Page 1

REALIZAÇÕES | 2017


Indicadores RH

FUNCIONÁRIOS NO FINAL DO EXERCÍCIO:78 TRABALHADORES NO FINAL DO EXERCÍCIO Terceirizados: 11 | Autônomos: 11 FUNCIONÁRIOS POR FAIXA ETÁRIA 18 a 35 anos: 34 | 36 a 60 anos: 37 | Acima de 60 anos: 7

Aposentados:6

Estagiários:13


APRESENTAÇÃO Somos a Fundação La Salle! O ano de 2017 foi muito especial para a

E essa caminhada muito nos alegra. Já são

Fundação La Salle! Depois de muitos desafios

12 anos de histórias! A trajetória nos impulsiona a

vencidos e obstáculos ultrapassados, fomos coroa-

buscar sempre mais, ressignificar os processos e

dos com duas distinções na área de responsabilida-

investir em causas novas, mantendo o carisma de

de social pela Assembleia Legislativa do Rio Grande

São João Batista de La Salle como inspiração e

do Sul. A instituição recebeu dois troféus: Respon-

caminho para superar as adversidades. Tivemos o desafio de coordenar com êxito um

sabilidade Social e Tema Norteador Equidade de

Concurso Público Estadual com mais de 53 mil

Gênero. São conquistas nossas e da Rede La Salle! O Troféu Destaque Tema Norteador foi recebido

inscritos. Acompanhar o processo da Superintendên-

pelo trabalho desenvolvido com as Agentes de Ação

cia dos Serviços Penitenciários do Rio Grande do Sul

Social no ano de 2016, em parceria com a Secretaria

nos fortaleceu e ratificou a capacidade institucional de

de Segurança Pública e Cidadania de Canoas em

trabalhar em prol de objetivos maiores. Ainda nessa

ações voltadas para a promoção de direitos nas

perspectiva de aprimorar e promover a excelência em

relações e gênero. Nesta categoria mais de 100

nossas ações, inovamos ao propor a Avaliação de

projetos foram inscritos em todo o Rio Grande do Sul. A premiação de Responsabilidade Social está

Conhecimentos para as crianças do 3º ano do Ensino Fundamental da Rede La Salle, a fim de começar a

vinculada pelos projetos desenvolvidos, aos recur-

acompanhar a fase de letramento e descobertas dos

sos aplicados e sobretudo, pelo espaço que a área

conhecimentos básicos da aprendizagem. Para 2018, muitos outros objetivos nos

de responsabilidade social ganha na instituição. Somos o braço da Rede La Salle para atender

aguardam! Por enquanto é hora de agradecer aos

as demandas sociais e propor ações ousadas para

colaboradores e parceiros pela caminhada cons-

evoluir em temáticas relacionadas ao voluntariado,

truída na Fundação La Salle. Muito obrigado!

à captação de recursos e ao desenvolvimento coletivo em ações transformadoras.

FUNCIONÁRIOS POR GÊNERO Masculino: 29 | Feminino: 49 CARGO DE CHEFIA POR GÊNERO Masculino: 5 | Feminino: 5

A Direção

QUALIFICAÇÃO Mestrado: 06 Pós-graduados: 15 Graduados: 27 Ensino Médio completo: 15 Ensino Fundamental: 12 Ensino Fundamental Incompleto: 3


Promoção do desenvolvimento social, comunitário, assistencial, artístico, cultural e esportivo.

05


PROJETOS SOCIAIS


PROJETOS SOCIAIS

Centro de Prevenção às Violências O Centro de Prevenção às Violências – CPV é um serviço público da Secretaria Municipal de Segurança Pública e Cidadania - SMSPC, executado pela Fundação la Salle, que iniciou os trabalhos em março de 2017. O CPV divide-se inicialmente entre dois tipos de organização: por demanda programada e demanda espontânea. Podemos definir demanda espontânea como todo atendimento que busca o usuária do serviço de acompanhamento em caso de violência ou de busca por direitos. A demanda programada é aquela que o serviço organiza, partindo de um diagnóstico territorial e social, voltado às pessoas ou grupos sociais mais vulneráveis à violência letal, ou que apresentem maiores fatores de risco para a letalidade. Além disso, o CPV trabalha também com atendimento e proteção aos direitos do consumidor através do PROCON. A Fundação La Salle conta com dois Centros de Prevenção às Violências em Canoas, sendo um no bairro Guajuviras (Quadrante Nordeste) e um no bairro Mathias Velho (Quadrante Noroeste). Cada CPV conta com uma equipe de onze Agentes Sociais de Ação, agentes comunitárias capacitadas como multiplicadoras de direitos, para realizar acolhimento, mediação de conflitos e encaminhamentos para as redes de atendimento, dois estagiários capacitados no PROCON Municipal, três técnicas(os) responsáveis pelas redes intersetoriais e a Coordenação. Ainda conta com uma Assessora Jurídica, uma Agente e dois estagiários no PROCON central. A demanda espontânea, nos Centros de Prevenção às Violências, é atendida pelas Agentes de Ação Social, e os atendimentos oferecidos são de: mediação comunitária de conflitos, acolhim06

ento de vítimas e encaminhamento para redes especializadas além do atendimento descentralizado do PROCON. As demandas programadas são voltadas aos três perfis mais vulneráveis, ou com maiores fatores de risco para a violência: jovens em rota de evasão; jovens evadidos do sistema formal de ensino e egressos do sistema prisional. Assim, constituem-se em 3 programas intersetoriais: Cuidando Trajetórias, Todo Jovem Importa e Reconstruindo Vidas. Isso significa que cada profissional da equipe técnica é responsável pela coordenação local, acompanhamento, atendimento e monitoramento de um programa intersetorial. Em outubro ocorreu a inauguração de mais uma sede do CPV no bairro Mathias Velho, no Centro Social Urbano - CSU, local central em que a população frequenta buscando atividades esportivas e culturais, que passa a contar também com o atendimento do serviço de proteção ao consumidor do PROCON, além de informações sobre os demais direitos. Em novembro o CPV do Guajuviras mudou de sede para a Avenida 17 de


abril, ficando mais perto do comércio e das paradas de ônibus, melhor atendendo a população do bairro. Ao longo de 2017, o corpo técnico dos CPVs apoiou a articulação da Rede Socioassistencial dos Quadrantes Nordeste e Noroeste do município em

conjunto com outros serviços públicos como o CRAS. Além disso, parte da equipe tem articulado, junto com a equipe de prevenção da Guarda Municipal, atividades de prevenção nas escolas, que culminou no projeto #SeráQueEuSouObrigada?.

Programa Cuidando Trajetórias O Programa Cuidando Trajetórias tem por objetivo monitorar casos de violência de baixa complexidade. É focado na prevenção da evasão escolar, considerando que a perda do vínculo formal com a escola configura-se tanto como um dos fatores de risco mais preponderantes para a violência no município, bem como pode representar o início de uma trajetória de relação com a violência. Embora a evasão escolar não seja o único fator relevante, é um momento marcante em que o adolescente se desvincula da principal política pública e ingressa numa faixa de risco ainda mais elevada. Em cada Território existem Comitês Territoriais Integrados divididos de acordo com o bairro e com a Unidades Básicas de Saúde (UBS) da região. Esses comitês são compostos por representações das UBS de referência do território, pelo CRAS; pelo Conselho Tutelar da Microrregião; pelas Escolas de Ensino Fundamental participantes, especialmente pelas orientações pedagógicas; pela equipe da Estratégia de Saúde da Família e por Guardas Municipais que acompanham a Escola com a coordenação do técnico do Centro de Prevenção às Violências. O primeiro serviço que identificar um caso complexo abre um prontuário no Cadastro

Integrado de Prevenção às Violências, instrumento online de acompanhamento e monitoramento dos casos, que é analisado no Comitê Territorial, onde se define quais serão as estratégias de intervenção entre os diferentes serviços e posteriormente, discuti-se o resultado de cada ação pactuada. Todos os atendimentos a este jovem serão registrados no Cadastro Integrado, permitindo assim o monitoramento da evolução do caso por toda a rede, facilitando sua classificação entre níveis de complexidade e vulnerabilidade e a avaliação da eficiência das práticas recomendadas. Durante o ano de 2017, 66 casos de estudantes das escolas do bairro Guajuviras, já participantes do programa, passaram pelas discussões nas reuniões do comitê territorial e 60 participaram das reuniões nos bairros Mathias Velho e Harmonia. Em outubro de 2017, o Programa entrou em processo de expansão pelo qual no Quadrante Noroeste dobrou seu número de escolas acompanhadas e Quadrante Nordeste, passou a atender todas as instituições de ensino do bairro Guajuviras (o que inclui as escolas municipais e estaduais). Diante disso, os técnicos responsáveis pelo Cuidando Trajetórias reorganizaram os Comitês Territoriais da seguinte forma:

COMITÊS TERRITORIAIS - QUADRANTE NORDESTE GUAJUVIRAS

GUAJUVIRAS 2

MATHIAS VELHO

HARMONIA

1EMEF Erna Wurth EMEF Guajuviras CE Jussara Maria Polidoro

EMEF Carlos Drummond de Andrade EMEF Nancy Ferreira Pansera EMEF Paulo Freire EEEM Cônego José Leão Hartmann

