Page 1

R

A Revista de Lauro de Freitas e Região

Ano 19 Edição 221 | Junho de 2017 32.000 exemplares

Crie seu paraíso natural


VENDAS: (075) 3413-3087

(071) 99621-9566


EDITORIAL

Impostos? Pendura aí

O novo Programa de Recuperação Fiscal (Refis) da prefeitura de Lauro de Freitas, anunciado em maio, mantém a regularidade de sempre na concessão de benesses a quem não paga seus impostos em dia. A cada dois anos, mais coisa, menos coisa, o Poder Público vem à praça de pires na mão, perdoando multas e juros para ver se consegue receber – em confortáveis parcelas – um troco a mais dos devedores. Antes deste, houve o Refis de 2015 – e o Mutirão de Negociação Fiscal logo em seguida, que também oferecia descontos. O de 2013, também anunciado em maio, foi prorrogado até dezembro. O Refis de 2011, encerrado em setembro daquele ano depois de uma prorrogação, havia sido anunciado em dezembro do ano anterior. E, sempre em maio, de 2009 já tinha havido Refis. Nem só a prefeitura local recorre a esse expediente para tentar recuperar o que é devido aos cofres públicos. A União é bem mais pródiga que o município, nesse sentido. Há 17 anos que os Refis e assemelhados estão no horizonte de quem deve, mas prefere pagar depois, sem multas nem juros. Em média, o governo federal vem oferecendo mais de um parcelamento especial por ano. Evidentemente, haverá quem realmente tenha passado por dificuldades financeiras, em especial nos últimos anos. Antes de jogar a toalha, qualquer um vai tentar reequacionar o fluxo de caixa – última fronteira de uma gestão em perigo. Atrasar o pagamento de obrigações sai caro, mas não acarreta consequências imediatas, como deixar de pagar a energia. O problema é que nos últimos 17 anos já não é tão dispendioso assim e pode nem ter consequência nenhuma. Basta aguardar o próximo Refis para ter multas e juros anistiados. Aproveitando a inauguração do “impostômetro” local na Estrada do Coco – infelizmente focado não no município, mas na União, replicando o que já existe em São Paulo – queremos sugerir um segundo painel eletrônico: um “sonegômetro”, para medir o quanto a sociedade sonega em impostos “em tempo real”. Ele também existe e pode ser consultado online: http://www.quantocustaobrasil. com.br. A iniciativa é do Sindicato Nacional dos Procuradores da Fazenda Nacional. Será necessário explicar também que a sonegação de impostos – e os Refis bianuais – em boa medida são fruto da absurda carga tributária que o brasileiro carrega nas costas sem sequer receber em contrapartida os devidos serviços públicos. E ainda nos esfregam na cara, todos os dias na televisão, o porco destino que tem sido dado a boa parte do dinheiro de quem pagou.

Meio Ambiente

Carlos Accioli Ramos Diretor-editor

Já passou o tempo dos discursos poéticos e vazios em torno da defesa do meio ambiente, da recuperação dos rios. Quando nem um sistema de esgotamento sanitário conseguimos viabilizar numa cidade que está paredes-meias com uma das maiores capitais do Brasil, soa ingênuo propor quaisquer outros projetos. Neste junho, quem quiser dedicar-se ao tema deveria abordar apenas e exclusivamente o básico, fundamental e inexistente sistema de esgotamento sanitário de Lauro de Freitas, pelo menos em respeito à inteligência da população.

Barulho licenciado

Na firme marcha para destruir a qualidade de vida que resta em Vilas do Atlântico, estabelecimentos comerciais abrem portas e ligam barulhentos geradores com o beneplácito das autoridades que deveriam fiscalizar o mau uso dos alvarás que concedem. Afinal, não é possível que tenham permitido poluição sonora ininterrupta em área residencial. Junho de 2017 | Vilas Magazine | 3


NESTA EDIÇÃO A revista de Lauro de Freitas & Região

www.vilasmagazine.com.br Publicação mensal de propriedade da EDITAR - Editora Accioli Ramos Ltda. Rua Praia do Quebra Coco, 33. Vilas do Atlântico. Lauro de Freitas. Bahia. CEP 42700-000. Tels.: 0xx71/3379-2439 / 3379-2206 / 3379-4377 Diretor-Editor: Carlos Accioli Ramos (accioliramos@vilasmagazine.com.br) Dire­to­ra: Tânia Ga­zi­neo Accioli Ramos Gerente de Negócios: Álvaro Accioli Ramos (alvaro@vilasmagazine.com.br). Assistentes: Leandra Almeida e Vanessa Silva (comercial@vilasmagazine.com.br) Gerente de Produção: Thiago Accioli Ramos. Assistente: Bruno Bizarri Administrativo/Financeiro: Miriã Morais Gazineo (financeiro@vilasmagazine.com.br). Assistente: Leda Beatriz Gazineo (comercial@vilasmagazine.com.br) Distribuição: Álvaro Cézar Gazineo (responsável) Tratamento de imagens e CTP: Diego Machado Redação: Rogério Borges (DRT 6851/MG), coordenador Colaboradores: Jaime Ferreira (articulista), Thiara Reges (freelancer), Raymundo Dantas. PARA ANUNCIAR: comercial@vilasmagazine.com.br Tels.: 0xx71 3379-2439 / 3379-2206 / 3379-4377 CONTATO COM A REDAÇÃO: redacao@vilasmagazine.com.br TIRAGEM: 32 MIL EXEMPLARES. Im­pressão: Log & Print Gráfica e Logística S. A. (Vinhedo/SP)

CIDADE...Pág. 8 l Prefeitura apresenta ao MP novo projeto para a orla de Lauro de Freitas l Prefeitura promove REFIS para dívidas vencidas até 31/12/2016 l Impostômetro na Estrada do Coco mostra arrecadação nacional l Maio Amarelo focou as escolhas dos motoristas por segurança no trânsito l Programa social dá combate à violência contra adolescentes

CULTURA...Pág. 18 l Cine Teatro Lauro de Freitas recebe o projeto Giro MPB 360°

ESPORTE...Pág. 20 l Kartismo baiano supera desafios e mantém acesa a chama do esporte

TURISMO...Pág. 22 l Trem de luxo que sai de Curitiba corta paisagem de mata atlântica a 20 quilômetros por hora e chega à cidade litorânea de Morretes, terra do barreado, da cachaça e de construções coloniais

RELIGIÃO...Pág. 26 l Santuário de N. S. de Fátima atrai milhões de católicos a Portugal

REGIÃO...Pág. 29 l Serviços do Detran e Planserv já estão disponíveis no Posto Cidadão em Guarajuba, no litoral norte.

MEIO AMBIENTE...Pág. 30 Revista mensal de serviços e facilidades, distribuída gra­ tuitamente em todos os domicílios de Vilas do Atlântico e condomínios residenciais de Lauro de Freitas, Es­trada do Coco e região (Busca Vida, Abran­tes, Ja­uá, Ja­cuí­pe, Gua­ra­juba, Stella Maris, Pra­ia do Flamengo e parte de Itapuã). Disponível também em pontos de distribuição criteriosamente selecionados na região. As opiniões expressas nos artigos publicados são de responsabilidade de seus autores e não refletem, necessariamente, as da Edi­tora. É proibida a reprodução total ou parcial de matérias, gráficos e fotos publi­cadas nesta edição, por qualquer me­io, sem autorização expressa, por escrito da Editora, de acordo com o que dispõe a Lei Nº 9.610, de 19/2/1998, sobre Di­reitos Autorais. A revista Vilas Magazine não tem qualquer responsabilidade pelos serviços e produtos das empresas anunciados em suas edições, nem assegura que promessas divulgadas como publicidade serão cumpridas. Cabe ao leitor avaliar e buscar informações sobre os produtos e serviços anunciados, que estão sujeitos às normas do mercado, do Código de Defesa do Consumidor e do CO­NAR – Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária. A revista não se enquadra no conceito de fornecedor, nos termos do art. 3º do Código de Defesa do Consumidor e não pode ser responsabilizada pelos produtos e serviços oferecidos pelos anunciantes, pela impossibilidade de se deduzir qualquer ilegalidade no ato da leitura de um anúncio. No entanto, com o objetivo de zelar pela integridade e cre­di­bilidade das mensagens publicitárias publicadas em suas edições, a Editora se reserva o direito de recusar ou suspender a vei­culação de anúncios que se mostrem enganosos ou abusivos, por constrangimentos causados ao consumidor ou empresas. A revista Vilas Magazine u­ti­liza conteúdo edi­to­ri­al fornecido pela Agência Fo­lhapress (SP). Os títulos Vilas Ma­­gazine e Boa Dica – Facilidades e Serviços, constantes desta edição, são marcas regis­tradas no INPI, de propriedade da EDITAR – Editora Accioli Ramos Ltda.

4 | Vilas Magazine | Junho de 2017

l Entre na natureza neste mês do Meio Ambiente

COMPORTAMENTO...Pág. 36 l Terapia do Crochê, a arte que promove a troca de carinho através de pequenos polvos

EMPRESAS & NEGÓCIOS...Pág. 38 l 8 erros comuns que dão dor de cabeça para o empreendedor

DECORAÇÃO...Pág. 40 l Espaço para meditar ou orar cabe em qualquer canto da casa

MEMÓRIA MUSICAL...Pág. 42 l 80 anos sem Noel Rosa, o maior letrista da música brasileira

VIDA SAUDÁVEL...Pág. 46 l Fazer vasectomia e laqueadura é mais simples do que reverter

MUNDO ANIMAL...Pág. 48 l Doando o animal corretamente

CLASSIFICADOS BOA DICA...Pág. 51 Seção de facilidades e serviços disponibilizando profissionais nos segmentos de Saúde & Bem-Estar, Gastronomia, Festas, Educação, Casa & Decoração, Serviços Gerais, Auto & Cia e Imóveis. Consulte índíce geral por segmento na página 51.

Tribuna do Leitor....Pág. 114 Tábua das Marés....Pág. 115


INFORMATIVO PROMOCIONAL

Parceria Hospital Aeroporto e Clínica Amo amplia serviço de oncologia para região do Litoral Norte As diretorias do Hospital Aeroporto e da Clínica Amo, que oferece atendimento especializado a pacientes oncológicos e hematológicos, se reuniram para celebrar a nova parceria institucional. A Clínica Amo assume a coordenação do serviço de oncologia do Hospital Aeroporto, com o objetivo de implantar a assistência de qualidade ao paciente oncológico durante todas as fases do tratamento, melhorando o acesso e a logística da população da região do Litoral Norte. “Acreditamos muito nessa parceria que, com certeza, será uma soma de expertises para oferecer o melhor tratamento ao paciente oncológico”, comemora a diretora do Hospital Aeroporto, Debora Andrade. Além disso, a médica ressalta os investimentos do hospital para receber os pacientes “Estamos investindo na modernização da nossa infraestrutura hospitalar, no atendimento humanizado e não mediremos esforços para manter a melhoria contínua nas práticas de qualidade em benefício de uma melhor assistência a todos os pacientes”. ATENDIMENTO PRÓXIMO O médico oncologista Carlos Sampaio,presidente da Clínica Amo, destaca a realização do sonho de se instalar na região do Litoral Norte “Era um desejo nosso implantar uma unidade nessa região. Essa nova fase que o Hospital Aeroporto está empreendendo foi o momento ideal para que a Clínica Amo pudesse desenvolver o projeto de instalação, melhorando o acesso e a logística dos pacientes do Litoral Norte”, explicou o especialista. O diretor-executivo da Clínica Amo, Nelson Pestana, reforça a iniciativa da parceria “A posição estratégica do Hospital Aeroporto vai permitir que os pacientes dessa região e cidades vizinhas possam contar com as linhas de cuidado em cada patologia com mais comodidade”. SERVIÇOS O novo espaço de atendimento da Clínica Amo começa a funcionar na primeira semana de junho, com atuação da equipe clínica de oncologia e hematologia, realizando as consultas médicas nos consultórios do Hospital Aeroporto. Também faz parte do projeto implementar, posteriormente, todo o tratamento oncológico dentro da estrutura do hospital, aumentando o nível de complexidade para uma atenção integral ao paciente. Preparado para receber essa nova demanda, o Hospital Aeroporto já conta com duas UTIs com 20 leitos e investe na modernização do Centro Cirúrgico, que passará por uma ampla reforma nas salas cirúrgicas.

VOCÊ TÊM LIVROS EM CASA QUE GOSTARIA DE DOAR? O Rotary Club Lauro de Freitas e o Núcleo de Senhoras do Rotary iniciaram uma campanha permanente de arrecadação de livros. Todo livro é válido: novo, velho, literatura, romance, acadêmico, técnico/profissional, infantil, escolar, língua estrangeira, entre outros. O objetivo é retirar o livro parado na sua estante e fazê-lo circular. Uma vez por ano, os livros farão parte de uma feira de incentivo à leitura, realizada em um shopping da região. Interessados podem entrar em contato com Zuleika Janot, pelo tel.: (71) 99979-6421.

Junho de 2017 | Vilas Magazine | 5


REGISTROS & NOTAS Pesquisa aponta Laboratório SABIN entre as melhores empresas para se trabalhar

O Laboratório Sabin foi indicado pelo Great Place to Work (GPTW) como a Melhor Empresa para Mulher Trabalhar em 2017, na categoria Grande Porte. A pesquisa avalia as políticas e práticas de gestão de pessoas existentes nas organizações, construindo um ranking com as que mais se destacam no cenário nacional. “A política de gestão de pessoas do laboratório tem a preocupação em valorizar o papel da mulher na organização e buscar facilitar seu dia a dia, além de contribuir para sua realização pessoal como mulher, profissional e mãe”, explica a diretora Administrativa e de Pessoas, Marly Vidal. A participação feminina é gran-

de no grupo: 77% do seu quadro de colaboradores são do sexo feminino, enquanto a média nacional é de 19%, segundo pesquisa da International Business Report (IBR) – Women in Business. Em 2016, o Sabin também recebeu a premiação de Melhor Empresa para Mulher Trabalhar e se tornou signatário dos 7 Princípios de Empoderamento das Mulheres, estabelecido pela ONU Mulheres, sendo um deles o tratamento de todas as mulheres e homens de forma justa no trabalho, respeitando e apoiando os direitos humanos e a não-discriminação. O Great Place To Work também des­ta­cou, em maio, o Laboratório Sabin, como uma das melhores empresas para trabalhar na Bahia. Na categoria Pequenas e Médias Empresas, o laboratório foi escolhido, pela quarta vez, por desenvolver políticas que contribuem para o crescimento de seus colaboradores e pelas práticas em gestão de pessoas. A gestora regional do Sabin, Tatiana Ferraz, a diretora técnica, Cyra Araújo, e a gerente de pessoas, Mariana Bittar, receberam o prêmio.

Forró animado Os empresários Andréa Maestri e Rogério Issa reeditaram, com o sucesso dos anos anteriores, o encontro festivo focado nas clientes da academia (que é exclusiva para elas) que leva o nome dela. Uma noite de forró animou um grupo diversificado, reunidos numa casa de eventos em Vilas do Atlântico, no final de maio.

NOVO ENDEREÇO

O escritório da SALVA está instalado, desde o dia 24 de maio, em sala na entrada do Parque Ecológico de Vilas do Atlântico, no local onde funcionava um módulo policial. Os telefones continuam os mesmos: 3379-1343 / 3379-2434. PRESTÍGIO Em reunião realizada em maio, o deputado federal Cacá Leão (PP/BA) foi designado Relator Geral do Orçamento da União. A Comissão possui 42 integrantes titulares e igual número de suplentes. São 31 deputados e 11 senadores. O deputado também preside a comissão especial que trata da alteração do Código de Trânsito Brasileiro (PL 8085/14).

NOVA ROTARIANA A fisioterapeuta Suely de Melo Calixto Caldas é a nova integrante do Rotary Club Lauro de Freitas, empossada em reunião solene, na noite de 23 de maio. Funcionária pública, graduada em Pedagogia pela Universidade Católica do Salvador e Mestrado em Educação pela Universidade Federal da Bahia, Suely é professora especialzada em Educação Inclusiva e em Psicopedagogia, professora universitária e consultora, tem experiência na área de direitos humanos, políticas públicas com especialização em Deficiência Intelectual e Gestão Educacional, atuando principalmente na formação de professores, controle social, movimentos sociais, atendimento educacional especializado, deficiência intelectual, autismo e construção da identidade. Foi secretária de Educação de Lauro de Freitas, em 2012. Na foto, a nova rotariana, entre seu padrinho, Marivaldo Paixão (esq.) e o presidente do Rotary Club Lauro de Freitas, Almir Cerqueira. 6 | Vilas Magazine | Junho de 2017


Doutor em ciências: a realização de um sonho

Willy Haendel, Carlos Ministro, Paulo Almeida e Joyce Belchior (a partir da esq.).

CASA CHEIA

Os empresários Rafful e Celina (abaixo, a esq., com a equipe que prepara os pratos) receberam com fidalguia amigosclientes e clientes-amigos, para celebrar, em maio, o primeiro ano de atividades da sua casa Sr. Rafful, em Vilas do Atlântico. Além de desfrutar das delícias do rico cardápio árabe, principalmente o quibe, que é o carro-chefe da casa, os presentes apreciaram e aplaudiram entusiasticamente a performance do grupo Caravana da Arte que animou a noite, aquecidos pelo talento e criatividade do músico Willy Haendel. O grupo Caravana da Arte (acima) liderado por Paulo Almeida e Joyce Belchior, promoveu um espetáculo artístico musical incrível, unindo o humor com a música. Uma noite que agradou a todos, assegurada pelo qualificado bem-receber do casal anfitrião.

REFORÇO EDITORIAL O professor Raymundo Dantas, escritor e palestrante, retorna à Bahia após passar três anos residindo em Gramado (RS), e fixa residência em Lauro de Freitas. A partir desta edição, passa a assinar coluna voltada para o marketing no varejo, matéria na qual se especializou em Mestrado na Espanha. Com passagem marcante pelo Grupo Paes Mendonça, sua vasta bagagem profissional lhe credenciou a editar dois livros sobre o tema. O conteúdo editorial da revista Vilas Magazine se qualifica ainda mais com o novo articulista, e o segmento empresarial ganha uma experiente fonte para se ‘alimentar’. A tendência é que o espaço evolua, com sugestões dos leitores. Leia a coluna de estreia de Raymundo Dantas na página 39.

O médico Rafael Miranda concluiu em maio seu doutorado em Oftalmologia na USP. Morando em Vilas do Atlântico desde os seis meses de idade, cursou medicina na UFBA e fez especialização em Oftalmologia na USP (Residência Médica), em Cirurgia de Retina e Vítreo junto com Neuroftalmologia, conquistando o título de Doutor em Ciências pelo Departamento de Oftalmologia da USP. Tendo como base sólidos valores passados pelos pais, Ubirani Sousa (in memoriam, membro fundador do Rotary Club Lauro de Freitas) e Solange Miranda Sousa, moradores há mais de 34 anos de Vilas do Atlântico, Rafael não esconde o prazer em exercer medicina na sua terra natal: “Desde pequeno sempre pensei em me tornar um bom médico para um dia retornar a minha terra e exercer a medicina que acredito e tem sido uma grande felicidade poder fazer isso nos últimos dois anos, quando iniciamos, eu e minha esposa, Ana Carolina (ambos na foto acima) as atividades da clínica Inove Oftalmologia”, ressalta. Junho de 2017 | Vilas Magazine | 7


CIDADE

Prefeitura apresenta ao MP novo projeto para a orla de Lauro de Freitas

A

prefeita Moema Gramacho (PT) apresentou no dia 5 de maio ao juiz Carlos D’Ávila Teixeira, da 13ª Vara Cível Federal, mais um projeto para a orla de Lauro de Freitas – em nova tentativa de adiar a derrubada das barracas de praia. “Nós sugerimos que a derrubada das construções aconteça após os trabalhadores serem remanejados para locais adequados”, defende a prefeita. A remoção de construções que ocupam a faixa de areia nas praias de Lauro de Freitas foi solicitada pelo Ministério Público Federal (MPF) em 2011, logo depois da demolição das barracas na orla de Salvador. Ao longo dos últimos seis anos diversos projetos foram apresentados e recusados pelas autoridades, que pedem

Moema Gramacho mostra planta a barraqueiros: proposta para Vilas do Atlântico não foi concluída

8 | Vilas Magazine | Junho de 2017

a simples desocupação da área pública nas praias, como já aconteceu em Salvador e outros munícipios em todo o país. O novo projeto, batizado de “Praia – Uma realidade para Lauro de Freitas” – foi apresentado a barraqueiros no dia anterior à audiência. À Vilas Magazine, a prefeitura forneceu três plantas baixas de arquitetura, relacionadas somente à orla de Ipitanga. Sobre a proposta para Vilas do Atlântico, que ainda não estaria pronta, a prefeitura informa apenas que “a ideia é bem parecida com a estrutura lançada para Ipitanga” e acrescenta que “na região

serão construídos estacionamentos que facilitarão o tráfego de veículos aos finais de semana e feriados”. A ideia para Buraquinho é recuar as barracas para a área da praça, desocupando a faixa de areia. Informações distribuídas pela prefeitura logo após a audiência judicial incluem a afirmação de que “serão construídas oito barracas em Vilas do Atlântico, 11 em Ipitanga e mais 39 em Buraquinho”. Que “as construções serão edificadas em madeira e alumínio com frente e interior padronizados contando com banheiro, balcões e pia”. E que “a cada dez conjuntos de barraca, serão construídas estações com seis chuveiros e um sanitário para banhistas”. A prefeitura acrescenta que “o descarte das águas será feito após tratamento em estações de esgoto construídas no local”. Para Ipitanga, na faixa de praia que pertence a Lauro de Freitas, a prefeitura já até orçou o projeto. Serão R$ 8 milhões para as “estruturas comerciais”, mais cinco quiosques para venda do artesanato local, orientações a turistas e um “direcionado a ser base do Projeto


A remoção de construções que ocupam a faixa de areia nas praias de Lauro de Freitas foi solicitada pelo Ministério Público Federal (MPF) em 2011, logo depois da demolição das barracas na orla de Salvador.

Tamar”. A prefeitura diz que o projeto inclui “parques de lazer infantil, quadra poliesportiva, pista de skate e um mirante com acessibilidade para cadeirantes”. Proposta anterior da prefeitura para criar quiosques na orla em substituição às barracas de praia foi rejeitada pelos órgãos ambientais em relatório encomendado pelo juiz Carlos d’Ávila Teixeira. De acordo com fonte da prefeitura que teve acesso ao documento, o relatório recomendava a retirada de toda e qualquer estrutura da praia – incluindo a área de marinha, nos 33 metros da linha da preamar – o que inclui o calçadão e boa parte dos jardins das residências da orla. Uma das recomendações do relatório era que a restinga fosse recuperada em toda a área de marinha. Ao todo, o relatório fazia seis recomendações, duas delas sobre a iluminação da orla, que deve obedecer a critérios de proteção à desova de tartarugas marinhas. Outra trata de resíduos sólidos na restinga e de medidas para evitar o descarte naquele bioma. A remoção de todas as barracas, quiosques e estruturas de apoio da areia, cordão arenoso e manguezal dava o tom do relatório, que insistia ainda na necessidade de respeitar o afastamento de 33 metros da linha de preamar para qualquer edificação.

Junho de 2017 | Vilas Magazine | 9


CIDADE

Prefeitura de Lauro de Freitas promove REFIS para dívidas vencidas até 31/12/2016

O

Programa de Recuperação Fiscal (Refis) 2017, promovido pela Secretaria da Fazenda (SEFAZ) da prefeitura de Lauro de Freitas, disponibiliza o refinanciamento, com descontos de 25% a 90% sobre juros e multas, das dívidas ativas dos contribuintes com o município decorrentes de créditos tributários e não tributários vencidos até 31 de dezembro de 2016. Os cidadãos que possuem débitos em discussão administrativa ou judicial com Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU), contribuição de melhorias (asfalto e calçada) e Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN) podem realizar adesão e o pagamento da parcela única ou da primeira parcela até o dia 30 de Junho de 2017. O parcelamento com desconto vai de 24 a 60 meses a depender do valor da dívida e do percentual pago à vista. “O Refis tem o objetivo de facilitar a regularização dos débitos vencidos que os contribuintes têm com o município, por meio de incentivos, como a isenção de multas e juros. É uma grande oportunidade nesses tempos de crise para quitar as pendências com bons descontos ou de forma parcelada”, explica o secretário da SEFAZ, Aristóteles Menezes. O pagamento em cota única da dívida tem desconto de 90% sobre juros e multas. Para pagamento à vista de 50% do valor da dívida, será concedido um desconto de igual porcentagem sobre os juros e multas, podendo ainda dividir o saldo remanescente em até 24 parcelas 10 | Vilas Magazine | Junho de 2017

mensais. Já quem preferir o pagamento à vista de 25% do valor da dívida, será concedido um desconto de 25% sobre o juros e multas e saldo restante em até 48 parcelas mensais. De acordo com Menezes, as dívidas acima de R$100 mil serão negociadas em regime especial de parcelamento sob condições especificas. O desconto sobre multas e juros será semelhante aos concedidos a valores menores, muda apenas o parcelamento. Para pagamento à vista de 50% do valor da dívida, o saldo poderá ser dividido em até 48 parcelas. Para pagamento à vista de 25% do valor, saldo em até 60 parcelas mensais. Há também a opção do parcelamento em até 120 meses incidindo atualização monetária, multa de infração, multa e juros de mora, até a data da formalização do pedido de ingresso. Para pagamentos negociados com entrada, o montante pode ser parcelado em 72 vezes com a incidência de juros de financiamento sobre o valor de cada mensalidade, calculados à razão de 1% ao mês. O valor de entrada será definido após contagem dos descontos ligados a forma de pagamento escolhida. O vencimento da primeira parcela será no último dia útil da semana subsequente à da formalização do pedido de ingresso no Refis, e as demais no último dia útil dos meses subsequentes. “O inadimplemento de três parcelas, consecutivas ou alternadas, acarretará a rescisão automática do parcelamento”, completa Alves.

Impostômetro na Estrada do Coco mostra arrecadação nacional

A

Faculdade Maurício de Nassau inaugurou em maio um “impostômetro” inspirado no modelo que a Associação Comercial de São Paulo (ACSP) instalou em 2005 – por sua vez inspirado no “National Debt Clock” americano, primeiro do gênero. Trata-se de um letreiro que reproduz a estimativa de arrecadação de impostos em todo o país, a todo momento. O objetivo, de acordo com a Maurício de Nassau em Lauro de Freitas, é “alertar a população sobre a carga tributária que incide em produtos e serviços no Brasil”. O painel eletrônico está instalado em frente à instituição de ensino, na Estrada do Coco, ao lado do Hospital Geral Menandro de Faria. No ato da inauguração, o impostômetro da faculdade mostrava que os brasileiros já pagaram este ano mais de R$ 884 bilhões em impostos, taxas e contribuições às três esferas do Poder Público – município, estado e União. A expectativa da ACSP é que um novo recorde de arrecadação de impostos seja registrado este ano. Em 2016 o total recolhido atingiu R$ 2 trilhões, o maior volume já registrado até então. Parece que não, mas são boas notícias: “a arrecadação começa a subir à medida que a recessão perde força”, disse Marcel Solimeo, superintendente da ACSP – “esperamos que a intensificação da


queda da taxa básica de juros traga estímulos maiores para que a economia cresça mais rapidamente”. 2 18,2X12cm.pdf 1 19/05/17 18:18 Diana Báfica, assistente social da Maurício de Nassau, ressalta a importância do letreiro na Estrada do Coco. “Além de mostrar ao contribuinte o quanto se arrecada em tributos no país, a população poderá ficar atenta para a necessidade de cobrar de seus governantes a aplicação correta desses recursos”, disse. Para isso, o contribuinte laurofreitense pode RE 052 17 ANUNCIO VEST 2017 2 18,2X12cm.pdf 1 19/05/17 18:06 também acessar o site oficial do impostômetro da ACSP (https://impostometro.com.br) e conferir a arrecadação municipal de impostos, “em tempo real”. Desde primeiro de janeiro e até o dia 26 de maio, a prefeitura local já havia arrecadado mais de R$ 59,6 milhões. Até o final do ano, a previsão do impostômetro é que Lauro de Freitas arrecade mais de R$ 146 milhões em tributos. 18:02 RE 052 17 ANUNCIO VEST 2017 2 18,2X12cm.pdf 1 19/05/17 A inauguração do Impostômetro faz parte das ações de responsabilidade social promovidas pela unidade e conta com o apoio da Associação Comercial de Lauro de Freitas (ACISLF), do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), da Confederação Nacional dos Jovens Empresários (CONAJE) e da Associação dos Jovens Empresários da Bahia (AJE Bahia).

Câmara cumpre calendário

C

umprindo calendário regular e obrigatório, o secretário interino da Fazenda de Lauro de Freitas Luiz Antônio Souza apresentou mais um relatório de avaliação do cumprimento das metas fiscais, agora para o primeiro quadrimestre de 2017. Em fevereiro deste ano aconteceu a audiência pública para apresentação do relatório do terceiro quadrimestre de 2016, referente à gestão anterior, quando foi registrado, de acordo com a Câmara Municipal, que o antigo gestor ultrapassou o limite máximo previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) de despesa com pessoal, que é de 54% da Receita Corrente Líquida (RCL). Nos meses de setembro a dezembro de 2016, para uma Receita Corrente Líquida (RCL) de R$ 448.392.433,00 foram aplicados R$ 260.972.978,00, o que correspondeu a 58,19%. Além disso, foram deixados R$ 9.235.527,00 de Restos a Pagar.

Junho de 2017 | Vilas Magazine | 11


CIDADE

Escola cria espaço pedagógico para filhos de estudantes

O

CAMILA SOUZA

Colégio Social de Portão tem um espaço pensado para receber filhos das estudantes e netos dos professores e funcionários da unidade escolar. O ambiente é como a miniatura de uma casa, com cantinhos reservados para o preparo de alimentos, para a leitura, para as artes e para o descanso e fica aberto de segunda a sexta-feira, das 7 às 11h e das 14 às 17h. Diretora do Colégio Social de Portão, Débora Fontes explica que o espaço foi criado para que as estudantes da unidade que se tornaram mães ainda na fase escolar não perdessem a oportunidade de continuar os estudos por não terem com quem deixar os seus filhos pequenos. “Geralmente, são alunas entre 14 e 16 anos que ficaram grávidas precocemente e que não poderiam ser excluídas do processo de desenvolvimento integral proporcionado aos estudantes, por meio da ampliação de tempos, espaços e oportunidades educativas que qualifiquem o processo educacional e melhorem o seu aprendizado”. No espaço, cerca de dez crianças por turno, na faixa dois aos cinco anos, são orientadas pelo método Montessori, filosofia baseada no princípio da autonomia, da liberdade e do respeito pelo desenvolvimento natural das habilidades físicas,

O “Espaço Social Kids” do Colégio Social de Portão: apoio às mães estudantes

sociais e psicológicas do aluno. Esta concepção foi implantada no espaço por meio de uma parceria com a estudante de Pedagogia e pós-graduanda em Psicopedagogia Josette Tomavin. Juntamente com a professora Amanda Campos, Tomavin faz um trabalho voluntário para oferecer às crianças um ambiente seguro e estimulante, onde são respeitadas as suas escolhas, para que possam desenvolver a liberdade de expressão, a autoconfiança e o senso crítico. “O Espaço Kids Social é uma casinha onde elas encontram tudo existente em suas casas, só que em tamanho miniatura, a exemplo da pia, colocada na altura delas para puder usá-la quando quiserem, realizando, assim, atividades que vão contribuir para o seu desenvolvimento cognitivo, psicológico, psicomotor”, explica Débora Fontes. Dentro da metodologia Montessori, de acordo com Tomavin, as crianças são estimuladas a brincar com letras, buscando a sua familiaridade com o alfabeto, dentro da fonética. “Tenho experiências de crianças de três, quatro anos serem alfabetizadas brincando com as letrinhas, o que é uma maneira específica do método”.

Youtubers de Itinga estão na campanha contra o Aedes

G

rupo youtuber de comediantes de Itinga com mais de 1,3 milhão de seguidores, os “10ocupados” são protagonistas de um vídeo da nova campanha do governo do estado para dar combate ao Aedes aegypti. Com o humor característico, a trupe dá o recado dos cuidados que a população deve ter para não proliferar o mosquito (assista o vídeo “Os Caça-Mosquito” no endereço https://goo.gl/SwtiVk). O diferencial da nova campanha, apresentada em maio no Colégio Estadual de Aplicação Anísio Teixeira, em Salvador, é a 12 | Vilas Magazine | Junho de 2017


interatividade. Há vídeo 360°, microscópios, gincana e uma estrutura de um mini cinema para exibir vídeos educativos. Os “10ocupados”, como “influenciadores digitais”, fazem parte da estratégia de divulgação, que também conta com ações em redes sociais e anúncios em sites, jornais, revistas, outdoors e busdoors, além da exibição de comerciais em rádios e tevês de todo o estado.

Os “10ocupados” dançam em torno de uma caixa d’água que acabou de ser coberta: caça-mosquitos

Turismo em debate

A

ideia de que Lauro de Freitas é um potencial destino turístico continua a pautar reuniões e seminários. Desta vez a foi a secretaria de Cultura que promoveu um “Seminário de Planejamento do Turismo” para debater com especialistas “o potencial do município e estratégias”. A atividade reuniu representantes de secretarias do município além de atores diretamente envolvidos com a temática. A prefeitura acredita que os seis quilômetros de praias e as manifestações culturais e religiosas de Lauro de Freitas são capazes de inserir a cidade no cenário turístico da Bahia. Para o Manoel Carlos dos Santos, o Carlucho, responsável pela pasta, Lauro de Freitas precisa dar publicidade ao seu potencial e oferecer ao turista “um serviço da melhor qualidade para que ele queira voltar”.

Dia D da Família nas Escolas

A

conteceu em maio mais um Dia “D” da Família na Escola em 53 unidades da rede de ensino público de Lauro de Freitas. Projeto do Ministério da Educação, o Dia “D” foi criado há seis anos. O objetivo do evento, que se repete todos os anos, é levar as famílias ao ambiente escolar para interagir e colaborar no processo educacional dos filhos. Pais e alunos foram recebidos com palestras, música, apresentação de dança, oficinas de artesanato, corte de cabelo, medição de pressão e glicemia e atividades esportivas, entre outras atividades.

Junho de 2017 | Vilas Magazine | 13


CIDADE

Campanha Maio Amarelo focou as escolhas dos motoristas por segurança no trânsito

Caminhada com aula de dança no final foi uma das atividades em Lauro de Freitas

C

omo todos os anos em maio, organizações não-governamentais em 28 países organizaram a campanha do “maio amarelo” para chamar atenção para a segurança no trânsito. O tema deste ano foi “Minha Escolha Faz a Diferença” – para lembrar que a segurança depende muito do motorista. Uma das peças da campanha lembrava, por exemplo, que atender o celular enquanto se dirige é uma escolha. De acordo com o movimento “Maio Amarelo” no Brasil, dados apontam que as causas de 90% dos acidentes no país estão ligadas a falhas humanas como imperícia e imprudência. Este ano, além do número de cidades e de países que participaram da ação, aumentou também a quantidade de prédios públicos e monumentos iluminados em amarelo para demonstrar adesão à causa. Palácio do Planalto, Cristo Redentor, Congresso Nacional, Esplanada dos Ministérios, Catedral de Brasília, foram alguns deles. Empresas, igrejas e sedes de prefeituras de diversas cidades de capitais e do interior do país também foram iluminadas em amarelo.

14 | Vilas Magazine | Junho de 2017

A cor amarela é uma alusão à sinalização de advertência utilizada nas vias de tráfego, que ficou conhecida como a cor da atenção pela vida. Assim como os movimentos de conscientização de combate ao câncer de mama, de próstata e contra o HIV, o Maio Amarelo também é simbolizado por um laço, neste caso amarelo, que foi exibido em edifícios e nos para-brisas de ônibus do transporte urbano de São Paulo e Brasília, entre outras cidades. Maio foi escolhido para a campanha internacional em comemoração ao Dia Mundial da Segurança Viária e do Pedestre, com a realização da Semana Mundial de Segurança do Pedestre, lançada em 2013. A semana também é conhecida como Campanha Zenani Mandela, em memória da neta de Nelson Mandela, vítima de acidente de trânsito na África do Sul em 2010, com apenas 13 anos. De acordo com o Movimento, os acidentes de trânsito no Brasil foram Uma das peças da campanha do Maio Amarelo este ano: digitar ou não no celular ao dirigir é uma escolha

responsáveis em 2014 – mais recentes dados oficiais disponíveis – por cerca de 43 mil mortes. Em decorrência deles, um contingente ainda maior passa a conviver com sequelas e invalidez permanente. Os custos com acidentes de trânsito alcançam R$ 56 bilhões. Outra referência mundial ao mês é a realização do balanço das ações concretizadas desde que a Organização Mundial das Nações Unidas (ONU) decretou a Década de Ação para Segurança no Trânsito. Os países membros uniram esforços na redução de 50% no número de feridos e mortos no trânsito durante os próximos dez anos (2011 até 2020). Um dos campeões mundiais em mortes causadas por acidentes nas estradas e vias urbanas, o Brasil perde, em média, 22 vidas por ano a cada grupo de 100 mil habitantes. Na Suécia, que tem o índice mais baixo do planeta, são duas mortes anuais para cada 100 mil habitantes. A “Década de Ação para a Segurança no Trânsito”, lançada pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2010, pretendia poupar cinco milhões de vidas em todo o planeta. Mas o Brasil não deverá cumprir a meta de reduzir à metade o número de


acidentes no trânsito até 2020. Para o coordenador-geral de Educação do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) Francisco Garonce, o país conseguiu reduzir significativamente os acidentes nos últimos três anos, mas “a missão não é fácil” e a meta não será atingida dentro do prazo. Segundo Garonce, para cada motorista flagrado sob o efeito de álcool, pelo menos 100 outros dirigem nas mesmas condições e escapam do bafômetro. Ainda segundo ele, mais da metade das infrações no trânsito no Brasil são por excesso de velocidade. Na Bahia, o Departamento Estadual de Trânsito (Detran) abordou quase 40 mil pessoas, em Salvador, durante as ações do Maio Amarelo. Equipes percorreram 12 bairros da capital distribuindo material informativo sobre “escolhas erradas no trânsito” e o Pró-Vítimas, programa de acolhimento a pessoas que sofreram acidentes. Cursos de atualização para mototaxistas e trabalhadores rodoviários também fizeram parte também da programação do Detran. Na garagem de uma empresa de ônibus, no bairro de São Cristovão, próximo a Lauro de Freitas, André Leal, instrutor da Eptran, fez palestra sobre ética e cidadania, com foco no risco de dirigir usando o celular. “Quando olhamos mensagens no celular, perdemos parte da visão periférica, que nos dá a noção do que está acontecendo ao redor”, ensinou – “é como se a gente tivesse tomado duas doses

Capitão Olinto, secretário de Trânsito de Lauro de Freitas, faz panfletagem sobre educação durante caminhada

de bebida alcoólica”. Para o André Leal faz palestra rodoviário Agnaldo Oreste, para trabalhadores que assistiu a palestra, a rodoviários sobre o risco iniciativa “ajuda a combater de dirigir usando o celular o estresse e a ter consciência de que uma escolha errada no trânsito pode afetar a minha vida, a vida dos passageiros e de nossos familiares”. Na Bahia, além do Detran, deram apoio ao Movimento também as concessionárias de rodovias Bahia Norte e ViaBahia, os sindicatos dos Policiais Rodoviários Federais do Estado da Bahia e dos Agentes de Trânsito do Estado da Bahia, a Assembleia Legislativa e outras seis instituições, além das prefeituras de Feira de Santana, Vitória da Conquista e Brumado. Em todo o país, 77 municípios entre mais de 1,2 mil entidades participaram da campanha. A prefeitura de Lauro de Freitas, apesar de não fazer parte da lista, também programou e desenvolveu atividades identificadas com o Maio Amarelo. Entre elas, “fiscalizações como forma de educar condutores e pedestres”. Estudantes da Faculdade Maurício de Nassau, parceira da prefeitura na campanha, foram às ruas munidos de adesivos de “multas educativas” alertando para o uso indevido das vagas preferenciais ou estacionamento de veículos em locais não permitidos. Orientações de “conduta no trânsito” foram o tema de panfletos distribuídos durante uma caminhada entre a Praça da Matriz e o Ginásio de Esportes – outra atividade do Maio Amarelo local, realizada no domingo, 21 de maio. No ginásio, os participantes foram recepcionados com um café da manhã e uma aula de dança. As ações ligadas à segurança no trânsito e ao tema da campanha oficial propriamente dito ficaram por conta da distribuição de material gráfico no padrão da mensagem veiculada em todos os países participantes.

COMUNICADO

O Shopping Estação Villas, comunica a quem interessar, que o shopping possui alvará de habite-se número: 32144/12 emitido em 18/12/12 pela Prefeitura Municipal de Lauro de Freitas. Portanto, reiteramos que o shopping está apto a servir a toda e qualquer modalidade de serviço. Estamos esperando por você! Venha montar seu négocio. A direção.

Junho de 2017 | Vilas Magazine | 15


CIDADE

O

s jovens selecionados para participar das atividades do programa “Corra pro Abraço”, em Itinga, começaram a frequentar em maio a sede do projeto na comunidade. Dentre as primeiras atividades, os jovens construíram um mapa para identificar os pontos de encontro e espaços de lazer oferecidos – ou não – pelo município à juventude. A ação tem como objetivo prevenir ou afastar os jovens de contextos de violência, promover o resgate da autoestima e incentivá-los enquanto multiplicadores. A intenção é de que nos primeiros encontros a equipe trabalhe com os cerca de 50 jovens temas referentes aos contextos sociais de vida dos participantes, moradores de locais em situação de vulnerabilidade social em decorrência dos altos índices de violência. A relevância da iniciativa está amparada em estatísticas do Governo Federal: Lauro de Freitas é o município brasileiro campeão de assassinatos de adolescentes entre cidades com mais de 100 mil habitantes. O índice local de 18,87 representa a morte por assassinato de nada menos que 355 adolescentes no município, num universo de quase 19 mil jovens de 12 a 18 anos. O índice médio entre os 288 municípios estudados é de 2,05 – nove vezes menor que o de Lauro de Freitas. Os dados são do mais recente Indice de Homicídios na Adolescência (IHA), estudo produzido pela secretaria de Direi-

Programa social dá combate à violência contra adolescentes

O secretário de Educação Paulo Nacif com jovens do programa: monitores do Universidade de Verão em 2018

tos Humanos da Presidência da República com base em dados de 2012. Em 2005 o IHA de Lauro de Freitas era de 2,84. Em sete anos, o índice local aumentou 565%. O município também lidera a chacina de adolescentes no estado que reúne mais de 70% das cidades mais críticas da região Nordeste, entre elas Salvador. A Bahia é o segundo estado em que mais se mata

adolescentes, logo depois de Alagoas. De acordo com o estudo, mais de 42 mil adolescentes (12 a 18 anos) poderiam ser vítimas de homicídio nesse conjunto de municípios entre 2013 e 2019. Os homicídios representam 36,5% das causas de morte de adolescentes em todo o país, enquanto para a população total correspondem a menos de 5%. Jovens negros serão as principais vítimas entre os adolescentes. Para a população conjunta de todos os municípios estudados, os adolescentes negros têm um risco quase três vezes maior de

CENTRAL DE REGULAÇÃO TEM NOVO HORÁRIO A Central de Regulação de Lauro de Freitas, unidade vinculada a Secretaria de Saúde que centraliza a marcação de consultas e exames, está com novo horário de atendimento ao público: das 11h às 17h. A mudança de horário, segundo o secretário de Saúde Erasmo Moura, foi proposta depois de uma avaliação criteriosa dos motivos que levavam à formação de filas antes da abertura da unidade. No local são confeccionados os cartões do SUS, documento necessário para a realização dos procedimentos. A apresentação do cartão é obrigatória. Para obtê-lo é necessário ser residente do município e atestar através de comprovantes de residência atualizado, estar munido de documento de identificação e fotos 3x4. No caso de crianças que ainda não possuem carteira de identidade, os pais podem apresentar a Certidão de Nascimento. O cartão é entregue no ato da solicitação e pode ser utilizado imediatamente. As marcações de exames acontecem diariamente assim como as consultas que são organizadas por dias na semana. A Central realiza também serviços de marcação de consultas especializadas no município e pactuadas para atendimento em Salvador, autorização de internação hospitalar e exames de alta complexidade como tomografias e ressonâncias.

16 | Vilas Magazine | Junho de 2017


serem assassinados do que os brancos. Na tentativa de estancar a sangria, a Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social do Governo do Estado vem ampliando o projeto-piloto do “Corra pro Abraço”, lançado em 2013 em parceria com o Centro de Referência Integral de Adolescentes (CRIA). Ampliado em 2015, no ano seguinte o “Corra pro Abraço” foi transformado em programa de governo e expandido para outras cidades, chegando agora a Lauro de Freitas. Por meio de debates sociopolíticos e uso de recursos da arte educação, como canções e poemas, os participantes do programa estabelecem vínculos mais efetivos com os profissionais para então compartilhar as adversidades do cotidiano de cada um, bem como os seus sonhos e traçar alternativas para o desenvolvimento de seus projetos de vida. No terceiro encontro os jovens contaram como foram marcantes os primeiros momentos. “Fui dormir pensando na frase ‘às vezes eu falo com a vida, às vezes é ela quem diz. Qual a paz que eu não quero conservar para tentar ser feliz?’”, contou um deles sobre a leitura da canção “A Minha Alma” da banda O Rappa. Ele compreendeu como essa letra se conecta com sua própria realidade. Outro jovem disse que o programa alimenta a sua mente e evita que ele faça “coisas erradas”. Palavras como “feliz”, “intelectual”, “contente” foram utilizadas pelos jovens para enfatizar sensações. O secretário municipal de Educação, Paulo Gabriel Nacif, esteve com Luísa Saad, historiadora e supervisora do “Corra pro Abraço” em Itinga, para ouvir o histórico do programa e os critérios da seleção dos jovens. “Pretendemos possibilitar mudanças positivas nas vidas destes jovens, na maioria negros, que estatisticamente estão morrendo por conta da violência, mas podem ter outras trajetórias”, destacou ela. Paulo Gabriel Nacif garantiu que os participantes do projeto terão acesso gratuito ao transporte escolar municipal, como forma de contribuir com o deslocamento deles para participar das atividades. A identificação nos transportes se dará por meio do fardamento e apresentação de carteirinha com foto. O secretário destacou ainda o interesse da prefeitura em apoiar mais a ação e o desenvolvimento dos jovens e mencionou a iniciativa “Universidade de Verão” [leia à página XX]. “Estes jovens poderiam participar como monitores em janeiro de 2018 e seguir, se possível, no planejamento de edições futuras”, prometeu.

Corpo em Movimento (CM) é um dos projetos consultados para o selo

A

Selo de respeito aos idosos

prefeitura quer identificar os idosos que vivem no município e que participam de projetos como o Corpo em Movimento (CM) para criar um “Selo de Respeito à Pessoa Idosa”. A assistente social Cassia Vieira, do Departamento de Assistência à Pessoa Idosa explicou que estabelecimentos e serviços como transporte público receberão o selo a partir do atendimento a critérios que serão exigidos. O selo é uma das demandas apontadas nas políticas públicas voltadas para o idoso que já estão em andamento no município.

A Coelba substituiu, mês passado, um dos postes em Vilas do Atlântico que já estava mais pra lá do que pra cá (acima). Mas existem outros por toda a cidade. Na av. Praia de Itapuã, na rotatória com a av. Praia de Pajussara (abaixo)

Junho de 2017 | Vilas Magazine | 17


CULTURA

Prefeitura quer implantar projeto “Universidade de Verão” em Lauro de Freitas

T

ransformar espaços públicos da cidade em campi onde serão desenvolvidas atividades de educação superior e básica é o objetivo do projeto “Universidade de Verão da Bahia”, que propõe a oferta de cursos, conferências, palestras, rodas de conversas, mesas redondas em todos os campos do conhecimento, ao lado de concertos, representações teatrais, cinema, recitais e atividades desportivas no próximo verão. Iniciativa da prefeitura de Lauro de Freitas, o calendário de ações do projeto foi discutido em maio com representantes de 12 universidades públicas estaduais e federais da Bahia e do Instituto Mpumalanga, gerido pela medalhista olímpica Ana Moser. Foi proposta ainda a realização de um Fórum de Discussão Social com lideranças comunitárias para “dar sequência à construção, em conjunto”, do Universidade de Verão da Bahia. O secretário municipal de Educação Paulo Gabriel Nacif explicou que o projeto visa transformar a cidade “num grande centro acadêmico com espaço para os mais diversos debates”. Parcerias “com as universidades públicas da Bahia e instituições” viabilizarão a proposta. A ideia é que cada instituição de ensino superior mobilize a sua pró-reitoria de extensão para apresentar a proposta do Universidade de Verão e defender as temáticas destinadas a cada professor interessado. A professora Lucia Marisy, da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) garante que “a extensão também será responsável pela mobilização” e afirmou: “todos estamos comprometidos com a proposta”. Para o reitor da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) Naomar Almeida, o potencial do Universidade de Verão da Bahia é firmado a partir do planejamento: “É esse momento de construção que fará com que o Universidade de Verão da Bahia ganhe a reputação que almejamos”, disse. A chamada “universidade de verão”, tradicional muitos em países do hemisfério norte, oferece aulas e atividades acadêmicas diversas durante o período de férias. Fora dos Estados A prefeita Moema Gramacho (PT) se Unidos, as atividades coscompro­meteu com a “transversalidade tumam incluir temas não entre as secre­tarias municipais” para acadêmicos e para públicos potencializar a execução do projeto mais amplos.

Festival Ballace 2017 promove oficinas com profissionais da dança este mês em Salvador

A

contece dias 15, 16 e 17, no Teatro da Cidade (Colégio Villa, av. Paralela) a edição 2017 do Ballace – Festival Nacional de Dança, projeto idealizado e dirigido pela profissional de dança Anna Cristina Gonçalves. Iniciado em 2006, o Ballace busca promover e divulgar a dança na Bahia. Durante o concurso professores das maiores companhias do Brasil observam os jovens bailarinos em busca de revelar os maiores talentos. Os selecionados ganham bolsas de estudo para o Miami City Ballet e se classificam para audições do YAGP – Nova York. “A Bahia é artística e todo baiano dança”, ressalta Anna Cristina Gonçalves que afirma que o festival surgiu para estimular e desenvolver talentos que brotam nas escolas e nas ruas. “O Ballace já é esperado a cada ano como oportunidade de crescimento através de cursos, oficinas e palestras, além das apresentações onde os destaques recebem troféus e prêmios em dinheiro”.

A bailarina Ana Botafogo (foto), que já se transformou na madrinha do Ballace já confirmou presença, ao lado de outros grandes nomes da dança no Brasil: Alica Arja, responsável pelas Relações Internacionais na América do Sul do Mia18 | Vilas Magazine | Junho de 2017


mi City Ballet; Caio Nunes, bailarino, coreógrafo, professor, especialista em dança da Rede Globo de Televisão; Tutto Gomes, professor, coreógrafo, ator, bailarino; João Wlamir, coach de balé clássico e representante do Instituto Passo de Arte para escolha de participação/seletiva para o YAGP - Rio de Janeiro; Maxmiler Junio, professor e bailarino; Edith Méric, dançarina e coreógrafa premiada, diplomada na França; Gilmar Sampaio, bailarino, mestre de balé e coreógrafo; Jorge Texeira, bailarino e coreógrafo premiado internacionalmente; Nilmara Rocha, fundadora e diretora da Koru Cia de Dança, bailarina, interprete criadora, professora, coreógrafa e pesquisadora; Tania Agra, bailarina, figurinista, professora e coreógrafa. SERVIÇO: Ballace, Festival Nacional de Dança. 14/6: Abertura. Coquetel, às 17h, no Foyer do Teatro Castro Alves. No mesmo local, a partir das 18h, Pocket Talk Show “Vida de Bailarina”, com Ana Botafogo, às 18h. 15, 16 e 17/6: Teatro da Cidade, Colégio Villa, av. Paralela, a partir das 7h30. Ingressos (R$20,00 e R$ 10,00) podem ser adquiridos apenas no Teatro da Cidade.

4º Concurso Escritores Escolares

N

ova edição do Concurso Escritores Escolares, organizado pela Fundação Pedro Calmon, vinculada à secretaria estadual de Cultura, foi apresentada em maio. O objetivo é incentivar alunos e escolas da rede de ensino, dos segmentos Fundamental 1 e 2, para a produção textual e participação em atividades de escrita e reflexão crítica. O concurso, em sua quarta edição, premia jovens escritores escolares nas categorias prosa e poesia, nos diversos segmentos educacionais, com tablets, computadores e livros. Além dos escritores, escolas e professores que incentivam a participação de seus alunos no concurso recebem Menção Honrosa e kits com livros. O tema é livre. O jovem Luis Kleber Ribeiro, aluno da escola Governador Mario Covas, em Itinga, foi premiado com o segundo lugar na edição realizada em 2016 pela poesia intitulada “Viver”. Com apenas 11 anos, Kleber fala sobre as alegrias da vida e reflete as suas contradições. Sua poesia e a dos outros finalistas foi exposta no foyer do teatro Castro Alves em dezembro e agora faz parte do acervo da Biblioteca Virtual Consuelo Pondé.

Nova geração ocupa o palco do Cine Teatro no Giro MPB 360°

Cine Teatro Lauro de Freitas recebe o projeto Giro MPB 360°

O

Cine Teatro de Lauro de Freitas recebe no dia 9, às 20h, o Projeto Giro MPB 360º, que apresenta o duo Tons de Primavera, formado pelas cantoras Julie Caroll e Susi Koncei, além de artistas convidados, entre eles Iago Moreira, Danni Barros, Léo Bonetto, Larissa Lima e Ranan Landim. O projeto nasceu com o objetivo de disseminar e divulgar a nova geração da MPB e suas ramificações, valorizar o trabalho dos artistas já consagrados e promover um circuito de espetáculos a preços populares, como forma de permitir o acesso à cultura e dar conhecimento desse gênero musical às novas gerações. O Giro MPB 360º é um espetáculo acústico, mesclado por intervenções poéticas e com um repertório composto por música de grandes artistas da MPB, além de canções autorais. O cenário, criado em parceria com o Centro Técnico do Teatro Castro Alves (TCA), traz um ambiente intimista, onde as cantoras levam o público a um outro olhar. Antecipando as comemorações do Dia dos Namorados, as cantoras lançam ainda o seu primeiro EP “Em Outro Olhar”. Os ingressos custam R$ 15 a casadinha antecipada, R$ 10 a inteira e R$ 5 a meia-entrada.

Prefeitura relança programa esportivo-cultural

A

prefeitura de Lauro de Freitas, em parceria com o Ministério do Esporte e o governo do estado, pretende relançar o Programa de Esporte e Lazer da Cidade (PELC) que atende todas as faixas etárias e pessoas com necessidades especiais. Lauro de Freitas terá núcleos em Portão, no Centro e no Aracuí, atendendo 400 pessoas cada um. Criado em 2003, o PELC foi pensado para socializar o acesso às práticas esportivas e de lazer. Técnicos das instituições envolvidas visitaram no mês passado os espaços onde funcionarão os núcleos. As inscrições serão realizadas pelos agentes

e coordenador da unidade em data a ser divulgada pela prefeitura. No Ginásio Municipal de Esportes, no Centro, serão oferecidas atividades de boxe, ginástica, dança de salão, futsal, coral e handebol. O coordenador é Carlos Gonçalves. No Centro Social Urbano (CSU) e Quadra Esportiva de Vila Nova de Portão haverá hapkido, ginástica, dança de salão, voleibol, futebol e handebol, sob coordenação de Luciano Tavares. Já no ginásio do Aracuí, coordenados por Ana Paula Carneiro, haverá capoeira, ginástica, dança de salão, voleibol, futsal e futebol. Junho de 2017 | Vilas Magazine | 19


ESPORTE

Kartismo baiano supera desafios e mantém acesa a chama do esporte Thiara Reges Freelance para a Vilas Magazine

A

conteceu dia 7 de maio a abertura da temporada 2017 do Campeonato Baiano de Kart. Com os pilotos na pista, o domingo de sol foi de muita velocidade, mas também, algumas tristezas. O kartódromo, que já foi palco de disputas do Campeonato Baiano, Campeonato Brasileiro e Copa Brasil de Kart, hoje sobrevive em um espaço improvisado, na luta para que o esporte não acabe. O circuito, ou o que sobrou dele depois da construção do Centro de Excelência e Treinamento Pan-Americano de Judô, leva o nome do maior piloto brasileiro da história, Ayrton Senna. As atividades do Kart baiano em Lauro de Freitas começaram nos anos 90, após a desativação do circuito no Stiep, em Salvador. A concessão para o uso do espaço local, de propriedade da Arquidiocese de Salvador, era de 20 anos, e não foi renovada. Apesar das tentativas da Federação de Automobilismo da Bahia – FAB, a proposta de compartilhamento do espaço entre as duas modalidades esportivas não foi

Apesar da falta de estrutura Kartódromo Ayrton Senna sedia etapa do Campeonato Baiano de Kart 20 | Vilas Magazine | Junho de 2017

aceita, e em 2013 o Kartódromo perdeu 30% da pista, toda a estrutura de boxes e a área de convivência. Mas a perda foi ainda maior. Pilotos de diversas categorias desistiram do kart, e profissionais que atuavam diretamente no segmento, a exemplo de mecânicos especializados, procuraram novas ocupações. Para não cessar as atividades do kart, o campeonato baiano froi realizado nos últimos quatro anos no estado vizinho, Sergipe, no Kartódromo Emerson Fittipaldi, em Aracajú. “Durante quatro anos levamos pilotos, geração de renda e emprego, para Aracaju, de forma gratuita”, destaca Euvaldo Guimarães Luz, membro da diretoria da Associação Baiana de Kart. Depois de algumas manifestações dos kartistas e com o apoio da FAB e de Selma Morais, hoje vice-presidente da Confederação Brasileira de Automobilismo, foi possível realizar essa etapa do campeonato baiano em Lauro de Freitas. NOVO CIRCUITO MAIS LONGE Um novo e moderno complexo automobilístico já tem local definido, será no município de São Francisco do Conde, que doou um terreno de 850 mil m² para

Julio Cezar, Euvaldo Luz e Julio Cesar Filho, ganhadores da categoria Sport 400 A a FAB. As obras já começaram e a pista de velocidade na terra já está pronta para receber competições nacionais. Quanto à praça para prática do kart, a Federação, em parceria com a Prefeitura municipal de São Francisco do Conde e Governo do Estado, através do programa Faz Atleta, estão empenhados para que as obras comecem no mês de setembro, com previsão para conclusão de pista e boxes em fevereiro de 2018. A pista terá 1200 m² o que permite a realização de campeonatos nacionais e internacionais. O Complexo contará ainda com uma pista de arrancada, também prevista para fevereiro, e no futuro um autódromo, com pista nos padrões oficiais, que atendam demais categorias a exemplo da stock car, que ainda depende da captação de recursos. “É uma pena sair de Lauro de Freitas, estávamos mais perto de Salvador, mas não foi possível. Hoje a pista tem pouco mais de 700 m² o que inviabiliza a realização de competições nacionais. Nossa expectativa é que com as primeiras praças esportivas prontas, consigamos patrocínios e recursos financeiros que possibilitem a construção do autódromo, potencializando o esporte na Bahia”, destaca Selma. Euvaldo se preocupa com a distância da nova pista e teme que mais kartistas, que hoje estão na ativa, desistam da prática esportiva. “É uma oportunidade de apresentar o kart para novas pessoas, quem sabe novos amantes do esporte, mas por outro lado, sair da região me-


tropolitana pode fazer com que pilotos, que hoje são competidores, desistam do esporte”, frisa. “No meu ver a construção do Complexo não precisa significar o fim das atividades do Kartódromo Ayrton Senna, mas este necessita de um apoio governamental, ajustes e ampliação de pista, além de melhorias na área de convivência dos pilotos, para continuar operando”, completa Euvaldo. Funcionando de terça a domingo, com maior pico de movimento durante os finais de semana, os pilotos se esforçam para manter o esporte vivo, e para fortalecer o kartismo até criaram uma nova categoria para o campeonato deste ano, a categoria Rental, onde os pilotos correm com carros de aluguel. “A Bahia tinha corridas de automóveis na década de 60/70, e hoje, apesar de possuirmos fábrica de veículos no estado, que seria um grande incentivo, ainda não temos uma pista, um espaço adequado destinado à prática do automobilismo”, conclui Euvaldo.

Resultado da primeira etapa do Campeonato Baiano de Karts, Troféu Lelo Bala Sport 400 “A”: 1º) Euvaldo Luz (20 pts), 2º) Julio Cezar Filho (19 pts), 3º) Júlio Cézar (16 pts), 4º) Danilo Botelho (12 pts), 5º) Luiz Avaci (9 pts), 6º) Carlos Henrique (9 pts), 7º) Valdemiro Oliveira (8 pts), 8º) Paulo Galleas (7 pts), 9º) Armando Duran (6 pts). Sport 400 B: 1º) Sergio Tavares (19 pts), 2º) Alexandre Peres (18 pts), 3º) Helden Pita (15 pts), 4º) Wilson Maciel (12 pts), 5º) Zilney Campello (11 pts), 6º) Victor Oliveira (11 pts), 7º) Helcio Prates (11 pts), 8º) Jaime (6 pts), 9º) Marcos Braga (5 pts), 10º) Fernando Bahiense (1 ponto). O piloto João Gonçalves não pontuou. Rental: 1º) Klaus/Sérgio (20 pts), 2º) Leonardo/Anderson (20 pts), 3º) Sérgio/Leandro (15 pts), 4º) Fernando/Henrique (13 pts), 5º) Marcos/Senna (11 pts), 6º) Elísio/Vítor (10 pts), 7º) João/Robson (7 pts), 8º) Adeilton/ Jose Joventino (6 pts), 9º) Keoni/Esdra (5 pts), 10º) Mauricio/Egney (3 pts). A dupla Yure/ Jorge não pontuou nesta etapa.

As corridas na Centenário Maurício de Castro Lima

D

e 1968 a 1972, a Avenida Centenário, no bairro do Chame-Chame, em Salvador, foi palco de emocionantes corridas de automóveis, um dos templos do automobilismo brasileiro, onde foram realizadas, além das provas locais, várias regionais, a exemplo do Torneio Norte Nordeste e nacionais, como o Campeonato Brasileiro de Fórmula V e os famosos 500 km da Bahia. A pista da Avenida Centenário tinha a largada em frente onde era, até pouco tempo, o Habib’s, sendo que no canteiro e na pista paralela que dá acesso ao Shopping Barra ficavam os boxes. O sentido da avenida era invertido em relação ao fluxo de tráfego normal. Esta inversão tinha três motivos principais: primeiro, evitar que após as corridas ou à noite, o pessoal dos ‘pegas’ ficasse utilizando a pista para fazer corridas clandestinas. Segundo, para tornar a entrada dos boxes mais segura e eficiente e por fim, conseguir uma ‘reta’ oposta maior, onde os carros alcançassem mais velocidade final. Ao todo o percurso utilizado media 3.090 metros, com dois retornos em U, além de quatro curvas intermediárias. As curvas do Calabar eram as mais perigosas devido à quantidade de postes, pela proximidade do canal e principalmente por serem curvas de média a alta velocidade. A do Calabar de dentro era a mais veloz e gostosa de fazer; tinha também a do cemitério e a oposta ao cemitério. No mais, eram ‘retas’ meio curvas onde os carros andavam sempre em aceleração plena. A maior velocidade, perto dos 200 km/h para os carros de mais potência, era sempre atingida no final da reta oposta aos boxes, aí vinha uma forte freada para fazer o retorno do posto ou como alguns chegaram a chamar, a ‘curva do côco’. Por sua posição serpenteando ao longo de um vale, permitia que um numeroso público – falava-se na época em cerca de 40 mil pessoas –, ficasse acomodado nas suas encostas com uma visão privilegiada da corrida, como se fossem arquibancadas naturais. O recorde da Centenário ficou pertencendo à Alfa Romeo P33 da equipe Jolly Gancia, tendo ao volante José Carlos Pace, com o tempo por volta de 1’30”, a uma média de 123,4 km/h, obtido nos treinos dos 500 km da Bahia em 1969. Comparadas às corridas de rua do resto do país, posso afirmar sem medo de errar que as nossas corridas eram mais seguras e mais organizadas que a maioria das provas de rua daquele tempo, porém se compararmos aos padrões de hoje acharemos uma loucura em termos de segurança, sem guard-rails, com postes, árvores, canal e meios-fios sem proteção alguma. Mas era assim mesmo, corria-se até em pavimentação de paralelepípedos! Em 1972 as corridas em circuitos de rua foram proibidas em todo o país, devido à falta de segurança e ao grande número de acidentes que vinham acontecendo, até com mortes de pilotos e espectadores. MAURÍCIO DE CASTRO LIMA é arquiteto, motociclista, ex-piloto de corridas e Rally. Amante do automobilismo, sua pesquisa sobre o tema pode ser acompanhada no blog oldraces.blogspot.com.br Junho de 2017 | Vilas Magazine | 21


TURISMO & LAZER

EXPRESSO SEM PRESSA Trem de luxo que sai de Curitiba corta paisagem de mata atlântica a 20 quilômetros por hora e chega à cidade litorânea de Morretes, terra do barreado, da cachaça e de construções coloniais

N

uma mão a taça de champanhe e na outra o celular ou a máquina fotográfica. Assim se equilibram passageiros dos vagões do Great Brazil Express, trem de luxo que sai de Curitiba rumo à cidade histórica de Morretes, no litoral do Paraná, desde 2008, em finais de semana e feriados, pontualmente, às 9h15. A bebida é um dos mimos para quem paga R$ 360 (adultos) pela viagem – há também café da manhã com chá, biscoitinhos, tortinhas e croissants –, mas o maior presente é mesmo a paisagem de bro-

FOTOS: KARIME XAVIER / FOLHAPRESS

LUXO SOBRE TRILHOS Viagem de trem de Curitiba a Morretes tem mimos como champanhe e ambiente refinado, mas maior presente para o turista é a paisagem da mata atlântica

22 | Vilas Magazine | Junho de 2017


A ferrovia Curitiba - Serra do Mar - Morretes - Paranaguá representa um extraordinário feito da engenharia do século 19, onde sua construção considerada impraticável por inúmeros engenheiros europeus da época começou oficialmente em fevereiro de 1880 e durou cinco anos. Ao longo de seus 110Km o objetivo foi estreitar a relação entre as cidades do litoral paranaense e a capital do estado, com vistas ao desenvolvimento social do litoral. Além disso, era imprescindível ligar o Porto de Paranaguá ao interior, para que se desse vazão à produção de grãos dos estados.

RENATO LUIZ FERREIRA / FOLHAPRESS

mélias, helicônias, samambaias e cachoeiras da serra do Mar cortada pela estrada de ferro. A ferrovia, inaugurada em 2 de fevereiro de 1885, foi planejada pelos irmãos Antônio e André Rebouças (engenheiros abolicionistas que hoje são nome de túnel no Rio de Janeiro e de avenida em São Paulo). São 110 km de percurso incrustado na vegetação. O passeio dura cerca de três horas e meia, a uma velocidade média de 20 km/h. Entusiasta de viagens de trens, o embaixador da Alemanha no Brasil, Georg Witschel, 62, aproveitou o dia livre na véspera de uma visita oficial ao governador Beto Richa (PSDB), em março, para conhecer o roteiro paranaense. “Eu adoro trens, já viajei muito, e esse passeio me chamou a atenção porque é um trajeto curto e especial, atravessa a mata atlântica”, disse o diplomata. A vista do verde é também o que mais chamou a atenção de Sara, 8, e da mãe dela, Vanessa de Souza, 37. “Gosto de ver as flores pela janela”, contou a garota de Rondônia, que viajou a Curitiba para ser submetida a uma cirurgia. u

Junho de 2017 | Vilas Magazine | 23


TURISMO & LAZER

SERVIÇO

Passagem mais cara sai por R$ 360

T

rês litorinas de luxo (veículos sobre trilhos com motor próprio) Foz, Copacabana e Curitiba fazem o trajeto até Morretes aos sábados, domingos e feriados, às 9h15. Nas duas primeiras, o bilhete custa R$ 360 (adultos) e R$ 260 (crianças) – na terceira, R$ 283 (adultos) e R$ 180 (crianças). Podem ser comprados no terminal de Curitiba ou pelo site serraverdeexpress. com.br O retorno também pode ser feito por ônibus, ao custo de R$ 19,79.

Vanessa de Souza e Sara, sua filha, tomam café da manhã durante o percurso

Barreado, cozido de carne, acompanhado de banana e farofa, é servido no restaurante Bistrô da Vila

Viagem ao passado termina em cachaça, barreado e compota

D

estino final do trajeto de trem, Morretes concentra restaurantes que servem cozido de carne típico da região. Cidade colonial preserva construções

Casarão no centro de Morretes 24 | Vilas Magazine | Junho de 2017

Passageiras do Great Brazil Express observam a paisagem durante parada para foto no meio da serra do Mar


históricas, alambiques e lojinhas que vendem artesanatos e doces. O passeio de trem pela Serra do Mar termina em Morretes, cidade de 15 mil habitantes no litoral do Paraná. Com casas coloniais preservadas, o lugar, fundado em 1733, passa por uma transformação. Nos últimos anos, o turismo ganhou impulso com a restauração de construções históricas e o surgimento de novos restaurantes. As mudanças não são por acaso; Morretes tem tudo para atrair mais viajantes. Além de ter um centro histórico, com pracinha, coreto e paralelepípedos, a cidade é cortada pelo rio Nhundiaquara – ponto de encontro entre moradores da região que nadam em suas águas e turistas que praticam canoagem. No entorno, restaurantes servem o barreado, prato típico feito com carne bovina que se tornou a maior atração do lugar. O cozido leva de 16 a 24 horas para ficar pronto e é servido com banana e farofa (custa, em média, R$ 100 para duas pessoas). Em muitos restaurantes, os garçons brincam com os clientes na hora de servir. Misturam farinha, carne e caldo para fazer uma espécie de pirão. Depois, viram o prato em cima das cabeças dos turistas

Meninos se divertem no rio Nhundiaquara, que corta a cidade

Rua General Carneiro, no centro histórico de Morretes, com restaurantes e lojas em construções coloniais e falam: “Foto”. A comida não sai do lugar porque o pirão “cola” no fundo do prato. O ritual divertido se repete e vai parar nas redes sociais. Quem ficou com vontade pode provar o prato em restaurantes como o Villa Morretes e o Madalozo, bem próximos ao rio. ARTESANATO Nos arredores da praça central, lojinhas vendem artesanato, compotas e geleias. Um pote de doce custa de R$ 8 a

R$ 10. Nos finais de semana, os produtos são vendidos em uma feira perto do coreto. Outra atração da cidade é a cachaça Porto Morretes – premiada no Concurso Mundial de Bruxelas. Se o turista for fisgado e quiser ficar mais um dia em Morretes, há pousadas com boa infraestrutura por lá, entre elas a Hakuna Matata (a partir de R$ 271 a diária para casal) e a Pousada Graciosa (a partir de R$ 400 por casal), ambas localizadas entre a Serra do Mar e Morretes. Karime Xavier / Folhapress.

Junho de 2017 | Vilas Magazine | 25


RELIGIÃO

Santuário de Nossa Senhora de Fátima atrai milhões de católicos a Portugal Há 100 anos, Lúcia de Jesus, seus primos, Jacinta e Francisco, tes­te­mu­nharam a aparição da Virgem Maria, que lhes teria re­ve­lado três segredos, dando início à peregrinação

Mônica Lessa / O Globo

O

dia 13 de maio é uma das mais festejadas datas da Igreja Católica, por marcar o aniversário da primeira aparição de Nossa Senhora do Rosário de Fátima aos três pastorinhos portugueses, aos quais a Virgem Maria teria revelado três segredos. Segundo o relato, nesta data, em 1917, Lúcia de Jesus dos Santos, de 10 anos, e os irmãos Francisco, de 9, e Jacinta Marto, de 7, viram a imagem de Nossa Senhora na Cova de Iria, uma pequena propriedade pertencente aos pais de Lúcia, localizada a 2,5 quilômetros de Fátima, em Portugal. 26 | Vilas Magazine | Junho de 2017

As crianças cuidavam das ovelhas quando viram uma forte luz. Pensaram, então, que eram relâmpagos. De repente, surgiu outro clarão e os três viram em cima de uma azinheira, de pouco mais de um metro de altura, a imagem de uma “Senhora vestida de branco e mais bri­lhante que o sol”. Segundo a descrição de Lúcia: “sua face, indescritivelmente bela, não era nem triste, nem alegre, mas séria, com ar de suave censura. As mãos juntas, como a rezar, apoiadas no peito e voltadas para cima. Da mão direita pendia um rosário. As vestes pareciam feitas só de luz. A túnica era branca e branco o manto, orlado de ouro que cobria a cabeça da Virgem e lhe descia até os pés. Não se lhe viam os

cabelos nem as orelhas”. Segundo as crianças, a Virgem Maria pediu-lhes que rezassem e os convidou a retornar ao local por cinco meses, sempre no dia 13 e no mesmo horário. Em 13 de junho, julho, setembro e outubro, novas aparições ocorreram. No dia 13 de agosto, porém, as crianças não puderam ir à Cova de Iria. Foram levadas pelo então administrador do conselho de Vila Nova de Ourém, Artur de Oliveira Santos, defensor do anticlericalismo, para um interrogatório. O administrador queria que as crianças lhe contassem os segredos que teriam sido ditos pela Virgem. No 15 de agosto, após nada revelarem, as crianças regressaram à Fátima. No dia 19 de agosto, Nossa Senhora


REUTERS / FOLHAPRESS / RAFAEL MARCHANTE

reapareceu novamente. Lúcia estava com Francisco e Jacinta no sítio dos Valinhos, uma propriedade de um dos seus tios e que ficava a uns 500 metros da vila de Aljustrel, freguesia de Fátima. Na última aparição, em 13 de outubro, segundo os relatos da época, mais de 30 mil pessoas assistiram à aparição e presenciaram o chamado “Milagre do Sol”, quando, repentinamente, uma chuva persistente e forte que caía sobre os peregrinos cessou e as roupas das pessoas secaram instantaneamente. Neste dia, a Virgem Maria revelou para as crianças que era a “Senhora do Rosário”. Durante as aparições, a Virgem fez pro­fecias, recomendações e entregou às crianças três mensagens, que ficaram conhecidas como “os três segredos de

Fátima”. Em 1942, dois dos três segredos de Fátima foram revelados por Lúcia: o primeiro foi descrito como uma visão do inferno, relacionado ao fim da Primeira Guerra e ao início da Segunda Guerra Mundial. O segundo era sobre a devoção ao Imaculado Coração de Maria e como reconverter o mundo ao cristianismo. O terceiro só foi anunciado no ano 2000: a premonição do atentado sofrido pelo Papa João Paulo 2º, em 13 de maio de 1981. A notícia foi destaque na reportagem publicada pelo jornal O GLOBO no dia 14 de maio de 2000: “Vaticano revela o terceiro segredo de Fátima”. Das três crianças, só Lúcia viu, ouviu e falou com a aparição; Jacinta apenas a vira e ouvira, e Francisco se limitou a vêla. Inicialmente, a Igreja Católica reagiu com ceticismo à aparição, mas, em 1930, reconheceu o acontecimento e permitiu, oficialmente, o culto a Nossa Senhora de Fátima. Um ano antes das aparições de 1917, como numa preparação, os três pastorinhos haviam tido três visões de um anjo, o qual se apresentou como o Anjo da Paz ou o Anjo de Portugal. Estas visões só foram reveladas em 1937, nos relatos de Lúcia no texto “Memória 2”. Francisco de Jesus Marto nasceu em 11 de junho de 1908, em Aljustrel, filho mais velho de Manuel Pedro Marto e Olímpia de Jesus dos Santos. Francisco trabalhava pastoreando o rebanho da família na região da Cova de Iria. Em outubro de 1918, pouco mais de um ano após a última aparição, o menino adoeceu com a gripe espanhola, morrendo em 4 de abril de 1919. Nascida em 11 de março de 1910 na mesma localidade, Jacinta, como o irmão, morreu de gripe espanhola em 20 de fevereiro de 1920, num hospital de Lisboa. Francisco e Jacinta foram beatificados pelo Papa João Paulo 2º em 13 de maio de 2000. Restou a Lúcia, que se tornou religiosa, manter os três segredos, revelados inicialmente apenas ao Papa. Lúcia, filha mais nova de Antônio dos

Santos e Maria Rosa Ferreira, nasceu em 1907, também em Aljustrel. Era prima de Francisco e Jacinta e, em 1921, foi para o Colégio das Irmãs Doroteias em Vilar, no Porto. Em 1946, entrou para a clausura do Carmelo de Santa Teresa, em Coimbra, tornando-se freira carmelita descalça, onde permaneceu até a sua morte, em 14 de fevereiro de 2005, aos 97 anos, e seu corpo foi sepultado na Catedral de Coimbra, em Portugal. A pedido dela, após um ano, seus restos mortais foram transferidos para o Santuário de Fátima. Seu processo de beatificação foi aberto pe­lo Papa Bento 16, em 2008, e ainda está em andamento. A cidade de Fátima se tornou um dos maiores locais de peregrinação para católicos no mundo, e no local das aparições, a Igreja Católica construiu um santuário, visitado por milhões de católicos que celebram a aparição e a revelação dos três segredos. Desde 1947, a imagem de 1,10 metros e 13 quilos de Nossa Senhora de Fátima, chamada a Santa Peregrina, deixa seu altar para percorrer o mundo. Sobre a cabeça, tem uma coroa esculpida segundo a descrição dos pastores portugueses. A imagem peregrina já esteve no Brasil algumas vezes. Em 12 de maio de 1953, o jornal O GLOBO noticiava a primeira visita ao país: “Hóspede oficial do Rio a Virgem de Fátima”. Em 22 de abril de 1968, a segunda visita foi destaque na capa do mesmo jornal: “Fé e emoção saúdam a imagem de Fátima”. Em 1987, em comemoração aos 70 anos da aparição e do centenário da Congregação Mariana no Brasil, a imagem voltou. Na época, o evento religioso mais marcante foi a celebração do “Queremos Deus, com Maria, Mãe do Redentor”, que reuniu 180 mil pessoas no Maracanã. Em 1993, foi a primeira vez que um prefeito foi buscá-la em Portugal, a pedido do Arcebispo do Rio, dom Eugênio Sales: César Maia acompanhou a Santa na viagem até o Rio. Em 2011, para alegria dos devotos brasileiros, foi inaugurada a Capela das Aparições de Nossa Senhora de u Junho de 2017 | Vilas Magazine | 27


RELIGIÃO REUTERS / FOLHAPRESS / PAULO NOVAIS

Fátima no Brasil, no Recreio dos Bandeirantes, no Rio, onde existe uma réplica com as mesmas dimensões da imagem original. Em 1967, o Santuário de Fátima recebeu pela primeira vez a visita de um Papa: Paulo 6º visitou a Cova da Iria, em comemoração aos 50 anos das aparições. João Paulo 2º foi ao local por três vezes, a primeira, em 13 de maio de 1982, para agradecer à Virgem por ter sobrevivido à tentativa de assassinato. Dois anos depois, o Pontífice entregou ao então Bispo de Leiria-Fátima, Alberto Cosme do Amaral, a bala que o tinha atingido no atentado, posteriormente incrustrada na coroa da Virgem, onde permanece até hoje. Em 13 de maio de 1991, João Paulo 2º visitou Fátima no 10º aniversário do atentado. A terceira visita ocorreu em 2000, quando esteve no santuário para a beatificação de Jacinta e Francisco. Em 2010, Fátima recebeu a única visita de Bento 16. 28 | Vilas Magazine | Junho de 2017

O papa Francisco visitou o Santuário de Fátima, onde canonizou os irmãos pastores, Francisco e Jacinta, em missa solene na manhã de 13 de maio, perante uma multidão de aproximadamente 500 mil peregrinos. O menino brasileiro Lucas Baptista, cuja cura de uma queda foi atríbuída aos pastores portugueses, subiu ao altar e foi abraçado pelo papa

Em 23 de março de 2017, o Papa Francisco aprovou um milagre atribuído a Francisco e Jacinta: trata-se da cura de um menino brasileiro, Lucas, de 9 anos e morador em Juranda, no Paraná. Esse era o passo que faltava para a canonização dos irmãos portugueses, realizada no Santuário de Fátima no dia 13 de maio, Centenário da Aparição de Nossa Senhora, presidida pelo Papa Francisco, em sua primeira visita à cidade. Em 3 de março de 2013, Lucas, então

com 5 anos, caiu de uma janela, de uma altura de 6,50 metros, bateu a cabeça no chão e teve traumatismo craniano grave, com perda de tecido cerebral no lóbulo frontal esquerdo. Os médicos não acreditavam na cura do menino, certos de que, mesmo que sobrevivesse, ficaria em estado vegetativo ou com graves deficiências cognitivas. Os pais começaram a rezar para Nossa Senhora de Fátima e pediram que as irmãs do Carmelo de Campo Mourão, no Paraná, fizessem o mesmo. Uma irmã correu para as relíquias dos beatos Francisco e Jacinta, junto do Sacrário, e convenceu toda a comunidade a orar aos pastorinhos. No dia 9 de março, Lucas acordou do coma induzido e começou a falar. Saiu da UTI no dia 11 e teve alta no dia 15, sem sequelas. Os médicos não conseguiram explicar sua recuperação. (Com edição de Matilde Silveira).


REGIÃO

Serviços do Detran e Planserv já estão disponíveis no Posto Cidadão em Guarajuba

O

Ponto Cidadão de Guarajuba – unidade avançada de atendimento da Rede SAC – agregou 55 novos serviços. A novidade traz para o portfólio do posto a parceria entre a Superintendência de Atendimento ao Consumidor, o Planserv e o Detran. Com a incorporação dos novos serviços, a capacidade do posto passa de 3.740 atendimentos mensais para 5.720, um aumento equivalente a 53% do fluxo da unidade. Na opinião da professora Kadja Grimaldi, “o Ponto Cidadão é uma conquista muito grande para os moradores da região. Sempre que precisamos resolver algo, enfrentamos a distância e o trânsito, e ter uma unidade do SAC aqui perto é uma facilidade muito grande. Com Detran e Planserv aqui, melhor ainda”. A observação da professora se justifica: para realizar serviços do Detran, por exemplo, o cidadão antes precisava recorrer ao Ciretran (Circunscrição Regional de Trânsito), em Camaçari, a 35,5Km de distância do local, ou aos postos SAC Camaçari e Lauro de Freitas, ambos distantes 40Km do Ponto Cidadão da localidade. O Ponto Cidadão, que completou três anos em dezembro,

PRODUTOS Á VENDA

EM NOSSA LOJA

disponibiliza serviços de Inscrição no CPF, Carteira de Trabalho, Carteira de Identidade, Antecedentes Criminais e serviços do CEPREV, além dos novos da Carteira Nacional de Habilitação – adição de categoria, alteração de dados, transferência, permissão internacional para dirigir e prova eletrônica, entre outros – e de Veículos – 2ª via de Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV) e Consultas, apenas. O Ponto Cidadão de Guarajuba está localizado no Guarajuba Shopping, lojas 23, 24 e 25, e funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 14h. Para informações sobre serviços e horários de atendimento, a Saeb disponibiliza o endereço www.sac.ba.gov. br, os números 0800 071 5353 (telefone fixo) e 4020 5353 (telefone móvel) e o aplicativo SAC Mobile.

Rua Priscila Dutra, 101

3369-8300

Junho de 2017 | Vilas Magazine | 29


MEIO AMBIENTE

Entre na natureza neste mês do Meio Ambiente

C

KARIME XAVIER / FOLHAPRESS

om apenas 6% da sua área de mata atlântica ainda intacta, Lauro de Freitas há muito tempo deixou de ser exemplo de paradigma ambiental. Todo o território do município esteve um dia coberto pelo bioma mais rico do país. Depois vieram as pessoas – e seus carros, seu asfalto, suas casas e o esgoto que elas produzem, mas não tratam. A devastação quase absoluta da área de mata não foi a única consequência da ocupação urbana, que também produziu a poluição de todos os cursos d’água e das praias que sofrem os efeitos das descargas. Buraquinho, em especial, está permanente imprópria para banhos. Reduzida a subúrbio da capital baiana, Santo Amaro de Ipitanga há décadas não sabe o que é a restinga: por cima dela se construiu Vilas do Atlântico, os condomínios de Ipitanga, do Miragem e de Buraquinho. O que sobrou de mangue, junto à foz do rio Joanes, está permanentemente ameaçado: já são apenas 15 hectares ou 0,15 Km². Os dados são fruto de um trabalho conjunto da Fundação SOS Mata Atlântica, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), da Arcplan – empresa especializada em geoprocessamento e outras três empresas reunido no “Aqui tem Mata?”, aplicativo para acesso do público em geral. O objetivo do serviço é informar sobre a existência de remanescentes da Mata Atlântica. Os 6% que sobraram em Lauro de Freitas equivalem a 3,46 Km² – uma área similar à de Vilas do Atlântico. É pisoteando a memória da restinga que este mês se deve festejar, por ocasião do Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado dia 5, a prosaica reabertura de um parque urbano que os mais românticos chamam de ecológico. Menos idealista, a Organização das Nações Unidas (ONU), que desde 1974 destaca o 5 de junho com ações de conscientização, este ano propõe como tema a “conexão das pessoas à natureza”. A proposta é “entrar na natureza, apreciar sua beleza

30 | Vilas Magazine | Junho de 2017


Tartarugas recém-nascidas ganham o caminho do mar, em Busca Vida e sua importância e levar adiante o chamado para proteger a Terra que compartilhamos”. O tema deste ano convida as pessoas a pensar sobre como somos parte da natureza e como intimamente dependemos dela. Para a ONU, a natureza “nos desafia a encontrar maneiras divertidas e emocionantes de experimentar e valorizar esse relacionamento vital”. O chamado é dirigido também aos moradores de áreas urbanas, que são metade da população planetária. Afinal, mesmo que você se encontre em Lauro de Freitas, ainda é possível “entrar na natureza”. Os nossos 6% de Mata Atlântica estão principalmente no Jambeiro, junto à represa do Joanes, na região onde o Plano Diretor de Desenvolvimento Municipal (PDDM) prometeu destinar ao Parque Natural da Cachoeirinha. Não é aconselhável esperar pelo poder público, até porque esse remanescente era maior até poucos anos atrás – antes dos novos conjuntos habitacionais serem construídos. O traçado da nova Via Metropolitana, que vai ligar a BA-099 à BA-526, também cobrou sua parte no remanescente de Mata Atlântica, tanto no Jambeiro como no Quingoma. Por isso, é melhor não deixar para depois e aceitar logo a proposta da ONU. Conectar-se com a natureza é a ordem do dia e visitar parques naturais é a missão a cumprir. O Parque Natural da Cachoeirinha não saiu ainda do papel, mas também não vale passar meia hora sentado na arquibancada de pneus velhos que colocaram no “Parque Ecológico de Vilas do Atlântico”. A ideia é “entrar na natureza” e não avaliar a qualidade das passarelas de cimento em torno de canteiros recém-pintados. A primeira dica da ONU para este Dia Mundial do Meio Ambiente u Junho de 2017 | Vilas Magazine | 31


O “Parque Ecológico de Vilas do Atlântico”, que está mais para jardim botânico, poderia se transformar num local para multiplas atividades

é “criar seu próprio paraíso natural”. Você não precisa ter um jardim à sua volta para trazer vida ao seu ambiente e criar um paraíso de paz em casa. Há inúmeras plantas fáceis de cultivar dentro de casa para trazer o verde à cena. Ervas, como a hortelã, são simples de cuidar e adicionam uma pitada de frescura às refeições. As caixas de janela, cestas suspensas e mesmo aqueles alimentadores de pás-

32 | Vilas Magazine | Junho de 2017

saros podem acrescentar uma explosão de cores e aromas e trazer borboletas e pássaros que vibram ao seu redor. Em suma: se você não pode sair, traga a natureza até você. Exercite-se ao ar livre. A segunda dica é juntar-se a um grupo local de ciclistas que o leve para longe da cidade por um dia. Juntar-se a um clube de Tai Chi Chuan e praticar ao ar livre, de manhã cedo. Só

isso já reconecta uma pessoa aos espaços verdes que podem ter sido esquecidos. De acordo com a ONU, metade da população mundial vive a 60 Km do mar e 75% das grandes cidades estão no litoral. Em Lauro de Freitas a tarefa de chegar até a praia é bem simples. A terceira dica é entrar em contato com a água, mesmo que apenas visualmente – e lavar as tristezas. Há uma espantosa variedade de árvores, plantas, pássaros e outros animais na cidade e muitas dessas espécies se adaptando à vida com os humanos de maneiras fascinantes. Aprenda a reconhecer a sua flora e fauna local, reserve alguns momentos de cada dia para olhar ao redor e ver o que você pode ver – você vai se descobrir rapidamente maravilhando com o mundo natural em torno de onde você vive. Essa é a quarta dica. Há algo especial sobre as primeiras horas antes do amanhecer em uma cidade. O silêncio contrasta com o caos que virá assim que o dia começar. E os animais aproveitam ao máximo. Há criaturas que você não verá em plena luz do dia. A quinta dica é levantar-se cedo ou ficar


acordado até tarde para embarcar em um “safari urbano noturno” e apreciar esse lado selvagem da cidade. Para quem sabe o que está fazendo, a sexta dica é colher frutos comestíveis de árvores pela cidade. Raízes e folhas estão em todo lado ao nosso redor. É só não esquecer que há frutos, folhas e raízes que são venenosos. Por fim, a ONU recomenda o voluntariado. Junte-se a uma organização de conservação ambiental. Quase todas as cidades têm pelo menos uma organização trabalhando em alguma coisa relacionada à natureza, seja limpando ambientes poluídos ou cuidando de animais abandonados ou feridos. Restaurar um espaço verde ou resgatar um pássaro com uma asa quebrada não vai apenas ajudar as plantas, animais e sua comunidade: isso

O imponente pé de oiti, no Centro, já foi reconhecido como símbolo da cidade.

vai fazer você se sentir muito melhor. Por ações como a deste ano é que o Dia Mundial do Meio Ambiente se tornou uma plataforma global para aumentar a conscientização e agir sobre questões

urgentes, desde a poluição marinha e o aquecimento global até o consumo sustentável e a criminalidade contra a vida selvagem. Milhões de pessoas têm participado da campanha ao longo dos anos, ajudando a mudar os nossos hábitos de consumo, bem como as políticas ambientais nacionais e internacionais. Na ausência do Parque Natural da Cachoeirinha, seria temerário embrenhar-se pelo remanescente de Mata Atlântica no Jambeiro, Quingoma ou no Barro Duro. Até porque o que não é propriedade privada está certamente na posse de alguém. Mas um passeio por via pública naquelas regiões não vai ofender ninguém. Talvez até, quem sabe, dar uma olhada nas áreas do “Parque Ecológico de Vilas do Atlântico” em que ainda não assentaram um pedaço de cimento qualquer. Não é Mata Atlântica, fique avisado. Está mais para jardim botânico, com a salada de espécies que lá plantaram. Mas é o que temos. Quando estiver lá, fotografe o que achar mais bacana – vale uma selfie com a natureza como pano de fundo – e publique numa rede social com a hashtag #WorldEnvironmentDay ou #WithNature. Envie aqui para a Vilas Magazine. Conte por que aquele lugar é especial para você. Essa é outra das propostas da ONU para fazer deste Dia Mundial do Meio Ambiente algo mais do que belas palavras ao vento. Junho de 2017 | Vilas Magazine | 33


MEIO AMBIENTE

N

Desequilíbrio ambiental

a natureza existe um equilíbrio entre os organismos vivos e o ambiente onde vivem, ocasionando ecossistemas, com suas trocas e influências entre organismos e entre eles e o meio. A falta de equilíbrio ambiental ocorre quando certo elemento (vegetal ou animal) de um ecossistema é reduzido em quantidade, subtraído ou adicionado. Essa mudança pode gerar reações e afetar diretamente o funcionamento do ecossistema. Às vezes os desequilíbrios ambientais podem ser pequenos e catastróficos devido aos desastres naturais causados por terremotos, tsunamis, furacões,

34 | Vilas Magazine | Junho de 2017

erupções vulcânicas, fenômenos que provocam grandes danos nos ambientes onde ocorrem. A depender do tipo de ecossistema atingido, os prejuízos na comunidade biológica podem ser terríveis, sendo necessários vários anos para a sua completa recuperação. No entanto a falta de equilíbrio ecológico pode ser devido a atividades humanas desordenadas, a exemplo de poluição atmosférica, dos lagos, rios e oceanos, desmatamento florestal, depredação e captura de animais silvestres para comércio, captura demasiada de peixes pequenos e em período reprodutivo, efeito estufa, diminuição na camada de

ozônio, exploração demográfica, entre tantos outras. Se por uma lado essas agressões à natureza comprometem o equilíbrio ecológico, a explosão demográfica da população, devido ao desenvolvimento da tecnologia, compromete a melhoria da qualidade de vida dos seres vivos. A população está aumentando em progressão geométrica, enquanto os recursos que são importantes à sobrevivência, não. Ao exterminar florestas, alterar cursos de rios, aterrar regiões alagadas e afetar o clima, a população atinge uma rede de segurança ecológica muito complexa. Dunas, manguezais e regiões alagadas litorâneas são obstáculos naturais contra ressacas. As florestas e regiões alagadas são esponjas que conseguem absorver


as enchentes. Outro fato que serve como um alerta da natureza é o instinto dos animais. Cientistas admitem a possibilidade dos animais possuírem capacidades sensoriais bem desenvolvidas, acima das dos humanos. Eles explicam que os animais com sentidos bastante desenvolvidos (visão, audição e olfato) reagem mais às alterações no ambiente do que os humanos. Horas antes de ocorrer um desastre natural, muitos animais reagem de maneira diversa de seu comportamento natural.

EQUILÍBRIO Lugar de lixo é na lixeira. Na próxima vez que for jogar fio dental ou papel higiênico no vaso sanitário, tenha em mente que esses materiais vão parar na rede de esgoto. De lá, seguem para um rio ou para o mar. Ou seja, além de representarem um risco para o funcionamento do sistema de esgoto da cidade, podem cair em água corrente, poluindo rios e oceanos. Coloque avisos no banheiro de casa, no trabalho e até no lazer, para lembrar a você mesmo e aos colegas sobre a importância desses cuidados. Organize campanhas de conscientização ecológica em geral, como limpeza de rios, lagos e nascentes. O tratamento de esgoto contribui diretamente para a redução de doenças transmitidas pela água. Quanto mais pessoas estiverem conscientizadas, melhor para o meio ambiente. Reduza o consumo de energia valorizando a iluminação natural. Abra as janelas, afaste as cortinas. Não deixe as luzes acesas desnecessariamente e desligue os aparelhos elétricos durante a noite. Troque as lâmpadas comuns (incandescentes) por lâmpadas fluorescentes. Lavar roupas de uma só vez, evitando ligar a máquina de lavar várias vezes ao dia, também é uma dica importante. Alerte a família e os amigos para que dêem preferência aos eletrodomésticos (geladeira, TV, DVD, lavadora de roupas e de louças, etc.) que tenham o selo do Procel - Programa Nacional de Conservação de Energia - que mostra o consumo do equipamento, indicando aqueles que gastam menos energia. Preserve a fauna e a flora. Em países ricos em biodiversidade, como o Brasil, plantas e animais silvestres chamam a atenção de traficantes internacionais (biodiversidade é o conjunto de todas as espécies de seres vivos existentes em uma região). O tráfico de animais silvestres é o segundo maior volume de tráfico ilegal no mundo, e ameaça agressivamente os ecossistemas. Não compre

animais silvestres, como macacos, tucanos, araras, etc. Para saber quais são os animais que você pode criar em casa e quais são os ameaçados de extinção, consulte o site do IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). Estimule o plantio de árvores e plantas na sua casa, no seu condomínio, na escola dos seus filhos. Procure usar espécies nativas, ajudando na revitalização das áreas verdes. Reduza o consumo de água com um simples fechar de torneiras enquanto estiver escovando os dentes, lavando as louças. A água é um dos bens mais preciosos do planeta e está entre os mais ameaçados. Em alguns países e regiões do mundo ela é uma riqueza natural cada vez mais escassa e vale mais do que o petróleo. Evite banhos demorados e esteja atento a pequenos vazamentos. Para lavar o carro ou a calçada, use baldes ao invés da mangueira. Converse sobre esse assunto com a sua família, com os vizinhos e com o síndico do prédio. A camada de ozônio protege a Terra da radiação ultravioleta. Há algumas décadas, foi descoberto que algumas substâncias produzidas pelo homem, como o gás CFC (clorofluorcarbono), contribuem para a destruição dessa camada, causando um grande dano ao equilíbrio do meio ambiente e podendo provocar doenças, como câncer de pele. Cientistas vêm desenvolvendo novos produtos para substituir os que continham os compostos nocivos. Fique atento no rótulo de produtos como sprays e aerossóis (desodorantes, repelente contra insetos, entre outros) e dê preferência aos que não contêm CFC em sua fórmula. Medidas simples como estas podem ser adotadas imediatamente e logo permitirão um cotidiano de maior atenção sobre as questões ambientais. Procure adotá-las e divulgá-las entre os amigos. Desta forma, você estará dando sua parcela de contribuição para garantir um futuro mais equilibrado. Junho de 2017 | Vilas Magazine | 35


COMPORTAMENTO

A TERAPIA DO CROCHÊ

A arte que promove a troca de carinho através de pequenos polvos Thiara Reges / Texto e fotos Freelance para a Vilas Magazine

U

m novelo de linha e uma agulha. Mais que um bordado, o crochê, que tem sua origem desconhecida, mas que ganhou grande destaque na Europa a partir do século 16, está presente em vários lares na forma de decoração, roupas, como fonte de renda e até mesmo como passatempo. Mas nos últimos meses o crochê tem chamado a atenção por outro motivo: a terapia. Hospitais em todo mundo têm adotado o uso de pequenos polvos, feitos de crochê, para auxiliar no tratamento de crianças prematuras. E a novidade já chegou aqui na Bahia, ganhou força e novos contornos, unindo pessoas com diferentes histórias. Eliana Souza, 38 anos, nunca teve muita afinidade com o crochê. “Na verdade, quando via minha mãe fazendo dizia que era coisa de velho”. Mãe de dois filhos, foi assistindo a uma reportagem que se encantou pelos polvos. “Acessei a Internet e busquei sobre o tema, encontrei aulas em vídeo e fui aprender os pontos do crochê para fazer os polvos”. Sua motivação estava presente na memória: o filho mais novo, hoje com cinco anos, teve complicações e precisou ficar na encubadora. “Eu não podia pegar meu filho, não podia amamentar, então consigo perceber como o polvo pode ser importante neste momento”.

A Pequena Nicole em seu primeiro contato com o polvo de crochê 36 | Vilas Magazine | Junho de 2017

Rita uniu suas duas paixões: o artesanato e os cuidados com o próximo Já Ingrid Guimarães, 27 anos, viu sua vida mudar por completo nos últimos dois anos. Ela é mãe da pequena Nicole, de 1 ano e cinco meses, portadora de microcefalia. “Tive que fechar minha loja, meu marido precisou adequar suas atividades e nossa rotina hoje é dedicada aos cuidados que Nicole tanto precisa no seu desenvolvimento”. Ingrid participa da Ong Abraço, que acolhe famílias de crianças com microcefalia, promovendo a aceitação da síndrome, além da assistência através das doações de latas de leite e outros itens. Hoje são cerca de 150 crianças cadastradas. “Ficamos muitos felizes quando descobrimos que já existem artesãs produzindo os polvos aqui em Salvador, com a proposta de expandir o uso, não apenas aos prematuros, mas visando outras crianças também, como minha Nicole. O polvo vai agir diretamente no sensorial da criança, além de todo afago, por ser feito de forma tão carinhosa”, diz Ingrid. Rita de Cássia, 32 anos, é uma das artesãs citadas por Ingrid. Enfermeira por formação, Rita começou a fazer o crochê com nove anos. O bordado é algo muito presente em sua família. O pai funcionário público e a mãe dona de casa tinham nos bordados o complemento necessário para organizar todas as demandas da família. Foi superando um grave problema de saúde que Rita percebeu que um novelo de linha e pontos cuidadosamente


feitos com uma agulha poderiam ser o elo condutor de carinho entre as pessoas. Assim nasceu o projeto Quero Abraçar esse Polvo. QUERO ABRAÇAR ESSE POLVO O início foi tímido, reunindo amigas e divulgando a ideia no boca a boca. Com um projeto debaixo do braço, Rita ia em hospitais e ongs na busca de parcerias. Através de uma publicação no Facebook, pedindo doações de novelos e oferecendo oficinas para ensinar o crochê, o projeto ganhou força e novas demandas surgem diariamente. A ideia de usar polvos de crochê como terapia para crianças prematuras surgiu na Dinamarca, em 2013, quando a mãe de uma criança prematura fez o primeiro polvo. As melhoras na criança foram perceptíveis, e a arte foi passando de mãe para mãe, até ganhar toda Europa. Estudos do Hospital Universitário Aarhus identificou melhoras nos sistemas respiratório e cardíaco dos bebês, além de um aumento dos níveis de oxigênio no sangue. Ao abraçar o polvo, os recém-nascidos se sentem mais calmos e protegidos. Os tentáculos remetem ao cordão umbilical e ajudam a passar uma sensação de segurança. O projeto chegou no Brasil através da ONG Prematuridade, e hoje os polvos já alcançaram todo o país. “Se foi tão importante para mim, por que não levar

Ingrid e a pequena Nicole

Rita oferece oficinas para quem quer aprender o crochê e fazer polvos para outras pessoas que também estejam em momentos de fragilidade e ainda mais, levar carinho para crianças. Os prematuros estão em um momento que requer um cuidado extremo, mas todas as crianças, sejam as com microcefalia, Down, abandonadas em orfanatos, todas precisam de amor”, frisa Rita. Apesar de seguir os mesmos parâmetros do projeto dinamarquês (Octo Project) quanto às normas para a confecção dos polvos, Rita percebeu na arte a possibilidade de ampliar a quantidade de pessoas beneficiadas. “O crochê é uma arte belíssima, e através desse polvo podemos proporcionar a troca de amor entre as pessoas. No caso da Ong Abraço, começamos as oficinas no dia 25 de maio, e as mães, que na sua maioria precisaram abandonar por completo suas profissões, além dar o polvo para seu filho, auxiliando ainda mais no seu desenvolvimento, tem a oportunidade de fazer uma atividade que acalma a sua mente, e quem sabe, transformar isso em uma nova fonte de renda”, complementa. O projeto tem apenas dois meses de atividade, mas já expande seus tentáculosos: Vitória da Conquista, Jequié e Barreiras já implantaram o uso dos polvos como terapia com crianças prematuras, fazendo os estudos para verificar o desenvolvi-

mento delas, bem como o controle de infecções, um dos itens mais discutidos pelo Ministério da Saúde. “O protocolo de higienização é algo imprescindível nesse processo, sobretudo quando o destino dos polvos são crianças prematuras. Cada hospital tem seu protocolo, que deve ser seguido e respeitado”, lembra Rita. Com o crescimento da demanda, as oficinas de crochê seguem a todo vapor. Com turmas de no máximo 10 alunos, Rita ensina o bordado para pessoas que já tem algum conhecimento básico e também àquelas que nunca tiveram contato com o crochê, mas que se encantam pela possibilidade de fazer o bem. Hoje o projeto já conta com 60 artesãs em Salvador e Região Metropolitana. Interessados em colaborar, mas não levam muito jeito para o bordado, podem participar doando novelos de linha, por exemplo. “Cada pedacinho que puxamos desse novelo nos desabafa novas histórias”, declara Rita, que quer ir longe. “Nossas próximas metas apontam chegar nas crianças em tratamento de câncer, suas família, em lares de idosos, onde o crochê possa demonstrar para cada pessoa como seus conhecimentos, seu tempo e seu carinho são úteis”, finaliza. AS RESSALVAS Apesar dos resultados amplamen- u Junho de 2017 | Vilas Magazine | 37


EMPRESAS & NEGÓCIOS

8 erros comuns que dão dor de cabeça para o empreendedor A médica pediatra Rosane Azevedo considera a iniciativa positiva te difundidos por toda mídia, o Ministério da Saúde não recomenda o uso dos polvos de crochê em hospitais. Em nota publicada em abril, as principais ressalvas são para um possível interrompimento do Método Canguru, instituído no Brasil desde o ano de 2000, e que busca sempre o envolvimento dos pais e famílias; o caráter puramente lúdico, onde qualquer brinquedo teria o mesmo efeito; e o grande risco de infecções. A médica pediatra Rosane Azevedo ressalta que apenas os estudos poderão comprovar a eficácia dos polvos, porém a iniciativa é válida. “Já está comprovado que crianças na incubadora, quando colocadas na posição que se assemelha à posição que ela estava dentro do útero, se acalmam. Da mesma forma acredito que as pesquisas vão confirmar que os tentáculos do polvo exercem efeito benéfico nas crianças por sua semelhança ao cordão umbilical”, destaca. Quanto à expansão do projeto, abraçando também crianças com algum comprometimento neurológico, além daquelas em tratamento de câncer, Rosane destaca que o conceito muda, mas o resultado final continua sendo positivo. “O toque, o estímulo, para crianças em geral, ou crianças que tenham alguma deficiência neurológica, como é o caso da microcefalia, é fundamental no desenvolvimento; quanto mais estimular, mais as crianças vão se desenvolver. O polvo para essas crianças vai atuar tanto de forma lúdica como terapêutica”, finaliza. Para doar materiais ou participar das oficinas siga o Projeto nas redes sociais (@queroabracaressepolvo), ou faça contato pelo telefone (71) 99191-0408. 38 | Vilas Magazine | Junho de 2017

O

Brasil ocupa uma das últimas posições na categoria abrir uma nova empresa do relatório Doing Business 2017 (fazendo negócios), do Banco Mundial. O país aparece na 175ª posição de uma lista com 190 nações. Além da burocracia, o sistema jurídico também é um complicador. Os maiores erros acontecem nas áreas tributária, societária, trabalhista, de governança empresarial e propriedade intelectual, afirma o advogado Fabio Kujawski. Se pessoas físicas podem recorrer à Defensoria Pública, não há serviço jurídico gratuito para empresas. A OAB veta a prática e também preços abaixo dos de mercado, regulados por tabela renovada anualmente. Uma ação trabalhista, por exemplo, não sai por menos de R$ 3.097, ou 20% do valor da causa. Para uma minuta de contrato, será cobrado R$ 1.271 ou 2% de seu valor. Já para um tira-dúvidas verbal, em horário comercial, o preço fica em R$ 309,73. Mas há alguns litígios que podem ser solucionados sem advogado, por meio do JEC (Juizado Especial Cível), antigo Tribunal de Pequenas Causas. É o caso de uma ação de cobrança. O limite legal é de até 20 salários mínimos, ou R$ 18.740. Veja a seguir, algumas sugestões de advogados para ajudar o empreendedor a estruturar e manter seu negócio evitando problemas com a lei. 1 - O PROBLEMA A empresa foi aberta com um plano de negócios estruturado, mas sem estudos prévios sobre incidência de impostos regionais nos estados em que os produtos ou serviços serão oferecidos Como evitar: É preciso determinar o regime de recolhimento de impostos,

como o Simples Nacional, e estudar a alíquota de tributos regionais (ICMS e ISS) antes de começar a atuar no mercado. Não adianta investigar possibilidades apenas na hora em que a conta aparece 2 - O PROBLEMA O empreendedor se empolga com uma nova ideia de negócio e a compartilha com potenciais investidores. Mais adiante, descobre que sua proposta foi usada por um deles, que viabilizou a empresa Como evitar: Parece excesso de zelo, mas não é: elabore um contrato de confidencialidade antes de abrir sua ideia para outro empresário. Mencione de quais formas a informação pode ser usada e, em caso de violação do combinado, é possível até pleitear uma indenização na Justiça 3 - O PROBLEMA É comum haver impasses entre os sócios da empresa, mas o drama é ainda maior quando são apenas duas pessoas no comando: qualquer decisão de um dos parceiros precisará ser unânime Como evitar: O contrato societário da empresa pode prever cláusulas de mediação. Um exemplo é estipular uma terceira parte, não vinculada a nenhum dos dois proprietários, para ajudar a solucionar os conflitos de forma isenta, por meio de negociação 4 - O PROBLEMA O empresário contrata um designer para criar sua marca, mas não a registra no INPI (Instituto Nacional da Propriedade Intelectual). Depois, descobre que estava usando um nome já registrado e é processado Como evitar: Vale contratar um advogado para fazer a consulta no INPI e assim evitar usar uma marca já existente. Também é importante registrar o nome


Raymundo Dantas é escritor e palestrante, especializado em Marketing no Varejo, com Mestrado na Espanha. E-mail: raymundo_dantas@uol.com.br

da sua: o custo varia de R$ 140 a R$ 530 5 - O PROBLEMA Na hora de prestar serviços em cidades vizinhas, o empreendedor pode ser obrigado a pagar o ISS (Imposto sobre Serviços) municipal duas vezes: na cidade onde a empresa está sediada e na do cliente. Como evitar: Quase sempre o imposto deve ser pago no município-sede da empresa. Ao redigir o contrato de prestação e emitir a nota fiscal, especifique bem a natureza do serviço e onde será pago o imposto, usando a mesma categorização que consta na legislação fiscal 6 - O PROBLEMA Uma empresa que presta serviços de bufê não especifica no contrato detalhes como horário de início, bebidas servidas e número de garçons. O cliente discorda do que foi oferecido e entra na Justiça para reaver o dinheiro. Como evitar: O contrato deve especificar, passo a passo, todos os aspectos do serviço, incluindo materiais fornecidos e pessoal destacado. Do contrário, é a palavra da empresa contra a do cliente 7 - O PROBLEMA O funcionário começa a alegar problemas de saúde constantes, usando atestados médicos, em geral às sextas, segundas ou em “pontes” de feriados Como evitar: A empresa deve monitorar os atestados e identificar se os diagnósticos têm natureza semelhante. A tabela CID-10, disponível online, lista doenças e códigos usados nos documentos 8 - O PROBLEMA O dono de uma micro ou pequena empresa confia nos seus funcionários e acha que não precisa fazer controle de ponto, além de dar adiantamentos salariais sem recibos. Depois descobre que foi alvo de uma ação trabalhista e fica refém de provas testemunhais em seu favor Como evitar: A pequena deve ter os mesmos cuidados que uma grande empresa: criar sistemas de gestão, evitar pagamentos fora dos dias combinados e negociar por escrito as férias. Anna Rangel / Folhapress.

10 mandamentos para o varejo

D

esde os tempos de Moisés virou mania se fazer listas de dez dicas para qualquer coisa na vida. Hoje, de repente, lembreime de que ainda não tinha ouvido ninguém falar em dez mandamentos para o varejista. Por isso apresso-me a criá-los, antes que outro o faça. Afinal, a evolução, como se sabe, pertence aos mais rápidos! Lá se vão: 1º Mandamento: Ouvir o cliente sobre todas as coisas. O que eles dizem a seus empregados e a você mesmo. Isto nos faz conhecer melhor nosso negócio, as exigências do consumidor e as tendências do mercado. Além de ser pesquisa de mercado das melhores. 2º Mandamento: Não deixar que o seu negócio role em vão. Ao contrário, busque sempre analisar em profundidade suas deficiências, bem como as suas potenciais virtudes, com vistas a um aperfeiçoamento constante do seu negócio e seus serviços. 3º Mandamento: Guardar seu posicionamento, estando sempre em guarda. Ou seja, saber o que quer, sair na frente, ser proativo e encontrar seu diferencial em relação à concorrência. 4º Mandamento: Honrar planos e metas. Ter rumo, objetivos a alcançar bem definidos. Colocar metas à frente para os seus negócios: metas de vendas, de custos, de resultados, do que for, desde que possam ser desafiadoras, isto é, que exijam um certo esforço para serem alcançadas. Que sejam, porém, alcançáveis. Metas impossíveis fazem a gente desistir no meio do caminho. E é importante também estabelecer indicadores que permitam medir os resultados, tipo vendas/m², vendas por empregado,

etc. E o prazo em que já devem ter sido alcançados. 5º Mandamento: Não improvisar. Isto é, definir os caminhos para atingir os objetivos e metas que você traçou. Pensar no como vai fazer, nos instrumentos e métodos de trabalho. 6º Mandamento: Guardar viabilidade. Ter as contas sob controle. Fazer um orçamento básico, para administrar melhor suas compras e vendas, receitas e despesas. Manter especialmente as compras sob controle financeiro, para não estourar o estoque. Segurar as despesas administrativas. Montar e administrar seu fluxo de caixa. 7º Mandamento: Não confiar só na intuição. Não se pode ser teórico, mas também não é mais tempo de confiar apenas no seu tino comercial. Crie o hábito de trabalhar em cima de dados, números, fatos, indicadores, séries históricas, experiência registrada. Tudo isso e também...sua intuição. 8º Mandamento: Não se intimidar por medo de tudo. Comércio é risco. Esteja preparado para o que der e vier. Seja prudente, mas confiante. Forme uma boa equipe, treinada e motivada e vá em frente. Isso é Brasil, com seus problemas, mas também com muitas oportunidades. 9º Mandamento: Não esperar uma moleza próxima. Ela não vai vir. Você é que deve estar atento, tendo cintura, capacidade de adaptação rápida às novas circunstâncias, agilidade para corrigir seus rumos rapidamente, quando necessário. 10º Mandamento: Não invejar o sucesso alheio. Sucesso é massa cinzenta, suor e auto-confiança. Você tem. Você pode. Você consegue. Amém. Junho de 2017 | Vilas Magazine | 39


quarto”, explica. Quando o ambiente não atende às condições ideais, tem como adequá-lo de acordo a realidade. Trabalhando o isolamento acústico do cômodo, DECORAÇÃO iluminação indireta comSALVADOR cromoterapia (tons de verde ou azul) e inserindo plantas e flores são uma opção. Dolores Landeiro, design de interiores, garante que é imprescindível ter cuidado com a escolha dos móveis, acessórios e cores para arrumar o espaço conforme as necessidades do cliente. “Para promover o conforto é interessante organizar o cômodo com poucos móveis, em tons suaves, usar materiais da natureza como madeira ou fibras ou bambu. Mesas baixas, prateleiras para colocar imagens das divindades religiosas, incensos e velas, tatames no chão, futon, são algumas opções”, ressalta.

OFórum as novi mais efi

SÁBADO 6/5/2017

Fotos Divulgação FOTOS:Xico XICODiniz DINIZ / / DIVULGAÇÃO

Energias positivas A corEm das paredes merece aten-Dolores Landeiro dá preferência para móveis baixos, tons suaves seus projetos, a design peças em materiais pEm eseus projetos, a designnaturais Dolores Landeiro ção especial, pois em algumas dá preferência para móveis baixos, tons suaves práticas religiosas a cor tem liLuciano da Matta / Ag. A TARDE e peças em materiais naturais. gação direta com a espirituaESPAÇO PARA lidade.Porisso,aarquitetaSílvia DECORAÇÃO Em um localCRIE pequeno ou em um cômodo inteiro, ambiente reservado qSilvia Proserpio apostou no lilás ORAR OU MEDITAR Proserpio não abriu mão da cor para recarregar as energias precisa de cores, iluminação, móveis objetos específicos para seu e espaço de meditação. lilás, que representa o chakras LUCIANO DA MATTA / AG. ATARDE do indivíduo no seu cantinho de ESPAÇO Prefira ESPAÇO IDEAL Em um local pequeno ou em meditação. “A prática da mecômodos silenciosos, ditação diretamenteinteiro, ligada com iluminação e umestácômodo ambiente reservado acaptaçãodeenergiaspositivas, ventilação natural recarregar as energias precisa de cores, a corpara das paredes e até a posição dos iluminação, móveis interferemmóveis na an- e objetos ACABAMENTO Piso em específicos coração da energia”, conta. madeira, materiais com Ana Paula Nobre, jornalista, elementos da natureza também apostou no lilás para ou rústicos, tatame, as ara relaxar do cotidiano estressante e recarregar compor o energias ambiente onde cosarandelas, gramíneas é importante um cantinho diferenciado na casa. Mila Cordeiro / Ag. A TARDE tuma meditar todos os dias. Espaços de contemplação, prática de meditação e oração LÍVIA OLIVEIRA* “Além da cor, me preocupei em CORES Depende do podem ocupar um cômodo inteiro ouMabel parte Velloso dele. E tem são decoter almofadas, incen- escliente, geralmente mais demas 40 santos Para relaxartapetes, do cotidiano rados proporcionar ao indivíduo a sensação sos,tressante velas visando e imagens, queasauliga-se a de tranna salacom de jantar e recarregar enerquilidade através das cores,móveis, iluminação e climatização. mentam conforto e um facilitam espiritualidade. Cores gias éoimportante cantinho A escolha adequada do ambiente faz toda diferença a concentração”. sóbrias, tons de lilás eno diferenciado na casa. Espaços Jáde a escritora Mabel Velloso, azul Luiz Cláudio Motta, projeto de decoração. Segundo contemplação, prática de o arquiteto devota da igreja católica semmeditação e oração podem o espaço deve ser calmo e arejado. “Ausência de barulho, venpre ocupar ganhouum muitos santos e ou MÓVEIS Odeideal é um cômodo inteiro tilação e iluminação natural e a possibilidade estabelecer precisou espaço viparte arrumar dele. E sãoum decorados mobiliário mais baixo. um contato com a natureza contribuem na concentração e parasando organizá-los melhor. proporcionar ao“TeindivíMesas e bancos de desenvolvimento das práticas. Pode ser na varanda, daesala, a sensação de tranquilinhoduo um altar na sala de jantar, madeira, bandejas jardim e até no quarto”, explica. cores,onde móveis, maisatravés de 40das santos, comdade prateleiras para dispor iluminação Quando oclimatização. ambiente às condições ideais, costumo pedir eproteção paranão atende os elementos religiosos escolha adequada doacordo am- a erealidade. mimtem eAmeus familiares e agraacessórios como adequá-lo de Trabalhando o biente diferença no decer pelo faz dia.toda Acredito que isolamento acústico do cômodo, iluminação indireta com de decoração. Segunesseprojeto espaço representa a proACESSÓRIOS Velas, cromoterapia (tons de verde ou azul) e inserindo plantas e dodoomeu arquiteto Luiz Cláudio teção lar e a renovação incensos, imagens das flores são uma opção. o espaço deve ser calmo das Motta, energias”, afirma. divindades, livros da Dolores“Ausência Landeiro, de design é ime arejado. baru-de interiores, prática,garante plantasque e flores lho, ventilação e iluminação prescindível ter cuidado com a escolha dos móveis, acessórios e *SOB SUPERVISÃO DA EDITORA natural e a possibilidade de Sílvia Proserpio apostou no lilás para seu espaço de meditação CASSANDRA BARTELÓ FONTE: MATHEUS MAGALHÃES estabelecer um contato com a natureza na con40 | Vilas contribuem Magazine | Junho de 2017 centração e desenvolvimento das práticas. Pode ser na varanda, da sala, jardim e até no quarto”, explica. Quando o ambiente não

Espaço para meditar ou orar cabe em qualquer canto da casa

Espaço para meditar ou orar cabe em qualquer canto da casa P

Uma ve do orça discuss para re

Com a p local e que po sustent ações c elevado

Essas m dos no represe mas um ao long

N

As insc podem http://w

O mês calendá Mercado 23 (terça Sustenta prol de u

Esta é coorden ADEMI-B detalhes

Assim, Cultura Sustenta dos Nov

Rua

A propo como o sustentá prazo um

OFórum


Em seus projetos, a design Dolores Landeiro dá preferência para móveis baixos, tons suaves e peças em materiais naturais

DECORAÇÃO Em um local pequeno ou em um cômodo inteiro, ambiente reservado

CRIE ESPAÇO ORARasOU MEDITAR paraPARA recarregar energias precisa de cores, iluminação, móveis e objetos específicos

Espaço para meditar ou orar cabe em qualquer canto da casa

ESPAÇO Prefira cômodos silenciosos, com iluminação e ventilação natural

ACABAMENTO Piso em madeira, materiais com elementos da natureza ou rústicos, tatame, arandelas, gramíneas CORES Depende do cliente, mas geralmente liga-se com a espiritualidade. Cores sóbrias, tons de lilás e azul

MÓVEIS O ideal é um mobiliário mais baixo. Mesas e bancos de madeira, bandejas e prateleiras para dispor os elementos religiosos e acessórios ACESSÓRIOS Velas, incensos, imagens das divindades, livros da prática, plantas e flores FONTE: MATEUS MAGALHÃES.

LÍVIA o OLIVEIRA* cores para arrumar espaço conforme as

necessidades doPara cliente. “Para o relaxar do promover cotidiano estressante organizar e recarregar as enerconforto é interessante o cômogias é importante um cantinho do com poucosdiferenciado móveis, emnatons casa.suaves, Espaços usar materiais da natureza como madeirade de contemplação, prática meditação e baixas, oração pratepodem ou fibras ou bambu. Mesas ocupar um cômodo inteiro ou leiras para colocar imagens parte dele. E das são divindades decorados vireligiosas, incensos velas, tatames no sando eproporcionar ao indivía sensação deressalta. tranquilichão, futon, sãoduo algumas opções”,

Esta é a coordenad ADEMI-BA detalhes p

Assim, lev Cultura do Sustentab dos Novos

Mila Cordeiro / Ag. A TARDE MILA CORDEIRO / AG. ATARDE

Mabel Velloso tem

Amais escritora de 40 Mabel santos Velloso tem mais de sala de jantar 40naimagens de santos na sala de jantar. No local “peço proteção para mim e minha família e agradeço pelo meu dia”

dade através das cores, móveis, iluminação e climatização. ENERGIAS POSITIVAS A escolha adequada do ambiente fazmerece toda diferença no A cor das paredes atenção projeto de decoração. Segunespecial, pois do em oalgumas práticas rearquiteto Luiz Cláudio ligiosas a cor tem ligação direta com a Motta, o espaço deve ser calmo arejado. baruespiritualidade.ePor isso, a“Ausência arquitetadeSílvia lho, ventilação e iluminação Proserpio não abriu mão cor lilás, quede natural e adapossibilidade representa o chakras doum indivíduo noa estabelecer contato com natureza contribuem na conseu cantinho de meditação. “A prática centração e desenvolvimento da me-ditação das estápráticas. diretamente ligada a Pode ser na vacaptação de energias positivas, a cor das randa, da sala, jardim e até no paredes e até aquarto”, posiçãoexplica. dos móveis interQuando o ambiente não ferem na ancoração conta. atendedaàsenergia”, condições ideais, Ana Paula Nobre, jornalista, tem como adequá-lotambém de acordo realidade. Trabalhando o isoapostou no lilásapara compor o ambiente lamento acústico do cômodo, onde costumailuminação meditar todos dias. indiretaos com cro“Além da cor, me preocupei emde terverde almomoterapia (tons ou azul) e inserindo e flofadas, tapetes, incensos, velas eplantas imagens, res são uma opção. que aumentam oDolores conforto e facilitam a Landeiro, design de concentração”.interiores, garante que é imprescindível cuidado(dir.), com a Já a escritora Mabel ter Velloso escolha dos móveis, acessórios devota da igrejae cores católica parasempre arrumarganhou o espaço muitos santosconforme e precisou arrumar um as necessidades do cliente. “Para promover o conespaço para organizá-los melhor. “Tenho forto é interessante organizar um altar na sala de jantar, mais de o cômodo comcom poucos móveis, 40 santos, ondeem costumo pedir proteção tons suaves, usar materiais da natureza comoemadeira ou para mim e meus familiares agradefibras ou bambu. Mesas baicer pelo dia. Acredito que esse espaço xas, prateleiras para colocar representa a proteção do divindades meu lar erelia imagens das incensos e velas, tatarenovação das giosas, energias”, afirma. mes no chão, futon, são algumas opções”, ressalta.

A propost como os n sustentáve prazo uma

OFórumd as novida mais eficie

Uma vez q do orçam discussão para reduz

Com a par local e nac que pode sustentáve ações com elevadores

Essas med dos novo representa mas uma ao longo d

As inscriçõ podem ser http://www

Lívia Oliveira (sob a supervisão da jorEnergias positivas nalista Cassandra Barteló) / Ag. A Tarde.

A cor das paredes merece atenção especial, pois em algumas práticas religiosas a cor tem ligação direta com a espiritualidade.Porisso,aarquitetaSílvia Proserpio não abriu mão da cor lilás, que representa o chakras do indivíduo no seu cantinho de meditação. “A prática da me-

O mês de calendário Mercado I 23 (terça-f Sustentab prol de um

Luciano da Matta / Ag. A TARDE

CRIE ESPAÇO PARA ORAR OU MEDITAR ESPAÇO Prefira cômodos silenciosos,

Junho de 2017 | Vilas Magazine | 41


MEMÓRIA MUSICAL

80 anos sem Noel Rosa, o maior letrista da música brasileira ANDRÉ BARCINSKI Folhapress

D

ia 4 de maio foi o 80º aniversário da morte de Noel Rosa. A música brasileira tem grandes letristas – Cartola, Nelson Cavaquinho, Aldir Blanc, Lamartine Babo, Chico Buarque, Vinicius de Moraes, Raul Seixas, Zé Ramalho – mas na minha opinião, ninguém supera Noel. Em 2010, ano do centenário do compositor, fiz um especial para a Folha de São Paulo. Reproduzo aqui alguns trechos, incluindo dois “Top 10: um com os maiores clássicos de Noel e outro com minhas dez músicas prediletas. Se você tivesse de escolher apenas um disco de sua coleção para salvar de um incêndio, qual seria? Eu não hesitaria: correria até minha estante e salvaria das chamas “Noel Pela Primeira Vez”, uma caixa com 14 CDs contendo todas as gravações originais de Noel Rosa. Aquilo ali me basta para a vida toda. É difícil acreditar que suas músicas foram compostas há 70 ou 80 anos. Elas não envelheceram um dia sequer. Mais difícil ainda é imaginar que Noel Rosa morreu aos 26 anos. Ele nasceu em 1910. Escreveu suas primeiras músicas por volta de 1929 e morreu em 1937. Ou seja: compôs por menos de oito anos. E, nesse curto período, escreveu cerca de 300 canções, incluindo dezenas de obras-primas como “Último Desejo”, “Conversa de Botequim”, “Com Que Roupa”, “Fita Amarela”, “Quem Dá Mais”, “Gago Apaixonado” e tantas outras. Noel fez a ponte entre o morro e o asfalto. Foi o maior cronista da boemia carioca e um satirista sem igual. Suas

42 | Vilas Magazine | Junho de 2017

letras são engraçadíssimas, pequenas jóias de humor negro e ácido. Em matéria de amor, era um pessimista. Via a paixão como um jogo de cartas marcadas, em que sempre perdia. Perdia a mulher, mas não perdia a esportiva e sempre conseguia rir da própria desgraça: “Quando no reino da intriga / Surge uma briga / Por um motivo qualquer / Se alguém vai pro cemitério / É porque levou a sério / as palavras da mulher”, cantava em “Mentiras de Mulher”. Várias coisas impressionam nas letras de Noel. Seu poder de síntese é uma delas. Suas letras são, na teoria, simples, sem a linguagem empolada e rococó de muitos compositores da época. Noel dizia muito falando pouco. E sua habilidade com as palavras era assombrosa: “Agora, vou mudar minha conduta / eu vou à luta / pois eu quero me aprumar / vou tratar você na força bruta / Pra poder me reabilitar”, diz o início de “Com Que Roupa”, um de seus primeiros sucessos. Noel tinha um humor fino. Adorava esculhambar os hábitos provincianos da burguesia da época. Em “Seu Jacinto”, uma de minhas músicas prediletas, traça um perfil hilariante de um desses sujeitos que se acha mais do que é: “O seu Jacinto que é cheio de chiquê / Eu não sei dizer por quê / Dorme de cartola e fraque / Anda dizendo que o seu sonho dourado / É morrer esmigalhado / Por um carro Cadillac”. Alguns compositores da época, mesmo sujeitos geniais como Lamartine Babo e Braguinha, tinham um pé no ufanismo que eu, pessoalmente, não curto. Mas Noel não. Em vez de louvar o Brasil, preferia cutucar nosso complexo de inferioridade, sempre com ironia, como em “Não tem Tradução”: “Essa gente hoje em

dia que tem a mania da exibição / Não entende que o samba não tem tradução no idioma francês / Tudo aquilo que o malandro pronuncia / Com voz macia é brasileiro, já passou de português”. Outra coisa que impressiona em Noel é a qualidade quase cinematográfica de suas letras. Ouvindo algumas, você imediatamente consegue visualizar o ambiente descrito por ele. Como em “Conversa de Botequim”, uma ode à pilantragem narrada por um espertalhão que faz do boteco “o seu escritório”: “Seu garçom me empresta algum dinheiro / Que eu deixei o meu com o bicheiro / Vá dizer ao seu gerente / Que pendure esta despesa / No cabide ali em frente”. É um roteiro de filme, esperando para ser filmado.

10 GRANDES CLÁSSICOS DE NOEL ROSA Se você ainda não conhece a obra do compositor, aqui vai uma seleção para começar. QUEM DÁ MAIS? A ironia de Noel em grau máximo: “Quem dá mais / Por um samba feito nas regras da arte / sem introdução e sem segunda parte / Só tem estribilho / Nasceu no Salgueiro / e exprime dois terços do Rio de Janeiro”. CONVERSA DE BOTEQUIM Uma obra-prima da pilantragem e uma das canções mais cinematográficas de Noel: você ouve e imediatamente consegue visualizar algum boteco suspeito da Lapa (bairro boêmio do Rio) e um cliente folgado que abusa do garçom. João Máximo e Carlos Didier, em “Noel Rosa – Uma Biografia”, atentam para a perfeita acentuação da letra, que acompanha a acentuação musical. Coisa de gênio. NÃO TEM TRADUÇÃO O complexo de inferioridade bra- u


ORLANDO MATTOS / FOLHAPRESS

Charge do compostor Noel Rosa

Junho de 2017 | Vilas Magazine | 43


MEMÓRIA MUSICAL

sileiro e a supervalorização de tudo que vem de fora, tratados com ironia fina. Veja essa letra e diga se não é atual: “Amor, lá no morro é amor pra chuchu / as rimas do samba não são ‘I love you’ / e esse negócio de ‘Alô, alô boy, alô Johnny!’ / Só pode ser conversa de telefone”. GAGO APAIXONADO Letra engraçadíssima que usa a gagueira do personagem como artifício rítmico: “Mu..mu.. mulher / em, mim fi... fizeste um estrago / Eu de nervoso / Estou... tou... fi...ficando gago”. ÚLTIMO DESEJO Uma das músicas mais bonitas de Noel, fala de um amor que já acabou e que não tem volta: “Às pessoas que eu detesto / Diga sempre que eu não presto / Que meu lar é o botequim / Que eu arruinei sua vida / Que eu não mereço a comida / Que você pagou pra mim”. FEITIÇO DA VILA Nunca a palavra “farofa” foi usada com tanta elegância: “A Vila tem um feitiço sem farofa / Sem vela e sem vintém / Que nos faz bem”. Uma elegia à Vila Isabel, com uma estrofe que periga ser uma das maiores criações de Noel: “O sol na Vila é triste / Samba não assiste / Porque a gente implora: / Sol, pelo amor de Deus / Não venha agora / Que as morenas / Vão logo embora”. PALPITE INFELIZ Quando Noel fez “Feitiço da Vila”, o sambista Wilson Baptista atacou com um samba irônico, “Conversa Fiada”: “É conversa fiada / Dizerem que o samba na Vila tem feitiço / Eu fui ver pra crer / E não vi nada disso”. A réplica de Noel foi “Palpite Infeliz”: “A Vila é um cidade independente / Que tira samba, mas não quer tirar patente / Pra que ligar a quem não sabe / aonde tem o seu nariz / Quem é você que não sabe o que diz?”. Genial.

/ Com que roupa em vou / Pro samba que você me convidou”. FEITIO DE ORAÇÃO Essa é de chorar. Versos minimalistas, sem floreios ou adjetivos desnecessários: “O samba na realidade / não vem do morro nem lá da cidade / E quem suportar uma paixão / Sentirá que o samba então / nasce no coração”.

UM TOP 10 PESSOAL Aqui vão, sem ordem de preferência, minhas dez músicas favoritas de Noel Rosa:

FITA AMARELA Samba melancólico e fetichista, em que Noel continua fazendo graça mesmo depois de ‘morto’: “Não tenho herdeiros / Não possuo um só vintém / eu vivi devendo a todos / Mas não paguei nada a ninguém”.

O X DO PROBLEMA Uma das maiores criações de Noel. A narradora é uma mulher que recebe convites para largar a boemia e morar “num grande palácio”, mas não consegue abandonar a escola de samba. A última estrofe é uma obra-prima: “Nasci no Estácio / Não posso mudar minha massa de sangue / Você pode crer que palmeira do Mangue / Nâo vive na areia de Copacabana”.

COM QUE ROUPA Primeiro grande sucesso de Noel, em que ele antecipava a auto-paródia que seria uma de suas marcas registradas: “Agora eu não ando mais fagueiro / Pois o dinheiro não é fácil de ganhar / Mesmo eu sendo um cabra trapaceiro / Não consigo ter nem pra gastar / Eu já corri de vento em popa / Mas agora com que roupa?

SEU JACINTO Eu morro de rir toda vez que escuto essa música. Uma cutucada em todos que comem mocotó e arrotam caviar: “Quando tem baile lá na casa da Teresa / Ela faz pano de mesa / com lençol que cobre a cama / Bota nos copos água usada na banheira / depois diz à turma inteira / que é cerveja lá da Brahma”.

44 | Vilas Magazine | Junho de 2017


motivo qualquer / se alguém vai pro cemitério / é porque levou a sério / as palavras da mulher”. MULHER INDIGESTA Hoje, Noel seria linchado por esse samba machista e violento. Mas é de rolar de rir: “Mas que mulher indigesta / indigesta / merece um tijolo na testa (...) e quando se manifesta / o que merece é entrar no açoite / ela é mais indigesta do que prato / de salada de pepino à meia-noite”. COISAS NOSSAS Noel canta as coisas do Brasil trocando o ufanismo pela ironia. O primeiro verso é, na minha lista, um dos mais belos versos de abertura de todos os tempos: “Queria ser pandeiro / pra sentir o dia inteiro / a sua mão na minha pele a batucar”. POSITIVISMO Imagine alguém, hoje em dia, escrever algo assim: “A verdade, meu amor, mora num poço / É Pilatos, lá na Bíblia, quem nos diz / e também faleceu por ter pescoço / o autor da guilhotina de Paris (...) O amor vem por princípio, a ordem por base / o progresso é que deve vir por fim / desprezaste esta lei de Augusto Comte / e foste ser feliz longe de mim”. VOCÊ, POR EXEMPLO Outra letra de crítica social em que Noel esculhamba os esnobes. Atenção para a contraposição das palavras “muda” e “mudo”: “Quanto barbado que não paga o engraxate / muda de casa e deixa mudo o alfaiate / Quanto barbado que jejua mais que o Gandhi / Você, por exemplo / você, por exemplo / não tem barba grande!”. PRA QUE MENTIR? Uma das músicas mais melancólicas de Noel. Muita gente gravou, incluindo Silvio Caldas, mas a versão de Aracy de Almeida é insuperável: “Pra que mentir / se tu ainda não tens / a malícia de toda mulher / pra que mentir, se eu sei / que gostas de outro / que te diz que não te quer?”. CORAÇÃO Enquanto a maioria dos compositores fala do coração com analogias parnasianas, Noel disseca o órgão de maneira cirúrgica. Pra mim, uma das letras mais surpreendentes e engraçadas da música brasileira: “Coração, grande órgão propulsor / transformador do sangue venoso em arterial / coração, não é sentimental / mas, entretanto, dizem que és o cofre da paixão / Coração, não estás do lado esquerdo / nem tampouco do direito / ficas no centro do peito, eis a verdade / Tu és pro bem-estar do nosso sangue / o que a casa de correção / é para o bem da humanidade”.

TRÊS APITOS Uma das músicas mais bonitas já compostas por Noel, em que ele faz um apelo a uma namorada que trabalha numa fábrica (na verdade a moça, chamada Fina, não trabalhava no local, apenas ia lá para levar marmita para a irmã). A letra faz um contraponto incrível entre o apito da fábrica e a buzina do carro de Noel: “Quando o apito na fábrica de tecidos / vem ferir os meus ouvidos / eu me lembro de você (...) Você que atende ao apito de uma chaminé de barro / Por que não atende ao grito tão aflito / da buzina do meu carro?”. A versão de Aracy de Almeida, novamente, deixa todas as outras no chinelo.

MENTIRAS DE MULHER Várias vezes Noel criou perfis pouco elogiosos de mulheres que conheceu. Este aqui é engraçadíssimo: “Quando no reino da intriga / surge uma briga por um

ANDRÉ BARCINSKI foi colunista e crítico do jornal Folha de São Paulo. Escreveu quatro livros e dirigiu dois filmes. Ganhou o prêmio Jabuti de melhor livro de não-ficção por “Barulho - Uma Viagem ao Underground do Rock Americano” (1992) e o Prêmio do Júri do Festival de Cinema de Sundance (EUA) pelo documentário “Maldito” (1998), sobre o cineasta José Mojica Marins.

Junho de 2017 | Vilas Magazine | 45


VIDA SAUDÁVEL

Fazer vasectomia e laqueadura é mais simples do que reverter Cirurgia para evitar filhos é rápida e tem cobertura do SUS. Voltar atrás é caro e pode dar complicação

46 | Vilas Magazine | Junho de 2017

O

cantor Zezé Di Camargo, disse recentemente, em entrevista, que pensa em reverter a cirurgia de vasectomia que havia feito para poder ter filhos com sua atual namorada, Graciele Lacerda.

A vasectomia e a laqueadura são métodos contraceptivos oferecidos pelo SUS (Sistema Único de Saúde). Revertêlas é possível, mas não é simples e não há cobertura do sistema público. O urologista da Universidade Federal de São Paulo, Alex Meller, diz que a cirurgia de vasectomia é simples e leva, em média, de 30 a 40 minutos para ser feita. Nela, o canal duplo pelo qual passam os espermatozoides é cortado e amarrado, impedindo que eles saiam durante a


ejaculação. “Esse canal é fino e tem pelinhos por dentro que ajudam a empurrar os espermatozoides no caminho”, diz o profissional. Na reversão, as pontas cortadas do canal precisam ser reconectadas perfeitamente. “Usamos oito fios da espessura de um fio de cabelo”, diz o médico. Segundo ele, cada fio custa cerca de R$ 300. Ele alerta que o paciente precisa estar muito certo do que quer quando escolhe a vasectomia. “Na maior parte dos casos, o homem pede a reversão porque está em uma nova relação amorosa.” É o caso de Zezé Di Camargo. PRECAUÇÃO A mesma precaução é recomendada às mulheres que tentam reverter a laqueadura, cirurgia na qual as trompas, por onde passa o espermatozoide para se encontrar com o óvulo, são cortadas e têm as pontas amarradas.

“A tuba parece uma carga de caneta comum e, na reversão, o médico precisa dar três pontos para costurá-la de volta. Pode não dar certo”, diz o obstetra Luiz Fernando Leite. O risco é formar uma cicatriz e entupir a trompa, podendo levar a gravidez fora do útero e hemorragia interna. MÉTODO NOVO NÃO PRECISA DE CORTES Outra cirurgia, sem cortes, é opção à mulher que não quer engravidar. Por meio da vagina, o médico coloca uma mola, de material especial, em cada uma das trompas. Segundo o obstetra do Hospital e Maternidade Santa Joana Luiz Fernando Leite, o corpo forma cicatriz em volta da mola, fechando o caminho. Nos três meses seguintes, a mulher ainda tem de usar outro método para evitar gravidez. Gislaine Gutierre / Folhapress.

Junho de 2017 | Vilas Magazine | 47


MUNDO ANIMAL

Doando o animal corretamente

Q

uando adotamos ou adquirimos um animal de estimação, estamos assumindo um grande compromisso e responsabilidade. É essencial refletir bastante e analisar todas as vantagens e desvantagens dessa decisão. Minha casa/apartamento tem espaço adequado para receber o animal? Tenho tempo disponível para dedicar às ele? Meus recursos financeiros permitem as despesas para mantê-lo? E quando precisar viajar, tenho com quem ou onde deixá-lo, com segurança? Responder estas perguntas evitaria que muitos animais terminassem abandonados nas ruas. Muitas vezes as pessoas deixam de querer seus animais de estimação por problemas que podem ser resolvidos. Problemas ligados ao comportamento, por exemplo, podem ser resolvidos por um bom veterinário. O animal pode estar com problemas de saúde que, por ocasionar dores e incômodos, provoca um comportamento diferente. Infecções podem levá-lo a urinar pela casa – um problema grave, mas fácil de tratar. Mas há situações em que uma pessoa se vê mesmo obrigada a entregar os seus animais para adoção. Essa decisão é sempre difícil, mesmo que seja a melhor escolha a longo prazo. Para o animal, o dono é a sua família e deixá-lo será muito triste para ele. É importante saber disso ao tomar a decisão. Não é fácil encontrar de pronto um novo dono para o animal. Quem vai se mudar para outro país e não pode levar o animal é recomendável tratar da doação bem antes da mudança. Outra recomendação importante é ficar atento à saúde do animal, ver se a vacinação está em dia e se ele está protegido contra parasitas. É difícil achar um novo dono se o animal não estiver com os seus cuidados básicos de saúde em dia. É essencial ainda, antes de passar a divulgar que o animal está disponível para adoção, conversar primeiro com parentes, amigos e pessoas que gostem de animais. Elas podem conhecer alguém que se interesse em adotar um animal saudável. Um detalhe que muitas pessoas esquecem é a avaliação do interessado. É essencial que ele goste de animais. Afinal, você deseja que seu amiguinho seja bem tratado no seu novo lar. Busque saber se o interessado conhece as responsabilidades 48 | Vilas Magazine | Junho de 2017


ESPAÇO ABERTO

Patrimônio Adenáuer Novaes

A

Adotar um animal é a prática mais racional, solidária e correta. Amigo não se compra, e os animais não são objetos ou brinquedinhos pelos quais devemos pagar por eles

em adotar um animal de estimação, que condições pode oferecer para ele. Se puder, combine com o adotante uma visita à residência dele. Algumas pessoas sentem-se incomodadas com isso, mas quem está interessado em adotar um animal deve ficar feliz em mostrar como ele será bem cuidado.

o longo de sua vida, o ser humano constrói um patrimônio para lhe proporcionar a sensação de segurança e de pertencimento. Logo cedo, na maioria das vezes antes de nascer, ganha um nome que lhe assegura o patrimônio da identidade; e, com o tempo, percebe e reafirma sua filiação para que se insira e tenha o patrimônio de um grupo familiar. Por muito tempo vai amealhando e ambicionando cada vez mais patrimônios, principalmente o da saúde física, cujo declínio inevitavelmente o levará, um dia, ao decesso orgânico. Acumular bens materiais é parte importante de sua saga inexorável de viver para alcançar um significado existencial. Porém há bens de outra natureza que devem e precisam ser integrados à sua personalidade, cujo ganho lhe trará enormes benefícios. São muitos os patrimônios que fazem parte da vida humana. Há o patrimônio público, que todos devem zelar; o patrimônio artístico e cultural, de considerável valor para a sociedade; o patrimônio intelectual, muito útil para a vida laboral; e o patrimônio familiar, de importância significativa para a vida afetiva e o equilíbrio social. Há também o patrimônio supervalorizado da propriedade privada, cuja desproporção é motivo de preconceitos, inveja, injustiças e de atraso na ordem social. A propriedade privada é uma das garantias legais que o ser humano possui, pois se confunde com a integridade de sua pessoa. Todos querem um teto que lhe assegure a vida, mas os exageros, muito embora legais, promovem o surgimento dos complexos psicológicos humanos,

principalmente o de inferioridade. Alguns patrimônios podem ser alienados, porém há um que não poderá ser vendido, pela qualidade e pela total impregnação ao seu portador, pois se torna parte integrante de seu ser. Trata-se do patrimônio ético, também conhecido como moral, que é inalienável e acompanha o indivíduo para sempre. O patrimônio ético de uma pessoa se constitui de suas tendências da personalidade, que não devem ser confundidas com seu caráter. Não se trata do que ele aprendeu intelectualmente ou pelos exemplos familiares, mas o que se tornou sua tendência comportamental, que se manifesta nos amplos atos de sua vida. Não são tão somente seus valores, pois estes podem ser racionalmente conhecidos e admirados, mas que não são suficientes para modificar instantaneamente suas tendências. Nas tendências da personalidade, os valores já foram integrados à essência do próprio indivíduo, direcionando soberanamente seu comportamento. Grandes patrimônios não são apenas os que se compram na vida, mas aqueles que se apresentam como disposição permanente para trabalhar, como a conquista constante da alegria interior e como a plena confiança na realização proveitosa do próprio destino. Muito importante é o patrimônio da consciência em harmonia, sem os mecanismos de defesa que criam enganosas alternativas favoráveis ao pensar e no sentir. O patrimônio ético ao lado de uma consciência em paz são os maiores patrimônios que se deve construir. ADENÁUER NOVAES é psicólogo, escritor, filósofo e engenheiro. Junho de 2017 | Vilas Magazine | 49


Jaime de Moura Ferreira Ad­mi­nistrador, consultor organizacional, professor universitário, escritor, ambientalista, sócio fundador do Rotary Club Lauro de Freitas. E-mail: jamoufer@atarde.com.br

A indesejável corrupção

A

sociedade brasileira, nos seus diversos segmentos, sabia que existia essa promiscuidade, tardiamente revelada, entre os poderes do Estado e econômicos. Sabia, também, que todas as obras públicas eram superfaturadas; que os marqueteiros promoviam os políticos, em benefícios próprios. Do mesmo modo conhecia o financiamento de campanhas eleitorais e a existência de caixa 2. O que alguns desconheciam era a extensão dessa subversão, quando políticos estavam nas mãos dos empresários e esses só executavam as obras públicas com a perversão daqueles que administravam o erário. Pouco adianta, agora, existirem os dois lados (acusação e defesa) desses corruptos pois, sem dúvidas, não demonstram a defesa do nosso País, nem a sua salvação. Buscam, tão somente, atuarem como torcedores de um dos times, como se fosse uma partida de futebol. Também, as futuras delações de políticos e empresários nada significarão para tomadas de providências, tendo em vista que o divulgado, até então, já se faz necessário rigorosas ações punitivas, em todos os níveis. O difícil é se fazer essas punições, pois os três poderes da República Brasileira, segundo divulgação permanente dos meios de comunicação, estão presentes nesses desmandos. Vale lembrar que a atuação dos políticos corruptos extraiu bilhões de reais do povo brasileiro. Embora alguns patriotas e pessoas do bem venham mostrando indignação

50 | Vilas Magazine | Junho de 2017

com essa situação que se enfrenta, pouco representará para passar a limpo o Brasil, pois a corrupção já se tornou uma doença endêmica, que está no DNA da maioria dos brasileiros. Isso porque, essa mazela não é considerada, apenas, pela gatunagem expressa. Estacionar em lugares proibidos, passar na frente daqueles que estão na fila, sonegação deslavada, avançar o veículo pela contramão ou acostamento, pagar propina por ações indevidas e tantas outras, também é corrupção. Cabe à população, de modo geral, se unir, sem interesses próprios, visando, apenas, retirar o Brasil da desqualificada posição, perante o mundo, de sociedade altamente elevada na corrupção. Ou seja, será necessário mudar a cultura desta população, pelo menos para os que estão fora da corja dominadora. De qualquer maneira, já foi iniciado um novo caminho para salvar o Brasil. A sociedade brasileira precisa entender que acabar com a corrupção exigirá, que cada ser humano, entenda o que é legal e o justo. Quantos brasileiros, considerados seres humanos “do bem”, abraçam políticos que saqueiam o Brasil, porque eles lhes darão benesses. Trocar a dignidade por benefícios tornou-se normal. Pior são aqueles que, em determinados ambientes, falam mal dessa situação e, em outros, elogiam esses indignos. A divulgação, permanente, da imprensa e de vários articulistas contrários a essa situação indesejada, deveria ser um instrumento de início de luta, pela população, para acabar com essa imensa sequela, cujos malefícios são: desemprego elevado, pagamento exorbitante de impostos, insegurança, péssimo atendimento em hospitais, deseducação das crianças, des-

respeito com os idosos, deficiências na mobilidade urbana, destrato para o meio ambiente, falta de defesa da causa animal, entre outros. Fala-se tanto em reforma política. Quem executa essas reformas? Será que esses políticos querem reforma? De modo geral, com raríssimas exceções, os políticos e seus múltiplos partidos querem que a situação continue como está. Pode haver até maquiagens, afinal, há um grande interesse que o Brasil permaneça nessa aberração, pois, dessa forma, serão mantidas as condições de se adquirir benefícios. Todos sabem que o poder e ambição inebriam os humanos. As reformas econômicas que são anunciadas passam pelo Congresso Nacional. A discussão entre os deputados e senadores tem a ver com sua manutenção no poder, defesa irracional de seus partidos ou mostrar a população desavisada o populismo que lhe afloram, ou seja, a maioria dos políticos ainda não acreditam na realidade brasileira, ou aguardam acontecimentos mais radicais. Visão para solucionar a situação do País, somente de poucos. Então surgem as mentiras deslavadas, identificadas no sistema nazista. O pior é que na situação de des­ crédito em que vive o Brasil, sempre haverão os aventureiros, oportunistas ou “salvadores da pátria”, que se apresentam, com pele de cordeiro, e a população os carrega nos braços. Assim, se espera que ocorra algo de mais profundo, quando os mandantes e donos do poder, sofrerão na pele o que a maioria da população está experimentando. Então, na igualdade que ficar definida, esses dominadores buscarão um Brasil diferente, que atenda a todos os brasileiros.

Vilas Magazine | Ed 221 | Junho de 2017 | 32 mil exemplares  

Vilas Magazine | Ed 221 | Junho de 2017 | 32 mil exemplares

Vilas Magazine | Ed 221 | Junho de 2017 | 32 mil exemplares  

Vilas Magazine | Ed 221 | Junho de 2017 | 32 mil exemplares

Advertisement