amor e a bala 7 Belo. Segundo o diretor de Marketing Chocolates Guloseimas, Gabriel Porciani, houve mudanças

“Diversas tendências podem ser observadas. Houve grande expansão na produção e a migração dos consumidores para produtos de maior valor agregado” Gabriel Porciani, diretor de Marketing Chocolates e Guloseimas

Fotos: Marcos Fernandes

20

arcor impulso

no comportamento do consumidor ao longo desses 30 anos. “Diversas tendências podem ser observadas. Houve grande expansão na produção e a migração dos consumidores para produtos de maior valor agregado”, enfatiza. Outro fato marcante da atuação da Arcor no Brasil diz respeito à entrada na categoria de biscoitos, em 2005, tornando-se a maior empresa de biscoitos da América do Sul em associação com a Danone. A Arcor Brasil integrou duas novas fábricas, uma em Campinas (SP) e outra em Contagem (MG). Ao longo desse processo, foram contratados novos colaboradores que contribuíram para a ampliação do market share de marcas como Aymoré, Break’UP, Danix e Triunfo. “A Arcor Brasil despontou como uma das principais no setor de alimentos. A joint venture, realizada em 2005 com a francesa Danone, aumentou ainda mais o tamanho do Grupo”, revela Rodrigo Peçanha, diretor de Marketing Biscoitos. A empresa investiu mais de US$ 40 milhões na construção de uma nova fábrica em Pernambuco, na ampliação da capacidade de suas linhas. Também foi investido em novas tecnologias de produção, em normas, programas de qualidade, pesquisa e desenvolvimento de produtos.

“A Arcor Brasil despontou como uma das principais no setor de alimentos. A joint venture, realizada em 2005 com a francesa Danone, aumentou ainda mais o tamanho do Grupo” Rodrigo Peçanha, diretor de Marketing Biscoitos


“Implementações na esfera administrativofinanceira, focando em eficiência, disciplina e busca de economias, elevaram fortemente nossa performance” Paulo Nunes, diretor administrativo-financeiro

A área de Capital Humano reformulou seu posicionamento, ao longo dos anos, e novos processos foram incorporados. “Implementamos o conceito de consultoria interna porque percebemos o quão importante é estarmos construindo a estratégia de gestão das pessoas como ativos participantes, em conjunto com todas as áreas. Temos a responsabilidade contínua de aprimorar as práticas, buscar novas formas de atuação e inovação sem perder o foco”, complementa Otameiry Furtado. Na esfera administrativo-financeira, foram realizadas diversas mudanças, nos últimos anos, em todas as áreas. “Estas implementações elevaram fortemente nossa performance. As mais importantes estão nas áreas de Crédito e Cobrança, onde houve grande salto de qualidade por conta da terceirização, de Planejamento e Controle de Gestão, em que introduzimos a prática de revisões trimestrais de projeções de resultados, e na área AdministrativoFinanceira propriamente dita, onde fizemos uma reformulação, focando não só em maior eficiência e disciplina, como na busca de economias”, conta Paulo Nunes, diretor administrativo-financeiro da Arcor Brasil. Campanhas de sucesso O reconhecimento da Arcor no País fez que muitas personalidades do meio artístico estampassem as campanhas da marca.

“Temos a responsabilidade contínua de aprimorar as práticas, buscar novas formas de atuação e inovação sem perder o foco” Otameiry Furtado, diretora de Capital Humano

Ações promocionais com a participação de famosos contribuíram para aumentar a identificação e a interatividade com os públicos de interesse As ações promocionais com a participação de famosos contribuíram para aumentar a identificação com os públicos de interesse, bem como a interatividade com crianças, adolescentes e adultos. O cantor Daniel, por exemplo, foi o garoto-propaganda da promoção “Triunfo é Show”, que ofereceu dez prêmios, de R$ 10 mil, e uma casa com carro na garagem aos consumidores, em 2009. De acordo com Rodrigo Peçanha, a escolha de Daniel para ser o garoto-propaganda da promoção ocorreu porque o cantor, além de ser carismático, está presente em muitos lares do País, seja cantando ou atuando. “A expectativa foi aumentar ainda mais nosso volume de vendas e conquistar mais consumidores”, complementa o executivo. Daniel também cantou a música tema da campanha, criada exclusivamente para a marca Triunfo. Essa promoção foi veiculada em campanhas de mídia em canais de televisão, emissoras de rádio, também foi divulgada em pontos de venda por meio

de materiais promocionais, como displays, cartazes, flyers e faixas de gôndola. A comemoração dos 85 anos da Aymoré representou outro grande momento do Grupo em termos de campanha publicitária, ao distribuir dezenas de prêmios para os consumidores. A cantora e musa do axé Claudia Leitte foi a estrela. A marca de biscoitos preferida pelos mineiros, também presente em lares de várias partes do Brasil, compartilhou seu aniversário com os clientes, que concorreram a vale-compras e a um certificado no valor de R$ 85 mil. A campanha promocional contou com diversos materiais em PDV e em mídias tradicionais. “Para mim e para todos os funcionários, é um prazer celebrar esse aniversário de 30 anos de Brasil. A Arcor quer continuar a fazer história nesse país de dimensões continentais, colaborando para seu progresso, gerando divisas e ratificando o posicionamento do Brasil como líder entre os países do bloco emergente”, enfatiza Mario Pagani.

21


Revista Impulso parcerias de sucesso

Relacionamento

duradouro Um dos principais elementos de diferenciação da Arcor é a proximidade com seus parceiros comerciais

h

Há 30 anos, a Arcor veio ao Brasil com uma proposta de expansão baseada, entre outros fatores, no forte relacionamento com distribuidores, atacadistas e clientes varejistas. “A área comercial sempre foi um dos pilares da Arcor para consolidar toda a trajetória de conquistas no território brasileiro. Os profissionais que atuam nessa área são pessoas extremamente comprometidas com os valores, missão e visão do grupo e também são protagonistas da história de sucesso que a empresa representa atualmente”, pontua Jorge Conti, diretor Comercial do Grupo no Brasil. Uma estratégia comercial consistente é fator crítico de sucesso para o crescimento e sustentabilidade dos negócios, já que leva em conta a dinâmica e particularidades do mercado e seus canais de venda, alinhadas aos objetivos globais da empresa. Por meio da proximidade da equipe de vendas com o consumidor e o Trade é possível perceber as diferenças de cada

22

arcor impulso

ponto de venda (PDV), além de detectar hábitos e preferências dos consumidores que frequentam os respectivos locais. Os colaboradores de campo contribuem com informações periódicas muito relevantes ao plano tático e estratégico da Arcor e isso se configura em um diferencial competitivo para a companhia. Ao longo dos anos, diversos projetos foram implementados para fortalecer, cada vez mais, o relacionamento com os parceiros comerciais, envolvendo capacitação, novos processos e diversas ações para uma melhor execução. Nesse sentido, em 2007, surgiu o Programa de Excelência em Execução no Mercado, que estabelece, até hoje, boas práticas nos pontos de vendas. “Este Programa é um processo integrado que visa à excelência na execução no ponto de venda, possibilita a tomada de decisão sobre como planejar nossa presença no PDV”, pondera Conti.

Mais recentemente, o projeto Go to Market, concebido em março de 2010 com o suporte e expertise da consultoria PWC-PricewaterhouseCoopers e desenvolvido com a participação de todas as áreas da empresa, vem adicionar ainda mais valor ao modelo comercial vigente. O “GTM” está estruturado em di-


Divulgação

A parceria Arcor-TAM foi iniciada em dezembro de 2001, com distribuição de Butter Toffees Leite, Chocolate, Café e Coco nos voos da companhia aérea

versas linhas de ações que estão relacionadas à revisão da estratégia comercial e à melhoria da cadeia de valor Arcor. “A capacidade das organizações em entender o comportamento de seus mercados-alvo, seus requisitos e, fundamentalmente, sincronizar todos os

elos dessa cadeia produtiva, tornando-se imperativo para o negócio. Assim estamos todos envolvidos e muito comprometidos com o sucesso deste importante projeto, que vai trazer toda a dimensão do abastecimento do mercado brasileiro por parte da Arcor”, acrescenta Jorge Conti.

Relacionamento nas alturas A Arcor está em contato constante com seus clientes e com uma atuação focada a suas necessidades e expectativas. Nesse sentido, existem várias ações em diferentes áreas da empresa direcionadas ao atendimento das demandas dos distribuidores, atacadistas e varejistas.

23


A exemplo disso, no início deste ano foi implementada a Central de Relacionamento ao Cliente e Consumidor, cuja estrutura fica localizada no centro de distribuição de Campinas (SP). O contato pode ser feito por telefone e e-mail e uma equipe de profissionais de atendimento está à disposição para o tratamento das mais variadas manifestações. “O nosso trabalho diário está baseado no conceito de melhoria contínua. Entendemos que podemos evoluir sempre. O projeto Go to Market vem reforçar esses aspectos e contribuir, sobremaneira, com a sustentabilidade nos negócios e excelência na prestação dos serviços. Para isso, contamos com todos os colaboradores, distribuidores, atacadistas e varejistas que, juntos, continuarão construindo a história de sucesso da Arcor Brasil”, afirma Conti.

