Page 1

Nº96 AGOSTO 2000 www.telaviva.com.br

SERVIÇOS TERCEIRIZADOS NO SETOR DE PRODUÇÃO

o papel dos links nas redes de TELEVISÃO


N達o disponivel


w w w . t e l a v i v a . c o m . b r

@

E D I T O R I A L

Este símbolo liga você aos serviços Tel a V iva na Internet. Ô Guia Te la V iva Ô Fichas técnicas de com e r c i a i s Ô Edições anteriores da T el a V iva Ô Legislação do audiovis u a l Ô Programação regional Í N D I C E

GENTE

4

CAPA

Broadcast & Cable 2000

12

50 ANOS DE TV

Mídia

16

PROGRAMAÇÃO REGIONAL

Mato Grosso do Sul

22

TELEVISÃO

Links

30

ARTIGO

Financiamento para cinema

32

MAKING OF

38

PRODUÇÃO

Terceirização de serviços

40

TECNOLOGIA

Transporte de vídeo

44

FESTIVAIS

11º Festival de Curtas de São Paulo

46

FIQUE POR DENTRO

52

AGENDA

54

O cinema nacional é sempre um tema polêmico. É difícil citar alguma época em que não sejam feitas reivindicações para dinamizar o setor. Mas embora o número de espectadores dos filmes brasileiros venha aumentando ano a ano, este aumento ainda não é proporcional ao número de produções que entraram em cartaz. Em 98, 15,6% do total de filmes exibidos foram produções nacionais, mas somente 5,4% do total de espectadores se dispuseram a assisti-los. Os cineastas diagnosticaram o mercado e apontaram soluções na conclusão do 3º Congresso Brasileiro de Cinema, realizado em Porto Alegre entre junho e julho deste ano. De acordo com eles, a participação da televisão é fundamental para consolidar a indústria audiovisual brasileira, inclusive, ou principalmente, como fonte financiadora. Os cineastas propõem a taxação sobre as receitas das TVs abertas e das operadoras de TV por assinatura. É impossível negar a ligação do brasileiro com sua televisão. O veículo tem uma empatia invejável com seu público. Em 50 anos de existência conseguiu adaptar os sucessos do rádio para se tornar o campeão de audiência. Fez isso com profissionalismo e competência. Cumpriu seus objetivos. Infelizmente a indústria cinematográfica brasileira não funciona tão bem. Em artigo nesta edição pode ser verificada a insipiência dos produtores nacionais. O minúsculo porte das produtoras é um dos maiores entraves na hora do financiamento para os filmes. Mas ao invés de seguir o modelo do broadcasting e até mesmo das TVs pagas (onde os produtores nacionais dispõem de um canal inteiro para exibir sua produção), a indústria cinematográfica prefere continuar inventando taxas e incentivos para bancar seus mirabolantes projetos. Programas de televisão made in Brazil são exportados com enorme sucesso. Alguém já se perguntou por que apenas um ou dois filmes brasileiros conseguem ser distribuídos comercialmente fora do País? O Brasil precisa, e deve, ter uma indústria de cinema que pelo menos chegue perto da TV. Só que não serão incentivos, taxas e garantia de veiculação que atrairão público. Está na hora de se conscientizar que qualquer indústria para se firmar tem de vender seu produto. E o consumidor só compra o que lhe convém. Edylita Falgetano


s ca n n er

MAIS STATUS Quando José Paulo Vallone deixou a Record para assumir a Diretoria de Produção Internacional da Globo, no início deste ano, Marcus Aragão encarou o desafio de comandar a Diretoria de Programação Artística da Rede Record. O bom desempenho do trabalho desenvolvido durante esse período já rendeu frutos: Aragão mudou de status e agora é superintendente de programação artística. A nova função acumula o comando do recém-aberto escritório da Record Internacional, em Londres, sob a responsabilidade da jornalista Patrícia Büneker e da Diretoria de Programação Artística da emissora, agora a cargo de Marcus Vinícius Chisco.

EQUIPE OLÍMPICA Começa no dia 13 de setembro a cobertura das Olimpíadas de Sydney pela Rede Globo, e a equipe mobilizada para a captação de notícias tem dimensões quase olímpicas. Serão 125 profissionais. Devido ao fuso horário de 14 horas, a emissora transmitirá os jogos e provas durante toda a noite, começando a partir do “Jornal Nacional” e substituindo a programação tradicional em momentos de destaque. Os apresentadores Ana Paula Padrão, do “Jornal da Globo”, e Jô Soares mudam-se para a Austrália durante as duas semanas de competição, comandando seus programas diretamente do outro lado do mundo. Para centralizar as operações no local,

a Rede Globo construiu um estúdio de 800 m2 no centro criado pela organização do evento para as TVs de todo o mundo. Além das redações, a sucursal terá ilhas de edição, cenários dos programas idênticos aos originais e 21 câmeras exclusivas. A transmissão do sinal da Globo está a cargo da Globe Cast, empresa que é resultado de uma joint venture entre a Casablanca e a multinacional francesa France Telecom. Já está na Austrália uma unidade móvel equipada com três câmeras digitais e toda a infraestrutura de edição e captação de áudio e vídeo. No suporte à produção, estará uma equipe da TeleImage e no comando das operações, respondendo pela Globe Cast, está Alex Pimentel.

SUCESSO NO BRASIL O diretor de fotografia norteamericano Bobby Cohen e sua esposa e agente Thea Cohen só têm motivos para comemorar. Dois anos após desembarcar em São Paulo, o casal já perdeu as contas de quantos trabalhos passaram por suas mãos. Após várias produções, os dois decidiram oferecer às produtoras uma equipe de técnicos free lancers (eletricista, maquinista etc.) para completar seu trabalho. Em dois anos de Brasil, Bobby dirigiu a fotografia de vários comerciais, Entre eles o do remédio Luftal, que foi para o Festival de Cannes, e videoclipes da Angélica, Raimundos e Maskavo Roots. Thea, logo que voltar de uma viagem a Nova York, deve trabalhar no atendimento de uma produtora que, por enquanto, “é segredo”. 

NO AR Inaugurado no último dia de julho, o Canal 8, de Joinville, está levando para as regiões norte e nordeste de Santa Catarina o sinal do SBT. Com um investimento que já ultrapassou os R$ 4 milhões, a nova emissora, integrante da Rede Santa Catarina de Comunicação, conta com uma área de 800 m2, equipamento de produção digital e um transmissor de 10 kW. O Canal 8 coloca no ar diariamente duas horas de programação local, baseada principalmente no jornalismo ao vivo.

TELA VIVA AGOSTO DE 2000

DTV NA FRANÇA A France Télévision promoveu um encontro na sede na Unesco para analisar a “Televisão: do analógico ao digital”. O encontro destacou que a tecnologia já está completamente dominada, face às experiências conduzidas, e que a transmissão digital deve ser usada para complementar a difusão do sinal de televisão, e não substituir o sistema antigo. Segundo o representante do Canal +, a TV digital deve oferecer novos serviços e conceitos para poder conquistar uma posição entre os diversos modos de difusão. O presidente do Conselho Superior do Audiovisual na França, Hervé Bourges, divulgou que no primeiro semestre do próximo ano haverá licitação pública para as concessões locais e regionais, mas com prioridade para a televisão pública.


s ca n n er

AMPLIAÇÃO ESPIRALADA

CHOCOLATES ABUSADOS

Foto: Divulgação

Maurício Lanzara é o mais novo diretor de cena da Espiralcom, Voltaram ao ar em agosto os famosos Sabrina Parlatore e com o galã integrando o time que já contava com bonequinhos dos chocolates M&M, que Humberto Martins. O roteiro sempre Stella Rizzo, Jorge Solari e Marcelo desde o ano passado vêm ganhando mostra os dois personagens, um Galvão. Lanzara já passou pelo versões tupiniquins. Primeiro eles vermelho e um amarelo, desafiando mercado publicitário, trabalhando contracenaram com a atriz Letícia os humanos. A criação dos filmes é de com Julio Xavier, iniciou seus trabalhos como diretor na O2 Dois Spiller. Agora, em dois novos filmes, Rafael Artissian, da AlmapBBDO, e a e passou também pela Tambor, os charmosos e ovalados bonecos direção é de Jean Benoit Crepon, da onde ficou até ser contratado pela dividem a cena com a apresentadora Cine Cinematográfica. Espiralcom. O diretor já dirigiu para vários comerciais (Habib’s, Gessy NOVO ESTÚDIO Lever, Renault, Shopping A produtora catarinense Cinergia Cinema e Televisão Iguatemi) e acaba de reestruturar suas instalações em Florianópolis e recebeu o agora conta com um terceiro estúdio de 500 m2. A produtora prêmio da Lei nasceu em 1995 e é dirigida pelo empresário João Roni de Incentivo Garcia. No último Festival de Cannes concorreu ao Leão de a Cultura para Maurício e Doralice Ouro pela co-produção de um filme de Mercedes-Benz. melhor roteiro de um curta que fez com Raul Cortez e Emílio de Biasi. Sua paixão pela direção PIT STOP nO BANHeirO SONS DO RIO iniciou quando largou a faculdade de O bonitão Pedro Paulo Diniz é a estrela do economia para se dedicar ao teatro novo comercial da Sabesp, companhia de A produtora de áudio e, como ator, chegou a trabalhar com águas de São Paulo, que tenta conscientizar a Studio Hitz, inaugurada no Bia Lessa e Antunes Filho. população da necessidade de economizar água Rio de Janeiro em julho sob A produtora contou também com neste inverno. O piloto toma banho enquanto a batuta do músico Nani mudanças em seu atendimento um reloginho marca os minutos e segundos Dias, tem sede na Barra da a agências com o ingresso da da operação, a exemplo do que a televisão publicitária Doralice Sander, Tijuca. Entre os trabalhos a Doca, que já passou pela Adag faz quanto um corredor pára nos boxes para incluídos no portfólio da Publicidade, pela Net Filmes e a troca de pneus. O letreiro final tem duplo produtora está a recente pela Dínamo Filmes. sentido: “Menos tempo no box”. Criado pela trilha do comercial Loducca, o filme foi dirigido por Renato Assad “Amor”, criado pela DPZ Filho, da Side Cinema. REFORÇO TÉCNICO para Coca Cola Light.

FILME AO CONTRÁRIO A agência age. criou e levou ao ar pela primeira vez um comercial de cabeça para baixo. O filme, de 30 segundos, foi criado para o portal Cidade Internet e exibido em horário nobre na Rede Globo. O filme tem cópias para cinema, que também serão exibidas de cabeça para baixo, no Rio e em São Paulo. Depois dessa primeira iniciativa - que quer mostrar que o portal vai colocar a Internet de ponta-cabeça - muitas outras novidades estão prometidas.

Sônia Barbosa é a nova engenheira de suporte para América Latina da Discreet, empresa especializada no desenvolvimento de hardware e software para computação gráfica. Sonia já trabalhou na Globograph e na TV Globo e sua última passagem foi pela SGI. Com uma experiência de 16 anos no mercado de produção e computação gráfica, a engenheira ficará no escritório

TELA VIVA AGOSTO DE 2000




s ca n n er

REFORÇO OPERACIONAL

Foto: Divulgação

Ruy Galvão é o novo diretor DEBUTANTE executivo da agência interativa Tríade-comm, do Grupo Talent. Sua Promovida anualmente pela Rede autorizado pela Anatel para a meta será a de coordenar o Globo em parceria com Unicef fazer os testes do departamento de operações o Unicef, Fundo das novo sistema - além do site www. e a área de desenvolvimento Nações Unidas para a criancaesperanca.com.br, que de negócios. Em seu Infância, a campanha currículo, Ruy, que tem possibilita também doações vindas formação em administração Criança Esperança do exterior graças à divulgação da de empresas, traz passagens chega à sua 15º edição campanha na programação da pela indústria automobilística com um novo formato Ruy Galvão TV Globo Internacional. e pela área de logística, no e amplia suas ações. Brasil e na Argentina. Foi lançado o CD “Criança Esperança A nova proposta é ter 2000”, com 14 músicas de artistas um calendário de eventos para os PIONEIRA como A turma do Didi e Vinny, Los 12 meses do ano. O projeto, que

REVISITADA Como parte da Mostra VideoAutor, Lucila Meirelles, uma das mais antigas realizadoras de vídeo do país, será homenageada com uma retrospectiva de seus vídeos no Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio de Janeiro, de 29 de agosto a 3 de setembro. Lucila começou seu trabalho com José Roberto Aguillar, em 1974, como atriz e colaboradora em seus vídeos, desenvolveu uma produção dedicada ao documentário autoral e em 94 recebeu bolsa Vitae para produção do vídeo “Cego Oliveira, no sertão do seu olhar”, exibido na TV Cultura, onde vem dirigindo o programa “Zoom”. Lucila vai apresentar vídeos dos anos 70, documentários experimentais, biografias e crônicas premiadas no Brasil e no exterior.

incorpora atividades esportivas associadas à educação, conta com a parceria do Viva Rio e da Polícia Militar de cada localidade. Com o novo perfil da campanha, aumenta a participação das 113 afiliadas da Rede Globo, que serão responsáveis pela divulgação e cobertura dos Jogos da Esperança em suas respectivas áreas.

Hermanos, Xuxa, Sandy & Júnior e

Em 1999 o valor das arrecadações baixou para cerca de R$ 2 milhões (contra R$ 5 milhões no ano anterior) por problemas no sistema de telefonia. Para a atual edição da campanha, estão sendo usados os números com prefixo 0500,

foram desenvolvidas pela própria



aos projetos sociais da Unicef. Além do Criança Esperança, a Rede Globo desenvolve diversas ações no intuito de cumprir o papel social da TV, como o Ação Global, Brasil 500 anos, Amigos da Escola e veiculação de campanhas de utilidade pública. Em 99, sob o selo Globo Serviço, emissora 29 mensagens nas áreas de saúde, educação, cidadania e prestação de serviços. Entre campanhas próprias e de terceiros foram veiculadas 227.986 inserções no valor de mais de R$ 71 milhões.

REVIRAVOLTA

CONTATO NOVO O grupo Grass Valley tem uma nova relações públicas, que vai se encarregar também de atender ao mercado brasileiro. Com a saída de Geneviève Athens e Jayne Scheckla da empresa, assumiu Denise Williams, que fica na sede da empresa nos Estados Unidos.

