Page 1

ASBEA

| 1º PRÊMIO ARQUITETURA CATARINENSE

1

1º PRÊMIO ARQUITETURA CATARINENSE


2

1º PRÊMIO ARQUITETURA CATARINENSE | ASBEA

ASBEA

| 1º PRÊMIO ARQUITETURA CATARINENSE

EDITORIAL

Pela identidade da arquitetura catarinense

Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura – Santa Catarina Rua Bocaiúva, 1913 sala 9 Centro Executivo Ilhéus 88015-530 Florianópolis/SC (48) 3028.3628 www.sc.asbea.org.br secretaria@sc.asbea.org.br

A evolução das cidades traz desafios não só

Este prêmio, um antigo desejo dos arqui-

de ordem econômica e ambiental, mas tam-

tetos catarinenses, reflete o momento por

bém em relação aos aspectos históricos e

qual passam o Brasil e, consequentemente,

culturais. Cidades que esquecem seu patri-

Santa Catarina. As políticas públicas para o

mônio, suas obras referenciais, perdem en-

setor e o aquecimento da economia contri-

(Marchetti + Bonetti Arquitetos Associados)

canto e identidade. Entretanto, elas cres-

buem como indutores na busca da produção

VICE-PRESIDENTES

cem, inapelavelmente. Este crescimento,

de arquitetura de urbanismo de qualidade.

Eventos, Marketing e Comercialização

contudo, não pode se sobrepor ao passado,

Além de valorizar a produção arquitetônica,

(Martins Arquitetura)

nem ignorar as necessidades do futuro.

urbanística e paisagística dos escritórios e

Este é o grande desafio dos arquitetos e ur-

profissionais do Estado, o Prêmio será uma

banistas da era moderna - compreender a

importante referência para apresentarmos a

Administrativo e Financeiro

identidade local e criar projetos eficientes,

identidade - ou as identidades - da arquite-

(Jardins e Afins Arquitetura Paisagística)

considerando as condicionantes sociais,

tura local, suas referências históricas e cul-

Cidadania e Comunicações

ambientais e econômicas.

turais, sempre associadas a um olhar con-

(Pinheiro e Serrano Fonseca Arquitetura)

Em Santa Catarina não faltam exemplos de

temporâneo.

Diretoria Gestão 2011/2012 PRESIDENTE

Giovani Bonetti

Ronaldo Martins

Rel. Políticas Institucionais Lilian Mendonça

(Prospectiva Arquitetura Restauro e Consultoria)

A P R E S E N TA Ç Ã O

Juliana Castro

Produção expressiva

Ricardo Fonseca

VICE-PRESIDENTES SUPLENTES

Marília Ruschel

intervenções inovadoras e arrojadas, de au-

(Ruschel Arquitetura e Urbanismo)

O 1º prêmio Arquitetura Catarinense foi

Realizado pela AsBEA-SC, em parceria com

O resultado pode ser conferido nas próxi-

(Nardi Ventura Arquitetos Associados)

criado para reconhecer e valorizar edifica-

o IAB-SC, o Prêmio Arquitetura Catarinen-

mas páginas e nas exposições itinerantes

tes projetos e a profissionais preocupados

CONSELHO DELIBERATIVO

ções e intervenções urbanas, que contri-

se avaliou diversos projetos executados

a serem organizadas pela AsBEA-SC e pelo

com estes temas é o objetivo principal do I

André Schmitt

buam de maneira expressiva para o enri-

nos últimos cinco anos, considerando doze

IAB-SC em diversas cidades catarinenses.

Prêmio de Arquitetura Catarinense, realiza-

Nelson Teixeira Netto

quecimento do repertório de nossos espa-

categorias: residências, conjuntos residen-

O Prêmio Arquitetura Catarinense é aber-

ços construídos. Igualmente, torna público

ciais multifamiliares, edifícios comerciais,

to a todos os arquitetos atuantes em San-

o trabalho de profissionais locais em dife-

habitação de interesse social, edifícios ins-

ta Catarina e tem periodicidade bienal, in-

rentes regiões do país e do exterior, que

titucionais, edifícios de serviços, arquite-

tercalado com premiação similar promovi-

levam a marca do profissionalismo e do ta-

tura corporativa, arquitetura de interiores,

da pela AsBEA nacional. O estado produz

lento dos arquitetos de Santa Catarina.

paisagismo, desenho urbano, edifícios in-

arquitetura de excelente qualidade e es-

dustriais e restauro em edificações ou sí-

tamos certos de podermos conhecê-la nas

tios históricos. Diante de tão expressiva

próximas edições.

toria de arquitetos que entendem e encaram

Giovani Bonetti

o desafio destes novos tempos. Dar luz a es-

PRESID ENTE D A A SBEA /SC

do pela Associação Brasileira de Escritórios de Arquitetura, regional Santa Catarina (AsBEA-SC), em parceria com a seccional catarinense do Instituto Brasileiro de Arquitetos (IAB-SC). A iniciativa, no entanto, só se tornou realidade com o apoio de grandes empresas que passam, agora, a fazer parte desta história que começamos a escrever.

Eduard Wolfgang V. E. Nardi

(Desenho Alternativo)

(NTN Arquitetura e Urbanismo)

Giovani Bonetti

(Marchetti + Bonetti Arquitetos Associados) CONSELHO FISCAL

Maria Lucia Mendes Gobbi (Mendes Gobbi Arquitetura)

Roberto Simon (Studio Domo Arquitetura)

Revista Prêmio Arquitetura Catarinense

produção, os jurados elegeram, também,

EDIÇÃO

Santa Editora

intervenções dignas de Menções Honro-

João Edmundo Bohn Neto

JORNALISTAS RESPONSÁVEIS

sas, avaliando entorno urbano, plasticida-

C UR AD O R E C O O R D ENA D O R D O 1º P R ÊM I O A R Q U I T ET U R A C ATA R I NENS E

Letícia Wilson e Simone Bobsin

de e volumetria, sustentabilidade e origina-

CONCEPÇÃO GRÁFICA

lidade tecnológica.