Marcos Fernandes

Revista Impulso parcerias de sucesso

“A capacidade das organizações em entender o comportamento de seus mercados-alvo, seus requisitos e, rapidamente, sincronizar todos os elos de sua cadeia produtiva, torna-se imperativo para o sucesso do negócio” Jorge Conti, diretor Comercial do Grupo Arcor Brasil

O que dizem os “parceiros”

24

“A marca Arcor no Brasil evoluiu muito ao longo dos anos e tem grande potencial de tornar-se a maior no segmento que atua, como ela é na Argentina. O comportamento do consumidor mudou bastante, a população brasileira possui mais renda e, com isso, pode adquirir produtos de maior valor agregado. Os produtos campeões de vendas da Arcor são, sem dúvida, a bala Butter Toffees, o chocolate Tortuguita e os variados chicles. A parceria com a Arcor é sempre bemvinda porque os produtos têm qualidade e boa aceitação no mercado. A Arcor é uma empresa que valoriza o trabalho do atacado distribuidor”

“Desde o início das atividades, a Mano’s tem parceria com a Arcor. A evolução da marca foi surpreendente, nos últimos anos, a empresa tem a felicidade de apresentar produtos inovadores e lançamentos com embalagens diferenciadas. O consumidor tornou-se cada vez mais exigente com a imensa variedade de produtos oferecidos e a indústria tem de acompanhar essa exigência. A demanda por produtos varia de acordo com a região do País, mas os produtos como os chicles Poosh! e as balas Butter Toffees e 7 Belo ainda são campeões, muito por causa dos preços extremamente competitivos e da qualidade. Não dá para pensar em guloseimas, sem pensar nos produtos da Arcor. A parceria vale a pena”

“Olhando para o início, em que tive oportunidade de conhecer a Arcor, vemos nesse período uma grande evolução, um crescimento sólido em busca da competitividade no mercado brasileiro. A empresa criou uma bandeira inovadora, trazendo nas marcas a alegria que uma linha de guloseimas tem de ter, em seus formatos e produtos. Ao longo desses anos, a Arcor no Brasil acompanhou seu consumidor, da adolescência à juventude. Entre os produtos campeões de venda estão Butter Toffees, bala 7 Belo, Tortuguita, Chocolate Barra e a Linha Plutonita. Todos nós acreditamos na força que tem a Arcor e em seus produtos. Sabemos que ela vem buscando um crescimento sustentável no Brasil e vemos isso com bons olhos para uma parceria de sucesso e douradora”

Jose Umberto Biasi, 53 anos Diretor de Compras do Atacado Distribuidor Arcom, em Uberlândia MG) www.arcom.com.br

Fausto Rodrigues Cruz, 58 anos Sócio-gerente da Mano’s Comércio de Doces, em São Paulo (SP) www.manosdoces.com.br

Aldair Lopes Vicente, 35 anos Gerente da Arrojito Comércio de Alimentos, em Cascavel (PR) e Pinhais (PR) www.arrojito.com.br

arcor impulso


Shutterstock

Revista Impulso visão de alcance

Mercado cada vez

mais aquecido Crescimento da indústria de biscoitos, balas, chicles, pirulitos e chocolates está intimamente atrelado ao surgimento de novos consumidores e à estabilidade da economia brasileira

e

Em 30 anos, a população brasileira praticamente dobrou de tamanho em relação aos cerca de 100 milhões de habitantes da década de 1980. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), somos atualmente 190,7 milhões de brasileiros e, segundo projeções, em 2050, seremos 259,8 milhões.

25


Revista Impulso visão de alcance

“Para a produção de 2010, o setor consumiu 780 mil toneladas de farinha, 263 mil toneladas de açúcar, 187 mil de gordura, 72 mil toneladas de embalagens e gerou cerca de 30 mil empregos. As tendências apontam, cada vez mais, para a saudabilidade e uma sofisticação dos produtos”

“Quando pensamos na indústria de alimentos, estamos também falando de pessoas, consumidores. O gosto por doces é inerente ao ser humano. Desde os primórdios, comia-se mel e, assim, foram surgindo outros alimentos. É uma indústria que ainda tem muito potencial de crescimento”, explica Getúlio Ursulino, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (Abicab).

Cid Maraia de Almeida, presidente da Anib

De acordo com a Abicab, o Brasil tornou-se o terceiro maior produtor de balas e de chocolates do planeta. Em 2010, o crescimento do consumo de chocolates, por exemplo, foi de 56%, em relação a cinco anos anteriores (2005), e aproximadamente 14%, em relação a 2009. Ao longo de três décadas, muitas características de consumo foram transformadas. “As balas perderam valor de moeda e foram substituídas pelos pacotes de dropes. Houve extinção dos antigos baleiros e a distribuição passou a ser feita, em maioria, pelos grandes supermercados”, relembra Ursulino Netto. O setor de biscoitos também ganhou fôlego nos últimos anos. Em 2010, este produziu 1,2 milhão de toneladas, 5% a mais da quantidade produzida em 2008. “Para a produção de 2010, o setor consumiu 780 mil toneladas de farinha, 263 mil toneladas de açúcar, 187 mil de gordura, 72 mil toneladas de embalagens e gerou cerca de 30 mil empregos. As tendências apontam, cada vez mais, para a saudabilidade e uma sofisticação dos produtos”, afirma Cid Maraia de Almeida, presidente da Associação Nacional das Indústrias de Biscoitos (Anib) e do Conselho de Administração do Sindicato da Indústria de Massas Alimentícias e Biscoitos no Estado de São Paulo (Simabesp). O setor de biscoitos passou a lançar produtos com os mais diversificados tamanhos de embalagens, desde os “monodoses”, indicados para refeições rápidas, até as embalagens tamanhofamília, que são bastante consumidas no País.

26

arcor impulso


“Um fator muito importante é que o biscoito acompanha e adapta-se muito rapidamente às mudanças de hábitos de consumo da população e isso faz que esteja presente em pelo menos 98% dos lares brasileiros”, conta Almeida. Visionários de longa data Dados da Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores de Produtos Industrializados (Abad) comprovam o aquecimento do segmento atacadista e distribuidor que faturou R$ 151,2 bilhões, em 2010. Com crescimento real de 8,2% em relação a 2009, o atacado foi responsável por mais de 50% do movimento mercearil do País. A pesquisa Abad, em parceria com a Nielsen, revelou que o segmento abriu quase 72 mil postos formais de trabalho, naquele ano. “Estamos passando por uma mudança no modelo de gestão de recursos humanos, empregando mais e investindo muito em tecnologia e no treinamento dessa mão de obra”, afirma Carlos Eduardo Severini, presidente da Abad. Para os representantes das associações de classe, a Arcor, ao longo de seus 30 anos de atuação no Brasil, contribuiu significativamente para o aumento da produção e distribuição de guloseimas, biscoitos, chocolates com suas inovações em sabores e embalagens.

dos expoentes do setor. É de real importância esta participação, pois a Arcor traz na bagagem know-how para incrementar o consumo com seus produtos da mais elevada qualidade. Como um player sério, veio engrandecer nossa associação”, revela Cid Maraia de Almeida, presidente da Anib e do Simabesp. Para Ursulino Netto, presidente da Abicab, o Grupo Arcor é um produtor de altíssima qualidade nos segmentos de caramelos e chocolate e elevou o nível da indústria alimentícia no Brasil. “Eu conheço a empresa desde o tempo que o senhor Fulvio Pagani era presidente e já dizia que o Brasil era a bola da vez. Ele estava certíssimo. Era, sem dúvida, um visionário”, relembra.

O segmento atacadista distribuidor faturou R$ 151,2 bilhões em 2010. Com crescimento real de 8,2% em relação a 2009, o atacado foi responsável por mais de 50% do movimento mercearil do País Fonte: Abad

“A Arcor, fundada pela próspera família Pagani, acreditou no mercado brasileiro de candies e tornou-se uma empresa global, destacada com um

27


Revista Impulso marketing & eventos

Destaque na Abad 2011

O

Olinda (PE) é conhecida tradicionalmente como a capital do frevo. Cidade turística com belas praias, localizada na região metropolitana de Recife e movimentada durante o ano todo. E foi nesse cenário de efervescência e que abriga também diferentes sotaques sob o ponto de vista socioeconômico, que a Arcor apresentou seus lançamentos aos participantes da 31ª Convenção Anual do Atacadista Distribuidor (Abad). O evento, considerado o maior encontro de negócios do setor na América Latina, foi realizado entre 8 e 11 de agosto, e teve como tema “União e Inovação promovendo o crescimento”. Para fazer jus à proposta, a Arcor investiu na elaboração de um estande incrementado, totalizando

28

arcor impulso

Arcor ganha prêmio de “Melhor Design” na categoria Estande de Grande Porte. Espaço interativo relembrou a trajetória da empresa no Brasil ao longo dos 30 anos de atuação e apresentou muitos lançamentos para o setor atacadista distribuidor

Fotos: Divulgação

192 m², repleto de inovações e interatividade para os visitantes. Tamanha dedicação rendeu diversos frutos, entre eles, o prêmio Popai Brasil Expositor Abad 2011 de “Melhor Design”, na categoria Estande de Grande Porte. Com inúmeros recursos audiovisuais, o estande promovia uma autêntica viagem ao túnel do tempo, apresentando ao público (estimado em mais de 30 mil pessoas) toda a trajetória de sucesso do Grupo Arcor no Brasil, ao longo das três décadas de atuação. Além disso, personagens lúdicos remetiam ao universo de magia preconizado pela fabricante em seu slogan já tão difundido no mercado: Momentos Mágicos.

É uma associação respeitada que incentiva o desenvolvimento de ações de merchandising e marketing no ponto de venda (PDV) pelas empresas. O prêmio oferecido pela entidade é um dos principais no segmento e valoriza o que há de melhor em material de merchandising, como displays e outras campanhas promocionais no PDV


“A comunicação visual em azul e branco atraiu os visitantes para um ambiente receptivo e sensorial, levando-os a uma experiência única com a marca. O conceito trabalhado foi o de uma empresa que não parou no tempo e que está sempre buscando alternativas para surpreender o consumidor”, diz Meire de Souza, gerente de Serviços de Marketing da Arcor Brasil. Inovação: vantagem competitiva O Big Big Doce Azedo foi uma das novidades da Arcor lançadas na Abad 2011. Macio e colorido, o produto deve se tornar campeão de preferência entre a garotada por apresentar a mistura do doce com o azedinho em um mesmo chicle. Plutonita também ganhou dois novos sabores: “Mordida do Vampiro” e “Friagem do Fantasma”, que despertaram a curiosidade dos visitantes do estande. Isso sem falar no Poosh Frizz que, agora, apresenta também a versão Tangerina. Para Gabriel Porciani, diretor de Marketing Chocolates e Guloseimas da Arcor Brasil, a Abad 2011 contribuiu ainda mais para estreitar laços com os parceiros comerciais do setor atacadista distribuidor, além de reforçar a constante preocupação da empresa em investir em pesquisa e inovação; sobretudo, quanto à mescla de sabores e aromas em seus produtos. “O tema da Convenção, sem dúvida, explorou um de nossos principais condutores de crescimento e diferenciação: a inovação”, comentou o executivo. Outra grande sensação da Arcor na feira foi o lançamento da nova Butter Toffees Fruits Morango, o primeiro caramelo no mercado com recheio natural de polpa de fruta. A marca, já reconhecida pela variedade de recheios e sabores, também está com uma embalagem mais moderna e clean. “Esse lançamento promete movimentar os negócios relacionados ao produto tido como carro-chefe do segmento de guloseimas da Arcor e que já oferece um portfólio amplo de sabores, tais como: Leite, Café, Chocolate, Coco, Torta de Limão, Mous-

se de Maracujá, Chokko, Chokko Cereja, Chokko Menta, Chokko Trufa”, avalia Porciani. Na categoria de biscoitos, a Arcor realizou o lançamento do Danix Choco Shake, com sabor à base de milk-shake de chocolate e embalagem interativa sob a licença dos animados Pinguins de Madagascar.

