Page 1

Volume 19, Number 3, May / June 2014 / Portuguese version

Official Journal of the Brazilian Association of Orthodontics and Facial Orthopedics Official Journal of the Brazilian Board of Orthodontics


Volume 19, Number 3, May / June 2014 / Portuguese version

Official Journal of the Brazilian Association of Orthodontics and Facial Orthopedics Official Journal of the Brazilian Board of Orthodontics

Dental Press J Orthod. 2014 May/June;19(3):1-160

ISSN 2176-9451


Dental Press Journal of Orthodontics - Qualis / CAPES: B2 - Interdisciplinar B2 - Enfermagem B3 - Odontologia B3 - Saúde Coletiva

Indexação:

desde 1999

desde 2011

desde 2013

BBO desde 1998

desde 1998

desde 2008

desde 1998

desde 2005

desde 2002

desde 2008

desde 2008

desde 2009

Dental Press Journal of Orthodontics v. 1, n. 1 (set./out. 1996) - . -- Maringá : Dental Press International, 1996 Bimestral ISSN 2176-9451 1. Ortodontia - Periódico. I. Dental Press International. CDD 617.643005


Faculdade de Itauna - MG - Brasil

Enio Tonani Mazzieiro

EDITOR-CHEFE UFPA - PA - Brasil

David Normando

Univ. de Saint Louis - EUA

Eustáquio Araújo

Ajman University - Emirados Árabes Unidos

Eyas Abuhijleh

UNINGÁ - PR - Brasil

Fabrício Pinelli Valarelli

EDITORA ASSOCIADA UFBA - BA - Brasil

Telma Martins de Araujo

UNICID - SP - Brasil

Fernando César Torres

FOUSP - SP - Brasil

Gilberto Vilanova Queiroz

UFF - RJ - Brasil

Glaucio Serra Guimarães

EDITORES ADJUNTOS HRAC/FOB/USP - SP - Brasil

Daniela Gamba Garib Fernanda Angelieri

USP - SP - Brasil

Guilherme Janson

Flavia Artese

UERJ - RJ - Brasil

Gustavo Hauber Gameiro

Ildeu Andrade

PUC - MG - Brasil

Hans Ulrik Paulsen

UFVJM - MG - Brasil

Leandro Silva Marques

UESB - BA - Brasil

Matheus Melo Pithon

EDITORA ADJUNTA DO CONSELHO SUPERIOR DA ABOR PUCRS - Brasil

Luciane Macedo de Menezes

UFU - MG - Brasil

Guilherme Araújo Almeida

FOB/USP - SP - Brasil UFRGS - RS - Brasil Karolinska Institute - Suécia

Helio Scavone Júnior

UNICID - SP - Brasil

Henri Menezes Kobayashi

UNICID - SP - Brasil

Hiroshi Maruo

ABO - PR - Brasil

Hugo Cesar P. M. Caracas

UNB - DF - Brasil

James A. McNamara

Universidade de Michigan - EUA

James Vaden

Universidade do Tennessee - EUA Univ. de Madrid - Madrid - Espanha

Jesús Fernández Sánchez

PUBLISHER UEM - PR - Brasil

Laurindo Z. Furquim

UERJ - RJ - Brasil

Jonas Capelli Junior

University of Iowa

Jonh S. Casko Jorge Luis Castillo

CONSELHO EDITORIAL CIENTÍFICO Adilson Luiz Ramos

UEM - PR - Brasil

Universidad Peruana Cayetano Heredia - Lima/Peru Univ. de Marquette - Milwaukee - EUA

José Antônio Bósio

UERJ - RJ - Brasil

Danilo Furquim Siqueira

USC - SP - Brasil

José Augusto Mendes Miguel

Jorge Faber

UnB - DF - Brasil

José Fernando Castanha Henriques

Maria F. Martins-Ortiz

ACOPEM - SP - Brasil

UFF - RJ - Brasil

José Nelson Mucha

FOUSP - SP - Brasil

José Rino Neto CONSULTORES EDITORIAIS A-Bakr M Rabie Adriana de Alcântara Cury-Saramago Alex Luiz Pozzobon Pereira Alexandre Trindade Motta Ana Carla R. Nahás Scocate Ana Maria Bolognese Andre Wilson Machado Anne Luise Scabell de Almeida Anne-Marie Bolen

