Page 1

Revista

A revista regional do Rotary

www.revistarotarybrasil.com.br | Preรงo deste exemplar: R$ 8,00

JULHO 2018 ANO 93 nยบ 1153

Conheรงa Barry Rassin, novo presidente do Rotary International, e sua esposa, Esther facebook.com/revistarotarybrasil

twitter.com/revistarotarybr


Durante a Campanha Nacional de Vacinação, de 6 a 24 de agosto – com dia D no sábado 11 –, precisamos fazer o Brasil voltar a ter pelo menos 95% das crianças imunizadas contra a pólio. Com a ajuda do seu clube, conseguiremos manter o vírus longe do nosso país.


Só falta 1 mês!

Siga estas três dicas: Fale da vacinação de agosto na festiva de posse.

Aproveite o maior evento do seu clube no mês de julho para reforçar a mobilização e, quem sabe, até conseguir voluntários entre os convidados.

Concentre esforços no bairro com a menor cobertura vacinal.

Entre em contato o quanto antes com a Secretaria de Saúde de seu município e descubra onde os índices de vacinação são mais críticos. É nessa localidade que o trabalho do seu clube fará mais diferença.

Envie fotos para nós.

Registre o trabalho do seu clube nesta campanha e conte-nos o que foi feito. Juntos, vamos novamente mostrar como os rotarianos brasileiros vêm se empenhando para erradicar a pólio do planeta.


Juntos, vemos um mundo onde as pessoas se unem e entram em ação para causar mudanças duradouras em si mesmas, nas suas comunidades e no mundo todo. Rotary International One Rotary Center 1560 Sherman Avenue Evanston, Illinois, EUA

Conselho Diretor 2018-19

QUEM SOMOS O Rotary é uma rede global de líderes comunitários, amigos e vizinhos que se unem para causar mudanças positivas e duradouras em suas cidades e pelo mundo. Para resolver problemas reais, é preciso compromisso e visão. Com dedicação, energia e inteligência, nossos associados vêm ajudando a humanidade há mais de 110 anos. Por meio de projetos sustentáveis em diversas áreas, como alfabetização, paz, saúde e recursos hídricos, estamos sempre procurando maneiras de criar um mundo melhor:

PRESIDENTE Barry Rassin

Eun-Soo Moon

Rotary Club de East Nassau, Bahamas

Francesco Arezzo

PRESIDENTE ELEITO Mark Daniel Maloney

Rotary Club de Ragusa, Itália

Rotary Club de Decatur, EUA

Rotary Club de O’Fallon, EUA

VICE-PRESIDENTE John C. Matthews

Jeffry Cadorette

Rotary Club de Mercer Island, EUA

Keiichi Ishiguro

TESOUREIRO Peter Iblher

Rotary Club de Tsuruoka West, Japão

Rotary Club de Nürnberg-Reichswald, Alemanha

Rotary Club de Topeka, EUA

DIRETORES Paulo Augusto Zanardi

Olayinka Hakeem Babalola

Rotary Club de Curitiba-Cidade Industrial, Brasil

Piotr Wygnanczuk

Akira Miki

Rotary Club de Gdynia, Polônia

Rotary Club de Himeji, Japão

Rafael M. Garcia III

Número de clubes: 2.395; Total de rotarianos: 54.034 (sendo 14.261 mulheres); Número de distritos rotários: 38; Rotaract Clubs: 776 (reunindo um total de 17.848 rotaractianos); Interact Clubs: 1.019 (reunindo um total de 23.437 interactianos); Núcleos Rotary de Desenvolvimento Comunitário: 398 (reunindo um total de 7.960 voluntários não rotarianos).

Basker Chockalingam

Rotary Club de Pasig, Filipinas

Fonte: Escritório do Rotary International no Brasil (dados de junho de 2018).

Rotary Club de Karur, Índia

Robert C. Knuepfer Jr.

Brian A. E. Stoyel

Rotary Club de Chicago, EUA

Rotary Club de Saltash, Inglaterra

David D. Stovall

SECRETÁRIO-GERAL John Hewko

Rotary Club de Hall County, EUA

Rotary Club de Kyiv, Ucrânia

Rotary Club de Cheonan-Dosol, Coreia do Sul

Gregory F. Yank

Rotary Club de Media, EUA

Lawrence A. Dimmitt

Rotary Club de Trans Amadi, Nigéria

Curadores da Fundação Rotária 2018-19 CHAIR Ron D. Burton

John F. Germ

Rotary Club de Norman, EUA

Julia D. Phelps

CHAIR ELEITO Gary C. K. Huang

Rotary Club de Chattanooga, EUA Rotary Club de Amesbury, EUA

Mary Beth Growney Selene

www.rotary.org

QUANTOS SOMOS Em todo o mundo Número de clubes: 35.653; Total de rotarianos: 1.232.688 (sendo 275.569 mulheres); Países e regiões onde o Rotary está presente: 217; Número de distritos rotários: 545; Rotaract Clubs: 11.188 (em 186 países, reunindo um total de 257.324 rotaractianos); Interact Clubs: 22.955 (em 162 países, reunindo um total de 527.965 interactianos); Núcleos Rotary de Desenvolvimento Comunitário: 10.041 (em 95 países, reunindo um total de 200.820 voluntários não rotarianos).

No Brasil

COMO SE ASSOCIAR O ingresso no Rotary se dá por meio de convite. Nós podemos colocá-lo em contato com o clube que melhor atende a suas necessidades e interesses:

www.rotary.org/pt/get-involved/join VALORES

Os nossos valores foram adotados em 2007 como parte do Plano Estratégico do Rotary, por serem características fundamentais ao caráter dos rotarianos. Desde então, eles foram endossados pelo Conselho Diretor do Rotary International e apoiados pelos rotarianos de todo o mundo. Os Valores do Rotary International são companheirismo, integridade, diversidade, serviços humanitários e liderança.

A PROVA QUÁDRUPLA

Rotary Club de Istambul-Karaköy, Turquia

Do que nós pensamos, dizemos ou fazemos: 1) É a VERDADE? 2) É JUSTO para todos os interessados? 3) Criará BOA VONTADE e MELHORES AMIZADES? 4) Será BENÉFICO para todos os interessados? A Prova Quádrupla foi criada em 1932 pelo rotariano Herbert J. Taylor, que posteriormente presidiu o Rotary International.

CURADORES Mário César Martins de Camargo

Per Høyen

OBJETIVO DO ROTARY

Rotary Club de Santo André, Brasil

Sangkoo Yun

Gulam Vahanvaty

Rotary Club de Sae Hanyang, Coreia do Sul

Rotary Club de Bombaim, Índia

Seiji Kita

Kenneth M. Schuppert Jr.

Rotary Club de Urawa East, Japão

Rotary Club de Decatur, EUA

K. R. Ravindran

SECRETÁRIO-GERAL John Hewko

Rotary Club de Colombo, Sri Lanka

Rotary Club de Kyiv, Ucrânia

Rotary Club de Taipei, Taiwan

VICE-CHAIR Brenda M. Cressey Rotary Club de Paso Robles, EUA

Rotary Club de Madison West Towne-Middleton, EUA

Michael F. Webb Rotary Club de Mendip, Inglaterra

Örsçelik Balkan

Rotary Club de Aarup, Dinamarca

O Objetivo do Rotary é estimular e fomentar o Ideal de Servir, como base de todo empreendimento digno, promovendo e apoiando: Primeiro: o desenvolvimento do companheirismo como elemento capaz de proporcionar oportunidades de servir; Segundo: a difusão de altos padrões éticos na vida empresarial e profissional, o reconhecimento do mérito de toda ocupação útil e a valorização da profissão de todos os rotarianos como oportunidade de servir à sociedade; Terceiro: a aplicação do Ideal de Servir na vida pessoal, profissional e comunitária de todos os rotarianos; Quarto: a propagação da compreensão, boa vontade e paz entre as nações através de uma rede mundial de profissionais e empresários unidos pelo Ideal de Servir.

Fonte: Manual de Procedimento do Rotary International (edição de 2016)

4

revista Rotary Brasil | JULHO de 2018


Mensagem do presidente do Rotary International Barry Rassin

Visão de um mundo melhor Prezados companheiros rotarianos,

H

á um ano, o Conselho Diretor do Rotary International adotou uma nova declaração de visão, refletindo nossas aspirações para a organização e seu futuro. A declaração é a seguinte: “Juntos, vemos um mundo onde as pessoas se unem e entram em ação para causar mudanças duradouras em si mesmas, nas suas comunidades e no mundo todo”. Essa frase simples mostra muito do que é essencial no Rotary. Nós nos unimos porque sabemos que juntos somos muito mais fortes do que sozinhos. Entramos em ação porque não somos sonhadores, mas sim agentes de transformação. Trabalhamos para criar mudanças sustentáveis que perdurarão por muito tempo, em todo o mundo e em nossas comunidades, mesmo quando não estivermos mais envolvidos. E talvez o mais importante, trabalhamos para criar mudanças em nós mesmos – não apenas construindo um mundo melhor à nossa volta, mas nos tornando pessoas melhores. Uma frase atribuída ao escritor francês Antoine de Saint-Exupéry diz: “Se você quiser construir um barco, não junte seus homens e mulheres para lhes dar ordens, para explicar cada detalhe, para dizer onde encontrar cada coisa. Se você quiser construir um barco, faça nascer no coração de seus homens e mulheres o desejo pelo mar”. Cada um de nós veio ao Rotary porque tinha um desejo – causar um impacto, fazer a diferença, ser parte de algo maior do que nós mesmos. Esse desejo, essa visão de um mundo melhor e nosso papel em criá-lo é o que nos impulsiona no Rotary. Foi por isso que nos associamos, é isso que nos motiva a servir, e é o que me levou a escolher nosso lema do Rotary para este ano: Seja a Inspiração. Quero que o Rotary seja a inspiração para nossas comunidades realizando um trabalho com impacto transformador. Está na hora de avançarmos, de eliminarmos as barreiras que nos atrapalham. Vamos facilitar os ajustes em nossos clubes ou abrir novos clubes que atendam diferentes necessidades. Vamos trabalhar para fortalecer o Rotaract e a transição tranquila dos rotaractianos para o Rotary. Vamos dar a todos os rotarianos a flexibilidade para servir da maneira que seja melhor para eles, para que todo rotariano encontre valores duradouros na sua associação ao Rotary. O serviço verdadeiramente sustentável, o tipo de serviço pelo qual nos esforçamos no Rotary, significa enxergar tudo o que fazemos como parte de uma escala global. Este ano, peço que cada um de vocês seja a inspiração para o serviço sustentável, analisando o impacto das questões ambientais em nosso trabalho. O meio ambiente tem um papel fundamental em todas as nossas seis áreas de enfoque e esse papel está se tornando cada vez maior conforme o impacto das mudanças climáticas se faz sentir. Está na hora de deixar de ver o meio ambiente como algo separado das seis áreas. Solo, água e ar limpos são essenciais para comunidades sadias – e essenciais para o futuro melhor e mais saudável que nos empenhamos em conquistar. Seja a Inspiração – e juntos poderemos inspirar o mundo.

iStockphoto

NA INTERNET

Leia os pronunciamentos e as notícias do presidente do Rotary Internatinoal acessando o site www.rotary.org/pt/office-president

Q

uero que o Rotary seja a inspiração para nossas comunidades realizando um trabalho com impacto transformador

Barry Rassin Presidente do Rotary International NONJULHO NON de de2018 2018||revista revistaRotary RotaryBrasil Brasil

5


JULHO 2018 nº 1153

05 M

25 M

ensagem do presidente do Rotary International Visão de um mundo melhor

Barry Rassin

ensagem do curador da Fundação Rotária Maio foi o mês das conferências

Mário César de Camargo

11 M

26 A

28 É

ensagem do diretor do Rotary International Uma mercadoria muito valiosa

Paulo Augusto Zanardi

14 N

Os cem anos do Rotary na América do Sul

Eduardo Muniz Werneck

16 E

ossa história: especial

m cima do fato

Tempos líquidos: cobertura do Seminário Internacional de Água e Saneamento de Curitiba

Luiz Renato Dantas

20 P

onto de vista

Mensagem unificada em diferentes culturas: entrevista com Patrick Nunes, diretor global de Comunicações e Design do Rotary International

6

Nuno Virgílio Neto

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018

genda

Todos os caminhos levam a Fortaleza tica

Uma reflexão com a ajuda da matemática

Ricardo VLM Gondim

30 O

portunidade

Candidate-se a uma comissão do Rotary!

42 M

ensagem do chair do Conselho de Curadores da Fundação Rotária Futuro que construiremos juntos

Ron Burton

43 B

44 I

rasil contra a pólio

A hora é agora magem pública

Quarenta séculos nos contemplam


Após ler esta edição da Rotary Brasil, envie seus comentários e críticas para nossa equipe: jornalismo@revistarotarybrasil.com.br E aproveite para divulgar o Rotary presenteando sua revista a alguém! DE: _______________________ PARA: ____________________

32

Capa Pode me chamar de Barry Diana Schoberg

Seções 09 Calendário 10 Cartas e recados l Saudades 12 Curtas 18 A seu serviço 24 Pergunta do mês 46 Para saber mais 47 Clubes inovadores 50 Clubes e distritos 67 Rotaract 68 Interact 69 Rotary Kids 70 Casas da Amizade 71 Rotarianos que são notícia 72 Aconteceu 73 Relax 74 Imagens que marcam

Convite ao leiTOR

www.revistarotarybrasil.com.br

Seja a Inspiração. Seja uma Pessoa em Ação.

Q

uando vimos pela primeira vez as imagens de Barry Rassin que ilustram a capa e a principal reportagem desta edição, o que mais nos chamou atenção foi a simplicidade com que o presidente 201819 é apresentado. Com roupas informais, muitas vezes usando sandálias e bermuda, em boa parte das dez páginas de sua biografia ele aparece ao lado dos companheiros de clube, ou trabalhando em projetos de serviço. “Este ano, por acaso sou presidente, mas todos somos rotarianos”, diz ele num dos trechos da matéria produzida pela The Rotarian. “Jogamos no mesmo time. Todos trabalhamos juntos, não importa qual seja a função de cada um.” Pondo em prática seu lema Seja a Inspiração, Barry quer motivar os rotarianos e rotarianas de todo o mundo e espera que cada um de vocês faça o mesmo em sua comunidade. Barry quer que o Rotary cause impacto transformador, provável razão da semelhança entre as fotos da reportagem de capa e o imaginário que vem sendo construído por meio da campanha Pessoas em Ação. Barry também diz que está na hora de o Rotary avançar e eliminar as barreiras que o atrapalham. Como solução, ele pede que os clubes apostem na flexibilidade e no Rotaract. “Vamos facilitar os ajustes em nossos clubes ou abrir novos clubes que atendam diferentes necessidades”, afirma em sua primeira Mensagem do presidente. “Vamos trabalhar para fortalecer o Rotaract e a transição tranquila dos rotaractianos para o Rotary. Vamos dar a todos os rotarianos a flexibilidade para servir da maneira que seja melhor para eles, para que todo rotariano encontre valores duradouros na sua associação ao Rotary.” Há algo de novo na mensagem trazida por Barry Rassin. Que sua inspiração nos mova e com ela possamos inspirar aqueles com quem convivemos. No começo de mais esta jornada, a Rotary Brasil deseja a todos os rotarianos e rotarianas, especialmente aqueles que estão assumindo funções de liderança, como governadores de distrito e presidentes de clube, um ano de muitas alegrias, realizações e avanços. Há muito o que fazer por nosso país e pelo mundo. Contem conosco, leitoras e leitores, assim como contamos com suas histórias para que, publicadas aqui, elas possam inspirar muita gente. Em 2018-19, a Rotary Brasil vai mostrar que dentro de cada rotariano brasileiro há uma Pessoa em Ação! Equipe de Jornalismo

REVISTA

A REVISTA REGIONAL DO ROTARY

Capa: Barry Rassin, Esther e os flamingos do Ardastra Gardens, em Nassau, nas Bahamas. Arte de Armando Santos com foto de Alyce Henson.

www.revistarotarybrasil.com.br | Preço deste exemplar: R$ 8,00

JULHO 2018 ANO 93 Nº 1153

Conheça Barry Rassin, novo presidente do Rotary International, e sua esposa, Esther facebook.com/revistarotarybrasil

twitter.com/revistarotarybr

| REVISTA | REVISTA JULHO JULHO dede 2018 2018 Rotary RotaryBrasil Brasil

77


Revista de Propriedade da Associação Editora Brasil Rotário CNPJ: 33.266.784/0001-53  Inscrição Municipal: 00.883.425 Av. Rio Branco, 125, 18º andar CEP: 20040-006 – Sede própria Rio de Janeiro – RJ  Tel.: (21) 2506-5600 / Fax: (21) 2506-5601 SAC-Ouvidoria: 0800-6068-138 (ligação gratuita) Sistema de Gestão de Qualidade Certificado pela ABNT

DIRETORIA EDITORIAL E EXECUTIVA 2017-19 Presidente: Milton Ferreira Tito Vice-presidente: Pedro Loureiro Durão Diretor de Finanças: Claudio Dutra de Aboim Diretora Administrativa: Ivone Sacchetto Diretor de Logística: José Luiz Fonseca Diretor de Jornalismo: Alexis Cavichinni Teixeira de Siqueira Diretor Jurídico: Carlos Jerônimo da Silva Gueiros

Publicada ininterruptamente desde 1924, a Revista Rotary Brasil é a publicação oficial do Rotary em nosso país. Aqui você conhece um pouco do trabalho voluntário dos rotarianos brasileiros e de outros países.

COMO FUNCIONA SUA ASSINATURA

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 2017-19 Presidente: Jorge Bragança Suplente do presidente: Adelia Antonieta Villas Membros titulares: Bemvindo Augusto Dias, Fernando Moraes Baptista da Costa e Themístocles Américo Caldas Pinho Suplentes: Geraldo Lopes de Oliveira, Antenor Barros Leal e Laudelino da Costa Mendes Neto CONSELHO FISCAL 2018-19 Titulares: Paulo Sobrino D’Oliveira, Haroldo Ribeiro da Fonseca e Eduardo Corrêa de Almeida Suplentes: George Manuel da Rocha, Dulce Grünewald Lopes de Oliveira e Kizzy de Paula Mota CONSELHO CONSULTIVO DE BENEMÉRITOS Paulo Augusto Zanardi Mário de Oliveira Antonino Gerson Gonçalves Hipólito Sérgio Ferreira Guilhermino Cunha (suplente: João Weslley Trigo Lage) Alexis Cavichinni Teixeira de Siqueira Ricardo Vieira Lima Magalhães Gondim

De acordo com o Artigo 21.030.1 do Regimento Interno do Rotary International, todo associado a qualquer Rotary Club deve assinar a revista oficial do Rotary International (The Rotarian) ou uma revista regional do Rotary que tenha sido aprovada e prescrita para sua região pelo Conselho Diretor (no caso do nosso país, a Revista Rotary Brasil). Os assinantes podem optar por ler a revista em formato impresso ou digital. Dois rotarianos que morem no mesmo endereço têm ainda a opção de assinar a revista conjuntamente. Para mais esclarecimentos, entre em contato com nosso Departamento de Logística.

SUSPENSÃO POR ATRASO DE PAGAMENTO

Também de acordo com as normas do Rotary International, o atraso no pagamento da revista pode resultar na suspensão do seu clube. Para mais esclarecimentos, entre em contato com nosso Departamento de Cobrança.

Sobre o uso e a publicação de textos e imagens

Revista

EXPEDIENTE Editor-chefe: Milton Ferreira Tito Editor: Nuno Virgílio Neto – Jorn. Prof. MTB 24490 RJ Editor adjunto e jornalista responsável: Luiz Renato Dantas – Jorn. Prof. MTB 25583 RJ Redação e site: Luiz Renato Dantas, Manoel Magalhães, Maria Lúcia Ribeiro de Sousa, Nuno Virgílio Neto e Renata Coré Diagramação e digitalização: Alex Mendes, Armando Santos e Maria Cristina Andrade Impressão e distribuição: Edigráfica Gráfica e Editora Ltda. Tiragem desta edição: 48.600 exemplares E-mail da Redação: jornalismo@revistarotarybrasil.com.br Homepage: www.revistarotarybrasil.com.br Facebook: www.facebook.com/revistarotarybrasil ATENDIMENTO AO ASSINANTE SAC-Ouvidoria: 0800-6068-138 As matérias assinadas são de inteira responsabilidade dos seus autores. As visões expressas nesta publicação não são necessariamente aquelas do Rotary International ou da Fundação Rotária. São de propriedade do Rotary International e usadas sob licença as marcas ROTARY,

A REVISTA

e

O leitor que contribui com a Revista Rotary Brasil por meio do envio de conteúdo – tais como fotos, informações, textos e frases, entre outros – aceita e se responsabiliza pela autoria e originalidade do material enviado à revista, bem como pela obtenção da autorização de terceiros que eventualmente seja necessária para os fins desejados, respondendo dessa forma por qualquer reivindicação que venha a ser apresentada à Revista Rotary Brasil, judicial ou extrajudicialmente, em relação aos direitos intelectuais e/ ou direitos de imagem, ou ainda por eventuais danos morais e/ou materiais causados à Revista Rotary Brasil, à Associação Editora Brasil Rotário ou a terceiros. Entre os direitos da Revista Rotary Brasil incluem-se, também, os de adaptação e condensação dos textos e imagens enviados à revista. Para mais esclarecimentos, entre em contato com nosso Departamento de Jornalismo.