Laços estreitados Além da exposição dos lançamentos no premiado estande, todas as novidades também foram apresentadas em um almoço com 120 clientes, entre atacadistas e distribuidores, cuja abertura ficou a cargo do diretor comercial do Grupo no Brasil, Jorge Conti. No discurso inicial, foi apresentado o novo diretor geral da empresa, Oswaldo Nardinelli, que já conhecia boa parte do público presente em função da sólida experiência no mercado alimentício. O encontro contou ainda com a presença do CEO do Grupo Arcor, Oswaldo Baños. Nardinelli falou sobre o plano de metas da Arcor Brasil para 2015 e exibiu um vídeo a respeito dos índices de crescimento e do histórico de desenvolvimento da empresa nas três décadas de atuação em solos brasileiros. Também discursaram Gabriel Porciani, diretor de Marketing Chocolates e Guloseimas, e Rodrigo Peçanha, diretor de Marketing Biscoitos, que falaram aos parceiros comerciais a respeito das estratégias de lançamento dos produtos para o segundo semestre de 2011. Ao final, houve sorteio de brindes aos participantes. “É muito importante estarmos próximos dos atacadistas e distribuidores, ouvindo suas sugestões e trabalhando em sinergia com profissionais que estão muito próximos do consumidor final e que sabem, como ninguém, avaliar as demandas de mercado. O evento foi um grande sucesso”, analisou Nardinelli.

29


Revista Impulso campanhas & ideias

O melhor do Brasil e

Ele iniciou sua trajetória na TV com comerciais em 1982 e, em toda a sua carreira, já realizou mais de 400 campanhas publicitárias. Some-se a isso cinco peças teatrais, três discos, cinco programas de TV, dez novelas e duas minisséries, e você terá uma vida dedicada à arte e à televisão. Há quem diga que ele é o “Chacrinha dos novos tempos”, uma clara alusão a um dos maiores comunicadores que a televisão brasileira já apresentou. Muito além das “dancinhas” que apresenta no quadro “Vai dar namoro”, Rodrigo Faro se notabilizou, nos últimos anos, como um dos profissionais mais versáteis e interativos. Hoje, é apresentador de dois programas de grande audiência na TV Record:

30

arcor impulso

Divulgação

Arcor investe em ações de marketing direcionadas à linha de chocolates no programa apresentado aos sábados por Rodrigo Faro na TV Record


Surpreenda-se com o sabor dos chocolates Arcor.

E BARRAS

PALETIzAÇÃO

3 DISPLAY

DUN14

42850248 42850279 42850309 42853768 42854840 42855618 42855632 42857582 42858107 42858121 42858817 42858831 42855656 42856042 42857506 42858169 42854291 42854864 42858473 80319465 80322953 42855670 42856066 42856714 42858527 42858534 42855823

17898142850245 17898142850276 17898142850306 17898142853765 17898142854847 17898142855615 17898142855639 17898142857589 17898142858104 17898142858128 17898142858814 17898142858838 17898142855653 17898142856049 17898142857503 17898142858166 17898142854298 17898142854861 17898142858470 17790580319462 17790580322950 17898142855677 17898142856063 17898142856711 17898142858869 17898142858876 17898142855820 17898142853635 17898142854526 17898142854700 17898142854694 17898142858432 17790580614116 17790580618619 17790580618718 17898142852706 17898142857671 17898142857657

42854529 42854703 42854697 42858435 80614119 80618612 80618711 42852709 42857674 42857650

Validade Lastro Altura Total (meses) (unid.) (unid.) (unid.) 10 12 120 12 10 12 120 12 10 12 120 12 10 12 120 12 10 12 120 12 10 12 120 12 10 12 120 12 10 12 120 12 10 12 120 12 10 12 120 12 12 18 216 12 12 15 180 12 10 14 140 12 10 14 140 12 10 14 140 12 10 14 140 12 13 8 104 12 13 8 104 12 13 8 104 12 9 11 99 12 9 11 99 12 11 8 88 12 11 8 88 12 11 8 88 12 10 9 90 12 10 9 90 12 8 6 48 12 14 17 238 12 21 7 147 12 21 7 147 12 12 21 7 147 12 21 7 147 12 11 6 66 12 11 6 66 12 11 6 66 12 11 6 66 12 11 6 66 12 11 6 66

O Melhor do Brasil, exibido todos os sábados e no qual realiza coreografias para lá de animadas, e também das temporadas de Ídolos, reality show com a finalidade de descobrir novos talentos para o mercado fonográfico brasileiro. Com base na turbinada carreira do apresentador e em sua grande aceitação por parte dos públicos das mais variadas faixas etárias – crianças, jovens e adultos – a Arcor fechou plano de mídia que incluem ações especiais de merchandising e inserts durante o programa O Melhor do Brasil.

“Eu me surpreendi.” Rodrigo Faro, ator e apresentador.

www.arcor.com.br 8/4/11 6:07 PM

Com o conceito “Surpreenda-se com o sabor dos chocolates Arcor”, as ações, que terão abrangência nacional, fazem parte da plataforma de comunicação desenvolvida pela agência Leo Burnett Tailor Made, sendo a primeira grande campanha em TV para a marca de Chocolates Arcor. A aposta considera o interesse do brasileiro pelo produto, já que, segundo estudo feito pelo TGI Ibope com as classes A, B, C, D e E, 66% da população do País consomem chocolate durante sete

Ideais para a família Durante o programa, o apresentador enfatizará o sabor, qualidade e a pureza da formulação dos tabletes Arcor, nos sabores tradicionais: ao Leite, Branco, Amargo, Semiamargo, com Amendoim, Caju com Passas e Crocante, e as versões exclusivas – Brigadeiro, Branco com Gotas de Chocolate Amargo e ao Leite com confeitos Rocklets, explorando o conceito de que são ideais para consumir a qualquer hora e compartilhar entre amigos e família. Faro ainda distribuirá produtos interagindo com a plateia. Além dos tabletes Arcor, as ações contemplarão marcas já tradicionais no mercado como Tortuguita e Chokko Snack. O objetivo principal da campanha, que terá dois meses de duração, com início em 20 de agosto, levará o consumidor a ter novas experiências de consumo, associando a marca a uma vida mais gostosa e feliz. Para essa ação foram destinados mais de R$ 2 milhões, reforçando a campanha de TV com Rodrigo Faro no ponto de venda, até o final de 2011. De acordo com Gabriel Porciani, diretor de Marketing Chocolates e Guloseimas da Arcor, a iniciativa contribuirá para fortalecer ainda mais a marca, bem como conquistar novos apaixonados por chocolate. “É uma oportunidade de posicionar a marca como referência em qualidade, além de desafiar o consumidor a experimentar novos sabores e sensações”, diz Porciani.

Está na Wikipédia Nasceu em São Paulo, em 20 de outubro de 1973. É casado com a modelo Vera Viel, com quem tem duas filhas. Já recebeu cinco prêmios na categoria Melhor Apresentador de Televisão, entre eles o troféu imprensa e troféu APCA. Iniciou sua carreira aos 9 anos, ao participar de um comercial de leite. Quando criança, foi modelo e apresentador do programa infantil ZYB Bomna, na TV Bandeirantes. Na adolescência, integrou o conjunto musical Dominó. Em 1996, Faro fez sua primeira novela, Antônio Alves, o Taxista, no SBT. No ano seguinte, transferiu-se para a Rede Globo, onde atuou em A Indomada. Em 1998, viveu Bruno em Malhação. Depois, antagonizou ao lado de Drica Moraes, Maria Padilha, Vanessa Gerbeli e Leandra Leal, a novela O Cravo e a Rosa. Em 2001, fez parte do elenco da novela A padroeira, em que viveu o coprotagonista Faustino. Em 2003, participou da minissérie A casa das Sete Mulheres. No mesmo ano, participou da novela Chocolate com Pimenta, onde despontou como o romântico Guilherme. Em 2008, transferiu-se a Rede Record, onde passou a apresentar o programa O Melhor do Brasil, substituindo Márcio Garcia. Artista exclusivo da emissora, seu atual contrato vai até o ano de 2017(dizem!). O ator possui um blog no portal de internet da Record, R7, onde os fãs e telespectadores pedem “dancinhas” para ele executar em seu programa aos sábados. Acesse: www.r7.com

dias na semana. Outros 98% além de comerem chocolate, assistem à televisão.

66

% da população brasileira comem chocolate durante os sete dias da semana

98 % além de comerem

chocolate, assistem à televisão

Fonte: TGI Ibope

31


Revista Impulso nossa gente

Álbum de recordações Colaboradores compartilham histórias pessoais ocorridas em momentos-chave vivenciados pelo Grupo Arcor no Brasil. Você se lembra do que exatamente estava fazendo há 10, 20 ou 30 anos?

Fotos: D

ivulgaç

ão

a

A história da Arcor no País pode ser dividida em quatro momentos importantes. Em 1981, a empresa iniciou as atividades no Brasil. Na metade da década de 1990, ingressou no mercado de chocolates. Em 2001, realizou grandes aquisições no segmento de guloseimas. Três anos mais tarde, houve a união com a divisão de biscoitos da Danone. São fatos conhecidos pelos colaboradores da Arcor, principalmente por aqueles que têm mais tempo de casa. Então, nada melhor do que retribuir e conhecer a história daqueles que ajudaram a construir a trajetória de sucesso da empresa, recordações, momentos guardados para sempre na memória afetiva de cada um. Afinal, onde estavam e o que faziam esses profissionais à época desses momentos-chave da Arcor no Brasil? 1981 Eva do Carmo Barbosa, operadora da linha de Balas, na planta de Rio das Pedras (SP), já dedicou 25 anos de sua vida à Arcor. Em 1981, ela ainda não estava na empresa, porém lembra com saudosismo aquele ano. Foi quando nasceu Sandra, sua primeira e única filha (ela tem ainda dois meninos). “Eu sempre quis ter uma menina. Ela é muito especial. Dos meus filhos, é a mais ligada a mim. Vou sentir muita falta quando ela se casar”, declara, revelando que Sandra realizará seu matrimônio em maio de 2012.