José Valladares Neto

UFG - GO - Brasil

José Vinicius B. Maciel

UFRJ - PR - Brasil

Universidade de Hong Kong - China UFF - RJ - Brasil UFMA - MA - Brasil UFF - RJ - Brasil UNICID - SP - Brasil UFRJ - RJ - Brasil UFBA - BA - Brasil UERJ - RJ - Brasil Universidade de Washington - EUA

Júlia Harfin

Univ. de Maimonides - Buenos Aires - Argentina UNICEUMA - MA - Brasil

Júlio de Araújo Gurgel

UNINGÁ - PR - Brasil

Karina Maria S. de Freitas

AAO - Dallas - EUA

Larry White

UFVJM - MG - Brasil

Leniana Santos Neves

USC - SP - Brasil

Leopoldino Capelozza Filho

APCD - SP - Brasil

Liliana Ávila Maltagliati

Clín. partic. - SC - Brasil

Lucas Cardinal

Universidade de Michigan - EUA

Lucia Cevidanes

Antônio C. O. Ruellas

UFRJ - RJ - Brasil

Luís Antônio de Arruda Aidar

Armando Yukio Saga

ABO - PR - Brasil

Luiz Filiphe Canuto

UFSC - SC - Brasil

Luiz G. Gandini Jr.

Arno Locks

Clín. partic. - SP - Brasil

Julia Cristina de Andrade Vitral

Ortodontia

FOB/USP - SP - Brasil

UNISANTA - SP - Brasil UFPE - PE - Brasil FOAR/UNESP - SP - Brasil

Ary dos Santos-Pinto

FOAR/UNESP - SP - Brasil

Luiz Sérgio Carreiro

UEL - PR - Brasil

Björn U. Zachrisson

Univ. de Oslo - Noruega

Marcelo Reis Fraga

UFJF - MG - Brasil

Bruno D'Aurea Furquim

Clín. partic. - PR - Brasil

Marcio Rodrigues de Almeida

UFMG - MG - Brasil

Marco Antônio de O. Almeida

Camila Alessandra Pazzini Camilo Aquino Melgaço

UNINCOR - MG - Brasil

Carla D'Agostini Derech

UFSC - SC - Brasil

Carlos A. Estevanel Tavares Carlos Flores-Mir Carlos Martins Coelho Cauby Maia Chaves Junior

ABO - RS - Brasil Universidade de Alberta - Canadá UFMA - MA - Brasil UFC - CE - Brasil

Marcos Augusto Lenza

UFG - GO - Brasil

Margareth Maria Gomes de Souza

UFRJ - RJ - Brasil

Marinho Del Santo Jr. Maristela S. Inoue Arai

Cristiane Canavarro

UERJ - RJ - Brasil

Mauricio Cardoso

Daniel Jogaib Fernandes

UERJ - RJ - Brasil

Mônica T. de Souza Araújo

Eduardo Franzotti Sant'Anna Eduardo Silveira Ferreira Emanuel Braga Rego

UFRJ - RJ - Brasil UFRGS - RS - Brasil UFBA - BA - Brasil

ULBRA - RS - Brasil

Maria Perpétua Mota Freitas

Univ. de Montreal - Canadá

FOA/UNESP - SP - Brasil

Copem - Brasil

Maria Fernanda Martins-Ortiz

UNICEUMA - MA - Brasil

Universidade da Carolina do Norte - EUA

UFBA - BA - Brasil

Marcos Alan V. Bittencourt

Clarice Nishio

Eduardo C. Almada Santos

UERJ - RJ - Brasil Universidade de Insubria - Itália

Marco Rosa

Célia Regina Maio Pinzan Vercelino

David Sarver

UNOPAR - PR - Brasil

Clín. partic. - SP - Brasil Univ. Médica e Odontológica de Tóquio - Japão

Orlando M. Tanaka Oswaldo V. Vilella Patricia Valeria Milanezi Alves Paul Mjor Paula Vanessa P. Oltramari-Navarro

USC - SP - Brasil UFRJ - RJ - Brasil PUC/PR - PR - Brasil UFF - RJ - Brasil Clín. partic. - RS - Brasil University of Alberta - Canadá UNOPAR - PR - Brasil