Conheça os canais para falar com nossa equipe Com o objetivo de ficar ainda mais perto dos leitores, a Revista Rotary Brasil criou o SAC-OUVIDORIA. Gostaríamos de conhecer suas ideias, reclamações e esclarecer dúvidas.

Ligue gratuitamente de qualquer parte do Brasil para 0800-6068-138.

Horário de atendimento: dias úteis, das 9h às 12h30 e das 13h30 às 17h. Se preferir, envie um e-mail para ouvidoria@revistarotarybrasil.com.br Para entrar em contato com o Gabinete da Presidência, escreva para gabinete@revistarotarybrasil.com.br

CONTATOS DOS DEPARTAMENTOS JORNALISMO

Para enviar notícias do seu clube, entre no site www.revistarotarybrasil.com.br, clique em Envie sua notícia no alto da página e siga as instruções. Ou envie o material para jornalismo@revistarotarybrasil.com.br

LOGÍSTICA Consciente de sua responsabilidade ambiental e social, a Edigráfica utiliza papel com certificação FSC®. O selo garante que a Revista Rotary Brasil foi impressa com papel certificado, proveniente de florestas manejadas de forma responsável.

ÉTICA: UM PRINCÍPIO QUE

DEVE SER APLICADO SEMPRE.

8

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018

Se precisar atualizar o número de assinantes, o endereço para envio de revistas ou pedir informações sobre a entrega das edições e o acesso à nossa versão digital, escreva para logistica@revistarotarybrasil.com.br

COBRANÇA

Para obter informações sobre o pagamento de assinaturas ou o envio de boletos, o e-mail é cobranca@revistarotarybrasil.com.br

MARKETING

Para anunciar sua empresa na revista e atingir um público de mais de 200 mil leitores em todo o país, entre em contato com marketing@revistarotarybrasil.com.br


Calendário

www.revistarotarybrasil.com.br

É hora de planejar a agenda 2018-19 N

este mês começamos um novo período de atividades, que finda em junho do próximo ano. Trazemos a seguir os temas que o Rotary dedica a cada mês e são inspirados nas ênfases de trabalho da organização. iStockphoto

JULHO 2018

AGOSTO 2018

SETEMBRO 2018

OUTUBRO 2018

Chegada do novo ano do Rotary. Único mês sem tema específico.

Mês do Desenvolvimento do Quadro Associativo e de Novos Clubes

Mês da Educação Básica e Alfabetização

Mês do Desenvolvimento Econômico e Comunitário

NOVEMBRO 2018

DEZEMBRO 2018

JANEIRO 2019

FEVEREIRO 2019

Mês da Fundação Rotária

Mês da Prevenção e Tratamento de Doenças

Mês dos Serviços Profissionais

Mês da Paz e Prevenção/Resolução de Conflitos

MARÇO 2019

ABRIL 2019

MAIO 2019

JUNHO 2019

Mês dos Recursos Hídricos e Saneamento

Mês da Saúde Materno-Infantil

Mês dos Serviços à Juventude

Mês dos Grupos de Companheirismo

JULHO de DE 2018 | REVISTA Rotary Brasil

9


CARTAS E RECADOS

www.revistarotarybrasil.com.br

Retratos no Morro: destaque da edição passada É aquele tipo de projeto que, só de ler a respeito, a gente já enche o olho d’água. Mais uma vez, o programa Rotaract mostrando força e sensibilidade! Parabéns aos companheiros envolvidos! Nathan Fernandes, de João Pinheiro, MG Parabéns, caros companheiros! É com projetos assim que exercitamos o verdadeiro amor. Simone Valle, de Fortaleza, CE

Ainda sobre junho

Excelente a matéria O ano em que o Brasil ficou mais verde, mostrando o sucesso em nosso país da campanha do presidente Ian Riseley, com a qual tivemos a satisfação de colaborar, plantando mais de 100 mudas de árvores no Recife. Que persistamos nesse objetivo, neutralizando um pouco a devastação desmedida praticada por quem não tem compromisso com a natureza. Não poderia deixar de comentar também a importância do que foi publicado na seção Nossa história sobre a estreita ligação entre o Rotary e o Lions, mostrando que, já desde os primórdios de suas fundações, tudo ocorreu por iniciativa de uma família, os irmãos Harris, que – como fruto de seus ideais proativos – formaram importante vínculo entre estas duas organizações. Uma realidade ainda bastante desconhecida, particularmente por não associados. George de Araújo Alves, associado ao Rotary Club do Recife-Largo da Paz, PE (distrito 4500)

NO FACEBOOK Na edição passada, nossa principal reportagem mostrou o projeto do Rotaract Club de Porto Alegre-São João que transformou em exposição fotográfica o cotidiano do Morro Santana, na capital gaúcha. Quando lançamos a capa na rede social, nossos seguidores a receberam assim:

Ecos de maio e março Sou fã da Rotary Brasil e leitora de todas as edições. Sempre encontro notícias e artigos do meu interesse. Gostei muito da entrevista com o secretário-geral do Rotary International, John Hewko (Mudando para mudar o mundo/maio de 2018). Susana Maria Carvalho e Silva, do Rotary Club de Porto Alegre-Iguatemi, RS (distrito 4670) Atendendo ao pedido do presidente da revista, publicado na página 26 da edição de março, quero manifestar minha opinião favorável ao artigo acerca do submarino de propulsão nuclear. A questão não é só o submarino, mas algo maior, a questão geopolítica como um todo. Esse artigo veio esclarecer um tema importante, assim como foi, em outra ocasião, a questão do território brasileiro e sua abrangência nas duzentas milhas da costa. Penso que outros artigos de interesse macro e permanente poderiam ser publicados para esclarecimento de todos. Se as publicações descerem a minúcias do dia a dia do país, haveria o risco de partidarizações. Já as questões maiores, exatamente por serem maiores, são de interesse geral para o futuro do Brasil. Octavio Augusto de Souza, governador 1974-75 do distrito 4720 e associado ao Rotary Club de Belém-Norte, PA

Saudades

735 reações

104 compartilhamentos

13

José Benito Gonzalez, governador 2014-15 do distrito 4660 e associado ao Rotary Club de Santa Maria, RS.

comentários

ERRAMOS Diferente do publicado na página 64 da edição passada, o Mutirão da Saúde e da Cidadania foi realizado pelo Rotary Club de Campos, RJ (distrito 4750), e não pelo Rotary Club de Bom Jesus do Itabapoana.

Curta a página da revista no Facebook e acompanhe as nossas atualizações frequentes, enquetes e muito mais:

Os comentários publicados nesta página são extraídos do Facebook e de cartas e e-mails enviados ao nosso Departamento de Jornalismo. No caso das correspondências, elas devem ser enviadas para o e-mail jornalismo@revistarotarybrasil.com.br ou para a Avenida Rio Branco, 125/18º andar – Centro – Rio de Janeiro/ RJ/CEP:20040-006. Em razão do seu tamanho ou para facilitar a compreensão, os textos poderão ser editados.

10

REVISTA ROTARY BRASIL | JULHO DE 2018

www.facebook.com/ revistarotarybrasil


MENSAGEM DO diretor do Rotary International Paulo Augusto Zanardi

Uma mercadoria muito valiosa

P

iStockphoto

rimeiro de julho é um momento muito especial de renovação para a nossa organização. Somos aproxi-

madamente 35 mil novos presidentes e mais centenas de outros dirigentes. Não conheço nenhuma empresa que troque de comando nesse curto espaço de tempo, com esse número tão expressivo e, o mais importante, sem sofrer quebra de continuidade. James Hunter, em seu livro O monge e o executivo, nos conta a história de uma fábrica de cristais. O autor nos diz que de nada adianta toda a estrutura de uma fábrica se os entregadores não forem bem treinados e quebrarem os cristais no momento da entrega. O mesmo acontece com o Rotary, porém a nossa mercadoria é mais valiosa. Entregamos amor, compaixão e muita esperança para

O

s entregadores do

Rotary são os presidentes de clube. Se eles não

confiança de que tudo o que fazemos é de forma correta. Em nossa diversidade, ele nos inspira os conceitos de diferença, oposição, pluralidade,

nossos clientes, que são as pessoas

estiverem preparados para

das nossas comunidades.

entender e atender as suas

visão, na comunhão dos contrários e

os presidentes de clube. Se eles não

comunidades, todo o nosso

Se fizermos mais projetos da nossa

estiverem preparados para entender e

trabalho se perde

Fundação Rotária, mais pessoas serão

Aprendemos muito com o Rotary,

marão para melhor. Quanto mais fortes

Eles sempre devem lembrar que os

pois a organização nos aprimora como

nos tornarmos, mais oportunidades de

projetos são da população local, e não

líderes e nos ensina a desenvolver

servir teremos.

do clube, ou seja, a comunidade nos

uma amizade saudável por meio do

Nesse novo período, seja a inspi-

diz do que ela precisa e, na medida do

companheirismo. Perceba que nunca

ração para fazermos deste um mundo

possível, o clube a atende.

estamos sozinhos; o Rotary nos dá a

melhor.

Os entregadores do Rotary são

atender as suas comunidades, todo o nosso trabalho se perde.

multiplicidade e diferentes ângulos de na tolerância mútua.

atendidas, e as vidas delas se transfor-

Para fazer comentários e sugestões sobre esta coluna, escreva para zanardi4730@gmail.com NON NON DE JULHO de 2018 | REVISTA revista Rotary Brasil

11


Curtas

www.revistarotarybrasil.com.br

Convenção 2019

A Alemanha que você não conhece

Q

uando pensamos na Alemanha, algumas imagens vêm à mente: Oktoberfest em Munique, paisagens impressionantes dos Alpes, a Rota Romântica e suas cidades medievais. Mas quem comparecer à Convenção Internacional do Rotary em Hamburgo, de 1º a 5 de junho de 2019, descobrirá que existe um outro lado do país igualmente cativante. Hamburgo, onde está o segundo maior porto da Europa, é conhecida por seu cenário cosmopolita. As pontes e canais fazem frente aos de Amsterdã, há dois charmosos lagos no coração da cidade e fácil acesso a muitos quilômetros de praias no Mar do Norte e no Mar Báltico.

Você dificilmente verá dançarinos de polca vestidos como tiroleses em Hamburgo, mas poderá visitar as mais modernas salas de concerto. Talvez não encontre wiener schnitzel (o famoso bife à milanesa austríaco) no cardápio, mas haverá muitos frutos do mar frescos, e poderá até se esquecer dos castelos do Reno assim que vir os enormes navios adentrando o rio Elba. É claro que alguns lugares-comuns da Alemanha são verdadeiros, mesmo em Hamburgo: o sistema de transporte público, por exemplo, é eficiente, limpo e fácil de utilizar. E graças ao bilhete de transporte de amplo acesso incluído na inscrição, os participantes da Convenção o acharão ainda mais simples.

Inscreva-se para a Convenção 2019 no site riconvention.org/pt

iStockphoto

12

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018


Nova remessa de milhares de selos iStockphoto

C

oordenada pelo Rotary Club de Gravataí, RS (distrito 4670), a Campanha Nacional dos Selos conseguiu reunir um total de 135 mil selos postais no decorrer do período 2017-18. As milhares de unidades foram enviadas à instituição beneficente Bethel, na Alemanha, que as encaminha a colaboradores voluntários. Esses voluntários limpam, classificam e acondicionam os selos em cartelas especiais para que sejam comercializados a filatelistas. A renda obtida com essa atividade ajuda no pagamento das despesas da instituição, que há mais de 150 anos assiste a população carente em sua clínica, oferecendo tratamentos de saúde diversos. Em 13 anos de parceria, a campanha coordenada pelo clube brasileiro já enviou 3,854 milhões de selos para a instituição alemã.

iStockphoto

Intercâmbio de jovens, ponte entre famílias

A

formação de um grupo de pais que tiveram filhos selecionados para participar do Programa de Intercâmbio de Jovens em Taiwan em 2017-18 é mais um exemplo de como o Rotary cria pontes e estreita laços de amizade. Após a viagem dos adolescentes, seus pais sentiram necessidade de se encontrar fora do mundo virtual. Então, planejaram para março cinco dias de companheirismo na praia de Porto de Galinhas, em Pernambuco. Liderado em conjunto por diversos pais – rotarianos e não rotarianos, sendo alguns integrantes da Norbrex Rotary (Associação de Intercâmbio de Jovens do Rotary International no Norte e

Nordeste Brasileiro) –, o grupo recebeu, em seu primeiro encontro oficial, 15 casais dos estados da Paraíba, Goiás, São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Pernambuco. Além deles, nove intercambistas – da Dinamarca, EUA, Taiwan e Eslováquia – e quatro ex-intercambistas também participaram do evento, que resultou no ingresso de novos associados no Rotary. Se você se interessou pelo grupo, pode entrar em contato com ele por meio deste endereço de e-mail: paisdetaiwan@gmail.com JULHO de 2018 | REVISTA Rotary Brasil

13


nOSSA HISTÓRIA: Especial

www.revistarotarybrasil.com.br Arte: Bruno Silveira

Os cem anos do Rotary na América do Sul Neste mês, rotarianos do Brasil e de países vizinhos celebram a criação do Rotary Club de Montevidéu, em 1918 Eduardo Muniz Werneck*

A

história da fundação do Rotary Club de Montevidéu, nosso primeiro clube ao sul da Linha do Equador, pode ser refeita a partir de registros encontrados na The Rotarian, revista oficial da organização, e no livro do rotariano uruguaio Rodolfo Fenocchi, Sesenta años en el Ideal de Servicio – Apuntes para la historia de Rotary en el Uruguai [Sessenta anos no Ideal de Serviço – Notas para a história do Rotary no Uruguai, em tradução livre]. Existem alguns relatos que divergem entre si sobre o primeiro contato de Herbert Coates com o Rotary. Juntando, porém, alguns deles, podemos tentar refazer a verdadeira história. Em 1916, este cidadão inglês que trabalhava em Montevidéu – onde era conhecido como Don Heriberto – foi a Chicago participar da Conferência Geral Metodista. Certo dia, depois de almoçar em seu hotel, Herbert sentouse comodamente em uma poltrona no saguão para ler os jornais. Incomodado por sons de discursos, aplausos e cantorias que vinham de um salão ao lado, foi ver do que se tratava. Entreabriu uma das portas e viu uma multidão sentada ao redor de várias mesas, e de um lado um estrado com uma grande roda denteada. “O que é isto?”, ele perguntou a um dos que estavam em uma mesa próxima. “É a reunião do Rotary”, explicou o interlocutor. Como continuava a fazer perguntas sobre a

14

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018

Local histórico: reprodução do Hotel Pyramides, um dos cenários dessa jornada

reunião e o Rotary, Herbert foi convidado a sentar-se, tendo saído dali entusiasmado e decidido a levar a ideia para a América do Sul. Uma segunda viagem? Existem registros de uma outra viagem aos Estados Unidos, em 1918, para onde Herbert teria ido de férias, uma vez que as viagens para a Europa estavam restritas por conta da guerra. Tendo ido rever um amigo, não o encontrou em seu local de trabalho, pois ele estava em uma convenção do Rotary. Ao procurar este amigo no tal evento, travou contato (mais uma vez?) com o Rotary. A verdade é que em uma destas viagens (ou teria sido só uma?) Herbert Coates conheceu o então secretário-geral do Rotary International, Ches Perry, de quem obteve as informações – e autorizações – necessárias para fundar um clube em Montevidéu. Mas Don Heriberto não estava sozinho na empreitada. A edição da revista The Rotarian de janeiro de 1917 traz uma pequena nota registrando a presença de Charles T. Ewald, à época secretário-geral da Federação Sul-Americana da Associação Cristã de Moços, na reunião do Rotary Club


de Hartford, nos Estados Unidos, à qual também estavam presentes o presidente 1915-16 do Rotary, Allen D. Albert, e o governador do distrito, Lester Winchenbaugh. As duas autoridades imediatamente enxergaram a oportunidade de estender o Rotary até a América do Sul e teriam então conseguido despertar no convidado o necessário interesse para que ele mesmo levasse a ideia para Montevidéu, onde residia. O fato de esse encontro ter sido publicado na The Rotarian significa que o secretário Ches Perry, que também era editor da revista, havia sido informado do encontro. Dupla eficiente Não é fácil reconstituir uma história cem anos depois. O fato é que na Convenção do Rotary ocorrida em junho de 1918 – um mês antes, portanto, da data oficial de fundação do clube – chega um telegrama informando a criação do Rotary Club de Montevidéu, assinado por Coates e Ewald, e no qual este informava: “Clube pioneiro da América do Sul organizado em Montevidéu, representação delegada a Frank Waterman de Nova York. Saúdem convenção em nosso nome”. O secretário Ches Perry certamente colocou os dois em contato – e a partir de então eles devem ter passado a trabalhar juntos na busca de potenciais candidatos a associados do novo clube. A reunião que culminou com a formação do primeiro Rotary Club ao sul da Linha do Equador se iniciou às 20h da sexta-feira, 12 de julho de 1918, no escritório de Herbert Coates, situado na Calle Cerrito 440. Estavam presentes, além dele, Charles Ewald, William Dawson, T. H. Gallaugher e H. De Anguera. A ata da reunião, redigida em inglês, registra a formação da primeira diretoria, cabendo a presidência temporária do clube a William Dawson, diplomata americano que viria a ser o cônsul-geral dos Estados Unidos no Uruguai. Herbert Coates foi eleito secretário e Gallaugher, tesoureiro, ambos ainda na condição de temporários. Cinco nomes, todos considerados líderes na cidade, e que poderiam tornar-se ótimos rotarianos, foram submetidos e aprovados para serem convidados para a reunião seguinte. Cada um dos presentes ficou responsável por visitar um deles e convidá-lo a comparecer para tornar-se associado fundador. A segunda reunião do clube ocorreu às 12h da sexta-feira seguinte, dia 19 de julho, em um almoço no Hotel Pyramides. Naquela ocasião, foi confirmada a fundação do Rotary Club de Montevidéu, e os dez presentes foram considerados fundadores. Por aclamação, foi eleita a diretoria, conforme indicação da reunião anterior. Convencionou-se que a entra-

A reunião que resultaria na fundação do clube foi realizada às 20h da sexta-feira, 12 de julho de 1918, no escritório de Herbert Coates, situado na Calle Cerrito 440 da de novos associados seria limitada a dois por sessão, para que a cada um deles se pudessem transmitir devidamente os princípios fundamentais da associação. As reuniões de formação do clube devem ter continuado por todo o semestre, pois apenas em janeiro de 1919 a solicitação de afiliação chegou ao Rotary, e finalmente a então Associação Internacional de Rotary Clubs emitiu, com data de 1º de fevereiro de 1919, o Certificado de Filiação do Rotary Club de Montevidéu, o 441o clube de Rotary. Expansão veloz A partir de então, o Rotary começou sua expansão pela América do Sul. No mesmo ano de 1919, foi fundado o clube de Buenos Aires, na Argentina; em 1920, o Rotary Club de Lima, no Peru; em 1923, Rio de Janeiro, Rosário (Argentina) e Valparaíso (Chile); em 1924, Santiago (Chile). Os clubes de La Plata (Argentina) e São Paulo seriam fundados em 1925. Não se pode negar, entretanto, que um dos grandes responsáveis pela difusão do Rotary na América do Sul foi Herbert Coates, o Don Heriberto. Membro do Comitê para Expansão do Rotary, ele trabalhou ativamente para a fundação do Rotary Club do Rio de Janeiro, do qual era associado honorário. Sobre ele, disse Paul Harris: “A Inglaterra deu ao mundo centenas de grandes líderes. Não entre os mais proeminentes, mas entre os mais determinados e úteis, deve ser inscrito o nome de Herbert Coates”. Hoje, o Rotary no Uruguai tem mais de 2.100 associados distribuídos por 106 clubes de dois distritos, o 4970 e o 4980, e parte do distrito binacional 4945, que inclui clubes do Uruguai e da Argentina. * O autor é governador 2010-11 do distrito 4670, associado ao Rotary Club de São Leopoldo-Leste, RS, e organizador do livro 1936 – O ano em que o Brasil conheceu Paul Percy Harris, que pode ser adquirido pelo e-mail cdpi@revistarotarybrasil.com.br JULHO DE 2018 | REVISTA Rotary Brasil

15


Em cima do fato

www.revistarotarybrasil.com.br

Tempos líquidos

Seminário mostra compromisso global do Rotary com recursos hídricos e saneamento Luiz Renato Dantas

A

paz depende da água. Uma sociedade mais justa também. No entanto, apenas 2,5% da água disponível no planeta é doce, sendo que 68,7% desse volume encontra-se preso em geleiras. Mais de 1,6 bilhão de pessoas habitam regiões onde a água é escassa. Um recurso precioso como esse tem gerado crescente preocupação de governos e organizações, entre elas o Rotary, que realizou na cidade de Curitiba, no Paraná, em 26 de maio, o Seminário Internacional de Água e Saneamento – Parcerias e Soluções. Contando com a participação da vice-presidente 2017-18 do Rotary International, a canadense Hendreen Dean Rohrs, e do atual diretor do Rotary International Paulo Augusto Zanardi, o evento permitiu ao público conhecer projetos de sucesso de distritos brasileiros e obter uma visão geral sobre o tema. Na abertura dos trabalhos, Zanardi aproveitou para saudar o governador 2008-09 do distrito 4670, Eliseu Gonçalves da Silva, à frente do projeto Aguapé, de despoluição do rio Gravataí, no Rio Grande do Sul: “É o responsável, penso eu, pelo maior projeto de água do Rotary no Brasil”.