EMEF Thiago Würth EMEF Ministro Lüdwig EMEF Odette Freitas

EMEF David Canabarro EMEF Gonçalves Dias EMEF João Paulo I

07


Programa Todo Jovem Importa O programa Todo Jovem Importa tem como objetivo acompanhar os casos considerados de média e alta complexidade. Os jovens evadidos do sistema de ensino representam a média complexidade e aqueles que além de evadidos já cometeram ato infracional representam a alta complexidade. O programa Todo Jovem Importa se aproxima do Cuidando Trajetórias no que se refere à organização, mas com algumas particularidades importantes. Como estamos tratando de uma divisão de complexidades distintas - no comitê do Cuidando Trajetórias participa o serviço de baixa complexidade do Desenvolvimento Social, através do CRAS -, no Todo Jovem Importa, o CREAS. Os CAPS também são uma importante articulação para Todo

Jovem Importa, tendo em vista que uma parte significativa dos casos, em nossa experiência, envolvem problemas relacionados ao abuso de drogas e ou à saúde mental. Do ponto de vista da metodologia, uma das questões que também difere os programas é que no caso do Todo Jovem Importa o jovem sabe que está sendo incluído no programa e os técnicos do Centros de Prevenção às Violências além de organizarem e coordenarem os Comitês Territoriais, também efetuam atendimentos individuais, geralmente a partir de visitas domiciliares com o intuito de elaborar um plano de vida, de estabelecer vínculo e de produzir uma compreensão mais aprofundada da situação do jovem.

MATHIAS VELHO

GUAJUVIRAS

Casos na planilha de acompanhamento

50

68

Jovens acompanhados diretamente

14

9

Matriculados em 2017

2

-

Inscritos no EJA 2018

13

2

Matrículas no Ensino Regular 2018

2

3

Programa Reconstruindo Vidas O programa Reconstruindo Vidas tem como objetivo acompanhar os casos considerados alta complexidade. O público alvo são pessoas egressas do sistema prisional, levando em conta que a população egressa do sistema prisional é aquela com maior representação nas mortes violentas da cidade, recai sobre ela um dos focos do Centro de Prevenção às Violências. Através do cadastro disponibilizado pela Superintendência dos Serviços Penitenciários (SUSEPE), a partir do mês de outubro de 2017, conseguimos mapear os egressos residentes nos territórios atendidos pelos CPVs. 08

São efetuados atendimentos individuais através de visitas domiciliares. Na primeira fase do programa, os técnicos responsáveis realizam entrevistas com os egressos assim de diagnosticar de suas condições sócio-econômica, de saúde, de moradia e de escolaridade. Além disso, é realizado um levantamento de demandas que serão compiladas para a produção de um plano de ação voltado a essa população. Para os casos mais graves e que necessitam de intervenção imediata, são realizadas articulações estratégicas com os serviços da rede voltadas à especificidade do caso.


Projeto #SeráQueEuSouObrigada? O projeto #SeráQueEuSouObrigada? busca construir e executar ações de prevenção à violência nas escolas municipais de ensino fundamental de Canoas, nos bairros de atuação dos Centro de Prevenção à Violência (CPV). Essas ações de prevenção à violência na escola são construídas a partir da união de esforços de dois serviços vinculados à Secretaria Municipal de Segurança Pública de Cidadania (SMSPC), por intermédio da Guarda Municipal em conjunto com CPV. As equipes da SMSPC e Cidadania vem desenvolvendo diversas ações junto às escolas municipais que já agem no sentido de articular os atores sociais nos territórios, fortalecendo vínculos intersetoriais entre os diferentes pontos da rede. O projeto teve início a partir de conversas com os jovens e professores, dentro do ambiente

CENTRO DE PREVENÇÃO ÀS VIOLÊNCIAS

escolar, a partir da identificação de conflitos escolares colhidos pelo sistema de Registro Online de Violência Escolar (ROVE). Diante disso, surgiu a necessidade de promover ações mais focadas ao contato direto com os jovens no intuito de promover uma melhora no clima na escola. O objetivo, portanto, é fornecer um espaço contínuo para que as crianças e os adolescentes possam enxergar como se dão as relações com os seus direitos e, principalmente, com suas obrigações. Por outro lado, mas na mesma medida, busca-se fomentar o resgate por parte do corpo docente da autonomia e empoderamento para lidar com os jovens e a comunidade, tendo em vista os conflitos que ocorrem no interior da escola e que se relacionam com o exterior dela.

MATHIAS VELHO

GUAJUVIRAS

Atendimentos realizados pelos Programas

1097

458

Atendimentos / Acolhimentos

334

231

Encaminhamentos para a Rede

139

163

PROCON

269

87

Total de Atendimentos / Casos acompanhados

2832

1560

Média de Atendimentos / Acompanhados por mês

283

173

09


PROJETOS SOCIAIS

Trabalho Social na Habitação A partir de agosto de 2017, a Fundação La Salle iniciou o Trabalho Social em seis Empreendimentos do Programa Minha Casa Minha Vida em Canoas. Através da parceria com a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitação de Canoas, o trabalho vem impactando a organização das comunidades ao propor ações nos Condomínios Guajuviras I (300 Apartamentos), Guajuviras II (300 Apartamentos), MQ4 (426 Casas), MQ3C (300 Apartamentos), República (120 Apartamentos) e Ilha das Garças (400 Apartamentos). No total, são aproximadamente 7 mil moradores que

10

dispõem do trabalho social realizado por equipes multidisciplinares compostas por assistentes sociais, biólogas, psicólogas, sociólogas e pedagoga. O Trabalho Técnico Social visa promover e fortalecer a organização comunitária, bem como fomentar a participação social na busca por melhores condições de vida, pela efetivação dos direitos sociais e pela sustentabilidade dos empreendimentos. Cada projeto de Trabalho Social tem duração de 12 meses, sendo as ações divididas em pré-morar e pós-morar.


Etapa Pré-morar A etapa pré-morar é caracterizada por ações organizativas de acesso ao direito à moradia, passando pelos primeiros contatos com as famílias, apresentação do empreendimento e dos critérios do Programa, sorteio das Unidades Habitacionais, vistorias, assinatura de contratos, entrega das chaves, acompanhamento das mudanças e plantão social. Nesta etapa, as equipes de Trabalho Social promoveram ações no Condomínio MQ3C e no Loteamento MQ4, contribuindo na organização dos eventos e no esclarecimento de dúvidas junto aos beneficiários. Como destaque, ocorreu o evento de assinatura dos contratos e entrega das chaves de ambos os empreendimentos. São nesses momentos que o acesso à moradia se materializa e as famílias se emocionam ao alcançar o sonho da casa própria.

ATIVIDADES REALIZADAS NOS CONDOMÍNIOS MQ3C E MQ4 Reuniões de Planejamento e Articulação Reuniões de Organização Comunitária e Comissão de moradores

Nº AÇÕES 43 08

PARTICIPAÇÕES 516 426

Cheila Carvalho, 43 anos Moradora do Condomínio MQ3C “O trabalho social é algo muito importante para orientar os moradores sobre a convivência comunitária. Os moradores veêm de outros contextos sociais e de condições adversas nas quais não tinham experiência em ambientes coletivos com normas e regras. Acredito que o trabalho social pode focar também em atividades esportivas, culturais e lúdicas com as crianças”.

11


Etapa Pós-Morar As ações pós-morar são organizadas nos salões de festas dos empreendimentos no formato de oficinas temáticas, em que se promove ações de organização e fortalecimento social como formação de lideranças, mediação de conflitos, grupos de convivência, cuidados com o imóvel e com o condomínio, educação ambiental, geração de trabalho e renda, cidadania, cultura e lazer, plantão social, entre outros. No período pós-morar, as ações são planejadas de acordo com a realidade de cada condomínio, a partir das vivências e necessidades observadas pelas equipes de trabalho social. Os desafios são muitos, cabe ressaltar que diferentemente da etapa pré-morar, nessa fase é obrigatória a participação dos moradores nas atividades desenvolvidas. Nesse cenário começa a ser percebida a diminuição do número de participantes nas ações realizadas. E é nesse contexto que o trabalho social tem fundamental importância, pois são nas oficinas temáticas, em que fornece o acesso a informação e criam-se espaços para criação e fortalecimentos dos grupos que manteram organizados no condomínio após o término do Projeto.

A sustentabilidade dos empreendimentos requer o compromisso das famílias no cuidado com o patrimônio e no pagamento em dia das parcelas do condomínio, pois são essas duas formas que viabilizam a manutenção dos empreendimentos em funcionamento, mantendo a qualidade de vida dos beneficiários da nova moradia. Os grupos de convivência, as reuniões coletivas e os plantões sociais despertam o interesse dos moradores para a gestão democrática e participativa dos processos implantados, momentos em que as equipes de Trabalho Social podem informar sobre os direitos e deveres condominiais, favorecendo a correta apropriação e uso dos imóveis. Em resumo, o conjunto das ações devem promover a autonomia e o protagonismo social dos beneficiários no acesso à moradia.

