Page 1

SOM NAS IGREJAS

www.backstage.com.br

3


SOM NAS IGREJAS

4

www.backstage.com.br


SOM NAS IGREJAS

www.backstage.com.br

3


SOM NAS IGREJAS

4

www.backstage.com.br


SOM NAS IGREJAS

www.backstage.com.br

5


Sumário Ano. 23 - janeiro / 2017 - Nº 266

Brasil fatura Grammy Latino

28

A brasileira Paula Fernandes trouxe para casa o prêmio de melhor álbum de música sertaneja. Na cerimônia em Las Vegas, todos os artistas que se apresentaram usaram o sistema de monitoramento pessoal PSM®1000 da Shure.

NESTA EDIÇÃO

32

Após três anos do encerramento da última turnê e quatro anos da sua última apresentação em Salvador, Marisa Monte voltou aos palcos baianos em alto estilo. Na nova Concha Acústica do Teatro Castro Alves, a artista levou para a capital baiana um show especial, acompanhada por uma nova formação de banda. O projeto feito para sonorização da Concha Acústica foi dimensionado de forma a estabelecer um padrão uniforme de sonoridade em todo espaço.

10

Vitrine

24 Superfície controladora

Os cabos Snake são utilizados para múltiplos sinais de áudio, aplicações profissionais típicas que incluem gravação de áudio, sonorização, performances ao vivo e radiodifusão.

12

Rápidas e Rasteiras O blog da Prolight+Sound está de cara nova. Os usuários vão encontrar novo layout, navegação mais fácil e intuitiva e imagens maiores.

18

Play Rec

64 Vida de Artista

O Pianista, compositor, arranjador e destaque da música instrumental brasileira, Leandro Cabral lança seu 2º álbum Alfa, onde apresenta composições autorais em que mescla a improvisação do jazz a ritmos pouco usuais.

20 Gustavo Victorino Confira as notícias mais quentes dos bastidores do mercado.

A celere seu Pro Tools e Pro Tools|HD de gravação, edição e mixagem. Com a elegante área de controle de 24 canais, desta Avid C|24, você obtém controle direto sobre quase todas as funções de software. O objetivo é que você amplie o seu estúdio com uma grande variedade de entradas analógicas de alta qualidade.

Em mais um artigo em que Luiz Carlos Sá mergulha, junto com a música, rio adentro desse Brasil, o rio Corrente, no município de Correntina, inspirou a dupla Sá&Guarabyra a compor mais uma canção que se somou ao repertório dos músicos: o Xote Correntino.


Expediente

52

Bem-vindo ao século 21

Ao longo dos anos a indústria brasileira de áudio assumiu um conceito de praticidade no qual o tempo adicionou a criatividade. A esse binômio faltava ainda o reconhecimento da qualidade do equipamento projetado, desenvolvido e fabricado por aqui. A NextPro parece ter dado o passo final para isso.

CADERNO TECNOLOGIA 38 Logic

42 Ableton

Com tantas opções de plugins de efeitos atualmente, a maioria dos produtores procura quais são os melhores ou aqueles que vão transformar uma mix ou master numa obra de arte. Mas como combinálos de forma mais eficiente?

Um dos assuntos que via de regra mais confunde os usuários do Ableton Live diz respeito aos endereçamentos de Audio ou Midi (Audio Routing). Não porque sejam difíceis de manipular ou acessar, mas principalmente devido a sua flexibilidade e possíveis combinações.

46 Pro Tools Anunciado na IBC de 2016 em Amsterdam, o Pro Tools 12.6 é repleto de novidades, que resolve e simplifica diversos processos na produção musical, mas principalmente na pósprodução de som para vídeo.

CADERNO ILUMINAÇÃO 56 Vitrine iluminação A popular luminária LED Colorwing RGB da Elation Professional, que muda a cor, está agora disponível numa versão de luz branca variável, o DW Pendant .

58 Iluminação cênica Nesta conversa, a apresentação da banda americana Guns N’ Roses será analisada como uma surpreendente conjunção entre expectativas e realizações cênicas, visuais e repletas de iluminação.

Diretor Nelson Cardoso nelson@backstage.com.br Gerente administrativa Stella Walliter stella@backstage.com.br Financeiro adm@backstage.com.br Coordenadora de redação Danielli Marinho redacao@backstage.com.br Revisão Danielli Marinho Reportagem: Danielli Marinho Colunistas Cezar Galhart, Cristiano Moura, Gustavo Victorino, Jorge Pescara, Lika Meinberg, Luiz Carlos Sá, Marcello Dalla, Ricardo Mendes e Vera Medina Edição de Arte / Diagramação Leandro J. Nazário arte@backstage.com.br Projeto Gráfico / Capa Leandro J. Nazário Foto: Divulgação Publicidade / Anúncios PABX: (21) 3627-7945 arte@backstage.com.br Webdesigner / Multimídia Leonardo C. Costa multimidia@backstage.com.br Assinaturas Maristella Alves PABX: (21) 3627-7945 assinaturas@backstage.com.br Coordenador de Circulação Ernani Matos ernani@backstage.com.br Assistente de Circulação Adilson Santiago Crítica broncalivre@backstage.com.br Backstage é uma publicação da editora H.Sheldon Serviços de Marketing Ltda. Rua Iriquitiá, 392 - Taquara - Jacarepaguá Rio de Janeiro -RJ - CEP: 22730-150 Tel./fax:(21) 3627-7945 / 2440-4549 CNPJ. 29.418.852/0001-85 Os artigos e matérias assinadas são de responsabilidade dos autores. É permitida a reprodução desde que seja citada a fonte e que nos seja enviada cópia do material. A revista não se responsabiliza pelo conteúdo dos anúncios veiculados.


8

CARTA AO LEITOR | www.backstage.com.br

CARTA AO LEITOR | www.backstage.com.br

O que se passa

na cabeça do seu vizinho

E

xiste uma questão investigada na filosofia conhecida como “problema das outras mentes”, estudado no campo da Filosofia da Mente. Essa ideia se contrapõe ao solipsismo, que seria mais ou menos expresso da seguinte forma: “minha mente é a única que existe”, ou “meus estados mentais são os únicos estados mentais”. Perceber a existência de outra mente, ou outro pensamento é, de certa forma, a chave para entender o que se passa dentro da sua própria percepção. Deixando a filosofia um pouco de lado, pensemos em nosso setor, local de trabalho e as diversas mentes, ideias e pensamentos que tendemos a administrar e a nos adaptar todos os dias. Saber o que se passa na cabeça do outro, ou ler pensamentos, talvez seja o dom mais cobiçado do ser humano. As pesquisas até surgiram para na tentativa de desvendar o universo e os desejos do outro, no entanto, não alcançam cem por cento de precisão. Fazer previsões, desenhar cenários, ou simplesmente tentar adivinhar o que o outro pensa acerca de determinado assunto continua sendo o objeto de busca e provavelmente sempre o será. Da mesma forma, os mecanismos de padronização de comportamento são usados também para direcionar o desenvolvimento de determinados produtos. O título acima é inspirado em uma obra do escritor inglês Malcom Gladwell, O que se passa na cabeça dos cachorros, uma coletânea de artigos que tentam entender o ponto de vista do outro. Nesta obra, Gladwell sugere que, para encontrar boas ideias, é necessário desenvolver a curiosidade e nos convencer de que todos têm uma história para contar, e ter um olhar mais atento sobre o cotidiano do trabalho alheio. Quem sabe se não é perguntando ou observando o trabalho de um músico, que uma empresa de locação de áudio não conseguirá perceber melhor a demanda dessa classe, ou ainda uma empresa que desenvolva equipamentos conseguirá atender as necessidades da empresa de locação. A padronização deve ser adotada até certo grau, quando os objetivos são comuns a um grupo. A partir daí, o caminho é personalizar, procurar entender os pormenores de cada demanda. Comecemos o ano de 2017 tentando entender, ou melhor, solucionar os problemas de outras mentes a partir desta visão a que nos sugere Gladwell: adquirindo curiosidade sobre o cotidiano alheio. Boa leitura e feliz ano novo! Danielli Marinho

facebook.com/backstage.revista


9


VITRINE ÁUDIO| www.backstage.com.br

SNAKE CABLES (MULTICABOS) www.mogami.com.br Os cabos Snake são utilizados para múltiplos sinais de áudio, a partir de um número de microfones, aplicações profissionais típicas que incluem gravação de áudio, sonorização, performances ao vivo e radiodifusão. Anos de pesquisa em transferência de sinal de baixa perda é um dos motivos para que os cabos Mogami sejam utilizados nos melhores estúdios e equipamentos de gravação. A empresa também monta caixas de Medusas conforme as suas necessidades.

OB 240 10

http://www.oneal.com.br/ Essa caixa para som ambiente é o que há de melhor em design e discrição. O equipamento possui 2 Alto Falantes de 4”, 1 Tweeter de 1”, Sensibilidade 89 dB, ângulo de cobertura 90º, Potência RMS Total = 80W, Potência RMS Admissível = 60W, Potência Máxima RMS (Alto Falante + Tweeter)= 60W + 20W, Impedância de 4 Ohms. Completam as características do OB240 Chave para Seleção de Potência, Resposta de Frequência (parede livre) 80Hz à 20Khz, Resposta de Frequência (canto de duas paredes) 60Hz à 20Khz, Disponível nas Cores Branca e Preta, Suporte para Fixação, Dimensões (Alt.xLarg.x Prof.) 137x390x235mm, e peso de apenas 3,2 quilos.

AMPLIFICADOR TX5K http://www.taigar.com.br Esse amplificador de potência 5000W 2OHMS foi construído exatamente para quem deseja maior pressão sonora mantendo uma ótima definição de áudio na faixa dos 20Hz a 20000Hz, atendendo as necessidades de sonorizações de pequeno, médio e grande porte. Recomendado para Sub Grave, Médio Graves e Médio Agudo o equipamento tem as seguintes características: Classe 100% AB, 2 X 2500 WRMS = 5000 WRMS TOTAL em 2 Ohms, 2 X 1300 WRMS = 2600 WRMS TOTAL em 4 Ohms, 2 x 676 WRMS = 1352 WRMS TOTAL em 8 Ohms, além de Distorção Harmônica abaixo de 0,01%, Resposta de Frequência 20 Hz a 20Khz, +/-0,5 dB; Fator de Amortecimento maior de 2000 a 8 Ohms -200Hz; Ruído 100dBA em relação a potência máxima; Sensibilidade de Entrada 775mV RMS; Impedância de Entrada 10KOhms balanceada, Conectores de Entrada 2 XLRF e 2 XLRM, Conectores de Saída Speakon NEUTRIK NL4 / Bornes 25A e Refrigeração Duto de Alumínio com Ventilação Forçada. Com proteção Auto Mute, saída em curto aberto, rádio frequência, térmico, Soft Start, esse amplificador pesa apenas 24 quilos.


A50RACK_1 http://www.dasaudio.com/pt-br/ O Aero 50rack é um rack robusto que inclui amplificadores de potência, transformadores, distribuidores e painéis de entrada de energia e saída de sinal para sistemas line array Aero 50. Existem duas diferentes opções do Aero 50rack. O A50rack_1 monta 3 amplificadores de quatro canais da D.A.S. Audio D-100 e um processador da D.A.S. DSP-2060A. O D-100 é um amplificador de quatro canais de Classe D com fonte de alimentação alternada de 2.800 W por canal @ 4 ohms. A capacidade de alimentação é de 6x Aero 50, amplificadores 3x D.A.S. D100, Potência por canal (cada amplificador) de 4x 2800 W @ 4 ohms e processador digital D.A.S. DSP-2060A ou DSP-4080, entre outras.

SUB SCOOP 15-1000 http://dbtecnologiaacustica.com.br Esse subgrave chegou para ficar e dar uma mão no som ao vivo. Entre as especificações Técnicas pode-se destacar resposta de frequência (+-3dB) – 35Hz ~ 120Hz; Potência – 1000W AES; SPL – 104,7dB (@ 1w, 1m) e SPL Máx. – 134dB; Impedância Nominal – 8 Ohms, Corte Recomendado (L-Riley 24dB) –40 ~ 96Hz. O transdutor também merece um destaque especial: 1 x Alto Falante 15’’ B&C Speakers OEM, dimensões(L x H x P) – 550 x 710 x 730mm, Cores – Preto e Branco; Pintura Texturizada em Poliuretano e peso de 46 quilos. A Conexão é um Speakon® 4 Polos.

11


RÁPIDAS & RASTEIRAS | www.backstage.com.br

Primeiro livro da cantora Ana Carolina Depois de 17 anos de carreira, a cantora Ana Carolina revela sua veia de escritora e lança seu primeiro livro Ruído Branco. Neste livro de capa dura e recheado de reproduções de telas e fotos exclusivas de sua intimidade, seus fãs e apreciadores dos gêneros poesia urbana e prosa poética serão apresentados à escritora Ana Carolina. Suas páginas abrigam seu talento literário em mais de 50 poesias,

prosas e letras inéditas escritas ao longo da sua vida e divididas em quatro tomos: poesia/ prosa / poesia musicada e caderninho (facsímile de textos escritos em uma máquina de escrever quando a autora tinha apenas 12 anos). Com prefácio do poeta, cronista e jornalista Fabrício Carpinejar, e texto de quarta capa da escritora e atriz Elisa Lucinda, Ruído Branco chega às livraras em janeiro.