Mesa de abertura (a partir da esquerda): Eliseu Gonçalves; Isis Mejias, ex-bolsita do Rotary; Paulo Zanardi; Dean Rohrs; Antonio Hallage e Glauco Machado Requião, diretor de Meio Ambiente e Ação Social da Sanepar

16

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018

Os painéis também trouxeram a palavra de representantes da Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar), que em 2017 assinou um termo de cooperação com os quatro distritos paranaenses do Rotary para o desenvolvimento de iniciativas de conscientização da população, incluindo a construção de centros de educação ambiental pelo Estado. “É uma parceria que terá muito sucesso, um bom modelo para espalharmos pelo Brasil”, avaliou Antonio Hallage, ex-curador da Fundação Rotária e diretor 2009-11 do Rotary International e organizador do seminário. “Outros projetos irão aparecer, e a Fundação Rotária entrará em ação”, acrescentou. A palestra de Dean Rohrs foi outro ponto alto. “Um milhão de pessoas morrem todos os anos por doenças relacionadas a água e saneamento inadequados, e as mulheres são as mais afetadas”, informou. Para a vice-presidente, o empoderamento das mulheres é essencial para solucionar a crise hídrica. Dean Rohrs também destacou a importância dos programas Wash do Rotary (iniciativas relacionadas a água, saneamento e higiene) nos países pobres e em desenvolvimento.


Antonio Hallage (à direita), organizador do seminário, e Glauco Machado, diretor da Sanepar: parcerias com empresas são a chave para projetos bem-sucedidos

“O Rotary tem a maior rede de pessoas no mundo para se focar nessa área, e o fortalecimento das capacitações [dos rotarianos] precisa acontecer”, defendeu a venezuelana Isis Mejias, embaixadora do Grupo Rotarianos em Ação para Água e Saneamento (Wasrag) e ex-bolsista do Rotary

A vice-presidente Dean Rohrs enfatizou que o empoderamento das mulheres é parte importante da solução da crise de recursos hídricos e saneamento nos países pobres. “A cada 90 segundos, uma criança morre por uma doença relacionada à água”, disse

Herbert Ortiz, associado ao Rotary Club de São PauloNovas Gerações, SP (distrito 4420), falou sobre o projeto do seu clube Brincadeira D’Água, que solucionou o problema de abastecimento de água em uma escola de Belmiro Braga, MG

“Quanto se desperdiça de água tratada pelo mundo?”, questionou Joper Padrão do Espírito Santo, governador 2001-02 do distrito 4570, ao tratar de gestão eficiente. Sua palestra abordou desafios e soluções para os agentes de transformação do Rotary JULHO DE 2018 | REVISTA Rotary Brasil

17


A seu serviço notícias do escritório do Rotary international no brasil

escritório do Rotary international no brasil

Ensinando a organizar um Rotaract O

iStockphoto

presidente do Rotary International, Barry Rassin, está enfatizando a meta de dobrar o número de Rotaract Clubs em 2018-19. Vamos entrar em ação! Junte-se a nós no webinar Como organizar um Rotaract baseado na comunidade, preparado pela nossa equipe de Suporte a Clubes e Distritos e que será realizado no dia 31 deste mês, das 15h às 15h30 (horário de Brasília). A sessão contará com representantes da Rotaract Brasil (Organização Multidistrital de Informação de Rotaract do Brasil) e mostrará por que os Rotaract Clubs formados na comunidade são uma ótima opção. Inscreva-se agora mesmo no nosso site: www.rotary.org.br

www.rotary.org.br Endereço Condomínio Comercial Casa das Caldeiras Avenida Francisco Matarazzo, 1752 14º andar / Conjunto 1421 Água Branca – São Paulo – SP CEP: 05001-220 Tel: (11) 3217-2630 Atendimento: de 2ª a 6ª, das 8h às 17h Gerente Celso Fontanelli celso.fontanelli@rotary.org Suporte a Clubes e Distritos Débora Watanabe (supervisora)

O Ribo agora em novo endereço O

debora.watanabe@rotary.org Fundação Rotária

Escritório do Rotary International no Brasil (Ribo) ganhou uma nova sede. Visando a uma melhor distribuição dos departamentos e atendimento, o espaço, localizado em um dos edifícios mais modernos e equipados da Zona Oeste de São Paulo, conta com uma nova distribuição e desenho dos ambientes de trabalho e sala de reuniões. O escritório agora está sediado no Condomínio Comercial Casa das Caldeiras, na Av. Francisco Matarazzo, 1752 – 14º andar / Conjunto 1421 – Água Branca – CEP: 05001-220 – São Paulo – SP. O horário de atendimento permanece o mesmo: de segunda a sexta, das 8h às 17h.

Edilson Gushiken (supervisor) edilson.gushiken@rotary.org Financeiro Carlos Eduardo de Araujo (supervisor) carlos.araujo@rotary.org Publicações e Audiovisuais Clarita Urey (supervisora) clarita.urey@rotary.org

Contamos com você em 2018-19! T

18

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018

1560 Sherman Avenue, Evanston, Il 60201 USA Phone: 00-21-1847 866-3000 Fax: 00-21-1847 328-8554 Atendimento: das 8h30 às 17h (horário de Washington)

iStockphoto

odos os rotarianos são incentivados a participar dos projetos da Fundação e a doar 100 dólares todos os anos ao Fundo Anual. Programe-se desde já para fazêlo neste período 2018-19. Doando pessoalmente, por exemplo, 35 reais por mês, você pode cumprir com a meta de maneira simples e prática. Cadastre-se uma única vez para fazer as doações mensais de acordo com a sua preferência: via boleto bancário – na página www.rotary.org.br/doacaomensal – ou via cartão de crédito – em www.rotary.org.br/doe. Se preferir, nos telefone para efetuarmos seu cadastro: (11) 3217-2630 – ramal 4. Em nome de todos os beneficiários, o nosso muito obrigado!

Sede mundial do Rotary International

Estamos prontos para ajudá-lo!


Bendito é uma teleassistência que chega para auxiliar idosos em situação de emergência. Agora, em vez de o familiar se preocupar com quem o idoso vai ficar, sua pergunta será: como o Bendito pode me ajudar?

Caso precise de ajuda, o usuário deverá acionar seu botão transmissor pessoal.

O console da Bendito receberá a informação e mandará um sinal para nossa Central de Emergência.

Um dos nossos atendentes entrará em contato com o usuário e o manterá calmo para encaminhar o atendimento.

Após identificar do que se trata a emergência, nossa central entrará em contato com o familiar, serviço médico ou quem puder ajudar, conforme definido pelo monitorado.


PONto de vista

www.revistarotarybrasil.com.br Will Knight

Mensagem unificada em diferentes culturas Esta é uma das missões da equipe liderada pelo brasileiro Patrick Nunes, novo diretor de Comunicações Globais e Design do Rotary International

Nuno Virgílio Neto

P

aulista de Marília, no Centro-Oeste de São Paulo, Patrick Nunes descobriu muito cedo seu amor por culturas diferentes. Depois de abrir uma escola de idiomas (ele fala seis deles) e serviços linguísticos aos 20 anos, Patrick pensou em seguir carreira diplomática até o dia em que, cursando especialização em relações internacionais na Universidade de São Paulo, viu um panfleto sobre a oportunidade de passar um período no exterior fazendo trabalho humanitário. “Nunca vou esquecer o que senti ao ler aquele anúncio, foi como se algo me dissesse que aquela oportunidade poderia definir meu futuro pessoal e profissional.” A intuição estava certa. Depois de 18 meses estudando e realizando atividades voluntárias entre Estados Unidos, Índia, África do Sul e Zâmbia, Patrick descobriu seu caminho. “Queria uma profissão promissora associada a uma causa maior, que trouxesse benefícios diretos ou indiretos para outras pessoas.” Há quase uma década trabalhando na sede do Rotary, recentemente Patrick assumiu o cargo de diretor de Comunicações Globais e Design. Nesta conversa, falamos do novo estágio da estratégia global de comunicação da organização, da campanha Pessoas em Ação, identidade visual, mídias sociais, revistas e sobre como cada rotariano tem um papel fundamental nesse esforço de imagem pública. 20

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018


REVISTA ROTARY BRASIL: Quais são as suas atribuições e principais desafios como diretor de Comunicações Globais e Design? PATRICK NUNES: Comecei no Rotary em 2009 como líder da equipe de português do departamento que era conhecido como Serviços Linguísticos. O enfoque principal naquela época era converter conteúdo de um idioma para outro. A ideia era que, contanto que as informações que surgissem fossem traduzidas nos idiomas do Rotary, estávamos cumprindo nosso dever para com os associados de outras partes do mundo. Há dois anos e meio, tive a oportunidade de discutir ideias sobre o que poderia ser feito de forma diferente para fortalecer nossa função de comunicação e imagem pública global, que no Rotary é uma função relativamente nova do ponto de vista estratégico. Então, em 2016, embarcamos na transformação da equipe com uma visão mais estratégica e enfocando a questão de comunicação em escala global, na qual a função de regionalição de conteúdo é parte da estratégia. No entanto, para realmente fortalecermos o posicionamento da marca global do Rotary, precisávamos criar oportunidades para a geração de conteúdo original relevante para as diversas regiões do mundo do Rotary. E alinhar o conteúdo, inclusive com as revistas regionais. Foi quando mudamos a abordagem da equipe, contando com o profissionalismo e o conhecimento de todos, para a função de Comunicações Globais, da qual fui gerente durante este período. Em março de 2018, tive a feliz oportunidade de assumir o cargo de diretor de Comunicações Globais e Design. Nesta função, minhas atribuições incluem dar continuidade a essa estratégia, no tocante a conteúdo global, e também levar esse aspecto para os elementos visuais da nossa equipe de design gráfico, que desempenha a execução de

Um dos nossos maiores desafios é elevar a forma de pensarmos o posicionamento da nossa marca, por meio de um parâmetro abrangente e fiel à ideia de que rotarianos são Pessoas em Ação materiais sobre o Rotary, logos para eventos, manuais de treinamento, entre outros. Minha função também inclui a responsabilidade direta pelo apoio às revistas regionais. Um dos nossos maiores desafios é elevar a forma de pensarmos o posicionamento da nossa marca, por meio de um parâmetro abrangente e fiel à ideia de que rotarianos são Pessoas em Ação, respeitando e salientando as diferenças culturais e regionais de como isto é representado em nossos clubes ao redor do mundo. Isso vai além da questão do idioma em que o conteúdo é apresentado. Depois de passar um século sem se preocupar com imagem pública, de uma década para cá o Rotary vem dedicando muita atenção à comunicação. O quanto já avançamos nesse aspecto e o que deve ser prioridade a partir de agora? n O fato de o Rotary, por muito tempo, ter assumido uma posição modesta em relação ao fantástico trabalho que realiza em comunidades do mundo todo nos define como uma organização que não tinha o intuito de se gabar dos seus bons feitos, algo muito nobre. Porém, com o avanço dos tempos, nossa modéstia de certa forma dificultou o posicionamento da nossa marca, tanto do ponto de vista humanitário como do companheirismo, do que realmente significa fazer parte do Rotary.

Ao realizarmos um estudo global em 2013 sobre como as pessoas viam e o que sabiam a nosso respeito, ficou claro que, mesmo entre associados, a definição do que o Rotary representa variava muito. Entre o público externo, descobrimos que muitas pessoas tinham ouvido falar do Rotary, ou reconheciam o nome, mas a grande maioria dos entrevistados não sabia exatamente o que era. Muitas vezes, havia uma impressão totalmente distorcida do que somos. Isto é um problema, principalmente se quisermos atrair mais associados e ganharmos o reconhecimento que queremos para as inúmeras iniciativas nas quais trabalhamos, incluindo a erradicação global da pólio. Nossa maior priodidade, então, do ponto de vista de comunicação e imagem pública, é aumentar não só a familiaridade das pessoas com o nome Rotary, mas também o grau de entendimento do que somos e fazemos. Mais que um novo esforço global de comunicação, a campanha Pessoas em Ação tem sido definida como um reposicionamento do Rotary como marca. O que isso significa exatamente? n A partir dos estudos realizados sobre o fortalecimento da marca Rotary, decidimos que precisávamos de uma campanha que nos ajudasse a comunicar o âmago do que representamos. O fato de nossos clubes e distritos estarem envolvidos com tantas causas e beneficiando a humanidade em tantos parâmetros torna difícil nosso posicionamento de marca como algo direto e linear. Por exemplo, se pensarmos em uma organização como o Unicef, ao ouvirmos falar do que ela faz, o conceito geral e o entendimento da causa nos remetem a crianças, algo simples e direto. Em vez de dar ênfase a uma causa específica, quando concluímos as ideias do que seria nosso ponto fundamental como organização, descobrimos que JULHO DE 2018 | REVISTA Rotary Brasil

21


PONto de vista Pessoas em Ação não é apenas uma campanha, mas a plataforma que nos identifica. Primeiramente, porque o aspecto humano é fundamental para o Rotary. A interação e o companheiris­ mo que se dão nas reuniões dos nossos clubes e os projetos que realizamos são o alicerce para solucionar qualquer pro­ blema que identificamos. Os contatos que os rotarianos têm em suas vidas pessoais e profissionais, dentro e fora do Rotary, possibilitam que muitas coisas sejam realizadas. Ou seja, nosso posicionamento de marca e o bem maior que temos são os nossos associados, pessoas que não ficam alheias às questões que devem ser resolvidas em suas comunidades e em outras partes do mundo. Pessoas que, ao se depararem com tais situações, en­ tram em ação para encontrar soluções, produzir resultados que transformem nossa humanidade. Numa etapa anterior à campanha Pessoas em Ação, o Rotary redefiniu sua identidade visual e encorajou cada Rotary Club do mundo a adotá-la. Apesar disso, ainda vemos muitos deles usando o logotipo antigo e insistindo em não seguir as diretrizes de identidade visual. Por que é tão importante que os clubes façam essa atualização e como uma identidade visual desalinhada atrapalha a organização? n Tive o privilégio de acompanhar o processo de fortalecimento da nossa marca. A identidade visual é um dos atributos que a compõem. Nós, do grupo de comunicação, entendemos o aspecto emocional atrelado à utili­ zação do logotipo antigo, e sabemos que há uma questão de legado que sempre estará ligada àquele logotipo. De um ponto de vista de marca e mar­ keting, sabemos que várias grandes marcas que hoje existem passaram por processos semelhantes, e que também

22

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018

www.revistarotarybrasil.com.br

Se não houver consistência na forma visual como nos apresentamos, muitos podem pensar que também não há consistência nos demais aspectos da nossa organização

incluíram ajustes em seus logotipos ao longo dos anos. Nossa organização investiu uma quantia significantiva para avaliarmos nosso posicionamento. Descobrimos que estávamos mesmo muito envolvi­ dos em conversar internamente e que precisávamos expandir nosso escopo. Identificamos também que não havia uma arquitetura de marca e um guia de identidade visual. A ausência de uma identidade visual bem definida, ou o não seguimento das diretrizes agora estabelecidas, prejudica nosso empenho para aumentar a conscientização do que o Rotary representa, transmitindo uma imagem não unificada, dando abertura a interpretações aleatórias e que muitas vezes não condizem com o que real­ mente somos. Apesar de o logotipo ser apenas um dos atributos da marca, ele é como um cartão de visitas. Se não houver consistência na forma visual como nos apresentamos, muitos podem pensar que também não há consistência nos demais aspectos da nossa organização. Em maio, editores das revistas do Rotary de diversos países estiveram reunidos na sede da organização, em Evanston, nos Estados Unidos, para

um seminário voltado a atualizações e troca de experiências, evento realizado a cada dois anos. Na sua avaliação, qual foi o resultado mais importante do encontro e quais devem ser os focos das revistas para que elas trabalhem alinhadas às estratégias globais de comunicação do Rotary? n Um dos aspectos mais animadores da minha nova função é o trabalho mais próximo às revistas do Rotary que existem em várias partes do mun­ do. O seminário realmente foi muito produtivo e um dos resultados mais importantes foi ouvir dos editores que há uma vontade maior de alinharmos nosso posicionamento editorial no aspecto de conteúdo, mas também no aspecto visual das revistas. Assim como é importante que nossos clubes adotem uma identidade visual consistente, as nossas revistas também precisam ser apresentadas de forma alinhada. Se comprarmos uma revista National Geo­ graphic nos Estados Unidos, uma no Japão e outra na África do Sul, é nítido que, apesar das fotos de capa talvez serem diferentes, elas fazem parte da mesma família editorial. Precisamos analisar como fazer isso com as revistas do Rotary. Sabemos que nossos associados têm a obrigatoriedade de assinar pelo me­ nos uma revista do Rotary. Outro foco importante de discussão é fazer com que nossas publicações continuem tra­ balhando sempre para oferecer o conte­ údo de melhor qualidade possível para que haja um retorno de investimento e para que a leitura dessas revistas seja sempre algo agradável e informativo. Outro desafio importante da nossa estratégia global de comunicação é uti­ lizar os canais impresso e digital da me­ lhor forma possível, o que também se aplica às revistas. Vemos que algumas delas já têm realizado esta interação de forma muito bem-sucedida, como a Rotary Brasil, por exemplo, não apenas


Comunicação unificada: esse foi um tema central do Seminário de Editores das Revistas Regionais, realizado em maio na sede do Rotary, nos EUA. A revista brasileira foi representada pelo editor, Nuno Virgílio Neto, e pelo subeditor digital, Manoel Magalhães

em sua versão digital, mas também com sua presença nas mídias sociais. Nós, brasileiros, somos um povo muito comunicativo e engajado em redes sociais como Facebook e Instagram. O Rotary vem estimulando seus clubes a utilizar plataformas na divulgação dos trabalhos que fazem e para atrair novos associados, doadores e parceiros. O que um clube deve fazer nas redes sociais e o que ele deve evitar para aproveitar bem esses recursos? n Sabemos da importância do investimento maior dos nossos recursos nos projetos que realizamos. As mídias sociais surgiram como uma grande ferramenta para transmitirmos a mensagem do que fazemos e representamos, sem exigir muitos recursos financeiros para isso. Como as mídias sociais são de acesso muito fácil, muitas vezes elas nos deixam mais animados e engajados em divulgar o que fazemos. Porém, temos que lembrar da importância de fazer isto da maneira correta, que apoie nossa abordagem em termos de mensagem. Como as pesquisas mostraram, somos muito bons ao falarmos com nosso público interno, o rotariano. No entanto, uma das maiores vantagens das mídias sociais é o poder que elas têm de alcançar um público ainda não familiarizado com o Rotary. Para fazermos isso de

forma eficiente, temos que pensar em vários aspectos. Por exemplo: no caso das fotos, elas passam o sentimento real de Pessoas em Ação ou representam uma ideia de confraternização que não nos distingue de outros eventos? Em relação à mensagem, estamos escrevendo postagens claras e sucintas, que falam do trabalho de rotarianos causando impacto na comunidade, ou estamos utilizando siglas como Pets e outras que somente rotarianos entenderiam? Há ainda a questão do engajamento. Nossas postagens deixam o leitor curioso e abrem a oportunidade para que ele saiba mais sobre o Rotary ou como se envolver com a organização, ou apenas passam a ideia de que fazemos o bem e estamos nos gabando disso? Cada rotariano é, essencialmente, um divulgador do Rotary, seja em sua família, entre amigos, no ambiente de trabalho. O que cada associado pode fazer para ajudar a organização a comunicar-se melhor com a sociedade nesse exercício cotidiano de imagem pública? n Eu costumo dizer que, como marca, o Rotary é mais global que a CocaCola, apesar de a Coca-Cola ser uma empresa americana com fenomenal presença mundial. Se um caminhão da

Coca-Cola, por algum motivo, falhar em distribuir seus produtos em uma determinada região do mundo, a Coca-Cola, naquele momento, não tem sua presença totalmente global. Já o Rotary acontece todos os dias, em todos os lugares do mundo, por meio de seus associados e das atividades que nossos clubes e distritos representam. Por falar na Coca-Cola, sabemos que nós não temos o capital grandioso para investir em imagem pública como ela tem. Logo, cada rotariano é o porta-voz maior da nossa marca. Nosso intuito maior é alinhar e fortalecer nossa mensagem de maneira global, em todos os aspectos, a partir da ideia de que rotarianos são Pessoas em Ação. Em nosso Brand Center [acessado pelo site Rotary.org], temos vários recursos que podem ajudar os rotarianos a desempenhar seu papel como embaixadores da marca Rotary. Se, em sua comunicação diária, no contato com amigos e familiares, em seu ambiente de trabalho, no website do seu clube, em suas mídias sociais ou em suas relações de negócio, cada rotariano transmitir a ideia de que somos Pessoas em Ação, estaremos fortalecendo cada vez mais o posicionamento da nossa marca e, assim, conseguiremos assegurar os méritos pelos feitos que realizamos, garantindo um futuro promissor a essa organização tão querida. JULHO DE 2018 | REVISTA Rotary Brasil

23


pergunta do mês

www.revistarotarybrasil.com.br

Como seu clube está trabalhando para ampliar a vacinação contra a pólio em sua cidade? Essa foi a questão que deixamos para os leitores na edição de junho, na página da revista no Facebook (facebook.com/revistarotarybrasil) e também no Instagram (instagram.com/revistatoraybrasil). Agradecemos a todos que participaram. “Nosso clube, que até alguns anos atrás tinha na sua sede um ponto de vacinação, hoje trabalha na divulgação para erradicar a pólio. Ano passado, juntamente com os outros Rotary Clubs da cidade, fomos ao calçadão da cidade de Araçatuba com faixas e distribuição de panfletos para a população.” Elza Cristina Saiki dos Santos, associada ao Rotary Club de Araçatuba, SP (distrito 4470)

“Temos feito divulgação em massa para a campanha de vacinação contra a pólio. Em todos os momentos, quer seja em reunião festiva de posse de novos companheiros, em reunião de posse da diretoria, de fundação do Rotaract ou em qualquer evento que tenhamos oportunidade, exibimos filmes e contamos em discursos e entrevistas como foi a descoberta dessa vacina. Enfatizamos que a campanha foi iniciada e encabeçada pelo Rotary. Lembramos sempre que, graças a Deus, a Albert Sabin e ao Rotary, faz 30 anos que não se registra nem um caso de paralisia infantil no Brasil.” Nelson Gonçalves, presidente 2017-18 do Rotary Club de Bady Bassitt, SP (distrito 4480)

“Incentivamos com campanha, como a Caminhada contra a Pólio em outubro de 2017. Levamos o banner End Polio Now em todos os eventos de que participamos, como na última Ação Rotária, no dia 10 de junho.” Luciene Fernandes, presidente 2017-18 do Rotary Club de Itaúna-Cidade Educativa, MG (distrito 4560)

A PERGUNTA DO PRÓXIMO MÊS Que soluções criativas o seu clube encontrou para aumentar o quadro associativo? Envie sua resposta até o dia 10 de julho para o e-mail jornalismo@revistarotarybrasil.com.br Selecionaremos algumas das colaborações para publicar na edição de agosto. Seu texto pode ter até 300 caracteres (com os espaços). Não esqueça de mencionar o nome do seu clube!