32

arcor impulso

A colaboradora define-se como uma pessoa realizada por ter educado os filhos da melhor forma. Hoje, os três são formados. Parte dessa conquista, ela credita à Arcor. “Sempre foi um sonho trabalhar em uma grande empresa. A Arcor foi o meu primeiro emprego após o nascimento de meus filhos e, com ele, consegui ajudar na formação e criação de todos”, conta Eva. 1995 Aos 22 anos de idade, Antônio Donizete de Melo, o “Tonhão”, foi pai pela segunda vez. Na Arcor desde 2001, o líder de produção da linha Bombom Bola, na planta de Bragança Paulista, fica emocionado ao lembrar-se do nascimento da filha Caroline César de Melo, em 1995. “Ela teve broncoespasmo e ficou uma semana internada. Mas, graças a Deus, sobreviveu. Hoje, tem apenas alguns probleminhas respiratórios”, revela, admitindo que a experiência mudou sua vida. “Tive medo de perdê-la. Precisei aprender a cuidar de criança. Hoje, tenho três filhas”, compartilha.


O ano em que a Arcor ingressou no segmento de chocolates foi marcante também para a vendedora Ivone Vieira Neves, da Regional de Vendas Sul-Curitiba. Em outubro de 1995, aos 19 anos, ela saiu de casa por causa dos problemas de alcoolismo de seu pai. Dois meses depois, ela voltou, a pedido do próprio pai, que parou de beber, mas faleceu em 2008 por problemas de saúde. “Ele viveu um tempo a mais porque eu fui persistente com minha saída de casa”, destaca a vendedora, que está na Arcor desde 1997. “A empresa sempre me acompanhou em todos os momentos. O sonho do meu pai era ter uma TV e eu pude dar este presente a ele. Minha família e eu seremos eternamente gratas à Arcor”, comenta. 2001 No mesmo ano em que a Arcor adquiria várias marcas de guloseimas, nasceu Layana Martins da Silva, filha de Wellington Manoel da Silva, comprador da planta de Recife (PE). “Minha esposa e eu realizamos um sonho. Depois da chegada da Layana, sentimos que éramos um casal completo. Sinto que tenho um propósito para a vida. Minha filha é uma bênção enviada por Deus”, conta. Enquanto Wellington comemorava a chegada da primeira filha, o promotor de vendas do Rio de Janeiro, Cláudio Eduardo dos Santos, conhecia a mulher de sua vida. Foi em um passeio a Linhares (ES). “Fui a uma festa de amigos e conheci a Edinalva. Trocamos alguns olhares, me apresentei e passamos a conversar. Logo, começamos a namorar e ela veio morar no Rio comigo. Nos casamos e, hoje, temos uma linda filha, a Keillym Fernanda”, relata.

2004 Ser avó é um dos acontecimentos mais emocionantes na vida de uma mulher. Para Hosana Américo Pereira Lima, promotora de vendas em Limeira, o nascimento de Kettlyn Eduarda Lima Brandi representou o fortalecimento dos laços afetivos entre a família. “Minha neta tem proporcionado somente momentos de magia e felicidade. O avô dela, que sempre foi uma pessoa fechada, se tornou mais amável e feliz. Sua relação com a neta é inexplicável. É possível perceber o quanto existe amor entre ambos”, afirma. Mas nem só de histórias de nascimentos e encontros resume-se a reportagem. Em 2004, Olivia Mari Matsuzaka, advogada do escritório Continental Square em SP, foi aprovada no exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). “Iniciei o ano com uma rotina pesada de estudos. Saí da prova desnorteada e permaneci ansiosa até o dia do resultado. Para não pensar no assunto, resolvi cozinhar. De repente, minha irmã começou a berrar e lá estava, na tela do computador, o meu nome na lista de aprovados”, detalha. No mesmo ano, Mauro Pereira Santos, supervisor de produção, em Contagem (MG), ajudou a realizar o antigo sonho de seu pai: comprar uma casa maior para dar mais conforto à família. “Juntos, unimos recursos e vontade para construir esse sonho. O sonho de um homem que teve a família como sua grande riqueza”, relembra. E não é só no lado pessoal que a perseverança faz de Mauro um exemplo. Admitido em 1995, começou a carreira como auxiliar, passando pelos cargos de operador e líder de produção. Hoje, ocupa a posição de supervisor de produção e guarda com carinho momentos compartilhados com os colegas de trabalho.

33


Revista Impulso capital humano

Eles também fazem aniversário Colaboradores que, em 2011, estão completando 30 anos de casa relembram trajetória e dão boas-vindas a quem está chegando

a

São pessoas que criaram raízes e incorporaram o DNA da Arcor. E é esta forte identificação que os credencia a contar um pouco dessa história de três décadas.

Ele ingressou na empresa por conta da proximidade de sua casa e pelo fato de ter amigos que já trabalhavam no local, o que facilitou a integração. “Eu trabalhava na roça no Paraná e não tinha muita expectativa de crescimento. Conversando com a minha família, mais precisamente meu pai, resolvi mudar para a cidade grande. Na época, eu tinha 24 anos. Cheguei a Campinas, comecei a procurar um emprego e fui aprovado em três processos seletivos. Escolhi a Companhia Campineira de Alimentos e hoje aqui estou”, relata.

Messias Amorim, por exemplo, iniciou sua trajetória no grupo em fevereiro de 1981 como operador de máquina na linha de Balas na antiga Companhia Campineira de Alimentos, criadora da marca de biscoitos Triunfo, incorporada ao portfólio da Arcor em 2004, quando a divisão de biscoitos da companhia adquiriu a Danone. Atualmente, o colaborador de 54 anos exerce a função de forneiro da linha Wafer.

Quatro anos mais tarde, Messias casou-se. Hoje, tem um casal de filhos e considera a Arcor sua segunda casa. “Adoro o que faço. Tudo que tenho, devo à empresa. Por isso, procuro fazer a minha parte, trabalhar com responsabilidade”, comenta, sem se esquecer de mencionar a importância do ambiente de trabalho saudável. “É um lugar onde me sinto bem e o relacionamento com os colegas é ótimo”, diz.

Alguns colaboradores, há 30 anos, vivenciam e ajudam a construir, dia a dia, a trajetória de sucesso da Arcor no Brasil. Entre eles, há duas unanimidades: gostar do papel que desempenham dentro da organização e considerar a empresa uma espécie de segundo lar.

34

arcor impulso

Fotos: Divulgação


Sobre as mudanças pelas quais a empresa passou ao longo dos 30 anos de Brasil, ele destaca a evolução em termos de organização e controle dos processos de qualidade, que passam por questões de segurança do trabalho, higiene e saúde. Messias ressalta que as linhas de produção são completamente automatizadas, aponta que, a cada ano, a empresa se profissionaliza ainda mais e revela estar feliz com a maneira como os líderes tratam os colaboradores, com respeito e diálogo. Persistências Outro colaborador que se dedica à Arcor há três décadas, Valdemir Ireno Caduda, hoje com 50 anos de idade, foi contratado em julho de 1981, na função de ajudante de serviços gerais na antiga linha de Balas da Companhia Campineira de Alimentos. Atualmente, é preparador de massa da linha Cream Cracker. Para Caduda, a Arcor significa inspiração. “Entrei na empresa ainda solteiro, casei e constituí minha família. Tudo o que tenho conquistei graças à Arcor”, revela. “A empresa tem uma boa organização e administração. Uma prova disso é o reconhecimento de suas marcas, com produtos de qualidade”, acrescenta.

“Gosto muito de trabalhar aqui. Conquistei diversos amigos ao longo destes anos. Desejo que a Arcor continue crescendo cada vez mais, por meio da valorização e motivação dos colaboradores” Valdemir Ireno Caduda, preparador de massa da linha Cream Cracker

Casado há 24 anos e pai de duas meninas e um menino, optou por trabalhar na Arcor por enxergar perspectivas de crescimento. A vontade era tanta, que ele entregou o currículo três vezes e foi selecionado apenas na última tentativa. A persistência valeu a pena e o então jovem Caduda começou a trilhar seu caminho profissional. Trinta anos depois, ele se diz satisfeito com o que conquistou e por ter criado raízes no grupo. “Gosto muito de trabalhar aqui. O ambiente de trabalho é bom, assim como o relacionamento com meu chefe. Também gosto muito do que eu faço e conquistei diversos amigos ao longo destes anos. Vejo que a empresa tem crescido ano a ano, melhorado os equipamentos. Desejo que a Arcor continue crescendo cada vez mais, por meio da valorização e motivação dos colaboradores”, declara Caduda. Visão de futuro Também contratado como ajudante de serviços gerais na linha de Balas na antiga Companhia Campineira de Alimentos, Braz Roda, de 52 anos, a exemplo de Caduda, exerce a função de preparador de massa da linha Cream Cracker. Sua história na empresa começou a ser escrita em setembro de 1981. Hoje, ele tem um filho e é casado há 26 anos.

“Acredito que, independentemente da formação da pessoa, todos nós temos a responsabilidade e o dever de fazer o nosso trabalho bem-feito, pois só temos a ganhar” Braz Roda, preparador de massa da linha Cream Cracker

35


Revista Impulso capital humano

Do ponto de vista de Braz, a Arcor era e continua sendo uma empresa sólida e que garante estabilidade aos colaboradores. “Consegui muitas coisas e um dos meus sonhos se realizou: posso pagar a faculdade do meu filho, que estuda Direito”, revela, orgulhoso de poder acompanhar todas as mudanças que a empresa passou e de fazer parte da história.

“Em função da alta qualidade dos produtos, temos orgulho de levá-los para nossa vida pessoal e dividir com nossos amigos e familiares”

“Acredito que, independentemente da formação da pessoa, todos nós temos a responsabilidade e o dever de fazer o nosso trabalho bem-feito, pois só temos a ganhar”, opina.

