Page 1


Disponibilizado: Curly Claire Tradução: Claire Revisão Inicial: Gabis Spinassi Revisão: Sophie Bittencourt Revisão Final: Curly Leitura Final e Formatação: Claire


Para meus leitores de romance e para todos aqueles que encontram seu PrĂ­ncipe Encantado.


Meu nome é Jack Sutton, CEO da Sutton Fashion Magazine e eu tenho o mundo na ponta dos dedos. Uma carreira de sucesso, grande quantidade de dinheiro e belas mulheres que estão sempre prontas ao meu chamado. Meu problema? Eu vivia sob a sombra da minha mãe, que começou a empresa a mais de trinta anos atrás. Para não mencionar ela ter casado e se divorciado seis vezes, deixando um gosto ruim na minha boca, tanto quanto as relações me preocupavam. "As mulheres eram nada além de meros brinquedos. Elas foram feitas para meu próprio prazer pessoal e quando eu terminava o jogo elas eram jogadas para o lado”. Em seguida, entrou Lorelei Flyn. Ela era bonita e tão errada para mim. Qual o problema? Ela era minha assistente pessoal e ela estava fechada para dizer o mínimo. Apesar disso a mulher era bonita, eu tinha uma enorme necessidade de descobrir o que estava por trás de toda essa beleza. Era algo que eu não podia explicar. Era apensa algo sobre Lorelei. Meu nome é Lorelei Flynn e eu era a décima quinta assistente pessoal de Jack Sutton em pouco mais de um ano. Meu namorado morreu há sete anos em um acidente de carro. Antes de morrer ele me deu um presente: a minha filha Hope. Minha vida não fez nada a não ser girar em torno dela. Eu não tinha encontros e eu não tinha feito sexo em sete anos. Então Jack Sutton entrou em minha vida e ele era tão sexy como o pecado, mas ele não era nada além de um mulherengo e meu chefe. A Linha que não podia ser cruzada e estava lá no dia em que assumi o cargo. Ou não devia ser cruzada. Mas foi cruzada e agora o único mundo que eu tinha conhecido foi subitamente mudando e isso assustou o inferno em mim. Para os leitores 18+


Jack —Você já encontrou alguém? — Eu perguntei ao meu amigo e Diretor do Recursos Humanos, Garrett. Ele se sentou em frente a minha mesa e suspirou. —Ainda não. Sua reputação é uma porcaria, Jack. Você passa por assistentes pessoais mais rápido do que eu posso trocar a minha cueca. Eu dei de ombros. —Não é minha culpa que você só contrata mulheres incompetentes que não podem fazer uma tarefa simples. Garrett revirou os olhos. —As mulheres que contratamos são mais do que capazes de cumprir as tarefas necessárias para o trabalho. É você quem lhes assusta. Amber estava no meu escritório há poucos dias chorando com seus olhos ausentes, porque você foi mal com ela. Você lhe disse que se ela não corrigisse o erro que ela cometeu, estava indo para enterrá-la viva. Você não pode dizer merdas assim, Jack. Você está tentando ser processado? Peguei minha caneca de café, bebi a partir dela, e ri. —Meu pensamento é “se você não pode aguentar o calor, saia da cozinha”. Eu sou um perfeccionista e quero as coisas direito. Se essas mulheres não podem fazer exatamente o que eu digo, vá para o inferno com elas. Por que é tão difícil de entender uma tarefa simples?


—As pessoas cometem erros, Jack. Quantas vezes eu tenho que lhe dizer isso? —Não há espaço para erros neste negócio. Minha mãe nunca iria se submeter a isso, tampouco eu. Agora me encontre alguém competente, rápido. Eu odeio usar a secretária de Coco porque ela não é melhor do que as últimas que trabalharam para mim. Eu pago bem essas pessoas. Mais do que a indústria média paga e eu espero que elas façam um bom trabalho. Ele balançou a cabeça quando se levantou de seu assento. —Será que alguém alguma vez faz um bom trabalho aos seus olhos? Eu dei de ombros. —Provavelmente não. —Bem. Eu vou encontrar a sua próxima vítima. —Ele suspirou quando saiu do meu escritório. Eu ri, porque isso era exatamente o que as minhas assistentes pessoais anteriores foram. Toda vez que eu passava por suas mesas, elas se acovardam e olhavam para baixo com medo. Eu amava esse controle sobre elas. Mas se tivessem feito seu trabalho corretamente em primeiro lugar, eu não teria tido que ser tão mesquinho. Quando eu estava olhando o layout da revista para aprovação, minha irmã Coco entrou. —Franny me disse que você a tem correndo pela cidade com suas tarefas pessoais— ela falou com irritação. —Bom dia para você também, irmã. —Eu não estou tendo um bom dia, então vamos resolver isso agora. Só porque você é um babaca para suas PAs1 e as força a saírem, não lhe dá o direito de usar a minha secretária para sua própria 1Assistentes

pessoais


satisfação pessoal. Ela é uma das melhores que eu já tive em um longo tempo e eu não vou perdê-la por causa de sua bunda imponente. —Acalme-se. Eu não vou deixá-la sair. Estou muito ocupado e eu preciso dela para pegar algumas coisas para mim. Eu prometo, se você me deixar usá-la até Garrett me encontrar uma nova assistente pessoal, eu vou ser tão doce quanto uma torta para ela. Então, esse mau humor pela manhã não tem nada a ver com Joshua? — Perguntei com a esperança de que ela rompeu com aquele idiota. —Talvez. — Ela olhou para baixo. —Ele não voltou para casa ontem à noite. —Onde diabos ele estava?— Eu perguntei quando me inclinei para trás em minha cadeira. —Perguntei-lhe esta manhã, quando ele finalmente decidiu caminhar através da porta. Ele disse que adormeceu no sofá em seu escritório. —Você acredita nele?— Eu fiz uma carranca. —Uma parte de mim faz. Ele está trabalhando longas horas e eu sei que ele está realmente estressado sobre como se tornar sócio da firma de direito. Eu acenei minha mão na frente do meu rosto. —Acredite no que quiser, irmã. Você conhece meus sentimentos sobre ele desde o primeiro dia. Ele não é bom para você. Ele é um trapaceiro, um mentiroso e um idiota sugador de escória que continua te machucando. —Hmph. Soa como alguém que eu conheço. —Ela olhou para mim. —Isso não foi legal e eu nunca machucaria você. Eu te digo como eu vejo isso assim que você acordar e perceber que você está cometendo um erro por ficar com ele.


—O enfrente, Jack. Você nunca vai aprovar qualquer um que eu namore. Você nunca aprovou. —Verdade. Então, você precisa parar de pegar os caras errados. —Eu sorri. Revirando os olhos, ela saiu do meu escritório. Eu amo a minha irmã e tudo que eu quero é que ela seja feliz. Ela não está feliz com Joshua, tanto quanto ela tenta se convencer que ela é. Ela é uma bela mulher com 1,72 de altura com longos cabelos castanhos e grandes olhos castanhos. Ela é magra e em forma e poderia ter qualquer cara que ela quisesse. Então, por que diabos ela estava se contentando com Joshua? O homem era um advogado e torto. Eu sabia, era um fato, que ele a traía; porque eu o vi uma vez quando saia de um quarto de hotel com outra mulher. Eu ameacei sua vida depois que eu lhe dei um soco e ele me implorou para não contar a Coco. Ele me disse que a amava, mas eles estavam tendo problemas e ele cometeu um erro. Eu dei-lhe uma chance e ele sabia que nunca mais deveria cruzar comigo novamente. Quanto a mim, eu não me envolvo em relacionamentos. Eles nunca funcionaram e eles não valem o aborrecimento de brigas, ciúme e raiva. Minha mãe era um excelente exemplo depois que ela casou e se divorciou de seu sexto marido. Mulheres para mim eram apenas brinquedos. Elas foram feitas para o meu próprio prazer pessoal, quando eu termino a minha jogada, elas são jogadas fora. Elas sabiam exatamente no que estavam se metendo indo para a cama comigo. Algumas se importavam e outras não. Aquelas que não ficaram fodidas comigo por mais do que aquelas que se importavam.


Lorelei —Agora é hora de você ir dormir. Você tem escola de manhã. —Eu sorri enquanto eu batia Hope no nariz. —Mais uma história, mamãe. Por favor — ela reclamou. —O Tempo da história acabou por esta noite, baby. — Inclinei-me e beijei sua cabeça. —Vá dormir e quando acordar, eu vou ter panquecas de chocolate esperando por você. —Ok. — Ela sorriu. —Eu te amo. Boa noite. —Eu também te amo, baby. Boa noite. Levantei-me da cama, apaguei a luz e fechei a porta, deixando aberta uma fresta. Servi-me de um copo de vinho e o levei para o sofá, onde eu abri meu laptop e comecei a procurar novamente por um trabalho. Fazia dois meses desde que eu perdi meu emprego no Praline Inc. A empresa estava indo mal e eles tiveram que cortar despesas; eu sendo uma das despesas. Minha conta bancária foi drenada e eu tive que pedir emprestado o dinheiro do aluguel para minha mãe e Nick. Eu me senti mal lhes pedindo, porque já tinham feito tanto por mim ao longo dos últimos sete anos, desde que a Hope nasceu. Eu estava economizando o meu próprio salário nos últimos dois anos até que esta


demissão repentina ocorreu. Eu não tinha sido capaz de encontrar um emprego desde então porque a indústria da moda foi inundada com as pessoas que tinham as mesmas ideias que eu. Quando eu estava pesquisando, meu telefone tocou. Era minha melhor amiga, Stella. —Olá— eu respondi. —Eu encontrei algo que você talvez possa estar interessada— ela falou com emoção. —Oh? O quê? —Uma garota com quem trabalho estava dizendo que havia uma vaga para trabalhar como PA2 da Sutton Magazine. —Sério? Por que eu não vi isso online? —Só

ficou

disponível

alguns

dias

atrás.

Talvez

eles

não

publicaram ainda. —Como ela sabe isso?— Perguntei. —Uma amiga dela é uma das secretárias lá e disse a ela que a última PA apenas levantou e saiu sem qualquer aviso prévio ou qualquer coisa. Eu acho que o cara é um verdadeiro idiota para se trabalhar. —Eu não me importo com isso. Eu preciso de um emprego e agora. Eu tive que pedir a minha mãe e Nick dinheiro emprestado para pagar o aluguel. —Merda. Eu sei que deve ter sido difícil para você. Você deveria ter me perguntado. Eu teria emprestado a você. —Obrigado, e eu sei que você teria, mas eu não queria perguntar. Você sabe que eu tento fazer tudo sozinha. 2Assistente

Pessoal


—Eu sei que sim, querida. Aqui está o número de Sutton Magazine. Ligue para o departamento de Recursos Humanos amanhã e veja o que acontece. —Eu irei. Obrigada, Stella. —Disponha, e se você precisar de alguma coisa é melhor você me chamar. —Eu irei. Vou falar com você mais tarde. Stella Bay e eu éramos melhores amigas desde que tínhamos dez anos e puxamos os cabelos uma da outra no parquinho da escola primária. Foi ódio à primeira vista, mas depois que o diretor da nossa escola nos fez sentar e conversar uma com a outra, não tínhamos nos separado desde então. Stella tornou-se como uma segunda filha para minha mãe e ela passou muito tempo em nossa casa desde que seu pai era um alcoólatra abusivo. Ele faleceu há alguns anos de insuficiência hepática e ela nem sequer compareceu ao seu funeral. Ela disse que se tivesse ido, teria cuspido em seu túmulo. Assim que se formou no colegial, ela foi para NYU3, trabalhava em dois empregos, pagou a sua própria matrícula, vivia no campus e tinha cuidado de si desde então. Até que ela conheceu Sebastian, o amor de sua vida, que apareceu há três anos e a resgatou. Ela tinha o tipo de amor que já tive, mas que foi rapidamente tirado de mim quando eu tinha dezoito anos de idade. Em seguida, um novo amor da minha vida apareceu; minha filha, Hope. Ela era tudo para mim e minha vida girava em torno dela e somente ela.

3Universidade

de Nova York.


Na manhã seguinte, depois de deixar Hope na escola, eu decidi ir para Sutton Magazine pessoalmente ao invés de ligar. Quando entrei no grande edifício, um homem agradável que estava na porta sorriu para mim. —Como posso ajudá-la, senhorita? —Eu estou procurando Sutton Magazine. Seu departamento de recursos humanos, para ser exata. —Pegue o elevador até o décimo andar. É onde está localizado os Recursos Humanos. —Obrigada. — Eu sorri enquanto eu caminhava em direção ao elevador. Saindo do elevador no décimo andar, eu abri a porta que foi rotulada com “Recursos Humanos” e entrei. Quando eu caminhei até a ruiva que ostentava alguns cachos realmente apertados, ela sorriu. —Como posso ajudá-la? —Eu estou aqui para obter informações sobre o trabalho de assistente pessoal que está disponível. —Você tem um compromisso?— Ela perguntou. —Não. Uma amiga minha me disse que havia uma vaga, então eu pensei em vir aqui e me apresentar em pessoa. —Sinto muito… — Ela olhou para mim sem expressão. —Lorelei Flynn. —Eu sinto muito, Lorelei, mas você deve ligar para agendar uma entrevista. Nós não estamos atendendo.


De repente, um homem apareceu e empurrou um arquivo dentro do armário. —O que está acontecendo aqui, Amanda?— Perguntou. —Esta mulher estava perguntando sobre o trabalho de assistente pessoal e eu disse que ela deve ligar e agendar uma entrevista. —Entendo. — Ele sorriu enquanto olhava para mim. —Você acabou de entrar aqui? —Sim. Eu pensei que talvez pudesse me apresentar em pessoa. Lamento ter perdido o seu tempo. —Eu comecei a ir embora e ele me parou. —Aguarde. Lorelei, correto? —Sim. — Eu me virei. —Venha comigo. Eu vou ter você preenchendo um formulário e depois eu vou entrevistá-la. Como você já está aqui, por que fazer você voltar? —Ele piscou. —Obrigado Senhor. Ele estendeu a mão, para cumprimenta-la. —Eu sou Garrett Sullivan. Amanda obtenha o formulário e o traga para o meu escritório. —Me acompanhe Lorelei. Segui-o pelo longo corredor até seu escritório. —Por favor, sente-se à mesa e assim que Amanda trouxer o formulário, você pode preenchê-lo. —Eu aprecio isso, Sr. Sullivan. Isso realmente significa muito. —Não tem problema e você pode me chamar de Garrett. A ruiva chamada Amanda entrou e me entregou o formulário e uma caneta. Garrett sentou-se atrás de sua mesa enquanto eu o


preenchia. Uma vez que eu acabei, eu levantei da minha cadeira e entreguei a ele. —Sente-se, por favor. — Ele fez sinal para eu me sentar na frente dele. Ele estudou o meu pedido por alguns momentos antes de falar. Garrett Sullivan era um homem bonito. Ele tinha cerca de 1,82 altura, com cabelo loiro curto e olhos verdes. Ele parecia estar em seus trinta anos e estava vestido em um terno azul escuro muito bem ajustado. Havia algo nele que me fez sentir confortável. —O que exatamente você fazia na Praline?— Perguntou ele com um sorriso. —Eu era secretária administrativa. Eu fazia quase tudo. —Quanto organizada é você? —Eu tenho um pouco de TOC quando se trata de organização. —Você é perfeccionista?— Ele sorriu. —Minha mãe diz que eu sou. Eu não me chamaria exatamente de perfeccionista — eu falei quando eu estendi a mão e endireitei o peso de papel de Estátua da Liberdade que estava em sua mesa. O sorriso em seu rosto cresceu. —Você estudou design de moda na Parsons? —Sim. Eu amo moda e eu adoro desenhar roupas. —E você estava trabalhando como assistente administrativa. Por quê? —Eu tive que sair da Parsons porque a minha filha ficou doente e eu precisava estar com ela em todos os momentos. —Você tem uma filha?


—Sim, ela tem sete anos. O nome dela é Hope. —Eu espero que ela esteja melhor agora— ele falou. —Ela está. Isso foi um par de anos atrás. Eu queria voltar para Parsons, mas eu tinha perdido minha bolsa quando eu saí. Eu sou uma mãe solteira e cada centavo conta quando você está criando uma criança. —Eu entendo. Você tem vinte e cinco anos, correto? —Sim. —Vou ser franco aqui, Lorelei. Esta posição é para trabalhar para Jack Sutton, CEO da Sutton Magazine. Você parece ser uma grande mulher com pé no chão e parece que você teve que crescer rápido. Não tenho certeza se o Sr. Sutton é a pessoa certa para você estar trabalhando. —Sr… Garrett, eu ouvi sobre o Sr. Sutton e para ser honesta, ele não me assusta. Eu não sou uma garota fraca e frágil. Como você disse, eu tive que crescer rápido desde que eu tive a minha filha, aos dezoito anos. Eu só quero o que é melhor para ela e no momento, eu estou precisando desesperadamente de um emprego. Já se passaram dois meses e minha conta bancária está quase esgotada. —Você vive em Harlem, que são quarenta e cinco minutos daqui. Você teria que estar aqui às oito horas e seu turno terminaria às cinco horas, com uma hora de almoço. Isso seria possível para você, tendo uma filha? —Eu faço qualquer coisa para garantir que a minha filha tenha tudo que precisa. Então, para responder sua pergunta, sim, seria possível. Em um mundo perfeito, eu gostaria de ser capaz de ficar em casa e dedicar cada minuto a minha filha, mas não vivemos em um


mundo perfeito, não é? Então eu tenho que fazer o que é preciso, a fim de dar a Hope tudo que ela precisa. Ele me estudou por alguns momentos antes de falar. —Eu tenho certeza que você recebe pensão do pai de Hope. Isso deve ajudar. Eu gentilmente sorri para ele. —A Hope não tem um pai. Ele morreu em um acidente de carro antes dela nascer. Ele olhou para baixo e depois de volta para mim com pena. —Eu sinto muito pela sua perda. —Obrigada. — Eu olhei para as minhas mãos suadas. —Você está contratada, Lorelei. Meus olhos dispararam para ele com entusiasmo. —Obrigada. Muito obrigada, Garrett! —Exclamei. —Seja bem vinda. Ouça, eu vou lhe dar um cheque mensal separado para o táxi. É para o seu próprio bem. Confie em mim. Se você pegar o metrô, você provavelmente vai acabar chegando tarde. Isso é entre você e eu, Sr. Sutton não precisa saber. —Eu prometo que não vou dizer a ele. É muita gentileza da sua parte. —Bom. Você pode começar amanhã? Ele está realmente ansioso para ter uma assistente pessoal de novo. —Sim. Amanhã vai ser perfeito. —Eu sorri quando me levantei da minha cadeira e apertei sua mão.


Jack Eu encontrei Garrett no Ai Fiori, na Quinta Avenida para o jantar. Quando entrei, ele já estava sentado em uma cabine. —Então, sobre o que é este jantar urgente?— Eu perguntei quando me sentei. —Eu contratei uma assistente pessoal e ela começa amanhã. —Excelente. Talvez eu devesse tê-la conhecido antes de você a contratar. Seu histórico não é muito bom. Eu sorri. Uma garçonete com uma blusa curta e peitos alegres caminhou em nossa direção. —Posso começar com uma bebida?— Ela sorriu. Ela pode começar com qualquer coisa, mas uma bebida não era o que eu tinha em mente. —Sim. Eu vou ter um uísque com gelo, por favor. —Vindo direto, senhor. Olhei para Garrett quando ele começou a falar. —Meu histórico é excelente. É você, Jack, que tem o problema.


Eu suspirei. —Você sabe que se não tivéssemos sido melhores amigos desde a terceira série, eu teria demitido você agora. Ele revirou os olhos e soltou uma risada. —Tenho certeza de que você teria. Mas para que você saiba se não tivéssemos sido melhores amigos desde a terceira série, eu já teria saído. —Touché, meu amigo. A garçonete de peito alegre colocou a minha bebida para baixo na minha frente e anotou o nosso pedido para o jantar. —Então me diga sobre a minha próxima vítima. — Eu sorri. —Seu nome é Lorelei Flynn e ela tem habilidades organizacionais excepcionais. Ela ainda endireitou o peso de papel na minha mesa. —Oh. Eu acho que eu já gosto dela. Ela é quente? Ele inclinou a cabeça para mim com um olhar. Eu sorri. —Ela é uma mulher muito atraente. —Qual a idade dela? —Ela tem vinte e cinco. Por quê? Eu dei de ombros. —Sem razão. Vinte e cinco é bom. Existe um marido ou um namorado? —Eu sei que ela não é casada. Para um namorado, eu não tenho ideia. Porque tantas perguntas? —Porque eu não preciso de algum idiota vindo atrás de mim depois que eu mandá-la para casa com lágrimas incontroláveis, como as duas PAs anteriores. —Então talvez você não deva ser um babaca. — Ele sorriu.


—Não posso ajudar. É da minha natureza. —Eu levantei meu copo. —Na verdade, não é da sua natureza. Eu conheci você quando não era um babaca.

Depois de jantar com Garrett, cheguei ao meu apartamento e me servi uma bebida. Eu estava me sentindo estressado do dia e era necessário relaxar. Peguei meu telefone e enviei uma mensagem de texto para Adriane. —Você pode vir? —Certo. Eu estarei aí em quinze minutos. —Olhando para frente. —Eu também. Adriane era minha menina quebra galho quando eu precisava de sexo de última hora. Ela era do tipo que não se importava e estava sempre à procura de um bom tempo. Eu subi para o meu quarto e abri a gaveta da minha mesa de cabeceira, para ter certeza que eu tinha preservativos. Tinha apenas dois e eu precisava obter um pouco mais, o mais rápido possível. Eu ouvi o ding do elevador, então eu desci as escadas quando ela saiu. —Boa noite. Obrigado por ter vindo em tão pouco tempo. —Eu sorri. —O prazer é meu, Jack. Mas temos que falar sobre alguma coisa depois.


Uh oh. Eu não gostei do som disso e instantaneamente, ela matou meu humor. —Você acabou de matar o meu humor, Adriane. E aí? Ela se aproximou de mim e começou a desabotoar a camisa, correndo o dedo no meu peito. —Sexo primeiro. Conversar mais tarde. —Seus lábios roçaram contra o meu. Eu precisava saber o que ela queria falar, porque eu estava com medo que ela queria alguma coisa de mim. O medo percorreu meu corpo, fazendo uma ereção impossível. —Desculpe Adriane. Você o matou. Você precisa me dizer o que você quer falar. Ela suspirou. —Bem. Eu comecei a ver alguém e eu acho que eu realmente gosto dele. Então, depois de hoje à noite, não podemos mais fazer isso enquanto eu estiver com ele. Eu balancei minha cabeça. —Espere. Você conheceu alguém e você ainda veio aqui? Por quê? —Eu não sei. Uma última boa transa com você pelos velhos tempos. Eu tinha uma regra que eu sempre mantinha. Nunca foder uma menina de outro homem. E se eu transasse com ela esta noite, eu estaria quebrando a minha regra e eu não estava prestes a fazer isso, não importa o quanto eu queria fazer sexo. —Desculpe, Adriane. Se você está com alguém, nós não podemos. Eu pensei que você não estava em relacionamentos, — Eu falei, caminhei até o bar e nos servi um scotch para cada um.


Quando eu lhe entreguei o copo, ela falou: — Eu não estou. Quer dizer, eu não estava, mas Riley veio e meio que me tirou do chão, eu acho que você poderia dizer assim. Ele é um bom homem e eu realmente gosto dele. —Se você realmente gostasse dele, você não estaria aqui querendo me foder agora, você iria? —Eu estou confusa, Jack. Talvez eu estivesse usando você como uma oportunidade de ver o que meus sentimentos verdadeiros para com Riley realmente são. —Muito obrigado, Adriane. — Eu sorri. Ela tomou sua bebida e me entregou o copo. —Tenha uma boa noite, Jack. Vejo você em breve. —Você também. Espero que as coisas funcionem entre vocês dois. —Obrigada. — Ela me deu um sorriso quando ela entrou no elevador. Suspirei e tomei um gole do meu scotch. —Parece que é só eu, você e a pornografia hoje à noite, — Eu falei quando olhei para o meu pênis.

Lorelei Depois que eu deixei Sutton Magazine, eu fui para a casa da minha mãe para contar a ela sobre o trabalho. —Oi, querida. — Ela sorriu quando ela beijou meu rosto. —Eu acabei de fazer um café fresco e uma torta de maçã.


—Parece bom, mamãe. A Segui até a cozinha e me sentei à mesa. —Então, o que te traz por aqui? —Eu consegui um emprego. —Oh, Lorelei, isso é maravilhoso. Onde? —Revista Sutton. Em tempo integral, ganharei mais dinheiro do que na Praline e eu ainda terei benefícios, como plano de saúde. —Parabéns. Eu estou tão feliz por você. Você vai precisar de ajuda com Hope? Eu olhei para baixo porque pedir ajuda era difícil para mim. — Acho que sim. Eu tenho que estar no trabalho às oito horas e eu não saio até cinco. Posso levá-la na parte da manhã antes da aula, mas eu queria saber se você poderia buscá-la depois da escola. —Claro que posso, querida. Essa é a vantagem de trabalhar em casa. Eu posso definir o meu próprio horário. —Ela sorriu. —Gostaria de poder. Ela colocou uma xícara de café e uma fatia de torta de maçã na minha frente. —Você vai algum dia. Minhas emoções estavam correndo em um ponto mais alto, porque os últimos dois meses, com a Hope tinham sido os melhores e iria ser difícil estar longe dela novamente. —Ouça, Lorelei. — Minha mãe colocou a mão na minha. —Você é uma excelente mãe e Hope sabe disso. Ela entende que você tem que trabalhar duro para dar a ela tudo o que ela precisa. —Eu sei que ela faz, mas eu ainda me sinto culpada.


—Eu sei que sim, porque eu me sentia culpada também a deixando quando eu tinha que trabalhar. Mas você acabou muito bem e assim Hope também vai. Ela tem uma família amorosa que vai cuidar dela. Depois de terminar o meu café e a torta, eu tinha que sair para pegar Hope na escola. —Talvez com este aumento de salário, eu possa encontrar um apartamento mais perto de meu trabalho e de você. —Eu ainda gostaria que você morasse comigo e Nick. —Eu não posso, mamãe. Hope e eu precisamos de nosso próprio lugar. Ela se aproximou e me deu um abraço. —Eu sei que você faz e eu estou muito orgulhosa de você.

Eu estava do lado de fora da porta da escola de Hope, esperando ela ser liberada. Assim que o sinal tocou, as portas se abriram e uma enxurrada de crianças surgiram. Hope me viu e correu para os meus braços. —Hey, abóbora. — Eu beijei o topo de sua cabeça. —Como foi à escola hoje? —Foi bom. Como foi o seu dia? —Foi bom e eu vou te dizer tudo sobre ele com uma pizza.— Eu sorri. —Sim! — Exclamou ela.


Nós andamos de mãos dadas para o nosso lugar favorito de pizza e nos sentamos em uma pequena mesa redonda. Depois de fazer o pedido, eu olhei nos olhos felizes da minha filha. —Consegui um emprego hoje. —Você fez?! —Sim. Eu vou começar a trabalhar amanhã e você vai ter que ir para a escola de manhã, antes da aula começar, mas a vovó vai estar lá para buscá-la todos os dias depois da aula. Como você se sente sobre isso, baby? Ela encolheu os ombros. —Eu não me importo de ir à escola mais cedo. Addison, vai na parte da manhã e ela diz que é divertido. —Você vai ter que começar a se levantar cedo porque eu não posso chegar tarde para este trabalho. Eu não tenho a flexibilidade como antes no Praline. —Pare de se preocupar tanto, mamãe. Eu vou ficar bem. —Ela sorriu. Uma única coisa sobre Hope, ela era muito inteligente para sua idade. Mas era apenas uma criança e eu não queria que ela se preocupasse ou crescesse rápido demais. Eu ouvi meu telefone tocando na minha bolsa. Era Stella, então eu atendi. —Olá. —Desculpe eu perdi a sua chamada anterior. Eu estava em reuniões durante todo o dia para discutir uma nova linha de calçados. —Está tudo bem. Você pode vir mais tarde? —Certo. Estarei aí depois das seis. Parece bom? —Seis está ótimo. Vejo você depois.


—Oi, tia Stella!— Hope se manifestou sobre a mesa. —Diga ao docinho 'OI' e que eu vou vê-la em breve. —Eu irei. Vejo você em breve. A nossa pizza estava finalmente pronta e eu cortei uma fatia e coloquei no prato de Hope. —Por que você não tem encontros?— Perguntou ela de repente. Olhei para ela com surpresa, porque ela nunca tinha me perguntado isso antes. —Por que você está me perguntando isso? —Eu não sei. A mãe de Addison começou a sair com alguém e Addison realmente gosta dele. Eu só quero que você saiba que eu não me importo se você começar a ver alguém. Parecia que um furacão estava rasgando através de mim quando ela disse isso. O pensamento de namoro me aterrorizava e era algo que eu não tinha pensado desde Brett. Ele era o amor da minha vida e eu nunca poderia ver ninguém o substituindo. —Eu não conheci ninguém que valesse a pena namorar, eu acho— eu falei quando eu olhei em seus olhos azuis de bebê. —Eu não acho que você tentou. —Isso é porque você é tudo que eu preciso. — Eu sorri. —Talvez você devesse tentar um site de namoro. É aí que a mãe de Addison conheceu seu namorado. Eu fiquei chocada com essa conversa que minha filha de sete anos de idade estava tendo comigo.


—OK. Chega de conversar sobre isso. Vamos começar a comer o nosso jantar para que possamos estar em casa a tempo para quando Tia Stella chegar.


Lorelei Assim que cheguei em casa, Hope subiu para o banheiro enquanto eu limpava a cozinha do café da manhã. Stella tinha uma chave que lhe permitia entrar sem bater. —Olá. — Ela sorriu. —Eu espero que você ainda tenha aquela garrafa de vinho que abriu a outra noite porque eu preciso de uma bebida. Eu sorri. —Está na geladeira. Cheguei ao armário e peguei as duas únicas taças de vinho que tinha enquanto Stella agarrou a garrafa da geladeira. —Você ligou para Revista Sutton hoje? — Ela perguntou quando derramou o vinho. —Eu fiz mais do que isso. Eu tenho o trabalho! —Eu gritei. —O quê?! Oh meu Deus, parabéns! —Ela me abraçou. —Obrigado. Eu vou começar amanhã. —Uau. Isso foi rápido. Será que você bateu esses lindos olhos azuis para ele ou algo assim? —Eu não encontrei o Sr. Sutton. Eu só me reuni com o gerente de recursos humanos e ele me contratou no local.


—Isso é incrível. Você já contou a Hope? —Sim. Nós conversamos sobre isso enquanto comíamos uma pizza e ela está animada. Hope veio correndo para a sala e abraçou Stella. —Tia Stella! —Hey, Hopester. Como está a minha boneca querida? —Eu estou bem. Será que a minha mãe disse que ela conseguiu um emprego hoje? —Com certeza ela fez. Estou tão feliz por ela. —Eu também!— Exclamou Hope. —Eu vou falar com você mais tarde. Eu tenho trabalho a fazer. —Ok, pequena espertinha. — Stella deu um tapinha na bunda dela. Nós pegamos o nosso vinho e nos sentamos no sofá. —Eu já ouvi que Jack Sutton é um total idiota e muito difícil de trabalhar. Tem certeza que você pode lidar com isso? — ela perguntou com preocupação. —Eu posso lidar com o Sr. Sutton. O que eu não posso lidar é com a minha filha de sete anos de idade, me dizendo para participar de um site de namoro para encontrar um homem. —O quê?— Stella riu. —Aparentemente, a mãe da amiga dela, Addison, conheceu esse cara em um site de namoro e Addison realmente gosta dele. Stella deu de ombros. —Talvez a Hope tenha um ponto. Você não tem tido um encontro desde Charlie, que foi mais de três anos atrás.


—Foi uma vez e você me forçou a sair com ele. Não era mesmo um encontro e eu não teria ido se você não estivesse me perseguindo. —Ele era um cara legal. —Ele era gay! —Bem, na época, eu não sabia. — Ela sorriu. Nós terminamos o nosso vinho e Stella teve de ir embora. Ela estava se encontrando com Sebastian para um jantar tardio. —Hope, Tia Stella está indo— eu gritei da sala de estar. Ela veio correndo para fora de seu quarto e deu um abraço de adeus em Stella. —Vejo você mais tarde, jacaré. — Stella sorriu quando ela ergueu o punho. —Até depois, crocodilo. — Hope bateu no punho dela. Era a sua coisa que sempre me fez sorrir. Agradeci Stella por ter vindo e enquanto eu caminhava até a porta, lhe dei um abraço. —É melhor você me ligar amanhã e me deixe saber como foi seu primeiro dia. Estou morrendo de vontade de saber tudo sobre o Sr. Idiota Sutton. Eu ri. —Eu irei.

Jack


Acordei com um sentimento bom. Hoje eu tinha uma nova PA e eu não poderia estar mais feliz. Primeira coisa na ordem do dia era comprar preservativos. Eu esperava que ela não ficasse ofendida. Mas se ela ficasse, quem se importava. Eu coloquei o meu terno Armani e desci as escadas, onde Madeline, minha empregada, tinha o café da manhã esperando por mim. —Bom dia, Madeline. — Eu sorri. —Bom dia, Jack. Você parece estar de bom humor esta manhã. —Isso é porque eu estou. A minha nova assistente pessoal começa hoje. Ela suspirou. —Você gostaria de fazer apostas sobre quanto tempo ela vai durar? —Agora, agora, Madeline. Não vamos ser negativos. Hoje não. Garrett me disse que ela é extremamente organizada e ela ainda endireitou o peso de papel em sua mesa. Assim, por essa razão algo me diz que ela vai ser boa. —Ótimo. Ela possui as mesmas qualidades que você. —Ela revirou os olhos. Madeline era uma boa mulher, com um bom coração. Ela estava em seus cinquenta anos e ela trabalhava para mim por cerca de três anos. Ela não tolera minhas merdas e eu a respeito por isso. Ela me lembrava da minha mãe, mas mais agradável. Tony, o meu motorista pessoal e amigo, entrou na cozinha e olhou para Madeline. Eu tinha certeza que ele tinha uma queda por ela. Estremeci com o pensamento. Eu gostaria de pegar os dois conversando no início da manhã antes que eu entrasse para café da manhã. Certa vez perguntei a ele sobre isso e ele disse que eu estava imaginando coisas. Eu sabia muito bem que eu não estava imaginando nada. Ambos nunca tinham sido casados e fora trabalharem para mim, eu não acho que eles tinham vida.


Quando ele estava dirigindo para o meu escritório, eu o tinha parado no Starbucks para que eu pudesse tomar um café. Eu chamei Coco antes de sair de casa e pedi que ela parasse para mim e ela me disse para eu mesmo parar e que era melhor não chamar a sua secretária. A voz dela estava me ameaçando, o que me disse que ela estava em outro estado de espírito. Ficar na fila no Starbucks não era o jeito que eu queria começar a minha manhã. Na verdade, esta seria a última vez, já que minha nova PA iria buscar o meu café para mim a partir de agora. Quando eu olhei para o meu telefone, os meus olhos se fixaram em um par de longas pernas magras, a minha frente, bem como a bunda esculpida que estava anexada a elas. Olhei essa mulher de cima para baixo em sua saia preta e casaco combinando. Seu cabelo longo, louro, ondulado estava perfeitamente sobre os ombros. Era o tipo de cabelo que era perfeito para puxar durante o sexo. Eu queria ter um vislumbre dela de frente, mas eu não poderia dizer: “Desculpe-me, mas você é quente e deliciosa na parte de trás, por isso, poderia se virar para que eu possa ver o resto do seu pacote”. Eu tentei não pensar nisso. Ela fez seu pedido e deu um passo para o lado. Depois de fazer a minha encomenda, olhei para ela antes de tomar o meu lugar atrás dela. Ela era bonita. Ela ficou aproximadamente um metro de distância com sua estrutura pequena. Eu não conseguia pegar a cor dos olhos dela porque ela estava olhando para baixo enquanto o atendente preparava o café. Quando ele colocou seu copo em cima do balcão, ela o agarrou e rapidamente se virou, derramando um pouco de café no meu novo terno Armani. —Oh meu Deus. Eu sinto muito. —Seus olhos azuis cativantes encararam os meus. Cativante ou não, eu estava chateado como o inferno. Eu dei um passo para trás e examinei meu terno. Ela rapidamente pegou um guardanapo e começou a limpar o meu terno com ele.


—Pare!— Eu ordenei. —Você vai deixar fiapo do guardanapo por todo o meu casaco. —Sinto muito. Por favor, me deixe pagar para ter isso limpo para você. —Não se preocupe com isso. Basta levar o seu café e ir — Eu falei com irritação. Eu poderia dizer que ela estava envergonhada, mas eu não me importei. Ela era desajeitada e eu queria ela fora da minha vista. —Mais uma vez, eu sinto muito. —Basta ir. — Eu acenei com a minha mão. Eu murmurei sob a minha respiração enquanto eu subia na limusine. —Tony, você precisa me levar de volta para casa para que eu possa mudar o meu terno. Alguma loira desajeitada derramou café em mim. —Isso não seria a loira que eu vi praticamente correndo para fora da porta, foi? —Sim, isso era ela. — Eu suspirei. —Pelo menos era uma bela loira que derramou café em você. — Ele sorriu.


Lorelei Que maneira de começar a manhã. Eu não podia acreditar que derramei café no terno daquele cara. Oh bem, ele não deveria ter estado tão perto de mim e ele não tinha que ser tão rude a respeito disso. Em toda a loucura, eu notei como surpreendentemente quente ele era. Havia algo sobre ele que enviou uma vibração para o meu estômago. Ele era alto, provavelmente um pouco mais de 1,80 com cabelo curto castanho, olhos azuis do mar, lábios perfeitamente em forma e uma forte mandíbula masculina que ostentava uma sombra de barba por fazer. Deus, ele era provavelmente um dos homens mais sexy que eu tinha visto em muito tempo. Ele estava chateado e eu orei a Deus que eu nunca o visse novamente. Eu tinha a sensação de que ele nunca me esqueceria e como eu derramei café em todo o seu terno de grife. Ao caminhar para dentro do prédio, eu encontrei Garrett, que me levou até o décimo segundo andar e me mostrou a minha mesa. —Aqui está sua mesa e à direita em frente é o escritório do Sr. Sutton. Espere um segundo e deixe-me ver se ele está lá. Eu coloquei as minhas coisas para baixo e esperei. —Hmm. Ele nunca chega tão tarde. Ele deveria estar aqui agora.


—Olá, — uma voz feminina amigável falou comigo. —Você deve ser a nova PA do Jack. — Ela sorriu quando estendeu sua pequena mão. —Eu sou Lorelei Flynn.— Eu sorri enquanto levemente apertei a sua mão. —Eu sou Coco Sutton. A irmã de Jack. Prazer em conhecê-la. —Prazer em conhecê-la também. Eu amo o seu nome. —Obrigado. Eu aposto que você não pode adivinhar de onde veio. —Ela sorriu. —Estou pensando em Coco Chanel. —Muito bem. Minha mãe era, ou devo dizer, é obcecada por ela. —Aí está você, — Garrett falou com o homem que andava no corredor. —Conheça sua nova PA, Lorelei. Olhei por cima do ombro de Coco e congelei. Ah Merda. Ah Merda. Ah Merda. Meus joelhos começaram a tremer. —Você!— Ele apontou para mim. —Mais uma vez. Eu sinto muito. —Eu mordi meu lábio inferior quando meu estômago começou a fazer uma turbulência. —Em meu escritório, agora!— Ele ordenou. —Que diabos, Jack?— Expressou Coco. Ele invadiu seu escritório e eu olhei para Coco. —Eu posso ter acidentalmente derramado café sobre ele esta manhã no Starbucks. Eu não sabia que ele era meu chefe. Merda! Ela riu. —Lorelei, vocês vão se tornar melhores amigos!— Ela me deu um tapinha no ombro, quando eu entrei no escritório de Jack.


—Feche a porta!— Ele gritou. Engoli em seco quando eu me virei e fechei a porta. —Sente-se!— Ele apontou para a cadeira na frente de sua mesa. Eu estava literalmente tremendo quando me sentei. Ele sentou-se e cruzou as mãos sobre a mesa, olhando para mim sem dizer uma palavra; apenas olhando para mim com aqueles olhos azuis marinhos que mostravam tanta raiva. —Eu tive que ir para casa e me trocar por causa desse pequeno acidente esta manhã. Você é sempre desajeitada? —Sinto muito, senhor. Foi um acidente. —Eu olhei para baixo. —Olhe para mim quando você falar. Ok, esse cara era um porra louca e quem diabos ele pensava que era? Ele agiu como se eu tivesse cometido um assassinato. De repente, a raiva tomou conta de mim quando me levantei e plantei meu dedo em sua mesa. —Talvez você não devesse estar tão perto de mim. Se você não tivesse invadido meu espaço pessoal, eu não teria derramado café sobre você. Como eu disse, foi um acidente e eu sinto muito. Eu vou pagar para que seu terno seja limpo. Ele olhou para mim em choque quando ele se inclinou para trás em sua cadeira. Me analisou por um momento, seus olhos varrendo sobre mim da cabeça aos pés. —Você está certa. Você vai pagar para que o terno seja limpo. Na verdade, esse é o seu primeiro trabalho como minha assistente pessoal. Você está levando o meu terno para a lavanderia no final da rua. —Sim, senhor— eu disse calmamente.


—Agora, sente-se. Eu quero passar por cima de algumas coisas com você. —Ele estendeu a mão para a gaveta da escrivaninha, tirou um celular e o entregou para mim. —Isto é para você. Não é para uso pessoal. É para que eu consiga falar com você quando não está no escritório. Meu número já está programado no mesmo. Este é apenas para fins profissionais. Quando ele toca, eu espero que você responda. Se eu lhe enviar uma mensagem de texto, você deve responder imediatamente. Você entendeu, senhorita Flynn? —Sim senhor. Eu entendo. —Bom. Você também vai estar aqui oito horas em ponto. Na verdade, eu preferiria você aqui alguns minutos mais cedo e você deve estar disponível em todos os momentos. Mesmo depois de passado o horário de trabalho. —Mas, senh… —Sem mas, senhorita Flynn. Você aceitou este trabalho como minha assistente pessoal e eu levo isso muito a sério. Se isso vai ser um problema para você, então talvez você deva reconsiderar. —Não vai ser um problema, senhor. —Pelo amor de Deus, por favor, pare de me chamar de “senhor”. Apenas me chame de Sr. Sutton. —Sim, Sr. Sutton, — Eu falei. —OK. Agora que estamos claros, meu terno está sobre a cadeira. Leve-o para a lavanderia e volte correndo. Eu me levantei da cadeira e agarrei seu terno. Abrindo a porta do escritório, notei Garrett de pé perto da minha mesa com um olhar de pânico no rosto. Eu sorri. —Não se preocupe. Eu posso lidar com o Sr. Sutton.


Ele soltou um suspiro de alívio. —Eu estava me preparando para ter que encontrar uma substituta para você.

Jack Eu assisti quando suas pernas longas e magras e bunda esculpida deixaram o meu escritório. Porra, ela era bonita e era minha PA. Eu não estava muito certo como isso iria funcionar. Minhas outras PAs eram ok, mas realmente nada para olhar. Mas Lorelei Flynn; ela era definitivamente algo para olhar. Que porra, eu estava sem ar e ficando duro quando ela se levantou, colocou o dedo na minha mesa e tomou um tom comigo. Garrett entrou balançando a cabeça. —Você tem algumas sérias explicações para dar— eu falei quando eu apontei meu dedo para ele. —Eu? Que porra é essa, Jack. Ela não estava aqui dois minutos e você já gritou com ela assim? O maldito escritório inteiro poderia ouvilo. —Você não disse que ela era atraente. Você não disse que ela era sexy como o inferno. Que poderia muito bem representar um problema para mim e meu pau. Ele colocou a mão para cima. —Você nem sequer pense nisso. Jesus Cristo, Jack, você sabe a ação judicial que ela poderia arquivar se você sequer pensar em transar com ela? Ela é uma boa garota. Deixa a em paz. Eu levantei a cabeça para ele. —Você tem algo por ela?


—Não. Absolutamente não. Ela precisa desse trabalho, cara. Ela realmente precisa. —Por que ela precisa dele tão mal assim?— Eu olhei para ele. Eu tenho a sensação de que havia algo que ele não estava me dizendo. —Por que alguém precisa de um emprego? Ela está se sustentando e ela mora em Nova York. Disse o suficiente. Ouça, no ano passado, você já passou por quatorze PAs. Eu acho que pode ser algum tipo de recorde mundial. Você tem uma reputação, Jack. Vamos tentar inverter esta situação e manter esta em torno por um tempo. Revirei os olhos. —Eu irei fazer o meu melhor. Ele suspirou e saiu.


Lorelei Eu entrei na lavanderia e entreguei ao homem o terno de Jack. —Isto é para o Sr. Sutton. —Ah. Você não é a Amber —, ele falou. —Não. Eu sou Lorelei, nova assistente pessoal do Sr. Sutton. —Entendo. Outra, hein? Aquele homem com certeza sabe como passar por assistentes. Eu vou ter este pronto amanhã à tarde. Boa sorte para você Lorelei. —Ele sorriu. Eu lhe dei um pequeno sorriso de volta e ouvi o telefone que Jack me deu tocar. Puxei-o da minha bolsa e o choque tomou conta de meu rosto enquanto eu lia sua mensagem de texto. Eu esqueci de te contar. Em seu caminho de volta, pare na farmácia e me compre uma caixa de preservativos. Isso era uma piada, certo? Ele seriamente não me faria comprar preservativos para ele. Ele faria? Você está falando sério? — Eu digitei rapidamente. Mortalmente sério. Você tem algum problema com isso? Merda. Ele estava falando sério. Isso era um pesadelo.


Não. Não há problema em tudo, Sr. Sutton. Caminhando para a farmácia, eu fui para o corredor onde os preservativos eram mantidos e olhei para a grande tela que estava diante de mim. Fazia anos desde que eu olhei para preservativos. Na verdade, eu não acho que eu já vi. Brett sempre comprava. Por que diabos estavam lá tantos tipos diferentes? Minha mente estava superlotada, então liguei para Stella. —Olá. Por que você já está me chamando? Você não desistiu, não é? —Não— eu sussurrei. —Ele me mandou para lhe comprar uma caixa de preservativos e eu não sei qual deles comprar. Há tantos malditos tipos diferentes que está fazendo minha cabeça doer. Uma explosão de risos veio através do telefone. —Isso não é engraçado, Stella. Eu preciso de sua ajuda. —Eu sinto muito, Lorelei, mas nós não usamos preservativos. Eu tenho um DIU, lembra? —Merda. Esqueci. —Você ou terá que pegar uma caixa ou lhe perguntar quais ele prefere. — Ela riu incontrolavelmente. —Obrigada. —Desculpa. Eu realmente sinto muito. —Ela continuou a rir. —Eu te ligo mais tarde. Ok, então ele queria fina, sensível, ou talvez mais forte? Texturizados ou não texturizados? Ele era uma aberração em preservativos coloridos? Dessensibilizar preservativos? Lubrificado ou


não lubrificado? Foda se eu soubesse. Maldito seja por me fazer, fazer isso. Peguei os de ultra-nervuras Ecstasy e levei a caixa até o balcão. —Se estes não forem os corretos, eu posso devolvê-los?— Perguntei ao balconista. —Você não sabe se você está comprando os preservativos certos?— Perguntou ele com um sorriso. —Eles não são para mim. São para o meu chefe, um homem que eu só comecei a trabalhar cerca de uma hora atrás. Minha primeira missão era levar seu terno para a limpeza e em seguida, ele me envia para comprar seus preservativos. O balconista inclinou a cabeça. —Estes não poderiam acontecer de ser para o Sr. Sutton, poderiam? Meu coração começou a correr. Você tem que estar brincando comigo. —Sim, eles são. — Eu fiz uma careta. O balconista acenou com a cabeça. —Eu já volto. — Ele pegou a caixa com ele e poucos segundos depois, ele voltou com uma caixa de Magnum XL. —Estes são os que o Sr. Sutton usa. Eu balancei a cabeça em desgosto. —E como você sabe disso? Ele riu. —Você não é a primeira PA dele que é enviada para comprar seus preservativos. —Obrigada. — Eu pago os preservativos, os empurro na minha bolsa e saiu. XL? Agora eu estava curiosa, mas logo que tive esse pensamento nojento, o empurrei para fora da minha cabeça. Ele era meu chefe e eu não deveria estar pensando em seu pênis.


Quando cheguei de volta ao escritório, eu bati na porta e ele me disse para entrar. Alcançando a minha bolsa, peguei a caixa de preservativos e coloquei em sua mesa. —Obrigado, e você tem o tamanho certo.— Ele sorriu. —Como você sabia? —O bom homem atrás do balcão me disse. —Ah, você deve ter encontrado Juan. Bom garoto. Comecei a sair de seu escritório e parei quando cheguei à porta. Virando-me, eu falei, — Extra-grande? Ele arqueou as sobrancelhas e sorriu para mim. Eu tomei uma respiração profunda e calmamente fui para minha mesa.

Jack Ela estava pensando sobre meu pau e isso me fez feliz, mas meus pensamentos felizes caíram assim que minha mãe entrou no meu escritório. —Olá, Jack. Você aprovou o layout final da propaganda editorial para a edição do próximo mês? —Sim eu fiz. —Bom. Agora quem é aquela fora do seu escritório? —Ela é a minha nova PA e seu nome é Lorelei. —O que aconteceu com Amber?


Eu dei de ombros. —Ela saiu. —Bom sofrimento. Você é tão mau como eu sou. De qualquer forma, eu quero fazer o lançamento da revista do próximo mês com Vidal. Assim, agende alguma coisa. Isto é importante porque ele é um novo designer com um olho incrível e seu trabalho deve ser notado. É o nosso trabalho fazer isso acontecer. —Claro. Vou verificar isso imediatamente. —Bom. Além disso, eu vou jantar em casa hoje à noite e eu quero você lá. Coco e Joshua vão estar lá também. Sete horas em ponto. —Eu tenho planos para esta noite. —Cancele-os. A família é mais importante. Ta-Ta, querido. Revirei os olhos e chamei Lorelei no meu escritório. —Nós vamos estar fazendo o lançamento para um designer no próximo mês. Aqui está uma lista de locais que normalmente usamos. Chame-os e veja se há alguma coisa disponível para a segunda sextafeira de outubro. Uma vez que tivermos o local certo, você vai precisar encomendar convites. Há uma lista de pessoas que deverão ser convidadas em um arquivo no seu computador. —Sim, Sr. Sutton. —Isso é tudo, Lorelei. Você pode voltar para a sua mesa. Ela me deu um pequeno aceno de cabeça e quando ela estava saindo do meu escritório, eu não poderia me ajudar. —Aham, Lorelei. —Sim. — Ela se virou e olhou para mim com seus lindos olhos azuis. —Você ainda está pensando sobre o meu pau?— Eu sorri.


窶年a verdade, eu jテ。 esqueci sobre isso e eu nテ」o me importo de pensar sobre isso novamente. O pequeno sorriso no meu rosto rapidamente se dissipou quando ela disse isso. Ela ia ser um desafio. Mas logo, ela iria quebrar.