Rosana, cuja renda será destinada

As lojas Arapuã, uma das maiores redes brasileiras de varejo de eletrodomésticos, acaba de escolher a QG, agência do grupo Talent, para criar suas novas campanhas. Em uma primeira fase, desenvolvida em julho, a agência continuou a linha criativa anterior, mantendo a produção a cargo da Tape House. A partir de agosto, a agência deve aprovar uma nova linha criativa e pode ou não manter a produtora à frente da estrutura de realização dos filmes publicitários.

TELA VIVA AGOSTO DE 2000


N達o disponivel


s ca n n er

NOVA CONTRATADA

Foto: Divulgação

A diretora Bia Flecha é a mais nova contratada na produtora Film Planet. NO MERCADO Há sete anos no mercado publicitário, A Pinnacle Systems apresentou, em julho, sua estratégia de produtos para Bia é a responsável por trabalhos premiados proporcionar a criação, o armazenamento, o fluxo e a visualização de nos festivais Shortsrecursos de mídia pela Internet. As linhas de produtos que farão lists, FIAP, London parte nova estratégia de soluções foram batizadas como iCreate, Festival, Top iStore, iStream e iView. Ten Saatchi & Saatchi, Colunistas A Pinnacle também anunciou o início da produção no Brasil, em e Profissionais do parceria com a Brasoft, da linha de produtos Studio, para edição Ano. O primeiro filme de áudio/vídeo em PCs. A Pi Editora, detentora da marca Brasoft, Bia Flecha assinado por Bia na será a responsável pela produção e distribuição da linha, que é voltada ao produtora mercado doméstico e semiprofissional. é o “Milhão”, criado pela agência age. para a campanha do portal Cidade Internet.

MARCANDO POSIÇÃO

ACÚMULO DE FUNÇÕES Glêizer Correa Neto assumiu a direção da nova geradora da TV Alterosa em Juiz de Fora, afiliada ao SBT. A emissora atende a 126 municípios da Zona da Mata, Campo das Vertentes e Vale do Rio Pomba, em Minas Gerais, e conta com jornalismo local. Glêizer agora acumula a nova função com seu cargo de diretor da TV Alterosa de Varginha, no sul de Minas.

NO PARANÁ Para a presidência da filial da agência Loducca, do grupo Lowe, em Curitiba, foi escolhido o publicitário Mario D’Andrea, que deixa a equipe de criação da matriz em São Paulo. A nova agência deve ser inaugurada em agosto, quando toda a equipe estará completa. A previsão é de trabalhar com um orçamento de R$ 35 milhões no próximo ano. As operações de implantação da agência começaram com a conquista da conta do grupo de telefonia GVT. A Loducca anunciou como clientes o banco HSBC e o Governo do Estado do Paraná. 

Em meio à polêmica gerada pelo projeto de lei que pretende extinguir a veiculação de filmes da indústria tabagista, a diretoria do Conselho de Auto-Regulamentação Publicitária (Conar) se reelegeu em julho. À frente do Conar continua Gilberto C. Leifert, além de Celso Piratininga, Luiz Carlos Dutra Jr., Carlos Alberto Nanô, Dorian Taterka, Fernando Portela, Edney Narchi e Álvaro Cardoso de Moura Jr., que mantêm seus postos na diretoria. Leifert é considerado um dos maiores especialistas em ética e auto-regulamentação publicitária e participa da direção do Conar desde a sua fundação, em 1980.

VIAGENS FREE

Atletas da equipe olímpica brasileira de várias modalidades participam da nova campanha do site BOL, criada para divulgar a promoção que vai sortear 15 viagens para a Austrália e outros brindes. Além dos filmes para TV, os banners da promoção também trazem imagens de jogadores como Cafu e Alex, o nadador Gustavo Borges e o campeão de hipismo Rodrigo Pessoa. A criação é de Washington Olivetto e a produção da Cine Cinematográfica, com direção de Clóvis Mello.

HUMOR E DESEMPENHO A W/Brasil apresentou em julho três novos filmes da campanha “Potência com Inteligência”, para o automóvel Classe A 190, da Mercedes-Benz. A criação é de Washington Olivetto, Itagiba Lages e Flavio Horacio e a produção ficou a cargo da equipe de Jarbas Agnelli. Os filmes da campanha foram produzidos pela JotaXis Filmes, com direção de Julio Xavier. Para mostrar as qualidades do carro, a criação contou com três roteiros bem humorados e linguagens bem diferentes. No filme “Game”, por exemplo, as imagens se baseiam em verdadeiros videogames. Já em “A carta”, o filme é baseado na interpretação dos atores. O primeiro filme da campanha foi “Lançamento”.

TELA VIVA AGOSTO DE 2000


N達o disponivel


s ca n n er

CRIATIVIDADE DINÂMICA A tradicional dança das cadeiras entre profissionais de agências de publicidade foi bastante intensa durante o mês de julho. A Giovanni, FCB reforçou sua equipe carioca com a chegada do diretor de arte Daniel Gomes, vindo da Draft, e do redator Rogério Martins, ex-Standard. Na Fischer América, as novas aquisições são: Edgard Gianesi, anteriormente na Full Jazz; Daniel Venticinque, vindo da Salles, e Paulo Telles, ex-Grey. O diretor de arte Sidney Araujo é o novo trunfo da Lowe Lintas. Sidney já trouxe para casa cinco Leões de Ouro e acaba de deixar a F/Nazca S&S, tendo passado também por Young & Rubicam e Neogama. A divisão de Varejo da DPZ também anunciou a chegada dos redatores Ícaro Dória e Kleber Fonseca e do diretor de arte Ricardo Velloso. Os três devem atender um grupo de clientes que inclui Citroen, Riachuelo, Champion, Pool, Promon e Meggashop. Na Neogama, as novidades estão na supervisão de contas. São três mulheres: Renata Cury, vinda da Young & Rubicam; Meg Fabrega, que já trabalhou na Publicis e na Leo Burnett; e Fernanda Pinter, saindo da Salles.

FILHOS DE PEIXE Na equipe de produção da O2 Filmes que realizou o novo comercial para os laboratórios fotográficos Fotoptica reuniram-se filhos de famosos que já garantiram por conta e talento próprios seu lugar ao sol. O diretor de fotografia Pedro Farkas é filho do grande fotógrafo Thomas Farkas, também dono da Fotoptica. E a diretora do filme, Fabrizia Pinto, é filha do cartunista e humorista Ziraldo. A criação do filme é da Talent Biz.

10

UMA FÁBRICA EM BRASÍLIA A produtora Fabrika, que trabalha na área de multimídia, Internet, TV, cinema, jogos eletrônicos e publicidade, foi inaugurada em Brasília num galpão com mais de 1,5 mil m2 de área construída. A produtora conta com um estúdio, quatro ilhas de edição, enlace de fibra óptica com a Embratel para envio de material para qualquer emissora do País e um laboratório de desenvolvimento de games e web sites. Entre os trabalhos no portfólio da casa estão uma série de 26 programas de um minuto sobre a história de Brasília produzidos para a Rede Globo e o portal de games www.gameplay.com.br, só com jogos desenvolvidos pela equipe da produtora.

VACA VIBRATÓRIA Foi fazendo uma vaca vibrar como um telefone celular que a Atual Propaganda, de Brasília, e a Alterosa Cinevídeo, de Belo Horizonte, conquistaram o prêmio de melhor filme na categoria Mercado Leste-Oeste da 22ª edição do “Profissionais do Ano”. O filme, criado para a Tele CentroOeste Celular, utilizou recursos do Flame para simular as vibrações da vaca que engole um telefone celular e, sugestivamente, dá ao filme o nome de “Vibracow”.

CONFIANÇA A TeleImage conquistou a confiança do diretor Walter Salles Jr., que promete trazer para o Brasil a revelação e a telecinagem do material de seu próximo longa, “Abril despedaçado”. Segundo o diretor da TeleImage, Patrick Siaretta, Salles Jr. costuma realizar toda essa operação na França. O empresário começa a investir em novas mídias, mais precisamente Internet. Patrick associou-se à NewcommBates para criar a New Trade, empresa que irá desenvolver soluções para web.

A HORA DOS PRODUTOS Depois de uma fase de filmes poéticos e institucionais, a nova concessionária de serviços telefônicos Vésper anuncia seu primeiro produto, em dois filmes com muito bom humor. O Vésper Express é um sistema de telefonia que dispensa fios e cabos, utilizando uma antena para transmitir o sinal. Por isso, a W/Brasil criou um filme, “Escritório”,

TELA VIVA AGOSTO DE 2000

onde a própria empregada consegue instalar o aparelho e, logicamente, logo se pendura ao telefone. No filme “Família”, uma família empolgada com a possibilidade de ter um telefone acaba comprando um aparelho para a mãe, outro para o pai e um para cada filho. A direção dos filmes é de Julio Xavier, da JotaXis Filmes.


N達o disponivel


CAPA Davi Molinari

SHOW

Durante a Abert/SET Broadcast & Cable 2000 poderão ser conferidas as tendências e novidades para equipar emissoras e produtoras.

DE AUTOMAÇÃO

tecnologia digital está mudando as emissoras de televisão.

na passarela Desde o momento em que os fornecedores descobriram os segredos para domar o código binário dos sinais digitais, uma novidade após a outra chega ao mercado de broadcast. A evolução tecnológica está tornando os sistemas cada vez mais práticos e automatizados. A convergência da televisão, informática, telecomunicações, tecnologias wireless e as oportunidades de novos negócios que ela proporciona será um dos principais assuntos do Abert/SET 2000 - Broadcast & Cable. O evento, que integra a Feira de Tecnologia em Equipamentos e Serviços para Engenharia de Televisão, o 14º Congresso Técnico da SET - Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão e o 20º Seminário Técnico Nacional da Abert - Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (veja box), organizado pela Certame Eventos Promocionais, será realizado de 21 a 23 de agosto no Centro de Exposições Imigrantes, em São Paulo. Os fabricantes de aparelhos para captação, armazenagem, edição, transmissão e recepção de sinal de televisão dedicam-se a compactar e a integrar equipamentos. Os expositores da B&C 2000 estão cheios de exemplos de como a 12

O desfile de câmeras é um roteiro já conhecido em feiras de equipamentos de TV. O que muda é que as empresas estão cada vez mais próximas de saciar os desejos de quem colhe as imagens: qualidade, mobilidade, facilidade e, se possível, menor custo. A maioria dos expositores de câmeras e monitores já apresenta produtos para trabalhar com o formato 4:3 (atual) e o 16:9 (futuro). Os preços das câmeras começam perto dos US$ 4 mil, como a DSR-PD150 da Sony, uma câmera compacta com três CCDs, muito usada para captar esportes radicais, e chegam a valores de gente grande, que são revelados apenas para quem quer fazer negócio. É o caso das câmeras de alta definição HDC 900 e HDC 950, também da Sony, já em uso no “Programa do Jô”, nos estúdios da Rede Globo em São Paulo. Os produtores de cinema e o pessoal da área de publicidade devem ficar atentos à linha Cenalta da Sony. Na B&C 2000, a empresa estará demonstrando a HDW- F900, uma camcorder digital para externa e o BVE -700, um editor de vídeo com switcher HD. A linha é completada com editor e gravador digital e quatro modelos de switchers de vídeo para alta definição.

TELA VIVA AGOSTO DE 2000

Para fazer frente à presença da Sony no mercado nacional, a Hitachi aperfeiçoa o sistema de transmissão das câmeras de estúdio. O novo modelo Z-3000W é o único atualmente no mercado que possibilita ter saída serial digital em um CCU multicore. “A solução acaba por reduzir bastante o custo de configuração do estúdio, além do equipamento poder ser utilizado como ENG e ser docável com todos os formatos existentes no mercado DVCPRO, DVCAM, Betacam SX, Digital-S, Betacam SP, S-VHS, Hi-8 e M-II”, afirma Sérgio Constantino, gerente da Divisão Broadcast da Video Systems. A afiliada do SBT em Recife (PE), TV Jornal do Commércio, comprou recentemente cinco câmeras Z-3000 W em modelo wide screen (aspectos 4:3 e 16:9). “A flexibilidade e o bom preço estão permitindo que a câmera tenha uma boa aceitação no mercado”, finaliza Constantino. O mercado de câmeras digitais também é disputado pela Philips do Brasil. “Apenas no primeiro semestre, a divisão de câmeras da Philips Broadcast superou em 40% a meta mundial de vendas”, afirma Walter Duran, diretor de marketing e produto da Philips. Os equipamentos mais vendidos são as câmeras LDK 100/200, docáveis para uso em estúdio e externo, com digitalização em 12 bits e várias versões de CCD, inclusive uma que


permite a escolha entre os aspectos 4:3 e 16:9 sem perda de resolução horizontal. Assim, como a Philips, a JVC também vai expor sua linha profissional de câmeras, que busca atrair o cliente pelo preço.

de design e manufatura de processadores de imagem digital de filme e vídeo. A empresa colocou no mercado os editores de efeito Henry e Infinity; o editor online Editbox FX; o Hal, um switcher para video design; os servidores Clipbox e Cachebox; e o Inspiration, sistema integrado de produção de notícias. Todos os padrões dos softwares da empresa são abertos. A empresa introduziu produtos novos como o Paintbox FX e fez desenvolvimentos novos de Maya em Quantel. O software de animação Maya estará em demonstração no estande da JVC/Tecnovideo. Em sua versão 3.0 esse software possibilitou os efeitos que consagraram filmes como “O Máskara”, “Jurassic Park”, “Stars wars” e “Stuart Little”. A JVC aproveita para apresentar as mais recentes versões de editores não-lineares que

edição descomplicada

MERGULHO DIGITAL

Na maioria das emissoras de TV do País, uma ilha de edição de corte seco ainda tem, no mínimo, dois monitores, uma máquina rec e uma player. Acrescente mais uma máquina e mais um monitor para efeitos especiais e pós-produção, além do switcher, gerador de caracteres e mesas de corte e de áudio. Enquanto a Sony procura aperfeiçoar sua estação gráfica de edição nãolinear (versão EX-3), que trabalha sem a necessidade de compressão de vídeo, a Philips investe em tecnologia de compressão, de olho no mercado wireless. A empresa apresentou recentemente a versão 4 do mais famoso padrão de compressão para áudio e vídeo. O MPEG-4, permite operar com alta qualidade em larguras de bandas reduzidas. As tradicionais empresas de hardware de TV, Sony, JVC e Philips, entram na disputa em condições de igualdade com a nova geração de empresas que dominam as operações binárias e sabem o que fazer com sinal digital, quando ele sai da fita para o servidor. É o caso da Quantel, líder mundial

