Issuu on Google+

RELATOS NA PRIMEIRA PESSOA

“Em que medida as CONSULTAS DE PSICOLOGIA me têm ajudado ou ajudaram?”


Servi莽o de Consulta Psicol贸gica da Universidade da Madeira (SCP-UMa) Coordenadora: Professora Doutora Lu铆sa Soares Psic贸logas: Carla Vale Lucas Filipa Oliveira URL: scp.uma.pt Email: servicoconsultapsicologica@uma.pt Novembro de 2015


PREÂMBULO   “Relatos na primeira pessoa” serve o propósito de continuar a desestigmatizar a procura de ajuda psicológica, e a veicular os benefícios que podem advir da mesma, através das narrativas dos próprios clientes.

Compila uma série de testemunhos recolhidos junto a clientes atendidos no Serviço de Consulta Psicológica da Universidade da Madeira.

Assim sendo, este documento caraterizar-se-á por um dinamismo, estando em contínua construção… A primeira versão do mesmo surge numa altura em que são assinalados os 6 anos de abertura à comunidade da Região Autónoma da Madeira, promovendo o bem estar psicológico e apoiando nas diferentes transições ao longo do ciclo da vida de todos os que recorrem até nós.


Fazemos votos de que estes testemunhos possam continuar a abrir espaços para que a mudança aconteça, no modo como a saúde mental é percepcionada, bem como o papel do psicólogo na promoção de competências pessoais e bem estar psicológico. Um bem haja a todos os que clientes que confiaram em nós, que cresceram connosco, e nós também com eles, num trabalho de verdadeira colaboração, aposto por uma prática sustentada em investigação.

Finalizamos esta mensagem com um muito obrigada a todos os que aceitaram dar o seu testemunho. A equipa do SCP-UMa Novembro de 2015


tal como uma pequena semente todos n贸s precisamos ser estimulados para que possamos crescer e desenvolver o nosso potencial.


O PROCESSO PSICOTERAPÊUTICO é um processo de cooperação entre psicólogo e cliente. O objetivo é potenciar o crescimento, tendo como resultado a pessoa aberta à experiencia, tornando-se ela própria. (Carl Rogers)


RELATOS NA PRIMEIRA PESSOA


“EM  QUE  MEDIDA  AS  CONSULTAS  DE  PSICOLOGIA     ME  TÊM  AJUDADO?”       Estudante Universitário :: 19 anos ::


“As consultas de psicologia têm me ajudado a perceber coisas que de outra forma eu não ia perceber. Têm me dado outra perspetiva sobre os meus problemas, e ajudam-me a ter uma nova forma de os pensar e de encontrar soluções. Ao falar sobre os meus problemas, com alguém que não me julga, sinto que os consigo organizar de uma forma mais saudável.

É diferente de falar com um amigo, porque estou a falar com alguém que me está a dar ferramentas para melhor lidar com as minha vida, o que é diferente de receber conselhos, ou opiniões.


Ajuda-me também ter o meu tempo para perceber as coisas e fazer mudanças ao meu ritmo. Ainda que às vezes me sinta desapontado por não estar a fazer os progressos que esperava, o facto de a psicóloga entender as minhas dificuldades, ajuda-me a tolerar melhor os meus erros. Esta é a segunda vez que procuro ajuda psicológica, e estou muito contente por tê-lo feito, porque me ajuda a lidar melhor com os meus problemas e a tentar outras formas de resolvê-los. As mudanças não acontecem de um dia para o outro, é tudo um processo, e é importante reconhecer que houve um caminho até ao pedido de ajuda, e que será outro

caminho continuar a melhorar.” (Estudante Universitário, 19 anos)


“EM  QUE  MEDIDA  AS  CONSULTAS  DE  PSICOLOGIA     ME  TÊM  AJUDADO?”       Estudante Universitária :: 28 anos ::


“As consultas de psicologia têm sido para mim uma forma de me orientar na minha vida social, profissional e pessoal. Esta minha decisão não foi fácil de tomar, mas senti-me obrigada a tal, porque nessa altura sentia-me perdida, existia um vazio no meu interior, era como se eu andasse com a cabeça sobre o solo (estivesse a andar no mundo virado ao contrário) chorava por tudo e por nada. A minha vida já estava a deixar de ter sentido, tudo o que pensava não fazia sentido na minha cabeça. Sentia-me deprimida, ansiosa, triste, desacreditada e sem objetivo na vida. O meu quotidiano era à base do adiamento dos acontecimentos, das coisas, de tudo. Para mim era confortável em optar por esta atitude, nessa altura achava que era a atitude mais assertiva, adiava tudo para depois e principalmente evitava todas as pessoas que já fizeram parte do meu passado.


