Page 1

R

A Revista de Lauro de Freitas e Região

Ano 20 | Edição 235 Agosto de 2018 32.000 exemplares

PÓLIO VACINE ANTES QUE SEJA TARDE

APOIO A revista de Lauro de Freitas & Região


Espaço Aberto

1962: O nascimento de Lauro de Freitas e o sentido da emancipação Tássio S. Cardoso

O

emblemático ano de 1962 é, sem sombras de dúvida, um divisor de águas na História de Lauro de Freitas, do Brasil e do mundo. Dois anos antes do golpe civil-militar, que mergulhou o Brasil em um período de extremo autoritarismo e negação dos direitos civis e sociais, emerge na geopolítica local a cidade de Lauro de Freitas, onde antes era o tradicional distrito de Santo Amaro de Ipitanga. No mesmo ano da emancipação de Lauro de Freitas, cresce a guerra entre comunistas e capitalistas, João Goulart chega ao poder com a renúncia de Jânio Quadros e o Brasil se destaca no futebol com a consagração brasileira em mais uma Copa do Mundo. Ainda nesse ano o Cinema Novo apresentava as mazelas sociais da nossa sociedade de uma forma nunca antes vista. Mas o que levou o distrito de Santo Amaro de Ipitanga a se transformar numa cidade emancipada? Por que a cidade recebeu o nome de Lauro de Freitas? Quais foram as consequências dessa mudança? Para que possamos fortalecer a nossa identidade enquanto povo e sermos sujeitos da nossa própria História faz-se necessário buscarmos respostas para estas e outras perguntas. Na condição de distrito de Salvador, Santo Amaro de Ipitanga era uma localidade carente de políticas públicas, sobretudo nas áreas de educação, saúde, segurança e urbanização. Assim, começou a florescer no coração dos nativos um desejo de separar o distrito da capital. Pois, uma vez emancipada, a região poderia trilhar os caminhos do progresso. Nesse contexto, surge no cenário político Paulo Moreira, um vereador de Salvador filiado ao PSD, que abraçou esse desejo dos nativos e o transformou num projeto de Lei. Contudo, a princípio, ele não teve base política para aprovar o projeto. Logo, teve que criar uma estratégia para sensibilizar seus pares, foi quando resolveu atribuir à nova cidade o nome de Lauro de Freitas. Lauro de Freitas foi um político bem conhecido na década de 50 (candidato ao Governo da Bahia em 1950) que

morreu num trágico acidente de avião. Tal episódio provocou grande comoção popular na época. Formado em Engenharia Civil na Escola Politécnica da Bahia, foi desenhista e inspetor de obras de arte e professor de Cosmografia e Geofísica do Ginásio da Bahia, mas se destacou como diretor da Viação Férrea Leste Brasileiro. Com toda essa biografia, ao homenagear Lauro de Freitas, o vereador Paulo Moreira conseguiu em 1962 aprovar o projeto de Lei que criou a nova cidade. A questão foi que os nativos não gostaram da mudança do nome, pois para eles a expressão “Santo Amaro de Ipitanga” representava mais a cultura local. Houve alguns protestos, mas nada impediu a oficialização do nome, nem mesmo a militância aguerrida do poeta Tude Celestino, uma das maiores expressões da literatura local, que recusava mencionar nos seus escritos o nome da nova cidade. Nas últimas décadas, este território passou por um conjunto de transformações em sua organização social, econômica e política. De acordo dados do IBGE, a cidade experimentou um intenso crescimento demográfico e, sua população, de aproximadamente 10 mil habitantes em 1970, passou para 113 mil pessoas em 2000. Atualmente, Lauro de Freitas, com mais de 200 mil habitantes, é uma das cidades mais ricas da Bahia. Com a chegada do Metrô, a construção de um novo shop­ ping e diversos empreendimentos, o município tornou-se “a menina dos olhos dos políticos”. Mas o que o cidadão laurofreitense de bem espera é que este intenso crescimento econômico seja acompanhado de políticas sociais eficazes, na área da educação, cultura, saúde, meio ambiente e planejamento urbano, caso contrário, perderemos o sentido maior da nossa emancipação: crescer com qualidade! Tássio S. Cardoso (Revelat) é historiador e Mestrando em Educação pela UNEB.

Praça da Matriz, nos anos 1960


NOSSA OPINIÃO

DISTÚRBIOS DE PERSONALIDADE A volta da ameaça da poliomielite – a chamada paralisia infantil – quase 30 anos depois de erradicada, é resultado de uma soma de erros e negligência, tanto das autoridades como das famílias. Se aos governos cabe disponibilizar e exigir a vacinação de todas as crianças, aos pais e outros responsáveis compete levar os filhos aos postos de saúde – uma obrigação legal que muitos parecem desconhecer (leia matéria nas páginas 12 à 16). Há ainda a criminosa disseminação de boatos contra as vacinas em redes sociais, instigando um medo irracional em adultos que precisam ser reeducados e “vacinados” contra o festival de besteiras que assola o Whatsapp. Primeiro, é necessário insistir que as vacinas são seguras, que não causam qualquer dano e são absolutamente necessárias. Não apenas para proteger uma criança, mas todas as crianças que possam vir a ser contaminadas pelo descaso de uma só família. Aqui, o senso de comunidade torna-se ainda mais relevante. Ninguém é uma ilha, principalmente quando se fala de saúde pública. Depois, é preciso mostrar às pessoas que uma informação que chega pelo Whatsapp, Facebook ou coisa que o valha, sem uma fonte confiável claramente definida, dificilmente corresponde à verdade e só merece desconfiança. Nenhuma fofoca de grupo de Whatsapp substitui a informação de fonte credível, proveniente das autoridades competentes ou de meios de comunicação profissionais. Numa era em que a medicina já resolveu a maioria das pragas que assolavam a humanidade, incluindo a poliomielite, o desafio científico passou à esfera da comunicação. A desinformação é hoje a regra. A mentira é sempre mais atraente do que a verdade porque é produzida com as cores do escândalo, do superlativo, do dedo apontado em suposta superioridade – como nas vilas de interior de antigamente. Não se trata sempre de má-fé, mas quase sempre de distúrbios de personalidade. Há pessoas que realmente acreditam em fantasias e passam a disseminá-las, até sem se dar conta do dano que causam, muitas vezes pensando fazer o bem. Há pessoas que criam e alimentam teorias conspiratórias, talvez de forma a preencher vazios existenciais ou intelectuais. Muitas vezes apenas para socializar, pertencer, dão asas à imaginação e identificam uma ameaça oculta em cada esquina. Nada disso é novo. Sempre foi essa a dinâmica do pensamento subnormal. Mas também nada disso era especialmente danoso, em tempos idos, porque a difusão de bobagens ficava restrita a pequenos grupos isolados da grande aldeia global em que vivemos hoje. Na posse de um celular conectado à Internet, qualquer um se transforma em difusor de desinformação. Os danos causados por essa atitude são hoje, cada vez mais, punidos. A essa realidade também é necessário dar maior publicidade. RECUPERAÇÃO O retorno de Lauro de Freitas à primeira posição do Indice Firjan no quesito “Emprego & Renda” na Bahia é um importante indicador de que a cidade se encontra preparada para a retomada econômica que já começou. Os problemas sociais não desapareceram por causa disso, a pobreza e a desigualdade seguem sendo um desafio para qualquer Carlos Accioli Ramos Diretor-editor governante – e para a sociedade – e a segurança pública permanece longe de índices aceitáveis, mas economicamente somos quase uma ilha de prosperidade na Bahia. É essencial manter isso em mente no delicado momento da retomada econômica no país. Dias melhores chegaram e melhores ainda virão. Agosto de 2018 | Vilas Magazine | 3


CENAS DA CIDADE VAI MAL

VAI BEM

A esquina das ruas Praia do Janga e Praia de Igarassu, em Vilas do Atlântico, continua abandonada pela limpeza pública de Lauro de Freitas. “Quem varre a rua são os moradores”, denuncia Rejane Castro, que tem residência no local. Ela conta que o entulho e lixo depositados na esquina – e próximo a um córrego – vai fazer aniversário este mês. “Desde agosto de 2017 eu solicito a limpeza”, sempre sem sucesso, conta a moradora.

Segue acelerada a construção da estação de transbordo para a estação Aeroporto do metrô. Depois de pronta, vai canalizar mais passageiros do transporte rodoviário e viabilizar a extensão da linha 2 até a estação Lauro de Freitas.

A revista de Lauro de Freitas & Região

www.vilasmagazine.com.br Facebook: VilasMagazine.Online Instagram: @VilasMagazine Publicação mensal de propriedade da EDITAR - Editora Accioli Ramos Ltda Rua Praia do Quebra Coco, 33. Vilas do Atlântico. Lauro de Freitas. Bahia. CEP 42708-790. Tels.: 0xx71/3379-2439 / 3379-2206 / 3379-4377 Diretor-Editor: Carlos Accioli Ramos (diretoria@vilasmagazine.com.br) Dire­to­ra: Tânia Ga­zi­neo Accioli Ramos Gerente de Negócios: Álvaro Accioli Ramos (comercial@vilasmagazine.com.br) Assistentes: Leandra Almeida e Vanessa Silva (comercial@vilasmagazine.com.br) Gerente de Produção: Thiago Accioli Ramos. Assistente: Bruno Bizarri Administrativo/Financeiro: Miriã Morais Gazineo (financeiro@vilasmagazine.com.br) Assistente: Leda Beatriz Gazineo (comercial@vilasmagazine.com.br) Distribuição: Álvaro Cézar Gazineo (responsável) Tratamento de imagens e CTP: Diego Machado Redação: Rogério Borges (DRT 6851/MG), coordenador Colaboradores: Jaime Ferreira (articulista), Thiara Reges (freelancer), Raymundo Dantas PARA ANUNCIAR: comercial@vilasmagazine.com.br Tels.: 0xx71 3379-2439 / 3379-2206 / 3379-4377 CONTATO COM A REDAÇÃO: redacao@vilasmagazine.com.br TIRAGEM: 32 MIL EXEMPLARES. Im­pressão: Log & Print Gráfica e Logística S. A. (Vinhedo/SP)

Revista mensal de serviços e facilidades, distribuída gra­tuitamente em todos os domicílios de Vilas do Atlântico e condomínios residenciais de Lauro de Freitas, Es­trada do Coco e região (Busca Vida, Abran­tes, Ja­uá, Ja­cuí­pe, Gua­ra­juba, Stella Maris, Pra­ia do Flamengo e parte de Itapuã). Disponível também em pontos de distribuição criteriosamente selecionados na região. As opiniões expressas nos artigos publicados são de responsabilidade de seus autores e não refletem, necessariamente, as da Edi­tora. É proibida a reprodução total ou parcial de matérias, gráficos e fotos publi­cadas nesta edição, por qualquer me­ io, sem autorização expressa, por escrito da Editora, de acordo com o que dispõe a Lei Nº 9.610, de 19/2/1998, sobre Di­reitos Autorais. A revista Vilas Magazine não tem qualquer responsabilidade pelos serviços e produtos das empresas anunciados em suas edições, nem assegura que promessas divulgadas como publicidade serão cumpridas. Cabe ao leitor avaliar e buscar informações sobre os produtos e serviços anunciados, que estão sujeitos às normas do mercado, do Código de Defesa do Consumidor e do CO­NAR – Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária. A revista não se enquadra no conceito de fornecedor, nos termos do art. 3º do Código de Defesa do Consumidor e não pode ser responsabilizada pelos produtos e serviços oferecidos pelos anunciantes, pela impossibilidade de se deduzir qualquer ilegalidade no ato da leitura de um anúncio. No entanto, com o objetivo de zelar pela integridade e cre­di­ bilidade das mensagens publicitárias publicadas em suas edições, a Editora se reserva o direito de recusar ou suspender a vei­culação de anúncios que se mostrem enganosos ou abusivos, por constrangimentos causados ao consumidor ou empresas. A revista Vilas Magazine u­ti­liza conteúdo edi­to­ri­al fornecido pela Agência Fo­lhapress (SP). Os títulos Vilas Ma­­gazine e Boa Dica – Facilidades e Serviços, constantes desta edição, são marcas regis­tradas no INPI, de propriedade da EDITAR – Editora Accioli Ramos Ltda.

4 | Vilas Magazine | Agosto de 2018

1


Registros & Notas BODAS DE OURO Maria Arleyde e João Barreto renovaram os votos declarados um para o outro, olho no olho, quando casaram em 26 de junho de 1968, na acolhedora Ibicaraí, cidade da

região cacaueira do sul da Bahia, de onde são filhos. A igreja de São Francisco, em Buraquinho, repleta de familiares e amigos do casal, foi o cenário para essa renovação, durante missa de Ação de Graças pelas Bodas de Ouro, celebrada na manhã de 8 de julho.

E

S I G A

E M

NOVOS DIRETORES Hendrik Aquino, Sérgio Bastos e Eduardo Athayde (abaixo, a partir da esq.), os novos diretores do Comitê da Bacia do Recôncavo Norte e Inhambupe, eleitos em julho, como vice-presidente, presidente e secretário, respectivamente. O Comitê é um órgão colegiado de natureza consultiva e deliberativa, vinculado ao Conselho Estadual de Recursos Hídricos - CONERH, com área de atuação na respectiva bacia (ou em um conjunto de bacias hidrográficas).

F R E N T E .