Eduardo Faria/Officio IMPRESSÃO

Gráfica Coan

Tiragem: 5.000 exemplares

Publicação destinada à divulgação dos projetos vencedores do Prêmio Arquitetura Catarinense. Distribuição dirigida e gratuita para mailing de profissionais, empresas e instituições. À venda em bancas de revistas e livrarias como encarte da quinta edição do Anuário de Arquitetura de Santa Catarina. Não pode ser vendido separadamente. Todos os direitos são reservados.

Patrocínio master

Patrocínio ouro

Apoio

A REVISTA DE ARQUITETURA & DESIGN DE SANTA CATARINA

www.premioarquiteturasc.com.br

3


1º PRÊMIO ARQUITETURA CATARINENSE | ASBEA

ASBEA

RESIDÊNCIA MV

MENÇÃO HONROSA

LOJA

Como limpar a forma e se tornar

KRETZER

mais complexo, buscando a sín-

CATEGORIA: RESIDÊNCIAS AUTOR: EA+ STUDIO

tese de cada projeto? Uma casa

nópolis, as casas construídas nos

cessidade cada vez maior de adap-

anos 1960 e 1970 são prova de um

tação de imóveis residenciais a

período de clareza formal com ca-

uma nova atividade comercial. Na

racterísticas como brises de dese-

lis é um exemplo fiel deste concei-

rua Barão de Batovi, em Floria-

nhos muito leves e ausência de te-

to que norteia o trabalho do escri-

lhados aparentes. Dentro deste

tório. “Este projeto ajuda a expor

contexto foi realizada a interven-

nossa maneira de trabalhar”, di-

ção, com aumento da área para

zem os arquitetos Darley Voltolini

atender as necessidades de espaç

e Ronaldo Martins. Com 212 m² de

go pátio interno. Os brises foram

área construída, a casa de linhas

levados para o novo forro, que dá

puras e retas é uma caixa de vidro

unidade à loja, além da forte iden-

e concreto, aberta para a área de

tidade imposta na fachada a partir

lazer alocada em frente ao lote. Os

de uma grande estrutura em ma-

dois pavimentos setorizam os es-

deira de reflorestamento.

paços de convívio, com ambientes integrados, e íntimos localizados no piso superior.

TERRAÇOS Entre os diferenciais de projeto do CATEGORIA: CONJUNTOS RESIDENCIAIS MULTIFAMILIARES AUTOR: EA+ STUDIO

Este projeto é um exemplo da ne-

urbana localizada em Florianópo-

MENÇÃO HONROSA

residencial Terraços são espaços de convívio familiar amplos e integrados, com cozinha aberta tipo gour-

5

CATEGORIA: ARQUITETURA CORPORATIVA AUTOR: EA+ STUDIO

MENÇÃO HONROSA

| 1º PRÊMIO ARQUITETURA CATARINENSE

MENÇÃO HONROSA

CRESOL

CENTRAL PARA AGRICULTORES FAMILIARES

A Cooperativa de Crédito Solidário

térmico e diretrizes de sustentabili-

banheiro com acesso independen-

fornece aos agricultores familiares

dade, da casa padrão da Cooperati-

te; cozinha integrada com a área de

projetos de habitações de 70 m² no

va agrícola, em Chapecó. O projeto

lazer; possibilidade de uso do fogão

máximo. O objetivo da intervenção

partiu do levantamento das carac-

a lenha como aquecimento da casa

foi a reformulação, em termos de

terísticas climáticas da região e das

no inverno e de ampliação do imó-

eficiência energética, desempenho

necessidades dos usuários, como

vel por etapas.

met e acesso a um terraço exclusivo que possibilita maior segurança de morar em um apartamento com conforto de uma casa. A arquitetura foi planejada para oferecer o máximo de iluminação natural, economizando energia. Utilizando-se dos conceitos de sustentabilidade no planejamento urbano, o projeto também prevê lojas no térreo, onde o uso misto do edifício possibilita mais vida ao bairro.

CATEGORIA: EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS AUTOR: ANDREA TRIANA

4


1º PRÊMIO ARQUITETURA CATARINENSE | ASBEA

ASBEA

CATEGORIA: EDIFÍCIOS INSTITUCIONAIS PÚBLICOS OU PRIVADOS AUTOR: RUSCHEL ARQUITETURA E URBANISMO

MENÇÃO HONROSA

| 1º PRÊMIO ARQUITETURA CATARINENSE

7

MENÇÃO HONROSA

CONDOMÍNIO

O rico contexto da ilha do Cam-

cular, com utilização de materiais

aproximadamente 8.000m², locali-

peche em Florianópolis, com for-

naturais como madeira, telha ce-

zada na parte frontal do condomí-

te presença de Mata Atlântica e

râmica, reboco rústico e pedras da

nio. Marcado por um grande pór-

grande extensão de praia, norteou

região”, explica a arquiteta Marí-

tico de chegada, em seu entorno

a concepção do projeto de um

lia Ruschel. Com amplas áreas ver-

imediato localizam-se os prédios

Implantado em uma área de

condomínio com 25 lotes. “Bus-

des de convívio e de uso comum,

de uso comum, como salão de fes-

453.000m2 no Norte da Ilha de San-

camos uma arquitetura expressiva

com traçado orgânico, o empreen-

tas, fitness, piscina, playground e

ta Catarina, o condomínio, de 181

referenciada na arquitetura verna-

dimento tem área de lazer com

quadra de tênis.

lotes, é 80% preenchido por áreas

COSTÃO GOLF

ILHA DO CAMPECHE

CONDOMÍNIO RESIDENCIAL

verdes da qual fazem parte o campo de golfe e os espaços externos não ocupados dos lotes. Para o desenvolvimento dos projetos das casas foi realizado um workshop entre cinco escritórios de arquitetura para definir o conceito padrão das residências, que terão nome de bromélias em homenagem à flora da região litorânea catarinense. Está previsto um teleférico de utilização pú-

CATEGORIA: DESENHO URBANO AUTOR: DESENHO ALTERNATIVO

6

blica para transpor as dunas do bairro Rio Vermelho, com estações de embarque/desembarque, e equipamentos para educação ambiental.

