__MAIN_TEXT__

Page 32

ALIMENTAÇÃO ANIMAL INVESTIGAÇÃO

MICROBIOTA E SAÚDE INTESTINAL: COMPREENSÃO ATUAL E POSSIVEIS MODULAÇÕES Autor: Paul Cardozo, Ph.D. Departamento técnico, Andrés Pintaluba S.A. Traduzido e adaptado por Ana Maria Gaspar; Vetalmex, Aditivos Químicos Lda

Paul Cardozo

Em produção intensiva de suínos, o equilíbrio do ecossistema intestinal tem muitas implicações para os animais, não apenas para a sua saúde e bem-estar, mas também para a eficiência produtiva cuja importância cresceu nas últimas duas décadas. Não há dúvida, de que a compreensão e o maneio adequados do ecossistema intestinal é essencial para otimizar a digestibilidade da dieta, minimizar a excreção de nutrientes e manter o intestino íntegro e saudável. A microbiota intestinal desempenha um papel crucial na defesa do intestino; muitos investigadores consideram-no como um órgão de defesa mais, já que as bactérias benéficas atuam como uma barreira, limitando o crescimento de patógenos e favorecendo o sistema imunológico. Atualmente, o desenvolvimento da microbiota intestinal tem especial interesse nos animais jovens, pois contribui para o bem-estar do animal, minimizando os problemas nutricionais e aumentando a resistência a enfermidades.

Microbiota intestinal: um mundo por descobrir O trato gastrointestinal dos animais alberga uma complexa comunidade de microrganismos. Esses microrganismos procuram o lugar mais adequado, onde competem e interagem entre si, constituindo

Artigo

Lactação D0

D7

D14

finalmente uma população relativamente estável e diversificada representando a microbiota intestinal. O leitão ao nascer, não tem bactérias no seu intestino, pelo que, a composição da sua microbiota será muito influenciada pelo seu ambiente (mãe, fezes, instalações, etc.). Swords et al. (1993) indicaram que durante os primeiros 7 dias de vida do leitão, 80% da microbiota do cólon é colonizada por microrganismos aeróbios ou anaeróbios facultativos; posteriormente, a quantidade destas bactérias diminuiu gradualmente e é substituída por bactérias anaeróbias estritas (Clostridium spp, Eubacterium spp, Fusobacterium spp, Propionibacterium spp, Streptococci e Bacteroides spp.). Num estudo interno ( Fig.2), desenvolvido em 2019 com suínos recém-desmamados, foram encontrados um total de 20 filos, sendo os mais abundantes o filo Bacteroidetes e Firmicutes, coincidindo com estudos anteriores em microbiota intestinal de mamíferos (Lamendella et al. 2011). Devemos ter em conta que a microflora intestinal é numericamente densa e metabolicamente ativa (Macfarlane e Macfarlane, 1995); isso significa que, é distribuída de acordo com o meio apresentado por cada segmento intestinal do animal. Ao nível do estômago e duodeno, onde o ritmo de passagem é muito alto e o pH é baixo, o meio é tão hostil para a maioria das bactérias que não costumam alojar-se nesta secção, pelo que, a concentra-

Transição

D21

D28

D35

D42

Engorda D49

D56

D180

Anaerobiose Nascimento Fase 1 (0 – 7 dias)

Lactobacillus spp. Escherichia coli

Desmame Fase 2 (7 – 21 dias)

Clostridium spp. Lactobacillus spp. Eubacterium spp. Propionibacterium spp Streptococcus spp.

Dia 120 Fase 3 (21 – 120 dias) Bacteroides spp. Clostridium spp.

Figura 1. Três fases da colonização do cólon distal em porcos, durante 120 dias de vida (adaptado de Swords et al., 1993).

32 |

ALIMEN TAÇÃO AN IMAL

Num estudo interno ( Fig.2), desenvolvido em 2019 com suínos recém-desmamados, foram encontrados um total de 20 filos, sendo os mais abundantes o filo Bacteroidetes e Firmicutes,

Profile for IACA

Revista Alimentação Animal n.º 113  

Contacte-nos através do e-mail iaca@iaca.pt para obter a versão pdf.

Revista Alimentação Animal n.º 113  

Contacte-nos através do e-mail iaca@iaca.pt para obter a versão pdf.

Advertisement