Atividades nos condomínios:

Guajuviras 1, Guajuviras 2, MQ4, Ilha das Garças e República Nº AÇÕES

PARTICIPAÇÕES

110

1.320

43

516

35 48 117 12

420 576 1.404 144

44 409

528 4.908

Visitas Domiciliares Reuniões de Planejamento e Articulação Reuniões de Organização Comunitária e Comissão de moradores Ações de Educação Ambiental Eventos Comunitários Ações Educativas e Culturais Ações para qualificação do trabalho e renda Total de Oficinas 12

Paulina Calvi, 82 anos Moradora do Condomínio República “Depois que o Trabalho Social iniciou eu percebi que eu tenho mais amizades com as pessoas, por que eu não saía antes, não conhecia os vizinhos. As crianças também estão bem mais comportadas”.


PROJETOS SOCIAIS

O ensino da música e da arte A Banda Municipal de Nova Santa Rita constitui ferramenta imprescindível ao estímulo e à promoção da cultura musical da cidade. O projeto é executado pela Fundação La Salle em parceria com a administração municipal. Através do movimento cultural decorrente dos concertos e recitais realizados pela Banda em 2017, a comunidade teve oportunidade de apreciar mais de dez concertos com obras musicais de compositores renomados executadas com esmero técnico e com uma formação instrumental de alto nível. Em 2017, as atividades do Projeto Banda Municipal de Nova Santa Rita iniciaram com a reunião das Coordenações Pedagógica, Adminis-

trativa e Geral, tendo como pauta o calendário letivo e a programação artístico-cultural a ser realizada na cidade. A seguir, foram abertos o período de matrículas e rematrículas para os diversos cursos que o Laboratório de Música oferece e a divulgação do Processo Seletivo para Músico Instrumentista Estagiário da Banda Municipal. O número de matrículas para os cursos de música oferecidos pelo Laboratório de Música, totalizou cento e vinte estudantes interessados. Essa procura gerou a necessidade de se pensar na modernização e ampliação do espaço físico da sede da Banda, situada atualmente em uma casa adaptada na Escola Fazenda, área rural de Nova

13


Rita. Em muitas ocasiões o pátio da escola se tornou sala de aula. O Laboratório de Música oferece turmas nos três turnos, atende estudantes da rede pública municipal, estadual e comunidade em geral, agrupadas em faixas etárias. Dentre as disciplinas oferecidas constam Teoria da Música, Percepção Musical, Prática de Instrumentos: Flauta Doce, Flauta, Clarinete, Saxofones, Trompete, Trombone, Tuba e Percussão. Os recitais e audições são atividades expositivas integrantes da grade curricular do Laboratório de Música, que oportunizam aos musicistas a prática de palco e a performance. Em dezembro de 2017, a comunidade local prestigiou o I Recital dos Alunos do Laboratório de Música, no qual cada aluno e/ou turma apresentou uma amostra do trabalho realizado no ano. A atividade teve como palco a Câmara de Vereadores, reunindo mais de cem pessoas. As palestras de caráter formativo são atividades realizadas pela Coordenação Pedagógica, responsável pelo Laboratório de Música e pela a interlocução da proposta de ensino com a comunidade. Foram realizadas duas palestras que tiveram como público os alunos, pais de alunos, professores e comunidade em geral. A Orquestra de Flautas Doce tem como base filosófica a Música como Arte e Ciência. Idealizada pelo Prof. Marcos Mallmann, foi inserida no projeto Banda Municipal em 2014. A atividade preconiza o estímulo à formação integral do ser humano, como veículo de transformação e facilitação dos processos de ensino e aprendizagem. A formação dos musicistas da orquestra consiste no aprendizado de disciplinas teóricas e práticas, tais como Leitura Musical, Percepção Musical, Iniciação à Historia da Música, e prática com a Flauta Doce, em aulas 14

individuais e em grupo e, além da Prática de Orquestra. Compõem a formação instrumental da orquestra as Flautas Doce Sopranino, Soprano, Contralto e Tenor. O repertório consta de arranjos elaborados exclusivamente para o grupo. No ano de 2017, o grupo realizou quatro recitais e um concerto didático em Nova Santa Rita e Canoas. Os integrantes são jovens nas faixas etárias dos dez aos quinze anos, alunos da rede pública e privada. A Biblioteca de Música reúne acervo único de partituras e livros raros de Música, colocados à disposição da comunidade para consulta e pesquisa. Durante o ano foram realizados empréstimos, bem como consultas locais. O acervo é organizado e conservado por estagiários. Os Concertos Didáticos realizados nas escolas, muitas vezes em ambiente informal, aproximaram os estudantes do mundo da música, através de trilhas sonoras de filmes, animações, apresentações dos instrumentos, bem como estimularam para que o ambiente escolar seja mais receptivo, agradável e alegre. Realizaram se também, concertos oficiais: Inauguração do Centro de Eventos Olmiro Brandão, Concertos da Semana da Pátria, Feira do Livro, Projeto Cantando o Hino Nacional, Concerto de Natal. A Banda, a Biblioteca de Música, o Laboratório de Música são os pilares do Projeto idealizado pelo Prof. Sepé Tiaraju Teixeira, Coordenador Geral e Regente Titular da Banda. O projeto valoriza e estimula a arte educação, mostrando que a escola é um lugar acolhedor e transformador, onde o estudante é pertencente ao todo, que através da arte, e especialmente da música, pode viajar rumo a uma sociedade melhor.

PÚBLICO DOS EVENTOS

600 pessoas 120 alunos matriculados


PROJETOS SOCIAIS

Projeto piloto de Iniciação Musical Em 2017 a Escola Municipal de Ensino Fundamental Alzira Silveira Araujo, de Cachoeirinha, contou com o desenvolvimento de um projeto piloto de iniciação musical. A atividade foi coordenada pela Fundação La Salle através do Coordenador de Projetos Edimilson Tresoldi. O projeto envolveu a compreensão do ensino de canto, formação de coro infantil e aulas de

iniciação ao violão, violino e flauta doce. Entre os meses de julho a dezembro de 2017, a iniciativa atendeu 50 estudantes da escola, em turno inverso ao das aulas regulares, duas vezes por semana, em encontros de duas horas de duração. Os grupos musicais se apresentaram em várias ocasiões dentro e fora da escola, tendo o coro infantil gravado um vídeo em estúdio no mês de dezembro.

Professora Rosa Maria Lipert Secretária de Educação de Cachoeirinha “O projeto piloto de iniciação musical da Fundação La Salle foi uma síntese do que a Prefeitura deseja implementar em toda rede municipal no ano de 2018, entendendo a música como uma importante ferramenta de inclusão e cidadania. Levar a música para dentro das escolas de uma forma tão democrática e acessível é uma iniciativa maravilhosa que buscaremos estender à toda nossa rede”.

15


PROJETOS SOCIAIS

Técnica para o desenvolvimento do paradesporto Em 2017 o projeto ‘‘Em Canoas Esporte Rendimento’’ é para todos teve continuidade, continuando com a execução da Fundação La Salle, patrocínio das Lojas através da Lei Pró-Esporte do Governo do Estado do Rio Grande do Sul e com o apoio da Prefeitura de Canoas, que cede espaços públicos para o desenvolvimento das modalidades paraolímpicas. Basquete em Cadeira de Rodas, Futebol de 5, Goalball, Atletismo, Natação e Treinamento Físico em Academia são as atividades oferecidas. Além de atletas individuais, o projeto apoia instituições e equipes representativas do município de Canoas, tais como: Associação de Cegos do Rio Grande do Sul (Acergs), Associação Gaúcha de Futsal para Cegos (Agafuc), Instituto Pestalozzi e a Equipe de Basquete em Cadeira de Rodas (Brothers Canoas).

16

Nesse novo ciclo do projeto o desafio foi sistematizar metodologias de treinamento físico para os atletas e equipes coletivas. Assim foi necessário estabelecer critérios na formação e atuação desses profissionais através de reuniões sistemáticas que ocorrem quinzenalmente. Criar discussões sobre treinamento físico e o desenvolvimento individual e coletivo dos atletas é primordial para qualificar o processo de trabalho. O encontros também são importantes para alinhar discursos e colaborar para o crescimento pessoal e profissional da equipe de trabalho e, assim, buscar bons resultados com os atletas e com as equipes paraolímpicas. O fruto desse trabalho coletivo entre técnicos e atletas gerou ótimos resultados nas competições de 2017, conforme o quadro:


CALENDÁRIO DE EVENTOS E COMPETIÇÕES PARADESPORTO 2017 MODALIDADE Basquete em Cadeira de Rodas

EVENTO

RESULTADOS

Atletismo

Liga Estadual Etapa Novo Hamburgo Liga Estadual Etapa Santa Cruz Liga Estadual Etapa Lajeado Liga Estadual Etapa Parajac Canoas Liga Estadual Etapa Caxias Liga Estadual Etapa Carazinho Liga Estadual Etapa Erechim Liga Estadual Colocação Final Parajirgs RS Regional Sul de Futebol de 5 – Agafuc e Acergs (Ponta Grossa – PR) Copa Caixa Loterias de Futebol de 5 Série A (Salvador – BA) Copa Caixa Loterias de Futebol de 5 Série B (São Paulo – SP) Parajac (Canoas – RS) Regional Sul de Goalball (Maringá-PR) Torneio Formando Campeões para Vida (Pelotas – RS) Copa das Estações Goalball (Itapoá – SC) Parajac (Canoas – RS) Parajirgs (Porto Alegre – RS) Parajac (Canoas – RS)

Natação

Parajirgs (Porto Alegre-RS) Parajirgs (Porto Alegre-RS)

