Page 1

c nais de imuniza cio zaação çã aumentar taram par taram tar p a 94% no fin pa final al de al d 200 2009 9 medi medi d ant ante e o forne necimento de segu guro ro saú úde d imobiliários em mais de 60% 60%. | Na A R M Ê N I A , 45% dos os do domic m ílios em em pré prédio d s urba rbanos nos co c m muitos

oi bene bene enefic n ficiad fic i iad iado o ccom om m est estrad es strad r as novvass ou recons nstru t ídas nos os ú úll imos cinco anos últ nos.. | Na Á F R I C A D O S U L , nos

adas co com m pro r ramass de rog de mic m rofina mi rof ofinanci in ina nan nci ciiamento nos últimos 12 an anos. o | Em B E L A R U S , quas os quase e 700 700 0 esccola olass

RELATÓRIO ANUAL DE 2011 DO BANCO MUNDIAL

aç ação ão o ent entre re a ccapi apital ta Be Belmo lmopan pan e o aero aeropor por orrto internacional reduziu oss ccu usto usto to os d de e operaçãão d de e ve veícculo u s em ul em

pesso pe ssoas as das ár áreas eas as ru ural r e periurban na, têm ag gora or acesso à eletricidad dade. dad e. | Em e. m B OT T S UA N A , a pprreeve ve enç nçã n ç o

m criad ado os ou sus susten tentad tados os dur durant ante e o pe perí río íodo ío do 1997 199 99 97 – 20 005. 0 | Em B U R K I N A FA F A S O , 94% % da d pop p ula u ação çção ão

ANO EM PERSPECTIVA

o onô oec nô n ômic m a a 6. mi 6.886 886 6 ex ex-co comba mbaten tentes tes de desmo sm mobil biliz izaados dos, incl inc usiive e 380 me menor n es. | No B U T ÃO O , a aggili illidad de na refo fo orma rm de es escol co ass e casa col casa asas sas perm e iti tiu iu que que e men nina i s do ensi in e siino fun fundam dam dam ment e al de umaa al aldei d a remota do leste e

A R Õ E S , 1,6 1,6 mil milhão h de hão d pessoas benef eficiou-s u- e diretam tamente da infr ta infraestrutur turaa apri p imor mor o ada da, inc da nclusi sive ve mai m s de ma de 98 8.0 .0 000 que qu ue fo f ram am faavor vo o eci cd dos oss pe pelo lo m lo maiior ace ce esso sso o às in nst s tuiiçõe sti çõess de de ensi ens no. o. | No C A M B O J A , a taxa de e

em méd mé iaa 40% 0% e a taxa taxa de acide ente ntess entre e Almaty A e Ka Karagan nda d foi reduz uzzida em ma mais iss de 20% 0% % en ntre 19 1999 1999 9 e 2007 7. | No o C H I L E , um sist istema integrad ad do de de gest gest sttão ã financ nceir ei a impl impl mpleme e nta eme ntado do em 159 59 ór órgão gãos do governo o 2002 00 – 07. | Na C H I N A , o reforrço de diq diques u no o Ri Rio o Yangtze tze z pr ze p ote otegeu g ce erca caa de de 75 7 miilh lhõ ões de pes pe so soaas e ma m is de 1,6 ,6 miilh lhã hão de de he ect ctare a s de terr rra cult ultiv i vel do pe ivá iv perig rig go de inun ndaç da ão o em dez d embro de 2008.

ropr opried iedade ied adess vizi vizi i nha has. ss.. | Na CO LÔ L Ô M B I A , 1,7 milhão dee faamíl mília ias fo foii bene n fic f iad do pelo progr ograma amaa de tr trans ans nssferrê ênc nciaa mon mo et etáárria i co c nd ndi diicio d iccio onad nadaa Fami milia liass en en Acci A ci ción ón ne em m 200 2008 8, bem mais que ass 34 40.0 0.000 0 famílias em 2004.

d mo do m nit nitora ora r men ento en to o am amb m ien e tal en t beneficciara aram m 146 46.000 habit ittant an es es e 225. 2 000 0 tu uris r tas em m 20 2010 10. 0.. | Em D J I B U T I , 71% 71% 1 dos dos essttud u ant nttes com n co o ple om pletam tam atual ualmen m te me men t o ensi nsin ns nsi no fun undam a ental sem m re repet pet etir ir nen n hum h a série, muito o

.000 000 es estud t ant tu tud a es. es Os pr progr og ama ogr mass de tran tran ransfe s rên sfe rência cia co condi ndi dicio cionad cio nad ada de rend rend en a ajud ajud judara aram ara m 100. 100. 0.0 0. 000 fa 000 famíl mí ias em 20 míl 2010. 10 | No E Q U A D O R , 1.741 1 do omi micílios os re r ceb eberam em 2008 00 el 008 eletricidad dade e de de sist s em emas sola olare res domésticos.

llas la as de 6 68 8,5% em m 20 005 05 par para ra 83,5 3,5% % em em 2009 00 09. | Na F E D E R AÇ A Ç ÃO Ã R U S S A , cerc cerc e a de de 65% 65% % de de pes p so soas soa oas infe inf nfe fecta cta tad das co das com m o HI HIV rece rece e ber ec beram be am tra tratam ta ent ta ento o aanti nttirre nti ntirre retro trovir tro viral vir al em m 200 00 08 cont ontra ra 25% 5 em 20 2006. 06. | Nass F I L I P I N A S

a me m lhoria na prestação t de sa saúd aúde mate aúde erno r -in -infa fantilil reduz fan fa duziu duz iu u ass ta t as de mor tax orrtal talida idad ida de de cri de c anças anç nças ab baixo do os 5 an anos oss pa paraa 80 80 em cada cada 1. 1.000 0 naasci 000 s dos vi vivos vos em e 2008 em com om mparação com 111 em 2003; a mo mortalidade e

para pa r doença nça çass comuns da ça d inf nfâ fânc ânciaa alc alcanç ançou anç o 98% ou % em e 20 2009 0 em 09 m com om mpar p açãão com c 78% 8% % em em 20 2 04. | Na G UAT UA T E M A L A , o teempo ne neces cessár sário par paraa regi egistr strar ar uma um nova empres e a foi reduzido quase à metade de dos os 45 diass

a ent aum e ou em 19% e o aten en ndiment dim mento o esco esco colar co lar a paara alunos ar alu lunos en entre 6 e 12 anos os cr cresc esceu 9% ent ntre re e 19 199 99 98 e 20 2004. 04. | Na H U N G R I A , a po olui uição ção da ba bacia ciaa do Ri R o Danúbio D foi reduzid da em mais de 50% graças à ampl mpliaç iaç ação aç ã daa

7, da d Comi omissã s o Anticorrupção o, do Trib ribuna unaal Anticor ticor orrup rup pção çãão,, da d Comi missã mi ssão ssã o Judi udicia c l, da Com miss issão ão de Polícia e da Comis m são de Proce ocesso ssos. s. | Na Í N D I A , mais mais de e 98 9 % das crianças tê têm agora ag acesso ao ensino fundam dament e a en

d ment da dam en al ele elevou-se de 75% % em 2002 02 para 84% % em 2007 07. | Na J A M A I C A , 85% das 07 da mulheres grávidas HI H V posi ositiv os tivo o que que tiv tivera eram m cuid cuidado adoss prépré-nat nattais rece ceberam tratamento antirrret re roviral em 2008 em compa paraç raçção ão

e serviç viços adv advoca o tíc tícios ios gr gratu atuitos; o serrviço offere erecce aos cidadãos, em um só er só lluga ugaar, ajuda leg gal, consultoria jurídica caa e ser serviç viços os jud judici iciaais de e al alta qualidade e. | No L E S OTO , houve e um aumento de 10 pontos percent ntuai aiss ai

o de 200 009. 9 Alé ém diss dis o, a assi assistência do og gove overno ove verno garantiu que nenh hum m es estudaante terá que ue vi viaja ajar mais de 60 minut u os par ut paraa cheg gar à escola. | Na L I B É R I A , 842 8 quilômetros de e estrad a as - quase um décimo da ma ad malhaa

nt n re 199 999 9 e 20 2 07 7 mel melhor oraraam a competitivi iv da dad a e, segurança e o ambi ad m ent mbi nte e do Porto de e Klaipêd pêd pê da. a | No L Í B A N O , no período en entre tre 20 2 00 e 2008 foram m re ecu cuperados 300 quilôm metross de redes de água uas pluviais, s alé al m

i cr id ido c iad dos 10. 0 000 00 em empregos novoss. | Naa M A L Á S I A foram co onst nstruí ruídas da 33 3 essco c as pri col primárias, 26 esco olas secun u dár un dárias as,, 447 4 alojam ame entos de professor o es e cerc rca de 2.700 unid dades em albergues de d estudante es. Um m

os per os p cen centua tuais i na con contag tagem m de pobrezza, de 52% em 2005 para 40% % em e 200 20 8. | Em m M A L I , a part rtirr de d maio a de 20 010 10, aumentou tou em m 650.000 o número de de pessoa soass que q têm acesso à eletr e icidade. | No M A R R O C O S et

o de d sem sempre prego go cai caiu u de 9 9,5% ,5% em 200 05 para 7,2% em 2008 em conseq se uê seq uência cia do progr ogram og ogr a ama de re efor forma maa do do gov g ern go no e a ta taxxa de desemprego entre as mu tax m lheres diimin minuiu mi u significaativam am mente com o surgimento de no novas vas as

a 39 9.00 .000 0 nas nas com c uni unidad dades es pobress e muito pobres entre 2006 e 2009 0 . | No estado o de de M I N A S G E R A I S , B R A S I L , proj proj r eto e s para ajudar o go gover ve no a melhorar os serviço ver os públ úb b icos contribuíram para aume menta nta t r

m com mpar pa ação com 8,2 2 mi m lhões de to to eladas em 2002. | Na M O L D ÁV I A , a trans ton ansmis m são da d infeccção çã por HIV IV V de mãe ãe pa para ra filho ho cai c u quas uase e 90% 90% - de 20% em 2002 para 1,7% % em m 2007. | Na M O N G Ó L I A ho ouve e

ara a 2ª sér ara s ie do se segundo grau u fo foi aumentaado do em e 60% entre 2008 08 e 2009. | No N E PA P L , 168.000 000 0 trabalh hador orress fo ores for oram emp mpre regados e 11 1 8 quil quilôme ôme m tro tros de estr estrrada ad s rura r is for oram am m construídos ou recuperados nos os do d iss

gulaar de de 2.40 00 km ou 88% da d red e e rodo ed oviária principal. | Na N I G É R I A , 3,4 mil milhõ hões de ben eneficciários do seto se eto tor agríc ríc ícola íc ola aumen mentar t am sua suass rend das as em apr aproxi o mad ox madamente 63 63% % entr ntre e 2004 2004 e 200 2 9 mediant an e o aaccess es o a

veriffiico cou-s u-se um aumento nto de e 8,4% na taxa taxa lííquida íq de matrículas as do ensino mé médio di em e Gr Graanada e aumento de de 34,7% % em Sãão Vice ente e Gra raanaa ina ranad in s entre 2002 e 2008, além de e cres c escim ciment ento o de 10% na tax ta a de ttran ran nsiç sição ão o

on o al co com o o parte de um pacote om aco cote de serviç viçços o de saúde. | Em PA A P UA N O V A G U I N É , a refor forma do Port Por orrto de Rab abaul ap póss a erup pção ç de 19 1 94 per p mitiu que q em 2007 a carg carg rg ga inte internaacio cional n volta tasse sse a ser se no novam v entee

d e. | No dad N PA R AG U A I , 325.000 pessoas nas áreas ruraiss – das quais 25.000, membros d de e comunidad daad dad ades e indíg genas – obtiv iveraam acessso à água e sane eame a nto o po p r inte nterm nt médio da construção ã e da da aampl mpliaç mpl iação iaç ão o de 600 0

32.000 criaanças órfãs ãss e vuln nerá e veis de baixa renda têm melhor ho es con ndiç diçõe ões de d vida graças às trransferrênc ên nciias mone netári net ne árr as par araa suas famílílílias ia . | Na R E P Ú B L I C A Á R A B E D O E G I TO , o vo olu lum me e de de empréstimoss

árrio e a agilizaçção dos d prroce ocedim di entos de registro de propri priedades pr pri es.. | Na N R E P Ú B L I C A D O M I N I C A N A , os prejuíz juíz u os com el uí e etricidade foram redu uzi zzid id i os em 14% % no período 20 2005-0 08 graç graças ass a um projeto paraa e 2009. | Na R E P Ú B L I C A E S LO VAC A melhoria rias sign ria nifi ificat cativa v s na sua capacidade de previsão fiscal realizadas até 200 00 07 ajud j aram a oferecer um m po ponto de partida para a prrepa pon eparaç ep ra ão o do orç rçame a nto anual.

no aume umento ntou em 121% 21%. | Na R E P Ú B L I C A P O P U L A R D E M O C R ÁT I C A D O L AO S , a espinha dorsal do trans nsporte rodoviário do paíss me ns m lh ho h oro ou o u desde 1996 com m o aument ento o da velo ocid c ade das viagenss

p ssoa pe pes s s têm hoje e aces acesso so a um fornecimen m to de ene ergi rg a elét elétric ica confiável com substanccial ia redução do racionamento o de energia de cerca de 50% 0 nos horáários de pico em 2004 4 par paraa 0% em 2010. | Em S A M O A

o à educação quand ndo o fora for m criadas mais de 2.000 0 vag vagaas adicionais no ensino médio o graças à construção ou refo forrma de escolas em áre fo eas desassistidas des em 2007 7. | Em S ÃO V I C E N T E E G R A N A D I N A S

m ríc mat rícula ula no en ensin sin sino no bási ássico o em m 20 200 2008 008 era de 84% %, ssupe uperio upe rio or aos aos 67% 67 de 20 2002. 02 | Em S E R R A L E O A , 700. 00 000 00 pe pesso ssoas sso as obt obtive iveram ive ram aaccess e o a me melho lh res lho e in insta stalaç sta laç açções de saúde de e saneam ment ento o e 14 148 postos de e saú saúde de for foram m

orçamentária e em 2008, com novas leis par araa aume ar u ntar a gestão, supervisãão, transparência e respo onsa nsabilidade das aquis issiçõ ições. | No S R I L A N K A 55.000 domicílios os ag agrícolas bene enefic ficiar i am-se com o reccult ultivo ivo de de

D J I Q U I S TÃO , 71.000 famílias sem se segur gu an gur ança alimentar beneficiaram ram am-se da distribuição de se sementes de trig go e de fertilizantes no ano de 2008. 0 | Na TA I L Â N D I A , 1,15 1,15 mi milhão de pess e oas pobres e vu vulne ln ráv ráveiss

cipais e regionais estão hojje em boa boas co condições em comparação ão co com m 51% 51% em 200 2000 0. | Em TO N G A , 4 0. 42 2 sede edess de ed de admi admi dm minis nis ist is sttra trra r çõe ções de comunidad çõ des fora o m recu cuper perada adaas apó pós o cic ciclon l e. | Na T U R Q U I A , 4,6 lon 4,6 mil milh hõess

. | Na U C R Â N I A , as medi mediidass para estabilizzar o seto or ba banc an ário o apó após a cri crise se e fizeram fiz com om m que qu 6 milhõe hõe õess d õe de e de deposit epositantes recuperassem o ace esso às suas contas as noss banc ancos os que e ha havia vi m sido recapita italiz lizado dos pelo o impo mporta rta t nte t s governos muni nicip ni ci ais tiver cip veram am um pla plan no de des esenv env nvvolv ol ime im nto to co contí ntínuo ntí nu nuo uo de tr três ês ano anoss e quase to odos eles enviaram suas contas finais no prazo ao Gabin inete do Au Audit di or Geral de Ug ganda da.. | No U R U G UA I

à , 86% das mulheres ÃO res es receb receberam cuid uidado ad s préado ré nat attais ai em 20 2008 0 accima do 08, doss 79 79% 9% de 2004. | No V I E T N à , foram lançados em 2008 e 2009 novos padrões de efici ciênccia en energética para produtos tos co om alto consumo o

an a itá itáária iass aapri primor pri mo ada adass entr entr ntre e 1996 1996 e 200 2000 0.


Relatório Anual de 2011 do Banco Mundial Escritório do Redator, Relações Exteriores

No A f e g a n i s tão , houve uma redução de 22% na mortalidade de recém-nascidos, bem como uma diminuição de 26% na mortalidade infantil em apenas três anos. | Na A r g e n t i n a , as coberturas nacionais de imunização aumentaram para 94% no final de 2009 mediante o fornecimento de seguro saúde para a população de baixa renda. | Na A r g é l i a , o trabalho com financiamento de hipotecas quase dobrou o fornecimento de moradias novas e reformadas entre 2002 e 2007 e aumentou os empréstimos imobiliários em mais de 60%. | Na A r m ê n i a , 45% dos domicílios em prédios urbanos com muitos apartamentos utilizam atualmente soluções de aquecimento a gás seguras, limpas e a preços razoáveis. em comparação com 11% em 2004. | No A z e r b a i j ão , 1,2 milhão de pessoas de 431 comunidades foi beneficiado com estradas novas ou reconstruídas nos últimos cinco anos. | Na Á f r i c a d o S u l ,

Relatório Anual de 2011 do Banco Mundial

Líder da Equipe e Editora Cathy Lips

foram implementadas reformas na elaboração do orçamento e nos sistemas de gestão financeira de 41 municípios entre os anos de 2003 e 2008. | Em Ba n g l a d e s h , 20 milhões de pessoas foram beneficiadas com programas de microfinanciamento nos últimos 12 anos. | Em B e l a r u s , quase 700 escolas

Editora Assistente Prateeksha Nagar

62% e quase duplicou a utilização da via no período 2002-2005. | Em B e n i n , 230.000 habitantes obtiveram melhor acesso à infraestrutura e serviços básicos nos últimos cinco anos. | Na B o l í v i a , 130.000 pessoas das áreas rural e periurbana, têm agora acesso à eletricidade. | Em B ot s ua n a , a prevenção

Produção Editorial Susan Graham Janet Sasser

de Ouagadougou - 1.480.000 pessoas - têm hoje acesso à água potável. | Em B u r u n d i , 29.527 ex-combatentes receberam baixa de 2004 a 2008. A partir de setembro de 2006, foi fornecida reintegração socioeconômica a 6.886 ex-combatentes desmobilizados, inclusive 380 menores. | No B u tão , a agilidade na reforma de escolas e casas permitiu que meninas do ensino fundamental de uma aldeia remota do leste

Impressão Denise Bergeron Andres Meneses Tradução Unidade de Tradução e Interpretação do Banco Mundial (GSDTI) O Relatório Anual de 2011 do Banco Mundial foi fotocomposto por BMWW. A supervisão do projeto foi fornecida pelo Gensler. Impresso nos Estados Unidos pela Professional Graphics.

e postos de saúde foram reformados com janelas e iluminação eficientes no consumo energético, reduzindo o uso de energia e liberando recursos para a prestação de serviços. | Em B e l i z e , a melhoria da ligação entre a capital Belmopan e o aeroporto internacional reduziu os custos de operação de veículos em do HIV/AIDS avançou, com quase 43% dos jovens entre 15 e 24 anos praticando sexo seguro em 2010 - mais do que o dobro de 2004. | Na B ó s n i a e H e r z e g ó v i n a , cerca de 200.000 empregos foram criados ou sustentados durante o período 1997 – 2005. | Em B u r k i n a Fa s o , 94% da população

Ano em perspectiva

do país continuassem a frequentar a escola alguns dias após o terremoto de 2009. | Em Ca b o V e r d e , a taxa de imposto sobre as empresas foi reduzida de 35% em 2003 para 30% em 2008. | Em Ca m a r õ e s , 1,6 milhão de pessoas beneficiou-se diretamente da infraestrutura aprimorada, inclusive mais de 98.000 que foram favorecidos pelo maior acesso às instituições de ensino. | No Ca m b o j a , a taxa de conclusão do ensino fundamental alcançou 85,6% em 2008 – 09, bem acima de menos de 50% registrados cinco anos antes. | No Ca z aq u i s tão , os custos dos transportes na estrada Almaty-Astana caíram em média 40% e a taxa de acidentes entre Almaty e Karaganda foi reduzida em mais de 20% entre 1999 e 2007. | No C h i l e , um sistema integrado de gestão financeira implementado em 159 órgãos do governo central facilitou a execução orçamentária oportuna; 178 órgãos do governo receberam o apoio de um sistema de monitoramento e avaliação baseado no desempenho para a gestão de despesas no período 2002 – 07. | Na C h i n a , o reforço de diques no Rio Yangtze protegeu cerca de 75 milhões de pessoas e mais de 1,6 milhão de hectares de terra cultivável do perigo de inundação em dezembro de 2008. | Na C i s j o r d â n i a e Ga z a cerca 85 depósitos de lixo desordenados em Jenin e Tubas foram fechados e recuperados, liberando até 1.200 dunams (120 hectares) de terra para construção e valorizando as propriedades vizinhas. | Na Co lô m b i a , 1,7 milhão de famílias foi beneficiado pelo programa de transferência monetária condicionada Familias en Acción em 2008, bem mais que as 340.000 famílias em 2004. | Na Co s ta d o Ma r f i m , foram criados empregos para 15.000 ex-combatentes e jovens em situação de risco. | Na C r o ác i a , a melhoria na coleta e tratamento de águas servidas e o fortalecimento do monitoramento ambiental beneficiaram 146.000 habitantes e 225.000 turistas em 2010. | Em D j i b u t i , 71% dos estudantes completam atualmente o ensino fundamental sem repetir nenhuma série, muito acima dos 52% em 2003–04. | Em E l Sa lva d o r , 1,3 milhão de estudantes de escolas públicas urbanas beneficiou-se de um programa de alimentação escolar e a taxa de matrícula aumentou em quase 11.000 estudantes. Os programas de transferência condicionada de renda ajudaram 100.000 famílias em 2010. | No E q ua d o r , 1.741 domicílios receberam em 2008 eletricidade de sistemas solares domésticos. | Na E r i t r e i a , até 2005, 31.556 órfãos foram adotados por famílias. | Na E t i ó p i a , foram contratados 264.000 professores do ensino fundamental, o que ajudou a aumentar a taxa líquida de matrícula nas escolas de 68,5% em 2005 para 83,5% em 2009. | Na F e d e r aç ão R u s s a , cerca de 65% de pessoas infectadas com o HIV receberam tratamento antirretroviral em 2008 contra 25% em 2006. | Nas F i l i p i n a s , cerca de 5 milhões de moradores de Bicol que foram prejudicados pela escassez de energia elétrica por causa dos tufões, beneficiaram-se da estabilização do abastecimento de energia em 2008. | Em Ga n a , a melhoria na prestação de saúde materno-infantil reduziu as taxas de mortalidade de crianças abaixo dos 5 anos para 80 em cada 1.000 nascidos vivos em 2008 em comparação com 111 em 2003; a mortalidade neonatal também caiu. | Em G â m b i a , 378.000 habitantes urbanos beneficiaram-se de melhores condições de vida em consequência de melhorias na infraestrutura. | Na G e ó r g i a , a taxa de vacinação para doenças comuns da infância alcançou 98% em 2009 em comparação com 78% em 2004. | Na G uat e m a l a , o tempo necessário para registrar uma nova empresa foi reduzido quase à metade dos 45 dias do período 2004-08. | No Ha i t i , 200.000 prédios foram avaliados quanto a danos estruturais após o terremoto. | Em H o n d u r a s , o número de crianças matriculadas na série correspondente à sua idade aumentou em 19% e o atendimento escolar para alunos entre 6 e 12 anos cresceu 9% entre 1998 e 2004. | Na H u n g r i a , a poluição da bacia do Rio Danúbio foi reduzida em mais de 50% graças à ampliação da capacidade de tratamento dos efluentes dos serviços públicos no período 2000-07. | Na I n d o n é s i a , a estrutura institucional para enfrentar a corrupção foi significativamente fortalecida pela criação, em 2007, da Comissão Anticorrupção, do Tribunal Anticorrupção, da Comissão Judicial, da Comissão de Polícia e da Comissão de Processos. | Na Í n d i a , mais de 98% das crianças têm agora acesso ao ensino fundamental no raio de 1 quilômetro de suas casas; 5 milhões de crianças ainda permanecem fora da escola, em comparação com 25 milhões em 2004; a taxa de transição do primeiro ciclo para o segundo ciclo do ensino fundamental elevou-se de 75% em 2002 para 84% em 2007. | Na Ja m a i c a , 85% das mulheres grávidas HIV positivo que tiveram cuidados pré-natais receberam tratamento antirretroviral em 2008 em comparação com apenas 10% em 2002. | Na J o r d â n i a , o acesso á Justiça melhorou quando o Centro de Ajuda Legal da Jordânia, em coordenação com a Ordem dos Advogados da Jordânia, criou a primeira associação de serviços advocatícios gratuitos; o serviço oferece aos cidadãos, em um só lugar, ajuda legal, consultoria jurídica e serviços judiciais de alta qualidade. | No L e s oto , houve um aumento de 10 pontos percentuais na atual taxa de prevalência de anticoncepcionais, de 37% em 2004 para 47% em 2009. | Na L e tô n i a , 90% das crianças de 5 anos e 98% das crianças de 6 anos foram matriculadas na pré-escola desde outubro de 2009. Além disso, a assistência do governo garantiu que nenhum estudante terá que viajar mais de 60 minutos para chegar à escola. | Na L i b é r i a , 842 quilômetros de estradas - quase um décimo da malha rodoviária do país e importantes corredores rodoviários - foram recuperados ou reparados nos últimos anos. | Na L i t uâ n i a , a recuperação e ampliação de mais de 2 quilômetros de quebra-mar no período entre 1999 e 2007 melhoraram a competitividade, segurança e o ambiente do Porto de Klaipêda. | No L í b a n o , no período entre 2000 e 2008 foram recuperados 300 quilômetros de redes de águas pluviais, além de 28 quilômetros de rede de água potável e 36 quilômetros de rede de esgoto. | Em Ma d ag a s c a r , entre 2006 e 2008 foram registradas 5.000 novas empresas em três regiões e estima-se que tenham sido criados 10.000 empregos novos. | Na Ma l á s i a foram construídas 33 escolas primárias, 26 escolas secundárias, 447 alojamentos de professores e cerca de 2.700 unidades em albergues de estudantes. Um Programa de Escola para o Trabalho de ensino profissionalizante ajudou 2.654 alunos do ensino secundário com rendimento abaixo do esperado no ano de 2000. | Em Ma l aw i , houve uma redução de 12 pontos percentuais na contagem de pobreza, de 52% em 2005 para 40% em 2008. | Em Ma l i , a partir de maio de 2010, aumentou em 650.000 o número de pessoas que têm acesso à eletricidade. | No Ma r r o co s , o mercado de telefones celulares cresceu para 7,3 milhões de usuários em 2003, bem acima dos menos de 117.000 em 1998 quando a concorrência e a reforma normativa foram lançadas. | Em Mau r í c i o , o desemprego caiu de 9,5% em 2005 para 7,2% em 2008 em consequência do programa de reforma do governo e a taxa de desemprego entre as mulheres diminuiu significativamente com o surgimento de novas oportunidades de emprego no setor de serviços. | No M é x i co , a educação melhorou para 6,8 milhões de estudantes quando o Programa Escolas de Qualidade aumentou o número de escolas de 21.000 para 39.000 nas comunidades pobres e muito pobres entre 2006 e 2009. | No estado de M i n a s G e r a i s , B r a s i l , projetos para ajudar o governo a melhorar os serviços públicos contribuíram para aumentar a taxa de alfabetização entre as crianças de 8 anos para 76% em 2009, um aumento de 11% com relação a 2007. | Em M o ç a m b i q u e , o tráfego no porto no ano de 2009 foi de 11,3 milhões de toneladas em comparação com 8,2 milhões de toneladas em 2002. | Na M o l d áv i a , a transmissão da infecção por HIV de mãe para filho caiu quase 90% - de 20% em 2002 para 1,7% em 2007. | Na M o n g ó l i a houve um aumento de 69% na taxa de matrícula no jardim de infância desde 2002. | Na Na m í b i a , o acesso à educação continuada e à formação nas regiões de baixa renda aumentou quando o número de vagas para a 2ª série do segundo grau foi aumentado em 60% entre 2008 e 2009. | No N e pa l , 168.000 trabalhadores foram empregados e 118 quilômetros de estradas rurais foram construídos ou recuperados nos dois

© 2011 Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento/Banco Mundial 1818 H Street, N.W. Washington DC 20433 Telefone: 202-473-1000 Internet: www.worldbank.org E-mail: feedback@worldbank.org Todos os direitos reservados 1  2  3  4  14  13  12  11 As fronteiras, cores, denominações e outras informações apresentadas em qualquer mapa neste volume, não indicam nenhum juízo, por parte do Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento / Banco Mundial, a respeito da situação jurídica de qualquer território, nem o endosso ou aceitação de tais fronteiras. Todas as consultas sobre direitos e licenças, inclusive direitos subsidiários, devem ser endereçadas para: Office of the Publisher, The World Bank, 1818 H Street, NW, Washington, DC 20433, USA; fax: 202-522-2422; e-mail: pubrights@worldbank.org. ISSN: 0252-2942 ISBN: 978-0-8213-8875-4 eISBN: 978-0-8213-8918-8 DOI: 10.1596/978-0-8213-8875-4

O InfoShop do Banco Mundial em Washington, DC é uma fonte única de literatura sobre desenvolvimento econômico e uma fonte de informações sobre as atividades dos projetos do Banco Mundial. Contém publicações de diversos editores, bem como documentos que atendem aos requisitos de divulgação do Banco Mundial. (Consulte www.worldbank.org/infoshop.) Também é possível obter informações específicas dos países nos centros de informações ao público nas representações nacionais em todo o mundo. 701 18th St NW Washington DC 20433 De segunda à sexta-feira, 9h00-17h00 Telefone: 202-458-4500 (9h30 -15h30) Fax: 202-522-1500 Livraria virtual: www.worldbankinfoshop.org

últimos anos por intermédio de uma operação conduzida pela comunidade. | Na N i c a r ág ua foram criadas 35 microempresas gerando empregos para cerca de 400 pessoas para fazer a manutenção regular de 2.400 km ou 88% da rede rodoviária principal. | Na N i g é r i a , 3,4 milhões de beneficiários do setor agrícola aumentaram suas rendas em aproximadamente 63% entre 2004 e 2009 mediante o acesso a melhores equipamentos. | No N í g e r , a utilização de centros de saúde quase que dobrou de 20% em 2005 para 39% em 2009. | Na O r g a n i z aç ão d o s E s ta d o s d o Ca r i b e O r i e n ta l verificou-se um aumento de 8,4% na taxa líquida de matrículas do ensino médio em Granada e aumento de 34,7% em São Vicente e Granadinas entre 2002 e 2008, além de crescimento de 10% na taxa de transição para o ensino médio nas áreas menos favorecidas. | No Pa n a m á , cresceu em 76.000 no ano de 2010 o número de pessoas de comunidades rurais pobres e isoladas a receberem um novo componente nutricional como parte de um pacote de serviços de saúde. | Em Pa p ua N o va G u i n é , a reforma do Porto de Rabaul após a erupção de 1994 permitiu que em 2007 a carga internacional voltasse a ser novamente transportada diretamente desse porto e para ele. | No Paq u i s tão a geração de energia hidrelétrica cresceu de cerca de 35% para 46% da geração total em 2003-04, proporcionando maior acesso à eletricidade. | No Pa r ag ua i , 325.000 pessoas nas áreas rurais – das quais 25.000, membros de comunidades indígenas – obtiveram acesso à água e saneamento por intermédio da construção e da ampliação de 600 esquemas de abastecimento de água e do fornecimento de 23.000 vasos sanitários entre 1997 e 2007. | No P e r u , mais de 15.000 km de estradas rurais foram recuperadas entre 1995 e 2006. | No Q u ê n i a , 32.000 crianças órfãs e vulneráveis de baixa renda têm melhores condições de vida graças às transferências monetárias para suas famílias. | Na R e p ú b l i c a Á r a b e d o E g i to , o volume de empréstimos hipotecários aumentou de 300 milhões para 4,2 bilhões de libras egípcias em apenas cinco anos em consequência de reformas no setor de hipotecas que incluíram a criação de um regulador de crédito hipotecário e a agilização dos procedimentos de registro de propriedades. | Na R e p ú b l i c a D o m i n i c a n a , os prejuízos com eletricidade foram reduzidos em 14% no período 2005-08 graças a um projeto para a região do Caribe sobre energia segura e limpa. | Na R e p ú b l i c a d o I ê m e n , 30.000 meninas frequentam hoje a escola graças a esquemas de transferência monetária condicionada lançados em 2008 e 2009. | Na R e p ú b l i c a E s lo vac a melhorias significativas na sua capacidade de previsão fiscal realizadas até 2007 ajudaram a oferecer um ponto de partida para a preparação do orçamento anual. | Na ant ig a R e p ú b l i c a I u g o s l ava d a Mac e d ô n i a , a cobertura do cadastro de imóveis mais do que dobrou - de 43% em 2005 para 99% em 2009 - e o número de transações registradas por ano aumentou em 121%. | Na R e p ú b l i c a P o p u l a r D e m o c r át i c a d o Lao s , a espinha dorsal do transporte rodoviário do país melhorou desde 1996 com o aumento da velocidade das viagens de 35 km/hora para 80km/hora. | Na R e p ú b l i c a d o Q u i r g u i s tão , 92% das pessoas têm hoje acesso a produtos farmacêuticos em comparação com 77% em 2001. | Em R ua n d a 750.000 pessoas têm hoje acesso a um fornecimento de energia elétrica confiável com substancial redução do racionamento de energia de cerca de 50% nos horários de pico em 2004 para 0% em 2010. | Em Sa m o a 24 quilômetros de quebra-mar foram recuperados para proteger as aldeias costeiras e em 2008 quatro pontes haviam sido reconstruídas. | Em Sa n ta Lú c i a , um número maior de crianças obteve acesso à educação quando foram criadas mais de 2.000 vagas adicionais no ensino médio graças à construção ou reforma de escolas em áreas desassistidas em 2007. | Em S ão V i c e n t e e G r a n a d i n a s , o amplo treinamento do pessoal e a compra de equipamentos de emergência e de comunicações aumentou a capacidade de resposta do governo a desastres antes de 2006. | No S e n e g a l , a taxa bruta de matrícula no ensino básico em 2008 era de 84%, superior aos 67% de 2002. | Em S e r r a L e o a , 700.000 pessoas obtiveram acesso a melhores instalações de saúde e saneamento e 148 postos de saúde foram reformados e equipados entre 2004 e 2009. | Na S é r v i a , a gestão das finanças públicas foi reforçada em 2009 com a introdução de um planejamento amplo e integrado de médio prazo e com uma estrutura orçamentária e em 2008, com novas leis para aumentar a gestão, supervisão, transparência e responsabilidade das aquisições. | No S r i La n k a 55.000 domicílios agrícolas beneficiaram-se com o recultivo de

ECO-AUDITORIA O Banco Mundial está comprometido com a preservação dos recursos naturais. Este relatório é impresso em papel reciclado livre de cloro, com 50% de resíduos pós-consumo, em conformidade com os padrões da Iniciativa Verde para impressão. Consulte www.greenpressinitiative.org. Foram salvos: 62 árvores, 25 milhões de BTUs de energia total, 6.261 quilogramas líquidos de gases causadores do efeito estufa, 28.233 litros de águas servidas e 1.790 quilogramas de resíduos sólidos.