O tema do congresso da B&C deste ano é “Mergulhe no Universo Digital”, e a programação inclui painéis, debates e workshops entre os dias 21 e 23 deste mês, das 09h00 às 17h30, no Centro de Exposições Imigrantes, em São Paulo. Mais informações sobre o programa, taxas e formas de inscrição podem ser obtidas nos sites www.set.com.br e www. broadcastcable.com.br.

permitem trabalhar com a imagem sem compressão, como é o caso do MW-S1200, em plataforma Windows NT 4.0 e processador Pentium III, que permite ao usuário trabalhar desde imagens sem compressão até imagens comprimidas na razão de 30:1 “Ele é uma boa aplicação para emissoras, edita praticamente em tempo real e ainda tem placas de 3D, gerador de caracteres Inscriber e medidor de nível de áudio. É só ligar um VT rec”, afirma Sady Ros, gerente comercial da Tecnovídeo, representante oficial no Brasil da JVC. A nova linha de VTs da JVC apresenta

como evolução visível um lock mais veloz de fita. O delay que existia entre o acionamento do play e a aparição da imagem, praticamente desapareceu. A Video Systems apresenta o novo editor não-linear Affinity, da Àccom, que também trabalha sem compressão de vídeo; a AD Videotech lança sistema não-linear baseado em Targa 3000, muito mais próximo da Internet que da televisão. A Videodata oferece soluções avançadas para o gerenciamento de mídia para TV e Internet. O único problema é que boa parte desses sistemas ainda trabalha com servidores baseados em discos SCSI, que rodam em máquinas de alta performance. O sistema quando isolado funciona bem, mas apresenta limites quando compartilhado em uma rede. Ou funciona com vários discos, armazenando informações separadamente, ou usa um sistema de cliente-servidor que limita o número de usuários. A solução veio com o surgimento da Fibre Channel, que permite uma arquitetura de rede e manipulação de imagens.

automação Soluções de automação podem ser vistas em alguns estandes. A Videodata demonstra o ADC-100 em Windows NT, um sistema que coloca no ar automaticamente a programação. TV Globo SP, SBT, Globo News, Globosat, Sky, Direct TV e TV Record SP já dispõem do sistema. A S4 Informática Indústria e Comércio, empresa catarinense, aproveita a B&C 2000 para mostrar a mais nova versão do exibidor de comerciais Digimaster 2000. O equipamento é um servidor de vídeo com softwares de automação que além de colocar os comerciais no ar, gera logomarca, relógio, cronômetro, frames ou inserts, texto foguete e caracteres. A configuração básica custa US$ 25 mil. “Nós procuramos integrar tudo o que uma emissora precisa de um exiber. Você compra tudo em um única máquina”, afirma Celso Schmidt, diretor da empresa. A Evertz, representada no Brasil

TELA VIVA AGOSTO DE 2000

13


C A P A

pela Tacnet, estará expondo um sistema onde se pode mesclar numa mesma unidade de rack equipamentos digitais tais como gerador de sincronismo e de sinais de teste, insersor de logos estáticos e dinâmicos, conversores de fibra óptica para ligações até 40 km, conversores de áudio etc. A empresa canadense também fornece codificadores para sistemas de closed caption.

compasso de espera Mas do centro de exibição até a casa do telespectador há um percurso que precisa de definições para poder aquecer o mercado. Empresas que produzem transmissores de microondas, como a Nec, estão em compasso de espera aguardando a definição do padrão de transmissão digital pela Anatel. A Nec no Japão desenvolveu um transmissor que pode ser ajustado para qualquer padrão. Devido à burocracia aduaneira, ele não deve chegar a tempo para ser demonstrado na B&C 2000. Mas a empresa deve exibir a van que foi utilizada pela equipe que realizou os testes dos três padrões de DTV em São Paulo. Microondas nas faixas de 6 GHz e 7 GHz, com uma taxa de transmissão de até 64 Mbps, também serão exibidos. Há também solução para transmissões em freqüências bem altas, na faixa dos 30 GHz. O Paso Link, uma pequena antena de transmissão unidirecional, para ser usada em unidades móveis, tem 40 cm de diâmetro e pode

14

Aproximadamente 150 empresas estarão expondo produtos, serviços e novas tecnologias.

transmitir em 15 MHz, 18 MHz ou 23 MHz. “A vantagem dos produtos da nossa empresa está no fato de serem resultado de desenvolvimento tecnológico nacional. Isto nos dá uma boa posição no mercado, porque contamos com incentivos fiscais, como IPI zero. Outra vantagem é que, sendo produzido aqui, permite ao cliente pleitear um financiamento junto ao BNDES”, conta Carlos Siqueira, gerente da Nec do Brasil. A Embratel demonstra dois novos tipos de prestação de serviço. Quer mostrar que as transmissões via satélite podem ficar mais baratas do que distribuir os sinais via terrestre, a menos que você esteja em São Paulo ou Rio de Janeiro e tenha uma estrutura de enlaces de comunicação montada. Esse sistema de uplink já é usado por emissoras para alimentar cabeças-de-rede regionais e também por empresas

TELA VIVA AGOSTO DE 2000

que mantêm rede corporativa. O outro serviço da Embratel é uma inovação: o uso de transponders de satélite para transporte de sinal digital de áudio e vídeo será alugado e pago por minuto. “É uma vantagem para quem precisa usar nossos serviços esporadicamente, sem onerar os custos de quem tem contratos temporários”, afirma Hélio Renato M. Henriques, gerente de produtos de satélite, de rádio e TV.

conexão Mas a Embratel enfrenta na B&C 2000 a concorrência da Nahuelsat, empresa privada que comercializa a capacidade de seu satélite, o Nahuel 1. O satélite tem um feixe dedicado ao Brasil com cobertura nacional em banda Ku. “Nós também estamos entrando no campo da Internet, oferecendo a possibilidade de um serviço no qual o usuário final tem a possibilidade de fazer conexão em alta velocidade, via satélite”, conta Hélio Ferreira, executivo da empresa. A Dieletric Antenas, representada pela Tacnet, estará mostrando uma antena em UHF para transmissão de DTV. A B&C 2000 também tem novidades em equipamentos de iluminação, lentes, gruas, tripés e estabilizadores. Na edição da feira deste ano cerca de 150 empresas estarão expondo produtos, serviços e novas tecnologias para a área de engenharia de televisão, qualquer que seja o padrão de DTV definido pela Anatel.


N達o disponivel


Financiadores da TV

Edylita Falgetano e Hamilton Rosa Jr.

ou “Antarctica no mundo dos Para que a PRF-3 TV Tupi sons”. As crianças assistiam de São Paulo entrasse no ar “Ginkana Kibon”, “Pim Pam em 18 de setembro de 1950, Pum Estrela”, “Sessão zigAssis Chateaubriand contou zag Pullman” ou “Histórias com a ajuda do Moinho animadas Nestlé”. As Santista, Cia. Antarctica transmissões de futebol eram Paulista, Laminação Nacional patrocinadas pela Atlantic. (Grupo Pignatari), e Sul “Divertimentos Ducal” era um América de Seguros. Os programa de variedades. patrocinadores assinaram O rádio era o grande veículo os chamados “contratos de e as radionovelas exibidas em apoio”, uma invenção para rede nacional conquistaram a publicidade indefinida enormes audiências e os no novo veículo, ajudando anunciantes. “Os programas Chateaubriand a bancar o de auditório, as transmissões investimento. esportivas e os radiojornais Os intervalos comerciais, completavam o filet mignon da nos primórdios, com Quando tudo começou eram as agências de publicidade e os mídia publicitária. O outdoor insuficiência técnica surgia como veículo e a TV evidente, se resumiam anunciantes que comandavam as transmissões, produzindo e tentava se firmar como outra a seqüências de cartões programando os horários da TV. É por causa dos comerciais possibilidade promissora para pintados ou slides, com o os anunciantes”, relata Décio texto lido ao vivo, em off, que podemos assistir de graça a telinha nossa de cada dia. Vomero, diretor executivo e serviam para dar tempo da Associação Brasileira das às mudanças de cenário ou som baixo, sem som, tanto fazia. Agências de Propaganda (Abap). esperar pelo início dos programas. Mario Fanucchi, criador do desenho Algumas agências conseguiram uma A Tupi começou a vender vinhetas, das primeiras vinhetas da Tupi, espécie de reserva de mercado, com aberturas e ilustrações. Contava, para inclusive do logotipo do pequeno horários exclusivos para seus clientes. isso, com dois desenhistas: Mário índio, relembra a aventura do intervalo Os anunciantes passaram a interferir Lantana e Klingo. Foram eles os autores aleatório: “Vendíamos um minuto para na programação, comprando filmes e e produtores dos primeiros desenhos o anunciante, mas normalmente o seriados que marcaram época, como animados comerciais feitos para a comercial extrapolava para dois. Não “Dr. Kildare”, “Rin Tin Tin” e “Lassie”. TV (1951/52) para Cera Parquetina, havia critério para tempo e limite dos Dessa forma bloqueavam anúncios Leite Leco e Casa Zacharias. Em 1952 anunciantes. Aliás, quanto mais, melhor, concorrentes nesses horários. Isso a emissora montou um estúdio para porque podíamos esticar o programa.” sem falar nas novelas, cujos castings produção de comerciais de TV, a cargo O programa “O céu é o limite”, que eram contratados pelas agências, de Marcos Margulies, cineasta romeno, tinha o maior índice de audiência da e telejornais, cujo texto levado recém-chegado ao Brasil. TV, chegou a ter 50% do tempo de sua ao ar tinha de ser aprovado pelo A televisão era encarada pelos duração vendido aos anunciantes. representante do patrocinador. anunciantes como mídia alternativa. Os intervalos também eram um programa, sem parâmetros sustentáculo um programa de anúncios. Ninguém ligava se ele durava 30 ou 40 minutos, Naquela época ninguém sabia quanto O varejo foi o grande arquiteto das nem se o anúncio de 30 segundos valia o espaço publicitário. A solução ações comerciais e até artísticas tinha 40 ou 45... O intervalo abria com mais simples foi transferir cachês, da TV, contribuindo para o uma vinheta “Próxima atração”, seguida salários e demais custos do programa desenvolvimento do novo veículo. A por uma enxurrada de anúncios, das a um patrocinador exclusivo. Show Marcel Modas lançou a “Tentação do mais diversas procedências, com slides, musical era “Grandes atrações Pirani” dia”, fazendo ofertas de filmes, cartão, rotativo, com som alto, 16

TELA VIVA AGOSTO DE 2000


N達o disponivel


50

A N O S

DE

TV

seus modelitos com garotas-propaganda, que eram dirigidas pelos diretores de TV. Marlene Morel, a modelo da Invictus (marca do televisor mais vendido na época), a primeira a experimentar os produtos Walita ao vivo e também reconhecida como a boca que saboreava aquele Pão Pullman, relembra o período com descontração. “A câmera era enorme, a iluminação muito quente e o cenário não existia. O diretor colocava uma tapadeira ao fundo com o logotipo do anunciante e improvisávamos na frente”, conta. “Como era ao vivo, às vezes o produto anunciado não funcionava, então tratávamos de inventar alguma coisa em cena ou ganhar tempo com discrição.” Marlene se recorda de um caso pitoresco: o lançamento de um sofá-cama da Mesbla, que só abria nos ensaios. “Quando a câmera começava a rodar, ele não funcionava. Eu dava murros naquele móvel ao mesmo tempo que dizia que ele era maravilhoso. O anunciante, não gostou, mas o comercial acabou ficando famoso justamente por eu ter dado esse jeitinho.” O 16 mm era a ferramenta tecnológica

mais civilizada para aquela época sem lei. “Quando o anunciante queria fazer algo mais elaborado, ele contava com agências multinacionais, que finalizavam o material na Jota Filmes ou na Lince Filmes”, conta Fanucchi. Os primeiros filmes sonoros foram para a Panex, com Xisto Guzzi, e Persianas Columbia, com Aírton Rodrigues. A Casa Clô foi o primeiro anunciante a produzir um filme publicitário com trilha musical apropriada e quem apresentava era Sônia Maria Dorsi. Os jingles passaram a ser usados como trilha de comerciais para TV.

sob controle Em 1958 o investimento publicitário era de US$ 110 milhões e o rádio ficava com 16% desta verba. A exemplo do rádio, as emissoras começam a se autopromover, informando sua programação com chamadas e vinhetas para informar as próximas atrações. Luis Gallon, que era assistente de direção de Cassiano Gabus Mendes, já vinha pensando na

idéia de estabelecer um link com a programação do dia seguinte. “Criamos primeiro o ‘Amanhã é dia de...’, com a vinheta do indiozinho ilustrando o quadro. A chamada pegou e a Gessy Lever ficou interessada no espaço, que foi reelaborado por Fanucchi e batizado de ‘Nossa próxima atração”, conta Gallon. Fanucchi começou a personalizar o símbolo da empresa, o índio, caracterizando-o conforme o programa a ser apresentado. “Se fosse um teleteatro do Don Quixote, ele aparecia vestido de cavaleiro medieval”, explica Gallon. Com a chegada do videotape, na década de 60, surge a possibilidade de controlar tanto a duração dos programas quanto dos comerciais exibidos pela emissora. Gradativamente a propaganda radiofônica perde suas verbas para o grande rival. Com a improvisação e