Futebol de 5

Goalball

3° Lugar 2° Lugar 3° Lugar 6° Lugar 5° Lugar 3° Lugar 3° Lugar 3° Lugar 1° Lugar 1° Lugar Agafuc / 2° Lugar Acergs 1° Lugar Agafuc 2° Lugar Acergs (resultado garantiu vaga na série A) 1° Lugar Agafuc / 2° Lugar Acergs 4° Lugar Masculino / 2° Lugar Feminino 1° e 2° Lugar Masculino / 1° e 2° Lugar Feminino 4° Lugar Masculino / 3° Lugar Feminino 2° Lugar Masculino / 2° Lugar Feminino 1° Lugar Maculino / 1° Lugar Feminino 1°,2°, 3° Pista 100m/200m/400m e 1°,2°, 3° Campo Arremesso de Peso / Lançamento de Dardo 3 medalhas de ouro, 6 de prata e 3 de bronze 1 medalhas de ouro e 1 medalha de bronze

Parceria com a SMEL

Trabalhando a Formação com Informação

Outro objetivo do projeto é prestar auxílio à Secretaria Municipal de Esportes de Canoas (SMEL). A Fundação La Salle juntamente com a SMEL e a Diretoria da Pessoa com Deficiência organizaram os II Jogos Paradesportivos de Canoas – PARAJAC. No II PARAJAC foi percebido o aumento no número de participantes e modalidades totalizando 125 atletas distribuídos nas modalidades atletismo, goalball, futebol de 5 e basquete em cadeira de rodas. No mês de dezembro, o Esporte Rendimento integrou a programação do Festival de Esporte e Lazer (FESLA), que aconteceu no parque Eduardo Gomes. Durante uma tarde ensolarada de domingo mais de 40 crianças participaram de atividades lúdico recreativas de paradesporto ministradas pelos professores do projeto.

Um dos objetivos do projeto é a produção de conhecimento técnico e científico. Em outubro realizamos o “I Seminário Gaúcho de Paradesporto” organizado pelos professores do projeto em parceria com o curso de Educação Física da Unilasalle. Assim, 60 pessoas estiveram presentes, dentre elas, estudantes de educação física, profissionais formados e paratletas. Os palestrantes foram os profissionais do projeto da Fundação La Salle e o atleta paraolímpico Ricardinho (considerado melhor jogador de Futebol de 5 do mundo). O tema abordado foi "Caminhos Metodológicos e a Construção do Conhecimento no Paradesporto”, cuja temática é de extrema importância para o ensino da Educação Física nos dias de hoje e para a construção do conhecimento no paradesporto. O projeto também foi convidado a interagir em disciplinas que abordam Educação Física e Esporte Adaptado e Atividade Motora Adaptada. Na 17


Universidade La Salle, ocorreu a apresentação das ações do projeto de paradesporto para os acadêmicos. Na Ulbra/Canoas, foi organizada uma aula prática de basquete em cadeira de rodas. Na Esef/Ufrgs foi gravada uma entrevista para disciplina de Esportes Adaptados. Entretanto, a capacitação e aprendizagem não é somente para o meio acadêmico, isso porque o projeto de paradesporto é extensivo às escolas do município de Canoas. Através dessa ação, utilizando atividades recreativas e desportivas, contextualizando os esportes paraolímpicos, é possível educar as crianças. Nesse sentido, foi possível trabalhar de forma pedagógica questões relacionadas à inclusão e acessibilidade. Assim, através da educação de crianças é possível romper com preconceito no futuro, fazendo com que pessoas com deficiência não sejam vistas com o olhar apenas sobre a “deficiência”, mas como um ser humano de possibilidades como qualquer outro. E, nessas atividades, é notório a curiosidade e o engajamento das crianças. No entanto, as atividades na escola possuem outro objetivo dentro das ações do projeto, ou seja, captar crianças e adolescentes com deficiências para compor as categorias de base do paradesporto. Através do potencial de transformação social do esporte paraolímpico será possível desenvolver cidadania, rompendo com as limitações da deficiência e potencializando sua eficiência, pois as dimensões, os valores e as possibilidade que são ensinados através do esporte auxiliarão crianças e adolescentes no seu futuro pessoal e profissional. No caso de um cadeirante com o treinamento físico do basquete em cadeira de rodas ele vai apreender a se locomover com mais agilidade e destreza. No caso de um deficiente visual, o treinamento nas modalidades de goalball ou futebol de 5 fará com que aumente sua percepção espacial,

18

equilíbrio e coordenação motora. Assim, para o atleta deficiente iniciante ou não, o esporte vai promover saúde, autonomia, participação social e autoestima atuando contra a exclusão, preconceito e o isolamento social.

Psicologia do Esporte: Formando Campeões O esporte de alto rendimento é sinônimo de precisão, contato, esforço físico e inteligência. A diferença entre o perder e o ganhar é, muitas vezes, por uma cesta, um arremesso, um gol... Os pequenos detalhes durante o jogo podem fazer a diferença entre o perder ou ganhar no final de cada partida. Por isso, a preparação dos atletas deve ser física e emocional, pois não adianta uma equipe forte fisicamente e despreparada emocionalmente. O despreparo emocional induz a falhas que podem ser expressas na ansiedade ao pegar a bola, estar atrás do placar, descontrole ao errar uma cesta, errar um passe ou um pênalti em momento decisivo, falta de comunicação dos atletas em quadra, falta de respeito ao receber o feedback, dentre outros. A psicologia do esporte, como uma ciência aplicada, traz bases teóricas e conhecimento para o auxílio de atletas e de equipes na obtenção de resultado. Desta forma, foi criado o primeiro programa de coaching para uma equipe paraolímpica do projeto. E, a partir dos resultados positivos que refletiu durante os treinos nas quadras, o programa virou uma prática contínua para os atletas e equipes do paradesporto. Nesse sentido, foi criado o Programa de Desenvolvimento Individual para Atletas (PDIAtleta), cujo objetivo é desenvolver individualmente cada atleta, trabalhando o seu potencial físico cognitivo e melhorar aspectos ineficientes. O PDIAtleta será utilizado para balizar a periodização do treinamento dos atletas e equipes no ano de 2018.


Desafios no Paradesporto Manter um trabalho contínuo e de qualidade para os atletas, a comunidade canoense e o próprio movimento paraolímpico que tem crescido no Brasil. Continuar a sistematizar metodologias de treinamento, dar continuidade ao PDIAtleta, criar uma categoria de base paraolímpica escolar, formar a seleção gaúcha escolar de basquete em cadeira de rodas, organizar mais amistosos entre equipes e difundir o paradespor-

to na região metropolitana estão entre os desafios do ano Além disso, compartilhar experiências, métodos e metodologias para construção de conhecimento e contribuir para a formação de futuros profissionais de Educação Física é fundamental para fomentar o paradesporto no estado do Rio Grande do Sul. Devido a isso, a missão do projeto se alicerça em quatro pilares: criar, aprender, construir e compartilhar.

EM CANOAS O ESPORTE RENDIMENTO É PARA TODOS Vagas Inscritos Eventos/apresentações Total de beneficiados Média de beneficiados por mês

120 95 28 97 74

8

22

16

13

13

ATLETAS

ATLETAS

ATLETAS

ATLETAS

ATLETAS

ATLETISMO

FUTEBOL DE 5

GOALBALL

NATAÇÃO

BASQUETE

Ricardo Alves, 29 anos Considerado o melhor jogador de Futebol de 5 do mundo

“O projeto da Fundação La Salle é uma parceria muito boa para Agafuc. Podemos melhorar nosso nível na estrutura organizacional refletindo em resultados dentro de quadra. Em 2017 vencemos e convencemos, pois, ganhamos as três competições que participamos. Essa parceria é importante para o esporte paraolímpico não apenas em resultados, mas, os resultados de inclusão e outros tantos fatores importantes para a vida das pessoas. Eu como atleta da Agafuc participando do projeto estou bem contente, e, acredito que, se o projeto continuar nós vamos melhorar cada vez mais!” 19


PROJETOS SOCIAIS

Em Canoas o Esporte participação tem mais valor Entre os meses de fevereiro de 2018 e janeiro de 2018, a Fundação La Salle executou o projeto ‘‘Em Canoas o Esporte Participação tem mais valor’’, uma iniciativa da Secretaria de Esportes e Lazer de Canoas. O projeto tem por objetivo promover, através de aulas sistemáticas, a prática de atividade física, transformando em hábito esta prática, combatendo o sedentarismo, motivando a integração e a inclusão social, promovendo a saúde, e a qualidade de vida e estimulando a convivência em grupo da população. As atividades do projeto foram voltadas para pessoas com idade superior a 15 anos nas 11 unidades esportivas e núcleos de Canoas. O principal objetivo do projeto é o desenvolvimento da comunidade canoense para a realização de atividade física nos níveis esportivo de participação, como modelo de uma política pública que viabilize, amplie e garanta o acesso dos cidadãos às ações contínuas que respondam às necessidades desse campo da vida social.

20

O projeto de atividade física foi dividido em Projetos de Ginástica, Academias ao ar livre, Alongamento, Caminhada Orientada, Atividade Física para a 3ª Idade, Práticas Psicofísicas como Yoga, Pilates, Esporte na 3ª Idade e Saúde e Movimento. As aulas tinham duração de uma hora, na frequência de duas vezes na semana, além da participação em evento como o Festival de Esporte e Lazer (FESLA).