Renata C. F. R. de Castro

USC - SP - Brasil

Periodontia

Renata Rodrigues de Almeida-Pedrin

USC - SP - Brasil

Adriana C. P. Sant’Ana

FOAR-UNESP - SP - Brasil

Renato Parsekian Martins Ricardo Machado Cruz

UNIP - DF - Brasil

Ricardo Moresca

UFPR - PR - Brasil UFJF - MG - Brasil

Robert W. Farinazzo Vitral

Clín. partic. - PR - Brasil

Roberto Hideo Shimizu

Univ. Tecn. do México - México

Roberto Justus

FOB/USP - SP - Brasil UEM - PR - Brasil

Maurício G. Araújo Mário Taba Jr.

FORP/USP - SP - Brasil

Prótese Marco Antonio Bottino

UNESP/SJC - SP - Brasil

Sidney Kina

Clín. partic. - PR - Brasil

UFRJ - RJ - Brasil

Rodrigo César Santiago Rodrigo Hermont Cançado

UNINGÁ - PR - Brasil

Rogério Lacerda dos Santos

UFCG - PB - Brasil

Sávio R. Lemos Prado

UFPA - PA - Brasil

Sylvia Frazier-Bowers

Universidade da Carolina do Norte - EUA

Vladimir Leon Salazar

Universidade de Minnesota - EUA

Weber José da Silva Ursi Won Moon

Radiologia Rejane Faria Ribeiro-Rotta

UFG - GO - Brasil

FOSJC/UNESP - SP - Brasil UCLA - EUA

Biologia e Patologia Bucal Alberto Consolaro Christie Ramos Andrade Leite-Panissi Edvaldo Antonio R. Rosa João de Jesus Viana Pinheiro Victor Elias Arana-Chavez

FOB/USP - SP - Brasil FORP/USP - Brasil PUC/PR - PR - Brasil UFPA - PA - Brasil USP - SP - Brasil

Bioquímica e Cariologia Marília Afonso Rabelo Buzalaf Soraya Coelho Leal

FOB/USP - SP - Brasil UnB - DF - Brasil

Cirurgia Ortognática Eduardo Sant’Ana Laudimar Alves de Oliveira Liogi Iwaki Filho Waldemar Daudt Polido

FOB/USP - SP - Brasil UNIP - DF - Brasil UEM - PR - Brasil Clín. partic. - RS - Brasil

FOB/USP - SP - Brasil

O Dental Press Journal of Orthodontics (ISSN 2176-9451) é continuação da Revista Dental Press de Ortodontia e Ortopedia Facial (ISSN 1415-5419).

CTA - SP - Brasil

O Dental Press Journal of Orthodontics (ISSN 2176-9451) é uma publicação

FOB/USP - SP - Brasil

bimestral da Dental Press International. Av. Dr. Luiz Teixeira Mendes, 2.712

Dentística Maria Fidela L. Navarro Disfunção da ATM José Luiz Villaça Avoglio Paulo César Conti

- Zona 5 - CEP 87.015-001 - Maringá / PR - Fone/Fax: (0xx44) 3031-9818 www.dentalpress.com.br - artigos@dentalpress.com.br.

Epidemiologia Isabela Almeida Pordeus

UFMG - MG - Brasil

Saul Martins Paiva

UFMG - MG - Brasil

Fonoaudiologia Esther M. G. Bianchini

UVA - RJ - Brasil

Implantologia Carlos E. Francischone

FOB/USP - SP - Brasil

Ortopedia Dentofacial Kurt Faltin Jr.