LAURO DE FREITAS

3379 4425

Agosto de 2018 | Vilas Magazine | 5

180615N1-VdoAtlantico-182x120cm.indd 1

15/06/2018 20:12


Registros & Notas VISITA O novo gerente geral da agência 4340 do Banco do Brasil, em Lauro de Freitas, Rodrigo Pamponet Moreira visitou a revista Vilas Magazine, acompanhado pela gerente de Pessoa Jurídica da instituição, Mara Rúbia Santana. Com 18 anos de carreira, Rodrigo veio transferido da agência 2967, do Comércio, em Salvador, trazendo na bagagem a proposta de estreitar ainda mais o relacionamento do Banco do Brasil com a comunidade empresarial e correntistas de Lauro de Freitas, com o apoio da qualificada equipe da agência. A BOFETADA ESTENDE A Cia Baiana de Patifaria faz mais duas apresentações, no Cine Teatro de Lauro de Freitas, de A Bofetada, espetáculo que está em cena há 30 anos na Bahia. Acontece nos dias 10 e 11 de agosto, sexta e sábado, às 20h, com ingressos a R$ 50 e meia entrada disponível. Os “patifes” Mário Bezerra, Marcos Barretto, Rodrigo Villa e Lelo Filho começaram a turnê 2018 no mês passado, em Lauro de Freitas. Como é de costume, as manchetes do noticiário brasileiro se misturam a bordões. Assistido por mais de dois milhões de espectadores até hoje, o espetáculo tem esquetes assinados por Mauro Rasi, Miguel Magno e Ricardo de Almeida. Lelo Filho assina a direção com o diretor assistente Odilon Henriques a partir da concepção original de Fernando Guerreiro. No primeiro esquete, “O Calcanhar de Aquiles” – extraído de Pedra, a tragédia, de Mauro Rasi, traz a atriz decadente

LIONS CLUB LAURO DE FREITAS O advogado Eliano Barrosos de Souza, é mais uma vez conduzido à presidência do Lions Club Lauro de Freitas Quatro Estações. Fazem parte da sua gestão, as associadas Gleice Baptista (secretária), Valquíria Menezes (tesoureira), Ulyana Baptista (diretora de associado) e Eva de Barros (diretora social). A governadora do Distrito 4550 do Rotary, Anaci Paim, prestigiou o evento de posse (na foto, ao centro, com Eliano Barroso e Gleice Baptista).

Eleonora, interpretada pelo ator Mário Bezerra. Ela obriga a crítica de teatro Vânia Leão (Marcos Barretto) e a namorada Dirce (Rodrigo Villa) a assistirem sua montagem apoteótica, na qual interpretará sozinha 60 personagens de uma tragédia grega. Os dois outros esquetes, extraídos de “Quem tem medo de Itália Fausta”, são assinados por Miguel Magno e Ricardo de Almeida. Em “O Ponto e a Atriz”, vários gêneros teatrais são ironizados ao resgatar a função do ponto, figura que lembrava o texto para as divas das grandes companhias de teatro. No último esquete, “Fanta e Pandora”, o ensino do teatro é o foco central e o público é transformado em personagem com quem as duas professoras universitárias, Fanta Maria (interpretada por Lelo Filho desde 1988) e Pandora Luzia (Rodrigo Villa) interagem numa improvável aula sobre a influência de dois fonemas no teatro javanês, durante os últimos 15 anos do século 12 antes de Cristo.

CAFÉ COM PSICOLOGIA O sábado, 21 de julho, foi dia de falar de aposentadoria e envelhecimento. O tema foi abordado durante o Café com Psicologia, encontros realizados pela psicóloga Regina Dantas, sobre temas de nosso dia a dia. Para esse encontro, ela recebeu também a fonoaudióloga Lilyan Nogueira, para ampliar o leque de abordagens. O próximo encontro será sobre Psique, corpo e cura: um caminho para a integração, com o psicólogo Breno Gama. Acompanhe a agenda pelo site www.clinicadepsicologiadg.com.br 6 | Vilas Magazine | Agosto de 2018

DINEY ARAÚJO


DEGUSTAÇÃO NO SUI

AS BAIANINHAS Carol e Luara (dir.), mãe e filha, revezam com simpatia e excelência o atendimento do espaço A Baianinha Café Bistrô, em Vilas do Atlântico. O lugar oferece ótimas opções para um café acompanhado com iguarias deliciosas – beijus, cuscuz, bolos, tortas, omeletes, dentre outras – servidas num ambiente aconchegante, decorado com artesanatos de várias regiões (acima).

O Restaurante SUI, lança o menu degustação, todas as quintas-feiras, à partir das 20 horas, com ênfase no regionalismo. Comandado pelo chef ítalo-brasileiro Aurélio Agazzi (dir.), mestre em descobrir e misturar sabores, o lugar tem surpreendido amantes do comer bem, com a sua culinária autoral à base de peixes, crustáceos, moluscos, raízes e frutas brasileiras, associados à ingredientes e técnicas da cozinha italiana e oriental. O menu degustação do Restaurante SUI (Aero Empresarial - Estrada do Coco) não consta do cardápio normal, é inspirado no regionalismo, fazendo um resgate dos ingredientes e receitas de nossos antepassados. Os serviços de degustação variam entre um shot, entradas, pratos principais e sobremesas, que podem ser acompanhados pela ótima e acessível carta de vinhos. Os garçons explicam o conceito do menu em todas as mesas, com a supervisão atenta do chef Aurélio.

MOSTRA IPITANGA DE DANÇA Idealizado e dirigido pela bailarina Leila Gomes, produtora e diretora de coreografia, a primeira Mostra Ipitanga de Dança (MID) acontece nos dias 25 e 26 deste mês no Cine Teatro de Lauro de Freitas, com produção executiva de Eri Souza. A parceria já rendeu espetáculos como “O avesso de um corpo” e “Os intervalos da filha do meio”. O homenageado desta primeira edição é o maître de balé e coreógrafo Carlos Moraes (1945 - 2015 - foto), gaúcho radicado na Bahia desde a década de 70 um dos fundadores do Balé Teatro Castro Alves (BTCA). Um “troféu em forma de arte” foi especialmente criado pelo artista Jorge Alberto, morador de Portão. Estão previstas apresentações de grupos e companhias de dança de diversas vertentes artísticas, além de “palestras dançantes”, workshops para bailarinos e oficinas de dança para professores. O objetivo, de acordo com a organização, é “explicitar a produção em dança da cidade de Lauro de Freitas” e da região, além de “prestar homenagens a artistas da dança e professores” pela formação de novos talentos. FESTIVAL GASTRONÔMICO A chef Maria das Graças, da Casa di Vina, no Farol de Itapuã, é uma das participantes da segunda edição do Festival Cultural e Gastronômico Tempero Bahia, que acontece de 15 à 26 deste mês, prometendo atravessar a cidade, de Stella Maris até Santo Antônio Além do Carmo, com muito tempero e novidades.

ABR ARTES PROMOVE CONCURSO Com o objetivo de valorizar a expressão artística de novos talentos, a ABR Artes realiza o seu primeiro 1º CONCURSO DE PINTURA SOBRE TELA PARA NOVOS TALENTOS, que terá como temática “O Corpo Humano Transcendente”. Entendemos que “transcendente” é um adjetivo que demonstra algo que não é comum, que está além dos limites convencionais ou que é considerado superior. O transcendente é o que está além do conhecimento concreto e que não se baseia somente em dados e conclusões metódicas. São sinônimos da palavra: sobrenatural, nobre, divino, sublime, extraordinário, superior, especial, celestial.  O evento tem apoio da ECOHIT Wellness Club, Vitafísio – Centro de Aperfeiçoamento em Fisioterapia e Pilates, ZMT – JiuJitsu e MMA e da revista Vilas Magazine. Inscrições até o dia 17 de agosto. Mais informações pelo e-mail abrartes.com.br@gmail.com ou WhatsApp 71 99980-8233.

Agosto de 2018 | Vilas Magazine | 7


q CIDADE

Obra da Passarela das Flores garante espaço de ambulantes

A

obra de requalificação da Passarela das Flores, na altura do conjunto Clériston Andrade, na avenida Santos Dumont, antiga Estrada do Coco, já foi iniciada. Uma das rampas de acesso à passarela está interditada. Segunda a prefeitura, 1.800 pessoas por hora circulam na passarela. O secretário municipal de Infraestrutura, Vidigal Cafezeiro, explicou que a reforma será realizada por etapas para que haja o mínimo possível de interferência na rotina dos pedestres e ambulantes que utilizam a passarela. “Iniciamos a reforma pela área que avaliamos com maiores avariais”, disse Vidigal, garantido que “nem os pedestres, nem os vendedores ambulantes que retiram seu sustento na passarela serão afetados”. Quando a primeira etapa for concluída, os ambulantes serão remanejados para áreas liberadas ao trânsito de pessoas. Orçada em R$ 200 mil, a obra inclui reforma dos pisos em pré-moldados que cobrem as rampas de acesso e o vão central e a troca dos perfis e recuperação da rede elétrica, além de pintura. Não foi informado o prazo para conclusão. A prefeitura planeja instalar A prefeita Moema três novas passarelas na aveni- Gramacho e o secretário da Santos Dumont, “em locais Vidigal Cafezeiro (esq.) reivindicados pela população” conversam com ambulante e que já estão em fase de licita- na Passarela das Flores: espaço garantido ção, com edital em curso. LUCAS LINS

8 | Vilas Magazine | Agosto de 2018

Reunião definiu roteiro educativo com base no ecoturismo

Roteiro ecoturístico valoriza comunidade quilombola

F

ruto de pesquisa de mestrado desenvolvida na Universidade do Estado da Bahia (UNEB), o professor Tássio Cardoso criou uma “agenda baseada no ecoturismo” em conjunto com outros professores, “gestores culturais e quilombolas”, reunidos na “Casa do Samba”, no Quingoma. Trata-se de um roteiro ecoturístico “que inicialmente contemplará professores da região e no segundo momento estudantes e turistas”, diz o professor. Está marcado para o dia 25 deste mês, a realização de uma experiência piloto para as visitas, que devem começar em setembro, com a expectativa de que o ecoturismo “possa fortalecer as tradições e gerar renda para a comunidade”. Intitulada “Vozes do Quingoma”, a pesquisa busca “identificar e refletir sobre as práticas sociais que há no Quingoma, sejam elas econômicas, culturais, políticas, educativas”. Na primeira parada do roteiro, o público participará de diversas atividades na “Casa do Samba”, “um dos espaços culturais mais importantes da comunidade”, de acordo com o professor. Cine Quilombo, Vivência com o Samba, e uma “atividade de sensibilização histórico-ambiental sobre a importância da gameleira para a comunidade” são algumas das propostas. Uma segunda parada está prevista “na Reserva Thafene, onde serão feitas atividades relativas a pintura corporal, vivência do Tore e uma Trilha Interpretativa”. No final da manhã o grupo retorna para a Casa do Samba para um almoço “baseado na culinária quilombola, com galinha caipira, vaca atolada, feijão verde, beiju, entre outros ingredientes”. A programação da tarde começa num “Espaço Cultural” onde os participantes “terão a oportunidade de assistir uma apresentação cultural sobre a História do Quingoma, fazer uma segunda Trilha Interpretativa, tendo em vista


Feira leva saúde e cidadania para Vila Nova de Portão

LUCAS LINS

um maior conhecimento acerca da fauna e a flora locais e depois eles participarão de uma roda de contação de Histórias”. A quarta e última parada será no Terreiro de Pai Manoel, onde haverá uma Mostra de Dança Afro, Capoeira e Maculelê. No encerramento da programação acontece um “plantio simbólico e manutenção de uma horta comunitária”. Fazem parte do “Coletivo Quingoma”, instância da sociedade civil organizada e responsável pelo projeto do ecoturismo, lideranças quilombolas e indígenas, representantes de escolas e creches do Quingoma, professores e pesquisadores universitários.

Profissionais de saúde atendem moradores

A

sétima edição do Projeto Mais Saúde Perto de Você, em parceria com a Feira Cidadania em Ação, levou diversos atendimentos às comunidades de Vila Nova de Portão no mês passado. Além de exames, atendimentos jurídicos e orientações de serviços sociais, os moradores participaram de palestras sobre nutrição e cuidados de odontologia. A prefeita Moema Gramacho (PT) destacou que o objetivo da ação é alertar a população para a necessidade da prevenção de doenças. “É bem melhor cuidar para não ficar doente do que depois ter que tratar a doença”, lembrou. Promovida pela secretaria de Saúde, a Feira Mais Saúde oferece estandes com orientação nutricional, cálculo de índice de

massa corpórea, palestra e aplicação de flúor com dentistas, distribuição de repelentes e hipocloritos, confecção de cartão SUS, vacinação de cães e gatos e humana, trailers equipados com os aparelhos necessários ofereciam exames preventivos e testes rápidos para HIV, sífilis e hepatite B, além de consultas com médicos clínicos e pediatras. Já quem procurou atendimento nos boxes da Feira Cidadania em Ação, promovida pela secretaria de Desenvolvimento Social e Cidadania, pôde receber orientações sobre o programa Bolsa Família. O Departamento da Pessoa Idosa levou cartões e panfletos explicativos sobre o Benefício de Prestação Continuada, o Estatuto do Idoso. O Departamento da Criança e do Adolescente reforçou a campanha de combate à exploração sexual infantil.

garanta já sua reserva para o dia dos pais Venha conhecer o noSSO NOVO cardápio ainda mais completo! menu degustação todas as quintas à noite

Faça sua reserva

(71) 99611-1009

Funcionamento de quinta a domingo | Almoço e jantar | Espaço privativo para eventos ESTACIONAMENTO GRÁTIS PARA CLIENTES DO RESTAURANTE SUI

restaurantesui

suirestaurante / www.restaurantesui.com.br Agosto de 2018 | Vilas Magazine | 9


A prefeita Moema Gramacho no encontro com co­man­dantes da PM: crítica aos índices nacionais.