Christie tem centro de

12

Atendimento Autorizado A Christie nomeou a Personal Video Service como um Centro de Atendimento Autorizado para o Brasil. Através deste compromisso, a Personal Video Service prestará serviços de suporte técnico aos clientes da Christie no Brasil, como serviços e reparos de soluções Christie, incluindo peças certificadas de fábrica para todos os produtos Christie, incluindo soluções de cinema digital. A Personal Video Service tem mais de 21 anos de experiência fornecendo

serviços técnicos para projetores e painéis para as marcas líderes no mercado Pro AV. Apoiada por uma equipe de 12 profissionais dedicados da indústria, a empresa possui instalações de treinamento, sala de pesquisa com equipamentos de precisão, além de salas de teste e calibração. A Personal Video Service fará um investimento significativo em um grande inventário de lâmpadas, filtros e peças e consumíveis essenciais certificados pela fábrica para os produtos Christie.

Empresa estoca Robe na Nova Zelândia Auckland Live é uma organização que é responsável por todos os locais de performance ao vivo no maior complexo de artes de palco e convenções da Nova Zelândia, que fica bem no coração da cidade. Seu estoque existente de movings da Robe acabou de ficar maior agora com a adição de 44 moving

lights novas de LED - 12 perfis de x DL4S e 32 x LEDWash 800s. O gerente de iluminação Malcolm Ibel tem utilizado Robe cada vez mais em seu trabalho nos últimos anos. A Auckland Live inicialmente investiu na série MMX com a compra de 12 x MMX Spots e 12 x MMX WashBeams.

BLOG DA PLS TEM NOVA CARA Novo layout, navegação mais fácil e intuitiva, imagens maiores, essa é a nova cara do blog da Prolight+Sound. No endereço www.prolight-sound-blog.com, os visitantes, expositoes e demais interessados poderão ter acesso a todo tipo de informação da PLS e as companhias que vão participar da feira. Além disso, será possível dar uma espiadinha nos novos produtos do setor de som, iluminação e ficar por dentro de alguns dos mais inusitados produtos no setor de negócios. O novo visual do blog da PLS vai apresentar as impressões da feira de forma ainda melhor, incluindo uma atenção especial às imagens, mais expressivas e atraente, particularmente nos celulares e dispositivos móveis.


Banda Valente lança novo clipe Insossego A banda Valente lança novo clipe do single Insossego, no dia 1º de dezembro de 2016. O clipe também foi lançado no canal oficial da banda no YouTube (http://bit.ly/2fWDOGm) a partir das 19h. Gravado utilizando tecnologia com projeções controladas digitalmente, o clipe simula uma passagem de tempo na vida do personagem principal, interpretado pelo vocalista Raoni Forian. Dirigido por Henry Nícolas, Insossego fará parte do

novo disco da banda, previsto para ser lançado no início do desse ano de 2017. Uma campanha de financiamento coletivo para o disco está em curso no Kickante, site brasileiro especializado em crowdfunding. Os fãs podem colaborar com diferentes valores e as recompensas são diversas, variando conforme a cota. Para participar da campanha, basta acessar o site kickante.com.br (http://bit.ly/ 2cMjN5e) e escolher a cota.

Iluminação na montanha-russa

Iluminação criativa e prática de design harmonioso. A Painting with Light foi a responsável por adicionar os seus próprios toques de magia e emoção para aqueles que apreciam a ‘Heidi The Ride’, a nova e impressionante montanha-russa de madeira que alcança a velocidade de 71 km/h, que será inaugurada em abril de 2017. Chamada de “Coração de Heidiland”, esta é uma área nova no parque temático de Plopsaland De Panne, na Bélgica. A Heidi The Ride é um novo

investimento de 6 milhões de euros construído pela Great Coasters International. Ela sobe majestosamente até 22 metros de altura com uma pista de 618 metros. Sua construção envolveu 56.846 metros de madeira, 95.723 parafusos e 181.198 pregos ... com 784 pilares segurando tudo seguro. A maioria das luzes estão posicionadas no chão, embutidas ou montadas em blocos de concreto para que possam ser facilmente alcançadas e atendidas conforme necessário.

13


RÁPIDAS & RASTEIRAS | www.backstage.com.br

Robe Lighting

14

na Bolívia

Spectrum’s Huascar Hermosa

NOVOS NEGÓCIOS NA PSL GUANGZHOU O novo “Teatro K. Pub” vai abordar demandas crescentes em setores de karaoke e teatro durante a Prolight + Sound Guangzhou 2017. A feira focada na indústria de áudio e iluminação profissional na China está com seu espaço totalmente reservado há três meses antes da sua abertura, dia 22 de fevereiro. Aproximadamente 1.250 expositores locais e internacionais,

A Spectrum, uma das principais empresas de aluguel e produção da Bolívia, investiu em 12 luminárias LEDBeam 1000 e 16 moving lights Pointe da Robe. A compra de marcas Premium como a Robe ajuda consolidar a Spectrum como uma das empresas mais relevantes e sérias na indústria da produção boliviana. A companhia trabalha ao longo de todos os setores e, particularmente, com iluminação para concertos, festivais, turnês e eventos ao vivo, e produções teatrais e ativações corporativas. O proprietário da Spectrum, Gonzalo Hermosa, e seu filho, Huascar, decidiram adquirir os produtos da Robe porque queriam que a Spectrum fosse a melhor e mais viável opção para os profissionais da iluminação e para as principais produções bolivianas interessadas pelos valores fundamentais dos seus shows. Antes de adquirir os equipamentos, Huascar viu os Pointes e os LEDBeam 1000s em ação em outros eventos na América Latina. Já Gonzalo gosta dos LEDBeam 1000s pelos seus fatbeams e mistura de cores estável, funções essenciais para qualquer show.

incluindo alguns dos mais notáveis nomes dos setores próáudio, iluminação e tecnologia de entretenimento, confirmaram sua presença e vão revelar suas mais recentes inovações e tecnologias em 130 mil metros quadrados de espaço de exposição em 13 salas. As empresas e marcas participantes incluem Alcons, Allen & Heath, Audiocenter, Avid, Beta Três, Beyerdynamic, Bosch, Bose, Celestion, Clay Paky, Criador, d & b audiotechnik, dBTechnologies, EAW, Eighteen Sound, Gonsin, Harman International, HiVi, IAG, Kling & Freitag, Kobble, Kvant, Laserworld, Martin Professional, MIPRO, Montarbo, Peavey, QSC, RCF, Redx, Runningman, Sabine, Samson, SE, Audiotechnik, Seikaku, Sennheiser, Shure, Soundking , TD Taichee, Taiden, Takstar, Tendzone, Media TJ, TW Audio, Verity Audio, VUE e Yamaha. O setor de entretenimento chinês entrou em uma era revolucionária como mais clientes cada vez mais interessados em mini home theaters, karaoke e sistemas de integração audiovisual. Em resposta a esse crescimento do mercado, o novo “Theatre K. Pub” estreará este ano com sistemas de karaokê de alta qualidade, mini home theaters, instalações personalizadas, AV digital inteligente e integrações de sistemas em showrooms exclusivos. Mais informações em: www.prolightsound-guangzhou.com


Grupo Um retorna ao Selo Sesc Após três décadas longe dos palcos, o Grupo Um, ícone do jazz brasileiro, está de volta. O Selo Sesc lança o CD Ao Vivo Jazz na Fábrica Grupo Um, Uma Lenda ao Vivo. A obra, gravada no Festival Jazz na Fábrica de 2015, navega entre o jazz fusion, o free jazz e a música erudita, eletrônica e eletroacústica, somando instrumentos de outras culturas. A ênfase do novo CD é o álbum Marcha sobre a Cidade, de 1979, mas toda a discografia da banda está representada no novo trabalho. Considerado pela crítica um dos mais ousados, densos e radicais experimentos sonoros já empreendidos no Brasil, o Grupo Um foi formado em 1976 pelos irmãos Lelo Nazario e Zé Eduardo Nazario, que, na época, atuavam na “cozinha” da banda de Hermeto Pascoal. Eles se destacavam como representantes de ponta da vanguarda surgida em torno do Teatro Lira Paulistana. O disco será vendido nas unidades do Sesc e no link: http://www.sescsp.org.br/livraria

SEPULTURA LANÇA NOVO DISCO Um dos ícones do heavy metal, o Sepultura anunciou para 13 de janeiro o lançamento de seu próximo álbum de estúdio, intitulado Machine Messiah. O CD foi produzido pela banda em parceria com Jens Borgen, em estúdio na Suécia. A capa do disco é uma arte da artista filipina Camille Della Rosa. A principal inspiração do álbum vem da robotização da nossa sociedade atualmente. O conceito de que uma Máquina de Deus criou a humanidade e agora parece que este ciclo está se encerrando, retornando ao ponto de partida.

15


RÁPIDAS & RASTEIRAS | www.backstage.com.br 16

Padrão Internacional Com base em sua recente análise do mercado de microfones profissionais e comerciais, a Frost & Sullivan reconheceu a Shure Incorporated como empresa do ano em sua premiação NorthAmerica Company of the Year Award 2016. A Shure tem definido o rumo do mercado de microfones com sua estratégia visionária e excelência de execução, conquistando uma participação de mercado superior a 40% na América do Norte.

Raimundos usa DLive para gravação ao vivo

O engenheiro de monitor Edinho Rock (à esquerda) e Cassius Octani.

Recentemente, a banda gravou seu primeiro DVD acústico usando o sistema de mixagem digital dLive, da Allen & Heath, fornecida pela WR Sonorização, de São Paulo. A banda de punk rock formada em Brasília no final dos anos 80 contou com a participação de diversos músicos incluindo uma sessão de cordas. O sistema dLive era composto por uma S7000 e um MixRack DM64, escolhida como monitoração, gerenciando um total de 16 stereo mixes. Para o engenheiro de monitor, Edinho Rock, a dLive é uma das consoles mais intuitivas que ele já usou e com uma qualidade sonora superior. www.allen-heath.com


17


18

PLAY REC | www.backstage.com.br

DANIELLI MARINHO | REDACAO@BACKSTAGE.COM.BR

PÉ NA RUA Julia & Rafaela A irmãs Júlia & Rafaela disponibilizaram as músicas Não Deixe de Me Abraçar, Ai Que Fofo e Pé na Rua, que fazem parte do EP homônimo lançado recentemente, no seu canal do YouTube/ Vevo. As músicas, que já estavam disponíveis nos serviços de streaming e download, agora ganharam cartelas para a plataforma de vídeos. As gêmeas do interior do Mato Grosso, também lançaram o clipe do single Na Mesma Moeda. O clipe pode ser visto aqui: https://youtu.be/uCHM3kQWiFo

ALFA Leandro Cabral Pianista, compositor, arranjador e destaque da música instrumental brasileira, Leandro Cabral lança seu segundo álbum Alfa, onde apresenta composições autorais em que mescla a improvisação do jazz a ritmos pouco usuais, como o vassi e o ijexá, ambos oriundos do universo percussivo baiano. Gravado ao vivo no Teatro Alfa, em São Paulo, em janeiro de 2016, com seu trio [formado por Leandro Cabral (piano), Sidiel Vieira (contrabaixo) e Vitor Cabral (bateria e percussão)], o álbum traz sete composições de Leandro, como Alfa, Valsa do Amanhã e Rute e sua grandeza – Vassi nº 1, além de três recriações livres para temas de Tom Jobim Outra Vez e Inútil Passagem) e Johnny Alf (Rapaz de bem). O clipe de Rute e Sua Grandeza - Vassi Nº 1 acaba de ser disponibilizado em seu novo canal na Vevo/YouTube: https://youtu.be/9cwmRzLp6-8 Na única canção do álbum, A Dança, participam a cantora Vanessa Moreno e o saxofonista Cássio Ferreira. Para saber mais sobre o músico, acesse: http://leandrocabral.com/ Ouça ou baixe aqui: https://umusicbrazil.lnk.to/LeandroCabralAlfaPR

CLAREOU - AO VIVO Diogo Nogueira O sambista lança o vídeo da música Clareou (Ao Vivo) em seu canal na Vevo/You Tube. O vídeo foi extraído de seu novo DVD Alma Brasileira – Ao Vivo, onde o cantor homenageia seus mestres em interpretações marcantes de músicas de grandes compositores do samba e da MPB. No canal do artista também estão disponíveis outros clipes deste DVD, como Beijo Partido (Ao Vivo), Tim Tim Por Tim Tim (Ao Vivo), Sangrando (Ao Vivo), Beiral (Ao Vivo), com participação de Maria Rita, Pé Na Areia (Ao Vivo), o pot-pourri Favela Social Clube (Ao Vivo), e o medley Faltando um Pedaço (Citação) / Flor de Lis / Avião / Fato Consumado (Ao Vivo). Link do canal: https://www.youtube.com/user/ DiogoNogueiraVEVO. Assista ao vídeo aqui: https://youtu.be/OC9-QHOlLns

INDESTRUTÍVEL Malta Além de ganhar uma nova vocalista, a banda Malta traz mais uma novidade para seus fãs com o lançamento de Indestrutível, o terceiro álbum da carreira e primeiro da nova formação, que traz 13 faixas inéditas e ainda conta com as participações especiais de MC Guimê e Marcos & Belutti. Formada por Adriano Daga (bateria), Diego Lopes (baixo), Luana Camarah (vocal) e Thor Moraes (guitarra), a banda mantém sua marca de apresentar canções autorais neste novo trabalho. A faixa que abre o álbum é “Indestrutível”, que dá nome ao lançamento. Em seguida, está “Indispensável Para Mim”, uma nova versão da composição original de Mario Domm e Monica Velez, que já ganhou clipe – confira: https://www.youtube.com/watch?v=pBbLgZbURUo&feature=youtu.be


DANIELLI MARINHO | REDACAO@BACKSTAGE.COM.BR

GRANDE ENCONTRO: 20 ANOS Artistas variados O CD/DVD Grande Encontro: 20 anos chega às lojas e plataformas digitais no dia 9 de dezembro, e já foram liberados os clipes de quatro faixas do disco: Me Dá Um Beijo, Cabelo no Pente, Sétimo Céu e Sangrando. O produto traz o registro da turnê de Alceu Valença, Elba Ramalho e Geraldo Azevedo pelo Brasil em comemoração aos 20 anos do primeiro “Grande Encontro” deles, em 1996. O repertório do DVD, que já está em pré-venda no iTunes, mostra músicas clássicas dos nordestinos, como “Anunciação”, “Morena Tropicana”, “Táxi Lunar” e “Dia Branco”. Veja os vídeos. Acesse: https://www.youtube.com/watch?v=twAPKDAQ1p4 https://www.youtube.com/watch?v=DKnkV3F0ZuA https://www.youtube.com/watch?v=LEB1dSIhYJA https://www.youtube.com/watch?v=E8PkomK1mb8

19


GUSTAVO VICTORINO | www.backstage.com.br 20

alguém fala em aposentadoria. Aliás, o Mick Jagger vai ser pai de novo, mas nem ele sabe mais quantos filhos tem... Só o seu advogado.