UNIP - SP - Brasil

Diretora: Teresa Rodrigues D'Aurea Furquim - Diretores Editoriais: Bruno D’Aurea Furquim - Rachel Furquim Marson - DIRETOR DE MARKETING: Fernando Marson - Produtor editorial: Júnior Bianco - Produção Gráfica e Eletrônica: Bruno Boeing de Souza - Diego Ricardo Pinaffo - Gildásio Oliveira Reis Júnior - TRATAMENTO DE IMAGEM: Ivo Azevedo - submissão de artigos: Simone Lima Lopes Rafael - Márcia Ferreira Dias - Revisão/tradução: Fernanda Silveira Boito - Ronis Furquim Siqueira - Wesley Nazeazeno - BANCO DE DADOS: Cléber Augusto Rafael - WEBMASTER: Fernando Truculo Evangelista - E-COMMERCE: Poliana Rocha dos Santos - CURSOS E EVENTOS: Ana Claudia da Silva - COMERCIAL: Roseneide Martins Garcia - BIBLIOTECA/NORMALIZAÇÃO: Simone Lima Lopes Rafael - EXPEDIÇÃO: José Luiz Rosa de Lima - FINANCEIRO: Cléber Augusto Rafael - Lucyane Plonkóski Nogueira - Roseli Martins - Secretaria: Rosane Albino Rosana G. Silva.


Dental Press Journal of Orthodontics Official Journal of the Brazilian Association of Orthodontics and Facial Orthopedics Volume 19 . Number 3 . May-June 2014

Official Journal of the Brazilian Board of Orthodontics

Seções

Editorial

Entrevista

15

26

A má oclusão no umbigo do rio Xingu

Uma entrevista com Mark G. Hans

David Normando

Orthodontics Highlights

Caso Clínico BBO

17

127

Destaques da literatura ortodôntica mundial

Má oclusão de Classe I de Angle com biprotrusão severa tratada com extrações dos primeiros pré-molares

Matheus Melo Pithon

Ricardo Moresca

Insight Ortodôntico

Tópico Especial

20

139

Mini-implantes e miniplacas geram ancoragens subabsoluta e absoluta

Do braquete convencional ao autoligável: é possível agregar a experiência com o primeiro à prática do segundo?

Alberto Consolaro

Anderson Capistrano, Aldir Cordeiro, Danilo Furquim Siqueira, Leopoldino Capelozza Filho, Mauricio de Almeida Cardoso, Renata Rodrigues de Almeida-Pedrin

Ortodontia Baseada em Evidência

24 O controle do falso-positivo em pesquisas e suas repercussões clínicas Rafael Simas, Felipe Maestri, David Normando


Dental Press Journal of Orthodontics Official Journal of the Brazilian Association of Orthodontics and Facial Orthopedics Volume 19 . Number 3 . May-June 2014

Official Journal of the Brazilian Board of Orthodontics

Artigos

36

90

Alterações imediatas da tábua óssea alveolar induzidas pela expansão rápida maxilar em pacientes na dentição mista: achados tomográficos

Torques de inserção versus resistência mecânica de mini-implantes inseridos em corticais de diferentes espessuras

Daniela Gamba Garib, Maria Helena Ocké Menezes,

Renata de Faria Santos, Antonio Carlos de Oliveira Ruellas,

Omar Gabriel da Silva Filho, Patricia Bittencourt Dutra dos Santos

Daniel Jogaib Fernandes, Carlos Nelson Elias

44

95

Efeitos cefalométricos do distalizador Jones Jig seguido de uso de aparelho fixo no tratamento da má oclusão de Classe II Mayara Paim Patel, José Fernando Castanha Henriques,

Efeito do bochecho com clorexidina a 0,12% na redução de bactérias em aerossóis durante a profilaxia dentária em pacientes sob tratamento ortodôntico fixo

Karina Maria Salvatore de Freitas, Roberto Henrique da Costa Grec

Isis Rodrigues Menezes dos Santos, Ana Cristina Azevedo Moreira, Myrela Galvão Cardoso Costa, Marcelo de Castellucci e Barbosa

52 Assimetria mandibular: uma proposta de análise radiográfica com software de domínio público

102

Alexandre Durval Lemos, Cintia Regina Tornisiello Katz,

Desconforto associado a aparelhos ortodônticos fixos: fatores determinantes e influência sobre a qualidade de vida

Mônica Vilela Heimer, Aronita Rosenblatt

Leandro Silva Marques, Saul Martins Paiva, Raquel Gonçalves Vieira-Andrade, Luciano José Pereira, Maria Letícia Ramos-Jorge

59 Associação entre gengivite e aumento de volume gengival anterior em sujeitos com aparelho ortodôntico fixo

108

Fabricio Batistin Zanatta, Thiago Machado Ardenghi, Raquel Pippi Antoniazzi,

Morfologia facial: qual é sua relação com a mordida aberta anterior e o hábito de sucção não nutritiva na dentadura decídua?