RAFAEL MAGNO

q CIDADE

Segurança pública aponta redução de 14% de mortes violentas em Lauro de Freitas

N

os quatro primeiros meses deste ano foram contabilizados 1.993 homicídios na Bahia, contra 2.322 no mesmo período do ano passado. Os números foram divulgados pela prefeitura de Lauro de Freitas, no mês passado, atribuídos à Secretaria de Segurança Pública do estado. As 329 mortes a menos foram destacadas pela prefeita Moema Gramacho (PT), durante encontro que reuniu os comandantes das Companhias Independentes da Polícia Miliar (CIPM) que atuam na região. O objetivo era avaliar a efetividade das ações e traçar metas para o segundo semestre. Ainda de acordo com a prefeitura, o índice de mortes violentas – homicídio, latrocínio e lesão dolosa – fechou o primeiro semestre de 2018 com uma redução de 14% na Região Metropolitana de Salvador (RMS). Para o segundo semestre é esperada uma redução de mais 6% nas mortes violentas, mas a meta da Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP-BA) é atingir mais 12%. A redução dos índices foi comemorada por Moema Gramacho, que parabenizou as equipes e destacou o esforço coletivo para a redução dos índices. A prefeita criticou a metodologia de pesquisas nacionais que apontam Lauro de Freitas entre as cidades mais violentas do país. “Se realmente aqui fosse o lugar mais violento o Exército estaria ocupando nosso município e não o Rio de Janeiro, como ocorre”, argumentou. De acordo com a prefeitura, 250 câmeras monitoram os bairros e principais praças e avenidas de Lauro de Freitas, 24 horas por dia. Os aparelhos enviam imagens em tempo real à central, onde policiais civis e militares e guardas municipais podem acionar a intervenção policial diante de “qualquer suspeita de irregularidade de conduta ou tentativas criminais”. Até o final do ano mais 700 unidades devem entrar em funcionamento. Também no mês passado, a cidade recebeu o primeiro núcleo na RMS da Ronda Maria Penha, que atende mulheres vítimas de violência doméstica sob medida protetiva. O núcleo funciona na sede da Secretaria Municipal de Políticas para Mulheres, em Vilas do Atlântico. 10 | Vilas Magazine | Agosto de 2018

Vacinação contra a raiva animal prossegue mesmo depois da campanha

A

prefeitura de Lauro de Freitas reforçou a Vacinação Antirrábica Animal desde o mês passado com uma campanha de imunização de cães e gatos que segue até este mês, em vários pontos da cidade, das 9h às 15h. Mas mesmo depois da campanha é possível vacinar os animais, de segunda a sexta-feira, no Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), que fica na rua José Leite, nº 90, em Itinga, com atendimento de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 13h às 15h30. O telefone do CCZ é (71) 3288-8912. As equipes de vacinação também atendem a domicílio, quando o proprietário tem dificuldade física para locomoção física ou muitos cães ou gatos para vacinar. Pelo menos no ano passado, para atender a população que não tem acesso aos locais de vacinação ou não sabe onde as equipes operam, o CCZ realizou ações itinerantes em condomínios. De acordo com a prefeitura, a campanha serve para chamar a atenção e dar um reforço no controle da doença, mas a imunização de cães e gatos é constante. No ano passado, 21.751 cães e 8.326 gatos foram imunizados contra a doença. Para serem vacinados, os animais devem ter mais de três meses de idade e não podem estar doentes. Além disso, as fêmeas recém-paridas só podem ser vacinadas 15 dias depois do resguardo. O tutor deve levar o cartão de vacina do seu animal. A secretaria de Saúde chama a atenção da comunidade para a importância da vacinação, já que o vírus rábico está em circulação no município. Foram confirmados laboratorialmente quatro casos de morcegos e de um cão positivo para raiva. A secretaria lembra que a vacinação é a única forma de quebrar a cadeia epidemiológica de transmissão, impedindo que o vírus alcance a população humana, grupo em que a raiva é fatal. A raiva é transmitida pela saliva do animal doente em contato com a pele, por meio de mordidas, arranhões ou mesmo lambidas. Os principais sintomas incluem a mudança de comportamento do animal, que passa a babar muito e que pode ficar muito bravo, a dificuldade de engolir e a paralisia das patas traseiras, além do latido diferente. Vacinação de cães e gatos também pode ser feita em domicílio


Serviço odontológico da USF foi ampliado

Seminário discute redes e tecnologia nas regiões metropolitanas da Bahia

LUCAS LINS

P

Unidade de Saúde ganha novo espaço e amplia serviços

U

ma nova Unidade de Saúde da Família (USF) foi aberta em Lauro de Freitas, desta vez o da Cidade Nova, em Itinga. A USF funcionava antes na rua Alfa, mas ganhou novo espaço na rua Floriano Peixoto, para ampliar os serviços oferecidos à população. O imóvel foi construído na gestão passada por meio de contrapartida social, mas estava sem utilização. Parte dos equipamentos utilizados na unidade é fruto de emendas constitucionais da então deputada federal e hoje prefeita Moema Gramacho (PT) e da deputada estadual Mirela Macedo (PSD). O novo espaço da unidade já está em funcionamento, com atendimento de segunda a sexta-feira, das 7h às 16h. A USF Cidade Nova mantém todas as especialidades da antiga sede com ampliação do atendimento odontológico e oferta do serviço de curativos, que não havia. A unidade dispõe de sete consultórios médicos, três consultórios odontológicos, uma sala de vacina, sala de procedimentos, sala de reunião, copa e recepção, além de banheiros e salas administrativas.

rogramado acontecer dias 1º e 2 deste mês, em Lauro de Freitas, o “Seminário de Integração Metropolitana de Redes e Tecnologias”, realizado pela AP&S Eventos e Produções, conta com o apoio da Secretaria de Planejamento de Lauro de Freitas. O titular da pasta, Mauro Cardim, também curador técnico do evento, esteve na redação da Vilas Magazine, para falar do evento, sendo recebido pelo diretor-editor, Carlos Accioli Ramos. Segundo Cardim, objetivo do seminário é “promover o debate técnico” sobre “redes e tecnologias no ambiente metropolitano do estado da Bahia”. A intenção é “promover a convergência e integração de servidores, fornecedores, agentes públicos e privados em torno de uma agenda proativa capaz de agilizar a criação de uma ‘cultura metropolitana’ de redes e tecnologias no estado da Bahia”. Serão cinco “seminários estratégicos” até o final do ano. Depois desta primeira edição, serão realizados outros, em Feira de Santana, dia 5/9; em Ilhéus e Itabuna, dia 28/9; em Vitória da Conquista, dia 9/11 e o último, dia 7/12, em Barreiras. Ao final de cada seminário deverá ser elaborada uma “carta técnica” sintetizando todas as conO secretário Mauro Cardim, em visi­ta tribuições coletivas possíveis para à diretoria da revista Vilas Magazine cada região metropolitana envolvida. A expectativa é que se tornem “referências técnico-acadêmicas para gestores e autoridades públicas do setor”. Os palestrantes anunciados até o fechamento desta edição da Vilas Magazine (27/7) incluem, além do próprio Mauro Cardim, a prefeita Moema Gramacho (PT), o ministro de Ciência e Tecnologia Gilberto Kassab e o secretário de Inclusão Digital do ministério, Américo Bernardes. Fulvio Machado, presidente da Coelba, a promotora Cristina Seixas, do Ministério Público Estadual e o jornalista Walter Pinheiro, presidente da Associação Baiana de Imprensa, também foram anunciados. Completam a lista de palestrantes três secretários de estado da Bahia – Marcus Cavalcanti, Vicente Neto e Rodrigo Hita – além do presidente da Assembleia Legislativa, pré-candidato ao Senado, Ângelo Coronel (PSD). A organização lista, entre os participantes, provedores de serviços de comunicação multimídia da Bahia, operadoras de telefonia e servidores públicos ligados à área, agências reguladoras (ANATEL e ANEEL), prefeituras, estado, governo federal e Rede Nacional de Ensino e Pesquisa – ligada ao Ministério de Ciência e Tecnologia, além de entidades acadêmicas e técnicas da Bahia. A organização lista “UFBA, UNEB, SENAI-CIMATEC, IFBA, Softex e afins”. Agosto de 2018 | Vilas Magazine | 11


q CIDADE

Baixa cobertura vacinal contra a poliomielite acende alerta no país

O

s membros do Rotary Club Lauro de Freitas vão fornecer transporte às equipes da Secretaria Municipal de Saúde durante a campanha de vacinação contra a poliomielite e o sarampo, que acontece entre 6 e 31 de agosto. O trabalho voluntário da instituição insere-se na campanha mun-

dial pela erradicação da poliomielite que o Rotary International realiza desde os anos 80. Desde o lançamento da campanha Pólio Plus, houve uma queda de 99% no número de casos da doença em todo o mundo, sendo que o vírus só continua endêmico em três países: Afeganistão, Nigéria e Paquistão. A Governadora do Distrito 4550 do Rotary, Anaci Paim, que lidera mais mil membros em 34 cidades e 52 clubes, adiantou que a ideia é “adotar um posto de saúde para dinamizar a divulgação”, em articulação com as secretarias municipais de saúde. “Queremos envolver toda a comunidade rotariana”, disse. Os rotarianos vão apostar em faixas com a mensagem “quem ama vacina” e em visitas a residências na área do posto adotado para conscientizar. Pode haver também carros de som, carreatas e caminhadas destinadas a conscientizar a população para a necessidade de vacinar. Nas creches e pré-escolas, a proposta é que o tema seja discutido para eliminar os preconceitos e mitos contra a vacina. Com uma atuação voltada para melhorar as condições de vida, com viés humanitário, o Rotary

JOSÉ CRUZ / ABR

Criança toma a vacina, que é apenas uma gotinha também na campanha nacional deste mês 12 | Vilas Magazine | Agosto de 2018


ESTRUTURA PÚBLICA Em Lauro de Freitas estarão em ação as 38 equipes de Saúde da Família que habitualmente fazem o atendimento de saúde básica no município, mas havia a intenção de adicionar mais quatro para cobrir outras áreas da cidade. Durante a campanha de vacinação contra o vírus da gripe H1N1, no primeiro semestre, as equipes conseguiram cumprir a meta. A vacina contra o sarampo será a tríplice viral, que também protege contra caxumba e rubéola. Já contra a poliomielite, ou paralisia infantil, será administrada a vacina oral, em gota. A campanha visa imunizar as crianças que ainda não tomaram a dose ou não obtiveram resposta imunológica satisfatória à vacinação, mantendo assim elevada a cobertura vacinal, para redução dos riscos de reintrodução destas enfermidades no país. Até o fechamento desta edição (12 h de 27/7)não havia ainda um planejamento final sobre os locais em que a vacina será disponibilizada durante a campanha. Pelo menos os u

MARCELO CAMARGO / ABR

trata o combate à poliomielite com prioridade. “Já trabalhamos tanto para erradicar a doença, não podemos agora deixar que a doença volte”, conclui Anaci Paim.

O Zé Gotinha, personagem das campanhas de vacinação anti-pólio, muito popular nos anos 80 e 90

Agosto de 2018 | Vilas Magazine | 13


q CIDADE

cinco distritos sanitários de Lauro de Freitas com 42 creches e escolas estarão incluídos. Regina Coeli, diretora de Vigilância em Saúde do município, destaca que a preocupação é imunizar efetivamente todas as crianças de 1 a 4 anos, inclusive nas escolas particulares e nas áreas que ainda não são atendidas pelas equipes regulares. A principal dificuldade das autoridades de saúde, além do transporte das equipes, é convencer as famílias da necessidade de vacinar as crianças – o que depende da autorização dos pais, mesmo quando elas frequentam uma creche. Em outros casos, é necessário ir até as residências aplicar as vacinas. Além do atendimento vacinal de rotina, as equipes de Saúde da Família a cada mês focam uma doença para trabalhar mais intensamente. Em julho foi a vez do combate aos vírus da hepatite. Também nacionalmente, a preocupação em agosto é recuperar a taxa de cobertura vacinal contra a poliomielite. Lauro de Freitas não faz parte da lista de risco, nem qualquer cidade da Região Metropolitana de Salvador, mas há 312 municípios em todo o país com risco de surto de poliomielite, com destaque para a Bahia. No estado, 63 municípios imunizaram menos de 50% das crianças – de acordo com dados do Ministério

da Saúde. A ameaça, segundo o ministério, existe em todas as cidades com coberturas vacinais abaixo de 95%, mas está mais crítica nessas localidades. Até o fechamento desta edição (27/7), a prefeitura de Lauro de Freitas não havia informado taxa de cobertura vacinal do município. A lista dos municípios em risco foi divulgada pela coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Carla Domingues, durante reunião no final de junho. Há 28 anos o Brasil não registra casos da doença, mas o risco de retorno da doença é grande por causa da resistência de pais e mães em vacinarem os filhos. “Temos que ter em mente que a vacinação é a única forma de prevenção da poliomielite e de outras doenças que não circulam mais no país”, disse Domingues. “Todas as crianças menores de cinco anos de idade devem ser vacinadas, conforme esquema de vacinação de rotina e na campanha nacional anual” – que acontece este mês. “É uma questão de responsabilidade social”, concluiu. Nos estados que estão abaixo da meta de vacinação, o Ministério da Saúde tem orientado gestores locais a organizar suas redes, inclusive com a possibilidade de readequação de horários mais compatíveis com a rotina da população. Com essa