NA TRAVE

Em queda livre desde o segundo mandato da expresidente Dilma, o PIB brasileiro é o termômetro mais confiável na avaliação dos rumos da nossa economia a curto e médio prazo. As perdas são significativas e mostram o que os desmandos de governos perdulários e irresponsáveis fizeram no bolso do brasileiro. Cair é feio, mas continuar no chão é ainda mais dramático. Venha melhor 2017...

ANGÚSTIA Chega final de ano e a história é sempre a mesma. Hora de escolher o melhor isso, o melhor aquilo, e blá, blá, blá... há muito que parei de fazer essas escolhas pelo simples fato de que elas são pessoais e nas artes o subjetivismo é quase totalitário na hora de opinar sobre um trabalho. Comparar desiguais e atribuir parâmetros de qualidade é complexo e normalmente antipático. Há anos sou jurado do mais importante prêmio musical do sul do país, o Prêmio Açorianos, e confesso que a hora da escolha nas muitas categorias é das mais angustiantes e reflexivas. É um momento em que você intimamente coloca em cheque até mesmo a sua capacidade de julgar de forma justa e isenta. E nessa hora, nem sempre o bom senso é o suficiente para tal escolha.

INTERMINÁVEIS Acreditem, o primeiro lugar nas paradas europeias é de novo dos ... Rolling Stones... e tocando blues. O novo disco “Blue & Lonesome” acertou na veia dos amantes do visceral ritmo nascido no delta do Mississipi. O som frenético e elétrico fez dos setentões súditos da rainha ocuparem o topo das paradas mais uma vez. Os caras parecem intermináveis e ficam indignados quando

A retomada das vendas no final do ano foi tímida e altera o viés de reaquecimento do mercado no curto prazo. Lojistas são unânimes na decepção em face da expectativa que se tinha de um crescimento consistente, embora sazonal. Mesmo parecendo retórico é possível afirmar que o ano de 2017 começa como terminou 2016. Prudência ainda é a palavra chave nesse momento.

LIÇÃO O mundo pode até terminar, mas a CSR vai assistir de camarote. A impressionante estabilidade da empresa através de uma política de preços realistas e gestão enxuta é uma aula de equilíbrio entre a competência e a rara visão mercadológica de quem não sorri na bonança porque sabe que no Brasil ela é sempre passageira, mas não chora nas crises porque aqui é preciso aprender a conviver com elas. Lição de sabedoria e pragmatismo...

IMPRESSIONANTE O amor da cidade de Rio das Ostras pelo seu Festival de Jazz & Blues é algo indescritível. Para quem não vive de perto a experiência de conhecer um dos maiores festivais do mundo no gênero, essa simbiose não encontra explicação racional. Enfrentando limitações econômicas devastadoras, o irrequieto e genial Stenio Mattos, dono da Azul Produções, viveu uma experiência que poucas vezes vi na minha vida. A população da cidade “abraçou” o evento de 2016 e diante de um emocionado agradecimento do criador da festa ao microfone do palco principal, se mostrou soli-


GUSTAVO VICTORINO | VICTORINO@BACKSTAGE.COM.BR

dária e decidida ao ouvir do pai do festival a expressão... “Pelo povo de Rio das Ostras e pelo amor que vocês têm pela música, esse Festival nunca vai acabar...”. Nessa hora vi dezenas de olhos lacrimejando. Inclusive os meus...

CEDO DEMAIS Andei elogiando o canal BIS e mantenho a opinião de que “ainda” é o melhor canal de música da nossa televisão, mas os produtores e pensadores do canal estão doidinhos para pôr tudo a perder. Andam exibindo cada coisa... O amor pela favelização musical oriunda do Rio de Janeiro chega a ser constrangedor e de uma ruindade incompatível com o padrão musical que o canal apresentava nos seus primórdios. Soma-se ainda irritantes e cansativos programas com DJs saltitantes tocando para bêbados e drogados. Se a ideia é mostrar música eletrônica, porque não exibir documentários de como elas são criadas ou os (poucos) músicos que trabalham nesse mercado musicalmente fake. Ou mudam ou o velho BIS vai deixar saudades porque tentando ser “muderninho”, o atual parece que se encaminha para o buraco da falta de audiência da MTV e outras menos cotadas.

que mais influenciaram no resultado da pesquisa. As pessoas estão cada vez mais preferindo o lazer e a segurança do seu lar.

SERIEDADE Enquanto a maioria do comércio e da indústria cumpre o prazo legal de 90 dias por força da lei do consumidor, tem gente ampliando a garantia dos seus produtos por confiar no que vende e principalmente atrair consumidores com o fator credibilidade. Já tem equipamento na praça com um e até dois anos de garantia. Na dúvida, opte por eles.

SEM MOTIVO O preço dos geradores de energia de alto desempenho vem subindo de preço no Brasil em índices incompatíveis com a nossa realidade econômica. As empresas de locação e sonorização encontram cada vez mais dificuldades em repor seus equipamentos pelo descompasso entre os preços praticados há 5 anos e agora. Pesquisei e não achei justo motivo para essa subida. Parece mesmo ser a lei da oferta e da procura. Mas o medo real da falência iminente do sistema elétrico brasileiro é também um dos fatores a ser considerado.

GRAMMY AUDIÊNCIA Falando nisso, o número absoluto de televisores ligados e o seu tempo médio de sintonia aumentou significativamente no Brasil. Os dados são do Painel Nacional de Televisão (PNT) da Kantar Ibope, que identificou um crescimento de quase 8% nos números desse ano em comparação com 2015. A falta de dinheiro e a violência urbana são os fatores

A dupla Caetano Veloso e Gilberto Gil está entre os finalistas do Grammy 2017. O mais importante troféu da música gringa escolheu os brasileiros para finalistas na categoria Word Music pelo álbum Dois Amigos, um Século de Música, um resgate dos 50 anos de parceria e boa música dos baianos geniais. A cerimônia de premiação do 59º Grammy Awards acontece no mês

que vem em Los Angeles e, pelas indicações, tudo se encaminha para uma disputa ombro a ombro entre a americana Beyoncé e a inglesa Adele. Particularmente, fico com a segunda porque prefiro música para ouvir, não para ver.

CURIOSIDADE O super produtor Carlão de Andrade me revelou uma curiosidade que certamente vai agradar a turma da Casio. Ao contrário do que todos imaginam, as músicas icônicas criadas pelo inglês carioca Ritchie não foram compostas num violão e sim num velho teclado Casiotone, paixão do músico. Nele foi criada a clássica Menina Veneno. O som analógico e cru do teclado desenvolvido nos anos 80 exerceu um interessante fascínio no músico que até hoje é apaixonado pela marca.

FESTIVAL ATLÂNTIDA 2017 O mais importante festival do sul do país anuncia suas atrações para esse ano, com destaque para Anitta e Wesley Safadão. Confirmo que sou ausência garantida...

GRATO! Mais um ano se passou e como em todos os outros quero deixar aqui os meus votos de felicidades e muita paz. Grato a quem de uma forma ou de outra prestigia essa coluna com a sua leitura, seus comentários, suas críticas e até alguns (poucos) elogios. Há mais de duas décadas ter mensalmente a sua atenção e reflexão faz desse modesto escriba um profissional realizado. Deus abençoe a todos sempre... Obrigado!

21


LEITURA DINÂMICA| www.backstage.com.br 22

BS-634 Caixas de som

Ouvir com clareza uma mensagem é também uma questão de garantir segurança no local. Inaugurado no final de janeiro de 2016, o Espaço Cultural Porto Seguro, em São Paulo, é um espaço plataforma voltado para atender as mais diversas manifestações artísticas e culturais com ênfase no pensamento contemporâneo. O novo sistema instalado dá prioridade à clareza sonora e, consequentemente, à segurança do público. redacao@backstage.com.br Fotos: Divulgação

ESPAÇO

PORTO SEGURO GANHA NOVO SISTEMA DE SOM

O

projeto arquitetônico do Espaço Cultural Porto Seguro visa a integração entre os espaços e permite ao visitante um contato contemplativo com o meio externo. Formas assimétricas e paredes de concreto aparente conferem contornos e linhas que instigam a des-

coberta do espaço. Para compor o ambiente, foram instalados sistemas de sonorização da TOA Corporation. “Ao selecionar nosso sistema, o grupo Porto Seguro não apenas se preocupou com a qualidade sonora interna, mas também com a segurança e conforto dos visitantes.


Sistema de sonorização e evacuação via voz TOA VM-3240

Espaço interno: formas assimétricas e paredes de concreto

PE-304 (caixa pendente)

Caixas de teto PC-648R

Área de contato com o meio externo

Caso haja alguma situação de emergência, por exemplo, mensagens gravadas podem ser manual ou automaticamente disparadas, orientando corretamente aos visitantes, garantindo assim que todos possam visitar os espaços internos com conforto e segurança”, ressalta Francisco Pereira, da TOA Corporation. A empresa Nexis Integrated Solutions instalou o sistema de sonorização e evacuação via voz TOA VM-3240, caixas de som BS-634 (linha design), cornetas SC-615M e caixas de teto PC-648R, porém, nos espaços de pé direito alto, fo-

ram instaladas unidades do PE-304 (caixa pendente) que faz parte da linha design TOA. Concebido como parte integrante do Complexo Cultural Porto Seguro, composto por espaço cultural, teatro, restaurante e café, o mais novo espaço será palco de diversas vertentes de expressão artística. A proposta é levar ao público uma experiência completa e inovadora de arte por meio de diversas atividades: exposições, ateliês, cursos, workshops, simpósios, editais, feiras, festas, festivais, além de ações educativas vinculadas às temáticas abordadas nas exposições. A programação prevê exposições temporárias. A cada exposição um novo universo de temas é levanta-

do, contribuindo para o debate artístico na cidade de São Paulo-SPBrasil. No local, sempre há vários monitores, preparados para prestar informações aos visitantes sobre cada diferente parte de uma exposição. os modelos de equipamentos foram escolhidos de acordo com os requisitos básicos que o cliente havia enviado para a Nexis. “Os objetivos básicos eram providenciar inteligibilidade sonora, deixar o ambiente mais confortável ao produzir música de fundo e principalmente realizar avisos de segurança, sempre que uma ocorrência crítica acontecer, como por exemplo no caso de um incêndio, onde as pessoas deveriam ser evacuadas do local com celeridade”, completa Francisco. Para conhecer detalhes sobre o mais novo espaço cultural da metrópole paulista, programação e ingressos, visite o site em: http:// espacoculturalportoseguro.com.br/

23


LEITURA DINÂMICA| www.backstage.com.br 24

SUPERFÍCIE DE CONTROLE

PARA PRO TOOLS

redacao@backstage.com.br Fotos: Divulgação

COM 16 PRÉ-AMPLIFICADORES

A

celere seu Pro Tools e Pro Tools|HD de gravação, edição e mixagem. Com a elegante área de controle de 24 canais, a C|24, você obtém controle direto sobre quase todas as funções de

software. O objetivo é que você amplie o seu estúdio com uma grande variedade de entradas analógicas de alta qualidade e uma sessão de monitor analógico 5.1 para usar com a interface de

Superfície de controle desenvolvida especialmente para o sistema Pro Tools, a Avid C24 é mais que uma mesa de som.

O objetivo é que você amplie o seu estúdio com uma grande variedade de entradas analógicas de alta qualidade e uma sessão de monitor analógico 5.1


áudio do Pro Tools. E como o hardware integra-se firmemente com o seu DAW, você tem uma superfície poderosa e ricamente caracterizada, projetada exclusivamente para usuários Pro Tools. Em resumo, o C24 é a união de dois mundos: 16 pré-amplificadores ClassA e controle de automação e parâmetros com 24 faders motorizados, transformando qualquer sequência complexa de funções em uma série de movimentos intuitivos. Botões iluminados para dezenas de funções como Mute, Solo, Record Arm. Seleção de canais e modo de

DEZESSEIS PRÉS INDISPENSÁVEIS NA CAPTAÇÃO DE SEU ÁUDIO Para quem já usa a tecnologia surround, a C|24 é equipada com uma seção de monitoração para sistemas até o 5.1, além de talkbacks e mais um submixer com 8 entradas estéreo para teclados, samplers ou outros equipamentos de áudio. Indicado para estúdios profissionais trabalhando com sistemas Pro Tools que desejam a melhor relação custo/benefício. Console profissional, com 16 pré-amplificadores de altíssima qualidade, unindo-se às facilidades do controle do software em superfície.

Console profissional, com 16 préamplificadores de altíssima qualidade, unindo-se às facilidades do controle do software em superfície.

automação. Em suas mãos quase todas as funções do Pro Tools em termos de gravação, edição e mixagem. Quando você grava em estações avançadas como o Pro Tools é importante pensar na qualidade do áudio captado. Pré-amplificadores de microfone de alta resolução e qualidade equipam a C|24.

