Page 1

Revista dos Colégios

Revista dos Colégios Vicentinos

Francisco Telles

de Jundiaí

São Vicente de Paulo

ano 1 • número 1 • out2010

Fórum de Profissões Apoio em um dos momentos mais importantes da vida

mudanças no ensino médio • dia dos pais • orientação vocacional


Editorial

Vicentinos em ação Ir. Luci | Diretora Caro Leitor, Ao passear pelas páginas desta edição da nossa revista, você partilhará conosco de tudo o que aconteceu no semestre passado, tendo a oportunidade de rever alguns eventos que marcaram a nossa história. Na reportagem de capa, podemos afirmar que a primeira impressão é a que fica, foi pensando assim que os Colégios Vicentinos, preocupados com a formação integral dos seus alunos, desenvolveram atividades de orientação vocacional desde os primeiros meses de aula, dando oportunidade clara aos seus alunos de ter contato com as mais variadas carreiras e Universidades por meio de visitas e palestras para incentivá-los sempre a buscar aquela em que melhor se encaixa para a realização plena de suas vidas. Professores preocupados com a formação intelectual e humana, pontos fortes de um colégio que quer mais do que aprovação nos vestibulares, e sim alunos com objetivos alicerçados em valores éticos e conscientes de seu papel como cidadão, acompanharam os alunos nessas atividades. Com base nesses valores, ter certeza na escolha de uma carreira é o primeiro passo para a mais nova fase que os alunos do terceiro médio terão que passar, pois aprimorar conhecimentos, ir para o mercado de trabalho, acompanhar a velocidade das mudanças, encontrar o curso certo para valorizar seu currículo são incertezas nas quais o aluno precisará de todo apoio para vencer e a parceria entre escola e família tem de se estreitar ainda mais nessa reta final. Nesta edição, preparamos para você um apanhado das mudanças do Ensino Médio 2011, pois estamos sempre abertos a inovações para melhor atender ao projeto pedagógico de preparação do jovem para o mercado de trabalho, dando-lhe oportunidade para desenvolver suas potencialidades e habilidades. Outro evento importante, que merece destaque, foi a nossa Gincana Cultural que é realizada com total autonomia dos alunos do 3º ano do Ensino Médio. Todos os alunos do 6o ano a 2a série do EM se envolvem-se numa competição saudável cujo objetivo, além do cultural e esportivo, é auxiliar pessoas carentes. Neste ano, todos os esforços empregados nessa semana de atividade foram enviados a uma comunidade carente que sofreu com as enchentes no Rio de Janeiro. O espírito de equipe, criatividade, conhecimento e aprendizagem, aliados a uma consciência social, foram os pontos fortes desse trabalho. Para encerrar, trazemos alguns registros da festa realizada para homenagear os pais e a família que levou centenas de Famílias Vicentinas à Chácara dos Sonhos, em Jundiaí, para juntos nos alegrarmos em momentos de muita emoção e descontração. Compartilhe dessas alegrias conosco e uma boa leitura.

A R evista V é uma publicação dos Colégios: Colégio Francisco Telles - R. Senador Fonseca, 690 Centro Jundiaí - SP cep: 13201-017 tel: 11 4521-5973 / 4586-1636 franciscotelles@colegiosVicentinos.com.br Colégio São Vicente de Paulo Av. Dr. Sebastião M endes Silva, 706 A nhangabaú Jundiaí - SP tel/fax: 11 4586-3322 savi@colegiosVicentinos.com.br

cep:

13208-090

Supervisão Geral: Irmã Luci Rocha de Freitas www.colegiosvicentinos.com.br

Jornalista R esponsável: Gisele Farina (mtb no 32.088/SP) Projeto e Desenvolvimento: 113dc Design+Comunicação 11 3384-2140 www.113dc.com.br Textos: A na Cândida Briski (mtb no 43.154/SP) R evisão: Delma Penha dos Santos Fotos: New Face Fotografias (capa). A na Cândida Briski / 113dc / Acervo Colégios Vicentinos Impressão: Ogra Oficina Gráfica. tiragem 2.000 exemplares. Alunos da capa: Calani Correa e Gabriel Scheid (São Vicente de Paulo - Jundiaí), Daniel Barbosa Simões e Nathalia de Campos Seuane (Francisco Telles)

2


Ensino Médio 2011: Uma proposta inovadora Renovação dos conceitos pedagógicos começa pelo Ensino Médio tos, resultando em um diagnóstico mais preciso do aluno. As provas dissertativas demonstram de forma clara o conhecimento do aluno o que permitirá ao professor complementar seu trabalho, retomando determinado assunto que tenha gerado maiores dificuldades.