EM CANOAS O ESPORTE PARTICIPAÇÃO TEM MAIS VALOR Vagas (Média Mês) Inscritos Eventos/apresentações Total de beneficiados (Atendimentos) Média de beneficiados por mês

1.327 1.669 40 65.276 1189


PROJETOS SOCIAIS

‘‘Em Canoas o Esporte formação tem mais valor’’ O projeto ’’Em Canoas o esporte formação tem mais valor’’ foi desenvolvido na cidade através da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer entre fevereiro de 2017 e janeiro de 2018. A iniciativa teve como objetivo fortalecer as ações sistemáticas e oferecer novos espaços para o desenvolvimento do esporte na cidade. Com isso a proposta inicial era atender um total de 800 crianças entre 7 e 15 anos de idade, no período de doze meses nas 11 unidades esportivas e campos de futebol de Canoas.

Além disso, o projeto buscou desenvolver a capacidade da comunidade canoense para a realização de atividade física na área do Esporte Formação, como modelo de uma política pública que viabilize, amplie e garanta o acesso dos cidadãos às ações contínuas. Assim, foram desenvolvidas atividades sistemáticas de Futsal, de Handebol, de Futebol de Campo, de Mini Tênis, de Voleibol, de Basquete, de Atletismo, de Taekwondo e àquelas específicas do projeto Gurizada em Movimento (Iniciação Esportiva).

EM CANOAS O ESPORTE FORMAÇÃO TEM MAIS VALOR Vagas (Média Mês) Inscritos Eventos/apresentações

1.106 951 28

Total de beneficiados (Atendimentos) Média de beneficiados por mês

41.655 741

21


PROJETOS SOCIAIS

Sou Solidário: organizando os rumos do voluntariado lassalista O Sou Solidário é um projeto que foi lançado em maio de 2017, na Semana de La Salle. Essa iniciativa traz em seu histórico um dos componentes da missão idealizada por São João Batista de La Salle (1651-1719), o voluntariado. Através da caminhada já trilhada pela Rede La Salle nesse campo do voluntariado, o Sou Solidário sistematiza atividades que acontecem nessa área, além de participar da proposição de novas ações. Este projeto realizado pela Fundação La Salle em parceria com a Rede La Salle é uma possibilidade para quem deseja compartilhar algo à sociedade, incentivando que pessoas interessa-

22

das em viver uma experiência solidária doem seu tempo e/ou recursos às causas sociais. Durante o ano de 2017, em seus oito meses de existência, o Sou Solidário já conseguiu fortalecer laços de solidariedade, responsabilidade social e cidadania através de parcerias estabelecidas entre comunidades, escolas, instituições sociais e universidade. Momentos de trocas de aprendizado, experiências de fraternidade, empatia, criatividade e união foram marcas importantes na execução do projeto. A primeira ação externa foi o “Universitários em Missão”, uma missão de voluntariado de 12 dias


que aconteceu em Ananindeua/Pará, na Escola Estadual Celina Del Tetto, no mês de julho. Esta atividade envolveu nove voluntários de diferentes lugares do Brasil, vinculados à Rede La Salle, além de outros dez voluntários da comunidade local. Para esta ação foi realizada uma campanha de doações online através do site sousolidario.org e em parceria com o Colégio La Salle Abel, que apoiou a causa, contribuindo com uma importante doação, resultante da Festa Junina realizada junto à Comunidade Educativa. Essa missão englobou atividades direcionadas para reformas estruturais do ambiente escolar, além de sete oficinas pedagógicas e recreativas com crianças, adolescentes e idosos. Ao final dos 12 dias, todas as salas de aula da escola (14 salas) foram limpas e pintadas. O saguão principal também foi revitalizado, assim como alguns corredores. Uma nova sala de aula começou a ser construída. Telhas foram trocadas, evitando que a chuva entrasse nos espaços. E por fim, o muro principal da escola que mede mais de 100 metros foi contemplado com o grafite de artistas locais que, voluntariamente, deram cor e visibilidade ao espaço que, antes da chegada dos voluntários, era pouco identificado e escondido pelo cinza do muro.

Tiago Colares, Graduado em Gestão de Produção Industrial - Unilasalle Manaus/AM

“Ser voluntário é uma experiência que vai além de colocar em prática os conhecimentos acadêmicos, é lidar com vivências que estão fora da sala de aula. É buscar formas de transformar a sociedade em um espaço mais justo e igualitário”.

Os resultados da Missão Ananindeua serviram e servirão como ferramentas de avaliação e planejamento para outras ações. A coordenadora do projeto, Michele D' Ávila ressalta que foi preciso que os participantes estivessem abertos ao desconhecido, lançando mão da criatividade, disposição e afeto, para que conseguissem acolher o que verdadeiramente a realidade demandava. Ficou evidente, ao final da ação, que fórmulas e projetos fechados não caberiam em uma missão com esta. Além do “Universitários em Missão”, foi realizada também no norte do país em julho, uma formação para educadores do La Salle Zé Doca, no Estado do Maranhão. Essa jornada pedagógica contou com o apoio de três voluntários da região sul. O curso foi norteado pela Direção de Missão da Rede La Salle, envolvendo a matriz curricular para as competências, oficinas, exercícios práticos e dinâmicas voltadas para a temática da educação. Outro marco referente à caminhada do Projeto Sou Solidário em 2017 foram as parcerias estabelecidas com as instituições sociais na região de Porto Alegre e Brasília a partir de agosto de 2017. Embora esse processo ainda esteja em fase de crescimento, 12 instituições já se vincularam ao projeto nesse período, abrindo vagas de voluntariado nas áreas de educação, cultura e assistência social. Os voluntários inscritos nestas vagas passaram por uma capacitação inicial embasada por referenciais sobre o carisma e identidade lassalista antes de iniciarem suas práticas. No mês de novembro, a Ação Ilha também integrou o cronograma de atividades do Sou Solidário. Esta ação consistiu em um grande mutirão comunitário junto aos moradores do Condomínio Ilha das Garças em Canoas/RS. A proposta foi firmar uma parceria com outro projeto da Fundação La Salle, que desenvolve o trabalho social com famílias em situações de vulnerabilidade do Programa Minha Casa Minha Vida, vinculado ao Governo Federal através da Caixa Econômica Federal e da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitação de Canoas/RS. 23


A partir desta parceria, foram mapeados os sonhos coletivos da comunidade. O desejo de revitalizar os espaços de convivência e lazer do condomínio impulsionou à mobilização de voluntários. Foram mais de 85 pessoas engajadas nesta ação, contribuindo para a materialização de um sonho que, segundo os moradores, “nunca teria sido realizado se não fosse este trabalho”. A Ação Ilha contou com três momentos, um de formação, planejamento e integração entre voluntários da Rede La Salle e a comunidade local e os outros dois dias de atividades práticas. Com o apoio, esforço e dedicação dos voluntários foi inaugurada uma pracinha, uma quadra de esportes, um espaço de convivência mais colorido e acolhedor, novos jardins, uma horta suspensa,

Fabiana Souza Graduada em Ciências Contábeis pela Unilasalle Canoas/RS

“Ser voluntário é se doar pelo amor, acreditar e confiar em dias melhores. É com a troca de experiências e vivências que agregamos cada vez mais o aprender!” 24

Pablo Scopel Estudante de Gestão de Produção Industrial Unilasalle Lucas do Rio Verde/MT

“Em cada pedacinho de saudade uma alegria por termos permitido viver o que nosso coração tanto desejava”. além das atividades pedagógicas junto às crianças que também participaram de todos os momentos de forma cooperativa e lúdica. Por fim, ao término do primeiro ano do Projeto Sou Solidário, já é possível perceber suas marcas junto ao compromisso lassalista pela transformação social. Além das ações comunitárias voltadas para a garantia dos direitos básicos da sociedade, está também a responsabilidade em fomentar práticas de educação cidadã junto aos diferentes públicos da Rede La Salle. Tendo em vista 2018, iniciativas que promovam a atuação em rede, a formação de multiplicadores e a sustentabilidade das ações seguirão sendo o foco e desafio deste projeto, tendo como base cada vez mais o fortalecimento de caminhos pautados na solidariedade.


PROJETOS SOCIAIS

Expansão e fortalecimento de projetos no norte do país A Fundação La Salle, por meio de seu escritório em Ananindeua, reafirmou a parceria com a Rede La Salle na atuação em projetos sociais do norte do país em 2017. As atividades realizadas compreenderam desde tratativas com o poder público local, captação de recursos, renovação de parcerias e investimentos em benefícios para a comunidade. Nesse processo, foi renovada a parceria com a Secretaria de Segurança Pública de Ananindeua e a Guarda Civil Municipal na execução do Projeto Anjos da Guarda (PAG) que atende a crianças e jovens com idade entre dez e dezessete anos. Ao longo de dois anos de parceria, pode-se constatar

que os frutos foram intensos e que o projeto possui grande significado para os atendidos, familiares e comunidade.

Patrícia Moraes Secretária Escolar

“O Projeto Anjos da Guarda tem grande importância para o desenvolvimento geral dos atendidos, porque procura unir família, escola e ações do projeto. Por isso, desenvolve laços de pertencimento a um grupo”.