Num certo dia cruzei-me com uma docente nos corredores da universidade, em que fui confrontada com a minha realidade, foi como se fosse uma chamada de atenção. Nesse dia essa pessoa fez toda a diferença na minha vida, ajudou-me e levou-me até ao local certo e foi precisamente no momento certo. Levou-me com muito agrado, amor, amizade, sem nada querer receber nada em troca, e assim foi, levou-me ao médico (psiquiatra) e depois comecei a ser medicada. Tive que recorrer a uma psicóloga e assim foi. Desde essa altura até ao momento que estou a ser acompanhada pela psicóloga, donde me orgulho por ter conseguido chegar até aqui, e ter permanecido, com muita força e luta por minha parte, da minha família e do meu namorado. …


O acompanhamento que tenho tido tem tido repercussões positivas. Tenho conseguido pouco a pouco eliminar pensamentos negativos e substituido por outros pensamentos. A vida de facto é um desenrolar de acontecimentos e temos de por vezes saber aceitar as ajudas que nos surgem. Aproveitá-las como se fossem as últimas existentes à face da terra. Como se fosse a nossa última e única oportunidade de mudarmos de vida. E de facto cabe a nós (a cada um de nós) mudar a nossa vida, pensamentos, ideias, rumos e sentido de vida. Para tal ainda bem que existem estes profissionais de saúde que nos orientam, e que nos ajudam a tomar as nossas próprias decisões… ajudam-nos a caminhar em direção à felicidade e da libertação dos “fantasmas” e de tudo o que nos prenda ao passado, para que nos tornemos pessoas melhores e do bem.”

(Estudante Universitária, 28 anos)


“EM  QUE  MEDIDA  AS  CONSULTAS  DE     PSICOLOGIA  ME  AJUDARAM?”       Trabalhadora-estudante :: 34 anos ::


“As consultas de psicologia foram um sopro de ar fresco! Ajudaram-me a reencontrar comigo mesma, a descobrir um novo eu e a saber lidar com ele. Também proporcionaram-me técnicas simples de vida, úteis para o meu dia a dia e simples formas de reflexão para enfrentar determinados momentos.

Quando chegava à consulta parecia outro tempo e outro espaço. Era como se tudo parasse… Sentia que ali poderia arranjar novas energias e contrabalançar tudo, descobrir e conquistar mais. Hoje sou uma pessoa melhor, com uma visão mais clara, mais racional e menos ansiosa…” (Trabalhadora-Estudante, 34 anos)


“EM  QUE  MEDIDA  AS  CONSULTAS  DE     PSICOLOGIA  ME  AJUDARAM?”       Estudante Universitário :: 38 anos ::


“O meu nome é Roberto, tenho 38 anos e sou aluno da UMa desde o ano letivo 2014/2015. Contactei os Serviços de Psicologia da UMa para me ajudar no problema de ansiedade que vinha dificultando a minha performance nos exames ou frequências. O problema era, sobretudo, na dificuldade de concentração e de memorização durante os exames. As consultas ajudaram-me sobretudo a refletir e a aprender algumas técnicas para diminuir os níveis de ansiedade nos exames. Refletir sobre o método de estudo, se é o mais adequado; refletir também sobre a minha vida pessoal, profissional; autovalorizar-me. Hoje, posso dizer que apesar de sentir alguma ansiedade (irei sempre sentir), consigo controlá-la melhor. Estou mais confiante e tenho uma pequena melhoria de nota”.


“EM  QUE  MEDIDA  AS  CONSULTAS  DE  PSICOLOGIA     ME  AJUDARAM?”       Estudante Universitária :: 20 anos ::


“No verão a minha vida sofreu uma reviravolta. A minha mãe teve a confirmação do diagnóstico de cancro e o meu pai piorou da sua doença hepática que já o invalidava em alguns aspetos da sua vida, tornando-o dependente (não conseguia fazer a sua higiene pessoal, precisava de ajuda para se mover, nalguns dias nem se levantava da cama, etc). Eu tive de encarnar o papel de supermulher para tratar deles os dois. É claro que tive grande ajuda de outros membros da família. Enquanto via fotos de amigos na praia, nas festas do verão, de férias noutros sítios, eu continuava em casa assumindo as responsabilidades. Foi umas férias sem férias. Estava tão cansada, não só física mas também psicologicamente. …


Setembro chegou e as aulas começaram. O que a vida me exigia estava a ultrapassar a minha capacidade de resposta. Para então conseguir dar resposta às exigências da faculdade, ao papel de cuidador que tive de assumir, e ter tempo para mim, tive de procurar ajuda. Já me tinha informado, online, sobre o Serviço de Consulta Psicológica da UMa e procurei a ajuda que precisava sem hesitar. Em menos de 3 meses a minha vida teve mudanças positivas que eu jamais pensava serem possíveis. A psicologia orientou-me para o desenvolvimento de estratégias de gestão do stress, ansiedade, emoções negativas, e muitas outras capacidades que eu nem sabia que possuía. …