35.000 hectares de terra irrigada e com a recuperação de sete importantes esquemas de irrigação entre 2004 e 2009. | No Ta d j i q u i s tão , 71.000 famílias sem segurança alimentar beneficiaram-se da distribuição de sementes de trigo e de fertilizantes no ano de 2008. | Na Ta i l â n d i a , 1,15 milhão de pessoas pobres e vulneráveis beneficiaram-se de um esquema de cartão de saúde para pessoas de baixa renda. | Na Ta n z â n i a , 88% das rodovias principais e regionais estão hoje em boas condições em comparação com 51% em 2000. | Em To n g a , 42 sedes de administrações de comunidades foram recuperadas após o ciclone. | Na T u r q u i a , 4,6 milhões de domicílios receberam eletricidade mediante melhorias na capacidade de transmissão e eficiência durante a última década. | Na U c r â n i a , as medidas para estabilizar o setor bancário após a crise fizeram com que 6 milhões de depositantes recuperassem o acesso às suas contas nos bancos que haviam sido recapitalizados pelo governo ou que foram reforçados pelo Fundo de Garantia de Depósito entre 2009 e 2010. | Em U g a n d a , até 2007 todos os importantes governos municipais tiveram um plano de desenvolvimento contínuo de três anos e quase todos eles enviaram suas contas finais no prazo ao Gabinete do Auditor Geral de Uganda. | No U r u g ua i , 1.000 escolas conseguiram acesso à Internet em 2008 em comparação com nenhuma escola em 2001. | No U z b e q u i s tão , 86% das mulheres receberam cuidados pré-natais em 2008, acima dos 79% de 2004. | No V i e t n ã , foram lançados em 2008 e 2009 novos padrões de eficiência energética para produtos com alto consumo

BANCO MUNDIAL 1818 H St NW

Washington, D.C. 20433 USA Telefone: 202-473-1000 Fax: 202-477-63911 Internet: www.worldbank.org/annualreport/2011 E-mail: wbannualreport@worldbank.org

de energia. | Em Z â m b i a , 1,2 milhão de pessoas em nove cidades em todo o país receberam acesso a água e instalações sanitárias aprimoradas entre 1996 e 2000. ISBN : 978-0-8213-8875-4

A DIRETORIA EXECUTIVA Os Diretores Executivos são responsáveis pela condução das operações gerais do Banco Mundial. Desempenham suas funções com os poderes a eles delegados pela Assembleia de Governadores. Conforme disposto no Convênio Constitutivo, os países individuais com o maior número de ações indicam 5 dos 25 Diretores Executivos. Os outros são eleitos pelos demais países membros, que formam os grupos representados em um processo eleitoral realizado a cada dois anos. Os Diretores Executivos residentes representam as perspectivas em evolução dos países membros a respeito do papel global do Banco Mundial e das experiências dos clientes com as operações do Banco no campo. A Diretoria analisa as propostas de empréstimos e garantias do BIRD, bem como as propostas de créditos, subsídios e garantias da AID feitas pelo Presidente. Os Diretores Executivos exercem um importante papel na condução das operações gerais do Banco Mundial e na sua orientação estratégica. Eles também são responsáveis por apresentar à Assembleia de Governadores contas auditadas; um orçamento administrativo; o Relatório Anual do Banco Mundial sobre os resultados do exercício financeiro, operações e políticas do Banco Mundial; e outros assuntos que, na sua opinião, requeiram a apreciação da Assembleia de Governadores. O Grupo Independente de Avaliação (IEG) responde diretamente à Diretoria Executiva com assessoria independente acerca da relevância, sustentabilidade, eficiência e efetividade das operações. A Diretoria Executiva também monitora o cumprimento dos projetos com políticas e procedimentos operacionais por meio de um Painel de Inspeção independente, que responde diretamente à Diretoria. (Ver http://ieg.worldbankgroup.org e o painel em http://worldbank.org/ inspection panel.) Os Diretores Executivos atuam em uma ou mais comissões permanentes: Comissão de Auditoria, Comissão de Orçamento, Comissão sobre Eficácia do Desenvolvimento, Comissão de Ética, Comissão de Governança e Assuntos Administrativos e Comissão de Recursos Humanos. Com a ajuda das comissões, a Diretoria Executiva desempenha suas responsabilidades de supervisão por meio de análises em profundidade das políticas e práticas. A Comissão de Coordenação dos Diretores Executivos, um órgão informal de assessoramento, também se reúne regularmente. Os Diretores periodicamente visitam os países membros para analisar a assistência do Banco Mundial em andamento. Eles reúnem-se com uma grande variedade de pessoas, incluindo funcionários da missão do Banco Mundial residentes no país, gerentes de projeto, beneficiários e autoridades governamentais, além de representantes de organizações não governamentais, a comunidade empresarial, outros parceiros de desenvolvimento e instituições financeiras. Em abril e maio de 2011, os Diretores visitaram o Brasil e El Salvador. Avanços da Diretoria de 2011 Os Diretores Executivos continuaram a desempenhar um papel importante, uma vez que o Banco Mundial enfrentou muitos desafios em uma economia global pós-crise. A Diretoria considerou alguns documentos importantes na preparação para as reuniões da Comissão sobre Eficácia do Desenvolvimento. Esses documentos incluíram o Relatório Anual do Banco Mundial de 2011, que enfatiza conflito, segurança e desenvolvimento, e Resposta à Volatilidade Global dos Preços dos Alimentos e o Impacto em Segurança Alimentar, que

examina as respostas do Banco Mundial: para aumentos nos preços dos alimentos e riscos de mudança do clima. Os Diretores Executivos também discutiram o progresso dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (definidos no Relatório de Monitoramento Global de 2011) e os esforços de reforma da governança (descritos no documento “Modernização do Grupo Banco Mundial” e no relatório “Fortalecimento de Governança e Responsabilização: Administração e Supervisão de Acionistas”). A Diretoria aprovou uma proposta de um processo aberto, baseado em mérito e de um processo transparente de seleção do Presidente do Grupo Banco Mundial, além de uma proposta sobre um duplo processo para avaliação do desempenho do Presidente do Grupo Banco Mundial e da Diretoria. A Diretoria também dedicou sua atenção ao diálogo em andamento em nível ministerial sobre mudança do clima iniciado durante as reuniões da Comissão de Desenvolvimento da primavera setentrional e começou a avaliar uma nova estratégia de energia para o Grupo Banco Mundial. Como parte de seus esforços de reformas de voz e governança, a Diretoria continuou a buscar diversas iniciativas. O terceiro Diretor Executivo africano, representando Angola, Nigéria e África do Sul, reuniu-se oficialmente com a Diretoria em novembro de 2010. O direito de voto dos países em desenvolvimento e das economias em transição aumentou para 47,19% como parte de uma Fase II de reformas. Os Diretores Executivos discutiram propostas sobre o protótipo de um quadro corporativo de resultados, sobre uma maior autoridade delegada e sobre o papel das unidades de supervisão dentro do Banco Mundial. As Reuniões Anuais de 2010 presenciaram mudanças que tornaram as reuniões mais eficientes. Elas incluíram uma sessão plenária mais curta e mais focada e um Fórum Aberto on-line, que fortaleceu a comunicação entre o Banco Mundial e a sociedade civil, círculos acadêmicos, setor privado e público em geral. Além disso, os demonstrativos financeiros da Assembleia de Governadores foram disponibilizados para consulta pelo público. Essas mudanças ocorreram em conformidade com a Política de Acesso à Informação que entrou em vigor no início do exercício financeiro de 2011. A Diretoria também apoiou os preparativos para a reposição da AID16, que resultou em compromissos dos doadores de US$ 49,3 bilhões, um aumento de 18% sobre a última Reposição da AID de três anos atrás. Doadores novos e emergentes desempenharam um papel importante na Reposição da AID16. Como parte da reposição, os Diretores Executivos aprovaram uma alocação especial para o Haiti e estabeleceram uma nova janela dedicada de Resposta a Crises para ajudar os países clientes a responderem rapidamente a emergências. Eles também reafirmaram seu compromisso de alcançar os ODMs até 2015, principalmente nas regiões atrasadas e nos Estados frágeis e para as populações vulneráveis e excluídas. A Diretoria aprovou mais de US$ 42 bilhões em assistência financeira no exercício financeiro de 2011, incluindo cerca de US$ 26 bilhões em empréstimos do BIRD e US$ 16 bilhões em ajuda da AID. Os Diretores Executivos também analisaram 39 produtos de estratégia de assistência aos países, dos quais 28 foram preparados em colaboração com a IFC. Diretoria Executiva aprovou um orçamento administrativo para o Banco Mundial de US$ 1,8 bilhão para o exercício financeiro de 2012. (Ver http://worldbank.org/boards.)

Esta página, mostrando a foto correta dos Diretores Executivos do Banco Mundial e os respectivos nomes, substitui a página pertinente do volume impresso. SKU 18875

Da esquerda para direita: (em pé) Susanna Moorehead, Konstantin Huber, Piero Cipollone, Felix Alberto Camarasa, Abdulrahman Almofadhi, Merza Hasan, Shaolin Yang, Pulok Chatterji, Jorg Frieden, Ian Solomon, James Hagan, Dyg Sadiah Bohan, Nobumitsu Hayashi, Ruud Treffers, Ingrid Hoven, Rogerio Studart, Ambroise Fayolle; (sentados) Eugene Miagkov, Anna Brandt, Hassan Ahmed Taha, Agapito Mendes Dias, Marie-Lucie Morin, Javed Talat, Marta Garcia, Renosi Mokate                         Foto: Frank Vincent


MENSAGEM DO PRESIDENTE DO GRUPO BANCO MUNDIAL E PRESIDENTE DA DIRETORIA EXECUTIVA

Os desafios que enfrentamos hoje oferecem riscos e oportunidades: mudanças históricas no Oriente Médio e Norte da África; preços elevados e voláteis de alimentos e combustíveis; aumento da inflação em mercados emergentes com um certo perigo de superaquecimento; os estragos causados por desastres naturais — e melhores perspectivas para desenvolvi-mento inclusivo e sustentável, levando à criação de inúmeros polos de crescimento global; aumento de investimentos privados e públicos em infraestrutura, criação de empregos hoje e maior produtividade amanhã; as recuperações de Estados frágeis, geralmente como resultado de conflito; e os benefícios de uma maior transparência e abertura. Conforme o Relatório Anual de 2011 do Banco Mundial retrata, a ajuda aos países em desenvolvimento em atender a esses desafios, gerir os riscos e aproveitar as oportunidades tem sido fundamental para o nosso trabalho no último ano. Nosso apoio ultrapassa o apoio financeiro e a orientação sobre desenvolvimento. Cada vez mais, o Grupo Banco Mundial está unindo os países em desenvolvimento para poder compartilhar o conhecimento obtido de suas experiências. Este ano, estamos instando o mundo a “priorizar os alimentos”. Os preços mais elevados dos alimentos têm levado 44 milhões de pessoas a mais para a pobreza extrema. Para ajudar a aliviar os preços elevados dos alimentos e aumentar a produtividade agrícola, o Grupo Banco Mundial elevou suas despesas na agricultura para cerca de US$ 6 bilhões a US$ 8 bilhões ao ano, comparados aos US$ 4,1 bilhões em 2008. O Programa Global de Resposta à Crise Alimentar está ajudando cerca de 40 milhões de pessoas em 44 países com US$ 1,5 bilhão em ajuda. Somos grandes defensores do Grupo Consultivo em Pesquisas Agrícolas Internacionais (CGIAR) e atuamos como Fiduciário para esse novo Fundo. O Grupo Banco Mundial está também desempenhando um importante papel de defensor da segurança de alimentos, instando o Grupo dos 20 (G-20) a uma ação global. Continuamos a apoiar os pobres e vulneráveis por meio de redes de segurança eficazes e eficientes e de sistemas de transferências condicionais de dinheiro (CCTs). Nossos programas apoiam mais de 36 países com o fortalecimento de CCTs e o compartilhamento de conhecimento no mundo inteiro de como tornar esses sistemas eficazes. Estamos trabalhando em inúmeros setores — saúde, nutrição, educação e proteção social — com um foco renovado em sistemas, acesso e resultados. A África está novamente em uma trajetória de forte crescimento — acima da sua taxa de crescimento pré-crise. Pelo terceiro ano consecutivo, o Banco Mundial está conseguindo fornecer um nível recorde de ajuda (US$ 7 bilhões) para a região. O Banco Mundial também liberou sua nova Estratégia para a África este ano e elaborou pesquisas e consultas extensas, principalmente com as pessoas na África. A estratégia assinala uma mudança no modo como abordamos a região, com um novo foco em parceria, conhecimento e recursos financeiros.

O G-20 atribuiu ao Grupo Banco Mundial a tarefa de trabalhar com outras pessoas na análise da melhor maneira de mobilizar as fontes de financiamento da mudança do clima. Agora estamos ajudando 130 países em termos de adaptação e mitigação. Arrecadamos cerca de US$ 6,4 bilhões para nossos Fundos de Investimento Climático, enquanto eles catalisaram um total de cerca de US$ 50 bilhões em recursos financeiros. O Grupo Banco Mundial também aumentou o financia-mento de serviços de ecossistema e biodiversidade. Na Cúpula de Nagoya sobre Biodiversidade em setembro, lançamos uma inovação para as contas nacionais “verdes”, equiparando o valor dos recursos naturais ao modo como um país mede sua economia. Nosso Relatório mais recente sobre o Desenvolvimento Mundial (2011) está ajudando a dedicar mais atenção aos esforços para promover a estabilidade, o crescimento e a oportunidade nos países frágeis, geralmente Estados pós-conflito, que abrigam as pessoas mais pobres do mundo. Nossa pesquisa propõe o fortalecimento de instituições nacionais e a melhoria da governança por meio de um foco na segurança, justiça e empregos dos cidadãos. Estamos agora nos concentrando em como adaptar nossas operações para atender a essas necessidades, incluindo o aumento de pessoal e a abertura de um eixo de treinamento em Nairobi. O Grupo Banco Mundial tem focado eventos no Oriente Médio e Norte da África este ano, onde temos visto o impacto e os desafios impostos por cidadãos exigindo mudanças. As pessoas da região merecem um novo contrato social que ofereça a elas uma maior expressão em termos de futuro, justiça e empregos. Nossa resposta rápida baseia-se em aprendizagem, experiência e flexibilidade, apesar de reconhecermos o desafio de longo prazo. Sendo assim, estamos enfatizando a criação de empregos de curto prazo conectados a investimentos em empregos de longo prazo, impulsionando o comércio para fortalecer investimentos; além de redes de segurança direcionadas para garantir que os mais vulneráveis não sejam esquecidos. Para ajudar a República Árabe do Egito e a Tunísia, o Grupo Banco Mundial anunciou até US$ 6 bilhões em um novo apoio nos próximos dois anos. Como um Grupo, continuamos a focar a infraestrutura — nosso maior setor de investimento, bem como esforços para unir investimento e financiamento do setor privado, que inclui o apoio a parcerias públicoprivadas. Este ano, juntamente com o Governo de Cingapura, lançamos o Centro de Excelência de Financiamento de Infraestrutura. O centro


combina o conhecimento global das economias desenvolvidas e em desenvolvimento com a perícia técnica e operacional do Grupo Banco Mundial para fornecer serviços customizados aos governos, à medida que eles desenvolvem mecanismos para financiar a infraestrutura, inclusive com mais capital privado. A cooperação do Banco Mundial com a IFC e a MIGA é uma parte importante de todo o nosso desenvolvimento geral, porque o setor privado pode ser um impulsionador de mudança, crescimento e oportunidade nos países em desenvolvimento. Apoiamos investimentos no setor privado por toda a cadeia de valores agrícolas, no desenvolvimento de telecomunicações e para ampliação da inclusão financeira; e estamos conectando o setor privado a investimentos em serviços de saúde, infraestrutura, educação e treinamento — todos fazendo importantes contribuições para a criação de empregos. Vemos uma rápida expansão de intercâmbios Sul–Sul de recursos financeiros, experiência de desenvolvimento, além de oportunidades de comércio e investimento. O Grupo Banco Mundial está aprendendo com esses intercâmbios e aumentando nossos esforços de expandir novos conhecimentos, inovação financeira e novas abordagens para todos os países pobres. Nossa equipe da Tesouraria está mantendo os custos de financiamento baixos e aprovando os benefícios para os clientes. Além disso, abrimos as portas para o nosso conhecimento. A medida pioneira de Política sobre Acesso à Informação do Grupo Banco Mundial definiu um novo padrão de transparência entre as instituições internacionais e nossa Iniciativa Dados Abertos fornece acesso, gratuitamente, a mais de 7.000 conjuntos de dados. Este ano o Grupo Banco Mundial obteve as mais altas pontuações em termos de transparência entre as 30 principais organizações multilaterais e bilaterais de ajuda. Continuamos a incluir nossa agenda de governança e combate à corrupção em todo o trabalho do Grupo Banco Mundial entre países, setores e projetos. Também reforçamos nossa fiscalização no ano passado, com importantes exclusões, para impedir as empresas da prática de atos ilícitos, e novos acordos de cooperação com organizações internacionais para ajudar a combater a corrupção e a garantir processos judiciais mais eficazes. Além disso, estamos fortalecendo nossas medidas preventivas, ajudando o pessoal do Banco a identificar “sinais de perigo” em aquisições e a gerir melhor os riscos de integridade nos projetos de desenvolvimento.

O Grupo Banco Mundial continua a operar sob um orçamento fixo real, pelo sétimo ano consecutivo, apesar de estarmos lidando com volumes maiores de negócios. Estamos usando cada dólar disponível para apoiar os países pobres e em desenvolvimento. No exercício financeiro de 2011, o Grupo Banco Mundial destinou US$ 57,3 bilhões em empréstimos, subvenções, investimentos de capital e garantias a seus membros e às empresas privadas. Os compromissos do BIRD totalizaram US$ 26,7 bilhões, comparados aos US$ 44,2 bilhões de 2010, mas ainda acima dos níveis da pré-crise. A AID, o fundo do Banco Mundial para os países mais pobres, assumiu compromissos de US$ 16,3 bilhões, um aumento de 12% no último ano. O apoio da IFC aumentou em até 3% para US$ 12,2 bilhões e a MIGA emitiu US$ 2,1 bilhões em garantias, um aumento de 43% no exercício financeiro de 2010. Além disso,uma ampla coalizão de 51 doadores ofereceu este ano uma reposição recorde da AID16 de US$ 49,3 bilhões para os próximos três exercícios financeiros, um aumento de 18% em relação à AID15. Ademais, nossos acionistas aprovaram o primeiro aumento de capital geral para o Grupo Banco Mundial em mais de 20 anos, juntamente com um aumento de capital seletivo, impulsionando nosso capital em mais de US$ 86 bilhões. Nenhum dos trabalhos que realizamos seria possível sem a dedicação do pessoal do Grupo Banco Mundial em Washington e nas representações dos países, com cujo empenho estamos transformando em uma instituição mais dinâmica, flexível, aberta e inovadora. Obrigado. Também agradeço à nossa Diretoria Executiva, aos Governadores e aos nossos muitos colaboradores e parceiros pela ajuda e assessoramento contínuos.

Robert B. Zoellick


RELATÓRIO ANUAL DE 2011 DO BANCO MUNDIAL

SUMÁRIO

CONTEÚDO DO CDROM

A Diretoria Executiva

Financial Statements

Mensagem do Presidente do Grupo Banco Mundial e Presidente da Diretoria Executiva

New Operations Approved

O papel do BIRD

2

Lending Data

O papel da AID

2

Income by Region

Empréstimos do Banco Mundial por tópico e setor, Exercício Financeiro 2006–11

4

Resumo das operações, Exercício Financeiro de 2011

5

Capítulo 1 Orientações Pós-Crise

6

Organizational Information

Capítulo 2 As Regiões

14

África

14

Leste Asiático e Pacífico

16

Europa e Ásia Central

18

América Latina e Caribe

20

Oriente Médio e Norte da África

22

Sul da Ásia

24

World Bank Lending 2011 (apresentação em powerpoint)

Capítulo 3

Banco Mundial

26

Mapa do Mundo

Regiões do Banco Mundial, escritórios nos países e qualificação de mutuários

Ver “O Banco Mundial em funcionamento: Resultados do campo”, um encarte especial no centro deste relatório Este Relatório Anual, que abrange o período de 1º de julho de 2010 a 30 de junho 30 de 2011, foi preparado pelos Diretores Executivos do Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD) e da Associação Internacional de Desenvolvimento (AID) — coletivamente conhecidos como Banco Mundial — em conformidade com os estatutos de ambas as instituições. Robert B. Zoellick, Presidente do BIRD e da AID e Presidente da Diretoria Executiva, apresentou este relatório, juntamente com os respectivos orçamentos administrativos e demonstrativos financeiros auditados, à Assembléia de Governadores. Os relatórios anuais da Corporação Financeira Internacional (IFC), Agência Multilateral de Garantia de Investimentos (MIGA) e do Centro Internacional para Arbitragem de Disputas sobre Investimentos (ICSID) são publicados separadamente. Todos os valores em dólares usados neste Relatório Anual são em dólares dos Estados Unidos atuais, salvo especificação em contrário. Em consequência de arredondamento, a soma dos números das tabelas pode não ser exata e a soma dos percentuais constantes das figuras talvez não seja igual a 100. Ao longo deste relatório, os termos “Banco Mundial” e “Banco” referem-se ao BIRD e à AID. “Grupo Banco Mundial” refere-se ao BIRD, AID, IFC, MIGA e ICSID.

1


O PAPEL DO BIRD O BIRD é uma cooperativa global de desenvolvimento que pertence a 187 países. O propósito do BIRD é trabalhar com seus membros para conseguir um crescimento econômico equitativo e sustentável em suas economias nacionais, bem como encontrar soluções para problemas regionais e globais em desenvolvimento econômico e em outras áreas importantes como sustentabilidade ambiental. O BIRD visa a atingir sua meta prioritária, isto é, superar a pobreza e melhorar a qualidade de vida, principalmente oferecendo empréstimos, produtos para a gestão estruturada e perícia em disciplinas relacionadas ao desenvolvimento, além de coordenar respostas aos desafios regionais e globais. (Ver http://www.worldbank.org/ibrd.)

Serviços e compromissos financeiros do BIRD Os novos compromissos de empréstimos do BIRD atingiram (US$ 26,7 bilhões), incluindo 132 operações, no exercício financeiro de 2011, consideravelmente mais do que a média histórica (US$ 13,5 bilhões). no EF05-08. Isso acompanha o recorde de US$ 44,2 bilhões no exercício financeiro de 2010, quando a crise chegou ao ponto mais alto. A América Latina e o Caribe receberam a maior parcela do novo empréstimo do BIRD (US$ 9,2 bilhões), seguidos pelo Leste da Ásia e Pacífico (US$ 6,4 bilhões) e pela Europa Central e Ásia (US$ 5,5 bilhões). Entre os setores, a Administração Pública, Lei e Justiça receberam a maior parcela de compromissos (22%), seguidos por Transportes (19%), Energia e Minas (17%) e Saúde e Outros Serviços Sociais (17%). Os tópicos que receberam as maiores alocações foram Finanças e Desenvolvimento do Setor Privado (US$ 5,6 bilhões), Gestão do Meio Ambiente e Recursos Naturais (US$ 5 bilhões) e Proteção Social e Gestão de Riscos (US$ 3,9 bilhões). O BIRD também oferece produtos financeiros que permitem aos clientes financiar com eficiência seus programas de desenvolvimento e gerenciar riscos relacionados com moeda, taxas de juros, preços de produtos básicos e desastres naturais. No exercício financeiro de 2011, o setor de Tesouraria do Banco Mundial executou 5,6 bilhões em equivalentes ao dólar dos Estados Unidos (USDeq) em transações compensatórias em benefício dos países clientes, incluindo USDeq 5,5 bilhões em compensações de taxas de juros e USDeq 60 milhões em compensações de moeda (tudo em conversões da moeda local). O setor também executou transações de swap totalizando USDeq 6,8 bilhões para gerir os riscos de

sua folha de balanço. Além disso, o setor de Tesouraria executou USDeq 2,5 bilhões em swaps para o Mecanismo Financeiro Internacional para Imunização e USDeq 7,2 bilhões em swaps para a AID.

Recursos do BIRD O BIRD obtém a maior parte de seus fundos com a emissão de títulos nos mercados internacionais de capital. No exercício financeiro de 2011, o BIRD arrecadou USDeq 29 bilhões, emitindo títulos em 26 moedas. Devido ao seu posicionamento nos mercados de capitais e à sua solidez financeira, o BIRD conseguiu tomar empréstimos de grandes volumes com condições muito favoráveis, apesar das difíceis condições do mercado. Essa solidez do Banco Mundial baseia-se na prudência das políticas e práticas financeiras do BIRD, que o ajuda a manter a sua classificação de crédito AAA. Por ser uma instituição de cooperação, o BIRD não visa a maximizar os lucros, mas a obter rendimentos suficientes para garantir sua solidez financeira e sustentar suas atividades de desenvolvimento. A renda alocável do BIRD aumentou para US$ 996 milhões no exercício financeiro de 2011, comparados aos US$ 764 milhões no exercício financeiro de 2010. Em conformidade com seu mandato de desenvolvimento, o principal risco que o BIRD assume é o risco creditício do país inerente à sua carteira de empréstimos e garantias. Uma medida resumida do perfil de risco do Banco Mundial é o coeficiente entre capital e empréstimos e ativos de investimentos de longo prazo, que é administrado diretamente em consonância com a perspectiva financeira e de risco do Banco Mundial. Esse coeficiente era de 28,7% em 30 de junho de 2011. Para aumentar a capacidade financeira do BIRD, a Comissão de Desenvolvimento endossou um pacote de medidas, incluindo um aumento do capital geral e seletivo de US$ 86,2 bilhões, com US$ 5,1 bilhões em capital integralizado; e a Assembleia de Governadores aprovou as resoluções de aumento de capital em março de 2011.

O PAPEL DA AID A AID, o fundo do Banco Mundial para os países mais pobres, é o maior canal multilateral de financiamento concessionário no mundo. Seus recursos financeiros apoiam as iniciativas dos países para impulsionar o crescimento econômico, reduzir a pobreza e melhorar as condições de vida das pessoas de baixa renda. Neste exercício financeiro, 79 países estavam qualificados para receber assistência da AID. (Ver http://www.worldbank.org/ida.)

FIGURA 1

FIGURA 2

COEFICIENTE CAPITAL-EMPRÉSTIMOS DO BIRD | EM 30 JUNHO DE 2011

FONTES DE FINANCIAMENTO DA AID

PERCENTUAL

BILHÕES DE DÓLARES

40

35,0

37,6

29,4

17,9

28,7

14,6

12,7 6,3

6,3 3,9

1,6

Recursos próprios da AIDa Contribuição da renda líquida do BIRD e da IFC

0 EF08

EF09

EF10

5,3 3,0

n.a.

AID14 EF06-08

EF07

26,4

25,2 34,3

AID15 EF09-11

AID16 EF12-14

Remuneração dos doadores pelo perdão da dívida da MDRI Contribuições de doadoresb

EF11

Nota: n.a. = não se aplica. Os dados refletem os relatórios finais de reposição e as taxas de câmbio usadas durante as discussões sobre reposição. a. Os recursos internos da AID incluem amortizações do principal, encargos menos despesas administrativas e rendimentos de investimentos. b. Excluído o hiato de financiamento estrutural.

2

RELATÓRIO ANUAL DE 2011 DO BANCO MUNDIAL


Compromissos financeiros da AID

FIGURA 3

Os compromissos financeiros da AID atingiram US$ 16,3 bilhões no exercício financeiro de 2011, incluindo US$ 13,45 bilhões em créditos e US$ 2,82 bilhões em subsídios. A maior parcela de recursos da AID foi destinada à África, que recebeu US$ 7,0 bilhões. O Sul da Ásia (US$ 6,4 bilhões) e o Leste Asiático e Pacífico (US$ 1,6 bilhão) também receberam grandes parcelas de recursos financeiros alocados. Bangladesh (US$ 2,1 bilhões) e Índia (US$ 2,1 bilhões) foram os maiores países beneficiários. Os compromissos em termos de infraestrutura atingiram US$ 6,9 bilhões, um aumento de 28% no exercício financeiro de 2010. Um apoio significativo foi também destinado aos setores da Administração Pública, Leis e Justiça (US$ 3,7 bilhões) e Saúde e Outros Serviços Sociais (US$ 2,2 bilhões). Os tópicos que receberam as maiores alocações foram Desenvolvimento Rural (US$ 3,0 bilhões), Desenvolvimento Financeiro e Setor Privado (US$ 2,4 bilhões) e Desenvolvimento Urbano (US$ 2,0 bilhões).

EMPRÉSTIMOS TOTAIS DO BIRD-AID POR REGIÃO | EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2011 PARCELA DO EMPRÉSTIMO TOTAL DE US$ 43,0 BILHÕES

Sul da Ásia

Oriente Médio e Norte da África

África

16%

24%

19%

5%

América Latina e Caribe

22%

Leste Asiático e Pacífico

Europa e Ásia Central

14%

Recursos da AID A AID é financiada, em grande parte, por contribuições dos governos doadores. O financiamento adicional é proveniente de transferências da receita líquida do BIRD, subsídios da IFC e pagamento de mutuários de empréstimos anteriores da AID. A cada três anos, os governos dos países doadores e representantes dos países mutuários reúnem-se para debater as políticas e prioridades da AID e para fazer um acordo sobre o volume de novos recursos necessários para financiar o programa de empréstimo para os três exercícios financeiros seguintes. Sob a Reposição da AID15, que cobriu o exercício financeiro 2009–2011, os recursos totais foram de US$ 43,7 bilhões, incluindo contribuições de novos doadores de US$ 25,7 bilhões e compensação da Iniciativa Multilateral de Alívio da Dívida por parte dos doadores de US$ 4,9 bilhões. As discussões para a reposição da AID16 foram concluídas em dezembro de 2010, resultando em um pacote de nível recorde de 32,8 bilhões de direitos especiais de saque (SDR) (equivalentes a US$ 49,3 bilhões, usando a taxa de câmbio da reposição da AID16). As fontes de recursos financeiros para a AID16, que abrange o exercício financeiro 2012–2014, incluem recursos de doadores de SDR 17,6 bilhões (US$ 26,4 bilhões) de 52 países, incluindo 7 novos doadores; compensação de doadores pelo perdão da dívida de SDR 3,5 bilhões (US$ 5,3 bilhões); refluxos de crédito de SDR 9,7 bilhões (US$ 14,6 bilhões), incluindo recursos financeiros de amortizações aceleradas de crédito e oneração de termos de crédito; e transferências de dentro do Grupo Banco Mundial, incluindo uma renda de investimentos associada de SDR 2,0 bilhões (US$ 3,0 bilhões). O tópico dominante e principal foco da AID16 é o alcance, aumento do monitoramento e comunicação dos resultados de desenvolvimento, com mais ênfase na medição de resultados. Tópicos especiais incluem resposta à crise, questões de gênero, mudança do clima e países frágeis e afetados por conflitos. A AID16 inclui recursos financeiros para uma nova janela dedicada de Resposta a Crises para ajudar os países de baixa renda a enfrentar o impacto dos desastres naturais e choques econômicos graves. A nova reposição também ajudará os países beneficiários a se adaptarem aos impactos negativos de mudança do clima e a reforçarem a participação do Banco Mundial em países pós-conflito.