MENÇÃO HONROSA

RED PARK

O Red Park faz parte de um proje-

3.200m² distribuída em quatro vo-

namentos, escadas e sanitários de

to de urbanização implantado na lo-

lumes de dois pavimentos, com es-

uso comum ao centro comercial. A

calidade do Rio Vermelho, Norte da

trutura em galeria de dupla altura.

caracterização das edificações traz

Ilha de Santa Catarina, constituin-

No piso térreo estão previstos espa-

a ideia de simplicidade construtiva,

do-se na sua atual fachada principal

ços comerciais, e no superior, servi-

através de materiais usuais e rústi-

frente à Rua do Travessão – via em

ços diversos como escritórios e con-

cos: pisos cerâmicos e cimentícios,

consolidação no bairro. A edifica-

sultórios. Nas articulações entre os

rebocos rústicos e estruturas exter-

ção está implantada em terreno de

blocos, haverá acessos aos estacio-

nas com madeira aparente).

MENÇÃO HONROSA

MILIAN

INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

O empreendimento consiste na implantação de uma unidade fabril em terreno de 40.000m², com planta inferior e mezanino totalizando 8.160m² de área construída. A fábrica conta com infraestrutura adequada para produção de medicamentos em três formas: sósemi-sólidos (cremes e pomadas) e líquidos (pequenos volumes, gotas). A solução estrutural empregada define módulos de 12X12 em concreto pré-moldado protendido, proporcionando liberdade para a implantação das linhas de produção e, principalmente, disponibilidade de áreas livres para alocação dos equipamentos de grande porte. Os fechamentos cumprem expressivo papel no controle das condições ambientais.

CATEGORIA: EDIFÍCIOS INDUSTRIAIS AUTOR: STUDIO DOMO

CATEGORIA: EDIFÍCIOS COMERCIAIS AUTOR: DESENHO ALTERNATIVO

lidos (comprimidos e cápsulas),


8

1º PRÊMIO ARQUITETURA CATARINENSE | ASBEA

ASBEA

| 1º PRÊMIO ARQUITETURA CATARINENSE

MENÇÃO HONROSA

SANTA LUZIA CATEGORIA: RESTAURO DE EDIFICAÇÕES/SÍTIOS HISTÓRIOCOS AUTOR: IDEIN IDEIA + DESENVOLVIMENTO

LABORATÓRIO MÉDICO A relação com o entorno foi o prin-

além de oferecer um cenário con-

cipal elemento compositivo no pro-

templativo durante a permanência

jeto de intervenção no casario em

prolongada no local. O interior so-

estilo açoriano do final do século

freu expressiva intervenção que te-

XIX e início do século XX, no centro

ve como objetivo valorizar o casa-

de Florianópolis. Tombado na cate-

rio. A dualidade contemporâneo x

goria P2, o imóvel deveria ter seu

histórico fica evidente nas escolhas

exterior totalmente conservado,

por conta da legislação de Estabe-

por isso a opção em impactar o mí-

lecimentos Assistenciais de Saúde

nimo possível na caracterização do

(EAS), que exige facilidade na ma-

edifício. A inserção de decks possi-

nutenção e limpeza dos ambientes

bilitou acessibilidade aos usuários,

e superfícies.

PREMIADOS MENÇÃO HONROSA

THE DOUBLE SEVEN

Um dos mais badalados cocktail bar de Manhattan (NY) abriu filial em ponto nobre no centro de Florianópolis e para marcar a imagem da casa brasileira os arquitetos optaram pela releitura do trabalho dos irmãos Campana. A fachada em-

CATEGORIA: ARQUITETURA DE INTERIORES AUTOR: IDEIN IDEIA + DESENVOLVIMENTO

blemática faz referência a cadeira Favela feita de sarrafos de madeira fixados em uma base de metal, de forma assimétrica, tal qual as estruturas de uma favela. O espaço externo tem lounge e deck com jardim vertical e parede de vidro com vista para os camarotes. No interior, a decoração e arquitetura foram inspiradas no projeto original de Nova York.

A seguir, os grandes vencedores do 1º Premio Arquitetura Catarinense. Os projetos premiados foram classificados, conforme as seguintes categorias: residência, conjuntos residenciais multifamilares, comerciais, habitação de interesse social, edifícios institucionais públicos ou privados, edifícios de serviços públicos ou privados, arquitetura corporativa, arquitetura de interiores e paisagismo.

9


1º PRÊMIO ARQUITETURA CATARINENSE | ASBEA

CATEGORIA

ASBEA

| RESIDÊNCIAS

CATEGORIA

| CONJUNTOS RESIDENCIAIS MULTIFAMILIARES

| 1º PRÊMIO ARQUITETURA CATARINENSE

PROJETO PREMIADO

CONDOMÍNIO AMIGOS DO RANCHO

RESIDENCIAL PORTO DE MÔNACO

❖ PIMONT ARQUITETURA

❖ JOBIM CARLEVARO ARQUITETOS

O projeto desta residência em Rancho Quei-

O residencial Porto de Mônaco tem locali-

samento das torres foi revestido com ardósia

zação privilegiada, ocupando um terreno de

em tons de cinza escuro, complementando a

1.584,59m2 no bairro João Paulo, em Floria-

paleta de cores escolhida para o edifício, a

nópolis. A vista para o mar da baía Norte e a

partir da propriedade original dos materiais.