VOLUNTARIADO Membros do Rotary Club Lauro de Freitas em reunião com Regina Coeli (dir.) e equipe da secretaria municipal de Saúde. 14 | Vilas Magazine | Agosto de 2018


preocupação, o atendimento em Lauro de Freitas não será interrompido durante o horário de almoço. Mas quem não puder levar as crianças para vacinar de segunda a sexta-feira terá que aguardar pelo dia D, sábado, dia 18 de agosto. Os pais e outros responsáveis pelas crianças têm a obrigação de atualizar as cadernetas de vacinação, em especial dos menores de cinco anos, conforme esquema de vacinação de rotina. “As vacinas ofertadas pelo SUS estão disponíveis durante todo o ano, exceto a da gripe que faz parte de uma campanha e exige um período específico de proteção, que é antes do inverno”, enfatiza Carla Domingues. Outra orientação é o reforço das parcerias com as creches e escolas, ambientes que potencializam a mobilização sobre a vacina por envolver também o núcleo familiar. Outro alerta constante é para que estados e municípios mantenham os sistemas de informação devidamente atualizados. Na Bahia, as parcerias vão contar com mais uma instituição, o Distrito 4550 do Rotary International, que tradicionalmente se mobiliza u A cantora Ivete Sangalo cedeu sua imagem para apoiar a campanha internacional do Rotary

APOIO A revista de Lauro de Freitas & Região

Agosto de 2018 | Vilas Magazine | 15


q CIDADE

para o combate à poliomielite. INFORMAÇÃO Para muitos especialistas, a baixa cobertura vacinal para a poliomielite vem da certeza de que a doença está erradicada. De fato, o Brasil está livre da poliomielite desde 1990. Em 1994, o país recebeu, da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), a Certificação de Área Livre de Circulação do Poliovírus Selvagem. Mas por isso mesmo é fundamental a manutenção das elevadas coberturas vacinais, acima de 95%. Embora o Brasil esteja livre da paralisia infantil desde 1990 é fundamental a continuidade da vacinação para evitar a reintrodução do vírus da poliomielite no país – e é esse o ponto fundamental que toda comunicação do assunto deve enfatizar. No início do século vinte, as doenças imunopreveníveis, como poliomielite e varíola, eram endêmicas no Brasil, causando elevado número de casos e mortes em todo o país. As ações de imunização e, especialmente os 44 anos de existência do Programa Nacional de Imunizações (PNI), foram responsáveis por mudar o perfil epidemiológico destas doenças no Brasil. Isso foi uma importante conquista da sociedade brasileira, ao demonstrar sua eficiência erradicando a febre amarela urbana, a varíola, bem como a eliminação da poliomielite, da rubéola, da síndrome da rubéola congênita e do sarampo. Além disso, reduziu drasticamente a circulação APOIO de agentes patógenos, responsáveis por doenças como a difteria, o tétano e a coqueluche.

e sua evolução, frequentemente, não ultrapassa três dias. Acomete em geral os membros inferiores, de forma assimétrica, tendo como principal característica a flacidez muscular, com sensibilidade conservada e arreflexia no segmento atingido. A transmissão ocorre por contato direto pessoa a pessoa, pela via fecal-oral (mais frequentemente), por objetos, alimentos e água contaminados com fezes de doentes ou portadores, ou pela via oral-oral, através de gotículas de secreções da orofaringe (ao falar, tossir ou espirrar). A falta de saneamento, as más condições habitacionais e a higiene pessoal precária constituem fatores que favorecem a transmissão do poliovírus. Causada por um vírus que vive no intestino, o poliovírus, a poliomelite geralmente atinge crianças com menos de quatro anos, mas também pode contaminar adultos. A maior parte das infecções apresenta poucos sintomas e há semelhanças com as infecções respiratórias com febre e dor de garganta, além das gastrointestinais, náusea, vômito e prisão de ventre. Cerca de 1% dos infectados pelo vírus pode desenvolver a forma paralítica da doença, que pode causar sequelas permanentes, insuficiência respiratória e, em alguns casos, levar à morte. TRANSMISSÃO E PREVENÇÃO A poliomielite não tem tratamento específico. A transmissão pode ocorrer de uma pessoa para outra por meio de saliva e fezes, assim como água e alimentos contaminados. No entanto, a doença deve ser prevenida por meio da vacinação. A vacina é rotineiramente aplicada nos postos da rede pública de saúde. A vacina contra a poliomielite oral trivalente deve ser administrada aos 2, 4 e 6 meses de vida. O primeiro reforço é feito aos 15 meses e o outro entre 4 e 6 anos de idade. Também é necessário vacinar-se em todas as campanhas.

A revista de Lauro de Freitas & Região

SOBRE A PÓLIO A poliomielite ou “paralisia infantil” é uma doença infectocontagiosa viral aguda, caracterizada por um quadro de paralisia flácida, de início súbito. O déficit motor instala-se subitamente 16 | Vilas Magazine | Agosto de 2018


Parque Shopping entrega edifícios para sediar o Centro Administrativo de Lauro de Freitas

O

Centro Administrativo de Lauro de Freitas, que já esteve projetado para a avenida 2 de Julho, vai ser instalado nos edifícios que antes abrigavam os escritórios do centro de distribuição da Insinuante na Estrada do Coco. A solução levou “um ano e meio de tratativas”, de acordo com a prefeita Moema Gramacho (PT). “O CALF não terá qualquer custo para os cofres públicos”, garantiu ela durante coletiva de imprensa no final de julho. Garantido por meio de Termo de Acordo e Compromisso (TAC) com os empreendedores do Parque Shopping Bahia, que está em construção no local, o futuro centro administrativo vai passar por reformas antes de ser entregue, mas essas também serão pagas pelo empreendimento. “O custo público será apenas do mobiliário”, disse a prefeita. Todas as secretarias municipais que hoje funcionam em prédios alugados serão relocadas para o CALF, permitindo economias com o aluguel dos espaços, além da sinergia própria de um prédio único. Só não serão realojadas as secretarias que já ocupam prédios

próprios, como a de Infraestrutura e a de Serviços Públicos. No térreo, de acordo com Moema Gramacho, será instalado um “mini SAC”. O Parque Shopping Bahia vai transferir os imóveis para o município como contrapartida social pela liberação do empreendimento. A Lei das Contrapartidas Sociais foi modificada, anos atrás, por meio de emenda do então vereador Lula Maciel (PT) e do vereador Antônio Rosalvo (REDE), para incluir os empreendimentos comerciais e industriais. Até então, só os residenciais eram obrigados a contribuir para a cidade. Marcos Ribeiro, representante do empreendimento e que assinou o TAC com a prefeitura, destacou a aposta no desenvolvimento que o novo shopping

Moema Gramacho e Marcos Ribeiro, do Parque Shopping Bahia: APOSTA NO DESENVOLVIMENTO representa. “Num momento de crise como este, nós apostamos principalmente neste vetor de desenvolvimento grande que é Lauro de Freitas”, disse. “Estamos desenvolvendo o maior shopping do Brasil hoje em construção” – e explicou que se trata de um “complexo multiuso”. E adiantou que “vamos atrair faculdades, provavelmente um hospital”, pedindo o apoio da população e da prefeitura de Lauro de Freitas.

Destacados no círculo em amarelo, os edifícios onde passará a funcionar a maioria das secretarias municipais

Agosto de 2018 | Vilas Magazine | 17


q CIDADE

IFDM Lauro de Freitas recupera melhor desempenho da Bahia no quesito de emprego e renda

18 | Vilas Magazine | Agosto de 2018

A

economia local recuperou em 2016 a primeira posição do estado no quesito emprego e renda – uma medida estatística do poder de compra dos moradores da cidade – depois de quatro anos na vice-liderança. A cidade foi líder na Bahia entre 2009 e 2011. A ascensão ao primeiro lugar representa uma evolução positiva do índice local, e não apenas uma piora dos indicadores dos outros municípios. Mesmo assim, o melhor ainda está por vir. Projeções da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) indicam crescimento contínuo do indicador no país a partir de 2017 – e o índice de Lauro de Freitas tem acompanhado as oscilações da média nacional desde 2005.


Ao que tudo indica, a economia local está bem posicionada para aproveitar o ciclo econômico positivo iniciado no ano passado. Até porque, o que é ainda mais surpreendente, a evolução do município local no ranking nacional, passando do 368º lugar em 2015 para o 42º em 2016. Os dados são do Indice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM) de 2018, uma referência no acompanhamento do desenvolvimento socioeconômico brasileiro que mede o desempenho dos municípios em três áreas: Emprego e Renda, Educação e Saúde. O índice utiliza exclusivamente estatísticas públicas oficiais. Para calcular o índice municipal de

Emprego e Renda, a Firjan leva em conta dados de geração de emprego formal, taxa de formalização do mercado de trabalho, geração de renda, massa salarial real no mercado de trabalho formal – e o índice de Gini de desigualdade de renda no trabalho formal. Apesar de ter recuperado a liderança em emprego e renda, Lauro de Freitas continua em segundo lugar no ranking geral, atrás de Luiz Eduardo Magalhães, no Oeste baiano – que tem desempenho melhor em Educação e Saúde. No ranking nacional dos três indicadores, Lauro de Freitas está em 761º lugar. No aspecto positivo, Lauro de Freitas avançou 7,2%

no índice geral. Na Educação, a Firjan computa dados oficiais sobre atendimento à educação infantil, abandono no ensino fundamental, distorção idade-série no ensino fundamental, docentes com ensino superior no ensino fundamental, média de horas-aula diárias no ensino fundamental e o resultado do ensino fundamental no IDEB. Já a Saúde inclui indicadores de proporção de atendimento adequado de pré-natal, óbitos por causas mal definidas, óbitos infantis por causas evitáveis e internação sensível à atenção básica (ISAB). A edição 2016 do IFDM traz comparações com outros anos da série u

Agosto de 2018 | Vilas Magazine | 19


q CIDADE

histórica, iniciada em 2005, mostrando o impacto da crise econômica sobre o desenvolvimento dos municípios brasileiros, com projeções sobre a evolução do desenvolvimento após a deterioração do cenário econômico observada a partir de 2013. De modo geral, o IFDM Emprego e Renda apresentou pequena recuperação frente a 2015 em todos os municípios, mas manteve-se em nível historicamente baixo. O relatório da Firjan calcula que “a crise foi tão severa que mesmo que o IFDM Emprego & Renda cresça nos próximos anos, com variação média de 1,5% – taxa média da vertente entre 2009 e 2012 – o país alcançará o nível de 2013 apenas em 2027”. Para a Firjan, “a crise custou mais de uma década de desenvolvimento para o mercado de trabalho formal dos municípios brasileiros”. Como o índice pode ser comparado ao longo dos anos, é possível determinar se a evolução decorre de políticas específicas ou se é reflexo da queda dos demais municípios. “A ênfase da leitura não deve apenas se restringir a uma questão de posição no ranking”, alerta o relatório, “mas sim de se verificar se, de fato, houve progresso” em dado período. DIVULGAÇÃO CNM

Glaudemir Arolde, presidente da Con­fede­ ração Nacional dos Municípios (CNM): faltam recursos públicos para a retomada

20 | Vilas Magazine | Agosto de 2018

EVOLUÇÃO POSITIVA Por esse ponto de vista, Lauro de Freitas apresenta evolução constante e positiva em dois indicadores desde 2005, quando o índice foi criado. Na Educação, o município decolou de um índice de 0,4141 há 13 anos para 0,7336 em 2016. Na Saúde, a cidade saiu de 0,7272 para 0,8253 na última medição. A leitura dos resultados é simples: o índice varia de 0 a 1, sendo que, quanto mais próximo de 1, maior o desenvolvimento local. Já o índice de Emprego e Renda, embora tenha recuperado a liderança na Bahia, vinha caindo desde 2009. O pior ano foi 2015, que apresentou um retrocesso relevante em relação ao ano anterior: uma queda no índice de 0,8154 para 0,6332. A recuperação de 2016, apesar de importante, ainda é o segundo pior desempenho de Lauro de Freitas desde 2005 – que foi o melhor ano de toda a série. Olhando para o futuro, o relatório da Firjan sublinha que o país “foi fortemente impactado pela crise econômica, com reflexos imediatos sobre o mercado de trabalho e a renda dos brasileiros” e que “o desenvolvimento dos municípios brasileiros regrediu três anos no tempo”, mas a recuperação já começou. “A principal questão posta nesse momento é a velocidade com que os municípios vão recuperar a condição que possuíam antes da crise”, continua a Firjan. “Essa resposta dependerá, sobretudo, das políticas macroeconômicas a serem implementadas, que influenciam diretamente na recuperação da confiança dos empresários e empregados e, consequentemente, na geração de emprego e renda”. A entidade empresarial defende que “o equilíbrio fiscal é importante não só para o reestabelecimento do equilíbrio macroeconômico, como também para a manutenção dos recursos que são direcionados para as políticas públicas municipais” – e condiciona a recuperação do desenvolvimento dos municípios à aprovação “das reformas previdenciária e tributária”. A crise também impactou os indicado-

Recuperação do emprego e renda em 2016 sinaliza fim da crise também em Lauro de Freitas res de Educação e Saúde, cuja evolução foi a menor dos últimos 10 anos, observa a Firjan. A “universalização da cobertura adequada do pré-natal só será atingida em 2029”, calcula – “caso seja mantido o crescimento observado no último triênio”. A meta de atendimento da educação infantil só seria alcançada em 2035. Para a Firjan, o problema não é a falta de recursos, já que boa parte do dinheiro público direcionado para educação e saúde, por exemplo, leva em conta o número de pessoas atendidas nessas áreas. “Ou seja, a principal barreira para o desenvolvimento dos municípios é a gestão mais eficiente dos recursos” defende a entidade. “Dessa forma, acelerar o desenvolvimento no interior do país passa por uma política ampla de capacitação e aprimoramento dos gestores públicos, sobretudo, nas regiões menos desenvolvidas”, diz o relatório. A Confederação Nacional dos Municípios (CNM), no entanto, contesta esse diagnóstico. Para o presidente da entidade, Glaudemir Arolde, faltam recursos públicos para os municípios atenderem a população. Segundo ele, ao longo dos últimos anos, a União e os estados transferiram responsabilidades aos entes municipais sem a devida contrapartida em termos financeiros. “A legislação prevê que 15% do orçamento


dos municípios deve ser aplicado em saúde. Na média, hoje em dia, os municípios estão gastando 24% do seu orçamento de saúde”, exemplifica. A justificativa é a elevação dos gastos causada pela defasagem no repasse de programas federais e nas decisões judiciais que impõem obrigações de atendimento aos municípios que, de acordo com ele, muitas vezes se refere a atendimentos de média e alta complexidade – uma atribuição dos governos estaduais e federal. “Na verdade, a gente acaba fazendo atendimentos em áreas e ações que não são da nossa responsabilidade, e prejudicando a atenção básica de saúde”, argumenta. Arolde cita a grave crise econômica dos estados, que estariam atrasando o repasse para o pagamento de programas de saúde nos municípios. Ele também dá o exemplo do Programa Saúde da Família, um convênio da União com municípios, adotado pela grande maioria das prefeituras. O governo federal transfere R$ 7 mil para as cidades com mais de 30 mil moradores.