Exercício on-line Além do trabalho desenvolvido em sala de aula, os alunos terão à disposição o conteúdo do bimestre em forma de estudo dirigido, em todas as disciplinas, contendo contextualização e interdisciplinaridade. Ao realizar os estudos, utilizando o computador, ferramenta bastante apreciada pelos jovens, eles aproveitarão para revisar o conteúdo do bimestre e tirar dúvidas.

Recuperação Bimestral Alunos que não atingirem a média 5,0 no bimestre, poderão fazer uma nova avaliação após terem participado dos plantões de

As principais alterações partem do princípio de que cada aluno é único, com um ritmo próprio de aprendizado. dúvidas. Porém, a média bimestral não poderá ser maior que 5,0. Pelo método antigo, a recuperação era feita no final do ano, envolvendo todos os conteúdos ministrados durante o ano. A recuperação, a partir do ano que vem, será bimestral e a prova feita pelo próprio professor, que é quem mais conhece as dificuldades de cada aluno.

NEW FACE FOTOGRAFIAS

Os Colégios Vicentinos apostam sempre na inovação e na mudança, reformulando o Ensino Médio para melhor atender ao projeto pedagógico, preparando jovens para o mercado de trabalho e, principalmente, respeitando as diferenças de cada um. As alterações partem do princípio de que cada estudante é único, e tem um ritmo próprio de aprendizado. À primeira vista, o projeto poderia até suscitar dúvidas, uma vez que os alunos terão, em tese, uma pequena redução na carga horária semanal. Que será compensada com cursos de aprofundamento por área de conhecimento e plantão de dúvida. A ideia inicial era a de que o aluno ficasse o maior tempo possível na escola, mas nem todos se adaptaram a essa proposta. Ressaltando um dos princípios fundamentais da escola, trabalhar com a diversidade e não com um único padrão, as equipes pedagógicas dos colégios decidiram pela mudança. Aos que desejarem manter a rotina de estudos no próprio ambiente escolar, será reservado um espaço para os alunos da 3ª série do Ensino Médio. A escola oferecerá cursos de aprofundamento diários que não estarão vinculados com notas ou presença, mas serão desenvolvidos a partir do interesse nas áreas de atuação. É o caso de Atualidades e de Redação aos interessados em Comunicação e de Cálculos, aos interessados em Arquitetura. Outra mudança, será a atribuição de pesos às avaliações, passando a ter valores distin-

3


Um universo de aptidões Fórum de profissões amplia leque de alternativas na hora da escolha, com palestras de profissionais e dicas do mercado

Inevitavelmente, mais cedo ou mais tarde, você vai se deparar com ela. A pergunta mais temida e esperada na transição da infância para adolescência: o que você vai querer ser quando crescer? Angustiante para alguns e reconfortante para outros, é através dessa indagação que muitos iniciam o processo de escolha do caminho profissional rumo ao esboço de um projeto de vida, questionando habilidades, valores, aptidões e perspectivas de um infinito universo de interesses. Ao contrário das aulas de Física, não há fórmula a ser seguida para chegar ao resultado final, mas a informação e o conhecimento acabam sendo um dos facilitadores desse processo, como o trabalho desenvolvido nos colégios que levam o nome Sistema Vicentino que aliam teoria e prática para ajudar os alunos a trilharem seus próprios caminhos.

Antonio de Lisboa, há sete anos. O evento, que é um misto de congresso e feira sobre o tema, traz profissionais de renome em diferentes profissões e atuações no mercado de trabalho para relatar suas experiências. “A escola foi decisiva para que eu pudesse optar pela área que pretendo seguir. Por meio da coordenadora, pude ter contato com dois profissionais da área e estou avaliando até agora qual delas melhor se encaixa no meu perfil”, resumiu a futura jornalista ou radialista Domenica di Gangi do 3º A, que diz desde pequena “pender mais” para a área de humanas, constatação que pôde ser firmada em um dos fóruns do Colégio.