FIGURA 4

EMPRÉSTIMOS TOTAIS DO BIRD-AID POR REGIÃO POR TÓPICO | EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2011 PARCELA DO EMPRÉSTIMO TOTAL DE US$ 43,0 BILHÕES

Desenvolvimento urbano

Comércio e integração Proteção social e gestão do risco Desenvolvimento social, gênero e inclusão

10%

Gestão econômica

2%

Gestão de recursos ambientais e naturais

14%

6%

13% 19%

Desenvolvimento financeiro e do setor privado

2%

Desenvolvimento rural

13%

Regime de direito

10%

Governança do setor público

11%

< 1%

Desenvolvimento humano

FIGURA 5

EMPRÉSTIMOS TOTAIS DO BIRD-AID POR SECTOR | EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2011 PARCELA DO EMPRÉSTIMO TOTAL DE US$ 43,0 BILHÕES

Água, saneamento e proteção contra inundações

11%

Agricultura, pesca e florestas

5%

Educação

4% 14%

Transporte

20%

5%

Administração pública, leis e justiça

22%

1%

Energia e mineração

2%

Finanças

16%

Saúde e outros serviços sociais

Indústria e comércio Informação e comunicações

RELATÓRIO ANUAL DE 2011 DO BANCO MUNDIAL

3


TABELA 1

EMPRÉSTIMOS DO BANCO MUNDIAL POR TÓPICO E SETOR | EXERCÍCIO FINANCEIRO 2006–11 EM MILHÕES DE DÓLARES

TÓPICO

2006

2007

2008

2009

2010

2011

214

248

397

2.305

3.950

655

Gestão de recursos ambientais e naturais

1.387

2.017

2.662

5.085

4.337

6.102

Desenvolvimento dos setores financeiro e privado

6.138

4.261

6.156

9.695

17.726

7.981

Desenvolvimento humano

2.600

4.089

2.281

6.379

8.421

4.228

Governança do setor público

3.821

3.390

4.347

6.108

5.750

4.518

758

424

304

16

207

169

Desenvolvimento rural

2.216

3.176

2.277

4.299

5.004

5.636

Desenvolvimento social, gênero e inclusão

1.094

1.250

1.003

813

952

908

Proteção social e gestão do risco

1.892

1.648

882

5.296

5.006

5.691

Comércio e integração

1.611

1.570

1.393

3.444

1.818

2.604

Desenvolvimento urbano

1.911

2.623

3.001

3.467

5.575

4.514

23.641

24.696

24.702

46.906

58.747

43.006

2006

2007

2008

2009

2010

2011

Agricultura, pesca e silvicultura

1.752

1.717

1.361

3.400

2.618

2.128

Educação

1.991

2.022

1.927

3.445

4.945

1.733

Energia e mineração

3.030

1.784

4.180

6.267

9.925

5.807

Finanças

2.320

1.614

1.541

4.236

9.137

897

Saúde e outros serviços sociais

2.132

2.752

1.608

6.305

6.792

6.707

Indústria e comércio

1.542

1.181

1.544

2.806

1.251

2.167

81

149

57

329

146

640

Administração pública, Administração da lei e da justiça

5.858

5.468

5.296

9.492

10.828

9.673

Transporte

3.215

4.949

4.830

6.261

9.002

8.638

Água, saneamento e proteção contra inundações

1.721

3.059

2.360

4.365

4.103

4.617

TOTAL DOS SETORES

23.641

24.696

24.702

46.906

58.747

43.006

Dos quais o BIRD

14.135

12.829

13.468

32.911

44.197

26.737

Dos quais a AID

9.506

11.867

11.235

13.995

14.550

16.269

Gestão econômica

Regime de direito

TOTAL DOS TÓPICOS

SETOR

Informação e comunicações

Nota: A partir do exercício financeiro de 2005, os empréstimos incluem garantias e mecanismos de garantia. A soma dos números pode não ser exata devido ao arredondamento. Os empréstimos da AID no EF2009 excluem os subsídios dos Países Pobres Muito Endividados (HIPCs) no total de US$ 45,5 milhões.

4

RELATÓRIO ANUAL DE 2011 DO BANCO MUNDIAL


TABELA 2

RESUMO DAS OPERAÇÕES | EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2011 MILHÕES DE DÓLARES

BIRD

2007

2008

2009

2010

2011

Compromissos Dos quais empréstimos para as políticas de desenvolvimento

12.829 3.635

13.468 3.967

32.911 15.532

44.197 20.588

26.737 9.524

Desembolsos brutos Dos quais empréstimos para as políticas de desenvolvimento

11.055 4.096

10.490 3.485

18.565 9.138

28.855 17.425

21.879 10.582

Amortizações do principal (inclusive pré-pagamentos)

17.231

12.610

10.217

11.624

13.885

Desembolsos líquidos

(6.176)

(2.120)

8.347

17.231

7.994

Empréstimos em mora

97.805

99.050

105.698

120.103

132.459

Empréstimos não desembolsados

35.440

38.176

51.125

63.574

64.435

1.659

2.271

572

800

1.023

33.754

36.888

36.328

36.106

38.689

35%

38%

34%

29%

29%

Renda operacionala Capital e reservas utilizáveis Coeficiente dívida-capital

a. Constantes das demonstrações financeiras do BIRD como “Renda antes do re ajuste do valor justo sobre carteiras não-comercializáveis, líquidas e transferências aprovadas pela Assembleia de Governadores.”

AID

2007

2008

2009

2010

2011

Compromissos Dos quais empréstimos para as políticas de desenvolvimento

11.867 2.645

11.235 2.672

14.041a 2.820

14.550 2.370

16.269 2.032

Desembolsos brutos Dos quais empréstimos para as políticas de desenvolvimento

8.579 2.399

9.160 2.813

9.219 1.872

11.460 3.228

10.282 1.944

Amortizações do principal (inclusive pré-pagamentos)

1.753

2.182

2.209

2.349

2.501

Desembolsos líquidos

6.826

6.978

7.010

9.111

7.781

102.457

113.542

112.894

113.474

125.287

Créditos não desembolsados

24.517

27.539

29.903

30.696

38.059

Subsídios não desembolsados

4.642

5.522

5.652

5.837

6.830

Despesas de subsídios para o desenvolvimento

2.195

3.151

2.575

2.583

2.793

Créditos não amortizados

a. Inclui um subsídio da HIPC de US$ 45,5 milhões para a Costa do Marfim.

RELATÓRIO ANUAL DE 2011 DO BANCO MUNDIAL

5


ORIENTAÇÕES PÓS-CRISE

RESPOSTA EM TEMPO REAL PARA DESAFIOS RENOVADOS O impacto da pior crise financeira e econômica desde a Grande Depressão diminuiu em 2010, quando a produção mundial aumentou cerca de 3,9%, gerada pela forte demanda interna nos países em desenvolvimento. A fase de recuperação deve ter o crescimento reduzido para até 3,3% em 2011 antes de retornar a 3,6% em 2012. Em oposição a muitos países de renda elevada e países na Europa e Ásia Central, onde o crescimento permanece lento, a maioria dos países em desenvolvimento se recuperou — ou está em processo de recuperação — para níveis pré-crise. O aumento de investimentos Sul-Sul, especialmente investimentos provenientes da Ásia, teve um papel importante na recuperação. As economias do Brasil, China, Índia, Indonésia, República da Coreia e Federação Russa estão a ponto de responder por mais da metade de todo o crescimento global até 2025. Eles ajudarão a impulsionar o crescimento nos países de renda mais baixa por meio de transações comerciais e financeiras internacionais, de acordo com um novo relatório do Banco Mundial, Horizontes do Desenvolvimento Mundial. Uma análise do Grupo de Avaliação Independente (IEG) do Banco Mundial em resposta à crise revelou que os principais beneficiários de empréstimos do Banco Mundial têm sido os países de renda média. Agora, com esses países rumando à recuperação global, esse compromisso mostra o papel que o Banco Mundial tem hoje na estabilização do crescimento econômico mundial. Em sua avaliação, o IEG concluiu que assumir uma abordagem estratégica, equilibrando a adequação do capital e empregando recursos com eficácia, tem gerado benefícios claros na recuperação da crise. A redução da crise, que afetou os países desenvolvidos ainda mais do que os países em desenvolvimento, não antecipou uma nova era de estabilidade. O mundo está enfrentando novos riscos e desafios enormes, incluindo os elevados preços dos alimentos; o aumento dos preços dos combustíveis, o que aumenta o preço dos alimentos e ameaça a estabilidade social; a insurreição política no Oriente Médio e no Norte da África; desastres naturais; mudança de clima; redução do crescimento no mundo desenvolvido; aceleração da inflação nos mercados emergentes e problemas com a dívida soberana na Europa. Para os pobres, de longe o maior perigo são os preços altos e voláteis dos alimentos.

Enfrentando a alta dos preços dos alimentos Surgiram novas pressões sobre a população pobre de países emergentes, à medida que os preços dos alimentos aumentaram cerca de dois dígitos, atingindo os níveis recorde de 2008. O aumento de preços de junho a dezembro de 2010 resultaram em um aumento líquido global estimado do número de pessoas pobres em 44 milhões de habitantes dos países em desenvolvimento. Em termos globais, os preços do trigo, milho, açúcar e óleo de cozinha aumentaram acentuadamente, e em muitos países em desenvolvimento os preços dos alimentos representam agora um desafio importante. Todas as principais perspectivas agrícolas indicam que, pelo menos até 2019, os preços internacionais dos alimentos permanecerão acima dos preços da década anterior. O Programa de Resposta Global à Crise de Alimentos, estabelecido pelo Banco Mundial em maio de 2008, proporcionou alívio imediato para países duramente atingidos pela alta dos preços dos alimentos. Em 30 de junho de 2011, o programa já tinha aprovado $1.500,1 milhões; 77% tinham sido desembolsados. Os projetos financiados pelo Banco Mundial e aprovados pela Diretoria sob o programa totalizaram mais de $1,2 bilhão, incluindo $202,4 milhões do Fundo Fiduciário de Resposta à Crise do Preço dos Alimentos (para 27 países, 17 deles na África; $835,8 milhões da AID (de 13 países); e $200 milhões do BIRD (para um projeto nas Filipinas). O programa foi recentemente prorrogado por mais um ano até junho de 2012, a fim de permitir uma resposta rápida a pedidos de assistência dos países que sofreram grande impacto causado pelo aumento dos preços dos alimentos.

6

RELATÓRIO ANUAL DE 2011 DO BANCO MUNDIAL

Uma senhora idosa croata compra verduras em um mercado de Zagreb. Preços de alimentos altos e voláteis, que se aproximam dos recordes de 2008, agora representam o principal desafio ao desenvolvimento de muitos países. Foto: Peter Thompson

O Banco Mundial também administra o Programa Global de Agricultura e Segurança Alimentar, que foca as iniciativas de médio e longo prazo. Criado em abril de 2010 mediante solicitação do Grupo de 20 (G-20), este programa financia planos de agricultura e segurança alimentar liderada pelos países e ajuda a promover investimentos em agricultura de pequeno porte. Nos países de baixa renda. Desde seu lançamento, o programa concedeu $481 milhões em subsídios a 12 países. Uma série de medidas também está ajudando a sustentar a nutrição entre grupos vulneráveis. O Banco Mundial está trabalhando com o Programa Mundial de Alimentos para ajudar a alimentar 22 milhões de crianças em cerca de 60 países, assim como coordenar esforços com órgãos das Nações Unidas por meio da Força Tarefa de Alto Nível sobre a Crise Global de Segurança Alimentar e com organizações não-governamentais (ONGs).

Cumprimento das Metas de Desenvolvimento do Milênio Antes da crise, muitos países e regiões fizeram um progresso substancial rumo aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODMs). Globalmente, o número de mortes de crianças com menos de cinco anos declinou nos países em desenvolvimento, caindo de 101 para cada 1.000 nascidos vivos em 1990 para 73 em 2008. O número de matrículas no ensino fundamental aumentou, embora as crianças pobres e as crianças de áreas rurais tenham-se beneficiado menos do que as outras crianças. O crescimento rápido ocorrido no Leste Asiático e Pacífico e taxas de pobreza têm caído no Sul da Ásia. O apoio do Banco Mundial fez uma diferença significativa nos resultados. Para melhorar a educação, o Banco Mundial comprometeu quase US$ 25,3 bilhões, incluindo mais de $13,3 bilhões para países da AID, desde 2000. O apoio da AID para a educação foi de US$ 1,1 bilhão em novos compromissos no exercício financeiro de 2011. Os World Development Indicators 2010 (Indicadores do Desenvolvimento Mundial 2012) revelam que a meta de reduzir pela metade o número de pessoas que vivem em extrema pobreza é factível, graças ao crescimento econômico rápido na Ásia. Não obstante, no nível de países apenas 49 de 87 países estão prestes a alcançar a meta de pobreza. Os preços altos e instáveis dos alimentos estão impedindo o progresso no cumprimento dos ODMs, principalmente aqueles relacionados à saúde, mas também aqueles ODMs afetados indiretamente pelos


preços dos alimentos, tais como a educação. Os elevados preços dos alimentos estão aumentando a fome e a subnutrição, deixando milhões de crianças muito fracas para frequentar a escola.

Melhoria da Gestão de Riscos e Resposta à Recuperação de Desastres As taxas de câmbio, taxas de juros e preços de produtos básicos têm sido voláteis nos últimos anos e os desastres naturais têm tido efeitos especialmente graves sobre as crescentes áreas urbanas (ver box). Além de apoiar os programas de rede de segurança, o Banco Mundial está fornecendo aos países clientes estratégias de gestão de riscos e produtos financeiros que ajudam a reduzir suas vulnerabilidades. Neste exercício financeiro, o Banco Mundial forneceu a 40 países produtos financeiros e serviços de consultoria sobre gestão da dívida pública. O volume de transações de gestão de riscos que o Banco Mundial executou em nome de países clientes para gerenciar a volatilidade das moedas e das taxas de juros foi de USDeq $5,6 bilhões.

Solucionando o desemprego de jovens O desemprego de jovens é um problema sério em muitas regiões em desenvolvimento. É mais severo no Oriente Médio e no Norte da África, onde mais de 40% dos jovens em alguns países estão desempregados. Os homens jovens urbanos estão em especial desvantagem no mercado de trabalho, com muitos subempregados, empregados no trabalho informal não contabilizado ou totalmente desempregados. O desemprego de jovens não somente aumenta a pobreza, também gera distúrbios políticos e causa consequências sociais indesejáveis, tais como baixas taxas de casamento. O problema duradouro do desemprego de jovens tem aumentado com as recentes revoluções na região. O Banco Mundial está realizando uma pesquisa na República Árabe do Egito, Jordão e Marrocos sobre as principais tendências de emprego e resultados sociais para jovens. Este trabalho envolveu a realização de programas de criação de

empregos, coleta de dados e desenvolvimento de novos instrumentos, tais como uma ferramenta para medir a participação dos jovens no mercado de trabalho e na vida da comunidade. Sob a abrangente Iniciativa do Mundo Árabe, o Banco Mundial também está trabalhando com a Liga dos Estados Árabes para acelerar programas para a juventude na região, incluindo serviço voluntário. Um subsídio proposto ajudaria a liga e vários países a implementarem os programas. Em outubro de 2010, 18 Estados árabes assinaram a Declaração de Doha sobre Qualidade da Educação, comprometendo-se a implementar um sistema para avaliar escolas, professores e alunos e a divulgar os resultados. Os países também estão buscando formas de trazer os jovens descontentes de volta para o sistema educacional e aumentar sua participação nas comunidades e na sociedade. A Iniciativa Nacional de Desenvolvimento Humano do Marrocos, por exemplo, fornece financiamento para programas que abrigam órfãos, crianças de rua e outras populações vulneráveis. O Banco Mundial está apoiando muitos desses esforços nacionais com financiamento, assessoria política e trabalho analítico. O problema do desemprego não está limitado ao Oriente Médio e Norte da África ou aos jovens. A taxa básica de desemprego é alta em muitos países africanos e os jovens na África têm três vezes mais probabilidade de ficarem desempregados do que adultos com 25 anos ou mais. Na Indonésia mais de 20% dos trabalhadores de 15–24 anos de idade estão desempregados — cinco vezes a taxa de trabalhadores mais velhos.

EDUCAÇÃO, SAÚDE, PROTEÇÃO SOCIAL E TRABALHO Em face dos contínuos desafios, incluindo a alta nos preços dos alimentos e o desemprego no exercício financeiro de 2011, a Rede de Desenvolvimento Humano ajudou os países clientes e seus parceiros de desenvolvimento para ajudá-los a cumprir promessas transformacionais humanas e econômicas dos ODMs nos próximos quatro anos.

REDUÇÃO DOS CUSTOS FÍSICOS E HUMANOS DOS DESASTRES NATURAIS Temporais, inundações, terremotos e secas causaram mais de 3,3 milhões de mortes e US$ 2,3 trilhões (em dólares de 2008) em danos entre 1970 e 2008 — e as projeções indicam que os custos humanos e materiais aumentarão significativamente. Mesmo sem a mudança do clima, os danos provenientes de riscos relacionados ao clima podem triplicar para US$ 185 bilhões ao ano até 2100, de acordo com o relatório Natural Hazards, UnNatural Disasters: The Economics of Effective Prevention (Perigos Naturais, Desastres não-naturais: A Economia da Prevenção Efetiva) realizado pelo Banco Mundial e das Nações Unidas lançado neste exercício financeiro. Levando em consideração as perdas resultantes da mudança do clima é possível acrescentar outros US$ 28 bilhões — US$ 68 bilhões somente dos ciclones tropicais. Essas projeções significam que a prevenção é mais importante do que nunca, descoberta realizada pelo IEG em várias avaliações em tempo real divulgadas após as enchentes no Paquistão em julho e agosto de 2010. O Banco Mundial está ajudando ativamente os países clientes a evitarem, mitigarem e a se recuperarem de desastres naturais. Após uma enchente ter devastado o Paquistão, o governo nacional pediu a ajuda do Banco Mundial, do Banco

Asiático de Desenvolvimento e de outros doadores na avaliação dos danos. Para facilitar o acesso aos dados e divulgá-los para peritos de 17 setores nas várias instituições envolvidas na avaliação de danos e necessidades, o Banco Mundial criou um centro de dados virtual na web. Criado por meio do Lotus Quickr, o Teamroom pode ser acessado não somente pelo pessoal do Banco Mundial, mas também por pessoas que não são do Banco Mundial e que se cadastrarem por intermédio do administrador do Banco Mundial. Ao manter comunicação com equipes de dados no campo, coordenando as equipes dos setores, garantindo a qualidade e a consistência dos dados ao desenvolver um protocolo abrangente de postagem de dados e mantendo os grupos interessados informados de todos os dados carregados, o Banco Mundial teve um papel fundamental na identificação do que precisava ser feito após o desastre. Após os deslizamentos de terra de janeiro de 2011 no estado do Rio de Janeiro, que mataram mais de 800 pessoas e deixaram milhares desabrigadas, o Banco Mundial aprovou um projeto de moradia no valor de $485 milhões para beneficiar 2 milhões de pessoas que lá viviam em assentamentos informais de baixa renda. O projeto também ajudará o governo

a gerenciar melhor os riscos de desastres e a melhorar o planejamento e a gestão do crescimento territorial. Imediatamente após o terremoto e do tsunami ocorridos em março de 2011 que mataram mais de 15.000 pessoas no Japão, o Banco Mundial manifestou sua prontidão para fornecer apoio, o destacando sua extensa experiência e habilidade para mobilizar e empregar especialistas para apoiar os esforços de recuperação e reconstrução. Também monitorou potenciais impactos econômicos. A proteção financeira do Estado no caso de desastres naturais está ganhando cada vez mais atenção dos países em desenvolvimento, da comunidade de doadores e de instituições financeiras internacionais. Neste exercício financeiro, os clientes continuaram a aproveitar os serviços de financiamento para riscos de desastres oferecidos pelo Banco Mundial. A Colômbia respondeu rapidamente às necessidades emergenciais com a ajuda de fundos disponíveis por meio de uma Opção de Desembolso Diferido para Riscos Catastróficos (Cat DDO) após a pior estação de chuvas do país em décadas causadas por grandes enchentes e deslizamentos de terra. Dois outros países (El Salvador e Peru) fizeram a Cat DDOs neste exercício financeiro.

ORIENTAÇÕES PÓSCRISE

7


Educação Como um dos maiores financiadores externos da educação no mundo em desenvolvimento, o Banco Mundial é um ator-chave nos esforços globais para alcançar os ODMs de educação — conclusão do ensino fundamental universal com paridade de gêneros — e tornar o aprendizado de qualidade acessível a todos. O Banco Mundial investiu mais de US$ 1,7 bilhão em educação neste exercício financeiro e atualmente gerencia uma carteira de US$ 11,2 bilhões. Na Cúpula das Nações Unidas sobre os ODMs em setembro de 2010, o Banco Mundial se comprometeu a aumentar seus recursos da AID para a educação básica em até US$ 750 milhões nos próximos cinco anos para ajudar os países que não estão no rumo certo a alcançarem os objetivos até 2015, especialmente na África e Sul da Ásia. (Ver http://worldbank.org/education.) Graças em parte ao apoio do Banco Mundial, três quartos dos países da Leste Asiático e Pacífico, Europa e Ásia Central e da América Latina e Caribe alcançaram ou estão em vias de alcançar os ODMs de educação. Na década passada, o número total de crianças fora da escola no mundo inteiro declinou de 106 milhões para 69 milhões e a taxa líquida de matrículas no ensino fundamental na África Subsaariana aumentou de 58% para 76%. Desde 2000, o financiamento da AID para a população mais pobre do mundo tem ajudado a recrutar ou treinar 3 milhões de professores extras e construir mais de 2 milhões de novas salas de aula — beneficiando mais de 100 milhões de crianças todos os anos. Em abril de 2011, o Banco Mundial lançou sua Estratégia de Educação de 2020, Aprendizagem para Todos: Investimento no Conhecimento e nas Aptidões das Pessoas para Promover o Desenvolvimento, um roteiro para os próximos 10 anos que enfatiza a necessidade de investir antecipadamente, investir com inteligência e investir para todos. O Banco Mundial enfocará o trabalho em parceria estratégica para ajudar os países em desenvolvimento a fortalecerem seus sistemas educacionais além de insumos e a construir uma base de conhecimento global para reforma. Novas ferramentas para avaliar os sistemas educacionais oferecerão um padrão referencial para as políticas educacionais de acordo com os padrões globais baseados em evidências e melhores práticas, desde o desenvolvimento da primeira infância até o ensino superior. Colaboração com uma série de parceiros de desenvolvimento, incluindo a de Educação para Todos — Iniciativa por Via Acelerada, Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), e Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), os avanços do compromisso global para alcançar as metas da Iniciativa Educação para Todos e os ODMs da educação. O Banco Mundial também faz parceria com o Departamento de Desenvolvimento Internacional do Reino Unido (DFID) para fortalecer a base de evidências do que funciona em política educacional e por meio do fundo fiduciário do Programa Russo de Ajuda à Educação para o Desenvolvimento (READ) para fortalecer a capacidade de avaliação de aprendizado.

Saúde, nutrição e população Novos investimentos em programas populacionais, de saúde e nutrição totalizaram quase US$ 3 bilhões no exercício financeiro de 2011. A carteira ocupa o patamar histórico de US$ 10,8 bilhões, mais da metade dos quais destina-se aos países mais pobres. Os investimentos nesses programas ajudam a fortalecer os sistemas de saúde; impulsionar a prevenção e o tratamento de doenças transmissíveis; melhorar o saneamento, além da saúde, nutrição, higiene materno-infantil; e proteger os pobres dos efeitos empobrecedores de gastos altos e imprevisíveis pagos com o próprio dinheiro. Os compromissos da AID durante a década passada forneceram para mais de 47 milhões de pessoas o acesso ao pacote básico de serviços de saúde, nutrição e serviços à população; ajudaram a prestar tratamentos antirretrovirais para quase 2 milhões de adultos e crianças com HIV; proporcionaram para 2,5 milhões de

8

RELATÓRIO ANUAL DE 2011 DO BANCO MUNDIAL

Em uma escola de aldeia na área rural de Mali, os alunos se reúnem para se dedicar integralmente aos seus estudos Foto: Ray Witlin

gestantes cuidados pré-natais; imunizaram 310 milhões de crianças; forneceram para 98 milhões de crianças intervenções voltadas à melhoria da nutrição; compraram ou distribuíram 813 milhões de preservativos e quase 33 milhões de mosquiteiros; construíram, renovaram ou equiparam 23.000 postos de saúde; e treinaram 1,8 milhão de profissionais da saúde. O Banco Mundial posicionou-se como líder global em várias áreas prioritárias. Por meio de seu Plano de Ação de Saúde Reprodutiva para 2010-2015, o Banco está trabalhando com 57 países de alta prioridade para melhorar a saúde reprodutiva fortalecendo a demanda e os sistemas de saúde, com especial atenção à população jovem e pobre. O Banco Mundial é um ator-chave na implementação da Ampliação do Quadro Nutricional desenvolvido com o apoio da Fundação Bill & Melinda Gates e do Governo do Japão endossado por mais de 100 órgãos, instituições e grupos da sociedade civil parceiros. Mais de uma dúzia de países declararam-se “pioneiros” em seu compromisso de implementar o quadro. O Fundo Fiduciário para Inovações em Resultados de Saúde de múltiplos doadores (HRITF) do Banco Mundial apoia as abordagens do Financiamento Baseado em Resultados (RBF) no setor para o alcance dos ODMs relacionados à saúde. Os governos da Noruega e do Reino Unido comprometeram US$ 575 milhões para o HRITF até 2022. O fundo apoia o projeto, implementação, monitoramento e avaliação de abordagens RBF; desenvolve e divulga evidências para a implementação de abordagens bem-sucedidas; desenvolve a capacidade institucional do país para ampliar e sustentar essas abordagens dentro da estratégia e sistema de saúde nacional; e atrai outros financiamentos para o setor de saúde. (Ver http://worldbank.org/hnp.) Desde 2006, o Banco Mundial ajudou os países em desenvolvimento a se preparar para os surtos de gripe aviária em animais para controlá-los e a preparar-se para uma pandemia de gripe. O Programa Global de US$ 1,3 bilhão para Prontidão e Resposta à Pandemia Humana e Controle da Gripe Aviária apoiou a prevenção de uma pandemia de gripe e de doenças similares por meio de projetos em 60 países. (Ver http://worldbank.org/flu.)

HIV/AIDS O Banco Mundial está ativamente comprometido em ajudar os países a deter e depois a começar a reverter a disseminação do HIV/AIDS até 2015. Um total de


US$ 108 milhões de novos empréstimos foram designados para as operações que apoiam o tratamento, a prevenção e a redução do HIV/AIDS na Argentina, Burkin Faso, Quênia, República do Quirguistão, Lesoto, Moçambique, Níger e Suazilândia. O Banco Mundial desenvolveu cinco produtos analíticos que fortaleceram os programas nacionais ao melhorar a eficiência, eficácia e sustentabilidade por meio de respostas baseadas em testes e trabalhou com 40 países para desenvolver estratégias e planos de ação nacionais baseados em evidências. Para desenvolver evidências sobre o impacto de atividades e programas, o Banco Mundial fez parceria com o Departamento de Desenvolvimento Internacional do Reino Unido para avaliar as respostas da comunidade ao HIV/AIDS em Burkina Faso, Índia, Quênia, Nigéria, Senegal, África do Sul e Zimbábue. Este trabalho revelou o poder dos esforços comunitários, o que aumentou o uso de preservativos no Quênia, resultou em taxas elevadas de testes de HIV no Senegal e melhorou a adesão do tratamento na África do Sul. Juntamente com o Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas e a Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg, em 2011, o Banco Mundial concluiu o estudo “A Epidemia Global de HIV entre homens que praticam sexo com homens: Epidemiologia, Prevenção, Acesso a Cuidados e Direitos Humanos,” que concluiu que melhores programas de HIV/AIDS para este grupo de homens podem reduzir significativamente a epidemia global. O estudo fornece a primeira análise abrangente de evidências de que este grupo corre um risco significativamente maior de contrair HIV do que outros grupos em muitos países de renda baixa e média; no mundo inteiro menos de um entre 10 homens deste grupo tem acesso à prevenção básica de HIV/AIDS. Nas últimas duas décadas, a AID financiou 1.500 postos de exames laboratoriais e aconselhamento de HIV, testando em última instância quase 7 milhões de pessoas. Financiou mais de 65.000 iniciativas de HIV na sociedade civil da África com o objetivo de reduzir o impacto da epidemia entre homens e mulheres com idades entre 15-24. A AID também orientou 173 milhões de pessoas a respeito do HIV/AIDS e reduziu o impacto da AIDS para 1,8 milhão de crianças e meio milhão de adultos por meio de 38.000 iniciativas de base. (Ver http://worldbank.org/aids.)

Proteção social e mão de obra O Banco Mundial alocou US$ 4 bilhões para proteção social e operações de trabalho neste exercício financeiro. O financiamento permaneceu alto, como no exercício financeiro de 2010 e 2009, em quase quatro vezes o nível pré-crise de cerca de US$ 1 bilhão ao ano. A maior parte dos gastos (US$ 3,5 bilhões) foi para 37 projetos líquidos de segurança social em 31 países. O maior beneficiário foi o México, que recebeu mais de US$ 1,2 bilhão em fundos do Banco Mundial como apoio contínuo ao programa Oportunidades de transferência monetária condicionada, que beneficia 5,8 milhões das famílias mais vulneráveis do país. Os empréstimos restantes foram destinados à melhoria dos mercados de trabalho, gestão de riscos sociais e outras áreas de proteção social, como pensão e incapacidade. (Ver http:// worldbank.org/sp.) A crise econômica global e a contínua volatilidade destacaram a necessidade de instituições de trabalho e proteção social mais eficazes nos países em desenvolvimento. Em resposta, o Banco Mundial começou a desenvolver uma nova estratégia para os próximos 10 anos, de 2012 a 2022. A estratégia abordará os quatro principais hiatos globais em proteção social: integração entre os programas; cobertura, especialmente para países de baixa renda; promoção de empregos e acúmulo de capital humano; e conhecimento a respeito de abordagens eficazes para fortalecer a proteção social. Estão sendo realizadas consultas globais com grupos interessados. (Ver http://worldbank.org/spstrategy.) Neste exercício financeiro, foi lançado um inventário de políticas conjuntas com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), com a qual o Banco Mundial tem uma parceria de longa data. Esta iniciativa envolve a coleta e análise

Uma mulher colombiana cria aves como parte da parceria de produtores apoiada pelo Banco Mundial em La Eugenia, Valle de Cauca. Agora, ela tem seu próprio dinheiro para pagar por alimentos extras e material escolar para seus dois filhos. Foto: Charlotte Kesl

de 1.750 políticas centrais, incluindo Padrões Trabalhistas Centrais, implementados por 52 países em desenvolvimento e 22 países de renda elevada. A análise documentará essas políticas que foram adotadas ou reforçadas para mitigar os efeitos da crise financeira. Além disso, o Banco Mundial associou-se à OIT, à Rede de Empregos para Jovens, ao Governo da Alemanha e ao Banco Interamericano de Desenvolvimento para desenvolver um banco de dados ativo sobre programas de emprego para jovens. O Programa Resposta Social Rápida, criado em 2009 em resposta à crise de alimentos, de combustível e financeira, entrou em seu segundo ano de operação em dezembro de 2010. Até maio de 2011, ele acrescentou 33 novas atividades à sua carteira com o objetivo de apoiar a preparação para a crise em 33 países de renda baixa elegíveis à AID. O programa também apoia a gestão de conhecimentos e transferências Sul-Sul de conhecimento necessário para operacionalizar sistemas de proteção social eficaz contra crises (Ver http://worldbank.org/rsr.)

GÊNERO O progresso global em igualdade de gênero continua irregular. Em algumas áreas, o ritmo das melhorias tem sido extraordinário. Em âmbito global, mais mulheres que homens frequentam universidades e as mulheres agora sobrevivem aos homens em todas as regiões do mundo. Ao mesmo tempo, ainda existem graves disparidades de gênero, incluindo aquelas em indicadores econômicos importantes onde grandes hiatos foram reduzidos somente parcialmente nas últimas décadas. O acesso ao capital físico, incluindo terra, crédito e outros serviços financeiros, permanece completamente desequilibrado. Em muitos países, as mulheres não têm direito à igualdade perante a lei, limitando tanto seus direitos humanos como sua oportunidade de participar na economia. (Ver http://worldbank.org/gender.) Entre 2007 e 2010, o Plano de Ação do Grupo Banco Mundial, Igualdade de Gênero como Economia Inteligente, buscou promover o acesso das mulheres a empregos, direitos à terra, serviços financeiros, insumos agrícolas e infraestrutura. Em dezembro de 2010, o plano mobilizou US$ 70 milhões para 270 operações do Banco Mundial em 80 países. O monitoramento agora mostra um aumento significativo na atenção do Banco Mundial à questão do gênero nesses setores.

ORIENTAÇÕES PÓSCRISE

9


que podem melhorar os resultados relacionados a gênero; e destacará lacunas em conhecimento e dados. (Ver http://worldbank.org/wdr2012.)