O recurso é para auxiliar na contratação de grupos de médico, enfermeiros e agentes de saúde. “Mas a média de custo de cada equipe dessa é de R$ 45 mil”, informa – “é por isso que a gente está tirando do orçamento 24% e não 15% como determina a legislação”. Os custos são atualizados anualmente, como salários, combustível, energia elétrica, medicamentos, equipamentos, mas os recursos do programa não são atualizados. EDUCAÇÃO Na área de educação, o problema seria o mesmo. A maior parte dos recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) sai do orçamento municipal e é destinado ao pagamento dos salários de professores. “A lei diz que 60% do Fundeb é para pagamento dos salários e 40% para a manutenção e o desenvolvimento do ensino, mas a média dos municípios hoje é usar 80% dos recursos para o pagamento dos docentes”, conta. “Enquanto o piso dos professores cresceu 6,82% no ano passado, os recursos do Fundo crescem cerca de 3%”, acrescenta. “Vai chegar no final dessa gestão dos atuais prefeitos, se não houver modificação, com 100% dos recursos só para o pagamento de salário”, conclui.

CONCURSO DE BOLSAS MAIS DE 50 BOLSAS PARCIAIS Validade: ano letivo de 2019.

DO INFANTIL (3 anos) AO ENSINO MÉDIO O Colégio Apoio está oferecendo aos seus alunos e familiares cursos de Inglês, Francês e Espanhol.

3379-0191 atendimento@colegioapoio.com.br

Inscrições exclusivamente

na Secretaria, até 17/9/2018. Matrículas com condições especiais. Agosto de 2018 | Vilas Magazine | 21


q CIDADE

Piscinões no Ipitanga incluem reservatório na Base Aérea

O

projeto do parque linear com seis reservatórios para contenção de enchentes ao longo do rio Ipitanga sofreu alterações destinadas a otimizar os custos da obra. Um dos reservatórios agora será construído dentro da área da Base Aérea da Aeronáutica, junto à avenida Dois de Julho – e não mais em São Cristóvão, como estava previsto.

22 | Vilas Magazine | Agosto de 2018

Ainda de acordo com a Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (Conder), autarquia do governo estadual que apresentou as novidades no mês passado, as intervenções previstas para os canais do Japonês e da Lagoa dos Patos já não deverão ser executadas em função do custo das desapropriações naquela área – e até porque os dois canais

pertencem a uma bacia diferente, a do Sapato. Cinco canais de macrodrenagem constam agora do projeto, para construção ou ampliação: Caji da Urbis, Jardim dos Pássaros-Santa Júlia, Jaraguá-Horto, Fazendão e Xangô Oxalá. Publicado em primeira mão pela Vilas Magazine, cinco anos atrás, o projeto já previa mobiliário urbano, quadras polivalentes e campos de futebol, ciclovias e pistas para caminhada dentro dos reservatórios, que serão usados também como parques de lazer – exceto o que ficará dentro da Base Aérea. Um dos parques estará em Lauro de Freitas, três no limite


com Salvador e outro logo após a represa Ipitanga 1, na capital. Os parques serão os próprios “reservatórios de amortecimento de cheias”, popularmente conhecidos como piscinões – uma solução de combate a enchentes aplicada no país desde os anos 90. A função da estrutura é armazenar temporariamente um eventual excesso de águas pluviais, evitando o transbordamento de cursos d’água. As obras, a cargo do Governo do Estado, por meio da Conder, serão executadas por um consórcio de construtoras e fazem parte de um pacote mais amplo, que visa também ampliar a capacidade de escoamento do rio Ipitanga, para eliminar os alagamentos que atingem vários bairros da cidade a cada chuva mais intensa. O investimento é de R$ 169 milhões, entre projeto executivo e obras físicas e a previsão de entrega é para 2020. O projeto já previa a ampliação da calha do Ipitanga, inclusive pelo desassoreamento do leito, entre a segunda ponte da avenida Santos Dumont (antiga Estrada do Coco) e o rio Joanes. Para ampliar a vazão do rio, bueiros tipo túnel, com 2,2m de altura, seriam implantados sob a ponte. Agora, em vez disso, a ampliação da calha começará 200m antes. A Conder também detalhou agora algumas das áreas da

cidade que serão desapropriadas, tanto para a construção dos parques-reservatório como para a ampliação da calha do rio. Diversos galpões que hoje ocupam uma área no Caji-Caixa d’Água serão removidos. As residências que estão junto à margem do Ipitanga, no Jardim das Margaridas, também serão desapropriadas. De acordo com o engenheiro Carlos Médice, da Conder, todo um trabalho de atendimento social está sendo desenvolvido para relocar as famílias. PARQUES Um dos maiores parques previstos, o Rosa dos Ventos ocupará a área em frente à cabeceira da pista do aeroporto, no Jardim das Margaridas. Antes dele, o primeiro depois da represa Ipitanga 1, haverá o Parque Sítio das Palmeiras, ainda em Salvador, nas imediações da avenida Aliomar Baleeiro. Já em Lauro de Freitas, o terceiro piscinão estará situado u Agosto de 2018 | Vilas Magazine | 23


q CIDADE

no Parque Alameda dos Ingazeiros, que incluirá a maior parte da área entre a via alternativa e a avenida Dois de Julho. O Alameda dos Ingazeiros começa 2,5 Km depois do Rosa dos Ventos e segue até a parte de trás do ginásio municipal de esportes e Restaurante Popular.

Projeto do Parque Rosa dos Ventos, no Jardim das Margaridas: realocação de famílias. Ao lado, o engenheiro Carlos Médice, da Conder, mostra o trecho do Ipitanga que será desassoreado, com calha aumentada: da ponte ao rio Joanes O reservatório que ficará dentro da área da Base Aérea – e que por isso não será aproveitado como parque – é agora o quarto reservatório. O Parque da Mata será construído ao longo de um trecho do rio Itinga, a cerca de 1,8 km a montante do Ipitanga. O sexto e último ocupará uma grande área das margens do rio Caji-Picuaia, a cerca de 1 Km a montante do Ipitanga, entre Vida Nova e o Caji-Caixa d’Água e será o Parque das Águas.

24 | Vilas Magazine | Agosto de 2018


q GERAL

FOTOS: ELOI CORRÊA

SAC Digital oferece serviços diversos

E

m funcionamento desde o dia 5 de julho, o SAC Digital é uma plataforma multicanal interativa que reúne serviços públicos em um só ambiente online. O objetivo da ferramenta é aproximar o cidadão da gestão pública, relacionando serviços e gerando a personificação dos dados já existentes nas bases dos órgãos públicos. Disponível através do endereço www.sacdigital.ba.gov.br e também para download, por meio de celulares com sistema Android, o SAC Digital cria uma plataforma de interatividade e relaciona serviços, conforme explicou a assessora de Governança de Soluções da Prodeb, Kátia Argolo. “O cidadão pode procurar resolver uma pendência, e o Sac Digital identifica que ele possui um filho pequeno e, automaticamente, o alerta sobre a realização de uma determinada campanha de vacinação e até a possibilidade de um agendamento em um local mais próximo de onde foi acessada plataforma”. Do ponto de vista do cidadão, o Sac Digital visa favorecer o relacionamento com a gestão pública estadual, criando facilidades nesse processo de interação. Pelo lado do Estado, a ferramenta possibilita a criação de um perfil do cidadão baiano, para que o governo possa voltar políticas públicas e programas de intervenção às necessidades da população. “Quem acessa deixa de ser um número de carteira de habilitação ou identidade e se torna uma pessoa com características sociais, familiares, profissionais”, definiu Kátia Argolo.

A administradora Nicole Saback acessou o portal do SAC Digital para agendar um horário e tirar a segunda via da carteira de habilitação. “Consegui fazer a marcação e ainda aproveitei para consultar o número de pontos que constava no sistema do Departamento Estadual de Trânsito da Bahia (Detran). Deu para resolver tudo em único lugar”, afirmou. Criado pela Companhia de Processamento de Dados da Bahia (Prodeb), o projeto é integrado ainda pela Secretaria da Administração do Estado (Saeb), através das superintendências de Gestão e Inovação (SGI) e de Atendimento ao Cidadão (SAC). Atualmente, 19 serviços são ofertados na plataforma. Em breve, o SAC Digital será disponibilizado para o sistema IOS e em totens de autoatendimento distribuídos em pontos estratégicos do território baiano.

Agosto de 2018 | Vilas Magazine | 25


q GENTE

A IRMANDADE DAS

‘jovens senhoras’ Thiara Reges | Freelance para a Vilas Magazine

26 | Vilas Magazine | Agosto de 2018


“L

i, não tem muito tempo, uma frase mais ou menos assim: ‘o passarinho faz ninho; a aranha faz teia; o homem faz amigos’. E vejo que nosso grupo representa exatamente isso”. A fala carinhosa de Irene Ribeiro traduz a experiência que tem vivido nos últimos três anos: o prazer de conversas e boas risadas que existe para além do WhatsApp. Ela faz parte da Irmandade, um grupo de nove amigas que juntas estão rompendo com qualquer estigma atrelado ao envelhecimento. A maior parte das ‘jovens senhoras’ se conheceu na piscina, fazendo hidroginástica, na Academia Andrea Maestri, em Vilas do Atlântico. A afinidade aconteceu de forma muito natural e não demorou para que marcassem o primeiro encontro. “Fomos juntas comer um cozido”, lembra Jacqueline Delisle. Além de Jacqueline, fazem parte do grupo Tânia Accioli, Diva Pamplona, Maria Lúcia Ramos, Solange Rabelo, Meiriluci Oliveira, Irene Ribeiro, Iris Marques e Maria de Fátima Varela. A mais nova tem 55 anos e a menos nova, com 81. Mas, após passar apenas algumas horas com a Irmandade, nome escolhido para o grupo em referência a um bordão de um personagem de Chico Anísio, percebi que a idade que está na certidão nada mais é que uma mera formalidade. Como das outras vezes, tudo no encontro, realizado em julho, estava favorável. O local escolhido foi o café A Baianinha, em Vilas do Atlântico. A tarde fresca de

Natal 2017, na casa de Fátima

inverno convidava para uma legítima roda de bate-papo. Digo legítima pois apesar de todas estarem super antenadas às tecnologias e usarem sem nenhum problema os aplicativos de conversa que o mundo virtual dispõe, a essência da Irmandade está na regularidade dos encontros presenciais, o olho no olho. “Nos reunimos para comemorar aniversários, já nos encontramos no Natal, almoço ou para simplesmente tomar uma sopa. Enfim. As meninas fazem quitutes deliciosos, e sempre temos um bom motivo para estarmos juntas”, completa Tânia Accioli. E assim foi no aniversário de Solange Rabelo. ‘Menos nova’ do grupo, Solange recebeu as amigas em sua festa de 80 anos. “Meu aniversário de 80 anos foi um marco, e poder dividir isso com elas deixou tudo mais especial”, lembra Solange. “Meu marido não gosta de ficar muito no mesmo lugar. Por ele, a cada semana estaríamos em uma cidade diferente. Mas, em uma reunião de família, me chamou atenção a fala do meu filho, “de que agora eu faço parte de um grupo e tenho

Almoço na casa de Tânia

boas amigas, e que assim seria ruim nos mudarmos novamente”. A minha família consegue perceber o quanto fazer parte da Irmandade é positivo em minha vida”, conta Irene Ribeiro. O bem que esses encontros proporciona é facilmente percebido, seja através das risadas constantes e fartas ou da leveza com a qual os assuntos são colocados no grupo. O medo da solidão está presente na vida de vocês? A resposta vem quase que em coro: Não! “Os filhos cresceram. Durante muito tempo a televisão foi a minha companhia. Então estar no grupo e esses encontros presenciais – que acho pouco, temos que nos ver mais –, mudaram a minha vida. Não me preocupa mais a solidão”, destaca Iris Marques. O que mais incomoda no envelhecimento? “Ser dependente dos outros. u