Leonardo Almeida, Gerente de Trade Marketing

Com 30 anos de serviços prestados, Roda diz que, desde a união com a Danone em 2004, a Arcor tem investido bastante em tecnologia e qualidade dos produtos. Segundo o colaborador, a empresa preocupa-se em honrar seus compromissos, o que os deixa tranquilos para planejar suas vidas. Novos profissionais Além de nossos colaboradores, com uma longa trajetória dentro da empresa, a Arcor também abre caminhos para novos profissionais. Leonardo Almeida, 42 anos, contratado em março de 2011 para a função de gerente de Trade Marketing, também fala sobre a empresa e revela suas perspectivas dentro do grupo. Leonardo entende que a Arcor possui marcas com aval e franquia para se desenvolver por meio do trade. Ao mesmo tempo, conta com produtos que são desejados pelos consumidores. “Em função da alta qualidade dos produtos, temos orgulho de levá-los para nossa vida pessoal e dividir com nossos amigos e familiares”, revela. Para ele, a melhor palavra para resumir o significado de Arcor é “oportunidade”. Na empresa, o novo gerente coloca em prática experiências anteriores e, simultaneamente, aprende alguma coisa nova todos os dias. “Temos liberdade para criar, tomar decisões e somos responsáveis pelos resultados”, ressalta, comentando que em três meses de trabalho se sente parte de um time vencedor. Olhando para o futuro, Leonardo almeja dar continuidade a seu desenvolvimento profissional. Ele já trabalhou nas áreas de Marketing, Trade e Vendas.

36

arcor impulso

Hoje, tem como desafio reestruturar a área de Trade Marketing, fazendo dela o elo entre a estratégia das marcas e a execução no PDV. Para isso, entende que a empresa precisará de atividades criativas que garantam a disponibilidade, exposição e giro dos produtos. Questionado sobre como se vê daqui a três décadas, o gerente de Trade Marketing lembra que já estará com 72 anos e brinca: “Pretendo ser o presidente do orquidário da minha família”. Mas, pensando no futuro, ele projeta voltar um dia para a área comercial, assumindo cargo de alta responsabilidade. “Sem medo de desafios”, declara.

muita história para contar Veja quem são os colaboradores que já comemoraram mais de 30 anos na empresa: 30 anos Braz Roda, Messias Amorim e Valdemir Ireno Caduda Campinas 31 anos João Valdir Stoppa Rio das Pedras Jovino Martins Barcellos Campinas

33 anos Sonia Maria Soares Ascari Rio das Pedras Neusa Helena Martins Campinas 38 anos Ana Lúcia Nogueira Campinas


Revista Impulso vIAGENS & GASTRONOMIA

Mochila nas costas e talheres à mesa Conheça 30 lugares incríveis no Brasil e suas particularidades culinárias

Conhecer a fundo cada local e sua culinária típica não é tarefa fácil. E como a Arcor está presente de Norte a Sul do País, ampliando sua capilaridade ao longo dessas três décadas de atuação no Brasil, listamos 30 dicas de lugares imperdíveis a serem visitados com base no Guia Cultural, publicado em 2010, pela NTC & Logística, principal associação nacional vinculada ao transporte rodoviário de cargas e que conhece como ninguém as estradas brasileiras e os destinos ancorados nelas. Confira e comece a planejar o roteiro de viagens! REGIÃO SUL Pelotas/RS A primeira parada é na Capital Nacional do Doce, uma das alcunhas de Pelotas, no Rio Grande do Sul. Em junho, acontece a Fenadoce, que dura 20 dias e atrai mais de 300 mil pessoas. Fios de ovos, babas de moça, camafeu e pastéis de Santa Clara são algumas das guloseimas produzidas em grande escala na cidade. Porto Alegre/RS Para assistir ao por do sol às margens do rio Guaíba, nada melhor do que a companhia do bom e velho chimarrão gaúcho. E se der para ter um churrasco acompanhando, melhor ainda. Assim é Porto Alegre, com seus prédios históricos e centros culturais. Nova Petrópolis/RS Conhecida como Cidade das Azáleas, Nova Petrópolis é famosa por produzir malhas de qualidade e pelo tradicional café colonial, que inclui vários tipos de pães, sucos, chás, café, bolos e geleias. Entre os pratos típicos estão a cuca, um bolo alemão, e a geleia com pedaços de frutas, chamada schimier.

Imbituba/SC Uma das grandes atrações de Imbituba, no litoral de Santa Catarina, são as ondas perfeitas para prática de esportes como surfe, wind e kitesurfe. Mas, se optar por conhecer a cidade entre os meses de maio e julho, em vez de praticar esportes, você terá a oportunidade de degustar pratos à base de tainha. Durante esses três meses, o Ibama proíbe a prática de aventuras radicais para que a pesca artesanal não seja prejudicada. Itajaí/SC Construído em 1917, o Mercado Público de Itajaí reúne doces, compotas, bebidas e outros quitutes no mesmo local. Mas, antes de experimentar os doces, é recomendado provar as receitas à base de frutos do mar oferecidas em restaurante locais. O porto é outra ação fantástica. Merece a visita! Barra Velha/SC As dunas da lagoa de Barra Velha são o cartão postal da cidade de mesmo nome. Na gastronomia, o destaque são as diferentes formas de preparo de pirão. Além da receita tradicional com farinha de mandioca e caldo de peixe, os restaurantes locais utilizam também camarão, marisco e outros frutos do mar.

Shutterstock

P

Pontos turísticos interessantes e pratos deliciosos são duas coisas que o Brasil tem de sobra. O País é, literalmente, um prato cheio não apenas para estrangeiros, mas também para brasileiros apaixonados por peculiaridades regionais.

37


Revista Impulso vIAGENS & GASTRONOMIA

Foz do Iguaçu/PR Além de ser um dos locais que mais recebe turistas no Brasil, Foz do Iguaçu também pode oferecer um vasto banquete gastronômico. A cidade dispõe de restaurantes de comidas típicas de vários países. No entanto, a dica é cruzar a fronteira e apreciar um belo bife de chorizo em Puerto Iguazu, cidade vizinha na Argentina, a apenas 18 km das cataratas e que faz a tríplice fronteira com Foz e Cidade do Leste, no Paraguai. Guaíra/PR Localizada às margens do rio Paraná, Guaíra é conhecida principalmente por conta do Parque Nacional de Ilha Grande, composto por mais de 200 ilhas e centenas de espécies de animais. O local é muito utilizado para mergulhos, passeios de barco e pesca. Falando em peixe, não deixe de provar o pintado assado na telha de barro. Toledo/PR Há mais de 30 anos, sempre em setembro, Toledo promove a Festa Nacional do Porco Assado no Rolete. No evento, centenas de leitões recheados preparados pelos participantes são julgados por uma comissão de juízes degustadores.

PR Foz do Iguaçu -

REGIÃO SUDESTE Pirassununga/SP Embora tenha uma grande variedade de pratos feitos com peixe, Pirassununga, a 215 km de São Paulo, é uma das maiores produtoras de cachaça do País em função do cultivo da cana-de-açúcar. Vinhedo/SP É de lá que sai grande parte da produção nacional de vinho. Em fevereiro, época da colheita, acontece a Festa da Uva, que atrai turistas de todas as partes. Para acompanhar os vinhos, uma boa dica são os pães e bolos preparados pelos monges do Mosteiro de São Bento. Vitória/ES Os 100 quilômetros que perfazem o trajeto percorrido pelo padre jesuíta José de Anchieta se transformaram em roteiro turístico em Vitória, no Espírito Santo. Na cozinha local, os pratos principais são a tradicionalíssima moqueca capixaba preparada em panela de barro e os pratos à base de siri. Paraty/RJ Historicamente, a cachaça produzida em Paraty é considerada uma das melhores do Brasil. Mas o peixe na areia também merece menção honrosa. Temperado e embrulhado em folha de bananeira, ele é enterrado na areia da praia a 20 centímetros de profundidade. É feita uma fogueira sobre o local e o peixe é assado por aproximadamente uma hora.

Vitória - ES

38

arcor impulso

Penedo/RJ É uma cidade ideal para quem quer descansar, seja em família, seja em um passeio a dois. Culturalmente, pode-se dizer que é um pedacinho da Finlândia no Brasil. Sendo assim, o chocolate é um dos destaques da gastronomia local. Os restaurantes oferecem também peixes como bacalhau e truta, além de massas, filés, salsichões, entre outros pratos típicos do gelado país europeu.


Belo Horizonte/MG Uma das mais importantes cidades do País, não só por aspectos econômicos ou políticos, mas também gastronômicos. BH dispõe de um cardápio imenso de comidas típicas. Além do famoso pão de queijo, não há como não citar o feijão-tropeiro, a galinha caipira com quiabo e angu, o lombo com tutu de feijão, o frango ao molho pardo e os doces de leite, cidra e abóbora, quase sempre acompanhados de queijo branco. Paracatu/MG A 505 quilômetros da capital mineira, o município de Paracatu tem dois personagens típicos quando o assunto é gastronomia. O Bolo de Domingo, segundo a lenda, só pode ser feito de domingo, para não dar azar. Já a cachaça de rapadura, produzida artesanalmente, é a bebida típica da cidade. CENTRO-OESTE Goiânia/GO Paraíso verde e plano do Brasil é uma das denominações de Goiânia, cidade com uma das maiores áreas verdes do mundo. A culinária local foi fortemente influenciada pela cultura indígena e pelas cozinhas mineira e paulista. Arroz com suã (espinha de porco) e arroz com pequi (fruta típica da região) são marcas registradas, além das tradicionais casas de pamonha, presentes em vários pontos da cidade. Coxim/MS Para quem procura pintados, pacus e dourados preparados em iscas, assados, em moquecas ou à milanesa, Coxim é o lugar ideal. Os peixes são o carro-chefe da cozinha local em virtude da proximidade da cidade com o Pantanal. Normalmente, os pratos são acompanhados de arroz com pequi e arroz boiadeiro, feito com carnes de porco e charque.

G Paracatu - M

Cuiabá/MT Pantanal e Chapada dos Guimarães: dois dos pontos turísticos mais conhecidos do Brasil ficam em Cuiabá, cuja gastronomia, à base de peixes, oferece pratos como o pacu assado, piraputanga na brasa, moqueca cuiabana, caldo de piranha e dourado na folha de bananeira. NORDESTE Cachoeira/BA Uma das cidades baianas que mais conserva a identidade cultural com seus casarões antigos, a cozinha de Cachoeira tem na maniçoba seu principal prato. De origem indígena, a receita é preparada com folhas de mandioca trituradas e cozidas por cerca de uma semana. Maceió/AL A capital de Alagoas é uma das cidades preferidas dos turistas brasileiros. Sede de praias paradisíacas, Maceió destaca-se também pelo rico folclore e pelas tapiocas e água de coco. Ideal para viagens de lua de mel. Estando por lá, não deixe de dar um “pulinho” nas piscinas naturais de Maragogi, ao norte da capital alagoana. São Miguel dos Campos/AL Além das belas praias, o município de São Miguel dos Campos tem três belas lagoas que formam praias de água doce: Jequiá, Azeda e Jacarecica. Nos restaurantes da cidade, é possível encontrar pratos típicos como carneiro e macaxeira.