demanda da construtora Angra por aparta-

O projeto também inclui a arquitetura de in-

e construtiva. Não estamos interessados em

mentos únicos em cada pavimento, orientou

teriores das áreas comuns e hall de acesso

tendências e sim na construção de edifícios

os critérios de organização do edifício em

das torres, dando continuidade ao trabalho

que mereçam ser erguidos por sua coerência

duas torres situadas em níveis diferentes,

com o mesmo cuidado na escolha dos mate-

e bom gosto na escolha dos materiais. Neste

acompanhando a topografia da área.

riais, iluminação e detalhes construtivos. “O

sentido, contribuirmos para deixar um lega-

A solução arquitetônica adotada pelos ar-

resultado final é um espelho do cuidado no

do para a arquitetura catarinense e a satis-

quitetos Marcos A. Jobim, Silvana Carlevaro

processo de projeto, onde focamos na cons-

fação de nossa equipe de profissionais”, afir-

Jobim e Leandro Rotolo Soares atendeu às

tante evolução de nossa consciência visual

mam os autores do projeto.

mado, na serra catarinense, apresen­tava uma demanda bem explícita: “uma casa moderna, mas com telhado”. Este foi o pedido feito pelo proprietário logo nas primeiras reuniões com a equipe da Pimont Arquitetura. “Entendemos como o desejo de uma arquitetura que proporcionasse sensações diferentes das que ele já desfrutava na casa da cidade, que tem um desenho bastante geométrico, largos bei-

PROJETO PREMIADO

PROJETO PREMIADO

10

rais de concreto e cobertura plana”, relata o

compondo a curva a partir de retângulos.

A fachada frontal, voltada para a estrada, é

Henrique Pimont, titular do escritório.

“Assim, acomodamos a arquitetura na topo-

mais fechada, para resguardar a privacidade

Combinado o pressuposto, o projeto ini-

grafia e ainda orientamos os ambientes de

da casa. Já a do lado oposto é toda envidra-

ciou com estudos da implantação no terre-

acordo com a melhor insolação, tão impor-

çada, permitindo o visual da paisagem privi-

no, bastante amplo e com declive acentua-

tante numa região de frio como aquela”, ex-

legiada. Em frente a esta fachada, o terraço

paços dos imóveis com relação à iluminação

do, de 20m em relação à estrada do condo-

plica Pimont.

elevado forma um patamar aberto que amplia

natural, organização da planta e abertura

mínio. O ponto escolhido para a localização

O volume central, um pavilhão construído

a área de convívio adjacente à casa, dificulta-

para as vistas que alcançam a praia de Ca-

da casa foi um trecho mais plano, na parte

em pedra, vidro e madeira, com um amplo

da pela forte inclinação do terreno. É ali que

cupé. Do ponto de vista construtivo, as saca-

alta do lote, com vista para o vale e o planal-

telhado, concentra todo o espaço de con-

os encontros da família acontecem, desfru-

das e balcões foram projetados com o máxi-

to serrano. Esta locação favoreceu, também,

vívio, enquanto os anexos laterais abrigam

tando a chegada do frio a cada fim de tarde.

mo rigor, construindo a imagem final do edi-

o menor impacto possível no terreno, consi-

as áreas privativas, construídos em alvena-

fício através de simulações tridimensionais

derando os movimentos de terra e a abertu-

ria convencional com coberturas planas. O

e estudo dos detalhes dos acabamentos ex-

ra de vias de acesso. A implantação da edi-

contraste entre as volumetrias fez desta-

ternos e internos. O desenho dos elementos

ficação acompanhou o desenho das curvas

car o telhado, valorizando o pressuposto do

de nível e, com isso, surgiram os três volu-

projeto, sem deixar de lado a plasticidade

mes independentes e articulados entre si,

da composição geométrica.

ARQUITETO RESPONSÁVEL

Henrique Pimont

expectativas de aproveitamento construtivo do terreno, garantindo a qualidade dos es-

estruturais foi incorporado em todas as etapas de projeto, facilitando a compatibilização das plantas dos apartamentos e todos os acabamentos do edifício. O trabalho foi desenvolvido pelo Jobim Carlevaro Arquitetos entre os anos de 2006 e 2007, totalizando 5.344,78m² de área construída. O resultado final foi edifícios com plantas bem organizadas, coerentes com o padrão do empreendimento, e uma fachada definida por materiais que têm a propriedade de brilho, como o aço inox e o alumínio composto, em contraste com os planos horizontais dos forros de madeira levemente rebaixados do plano inferior da estrutura. O emba-

ARQUITETOS RESPONSÁVEIS

Marcos A. Jobim Silvana Carlevaro Jobim Leandro Rotolo Soares

11


1º PRÊMIO ARQUITETURA CATARINENSE | ASBEA

CATEGORIA

ASBEA

| 1º PRÊMIO ARQUITETURA CATARINENSE

| EDIFÍCIOS COMERCIAIS

LA PADÁ ❖ PIMONT ARQUITETOS CATEGORIA

O projeto da loja inaugural da La Padá partiu

| HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

VILA FLORA

de uma casa antiga, no centro de florianópolis e a transformou radicalmente, mudan-

❖ RUSCHEL ARQUITETURA E URBANISMO

do a composição da arquitetura e o uso do espaço. A antiga construção inspirou a ocupação do lote, com um formato em “L” que ocupava as divisas do terreno e também o desenho da arquitetura, que cita levemente a volumetria em dois níveis da casa e aproveita a posição das janelas existentes. A volumetria reflete os diversos usos distribuídos dentro da loja, com seus diferentes pés di-

PROJETO PREMIADO

PROJETO PREMIADO

12

A área do empreendimento Vila Flora, com 435.000,00m², está localizada no município de Votorantim, em São Paulo, a 2km da cidade de Sorocaba. Em seus 24 lotes estão sendo desenvolvidos condomínios residenciais

reitos, ambientações e transparências.