CONTROLE PRÁTICO COMPLETO Obtenha acesso fácil a gravação, edição, roteamento e funções de mixagem no Pro Tools através de 24 canais de canais. Níveis de controle, pan, EQ, dinâmica, configurações de plugin e muito mais, usando os 24 faders sensíveis ao toque e faders motoriza-

Especificações técnicas •24 faders motorizados, sensíveis ao toque •16 canais com pré-amps Class A mic/line • Seção Control Room capaz de monitorar diversos canais para sistemas até 5.1 •Botões iluminados para Mute, Solo, Record Arm. •Seleção de canais e modo de automação em cada canal. •Submixer integrado com 8 entradas estéreo, conector DB25 • Conectada ao Pro Tools através de rede Ethernet de alta velocidade

•16 saídas de linha com conexão DB25 •Speaker outputs: left, right, center, sub, left surround, right surround, alt left, alt right; com controles de ganho, mute e solo individual (25 pinos) •Acesso direto à funções do Pro Tools como parâmetros de gravação, roteamento, mixagem e edição •Listenback e talkback: phantom power e ajuste de ganho Requisitos Mínimos: Sistema Pro Tools HD ou LE

25


LEITURA DINÂMICA| www.backstage.com.br 26

Com a sessão de transporte com destaque, você pode trabalhar com tarefas de projeto rapidamente. Grave e reproduza faixas com controles de transporte dedicados. Foque em um local específico e edite clipes com precisão usando a roda de limpeza / deslocamento.

dos e 24 codificadores multifuncionais. Permite mute rápido, solo, habilitar gravação, select, insert e automatiza faixas usando switches dedicados em cada faixa. E ainda permite a visualização dos nomes dos canais, as configurações de parâmetros e muito mais através de duas linhas de monitores LED de fácil leitura.

NAVEGUE E EDITE PROJETOS RAPIDAMENTE Com a sessão de transporte com destaque, você pode trabalhar com tarefas de projeto rapidamente. Grave e reproduza faixas com controles de transporte dedicados. Foque em um local específico e edite clipes com precisão usando a roda de limpeza / deslocamento. Faça audição de várias partes de uma seleção de edição de áudio. Alterne a reprodução de loop, gravação de loop e QuickPunch e ainda desfaça o que você acabou de fazer.

MANTENHA UM OLHO EM SEUS NÍVEIS O usuário também pode encontrar mais do que apenas 24 gráficos de

feedback visual para seus níveis de trilha. O equipamento também oferece seis medidores de saída para mo nitoramento estéreo ou até 5.1 níveis surround (somente Pro Tools | HD). Ver timecode, barras e outros formatos de escala de tempo na exibição do contador principal. E, com um microfone talkback integrado diretamente na ponte metros, basta pressionar um botão para abrir a comunicação entre o control room e o live room.

LIGUE E FAÇA A SUA MIX O C|24 pode ser usado além do Pro Tools, como um submixer de linha analógica. Ligue os microfones, os instrumentos e outros equipamentos de estúdio analógicos às oito entradas estéreo integradas e uma saída estéreo (através de todas as ligações DB-25). Você pode encaminhar as entradas para a interface de áudio do Pro Tools para gravação ou diretamente para a sessão de monitoração C | 24 para operação de mixer de linha autônoma, com sessões de talkback e monitor completas.


27


LEITURA DINÂMICA| www.backstage.com.br 28

A brasileira Paula Fernandes trouxe para casa o prêmio de melhor álbum de música sertaneja. Na cerimônia em Las Vegas, todos os artistas que se apresentaram usaram o sistema de monitoramento pessoal PSM®1000 da Shure. redacao@backstage.com.br Fotos: Divulgação

GRAMMY

LATINO

2016 M

arc Anthony, Jennifer López, J Balvin e Carlos Vives, entre outros talentos, se destacaram na 17ª cerimônia de premiação do Grammy Latino. A entrega, televisionada para a América do Sul pelas redes Univisión e TNT, foi realizada no T-Mobile Arena,

em Las Vegas. O espetáculo contou com vinte apresentações ao vivo, dentre as quais brilhou a atuação de Marc Anthony e Jennifer López. Os dois músicos usaram o sistema sem fio UHF-R® com transmissor de mão UR2/KSM9HS. No caso de J.Lo, patrocinada pela


sistema de monitoramento PSM1000 da Shure por sua qualidade de áudio, recepção com diversidade de antena – que o define como um sistema extremamente estável – e sua ampla faixa de sintonia, que permite trabalhar em qualquer ambiente de espetáculo, em qualquer cidade do mundo.

Shure, usou seu próprio sistema sem fio Axient® com transmissor de mão AXT200/KSM8 personalizado. O dueto interpretou Olvídame y pega la vuelta, de Pimpinela e, em seguida, o porto-riquenho recebeu o prêmio “Pessoa do Ano”, um dos momentos de maior destaque da noite.

Uma das principais características do sistema é que sua faixa de sintonia é muito ampla, o que permite que a empresa que aluga esses equipamentos adapte-os

Com mais de três horas de duração, o evento foi apresentado pelo ator argentino Sebastián Rulli e pela atriz, bailarina e apresentadora Roselyn Sánchez. Juntos, eles introduziram as atuações de Carlos Vives (que utilizou o microfone UR2/SM58), J Balvin com Pharrell Williams, Bia e Sky (o colombiano utilizou o microfone UR2/KSM9HS), e Fonseca com Alexis e Fido (que utilizaram os microfones UR2/SM58 e UR2/ BETA58, respectivamente).

FAIXA DE SINTONIA AMPLA Todos os talentos que participaram da noite de premiação utilizaram o

“Uma das principais características do sistema é que sua faixa de sintonia é muito ampla, o que permite que a empresa que aluga esses equipamentos adapte-os a qualquer tipo de situação, independentemente do espectro disponível no local onde forem utilizados”, comentou Adinaldo Neves, especialista sênior de desenvolvimento de mercado, Pro Audio para a Shure América Latina. Outro importante recurso do PSM1000, segundo ele, é poder ser controlado via rede, “possibilitando que, em um evento do porte do Grammy Latino, os engenheiros possam controlar e monitorar

29


LEITURA DINÂMICA| www.backstage.com.br 30

Uma de suas funcionalidades mais poderosas é possuir um analisador de espectro a partir do P10R e informar quais frequências tenho disponíveis. Isso economiza tempo e recursos em minhas turnês, e também em shows ao vivo. (Tarazona)

exatamente o que está acontecendo com os sistemas. “Mas o aspecto mais importante de todos é a fantástica qualidade de áudio do PSM1000, que agrada a todos os músicos”, diz. Cada um dos artistas presentes utilizou exclusivamente o PSM1000, que é considerado o equipamento de monitoramento padrão da indústria musical e de entretenimento. “Sem sombra de dúvida, o PSM1000 da Shure é minha única opção de sistema de transmissão para monitoramento pessoal. Eu sempre recomendo esse equipamento aos artistas com quem trabalho, como o J Balvin. Esse sistema me proporciona uma incrível estabilidade de RF com uma qualidade impecável no áudio final. Uma de suas funcionalidades mais poderosas é possuir um analisador de espectro a partir do P10R e informar quais frequências tenho disponíveis. Isso economiza tempo e recursos em minhas turnês, e também em shows ao vivo, como a premiação do Grammy Latino”, explica Germán Tarazona, engenheiro de monitores de J Balvin.

BRASILEIRA LEVA PREMIAÇÃO PARA CASA O cantor e compositor Juan Gabriel conquistou dois prêmios Grammy póstumos: “melhor álbum vocal pop tradi-

cional” e “melhor álbum do ano pelo disco Los Dúo 2”. O mexicano nunca havia obtido esse reconhecimento até a premiação de 17 de novembro, e compartilhou o protagonismo da noite de gala em Las Vegas com outro adepto da Shure Carlos Vives, que, junto com Shakira, levou dois prêmios por La bicicleta: melhor canção do ano e melhor gravação do ano. Além disso, Fonseca, artista patrocinado pela Shure, levou para casa dois gramofones de ouro por melhor álbum de cúmbia ou vallenato (Homenaje a la música de Diomedes Díaz) e melhor canção tropical (Vine a buscarte); J Balvin, usuário de equipamentos da Shure, conquistou o reconhecimento de melhor álbum de música urbana por Energía; Julieta Venegas, patrocinada pela Shure, venceu o prêmio de melhor álbum de pop rock pela produção Algo sucede; e a brasileira e também patrocinada pela Shure Paula Fernandes foi premiada com o melhor álbum de música sertaneja por seu trabalho Amanhecer”. Para obter mais informações sobre os produtos da Shure utilizados durante a entrega do Grammy Latino 2016, visite shurebrasil.com


31


CAPA|MARISA MONTE NA BAHIA|REPORTAGEM| www.backstage.com.br 32

Após três anos do encerramento da última turnê e quatro anos da sua última apresentação em Salvador, Marisa Monte voltou aos palcos baianos em alto estilo. redacao@backstage.com.br Fotos: Divulgação

N

a nova Concha Acústica do Teatro Castro Alves, o que seria inicialmente um show apenas no dia 26 de novembro, teve o replay também com a casa lotada no dia 27. A artista levou para a capital baiana um show especial, acompanhada por uma nova formação de banda e, além dos antigos companheiros de palco Dadi Carvalho, Marcelo Costa e Pedro Baby, a cantora agora conta com a participação de Pretinho da Serrinha. Na apresentação, a artista

reuniu sucessos de diversas fases de sua carreira, como Beija Eu e Eu Sei (do disco Mais - 1991), Carnavália e Velha Infância (Tribalistas - 2002) e Gentileza (de Memórias, crônicas e declarações de amor 2000), entre outros. Reinaugurada no dia 13 de maio de 2016, a nova Concha Acústica do Teatro Castro Alves marcou a conclusão da 1ª fase do projeto NOVO TCA, que prevê a ampliação e a requalificação de todo o Complexo Teatro Castro Alves,


MARISA MONTE

NA NOVA CONCHA ACÚSTICA

DA BAHIA espaço cultural público preservado e mantido pela gestão estadual. A empresa escolhida para sonorização dos shows foi a baiana Arena Áudio Eventos, que tem sede em Salvador, e é requisitada para os shows e eventos onde a qualidade técnica e de equipamentos são primordiais. Segundo Alberto Viana, responsável pela empresa, todo o projeto feito para sonorização da Concha Acústica foi dimensionado de forma a estabelecer um padrão uniforme de sonoridade em todo espaço. Para tanto, a equipe da Arena fez diversas visitas e medições no novo espaço a fim de obter parâmetros de dimensionamento preciso do equipamento. “Não é tarefa fácil chegar

a um resultado satisfatório num ambiente carregado de variáveis. A principal delas está no formato da

estrutura da Concha, com a gigantesca arquibancada de puro cimento à frente do sistema que causa

Gigantesca arquibancada de cimento em frente ao palco causa reflexão

33


CAPA|MARISA MONTE NA BAHIA|REPORTAGEM| www.backstage.com.br 34

Equipe Arena: da esquerda para a direita, Alberto, Márcio (Lobão), Pablo (Bomba), Jorge, Vagner, Kabello e Fábio

Segundo Viana, foram utilizados o programa MAPP XT da Meyer Sound para configurar toda a montagem dos equipamentos. “A concha tem uma característica ímpar pela sua forma. O palco fica na parte de baixo com toda a arquibancada à sua frente”

No Monitor, foram utilizados consoles DIGICO SD8

muita reflexão, especialmente quando o espaço ainda está sem público”, afirma. Segundo Viana, foram utilizados o programa MAPP XT da Meyer Sound para configurar toda a montagem dos equipamentos. “A concha tem uma característica ímpar pela sua forma. O palco fica na parte de baixo com toda a arqui-

bancada à sua frente”, fala. Outro desafio foi o formato em semi-círculo, exigindo o uso de diversos clusters para cobertura da área. “E, com a nova Concha, os camarotes que ficam acima da primeira linha de arquibancada exigem que sejam direcionadas caixas para cobertura do espaço”, completa.

SMAART LIVE PARA O ALINHAMENTO

Todo o sistema de PA e Monitor da Meyer Sound

A Arena utilizou todo o sistema de PA e Monitor da Meyer Sound. Nos PAs principais, foram montados 8 elementos MICA com mais 3 elementos M’elodie no downfill por lado. Foram montados ainda 2 outfill com 5 elementos M’elodie por lado para cobertura das laterais da Concha e mais o centerfill com


Quatro elementos M’elodie para as primeiras filas

Proximidade da plateia com o palco: uso de frontfill

4 elementos M’elodie para cobertura das primeiras filas. “A proximidade da plateia com o palco exige que sejam colocadas caixas de frontfill. Nós optamos por dire-

Montagem da Concha

cionar tanto o center quando os downfill para cobrir esse espaço, deixando o palco muito mais livre”, assinala Alberto. O sistema de subgraves foi composto por 4 unidades de subs Meyer Sound 700HP por lado. O arranjo sugerido por Daniel Carvalho, técnico de Marisa Monte, foi configurado de forma a permitir uma perfeita cobertura dos graves em toda a Concha Acústica. As 4 unidades colocadas uma sobre a outra, foram lincadas às suas correspondentes

Daniel Carvalho, técnico de PA

35


CAPA|MARISA MONTE NA BAHIA|REPORTAGEM| www.backstage.com.br 36

Na concha acústica, temos que posicionar os equipamentos de palco de forma a não dificultar a visão do público que senta nas laterais da parte baixa da plateia. Então, montamos o sidefill de forma a ter a pressão sonora necessária para a banda sem atrapalhar a visão do público. Ficou perfeito

Foram montados ainda 2 outfill com 5 elementos M’elodie por lado para cobertura das laterais da Concha

Saieg - Técnico de Monitor

PA principal: 8 elementos MICA e 3 M’elodie no downfill

do outro lado, formando 4 linhas de processamento. Então foram colocados delays no processador Galileo 616 entre cada linha, o que permitiu levantar o “feixe” de dispersão dos graves para atingir todos os locais com a mesma intensidade. “Seria uma formação “end fired” na vertical”, mencionou Daniel. No total, foram utilizadas 6 “in” e 15 “out” de processamento do Galileo 616. A opção dos técnicos da artista, Daniel Carvalho (PA) e Saieg (Monitor), foram pelas consoles DIGICO SD8, tanto no PA quanto no Monitor. No PA, foram usados ainda 2 prés Avalon 737SD. No Monitor, foram utilizados 10 monitores Meyer Sound MJF212A além de 8 sistemas PSM1000. O sidefill foi monta-

do com 01 unidade de sub Meyer Sound 700HP e 03 elementos M’elodie por lado. “Na concha acústica, temos que posicionar os equipamentos de palco de forma a não dificultar a visão do público que senta nas laterais da parte baixa da plateia. Então, montamos o sidefill de forma a ter a pressão sonora necessária para a banda sem atrapalhar a visão do público. Ficou perfeito”, completa Viana. No backline, foram usados 2 amps Fender Twin Reverb e um sistema Ampeg SVT4-Pro com caixa SVT810E. O set de microfones foi composto de Shure (SM91, Beta52, SM-57, Beta98 H/C) 04 sistemas UR4D, AKG (451E, C3000, C414), Sennheiser (MD421, E604, E609), 12 DI Klark DN100.