Cuiabá - MT

39


Revista Impulso vIAGENS & GASTRONOMIA

Recife/PE Famosa pelos animados e coloridos blocos que ganham as ruas no Carnaval, Recife tem no sarapatel o carro-chefe de sua culinária. Preparado com miúdos de porco, pedaços de toucinho e tripa, o prato foi trazido pelos portugueses. Normalmente, é servido com arroz branco e farinha de mandioca. Olinda é logo ali, lembre-se! São Cristóvão/SE Fundada em 1590, São Cristóvão é uma das cidades mais antigas do País. Além disso, é conhecida por conta de seus doces típicos, sobretudo as queijadas, o doce de coco e as compotas de frutas. Outra delícia local é o bricelete, biscoito vendido na Igreja Nossa Senhora da Visitação, no Centro.

Nova Petró polis - RS

Mossoró/RN Segundo município mais populoso do Rio Grande do Norte, atrás apenas de Natal, Mossoró é conhecido pelo carnaval de rua e pela festa de São João. Uma dica para quem visitar a cidade é tomar banho em uma das fontes hidrominerais naturais. Outra boa pedida é experimentar a famosa carne de sol. Parnamirim/RN A 20 quilômetros da capital Natal, o município de Parnamirim é famoso por possuir a maior árvore do Brasil: um cajueiro com mais de 200 anos e 7,5 mil m² de área. Além do caju, a cidade destaca-se no comércio de ciriguela, carambola, cajá e outras frutas típicas. Teresina/PI Única capital do Nordeste a não possuir praia, Teresina também tem seus encantos, especialmente quando o assunto é gastronomia. Baião de dois, carne de sol e galinha caipira são algumas das delícias da cozinha local, assim como a cajuína, bebida sem álcool preparada com caju. NORTE Belém/PA É conhecida por ter na religiosidade uma característica marcante. Dessa forma, uma boa dica é conhecer as catedrais e igrejas da cidade. Falando de gastronomia, não tem como não destacar o Mercado Ver o Peso, que funciona 24 horas por dia e conta com mais de 2 mil barracas que vendem peixes de água doce, frutas regionais e comidas típicas. Pato com tucupi é a dica local!

ão - SE São Cristóv

Manaus/AM Os pratos à base de peixe são os mais consumidos em Manaus graças à imensa variedade proporcionada pelo rio Amazonas. Pirarucu, tambaqui, pacu, matrinchã, murimatá e jaraqui são alguns dos mais populares na região. Tapioca e frutas locais também fazem parte da linha de frente da gastronomia manauara. Porto Velho/RO A cozinha da capital de Rondônia tem o peixe como ator principal. O interessante é que a culinária local traz influências do Norte e Nordeste do Brasil, dos índios locais e da Bolívia. O resultado da mistura é a grande variedade de pratos prepa- Be lém - PA rados com espécies típicas, como tambaqui, tucunaré, dourado e surubim.

40

arcor impulso


Revista Impulso cultura

De Zé Colmeia a Willy Wonka Nas últimas décadas, diversos filmes, canções e desenhos animados tiveram como inspiração o mundo das guloseimas, biscoitos e chocolates

a

As delícias que deixam crianças e adultos com água na boca servem não apenas para estimular o mercado de guloseimas, biscoitos e chocolates, como também ajudam a alegrar a vida de gerações inteiras. O doce é sinônimo de descontração, alegria e entusiasmo. A explicação é até mesmo fisiológica, segundo especialistas. E como a arte também imita a vida, nada melhor do que apostar na criação de personagens, histórias e enredos com essa temática, os quais acabaram se tornando verdadeiros sucessos de audiência e bilheteria.

O filme A Fantástica Fábrica de Chocolates e o desenho animado Zé Colmeia são exemplos clássicos que conquistaram a atenção do público e inspiraram fãs do mundo todo a provar diferentes paladares, experiências que ficarão para sempre na memória afetiva dos consumidores. Que tal uma cronologia por esse universo?

41


Revista Impulso cultura

Hakuna matata

1961

A canção do filme O Rei Leão também cita gulo-

Zé Colmeia O

desenho

conta

seimas, a letra cantada animado

aventuras

de

pelos personagens Timão

1987

e Pumba fala sobre como

Zé Colmeia e Catatau,

viver e aprender de forma

que vivem no parque

alegre e de coisas que

Jellystone e estão sem-

eles gostam de comer.

1992

pre atrás de comidas e guloseimas. Na versão da animação para o

Hot chocolate

cinema, o parque não

Na película, BJ Cassidy,

dá lucros e o prefeito

uma

Brown (Andrew Daly)

tem de investir vários

pretende fechá-lo. Ao

bilhões de dólares por

saber disso, Zé Col-

motivos fiscais. Ela se

meia (Dan Akroyd) e

compromete a comprar

O vendedor de biscoitos

empresária

1994

rica,

1997

Catatau (Justin Tim-

João e Maria

de volta uma pequena

A canção interpretada por

berlake)

for-

A história clássica dos ir-

fábrica francesa, espe-

Fagner é uma composi-

guarda

mãos Grimm foi filmada

cializada em trufas de

ção de Gordurinha & Ne-

Smith (Tom Cavana-

em diversas versões. No

chocolate. O filme é uma

É de chocolate

linho. A letra fala sobre Zé

gh) e Rachel (Anna

enredo, um pobre lenha-

comédia

mostra,

A canção interpretada

Paraíba que veio para a

Faris),

cineas-

dor vive com sua mulher

entre outras coisas, o

por Xuxa Meneguel fez

cidade grande trabalhar.

ta que está rodando

e seus dois filhos próxi-

prazer que o cacau pode

sucesso entre crianças

O narrador descreve sua

um documentário no

mos a uma floresta, onde

proporcionar.

de

épocas.

simplicidade, honestidade

parque, na tentativa de

costumam

desaparecer

A composição, de Mi-

e explica por que ele ven-

encontrar uma saída

crianças. Eles são muito

chael Sullivan e Paulo

de biscoito no trem.

para salvar Jellystone.

pobres e não têm o sufi-

Massadas, fala sobre

ciente nem para comer.

um mundo encantado

Certo dia, João e Maria

e colorido que exis-

perdem-se na floresta e

te atrás do arco-íris.

encontram uma casa feita

Neste lugar descrito, o

de doces e biscoitos. Eles

amor é de chocolate, a

são atraídos pela bruxa,

casinha é de biscoito e

que os deixa comerem

os sonhos podem ser

bem à vontade. A bruxa

realidade.

ças

unem

com

o

uma

queria engordá-los para depois

“comê-los”.

Ao

descobrirem o plano da malvada, os irmãos tentam escapar e libertar todas as outras crianças que estavam presas. Os dois criam um plano de pegar o tesouro da bruxa e salvá-los da miséria.

42

arcor impulso

que

diversas


A fantástica fábrica de chocolates O aclamado diretor Tim Burton traz seu estilo cheio de imaginação ao clássico do cinema de Roald Dahl. A história é so-

2000 2001

Chocolate

Chocolate com pimenta

bre um excêntrico proprietário

A telenovela da Rede Glo-

de uma fábrica de chocolate

bo trouxe engraçadas ce-

Willy Wonka (Johnny Depp) e

nas regadas com muito

Charlie (Freddie Highmore),

chocolate e quitutes. Exi-

um menino pobre de bom co-

Hard Candy e Candy Shop

bida às 18 horas e escrita

ração. Wonka fica muito tem-

O álbum da Madonna teve

por Walcyr Carrasco, os

po afastado da família e preci-

em sua capa um símbolo de

capítulos trouxeram Murilo

sa escolher um herdeiro para

guloseima. Madonna apa-

Benício e Mariana Xime-

seu império de doces. Cinco

rece com a imagem de um

nes como protagonistas.

crianças sortudas, entre elas

pirulito rosa, branco e ver-

Samara Felippo, Rodrigo

Charlie, encontram os convites

melho ao fundo. A cantora

Faro, Marcelo Novaes e

dourados em barras de choco-

toca seu rosto com a mão

Drica Moraes como copro-

late Wonka e ganham uma vi-

esquerda, enquanto passa

tagonistas. Já Priscila Fan-

sita guiada pela legendária fá-

uma faixa negra, próximo ao

tin, Elizabeth Savalla, Erna-

brica, que ninguém visitava há

rosto. O disco segue o perfil

ni Moraes, Fúlvio Stefanini,

15 anos. Deparando-se com

pop da cantora.

Cláudio Corrêa, Lília Cabral

diversas maravilhas, Charlie

e Nívea Stelmann eram os

fica fascinado com o mundo

A canção de Madonna des-

antagonistas da comédia.

fantástico de Wonka e torna-se

creve sabores em uma loja

o herdeiro do trono.

de guloseimas. A música fez

O filme passado em um

grande sucesso na internet.

vilarejo francês é do diretor

O ritmo também foi um dos

sueco Lasse Hallström e

mais ouvidos, em diversas

2003

faz homenagem ao cho-

Shrek

colate. A obra é baseada

O filme se passa em um pântano

no mundo. A música escrita

no romance homônimo de

distante, onde vive Shrek (Mike

por Pharrell Williams tem um

Joanne Harris e possui um

Myers), um ogro solitário que vê

ritmo black e dançante.

tom fabuloso. No elenco

sua vida ser invadida por persona-

estão: Juliette Binoche, Judi

gens de contos de fada, como três

Dench, Johnny Depp, Lena

ratos cegos, um grande e malvado

Olin entre outros. A produ-

lobo e ainda três porcos que não

ção, que mistura romance

têm um lugar para morar. Todos

e comédia, foi indicada

eles foram expulsos de seus la-

ao Oscar, nas categorias

res pelo malvado Lorde Farquaad

de Melhor Filme e Melhor

(John Lithgow), que tortura um

Atriz, e a quatro Globos de

biscoito conhecido por Ginger-

Ouro. Juliette Binoche inter-

bread Man. Shrek resolve encon-

preta Vianne Rocher, uma

trar Farquaad e com ele faz um

forasteira com uma filha

acordo: todos os personagens po-

de seis anos que se muda

derão retornar a seus lares se ele

para o interior da França e

e seu amigo Burro (Eddie

abre uma loja de chocola-

Murphy) resgatarem uma

tes, alguns dos doces são

bela princesa (Cameron

misturados com pimenta.