“A escola foi decisiva para que eu pudesse optar pela área que pretendo seguir. Pude ter contato com dois profissionais da área”.

o papel da escola

Com uma orientação focada no autoconhecimento por meio de dinâmicas individuais e de grupo, aos alunos do Ensino Médio são apresentadas várias áreas educacionais para embasar sua escolha, levando em conta carreiras, profissões, mercado de trabalho e faculdades, ampliando assim o leque de opções na hora da escolha profissional. Da mesma maneira que a escola trabalha as potencialidades de cada aluno ao longo do Ensino Médio, ela também procura conciliar a experiência do contato direto com as instituições de ensino, a partir do Fórum de Profissões realizado na unidade Santo

4

Diferente da colega que pretende trabalhar de forma despojada, a amiga do mesmo ano, Cecília Barreto de Lima, 17 anos, já se vê com os trajes que a carreira de diplomata exige. “Eu vou fazer direito, mas para ser diplomata”, afirmou sem pestanejar. O estalo, segundo ela, foi durante uma viagem a Minas Gerais com o Colégio. “O São Vicente me ajudou muito para que eu chegasse a essa conclusão; os fóruns são bem completos”, revela. Outro que “certamente” optará pelos tribunais, como cenário cotidiano, é o aluno Flávio Bizzo


FOTOS: ANA BRISKI

Grossi, também do 3º ano, que disse estar frequentando desde já os ambientes comuns aos profissionais de direito. “Eu tive a sorte muito grande de ter contato com um desembargador de São Paulo, por causa da escola, e ele abriu as portas para que eu pudesse ver de perto os ofícios da profissão e acompanhar as audiências no Palácio do Planalto”, comenta empolgado. Outros estão longe de saber o caminho a seguir. “Eu acho que vou querer partir para a área de exatas, mas também pode ser medicina ou direito”, disse pensativo o aluno do 1º A, Gabriel Carqui, 15, que acabava de assistir a uma palestra de hotelaria. Mas não desanimou: “tenho muito tempo para isso ainda”. O trabalho psicoeducacional desenvolvido na Escola ainda contempla projetos, como o da TV Vicentina, que possibilita a formação de grupos de estudo por interesses, como o de Jornalismo. “Nos eventos eu faço a cobertura, entrevisto alunos e já fui até a uma comunidade em Santo Amaro para gravar uma matéria”, relatou o simpático estudante do 2º ano com nome artístico, Marcelo Rato, que esbanja simpatia frente às lentes da câmara. Rato, já tem seus planos para o futuro traçados. “Vou fazer Jornalismo e depois uma pós-graduação em Esportes; sou fanático por esportes na TV”. E para a profissão ele diz ter conseguido o apoio integral dos pais. “Eles apoiam 100% minha iniciativa e até acham que eu levo jeito pra coisa,” sorri. o papel dos pais

O apoio dos pais nessa etapa tão conflituosa é fundamental para que os futuros profissionais possam encarar os desafios do início da vida adulta, aliviando as tensões e contribuindo para amenizar as incertezas. “Tenho

medo de fazer a escolha errada e perder muito tempo da minha vida, por isso estou procurando me informar ao máximo sobre as áreas de que eu gosto”, desabafou Wagner José Razvickas que disse ainda sofrer “leve pressão” dos pais para ingressar numa universidade pública. “Sempre tem uma pressãozinha, né?” Já o aluno Murilo Garcia Santos, 17, em breve um engenheiro de alimentos ou engenheiro químico, diz que a cobrança é interna. “Será que vou conseguir, será que valeu a pena as horas de estudo? Tudo isso vem à mente e claro, o fato de não querer decepcionar meus pais, que fizeram um investimento esses anos todos comigo”, relata. Mas mesmo assim, se mantém confiante: “espero não precisar de cursinho, aqui nós temos uma ótima base, a escola vai a fundo nos assuntos”, elogia. Para Carmelita Ferreira, mãe de Fernanda da 8ª série, o Fórum amplia a visão de mundo dos alunos. “Eles não ficam tão focados no que aprendem na escola, é importante uma visão além da sala de aula,” alega a mãe que diz incentivar a filha desde cedo a participar. Médico, advogado, engenheiro, turismólogo... Independente da profissão escolhida o importante é aliar as aptidões ao início do

Acima da esquerda para a direita: Murilo Garcia Santos e Flávio Bizzo Grossi. Abaixo: Domenica di Gangi e Cecília Barreto de Lima.

esboço de um projeto profissional almejado, buscando o máximo de informações sobre a carreira. O vestibular da vida é construído de erros e acertos e o futuro nada mais é que do que resultado das nossas próprias escolhas.