sição mais opaca, em que os cheios predomi-

servatórios, a cozinha e a administração, re-

A arquitetura se organiza em torno do per-

nam, até a fachada totalmente trans­parente

presentando que seria o coração de uma pa-

curso que leva da padaria às mesas do bis-

do salão do bistrô.

daria primitiva - o forno de tijolos.

trô. Ao longo dele estão dispostos o empório,

A cor faz com que o volume da loja, revesti-

Algumas soluções utilizadas aliam princípios

o café, o acesso secundário, a cozinha, os ba-

do em chapas cimentícias aparentes, “flu-

de sustentabilidade às exigências de agili-

nheiros e os jardins verticais. É este percur-

tue” sobre o embasamento, que abriga to-

dade para a obra de um empreendimento

so que conduz o usuário da rudeza urbana

da a área de produção e estoque e se des-

comercial ávido por entrar em funcionamen-

da avenida Rio Branco até o acolhimento dos

taque claramente do volume mais alto, on-

to. A manutenção das grossas paredes ex-

jardins verticais nos fundos da loja. Acompa-

de está o empório.

ternas e o uso de estruturas metálicas e fe-

preservação permanente, garantindo assim,

dos são definidos em função da topografia,

criando uma ambiência marcante com forte

nhando essa variação nos ambientes inter-

Uma torre central, revestida em ceramica,

chamentos em drywall garantiram uma obra

sua função ambiental e evitando impactos

dimensão, geometria dos lotes e o mix varia-

identidade, sobretudo para os moradores do

nos, as fachadas caminham de uma compo-

articula os demais volumes e abriga os re-

mais rápida e limpa, diminuindo o desperdí-

negativos na gleba e no entorno imediato.

dos de produtos, estimulando a vida em co-

empreendimento. Os prédios públicos, como

cio de material.

A proposta conceitual dos condomínios foi

munidade de diferentes grupos sociais. As

a portaria e o plantão de vendas recebem tra-

Para a praça frontal foram desenhados deck

gerar um desenho com qualidade espacial e

características e os conceitos de desenho ur-

tamento com materiais diferenciados como

e bancos com a madeira retirada da estru-

urbana, diversidade e legibilidade - marcos

bano adotados no desenvolvimento dos tra-

madeira, tijolo à vista e amplas superfícies de

tura do telhado da casa. No revestimento

urbanos, pontos focais e referências - , dife-

balhos foram de condomínios abertos, sem

vidro. “O resultado das implantações destes

do volume dos banheiros, estruturado em

renciando-se do antigo padrão de moradias

muros frontais; unidades habitacionais com

condomínios a partir dos conceitos adotados

steel frame, o reaproveitamento das madei-

de fachadas idênticas e implantações mo-

quintais e possibilidade de ampliação para os

propicia um tecido urbano variado, densida-

ras retiradas do piso da casa garantiram um

nótonas e repetitivas. A implantação de to-

fundos; valorização das áreas de convívio so-

de equilibrada e espaços de qualidade que

uso inteligente e econômico de recursos na-

da infraestrutura dos condomínios, tais co-

cial com qualidade, incluindo praças e play-

criam o ‘caráter de lugar’ para os moradores,

turais. Os jardins verticais, com seu grande

mo as edificações e o sistema viário, buscou

grounds em cada condomínio; ruas e calça-

e o sentido de pertencer e morar em um am-

potencial decorativo, lembram a importân-

a adequação à topografia existente, sendo

das com pisos intertravados com inclinações

biente diferenciado, onde seus usuários são

cia do verde para nosso bem estar.

equacionada de forma equilibrada. Os cor-

de até 8,33%, garantindo acessibilidade e

os principais favorecidos”, considera a arqui-

tes e os aterros foram reduzidos ao máximo,

drenagem natural; viário otimizado com va-

teta Marília Ruschel, titular do escritório.

com o intuito de diminuir a intervenção no

gas de estacionamento em ambos os lados,

terreno natural.

diminuindo pavimentação e iluminação de

Para o empreendimento desenvolveu-se três

rede externa; e padronização dos elementos

tipos de condomínios: Tipo A, com unidades

construtivos. Para criar diversidade de com-

entre 55m2 e 65m2; Tipo B, com apartamen-

posição e qualidade de espaço, as fachadas

tos entre 60m e 75m ; e Tipo C, com uni-

das casas recebem tratamento variado de

dades entre 115m2 e 125m2. Todos os con-

elementos e cores. Estas unidades diferen-

domínios possuem entre 34 e 152 unidades,

ciadas são locadas em pontos focais e espa-

configurados em diferentes tipologias. To-

ços mais significativos na estrutura urbana,

ARQUITETO RESPONSÁVEL

Henrique Pimont

multifamiliares, caracterizando um bairro planejado, com amplas áreas verdes com diversidade de usos e funções: moradia, comércio, serviços e lazer. Em termos de sustentabilidade, os condomínios foram implantados levando-se em consideração as características físicas do local, mantendo as nascentes, os cursos d’água, as matas ciliares e as áreas de

2

2

ARQUITETA RESPONSÁVEL

Marília Ruschel

13


1º PRÊMIO ARQUITETURA CATARINENSE | ASBEA

CATEGORIA

ASBEA

| 1º PRÊMIO ARQUITETURA CATARINENSE

| EDIFÍCIOS INSTITUCIONAIS PÚBLICOS OU PRIVADOS

CLÍNICA MÉDICA DO APARELHO DIGESTIVO (CEMAD) ❖ STUDIO DOMO ARQUITETURA

A construção da nova sede da Clínica Médi-

po e às mudanças de cenário da cidade, po-

te definido, de forma a permitir readequa-

ca do Aparelho Digestivo (CEMAD), no cen-

dendo ser ocupado por outras atividades,

ções. Os acabamentos externos também

tro de Florianópolis, deveria ser concluída

além daquela originalmente proposta”, re-

seguem a mesma premissa: resistência ao

em um curto espaço de tempo. A disponi-

vela o arquiteto Roberto Simon, responsá-

tempo e diversidade de usos. Exemplo dis-

bilidade de espaço no canteiro de obras era

vel pelo projeto. Para tanto, as instalações

so é o uso de tijolos maciços impermeabili-

reduzida, impondo, à equipe da Studio Do-

hidráulicas e elétricas, a disposição dos sa-

zados com selante químico, para evitar a for-

mo Arquitetura, a adoção de soluções pré-

nitários e a locação das circulações verticais

mação de películas, evitando, assim, proces-

-moldadas para a edificação, de 640,70m2.

tiveram seu posicionamento criteriosamen-

sos contínuos de repintura.