Lorelei Eu levei o meu caderno de desenho para o Central Park e me sentei sob uma árvore para esboçar e comer o meu almoço. Era um belo dia de setembro e eu precisava sair do escritório. Entre o café derramado e à compra de preservativos, eu já estava exausta e meu dia estava apenas pela metade. Eu não conseguia parar de pensar em Hope e como eu desejei que eu pudesse estar lá depois da aula para buscá-la. Voltando à rotina de trabalho após estar fora por dois meses foi difícil. Quando eu estava desenhando, meu telefone de negócios tocou. —Olá. —Onde você está?— Perguntou Jack. —Eu estou no almoço. Eu lhe disse que eu estava saindo. —Está certo. Esqueci. Em seu caminho de volta, pare no Pickle Deli e me compre um sanduíche de carne enlatada. Basta dizer-lhes que é para mim. Eles sabem exatamente como eu gosto. —Sim, Sr. Sutton. Clique. Peguei o telefone da minha orelha e olhei para ele. Ele não podia dizer obrigado ou adeus? Este trabalho está indo para ser um desafio. Correção, Jack Sutton ia ser um desafio, mas eu não tinha escolha. Eu


precisava desse trabalho, especialmente se eu estava pensando em me mudar. Eu chego ao escritório e coloco o saco de papel marrom em sua mesa. —Obrigado, Lorelei. — Ele sorriu. Hmm. Por que ele estava sendo tão bom? Talvez ele estivesse se sentindo mal por mais cedo, mas eu duvidava. —Disponha. —Como foi o seu almoço?— Perguntou. —Bom. —O que você fez? —Fui para o Central Park. Por que ele estava preocupado com o que eu fiz no meu próprio tempo? —E fez o quê? —Comi meu almoço. — Eu fiz uma careta. —Então você trouxe seu próprio almoço? —Sim. Existe uma regra contra isso? —Não. — Ele balançou a cabeça. —Eu estava apenas curioso. —Por quê? —Eu não sei. Agora volte para sua mesa e me deixe comer. Saí confusa. Foi ele quem começou a me fazer perguntas.


Era finalmente cinco horas e eu não poderia ter estado mais feliz. Corri para a casa da minha mãe. Os três haviam acabado de se sentar para jantar. —Mamãe!— Hope gritou quando ela se levantou da mesa e correu para mim. —Oi Bebê. Como foi o seu dia? —Foi bom. Vovó me levou para tomar sorvete depois da escola. —Ela estraga você. — Eu sorri. —Sente-se e jante — Nick falou comigo. Aproximei-me, beijei sua bochecha e depois fui para minha mãe. —Você parece cansada, querida. —Eu estou. Foi um longo primeiro dia. Depois de terminar o jantar, levei Hope para casa e a coloquei para tomar banho. Uma vez que eu li uma história para ela dormir, lhe dei um beijo de boa noite e fui para o meu quarto. Depois de mudar para o meu pijama, eu subi na cama e folheei a Revista Sutton que eu tinha comprado no caminho de casa. De repente, meu telefone apitou. Estendi a mão e o agarrei da mesa de cabeceira. Merda. Era o meu telefone da empresa que tocou. Eu saí da cama e peguei minha bolsa. Puxando-o para fora, subi de volta para a cama e notei uma mensagem de texto de Jack. Antes de vir para o escritório amanhã, na verdade, o faça todas as manhãs, eu quero que você pare no Starbucks e me traga um Venti Americano com um tiro


triplo de café expresso4. Mas certifique-se que você estará no escritório às oito horas em ponto. Sim, Sr. Sutton. Aproveite o resto da sua noite, Lorelei. Você também. Tente não derramar café em mim amanhã. Ele nunca ia deixar essa passar. Não invada meu espaço pessoal e eu não vou. Boa. Essa observação irá calá-lo. Eu tive minha cota de Mr. Jack Sutton para o dia e tudo o que eu queria fazer era ir dormir e esquecer sobre ele.

Jack Eu não pude deixar de sorrir quando vi sua resposta. Ela foi à primeira de qualquer uma das minhas PAs a me responder e isso me excitou. Ela não era como as outras. As inúmeras vezes que passei por sua mesa, ela sorria para mim. Mas eu não tinha certeza se era um sorriso genuíno ou um falso sorriso. Mesmo depois de gritar com ela do jeito que eu fiz, ela ainda sorriu para mim. Ela tinha um belo sorriso que combinava com seu nariz pequeno bonito e seu belo rosto. 4

Dois tiros de café expresso são cobertos com água para produzir uma leve camada de creme, em

seguida, servido com gelo.


— Posso perguntar para quem você esta mandando mensagem de texto?— Minha mãe perguntou quando ela entrou na sala de estar. —Minha PA. Eu preciso ter certeza que ela tenha o meu café da manhã. —É melhor você ser bom para ela — Coco falou enquanto seguia atrás da minha mãe. —Por que todo mundo fica me dizendo isso? Eu sou bom. —Ha. Não depois do que eu vi hoje. —Isso foi apenas um mal-entendido, irmã. —Um mal entendido quando todo o piso ouviu você gritando com a pobre moça. Franny estava praticamente escondida debaixo de sua mesa. —Jesus, pare de exagerar. De qualquer forma, eu estou indo embora. —Eu beijei Coco e minha mãe em suas bochechas e encontrei Tony do lado de fora.

Na manhã seguinte, aproximadamente sete e cinquenta e oito, eu estava sentado na minha mesa esperando meu café ser entregue. Ela tinha exatamente dois minutos, ou então. Eu deixei a minha porta do escritório aberta para que ela pudesse apenas trazê-lo sem bater. Eram oito horas quando ela pulava pela porta. —Bom Dia. Aqui está o seu café. —Ela sorriu quando ela colocou o copo na minha mesa.


—Eu estava começando a ficar preocupado que você estaria atrasada. —Realmente? Estive aqui há pelo menos dez minutos. Eu levantei minha cabeça para ela e estreitei os olhos. —Onde? Você não estava em sua mesa. —Não, eu não estava. Você disse para estar aqui às oito horas em ponto. —Ela olhou para o relógio na parede. —É oito em horas em ponto.— Ela sorriu. —Então, onde você estava?— Eu perguntei com irritação. —Por aí. —Então você estava andando por aí com meu café para os últimos dez minutos? —Sim. — Ela balançou a cabeça lentamente. Apertei os lábios com força e inalei uma respiração afiada. —É melhor não estar frio, Lorelei. —Não está. — Ela sorriu quando saiu e fechou a porta atrás dela. Eu estava tentando o meu melhor para não gritar. Peguei meu café e tomei um gole. Ele ainda estava quente. Boa coisa para ela.


Lorelei Quando eu estava sentada na minha mesa olhando sobre os convites para o lançamento, Coco se aproximou. —Como vão as coisas com o meu irmão?— Ela perguntou quando se sentou na quina da minha mesa. Eu dei um pequeno sorriso. —OK. Ele é exigente, bruto, rude e um pouco humilhante, mas nada que eu não possa lidar. Ela soltou uma risada luz. —Eu gosto de você, Lorelei. Jack tem lhe mostrado o resto do que compõe a Revista Sutton? —Não. — Eu balancei minha cabeça. —Venha, então. Eu vou te dar o grande Tour. —Mas ele vai se perguntar onde eu estou. E se ele precisa de alguma coisa? Ela acenou com a mão na frente do rosto, se levantou da minha mesa e abriu a porta de seu escritório. —Eu não posso acreditar em quão rude você é por não ter dado a Lorelei o grande Tour. Se você precisar de alguma coisa, você vai ter que fazê-lo sozinho, porque eu estou a roubando para longe por um tempo.


—Ela fechou a porta antes que ele tivesse a chance de responder e sorriu para mim. Revista Sutton começa no décimo andar e sobe todo o caminho até o décimo quinto andar. Havia de tudo, desde o departamento de arte a de fotografia. Um piso cheio de roupas e desenhos, um salão de beleza, o departamento de finanças, e no piso editorial, que estava localizado na parte superior onde à mãe de Jack tinha seu escritório. Fiquei encantada com tudo de moda e eu estava no paraíso. Nós nos aproximamos de um grande escritório com portas de vidro e sobre essas portas, lia-se “Kit Sutton”. —Este é o escritório da minha mãe. Você já foi introduzida? —Não. Quando entramos no interior, Kit olhou para nós. —Mãe, esta é Lorelei Flynn, nova assistente pessoal de Jack. Ela se levantou de sua cadeira e estendeu a mão, mas não antes de me olhar de cima para baixo. —Prazer em conhecê-la. Eu espero que você fique por muito mais tempo do que as últimas quatorze. Engoli em seco. Eu não tinha ideia de que Jack tinha tido muitas assistentes. —Eu planejo seguir adiante e é bom conhecê-la. — Eu sorri enquanto levemente apertei a mão dela. —Eu espero que você goste de trabalhar para nós aqui em Sutton Magazine. —Obrigada.


Eu poderia dizer que Kit Sutton era uma força a ser reconhecida. Ela estava pronta, com autoestima elevada e tinha uma forma de gerenciar os negócios como ninguém que eu já conheci; bem, exceto o seu filho. Ela estava de pé e tinha cerca de 1,70 de altura, com uma figura voluptuosa. Seu cabelo loiro era cortado de maneira que ostentava as pontas onduladas e ela tinha olhos castanhos de aparência séria. Eu estaria mentindo se eu não dissesse que ela me intimidava completamente. Mas tínhamos uma coisa em comum; que ambas compartilhávamos; o amor por Coco Chanel. Após o passeio, Coco e eu voltamos para o décimo segundo andar. Quando eu estava caminhando de volta para minha mesa, Jack estava de pé na porta de seu escritório. —Você precisa de alguma coisa?— Perguntei. —Sim. Eu preciso que você venha ao meu escritório. Ao entrar em seu escritório, eu tomei um assento na cadeira em frente de sua mesa. —Você não me disse se garantiu um local para o lançamento no próximo mês. —Eu tenho. Vai ser no Lincoln Center a partir das sete horas. Eu estou no processo de obter os convites impressos e os envelopes endereçados para as pessoas na lista de convidados. Ele estreitou os olhos para mim quando se inclinou para trás em sua cadeira. Meu Deus, ele era sexy e cada vez que eu olhei para ele, senti como se eu tivesse perdida em seus olhos. Que diabos estava acontecendo comigo? Ele poderia ter sido algo especial para olhar, mas seus modos gerais definitivamente o sugou. —Você fez tudo isso sem me dizer?


—Sim. Você me pediu para fazer alguma coisa, então eu fiz. Você quer que eu te incomode com todos os pequenos detalhes? Você não confia na minha capacidade de concluir algo que você me pediu para fazer? —Para ser honesto, não, eu não sei. Eu tive más experiências com as minhas PAs anteriores. —Entendo. Bem, posso assegurar-lhe, Sr. Sutton, que eu não vou decepcioná-lo. Se você me pedir para fazer alguma coisa, eu vou fazê-lo com perfeição. Se eu tiver uma pergunta, eu vou chegar até você e falar sobre isso. Os cantos de sua boca se curvaram ligeiramente para cima. —Até que eu possa confiar em você e suas habilidades totalmente, eu quero que tudo passe por mim primeiro. Você entende? —Completamente. — Meus lábios deu lugar a um sorriso forçado. —Há mais alguma coisa?— Perguntei. —Não. Isso é tudo.

Jack Havia algo sobre Lorelei Flynn que estava me levando querer conhecê-la melhor. Talvez fosse o quanto ela era bonita. Talvez fosse o que eu imaginava que tinha debaixo daquelas roupas que ela usava. Talvez fosse seu perfume Joe Malone que filtrava através do ar sempre que ela estava perto. Vou dar-lhe crédito; ela sabia como escolher o perfume dela. Minha última PA, Amber, sempre cheirava a algum spray corporal barato de farmácia. Estremeci cada vez que ela entrava no meu


escritório. O que quer que fosse que me fez ter essa necessidade louca de conhecê-la melhor estava recebendo o melhor de mim e isso estava me deixando louco. Eu não deveria me senti assim. Ela era minha assistente pessoal, mas tudo que eu conseguia pensar era em mil maneiras para ela me ajudar pessoalmente, exceto no escritório. Veja, era esse tipo de pensamento que tive que parar. Mais tarde naquela noite, eu levei um amigo meu, Jamie Walters, para jantar e em seguida, voltei para minha casa para transar. Eu nunca levo as mulheres que eu trago para minha casa, no andar de cima, para minha cama. Eu tinha um quarto de hóspedes no primeiro andar que eu uso e eu nunca lhes permito passar a noite. Eu não estava interessado em carícias, ficar agarrado acariciando seus cabelos; nenhuma daquelas besteiras românticas. A única coisa que eu queria era um bom sexo que me deixasse satisfeito e então eu lhes envio para o seu caminho. Algumas eu deixava chorando e algumas ficavam chateadas como o inferno. Isso era problema delas, não meu.


Lorelei Graças a Deus que era sexta-feira. Meu último dia de trabalho por dois dias e então eu seria capaz de passar todo o fim de semana com a minha filha. Jack não estava no escritório na maior parte da manhã, porque ele estava em reuniões, uma após a outra. Era finalmente a hora do almoço, então eu peguei meu bloco de desenho, que estava ligado em um estojo de couro com fecho, o meu almoço e me dirigi para o Central Park. Sentada sob a mesma árvore que eu tinha estado, eu trabalhei em meus esboços e comi o meu almoço. Não passou muito tempo quando o meu telefone da empresa apitou com uma mensagem de texto de Jack.

Eu sei que você está na hora do seu almoço, mas quando você tiver acabado, eu preciso que você vá ao Banana Republic e pegue as roupas que eu coloquei juntas. Chame Tony quando você as tiver e ele irá buscála. Além disso, pare no Starbucks e traga o meu café. Sim, Sr. Sutton. Quando a minha pausa para o almoço acabou, eu fiz como Jack mandou. Depois de pegar as roupas e parar na Starbucks, entrei em seu escritório e coloquei o copo sobre a mesa. —Pendure as roupas naquela prateleira. — Ele apontou.


Ele se levantou da mesa e tirou o plástico de cada uma das roupas. —Que porra é essa?! Isso não é o que eu pedi — ele gritou. — Quem diabos colocou essas roupas juntas?— Ele andou ao redor da sala com raiva. Levantei-me e olhei para as roupas e em seguida, caminhei até elas e mudei algumas coisas em volta. —O que diabos você pensa que está fazendo?— Ele perguntou. —Reorganizando algumas coisas. Eu acho que ficará melhor assim. Ele ficou para trás com as mãos nos quadris e olhou para as roupas enquanto eu reorganizava e em seguida, olhou para mim. —Você acha que parece melhor? —Sim— eu falei baixinho. —Bem, eu não sei. Coco entrou no escritório. —Oh, perfeito. Você tem as roupas da Banana Republic. Parece bom, Jack. —Ela sorriu quando levou da prateleira de seu escritório. Eu olhei para ele e dei de ombros. —Eu disse que parecia bom. Ele suspirou e revirou os olhos. —Saia do meu escritório. Eu não sabia o que diabos era o seu problema, mas não tinha necessidade de descontar em mim. Era finalmente cinco horas. Peguei meu caderno de esboços, minha bolsa e saí do prédio. Quando eu estava tentando chamar um táxi, meu telefone da empresa tocou. Era Jack. Eu me encolhi. —Olá.


—Eu preciso que você me encontre para jantar hoje à noite. Eu tenho algumas coisas que eu quero resolver com você sobre a festa de lançamento. —Isso não pode esperar até segunda-feira? —Não, senhorita Flynn. Não pode. Encontre-me no Four Seasons às oito em ponto. —Mas, Mr… —Sem, mas, Lorelei. Esteja lá, caso contrário. Clique. Eu não podia acreditar nisso e nos nervos dele. Eu rapidamente liguei para Stella. —Olá, melhor amiga. E aí? —Eu sinto muito ter que pedir isso, mas você acha que você e Sebastian podem vir e tomar conta de Hope hoje à noite? Meu chefe idiota está me fazendo encontrar com ele para jantar no Four Seasons. —Lugar legal. Mas por que ele está fazendo com que você o encontre em uma noite de sexta-feira? —Ele disse que precisa resolver algumas coisas comigo a respeito da festa de lançamento. — Eu finalmente chamo um táxi e entro. —Hmm. Parece-me que ele está usando isso como desculpa para ver você. —Oh, por favor. Eu apenas atirei isso da minha boca e eu quero que você saiba. Ela riu. —É claro que vou tomar conta de Hope. Vou levar alguns jogos de tabuleiro. Vai ser divertido.


—Obrigado. Devo-lhe. —Não, você não. A que horas você nos quer lá? —Eu tenho que encontrá-lo às oito horas em ponto. Portanto, esteja na minha casa às sete e quinze. —Certo, docinho. Bem, vejo você mais tarde. Peguei Hope na casa da minha mãe e esperei até chegarmos em casa para lhe dizer sobre meus planos para o jantar. —Bebê, eu tenho que encontrar o meu chefe para jantar hoje à noite, mas Tia Stella e Tio Sebastian estão vindo para ficar com você. —Ok. — Ela olhou para baixo com decepção. —Por que você esta o encontrando? —Ele quer resolver sobre o planejamento de um evento que sua revista está organizando. — Eu corri a palma da minha mão pelo seu rosto. —Ele parece malvado. —Ele é. Mas não se preocupe. Temos todo o fim de semana para nós mesmos. —OK. —Você entende, certo? —Sim. Eu sei que é o seu trabalho. —Obrigada querida. Eu vou compensar você. Ela se sentou na minha cama enquanto eu estava me arrumando para o jantar. O Four Seasons era um lugar luxuoso e eu precisava me vestir adequadamente. Eu fui para a parte de trás do meu armário e


tirei um vestido preto curto que eu tinha feito há alguns meses, mas nunca tive a ocasião certa para vestir. —O que você acha?— Eu perguntei a Hope quando eu o segurei sobre mim. —Eu gosto disso. — Ela sorriu. Depois de escorregar para o vestido, eu prendi meu cabelo e preparei a minha maquiagem. Eu ouvi a porta da frente aberta e Hope saltou fora da cama para correr e ver Stella e Sebastian. —Olhe para você, simpatia de menina. — Stella sorriu quando ela entrou no quarto. —Veja, toda quente para o chefe. —Oh, por favor. Você sabe O Four Seasons é sofisticado. —Eu sei, mas de alguma forma, eu tenho a sensação de que o queixo do Sr. Sutton vai cair quando você fizer a sua entrada. —Oh, ele vai cair e eu tenho certeza que alguns gritos serão lançados quando isso acontecer. Ela riu e eu coloquei meus saltos. —Mais uma vez obrigado por ter vindo. Eu entrei na sala de estar e Sebastian assobiou quando me viu. Eu bati-lhe no peito com um sorriso, dei um beijo de adeus em Hope e me dirigi para o Four Seasons. Quando eu cheguei ao restaurante, a anfitriã me levou para a mesa onde Jack já estava sentado. —Uau— ele falou. —Você parece ótima. Eu gosto desse vestido. Onde você conseguiu isso? —Eu fiz isso— eu respondi quando me sentei na cadeira em frente a ele.


Seus olhos se arregalaram. —Você fez isso? —Sim. Ele inclinou a cabeça. —Existe algo que eu não sei sobre você? Deixei escapar uma risada. —O que você quer dizer? —Você reorganiza as roupas em meu escritório para torná-las melhor e agora você está vestindo um vestido de aparência espetacular que você mesma fez. Peguei o copo de água que estava na minha frente e tomei um gole. —Eu estudei na Parsons por um par de anos. —Interessante. Você não se formou? — Perguntou. —Não. Eu tive que abandonar devido a uma emergência de família, então eu perdi minha bolsa de estudos. Eu não podia me dar ao luxo de voltar. —Entendo. Como é que eu não sabia que você era uma menina fashion? —Você nunca perguntou, eu acho. —Então eu vou ter que começar a fazer mais perguntas. — Ele piscou. Estreitando os meus olhos para ele, eu falei: — Você disse que não gostou das roupas que eu reorganizei. —Minha irmã fez e isso é tudo que importa. E não é que eu não gostei delas. Eu estava chateado que elas não eram exatamente o que eu pedi.


Jack Eu usei a festa de lançamento como uma desculpa para jantar com Lorelei. Depois que ela disse boa noite para mim e eu a vi caminhar pelo corredor e em direção ao elevador, a ideia de não vê-la novamente até segunda-feira me incomodou. Eu já tinha planos para esta noite com Kate, mas eu cancelei para que pudesse jantar com Lorelei, mesmo sabendo que o sexo não faria parte dos planos de hoje à noite. —Posso ver sua mão?— Perguntei. —Desculpe-me?— Ela inclinou a cabeça. Meus lábios deram lugar a um pequeno sorriso. —Deixe-me ver sua mão. — Eu coloquei minha mão virada para cima na mesa. —Por quê? —Lorelei, eu não mordo. Ela hesitantemente estendeu a mão sobre a mesa e colocou a mão na minha. Porra. A mão dela era tão suave e meu pau estava em ascensão. Corri meus dedos suavemente ao longo dela. —Você tem dedos longos e finos, o que indica a criatividade. — Eu sorri.


A única coisa naquele momento que eu conseguia pensar era como bom esses longos dedos se sentiria envolvido em torno de meu pau. Merda. —Eu já ouvi isso antes. — Ela sorriu de volta. Tocá-la era demais e o desejo intenso que entrou em erupção através do meu corpo era insuportável. Eu soltei sua mão e tomei um gole da minha bebida. —Garrett não lhe disse nada sobre mim?— Perguntou ela. —Não e ele sabe que não precisa. Eu confio nele para contratar as melhores pessoas para mim. —Mas você já passou por quatorze assistentes. —E como você sabe disso?— Eu sorri casualmente. —Sua mãe me disse. Ela disse que espera que eu fique mais tempo do que suas últimas quatorze PAs. Eu ri. —Bem, Garrett não era o culpado, ou talvez ele fosse. Quem sabe. Mas eu tenho a sensação de que fez a escolha certa desta vez. —Nós veremos. Não vamos? —Ela sorriu e meu pau atingiu sua plena ascensão. —O que mais há em você que eu deveria saber? —Sr. Sutton, você me chamou aqui esta noite para falar sobre a festa de lançamento, não sobre a minha vida pessoal. Portanto, se você não se importa, eu gostaria de chegar isso. Arqueando minha sobrancelha, olhei em seus belos olhos azuis. —Você parece estar com pressa. Existe um namorado esperando por você em casa?


—Não. Eu deixei silenciosamente escapar um suspiro de alívio. Sem marido e sem namorado. Isso foi bom, mas chocante. O que faz alguém tão bonita e inteligente quanto ela não ter um namorado? Quando estávamos comendo nosso jantar, eu puxei o meu telefone tocando do meu bolso e vi que minha mãe estava chamando. —Olá. —Jack, você precisa vir para o escritório imediatamente. Vidal acabou de montar a linha de roupas para a divulgação em dezembro e temos de passar por cima disso. Coco também está aqui. —Eu estou no meio do jantar. Não pode esperar até amanhã? —Peça para viagem e coma mais tarde. E não, isso não pode esperar até amanhã. No caso de você ter esquecido, eu estou indo para Los Angeles. Eu suspirei. —Bem. Eu estarei ai assim que eu puder. — Clique. —Eu sinto muito, Lorelei, mas nós vamos ter que discutir o resto dos detalhes na segunda-feira. Minha mãe precisa de mim. —Está tudo bem?— Perguntou ela. —Sim, ela precisa de mim no escritório. Esta é a razão por que a mulher se divorciou seis vezes. Ela tentou não rir, mas ela fez de qualquer maneira. Eu sorri. —Venha comigo para o escritório e então eu vou ter Tony te levando para casa. —Está tudo bem, Sr. Sutton. Eu posso pegar o metrô.


—Você não está pegando o metrô, esta tarde. Não é seguro. Na verdade, não é seguro nunca. —Eu acenei minha mão para a garçonete e tive minha caixa para viagem com os nossos jantares. Lorelei saiu da cabine e eu coloquei minha mão na parte inferior de suas costas quando saímos do restaurante. Entrando na limusine, eu disse a Tony para nos levar para o escritório e em seguida, o instrui a conduzir Lorelei para casa. Quando chegamos ao escritório, eu saí da limusine e depois me inclinei para ver Lorelei uma última vez. —A propósito, você pode me chamar de Jack. — Eu sorri e fechei a porta.

Lorelei Sentei-me ali com um olhar confuso em meu rosto quando ele fechou a porta. Ele queria que eu o chamasse de Jack? Por quê? A maneira como ele correu os dedos em toda a minha mão durante o jantar enviou uma tempestade através de mim. Seu toque e a sensação que eu senti fez minha cabeça girar. Comecei a suar e meu coração começou a bater rapidamente. Eu até tinha prendido minha respiração por um momento e eu não poderia explicar o porquê. Talvez fosse porque ele era tão sexy. Ele estava confiante, muito confiante. Ele era o tipo de pessoa que gostava de controle. Eu odiava as pessoas assim. Mas havia algo sobre Jack Sutton que criou uma dor entre as minhas pernas. Uma dor que eu não sentia há anos. O tipo de dor que me assustou e poderia me tornar perigosa. Ele está atraído por mim. Isso eu poderia dizer, mas eu quero isso? Quem não gostaria de ter um milionário, homem corporativo quente e sexy atraído por ela? Mas nós


éramos opostos totais e eu tinha certeza que ele estava apenas atraído por mim do lado de fora. Outro entalhe em seu cinto era algo que eu não iria me tornar. —Tony, Jack sempre tem você conduzindo uma de suas PAs em casa? —Não, Lorelei. Você é a primeira. —Ele sorriu através do espelho retrovisor. —Entendo. — Eu olhei para as minhas mãos. Tony parou em frente ao meu prédio e abriu a porta para mim. Saí, agradeci e fui até meu apartamento. —Você está de volta mais cedo. — Stella sorriu quando eu entrei em casa. —Ele teve que ir para o escritório e atender à sua mãe. Algo sobre a edição de dezembro. —Oh. Então, o que você me conta? —Ela sorriu. Revirei os olhos enquanto eu caminhava até a cozinha e enchia um copo de vinho. —Hope está na cama? —Sim. Ela está dormindo por cerca de uma hora — Sebastian respondeu. —Ele queria falar sobre mim e minha vida pessoal. — Eu tomei um gole do copo. —Eu acho que alguém tem uma queda por nossa pequena Lorelei.— Stella sorriu quando ela enganchou seu braço em volta de mim.


—Ele pode ter a queda que ele quiser. Ele é um mulherengo e tudo o que ele pensa a respeito é o sexo. —Assim? Você não teve relações sexuais nos últimos sete anos e ele faz uso de preservativos extragrandes. —Espere um segundo!— Sebastian levantou a mão. —Como diabos você sabe disso? —Eu não disse a você?— Ela riu. —Ela teve que lhe comprar uma caixa. Sebastian revirou os olhos. —O cara soa como um idiota. Quem faz essa merda? —Jack Sutton. Isso é quem. —Eu falei.


Jack Cheguei ao escritório às seis da manhã, e por volta das sete, Garrett veio passear, tomou um assento em frente a mim. —Como foi o seu fim de semana?— Perguntou. —Foi tudo bem. Eu trabalhei a maior parte. Você sabe que eu estou saindo para Paris Fashion Week, em poucos dias e é sempre agitado nessa época. Ele me deu um aceno de cabeça, quando ele cruzou as mãos e as trouxe até seus lábios. —Eu tenho medo de perguntar como Lorelei está trabalhando. —Ela está trabalhando muito bem. Ela é muito talentosa. Por que você não me disse que ela estudou na Parsons? —Teria importado? Você nunca deu a mínima para o que os seus PAs fazerm desde que eles fossem capazes de trabalhar para você. Eu dei de ombros. —Eu ainda acho que você deveria ter me dito. O que mais você sabe sobre ela? —Nenhuma coisa. É isso aí. Por quê?


—Sem razão. Eu a levei para jantar na sexta à noite para discutir os detalhes para a festa de lançamento e eu tentei fazê-la falar sobre sua vida pessoal e ela não quis. Ele inclinou a cabeça para mim, estreitando os olhos. —Você, Jack Sutton, levou a sua PA para jantar? Você nunca fez isso. Dei de ombros novamente. —Eu queria obter os detalhes fora do caminho. Ele se sentou lá e me encarou por alguns instantes, seus olhos procurando dentro de mim para alguma coisa. —Jesus Cristo, Jack. Não! De jeito nenhum! —O quê?— Eu levantei minhas mãos. —Você não está mesmo indo pensar em levá-la para a cama com você. Foda-se, Jack! O que diabos está acontecendo com você? —Eu disse que queria dormir com ela? Eu só disse que queria conhecê-la melhor. —E você conhecê-la melhor vai finalmente acabar com os dois na cama e antes que eu perceba, ela vai se machucar e ela não merece isso. Coco entrou e instantaneamente, Garrett mudou de tom e um sorriso enfeitou seu rosto. Eu tinha notado muito disso ultimamente e estava começando a me incomodar. —O que está acontecendo aqui, senhores?— Coco sorriu. —Nada. Nós apenas estamos tendo um pouco de conversa de negócios — eu respondi. —Jack quer conhecer melhor a Lorelei — Garrett deu com a língua nos dentes.


Coco levantou a sobrancelha para mim. —Por quê? Você nunca quer ficar e conhecer alguém pessoalmente. Eu me inclinei na minha cadeira. —Pelo amor de Deus. Ela é uma boa PA até agora e eu gostaria de conhecê-la melhor. Isso é tudo. —Hmm. Fique longe dela, Jack. Ela é uma ótima garota e acontece que eu gosto dela pessoalmente, o que é mais do que eu poderia dizer para as outras mulheres que você manteve a companhia. —Que porra que isso quer dizer, Coco? —Eu só estou dizendo que as mulheres superficiais que você escolhe para dormir, são apenas isso. Falso e plástico. Lorelei é uma pessoa real e ela não merece ser tratada com desrespeito de gente como você. —Vocês dois podem sair do meu escritório agora. Na verdade, eu vou lhes mostrar o quão bom eu posso ser com ela. Eu estou dizendo que ela vai para Paris com a gente. Vou precisar de um PA lá para lidar com algumas coisas. Coco riu. —Você nunca teve um PA com você em Paris ou em qualquer lugar, para essa matéria. A única coisa que você precisa para lidar com ela é o seu pau. Garrett falhou em segurar a gargalhada. —OK. OK. Ambos tiveram o seu divertimento. Agora caiam fora do meu escritório! Olhei para o relógio. Era sete e cinquenta. Peguei meu telefone e enviei uma mensagem de texto para Lorelei.

Você não está por acaso andando em torno do edifício com o meu café, está?


Não. Estarei ai em cinco. Starbucks estava uma loucura esta manhã. E como é diferente de qualquer outro dia de manhã? Quando eu estava olhando para o meu telefone, à espera de uma resposta, ouvi a voz de Lorelei. —Bem. Quando eu fui pegar o café no balcão, eu acidentalmente o derramei e eles tiveram que me fazer um novo — ela falou quando estava na porta. —Bem, pelo menos ele não estava no meu terno. — Eu estendi a mão para o meu café. —Vá se instalar e depois volte aqui e sente-se. Eu preciso falar com você sobre algo.

Lorelei Depois de entregar o café para Jack, fui para minha mesa e guardei as minhas coisas. Passei toda a semana pensando sobre ele e eu não poderia lhe dizer por quê. Tudo o que eu sabia era que ele estava em minha mente quando ele não deveria ter estado e isso realmente me irritava. Depois de ligar meu computador e agarrar o meu bloco de notas, um rapaz pequeno bonito em torno de cinco anos de idade veio até minha mesa.

— Olá. — Eu sorri. —Você é bonita— ele falou.


—Obrigada. Você é um menino muito bonito. —O que é isso?— Ele perguntou quando ele tocou o peso de papel na minha mesa. —Algo que você não deveria estar tocando — Jack falou com irritação enquanto saía de seu escritório. O menino correu pelo corredor para a sua mãe. —Isso não foi muito agradável. Ele é apenas uma criança. —Eu não gosto de crianças. Traga a lista de convidados confirmados em meu escritório e nós falaremos sobre o mapa de assentos. Agarrando lista de convidados da minha mesa, eu o segui em seu escritório. —O que quer dizer com você não gosta de crianças? —Exatamente o que eu quis dizer. Eu não gosto de crianças. — Seu tom era plano. —Você já foi criança uma vez. —E eu não gostava de mim. Agora que eu sou um adulto, eu me gosto muito mais assim. —Ele piscou. —Isso é uma coisa terrível de se dizer, Jack. — Entreguei-lhe a lista de convidados e ele examinou. —Você gosta de tubarões?— Perguntou. —Não. Não particularmente. —E eu não gosto de crianças. Eu balancei a cabeça e me sentei lá com descrença de que ele teria até mesmo comparado uma criança a um tubarão.


—Então, você nunca pensa em ter uma família? Ele riu. —Quem eu? Pareço um homem de família para você? —Acho que não. —Ok, agora que nós estabelecemos que eu não sou um homem do tipo família, vamos terminar esse mapa de assentos. Uma vez que o mapa de assentos foi arrumado, Jack olhou para mim. —Eu tenho algumas boas notícias para você. — Ele sorriu. —Oh? E o que seria isso? —Você está indo para Paris comigo. Bem, com a gente. Eu, minha mãe e Coco, e um par de outras pessoas. Eu juro que a cor do meu rosto foi drenada. Merda. Merda. Merda. Não havia nenhuma maneira que eu poderia ir à Paris. Ele estava saindo em poucos dias e eu não poderia deixar Hope. Eu não poderia lhe dizer isso porque ele tinha acabado de passar um discurso retórico sobre o quanto ele odiava crianças e ele não entenderia. —Me desculpe Jack. Eu não posso. —Desculpe-me?— Ele inclinou a cabeça. —Eu adoraria, mas... — Pense, Lorelei e torne bom. —Minha mãe está doente e eu não posso deixá-la agora. —Oh. Sinto muito por ouvir isso. Espero que não seja nada sério. —Nós não sabemos ainda. É por isso que eu não posso deixar o país. —Eu entendo. Talvez no próximo ano. Isso é tudo — ele falou.


Saí do seu escritório e quando me sentei na minha mesa, afundei em minha cadeira. Eu não podia acreditar que eu menti para ele sobre a minha mãe estar doente. Que diabos estava acontecendo comigo? Não havia nenhuma maneira que eu poderia deixar minha filha para trás e voar para Paris. À medida que o dia passava a sua atitude em relação a mim era diferente. Ele estava dentro e fora das reuniões o dia todo e quase não falou duas palavras comigo.


Lorelei Em vez de ir ao Central Park para o almoço, eu encontrei Stella em um café. Quando ela estava falando sobre como seu dia de merda estava acontecendo, eu soltei — Você pode acreditar que ele odeia crianças? —Huh?— Ela me deu um olhar vazio enquanto ela mordia seu croissant. —Jack. Ele me disse hoje que odeia crianças. —Por que ele odeia crianças? —Eu não sei. Ele não disse. Apenas disse que não gosta delas. —Você nunca disse a ele sobre a Hope, não é? Tomando um gole de meu café, eu suspirei. —Não. Por que eu deveria? —Por que não? Ele é seu chefe e eu meio que acho que ele deveria saber que você tem uma criança. Mas, novamente, uma vez que ele odeia crianças, ele poderá demiti-la só porque você tem uma. —Ela sorriu. —Basta manter Hope para si mesma. —Você não tem que se preocupar com isso. Eu não tenho nenhuma intenção de lhe dizer nada sobre minha vida pessoal.


—Boa menina. — Ela pegou sua bolsa e jogou-a por cima do ombro. —Eu tenho que correr. Tenho uma reunião em dez minutos. — Ela me deu leve beijo na bochecha. —Tente não matá-lo. —Eu não vou, porque se eu fizer, então eu não terei um emprego. — Eu sorri. Antes de voltar para o escritório, eu parei no Starbucks e peguei para Jack o habitual café na hora do almoço. Quando entrei em seu escritório, ele estava no telefone, então eu o coloquei em sua mesa. —Espera aí, James, — Eu o ouvi dizer. —Lorelei? —Sim. — Eu parei e me virei. —Eu pedi que você me trouxesse isso? —Não, mas você sempre quer um neste momento. —Hoje eu não quero, então, por favor, leve-o. Meu Deus, o homem era um idiota. Peguei o copo de sua mesa e o levei para minha. Se ele não queria isso, então eu queria. Desde que eu lhe disse que não poderia ir à Paris, ele teve a pior atitude comigo. Era como se ele estivesse segurando um rancor contra mim por não ser capaz de ir. Ele saiu de seu escritório e não disse uma palavra para onde estava indo. Boa viagem, era o que eu pensava. Quanto menos ele estava por perto, melhor para mim. Na verdade, eu mal podia esperar para a sua bunda estúpida sair para Paris. Garrett sorriu para mim enquanto caminhava em direção ao escritório de Jack. —Ele não está lá— falei. —Onde ele está? —Eu não sei. Ele não está falando comigo no momento.


Garrett soltou uma risada. —Por quê? Será que você derramou café nele de novo? —Não. Ele queria que eu fosse para Paris e eu disse que eu não podia. Então agora ele está todo chateado. —Você disse a ele porque você não poderia ir? —Eu menti e disse a ele que minha mãe não estava se sentindo bem e eu não podia deixar o país. —Você realmente não pode ir por causa de sua filha, certo? —Sim. Você nunca disse a Jack sobre Hope. Por quê? — Perguntei. —Há algumas coisas que Jack não precisa saber e eu senti que se eu dissesse a ele sobre sua filha, ele teria me dito para demiti-la. Ele não é exatamente apaixonado por crianças e ele teria sentido que você ter um filho iria ficar no caminho dos negócios. —Eu sei. Nós já tivemos essa discussão sobre ele não gostar de crianças. —Ouça, Lorelei. Não deixe Jack chegar até você. Basta entrar, fazer o seu trabalho e tudo ficará bem. Jack vai falar com você novamente quando ele voltar de Paris. —Realmente? Porque eu gosto quando ele não fala comigo. Ele riu. —Você ainda é a melhor PA. Eu tenho que correr. Eu tenho um encontro. Se você vir Jack, diga-lhe que passei por aqui. —Isso significa que eu vou ter que falar com ele. — Eu sorri. Garrett apontou o dedo para mim e piscou antes de se afastar.


Jack Quando eu estava no aeroporto fazendo check-in, eu notei que meu cartão de embarque dizia “Classe Econômica”. Que porra é essa? Peguei meu telefone e liguei para Lorelei. — Escritório do Sr.Sutton. —Sou eu. Por que diabos eu estou sentado na econômica? —Eu não sei. Eu não fiz suas reservas.

Merda. Ela está certa. Amber fez. Essa cadela. —Eu não posso obter a mudança para o meu voo de ida. Chame as companhias aéreas e consiga alterar o voo de volta. Eu não tenho tempo para lidar com isso. —Eu sinto muito por isso, Jack. Talvez a sua última PA tenha feito isso porque ela estava pensando em desistir e você a irritou — Lorelei falou. —Desculpe-me? —Apenas uma observação. Vou ter o vôo de volta alterado. —É melhor!— Clique. Eu tinha estado na borda toda a semana porque Lorelei não estava se juntando a nós em Paris. Esta teria sido uma experiência fantástica para ela e tudo teria sido pago. Desde que ela amava a moda e a indústria, ela poderia ter aprendido algumas coisas com esta


viagem, além de que eu teria estado com ela e teria sido capaz de gastar um monte de tempo com ela. Talvez conhecê-la melhor. Quando eu estava conversando com a menina no balcão, ela me informou que todos os assentos de primeira classe foram reservados. Agora eu estava realmente chateado e eu precisava descobrir uma maneira de obter um assento na primeira classe. Aquela vadia maldita, Amber. Lorelei estava certa. Aposto que ela fez isso de propósito e ela provavelmente estava sentada em casa agora, rindo, sabendo que eu estaria preso na econômica. Sentei-me no meu portão entre minha mãe e um senhor mais velho. Olhei para o seu cartão de embarque que estava em sua mão e vi que ele estava na primeira classe. —Com licença senhor. —Sim. — Ele olhou para mim. —Eu vejo que você está sentado na primeira classe. Eu irei reembolsá-lo para o seu bilhete e vou lhe dar mais um extra de cinco mil dólares se você trocar de lugar comigo. Ele arqueou as sobrancelhas enquanto olhava para mim. —Sério? —Sim. Vou ligar para a minha assistente agora e manda-la transferir o dinheiro para sua conta. —Você acabou de comprar um assento muito caro na primeira classe, filho. — Ele sorriu. Eu sorri de volta e peguei meu telefone, ligando para Lorelei. —Escritório do Sr. Sutton.


—Sou eu de novo. Eu preciso de você para transferir sessenta e cinco centenas de dólares para o Sr. Thomas Burkhart. Vou colocá-lo ao telefone para que ele possa lhe dar o número da conta. —Umm. OK. Depois que ele terminou de dar a Lorelei seu número de conta, entregou o telefone de volta para mim. —Certifique-se de que seja feito o mais rápido possível. Como agora, Lorelei. —Eu estou fazendo isso agora. Então me deixe adivinhar. Você acabou de comprar o banco do homem na primeira classe, certo? —Sim. —Tenha um bom vôo, Jack. —Eu vou agora. — Clique.


Lorelei Que semana agradável e tranquila, com Jack fora. Uma pena que estava chegando ao fim, ele estaria de volta ao escritório na segundafeira. Eu mesmo escapei cedo alguns dias e peguei Hope na escola. Era domingo à tarde, Hope e eu embalamos nossas coisas para o último piquenique do ano e encontramos minha mãe, Nick, Stella e Sebastian no Central Park. O tempo estava começando a mudar e estava ficando frio. Depois de comer o almoço, Sebastian e Nick levaram Hope para os balanços. —Quando Jack é esperado de volta?—, Perguntou Stella. —Seu vôo sai hoje à noite e ele estará de volta ao escritório amanhã. — Eu suspirei. —Aquele homem soa como uma pessoa horrível— minha mãe falou. —Eu não sei como você pode estar trabalhando para ele. —Eu não tenho escolha, mãe. Ele pode ser uma mão cheia, mas não é nada que eu não possa lidar. —Eu acho que o Sr. Sutton tem uma queda por sua filha. — Stella sorriu.


—Pare com isso! Ele não… —Bem, se ele faz, Lorelei não é tão estúpida para se envolver com um homem assim. Certo, querida? —Sim mãe. —Mas... talvez um pouco de sexo casual não faria mal.— Ela sorriu. —MAMÃE! Ele é meu chefe. Ela encolheu os ombros. —E daí. O sexo é sexo. Ele não tem de significar alguma coisa. Eu tinha muito sexo com caras diferentes depois que seu pai morreu. Eu cobri meus ouvidos com as mãos. —PARE! Stella caiu para trás na grama em histeria. —Relaxe, Lorelei. Você realmente acha que eu não tive sexo até Nick? —Ela não tem — Stella falou quando se sentou. O olhar no rosto da minha mãe exibia uma grande quantidade de choque quando ela olhou para mim. —De verdade? Você não teve sexo desde Brett? —Eu não estou falando sobre isso. —Querida. — Ela estendeu a mão e agarrou a minha. —Você é muito jovem para ficar sem sexo por tanto tempo. O que há de errado com você? —O quê? Como você pode me perguntar isso? Não há nada de errado comigo. Eu só não tive nenhum interesse em homens desde que


Brett morreu. Hope é a minha vida e eu não vou estragar tudo saindo e fazendo sexo sem sentido com homens estranhos. —Você não está bêbada, não é?— Ela piscou. Graças a Deus que Nick, Sebastian e Hope voltaram porque eu não aguentava mais essa conversa com minha mãe. —Você está pronta para ir, bebê? Precisamos levá-la para tomar banho. —Você vai me pegar de novo amanhã?— Ela perguntou quando colocou os braços ao redor do meu pescoço. —Não, querida. Mr. Sutton estará de volta no escritório amanhã — eu falei quando passei a mão pelo seu cabelo. —Hey, Hope eu tenho uma ideia — Stella falou quando segurou a mão dela. —Acontece que eu estou de folga do trabalho amanhã, assim o que acha de eu ir buscá-la na escola e nós irmos às compras. Eu preciso de alguma maquiagem nova e eu gostaria que você me ajudasse a escolher algumas cores novas. Os olhos de Hope se iluminaram e eu dei a Stella um pequeno sorriso. —Eu adoraria isso. Está tudo bem para você, vovó? — Ela perguntou. —Claro que está menina. —Obrigada. — Eu murmurei para Stella.


Após o banho de Hope, nós nos sentamos à mesa da cozinha e comecei a esboçar um vestido novo, enquanto Hope fazia sua lição de casa. De repente, ouvi o beep do meu telefone na minha bolsa. Era o meu telefone da empresa e havia uma mensagem de texto de Jack. Estou de volta à Nova York. Eu espero que você não tenha sentido muito minha falta. Temos muito a passar por cima amanhã, esteja preparada para um dia muito ocupado. Ótimo.

Bem vindo de volta. Eu te vejo amanhã de manhã. Não esqueça meu café. Revirei os olhos.

Eu não vou. Tornou-se parte da minha rotina matinal. Bom. Tente não derramá-lo desta vez. Eu irei fazer o meu melhor. Tenha uma boa noite, Jack. Você também, Lorelei. —Com quem você estava trocando mensagens de texto mamãe?— Perguntou Hope quando olhou para mim. —Meu chefe. —Oh. A mãe de Addison e seu namorado a levaram para o zoológico ontem. Ela me disse na sexta-feira como ela não podia esperar para ir. —Isso foi legal. Podemos ir ao zoológico, se quiser.


Ela deu de ombros e voltou a fazer sua lição de casa. Eu poderia dizer que algo estava incomodando ela e isso me incomodou. Preparei-me na manhã seguinte para andar na cova do leão. Andando no escritório de Jack, eu notei que ele não estava lá, então eu coloquei o seu café em sua mesa e quando eu estava saindo, eu encontrei com ele na porta. Quero dizer, literalmente, corri para ele. Ele levemente segurou meu braço. —Bom dia. — Ele sorriu. —Bom Dia. Sinto muito. —Não sinta. Eu adoro quando as mulheres bonitas correm para mim. —Ele piscou. A simples visão dele era intoxicante. Acho que não vê-lo por uma semana realmente aumentou o seu fator sexy. —Como foi Paris?— Perguntei. —Paris foi bom, mas teria sido ainda melhor se você estivesse lá— ele falou quando se sentou atrás de sua mesa. —Como está sua mãe? —Oh, ela está se sentindo muito melhor. —Entendo. Foi apenas um vírus ou algo assim? —Sim. Nós achamos que sim. Seus olhos olharam para mim. Um olhar que me disse que ele sabia que eu estava mentindo. —Hey, Jack, — Coco falou quando colocou a cabeça para dentro de seu escritório. —Mamãe precisa de nós lá em cima agora. Bom dia, Lorelei. —Ela sorriu. —Bom Dia.


Jack suspirou quando se levantou de sua mesa. —Lorelei, vamos passar por cima de algumas coisas quando eu voltar. Eu lhe dei um pequeno aceno de cabeça e o segui para fora do escritório. Tomando um assento na

minha mesa, eu

liguei o

computador. Curiosidade obteve o melhor de mim, então eu pesquisei Paris Fashion Week e uma porrada de fotografias apareceu com um Mr. Jack Sutton e uma morena de aparência glamorosa. Algo dentro de mim despertou. Um toque de raiva, ciúme, talvez. Eu realmente não sei e eu não gostei. Minha mente começou a se encher de imagens dele e ela na cama. Algumas das fotos eram deles sentados na varanda tomando café em seus roupões brancos nas primeiras horas da manhã com vista para a bela cidade de Paris. “Teria sido ainda melhor se você estivesse lá” continuou tocando na minha cabeça. Se ele estava com ela o tempo todo, como diabos teria sido melhor? Eu balancei a cabeça, vim a meus sentidos e fechei o navegador. Quando eu estava tentando me concentrar no meu trabalho real, Jack desfilou pelo corredor e me pediu para vir em seu escritório. —A primeira coisa na ordem do dia é que eu preciso que você vá para Chanel e pegue sua nova bolsa de borda Borgonha. Também pegue luvas correspondentes e um lenço. Então você vai seguir para Ralph Lauren e pegar um de seus casacos de lã para baixo dos homens de preto. Também pegue um lenço, mas se certifique que tenha um design nele, e luvas de couro pretas. —Isso é tudo?— Perguntei. —Sim. Você pode sair agora. Eu me levantei da minha cadeira e quando estava prestes a sair de seu escritório, Jack chamou meu nome. —Oh, Lorelei, preciso de outra caixa de preservativos.


Eu parei mortificada no meu caminho e não me virei. —OK. Aposto que ele precisava de outra caixa de preservativos depois de sua semana em Paris com essa cadela magra. Depois de Chanel e Ralph Lauren, eu parei na farmácia e fui direto para o balcão. —Olá, Lorelei. — Juan sorriu. —Olá, Juan. Mr. Sutton precisa de mais preservativos. —Eu estarei de volta. —Faça-me um favor e pegue dez caixas. —Dez?— Perguntou ele com surpresa. —Sim. Alguns instantes depois, ele retornou com os preservativos, e os embalou. Agarrando a bolsa, eu saí e voltei para o escritório. Jogando os sacos na minha mesa, exceto os que estavam os preservativos, entrei no escritório de Jack, onde ele estava tendo uma conversa com Garrett. Joguei a bolsa sobre a mesa e deixei todas às dez caixas caírem em cima dele. —Há. Agora você deve estar preparado por um tempo. —Eu me virei, disse Olá a Garrett, que estava sentado lá com um grande sorriso em seu rosto, e saí do escritório de Jack.


Jack —O que diabos aconteceu? Garrett não conseguia conter o riso. —Isso é o que você ganha por enviar a sua assistente para comprar seus preservativos. Eu acho que ela está apenas tendo certeza de que ela não tenha que fazer isso de novo por um tempo. Eu suspirei enquanto eu pegava as caixas e as colocava de volta na sacola. —Está tudo pronto para a festa de aniversário da Coco na sextafeira? —Sim. Minha mãe tomou conta de tudo. Ou devo dizer seus assistentes. Você vai estar lá, certo? —Claro. Eu não perderia por nada no mundo. Você está convidando Lorelei? —Sim, é melhor ela vir. —Tenho certeza que ela vai. Eu tenho um encontro. Eu vou falar com você mais tarde, Jack. Depois que Garrett saiu, eu gritei para Lorelei entrar em meu escritório. Entrando com sacos, elas os colocou sobre a mesa e olhou para mim.


—Eu não aprecio o seu senso de humor, tanto quanto meus preservativos estavam preocupados. —Eu não estava tentando ser engraçada. Eu estava apenas me certificando de que você estava totalmente abastecido e que não precisaria se preocupar caso o estoque se esgotasse a qualquer momento. —Seja como for, Lorelei. O aniversário da Coco é sexta-feira e nós estamos fazendo uma festa de aniversário para ela e você está convidada. É no 48 Lounge do Distrito Theater, às sete horas. —OK. Parece divertido. —Realmente? Você pode realmente ir? — Perguntei, surpreso. —Sim, Jack. É o aniversário da Coco. Eu não perderia isso. —Bom. Eu sei que ela realmente gosta de você e isso significaria muito para ela se você estivesse lá. Você pode trazer alguém se você quiser. —Como quem?— Ela perguntou em confusão. —Um encontro, talvez? —Eu não tenho um encontro. Eu já te disse que eu não tenho um namorado. —Está certo. Eu esqueci. —Eu menti. Eu não tinha esquecido. Eu só queria ter certeza que alguém não andou em sua vida enquanto eu estava em Paris. Eu pensei sobre ela em cada momento que eu estava lá. Ela teria adorado isso e eu teria gostado de passar um tempo com ela. Isso só significava que teríamos de passar algum tempo juntos aqui em Nova York, que começa com a festa de aniversário da Coco.


Olhando para o meu relógio, me levantei da minha mesa. —Eu tenho uma reunião, então eu te vejo mais tarde. —Ok. — Ela sorriu suavemente quando eu a segui para fora do meu escritório.

A semana passou suavemente. Toda vez que Lorelei foi almoçar, ela sempre carregava algum tipo de livro 11x14 em seus braços com capa de couro. Era sexta-feira e eu decidi segui-la para almoçar. Eu a vi andar em uma delicatessen e ter um assento perto da janela. Ela não sabia que eu a estava seguindo, então eu tive que fazer parecer que eu estava indo a mesma delicatessen para almoçar. Caminhando para porta, eu fingi não notá-la e fiz meu pedido para viagem. Agarrando a bolsa no balcão, eu me virei e tentei levá-la casualmente. —Lorelei?— Eu falei enquanto caminhava até a mesa dela. Ela rapidamente fechou o livro quando olhou para mim em choque. —Jack. O que você está fazendo aqui? —Obtendo o almoço. — Eu olhei para o meu relógio. —Eu tenho algum tempo. Você se importaria se eu me juntasse a você? Ela balançou a cabeça e colocou seu livro encadernado de couro preto em sua bolsa. —Desde quando você compra o seu próprio almoço?— Ela perguntou com uma sobrancelha levantada.


—Eu estava morrendo de fome e eu sabia que você estava na hora do almoço e eu não queria esperar. Você sabe que eu não gosto de esperar as coisas. —Eu sorri. —Eu não sabia que você vinha aqui para almoçar. Eu pensei que você sempre comesse no Central Park. —Está ficando mais frio agora e eu não quis trazer o almoço hoje. —Entendo. Bem, isso é bom, nós dois almoçando juntos. —Eu sorri. —O que você está fazendo, Jack?— Seu rosto se contorceu. —Nada. Por que você pergunta isso? —Porque desde que eu comecei a trabalhar para você, você nunca encomendou o seu próprio almoço e muito menos o pegou. —Há uma primeira vez para tudo, não é?— Eu sorri. Merda. Ela não estava acreditando. Eu poderia dizer pela expressão em seu rosto bonito —De qualquer forma, eu estava pensando que eu poderia buscála esta noite para a festa. —Obrigada, Jack, mas eu vou pegar um táxi. —Mas, Lorelei, eu insisto — eu insisti. —Eu estou indo para casa da minha mãe antes de ir para a festa. Então só vou pegar um táxi. Eu suspirei. Ela era uma menina difícil e eu não entendia por que. As mulheres não me viram de cabeça para baixo. NUNCA. Eu sentei lá e olhei atentamente para ela, tentando entendê-la. —Por que você está me olhando assim?— Ela franziu a testa. —Porque você é linda, Lorelei, e eu estou tentando entender você.


—Não há nada para entender, Jack, e obrigada. —Você é bem-vinda.— Eu olhei para o meu relógio. —O almoço acaba em poucos minutos. Vamos voltar para o escritório? —Sim. Você gostaria que eu parasse no Starbucks para seu café da tarde? —Ela abriu um grande sorriso. —Nah. Eu não preciso disso hoje. Ela pegou sua bolsa e ambos saímos da delicatessen. —Você vai me dizer o que está nesse livro negro que você está sempre carregando por aí? —Não. Eu ri. —Eu não penso assim.

Lorelei —Como eu estou?— Perguntei a Hope quando eu dei uma volta no vestido de boneca de camadas triplas pura, creme com alças finas e um corpete sob busto em rosa claro. —Bonita. — Ela sorriu. —Você pode me fazer um vestido como esse? Nós podemos combinar. —Eu com certeza vou. — Eu bati em seu nariz. —Você tem a sua bolsa pronta para passar a noite na casa da vovó e do vovô? —Sim. Já está esperando na porta da frente.


Corri meus dedos através das extremidades onduladas de meus cabelos loiros uma última vez antes de colocar meu perfume Joe Malone e deslizar em meus saltos creme. Eu agarrei a bolsa de Hope e nós caminhamos para fora da porta. Antes de sair da casa da minha mãe, eu me abaixei e dei a Hope um abraço apertado. —Eu quero que você seja boa para a vovó e o vovô. Eles vão levála de volta para casa amanhã à tarde. —Eu vou, mamãe. Divirta-se em sua festa. —Obrigada querida. Eu tomei uma respiração profunda quando eu me levantei e abracei minha mãe e Nick. —Bem, aqui vou eu. —Vai se divertir, querida, e não se preocupe com a Hope. Temos uma grande noite planejada. —Obrigada Mãe. —Hoje à noite, você não é mãe. Vá ser a menina que sempre gostou de se diverti. —Eu vou. — Eu sorri suavemente. Subi no táxi que estava esperando na calçada e me dirigi para festa.


Lorelei Meu estômago estava uma pilha de nervos quando entrei no 48 Lounge. Por quê? Eu não tinha certeza. Não era como se eu não conhecesse ninguém. Então eu o vi, Jack Sutton, encostado no bar e falando com uma mulher, sorrindo. Meu estômago se agitou, mas algo mais cresceu dentro de mim. Se ele estivesse falando com alguém que eu conhecia do escritório, o sentimento não existiria. Mas ela não estava no escritório e ela não era alguém que eu conhecia. Eu não vim aqui esta noite por ele. Eu vim por Coco. Ele era apenas o bônus adicional. Por que diabos eu estava pensando mesmo? Eu andei para o lado oposto do bar para evitá-lo quando vi Coco sentada em um dos sofás, falando com Franny. Seu rosto se iluminou quando ela me viu. —Oh meu Deus, você veio!— Ela exclamou quando se levantou e me deu um abraço. —Feliz aniversário, Coco. — Entreguei-lhe o pequeno saco brilhante, rosa que eu tinha trazido. —Olhe só para esse vestido. Vire-se. —Ela sorriu. —Qual designer? Parece um projeto Betsy Johnson.


Eu ri. —Eu fiz isso. Eu acho que você poderia chamá-lo de Couture5Lorelei. —Você fez isso? Sério? Você projetou e fez este vestido? —Ela colocou a mão em seu quadril enquanto segurava sua bebida na outra. —Sim. — Eu sorri enquanto eu balançava a cabeça. —É fabuloso. Eu não tinha ideia que você desenhava roupas. Mãe! —Coco gritou e ergueu a mão, acenando para Kit se aproximar. —Sim querida. —Olhe para este vestido que Lorelei está vestindo. Ela projetou e o fez. Kit me olhou de cima abaixo e em seguida, estendeu a mão para sentir o tecido do meu vestido. —Belo. Simplesmente lindo. —Ela sorriu. —Você tem muito talento, Lorelei. —Obrigada. Coco me levou pela mão. —Vamos; vamos pegar uma bebida — ela falou quando me levou até o bar. Antes de chegar ao bar, Jack olhou para cima e seus olhos se fixaram nos meus. Meu coração começou a bater rapidamente quando eu vi os cantos de sua boca se curva em um sorriso bonito. Minha barriga virou um par de vezes e de repente eu me senti como uma estudante de novo. Quando chegamos ao bar, ele deixou a mulher que ele estava conversando e caminhou até onde estávamos. —Você está deslumbrante. — Ele sorriu.

5Alta-costura

(do francês haute couture) refere-se à criação em escala artesanal de modelos exclusivos, frequentemente bordados exclusivos com pedrarias


Seu perfume amadeirado másculo encheu meu espaço pessoal e a dor entre as minhas pernas foi duramente atingida. —Obrigada. —Este é uma outra criação sua Lorelei?— Perguntou. —Sim. Isto é. —Eu altamente aprovei. — Ele piscou. Engoli em seco. —Ela não está linda?— Coco lhe perguntou quando me entregou um cosmopolitan. —Com certeza ela está. — Seu olhar ardente queimou dentro de mim. —Por favor, me desculpe, — Coco falou. —Parece que Joshua precisa de resgate. Jack revirou os olhos enquanto ela se afastava. —Então, quem é o seu encontro?— Perguntei. —O que você quer dizer? —Aquela mulher ali que você estava falando. — Eu apontei. —Ela não é meu encontro. Ela é amiga da Coco. Eu a conheço desde que ela tinha doze anos de idade. Oops. Eu assumi e eu não deveria. Não. Eu deveria, porque ele era Jack Sutton. Mas a minha atitude e humor mudou quando ele disse isso. Havia uma parte de mim que estava satisfeita que ele não estava aqui com um encontro.


Jack se inclinou contra o bar e não parava de olhar para mim. Ele estava tentando me fazer desconfortável. —Por que você está me olhando assim?— Eu perguntei com um pequeno sorriso. —Porque você está incrivelmente bonita e eu não consigo tirar meus olhos de você. Minhas bochechas ficaram coradas quando eu olhei para a minha bebida. Ele era meu chefe e não deveria estar dizendo essas coisas para mim. —Jack, você é meu chefe, eu não acho que você está autorizado a dizer essas coisas. —Não, esta noite eu não sou. Hoje à noite, eu sou apenas um homem e você é uma mulher bonita, com quem eu estou tendo uma conversa. —Ele sorriu e minha calcinha ficou um pouco mais úmida. Eu terminei meu cosmopolitan e sinalizei o bartender por outro. Quando me virei, Garrett estava de pé ao lado de Jack. —Boa noite, Lorelei. Você está bonita. —Obrigada, Garrett. —Não é?— Jack sorriu. Tomei nota do olhar que Garrett lhe deu. —Você se importa se eu roubá-lo por um momento?— Perguntou Garrett. —Não. Vá em frente. Eu estou indo me misturar e conviver um pouco. —Eu sorri quando ele se levantou da banqueta e se afastou.


Jack —Que diabos, Garrett?— Perguntei com irritação. —Nós temos um problema, Jack. —O que é isso? —Lindsey, a secretária de Bradley, me disse que ele estava desviando dinheiro da empresa. Ela encontrou alguns documentos que ele deixou em sua mesa. Quando ela tentou perguntar a ele sobre isso, ela disse que ele ficou nervoso. Então eu comecei a fazer algumas escavações. A Revista Sutton está em apuros real. Contas não foram pagas em meses e os credores estão ameaçando processar. —Será que minha mãe sabe sobre isso? —Não. Eu vim falar para você em primeiro lugar. Ele já desviou mais de oito milhões de dólares. Você sabe o que vai acontecer se isso vazar para a imprensa? —Onde diabos ele está?— Eu perguntei com raiva. —Esse é o problema. Ninguém sabe. Lindsey disse que ele não tem aparecido nos últimos dois dias e não ligou. Quando ela tentou contatá-lo, seu celular estava desligado. —Entre em contato com o nosso investigador privado e chame Finn, Muir e Abernathy. Nós vamos precisar de um advogado para acalmar esses credores. Não mencione mais isso hoje à noite. Eu não quero estragar o aniversário da Coco. Vamos discutir isso pela manhã quando todos nós estivermos de volta ao escritório.


—Vou fazer. Vou fazer alguns telefonemas agora. Uma raiva começou a rugir em todo o meu corpo, como um animal selvagem. Eu chamo o barman e peço um uísque duplo. Assim que ele o coloca para baixo, eu bebo o mais rápido que posso. —Tudo bem?— Lorelei perguntou quando se aproximou de mim. —Sim. Tudo Bem. Está se divertindo? —Sim eu estou. É uma grande festa. Sentindo-me da maneira que eu estava, não podia suportar não tocá-la. Tornou-se uma obsessão e não só eu desesperadamente a quero, eu preciso dela. Eu agarrei a sua mão sem dizer uma palavra e a levei por um corredor para um quarto privado. —Para onde estamos indo?— Perguntou ela quando eu a puxei atrás de mim. —Você vai ver. Abri a porta e entramos. —Por que estamos aqui?— Perguntou ela, nervosa. —Eu só precisava ficar longe de todos por um tempo. Eu pensei que talvez pudéssemos conversar aqui em particular. —Sobre o que? —Eu não sei. Tudo o que você quiser. —Eu suspirei enquanto eu andava ao redor da sala. —Ouça Lorelei, eu vou ser completamente honesto com você. Eu odeio jogos e eu não os faço. Estou extremamente atraído por você e você não tem ideia do quanto eu quero te beijar agora. —Oh — ela disse.


—Oh? É tudo o que você vai dizer?


Lorelei Enquanto eu estava ali, nervosa, eu não sabia o que pensar. Ok, eu menti. Eu estava além de feliz que Jack estava interessado em mim. Eu estava atraída por ele tanto quanto ele estava atraído por mim. Não importa o quão duro eu tentei lutar contra isso, era uma batalha perdida. Todos os dias eu o vi, a atração ficou mais forte. Eu continuei a ouvir a voz de minha mãe dentro da minha cabeça. “Hoje à noite, você não é uma mãe. Vá ser a menina que sempre gostou de se divertir”. Fui até onde ele estava. Seus olhos estavam pedindo e tinha um olhar de aflição. Era um olhar que eu não tinha visto desde que o conheci. Encontrei coragem quando eu passei meus braços em volta do seu pescoço e suavemente escovei meus lábios contra os dele, um movimento que terminaria mal. Ele colocou a mão no meu rosto quando os nossos olhos se encontraram intensamente. Inclinando a cabeça e abaixando, seus lábios encontraram os meus suavemente. Ele estava inseguro. Eu poderia dizer. Mas eu comecei e ele seria amaldiçoado se não o terminasse bem. Nosso beijo suave e gentil se transformou em um apaixonado muito antes do tempo. Sua mão enrolou em torno da minha nuca quando me puxou para mais perto. Seus lábios eram suaves e quente, do tipo que enviava a sensação mais emocionante entre as minhas pernas. Estava feito. A linha tinha sido cruzada e não havia como voltar atrás.


Jack Beijá-la era tudo o que eu imaginei que seria. A forma como os nossos lábios se moviam juntos em sincronia e a forma como nossas línguas emaranhadas contra o outro, tomou conta de mim. Eu tinha beijado um milhão de mulheres na minha vida, mas beijar Lorelei era diferente. Meu pau imediatamente subiu para a ocasião, sem hesitação. Eu precisava estar dentro dela. Eu precisava sentir seu corpo nu contra o meu. Eu estava disposto a abandonar tudo por esta noite. Uma noite com ela era tudo que eu precisava. Mas ainda não. Agora não. Aqui não. Eu quebrei o nosso beijo e coloquei a palma da mão em sua bochecha. Com um sorriso, eu falei: — É melhor voltarmos lá fora antes que alguém sinta nossa falta. —Boa ideia. — Ela sorriu gentilmente. —Você vai primeiro para que ninguém suspeite de nada. Eu estarei fora em poucos minutos. —Ok — Ela assentiu e quando estava prestes a ir embora, eu agarrei sua mão. Ela se virou e olhou para mim. Nossos olhos se arregalaram e nenhuma palavra foi necessária. Eu soltei sua mão e ela saiu. Eu tomei uma respiração afiada e esperei meu pau descer. Sentime sem fôlego. Se ela me fez sentir assim com um beijo, eu mal podia esperar para descobrir como ela me faria sentir quando eu estivesse enterrado profundamente dentro dela. Saí da sala e vi Garrett, no final do corredor. Ele olhou para mim com preocupação.


—O que você estava fazendo lá?— Perguntou. —Eu só tinha que ficar longe de todos e recolher meus pensamentos depois do que você me disse. —Eu liguei para Ron Lee, o investigador particular. Ele vai começar imediatamente e encontrar esse filho da puta. —Bom. E o que acontece com Finn, Muir e Abernathy? —Eu liguei para Tim e ele está nos colocando em contato com a Avery Lewis, um associado lá. —Por que diabos não é um dos parceiros lidando com isso? —Ele disse que se alguém poderia fazer o trabalho, é ela. Eu suspirei. —É melhor ele estar certo. Nós caminhamos juntos para o bar, assim que a equipe trouxe o bolo de aniversário de Coco, todos se reuniram ao redor e cantaram “HappyBirthday”. Eu olhei através da sala para Lorelei e seu sorriso brilhou ainda mais do que as vinte e nove velas de aniversário que iluminavam o bolo. Uma vez que as velas foram apagadas e todos aplaudiram, eu caminhei até Lorelei e lhe entreguei uma bebida. —Achei que você poderia, provavelmente, querer mais uma. —Você está tentando me embebedar, Sr. Sutton?— Os cantos de sua boca se curvaram para cima. —Claro que não. Por que eu faria uma coisa dessas? —Eu pisquei.


Lorelei Coragem líquida. Era o que eu precisava depois daquele beijo intenso que nós compartilhamos. Ele tirou o meu fôlego e deixou meu corpo implorando por mais. Um desejo que eu não sentia há muito tempo; se é que alguma vez senti, para ser honesta. Havia algo sobre Jack Sutton que me hipnotizava. Ele era o campo magnético e eu a carga elétrica que era atraída para ele. —Eu acho que preciso de um pouco de ar fresco— falei. —Está se sentindo bem?— Ele perguntou. —Sim. Está um pouco quente aqui. Comecei a andar para fora do clube e Jack seguiu atrás. Uma vez que as portas se abriram e eu saí para o ar fresco, senti como se pudesse respirar novamente. —Melhor? —Sim. Muito melhor. —Eu sorri. —Você não tem que ficar aqui fora. Volte para dentro e curta a festa. —Nah. Eu estou bem. Que tal eu chamar Tony para trazer o carro e nós levar de voltar à minha casa para uma bebida? —Eu não tenho certeza se é uma boa ideia, Jack. Eu acho que só vou pegar um táxi e ir para casa. Está ficando tarde. Ele colocou as mãos nos bolsos e olhou para o chão. —Sim. Talvez você esteja certa. Mas, por favor, deixe-me levá-la para casa. Acho que vou voltar para casa sozinho. —Você tem certeza? Eu não me importo de pegar um táxi.


Ele olhou para mim com um pequeno sorriso. —Eu tenho certeza. — Ele puxou o celular do bolso e ligou para Tony trazer o carro. Depois de deslizar seu telefone de volta no bolso, ele tirou o paletó e o enrolou em torno de meus ombros. —Parece que você está com frio— ele falou com as mãos entrelaçadas em torno dos meus braços. —Obrigada.

Eu

trouxe

a

minha

mão

até

a

dele

e

instantaneamente, meu corpo estava quente. Ele sentiu isso também quando tomou uma respiração afiada. Alguns momentos depois, Tony parou na calçada e Jack abriu a porta para mim. Depois que entrei, ele fechou a porta, deu a volta para o outro lado e deslizou ao meu lado. —Eu acho que nós deveríamos falar sobre o que aconteceu antes — Eu falei quando olhei para ele. —OK. Se é isso o que você quer. —Ele passou a mão sobre a minha bochecha. Engoli em seco. —Eu…eu…— Eu me atrapalhei com as minhas palavras. —Você gostou e eu também— ele falou quando vi os cantos de sua boca ligeiramente curvar para cima. —Bem, sim. Eu fiz. Mas… —Shh. — Passou o polegar em meus lábios. —Eu gostei muito e eu quero fazê-lo novamente. Ele se inclinou para mim e minha respiração ficou presa. Meu coração começou a bater forte e minha pele começou a esquentar como se alguém tivesse me incendiado. Eu não lhe disse que não. Eu não poderia dizer-lhe não, porque a verdade era que eu queria que ele me


beijasse. Seus lábios roçaram suavemente contra o meu e em breve seu beijo suave se tornou apaixonado. Nossos

lábios

se

moviam

juntos,

bloqueados

como

se

estivéssemos estado beijando um ao outro incessantemente. Suas mãos seguraram meu rosto enquanto sua língua encontrava a minha. Um rosnado baixo escapou dele, aumentando o meu desejo de querer mais. Quebrando o nosso beijo, ele olhou nos meus olhos. —Por favor, venha para casa comigo— ele sussurrou. Eu não queria nada mais do que fazer amor com ele, mas eu estava com medo. Tinha sido um longo tempo e eu estava com medo que eu fosse desapontá-lo. Mas eu balancei a cabeça, dizendo-lhe que eu o faria. Ele sorriu. —Tony, mudança de planos. Vamos voltar para a cobertura. Ele me beijou uma última vez e me puxou para ele. Deitando minha cabeça em seu ombro, eu não conseguia afastar o medo que residia dentro de mim. Ele estava acostumado a ter relações sexuais e eu tinha certeza de que todas as mulheres que estavam com ele, eram experientes. Ao contrário de mim, que só tinha tido relações sexuais com uma pessoa na minha vida. Eu estava presa, fascinada por este homem como eu nunca tinha estado antes. A limusine parou no edifício em Park Avenue. Saindo, Jack abriu a porta para mim e estendeu a mão. Depois de me ajudar a sair, ele nunca me deixou ir e me levou para dentro das grandes portas de vidro duplas. —Boa noite, Sr. Sutton — um homem distinto falou. —Boa noite, Blaine. Esta é a senhorita Flynn.


Blaine me deu um aceno de cabeça e sorriu. —É bom conhecer você, senhorita Flynn. —Obrigada. Prazer em conhecê-lo também. Jack me levou até o elevador e colocou a chave, que nos levou até o quinquagésimo andar. Uma vez que as portas se abriram, entramos no belo foyer mal iluminado. —O elevador é a única maneira de chegar aqui em cima? —Não. Eu tenho uma porta bem ali. Este elevador é particular com uma chave ou um código. Bem-vindo à minha casa, Lorelei. Olhei para as paredes cinza claro que foram agraciadas com elegância, com teto rebaixado por toda parte. Tirando seu paletó dos meus ombros, eu o entreguei a ele que jogou do outro lado da cadeira quando entramos na sala de estar. O mobiliário cinza moderno foi colocado perfeitamente, cercando a área. Janelas do chão ao teto tomava a sala inteira, criando uma vista panorâmica da cidade de Nova York. Era provavelmente a mais bela vista que eu já vi.


Jack Vendo Lorelei em pé na minha sala me fez feliz. Eu tomei a decisão certa de trazê-la para a minha casa. Caminhando até ela, eu suavemente beijei seu ombro nu por trás, enquanto ela estava em frente à janela e olhando para a cidade iluminada. A cabeça inclinada para o lado, permitindo-me o acesso ao seu belo pescoço. Meus lábios viajaram em torno de sua pele macia quando ela trouxe sua mão para cima e a colocou na parte de trás do meu pescoço. Minhas mãos já não podiam se controlar quando vagavam para cima e para baixo, sentindo seu corpo esbelto, dolorido e sua pele nua contra elas. —Você é tão bonita, Lorelei, — Eu sussurrei quando beijei a ponta de sua orelha. Quando ela se virou para me encarar, eu me perdi nos seus olhos azuis. Nossos lábios se encontraram mais uma vez e eu me abaixei e a peguei, a levando para o meu quarto no andar de cima. Esta era a primeira vez e meus instintos me disseram que estava tudo bem. Colocando-a para baixo na frente da cama, cheguei ao redor e abri o zíper de seu vestido, o deixando cair no chão. Eu engasguei quando vi os seios perfeitamente redondos flexíveis e minha boca viajou de imediato a eles. Quando eu passei meus lábios em torno de seu mamilo endurecido, ela gemeu. —Há algo que eu preciso te dizer, Jack— ela falou.


—O que é isso, baby?— Eu continuei a explorar seu peito. —Estou muito nervosa. Olhei para ela com preocupação. —Sobre o quê? —Isso. O que vai acontecer em alguns momentos, se continuar fazendo isso. —Você quer dizer sexo? Por que você iria ficar nervosa sobre fazer sexo? —Porque já faz algum tempo. — Ela franziu a testa. —Quanto tempo?— Eu inclinei minha cabeça.

Lorelei Fiquei ali nervosamente debatendo se devo ou não dizer-lhe a verdade. Eu poderia apenas dizer um ano. Isso não soaria tão ruim. Mas em vez disso, optei em apenas colocar tudo sobre a mesa. —Sete anos. Seus olhos se arregalaram enquanto olhava para o meu. —Você não teve relações sexuais desde que você tinha... — Ele parou por um momento. —Dezoito? Eu segurei meu lábio inferior entre os dentes quando balancei a cabeça lentamente. —Por quê?— Ele perguntou quando colocou a mão no meu rosto. —É uma longa história e eu prefiro não entrar nela agora.


—Nós não temos que fazer isso, Lorelei. Quer dizer, se você não está pronta. Eu entendo. —Eu estou. Acho que já esperei tempo suficiente. Os cantos de sua boca se curvaram em um sorriso bonito quando ele correu os dedos pelo meu cabelo. —Eu prometo ser muito gentil com você. Se em algum momento quiser parar, é só me dizer e eu vou. Estendi minhas mãos para seu cinto, quando eu desfiz e o tomei dele, seus lábios beijaram os meus e minhas mãos tiraram suas calças. Quebrando o nosso suave beijo, eu tirei a minha calcinha enquanto ele desabotoou a camisa e a deslizou por seus ombros. Puta merda, só sua ereção sozinha quase me deu um orgasmo. Chutando seus sapatos, ele deu um passo para fora da calça e as jogou para o lado. Suas mãos percorriam meu corpo enquanto seus lábios viajavam através do meu pescoço. —Você não tem ideia de quão ruim eu quero você. —Eu quero você também — Eu falei com a respiração suspensa. Ele puxou para trás os lençóis e me deitou. Pairando sobre mim, sua mão varreu meu peito, abaixo sob o meu tronco e para minha buceta molhada. Ele assobiou quando ele me segurou e em seguida mergulhou lentamente um dedo dentro. Meu corpo sacudiu com emoção quando espalhei mais minhas pernas e empurrei meus quadris para cima. Ele sorriu para mim e apertou seus lábios em volta do meu peito. —Você está tão molhada e me senti tão bem — ele gemeu enquanto seu polegar fez círculos em volta do meu clitóris inchado. Este sentimento, sensação e euforia que rasgou através do meu corpo foi arrebatador. Fazia muito tempo desde que eu senti isso. Seu dedo se moveu dentro de mim, lentamente para dentro e para fora. Eu


joguei minha cabeça para trás quanto um orgasmo me invadiu e gemi como nunca antes. Eu coloquei minhas mãos em sua cabeça, sua língua deslizou por meu abdômen e para baixo em minha buceta, onde ele habilmente explorou minha área molhada com a boca. Eu tomei uma respiração afiada e em seguida gemi o nome dele. —Oh Deus, Jack. Eu esqueci tudo sobre mim naquele momento. Eu estava perdida nele e eu não conseguia encontrar o meu caminho de volta. Ele se levantou e tirou a cueca de seda, lançando seu grande e latejante, pau duro. Ele não estava brincando sobre o tamanho do preservativo XL. Jesus. Que presente este homem foi abençoado. Olhei para ele quando enfiou a mão no criado-mudo e tirou um preservativo. Estendi minha mão e os meus dedos envolveram suavemente em torno de seu pau. Um gemido retumbou em seu peito quando sua respiração engatou. Quando ele rasgou o invólucro com os dentes, eu o soltei e ele cuidadosamente colocou o preservativo. Pairando sobre mim, mais uma vez, ele se inclinou e me beijou apaixonadamente. —Você está pronta?— Perguntou. —Sim. — Eu trouxe a minha mão até seu rosto. Ele colocou seu pau na minha entrada e empurrou lentamente dentro de mim. Nós dois gememos. —Porra, Lorelei. Você é boa pra caralho. —Assim como você— eu falei quando eu envolvi minhas pernas em volta da sua cintura, o forçando mais profundo dentro de mim. Eu não vou mentir e dizer que não doeu, porque doeu. Mas era uma dor boa que eu estaria sentindo por um tempo. Movendo dentro e fora de mim com facilidade, enquanto sua boca explorou meu pescoço. Meus braços estavam em volta dele com força,


eu estava com medo de deixar ir. Gemidos escaparam quando o meu coração disparou e minha pele ficou úmida. Seu ritmo, seu movimento e sua paixão global enviou o meu corpo em um outro orgasmo. —Ah, Lorelei. Isso é o que eu gosto de sentir, baby. Dê-me tudo o que você tem — ele arquejou quando eu gritei e gozei para ele. Ele diminuiu, depois empurrou e empurrou uma última vez dentro de mim enquanto se estendia e gritava meu nome. Seu corpo caiu em cima do meu e nossa pele encharcada nos derreteu em um. Eu podia sentir seu coração acelerado com o meu quando ele entrelaçou os dedos e trouxe-os sobre a minha cabeça. Ficamos ali em silêncio enquanto nós recuperamos nossa respiração normal.

Jack Eu não queria nada mais do que ficar enterrado profundamente dentro dela. Incomodava-me que ela não tinha feito sexo em sete anos. Não deveria ter, mas fez. Que segredo ela estava escondendo? O que é que ela não estava me dizendo? Ninguém fica tanto tempo sem sexo. Não é humanamente possível. Ergui a cabeça e olhei em seus olhos azuis. Eles mostravam uma felicidade interior. Sorrindo para ela, eu soltei suas mãos e afastei um fio de cabelo do seu rosto. —Como você está se sentindo? Ela tomou uma respiração profunda. —Maravilhosa. —Bom. É assim que eu quero que você se sinta. Eu puxei para fora dela, desci da cama e entrei no banheiro. Depois de me desfazer da camisinha, eu caminhei de volta para o


quarto, parei e olhei para ela enquanto estava deitada de lado, de costas para mim e com o lençol que a cobria. Esta era a parte que eu temia; a chutar para fora e a enviar para casa. Caminhando para o outro lado da cama, me sentei e corri meu dedo para baixo no braço. —Eu não te machuquei, não é? —Não— Ela sorriu. —De modo nenhum. Você foi incrível.

Você pode fazê-lo, Jack. Diga-lhe que teve um bom tempo. Agradecer-lhe por ter vindo e a envie para casa em um táxi. —Obrigado. Você foi igualmente incrível. —Eu acariciava seus cabelos. Ela sentou-se, deixando o lençol cair. —Eu deveria ir— ela falou. —Sim. Acho que sim.

Isso não quer dizer nada. Eu queria transar com ela desde o momento em que a vi e agora que eu tinha, ela podia sair como o resto das mulheres faziam. Ela saiu da minha cama e pegou a calcinha do chão. Eu assisti quando ela a colocou e em seguida agarrou seu vestido. Eu a trouxe para o meu quarto. Isso significava algo. Eu não queria que ela saísse e eu não quero ficar sozinho. O pensamento dela saindo fez alguma coisa para mim. Ele criou uma dor que eu não gostei. —Lorelei. —Sim?— Ela se virou. —Não vá. Por favor, passe a noite comigo.


—Você tem certeza, Jack? Eu estendi minha mão para ela. —Eu nunca estive tão certo sobre qualquer coisa em minha vida. Ela me deu um pequeno sorriso enquanto colocou seu vestido para baixo na poltrona e voltou para a cama. Envolvendo meus braços em torno dela, eu a puxei para mim quando ela se aconchegou com força contra meu peito. Ela se encaixou perfeitamente em meus braços. Quase como se ela fosse feita para estar lá. Beijando o topo da cabeça dela, eu fiz a pergunta que eu tinha certeza que ela não iria responder. —Por que você não teve relações sexuais em sete anos?


Lorelei Eu queria tanto lhe dizer sobre Hope. Ele precisava saber, mas eu estava com medo. Ele odiava crianças e o que nós tínhamos acabado de compartilhar foi além de mágico. Eu nunca tinha sentido esse tipo de conexão antes. Não me entenda mal; Eu amei Brett com cada fibra do meu ser. Ele era o amor da minha vida. Mas essa conexão que eu tive com Jack era algo diferente. Algo que eu não poderia explicar. Eu queria abrir a ferida que nunca foi totalmente curada sete anos mais tarde? Não essa noite. —Podemos falar sobre isso na parte da manhã? Eu estou realmente cansada agora. —Claro. Durma um pouco. Ergui a cabeça de seu peito e beijei seus lábios. Ele me deu um pequeno sorriso e meu peito encheu de felicidade. Este foi o lado terno de Jack Sutton. Um lado que eu não tinha tanta certeza que existia. Na manhã seguinte, abri os olhos e olhei ao redor do quarto, tentando me concentrar onde eu estava, esquecendo-me por um momento que não estava na minha cama, no meu apartamento. Rolei e olhei para o espaço vazio onde Jack tinha estado ontem à noite. Arrependimento começou a se estabelecer dentro de mim enquanto eu estava lá. O que diabos eu faço? O que agora? Sentei-me, segurando o lençol sobre mim, quando meus olhos olharam ao redor de seu quarto.


As paredes cinzentas eram as mesmas que o resto da casa, assim como o teto branco que as acentuava. Sua mobília do quarto era negra o mesmo estilo do andar de baixo. Levantei da cama, usei o banheiro e em seguida peguei uma tshirt azul de Jack que estava na cadeira. Depois de deslizar sobre a minha cabeça, eu desci as escadas e entrei na cozinha, onde o aroma do café acordou meus sentidos. —Bom dia. — Jack sorriu. —Café?— Ele perguntou quando ele levantou a cafeteira. —Sim. Por favor. Café é muito necessário no momento. Ele serviu o café e entregou para mim. Seus olhos correram sobre mim da cabeça aos pés. —Você está ótima em minha t-shirt. Muito sexy. —Ele se inclinou e beijou meus lábios. —Obrigada. Eu espero que você não se importe. Eu não quero voltar para casa naquele vestido. —Eu não me importo. Eu realmente gosto da vista. —Ele piscou. Sentando-me no banquinho preto na ilha, tomei um gole do seu café. Jack colocou uma pequena cesta marrom preenchida com croissants, muffins, e pequenos bolos. —Piada. — Ele sorriu enquanto pegava um croissant. —Minha empregada, Madeline, está de folga nos fins de semana, de modo que ela faz questão de trazê-las a cada sexta-feira. —Você tem uma empregada doméstica? —Sim. Ela é ótima. Ela é mais do que apenas uma empregada doméstica, no entanto. Ela é minha chefe, minha amiga, minha


confidente, meu alfaiate se algo precisa consertar, ela é uma grande mulher em geral. Entre você e eu, acho que ela e Tony tem uma coisa um com o outro. Eu ri. —Realmente? —Sim. Mesmo que eles não admitam isso, eu sei que alguma coisa está acontecendo. —Ele largou o café e sentou-se no banco ao meu lado. —Como você dormiu? —Ótima. E quanto a você? —Bem. — Ele acenou com a cabeça lentamente. —Você está pronta para me dizer por que você não tinha feito sexo em sete anos? Eu inclinei minha cabeça enquanto eu olhava para ele. —Você está morrendo de vontade de saber, não é? —Na verdade, eu estou, porque eu não posso imaginar alguém tão bonita como você não ter relações sexuais por todos esses anos. Tomando outro gole do meu copo, eu suspirei. —Quando eu tinha dezesseis anos, eu conheci esse cara chamado Brett. Nós nos apaixonamos e com grandes planos para o nosso futuro juntos. Nós estávamos indo para a faculdade, pós-graduação, casar, formar uma família e viver felizes para sempre, até que ele morreu em um acidente de carro dois anos mais tarde por um motorista bêbado. —Lorelei, eu sinto muito. — Ele estendeu a mão e colocou a mão na minha. —Depois que ele morreu, eu não tinha interesse em conhecer outros caras. Brett não era apenas o meu namorado e meu amante; ele era meu melhor amigo e eu não conseguia me ver com mais ninguém. —Eu olhei para baixo.


Ele deu um aperto suave na minha mão. —Eu não posso sequer imaginar o que você passou, mas não ter relações sexuais por sete anos parece um pouco ridículo. Não havia nenhuma maneira que ele pudesse entender. Ele era Jack Sutton e aparentemente ele não é um homem muito emocional. Virei à cabeça e olhei para ele por alguns momentos. Nossos olhos uns sobre os outros. —Alguma vez você já esteve apaixonado, Jack? —Não. Eu não posso dizer que estive. —Então você nunca poderia entender. Faça-me um favor. Quando você se apaixonar em algum momento de sua vida, me diga como você se sentiria se algo acontecesse com essa pessoa. Como todo o seu mundo desaba em uma fração de segundo e você sentir que é difícil de respirar sem ele em sua vida. Levantei-me do banco e subi para me vestir e sair. Quando eu coloquei meu vestido, Jack entrou no quarto e apertou meus ombros. —Lorelei, me desculpe. Eu estava sendo insensível. Para ser honesto com você, eu não sou uma pessoa muito sensível. Deixe-me perguntar uma coisa. Porque eu? Depois de sete anos, por que você finalmente optou por fazer sexo comigo? —Se você tivesse me perguntado isso ontem à noite, eu teria dito algo diferente do que eu estou a ponto de dizer agora. A verdade é que eu não sei. Estranho. Peguei meus sapatos do chão, minha bolsa da mesa de cabeceira e desci as escadas. Eu esperava que ele me seguisse, mas ele não o fez. Andando pela rua e tentando colocar meus sapatos, eu esperei chegar à esquina para chamar um táxi. Meu estômago se sentiu doente e meus sentimentos foram feridos. Talvez Jack não fosse o homem que eu


pensei que ele era. Ou, na verdade, talvez ele realmente fosse e eu apenas escolhi vê-lo como alguém diferente. Quem diabos sabia e quem diabos se importava? Eu estava feliz, eu não contei a ele sobre Hope. Jack Sutton não era nada para mim, mas um caso de uma noite que passou a ser meu chefe.

Jack Lorelei saiu com raiva e eu a deixei ir. Eu deveria ter ido atrás dela, mas eu não gostei do que ela disse para mim. Eu ainda não entendia por que ela não iria ter relações sexuais. Eu acho que foi uma coisa de mulher. Eu sabia que eu nunca iria ficar sem ter relações sexuais por sete anos. Bom Deus, eu não poderia nem mesmo ficar por uma semana. Eu suspirei quando entrei no chuveiro. Uma vez que eu havia terminado, eu fui para o meu armário para pegar algumas roupas. Quando eu estava me vestindo, eu olhei para os lençóis amassados onde Lorelei deitou em meus braços e dormiu na noite passada. Ela não sabia, mas eu estava lá por um tempo a observando enquanto ela dormia. Ela parecia tão calma e tão angelical. Ela me fez sentir coisas na noite passada, quando estávamos fazendo amor, que eu nunca tinha sentido antes e quando ela saiu como ela fez hoje, realmente me incomodou. Ótimo. Ela era louca e agora as coisas estavam indo para serem tensas no escritório na segunda-feira. Eu precisava corrigir as coisas e eu precisava fazer isso agora. Desci a rua para o florista. Quando eu estava olhando em seu refrigerador para o belo arranjo de flores, uma mulher se aproximou de mim.


—Olá. Existe algo que eu possa ajudá-lo? —Eu preciso enviar algumas flores para uma mulher que eu irritei. —Ah. Flores de desculpas. Eu entendo. Enviamos um monte dessas. Gostaria de sugerir o nosso arranjo pedido de desculpas, que consiste em rosas vermelhas e brancas dispostas em um vaso de vidro e com raminhos verdes de respiração de bebê. —OK. Isso soa agradável. Vou mandar um destes. —Muito bem. Se você me seguir para o balcão, eu vou obter algumas informações de você. Quando me aproximei do balcão, a mulher me mostrou as cartas que tinha em exposição. —Aqui estão as suas opções de cartões para enviar com as flores e aqui está uma caneta. — Ela sorriu. —O nome do destinatário é?— Ela perguntou. —Lorelei Flynn — eu respondi quando eu tomei um dos cartões brancos a partir do display. —Endereço, por favor. —Ah Merda. Eu não sei o endereço dela. Espere um segundo. — Enfiei a mão no bolso e tirei o meu telefone, discando para Garrett. —Ei, o que aconteceu com você na noite passada?— Ele respondeu. —Vamos discutir isso mais tarde. Eu não tenho tempo agora. Preciso do endereço da Lorelei. Você tem? —Está no escritório e por que você precisa do endereço dela?


—Eu só preciso. Eu não posso explicar agora. Mas eu preciso lhe enviar algumas flores. —Jesus Cristo, Jack. NÃO! — Ele gritou e a mulher olhou para mim. Então me lembrei. Tony a tinha levado até a sua casa, ele teria seu endereço. —Eu me lembrei de algo. Eu vou chamá-lo de volta mais tarde. — Clique. Eu disquei para Tony. —Olá, Jack. —Tony, eu preciso do endereço de Lorelei. Você tem isso, certo? —Sim. Espere um segundo e eu vou buscá-lo para você. Depois de um momento, ele recitou o endereço dela quando eu escrevi-o no cartão em branco. —Obrigado. — Clique. Eu entreguei a mulher e puxei outro cartão do display. Ela olhou para mim. —O quê? Você pode me cobrar por esse cartão. Ela digitou as informações em seu computador e lhe entreguei meu cartão de crédito, enquanto eu escrevia um pedido de desculpas para Lorelei.

Lorelei, Sinto muito pelo que eu disse. Eu espero que você possa me perdoar. Eu não quero que as coisas estejam tensas entre nós no escritório na segunda-feira.


Jack —Eu preciso desses entregue hoje, o mais breve possível. —Muito bem, Sr. Sutton. Espero que ela aceite o seu pedido de desculpas. —Ela sorriu. —Eu também.


Lorelei Quando cheguei em casa, a primeira coisa que estava em minha mente, era um quente e relaxante banho. Minha mãe e Nick não estariam trazendo Hope para casa por mais algumas horas, então eu tinha um pouco de tempo para mim mesma. Caminhei para o banheiro, liguei a água e derramei um pouco de banho de espuma com aroma de baunilha sob a banheira. Torcendo o meu cabelo, eu me olhei no espelho. Quem foi que eu vi olhando para mim? Uma mulher estúpida cheia de remorso. Antes de subir para a banheira, meu telefone tocou. Era Stella. —Olá. —Eu estive esperando durante toda a manhã com o meu telefone colado à minha mão pelo seu telefonema me contando tudo sobre a noite passada. —Sinto muito. Foi uma manhã louca. Eu estou apenas tomando um banho de banheira. Venha aqui. Eu preciso falar com você. —Você está bem? —Eu não sei. Eu dormi com Jack. —Ah Merda! Eu estou no caminho! — Clique.


Subi para a água borbulhante e afundei até atingir o topo do meu pescoço. Não foi muito tempo depois que Stella apareceu, correndo para o banheiro e sem fôlego. —O que você fez? Correu até aqui? — Perguntei. —Praticamente— ela falou sem fôlego. Colocou a bolsa sobre o balcão no banheiro, puxou o banquinho de banho que eu tinha e se sentou ao meu lado na banheira. —Conte-me tudo. Eu quero todos os detalhes suculentos do caralho. Eu suspirei. —Um minuto estávamos no bar conversando e no seguinte, estávamos em uma sala privada nos beijando. Em seguida, voltamos para a sua casa e tivemos sexo alucinante. —Eee! Quão grande ele era? Era realmente digno de XL? —Ela sorriu. —Sim. Ele é extremamente abençoado no departamento de mercadorias. Eu estava muito nervosa que não fosse caber. Ela acenou com a mão na frente do rosto. —Oh, por favor. Você colou para fora uma criança. Falando nisso, você contou a ele sobre Hope? —Não. Eu não poderia. Houve uma batida na porta e Stella olhou para mim. —Você está esperando alguém? —Não. Minha mãe não vai trazer Hope para casa por mais algumas horas. —Vou ver quem é, e então, quando eu voltar, eu quero ouvir mais sobre essa noite incrível.


Ela se levantou do banco e saiu do banheiro. Agarrando a bucha da prateleira, eu me molhei na água borbulhante e ela correu através do meu braço. —Olha o que você tem!— Ela sorriu quando entrou no banheiro, segurando um belo arranjo de rosas vermelhas e brancas. —A partir de quem? —Hmm. Pergunto-me. —Ela sorriu. —Aqui está o cartão. —Você abre. Minhas mãos estão molhadas. Você pensaria que eu tinha acabado de dar-lhe um presente por sua reação vertiginosa.

Lorelei, Sinto muito pelo que eu disse. Eu espero que você possa me perdoar. Eu não quero que as coisas estejam tensas entre nós no escritório na segunda-feira. Jack — Que diabos foi que ele disse? Oh meu Deus, você saiu com raiva? Vocês dois tiveram uma briga? Vocês só tinham tido relações sexuais. Como você poderia ter uma luta? Tomando uma respiração profunda, eu disse a ela para se acalmar. —Eu disse a ele sobre Brett e como eu não tinha feito sexo em sete anos. —Oh. Por que você disse a ele sobre a parte de não ter sexo? — Ela olhou para mim quando franziu os olhos.


Ela sabia que eu odiava quando ela fazia isso. —Primeiro de tudo, pare de fazer isso e em segundo lugar, eu só disse a ele. Ele começou a me dizer o quão ridículo que era. Então eu perguntei-lhe se ele alguma vez já tinha estado apaixonado e ele me disse que não. O que eu não estou surpresa, porque eu não acho que o homem é capaz de amar. Ele mesmo admitiu que era um pouco insensível. Eu só disse a ele que quando ele se apaixonasse por alguém em sua vida, era para ele vir até mim e me dizer como ele se sentiria se algo viesse a acontecer com essa pessoa. Então eu saí. —Droga. Que idiota. Mas ele lhe enviou flores e pediu desculpas. —Ela franziu o rosto. —Só porque ele não quer que as coisas sejam tensas no escritório na segunda-feira. Ele mesmo disse isso. —Verdade. Mas ele poderia ter enviado uma mensagem de texto dizendo isso que você acabou de dizer. Ele tomou um tempo extra enviando flores e você sabe que não foi a sua PA que fez isso por ele. — Ela sorriu. —Ele fez isso sozinho. —Por que você está defendendo ele? —Eu não estou. Ele é um babaca total. Você teve relações sexuais. Primeira vez em sete longos anos posso acrescentar, e você disse que foi surpreendente. Leve-o pelo o que ele é e siga em frente. —Fácil para você dizer. Você não tem que sentar e olhar para ele todos os dias. Stella suspirou. —Eu vou te encontrar lá fora em um minuto. Vou sair da banheira antes de me transformar em uma ameixa. Você pode nos servir um copo de vinho e ter essas flores fora daqui?


—Claro. — Ela colocou a mão na água e jogou uma bolha em mim.

Jack Ela deve ter recebido as flores agora. Por que ela não estava me ligando? Eu joguei meu telefone na minha mesa. Ele tocou. Eu agarrei. Era Garrett. —O quê?— Eu respondi. —Você estava esperando outra pessoa?— Perguntou. —Me desculpe cara. E aí? —Eu estou no meu caminho até a sua casa com uma pizza. Nós vamos sentar e conversar sobre por que você precisava enviar flores para Lorelei. —Garrett, agora não é uma boa hora. —Desculpa. O que você disse? Eu não posso ouvi-lo. Parece que temos uma conexão ruim. —Clique. Balançando a cabeça, eu coloquei o meu telefone para baixo e afundei de volta na minha cadeira. Ele ia me matar. Não foi muito tempo depois que ele desligou na minha cara, que eu ouvi a porta do elevador abrir. Entrei no foyer apenas para pegar Garrett olhando para mim quando ele levou a pizza para a cozinha. —Eu estou indo supor que as flores que você mandou para Lorelei era um gesto agradável para um trabalho bem feito. — Ele enfiou a mão no armário e tirou dois pratos.


Alcançando a geladeira, peguei duas garrafas de cerveja e as coloquei sobre a mesa. —Um trabalho bem feito, de fato, meu amigo. Mas não, elas eram flores para um pedido de desculpas. —Que diabos você fez agora, Jack? Nós levamos a pizza para a mesa e nos sentamos. —Eu estava insensível e disse algo que eu provavelmente não deveria ter dito. —Isso não me surpreende. Mas de qualquer maneira, vá em frente. O que você disse? —Ela me disse esta manhã que ela não tinha feito sexo em sete anos, desde que seu namorado foi morto em um acidente de carro. Eu posso ter dito que era ridículo ficar sem sexo tanto tempo. Garrett balançou a cabeça. —Espere um minuto. Você disse isso a ela hoje de manhã? —Sim. — Eu mordi minha pizza. —E o que ela estava fazendo aqui esta manhã? Engoli em seco e dei de ombros. —Que diabos, Jack! Você fez sexo com ela?!! —Sim, e então eu disse isso e ela saiu daqui toda chateada. Ele largou a pizza e colocou a mão em sua testa. —Por que, pelo amor de Deus você não pode manter o seu pau em suas calças? Só uma vez, Jack. Isso foi tudo o que eu pedi. —Porque eu a queria e ela me queria. Foi completamente mútuo. —Você, meu amigo, cruzou a linha. Ela é sua assistente. Você é o chefe dela.


—E daí? Eu gosto de Lorelei. Enviei-lhe flores e disse-lhe que estava arrependido. —Será que ela te ligou? —Não. —Ótimo. É melhor eu colocar um anúncio, primeira coisa a ser feita segunda de manhã. —Pare de tirar conclusões precipitadas. Ela não vai a lugar nenhum. E por que você não me disse que ela vive no Harlem. Meu Deus, esta não é uma área segura. —Não é minha coisa para lhe dizer. — Ele estreitou seus olhos para mim. —Ela te disse alguma coisa? —Como o que? —Eu não sei. Eu só estava me perguntando se ela lhe disse mais sobre seu namorado. —Ela apenas disse que o amava e que ele era o melhor amigo dela e que ela não podia se ver com mais ninguém. —Isso que ela sofreu é uma terrível perda. Então você é o primeiro homem que ela teve relações sexuais desde o que aconteceu com ele e você como um idiota abre sua boca rude e insensível. —Sim. Basicamente. Eu lhe disse que não queria as coisas embaraçosas entre nós na segunda-feira. —Você dormiu com ela, é um pouco tarde demais para isso. — Ele bebeu a sua cerveja.


Lorelei Minha mãe e Nick trouxeram Hope para casa quando Stella estava prestes a sair. —Ei você aí, Hopester. — Ela fez high-five. —Hey, Tia Stella. O que você está fazendo aqui? —Apenas fazendo uma visita a sua mãe. — Ela se abaixou e lhe deu um beijo na cabeça. —Eu tenho que correr. Vejo vocês em breve. —Ok. — Ela riu e em seguida, correu para os meus braços. —Oi mamãe. —Olá bebê. Como foi o seu dia? —Bom. Nós nos divertimos muito. —Isso me faz feliz. Por que você não vai colocar a sua bolsa no seu quarto? —Ok. — Ela sorriu. Olhei para minha mãe, que estava sorrindo para mim. —Então, como foi sua noite? Não havia nenhuma maneira no inferno que eu ia dizer a ela o que aconteceu comigo e Jack.


—A festa foi muito divertida. —Então você se divertiu?— Perguntou Nick. —Eu fiz. Foi uma noite maravilhosa. Obrigada mais uma vez por cuidar da Hope durante a noite. Minha mãe se aproximou e me deu um abraço. —De nada. Você sabe o quanto nós amamos aquela garotinha. Temos de ir, querida. Vamos nos encontrar com alguns amigos para jantar. —Tenha um bom jantar e obrigada novamente. — Eu beijei ambos. —Hope, vovó e vovô estão saindo. Venha dizer adeus. Ela veio correndo do seu quarto e se jogou em seus braços, abraçando-os e dando beijos de adeus. Depois que comemos o jantar, eu a ajudei com seu banho e nós nos sentamos no sofá para assisti Cinderela. Quando ela se aconchegou contra mim, olhou para cima. — Cinderela teve seu príncipe. — Ela sorriu. —Com certeza ela fez. — Eu beijei o topo de sua cabeça. — O Príncipe Encantado nunca desistiu até encontrá-la. —Não. Ele não fez. —Eu desejo que você encontre um príncipe encantado. Eu inclinei minha cabeça enquanto eu olhava em seus olhos azuis. —Por que, Hope? —Porque você merece um. Meu coração doeu quando ela disse isso. —Eu tinha o meu Príncipe Encantado, baby. Seu pai.


—Eu sei, mas ele não está mais aqui, então talvez haja outro príncipe encantado em algum lugar lá fora. Você não acredita que ele era o único príncipe encantado no mundo, não é? —Eu não sei no que eu acredito bebê. Mas eu sei que é hora de você ir para a cama. —Eu bati em seu nariz. Coloquei Hope na cama e lhe dei um beijo de boa noite. —Bons sonhos, pequena. — Eu sorri. —Boa noite, mamãe. Eu entrei no meu quarto e subi na cama. Fiquei ali e olhei para as flores que estavam na minha cômoda. Pegando meu telefone da mesa de cabeceira, enviei uma mensagem de texto para Jack. Obrigada pelas flores. Elas são lindas. Eu não esperava que ele respondesse, uma vez que era sábado à noite e eu tinha certeza que ele estava fora. Eu estava errada. Disponha. Aproveite o resto do seu fim de semana e eu vou ver você na segunda-feira. Você também. Lorelei .... Sim, Jack? Eu só quero que você saiba que eu realmente gostei do nosso tempo juntos, ontem à noite, e eu não me arrependo do que aconteceu. Eu também. Tenha uma boa noite. Ele disse que nunca tinha estado apaixonado o que me fez sentir pena dele. Ter trinta e dois anos e nunca ter experimentado a beleza do amor com alguém era trágico. Eu não podia pensar nele. Ontem à noite


foi um erro; um belo erro, mas eu não queria nada mais do que colocálo para fora da minha mente e seguir em frente.

Enquanto eu nervosamente caminhava pela rua até o edifício de escritórios, a única coisa que eu ouvia era o som dos meus saltos estalando contra o pavimento. Minha barriga já estava lançando borboletas ao redor com a ideia de ver Jack. Tomando uma respiração profunda, eu entrei no elevador e olhei para o relógio. Eram sete e cinquenta e cinco da manhã quando as portas do elevador se abriram, eu engoli em seco quando eu saí e segui até a minha mesa. Depois de guardar as minhas coisas, eu entrei no escritório de Jack e soltei um suspiro de alívio quando ele não estava lá. Definindo o café em sua mesa, eu tomei em uma inspiração afiada quando ouvi sua voz por trás. —Bom dia, Lorelei. —Bom dia, Jack. Como eu passei por ele para sair do seu escritório, ele estendeu a mão e levemente segurou meu braço. Parei, olhei para a mão no meu braço, e em seguida, para ele. —Mais uma vez, eu sinto muito. Ele foi sincero? Eu tinha 85% de certeza que ele foi. Ao ouvi-lo dizer que estava arrependido e lê-lo em um cartão eram duas coisas diferentes. —Você está perdoado. — Eu dei um pequeno aceno de cabeça. Ele soltou o meu braço e eu caminhei até a minha mesa.


Jack Sentando-me à minha mesa, eu peguei minha xícara de café e quando eu tomei um gole cuspi. —Lorelei!— Eu gritei. —Por que você está gritando?— Ela perguntou quando entrou no meu escritório. —O que é isso?— Eu levantei a taça. —Seu Americano com um tiro triplo de café expresso. Como você toma todas as manhãs. —Este não é um AMERICANO! É doce e enjoativo. Prove. —Eu estendi o copo para ela. Ela o trouxe aos lábios e tomou um gole. —Oh. Você está certo. Este não é um Americano. Tem gosto de macchiato de caramelo. Você pode ver que no copo diz claramente “Americano Triplo tiro expresso”. —Eu vejo isso. Obviamente, eles erraram. —Você gostaria que eu fosse comprar um novo? —Não. Tenho uma reunião para chegar. —Me desculpe, Jack. Eu acho que de agora em diante, eu vou ter que prová-lo antes de sair. —Não é sua culpa. Me desculpe, eu gritei seu nome.


Ela me deu um pequeno sorriso e saiu do meu escritório. Depois de pegar meu telefone da minha mesa, eu subi para o escritório da minha mãe.

Lorelei Quando Jack caminhou pelo corredor para seu encontro, eu me sentei lá com um sorriso espalhado no meu rosto. O Starbucks não estragou o café de Jack. Eu fiz. Eu pedi um macchiato de caramelo, mas lhes pedi para escrever “Americano” no copo. Eu considerei isso uma pequena vingança por ele ser um idiota insensível. Mesmo que o dia tivesse apenas começado para mim, ele agora estava completo.


Jack Entrando no escritório da minha mãe, eu tomei um assento em frente à Coco, que estava sentada na mesa-redonda com Garrett e nossa mãe. —O que está acontecendo?— Minha mãe perguntou quando tirou os óculos e olhou para mim. —Eu tinha uma reunião muito importante esta manhã com a equipe editorial e tive que cancelar devido a sua reunião de “emergência”. Estes dois não vão me dizer uma coisa sequer. —Eu nem sei do que se trata Mãe — Coco expressou e tomou um gole de café. —Estamos aqui para falar sobre Bradley Shaw — Eu falei. —O que tem ele?— Perguntou minha mãe. —Ele desviou dinheiro da empresa. Coco engasgou com seu café enquanto seus olhos se arregalaram. —O quê?! —Você tem certeza, Jack?— Minha mãe olhou para mim, mas falou com um tom calmo. —Sim. Sua secretária encontrou alguns papéis sobre a mesa e quando perguntou sobre isso, ele ficou muito nervoso e não foi visto desde então. Tenho um investigador privado tentando encontrá-lo e vamos nos encontrar com um advogado, Finn, Muir e Abernathy. Há


alguém lá em cima agora invadindo seu maldito computador para tentar descobrir onde está o dinheiro. —Quanto ele pegou?— Perguntou Coco. —Mais de oito milhões de dólares. —O QUÊ ?! — ela gritou tão alto que machucou meus ouvidos. Olhei para minha mãe, que tomou uma respiração profunda e sentou-se ali com os braços cruzados. —Mantenha-me informada e em segredo. Certifique-se de que Lindsey não fale uma palavra sobre isso a ninguém. —Ela se levantou e caminhou para fora do escritório. Garrett olhou para mim e estreitou seus olhos. Ele estava pensando a mesma coisa que eu. Levantei-me da minha cadeira e inclinei a cabeça para o lado, alertando Garrett a me seguir para fora do escritório. —Não se preocupe, Coco. Nós vamos chegar ao fundo disso. Garrett seguiu atrás e quando nós entramos no elevador, ele olhou para mim. —O que há com Kit? —Se você quer dizer, por que ela não parecia chateada, eu não tenho ideia. —Talvez ela esteja em estado de choque?— Perguntou Garrett. —Duvido. Eu vou falar com você mais tarde. —Eu coloquei minha mão em seu ombro quando sai do elevador. —Lorelei, ligue para a contabilidade e peça para enviarem relatórios dos últimos seis meses— eu falei quando passei por sua mesa e fui para o meu escritório.


Suspirei quando me sentei e virei para o meu computador. Cobrindo meu rosto com minhas mãos, eu ouvi a voz de Lorelei. —Aqui estão seus relatórios — ela anunciou quando colocou na minha mesa. Correndo a mão pelo meu rosto, eu olhei para ela. —Obrigado. —Você está bem? Com um pequeno sorriso, eu falei — Ficarei se você me der um beijo. —Não, obrigada, Jack. Já fizemos isso e vimos como isso acabou. —Eu acho que acabou perfeitamente. — Os cantos de minha boca se curvaram. —Sério?— Ela ficou na frente da minha mesa, com as mãos nos quadris, me deixando mais excitado do que eu já estava. Eu me levantei da minha cadeira e caminhei lentamente até onde ela estava. Corri a palma da minha mão pelo seu rosto, e falei: — Sim. Sério.

Lorelei Meu corpo estava em chamas com o simples toque da sua mão no meu rosto e a dor logo abaixo que eu tinha estado sentindo desde a nossa noite juntos, se intensificou. Engoli em seco quando nossos olhos se encontraram.


—Eu nunca vou esquecer a maneira como seu corpo tremia sob as pontas dos meus dedos ou como seus olhos dançaram com prazer quando empurrei meu pau profundamente dentro de você. — Ele se inclinou para perto de mim até que seus lábios estavam milímetros do meu. —Eu nunca vou esquecer a maneira como seus lábios estavam contra os meus. Eu quero sentir isso de novo, Lorelei. Eu estava presa em seu olhar enquanto ele corria o polegar em meus lábios. Sua mão se estendeu ao redor para a minha nuca, quando ele gentilmente me beijou e eu o beijei de volta. —Eu disse algo que não deveria. Enviei-lhe flores com um pedido de desculpa e você me perdoou. Agora eu sei que você quer sentir meu pau dentro de você de novo — ele sussurrou. —Não, eu não… — eu ofegava. —Sim, você faz. Eu posso dizer pelo jeito que você está tremendo agora. Minha calcinha já estava encharcada e meu coração estava batendo rapidamente. Ele estava certo. Eu queria senti-lo dentro de mim novamente. Quando ele me tocou, eu esqueci sobre o quão idiota que ele poderia ser. De repente, houve uma batida na porta. Eu soltei um suspiro de alívio. —Caramba. O QUE! — Ele gritou. Corri e me sentei em frente à sua mesa. Ele caminhou até a porta e quando ele a abriu, Coco entrou. —Por que você grita assim? Eu estava interrompendo alguma coisa? —Ela olhou para ele. —Sim. Na verdade, você estava. Você não pode ver que eu estou em uma reunião?


Ela revirou os olhos para ele e eu ri. —Olá, Lorelei. —Oi, Coco. —Desculpe interromper a sua reunião, mas eu preciso falar com meu irmão. Eu me levantei da cadeira, ainda tremendo por dentro do seu toque. —Não tem problema. — Eu sorri enquanto eu caminhava para fora do escritório. Era hora do almoço, então eu peguei meu bloco de desenho e desci a rua para um café chamado LaRue. Quando me sentei em uma mesa perto da janela, meu telefone da empresa tocou. Era Jack. Revirei os olhos quando atendi. —Olá. —Onde você está? —Almoço. Você sabe que eu saio para o almoço todos os dias neste horário. —Sim eu sei. Mas onde você está almoçando? —Por quê? —Porque eu sou seu chefe e eu quero saber, caramba. Eu puxei o telefone do meu ouvido e olhei para ele como se eu não pudesse acreditar que ele disse isso. —Eu estou no final da rua no LaRue. —Boa. Vou me juntar a você. Estarei aí em poucos minutos. — Clique.


Um motivo para me foder. Por que diabos ele tem que se juntar a mim para o almoço? Eu precisava superar o fato de que meu corpo ainda estava o desejando. Desde que ele sentiu a necessidade de arruinar o meu almoço, eu coloquei meu bloco de desenho na minha bolsa e olhei para fora da janela. —Boa tarde. Você está pronta para pedir? — Perguntou a garçonete chamada Jennifer. —Oi. Eu vou querer uma salada Cobb, por favor, e eu estou esperando alguém. —Salada Cobb. Vou pegar outro lugar para o seu convidado. — Ela sorriu. Alguns

momentos

depois,

Jack

entrou

no

café

e

eu

imediatamente cruzei as pernas. A dor entre elas tinha que parar. —Será que você já pediu?— Ele perguntou quando se sentou à minha frente. —Sim. —O que você pediu?— Ele pegou um cardápio de trás do suporte do guardanapo. —Salada Cobb. —Parece bom. Acho que vou pedir o mesmo. —Ele piscou. —Então, por que você está aqui, Jack? Ele estreitou os olhos para mim. —Para almoçar com a minha bela assistente pessoal e falar sobre a festa de lançamento. É dentro de poucos dias. —Está tudo pronto. Tudo que você precisa fazer é aparecer. —Eu sorri.


—Achei o máximo. Agora que temos isso resolvido, vamos discutir o que quase aconteceu mais cedo. Merda. Por que ele não pode esquecer? —Salva por Coco. — Eu sorri. —Jante comigo esta noite e podemos voltar para o meu apartamento depois e eu posso fazer você tremer de novo. —Eu não posso. Sinto muito. Eu tenho planos. —Quais planos? —Minha melhor amiga, Stella, está vindo para jantar hoje à noite, — eu menti. —Oh. Bem, você não pode tê-la para o jantar outro dia? Tenho certeza que você a vê o tempo todo desde que ela é sua melhor amiga. —E eu vejo você todos os dias. — Eu sorri. A garçonete se aproximou e definiu a salada na minha frente. —Em que eu posso ajudá-lo, Sr. Sutton?— Ela perguntou com um largo sorriso. —Eu vou ter o mesmo que ela. —Uma salada Cobb vindo direto. — Ela piscou para ele.


Lorelei —Então você conhece a nossa garçonete?— Perguntei. —Não pessoalmente. Eu venho muito aqui. Está com ciúmes? — Ele sorriu. —Por que eu estaria com ciúmes?— Eu fiz uma careta. —Por que não estaria? Ugh. Ele realmente estava me testando. Eu não estava me sentindo bem com isto e ele estava me dando nos nervos com a sua atitude arrogante. Debrucei-me sobre a mesa. —Ouça, Jack. Só porque dormimos juntos não quer dizer nada. Se você tem em algum lugar da sua cabeça que eu estou apaixonada, caída de amor por você, está errado. Foi só sexo. —Foi mais do que apenas sexo, Lorelei. — Os cantos de sua boca se curvaram. —Não. Não foi. —Sim, foi. Eu tomei uma respiração afiada. —Então por que você não me esclarece de que forma foi mais do que apenas sexo.


—Eu sei, para um fato, que você não consegue parar de pensar naquela noite. Eu vejo isso nos seus olhos toda vez que você olha para mim. Você quer mais e assim eu te darei. Oh meu Deus, ele era tão cheio de si. Eu sentei lá em choque com suas palavras. —Você é um jogador, Jack. Você tem garotas fazendo fila na sua porta que querem ter sexo com você. —Verdade. Mas eu quero mais sexo com você. —Ele sorriu. —Por quê?— Eu levantei minha cabeça. —Porque há algo sobre você, Lorelei. — Seu telefone tocou e ele enfiou a mão no bolso. —Eu preciso atender isso. Eu estarei de volta. Eu caí na minha cadeira. Ele estava certo. Eu queria mais sexo com ele, mas era muito perigoso. Perigoso no fato de que eu não tinha contado a ele sobre Hope e eu estava com medo de sua reação quando descobrisse. Eu estava com medo pelo meu trabalho. Um trabalho que eu realmente gostava. Eu estava caindo por Jack Sutton mais e mais a cada dia, embora eu lutasse como o inferno. —Ok, agora de volta a falar sobre sexo. — Ele estendeu a mão sobre a mesa e pegou a minha, esfregando o polegar suavemente contra a minha pele. —Como eu disse, há algo sobre você que me intriga. Você é diferente e eu acho que mais sexo é necessário. Vamos apenas dizer que você está sob a minha pele, Lorelei. —Você também está sob a minha pele, Jack. Mas não de uma boa maneira. —Eu sorri. —Vá em frente e continue negando. Desde que sua amiga, Stella, está vindo hoje à noite, eu vou deixar você sair do trabalho às três


horas. Quando você sair do escritório, eu quero que você vá para o Trump Hotel e obtenha a chave para o meu quarto. Espere por mim e eu estarei lá logo depois que você chegar. —Você tem um quarto no Trump? —Ainda não. Mas eu vou, em poucos minutos. —Ele piscou. Caramba! Meu corpo estava girando fora de controle com o desejo sexual e eu o queria. Eu tentei de tudo para resistir. Meu coração estava gritando para eu parar, mas meu corpo estava gritando para ir... ir... ir. —Então me deixe ver se entendi. Você está me deixando sair do trabalho duas horas mais cedo para que possamos ter sexo? —Sim— respondeu ele com um sorriso. Isso era contra o meu melhor julgamento, mas a forma como sua mão estava segurando a minha, me deixou louca. Eu já sabia o que suas mãos eram capazes de fazer e eu as queria em cima de mim. —OK. Eu estarei esperando por você no Trump. —Eu prometo que você não vai se decepcionar. Olhando para o relógio, o almoço terminou. —Eu preciso voltar. Você vem? — Perguntei. —Eu vou encontrá-la no escritório. Eu tenho algumas coisas que preciso fazer antes de eu voltar. —Ele tirou a mão da minha.


Jack Lorelei deixou o café e liguei para Trump International Hotel. —Boa tarde, obrigada por ligar para o Trump International Hotel. Eu sou Natasha. Como posso ajudá-lo? —Boa tarde, Natasha. Aqui é Jack Sutton. A sua Suite Executive Parkview está disponível agora? —Deixe-me verificar para você, Sr. Sutton. Sim. Este quarto está disponível. —Excelente. Quero reservar este para o resto do dia. Além disso, por favor, tenha morangos mergulhados em chocolate e uma garrafa de seu melhor champanhe no quarto. —Certamente senhor. Quando será feito o check-in? —Check-me agora. Você tem o meu cartão de crédito em arquivo. Uma mulher chamada Lorelei Flynn estará chegando logo depois de três horas. —Estamos ansiosos para sua visita, Sr. Sutton. —Obrigado. — Clique. Saí do café, subi para a limusine e disse para Tony me levar à Victoria’s Secret. —Jack?— Ele arqueou as sobrancelhas quando olhou para mim. Eu suspirei. —Apenas me leve lá. Eu preciso escolher algo para Lorelei. —Você nunca pisou na Victoria’s Secret.— Ele sorriu. —Eu sei que eu não tenho — Falei com irritação.


—Senhorita Lorelei deve ser alguém muito especial. —Ela é Tony. Ela é. Ele puxou para o meio-fio e eu saí. Quando eu entrei na loja, cego pela lingerie sexy, uma mulher chamada Ashley andou até mim. —Olá. Existe algo que eu possa ajudá-lo a encontrar? Limpei

minha

garganta

enquanto

eu

podia

sentir

o

constrangimento tomar conta de mim. —Eu estou procurando uma lingerie. —Bem, você veio ao lugar certo. — Ela sorriu. —Será que isso é para sua esposa? —Não. Eu não sou casado. —Oh, sua namorada, então. —Não. Ela não é minha namorada. Ela é minha assistente pessoal. —Merda. Eu não deveria ter dito isso. —Oh— ela falou quando olhou para baixo. Agora, ela era a única que estava envergonhada. —Escute, eu preciso de algo sexy para ela usar enquanto estiver comigo. Se você sabe o que quero dizer. —Claro. Siga-me. Ela me levou para a seção onde eles exibiam camisolas, baby-doll. Tudo que eu queria fazer era dar o fora da loja antes que eu me envergonhasse ainda mais. —Você está procurando uma cor específica?— Ela perguntou. —Eu não sei. Eu realmente não pensei nisso.


Ela puxou uma camisola da estante e a ergueu. —Este é o nosso novo baby-doll Very Sexy Chantilly Lace. Recebemos estas tem poucos dias. Como você pode ver, é muito simples com recortes reveladores e traços de renda. —Perfeito. Eu vou levar. —Este em particular tem seis cores. Qual a cor que você prefere? —Eu não sei. Qual é a cor que você está segurando? —Está é chamada de toda nua. —Eu posso ver porque é nomeado assim. Essa cor é ótima. —Ótimo. Nós temos uma calcinha combinando V-string. Gostaria dessa também? —Humm. Sim. Isso seria ótimo. —Qual é o tamanho do baby-doll e calcinha?— Ela perguntou. —Pequena. —Excelente. Isso é tudo? —Sim. Eu a segui para pagar e entreguei ao caixa meu cartão de crédito. —Eu gostaria que fosse embalado e entregue no Trump Hotel, o mais rapidamente possível. —Sinto muito, senhor, mas não entregamos. Revirei os olhos. —Bem. Apenas embrulhe e me dê. Vou entregálo eu mesmo. Quando subi na limo, Tony começou a rir.


—Você se divertiu lá, Jack? —Tão humilhante. Leve-me para o Trump antes de voltar para o escritório. Tony parou no Trump e eu saí com a caixa da Victoria Secret na mão. —Posso ter a chave para o meu quarto? Na verdade, me dê duas chaves. —Certamente, Sr. Sutton. Aproveite a sua estadia e bem-vindo de volta. —Obrigado. Eu pretendo. —Eu pisquei. Assim que entrei na suíte, eu defini a caixa em cima da cama no quarto e peguei um pedaço de papel da mesa.

Lorelei, Uma coisinha para você colocar antes de eu chegar aqui. Jack.


Lorelei Entrando no Trump Hotel, peguei o elevador para a suíte que Jack tinha reservado. Os nervos líquidos dentro de mim quando eu abri a porta e entrei. Senti-me como uma prostituta, eu não podia acreditar que eu tinha concordado com isso. Depois que saí do escritório, liguei para minha mãe para que ela soubesse que eu estaria pegando Hope um pouco mais tarde porque estava trabalhando em algo e não iria sair na hora certa. Outra mentira. O que estava acontecendo comigo? Parecia que ultimamente, tudo o que saia da minha boca era uma mentira. Olhando ao redor da suíte, eu estava encantada com a classe e beleza.

Tomando

nota

dos

morangos

cobertos

com

chocolate

posicionados no balcão, peguei um e o mordi com um sorriso. Caminhando para o quarto, notei uma caixa que dizia Victoria’s Secret sobre ela na cama com uma nota. Sentei, li a nota e olhei para a caixa. Eu estava com muito medo de abri-la. Tinha medo de ver o que estava lá dentro. Eu puxei meu celular da minha bolsa e disquei para Stella. —O que há bonita?— Ela respondeu. —Eu não tenho tempo para explicar, então eu preciso de você para me ouvir. Não faça qualquer pergunta. Estou em uma suíte que Jack reservou para nós no Trump Hotel. Sentada na cama ao meu lado tem uma caixa da Victoria’s Secret e eu estou com medo de abri-la.


—Eu sinto muito, mas eu tenho que perguntar. Por que você está no Trump? Vocês dois estão fazendo sexo de novo? —Sim, e eu disse nenhuma pergunta. Ele não está aqui ainda. Ele queria que eu fosse ao seu apartamento hoje à noite, mas eu disse a ele que eu estava encontrando com você. Então, ele reservou este quarto e me deixou sair do trabalho duas horas mais cedo. Uma súbita explosão de riso fluía através do telefone. —Sinto muito. Isso é simplesmente fantástico. Abra a caixa Lorelei, droga. Eu tenho certeza que é uma lingerie sexy que ele quer que você vista. Que pervertido filho da puta ele é. —Oh meu Deus. Pare! —Lorelei, abra a caixa, tire uma foto e a envie para mim. Eu quero ver o que ele comprou para você. —Bem. Estou indo agora. Vou lhe enviar uma foto. Eu tomei uma respiração profunda quando levantei a tampa e desembrulhei o papel de seda rosa que revelava uma camisola sexy. Engoli em seco enquanto eu a removia da caixa e erguia. Deitado sobre a cama com a calcinha combinando, eu tirei uma foto e envie para Stella. Oh. Eu amo isso! Ele tem muito bom gosto. Vá colocá-la e se sentir sexy! Me mande um texto mais tarde. Eu quero todos os detalhes suculentos. Entrando no banheiro, troquei minhas roupas de trabalho e entrei na camisola que Jack comprou. Enquanto eu estava olhando para mim mesma no espelho de corpo inteiro, eu corri minhas mãos pelo meu corpo. Esta peça de lingerie, o pouco que havia para ela, era linda. Eu especialmente amei a calcinha correspondente V-string. Eu ouvi a porta do quarto abrir e Jack chamar meu nome. Meu interior


torceu e de repente, fiquei muito envergonhada. Eu não deveria ter estado porque ele já tinha me visto completamente nua. Quando saí do banheiro e apaguei a luz, Jack entrou no quarto. —Uau— ele falou quando seus olhos correram sobre mim da cabeça aos pés. —Você está incrível nisso. —Obrigada. É lindo. Você não precisava ter comprado. Ele lentamente se aproximou de mim com um sorriso no rosto e colocou a mão na minha bochecha. —Eu queria ver você em uma lingerie. Porra. —Ele balançou a cabeça lentamente. —Valeu a pena o constrangimento extremo de entrar na Victoria’s Secret. Eu não pude deixar de rir. —Você nunca tinha estado nessa loja antes? —Nunca— ele falou quando tirou o terno e a gravata. Todo o meu constrangimento sobre vestir a lingerie na frente dele derreteu quando ele disse isso. Eu tinha certeza que eu tinha acabado de cair um pouco mais duro por Jack Sutton. Seu sorriso me cativou enquanto suas mãos agarraram minha bunda com força. Seus lábios roçaram suavemente contra o meu e de repente, me senti sem fôlego. —Você cheira tão bem— ele sussurrou enquanto sua língua deslizou para cima no meu pescoço. —Eu tenho sonhado com isso desde a nossa primeira noite juntos. Suas mãos se moveram das minhas costas e tomaram conta de meu peito. Seus dedos brincavam com meus mamilos já endurecidos com o tecido fino da lingerie. A dor entre as minhas pernas estava pulsando de desejo enquanto ele lentamente moveu uma mão para


baixo e esfregou o material de seda da calcinha contra mim. Deslizando o dedo e movendo a borda de seda para o lado, ele lenta e suavemente mergulhou um dedo dentro de mim enquanto um gemido baixo escapou dele. —Você já está malditamente molhada. Eu te excito, Lorelei? — Ele perguntou sem fôlego. —Sim. — Eu inclinei minha cabeça para trás enquanto sua língua acariciou minha garganta. Minhas mãos pegaram sua camisa e comecei a desabotoá-la. Deslizando-a fora de seus ombros, meus dedos pegaram cada polegada de seus braços musculosos bem definidos. Enquanto uma mão me explorava, sua outra mão desatou o laço na minha camisola e ele se abaixou para deixar sua língua explorar meus seios nus. Vibrações dispararam por mim enquanto seus lábios se enrolaram em torno de meu

mamilo,

sugando

no

inicio

e

em

seguida,

delicadamente

beliscando. Quando ele colocou o dedo no meu clitóris e fez pequenos círculos, senti como se minhas pernas estivessem indo para se curvar debaixo de mim. O prazer que meu corpo sentiu foi incrível e eu nunca queria que acabasse. —Antes de eu ir para baixo e provar essa sua buceta doce, eu preciso que você goze para mim— ele falou quando sua boca plantou pequenos beijos pelo meu torso. —Você está tão perto. Eu posso sentir isso. Ele estava certo, e alguns golpes mais tarde, meu corpo deu lugar a um orgasmo incrível. Meu corpo começou a tremer no momento em que ele rasgou através de mim enquanto suas mãos seguravam as minhas costas. —Isso é o que eu gosto. — Ele sorriu enquanto seu dedo que estava dentro de mim tomou conta dos meus lábios.


Me pegando de uma só vez e me levando até a cama, ele me deitou e ficou na minha frente quando tirou os sapatos e as calças, liberando seu pau duro e sólido. Mudei-me para o outro lado da cama quando ele deslizou seu caminho entre as minhas pernas e moveu sua língua delicadamente até a minha coxa. A antecipação foi emocionante e eu não queria nada mais do que sentir sua boca em mim.

Jack Ela tinha sabor ainda melhor do que antes e eu estava mais do que pronto para estar dentro dela e sentir o seu calor em volta do meu pau. Eu estava tão duro, que quase doía e eu precisava estar dentro dela. Depois de explorar a sua buceta com a minha boca, eu subi e fiquei sobre ela. —Sua vez. — Ela sorriu. Olhei para ela com surpresa. —Você tem certeza? —Sim. — Ela lambeu os lábios e eu quase gozei. Levantando-se na frente da cama, ela se sentou, colocou os lábios quentes em volta do meu pau e começou a chupar de cima e para baixo o meu pau. Eu joguei minha cabeça para trás enquanto minhas mãos se fixaram em seu cabelo. Seu movimento rítmico foi inacreditável e ela me teve à beira de um orgasmo. —Ah, baby. Você vai me fazer gozar. É isso aí. Oh, Deus. Você se sente tão bem. Ela acelerou seu movimento quando a cabeça subia e descia sem esforço. Ela me mandou para o esquecimento quando ela embrulhou


sua mão ao redor da base do meu pau e seu movimento de sucção ficou impecável. A pressão se construiu e eu estava lá. Me puxando para fora de sua boca, ela me acariciou de cima para baixo quando eu explodi por toda a sua mão. Fechando os olhos por um momento, eu tomei uma respiração profunda. —Você está bem?— Ela riu levemente. —Estou incrivelmente maravilhoso— eu respondi conforme olhei para ela. Fui até o banheiro e peguei uma toalha da prateleira. Enrolei-a em torno de sua mão e beijei seus lábios enquanto eu a limpei. —Você tem uma boca muito talentosa, Lorelei. Meu Deus, isso foi incrível. —Assim como você, Jack. — Ela sorriu. Joguei a toalha para o lado e a levantei enquanto acariciava seus seios perfeitamente redondos. Meu pau estava novamente duro e a necessidade de estar dentro dela ficou mais forte. Puxando os lençóis para trás, ela subiu e ficou em suas mãos e joelhos e tudo o que vi foi a sua linda bunda olhando para mim. Ela virou a cabeça e olhou para mim enquanto seus lábios deram lugar a um pequeno sorriso. Esse era o jeito que ela queria e eu estava mais do que feliz para atender seu pedido. Rasgando o invólucro do preservativo com os dentes, o coloquei sobre meu pau e empurrei dentro dela. Depois que terminamos, nós dois estávamos lado a lado e ficamos olhando um para o outro. —Você tem algum arrependimento por ter vindo aqui hoje?— Eu perguntei enquanto eu acariciava seus cabelos. —Nem um pouco. — Ela passou o dedo em círculos em torno do meu peito.


—Bom. Porque eu não quero que você jamais tenha nenhum arrependimento. Escuta, eu sei que você precisa ir e encontrar sua amiga, então talvez nós devêssemos ter uma rápida taça de champanhe e um par de morangos em primeiro lugar. —OK. Nós saímos da cama e colocamos os roupões que o Trump tão bem nos fornecia. Caminhamos para a sala de estar da suíte, e eu abri a champanhe e derramei em cada taça. Quando eu entreguei a Lorelei um pouco de champanhe, ela pegou um morango com cobertura de chocolate e o trouxe até meus lábios. Foi nesse exato momento quando eu dei uma mordida e observei o belo sorriso cruzar seus lábios, que Lorelei Flynn tornou-se mais para mim do que apenas minha assistente pessoal.


Lorelei Eu beijei Jack em despedida e chamei um táxi para a casa da minha mãe para pegar Hope. No caminho para casa, paramos e compramos comida chinesa para levar com a gente. —Você parece diferente, mamãe. — Hope sorriu quando mordeu seu rolo de ovo. —Eu pareço? —Sim. Você parece mais feliz. Porcaria. Eu acho que é o que a mente cheia de sexo faz para você —Eu sempre fui feliz, baby. —Eu sei. Mas hoje, você parece extra feliz. —Isso é porque eu estou aqui com você. — Eu bati em seu nariz. Ela deu uma risadinha. Depois que terminamos o jantar, eu disse a Hope para se sentar no sofá e assistir TV enquanto eu tomava um banho. Depois de me despir, me levantei e olhei para mim mesmo no espelho. A Hope estava certa, eu parecia mais feliz hoje. Eu precisava dizer a Jack sobre a minha filha e amanhã seria o dia que eu faria. Ele entenderia, especialmente depois de hoje. A primeira vez que tivemos relações sexuais, algo aconteceu entre nós, mas hoje, ficou mais forte e se tornou mais para mim do que apenas o meu patrão. Eu cai completamente de cabeça por ele e agora não havia como voltar atrás. Ele fez seu lugar no meu coração e me fez feliz.


Jack Quando eu estava me preparando para sair do hotel, vi o caderno de Lorelei caído no chão ao lado da cadeira. Deve ter caído de sua bolsa. Peguei-o e me sentei no sofá. Ao abri-lo, meus olhos percorreram os desenhos de vários vestidos; alguns casuais e alguns muito elegantes. Eu sorri enquanto eu folheava as páginas. Ela

era

extremamente

talentosa

e

seus

projetos

eram

impressionantes. Me pergunto por que ela manteve isso em segredo de mim. Fechei o livro e liguei para Tony. —Você está perto? Estou pronto para sair. —Eu estarei aí em cerca de cinco minutos, Jack. —OK. Obrigado, Tony. Peguei meu terno, desci para o lobby e fiz o check-out. Quando saí do hotel, Tony estava estacionado. —Eu preciso que você me leve para o apartamento de Lorelei. Ela deixou algo para trás e ela provavelmente vai querer ele hoje à noite. —Tem certeza de que ela está em casa?— Perguntou. —Ela disse que sua amiga estava vindo para o jantar esta noite, então isso significaria que ela está em casa. —Muito bem, Jack. Quando Tony parou na calçada do prédio de Lorelei, olhei ao redor da área superficial. Incomodava-me que ela vivia nesta parte do


Harlem. Enquanto eu subia os degraus do edifício, uma senhora idosa estava caminhando para fora da porta com seu andador. Eu corri e abri a porta para ela e a segurei aberta. —Obrigada, meu jovem. — Ela sorriu. —Não há de que. Sabe qual é o apartamento de Lorelei Flynn? —Quem quer saber?— Ela olhou para mim. —Eu sou Jack Sutton, seu chefe na Sutton Magazine. — Cheguei ao meu bolso, tirei meu cartão de visita e entreguei a ela. —Ela deixou seu caderno de esboços para trás no escritório e eu estou trazendo para ela. Ela estudou o meu cartão de visita e em seguida, olhou para mim. —Ela está no apartamento 2C. Isso é muito agradável de sua parte, trazer isso para ela. Esse livro é um de seus bens mais valioso. —Eu sei. — Eu dei-lhe um sorriso. —Obrigado. Ela simplesmente assentiu com a cabeça e se afastou. Peguei o elevador até o segundo andar para o apartamento dela. Batendo na porta, ouvi uma voz do outro lado. —Quem é? Eu fiz uma careta. Não soava como Lorelei. —É Jack Sutton. Eu podia ouvir o desbloqueio de fechaduras e em seguida, a porta se abriu. Eu fiquei ali em choque enquanto eu olhava para uma menina. —Sinto muito. Eu devo estar no apartamento errado. Estou à procura de Lorelei Flynn.


—Essa é a minha mãe. — Ela sorriu. Engoli em seco e de repente ficou muito quente, enquanto eu olhava para a menina com longos cabelos loiros e grandes olhos azuis. —Meu nome é Hope. É bom conhecê-lo. —Ela estendeu a mão pequena. Eu estava confuso e eu acho que eu estava em choque. Eu levemente apertei a mão dela e ela me convidou para dentro. —Você pode entrar e esperar. Minha mãe está no chuveiro, mas ela vai sair em breve. Vem se sentar no sofá. Eu estou assistindo um dos meus filmes favoritos: Cinderela. Eu estava sem palavras, mas eu entrei no pequeno apartamento de qualquer maneira. Hope correu e se estatelou no sofá, acariciando a almofada ao lado dela. Sentei-me e olhei para ela enquanto ela olhava para mim. —Quantos anos você tem, Hope? —Sete. Quantos anos você tem? —Trinta e dois. Você não deve atender a porta quando você não sabe quem está do outro lado. Isso é muito perigoso. —Eu conheço você. Você é o chefe de minha mãe no trabalho. Ela diz que você é mau. Eu arqueei minha sobrancelha para ela. —Ela te disse isso? —Sim. — Ela riu. De repente, ouvi a voz de Lorelei atrás de mim. —Com quem você está falando… Jack?— Seus olhos se arregalaram quando ela estava lá em seu robe de seda e o cabelo molhado pingando, olhando para mim.


Levantei-me do sofá. —Isso deve ter caído da sua bolsa. Eu não queria que você se preocupasse achando que o perdeu, então eu decidi trazê-lo. —Jack, eu posso… Eu coloquei minha mão para cima. —Não, Lorelei. Por favor. Só não. —Eu coloquei seu caderno na mesa de café e segui para a porta. —Você já está indo embora, Sr. Sutton?— a pequena voz de Hope falou comigo. —Sim. Eu tenho um lugar onde eu preciso estar. Foi bom conhecer você, Hope. —Eu abri a porta e caminhei para fora do apartamento, fechando-a atrás de mim. Parecia que o vento havia batido em mim. Subi para a limusine e instantaneamente, Tony sabia que algo estava errado. —O que está errado, Jack? Ela estava em casa? —Sim. Ela estava em casa. Ela tem uma filha. —O quê? Lorelei tem uma filha? —Sim. O nome dela é Hope e ela tem sete anos. —Ela nunca mencionou isso para você? —Não. Nem uma palavra. Isso muda tudo, Tony. Leve-me para casa. Eu preciso de uma bebida.


Lorelei Fiquei ali praticamente tremendo. —Mamãe, você está bem? —Sim, baby. Estou bem. É hora de dormir. OK? —OK. —Vá para o seu quarto e eu vou estar lá em poucos minutos para colocá-la para dormir. Assim que Hope foi para o quarto, fui para a cozinha e enchi um copo de vinho e bebi dentro de segundos. Tomando meu telefone a partir do balcão, eu mandei uma mensagem de texto para Jack. Me desculpe, Jack. Por favor, deixe-me explicar. Não há nada para explicar, Lorelei. O que aconteceu entre nós foi um erro e isso não vai acontecer novamente. Sugiro que você esqueça e siga em frente. As lágrimas saltaram dos meus olhos enquanto eu as limpava antes de ir para o quarto de Hope. Após colocá-la para dormir e lhe dar um beijo de boa noite, eu derramei outra taça de vinho e a levei para o meu quarto. Por favor, Jack. Apenas me escute.


Se você está preocupada com o seu trabalho, não esteja. Você é uma boa assistente pessoal e eu não vou demiti-la. Não há nada entre nós, Lorelei, exceto uma relação de trabalho profissional. Tenha uma boa noite. Eu

estava

quebrada

e

as

lágrimas

começaram

a

cair

incontrolavelmente enquanto eu estava deitada na cama. Eu marquei Stella. —Já era hora de você ligar. —Stella— gritei ao telefone. —Lorelei. Oh meu Deus, o que há de errado? —Jack veio esta noite sem aviso prévio e ele conheceu Hope. Agora ele está com raiva de mim e me disse que o que aconteceu entre nós foi um erro. —Ele é um babaca. Você precisa de mim ai? —Não. Hope está na cama e eu vou tentar dormir um pouco. Como no inferno eu vou enfrentá-lo amanhã? Estar com ele mais cedo foi incrível e ambos sentimos algo. Eu me apaixonei por ele, Stella — Eu soluçava. —Querida, se acalme. Ouça, eu estou chegando e eu não quero ouvir mais uma palavra sobre isso. Estarei aí em quinze minutos. Basta se sentar firmemente. —Clique. Deitei na cama, segurando os lençóis que me cobriam. Cerca de quinze minutos se passaram, eu ouvi a porta da frente abrir e Stella entrou na sala. Ela subiu ao meu lado e colocou os braços em volta de mim. —Tudo vai ficar bem— disse ela enquanto ela beijava o topo da minha cabeça.


—Eu não penso assim. Ele me disse que ele não iria me demitir porque eu sou uma boa assistente, mas que não há nada entre nós, além de uma relação profissional. —Bem, então ele é mais um idiota do que nós lhe demos crédito. Lorelei, ele está mostrando sua verdadeira face. Você não quer estar com um homem assim. Você merece algo muito melhor. —Mas eu realmente gosto dele. Meu Deus, eu dormi com ele. O primeiro homem em sete anos e veja o que acontece. É tudo culpa minha por não ter contado a ele sobre Hope. Eu ia dizer a ele amanhã. Eu juro que eu ia — Eu soluçava. —Eu sei. Ele não vale a pena, Lorelei. Uma vez que você se acalmar, você vai ver isso. Eu chorei no ombro de Stella pela a próxima hora e depois adormeci.

Jack Eu mal dormi a noite toda. Pensamentos de Lorelei atormentaram minha mente. Como ela poderia não me dizer que ela tinha uma filha? Ela teve muitas chances, mas optou por manter isso em segredo. Maldita. Saí da cama, tomei um banho e fui direto para o escritório. Retirando meu telefone, eu mandei uma mensagem de texto para Garrett. Você já está no escritório? No meu caminho, por quê?


Eu preciso falar com você. Venha direto para o meu escritório. Claro que sim, Jack. Eu estarei lá em breve. Enquanto eu caminhava pela mesa de Lorelei, eu balancei minha cabeça. Talvez eu devesse demiti-la. Eu não sabia se eu poderia ficar até mesmo em torno dela depois do que ela fez. Ou deixou de fazer, devo dizer. Pouco depois que eu me sentei, Garrett entrou. —E aí? —Você sabia que Lorelei tem uma filha? Ele ficou lá e olhou para mim sem expressão. A expressão no rosto dele me disse que ele sabia. —PORRA! Você sabia e não me disse! —Jack, acalme-se. —Não se atreva a me dizer para me acalmar. Como diabos você poderia manter algo assim de mim? —Não era meu papel lhe dizer. —Será que ela lhe pediu para não me dizer? —Não. Será que ela te disse isso? —Não. Tivemos uma bela tarde no Trump ontem e ela deixou o seu caderno no hotel, então eu chamei Tony para me levar ao apartamento dela para que eu pudesse devolver a ela. Foi quando eu conheci Hope. —Oh. Como isso acabou? —Como diabos você acha que acabou?— Eu joguei a minha caneta na minha mesa. —Fiquei chocado. Você sabe como eu me sinto traído agora sabendo que ela mentiu para mim todo esse tempo.


—Alguma vez você perguntou se ela tinha um filho, Jack? —Não. Por que diabos eu faria? Ela tem vinte e cinco anos de idade. Ela não deveria ter filhos ainda. —Você acabou de ouvir a si mesmo?— Garrett gritou. —Você não perguntou e ela não ofereceu. Será que você não disse a ela que você odiava crianças? —Pode ser. —Então por que diabos ela iria lhe dizer sobre a dela? A pobre moça, provavelmente, estava morrendo de medo de que fosse ser demitida. —Sim, bem, agora que eu estou pensando sobre isso, eu poderia demitir a sua bunda mentirosa. —Pelo que? Ter um filho? Você não pode fazer isso, Jack. Sem mencionar o fato de que você transou com ela mais de uma vez. Você sabe a porra do processo que ela vai bater nesta empresa se você demiti-la? A revista está em apuros. Se você demiti-la, você pode dar um beijo de adeus à empresa. Eu avisei para ficar longe dela, Jack. Eu te avisei! Você fez sua cama, agora você pode deitar nela. —Ele apontou para mim. —Você não tem ninguém para culpar além de si mesmo. —Você deveria ter me dito, Garrett. Você é meu melhor amigo. Eu não teria feito o que fiz, se eu soubesse que ela tinha uma filha. —Como eu disse, você não tem ninguém para culpar além de si mesmo. Agora se acalme e eu vou falar com você mais tarde. —Ele saiu do meu escritório. Corri minhas mãos pelo meu cabelo e tomei uma respiração profunda. Eu estava com raiva. Tão irritado. Mas ainda havia outro sentimento que residia dentro de mim: ferido. Garrett estava certo; Eu não podia demitir Lorelei. Não só isso seria ruim para a empresa se ela


decidisse me processar, mas ela tinha uma filha para sustentar. As coisas a partir de agora só consistem em uma relação profissional.


Lorelei Meus olhos estavam inchados de tanto que eu tinha chorado na noite passada. Eu temia ir para o escritório e ver Jack. Se eu nunca tivesse que vê-lo novamente, eu ficaria feliz. O que eu precisava fazer era começar a procurar outro emprego e obter o inferno fora de Sutton Magazine. A linha que nunca deveria ter sido atravessada, foi e agora eu estava pagando o preço. —O que há de errado com seus olhos, mamãe?— Hope perguntou quando ela entrou no meu banheiro. Abaixei-me e beijei sua cabeça. —Bom Dia querida. Não há nada de errado. Eles estão apenas um pouco inchados. Deve ser minhas alergias. —Eu pensei ter ouvido você chorando na noite passada. — Ela fez beicinho. —Você deve ter sonhado. Eu não estava chorando. Eu não tenho nada para chorar. Agora vá se vestir e ficar pronta para a escola. Eu vou fazer o seu café da manhã. Eu não podia deixar minha filha me ver assim. Tinha sido sempre só eu e ela desde o início e eu não estava prestes a deixar qualquer homem, especialmente Jack Sutton, me destruir na frente da minha filha. Depois de me vestir, eu fiz a Hope seu café da manhã e a deixei na escola. Quando eu estava no meu caminho para Starbucks e peguei o café da manhã do imbecil, meu telefone tocou. Era Stella.


—Olá. —Como você esta hoje? —Eu estou tentando ficar bem. Eu preciso ficar para Hope. Eu não posso deixá-la me ver desmoronar por um cara. —Eu entendo, mas não force. Se você precisa de tempo para si mesma, para pensar sobre as coisas ou tê-las juntas, me deixe saber e Sebastian e eu vamos cuidar da Hope por alguns dias. —Obrigada, Stella, mas eu vou ficar bem. Ei, presta atenção, eu preciso ir a Starbucks. Eu vou falar com você mais tarde. —Certo docinho. Chame-me e certifique-se que você vai lhe conseguir o café errado ou derramá-lo no imbecil. Eu sorri. —Eu irei. Eu pedi seu maldito Americano do jeito que ele gostava e me dirigi para o escritório. Meu estômago estava torcido e eu me sentia doente. A raiva e a decepção em seus olhos na noite passada eram insuportáveis de ver. Eu vi outro lado de Jack quando passamos um tempo juntos, sozinhos. Ele era suave e doce. Ele só queria me agradar e eu o deixei. Enquanto eu caminhava pelo corredor com o seu café na minha mão, eu estava literalmente tremendo. Rezei para que ele não estivesse em seu escritório, mas ele estava. PORRA! Eu tomei uma respiração profunda quando entrei e coloquei o seu café sobre a mesa. —É o certo desta vez?— Ele perguntou em tom brusco. —Eu não gosto dele. Portanto, esperamos que seja. —Saí do seu escritório e me sentei à minha mesa. O lançamento era em poucos dias e eu precisava terminar o vestido que eu estava fazendo. Eu só precisava passar por este dia.


Quando eu estava sentada na minha mesa, o telefone do escritório tocou. —Escritório de Jack Sutton. —Lorelei, é Garrett. Eu quero que você venha para o meu escritório em cerca de trinta minutos. Jack tem uma reunião para ir, então ele não vai saber que você veio. —Ele lhe disse, não foi? —Sim. Basta descer ao meu escritório e vamos conversar. —Ok. — Clique. Jack saiu de seu escritório sem dizer uma palavra para mim sobre seu encontro. Ele sempre me disse para onde estava indo. Mas, não hoje. Eu ainda podia ver a raiva em seus olhos e isso me incomodou. Levantei-me da minha mesa e desci para o escritório de Garrett. —Hey — eu falei quando eu coloquei a minha cabeça pela porta. —Hey. — Ele sorriu. —Venha e sente-se. Eu suspirei enquanto me sentei em frente à sua mesa. Olhando para baixo, eu brincava com minhas mãos. —Como vai você? —Nada bem, Garrett. Eu me sinto horrível por causa de como ele descobriu sobre Hope. Eu ia dizer a ele hoje. —Bem, eu quero que você esqueça o Jack. Ele pode ser um verdadeiro idiota às vezes. Ele vai superar isso, Lorelei. Você só precisa seguir em frente. Faça o seu trabalho e tudo vai ficar bem. Ele não pode ficar com raiva de você para sempre.


—Não importa se ele pode ou não. Eu quero que você saiba que eu vou começar a procurar outro emprego. —Eu não quero ver você ir. Talvez eu possa transferi-la para outro departamento. —Isso faria Jack ainda mais furioso. É melhor se eu sair da empresa por completo. —Eu entendo, mas você precisa se defender de Jack. Ele não vai demiti-la. Isso eu posso prometer. Você tem influência e pode fazer grandes danos a ele e esta empresa se ele deixar você ir. —Obrigada, Garrett, mas eu não quero usar qualquer coisa contra ele. Eu não sou esse tipo de pessoa. Eu só vou começar a procurar outro emprego e se eu encontrar um, eu vou deixar você saber. —Eu me levantei da minha cadeira. —Ok, Lorelei. Se você sente que isso é necessário. Sair de lá. Ele vai superar eventualmente. Eu dei a Garrett um pequeno sorriso e voltei até a minha mesa. Quando voltei, Jack estava em seu escritório. Merda. Sua reunião não durou muito tempo. —Onde você estava?— Ele gritou de sua mesa. —Banheiro. Está tudo bem ou você queria que eu fizesse xixi em toda minha mesa? — Eu disparei. —Entre no meu escritório agora!— Ele ordenou. Merda. Merda. Merda. Dando uma respiração profunda, entrei em seu escritório. —Feche a maldita porta.


Eu fechei a porta e em seguida, me virei e olhei para seu rosto com raiva. —Eu não preciso de sua boca espertinha. Você me entende? —Ele apontou diretamente para mim. —Sim. Eu entendo. —Hope é a razão pela qual você não foi para Paris? Eu precisava me sentar porque meus joelhos tremiam. —Sim. Eu não podia deixá-la. —Então você mentiu para mim, merda, de novo? —Sim. — Eu olhei para baixo quando eu cruzei minhas mãos. —Então sua mãe nunca esteve doente? Eu balancei a cabeça sem dizer uma palavra. —Você mente muito pouco, não é? Lágrimas começaram a encher meus olhos. Oh inferno não, não havia nenhuma maneira que eu estava indo para deixá-lo me ver chorar. —Eu espero que me desculpe, Jack. —Você sente muito? Pelo quê? Mentir para mim? Deixando-me, foda-se, me aproximar de você? O quê? Do que você esta arrependida, Lorelei? De repente, a raiva começou a encher meu corpo quando ele me perguntou isso. A raiva que eu nunca soube que existia até agora. Minha cabeça atirou para ele como se eu estivesse possuída e meus olhos encararam diretamente os dele.


—Sinto muito que você está com raiva e eu sinto muito que você não consegue entender por que eu não lhe disse sobre Hope. Mas eu ia dizer a você hoje. —É claro que você iria. Como conveniente agora que eu já descobri. Era seu namorado que foi morto, o pai de Hope? —Sim, e você sabe qual a parte mais difícil de tudo isso? Ele nem sabia que eu estava grávida. Ele estava a caminho da minha casa, à noite, eu estava indo para dizer a ele. Fiz a sua comida favorita, comprei um par de sapatinhos de bebê e os coloquei em seu prato na mesa. Continuei tentando ligar para ele, pois estava demorando mais tempo do que o habitual, mas tudo que eu continuei ouvindo era o seu correio de voz. Eu sabia lá no fundo, que alguma coisa tinha acontecido. Eu entrei no meu carro e dirigi a rota a partir da loja, que ele trabalhava para a minha casa. Foi quando eu vi as luzes dos carros da polícia, caminhões de bombeiros e ambulâncias. Ao me aproximar da cena, eu vi o carro dele. —Limpei uma lágrima que caiu dos meus olhos. —Eu gritei o nome dele e comecei a correr em direção ao acidente. Um policial me agarrou e me segurou, me dizendo que eles estavam tentando tirá-lo do carro. Tudo o que eu queria fazer era ir até ele, mas eles não me deixaram. Foi quando eu ouvi o paramédico dizer que ele estava morto. Portanto, há três coisas na minha vida que eu me arrependo. Não ter a chance de dizer ao meu namorado que eu o amava profundamente e que ele ia ser pai, não dizer a você sobre Hope desde o início e por nunca descobrir o que é amar verdadeiramente alguém. Mas a única coisa que eu não estou arrependida é de estar com você. Ela é a minha vida e meu mundo e eu a amo mais que a minha própria vida. Ela foi um presente de Deus, que me fez passar por sua morte. Ela me deu forças para seguir em frente com minha vida e eu faria qualquer coisa para protegê-la. —Eu me levantei da minha cadeira, me inclinei sobre a mesa e apontei o dedo para ele. —Então, se você quer segurar o fato de eu ter uma filha contra mim, então vá em frente. Eu não dou à mínima! —Eu gritei.


—Eu não mantive isso contra você. — Sua voz era calma. —Eu só queria que você tivesse me dito desde o início. Isso é tudo. Eu lhe disse antes que eu odeio jogos e eu não os jogo. Então, vamos ambos nos acalmar e apenas tentar seguir em frente com a nossa relação profissional. —Você pode fazer isso, Jack? —Sim, Lorelei. Eu posso. Nós tivemos a conversa e agora podemos voltar ao nosso trabalho. —Tudo bem — Eu falei com atitude. —OK. Você pode voltar para a sua mesa, ou você precisa sair? Talvez se recolher ou algo assim? —Não. Estou bem. —OK. Você pode sair agora. Saí do seu escritório e me sentei na minha mesa. Agora que Jack e eu passamos por isso, eu me sentia um pouco melhor, mas eu estava com raiva de mim mesmo por lhe dizer tudo sobre o acidente.


Jack Maldita. Ao ouvir a história dela me chateou. Por que diabos eu estaria chateado? Talvez porque eu me preocupava com ela e eu não deveria. Jogando uma criança na mistura mudou tudo. Não havia nenhuma maneira no inferno que eu poderia me envolver com ela quando ela tem uma filha. Eu planejei deixar para trás tudo isto, seguir com a minha vida e meus negócios como eu fazia antes de colocar meus olhos em Lorelei. Levantei-me da minha mesa e disse a ela que eu estava indo para o departamento de contabilidade. Quando eu pisei no escritório de Bradley, perguntei a Wes, a pessoa que trabalha no computador de Bradley, se ele não encontrou nada ainda. —Eu fiz Sr. Sutton. Eu estava descendo para o seu escritório. Algo não parece certo. As contas no paraíso fiscal que Bradley desvia dinheiro estão em nome de Kit Sutton, sua mãe. —O quê? Você tem certeza? —Sim. Eu fui capaz de invadir o sistema do banco e as contas estão em seu nome. Então, tecnicamente, Bradley não desviou nada. Ele está colocando o dinheiro fora para a sua mãe. Fiquei ali incrédulo enquanto eu olhava para a tela do computador, pensando por que minha mãe iria fazer uma coisa dessas. —Obrigado. Eu aprecio seu trabalho duro.


—Não tem problema, Sr. Sutton. É o meu trabalho. —Ele sorriu. Sentei-me atrás da mesa de Bradley e chamei Lindsey para o escritório. —Sim, Sr. Sutton. —Será que a minha mãe veio aqui para ver Bradley? —Algumas vezes. Mas eu sei que eles se encontravam fora da empresa. —Como você sabe disso? —Eu os vi, uma noite, jantando no Sage e eles estavam discutindo. Sua mãe estava apontando o dedo para ele. Eu não conseguia entender o que eles estavam dizendo, mas eu poderia dizer que ela estava com raiva. —Será que eles te viram? —Não. Eles não o fizerem. —Quanto tempo atrás foi isso? —Cerca de um mês atrás. Lembro-me porque eu levei o meu namorado para seu aniversário. Eu não vou ficar em apuros, eu vou? —Claro que não. Eu aprecio você me dizer. Você não tem nada para se preocupar. —Obrigado, Sr. Sutton. Quando eu estava andando de volta para o meu escritório, eu vi Lorelei sair do banheiro. —Você está bem?— Perguntei. —Estou bem. E você?


—Sim. —Bom— ela falou com um toque de atitude e se sentou em sua mesa enquanto eu fui ao meu escritório e fechei a porta.

Poucos dias se passaram e eu ainda não tinha falado com minha mãe sobre as contas. Nem disse a Coco o que eu descobri. Eu estava esperando

o

investigador

particular

com

a

esperança

que

ele

encontraria Bradley primeiro. Lorelei e eu tivemos pequenas conversas durante o dia e elas trabalham principalmente em causa. Eu tive alguma papelada para dar a ela e quando eu abri a minha porta do escritório, vi Hope correr para Lorelei e lhe dar um abraço. —Hey, baby, o que você está fazendo aqui?— Perguntou ela. —Queríamos saber se você gostaria de ir almoçar com a gente. Tia Stella disse que seria bom para vir aqui e lhe pedir. Além disso, eu queria ver onde você trabalha. Oi, Sr. Sutton. —Ela sorriu quando olhou para mim com seus olhos azuis. —Olá. —Esta é a minha Tia Stella. Ela me pegou na escola hoje porque eu saí cedo. —Prazer em conhecê-la, Stella. — Eu assenti. Seus olhos atiraram adagas para mim e eu soube então, que Lorelei disse-lhe tudo. Ela olhou para Hope, que estava olhando para ela e então olhou para mim. —Prazer em conhecê-lo, Sr. Sutton. Lorelei me falou muito sobre você — ela falou inexpressiva.


—Aposto que ela falou. — Eu defini os papéis sobre a mesa de Lorelei. —Eu preciso que você olhe mais estes e faça as correções. —Claro que sim. Voltei para o meu escritório e no momento em que cheguei a minha mesa, Hope tinha me seguido para dentro. —Eu gosto de seu escritório, Sr. Sutton. É tão grande. Eu suspirei. —Obrigado, Hope. —Hope, deixe o Mr. Sutton sozinho. Desculpe, Jack. Estou indo almoçar agora — Lorelei falou. —Não precisa se desculpar. Aproveite seu almoço. —Sr. Sutton pode vir conosco?— Hope perguntou quando ela segurou a mão de Lorelei. —Não, Hope. —Por quê?— Ela olhou para ele. —Obrigado pela oferta, mas eu tenho uma reunião para participar. Talvez outra hora, Hope. —OK. Antes de sair do meu escritório, Hope virou a cabeça e olhou para mim por cima do ombro. —Foi bom vê-lo novamente. — Ela sorriu quando me deu um pequeno aceno. —Foi bom ver você também. — Eu me inclinei na minha cadeira e assisti-las sair. Ela era a cara de Lorelei e ela ainda tinha o mesmo sorriso dela. Mesmo que eu ainda estivesse ferido com Lorelei por não me dizer que


ela tinha uma filha, eu não conseguia parar de pensar nela. Especialmente à noite. —Quem era aquela menina com Lorelei?— Coco perguntou quando entrou no meu escritório. —Essa seria Hope, filha de Lorelei. —Desculpe-me?— Ela se sentou em frente a minha mesa. —A filha dela. —Eu não sabia que ela tinha uma filha. —Eu não sabia até poucos dias atrás— Eu falei. Ela estreitou os olhos para mim enquanto mordia o lábio inferior. —O

que

está

errado?

Posso

dizer

que

alguma

coisa

está

te

incomodando. —Nada— respondi. —Merda, Jack. — Ela balançou a cabeça. —Você dormiu com ela. Eu olhei para baixo, peguei um clipe de papel da minha mesa e comecei a brincar com ele. —Sim. Eu fiz. Eu cometi um erro horrível. Coco arqueou a sobrancelha. —Você nunca antes disse que cometeu um erro por dormir com uma mulher. — Ela parou no momento em que eu olhei para ela. —Ah, não, Jack. Você tem sentimentos por ela, não é? —Não importa se eu tiver. Eu não posso me envolver com ela. —Por quê? Porque ela tem uma filha? —Sim, Coco.


—Por quê? Eu não entendo. —Porque as crianças arruínam relacionamentos. Você de todas as pessoas deveria saber disso. —Huh?— Ela perguntou em confusão. —É essa a razão que você não gosta de crianças? —Pode ser. Eu não sei. O telefone de Coco tocou. —Eu tenho que ir e atender esta chamada. Vamos falar sobre isso novamente. Mas se você quer minha opinião honesta, eu acho que Lorelei é exatamente o que você precisa, independentemente se ela tem uma filha ou não. Vejo você esta noite na festa de lançamento. Eu peguei meu telefone e enviei uma mensagem de texto para Isla. Eu vou buscá-la esta noite às seis e meia. Eu vou estar pronta e esperando por você, Jack. Eu comprei o vestido Valentino mais espetacular. Você vai amá-lo. Eu tenho certeza que eu vou. Quando eu coloquei o meu telefone para baixo, Lorelei entrou com meu café. —Obrigado. —De nada. Quando ela começou a se afastar, eu falei: — Como foi o seu almoço? —Foi legal. —Bom. Você pode sair às quatro horas hoje.


—Sério?— Ela perguntou surpresa. —Eu quero ter certeza de que você tenha tempo de sobra para se preparar para a festa de lançamento hoje à noite. —Obrigada, Jack. Eu agradeço. —De nada. Apenas se certifique que você tenha essas correções prontas antes de sair.


Lorelei —Obrigada mais uma vez por pegar Hope na escola hoje— eu falei enquanto passava uma sombra de cor cinza em meu olho. —Sem problemas. Eu lhe disse que Sebastian e eu poderíamos tomar conta dela esta noite, enquanto você está na festa de lançamento. —Eu sei, mas a minha mãe e Nick estão realmente ansiosos por isso. Na verdade, eles devem estar aqui em breve. Depois de pintar meu rosto e prender meu cabelo dos lados, enquanto o resto caia sobre o meu ombro em cachos, eu escorreguei no vestido vinho tinto que eu fiz. —Bom?— Eu me virei e enfrentei Stella. —Você vai fazer com que cada pau naquele lugar maldito salte para a ação. É lindo. Eu sorri. —Obrigada. —Então, você e Jack são civilizados um com o outro agora? Caminhando para o banheiro, eu peguei o meu batom vinho e passei em meus lábios. —Eu acho. Para ser honesta, ele tem sido bom nos últimos dias. Mas eu ainda sinto falta dele, se você sabe o que quero dizer. —Você não precisa de alguém como ele, Lorelei.


—Você está certa. Eu não. Eu não preciso de ninguém, porque eu nunca vou chegar tão perto de alguém novamente. —Agora não diga uma merda assim. Você vai conhecer o homem dos seus sonhos, mais cedo ou mais tarde. Saindo do banheiro, eu escorreguei meus pés em um par de sapatos de salto strass de prata. —Eu pensei que eu já fiz, duas vezes, e veja o que aconteceu. Um foi morto e o outro me odeia por ter uma filha. Ela caiu de costas na cama e em seguida se apoiou sobre os cotovelos. —Jack Sutton não é o homem dos seus sonhos. Você teve relações sexuais com ele, assim você pensou que era. Nós somos mulheres. Nós nos envolvemos emocionalmente ao primeiro sinal de um homem prestando atenção em nós. —Eu gostava dele em primeiro lugar e é por isso que eu escolhi fazer sexo com ele.

Caminhando para o Lincoln Center, eu sorri. Até agora, tudo parecia perfeito. Avistei Coco conversando com Garrett e quando me viu, seu queixo caiu. —Você está maravilhosa. Oh meu Deus. É este outro original Lorelei? — Perguntou ela, enquanto caminhava ao meu redor, me verificando da cabeça aos pés. —Sim é, e obrigada.


—Você está linda, Lorelei. — Garrett sorriu enquanto beijava minha bochecha. —Obrigada. Coco estendeu a mão e tocou levemente meu vestido. —Eu amo o look sem alças e o jeito que você recortou o decote. Olhe para estas costuras e a forma como o fundo alarga ligeiramente para fora. É como um estilo sereia, mas não completamente. Isso é lindo, Lorelei. Você realmente precisa mostrar mais o seu trabalho. Você é muito talentosa. —Obrigada, Coco. Quando eu olhei para minha esquerda, meu estômago caiu com a visão de Jack com as mãos nas costas de uma morena. Coco percebeu minha reação e colocou o braço em volta de mim, me virando para o outro lado. —Ignore-o, Lorelei. Ele é um mulherengo e não é digno de você ou sua atenção. Ele me disse que vocês dois dormiram juntos e ele me contou sobre a sua filha. Eu olhei para baixo com vergonha. —Escute-me. Você organizou toda esta festa de lançamento e você deve estar orgulhosa. Mantenha sua cabeça erguida para que todos saibam exatamente quem você é. Não deixe o meu irmão arruinar a sua noite só porque ele decidiu trazer uma skank6 com ele. Há uma abundância de homens quentes e sexy elegíveis aqui que gostaria de conhecê-la. —Eu não vou deixá-lo arruinar a minha noite e para os homens, eu não estou interessada. Eu cometi um erro, onde seu irmão está em causa e eu não cometerei o mesmo erro de novo.

6Prostituta,

desprezível.


—Querida, não deixe um peixe podre estragar o resto do oceano para você. — Ela piscou. —Oh, se não é Vidal. — Ela pegou minha mão e me levou até ele. —Vidal, querido. — Ela beijou as duas bochechas. Ele olhou para mim e depois para o meu vestido. —Lorelei, o vestido é clássico. De quem é? — Perguntou. —Obrigada. Eu fiz isso. Ele levantou a sobrancelha quando olhou para Coco. —Você desenhou e fez este para se vestir?— Perguntou. —Sim. —Fabuloso. Eu não sabia que você desenhava. —É algo que eu faço no meu tempo livre. Ele acenou com a mão na frente do rosto. —Trabalhando para Jack, estou surpreso que você tem qualquer tempo livre em tudo. —Ela também tem uma filha — Coco falou. —Oh? Aposto que ela é tão bonita quanto sua mãe. Você tem uma foto? Eu puxei meu telefone da minha bolsa e lhe mostrei uma foto de Hope. —Imagem Viva. Ela é linda, Lorelei. —Obrigada, Vidal. —O pai dela é um homem de sorte por ter duas belas mulheres em sua vida.


Apertei os lábios juntos. —Seu pai morreu antes dela nascer. Ele colocou a mão no meu braço. —Eu sinto muito. Eu e minha boca grande. —Não se desculpe. Você não poderia saber. —Bem, de qualquer maneira, eu preciso conversar com Kit. Eu vou falar com vocês duas mais tarde. Lorelei, devemos conversar em algum momento. Eu precisava de uma bebida, assim que eu andei até o bar, sabendo que Jack e sua skank estavam ali. Eu não me importava. Eu estava tomando o conselho de Coco e mantendo minha cabeça erguida, mesmo que me machucasse vê-lo com ela. Depois de pedir um cosmopolitan, senti uma mão tocar levemente meu braço. —Lorelei— Jack falou. —Oi, Jack. —Você parece… —Linda? Então, já me disseram isso algumas vezes. Os cantos de sua boca se curvaram em um sorriso doce. Um sorriso que eu não tinha visto desde aquela tarde no hotel. Um sorriso que sempre fez minha calcinha molhada. —Sim linda. É este mais um dos seus desenhos? —Sim. —Parece ótimo em você. —Jack, querido. — A skank enganchou seu braço no dele. —Isla, esta é Lorelei, minha assistente pessoal. Ela é responsável por organizar esta noite. Lorelei, esta é Isla.


—Prazer em conhecê-la, Lorelei. Eu amo o seu vestido. —Ela estendeu a mão ossuda. Estendendo a minha para ser cordial, falei — Prazer em conhecêla também. — Eu realmente queria arrancar seus olhos. O bartender finalmente definiu o meu cosmopolitan no bar. Peguei, olhei para Jack e Isla. —Se vocês me dão licença, eu preciso ir me certificar que tudo está definido. — Eu me afastei, mantendo a minha cabeça erguida e fingindo que eu não estava quebrada por dentro.

Jack Observei e tomei um gole do meu scotch enquanto ela se afastava. Ela parecia incrível e foda-se eu estava começando a ficar duro. Ela tinha feito tudo perfeitamente para a festa de lançamento e até agora, era um enorme sucesso. Era quase hora de Vidal mostrar sua coleção, então todos começaram a tomar os seus lugares atribuídos em suas mesas. Eu acompanhei Isla até minha mesa e me sentei ao lado de Lorelei. Eu tive que fazer uma mudança de última hora para a disposição dos assentos e garantir que não havia espaço suficiente para meu encontro. Lorelei se inclinou e cochichou no meu ouvido. —Vejo que você mudou o arranjo. —Eu fiz. —Eu teria feito isso para você. —Eu sei.


Ela pegou sua bebida e tomou um gole. Isla desculpou-se para ir ao banheiro. —Ela é bonita — Lorelei falou. —Eu acho. — Ela estava me deixando desconfortável. —Será que você se certificou de que ela não tem uma criança antes de trazê-la aqui? —Isso é o suficiente— eu sussurrei com uma voz severa. Lorelei começou a tossir e virou a cabeça para o outro lado. —Você está bem? Aqui, tome a minha água. —Eu peguei meu copo e entreguei a ela. —Eu não quero sua água. Mas obrigada de qualquer maneira. Isla voltou do banheiro e minha mãe se levantou a passarela e apresentou Vidal antes de tomar seu assento à minha frente. A apresentação foi um sucesso e depois, Coco e eu ficamos com a minha mãe e Vidal, enquanto as pessoas conversavam e nos felicitavam. Eu não poderia ajudar, mas olhei para Lorelei quando ela estava falando com Stiles Lang, CEO da Lang Industries. Ela estava sorrindo e tocando seu braço. Eu podia sentir uma raiva fermentando dentro de mim quando eu cerrei minha mandíbula. —Desculpe-me por um momento — Eu falei conforme eu olhei para minha mãe. Eu estava indo para descobrir o que diabos eles estavam falando. Caminhando até onde eles estavam, Stiles estendeu a mão. —Jack, excelente lançamento.


Eu apertei sua mão em vez de perfurá-lo como eu queria. — Obrigado por ter vindo, Stiles. Eu vejo que você conheceu minha assistente pessoal, Lorelei. —Sim. Ela é uma jovem completamente talentosa. Eu manteria meus olhos nela se eu fosse você. Alguém pode vir e arrebatá-la bem debaixo de você. —Ele piscou para ela, o que me enfureceu ainda mais. Eu ri. —Ela não vai a lugar nenhum, Stiles. Eu preciso falar com Lorelei por um minuto, então se você nos der licença. —Claro.

Foi

maravilhoso

conhecê-la,

Lorelei.

—Ele

sorriu

enquanto pegou sua mão e a levou até seus lábios. —Felizmente, nossos caminhos se cruzarão novamente em breve. Eu o assisti caminhar, em seguida, olhei para Lorelei. —Eu não quero que você fale com ele. —Por quê?— Ela começou a tossir novamente. —Porque ele é uma cobra. —Vocês todos não são?— Ela arqueou as sobrancelhas e se afastou de mim. Isla se aproximou e colocou a mão nas minhas costas. —Que tal sair daqui e voltar para o meu apartamento? —Eu não posso, Isla. Eu preciso ficar depois com minha mãe e Coco. Eu vou ter um serviço de carro a levando para casa. —Você está falando sério, Jack? —Sim. Estou falando sério. —Eu olhei para ela. —Bem. Obrigada por nada. —Ela pisou sobre os calcanhares e se afastou.


Eu vi Lorelei em pé no bar bebendo um copo de água, então eu andei até ela. —Você tem certeza que está bem? —Eu estou realmente cansada. Eu acho que posso estar ficando com um resfriado ou algo assim. Eu estou indo para casa. —Deixe-me levá-la. Eu não quero que você pegue um táxi. —Não, Jack. Eu posso chegar em casa por mim mesma. —Eu sei que você pode, mas Tony está levando você para casa. Fim da discussão, Lorelei. Ela suspirou quando colocou o copo sobre o balcão. —Bem. Ela fez sua ronda e disse adeus a todos antes de caminhar para a limusine. Eu deslizei ao lado dela. —Obrigado— falei. —Pelo quê?— Ela se virou e olhou para mim. —Por fazer um ótimo trabalho com a festa de lançamento. —Você é bem-vindo. — Ela tossiu um par de vezes. —Se você não estiver melhor em alguns dias, você deve ir ao um médico. —Eu vou ficar bem, Jack. — Ela olhou para fora da janela.


Lorelei Agradeci a Tony a carona até em casa e disse adeus a Jack. —Boa noite, Jack. Vejo você na segunda-feira. —Descanse um pouco, Lorelei. Eu pisei em meu apartamento aliviada que minha mãe e Nick estavam em suas funções de baby-sitter. Eles tinham muito que fazer no fim de semana desde que estariam indo para o seu cruzeiro na segunda-feira. —Tem certeza que você tem as coisas cobertas sobre Hope enquanto estivermos fora? Eu me sinto mal. —Não se preocupe, mamãe. Stella vai pegá-la um par de dias e, em seguida, ela vai ficar em casa sozinha até eu chegar. Ela entende e ela vai ficar bem. —Eu sei, querida, mas eu ainda me sinto mal. Você não tinha um emprego quando Nick e eu reservamos esta viagem. —Pare de se preocupar. Nós vamos ficar bem. —Agarrei seus ombros e beijei sua bochecha. —Divirta-se em sua viagem e vamos ver você quando voltar. Eu não podia tirá-los rápido o suficiente. Tudo o que eu queria fazer era ir para a cama.


Eu acordei na segunda de manhã com um frio explodindo completamente. Corrimento nasal, tosse, congestão no peito e dor de cabeça. Stella havia me ligado ontem para me dizer que ela e Sebastian tinham que voar para o Arizona, porque o pai de Sebastian tinha piorado e o médico só lhe deu mais alguns dias. Ela pediu desculpas sobre não ser capaz de pegar Hope na escola. Eu disse a ela para não se preocupar sobre isso, que Hope podia ficar em casa sozinha uns dias extras. Caminhei para o escritório, tossindo e fungando e coloquei o café de Jack em sua mesa. —Você está pior— ele falou. —Você foi ao médico no fim de semana? —Não. Realmente só piorou na noite passada. Eu vou ficar bem. Tomei um remédio para gripe. —Talvez você devesse ir ao médico em seu almoço. —Jack, é um resfriado. Um resfriado comum. Eu não preciso ver um médico. —Se você diz. Eu preciso que você leve isso até o escritório da minha mãe. —Ele me deu um par de pastas de arquivo. Quando eu estava caminhando para fora de seu escritório, eu fiquei um pouco chocada com o que ele disse. —Espero que Hope não pegue o seu resfriado. Virei-me e lhe dei um pequeno sorriso. —Eu também espero que ela não pegue.


Depois de encontrar Hope, eu decidi levá-la para jantar desde que eu não me sentia bem o suficiente para cozinhar quando cheguei em casa. —Podemos ir para Ellen comer? —Isso é muito longe, Hope. Por que você não escolhe algo mais perto de casa? —Por favor, mamãe. Podemos pegar o metrô. Quando eu olhei para os seus olhos azuis, eu me senti mal porque ela teve um dia tão longo e iria continuar a ter esses dias o resto da semana. —OK. Ellen é o que teremos. Depois que terminamos nosso jantar, Hope e eu caminhávamos pela Broadway. Enquanto estávamos descendo a rua da estação do metrô, ouvi alguém chamar meu nome. —Lorelei! Eu olhei para o outro lado da rua e vi Jack do lado de fora de sua limusine. Ele segurou seu dedo para cima, nos sinalizando para ficar paradas enquanto atravessava a rua. —Oi, Sr. Sutton. — Hope sorriu. —Olá, Hope. Lorelei. O que vocês duas estão fazendo na Times Square? —Fomos jantar no Ellen. — Eu tossi. —O que você está fazendo aqui? —Eu só tive uma reunião com alguém sobre a revista. Você está no seu caminho para casa? —Sim. Nós só estávamos indo para a estação de metrô.


Ele suspirou. —Vamos. Tony irá levá-la para casa. Eu coloquei minha mão. —Nós podemos pegar o metrô, Jack. —Lorelei. Está frio aqui fora e você não está pegando o metrô. — Ele se inclinou e falou com Hope. —Você prefere andar de metrô ou no carro preto do outro lado da rua?— Ele apontou. —Esse é o seu carro?— Ela perguntou. —Sim. Esse é o meu carro. —Seu carro é melhor do que o metrô. — Ela riu. Levantou-se e olhou para mim. —Está resolvido. Tony vai te levar para casa. Revirei

os

olhos e

peguei

a

mão de

Hope

quando

nós

atravessamos a rua e subimos na limusine com Hope sentada entre mim e Jack.

Jack Olhei para baixo e notei um par de olhos azuis olhando para mim. —O quê? —Você teve um bom dia?— Perguntou ela. Lorelei olhou para mim. —Sim. Você teve?


—Sim. Eu tenho um A no meu teste de matemática. Eu era a única pessoa na classe que conseguiu resolver todos os problemas de forma certa. —Parabéns. —Obrigada. Você me lembra o Príncipe Encantado da Cinderela. —Ela sorriu. Essa menina era real? Eu não podia acreditar que ela disse isso. Eu ouvi Tony rir em silêncio. —Posso lhe assegurar que eu não sou um príncipe encantado. —Você pode dizer isso de novo— murmurou Lorelei e eu lhe atirei um olhar. —Por quê?— Ela perguntou. —Porque o que? —Por que você não é um Príncipe Encantado? Lorelei começou a tossir incontrolavelmente. —Você realmente deve ir ver um médico sobre essa tosse. —Se ela não melhorar em alguns dias, eu vou— ela falou. Tony parou no prédio de Lorelei e deixei escapar um suspiro de alívio. Como eu poderia responder à pergunta da Hope? Como eu iria explicar a uma criança de sete anos que eu estava longe de ser um príncipe encantado? —Obrigada pela carona. — Lorelei deu um pequeno sorriso. —Obrigada, Sr. Sutton. Foi divertido falar com você. —Hope colocou sua pequena mão na minha e Lorelei olhou para mim com medo em seus olhos.


—Foi bom falar com você, Hope, e de nada. Vi pela janela as duas caminhando juntas até o apartamento. —Ela é uma menina adorável— disse Tony e eu respondi: —Ela é.


Jack Na manhã seguinte, tive uma conversa por telefone com o investigador particular sobre Bradley. Ele tinha uma vantagem quanto ao seu paradeiro e ele ia me ligar mais tarde. Olhei para o relógio. Eram dez minutos depois das oito. Abri a porta do escritório e notei que Lorelei não estava em sua mesa. Desci para o escritório de Coco e perguntei a Franny se ela tinha ouvido falar dela. —Não, Sr. Sutton. Ela não ligou? —Não. Ela não faz isso e não é como se ela se atrasasse. Fui até meu escritório e peguei meu telefone do meu bolso. Eu marquei o telefone da empresa que lhe dei. Sem resposta. Eu liguei para Garrett. —O que se passa, Jack? —Você tem o número do telefone celular de Lorelei? Ela não apareceu para o trabalho e ela não ligou. Eu tentei ligar para o telefone da empresa que eu dei a ela, mas ela não atendeu. —Isso é estranho. Aguente; deixe-me puxá-la nos arquivos. Alguns momentos depois, ele recitou seu número e eu o escrevi em um pedaço de papel. Disquei. —Olá— respondeu uma voz suave.


—Lorelei? —Não. É Hope. —Hope, é o Sr. Sutton. Onde está sua mãe? —Ela está dormindo. Quando eu fui para o quarto dela, ela estava deitada no chão, então eu a ajudei a voltar para a cama. Ela está muito mal, Sr. Sutton. De repente, uma onda de medo tomou conta de mim. —Hope, eu estou no meu caminho. Então, quando você ouvir uma batida na porta, você pergunta quem é primeiro. Você entende? —Sim, Sr. Sutton. —Vejo vocês em breve. Peguei meu terno e voei para fora do prédio. Tony já estava esperando por mim. —Precisamos chegar ao apartamento de Lorelei rápido. —Eu vou fazer o meu melhor, Jack, mas é hora do rush. —Eu não dou à mínima se é hora do rush ou não, chegue a Lorelei tão rápido quanto você puder. Apesar do tráfego, Tony me levou a Lorelei em uma quantidade razoável de tempo. Merda. Esqueci-me sobre a porta de segurança. Apertei o botão para o apartamento de Lorelei. A porta tocou e eu abri, voando até o apartamento de Lorelei. —Hope, é o Sr. Sutton. — Eu bati. Ela abriu a porta e me deixou entrar. —Você pode me mostrar onde é o quarto de sua mãe?


Eu a segui pelo corredor e quando cheguei ao quarto de Lorelei, eu corri para o lado dela e coloquei minha mão em sua testa. —Oh meu Deus, você está queimando. Lorelei abriu os olhos lentamente. —Jack?— Ela sussurrou. —Shh. Você vai ficar bem. Vou levá-la ao hospital. Hope, vai se vestir. Nós vamos levar sua mãe ao hospital para que os médicos possam verificar como ela está. —Será que ela vai ficar bem? —Sim. Ela vai ficar bem. Vá se vestir e se apresse. Eu coloquei meus braços debaixo dela e a peguei da cama. Ela deitou a cabeça no meu peito. —Hope, você está pronta? —Sim. — Ela entrou correndo na sala de estar. Quando eu estava no meu caminho para fora da porta, notei as chaves de Lorelei que estavam na mesa. Agarrei-as, e assim que saí do apartamento, eu tinha Hope trancando a porta. No momento em que eu cheguei à limusine, Tony estava lá com a porta do passageiro aberta. —Hope, eu preciso que você se sente na frente com o Sr. Tony. OK? —OK. Tony me ajudou a colocar Lorelei no banco de trás e eu subi ao lado dela quando ela deitou a cabeça no meu colo. —Eu lhe disse para ir ao médico. Agora olhe para você. Ela gemeu. —Hope.


—Ela está com a gente. Está na frente com Tony. —Eu acariciava seus cabelos. Tony parou nas portas da sala de emergência. Saí da limusine e entrei, lhes dizendo que eu precisava de ajuda. Duas enfermeiras trouxeram uma maca quando peguei Lorelei e a deitei. —O que está acontecendo com ela?— Um dos enfermeiros perguntou. —Ela está tossindo muito nos últimos dois dias e não se sente bem. Ela está queimando. —Você é seu marido? —Não. Eu sou seu chefe. Esta é sua filha. Eles foram para dentro e para baixo no corredor. Uma das enfermeiras disse a mim e Hope para sentar na sala de espera, que eles voltariam em breve. Hope envolveu sua pequena mão ao redor da minha e quando eu olhei para ela, tudo o que eu podia ver eram seus olhos cheios de medo. Levei-a para as cadeiras na sala de espera. —Ela vai ficar bem, Hope. Eu não quero que você se preocupe. Os médicos vão cuidar bem dela e ela vai ficar melhor. —Eu quero a minha avó e avô. —Eu posso chamá-los. Você por acaso tem o seu número? —Não, você não pode. Eles estão em um cruzeiro. —Oh. OK. Existe mais alguém que eu possa chamar? —Minha tia Stella está fora da cidade para visitar o pai de seu namorado que está muito mal. —OK. E sobre seus outros avós?


—Eu não tenho quaisquer outros avós. Eu puxei meu telefone tocando no meu bolso. Era Coco. —Olá— eu respondi. —Jack, onde diabos você está? —No Hospital. Eu tive que trazer Lorelei. Ela está muito doente. —Ah não. O que está errado? —Eu ainda não tenho certeza. Eu te ligo quando souber mais. —Ok. — Clique. Eu coloquei o meu telefone no bolso e olhei para Hope. —Você está com fome ou com sede?— Perguntei. —Mais ou menos. Eu não tomei café da manhã. Olhei em volta e vi uma máquina de venda automática. —Vamos ver o que eles têm na máquina. Ficamos parados na frente dela e Hope olhou através do vidro. —Há Pop Tarts7. —Eu só gosto de morango. Essas são de blueberry. —Que tal uma barra de granola? —Ew. Essas são nojentas. —OK. E sobre aqueles pequenos bolinhos? Eles parecem bons — eu menti. —Certo. Eu gosto de bolos de chocolate. —Ela sorriu. 7Pop-Tarts

é um biscoito pré-cozido recheado produzido pela Kellogg.


Eu alcancei meu bolso e tirei minha carteira, pegando duas notas de um dólar e colocando na máquina. —Pressione os botões para os muffins— eu disse a ela. Ela fez e os agarrou. —Que tal uma bebida? Não há suco de laranja aqui nesta máquina. —Eu quero de maçã. —Eles não têm maçã. Que tal um pouco de suco de cranberry? —Que nojo. — Ela fez uma careta para mim e eu sorri. —Vá se sentar. Vou atrás de um pouco de suco de maçã. Fui até o posto de enfermagem. —Desculpe-me, mas eu preciso de alguém para me encontrar um pouco de suco de maçã para aquela menina lá. —Temos suco de maçã no refeitório— uma das enfermeiras falou. —Bem, eu não posso sair no momento. — Cheguei ao meu bolso e tirei uma nota de vinte dólares. —Quem vai pegar para essa menina um pouco de suco de maçã. A enfermeira chamada Samantha tomou a nota de vinte da minha mão. —Eu vou pegar um pouco de suco de maçã para você. —Obrigado. — Eu sorri. Sentei-me ao lado de Hope conforme ela se sentou lá e comeu seus muffins. —Seu suco de maçã está a caminho.


—Quer um?— Perguntou ela, enquanto segurava o mini muffin até meu rosto. —Umm. Não, obrigado. —Apenas tente. Eles são bons. Eu sei que você vai gostar. —Não. Não. —Eu acenei minha mão. —Você coma todos. —Por favor, Sr. Sutton— ela lamentou. —Só prove. Eu suspirei enquanto eu tomava o muffin de sua mão e o colocava na minha boca. Deus, foi a pior coisa que eu já provei. Hope me assistiu comê-lo. —Você gosta dele, não é?— Ela riu. Eu balancei a cabeça. —Sim— eu menti. A enfermeira voltou e entregou a Hope sua garrafa de suco de maçã. Alguns momentos depois, um homem em uniforme azul entrou na sala de espera. —Lorelei Flynn?— Ele olhou em volta. —Sim. — Eu me levantei. —Lorelei tem pneumonia, um caso muito sério. Temos ela estabilizada e nós estamos tentando baixar a febre. Ela está muito fraca e desidratada. É uma coisa boa que você a trouxe quando você fez. Eu estou indo para interna-la. Ela vai estar aqui nos próximos dias. —Podemos vê-la? Esta é sua filha. —Você pode vê-la, mas apenas por alguns minutos. Ela precisa de repouso total. —Obrigado Doutor.


—Me siga. Vou levá-lo até ela. Hope mais uma vez envolveu a mão na minha quando nós seguimos o médico pelo corredor, para a sala onde Lorelei estava. Quando entramos, ela abriu os olhos e tentou sorrir quando Hope correu até ela. —Você está em um bom lugar, mamãe. Eles vão fazer você melhorar. Eu estava na porta e olhei para Lorelei deitada naquela cama de hospital. Meu coração doeu por vê-la assim. Então eu pensei em outra coisa. Se ela estava sendo internada no hospital, quem estava indo cuidar de Hope? Merda. Caminhei até a cama de Lorelei e coloquei minha mão em seu braço. —Eu quero ir— ela sussurrou com voz fraca. —Você precisa ficar melhor primeiro. —Hope. —Não se preocupe com Hope. Eu estarei cuidando dela enquanto você estiver aqui. Lorelei balançou a cabeça negativamente para mim. Eu fiquei ofendido. —Eu sinto muito, mas você vai ter que sair agora. Nossa paciente precisa descansar — a enfermeira falou. —Não se preocupe. Eu vou ficar bem — Hope falou quando ela deitou a cabeça sobre o braço de Lorelei. —Fique melhor, mamãe.


Uma lágrima correu pelo rosto de Lorelei. Eu puxei um dólar do bolso e entreguei-a a enfermeira. —Você poderia levar Hope para a máquina de venda automática e lhe comprar uma barra de chocolate? —Sem dúvida. — Ela sorriu. Quando elas saíram, eu coloquei minha mão sobre a cabeça de Lorelei e me inclinei para ela, enxugando a lágrima de seu rosto. —Eu não quero que você se preocupe com nada. Hope vai ser bem cuidada. Vou ter certeza disso. Apenas se concentre em ficar melhor. Eu preciso da minha assistente pessoal de volta ao escritório. —Eu sorri. Ela assentiu com a cabeça lentamente, e em seguida, fechou os olhos. Eu pressionei meus lábios contra sua testa. —Estaremos de volta para visitá-la assim que eles disserem que podemos.


Jack Eu tive Tony nos levando de volta para o apartamento de Lorelei. Assim que eu abri a porta, eu disse a Hope para ir e fazer uma mala. —Para onde eu vou?— Perguntou ela. —Você vai voltar para casa comigo por alguns dias, desde que seus avós e Stella estão fora da cidade. Ela foi ao seu quarto e eu fiquei na sala de estar me perguntando se eu tinha tomado a decisão certa. Eu não tinha escolha, mas eu não sabia absolutamente nada sobre crianças. Tomei uma respiração profunda. Não podia deixar Lorelei sozinha. Eu gostava dela e ela precisava da minha ajuda, independentemente se ela queria ou não. Eu liguei para Madeline. —Olá. —Madeline, se certifique que o quarto de hóspedes esteja arrumado. Nós vamos ter um visitante por alguns dias. —Claro que sim, Jack. Vou ver ele agora. —Obrigado. Nós estaremos chegando em breve. —Clique. —Tenho tudo embalado— disse Hope quando saiu de seu quarto, segurando sua bolsa rosa e uma boneca de pano.


Eu agarrei a bolsa e descemos para a limusine. Quando estávamos no nosso caminho para o meu apartamento, eu olhei para a boneca de Hope. —Qual é seu nome?— Perguntei. —Luna. Eu a tenho desde que eu era um bebê. Minha mãe disse que era um presente do meu pai e que ele estará sempre comigo. —Ela é uma boneca especial. — Eu sorri e ela a abraçou. Quando chegamos à cobertura, os olhos de Hope se arregalaram assim que saiu do elevador. Madeline entrou no foyer e parou em seu caminho quando viu Hope. —Hope, esta é a minha empregada, Madeline. Madeline, esta é a nossa hóspede, Hope. Ela é filha de Lorelei. —É muito bom conhecer você, Hope. —É bom conhecer você também. — Ela riu. —Por que você não mostra a Hope o seu quarto? Elas subiram as escadas e me servi uma bebida. Espero que ela fique bem aqui com Madeline. Ela sabia uma coisa ou duas sobre as crianças, de modo que ela seria a babá perfeita para ela. Enquanto eu caminhava até a cozinha, Madeline me seguiu. —Ela é adorável. Mas estou muito confusa, Jack. —Lorelei está no hospital com pneumonia. Ela vai ficar lá por alguns dias, então eu preciso de você para cuidar de Hope para mim. —Umm. Você esqueceu que eu estou saindo amanhã de manhã para ir visitar minha irmã em New Orleans? planejadas por dois meses, Jack.

Eu tenho essas férias


—Foda. Eu me esqueci. Você não pode mudá-la? Por favor, Madeline. Eu preciso de você. —Desculpe, mas não. Você sabe que ela não está bem. Nós conversamos sobre isso e você disse que estava tudo bem para eu ir. —Que diabos há com todo mundo não se sentindo bem? Sinto muito, Madeline. Você está certa. Você vai visitar sua irmã. Vou chamar Coco para ajudar. Ela riu. —Eu não tenho certeza que ela vai ser melhor do que você. Ouça Jack, é instinto. Você consegue fazer isso. Não é como se ela fosse um bebê. Inferno, aquela garotinha provavelmente poderia cuidar melhor de você. —Muito engraçado. Você poderia, pelo menos, cuidar dela enquanto eu vou para o escritório por algumas horas? —Claro. — Ela sorriu. Hope entrou na cozinha e eu me ajoelhei na frente dela. —Eu tenho que ir trabalhar por um tempo, mas Madeline vai cuidar de você. —OK. Você estará de volta mais tarde? —Sim. —Ok. — Ela sorriu. Assim que eu estava prestes a sair da cozinha, Hope chamou meu nome. —Sr. Sutton? —Sim. — Eu me virei e olhei para ela. —Eu não acho que você é mau.


Eu dei-lhe um pequeno sorriso e sai para o escritório.

Eu entrei no escritório de Coco e fechei a porta. —Ei, como está Lorelei?— Ela perguntou com preocupação. —Ela tem pneumonia. Ela vai ficar no hospital por alguns dias. —Ela vai ficar bem, certo? —Sim. Eles estão cuidando bem dela. Ouça, eu preciso falar com você sobre Bradley. —Será que ele foi encontrado? —Não. Ainda não. Mas Ron tem uma vantagem. Bradley não era o único que estava roubando o dinheiro da empresa. Ela olhou para mim em confusão quando ela inclinou a cabeça para o lado. —Ele estava colocando-o em contas no exterior para a nossa mãe. —O quê? Isso é um absurdo. —Eu vi as contas, Coco. Elas estão em seu nome. —Por que ela iria tê-lo fazendo isso? —Acho que ela está levando esta empresa para o chão por algum motivo. —Já confrontou ela sobre isso? —Não. Estou esperando até que Ron encontre Bradley e nós possamos falar com ele. Eu quero você comigo quando eu confrontá-la.


—Isso não faz nenhum sentido. —Eu sei. Mas nós vamos chegar ao fundo da questão. Mudando de assunto, eu tenho a filha de Lorelei; Hope, ficará comigo enquanto ela estiver no hospital. Coco prendeu uma gargalhada. —Okay, certo. Você e uma criança? Acho isso difícil de acreditar. —Eu não tinha escolha. Ambos os pais de Lorelei e melhor amiga estão fora do estado. Não havia mais ninguém para cuidar dela. —Você não sabe como cuidar de uma criança, Jack. Merda. Você odeia crianças. —Eu acho que eu vou ter que improvisar nos próximos dias. Você gostaria de vir e ajudar? —Eu sorri. —Umm. Não. Eu estou saindo para LA amanhã. Você esqueceu? —Caramba. Eu fiz. Que diabos há com todo mundo deixando a cidade, além de mim? Ela riu novamente. —Você pode fazer isso. Quantos anos ela tem de novo? —Sete. —Ela é autossuficiente. Você só precisa manter um olho sobre ela. Ela pode se manter entretida. Nós fizemos isso quando crianças. Eu suspirei enquanto me levantei da minha cadeira. —Divirta-se em Los Angeles. Vejo você quando voltar. —Oh, eu vou. Divirta-se jogando de papai! —Ela sorriu. —Isso não é mesmo engraçado!— Eu apontei para ela quando eu saí pela porta.


Depois de passar algumas horas fazendo algum trabalho, eu liguei para o hospital para verificar Lorelei. A enfermeira disse que ela estava dormindo durante todo o dia e que esperam melhoras e eu poderia visitá-la esta noite, mas apenas por um curto período de tempo. Eu odiava deixá-la sozinha. Saí do escritório em torno das quatro horas e quando cheguei em casa, Hope e Madeline estavam na cozinha assando biscoitos do Dia das Bruxas. —Não é um pouco cedo para o Halloween?— Eu perguntei quando eu coloquei a minha pasta para baixo. —Halloween é em duas semanas e meia. Nunca é demasiado cedo. É, Hope? — Perguntou Madeline. —Não. Nunca é demasiado cedo para o Halloween. Eu mal posso esperar para experimentar a minha fantasia. —O que você vai vestir?— Perguntei. —Cinderela. Minha mãe está fazendo a minha fantasia. —Eu aposto que vai ser muito boa. Você fez o jantar? — Perguntei a Madeline. —Não. Sinto muito, Jack. Nós ficamos tão envolvidas com esses biscoitos que eu esqueci sobre o jantar e eu tenho que sair em cerca de meia hora para conseguir tudo pronto para sair amanhã. —Não se preocupe. Hope e eu vamos parar e conseguir alguma coisa antes de ir para o hospital para ver Lorelei. Eu estou indo lá em cima para me trocar. —Sr. Sutton — falou Hope. —Sim. — Eu me virei.


—Gostaria de um biscoito?— Ela segurou um para mim. Eu fiquei lá por um momento e olhei para Madeline, que estava sorrindo para mim. —Claro, Hope. Eu adoraria um. Obrigado. —Você é bem-vindo— ela falou quando eu peguei o biscoito dela.


Jack Eu levei Hope para um dos meus restaurantes italianos preferidos chamados Maialino, que não era muito longe do hospital. Quando a anfitriã nos acompanhou até a mesa, ela me deu um olhar estranho. Que diabos era o seu problema? Hope pegou o seu cardápio e o examinou. —Você sabe ler?— Perguntei. —Eu tenho sete. Claro que eu sei ler. —Ela balançou a cabeça enquanto olhava para mim. Eu não pude deixar de sorrir, porque naquele momento, ela me lembrou tanto de Lorelei. Ela pousou o cardápio e olhou para mim. —Eu não posso ler este cardápio. As palavras são muito grandes. —OK. Deixe-me ajudá-la. Assim que eu disse isso, o nosso garçom se aproximou. —Posso começar com algo para beber? —Eu vou ter um uísque com gelo, por favor. —E para você, madame?— Ele perguntou quando sorriu para Hope.


Hope olhou para mim por um segundo e, em seguida, para o garçom. —Posso ter uma coca, por favor? —Claro. — O garçom deu um pequeno aceno. —Então, o que você gostaria de comer?— Eu perguntei quando eu abaixei o meu cardápio. —Espaguete com molho simples. —Oh. Bem, eu não tenho certeza se eles têm isso aqui. O que acha de um espaguete com mariscos e um molho de alho e vinho branco? —Que nojo. — Ela franziu o nariz. —OK. As massas com ragu de cordeiro, tomate e grana padano? —Huh? O garçom definiu nossas bebidas para baixo e pediu para tomar nosso pedido. Depois de pedir o meu, eu perguntei a ele sobre espaguete com molho simples para Hope. —Você tem o espaguete com molho simples? —Umm. Eu não estou muito certo. Vou ter de ir pedir o chef se ele pode fazer isso. —Obrigado e, por favor, diga a ele que eu vou pagar o que custa para ele para fazer um molho simples. —Muito bem, senhor. — Ele sorriu. Eu puxei meu celular do bolso e comecei a verificar os meus emails e mensagens.


—Minha mãe disse que é muito rude ter seu telefone durante o jantar e que você deve estar falando com as pessoas que estão com você cara a cara, em vez de estar no telefone. Eu olhei para cima, dei-lhe um olhar vazio e lentamente, deslizei meu telefone de volta no bolso. —Você está me levando para a escola amanhã?— Perguntou ela. —Eu suponho que tenho que fazer. —Eu tenho que ir mais cedo? —Por que mais cedo?— Eu fiz uma careta. —Eu vou todas as manhãs antes de começar a aula porque minha mãe tem que estar no trabalho às oito horas e a escola não começa até oito e quinze. As senhoras de lá cuidam de nós até a aula começar. —Entendo. Bem, eu suponho que você não terá que ir mais cedo enquanto você estiver comigo. Eu posso deixá-la quando a aula começar. Ela me deu um sorriso e o garçom se aproximou e colocou a nossa comida na frente de nós. —Um espaguete com molho simples para a pequena senhorita. — Ele sorriu. —Obrigada. — Ela riu. Quando estávamos comendo nosso jantar, ouvi uma voz atrás de mim. —Eu não acredito nisso. Olhei para cima do meu prato e vi Coco e Garrett parados lá. Apertei os olhos para os dois.


—O que vocês dois estão fazendo aqui?— Perguntei. —Acabamos de visitar a Lorelei e decidimos ter algo para comer— respondeu Garrett. —Como ela está? Estamos indo para lá assim que tiver terminado. —Ela ainda está muito sonolenta e não se sente bem. Nós só ficamos lá cerca de quinze minutos. Nós trouxemos algumas flores — Coco falou. Ela olhou para Hope. —Olá, querida. Eu sou Coco, a irmã de Jack. Este é o nosso amigo, Garrett. —Oi. — Ela sorriu. —Eu preciso de uma foto. — Coco sorriu quando ela entregou sua bolsa para Garrett. —Hope, me faça um favor e sente-se ao lado de Jack para que eu possa tirar uma foto sua. —Coco, pare!— Jack ordenou. —Ah, não, irmão grande. Isso é uma ótima oportunidade para deixar passar. Hope deslizou ao meu lado e se virou de modo que ela estava enfrentando Coco. —Jack, incline-se um pouco. —Coco eu estou avisando. — Eu cerrei os dentes. Hope olhou para mim, sorriu e Coco tirou a foto. —Isso foi encantador. Mais uma com você olhando para a câmera. Eu tomei uma respiração afiada. —Sorria, Jack. — Hope colocou a mão na minha bochecha.


Olhei para Coco e forcei um sorriso quando ela tirou outra foto. —OK. Nossa mesa nos espera — ela falou quando tomou sua bolsa de Garrett. —Foi bom conhecer você, Hope.

Nós entramos no quarto de Lorelei e ela estava dormindo. Eu disse a Hope para ficar muito quieta, para não acordá-la. Ela parecia pálida e isso me machucava, vê-la assim. De repente, eu não me importava com mais nada além dela. Eu não me importava com a empresa, o que estava acontecendo, nada. Eu só queria que ela ficasse melhor. —Hope, venha comigo — Eu falei assim que saímos para o corredor. —Nós temos que ir para casa agora. Está ficando tarde. Eu vou dizer a enfermeira para dizer a sua mãe que estivemos aqui e eu prometo que vou trazer você de volta para visitá-la amanhã depois da escola. Ela me deu um olhar triste quando ela balançou a cabeça lentamente. —Espere— ela falou. —Posso colocar Luna próxima a ela? —Tenho certeza que pode, mas se certifique de não acordá-la. Sua mãe precisa de todo descanso que ela pode ter agora, para que ela possa ficar melhor. Eu segui Hope de volta para dentro do quarto de Lorelei e ela cuidadosamente colocou Luna ao seu lado. —Agora, meu pai pode estar com ela enquanto ela fica melhor. Meu coração doeu quando ela disse isso. Um sentimento tomou conta de mim que eu nunca tinha sentido antes. Esta menina, a filha de Lorelei, era provavelmente, a pessoa mais atenciosa que eu já


conheci. Caminhando até a mesa da enfermeira, eu disse a enfermeira de Lorelei para não se esquecer de dizer a ela que nós tínhamos estado lá quando ela acordasse. Nós encontramos Tony do lado de fora e fomos para casa. Mandei Hope para o andar de cima se trocar para seu pijama. Quando eu estava me servindo um scotch, ela desceu e se sentou no sofá. —Tudo pronto para dormir?— Perguntei. —Sim. Você pode me ler uma história para dormir? Minha mãe lê para mim todas as noites. Ah Merda. Ela está brincando, certo? —Umm. Certo. Trouxe algum livro? —Sim. Eu trouxe Charlotte’s Web. Wilbur acabou de conhecer Charlotte. —Ela sorriu. —Você não deveria estar lendo você mesma? Para praticar? —Eu li um monte de outros livros, mas a cada noite, minha mãe lê para eu dormir. Ela disse que é o nosso tempo juntas. Isso era algo que eu não queria fazer. A única coisa que eu lia era o jornal ou a internet. Eu suspirei. —Apenas algumas páginas, ok? —OK. Eu subi as escadas e Hope seguiu atrás. Quando chegamos ao seu quarto, ela puxou as cobertas e subiu na cama. Eu olhei para ela e estreitei meus olhos. —Você escovou os dentes?— Perguntei.


—Sim. Logo depois que eu troquei para o meu pijama. Ela me entregou Charlotte’s Web e eu abri na página que estava marcada com o marcado. —Eu nunca li este livro. Hope deitou a cabeça no travesseiro, me sentei na beira da cama e comecei a ler a partir das páginas. Eu tinha lido dez páginas do livro quando Hope me pediu para parar. —Eu vou dormir agora. Coloquei o marcador na página onde parei e puxei as cobertas sobre ela. Quando me levantei da cama, ela estendeu a mão e agarrou a minha. Eu me virei e olhei para ela. —Boa noite, Sr. Sutton— ela falou, sonolenta. Olhei para ela por um momento, ela fechou os olhos. —Boa noite, Hope.


Jack Na manhã seguinte, levantei-me, tomei banho e acordei Hope para se preparar para a escola. Eu desci as escadas e fiz um café. Alguns momentos depois, ela entrou na cozinha. —O que temos para o café?— Ela perguntou. Ah Merda. —Umm... o que você quer? — De todos os tempos para Madeline ter ido embora. —Panquecas— ela falou quando ela subiu no banquinho em frente à ilha. —Eu não tenho panquecas. —O que você tem?— Ela apoiou os cotovelos no balcão. —Deixe-me olhar. — Abrindo a despensa, eu achei uma muito vazia. Fui até a geladeira e a abri. —Eu tenho ovos. —OK. Vou ter ovos mexidos e torradas. —Eu só tenho pão de trigo. —Que nojo. — Ela fez uma careta. —Apenas os ovos, então. — Ela suspirou. Peguei a caixa de ovos e uma frigideira do armário. Depois de os rachar em uma tigela, eu aqueci a panela e os derramei. —Café?— Eu perguntei enquanto eu segurava o pote.


—Eu não bebo café. — Ela riu. —Você não? Eu pensei que todas as crianças bebiam café. —Eu sorri. —Eu vou ter suco de laranja, por favor, porque eu tenho certeza que você não tem de maçã. Um cheiro de queimado de repente encheu o ar. —Ah Merda! Os ovos! —Corri para a panela. —Você disse uma palavra feia. —Desculpa. Não diga a sua mãe. —Tentei raspar os ovos da panela. —Você colocou manteiga na panela antes de derramar os ovos dentro?— Perguntou ela. —Não. — Eu suspirei e olhei para o meu relógio. —Pegue seu material da escola. Nós vamos sair para tomar café da manhã. —Mas eu vou estar atrasada para a aula. —Não, não vai. Anda logo. Eu joguei a panela na pia e peguei meu telefone a partir do balcão. —Olá, Jack. —Tony, eu estou levando Hope na rua para o Diner para que ela tome seu café da manhã. Nos pegue lá em cerca de quarenta e cinco minutos. Temos que nos apressar ou ela vai se atrasar para a escola. Eu o ouvi rindo do outro lado. —Estarei lá. —Pronto— disse Hope quando entrou na cozinha com seu casaco e sua mochila sobre o ombro.


Nós caminhamos para fora do prédio para o Diner. Quando estávamos sentados, eu disse à garçonete que estávamos com pressa e eu lhe escorreguei uma nota de vinte dólares para acelerar o nosso café da manhã. Hope teve suas panquecas e suco de laranja e eu apenas pedi um bagel e café. —Eu vou buscá-la na escola hoje e vamos visitar sua mãe, mas nós temos que ir ao supermercado depois e obter um pouco de comida. —OK. Sr. Sutton? —Sim, Hope. —Você não fez meu lanche. —Merda! —Você disse uma palavra feia de novo. —Eu

estou

estressado,

Hope.

Posso

dizer

quando

estou

estressado. Só não conte a sua mãe. Você pode comprar o almoço? —Eu não gosto da comida da escola. —Só desta vez? Por favor? —Eu implorei. Ela sentou perto de mim balançando a cabeça negativamente. —OK. Não se preocupe. Vou me certificar que seu almoço seja entregue. Do que você gosta? —Manteiga e geléia de amendoim esta bom. Ou eu gosto de presunto e queijo. Depois de passar através do pequeno café, eu disse a Tony para ir rápido. —Nós vamos nos atrasar— disse Hope.


—Não, nós não vamos. —Sim, nós vamos. —Hope, nos não vamos nos atrasar. Nós estávamos atrasados. Assim que Tony parou em frente à escola, as portas foram fechadas e nós fomos bloqueados. —Ugh!— Eu coloquei minha mão em minha cabeça. —Eu disse que estávamos indo nos atrasar. Basta apertar este botão. Eu fiz e a porta destrancou. À medida que entramos no interior, havia uma mulher com um olhar viril de pé na entrada com seus braços dobrados. —Peço desculpas. O tráfego estava ruim. A mulher olhou para mim e, em seguida, olhou para Hope. —Você pode ir para sua sala de aula, querida. —Tchau, Sr. Sutton. — Hope sorriu quando acenou. —Tchau, Hope. Tenha um bom dia.

No momento em que cheguei ao hospital, eu estava exausto. Eu não tinha ideia de como Lorelei fazia isso em tempo integral e por si mesma. Eu cuidadosamente abri a porta de seu quarto e vi que ela estava acordada. Quando eu entrei, ela olhou para mim. —Jack— ela falou baixinho.


Caminhei até sua cama e coloquei minha mão sobre a dela. — Como você está se sentindo? Ela encolheu os ombros. —Como uma merda. Eu dei-lhe um pequeno sorriso. —Como está Hope? —Ela está bem. Eu apenas a deixei na escola. —Obrigada. — Ela pegou Luna. —Me desculpe, eu perdi vocês ontem à noite. —Não se desculpe. Você precisa descansar. Eu vou estar a trazendo depois da escola. —Ela não está lhe dando um tempo difícil, não é? —Nah. Ela é uma boa garota. —Bom. Palavras não podem expressar o quanto sou grata que você está cuidando dela. Eu não sei como eu vou recompensá-lo. Eu dei-lhe um sorriso suave quando eu levemente apertei a mão dela. —É o mínimo que posso fazer uma vez que você faz muito por mim. —O que eu faço para você, Jack? —Deus, eu não acho que há tempo suficiente para listar tudo. Você trás meu café todas as manhãs, você coloca-se com a minha gritaria, você pega minhas roupas na lavanderia. Inferno, Lorelei, você até mesmo compra meus preservativos. —Todas essas coisas são parte do meu trabalho.


—Talvez sim, mas esta é a minha maneira de lhe retribuir. —Você pode me fazer um favor?— Ela perguntou. —Qualquer coisa. —Você poderia voltar para o meu apartamento e pegar meu telefone. Está na minha mesa de cabeceira. —Claro. Vou trazê-lo mais tarde. É melhor eu ir. Você precisa descansar e eu tenho que chegar ao escritório. —Eu me inclinei e pressionei meus lábios contra sua testa. —Eu te vejo mais tarde, Lorelei. —Tchau, Jack. Depois que Tony me deixou no escritório, eu lhe entreguei as chaves do apartamento de Lorelei e lhe pedi para pegar o telefone dela e trazê-lo para mim. Eu também pedi a ele para trazer seu caderno de esboço. Talvez uma vez que ela começasse a se sentir um pouco melhor, ela iria querer isso. Minha primeira missão era obter o almoço de Hope para ela. Sentado na minha mesa, eu liguei para o Deli da rua. —Eu preciso encomendar um sanduíche de presunto e queijo no pão branco. Além disso, coloque um saco de batatas fritas. —Há mais alguma coisa, Sr. Sutton? —Você tem alguma fruta? —Temos maçãs. —Coloque uma maçã no saco e um de seus biscoitos de chocolate recém-assados. Eu preciso disso entregue à Hope Flynn em Sunnyview Elementary School no Harlem. —Nós não entregamos nesse ponto.


Eu suspirei. —OK. Tenha-o entregue aqui para o meu escritório às 11:15 hs. —Irei fazer, Sr. Sutton. Depois de terminar a chamada, chegou uma mensagem de texto de Coco. No meu caminho para LA. Eu pensei que você gostaria de ter estas. São doces, Jack. Ela enviou as duas fotos que ela tirou de mim e Hope. Fechei a imagem quando Garrett caminhou em meu escritório. —Como está Hope?— Perguntou. —Ela está bem. —Ela é uma menina adorável. Eu sorri. —Sim. Ela se parece muito com Lorelei. —De qualquer forma, você precisa de mim para chamar a agência de trabalho temporário, para enviar alguém até Lorelei estar de volta? —Nah. Lorelei é uma boa PA, eu tenho medo que ela tenha me estragado. Qualquer pessoa que fosse substituí-la não seria boa o suficiente e eu ia acabar as fazendo chorar. —OK. Isso é tudo o que eu queria saber. —Como foi o jantar com a minha irmã ontem à noite? —Foi bom. Por quê? Eu dei de ombros. —Eu estava apenas curioso. Isso é tudo. Foi estranho ver vocês dois lá.


Ele estreitou seus olhos para mim. —Nós conversamos no início do dia e eu disse a ela que estava indo visitar Lorelei. Ela disse que estava indo também e que deveríamos ir juntos. Nenhum de nós tinha comido, por isso decidimos parar e jantar depois. Isso é um problema, Jack? —Não. Sem problemas. Pouco depois que Garrett saiu do meu escritório, Tony entrou com o telefone de Lorelei. —Ah bom. Eu vou precisar de você para deixar o almoço de Hope na escola assim que ele chegar aqui. Tony me deu um pequeno sorriso. —O quê? O que é esse olhar? — Perguntei. —Nada, Jack. — Ele continuou sorrindo.


Jack Hope saiu da escola e se aproximou de mim com um olhar triste no rosto. Acariciando-lhe a cabeça, perguntei: — O que há de errado? —Eu sou uma das dez melhores alunas da escola que esta na última rodada de soletração. É amanhã para todos os pais e minha mãe não pode estar lá, porque ela está no hospital. —Ela olhou para baixo e caiu em seus ombros enquanto nós fomos para o carro. Eu não sabia o que dizer a ela. Ela parecia tão triste. —Que horas é o concurso de soletração? Talvez eu possa vir e ver você. Tony olhou para mim através do espelho retrovisor. Ela alcançou dentro de sua mochila e tirou uma nota, me entregando. —Diz aqui que o concurso de soletração é à uma hora. Uma hora é um bom momento para mim. Vou agendar você. —Eu dei-lhe uma piscadela. —Sério?— Ela disse com emoção. —Você realmente vai vir? —Com Certeza. Desde que a sua mãe não pode estar lá, eu estarei. Mas faça-me um favor, não vamos falar isso para ela, porque ela vai se sentir muito mal que não pode estar lá e nós não queremos que ela se preocupe com isso.


—Combinado. — Ela sorriu. —Você vai estudar as palavras comigo depois de visitar a minha mãe? —Eu acho que posso fazer isso. Mas depois que visitar sua mãe, nós estamos tendo o Sr. Tony nos levando para o mercado. Precisamos conseguir alguma comida para a casa. —OK. Nós chegamos ao hospital e Hope correu para a cabeceira de Lorelei e deu-lhe um abraço. —Eu senti tanto a sua falta, querida. — Ela beijou sua cabeça. — Obrigada por ter deixado Luna aqui para me fazer companhia. —De nada. Como você está se sentindo? —Um pouco melhor. Como foi a escola hoje? —Foi ótimo. Mr. Sutton esqueceu de embalar um almoço, mas ele enviou um para a escola e tinha um cookie. Lorelei olhou para mim e um pequeno sorriso cruzou os lábios. —Ele queimou os ovos esta manhã, então tivemos que correr e obter o café da manhã em um restaurante na mesma rua. Nós nos atrasamos para a escola. —Ela riu. —Entendo. Bem, pelo menos você foi lá. Alcançando no bolso, peguei o telefone de Lorelei e entreguei a ela. —Obrigada, Jack. —De nada. Quaisquer notícias do médico? —Ele disse que eu ainda vou estar aqui por mais alguns dias. — Ela tossiu conforme ela descansou a mão no peito.


—É melhor assim, Lorelei. Você precisa ficar cem porcento melhor. Você não quer uma recaída. —Isso é o que o médico disse. Como vão as coisas no escritório? —O escritório está bem. Eu não quero que você se preocupe com isso. Eu trouxe-lhe outra coisa. —Você fez? —Espere um segundo e eu vou buscá-lo. — Eu saí do quarto e encontrei Tony na sala onde ele me entregou o caderno de esboço de Lorelei. Seu rosto se iluminou enquanto eu caminhava de volta para a sala e entreguei a ela. —Eu pensei que você gostaria de ter este no caso de você ficar entediada. —Obrigada, Jack. Eu não posso acreditar que você trouxe isso. Depois de visitar Lorelei por um tempo, Hope e eu fomos para o mercado. Eu não sabia nada sobre mercearias porque eu nunca comprei. Madeline sempre cuidou disso para mim. Peguei uma cesta e Hope, nós andamos em torno quando ela jogou alguns petiscos para ela. —O que você quer para o jantar?— Perguntei. —Cachorro-quente e macarrão com queijo. —Um cachorro-quente eu posso fazer. Quanto macarrão e queijo, eu não sei como fazer isso.


Ela pegou a caixa azul da Kraft macarrão e queijo8 e entregou para mim. —As instruções estão no lado. Tudo que você tem a fazer é seguilas. Eu levantei minha sobrancelha quando eu olhei para ela. — E isso é bom? —Sim. É um dos meus favoritos. —Ela sorriu. —Você nunca teve isso antes? —Não. Eu não tive. Mas se você diz que é bom, eu levarei sua palavra em consideração. —Eu pisquei. Quando chegamos de volta na cobertura, eu fiz um par de cachorros-quentes e o macarrão com queijo de acordo com a caixa, enquanto Hope sentou-se à ilha e olhou suas palavras de soletração. Eu coloquei nossos pratos para baixo e me sentei ao lado dela, enquanto nós comemos eu a ajudei com as suas palavras. De repente, ouvi a porta do elevador aberta e quando me virei, minha mãe entrou na cozinha com uma expressão de choque no rosto. —O que está acontecendo aqui? E quem é essa? — Perguntou ela. —Mãe está é Hope, filha da Lorelei. Hope, esta é a minha mãe. Ela caminhou até a ilha e olhou para nossos pratos. —Você está comendo cachorros quentes e macarrão e queijo?— Ela perguntou com um olhar de desgosto em seu rosto. —Sim, nós estamos. — Eu peguei uma colher de macarrão e enfiei na minha boca com um sorriso no meu rosto.

8

Espécie de macarrão instântaneo


—Ah, pelo amor de Deus, Jack. Posso perguntar por que esta criança está aqui em sua casa? Onde está Lorelei? —Meu nome é Hope e minha mãe está no hospital com pneumonia. —Oh. Lamento ouvir isso. —Sr. Sutton está cuidando de mim enquanto ela está ficando melhor. —Ele está?— Minha mãe olhou para mim. —Eu estou. Ela lentamente balançou a cabeça em descrença e, em seguida, pediu para falar comigo no meu escritório. Seguindo atrás dela, fechei a porta. —O que está acontecendo? —Bradley não roubou o dinheiro da empresa. Eu tive que colocar o dinheiro em um paraíso fiscal para Joshua. —Joshua? Que diabo ele tem a ver com isso? —Ele está me chantageando. Houve uma batida leve na porta. —Sr. Sutton? —Eu ouvi a voz de Hope. —Nós vamos terminar em um minuto, Hope. Vá estudar suas palavras. —OK. Eu me virei para minha mãe. —É melhor você me dizer o que está acontecendo agora!


Ela respirou fundo e sentou-se atrás da minha mesa. —Ele descobriu algo que eu fiz. Eu levantei minha cabeça e estreitei os olhos para ela. —E o que ele descobriu? Ela olhou para baixo e cruzou as mãos. —Mãe? —Ele descobriu que eu tinha contratado alguém para ir trabalhar para Flourishing Fashion Magazine. Eu tinha alguém espionando Dee Sanders e em seguida, me informando sobre os seus planos para a sua estreia sazonais. —O quê?— Eu engasguei. —Você enviou uma toupeira para roubar suas ideias e relatar de volta para você? —Eu não estou orgulhosa. Mas você precisa entender que eles eram uma nova revista, que estava decolando de maneira muito rápida e a revista Sutton estava sofrendo por causa delas. Eu não estava prestes a deixar a minha empresa que eu construí a partir do zero entrar em ruínas. Raiva se fixou por todo meu corpo. —Então, você roubou suas ideias e se certificou de que as questões da Revista Sutton saíssem em primeiro lugar? —Sim e eu não tenho nenhum arrependimento. —Então você era a responsável por Flourishing ter fechado suas portas. —Sim. Eu suponho que sim. —Meu Deus, Mãe. Como você pode viver com você mesmo?


—Este é um negócio garganta cortada, Jack. Você sabe disso. Eu sacrifiquei minha vida inteira para esta empresa. —Eu sei, e você também sacrificou seus filhos. —Isso não é justo, filho. Corri a mão pelo meu cabelo enquanto eu andava em volta do meu escritório. —Então Joshua está te chantageando para se manter quieto? —Sim. Ele disse que se eu não lhe pagasse o dinheiro, ele iria para a imprensa. —Eu não posso falar com você sobre isso agora. Eu tenho uma menina lá fora, que precisa de mim para ajudá-la a estudar para um concurso de soletração. Falaremos sobre isso amanhã. —Nossa empresa poderia estar em jogo aqui e tudo que você pode pensar é em uma criança e um concurso de soletração? —Sim. Porque sua mãe está no hospital e ela precisa de alguém. Assim como eu precisava de alguém que crescesse acima. Mas, infelizmente, Coco e eu estávamos sempre de lado. —Essa criança não é sua responsabilidade, Jack. Ela é filha da sua PA, pelo amor de Deus. —Não importa de quem ela é filha. Agora eu sugiro que você saia. Falaremos sobre isso quando Coco estiver de volta de Los Angeles. Abri a porta e saí para a sala de estar. Hope estava sentada no sofá com sua lista de soletração em sua mão. —Foi bom conhecer você— falou Hope. Minha mãe se virou, franziu a testa para ela, e entrou no elevador.


—Ela parece do tipo malvada — Hope falou quando olhou para mim. —Ela é.


Jack Olhei para o meu relógio. Era quase 12:30. Merda. Peguei minha pasta e peguei o elevador indo para baixo antes de as portas se fecharem. Correndo através do lobby e para as portas da construção, eu deslizei na parte de trás da limusine e disse ao Tony para pisar fundo. Não havia nenhuma maneira que eu poderia chegar tarde para a competição de soletração de Hope. Eu cheguei aproximadamente 12:55 e havia apenas lugares à esquerda na linha muito para trás. Examinei as pessoas sentadas em seus lugares, à procura de alguém que poderia ser bom o suficiente para desistir deles e ir para o fundo. Andando pelo corredor, os olhos desviados para a segunda linha, onde um jovem estava sentado. —Com licença senhor. —Sim. — Ele olhou para mim através de seus óculos de aros marrom. Enfiei a mão no bolso e tirei uma nota de cem dólares. —Se você me deixar ter o seu lugar, este é seu. — Eu mostrei a nota para ele. —Há uma abundância de assentos na parte de trás. —É todo seu. — Ele sorriu enquanto se levantava de sua cadeira e eu lhe entreguei o dinheiro. —Obrigado. — Eu balancei a cabeça e tomei o meu lugar, assim que os dez alunos entraram no palco.


Eu puxei meu telefone do meu bolso e configurei para o vídeo para que eu pudesse gravar isso para Lorelei. Hope me viu sentado na segunda fila e sorriu quando ela animadamente acenou para mim. Uma criança para baixo. Duas crianças para baixo. Três crianças para baixo. Quatro crianças para baixo. Cinco crianças para baixo. Seis crianças para baixo. Sete crianças para baixo. Este era totalmente um desgaste de nervos. Hope era uma dos três últimos alunos em pé. Oito crianças para baixo. Foi à vez de Hope e a palavra que lhe foi dada foi a que ela lutou a noite passada. Eu apertei meu punho e trouxe-o até meus lábios. Parecia assustada e insegura e eu estava apavorado dela errar. Eu estava segurando a minha respiração e meu telefone para cima. Ela soletrou a palavra corretamente e eu deixei escapar um suspiro de alívio. Esta rodada continuou por mais quinze minutos até que o outro garoto ficou confuso sobre uma palavra e Hope soletrou corretamente. Houve silêncio na sala até que eu me levantei e gritei: — SIM!— Todos aplaudiram quando eles anunciaram Hope como a vencedora e colocaram uma medalha de ouro em volta do seu pescoço. Eu acho que eu nunca tinha estado mais orgulhoso de alguém na minha vida como eu estava de Hope. —Você fez isso!— Abaixei-me e estendi meus braços.


—Eu sei! Eu não posso acreditar que ganhei. —Ela colocou os braços pequenos em torno do meu pescoço. —Sua mãe vai ficar tão orgulhosa de você. — Eu beijei sua cabeça. —Sr. Sutton? —Sim, Hope. —Podemos ir vê-la agora? —Tenho certeza que podemos, mas uma coisa, pela primeira vez. Eu quero que você me chame de Jack. Não mais Sr. Sutton. —Ok, Jack. — Ela sorriu.

Mais tarde naquela noite depois que eu coloquei Hope na cama, peguei o Charlotte’s Web da cabeceira e abri para a página onde eu havia parado. Eu tinha atingido a parte onde Charlotte estava morrendo e eu não vou mentir e dizer que não fiquei engasgado. Olhando para Hope, eu vi que as lágrimas escorriam pelo seu rosto enquanto eu lia. —Por que ela tinha que morrer?— Ela fungou. Eu não sabia o que dizer a ela, mas eu estava tão quebrado quanto ela. —Vamos continuar o livro e ver como termina— Eu falei enquanto limpava as lágrimas do rosto. —Então Wilbur cuidou das crianças de Charlotte e se tornou amigo deles. Como você, Jack. Fechei o livro e olhei para ela. —Sim, acho que sim. — Eu sorri.


Eu apaguei a luz e me dirigi para o meu quarto. Subi na cama, peguei meu telefone e liguei para Lorelei. —Olá— ela respondeu em voz baixa. —Ei. Como você está se sentindo? —Estou me sentindo um pouco melhor. O médico esteve aqui mais cedo e disse que eu posso ir para casa em alguns dias. —Essas são ótimas notícias. Eu tenho certeza que você está ansiosa para sair. —Eu estou. Só quero ir para casa. Sinto falta da minha cama e minha filha. —Eu sei que você faz. Ei, escute, eu estava pensando em ficar por um tempo ai amanhã depois de deixar Hope na escola. —Você não tem que fazer, Jack. Eu sei que você é um homem ocupado. —Eu sei que eu não tenho. Eu quero. E o escritório e trabalho podem esperar. Eu vou deixar você ir para que possa descansar. Você parece cansada. —Boa noite, Jack. —Boa noite, Lorelei. Eu defini o meu telefone para baixo e suspirei. Eu sentia falta dela e eu mal podia esperar para passar um tempo com ela amanhã, mesmo que fosse em um hospital.


Lorelei Jack entrou e eu sorri quando vi o copo da Starbucks em sua mão. —Eu pensei que você poderia querer um pouco de café real. — Ele sorriu quando me entregou o copo. —Você é o melhor. Obrigada — eu falei quando eu trouxe o copo até meus lábios. —Como está Hope? —Ela está bem. Nós terminamos de ler Charlotte’s Web na noite passada. Eu levantei minha cabeça enquanto eu olhava em seus olhos. —Você leu Charlotte’s Web com ela? —Sim. Ela me pediu para ler, enquanto ela adormecia. Você queria que eu lhe dissesse não? —Claro que não. — Eu ri. —Você já leu esse livro antes?— Perguntou ele com seriedade. —Sim. Eu lia isso o tempo todo quando era criança. —É emocionante do início ao fim. Eu estava engasgado, Hope estava chorando. Foi uma noite triste, a noite passada. —Você, Sr. Jack Sutton, ficou engasgado sobre Charlotte’s Web.


—Sim eu fiquei. Quando Charlotte morreu, foi um pouco demais para me segurar. Wilbur perder sua melhor amiga assim e tudo. Que vergonha. Ela era uma grande aranha. —Ela era, não era?— Inclinei a cabeça para ele, tentando segurar o riso. —Você está tirando sarro de mim, Lorelei? —Não. — Eu bufei. Quando nós dois estávamos rindo, o médico entrou. —Boas notícias, Lorelei. Estou lhe enviando para casa hoje. —Sério?— Eu sorri. —Sim. Realmente. Sua radiografia de tórax está boa e seu exame de sangue está bom. Sua febre foi embora e você pode ficar melhor em casa, mas com restrições. Sem sair para qualquer lugar. Isso inclui o trabalho. Eu estou lhe dando um atestado para o resto da semana. Você pode retornar na segunda-feira se você estiver se sentindo melhor. —Você não terá que me dá um atestado, doutor. Este aqui é o meu chefe. —Ah. Bem, Lorelei é para estar de licença o resto da semana. —Eu não iria deixá-la voltar de qualquer maneira, não até que ela estivesse cem porcento melhor. —Eu vou pegar seus documentos prontos da alta. Quando ele saiu do quarto, eu fiz um pequeno movimento na minha cama. —Eu não posso acreditar que eu posso ir para casa. —É uma coisa boa que eu estou aqui com você hoje. —Eu mal posso esperar para estar em casa com Hope. Tenho tantas saudades dela.


—Ela sente sua falta também. Uma hora mais tarde, eu recebi alta do hospital. A primeira coisa que fiz foi trocar minhas roupas quentes por um pijama de duas peças de algodão e me enrolar em uma manta no sofá. —Posso fazer alguma coisa? Café? Chá? Você toma chá? — Perguntou Jack. —Eu bebo chá e eu adoraria um de camomila. Os sacos de chá estão no armário acima do fogão. —Você já ouviu falar de seus pais?— Ele perguntou quando estendeu a mão e tirou a caixa de chá. —Minha mãe me mandou uma mensagem de texto dizendo que eles estão se divertindo, mas que sentem falta de mim e Hope. Eu não respondi a mensagem dela por causa dos encargos e porque eu não queria que eles se preocupassem. —Boa ideia. E quanto a Stella? —Eu estava indo lhe dizer que fiquei doente ontem, mas ela me mandou uma mensagem de texto dizendo que o pai de Sebastian faleceu e eles tinham que planejar o funeral e falaria comigo quando tivesse a chance. Aconcheguei-me no sofá e assisti enquanto Jack estava na minha cozinha colocando a chaleira no fogão. O fato dele ter cuidado de Hope, ler para ela à noite, ir para o seu concurso de soletração e estar lá para ela, tomou conta de mim. Este não era o homem que eu trabalhava. Este não era o homem que eu dormi, e em seguida, me disse que era um erro, para esquecer isso e seguir em frente. Este era diferente em tantos níveis que me preocupava. —Aqui está o seu chá. — Jack sorriu quando me entregou a xicara. —Está com fome?


—Não. Na verdade, não. Ele caminhou de volta para a cozinha e abriu a geladeira e depois olhou dentro dos armários. —O que você está fazendo?— Perguntei. —Você não tem qualquer comida. Quando foi a última vez que você foi fazer compras? —Eu estava indo fim de semana passado, mas em seguida, eu me senti tão mal que eu não tive a chance. —Então eu acho que uma viagem de volta para o supermercado está em ordem. Depois que eu pegar Hope na escola, vamos trazer alguns mantimentos. —Você não tem que fazer isso, Jack. Você já fez o suficiente. —Você precisa de comida, Lorelei. Especialmente para Hope. Não é grande coisa. Por que você não me faz uma lista das coisas que você quer? —Bem. Há papel e uma caneta na gaveta ali. —Eu apontei. Ele caminhou até a mesa e tirou um pedaço de papel, uma caneta e me entregou. Assim que eu escrevi algumas coisas, eu o entreguei de volta para ele. —Isso deve estar bom. Deixe Hope escolher algumas coisas que ela queira. Você pode me entregar a minha bolsa, por favor? Vou darlhe algum dinheiro. Ele colocou a mão para cima. —Você não está me dando dinheiro. Eu posso comprar seus mantimentos. —Não, Jack.


—Fim da discussão, Lorelei. Agora eu estou indo recolher as coisas da Hope em minha casa, então quando eu buscá-la, nós podemos apenas ir até o mercado e voltar aqui. Precisa de alguma coisa antes de eu sair? —Não. Eu tenho o meu chá, então eu estou bem. —Eu dei um pequeno sorriso. Assim que ele saiu, eu me levantei e peguei meu bloco de desenho para terminar de desenhar a roupa de duas peças que eu tinha começado no hospital. De repente, a porta se abriu e Jack voltou para dentro. —Você esqueceu alguma coisa?— Perguntei. —Não. Eu tenho uma ideia para você. —OK. —Eu acho que você deve fazer a mala e vir ficar no meu apartamento. Pelo menos até domingo. —Por quê?— Eu fiz uma careta. —Porque você não pode levar Hope para escola. Ela vai precisar de ajuda no período da manhã, especialmente com café da manhã e à noite com o jantar. Você ainda está se recuperando, por isso seria apenas mais fácil ficar na minha casa. Dessa forma, eu ainda posso levá-la para a escola de manhã e buscá-la. Café da manhã, almoço e o jantar estariam cobertos, para que você não precise se preocupar com isso. Eu suspirei. Por mais que tudo fizesse sentido, eu não tinha tanta certeza. —Eu não sei, Jack. Esta é a nossa casa e eu estou confortável aqui.


—E você vai se sentir confortável em minha casa. Vou me certificar disso. As coisas seriam apenas mais fáceis. Além disso, eu tenho um monte de comida. —Ele sorriu. —Você tem algum chá?— Eu estreitei meus olhos para ele. Ele caminhou até a cozinha e pegou as três caixas que eu tinha no meu armário. —Eu tenho agora. — Ele piscou. O fato em questão era que eu realmente não tinha escolha. Eu não poderia levar Hope para a escola no período da manhã e eu não podia pegá-la. Com Stella e meus pais fora da cidade, Jack era minha única opção no momento e ele sabia disso. —Bem. Eu vou fazer a mala. —Você precisa de alguma ajuda?— Perguntou. —Não. Eu posso fazer isso sozinha. —Eu me levantei do sofá e fui para o quarto.


Jack Quando chegamos ao meu apartamento, eu mostrei para Lorelei outro quarto no andar de cima. —Aqui é o seu quarto. — Eu coloquei a bolsa na cama. —A Hope fica em frente ao corredor. Sinta-se a vontade. —Obrigada, Jack. — Ela me deu um pequeno sorriso. Olhando para o relógio, notei que era quase hora de pegar Hope. —Hope vai sair em breve, assim eu vou sair agora. —OK. Eu mal posso esperar para vê-la. —Chagaremos em breve. Desci para a limusine e entrei. —Bom trabalho recebendo Lorelei para ficar com você— Tony falou. —Era a maneira mais fácil. Ela não está em condições de cuidar da Hope, sozinha agora. Eu estava do lado de fora das portas da frente na escola e Hope saiu com um sorriso no rosto. Um sorriso que me fez sorrir. —Como foi à escola hoje?— Eu afaguei-lhe a cabeça e tomei a mochila dela.


—Bom. Será que estamos indo visitar minha mãe agora? — Perguntou ela. —Sim. Mas nós não estamos indo para o hospital — eu respondi quando eu deslizei ao lado dela no banco de trás. —Para onde estamos indo?— Ela olhou para mim com seus olhos azuis. —Sua mãe saiu do hospital hoje e ela vai ficar com a gente em minha casa até que ela esteja totalmente recuperada e possa cuidar de você por conta própria. Seus olhos se arregalaram. —Ela está em casa? —Sim, e ela mal pode esperar para te ver. —Então eu vou ficar com você e ela até que ela melhore? —Sim, Hope. Ela estendeu a mão e jogou os braços ao redor do meu pescoço. —Essa é a melhor notícia de todos os tempos!— Exclamou ela. Quando saiu do elevador, Hope correu para a sala e encontrou Lorelei sentada no sofá com seu caderno de esboços. —Mamãe!— Ela gritou enquanto corria para ela e a abraçava com força. —Olá baby. Como foi a escola hoje? —Foi boa. Como você está se sentindo? —Estou me sentindo melhor, querida. Eu senti tanto sua falta, assim como a Luna.


—Também senti sua falta. Estou tão feliz que você está fora do hospital. —Ela sentou no colo dela. Meu telefone tocou, e quando eu olhei para ele, vi que Coco estava chamando. Desculpei-me e fui para o meu escritório. —Olá. —Ei. Minha viagem ficou curta, então eu estou no próximo vôo de volta. Como vai tudo? —Bem. Lorelei saiu do hospital hoje e ela vai ficar comigo por alguns dias até que ela esteja totalmente recuperada. —Quem é você e onde está meu irmão?— Ela riu. —Muito engraçado. Precisamos conversar amanhã, então venha direto para o meu escritório. Não, na verdade, venha direto para o meu apartamento na parte da manhã. Eu não quero que ninguém no escritório nos ouça. —Você está me assustando, Jack. O que está acontecendo? Isso tem alguma coisa a ver com Bradley? —Sim. Falaremos sobre isso amanhã. —OK. Eu estarei lá. Eu entrei na sala e me sentei ao lado de Hope e Lorelei no sofá. —O que todo mundo quer para o jantar? Lorelei

arqueou

as

sobrancelhas

para

mim.

—Você

está

cozinhando? Eu dei de ombros. —Eu posso talvez cozinhar algo. Eu faço um cachorro-quente meio termo e macarrão com queijo. —Eu sorri. —Ele faz— falou Hope.


—Mas, que tal pedir algo? Talvez uma pizza, tailandesa, chinesa, italiana, mexicana. Você escolhe. —Eu quero tacos!— Expressou Hope. —Tacos soa bem, senhorita Hope. O que você acha, Lorelei? —Tacos será. —Você está com fome agora ou devemos esperar um pouco?— Eu perguntei a elas. —Nós podemos comer mais tarde. Eu estou indo fazer um lanche e em seguida, fazer a minha lição de casa, para que possamos assistir a um filme mais tarde. Apenas nós três. —Sorriu Hope. —E que filme seria esse?— Perguntei. —Cinderela. Eu levantei minha sobrancelha. —Você não viu isso tipo um bilhão de vezes? —Sim. — Ela riu. —Mas eu amo isso e você nunca o assistiu, não é? —Não. Eu não assisti. —Bom. Então, todos nós podemos vê-lo juntos, mais tarde. —Ela pegou Luna e se afastou. Segui-a até a cozinha e cortei-lhe uma maçã. Eu coloquei as fatias em um prato com um pouco de manteiga de amendoim quando ela se sentou à mesa e começou sua lição de casa. Tomei outro prato de maçãs e entreguei a Lorelei. —Maçãs?— Perguntei. Ela sorriu quando ela pegou uma do prato e a mordeu.


Depois do jantar, Hope colocou seu pijama e me chamou para sentar e assistir Cinderela. —Você pode sentar-se ao meu lado, Jack. — Ela sorriu quando deu um tapinha no sofá. Lorelei caiu mais do que dormindo no meio do filme. Eu desejei que eu pudesse ter feito a mesma coisa. —Príncipe encantado é o melhor, não é?— Hope perguntou quando olhou para mim. —Ele não é tudo isso. — Eu sorri. Ela deu uma risadinha. —Sim ele é. Ele nunca desistiu de encontrar Cinderela, seu verdadeiro amor. Em seguida, ele a fez sua princesa. É por isso que ele é o melhor. —Você tem uma queda pelo príncipe encantado?— Perguntei. —Talvez. — Ela riu. Assim que o filme terminou, Lorelei acordou. Ela parecia um anjo, enquanto dormia e eu não pude deixar de roubar olhares para ela de vez em quando. —Tudo bem, garota. É hora de dormir. Vá escovar os dentes e eu vou estar lá para colocar você na cama. —Ok, Jack, mas eu quero a minha mãe para me colocar na cama também. Hope subiu as escadas e eu olhei para Lorelei. —Você perdeu metade do filme. —Eu já vi isso um milhão de vezes. — Ela sorriu. —Eu posso recitar praticamente todas as falas.


—Eu aposto que você pode. Nós dois nos levantamos e fomos colocar Hope na cama. Quando chegamos a seu quarto, ela já estava na cama. Lorelei puxou as cobertas sobre ela e lhe deu um beijo de boa noite. —Boa noite, garota. — Eu lhe acariciei a cabeça. —Não se esqueça de dizer boa noite para Luna. — Ela segurou sua boneca para mim. —Boa noite, Luna. — Eu balancei seu pequeno braço de pano. Hope riu quando nós apagamos as luzes e saímos do quarto. Segui Lorelei em seu quarto para me certificar de que ela se estabeleceu confortavelmente. —Você está me colocando na cama, Jack?— Ela levantou a sobrancelha. —Você me quer?— Eu sorri enquanto eu estava na frente dela. —Eu sou mais do que capaz de me colocar na cama. Corri meu polegar em seu rosto e olhei fixamente em seus olhos cansados. —Obrigado por ficar aqui. Eu sei que você queria sua própria cama, mas desta forma era mais fácil para todos. Tudo o que eu queria fazer era subir na cama com ela e segurá-la para o resto da noite. Essas emoções que me consumiam eram novas e eu não tinha certeza de como lidar com elas. —Eu sinto muito, Lorelei— eu sussurrei enquanto eu acariciava seus cabelos.


—Pelo que? —Tudo. — Eu me inclinei para mais perto e suavemente escovei meus lábios contra os dela. Ela colocou a mão no meu peito e se afastou. —Estou cansada, Jack. Boa noite. —Boa noite. Saí do quarto dela, frustrado pra caralho e desci as escadas e me servi um scotch.


Lorelei Subi na cama, coloquei meus dedos em meus lábios, ainda sentindo a sensação de formigamento de seu beijo suave. Eu esqueci de tomar minha última pílula de antibiótico para a noite, então eu saí da cama e fui lá embaixo, onde eu vi Jack sentado em uma cadeira em frente à lareira, segurando uma bebida. —Eu pensei que você fosse para a cama. —Por que você não está lá em cima?— Ele perguntou. —Eu esqueci de tomar meu remédio. Eu entrei na cozinha e peguei um comprimido do frasco que estava no balcão. Jack seguiu atrás, abriu a geladeira e me entregou uma garrafa de água. —Obrigada. Ele acenou com a cabeça e voltou para a sala, servindo-se de mais um scotch. —O

que

está

errado,

Jack?

Posso

dizer

que

algo

está

incomodando você. —Nenhuma coisa. Volte para a cama, Lorelei — ele falou em um tom áspero. —Não até que você me diga o que está errado.


Ele tomou uma respiração afiada. —Bem. Sente-se. Sentei-me no sofá e ele começou a me contar sobre o que sua mãe tinha feito. Eu estava em choque para dizer o mínimo. —Agora eu tenho que dizer a Coco amanhã e eu não sei como ela vai reagir. Infelizmente, ela está apaixonada por aquele babaca. —Eu não sei o que dizer. —Você e eu. — Ele andou ao redor da sala, jogando para trás sua bebida. — Olha, eu sinto muito por te beijar mais cedo. Foi um erro e eu fui pego no momento. Estou feliz que você esteja se sentindo melhor. Vejo você na parte da manhã. —Ele colocou o copo no bar e subiu as escadas. Um erro? Outro erro que ele cometeu comigo. A única razão pela qual eu me afastei era porque eu não podia deixar me envolver por ele novamente. Se eu o tivesse beijado de volta, eu gostaria de ter feito. Eu ainda estava tentando lidar com o fato de que eu não contei a ele sobre Hope desde o início. Eu nunca esquecerei o olhar em seu rosto naquela noite que ele veio para o meu apartamento. A decepção que seus olhos exibiram, o modo como ele me encarou passava repetidamente na minha cabeça. Foda, mas assim o fez com as coisas que ele disse, e eu não tinha certeza se poderíamos passar por isso.

Na manhã seguinte, tomei banho e me joguei em um par de leggings e uma t-shirt longa. Quando eu entrei na cozinha, Hope estava sentada à mesa comendo waffles e Jack estava se servindo de uma xícara de café. —Bom dia, querida. — Eu beijei Hope em sua cabeça.


—Bom dia, mamãe. Jack me fez waffles. —Eu vejo isso. —Café?— Ele perguntou em tom amargo. —Sim, por favor. — Fui até onde ele estava. —Você gostaria de café da manhã? Eu faço alguns waffles bastante significativos. Basta perguntar a Hope. Ela deu uma risadinha. —Ele queimou os dois primeiros waffles e teve que jogá-los fora. —Eu posso fazer meu próprio café da manhã. Você já fez o suficiente. —Eu toquei levemente o braço dele e ele se afastou. —Deixe-me. Você vai sentar e eu não quero ouvir mais uma palavra sobre isso. —É melhor você fazer como ele diz, mamãe. — Hope sorriu. Suspirei e levei meu café para a mesa, onde eu me sentei ao lado de Hope. Depois de definir o prato de waffles para baixo na minha frente, Jack se sentou em nossa frente. —Coco pode estar aqui antes de eu voltar— ele falou quando tomou um gole de café. —Tudo certo. Eu vou estar esperando por ela. Assim que Hope estava acabando de comer, eu lhe dei um beijo de despedida e caminhei com ela e Jack para o elevador. —Tenha um bom dia, baby. —Eu vou, mamãe. Você também.


Levantei-me e observei quando Jack pegou a mochila de Hope dela e colocou a mão no topo de sua cabeça. Um sentimento tomou conta de mim que eu não podia descrever. Por um breve momento, parecia que éramos uma família. Ele ainda estava com raiva de mim por ontem à noite e sua atitude ainda se mostrava nesta manhã. Ele não estava feliz quando eu me afastei dele. Sacudi a sensação, voltei para a cozinha e derramei uma xícara de café. Alguns instantes depois, ouvi a porta do elevador aberta e Coco entrou. —Lorelei, estou tão feliz em vê-la fora do hospital. — Ela se aproximou e me abraçou levemente. —É bom ver você, Coco. Como vai tudo? —Bem. Bem como se poderia esperar, eu acho. Ela pegou uma xícara do armário e derramou um pouco de café para ela. —Onde está o Jack? —Ele foi levar Hope para a escola. Ele estará de volta em breve. —Ah. OK. Sinto cheiro de waffles? —Sim. Você gostaria de alguns? —Eu adoraria. Eu não como waffles há anos. —Ela sorriu. Eu peguei dois waffles do congelador e os coloquei na torradeira. —Devo dizer, é bom vê-la aqui na cozinha de Jack. A única mulher que eu já vi aqui é Madeline. —Sério?— Eu levantei minha cabeça em descrença. —Sim. Jack nunca deixa as mulheres que ele passa a noite aqui. Era sempre sexo e adeus. Um chute para fora da porta. —Ela sorriu.


—Nós não estamos fazendo sexo mais. Eu sou apenas uma hóspede em sua casa. —Você pode não ter sexo agora, mas eu tenho certeza que você terá novamente. — Ela piscou. Eu podia sentir meu rosto corar quando ela olhou para mim. —Não tenha vergonha, querida. Entre você e eu, eu acho que você é uma lufada de ar fresco para Jack e ele sabe disso. Coloquei os waffles em um prato, eu os levei para a mesa. —Bem, Jack estragou tudo quando ele descobriu sobre Hope e me disse que ele tinha cometido um erro terrível e para eu me esquecer sobre o que aconteceu entre nós. Assim como eu disse isso, eu ouvi a porta do elevador aberta e Jack entrou na cozinha. —Hey, Coco. — Ele se aproximou e beijou sua bochecha. —Hey, Jack. Então me diga o que está acontecendo.


Jack Derramando uma xícara de café, me sentei à mesa em frente de Coco. Eu não sabia como dizer a ela. Este ia ser um golpe duplo. Ele não só envolvia a nossa mãe, mas seu namorado, que por alguma razão fodida desconhecida, ela amava ele. —Nossa mãe está sendo chantageada. É por isso que ela tinha Bradley pegando o dinheiro da empresa e os colocando nas contas fora do país. Ela inclinou a cabeça e um olhar chocado e se estabeleceu em seus olhos. —Quem poderia chantagear a nossa mãe? E melhor ainda, por quê? Olhei para Lorelei, que me deu um olhar triste. Ela sabia que isso era algo que eu não poderia suportar dizer a minha irmã. Isso iria machucá-la profundamente e eu temia as palavras saindo da minha boca. A última coisa que eu queria fazer era machucá-la. —Jack?— Ela fez uma pausa quando olhou para Lorelei e depois de volta para mim. —O que diabos está acontecendo? Eu tomei uma respiração profunda enquanto me preparava para dar a notícia devastadora para a minha irmã. —Joshua está chantageando ela. —O quê?— Seus lábios deram lugar a um pequeno sorriso inseguro. —Por quê? Por que meu namorado iria chantagear a nossa mãe?


—Joshua descobriu algo sobre ela e ameaçou ir a público com isso, a menos que ela o pagasse para ficar quieto. —Isto não faz qualquer sentido. O que ele descobriu sobre ela? —Aparentemente, nossa mãe contratou alguém para ir trabalhar para o Flourishing Fashions Magazine para espioná-los. Eles relataram de volta para ela e ela roubou suas ideias, utilizando-os em nossa revista, colocando para fora as edições antes da Flourishing. —Isso é louco. Mamãe nunca faria algo assim. Onde diabos você recebeu esta informação? Você está fora da linha, Jack. —Ela se levantou de seu assento e se dirigiu para a sala de estar. —Eu tive a informação de nossa querida mãe, ela mesma veio aqui na outra noite e me disse. Ela sabia que era só uma questão de tempo antes que eu descobrisse, então ela decidiu vir e confessar tudo. Ela estava parada no meio da sala de estar com os braços cruzados, balançando a cabeça. —Quando isso aconteceu? —Um par de anos atrás. —Como nós não soubemos o que ela estava fazendo?— Coco gritou. —Como saberíamos? Você sabe como ela é. Como sempre foi. A revista é sua empresa e se ela não queria que ficássemos sabendo alguma coisa, ela faria qualquer coisa para garantir isso. —Que estúpido filho da puta, Joshua! Eu vou matá-lo! —Ela cerrou os punhos. —Eu sabia que algo estava acontecendo com ele. Aposto um milhão de dólares, que depois que ele tivesse o dinheiro, ia me deixar. Ele está tendo um caso, Jack. —O quê?— Eu gritei.


—Eu não me importo mesmo. Ele nem sequer sabe que eu descobri. —Há quanto tempo você sabe? —Cerca de duas semanas. —Por que você não falou comigo? —Porque eu sabia que você iria atrás dele e eu queria lidar com ele sozinha. —O que você estava planejando fazer? —Eu não sei. Eu estive tentando descobrir alguma coisa. —Ela olhou para baixo. —Ouça, Coco. — Eu andei até ela e apertei seus ombros. —Você não pode deixá-lo saber que sabemos sobre isso ainda. Temos que descobrir uma maneira de impedi-lo de obter esse dinheiro. —Como? Se ele for a público com as informações sobre a mamãe, ele vai destruir a empresa. Eu suspirei. —Eu sei. —Precisamos falar com ela, Jack. Você está vindo para o escritório? —Sim. —Vejo você lá. — Ela colocou a mão no meu braço. —Estou feliz que você esteja se sentindo melhor, Lorelei. Nos falamos em breve. Assim que Coco saiu, eu virei e olhei para Lorelei. —Jack, eu…


—Guarde-o, Lorelei. Vejo você depois que eu pegar Hope na escola.

Lorelei Passei o dia descansando, e para ser honesta, eu estava entediada. A única coisa em minha mente era a atitude de Jack, porque ele não conseguiu o seu caminho comigo. Só porque ele estava cuidando de mim e Hope, não significava que ele tinha o direito a sexo. Quando eu estava refletindo sobre meus sentimentos, meu telefone tocou. Sorri quando vi a foto de Stella aparecer na tela. —Olá. —Olá, minha amiga. Como vão as coisas de volta à Nova York? —As coisas estão ...bem... interessantes, eu acho. —O que você quer dizer? O que está acontecendo que você não está me dizendo? —Nada. —Besteira, Lorelei. Sempre que você diz as coisas em um tipo de tom, isso significa que você está escondendo alguma coisa de mim. Não se esqueça; Eu sou a única pessoa que conhece você por dentro e por fora. Eu suspirei. —Eu tenho estado doente, com pneumonia e estava no hospital por um par de dias. —O QUÊ! Por que você não me ligou?


—Porque você estava com Sebastian e seu pai doente. Estou em recuperação agora e tudo está bem. —Espere um minuto. Se você estava no hospital, quem esteve cuidando de Hope? —Jack. Um guincho veio da outra extremidade. —O QUÊ! Ele odeia crianças. —Ele sentiu que não tinha escolha. Ele foi o único que me levou para o hospital e em seguida, trouxe Hope para sua casa e está cuidando dela desde então. Na verdade, eu estou aqui agora, até domingo. —Você vai ficar na casa de Jack Sutton e ele está cuidando de ambas. Eu estou tão confusa, Lorelei. Meu cérebro não pode compreender o que você está me dizendo. —Eu vou explicar tudo quando você voltar. Quando você vai estar de volta? —Estaremos em casa no domingo e é melhor você acreditar que o primeiro lugar que eu estou indo é para o seu apartamento. Eu ri. —OK. Hope e eu estaremos lá. —Cuide-se. Estranha. Estamos no almoço de funeral e eu escapei por um minuto. —Dê a Sebastian minhas condolências. —Eu irei. Te amo amiga. —Amo você também. Eu coloquei o meu telefone para baixo e entrei na cozinha para fazer uma xícara de chá. Olhando para o relógio sobre o fogão, notei que


era quase hora de Jack e Hope estar em casa. Eu não tinha ouvido falar dele durante todo o dia e não fiquei surpresa, considerando seu comportamento infantil. Eu ouvi a porta do elevador abrir, por isso, tomei meu chá e caminhei até o foyer. Hope saiu do elevador com um olhar triste no rosto. —Olá baby. Como foi o seu dia? —Não é bom. — Ela fez beicinho. —Se vocês me dão licença, eu estou indo para o meu quarto. Quando Hope subiu as escadas, eu olhei para Jack. —O que há de errado com ela? —Eu não sei. Ela não quis me dizer. —Você falou com a sua mãe? —Não. — Ele entrou na cozinha e eu segui. —Ela estava em reuniões durante todo o dia. Está evitando a mim e Coco. Eu sei que ela está. Eu poderia dizer como estressado Jack estava. Eu não poderia imaginar descobrir algo assim sobre a minha mãe. Ele colocou as mãos no balcão e os seus olhos passaram sobre mim. —Como você está se sentindo? —Eu estou me sentindo muito melhor. —Bom. Então você vai ser capaz de voltar para o seu apartamento em alguns dias. Ouch. Isso doeu. —Sim. — Eu dei um pequeno aceno de cabeça e subi as escadas para verificar a Hope.


Lorelei Sentando-me na beirada da cama de Hope, eu coloquei uma mecha de cabelo dela atrás da orelha. —Por que você não me conta o que aconteceu hoje. —Addison está se mudando e trocará de escola— ela falou com uma voz triste. —Para onde ela está mudando? —Ela e sua mãe estão indo morar com o namorado de sua mãe. Tudo o que ela falou foi como eles estavam indo para ser uma família. Porra mãe de Addison. —Lamento que ela esteja se mudando, baby, mas você ainda pode manter contato com ela. —Não é a mesma coisa e eu não quero falar com ela. Ela me disse algumas coisas ruins. —Uma lágrima caiu por sua bochecha. —O que ela disse? —Tudo o que ela falou foi como eles estavam indo para ser uma família e fazer as coisas de família e que eu estava com ciúmes dela. —Por que ela acha que está com ciúmes dela? Ela olhou para baixo e outra lágrima caiu de seus olhos.


—Porque eu lhe disse que não me importava. Eu não me importo. —Ela cruzou os braços. —Isso não é bom, Hope. Ela está muito animada com as coisas e você simplesmente a descartou. Isso não é ser uma amiga muito boa. —Eu não quero mais falar sobre isso. Você pode, por favor, me deixar sozinha por um tempo? —Claro baby. Saí do quarto e vi Jack vindo pelo corredor. —Como ela está? —Chateada porque sua amiga Addison está se mudando e trocando de escola. —Isso é ruim. Tenho certeza que ela vai superar isso. Eu tenho algum trabalho a fazer no meu escritório e eu não quero ser incomodado. —Ele desceu as escadas. Cerca de uma hora e meia mais tarde, Jack caminhou até a sala onde eu estava sentada trabalhando em um de meus projetos. —Eu vou sair por um tempo. Eu encomendei uma pizza e salada para o jantar. Já está pago, então não se preocupe com isso. —Onde você está indo?— Eu perguntei quando eu o segui para o elevador e o cheiro de sua colônia voltou e cruzou meu rosto. —Eu tenho um encontro. Vejo você na parte da manhã. Diga a Hope que eu disse boa noite. —Você pode dizer a ela você mesmo. —Eu estou indo para chegar atrasado. — Ele entrou no elevador.


Um encontro? Ele tem um encontro? Ele estava brincando? Uma enxurrada de emoções encheu meu corpo e lágrimas brotaram dos meus olhos. As lágrimas que eu não poderia explicar. As lágrimas que nunca deveria ter havido em primeiro lugar. Ele não era nada para mim. Jack Sutton não era nada, além de meu chefe e um par de noites de sexo quente. Eu não era nada, mas que um erro que ele cometeu. Quanto mais eu ouvia suas palavras na minha cabeça “eu tenho um encontro” mais irritada eu ficava. Eu andei até o sofá, agarrei meu laptop na mesa de centro, e entrei no Match.com. Talvez fosse hora de mergulhar de volta para o mundo do namoro. Se a mãe de Addison poderia encontrar Mr. Certo, então eu também poderia. Eu criei meu perfil, e quando eu estava acabado, eu fechei meu laptop. O que diabos eu estava fazendo? A pizza foi entregue e subi as escadas para chamar Hope para jantar. Quando entrei em seu quarto, eu notei que ela estava dormindo. Eu andei até o lado da cama dela e gentilmente chamei seu nome. Ela abriu os olhos e, em seguida, os fechou. —Baby, o que há de errado? —Eu não me sinto bem e minha garganta dói. Eu coloquei minha mão em sua testa e ela estava realmente quente. Oh Deus, e se ela tivesse pegado a minha doença? Jack estava fora em seu encontro e eu estava aqui sozinha com nada. Não tinha Tylenol infantil. Nada. Eu queria ir para casa. Não era como se o idiota estivesse aqui cuidando de nós. Levantei-me da cama e coloquei todas as coisas de Hope em sua bolsa, em seguida, atravessei o corredor até o meu quarto e fiz o mesmo. Correndo as escadas, peguei meu telefone da mesa, e chamei um táxi. Depois de terminar a chamada, eu subi as escadas para pegar Hope. —Vamos lá, Hope. Nós estamos indo para casa — eu falei quando me sentei na cama.


—Estamos? Onde está o Jack? — Ela perguntou sonolenta. —Ele teve que sair para a noite. Eu posso cuidar melhor de você em casa. Vamos; o táxi estará aqui em breve. Ela colocou os braços ao redor do meu pescoço enquanto eu a peguei e levei para baixo. Disse a ela para se sentar no sofá enquanto eu escrevia uma nota para Jack.

Jack, Hope está doente com uma febre e não havia nada aqui para eu dar a ela, então eu fiz as malas e fui para casa. Lorelei. Meu telefone tocou e era o táxi chamando para me deixar saber que ele estava esperando por nós. —Hope, você tem que caminhar para o táxi porque eu tenho que levar nossas malas. —Eu não me sinto bem, mamãe. —Eu sei querida, mas vamos estar em casa logo. Eu segurei sua mão enquanto nós pegamos o elevador para o lobby e subimos para o táxi.

Jack Cheguei em casa à uma da manhã e me dirigi para a cozinha. Isso foi quando eu vi a nota que Lorelei tinha deixado. PORRA! Eu nunca


deveria ter saído. Bati meus punhos no balcão. Eu tinha encontrado Holly, uma garota que eu ocasionalmente fodia, para o jantar. Ela tinha me chamado mais cedo e perguntou se eu queria sair. Imaginei por que o inferno não. Não era como se Lorelei me daria à hora do dia. O problema era que eu não podia parar de pensar nela. Holly estava falando e eu gostaria de sair da zona. Gostaria de tentar agir como se eu estivesse interessado no que ela tinha a dizer, mas eu não estava. Eu poderia ter ficado menos com Holly. Isso continuou por mais de três horas. Depois que terminamos o jantar, eu a coloquei em um táxi para ir para casa, e fui me sentar em um bar, tomei um par de bebidas e pensei sobre Lorelei e essa bagunça, a situação em que estava a Sutton Magazine. Eu nunca sonhei que eu voltaria para casa e ela e Hope teriam ido. A preocupação por Hope tomou conta de mim. Ela teve uma febre e eu não estava aqui. Eu queria desesperadamente chamar Lorelei para descobrir como ela estava, mas eu não poderia chamá-la a esta hora da noite. Condená-la por sair e condená-la por caminhar em minha vida e transformar o meu mundo inteiro, porra, de cabeça para baixo.

Lorelei Na manhã seguinte, enquanto eu estava na cozinha pegando para Hope um pouco mais de Tylenol para a febre, meu telefone tocou e era Jack. Eu me debati se respondia ou não, mas eu fiz de qualquer maneira. —Olá.


—Como está Hope? —Ela está doente. —Ela ainda está com febre? —Sim— eu respondi em um tom curto. —Eu não estava feliz quando eu cheguei em casa ontem à noite e descobri que você e Hope foram embora. Ele está falando sério? Ele saiu para uma porra de encontro e em seguida tomou uma atitude comigo por sair? —Eu precisava levar minha filha para casa para onde seus medicamentos estavam. Esta é a sua casa, Jack, e este é o lugar onde ela está mais confortável. —Você deveria ter me chamado. —E interromper seu encontro? Não, obrigado. Eu fiz o que era melhor para nós, que era voltar para casa. Eu tenho que ir e dar a Hope o Tylenol. —Clique. Sim. Está certo. Eu desliguei seu imbecil. Como ele ousa! Depois de dar Hope o remédio, eu liguei para o escritório de seu médico, e felizmente, eles tinham horário disponível em uma hora. Eu a ajudei a se vestir e nós saímos.


Jack Eu joguei o telefone na minha mesa depois que Lorelei desligou na minha cara. Quem diabos ela pensava que era, ainda mais depois de tudo que eu tinha feito por ela? Quando me inclinei para trás em minha cadeira, olhando para a mesa vazia que estava fora do meu escritório, Coco entrou. —Estou surpresa que você esteja aqui. É sábado. —Eu falei. —Eu chutei Joshua para fora e terminei com ele. —O quê?— Eu rapidamente sentei. —Eu disse a ele ontem à noite que eu sabia sobre a mulher que ele estava vendo e para dar o fora. —O que ele disse? —Ele disse boa viagem e que ele nem sabia por que ele estava incomodado como ele fez, porque ele nunca esteve apaixonado por mim. — Ela começou a fungar. Eu me levantei da minha cadeira e caminhei até onde ela estava e a puxei para mim. —Não, Coco. Ele é um babaca. Você sabe disso. Ele não vale a pena uma única lágrima sua. —Eu sei que ele não vale a pena. Estou chorando porque eu não terminei com ele mais cedo.


Eu quebrei o nosso abraço e lhe entreguei um lenço de papel. —As coisas com ele fracassaram rápido, Jack. Eu não estive no amor com ele por um longo tempo. —Então por que você estava com ele? —Porque eu estava com medo de que ninguém iria me querer. Cada cara que eu tinha conhecido ao longo dos anos era intimidado por mim e minha carreira. Joshua foi o primeiro homem que não era porque ele tinha o mesmo desejo de sucesso. Eu ainda não posso acreditar que ele está chantageando nossa mãe. —Você já a viu hoje? —Não. Eu não tenho. Eu tentei ligar para ela e ela não respondeu. —Eu estou bem aqui— minha mãe falou quando ela entrou em meu escritório e fechou a porta. Ela parecia cansada e esgotada. Essa coisa toda estava tomando um pedágio sobre ela. —Onde você estava? — Perguntei. —Eu estava dirigindo algumas tarefas. Quero que ambos sentemse. Estou deixando o país em poucas horas, estou indo para Paris. —O quê!— Gritei. —Sente-se e fique quieto, Jack. — Ela apontou o dedo bem cuidado em direção à minha cadeira. —Eu não estou pagando a Joshua o dinheiro. Ele é sujo, covarde e ele pode ir para o inferno. —Então você está saindo e nos deixando para limpar sua bagunça?— Eu perguntei com uma voz severa. —Eu já cuidei disso. Eu não lhe disse isso antes, mas aquela mulher que ele está vendo é Shae, a mulher que eu contratei para


trabalhar na Flourishing. Ele está usando ela, e eu lhe disse isso. Eu também disse a ela que, assim que ele receber o dinheiro, ele vai despejá-la. Então eu lhe ofereci dois milhões e meio de dólares para manter a calma e negar tudo. Ela aceitou e está deixando a cidade hoje à noite. —Como você pode confiar nela?— Perguntou Coco. —Eu posso. Mais do que em Joshua. —Eu terminei com ele ontem à noite— Coco falou. —Eu sei. Aquele desgraçado me ligou ontem à noite para me dizer que eu tinha vinte e quatro horas para lhe dar o dinheiro ou ele estava indo a público. Eu fiz Shae ver que Joshua está apenas a usando. Eu plantei idéias em sua cabeça e ela ficou com algumas coisas para pensar. Então, se Joshua for a público com a informação, ele não terá provas e vai parecer como uma mera vingança, por assim dizer, porque você, minha querida filha, chutou a sua bunda no meio-fio. —Se está decidido, então por que você está indo para Paris?— Perguntei. —Porque, querido, eu preciso me esconder até que tudo isso passe. Bradley está fechando as contas enquanto nós conversamos e o dinheiro será colocado de volta em nossas contas no início da manhã. —Diga-me, Mãe, por que alguns credores não foram pagos? Ela acenou com a mão na frente do rosto. —Pish, eu disse a Bradley para não pagar alguns fornecedores, porque eles estavam enroscando comigo. Eu posso jogar tão sujo como eles podem. De qualquer forma, eu falei com eles e cancelei aquele advogado que você contratou. Chegamos a um acordo e tudo está bem. Agora, se vocês me dão licença, eu tenho algumas coisas para fazer antes de sair.


—Você está indo embora como se não fosse grande coisa?— Eu cuspi. —Pare de exagerar, querido. Tudo vai ficar bem agora. Ela abraçou e beijou Coco em adeus. Quando ela começou a tomar medidas em relação a mim, eu levantei a minha mão. Sua sobrancelha arqueou antes dela desfilar para fora do meu escritório como se ela não tivesse nenhuma preocupação com o mundo. Um sentimento ruim cresceu dentro de mim. Uma tempestade de merda estava rolando e ela estava buscando segurança em Paris, enquanto nos deixava para trás para resolver. Quando eu bati meu punho na minha mesa, Coco se encolheu. —Você ouviu o que ela disse, Jack. Ela cuidou da situação. —O inferno que ela fez, Coco. Tenho a sensação de que isso está longe de terminar.

Depois de passar o dia tentando me acalmar e ter algum trabalho feito, eu fui à loja de brinquedos comprar algo para Hope. Lorelei tinha me mandado uma mensagem no início do dia e o médico disse que Hope tinha a garganta inflamada. Quando eu estava andando através da loja, sem saber o que diabos eu estava indo para comprá-la, eu tropecei através de uma parede de filmes infantis. Meus olhos percorreram as linhas e em seguida, bloqueou em um filme em particular que me chamou a atenção: Charlotte’s Web. Sorri quando eu peguei e olhei para ele. Ela gostaria disso. Depois de comprar e sair da loja, eu tive Tony me levando ao apartamento de Lorelei.


—Ela sabe que você está se apaixonando?— Perguntou. —Não. —Você não acha que você deveria dizer a ela? —Não. —Após os últimos acontecimentos que ocorreram, ela pode bater a porta na sua cara. Você não pode mesmo fazer isso através da porta de segurança. —Ela pode e possivelmente eu não vou. Mas não vou sair até que eu dê este filme para Hope e veja como ela está indo por mim mesmo. —Ela não é sua responsabilidade mais. — Ele olhou para mim através do espelho retrovisor. —Não importa. Eu ainda preciso ter certeza de que ela está bem. Ele me deu um pequeno sorriso e não falou outra palavra. Hope não era a única razão pela qual eu queria vir. Após o dia de tumulto que eu tive, eu precisava ver Lorelei. Não necessariamente precisava falar com ela; apenas vê-la era o suficiente para fazer tudo melhor. Toquei a campainha do seu apartamento. —O que você está fazendo aqui, Jack?— Sua voz veio através do intercomunicador. —Eu quero saber como Hope está. —Você poderia apenas ter ligado. —Eu tenho algo para ela, Lorelei e eu gostaria de entregar. A porta tocou e eu deixei escapar um suspiro de alívio. Quando cheguei à porta do apartamento, ela estava lá com ela aberta.


—Você não tem que lhe comprar nada— ela falou quando se afastou para o lado para que eu pudesse entrar. —Eu sei. Eu queria. —Jack!— Hope pulou do sofá e colocou os braços em volta das minhas pernas. —Olá. Como está se sentindo? —Abaixei-me e a peguei. —Não muito bem. Mas eu vou sobreviver. —Ela sorriu. Levando-a para o sofá, eu entreguei-lhe uma sacola cor-de-rosa de presente com uma imagem da Cinderela sobre ela e papel de seda rosa dentro escondendo o DVD. Ela estendeu sua pequena mão para dentro da bolsa e tirou Charlotte’s Web. Os olhos dela se arregalaram de empolgação. —Eu não sabia que havia um filme!— Exclamou ela. —Obrigada, Jack. — Seus braços enrolaram-se em volta do meu pescoço. —De nada. —Você vai vê-lo comigo? —Claro que eu vou. Isto é, se estiver tudo bem para sua mãe. — Eu olhei para Lorelei quando ela ficou lá com os braços cruzados e seus olhos fixos olharam para mim. —Por favor, mamãe—Hope choramingou. Ela hesitou com uma resposta por alguns momentos, seus olhos nunca se afastaram de mim. —Eu acho. Mas assim que o filme acabar é hora de dormir. —OK. Eu prometo.


—Você vai vê-lo com a gente?— Perguntei, tentando cortar o ar espesso que estava ao redor da sala. —Eu tenho que terminar a fantasia de Halloween da Hope, então eu vou estar na mesa, enquanto vocês dois assistem.


Lorelei Eu coloquei no DVD e caminhei até a mesa onde eu tinha a minha máquina de costura configurada. Eu não podia negar que o que Jack fez para a Hope não era doce. Realmente era, mas eu ainda tinha minha guarda até onde ele estava preocupado. Quando

eu estava trabalhando na fantasia de

Hope, eu

silenciosamente sorri para o riso e luz da conversa que estava vindo do sofá. De repente, o som de soluços assumiu. Eu me virei e vi Jack colocar o braço em torno de Hope e puxá-la para perto dele. Eu não tinha escolha, senão ver se Jack estava engasgado, também, sobre a morte de Charlotte. Eu liguei para ele. —Hey, Jack? Ele não se virou. Ele simplesmente falou: — Sim. —Você pode vir aqui por um segundo? —Desculpe, Lorelei. Vai ter que esperar. —Ele trouxe o seu dedo para cima em seus olhos. —Ok. — Eu sorri enquanto me virei e continuei trabalhando na fantasia. Não foi muito tempo depois que o filme terminou e eu podia ouvir a conversa sutil entre Hope e Jack. —Jack, o que foi o ponto de Charlotte morrendo? Ela poderia ter vivido e todos eles poderiam ter sido feliz.


—Eu concordo Hope, mas a história de Charlotte e Wilbur era sobre a verdadeira amizade. Mesmo após a melhor amiga de Wilbur falecer e não poder mais ajudá-lo, ela ainda ajudou. Faz sentido? —Eu acho. Você é muito inteligente, Jack. Revirei os olhos. —Não tão inteligente como você. Você está pronta para a cama? —Eu acho que eu preciso do meu remédio. Eu me levantei da minha cadeira. —Sim, você precisa tomar o seu remédio. Vá para cama e eu vou levá-lo para você. — Jack pode me colocar na cama também?— Perguntou ela. —Sim. Jack pode colocar você na cama. Hope saiu correndo para o quarto dela e eu fui para a cozinha pegar o remédio da geladeira. —Que nojo. Lembro-me dessas coisas. —Jack fez uma careta quando viu a garrafa. —É muito ruim, não é? A coisa boa é que Hope parece não se importar. Após colocar o remédio no copo na linha de dosagem correta, Jack pegou o copo de água em cima do balcão e fomos para o quarto de Hope. —Mamãe, minha cabeça dói novamente. — Ela fez beicinho. Jack colocou a mão em sua testa. —Ela está quente. Eu entreguei Hope o medicamento e lhe disse para olhá-la, enquanto eu fui ao banheiro e peguei o termômetro. Mostrava 38 graus.


—Febres sempre pioram à noite. Esperemos que, amanhã, ela vá embora. Eu vou pegar o Tylenol. —Eu posso pegá-lo. — Jack falou. —Está no balcão da cozinha, certo? —Sim. Obrigada. Depois de dar a Hope o Tylenol, eu beijei sua cabeça e disse-lhe boa noite. Quando saí do quarto dela, Jack seguiu e deixou a porta o suficiente aberta, para uma fresta. —Obrigado, Lorelei. —Pelo quê?— Eu perguntei quando me sentei à mesa. —Por me deixar entrar e dar esse filme para Hope. —Como se eu tivesse muita escolha. Você já estava do lado de fora do meu prédio. —Você me chamou mais cedo durante o filme. O que você precisa? —Esquece. Eu mesmo fiz isso. —Eu silenciosamente ri. Ele se sentou na cadeira ao meu lado. —Minha mãe partiu para Paris hoje. Eu olhei para ele da minha máquina de costura. —O quê? Por quê? —Aparentemente, ela teve uma conversa com a menina que Joshua estava tendo um caso esta manhã. Descobrimos, que a pessoa que ela contratou para espionar Flourishing, é a única que disse tudo a Joshua. Minha mãe a pagou, e em seguida, deixou o país. Segundo ela, agora que a menina foi subornada, Joshua não tem uma perna para se sustentar.


Eu olhei para ele em confusão. —Mas por que ela foi para Paris, então? —Para escapar dos holofotes do que está por vir. Mesmo que as pessoas vão pensar que ele está fazendo a história, ela não queria estar aqui para responder a todas as perguntas da imprensa. —Então ela correu e deixou você e Coco para lidar com isso? —Sim. Mãe do ano de novo. Eu tenho um mau pressentimento sobre tudo isso e eu sinto que há algo que ela não está nos dizendo. —Como o que? —Eu não sei. Eu não percebi isso ainda. —Ele suspirou. Eu podia ver a raiva e preocupação que consumiu os seus olhos. Mesmo que ele nunca fosse admitir isso, eu poderia dizer que ele estava sofrendo. —Chega de falar disso. Você parece estar se sentindo melhor. —Eu estou. Ainda estou realmente cansada, mas no geral tudo bem. —Eu tenho que ir para que você possa terminar a fantasia de Hope. — Assim que ele se levantou de sua cadeira, seu telefone tocou e ele atendeu. —O que!— Ele falou com uma voz em pânico. —Quando? Meu Deus, eu estou a caminho. Ele terminou a chamada. O olhar em seu rosto era aterrorizante. —O que aconteceu?— Perguntei. —Era Coco. Joshua foi assassinado. Eu coloquei minha mão sobre a minha boca em choque.


—Eu preciso chegar à casa de Coco. A polícia está lá, a interrogando. —Meu Deus, Jack. Sinto muito. —Eu vou falar com você em breve, Lorelei. — Ele saiu pela porta.

Jack Isso era inacreditável. Eu chamei um táxi e fui direto para o prédio de Coco, onde as luzes piscando de um carro da polícia iluminavam a área normalmente morta. Depois de passar pela porta, fui direto para a sala e encontrei minha irmã sentada no sofá, chorando enquanto dois policiais do sexo masculino a questionavam. Corri para o lado dela e ela jogou os braços em volta de mim, soluçando. —Claramente, pode-se ver que ela está chateada. Você pode, por favor, voltar amanhã? —Sinto muito. Você é? —Jack Sutton, seu irmão. —Pedimos desculpas, mas temos de perguntar onde ela estava em torno de seis horas. —O quê? Você está falando sério? —Eu sinto muito, Sr. Sutton, mas temos de verificar todas as pistas possíveis. —Coco, onde você estava?— Eu perguntei a ela.


—Eu estava no escritório. —Você estava sozinha, senhorita? — um dos policiais perguntou. —Não. —Posso ter o nome da pessoa que estava com você?— O oficial tirou uma caneta do bolso. Ela hesitou por um momento e olhou para mim. —Garrett Sullivan estava comigo. — Ela se virou para o oficial enquanto falava. —Por que Garrett estava no escritório em um sábado?— Perguntei. —Obrigado, senhorita Sutton. Nós estaremos em contato, se tivermos mais alguma dúvida ligamos. Nós estamos de saída. Coco levantou-se e tomou uma respiração profunda. —É uma grande quantidade de trabalho tentar me fazer chorar e ser falsa fazendo parecer chateada. — Enxugando os olhos com um lenço de papel, ela caminhou até a área do bar em sua sala de estar e derramou um copo de vinho. —Gostaria de um pouco?— Ela perguntou. —Não. O que eu gostaria é que você respondesse a minha pergunta.


Jack Eu tomei o meu copo de uísque conforme Garrett entrou na sala de estar. Eu bati meu copo no bar e apontei o dedo para ele enquanto eu caminhava em sua direção. —Como você se atreve porra!— Eu gritei. —Jack, pare!— Coco gritou. —Você estava dormindo com a minha irmã e não me contou! —Jack, acalme-se. — Ele colocou as mãos para cima. —Não se atreva a me dizer para me acalmar!— Eu dei um soco nele. Ele cambaleou para trás e segurou seu queixo. —Você se sente melhor agora, amigo?— Ele perguntou em tom calmo. Eu fui para dar outro soco. —Jack, não!— Coco agarrou meu braço e me segurou. —Eu juro que nunca vou falar com você de novo, se você não parar. —Ela é minha irmã, cara. Minha irmã, porra. Você a conhece toda a sua vida. —E eu estive apaixonado por ela toda a minha vida!— Ele gritou.


Fechei os olhos e lentamente, balancei a cabeça. Tomando um assento no sofá, eu segurei meu rosto em minhas mãos para tentar processar tudo o que estava acontecendo. —Jack. — Coco se sentou ao meu lado. —Você quer que eu seja feliz? Eu olhei para ela enquanto as lágrimas escorriam pelo seu rosto. —Claro que eu quero. —Garrett me faz feliz. Ele sempre faz. Às vezes, a pessoa que você está destinado a amar está de pé na sua frente o tempo todo. —Coco, ele é como um irmão para nós. —Mas ele não é nosso irmão. Ele me faz sentir viva e inteira. Você não pode compreender, porque você nunca deixa ninguém entrar. Estou apaixonada por ele, Jack. Olhei para Garrett, que ainda estava parado no mesmo lugar, segurando sua mandíbula. —Você a ama? —Sim. Eu faço. Levantei-me do sofá e derramei outra bebida. —Por que você ficou com Joshua se você estava vendo Garrett?— Perguntei. —O que me leva a outra pergunta. Há quanto tempo isso vem acontecendo? —Temos visto um ao outro por um pouco mais de um mês. Por que as pessoas que estão casadas e se enganam ainda permanecem casadas?


Eu balancei minha cabeça enquanto eu tomava um gole de uísque. Depois de derrubar ele, eu olhei para Coco e depois para Garrett. —Eu vou ver vocês dois na segunda de manhã no escritório. Eu preciso sair daqui e pensar. —Eu agarrei o meu casaco e saí. Quando eu estava no meu caminho para casa, sentado na parte de trás de um táxi, eu pensei no que Coco disse, sobre eu não deixar ninguém entrar. Ela estava certa. Eu nunca tinha deixado ninguém entrar, exceto uma mulher: Lorelei. A única mulher que eu trouxe para minha cama que estava fora dos limites para todos. A única mulher que eu segurei em meus braços toda a noite. E o que aconteceu? Ela reteve uma parte vital de sua vida de mim.

Lorelei Minha mãe e Stella sentaram-se à mesa com expressões chocadas quando eu disse a elas sobre minha semana; estar doente e Jack cuidando da Hope. Elas não podiam dizer nada, porque Hope estava bem ali. Minha mãe se aproximou e segurou minhas mãos. —Eu queria que você tivesse nos chamado, querida. —Por que, mãe? Você estava em um navio no meio do oceano. Não teria havido nada que você pudesse fazer. —Ainda assim. Eu sinto muito que não estávamos aqui para você e Hope. —Tudo bem, vovó. Eu gostei de Jack cuidando de mim. Ele é divertido.


—Ele é?— Stella deu um olhar com uma cara torcida. —Sim. Ele leu para mim e nós assistimos Cinderela. Ele me levou e me pegou na escola, veio para o meu concurso de soletração quando minha mãe estava no hospital e ele cozinhou. Ele não é um bom cozinheiro, no entanto. Ele queima tudo. —Ela riu. —Foi muito bom o Sr. Sutton cuidar de você, Hope. — Minha mãe a abraçou. —E eu estou feliz que você esteja se sentindo melhor. Hope foi para seu quarto para tirar um cochilo e minha mãe me deixou para ir em casa e desfazer as malas de sua viagem. —OK. O que está acontecendo com você e Jack? — Perguntou Stella. —Nada. —Nada, minha bunda. Por que um homem que admitiu plenamente para você que ele odeia crianças, cuida da sua filha enquanto você está deitada impotente em uma cama de hospital? —Porque ele sabia que não havia mais ninguém que pudesse cuidar dela. Mais uma vez, ela torceu seu rosto. —Eu acho que o Sr. Sutton tem um coração e acho que ele é loucamente apaixonado por você. —Não, ele não é Stella. Deixou a mim e Hope na outra noite para ir a um encontro. —Oh. — Ela mordeu o lábio inferior. —Por que ele faria isso? —Quem

diabos

sabe.

Provavelmente

alimentar seu vício em sexo. —Ele tem um vício em sexo?

porque

ele

precisava


—Deixe-me reformular isso. Provavelmente porque ele precisava alimentar seu apetite sexual. —Ele é um homem. Eles estão sempre com tesão. —Ela sorriu. — Eu vejo uma possível relação aqui. —Eu não posso e não vou— Eu me levantei da mesa e fui até a cozinha. —Por que não, Lorelei? É óbvio que o homem tem sentimentos profundos por você ou ele não teria cuidado de Hope do jeito que ele fez. Aquela menina o adora. —É claro que ela faz. Ele é o primeiro homem que já prestou atenção nela. —E de quem é a culpa?— Ela franziu a testa. —Eu cedi aos meus sentimentos uma vez antes e não vou cometer esse erro novamente. Olha como ele me tratou quando descobriu sobre Hope. As coisas que ele disse. Se realmente tivesse sentimentos por mim, não teria dito essas coisas. Brett nunca teria dito aquelas coisas para mim. —Ah, querida. Você tem que parar de viver no passado. Talvez Brett nunca tivesse dito aquelas coisas para você. Inferno, ele nem sabia que você estava grávida, Lorelei, então você realmente não sabe ao certo como ele teria reagido. Você é uma adulta agora e você está jogando no mundo dos adultos. —Então você está dizendo que estava tudo bem ele falar assim comigo? —Não. Isso não é o que estou dizendo. Mas você também precisa entender que ele foi ferido. Ele descobriu por acaso uma das coisas mais pessoais sobre você. Ele provavelmente se sentiu traído que você não confiava nele o suficiente para dizer algo.


—Como eu poderia confiar nele quando ele me disse que odiava crianças? Você mesmo me disse para não contar a ele. Inferno, Garrett nem sequer lhe disse, porque tinha medo que ele me demitisse. —OK. OK. Você tem um ponto. Mas mesmo assim. Levando nosso café para o sofá, eu me sentei e cruzei as pernas. —Eu não quero mais falar sobre isso. Você nunca vai acreditar no que eu fiz. —Oh meu Deus, o que você fez? —Criei um perfil no Match.com —Cala a boca! Você não fez isso! — Exclamou ela. Peguei meu laptop na mesa de centro e entrei na minha conta. Esta foi a primeira vez que eu tinha feito isso desde a noite que eu o criei. Eu tinha mais de cinquenta respostas. —Ah Merda. Olhe para isto. —Eu ri. Passamos a próxima hora indo através dos perfis e rindo. —Esse cara não é ruim. Ele é um executivo de publicidade. Ele tem uma filha que tem onze e seu hobby é assistir aos pássaros. Revirei os olhos. —Ele também tem quarenta anos. O que diabos ele quer com uma de vinte e cinco anos? —Você realmente precisa perguntar isso?— Stella falou. —Basta pensar em todos os diferentes tipos de pássaros que você poderia aprender sobre. Eu me pergunto se ele faz aqueles sons estranhos de pássaro. —Ela riu.


Lorelei Parei na Starbucks para obter o café da manhã de Jack. Eu não tinha ouvido falar dele desde sábado à noite e ele não respondeu às minhas mensagens de texto. Enquanto eu caminhava pelo corredor até minha mesa, muitos dos meus colegas de trabalho me acolheram de volta. Eu tomei uma respiração profunda conforme eu andei no escritório de Jack. —Bom dia— falei. Ele olhou para mim a partir dos papéis que ele estava olhando e murmurou — Bom dia. — Quando eu coloquei o café em sua mesa, eu esperei que ele dissesse alguma coisa, mas ele não o fez. Ele olhou de volta para seus papéis e agiu como se eu não estivesse mesmo ali de pé. —Você recebeu minhas mensagens de texto?— Perguntei. —Sim— ele respondeu sem olhar para cima. —Por que você não respondeu de volta? —Eu realmente não tive tempo. —Oh. — Eu fiquei ali me sentindo como uma idiota. —Como está Coco? —Ela está bem. —Qualquer notícia sobre Joshua? —Não.


—Sua mãe sabe o que aconteceu? Ele suspirou e olhou para mim quando pegou sua xícara de café. —O que é isto? Um milhão de perguntas? Se eu quisesse falar com você sobre isso, eu o faria. Você tem uma tonelada de trabalho a fazer desde que você estava fora toda a semana passada. Eu sugiro que você volte a sua mesa e comece a trabalhar. Uau.

Uau.

Uau.

Que

diabos

era

o

problema

dele?

Eu

silenciosamente saí de seu escritório e me sentei na minha mesa. Idiota. Eu retirei o pequeno retrato emoldurado que eu tinha de Hope e o coloquei ao lado do meu computador. Um pouco depois, Garrett apareceu e eu não pude deixar de notar o grande hematoma no rosto. —Ouch. O que aconteceu? — Perguntei com preocupação. —Jack não lhe disse? —Não. Jack não está falando muito comigo esses dias. —Ele me deu um soco. —Oh meu Deus. Por que ele faria isso? —Eu prefiro não entrar nisso agora. Como você está se sentindo? Como está Hope? —Nós duas estamos muito melhor. Obrigada por perguntar. —Bom. Eu estou feliz em ouvir isso. Agora, se você me dá licença, eu tenho que falar com Jack. Vamos torcer para que ele não me dê um soco de novo. —Ele piscou. Sentada lá, vi Garrett entrar no escritório de Jack e fechar a porta. Que diabos estava acontecendo com ele que o fez socar seu melhor amigo? Alguns momentos depois, a porta se abriu e Garrett saiu.


—Escapei sem qualquer agressão. — Ele piscou um sorriso e em seguida, desfilou pelo corredor. Garrett deixou a porta aberta para o escritório de Jack e eu não poderia ajudar, mas roubei um olhar a partir de minha mesa. Jack estava sentado em sua cadeira, olhando para fora da janela. —Oh merda!— Ele exclamou quando pulou e correu pelo corredor. Eu precisava saber o que estava acontecendo, então eu o segui até o saguão, e quando cheguei às portas, Coco estava em pé do lado de fora, presa por um bando de paparazzi que estavam tirando fotos dela e empurrando pequenos gravadores em seu rosto. Jack a agarrou e levou para dentro do prédio. Corri e entrei no elevador antes que eles me vissem. A tempestade de merda tinha chegado, Jack e Coco foram deixados para lidar com isso sozinhos, sem qualquer ajuda de sua mãe. De volta à minha mesa e eu vi Jack levar Coco até seu escritório. Ele estava lá por cerca de uma hora. Antes de entrar em seu escritório, ele parou na minha mesa. —Você está em campo para todas as chamadas que podem vir de qualquer um perguntando sobre Joshua ou a empresa. —Sim, Jack. Não se preocupe. Ele pegou o quadro da minha mesa e olhou para a foto de Hope. Sem dizer uma palavra, ele colocou-a, entrou em seu escritório, e bateu a porta. Eu vacilei. Depois de trabalhar em alguns projetos, eu olhei para o relógio e vi que era hora do almoço. Agarrando o meu caderno de esboço e minha bolsa, eu bati na porta e disse a Jack que eu estava indo para o almoço.


—Jack, eu só quero que você saiba que eu estou indo para o almoço agora. —Bom. Não esqueça meu café. Suspirei e fechei a porta. —Não esqueça meu café— eu murmurei enquanto me dirigia em direção aos elevadores. Com sua atitude em relação a mim, ele deveria ficar feliz se eu não derramasse tudo sobre sua mesa e deixasse para ele limpar. Saindo do prédio, eu fui até o café para comer um sanduíche. Após meu almoço acabar, eu fui a Starbucks e peguei para Jack seu café da tarde. Quando cheguei de volta para o prédio, os paparazzi tinham crescido em tamanho e a multidão começou a me seguir. —Você é a PA de Jack Sutton, não é?— Um homem perguntou. —Sim. Isso é certo. —Gostaria de dizer algumas palavras sobre o assassinato do namorado de sua irmã? —Me desculpe, mas eu não sei nada sobre isso. —Há rumores de que Kit Sutton fugiu do país? Ela sabia algo sobre isso? Eu suspirei. Eles estavam ao meu redor, invadindo meu espaço pessoal e não me deixavam entrar no edifício. Olhei para o café de Jack e depois de volta para as pessoas que me cercavam. Dei um passo para frente como se eu tivesse sido empurrada e acidentalmente derramei um pouco de café no rapaz na minha frente. Então eu derramei um pouco sobre a pessoa próxima a ele e, em seguida, a pessoa próxima a ele. Eles recuaram quando começaram a gritar. —Se você não tivesse invadido meu espaço pessoal, eu não teria derramado café sobre você. — Eu sorri.


De repente, senti uma mão agarrar meu braço e me puxar para trás. Jack me levou para dentro do prédio, mantendo a mão na câmera. —Obrigada, mas eu não precisava ser salva. —Se eu não salvasse você, não haveria qualquer café para eu beber. — Ele sorriu. Eu dei-lhe um pequeno sorriso e nós pegamos o elevador em silêncio.

Durante os próximos dias, nada havia mudado. Os paparazzi ainda estavam acampados do lado de fora à espera de sua próxima vítima. Mas quando me viam chegando com café em minhas mãos, eles lentamente se afastavam e me deixavam passar. Quando eu estava sentada

na

minha

mesa

fazendo

algum

trabalho,

Daniel

do

departamento de edição se aproximou. —Hey, Lorelei. — Ele sorriu. —Oi, Daniel. —Eu vi o seu perfil no Match.com— disse ele um pouco alto. Ah Merda. —Sério?— Eu levantei minha cabeça. —Sim, e desde que nos conhecemos, eu pensei em vez de mensagens on-line para você, eu vim falar com você pessoalmente. Dupla merda. —Oh. — Eu levantei minhas duas sobrancelhas em surpresa.


—Eu queria saber se você gostaria de jantar alguma noite. Eu tomei uma respiração profunda quando eu vi Jack saltar para cima da cadeira e andar sobre a minha mesa. —Lorelei, no meu escritório, agora!— Ele gritou. —E quanto a você, Daniel, ela não vai jantar com você. Agora volte ao trabalho antes que eu o demita! Sentei-me em frente a sua mesa e ele bateu a porta. —Que porra você está fazendo?— Ele perguntou. —O que você quer dizer? —Você está no Match.com? Realmente, Lorelei? Meus joelhos tremiam e eu precisava obter um controle. —Sim. O que há de errado com isso? —O que há de errado nisso? Sabe quantos psicopatas existem no mundo procurando alguém como você para predar? —Sim. Claramente, ele estava chateado com o fato de que eu estava em um site de namoro. Não era da sua maldita conta e agora eu estava ficando com raiva. —Sim? É tudo o que pode dizer? Limpando a garganta, eu falei: — O que eu faço no meu tempo pessoal não é da sua conta, Jack. Seus olhos estavam agora totalmente consumidos com raiva. —É da minha maldita conta se algo acontecer com você e ficar sem uma PA!— Ele gritou.


—Então você vai contratar mais uma!— Eu gritei de volta, perdendo todo o controle. —Eu não quero outra. Você é de longe a melhor que eu já tive. Tanto pessoalmente como profissionalmente. —Ele percebeu o que tinha dito, virou as costas para mim e ficou de frente para a janela com as mãos nos bolsos. Fiquei chocada com as suas palavras e eu não conseguia encontrar dentro de mim para atirar qualquer coisa para ele. —Obrigada. Se você terminou de gritar comigo, eu tenho trabalho a fazer. —Eu me levantei da minha cadeira e me dirigi para a porta. —Lorelei?— Ele me chamou. —Você vai sair com um estranho aleatório que poderia machucá-la, mas você não vai me dar uma chance? Meu estômago afundou e meu coração começou a doer. —Você já me machucou, Jack. — Saí e cuidadosamente fechei a porta. Lágrimas começaram a se formar em meus olhos, então eu fui para o banheiro para me recompor.


Jack Fechei os olhos depois de ouvir Lorelei falar essas palavras. Mesmo depois de tudo que eu fiz para ela, ela ainda não tinha me perdoado pelas coisas que eu disse depois de descobrir sobre Hope. Sentei-me na minha cadeira e segurei meu rosto em minhas mãos. Eu sentia falta dela e de Hope. Não só Lorelei teve um impacto na minha vida no momento em que ela derramou café em mim, mas Hope teve também. Olhei para cima quando ouvi a porta aberta e Coco entrou com dois homens vestidos com ternos. —Jack, este é o detetive Henley e Detective Sloan. Eles têm algumas notícias sobre o assassinato de Joshua. —Prazer em conhecê-los, meus senhores. Eu sou Jack Sutton. Por favor, se sente. —Nós encontramos a pessoa que matou Joshua. O nome dela é Shae Sanders. Olhei para Coco com surpresa. —Por que Shae matou Joshua?— Eu perguntei aos detetives. —Aparentemente, eles entraram em uma briga enorme naquele dia e ela lhe disse que estava saindo. Quando tentou sair, ele a jogou ao redor e a espancou. Ela pegou uma faca de cozinha e o esfaqueou repetidamente. —Por isso, foi legítima-defesa — falei.


—Eu acho que você pode dizer isso, mas isso é para um júri decidir. De qualquer forma, nós queríamos que você soubesse que não vamos incomodar sua família novamente. Tenha um bom dia. Os detetives saíram do meu escritório e Coco sentou perto de mim com um pequeno sorriso em seu rosto. —Eu sempre soube que ele era louco. Bom para ela se defender — ela falou. —Ela vai precisar de um bom advogado de defesa e estamos pagando a conta. —Você está louco, Jack? Mamãe apenas deu a ela todo esse dinheiro. —Exatamente, e ela vai precisar dele para ficar quieta. Nós não podemos arriscar que ela diga algo sobre o que nossa mãe lhe tinha fazendo um par de anos atrás. Eu vou chamar Avery Lewis e ver se ela vai pegar o caso. —Se você diz. Mas você precisa se lembrar que ela era a mulher que estava dormindo com o meu namorado. —E você precisa se lembrar que Garrett é o homem que estava dormindo com a namorada. Ela revirou os olhos e se levantou de sua cadeira. —Eu suponho. Eu vou falar com você mais tarde. Eu peguei meu telefone e liguei para minha mãe em Paris. —Olá, querido— ela respondeu. —Eu só quero que você saiba que foi Shae quem assassinou Joshua.


—Oh querido. Essa menina tem um pouco de coragem nela. Lembre-me de agradecer a ela quando eu voltar. —Foi legítima defesa, mãe. Ele estava batendo a merda fora dela. Uma gargalhada clara veio através do telefone. —Você acredita nisso filho? De qualquer forma, eu estarei em casa em poucos dias. —Eu estou contratando um bom advogado de defesa e você está pagando seus honorários legais. —O quê? Por quê? —Porque nós não precisamos correr o risco dela soltar o segredo sobre você. É o mínimo que nós podemos fazer. E outra coisa, eu acho que é hora de você se aposentar da Sutton Magazine. —Desculpe-me, Jack?— Sua voz assumiu um tom severo. —Falaremos mais sobre isso quando você voltar. Eu tenho que ir. —Clique. Agora que esta situação estava semi-tratada, eu precisava trabalhar para conseguir que Lorelei me perdoe e aceite sair comigo. Quando eu estava pensando nas maneiras, a porta do meu escritório se abriu e ela entrou, mantendo sua mão ao redor da maçaneta da porta. —Sinto muito incomodá-lo, Jack, mas eu preciso saber por que você deu um soco em Garrett. Deixei escapar uma risada clara. —Você não tem a menor idéia de por que fiz isso? —Não. Eu não tenho. —Porque ele está dormindo com a minha irmã. —Oh. — Ela recuou para o corredor e fechou a porta.


O meu novo terno de Bloomingdale9 estava pronto para ser pego e eu pensei sobre mandar Lorelei para ir buscá-lo, mas decidi fazê-lo eu mesmo, porque eu queria sair do escritório. —Estou saindo para o dia, Lorelei. Eu tenho algumas coisas que eu preciso resolver. Vejo você na parte da manhã. —OK. Tenha uma boa noite, Jack. —Você também. Subi

para

a

limusine

e

instrui

Tony

a

me

levar

para

Bloomingdale. Quando eu estava na seção dos homens, olhando para a sua linha de suéter, ouvi uma voz ao meu lado. —Bem, se não é o Sr. Jack Sutton. —Olá, Stella. — Eu sorri. —O que a traz para Bloomingdale esta tarde? —Só estou fazendo um pouco de compras para o meu namorado. Você? —Comprando um terno novo. —Estou surpresa que você não fez Lorelei fazer isso por você. —O pensamento passou pela minha cabeça, mas eu decidi fazê-lo eu mesmo.

9Bloomingdale's

é uma loja de departamentos de alto padrão pertencente ao grupo "Federated Department Stores", que também controla a rede de lojas "Macy's". Bloomingdale's possui 36 lojas ao redor dos EUA, com vendas anuais de U$ 1.900 milhões´


—Ouça Jack, eu quero te agradecer por cuidar de Hope quando Lorelei estava no hospital. Isso foi muito gentil da sua parte. —De nada. A Hope é uma ótima garota. —Ela é. Não é? E assim é sua mãe. —Um pequeno sorriso cruzou os lábios. —Sim. Lorelei é ótima. Ei, você tem algum tempo para tomar um café? Eu quero falar com você sobre algo. Ela me deu um olhar estranho. —Umm. Certo. Acho que sim.

Lorelei Na manhã seguinte, enquanto eu estava andando em direção ao escritório de Jack, notei que havia um buquê de rosas amarelas perfeitamente dispostas em um vaso na borda da minha mesa. Eu coloquei as minhas coisas para baixo e entrei no escritório de Jack com seu café. —Você sabe de onde aquelas flores vieram?— Eu perguntei quando eu coloquei o seu copo para baixo. —Elas vieram de mim. Você gosta delas? —Elas são lindas. Qual é a ocasião? —Eu estreitei meus olhos. —Mais uma vez, elas são flores de pedido de desculpa. —Por quê?— Perguntei. —Eu quero pedir-lhe desculpas pela maneira como falei ontem sobre a coisa toda do site de namoro. Eu estava fora da linha e eu sinto


muito. Claro que, o que você faz no seu tempo livre não é da minha conta. É a sua vida e eu não tinha o direito. —Obrigada, Jack. Eu agradeço. —De nada. Ele caminhou até onde eu estava e apertou meus ombros. —Ouça Lorelei, eu fui dar ao meu comportamento e as minhas ações um monte de pensamento. Eu sei que eu a feri no passado e eu sinto muito. Nós somos amigos e é assim que eu quero que as coisas fiquem entre nós. Então, como um amigo, eu vou ser honesto com você. Eu acho que você deve começar a namorar novamente. Você é uma mulher incrível e eu sei que você não teria nenhum problema em encontrar seu príncipe encantado se você apenas deixar. Na verdade, eu sei de um par de grandes caras que gostariam de sair com você. De repente, parecia que eu estava com falta de ar. Ele estava falando sério? Engoli em seco. —Obrigada, Jack, mas eu posso pesquisar meus próprios encontros. —OK. Se você mudar de ideia, me deixe saber. Outra coisa, se você não se importar, eu gostaria que você desse alguns de seus esboços para o departamento de costura. —Por quê? —Porque eu acho que você tem um talento real e eu estou pensando que talvez devêssemos apresentar alguns de seus projetos em nossa edição de janeiro. Eu não pude deixar de rir. —Sim, certo, Jack. —Lorelei, eu não estou brincando. Agora leve seu traseiro para o departamento de costura e lhes diga que eu disse para eles começarem


a trabalhar em seus projetos imediatamente. Espere… — disse ele enquanto caminhava até seu telefone. —Aqui é Jack Sutton. Estou enviando minha PA, Lorelei, para dar-lhe alguns desenhos que eu quero iniciados imediatamente. Quando você terminar com as roupas, eu quero que a tragam direto para o meu escritório. Ele olhou para mim e sorriu. —Está tudo pronto. —Eu não sei o que dizer, Jack. Obrigada! —Eu impulsivamente joguei meus braços em volta do seu pescoço e lhe dei um abraço. Ele passou os braços em volta de mim. —De nada. Agora vá. Sentindo os braços em volta de mim novamente e me senti bem. Mas o que não se sentia bem era meu coração. Ao ouvi-lo dizer que ele só queria uma amizade fez alguma coisa para mim. Fez-me sentir triste e sozinha. Eu não poderia explicá-lo se eu tentasse. Houve um momento em que ele me queria e eu o empurrei. Eu o empurrei tão longe que agora ele não está mais interessado em mim e isso dói como uma cadela. Mais tarde naquela noite enquanto eu estava deitada na cama, pensei em Jack. Eu sabia que Hope sentia falta dele, porque ela expressou durante o jantar. Meu coração ainda dói porque eu estava apaixonada por ele. Eu fui estúpida por afastá-lo naquela noite em que me beijou na casa dele, mas eu queria que ele soubesse que não ia ser fácil. Eu estava jogando um jogo, o fazendo pagar pelas coisas que ele me disse. Mas, no final, acabei o perdendo. Uma lágrima caiu dos meus olhos quanto mais eu pensava sobre isso. Amanhã será um novo dia e um novo começo em minha busca para tentar mostrar a Jack que ele era a pessoa certa para mim e eu era a única para ele.


Lorelei —Bom dia, Jack. — Eu sorri enquanto coloquei sua xícara de café sobre a mesa. —Bom Dia. Você parece estar com um humor tagarela. —É o Dia das Bruxas. Falando nisso, eu sei que isso é realmente aleatório, mas a Hope me pediu para perguntar se você gostaria de vir para a casa dos meus pais com a gente, hoje à noite. Ela teve essa ideia maluca de que talvez você gostaria de ir ao doce ou travessura com a gente. Ele arqueou as sobrancelhas. —Realmente? Hope gostaria que eu fosse? —Sim. Mas se você tiver planos, não se preocupe com isso. Eu já expliquei a ela que era tão pouco tempo e que você estava provavelmente ocupado. —Eu não tenho quaisquer planos para esta noite. Além disso, se ela me convidou, como eu poderia dizer não? —OK. Ah, outra coisa. Sinto muito surgir com isso de última hora, mas tudo bem se eu saí cedo para ir à festa de Halloween da Hope na escola? Começa às duas horas. —Claro. — Ele sorriu. —Eu vou dizer ao Tony para deixar você lá. Eu estava indo entrar em apuros aqui, mas eu não pude deixar de perguntar.


—Você sabe, eu acho que Hope ficaria encantada se você viesse. —Para sua festa de Halloween da escola?— Ele perguntou, surpreso. —Sim. Apenas uma idéia. Não se preocupe com isso. —Eu acenei minha mão. —OK. Eu irei. Eu fiquei ali em choque que ele realmente disse que sim. No interior, eu estava dançando. —OK. Ótimo. Obrigada. Ela vai ficar tão surpresa.

Nós chegamos à sala de aula da Hope e o olhar em seu rosto quando ela viu Jack e eu entrando na sua sala foi inestimável. Ela correu e nos abraçou. —Jack! O que você está fazendo aqui? —Sua mãe me convidou. Olhe para você. Você é uma bela Cinderela. —Ele sorriu. —Obrigada, Jack. Venha conhecer a minha professora. —Ela pegou sua mão e o levou para a Srta. Strong. —Srta. Strong, este é meu amigo, Jack. Ele é o chefe da minha mãe. —Entendo. É bom conhecer você, Jack. —Ela sorriu. —Meu prazer, Srta. Strong. — Ele sorriu de volta com seu sorriso encantador e eu queria vomitar.


Quando as crianças foram brincar e correr ao redor da sala de aula, Jack olhou para mim. —A professora de Hope é realmente quente. Eu me pergunto quais são as minhas chances de fazê-la sair comigo. Uma onda de ciúmes caiu sobre mim. —Ela não é tão quente e eu acho que ela está saindo com alguém. —É uma vergonha e eu acho que ela é muito quente. — Ele sorriu. Enquanto eu estava lá e fervendo sobre seus comentários, a mãe de Addison se aproximou de nós. —Olá, Lorelei. Gostaria que você conhecesse o meu namorado, Curtis. —Olá, Jane. — Eu dei um sorriso falso. —Prazer em conhecê-lo, Curtis. Este é o meu chefe, Jack Sutton. Jack, esta é Jane, a mãe de Addison. —Ah, bom conhecer você, Jane. Curtis. —Todos eles apertaram as mãos e eu revirei os olhos. —Hope nos disse que Addison está mudando de escola. —Sim. Este homem maravilhoso está nos convidando para a sua casa e, para ser honesta, o distrito escolar por lá é muito melhor. Eu não poderia me ajudar e eu não pude resistir. —Há quanto tempo vocês dois se conhecem? —Alguns meses. Mas foi amor à primeira vista. Nós nos encontramos no Match.com. Ele é minha alma gêmea. —Sério?— Jack falou. —Lorelei se juntou ao Match. —Você fez?— Jane perguntou com um tom surpreso.


Foda-se, Jack. —Sim eu fiz. —Qualquer um especial? —Não. Ainda não. Espero que em breve. Eu ainda estou cavando através das perspectivas. —Bem, boa sorte para você. Eu espero que você tenha a mesma sorte que eu tive. —Obrigada. — Meu sorriso falso cresceu mais amplo. Os dois se afastaram e Jack começou a rir. —Será que o seu rosto não dói?— Perguntou. —Sim. 'Foi amor à primeira vista. Ele é minha alma gêmea’. Tanto faz! —Parece-me que você está com um pouco de inveja. —Quem? Eu? —Eu apontei para mim mesma. —Eu não tenho inveja dela. É apenas a maneira como ela disse isso. —Claro. — Ele riu. —Agora, se você quer conversar sobre alguém ser quente, veja aquele pai lá. Ele parece não está usando qualquer aliança. Hey, Hope. —Eu a chamei. —Sim, mamãe. —Quem é aquele homem ali com aquele menino? —Esse é o pai do Jonathan. Jonathan era o menino que lhe falei no ano passado que a mãe morreu de câncer. —Oh sim. Pobre criança. —Eu mordi meu lábio inferior.


—Então, você está indo para se jogar no pobre homem que provavelmente ainda está em luto pela morte de sua esposa? Jack perguntou com um sorriso. Eu bati em seu braço e fui embora. Nós paramos no apartamento de Jack primeiro para que ele pudesse trocar de roupa antes de ir para casa dos meus pais. Não fazia sentido ele nos levar para casa, voltar para se trocar e depois voltar para nos pegar. Eu disse a ele que iríamos encontrá-lo lá, mas ele insistiu em nos conduzir. Eu tinha chamado minha mãe antes para deixá-la saber que Jack estaria vindo. Ela parecia emocionada porque ela queria lhe agradecer por cuidar de Hope, mais estava morrendo de vontade de conhecê-lo. Quando nós nos sentamos à mesa comendo o jantar, Nick e a minha mãe conversaram com Jack como se o conhecessem há anos. Era estranho, mas bom de ver ao mesmo tempo. Quando o jantar acabou, Nick, Hope e Jack foram até a sala, enquanto minha mãe e eu limpamos a cozinha. —Ele é um homem tão bom. Nada como você fez parecer. —Contanto que você não trabalhe para ele, ele é eu acho. —Ele adora Hope. —Eu sei que ele faz. —Então, não há realmente nada acontecendo entre vocês dois? —Não. Não há. Jack e eu somos apenas amigos. Na verdade, eu entrei em um site de namoro. —O quê? Eu não acho que é seguro, Lorelei.


—Tenho que sair e começar a namorar de novo, mamãe, e é difícil conhecer

alguém

quando

você

simplesmente

não

pode

ir

aleatoriamente, porque você tem um filho para cuidar. —Podemos tomar conta se você quer sair. Você sabe disso. —Eu sei, mas eu me sentiria culpada por apenas sair para o inferno dele para tentar encontrar um cara. Hope correu para a cozinha. —Vamos, mamãe. É hora de ir buscar os doces ou travessuras! —Ela sorriu. Eu coloquei meu casaco e nós três saímos pela porta. Enquanto Hope estava ocupada correndo para as casas das pessoas, Jack e eu estávamos na calçada esperando por ela. —Diga-me porque você me disse que odiava crianças?— Eu disparei. Ele olhou para mim por um momento e em seguida, olhou para frente. —Eu não odeio crianças, Lorelei. Eu não sei como explicar isso. Crescer com Kit foi difícil. Ela nos culpou por tudo, incluindo a separação de seus três primeiros casamentos. Quando lhe é dito tantas vezes, você começa a acreditar. Lembro-me de estar sentado no meu quarto uma noite e eu ouvi ela e Peter, seu segundo marido, argumentando. Ele disse a ela que ela deveria enviar Coco e eu para um colégio interno, porque tínhamos acabado de ficar no caminho de seu relacionamento e as coisas seriam melhores se não estivéssemos em torno. —Isso é horrível. Ela não te mandou embora, ela fez? —Não. Mas ela nos mandou para viver com nossa avó por todo o verão depois que foram casados. Esse foi o compromisso que eles fizeram. Eu sempre me senti como um fardo para minha mãe e seus


relacionamentos. Peter não era muito bom para nós. Na verdade, ele me bateu um par de vezes e me disse que Coco e eu estávamos arruinando seu relacionamento e desejava que fossemos embora. Vamos apenas dizer que ele e o álcool eram melhores amigos. —Oh meu Deus, Jack. Quantos anos você tinha? —Eu tinha doze anos na época. Minha mãe nos culpou pelo meu pai ter saindo porque ela não podia aceitar o fato de que ele não poderia lidar com a sua carreira. Nada é culpa dela. Então, quando Peter a deixou, é claro que ela nos culpou. Ela disse que fomos desobedientes e ela deveria ter ouvido ele e nos mandado embora. Eu me odiava naquela época, porque ela era minha mãe e eu acreditei nela. —Você não acredita, agora, não é?— Perguntei. —Não. Ela era a culpada por todos os seus casamentos fracassados. Mas, no fundo da minha mente, cada vez que eu via uma criança, eu iria pensar em minha infância e as coisas que foram ditas para mim. —Alguma vez você procurou fazer terapia? Ele riu. —Não. Mas talvez eu devesse ter. E você? —Meu pai faleceu quando eu tinha dez anos. Minha mãe conheceu Nick quando eu tinha quinze anos e ela se casou com ele quando eu tinha dezesseis. —Ele parece ser um cara ótimo— disse Jack. —Ele é, e fez muito por nós. Não foi até depois do funeral de Brett que eu lhes disse que estava grávida. Minha mãe estava sentada em sua cadeira de balanço e chorou por horas, mas Nick era a voz da razão e lhe disse que éramos uma família e nós iriamos passar por isso.


—Eu realmente sinto muito sobre o pai da Hope. Eu quero que você saiba disso. —Obrigada. — Eu coloquei brevemente minha cabeça em seu ombro. Após uma caminhada em torno de algumas quadras, Hope nos disse que estava cansada e queria ir para casa. Jack a levantou e a levou de volta para casa dos meus pais. Observando-o com ela era agridoce. Depois de verificar todos os doces de Hope e comer um par de pedaços, nos despedirmos dos meus pais e voltei para o meu apartamento. —Você tem planos para este fim de semana?— Perguntei-lhe com esperança de que ele não tivesse e talvez nós três pudéssemos fazer algo. —Na verdade, eu tenho um encontro amanhã à noite. —Oh. — Meu coração começou a doer. —Isso é bom. —E você? —Não há planos realmente. Apenas sair com Hope. Ele não disse uma palavra e nem eu fiz, depois de ouvir que ele estava indo para um encontro. Tony parou em frente ao meu prédio e Jack levou Hope até o apartamento e a colocou na cama. —Mais uma vez obrigada por ter vindo esta noite. Eu sei que isso significou muito para Hope. —De nada. Obrigado por me convidar. Tenha um bom fim de semana, Lorelei, e eu vou ver você na segunda-feira. —Boa noite, Jack.


Eu fechei a porta e me encostei a ela. O pensamento dele ir para um encontro amanhĂŁ Ă noite me fez doente e me deixou com raiva. Deveria ser eu quem ele estava levando para um encontro, mas eu estraguei essa chance.


Lorelei Era segunda-feira de manhã e à mesma rotina começou tudo de novo. Andei até escritório de Jack, e lhe entreguei o copo de café. —Bom dia, Lorelei. Como foi o seu final de semana? —Foi ótimo. Hope e eu fizemos algumas compras. Tivemos um grande momento — eu menti. Eu não estava prestes a lhe dizer que eu fiquei todo o fim de semana envolvida na auto-piedade. —Bom. Fico feliz em ouvir isso. —Como foi o encontro? —Foi bom. Nós tivemos um grande momento. Meu sangue estava fervendo, porque eu tinha certeza que ele dormiu com ela. O pensamento dele com outra mulher me fez querer rastejar em um canto e me esconder. Eu não poderia ajudar as próximas palavras que saíram da minha boca. —Você precisa de mim para correr a uma loja e lhe comprar mais alguns preservativos? Ele riu. —Não. Tudo bem. Eu ainda estou abastecido, desde que você me comprou as dez caixas. —Devo enviar para esta mulher algumas flores por você? —Não. Por que eu iria lhe enviar flores?


—Eu não sei. Eu só estava perguntando. Geralmente, se o encontro é bom, o cara manda flores. —Ele faz? —Bem, pelo menos eles fazem nos filmes. Ele riu. —Eu não preciso de você para fazer qualquer uma dessas coisas, mas quando as lojas abrirem, eu preciso que você vá para a Banana Republic. Eu vou fazer uma lista das coisas que eu preciso que você pegue. —OK. A propósito, sua mãe já vai voltar de Paris? —Ela decidiu que iria ficar um par de semanas extras. Parece que ela encontrou alguém lá. —Bom para ela. — Eu balancei a cabeça e sai do seu escritório. Algumas horas mais tarde, Stella me ligou. —Olá. —Ei. Então, não me odeie. —O que você fez?— Eu suspirei. —Primeiro, me prometa que não vai me odiar. —Eu não vou te odiar, Stella. —Então, eu posso ter entrado em sua conta no Match e fiz alguns ajustes no seu perfil. —O QUÊ! Por que você faria isso e como você sabia a minha senha? —Você usa a mesma senha para tudo. Apenas ouça. Esse cara veio e eu acho que é perfeito para você.


—Continue. —Ele tem vinte e oito anos e nunca foi casado. Ele está em gestão de negócios, e espere a melhor parte: ele adora crianças. Acho que você deveria pelo menos encontrá-lo, Lorelei. —Eu não sei Stella. — Eu gemia. —Olha, você disse que era hora de sair para o mundo do namoro. Então aqui está a sua oportunidade. Ele parece ser um cara ótimo. Diversão e de saída. —Como você sabe disso? —Podemos ter conversado online um pouco e eu fingi que era você. —STELLA! —Ele mal pode esperar para conhecê-la na sexta-feira à noite. —OH MEU DEUS! Você marcou um encontro? —Sim eu fiz. Lembrem-se, não me odeie. Eu te amo e você é como minha irmã. Eu não podia acreditar que ela marcou um encontro para mim com um estranho aleatório online. Mas, novamente, era Stella. Eu não sabia se eu poderia ir até o fim. —Eu não sei, Stella. Estou com medo. —Ele é tão romântico. Ele quer te conhecer no deck superior do Empire State Building. Em algum lugar público, onde há um monte de gente, assim você vai se sentir mais confortável. Disse-lhe que era muito doce da parte dele.


—Obrigada. Eu aprecio você lhe dizendo. Como diabos eu vou saber o que estou procurando? E, a propósito, com quem esse cara se parece? —Ele vai ser o homem alto, moreno e bonito segurando uma única rosa vermelha. Eu já lhe disse que sim, então você está o encontrando às oito horas. A coisa boa é, se você não gostar dele ou não clicar, você pode sair. Você não tem que ir para o jantar ou qualquer coisa. Você pode ir para casa e ter algum tempo para si mesma. Hope vai passar a noite na minha casa. Sebastian vai estar fora da cidade em uma despedida de solteiro, então ela e eu podemos ter uma noite das meninas juntas. Se eu não pegar essa chance agora, eu nunca poderia. Se Jack poderia ir a um encontro, então eu também poderia. Não posso ficar sentada ansiando pelo homem que deixou muito claro para mim que nós éramos apenas amigos. —Bem. Eu irei. Qual é o nome desse cara? —Hurra! Eu sabia que você iria. Seu nome é Aiden. Depois de desligar com Stella, eu entrei no escritório de Jack. Eu estava esperando que dizer a ele que eu estava indo a um encontro iria enfurecê-lo, mas eu estava errada. —Parece que eu tenho um encontro sexta à noite. Ele olhou para mim e sorriu. —Bom para você, Lorelei. Preciso ter esse sujeito verificado para você? —Não. Tudo bem, Jack. —Se você mudar de ideia, me deixe saber. — Ele piscou. Ele e suas piscadas malditas. Eles enviaram vibrações as minhas áreas mais sensíveis.


Minha barriga estava uma pilha de nervos quando eu escorreguei no meu vestido de alcinhas slim-fit preto. Fiz alguns cachos nas pontas do meu cabelo e levemente os puverizei. —Bem, como eu estou?— Eu perguntei a Hope, que estava sentada na minha cama. —Você está linda, mamãe. Aonde você está indo de novo? —Apenas saindo com um amigo. Nada demais. —Você vai sair com Jack?— Ela perguntou. —Não, querida. Eu não estou saindo com Jack. —Quando eu posso vê-lo de novo? —Eu vou ligar para ele no fim de semana e ver se ele quer sair. —Ok. — Ela sorriu. Eu ouvi a porta aberta, e quando eu saí do quarto, Stella parou em seu caminho. —Ah. Olhe para você. Está linda. Aiden não vai saber o que o atingiu. —Obrigada. Eu ainda estou com raiva de você. —Não, você não está. Agora pegue seus sapatos e saia daqui. Você não quer se atrasar ou o pobre rapaz vai pensar que você fez. Eu dei a Hope um abraço e um beijo de despedida. —Vejo você amanhã. Divirta-se com tia Stella esta noite.


—Eu irei. Ela vai me dar uma mani/pedi10 e em seguida, me ensinar a fazer, não é comprar, uma bolsa de grife. Olhei para Stella e revirei os olhos antes de dar-lhe um beijo na bochecha.

Cheguei ao Empire State Building aproximadamente as sete e cinqüenta e cinco. Pegando o elevador até o deck superior, eu senti como se estivesse indo para vomitar. Meu estômago estava torcido e eu podia sentir a ansiedade chutando. Eu tomei respirações lentas e profundas para tentar me acalmar. Era ridículo estar nervosa. Ele era apenas outra pessoa. Nós éramos apenas duas pessoas se encontrando pela primeira vez. Eu conhecia pessoas todos os dias e isso não era diferente. E daí se ele era da espécie masculina? Como Stella disse, se eu não gostasse dele ou não clicasse imediatamente, eu poderia sair. Nenhum dano. Nós iriamos apenas nos separar como se nós nunca tivéssemos nos encontrado. As portas do elevador se abriram e eu fiz meu caminho para fora com a multidão de pessoas, olhei em volta para o homem alto, moreno e bonito que segurava uma única rosa vermelha. Talvez ele tenha se atrasado. Eu só podia esperar. De repente, ouvi uma voz baixa por trás. —Olá, Lorelei. Eu estava congelada no lugar por um segundo antes de me virar. Meu coração estava disparado na velocidade da luz. Quando me virei e olhei para o homem segurando uma única rosa vermelha, eu engasguei.

10O

ato de obter uma manicure e uma pedicure ao mesmo tempo.


—Jack?— Eu levantei minha cabeça. —O que você está… —Eu sou seu encontro para esta noite e esperançosamente, todas as noites. — Ele sorriu. Lágrimas começaram a encher meus olhos. —Como você… Ele me entregou a rosa vermelha e em seguida, passou o polegar na minha bochecha. —Eu fui capaz de fazer isso com a ajuda da Stella. Engoli em seco. —Então você é Aiden? O cara de gestão de negócios de vinte e oito anos de idade, que adora crianças? —Sim. Stella veio com isso. Você está louca? —Não. Claro que não. Estou aliviada que você não é um estranho, mas eu não entendo. —A única coisa que você precisa entender agora, neste momento, é que eu quero estar com você e só você. — Seus olhos azuis olharam para os meus. —Mas você disse que só queria que fossemos amigos e que você estava em um encontro. —Eu sei o que eu disse, mas era tudo parte do plano, e eu nunca fui a qualquer encontro. Eu só a levei a acreditar que este plano iria funcionar. —Por que você passou por tudo isso? —Porque, Lorelei, eu queria começar de novo. Um novo começo. Eu já tinha te machucado uma vez e você deixou isso muito claro para mim. Mas eu prometo, se você me der outra chance, eu nunca vou te machucar novamente. Naquela noite que eu deixei a cobertura, a noite que Hope ficou doente, eu saí com alguém, mas apenas para jantar.


Depois que terminei de comer, eu a mandei para casa e fui me sentar em um bar porque eu não conseguia parar de pensar em você. Você está na minha mente 24 horas e quando eu não estou com você, eu me sinto sozinho. Pela primeira vez na minha vida, eu me sinto sozinho. Tudo o que eu estou pedindo é uma segunda chance para mostrar que eu posso ser o seu príncipe encantado, porque, Lorelei, você é minha Cinderela. —Ele sorriu enquanto nossos olhos ficaram trancados um no outro. Uma lágrima caiu dos meus olhos e ele gentilmente a limpou com o polegar. Eu estava atordoada, mas feliz para além das palavras. —Oi, eu sou Lorelei Flynn.— Eu sorri. —Olá, senhorita Flynn. Eu sou Jack Sutton. —É bom conhecer você, Jack. Eu acho que você deve saber, se você quer ter um relacionamento comigo, que eu tenho uma filha de sete anos de idade e seu nome é Hope. —Você está com sorte, porque acontece que eu adoro crianças.


Jack Ela colocou os braços em volta do meu pescoço enquanto eu a puxei para mim. Segurando-a em meus braços me senti tão bem e tão certo. Eu quebrei o nosso abraço e suavemente escovei meus lábios contra os dela, recuperando o que era meu, mais uma vez. —Então, isso significa que você vai namorar comigo?— Perguntei. —Sim, Jack, eu adoraria namorar com você. —Obrigado, Lorelei. Você não tem idéia do quão feliz você me faz. —Eu a segurei com força. —Vamos; vamos sair daqui. —Onde estamos indo? —Você vai ver. — Eu sorri enquanto a beijei novamente e nós entramos no elevador. Tony parou no Trump e Lorelei olhou para mim. —O hotel do nosso primeiro encontro? Eu ri. —Na verdade, eu fiz reservas para o jantar no restaurante chamado Jean Georges. —Oh. Eu pensei que talvez você tivesse reservado uma suíte, porque você sabe que eu não vou para cama no primeiro encontro. —E eu, sendo o cavalheiro que eu sou nunca teria esperado isso de você.


Logo que estávamos sentados no interior do restaurante, à garçonete de cabelos loiros veio. —Boa noite. Bem-vindos ao Jean Georges. Posso começar com uma bebida? —Nós vamos ter uma garrafa de seu melhor champanhe, por favor. —Muito bem, senhor. — Ela sorriu. —Você está comemorando algo especial esta noite? —Sim, como uma questão de fato, nós estamos. Estamos celebrando a primeira noite de uma relação bonita. —Eu a alcancei sobre a mesa e coloquei minha mão na de Lorelei. —Ah, isso é tão doce. Vou pegar esse champanhe para vocês. Quando o champanhe chegou, eu levantei a minha taça para Lorelei. —Para o novo começo de nós. Eu adoro você, Lorelei, e eu planejo fazer de você uma mulher muito feliz. —Eu adoro você também, Jack, e você já me faz a mulher mais feliz do mundo. — Ela trouxe a taça para a minha. O que Lorelei não sabia era que eu, de fato, reservei uma suíte. Eu não tinha planos de fazer sexo com ela porque eu queria esperar até que ela estivesse pronta. Mas eu fiz planos de passar a noite com ela e a segurando em meus braços. Isso seria bom o suficiente para mim por agora. Depois que terminamos de comer, eu me levantei da cabine e estendi a mão para ela. Uma vez que entramos no lobby do hotel, eu parei e coloquei minhas mãos em sua cintura.


—Escute, eu tinha reservado uma suíte, mas não para sexo. Você precisa confiar em mim sobre isso. Tudo que eu quero é passar a noite com você. Sem sexo incluído. Apenas nós dois abraçados durante toda a noite e conversando. Eu não vou pressioná-la para qualquer coisa que você não queira fazer. —Não poderíamos ter feito isso em sua cobertura?— Ela sorriu. —Nós poderíamos, mas eu pensei que a suíte era um pouco mais sobre o lado romântico. Além disso, vamos estar gastando muito tempo na minha casa de qualquer maneira. —Oh. É isso mesmo, Sr. Sutton? Eu a puxei para perto de mim e beijei seus lábios. —Sim. É isso mesmo, senhorita Flynn. —OK. A suíte será. —Ela sorriu. Pegamos o elevador até o último andar e entramos na suíte, que foi preenchida com arranjos de rosas vermelhas, champanhe e morangos com cobertura de chocolate. —Este lugar é tão bonito, — Lorelei falou enquanto ela cheirava as rosas que estavam sobre a mesa. —Não tão bonita como você é. — Eu passei meus braços em torno de sua cintura por trás e beijei sua bochecha. —Posso lhe servir uma taça de champanhe?— Perguntei. —Não. Mas você pode me levar para o quarto e fazer amor comigo — ela falou quando se virou e me encarou. —Você está falando sério? Você não está brincando comigo, não é?


Ela soltou uma risada clara. —Não, Jack. Eu não estou brincando com você. Eu não quero nada mais do que sentir você dentro de mim. —Eu pensei que você não ia para cama no primeiro encontro. —Eu normalmente não. Mas você é a exceção à minha regra. Rosnei quando fui buscá-la e a levei para o quarto. Há deitei sobre a cama, eu chutei meus sapatos e sai da minha camisa. Pairando sobre ela, eu corri a palma da minha mão pelo seu rosto. —Você não tem idéia do quanto eu senti falta disso, de nós. —Eu tenho uma idéia, porque eu também senti. Meus lábios varreram sobre seu pescoço enquanto minha mão tomou o lugar entre as coxas e percorriam o vestido até que meus dedos alcançaram o tecido de sua calcinha. Eu já podia sentir a umidade que escapou dela, e enviou meu pau em um frenesi. Alcançando ainda mais, eu puxei com sucesso sua calcinha para baixo com uma mão e deixei meus dedos percorrem sua área lisa. Gemidos escaparam de nós dois quando eu mergulhei meu dedo dentro dela. —Deus, eu senti falta disso— eu gemi. —Eu também, Jack. Eu também. Nossos lábios se enroscaram um com o outro, movendo-se em sincronia quando nossas línguas se encontraram e dançaram com o mesmo ritmo. Mergulhei outro dedo. Ela engasgou enquanto eu a explorei. Ela jogou a cabeça para trás e minha língua deslizou através de sua pele macia. Sua respiração se tornou superficial e seus gemidos ficaram mais altos. —Você vai gozar, baby? —Sim, não pare, Jack. Não pare.


—Eu nunca vou parar de fazer você se sentir bem. Um gemido final e eu senti a umidade escorrer pelos meus dedos. —É isso aí. Goza para mim. Mostra-me o quão bom eu faço você se sentir. Uma vez que ela desceu do seu orgasmo, me levantei e rapidamente tirei minha calça. Sem fôlego, Lorelei se levantou diante de mim enquanto eu abria o zíper de seu vestido, o deixando cair no chão. Desenganchei o sutiã sem alças, eu o joguei para o lado, quando as minhas mãos apertaram firmes sobre seus seios redondos bonitos. Enquanto eu levei seu seio em minha boca, eu coloquei meu braço em torno dela na parte inferior das costas e a baixei sobre a cama. Minha boca explorou os seios, tendo cada um de seus mamilos endurecidos na minha boca antes de beijá-la para baixo em seu torso até chegar a sua buceta. Minha boca a devorava lenta e sedutoramente. Minha língua circulou seu clitóris, enviando seu corpo em um frenesi. Eu a provocava com a minha língua, circulando ao redor de seu ponto mais sensível até que ela deu lugar a outro orgasmo. —Jesus, Jack. Oh meu Deus — ela gemia. Eu sorri enquanto pairava sobre ela. —Eu tenho que colocar um preservativo. — Eu beijei seus lábios. Quando eu comecei a me levantar, ela me parou. —Sem preservativos. Por favor. Eu quero sentir a sua pele contra a minha. —Você tem certeza, querida? Eu não vou ser capaz de gozar dentro de você. —Sim você pode. Estou tomando pílula. Tenho estado há anos.


Eu arqueei minha sobrancelha para ela com surpresa. —Você nunca me disse que estava tomando pílula. —Eu pensei que você gostava de preservativos, então eu não disse nada. —Deus, Lorelei, eu odeio essas malditas coisas. Mas eu os uso para proteção contra todos os tipos de coisas. —Eu sei. Mas você não precisa se preocupar com isso comigo, agora, não é? —Ela sorriu. —Não, eu não faço. Você não tem ideia do quão feliz você acabou de me fazer de novo. —Eu beijei a ponta do seu nariz. Meu pau duro já estava entre suas pernas e eu não hesitei em empurrar dentro dela. O calor envolveu em torno de mim quando eu soltei um gemido de puro prazer. Empurrando dentro e fora dela repetidamente, a pressão começou a construir para nós dois. Suas mãos repousavam sobre minhas costas enquanto suas unhas cravaram em minha pele, quando ela gozou novamente. Eu não podia segurar mais quando eu empurrei profundamente dentro, diminuindo o meu ritmo assim que eu derramei cada gota dentro dela. —Porra, Lorelei. Oh foda-se! —Eu gemia de prazer puro. Quando eu desmoronei em cima dela, eu podia sentir seu coração batendo tão rápido quanto o meu estava. Eu não queria me mover, porque eu não podia suportar deixá-la ir, então eu só estava lá em cima dela até a nossa respiração voltar ao normal e as nossas taxas do coração abrandarem. —Eu receio que eu não consiga me mexer. Você parece ter me paralisado. —Eu sorri quando olhei para seu rosto sorridente. —Engraçado, me sinto da mesma maneira.


Eu consegui encontrar a força para puxar para fora dela e rolar sobre minhas costas. Agarrando a mão dela, eu a trouxe até meus lábios. —Eu estou apaixonado por você, Lorelei. — Virei à cabeça e olhei para ela. Um sorriso brilhante cruzou seus lábios. —Eu estou apaixonada por você também, Jack. — Ela trouxe a outra mão até minha bochecha. —Realmente? —Sim. Eu estou. Eu só não queria admitir isso, porque eu estava com medo. —Você não tem que ter medo de novo, baby, porque eu sempre vou fazer você se sentir segura, querida e amada. Eu te amo e sempre vou te amar. Seus belos olhos olharam nos meus enquanto ela se inclinou para perto de mim e beijou meus lábios. —Eu também te amo, Jack. —Sua mão correu pela minha bochecha. —Gostaria de tomar um bom banho quente juntos? — Perguntei. —Eu adoraria. Saí da cama e entrei no banheiro para preparar a água do banho. Lorelei nos serviu um pouco de champanhe e trouxe as taças para o banheiro.


Lorelei Jack entrou na banheira primeiro e estendeu a mão para mim. Colocando minha mão na sua, eu entrei e coloquei minhas costas contra seu peito musculoso. Ele envolveu um braço em volta de mim enquanto me entregou uma taça de champanhe. —Eu tenho uma pergunta para você. É algo que está me incomodando há algum tempo. —O que é isso, baby? Você pode me perguntar qualquer coisa. —Quem era aquela mulher que estava com você em Paris? —Que mulher? —Eu vi uma foto de vocês dois on-line na varanda do seu quarto de hotel. Vocês estavam bebendo café e usando roupão. —Essa era a minha prima, Meredith. Ela estava na semana de moda e seu quarto era ao lado do meu. Ela deu um passo para fora da porta de manhã para pegar o jornal e a porta se fechou. Ela bateu na minha porta porque os nossos quartos eram interligados e nós acabamos tomando café e conversando. Você achou que eu dormi com ela? —Bem, sim. O que você pensaria se você visse uma foto minha com um cara em nossos roupões na varanda? —Verdade. Por que você não me perguntou sobre ela quando você viu a foto?


—Porque não era da minha conta. Nós ainda não tínhamos dormido juntos nesse ponto. —Sinto muito que você pensou e levou essa pergunta com você todo esse tempo. Deus, o que você deve ter pensado de mim. Eu ri. —Eu pensei algumas coisas muito ruins sobre você. —Tenho certeza que você fez. Então, quando é que vamos dizer a Hope que estamos namorando? —Nós podemos dizer a ela amanhã. Ela sente falta de você, Jack. Ela perguntou hoje, quando ela podia vê-lo novamente e eu disse a ela que eu iria te ligar para ver se você queria sair no fim de semana. —Eu quero sair com vocês duas todos os dias. Eu amo a sua garotinha, Lorelei. Eu posso honestamente dizer que ambas mudaram a minha vida. —E você mudou nossas vidas, Jack. —Eu quero levar você e Hope para uma viagem. — Ele suavemente acariciou meu braço. —Onde? —Disney World. Olhei para ele em choque. —Você percebe que este lugar está cheio de crianças, certo? Ele riu. —Sim, eu percebo isso. Hope iria adorar. Especialmente o castelo da Cinderela. Eu nunca estive lá. Nossas férias quando estávamos crescendo sempre consistiram em Havaí ou as Ilhas Virgens. Mônaco, Aruba, Bahamas. —Ok. — Eu ri. —Isso realmente soa como uma infância incrível.


—Estava tudo bem. Mas eu nunca cheguei à experiência da Disney World como a maioria das crianças. Então, eu quero ir. —Eu sempre quis levar Hope lá, mas eu nunca poderia pagar. —Bem, agora você não precisa se preocupar com isso. Eu estava olhando as coisas on-line e você sabia que você pode tomar café da manhã com as princesas? Hope iria adorar isso. —E você sabe que você tem que reservar com pelo menos um ano de antecedência?— Eu sorri enquanto eu me virei e o montei. Ele ergueu a mão e empurrou meu cabelo atrás da minha orelha. —Não se preocupe com isso. Hope terá o café da manhã com as princesas. Eu vou ter certeza disso. Eu sorri enquanto eu trouxe meus lábios nos dele. —Eu sei que você vai.

Na manhã seguinte, Jack e eu fizemos amor um par de vezes antes de descer para o café da manhã. Eu puxei meu celular da minha bolsa e notei uma mensagem de texto de Stella. Não precisa me agradecer. Você é bem-vinda e eu também te amo! Eu sorri e mostrei a mensagem de texto para Jack. —Quando vocês dois planejaram tudo isso e como? —Encontrei com a Stella na Bloomingdale quando eu estava pegando meu terno. Ela estava à procura de um suéter para Sebastian. Começamos a conversar e depois fomos tomar um café. Nós planejamos isso de lá. —Ele piscou.


Subimos para a limusine e voltamos para o meu apartamento, onde esperamos Stella trazer Hope para casa. Assim que ela entrou pela porta, ela viu Jack e correu para ele. —Jack! O que você está fazendo aqui? —Sua mãe me disse que queria sair, por isso estou aqui. Ela riu quando ele bateu em seu nariz. —Eu estou indo agora. — Stella piscou para nós dois. —Chameme mais tarde, Lorelei. —Eu irei. Obrigada mais uma vez. —Fui até lá e a abracei. Quando ela saiu, nós nos sentamos com Hope no sofá. —Há algo que preciso te dizer, Hope— eu disse quando eu passei a mão pelo cabelo. —Espero que seja que vocês dois estão namorando!— Ela exclamou em emoção. —Estamos Hope— Jack respondeu com um sorriso. —SIM! Eu sabia. Eu sabia que você nunca iria desistir, Jack. Nós dois olhamos para ela em estado de choque. —O que você quer dizer?— ele perguntou a ela. Ela se virou para ele e colocou ambas as mãos pequenas em suas bochechas. —Você é o Príncipe Encantado Jack, e o Príncipe Encantado nunca desistiu. Não só formaram lágrimas nos meus olhos, mas Jack se tornou aguado também. Ele puxou-a para ele e lhe deu um abraço apertado.


—Você é uma menina especial. Você gostaria de ir a Disney World? Os olhos de Hope se arregalaram quando ela olhou para mim e depois para Jack. —Você está falando sério, Jack? Porque não é bom brincar com as emoções de uma menina. Jack e eu caímos na gargalhada ao mesmo tempo. —Eu estou falando muito sério, Hope Flynn, e eu nunca iria jogar com as emoções de uma menina. —SIM! Quando. Quando. Quando é que vamos? —Eu estava pensando em um par de semanas, logo após o dia de Ação de Graças. —Você é o melhor, Jack. Podemos ir, mamãe? Por favor! —Claro que podemos ir. — Eu sorri enquanto fazia cócegas nela. —Então eu acho que é melhor eu começar a reservar esta viagem— disse Jack. —Você não quer que a sua PA lide com isso para você? —Nah. Isso é algo que eu quero fazer tudo por minha conta. —Ele sorriu quando ele se inclinou e me beijou.


Jack A Ação de Graças estava ao virar da esquina e assim era a nossa viagem para a Disney World. Passei os fins de semana no apartamento de Lorelei, mas durante a semana, gostava de pegá-la e Hope. Nós íamos de carro para a escola de Hope, parávamos no Starbucks juntos para o nosso café da manhã, e em seguida, íamos para o escritório juntos. Nós ainda saíamos com Garrett e Coco e Stella e Sebastian. Coco e eu convencemos a nossa mãe que estava na hora dela se aposentar. Dissemos a ela que se ela não fizesse, nós dois estaríamos deixando a empresa e começaríamos algo nosso, que eu ainda queria fazer, mas em vez disso, decidimos que seria do melhor interesse da empresa para incorporar uma divisão chamada Lorelei Designs. Com as nossas ligações e ajuda, as roupas de Lorelei estariam em lojas de todo o mundo. A única coisa ruim sobre isso era que Lorelei não iria ser capaz de ser minha PA. Garrett suspirou quando ele se sentou em frente a minha mesa. —Aqui vamos nós de novo, Jack. —As coisas serão diferentes desta vez, Garrett. Claramente, você pode ver que eu sou um homem mudado. —Eu pisquei. Lorelei sentou ao lado dele e riu.


—Quando você tiver uma lista de potenciais candidatos, eu gostaria de assistir as entrevistas— ela falou. —Dessa forma, eu posso ajudá-lo a decidir quem vai ou não ser um bom ajuste para Jack. —Soa como uma boa ideia para mim. — Garrett sorriu. —Eu vou começar a trabalhar em algumas entrevistas e eu vou deixar você saber. Passamos a Ação de Graças na casa dos pais de Lorelei. Coco e Garrett passaram o feriado com a família de Garrett em Tribeca. Quanto à minha mãe, ela voou de volta para Paris. Ela nos disse que desde que ela estava se aposentando do negócio, ela provavelmente iria se mudar para lá desde que foi onde conheceu Jacque. Isso foi música para os meus ouvidos. Eu realmente só queria que ela fosse feliz e se Jacque a faz feliz, me fez feliz e a Coco.

Chegamos ao Grand Floridian e fomos escoltados para a suíte de dois quartos que eu reservei para nós. Dois quartos era uma necessidade, se Lorelei e eu queríamos um tempo sozinho junto. A expressão de felicidade que se abateu sobre Hope foi a melhor coisa que eu já vi. Ela estava tão feliz e animada por estar na Disney World. Eu tinha uma surpresa para ela e era algo que até mesmo Lorelei não sabia. Quando estávamos nos acomodando no quarto, houve uma batida na porta. —Hope, você pode responder a isso por favor? — Perguntei. —Eu posso obtê-lo Jack, — Lorelei falou. —Não, querida. Deixe-a responder. —Eu sorri. —O que você fez?— Ela perguntou, estreitando seus olhos para mim.


—Nada. Hope abriu a porta e gritou quando viu a Cinderela parada lá. —Olá, pequena princesa. Você é Hope? —Sim. Eu juro que ela ia chorar. —Eu sou Cinderela. É tão bom te conhecer. Eu estou aqui para levá-la para o almoço, em seguida, passar algum tempo com você e lhe mostrar todo o meu castelo. —Ela estendeu a mão para ela. Hope estava ali, congelada por um momento, e em seguida, virouse para mim e Lorelei com a boca aberta, e apenas sem palavras foram saindo. —Vá com Cinderela, Hope. Nós estaremos bem atrás de você. — Eu dei-lhe um sorriso. Segurei a mão de Lorelei, e quando nós seguimos atrás delas pelo corredor, Lorelei sussurrou em meu ouvido. —Como diabos você conseguiu isso? Oh meu Deus, Jack. Você viu o olhar em seu rosto? —Eu fiz algumas chamadas. Nada demais. E sim, eu pensei por um minuto que ela fosse desmaiar. —Quanto é que isso custou para você? —Você não quer saber, baby. Você não quer saber. Ela enganchou seu braço em volta do meu e beijou meu rosto. Não havia nenhum preço muito alto para a felicidade das minhas meninas.


Tivemos um almoço privado com a Cinderela e depois, ela nos mostrou todo seu castelo. Foi uma viagem maravilhosa e valeu a pena cada centavo gasto.

Natal tinha ido e vindo e foram as melhores férias de Natal que eu já passei na minha vida inteira. A primavera estava chegando e o aniversário de Lorelei era hoje. —Para onde estamos indo?— Perguntou ela quando estávamos sentados no banco de trás da limusine. —Você vai ver quando chegarmos lá. — Eu trouxe a sua mão até os meus lábios suavemente e a beijei. Tony puxou para o meio-fio a 110 E. 64th Street e Lorelei olhou pela janela. —O que você está fazendo aqui? —Você vai ver. — Eu sorri enquanto eu agarrei a mão dela e nós três saímos da limusine. Nós pisamos através dos negros portões de ferro forjado e através das belas portas de vidro que levaram para uma casa de 6.300 pés quadrados. —Uau. Isso é lindo. Quem vive aqui? —Lorelei perguntou quando ela olhou ao redor do foyer. —Eu estou esperando que nós o façamos. Nós três. Ela riu e eu fiz uma careta. —O que quer dizer, Jack?


—Feliz aniversário baby. Seus olhos se arregalaram quando ela olhou para mim. Segurei as duas mãos. —Eu te amo tanto, Lorelei, e eu quero que este seja o nosso lar. Mas só se você gostar dela. Vamos; Eu estava morrendo para mostrarlhe este lugar. —Jack, eu não sei o que dizer. —Mamãe, venha olhar isso. Tem um elevador! — Exclamou Hope. —Eu estarei lá, baby. Tomei Lorelei em uma excursão do condomínio de seis andares. A expressão no rosto dela me encheu de alegria enquanto ela entrava no quarto. Hope correu pela casa como se ela já tivesse feito seu castelo. —Você gosta dele, Lorelei? —Eu amo isso, Jack. — Ela jogou os braços em volta de mim e me abraçou apertado. —Eu te amo! Eu não posso acreditar que você fez isso. —Isso significa que você vai dizer sim para viver aqui? —Sim. Sim. Sim! — Ela falou com emoção. Abaixei-me e dei a Hope um high-fived11. Lorelei estreitou os olhos para nós dois. —Será que ela já sabia sobre isso? —Sim, mamãe, eu fiz. Jack me trouxe aqui no outro dia. Ele me explicou que, se você dissesse que gostava, então isso significa que eu

11Saudação

de “Toca aqui”


teria que mudar de escola, o que é bom para mim! Eu amo esta casa. Eu já escolhi o meu quarto. —É perfeito, Jack. Elaine, a corretora de imóveis entrou na casa e me deu um sorriso. —Bem, Sr. Sutton? —Ela adorou Elaine. Ela adorou. —Excelente. Tudo que eu preciso é a sua assinatura nesta linha e a casa é sua. Eu peguei os documentos dela e os assinei no balcão da cozinha. —Bem-vindo ao seu novo lar. Mais tarde naquela noite, eu tive outra surpresa para Lorelei. Nós deixamos Hope na casa dos seus pais e em seguida, eu a levei para o último andar do Empire State Building. —Por que estamos aqui?— Perguntou Lorelei. —Por que você tem que fazer tantas perguntas? Basta ir com o fluxo, baby. Basta ir com o fluxo. —Eu beijei seus lábios. Quando saímos do elevador, eu levei Lorelei para fora até a esquina para olhar para a cidade iluminada. —É tão lindo aqui em cima— ela falou. —Não tão bonita como você é. — Eu alcancei dentro do meu bolso e segurei a pequena caixa azul nas minhas costas. —Você acredita em almas gêmeas, Lorelei?— Perguntei. —Sim. Você é minha alma gêmea, Jack.


—Você acredita em amor à primeira vista? —Sim. — Ela sorriu. —Por que você está me perguntando isso? Segurei a mão dela. —Porque foi amor à primeira vista quando eu vi você. Eu nunca tinha visto uma mulher mais bonita em toda a minha vida. Você é minha alma gêmea e você é a única pessoa que eu estou destinado a passar o resto da minha vida. —Oh, Jack. — Seus olhos começaram a se encher de lágrimas. —Eu te amo tanto amor. Eu nunca soube que era possível amar alguém tanto assim. Você abriu uma parte de mim que eu nunca soube que existia, e para isso, eu agradeço. Você e Hope fizeram minha vida completa e você me fez todo. Você, Lorelei Flynn, é o ar que eu respiro. Sem você, não haveria fôlego em mim. —Eu fiquei de joelhos e estendi a caixa aberta na frente dela. Ela colocou a mão direita sobre sua boca enquanto eu segurava sua mão esquerda. —Quer se casar comigo, Lorelei? Por esta altura, as lágrimas já escorriam pelo seu rosto enquanto ela balançou a cabeça. —Isso é um sim?— Eu ri. —SIM, Jack. Sim, eu vou me casar com você. Eu escorreguei o anel de ouro branco de dois quilates no dedo dela, a beijei e me levantei, a abraçando tão firmemente como eu podia. —Eu te amo tanto e eu prometo te dar o mundo. —Eu também te amo e você já me deu o mundo, Jack. Os clientes no deck superior começaram a bater palmas e nos felicitar quando nós entramos no elevador.


Lorelei

Era um dia perfeito de Setembro. Não só porque o tempo estava bom, mas porque também era o dia do meu casamento. Estes últimos seis meses foram extremamente ocupados com a mudança para a nova casa, o projeto de um vestido de noiva, e planejando todo o casamento perfeito. —Você está nervosa?— Stella perguntou enquanto ela fixava o meu véu. —Apenas um pouco. Pense; você estará fazendo isso também em menos de um ano. —Eu sei. Mal posso esperar. Já era hora de Sebastian cair em si e propor. Minha mãe entrou no quarto com Hope e seus olhos se encheram de lágrimas. —Mamãe. Não. Eu não posso ter você chorando no dia do meu casamento. Ela se aproximou de mim e pegou minha mão. —Estas são lágrimas de felicidade e você é minha filha, eu posso chorar se quiser. — Ela sorriu.


Graças, o planejador do casamento entrou no quarto e nos disse que era hora de começar a se alinhar para a cerimônia. Nós estávamos tendo uma cerimônia e recepção do sol no Farol do Chelsea Piers, que incluía mais de quinhentos convidados. Enquanto eu estava por trás das portas na borda do corredor branco, Nick me deu um aperto de mão. —Ele é um bom homem, Lorelei. —Eu sei que ele é. — Eu coloquei minha cabeça levemente em seu ombro. A música começou a tocar e Nick me levou pelo corredor para o meu em breve marido. Ele era a única pessoa que eu vi quando eu fiz meu caminho lentamente para ele. Ele parecia tão bonito e sexy em seu smoking preto e eu não podia esperar para me tornar sua esposa. —Você está tão bonita— ele sussurrou enquanto pegou minha mão de Nick. —Você também. A cerimônia foi perfeita, Hope entregando a Jack o meu anel de casamento. Uma vez que a cerimônia terminou, fomos para a recepção, onde cumprimentamos os nossos clientes, bebemos, comemos uma comida incrível e dançamos a noite toda. Quando Jack e eu estávamos conversando com Garrett e Coco, Hope veio e puxou o smoking de Jack. —O que foi, baby?— Ele perguntou conforme se ajoelhou. —Eu tenho uma pergunta. —OK. Atire. —Posso te chamar de papai em vez de Jack agora? Engoli em seco e Coco colocou a mão no meu braço.


—Eu adoraria mais do que qualquer coisa que você me chame de papai, Hope. — Ele a puxou para ele e a abraçou enquanto olhava para mim com lágrimas nos olhos. Coco e eu enxugamos as lágrimas que caíram em nossos rostos. Hope quebrou seu abraço e colocou as mãos em cada lado do rosto. — Amo você, papai. —Eu também te amo, baby. — Ele a pegou e a segurou firmemente contra ele. —Mamãe, por que você está chorando?— Ela perguntou. —Eu estou tão feliz, Hope. Isso é tudo. —Eu também. Nós somos uma família de verdade agora. —Ela sorriu.

Jack e eu passamos nossa lua de mel no Havaí. Enquanto estávamos sentados na praia, curtindo o sol e saboreando bebidas frutadas, ele olhou para mim. —Eu acho que eu quero um bebê, Lorelei. —Huh?— Eu olhei para ele em choque. —Eu acho que você bebeu demais. — Eu ri. —Estou falando sério. Acho que devemos dar a Hope um irmão. —Agora? Estamos casados há três dias, querido. —Eu sei. Mas pense nisso. Como impressionante seria ter um bebê em casa?


—Eu acho que seria incrível, mas eu não estou pronta para ter outro bebê ainda. Ele soltou um suspiro de alívio. —OK. Eu também. Eu só estava tentando descobrir como você se sentia sobre isso. Eu vi o jeito que você estava olhando essas roupas de bebê na loja ontem. —Jack, eu amo a roupa do bebê, mas isso não significa que eu estou olhando para ter um agora. Ele se inclinou e me beijou. —Prometa-me uma coisa. —Qualquer coisa. —Que nós podemos ter um dentro de alguns anos. —Isso soa perfeito. — Eu sorri enquanto nós continuamos o nosso beijo.


Jack —Mamãe, papai, ele chegou!— Hope correu para dentro da casa acenando com um envelope no ar. —Abra-o!— Exclamei. Ela abriu o envelope e tirou o pedaço de papel dobrado. —Eu entrei!— Ela saltou para cima e para baixo. —Nós sabíamos que você faria, baby. — Lorelei abraçou. —Parabéns, Hope. —Obrigado pai. Eu não posso acreditar que eu estou indo realmente para estar estudando na Parsons no próximo outono. —Você tem o talento de sua mãe, querida. Nós nunca duvidamos por um segundo que eles estariam a aceitando. —Eu tenho que ir chamar Graham. Vejo vocês mais tarde. Lorelei se aproximou e colocou os braços em volta de mim. — Estou tão feliz que ela vai ficar em Nova York. —Eu também Baby. E quem é Graham? — Perguntei. —Seu novo namorado.


—Desde quando? O que aconteceu com Jace? —Onde você estava, Jack? Jace era o namorado de ontem. Graham é o de hoje. —Ela riu. —Por que eu não conheci esse garoto ainda? —No devido tempo, querido. —Você sabe que eu não gosto de Hope namorando todos esses meninos. Isso me deixa nervoso. —Bem, é melhor acabar com ela agora, porque você ainda tem que passar por isso com suas outras duas filhas. Eu suspirei. —Eu nunca vou me acostumar com isso, Lorelei. E esta era a minha vida. Estou reclamando? De jeito nenhum. Eu amo as minhas meninas mais do que a minha própria vida. A linha de roupas de Lorelei decolou e se expandiu a partir de mulheres e meninas para uma linha de roupas para meninos e bebês. Sua carreira decolou rapidamente e eu estava tão orgulhoso dela. A empresa Magazine Portion ainda estava em cima e eu estava orgulhoso de dizer que eu tinha tido a mesma PA desde que eu substituí Lorelei. Dez anos atrás, eu nunca teria me imaginado sendo um homem feliz e casado com a mulher dos meus sonhos e pai de três filhas incrivelmente belas, todas parecem exatamente como sua mãe. Hope tinha agora dezessete anos, Lexi tinha oito e Alyssa tinha seis anos. Nossa família perfeita de cinco estava completa. No dia que Lorelei Flynn derramou café sobre mim no Starbucks foi o dia que mudou minha vida para sempre. Um dia que eu não trocaria por nada no mundo.


Eu entrei na cozinha, onde Lorelei estava cozinhando o jantar com Madeline. Lexi e Alyssa vieram correndo, lutando umas com as outras. —Você é estúpida!— Disse Lexi para Alyssa. —Você é estúpida!— Alyssa respondeu. —Meninas, ninguém é estúpida e isso não é bom. Ambas correram em volta de mim, tentando pegar uma a outra. Hope entrou e ficou na mistura perseguindo as outras duas meninas em torno da cozinha e em seguida, perguntou a Lorelei se ela poderia entrar no controle de natalidade. Eu quase tive um ataque cardíaco. Entre as meninas mais jovens correndo aos gritos e Hope querendo começar o controle de natalidade, Lorelei percebeu meu nível de estresse subindo pelo telhado. Ela se aproximou, colocou os braços amorosos em torno de mim, e suspirou. —Estou grávida de novo, Jack. Eu sorri enquanto eu a segurava. E aí está. Minha família perfeita louca de cinco ia se transformar em uma família perfeita louca de seis. Pelo lado positivo, talvez este fosse um menino.


Sobre o autor Sandi Lynn é uma New York Times, EUA Hoje e Wall Street Journal autor best-seller, que passa todos os seus dias escrevendo. Ela publicou seu primeiro romance, Forever Black, em fevereiro de 2013 e não parou de escrever desde então. Seus vícios estão comprando, indo para a academia, romances, café, chocolate, margaritas, e dando aos leitores uma fuga para outro mundo.

Por favor, venha se conectar com ela em:

www.facebook.com/Sandi.Lynn.Author www.twitter.com/SandilynnWriter www.authorsandilynn.com www.pinterest.com/sandilynnWriter www.instagram.com/sandilynnauthor https://www.goodreads.com/author/show/6089757.Sandi_Lynn

Something about lorelei sandi lynn livro unico trt  
Something about lorelei sandi lynn livro unico trt  
Advertisement