24 REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018


Mensagem do curador da Fundação Rotária Mário César de Camargo

Maio foi o mês das conferências

U

ma das funções do curador é evangelizar o público do Rotary sobre os dados de nossa Fundação. A melhor oportunidade de falar com o rotariano de raiz é durante as conferências distritais. Por isso aceito boa parte dos convites para falar nesses eventos, às vezes cometendo imprudências, como confirmar participação em duas conferências no mesmo fim de semana, no ápice da greve dos caminhoneiros. Perdoem-me, distritos 4651 e 4750 – então sob o comando, respectivamente, de José Alberto Noldin e Miguel Mendonça Pinheiro –, por ter falhado nos dois compromissos: um por razão de ordem pessoal, outro por descontrole do tráfego aéreo, advindo da referida greve. Mesmo assim consegui transmitir a mensagem aos companheiros dos distritos 4420, 4520, 4570 e 4740 nas conferências realizadas entre meados de abril e fim de maio. Capitaneado pelo governador distrital 2017-18 Claudio Hiroshi Takata, o 4420 reuniu-se mais uma vez na cidade de Águas de Lindóia, no Estado de São Paulo. O 4520 montou a sua conferência em Caldas Novas, Goiás, sob a batuta da governadora Regina Celi Daminato Rezende. Já o 4570 realizou o seu encontro em São Lourenço, Minas Gerais, sob o comando do governador Henrique Sampaio Ferreira. Por fim, o 4740, coordenado pelo governador Darci Luís Campo,

iStockphoto

O Rotary toca mais vidas do que podemos imaginar, e sempre para o bem congregou rotarianos na cidade de Chapecó, Santa Catarina. Palestrar em conferências é uma via de mão dupla. Sempre ensinamos algo, mas também aprendemos. Contrariando a estreita visão de que o roteiro dessas viagens é divertido, constituindo-se um passatempo, minha convivência limitase a raros momentos de intercâmbio com rotarianos locais e muita espera em aeroportos, mesmo em tempos normais – durante a greve dos caminhoneiros, a espera chegou a ser de quase um dia inteiro. Sem contar a hospedagem em hotéis com check-in à meia-noite e saída ao meio-dia seguinte. O melhor é sempre a relação com os aides, rotarianos locais

que se dispõem a nos acompanhar durante toda a visita, mesmo quando eles precisam nos receber no aeroporto às 23h30. Haja espírito voluntário!

Também tive a chance de conhecer alguns pontos turísticos das cidades. Fiz visita de uma hora às águas termais de Caldas Novas, passagem rápida pelo estádio da Chapecoense, a Arena Condá, em Chapecó, e corrida em torno do lago em Águas de Lindóia. Em retribuição à tarefa de informar os rotarianos de raiz sobre os fatos e feitos da Fundação Rotária, ouvi palestras de gente interessante, como a do promotor Deltan Dallagnol, cuja esposa foi intercambista do Rotary na Alemanha, ou o depoimento do historiador e professor Leandro Karnal, que admitiu publicamente, pela primeira vez, segundo ele, ter sido rotaractiano no Rio Grande do Sul. O Rotary toca mais vidas do que podemos imaginar, e sempre para o bem. Tive ainda a oportunidade rara de conhecer pessoalmente figuras como o padre Marcelo Rossi, que cantou e encantou almas na conferência do distrito 4420. Enfim, um mês pleno de compromissos, agenda meio caótica, pé na estrada, palestras com debates. Mais um período que se aproximava do fim fazendo a diferença no mundo.

Para fazer comentários e sugestões sobre esta coluna, escreva para mario.cesar@graficabandeirantes.com.br NON JULHO NON DE de 2018 | revista REVISTA Rotary Brasil

25


Agenda

www.revistarotarybrasil.com.br

Todos os caminhos levam Fotos: iStockphoto

Pôr do sol na famosa Praia de Iracema, próximo ao Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (abaixo), um dos maiores centros culturais do país

26

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018


Falta pouco para o grande encontro anual do Rotary no Brasil

a Fortaleza

O

Instituto Rotary do Brasil é sempre um evento de trabalho, nós sabemos. Este ano, porém, o maior encontro de líderes distritais brasileiros, que ocorrerá de 30 de agosto a 1º de setembro, escolheu a capital do Ceará como cenário. Quem mandou? Não há como ficar imune aos encantos da Terra da Luz, com seus 34 quilômetros de litoral distribuídos por 15 praias. Então que tal dar um pulo à praia da Volta da Jurema, na avenida Beira Mar, em um dos horários livres do Instituto? Você se deparará com uma generosa faixa de areia e um mar tranquilo que lembra uma lagoa. No seu entorno, não faltam quiosques, bares e restaurantes. Pela manhã, você verá ali muitos praticantes de esportes e caminhadas. À

noite, é a vez de as pessoas passearem pelo calçadão enquanto apreciam a feira de artesanato. A movimentada praia de Meireles é outro trecho da Beira Mar bastante apreciado por turistas e famílias do bairro homônimo e tem um pôr do sol que é uma atração à parte. Os participantes do Instituto também deveriam tirar um tempo para conhecer a história do Ceará. A cidade natal de Rachel de Queiroz conta com 31 museus e oito centros culturais. Se ir a todos seria impossível, não deixe de visitar pelo menos o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, que ocupa uma área de 30 mil metros quadrados no bairro Praia de Iracema e é um dos maiores centros culturais do Brasil. Aberto ao público de terça-feira a domingo, ele tem a maior parte da

programação com acesso gratuito ou a preços simbólicos, abrigando diversas expressões artísticas. O centro reúne o Museu da Cultura Cearense, Museu de Arte Contemporânea, Teatro Dragão do Mar, salas de cinema, Anfiteatro Sérgio Motta e o Planetário Rubens de Azevedo. O encontro em Fortaleza tem tudo para deixar saudade. “Estou seguro de que a equipe formada pelos rotarianos do distrito 4490, sob a coordenação do governador Henrique Vasconcelos, não medirá esforços para que esse evento seja lembrado como um dos mais bem planejados e executados Institutos do Brasil”, afirma Paulo Augusto Zanardi, diretor do Rotary International e convocador do evento, no site dedicado a esse 41º encontro.

Para se inscrever e saber mais sobre o 41º Instituto Rotary do Brasil, acesse www.institutorotarybrasil.org.br

Programa:

CURSO

 COMÉRCIO EXTERIOR Do dia 02/08 a 21/08 Terças e Quintas-feiras das 18:30 às 21:00 Carga horária: 18 horas Investimento: R$ 500,00

cursos@imapor.org.br (21) 2233-5809 Sede do SindaRio/ IMAPOR Rua Conselheiro Saraiva, 28 / 3º andar – Centro – RJ.

- Economia Internacional: Organismos Internacionais e Blocos Econômicos; - Acordos Comerciais; - Fundamentos da Importação; - Fundamentos da Exportação; - Comércio Exterior Brasileiro; - Classificação de Mercadorias (NCM); - Legislação Aduaneira; - Regimes Aduaneiros Especiais; - Tecnologia Aplicada ao COMEX: SISCOMEX, SISCARGA etc; - Despacho Aduaneiro; - Tributos do Comércio Exterior; - Infrações e Penalidades do Comércio Exterior.

JULHO DE 2018 | REVISTA Rotary Brasil

27


Ética

www.revistarotarybrasil.com.br

Uma reflexão com a ajuda da matemática

iS

to

ck

ph

ot

o

moral

E de uma poderosa ferramenta que o Rotary oferece Ricardo VLM Gondim*

S

em dúvida, somos todos amigos da ética. Não conheço quem, em sã consciência, se sinta – ou, pior ainda, se declare, publicamente – um “inimigo da ética”... A qual ética, porém, devemos devotar a nossa sincera e profunda amizade? Pois “éticas”, consideradas como conjuntos de normas, formalizadas ou não, baseadas em valores apontados como bons e desejáveis, e que regem ou orientam o comportamento dos seres humanos, há muitas, inúmeras. Variam na geografia e no tempo, conforme o grupo humano que as adota, e segundo a cultura dos povos. Mesmo as éticas mais arraigadas também não são imutáveis, podendo ser modificadas com o passar das gerações e as evoluções culturais. Sabemos que há éticas definidas para diversas instituições, para empresas, e mesmo para agremiações esportivas ou sociais, e tantas mais. Sem querer relativizar tais valores, podemos constatar, por exemplo, que existem éticas – até muito rigorosas – entre criminosos. Neste raciocínio, atrevo-me a mencionar que em nosso país, na atualidade, uma das pessoas que se têm mostrado mais éticas é um antigo ministro de Estado, um todo-poderoso homem de governo até há pouco tempo, e que hoje cumpre severa pena por seus crimes, mas se recusa a auferir benefícios por não querer delatar o chefe máximo da quadrilha... Ele cumpre rigorosamente a ética do seu bando! Como entender e conceituar o comportamento humano, definir o certo e o errado, diferençar o correto e o incorreto? Teoria dos conjuntos Incapaz de partir para grandes voos filosóficos ou metafísicos, pois minha formação é bem mais rudimentar e positiva, oriundo que sou das ciências exatas, lembrei-me da velha matemática, da famosa teoria dos conjuntos, que a gente representa desenhando aquelas bolinhas que se interceptam, no chamado diagrama de Venn.

28

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018

ética

lei

Neste modelo, talvez um tanto tosco, porém simples e de fácil compreensão, a orientação dos comportamentos humanos se dá em três grandes conjuntos de valores e de normas, ou linhas de ação: a moral, a ética e a lei. Há respeitáveis correntes filosóficas que definem moral e ética como sendo a mesma coisa, talvez sinônimos. Neste nosso modelo, entretanto, estabelecemos profundas distinções entre esses dois conjuntos de valores e normas. Nele, pensamos a moral como algo intrínseco ao ser humano, à sua consciência, à sua noção íntima de certo e de errado, de bem e de mal, e que pode ter – ou não – um sentido mais transcendente, próprio a cada indivíduo, correspondendo mesmo à sua relação com um poder ou uma harmonia superior, absoluta, que rege a existência toda. Conceito de ética Por outro lado, a ética seria então um conjunto de valores e de normas, escrito ou não, produto de uma cultura, formal ou implícito, próprio a um grupo humano, regendo o comportamento daqueles indivíduos na sua interação, buscando uma harmonia que resulte no bem comum, no benefício para aquela coletividade específica. Esse grupo terá qualquer dimensão que se defina, podendo ser um círculo profissional (legítimo ou até ilegítimo, como é o caso dos bandidos), ou uma comunidade nacional, ou mesmo todo o gênero humano.


Ainda nesta nossa visão, lei é o ordenamento formal da comunidade, ou sociedade, geralmente escrito, oriundo de entidades que, por delegação ou por usurpação de poderes, estabeleceram e fazem cumprir tal ordenamento. Idealmente, a lei deve refletir uma ética e uma moral coletivas. Voltemos ao nosso diagrama das bolinhas, que se interceptam, duas a duas, ou as três simultaneamente, havendo também, para cada uma, áreas exclusivas, sem interceptar qualquer outra. O ideal é vivermos e atuarmos na região em que as três bolinhas (ou conjuntos) se interceptam. Agiremos dentro da lei, conforme a ética e sem contrariarmos a moral. Podemos, entretanto, encontrar situações em que apenas duas bolinhas se interceptam: por exemplo, ações que são morais e éticas, porém contra a lei; ou legais e éticas (na ética específica de algum grupo), porém imorais; ou legais e morais, porém contrárias a alguma visão ética peculiar. E também há casos em que o procedimento atende apenas a um dos conjuntos de valores e normas, sendo contrário aos outros dois. São inúmeros os exemplos, fáceis de encontrar na atual realidade de nosso país e do mundo. Aprimoramento constante Bem sabemos que tais conjuntos de valores e normas de conduta, mesmo quando saudáveis e essencialmente bem intencionados, não são perfeitos, cabendo sempre o seu aprimoramento. Que ações podem ser adotadas pelas sociedades no sentido de aperfeiçoar esses grandes conjuntos de valores e normas de comportamento, com o objetivo de melhor se atingir o bem comum? No campo da moral, que é mais arraigada nas consciências das pessoas, seu aperfeiçoamento ou reforma exige profundas mudanças culturais, associadas a um intenso trabalho de reeducação, num processo persistente e lento, para que as modificações possam ser sensíveis e se mostrem produzindo reais efeitos. E o campo legal? As leis, bem sabemos, teoricamente emanam da vontade popular, e são postas, idealmente, a serviço desse povo que elegeu ou aceitou como seus representantes os legisladores. Elas estão, porém, em muitos casos, descoladas de tais propósitos superiores, e atendem a outros interesses, menores, subalternos ou francamente ofensivos a uma ética e a uma moralidade coletivas. E bem conhecemos como é difícil reformar as leis, tendo que vencer toda sorte de pressões e obstáculos. Trabalho e exemplo Talvez um campo menos árduo a ser aperfeiçoado seja a ética. Lá, um trabalho persistente, baseado não só na educação e no convencimento, mas principalmente no exemplo, cuja ação é poderosa e arrebatadora, poderá produzir frutos mais rapidamente, aprimorando e trazendo mais harmonia às relações entre os seres humanos. E seus reflexos também propiciarão o aperfeiçoamento das leis e da moral. Neste aperfeiçoamento da ética de uma sociedade é que podem atuar, com real eficácia, as instituições que buscam, de forma honesta e bem intencionada, o bem comum. Alguns as chamam de “forças vivas

da cidadania”, ou “da nacionalidade”, ou usam alguma outra expressão pomposa e de bela sonoridade. Não importa tanto o nome, ou o título da instituição. Vale mais a intenção e a correta ação, que venha a resultar em serviço eficaz e a produzir efeitos profundos e duradouros na busca do bem comum. Creio que este é o caso do Rotary. Nossa organização, atuando em praticamente todo o mundo, mobiliza, contando rotarianos e demais membros da Família do Rotary, um total bem superior a dois milhões de pessoas, e pode se engajar, com sucesso muito provável, numa campanha por melhores padrões éticos, seja numa cidade ou região, ou numa nação, ou mesmo em todo o mundo onde, respeitadas as devidas diferenças, possa abranger toda a humanidade. Não foi assim que tudo começou, na turbulenta Chicago do princípio do século 20? Não foi esse o início mesmo do movimento do Rotary? Padrões desejados Voltamos à pergunta inicial: qual será a ética de que queremos ser realmente amigos? Que padrões desejamos para reger as nossas relações, como membros de comunidades, ou de sociedades humanas, que somos? Que aperfeiçoamentos aplicar na estrutura ética – valores e práticas – de que hoje dispomos? Certamente a resposta não será simples, muito menos imediata, e não será fruto de umas poucas cabeças pensantes. Poderá talvez ser o resultado da ação conjunta e persistente daquelas várias “forças vivas da cidadania”, ou “da nacionalidade”, a que me referi. E só terá resultados duradouros e eficazes se divulgada num trabalho perseverante de educação e de convencimento, sempre legitimado pela força mobilizadora do exemplo. E, nessa conjugação de poderosas forças, postas em ação na busca de padrões éticos mais perfeitos, o papel do Rotary poderá ser de real destaque, fazendo uso das significativas lideranças – sociais, profissionais e políticas – que o compõem. E o Rotary já oferece uma diretriz, uma poderosa ferramenta para tal busca, criada de forma despretensiosa ainda no início de seu movimento, no princípio do século 20, por companheiros que se preocupavam com o aperfeiçoamento dos padrões éticos então reinantes. Refiro-me às quatro perguntas capitais para a definição de um bom e mais justo relacionamento entre seres humanos, a nossa velha conhecida, a Prova Quádrupla: – É a VERDADE? – É JUSTO para todos os interessados? – Criará BOA VONTADE e MELHORES AMIZADES? – Será BENÉFICO para todos os interessados? Pergunto: será que já não temos aqui um excelente ponto de partida para a nossa tarefa?

*O autor é presidente 2000-01 do Rotary Club do Rio de Janeiro, RJ (distrito 4570), e presidente 2011-15 da Editora Brasil Rotário. JULHO DE 2018 | REVISTA Rotary Brasil

29


Oportunidade

www.revistarotarybrasil.com.br

Candidate-se a uma comissão do Rotary!

iStockphoto

O prazo termina em 11 de agosto

V

ocê gostaria de contribuir ainda mais com o Rotary integrando uma comissão? As comissões do Rotary trabalham com os líderes da organização para garantir eficiência e promover os objetivos e prioridades estabelecidos no Plano Estratégico. As comissões abaixo estão em busca de candidatos qualificados às vagas abertas para 2019-20. Seus integrantes se comunicam por e-mail, teleconferência e webinar, conforme a necessidade. Algumas também realizam uma reunião presencial obrigatória por ano. As atividades da

maior parte das comissões são conduzidas em inglês. Para se candidatar, ou para recomendar alguém a uma das comissões, visite on.rotary.org/application2018. Os candidatos devem se inscrever pelo site rotary.org/myrotary/pt e verificar se seus dados de contato estão atualizados. O prazo para apresentar candidaturas é 11 de agosto.