SITUAÇÕES FRÁGEIS E AFETADAS POR CONFLITOS

Crianças sentadas sobre um tanque militar descartado na Etiópia rural. Mesmo com a recuperação econômica, pode levar uma geração ou mais para retornar para os padrões de vida pré-guerra. Foto: Arne Hoel

Em 2011, o Banco Mundial lançou Aplicando Lições do Plano de Ação de Gênero: Um Roteiro de Três Anos para a Integração de Gênero (2011–13). Ao buscar reproduzir e ampliar alguns dos mecanismos inovadores usados no Plano de Ação de Gênero, o Roteiro visa a direcionar mais da assistência técnica, projetos e programas do Banco Mundial para a melhoria de oportunidades econômicas para mulheres. Pelo período de três anos coberto, os doadores concordaram em tornar o gênero um tema especial para a AID. Essa designação enfatizará a integração do gênero nas operações do Banco Mundial e a cobertura das importantes questões de gênero no trabalho analítico e diálogo de política. A estrutura de resultados da AID também será reforçada e expandida para incluir indicadores de áreas prioritárias de gênero, e a AID implementará um plano de ação para acelerar o progresso dos ODMs específicos de gênero. O exercício financeiro de 2011 assistiu à expansão da Iniciativa Meninas Adolescentes, lançada em 2009 para promover a transição de meninas adolescentes da escola para um emprego produtivo. O programa lançou uma nova operação na Jordânia em dezembro de 2010, adicionada aos projetos já em andamento no Afeganistão, República Popular Democrática do Laos, Libéria, Nepal, Ruanda e Sul do Sudão. Ao longo do ano, a Iniciativa Meninas Adolescentes também foi estendida ao Haiti e República do Iêmen, onde as operações estão em preparação. O Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial (WDR) de 2012 — um dos relatórios anuais de maior importância do Banco Mundial — focará pela primeira vez a relação entre igualdade de gênero e desenvolvimento. Este relatório, a ser lançado em setembro de 2011, argumentará que a igualdade de gênero influencia os resultados do desenvolvimento e da formulação de políticas para o desenvolvimento. Ele mostrará como a igualdade de gênero tem evoluído com o tempo em várias regiões e países — especialmente nos últimos 25 anos. O WDR 2012 examina por que alguns hiatos de gênero, tais como na educação, foram rapidamente solucionados enquanto outros, tais como acesso a oportunidades econômicas e direito de expressão na sociedade, permanecem na maior parte do mundo, inclusive nos países de renda elevada. Finalmente, examinará políticas

10

RELATÓRIO ANUAL DE 2011 DO BANCO MUNDIAL

Muitas das pessoas mais pobres e mais vulneráveis do mundo vivem em países frágeis e afetados por conflitos. As pessoas nesses países têm uma probabilidade duas vezes maior de serem subnutridas e não ter acesso à água potável do que as pessoas em outros países em desenvolvimento; e três vezes maior probabilidade de não mandarem seus filhos para a escola. Nenhum desses países alcançou um único Objetivo de Desenvolvimento do Milênio e somente 20% estão em vias de atingir as metas de 2015. Em um esforço para fortalecer o desempenho desses países, o Banco Mundial concentrará seus esforços de redução de pobreza nesses países. O Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial 2011: Conflito, Segurança e Desenvolvimento fornece as bases analíticas para melhorar o modelo operacional do Banco Mundial em situações frágeis e afetadas por conflitos. Ele conclui que desenvolver instituições capazes e legítimas, garantir a segurança e a justiça do cidadão e criar empregos são essenciais para reduzir a violência — e fornecer apoio excelente requer melhor coordenação entre atores externos. O Banco Mundial espera desenvolver a análise do Relatório pelo menos de seis maneiras: • Tornar as estratégias de assistência a países em situações frágeis e afetados por conflitos (FCS) mais focadas na fragilidade. O Banco Mundial buscará identificar mais claramente as tensões que geram o conflito; avaliar a capacidade de instituições nacionais essenciais para lidar de forma eficaz com a segurança, justiça e desenvolvimento do cidadão; e identificar as oportunidades de transição que podem ajudar a quebrar os ciclos de violência e a fragilidade prolongada. • Fortalecer parcerias no desenvolvimento, segurança e justiça. O Banco Mundial trabalhará de forma mais integrada com outros parceiros, dentro do espírito das agendas de Paris e Accra e especialmente com órgãos internacionais que possuem a perícia que o Banco Mundial não possui, ou em áreas que estão fora de seu mandato. O Banco Mundial também se associará a outros para examinar como preencher os hiatos atuais no esforço e na resposta internacional à FCS e aproveitar suas parcerias para fortalecer os vínculos entre segurança e desenvolvimento. • Dar mais atenção à questão dos empregos e do desenvolvimento do setor privado. O Banco desenvolverá uma abordagem de emprego na FCS, em parceria com outros, que desenvolva uma série de intervenções para apoiar empregos e meios de subsistência — tanto por meio do emprego público quanto comunitário que podem fornecer “ganhos rápidos” e por meio de investimentos necessários e pesquisa que apoiam o desenvolvimento do setor privado e a criação de empregos no decorrer do tempo. • Realinhar resultados e gestão de riscos para FCS, longe de evitar riscos. O Banco Mundial revisará suas definições de tolerância ao risco, gestão de riscos e resultados esperados e examinará como pode obter um melhor equilíbrio fiduciário e de outros riscos em FCS em relação aos riscos de inação ou ação lenta, que pode levar a uma ressurgência de violência e conflito. • Reduzir a volatilidade de financiamento. O desenvolvimento institucional requer um apoio sustentado e de longo prazo. No futuro, o Banco Mundial trabalhará para garantir que instituições essenciais na FCS recebam apoio sustentado durante vários anos, e explorará opções para a manutenção de níveis mínimos de apoio para instituições centrais e serviços básicos mesmo no contexto de governança ou de outros revezes.


Trabalhando com parceiros globais

Na África, um aldeão solitário caminha por uma vasta região de terra seca. A mudança de clima é uma ameaça ao desenvolvimento econômico mundial e pode causar migração e deslocamento generalizados entre a população pobre. Foto: Curt Carnemark

• Empenhar-se na excelência global no trabalho em FCS. O Banco Mundial reconhece a necessidade de uma abordagem organizacional diferente — tanto em sua organização interna como em seu trabalho com parceiros regionais e globais — em situações frágeis e afetadas por conflitos. Ele tem trabalhado para implementar os processos, a estrutura organizacional e competências do seu pessoal e incentivos para encorajar a inovação e o risco informado assumido. Em um esforço para aproximar recursos para o campo, ele criou um Centro Global para Conflito, Segurança e Desenvolvimento. O centro, em Nairobi, realizará uma pesquisa em assuntos de política pública e econômica, e fornecerá apoio substancial para equipes do país em todas as regiões sobre questões relacionadas à segurança, justiça e desenvolvimento na prevenção e recuperação da crise.

MUDANÇA DO CLIMA A mudança do clima ameaça minar os ganhos conquistados com o desenvolvimento no mundo inteiro — e seu efeito será maior nos países mais pobres e mais vulneráveis. Apoiar a redução da pobreza com baixa emissão de carbono e resistência aos impactos climáticos assumiu, portanto, o primeiro plano nas ideias e operações do Banco Mundial. Noventa por cento das novas estratégias de assistência a países e de parceria enfatizam a ação climática. Estudos sobre o crescimento de baixo carbono financiados pelo Banco Mundial no Brasil, China, Colômbia, Índia, Indonésia, México, Polônia e África do Sul estão apoiando iniciativas para implementar planos de ação de mudança do clima. O primeiro empréstimo da Política de Desenvolvimento de Baixo Carbono para o México (US$ 401 milhões) foi aprovado em novembro de 2010. Um Empréstimo da Política de Desenvolvimento para a Polônia (US$ 1,11 bilhão), aprovado em junho de 2011, apoia os componentes de energia renovável e eficiência energética da Política Energética da Polônia até o programa de 2030. O Banco Mundial está financiando mais de 180 atividades lideradas pelos países na América Latina e Caribe que fornecerão cobenefícios de adaptação e mitigação da mudança do clima estimados em mais de US$ 7,3 bilhões.

No exercício financeiro de 2011, em parceria com outros bancos multilaterais de desenvolvimento (MDB), o Banco Mundial intensificou as operações e a implementação de projetos alocados para o Fundo de Investimentos Climáticos (CIF) no valor de US$ 6,5 bilhões. Esse total consiste em US$ 4,5 bilhões dedicados ao Fundo de Tecnologia Limpa (CTF) e US$ 2 bilhões para o Fundo Climático Estratégico (SCF). Comitês de Fundos Fiduciários comprometeram US$ 1,7 bilhão para novos projetos que apoiam os esforços dos países em desenvolvimento para aliviar os efeitos da mudança climática e adaptar-se a eles. O CTF está alavancando seu financiamento para alcançar investimentos de US$ 36 bilhões. A cada dólar do CTF representa US$ 8 de cofinanciamento de outras fontes. Com o apoio do CTF, 14 países de renda média (Argélia, Egito, Indonésia, Jordânia, Cazaquistão, México, Marrocos, Filipinas, África do Sul, Tailândia, Tunísia, Turquia, Ucrânia e Vietnã) planejam reequilibrar suas carteiras nacionais de energia investindo em energia renovável em larga escala. Sob o SCF, o Programa-Piloto para Recuperação Climática (PPCR) endossou planos de investimento para Bangladesh, Camboja, Granada, Moçambique, Nepal, Nigéria, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas, Samoa, Tadjiquistão e Zâmbia. Com esses planos, aproximadamente US$ 700 milhões em financiamento do PPCR devem ser canalizados por meio dos MDBs de modo que o trabalho de adaptação à mudança climática seja uma parte mais regular da ação para o desenvolvimento. Também sob o SCF neste exercício financeiro, o Programa de Investimento Florestal endossou planos de investimento para Burkina Faso e para a República Democrática do Congo com US$ 90 milhões em subsídios. Com o apoio do Programa de Ampliação da Energia Renovável nos Países de Baixa Renda, Etiópia, Honduras, Quênia, Maldivas, Mali e Nepal anunciaram sua intenção de investir em serviços de energia renovávelpara ampliar o acesso à energia elétrica e avançar para o desenvolvimento favorável ao clima. Na conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, realizada em Cancún em dezembro de 2010, o Banco Mundial anunciou a criação de uma Parceria para a Prontidão do Mercado, reunindo países desenvolvidos e em desenvolvimento para explorar e conduzir novos instrumentos do mercado a fim de ampliar os esforços de mitigação. Até o final do exercício financeiro de 2011, os doadores comprometeram US$ 70 milhões para a parceria. Em Cancun, também foi tomada uma decisão para estabelecer um Fundo Climático Verde para gerenciar o financiamento de longo prazo mobilizado para permitir que os países em desenvolvimento lidem com a mudança do clima. O Banco Mundial foi convidado para ser seu fiduciário interino.

Promovendo um financiamento inovador O Tesouro do Banco Mundial apoia fluxos de financiamento inovadores para investimento em ação climática inteligente por meio de fundos levantados nos mercados de capitais. Desde 2008, o Banco Mundial emitiu mais de US$ 2 bilhões mediante a emissão de “ títulos verdes”. Os fundos das vendas são reservados para adaptação e atenuação de atividades em países clientes. O Banco Mundial é também fiduciário de 12 fundos de carbono e mecanismos que apoiam a mitigação da mudança do clima por intermédio do financiamento do carbono, inclusive dois mecanismos novos que se concentram em atividades que ultrapassam o primeiro período de compromissos do Protocolo de Kyoto, que termina em 31 de dezembro de 2012. O capital desses fundos e mecanismos é ligeiramente superior a US$ 3 bilhões, dos quais US$ 1,9 bilhão foi comprometido para a compra de reduções de emissões. Cerca de 174 projetos ativos deverão reduzir as emissões em aproximadamente 220 milhões de toneladas métricas de dióxido de carbono ou o seu equivalente em outros gases do efeito estufa. O Mecanismo de Parceria do Carbono Florestal, lançado em 2008 para ajudar os países em desenvolvimento a reduzirem as emissões decorrentes do

ORIENTAÇÕES PÓSCRISE

11


No estado de Assam, no nordeste da Índia, as produções de arrozais dobraram, tornando-o autossuficiente em produção de arroz pela primeira vez em décadas. Foto: Michael Foley

desmatamento e da degradação de florestas, recebeu mais de US$ 447 milhões em compromissos ou promessas de fundos. O Mecanismo de Parceria do Carbono, criado em maio de 2010, já comprometeu até o momento € 143,5 milhões para ampliar o uso do financiamento do carbono de modo a acelerar as atividades de mitigação após 2012. A recente iniciativa de carbono do Banco Mundial, a Parcela 2 do Mecanismo de Carbono Abrangente, atingiu toda sua capitalização de €105 milhões em fevereiro de 2011. Os fundos serão usados para comprar reduções certificadas de emissões geradas por projetos de carbono em países de desenvolvimento entre 2013 e 2018.

Integração de atividades de gestão de recursos ambientais e naturais Até o final do exercício financeiro de 2011, a carteira ativa de projetos do banco Mundial que inclui componentes de gestão de recursos ambientais e naturais totalizou aproximadamente US$ 18 bilhões, representando cerca de 11% do total da carteira do Banco Mundial deste ano. O Banco Mundial também está desenvolvendo novas ferramentas para contabilizar e avaliar o valor da pegada de carbono dos projetos. (Ver http://climatechange.worldbank.org.)

DEMONSTRANDO O DESENVOLVIMENTO VERDE INTERNAMENTE O Desenvolvimento Verde é o tema geral da nova estratégia ambiental do Grupo Banco Mundial, que está em preparação. O Banco Mundial continua a implementar um programa de responsabilidade corporativa para integrar as considerações de

12

RELATÓRIO ANUAL DE 2011 DO BANCO MUNDIAL

sustentabilidade às suas operações internas. Este ano, dois prédios do Banco Mundial em Washington, DC, receberam o certificado especial de Liderança em Design Ambiental e Energia (LEED) em reconhecimento da implementação contínua do Banco Mundial de práticas de sustentabilidade guiadas pelo padrão verde para construção. As prioridades do Banco Mundial na sustentabilidade corporativa inserem-se em cinco categorias: reduzir sua pegada de carbono corporativa, gerenciar instalações sustentáveis, participar de aquisição sustentável, elevar a conscientização de seu pessoal e aumentar a transparência para seus grupos interessados. Como parte de seu compromisso para reduzir a sua pegada de carbono corporativa e manter a neutralidade em termos de carbono, o Banco Mundial mede, reduz, compensa e relata as emissões de gases do efeito estufa associadas às suas instalações em todo o mundo, importantes reuniões e viagens aéreas. Para gerenciar instalações sustentáveis, o Banco Mundial esforça-se para maximizar a eficiência com a qual utiliza recursos como água, alimentos energia e espaço para aterros sanitários. Para garantir que sua aquisição seja sustentável, o Banco Mundial integra proativamente princípios de sustentabilidade às principais aquisições corporativas tais como papel e computadores. Para conscientizar o pessoal, o Banco Mundial realiza eventos de apoio e aprendizado que encorajam mudanças no comportamento. Para aumentar a transparência sobre seu desempenho ambiental e social, ele fornece relatórios regulares relacionados à sustentabilidade em adesão aos padrões internacionais, tais como Iniciativa de Relatórios Globais e Projeto de Divulgação de Carbono. (Ver http://crinfo.worldbank.org/home.) No campo, um número crescente de representações nacionais do Banco Mundial estão liderando pelo exemplo ao adotar iniciativas ambientais. Por exemplo, a representação nacional da ex-República Iugoslava da Macedônia tem mostrado várias iniciativas de redução de pegada de carbono — visando a ser um modelo em apoio ao empenho do país para ter acesso à União Europeia.

AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL Três de cada quatro pessoas pobres em países em desenvolvimento vivem em áreas rurais. A maioria depende da agricultura como subsistência, direta ou indiretamente. O aumento do PIB proveniente da agricultura é cerca de quatro vezes mais eficaz no aumento das rendas de pessoas extremamente pobres do que o crescimento econômico proveniente de fora desse setor. Aumentar o investimento — e investir de modo mais inteligente — é, portanto, fundamental para o crescimento econômico, a redução da pobreza e a sustentabilidade ambiental. As crises recentes motivaram a renovação do financiamento do Banco Mundial para agricultura e agronegócio, conforme o IEG reportou em uma avaliação do trabalho de 2010 neste setor. Observando que a questão crucial diz respeito a quais medidas reforçariam ainda mais a eficácia, o IEG destacou três lições para um trabalho futuro. Primeiro, um aumento na produtividade requer atenção focada para a disponibilidade de melhores técnicas de produção agrícola, abastecimento de água e acesso ao mercado, entre outras coisas. Segundo, economias baseadas na agricultura merecem atenção especial. Terceiro, o Banco Mundial está em posição singular para explorar sinergias entre programas públicos e privados. Essas lições apresentam possibilidades de um impacto duradouro. De fato, o investimento em desenvolvimento agrícola e rural permaneceu uma alta prioridade para o Banco neste exercício financeiro. Apoio aos projetos do Plano de Ação Agrícola do Banco Mundial, proveniente do Grupo Banco Mundial para a agricultura e setores relacionados de US$ 6,2 bilhões–US$ 8,3 bilhões no exercício financeiro de 2010–12, um aumento do nível médio anual de US$ 4,1 bilhões no exercício financeiro de 2006–08. Quando os preços dos alimentos em 2011 se aproximaram dos níveis recordes visto em 2008, o Banco Mundial estendeu o Programa de Resposta Global à Crise dos Preços dos Alimentos até 2012. Este programa deu apoio para quase 40 milhões de pessoas em mais de 40 países de renda baixa desde que foi criado em 2008.


Para ajudar a enfrentar os preços altos e voláteis dos alimentos, o Banco Mundial está trabalhando no processo do G-20 em várias iniciativas, incluindo Programa Global para a Agricultura e Segurança Alimentar (GAFSP). O programa foi lançado em 2010 para preencher hiatos de financiamento nas estratégias nacionais e regionais para a agricultura e segurança alimentar. A Comissão de Coordenação do GAFSP é um órgão externo de tomada de decisões composto por representantes doadores, beneficiários e membros com direito a voto, em número igual. Até esta data, os doadores — incluindo a Fundação Bill & Melinda Gates e os governos da Austrália, Canadá, Irlanda, Coreia, Espanha e Estados Unidos — garantiram US$ 975 milhões para o guichê do setor público do GAFSP. O Canadá e os Estados Unidos também garantiram US$ 75 milhões para o guichê do setor privado. Desde junho de 2010, o GAFSP concedeu US$ 481 milhões para projetos em Bangladesh, Camboja, Etiópia, Haiti, Libéria, Mongólia, Nepal, Nigéria, Ruanda, Serra Leoa, Tajiquistão e Togo. A mudança do clima afeta desproporcionalmente a população pobre rural. O Banco Mundial está apoiando uma gestão da água e da terra inteligente em termos climáticos para proporcionar benefícios de adaptação e atenuação. Outras áreas centrais de sua carteira agrícola incluem pescas sustentáveis, água para agricultura, sistemas de inovação, silvicultura, desenvolvimento conduzido pela comunidade, desenvolvimento da pecuária, posse da terra, investimento agrícola responsável, financiamento rural e gestão de riscos agrícolas. (Ver http://worldbank.org/rural.)

A primeira desse gênero no mundo, a usina de energia solar concentrada Ain Beni Mathar usa design e tecnologia de ponta para fornecer eletricidade para a rede marroquina. Foto: Dana Smillie

INFRAESTRUTURA Hoje, cerca de 880 milhões de pessoas em todo o mundo vivem sem água potável, 1,4 bilhão carece de eletricidade, 2,5 bilhões carecem de saneamento e mais de 1 bilhão não dispõe de acesso a serviços de telefonia. A demanda total de investimento e manutenção para infraestrutura de países em desenvolvimento está avaliada em mais de US$ 900 bilhões ao ano, com necessidades mais urgentes na África e Ásia. O financiamento do Banco Mundial para infraestrutura alcançou US$ 19,7 bilhões no exercício financeiro de 2011. Neste nível, a infraestrutura continua a ser a principal atividade do Banco Mundial, respondendo por 46% da assistência total do Banco. O apoio incluiu US$ 8,6 bilhões para Transportes, US$ 5,8 bilhões para energia, US$ 4,6 bilhões para água e US$ 640 milhões para tecnologias da informação e comunicação. O Sul da Ásia foi o maior beneficiário (30%), seguido do Leste Asiático e Pacífico (24%), América latina e Caribe (15%) e África (14%). O Banco Mundial produziu também mais de 159 produtos analíticos e de consultoria, incluindo uma estratégia de mudança do clima no transporte urbano da China, uma estratégia de eficiência energética para o Egito e uma análise da política do setor energético para a Nigéria. O Banco Mundial apoia os governos ao adiantar a agenda verde alavancando financiamentos de novos mecanismos, tais como o Mecanismo de Parceria de Carbono, o Fundo de Tecnologia Limpa e os títulos verdes. Neste exercício financeiro, o Banco Mundial estabeleceu um recorde “verde”, de compromissos para projetos de energia renovável ou eficiência energética. No setor de transportes, estradas e rodovias continuam sendo o maior subsetor, e os empréstimos para ferrovias aumentaram significativamente. Em resposta às crescentes necessidades dos países clientes, o Banco Mundial lançou a preparação de uma atualização para o Plano de Ação de Infraestrutura Sustentável. Ele proporá continuar a apoiar a atividade principal infraestrutura para acesso, com maior foco na infraestrutura transformacional, mobilização do capital privado e outras fontes de financiamento. Esta atualização servirá como documento abrangente, vinculando a série de estratégias setoriais produzida pelos vários setores às conexões com a infraestrutura. (Ver http://worldbank.org/infrastructure.)

ORIENTAÇÕES PÓSCRISE

13


Foto: Martje Van Der Heide

Um aluno em uma nova pré-escola construída pelo Projeto Estadual do Setor de Educação no Estado de Kaduna, no norte da Nigéria, estuda os números em um quadro negro. Somente no Estado de Kaduna, foram construídas 187 escolas pelo projeto para beneficiar as crianças das áreas rurais.

ÁFRICA Os países africanos ao sul do Sahara enfrentaram a última crise econômica global melhor do que as crises anteriores, graças em parte às políticas econômicas aprimoradas. Como resultado, a África é uma das regiões com desenvolvimento mais rápido do mundo. A produção expandiu em um percentual estimado de 4,7% em 2010, uma recuperação vigorosa em relação ao crescimento de 1,7% obtido em 2009. A recuperação foi mais forte entre os exportadores de metais, minerais e petróleo, que se beneficiaram de preços de produtos básicos mais altos. no exercício financeiro de 2011,o PIB cresceu ainda mais rápido, a um percentual calculado em 5,3%, e está projetado para atingir 5,5% em 2012. Como resultado desse crescimento acelerado e do progresso dos indicadores sociais, quatro países — Cabo Verde, Etiópia, Gana e Malawi — provavelmente alcançarão a maioria dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODMs) até 2015, ou um pouco depois. A África ainda tem sérios desafios de desenvolvimento, onde cerca da metade da população vive com US$ 1,25 por dia, a governança é deficiente e 645 em cada 100.000 africanas morrem no parto. Entretanto, há melhorias. A mortalidade materna diminuiu 26% entre 1990 e 2009. A mortalidade infantil também está caindo, a taxa de infecção por HIV está se estabilizando, as taxas de conclusão do ensino fundamental estão crescendo mais rapidamente do que em qualquer outra parte do mundo e o percentual de pessoas que vivem em extrema pobreza está caindo. O investimento estrangeiro direto em 2010 excedeu o da Índia, com influxos de capital chegando a 4,6% do PIB e as remessas alcançando cerca de US$ 11,5 bilhões. O clima de investimentos melhorou, com três países da região — Cabo Verde, Ruanda e Zâmbia — entre as 10 economias do mundo que mais melhoraram a facilidade de fazer negócios em 2010. O clima

para as reformas orientadas para o mercado e voltadas para os pobres está demonstrando ser sólido e a voz da sociedade civil está surgindo como um baluarte contra a praga da “corrupção silenciosa”, na qual os servidores públicos deixam de prestar serviços ou fornecer insumos que já foram pagos pelo governo. O crescimento de longo prazo da África refletirá cada vez mais as mudanças sociais e demográficas interrelacionadas, criando novos mecanismos de crescimento interno. Os principais deles serão a urbanização, uma força de trabalho em expansão e a ascensão do consumidor africano de classe média. Em 1980, apenas 28% dos africanos viviam nas cidades. Atualmente, eles representam 40% da população de 1 bilhão do continente — uma proporção quase comparável à da China e maior do que a da Índia. Até 2030 essa parcela está projetada para aumentar para 50% e as 18 principais cidades da África terão um poder anual de compra de US$ 1,3 trilhão.

FIGURA 2,1

FIGURA 2,2

ÁFRICA EMPRÉSTIMOS TOTAIS DO BIRD-AID POR TÓPICO | EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2011

ÁFRICA EMPRÉSTIMOS TOTAIS DO BIRD-AID POR SETOR | EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2011

PARCELA DO EMPRÉSTIMO TOTAL DE US$ 7,1 BILHÕES

PARCELA DO EMPRÉSTIMO TOTAL DE US$ 7,1 BILHÕES

Gestão econômica

2%

Desenvolvimento urbano

16% 21%

Comércio e integração 11% Proteção social e gestão do risco

Regime de direito

14

Desenvolvimento financeiro e do setor privado

Muitos países da África fizeram progressos em relação aos ODMs. A Tanzânia está no caminho para cumprir os objetivos relativos à saúde infantil e neonatal. O Senegal fez grandes avanços para melhorar a nutrição. Os dados do Níger indicam que os contraceptivos modernos estão sendo usados de forma mais ampla do que antes. Os melhores resultados são uma combinação de vários fatores, incluindo mudanças comportamentais, responsabilidades do país, educação, acesso equitativo aos serviços de saúde, compensações das reformas no sistema de saúde e melhor coordenação dos doadores. Se essas mudanças fossem adotadas de forma mais ampla, a África poderia cumprir os ODMs de saúde materno-infantil poucos anos antes da meta de 2015.

Água, saneamento e proteção contra inundações

Transporte

9%

Agricultura, pesca e florestas

12%

7%

13%

13% 4%

Desenvolvimento social, gênero e inclusão 2% Desenvolvimento rural

Gestão de recursos ambientais e naturais

6%

Renovação do impulso dos ODMs

11%

Desenvolvimento humano

Administração pública, leis e justiça

2%

26%

14%

8%

4% < 1%

15%

RELATÓRIO ANUAL DE 2011 DO BANCO MUNDIAL

Governança do setor público

Informação e comunicações

4%

6%

Educação

Energia e mineração Finanças Saúde e outros serviços sociais Indústria e comércio


PAÍSES ELEGÍVEIS A EMPRÉSTIMOS DO BANCO MUNDIAL Angola África do Sul Benin Botsuana Burkina Faso Burundi

Cabo Verde Camarões Chade Comores Costa do Marfim Eritréia

Etiópia Gabão Gana Gâmbia Guiné Guiné-Bissau

Guiné Equatorial Lesoto Libéria Madagascar Malauí Mali

Maurício Mauritânia Moçambique Namíbia Níger Nigéria

Quênia República Centro-Africana República Democrática do Congo

República do Congo Ruanda São Tomé e Príncipe Seicheles Senegal

Serra Leoa Suazilândia Tanzânia Togo Uganda Zâmbia

Assistência do Banco Mundial O Banco Mundial forneceu US$ 7,1 bilhões para a África no exercício financeiro de 2011. O apoio incluiu US$ 7 bilhões da AID e US$ 56 milhões do BIRD. Em resposta à oportunidade de a África se transformar e melhorar a vida das pessoas, o Banco Mundial desenvolveu uma estratégia ambiciosa de 10 anos, O Futuro da África e o Apoio do Banco Mundial, que poderia ajudar as economias regionais a decolar como as economias da Ásia fizeram há 30 anos. A nova abordagem tem dois pilares — competitividade e emprego, e vulnerabilidade e resiliência — que se apoiam em uma base de fortalecimento da governança e capacidade do setor público. A estratégia reverte a ordem de importância dos instrumentos do Banco Mundial para apoiar a África, dando proeminência às parcerias, depois ao conhecimento e por último ao financiamento. O objetivo é garantir que as intervenções do Banco Mundial complementem as outras intervenções, incluindo os governos africanos, o setor privado e a sociedade civil.

Foco na Agricultura Em resposta ao aumento global dos preços dos alimentos, o Banco Mundial ampliou o empréstimo direcionado para programas agrícolas em todo o continente, fornecendo US$ 0,8 bilhão de apoio no exercício financeiro de 2011. O trabalho do Banco Mundial está fortemente alinhado com o Programa Compreensivo de Desenvolvimento Agrícola Africano, a iniciativa pertencente à África e dirigida a ela própria para o crescimento da produtividade na agricultura.

Criação de Capital Humano na África Os países africanos têm feito grandes melhorias no aumento das matrículas no ensino fundamental, matriculando milhões de crianças adicionais durante a última década. Alinhado com essa nova estratégia de educação, o foco do Banco Mundial agora é alcançar a “aprendizagem para todos”. O Banco também está trabalhando com os países no desenvolvimento de aptidões e do ensino superior para melhorar a sustentabilidade e alinhar a educação e o treinamento com as necessidades do mercado de trabalho. Também houve grandes progressos na saúde. Etiópia, Gâmbia, Malawi e Ruanda reduziram a mortalidade infantil em no mínimo 25% na última década, sendo que a taxa em Ruanda caiu 47%. Muitos países africanos reduziram a mortalidade materna entre 20% e 50%. Com 22,5 milhões de pessoas na África vivendo com HIV/AIDS, e com a malária e a tuberculose continuando a ser os principais desafios, combater as doenças contagiosas tem alta prioridade. O Projeto de Redes de Laboratórios de Saúde Pública da África Oriental apoiado pelo Banco Mundial está ajudando quatro países a coordenar a fiscalização de doenças. O financiamento do Banco Mundial de US$ 1,4 bilhão até a data para a luta contra HIV/AIDS na África ajudou a catalisar financiamentos globais para HIV/AIDS, que aumentaram de US$ 1,6 bilhão em 2001 para mais de US$ 16 bilhões em 2010. O Banco também foi um parceiro ativo nos esforços da África para controlar a malária. O Programa Impulsionador para Reversão da Malária financiou 51,7 milhões de mosquiteiros em toda a carteira impulsionadora com 21 milhões adicionais planejados. Exemplos fortes de proteção social são evidentes no trabalho realizado em todo o continente. Na Etiópia, por exemplo, o Banco Mundial destinou transferências monetárias e de alimentos para 10 milhões de pessoas durante a crise econômica global. Milhares de togoleses beneficiaram-se do Projeto de Desenvolvimento Comunitário financiado pelo Banco Mundial. Lançado em fevereiro de 2009, o projeto opera principalmente em áreas rurais e apoia a implementação das prioridades de desenvolvimento identificadas por comunicações de base,

empoderando as pessoas de baixa renda a se encarregarem do seu próprio desenvolvimento. As ações financiadas até a data incluem a construção de salas de aula e centros de saúde, a conexão de aldeias agrícolas com centros comerciais, o fornecimento de recursos para atividades de geração de renda e a melhoria da segurança alimentar.

Parcerias para a Integração Regional A integração regional é fundamental para o progresso na África, onde a maioria das economias e dos mercados é relativamente pequena e isolada, e muitos países não têm saída para o mar. Os empréstimos regionais na África atingiram US$ 1,0 bilhões no exercício financeiro de 2011, um aumento de 66% desde 2010. As intervenções incluíam o apoio ao Programa Regional de Infraestrutura de Comunicações da África Ocidental de US$ 300 milhões, que complementa os programas de Conectividade da Infraestrutura Regional e da Espinha Dorsal da África Central. (Ver http://www.worldbank.org/afr.)

LESTE ASIÁTICO E PACÍFICO População total:

0,9 bilhões

Crescimento da população:

2,6%

Expectativa de vida ao nascer:

53 anos

Mortalidade infantil por 1.000 nascimentos:

81

Nível de alfabetização de mulheres jovens:

67%

Número de pessoas que vivem com HIV/AIDS:

22,5 milhões

PIB per capita de 2011:

$1.165

Índice do PIB per capita (2000=100)

123

Nota: A expectativa de vida ao nascer e a taxa de mortalidade infantil por 1.000 nascimentos vivos; os dados sobre alfabetização de mulheres jovens; e as pessoas que vivem com HIV/AIDS são de 2009; outros indicadores são de 2010, extraídos do banco de dados de Indicadores do Desenvolvimento Mundial. Os dados do HIV/AIDS são do relatório da UNAIDS/OMS 2010 AIDS Epidemic Updates (Atualização sobre a Epidemia da AIDS de 2010).

EXERCÍCIO FINANCEIRO TOTAL DE 2011

EXERCÍCIO FINANCEIRO TOTAL DE 2011

Novos compromissos BIRD US$ 56 milhões AID US$ 7.004 milhões

Desembolsos BIRD US$ 665 milhões AID US$ 4.925 milhões

Carteira de projetos em implementação a partir de 30.06.11: $38,7 bilhões

AS REGIÕES

15


Foto: Stanislas Fradelizi As mulheres da Província de Vientiane, na República Popular do Laos, participam de um projeto financiado pelo Banco Mundial que cria empregos e melhora o rendimento dos produtores de artesanato de bambu. Como parte do Plano de Ação de Gênero, a Iniciativa Baseada em Resultados de Mekong beneficia mulheres de 2.000 domicílios em três províncias da República Popular do Laos e do Camboja.