N達o disponivel


50

A N O S

DE

adaptações impostas aos anunciantes, a publicidade na TV evoluiu rapidamente. Surgiram os planejamentos de mídia, os estudos de hábitos, retornos, GRP, targets, patrocínios, pesquisas de audiência, classes, subdivisões de classes, critérios e entidades especializadas. Sem improvisos e sem atrasos, o uso do tempo é melhor administrado pelas emissoras. O espaço publicitário para qualquer tipo de veiculação passa a ser discutido e controlado pelos departamentos comerciais das emissoras. Os formatos dos comerciais em módulos de 15, 30, 45 e 60 segundos são rigorosamente obedecidos. O tamanho dos intervalos e as inserções dos comerciais são cuidadosamente estudados pelos veículos e agências, oferecendo maior visibilidade e impacto ao anúncio.

mercado A televisão hoje tem um diversificado leque de formatos comerciais, desde o convencional espaço de 30 segundos, passando pelo “top de cinco segundos”, “hora certa”, inserts de vinhetas de bloco, de quadro e de passagem de cena, além dos infomerciais. Concursos e promoções ganharam cara nova, transformando-se em mídia de resultados, como o clássico case da Galinha Azul, da Maggi, que era a única que sabia quem tinha matado Odete Roitman, antes do sorteio que foi levado ao ar logo após o último capítulo da novela “Vale tudo”, exibida pela Rede Globo. O merchandising das novelas é institucionalizado e atualmente também segue normas rígidas de comercialização. Embora sempre tenha existido, o merchandising era simplesmente um acordo entre o fabricante do produto com o contra-regra ou produtor de novelas e programas. Depois de “Beto Rockfeller”, exibida na década de 60 pela Tupi, quando o ator Luiz Gustavo recomendava aos personagens beberrões da história que tomassem Engov, embolsando alguns bons trocados do laboratório que fazia o remédio, as novelas brasileiras passaram a ser freqüentadas por per20

PESQUISA DE AUDIÊNCIA

TV

O Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística, o famoso Ibope, foi fundado em 1942 e acompanhou a evolução da pesquisa de campo na televisão brasileira desde o princípio. As emissoras hoje recebem a informação corrigida minuto a minuto do comportamento da audiência, graças aos people meters. Mas a sofisticação dos dados em tempo real (disponíveis, por enquanto, só na Grande São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte e Curitiba) está muito distante do flagrante domiciliar que a entidade usava como metodologia nos anos 50. “A sistemática era parecida com o de um recenseamento, com nossos entrevistadores batendo de porta em porta, para indagar se a TV do consumidor estava ligada, que canal ele estava assistindo etc”, conta Derli Pravato, coordenador da área de mídia do Ibope. Hoje o instituto tenta englobar áreas maiores

sonagens que não usam roupas, mas vestem grifes; quando estão em um bar não tomam cerveja, pedem uma Brahma ou uma Antarctica; não vão a um banco, mas ao Itaú. Na Globo os autores já escrevem suas tramas prevendo as oportunidades que serão abertas para o desfile de marcas e produtos. O merchandising chega a bancar até 35% do custo total de uma novela. A extinta Manchete conseguiu produzir “Kananga do Japão”, passada nos anos 30, lançando mão desse tipo de recurso. Construiu a réplica de uma agência da Caixa Econômica Federal, onde se desenrolaram várias cenas da trama, e desfilaram pelo vídeo rótulos e barris da Brahma enquanto Zezé Motta cantava os jingles bancados pela cervejaria no seu cabaré. A regionalização da propaganda é outro fator a ser contabilizado pelas emissoras de TV. “Sabemos que existe uma demanda regional em crescimento, e a Rede Globo vem praticando a valorização dos mercados regionais”, diz Anco Saraiva, diretor da Central Globo de Marketing. “Dedicamos inclusive um espaço na Internet para nos aproximar desse mercado.” Dentro do site da emissora, por exemplo, a Central Globo de Marketing edita

TELA VIVA AGOSTO DE 2000

com o people meter. Outros cinco mercados - Brasília, Salvador, Recife, Florianópolis e Fortaleza - ainda são feitos por diários. “Além do número dessas dez regiões fornecemos também o Painel Nacional de TV. O PNT faz um cruzamento da amostra do people meter e dos diários, para obter a audiência nacional”, afirma. Em julho último, a Ernest & Young, equipe de auditoria americana, foi contratada pela Associação Brasileira das Agências de Propaganda, pela Globo, SBT, Record e Bandeirantes, para investigar os métodos de pesquisa de audiência do Ibope. De acordo com Pravato, grandes decisões empresariais são tomadas em torno dos números conclusivos que o Ibope passa. Os veículos, agências e anunciantes precisam buscar respostas mais precisas sobre o que é melhor para chegar mais perto do consumidor, portanto, é natural que se queira checar se a metodologia continua adequada.

o Mapa da Mina, que este ano se dedica a demonstrar a concentração de potencial de consumo em todas as regiões de importância na produção agropecuária. Na avaliação de Vomero, a regionalização deve ser pensada também num contexto político. “As maiores mudanças ocorridas na regionalização dos investimentos vieram das privatizações, principalmente na área das telecomunicações, bancos e companhias de energia. No que diz respeito às agências, aconteceram inúmeras joint ventures, aquisições e acordos operacionais aproximando as empresas regionais das grandes contas nacionais tradicionalmente administradas pelo grupo das 20 maiores. A experiência e o conhecimento dos mesmos inseriram as médias e pequenas agências nesse contexto.” A digitalização das transmissões deverá provocar alterações nos intervalos comerciais. A interatividade vai mexer com a criatividade dos publicitários e obrigar os broadcasters a adotarem novas normas de comercialização. A situação do Brasil pode não estar nenhuma Brastemp, mas nossa publicidade, que sustenta o mais amado veículo de comunicação de massa nacional, continua muito bem, obrigada.


N達o disponivel


programação regio n al Paulo Boccato

mato grosso do sul

O Mato Grosso do Sul tem 1,99 milhão de habitantes em 77 municípios, com 488 mil domicílios com TV (DTV) e índice de potencial de consumo de 1,226 (porcentagem sobre o consumo total nacional). Ao contrário do Mato Grosso, as retransmissoras do interior não têm permissão para a inserção de programação local, restrita apenas às geradoras locais. As quatro grandes redes (Globo, SBT, Record e Bandeirantes) estão presentes no estado, mas nem sempre o cobrem inteiramente com programação local. A TV Guanandi, afiliada à Band, por exemplo, chega a 24 municípios, enquanto a grade integral da rede é captada via satélite por outras 38 cidades. No caso da Record, cinco municípios são atingidos por satélite, direto de São Paulo,

enquanto a cidade de Aparecida do Taboão recebe o sinal da TV Record de São José do Rio Preto (SP). O SBT chega a 22 municípios com programas locais, enquanto outros 55 só recebem o sinal via rede. Nesse aspecto, a Globo leva vantagem, com 60 municípios alcançados pelas emissoras locais e apenas 17 municípios via satélite.

EDUCATIVA

REDE GLOBO TV MORENA Formato de produção: Beta SP Programas Dias de exibição Bom dia MS Seg-sex RM TV 1ª Edição Seg-sex Sábado Globo esporte - bloco local Seg-sex RM TV 2ª edição Seg-sáb RM rural Sábado Domingo (reprise) Atualidades Sábado Terra da Gente Sábado

Horário 07h00 a 07h30 10h50 a 11h35 11h20 a 11h50 11h35 a 11h40 18h00 a 18h15 10h50 a 11h20 06h00 a 06h30 13h25 a 13h45 13h45 a 14h50

TV CIDADE BRANCA Formato de produção: Beta SP e U-Matic Programas Dias de exibição Horário RM TV 1ª edição - bloco local Seg-sex 10h50 a 11h35 Sábado 11h20 a 11h50 RM TV 2ª edição - bloco local Seg-sáb 18h00 a 18h15

A TV Educativa sul-matogrossense foi criada em 1982 como retransmissora da homônima carioca. Em 1986, torna-se geradora TV SULAMÉRICA e, em 1994, ganha nova Formato de produção: Beta SP sede, maior alcance e Programas Dias de exibição Horário maior capacidade de RM TV 1ª edição - bloco local Seg-sex 10h50 a 11h35 produção. O sinal gerado Sábado 11h20 a 11h50 em Campo Grande atinge RM TV 2ª edição - bloco local Seg-sáb 18h00 a 18h15 mais 15 municípios recurso pioneiro no estado naquela da região da capital. época. O musical “Som do mato” A emissora já está é destaque da programação, sendo equipada para subir EDUCATIVA exibido na Rede Brasil há quatro seu sinal para satélite, TV Educativa aguardando a instalação anos. Os programetes infantis de retransmissores “Direção legal”, de educação para o Formato de produção: Beta Digital, Beta SP e U-Matic para alcançar grande trânsito, estão cotados para exibição Programas Dias de exibição Horário parte do estado. A como quadros fixos do “X-Tudo”, Direção Legal Seg-sex 09h30 a 09h35 programação local é programa da TV Cultura (SP). Seg-sex 14h30 a 14h35 fortemente baseada A emissora estuda uma grande Jornal do meio-dia Seg-sex 12h30 a 12h50 na interatividade. O ampliação de sua grade local. Jornal da Educativa Seg-sex 18h15 a 19h00 “Jornal da Educativa”, Fazem parte desse projeto a Terra e gente Sábado 08h00 a 08h30 por exemplo, conta, revista “Estação cultura”, que vem Domingo (reprise) 08h00 a 08h30 desde 1994, com um tendo exibições experimentais em Falando de educação Sábado 10h00 a 11h00 bloco de entrevista interprogramas e deve integrar a Som do mato Domingo 11h30 a 12h00 grade em breve; o recém-estreado onde o espectador Sábado (reprise) 18h00 a 18h30 “Quem é quem”, no ar desde maio participa por telefone, Quem é quem Domingo 18h30 a 19h30

22

TELA VIVA AGOSTO DE 2000


N達o disponivel


Horário dos programas regionais www.telaviva.com.br último, e planos para novas faixas de programação voltadas para terceira idade, saúde, esportes e ecologia. Além disso, a TV Educativa realiza vários projetos especiais, como as séries “Debates populares” e “Brasil 500 anos: outros olhares”.

REDE GLOBO A Rede Globo conta com três emissoras afiliadas no Estado do Mato Grosso do Sul. As TVs Morena, de Campo Grande; Cidade Branca, de Corumbá; e Sulamérica, de Ponta Porã, pertencem à Rede Matogrossense de Televisão, também proprietária de quatro emissoras em Mato Grosso. A TV Morena chega a 45 municípios, com 1,36 milhão de habitantes e 342 mil domicílios com TV; a TV Sulamérica pode ser

local é ampliada pela promoção e transmissão de eventos anuais, como a Copa Morena de Futsal (janeiro a abril); a Corrida Tiradentes, em Campo Grande (abril); a Moto Maratona, em Fátima do Sul, próximo a Dourados (fevereiro); e o Festival Internacional de Pesca de Corumbá (setembro).

SBT

SBT TV CAMPO GRANDE Formato de produção: Beta SP Programas Dias de exibição Horário O povo na TV Seg-sex 12h00 a 13h00 TJ MS Seg-sex 18h00 a 18h15 Notícias agrícolas * Seg-sáb 06h00 a 06h30

TV DOURADOS Formato de produção: Beta SP Programas Dias de exibição Horário TJ MS - bloco local Seg-sex 18h00 a 18h15 * produzido em Campinas (SP)

grupo e transmite seu sinal a partir da cidade de mesmo nome para nove municípios do sul do estado (cerca de 448 mil habitantes), basicamente a mesma programação da emissora de Campo Grande, com a inserção de blocos locais no telejornal “TJ MS”. Ex-afiliada da Rede Bandeirantes, já contou com programas locais próprios, cancelados devido ao baixo retorno junto aos anunciantes da região.

Criada em 1980, a TV Campo Grande, do grupo Correio do Estado, foi uma das primeiras afiliadas do SBT no Brasil. A emissora SBT - com sede na cidade homônima - prepara TV MS uma reformulação Formato de produção: Beta SP em seu departamento REDE RECORD Programas Dias de exibição Horário de jornalismo, Gente fina Seg-sex 12h20 a 13h00 com a aquisição A TV MS, de Campo Grande, foi Jornal MS Seg-sex 18h45 a 19h15 de equipamentos a segunda geradora do País a se Turismo & negócios Sábado 09h00 a 10h00 digitais e ampliação tornar afiliada da Rede Record. Segredos da carne * Sábado 10h00 a 10h30 do quadro de Criada em 1987, fez parte da Rede * independente profissionais. Cenários Manchete até 1994. A emissora e vinhetas dos passa por uma fase de expansão assistida em 13 municípios, com programas jornalísticos também de seu sinal, com uplink digital: 338 mil habitantes e 85 mil DTV, serão renovados. As mudanças seu alcance cresceu de cinco enquanto a emissora de Corumbá vêm com a possibilidade de municípios e 709 mil habitantes atinge dois municípios, com 92 mil expansão do sinal, que deve subir em 1999, para os atuais 16 habitantes e 19 mil DTV. O share para satélite nos próximos meses. municípios e 1,27 milhão de das emissoras chega a 62% em Atualmente, a área de cobertura da habitantes, correspondentes a 62% Campo Grande, 53% em Dourados TV Campo Grande é restrita a da população total do Mato e 69% em Corumbá. 13 municípios, com A programação local é centrada no um total aproximado BANDEIRANTES telejornalismo, seguindo o padrão de 780 mil habitantes. básico das afiliadas da Globo, O carro-chefe da TV GUANANDI incluindo também três programas programação local Formato de produção: Beta SP semanais, exibidos aos sábados. é “O povo na TV”, Programas Dias de exibição Horário As emissoras do interior participam programa diário há Guanandi notícias Seg-sex 12h00 a 12h30 com blocos locais nos telejornais. 18 anos no ar, que Sábado 18h00 a 18h30 O departamento de jornalismo chega a atingir 38% Papo na cozinha Seg-sex 12h30 a 13h10 conta com sucursal em Brasília, de participação na Ligue maluco Seg-sex 13h20 a 14h00 que atende também à emissora audiência. Sábado 09h30 a 10h00 de Cuiabá (MT). A participação A TV Dourados Hi-fi Seg-sex 18h00 a 18h30 das emissoras na comunidade pertence ao mesmo Boletim Guanandi notícias Seg-sex 20h00 a 20h02 24

TELA VIVA AGOSTO DE 2000


N達o disponivel


Grosso do Sul. A segunda fase da expansão prevê a inclusão de mais 11 municípios (267 mil habitantes) até o final do ano. A estratégia é atingir prioritariamente, através de satélite, as cidades mais importantes do estado. O projeto de expansão deve acarretar um aumento na programação regional. Atualmente, a TV MS conta com dois programas diários (um telejornal e um de colunismo social, há dez anos no ar) e dois semanais, e prepara um terceiro programa diário, com entrevistas sobre temas políticos e sociais, no horário do almoço. A emissora também investiu na aquisição de uplink móvel, para trazer flashes ao vivo do interior do estado, e acaba de contratar o instituto de pesquisa Tendência, que fará um mínimo de quatro

26

pesquisas anuais sobre o perfil de sua audiência.