37


TECNOLOGIA| LOGIC | www.backstage.com.br 38

X

LOGIC PRO Com tantas opções de plugins de efeitos atualmente, a maioria dos produtores procura quais são os melhores ou aqueles que vão transformar uma mix ou master numa obra de arte. Há realmente ótimos plugins no mercado, mas o resultado final vai depender mais do uso que fazemos deles. Já vi mixagens onde foram inseridos muitos plug-ins sem uma razão precisa, ordem ou necessidade real. Vamos então falar um pouco sobre isso nesta edição. Como combiná-los de força mais eficiente.

Vera Medina é produtora, cantora, compositora e professora de canto e produção de áudio

O uso de plugins de

EFEITOS

G

eralmente inserimos plugins diretamente no canal em que estamos trabalhando, buscando a melhoria de um determinado instrumento. Quando empilhamos plugins nos canais, estamos inserindo efeitos em série. O sinal de um entra no outro na ordem que determinamos, ou seja, um sinal é somado ao outro. O efeito final, portanto, é cumulativo. Nesta con-

Figura 1

figuração mais simples e muito recorrente, é muito importante notar que a ordem dos plugins pode gerar grande diferença no resultado final. A pergunta que sempre ouço é: quem vem antes, o equalizador, o compressor, o reverb? Não há certo e errado, mas se não percebemos alguns detalhes neste processo, o resultado final pode ser comprometido.


Figura 2

Outra forma tradicional de se utilizar plugins de efeitos é utilizar mandadas de efeitos controladas em canais auxiliares. Na maioria das vezes, essa técnica é utilizada para reverbs ou delays, sendo possível endereçar um número qualquer de canais para esses efeitos, controlando individualmente a quantidade de efeito desejada. Esse formato é conhecido como processamento paralelo. Portanto, temos o processamento serial e paralelo para utilizarmos da melhor maneira possível. É importante ter claro que, no processamento paralelo, o sinal de áudio é dividido em dois, sendo que uma fa-

tia é processada e trazida de volta se combinando a que não foi submetida aos efeitos. Resumindo, os efeitos são aplicados a uma réplica do som original. Este tipo de processamento também é muito utilizado nos Estados Unidos numa técnica conhecida como “New Your- style Compression”. Como já foi dito, o processamento paralelo é mais comumente utilizado para reverbs e delays, mas neste caso é aplicado para compressores para obter um melhor resultado no tratamento de baterias completas. Quando executado corretamente, este processamento permite obter

Figura 3

39


40

TECNOLOGIA| LOGIC | www.backstage.com.br

Neste projeto, tenho como exemplo uma base fechada com voz e guitarra já mixados e tenho que colocar uma bateria. Outro uso interessante é colocar um compressor em paralelo.

Figura 5

Figura 4

um nível mínimo consistente de sinal de áudio e manter as extensões orgânicas dos instrumentos, pois os transientes permanecem naturais. Outro efeito que funcina muito neste modo é a distorção, onde utilizamos o nível de retorno auxiliar para equilibrar o sinal processado e não processado. No exemplo, utilizando um dos presets do Drummer, o Slow Jam Kit, vemos a aplicação de vários efeitos em série. Neste caso, temos o Channel EQ, Compressor, Pedalboard e Limiter (Figura 1). Já pensando em efeitos em paralelo, temos

o Bus 1 roteando para um canal auxiliar onde temos um Chorus, o reverb Space Designer e um outro equalizador Channel EQ. Pensando desta forma, o reverb não é comprimido pelo Compressor, somente as peças de bateria. Neste projeto, tenho como exemplo uma base fechada com voz e guitarra já mixados e tenho que colocar uma bateria. Outro uso interessante, como já dissemos, é colocar um compressor em paralelo. Para isto, basta criar um novo canal auxiliar. Na janela do canal, crie um Bus 2 (Figura 2). Com essa ação, um novo canal auxiliar aparecerá no Mixer (Figura 3). Você pode renomeá-lo para Comp. Insira um Compressor no canal (Figura 4), tente aplicar uma configuração onde haja uma boa redução de ganho, ataque rápido, release médio e uma razão 10:1 para começar. Utilize agora o controle de Bus para aplicar a compressão adequada. Insira o Bus de compressor em outras trilhas e aplique também compressão. Desta forma, você pode definir as principais ênfases a serem dadas a cada instrumento. O mais importante deste processo é que você mude a forma de pensar no uso de plugins de efeito. Não adianta trabalhar, como já citamos, amontoando plugins de forma cumulativa. É necessário pensar como


Figura 6

eles podem contribuir individualmente para seu projeto. Qual o efeito que você pretende ter no final: você quer um reverb com ou sem compressão, por exemplo? Delay com ou sem reverb? E assim por diante. Estas escolhas podem não só trazer uma maior agilidade e economia no seu mix, como também gerar resultados mais condizentes com o que foi planejado para o projeto. Vamos aplicar agora uma outra configuração. Suponhamos que você tem uma guitarra ou um outro único instrumento e quer en-

viar o sinal para vários processamentos paralelos. Vamos pensar em dois canais auxiliares com plugins de efeitos e amplificadores. É como se você enviasse o mesmo sinal numa sala física para dois amplificadores distintos. No meu exemplo, criei uma trilha de guitarra e enviei a saída para o Bus 3 em vez de Stereo. Neste momento, foi criada automaticamente um Aux 3 no Mixer (Figura 5). Crie agora outro canal auxiliar utilizando o menu do Mixer > Options > Create New Auxiliary Channel Strip (Figura 6). Certifique-se que o Input dos dois

canais auxiliares seja o Bus 3 (B3). Agora em cada canal auxiliar criado, insira um Tape Delay e um mesmo Amp de sua escolha. Faça ajustes pequenos nas configurações, por exemplo, para cada um deles defina diferentes padrões de configuração (ex: 1/8., 1/16, etc). Agora aplique o pan em cada um dos canais, um totalmente para direita e outro para esquerda. Lembre-se que o sinal de input tem que ser o mesmo nos dois canais. Veja o resultado na sua track agora. Isso não seria possível duplicando o mesmo arquivo de áudio em canais diferentes simplesmente. Para sofisticar mais este setup, crie um Bus e utilize o mesmo em cada um dos canais. Neste canal auxiliar aplique algum plugin que possa tratar de ambiência, tal como o Space Designer. O resultado visual do Mixer pode ser visto na Figura 7. Como vimos, a questão é ser criativo e ousar o máximo possível destes recursos. Pense também em ambientes físicos, o que você gostaria de fazer em termos de aplicação de efeitos. A vantagem do ambiente virtual é que não temos muitos limites nas quantidades de efeitos, mas precisamos aplicá-los de forma produtiva e que realmente venham a adicionar algo mais em nossos projetos musicais. Espero que esta explicação seja útil. Nos vemos na próxima edição!!!

Para saber online

Figura 7

vera.medina1@gmail.com www.veramedina.com.br

41


AUDIO ROUTING

ENDEREÇAMENTOS Lika Meinberg é produtor, orquestrador, arranjador, compositor, sound designer, pianista/tecladista. Estudou direção de Orquestra, música para cinema e sound design na Berklee College of Music, em Boston.

P

42

TECNOLOGIA|ABLETON LIVE| www.backstage.com.br

ABLETON LIVE

Um dos assuntos que via de regra mais confunde os usuários do Ableton Live diz respeito aos endereçamentos de Audio ou Midi (Audio Routing). Não porque sejam difíceis de manipular ou acessar, mas principalmente devido a sua flexibilidade e possíveis combinações.

ara facilitar as coisas, vou otimizar uma janela do Session View do Ableton Live e, passo a passo, darei exemplos de algumas configurações. Montei a janela com uma fonte sonora no 1 Midi track (plugin nativo Wurli1- Classic Piano) e adicionei mais um canal de audio, Ctrl + T PC ou Comm + T Mac (5 Audio).

A propósito, essa configuração também se aplica à “Arrangemet View”. Aqui fica graficamente melhor de se explicar. A verdade é que trabalharemos especificamente no In/Out Section do Ableton Live como mostra a imagem a seguir. Via de regra a lógica dos endereçamentos de Audio ou Midi tem sempre a


caminho clássico: Ins > Canais Outs > Master Vamos falar dessas possibilidades tradicionais e, ao longo, mostrando

mesma finalidade: mandar as fontes de áudio de um endereço a outro e finalizando no Master (que é o princípio regular) ou para outra saída ou

Via de regra a lógica dos endereçamentos de Audio ou Midi tem sempre a mesma finalidade: mandar as fontes de áudio de um endereço a outro

saídas (Outputs) como surround ou outros métodos. Na imagem, o diagrama em amarelo mostra bem esse

as combinações mais avançadas. Primeiro, vamos falar de onde podem vir os sinais de áudio.

43


TECNOLOGIA|ABLETON LIVE| www.backstage.com.br 44

Nessa imagem anterior, observamos na área selecionada pelo retângulo amarelo as possibilidades que minha “configuração” do Ableton Live tem de receber sinais de várias fontes (pode aparecer ligeiramente diferente no seu computador PC ou Mac). tectando imediatamente para serem usados como Inputs. Melhor dizendo: Você roda esses programas que têm configurações de output diferentes, os habilita e grava diretamente no Ableton Live! *Você pode “não” ter nenhum programa “Rewire” instalado no seu Computador!

Resampling é mais um atalho interno do que propriamente um Input. Essa configuração permite a você colher o sinal dos canais que estão direcionados para o Master (ou outros) e gravar o resultado em um novo canal, sem a necessidade prévia de fazer extensivos endereçamentos.

VAMOS EXPLICAR INDIVIDUALMENTE CADA INPUT Ext.In: É o sinal externo que voce recebe de qualquer fonte de áudio conectada na interface, a placa de áudio ou entrada de áudio no seu computador. Pode ser um microfone, instrumento, Pickup ou mesmo outro setup de computador. Na verdade, qualquer fonte plugável! *1/2, 3/4, 1, 2, 3 e 4 são os canais de entrada de cada interface ou entrada do computador (isso depende de cada configuração e pode ser configurável – Configure). Em sequência (retângulos amarelo e verde). Como é notório e sabido, o Ableton Live é um software que se comunica internamente via “Rewire”. Todos os programas que têm essa propriedade de mandar suas saídas de áudio (outputs) via “Rewire” são reconhecidos por Ableton Live, e de-

Seguindo na coluna dos Inputs (Audio From): Resampling é mais um atalho interno do que propriamente um Input (você poderia chegar ao mesmo resultado endereçando canais!). Essa configuração permite a você colher o sinal dos canais que estão direcionados para o Master (ou outros) e gravar o resultado em um novo canal, sem a necessidade prévia de fazer extensivos endereçamentos. Pode ser usado em diversas situações, inclusive para redução de canais, pre-master e outros.

OS INPUTS REGULARES Todos inputs endereçáveis aparecem nessa parte de baixo da coluna de inputs. Repare no canal 1 MIDI que eu configurei no começo da matéria para tocar o Plugin Wurli1 Classic Piano (2 MIDI não consta porque está sem plugin, não tem áudio endereçável), 3Audio, 4-Audio, os canais “Send” que aqui estão configurados como Reverb e Delay; todos são elegíveis como fonte sonora: Inputs! No tocante aos Outputs (Audio to – as mandadas) o Ableton Live também oferece umas variantes interessantes. A configuração mais conservadora é mandar tudo para o Master ou Sub- Grupos para o Master.