Aniversário de Diva

Almoço na casa de Irena

Agosto de 2018 | Vilas Magazine | 27


q GENTE

Recentemente fui ao médico e vi uma pessoa chegando, andando com dificuldade, e outra, ao lado, ajudando com coisas simples do dia. Nesses momentos faço uma reflexão, penso como posso me cuidar para que isso não aconteça comigo”, frisa Irene Ribeiro. Vocês se preparam para esse momento da terceira idade? Essa pergunta não teve resposta. “Depende do que você entende por terceira idade. A pessoa pode ter 20 anos e ser ranzinza, ou pode ter 80 e ser completamente livre, ser jovem. Eu, por exemplo, me sinto totalmente jovem”, afirma Jacqueline Delisle. Então parei por alguns segundos, olhando aquelas jovens senhoras que falavam freneticamente, todas ao mesmo tempo, e percebi que de fato o mais importante ali não eram os desafios do envelhecimento, da terceira idade. As “jovens senhoras” da Irmandade estão mais preocupadas em viver a vida, viver o hoje, e conservar a beleza de ter amigos. QUALIDADE DE VIDA X ENVELHECIMENTO Segundo dados do IBGE, o número de pessoas acima de 60 anos cresceu 19% desde 2012, representando em 2017 cerca de 30 milhões de pessoas. Para termos uma noção do que representa, esse número é maior que toda a população do México, que está em torno de 28 milhões de pessoas. E a expectativa é que esse número aumente ainda mais: em 2031 a população idosa deve superar, pela primeira vez, o número de crianças e adolescentes de 0 a 14 anos. O grande desafio portanto passa a ser a busca pela qualidade de vida acima dos 60 anos. Já é possível ver algumas modificações e ajustes no que tange a acessibilidade, mas o olhar governamental ainda é bem incipiente. Já o olhar empreendedor está

“Você pode ir todos os dias para a piscina fazer hidroginástica, entrar em grupos e mais grupos, e se não tiver uma real afinidade, quando chegar em casa vem o vazio e você percebe que está só. Faltou autoconhecimento” Beatriz Fracasso, geriatra

“Aproveitem o tempo livre para fazerem algo que sempre tiveram vontade: uma faculdade, um curso, viajar… As pessoas se aposentam do trabalho, mas a mente continua ativa e produtiva”. Regina Dantas, psicóloga

bem atento, e existe uma gama de novos produtos e serviços com foco bem específico para o público. Mas e nós, será que estamos atentos ao ciclo natural da vida e ao fato de que a idade irá chegar? A geriatra e reumatologista, Beatriz Fracasso, destaca que tão importante quanto participar de grupos, a exemplo da Irmandade, ou fazer exercícios, como caminhadas e hidroginástica, é ter esse hábito muito antes de chegar aos 60 anos. “Você pode ir todos os dias para a piscina fazer sua hidroginástica, entrar em grupos e mais grupos, e se não tiver uma real afinidade quando você chegar em casa vem o vazio e você percebe que está só. Faltou autoconhecimento”, destaca. Para a Organização Mundial de Saúde (OMS), existem seis itens que influenciam a forma como chegaremos na velhice: elementos sociais, econômicos, comportamentais, pessoais, serviços sociais e de saúde, e ambiente físico. A forma como conduzimos a nossa vida, associado às características genéticas, dizem muito de como conduziremos nossa vida a partir dos 60 anos. Quando existe o autoconhecimento e afinidade, estar em grupo, dividir experiências e aproveitar a vida, é benéfico e pode agir inclusive no combate a depressão. Dos 11,5 milhões de brasileiros que sofrem com a depressão, 11,1% são pessoas acima de 60 anos. A psicóloga Regina Dantas destaca que temos a tendência de descarregar em nosso corpo as nossas angústias, deixando corpo e mente fracos e doentes. “Na maioria, as pessoas quando se aposentam já sabem qual sua renda fixa. Minha sugestão é que aproveitem o tempo livre para fazerem algo que sempre tiveram vontade, uma faculdade, um curso, viajar… As pessoas se aposentam do trabalho, mas a mente continua ativa e produtiva”, destaca Regina. Aniversário de Iris

Feijoada e banho de piscina em Itacimirim

28 | Vilas Magazine | Agosto de 2018


q ESPIRITUALIDADE

“A cura acontece através da fé, da reforma íntima, da necessidade de ser curado e do merecimento”

Thiara Reges Freelance para a Vilas Magazine

A

fala de Humberto Aguiar, presidente da Casa da Fraternidade Caminho de Luz, traduz a essência de um trabalho de doação, abnegação e assistência social, realizado através da fé, que resultou no primeiro Hospital Espiritual da Bahia. O berço foi em uma pequena casa no bairro de Itinga. O mentor espiritual é Adolfo Bezerra de Menezes, conhecido na Casa como doutor Cruz. Mesmo em vida, Bezerra de Menezes buscava a união da comunidade espírita. “Não é fácil, mas no começo tentamos muitas vezes. Através do NAPSI - Núcleo de Apoio a Projetos Sociais e Instituições, partilhamos os alimentos arrecadados, cerca de uma tonelada mês, pelos centros espíritas, projetos sociais e demais instituições de Lauro de Freitas e Salvador. Funcionou por um tempo, mas é bem complicado o processo de conscientização”, destaca Humberto. A primeira mudança de sede aconteceu por orientação do espírito de luz do doutor Fritz, aqui conhecido como doutor Romano, que junto ao espírito doutor Hans, guiou todos os passos para a implantação do primeiro Hospital Espiritual da Bahia, também em Itinga, em março de 2017. Pouco mais de um ano depois, o hospital já avançou para uma sede maior, e com a ajuda de aproximadamente 150 voluntários, diretos e indiretos, atende em média 850 pessoas por semana. A forma de desenvolver o trabalho social foi se remodelando ao longo desse primeiro ano. “Continuamos distribuindo as cestas básicas, montadas a partir das doações que re­ cebemos, mas agora nós vamos nas comunidades, conhecemos as famílias, as suas dores, e avaliamos como melhor ajudar. Temos famílias cadastradas no Capelão, em Areia Branca e no Quingoma, e o próximo passo é chegar na tribo indígena”, frisa Humberto. As 150 famílias cadastradas, recebem uma cesta básica mensalmente, com 20 itens em média. u

Sementes de Luz, atendimento sob a orientação do espírito Sara

Agosto de 2018 | Vilas Magazine | 29


q ESPIRITUALIDADE

Faz parte do trabalho da Casa também a distribuição de 400 quentinhas para moradores de rua de Lauro de Freitas e Salvador, encontros e palestras, orientação e enxoval para gestantes, assistência jurídica, distribuição de mais de 1.000 litros de água fruitificada. “A água tem o objetivo de transmitir a energia da Casa e através da fé tocar as pessoas, ajudando na libertação de vícios, como bebidas e drogas”, completa Humberto. “Outro dia estava conversando com um amigo que é pastor de uma igreja evangélica próxima daqui. Disse a ele que não pretendemos mudar o que ele acredita, e nem queremos que ele se esforce para mudar as nossas crenças. Mas tenho certeza que podemos andar juntos, com respeito, fortalecendo a comunidade. Essa é a mensagem, de amor e união, que queremos passar para as pessoas. Estamos precisando muito disso”, conclui. CIRURGIAS ESPIRITUAIS Atendimentos e cirurgias, sem cortes, realizadas pela espiritualidade através de médiuns. Considerado por muitos como polêmico, o trabalho realizado pelo Hospital Espiritual mexe ao mesmo tempo com a curiosidade e com a fé. “A cirurgia espiritual alcança o que chamamos de periespírito. De forma simples, seria uma espécie de chip onde fica

30 | Vilas Magazine | Agosto de 2018

Salão repleto de pessoas, aguardando atendimento registrada toda nossa história. Somos seres livres, podemos fazer de tudo, mas em algum momento temos que reencontrar o equilíbrio. E é preciso acessar o periespírito para isso”, esclarece Humberto. A médium Patrícia Aguiar, uma das responsáveis pela Casa, destaca que desde o início das atividades doutor Romano orientou que o hospital espiritual deveria tratar não apenas corpo, mas também o espírito. “Doutor Romano afirmou que precisamos primeiro ensinar as pessoas, e para isso é necessário unir o espiritual e o convencional, trabalhar também com a medicina complementar”, conta Patrícia. Gratuitamente são realizados atendimentos regulares nas especialidades de cromoterapia, massoterapia, reiki, acupuntura, ventosa, geoterapia, aromaterapia, atendimentos psicológicos e fisioterápicos. Todos os profissionais são voluntários, e já se iniciou também os cursos de formação para novos terapeutas. Cada pessoa atendida doa alimentos e água, que vão compor as cestas básicas e as quentinhas. Os atendimentos acontecem ao longo da semana,


mas é aos domingos, quando é realizada a triagem, que a Casa recebe mais pessoas. Vários médiuns estão à disposição para receber a espiritualidade: nas cirurgias espirituais estão os doutores Romano, Hans, Joseph e Hausen Fritz, Hermes, Clara e Rodolpho; nos atendimentos de acolhimento espiritual, está Dom Inácio e nos tratamentos ortopédicos, o doutor Alejandro. Cada paciente seguirá, caso necessário, com o tratamento holístico no próprio hospital durante a semana. Pessoas de todas as idades procuram a ajuda espiritual. Casos de depressão e tendências suicidas são constantes, e já estão em atendimento através do Sementes de Luz, energização orientada pelo espírito Sara. Mas outra enfermidade já chama atenção: o aumento no número de pessoas com câncer estimulou a criação do NUCI - Núcleo de Cuidados Integrativos, sob os cuidados do espírito doutor Hermes, que há seis meses atua no acompanhamento das famílias. Uma noite, quando Humberto estava fazendo a prece, doutor Romano pediu que ele perguntasse ao microfone se havia um médico presente. A plateia ficou em silêncio, mas ele insistiu: “Eu

Tratamentos holísticos

sei que tem um médico aqui. Se você se apresentar, nós iremos conversar”. Então o médico oncologista Franklin Santana, se apresentou. Hoje é o responsável pelo núcleo, que atende cerca de 30 pacientes, a maioria com metástase. “Fazemos todo o acompanhamento com o paciente e com a família. Terapias holísticas, energização, limpeza, bem como o conhecimento e consciência sobre o estágio pelo qual estão passando”, salienta Patrícia. CIDADE DE BETÂNIA O Hospital Espiritual e o NUCI são apenas uma parte do projeto dos doutores Romano e Hans. Patrícia destaca que o desejo da espiritualidade é a construção da Cidade de Betânia, uma célula transformadora que irá contemplar desde o trabalho espiritual aos tratamentos da medicina convencional, além de escolas, biblioteca, quadras de esporte, etc. “Chico Xavier e agora Divaldo Franco, são muito importantes para quebrar as barreiras que poderiam existir em relação ao espiritismo, e hoje a aceitação está muito maior. Nós orientamos sempre que as pessoas não devem parar com seus tratamentos da medicina convencional. Tanto que a Cidade de Betânia prevê a construção de um hospital convencional e oncológico, e maternidade. Buscamos dignidade, nenhuma pessoa merece passar meses em busca de um tratamento

A médium Patrícia Aguiar e Humberto Agui­ar. Ao centro, pintura a óleo, inspi­ra­da em pintura mediúnica da imagem de doutor Romano. Obra da artista plástica Margarita Ariza

médico”, destaca Patrícia. A construção da célula transformadora aguarda a doação de um espaço físico (terreno), que possa comportar todo o projeto. “Para iniciar o bem é necessário dar o primeiro passo. Nascer Cidade de Betânia é oferecer a inclusão a um povo, através da fé, e todo gesto de amor será reconhecido”, destaca Patrícia. “Nesses meus 40 anos de caminhada na doutrina espírita a aceitação melhorou quase 100%. Não é sem razão que uma faculdade local, através do seu curso de medicina, está disposta a firmar parceria com o hospital espiritual. Estamos formalizando também uma parceria com um laboratório da cidade, para realizações de exames com preços abaixo da tabela popular. Essa busca só nos mostra que estamos na direção certa, fazendo um trabalho que realmente impacta a nossa comunidade”, concluiu Humberto. Hospital Espiritual: Rua Pérola Negra, 223, Itinga (atrás do Shopping Feira, entrada ao lado do Assaí Atacadis­ ta). Tel.: (71) 3026-1631. WhatsApp (71) 99128-1438.

Agosto de 2018 | Vilas Magazine | 31


q MEIO AMBIENTE

Um mar de plástico

A

larmadas por cenas de animais marinhos enrolados em lixo, celebridades como o ator Victor Fasano e a modelo Gisele Bündchen têm feito campanhas para reduzir o uso do plástico no dia a dia. Especialistas contam que o problema é realmente grave, mas há meios de contribuir para a solução dessa crise. E não é só quem vive na praia que deve se preocupar com isso, já que o lixo deixado na rua vai para o esgoto, que acaba no mar. “Todo plástico que consumimos – no litoral ou no interior – pode parar no oceano. Anualmente, cerca de 2,5milhões de toneladas de plástico vão para o mar por meio dos rios. Tudo está conectado”, diz Marina Marcucci, coordenadora do projeto Menos 1 Lixo. O esforço precisa ser de todos, afirma Alexander Turra, professor do Instituto Oceanográfico da USP (Universidade de São Paulo). “É uma discussão que passa pela ampliação do sistema de coleta de lixo e de reciclagem, além da melhora do tratamento de esgoto.” Para Silvia Rolim, assessora técnica da Plastivida, todos podem contribuir. “Atitudes pequenas fazem diferença. Se não houver como dispensar o canudo para tomar água de coco, tenha a certeza de que ele será reciclado, deixando-o na lixeira correta, e não na areia.” Fabiana Schiavon / Folhapress.