BANDEIRANTES A TV Guanandi, de Campo Grande, é a afiliada da Rede Bandeirantes e a mais nova geradora sulmato-grossense. Está no ar desde 1989. Como as emissoras do SBT em Campo Grande e Dourados, é ligada ao grupo Correio do

CIDADE

Estado. Seus equipamentos de produção foram trocados há pouco, passando de S-VHS para Betacam, mas o alcance da emissora continua restrito à região de Campo Grande, atingindo 24 municípios e 1,11 milhão de habitantes. A programação local da TV Guanandi é bastante diversificada, indo do telejornalismo ao programa de auditório para público

EMISSORAS - MATO GROSSO DO SUL EMISSORA CABEÇA-DE-REDE

CANAL

Campo Grande

Educativa

Educativa

04

Campo Grande

Morena

Globo

06

Campo Grande

Campo Grande

SBT

08

Campo Grande

MS

Record

11

Campo Grande

Guanandi

Bandeirantes

13

Corumbá

Cidade Branca

Globo

05

Dourados

Dourados

SBT

05

TELA VIVA AGOSTO DE 2000


N達o disponivel


N達o disponivel


N達o disponivel


t e l e v i s ã o

LINKS: LIGAÇÃO EM CADEIA

dois modos para atender às áreas de cobertura. Quando o “Jornal Nacional” compõem uma rede de TV é uma entra no ar, por exemplo, o Rio de Janeiro distribui o sinal via uplink para árdua tarefa dos Departamentos todo o Brasil. As emissoras de quase de Engenharia. A Globo e a todas as capitais do país também usam uplinks para levar a programação local Record são as que mais investem para o interior. Já a regionalização em equipamentos e infra-estrutura do sinal é feita por microondas fixos, enlaces terrestres que formam a cadeia para transmissões ao vivo de entre as emissoras e suas respectivas retransmissoras. Essa plataforma de jornalismo e eventos esportivos. transmissão atende a toda a programação nacional da Rede Muita gente costuma associar link a Globo, ao vivo ou não. entradas ao vivo feitas por um repórter Cada emissora da Globo, a rede que e uma equipe técnica apoiados por consegue alcançar praticamente 100% uma unidade móvel, o veículo que car- de cobertura nacional, tem microondas rega um transmissor de microondas. fixos para fechar links entre estúdios e Mas no dia-a-dia da televisão, link é transmissores e, às vezes, também para alma da integração das afiliadas de uma centros de produção. O link entre São rede. E, quanto maior a rede, maior Paulo e Rio de Janeiro é feito por rota cobertura territorial, maior audiência própria da Globo ou via Embratel. potencial, e, conseqüentemente, Para fazer entradas ao vivo de extermaior faturamento. nas, a Globo de São Paulo conta com Os links são os elos que sustentam o helicóptero Globocop, a motolink uma comunicação em cadeia. Há duas e mais cinco unidades móveis de jormaneiras das emissoras formarem redes: nalismo com microondas. Três transcom o uso de microondas ou com o mitem na faixa de 2,5 GHz e duas, as uplink - transmissor de sinal direto para maiores, com capacidade de usar até o satélite que depois o redistribui para 18 câmeras, transmitem na faixa de regiões determinadas - , produzindo o 7 GHz. “Estas são usadas para cobrir chamado efeito “guarda-chuva”. eventos esportivos ou shows. Em Geralmente, as emissoras combinam os eventos de porte ainda maior, como Unir as diversas emissoras que

30

TELA VIVA AGOSTO DE 2000

é o caso da Fórmula 1, por exemplo, temos de alugar microondas de serviços terceirizados”, afirma Liliana Nakonechnyj, diretora da divisão de engenharia de telecomunicação da Central Globo de Engenharia. O complexo trabalho para fechar os links entre as 113 emissoras que fazem parte da Rede Globo não é tarefa fácil para os engenheiros, que sempre trabalham com redundância sinal para evitar falhas na casa dos fiéis telespectadores. A tarefa é duplicada ou triplicada quando há a transmissão simultânea de diferentes eventos ou programas para as diversas praças, como no caso da transmissão de jogos de futebol que não podem ser exibidos nas cidades onde são realizados. A Globo também aluga uplinks móveis, quando precisa. A emissora tem três unidades. Duas em banda Ku e uma em banda C. Eles ficam distribuídos entre os estados de São Paulo e Rio de Janeiro. Os uplinks em banda Ku são utilizados para trocar matérias entre as emissoras da rede a uma taxa de 8 Mbps. “Nós temos uma estrutura bastante confiável, constituída em sua maioria por equipamentos importados. Tanto em relação aos microondas (NEC, Hitashi, Microwave e Nucon) quanto aos uplinks, que são adaptados às necessidades de uma emissora brasileira”, finaliza Liliana.

teia da record Quando o “Jornal da Record” está no ar, o programa está sendo transmitido, praticamente para todos os estados do país. O sinal sai do estúdio da cabeçade-rede, no bairro da Barra Funda, na Zona Oeste da capital paulista, e viaja por rotas terrestres e aéreas para alcançar as 86 emissoras da rede. São sete redes de ligação para transmissão de programas. As rotas terrestres são encadeadas por microondas fixos. De todos os estados atingidos pela emissora, apenas São Paulo e Santa Catarina são cobertos na totalidade por microondas fixos. Os estados de Minas Gerais, Bahia, Goiás e Pará, por exemplo, distribuem o


sinal que recebem do satélite Brasilsat B3 da Embratel. “Optamos por usar uplink para transmitir para os estados que não têm, como São Paulo, uma rede de infra-estrutura já montada”, afirma Wander de Castro, gerente geral de expansão de rede. A decisão levou em conta a relação custo/benefício entre a construção de novas cadeias de transmissão terrestres e a instalação de um uplink fixo que, configurado com sinal redundante, não é montado com menos de R$ 500 mil. Hoje, a rede nacional tem nove uplinks fixos. Há mais de 50 enlaces terrestres feitos com microondas no Estado de São Paulo, que foi dividido em quatro grandes áreas de cobertura: Franca, Bauru, São José do Rio Preto e a maior de todas, que engloba a capital paulista, Vale do Paraíba e litoral. Com exceção dessa última região, as outras praças também distribuem o sinal recebido via satélite. “Há menos interferência do que na transmissão terrestre, é muito mais barato e confiável e garante um sinal de melhor qualidade”, assegura Castro. A Rede Record, que saiu de uma tímida posição de audiência para disputar a liderança com o SBT e a Globo, investiu no seu plano de expansão durante os últimos cinco anos quase R$ 4 milhões para substituir todas as rotas de UHF por microondas e aumentar a potência das transmissoras paulistas. A engenharia e a área técnica de operafreqüência de classe A freqüência usada nas transmissões ao vivo de eventos é pré-estabelecida entre todas as emissoras com a anuência da Anatel. A Record, por exemplo, cobre eventos na faixa dos 2 GHz. Já a Globo usa a faixa dos 7 GHz. “Cada um sabe a freqüência do outro. Em eventos esportivos a faixa dos 7 GHz é de uso prioritário da Globo, mas nada impede que se a faixa estiver ociosa seja usada por outra emissora. É tudo uma questão de bom senso entre as pessoas que operam o sistema”, explica Wander de Castro, gerente geral de expansão de rede da Record.

ções somam hoje 450 funcionários. As coberturas ao vivo de eventos esportivos ou jornalísticos feitas pela Record em São Paulo contam com três centrais de recepção de sinal (duas na Avenida Paulista e uma no Pico do Jaraguá) e com dois carros de microondas e um de uplink Flyway, da Harris, além do helicóptero Esquilo e da motolink. “Com essa estrutura nós podemos dar cobertura para qualquer evento em qualquer lugar da cidade”, explica Castro. O “Jornal da Record” pode chamar um repórter de qualquer lugar da capital paulista, pode ser da Câmara Municipal, na região central, ou de uma enchente no Jardim Pantanal, na Zona Leste. Se o sinal do link móvel não “enxergar” a torre de recepção da Avenida Paulista, impossibilitando a transmissão, usa-se o helicóptero como apoio. O Águia Dourada fica num vôo estacionário para receber o sinal e em seguida jogá-lo para a central mais próxima, geralmente para a Avenida Paulista, que tem um sistema automático de fechamento de sinal. Apelidada de “pilão”, por causa do formato, a antena tem um giro de 360O e aloca-se eletronicamente no sentido desejado. O “pilão” tem um sistema de busca que se orienta segundo a freqüência escolhida. O mesmo sistema está sendo montado no Jaraguá. Nenhuma cobertura ao vivo é feita pela emissora sem rotas alternativas, para o caso de uma delas falhar. “Sempre trabalhamos com o sistema que chamamos de 1(link) + 1 (link); os compromissos que a emissora têm hoje, não nos permite trabalhar com 1 + 0. Se não for possível estabelecer um segundo link via microondas, usamos o satélite”, conta Wander de Castro. Por isso, para cobrir um evento mais longo e mais caro, como por exemplo, uma transmissão esportiva, a emissora recorre ao uplink móvel SNG (Satellite News Gathering), que comprime o sinal em MPEG-2 e o lança para o satélite a uma taxa de 15 Mbps. Davi Molinari

Engenharia Indústria e Comércio Ltda Avenida Olegário Maciel, 231 Lojas 101/104 Barra da Tijuca • Rio de Janeiro • RJ • 22621.200 Tel.: (21) 493.0125 • Fax: (21) 493.2595

TELA VIVA AGOSTO DE 2000

31


a r t i g o Gilberto Sarfati*

O PROBLEMA DO FINanCIAMENTO NO CINEMA NACIONAL Um panorama da situação do financiamento para a produção de filmes nacionais e sugestões para o crescimento da indústria cinematográfica brasileira.

Apesar da crise econômica, o cinema brasileiro continua a sua fase de retomada. No ano passado os filmes nacionais abocanharam cerca de 8,05% do total da bilheteria. O crescimento do público para os filmes nacionais foi de 140% se compararmos os números entre 1996 e 1999. Durante o ano passado foram produzidos 26 novos filmes. O cinema brasileiro ainda é totalmente dependente dos recursos provenientes das leis do Audiovisual e Rouanet. O levantamento de dados das produções de “Tieta” e “Central do Brasil” (veja na pág. 34) são exemplos que comprovam a dependência do dinheiro obtido pelas leis de incentivo. Outras fontes de recursos tais como adiantamentos de distribuidores, leis municipais de renúncia fiscal e investidores de risco costumam ser totalmente marginais no orçamento do filme. A dependência de recursos provenientes dessas leis bem como a estrutura pulverizada de produção representam os principais problemas para o estabelecimento definitivo de uma indústria cinematográfica no Brasil. 32

Tanto a Lei do Audiovisual quanto a Lei Rouanet são leis de renúncia fiscal, significando que o levantamento de recursos financeiros para a produção de um filme depende dos lucros das empresas brasileiras. Assim sendo, o cinema brasileiro fica à mercê do ciclo econômico dessas empresas. Em um ano como 1999, em que a crise cambial afetou a lucratividade das empresas brasileiras, houve uma diminuição radical no montante dos recursos disponíveis para financiar novas produções (veja gráfico). Outro problema em relação às leis culturais é que elas referem-se à indústria audiovisual como um todo, no caso da Lei do Audiovisual, e à totalidade do setor cultural, no caso da Lei Rouanet. Dessa forma, a produção de filmes de longa-metragem tem de concorrer com outros produtos culturais e audiovisuais tais como peças de teatro, shows, livros, discos etc.

formação de pool Consideremos por exemplo um filme com um orçamento de R$ 1,2 milhão. Se o produtor quisesse obter os recursos para financiar seu filme junto a apenas uma empresa, esta teria de ter cerca R$ 30 milhões de imposto de renda a recolher, referentes a um lucro de cerca de R$ 200 milhões, situação difícil de acontecer. Conseqüentemente, os produtores são obrigados a formar um

TELA VIVA AGOSTO DE 2000

pool de investidores, o que dificulta consideravelmente o financiamento do filme. O período entre 1996 e 1998 já é considerado como a era de ouro das leis culturais. Como esse período terminou juntamente com a crise cambial do ano passado, a escassez de recursos está tendo impacto direto sobre o orçamento de filmes em produção. A média do orçamento dos filmes brasileiros, conforme projetos apresentados ao Ministério da Cultura, é de cerca de R$ 1,54 milhão (US$ 832 mil), o que pode ser considerado um orçamento nanico perto da média das produções norte-americanas de cerca de US$ 25 milhões (R$ 46,25 milhões). Isso se não levarmos em conta orçamentos de blockbusters mundiais como “Matrix”, que custou US$ 60 milhões (R$ 111 milhões). Os filmes nacionais que entraram em produção no ano passado tiveram de se adaptar à nova realidade, diminuindo seus orçamentos. Bons exemplos para ilustrar esse período de escassez de recursos são os casos de “Latitude zero”, de Toni Venturi, orçado em R$ 1 milhão e “Domésticas”, de Fernando Meirelles e Nando Olival, R$ 780 mil. Outro problema na busca de financiamento para a produção cinematográfica brasileira é estrutural e refere-se ao porte dos produtores brasileiros. O setor de produção é extremamente pulverizado entre empresas que em média têm apenas três empregados. O mercado é tão atomizado que é difícil precisar o número e porte dos produtores. Apesar disso, uma boa fonte de referência são os orçamentos apresentados ao MinC. É importante frisar que os números apresentados neste artigo referemse apenas a projetos apresentados à Secretaria de Audiovisual. A Tabela 1 demonstra que cerca de 300 empresas concentram-se na faixa de orçamento entre R$ 250 mil e R$ 6,25 milhões, indicando que os produtores não têm condições de tentar obter linhas bancárias para as suas produções porque são muito pequenos. Comparando os dados da Tabela 1, referentes às solicitações de produção, com aquilo que foi efetivamente inves-