No Ableton Live você pode configurar essas saídas (outputs) para uma ou outras saídas independentes da sua interface! Por exemplo, pode mandar outputs independentes para os canais Aux. (Sends), passar por efeitos especiais e mandar tudo via canais externos para um outro Mix (ao vivo) para ser reprocessado. Para entendermos a fundo essa matéria vamos fazer algumas simulações de situações encontradas em produções e ou performances. Suponha que você tenha um Group (canais agrupados) de 2 canais direcionados para uma interface de quatro saídas (04 outputs). Repare que o canal 5 AUDIO (azul escuro) desse canal manda um canal “Mono (3)” para a saída Ext. Out, e o canal 6 AUDIO (azul claro) manda um canal “Stereo (3/4)” para essa mesma saída externa da interface. Digamos que você queira um som de piano agregado a esse grupo sem ter que “reagrupar” esse grupo de canais, mas incluindo o piano na no Ext.Out.?! Nós sabemos que até o presente momento o Ableton Live não permite grupo sobre grupo!!!? A solução, my friend, is blowing with wind - você vai direcionar esse canal de Piano Wurli 1 (amarelo) para o canal 6 Audio (azul claro). Então no “Monitor” desabilite Auto e habilite In! Faça a mesma coisa no canal 6 Audio (à direita no Group) para você poder ouvir esse instrumento (desabilite Auto e habilite In). Se você seguiu as ins-

truções pela ordem, agora você deve estar ouvindo o seu instrumento! Agora no canal 4 Group, siga essa seta verde e mude o Ext.Out para 3/ 4 (estava originalmente 1/2). Se as saídas da sua Interface de áudio não estiverem todas conectadas a um mixer, é provável que agora você não esteja mais ouvindo seu instrumento, pois o Output Default do Ableton Live são as saídas 1/2 Stereo! Portanto, providencie essa conexão ou você não será capaz de experimentar essas mudanças. Se você não tem uma Interface com mais de um par de Stereos, mantenha no “4 Group” 1/2 Stereo habilitado e, mesmo assim, essa configuração ainda será útil para você, dando maior agilidade e flexibilidade nos seus endereçamentos (Routings). É isso amigos, tirem bom proveito e boa sorte a todos!

Para saber online

Facebook - Lika Meinberg www.myspace.com/lmeinberg

45


TECNOLOGIA|PRO TOOLS| www.backstage.com.br 46

Já aconteceu mais de uma vez no passado, a Avid lançar uma nova versão do Pro Tools que sequer era possível escrever um artigo, pois eram apenas funções já conhecidas do Pro Tools HD que foram liberadas, ou o simples incremento no número de tracks, vozes etc. Mas havia pouca inovação, e os usuários protestaram.

CONHEÇA O NOVO PRO TOOLS 12.6 Cristiano Moura é produtor, engenheiro de som e ministra cursos na ProClass-RJ

F

elizmente, parece que os usuários desta vez foram ouvidos. Anunciado na IBC de 2016 em Amesterdam, o Pro Tools 12.6 é repleto de novidades, que resolve e simplifica diversos processos na produção musical, mas principalmente na pós-produção de som para vídeo. Vamos ver abaixo, com mais detalhes, as principais.

No início do artigo, mencionei que chegou a hora de você repensar a sua maneira de trabalhar. E um dos grandes motivos é esse. Com o Clip Effects, boa parte da sua necessidade de automação e processamento com Audiosuite vai ser eliminada.

Dinâmica por clip. Não é exagero dizer que você tem mais poder de processamento na mão por clip, do que muitas mesas de mixagens têm por canal. Quando eu vi o anúncio fiquei animado, mas ficou a dúvida se seria bem implementado. Por exemplo, será que dá para fazer copy/paste? Têm atalhos para ativar e desativar os clip effects? Mas realmente está tudo lá: você pode usar o atalho Alt/Option+6 no teclado numérico para mostrar ou esconder a janela de Clip Effects (fig.1). Excelente escolha, pois já usamos o Alt/Option+5 para abrir o Elastic Properties e Alt/Option+4 para abrir o MIDI Real Time Properties. Também é possível copiar/colar e, o principal, pode trabalhar com vários clips ao mes-

Entenda um Clip Effect (fig.1) como um processador em tempo real de equalização, compressor/limiter e expander/gate espetado em cada um dos seus clips individualmente. Lembrando que já tinha a função Clip Gain, então você tem ganho + Eq +

mo tempo. Por último, vale mencionar os indicadores do Clip Effect (fig. 2). Agora vem a notícia ruim. Todos os usuários podem fazer playback, renderizar ou ativar/desativar Clip Effects, porém, somente usuários de Pro Tools HD podem editar Clip Effects.

CLIP EFFECTS


Essa é simples, mas depois que você acostuma, fica difícil voltar atrás. Vamos supor que você tenha 4 frases e queira regravar apenas a segunda. Agora, imagine que depois de gravado, você decide que prefere mesmo a

MELHORIAS NO USO DE PLAYLISTS Playlists é sem dúvida uma das funções que mais me ajuda na produção

LAYERED EDITING

Com a função Layered Editing habilitada, quando se edita ou grava um clip em cima de outro, o clip original continua lá, em uma camada inferior. Neste caso, ao deletar o clip recém-gravado, o clip original é exibido (Fig. 3). Em conjunto com a função Clip Transparency (fig. 4), introduzida na versão 12.3, fica muito mais simples de editar e alinhar um áudio em cima de outro, pois elimina completamente tanto a questão de “tentativa e erro” quanto os ajustes de trim necessários após posicionar um clip em cima de outro.

Vamos supor que você tenha 4 frases e queira regravar apenas a segunda. Agora, imagine que depois de gravado, você decide que prefere mesmo a original.

original. Até o momento, ao deletar o último clip gravado ficaria um buraco na timeline, e você precisaria usar o Trim Tool em algum clip vizinho para restaurar o clip anterior.

de múltiplos takes. É uma função tão importante que, apesar deste assunto não fazer parte dos conteúdos do primeiro nível de certificação oficial Avid, na ProClass sempre fazemos questão

47


TECNOLOGIA|PRO TOOLS| www.backstage.com.br 48

A VOLTA DO “COMPLETE PRODUCTION TOOLKIT”

Clip transparency

Mesmo lidando com músicos dos mais gabaritados, é normal querer fazer diversos takes para tentar capturar a melhor performance possível. Mais normal ainda é todos terem algum defeito, e aí a edição entra para construir o melhor dos melhores takes.

de abordar deste o primeiro dia de aula de gravação no Pro Tools. Mesmo lidando com músicos dos mais gabaritados, é normal querer fazer diversos takes para tentar capturar a melhor performance possível. Mais normal ainda é todos terem algum defeito, e aí a edição entra para construir o melhor dos melhores takes. Agora, tracks que contêm playlists alternativas ficam com a cor azul. Isso pode parecer bobagem se é que você costuma gravar e editar seu material, mas para quem recebe uma sessão já gravada para editar/mixar é uma melhoria e tanto, pois, antes, eu precisava ver de track em track, quais possuíam takes alternativos. Em uma sessão de 40–80 canais, faz diferença! Também criaram a tecla de atalho Shift + seta para cima/baixo para alternar entre as playlists (fig.5), que antes era feita via mouse. A visualização de ver todas as playlists uma abaixo da outra ainda existe, mas sem dúvida os atalhos são muito bem-vindos.

O Complete Production Toolkit era uma opção comprada à parte, que permitia alguém com o Pro Tools convencional ter acesso a todas as ferramentas do Pro Tools HD. Depois, a empresa mudou de ideia e teve a não-tão-brilhante ideia de cancelar esta opção. Com isso, para se ter acesso a mais tracks, trabalhar com surround, funções avançadas com vídeo, VCA

Tracks, automação avançada e muito mais, o usuário era obrigado a comprar algum hardware de Pro Tools|HD. Demorou, mas aconteceu o mais sensato. A licença de Pro Tools HD volta a ser vendida separadamente, portanto usu-


diretamente no clip com o Smart Tool, ou ainda, as melhorias na parte de informações da sessão, en-

ários voltam a ter acesso à versão Pro Tools HD, mesmo sem ter o hardware.

Existem muitos outros avanços e facilidades que não foram cobertas neste artigo, mas que merecem a sua atenção...

CONCLUSÃO E COMENTÁRIOS FINAIS Existem muitos outros avanços e facilidades que não foram cobertas neste artigo, mas que merecem a sua atenção, como por exemplo a opção de ajustar a curva de fades

tão vale a pena dar uma olhada mais de perto. Eu vejo que muitos usuários ainda estão parados na versão 10 e alguns na versão 11, seja pelo acesso aos plugins ou pelo simples receio de fazer um upgrade “à toa”, pois os

upgrades anteriores podiam não ser muito válidos. Hoje, com o acúmulo das melhorias da versão 12.1, 12.2, 12.3, 12.4 etc até a 12.6, acho que o upgrade se justifica para praticamente qualquer usuário, independente do campo de atuação. Abraços e até a próxima!

Para saber online

cmoura@proclass.com.br http://cristianomoura.com

49


LEITURA DINÂMICA| www.backstage.com.br 50

O sistema KRX402 oferece maior pressão e uma resposta de graves mais extensa, comparado ao KRX202. redacao@backstage.com.br Fotos: Divulgação

2 0 4 X R K SISTEMA N

a KX12 você escolhe a cobertura: 100° x 30° ou 30° x 100°, através de um guia de onda de cobertura ajustável. Esse line-array possui dois modos de cobertura para atender às necessidades de diferentes instalações, podendo ser utilizado nas configurações fly ou portátil, sempre criando um perfeito line array. O sistema é composto por dois KX12 e um subwoofer KMT21 por lado. Sua faixa de resposta vai de 30Hz a 19KHz e produz uma pressão sonora de 132dB contínuos,

podendo atingir 138dB de pico. Além de seu tamanho compacto, seu chassi de aço inoxidável oferece a máxima rigidez e durabilidade, garantindo maior vida útil ao equipamento.


Especificações técnicas KX12 (Satélite) Acústica Potência: 800 + 200W Impedância: 8 ohms Faixa de frequência: 120Hz - 19kHz SPL máximo: 127dB contínuos - 133dB de pico Cobertura Horizontal: 100º / 30º (selecionável) Vertical: 100º / 30º (selecionável) Falantes Full-range: Coaxial 1 x 12 Entrada de áudio Conectores: 2 x 4 pinos Speakon Ligação: 1+ 1- (sinal IN & LINK); 2+ 2- (livre) Amplificadores recomendados KMT18, KMT21, KMT218 e KA84 Características físicas Dimensões: 34 x 32 x 20 cm (LxAxP) Peso: 12,2 kg KMT21 (Subwoofer)

Acústica Potência: 1800W Impedância: 4 ohms Faixa de frequência: 30 Hz - 150 Hz +/3dB (conforme preset) SPL máximo: 132dB contínuos - 138dB de pico Cobertura Horizontal: Omni Vertical: Omni Crossover Tipo: Controle DSP Frequência: 150Hz máximo (conforme preset) Falantes Full-range: 1 x 21 Amplificadores Tipo: 1 módulo classe D - DSP Potência: 2 x 2400W @ 4 ohms Proteções: Limiter dinânimo, tensão, temperatura, curto-circuito Características físicas Dimensões: 55.5 x 55.5 x 77.7 cm (LxAxP) Peso: 49 kg

51


LEITURA DINÂMICA| www.backstage.com.br 52

AMPLIFICADOR

Ao longo dos anos a indústria brasileira de áudio assumiu um conceito de praticidade no qual o tempo adicionou a criatividade. Gustavo Victorino / José Luiz Barci redacao@backstage.com.br Fotos: Divulgação

CLASSE D DO SÉCULO XXI A

esse binômio faltava ainda o reconhecimento da qualidade do equipamento projetado, desenvolvido e fabricado por aqui. A NextPró parece ter dado o passo final para isso. Desenvolvendo um produto que já virou xodó no segmento de alta tecnologia de áudio, a empresa de Valinhos contabiliza aplausos e admiração pela sua linha de amplificadores de áudio profissionais. E o motivo é simples ... qualidade e inovação. Para simbolizar isso, vamos a uma radiografia do inacreditável amplificador Next Pro NA2650.

E A PRIMEIRA SURPRESA É O PESO... Como um amplificador estéreo de 1.300W pode ser tão leve? Olhando atentamente para o perfil externo encontramos um aparelho com apenas 1U de altura para rack, com aca-

bamento discreto e classudo, bem construído e acabado, sem reparos, sobras ou encaixes com frestas. Atrás, as entradas XLR seguem o padrão dos melhores amplificadores profissionais do mundo, com saídas Speakon e tudo individualizado para um sistema estéreo, ou seja, um para cada canal. Como complemento, uma chave para funcionamento em sistema bridge para usar os 1300W de potência real em apenas um canal. A traseira mostra ainda informações úteis sobre a potência, voltagem e modo de utilização em bridge (mono) e estéreo. O cabo de força é fixo e reforçado, dando a sensação de ro bustez e segurança que os cabos destacáveis não oferecem. Na parte frontal temos a chave lógica de liga e desliga e mais dois potenciômetros de controle para equilibrar o despejo de potência desejado. A segurança e o


MAS AFINAL, QUE MILAGRE É ESSE? Classe D que não produz calor? Como sabemos, quanto mais calor, menos eficiente é a transformação de energia elétrica em amplificação. Com o Classe D, no entanto, conseguimos níveis perto de 100% de eficiência com uma perda mínima e consequentemente baixo aquecimento do sistema.

Essa tecnologia, porém, cobra um projeto mais complexo com muitos filtros para a fonte, incluindo também filtragem nas saídas com forma de preservar a qualidade na conversão para os sinais analógicos, além, claro, de suprimir interferências comprometedoras ao áudio de saída. Para um projeto em Classe D é preciso muito investimento em estudos de qualidade na escolha dos componentes.

falantes de 15” WPU 1509 8 ohms com cornetas full range da JBL. O corte de frequências no crossover foi configurado otimizando a performance dos alto falantes, no caso woofers de 400W RMS, de tal forma a forçar o amplificador a atingir o limite dos falantes e avaliar o nível da distorção de pós harmônicos e a possível perda de qualidade por falta de “chão” para o

bom dimensionamento desses controles oferecem precisão separando cada um dos canais devidamente monitorados pelos LEDs, hoje tão necessários para a visualização do funcionamento regular do equipamento e o seu alerta de clipping. Abrindo o amplificador começa o encantamento e entendemos logo o porquê do baixo peso. Estamos diante de um amplificador classe D, que substitui o pesado transformador toroidal por uma leve fonte chateada que por sua qualidade dispensa os pesados dissipadores e seus transistores de potência, algo sempre necessário para eliminar o calor dos ineficientes TIPs classe AB. No lugar destes componentes uma placa com tecnologia SMD muito bem construída e uma ventoinha pequena. Tudo dimensionado para suportar as situações limite no uso do equipamento.