25


É importante mencionar que os profissionais do PAG buscam qualificação constante para atuar junto ao seu público-alvo. Destaca-se nesse quesito a formação inicial, promovida nos espaços destinados à Fundação La Salle, em janeiro de 2017, que contou com o apoio da Secretaria de Segurança e da Prefeitura Municipal. Ainda no sentido de promover o serviço de excelência a crianças e jovens, o PAG dispõe de profissional na área de Psicologia para o atendimento aos participantes do projeto e a seus familiares. Nesse percurso realizado, o PAG tem conquistado adesão e permitido que as pessoas vejam a corporação da Guarda Civil Municipal como aliados para o desenvolvimento, inclusão e garantia de acesso a direitos por parte da população em risco. Outra parceria foi renovada com o SENAC – Unidades Móveis de Belém para oferta de cursos de qualificação para o mercado de trabalho. Atendendo a um número expressivo de pessoas, bem como a diferentes perspectivas de mercado, os cursos ofertados gratuitamente possibilitaram que jovens e adultos recebessem formação para atuar em distintas frentes de trabalho.

Weslley da Silva Estudante, 14 anos

“Sem o Projeto eu ia ficar em casa sem fazer nada. Quando minha mãe me colocou no projeto eu não gostava. Depois de uma semana eu passei a gostar. Aí comecei a praticar capoeira, jiu-jitsu, boxe e futebol. Comecei a falar do projeto para meus amigos, a fazer novas amizades e meu desempenho na escola melhorou um pouco”. 26

Em parceria com a Sociedade Porvir Científico, a Fundação La Salle submeteu documentação ao SESC/Mesa Brasil para arrecadação de alimentos e posterior distribuição aos atendidos na Escola La Salle Ananindeua e no Projeto Anjos da Guarda. Através de parceria com o Colégio La Salle ABEL, do Rio de Janeiro, a Fundação La Salle administra repasse e aplicação de recurso arrecado por meio de entidades parceiras do Colégio, na melhoria dos espaços da Escola Celina Del Tetto. O Projeto Sou Solidário, realizado na Escola Estadual Celina Del Tetto, foi outra iniciativa da Fundação La Salle, visando oferecer melhorias ao espaço físico. As oficinas planejadas e oferecidas – construção de instrumentos musicais com material reciclado, rodas de terapia comunitária, oficinas de esporte e dança – compuseram, para além das melhorias feitas, a gama de ações em prol da comunidade local.


No que se refere à busca e captação de recursos para execução de projetos, a Fundação La Salle participou do Edital 02/2017 do Plano Regional Sustentável do Xingu, no intuito de implementar um Centro de Prevenção às Violências na cidade de Altamira/PA. O projeto submetido foi avaliado e aprovado e a execução depende da disponibilidade de recursos da Câmara Técnica a que foi submetido. Outro projeto para captação foi o Atleta de Futuro, submetido em parceria com a Guarda Civil Municipal de Ananindeua à Embaixada da Austrália em Brasília. Essa iniciativa teve por objetivo financiar recursos materiais para a execução das oficinas específicas do PAG, nos espaços próprios de realização e em escolas públicas do município.

Sara Onize Estudante, 14 anos

“O Projeto Anjos da Guarda é muito importante para mim, pois antes de conhecer eu vivia em casa sem fazer nada e de tarde ia para a escola. Ao entrar no projeto comecei a praticar esportes que antes achava chato, como o jiu-jitsu. Na escola passei a prestar mais atenção nas aulas e me esforço nas provas e trabalhos. Outra coisa que aprendi é ter respeito por todos, independentemente da idade. Acima de tudo, ganhei muitos amigos por quem hoje tenho muito carinho.”

Ocileny Palheta Coordenadora Pedagógica

O projeto tem como objetivo ensinar regras de conduta social porque estimula a cidadania em crianças e adolescentes do bairro Icuí. O trabalho é feito em rodas de conversa, música, brincadeiras, dinâmicas, artes marciais, banda marcial e tudo de forma lúdica. Para o ano de 2018, a Fundação La Salle, por meio de seu Escritório em Ananindeua, mantém as parcerias já estabelecidas ao longo de seus dois anos de atuação. Somado a isso e em sintonia com a Sede, em Canoas, investe em novas frentes e novos meios de ampliar o espectro de atuação nas regiões Nordeste e Norte do Brasil. Desse modo, viabiliza meios para o desenvolvimento de ações pertinentes ao desenvolvimento de pessoas, sempre em consonância com o lema estabelecido: “A transformação começa com oportunidades”.

PROJETO ANJOS DA GUARDA Atendimentos em atividades e oficinas Atendimentos em reuniões Acolhimentos Público atingido em eventos Média de beneficiados por mês Total de beneficiados de 2017

150 150 150 600 87 1.050 27


PROJETOS SOCIAIS

Parcerias com a universidade

Professores Colombianos visitam projetos sociais da Fundação La Salle Um grupo de professores universitários da Corporación Universitaria Lasallista, de Caldas/Colômbia visitou os projetos Sociais da Fundação La Salle no mês de julho. Liliana María Gómez Cardona, Psicóloga; Ángela María Correa Aramburo, Comunicadora Social e Fredy Arley Arenas Sánchez, Zootecnista conheceram as iniciativas desenvolvidas pela instituição e exerceram algumas atividades práticas junto aos públicos atendidos pela Fundação La Salle. A integração uniu em parceria a Universidade La Salle, em Canoas. A programação contou com saídas de campo aos Centros de Prevenção às Violências do bairro Guajuviras, visitas aos empreendimentos Minha Casa Minha Vida e apresentação do trabalho técnico desenvolvido lá. Além disso, ocorreu o acompanhamento de atividades do projeto ‘‘Em Canoas o esporte tem mais valor’’, no Centro Social Urbano, a participação na reunião do projeto Cuidando trajetórias, no bairro Mathias Velho, entre outras ações.

28

Parceria no Desenvolvimento para Desporto Pelo segundo ano consecutivo, a Universidade La Salle, é parceira do projeto ‘‘Em Canoas o Esporte Rendimento é para Todos’’. A estrutura do Poliesportivo, principalmente a piscina e a academia, é um diferencial no treinamento dos atletas que integram o projeto.

Serviço em inovação e Tecnologia (SEBRAETEC) A Universidade La Salle, em parceria com a Fundação La Salle, está credenciada no SEBRAE através de uma iniciativa exclusiva para a prestação de serviços no programa SEBRAETEC. Entre as necessidades deste projeto, constam a comprovação do corpo técnico habilitado para a prestação de serviços e consultoria nas áreas de ciências, pesquisa, tecnologia e inovação. Para conhecer mais sobre a Instituição Lassalista da colombia, basta acessar: www.lasallista.edu.co


PROJETOS SOCIAIS

Gols de solidariedade: Lance de Craque distribuirá R$ 300 mil às instituições beneficiadas A quarta edição do evento Lance de Craque, partida beneficente promovida pelo jogador de futebol Andrés D'Alessandro, arrecadou R$300.011,66, que serão revertidos a sete instituições gaúchas de caridade. O jogo foi realizado no dia 16 de dezembro, no Estádio Beira-Rio. A partida mobilizou um público de 10.475 pessoas, o que gerou uma renda bruta de R$ 178.215,00. Desta quantia, foram descontados R$ 128.203,34 referentes a despesas de operação do estádio, resultando em uma renda líquida de R$ 50.011,66. Por meio do Funcriança, foram somadas a este valor doações de dois patrocinadores do evento: o Grupo Zaffari doou R$ 200 mil e a Rio Grande Seguros e Previdência, R$ 50 mil. A Funda-

ção La Salle continua sendo a instituição responsável pela auditoria dos recursos captados pela partida. A última edição do Lance de Craque foi disputada entre os times Esperança e Solidariedade e contou com a presença de 42 jogadores, além dos técnicos Zico e Vanderlei Luxemburgo. O Esperança venceu por 10 a 6.

BENEFICIADOS Lar Santo Antônio dos Excepcionais, Instituição de Educação Infantil Santa Terezinha, Instituto da Criança com Diabetes do Rio Grande do Sul, Casa do Menino Jesus de Praga, Hospital da Criança Santo Antônio, Centro Social Marista de Porto Alegre e Instituto do Câncer Infantil.

29


Desenvolvimento do ensino, da pesquisa, da extensão, de serviços e da gestão estratégica de processos.