5


NEW FACE FOTOGRAFIAS

Passe livre nos esportes

Revelando talentos, construindo valores Cursos extracurriculares de artes fazem a diferença Além das diversas modalidades de cursos oferecidos nos colégios, a grade curricular prevê a vivência na área artística nos segmentos teatro, dança, música e artes visuais, em diferentes níveis de acordo com a série. Os cursos mesclam teoria e prática a partir de material produzido por especialista da área. O objetivo do estudo dirigido, de acordo com o coordenador

da área artística dos colégios, Alexandre Ferreira, é utilizar a arte como instrumento para educar, despertando o interesse pelo belo a partir de uma visão holística, espiritual, física e intelectual. “Desenvolvemos o ser humano para deixá-lo tirar o máximo proveito de suas aptidões e habilidades, integrandoo plenamente ao meio social”, revela.

Encontros teatrais Grandes destaques do teatro nacional estiveram reunidos no 8º Encontro de Artes Cênicas promovido pelos Colégio, que trouxe nada menos que a dama do teatro brasileiro Laura Cardoso, ex-aluna da escola. A atriz de 82 anos relatou sua trajetória profissional, seus personagens marcantes na televisão e os papéis de sucesso no teatro. Profissionais de renome como Émerson Danese, do Centro de Pesquisa Teatral, o sonoplasta Raul Teixeira e o profes-

6

sor da ECA-USP Felisberto Sabino da Costa também entusiasmaram a plateia, que pôde sanar dúvidas sobre os ofícios que fazem parte da montagem de uma peça. O aprendizado adquirido ao longo destes encontros e ensaios semanais são canalizados para a realização das produções apresentadas na Semana de Arte e nos espetáculos de fim de ano, que reunem mais de 600 pessoas diariamente em temporadas que vão de 10 a 15 dias.

Assim como a arte, a prática esportiva também tem lugar de destaque nos Colégios Vicentinos. Campeonatos estudantis, copas regionais e eventos em outros estados permitem fazer uso do esporte como meio de integração entre os alunos, conciliando aprendizado descontração e lazer. futsal, judô, capoeira, ginástica olímpica, voleibol e natação são algumas das modalidades que o Colégio oferece para o desenvolvimento dos alunos. “Aqui na Escola nós aprendemos de tudo um pouco e somos incentivados a competir, não necessariamente para ganhar, mas para ver com outros olhos o esporte”, comenta o pivô da equipe sub 17 de futsal, Yuri Morgado, do Colégio Santo Antonio de Lisboa. Para o professor Cláudio Tarallo, técnico da Seleção Brasileira de Basquete Feminino (sub 21), coordenador e professor de Educação Física dos Colégios Vicentinos, o esporte é uma ferramenta a mais no processo educacional, pois fortalece valores como o desenvolvimento do trabalho em grupo, a obediência às regras, disciplina, respeito a si mesmo e ao próximo. “Além dessa parte educacional, o esporte tem outra dimensão que é a saúde. Ele auxilia no desenvolvimento e crescimento dos alunos, promovendo hábitos saudáveis em um ambiente de confiança dos pais”, complementou.


FOTOS: ANA BRISKI

dia dos is pa

Celebração em família Dezenas de famílias vicentinas aceitaram o convite dos Colégios e se divertiram na confraternização do Dia dos Pais realizada em Jundiaí para celebrar a família. Atrações para diversas idades e para todos os pais foram cuidadosamente planejadas e renderam momentos de diversão e harmonia em meio a muito verde, sol e gargalhadas.