Para um projeto em Classe D é preciso muito investimento em estudos de qualidade na escolha dos componentes.

Atualmente, grande parte dos fabricantes de amplificadores profissionais tendem a migrar para essa complexa e eficiente tecnologia. É hora de fechar o amplificador e testar o seu funcionamento. Para o teste utilizamos um dbx Drive Rack Pa2 em uma mesa Mackie 1624-VLZR3, caixas com

despejo. E nada aconteceu, ou seja, o amplificador se mostrou resiliente com a limitação. Em caixas de maior potência para suportar o despejo, fomos ao limite... E nada aconteceu. Os drivers mantiveram um som cristalino, mesmo no seu limite máximo. O som soou sempre linear

53


LEITURA DINÂMICA| www.backstage.com.br 54

O NA2650 funcionando em 8 ohms ou em modo bridge consegue os mesmos 1300W especificados para uma impedância menor (2 ou 4 ohms). E mesmo em 16 ohms ele ainda despeja mais de 1100W RMS.

e com qualidade surpreendente. Utilizamos diversas fontes sonoras com picos de frequências variadas em cada música e a resposta foi sempre limpa e cristalina. Nesse momento veio a descoberta mais espetacular e de uma qualidade impensável até algum tempo atrás. O projeto da Next Pro independe da impedância dos alto falantes para despejar sua potência. Diferentemente dos amplificadores convencionais, o NA2650 ignora a impedância de saída do sistema de projeção sonora e despeja rigorosamente a mesma potência. Para exemplificar, um amplificador comum com 1200W de potência RMS utilizado a 2 ohms fica com apenas 800W quando utilizado em 4 ohms, e menos de 500W se utilizado em 8 ohms. O NA2650 funcionando em 8 ohms ou em modo bridge consegue os mesmos 1300W especificados para uma impedância menor (2 ou 4 ohms). E mesmo em 16 ohms ele ainda despeja mais de 1100W RMS. Um fenômeno diante da insignificante perda. Qualquer outro amplificador

nessa proporção, a 16 ohms renderia algo em torno de 300W RMS.

É SURPREENDENTE... Durante todo o teste, em nenhum momento o equipamento apresentou aquecimento incompatível ou sequer perceptível, muito menos qualquer tipo de falha ou corte no som. E isso não é tudo. O NA2650, da Next Pro ainda administra com extrema eficiência as grandes variações de voltagem situadas dentro do seu limite técnico especificado sem nem mesmo engasgar ou “patinar” em altos regimes. Essa capacidade protege o sistema e mantém o som com a mesma qualidade. É uma proposta diferenciada que evidencia e justifica a admiração do mercado a esse projeto único de fonte chaveada. Concluindo, o NA2650 da Next Pro dá um show de tecnologia e se mostra um equipamento diferenciado que entra pela porta da frente no seleto mundo dos amplificadores profissionais da Classe D esbanjando qualidade e performance. E projetado, desenvolvido e fabricado no Brasil.


55


56

VITRINE ILUMINAÇÃO| www.backstage.com.br

CADERNO ILUMINAÇÃO

Q-7 RGBW http://www.hotmachine.ind.br A Q-7 é um wash compacto RGBW, blind e strobo. Contendo 2.000 potentes LEDs RGBW, é um poderoso dispositivo elétrico multiuso e ajustável, com um ângulo de propagação de 110°. Juntamente com a proteção IP65, com uma alta produção de 28.000 lumens e possuindo um pequeno espaço físico, a Q-7 é um dispositivo ideal para uso ao ar livre, para iluminar edifícios, fachadas, estruturas arquitetônicas e atrações. A Q-7 também é adequada para aplicações em interiores, tais como estúdios de TV, teatros e outras aplicações onde uma grande inundação de luz colorida sem cintilação é solicitada, entretanto fornece os projetos de entretenimento com um efeito strobo de cor brilhante piscando.

RUSH DC 1 AQUA http://www.martin.com Este conjunto de LED compacto e brilhante projeta efeitos de decoração aquática brilhante. Com total atenuação eletrônica, cinco cores selecionáveis mais branco aberto, possui opções de cores divididas e uma velocidade variável de efeito, tudo controlado via stand alone ou modos DMX. Ele ainda oferece uma variedade de ambientes variados - do frio ao quente e de um fluxo silencioso a um aumento cascata. Ideal para shows, clubes, o RUSH DC 1 Aqua vai lavar a “luz líquida” através da multidão, o salão, através das paredes e acima dos contadores de bar. Entre as características se destacam um super brilhante motor de 75 W LED, rodas de efeito duplo para o efeito de decoração aquático final, e 5 cores selecionáveis mais branco aberto com opção de cor dividida.

DTW BLINDER 350 IP http://www.elationlighting.com O IP65 DTW Blinder 350 IP ™ tem características de alta potência de 175W 2-em-1 quente branco / ambarino COB LEDs, ângulo de feixe de 78° de largura, controle de gama de temperatura de cor completa mais independente Dim-a-canal quente controle (1,800K, Filtros de feixe estreito de 25° facilmente acopláveis (incluídos), controle de pixel, foco manual ajustável, modos de curva de escurecimento variável, efeitos de estroboscópio, operação livre de cintilação para TV e Filme, RDM (Remote Device Management), DMX com classificação IP E entradas / saídas de energia, visor de menu LCD com painel de controle de 4 botões de toque, suporte integrado e suportes de montagem laterais e uma fonte de alimentação de comutação automática universal multitensão (100-250v).


ROBE BMFL BLADE www.robe.cz Esse equipamento da Robe conta com quatro lâminas rápidas do obturador, e movimento preciso. O BMFL possui ângulo individual que fica posicionado dentro de um quadro – permitindo que gire em até 90 graus. Produzindo uma nova série de efeitos que se movem rapidamente na atmosfera através de seqüências com forma e movimento pré-programados de lâminas, as imagens dos gobos podem ser cortadas ou moldadas em uma forma regular, triangular ou trapezoidal. Cada par de lâminas opostas pode fechar para um completo blackout. Dois gobos – com rotação com seis ranhuras e mais um outro com 8 gobos estáticos podem ser combinadas com a roda de animação para criar numerosos efeitos dinâmicos projetados. Além disso, o BMFL possui recursos que incluem: escurecimento suave linear, cores para mistura de alta definição, feixe de largura de saída superior a 250 mil lux a 5 metros – e a tecnologia Robe EMS™ (Electronic Motion Stabiliser), possibilitando ao BMFL mais precisão do que qualquer outro dispositivo de sua classe. Tudo isso em um corpo compacto, pesando apenas 37,9 quilos.

DW PENDANT www.elationlighting.com A popular luminária LED Colorwing RGB da Elation Professional, que muda a cor, está agora disponível numa versão de luz branca variável, o DW Pendant ™. Esta nova luminária LED, altamente versátil e aprovada pela ETL, permite o controlo dinâmico da luz branca dos níveis de iluminação do palco ou da casa num dispositivo de downlighting eficiente em termos energéticos. O DW Pendant ™ aloja 36 LEDs de 3W de longa duração (18 brancos frios + 18 brancos quentes) para projeções de cores variáveis de luz branca. Possui controle de temperatura de cor total de tungstênio branco quente (2.900K) para cool daylight branco (6.800K) para uma ampla escolha de tons. A sua saída uniforme de campo plano e o ângulo de feixe de 41° a tornam uma luminária de lavagem altamente eficaz, seja inundando um palco em tons uniformes de luz branca ou lavando funcionalmente uma área de estar, foyer ou outro espaço. Modos de curva de escurecimento variável e efeitos de strobe aumentam suas capacidades dinâmicas.

MAC VIPER WASH www.harman.com O MAC Viper Wash da Martin é um moving light full-range Wash de alto desempenho. O equipamento possui excelente qualidade de luz com opções de cores ilimitadas e estabilidade de cor em toda a linha Viper. Ele ainda mantém plena eficiência em toda a faixa de zoom, sem oscilações de feixes, visíveis enquanto o zoom varia de estreito para aberto. O MAC Viper Wash apresenta forma compacta, alta velocidade e oferece belas cores pelas quais a família MAC Viper é conhecida. Ele também utiliza a mesma lâmpada de 1000 watts. Outras características do produto incluem 33000 lumens, 6000K de temperatura de cor, 1: 5 zoom, mistura de cores vibrante com uma paleta incluindo vermelhos, âmbar, verde primário e azuis profundos.

57


58

ILUMINAÇÃO | www.backstage.com.br

CADERNO ILUMINAÇÃO

ILUMINAÇÃO Tão surpreendente quanto a iluminação cênica – com as sensações e emoções sugeridas e proporcionadas – são as formas e formatos com os quais um espetáculo se consolida, com articulação e produção, visual e esteticamente.

CÊNICA GUNS N’ ROSES

FORMATAÇÃO CLÁSSICA na Not in This Lifetime... Tour Cezar Galhart é técnico em eletrônica, produtor de eventos, baixista e professor dos Cursos de Eventos, Design de Interiores e Design Gráfico do Unicuritiba e pesquisador em Iluminação Cênica.

T

ão surpreendente quanto um show é uma turnê inteira, aguardada por décadas, e esperada por milhares de fãs, ansiosos pelo reencontro com os ídolos. Nesta conversa, a apresentação da banda americana Guns N’ Roses, realizada na Pedreira Paulo Leminski, em Curitiba, será analisada como uma surpreendente conjunção entre expectativas e realizações cênicas, visuais e repletas de iluminação. O ano de 2016 foi marcado por diversos acontecimentos nos cenários da música e do entretenimento. Ícones se eternizaram nas estrelas, deixando uma aura

de saudades e muita comoção; bandas e artistas anunciaram turnês de despedidas dos palcos, como últimas oportunidades de reencontros com os fãs, em diversos continentes. Ainda, algumas outras reuniões, memoráveis e inesperadas. Mas o que muitos esperavam há mais de duas décadas ocorreu com um roteiro surpreendente, com um reencontro de músicos de uma certa banda que delineavam uma mínima possibilidade de aproximação, e para eles mesmos isso não ocorreria mesmo, “não nessa vida”.


Apresentação da banda americana Guns N’ Roses em Curitiba, na Pedreira Paulo Leminski - turnê “Not in This Lifetime...” 17/11/2016. Fonte: Cezar Galhart / Divulgação

bro, e que será objeto de análise desta conversa. Além dos músicos, outro ‘membro original’ também seria convocado para a produção dessa turnê: Philip

“Phil” Ealy. Tendo acompanhado a banda desde o início, Phil Ealy foi o responsável pela emblemática turnê GNR Use Your Illusion, que contemplou 194 shows em 27 países, Apresentação: Guns N’Roses no Engenhão / Rio de Janeiro - Foto: Leonardo C. Costa / Divulgação

Reunidos novamente, estariam em cena três dos membros originais dessa banda americana formada em 1985: Axl Rose, nos vocais e piano, Slash, guitarra e violão e Duff McKagan, no baixo e backing vocals (também vocais principais em algumas canções). Para completar a banda, Richard Fortus, guitarra e backing vocals; Dizzy Reed, teclados, piano, percussão e backing vocals; Melissa Reese, teclados e backing vocals e; Frank Ferrer, na bateria. Com essa formação, a banda voltou em novembro para o Brasil, nesta que foi a sétima vez no país, para seis apresentações da turnê Not in This Lifetime..., que passou por Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Curitiba, sendo o show nesta capital realizado na Pedreira Paulo Leminski, no dia 17 de novem-

59


No palco, sobressaem-se os músicos. Em se tratando de Guns N’ Roses, e para esta esperada turnê, não significa ‘apenas’ direcionar os esforços para destacar a presença do vocalista Axl Rose

60

ILUMINAÇÃO | www.backstage.com.br

CADERNO ILUMINAÇÃO

tendo sido essa a derradeira turnê antes da separação da banda, em 1993. Para a direção de iluminação e programação, Phil Ealy convocou Rob Koenig, que com essas competências trabalhou com artistas como Matchbox 20, Deep Purple. Com a condução de Phil Ealy e Rob Koenig, a Not in This Lifetime... Tour traz na sua concepção de iluminação e cenário diversas referências, ‘clássicas’ para um espetáculo de rock’n’roll, dimensionado para o atendimento de amplas plateias, para espaços também amplificados em dimensões e estruturas. E também, múltiplos ‘formatos’ associaram-se às mesmas referências, criando assim uma conjunção de elementos estéticos e efeitos responsáveis pela consolidação dessa em uma das mais esperadas turnês – tanto musicalmente, como visualmente. Com isso, a roteirização da iluminação tem nessa turnê a existência de três elementos fundamentais para as escolhas e as interações percebidas no cenário principal: palco, vídeos e efeitos. No palco, sobressaem-se os músicos. Em se tratando de Guns N’ Roses, e para esta esperada turnê, não significa ‘apenas’ direcionar os esforços para destacar a presença do vocalista Axl Rose. Evidencia- se que a volta dos músicos Duff McKagan e principalmente Slash, tiraram as atenções de um ponto central e previsível, para uma mais ampla abrangência do espaço cênico para um formato maior. E nisso, ainda se inclui a plateia, outro elemento também destacado na proposta de iluminação. Ainda no palco, uma passarela ao fundo, com acesso por quatro escadas, fixadas a essa plataforma pelas laterais e centro,


minárias móveis, responsáveis pelas dinâmicas e ênfases, nos músicos – emoldurados e revelados também pelos canhões seguidores -, e no campo cênico visual. Para o fechamento cênico lateral – e posterior –, quatro colunas delineadas ao telão principal se complementavam, com luminárias Mini Brut, Set Light e Moving Lights, dispostas próximas às escadas, criando efeitos dramáticos e “emoldurantes”, alinhados aos temas das canções e intervenções dos músicos no espaço cênico. A produção de vídeo, animações integraram o show, desde a contagem regressiva inicial (disparos efetuados por diferentes armas), e recriação de estórias que ilustrariam as canções do repertório. Além desses recursos, imagens captadas em IMAG e projetadas no palco e nas telas laterais, com destaques Apresentação: Guns N’Roses no Engenhão / Rio de Janeiro - Foto: Leonardo C. Costa / Divulgação

conectando o telão principal ao espaço de maior permanência dos músicos, que se revezavam em posições – roteirizadas e cronometradas – mas também para interações e dinâmicas improvisadas e imprevistas, possibilitadas pela versatilidade dessa formatação. Também estruturado nas principais técnicas e métodos de iluminação, igualmente ‘clássicos’, o palco foi dimensionado para o atendimento de uma banda com sete músicos, que pudessem ser vistos e percebidos por praticamente toda a plateia, de maneira que os grupos de luminárias superiores estivessem dispostos em três linhas curvas, de modo a reproduzir os sistemas e métodos convencionais de iluminação, complementados por sete estruturas singulares, em formatos ‘hexagonais’ e implementados com dezoito lu-