FAÇA A SUA PARTE u Use sacolas retornáveis para fazer compras u Pratique e incentive a coleta seletiva u Se possível, opte pela compra de produtos a granel, utilizando potes de vidro u Não use canudos e negue sempre que ele for oferecido. Uma lei municipal aprovada no Rio de Janeiro já proibiu o uso de canudos plásticos em bares, restaurantes e quios-

32 | Vilas Magazine | Agosto de 2018

Dados indicam que até 2050 pode haver mais plástico do que peixes no mar. Veja como é possível ajudar a combater esse problema

ques da cidade u Não jogue lixo na privada, pois parte dele pode acabar no mar u Evite cremes esfoliantes que não sejam feitos de produtos naturais. A maioria utiliza microesferas de polietileno – pequenos pedaços de plástico que acabam virando comida de peixe u Carregue um copo ou uma garrafinha na bolsa para evitar o uso de copos plásticos. Em um ano, uma pessoa pode economizar cerca de 1.600 copos descartáveis u Na hora de descartar o lixo doméstico, acomode os resíduos no


Por que esse lixo preocupa?

STOCK PHOTOS

local indicado pelo condomínio. No caso de morar em casa, coloque o lixo para fora próximo ao horário de o lixeiro passar, para evitar que ele abra e se espalhe pela rua u Se houver contêiner de lixo reciclável onde mora, despeje o conteúdo na lata, sem precisar acomodar lixo em mais saco u Para o lixo orgânico, se for possível, use sacos ecológicos (há poucas marcas que oferecem biodegradáveis) ou faça sacos com jornal u Evite comprar pratos e talheres descartáveis u Quando estiver na praia, recolha o lixo e separe os recicláveis

Agosto de 2018 | Vilas Magazine | 33


q VIVER BEM

Cirurgia bariátrica cresce 47% em cinco anos no Brasil

O

número de cirurgias bariátricas realizadas no Brasil no último ano chegou aos 105,6 mil, crescimento de 47% em relação ao ano de 2012, quando foram feitos 72 mil procedimentos. Os dados são da SBCBM (Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica). O aumento foi principalmente no setor privado, mas no SUS, que faz 9,8% do total de operações, também houve crescimento: 16,8% em relação ao último ano e 224% em relação a 2008, segundo o Ministério da Saúde. No Brasil, quase uma em cada cinco pessoas adultas é obesa (18,9%). O índice é 60% maior do que o início da série histórica, em 2006, mas, depois de sucessivos crescimentos, parece ter estagnado nos últimos três anos, de acordo com a pesquisa Vigitel, feita por telefone, do Ministério da Saúde. Já o sobrepeso atinge 53,8% da população que vive nas capitais. Doze anos atrás, esse índice era de 42,6% – homens são os mais atingidos. É considerado obeso quem tem o IMC – índice de massa corpórea, calculado com o peso e altura da pessoa – maior que 40. A cirurgia bariátrica pode ser indicada em casos de IMC a partir de 30 (sobrepeso), a depender da gravidade das doenças relacionadas. Pelas estimativas da SBCBM, cinco milhões de brasileiros atenderiam aos requisitos para passar por algum tipo de cirurgia bariátrica, que alteram o caminho natural do alimento no trato gastrointestinal, permitindo que o corpo absorva menos energia dos alimentos, além de promover alterações hormonais que favorecem a correção do diabetes e da obesidade. Em uma conta simples, sem levar em conta mortes e novas indicações e considerando a estimativa de serem cerca de mil os cirurgiões habilitados a fazerem as bariátricas, levaria mais de 13 anos para essa fila ser zerada – isso considerando que eles fizessem uma operação por dia. Tendo em vista todo esse cenário, segundo o presidente da SBCBM, o cirurgião Caetano Marchesini, o crescimento poderia ter sido ainda maior se não fosse pela crise econômica. Outro fator que, segundo o médico, impediu um crescimento mais expressivo, é a demora de atualização das normas da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), que regula 34 | Vilas Magazine | Agosto de 2018

os planos de saúde. A autarquia, afirma Marchesini, ainda não considera em suas diretrizes as indicações da cirurgia bariátrica para quem tem cerca de 20 doenças associadas à obesidade (problemas de coluna, apneia, colesterol alto, entre outros) e para quem tem diabetes grave mas não é obeso. Apesar da estagnação do crescimento da população com sobrepeso e obesidade nos últimos três anos, a taxa ainda é alta e preocupa especialistas e o governo. “Nós nunca vamos dar conta de operar todos que precisam”, diz Ricardo Cohen, cirurgião do Hospital Oswaldo Cruz, de São Paulo. Apesar disso, diz, há muitos profissionais subutilizados e seria possível oferecer o tratamento para mais pessoas. Há, no entanto, um problema no cálculo da SBCBM de pessoas que precisariam da cirurgia bariátria, segundo o professor de endocrinologia da Unicamp Bruno Geloneze. “Para indicar a cirurgia é necessário, além de estar em uma faixa de peso ou de ter determinadas


doenças, haver uma falência do tratamento clínico por dois anos. Talvez menos de 1% desses cinco milhões seja de fato apto. O grande problema é que a cirurgia cresceu no índice de massa corporal mais baixo, faixa na qual o tratamento clínico tem mais chance de funcionar.” Outra questão, diz Geloneze, é que apesar de concentrar a maior parcela dos casos mais graves de obesidade, a população mais pobre ainda tem menos acesso à cirurgia. Em nota, o ministério afirma que o crescimento significa que a rede está sendo ampliada e dando mais acesso aos cidadãos que precisam. Além das complicações e riscos inerentes a qualquer procedimento cirúrgico (uma a cada 1.000 pessoas morrem entre a cirurgia e 90 dias depois, chance semelhante de quem tira uma pedra da vesícula), há o risco de o paciente ter de ser reoperado – nos EUA, país com quase 40% da população obesa, 14% das bariátricas são de “revisão”. Para Cohen, está aí a importância de haver uma boa indicação. “O medo e a falta de conhecimento muitas vezes impedem que quem realmente precisa tenha acesso. A cirurgia traz inúmeros benefícios, e o preço é o da eterna vigília de uma doença crônica.” “Outra coisa é que o conselho ‘coma menos e faça mais exercícios’ funciona para evitar a obesidade, mas não para tratar: é como dizer para alguém com câncer de pulmão para parar de fumar. A doença não vai a lugar nenhum.”

Quem pode fazer a cirurgia bariátrica? lMaior de 16 anos Indicação de endocrinologista ou outro médico l lPessoas com índice de massa corpórea (IMC) maior ou igual a 40 sem sucesso em outros tratamentos nos últimos dois anos Pessoas com IMC maior que 35 e com comorbidades l (diabetes, apneia, hipertensão, colesterol alto, doença coronariana, entre outras) lPessoas com diabetes e IMC maior que 30, desde que a doença exista há dez anos e não responda bem a outros tratamentos São feitas consultas com psicólogo, nutricionista e l fisioterapeuta, que orientam sobre preparação para a cirurgia, dieta pós-operatória e reposição de vitaminas

Operações ainda são minoria no SUS, que atende os casos mais graves Para Geloneze, há um problema justamente na etapa clínica do tratamento. “De maneira paradoxal, o SUS oferece a cirurgia, mas não os tratamentos não cirúrgicos estruturados, como atendimentos médico, nutricional, psicológico, além de grupos de ajuda e medicações modernas.” Entre as drogas mais modernas estão a liraglutida, que ajuda no diabetes e emagrecimento, e a lisdexanfetamina, que pode ajudar a controlar transtornos alimentares, apesar de não ter sido lançada com esse propósito. No futuro próximo, diz Geloneze, serão lançadas drogas que emulam as alterações provocadas pela bariátrica. “Podem não ter o mesmo impacto, mas podem funcionar muito bem na maioria dos casos. A cirurgia pode ficar confinada aos IMCs mais altos.” O Ministério da Saúde afirma em nota que os procedimentos cirúrgicos são os últimos recursos, permitidos apenas para pacientes que passaram por avaliação clínica e acompanhamento com equipe multidisciplinar por pelo menos dois anos e se enquadram nos critérios estabelecidos pela portaria. Gabriel Alves / Folhapress.

Agosto de 2018 | Vilas Magazine | 35


IMAGEM: STOCK PHOTOS

q VIVER BEM

A

Hábito de fumar abrange 10% dos adultos nas capitais e volta a crescer entre jovens

pesar de registrar queda nos últimos dez anos, o hábito de fumar ainda abrange um em cada dez brasileiros que vivem nas capitais do país e dá sinais de novo avanço em algumas faixas etárias, como entre jovens de 18 a 24 anos. Os dados, divulgados no final de maio, são da última edição da pesquisa Vigitel, levantamento anual do Ministério da Saúde e que visa identificar fatores de risco para doenças crônicas. Foram ouvidas 53.034 pessoas acima de 18 anos nas capitais. Segundo o levantamento, em 2017, cerca de 10,1% da população adulta que mora nestes locais era fumante. Em 2006, quando a pesquisa passou a ser aplicada, esse índice era de 15,7% – queda de 36%.

36 | Vilas Magazine | Agosto de 2018

Essa redução, no entanto, tem ocorrido de forma mais devagar nos últimos três anos. Em 2016, por exemplo, o total de adultos fumantes era de 10,2%, índice praticamente semelhante ao atual. Dados também apontam aumento no total de fumantes em algumas faixas etárias, caso de jovens de 18 a 24 anos, cujo percentual de adeptos ao cigarro cresceu de 7,4%, em 2016, para 8,5% no último ano. Com isso, o país volta a atingir o patamar que registrava há seis anos entre esse grupo. Também houve aumento na faixa etária de 35 a 44 anos, onde 11,7% dos entrevistados declaram que mantêm o hábito de fumar. Em 2016, esse índice estava menor: 10%. A taxa de fumantes, aliás, ainda é maior entre homens do


SEM TABACO Os novos números foram divulgados em alusão do Dia Mundial sem Tabaco, celebrado em 30 de maio. O objetivo é chamar a atenção para os riscos e impactos à saúde ligados ao consumo de cigarro. Em geral, o Ministério da Saúde atribui a redução no número de fumantes nos últimos anos à lei antifumo, que proibiu o consumo de cigarro em locais de uso coletivo parcialmente fechados e à política de preços mínimos para esses produtos. “Considerando que a experimentação de cigarro entre os jovens é alta e que cerca de 80% dos fumantes iniciam o hábito antes dos 18 anos, o preço é um inibidor”, informa a pasta, em nota. Questionado sobre o aumento no consumo em algumas

MARCELO JUSTO / FOLHAPRESS

que entre mulheres. Também é mais alta entre adultos com menor escolaridade do que entre aqueles com 12 anos ou mais de estudo. Entre as capitais, Curitiba, São Paulo e Porto Alegre são aquelas com maior prevalência de fumantes – índices de 15,6% a 12,5%, respectivamente. Já a capital com menor índice de adeptos ao cigarro é Salvador, com 4,1%.

faixas etárias, como Bares e restaurantes usam entre 18 a 24 anos, alternativas para consumidores o Ministério da Saúfumantes, disponibilizando até de diz avaliar que cinzeiros modernos para que os dados ainda não descartem cinzas e bitucas apontam variação significativa – para isso, seria preciso que a evolução ocorra acima do intervalo de confiança ou dentro de um período maior de análise, informa. Em nota, porém, diz investir na prevenção do tabagismo em grupos vulneráveis, como crianças e adolescentes, por meio de ações educativas e programas como o Saúde na Escola. Natália Cancian / Folhapress.

NÚCLEO DE ONCOLOGIA TORÁCICA DO NOB. Atenção integral ao paciente no combate ao câncer de pulmão. 29 de agosto é o Dia Nacional do Combate ao Fumo, uma data que merece toda atenção e cuidado. E, para ajudar a combater o câncer de pulmão, uma das principais consequências do tabagismo, o NOB criou o NOT - Núcleo de Oncologia Torácica. Além de oncologistas, o NOT ainda conta com pneumologistas e cirurgiões torácicos que atuam de forma multidisciplinar e integrada, da prevenção e diagnóstico ao tratamento e acompanhamento. Sempre para oferecer a melhor solução ao paciente.

Acesse grupooncoclinicas.com.br/eseeuparardefumar e conheça a calculadora que revela o quanto a pessoa ganha se parar de fumar.