A utilização da estrutura metálica conferiu à obra praticidade na execução e ao espaço flexibilidade na disposição de elementos de vedação, permitindo diversas possibilidades de layout de ocupação. “Esta era, realmente, uma solicitação do cliente: que o edifício sobrevivesse ao tem-

CATEGORIA

ARQUITETO RESPONSÁVEL

Roberto Simon

| EDIFÍCIOS DE SERVIÇOS PÚBLICOS OU PRIVADOS

CENTRO EMPRESARIAL DO SEBRAE ❖ STUDIO DOMO ARQUITETURA

PROJETO PREMIADO

PROJETO PREMIADO

14

A nova sede do Centro Empresarial do Sebrae

cubo de vi-

surgiu como uma peça sutilmente instalada

dro flutuan-

em meio à urbe na Avenida Osmar Cunha, em

te, resultado

Florianópolis. A solução arquitetônica adota-

de uma su-

da pela equipe da Studio Domo Arquitetura

praestrutu-

manteve as características estruturais do edi-

ra metálica suspensa por tirantes e uma su-

com o cliente precede a elaboração do pro-

fício original, envolvendo-o em chapas per-

bestrutura metálica, responsável pela fixa-

jeto e é condicionante para o mesmo. Cabe

furadas de alumínio anodizado tracionadas

ção de quase 200 peças de vidro da parede

ao arquiteto aliar todos os fatores e materia-

por tirantes especialmente desenvolvidos, o

dupla. Externamente, visualiza-se um cubo

lizá-los através do projeto, no primeiro mo-

que mantém as chapas rígidas e resistentes

branco. Internamente, ele é imperceptível.

mento, e da obra, como finalização do pro-

à ação de ventos. A solução ainda impede a

A arquitetura privilegiou o cidadão, devol-

cesso”, considera o arquiteto Roberto Si-

insolação direta nos ambientes internos, re-

vendo a ele o espaço público. O passeio, an-

mon, responsável pelo projeto.

duzindo a necessidade de climatização. Ter-

tes ocupado por veículos, conta, agora, com

micamente eficiente e permeável à vista, pois

um convidativo banco e um espelho d’água.

dispensa o uso de persianas.

“A arquitetura deve aliar as aspirações do

ARQUITETO RESPONSÁVEL

O destaque no interi­or da edifica­ção é o

cliente, o pensamento do arquiteto e a rela-

Roberto Simon

auditório suspenso, conformado como um

ção com o meio. A interação do profissional

15


1º PRÊMIO ARQUITETURA CATARINENSE | ASBEA

CATEGORIA

ASBEA

| ARQUITETURA CORPORATIVA

CATEGORIA

ADEGA DON MAXIMILIANO

❖ M2 ARQUITETURA

❖ M2 ARQUITETURA

A atual sede da M² Arquitetura, em Joinville, é um projeto de reforma de um antigo galpão da zona central da cidade, com características de arquitetura industrial: estruturas de madeira aparente e sistema de iluminação e ventilação em sheds. O edifício já abrigou uma marcenaria e, mais recentemente, uma loja de móveis. A vitrine existente foi mantida, preservando a fachada, que teve o reboco descascado para deixar à mostra os tijolos maciços originais. Neste espaço, voltado para a rua, uma área multiuso serve de exposição para artistas e lojistas convidados, além de trabalhos de arquitetura e design próprios.

| 1º PRÊMIO ARQUITETURA CATARINENSE

| ARQUITETURA DE INTERIORES

SEDE METROQUADRADO

PROJETO PREMIADO

PROJETO PREMIADO

16

O prédio onde funcionava uma antiga fábrica de malhas em Joinville foi escolhido para sediar a nova loja da Adega Don Maximiliano, com capacidade para 6.000 garrafas. Datada dos anos 1940 com características industriais, a edificação cor de pedra apresentava linhas europeias, lembrando,

fera europeia”, argumentam os arquitetos

de operação comercial, uma enoteca. “Para

em muito, as construções da região da Bor-

Marcos José Deretti, Miguel Cañas Martins

tanto, criamos uma iluminação bem cênica,

gonha, com sua arquitetura francesa e to-

e Luis Eduardo S. Thiago, da Metroquadrado

quase imperceptível, com pouca luz direta,

que germânico. No projeto, as característi-

Arquitetura, responsáveis pelo projeto.

ideal para uma casa de vinhos”, argumen-

cas preservadas: paredes de tijolos aparen-

Para reproduzir a mesma linguagem na par-

tam. Em se tratando de vinho, luz e tempe-

tes, reboco grosso, esquadrias de madeira e

te interna, os profissionais tiraram provei-

ratura ambiente são fatores primordiais pa-

tesouras à vista, com forro inclinado. “Tudo

to da estrutura existente, concebendo um

ra o sucesso do empreendimento. Assim, as

remete ao tradicional e evoca a uma atmos-

ambiente acolhedor, adequado a esse tipo

grandes janelas laterais foram totalmente cobertas pelos expositores, impedindo qual-