Além disso, a produção cinfalados em inglês, ao estilo hollywooematográfica por definição diano, com esquemas de produção, dis120 6 público investimento é um negócio de alto risco, tribuição e exibição associado a empresas pois não há como saber se líderes como Warner, UIP, Universal, um filme terá sucesso ou Buena Vista etc. Tais produções são real100 5 não. Portanto, a produção izadas mesmo em países onde a primeira de vários filmes durante o língua não é inglês, como Espanha, 80 ano pode amortizar o risco Luxemburgo e França. Geralmente o 4 da produção através do produtor local é capitalizado o suficiente mecanismo de compensação, para dividir riscos com produtores e distri60 3 no qual o sucesso de um buidores norte-americanos. filme compensa o fracasso Isso significa que o orçamento e as de outro. Tal mecanismo é fontes de financiamento refletem três 40 2 impossível estágios de maturação da indústria no Brasil dado o porte cinematográfica de um país. O Brasil minúsculo dos produtores. obviamente está no primeiro estágio, 20 1 É importante notar que a pois há pouquíssimos exemplos de coindústria cinematográfica produções internacionais. Além disso, mundial, assim como outras como citado anteriormente, os produ0 0 1995 1996 1997 1998 1999 indústrias, está em meio a tores brasileiros são pequenos e pouco Fonte: MinC e Filme B o processo de globalização. capitalizados. Portanto o desenvolvimEm termos de orçamento e ento da indústria passa pela capitalizatido, notamos uma grande disparidade financiamento isso tem gerado um ção dos produtores. entre o que se pretende e o que se claro corte nas produções de países realiza em termos de produções cincomo Espanha e Austrália. saídas ematográfica no Brasil. Tal discrepância pode ser atribuída à falta de regional x global Existem alguns modos de se confinanciamento para a execução dos seguir a capitalização dos produprojetos dos produtores brasileiros ou, No mundo, em média, é assim que se tores nacionais. Um instrumento mais grave ainda, à apresentação de distribui a produção e seus financiadinteressante de financiamento ainda orçamentos inadequados à realidade ores, de acordo com os orçamentos: pouco utilizado e conhecido pelo brasileira. A falta de financiamento • Orçamentos até US$ 2 milhões mercado cinematográfico é a cone a escassez de recursos provenien(R$ 3,7 milhões) - Estas produções versão da dívida externa brasileira. tes das leis de incentivo fiscal são as geralmente têm temas de interesse Tal mecanismo poderia atrair investirazões pelas quais o mercado nacional nacional e são financiadas inteiramente mento internacional para não tem como absorver os custos de com recursos provenientes T a b e l a 1 produção de filmes de alto orçamento. de mecanismos internos PRODUTORES CINEMATOGRÁFICOS BRASILEIROS DE ACORDO COM Espectadores (em milhões)

Investimento (em milhões de reais)

investimento por meio das leis de audiovisual e rouanet X público de filmes nacionais

concorrência Por si só a diminuição dos orçamentos não representaria um problema. O que ocorre é que os filmes norte-americanos chegam com os seus custos já cobertos pelas bilheterias dos EUA. Dessa forma, o produtor local tem de concorrer com filmes que na prática são subsidiados pelo público dos Estados Unidos. Dessa forma, caberia a instituição de um imposto de importação, que não só contribuiria para uma concorrência mais leal mas também poderia ser revertido em investimento às produções nacionais comercialmente viáveis através do subsidio da bilheteria como ocorre na França e Espanha.

como subsídios, participação de televisões etc. • Orçamentos entre US$ 2 milhões e US$ 4 milhões (R$ 3,7 milhões a R$ 7,4 milhões) - geralmente esta é a faixa em que se situam as co-produções internacionais. O financiamento é realizado através de benefícios legais e outros esquemas de financiamento provenientes de dois ou mais países. • Acima de US$ 4 milhões (R$ 7,4 milhões) - Nesta faixa de orçamento somente é possível produzir filmes

ORÇAMENTOS APRESENTADOS AO MINISTÉRIO DA CULTURA (1998)

Categoria de Empresas % orçamento (R$)

Orçamento médio (R$)

%

Menos de 50 mil

28

5,7%

30 mil

0,1%

de 50 mil a 250 mil

91

18,4%

106,542 mil

0,8%

de 251 mil a 1,250 milhão

125

25.3%

529,3 mil

5,7%

de 1,251 milhão a 6,25 milhões

177

35,8%

1,827 milhão

36,8%

6,251 milhões a 31,25 milhões

71

14,4%

2,347 milhões

51,1%

Mais de 31,25 milhões

2

0,4%

40,5 milhões

5,5%

494

100%

1,584 milhão

100%

Total

Fonte: MinC

TELA VIVA AGOSTO DE 2000

33


artigo

co-produções e portanto ajudar a capitalizar produtores capazes de filmar histórias de temas com alto potencial de comercialização. O esquema segue os seguintes passos: 1 - Um investidor compra dívida brasileira no mercado secundário onde estes títulos são negociados por entre 55% e 75% de seu valor nominal. 2 - O produtor brasileiro pede ao Ministério de Cultura a conversão da dívida. O MinC informa a Secretaria do Tesouro Nacional os dados pertinentes da dívida externa. Os títulos são cautelados pelo Chase Manhattan. A dívida externa é convertida em uma dívida interna (NTN-D) por seu valor nominal com maturação de um ano e sujeito a

6% taxa de juros anual. 3 - O montante que corresponde à conversão é depositado em uma conta no nome do projeto pelo qual os produtores brasileiros são responsáveis. O produtor saca os recursos de acordo com o cronograma definido junto ao MinC. 4 - Também é possível negociar os títulos antes do prazo de maturação. Nesse caso, o investidor pode negociar a NTN-D com o Banco do Brasil em condições do mercado secundário brasileiro. A conversão da dívida externa é um instrumento dinâmico de financiamento que permite várias operações financeiras. As diversas possibilidades

E STUDO DE CA SO A tabela ao lado demonstra que “Tieta” e “Central do Brasil”, duas produções nacionais de considerável sucesso, foram basicamente financiadas pelas leis culturais. No caso de “Tieta”, foi fundamental o acordo com os distribuidores que dirigiram os incentivos do Artigo 3 da Lei do Audiovisual e forneceram adiantamento da distribuição. Por outro lado, “Central do Brasil” teve pouco apoio dos distribuidores, mesmo em relação ao Artigo 3. Nessa produção, recursos próprios, o parceiro nacional, o co-produtor internacional (França) e recursos do Programa Ibermedia foram fundamentais. Apesar das diferenças, ambos os casos demonstram a grande dependência dos recursos da leis culturais, já que “Tieta” obteve cerca de 88% dos recursos financeiros através destas leis, enquanto “Central do Brasil” recebeu cerca de 78%.

34

TELA VIVA AGOSTO DE 2000

devem ser assunto de discussão prévia entre produtor e investidor e definida em contrato entre eles. Além disso, a operação pode prover consideráveis recursos ao filme além de alto lucro ao investidor. No quadro da página 36 demonstramos um cenário básico para a operação. Outros mecanismos de financiamento também poderiam impulsionar a indústria cinematográfica: • Aperfeiçoamento da Lei de Audiovisual - A recente inclusão das emissoras de TV no escopo da lei somente será benéfica à indústria se as mesmas forem obrigadas a investir em filmes de produtores independentes, sejam comercias ou para a TV.

Tieta

Artigo 1

R$ 3 milhões

Artigo 3

% 50%

Central do Brasil

%

R$ 2,2 milhões

67%

R$ 1,5 milhão 25%

R$ 350 mil

11%

Lei Rouanet

R$ 800 mil

-x-

0%

Recursos próprios

-x-

0%

R$ 150 mil

5%

Adiantamento de distribuidores (internacional)

R$ 500 mil

8%

-x-

0%

Co-produtor internacional

-x-

0%

R$ 400 mil

12%

Co-produtor nacional

-x-

0%

R$ 180 mil

5%

Outros

R$ 200 mil

3%

-x-

0%

Total

R$ 6 milhões 100%

13%

R$ 3,28 milhões

100%


N達o disponivel


artigo

C - Bonds Mercado secundário Valor Nominal = 1 milhão

Compra por $700 mil

Investidor

portanto independência financeira.

(pode ser tanto brasileiro como estrangeiro)

retomada

Quanto e quando são objetos de

Repagamento

$1 lu mil c h 42 ro ão .8 de 6%

Como conclusão, a continuação da fase de retomada do cinema nacional depende da brasil sofisticação dos mecanismos de financiamento, do porte dos produtores e da produção Conversão NTN-D US$ 1 milhão de filmes com alto grau de NTN-D comercialização. Ou seja, Conta do projeto Mercado (venda) filmes de temas nacionais com US$ 900 mil (A produção inteira pode Produtor secundário (investimento orçamentos pequenos voltados US$ 900 mil ser financiada com a local efetivo) para o público brasileiro e filmes (Receita) com temas gerais e rodados em português e outras línguas como • Investimento das emissoras de - Estabelecimento de subsídio inglês, espanhol, francês ou alemão TV - Criação de uma lei que obrigue conforme a performance de (duas versões) para co-produções. as emissoras de TV a investirem bilheteria. Por exemplo, estabeleceparte de suas receitas na produção se um subsídio ao produtor de até * Gilberto Sarfati (gsarfati@uol.com. de filmes de longa-metragem. Como 40% das receitas de bilheteria em br) é economista, mestre em relações na Espanha, parte do investimento circuito nacional. Assim, filmes internacionais e consultor da indústria poderia ser em cotas do lucro nacionais de sucesso ajudariam audiovisual. da exibição do filme em circuito a capitalizar as empresas que Está co-produzindo o report “Financing comercial e/ou em televisão. produziram o filme e aos poucos movies for the international market”, que • Subsídio de Bilheteria as mesmas adquiririam porte e será publicado pela Screen Digest. Exterior (exemplo: EUA)


N達o disponivel


M Lizandra

AKIN de

G

O

F

Almeida

P I O N E I ri S M O E M H D T V

Superprodução com experientes cavaleiros ...

A primeira característica deste filme que chama a atenção, tecnicamente, é o fato de ele ser o primeiro a ter sua finalização feita em HDTV. A captação das imagens foi toda em película, em duas câmeras 35 mm e uma Bolex, mas o material foi telecinado no C-Reality dos Estúdios Mega e montado em Inferno. A expressiva diferença entre os formatos, sensível no monitor de HDTV, ainda não pode ser conferida na telinha, mas a matriz resultante do processo deve ser kinescopada para que o comercial possa ser exibido nos cinemas em película. Apesar de todo o aparato tecnológico envolvido no processo de finalização, o filme em si pouco tem de efeitos especiais eletrônicos. A filmagem já foi uma superprodução, com explosões, cavalos, dublês e tudo o que um filme grandioso precisa ter. Segundo Eduardo Lima, que assina a criação pela F/Nazca, a idéia do filme é mostrar que a Internet virou uma realidade que não pode ser contestada. Resistências existem e os atores desse novo cenário podem ser mocinhos ou bandidos, mas a realidade está aí e ninguém pode negar. Para realizar essa idéia, a produtora criou um clima de caos, montando seu set de filmagem em pleno Pátio 38

do Colégio, no coração do centro de São Paulo, e em outras locações no bairro do Brás. Os prédios e postes antigos do centro velho serviram de elementos cenográficos para ambientar o ataque de cavaleiros ao estilo Mad Max, que laçam suas vítimas com fios de monitores antigos. Os cavaleiros representam os bandidos, enquanto o cliente, é claro, é o mocinho. Como todo trabalho pioneiro, a préprodução foi bastante planejada, com o acompanhamento constante da equipe de finalização, que auxiliou na escolha dos equipamentos e formatos do filme. A janela utilizada foi Super 35, que dá a melhor proporção para o HDTV, mas o operador da câmera Bolex teve de realizar os enquadramentos por sua própria intuição. Para aproveitar toda a área do negativo, o filme é exibido na TV com tarjas pretas. “Muitos filmes hoje estão colocando as tarjas na telecinagem, produzindo o formato retangular da tela de cinema. Nesse caso, desde a filmagem já pensamos em usar a tarja, pois este é o formato real do filme”, explica o produtor de finalização do Mega José Augusto de Blasiis. O criativo Eduardo Lima conta que a idéia de utilizar HDTV surgiu F I C H A

T É C N I C A

Título Cavaleiros Cliente Zip.Net Produto Institucional Agência F/Nazca S&S Dir. de Criação Fábio Fernandes e Eduardo Lima Produtora Zero Filmes Direção Amon Fotografia Amon Direção Arte Billy Trilha Tesis Audio Solution Pós-produção Estúdios Mega

TELA VIVA AGOSTO DE 2000

... e explosão finalizada em HDTV.

no meio do processo de produção do filme, em discussão com o diretor Amon. No começo, pensouse até em usar uma câmera HDTV, mas as limitações ópticas do equipamento deixaram a alta resolução em vídeo para o final. “Por causa de todos os efeitos e das tomadas amplas, precisaríamos de um jogo de lentes que ainda não está disponível para HDTV”, explica o diretor e fotógrafo Amon. O filme mostra o ataque dos cavaleiros e a reação de suas vítimas, uma figuração com maquiagem e figurino que tendem ao ridículo. Conforme os cavaleiros vão passando, as pessoas vão sendo amarradas e penduradas em postes, explosões de fogo acontecem, um hidrante começa a espirrar água e tudo é destruído. Apesar das dificuldades tradicionais relacionadas a explosões, o grande desafio foi criar uma forma de laçar as pessoas com monitores de computador, de maneira que o fio enrolasse direitinho. Foram construídos mock-ups dos monitores, com peso controlado e tanto o personagem que é laçado como quem lança o monitor são dublês, especializados em efeitos. Toda a produção exigiu o trabalho de profissionais especializados, de várias áreas. Os cavaleiros fazem