Lauro de Freitas - Rua Doutor Barreto, 294 Pitangueiras - Lauro de Freitas / BA Tel: (71) 3443-0170

Salvador - Avenida Adhemar de Barros, 123, Ondina - Salvador / BA

Marcação de consulta: Tel: (71) 4009-7070 clinicanob

ANB-0017-18B - AdCombateAoFumo18,2x12cm.indd 1

grupooncoclinicas.com/nob/

Responsável técnica: Dra. Gildete Sales Lessa | CRM-BA 3319

25/07/18 15:05

Agosto de 2018 | Vilas Magazine | 37


q EMPRESAS & NEGÓCIOS

Q

8

cuidados para abrir uma empresa

uer ter um negócio próprio? Abrir uma empresa é uma decisão de grande responsabilidade, sendo necessários diversos processos que necessitam de atenção, principalmente, nos detalhes mais técnicos. Alguns pontos de destaque são elaboração do Contrato Social, a escolha do tipo de tributação da empresa, a escolha do imóvel e a obtenção do Alvará. O profissional Richard Domingos, selecionou questões para serem levadas em conta antes de abrir uma empresa. PLANEJAMENTO DO NEGÓCIO O grande problema na maioria das empresas abertas é que isso ocorre impulsivamente, e em função disso não há um plano de negócio estabelecido, público alvo e estrutura necessária, assim, antes de qualquer coisa é necessário sentar e ver o que se pretende e como se objetiva atingir. Muitas vezes após essa primeira análise se percebe a necessidade de uma capacitação e hoje se encontra um grande número de cursos de capacitação para empreendedores, muito desses gratuitos. Também é importante pesquisar como está o mercado em que pretende atuar, para ver em qual nicho de público se encaixará. O COMEÇO É preciso que se tenha em mente que para colocar uma empresa para funcionar haverá custos que vão além dos que já se conhece no dia a dia de uma empresa com infraestrutura e pessoal. Dentre esses os principais são as taxas da Junta Comercial e da emissão do alvará, dentre outras que variam de acordo com a localidade e o ramo de atuação. 38 | Vilas Magazine | Agosto de 2018

Para facilitar esse processo existem profissionais especializado em resolver a burocracia, tirando do cliente qualquer ‘dor de cabeça’ relacionada ao tema. CONTRATO SOCIAL Para toda empresa funcionar é imprescindível que se elabora um Contrato Social, documento no qual estão relacionados os pontos práticos do funcionamento da empresa. Pontos primordiais que devem englobar são informações como nome, endereço e atividade, capital social (valor ou bens investidos), qual a relação entre os sócios e como se dá a divisão dos lucros. Importante frisar que quaisquer alterações contratuais, faz com que se tenha que refazer as inscrições federal, estadual e municipal e as licenças. As sociedades limitadas só podem alteradas se 75% do capital estiver de acordo. Geralmente o registro de um contrato social pode ser agilizado procurando o sindicato da categoria da empresa, sendo que o mesmo pode possuir um posto avançado da Junta Comercial. Com isso, todo esse processo pode ser finalizado em até 24 horas. REGIME TRIBUTÁRIO Atualmente são três os regimes de tributação existentes: Simples, Presumido ou Real. A opção pelo tipo de tributação que a empresa utilizará deve ser definida até o início do próximo ano, mas, as análises devem ser realizadas com antecedência para que se tenha certeza da opção, diminuindo as chances de erros. Outro ponto é que cada caso deve ser analisado individualmente, evidenciando que não existe um modelo exato para a

realização de um planejamento. Apesar de muitos pensarem que melhor tipo de tributação seja o Simples, existem até mesmo casos que esse tipo de tributação não é o mais interessante, mesmo que a companhia se enquadre em todas as especificações. ESTRUTURA FÍSICA Além de definir o local onde será o empreendimento é necessário também que se adquira toda uma estrutura para o funcionamento da empresa, e isso dependerá de cada ramo de atuação, podendo ir desde maquinário até material de escritório. Sobre o local em que será é importante que se observe também se esse se adequa ao público que pretende atingir e, principalmente, diretrizes estabelecidas pelo município referente ao local. Hoje uma ótima opção são espaços de escritórios compartilhados, que reduzem em muito os custos. REGISTROS E LICENÇAS Atualmente é tanta a burocracia para abertura de empresas que um grande contingente está na ilegalidade, não possui todos os registros e licenças necessários para o funcionamento, no que se configura em um risco jurídicos. Dentre os registros necessários estão o Habite-se do imóvel (autorização da prefeitura para que ele possa ser habitado) e as regras de ocupa-


Raymundo Dantas ção de solo (cada cidade define regras específicas em leis de zoneamento), alvará de funcionamento, pagamento de taxas de funcionamento, dentre outras licenças necessárias dependendo da atividade da empresa. Veja todos os documentos necessários e em quais órgão buscar: Junta Comercial: registros dos atos sociais (Contrato Social, atas de reuniões, deliberações etc.). Receita Federal: para obtenção de registro do CNPJ (Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica). Prefeitura: para obtenção do Alvará de Funcionamento e autorização para emissão de nota fiscal, caso a empresa seja contribuinte do ISS (Imposto Sobre Serviços). Secretaria Estadual da Fazenda: para obtenção de inscrição estadual. CONTABILIDADE Toda empresa necessita dos serviços profissionais de um contabilista para funcionar. A empresa de contabilidade é que será responsável pela geração de todas as informações imprescindíveis para que a empresa esteja em dia com os órgãos públicos. Também são responsáveis pelo cálculo de impostos e tributos que a empresa deverá pagar, bem como análise da situação contábil da empresa e geração de informações necessárias para a gestão empresarial FUNCIONÁRIOS Sua empresa vai precisar contratar funcionários? Se sim, é necessário abrir processos seletivos para contratação. Esse é um dos pontos mais problemáticos para as empresas, em função de um crescente apagão de mão de obra que passa o país. Após a contratação é necessário elaborar o contrato de trabalho, definir salários benefícios ver qual o melhor regime de trabalho e regularizar o funcionário mesmo junto ao INSS.

Escritor e palestrante, especializado em Marketing no Varejo, com Mestrado na Espanha. raymundo_dantas@uol.com.br

Embalagens: As aparências enganam?

E

sta semana me fizeram uma pergunta que, na verdade, sempre intrigou muitos clientes e até mesmo lojistas: por que os fornecedores mudam sempre a embalagem dos seus produtos? Produtos, às vezes já tão conhecidos, líderes de venda, de repente aparecem com novas cores, novos desenhos, materiais e formas de embalagem. Isso não confunde o consumidor? Não o aborrece? Não põe em risco o “share” do produto, fazendo-o perder vendas? É uma boa pergunta! Mas vamos raciocinar juntos! Para que serve a embalagem? Em tese, a embalagem existe para proteger o produto, conservá-lo, facilitar sua distribuição e dar comodidade ao consumidor quanto ao seu transporte, acondicionamento e uso. Somente? Não. Com o advento do Marketing e, especialmente, com a massificação do autosserviço, a embalagem passou a ter uma nova função, que é também de enorme importância: vender o produto, fazendo-o chamar a atenção do cliente, tornando-o atraente, desejado, fazendo-o “saltar” da prateleira e destacar-se dos concorrentes. Pense bem: cada produto, além de competir com os seus similares de outras marcas, tem que disputar também o poder de compra do consumidor com cerca de milhares de outros itens, que compõem o mix das diversas lojas que o comercializam. Afinal, o consumidor, por questão de orçamento, às vezes tem que escolher entre levar um limpa-vidros ou um biscoito que parece apetitoso. Ainda assim, em média o consumidor termina gastando 12 % a mais do que planejava (que bom!) segundo a Pesquisa Popai. Quais os produtos que ele comprou com esses 12 %? Os que mais aparecerem e se mostraram desejáveis na prateleira, é claro!

Por isso é preciso que a embalagem faça seu trabalho. É engraçado ver que, às vezes, clientes e até mesmo notas de jornal, se queixam de que as embalagens encarecem o produto e não deviam ser tão sofisticadas. Ouve-se até quem diga que não é a embalagem que o faz comprar o produto, que isso não tem influência nenhuma, etc. Na prática, porém, o que a gente vê na loja é o produto vistoso sair mais rapidamente. Há cerca de uns vinte anos atrás alguém teve a ideia de usar embalagens brancas, nos supermercados, apenas com o nome e a marca do produto, para baratear o preço final. Talvez você esteja lembrado. Pois bem, os que se queixavam, continuaram a comprar os produtos bem embalados e a experiência dos alimentos genéricos foi um fracasso. Por tudo isso é que as embalagens têm que ser periodicamente redesenhadas e modificadas. É que o inconsciente do consumidor se acostuma com a embalagem rapidamente. Isso é bom, sob certo aspecto, porque ele passa a enxergar de longe o produto que quer comprar. Mas depois de um certo tempo, chegam à prateleira outros produtos, com embalagens mais bonitas, mais atraentes, e o consumidor fica tentado a experimentá-los. Aí, o produto mais antigo tem que correr para mudar a maquiagem, mesmo quando é o dono do pedaço. Isso é como no amor. É verdade que panela velha é que faz comida boa. Mas nem por isso, as pessoas podem deixar de caprichar no visual, na malhação e até fazer uma plasticazinha, de vez em quando. Afinal é dura a concorrência dos produtos mais novos!

Agosto de 2018 | Vilas Magazine | 39


Jaime de Moura Ferreira Ad­mi­nistrador, consultor organizacional, professor universitário, escritor, ambientalista, sócio fundador do Rotary Club Lauro de Freitas. jaimoufer@hotmail.com

O

trabalho sempre foi e será sempre o alicerce da vida. De modo geral, não só os seres humanos trabalham. Somente para expressar um exemplo, deve-se apreciar os pássaros na construção dos seus ninhos e na alimentação dos seus filhotes. É de fazer inveja. O trabalho se impôs ao ser humano, desde sua origem e, com o processo evolutivo tornou-se, inclusive,a base indispensável para a dignificação da vida. Dessa forma, o trabalho afeta a personalidade e dignidade dos seres humanos, além de elevar sua autoestima. O trabalho nada tem a ver com idade. Quando esta acontece, devese diminuir a carga, porém, jamais deixar de trabalhar. Ocorrendo a aposentadoria, as pessoas deveriam preparar-se para outro tipo de trabalho, principalmente os sociais. Atualmente, a ocupação principal define sua vida e, muitas vezes, substitui seu nome. Costuma-se ouvir as expressões: ele é o professor; o médico; o carpinteiro; o jornalista, etc. O trabalho promove a conquista do seu próprio espaço; concretiza seus sonhos; e desenvolve habilidades para adquirir o respeito e consideração dos semelhantes. Por isso, o trabalho é um meio inevitável da existência humana. Porém, muitas situações devem ser analisadas no desenvolvimento do trabalho, pois a maioria das pessoas trabalha para enriquecer materialmente. E, nessa busca estressante, cometem-se profundos equívocos, como desprezar as amizades sinceras, transformar a ocupação no sentido único da existência, desagradar ao Grande Deus Criador e escravizar-se ao trabalho, vendendo a própria alma. Abraham Maslow (psicólogo americano – 1º/4/1908 a 8/6/1970) criador

40 | Vilas Magazine | Agosto de 2018

O Trabalho da hierarquia das necessidades humanas pelo trabalho, que deu origem à “Pirâmide de Maslow”, estabeleceu que o vivente busca atender suas necessidades, na seguinte ordem: fisiológica, segurança, social, estima e auto realização. Também, deixou o recado: “se você planeja ser qualquer coisa menos do que você é capaz, você vai ser infeliz todos os dias da sua vida”. Assim, coloca-se a capacidade inventiva e criadora para amar o que se faz, evitando o “trabalhar sem prazer, que é sofrer e adoecer”. “A pessoa rica não é a que tem mais, mas a que precisa menos”. O trabalho deve promover o convívio com outros seres e suas mentes e corações devem trabalhar juntos, na busca do conhecimento e evolução. Quem trabalha constantemente, pelo bem de todos, quase não tem tempo para sofrer. O trabalho deverá ser sempre considerado como um esforço feito pelos seres. O trabalho evolutivo exige muito das pessoas, principalmente da competência profissional, da paciência, do aprendizado e da determinação. O ser humano deve criar as oportunidades e não somente encontrálas. Mantenhamos em nossa mente este pensamento de Confúcio: “o homem de bem exige tudo de si próprio; o homem medíocre espera tudo dos outros”. Mas, se desejarmos atingir o ponto mais alto, comecemos pelo mais baixo. No entanto, mostremos o que fazemos, pois, além de massagear nosso ego, também contribuirá no processo de orientação para o aprendizado, transformandose em uma forma de expressão. Evitemos as situações negativas do trabalho: desrespeito aos semelhantes, que ocupam cargos inferiores; trabalho escravo, com maus tratos e de forma nociva; e querer enriquecer às custas do empobrecimento de outros. Devemos

estabelecer como objetivo principal a realização pessoal. “Só é realmente bem-sucedido quem tudo faz com boa intenção”. O trabalho deverá ser encarado como uma ação estimulante, desafiadora, de aprendizado e de desenvolvimento espiritual. Também devem ser respeitados os valores morais, éticos e profissionais. Sua profissão, além de traduzir suas tendências, também lhe proporcionará excelente oportunidade de evolução como pessoa. Nunca desista de suas lutas, mesmo com o envelhecimento. Quando se trabalha em equipe devese respeitar as ideias dos companheiros, promover diálogos sobre os temas apresentados e criar-se a amizade entre as pessoas, pois, dessa forma, obtém-se maiores e melhores resultados. Aborda-se os esportes coletivos: neles, todos desempenham suas missões específicas, visando um mesmo objetivo. Mas, se houver uma sequência lógica para a realização das atividades, essa deverá, obrigatoriamente, ser cumprida na ordem definida. Coloca-se como exemplo o esporte “remo”: quando em uma guarnição de mais de um remador, todos têm que acompanhar o voga (o que vai na frente do barco), o qual deverá, sempre, ser o exemplo para os demais remadores (colocar o remo n’água, para que todos o acompanhe, aumentar a velocidade da remada e forçar a pegada do remo na água), sob pena de embolar as remadas e, no mínimo, o barco não atingir seu objetivo. Vários são os tipos de trabalho, todos eles importantes para o desenvolvimento da humanidade: capitalista, religioso, voluntário, braçal, intelectual, rural, etc. Cabe ao ser humano dignificá-los e se dignificar no exercício de cada um.

Vilas Magazine | Ed 235 | Agosto de 2018 | 32 mil exemplares  

Vilas Magazine | Ed 235 | Agosto de 2018 | 32 mil exemplares

Vilas Magazine | Ed 235 | Agosto de 2018 | 32 mil exemplares  

Vilas Magazine | Ed 235 | Agosto de 2018 | 32 mil exemplares

Advertisement