Diaz), que é prisioneira de

É quando Vianne se envolve

um dragão. Shrek e o Burro

com Roux (Johnny Depp) e

conseguem resgatar a princesa e

vive um romance secreto.

descobrem que seus problemas

estações de rádio no Brasil e

2005

2008

estão apenas começando.

43


Revista Impulso Atitude Cidadã

Instituto Arcor amplia suas

atividades e alianças Instituto está presente em várias regiões do País e celebra a ampliação das parcerias. Somente em 2010, 428 mil jovens foram beneficiados

c

Com a missão de promover a igualdade de oportunidades educativas nas comunidades em que a Arcor atua no País, a cada ano o Instituto Arcor tem ampliado seus horizontes de atuação. Para Mario Pagani, presidente da entidade, a educação deve visar ao desenvolvimento integral e ser um dos principais e mais seguros caminhos para a igualdade. Em 2004, quando as atividades foram iniciadas, 24 projetos receberam apoio do Instituto. Em 2010, além da ampliação do número de projetos apoiados, houve a consolidação de parcerias com outros institutos e fun-

44

arcor impulso

dações. “No último ano, apoiamos 37 iniciativas, envolvendo 428 mil jovens”, comemora a diretora-executiva Célia Ribeiro de Aguiar. Só em 2010, o Instituto Arcor Brasil investiu algo em torno de R$ 1,1 milhão nas ações que envolveram 1.460 organizações – na maioria, escolas públicas de 16 estados. No período, mais de 500 crianças e adolescentes puderam passar por exames visuais e auditivos em Contagem (MG). Em Ipojuca (PE), dezenas de estudantes montaram uma horta orgânica e puderam melhorar seus hábitos alimentares. Já em Campinas (SP), João Pessoa (PB),


Santa Rita e Lucena (PB) milhares de jovens participaram de oficinas culturais, de letramento e ações para inclusão digital. A entidade tem como propósito estar coerente com a política de responsabilidade social e sustentabilidade praticada pelo Grupo Arcor desde a sua fundação, em 1951, na Argentina. “Sempre buscamos ampliar e qualificar nossas ações no campo social, com destaque para a educação, que é considerada a ferramenta para o desenvolvimento em condições igualitárias e que permite a liberdade e a felicidade para todos os cidadãos”, destaca Pagani.

Minha Escola Cresce Em sua oitava edição, o programa Minha Escola Cresce está apoiando 22 projetos, englobando as áreas de meio ambiente, comunicação, cultura e incentivo à leitura. “Os projetos foram definidos após oficinas com representantes de dezenas de escolas que se candidataram nos três estados e depois da avaliação de uma comissão de especialistas”, explica Célia. O programa apoia projetos em São Paulo, Minas Gerais e Pernambuco. A coordenadora de programas Neusa Reis ressalta que o Minha Escola Cresce é a principal iniciativa própria da organização. “É a ação que mais proporcionou, até o momento, visibilidade ao Instituto junto às comunidades em que a Arcor atua no Brasil”, afirma, apontando que considera o Programa peça fundamental para a estruturação e consolidação do Instituto Arcor Brasil. Divulgação

Divulgação

Em 2011, novas ações foram iniciadas. O Instituto contratou uma consultoria externa visando qualificar suas atividades e aprimorar o seu planejamento estratégico. Em seus sete anos de vida, o Instituto Arcor Brasil já apoiou a 226 projetos e investiu diretamente R$ 7 milhões.

“Sempre buscamos ampliar e qualificar nossas ações no campo social, com destaque para a educação, que é considerada a ferramenta para o desenvolvimento em condições igualitárias e que permite a liberdade e a felicidade para todos os cidadãos” Mario Pagani, Arcor

Projeto Vida, Luz e Som Tendo beneficiado crianças de Minas Gerais em 2010, o Projeto Vida, Luz e Som chegou ao Nordeste brasileiro neste ano. No primeiro semestre, 300 alunos das escolas municipais rurais Maria Tereza e Nossa Senhora de Lourdes, em Ipojuca, foram contemplados com exames visuais e auditivos gratuitos. Na segunda metade do ano, será a vez de 200 alunos dos colégios Nossa Senhora das Mercês e Santo Elias, no mesmo município, serem beneficiados. Segundo Célia Aguiar, para implementar o projeto na cidade pernambucana, o Instituto Arcor firmou parceria com as Secretarias Municipais de Educação e Saúde. “Em março, foram realizadas reuniões com os professores e pais de alunos para apresentação dos propósitos do Vida, Luz e Som”, informa. Fundo Juntos pela Educação As ações no Nordeste não se limitam ao município de Ipojuca. Como parte do segundo ciclo do Programa pela Educação Integral, entre 2011 e 2013, sete projetos nas regiões metropolitanas de Recife (PE) e Fortaleza (CE) receberão apoio do Fundo Juntos pela Educação, fruto da parceria entre Instituto Arcor Brasil, Instituto C&A e Vitae. No total, mais de 3 mil crianças e adolescentes que vivem em territórios de alta vulnerabilidade social serão beneficiadas. O Programa recebeu 44 inscrições para o segundo ciclo. Segundo a diretora-executiva do Instituto Arcor Brasil, os sete escolhidos foram avaliados rigorosamente por um grupo gestor, que realizou visitas técnicas locais. Os projetos contam com um coordenador cada e receberão até R$ 60 mil no primeiro ano. Um dos propósitos é oferecer qualificação para profissionais e prover a melhoria da infraestrutura de organizações que atuam com educação integral, além de contribuir com a formulação e execução de políticas públicas no setor. O primeiro ciclo do Programa, entre 2005 a 2010, apoiou projetos em Campinas e na região metropolitana de João Pessoa. Célia comenta que os resultados alcança-

45


Revista Impulso Atitude Cidadã

dos ao longo dessa etapa mostraram que a escola pública fortalecida e revitalizada compartilha com a comunidade o propósito de promover a educação integral e em tempo integral de seus meninos e meninas. RedEAmérica O Fundo Iniciativa Comum, constituído por institutos e fundações filiadas à RedEAmérica, no Brasil, está apoiando projetos de redes de coletivos jovens dos estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo. Os projetos apoiados em 2011 foram escolhidos em funçãoda contribuição que podem prestar a suas comunidades. Entre outros critérios, as redes também foram identificadas em virtude da articulação com outros atores locais, visando à colaboração nas áreas de saúde, educação e moradia. No dia 30 de junho, foi lançada a edição brasileira do Por América – programa Fortalecimento de Organizações de Base – ODB para Combater a Pobreza. A iniciativa é promovida e cofinanciada pela RedEAmérica, em aliança com o Banco Interamericano de Desenvolvimento – BID e a Corporação Consórcio para o Desenvolvimento Comunitário. Mais uma ação como a participação do Instituto Arcor. Outros programas Em 2010, o Mãos à Obra, programa realizado em parceria com a área de Capital Humano da Arcor do Brasil, tratou de estimular o voluntariado na empresa. Após um concurso nacional, foram identificadas as instituições com projetos que receberiam apoio do grupo para desenvolvimento, como a Casa da Benção e a Associação Washi-Kan do Shorin Ryu, em Bragança Paulista e Rio das Pedras, respectivamente.

Fotos: Divulgação

No Programa Na Mão Certa, o grande acontecimento foi o primeiro encontro regional, realizado em Campinas, no final de 2010, com objetivo de aumentar o número de signatários do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras. “Para o futuro, ficou definido que o Programa será ampliado para a América do Sul, começando pela Argentina, onde o Grupo Arcor tem sua sede global”, relata José Ramon Dib, diretor de Operações da Arcor do Brasil, que esteve presente ao evento.

46

arcor impulso

O Amigos do Mar, em sua sétima edição, promoveu o Prêmio Educação Ambiental, que movimentou 405 mil alunos, mais de 1,3 mil escolas e 16 estados. Com isso, subiu para 2,4 milhões o número de jovens que participaram da premiação, que passou a discutir também a questão do aquecimento global.


Shutterstock

Revista Impulso Vida Saudável

30 atitudes por uma vida saudável Equilíbrio entre corpo, mente e alma é fundamental para alcançar o bem-estar. Pequenas mudanças de postura no dia a dia podem fazer a grande diferença

t

Ter uma atitude positiva diante das escolhas da vida faz toda a diferença, para atingir objetivos e sentir-se feliz. Durante os 30 anos que a Arcor está no Brasil, suas diretrizes, missão e valores estiveram sempre atrelados à qualidade dos alimentos, ao cuidado com a preservação do meio ambiente, por meio das iniciativas do Instituto Arcor e das políticas da área de capital humano e, principalmente, à saúde das pessoas que, direta ou indiretamente, fazem parte dessa história de conquistas vitoriosas. Para lembrar a importância desses preceitos, elaboramos uma lista com 30 atitudes, sugeridas por especialistas de diversas áreas. Arnaldo Lichtenstein, professor colaborador da Faculdade de Medicina da USP e clínico geral, Sonia Trecco, nutricionista-chefe da Divisão de Nutrição e Dietética do Instituto Central do Hospital das Clínicas da FMUSP, Henrique Bianchini, educador físico, e Vidigal Afonso Gasparini, fisioterapeuta.

47


Revista Impulso Vida Saudável

1. Comer devagar, mastigando bem os ali- 8. Evitar o excesso de açúcar e doces, mentos e evitando tomar líquidos junto às refeições. Alimentar-se em lugares tranquilos, facilita a digestão, evita desconfortos como empachamento, refluxo e azia.

para controle da obesidade e do aumento da glicemia (açúcar no sangue – diabetes).

2. Fazer uma refeição (almoço e jantar) bem colorida. Cada alimento fornece um tipo de nutriente (proteínas, vitaminas, sais minerais, entre outros). Isso garante a oferta de vários nutrientes diferentes e essenciais ao organismo.

pequenas quantidades, exemplo: café da manhã, lanche da manhã (uma fruta), almoço, lanche da tarde (um iogurte) e jantar. Esse fracionamento permite comer de três em três horas, ajudando na prevenção da obesidade, da hipoglicemia (baixa taxa de açúcar no sangue) e gastrite. Realizar as refeições em horários regulares.