LESTE ASIÁTICO E PACÍFICO A recuperação da crise econômica global está no rumo certo nos países em desenvolvimento do Leste Asiático, com o crescimento real do PIB, a produção industrial e as exportações ultrapassando os níveis anteriores à crise. A produção aumentou 9,6% em 2010 e está projetada para crescer cerca de 8% em 2011 e 2012. A região tem potencial para garantir sua recuperação e continuar no caminho do crescimento rápido e sustentável — se for capaz de aproveitar as oportunidades e enfrentar diversos desafios. A administração da inflação foi o principal desafio de curto prazo na região este ano, que foi complicada com um surto nos influxos de capital da carteira e grandes aumentos nos preços de alimentos e produtos básicos. Com relação ao futuro, os países do Leste Asiático e do Pacífico precisam aumentar a integração regional para aproveitar o rápido crescimento da China. Também é importante reduzir a desigualdade e a exclusão social, tornar as cidades da região resilientes aos desastres naturais e abordar os efeitos da mudança climática para o crescimento contínuo.

naturais e aumento de preços de alimentos e produtos básicos. Os recursos foram levantados por meio de parcerias com o Banco Asiático de Desenvolvimento; organizações regionais, tais como a Associação de Nações do Sudeste Asiático e a Cooperação Econômica Ásia-Pacífico, bem como doadores, incluindo a Austrália, a União Europeia e o Japão.

Compartilhamento de conhecimentos

O Banco Mundial aprovou US$ 8,0 bilhões para o Leste Asiático e a região do Pacífico para 58 projetos neste exercício financeiro. O apoio incluiu US$ 6,4 bilhões em empréstimos do BIRD e US$ 1,6 bilhão em compromissos da AID. A estratégia regional para este ano está alinhada com as prioridades do Banco Mundial, enfocando o crescimento sustentável, a redução efetiva da pobreza, governança baseada no país e estratégias de combate à corrupção, e a participação regional nas questões globais, incluindo preparação para crises, tais como desastres

Como as necessidades de desenvolvimento da região tornaram-se mais sofisticadas, a agenda de conhecimentos cresceu em importância. Entre os produtos de conhecimento do Banco Mundial, a edição de março do documento semestral East Asia and Pacific Economic Update (Atualização Econômica da Região do Leste Asiático e Pacífico) forneceu uma análise do impacto do terremoto no Japão sobre a economia regional poucos dias após o desastre. Foram produzidos relatórios econômicos regulares dos países para China, Indonésia, Malásia, Mongólia, Filipinas e Tailândia. O Banco Mundial trabalhou com parceiros para publicar o relatório Climate Risks and Adaptation in Asian Coastal Megacities (Riscos climáticos e adaptação nas megacidades costeiras da Ásia) neste exercício financeiro. Foi realizado um estudo importante sobre o ensino superior no Leste Asiático para apoiar a produtividade e o crescimento. O Banco Mundial também sediou a Conferência sobre Desenvolvimento do Leste Asiático, reunindo importantes formuladores de políticas e especialistas em desenvolvimento para discutir os desafios e as oportunidades regionais de desenvolvimento para possibilitar um futuro mais próspero.

FIGURA 2,3

FIGURA 2,4

LESTE ASIÁTICO E PACÍFICO EMPRÉSTIMOS TOTAIS DO BIRD-AID POR TÓPICO | EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2011

LESTE ASIÁTICO E PACÍFICO EMPRÉSTIMOS TOTAIS DO BIRD-AID POR SETOR | EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2011

PARCELA DO EMPRÉSTIMO TOTAL DE US$ 8,0 BILHÕES

PARCELA DO EMPRÉSTIMO TOTAL DE US$ 8,0 BILHÕES

Assistência do Banco Mundial

Desenvolvimento urbano

Comércio e integração Proteção social e gestão do risco

16%

Gestão econômica

2%

Gestão de recursos ambientais e naturais

19%

7%

Água, saneamento e proteção contra inundações 13%

3% 13%

Desenvolvimento social, gênero e inclusão 2% 4%

Desenvolvimento financeiro e do setor privado

Agricultura, pesca e florestas

4%

Educação

2%

Energia e mineração

21%

Transporte

< 1%

Finanças

4%

Saúde e outros serviços sociais

24%

Desenvolvimento humano

3%

Indústria e comércio

< 1%

Informação e comunicações

Desenvolvimento rural 14% Regime de direito

16

< 1%

20%

RELATÓRIO ANUAL DE 2011 DO BANCO MUNDIAL

Governança do setor público

Administração pública, leis e justiça

28%


PAÍSES ELEGÍVEIS A EMPRÉSTIMOS DO BANCO MUNDIAL Camboja China Federação dos Estados da Micronésia Fiji

Filipinas Ilhas Marshall Ilhas Salomão Indonésia Kiribati

Malásia Mianmar Mongólia Palau Papua Nova Guiné

República da Coréia República Democrática Popular do Laos Samoa

Tailândia Timor-Leste Tonga Vanuatu Vietnã

Criação de resiliência aos desastres naturais e à mudança climática Aumentar a resiliência a eventos climáticos extremos, como o aumento do nível do mar e outros desastres naturais, é um dos principais desafios de médio prazo da região, que passou por mais de 70% dos desastres naturais do mundo e sofreu 82% do total de fatalidades em desastres desde 1997. O trabalho do Banco Mundial engloba serviços analíticos e consultivos relativos a avaliações de risco de desastres e da mudança do clima, o desenvolvimento de opções de financiamento de riscos e políticas de mitigação de riscos. Este ano as tragédias das inundações e ciclones na Austrália e o terremoto e tsunami no Japão exigiram um aprendizado e uma compreensão mútuos entre o Banco Mundial e seus doadores. Em relação à mitigação de riscos, foi liberada uma nota sobre “Preparação para o próximo grande terremoto na Ásia” em outubro de 2010, levando a uma readaptação sísmica nas escolas da Indonésia. Na reconstrução após o desastre, um projeto de US $11,8 milhões em Samoa apoiará o reassentamento e a recuperação das comunidades da ilha de Upolu, afetada pelo terremoto de 2009, fornecendo novas estradas de acesso e reconstruindo as estradas danificadas e os muros de contenção do mar. Foi mobilizado um subsídio de US$ 3,5 milhões pelo Fundo de Reconstrução de Java para financiar a reconstrução das habitações e da infraestrutura comunitária destruídas pela erupção do vulcão Merapi em 2010 por meio de um programa de desenvolvimento conduzido pela comunidade.

Apoio a uma economia em amadurecimento na China A China tornou-se a segunda maior economia do mundo em 2010, representando cerca de 9,5% do PIB global com base nas taxas de câmbio do mercado. Com base nessas taxas, todavia, o PIB per capita continua abaixo da média mundial. O Banco Mundial destinou à China cerca de US$ 1,7 bilhão para 14 projetos neste exercício financeiro, três dos quais foram transferidos do ano anterior. Cerca de 76% dos projetos em andamento financiados pelo Banco Mundial mostram um forte enfoque no meio ambiente. A parceria do Banco Mundial com a China agora enfatiza análise econômica, assessoria política, assistência técnica e treinamento. Por exemplo, o Banco Mundial está trabalhando com o Centro de Pesquisa em Desenvolvimento do Conselho Estadual da China em associação com o Ministério das Finanças, para preparar um relatório conjunto que desenvolva uma agenda de políticas para o crescimento rápido e sustentável para a transição do país para uma economia de alta renda.

Trabalho com os países de renda média e baixa da região Na República Democrática do Laos, o Projeto Hidrelétrico de Nam Theun 2 de 1.070 megawatts foi inaugurado em dezembro de 2010. O projeto teve o apoio de um financiamento de US$ 1,3 bilhão de 27 parceiros, incluindo o Banco Mundial. A receita gerada pela venda da eletricidade para a Tailândia foi canalizada para gastos em educação em distritos pobres (US$ 2 milhões), estradas rurais (US$ 1,7 milhões) e saúde pública (US$ 1 milhão). O Banco Mundial também está trabalhando com o governo em um programa mais amplo para fortalecer a gestão das finanças públicas. Nas Filipinas, um programa de transferência monetária condicional financiado pelo Banco Mundial está atuando como a espinha dorsal de um sistema moderno e consolidado de proteção social. Mais de 1,6 milhão de domicílios estão recebendo benefícios do programa. O Vietnã fez um grande progresso ao adotar as reformas orientadas para o mercado e ficou posicionado para conseguir um status de renda média depois de passar de um país com financiamento combinado AID para o BIRD em 2009.

Este ano o Banco Mundial começou a desenvolver a próxima estratégia de parceria com países com o governo vietnamita abrangendo o período de 2011-16. O Banco Mundial aprovou um empréstimo de US$ 330 milhões para apoiar o Projeto Hidrelétrico de Trung Son, que ajudará a cumprir a demanda de eletricidade do país, que está em rápido crescimento. O Banco Mundial também aumentou seu apoio analítico e financeiro às Ilhas do Pacífico. A primeira estratégia de assistência ao país para Kiribati coloca a adaptação às mudanças do clima no centro de um plano de três anos que apoia os esforços do governo para administrar as reservas dos lençóis freáticos, melhorar a coleta de água da chuva e desenvolver novas fontes de água. Em Tonga, a estratégia de assistência ao país para 2011-14 enfoca a reforma econômica como uma forma de criar resiliência aos choques dos preços de alimentos e combustíveis. (Ver http://worldbank.org/eap.)

RETRATO REGIONAL DO LESTE ASIÁTICO E PACÍFICO População total:

2,0 bilhões

Crescimento da população:

0,7%

Expectativa de vida ao nascer:

72 anos

Mortalidade infantil por 1.000 nascimentos:

21

Nível de alfabetização de mulheres jovens:

99%

Número de pessoas que vivem com HIV/AIDS:

2,3 milhões

PIB per capita de 2011:

$3.692

Índice do PIB per capita (2000=100)

220

Nota: A expectativa de vida ao nascer e a taxa de mortalidade infantil por 1.000 nascimentos vivos; os dados sobre alfabetização de mulheres jovens; e as pessoas que vivem com HIV/AIDS são de 2009; outros indicadores são de 2010, extraídos do banco de dados de Indicadores do Desenvolvimento Mundial. Os dados do HIV/AIDS são do relatório da UNAIDS/OMS 2010 AIDS Epidemic Updates (Atualização sobre a Epidemia da AIDS de 2010).

EXERCÍCIO FINANCEIRO TOTAL DE 2011

EXERCÍCIO FINANCEIRO TOTAL DE 2011

Novos compromissos BIRD US$ 6.370 milhões AID US$ 1.627 milhões

Desembolsos BIRD US$ 3.964 milhões AID US$ 1.238 milhões

Carteira de projetos em implementação a partir de 30.06.11: $29,9 bilhões

AS REGIÕES

17


Foto: Kurmangazy Omarov Esses agricultores da zona rural do Cazaquistão estão participando do Projeto de Competitividade Agrícola financiado pelo Banco Mundial, que realiza pesquisas agrícolas para aplicar técnicas inovadoras ao cultivo de maçãs. A missão do Banco Mundial no Cazaquistão é apoiar um crescimento econômico de longo prazo que se traduza em mais empregos e melhores serviços sociais para todos os cidadãos.

EUROPA E ÁSIA CENTRAL Houve uma retomada do crescimento na Europa e na Ásia Central em 2010 que chegou a 4,5%, depois de um declínio acentuado durante a crise econômica global. As projeções para 2011–13 são de um desempenho ligeiramente melhor, mas ainda permanece abaixo das taxas de outras regiões. O crescimento foi mais morno nas regiões Central e Sudeste da Europa do que na Comunidade dos Estados Independentes, onde os altos preços dos produtos básicos intensificaram as exportações líquidas, aumentaram os fluxos das remessas e impulsionaram o consumo privado. Para os importadores líquidos, os altos preços de alimentos e energia ameaçam aumentar a pobreza, principalmente na Armênia, na República do Quirguistão e no Tajiquistão. A região como um todo continua a depender da Europa Ocidental, que está enfrentando uma crise da dívida soberana.

Assistência do Banco Mundial O apoio do Banco Mundial atingiu US$ 6,1 bilhões neste exercício financeiro, incluindo US$ 5,5 bilhões do BIRD e US$ 655 milhões da AID. A Turquia (US$ 1,4 bilhão), a Polônia (US$ 1,1 bilhão) e a Romênia (US$ 1,1 bilhão) foram os maiores mutuários. Os setores que receberam o maior financiamento foram Energia e Mineração (US$ 1,9 bilhão); Administração Pública, Lei e Justiça (US$ 1,7 bilhão); e Saúde e Outros Serviços Sociais (US$ 1,2 bilhão).

Armênia e na Turquia. Apoiou também melhorias nas estradas na Bielorrússia, no Cazaquistão, na República do Quirguistão e no Sul do Cáucaso, além de reformas no setor público para melhorar a governança, os transportes e o abastecimento de energia na Romênia. O Banco Mundial continua a trabalhar com os países clientes para identificar suas prioridades de políticas, desenvolver planos de recuperação, melhorar o clima de investimento e diversificar as exportações, tudo com o objetivo de gerar empregos. Pelo oitavo ano consecutivo, a Europa e a Ásia Central lideraram o mundo na melhoria da regulamentação dos negócios para empresas nacionais, de acordo com o Doing Business 2011 (Fazendo Negócios 2011). Vinte e um países da região melhoraram suas classificações. Neste exercício financeiro o Banco Mundial produziu relatórios financeiros sobre a Federação Russa, a União Europeia (UE)10, o Cazaquistãoe Moldávia. Também produziu estudos sobre a economia informal na Turquia e crescimento e competitividade na Polônia. Seu estudo de governança e os encargos normativos no Leste Europeu e na Ásia Central foi baseado na quarta rodada dos Estudos sobre Desempenho Empresarial e Ambiente de Negócios, que abrangem mais de 11.000 empresas em 29 países da região.

Apoio às reformas do setor social e ao ajuste fiscal Aumento da competitividade Os países da região precisam aumentar a competitividade, melhorar a produtividade e fortalecer a integração regional. Para ajudá-lo nessa tarefa, o Banco Mundial apoiou reformas normativas e a gestão das finanças públicas na Croácia e na Polônia; ajudou a estabilizar o setor financeiro no Cazaquistão e na Sérvia; e aumentou o acesso ao financiamento para pequenas e médias empresas na

Os gastos sociais em certos países da Europa e da Ásia Central são ineficientes. Os governos precisam proteger os pobres aumentando as transferências monetárias, as pensões sociais e os programas voltados para o combate à pobreza. O financiamento do Banco Mundial para apoiar reformas do setor social e fortalecer as redes de segurança incluiu empréstimos para investimentos baseados em resultados para a Moldávia e Romênia, Resposta Social Rápida e subsídios da AID

FIGURA 2,5

FIGURA 2,6

EUROPA E ÁSIA CENTRAL EMPRÉSTIMOS TOTAIS DO BIRD-AID POR TÓPICO | EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2011

EUROPA E ÁSIA CENTRAL EMPRÉSTIMOS TOTAIS DO BIRD-AID POR SETOR | EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2011

PARCELA DO EMPRÉSTIMO TOTAL DE US$ 6,1 BILHÕES

PARCELA DO EMPRÉSTIMO TOTAL DE US$ 6,1 BILHÕES

Desenvolvimento urbano

3%

Comércio e integração Proteção social e gestão do risco

Gestão econômica

6%

6%

Água, saneamento e proteção contra inundações Transporte

21%

23%

2%

Agricultura, pesca e florestas

2%

4%

4%

Educação

Gestão de recursos ambientais e naturais Administração pública, leis e justiça 27%

Desenvolvimento social, gênero e inclusão 1%

31%

Energia e mineração

Desenvolvimento rural 3% Regime de direito

1%

Governança do setor público

4%

Desenvolvimento humano

18

Informação e comunicações

< 1% 6%

10%

22%

RELATÓRIO ANUAL DE 2011 DO BANCO MUNDIAL

Desenvolvimento financeiro e do setor privado

Indústria e comércio

4%

20%

Finanças

Saúde e outros serviços sociais


PAÍSES ELEGÍVEIS A EMPRÉSTIMOS DO BANCO MUNDIAL Albânia Antiga República Iugoslava da Macedônia Armênia Azerbaijão

Belarus Bósnia-Herzegóvina Bulgária Cazaquistão Croácia

Federação Russa Geórgia Kosovo Latvia Moldávia

para o Tadjiquistão, financiamento adicional para a saúde e proteção social na República do Quirguistão, um projeto de melhoria do sistema de saúde no Uzbequistão e reformas previdenciárias na Romênia e outros países da região. O Banco Mundial está apoiando melhorias nas finanças governamentais em mais de doze países. Isso ajudou a proteger os gastos em programas de assistência social na Albânia, Letônia e Romênia, bem como serviços públicos essenciais, incluindo qualidade da educação no Cazaquistão e na Rússia, e cuidados de saúde na Armênia, Bósnia e Herzegovina, Tadjiquistão e Uzbequistão. O Banco Mundial preparou vários relatórios regionais, incluindo um estudo do desempenho dos sistemas previdenciários e um estudo de respostas domiciliares e governamentais à recessão. Também liberou relatórios sobre programas de assistência social nos Balcãs ocidentais, participação feminina no mercado de trabalho da Turquia e políticas de cuidados de longo prazo para populações mais idosas nos novos estados membros da UE e na Croácia.

Atenuação e adaptação à mudança do clima O legado de má gestão ambiental e de produção com uso intensivo de energia que ainda persiste na Europa e na Ásia Central deixou a região mal preparada para se adaptar aos impactos negativos da mudança do clima. Muitos países estão sofrendo inundações e secas excepcionalmente rigorosas, e o número de eventos extremos — secas, inundações, ondas de calor, tempestades de vento e incêndios florestais — deverá crescer nas próximas décadas. O Banco Mundial está apoiando esforços para reduzir as emissões de carbono, construir uma base de conhecimentos das mudanças do clima e avaliar as consequências e abordagens de adaptação. Está financiando projetos de eficiência energética na Bielorrússia, Polônia, Turquia e Ucrânia, além de empréstimos para políticas de desenvolvimento na Polônia. O Banco Mundial está trabalhando com a ex-República Iugoslava da Macedônia, Polônia, Rússia e Ucrânia em estratégias nacionais de eficiência energética. Também está fortalecendo o aspecto de resiliência climática da sua carteira de investimentos. Continuou seus projetos-piloto sobre a vulnerabilidade dos sistemas de energia, agricultura e água. Iniciou também projetos sobre cidades sustentáveis e desenvolvimento social, e expandiu seus programas de conhecimento e aprendizagem para um grupo mais amplo de funcionários do Banco e clientes selecionados da região.

Trabalhando com parceiros O Banco Mundial fortaleceu sua parceria com a União Europeia (UE) neste exercício financeiro, cofinanciando pacotes internacionais de reformas, fornecendo serviços de consultoria aos países membros em questões sobre a UE e aos possíveis países candidatos em questões de acesso, além de ter ampliado seu trabalho sobre problemas energéticos regionais. Para aumentar a sua participação, o Banco Mundial criou uma estratégia para a parceria da região com a UE e outras importantes instituições baseadas na Europa (STEP-EU). O Banco Mundial fez parceria com o Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento e o Banco Europeu de Investimento para lançar o Plano de Ação Conjunta das Instituições Financeiras Internacionais para apoiar os sistemas bancários e as economias da Europa Central e do Leste Europeu em resposta à crise econômica. Trabalhou com a Rússia como doador emergente, fez parceria para resposta à crise de alimentos na República do Quirguistão e no Tadjiquistão, uma Resposta Social Rápida à crise de alimentos no Tadjiquistão e gestão das finanças públicas na região. O Banco Mundial também trabalhou em parceria com o Fundo Anticrise da EurAsEc (Comunidade Econômica Eurasiática) para fornecer financiamento paralelo a países de baixa renda da Europa e da Ásia Central.

Montenegro Polônia Quirguistão Romênia Sérvia

Tajiquistão Turquemenistão Turquia Ucrânia Uzbequistão

Fortalecimento da integração e cooperação regionais Dado o alto nível de integração econômica na região, é essencial uma maior cooperação em água e energia, transporte, comércio, financiamento corporativo e inclusão social. O Banco Mundial apoiou a Comunidade de Energia do Sudeste Europeu para estabelecer uma estrutura normativa comum para os mercados de energia e ajudou a criar soluções regionais de transporte para atender aos requisitos de transporte da UE. Também iniciou um programa abrangente de Desenvolvimento de Energia e Recursos Hídricos da Ásia Central para apoiar os países da Ásia Central na gestão dos seus recursos hídricos e energéticos, fortalecendo as instituições regionais e incentivando investimentos. Foi criado um fundo fiduciário de vários doadores com apoio do Departamento de Desenvolvimento Internacional do Reino Unido e do governo da Suíça, e as discussões com outros doadores estão em andamento. O Banco Mundial também trabalhou com a Comissão Europeia para a inclusão dos romanis e forneceu apoio por meio do Fundo de Educação dos Romanis e da Década de Inclusão dos Romanis.

RETRATO REGIONAL SOBRE A EUROPA E ÁSIA CENTRAL População total:

0,4 bilhões

Crescimento da população:

0,4%

Expectativa de vida ao nascer:

70 anos

Mortalidade infantil por 1.000 nascimentos:

19

Nível de alfabetização de mulheres jovens:

99%

Número de pessoas que vivem com HIV/AIDS:

1,5 milhões

PIB per capita de 2011:

$7.214

Índice do PIB per capita (2000=100)

156

Nota: A expectativa de vida ao nascer e a taxa de mortalidade infantil por 1.000 nascimentos vivos; os dados sobre alfabetização de mulheres jovens; e as pessoas que vivem com HIV/AIDS são de 2009; outros indicadores são de 2010, extraídos do banco de dados de Indicadores do Desenvolvimento Mundial. Os dados do HIV/AIDS são do relatório da UNAIDS/OMS 2010 AIDS Epidemic Updates (Atualização sobre a Epidemia da AIDS de 2010).

EXERCÍCIO FINANCEIRO TOTAL DE 2011

EXERCÍCIO FINANCEIRO TOTAL DE 2011

Novos compromissos BIRD US$ 5.470 milhões AID US$ 655 milhões

Desembolsos BIRD US$ 6.873 milhões AID US$ 585 milhões

Carteira de projetos em implementação a partir de 30.06.11: $22,6 bilhões

AS REGIÕES

19


Foto: James Martone

No Haiti, Jeanne Bousiko está feliz por saber que ela e sua família podem voltar para casa. O processo de avaliação de moradias financiado pelo Banco Mundial realizou 400.000 inspeções de segurança de edificações desde o terremoto de 12 de janeiro de 2010.

AMÉRICA LATINA E CARIBE A América Latina e o Caribe passaram por um dos maiores períodos de crescimento do século entre 2002 e 2010, impulsionado pela explosão de preços dos produtos básicos mais abrangente da história e enormes aumentos nas exportações para a China. O crescimento rapidamente se recuperou depois da recessão global e chegou a 6% em 2010. Como resultado, mais de 50 milhões de pessoas foram retiradas da pobreza moderada entre 2002 e 2008 e, pela primeira vez, houve progresso constante no sentido de alterar a desigualdade econômica. A previsão para 2011 é de um sólido crescimento de 4-5%. A saúde econômica da região é um tributo às reformas realizadas nas duas últimas décadas para atingir estabilidade financeira e macroeconômica e, ao mesmo tempo, desenvolver programas sociais eficientes. Até 2002 a América Latina era um grande devedor global. Atualmente é um importante credor em relação ao resto do mundo e os fluxos de capital estrangeiro que entram na região assumem a forma de patrimônio em vez de dívida. Em dezembro de 2010, os ingressos anuais brutos de capital dos maiores países da região alcançaram quase US$ 330 bilhões, um aumento de quase US$ 80 bilhões em relação ao registro anterior, atingido em março de 2008.

Criando oportunidades para as pessoas de baixa renda O Banco Mundial apoia esforços para manter a recuperação econômica da região e gerar oportunidades para todos por meio de programas que aumentam a produtividade, criam novos empregos de qualidade e ajudam os mais necessitados, principalmente por meio de transferências monetárias condicionais, que foram pioneiras na região. O Banco Mundial também mantém um foco no desenvolvimento da primeira infância. Desde fevereiro de 2010, quando ajudou a lançar a Iniciativa da Primeira Infância: um Investimento para a Vida, o Banco Mundial proporcionou a meio milhão de crianças da região nutrição adequada, cuidados de saúde e outros tipos de apoio.

Atenuação e adaptação à mudança do clima

O apoio do Banco Mundial chegou a US$ 9,6 bilhões neste exercício financeiro, incluindo US$ 9,2 bilhões do BIRD e US$ 460 milhões da AID. O apoio representou mais de 20% do total de novos compromissos do Banco Mundial. O México (US$ 2,8 bilhões) e o Brasil (US$ 2,5 bilhões) estavam entre os maiores mutuários. As áreas de Saúde e Outros Serviços Sociais (US$ 3,1 bilhões), Administração Pública, Lei e Justiça (US$ 2,0 bilhões) e Transportes (US$ 1,1 bilhão) receberam mais financiamento.

A América Latina e o Caribe são responsáveis apenas por 6% das emissões globais de gases causadores do efeito estufa. Em consequência do domínio da energia hidrelétrica sobre as usinas alimentadas a carvão, o setor energético da região gera 40% menos emissões de dióxido de carbono por unidade de energia do que a média mundial. Apesar das suas próprias emissões relativamente baixas, a região é líder em esforços para desenvolver uma abordagem abrangente para atenuação e adaptação à mudança do clima. O Banco Mundial está prestando apoio cada vez maior a programas verdes na região. Em julho de 2010, ele expandiu a parceria estratégica ao México, intensificando seu apoio aos já amplos programas verdes do país. O trabalho analítico sobre o crescimento com baixos níveis de emissões de carbono no Brasil, Colômbia, México e Uruguai concentrou-se nos impactos da mudança do clima sobre os recursos hídricos e a produtividade agrícola.

FIGURA 2,7

FIGURA 2,8

AMÉRICA LATINA E CARIBE EMPRÉSTIMOS TOTAIS DO BIRD-AID POR TÓPICO | EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2011

AMÉRICA LATINA E CARIBE EMPRÉSTIMOS TOTAIS DO BIRD-AID POR SETOR | EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2011

PARCELA DO EMPRÉSTIMO TOTAL DE US$ 9,6 BILHÕES

PARCELA DO EMPRÉSTIMO TOTAL DE US$ 9,6 BILHÕES

Assistência do Banco Mundial

Gestão econômica

< 1%

Desenvolvimento urbano Comércio e integração

Gestão de recursos ambientais e naturais

13%

13% 2% 12%

Desenvolvimento financeiro e do setor privado

Agricultura, pesca e florestas Água, saneamento e proteção contra inundações Transporte

2%

Educação

4%

Energia e mineração Finanças

6% 3%

11% 12%

32%

Proteção social e gestão do risco

25% 16%

Desenvolvimento social, gênero e inclusão Desenvolvimento rural

20

2%

8% 8%

1%

RELATÓRIO ANUAL DE 2011 DO BANCO MUNDIAL

Desenvolvimento humano

Administração pública, leis e justiça

Saúde e outros serviços sociais

21%

Governança do setor público Regime de direito

Informação e comunicações

1%

8%

Indústria e comércio


PAÍSES ELEGÍVEIS A EMPRÉSTIMOS DO BANCO MUNDIAL Antígua e Barbuda Argentina Belize Brasil Chile Colômbia Costa Rica

Dominica El Salvador Equador Estado Plurinacional da Bolívia Granada Guatemala

Guiana Haiti Honduras Jamaica México Nicarágua

Panamá Paraguai Peru República Bolivariana da Venezuela

República Dominicana Santa Lúcia Saint Kitts e Nevis São Vicente e Granadinas

Suriname Trinidad e Tobago Uruguai

Resposta a desastres naturais O Banco Mundial continuou a auxiliar o Haiti nas atividades de reconstrução após o grande terremoto de janeiro de 2010 que matou 230.000 pessoas e destruiu grande parte de Porto Príncipe. Entre outras iniciativas, o Banco Mundial apoiou inspeções de segurança de 400.000 prédios; forneceu financiamento de subsídios para reparo e reconstrução; e ajudou a estabilizar as operações do governo, combater a epidemia de cólera e levar milhares de crianças de volta à escola. No exercício financeiro de 2011, o Banco Mundial desembolsou US$ 116,1 milhões (US$ 25 milhões do Fundo para Reconstrução do Haiti) e forneceu ao Haiti US$ 78 milhões em novos subsídios. O Banco também está atuando como fiduciário para o Fundo de Reconstrução do Haiti, uma parceria de vários doadores entre o governo do país e membros da comunidade internacional. O perdão da dívida, remessas e grandes fluxos de ajuda permitiram ao banco central do Haiti criar reservas internacionais e estabilizar a sua moeda. Como resultado dos esforços nacionais e internacionais, a retração econômica do país em 2010 foi menos grave do que o esperado, com a baixa de 5,5 % do PIB em vez dos 8,5% que tinham sido previstos. Em resposta aos deslizamentos de janeiro de 2011 no Rio de Janeiro e nos seus arredores que deixaram milhares de pessoas desabrigadas, o Banco Mundial aprovou um projeto habitacional de US$ 485 milhões que beneficiará 2 milhões de pessoas de baixa renda que viviam em assentamentos informais de baixa renda, ou favelas, na área (ver página 7).

Promoção do crescimento inclusivo buscando o nível local com conhecimentos globais Por solicitação dos governos centrais e dos beneficiários diretos, o Banco Mundial está cada vez mais trabalhando com os governos subnacionais. Por meio dessa nova abordagem, o Banco Mundial volta a enfocar a assistência no fornecimento de respostas personalizadas às necessidades de desenvolvimento de cada província. Na Argentina, o Banco Mundial aprovou projetos de água e infraestrutura que promovem o desenvolvimento econômico sustentável nas províncias do norte, a região mais pobre da Argentina, onde 72% dos 7,5 milhões dos habitantes vivem na pobreza. Esses projetos promoverão a integração e incentivarão a competitividade da região aumentando o acesso à água e a serviços de saneamento e melhorando a infraestrutura rodoviária. Em julho de 2010, o município do Rio de Janeiro recebeu um empréstimo de US$ 1 bilhão para crescimento, educação e saúde — o maior empréstimo já feito pelo Banco Mundial a um município. Aproximadamente 70% dos empréstimos feitos como parte da última estratégia de parceria com o país estão concentrados nos estados e municípios do Brasil. O Banco Mundial também está fornecendo ao Rio de Janeiro conhecimentos e melhores práticas para preparação dos Jogos Olímpicos de 2016.

Melhorando a segurança dos cidadãos O crime e a violência são os principais desafios em toda a América Latina e Caribe. Como um percentual do PIB, os custos materiais do crime são estimados em quase o dobro dos mostrados nos Estados Unidos. O problema é tão grave que em vários países da América Central o número de mortes violentas por ano excede

o registrado durante as guerras civis da década de 1980. Desde 1999, as taxas de homicídios dispararam em El Salvador, Guatemala e Honduras, uma vez que as redes criminosas vinculadas ao tráfico de drogas tornaram-se mais ativas. O Banco Mundial produziu um relatório abrangente, “Crime e violência na América Central: o desafio do desenvolvimento”, que examina os vínculos na sub-região entre crime, violência e desenvolvimento. Lançado em abril de 2011, o relatório apresenta um conjunto de opções de políticas para confrontar os desafios do crime e da violência, utilizando lições das experiências nacionais e regionais. (Ver http://worldbank.org/lac.)

RETRATO REGIONAL DA AMÉRICA LATINA E O CARIBE População total:

0,6 bilhões

Crescimento da população:

1,0%

Expectativa de vida ao nascer:

74 anos

Mortalidade infantil por 1.000 nascimentos:

19

Nível de alfabetização de mulheres jovens:

97%

Número de pessoas que vivem com HIV/AIDS:

1,8 milhões

PIB per capita de 2011:

$7.802

Índice do PIB per capita (2000=100)

123

Nota: A expectativa de vida ao nascer e a taxa de mortalidade infantil por 1.000 nascimentos vivos; os dados sobre alfabetização de mulheres jovens; e as pessoas que vivem com HIV/AIDS são de 2009; outros indicadores são de 2010, extraídos do banco de dados de Indicadores do Desenvolvimento Mundial. Os dados do HIV/AIDS são do relatório da UNAIDS/OMS 2010 AIDS Epidemic Updates (Atualização sobre a Epidemia da AIDS de 2010).

EXERCÍCIO FINANCEIRO TOTAL DE 2011

EXERCÍCIO FINANCEIRO TOTAL DE 2011

Novos compromissos BIRD US$ 9.169 milhões AID US$ 460 milhões

Desembolsos BIRD US$ 8.376 milhões AID US$ 322 milhões

Carteira de projetos em implementação a partir de 30.06.11: $32,5 bilhões

AS REGIÕES

21


Foto: Dale Lautenbach Jovens rapazes aprendem a complexidade da arte em rebocos, uma técnica que adiciona encanto aos tradicionais prédios marroquinos, em uma escola de Taroudant, com o apoio da Iniciativa Nacional do Banco Mundial para o Desenvolvimento Humano. Nesse programa, 4,6 milhões de pessoas no Marrocos recebem serviços que incluem cuidados de saúde, treinamento profissionalizante e reintegração social.