Tatiana Militz Perrone Pinto, Cassiano Kuchenbecker Rösing

Melissa Proença Nogueira Fialho, Célia Regina Maio Pinzan-Vercelino, Rodrigo Proença Nogueira, Júlio de Araújo Gurgel

67 Imunolocalização de FGF-2 e VEGF no ligamento periodontal de ratos submetidos à movimentação ortodôntica experimental Milene Freitas Lima Salomão, Sílvia Regina de Almeida Reis, Vera Lúcia Costa Vale, Cintia de Vasconcellos Machado, Roberto Meyer, Ivana Lucia Oliveira Nascimento

114 Comparação da resistência ao atrito entre braquetes autoligáveis e braquetes convencionais amarrados por meio de ligaduras elastoméricas e amarrilhos metálicos em fios ortodônticos Vanessa Vieira Leite, Murilo Baena Lopes, Alcides Gonini Júnior,

75

Marcio Rodrigues de Almeida, Sandra Kiss Moura, Renato Rodrigues de Almeida

Alterações no relacionamento esquelético e dentário da má oclusão de Classe II, divisão 1, após expansão rápida da maxila: um estudo prospectivo

120

Carolina Baratieri, Matheus Alves Jr, Ana Maria Bolognese,

A insatisfação com a aparência dentofacial e a necessidade normativa de tratamento ortodôntico: fatores determinantes

Matilde C. G. Nojima, Lincoln I. Nojima

Anderson Barbosa de Almeida, Isabel Cristina Gonçalves Leite, Camilo Aquino Melgaço, Leandro Silva Marques

82 Estudo comparativo do atrito entre braquetes autoligáveis interativos metálicos e convencionais em diferentes condições de alinhamento Sérgio Ricardo Jakob, Davison Matheus, Maria Cristina Jimenez-Pellegrin, Cecília Pedroso Turssi, Flávia Lucisano Botelho do Amaral


orthodontics_2003.indd 1

20/03/2014 17:26:33


Todo momento alegre conta com um sorriso. E cada sorriso pode contar com a ABOR. Há 20 anos, a Associação Brasileira de Ortodontia e Ortopedia Facial (ABOR) organiza, apoia e qualifica os profissionais da área de ortodontia e ortopedia facial. Desta forma, defende tanto os interesses da classe quanto os do cliente final. Isto porque, com a ABOR, você recebe a atenção e o respeito que merece.

abor.nac

@abornews

www.abor.org.br


INVITED SPEAKERS PASCAL MAGNE UELI GRUNDER

CH CH

FIXED PROSTHESIS IMPLANTOLOGY

LEOPOLDINO CAPELOZZA JAVIER GIL MUR KLAUS LANG

BR SP CH

ORTHODONTICS IMPLANTOLOGY PERIODONTOLOGY

ISTVAN URBAN PEDRO PEÑA

HU SP

BONE REGENERATION IMPLANTOLOGY

HUGO DECLERCK PADDY FLEMING

BE IE

ORTHODONTICS PAEDIATRIC DENTISTRY

OLE FEJERSKOV

DK

CARIOLOGY AND PREVENTIVE DENTISTRY


2014 AS ESPECIALIDADES SE ENCONTRAM AQUI!

Créditos/Fotos: David Campbell/Portal da Copa/ME/Fevereiro de 2013

www.cioba2014.com.br

CARLOS EDUARDO FRANCISCHONE

GLÉCIO VAZ DE CAMPOS

29/10

MARCO A. BOTTINO

HANS PETER WEBER (USA)

IVETE SARTORI

01/11

A Apoio

JORGE LUIZ FERNANDO PERDIGÃO (PORT) PEGORARO

CARLOS NELSON ELIAS

VICTOR CLAVIJO

CENTRO DE CONVENÇÕES DA BAHIA SALVADOR - BAHIA Patrocínio


de 30 de julho a 1 de agosto de 2014

Data limite para inscrição de trabalhos:

Hotel Boulevard - Londrina/PR

16 de junho de 2014

O Grupo Brasileiro de Professores de Ortodontia e Odontopediatria é uma entidade cujo objetivo principal é congregar os professores de ambas as áreas, trabalhando pela sistematização e aprimoramento do ensino e da pesquisa, bem como pelo desenvolvimento dessas especialidades.