05


PROJETOS TÉCNICOS


PROJETOS TÉCNICOS

Observatório de Segurança:

centro de pesquisa e apoio à gestão municipal Diferentemente de grande parte dos projetos executados pela Fundação LaSalle, o Observatório de Segurança Pública de Canoas (OSPC) constituise como um projeto técnico não voltado para o atendimento do público externo. Embora também possa atender demandas da sociedade civil, prestando informações e compartilhando produções, suas atividades são, em sua maioria, voltadas para apoiar os trabalhos da Secretaria Municipal de Segurança Pública de Canoas e dos demais componentes da administração pública. O OSPC coleta e qualifica dados, produz relatórios e apresentações, principalmente em torno das estatísticas criminais do município e sobre violência no âmbito escolar. Embora, em largo senso, ele beneficie todos os cidadãos de Canoas, de forma estrita, ele funciona como um centro de apoio técnico e de pesquisa social para os demais atores da gestão municipal. Os indicadores acompanhados pelo Observatório tem grande relevância para uma tomada de decisão baseada em dados, o que torna as iniciativas da administração pública mais assertivas, contribuindo com a eficiência da gestão. Os objetivos do Observatório são gerir um sistema de informações sobre violência e criminalidade, elaborar relatórios e mapas mensais sobre a situação da violência e da criminalidade no Município, disponibilizá-los para sociedade e encaminhálos para os respectivos gestores. Além das atividades correntes, O OSPC atendeu as demandas espontâneas por dados da segurança do município de Canoas, vindo, principalmente, dos gestores municipais, assim como atendeu a outras demandas externas. Além disso, também foram iniciados estudos por demanda 32

própria, como, por exemplo, os primeiros passos do estudo acerca da violência contra as mulheres e do feminicídio em Canoas, fomentando o debate e buscando parcerias com demais atores presentes no município, como o Centro de Referência para Mulheres Patrícia Esber e Secretaria Municipal de Saúde. O ano de 2017 trouxe uma série de mudanças nas dinâmicas internas, inicialmente com a troca de gestão municipal. Os primeiros meses do ano foram de apresentação das potencialidades do Observatório, e estruturação de diagnósticos que permitiram aos novos gestores uma aproximação com a realidade do município. Em uma etapa de reestruturação dos projetos sociais de prevenção à violência, o Observatório contribuiu com estudos e pesquisas a fim de definir o perfil prioritário de vulnerabilidade à violência letal em Canoas. Os primeiros meses do ano também trouxeram a necessidade de reforçar o preenchimento dos Registros Online de Violência Escolar (ROVE), portanto foram realizadas capacitações em 66% das escolas municipais de ensino fundamental, reafirmando a importância desta ferramenta. O ROVE permite que a gestão municipal acompanhe a dinâmica de violência nas escolas e no seu entorno, contribuindo com o planejamento de ações preventivas. Também foi realizado um levantamento atualizado referente à violência escolar no primeiro semestre de 2017, cruzando dados relativos aos registros preenchidos pelas escolas, os boletins de atendimento feitos pela Guarda Municipal, indicadores de abandono escolar, mancha criminal no entorno da escola, e estrutura de segurança, como alarmes, câmeras de segurança e presença de vigilantes.


Outro momento crucial nos trabalhos do OSPC no ano de 2017 foi o período de renovação da equipe técnica, entre os meses de julho e agosto. Em julho, o mês foi de construção de um plano de trabalho, reorganização do espaço e planejamento da seleção de quatro estagiários. No mês de agosto, foi realizada a seleção dos mesmos, quando foram contratados dois estagiários do curso de Políticas Públicas e dois do curso de Ciências Sociais. Seguiu-se a esse período o treinamento e a adaptação dos estágiarios à Secretaria de Segurança Pública de Canoas. Todos foram instruídos sobre os trabalhos realizados pelo Observatório, assim como dos processos necessários para a realização das principais tarefas e produtos. Ao mesmo tempo, cada um pôde, espontaneamente, escolher uma área de preferência de atuação para ser responsável por ela como pessoa de referência. Nesse contexto, deu-se continuidade ao acompanhamento dos indicadores de violência escolar, bem como aos processos de georreferenciamento, assim como a qualificação dos dados referentes ao furto e roubo de veículos e às mortes violentas. O segundo semestre também foi marcado pela construção da avaliação de impacto e monitoramento dos projetos sociais, pelo levantamento das atividades de Guarda Municipal de 2012 a 2017, por meio das informações do Registro Eletrônico da Guarda Municipal, e pelo

levantamento de dados referentes à violência contra a mulher no município. Essa pesquisa, acerca da violência contra a mulher, está sendo desenvolvida e representa uma inovação do OSPC em apurar ainda mais os dados com os quais trabalha. De forma coerente com o atual momento político brasileiro, no qual essa forma de violência está sendo cada vez mais entendida como um problema social, o OSPC está desempenhando um papel importante ao, juntamente com demais atores do município, sistematizar dados e classificar casos de homicídio de mulheres como feminicídio (homicídio em razão do gênero), acompanhando, ainda, outras formas de violência contra a mulher em Canoas. No segundo semestre, o OSPC teve fôlego para participar, além dos diversos eventos internos da Secretaria de Segurança e da Prefeitura, também de alguns eventos externos. Com a equipe novamente completa e já ambientada, o Observatório pode participar das articulações das redes interinstitucionais existentes e, ao mesmo tempo, representar a Prefeitura de Canoas frente à sociedade civil e científica. No mês de outubro, participamos como ouvintes em um painel sobre Segurança Pública no Rio Grande do Sul, organizado pela Fundação de Economia e Estatística (FEE) e também nos inserimos na Rede de Observatórios, a partir da apresentação no “VII Seminário Observatórios: pesquisas, 33


instituições e sociedade nas tramas da crise”. No mês de novembro, consolidamos nossa inserção Rede de Enfrentamento de Violência Contra a Mulher do município, muito em função do desenvolvimento das pesquisas sobre violência contra a mulher; inclusive apresentando o trabalho inicialmente acumulado no I Colóquio Estadual sobre Violência de Gênero na Ulbra Canoas. Em dezembro, além dos levantamentos de fechamento de indicadores do ano, focamos no planejamento de um seminário no ano de 2018, ainda em fase de definições. Para a última reunião plena do Gabinete de Gestão Integrada Municipal (GGI-M) do ano, a equipe apostou em renovar o formato de apresentação das estatísticas criminais. Trabalhamos averiguando as limitações do formato usado até então, e procurando meios de superá-las. Por fim, através da aposta na inovação gráfica, assim como na padronização do layout e do fio lógico na nova apresentação, obtivemos um ótimo retorno do público-alvo dessa apresentação. A saber, os gestores municipais presentes naquela reunião demonstraram ter compreendido e acessado melhor as estatísticas criminais do município. O OSPC foi também responsável pela sistematização dos dados e ações mais relevantes da Secretaria de Segurança produzidos no ano, a fim de alimentar o balanço solicitado pelos 34

gestores e pela Secretaria de Comunicação. Neste sentido, foram coletadas informações junto à todas as diretorias da SMSPC, incluindo o PROCON. Por fim, o OSPC fechou o ano compilando os todos dados obtidos acerca dos projetos sociais desenvolvidos no âmbito da SMPSC, trabalhando na estruturação da avaliação e monitoramento destes. Revisamos as referências bibliográficas do tema e inauguramos a construção de indicadores para o monitoramento dos projetos. Esse trabalho só pode ser realizado com o apoio das equipes dos Centros de Prevenção às Violências (CPV's) e Diretoria de Projetos (DPRO's), que compartilhou seus registros e relatórios, assim como nos recebeu em suas reuniões de trabalho e pesquisa. Dessa forma, fechamos o ano com um relatório de monitoramento dos projetos sociais, a ser apresentado, que acreditamos ser relevante em prol da transparência e da avaliação de qualquer projeto posto em prática no âmbito dos órgãos públicos.

OBSERVATÓRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA Reuniões Apresentações de dados de segurança Orientações nas escolas

86 12 29


PROJETOS TÉCNICOS

Trajetos Formativos na Língua Portuguesa O Projeto Pedagógico Formação em Língua Portuguesa, voltado ao aprimoramento e nivelamento de habilidades linguísticas e sociointeracionais dos Noviços, Postulandos e Aspirantes vindos das mais diversas Casas de Formação espalhadas por todo o país, acaba de completar mais um ano de atuação. A iniciativa da Fundação La Salle é baseada no Trajeto Formativo do Noviciado e Postulantado 2017/2018 desenvolvido pela Província La Salle Brasil-Chile, que propõe a formação integral e continuada dos participantes, a partir de uma abordagem interdisciplinar com o foco no desenvolvimento acadêmico e pessoal dos indivíduos do grupo, dentro da perspectiva lassalista. Porque o homem se constitui pela e na linguagem, a proposta busca instrumentalizar a formação de indivíduos críticos capazes de interagir e atuar em suas práticas sociais de forma coerente e positiva, dentro dos preceitos morais e éticos que norteiam suas vocações não só enquanto futuros Irmãos Lassalistas, mas também enquanto membros atuantes em suas comunidades. O projeto

aproveita-se da natureza heterogênica do grupo atendido para lançar mão da abordagem dialética de fatores essenciais para o convívio e desenvolvimento social e acadêmico desses indivíduos. Para tanto, o trabalho tomou como ponto de partida a exposição oral e escrita das experiências de leitura dos participantes. Tal estratégia de reconhecimento de interesses individuais, ou seja, de suas visões de mundo, propiciou o diagnóstico das habilidades, dificuldades e limitações comunicacionais dos alunos. A partir da organização verbal das ideias apresentadas, são trabalhadas noções básicas de oratória, postura argumentativa e suas implicações. A construção textual serviu como referência para o trabalho gramatical de adequação linguística, considerando os fatores de textualidade fundamentais para a execução de um bom texto escrito. A abordagem do conteúdo gramatical visa à apropriação e ao reconhecimento reflexivo e indutivo das normas da língua e da linguagem, evitando a repetição de “macetes linguísticos” e dando especial atenção para a formação de um ambiente de troca onde se promova o respeito às diferenças e às limitações e o desenvolvimento da solidariedade cristã. O trabalho de leitura, interpretação, escrita e revisão de texto deverá ser mantido no decorrer do ano, observando aspectos ortográficos, morfossintáticos e estruturais dos textos apresentados de modo individualizado. A ideia é desenvolver as competências linguísticas, transformando os participantes em agentes multiplicadores de saberes, e propiciar a formação de um espaço sociocolaborativo e emancipador de reflexão e de evolução acadêmico pessoal. 35


PROJETOS TÉCNICOS

Ações estratégicas na gestão municipal Em 2017 consolidou-se a parceria de trabalho com a Prefeitura de Cachoeirinha no apoio à gestão estratégica do município. Acompanhados pelo Coordenador de Projetos, Edimilson Tresoldi, as ações tiveram início através da realização de Curso de Formação sobre Estratégias de Captação e Gestão de Recursos. A capacitação foi realizada em duas etapas: dia 16 de Maio, na sede da Fundação La Salle e em 9 de Agosto no auditório da SMCELT, em Cachoeirinha. A formação teve como objetivo apresentar as possibilidades de captação de recursos para a gestão municipal nas esferas estadual e federal e também com empresas privadas. O curso ainda abordou a importância do Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse (SICONV). Ao todo, 30 funcionários municipais participaram da formação, tendo sido todos cadastrados e recebido perfis para operação no SICONV.