Fichas técnicas de c o m e r c i a i s

www.telaviva.com.br

MUITAS MAMADEIRAS parte de um grupo de rodeio, com domínio total dos cavalos. Outro grupo se encarregou dos explosivos, de vários tipos. Em certo momento, um carro explode, soltando fogo, em outro uma carrocinha cheia de melancias vai pelos ares - só que dentro de cada fruta ainda existia um outro explosivo - e ainda uma vitrine se desfaz em mil cacos, com uma explosão provocada pela expansão de ar. Uma das cenas mais perigosas, no entanto, foi a de um personagem sendo arrastado por um cavaleiro, segurando em um monitor. O dublê segura o monitor e é arrastado escadaria abaixo, o que quase causou um acidente. A figuração escolhida tinha os tipos mais variados, com um motoboy, uma mulher com bobby no cabelo e creme verde no rosto, um casal de hippies, uma gordinha sensual com uma sacola de feira, uma babá, um time de futebol e outros tantos. Mas na versão final do filme, pouco se vê dos personagens. “Preferimos eliminar os closes e deixar os personagens atrás da fumaça. Na filmagem, garantimos imagens para montar uns três filmes diferentes, porque sempre trabalho com essa perspectiva de aproveitar ao máximo as possibilidades de filmar. No final, porém, optamos por uma versão mais séria, sem a caricatura dos personagens”, conta Amon. As locações escolhidas são o cenário ideal para o caos instalado pelos cavaleiros. “Queríamos um local com cara de clássico, mas sem oferecer muitos elementos para que pudesse ser identificado. Pensamos em usar um cenário mais hightech, como os prédios da Av. Berrini, mas depois achamos que o centro se destacaria mais, poderia representar qualquer lugar do mundo, sem uma referência específica de tempo e local.”

de sair às ruas com os bebês”, conta Souza. A cena final, por exemplo, é uma tomada do alto, que mostra muitos bebês em um cruzamento de uma rua movimentada. A cena é uma montagem de cerca de 40 bebês filmados em estúdio em fundo de recorte sobre um cenário real retocado em computação. “Não adianta ter a ilusão de que é possível dirigir um bebê. Na verdade, Vida nova no cotidiano. nós mais os seguimos do que o contrário”, diverte-se Souza. “Trabalhar com bebês é a crônica Além de toda a infra-estrutura feita para de uma morte anunciada.” Citando atender os bebês, o espaço também teve Gabriel Garcia Marques, é assim de incluir a presença das mães. Uma que o produtor José Augusto de das cenas mais divertidas, para a equipe Souza, da Film Planet, define o de produção, foi a do bar. Vários bebês que foi a produção do comercial estão sentados em bancos altos ao longo de Cidade Internet, que contou de um balcão, enquanto um outro bebê com mais de 80 bebês. O conceito serve os beberrões. Segundo Souza, do filme é o de mostrar que a vida embaixo de cada banco havia uma mãe das pessoas vai começar de novo agachada, o que compunha um cenário a partir da chegada desse novo engraçado para quem estava de longe. portal de Internet. Como as mães passam o dia todo Por isso, todos os personagens em contato com a equipe, a relação do filme são bebês (de cerca de costuma ser amigável e colaborativa. um ano), realizando as tarefas O problema, segundo o produtor, é mais variadas da vida social. Estão quando chegam os pais. “Às vezes, no escritório, no bar, dirigindo ao primeiro choro, o pai se revolta e carros e motos, nas ruas, no decide levar o bebê embora. Desta supermercado, enfim, é como se vez, porém, nós só tivemos um caso todos voltassem a ser bebês e radical”, lembra Souza. estivessem nascendo de novo. Mas no final das contas, o resultado de A produção começou com a criação um filme como esse, avalia o produtor, de uma logística para atender a esse é sempre a simpatia do espectador. casting. No estúdio da produtora, foi “Parece que subliminarmente o instalado um berçário climatizado, com espectador entende as dificuldades que berços e infra-estrutura para jogos, enfrentamos e sempre gosta muito de brincadeiras e música para os bebês, filmes com bebês.” além de psicólogas e enfermeiras. F I C H A T É C N I C A “Não podíamos ter nenhuma Título Bebês diversidade que chocasse os bebês Cliente Cidade Internet e tínhamos de trabalhar sempre com Agência age. um número maior de crianças, para Produtora Film Planet ter a possibilidade de substituí-las caso Direção Flavia Moraes houvesse stress”, afirma o produtor. Fotografia Zé Bob Todas as cenas foram realizadas em Finalização Casablanca estúdio. “Não podíamos correr o risco TELA VIVA AGOSTO DE 2000

39


p r o d u ç ã o Beto Costa

EM BOAS MÃOS Emissoras e produtoras entregam para empresas especializadas os serviços que não estão vinculados à produção. O que pesa nesses casos não é tanto o fator econômico, mas a necessidade de maior foco no negócio original.

Os broadcasters estão cada vez mais convencidos da necessidade de modelos operacionais enxutos. E isto não diz respeito apenas à estrutura diretamente atrelada à atividade de produção. A idéia é enxugar qualquer setor que possa inchar a folha de pagamento, pesar a mão nos encargos trabalhistas ou ocupar muito espaço físico. A questão não é apenas terceirizar para economizar. Mesmo porque, em alguns casos a diferença entre o custo da estrutura fixa e da terceirizada é muito pequena. O que tem pesado mesmo é a filosofia administrativa de quem decide enveredar pela terceirização. Nesse caso, quando se pensa em entregar um serviço nas mãos de outra empresa, o que está se buscando

40

na verdade é dispender esforços apenas no foco central do negócio de emissoras e produtoras. Para as produtoras, a terceirização já é uma marca registrada. O mercado de filmes publicitários, vídeos institucionais e afins é marcado pela sazonalidade. Um elevado custo operacional fixo é um bom passaporte para entrar no vermelho. A TVN terceiriza os serviços de contabilidade, transportes e informática. “Não é o foco da empresa ter essas atividades. No caso da contabilidade, se tivéssemos uma estrutura interna, estes funcionários teriam de se dedicar a outras atividades. Poderia misturar com outros serviços. Quando você entrega o serviço para um escritório de contabilidade, está transferindo o trabalho para profissionais totalmente voltados para esta área”, justifica Wladimir de Souza, gerente administrativo da TVN. Ele estima uma economia de 20% com a terceirização. Para a TVN, a terceirização é uma ferramenta estratégica. A produtora vive um momento de reestruturação. Desde meados do ano passado, perdeu o maior job que tinha - a produção de programas do “Telecurso” -, uma atividade que absorvia boa parte da infra-estrutura. Depois da perda do maior cliente, a estrutura do pessoal de produção foi cortada pela metade. Atualmente, são mantidos 12

TELA VIVA AGOSTO DE 2000

funcionários fixos, responsáveis pela produção de cerca de cinco vídeos por mês. “A TVN já foi maior. Agora, está com um porte médio. Como o custo fixo onera muito, é bem mais interessante jogar com o custo variável”, explica Souza, procurando calibrar a empresa de acordo com o vai e vem do mercado.

menos encargos A Canal Y também segue a estratégia de manter fora da produtora todo pessoal que possa trazer gordura para estrutura operacional. A empresa mantém uma equipe fixa de dez pessoas, entre pessoal de produção, administrativo e até motorista. “Para trabalhos maiores nós contratamos outras vans e motoristas. Na maioria dos trabalhos que fazemos, 95% do pessoal é terceirizado”, explica Ybirá Sorrentino, sócio-diretor da Canal Y, salientando que não é só a questão econômica que pesa. Cita o caso de uma descoberta da casa. Trocou boys por motoboys. “Quando tínhamos alguns boys contratados, os encargos trabalhistas pesavam e a eficiência não é a mesma de hoje”, justifica. Nas grandes produtoras muda a escala de negócios. Aí é preciso colocar tudo na ponta do lápis para saber quais serviços rendem mais quando terceirizados. Na O2 a vigilância e os transportes são terceirizados. “Nós fizemos as contas. Economizaríamos 10% para manter uma estrutura fixa de transportes. Mas aí você tem de pesar o risco de enfrentar eventuais problemas trabalhistas e não pode esquecer que a publicidade é um negócio que aumenta e diminui de volume. Ou seja, seria mais barato à primeira vista, mas qualquer risco poderia inverter esta equação. Uma produtora não é uma transportadora”, justifica Andréa Barata, diretora executiva da O2. A produtora paga R$140 em média pela diária de uma kombi com motorista. A O2 tem um volume razoável de produção. São cerca de 20 filmes por mês. A equipe fixa da produtora tem cerca de 70 funcionários. Mas diversos profissionais gravitam em torno da O2. Por isso a produtora resolveu a parte contábil em dois capítulos. O


N達o disponivel


produ ç ã o

operacional do dia-a-dia, dedicado ao pagamento dos frilas, é mantido dentro da produtora. Todo o restante é encaminhado para fora. “Escritório não é a nossa área”, explica Andréa. No negócio das produtoras, a mão-de-obra é o que mais pesa. Principalmente dos profissionais diretamente ligados à produção. Era de se esperar que uma faca afiada procurasse limpar todo sinal de obesidade nos outros departamentos. Mas nem sempre é o fator econômico que faz a diferença. A O2, por exemplo, não terceiriza os serviços de limpeza. Simplesmente, por que não aliviaria o orçamento.

foco As emissoras de médio e pequeno porte seguem os rastro das produtoras. No caso delas, pesa mais a necessidade de dar maior atuação ao negócio. Na EPTV, de Campinas, 6% da despesa operacional total é terceirizada. A emissora entrega para

empresas especializadas os serviços de jardinagem, vigilância, limpeza e a operação do restaurante instalado nas dependências desta afiliada da Rede Globo. Ali trabalham 300 funcionários e são consumidas 200 refeições por dia. Estima-se que a economia com a terceirização chegue a 20%. “Cada setor terceirizado tem uma relação de custo/benefício diferente. No caso da vigilância, por exemplo, se fossemos manter um quadro de funcionários teríamos de treinar o pessoal constantemente, providenciar porte de arma, uma série de detalhes que não têm nada a ver com a rotina da emissora”, explica Adílson Antonio Gonçalves, supervisor de suprimentos da EPTV Campinas. Na TV Tarobá, de Cascavel, no Paraná, a terceirização ensaia novos passos. Ali, outras empresas fazem os serviços de limpeza, vigilância e informática. Mas a produção de comerciais ainda é um departamento desta afiliada da Bandeirantes. “Nós estamos pensando em terceirizar,

já que o nosso negócio é exibir e não produzir”, afirma Nelson Pereira, diretor administrativo. A cantina que funciona dentro da emissora segue um modelo misto de terceirização. É mantida pela Associação de Funcionários da TV Tarobá, mas os funcionários que trabalham na cozinha e no atendimento ao público são bancados pela emissora. É cogitada uma ampliação da terceirização. “Como não é a atividade-fim, não se gasta tempo tratando de assuntos administrativos”, explica Pereira. As produtoras e emissoras que terceirizam parte de suas atividades têm em comum a preocupação com o controle da qualidade dos serviços prestados. Por isso, é comum praticarem avaliações periódicas para não pagar gato por lebre. Tão importante quanto acompanhar, é escolher. Nesse caso, os executivos não se arriscam. O que vale mesmo é uma boa indicação.


N達o disponivel


t e c n o l o g i a

A limitação geográfica do negócio por enquanto está relacionada à abrangência da fibra óptica. Quanto maior for o crescimento das redes de fibra óptica, maior a probabilidade do negócio crescer.

interligação

PRODUÇÕES ÁGEIS Internet, extranet e outras formas de rede com performance de banda larga começam a mudar a forma de produção e aprovação de filmes publicitários. Quem mais sai ganhando com as tecnologias digitais é a pressa do mercado.

A Internet e outras modalidades de rede estão começando a calcular uma nova velocidade na intrincada operação de realização e aprovação de um comercial. O transporte de vídeo pela rede encurta distâncias e imprime maior agilidade ao triângulo amoroso agência-produtora-cliente. A pioneira a implantar esse tipo de serviço foi a Casablanca Xpress, após conseguir uma autorização para transmissões via satélite. O sistema tem uma interface web e permite que agências e produtoras assistam aos materiais armazenados na Casablanca e ainda enviem esses dados para aprovação em outros países. A cobertura de satélite da empresa abrange todo o hemisfério sul, mais América do Norte e Europa Ocidental, chegando até a França. O sistema tem 44

custos mais acessíveis do que se fosse realizado por microondas e pode ser assinado. Os recursos necessários são uma antena parabólica de, no mínimo, 2,8 metros de diâmetro e um PC com placa de recepção via satélite. A TransBurti Network (TBN) funciona como uma extranet. O maior investimento no Brasil nesse novíssimo setor. Uma rede de alta velocidade interligada por cabos de fibra óptica que permite transmissão de arquivos a uma velocidade de 2 Mbps, o que corresponde a 70 vezes a velocidade de uma conexão de Internet via telefone. Um negócio de US$ 22 milhões dividido entre a Editora Gráficos Burti, a Impex Interativa e o fundo Latin America Web Investiments, controlado no Brasil pelo Grupo Matrix. A expectativa é que o retorno seja alcançado em três anos. “Nossa meta é conectar entre 150 e 200 empresas até o final do ano, sendo que hoje temos cerca de 60”, afirma Sérgio Chilvarguer, diretor-geral da TBN, sem revelar como o serviço é cobrado dos clientes. Nas pontas da rede estão agências de publicidade e casting, bancos de imagem, finalizadoras, produtoras, produtoras de web e emissoras de TV. O foco da TBN, que começou a operar no dia 10 de junho, está centrado no eixo Rio-São Paulo. Mas a idéia é expandir para outras capitais.