4. Consumir frutas (três unidades, ao dia), verduras cruas (salada de folhas, no almoço e jantar), legumes e cereais integrais (como arroz e pão). Esses alimentos são ricos em fibras, vitaminas, sais minerais e ajudam no bom funcionamento do intestino. Eles também conferem maior saciedade e, no caso de pessoas diabéticas, auxiliam na diminuição da absorção da glicose.

Shutterstock

3. Fazer quatro ou cinco refeições por dia, em

9

“Substituir refrigerantes por sucos de frutas naturais. As frutas são ricas em vitaminas e sais minerais enquanto o refrigerante é muito calórico, pois contém muito açúcar” Sonia Trecco

5. Tomar dez copos de água por dia, para 10. Não fume. Um tabagista crônico perde hidratar e auxiliar no bom funcionamento do intestino.

até dez anos de vida. Há vários jeitos de parar de fumar, com e sem remédios.

6. Evitar excesso de sal e alimentos indus- 11. Faça atividade física diária. Se você trializados: enlatados, em conservas, embutidos, frios, temperos e sopas prontas. Auxilia na diminuição de edemas (inchaço) nas pernas e da pressão arterial.

7. Evitar alimentos gordurosos: frituras, carnes gordurosas, pele de frango, sorvete, chantilly, para controle do colesterol e da obesidade.

48

arcor impulso

gosta de caminhar na rua ou em esteira, faça a uma velocidade razoável (6 km/h), por 40 minutos. Isto dará 20 km de segunda à sexta-feira. Pode ser preferencialmente no começo da manhã. Isso vai provocar liberação de endorfina (a substância do prazer), melhorará seu humor, vai condicionar seu coração e pulmão.

12. Durma bem. O número de horas varia para cada pessoa. Veja quantas horas você dorme quando não tem hora para acordar. Para dormir garanta silêncio, escuridão e temperatura agradável.

13. Mantenha seu peso e principalmente sua circunferência abdominal adequada (homens < 95 cm e mulheres < 90 cm). 14. Tenha prazeres. Pelo menos uma hora por dia só para você, para ler, ver um filme, ouvir música, ter um hobby. Vai ser sua terapia diária.


dos 40 anos, vá a um médico uma vez por ano. Faça apenas os exames indicados para sua idade.

16. Vacine-se. Muita gente não sabe, mas adultos também devem ser vacinados. Para hepatite, tétano, tríplice viral, gripe, pneumonia, HPV. Se for viajar, tome as vacinas específicas, como febre amarela.

ções. Discuta com seu médico, o que realmente é necessário. Evite remédios que são perfumaria, como ervas, vitaminas etc.

Shutterstock

17. Tome adequadamente suas medica-

18 19. Tenha desafios intelectuais. Trabalhe,

23

“Diminua sua ansiedade. Se as dicas anteriores ainda não surtiram efeito, veja o que te estressa e tente resolver. Evite trânsito, não dê bola para aquele cara chato do trabalho, enfim, gaste sua energia e dedicação com o que realmente mereça”, aconselha o clínico geral” Arnaldo Lichtenstein

estude, mantenha sua cabeça funcionando. A atitude mais efetiva para prevenir o mal de Alzheimer é esta. Lembre-se: o velho olha para trás, o idoso para frente.

Exercícios físicos 21. É importante que a atividade física escolhida seja capaz de trazer a realização ao praticante. Se o objetivo for manter a prática em longo prazo, os benefícios físicos devem ser considerados secundários.

20. M antenha a postura. Sente-se

22.Sempre que possível, melhore seu dia

adequadamente, carregue apenas o peso possível. Evite movimentos repetitivos sem intervalos de descanso e alongamento de músculos e articulações.

com música. A qualquer momento, durante qualquer atividade, desde que não atrapalhe sua concentração quando esta for requisitada e não interfira em suas relações pessoais. Shutterstock

15. Faça uma revisão da saúde. Depois

“Invista seu tempo na aquisição e manutenção de amizades. Não somente em redes sociais na internet, mas sim na vida real” Henrique Bianchini

49


Revista Impulso Vida Saudável

24.Alongamentos

proporcionam ao corpo uma maior flexibilidade e mobilidade articular, relaxando a musculatura para uma melhor função. É mais indicado realizar o alongamento após a atividade física, pois o corpo está mais aquecido e sua resposta será mais eficaz.

25.Força. É necessária para a susten-

Shutterstock

tação de nosso esqueleto e na manutenção de uma boa postura, auxilia no bombeamento do coração, facilita o retorno de sangue venoso e linfático, trabalha o condicionamento cardiopulmonar, aumentando as trocas de oxigênio e expansão pulmonar. Previne também disfunções articular e óssea.

26.Ergonomia. Em qualquer profissão o trabalho exige de oito ou mais horas de seu dia. Para quem trabalha muito em pé é necessário o uso de meias compressivas para ajudar na “Ginástica laboral: é importante fazer circulação. A postura em pé deve intervalos na jornada de trabalho como descarregar o peso do corpo nos exercícios de alongamento, respiração dois pés, as pernas, uma ao lado e relaxamento em qualquer atividade exercida”, enfatiza o fisioterapeuta da outra, com a distância da largura do quadril. Para não ficar muito Vidigal Afonso Gasparini. tempo na mesma posição, poderá apoiar um dos membros em cima de um banco baixo. Na posição 28. D irigir: para quem dirige muito, é im- 29. U tilização de calçados adequados: sentada, os quadris devem estar portante ter uma postura bem conuse sapatos confortáveis. Evite o bem encostados no encosto, a cofortável, com o banco a uma distânuso contínuo de sapatos de salto luna lombar próxima ao quadril cia em que o joelho fique alinhado alto, o que altera a forma normal também, com a planta dos pés incom o quadril. O quadril, a região do pé e tiram as curvas naturais da teiros apoiados no chão e os joelhos lombar e a torácica devem estar encoluna de alinhamento. alinhados na altura do quadril. Para costados no banco, a distância enquem usa computadores, os braços tre o tronco e o volante deve permitir 30. M antenha o peso baixo. O peso devem estar apoiados na mesa ou que o cotovelo fique semiflexionado, adicional exerce uma tração para nos braços da cadeira sem deixar os para não tencionar os ombros e frente constante nos músculos das ombros tensos; para usar o mouse, pescoço. Fazer paradas de hora em costas e estica e enfraquece os utilize um apoio de punho para evihora para mobilizar o corpo, ativar a músculos abdominais. tar as tendinites, o monitor localizacirculação e despertar, para evitar o do na altura dos olhos. sono e possíveis acidentes.

27

50

arcor impulso


Revista Impulso express

Os desafios que a indústria Para a economista Amaryllis Romano, momento é oportuno para o desenvolvimento sustentado do setor alimentício. Mas é preciso controlar o preço dos insumos e importar menos, com vistas a taxas mais expressivas de crescimento

a

A projeção dos analistas do mercado financeiro para o crescimento da economia brasileira neste ano, segundo dados recentes de julho de 2011, gira em torno de 3,94%, de acordo com dados divulgados no boletim Focus, do Banco Central. Números animadores, sobretudo, quando analisada a conjuntura econômica internacional, com países europeus enfrentando forte recessão e desvalorização de suas moedas, revelando-se incapazes de saldar suas dívidas com o FMI. Para a economista Amaryllis Romano, referência em análise de mercado setorial, a indústria alimentícia brasileira tem grande oportunidade de beneficiar-se com esse cenário internacional. Graduada pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP), com MBA em finanças pelo Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (Ibmec-SP) e em Administração Rural pela Fundação Getulio Vargas (FGV), a profissional aponta tendências que ditarão o ritmo da economia nos próximos anos, assim como os entraves que precisarão ser superados se o Brasil quiser definitivamente posicionar-se como líder global também no setor de produção de alimentos. Qual é sua análise do momento atual do setor alimentício brasileiro?

Divulgação

precisa enfrentar Amaryllis Romano – O momento é bom para a indústria nacional de alimentos em função dos ganhos de renda da população. Só não é melhor por conta da acentuada elevação nos preços dos insumos a serem processados e pelo fato de o mercado internacional estar relativamente desaquecido. Nosso câmbio valorizado também favorece importações, mas, neste setor, temos elevada competitividade em função dos maciços investimentos no agronegócio e na pecuária.

Amaryllis Romano – Provavelmente sim, mas aposto mais no crescimento da demanda desses produtos com “maior valor agregado”. A demanda por guloseimas já é alta no País, mas os ganhos maiores, atualmente, parecem estar se refletindo em produtos com alguns diferenciais. Esse processo de sofisticação do mercado certamente implica a necessidade de mais qualificação da produção, especialmente em termos de mão de obra, que tem sido o principal desafio em todos os setores da economia. Monitorar a evolução dos cusA indústria brasileira de alimentos está tos de produção também é fundamental, preparada para atender à demanda de pois maior renda não implica comportaprodutos impactada pelo crescimento mento frouxo em relação a elevações de da classe C? preços. O consumidor sabe o que quer e Amaryllis Romano – Acreditamos que a quanto deve pagar por aquilo. indústria esteja preparada para este novo cenário. Ela tem investido nos últimos Quais comportamentos de compra anos para adequar-se a esta “nova de- podem ser citados e quais nichos de manda”. Inclusive a evolução da produção consumo apresentam potencial para física do setor alimentício tem apresen- ser alavancados? tado taxas de crescimento expressivas Amaryllis Romano – O mercado conti(em média de 2,5% ao ano, entre 2006 e nua a mostrar sinais de amadurecimento 2010), comparáveis às taxas de evolução no sentido de elevação do consumo de da renda do brasileiro. Com maior renda, alimentos semiprontos que facilitam a a população deixa de consumir alguns vida principalmente das mulheres que produtos e passa a consumir outros no- avançam no mercado de trabalho e ficam vos e isso abre nichos de negócios. muitas horas fora do lar. Outros nichos são os de alimentos funcionais ligados Em sua opinião, a demanda por gu- a dietas específicas, como os light, enerloseimas deve crescer nos próximos géticos, com menor teor de sódio, outros anos? Quais são os fatores que po- específicos para quem tem alergias (por dem impactar essa demanda? exemplo, a glúten e leite) etc.

51


Compartilhando Momentos Mรกgicos

www.arcor.com.br 52

arcor impulso


Impulso Arcor 70