36

Banco de Projetos Com apoio da Fundação La Salle a Diretoria de Captação de Recursos de Cachoeirinha elaborou também o Banco de Projetos. Ao longo do ano foram elaboradoras 42 propostas para recebimento de recursos federais via emendas parlamentares do orçamento impositivo, apontando as principais áreas onde o município necessita recursos dessa origem.

Implantação de projetos via leis de incentivo A Fundação La Salle elaborou dois projetos para serem implantados via leis de incentivo, sendo um federal, (Lei Rouanet), e outro estadual, (Lei Pró Esporte). O cadastro já foi concluído e para 2018 espera-se alcançar 50% do valor pleiteado para passar à fase de habilitação.


PROJETOS TÉCNICOS

Qualificação da mobilidade urbana A Fundação La Salle foi contratada para oferecer serviços de Consultoria para elaboração do Plano Municipal de Mobilidade Urbana e dos Estudos para implantação de um sistema de transporte coletivo no Município de Nova Santa Rita. Entre os pontos abordados na consultoria, pode-se destacar a apresentação do marco legal da cidade, macroestrutura viária, plano de intervenção, melhoria no sistema de transporte público local e regional, qualificação da Mobilidade e relações de vizinhança, metodologia, entre outros.

O projeto contou inicialmente com pesquisa com os usuários do transporte coletivo municipal para detectar as necessidades e sugestões referentes ao tema. Além disso, foram realizadas diversas audiências públicas com o intuito de discutir a temática com a comunidade. Após essa fase, foi nomeado um Núcleo Gestor do Plano Municipal de Mobilidade Urbana, órgão de participação institucional da sociedade, de caráter consultivo e propositivo e com atribuição de acompanhar a elaboração e instituição do Plano Municipal de Mobilidade Urbana..

37


Seleção de profissionais que contribuam para a qualificação dos serviços públicos


CONCURSOS PÚBLICOS


CONCURSOS PÚBLICOS

Gestão dos Concursos Públicos A área de Concursos Públicos continua sendo um diferencial entre os serviços oferecidos pela Fundação La Salle. Em 2017 foram realizados 11 Concursos Públicos, totalizando 69.718 candidatos inscritos homologados em oito instituições diferentes, entre município, órgãos municipais, estaduais e federais. Entre as melhorias percebidas no processo de gestão dos Concursos Públicos está a amplia-

40

ção e qualificação de relatórios administrativos emitidos através dos SGC - Sistema de Gerenciamento de Concursos. Além disso, foi realizada uma atualização do layout da interface de inscrição dos candidatos com ampliação de dados cadastrais. Nesse sentido, o ano também foi marcado pela melhoria no fluxo de gerenciamento de incidentes do suporte na área de Tecnologia da Informação.


DESTAQUE: CONCURSO DA SUSEPE

ÁREA DO CANDIDATO

Dentre os concursos realizados, o destaque fica com o concurso da Superintendência dos Serviços Penitenciários, Susepe, que contou com mais de 53 mil candidatos inscritos. A seleção foi extensa e integrou modalidades distintas de provas, incluindo além da prova objetiva, testes de aptidão física e testes psicológicos. Para o Coordenador Operacional, Cleon da Fonseca, acompanhar o Concurso da Susepe foi uma forma de ressaltar a visibilidade e credibilidade atingida pela Fundação La Salle na execução de seus processos seletivos.

Em 2017, a área do candidato, local específico para acesso das informações das pessoas inscritas nos Concursos Públicos através do site www.fundacaolasalle.org.br/concursos passou a contar com a visualização das grades avaliativas, aumentando a transparência no desenvolvimento de cada processo seletivo. Candidatos homologados Concursos públicos

69.718 11

41


Coordenação de avaliação de conhecimentos, de clima organizacional e de estruturas a serviço da educação.


AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTO


AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS

Diagnóstico para qualificar o ensino e a aprendizagem A Avaliação de Conhecimentos é uma realização da Rede La Salle com execução da Fundação La Salle, que visa garantir a qualidade dos processos de ensino e aprendizagem e a formação integral dos estudantes da Rede La Salle. É aplicada anualmente, desde 2015, aos alunos do 5º e do 9º ano do Ensino Fundamental e da 3ª série do Ensino Médio. Através desta avaliação, é possível coletar e sistematizar informações visando diagnosticar o nível de desempenho dos alunos em determinados componentes curriculares, sob uma proposta baseada em conceitos de competências e habilidades, em conformidade com as matrizes nacionais do Sistema de Avaliação da Educação Básica (SAEB) e do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM).

44

O processo é aplicado em duas etapas: a primeira é um simulado e a segunda é a avaliação propriamente dita. Em 2017 a primeira etapa ocorreu no mês de Abril e a segunda no mês de Setembro. A avaliação foi aplicada a mais de 6.000 estudantes de 31 escolas distribuídas em nove estados do país. Para os alunos do 5º e 9º ano, a avaliação abordou questões relativas às áreas de Natureza e Sociedade, Matemática e Língua Portuguesa. Já para os alunos da 3ª série as questões foram relativas às áreas de Ciências Humanas, Ciências da Natureza e Matemática. Os estudantes de todos os níveis também receberam propostas para a elaboração de Redações.


NOVIDADE! Em 2017 a Fundação La Salle iniciou a realização da Avaliação de Conhecimentos também no 3º ano do Ensino Fundamental, visando aferir os níveis de alfabetização e letramento em Língua Portuguesa (leitura e escrita) e Matemática dos estudantes da Rede La Salle. A avaliação foi aplicada no mês de outubro a mais de 2.000 estudantes de 28 escolas, também distribuídas em 9 estados brasileiros. Com os resultados da Avaliação de Conhecimentos, por meio de descritivo, tabelas e gráficos, as equipes diretivas das unidades de Educação Básica da Rede La Salle de todo o Brasil contam com um subsídio para redimensionar e aprimorar o processo educativo, apontando caminhos para reflexões, mapeamento e estratégias de ações cada vez mais qualificadas e promissoras.

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA REDE LA SALLE Em 2017, mais de 11 mil pessoas participaram do processo de Avaliação Institucional da Rede La Salle, o PROAVI. Desenvolvido pela Fundação La Salle, a ação atingiu as instituições de educação básica e de ensino superior. Na educação básica foram 32 Comunidades Educativas participantes, totalizando 5.484 pais e ou responsáveis e 1.036 colaboradores administrativos. Já no ensino superior, as cinco instituições participantes integraram 5.453 alunos. O objetivo do PRAVI é avaliar e aprimorar a atividade educativa, buscando qualificar os processos de gestão e de ensino. É mais uma atividade desenvolvida com o foco na melhoria contínua dos serviços da Rede La Salle. 45


FUNDAÇÃO LA SALLE DESTAQUE NA IMPRENSA


EXPEDIENTE Projetos 2017 – Relatório Anual

Diretor Presidente: Ir. Olavo José Dalvit, fsc Diretor Administrativo: Ir. Cledes Antonio Casagrande, fsc Diretor Técnico: Ir. Clóvis Trezzi, fsc Coordenador Geral: Lucinei Hanauer Coordenador Operacional: Cleon da Fonseca Coordenação de Comunicação e Edição: Cíntia Miguel Kaefer – Mtb 6485 Revisão: Karine Miranda Fotos: Banco de Imagens Fundação La Salle Diagramação/Impressão: Algo Mais Gráfica e Editora

CONTATOS Avenida Getúlio Vargas, 5558/105 92010-242 - Canoas-RS Fone: (51) 3031-3169 – comunicacao@fundacaolasalle.org.br facebook.com/fundacao.lasalle fundacaolasalle.org.br


AVALIAÇÃO EDUCACIONAL

CONCURSOS

PROJETOS SOCIAIS

PROJETOS TÉCNICOS

Profile for algomais6

Fundação La Salle - Realizações 2017  

Relatório da Fundação La Salle - 2017

Fundação La Salle - Realizações 2017  

Relatório da Fundação La Salle - 2017

Profile for algomais6
Advertisement