ORIENTE MÉDIO E NORTE DA ÁFRICA Os eventos recentes em muitos países do Oriente Médio e Norte da África oferece uma oportunidade para que as pessoas executem as reformas para reformular o paradigma do desenvolvimento. O Banco Mundial e seus parceiros estão desenvolvendo uma estrutura de apoio com base nos seguintes pilares: • Governança — concentra-se na transparência do governo, no apoio à sociedade civil para responsabilização social, monitoramento da prestação de serviços, melhoria da governança corporativa e apoio à mudança dos privilégios do mercado para a concorrência. • Inclusão econômica e social — avaliação dos subsídios e da proteção social, tratamento de áreas atrasadas e aumento da participação econômica e social das mulheres. • Geração de empregos — concentrar em medidas de empregos de curto prazo e na qualidade da educação e combinação de habilidades, reformas do mercado de trabalho e gestão de migrações. • Aceleração do crescimento econômico — abordagem do crescimento, da concorrência e do setor privado, bem como integração global e regional, foco nos novos mercados, lacunas de infraestrutura, e sustentabilidade ambiental e mudança do clima. Essas prioridades refletem-se na nova operação preparada na Tunísia, e também nos programas e projetos em desenvolvimento de outros países da região, principalmente no República Árabe do Egito. Os eventos desde dezembro de 2010 tiveram um impacto no crescimento — o crescimento do PIB regional caiu para 1,9% no exercício de 2009, aumentou para 4,4% no exercício de 2010 e, como a situação permanece em fluxo, caiu ainda mais no exercício financeiro de 2011.

Assistência do Banco Mundial Os últimos desenvolvimentos em alguns dos maiores países mutuários geraram atrasos na entrega do programa na última metade do exercício de 2011. No Egito, Tunísia e outros países foram iniciados novos programas e projetos. Os empréstimos do BIRD e da AID aumentaram de US$ 1,7 bilhão no exercício financeiro de 2009 para US$ 3,7 bilhões no exercício de 2010, e caíram para US$ 2,1 bilhões no exercício de 2011. O apoio da AID à República do Iêmen em 2011, de US$ 117 milhões, foi bem mais baixo do que os US$ 205 milhões fornecidos em 2010. O apoio da AID ao Djibuti foi de US$ 5,8 milhões em 2011, contra US$ 8,9 milhões no exercício financeiro de 2010. Os serviços de conhecimento remunerados e de alto valor aumentaram de US$ 12,2 milhões no exercício de 2010 para US$ 14 milhões no exercício financeiro de 2011. O número de produtos econômicos, analíticos e de assessoria independentes de empréstimos caíram de 120 no exercício de 2010 para 108 no exercício de 2011. O Banco Mundial também preparou um estudo regional sobre a pobreza; relatórios sobre o desenvolvimento regional do setor privado e sobre migração e integração; pequenas notas sobre o impacto e os desafios de longo prazo provenientes da crise financeira, bem como os atuais desenvolvimentos políticos, principalmente em relação ao emprego.

Trocando ideias, buscando soluções Em março de 2011, o Banco Mundial organizou a conferência Arab Voices and Views (Vozes e Perspectivas do Mundo Árabe) — uma reunião pela Internet em árabe e inglês, seguida por um bate-papo virtual e lançamento de um novo blog sobre o Oriente Médio e o Norte da África. O objetivo era abrir um debate profundo sobre

FIGURA 2,9

FIGURA 2,10

ORIENTE MÉDIO E NORTE DA ÁFRICA EMPRÉSTIMOS TOTAIS DO BIRD-AID POR TÓPICO | EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2011

ORIENTE MÉDIO E NORTE DA ÁFRICA EMPRÉSTIMOS TOTAIS DO BIRD-AID POR SETOR | EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2011

PARCELA DO EMPRÉSTIMO TOTAL DE US$ 2,1 BILHÕES

PARCELA DO EMPRÉSTIMO TOTAL DE US$ 2,1 BILHÕES

Desenvolvimento urbano Comércio e integração

12%

Gestão de recursos ambientais e naturais

14%

Água, saneamento e proteção contra inundações

25%

Agricultura, pesca e florestas

12% 2%

5%

2%

Proteção social e gestão 8% do risco 18%

Desenvolvimento financeiro e do setor privado

Desenvolvimento social, gênero e inclusão 4% 9%

Desenvolvimento rural

22

20%

10%

RELATÓRIO ANUAL DE 2011 DO BANCO MUNDIAL

Desenvolvimento humano

Governança do setor público

Transporte

23%

16%

Educação Finanças

11%

Saúde e outros serviços sociais

5%

Indústria e comércio

2%

Informação e comunicações Administração pública, leis e justiça


PAÍSES ELEGÍVEIS A EMPRÉSTIMOS DO BANCO MUNDIAL Argélia Djibuti Iêmen, República do

Iraque Jordânia Líbano

Líbia Marrocos República Árabe da Síria

República Árabe do Egito

República Islâmica do Irã Tunísia

Esta seção também apresenta informações sobre a Cisjordânia e Gaza.

os eventos históricos da região. Os conferencistas não pertencentes ao Banco Mundial, amplamente reconhecidos por suas ideias inovadoras, exploraram tópicos tais como “O uso de novos meios de comunicação para responsabilização social” e “Igualdade de acesso ao emprego”.

Construção de parcerias A colaboração com parceiros nacionais e vizinhos ajudará a região a obter resultados em várias frentes. O Banco Islâmico de Desenvolvimento participou do Mecanismo de Financiamento de Infraestrutura dos Países Árabes do Banco Mundial e o Banco Africano de Desenvolvimento apoiou a iniciativa regional de Energia Solar Concentrada. O Banco Mundial também trabalhou em cooperação com o Fundo Monetário dos Países Árabes na preparação do destacado relatório da região sobre o setor financeiro. As nações europeias estão fazendo consultas sobre várias questões voltadas para a criação de oportunidades econômicas. Os parceiros japoneses estão ajudando a abordar os problemas dos jovens do Egito, da Tunísia e outros países.

Apoio aos países do Conselho de Cooperação do Golfo Os aumentos dos preços dos hidrocarbonetos impulsionaram as receitas dos países do Conselho de Cooperação do Golfo (GCC). Contudo, a maioria dos países do GCC aumentou drasticamente os gastos com subsídios e salários do setor público em resposta à instabilidade regional. As projeções são de que o impacto fiscal do aumento dos gastos deveria ser contornado com o aumento dos preços dos hidrocarbonetos. O programa de Assistência Técnica Reembolsável do Banco Mundial expandiu no exercício de 2011 na medida em que os programas do Kuwait e da Arábia Saudita cresceram e novos programas tiveram início no Barein e Qatar. O Banco Mundial está trabalhando sobre capacidade macroeconômica e fiscal e mercados de trabalho nos Emirados Árabes Unidos, e seu programa no Omã reflete uma ênfase crescente na educação. No Qatar, o Banco Mundial está trabalhando em uma carteira para aumentar a capacidade de gestão fiscal e macroeconômica, e na facilitação do comércio e dos negócios.

Apoio a outros exportadores de petróleo

Os empréstimos do Banco Mundial no Marrocos incluíram o empréstimo para políticas de desenvolvimento (DPL) de transportes públicos (US$ 137 milhões), o DPL da agricultura (Maroc Vert) (US$ 205 milhões) e o DPL de resíduos sólidos (US$ 139 milhões). Em maio de 2011, o Banco Mundial trabalhou com o Marrocos para comissionar 2.000 megawatts de capacidade de geração de energia solar até 2020. O apoio do Banco Mundial à Tunísia no exercício de 2011 incluiu um DPL setorial de US$ 500 milhões com fortes componentes em transparência e responsabilização. Também foram aprovados um DPL para geração de empregos de US$ 50 milhões e um empréstimo para investimento nas Áreas Montanhosas e de Florestas do Noroeste, de US$ 42 milhões.

Apoio à Cisjordânia e Gaza Uma forte gestão econômica e um apoio significativo de doadores permitiram que a economia da Cisjordânia crescesse 7,6% em 2011, em relação a 7,0% em 2010. Em Gaza, o enfoque é no apoio humanitário e na prestação de serviços sociais fundamentais, bem como serviços de infraestrutura básica. (Ver http:// worldbank.org/mna.)

RETRATO REGIONAL DO ORIENTE MÉDIO E NORTE DA ÁFRICA

Os setores não relacionados a petróleo e gás da Argélia e as receitas correspondentes cresceram no exercício de 2011. Predominantemente remunerado, o apoio do Banco Mundial enfocou a diversificação econômica, a avaliação dos gastos públicos, políticas econômicas e sociais e a diminuição das disparidades regionais. O programa de assistência técnica do Banco Mundial na República Árabe da Síria, atualmente suspenso, concentrou-se no crescimento econômico e na proteção social. Embora a República do Iêmen tenha recebido US$ 117 milhões em fundos a AID, a insurreição política causou a suspensão dos projetos e os desembolsos estão enfrentando graves atrasos.

População total:

Assistência aos importadores de petróleo

Nota: A expectativa de vida ao nascer e a taxa de mortalidade infantil por 1.000 nascimentos vivos; os dados sobre alfabetização de mulheres jovens; e as pessoas que vivem com HIV/AIDS são de 2009; outros indicadores são de 2010, extraídos do banco de dados de Indicadores do Desenvolvimento Mundial. Os dados do HIV/AIDS são do relatório da UNAIDS/OMS 2010 AIDS Epidemic Updates (Atualização sobre a Epidemia da AIDS de 2010).

O Banco Mundial realizou um grande trabalho analítico no Egito, Jordânia, Líbano, Marrocos e Tunísia no exercício de 2011, principalmente em questões de governança econômica e de redes de segurança social. A assistência técnica e o apoio financeiro do Banco Mundial ao Egito durante o período de transição estão em andamento; os projetos do exercício de 2011 incluíram o Segundo Projeto de Irrigação e Saneamento Integrado de US$ 200 milhões, US$ 330 milhões em financiamentos adicionais para o projeto nacional de recuperação de ferrovias e um projeto de irrigação agrícola de US$ 100 milhões. No Líbano, foram aprovados dois projetos no exercício de 2011: O Projeto de Abastecimento de Água da Grande Beirute de US$ 200 milhões e o Segundo Projeto de Desenvolvimento da Educação de US$ 40 milhões.

0,3 bilhões

Crescimento da população:

1,8%

Expectativa de vida ao nascer:

71 anos

Mortalidade infantil por 1.000 nascimentos:

27

Nível de alfabetização de mulheres jovens:

87%

Número de pessoas que vivem com HIV/AIDS:

0,5 milhões

PIB per capita de 2011:

$3.839

Índice do PIB per capita (2000=100)

127

EXERCÍCIO FINANCEIRO TOTAL DE 2011

EXERCÍCIO FINANCEIRO TOTAL DE 2011

Novos compromissos BIRD US$ 1.942 milhões AID US$ 123 milhões

Desembolsos BIRD US$ 768 milhões AID US$ 185 milhões

Carteira de projetos em implementação a partir de 30.06.11: $9,4 bilhões

AS REGIÕES

23


Foto: Dipankar Ghosh

O Sarva Shiksha Abhiyan da Índia — o programa de Educação para Todos — é uma das maiores iniciativas desse tipo no mundo. O esquema apoiado pelo Banco Mundial e lançado pelo governo busca atender às necessidades de ensino fundamental de quase 200 milhões de crianças pobres que moram em mais de 1 milhão de aldeias e cidades rurais de todo o país.

SUL DA ÁSIA O crescimento real do PIB no Sul da Ásia acelerou para uma estimativa de 8,7% em 2010, animado pelo forte crescimento da Índia, que é responsável por 80% do PIB regional. O crescimento foi orientado por uma vigorosa demanda interna, medidas de incentivo das políticas macroeconômicas e uma revitalização da confiança do investidor e do consumidor. Fortes aumentos na produção de pelo menos 6% ao ano nos últimos 20 anos melhoraram os indicadores de desenvolvimento humano na região — mas dois terços dos 1,5 bilhão de pessoas ainda vivem com menos de US$ 2 por dia. Como resultado, os aumentos nos preços mundiais de alimentos e combustíveis vão afetar desproporcionalmente o Sul da Ásia, onde cerca de metade das despesas médias dos domicílios destina-se a alimentos.

Assistência do Banco Mundial O Banco Mundial é um importante parceiro de desenvolvimento no Sul da Ásia, com uma carteira de 210 projetos e compromissos de US$ 38,1 bilhões. No exercício financeiro de 2011 foram aprovados 46 projetos na região, US$ 3,7 bilhões em empréstimos do BIRD e US$ 6,4 bilhões em compromissos da AID, incluindo US$ 397,3 milhões em subsídios.

Ajustando uma nova estratégia regional A Diretoria aprovou uma estratégia atualizada para o Sul da Ásia no exercício de 2011. Essa estratégia consolidará os projetos independentes nos projetos setoriais e se concentrará em projetos com potencial para transformar a região. Irá se basear em parcerias público-privadas para infraestrutura; enfatizar projetos inovadores, baseados em resultados com foco nos ODMs; e atribuir maior ênfase em alavancar recursos por meio de parcerias com outras instituições, incluindo o Banco Asiático

de Desenvolvimento e doadores bilaterais. Serão enfatizadas a igualdade de gêneros, mudança do clima, integração regional e governança.

Superando desafios na Índia A Índia é o maior mutuário do Banco Mundial, com um total de compromissos de US$ 5,5 bilhões no exercício de 2011. Um dos principais desafios da Índia é a falta de infraestrutura adequada. Para combater o problema, o governo criou diversos programas de larga escala, abrangendo vários setores relacionados com infraestrutura. Entre eles está o Pradhan Mantri Gram Sadak Yojana — o Programa das Estradas Rurais do Primeiro-Ministro — para o qual o Banco Mundial aprovou um empréstimo de US$ 1,5 bilhão no exercício de 2011. O projeto pretende aumentar a conectividade em sete estados (Himachal Pradesh, Jharkhand, Meghalaya, Punjab, Rajasthan, Uttarakhand e Uttar Pradesh) nos próximos cinco anos, com a construção de 24.200 km de estradas utilizáveis em qualquer condição climática. O projeto beneficiará mais de 6 milhões de pessoas. Além disso, um empréstimo de US$ 350 milhões para o Segundo Projeto de Recuperação de Rodovias do Estado de Karnataka foi aprovado neste exercício financeiro e será usado para ampliar para duas pistas 1.231 km de estradas. O projeto já foi aprovado e fez manutenção de 2.385 km de estradas, reduzindo o tempo de viagem em mais de 35%. Em maio, o Banco Mundial aprovou US$ 1 bilhão em créditos e empréstimos como parte do apoio de longo prazo para a Missão de Limpeza do Ganges, que busca recuperar o rio sagrado da Índia, às margens do qual vivem mais de 400 milhões de indianos. O projeto ajudará a determinar instituições dedicadas e financiar a infraestrutura prioritária para combater a poluição do rio.

FIGURA 2,11

FIGURA 2,12

SUL DA ÁSIA EMPRÉSTIMOS TOTAIS DO BIRD-AID POR TÓPICO | EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2011

SUL DA ÁSIA EMPRÉSTIMOS TOTAIS DO BIRD-AID POR SETOR | EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2011

PARCELA DO EMPRÉSTIMO TOTAL DE US$ 10,1 BILHÕES

PARCELA DO EMPRÉSTIMO TOTAL DE US$ 10,1 BILHÕES

Desenvolvimento urbano

Comércio e integração Proteção social e gestão do risco

Gestão de recursos ambientais e naturais

4% 12%

Água, saneamento e proteção contra inundações

11%

6%

Agricultura, pesca e florestas

4%

26%

< 1%

Desenvolvimento financeiro e do setor privado

Desenvolvimento rural 22% 8%

24

Energia e mineração

8%

12%

Desenvolvimento social, gênero e inclusão 2%

Regime de direito

Educação

5%

< 1%

7%

RELATÓRIO ANUAL DE 2011 DO BANCO MUNDIAL

Governança do setor público

13% 4%

Indústria e comércio

2%

Desenvolvimento humano

Transporte

39%

15%

Finanças Saúde e outros serviços sociais

Informação e comunicações Administração pública, leis e justiça


PAÍSES ELEGÍVEIS A EMPRÉSTIMOS DO BANCO MUNDIAL Afeganistão Bangladesh Butão

Índia Maldivas

Nepal Paquistão Sri Lanka

O Banco Mundial também aprovou um empréstimo de US$ 975 milhões para ajudar a Indian Railways a criar o Corredor Oriental Dedicado a Transporte de Carga (uma linha ferroviária somente para carga), que proporcionará um transporte mais rápido e mais eficiente de matérias-primas e produtos acabados entre a região norte densamente povoada e as partes orientais da Índia. O projeto também deverá gerar 2,25 vezes menos emissões de carbono em comparação com um cenário alternativo onde a carga não seja transportada em uma linha dedicada.

Investimento em infraestrutura O investimento em infraestrutura também era uma das principais prioridades em outras partes da região. No Afeganistão o Banco Mundial adicionou US$ 40 milhões ao subsídio original de US$ 112 milhões para o Projeto Nacional de Acesso Rural de Emergência (NERAP). Lançado em 2002 e apoiado por meio do NERAP e dos projetos precedentes, o Programa de Acesso Rural de Emergência do governo recuperou 10.370 km de estradas rurais que conectam 8.726 aldeias em 358 distritos das 34 províncias do Afeganistão, reduzindo assim o tempo de viagem e melhorando o acesso dos afegãos das áreas rurais aos serviços essenciais. O projeto também recuperou 15.000 hectares de terras, melhorando a irrigação e a drenagem e, ao mesmo tempo, fornecendo oportunidades de emprego aos homens das áreas rurais mais pobres, criando cerca de 700.000 empregos temporários por um mês e facilitando a reintegração de ex-combatentes na sociedade. O subsídio adicional ao NERAP fornecerá apoio contínuo dos esforços contínuos do governo para fornecer acesso durante todo o ano aos recursos e serviços básicos nas áreas rurais. Para melhorar a conectividade e impulsionar as oportunidades para as pessoas do sudoeste de Bangladesh, o Banco Mundial aprovou um crédito de US$ 1,2 bilhão da AID para o Projeto da Ponte Multifuncional do Padma em 2011. Atravessando o Rio Padma, o terceiro rio mais largo do mundo, a ponte de 6,1 km conectará quase 30 milhões de pessoas do sudoeste com o restante do país, aumentando seu acesso aos mercados e serviços e, ao mesmo tempo, acelerando o crescimento do país como um todo.

Ajudando o Paquistão a se recuperar de desastres naturais As grandes inundações no Paquistão em julho e agosto de 2010 mataram 2.000 pessoas e deixaram cerca de um quinto do país embaixo d’água, afetando mais de 20 milhões de pessoas — mais de um décimo da população. Cerca de 1,6 milhão de lares foi destruído e milhares de acres de plantações e terras agrícolas foram danificados, com grande erosão do solo em algumas áreas. O Banco Mundial respondeu com um financiamento inicial de US$ 300 milhões para a compra de produtos importados essenciais, tais como alimentos, medicamentos, tendas, material de construção, maquinaria, combustível e US$ 20 milhões para a recuperação de rodovias. Outros US$ 125 milhões em transferências monetárias não condicionadas também foram aprovados neste exercício financeiro para as vítimas da inundação. Por solicitação do governo, o Banco Asiático de Desenvolvimento e o Banco Mundial conduziram uma avaliação conjunta dos danos e das necessidades, que estima que serão necessários US$ 8,7 bilhões — US$ 10,9 bilhões para a recuperação e reconstrução associadas com as inundações.

Operações em áreas de crise e pós-crise A crise militar de 2009 na província de Khyber-Pakhtunkhwa e nas Áreas Tribais de Administração Federal ocasionou uma das piores crises de segurança da história da história do Paquistão, deslocando milhões de pessoas e prejudicando gravemente as vidas, os meios de subsistência e o fornecimento de serviços públicos. Em janeiro de 2010 a Diretoria Executiva aprovou a criação de um fundo fiduciário de multidoadores para restabelecer a infraestruturua, serviços e subsistência nas áreas

afetas por conflitos. O fundo fiduciário tornou-se operacional no exercício financeiro de 2011 quando 10 doadores contribuíram com US$ 140 milhões. Após o fim do conflito armado em 2010, Sri Lanka tornou-se um país de renda média e atualmente está qualificado para empréstimos do BIRD. O acesso ao mecanismo de empréstimos comerciais do Banco Mundial permite ao Sri Lanka a possibilidade de mais que dobrar os recursos disponíveis a cada ano. O plano de desenvolvimento do governo, Mahinda Chintana, pretende transformar o Sri Lanka na “maravilha da Ásia”, aumentando a renda per capita para mais de US$ 4.000 nos próximos seis anos. Para tornar esse plano uma realidade, o Sri Lanka está tentando se posicionar como um centro econômico estrategicamente importante para o mundo, atuando como um vínculo-chave entre o Oriente e o Ocidente. (Ver http://worldbank.org/sar.)

RETRATO REGIONAL DO SUL DA ÁSIA População total:

1,6 bilhões

Crescimento da população:

1,5%

Expectativa de vida ao nascer:

64 anos

Mortalidade infantil por 1.000 nascimentos:

55

Nível de alfabetização de mulheres jovens:

72%

Número de pessoas que vivem com HIV/AIDS:

2,6 milhões

PIB per capita de 2011:

$1.213

Índice do PIB per capita (2000=100)

171

Nota: A expectativa de vida ao nascer e a taxa de mortalidade infantil por 1.000 nascimentos vivos; os dados sobre alfabetização de mulheres jovens; e as pessoas que vivem com HIV/AIDS são de 2009; outros indicadores são de 2010, extraídos do banco de dados de Indicadores do Desenvolvimento Mundial. Os dados do HIV/AIDS são do relatório da UNAIDS/OMS 2010 AIDS Epidemic Updates (Atualização sobre a Epidemia da AIDS de 2010).

EXERCÍCIO FINANCEIRO TOTAL DE 2011

EXERCÍCIO FINANCEIRO TOTAL DE 2011

Novos compromissos BIRD US$ 3.730 milhões AID US$ 6.400 milhões

Desembolsos BIRD US$ 1.233 milhões AID US$ 3.028 milhões

Carteira de projetos em implementação a partir de 30.06.11: $38,1 bilhões

AS REGIÕES

25


BANCO MUNDIAL

ORIENTADO PARA RESULTADOS A missão do Grupo Banco Mundial é retirar as pessoas da pobreza e mantê-las longe dela. Por meio de assistência financeira e de apoio institucional às políticas, bem como de conhecimento técnico, o Banco Mundial ajuda pessoas de todo o mundo a construírem um futuro melhor para si próprias, suas famílias e seus países. No centro da abordagem do Banco Mundial de fornecimento de consultoria a programas e políticas está uma forte ênfase nos resultados.

Uma estrutura dinâmica para captar resultados O Banco Mundial fez avanços significativos nos últimos anos quanto às formas de medir, monitorar e relatar resultados. Seu compromisso com a assistência baseada nos resultados adota as seguintes formas: • Todas as estratégias do Banco Mundial de assistência aos países são atualmente baseadas em resultados e as estraturas dos resultados estão alinhadas com as prioridades dos países, permitindo que os governos, doadores e grupos interessados colaborem com mais eficácia para identificar e alcançar objetivos comuns para o desenvolvimento. Além disso, todos as novas estratégias setoriais e estratégias de desenvolvimento regional têm atualmente estruturas de resultados com indicadores mensuráveis. • Todos os projetos do Banco Mundial incluem estruturas de resultados com indicadores mensuráveis acordados com o país para orientar a implementação, permitir que sejam feitas correções durante o processo conforme a necessidade, medir o impacto e analisar as lições aprendidas. O progresso para alcançar os resultados é divulgado pelo menos uma vez ao ano — permitindo que todas as partes interessadas vejam em tempo real o andamento de cada projeto com relação aos objetivos e resultados. • Quando um projeto é concluído, o pessoal e as contrapartes do país preparam um relatório de Conclusão e Resultados da Implementação para avaliar e documentar as realizações e os resultados apoiados pela operação. Da mesma forma, quando as Estratégias de Assistência/Parceria com o País estão concluídas, o pessoal prepara um Relatório de Conclusão. • Todas as operações e estratégias apoiadas pelo Banco Mundial, quando concluídas, são também avaliadas pelo Grupo Independente de Avaliação (IEG). Essa combinação de autoanálise e análise independente oferece uma oportunidade para se aprender com os sucessos e fracassos das operações do Banco Mundial. Para garantir que as lições da avaliação informem novas atividades, o Banco Mundial requer que todas as operações novas ressaltem as lições aprendidas, inclusive aquelas das avaliações do IEG. Para promover a aprendizagem, o IEG e a gerência do Grupo Banco Mundial acompanham juntos a implementação das recomendações do IEG. Além disso, o Banco Mundial vem ampliando o uso das avaliações do impacto para ampliar e aprofundar as evidências sobre a eficácia de intervenções e abordagens específicas para o alcance dos resultados.

IÊMEN Foto: Curt Carnemark

informações agregadas recentemente complementam os dados dos resultados mais detalhados sobre projetos, países e setores disponíveis anteriormente. Os principais indicadores para novos setores e temas estão em discussão e também incluirão a carteira do BIRD. Os dados quantitativos (aperfeiçoados pelos principais indicadores setoriais) são complementados por análises qualitativas nos níveis de país, setor, temática e projeto. As análises ilustram de que modo a AID e o BIRD estão apoiando os programas de desenvolvimento do governo que fazem diferença — se o esforço está reforçando a governança para reduzir a pobreza em Bangladesh, aumentando a competitividade em Burkina Faso, equipando o sistema judicial para promover a justiça na Etiópia ou levando água limpa a comunidades em Ruanda.

UMA FORÇA DE TRABALHO GLOBAL Uma verdadeira comunidade global, o pessoal do Banco Mundial compreende mais de 10.000 pessoas de 168 países (a partir do exercício financeiro de 2011, os números relativos ao recrutamento incluem funcionários em nomeações condicionais em tempo integral). Mais de 38% do total dos funcionários do Banco Mundial trabalham nas 124 representações do Banco Mundial. A maior presença no campo ajuda o Banco Mundial a compreender melhor, trabalhar mais de perto e prestar serviços mais rápidos aos seus parceiros nos países clientes.

Principais indicadores setoriais A AID é a primeira das instituições do Grupo Banco Mundial a adotar um sistema de medidas para identificar e acompanhar os resultados do desenvolvimento. O sistema combina indicadores de desempenho e de resultados utilizando uma abordagem em quatro níveis: Progresso dos países da AID, Resultados do desenvolvimento apoiados pela AID, Eficácia operacional da AID e Eficácia organizacional da AID. O Banco Mundial reforçou a maneira pela qual mede resultados por meio da introdução de coleta e agregação de dados padronizados dos projetos apoiados pela AID. Inicialmente, foram coletados dados sobre quatro setores. No exercício financeiro de 2011, o número de setores foi aumentado para sete: educação; saúde; estradas; abastecimento de água; micro, pequenas e médias empresas; desenvolvimento urbano e tecnologia da informação e da comunicação. Essas

26

RELATÓRIO ANUAL DE 2011 DO BANCO MUNDIAL

20%

América Central e América do Sul 15%

Europa

4%

Oriente Médio e Norte da África 14% 21%

América do Norte Africa

16% 10%

Leste Asiático e Oceania Ásia Central e do Sul


A força de trabalho diversificada da instituição oferece uma grande variedade de perspectivas relacionadas às questões de redução da pobreza e aos novos desafios ao desenvolvimento e é fundamental para a eficácia dos principais serviços operacionais e de conhecimento do Banco Mundial. Nesses esforços para aumentar a agilidade para os clientes e integrar melhor o conhecimento global e do país, o Banco Mundial continuou a adaptar suas políticas e práticas de recursos humanos para facilitar a mobilidade global do seu pessoal. No final do exercício financeiro de 2011, 91% dos diretores e gestores dos países estavam baseados no campo. Ao mesmo tempo em que continua a concentrar-se em recuperar o mundo da crise financeira e em alcançar os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODMs), o Banco Mundial também está progredindo no sentido de solucionar os desafios enfrentados pelos Estados afetados pelo conflito. O Banco Mundial estabeleceu sua presença no campo em 26 dos 33 Estados frágeis e afetados pelo conflito que estão fazendo a transição para a paz sustentável e o crescimento econômico e mais de 11% do pessoal operacional do Banco Mundial têm experiência em viver e trabalhar nesses ambientes desafiadores. O Banco Mundial continua a progredir na sua Estratégia de Diversidade e Inclusão programada para cinco anos e adotada em 2007. Os cidadãos dos países em desenvolvimento são hoje responsáveis por 61% de todo o pessoal e ocupam 42% dos cargos de gerência. As mulheres respondem por 51% de todo o pessoal e ocupam 36% dos cargos gerenciais. Os cidadãos da África Subsaariana e do Caribe representam 16% de todo o pessoal e ocupam 11% dos cargos de gerência. Dos 33 diretores do Banco Mundial, 13 são mulheres e 2 são cidadãos da África Subsaariana.

MODERNIZAÇÃO DO BANCO MUNDIAL Desde 2010, o Banco Mundial está comprometido com uma ampla agenda de modernização baseada em quatro pilares: • Renovação e aprimoramento das orientações estratégicas • Adoção de governança do século XXI para dar mais voz aos membros dos países em desenvolvimento • Garantia da robustez financeira continuada da instituição • Modernização de produtos e serviços, da organização e dos processos e sistemas Esses pilares ajudarão a tornar o Banco Mundial mais eficiente, focado em resultados, ágil e eficaz.

Prioridades estratégicas Quando a crise financeira começou a amainar, o Banco Mundial reexaminou seu papel num mundo em rápida transformação, equilibrando as demandas dos clientes com as prioridades globais e regionais. O Banco Mundial estabeleceu cinco prioridades estratégicas: • Definir como meta as pessoas de baixa renda e vulneráveis. O Banco Mundial está focando os países que não estão no rumo certo para alcançar os ODMs até 2015, particularmente os países da África. Para ajudar a garantir o acesso à saúde básica, educação de qualidade, água limpa, energia, alimentos e empregos, está trabalhando com os países para construir sistemas de proteção social, aumentar o foco dos seus programas e operações e abordar as necessidades especiais das situações frágeis e afetadas pelo conflito. • Criar oportunidades para o crescimento. O crescimento sustentável e de base ampla oferece o caminho mais robusto e duradouro para sair da pobreza. O Banco prioriza a criação de oportunidades para o crescimento, o foco na melhoria do clima de negócios, o aumento da competitividade, o preenchimento do hiato na infraestrutura, a promoção da integração regional

COLÔMBIA Foto: Scott Wallace

e o aumento dos esforços para ampliar a participação das mulheres nas oportunidades econômicas. Fez investimentos consideráveis em infraestrutura e agricultura, que são elementos importantes do seu apoio ao crescimento. • Promover a ação coletiva global. O Banco Mundial está formulando a capacidade para ajudar o fornecimento e a administração dos bens públicos globais de modo a desenvolver, reforçar e coordenar as ações nacionais, canalizar os recursos para os programas nacionais e monitorar e relatar o progresso. O Banco Mundial está trabalhando com um grande número de parceiros para abordar um amplo espectro de questões globais que compreendam inclusão financeira, educação, saúde e mudança climática, um dos temas especiais da 16a Reposição da AID. • Fortalecer a governança. O Banco Mundial continua a dar grande prioridade à agenda da governança e combate à corrupção. A avaliação das lições do trabalho recente inclui: a importância de utilizar os sistemas dos países; a necessidade de identificar e medir o efeito da governança sobre os resultados para o desenvolvimento nos níveis setorial, nacional e global; a necessidade de uma abordagem mais informada do gerenciamento do risco; e a necessidade de um aprendizado mais rigoroso e sistemático das lições e gerenciamento do conhecimento. O Banco Mundial está em preparação para uma segunda etapa do seu trabalho relativo à governança e ao combate à corrupção que incluirá a análise de como áreas temáticas específicas (aquisição, reforma judicial, setor privado e gestão do setor público) podem contribuir com mais eficácia para os objetivos gerais e de que modo o Banco Mundial pode ser o catalisador para o fortalecimento da boa governança em todo o mundo. • Gerenciar o risco e preparar para as crises. Para auxiliar os países em desenvolvimento — especialmente aqueles de baixa renda — a administrarem melhor os riscos de uma integração mais estreita em um ambiente global, o Banco Mundial está desenvolvendo mecanismos e instrumentos novos e inovadores de gerenciamento do risco. O Banco respondeu à volatilidade dos preços dos alimentos com a ampliação do Programa de Resposta à Crise Global de

BANCO MUNDIAL

27


As negociações da AID16 foram concluídas em 2010 com um acordo sobre a histórica reposição elevada de US$ 49,3 bilhões. Esse aumento de 18% sobre a reposição anterior representa os esforços de uma coalizão global. O aumento melhorará substancialmente a capacidade da AID de apoiar os países de baixa renda e as atividades relacionadas a gênero, mudança do clima, fragilidade e conflito, além de resposta à crise.

Modernização dos negócios Um programa ambicioso de reformas internas tem por objetivo modernizar os processos de negócios para ajudar o Banco Mundial a trabalhar de modo mais estreito com os clientes, aumentar seus serviços financeiros e melhorar a coleta e disseminação do conhecimento e perícia. As prioridades e ações da reforma abrangem três áreas principais: • Modernizar produtos e serviços com foco mais intenso nos resultados. O Banco Mundial está adotando uma abordagem mais baseada em projetos, mudando o seu foco para o apoio à implementação. Está projetando um novo instrumento de empréstimo que faça desembolsos diretamente dos resultados — o Programa para Resultados — e está analisando seus serviços de conhecimento para alcançar e medir melhor o impacto.