61


62

ILUMINAÇÃO | www.backstage.com.br

CADERNO ILUMINAÇÃO

Nessa turnê, a banda Guns N’ Roses não economizou na oferta de recursos visuais diversificados, esperados por muitos e reverenciados pelos fãs, que se manifestavam energicamente a cada elemento diferenciado demonstrado e utilizado em cenas intensas e empolgantes.

para os músicos, em solos e outras aparições, pontuais e momentâneas. Aos efeitos, recursos também ‘clássicos’, com labaredas, fogos de artifício e papel picado, disparados na parte final do show (encore). Nessa turnê, a banda Guns N’ Roses não economizou na oferta de recursos visuais diversificados, esperados por muitos e reverenciados pelos fãs, que se manifestavam energicamente a cada elemento diferenciado demonstrado e utilizado em cenas intensas e empolgantes. E sobre o show? Considerados todos os elementos anteriormente destacados, um espetáculo visual impecável, complementado por um repertório formado por vinte seis canções – consideradas faixas originais que abrangeram todos os álbuns da banda e mais as covers e temas executados integralmente. Das canções originalmente gravadas pela banda, oito foram cuidadosamente escolhidas do primeiro álbum, Appetite for Destruction (1987) - as faixas It’s So Easy, Mr. Brownstone, Welcome to the Jungle, Rocket Queen, You Could Be Mine, Sweet Child O’ Mine, Out Ta Get Me, Nightrain e Paradise City, que encerrou o show; duas do segundo álbum, GN’R Lies (1988) - Used to Love Her e Patience; quatro de Use Your Illusion I (1991) Double Talkin’ Jive, Live and Let Die, Coma e November Rain; cinco de Use Your Illusion II (1991) - Estranged, You Could Be Mine, Civil War, Yesterdays e Knockin’ on Heaven’s Door; e três do álbum Chinese Democracy (2008) - Chinese Democracy, Better e This I Love). Além dessas canções, covers das bandas inglesas The Damned - New Rose, esta

introduzida com um trecho de You Can´t Put Your Arms Memory, gravada no álbum The Spaghetti Incident? (1993), Pink Floyd (versão instrumental de Wish You Were Here) e The Who (The Seeker), o tema instrumental do filme O Poderoso Chefão (The Godfather) Speak Softly Love e muitas canções incidentais; Voodoo Child - Slight Return, de Jimi Hendrix; Layla, de Derek and The Dominos; e Angie, Rolling Stones. Com o ‘peso’ dos primeiros acordes – e impactos proporcionado pelo conjunto de Mini Brut – iniciava-se uma apresentação histórica, pela entrega, comprometimento e diversão percebidos nos músicos, que proporcionaram uma apresentação irrepreensível, de maneira a atender aos mais fervorosos fãs – e para eles, incomparável, nessa vida -, e admiradores do bom e sempre atual rock’n’roll, e, nesse contexto, eu me incluo. Em praticamente duas horas e meia de duração, um espetáculo visual surpreendente – com múltiplas alternâncias de intenções e intensidades luminosas – e impressionante, tanto quanto o carisma e disposição de Axl Rose e Slash, que se revezavam nas atenções mais apuradas do público, como pela ótima condução da banda, impecável! Nesta primeira conversa de 2017, desejo a todos um ano repleto de muitas realizações e muita Luz, direcionada aos melhores e mais promissores caminhos e reveladora de prósperas oportunidades. Abraços e até a próxima!

Para saber mais redacao@backstage.com.br


63


LUIZ CARLOS SÁ | www.backstage.com.br 64

BA, Brasil - Rio Corrente

difíceis e arenosos quilômetros de Bom Jesus da Lapa, onde morava. Não cheguei ali desconhecendo as belezas do lugar, que ele me pintara sem surrealismos em muitas conversas, mas, mesmo assim, o impacto do rio

O RIO

CORRENTE J

OU DAS ÉGUAS...

á falei do rio Corrente numa crônica anterior. Mas nunca é demais falar dele de novo. Meu parceiro Guarabyra foi quem me apresentou a mais esse tesouro do sertão baiano. Logo que chegamos a Correntina – que naquele longínquo 1972 era a principal cidade de passagem do rio – Guarabyra fez questão de me levar até suas margens. Não acreditei no que via: nem na cor, nem no brilho claro da espuma, nem na beleza do caminho que o Corrente traçava cidade adentro, desfazendo-se em pequenas curvas e transmutando-se a cada metro, sempre com a surpresa de uma pedra, de um salto, de uma onda. Foi o tempo de trocar de roupa na pequena, mas limpíssima pensão de Paizinho, e cair n’água. “Tá com sede?” – falou meu parceiro – “é só abrir a boca e deixar o rio entrar, eh, eh!”. Logo dito, logo feito: e o Corrente tinha sabor de mato, de rocha, de areia fina e branca. O amor de Guarabyra por Correntina vinha de anos antes. Lá ele passara várias temporadas de férias, a cem

das Éguas (nome herdado de um passado distante que acabou por “perder” para o mais simples “Corrente”) me pegou de absoluta surpresa. A cada passeio que fazíamos rio acima ou abaixo, ele nos mostrava mais e mais belezas indescritíveis. Em certos lugares tinha uma força selvagem e mesmo perigosa, em outros, era de uma mansidão inesperada, parecia querer nos embalar... e nos deixava dormir à sombra de mangueiras, deitados em uma areia finíssima, branquíssima, ao som de pássaros, em quadros que me sugeriam o Paraíso Terrestre de um Deus impressionista. Os mais velhos de Correntina já conheciam meu parceiro. Mas foi justamente o carinho das crianças que nos comoveu. A todo o momento elas vinham em bandos, indicando-nos novos passeios e lugares de banho. Ao mesmo tempo tinham um espantoso respeito por nossas horas de trabalho e composição, guardando uma distância cheia de risinhos discretos e olhares curiosos enquanto cantávamos a plenos pulmões na


LUIZCARLOSSA@UOL.COM.BR | LUIZCARLOSSA.BLOGSPOT.COM beira do rio. Se íamos para muito longe – mesmo que o “muito longe” aí significasse uma pequena distância da cidade – os pais, preocupados com nosso bem-estar, mandavam a criançada mimar-nos com comidinhas e refrescos, empreitada cumprida com prazer e recheada de perguntas: de onde vínhamos? Éramos muito famosos? Como era o Rio de Janeiro? Quem eram nossos pais? Por que nosso cabelo era tão grande? E ali ficavam escutando nossas respostas, até que pegássemos nossos violões. Era a senha para que a nossa revoada de passarinhos barulhentos voltasse a suas casas, entre risos e ordens dos mais velhos. Há alguns anos, fomos nos apresentar num festival na região de Bom Jesus da Lapa. A carência de voos em tempos de “apagão” nos fez descer em Brasília e fretar um ônibus para uma longa viagem de quase doze horas. No meio da noite, fui despertado pela parada obrigatória para troca dos nossos motoristas. Espreguicei-me, ergui a poltrona-leito e olhei pela janela. O ônibus saía lentamente de um posto de gasolina. E foi então que dei de cara com o outdoor: “Bem-vindo a Correntina”. Pulei da poltrona, em meio ao silêncio sepulcral da equipe adormecida. Não havia o que eu pudesse fazer. Parar o ônibus, quando já estávamos atrasados? Impensável. E o rio, onde estava o rio? Olhei para fora, tentando ver alguma coisa em meio ao breu da estrada. O ônibus ganhou velocidade e passou pelo que parecia a periferia de uma cidade já bem desenvolvida, muito diferente daquela Correntina que eu tinha na memória. O rio não me apareceu... Até hoje refugo um pouco a ideia de pesquisar na web a Correntina do tempo presente. Acredito que seu povo, consciente, tenha rejeitado a opção de transformar-se em mais uma cidade de beira de estrada e insistido no seu destino de paraíso selvagem. Em meus sonhos o Corrente permanece protegido, escondendo pelo menos alguns de seus braços ainda poderosos no meio da campina que em minha imaginação continua frequentada por tatus, tamanduás, raposas, codornas e emas, sendo ainda próxima àquele cerradão inexplorado dos 70. Mas sonhos são sonhos. De um jeito ou de outro, esteja o Corrente como estiver, quero voltar a vê-lo. E cantar em suas margens o Xote Correntino que fizemos em homenagem a um rio inesquecível, a uma cidadezinha amiga, a tantas pessoas que nos acolheram num líquido e encachoeirado abraço.

XOTE CORRENTINO (SÁ & GUARABYRA) Faz pouco tempo que passei por Correntina Mesmo no frio, Correntina tem calor Dá tanto gosto ver a pele das meninas Bem se vê que esse Corrente trata a gente com amor Rio das Éguas vai passando em Correntina Traz novidades lá das bandas de Goiás Jamais se cansa de passar por onde passa Traz o peixe, traz a caça, traz fartura até demais Corrente velho, de água boa e limpa Fazendo o que era seco verdejar A gente esquece que inda tem caminho à frente Na corrente do Corrente, na sombra do Jatobá No fim da tarde bate um vento de mansinho Depois da janta um passeio pra animar Som de viola vindo da beira do rio Deixa o coração macio, tira o mal do sofredor Dá tanto gosto ver a pele das meninas Bem se vê que esse Corrente trata a gente com amor

65


RELAÇÃO| www.backstage.com.br

Empresa ......................... Telefone ............... Home Page/e-mail .................................................... Pág Arena Áudio Eventos ............. (71) 3346 -1717 ........ www.arenaaudio.com.br .......................................................... 08 Augusto Menezes .................. (71) 3371-7368 ......... augusto_menezes@uol.com.br ................................................ 25 Bass Player ............................ (11) 3721-9554 ......... www.bassplayerbrasil.com.br .................................................. 51 B&C Speakers Brasil ............. (51) 3348-1632 ......... www.bcspeakers.com .............................................................. 19 CSR Representações .............. (11) 2711-3244 ......... www.csr.com.br ....................................................................... 27 D.A.S. do Brasil ..................... (11) 3333-0764 ......... www.dasaudio.com .................................................................. 05 Discabos ................................................................... www.discabos.com.br .............................................................. 35 ECAD Direitos Autorais ............................................ www.ecad.org.br .............................................................. 4ª capa

66

Gabisom .................................................................... gabisom@uol.com.br ............................................................... 09 Gigplace Comunidade ............................................... www.gigplace.com.br ............................................................... 25

Anunciantes Backstage | janeiro 2017

Gobos do Brasil .................... (11) 4368-8291 ......... www.gobos.com.br .................................................................. 13 Guitar Player ......................... (11) 3721-9554 ......... www.guitarplayer.com.br ......................................................... 45 Harman ..................................................................... www.harmandobrasil.com.br ........................................... 3ª capa João Américo Sonorização .... (71) 3394-1510 ......... www.joao-americo.com.br ...................................................... 39 Modern Drummer ................. (11) 3721-9554 ......... www.moderndrummer.com.br ................................................. 47 Mogami / Ezaki ..................... (11) 3088-0456 ......... www.mogami.com.br ............................................................... 15 Ninja Som / Soundcast ........... (11) 3550-9999 ......... www.ninjasom.com.br ........................................................ 2ªcapa Ninja Som / CAD Audio ........ (11) 3550-9999 ......... www.ninjasom.com.br .............................................................. 03 Prisma Pro Audio .................. (51) 3711-2408 ......... www.prismaproaudio.com.br .................................................. 11 Santo Angelo ......................... (11) 2423-2400 ......... www.santoangelo.com.br ......................................................... 31 Shure do Brasil .......................................................... www.shurebrasil.com ............................................................... 17 Sonotec ................................. (18) 3941-2022 ......... www.sonotec.com.br ............................................................... 37 Star Lighting .......................... (19) 3838-8320 ......... www.star.ind.br ........................................................................ 29 Taigar .................................... (49) 3536-0209 ......... www.taigar.com.br ................................................................... 49

11


SOM NAS IGREJAS

www.backstage.com.br

3


SOM NAS IGREJAS

4

www.backstage.com.br

Profile for Revista Backstage

Edição 266 - Janeiro 2017  

Marisa Monte na Bahia - Teatro Castro Alves: Projeto completo de acústica para receber a cantora | Iluminação Guns n' Roses: veja como foi a...

Edição 266 - Janeiro 2017  

Marisa Monte na Bahia - Teatro Castro Alves: Projeto completo de acústica para receber a cantora | Iluminação Guns n' Roses: veja como foi a...

Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded