Issuu on Google+

Uma publicação Country Clube de Goiás – ano XXVII – nº 125 – Outubro 2013

Jovem Atleta Projeto Social da diretoria do Country promove inclusão social, através do futebol, para dezenas de garotos

Entrevista

A revista O Country conversou com Elbio Moreira

Eventos

Dia dos Pais, futvolei e torneio de tênis


SUMÁRIO 8   COMEMORAÇÃO >> Dia dos Pais 10 Homenagem para o super-pai 16 18 ESPORTE >> Futevôlei

Jogos da II Copa JPX de Futevôlei agitaram as arreias do Country Clube

24 >> Elbio Moreira 28 ENTREVISTA Exemplo de sucesso e simpatia 28 44 PROJETO >> Jovens Atletas

Inclusão social por meio do futebol

32 52 RADAR >> Country 36 54 MEMÓRIA >> Walter Hugo Frota Justa homenagem

42 >> Tênis 56 ESPORTE Torneios para todas as idades 48 60 SAÚDE >> Equilíbrio Muscular Máquina perfeita

48 64 FLAGRAS >> Country 50 66 CARTA DO PRESIDENTE >> Duendes e doentes

6

O COUNTRY

setembro/outubro 2013


>> EDITORIAL

Responsabilidade social

U

ma história de 53 anos é feita de tradição, empreendedorismo, seriedade e também responsabilidade social. O Country Clube de Goiás se estabeleceu em Aparecida de Goiânia como parte importante para o desenvolvimento da região e contribui para o progresso da comunidade. Um exemplo é o projeto Jovem Atleta retratado nesta edição para que os sócios possam conhecer melhor a iniciativa que completa quatro anos e permite que garotos prosperem até mesmo no futebol profissional. O esporte é terreno fértil para a transformação social e exemplos são diários. O Country se inseriu neste contexto desde o seu surgimento, inO CLUBE centivando a prática esporOFERECE tiva por parte dos associaESTRUTURA dos. O clube fez isso com a criação de espaços convidaPRIVILEGIADA tivos para a execução de atiE O SÓCIO vidades físicas. Nosso clube ENCONTRA oferece estrutura privilegiaAMBIENTE da para diversas modalidades e o sócio encontra ao FAVORÁVEL seu redor ambiente favoráPARA A vel para iniciar e dar prossePRÁTICA DE guimento aos exercícios.

EXERCÍCIOS

Desde 2009, o clube abriu as portas para garotos em situações de risco, que tiveram a oportunidade de uma formação esportiva e cidadã nos treinos de futebol. E os jovens não aprendem apenas questões táticas e técnicas da modalidade, mas também valores variados disseminados por meio do esporte, como a adoção de uma vida saudável, o conceito de disputa justa, leal e sadia, além de noções de solidariedade e honestidade. Isso todos vão levar para a vida toda. E o Country se orgulha de propiciar isso aos sócios e à comunidade. Bruno Brasil

8

O COUNTRY

setembro/outubro 2013

>> EXPEDIENTE Country Clube de Goiás – fundado em 1960 Sede social: BR-153, Km 13 Aparecida de Goiânia-GO Telefone: (62) 3283-6196 Secretaria Rua 88, nº 100, Setor Sul, Goiânia-GO Telfone: (62) 3241-0165 | Fax: (62) 3241-0277 CGC (MF): 01613058/0001-73 e-mail: countryclubedegoias@gmail.com Fundadores Datis de Lima Oliva, Eurico Calixto de Godoy, Hélio de Araújo Lobo, Hugo Walter Frota, José Camilo de Oliveira, José Hermano Sobrinho, José Normanha de Oliveira, Jurandyr Vasconcelos, Manoel da Cruz Marini, Manoel dos Reis e Silva, Orlando Morais Lobo, Romeu da Silva Neiva, Simão Carneiro de Mendonça, Walter Hugo Frota, Wilson de Carvalho. Diretoria eleita para o biênio 2012/2013 Murilo Antunes de Oliveira (Presidente), Thales José Jayme (1º Vice-presidente), Ronaldo Borges Ferrante (2º Vice-presidente), Gustavo de Freitas Teixeira Álvares (1º Secretário), Nara Borges Kaadi Pinto Moreira (2º Secretária), Tubal Vilela da Silva Neto (1º Tesoureiro), Alexandre Cruvinel Ferreira (2º Tesoureiro), Rafael Ângelo do Valle Rahif (Diretor Social), Carlos Queiroz de Paula e Silva (Vice-Diretor Social), Emerson Luiz Barbosa (Diretor de Esportes), Daniel Cecílio Ventura da Silva (Vice-Diretor de Esportes), Pedro Paulo G. de Medeiros (Diretor Jurídico), Kepler Silva (Diretor Técnico), Marcello Veiga Costa Campos (Diretor de Patrimônio). Conselho Deliberativo Eleitos: José Carlos Batista Bretas, José Vaz da Silva Júnior, Lauro Roberto Soares, Maria Luiza Póvoa Cruz, Mário dos Santos Júnior, Maurício Antonio Pires Frota, Michel Henriques Thó, Militão da Silva Rufino, Nazir El Haje Neto, Rogério Ulisses Thomé, Zilmar Daher. Efetivos: Bento Odilon Moreira, José Crispim Borges, Rivadávia Xavier Nunes, Léo de Queiroz Barreto, Marden Machado. Nato: José Hermano Sobrinho. Publicação Bruno Brasil (Diretor Geral) Sandra Camargo (Diretora Administrativa) 06.318.579/0001-11 Renata Rangel (Assessoria jurídica) Jornalistas: Daíse de Sá, Paula Parreira, Edson Jr. Fotógrafos: Giuliano Gillet, Ricardo Lima, Eduardo Jacob Estagiária: Fabiane Alcântara Projeto gráfico: Thiago Luis (thiagoluisgomes@gmail.com) Foto da capa: Thiranun / Dreamstime.com A revista O Country, fundada em 1985, é uma publicação trimestral do Country Clube de Goiás, editada pela Goya Editora e Publicidade Ltda. email: revistaocountry@gmail.com Telefones: (62) 3095-1612 | (62) 9929-2651 Impressão: Gráfica Art3. Tiragem: 3500 exemplares


10

COMEMORAÇÃO >> DIA DOS PAIS

Homenagem para o super-pai Delicioso café da manhã marca o reconhecimento aos pais. Os countryanos desfrutaram de boa companhia e clima de amizade e amor entre as famílias TEXTO >> DAISE DE SÁ

FOTOS >> GIULLIANO GILLET

O

segundo domingo de agosto no Country Clube foi marcado por uma grande reunião familiar ao ar livre. Não faltaram demonstrações de carinho, respeito e afeto entre pais e filhos. Na ensolarada manhã, os sócios puderam se deliciar com um caprichado café da manhã rico em frutas, quitandas diversificadas, sucos e música agradável para começar bem o dia.

10

O COUNTRY

setembro/outubro 2013


O clima familiar e um café da manhã requintado foram as principais características do Dia dos Pais no Country

A filha Valentina Miranda Palmerston fez questão de se levantar bem cedo para dividir com o pai, Marcio Campos Palmerston, a manhã do Dia dos Pais. Durante o café, os dois eram só descontração. Orgulhosa do pai, Valentina disse que a sua maior qualidade é ser amigo. Marcio, emocionado ao ouvir a declaração, contou que gosta muito da ótima interação promovida pelo Clube em datas de comemoração familiar. “Estarmos aqui reunidos é muito prazeroso”.

EU E MEUS IRMÃOS, VINÍCIUS E ANA FLÁVIA, SEMPRE NOS ESPELHAMOS EM NOSSO PAI. SOMOS ALEGRES POR TUDO QUE ELE FEZ E FAZ POR NÓS”

Outro pai prestigiado pela família foi Dugmar Evaristo. Cercado por filhos e pela esposa Cleusa Conceição Correa, ele revelou que é uma realização pessoal ser pai. Ele falou que, apesar do desafio que é ser pai, sempre acreditou que tudo daria certo. O resultado pode ser visto claramente, pois

Guilherme Evaristo

Filho de Dugmar Evaristo, sócio do Country Clube de Goiás

seus três filhos, mesmo sendo adultos, não abrem mão de estar bem próximo do pai. Um deles, Guilherme Evaristo, disse que vê em seu pai a figura de ídolo. “Eu e meus irmãos, Vinícius e Ana Flávia, sempre nos espelhamos em nosso pai. Somos alegres por tudo que ele fez e faz por nós”, destacou.

setembro/outubro 2013

O COUNTRY

11


Várias gerações das diferentes famílias presentes se integraram e comemoraram a data

“O CLUBE É VOLTADO PARA AS FAMÍLIAS E EM DATAS COMEMORATIVAS É POSSÍVEL VER NOSSA INTEGRAÇÃO” Murilo Antunes

Presidente do Country Clube de Goiás

Para Edgard Segatto não restam dúvidas sobre a felicidade de ser pai. Durante o café da manhã, ele conversou com a família sobre os desafios que enfrentou depois que se tornou pai, mas, ressaltou de imediato a satisfação que sente por ver o crescimento e evolução de seus dois filhos, Gabriele e Rafael. Edgard explicou que, embora não exista um receita de bolo para se dar bem com filhos, ele, diariamente, procura ser um exemplo para eles. Seus esforços são percebidos pela união e alegria da família reunida.

12

O COUNTRY

setembro/outubro 2013

O presidente do Country, Murilo Antunes, também foi homenageado pela presença das filhas e netos. Ao lado da família, Murilo destacou a felicidade que sentiu por ver a família presente. Como presidente, ele destacou a satisfação que toda diretoria sente ao ver as famílias reunidas. “É uma alegria ver o reencontro das famílias. Vimos aqui pais, tios e avós – um encontro de gerações”. Além disso, Murilo ressaltou o clima agradável da comemoração ao dizer que o Clube estava “uma verdadeira ilha de sossego para as famílias”. O diretor Social, Rafael Rahif, também ficou feliz com a presença animada e calorosa dos countryanos no café da manhã dos pais. “O Clube é voltado para as famílias e em datas comemorativas é possível ver nossa integração”. Rafael comentou ainda sobre a satisfação de ver o comparecimento “em peso” dos amigos.


COMEMORAÇÃO >> DIA DOS PAIS

14

O COUNTRY

novembro/dezembro 2012


COMEMORAÇÃO >> DIA DOS PAIS

16

O COUNTRY

novembro/dezembro 2012


18

ESPORTE >> FUTEVÔLEI

Jogos da II Copa JPX de Futevôlei agitaram as arreias do Country Clube Countryanos competiram lado a lado com atletas de renome nacional. O torneio foi marcado por belas jogadas e muita emoção TEXTO >> DAÍSE DE SÁ    FOTOS >> LUCIANO CAMARGO

A

II Copa Country JPX de Futevôlei, realizada nos dias 28 e 29 de setembro, contou com a participação de muitos atletas da casa e também de grandes nomes nacionais da modalidade. Registraram presença os campeões mundiais Vinícius e Belo; o campeão estadual do Rio de Janeiro, Helinho; e o campeão estadual de São Paulo, Papel.Competição acirrada e adrenalina marcaram o torneio, provando que os atletas do Country Clube de Goiás estão preparados para jogar lado a lado com esportistas de outros Estados. Além disso, o resultado dos jogos da II Copa estimulou aos countryanos a continuarem treinando e competindo internamente, visando a preparação para as próximas disputas. Outro destaque da II Copa Country JPX de Futevôlei foi a participação do countryano Jeferson. O atleta fechou com chave-de-ouro sua participação em

18

O COUNTRY

setembro/outubro 2013

campeonatos oficiais como campeão da série B. Devido sua dedicação e paixão pela modalidade, Jeferson é pioneiro na prática do Futevôlei em Goiás e conquistou, ao longo de sua carreira esportiva, diversos títulos de campeão. Os resultados ficaram assim: na Série A sagram-se campeões Guilherme e Vinicinho, seguidos pela dupla Felipão e Belo. Já na Série B, os campeões foram Jeferson e Vinícius tendo como vice-campeões a dupla Bendana e Netinho.


ESPORTE >> FUTVOLEI

20

O COUNTRY

novembro/dezembro 2012


ESPORTE >> FUTVOLEI

22

O COUNTRY

novembro/dezembro 2012


28

ENTREVISTA >> ELBIO MOREIRA

Exemplo de sucesso e simpatia Comandar uma empresa de sucesso e líder de mercado exige liderança, inteligência, preparo e espírito empreendedor. E nada disso falta a Elbio Moreira, empresário de 58 anos que, há mais de três décadas e ao lado do pai, fundou a EBM Desenvolvimento Imobiliário, do setor de construção civil e que tem diversos ramos de atuação, da concepção de projetos à gestão de negócios imobiliários. Longe do semblante sisudo que muitos acham que o cargo de presidente de uma empresa renomada exige, Elbio é de riso fácil e transborda simpatia TEXTO >> PAULA PARREIRA

U

FOTOS >> GUIDO GALLO

m dos cinco filhos de Bento Odilon Moreira, primeiro presidente eleito do Country Clube de Goiás, ele tem relação estreia com o clube, que começou a frequentar ainda criança. O mesmo ocorreu com os filhos que ele tem com a advogada Silvana – o estagiário da EBM Marcello, de 22 anos, e a estudante de Direito Izadora, de 20 anos. Em quase uma hora de entrevista à revista, Elbio, de 58 anos, fala sobre a criação e crescimento da empresa que comanda ao lado da família, opina sobre o Plano Diretor da capital, mostra o valor do trabalho de décadas no setor de construção civil e explica como o Country sempre esteve presente na vida dele.

28

O COUNTRY

setembro/outubro 2013


setembro/outubro 2013

O COUNTRY

29


Como nasceu a EBM, há mais de 30 anos? Na minha época, a gente tinha duas opções de carreira: ser médico ou engenheiro. Eram opções limitadas e sempre gostei de ciências exatas, por isso, escolhi a Engenharia Civil. Fui estudar em São Paulo. Me formei e trabalhei um tempo lá. Surgiu, então, a oportunidade de vir trabalhar em Goiânia, na Encol, uma grande incorporadora à época. Vim por causa da família e porque foi uma proposta boa. Fiquei três anos na Encol e tive um aprendizado muito bom. Aí surgiu essa vontade minha de montar uma empresa. Era uma época boa e eu tinha vontade de ter uma empresa, de empreender. Meu pai estava acabando de aposentar e disse: “Vou entrar de sócio”. Ele precisava ter alguma atividade e montamos a empresa em 1983. Montamos juntos e fomos trabalhando. Após o boom de lançamentos e de vendas no mercado imobiliário, principalmente entre 2010 e 2012, como está o setor atualmente? Ainda há espaço para crescer? Brinco muito falando o seguinte. Uma empresa de incorporação e construção que faz 30 anos já passou pelo que já houve de pior no País, como NA MINHA ÉPOCA, A GENTE TINHA DUAS o confisco. Só isso já mostra o OPÇÕES DE CARREIRA: SER MÉDICO OU absurdo que a gente passou. ENGENHEIRO. ERAM OPÇÕES LIMITADAS E Com o advento da estabilização SEMPRE GOSTEI DE CIÊNCIAS EXATAS, POR econômica, pós-Plano Real, as pessoas puderam planejar meISSO, ESCOLHI A ENGENHARIA CIVIL lhor sua vida. Houve um boom imobiliário, mas diminuiu um pouco. Agora, está entrando em um patamar de upgrade. O americano já se acostumou a usufruir estabilização. Mas tem muita perspectiva de cres- do bem. O brasileiro tem o mito de ter a casa. O cimento no setor, sim. O crédito imobiliário no americano chega na metade do financiamento e Brasil movimenta muito pouco em relação ao PIB vai sempre subindo. Ele não tem carro, ele faz leae em relação aos outros países do mundo. São sing do carro, tem esse hábito cultural de morar apenas 2% do PIB. No Chile, por exemplo, são 8%. muito bem, querer viver bem. Isso vai mudando e entrando na cultura do brasileiro. Ele pode finanTemos muito campo para crescer. ciar. O crédito imobiliário vai crescer muito no BraQuais as peculiaridades do brasileiro no que sil por causa dos financiamentos, que agora que começaram. As pessoas vão ter condições de comdiz respeito aos hábitos de moradia? O brasileiro muda pouco de residência. Se aqui o prar uma segunda moradia, ter condição de mebrasileiro muda de duas a sete vezes de residên- lhorar a casa em determinada fase da vida. Então, cia, nos Estados Unidos são 12 e sempre fazendo vai poder sempre fazer isso.

30

O COUNTRY

setembro/outubro 2013


grande bobagem. Pode ter excesso de oferta de determinado produto em certos mercados, mas está muito longe de acontecer uma bolha. Somos um país em crescimento, que precisa de moradia. Bolha está muito longe de acontecer. Quando fala em bolha, é se fosse remeter aos Estados Unidos. Aqui, não tem nada a ver, é completamente diferente. Pode existir excesso de oferta de determinado produto, mas aí o mercado se estabiliza com o passar dos anos. A carência habitacional no Brasil é muito grande. Essa valorização excessiva de imóvel pode ter chegado em um patamar que freou o segmento? O crescimento muito acelerado do setor foi desorganizado. Todo crescimento rápido assim, logicamente teve aumento de preço. Não tivemos mão de obra qualifiCOMECEI A VIDA NA DÉCADA DE 80, cada para absorver isso. Então, a produCONSIDERADA A DÉCADA PERDIDA. tividade foi muito ruim. Houve aumento FORAM 20 ANOS DE TRABALHO de preço de insumos, de mão de obra. E aumento de mão de obra sem aumento PERDIDOS, EM QUE O PAÍS NÃO de produtividade gera inflação. Tivemos CRESCEU ABSOLUTAMENTE NADA uma inflação muito superior ao que estava acontecendo no mercado como O crescimento desenfreado pode ser perigo- um todo. Mas a tendência agora é a coisa descer e entrar em equilíbrio. Equilíbrio que eu falo é que so, por causa da bolha? A estabilidade que eu falei é econômica, em um não vai cair preço. Vai entrar em um patamar de patamar razoável de inflação e com crescimento. crescimento não maior que a inflação do setor. A Comecei a vida na década de 80, considerada a curva subiu muito, mas vai entrar no patamar de década perdida.Foram 20 anos de trabalho per- acompanhar a inflação. didos, em que o País não cresceu absolutamente nada. Hoje, tem crescimento. Quando falo de A EBM também aposta em dois segmentos estabilidade é econômica, no aspecto de cresci- que está em franca expansão na Grande Goiâmento. Quanto à bolha imobiliária, ela surgiu nos nia: shoppings centers e hotelaria. Quais os Estados Unidos. O mercado imobiliário dos Esta- diferenciais que essa diversificação de negódos Unidos é completamente diferente do Brasil. cios traz para a empresa? O lastro de dinheiro é completamente diferente. No ano passado, em um planejamento estratégiA bolha, nos Estados Unidos, surgiu com o sub- co da empresa, mudamos a razão social de EBM prime. São atividades econômicas lastreadas no Incorporações para EBM Desenvolvimento Imobimercado imobiliário, não o mercado imobiliário liário. Passamos a atuar no setor de incorporação, em si. Foi estourando vendendo créditos. Estou- em que sempre atuamos, passamos para uma rou a bolha. Aqui no Brasil não existe isso. Quan- parte de desenvolvimento urbano, que são loteado falam de bolha no Brasil, estão falando uma mentos e bairros planejados, e abrimos um braço

32

O COUNTRY

setembro/outubro 2013


de propriedades. Esse braço é baseado em propriedades que vão desde shoppings centers até malls. Eles ficam com a empresa e o retorno é através de aluguel. Vamos lançar agora um hotel, mas será incorporação. Vamos levar ao mercado e quem for comprar vai ficar dono do hotel. Não será propriedade. A parte de loteamento estamos atuando em todo o Brasil. A parte de incorporação imobiliária atuamos em Goiás, Distrito Federal e São Paulo. E a parte de propriedades também em todo o Brasil. Temos vários imóveis feitos para inquilinos específicos. Agora vamos fazer, na área da Fama, um shopping atacadista voltado para confecção em parceria com uma empresa de São Paulo.

ACABAMOS DE GANHAR DO IEL COMO A MELHOR EMPRESA DE ESTÁGIO. NÓS SOMOS HOJE SEIS DIRETORES. DESSES, SÓ EU E MAIS UM QUE NÃO FORAM ESTAGIÁRIOS

Como a EBM tem trabalhado questões cada vez mais valorizadas atualmente, como a sustentabilidade dos empreendimentos, reaproveitamento de materiais e uso de itens mais ecologicamente corretos? Nós temos um programa que faz parte do nosso objetivo de ser o mais sustentável possível. Toda obra impacta, desde um loteamento a uma incorporação imobiliária. Mas a gente procura ter uma série de objetivos e planos para tentar minorar essa agressividade. Só usamos madeira certificada em todos os empreendimentos. Temos um trabalho com os vizinhos dos empreendimentos, porque são os mais sacrificados durante a produção. Temos um trabalho de comunicação direta. A gente avisa que vai fazer a obra e mantém contato tendo em vista resolver mais facilmente qualquer problema. Um empreendimento ao lado, em primeira instância, ele agride. Mas depois ele ajuda a valorizar, a adensar. Temos também gestão de resíduos sólidos, uso de caçambas especiais. Temos a universidade corporativa, que trabalha em investimento em treinamento. É um programa de formação contínua do colaborador, que tem oportunidades de cursos diversos para que ele possa

34

O COUNTRY

setembro/outubro 2013

aprimorar. Acabamos de ganhar do IEL como a melhor empresa de estágio. Nós somos hoje seis diretores. Desses, só eu e mais um que não foram estagiários. Com isso, a gente demonstra que gosta de pegar as pessoas e ter desenvolvimento para gerar oportunidade. É uma oportunidade de crescimento que está aqui dentro da empresa mesmo. Nos empreendimentos em si, há uma série de itens sustentáveis também, como o vaso com dual fluxo, que gasta menos água, torneiras das áreas comuns com controle de vazão, sensores de presença em áreas comuns, bombeamento para o lago quando o nível do lençol sobe um pouco. A EBM tem uma marca, a BEM, mais acessível. Existia uma demanda habitacional forte das pessoas de renda mais restrita. A criação da marca foi pra atender essa parcela? Como foi atentar para isso e como é estar em constante mudança pra se adaptar ao mercado? A gente considera que o cliente tem a oportunidade de ter um EBM em localizações que vão se valorizar e com custo-benefício bom. A marca trabalha


com a finalidade de produzir imóveis que normalmente são o primeiro imóvel, áreas maiores para o condomínio ficar mais acessível, são apartamentos menores, em que o custo-benefício seja mais vantajoso para quem vai adquirir. Com o aumento da classe média, o acesso ao financiamento dessa classe criou a oportunidade. Você colocou um monte de gente que antes não tinha condição de comprar apartamento e agora está comprando. Por isso, é a chance de a pessoa morar bem, em um bairro planejado. Vimos nisso uma oportunidade de atuar. São empreendimentos mais afastados, maiores, com área de lazer muito boa. E a gente criou essa marca para diferenciar da nossa marca para o público de alto poder aquisitivo. Hoje, temos o EBM Bem que atua nesse mercado, que a gente chama de primeiro imóvel, que a gente quer atingir essa classe que está em ascensão, de melhor custo-benefício. E dentro do EBM Premium, temos várias linhas de produtos. Temos o EBM Business Style, de prédios comerciais, o EBM Life Style, com bons produtos e bem localizados, o EBM Luxe Style, que é o top e são apartamentos de altísssimo padrão, e o EBM Hotel Style, que é linha para investimentos. Quais os lançamentos feitos este ano e quais as novidades previstas ainda para 2013? A empresa atua em Goiânia, São Paulo e Brasília. Em Goiânia, vamos lançar ainda este ano um hotel que são duas bandeiras da rede Accor, a maior do Brasil. As bandeiras são Ibis e Adagio. São praticamente dois hotéis. Um (Adagio) é para apartamentos maiores, para a pessoa ficar mais tempo, como um executivo que vem para Goiânia e quer ficar

mais dias, e o outro (Ibis) é mais tradicional. E também vamos lançar um empreendimento na T-10, de apartamentos menores, mas com um conceito diferente, de mais atendimento. É para o jovem executivo, para o casal recém-casado, famílias menores. É só residencial, com lojas voltadas para a T-10, mas para atender público do prédio, como uma conveniência. Qual o segredo para o sucesso de uma empresa familiar? Apesar de ser uma empresa familiar, a gente administra como se não fosse. Temos uma diretoria que tem participação nos resultados e participação acionária na empresa. Todas as decisões estratégias são tomadas em um comitê, que envolve toda essa diretoria. Apesar de ser familiar, não atua como familiar. A gente tenta profissionalizar o máximo possível para que ela não seja uma empresa familiar no aspecto de toda decisão ser da família. Os nossos parceiros, como bancos, fundos de investimentos, incorporadoras, gostam de trabalhar com a gente justamente por essa atitude corporativa que a gente tem. É uma governança corporativa que a gente tem.

Quais as vantagens e os desafios de ser um líder de mercado? Primeiro, a gente tem a obrigação de colocar sempre produtos diferenciados, de definir preço para o mercado, de definir padrões para o mercado. Infelizmente, esse é o problema do líder de mercado. Ele é muito atacado por quem está embaixo e não tem quem atacar. Tem que se manter, se posicionar de maneira que ele possa ser blindado por quem vem de baixo. Definimos preços, padrão, qualidade de produtos, temos que ser uma emOS NOSSOS PARCEIROS, presa com produtos sempre difeCOMO BANCOS, FUNDOS DE renciados justamente para poder estar nesse patamar. Isso é um deINVESTIMENTOS, INCORPORADORAS, safio muito grande. É um conceito GOSTAM DE TRABALHAR COM A de inovação eterna. Não podemos GENTE JUSTAMENTE POR ESSA ATITUDE lançar um produto que o mercado está lançando. CORPORATIVA QUE A GENTE TEM

36

O COUNTRY

setembro/outubro 2013


Como você avalia o Plano Diretor de Goiânia? A cidade tem crescido de uma maneira ordenada? O Plano Diretor trouxe coisas boas e falhas também. As falhas estão até corrigindo devagar. O conceito inicial é muito bom, de que você pode adensar nas regiões de eixo, onde vai ter transporte público etc. Esse é o conceito moderno de urbanismo hoje. Na minha opinião, ele tem falhas. Por exemplo, ele não delimita o máximo adensamento. Acho que deveria limitar. Por exemplo, tem a Avenida 85 que é o eixo. Você pode adensar em volta três quadras para lá e três para cá. Isso é ótimo, porque a 85 tem que ter infraestrutura de transporte etc. Teoricamente tem que ter, mas se não tem é outro problema. O que acontece? Em determinados terrenos, adensar demais um terreno não fica muito saudável para a cidade. O Plano Diretor normatizou os recuos, que é muito importante, é um avanço. Mas ele não delimitou o tanto que eu poderia construir nesse terreno. Isso foi uma falha. Deveria delimitar.

A EBM ganhou o prêmio Great Place to Work (“Melhor lugar para trabalhar”, em tradução livre) em 2012 e 2013. Quais são os valores que vocês pregam para o ambiente na empresa e como é ser reconhecido por isso? Temos um código de ética, que envolve governança, um padrão de trabalho, de ser muito aberto, franco, as coisas serem jogadas muito claras, os funcionários terem conhecimento pleno de sua carreira, de ser avaliado, criticado. E a postura ética de empresa é muito cobrada. Se a empresa amanhã quer colaborar com algum político, por exemplo, todos os funcionários têm que ficar sabendo. Não damos dinheiro por fora, existe um compromisso ético com a empresa. Isso é bom porque os funcionários sentem-se valorizados, prestigiados. A principal coisa que qualquer colaborador sente é a oportunidade de crescimento. A pessoa ser reconhecida e ter oportunidade de crescimento é muito importante. Ela vê todos os diretores, todos os gerentes que começaram de baixo. Ela tem apoio para crescer.

38

O COUNTRY

setembro/outubro 2013

Você possui relações das mais estreitas com o Country. O que você mais gosta no clube e como foi essa relação ao longo do tempo? Eu nasci ali dentro. Frequento desde que a sede era lá embaixo e tinha uma piscininha. Não tinha absolutamente nada no Country. A ação do meu pai deve ser uma das primeiras. Então, vi toda a evolução do Country, passei minha adolescência lá dentro, meus filhos foram criados lá dentro. Gosto de jogar tênis, meu filho joga tênis. É uma relação muito antiga. Ser filho de ex-presidente faz você enxergar o clube de forma diferente? Fui diretor e conselheiro duas vezes. O que faz é ter mais responsabilidade com o clube, mais carinho com o clube. A gente defende o clube, vê o trabalho que dá. Ser diretor dá trabalho, ser presidente também. Se a gente vê alguma coisa errada, aquilo magoa a gente. Mas, ao mesmo tempo, fui diretor e conselheiro. Nessas duas vezes não pude contribuir o que gostaria por falta de tempo. Para se dedicar e carregar aquilo, não é brincadeira. Precisa ter muita disposição.


40

O COUNTRY

setembro/outubro 2013


A revolução do fitness Testado e aprovado por atletas de elite, o crossfit é um programa de condicionamento físico e força que proporciona um amplo, geral e equilibrado nível de aptidão física e saúde para qualquer tipo de pessoa, independente da idade, nível de condicionamento físico, seja este iniciante ou atleta

O

CrossFit é um programa de treinamento desenvolvido por Greg Glassman ao longo de várias décadas. Ele foi a primeira pessoa na história a definir de uma maneira significativa e mensurável o que é fitness (capacidade de trabalho aumentada para realização de atividades variadas através do tempo). CrossFit em si é definido como aquele que otimiza o fitness (movimentos funcionais, constantemente variados e executados em relativa alta intensidade). CrossFit é também a comunidade que surge espontaneamente quando as pessoas fazem esses treinos juntos. Na verdade a chave para tornar o CrossFit tão eficaz é o aspecto comunitário.

setembro/outubro 2013

O COUNTRY

41


A magia está nos movimentos Todos os treinos de CrossFit são baseados em movimentos funcionais. São os principais movimentos da vida, encontrados em qualquer lugar e presentes naturalmente em nosso DNA. Esses movimentos permitem que você mova altas cargas (não necessariamente uma sobrecarga, muitas vezes o próprio peso do corpo) por longas distâncias (amplitude de movimento) no menor espaço de tempo, maximizando assim a quantidade de trabalho produzida (intensidade). Ao empregar essa abordagem de treinamento constantemente variado, estes movimentos funcionais em intensidade máxima (proporcional a tolerância física e psicológica do participante) levam a ganhos extraordinários em fitAO EMPREGAR A ABORDAGEM DE ness. A intensidade é essencial para obter resultados e ela é menTREINAMENTO CONSTANTEMENTE surável na expressão de trabalho/ VARIADO, OS MOVIMENTOS tempo. Ou seja, quanto mais traFUNCIONAIS EM INTENSIDADE MÁXIMA balho realizado em menos tempo, (PROPORCIONAL A TOLERÂNCIA FÍSICA E mais intenso o esforço.

PSICOLÓGICA DO PARTICIPANTE) LEVAM A GANHOS EXTRAORDINÁRIOS EM FITNESS

42

O COUNTRY

setembro/outubro 2013

Na implementação o CrossFit é simplesmente o “esporte do fitness”. Nós aprendemos que aproveitar a competição camarada natural do esporte e a sua diversão, produzem uma intensidade que não pode ser igualada por outros meios. Usando quadros como placares, mantendo pontuações e registros precisos, usando um relógio e definindo claramente as regras do jogo nós não apenas motivamos substancialmente mas produzimos dados absolutos e relativos em todos os treinos. Estas informações tem importância muito além da motivação.


A PUNK Nos moldes americanos de um “box” de CrossFit, a PUNK conta com 1.200 m2 de espaço para treinamento físico e uma equipe preparada para te atender utilizando a metodologia do CrossFit. Os treinos utilizam movimentos funcionais executados em alta intensidade e constantemente variados. Na PUNK você não vai encontrar filas de esteiras, bicicletas ergométricas e aparelhos de musculação. Ao invés disso você encontrará kettlebells, halteres, barras e um amplo espaço para você agachar, pular, escalar, correr, levantar, arremessar, ou seja, mover seu corpo do jeito que foi feito pra ser movido. Nós nos concentramos em melhorar movimentos funcionais que são necessários e comuns tanto nas suas atividades diárias quanto na prática esportiva. Isso também significa que você nunca vai ficar entediado. Com a nossa programação constantemente variada você raramente vai fazer o mesmo treino duas vezes em um determinado ano. Você nunca vai ter que programar seus próprios treinos ou passar horas na academia.

Por Ricardo Prudente Graduado em Educação Física desde 2006, especialista em Fisiologia do Exercício. CF Level 1 Trainer no dia 29/04/12 em San Diego - CA. Criador técnico do RopeFit, programa de treino baseado no CrossFit , e curso presente nas mais importantes convenções fitness do brasil. Tradutor do CrossFit no Brasil em 5 seminários de certificação internacional e CrossFit Seminar Staff Member

setembro/outubro 2013

O COUNTRY

43


44

PROJETO >> JOVENS ATLETAS

Inclusão social por meio do futebol Projeto social com jovens atletas, nascido há quatro anos, leva o Country a disputas estaduais, nacionais e internacionais nas categorias de base. Equipe resgata crianças de situações de risco TEXTO >> PAULA PARREIRA

FOTOS >> GUIDO GALLO

Q

ue o futebol é importante ferramenta de inclusão social por meio do esporte muitos já sabem. Mas o que todos precisam conhecer é o projeto do Country Clube de Goiás, que contribui com esse cenário desde 2009, ano em que a diretoria criou, em parceira com a Prefeitura de Aparecida de Goiânia e a Associação Atlética Aparecidense, um projeto que rendeu inclusão, saúde, títulos, alegria e, em alguns casos, a realização profissional de dezenas de garotos. No início, os meninos tinham até 12 anos. Hoje, aos 15 e 16 anos, colhem os frutos da iniciativa da diretoria.

O Presidente Murilo Antunes ao lado dos coordenadores do projeto, o VicePresidente Thales Jayme e o Diretor de Esportes Emerson Barbosa

“Começamos buscando só o associado. Depois, decidimos abrir as portas e fazer um trabalho social”, explica Thales Jayme, vice-presidente do Country. Ele é um dos criadores e incentivadores do plano, ao lado do diretor de esporte do clube, Emerson Luiz Barbosa. Para os dois, o projeto é ainda mais especial, já que os filhos estão na equipe. O meia-atacante Arthur Palmeira Barbosa e o volante e capitão João Pedro Jayme, ambos de 15 anos, treinam desde o início com o projeto e se destacam no time, hoje sub-17.

44

O COUNTRY

setembro/outubro 2013

Em 2009, foi necessária a realização de uma peneira com meninos carentes para a formação do time. “No início, a gente fez uma peneirada. Hoje, com a história que a gente já escreveu, não precisa. Eles procuram a gente e passam por uma avaliação”, explica Emerson Barbosa. Atualmente, são 4 associados no grupo de 30 garotos. O restante é de promessas do futebol que talvez não tivessem em outro lugar a chance de mostrar o talento. Há jovens de Aparecida de Goiânia, Goianira, Trindade, Turvânia e Goiânia, entre outras cidades.


O grupo conta hoje com 30 garotos comandados pelo professor Frazão

O ritmo de trabalho é intenso. Os garotos treinam de terça-feira a sábado, das 15h30 às 18 horas, em atividades que envolvem treinos físicos, técnicos e táticos. Toda a estrutura é oferecida pelo Country e seus parceiros, como a GPL Engenharia, Euroseg, PAM Construtora e Iunes Advocacia. Isso inclui campos, uniforme e transporte, hospedagem e alimentação em viagens para torneios e jogos. Além disso, sempre que possível os diretores adotam postura de doações para as famílias dos garotos, já que muitas vivem em situação de risco. Com toda a estrutura necessária, o resultado é uma coleção de títulos, em torneios amistosos, nacionais e internacionais, além de boas campanhas em campeonatos de base da Federação Goiana de Futebol, que a equipe disputa por meio da Aparecidense, já que o Country não é filiado à entidade. Em 2012, o time, então sub-15, foi vice-campeão estadual – perdeu a final para o Atlético. O resultado mostra que um título goiano está próximo.

OS GAROTOS TREINAM DE TERÇA-FEIRA A SÁBADO, DAS 15H30 ÀS 18 HORAS, EM ATIVIDADES QUE ENVOLVEM TREINOS FÍSICOS, TÉCNICOS E TÁTICOS Atualmente, a equipe disputa a Copa Goiás sub17. No primeiro semestre, conseguiu o 5º lugar no Campeonato Goiano da categoria. Mas rompe as fronteiras do Estado em busca de torneios. A equipe já disputou competições em Palhoça (SC), Rolândia (PR) e Rancharia (SP) com clubes do Brasil todo e do exterior. E já conquistou dois títulos. Em Goiás, já são mais de 20 viagens para disputas no interior. “A gente já criou uma história no futebol das categorias de base”, define o treinador dos garotos, Rogério Frazão, formado em Educação Física pela Escola Superior de Educação Física de Goiás.

setembro/outubro 2013

O COUNTRY

45


Além da prática esportiva e da competição saudável, o projeto tem princípios fortes, como frequência na escola e lições de vida. “A gente cobra bastante a questão da escola. Como treinador, sou quase um pai deles. Tem assuntos que eles não falam para os pais e eu resolvo. Eles têm confiança. Se estiver mal na escola, não treina durante a semana. Lá na frente, ele vai ver o resultado disso”, comenta o professor Frazão.

João Pedro, João Vitor, Pedro Paulo e Artur são os quatro countryanos que fazem parte do projeto

“É cobrado o comprometimento pessoal, de não envolvimento com bebida, com droga. Vamos acompanhando de perto”, completa Emerson Barbosa. “Nas viagens, friso que tem que sair de perto de confusão em campo. Digo para eles: ‘Viemos para jogar bola’”, conclui Frazão.

COMPETIÇÃO PARA A GAROTADA Os garotos mais novos também têm chance de jogar futebol no Country. O sócio Helder Cascão tem liderado uma turma de garotos de 10 a 12 anos nas manhãs de todos os sábados e espera mais adeptos. A partir das 9 horas, começa a atividade. Até mesmo um torneio com equipes de fora já foi organizado e se encerra em outubro. A ideia é que os filhos dos jogadores do master, que jogam mais tarde, possam participar. “Temos a intenção de dar a oportunidade ao clube de interagir com outras equipes de fora”, conta Cascão. A atividade com crianças tão novas também ajuda a criar conceitos nos pequenos. “Eles têm que saber o que é vitória, o que é derrota, conhecer uma competição, adotar valores quando se está na disputa, de que o resultado não é tão importante quanto a formação”, explica o sócio, que teve experiência de diretor das categorias de base no Goiás Esporte Clube.

46

O COUNTRY

setembro/outubro 2013

Os garotos tornam-se amigos. “A convivência é muito boa, não tem nenhum problema. Alguns passaram ao convívio familiar”, lembra Emerson Barbosa. “O esporte facilita isso. Embora tenha a disparidade social, no grupo não existe isso. Ao contrário, existe uma irmandade”, comenta Frazão. Em viagens, já aconteceu de a alimentação oferecida pela organização do torneio não ser a ideal. Nesse momento, os garotos de condições melhores apadrinharam os amigos para um reforço. E é em situações como essa que surgem exemplos da relação que o grupo construiu.


Depois de quatro anos, os idealizadores do projeto já criaram uma relação forte com o projeto. “Não consigo passar sem estar lá com os meninos. Criei uma dependência”, derrete-se Emerson Barbosa. Thales Jayme confirma o comprometimento do diretor e amigo. “O Emerson vive isso 24 horas por dia. Eu ajudo de outra forma, há uma divisão de responsabilidades. Passa também pela realização de ver os filhos felizes. Não dá para ficar sem”, comenta o vice-presidente do Country. Os dois idealizadores do trabalho lembram o esforço da diretoria do Country para que tudo desse certo. “Se não fosse o Country, não teria como realizar. A estrutura do clube é fundamental. Se não fosse a compreensão dos dirigentes, a votação da diretoria autorizando, não teria como fazer. A diretoria abraçou o projeto”, reconhece Thales Jayme. A felicidade em campo não é traduzida só nos sorrisos dos jogadores. O professor Frazão também encontrou no projeto do Country um significado diferente para a vida e a profissão. “Resgatei muita coisa boa na vida com os garotos. São momentos alegres,

sorriso e choros juntos. Não cheguei longe no futebol, apesar de ter tentado. Então, vejo na alegria deles como se fosse eu. Eles me resgataram de uma situação muito triste, em que eu não pensava mais em sorrir”, emociona-se o treinador.

“SE NÃO FOSSE O COUNTRY, NÃO TERIA COMO REALIZAR. A ESTRUTURA DO CLUBE É FUNDAMENTAL. [...]. A DIRETORIA ABRAÇOU O PROJETO” Thales Jayme

Voce-presidente do Country Clube de Goiás

48

O COUNTRY

setembro/outubro 2013

A diretoria também comemora a vida longa do projeto. “São coisas que dão satisfação enorme para nós, que estamos tocando esse projeto. Estamos pensando no melhor para essas crianças, dando a elas a oportunidade de reinserção na sociedade de forma sadia”, explica o presidente Murilo Antunes de Oliveira.


Frutos do projeto se transferem para clubes do Sul O projeto de futebol de base que une o Country Clube de Goiás e a Aparecidense, clube que, em 2013, disputou a elite do Campeonato Goiano e a Série D da Copa do Brasil, já rende frutos. Em julho, duas jovens promessas se transferiram para clubes do Sul do País. O zagueiro Jacy Maranhão está no Atlético Rotina intensa de (PR) e o meia-atacante Walintreinos além de son Moraes vive a expectativa acompanhamento social de assinar seu primeiro consão pilares do projeto trato profissional com o Avaí (SC). A opinião é de que eles, hoje com 16 anos, foram salvos pelo futebol de grandes clubes.” O meia-atacante também tem o sonho de ajudar a família. “Quero melhorar a situauma situação de risco em comunidades carentes. ção de todo mundo.” Walinson mora na concentração do Avaí em Florianópolis e já começa a superar a saudade da famí- Para o técnico Rogério Frazão, o exemplo de Jacy lia, que vive em Aparecida de Goiânia. “No início, foi Maranhão, que está no Atlético (PR), é forte. “Ele mais difícil. A saudade de Goiânia e do pessoal do era um goleiro ruim, explosivo. A gente teve olho time era grande. Agora, já estou me adaptando”, clínico e paciência para transformá-lo em um grancontra o jogador, que é fã de Ronaldo e já marcou de zagueiro”, conta. E o professor atesta: “Ele vai gols pelo Avaí na Liga Municipal e no Campeonato estar na seleção sub-17 no ano que vem”. Estadual. Walinson tem atuado em duas categoFrazão conta que o Country foi uma segunda farias, a sua e uma acima. mília para Jacy. “Ele tinha o gênio difícil, parecia O garoto, que tem frequentado as aulas do 2º ano agressivo com a vida. Tenho certeza de que ele foi do Ensino Médio em Florianópolis, valoriza a inicia- salvo pelo futebol”, conta o diretor de esportes do tiva do Country. “Foi muito importante para minha Country, Emerson Luiz Barbosa. vida e sempre vai ser. Tudo o que os diretores fizeram por mim, eu agradeço. Sem eles, acho que Murilo Antunes de Oliveira, presidente do clube, concorda com o diretor. “Isso foi uma coroação de não teria conseguido”, conta Walinson. um trabalho que começou lá atrás. Eles não são O jovem tem sonhos no futebol. “Quero me tor- countryanos, mas o Country ajudou, através de um nar um grande jogador, para retribuir e agradecer. projeto, a retirar os dois meninos talvez da margiQuero chegar ao time profissional do Avaí e aos nalidade e encaminhar”, comenta o dirigente.

50

O COUNTRY

setembro/outubro 2013


RADAR

COUNTRY POR >> ANA CAROLINA CASTRO

Chegada feliz O casal de médicos radiologistas Hussam Dim Isa e Hellen Luiza Vilela Ribeiro Isa estão felizes com a chegada do filho caçula Murilo Ribeiro Isa. O pequeno nasceu no dia 5 de agosto. Os irmãozinhos Beatriz, de 5 anos, e Marcelo, de 3, se emocionam com cada gesto e aprendizado do pequeno. Bem-vindo, Murilo, à família countryana!

Capital Federal O novo ministro do Supremo Tribunal Federal, Luís Roberto Barroso, e o advogado criminalista Pedro Paulo de Medeiros, conselheiro federal da OAB por Goiás e diretor jurídico do Country, por ocasião de recente jantar em Brasília, onde Pepê tem atuação consolidada, logo após a posse no STF.

De Goiás para o mundo O cirurgião dentista e designer Marcelo Daltro é o mais novo membro da Academia Tiradentes de Odontologia, ocupando a cadeira que leva o nome de seu pai, o também cirurgião dentista Paulo Daltro de Oliveira. Marcelo, que é o único representante de Goiás na Academia, tem sido destaque nacional e mundialmente através do desenvolvimento da técnica Redesenhando Sorrisos (RS) – onde são feitas análise da face e do sorriso através de um protocolo fotográfico do paciente; identificação dos problemas estético/funcional e planejamento de forma digital do procedimento a ser realizado, dando segurança ao paciente. Em maio, o cirurgião dentista realizou treinamento no Studio Oral Design, em Dubai, e em seguida palestras e cursos nas cidades de Tóquio, Kyoto, Fukuoka e Takamatsu, no Japão; além dos cursos já ministrados em São Paulo e Rio de Janeiro. Seguindo os passos do pai, já são 14 anos de excelência na busca pela saúde bucal e sorriso perfeito.

52

O COUNTRY

setembro/outubro 2013


Vitória no Clube de Engenharia Os atletas do Country Clube de Goiás fizeram bonito no Campeonato Goiano de Peteca, realizado no Clube de Engenharia, nos dias 7 e 8 de setembro. O Vermelho e Branco sagrou-se vice-campeão dos Clubes. Os sócios Benedito Amancio da Costa, Luís Fernando e Gerson Teixeira foram os grandes campeões da categoria Máster IV. Através do brilhantismo no jogo, o grupo garantiu sua vaga para disputar o Campeonato Brasileiro, que será realizado em Uberlândia (MG), nos dias 16 e 17 de novembro. Boa sorte e garra na quadra! Que venha mais uma vitória para os countryanos!

Maurício Lima é eleito membro da Acad O advogado Maurício Alves de Lima já ocupa a cadeira nº 60 da Academia Goiana de Direito (Acad), cujo patrono é o ex-secretário Geral do Estado e desembargador Benjamin Luz Vieira. A instituição acolhe os mais notáveis juristas do Estado e se destaca por promover debates, atuar em defesa pela cidadania e desenvolver atividades sociais e educacionais relacionadas aos diversos campos jurídicos. Para o advogado, a seleção “representa uma conquista, já que a Academia reúne os maiores profissionais da área em Goiás de todos os ramos de atuação dentro do Direito, como magistrados, professores, membros do ministério público e advogados”. Além disso, ele afirma que a entrada para a instituição representa um marco em sua carreira: “É como um reconhecimento do esforço por eu ter aliado o exercício da advocacia na prática e na teoria, por ser advogado, professor, ter me especializado e escrito livro e artigos jurídicos”.

Maurício explica que ao fazer parte da Academia terá a chance de ampliar as discussões no campo do Direito, em âmbito estadual e nacional. “As reuniões da Acad debatem temas jurídicos relevantes. A academia também realiza seminários e eventos em parceria com outras entidades. Outro aspecto importante é aproximação, debate e interação com Academias de outros Estados”.

setembro/outubro 2013

O COUNTRY

53


54

MEMÓRIA >> WALTER HUGO FROTA

Justa homenagem Walter Hugo Frota, um dos sócios-fundadores do Country, teve sua história marcada pelo respeito ao próximo, amor à família e paixão pelo esporte. Deixou boas lembranças e muita saudade TEXTO >> EDUARDO VIRGÍLIO RODRIGUES DA CUNHA

FOTOS >> ÁLBUM DE FAMÍLIA

W

alter Hugo Frota viveu intensamente todas as nuances da vida. Em novembro, fará um ano que familiares e amigos não podem mais desfrutar de sua presença diária, mas guardam consigo inesquecíveis lembranças e eterna saudade.

A paixão pelo esporte fez parte de sua história. Ainda jovem destacou-se como remador e jogador de pólo aquático pelo Botafogo Clube de Regatas, no Rio de Janeiro. O Country Clube teve especial importância em sua vida. Em 1960, a partir de encontros e reuniões com outros 14 amigos que almejavam ter mais opções de lazer para a família, surgiu a ideia de se fundar o Clube, que hoje é nosso Country. Walter foi um desses sócios-fundadores, e com isso se tornou Conselheiro Nato do Clube. Aqui, conviveu com a família e os amigos; além de ter se dedicado ao tênis, sendo praticante assíduo por muitos anos. A personalidade marcante pode ser melhor compreendida através das palavras do amigo da família e também sócio do Clube, Eduardo Virgílio Rodrigues da Cunha, que deixou registradas suas impressões sobre o “Dr. Walter”. Leia na página ao lado, a carta na íntegra:

54

O COUNTRY

setembro/outubro 2013


MINHA DESPEDIDA AO MELHOR AMIGO DO MEU PAI Diz-se que o nosso caráter é forjado, sobretudo, através da convivência com os amigos dos nossos pais. Muitas das vezes eles são os nossos heróis, nossas referências. O melhor amigo do meu pai chamava-se Dr. Walter Frota. Portanto recebi, com muito orgulho, uma boa dose da sua influência. Eu e toda uma geração de amigos. Sejam eles do círculo da Patrícia, do Maurício, do Toninho, da Priscila, ou dos quatro juntos. Para nós ele foi um guerreiro samurai, um exemplo de bons princípios, que aliava à sua força física uma inteligência e uma cultura ímpar. Como médico, psiquiatra, teve uma vida de pleno reconhecimento pelos serviços prestados a uma comunidade que sempre o admirou. O melhor é saber que sua semente frutificou. Da sua árvore, os seus descendentes perpetuam a estirpe de uma família voltada para ajudar o próximo. Da Tia Filó só tenho elogios, sua conduta, sua força e sobretudo a sua paz. De pouca conversa, sempre tem um sorriso para nos presentear. Praticamente meus amigos, assim como eu, temos guardadas na lembrança, passagens inesquecíveis, em que o Dr. Walter era o personagem principal. Countryano apaixonado, fez do Araguaia o palco das suas peripécias. Junto com seu amigo Zé da Gleba, ele deixou um legado, uma história, em que cada um conta da sua maneira. Nas barrancas e praias do nosso Rio ele “aprontou” as suas. Quem nunca ouviu o caso do café coado na meia, ou do peixe fresco mastigado e engolido cru, da partida de vôlei concluída com duas costelas quebradas, dos seus gritos no jogo de truco? Ele sempre tinha algo inusitado para nos oferecer, algo que saía do comum, que nos chamava a atenção. O Araguaia, o Berocan, o mais belo rio, vai permanecer sereno e em paz, com as suas águas turvas e areias brancas, agora sem o brilho de um dos seus maiores admiradores: Dr. Walter Frota. Perdemos a sua companhia, embora seu Ari, Amadeu, Dr. Sebastião, meu pai e outros amigos que já se foram, certamente se alegrarão com a sua presença. Que Deus os tenha!


56

ESPORTE >> TÊNIS

Torneios para todas as idades As quadras do Country Clube receberam as finais da III Etapa da Corrida dos Campeões e do Tênis Juvenil, dia 8 de setembro. Atletas adultos e mirins mostraram muita garra TEXTO >> DAISE DE SÁ

FOTOS >> GUIDO GALLO

O

s torneios da III Etapa da Corrida dos Campeões e do Tênis Juvenil encheram de emoção as quadras do tênis em um mesmo dia – 8 de setembro. Foram 210 atletas countryanos - adultos e mirins, mostrando garra e talento. Ao final dos jogos, um delicioso almoço marcou a comemoração e confraternização familiar.

O presidente Murilo Antunes destacou que a criação do Ranking anual deu cara nova ao tênis do Clube. “Os atletas ficam ansiosos para dar seu melhor a cada jogo e alcançar novas colocações”, explica. O jogador Humberto Nogueira, que foi campeão pela segunda vez este ano na 1ª classe, concorda com o presidente com relação a constante busca para auto-superação. “O jogos dessa etapa foram muito bons e agora é continuar os treinos e preparação física”, acrescenta. Com a realização da III Etapa da Corrida dos Campeões foi encerrada a pontuação para o Ranking 2013. De agora em diante é só esperar os acirrados jogos da Etapa Master, que é composta pelos 8 atletas com maior pontuação em cada categoria. JOVENS TALENTOS >> O Torneio Infantil de Tênis contou com a participação de 70 crianças. Os jogos foram bastante animados e não faltou demonstração de talento e de muita dedicação para aplicar as lições dos treinos.

56

O COUNTRY

setembro/outubro 2013

RESULTADO FINAL DA III ETAPA DA CORRIDA DOS CAMPEÕES Classe Especial 1º Lugar - Pedro Silva 2º Lugar - Bruno Araújo 1º Classe 1º Lugar - Humberto Nogueira 2º Lugar - Rubio Juliano 3º Lugar - Gustavo Veiga 4º Lugar - Fernando Felter 2º Classe 1º Lugar - Ilton Rodrigues 2º Lugar - Flavio Rocha 3º Lugar - André Nascimento 4º Lugar - Odilon Neto 3º Classe 1º Lugar - Thiago Balduino 2º Lugar - Antônio Carlos Montes 3º Lugar - Luiz Felipe 4º Lugar - Rodrigo Gomide 4º Classe 1º Lugar - João Guilherme 2º Lugar - Daniel Ventura 3º Lugar - Cristiano Rézio 4º Lugar - Felipe Nogueira 5º Classe 1º Lugar - Rogério Siqueira 2º Lugar - Reginaldo Abdala 3º Lugar - Karine Espírito Santo 4º Lugar - Sólon Vieira 6º Classe 1º Lugar - Lucas Obeid 2º Lugar - Carol Carneiro 3º Lugar - Lissa 4º Lugar - Henrique Cecílio


Para o vice-diretor de Esportes, Daniel Cecílio, a prática esportiva, além de propiciar um momento de descontração, ensina a criança a lidar com os desafios da vida. “Aprender a conviver com os sentimentos de vitória e derrota valem muito para a formação de uma criança”. Ele acrescenta também que, pessoalmente, utiliza a vivência que o filho tem dentro das partidas do jogo para dialogar sobre como enfrentar os desafios do dia a dia. Plantar uma semente para o futuro através do incentivo a prática esportiva também é defendido pelo presidente Murilo Antunes. Ele acredita que a escola de tênis do Country proporciona um princípio de vida muito bom, por meio de competição saudável. “Diversas crianças que anteriormente frequentavam a escola de tênis do Clube, hoje, estão participando da Corrida dos Campeões. Isso demonstra o grande interesse que os countryanos têm em levar uma vida saudável e com competições entre família e amigos”, pontua.

setembro/outubro 2013

O COUNTRY

57


ESPORTE >> TÊNIS

58

O COUNTRY

novembro/dezembro 2012


novembro/dezembro 2012

O COUNTRY

59


60

SAÚDE >> EQUILÍBRIO MUSCULAR

Máquina perfeita Como compreender, cuidar e movimentar o corpo para viver melhor

O

corpo humano é formado por um esqueleto com mais de 200 ossos, que dão suporte a mais de 600 músculos, além de um cérebro altamente desenvolvido com cerca de 12 milhões de células nervosas, compondo uma engrenagem complexa e perfeita. A cada 2,54 cm de pele humana existem cerca de 19 milhões de células, 60 pelos, 90 glândulas sebáceas, 5,79 metros de vasos sanguíneos, 625 glândulas sudoríparas e 19 mil células nervosas. Ufa! São necessários mais de 6 mil nomes para descrever todas as suas partes macroscópicas. É esse conjunto de peças funcionando dia e noite que denominamos vida.

Marina Serradourada CREFITO 11/94015 F

Fisioterapeuta, especialista em avaliação funcional e reabilitação ortopédica e desportiva

A homeostasia é o equilíbrio corporal mantido por um conjunto de reações fisiológicas contínuas e com todas as células desempenhando adequadamente suas atividades com regularidade. Também em meio à lesões traumáticas – como uma fratura ou distensão muscular - ou microtraumáticas, chamadas de lesão por esforço repetitivo, como as tendinites, várias respostas são desencadeadas imediatamente para dar início ao processo de cicatrização tecidual e restabelecer esse balanço. E para que o reparo seja ideal é importante uma reabilitação adequada para ajudar o corpo nessa recuperação e reduzir o risco de novas lesões.

CAMINHAR, CORRER, MOVIMENTAR ESSA MÁQUINA GERAM UMA SÉRIE DE REAÇÕES FISIOLÓGICAS POSITIVAS

Todas as peças estão em constante dinâmica para fazer funcionar essa máquina. As partes microscópicas e macroscópicas estão intimamente interligadas. Por isso, movimentar o corpo é tão saudável. Caminhar, correr, fazer exercícios, portanto, geram uma série de reações fisiológicas positivas.

Você já observou os movimentos de uma criança? Ela é capaz de se movimentar por longos períodos e manter todo o alinhamento biomecânico durante a mais simples brincadeira. Um agachamento completo é realizado com grande facilidade, de maneira natural e espontânea, sem qualquer desvio de postura. No desenvolvimento psicomotor normal, ela passa por etapas de amadurecimento até chegar nesse estágio: primeiro rola, depois senta, engatinha, fica em pé, caminha e corre. Perfeita evolução.

60

O COUNTRY

setembro/outubro 2013


A pratica esportiva é um elemento fundamental para manter o corpo em equilíbrio

Enquanto adultos, perdemos esse alinhamento e a coordenação dos movimentos. As posturas desajustadas por longos períodos, episódios de dor, lesões não tratadas e o sedentarismo levam a um novo padrão corporal pobre em estabilidade e controle motor. Agachamentos tornam-se atividades proibidas pela dificuldade de execução e padrões incorretos. Porém, o corpo foi feito para se movimentar e deve fazê-lo com foco na postura adequada. ATENÇÃO AO ALINHAMENTO >> No auge do body building somos massacrados pela indústria da beleza para seguir padrões. Mas, o corpo perfeito não é resultado apenas de cirurgias plásticas ou de uma barriga sarada. O corpo perfeito é aquele capaz de executar um movimento com bom controle, manter uma boa postura e alinhamento e viver sem dor ou lesão. Esse controle

Foto: Martinmark / Dreamstime.com

está relacionado com a capacidade de cérebro e músculos realizarem movimentos com velocidade, força e sincronia adequadas à necessidade. Treinamento de força na academia, alongamentos, treinamentos funcionais ou a prática de esportes são importantes. Um corpo com músculos fortes é fundamental, mas não é o bastante. Andrew Barr, fisioterapeuta do New York Knicks (NBA) atua no trabalho de prevenção de lesões com excelentes resultados. Suas orientações em relação ao treino não são muito diferentes: evoluir gradualmente o programa de treinamento sem sobrecargas e respeitar o tempo de repouso. Mas, segundo ele, o ponto chave está no equilíbrio muscular. Manter um bom alinhamento durante os exercícios, assim como incluir exercícios que trabalhem músculos que tenham função de estabilizar as articulações são suas principais dicas.

setembro/outubro 2013

O COUNTRY

61


O corpo humano funciona como um automóvel. Mesmo desalinhado, o carro continua funcionando. Mas se permanecer nesta condição, ocorrerá um desgaste irreparável na parte interna dos pneus. Já no nosso corpo, a consequência será um desgaste nos tecidos e articulações e o desenvolvimento de dor e lesão.

PREVENÇÃO >> Quem nunca sentiu dores nas costas? Pesquisas trazem que 80% da população terá pelo menos um episódio de dor lombar na vida. Também a cada ano, 25% dos trabalhadores serão afetados por ela, sendo que alguns serão incapacitados pela dor. Trata-se de uma das maiores causas de consultas médicas, com alto custo para a saúde pública. As lesões tem início silencioso e não surgem do dia para a noite, mas por prolongadas posturas inadequadas, seja no trabalho, durante o sono ou atividades incorretas, como carregar um peso de forma errada. Na era de notebooks e tablets fica difícil determinar uma correção, já que o teclado e o visor não podem ser ajustados simultaneamente. Esses aparelhos não possuem ergonomia para serem utilizados por longos períodos de tempo. O bom e velho computador de mesa continua sendo o ideal para trabalhar com qualidade e sem prejuízos físicos.

am stim

e.co

m

Mas nem sempre trocar mesas ou cadeiras do escritório irão resolver o problema. Em muitos casos será preciso retreinar a função dos músculos posturais através de exercícios em que corpo e cérebro trabalhem juntos adquirindo um padrão correto de movimento.

Fot o

: Pe ter

Galb

rait

h/

Dre

Cuide do seu corpo com atividades físicas bem orientadas e personalizadas. Se necessário, procure um fisioterapeuta e faça uma avaliação. O corpo perfeito exige cuidados diários e específicos para cada pessoa. O Conselho de Fisioterapia adverte: a prevenção é sempre o melhor remédio.

O CORPO PERFEITO É AQUELE CAPAZ DE EXECUTAR UM MOVIMENTO COM BOM CONTROLE, MANTER UMA BOA POSTURA E ALINHAMENTO E VIVER SEM DOR OU LESÃO 62

O COUNTRY

setembro/outubro 2013


64

64

FLAGRAS >> COUNTRY

O COUNTRY

setembro/outubro 2013


setembro/outubro 2013

O COUNTRY

65


>> CARTA DO PRESIDENTE

Duendes e doentes

O

s duendes são criaturas mitológicas do folclore europeu. A partir do século 13 a palavra duende passou a constar do vocabulário espanhol, porém, dependendo da região de origem da história, essas criaturas assumem formas e nomes diferentes. Na Inglaterra são chamados de Goblins, na Escócia de Brownies e em grande parte da Europa, tratados apenas como anões. Na maioria dos relatos os duendes vivem em um universo paralelo mas interferem nos destinos humanos. Se bem tratados ajudam mas, se contrariados, ficam zangados, aprontam das suas, inventam pesadelos para atrapalhar nossos sonos.

Murilo Antunes de Oliveira

Presidente do Country Clube de Goiás

Na Antiguidade as lendas de duendes serviam para satisfazer a eterna necessidade humana de encontrar respostas para vários fenômenos inexplicáveis. Com o avanço do cristianismo na Europa, os duendes acabaram demonizados, identificados como anjos caídos ou pequenos diabinhos, às vezes representados com chifres e rabo pontudo. A corruptela da expressão espanhola “Dueño de La Casa” (dono da casa) talvez seja a origem do nome.

Se estabelecermos um paralelo entre a lenda dos duendes SE ESTABELECERMOS UM PARALELO ENTRE e a realidade presente, certaA LENDA DOS DUENDES E A REALIDADE mente encontraremos seres PRESENTE, CERTAMENTE ENCONTRAREMOS humanos que deformados, insatisfeitos – por serem caíSERES HUMANOS [...] DE PRESTÍGIO dos – porém, que, presunçoINFINITAMENTE MENOR DO QUE JULGAM sos, interferem nos destinos TER [...] CRIATURAS PEQUENAS, das pessoas, ou espalhando inverdades ou expressando DOENTES E POBRES DE ESPÍRITO ciúmes exacerbados, agindo subrrepticiamente, zangados certamente por sua pequenez, não física, mas pela pouca estrutura que possuem, de prestígio infinitamente menor do que julgam ter. São criaturas pequenas, doentes e pobres de espírito. Em todos os segmentos organizados da sociedade – clubes, associações, condomínios etc. – aparecem os doentes. Felizmente são minoria e se engolem entre si. Nada significam e, por isso mesmo, devem ser ignorados, “pelo bem de todos e felicidade geral da nação”.

66

O COUNTRY

setembro/outubro 2013



O Country #125