Giz, notas musicais e filosofia

A inquietação típica que vem da filosofia serviu como matéria-prima ao professor Hélio Miguel, docente dos Colégios Vicentinos, para compor músicas que mais induzem à reflexão do que divertem. Os frutos da empreitada começaram a ser colhidos no final de agosto com o lançamento de sua obra “A Busca”, no Teatro do Colégio Santo Antonio de Lisboa que contou com uma legião de fãs e, claro, alunos que vieram conferir de perto o talento do professor fora da classe. Com um repertório variado, composto de 17 músicas e esquete teatral, ele não

só encantou a plateia, como também propiciou reflexões com a música “Além do Óbvio”, já que suas composições tratam de temas universais e intrínsecos ao ser humano, despertando-o para a consciência ecológica, ao valor à vida, ao amor aos pais e à devoção. Projetos como esse são muito bem-vindos nos Colégios Vicentinos: “nós queremos incentivar todos os nossos professores a terem iniciativas como essa, pois mostram participação e promovem a integração de todos da comunidade vicentina”, diz Ir. Luci.

Guarde este nome Higor Lopes, 16 anos, mantém todas as atividades comuns, mas com uma diferença: desde 2008 compete profissionalmente como triatleta revezando as modalidades corrida, natação e ciclismo. Vencedor de biathlons, ele está entre os “top 5” do Troféu Brasil desde 2008. Ainda neste ano, competiu com profissionais renomados na prova Nautica South Beach, em Miami (EUA), e obteve a 5ª colocação, chegando à frente do campeão da categoria por idade. Com uma rotina apertada entre treinos, escola e academia, planeja concluir os estudos, cursar uma faculdade e só aí se dedicar de corpo e alma aos esportes, e quem sabe realizar seu maior sonho: representar o Brasil nas Olimpíadas de 2016.

7


Gin ca na Um

sh

So ow

de

li d

c ul tur

a, e

sp o

Liderança, espírito de equipe, conhecimento e disposição para contribuir com causas sociais são algumas das aptidões e habilidades desenvolvidas durante a Gincana Cultural, evento coordenado pelos alunos do 3º Ano do Ensino Médio, realizada anualmente em todos os Colégios Vicentinos. Responsável por movimentar os colégios por quase um bimestre, a gincana tem início com a escolha de um tema proposto pela coordenação pedagógica das escolas. Nesta edição, o tema foi baseado nos em países participantes da Copa do Mundo, como Alemanha, Itália, Brasil e África do Sul. Cada equipe foi representada pelas cores vermelho, azul, verde e amarelo incorporadas aos uniformes escolares. Definido o tema e as cores das equipes, é a vez dos alunos se dividirem entre si. Para estimular o intercâmbio entre as classes, os

8

á ri a rtes

e filant

2 0 10

ropia em auxílio a

agrupamentos não são feitos por séries, o que faz com que sejam formados por alunos de todas as idades. Essa mistura faz com que todos aprendam a trabalhar de maneira colaborativa e estimula a responsabilidade dos mais experientes. A competição envolve diversas categorias, como filantropia, arte, conhecimentos gerais e esporte em todas as suas vertentes. As equipes motivam pais e alunos na arrecadação de produtos de higiene pessoal, mantimentos, materiais de limpeza, roupas e cobertores, que são entregues a famílias carentes. Neste ano, todos os esforços foram dirigidos para o auxílio à Comunidade de Rio das Pedras, zona oeste do estado do Rio de Janeiro, que, assim como toda a região, foi vitimada pelas en-

o

is s ma

e n ec

tad ssi

os

chentes no início de 2010. A entrega das doações foi feita pelos próprios alunos que, em visita ao local, vivenciaram a realidade de quem perdeu tudo o que possuía. Proposta solidária permanente Contribuir com as pessoas tem sido um dos ideais dos Colégios Vicentinos que valorizam e incentivam ações e projetos sociais. Tudo isso com o objetivo de contribuir para minimizar o sofrimento de famílias inteiras, além de reforçar entre os alunos um espírito aberto e solidário. Hoje são mais de 10 mil pessoas assistidas diretamente por meio das anuidades escolares, que permitem a realização de projetos sociais para capacitação e auxílio daqueles que se encontram em situações de vulnerabilidade.


Revista Colégio Vicentinos - setembro de 2010  

Revista Colégio Vicentinos - setembro de 2010

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you