Page 1

R

A Revista de Lauro de Freitas e Região

Ano 19 Edição 220 | Maio de 2017 32.000 exemplares

BAIXIO

O LITORAL NORTE AINDA VIRGEM


Maio de 2017 | Vilas Magazine | 3


CENA DA CIDADE

Mande sua foto registrando algum flagrante inusitado da cidade, com breve descrição, para redacao@vilasmagazine.com.br

DESAFIO A fiscalização pública é desafiada diariamente na cidade. Este cavalo passeava tranquilamente pela principal avenida de Vilas do Atlântico, às 8h30 do domingo, 16 de abril. Por ser irracional, o animal não podia avaliar o perigo que expunha às pessoas e carros, mas certamente o seu proprietário, racional e transgressor consciente, deveria ser identificado e enquadrado nas penalidades legais. Deixar animais soltos em via pública, além de ser um ato irresponsável, também é crime previsto no Código de Trânsito Brasileiro (CTB). A responsabilidade por manter o animal fora das ruas e rodovias é do proprietário.

A revista de Lauro de Freitas & Região

www.vilasmagazine.com.br Publicação mensal de propriedade da EDITAR - Editora Accioli Ramos Ltda. Rua Praia do Quebra Coco, 33. Vilas do Atlântico. Lauro de Freitas. Bahia. CEP 42700-000. Tels.: 0xx71/3379-2439 / 3379-2206 / 3379-4377. Diretor-Editor: Carlos Accioli Ramos (accioliramos@vilasmagazine.com.br) Dire­to­ra: Tânia Ga­zi­neo Accioli Ramos Gerente de Negócios: Álvaro Accioli Ramos (alvaro@vilasmagazine.com.br) Assistentes: Leandra da Cruz Almeida e Vanessa dos Santos e Silva Contatos: comercial@vilasmagazine.com.br Gerente de Produção: Thiago Accioli Ramos. Assistente: Bruno Bizarri Adm./Financeiro: Miriã Morais Gazineo (financeiro@vilasmagazine.com.br) Assistente: Leda Beatriz Gazineo (comercial@vilasmagazine.com.br) Distribuição: Álvaro Cézar Gazineo (responsável) Tratamento de imagens e CTP: Diego Machado Redação: Rogério Borges DRT 6851/MG (coordenador) Colaboradores: Jaime Ferreira (articulista), Thiara Reges (repórter freelancer) PARA ANUNCIAR: comercial@vilasmagazine.com.br Tels.: 0xx71 3379-2439 / 3379-2206 / 3379-4377 CONTATO COM A REDAÇÃO: redacao@vilasmagazine.com.br TIRAGEM: 32 MIL EXEMPLARES. Im­pressa na Log & Print Gráfica e Logística S. A. (Vinhedo/SP).

4 | Vilas Magazine | Maio de 2017

Revista mensal de serviços e facilidades, distribuída gra­tuitamente em todos os domicílios de Vilas do Atlântico e condomínios residenciais de Lauro de Freitas, Es­trada do Coco e região (Busca Vida, Abran­tes, Ja­uá, Ja­cuí­pe, Gua­ra­juba, Stella Maris, Pra­ia do Flamengo e parte de Itapuã). Disponível também em pontos de distribuição criteriosamente selecionados na região. As opiniões expressas nos artigos publicados são de responsabilidade de seus autores e não refletem, necessariamente, as da Edi­ tora. É proibida a reprodução total ou parcial de matérias, gráficos e fotos publi­cadas nesta edição, por qualquer me­io, sem autorização expressa, por escrito da Editora, de acordo com o que dispõe a Lei Nº 9.610, de 19/2/1998, sobre Di­reitos Autorais. A revista Vilas Magazine não tem qualquer responsabilidade pelos serviços e produtos das empresas anunciados em suas edições, nem assegura que promessas divulgadas como publicidade serão cumpridas. Cabe ao leitor avaliar e buscar informações sobre os produtos e serviços anunciados, que estão sujeitos às normas do mercado, do Código de Defesa do Consumidor e do CO­NAR – Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária. A revista não se enquadra no conceito de fornecedor, nos termos do art. 3º do Código de Defesa do Consumidor e não pode ser responsabilizada pelos produtos e serviços oferecidos pelos anunciantes, pela impossibilidade de se deduzir qualquer ilegalidade no ato da leitura de um anúncio. No entanto, com o objetivo de zelar pela integridade e cre­di­bilidade das mensagens publicitárias publicadas em suas edições, a Editora se reserva o direito de recusar ou suspender a vei­culação de anúncios que se mostrem enganosos ou abusivos, por constrangimentos causados ao consumidor ou empresas. A revista Vilas Magazine u­ti­liza conteúdo edi­to­ri­al fornecido pela Agência Fo­lhapress (SP). Os títulos Vilas Ma­­gazine e Boa Dica – Facilidades e Serviços, constantes desta edição, são marcas regis­tradas no INPI, de propriedade da EDITAR – Editora Accioli Ramos Ltda.


EDITORIAL

Meio ambiente O talento é um título de responsabilidade – teria dito de Gaulle a propósito dos “crimes intelectuais” de Brasillach, um talentoso jornalista que se colocou a serviço do fascismo. Acabou executado no fim da Segunda Guerra Mundial, aparentemente mais pela qualidade do que escrevia do que pelo conteúdo em si mesmo. Modo geral, continuamos fuzilando personalidades de comprovado talento sempre que o rumo da sua produção deriva para o torto. Os menos capazes também causam dano, mas os talentosos muito mais – e por isso lhes atribuímos um título de responsabilidade. Alguns desses notáveis perfilam-se diante do pelotão em Santo Amaro de Ipitanga sempre que emprestam talento a iniciativas estéreis, voltadas tão somente para ocupar espaço na atmosfera local.

Título de responsabilidade Um exemplar da Medalha de Santo Amaro de Ipitanga, honraria conferida “aos que tenham prestado relevantes serviços ao município de Lauro de Freitas”, está na bica de ser entregue a alguém que participou, com óbvio talento e ainda maior notoriedade de um – programa de televisão.

Promessas 1 Velhos compromissos da administração pública vêm sendo lembrados ultimamente, com renovadas promessas de concretização. O sistema de esgotamento sanitário de Lauro de Freitas encabeça a lista. O secretário Cássio Peixoto, da Infraestrutura estadual, disse no mês passado que “a obra foi retomada” e que está “andando com velocidade”. O próprio governador Rui Costa (PT) disse haver R$ 192 milhões para aplicar “na rede coletora de esgotamento sanitário de Lauro de Freitas”. Necessário detalhar tudo isso, informando os prazos de cada etapa, por exemplo. Mas uma promessa já é melhor que promessa nenhuma. Resta manter a esperança. Carlos Accioli Ramos Diretor-editor

Promessas 2 A construção do sistema de ciclovias de Lauro de Freitas é outro compromisso antigo recentemente renovado pela prefeita Moema Gramacho (PT). No governo estadual, voltou a ser comentado o parque linear do Ipitanga e seus piscinões para contenção de enchentes – tema de uma reportagem que a Vilas Magazine abordou em primeira mão há quase quatro anos. São duas obras de grande porte e ainda maior impacto na vida das pessoas em Lauro de Freitas. A conferir.

Maio de 2017 | Vilas Magazine | 5


REGISTROS & NOTAS Grupo CAM inaugura unidade Litoral Norte em Lauro de Freitas No final de abril, o Grupo CAM – referência em saúde da mulher e da família no estado – inaugurou em Lauro de Freitas, a sua unidade Litoral Norte, voltada para atender a crescente demanda dos moradores da cidade e região (Camaçari, Simões Filho, Dias D´Ávila e Mata de São João). Na unidade, pacientes encontram os mesmos serviços de diagnóstico por imagem, saúde da mulher e oncologia oferecidos pela CAM e CLION em Salvador. Mastologia, ginecologia e obstetrícia, endocrinologia, ressonância magnética, mamografia DR – 100% digital, tomossíntese, ultrassonografia geral, raio X digital e punção de mama e tireoide são alguns dos exames e especialidades oferecidos na nova unidade. “O Grupo CAM expande sua rede de atendimento, mesmo nesse cenário de crise, para proporcionar maior conforto aos seus pacientes. Seguimos 100% baiano e apostando no que há de mais moderno e eficaz para cuidar do nosso bem maior: as pessoas”, declara João Soares de Almeida, presidente do grupo. O tratamento de pacientes com câncer também é um dos focos da nova unidade. A Clínica de Oncologia - CLION disponibiliza serviços de oncologia clínica, cirurgia oncológica, hematologia, reumatologia, urologia, cirurgia de cabeça e pescoço e neurologia clínica, além de contar com uma equipe multidisciplinar composta por psicólogo, nutricionista, fisioterapeuta e enfermeiros. “Estamos oferecendo um serviço de primeira linha, baseado em protocolos de atendimento com padrão internacional, com foco na qualidade e segurança dos pacientes”, destaca Augusto Tufi Hassan, diretor do grupo. A CLION é acreditada pela Organização Nacional de Acreditação (ONA), níveis 1 e 2, e está prestes a obter a acreditação internacional pela Accreditation Canada International (ACI), que utiliza a metodologia QMentum, orientando e monitorando os padrões de alta performance em qualidade e segurança.

k

l 1: Os médicos, João Soares de Almeida (esq.) e Augusto Tufi Hassan, presidente e sócio-diretor do Grupo CAM. 2: Augusto Tufi Hassan, Moema Gramacho, prefeita de Lauro de Freitas, a homenageada da noite, Maria Aloysa Tavares Maltez, esposa do falecido professor e médico Carlos Aristides Maltez, fundador do Grupo CAM; João Soares de Almeida e Erasmo Moura, secretário de Saúde de Lauro de Freitas. 3: Equipe Médica da CLION, com Daniel Argolo (de gravata vermelha), diretor médico e executivo e o médico Renato Coelho (na ext. direita), sócio diretor. 4: (A partir da esq.) A médica Alexsandra Queiroz, ginecologista do Grupo CAM e seu marido, empresário Eduardo Queiroz; a empresária Vânia Vieira e seu marido, Elder Marcos Vieira, sócio da Unidade Litoral Norte Grupo CAM e a empresária Ana Carolina Meirelles e seu marido, Alexandre Meirelles, gerente executivo do Grupo CAM. 5: Gerentes do Grupo CAM (a partir da esq.): Eric Silva, comercial; Waly Sobrinho, finanças; Ricardo Gomes, TI; Alexandre Meirelles, executivo e Ricardo Machado, suprimentos e contratos.

m

n j

6 | Vilas Magazine | Maio de 2017


Gestores da Acbeu acabam de ser certificados pela Fundação Dom Cabral, através do programa PAEX – Parceiros para a Excelência, que reúne empresas de médio porte interessadas em aumentar sua competitividade e elevar seus resultados. A parceria com a Dom Cabral foi iniciada em 2013, baseada na construção gradativa de um modelo de gestão através da implementação de ferramentas gerenciais e estratégicas, do intercâmbio de experiências e do conhecimento. Dentre as atividades desenvolvidas, uma das mais importantes foi a revisão do planejamento estratégico visando ao futuro da instituição e sua consolidação como um grupo empresarial. Com isto, boas novidades estão previstas para este ano ainda. Acima, Athiná Arcadinos Leite, superintendente da Acbeu. O atleta soteropolitano Marcelo Barros, 38, conquistou o segundo lugar no campeonato austríaco de natação paralímpica, na categoria 50 metros S8 livre. A competição aconteceu no dia 22 de abril na cidade Spital an der drau Kaernten, na Áustria, com a participação de atletas de ponta de vários países. Considerado o atleta revelação da competição, Marcelo fez o tempo de 31 segundos. Morador de Vilas do Atlântico por 15 anos, em 2014, Marcelo contraiu leptospirose. Apesar das poucas probabilidades de voltar a andar, o tratamento foi bem sucedido, mas deixou sequelas nas duas pernas. Ex-lutador de jiujítsu, o ótimo desempenho nas aulas de natação surpreendeu a todos, e com apenas três meses de treinamento aceitou participar do torneio. O próximo desafio já está marcado: Copa do Mundo de Natação Paralímpica, na Alemanha.

VINICIUS CASTRO

Fundação Dom Cabral certifica gestores da Acbeu

O grupo Bago de Jazz, de música instrumental, criado em Lauro de Freitas, foi uma das atrações destacadas do 3º Recôncavo Jazz Festival, realizado em Cachoeira, de 6 a 8 de abril passado, reunindo artistas da música instrumental e do jazz baiano. A banda abriu o evento e chamou a atenção do público pelo o sentimento na hora de tocar. “Eles tocam com a alma, todos de olhos fechados parecendo que estão em transe, além do som redondinho e gostoso de ouvir”, destacou Daniel Santiago, 23 anos, estudante universitário, que nunca tinha visto um grupo de jazz ao vivo. O Bago contou com a participação especialíssima do trombonista argentino Matias Traut, um jovem talentoso e dedicado a música instrumental, “gostei bastante de tocar com o Bago de Jazz, são excelentes músicos que fazem jazz de primeiríssima qualidade”, contou Matias. O quarteto conta com Alan Moraes (baixo), Nivaldo Cerqueira (sax), Luciano Pinto (piano) e Márcio Wesley (bateria). Interessados em acompanhar o grupo pode segui-los nas redes sociais @BagodeJazz. A médica cirurgiã vascular Fernanda Costa Sampaio Silva já iniciou suas atividades de consultório em Vilas do Atlântico. Formada há 10 anos pela UFBA, é membro efetivo da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular e atualmente exerce sua especialidade com ênfase no tratamento de varizes dos membros inferiores. Maio de 2017 | Vilas Magazine | 7


CIDADE

Bahiagás investe em duto de 31 Km para Lauro de Freitas ROBERTO VIANA

Prefeitura abre novo Banco de Serviços no Centro

T

A

obra do duto de distribuição de gás natural para Lauro de Freitas, para atendimento a residências e comércio é um dos destaques do Relatório da Administração 2016 da Companhia de Gás da Bahia, a Bahiagás. Listada entre os investimentos planejados para este ano, a obra do duto, com 31 km de extensão, receberá investimentos da ordem de R$ 14 milhões. Alguns empreendimentos na cidade contam com o fornecimento de gás natural desde 2015, quando o condomínio Supremo Family Club, com cinco prédios e 380 unidades habitacionais passou a ser abastecido pela Bahiagás. No segmento comercial, estava prevista para o mesmo ano a conexão do Aero Empresarial à rede. O complexo inclui um hotel da rede Intercity, uma torre empresarial e um mall de lojas e restaurantes. A Bahiagás superou no ano passado a marca de 44 mil clientes residenciais, transformando a Bahia no terceiro maior consumidor de gás natural nesse segmento, atrás do Rio de Janeiro e São Paulo. O Projeto Gás Sudoeste, que será o maior duto de distribuição do Nordeste e o segundo maior do país, com cerca de 300 km de extensão, virá consolidar 8 | Vilas Magazine | Maio de 2017

Tubulação de distribuição de gás natural: R$ 14 milhões para Lauro de Freitas em 2017 a expansão do setor. Com valor total estimado de R$ 505 milhões, a construção irá atender aos setores de mineração e outros usuários dos segmentos industrial, comercial e automotivo.

ransferido do Centro para as imediações do Hospital Menandro de Faria há dois anos, o Banco de Serviços ganhou novas instalações – novamente no Centro, em frente às antigas. O secretário da Fazenda Aristóteles de Menezes explicou que o novo posto é provisório. “A inauguração deste posto foi uma medida emergencial para atender um pedido da população”, disse. De acordo com ele, a transferência do Banco de Serviços foi encarada como “traumática”. O novo posto funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 14h. Segundo a prefeitura, está em andamento o projeto de um Banco de Serviços maior, no Centro. E os bairros mais populosos, como Itinga e Portão, também serão contemplados com unidades. Atendimento no novo posto do Centro: provisório


Caravanas das Artes e do Esporte destacam skate em Lauro de Freitas

a Disney passou a fazer parte das caravanas, com apresentações lúdicas dos personagens Mickey e Pateta. No ano seguinte a Caravana da Música transforma-se em Caravana das Artes, com o Instituto Mpumalanga à frente da iniciativa, sempre com a u CELIA SANTOS

P

assou por Lauro de Freitas em abril a Caravanas das Artes e do Esporte, uma iniciativa que resultou da parceria dos canais ESPN, da Unicef e do Instituto Esporte Educação, da medalhista olímpica Ana Moser. A Caravana do Esporte alinha conteúdo jornalístico, acesso às cidades com baixo IDH (Indice de Desenvolvimento Humano) e metodologia do esporte educacional. De acordo com a organização, desde 2005, quando a iniciativa foi criada, mais de 260 mil crianças e 18 mil professores foram atendidos. O atendimento indireto seria de dois milhões crianças e jovens. Em 2007 a Caravana do Esporte ganhou o reforço de um novo projeto, quando a jornalista Adriana Saldanha e a cantora baiana Daniela Mercury criaram a Caravana da Música. Em 2014

O campeão Sandro Dias faz a estreia da nova estação de skate da Caravana do Esporte, em Itinga

Maio de 2017 | Vilas Magazine | 9


CIDADE

parceria da Unicef e da ESPN. A proposta é qualificar os profissionais de ensino com metodologias do esporte e da arte educacional. Em Lauro de Freitas a meta era envolver mais de três mil alunos da rede municipal de ensino no convívio com atletas campeões mundiais, como a medalhista olímpica Ana Moser e o hexacampeão de skate Sandro Dias Mineirinho. Foi ele que puxou uma apresentação de skate na cerimônia de abertura, com o apoio de Thyago Ribeiro e dos skatistas locais Claudio Havengar e Jorge Medeiros. A grande novidade foi uma mini ramp, montada em anexo ao palco no Estádio Edvaldo Costa Santos, em Itinga. A estação do skate foi a grande novidade desta etapa e vai marcar a Caravana em 2017. Para a organização, a chegada dos esportes de ação “quer democratizar o acesso às modalidades, sempre cercadas de virtudes e propostas educacionais”. Iniciar essa etapa em Lauro de Freitas, para eles, é ainda mais significativo devido à tradição do município nessa modalidade. Lauro de Freitas já sediou etapas do Campeonato Brasileiro e tem uma pista pública elogiada por skatistas locais e profissionais. Para Saldanha, diretora geral da caravana, trata-se de “somar esforços, entender que a escola com arte, esporte e cultura é uma escola melhor, mais eficiente e comprometida para nossas crianças”. A ideia da prefeitura é que as caravanas funcionem como elemento da dimensão educativa na construção do “projeto Cidade Educadora” que está em implantação no município. Como as caravanas, o projeto busca estabelecer parcerias com equipamentos que já existem na cidade e que possam contribuir com a educação dos jovens por meio de atividades fora do ambiente escolar. O coordenador Pedagógico do Instituto Esporte e Educação e da Caravana do Esporte Alexandre Arena falou da importância da arte e esporte como pedagogia. “Arte e esporte melhoram a qualidade de vida das pessoas e são instrumentos de educação”, disse. Além das atividades esportivas, ao longo de três dias foram oferecidas oficinas de formação de professores, educadores e gestores da rede pública de ensino e para jovens autores. 10 | Vilas Magazine | Maio de 2017

Cantora participa de debate sobre o papel do esporte e das artes

N

a “Roda de Diálogos”, uma das atividades da programação das caravanas das Artes e do Esporte, a cantora Mariene de Castro contribuiu para a discussão afirmando que “música e arte são instrumentos de transformação” e acrescentou ser ela mesma “prova viva disso”. Com ela, participaram da Roda os professores João Batista Freire, da Caravana do Esporte e Ruy Pavan, especialista em esporte educacional. Kitty Canário, professora do Instituto Mpumalanga e Adnilton Silva, líder da Rede de Jovens pelo Esporte (REJUPE), também estavam presentes. Mariene é uma das artistas voluntárias das Caravanas. “Eu fui presenteada”, disse. “Tudo isso aqui faz parte do que eu acredito, e poder contribuir de alguma forma para o meu país, num projeto verdadeiramente comprometido com o bem de uma juventude e da cidadania, é gratificante”, acrescentou.

Mariene de Castro na Roda de Diálogos: presenteada

À comunidade, aos pais e/ou responsáveis A AGS Escola de Futebol vem por meio deste comunicar que está sendo vítima de um terrível BOATO. Temos sido procurados por diversos pais e responsáveis por nossos alunos, pessoas queridas, que vêm nos falar que foram informadas que a AGS fechou, encerrou o seu funcionamento. Senhores, isto NÃO É VERDADE. A AGS CONTINUA FUNCIONANDO NORMALMENTE, nos mesmos dias e horários e no mesmo local. A AGS funciona há 15 anos, já atuou em três municípios, deixando excelentes lembranças e referências. Sempre trabalhando de forma integra, nossas propagandas são baseadas na nossa realidade e no que temos para oferecer. Não depreciamos nem denegrimos a imagem de ninguém para crescer,não concordarmos com esse tipo de atitude, não é correto, não é leal, não é ético. Respeitamos a concorrência. Porém não podemos ficar quietos diante de tamanho absurdo que tem nos vitimado. Agradecemos a colaboração dos pais e responsáveis e das pessoas queridas que nos procuraram para averiguar e nos informar o que estava acontecendo, através desse carinho e preocupação a verdade chegou ao nosso conhecimento. É gratificante ver os frutos do vínculo formado através desse trabalho ético. Saber que vocês nos procuraram sabendo que a AGS jamais fecharia as suas portas sem emitir um comunicado aos seus alunos e a sociedade antes. Nós, AGS, agradecemos esse amor, carinho e essa preocupação e informamos que o nosso departamento jurídico já foi acionado e que já estamos tomando as devidas providências contra quem deu causa ao boato.

Equipe AGS.


Rio Pojuca terá captação de água para abastecer Região Metropolitana de Salvador

A

água do rio Pojuca, que corta a Estrada do Coco em Camaçari, cerca de 40 Km a norte do rio Joanes, vai reforçar o abastecimento da Região Metropolitana de Salvador (RMS). A captação da água será feita mediante um barramento inicial – que o governo quer construir imediatamente. A barragem propriamente dita ficará pronta em dois anos. O anúncio foi feito pelo governador Rui Costa (PT) durante visita, em abril, às obras de ampliação de um reservatório próximo à Ceasa que atende Lauro de Freitas. O governo não detalhou a localização do barramento ou da futura barragem. De acordo com o governador, o investimento na captação de água do rio Pojuca deve chegar a R$ 300 milhões, incluindo a barragem e a adutora. A tubulação de grande porte – com cerca de 1,5 m de diâmetro – transportará a água ao longo de mais de 100 Km, de acordo com Rui Costa. A adutora deve estar pronta dentro de um ano. Os recursos podem vir de empréstimos junto ao Banco do Nordeste. O cenário da crise hídrica na RMS, de acordo com o governador, “não amenizou absolutamente nada”. Rui Costa detalhou que “não ganhamos, em nenhuma barragem da [região] metropolitana nem um centímetro de água”. Segundo ele, na melhor das hipóteses a situação parou de piorar depois das chuvas de abril. As barragens do Ipitanga, do Joanes e de Dias d’Ávila, “estão num nível muito bai-

MATEUS PEREIRA

Governador Rui Costa (centro) visita as obras de ampliação dos reservatórios: mais água para Lauro de Freitas

xo e estavam caindo rapidamente”, disse o governador. “A situação é crítica”, sublinhou – ao pedir o uso racional da água, além da denúncia de eventuais usos irregulares de água, como em lava jatos clandestinos ou qualquer eventual desperdício. A possibilidade de racionamento de água na RMS é real, de acordo com declarações do presidente da Embasa, Rogério Cedraz, caso não chova o suficiente em maio.

Dias nublados, que diminuem a evaporação dos reservatórios, também podem ajudar. Rui Costa acrescentou que o estado está perfurando 18 poços artesianos para reforçar o abastecimento. “Estamos também fazendo instalações de bombas com boias flutuantes, a exemplo do que foi feito no período de crise hídrica em São Paulo, para buscar água mais longe nos reservatórios que já estão com u

Maio de 2017 | Vilas Magazine | 11


CIDADE

nível abaixo do esperado”, disse. Já a ampliação do reservatório próximo à Ceasa que atenderá Lauro de Freitas e Fazenda Cassange, em Salvador, vem recebendo investimentos de R$ 71 milhões. De acordo com o governo, as obras estão 77% concluídas, devendo ficar prontas em dezembro. Segundo o governador, a obra só foi realizada agora porque as margens do Ipitanga, naquela região, fazem parte da Área de Proteção Ambiental (APA) Joanes-Ipitanga – apesar de estarem ocupadas. Ocorre agora que as populações estabelecidas, embora irregularmente, demandam serviços públicos. Rui Costa assegurou que o estado vem tratando de “conter a expansão da ocupação nessas áreas de preservação ambiental” com iniciativas de fiscalização “junto com a prefeitura de Lauro de Freitas”. Já para as ocupações que estão consolidadas “estamos agora materializando o serviço público”. A intervenção vai aumentar a capacidade de atendimento para a região, com dois reservatórios com capacidade para 8.700 metros cúbicos cada um e outro, elevado, para 500 metros cúbicos. O Parque de Reservação do Caji, que já está em funcionamento, também está sendo ampliado, com a implantação de mais um reservatório com capacidade para 8.700 metros cúbicos. A área a ser atendida inclui Jardim Aeroporto, Caji, Itinga, Jardim Castelão, Caixa d’Água, Jardim dos Pássaros, Jardim das Margaridas, Quingoma, Araqui, Buraquinho, Ipitanga, Jockey Clube, Miragem, Pitangueiras, Portão, Vila Praiana, Vilas do Atlântico, Jambeiro, Areia Branca, Capelão e Ciamar – além da Fazenda Cassange, em Salvador.

PRODUTOS Á VENDA

EM NOSSA LOJA 12 | Vilas Magazine | Maio de 2017

Passarelas da Estrada do Coco podem ser financiadas por multas

E

stá em discussão na Câmara Municipal de Lauro de Freitas, desde o dia 8 de março, um projeto de lei que visa aplicar a arrecadação municipal com multas de trânsito na construção e reforma de passarelas para pedestres. Na justificativa que apresentou para propor o projeto de lei, o vereador Fausto Franco (DEM) menciona as multas aplicadas pela prefeitura no espaço de 37 dias no final do ano passado, que renderiam R$ 1,2 milhão aos cofres públicos se forem todas fossem confirmadas. Reportagem da Vilas Magazine mostrou, na edição de fevereiro, que o município poderá ter arrecadado esse valor em apenas 37 dias de fiscalização de trânsito – ou mais de R$ 30 mil por dia, em média. Ao final de um ano, mantido o mesmo ritmo, a arrecadação com multas pode representar mais de R$ 14 milhões de receita para a prefeitura – quase 10% do total da arrecadação tributária prevista para 2017. O vereador lembra que o Art. 320 do Código de Trânsito Brasileiro obriga a aplicação da receita com multas de trânsito “exclusivamente em sinalização, engenharia de tráfego, de campo, policiamento, fiscalização e educação de trânsito”. A construção e reforma de passarelas elevadas faria parte das

Rua Priscila Dutra, 101

3369-8300


Travessia sob risco de vida: depois de longa espera, corrida contra o tempo

ações de engenharia de tráfego. Para Fausto Franco, há uma responsabilidade subjetiva do município nos acidentes de trânsito com pedestres quando eles se dão por omissão, como no caso da falta de uma passarela que proporcione travessia segura de uma via. A situação é particularmente preocupante na Estrada do Coco, que tem trânsito intenso de veículos e poucas passarelas ao longo dos seus 7,5 Km de trecho local. Em anos recentes, diversos empreendimentos de grande porte foram construídos na via, gerando crescente tráfego de veículos – e de pedestres que arriscam diariamente a vida para atravessar as pistas. Mas não basta instalar passarelas. Elas precisam ser construídas no local adequado e com características que estimulem o seu uso – começando pela garantia de segurança contra situações de violência urbana. Próximo ao Km 0, na altura do Jardim Jaraguá, uma sinaleira anteriormente instalada para garantir a segurança dos pedestres foi substituída por uma passarela provisória – que se tornou permanente. O aspecto maltratado da estrutura, em-

bora possa ser perfeitamente segura, é um desestímulo ao uso do equipamento pelas pessoas. Na altura do Centro de Lauro de Freitas, também na Estrada do Coco, a Passarela das Flores é uma verdadeira feira livre. Em frente ao Hospital Menandro de Faria, na mais nova passarela da via, o mesmo cenário começa a tomar forma, com barracas diversas ocupando espaço público. Os especialistas Philip Gold e Charles

Wright argumentam no artigo “Passarelas e Segurança no Trânsito” que “a má localização ou o projeto inadequado de uma passarela reduz a percentagem de pedestres que a utilizam”. Para eles, “o grau de uso voluntário da passarela está diretamente relacionado com a qualidade da passarela e a percepção do pedestre do risco de ser atropelado”. Na justificativa do projeto de lei, Fausto Franco sugere que um grupo técnico desenvolva um modelo padronizado u

Passarela no Km 0 da Estrada do Coco: permanentemente provisória

Maio de 2017 | Vilas Magazine | 13


CIDADE

Passarela das Flores: ocupada de ponta a ponta que seja capaz de estimular o pedestre a usá-la “em vez de colocar em risco a própria vida”. Os especialistas estimam que a instalação de uma passarela convencional permanente, com um vão de cerca de 20 metros sobre uma rodovia de quatro faixas com acostamento e um canteiro central de três metros custaria entre US$ 110 mil e US$ 170 mil – ou cerca de R$ 350 mil a R$ 540 mil, ao câmbio do final de março – dependendo de padrões de engenharia, método, materiais de construção e elementos opcionais. Por essas contas, só as multas aplicadas em 37 dias de fiscalização seriam

Fausto Franco: multas de trânsito devem ser aplicadas no trânsito

14 | Vilas Magazine | Maio de 2017

suficientes para construir pelo menos duas passarelas novas. Uma delas poderia ser instalada na altura da Receita Federal, onde uma pessoa pode ter que aguardar 20 minutos até ver o tráfego reduzido para fazer a travessia – e ainda assim arriscar a vida. No final de março, foi esse o tempo que José Luiz, 57 anos, precisou esperar para depois correr como pode até o canteiro central e de lá enfrentar novo desafio até a calçada oposta. “É complicado, a gente perde um tempo aqui”, disse ele, sem dar maior importância ao aspecto da segurança. A pintura de uma faixa de pedestres

Passarela em frente ao Hospital Menandro de Faria: espaço público ocupado por barracas

em tese obrigaria os veículos a parar sempre que uma pessoa pusesse o pé no asfalto. É o que diz o Código de Trânsito Brasileiro no seu Art. 70: exceto nos locais com sinalização semafórica, “os pedestres que estiverem atravessando a via sobre as faixas delimitadas para esse fim terão prioridade de passagem”. Em Lauro de Freitas, contudo, é escasso o hábito de dar prioridade a pedestres, mesmo sobre as faixas. A isso vem somar-se a cultura de priorizar o trânsito motorizado: parar o tráfego, mesmo que para permitir a travessia segura de pessoas, não costuma frequentar a ementa de soluções de engenharia.


CULTURA

A

contece até o dia 7, no Cine Teatro de Lauro de Freitas, um programa de formação e qualificação de agentes culturais. O curso, gratuito e presencial, é direcionado a todos os envolvidos com a cultura: artistas, comunicadores, gestores, artesãos e ativistas. Com duração de 15 horas, ao longo de três dias o curso aborda temas como políticas culturais, culturas brasileiras e baianas e organização da cultura. Para participar, basta ter mais de 16 anos e interesse na área da Cultura. Como não há seleção, as inscrições terminam conforme a quantidade de vagas, de acordo com a lotação do Cine Teatro. Os participantes receberão certificado de extensão da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Coordenado pelo professor e pesquisador Albino Rubim, o programa se propõe formar ativistas comprometidos com a efetivação dos direitos culturais e a consolidação das políticas públicas de cultura, voltadas para o fortalecimento da cidadania cultural.

Viabilizado por meio de apoio financeiro da Secretaria de Cultura da Bahia e do edital de Formação e Qualificação em Cultura 2016 do Fundo de Cultura da Bahia, o programa tem apoio institucional da Diretoria de Espaços Culturais, Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia e da Fundação Pedro Calmon. Como parte do processo formativo, o curso vai integrar uma atividade artística em sua programação – a imersão cultural. Um artista, comunicador ou movimentador cultural apresenta o seu trabalho e provoca reflexões no público. A mostra será levada para as salas de aula e integrada às outras atividades didáticas. Albino Rubim destaca que a imersão cultural é fundamental para a formação de cada participante. “É muito importante que o agente cultural, para ser um ativista, articulador e mobilizador, seja uma pessoa envolvida e encantada com a cultura. Ou seja, deve ser um consumidor e mais que isto um conhecedor da cultura. Um ser aberto sempre a novas fruições

ROBERTO VIANA

Cine Teatro recebe programa de formação de agentes culturais

Albino Rubim: imersão cultural como momento vital do curso culturais. Daí o sentido da inclusão da imersão cultural como momento vital do curso”, avalia o coordenador. Todas as aulas são ministradas por professores pesquisadores que integram o Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura (CULT) da UFBA. Com formação nas áreas de comunicação, produção cultural e ciências sociais, os educadores prepararam os participantes para atuar como agentes culturais. Além dos encontros presenciais, os participantes podem acessar conteúdos complementares na biblioteca do site. Os textos e vídeos encontrados na plataforma digital servem para ajudar o agente cultural a fundamentar as práticas que fazem parte do seu trabalho.

INÍC

EM PARCERIA COM

ANUNCIO PIATA.indd 1

IO D

OS

CUR

SOS

EM

MAI

O

Saiba mais (71) 3797-4667 www.salvador.cervantes.es

28/4/17 18:33 Maio de 2017 | Vilas Magazine | 15


REGIÃO

BAIXIO

Um refúgio exuberante em ascensão no Litoral Norte

16 | Vilas Magazine | Maio de 2017


A

124 quilômetros de Salvador existe um paraíso à espeara de visitantes: o povoado de Baixio. O local pertence ao município de Esplanada e é um dos destinos do Litoral Norte da Bahia que conquistou baianos e turistas. O potencial da região chamou a atenção da incorporadora Prima Empreendimentos Inovadores que está desenvolvendo o primeiro empreendimento turístico e imobiliário do u continua na pág. 18 destino Baixio, o Ponta de Inhambupe.

Encontro da foz do rio Mamucabo com o Atlântico

Maio de 2017 | Vilas Magazine | 17


REGIÃO

C

om valor geral de vendas de R$ 70 milhões, o empreendimento oferece imóveis residenciais, centro comercial e um hotel boutique, em um dos mais belos cenários da Costa dos Coqueiros, a 50 km da Praia do Forte. “Tornar o destino Baixio reconhecido internacionalmente como uma referência de turismo inteligente e sustentável é uma das metas da Prima”, afirma o diretor Luciano Lopes. O local se destaca pela variedade de cenários naturais, formados por lagoas, rios e dunas, ideais tanto para quem busca tranquilidade e contato com a natureza, quanto para quem deseja

aventura e prática de esportes ao ar livre. “O contato com a natureza é obrigatório com algumas atrações esportivas como o stand up paddle, mergulho com snorkel, canoagem, expedições off-roads

e passeios ecológicos que podem ser feitos por trilhas ou por veículo com tração 4x4”, enfatiza Cláudia Simões, gestora de Operações Turísticas de Baixio. “Duas paradas que não podem faltar no roteiro de todo o visitante são os encontros do rio com o mar na Foz do Mamucabo e Ponta de Inhambupe, além de visitar as lagoas Verde, Azul e da Panela e também passeios especiais ao Mirante do Morro da Vista e ao Morro Dedo de Deus”, complementa Cláudia. A empresa Baixio Turismo oferece passeios aos visitantes que podem desFOTOS: HUMBERTO FILHO

Lagoa da Penela. Acima, a barra do rio Inhambupe

18 | Vilas Magazine | Maio de 2017


Lagoa Verde. Abaixo, igrejinha do povoado

frutar de promoções de atividades turísticas no destino, programas ecológicos e de aventura. LAGOA AZUL O passeio acontece das das 8h às 16h, saindo da portaria da lagoa/acesso a trilha. O lugar dispõe de grande área para banho e fica cercada por dunas de areias brancas ao alcance dos banhistas. Localizada próximo ao povoado de Baixio, é possível ir caminhando por 20 minutos através de uma trilha de 1,7 km.

Verde. Desfrutando de belas paisagens, esse passeio de aproximadamente 18 km, com cenários da Mata Atlântica passa por bosques e nascentes de rios. EXPEDIÇÕES OFF-ROAD Das 8h às 16h. Nas duas opções oferecidas pela Baixio Turismo – Off-roads e Adventure –, o visitante pode acessar trilhas (com orientação de um guia autorizado) com seu próprio veículo (desde que seja

4×4), desfrutando de paisagens maravilhosas, numa experiência surpreendente. HOSPEDAGEM A vila conta com diversas pousadas aconchegantes e com toda a infraestrutura para receber os visitantes, como a Aldeola - Pousada e Restaurante (tel.: 75 3413-3106). Mais informações sobre o local, no site www.baixioturismo.com.br

LAGOA DA PANELA Também das 8h às 16h, com saída da Baixio Turismo. No destino, visitantes podem se banhar na lagoa, desfrutando da segurança e infraestrutura. Um passeio de aproximadamente 11,5 km, contemplando cenários de Restinga de Mata Atlântica passando por bosques e nascentes de rios até a Lagoa da Panela, cercada de vegetação e de areia branca. DUAS LAGOAS Com a mesma duração de oito horas, visitantes também podem visitar dois lugares de natureza exuberante da região de Baixio: a Lagoa da Panela e a Lagoa Maio de 2017 | Vilas Magazine | 19


FEBRE AMARELA

Lauro de Freitas continua isenta de suspeita de febre amarela

A

té o fechamento dessa edição da Vilas Magazine (29 de abril), nenhum caso de febre amarela foi detectado em humanos na Bahia e Lauro de Freitas não integra a lista de municípios com casos suspeitos, nem registra morte de macacos, as chamadas “epizootias em Primatas Não Humanos”. Quando causadas por febre amarela, elas servem para monitorar a doença. Os macacos não transmitem febre amarela para as pessoas. O mais recente boletim epidemiológico da secretaria estadual da Saúde, datado de 13 de abril, apontava 15 casos suspeitos de febre amarela em oito municípios baianos. Nem Lauro de Freitas nem Salvador fazem parte da lista, que inclui Itiúba, Coribe, Itamaraju, Mucuri, Nova Viçosa, Teixeira de Freitas, Ilhéus e Feira de Santana – este o mais próximo da Região Metropolitana de Salvador. Sete casos já foram descartados para febre amarela e oito permaneciam em investi-

20 | Vilas Magazine | Maio de 2017

gação, dependendo de resultados laboratoriais. A morte de macacos chegou a 209 casos distribuídos por 67 municípios. Desses, 32 foram confirmados para febre amarela em 18 municípios, alguns deles mais próximos de Lauro de Freitas: Salvador, Camaçari, Catu, Alagoinhas, Esplanada e Itaparica e Vera Cruz. Biritinga, Cordeiros, Feira de Santana, Ituberá, Nova Viçosa, Ouriçangas, Pedrão, Santa Rita de Cássia, São Felipe, São Miguel das Matas e Saúde completam a lista. Depois da confirmação do primeiro caso de febre amarela em macacos na região de Calu, zona rural de Alagoinhas, o estado intensificou a vacinação naquela região, entregando 100 mil doses extras da vacina. Em Salvador, onde também se verificou a morte de um macaco por febre amarela, 400 mil doses extras da vacina foram disponibilizadas, em prin-

Vacinação: nem todos os municípios precisam de cobertura cípio para pessoas que não têm duas doses registradas no cartão de vacinação. De acordo com a secretaria de saúde, seria necessário imunizar 1,7 milhão de pessoas em Salvador. A vacinação contra a febre amarela agora faz parte do calendário de imunização do Sistema Único de Saúde e está disponível durante o ano todo, de segunda a sexta-feira, para pessoas com idade entre 9 meses e 59 anos, que forem viajar para áreas de risco ou para países em que a vacina é obrigatória. Desde a confirmação do caso em macacos, no entanto, o número de postos de imunização foi aumentado em alguns bairros da capital. Apesar da intensificação da campanha e do aumento do número de pessoas imunizadas, algumas não podem receber a vacina, como idosos acima de 60 anos, gestantes, lactantes até seis meses, pacientes em tratamento de câncer e pessoas imunodeprimidas. Nesses casos, a recomendação é que um médico seja consultado para que avalie o caso de cada paciente.


Especialistas alertam que a identificação de infecções nesses animais pode apoiar ações de prevenção da doença em humanos

Macacos não são transmissores de febre amarela

O

s macacos podem representar um alerta às autoridades quanto à incidência de febre amarela em áreas silvestres. Isso porque esses animais também são vulneráveis ao vírus, e a detecção de infecções em macacos ajuda na elaboração de ações de prevenção da doença em humanos. “Eles servem como anjos da guarda, como sentinelas da ocorrência da febre amarela”, explica Renato Alves, gerente de vigilância das Doenças de Transmissão Vetorial, do Ministério da Saúde. “É importante que a gente mantenha esses animais sadios e dentro do seu ambiente natural porque a detecção da morte de um macaco, que potencialmente está doente de febre amarela, pode nos dar tempo para adotar medidas de controle para evitar doença em seres humanos”, defende Renato Alves. O pesquisador e presidente da So-

ciedade Brasileira de Primatologia (SBP), Danilo Simonini Teixeira, também alerta que os macacos não são responsáveis pela transmissão da doença, que ocorre pela picada de mosquitos. “Esses animais estão sendo mortos por conta de medo da população humana em relação à transmissão do vírus. Se você mata os animais, vai haver um prejuízo, porque a vigilância não vai ser feita devido ao óbito daquele animal por uma pessoa”. Caso a população encontre macacos mortos ou doentes, não deve tocar neles, mas informar o mais rapidamente possível ao serviço de saúde do município ou do estado onde vive ou pelo número de telefone 136. Uma vez identificados os eventos, o serviço de saúde coletará amostra para

laboratório e avaliará se além desse animal que foi encontrado existem outros, se as populações de primatas da região ainda são visíveis e estão integrados, se foi uma morte isolada e se de fato é uma ocorrência que atingiu o maior número de primatas. Além disso, é possível denunciar a matança ou maus tratos de macacos pela Linha Verde do Ibama (0800 61 8080). Na denúncia, podem ser encaminhados vídeos e fotos que auxiliem na identificação do crime e de quem o cometeu, pelo e-mail linhaverde.sede@ibama.gov.br Matar animais é considerado crime ambiental pelo Art. 29 da Lei n° 9.605/98. De acordo com a legislação, “matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente ou em desacordo com a obtida” pode gerar pena de seis meses a um ano de detenção, mais multa. No bioma da Mata Atlântica, onde incide a febre amarela, encontram-se primatas ameaçados de extinção, entre eles, o bugio, o macaco-prego-de-crista, além do muriqui do sul e do norte.

Cada macaco no seu galho: primatas não transmitem febre amarela a humanos

Maio de 2017 | Vilas Magazine | 21


FEBRE AMARELA

Formas graves de febre amarela atingem menos quem já teve dengue

T

er contraído dengue pode amenizar as chances de uma pessoa ser infectada pela febre amarela. De acordo com Reinaldo de Menezes Martins, consultor da Fundação Oswaldo Cruz, há evidências de que a dengue protege contra a febre amarela. Um estudo feito pela equipe do pesquisador mostrou que é mais baixa a presença de vírus no sangue das pessoas que já tiveram dengue. Nesse sentido, é muito provável que a dengue tenha protegido as populações que já foram afetadas por aquela doença, disse. Entre as evidências e fatores históricos, Martins lembrou a observação feita, após uma epidemia de febre amarela, de um grupo de soldados do interior do Equador que não tiveram dengue e outros da região costeira que tinham contraído a doença. A avaliação indicou maior incidência de febre amarela nos militares da região sem dengue. Para o pesquisador, há evidências de que a dengue “não evita a febre amarela, mas evita as formas mais graves da doença, pelo menos, diminui muito a

MARINA BITTENCOURT CCS/FIOCRUZ)

Reinaldo Martins, consultor científico do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos da Fiocruz: dengue pode ajudar a amenizar efeitos

incidência dessas formas mais graves”. Além de proteger contra a febre amarela, esse fator pode proteger também contra

DESORDEM PÚBLICA Antiga residência na av. Praia de Itapoan – e que também já foi ponto comercial – em Vilas do Atlântico, encontra-se abandonada há muitos anos, arrastando-se em ruínas, acúmulo de lixo e refúgio para sabe-se lá o quê. Ordem pública em Vilas do Atlântico é coisa escassa. Na rua Praia de Tambaú, um lote igualmente abandonado há anos está tomado por mato, agora com seis metros de altura, ameaçando linhas de telefonia e energia. Ali como na Praia de Itapoan, um barracão cultiva ameaças à saúde pública, proliferando ratos e todos os tipos de insetos. 22 | Vilas Magazine | Maio de 2017

A transmissão do vírus acontece quando uma pessoa que nunca foi infectada ou não tomou a vacina indicada para prevenção é picada por um mosquito hospedeiro do vírus

os eventos adversos da vacina. De acordo com o professor, não há confirmação de casos de morte em decorrência de reações adversas nos estados onde estão ocorrendo campanhas de vacinação contra a febre amarela. O mais grave efeito adverso à vacina seria a doença viscerotrópica, geralmente quatro dias após a imunização. “Na maioria dos casos, a pessoa começa a ter sintomas de que alguma coisa anormal está acontecendo além dos sintomas comuns da vacina lá pelo quarto dia”, alerta – “a pessoa estava com um pouco de febre, de mal-estar, em vez de melhorar piora e depois continua piorando”.


Especialista tira as dúvidas mais frequentes sobre a febre amarela

O

Ministério da Saúde divulgou em abril, uma realidade que vem assustando os brasileiros: subiu o número de casos confirmados da febre amarela no país, com mortes em quase 100 municípios. Com índice de mortalidade variando entre 5% e 51% dos casos, segundo o Ministério da Saúde, a febre amarela deve ser combatida principalmente através da imunização da população e da erradicação do mosquito transmissor. Para aumentar a conscientização sobre a doença, o infectologista Alberto Chebabo, integrante do corpo clínico do laboratório Lâmina, esclarece as dúvidas mais comuns sobre a doença.

O que é a febre amarela e de que forma é transmitida? A febre amarela é uma doença causada por um flavivírus, que é transmitido aos humanos pela picada do mosquito Aedes aegypti, nas áreas urbanas, e pelo Haemagogus e Sabethes, nas áreas florestais, ambas em países de clima tropical, como na América do Sul e Central e em alguns lugares da África. A transmissão do vírus acontece quando uma pessoa que nunca foi infectada ou não tomou a vacina indicada para prevenção é picada por um mosquito hospedeiro do vírus. Apesar de a doença ser transmitida por dois mosquitos diferentes, os sintomas, a prevenção e as formas de tratamento são iguais. Mesmo considerada pelos especialistas como uma doença perigosa, que pode evoluir para uma forma mais grave em alguns casos, a maioria das pessoas infectadas apresenta pouco ou nenhum sintoma, e o quadro evolui para a cura em pouco tempo. Quais são os sintomas de uma pessoa com febre amarela? Essa doença pode ser confundida com várias patologias comuns em razão

dos sintomas parecidos, como febre alta, dor de cabeça, cansaço, náuseas e vômitos e dores musculares, que podem durar até quatro dias. A maioria das pessoas apresenta apenas esse quadro e, quando ele termina, o paciente adquire imunidade contra o vírus da febre amarela caso venha a ser picado novamente. Mas, em alguns casos raros, a pessoa infectada pode sofrer insuficiência hepática e renal, cansaço intenso, quadros hemorrágicos e a chamada icterícia, quando a pele e os olhos ficam amarelos – daí o nome da doença. A febre amarela é uma doença contagiosa? Até o presente momento não foi relatado ou confirmado nenhum caso de transmissão direta do vírus da febre amarela entre pessoas. A única maneira de contaminação é pela picada do mosquito portador do vírus. Como é feita a prevenção da febre amarela? Para se prevenir contra a doença, a medida mais importante é tomar a vacina contra a febre amarela. Como ela é transmitida por mosquito, inclusive com a possibilidade de contágio, nas áreas urbanas, pelo Aedes aegypti, que também transmite a dengue, a zika e o chikungunya, vale adotar as mesmas formas de prevenção dessas doenças. Nesse caso, a estratégia mais eficaz é evitar a disseminação do mosquito, retirando toda água parada de vasos de plantas, caixas-d’água, pneus e outros recipientes destampados, que são os locais perfeitos para a proliferação do Aedes aegypti. Além disso, para se proteger também do mosquito nas áreas silvestres, é necessário o uso de repelente e roupa que cubra a pele o máximo possível. Qual é o tratamento adequado para uma pessoa infectada? Não existe uma forma de tratamento específica para os sintomas comuns da febre amarela, já que a grande maioria das pessoas infectadas apresenta remissão total

da doença de três a quatro dias depois dos primeiros sintomas. Caso haja suspeita de que a doença evoluiu para seu estado mais grave, é imprescindível que o paciente procure um serviço de saúde para que o diagnóstico seja feito de forma eficaz e o tratamento possa ser iniciado o mais rápido possível. Quem deve ser vacinado? Nas áreas de recomendação de vacina, segundo o Ministério da Saúde, a vacinação por via subcutânea é indicada para todos os bebês a partir dos nove meses, que pode ser antecipada para os seis meses caso haja um surto da doença. A segunda dose é aplicada aos quatro anos. Se a criança tiver mais de cinco anos e só tiver tomado uma dose, é indicado o reforço da vacina. Crianças maiores de cinco anos ou adultos que nunca foram vacinados devem tomar uma dose agora e a de reforço daqui a 10 anos. É verdade que uma pessoa vacinada será imune ao vírus a longo prazo? Quem já tomou as duas doses dentro dos períodos indicados para cada idade está imune ao vírus. Se a pessoa só tiver tomado uma dose da vacina há mais de 10 anos, pode não estar imune e deve receber a segunda dose. A vacina pode trazer alguma reação ou efeito colateral? A vacinação é contraindicada para crianças que ainda não completaram seis meses e para mães que estejam amamentando crianças menores de seis meses e que tenham sido vacinadas; nesse caso, é importante suspender o aleitamento materno durante um mês após a aplicação da vacina. Gestantes também não devem tomar a vacina da febre amarela, mas, em caso de epidemia ou necessidade de viajar para áreas endêmicas, é importante consultar um especialista ou médico de confiança antes de tomar a dose. Idosos com mais de 60 anos e que nunca foram vacinados também devem consultar o médico. Maio de 2017 | Vilas Magazine | 23


SEUS DIREITOS

Ações contra planos de saúde:

Entenda seus direitos GILBERTO DE JESUS DA ROCHA BENTO JÚNIOR

S

ão muitos os brasileiros que tem reclamações dos planos de saúde. Por isso, é muito importante que os consumidores se atentem aos seus direitos, já que, hoje um plano de saúde é fundamental para a segurança da família brasileira. Há um bom tempo se observa o sofrimento de quem mais necessita de tratamento de saúde por conta das ilegalidades das empresas administradoras desses planos. As ocorrências mais comuns ligadas à cobertura dos planos são: negativas dos pagamentos de próteses, cirurgias, exames e Internações; reajustes e cláusulas abusivos; reembolsos limitados e rejeitados. Quando o assunto é saúde, hospital, doença, as pessoas tendem a ficar mais fragilizadas, precisam de apoio, suporte, e quando percebem que terão de enfrentar problemas com a administradora do plano de saúde, nasce um sentimento ruim, sente-se lesadas. Veja como agir nesses casos:

9.656/98, e por súmulas do Tribunal de Justiça, que garantem o atendimento de todas as doenças listadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS), inclusive o pagamento de próteses, medicamentos e materiais durante a internação. A partir de 2014 todos os planos de saúde têm obrigação de fornecer medicamentos orais para uso em casa de pacientes com câncer.

NEGATIVA DE ATENDIMENTO Uma das práticas ilegais do plano de saúde é informar ao paciente que não pagará uma prótese, não permitirá uma cirurgia ou ainda, alegam custo excessivo para não autorizar que o paciente faça uma internação de emergência. A Lei diz que é obrigatória a cobertura do atendimento em casos de emergência que implicarem risco imediato de vida ou de lesões irreparáveis ao paciente, então a operadora usa prática ilegal, podendo dizer até que é má-fé. Até em planos antigos, a obrigatoriedade de cobertura de todos os procedimentos é garantida por lei, especialmente a que trata dos planos de saúde - Lei nº

Se acontecer uma dessas negativas para qualquer dessas coberturas, decisões judiciais quase que imediatas determinam que as operadoras e planos de saúde realizem os procedimentos exatamente como prescritos pelos médicos.

24 | Vilas Magazine | Maio de 2017

AUMENTOS ABUSIVOS Em relação aos problemas com reajustes e preços das mensalidades, atualmente, o valor das parcelas é definido de acordo com a data da assinatura do contrato. Contratos assinados até 1999 podem sofrer apenas um reajuste por ano, que será baseado em algum índice oficial de inflação. Mas, se a assinatura do contrato tiver ocorrido após janeiro de 1999, quando

foi publicada a Lei dos Planos de Saúde, é a ANS a responsável por fixar o limite dos aumentos e determinar as condições para os reajustes dos planos privados. O reajuste anual tem por objetivo repor a inflação do período nos contratos de planos de saúde. Mas, o valor aplicado tem sido geralmente maior do que a inflação ao consumidor medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor - Amplo), causando ônus injusto aos consumidores. Nos tribunais, as decisões têm proibido tais aumentos e obrigado às operadoras a usarem apenas o índice calculado pela ANS, além de determinar a devolução dos valores pagos a mais. Os idosos têm sido vítimas frequentes dos aumentos abusivos dos planos de saúde, em valores muito além do estipulado em contato. Sob o “argumento” de que, com o aumento de idade, os serviços encarecem por conta dos problemas que começam a surgir. Nesses casos os tribunais têm amplamente rechaçado e dado ganho de causa ao consumidor injustiçado, contando inclusive com o Estatuto do Idoso, que entrou em vigor em 2004, e que proíbe o plano de saúde cobrar a mais do consumidor com mais de 60 anos. SINISTRALIDADE Outro problema comum é o encarecimento do plano de saúde por sinistralidade. Na prática, quanto mais a pessoa usa os serviços a que tem direito, mais prejudicada ela é. A lógica das operadoras é cobrar mais por quem usa o plano, sem que haja uma demonstração clara dos custos que originaram a cobrança. Tal postura é ilegal e também tem sido derrubada pelos juízes. Todos esses abusos cometidos pelas operadoras de planos de saúde podem ser resolvidos por meio de ações judiciais. GILBERTO DE JESUS DA ROCHA BENTO JÚ­ NIOR é advogado especializado em Direito Tributário, Empresarial, Processual e Constitucional


OFICINA DE MALABARES

SOLIDARIEDADE

APRESENTAÇÃO DAS CRIANÇAS

BRINCADEIRAS

OFICINA DE MALABARES

LBV celebra um ano de atendimento em Lauro de Freitas

OFICINA DE MOSAICO

OFICINA DE PINTURA

CONTAÇÃO DE HISTÓRIA

OFICINA DE DANÇA

A

A unidade da instituição atende crianças e adolescentes que vivem em situação de vulnerabilidade social

Legião da Boa Vontade (LBV) comemorou em abril o primeiro ano de atividades do Centro Comunitário de Assistência Social Idalina Cecília de Paiva, em Lauro de Freitas, onde são atendidas 100 crianças e adolescentes de 6 à 12 anos e seus familiares, por meio do programa Criança Futuro no Presente! Uma programação especial foi preparada para marcar a data. Os artistas plásticos André Elisio, Jean Marcos e Kell Kondurú e o arte educador Artêmio da Luz promoveram oficinas de mosaico, pintura, contação de histórias e malabares de bastão para os meninos e meninas atendidos. André Elísio desenvolveu oficina de artes com as crianças e disse que ficou surpreso com o comportamento dos pequenos. “As crianças da LBV têm um diferencial, me surpreendi com a sensibilidade de cada uma. Apesar delas viverem em uma comunidade em que a realidade é cruel. O trabalho da LBV é muito eficiente, vocês conseguiram mostrar para elas que existem outras opções no mundo’’, disse. A comemoração foi marcada também por diversas apresentações de dança e música feita pelos pequenos. O que se via no decorrer de toda a solenidade, era a alegria da garotada e principalmente das mães dos atendidos. “Antes eu não tinha ninguém para ficar com os meus filhos. Deixar nossos filhos na rua era muito ruim, ainda mais que a comunidade é violenta. Saber que eles estão aqui é muito bom, uma preocupação a menos porque sei que aqui eles estão seguros’’, afirmou a diarista, Guilhermina Cardial de Jesus. Em Lauro de Freitas, o Centro Comunitário de Assistência Social Idalina Cecília de Paiva, está localizado na Rua Professor Theocrito Batista, s/n, Itinga, anexo ao Centro de Atendimento Integrado à Criança e ao Adolescente (Caic). COMEMORAÇÃO DO ANIVERSÁRIO

Maio de 2017 | Vilas Magazine | 25


TURISMO & LAZER

PORTUGAL

TERRINHA À VISTA

Q

uem chega a Lisboa e se depara com prédios antigos, cheios de roupas nos varais, não imagina o que está acontecendo além daquelas fachadas coloridas. A capital portuguesa está em transformação, e esse movimento foi comparado recentemente ao que já passaram outras cidades europeias – Berlim, por causa da recente onda de empreendedorismo, novos negócios e ocupação imobiliária que surge por toda a cidade, e Barcelona, pelo turismo de baixo custo, que atrai estrangeiros em busca de um clima agradável o ano todo e, principalmente, de hospedagem e alimentação baratos. Soma-se a isso o aumento de voos de baixo custo que trazem gente de todos os cantos da Europa para a porção mais ocidental do continente. O resultado mais visível disso tudo é o movimento de gente pelas ruas de Lisboa e uma mistura de idiomas que tomou conta da cidade. Para a alegria dos turistas brasileiros, ainda ouve-se muito o português. Em alguns locais fora da rota turística, o inglês muitas vezes nem aparece no cardápio. Apesar dessa nova onda no turismo lisboeta, os preços praticados, principalmente na alimentação, ainda fazem da cidade uma boa opção para todos os bolsos. Por toda a parte, há menus completos que chegam a custar menos de € 10 (R$ 33), até mesmo os que incluem o bacalhau português. Já a hospedagem ficou um pouco mais cara, principalmente na alta temporada, quando quase não há vagas, nem mesmo nos apartamentos do Airbnb. A oferta de leitos, no entanto, tem aumentado, procurando responder ao fluxo de turistas. Há novas opções de 26 | Vilas Magazine | Maio de 2017

Redescoberta por turistas do mundo todo, Lisboa ganha novos ares com a revitalização de bairros, mas mantém perfil econômico que agrada viajantes em busca de hotéis e restaurantes bons e baratos

acomodação, incluindo hotéis de luxo, como o recém-inaugurado Pestana, instalado num antigo edifício que ocupa um quarteirão inteiro bem em frente à emblemática praça do Comércio. Outros prédios históricos, no eixo Baixa-Chiado, têm recebido hotéis e albergues menores, que mantêm diárias por volta de € 70 (R$ 233) mesmo no verão. Outra face visível desse aumento de turistas é o movimento no transporte público, sempre cheio: ônibus, metrô e bondes, além do vai e vem dos polêmicos tuk-tuks pelas ladeiras e ruas estreitas da capital portuguesa. Esses pequenos veículos surgiram na cidade em 2012 e até hoje tenta-se criar regras para controlá-los, como determinar regiões onde eles podem circular e estacionar, para evitar uma piora no já caótico trânsito local. VELHO E NOVO Com o intuito de acomodar os viajan-

tes, Lisboa também ampliou suas áreas turísticas para além da linha que margeia o rio Tejo. Continuam imperdíveis o tradicional bairro da Alfama, com suas ruas estreitas e vistas da cidade. Belém também segue na lista, com seus monumentos e edifícios de outros tempos e, principalmente, o pastel de nata. Já no Parque das Nações, o grandioso Oceanário e o teleférico revelam a faceta


Vista da cidade de Lisboa. Ao fundo no alto, o Castelo de São Jorge, construção do século 11, declarada monumento nacional português em 1910

moderna da antiga Lisboa. Para lamento de alguns portugueses, os novos ares acabam levando um pouco da tradição da capital. A saída do comércio antigo do centro histórico, como farmácias e ourivesarias que funcionavam havia quase cem anos, para dar lugar a novos empreendimentos, como lojas de souvenir e de conveniência, causou um certo desconforto nos lisboetas. A atualização e o aumento dos aluguéis,

aliados à necessidade de reformar grande parte dos edifícios da Baixa Lisboa, alterou o cenário construído ao longo das últimas décadas. Se isso pode passar longe dos olhos dos turistas, os moradores lamentam a perda de parte da história do lugar. LOJAS COM PASSADO Preocupada com esse cenário, a Câmara de Lisboa tem feito esforços para evitar que o comércio local perca a iden-

tidade. Criou, assim, em meados de 2016, o selo “Lojas com História”, que distinguiu inicialmente 63 estabelecimentos pela sua tradição. Mesmo que a ação ainda não garanta a sobrevivência desses locais, incluindo as célebres Confeitaria Nacional e a Ginginha Sem Rival, a ideia é apoiá-los por meio de incentivos vindos de um fundo municipal que pode chegar em € 25 mil (R$ 83,2 mil) por estabelecimento. u Maio de 2017 | Vilas Magazine | 27


TURISMO & LAZER

Graça preserva espírito tradicional da cidade antiga O bairro da Graça é daqueles lugares que ainda mantêm um certo ar tradicional lisboeta. Apesar da invasão de tuk-tuks que levam os turistas para as melhores vistas da cidade, nos miradouros da Nossa Senhora do Monte e da Graça, ainda há praças tranquilas, velhinhos pelas ruas e restaurantes sem fila. Para comer bem, há o Pitéu da Graça, onde é servido o bacalhau à moda da casa, mergulhado no azeite e acompanhado por batatas fritas fininhas e crocantes. Para os que gostam de bar, ao lado fica o Botequim, um antigo reduto de artistas do final da década de 1960, que foi reaberto e preserva o mobiliário da época e o clima intimista. Do cardápio saem petiscos típicos de Portugal. Nos dias de calor ou durante o pôr do sol, as mesinhas ao redor dos quiosques no Miradouro da Graça são ideais. Aos amantes de cervejas artesanais, no coração do bairro fica a fábrica da Oitava Colina, que abre suas portas uma vez por mês para visitas e degustações.

Para se arriscar em algum deles, é preciso perguntar onde ficam ou então seguir o movimento e o cheiro do tempero chinês. Se a ideia é não se aventurar, o restaurante Zé da Mouraria é conhecido por ter um dos melhores bacalhaus da cidade. A receita tradicional da casa, que serve fartas refeições sem frescura, é o bacalhau com grão de bico, presente no menu todas as sextas-feiras. Vale a pena fazer uma reserva e garantir um lugar no pequeno salão. Para quem procura um pouco mais de requinte e uma bela vista, um dos centros comerciais que pontua a paisagem da praça Martim Moniz abriga um dos “rooftops” mais simpáticos da cidade, o Topo. O último andar do edifício oferece uma visão privilegiada do castelo de São Jorge. A região guarda outra bela vista de Lisboa, no terraço do hotel Mundial, bem em frente à praça Martim Moniz, onde, nos fins de semana, imigrantes se juntam para jogar suas intermináveis partidas de críquete. O local é frequentado principalmente por hóspedes, mas é aberto para o público nos fins de tarde. Os preços são altos, mas a vista que se tem da Baixa de Lisboa e a proximidade do castelo de São Jorge valem a extravagância

Bairro une belas vistas a clima multicultural

Revitalizado, largo tem chopp, cafés e música

Num prolongamento da Baixa de Lisboa, fica o bairro da Mouraria, que começa na praça Martim Moniz e faz fronteira com o castelo de São Jorge. Ao chegar no lugar, a diversidade salta aos olhos do turista. Letreiros escritos em chinês e restaurantes indianos dão o tom multicultural do bairro. Durante o verão, o movimento da praça fica por conta das feiras de comida que acontecem quase todos os fins de semana. Em algumas ruas no entorno, ficam restaurantes chineses clandestinos, instalados em casas sem placas.

Depois da praça Martim Moniz, rumo à parte alta de Lisboa, fica o bairro do Intendente. Até um tempo atrás, os turistas só arriscavam ir à região por causa do restaurante Ramiro, conhecido pelos frutos do mar frescos e pela fila na porta. O largo do Intendente era visto como um reduto de tráfico de drogas e prostituição. Depois de ser revitalizado pela Câmara de Lisboa em 2012, passou a atrair novos estabelecimentos, como cafés e lojas, que deram um novo ar à região, que mereceu até um elogio no jornal “New York Times”.

28 | Vilas Magazine | Maio de 2017

O ponto alto é a Casa Independente, uma antiga construção transformada num misto de bar e balada, ainda na época em que a região não era recomendada aos turistas. No pátio interno há um jardim coberto com parreiras e com mesinhas convidativas para um café ou uma cerveja, a qualquer hora do dia. Nos fins de semana, um dos salões, com lustres garimpados em antiquários, dá lugar a uma movimentada pista de dança.


De volta ao largo, durante o dia todo, três cafés ficam abertos aos visitantes, um em cada canto do espaço. O das Joanas fica numa pequena esquina e serve uma apetitosa empada de pato que vai bem acompanhada de uma imperial gelada (um “quase” chopp para os lisboetas). O Café do Largo é conhecido pelos shows intimistas de músicos de passagem pela cidade ou de ritmos africanos e brasileiros ao longo da semana. No outro extremo fica o Josephine, com jeitinho de bistrô e um cardápio que tem desde hambúrguer até quiche. Entre eles fica A Vida Portuguesa, venda que ocupa uma antiga loja de cerâmica. Se não for a mais bonita da cidade, com certeza é uma boa para comprar produtos genuinamente portugueses, como enlatados, tapeçaria e cerâmica. Guilherme Tosetto / Folhapress.

Mesmo em alta, Lisboa mantém baixo custo. Na capital portuguesa, é possível encontrar menus por menos de R$ 33 e diárias em hotéis por cerca de R$ 250. Cidade ganha novos ares com a chegada de empreendimentos e viajantes de toda parte do mundo

Maio de 2017 | Vilas Magazine | 29

Portugal está cada vez mais consolidado como um dos destinos turísticos preferidos dos brasileiros. Em 2016, foram 624 mil visitantes no país, o que representou um recorde histórico. “A atração entre as duas pátrias é histórica e no âmbito do turismo, o brasileiro está descobrindo um ‘novo’ Portugal, um destino moderno, seguro e de uma grande diversidade, embora mantenha sua autenticidade como nação. Seja em Lisboa, no Porto, no Algarve, nas ilhas ou em qualquer lugar, todas as regiões carregam um pouco do Brasil”, diz Bernardo Cardoso, diretor do escritório brasileiro do Turismo de Portugal. Sentir Portugal é ainda respirar as inúmeras belezas espalhadas pelas setes regiões, cinco continentais e duas ilhas, é viajar do litoral ao interior e entender como um país do tamanho de Portugal tem tanta diversidade para oferecer. Para isso, o espaço valoriza a natureza, com roteiros que vão desde belas praias e falésias a parques naturais, montanhas e vales, de norte a sul. O natural lifestyle desperta os apaixonados por golfe, bike e trilhas para um mundo de experiências únicas por descobrir. Os sabores portugueses, outro ponto forte, vão muito além do pastel de nata e bacalhau. São pratos preparados por chefs conceituados, com frutos do mar e peixes abundantes, mas também o porco preto alentejano, os queijos de Azeitão e doces conventuais. Além disso, é impossível falar de sabores e não citar os tradicionais vinhos e castas, provenientes de regiões vinícolas espalhadas pelo país, que são referência em todo o mundo. Com uma diversificada gastronomia, Portugal orgulha-se de que dificilmente um turista repete o mesmo prato na sua estadia, do simples ao sofisticado. Um roteiro gastronômico que vai do boteco português aos 21 restaurantes premiados a com a estrela Michelin em 2016. Portugal é um país alegre, onde a festa e a diversão são uma constante, destacando-se os festivais de música, como o NOS Alive, o Super Bock, Super Rock, o NOS Primavera Sound e o Rock in Rio, além de festas populares e da sempre agitada e cosmopolita vida urbana que faz de Portugal um destino “cool”, referência em todo o mundo, evidenciando sua qualidade em infraestruturas e serviços, sendo também um hub para startups e palco do Web Summit, maior feira de empreendedorismo do continente.


DECORAÇÃO

Mesclar objetos contemporâneos e clássicos valoriza a decoração

A

certar na decoração da casa é mesclar estilos diferentes na medida certa.A mistura de elementos clássicos e contemporâneos contribui para valorizar os ambientes, expressar um pouco da personalidade do proprietário (preferências e o estilo de vida) e ainda possibilita um aproveitamento harmônico e funcional nos espaços da casa. A arquiteta Andréa Cardoso, garante que nos projetos de decoração atuais o clássico e o contemporâneo dialogam a todo momento. “Um ambiente que traz móveis e materiais que se eternizaram no gosto dos clientes (clássico) unido a novas cores, texturas e a ideia do funcional, de

Mistura possibilita aproveitamento harmônico e funcional dos espaços da casa ter no espaço apenas objetos que têm utilidade para o proprietário (contemporâneo), tem sido cada vez mais procurado pelos clientes”, explica. Entre seus projetos, Andréa Cardoso busca primeiro entender o perfil do clien-

te e apresenta opções visando além da estética, a funcionalidade e o conforto. A profissional inclusive dá exemplos de como mesclar os estilos sem carregar muito o ambiente. “Um sofá Leão ou Baotian, que remete a décadas passadas, com almofadas de tecidos diferentes, ou ainda um armário lustrosa na sala de estar com pintura em laca, que fica com uma cor viva e brilhante”, indica. BOM SENSO Para decorar ambientes não existe um padrão fixo. A escolha dos materiais, cores, quantidade de peças e a textura dos objetos pode ser feita de diversas formas, contando que haja bom senso. A arquiteta de interiores Adélia Estevez afirma que a decisão por estilos de decoração ou pela mistura de estilos depende de vários fatores. “Como os arquitetos são contratados para realizar ADELIA ESTEVEZ / DIVULGAÇÃO

j

30 | Vilas Magazine | Maio de 2017


ARQUIVO PESSOAL

k

l

o sonho de consumo do cliente, então todas as escolhas devem levar em consideração a preferência do proprietário. Porém outros fatores também são importantes, como o estilo de vida – se a pessoa costuma receber amigos em casa, a localização da casa ou apartamento, o espaço disponível e ainda quais móveis ou objetos atendem às necessidades diárias do cliente”, explica a arquiteta. As pessoas estão buscando cada vez mais elementos que deixem o ambiente confortávelecom estilo próprio. Por isso, é comum atualmente que os espaços da casa ganhem peças antigas, às vezes até de herança familiar. A corretora de imóveis Márcia Torres, para decorar sua casa, optou pela mistura de estilos. “Nos ambientes escolhi elementos mais atuais unidos a pelo menos uma peça retrô e cores mais neutras. Na

sala de estar um quadro bem atual faz companhia a uma costureira, peça que no século passado servia para guardar materiais de costura”.

ADELIA ESTEVEZ / DIVULGAÇÃO

m

ANDREA CARDOSO / DIVULGAÇÃO

Lívia Oliveira / Ag. A Tarde.

MISTURE AS PEÇAS COM HARMONIA CORES Móveis neutros combinam com acessórios de cores mais quentes

ANTIGUIDADE Ao restaurar poltronas antigas, prefira tecidos mais coloridos PINTURA LACA Móveis de madeira 1 - Projeto de Adélia Estevez une poltronas clássicas com peças contemporâneas 2 - Márcia Torres misturou os estilos para decorar sua casa 3 - No projeto de Andréa Cardoso, cômoda e espelho clássico são contrastes no quarto

ganham mais brilho e graciosidade pintados em laca

QUADROS As molduras dos quadros (moderna ou retrô) deixam o ambiente maisharmônico PAPEL DE PAREDE De diferentes cores e formatos, deixam o ambiente descontraído ANDREA CARDOSO / DIVULGAÇÃO

n

4 - Cadeiras e lustres ganham destaque na decoração da sala 5 - Em apartamento pequeno, peças clássicas, como aparador, têm lugar Maio de 2017 | Vilas Magazine | 31


COMPORTAMENTO

Esse óleo não faz milagres O óleo de coco tem sido associado a diversos benefícios, mas as sociedades médicas alertam: não só ele não protege o coração como pode até elevar o colesterol

U

m óleo vegetal que previne doenças cardiovasculares, e neurodegenerativas, é bom para o cabelo, para a higiene e ainda ajuda a emagrecer. Se você pensou em óleo de coco, acertou, mas também errou, já que nenhum desses benefícios é real. Sociedades médicas brasileiras têm tentado desmistificar o falso milagre do momento: as funções terapêuticas do óleo de coco. Em março, a Associação Brasileira de Nutrologia (Abran) se posicionou contra a prescrição do óleo como terapia para emagrecer. Antes, a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (Sbem) e a Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso) já haviam divulgado, em conjunto, um posicionamento contrário à utilização do óleo de coco para a perda de peso. As duas sociedades afirmavam que não havia qualquer evidência científica ou mecanismos fisiológicos para a associação entre o tão falado óleo e o emagrecimento. OK, não afeta o peso, mas evita um monte de doenças e faz bem para a saúde, certo? Mais uma vez, não. O posicionamento da Abran também fala sobre as outras propriedades supostamente milagrosas do óleo. De forma geral, o óleo de coco não possui ação antibacteriana – e tem muita gente que usa o óleo para higiene. Os estudos foram realizados in vitro e não são conclusivos. Portanto, o produto não deve ser indicado para este fim. Da mesma forma, não há estudos que abordem o efeito do óleo na função cerebral ou evidência de uma ação protetora contra doenças neurodegenerativas. “Hoje não há suporte científico para dizer que ele traz qualquer benefício”, afirma Ana Lúcia dos Anjos, pesquisadora da faculdade de medicina da Unesp de Botucatu e médica nutróloga da Abran. “De forma muito prática, é possível dizer que ele serve para nada”, diz Fábio Trujilho, presidente da Sbem. Para Maria Edna de Melo, presidente da Abeso, o óleo de coco é só um modismo com apelo de produto natural. “As pessoas gostam do milagre”, diz Ana Lúcia. “Hoje, com o aumento da obesidade, qualquer coisa que supostamente ajude a perder peso vende muito”, diz Trujilho. E a um preço alto: um pote de 200 ml custa cerca de R$ 20.

32 | Vilas Magazine | Maio de 2017


OUVI DIZER QUE O ÓLEO DE COCO ... ...previne contra alzheimer e doenças do coração Não há estudos sérios e conclusivos que demonstrem qualquer caráter terapêutico ...emagrece Também não há nenhum estudo conclusivo que o ligue ao emagrecimento ...é bom para o cabelo Sim, assim como vários tipos de óleo. Pessoas com caspa ou couro cabeludo oleoso podem ter condições pioradas ...se usado como bochecho deixa o dente branco Não há evidência disso - funcionaria no máximo como um sabão. A prática pode levar à ingestão de óleo ...é bom para a pele A substância não possui ação antibacteriana, antifúngica ou antiviral e pode agravar a acne e outras condições

GLOSSÁRIO Saturado/insaturado: Ácidos graxos (gorduras) saturadas (moléculas mais “retas”) estão associados a doenças cardiovasculares Ponto de fumaça: Temperatura a partir da qual há produção de fumaça tóxica - quanto menor, pior para frituras longas Ômegas Molécula: *Ômega 3* protege coração e é anti-inflamatória; O *Ômega 6*, sem o Ômega 3, é anflamatório; o *Ômega 9* diminui risco cardiovascular Vitamina E: Geralmente desejável, molécula é antioxidante e protege contra radicais livres. FONTES: “Vegetable oils in food technology composition properties and uses”; Trending Cardiovascular Nutrition Controversies, publicado no Journal of the American College os Cardiology; Ana Lucia Ferreira dos Anjos, nutróloga da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran), Clarissa Fujiwara, nutróloga da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade (Abeso), Leonardo Spagnol, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e Marco Manfredini, secretário do Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (Crosp).

FAZ MAL? O problema, afirma Maria Edna, é que quando se faz uma orientação baseada em modismo não se sabe dos possíveis riscos à saúde dos pacientes. E há quem indique o óleo de coco como se fosse um medicamento, para ser tomado de colherada. A presidente da Abeso se refere à questão das gorduras saturadas, nas quais o óleo de coco é rico e que, na literatura médica, são tradicionalmente associadas a uma maior chance de eventos cardiovasculares. Estudos feitos até o momento apontam para um aumento de colesterol (tanto o ‘ruim’, o LDL, quanto o ‘bom’, o HDL) associado ao consumo de óleo de coco. Algumas pesquisas têm questionado a relação direta da gordura saturada com eventos cardiovasculares. Contudo, os especialistas ouvidos pela reportagem dizem acreditar que o melhor é não incentivar o uso do óleo de coco, por cautela e segurança. Trujilho diz que ainda não é possível bater o martelo e dizer se o óleo de coco pode fazer mal ou não, mas não há dúvidas de que ele não tem propriedades terapêuticas. Clarissa Fujiwara, pesquisadora do Hospital das Clínicas da faculdade de medicina da USP e membro da Abeso, afirma que o óleo de coco não deve substituir, por completo, outros óleos e gorduras e que não é adequado estimular o uso para indivíduos que precisam controlar os níveis de colesterol. Ela lembra ainda que as quantidades e tipos de óleos devem ser ajustados às necessidades individuais. Para quem está na dúvida de qual óleo usar, a pesquisadora tem uma dica: um dos tipos de óleo em que há consenso em relação à saúde é o azeite de oliva, alvo de muitas pesquisas e associado à dieta mediterrânea. u Maio de 2017 | Vilas Magazine | 33


COMPORTAMENTO

ÓLEO NOSSO DE CADA DIA Conheça vários tipos de óleos/gorduras e suas características (lPonto negativo lPonto positivo) lllÓLEO DE COCO l Rico em ácidos graxos saturados l Estudos mostram aumento do colesterol e o ponto de fumaça não é alto (177ºC) l Mesmo possuindo substâncias antioxidantes, especialistas sugerem limitar ingestão lllÓLEO DE PALMA / AZEITE DE DENDÊ l Rico em ácidos graxos saturados l Rico em Ômega 9, pobre em Ômega 6, rico em vitamina E e ponto de fumaça alto (232ºC) l Especialistas sugerem limitar ingestão lllMANTEIGA l Rico em ácidos graxos saturados l Ponto de fumaça baixo (150ºC) - não indicada para frituras l Possui algumas vitaminas, como A, por exemplo lllAZEITE DE OLIVA l Grande proporção de ácidos graxos monoinsaturados l Quando aquecido, perde parte das propriedades antioxidantes l Presença de Ômega 9 e compostos antioxidantes lllÓLEO DE SOJA l Maior parte da composição é de ácidos graxos insaturados l Ponto de fumaça elevado (234ºC) - bom para frituras longas, de imersão l Costuma possuir custo baixo lllÓLEO DE GIRASSOL l Predominância de ácidos graxos insaturados l Ponto de fumaça elevado (209ºC) - bom para frituras longas, de imersão l Boa proporção de Ômega 9 lllÓLEO DE CANOLA l Proporção alta de ácidos graxos insaturados l Ponto de fumaça elevado (220ºC - 230ºC) - bom para frituras longas, de imersão l Presença de Ômega 3 e vitamina E

Também vale o famoso “use com moderação”, válido para quase qualquer item do cardápio, especialmente quando o conhecimento sobre ele ainda é incipiente. “As verdades científicas são transitórias. Esse posicionamento da Abran pode ser mudado. Mas, por hora, é isso o que se sabe sobre o óleo de coco”, diz Ana Lúcia. Os especialistas ouvidos pela reportagem são unânimes em um ponto: fuja de modismos e soluções mágicas. Phillippe Watanabe / Folhapress.

34 | Vilas Magazine | Maio de 2017

TELA CHEIA, CÉREBRO VAZIO Terceirizar memória, cálculos, e gramática para o smartphone está nos deixando menos ‘smart’? Neurocientistas que estudam o impacto da tecnologia sobre a mente apontam que sim

O

celular que acessa a internet, grava vídeos, toca música, armazena milhares de livros, conta quantas calorias você ingeriu no almoço e não sai do seu lado nem na hora de dormir está fazendo suas faculdades mentais murcharem? Ainda é cedo para dizer com certeza, mas há indicações preocupantes de que um anúncio na linha “O Ministério da Saúde adverte: uso excessivo de smartphone emburrece” não é ficção científica. A telefonia móvel turbinada seria, na verdade, apenas o símbolo de um problema maior – no caso, o excesso de


estimulação e exposição simultânea a múltiplas mídias que tem se tornado cada vez mais comum no último par de décadas. Diversos estudos indicam que há uma correlação entre esses estímulos incessantes e coisas como reduzida capacidade de memória, dificuldade de filtrar informações irrelevantes, problemas de impulsividade e falta de empatia. Ainda não está claro se a avalanche de mídias eletrônicas está causando esses problemas ou apenas os potencializa, mas os dados disponíveis até agora sugerem que mais cautela no uso desses dispositivos não faria mal, em especial por parte de pessoas cujo sistema nervoso ainda está em franco desenvolvimento (ou seja, crianças e adolescentes). MMs Os neurocientistas e psicólogos que estudam o impacto das tecnologias sobre a mente humana têm avaliado com especial atenção os efeitos do chamado MM (sigla inglesa de “media multitasking” ou “uso multitarefa de mídias”). O comportamento MM é, obviamente, muito facilitado pela posse de um smartphone – ouvir música e usar um aplicativo de mensagens ao mesmo tempo, por exemplo (talvez com a TV ligada ao fundo). O grupo coordenado pelo psicólogo Anthony Wagner, da Universidade Stanford (EUA), foi um dos primeiros a analisar de forma quantitativa o desempenho cognitivo de jovens classificados como HMMs (intensos usuários multitarefa de mídias) e LMMs (usuários “leves”). Em um dos estudos da equipe, que saiu na revista “PNAS”, havia duas tarefas simples (veja infográfico). Em uma delas, os jovens tinham de dizer se a posição de alguns retângulos vermelhos na tela do computador tinha mudado – e, ao mesmo tempo, não prestar atenção nos retângulos azuis que também apareciam na tela. Os ‘usuários intensos’, que poderíamos comparar a viciados em smartphone, saíram-se significativamente pior. No caso das letras e números, o curioso é que eles tinham mais dificuldade de alternar entre os dois tipos de estímulo, embora supostamente estivessem mais habituados a lidar com dois tipos de informação ao mesmo tempo. Em outra pesquisa de Wagner, desta vez no periódico “Psychonomic Bulletin & Review”, os pobres ‘usuários intensos’ também mostraram ter desempenho pior na chamada memória de trabalho (a que as pessoas usam para guardar por alguns instantes um número de telefone antes de discá-lo, por exemplo) – e, o que é mais preocupante, esse efeito parece se refletir na memória de longo prazo. No que diz respeito à memória, resultados parecidos foram obtidos por Betsy Sparrow e colegas da Universidade Columbia (EUA) em artigo na revista “Science”. Os pesquisadores chegaram a usar o termo “efeito Google” porque as pessoas tinham mais dificuldade para recordar u Maio de 2017 | Vilas Magazine | 35


COMPORTAMENTO

informações quando sabiam que elas estavam salvas no computador no qual participavam do estudo. Os efeitos citados acima já poderiam ser considerados ruins se tivessem apenas relação com o aprendizado, mas outros estudos mostram ainda que o MM mexe com coisas como o controle da impulsividade, das frustrações e das relações sociais. Adolescentes do Canadá viciados em trocar mensagens, por exemplo, são mais propensos a mostrar preconceito em relação a pessoas que não fazem parte de seu grupo social ou étnico e a valorizarem dinheiro e aparência física. DILEMA DE TOSTINES Segundo Wagner, é preciso reconhecer que há um certo “dilema de Tostines” nesses dados. Pode ser que as pessoas que naturalmente já são mais dispersas e com baixo controle de impulsividade sejam atraídas naturalmente para o uso excessivo de mídias eletrônicas, e não que cérebros serenos estejam sendo destruídos pelos aparelhos. “Acho o tópico fascinante, porque estamos entrando numa outra fase da evolução”, analisa o neurocientista Sidarta Ribeiro, do Instituto do Cérebro da UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte). “Já somos ciborgues, estamos terceirizando memórias de trabalho, cálculos, gramática etc.” Um impacto possível dessa explosão a longo prazo seria a diminuição da criatividade humana, uma vez que o ócio cerebral – o descanso sem estímulos significativos – ajudaria a criar conexões entre temas díspares e a ter ideias inovadoras. Ribeiro é menos pessimista. “Essa questão é uma faca de dois gumes. O computador e a internet aumentam imensamente o poder de criar, embora possam matar o devaneio do ócio. A variância está aumentando – vejo um futuro com mais gênios e mais idiotas. Depende do modo de usar a tecnologia.” Reinaldo José Lopes / Folhapress.