NEPAL Foto: Simone McCourtie

Alimentos até junho de 2012. Desde 2008, o Banco Mundial e outras instituições já aceleraram o fornecimento de US$ 1,5 bilhão por intermédio deste programa para beneficiar um número estimado em 38 milhões de pessoas de 44 países, em sua maioria da África. Como os países de baixa renda são particularmente vulneráveis a crises financeiras e desastres naturais, a resposta à crise foi um tema especial da AID16. Para aumentar a capacidade da AID de responder às crises, o Banco Mundial acordou a criação de uma janela dedicada de resposta à crise na AID no montante de US$ 1,3 bilhão em direitos especiais de saque (SDR), incluindo uma alocação excepcional de SDR 329 milhões para o Haiti.

Governança A Comissão de Desenvolvimento endossou um pacote de reformas de voz e participação em abril de 2010. De acordo com a primeira fase, os países da África são agora representados por três Diretores Executivos, eleitos na última primavera setentrional, quando foi acrescentada mais uma vaga. A segunda fase das reformas de voz, aprovada pela Assembleia de Governadores em março de 2011, aumentou o poder de voto dos países em desenvolvimento e economias em transição no BIRD em 3,1 pontos percentuais (uma mudança total de 4,6 pontos percentuais desde 2008) para um total de 47,2%. Nos termos das novas reformas, o Banco Mundial deverá revisar sua participação acionária a cada cinco anos a partir de 2015.

Capacidade financeira Após as mudanças efetuadas nos prazos de vencimento dos empréstimos do BIRD em junho de 2010, o Banco Mundial adotou várias medidas adicionais para garantir sua robustez financeira continuada. A Assembleia de Governadores aprovou resoluções acerca do aumento geral e do aumento seletivo do capital do BIRD e os acionistas do BIRD continuaram a trabalhar no sentido de obter acordos relativos à liberação de capital integralizado em moeda nacional.

28

RELATÓRIO ANUAL DE 2011 DO BANCO MUNDIAL

• Modernizar a organização para aumentar a integração, abertura e responsabilização. O Banco Mundial está experimentando maneiras de tornar a descentralização ainda mais eficaz e de interligar os serviços de conhecimento em todo o mundo de modo a aumentar a excelência técnica. • Modernizar processos e sistemas para maior eficiência e flexibilidade. O Banco Mundial está trabalhando para atualizar suas políticas de salvaguardas socioambientais e realizará uma revisão completa das suas políticas de aquisição. Está implementando soluções de tecnologia de gerenciamento da informação para melhorar o apoio às operações de empréstimo, ao conhecimento, bens públicos globais e processos e sistemas de recursos humanos.

Banco Mundial aberto Essas reformas estão ancoradas em uma nova era de abertura, a qual assistiu no último ano ao lançamento pelo Banco Mundial de uma política de divulgação reformulada e à abertura do seu vasto repositório de dados e ferramentas de virtualização para o público. Durante esse período, o Banco Mundial tornou-se notório como líder em transparência — conforme classificação da organização baseada no Reino Unido Publish What You Fund (Publique o que financia) — quando o uso de dados triplicou e foi lançado um novo aplicativo, o Mapeamento para Resultados (ver http://maps.worldbank.org), junto com quatro aplicativos para iPhone e uma nova ferramenta para acompanhar os fluxos da ajuda (ver http:// worldbank.org/aidflows). Essas mudanças estão intimamente ligadas a uma nova abordagem multilíngue e multimídia que atrai a participação ativa do público em eventos e discussões ao vivo, procurando saber os seus problemas e fazendo crowd-sourcing (conteúdo gerado por usuários) de ideias e observações por intermédio de uma série de plataformas de mídia social: World Bank Live (ver http://live.worldbank.org), o canal do Banco Mundial no Facebook (ver http://worldbank.org/facebook), blogs (ver http://blogs.worldbank.org) e twitter (ver http://twitter.com/ worldbank). O World Bank Live é uma janela para os principais eventos do Banco Mundial que oferece divulgação via Internet (webcasts) das discussões dos painéis que são totalmente integradas às contribuições do público por intermédio do site do Banco Mundial na Internet, facebook e twitter. O canal incentiva o diálogo em duas vias


com os especialistas do Banco Mundial acerca de importantes tópicos do desenvolvimento e as conversas com tradução simultânea estão disponíveis em 14 idiomas.

FINANCIAMENTO DO PROGRAMA PARA RESULTADOS Com o objetivo de responder às mudanças das necessidades de desenvolvimento e à demanda dos países clientes, bem como para aproveitar a experiência acumulada até agora, o Banco Mundial propôs um novo instrumento de empréstimo no exercício financeiro de 2011 — o Financiamento do Programa para Resultados. Nos termos do Programa para Resultados, o apoio do Banco Mundial ajudaria os países membros a melhorarem o projeto e a implementação dos seus próprios programas de desenvolvimento. Embora os resultados estejam no centro de tudo o que o Banco Mundial faz, o Programa para Resultados enfatizaria mais diretamente os resultados do desenvolvimento vinculando os desembolsos aos resultados ou aos indicadores de desempenho. O Programa para Resultados trabalharia diretamente com as instituições e sistemas do programa e, quando pertinente, buscaria fortalecer a governança, as capacidades e os sistemas daquelas instituições ao longo do tempo. O Programa para Resultados seria também um instrumento para fortalecer as parcerias com os governos, bem como com importantes parceiros no desenvolvimento e outros interessados, permitindo ao Banco Mundial apoiar com eficácia programas maiores e cofinanciar acordos de financiamento conjunto. O Programa para Resultados forneceria aos países membros uma gama mais ampla de instrumentos para escolher. Os empréstimos para políticas de desenvolvimento continuarão a ser o principal instrumento do Banco Mundial para dar suporte às ações das políticas para alcançar os objetivos gerais de desenvolvimento de um país com apoio ao orçamento geral de desembolso rápido. Os empréstimos para investimentos continuarão a ser o principal instrumento do Banco Mundial para apoio a projetos, com desembolsos contra transações específicas. O Programa para Resultados seria o instrumento ideal quando o objetivo é apoiar o desempenho de um programa de governo que use os sistemas do próprio governo; quando os resultados requerem despesas e quando os riscos para alcançar os objetivos do programa estão relacionados com a governança e a capacidade dos sistemas para alcançar melhores resultados. As principais características do Programa para Resultados seriam: • financiar e ajudar a fortalecer os programas de desenvolvimento com resultados claramente definidos. Esses programas podem ser novos ou em andamento, setoriais ou subsetoriais, nacionais ou subnacionais, programas de desenvolvimento da comunidade, etc. • desembolsar mediante a consecução de resultados e segundo indicadores de desempenho, não mediante insumos. Os desembolsos seriam determinados por consulta ao progresso com relação aos indicadores de desempenho monitoráveis e verificáveis e não pela consulta acerca de alguma despesa incorrida. • focar o fortalecimento da governança institucional, capacidade e sistemas necessários para alcançar e manter os resultados de um programa. • fornecer a garantia de que o financiamento do Banco Mundial seja utilizado adequadamente e de que os impactos socioambientais do programa sejam abordados corretamente. O instrumento de empréstimos do Programa para Resultados proposto deverá ser enviado para aprovação da Diretoria do Banco Mundial no exercício financeiro de 2012.

BENIN Foto: Arne Hoel

COMPARTILHAMENTO DE CONHECIMENTOS Um dos principais ativos estratégicos do Banco Mundial é a divulgação de conhecimento, como reconheceu a estratégia endossada pela Diretoria em Março de 2009. Para utilizar totalmente esse ativo, o Banco Mundial procura aumentar sua capacidade de produzir, personalizar e compartilhar com seus clientes por intermédio de práticas técnicas globais; tornar o vasto volume de conhecimentos que produz mais voltado para o impacto e reforçar sua função como elemento de ligação global, unindo os profissionais e os formuladores de políticas dos países às fontes e centros de conhecimento e de inovação dispersos por todo o mundo. Para por em prática a estratégia do conhecimento, o Banco Mundial criou o Conselho de Conhecimento e Aprendizado que está conduzindo e supervisionando as novas estratégias de conhecimento e aprendizado e a Matriz da Equipe de Liderança que aumentará a eficácia da estrutura organizacional dos departamentos regionais e de redes do Banco Mundial. O Banco Mundial formou Equipes Globais de Especialistas, criou uma plataforma de rede social, criou um segmento técnico de alto nível, lançou o programa Amigos do Banco Mundial, financiou seis Plataformas de Conhecimento e criou iniciativas-piloto para apoiar o conhecimento incorporado, as trocas Sul-Sul e a inovação. O Conselho de Conhecimento e Aprendizado começou a preparar o Relatório do Conhecimento, uma publicação anual que apoiará o desenvolvimento de um consenso em todo o Banco Mundial relacionado à modernização dos serviços de conhecimento do Banco com o objetivo de fortalecer a qualidade, a relevância, os resultados e a responsabilização. O novo relatório reflete o amplo reconhecimento de que o Banco Mundial precisa melhorar o atendimento às exigências dos clientes com relação ao conhecimento oportuno e precisa avaliar regularmente como faz isso. Para atender à demanda dos clientes por conhecimento de classe mundial, o Banco Mundial tem que agregar aos seus produtos de conhecimento o mesmo rigor e clareza na formulação de objetivos e identificação de resultados que exige dos seus produtos de empréstimo. Precisa também desenvolver opções para o financiamento de serviços de conhecimento que permitam que o Banco Mundial atenda a todos os seus clientes, inclusive os países de renda baixa e média, mutuários e não mutuários.

BANCO MUNDIAL

29


Troca de conhecimentos Sul-Sul O WBI intensificou consideravelmente os seus esforços para estabelecer a ligação entre profissionais do desenvolvimento e seus colegas que enfrentaram com êxito problemas semelhantes. Esses esforços incluíram diversos diálogos sobre o enfrentamento da crise econômica, bem como o incentivo a comunidades de prática em torno de parcerias público-privadas, cidades inclusivas, governança em indústrias extrativas e outras áreas. Além disso, o WBI lançou uma plataforma online de Troca de Conhecimento Sul-Sul que permite que o Banco Mundial sirva de mediador em trocas abrangentes e sistemáticas entre profissionais.

Investimento no “como fazer” da reforma

CHINA Foto: Curt Carnemark

Até o exercício financeiro de 2013, a implementação de estruturas para os serviços analíticos e de consultoria, pesquisa e serviços de treinamento externo estará em completa oscilação. Os dados de base e dados após a entrega coletados para medir os resultados usarão os indicadores de resultados intermediários. Tomando por base o banco de dados “K-notes” (desenvolvido pela região do Oriente Médio e Norte da África, que agrega as diferentes séries de notas do conhecimento de toda a instituição), os dados e a análise dos serviços de conhecimento serão canalizados para um banco de dados que abrange todo o Banco Mundial e que o pessoal poderá utilizar para informar o diálogo sobre a política e melhorar os resultados.

INSTITUTO DO BANCO MUNDIAL Durante o último ano, o Instituto Banco Mundial (WBI) concentrou-se na implementação de uma ambiciosa estratégia de renovação que apoie diretamente a agenda do conhecimento do Grupo Banco Mundial. Mediante várias iniciativas de alto desempenho, o WBI conseguiu começar a desempenhar o papel de elemento de ligação do conhecimento no âmbito global. Ao mesmo tempo, alavancou seus programas para criar um piloto de novas abordagens do desenvolvimento de capacidades e oferecer ferramentas para os clientes aumentarem as iniciativas de desenvolvimento no âmbito global.

Soluções inovadoras em apoio aos dados abertos O WBI organizou uma competição sobre Aplicativos para o Desenvolvimento destinada a explorar a criatividade dos engenheiros de software e incentivá-los a abordar os problemas de desenvolvimento usando os conjuntos de dados do Banco Mundial disponíveis ao público. Como resultado, mais de 100 aplicativos — metade dos quais de países em desenvolvimento — foram projetados, gerando novas ferramentas para a comunidade de pesquisa e para o público em geral. Paralelamente, o WBI e seus parceiros lançaram uma iniciativa muito interessante, Mapeamento para Resultados, que ajuda a visualizar os projetos financiados pelo Banco Mundial e a representá-los em mapas no tocante a vários indicadores de desenvolvimento humano (tais como mortalidade infantil e matrícula escolar). As carteiras do Banco Mundial em todos os 79 países da AID foram mapeadas.

30

RELATÓRIO ANUAL DE 2011 DO BANCO MUNDIAL

O WBI investiu em uma série de abordagens não técnicas que complementam as soluções técnicas para problemas do desenvolvimento. Os programas do instituto sobre a criação de Liderança e Coalizão, por exemplo, ajudam os clientes a se tornarem agentes eficazes da mudança e a pesquisarem a economia política das reformas. Na África Oriental, o WBI está trabalhando para modernizar o sistema de aquisições de produtos farmacêuticos, sempre um “buraco negro” onde os parcos recursos financeiros do setor de saúde desaparecem por causa da má gestão e da corrupção. O WBI está reunindo as principais contrapartes do governo, sociedade civil e das empresas farmacêuticas e dando-lhes o seu apoio para progredir nessa reforma sensível.

Ampliação do fornecimento de programas de aprendizado O WBI uniu forças com as principais instituições de aprendizado de todo o mundo para aumentar significativamente o número de programas de aprendizado temático que oferece a governos, contrapartes e outros profissionais do desenvolvimento. Além disso, o e-Institute, a plataforma para o fornecimento de treinamento on-line, está sendo criado como o principal mecanismo para ampliar o fornecimento de programas de treinamento.

DEMOCRATIZANDO O DESENVOLVIMENTO A Vice-Presidência de Economia do Desenvolvimento (DEC) realiza pesquisa de classe mundial, avalia as perspectivas de desenvolvimento (mediante monitoramento global e projeções) e coleta dados sobre o desenvolvimento, inclusive estatísticas internacionais e dados sobre o monitoramento dos resultados. Busca acelerar a redução da pobreza e contribuir para o progresso no sentido de alcançar os ODMs fornecendo aos países o conhecimento de que necessitam para fazer escolhas mais informadas sobre políticas. Seu conhecimento também é utilizado para informar as iniciativas de defesa pública no âmbito global. A visão e a estratégia do DEC são coerentes com o documento de “Orientações Pós-Crise” e com a nova estratégia de conhecimento no âmbito da instituição, que foca os serviços de modernização do conhecimento. (Ver http://econ.worldbank.org.) Em abril de 2010, o Banco Mundial publicou mais dados ainda sobre economia global e desenvolvimento na Web para serem usados por todo o mundo. Os visitantes que acessarem http://data.worldbank.org poderão encontrar, fazer download, manipular e utilizar com facilidade os dados compilados pelo Banco Mundial gratuitamente e sem qualquer restrição. Para complementar sua iniciativa Dados Abertos, no exercício financeiro de 2011 o Banco Mundial ampliou seus esforços para tornar seus conhecimentos disponíveis em todo o mundo com o lançamento de uma iniciativa chamada Dados Abertos, Conhecimento Aberto, Soluções Abertas. A nova iniciativa oferece informações sobre mais de 2.000 indicadores financeiros, comerciais, de saúde, econômicos e de desenvolvimento humano. O DEC também está desenvolvendo ferramentas de software para a análise de dados e previsões econômicas. Uma delas é o e-Atlas of Global Development (Atlas eletrônico do desenvolvimento global) (ver http://data.worldbank.org/atlas-global) — uma ferramenta gratuita e


importante na implementação do compromisso do Banco Mundial nos termos da AID16 para aumentar o número de avaliações do impacto dos projetos. (ver http:// worldbank.org/dime.) Como parte do seu alcance e geração de conhecimento, o DEC continuou a supervisionar um programa de apoio à pesquisa. Sua Conferência Anual sobre a Economia do Desenvolvimento, realizada em Paris em abril de 2011, examinou o tema da ampliação de oportunidades para o desenvolvimento. (ver http:// worldbank.org/abcde2011.)

INTEGRIDADE

BULGÁRIA Foto: Scott Wallace

interativa que apresenta mapas e gráficos de mais de 175 indicadores do banco de dados do desenvolvimento do Banco Mundial. Outras ferramentas incluem ADePT, uma plataforma de software para análise econômica automatizada (ver http://worldbank.org/adept); iSimulate, uma plataforma para executar simulações econômicas on-line; PovcalNet (http://iresearch.worldbank.org/ PovcalNet); PovMap e Estudos sobre Mensuração de Padrões de Vida (ver http:// worldbank.org/lsms.) O DEC respondeu à crise financeira global mediante suas pesquisas, dados e análises. O trabalho sobre prevenção e mitigação de desastres naturais demonstrou ser oportuno após o terremoto e o tsunami no Japão. Os analistas também realizaram pesquisas relevantes sobre as elevações dos preços dos alimentos e combustíveis e sobre a corrida dos investidores às terras cultiváveis. Os resultados incluíram atualizações rápidas sobre a economia global e os preços dos produtos básicos; pesquisa original acerca dos impactos dos choques e das crises, inclusive respostas às políticas; um livro sobre o Grupo dos 20 e o crescimento e o desenvolvimento após a crise; além de estimativas atualizadas sobre o número de pessoas que caíram na pobreza em consequência das crises financeira e de alimentos. O DEC produziu vários relatórios importantes no último exercício financeiro, inclusive seu carro chefe, o Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial de 2011. Conflito, segurança e desenvolvimento; Perspectivas Econômicas Globais; Horizontes do Desenvolvimento Global; Indicadores do Desenvolvimento Mundial 2011; Financiamento do Desenvolvimento Global; e o Relatório do Monitoramento Global 2011: aumentando a possibilidade de alcançar os ODMs. Uma equipe de migrações e remessas produziu um livro de informações, relatórios online sobre remessas regulares em todo o mundo e uma série de relatórios sobre a migração africana. A iniciativa de Avaliação do Impacto sobre o Desenvolvimento (DIME), que avalia projetos e programas nos países clientes, ampliou muito seu trabalho este ano. Ela trabalhou em colaboração com 300 órgãos em 72 países para aumentar a eficácia das políticas e programas e fortalecer a capacidade do país de formular políticas em tempo real e com base em evidências. A iniciativa desempenhará um papel

Por ser uma instituição pública, o Banco Mundial precisa certificar-se de que os recursos para o desenvolvimento alcancem seus beneficiários desejados. Trabalhando com governos, o setor privado, a sociedade civil e outras instituições internacionais, a Vice-Presidência da Integridade (INT) contribui para os esforços de governança e combate à corrupção do Banco Mundial, ajudando a garantir que os recursos financeiros não se percam. Criada em 2001, a INT é o braço independente do Banco Mundial responsável por investigar as alegações de fraude e corrupção nos projetos financiados pelo Banco Mundial, bem como as alegações de fraudes graves e corrupção envolvendo o seu pessoal. Ao associar a investigação a um foco mais intenso na prevenção e à detecção antecipada de alertas vermelhos nos projetos, a INT promove uma abordagem proativa para o gerenciamento dos riscos de fraude e corrupção nas operações do Banco Mundial. A INT designa investigadores internacionais altamente especializados para cada uma das seis regiões do Banco Mundial. Além disso, a INT criou uma unidade de serviços preventivos e uma unidade de contabilidade forense para dar apoio às investigações e oferecer consultoria sobre como reduzir a vulnerabilidade de um projeto à fraude e à corrupção. As unidades fornecem ainda treinamento às equipes dos projetos, entidades de execução e outras instituições nacionais, bem como a representantes do setor privado, incluindo empreiteiros e consultores. Neste exercício financeiro, a INT realizou 83 investigações e impediu que 35 pessoas físicas e empresas trabalhassem em qualquer dos seus projetos. O Banco fez também a exclusão cruzada de entidades nos termos do Acordo de Exclusão Cruzada assinado com outros bancos de desenvolvimento multilaterais e lançado pelo Banco Mundial em julho de 2010. Em setembro de 2010, como parte da sua reforma de sanções, o Banco Mundial adotou a exclusão com liberação condicional como sua sanção padrão e a INT criou o Escritório de Conformidade com a Integridade e divulgou as novas Diretrizes de Conformidade com a Integridade do Banco Mundial. As diretrizes incorporam os padrões e princípios de integridade reconhecidos internacionalmente e estabelecem um padrão de referência que todas as empresas que foram excluídas precisam alcançar antes de voltarem a trabalhar em projetos financiados pelo Banco Mundial. Em junho de 2011, a INT divulgou seu primeiro relatório global sobre o setor de estradas baseado em lições obtidas com suas investigações e aproveitando as experiências de diversos países desenvolvidos e em desenvolvimento. O relatório destaca os riscos de fraude e corrupção mais comuns e as melhores práticas na mitigação desses riscos enfrentados por países desenvolvidos e em desenvolvimento. Esse trabalho enfoca a abordagem da vulnerabilidade do setor de estradas, que é crítico para o avanço na redução da pobreza e para os esforços de crescimento econômico nos países pobres. (Ver http://worldbank.integrity.)

BANCO MUNDIAL

31


MEXICO Foto: Curt Carnemark

GOVERNANÇA E COMBATE À CORRUPÇÃO O Grupo Banco Mundial começou a implementar sua Estratégia de Governança e Combate à Corrupção (GAC) em meados de 2007. A estratégia é orientada por sete princípios-chave: • Combater a pobreza construindo Estados capazes e responsáveis que possam criar oportunidades para as pessoas de baixa renda. • Assegurar que o trabalho seja conduzido pelo país. • Adaptar a implementação às circunstâncias individuais do país. • Manter o compromisso mesmo em países mal governados de modo que os pobres não sejam punidos pelas ações dos seus governos. • Comprometer-se com um grande número de grupos interessados. • Esforçar-se para fortalecer, não ignorar, os sistemas dos países. • Trabalhar com os governos, doadores e outros atores. Desde 2007, o Conselho da GAC, formado pela diretoria do Banco Mundial, reúne-se regularmente para monitorar o progresso relativo à implementação da estratégia. A Etapa I ajudou a criar ferramentas e recursos para integrar a abordagem da GAC à análise e planejamento dos países e às operações dos setores e projetos. Dezoito países, com a ajuda de recursos progressivos de fundos fiduciários, vêm trabalhando para integrar as abordagens de governança à programação do país. Foram desenvolvidos vários programas inovadores para aumentar a transparência e a responsabilização no trabalho de âmbito nacional. Vem aumentando o uso de

32

RELATÓRIO ANUAL DE 2011 DO BANCO MUNDIAL

análises das restrições da economia política e governança à eficácia do desenvolvimento com o objetivo de projetar programas melhores e mais viáveis. O IEG concluiu sua avaliação da implementação dos aspectos da Etapa I do GAC em julho de 2011. As constatações da avaliação contribuirão para uma segunda etapa do GAC, que está agora em fase de preparação. A Etapa II enfatizará a intensificação dos esforços para medir os resultados para o desenvolvimento, mudando o foco das transações individuais para a criação de sistemas e instituições sustentáveis de âmbito nacional, além da adoção de uma abordagem mais informada e mais variada do risco e gestão do risco. O Banco Mundial empreendeu neste exercício financeiro diversas reformas destinadas a promover sua própria abrangência, inovação, eficiência, eficácia, abertura e responsabilização; seus esforços para melhorar sua própria governança ganharam reconhecimento internacional. Em outubro de 2010, a Publish What You Fund (Publique o que você financia), uma coalizão de organizações da sociedade civil num trabalho sobre governança, eficácia da ajuda e acesso à informação, classificou o Banco Mundial como a instituição com o melhor desempenho entre 30 importantes doadores. (Ver http://worldbank.org/governance.)

SOCIEDADE CIVIL O Grupo Banco Mundial continuou a ampliar suas relações com organizações da sociedade civil (OSCs) em todo o mundo por intermédio de reuniões para diálogo sobre políticas, consultas formais, colaboração programática e mecanismos de financiamento de subsídios. Para discutir a volta dos elevados preços dos alimentos, o Banco Mundial convocou duas mesas redondas com dezenas de líderes da sociedade civil dos Estados Unidos, Europa e países em desenvolvimento. Como resultado do diálogo plurianual, as OSCs participaram ativamente do fornecimento de alimentos e serviços agrícolas em 16 dos 40 países que receberam assistência do Programa de Resposta Global à Crise de Alimentos. Além disso, três representantes de OSCs passaram a compor a comissão de coordenação do Programa Global para a Agricultura e Segurança Alimentar. Neste exercício financeiro, o Banco Mundial reuniu-se com membros do grupo consultor da sociedade civil a respeito da carteira de saúde do Banco Mundial; com jovens líderes árabes sobre os movimentos pela democracia no Oriente Médio e com representantes de alto nível da Confederação Internacional de Sindicatos. Realizou também uma série de consultas formais com as OSCs acerca das estratégias do Grupo Banco Mundial em prol do meio ambiente, educação, padrões de desempenho e comércio. A mais ampla dessas reuniões ocorreu na primeira etapa da política energética do Banco Mundial, que envolveu consultas via Internet e reuniões com mais de 2.000 pessoas em 31 países. O Banco Mundial também concedeu subsídios a milhares de OSCs em todo o mundo mediante dezenas de mecanismos de subsídios e fundos de desenvolvimento conduzidos pela comunidade. As OSCs participaram da preparação de 81% de todos os projetos novos financiados pelo Banco Mundial durante o exercício financeiro de 2011.


O Banco Mundial em ação Resultados do campo No AFEGANISTÃO, houve uma redução de 22% na mortalidade de recém-nascidos, bem como uma diminuição de 26% na mortalidade infantil em apenas três anos. Na ÁFRICA DO SUL, foram implementadas reformas na elaboração do orçamento e nos sistemas de gestão financeira de 41 municípios entre os anos de 2003 e 2008. Na ARGÉLIA, o trabalho com financiamento de hipotecas quase dobrou o fornecimento de moradias novas e reformadas entre 2002 e 2007 e aumentou os empréstimos imobiliários em mais de 60%. Na ARGENTINA, as coberturas nacionais de imunização aumentaram para 94% no final de 2009 mediante o fornecimento de seguro saúde para a população de baixa renda.

Em BELIZE, a melhoria da ligação entre a capital Belmopan e o aeroporto internacional reduziu os custos de operação de veículos em 62% e quase duplicou a utilização da via no período 2002-2005. Em BENIN, 230.000 habitantes obtiveram melhor acesso à infraestrutura e serviços básicos nos últimos cinco anos. Na BOLÍVIA, 130.000 pessoas das áreas rural e periurbana, têm agora acesso à eletricidade. Na BÓSNIA E HERZEGÓVINA, cerca de 200.000 empregos foram criados ou sustentados durante o período 1997-2005. Em BOTSUANA, a prevenção do HIV/AIDS avançou, com quase 43% dos jovens entre 15 e 24 anos praticando sexo seguro em 2010 — mais do que o dobro de 2004.

Na ARMÊNIA, 45% dos domicílios em prédios urbanos com muitos apartamentos utilizam atualmente soluções de aquecimento a gás seguras, limpas e a preços razoáveis. em comparação com 11% em 2004.

No estado de Minas Gerais, BRASIL, projetos para ajudar o governo a melhorar os serviços públicos contribuíram para aumentar a taxa de alfabetização entre as crianças de 8 anos para 76% em 2009, um aumento de 11% com relação a 2007.

No AZERBAIJÃO, 1,2 milhão de pessoas de 431 comunidades foi beneficiado com estradas novas ou reconstruídas nos últimos cinco anos.

Em BURKINA FASO, 94% da população de Ouagadougou — 1.480.000 pessoas — têm hoje acesso à água potável.

Em BANGLADESH, 20 milhões de pessoas foram beneficiadas com programas de microfinanciamento nos últimos 12 anos. Em BELARUS, quase 700 escolas e postos de saúde foram reformados com janelas e iluminação eficientes no consumo energético, reduzindo o uso de energia e liberando recursos para a prestação de serviços.

Em BURUNDI, 29.527 ex-combatentes receberam baixa de 2004 a 2008. A partir de setembro de 2006, foi fornecida reintegração socioeconômica a 6.886 ex-combatentes desmobilizados, inclusive 380 menores. No BUTÃO, a agilidade na reforma de escolas e casas permitiu que meninas do ensino fundamental de uma aldeia remota do leste do país continuassem a frequentar a escola alguns dias após o terremoto de 2009.

Em CABO VERDE, a taxa de imposto sobre as empresas foi reduzida de 35% em 2003 para 30% em 2008. Em CAMARÕES, 1,6 milhão de pessoas beneficiou-se diretamente da infraestrutura aprimorada, inclusive mais de 98.000 que foram favorecidos pelo maior acesso às instituições de ensino. No CAMBOJA, a taxa de conclusão do ensino fundamental alcançou 85,6% em 2008-09, bem acima de menos de 50% registrados cinco anos antes. No CAZAQUISTÃO, os custos dos transportes na estrada Almaty-Astana caíram em média 40% e a taxa de acidentes entre Almaty e Karaganda foi reduzida em mais de 20% entre 1999 e 2007. No CHILE, um sistema integrado de gestão financeira implementado em 159 órgãos do governo central facilitou a execução orçamentária oportuna; 178 órgãos do governo receberam o apoio de um sistema de monitoramento e avaliação baseado no desempenho para a gestão de despesas no período 2002–07. Na CHINA, o reforço de diques no Rio Yangtze protegeu cerca de 75 milhões de pessoas e mais de 1,6 milhão de hectares de terra cultivável do perigo de inundação em dezembro de 2008. Na CISJORDÂNIA E GAZA cerca 85 depósitos de lixo desordenados em Jenin e Tubas foram fechados e recuperados, liberando até 1.200 dunams (120 hectares) de terra para construção e valorizando as propriedades vizinhas. Na COLÔMBIA, 1,7 milhão de famílias foi beneficiado pelo programa de transferência monetária condicionada Familias en Acción em 2008, bem mais que as 340.000 famílias em 2004.


Na COSTA DO MARFIM, foram criados empregos para 15.000 ex-combatentes e jovens em situação de risco.

Em GÂMBIA, 378.000 habitantes urbanos beneficiaram-se de melhores condições de vida em consequência de melhorias na infraestrutura.

Na CROÁCIA, a melhoria na coleta e tratamento de águas servidas e o fortalecimento do monitoramento ambiental beneficiaram 146.000 habitantes e 225.000 turistas em 2010.

Em GANA, a melhoria na prestação de saúde materno-infantil reduziu as taxas de mortalidade de crianças abaixo dos 5 anos para 80 em cada 1.000 nascidos vivos em 2008 em comparação com 111 em 2003; a mortalidade neonatal também caiu.

Em DJIBUTI, 71% dos estudantes completam atualmente o ensino fundamental sem repetir nenhuma série, muito acima dos 52% em 2003–04. Em EL SALVADOR, 1,3 milhão de estudantes de escolas públicas urbanas beneficiou-se de um programa de alimentação escolar e a taxa de matrícula aumentou em quase 11.000 estudantes. Os programas de transferência condicionada de renda ajudaram 100.000 famílias em 2010. No EQUADOR, 1.741 domicílios receberam em 2008 eletricidade de sistemas solares domésticos. Na ERITREIA, até 2005, 31.556 órfãos foram adotados por famílias. Na ETIÓPIA, foram contratados 264.000 professores do ensino fundamental, o que ajudou a aumentar a taxa líquida de matrícula nas escolas de 68,5% em 2005 para 83,5% em 2009. Na FEDERAÇÃO RUSSA, cerca de 65% de pessoas infectadas com o HIV receberam tratamento antirretroviral em 2008 contra 25% em 2006. Nas FILIPINAS, cerca de 5 milhões de moradores de Bicol que foram prejudicados pela escassez de energia elétrica por causa dos tufões, beneficiaram-se da estabilização do abastecimento de energia em 2008.

Na GEÓRGIA, a taxa de vacinação para doenças comuns da infância alcançou 98% em 2009 em comparação com 78% em 2004. Na GUATEMALA, o tempo necessário para registrar uma nova empresa foi reduzido quase à metade dos 45 dias do período 2004-08. No HAITI, 200.000 prédios foram avaliados quanto a danos estruturais após o terremoto. Em HONDURAS, o número de crianças matriculadas na série correspondente à sua idade aumentou em 19% e o atendimento escolar para alunos entre 6 e 12 anos cresceu 9% entre 1998 e 2004. Na HUNGRIA, a poluição da bacia do Rio Danúbio foi reduzida em mais de 50% graças à ampliação da capacidade de tratamento dos efluentes dos serviços públicos no período 2000-07. Na ÍNDIA, mais de 98% das crianças têm agora acesso ao ensino fundamental no raio de 1 quilômetro de suas casas; 5 milhões de crianças ainda permanecem fora da escola, em comparação com 25 milhões em 2004; a taxa de transição do primeiro ciclo para o segundo ciclo do ensino fundamental elevou-se de 75% em 2002 para 84% em 2007.