COMISSÃO

FUNÇÃO

PRÉ-REQUISITOS

COMPROMISSO

Auditoria

Assessora o Conselho Diretor em auditoria externa e interna, relatórios financeiros e sistema de controle interno

Independência, experiência condizente em negócios e conhecimento financeiro comprovado em contabilidade, auditoria, sistema bancário, seguros, investimentos, gestão de risco, gestão executiva, ou governança de auditoria

Um mandato de seis anos; duas reuniões por ano em Evanston e duas reuniões anuais por teleconferência / webinar

Comunicação

Assessora o Conselho Diretor na comunicação com grupos-chaves

Formação e experiência profissional em área relacionada a comunicação

Um mandato de três anos; diversas teleconferências; reunião anual em Evanston

Finanças

Assessora o Conselho Diretor nas finanças do Rotary, incluindo política de investimento, orçamentos e medidas de sustentabilidade

Formação profissional em área relacionada a finanças; experiência preferivelmente em organizações sem fins lucrativos. Os candidatos devem ter experiência em questões financeiras nos clubes e distritos

Um mandato de três anos; duas reuniões por ano em Evanston

Rede Global de Grupos de Rotarianos

Supervisiona Grupos Rotarianos em Ação, Grupos de Companheirismo e atividades de serviços profissionais, incluindo operações, melhoria de programas e propostas

Os candidatos já devem ter liderado Grupos Rotarianos em Ação, Grupos de Companheirismo ou comissão de Serviços Profissionais no âmbito de clube e distrito, conhecendo as respectivas políticas

Um mandato de três anos; reunião anual em Evanston, duas teleconferências por ano

30

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018


COMISSÃO

FUNÇÃO

PRÉ-REQUISITOS

COMPROMISSO

Parcerias (comissão conjunta)

Assessora o Conselho Diretor e o Conselho de Curadores em questões de parcerias e patrocínios

Conhecimento sobre a concessão de subsídios e os portfólios de serviços internacionais; vasta experiência em cultivar e desenvolver parcerias com empresas, ONGs e governos; experiência em marketing de causas, patrocínios e relacionamentos geradores de recursos, além de parcerias estratégicas internacionais; total compreensão da capacidade dos projetos no âmbito dos clubes

Um mandato de três anos; duas reuniões anuais em Evanston

Capacitação

Assessora o Conselho Diretor nos programas de treinamento do Rotary para rotarianos, clubes e distritos, com ênfase especial no treinamento para governadores de distritos

É necessário ter sólida experiência em treinamento ou educação, preferencialmente em formação de lideranças

Um mandato de três anos; reunião anual em Evanston

Quadro Associativo

Assessora o Conselho Diretor em questões relativas a desenvolvimento, retenção e engajamento do quadro associativo

Rotariano ou rotaractiano com sólido conhecimento e compromisso com a conquista de associados e atividades de engajamento; preferivelmente candidatos que sejam de clubes que tenham diversificado seu quadro associativo

Um mandato de três anos; duas reuniões por ano em Evanston

Revisão das Operações

Monitora a eficiência e a implementação de operações e de todos os sistemas internos; assessora a Comissão Executiva em questões de pagamentos e desempenha outras funções de supervisão mediante solicitação do Conselho Diretor

Experiência em gestão, desenvolvimento de lideranças ou gestão financeira, e conhecimento abrangente das operações do Rotary. As indicações serão limitadas a ex-diretores do Rotary International

Um mandato de seis anos; duas reuniões anuais em Evanston

Rotaract e Interact

Assessora o Conselho sobre os programas Interact e Rotaract; desenvolve o programa do Encontro Rotaract Pré-Convenção

Rotarianos: Experiência em trabalho com jovens; experiência direta como mentor ou conselheiro de Rotaract/Interact ou presidente de comissão distrital. Ex-participantes de programa pró-juventude do Rotary são fortes candidatos

Rotarianos: Um mandato de três anos; reunião anual em Evanston

Rotaractianos: Liderança no âmbito de clube, distrito ou internacional. São fortes candidatos aqueles que serviram como representante distrital do Rotaract, organizaram projetos ou participaram do Encontro Rotaract Pré-Convenção. Pode haver restrição de idade

Rotaractianos: Um mandato de três anos; reunião anual em Evanston

Planejamento Estratégico

Revisa o plano estratégico do Rotary e medidas associadas; assessora a liderança em questões importantes em longo prazo

Dez anos de experiência ou mais em desenvolvimento de estratégias, implementação, e sólido entendimento dos programas e serviços do Rotary International e da Fundação Rotária

Um mandato de quatro anos; até quatro reuniões em Evanston

Intercâmbio de Jovens

Assessora o Conselho Diretor em questões relativas ao Programa de Intercâmbio de Jovens e desenvolve o programa do Encontro Pré-Convenção de Dirigentes do Intercâmbio de Jovens

Experiência administrando intercâmbio em âmbito distrital e multidistrital. É necessário ser de um distrito que preencha os requisitos de certificação para trabalhar com o Programa de Intercâmbio de Jovens

Várias reuniões anuais por teleconferência e webinar

JULHO DE 2018 | REVISTA Rotary Brasil

31


Capa

Pode me chamar de Barry O novo presidente do Rotary, Barry Rassin, detém o equilíbrio perfeito entre a gentileza do povo das Bahamas e a liderança com confiança Reportagem: Diana Schoberg l Fotos: Alyce Henson

32

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018

www.revistarotarybrasil.com.br


Um companheiro cumprimenta Rassin no Rotary Club de East Nassau

JULHO DE 2018 | REVISTA Rotary Brasil

33


Capa

www.revistarotarybrasil.com.br

A partir do alto: Barry Rassin no escritório em sua residência em Nassau, Bahamas; uma antiga colega o abraça no Doctors Hospital, onde todos se tratam pelo primeiro nome Na página ao lado: Rassin adora cachorros e jardinagem, e cultiva mangas, abacates, goiabas e uma grande variedade de flores na propriedade da família; ele conversa com Charles Diggiss, que o sucedeu na presidência do hospital

A

muitos quilômetros da costa das Bahamas, Barry Rassin, o presidente 201819 do Rotary International, se equilibra no balanço da proa do iate Rat Bat. Aqui não há enormes navios de cruzeiro nem jet skis barulhentos, apenas barcos de passeio ocasionais e o som das ondas batendo no casco. No mar turquesa, tartarugas gigantes deslizam pelo fundo do oceano. “Para mim, o mar é liberdade, tranquilidade”, ele diz. “Quando estou na água, tudo desaparece. Você sente que está em harmonia com o mundo e nada pode dar errado.”

34

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018

Há poucos minutos, chuviscava, mas agora o sol fraco de dezembro tenta aparecer. De repente, uma embarcação passa e o Rat Bat balança. Sem se deixar abalar, Rassin permanece em posição, observando o encontro do céu e do mar na linha do horizonte. No final da tarde de 12 de janeiro de 2010, ele e sua esposa, Esther, estavam em casa, em Nassau, capital das Bahamas, quando um terremoto de sete graus de magnitude atingiu o Haiti, a cerca de 850 quilômetros de distância. Logo em seguida, Rassin recebeu um telefonema de Errol Alberga, da Jamaica. À época, Alberga era o governador do distrito 7020, que inclui esses três pa-


Para mim, o mar é liberdade, tranquilidade. Quando estou na água, tudo desaparece. Você sente que está em harmonia com o mundo e nada pode dar errado

íses, além de diversas outras nações nas ilhas que formam as Índias Ocidentais. Alberga contou a Rassin – ex-governador do distrito e então presidente do famoso Doctors Hospital em Nassau – sobre o terremoto e pediu que ele liderasse o trabalho de ajuda oferecido pelo Rotary. Rassin passou o resto da noite andando pela sala de sua casa, enquanto falava ao telefone com outros líderes do Rotary na região. Em um canto do cômodo, a televisão mostrava imagens do Haiti em ruínas e, na parte de baixo da tela, um alerta de emergência chamou sua atenção: um tsunami poderia estar a caminho das Bahamas. Uma onda marítima tão extraordinária que poderia inundar todo o país. LUZES E ESCURIDÃO Rassin e a esposa foram para a varanda no segundo andar e aguardaram. “À noite, se você olha para o oceano, tudo o que JULHO DE 2018 | REVISTA Rotary Brasil

35


Capa Nunca fui bem academicamente. Os professores diziam que eu não me dedicava

Com a esposa, Esther, Rassin confraterniza com associados do Rotary Club de East Nassau; em dezembro, ele ajudou rotarianos e rotaractianos a plantarem árvores de mangue no parque nacional Bonefish Pond, na costa sul da ilha de New Providence, nas Bahamas vê são luzes até a superfície da água, e então tudo se torna escuridão”, relembrou em um impactante discurso proferido em janeiro na Assembleia Internacional em San Diego, EUA. “Olhei para onde as luzes terminavam e a escuridão começava, e esperei que ela viesse em nossa direção e engolisse a luz.” Felizmente, o tsunami nunca aconteceu, e ele voltou ao trabalho. Ao longo dos dias e semanas seguintes, Richard McCombe, outro ex-governador distrital, encabeçou as atividades diárias do Rotary, e Rassin coordenou esforços de recuperação de longo prazo financiados por doações de rotarianos de todo o mundo para a Fundação Rotária. Ele criou uma planilha com 132 páginas para monitorar cada detalhe: quanto dinheiro havia em caixa, quanto havia sido gasto, qual Rotary Club estava encarregado de cada iniciativa. “Na conferência do distrito, no ano seguinte ao terremoto, Barry analisou o dinheiro para cada um dos projetos”, diz Lindsey Cancino, ex-presidente do Rotary Club

36

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018

de East Nassau, o mesmo de Rassin. “Até os centavos que estavam na conta [de recuperação do desastre] coincidiram. Fiquei muito impressionada.” Imediatamente após o terremoto, Rassin trabalhou com Claude Surena, médico haitiano e rotariano que transformou sua casa, nos arredores de Porto Príncipe, em abrigo e hospital improvisados. Foi lá que Surena cuidou de mais de 100 pessoas que tiveram de deixar suas casas. Em outras partes da ilha, havia dezenas de milhares de mortos, e mais dezenas de milhares de feridos. Em telefonemas noturnos para Rassin e sua equipe, Surena – que a pedido de René Préval, presidente do Haiti à época, viria a supervisionar a recuperação dos setores de saúde pública e privada do país – detalhava os medicamentos e demais materiais mais urgentes. E então, a cada manhã, um avião partia de Nassau carregado de tudo o que era necessário. Rassin decidiu pegar um desses voos. Na viagem de quatro horas sobrevoando


o oceano, ele admirou atentamente o azul do céu sem fim e do mar pontilhado de verdes ilhas tropicais. “Parecia o paraíso”, disse em seu discurso. “Até que sobrevoamos o Haiti.” DEVASTAÇÃO Em terra, ele viu estradas bloqueadas, casas desabadas, bairros inteiros em ruínas. Por não ser possível pousar em Porto Príncipe, o avião aterrissou em uma pista de grama fora da capital e, depois de descarregar, rumou de volta. “Em poucos minutos, já estávamos sobrevoando a água e tínhamos a mesma bela vista abaixo de nós”, disse Rassin em seu discurso. “O Haiti desapareceu atrás de nós, as Bahamas surgiram à nossa frente, e lá estávamos entre os dois. Olhando para a água e para o horizonte, percebi que não havia nenhuma fronteira entre aqui e lá, entre nós e eles, entre o sofrimento do qual escapáramos, mas outros não. Poderia perfeitamente ter sido nas Bahamas. Poderia perfeitamente ter sido conosco.”

Barry Rassin sempre sentiu que deveria ter estudado medicina. Era sua herança. Seu pai, Meyer, um cirurgião ortopédico conhecido pelas poucas palavras, saiu da Inglaterra para as Bahamas, durante a Segunda Guerra Mundial, para supervisionar a assistência médica às tropas da Força Aérea Real (RAF). À exceção de algumas atividades submarinas, as Bahamas estavam fora da zona de guerra. Os antigos aeroportos Oakes Field (atualmente desativado) e Windsor Field (atual Lynden Pindling), em Nassau, forneceram treinamento de voo para aspirantes a piloto da RAF, que retornariam à Europa para os combates. A medicina militar não ocupava muito o tempo do doutor Rassin, que aproveitava para cuidar dos moradores locais, inclusive tratando de leprosos que haviam sido banidos da sociedade. Esse trabalho o fez cativar a população. Depois da guerra, ele voltou à Inglaterra, mas, em 1947, logo após o nascimento de seu filho Barry, retornou com a família a Nassau para trabalhar no hospital

Recentemente o Rotary Club de East Nassau ajudou na limpeza de um centro comunitário para adolescentes portadores de HIV/Aids

Assim que Esther desconfia de que meu ego esteja falando mais alto, se certifica de que ele esteja sob controle. Quando ouve meus discursos, sempre pergunto o que ela achou. É a única pessoa que conheço que sei que me dirá a verdade

JULHO DE 2018 | REVISTA Rotary Brasil

37


Capa do governo. Em 1955, ele e a esposa, Rosetta, que era enfermeira de centro cirúrgico, abriram o Hospital Rassin para melhor atender os pacientes. Barry tinha 10 anos quando seu pai o fez assistir a uma cesariana pela primeira vez, e ficou apavorado. Essa seria sua apresentação à profissão da família. Seu irmão mais velho, David, é PhD em farmacologia e dedica-se a pesquisas sobre as propriedades do leite materno. UNIVERSIDADE Já Barry se inscreveu para o curso de pré-medicina na Universidade de Long Island, próximo de Nova York, e reprovou após dois anos. “Não sei se era difícil demais para mim ou se eu não me interessava”, ele explica. “Nunca fui bem academicamente. Os professores diziam que eu não me dedicava.” Rassin voltou a Nassau e trabalhou em funções não especializadas no British Colonial Hotel. Começou na recepção – “Não era para mim” – e logo foi relegado à microfilmagem e entrega de material de escritório. Depois de um ano, percebeu que teria de tomar uma decisão: ou passava a vida trabalhando no hotel e morando com os pais, ou retomava os estudos. Em 1967, ele se mudou para Miami, se matriculou na faculdade comunitária e foi cursando as matérias que tinha vontade, porque queria descobrir o que combinava mais com ele. “Dois dias de aula de contabilidade e eu disse: ‘Isso é para mim’.” Ele foi estudar administração, melhorou as notas e se transferiu para a Universidade de Miami, onde recebeu o diploma de contabilidade com honras. Tempos depois, concluiu o MBA em

38

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018

www.revistarotarybrasil.com.br

administração hospitalar e de saúde na Universidade da Flórida. RETORNO A NASSAU De volta às Bahamas, o Rassin Hospital, após várias décadas de prosperidade, enfrentava um declínio. Depois da independência do país, em 1973, muitos expatriados britânicos, incluindo vários pacientes do hospital, deixaram as Bahamas. Foi aí que Rassin, com muitos anos de experiência em administração hospitalar (principalmente no Mount Sinai Medical Center em Miami), retornou a Nassau mais uma vez, com a primeira esposa e os filhos Pascale, Michele e Anthony. Seu objetivo era levar o melhor da medicina moderna ao país – e ele planejava fazer isso em um renovado Rassin Hospital. Charles Diggiss, atual presidente do Doctors Hospital (como passou a ser conhecido depois da reforma), trabalhava lá em plantões no pronto-socorro no fim dos anos 1980, mesma época em que era residente de cirurgia no hospital público. “Barry tocava o hospital que ficava a um quarteirão do hospital público”, conta Diggiss. “Ele teve a coragem de levar adiante. Não havia promessa de sucesso, mas todas as garantias de frustração, de que os médicos não acreditariam.” Fazendo uma retrospectiva, Rassin relata os desafios com que se deparou: “Era uma batalha com meus pais, uma batalha com os médicos, uma batalha com minha esposa”. Toda essa pressão levou ao fim do seu primeiro casamento. No entanto, os amigos que ele fez no Rotary fortaleceram sua decisão de perseverar. “Recebi o apoio de um grupo de cidadãos das Bahamas que diziam que realmente havia necessidade de se fazer isso.”

Muitos anos antes, Rassin trabalhava para a American Medicorp em Hollywood, Flórida, quando um médico o convidou a se associar ao Rotary. Ele recusou. “Na minha cabeça, ele tinha no mínimo 70 anos”, brinca. “Eu tinha 30. As pessoas dizem que não há novos associados porque não os convidamos, mas isso não basta. Eu fui convidado e não quis.” CONVITE ACEITO Ele mudou de ideia sobre o Rotary quando retornou a Nassau e conheceu John Robertson em um evento beneficente para o Rotary Club de East Nassau. Robertson estava ajudando e as filhas de Rassin, Pascale e Michele, participavam. Os dois conversaram e, ao final, Rassin aceitou o convite de Robertson para almoçar no Rotary. Sete anos mais tarde, em 1987, ele era presidente do clube. Michele, que se tornou a primeira associada mulher do clube, assumiria o comando em 2009. A ascensão de Rassin no Rotary coincidiu com o ápice do seu plano de transformação do hospital da família. Em 1986, ele trabalhou com um grupo de médicos para comprá-lo do pai e criar o que passou a se chamar Doctors Hospital. Em 1993, sob sua direção, foi concluída a expansão (que custou 8,5 milhões de dólares) e hoje ele é considerado um dos principais hospitais do Caribe. Enquanto isso tudo acontecia, a vida pessoal de Rassin também passava por mudanças. Ele conheceu Esther Knowles, com quem se casou em 1990. Bem-sucedida no setor bancário, ela mergulhou na vida do marido no Rotary. Quando ele foi governador distrital, em 1991-92, ela o acompanhou em uma


As Bahamas e o Caribe nunca haviam tido um presidente, e os rotarianos de lá acharam que eu deveria me candidatar a representá-los. Então, por eles, achei que deveria fazê-lo

odisseia de seis meses, visitando todos os clubes de todos os países que compõem o distrito. A parceria e o respeito mútuo são nítidos para quem os vê juntos. “Esther sempre me manteve centrado”, diz Rassin. “Assim que ela desconfia de que meu ego esteja falando mais alto, se certifica de que ele esteja sob controle. Quando a Esther ouve os meus discursos, sempre pergunto o que ela achou. É a única pessoa que conheço que sei que me dirá a verdade.” CORRER RISCOS Rassin se aposentou como presidente do hospital em 2016, mas permanece como membro do conselho. Em retrospectiva, ele diz que todos os grandes esforços para que seu sonho se tornasse realidade valeram a pena. “Na vida, você precisa correr riscos”, insiste. “É para isto que estamos aqui: para não seguir as mesmas velhas trajetórias; para abrir a mata com nosso facão e criar um novo caminho. As pessoas não recebiam assistência médica de qualidade, e precisavam muito disso.” “Uma das coisas mais admiráveis da jornada dele é ver como se dedicou de corpo e alma ao Doctors Hospital, mas

Esther e Barry sob a Escadaria da Rainha, que os escravos esculpiram na rocha na década de 1790 JULHO DE 2018 | REVISTA Rotary Brasil

39


Este ano, por acaso sou presidente, mas todos somos rotarianos. Jogamos no mesmo time. Todos trabalhamos juntos, não importa qual seja a função de cada um

Golfe é um dos passatempos favoritos do novo presidente do Rotary Na página ao lado: Rassin abraça a filha Michele (à direita) e a neta Bella em uma festa organizada por rotarianos das Bahamas em homenagem a ele e a Esther manteve o engajamento com o Rotary”, diz Charles Sealy, que conheceu Rassin por meio do Rotary e o sucedeu como CEO do hospital. “Ele conseguia equilibrar as duas coisas, se bem que não acho que equilíbrio seja a palavra correta, pois ele estava 100% comprometido com ambos.” No hospital e no Rotary, as pessoas veem em Rassin um administrador visionário e detalhista, e também o consideram um grande mentor. “Ele sabe identificar talento para liderança”, diz Felix Stubbs, membro do conselho do Doctors, que atribui a Rassin as oportunidades que o levaram a governar o distrito 7020. “Quando vê alguém com habilidades que podem ser úteis ao Rotary, ele faz questão de engajar essa pessoa, e foi exatamente isso que ele fez no Doctors Hospital: identificou bons jovens líderes e os ajudou a crescer – e aí ele pôde se aposentar e dedicar seu tempo ao Rotary.”

40

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018

SEDE INSULAR Como é próprio de uma organização sediada em uma ilha, o Rotary Club de East Nassau se reúne em uma sala revestida com painéis de madeira dentro de um iate clube. Fotos de veleiros decoram as paredes. Sir Durward Knowles, que até falecer, em fevereiro, detinha o título de medalhista olímpico mais longevo (foi medalha de bronze e de ouro em 1956 e 1964, respectivamente), era um associado representativo e atuante. De diversas maneiras, o clube é o modelo ideal de Rotary Club para o século 21: 60% dos associados têm menos de 50 anos, e um é rotariano e rotaractiano ao mesmo tempo. Em uma reunião em outubro, havia tantas mulheres em posições de liderança que nenhum homem teve a palavra nos primeiros 30 minutos. Um item da pauta: a concessão de prêmios por comparecimento a reuniões. Rassin foi agraciado pelos 30

anos de pleno comparecimento, pois desde sua associação, em 1980, ele só esteve ausente em uma reunião. Apesar de o Rotary ter estado no centro da vida de Rassin por quase 40 anos, ele nunca teve o objetivo de se tornar presidente do Rotary International, tendo relutado até mesmo em submeter seu nome para consideração. Mas ele explica: “As Bahamas e o Caribe nunca haviam tido um presidente, e os rotarianos de lá acharam que eu deveria me candidatar a representá-los. Percebi que eles queriam se sentir parte do Rotary, e eu tinha como tornar isso possível. Então, por eles, achei que deveria fazê-lo”. Sam Owori, associado do Rotary Club de Kampala, Uganda, foi indicado em 2016 para ser presidente do Rotary em 2018-19. Depois de seu inesperado falecimento, em decorrência de complicações cirúrgicas, Rassin foi escolhido para assumir seu lugar. John Smarge, ex-diretor do Rotary


International, foi uma das primeiras pessoas a serem chamadas por Rassin. Ele havia atuado como assessor de Owori, e Rassin também o convidou para esse cargo. “Uma das primeiras coisas que ele disse foi: ‘Quero que a memória de Sam permaneça, e quero que você me ajude a fazer isso’”, relembra Smarge. “A qualificação de Barry para assumir nesse momento era realmente singular. Ele permitirá que a memória de Sam brilhe forte.” VELHOS CONHECIDOS Smarge e Rassin se conhecem há décadas. Ambos são da mesma zona rotária e foram governadores distritais na mesma época. Trabalharam juntos e muito próximos após o terremoto no Haiti, e foram titulares das contas do Fundo de Assistência ao Terremoto no Haiti, instituído pela Fundação em apoio a projetos que totalizaram 6,5 milhões de dólares. “Barry Rassin é uma celebridade no Haiti – não há outra forma de descrever”, diz Smarge. “Isso é porque as pessoas sabem o que ele fez pelo país.” Rassin pode ser uma celebridade e o orgulho do Caribe, mas evita os holofotes e se considera um cara comum, segundo seu amigo Felix Stubbs. Quando estava à frente do Doctors Hospital, era usual vê-lo pelos corredores de shorts e chinelo. Em uma visita recente, vestindo roupas elegantes, todos – do pessoal da recepção até os médicos e enfermeiros – pararam para dar um alô. Uma mulher correu até ele e lhe deu um grande abraço. Outra sorriu e gritou: “Está bonito, Barry!” Nenhum desrespeito nisso, são as políticas da empresa. No início dos anos 1990, Rassin (quer dizer, Barry)

pediu que todos no hospital se dirigissem aos colegas pelo primeiro nome. Ele relembra: “Uma camareira veio a mim e perguntou: ‘Posso mesmo chamar você de Barry?’. E eu respondi que sim. Ela disse: ‘Bom, eu vou falar baixinho, porque não fico à vontade’”. “Todos estamos no mesmo nível”, enfatiza Rassin. “Apenas exercemos funções diferentes. Este ano, por acaso sou presidente, mas todos somos rotarianos. Jogamos no mesmo time. Todos trabalhamos juntos, não importa qual seja a função de cada um.” LAR DOS FLAMINGOS As Bahamas são famosas por seus porcos nadadores (é sério, pesquise no Google), mas Barry e Esther Rassin gostariam que outra criatura chamasse mais atenção. O país é lar da maior população reprodutora de flamingos do Caribe, espécie que a caça quase levou à extinção na metade do século 20. No zoológico e centro de

conservação Ardastra Gardens, em Nassau, os pássaros desfilam várias vezes ao dia, posando para fotografias para os visitantes, que se divertem ficando em uma perna só, imitando os novos amigos de penas. Rassin veio aqui quando criança, e depois retornou várias vezes com seus filhos e netos. É o último show do dia, e Barry e Esther ficaram para uma sessão de fotos com os flamingos. Ao final, eles cumprimentam o instrutor dos pássaros, o gerente de operações do local, que também é rotariano, quando Esther se lembra de uma coisa: eles não ficaram em um pé só como todos costumam fazer. Ela e o marido, agora o distinto presidente do Rotary, retornam, e os pássaros barulhentos, cor de coral, se reúnem ao redor deles. Barry e Esther abrem os braços e levantam uma perna. Fecham os olhos, não param de rir, e parece que eles poderiam ficar ali naquela posição, em perfeito equilíbrio, para sempre.