Consegui lidar com tudo: consegui responder à pressão dos exames da faculdade, às tarefas domésticas e de cuidados à família doente e à minha vida pessoal. Se eu achava que isto era possível? Não! Mas o Serviço de Psicologia mostrou-me que sim. E os resultados foram extraordinários. Tanto que consegui fazer a licenciatura, acabar com uma boa média e entrar em mestrado. Sei que agora possuo estratégias que me ajudam a gerir as adversidades da vida. Procurar ajuda psicológica não é reconhecer que somos um fracasso, eu diria antes que é

reconhecer que somos fortes e que o queremos ser ainda mais.” (Estudante Universitária, 20 anos)


“EM  QUE  MEDIDA  AS  CONSULTAS  DE  PSICOLOGIA     ME  TÊM  AJUDADO  ?”       Estudante Universitária :: 36 anos ::


“Num período muito conturbado da minha vida, senti-me incapaz de resolver os meus próprios conflitos e problemas. Percebi então que teria de pedir ajuda para ultrapassar o que estava a sentir.

As consultas ajudaram-me na diminuição do sofrimento na medida em que consegui identificar as causas dos meus sentimentos, comecei a perceber e a aceitar o que se passava comigo e passei a conviver melhor com a minha realidade.


Aprendi a não me sentir vítima das circunstâncias, compreendi que teria de desligar-me do passado e teria de dar mais atenção ao presente.

Efetivamente, através das consultas equilibrei as emoções, consegui relacionar-me melhor com os outros, alcancei mais bem-estar físico e emocional, aumentei a autoconfiança e a autoestima e particularmente, adquiri uma perspetiva diferente acerca da minha vida e passei a fazer uma abordagem diferente aos problemas que me incomodavam”.

(Estudante universitária, 36 anos)


“EM  QUE  MEDIDA  AS  CONSULTAS  DE  PSICOLOGIA     ME  TÊM  AJUDADO  ?”       Antiga estudante da UMa :: 29 anos ::


“As consultas de psicologia têm representado para mim ao longo do tempo um espaço de diálogo e introspecção partilhada de onde o feedback assenta numa base de conhecimento técnico/científico.

Desta forma as consultas permitiram-me não só partilhar dos meus problemas como desenvolver uma série de competências pessoais nomeadamente, gestão/controle de limites, emoções e pensamentos, técnicas de comunicação, maior segurança nos processos de tomada de decisão, entre outras, que me garantem hoje uma melhor percepção e valorização do meu "eu" e das minhas vivências. ...


Felizmente, na minha rede social possuo fortes laços familiares e de amizade, não obstante por mais conhecimento e carinho que os meus amigos/familiares possam nutrir por mim, acredito que nunca as nossas conversas tivessem substituído todo o trabalho e resultados adquiridos.

Para mim este espaço nunca representou um tratamento, contudo partindo da premissa de que viver não custa, custa é saber viver, ele é antes encarado por mim como um meio de aprendizagem e investimento em busca pelo meu "eu" e pelo saber viver.”

(Antiga estudante da UMa, 29 anos)


“EM  QUE  MEDIDA  AS  CONSULTAS  DE  PSICOLOGIA     ME  AJUDARAM  ?”       Professora :: 38 anos ::


“A vida vale a pena. Mas é difícil. Trazemos connosco, desde que existimos, todas as nossas características e vamos adquirindo tantas outras ao longo do nosso crescimento e da nossa convivência com os outros. Adquirimos também «coisas» que não são propriamente nossas, mas que temos como nossas e que nos prejudicam na forma como lidamos connosco e com os outros.

Usufruir do Serviço de Consulta Psicológica da UMa (SCP – UMa) foi, para mim, uma oportunidade de aprender a lutar contra essas coisas que me prejudicavam e que me impediam de ver o meu valor, a minha capacidade. Coisas que me impediam de ver o outro como um aliado, e não como um inimigo, nesta experiência de vida. (...) ...


Ajudou-me a encontrar em mim ferramentas poderosas que me permitem lidar de forma positiva com as minhas dificuldades e com o sofrimento que essas dificuldades me causam.

Ajudou-me, também, a estar mais atenta à dificuldade do outro: no momento em que fiquei mais elucidada em relação a mim própria, despertei melhor para o outro. Vi o outro de outro modo.

E vivo de forma mais harmoniosa comigo e com os outros. Comecei a aceitar as dificuldades da vida como desafios e não entraves. Compreendi que elas fazem parte de uma vida feliz.