A ideia principal que norteou o projeto, de-

quer incidência direta de luz natural. Na de-

senvolvido pela própria equipe do escritó-

finição do mobiliário, a equipe priorizou o

rio, foi justamente preservar as característi-

cuidado com o produto. Expositores com

cas originais do prédio e fazer deste um es-

garrafas devidamente deitadas no ângulo

paço o mais amplo, transparente e integra-

certo e, ao mesmo tempo, com apelo comer-

do possível. Por isso, quase não há paredes.

cial, na altura e com a iluminação adequada

As poucas portas existentes são de vidro, suportadas por um sistema de vigas metá-

pátio e, principalmente, as janelas maxima-

paço gourmet. “O maior desafio do projeto

licas independente da estrutura de madei-

res dos sheds.

foi conciliar um programa de necessidades

ra do telhado que atravessa o espaço longi-

No interior da sede também existe uma pa-

de um escritório de arquitetura com uma

tudinalmente. Durante o dia, a iluminação é

rede descascada, com seus os tijolos ma-

grande equipe a um espaço amplamente in-

natural. Para o conforto térmico, a ventila-

ciços aparentes. Para preservá-la, foi cons-

tegrado e transparente; adaptar as avança-

ção é cruzada, entre as esquadrias da facha-

truída, em frente, uma parede falsa em ges-

das tecnologias e os diversos equipamentos

da, as grandes portas de vidro de acesso ao

so acartonado, por onde circula toda fiação

a um edifício muito antigo, sem agredi-lo;

que deriva às mesas de trabalho. O mobiliá-

e associar a ideia de modernidade e origi-

rio foi inteiramente desenhado para o pro-

nalidade, intrínseca ao conceito da empre-

jeto, com estrutura metálica e tampos de

sa, a um ambiente rústico, antigo e de estilo

MDF, remetendo às características do gal-

fabril”, afirmam os arquitetos Marcos José

pão. Como a implantação no terreno ocupa

Deretti, Miguel Cañas Martins e Luis Eduar-

os recuos laterais, não havia, originalmente,

do S. Thiago, autores do projeto.

pela mesma estrutura em shed, levando ao pátio de estacionamento, onde, além de en-

que integra o pátio com a sala de estar e es-

móveis, projetados com linhas retas, sem excessos decorativos, para que as garrafas façam o papel de protagonistas. No centro da loja, um amplo volume metálico, de 6,0m de altura, abriga uma inusitada adega, com capacidade para mais de 3.000 garrafas, causando um grande impacto. A estrutura promove a setorização do espaço, entre os ambientes do bistrô e da loja.

Marcos José Deretti, Miguel Cañas Martins Luis Eduardo S. Thiago

um acesso lateral de 3m de largura, coberto

getação, é possível ver um deck de madeira

los. A opção foi pela madeira imbuia para os

ARQUITETOS RESPONSÁVEIS

estacionamento próprio. Por isso, foi criado

contrar os muros de divisa cobertos de ve-

para que os clientes pudessem ler os rótu-

ARQUITETOS RESPONSÁVEIS

Marcos José Deretti, Miguel Cañas Martins Luis Eduardo S. Thiago

17


1º PRÊMIO ARQUITETURA CATARINENSE | ASBEA

ASBEA

| 1º PRÊMIO ARQUITETURA CATARINENSE

19

DEPOIMENTOS

CATEGORIA

| PAISAGISMO

REVITALIZAÇÃO DA PRAÇA GOVERNADOR CELSO RAMOS ❖ JARDINS E AFINS ARQUITETURA PAISAGÍSTICA

PROJETO PREMIADO

18

A Praça Governador Celso Ramos é uma das

espaço, preservando sua

maiores e mais importantes de Florianópo-

estrutura e todas as ár-

lis, localizada na região central da cidade,

vores adultas existentes.

com área de 12.452,20m². Durante muitos

Trinta e três palmeiras im-

anos esteve abandonada, sem manutenção

periais foram incluídas no

adequada, resultando em diversos proble-

projeto para marcar esta

mas infraestruturais. Servia de ponto para

nova intervenção. Com fo-

uso e comércio de drogas, provocando mui-

co na segurança, os arbustos e herbáceas

sorial. A simplicidade das soluções era uma

ta insegurança à população do entorno.

volumosos foram retirados e novos postes

premissa importante. “Tivemos a oportuni-

Em meados de 2010, a construtora WOA

reforçaram a iluminação pública no local. A

dade de transformar um importante espaço

Empreendimentos Imobiliários adotou a pra-

praça ganhou mobiliário urbano e equipa-

público da cidade. Passado um ano da exe-

ça e decidiu revitalizá-la, atendendo a um

mentos de ginástica. O playground existen-

cução, podemos ver a intenção do projeto

antigo anseio dos moradores da região. O

te foi renovado. Os desníveis foram corrigi-

mais claramente, viabilizada pela impecável

projeto arquitetônico e paisagístico contra-

dos e os passeios tiveram a acessibilidade

manutenção que ela recebe e pela incompa-

tado à Jardins e Afins teve início em julho

assegurada.

rável força da natureza”, ressalta a arquite-

e, em novembro, a praça foi entregue à co-

A inspiração para este projeto foram as li-

ta Juliana Castro, responsável pelo projeto.

munidade. No total, foram investidos cerca

nhas fluídas da natureza, definindo espa-

de R$ 80,00/m², incluindo drenagem, movi-

ços de circulação e paradas com diversida-

mentação de terra, iluminação, substituição

de de escala para que os usuários se sentis-

dos passeios no entorno, materiais de aca-

sem envolvidos em alguns espaços, livres

bamento, vegetação e equipamentos.