36 | Vilas Magazine | Maio de 2017

Suicídios ligados a desafio entre jovens exigem atenção especial Polícia investiga casos no Brasil; pais devem se atentar a mudanças bruscas

U

m suposto jogo de incentivo ao suicídio, o “BlueWhale”, ou o desafio da Baleia Azul, que viroufebre entre os adolescentes de vários países, está relacionado a casos de suicídio e de automutilações entre jovens brasileiros. No jogo, os adolescentes são previamente selecionados pelo Facebook ou WhatsApp para participar de 50 desafios, cumprindo tarefas que incluem mutilar partes do corpo, assistir a filmes de terror, subir no alto de um edifício e escutar músicas depressivas. A última “missão” é tirar a própria vida. Ao menos três Estados brasileiros (MT, MG e PB) estão investigando casos de suicídio e de mutilações relacionadas ao “Baleia Azul”. Em Vila Rica (MT), uma menina de 16 anos cometeu suicídio dia 11 de abril. Segundo a polícia, ela deixou duas cartas onde falava sobre as regras e a cronologia das ações a serem cumpridas e também apresentava alguns cortes nos braços e coxas. À revista “Veja” a mãe da garota relatou que a filha havia mudado de comportamento nos últimos dois meses e que encontrou um papel em que a estudante havia escrito com a própria letra regras a serem cumpridas, como “abrace os seus pais e diga a eles que os ama”, “peça desculpas”, “tire a sua vida”. Em Pará de Minas (MG), a polícia investiga a morte de um jovem de 19 anos, no dia 12 de abril. Segundo a família, ele também estava participando do “Baleia Azul”. À polícia, a mãe do rapaz relatou que ele vinha tentando deixar o grupo que estimulava o jogo, mas sofria pressão grande e nos últimos dias agia de forma estranha. Afirmou ainda que ele já tinha cumprido alguns desafios, como tirar uma fotografia assistindo a um filme de terror e filmar a ele mesmo no alto de um edifício, e chegou a se cortar tentando desenhar uma baleia no braço com uma lâmina de barbear quebrada, desafio que não terminou. O rapaz era casado e tinha uma filha recém-nascida. A Polícia Civil mineira, que investiga o caso, diz que o grupo que o jovem participava está sendo investigado. Foram encontrados participantes com idades entre dez e 20 anos de todos os Estados. Na Paraíba, o setor de inteligência da Polícia Militar dia 11 de abril uma investigação para apurar a participação de estudantes de JoãoPessoa no “desafio da Baleia Azul”. As denúncias são de que alunos de uma escola da capital paraibana estariam participando do grupo e já teriam realizado “tarefas” de automutilação. O tema suicídio também tem sido abordado na polêmica série “13 Reasons Why” (algo como 13 razões pelas quais), da Netflix, e preocupado os especialistas em saúde mental por supostamente poder causar um efeito de imitação no mundo real. Para psicólogos e psiquiatras, o momento exige uma atenção especial dos pais. O número de suicídios entre jovens tem aumentado em todo o mundo e, na maioria dos casos, há algum transtorno mental associado ao ato – em geral, a depressão. A recomendação é para que se atentem para qualquer mudança bruscas u


BETH DUBBER/NETFLIX/DIVULGAÇÃO

SINAIS DE ALERTA Comportamentos que podem indicar plano de suicídio l Falar sobre querer morrer l Procurar formas de se matar l Falar sobre estar sem esperança ou não ter propósito de vida l Comentar sobre estar se sentindo preso ou sob dor insuportável l Falar que é um peso para os outros l Aumento no uso de álcool e drogas l Agir de modo ansioso, agitado ou irresponsável l Dormir muito ou pouco l Isolar-se l Demonstrar raiva ou falar sobre vingança l Ter alterações de humor extremas

“Se eu perguntar sobre suicídio, posso induzir uma pessoa a se matar” l Questionar sobre ideias de suicídio de modo sensato e franco fortalece o vínculo com a pessoa, que se sente acolhida e respeitada “Ele está ameaçando o suicídio apenas para manipular outros” l Muitas pessoas que se matam dão sinais verbais ou não verbais de sua intenção para amigos, familiares ou médicos. Não se pode deixar de considerar a existência desse risco

Quanto mais sinais, maior pode ser o risco de a pessoa se matar DEPRESSÃO EM ADOLESCENTES Sinais que podem sugerir a doença entre os jovens l Mudanças marcantes na personalidade ou nos hábitos l Piora do desempenho na escola, no trabalho e em outras atividades rotineiras l Afastamento da família e de amigos l Perda de interesse em atividades de que gostava l Descuido com a aparência l Perda ou ganho inusitado de peso l Comentários autodepreciativos persistentes l Pessimismo em relação ao futuro, desesperança l Disforia marcante (combinação de tristeza, irritabilidade e acessos de raiva) l Comentários sobre morte, sobre pessoas falecidas e interesse por essa temática l Doação de pertences que valorizava CERCA DE 90% das pessoas que se suicidaram possuíam transtornos mentais. Elas poderiam ter sido tratadas e acompanhadas.

MITOS SOBRE SUICÍDIO

Cena de ‘13 reasons Why’, série que aborda o suicídio e preocupa especialistas por supostamente romantizar o tema u de comportamento de seus filhos, especialmente os adolescentes. Nos dois casos relatados acima, no Mato Grosso e em Minas, os jovens deram sinais de havia algo errado. Infelizmente, não houve tempo hábil para uma intervenção. A situação também requer um cuidado redobrado dos meios de comunicação na forma como essas notícias estão sendo divulgadas. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), quando o assunto é veiculado ao público de modo adequado, pode ocorrer o efeito de prevenção de suicídios e discussão saudável sobre o tema. Por outro lado, quando feito de modo descuidado, o resultado pode ser exatamente o oposto, ou seja, pode serum incentivo à prática. Um manual da OMS orienta, por exemplo, que devem ser evitadas descrições do método e das circunstâncias em que ocorreu a morte. O “desafio da Baleia Azul” é também um caso de polícia. Instigar uma pessoa ao suicídio é crime, passível de pena de dois a seis anos de prisão. Se souber de grupos incentivando o jogo, denuncie. Cláudia Collucci / Folhapress.

“Quem quer se matar se mata mesmo” l Essa ideia pode conduzir ao imobilismo. As pessoas que pensam em suicídio frequentemente estão ambivalentes entre viver ou morrer. Prevenção é impedir os casos que são evitáveis “Uma vez suicida, sempre suicida” l A elevação do risco de suicídio costuma ser passageira. Pessoas que já tentaram suicídio podem viver, e bem, uma longa vida O QUE FAZER l Não deixeapessoa sozinha l Tire de perto armas de fogo, álcool, drogas ou objetos cortantes l Ligue para canais de ajuda l Leve a pessoa para uma assistência especializada. Fontes: American Foundation for Suicide Prevention, Centro de Valorização da Vida, Organização Mundial da Saúde e “Comportamento Suicida: Vamos Conversar sobre Isso?”, de Neury José Botega, membrofundador da Associação Brasileira de Estudos e Prevenção do Suicídio

Maio de 2017 | Vilas Magazine | 37


VIDA SAUDÁVEL

Remédios e maus hábitos são causas da úlcera de estômago Beber e fumar em excesso são fatores de risco para lesão. Uso de anti-inflamatórios também é perigoso

38 | Vilas Magazine | Maio de 2017

A

má alimentação, ao contrário do que muitos imaginam, não está ligada ao surgimento de úlceras do estômago. Os maus hábitos, como fumar e beber em excesso, são os grandes vilões que provocam essas feridas que causam muita dor. Mas os anti-inflamatórios e aspirinas, se usados em excesso e por muito tempo, também entram na lista das causas para essa doença. “Vários remédios agridem o estômago. Essa automedicação pode ser extremamente perigosa. Álcool e sais de fruta também levam a essas feridas profundas”, diz o especialista em gastroenterologia Eduardo Antonio André, da Federação Brasileira de Gastroenterologia.


“Nos Estados Unidos, por exemplo, 100 mil pessoas morrem por ano por causa de úlcera estomacal”, diz. Segundo ele, no Brasil não há esses dados compilados”. André explica que a úlcera é uma inflamação que favorece o surgimento de ferimentos profundos em órgãos como estômago e esôfago. “Além da dor, pode haver sangramento e até perfuração do órgão”, explica. O especialista afirma que maiores de 60 anos devem tomar remédios, como antiinflamatórios, acompanhados de um protetor de estômago, receitado por médico. Outra dica do gastro, em qualquer idade, é tomar qualquer medicamento com o estômago cheio. Abandonar refrigerantes, em especial os que possuem cola, ajuda a evitar o mal. “Não existe fórmula mágica. Manter uma alimentação e hábitos saudáveis é essencial”, diz André. Alimentos e bebidas em temperaturas extremas (quentes ou frias), podem ser prejudiciais. O médico alerta, sobre o perigo do uso de suplementos, comuns em academias de ginástica. As mulheres podem adquirir úlcera se tomarem em excesso remédios para cólica. “O ideal é sempre consultar um médico”,

conclui o profissional. BACTÉRIA PODE SER FATOR PARA COMPLICAÇÃO Do total de diagnosticados com úlcera estomacal, cerca de 30% pode ser ter como causa a infecção pela bactéria Helicobacter pylori (H. pylori), segundo Claudio Coy, coordenador do Centro de Diagnóstico de Doenças do Aparelho Digestivo Gastrocentro da Unicamp. “O paciente pode ser infectado e não acontecer nada, mas também há o risco de desenvolver câncer de estômago”, explica. Tatiana Cavalcanti / Folhapress.

Maio de 2017 | Vilas Magazine | 39


VIDA SAUDÁVEL

Mioma pode deixar mulher com barriga igual à de grávida Sintoma aparece em um tipo específico do tumor, mas na maior parte dos dos casos mioma nem dá sinais

O

mioma, tumor que não é câncer e nasce dentro ou fora do útero, é mais comum do que se possa imaginar. Na maior parte dos casos, a mulher nem sabe que o tem. Mas, dependendo do lugar do útero onde surge, pode fazer a barriga crescer a ponto de aparentar gravidez. “No geral, 30% das mulheres com mioma têm sintomas, como sangramentos e dores abdominais. As outras 70% não sentem nada”, diz o ginecologista Marcos Messina. Pesquisa apresentada em documento do Ministério da Saúde aponta que 7%

das mulheres tiveram diagnóstico de mioma no país – dentro de grupo com idade entre 15 e 49 anos. Na maioria dos casos, o tumor foi detectado em mulheres com idades entre 30 e 40 anos. Não existe uma explicação para o surgimento. Estudos mostram que ele está relacionado aos hormônios progesterona e estrogênio, que preparam o útero para a gravidez. Por isso há maior incidência entre mulheres durante a idade fértil. Segundo o ginecologista e obstetra Fábio Muniz, as mulheres negras são mais

propensas a terem o tumor, embora não se saiba a razão. “O surgimento dos miomas é duas a três vezes mais comum nesse grupo”, diz o médico. Muniz também afirma que o tumor pode demorar para apresentar sintomas, ficando estável por alguns anos para crescer em poucos meses. O tratamento, na maioria das vezes, é feito à base de medicamentos para controlar o fluxo menstrual. “Sem receber sangue, o mioma encolhe”, diz Messina. “Caso seja preciso de cirurgia, é feita a retirada do mioma. Em alguns casos, é retirado o útero”, completa. Outras situações podem pedir que os médicos façam um processo chamado embolização, em que uma espécie de sonda é inserida para cortar a artéria que leva o sangue ao mioma. Sem sangue, o mioma tem seu crescimento interrompido. Emerson Vicente / Folhapress.

CONVERSANDO SAÚDE COM O NOB Autoestima tem novo aliado Um dos efeitos colaterais mais incômodos da quimioterapia é a queda de cabelos (alopecia). Esse efeito já pode ser minimizado por meio de uma técnica conhecida como crioterapia, que chegou à Bahia no final de 2015 e, a partir deste mês, já está disponível em Lauro de Freitas. A manutenção da autoestima é fundamental durante a luta contra o câncer, pois ajuda na tolerância e na adesão do paciente ao tratamento. A crioterapia tem mais sucesso quando utilizada em pacientes

com tumores na mama, no endométrio e no ovário, que são os que mais afetam as mulheres, mas também pode ser utilizada por homens. Em contrapartida, o tratamento não está indicado para quem tem outros tipos de câncer, como o hematológico – linfomas e leucemia – ou o melanoma no couro cabeludo. O equipamento inglês, usado para resfriamento do couro cabeludo, já foi utilizado em vários países da Europa, em mais de 2 mil pacientes submetidos a diferentes

Lauro de Freitas - Rua Doutor Barreto, 294 Pitangueiras - Lauro de Freitas / BA Tel.: (71) 3443-0170

tratamentos quimioterápicos, e a taxa de sucesso variou de 49% a 100% dos casos publicados. Em geral, o tratamento é bem tolerado, porém, alguns pacientes podem se queixar de dor de cabeça, tontura e sensação de frio, sintomas que são rapidamente superados pelos resultados alcançados. No Brasil, nove estados contam com o serviço em clínicas do Grupo Oncoclínicas. Na Bahia, o equipamento está disponível nas clínicas NOB em Ondina e Lauro de Freitas.

Salvador - Avenida Adhemar de Barros, 123 Ondina - Salvador / BA

Central de marcação - Tel.: (71) 4009-7070 clinicanob

40 | Vilas Magazine | Maio de 2017

www.nucleodeoncologia.com.br

Dr. Eduardo Moraes

Oncologista

NÚCLEO DE ONCOLOGIA DA BAHIA - FILIAL

Validade 03/02/2018

Resp. téc.: Dr. Eduardo Moraes | Cremeb: 11145


Maio de 2017 | Vilas Magazine | 41


BELEZA & ESTÉTICA

Proteja os fios de ficarem verdes

Q

Substâncias para limpar a piscina causam alteração na cor do cabelo; hidratar os fios e usar produtos selantes ajuda a evitar o problema

uando tinha 18 anos, a modelo Viviane Bordin, 36 anos, levou um susto ao mergulhar na piscina. “Na época, meu cabelo estava lindo, super claro. Mas quando saí da água, percebi que tinha ficado verde. Corri para o salão, mas fizeram uma lavagem que quebrou todos os fios”, relembra. Ela não deixou de frequentar piscina, mas optou por não correr mais o risco de estragar as madeixas. “Fiquei traumatizada, então, agora, eu simplesmente não mergulho mais em nenhuma piscina com o cabelo solto. Somente com touca de natação.” Não é preciso ser tão radical. Algumas dicas ajudam a evitar o efeito esverdeado que a água da piscina pode causar nos

42 | Vilas Magazine | Maio de 2017

cabelos loiros. “A maioria das pessoas acredita que o grande culpado seja o cloro, mas não é. O maior problema das piscinas é o sulfato de cobre, um ativo químico de cor azul que é utilizado no tratamento para combater algas. Ele tem o poder de penetrar na queratina do fio e mudar a cor de fundo do cabelo”, conta o “hairstylist” Alexander Guerreiro. E não são apenas os loiros que estão sujeitos a esse efeito. Geralmente os cabelos que têm mais intervenção de cor são os claros, como loiros e brancos, mas ruivos, castanhos e pretos também mudam. “O sulfato de cobre é azul e, em contato com o pigmento amarelo

do cabelo loiro, dá uma coloração esverdeada. Outros tipos de cabelo também podem sofrer com o produto químico, que desbota os fios”, ensina a tricologista Marcela Buchaim. Por isso é importante manter o cabelo saudável. Um fio menos poroso, com as cutículas fechadas, desbotará menos. O mais indicado é caprichar na hidratação antes de nadar. “O ressecamento em excesso deixa o fio exposto. O tempo em que a pessoa fica na água não influencia no efeito, mas a fragilidade do fio sim”, diz o cabeleireiro Capa Lima. Antes de entrar na água, o melhor é criar uma proteção com produtos que ajudam a blindar o cabelo. Molhar os fios com água corrente antes de mergulhar na piscina também ajuda, pois ameniza a absorção da água com substâncias danosas. Enxaguar depois do mergulho evita que os produtos tenham efeito tardio. Mas, se o estrago já foi feito e o cabelo está esverdeado, dá para buscar socorro em tratamentos de emergência (veja mais no quadro ao lado) antes de fazer a correção profissional. “O ideal é recorrer a apenas uma das opções. Misturar tudo não vai adiantar”, avisa o“hairstylist” Wanderley Nunes. Laís Oliveira / Folhapress.