Esta minha atitude perante a vida só se tornou possível porque dei um primeiro passo: procurei ajuda no SCP – UMa, confiei plenamente nos profissionais e abracei de coração aberto o serviço prestado numa necessidade tão ou mais legítima que tantas outras: a necessidade de me conhecer, de compreender melhor o que me envolve e de encontrar em mim a solução.

A solução, encontrei-a de algum modo, porque o caminho me foi, sem dúvida, revelado. A ajuda psicológica tornou-se determinante para que, hoje, eu compreenda que a vida vale a pena e que, se me apresenta dificuldades, é porque sou capaz de lidar com as mesmas.”

(Professora, 38 anos)


“EM  QUE  MEDIDA  AS  CONSULTAS  DE  PSICOLOGIA     ME  TÊM  AJUDADO  ?”       Estudante da UMa :: 56 anos ::


“Para mim, tem sido extremamente gratificante todo o processo de ajuda motivacional, descomplicação dos meus problemas, ir à origem e fazendo o percurso com outro olhar. Acalmar a minha agitação e orientação psicológica é pertinente e conclusiva nas consultas. O sair do consultório com a sensação, de leveza ....

Obtendo por conseguinte, um melhor desempenho nos meus estudos, racionalização do meu tempo, ser mais passiva perante os problemas e encarar com mais sabedoria e com soluções mais assertivas..  


Um enorme bem haja, ao vosso gabinete, e em particular para a Doutora Filipa, que com o seu processo soube "conduzir-me", tem me projetado para a luta diária; em todas as vertentes que me rodeiam. Pontualidade, remarcações de consulta, o espaço agradável, equipa simpática e sempre disponíveis para ajudar-nos.   Lamento, muitos e mais colegas não estarem, ou por desconhecimento ou por resistência, a ser seguidos por vocês”. (Estudante da UMa, 56 anos)


“EM  QUE  MEDIDA  AS  CONSULTAS  DE  PSICOLOGIA     ME  TÊM  AJUDADO  ?”       Estudante da UMa :: 36 anos:


“Começo por dizer que já tinha frequentado uma psicóloga há muitos anos atrás, pelo que na altura atravessei uma fase menos boa, sendo que os serviços dessa doutora não me ajudaram em nada, até pelo contrário acho que pioraram... deixei de aparecer. Entretanto a vida dá muitas voltas, ao qual passei novamente por uma fase muito má na minha vida e penso que a pior até agora. Foi então que decidi tentar novamente a ajuda de uma psicóloga, foi através de um colega da universidade, porque neste momento estou a tirar uma licenciatura, e como ele sabia a fase pelo qual atravessava, aconselhou-me a ir ao SCP – Serviço de Consulta Psicológica, como estudo na UMa temos facilidades de pagamento uma vez que estou desempregada não tenho muitas possibilidades para pagar uma consulta normal. ...


E assim foi, marquei e lá fui eu, lembro-me como se fosse hoje a minha primeira consulta, chorei imenso, estava mesmo no fundo do poço, sem luz, sem ninguém, mas digo, hoje em dia que foi a melhor coisa que fiz, porque a Dr.ª Carla ajudou me imenso, ela interage nas consultas vê a evolução do paciente e sempre disponível a ajudar, uma pessoa que nunca vou esquecer porque ajudou-me numa altura da minha vida que pensava que não ia ter forças para continuar. Por vezes pensamos que ir a um psicólogo é para “malucos” ou com problemas e infelizmente a nossa sociedade às vezes é um pouco má nesses aspetos, só sabem apontar o dedo, mas digo, se precisarem não hesitem em ir, porque falando pelo que passei, hoje sinto-me uma pessoa melhor, sinto que tenho paz em mim, já não sinto aquela revolta e pensamentos menos bons, sinto que cresci e amadureci como pessoa, fez-me ver que sou muito mais do que aquilo que pensava ser, tenho mais confiança e acredito mais em mim.

...


Por isso, hoje em dia sou uma pessoa feliz a minha maneira, não faço muitos planos e tento viver e aproveitar um dia de cada vez. Digo-vos, não é um processo fácil, mas vale a pena, não é num mês que que se vê resultados, mas tudo o que seja para o nosso bem estar físico e mental tudo vale a pena o nosso esforço. Ainda continuo a ir as consultas não com tanta frequência, mas vou, no dia que sinta que estou bem, aí deixo de ir, mas não hesito em lá voltar caso precise.

(Estudante da UMa, 36 anos)


RELATOS NA PRIMEIRA PESSOA

EM CONTÍNUA CONSTRUÇÃO…


Relatos na primeira pessoa