em outros, com áreas para diferentes ativi-

O maior desafio da equipe foi transformar o

dades, potencializando sua experiência sen-

ARQUITETA RESPONSÁVEL

Juliana Castro

Otimismo

Fator de sucesso

Fronteiras ampliadas

Reconhecimento

Apoio total

O IAB-SC tem evoluído muito nos últimos anos na realização de concursos de projetos de arquitetura, mas ainda necessitava uma ação sistemática e recorrente para registrar e premiar as obras realizadas. O 1º Prêmio Arquitetura Catarinense é uma iniciativa da AsBEA/SC em parceria com o IAB-SC que inaugura uma nova fase de reconhecimento e promoção da arquitetura e dos arquitetos catarinenses. Já nesta primeira edição, o conjunto das obras destacadas nas diversas categorias propostas apresenta uma mostra da qualidade da arquitetura catarinense que nos deixa desde já bastante satisfeitos e otimistas com relação à repercussão presente e futura desta premiação. Assim, não poderia deixar de agradecer novamente ao colega Giovani Bonetti, presidente da AsBEA/ SC, por compartilhar com IAB-SC esta bem sucedida iniciativa, bem como ao arq. João Edmundo Bohn Neto, pela dedicada organização e curadoria. Ambos são testemunhas deste compromisso interinstitucional para conjugar esforços, visando a promoção e o aperfeiçoamento continuado do Prêmio Arquitetura Catarinense. Registro, também, os parabéns ao corpo de jurados, que selecionou um conjunto significativo do atual estágio da nossa produção profissional e, principalmente, a cada um dos premiados.

O Prêmio Arquitetura Catarinense tem um grande significado para o Estado por chegar em um momento de grandes mudanças no cenário brasileiro. Mudanças representadas pela criação do Conselho de Arquitetura e Urbanismo - CAU, a nova norma de desempenho da construção civil – NBR 15.575, o destaque de Santa Catarina como Estado e Florianópolis como a cidade do momento. Reconhecer os profissionais agentes dessas mudanças é fator chave de sucesso e de continuidade deste processo. A VEKA Brasil, como provedora de esquadrias de PVC e patrocinadora máster do prêmio, tem muito a agradecer a estes profissionais e à arquitetura catarinense. Primeiro por terem nos recebido em seu Estado de braços abertos e, segundo, pelos profissionais que vem especificando cada vez mais as esquadrias VEKA. Parabéns arquiteto(a) catarinense, a beleza e sustentabilidade de nosso Estado está em suas mãos!

A arquitetura se manifesta de diversas maneiras. É uma atividade multidisciplinar complexa e, ao mesmo tempo, apaixonante e empolgante. A arte de construir, ordenar, organizar, criar e dividir espaços, em busca de um resultado determinado, enaltece e exalta essa atividade, presente entre nós desde que o homem passou a criar alternativas para se proteger dos fenômenos naturais. A iniciativa de premiar a produção e o desempenho dos profissionais de arquitetura catarinenses é um passo muito importante para a ampliação das fronteiras, pois se constitui em uma ferramenta para divulgação dos trabalhos em todos os cantos do País. A valorização e o reconhecimento do profissional demonstra a preocupação da AsBEA-SC com seus associados e com o futuro da atividade, provocando, assim, uma reflexão sobre a importância, aplicação e os rumos da profissão nos próximos anos. Cada vez mais, projetos sustentáveis e sociais surgirão e o profissional precisa estar atento às oportunidades e necessidades do mercado. A CAIXA, parceira do Governo Federal nos programas de desenvolvimento, saneamento e habitação e presente na vida dos brasileiros há 150 anos, acompanha esse movimento e trabalha de forma muito forte para desenvolver e oferecer alternativas para o crescimento do País, atuando, principalmente, na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável.

A AsBEA-SC está de parabéns pelo grandioso sucesso do Prêmio Arquitetura Catarinense. A Portobello e a Portobello Shop têm, em suas estratégias, manter um forte e importante relacionamento com os arquitetos por meio de dois programas:o SER e o Criar. Como o ambiente é o nosso negócio e somos apaixonados por design, reconhecemos que os verdadeiros artífices que criam os mais belos e apaixonantes locais para se viver são os arquitetos. E os de Santa Catarina estão entre os mais brilhantes do Brasil. O Prêmio reconhece e confirma esse fato. Assim, parabenizamos todos os vencedores e agradecemos por seus inovadores trabalhos e múltiplos talentos.

O Prêmio Arquitetura Cata-

Edson Moritz

rinense, exemplar iniciativa

GERENTE DE MARKETING DA PORTOBELLO

da Asbea-SC.

Edson Cattoni PRESIDENTE DO IAB-SC GESTÃO 2010-2011

Rodrigo Fontana GERENTE COMERCIAL E DE MARKETING VEKA BRASIL

Roberto Carlos Ceratto SUPERINTENDENTE REGIONAL CAIXA ECONÔMICA FEDERAL

rinense chega para somar o cenário fervilhante da arquitetura do Estado e vem reconhecer a excelência dos profissionais que aqui atuam. É mais uma maneira de valorizar e ampliar a visibilidade do trabalho realizado pelos arquitetos de Santa Catarina. A premiação é uma consequência do pujante momento vivido pelo segmento, principalmente, em terras catarinenses. Nesse sentido, reforçando a importância de tal reconhecimento diante do mercado da arquitetura, o Grupo RBS, por meio do Diário Catarinense e Mostra Casa Nova, apoia o Prêmio Arquitetura Cata-

Luciana Luz DIRETORA COMERCIAL JORNAIS SC (GRUPO RBS)


Realização

Patrocínio master

Patrocínio ouro

Apoio

A REVISTA DE ARQUITETURA & DESIGN DE SANTA CATARINA

Profile for Santa Editora

Revista do I Prêmio Arquitetura Catarinense, realizado em 2011  

A publicação apresenta os projetos vencedores da primeira edição do prêmio, realizado pela AsBEA/SC e pelo IAB/SC em 2011. A Santa assumiu a...

Revista do I Prêmio Arquitetura Catarinense, realizado em 2011  

A publicação apresenta os projetos vencedores da primeira edição do prêmio, realizado pela AsBEA/SC e pelo IAB/SC em 2011. A Santa assumiu a...

Advertisement