Na INDONÉSIA, a estrutura institucional para enfrentar a corrupção foi significativamente fortalecida pela criação, em 2007, da Comissão Anticorrupção, do Tribunal Anticorrupção, da Comissão Judicial, da Comissão de Polícia e da Comissão de Processos. Na JAMAICA, 85% das mulheres grávidas HIV positivo que tiveram cuidados pré-natais receberam tratamento antirretroviral em 2008 em comparação com apenas 10% em 2002. Na JORDÂNIA, o acesso á Justiça melhorou quando o Centro de Ajuda Legal da Jordânia, em coordenação com a Ordem dos Advogados da Jordânia, criou a primeira associação de serviços advocatícios gratuitos; o serviço oferece aos cidadãos, em um só lugar, ajuda legal, consultoria jurídica e serviços judiciais de alta qualidade. No LESOTO, houve um aumento de 10 pontos percentuais na atual taxa de prevalência de anticoncepcionais, de 37% em 2004 para 47% em 2009. Na LETÔNIA, 90% das crianças de 5 anos e 98% das crianças de 6 anos foram matriculadas na pré-escola desde outubro de 2009. Além disso, a assistência do governo garantiu que nenhum estudante terá que viajar mais de 60 minutos para chegar à escola. No LÍBANO, no período entre 2000 e 2008 foram recuperados 300 quilômetros de redes de águas pluviais, além de 28 quilômetros de rede de água potável e 36 quilômetros de rede de esgoto. Na LIBÉRIA, 842 quilômetros de estradas — quase um décimo da malha rodoviária do país e importantes corredores rodoviários — foram recuperados ou reparados nos últimos anos.


Na LITUÂNIA, a recuperação e ampliação de mais de 2 quilômetros de quebra-mar no período entre 1999 e 2007 melhoraram a competitividade, segurança e o ambiente do Porto de Klaipêda. Em MADAGASCAR, entre 2006 e 2008 foram registradas 5.000 novas empresas em três regiões e estima-se que tenham sido criados 10.000 empregos novos. Na MALÁSIA foram construídas 33 escolas primárias, 26 escolas secundárias, 447 alojamentos de professores e cerca de 2.700 unidades em albergues de estudantes. Um Programa de Escola para o Trabalho de ensino profissionalizante ajudou 2.654 alunos do ensino secundário com rendimento abaixo do esperado no ano de 2000. Em MALAWI, houve uma redução de 12 pontos percentuais na contagem de pobreza, de 52% em 2005 para 40% em 2008. Em MALI, a partir de maio de 2010, aumentou em 650.000 o número de pessoas que têm acesso à eletricidade. No MARROCOS, o mercado de telefones celulares cresceu para 7,3 milhões de usuários em 2003, bem acima dos menos de 117.000 em 1998 quando a concorrência e a reforma normativa foram lançadas. Em MAURÍCIO, o desemprego caiu de 9,5% em 2005 para 7,2% em 2008 em consequência do programa de reforma do governo e a taxa de desemprego entre as mulheres diminuiu significativamente com o surgimento de novas oportunidades de emprego no setor de serviços. No MÉXICO, a educação melhorou para 6,8 milhões de estudantes quando o Programa Escolas de Qualidade aumentou o número de escolas de 21.000 para 39.000 nas comunidades pobres e muito pobres entre 2006 e 2009.

Em MOÇAMBIQUE, o tráfego no porto no ano de 2009 foi de 11,3 milhões de toneladas em comparação com 8,2 milhões de toneladas em 2002. Na MOLDÁVIA, a transmissão da infecção por HIV de mãe para filho caiu quase 90% — de 20% em 2002 para 1,7% em 2007.

No PANAMÁ, cresceu em 76.000 no ano de 2010 o número de pessoas de comunidades rurais pobres e isoladas a receberem um novo componente nutricional como parte de um pacote de serviços de saúde.

Na MONGÓLIA houve um aumento de 69% na taxa de matrícula no jardim de infância desde 2002.

Em PAPUA NOVA GUINÉ, a reforma do Porto de Rabaul após a erupção de 1994 permitiu que em 2007 a carga internacional voltasse a ser novamente transportada diretamente desse porto e para ele.

Na NAMÍBIA, o acesso à educação continuada e à formação nas regiões de baixa renda aumentou quando o número de vagas para a 2ª série do segundo grau foi aumentado em 60% entre 2008 e 2009.

No PAQUISTÃO a geração de energia hidrelétrica cresceu de cerca de 35% para 46% da geração total em 2003-04, proporcionando maior acesso à eletricidade.

No NEPAL, 168.000 trabalhadores foram empregados e 118 quilômetros de estradas rurais foram construídos ou recuperados nos dois últimos anos por intermédio de uma operação conduzida pela comunidade.

No PARAGUAI, 325.000 pessoas nas áreas rurais — das quais 25.000, membros de comunidades indígenas — obtiveram acesso à água e saneamento por intermédio da construção e da ampliação de 600 esquemas de abastecimento de água e do fornecimento de 23.000 vasos sanitários entre 1997 e 2007.

Na NICARÁGUA foram criadas 35 microempresas gerando empregos para cerca de 400 pessoas para fazer a manutenção regular de 2.400 km ou 88% da rede rodoviária principal. No NÍGER, a utilização de centros de saúde quase que dobrou de 20% em 2005 para 39% em 2009. Na NIGÉRIA, 3,4 milhões de beneficiários do setor agrícola aumentaram suas rendas em aproximadamente 63% entre 2004 e 2009 mediante o acesso a melhores equipamentos. Na ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS DO CARIBE ORIENTAL verificou-se um aumento de 8,4% na taxa líquida de matrículas do ensino médio em Granada e aumento de 34,7% em São Vicente e Granadinas entre 2002 e 2008, além de crescimento de 10% na taxa de transição para o ensino médio nas áreas menos favorecidas.

No PERU, mais de 15.000 km de estradas rurais foram recuperadas entre 1995 e 2006. No QUÊNIA, 32.000 crianças órfãs e vulneráveis de baixa renda têm melhores condições de vida graças às transferências monetárias para suas famílias. Na REPÚBLICA ÁRABE DO EGITO, o volume de empréstimos hipotecários aumentou de 300 milhões para 4,2 bilhões de libras egípcias em apenas cinco anos em consequência de reformas no setor de hipotecas que incluíram a criação de um regulador de crédito hipotecário e a agilização dos procedimentos de registro de propriedades.


Na REPÚBLICA DOMINICANA, os prejuízos com eletricidade foram reduzidos em 14% no período 2005-08 graças a um projeto para a região do Caribe sobre energia segura e limpa. Na REPÚBLICA DO IÊMEN, 30.000 meninas frequentam hoje a escola graças a esquemas de transferência monetária condicionada lançados em 2008 e 2009. Na REPÚBLICA ESLOVACA melhorias significativas na sua capacidade de previsão fiscal realizadas até 2007 ajudaram a oferecer um ponto de partida para a preparação do orçamento anual. Na antiga REPÚBLICA IUGOSLAVA DA MACEDÔNIA, a cobertura do cadastro de imóveis mais do que dobrou — de 43% em 2005 para 99% em 2009 — e o número de transações registradas por ano aumentou em 121%. Na REPÚBLICA POPULAR DEMOCRÁTICA DO LAOS, a espinha dorsal do transporte rodoviário do país melhorou desde 1996 com o aumento da velocidade das viagens de 35 km/hora para 80km/hora. Na REPÚBLICA DO QUIRGUISTÃO, 92% das pessoas têm hoje acesso a produtos farmacêuticos em comparação com 77% em 2001. Em RUANDA 750.000 pessoas têm hoje acesso a um fornecimento de energia elétrica confiável com substancial redução do racionamento de energia de cerca de 50% nos horários de pico em 2004 para 0% em 2010. Em SAMOA 24 quilômetros de quebramar foram recuperados para proteger as aldeias costeiras e em 2008 quatro pontes haviam sido reconstruídas.

Em SANTA LÚCIA, um número maior de crianças obteve acesso à educação quando foram criadas mais de 2.000 vagas adicionais no ensino médio graças à construção ou reforma de escolas em áreas desassistidas em 2007. Em SÃO VICENTE E GRANADINAS, o amplo treinamento do pessoal e a compra de equipamentos de emergência e de comunicações aumentou a capacidade de resposta do governo a desastres antes de 2006. No SENEGAL, a taxa bruta de matrícula no ensino básico em 2008 era de 84%, superior aos 67% de 2002. Na SÉRVIA, a gestão das finanças públicas foi reforçada em 2009 com a introdução de um planejamento amplo e integrado de médio prazo e com uma estrutura orçamentária e em 2008, com novas leis para aumentar a gestão, supervisão, transparência e responsabilidade das aquisições. Em SERRA LEOA, 700.000 pessoas obtiveram acesso a melhores instalações de saúde e saneamento e 148 postos de saúde foram reformados e equipados entre 2004 e 2009. No SRI LANKA 55.000 domicílios agrícolas beneficiaram-se com o recultivo de 35.000 hectares de terra irrigada e com a recuperação de sete importantes esquemas de irrigação entre 2004 e 2009.

Na TANZÂNIA, 88% das rodovias principais e regionais estão hoje em boas condições em comparação com 51% em 2000. Em TONGA, 42 sedes de administrações de comunidades foram recuperadas após o ciclone. Na TURQUIA, 4,6 milhões de domicílios receberam eletricidade mediante melhorias na capacidade de transmissão e eficiência durante a última década. Na UCRÂNIA, as medidas para estabilizar o setor bancário após a crise fizeram com que 6 milhões de depositantes recuperassem o acesso às suas contas nos bancos que haviam sido recapitalizados pelo governo ou que foram reforçados pelo Fundo de Garantia de Depósito entre 2009 e 2010. Em UGANDA, até 2007 todos os importantes governos municipais tiveram um plano de desenvolvimento contínuo de três anos e quase todos eles enviaram suas contas finais no prazo ao Gabinete do Auditor Geral de Uganda. No URUGUAI, 1.000 escolas conseguiram acesso à Internet em 2008 em comparação com nenhuma escola em 2001. No UZBEQUISTÃO, 86% das mulheres receberam cuidados pré-natais em 2008, acima dos 79% de 2004.

No TADJIQUISTÃO, 71.000 famílias sem segurança alimentar beneficiaram-se da distribuição de sementes de trigo e de fertilizantes no ano de 2008.

No VIETNÃ, foram lançados em 2008 e 2009 novos padrões de eficiência energética para produtos com alto consumo de energia.

Na TAILÂNDIA, 1,15 milhão de pessoas pobres e vulneráveis beneficiaram-se de um esquema de cartão de saúde para pessoas de baixa renda.

Em ZÂMBIA, 1,2 milhão de pessoas em nove cidades em todo o país receberam acesso a água e instalações sanitárias aprimoradas entre 1996 e 2000.


Relatório Anual de 2011 do Banco Mundial Escritório do Redator, Relações Exteriores

Líder da Equipe e Editora Cathy Lips Editora Assistente Prateeksha Nagar Produção Editorial Susan Graham Janet Sasser Impressão Denise Bergeron Andres Meneses Tradução Unidade de Tradução e Interpretação do Banco Mundial (GSDTI) O Relatório Anual de 2011 do Banco Mundial foi fotocomposto por BMWW. A supervisão do projeto foi fornecida pelo Gensler. Impresso nos Estados Unidos pela Professional Graphics.

© 2011 Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento/Banco Mundial 1818 H Street, N.W. Washington DC 20433 Telefone: 202-473-1000 Internet: www.worldbank.org E-mail: feedback@worldbank.org Todos os direitos reservados 1

2

3

4

14

13

12

11

As fronteiras, cores, denominações e outras informações apresentadas em qualquer mapa neste volume, não indicam nenhum juízo, por parte do Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento / Banco Mundial, a respeito da situação jurídica de qualquer território, nem o endosso ou aceitação de tais fronteiras. Todas as consultas sobre direitos e licenças, inclusive direitos subsidiários, devem ser endereçadas para: Office of the Publisher, The World Bank, 1818 H Street, NW, Washington, DC 20433, USA; fax: 202-522-2422; e-mail: pubrights@worldbank.org. ISSN: 0252-2942 ISBN: 978-0-8213-8875-4 eISBN: 978-0-8213-8918-8 DOI: 10.1596/978-0-8213-8875-4

O InfoShop do Banco Mundial em Washington, DC é uma fonte única de literatura sobre desenvolvimento econômico e uma fonte de informações sobre as atividades dos projetos do Banco Mundial. Contém publicações de diversos editores, bem como documentos que atendem aos requisitos de divulgação do Banco Mundial. (Consulte www.worldbank.org/infoshop.) Também é possível obter informações específicas dos países nos centros de informações ao público nas representações nacionais em todo o mundo. 701 18th St NW Washington DC 20433 De segunda à sexta-feira, 9h00-17h00 Telefone: 202-458-4500 (9h30 -15h30) Fax: 202-522-1500 Livraria virtual: www.worldbankinfoshop.org

ECO-AUDITORIA O Banco Mundial está comprometido com a preservação dos recursos naturais. Este relatório é impresso em papel reciclado livre de cloro, com 50% de resíduos pós-consumo, em conformidade com os padrões da Iniciativa Verde para impressão. Consulte www.greenpressinitiative.org. Foram salvos: 62 árvores, 25 milhões de BTUs de energia total, 6.261 quilogramas líquidos de gases causadores do efeito estufa, 28.233 litros de águas servidas e 1.790 quilogramas de resíduos sólidos.


REGIÕES DO BANCO MUNDIAL, ESCRITÓRIOS NOS PAÍSES E QUALIFICAÇÃO DE MUTUÁRIOS O Banco Mundial opera atualmente em mais de 120 escritórios em todo o mundo. A maior presença nos países clientes está ajudando o Banco Mundial a compreender melhor, trabalhar com mais eficácia e prestar serviços mais oportunos aos seus parceiros nos países clientes. Noventa e um por cento dos Diretores e Gerentes Nacionais e mais de 38% do pessoal trabalham hoje em representações nos países.

ORIENTE MÉDIO E NORTE DA ÁFRICA Novos compromissos para o exercício financeiro de 2011 IBIRD | US$ 1.942 milhões AID | US$ 123 milhões Carteira de projetos | US$ 9,4 bilhões

EUROPA E ÁSIA CENTRAL Novos compromissos para o exercício financeiro de 2011 BIRD | US$ 5.470 milhões AID | US$ 655 milhões Carteira de projetos | US$ 22,6 bilhões

Federação Russa Fed. Russa Belarus Ucrânia Moldávia

Mongólia

Romênia

Cazaquistão Geórgia Azerbaidjão Uzbequistão Quirguistão Armênia Turcomenistão Tadjiquistão Turquia Rep. Afeganistão Árabe Iraque Líbano da Síria Paquistão Rep. Islâmica Cisjordânia e Gaza Jordânia do Irã Bulgária

Argélia

Tunísia

Marrocos

Líbia

México

Guatemala El Salvador

Jamaica

Nicarágua Panamá

R.B. da Venezuela Colômbia

Guiana Suriname

Kiribati

Samoa

Fiji

Tonga

Peru

Polônia Ucrânia

Santa Lúcia

Representação do Banco Mundial Representações com Diretores Nacionais

Fronteiras da região do Banco Mundial

Argentina

Uruguai

Croácia BósniaHerzegovina

Montenegro Albânia

Dominica

Países que não estão recebendo recursos financeiros do Banco Mundial

Estados Federados da Macronésia

Djibuti

São Vicente e Granadinas Grenada Trinidad e Tabago

Ilhas Marshall

Sri Lanka Palau

Malásia

Somália Maldivas

Uganda

Kiribati

Quênia Seicheles Burundi Tanzânia Comores

Indonésia Timor-Leste

Papua Nova Guiné

Ilhas Salomão Tuvalu

Malawi Vanuatu

Paraguai

Antígua e Barbuda

Países inativos elegíveis à AID

Filipinas

Madagascar

Saint Kitts e Névis

R.B. da Venezuela

Tailândia Camboja

Zimbábue

República Dominicana

Países elegíveis somente a financiamento da AID

Vietnã

Rep. do Iêmen

Etiópia

Zâmbia

Brasil

Bolívia

Chile

Países elegíveis a financiamento combinado do BIRD e AID

Eritréia

Angola

Maurício

Namíbia Botsuana África do Sul

Países elegíveis somente a financiamento do BIRD

Bangladesh

R.D.P. Do Laos Sudão

Senegal Mali Burkina Níger Gâmbia Chade Fasso Guiné-Bissau Nigéria Costa Rep. Guiné do Marfim CentroSerra Leoa Gana Benin Camarões Africana Libéria Togo Guiné Equatorial São Tomé e Príncipe Gabão Rep. do Ruanda Congo Rep.Dem. do Congo

Equador

AMÉRICA LATINA E CARIBE Novos compromissos para o exercício financeiro de 2011 BIRD | US$ 9.169 milhões AID | US$ 460 milhões Carteira de projetos | US$ 32,5 bilhões

Butão

Nepal

Mauritânia Cabo Verde

Haiti

Honduras

Costa Rica

Índia

Rep.da Coréia

Mianmar

República Dominicana Belize

Rep. Árabe do Egito

LESTE ASIÁTICO E PACÍFICO Novos compromissos para o exercício financeiro de 2011 BIRD | US$ 6.370 milhões AID | US$ 1.627 milhões Carteira de projetos | US$ 29,9 bilhões

China

Moçambique Suazilândia Lesoto

România Sérvia

Kosovo Bulgária Ex. Rep. Iugoslava da Macedônia

ÁFRICA Novos compromissos para o exercício financeiro de 2011 BIRD | US$ 56 milhões AID | US$ 7.004 milhões Carteira de projetos | US$ 38,7 bilhões

SUL DA ÁSIA Novos compromissos para o exercício financeiro de 2011 BIRD | US$ 3.730 milhões AID | US$ 6.400 milhões Carteira de projetos | US$ 38,1 bilhões

Fiji


No A F E G A N I S T ÃO , houve uma redução de 22% na mortalidade de re recém-nascidos, bem como uma diminuição çã de 26 2 % na mortalidade e infa fanti n le nti em m apen apen penas as trê trêss anos anos nos.. | Na N A R G E N T I N A , as a coberturas naci c

para a popul ulaçã ul aç o de baixa renda. | Na A R G É L I A , o trabalho com açã m fina fi nciamento de hipotecas quase dobrou o forn forneci ecimen mento to de mor moradi adiias nov novas as e refo refo eformadas en enttre tre 2002 20 2 e 2007 007 e aum au entou os empréstimos i

apartam mentos utilizam atualmente soluções ment es de aqu aquecimento a gá gás seguras, limpas e a preços razoáveiss. em em co com omparação ção co com m 11% em 200 00 04. | No A Z E R B A I J Ã O , 1,2 ,2 mil milhão ilhão ão de e pe pessoas sso oaass de 431 co comun omun unid un id idades ida id fo oi

foram imp mplem mp ementadas reformas na elab abora oração do o orçam ament ento e nos sistemas de gestão financ anceir anc eiraa de eir d 41 muni niicíp pios i s en io entre tre re os o an nos os de de 200 2003 03 e 2008 20 008 08. 8. | Em Em B A N G L A D E S H , 20 milh hões ess de d pe esso ss s as foram beneficiaa

e postos os de d saú saúde foram m ref reform ormado adoss com co janelas e illumi um nação eficientes no cons onsu ons um en umo energético, o, re reduz du ind do o u usso de de ener energia i e lib libera era rando ra ndo re ndo recu cu cursos cur ursoss pa p ra a presta p taç tação ão de serrviç vi os os. ss. | Em B E L I Z E , a melhoria da liligaç gaç aç

62% e qua quase dup duplic licou ou a util utiliza ização ç da vi viaa no no perí erríodo rííodo odo od o 20 20020 200 02 200 05 5. | Em 5. m B E N I N , 23 230.000 haabit b ant nttes es obt obtive ive iveram ve eram raa me mellh llho h r aces cesso o à inf inf nfraaestru ru utur turaa e se tu servi rviços rvi ços báássic icos o nos úl últim tim mos o cin in nco co anos. s | Na B O L Í V I A , 130. 130. 0 000 pe 0. pe

do HIV/AIDS ava avanço nçou, u, com c quase qu ase 43 43% dos jov oven oven en ens nss en entre tre re 15 5 e 24 2 anos praticando o sexo se exo xo se seguro em 20 010 0 - mais a do do que e o do dobro b de 2004. 04. 04 4 | Na B Ó S N I A E H E R Z E G Ó V I N A , cerc cercaa de 200. 00 0 000 0 0 em empre pregos gos foram foram mc

de Oua O gad adoug ougou o - 1.48 4 0.000 0 pessoa 00 soaas - têm tê êm hoj hoj oje o j access esssso à ág água potável. | Em m B U R U N D I , 29.5 9.527 27 7 ex-combat aten entes recebe eram m ba baixa de 20 004 0 a 2008 00 0 08. A pa partir de e se ete te embr mbr brro de de 2006 00 , fo foi oi fo fornecida ida re reint integr egraçã a o soci oc o

do paí paíss cont con inu in ass a em a freq qu uen entarr a esc e cola es cola la al la algun gun ns dias dia iias aas ap após ós o ter err e r emo mo m oto de 20 200 009. | Em C A B O V E R D E , a taxaa de de imp post os o sobr sobre e as emp mpresa sass foi sa oi red r uzida d d de e 35% 35 em 20 2003 0 par 03 paraa 30% 30 em m 200 2008. 8. | Em C A M A

conclu con clusã são do ensino fund u ame menta ntal alca lccaan lc lcanço nço ço çou 85,6 5 6% em 200 008 – 09, 9, bem acim ciima de meno os de de 50% reg registrados os cin cinco anos ante tte es. | No o C A Z AQ A Q U I S TÃO T ÃO , os cust ustos os dos trans nspor porte tes naa es estra trada da Alm Almaty aty-A -Astan ana caíram me

centra cen tral facilit li ou a exec ecuçã uçã ç o orça o ça çam mentária oportuna na; 178 órgã rg os do do gov go ern go no rec eceb ece berram a o apoi p o de de um um sist stema ema de m mo o or onitora oram men me ento nto o e aval aliaç ia ão ia o bas asead eado ead o no desempen nho paara a gestão g de des despe pesas pes a no o per eríod íod odo od o2

Na C I S J O R D Â N I A E G A Z A cerca 85 de epó pósito os de d lixo desorden enad enad en ados em Jeni ado en n e Tubas fo foram r fecha chados h dos os e rec re ecupe uperad rados, rad os, s, liliber iber erand and ando do até até 1.2 200 0 dun dunaams am (1 (120 20 hec h tares) s) de d terra para ra con constr truçã ução o e va valo lorriza zando ndo do as a prro

Na CO S TA D O M A R F I M , foram criados dos em mpre p gos para 15.000 00 ex-c 00 exx-comba mba baten ba te tes e jov ovens en em situa tuação ção ão d de e ri risco risco o. | Na C R O ÁC Á C I A , a me melho l ria na co coleta e tratamento de águ águaas servid das e o fo forta rtaalec ecime imento ime nto do d

acima aci ma dos 52% % em em 2003–04. | Em E L S A L VA V D O R , 1,3 milhãão ão de estud es dant antes e de esc escola olas públlicaas u urba rbanas rba ass be beneffic benef iciouu-se se de de um programa de d alimen en ntação tação esc escola olarr e a tax axa de e ma matrícula aum ment nttou em m qu quase 11 11. 1.0 1. 0

Na E R I T R E I A , até até 200 2005, 5, 31. 31.556 556 56 ór órfão fãoss fora fão fora r m adot ra adot dotado adoss por ado por fam míli ílílias as. s. | Na E T I Ó P I A , fora o m cont cont onttratado rat ra a aado at do os 264 64. 6 4.000 000 pr profe pro ofessores ofess sso sores es do do en ensin sino sin o fund fund undame amenta ame ntal,l,, o que ajudou nta aju udo dou a aum aument en ent ntar ar a ttaxa axa lílíqui líqui quida da de de mat matríccula matríc ula na nass e esco sco scola ola la

cerca de 5 milh ilhões ões de moradores de Bico ol que foram prejudicados dos pe dos pelaa escasssez de ene ergi giaa elé létricca por p r cca cau a sa sa do dos tu ufõe fõ s, beneficiaram-se da estabiliizaç z ão do abastecimento de energia em 20 008. 08. | Em G A N A , a

neo eonat natal all também também caiu. | Em G Â M B I A , 378.000 habitantes urb baano an nos beneficiar no iarama se de e me melhor mel ho es hor es con con ndições de vi vida d em consequência de melho lhoria ria rias ia na infraestrutura. | Na G E Ó R G I A , a taxa de va vacina nação ção pa

do per eríod er íodo 2004 ío 004-08. | No H A I T I , 200.0 00.000 prédios foram avaliados do dos oss qu uant anto o a da danos noss estruturais após o tterr erremo err e to.. | Em H O N D U R A S , o nú n me ero o de crianças matriculadas na série cor orrespondente or te à sua sua ida idade de a

cap paci ac dad de de de trat tr amento dos eflu uent e es dos serviços públicos no pe perío rí do rí o 2000 0-0 07. 7. | Na I N D O N É S I A , a es e tru utur tu a institucional para enfrentar tar a cor c rupção foii sign signifi ficativamente forrtalecida pel pelaa cria criação, em 2007 7

no o rai raio o de de 1 quilô qu uili met etro ro de d suas casa a s; 5 milhões de crianças ainda da perma maanecem for or da esc or ora esco co ola, em co omparaç mparaç aação o com c 25 milhões em 2004; a taxxa de e transição do primeiro ciclo para o segund do ciclo c o do d ensino funda d da

co com o ap pena enas 10% % em 200 2002. 2. | Na J O R D Â N I A , o acesso á Justiiça ç melhorou quando ndo o o Cen enttro de d Ajuda u Legal daa Jordânia ud i , em coordenação co om a Ordem dos Advogados da Jordâniaa, crio ou a primeira associação de e

n atual na a tax ta a de e pr prevalê lênci nciaa de d anti nticon concepcionais, de 37% em 20 2004 para 47% em 2009. | Na L E TÔ Ô N I A , 90% % das cr c ian a ças de 5 anos e 98 8% das d cri r anças de 6 anos foram matriculadaas na prépré-esc es ola desde outubro o

r ovi rod ov ári ária do país e importantes ess corre edores rodoviários - foram m recuperados ou reparados noss úl último im mos mo o anos os. | Na N LITU UÂ N I A , a re recuperaçã ção e amp a liação de mais de 2 quilômetros de queb uebra-mar no n período en n

de 28 de 8 qui q lômetros de rede e de ág água po otável e 36 quilômetros de e rede de esgoto. | Em M A D AG A S C A R , entre 2006 6 e 2008 8 foram f regiistr stradas 5.000 novas empresas em três regiões e estiima ma-se que tenhaam sid sid i

P gra Pro gram ma de Escolaa paaraa o Trab Trabalh aallho de de ensi en no o profissionalizante e ajudou 2.654 alunos o do ensino secun os se ndárrio ccom m rendimen nto aba baixo ba ixo o do esperrado no o ano de 2000. | Em M A L AW I , houve uma redução de 12 pont o os os

o merc rcado ad de te ado telef lefone oness celu celu l lares ess cresceu para 7,3 milhões de ussuários em 2003, bem acima dos os m men me en nos nos o de 117 7.000 em 19 998 qu quan aand ndo a co conco ncorrê rrênci cia e a reforma normativa foram lançadas. | Em M AU R Í C I O , o ci

opo portu po uni nidades de empr mpre ego no se eto tor de servi rviços ç . | No M É X I CO , a educação melhorou para 6,8 milhõ miilh lhõ hões hõ es de d estudantes quan ndo o Prog ogra ram ma Esco co olass de Qu Quaalidade aume entou o número de escolas de 21.000 paraa

a taxa axx de al axa a fab beti etizaç zação zaç ã entre as criianças ão an s de 8 anos para 76% em 20 2009, um aumento de 11% com rela lação la çã a 200 çã ção 00 07. 7 | Em E M O Ç A M B I Q U E , o trráfe fego g no porrto no n ano de 2009 foi de 11,3 milhões de toneladas em m

um aum u entto de 69% um 6 na taxa de matr trrícula no jardim de infância cia de desd sde 2002. | Na N A M Í B I A , o acess ssso à educa educ ed uca uca c ção ç co çã ontiinua n da d e à fo formação naas regiões de ba baixa ix renda aumentou quando o número de vagas par ar ar

últimoss anos po por intermédio de uma oper p ação cond nduzi uzida da pel pe a comu unid dade ade. | Na N I C A R ÁG UA fo oram crriad i as a 3 35 5 mi mic m i roe roe empresas mpr gerando empre p gos para cer cerca de 400 pessoas para fazer a manutenção reg gu

melhores eq equ quipa ip pamentos. | No N Í G E R , a utilização de centros de saúd saúd úd de quas q ase e que que dob dobrou de 20% em 2005 parra ra 39% % em e 20 2009. 09 9. | Na O R G A N I Z AÇ 9. A ÃO D O S E S TA D O S D O C A R I B E O R I E N TA L v

para o ensin no médio édio nas áreas menos favore orecidas. ore re | No PA N A M Á , cres resceu ceu em 76 76.00 .000 0 no no ano a de 2010 0 o nú númerro de de pess essoas oass de d co comun m ida idades ruraiss pobres e isol solada a s a receberem um novo compo p nente nutricion ion o

transportada di diret ret ettame amente desse porto e para ele. am l | No PAQ U I S TÃO a ge geraçã ação o de de ene energia hidrelétrica cres re e ceu de d cce erca rca c de 35 35% pa 35% para 46% da geração ão o total em 200303-04, proporcionando maior acesso à eletricida d

esquemas de aba baste stecim cim i ent im en o de água e do forneccim imento de 23.000 vasos sani anitár tários tá tár ios en enttre 1997 e 2007. | No P E R U , mais iiss de de 15 15.00 .00 .00 0 0 km m de de estradas rurais iss foram recuperad das entre re 199 1995 e 2006. | No Q U Ê N I A , 32

hipotecários aumen en ntou de 30 3 0m milhões para 4,2 bilhõ ões e de libras egípcias em ap pen enas cinco anos em consequênci ena ciaa de refo ci efo e ef orm rma maas no setorr de hipotecas que m e incluíram a criação o de um reg re ulador de crédito hipotecár árr

a região do Caribe so obre e en e erg gia seg segura ur e limpa. | Na R E P Ú B L I C A D O I Ê M E N , 30.000 meninas frequentam m ho oje e a essco scc laa gr graças gra ças a esquemas de tra ransferência mone ra etár tária ia con co dicionada lançados em 2008 8

Na antiga R E P Ú B L I C A I U G O S L A VA D A M AC E D Ô N I A , a co ober bertur tu a do cada ad stro de imóveis mais do que ue do obro b u-d de e 43 4 % em e 2005 para 99% em em 2009 - e o núm mero de trans nsaçõ aç es registradas as por p aan no

de 35 km/hora para 80km/ m/hor hora. a. | Na R E P Ú B L I C A D O Q U I R G U I S TÃO TÃ , 92% dass pe pessoas têm hoje acesso a pro rod ro dutos far du f ma mac a êut êutico ic s em comparação ção ão com 77% em 200 2001. | Em R UA N D A 750.000 pe p

24 quilômetros de quebra-ma marr fora o m recu rec perado os para proteger ass al aldei deiias cos c teiras e em 2008 qua uatro pontes haviam sido re ecco con onstr s uíd íd das. | Em m S A N TA LÚ C I A , um número o maior de crianças obteve ve acesso o

o amplo treinamento do pess ssoal o e a comp oal ompra ra de equipamen entos en tos os de e em merg ergênc ência ênc ia e de comu comu omunic nicaçõ nic ações açõ es aum aument en ou a capa en ent capa apacid cid dade de re respo spo p sta do po do go over verno no a desa des esaast e str tres ant antes es de e 200 2006. 6 | No N S E N E G A L , a ta taxa xa bru bruta ta de m

reformados e equipados entr ntre e 200 004 04 e 20 0 2009. | Na S É R V I A , a ge gestã s o das finanças púb stã blic licas as foi reforçada em m 2009 200 com a introdução de um u planejamento nto amplo e integ egrado de médio eg di prazo e com uma estrutu uturaa o 35.000 hecta cta tares res de terra irrigadaa e com co a recuperação de se set ete impo m rtante tess esqu esq emas de irrigação entre 2004 e 2009. | No o TA D

ben enefi en eficia efi ef ci ram-se de um cia m es esque q ma de cartão qu tão d de e sa saúde úde pa para pesssoa soas de baixa rend enda. a. | Na TA N Z Â N I A , 88% das rodov o ias princci de domicíílio lioss rece rece ceber beram ber a eletricid cid dade ad de me de med diiante m di dia me elhorias lho na capacid cidade cid ad de transmisssão e efi ef ciê c ncia dura rante nte a últ última ima dé décad cada. aa..

governo ou que foram am ref eforçado d s pelo do l Fu Fundo Fundo od de e Ga Gara tia de De Garan Depós pósito entre 20 pós 2009 09 e 2010. | Em U G A N D A , até 200 2007 7 todo todoss os os i 1.000 escolas conseguiram acesso à Internet em 2008 008 08 em co compa mparaç mpa ração raç ã com ão co om ne nenhu nh ma esc nhu sccola o em ol e 20 2 01. | No U Z B E Q U I S TÃ Ã

BANCO MUNDIAL 1818 H St NW Washington, D.C. 20433 USA Telefone: 202-473-1000 Fax: 202-477-63911 Internet: www.worldbank.org/annualreport/2011 E-mail: wbannualreport@worldbank.org

de energia. | Em Z Â M B I A , 1,2 milhão de pessoas em nove cidades em todo o país í re receb cebera ceb beraam aces aces esso es so o a água água e ins instal instal talaçõ a açõ ações es saa ISBN : 978-0-8213-8875-4

SKU 18875

Relatório Anual 2011  

Este Relatório Anual, que abrange o período de 1º de julho de 2010 a 30 de junho 30 de 2011, foi preparado pelos Diretores Executivos do Ban...