FRANJAS ONDULADAS A tendência do uso dos fios ao natural se aplica a todo o cabelo, mesmo em quem tem madeixas com cachos; veja dicas e arrase

H

á quatro meses, a musicista Michele Cordeiro Lemos, 23 anos, assumiu as ondas das madeixas e a franja no mesmo estilo, o que tem lhe rendido elogios. “Sempre quis franja,mas imaginava que, por ter o cabelo cacheado, não ficaria legal. Alisei os fios durante anos, até que descobri o quão belo é usálos ao natural. Fica bacana”, diz É exatamente isso que estimula a moda atual, que pede madeixas naturais, tanto no comprimento quando na parte frontal. “Não alise a franja. Assuma a formados fios”, orienta o “hairstylist” Atilla Rafael. A ideia é não deixar o visual superficial. “Em cabelos cacheados, é indicado modelar a franja com escova, para

B

não deixá-la lisa nem destoando dor esto do cabelo”, sugere o“hairstylist” Wesley Nóbrega. É preciso, ainda, ter atenção ao corte. “Não recomendo franjas curtas para cabelos com cachos pequenos, pois

eles tendem a subir e a deixar os fios altos e volumosos”, indica Lúcia Santana, coordenadora técnica das cabeleireiras do Instituto Beleza Natural. Laís Oliveira / Folhapress.

Guerra contra oleosidade

astam cinco horas após lavar os cabelos para que a atriz e dubladora Kate Kelly Ricci, 27 anos, já sinta os fios oleosos novamente. “Se eu lavo de manhã, à noite já está puro óleo”, conta. Ela revela que tentou diversos procedimentos com cosméticos. Nada resolveu.” Em 2010, quando eu parei de pintar, ele melhorou, mas ainda não ficou 100%”, relata. O problema de Kate é o mesmo de diversas mulheres. A oleosidade é uma tendência natural do cabelo e costuma aparecer a partir da puberdade. Estresse e alterações hormonais podem também contribuir com o aumento da produção de oleosidade do organismo. Mas há algumas medidas que minimizam o problema. Segundo o dermatologista Daniel Dziabas, uma alimentação saudável é fundamental para ter cabelos bonitos. “Deficiências nutricionais podem fazer com que os cabelos se tornem oleosos demais, quebradiços, sem brilho e, ainda, levar à queda dos fios”, explica. A dieta, indica o profissional, deve incluir alimentos ricos em proteína, como carne, peixe, ovos, leite e derivados. A dermatologista Paula Raso destaca a importância de usar xampus específicos para fios oleosos. “O uso de loções no couro cabeludo pode ajudar,mas deve ser indicado por dermatologistas. Os dois profissionais lembram, ainda, que cremes ou condicionadores devem passar longe da raiz e que só é recomendado lavar o cabelo uma vez por dia. Xampu a seco e talco podem ser utilizados para disfarçar a oleosidade. “Mas esses produtos não limpam de fato, como uma lavagem”, alerta Dziabas. Karina Matias / Folhapress. Maio de 2017 | Vilas Magazine | 43


MUNDO ANIMAL

A importância do check-up no seu animal de estimação Check-up é utilizado para detectar doenças que atinge o rim, o coração entre outros

O

s animais de estimação também necessitam saber, de tempos em tempos, como vai a sua saúde. Realizar check-ups no veterinário auxilia a manter o bem-estar e a longevidade dos bichos. As consultas podem viabilizar diagnósticos antecipados e ajudar em tratamentos de enfermidades que

44 | Vilas Magazine | Maio de 2017

atingem os rins, o coração, a diabetes e até verificar problemas hepáticos, entre outros, que em geral são silenciosas, com sintomas que passam desapercebidos. A recomendação é de que os exames sejam feitos pelo menos uma vez anualmente. Na consulta são realizados exames simples, com hemograma, perfil

do aparelho renal e perfil do fígado, não importando a faixa etária do animal. Após seis anos de idade, também são recomendados exames como ecocardiograma e eletrocardiograma para avaliar como está o coração, ultrassom para localizar tumores e neoplasias ou mudanças na estrutura dos órgãos. Na consulta também é observada a saúde da boca do animal. As bactérias neste local podem ocasionar problemas no coração. Gengivite, gengiva retraída, raiz exposta e as condições dos dentes também são avaliados. Os cálculos dentários, se não forem tratados, desenvolvem enfermidades e podem até afetar os rins. As bactérias presentes na boca chegam


ao sangue e se espalham pelo corpo inteiro. No mercado já existem escovas e pastas de dente próprias para os animais de estimação, mas se o proprietário tiver dificuldade em controlar o animal no momento da escovação, o médico veterinário pode auxiliá-lo durante a consulta. Importante também é observar o calendário da vacinação do animal, se as doses estão sendo aplicadas com a mesma periodicidade, exceto nos filhotes que continuam com um calendário específico. O controle e a prevenção de várias enfermidades também são realizados através das vacinas, em especial em filhotes. No caso dos cachorros, por exemplo, existem vacinas que não podem deixar de ser aplicadas como as múltiplas virais, como a V8 e V10, que oferecem proteção contra a leptospirose, parvovirose, coronavirose, hepatite infecciosa, adenovirose, parainfluenza e cinomose; contra a gripe, que imuniza contra parainfluenza, conhecida como tosse dos canis; e a antirrábica, prevenindo a transmissão do vírus da raiva, que atinge o sistema nervoso e a coordenação motora dos bichanos e é fatal se contraída nos seres humanos. Os vermífugos podem ser utilizados mais vezes, como prevenção. Além delas, é essencial medicar os animais contra pulgas, vermes e carrapatos. Normalmente, os donos só percebem que os bichos estão com estes parasitas após os sintomas aparecerem e o tratamento termina sendo mais longo. COMO É O CHECK-UP? O animal será totalmente examinado pelo profissional, desde a pele e ouvidos para ser se existem pulga ou otite, até o coração e órgãos internos. Caso seja detectado algum tipo de anormalidade, novos exames poderão ser feitos para que o tratamento seja prescrito. O peso e o crescimento também são observados. Caso o animal apresente aumento de peso, uma ração mais adequada e uma dieta poderá ser indicada. O excesso de peso também pode identificar que algo não está bem. Normalmente, o sobrepeso é causado por sedentarismo, alimentação inadequada e estresse, podendo ocasionar diabetes, problemas nas articulações, doenças no coração, respiratórias e circulatórias. Aproximadamente 30% dos cães e 25% dos gatos sofrem de obesidade.

conforme a fase onde se descobriu a enfermidade. A insuficiência renal é uma mudança na capacidade de filtragem dos rins, o que causa a retenção de ureia e creatinina, que são compostos tóxicos, na corrente sanguínea. Os principais sintomas são falta de apetite, perda rápida de peso, ingerir bastante água e apresentar urina bem clara. Vômitos e diarreia também são sinais da enfermidade. Alguns podem ter anemia. O diagnóstico se dá através de exames de sangue e urina, ultrassom e, em determinadas situações, até de radiografias especiais. O tratamento é feito com objetivo de estabelecer novamente o equilíbrio orgânico com uma dieta adequada, pouco proteica, suplementos vitamínicos e terapia com fluidos e eletrólitos. Quando o rim está muito afetado, sua recuperação se torna inviável, restando apenas a possibilidade de controlar o quadro. A obesidade é o acúmulo excessivo de gordura que atinge o animal. Para identificar um animal obeso basta observar sua aparência. Além do corpo inchado, ele pode apresentar muita sede (em caso de diabete), ficar ofegante quando passeia e sinais de pressão alta. O método de diagnóstico mais usado é a apalpação. Ele deve ter as costelas facilmente tocáveis e, quando visto de cima, apresentar forma de ampulheta. O tratamento se dá com um programa de perda de peso, atividades físicas diárias, monitoramento metabólico e hormonal e acompanhamento médico. A otite é a inflamação de ouvido e entre seus sintomas estão coceira das orelhas e o balançar da cabeça. Secreção amarelada ou escura e fedida também pode mostrar o problema. O diagnóstico é feito com otoscopia, com o uso de um aparelho para enxergar o canal auditivo. Em alguns casos, o veterinário pode pedir uma coleta de secreção para avaliação. O tratamento é feito com antibiótico ou antifúngicos.

DOENÇAS MAIS COMUNS A doença do carrapato (Erlichiose) é uma infecção muito séria transmitida por carrapatos que possuem bactérias do gênero erlichia. Entre os problemas provocados estão anemia, hemorragia, insuficiência dos rins, inflamações nos olhos e mudanças neurológicas e de comportamento. Como a bactéria causa uma anemia fortíssima, pode levar o animal ao óbito. Os sintomas mais comuns são febre, tosse, vômito, diarreia, depressão, hematomas, falta de apetite, anemia e problemas para respirar. A constatação do problema se dá através de exames sorológicos ou de DNA e o tratamento com medicamentos, Maio de 2017 | Vilas Magazine | 45


Jaime de Moura Ferreira Ad­mi­nistrador, consultor organizacional, professor universitário, escritor, ambientalista, sócio fundador do Rotary Club Lauro de Freitas. E-mail: jamoufer@atarde.com.br

C

ostuma-se dizer: fulano “não tem caráter” ou é “mau-caráter”. Mas, o que é caráter? Existem diversas conjeturas a esse respeito, inclusive é um tema bastante abordado na filosofia. Porém farei os comentários sobre o assunto, de acordo com o meu pensamento e experiência. Tenho enfrentado múltiplas vivências com os seres humanos, quer sejam nos vários trabalhos profissionais, ensinamentos acadêmicos, grupos sociais, religiosos, políticos, empresariais e familiares. Em cada uma dessas participações fui aprendendo sobre o assunto e, dessa experiência, adquiri uma compreensão própria para o caráter humano. O que me ficou muito claro é o fato de que o caráter determina o indivíduo; e é inerente ao espírito humano, cujas variações são inúmeras. Então, pode-se concluir ser um conjunto de qualidades, boas ou más, de um ser, que lhe definem a conduta e a concepção moral. O caráter não depende da educação formal e cultural, nem do ambiente socioeconômico, de onde o indivíduo saiu. É evidente que essa situação possa ter contribuído com a sua genética, porém não foi determinante para a formação de sua personalidade. Cada pessoa possui um tipo de caráter e é facilmente detectado. Muitos se apresentam como críticos contumazes das covardias, incertezas e desregramentos de outras pessoas, inclusive taxando-as de “sem caráter”. Porém, praticam as mesmas maledicências e, em certos casos, piores ainda. Esses seres humanos são extremamente perigosos, pois não enxergam suas personalidades eivadas de

46 | Vilas Magazine | Maio de 2017

Caráter hábitos, vícios e atitudes danosas. Como exemplo, relembremos a novela O Bem Amado, quando o prefeito de Sucupira, Odorico Paraguaçu, magnificamente interpretado pelo ator Paulo Gracindo taxava todas as pessoas que falavam mau do seu governo de “mau caratistas”. O pior caráter distorcido de um ser é quando o cidadão se faz de “amigo”. Procura absorver os valores daqueles dos quais se aproxima, porém, não tem a força moral e ética de praticar o que aprendeu e decepciona a todos. Isso pode ser identificado como falta de firmeza moral. Também existem casos de pessoas assumirem realizações de outros, ou transferirem para aqueles que lhes agradam ou possam lhes trazer benesses. Alguns corrompem seu caráter por poder (dinheiro, bens materiais, posição de destaque, etc.). Segundo o dicionário, “caráter é a força de honradez que, moralmente distingue as pessoas”. Sendo assim, pergunta-se: os humanos que praticam essa atitude têm, realmente, um caráter bem formado? Outros não conseguem ou não querem entender os seus patamares evolutivos de personalidade, pensando, exclusivamente, em si e naqueles que lhes interessam. Pior, quando se aproximam do poder não têm a capacidade de enxergar o coletivo. Faltam-lhes patriotismo, vivem em eterna provisoriedade, jamais tomam uma posição de realce, pois não querem se incompatibilizar com aqueles que lhes trarão benefícios. Sempre trocando favores por distinções. Suas ações dirigem-se para a corrupção, não se importando se

maior, menor, leve ou grave. Muito difícil é a flexibilização do ser humano, na transformação do seu caráter. Segundo os estudiosos, a personalidade humana firma-se até à adolescência. Assim, o humano que chegou à maturidade, com seu caráter formado, é pouco provável que tenha condições de modificá-lo. Pode até mudar seu comportamento. O surgimento dos corruptos, que representam a maior lástima existencial de uma população, promovem uma sociedade viciada e acomodada e a verdadeira democracia torna-se mais complicada para ser instalada e exercitada. Lamentavelmente, os berços políticos, com raras exceções, que representam o povo, continuam com as mesmas práticas da profissão vantajosa, por poucos esforços e institucionalizam o crime. Identificase, então, o esfacelamento ético e moral dos poderes independentes da República; a minguagem da confiabilidade da população; e as promessas deslavadas e mentirosas assumindo o lugar da verdade. Segundo os religiosos, essas pessoas irão para o inferno. Será? Pelo menos, conforme Dante Alighieri, escritor, poeta e político florentino (20/6/1265 -14/9/1321), em sua obra Divina Comédia – poema de viés épico e teológico da literatura italiana e da mundial, escrito no século 14 e dividido em três partes: Inferno, Purgatório e Paraíso ‑ registra: “os lugares mais quentes e sombrios do inferno são reservados àqueles que se mantiveram neutros em tempo de crise moral”. Aguardemos o julgamento final!

Vilas Magazine | Ed 220 | Maio de 2017 | 32 mil exemplares  

Vilas Magazine | Ed 220 | Maio de 2017 | 32 mil exemplares

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you