TELA VIVA AGOSTO DE 2000

As empresas interligadas pela TBN acessam a rede através de um browser. Cada usuário se cadastra individualmente na rede e passa a ter uma caixa postal. Todo o conteúdo foi desenvolvido com linguagem de programação da web. “Para enviar o arquivo faz-se como em um e-mail comum: o usuário acha o arquivo a ser enviado, anexa e envia. A diferença está no tempo para receber ou enviar mensagens, que é muito mais rápido que o habitual”, explica Chilvarguer, salientando que a melhor performance é conseguida com arquivos de tamanho intermediário. As trocas de arquivos entre as empresas podem ser criptografadas. “Não é possível aos usuários enxergar os computadores de outra empresa. A troca de dados entre as empresas interligadas é feita exclusivamente entre servidores próprios”, garante Ricardo Amaral, sócio da Impex e responsável pelo desenvolvimento tecnológico da TBN. A qualidade do arquivo de vídeo transmitido pela rede está diretamente ligado à finalidade que ele terá. “Para aprovação de um comercial, em uma qualidade off line (que INDÚSTRIA DE NOVIDADES O crescimento do uso de tráfego digital de vídeos impulsiona a indústria de softwares. A idéia em voga é oferecer ferramentas que façam do transporte de vídeo uma tarefa tão simples quanto passar um e-mail. É isso que promete o ClipMail Pro, da Telestream, representada no Brasil pela Crosspoint. Pode ser usado para enviar e receber vídeo e áudio, incluindo timecode, para qualquer conexão de rede, inclusive Internet. O ClipMail trabalha com padrão MPEG-2. Permite que o material de


não serve para produção, mas é boa o suficiente para visualização), é possível comprimir o arquivo em MPEG1 e transmiti-lo em poucos segundos. No outro extremo, a transferência de um arquivo de vídeo digital D1 de 30 segundos, que ocupa quase um gigabyte, demora em torno de uma hora e 20 minutos. O arquivo MPEG1, quando recebido, pode ser tocado em tela cheia, principalmente em PCs”, ensina o diretor da TBN. A TBN vislumbra a estrada digital que criou como uma ferramenta capaz de interferir em diversas etapas da produção de um comercial. Desde o briefing, passando pelo uso do casting eletrônico de modelos, compra de imagens até a aprovação. Um modelo bem calibrado de um chamado “pilar” da rede (agência, veículos, clientes e fornecedores) deve contemplar uma rede local estruturada e compressor de vídeo MPEG-1. “Todos os outros custos de set up da conexão de fibra óptica e hardwares necessários a fazer a integração com a rede local são de nossa responsabilidade”, garante Chilvarguer.

link dedicado A produtora Film Planet está se preparando para usar o tráfego digital de vídeos. Já deu início a um sistema de operação que deve estar concluído no primeiro semestre do ano que vem. A idéia é interligar em

áudio e vídeo seja visto e escutado em diversas possibilidades. “Ele contém uma série de opções de qualidade de vídeo e áudio. Isto significa vídeo em MPEG-2 de 1,5 Mbps 4:2:0 até 50 Mbps 4:2:2. O sistema separa a qualidade de vídeo da velocidade de transmissão, coisa que um sistema simples de streaming não faz”, explica Sérgio Bourguignon, representante da Crosspoint no Brasil. O ClipMail Pro trabalha tanto no padrão NTSC como PAL.

alta velocidade os escritórios de São Paulo, Los Angeles e Buenos Aires. E também o relacionamento com clientes, agências e fornecedores. “O processo de preparação dos filmes tornou-se mais ágil com a utilização da Internet. Trocamos shooting boards, imagens de referência, roteiros etc, com nossos diretores, não importando a localização deles”, explica Júnior Thonon, diretor de marketing da Film Planet. A triangulação entre os países, por enquanto, é feita por um link dedicado. O que antes demorava dois dias usando sistemas de encomendas expressas, hoje leva alguns minutos. A interface com as agências também ganhou nova velocidade. “Enviamos imagens de locações, testes de VT”, explica Thonon. A Film Planet capta as imagens em DV, edita usando o software Final Cut Pro e envia os arquivos de vídeo em formato Quicktime, tido na produtora como dono da melhor performance em qualquer plataforma, inclusive no Macintosh usado por lá. A banda larga é o salto definitivo para o processo de produção e aprovação de comerciais ganhar novo impulso. A expectativa na produtora de Flavia Moraes é que esteja implantada em 60 dias e então se integrar à TBN. “Pela pesquisa que desenvolvemos, teremos um perfeito resultado quando cliente, produtora e agência estiverem utilizando a broadband. Se o número de pilares da TBN não crescer como esperamos, nós vamos investir em banda larga, mas usando Internet e não extranet. De qualquer forma, esse é o caminho”, sentencia Thonon. Os vultosos investimentos combinados à pressa do mercado publicitário, levam a crer que o processo de produção e aprovação de comerciais deve sofrer uma radical transformação nos próximos anos. Uma revolução digital que vai aos poucos substituir as reuniões em cores, ao vivo, pela simples troca de e-mails. Parece sem graça, mas esse é o futuro. Beto Costa


de Jean-Luc Godard, é um dos filmes escolhidos para a sessão de abertura do festival. Produzido em suporte digital, a mais recente obra do cineasta franco-suíço é uma colagem de imagens jornalísticas, trechos de filmes e citações literárias que revisita o século XX. O curta foi exibido na abertura do último Festival de Cannes.

de longas, amarrados por um tema semanal e por entrevistas com realizadores e matérias especiais. A distribuidora Eveo recebe inscrições de produções audiovisuais feitas em qualquer suporte e cuida do encoding e da digitalização dos filmes para disponibilizá-los na rede. Os realizadores recebem um determinado valor em dinheiro cada vez que um usuário assiste ao curta no site da empresa. A Eveo também negocia a exibição dos trabalhos no circuito de salas e no mercado de DVD. Esse último, aliás, é apontado como altamente promissor para o filme curto, pois, ao contrário da linearidade do VHS, permite a inclusão de uma série de atrativos em um mesmo disco, dando um caráter semelhante ao da navegação pela Internet. O mercado de salas do circuito comercial também mostra interesse na exibição dos curtas. O formato adotado no festival, de exibição em programas fechados, já é realizado, com relativo sucesso, pelo circuito do Espaço Unibanco, e pode ser uma alternativa interessante ao formato de exibição colada ao longa-metragem.

todas as telas

viagens curtas

A discussão sobre as várias mídias para o filme de curta-metragem é tema das mostras abrigadas no segmento Foco. O festival traz retrospectivas dos programas de TV “La noche + corta”, do Canal+ espanhol; um showcase da distribuidora norte-americana Eveo, uma das empresas de ponta na abertura do mercado de Internet para o curta; produções exibidas a partir de suporte DVD; e uma seleção especial de clássicos do curta brasileiro para exibição, durante o evento, em salas de cinema do circuito comercial, numa parceria com a rede Cinemark. Além disso, promove, pela primeira vez, um concurso de curtas brasileiros para a Internet, com trabalhos de até cinco minutos de duração. O formato do programa de TV espanhol extrapola a definição tradicional do filme de curta duração, ao misturar curtas, filmes publicitários, animações, videoclipes e trechos

O festival traz, este ano, três grandes retrospectivas. A mostra “Curtas viajantes” reúne produções brasileiras sob o tema da viagem pelo País, nas várias acepções do termo, desde o mais puro registro etnográfico até concepções extremamente pessoais. No último caso, enquadram-se filmes raramente exibidos em São Paulo, como “O crime da imagem”, de Lírio Ferreira; “Música barroca mineira”, de Arthur Omar, e “Superoutro”, de Edgar Navarro Filho. No segmento etnográfico, podem ser vistos trabalhos de Heinz Forthmann, Jesco von Putmaker, Jean Romain Lesage e Maureen Bisilliat. Atrativos extras são o primeiro documentário dirigido por Glauber Rocha, “Amazonas, Amazonas”, de 1966, e “Canções populares: casinha pequenina & chuá chuá”, filme de 1945 dirigido por Humberto Mauro. Organizada pelo Ministério da

f e s t i v a i s Paulo Boccato

RECORDE DE CURTAS SELECIONADOS O Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo reúne a nata do formato e discute as várias mídias para os filmes.

A 11ª edição do Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo, com realização entre os dias 17 e 26 de agosto em várias salas da capital paulista, começa com um número recorde de filmes selecionados: 113 curtas brasileiros concluídos em 1999 e 2000 compõem o maior painel da produção audiovisual do País já exibido em um só evento. Reunidos no Panorama Brasil, os filmes representam praticamente toda a produção de curtas brasileiros dos últimos 12 meses. Ao contrário das últimas edições do evento, quando os cerca de 100 trabalhos inscritos anualmente para o Panorama passavam por um processo de seleção, o festival decidiu, este ano, abrir espaço para todos os inscritos. A iniciativa foi motivada pela possibilidade de uma avaliação completa dos caminhos do cinema no País. Além dos novos curtas brasileiros, o evento inclui as tradicionais mostras Internacional e Latino-americana, além de retrospectivas e programas especiais. “A origem do século XXI”, 46

TELA VIVA AGOSTO DE 2000


N達o disponivel


festivais

Cultura, a mostra itinerante “O cinema dos brasileiros” chega a São Paulo durante a realização do festival, com vários curtas e documentários produzidos graças a prêmios do MinC, durante a década de 90. O leque de 52 trabalhos apresentados serve como um bom termo de comparação entre o que foi feito na última década e a produção atual. A terceira retrospectiva é composta por uma seleção de filmes do Festival Mix Brasil da Diversidade Sexual, com curtas recentes produzidos de diversas procedências.

programa especial O inglês Nick Park, o mais badalado diretor de animação do momento, ganha um programa especial com quatro trabalhos: “Creature comforts”, “The wrong trousers” e “A close shave”, vencedores do Oscar de curtas de animação, e “A grand day out”, indicado para o mesmo prêmio. Park alcança hoje fama mundial com o longa “A fuga das galinhas” (“Chicken

Programas Programas fechafechados dos de de curtas no circuito comercial podem ser uma alternativa ao formato de exibição. run”), produção da Dreamworks, de Steven Spielberg, que ocupa os primeiros postos da bilheteria norteamericana há várias semanas. Dois programas especiais são focados em filmes de realizadores negros: “Dogma feijoada” e “Contos e lendas africanas”. O primeiro faz um balanço do cinema produzido por negros brasileiros. O público terá a raríssima chance de acompanhar dois filmes sobre samba, praticamente desconhecidos mesmo em circuitos onde o curta tem grande penetração: “Martinho da Vila Paris 77”, de Ari Cândido Fernandes, e “Dia de alforria”, de Zózimo Bulbul, último registro de um dos mais importantes compositores

da velha guarda do samba carioca, Aniceto do Império. O segundo exibe animações provenientes de países como Mali, Nigéria e Burkina Fasso, cinematografias que certamente pouquíssima gente conhece. Ainda no segmento de especiais, o programa “One piece!” é uma seleção de curtas japoneses que radicalizam as propostas estéticas do Dogma’95 dinamarquês, e “Política?!” traz o dilema do cinema político alemão.

highlights “George Lucas in love”, de Joe Nussbaum, é um dos destaques da Mostra Internacional. O curta norteamericano já faturou vários prêmios do público em festivais no exterior e traz a divertida gênese de “Guerra nas estrelas”. Experiências radicais no formato curto são o holandês “Hong Kong (HKG)”, de Gerard Holthuis; o brutal “Accidents”, de Paul Swadel (Nova Zelândia); e “Your turn”, de Greg Woodland (Austrália).


N達o disponivel


festivais

Os curtas vencedores dos dois principais prêmios de cinema do mundo também fazem parte da seleção: “Hommage a Alfred Lepetit”, de Jean Rousselot (França), Urso de Ouro em Berlim, um “documentário” sobre um popular estagiário de direção, e “When the day breaks”, de Amanda Forbis e Wendy Tilby (Canadá), Palma de Ouro em Cannes. “Les nouvelles mésaventures d’Alfred Le Crapeu: Alfred tombe amoureux”, de Jon Carnoy (França), é uma divertida sátira aos filmes de James Bond, enquanto “Un château en Espagne” abriu o caminho para a estréia no longa da francesa Delphine Gleize. O festival traz também os comoventes “Friday”, de Jodi Gibson (EUA), premiado em Sundance, que mostra a luta de uma mulher contra o câncer; “Perdie”, de Faye Gilbert (Inglaterra), que retrata a lembrança da morte da mãe pelos olhos de uma menina; o premiadíssimo “Protest”, de Steve Katz (EUA); o tétrico “Hae Boohawk Shee

A diversidade de temas e técnicas de produção mostram a versatilidade do formato. gone”, de Zung Soyun (Coréia do Sul), onde três garotas decidem qual delas deve morrer para substituir um cadáver danificado durante uma aula de anatomia; e curtíssimos inéditos dos experimentais Jay Rosenblatt e Gustav Deutsch. Na Mostra Latina, despontam novos curtas de realizadores mexicanos que vêm se firmando como nomes importantes do curta-metragem: “Las olas del tiempo”, de Carlos Salces, diretor do belíssimo “En el espejo del cielo”, e “El milagro”, de Ernesto Contreras, além da interessante safra de curtas colombianos. No segmento nacional, o público terá chance de desopilar o fígado

acompanhando a vitalidade do cinema de animação brasileiro, em “Os idiotas mesmo”, novo trabalho de Allan Sieber, diretor do sacrílego “Deus é pai”; “Almas em chamas”, de Arnaldo Galvão; e “Os irmãos Willians”, de Ricardo Dantas, a trajetória de um exfamoso grupo de pagode paulistano. Os experimentais “A primeira vida” e “Réquiem”, de Moira Toledo e Flávio Dezorzi, prometem surpresas, enquanto “Tepê”, de José Eduardo Belmonte, e “BMW vermelho”, de Reinaldo Pinheiro e Edu Ramos, devem ser confirmados como dois dos melhores trabalhos da nova safra. Outra promessa é “Pormenores”, de Flávio Frederico, diretor de “Todo dia todo” e “Copacabana”, que terá sua estréia durante o festival. Na produção de filmes de escola, que será agrupada na mostra Cinema em Curso, um dos destaques é o divertido “O mundo segundo Sílvio Luiz”, de André Francioli, com o famoso locutor esportivo como protagonista.


N達o disponivel


N達o disponivel


N達o disponivel


N達o disponivel


N達o disponivel


N達o disponivel

Revista Tela Viva - 96 Agosto de 2000  
Revista Tela Viva - 96 Agosto de 2000  

Revista Tela Viva - 96 Agosto de 2000

Advertisement