JULHO DE 2018 | REVISTA Rotary Brasil

41


MENSAGEM DO chair DO CONSELHO DE CURADORES da Fundação Rotária Ron Burton

Futuro que construiremos juntos

C

erca de um ano e meio depois de ingressar no Rotary, fui desligado do meu clube porque havia faltado a quatro reuniões consecutivas. Essa era a regra na época. Admito que não gostava muito da refeição nem das reuniões semanais, e não acreditava que elas fossem a melhor maneira de investir meu tempo. Mas o problema real era que eu não estava engajado com o Rotary. Não tinha um papel no clube, um motivo para ser associado, nem via razão de ir a uma reunião de almoço semanal que parecia não me oferecer absolutamente nada. Foi então que o presidente do clube me pediu para presidir a Comissão da Fundação Rotária no ano seguinte. Aquele foi um momento decisivo para mim, e o resto vocês já sabem. Quero que todos vocês pensem em engajar aqueles associados que têm dúvidas em relação ao Rotary. Em 2018-19, preciso da sua ajuda. Quero que se juntem a mim para nos concentrarmos em quatro objetivos centrais para nossa Fundação. Em primeiro lugar, a principal prioridade do Rotary (e isto não surpreenderá ninguém) é o fim da poliomielite. Temos que cumprir nossa promessa de um mundo livre da pólio para todas as crianças. Em segundo, temos que aumentar a sustentabilidade dos nossos serviços nas seis áreas de enfoque. Isso signi-

42

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018

iStockphoto

Cada um de nós precisa pensar no legado que deixará para o Rotary. O Fundo de Dotação é o nosso futuro fica avaliar rigorosamente as necessidades a que eles se destinam. Significa trabalhar com as comunidades para ver do que elas realmente precisam e conseguir que participem desse trabalho, que se tornem responsáveis pelos projetos e meçam sua evolução. Nossa terceira prioridade é encorajar os distritos a usarem todo seu Fundo Distrital de Utilização Contro-

lada, quer seja por meio dos Subsídios Distritais, dos Subsídios Globais ou do Polio Plus. Há diversas maneiras de se formar parcerias transformadoras e utilizar bem esse recurso. Por fim, decidimos aumentar o saldo do Fundo de Dotação da Fundação Rotária para 2,025 bilhões de dólares até o ano de 2025. Nossa meta global de arrecadação para o ano 2018-19, que começa este mês, é de 380 milhões de dólares – recursos que nos permitirão dar continuidade a programas que transformam vidas, e que nossos associados realizam todos os dias. Porém, cada um de nós precisa pensar no legado que deixará para o Rotary. O Fundo de Dotação é o nosso futuro. Junte-se a mim para que este seja um ano dedicado à construção do legado de nossa organização. Seu legado é a promessa do Rotary.


Brasil contra a pólio

www.revistarotarybrasil.com.br

A hora é agora Falta um mês para a campanha de vacinação que objetiva melhorar os índices de imunização brasileiros

V

ocê e seu clube têm uma missão importantíssima no próximo mês: ajudar o seu município a alcançar um índice de, pelo menos, 95% de cobertura vacinal contra a poliomielite, que é a meta recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Em campanhas recentes, o Brasil tem registrado queda nesse número. Os piores resultados ocorreram em 2016, com a vacinação de 84% das crianças de até cinco anos de idade. A região Norte foi onde a diminuição ocorreu de forma mais acentuada, com apenas 72% do público-alvo alcançado. E, em muitos municípios brasileiros, os índices estão abaixo de 50%. Esses resultados insatisfatórios acionaram o alerta do Ministério da Saúde, que, por meio do Programa Nacional de Imunizações, lançou uma campanha extraordinária de vacinação contra a poliomielite para o período de 6 a 24 de agosto, com o dia D no sábado 11 de agosto. Desde o início do ano, os coordenadores zonais brasileiros da iniciativa End Polio Now, Marcelo Haick e Pedro Durão, vêm trabalhando para engajar os rotarianos de todo o país nesse esforço extra. Para isso, criaram um programa de apoio com cronograma em sete etapas. Caso o seu clube esteja seguindo as etapas do cronograma, a essa altura já deve estar com o plano de ação em plena atividade. Mas, caso a situação não seja essa, e o trabalho não tenha nem mesmo iniciado, a hora é agora. Então, veja algumas dicas para aproveitar da melhor maneira possível este último mês que antecede a campanha de vacinação. Em julho, o seu clube receberá familiares, convidados e, possivelmente, até mesmo autoridades municipais para a

iStockphoto

festiva de posse. Esse evento será uma ótima oportunidade para falar sobre a importância da vacinação, reforçar o engajamento para o mês seguinte e ainda conseguir entusiasmar convidados (que poderão inclusive se envolver mais com o Rotary). Outra sugestão para aumentar a eficácia do trabalho é descobrir qual bairro da sua cidade registra a menor cobertura vacinal e concentrar nele os esforços do clube. Para isso, entre em contato o quanto antes com a Secretaria de Saúde de seu município, solicite a informação e proponha a parceria. O trabalho do seu clube fará mais diferença na localidade com índices de vacinação mais críticos. Por fim, não se esqueça de registrar o empenho do seu clube nesta campanha e nos contar o que foi feito, com boas fotos e um relato. Desta forma, poderemos novamente mostrar como os rotarianos brasileiros vêm se esforçando nesta missão. Há mais de 30 anos, o Rotary se dedica à erradicação mundial da poliomielite. Nesta reta final do trabalho, as crianças brasileiras contam com o empenho do seu clube para que a cobertura vacinal seja mantida dentro do padrão preconizado pela OMS, garantindo que o vírus nunca mais volte a fazer vítimas em nosso país. JULHO DE 2018 | REVISTA Rotary Brasil

43


Imagem pĂşblica

44

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018

www.revistarotarybrasil.com.br


Quarenta séculos nos contemplam

N

a Necrópole de Gizé, nos arredores do Cairo, Egito, três pirâmides se destacam. A maior delas é a Quéops. Com 139 metros de altura, foi concluída por volta de 2560 a.C. e é a mais antiga e única remanescente das Sete Maravilhas do Mundo Antigo. Um parapente com a marca do Rotary sobrevoa o cenário, pilotado pelo brasileiro Ricardo Mesquita Guedes (no detalhe). O feito se deu durante o Egypt Air Games 2018, competição realizada de 25 a 29 de abril, que reuniu 50 pilotos de parapente e 150 paraquedistas de 20 países. Ricardo era o único rotariano dentre os nove brasileiros participantes. Presidente 2017-18 do Rotary Club de Salvador-Barra, BA (distrito 4550), ele fez voos de divulgação nos intervalos do evento, quando então usou o parapente específico. Em um dos pousos, foi felicitado por um participante irlandês: “Bacana sua ideia, nunca vi nada igual!”. O homem ainda contou que o pai é rotariano. Ricardo dedica-se ao esporte há quatro anos, mas a estratégia de divulgação começou a ser debatida no clube em meados do ano passado. “Tínhamos como missão desenvolver a imagem pública do Rotary, mas não sabíamos o que fazer, se iríamos produzir bonés, banners... Então surgiu a ideia de plotar uma asa com a marca do Rotary, porque isso atingiria um público muito maior”, lembra ele. Há 10 meses ele voa todas as semanas em prol da organização – “exceto em época de muito vento” –, percorrendo o litoral de Salvador do Farol da Barra ao Farol de Itapuã. “Como instrumento de imagem pública, não há nada que se compare. A asa tem 26 metros quadrados, imagine a nossa marca sobrevoando uma região com muita gente”, avalia. “Às vezes, voo bem baixo, a uns 10, 15 metros de altura. Chama uma atenção danada”, diz, acrescentando que também sobrevoou a cidade do Chuí, no extremo sul do país. Além da curiosidade despertada, o resultado tem vindo na forma das incontáveis fotos tiradas pela população e publicadas nas redes sociais.

JULHO DE 2018 | REVISTA Rotary Brasil

45


Para saber mais

www.revistarotarybrasil.com.br

Verdenia Ribeiro

As notícias do nosso Centro de Documentação, Pesquisa e Informação

Representação da informação

N

iStockphoto

osso acervo traz um conteúdo representativo do trabalho desenvolvimento pelos Rotary Clubs. Cada ação divulgada aborda o resultado dos esforços dos associados para transformar e melhorar a qualidade de vida das pessoas que o seu projeto alcança. O que nos afeta é a representação da linguagem documentária daquilo que é produzido. Trocando em miúdos, ao alimentar a base de dados do Centro de Documentação, Pesquisa e Informação com as notícias publicadas mensalmente em nossa revista, estamos organizando tais informações. Segundo Mariângela Fujita (2012), a organização da informação ocorre de duas maneiras: por meio do tratamento de formas e de conteúdo. Nosso trabalho permite recuperar os artigos publicados sobre os clubes e, ao pesquisá-los, podemos emitir relatórios com o que já foi divulgado na Revista Rotary Brasil. Em tempos de informação com status de bem econômico, trata-se de gerar um valor que pode ser imensurável. Para você que deseja produzir artigos, projetos e trabalhos sobre o Rotary, recuperar informações em um ambiente organizado agiliza o processo.

PÍLULAS ROTÁRIAS

N

osso compromisso é divulgar o Rotary. Assim, abordaremos em doses homeopáticas informações procedimentais do Rotary International, segundo a tradução oficial em português do Manual de Procedimento 2016.

ADMINISTRADORES 6.010. Eleição dos administradores na Convenção. Na Convenção anual, os seguintes administradores serão eleitos: presidente, diretores e governadores do Rotary International, e presidente, vice-presidente e tesoureiro honorário do Ribi [Rotary International no Reino Unido] (p. 28). 6.020. Seleção de vice-presidente e tesoureiro. O vicepresidente e o tesoureiro serão escolhidos pelo presidente eleito durante a primeira reunião do Conselho Diretor, dentre os diretores servindo o segundo ano do mandato, devendo esses dois rotarianos cumprir mandato de um ano a contar de 1° de julho (p. 28).

6.030. Eleição e mandato do secretário-geral. O secretáriogeral será eleito pelo Conselho Diretor para um mandato de no máximo cinco anos. A eleição será realizada até o dia 31 de março do último ano do mandato do secretário-geral, e o mandato do novo secretário-geral terá início no dia 1º de julho após a eleição. O secretário-geral pode ser reeleito (p. 28). 6.040. Inelegibilidade dos diretores para reeleição. Nenhuma pessoa que já tenha exercido mandato completo, como definido neste Regimento Interno ou como determinado pelo Conselho Diretor, poderá exercer novamente o cargo de diretor, exceto como presidente ou presidente eleito (p. 28).

Confira a íntegra do documento em: ROTARY: Meu Rotary. Documentos normativos. Manual de Procedimento. Disponível em: <https://my.rotary.org/pt/learning-reference/about-rotary/governance-documents>. Acesso em 05 de junho de 2018.

46 46

| REVISTA de 2018 REVISTA Rotary Rotary Brasil Brasil | JULHO JULHO de 2018


Clubes inovadores

www.revistarotarybrasil.com.br

Pelas estradas da Austrália Conheça o clube virtual que trouxe ex-associados de volta ao Rotary

A

pós a morte da esposa, o rotariano Wayne Kemmis, que já havia presidido dois Rotary Clubs na região de New South Wales, na Austrália, decidiu comprar um trailer e passar um tempo na estrada. A solução para conciliar a vida de rotariano com a nova, de paradeiro incerto, foi dada por uma reportagem da revista Rotary Down Under sobre o Rotary E-Club de Australia Nomads, então recém-criado. “Muitos dos nossos associados passam boa parte do tempo viajando”, Wayne explica. Assim como ele, Geoff Saint Clair, que também abandonara o Rotary para experimentar uma jornada pelas estradas do país, viu no clube virtual uma forma de voltar à organização. “Fui rotariano durante sete anos e me afastei por outros quatro até entrar para o Australia Nomads em junho de 2014, quando ainda era um clube satélite”, recorda. Em seu reingresso, ele levou junto a esposa, Lorelle. “Esse formato de clube virtual nos permite continuar viajando sem que precisemos abrir mão dos ideais do Rotary.” As reuniões do Rotary E-Club de Australia Nomads ocorrem nas noites de quarta-feira. Durante o encontro, que une companheiros separados por centenas de quilômetros com a ajuda de laptops, tablets e telefones celulares, são debatidos projetos e (é claro) viagens que o grupo acaba fazendo algumas vezes por ano. Diversão e serviço “O lema das nossas reuniões é divertir-se”, diz Wayne Kemmis. “Os associados aparecem online com suas taças de vinho ou outra bebida, usando roupas casuais. Inclusive temos dois companheiros que costumam participar vestindo pijamas”, revela. “Não temos regras de vestimenta.”

Entre um ponto e outro de suas aventuras, esses rotarianos nômades aproveitam para ajudar outros Rotary Clubs ao longo do caminho, colaborando com projetos de serviço ou de arrecadação de fundos. Em muitas oportunidades, seus associados combinam ações próprias. Num dos encontros mais recentes, que durou quatro dias, eles plantaram 400 mudas de árvore (foto).

(Adaptação de reportagem de Brad Weber para a The Rotarian)

Rotary E-Club de Australia Nomads Ano de fundação: 2015 Número de associados: 40 Principais projetos: parcerias com outros clubes

Seu clube também está inovando? Escreva para jornalismo@revistarotarybrasil.com.br e conte-nos essa experiência.

JULHO DE 2018 | REVISTA Rotary Brasil

47


Quer enviar notícias para Confira nossas a Revista Rotary Brasil? dicas. As ações humanitárias do Rotary são o nosso foco. Esta é a melhor maneira de inspirarmos os clubes e divulgarmos o Ideal de Servir também para o público externo.

ou no site, é preciso que você nos informe: n O nome completo do seu Rotary Club e o distrito ao qual ele pertence. iS to ck n A data e o local em que foram realizadas as ações. ph ot o n Um breve relato do projeto concluído em prol da comunidade. n Os nomes dos parceiros do projeto, caso eles existam, no Brasil e/ou no exterior. n Os nomes e sobrenomes das pessoas envolvidas diretamente nas ações relatadas (mas lembramos: o foco da notícia será sempre a ação realizada e as pessoas beneficiadas por ela). n Informe também um número de telefone (com DDD). n Lembrando que as recomendações acima valem também para Rotaract, Interact Clubs e Casas da Amizade.

Por conta do volume de colaborações que recebemos diariamente, as notícias serão publicadas após um prazo mínimo de três meses.

Confirmação de envio Todas as mensagens enviadas por e-mail com vistas à publicação recebem confirmação. Portanto, se você não receber essa mensagem é porque seu material não chegou até nós. Reenvie-o ou nos telefone para saber o que está ocorrendo. Nosso número é 21-2506-5600.

Capriche nas fotos

iStockphoto

Como é feita a seleção

iStockphoto

As imagens enviadas devem ter boa qualidade para serem aproveitadas. Alguns procedimentos simples garantem o sucesso neste sentido: n Envie sua imagem sempre como anexo de e-mail (não cole as imagens no corpo da mensagem ou em documento de Word). n Selecione a opção alta resolução da sua câmera (não publicamos fotos em baixa resolução). n Fotos tremidas e com pouca luminosidade não podem ser aproveitadas. n Evite fotos posadas. Quanto mais natural a cena fotografada, melhor. n Não manipule digitalmente as fotos, criando montagens ou aplicando filtros, logos, palavras e datas. n Enfoque o projeto, mostrando a realização da iniciativa. n Mas atenção: a revista não publica imagens que, de acordo com nossa avaliação editorial, possam expor desnecessariamente menores de idade ou pessoas beneficiadas pelas ações. n Os anexos de cada e-mail não devem superar, no total, 7 MB. n Por motivos técnicos, não extraímos notícias de links sugeridos, boletins e cartas mensais. n Também não extraímos notícias de imagens de recortes de jornais, revistas e impressos em geral.

Prazo de publicação

iStockphoto

Para ver uma ação do seu clube na revista

iStockphoto

Informações indispensáveis

n A Revista Rotary Brasil publica apenas ações de serviço já finalizadas. Se o seu clube ainda está desenvolvendo o projeto, aguarde a conclusão do mesmo para nos enviar o material informativo. n A revista noticia cerimônias de fundação dos clubes. n Fotos de marcos rotários são publicadas somente se os monumentos estão sendo inaugurados ou foram reformados. n No caso do aniversário dos clubes, registramos apenas a celebração de números redondos ou múltiplos de cinco. n Não publicamos: visitas dos governadores distritais e demais lideranças rotárias aos clubes; posses; seminários e eventos de treinamento (a não ser aqueles de alcance nacional e internacional); e palestras ou qualquer tipo de evento voltado apenas ao público interno dos clubes.

Envie seu material para o e-mail

jornalismo@revistarotarybrasil.com.br Os endereços eletrônicos utilizados pelos remetentes poderão ser informados nas notas e matérias como contatos dos clubes. Não recebemos notícias por meio do Facebook, Twitter ou Instagram.


www.revistarotarybrasil.com.br

SUPLEMENTO

Rotary em Ação

Julho 2018

A

partir de agora você verá o trabalho da Família do Rotary pelo Brasil, incluindo alguns mutirões de saúde. Um deles foi promovido por 36 clubes

do Distrito Federal e Goiás, e reuniu mais de 2.500 pessoas em uma escola. Outro teve à frente o Rotary Club de São Paulo-Morumbi, que proporcionou cerca de 1.000 atendimentos, como cortes de cabelo. E a saúde bucal das crianças mobilizou o Rotary Club de Guarapari-Praia do Morro, no Estado do Espírito Santo.

n O que podemos fazer para transformar o mundo? Os rotarianos acreditam que é preciso Dar de Si Antes de Pensar em Si. Nos mais de 2.300 Rotary Clubs existentes em todo o Brasil, assim como nos clubes de Rotaract, Interact e nas Casas da Amizade, você encontrará homens e mulheres prestando serviços voluntários para melhorar as condições de vida em nossas comunidades. Nas páginas deste suplemento, nós mostramos um pouco desses projetos, que poderão inspirar você, leitor, a copiá-los em seu clube – ou instigar aqueles

Paz e prevenção/ resolução de conflitos

Prevenção e tratamento de doenças

Recursos hídricos e saneamento

que ainda não fazem parte da Família Rotária a estar do nosso lado. A título de estímulo, e sem que isso signifique apoio oficial ou financiamento por parte da Fundação Rotária, a revista atribui os símbolos ao lado a algumas dessas iniciativas. Eles identificam os projetos que desenvolvem algumas das seis áreas de enfoque do Rotary e da Fundação Rotária. Também atribuímos a logomarca da campanha End Polio Now às ações que reforçam a luta mundial do Rotary contra a poliomielite.

Saúde maternoinfantil

Educação básica e alfabetização

Desenvolvimento econômico e comunitário

JULHO de 2018 | REVISTA Rotary Brasil

49


CClubes lubesemeação d ­istritos

Considerados o coração do Rotary, os clubes são formados por pessoas dedicadas aos serviços comunitários e interligadas pelo companheirismo. Os Rotary Clubs estão agrupados geograficamente por distritos.

Distrito 4310 Parte de São Paulo Governador: Laerte Tadeu Zucollo

Recuperação de nascentes

C

om recursos de um Subsídio Distrital e a parceria da Chácara do Carmo, o Rotary Club de Itu-Convenção, SP, implantou o Projeto Preservação de Nascentes e Mata Nativa em uma área no perímetro urbano com resquício de mata atlântica e árvores centenárias. Foram recuperadas cinco nascentes e em breve serão permitidas visitas monitoradas de escolas e grupos da sociedade.

Distrito 4390 Alagoas, Sergipe e parte da Bahia Governador: Josué Silva

Preservação ambiental de cidade baiana

N

o dia 1º de maio, o Rotary Club de Entre Rios, BA, lançou a campanha de reflorestamento Plante uma Árvore e Faça a Diferença, com o plantio de mudas nas margens do rio Subaúma, principal fonte de distribuição de água no município e que vem sofrendo com o descaso público e as ações de grandes empresas da região. O clube também distribuiu folhetos para a população convidando a todos para que participem plantando árvores nos seus bairros e chamando atenção para a importância desse ato.

www.revistarotarybrasil.com.br/4390 Veja em detalhes no site e compartilhe nas redes sociais: Rotary Club de Paulo Afonso, BA – Em parceria com a empresa MFTUR – Turismo e Navegação, proporcionou um passeio aos cânions do rio São Francisco para as crianças da Fundação de Amparo ao Menor de Paulo Afonso.

50

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018


www.revistarotarybrasil.com.br

Distrito 4410

Distrito 4420

Espírito Santo Governador: Robson Caetano

Parte de São Paulo Governador: Carlos Eduardo Estevam Torci

Saúde, educação e cultura

N

Projeto odontológico

O

Rotary Club de GuarapariPraia do Morro, ES, realizou no dia 15 de maio na Associação Salvamar de Assistência à Criança e ao Adolescente mais uma etapa do seu projeto odontológico Saúde Legal. Atualmente contando com a parceria da Faculdade Pitágoras, o clube aumentou sua capacidade para até 1.000 atendimentos por ano, com aplicação de flúor, orientação no tratamento dos dentes e distribuição de escova, pasta, fio dental e sabonete para as crianças participantes.

o dia 14 de abril, o Rotary Club de SantosPorto, SP, esteve presente com seu trailer odontológico na 2ª Feira de Saúde oferecendo diversos atendimentos gratuitos à população. A ação foi promovida na orla de Santos pela Universidade Santa Cecília, parceira do clube no projeto. Em outros momentos, o clube finalizou a primeira temporada do Projeto Rotary nas Escolas com premiação aos mais bem colocados no Concurso de Redação sobre empreendedorismo, e também promoveu o Concerto de Violões, apresentação dos alunos da Associação Esculpir, projeto permanentemente apoiado pelo clube.

www.revistarotarybrasil.com.br/4420 Veja em detalhes no site e compartilhe nas redes sociais:

www.revistarotarybrasil.com.br/4410 Veja em detalhes no site e compartilhe nas redes sociais: Rotary Club de Vitória, ES – Os associados plantaram 16 mudas de árvores no 38º Batalhão de Infantaria localizado na cidade de Vila Velha.

Rotary Club de Santos-Boqueirão, SP – Em parceria com supermercado da cidade, arrecadou 611 quilos de alimentos que foram doados para a Cruzada das Senhoras Católicas. Rotary Club de Santos-Ponta da Praia, SP – Homenageou uma ex-aluna e instrutora do Projeto Salão Autoestima que foi premiada em curso de formação avançada promovido na capital paulista.

JULHO de 2018 | REVISTA Rotary Brasil

51


Clubes e DISTRITOS Distrito 4430 Parte de São Paulo Governador: Dante Galvanese Amato Filho

Semeando livros pelas escolas de Mairiporã

O

Rotary Club de Mairiporã, SP, entregou vários livros a duas escolas estaduais da cidade. A doação ocorreu em maio e foi viabilizada com um Subsídio Distrital da Fundação Rotária.

Distrito 4470

Clube beneficia cinco instituições

Mato Grosso do Sul, partes de São Paulo e Paraguai Governador: Marcos Aurélio Vinholi

C

inco instituições da cidade de Valparaíso, SP, receberam doações que totalizaram 42.700 reais: Santa Casa de Misericórdia, Casa da Sopa Irmã Sheila, Asilo São Vicente de Paula, Lar da Criança Santo Antônio de Valparaíso e Apae local. A entrega foi feita pelo Rotary Club de Valparaíso em sua sede, em 7 de abril, como resultado da 21ª Festa do Agricultor, promovida pelo clube em agosto.

www.revistarotarybrasil.com.br/4470 Veja em detalhes no site e compartilhe nas redes sociais: Rotary Club de Araçatuba, SP – Realizou em abril um almoço em prol da Comunidade São Miguel Arcanjo da cidade. Rotary Club de Araçatuba-Cidade Amiga, SP – Foi responsável por um bazar beneficente em março.

52

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018


www.revistarotarybrasil.com.br

Doação de 30 mil para a Apae de Olímpia

Distrito 4480

Parte de São Paulo Governador: Luis Cesar Rodrigues

www.revistarotarybrasil.com.br/4480 Veja em detalhes no site e compartilhe nas redes sociais: Rotary Club de Santa Adélia, SP – Plantou árvores no Dia da Terra, em 22 de abril.

E

m uma cerimônia em 11 de abril, a Apae da cidade de Olímpia, SP, recebeu um cheque no valor de 30 mil reais. A doação foi feita pelos integrantes do Rotary Club de Olímpia-Integração, SP, a partir de recursos obtidos com o 14º Churrascão do Rotary, realizado em 25 de novembro. Na cerimônia também foram homenageadas 41 empresas parceiras do clube em projetos sociais.

Entidade que abriga crianças é beneficiada

Rotary Club de Santa Fé do Sul, SP – Organizou um mutirão de limpeza na orla do rio Paraná e distribuiu panfletos com orientações sobre o descarte de lixo.

Distrito 4490

Maranhão, Piauí e Ceará Governador: Mauricio Bezerra Silva

www.revistarotarybrasil.com.br/4490

O

Rotary Club de FortalezaDunas, CE, doou 35 colchões, material de higiene pessoal e limpeza, e fraldas descartáveis para a Associação Madre Paulina. A entidade, localizada na capital cearense, abriga 28 crianças e adolescentes de até 13 anos em situação de risco social. A aquisição do material foi viabilizada com um Subsídio Distrital e doações de integrantes do clube e do Consórcio da Solidariedade.

Veja em detalhes no site e compartilhe nas redes sociais: Rotary Club de Bom Jesus, PI – Foi responsável pelo plantio de 454 mudas de árvores nativas em 11 pontos da cidade. Rotary Club de Parnaíba-Litoral, PI – Plantou 150 mudas de árvores e estabeleceu uma parceria com a prefeitura, que se encarregou de fazer a manutenção. JULHO de 2018 | REVISTA Rotary Brasil

53


Clubes e DISTRITOS Distrito 4500

Distrito 4510

Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco Governador: Carlos Alberto Valle

Parte de São Paulo Governador: João Evangelista Pereira

Padaria comunitária ganha equipamentos

O

Gabinete odontológico é instalado

Rotary Club de Marília-Pioneiro, SP, contemplou uma padaria comunitária localizada no Centro Comunitário de Jardim Marajó, na zona leste da cidade, com um cilindro e uma masseira. Os equipamentos, destinados à fabricação de pães, doces e salgados, foram adquiridos por meio de um Subsídio Distrital. “Fizemos um levantamento das necessidades e elas apontaram esses dois equipamentos como fundamentais para a melhoria na produção da padaria”, explicou a então presidente do clube, Angela Cecília Giovanetti Teixeira. Em outra oportunidade, o clube distinguiu Valdyr Cezar, patrono da organização cultural Chácara O Circo, com a Medalha do Pioneiro.

A

gora os alunos da Escola Rotary José Lamartine de Andrade Lima, na cidade de Gravatá, em Pernambuco, poderão ter a saúde bucal em dia. É que o Rotary Club de Gravatá instalou um gabinete odontológico em sua sede, em 10 de abril, pensando na garotada do colégio. A iniciativa contou com a parceria das secretarias municipais de Educação e Saúde.

www.revistarotarybrasil.com.br/4500 Veja em detalhes no site e compartilhe nas redes sociais: www.revistarotarybrasil.com.br/4510 Rotary Club do Recife-Largo da Paz, PE – Plantou 50 mudas de diversas espécies da mata atlântica no entorno da sede da Justiça Federal da capital pernambucana. Rotary Club de Natal-Reis Magos, RN – Participou de um mutirão de plantio de árvores ao longo de uma ciclovia.

54

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018

Veja em detalhes no site e compartilhe nas redes sociais: Rotary Club de Lucélia, SP – Fez doação em dinheiro ao Lar dos Idosos São Vicente de Paulo, à Associação de Voluntários de Apoio aos Portadores de Câncer de Lucélia e à Fundação Rotária.


www.revistarotarybrasil.com.br

Distrito 4530

Distrito Federal, Tocantins e parte de Goiás Governador: Vertinho de Oliveira

www.revistarotarybrasil.com.br/4530

Escola abriga mega-ação de saúde e cidadania

O

Distrito Federal sediou a 26ª Ação Social Rotary, em 22 de abril, que ofereceu à população serviços nas áreas de saúde e cidadania. A iniciativa reuniu cerca de 2.500 pessoas na Escola Classe 17, na região administrativa de Sobradinho II, graças ao trabalho conjunto de 36 Rotary Clubs do Distrito Federal e de Goiás, distrito 4530 e Fundação de Rotarianos de Brasília, e o apoio da Família do Rotary local. Somente na área de saúde, foram atendidas 1.043 pessoas em diversas especialidades. A ação disponibilizou ainda orientações jurídicas, cortes de cabelo, atividades lúdicas e teatro para o público mirim, e sorteou 79 cestas básicas. Além disso, uma quantia foi doada para melhorias na escola.

Costurando o Saber com a terceira idade

Veja em detalhes no site e compartilhe nas redes sociais: Rotary Club de Brasília, DF – Recebeu homenagem da Câmara Legislativa do Distrito Federal pelos seus 60 anos de fundação. Rotary Club de Brasília-Lago Sul, DF – Realizou o 3º Costelão Gaúcho Beneficente para ampliar o seu Banco de Cadeiras de Rodas. Em outra oportunidade, o clube doou duas cadeiras de rodas e fraldas geriátricas.

Distrito 4540

Partes de São Paulo e Minas Gerais Governador: Roberto Silas Ruiz Funari

U

ma iniciativa em uma cidade do nordeste do Estado de São Paulo está alfabetizando 12 idosos. Trata-se do projeto Costurando o Saber, promovido pelo Rotary Club de Altinópolis, SP, que teve início em 8 de março, na sede do clube, localizada no bairro de Esplanada. As aulas são semanais, ministradas por uma educadora voluntária, especialista em alfabetização, com a ajuda de três outras voluntárias.

www.revistarotarybrasil.com.br/4540 Veja em detalhes no site e compartilhe nas redes sociais: Rotary Club de Bebedouro-Solidariedade, SP – Em 19 de abril comemorou seus 25 anos de existência com diversos eventos na cidade. JULHO de 2018 | REVISTA Rotary Brasil

55


Clubes e DISTRITOS Distrito 4560

Parte de Minas Gerais Governador: Paulo Sérgio Azevedo

Almoço para ajudar escola

O

s Rotary Clubs mineiros de Lavras e Lavras-Dos Ipês estão doando um parque infantil para a Escola Municipal Lafaiete Pereira, localizada na área rural da cidade. Para obter os recursos necessários ao projeto, seus associados realizaram um almoço caipira beneficente, com muita prosa e música para animar os convidados.

Distrito 4570

Parte do Rio de Janeiro Governador: Guilhermino da Silva Cunha

Casa ainda mais alegre

T

rabalhando em parceria, os Rotary Clubs da Barra da Tijuca, Rio de JaneiroSernambetiba e Rio de JaneiroTaquara, RJ, inauguraram um projeto de Subsídio Distrital que deu cara nova à Casa de Apoio Alegria, instituição que atende jovens de baixa renda. Eles doaram carteiras para sala de aula e oficina, um bebedouro industrial, estantes para equipar a biblioteca e a sala de estudo, ventiladores e mesas para as refeições.

www.revistarotarybrasil.com.br/4570 Veja em detalhes no site e compartilhe nas redes sociais: Rotary Club do Rio de Janeiro-Glória, RJ – Cumprindo o desafio lançado pelo presidente Ian Riseley, plantou 12 mudas de ipê no sítio Solar dos Hibiscos, em Petrópolis, na Região Serrana do Rio.

56

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018


www.revistarotarybrasil.com.br

Distrito 4590

Parte de São Paulo Governador: Euze Reginaldo Denófrio

Saúde em Foco na cidade de Limeira

M

ais de 600 pessoas foram beneficiadas pela quarta edição do Saúde em Foco, realizado no Parque Novo Mundo no final de abril pelo Rotary Club de Limeira, SP, com a ajuda do Rotaract Club. O evento oferece diversos serviços gratuitos à população, incluindo aferição de pressão arterial e índice de massa corporal, testes de glicemia e orientação em saúde bucal, além de cortes de cabelo, massagem, aconselhamento nutricional e atividades para a garotada, que se divertiu no pula-pula e ganhou algodão-doce.

Distrito 4600

Mãos que criam oportunidades

Partes de São Paulo e Rio de Janeiro Governador: Luiz Roberto Rubin

U

ma parceria entre o Rotary Club de Taubaté, SP, e o Rotary Club de Arna, na Noruega, resultou no Mãos que Criam, iniciativa em prol da Associação Projeto Esperança, Criança e Família, que atende 100 menores na área rural da cidade paulista. A cozinha da instituição foi equipada com todos os utensílios necessários para confeitaria e gastronomia. A finalidade do Mãos que Criam é possibilitar a entrada de jovens no mercado de trabalho, com geração de renda para suas famílias. Eles já estão produzindo e vendendo pães artesanais e bolos.

JULHO de 2018 | REVISTA Rotary Brasil

57


Clubes e DISTRITOS Distrito 4610

Mutirão por mais saúde e cidadania

Parte de São Paulo Governador: Edson Cunha Borcato

R

ealizado a cada seis meses pelo Rotary Club de São Paulo-Morumbi, SP, o projeto Rotary em Ação para Saúde e Cidadania reúne voluntários, patrocinadores e apoiadores para o desenvolvimento de atividades gratuitas em prol da comunidade. Antes dos atendimentos, os beneficiados assistem a uma curta palestra educativa sobre temas como saúde, nutrição e finanças. Na 13ª edição do evento, realizada em abril deste ano, o clube mobilizou um total de 80 voluntários, alcançando um público aproximado de 400 pessoas e gerando cerca de 1.000 atendimentos em várias modalidades, dentre as quais cortes de cabelo, exames oftalmológicos, testes de anemia, limpezas de pele, recrutamentos para vagas de jovem aprendiz e orientações em saúde bucal. A iniciativa foi apoiada por parceiros como a Escola de Enfermagem São José, a ONG Provisa, a escola de cabeleireiros Teryua e a empresa Nucita, que doou chocolates distribuídos na ocasião.

www.revistarotarybrasil.com.br/4610 Veja em detalhes no site e compartilhe nas redes sociais: Rotary Club de Taboão da Serra-Pirajuçara, SP – Patrocinou a formatura do Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência desenvolvido pela Polícia Militar de São Paulo na Escola Estadual Professor Fernando Milano. Os alunos ganharam medalhas e lanche oferecido pelo clube.

Distrito 4620

Parte de São Paulo Governador: Valdir Paezani

www.revistarotarybrasil.com.br/4620 Veja em detalhes no site e compartilhe nas redes sociais:

Apoiando a juventude

R

esponsável por oferecer cursos profissionalizantes e outras aulas a 230 jovens com idades de 14 a 18 anos, a Associação de Proteção ao Adolescente Pilarense ganhou diversos presentes do Rotary Club de Pilar do Sul, SP. Com os recursos de um Subsídio Distrital, foram doados um armário de aço com chave, uma pia completa, uma caixa de som com microfones, um conjunto de panelas, um liquidificador, um relógio de parede e uma batedeira elétrica.

58

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018

Rotary Club de Sorocaba-Novos Tempos, SP – Plantou 160 mudas de árvores nativas nas margens do rio Sorocaba. A ação foi realizada com a parceria do Rotary Club de Salem, EUA, e a ajuda de intercambistas e da Secretaria Municipal de Meio Ambiente.


www.revistarotarybrasil.com.br

E o pneu virou brinquedo

Distrito 4640

Parte do Paraná Governadora: Sonia Taube Linero

N

a fronteira do Brasil com a Argentina, o Rotary Club de Pranchita, PR, trabalhou ao lado de pais e diretores de quatro escolas municipais para construir parquinhos de pneus – uma solução ecológica que deixa as unidades de ensino mais bonitas e coloridas, além de garantir a brincadeira da garotada. Em outras duas ações recentes, o clube realizou o evento Pizza Solidária, que terminou com a venda de mais de 200 pizzas (parte dos recursos foi destinada à aquisição de cinco inaladores, agora oferecidos de empréstimo à população) e aproveitou a visita do então governador do distrito, Eduardo Toshimitsu, para inaugurar seu marco rotário, localizado na entrada da cidade.

www.revistarotarybrasil.com.br/4640 Veja em detalhes no site e compartilhe nas redes sociais: Rotary Club de Cascavel-Integração, PR – Apoiado por Subsídio Distrital de aproximadamente 7.400 reais, doou instrumentos para a criação de uma fanfarra escolar no município paranaense de Diamante D’Oeste. Rotary Club de Marechal Cândido Rondon-Guarani, PR – Por meio de um projeto de Subsídio Distrital no valor de 10 mil reais, o clube equipou uma sala de leitura numa escola municipal com ar condicionado e cerca de 400 livros e gibis. Seus associados ainda doaram 170 kits de Páscoa numa creche municipal e arrecadaram novelos de lã para o projeto Tricotando pela Vida. Rotary Club de Marmeleiro, PR – Homenageou o ciclista Nelson Corrêa Júnior, mais conhecido como Calota, que coordena projeto social na cidade, incentivando a prática do esporte. Rotary Club de São João, PR – Mais de 1.800 pessoas participaram da 4ª Festa do Frango, evento beneficente do clube que gerou recursos para a Fundação Rotária e a expansão do Banco de Cadeiras de Rodas, que agora passará a contar com mais de 100 equipamentos ortopédicos.

Capriche no clique!

iStockphoto

Seu clube concluiu um projeto que você gostaria de ver na Revista Rotary Brasil? Ter uma boa foto é importante! Não aproveitamos fotos tremidas e com pouca luminosidade. É fundamental que as imagens tenham foco. Evite fotos posadas, mostre o que aconteceu no projeto. Imagens que possam expor desnecessariamente menores de idade ou pessoas beneficiadas não são publicadas. JULHO de 2018 | REVISTA Rotary Brasil

59


Clubes e DISTRITOS Distrito 4650

Parte de Santa Catarina Governador: Herildo Monteiro Filho

Poltronas novas

O

Hospital e Maternidade Santa Terezinha agora dispõe de mais três poltronas para acompanhantes. Elas foram doadas pelo Rotary Club de Salete-Geração, SC, em 7 de maio. Para essa iniciativa, o clube recorreu a um projeto de Subsídio Distrital da Fundação Rotária e também utilizou recursos próprios.

www.revistarotarybrasil.com.br/4650 Veja em detalhes no site e compartilhe nas redes sociais: Rotary Club de Joinville-Pirabeiraba, SC – Organizou uma confraternização com distribuição de bonecas (confeccionadas pelas voluntárias do Centro Educacional e Social de Pirabeiraba) e bolas para 65 alunos da Escola Municipal Fritz Benkendorf. Rotary Club de Joinville-Cidade das Flores, SC – Para celebrar o Dia Mundial da Terra e o 25º aniversário do clube, plantou mudas de ipês em torno de um lago na sede campestre da Associação dos Despachantes de Joinville e Região.

Distrito 4651

Noite de reconhecimentos

N

Parte de Santa Catarina Governador: Jaime Luiz Ziliotto

a noite de 27 de abril, quando comemorou seu 30º aniversário de fundação, o Rotary Club de Tubarão, SC, homenageou 30 pessoas e instituições locais com o Troféu Amigo da Comunidade. Em outra ocasião, também organizou uma homenagem, pelo terceiro ano consecutivo, para a Associação das Costureiras Voluntárias, projeto que o clube apoia. Os associados prepararam para elas um café da tarde com a presença da Orquestra Santa Teresinha do Menino Jesus e a entrega de certificados. Outra iniciativa do clube foi a realização de mais um Galeto Solidário, evento que ocorre há mais de 25 anos. Ajudados por amigos, os rotarianos assaram e venderam cerca de 1.200 frangos em prol de instituições de caridade.

60

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018


www.revistarotarybrasil.com.br

Distrito 4660

Parte do Rio Grande do Sul Governador: Adão José Fighera

Mais segurança no trabalho

O

Rotary Club de Santa Maria, RS, entregou kits de Equipamento de Proteção Individual à Associação dos Selecionadores de Materiais Recicláveis, contribuindo para a diminuição do risco de acidentes de trabalho. Com essa iniciativa, o clube cumpriu a última etapa do projeto Segurança aos Selecionadores de Materiais Recicláveis, realizado por meio de um Subsídio Distrital da Fundação Rotária.

www.revistarotarybrasil.com.br/4660 Veja em detalhes no site e compartilhe nas redes sociais: Rotary Club de São Borja, RS – Pelo segundo ano consecutivo, foi parceiro da organização do Motoeste Motoencontro Internacional Fronteira Oeste, que recebe mais de 1.500 motociclistas brasileiros e também da Argentina, Paraguai e Uruguai. Além de divulgar projetos do Rotary no evento, o clube tem a oportunidade de levantar recursos para suas ações sociais.

Distrito 4670

Pedágio Solidário

Parte do Rio Grande do Sul Governador: Ilo Vile Coutinho

C

om a Casa da Amizade e o Rotaract locais, o Rotary Club de Osório, RS, realizou a Campanha do Pedágio Solidário. As doações possibilitaram a aquisição de seis novas cadeiras de rodas.

JULHO de 2018 | REVISTA Rotary Brasil

61


Clubes e DISTRITOS Distrito 4680

Distrito 4700

Parte do Rio Grande do Sul Governador: Waldemar Lopes de Moraes

Parte do Rio Grande do Sul Governador: Nelço Angelo Tesser

Ryla, arrecadação e inauguração

E Asilo recebe camas e colchões

C

om a ajuda de parceiros, o Rotary Club de Porto AlegreBom Fim, RS, entregou, em 2 de abril, 19 colchões revestidos e 20 camas hospitalares ao Lar Gustavo Nordlund, onde vivem 70 idosos. Dois hospitais da capital, que tiveram seus equipamentos substituídos, doaram as camas. Já os colchões foram adquiridos por meio de um projeto de Subsídio Distrital da Fundação Rotária complementado por recursos levantados com a ajuda do restaurante Parrilla del Sur, que todos os meses organiza o evento Quarta Beneficente em prol de alguma instituição local.

www.revistarotarybrasil.com.br/4680 Veja em detalhes no site e compartilhe nas redes sociais: Rotary Club de Porto Alegre-Beira Rio, RS – Com a presença dos alunos, plantou mudas de árvores na Aldeia da Fraternidade no mês de abril. Em outra oportunidade, apoiou mais uma edição do show de solidariedade Encontro do Bem, desta vez em prol do Instituto da Criança com Diabetes. Rotary Club de Santa Cruz do Sul-Oeste, RS – Presenteou a banda marcial da Escola Municipal de Ensino Fundamental Dr. Guilherme Alfredo Oscar Hildebrandt com novos uniformes, adquiridos com recursos oriundos do Fundo Distrital de Utilização Controlada e de uma parceria com a empresa Imply Tecnologia Eletrônica.

62

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018

m parceria com o Rotaract Club local, o Rotary Club de Passo Fundo, RS, realizou um Ryla (Prêmio Rotário de Liderança Juvenil) para 51 universitários de 18 a 27 anos no Germânias Blumen Hotel (foto). A partir do tema Juntos, nós conectamos, o evento ofereceu palestras diversas, estudos de casos e atividades em grupo, além de ter apresentado o Rotaract para os jovens. O então governador Luiz Acorsi esteve presente. Em outras oportunidades, o clube arrecadou cerca de 9.500 reais para a Fundação Rotária em seu 12º Galeto com Massa e inaugurou um espaço no Projeto TransformAção em Arte, que assiste crianças e adolescentes no contraturno escolar com atividades e atendimentos psicológico e social. O clube ficou responsável pela construção de um mezanino e levantou os recursos no 7º Jantar Baile Beneficente. A obra, com custo total de 43 mil reais, também obteve patrocínio de empresários locais e doadores anônimos.


www.revistarotarybrasil.com.br

Distrito 4710

Parte do Paraná Governador: Moacir Jose Tonin

www.revistarotarybrasil.com.br/4710 Veja em detalhes no site e compartilhe nas redes sociais:

Olimpíada do Rotary

A

lunos do ensino fundamental de escolas tanto da rede pública como particular da cidade de Faxinal, e oriundos inclusive de municípios vizinhos, disputaram a 12ª Olimpíada do Rotary, entre os dias 13 e 23 de abril. Junto com o Interact Club local, e em parceria com a prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Esportes, o Rotary Club de Faxinal, PR, foi o realizador da competição esportiva. Uma cerimônia com apresentação dos atletas, números de dança e acendimento da pira olímpica marcou a abertura dos jogos, que contemplaram as modalidades futebol suíço, vôlei, vôlei de areia, atletismo e xadrez.

Rotary Club de Arapongas-Amanhecer, PR – Realizou a 14ª Coleta de Lixo Eletrônico. Rotary Club de Rolândia-Caviúna, PR – Comemorando o Dia Mundial da Terra, plantou 50 mudas de árvores nativas em uma propriedade rural do município. Rotary Club de Londrina-Sudeste, PR – Socorreu com cestas básicas, caixas de leite, móveis, colchões e TV três famílias que perderam as casas em um incêndio.

Você está com dúvidas para enviar suas colaborações? É simples: basta entrar no nosso site e clicar em Envie sua notícia. A página conta com uma área especialmente feita para receber as ações realizadas pelo seu clube ou distrito. www.revistarotarybrasil.com.br

iStockphoto

JULHO de 2018 | REVISTA Rotary Brasil

63


Clubes e DISTRITOS Distrito 4720

Acre, Amazonas, Pará, Amapá, Rondônia e Roraima Governador: Mancio Zacharis Martyres

Mais verde

C

om o apoio do Interact e do Rotaract, o Rotary Club de CacoalMarechal Rondon, RO, plantou 113 árvores no município em alusão aos 113 anos do Rotary. Além do plantio de ipês, palmeiras imperiais e jacarandás, o clube também mobilizou a comunidade com ações de conscientização da importância do cuidado com as plantas.

Distrito 4740

Jovens em ação

O

Partes do Paraná e de Santa Catarina Governadora: Teresinha Lando

Rotary Club de Lages-Alvorada, SC, organizou o primeiro Ryla Universitário, evento de treinamento de jovens lideranças. Os participantes elaboraram projetos nas áreas de integração social de imigrantes e também relacionados a questões ambientais. O clube contou com a parceria dos outros clubes do município na realização do Ryla.

64

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018


www.revistarotarybrasil.com.br

Distrito 4750

Parte do Rio de Janeiro Governador: Aroldo Gonçalves Pereira

Literatura para a comunidade www.revistarotarybrasil.com.br/4750 Veja em detalhes no site e compartilhe nas redes sociais: E-club do distrito 4750-Norte, RJ – Doou fraldas geriátricas e materiais de higiene e limpeza ao Asilo do Carmo, em Campos dos Goytacazes.

O

Rotary Club de Bom Jesus de Itabapoana, RJ, participou da 1ª Feira Literária do distrito de Pirapetinga e entregou uma casa do projeto Andorinha, que consiste em um ponto de distribuição e empréstimo gratuito de livros.

Rotary Club de Campos-Goitacazes, RJ – Plantou 100 mudas nas imediações da Lagoa da Saudade.

Distrito 4760

Parte de Minas Gerais Governadora: Edite Ferreira Antunes Campos

Ajuda geral

O

Rotary Club de Chapada Gaúcha, MG, promoveu o evento Rotary em Ação, que ofereceu à comunidade atendimentos de saúde gratuitos, além de atividades culturais, esportivas e de educação ambiental. A iniciativa contou com diversos parceiros da região e grande participação da comunidade.

www.revistarotarybrasil.com.br/4760 Veja em detalhes no site e compartilhe nas redes sociais: Rotary Club de Betim, MG – Realizou o plantio de 20 árvores frutíferas.

JULHO de 2018 | REVISTA Rotary Brasil

65


Clubes e DISTRITOS

www.revistarotarybrasil.com.br

Distrito 4770

Partes de Minas Gerais e de Goiás Governador: Marcos Antonio Franco

Trabalho reconhecido

P

or sua importante participação na fundação da Guarda Mirim de Frutal, que completou 10 anos, o Rotary Club de FrutalSul, MG, recebeu diploma de reconhecimento público. A instituição hoje conta com mais de 1.500 jovens.

Distrito 4780

Parte do Rio Grande do Sul Governador: Eduardo Domingues

Novo colorido

C

om a parceria da prefeitura, o Rotary Club de Bagé, RS, pintou a Escola Municipal de Educação Infantil Dr. Penna. O clube doou as tintas e a prefeitura ofereceu a mão de obra. A escola foi fundada pelo clube em 1936 e os rotarianos zelam por ela até hoje. Em outra ação, o clube plantou 38 mudas no município atendendo ao chamado do presidente Ian Riseley.

www.revistarotarybrasil.com.br/4780 Veja em detalhes no site e compartilhe nas redes sociais: Rotary Club de Cachoeira do Sul-Arrozais, RS – Plantou 30 mudas de árvores no Projeto Botafogo, entidade que atende a mais de 220 crianças. Rotary Club de Paraíso do Sul, RS – Promoveu mais uma etapa da Campanha de Doação de Sangue, que coletou 75 bolsas. O clube teve a parceria da Secretaria Municipal de Saúde e da Escolinha de Futsal Apef.

66

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018


Rotaract

O Rotaract é um programa do Rotary voltado à criação de clubes de prestação de serviços www.revistarotarybrasil.com.br humanitários para jovens com idades entre 18 e 30 anos. Neles, os rotaractianos podem participar de projetos voluntários, conhecer pessoas novas e fazer amizades, encontrar oportunidades de desenvolvimento profissional e integrar uma rede internacional de jovens. www.revistarotarybrasil.com.br

Edificando Sonhos

E

m parceria com a ONG Teto Brasil, o Rotaract Club de São Paulo-Independência, SP (distrito 4420), participou do projeto distrital Edificando Sonhos, que construiu moradias para famílias da região. Os rotaractianos trabalharam arduamente por dois dias para a construção das casas.

Mudando ideias

O

Rotaract Club de Caraguatatuba, SP (distrito 4600), organizou o projeto Operation Runway, em parceria com o Rotaract Helsinki, da Finlândia. A ação leva a escolas da região palestras sobre o impacto do consumo na indústria da moda. Na foto, a palestra realizada pelos rotaractianos no colégio Objetivo.

www.revistarotarybrasil.com.br/clubes-em-acao Veja em detalhes no site e compartilhe nas redes sociais: Rotaract Club de Iguatu, CE (distrito 4490) – Doou 40 cadernos de caligrafia ao Centro de Educação Infantil José Mendonça Neto. Os cadernos foram confeccionados pelos próprios rotaractianos. Rotaract Club de Tupi Paulista, SP (distrito 4510) – Produziu um vídeo sobre a importância do combate à violência contra a mulher. O material repercutiu nas redes sociais e fortaleceu o debate sobre o tema. Rotaract Club de Marechal Cândido Rondon, PR (distrito 4640) – Participou das ações do Movimento Maio Amarelo, que chamou a atenção de motoristas, pedestres e ciclistas da cidade para a importância da segurança no trânsito. JULHO de 2018 | REVISTA Rotary Brasil

67


Interact

O Interact é um programa para jovens de 12 a 18 anos que querem se conectar com pessoas da sua idade, se divertir e ajudar suas comunidades. Os Interact Clubs são patrocinados por Rotary Clubs locais, cujos associados atuam como mentores para seus integrantes na implementação de projetos de serviço e no desenvolvimento das suas habilidades de liderança. www.revistarotarybrasil.com.br

Saúde e solidariedade

C

om o intuito de incentivar a prática de atividades físicas e a solidariedade, o Interact Club de Votuporanga, SP (distrito 4480), ofereceu, tendo como ingresso um litro de leite, aulas de zumba fitness e treino funcional para todos que tivessem interesse em participar. Foram arrecadados 70 litros, posteriormente doados ao asilo da cidade. Em outro momento, os integrantes organizaram dinâmicas para estimular jovens estudantes a serem multiplicadores de informações sobre a doação de sangue e medula, em parceria com a Liga Acadêmica de Saúde Pública do curso de Medicina da Unifev – Centro Universitário de Votuporanga.

www.revistarotarybrasil.com.br/clubes-em-acao Veja em detalhes no site e compartilhe nas redes sociais: Interact Club de Itaquaquecetuba, SP (distrito 4430) – Por ocasião da Páscoa, proporcionou um dia de diversão para as crianças da Associação de Amigos dos Autistas, Incondicionalmente Azul. Interact Club de Patos de Minas-Nova Geração, MG (distrito 4760) – No dia 21 de abril, inaugurou o primeiro marco rotário interactiano do distrito. Interact Club de Dom Pedrito-Ponche Verde, RS (distrito 4780) – Realizou o projeto Faça uma Criança Feliz na Escola Municipal de Educação Infantil Marli Cassol Silveira.

Incentivando a leitura

O

s jovens do Interact Club de Palmital, SP (distrito 4510), finalizaram no período 2017-18 a reforma completa da Sala de Leitura do Projeto Tobias de Aguiar com pintura, cortinas novas, restauração dos móveis, brinquedos, jogos e uma geladeira literária repleta de livros infantis. A ação foi realizada com recursos próprios e com a colaboração dos associados ao Rotary Club local.

68

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018


Rotary Kids

Criado no Brasil em 1996 e hoje presente em todo o mundo, o movimento www.revistarotarybrasil.com.br de Rotary Kids estimula a criação de clubes para crianças de até 12 anos. O programa ainda não foi oficializado pelo Rotary International. www.revistarotarybrasil.com.br

Dedicação recompensada

C

om a ajuda de comerciantes, familiares e amigos, as crianças do Rotakids de Jaguariaíva, PR (distrito 4730), conseguiram juntar lacres de latinhas suficientes para trocar por uma cadeira de rodas, que foi entregue no dia 14 de abril para uma família do município.

ot ph ck to iS

Enviando uma colaboração, o projeto do seu clube também pode ser divulgado em nosso site e nos perfis da revista nas redes sociais, alcançando milhares de pessoas.

o

Espalhe a ação do seu clube pela web!

JULHO de 2018 | REVISTA Rotary Brasil

69


Casas

da

­Amizade

Formadas por cônjuges de rotarianos e rotarianas, apóiam os projetos comunitários desenvolvidos pelos Rotary Clubs e realizam ações próprias. www.revistarotarybrasil.com.br

Ajuda para importante iniciativa

N

o dia 7 de maio, a Casa da Amizade de Presidente Prudente-Sudoeste, SP (distrito 4510), entregou fraldas, roupas, banheiras, brinquedos e material para a confecção de enxovais para bebês ao Projeto Gerando Sonhos, que atende mulheres grávidas que residem em bairros carentes de Presidente Prudente. O projeto é mantido por Maria Aparecida Monteiro, que, com a ajuda de doações e de voluntárias, oferece cursos em uma sala cedida pela prefeitura para que as recém e futuras mamães tenham uma oportunidade de renda extra para a família.

www.revistarotarybrasil.com.br/clubes-em-acao Veja em detalhes no site e compartilhe nas redes sociais: Casa da Amizade de Itápolis, SP (distrito 4480) – Promoveu o 8º Chá Beneficente em prol do Grupo São Pelegrino de Apoio aos Portadores de Câncer de Itápolis. Casa da Amizade de Caicó, RN (distrito 4500) – Realizou celebração de Dia das Mães para 52 idosas com distribuição de brindes e show musical. Em comemoração dos 15 anos de fundação do Banco de Cadeiras de Rodas, as Casas da Amizade de Montes Claros, MG (distrito 4760), entregaram duas unidades para cada um dos seis hospitais da cidade.

Solidariedade infantil

C

atarina Iusten e as trigêmeas Isabela, Lara e Eloísa Destefani cortaram seus cabelos e os doaram, na companhia de suas responsáveis, para as integrantes da Associação das Senhoras de Rotarianos de Maringá, PR (distrito 4630), que confeccionam perucas sem custo para as pacientes infantis, jovens e adultas que estão em tratamento contra o câncer em Maringá e região.

70

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018


rotarianos que são notícia

www.revistarotarybrasil.com.br

N

esta seção abrimos espaço para os rotarianos que foram eleitos ou nomeados para cargos de governo, da administração direta ou indireta, ou que ainda receberam homenagens ou assumiram função em organizações da sociedade civil nas esferas federal (1o, 2o e 3o escalões), estadual (1o e 2o escalões) e municipal (1o escalão).

O associado ao Rotary Club de Pirajuí, SP (distrito 4480), Amilton Salles Milanezi recebeu a Medalha de Construtor Social da Grande Loja Maçônica do Estado de São Paulo. n

Em sessão solene na Câmara Legislativa do Distrito Federal, Lucílio Vitorino, associado ao Rotary Club de Brasília-Lago Sul, DF (distrito 4530), foi homenageado com uma Moção de Louvor pelos relevantes serviços de engenharia realizados na construção de Brasília. n

O presidente 2015-16 do Rotary Club de LondrinaSudeste, PR (distrito 4710), Alexandre Fujita, foi empossado como novo secretário de Agricultura e Abastecimento de Londrina. n

Edrivandro Gomes Barros, associado ao Rotary Club de Parnaíba-Litoral, PI (distrito 4490), foi nomeado secretário municipal de Projetos Especiais e Desenvolvimento Econômico da Prefeitura de Parnaíba. n

Noel Francisco, associado ao Rotary Club de Porciúncula, RJ (distrito 4750), foi homenageado com a Comenda Guardião da Imprensa, conferida pelo jornal Folha Democrática, editado em Paty do Alferes. Há 30 anos, o rotariano foi o primeiro jornalista responsável da publicação. n

O rotariano Alex Sandro Gomes, do Rotary Club do Recife-Encanta Moça, PE (distrito 4500), foi eleito vicepresidente da Academia Pernambucana de Ciências para a gestão 2018-20. n

Seu distrito faz parte deste show!

Não deixe que ele fique de fora. Todos os meses queremos dar destaque aos 38 distritos brasileiros. Leia as nossas dicas ao leitor na página 48 e envie a sua notícia.

Revista

JULHO de 2018 | REVISTA Rotary Brasil

71


Aconteceu em 1978

www.revistarotarybrasil.com.br

Luiz Renato Dantas

Tim Maia na pista de dança C

om seu álbum de 1978, Tim Maia mergulhava na Era das Discotecas. O novo gênero musical era apreciado (e dançado) por todas as classes sociais e para Tim foi a oportunidade de demonstrar sua imensa versatilidade ao misturar a disco music com o soul e o funk. O ecletismo do cantor também aparecia nos endereços

que escolhia para os shows da época: tanto podiam ser casas de espetáculo sofisticadas quanto bailões populares – alguns dos quais reuniram mais de 10 mil pessoas. A verdade é que o público brasileiro frequentemente torcia o nariz para artistas nacionais de dance music, mas adorou Tim Maia Disco Club. Ali estavam sucessos que colaram para sempre: Sossego e Acenda o Farol.

E a sua revista trazia em julho... O australiano Clem Renouf era o novo presidente do Rotary International com o lema Estenda a Sua Mão e estampava a capa da edição. Em sua mensagem inaugural, ele pedia: “Identifique e procure atender as necessidades urgentes de sua comunidade. (...) Tenha a coragem de ser diferente e de ousar fazer mais do que dentro de suas possibilidades”. l

Nilo Alge, falando ao Rotary Club de São PauloJaguaré, SP, dizia-se preocupado com o que intitulou de A decadência da expressão oral e escrita: “Os jovens de hoje, em sua grande parte (e aplaudimos as muitas exceções), têm domínio tão incipiente de sua língua que passam por sérias dificuldades quando desejam expressar algo pouco além do corriqueiro”. “O problema chega a tal ponto que a maioria dos l

72 REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018

universitários é incapaz de escrever uma carta não somente sem erros ortográficos de monta, mas, modestamente, exprimindo exatamente o que deseja dizer. Assim, a expressão linguística passa a ser, em vez de ferramenta corrente de cada um, a especialização restrita dos letrados.” “A situação é grave também em países mais adiantados que o nosso, como os Estados Unidos, a Inglaterra, a França e a Itália, onde brados de alerta e estudos sociológicos sérios quantificam o problema e propõem soluções. Entretanto, é óbvio que no Brasil, onde o número de analfabetos é de 600 mil, apesar dos esforços em reduzir esse brutal número, o quadro é pior.”


Relax

www.revistarotarybrasil.com.br

iStockphoto

Amigo é pra essas coisas – João, preciso falar contigo! – Pode falar. – Aqui não dá. É segredo. – Então entre aqui na minha sala. Pronto. O que foi? – João, preciso de 10 mil reais. – Fique tranquilo, amigo: ninguém vai saber disso.

“E ntre A spas”

“Sou grata por ser mulher. Devo ter feito algo grande em outra vida.” – Maya Angelou, escritora norte-americana e ativista dos direitos humanos (1928-2014)

Arte: Armando Santos

Colaboração enviada por Hertz Uderman, governador 1995-96 do distrito 4570 e associado ao Rotary Club do Rio de Janeiro-Méier

JULHO de 2018 | REVISTA Rotary Brasil

73


Imagens que marcam

l Liderada pelo Rotary Kids de Joinville, SC (distrito 4650), a campanha Ajudar é Animal

foi um sucesso, arrecadando quase uma tonelada de ração e produtos de higiene para mais de 80 cães e gatos que vivem em lares de acolhimento. Nessa mobilização a garotada teve o apoio de Rotary Clubs da cidade e de muita gente que acreditou na ideia.

Você também pode participar desta seção. Envie uma foto em alta resolução para jornalismo@revistarotarybrasil.com.br

74

REVISTA Rotary Brasil | JULHO de 2018


Rotary Brasil - Julho de 2018  

Revista Rotary Brasil. Julho de 2018.

Rotary Brasil - Julho de 2018  

Revista Rotary Brasil. Julho de 2018.