Ao longo de 45 anos de história, o Grupo Brasileiro de Professores de Ortodontia e Odontopediatria tem acompanhado a evolução da Odontologia brasileira. Em 2014, no período de 30 de julho a 1 de agosto, o Hotel Boulevard, em Londrina/PR, sediará o 45º encontro do Grupo, quando importantes questões, relacionadas ao ensino e à pesquisa das especialidades, serão debatidas.

Mais informações no site: www.grupo.odo.br

Fotografia: Gilyard Santos

45º Encontro do Grupo Brasileiro de Professores de Ortodontia e Odontopediatria


editorial

DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.015-016.edt

A má oclusão no umbigo do rio Xingu

crânios de populações antepassadas, obtidos por meio de escavações, e estudos de cunho epidemiológico em populações primitivas e/ou isoladas; 4) estudos em gêmeos humanos. Tais observações têm dado sustentação à determinação do meio ambiente na etiologia da má oclusão. A questão não é tão simplista e deve ser descortinada, pressupondo-se que uma determinada má oclusão provavelmente tenha mecanismos etiológicos diferentes de outra alteração oclusal. O fato do óbvio poder estar oculto intriga uma geração de ortodontistas inquietos, pois, se estivermos repetindo os mesmos erros da Oncologia — o de reprimir o olhar micro (para o núcleo e o DNA) —, poderemos pagar caro por um progresso torpe. Na mesma linha do raciocínio de Begg, resolvi instigar o imenso monólito da arquitetura ortodôntica, tentando reproduzir o achado dele, agora sob um olhar micro: o DNA. Optei por estudar a população indígena da Amazônia brasileira3,4, nos mesmos moldes de Begg, e embarquei pela exuberância do Xingu, carregando a genética em meu alforje. Inicialmente, deve-se entender que, entre as populações de ameríndios (índios americanos), a formação de novas aldeias é um evento frequentemente observado, seja por um mecanismo de fissão (divisão) ou fusão (união). Logo, é fácil entender que essa mistura contribui para o aumento da variação genética entre as populações indígenas, compensando, assim, a baixa variação intratribal5. Assim, ao contrário do que se imagina, os grupos indígenas são, geneticamente, bastante distintos entre si, apesar de os indivíduos da mesma aldeia terem traços semelhantes. Estaria aí a oportunidade para melhor responder a minha inquietação com o tema? Assim sendo, botei as botinas de indigenista e o alforge de pesquisador e, tal como um Begg, agora disfarçado na brasilidade de um Villas-Bôas, aproei minha montaria para o Xingu, entre os anos de 2009 e 2010. A região possui dezenas de aldeias de grupos indígenas de nove etnias diferentes. Trata-se, portanto, de uma das mais altas diversidades étnicas da nossa espécie no mundo. Na primeira viagem, tivemos contato com dois grupos da etnia Arara. Logo, duas populações genéticas bastante diferentes. Uma investigação antropológica sobre os Arara6 reportou que os indivíduos que formam a aldeia Arara-Iriri compõem uma única unidade familiar e seriam todos descendentes de um único casal que, segundo relatos históricos, teria sido expulso de um grupo ancestral denominado Arara-Laranjal. O processo de separação teria ocorrido entre os

“E aquilo que nesse momento se revelará aos povos, Surpreenderá a todos, não por ser exótico, Mas pelo fato de poder ter sempre estado oculto Quando terá sido o óbvio.” – Caetano Veloso, da música “Um índio” –

A sensação de estar convivendo com, e tratando, uma doença de alta prevalência, sem conhecer sua origem, é inquietante. Faz-nos relembrar de quando drogas pesadas eram utilizadas para tratamento do câncer, sem o conhecimento da sua origem genética — sem se saber que tudo estava ali, no núcleo da célula, no DNA. Logicamente, isso custou perdas de tempo e vidas. Mas, quando os oncologistas resolveram encontrar os geneticistas enclausurados em laboratórios, viajando para o núcleo da célula, o salto foi para medalha de ouro, e a Oncogenética, essa nova ciência, ganhou espaço nas primeiras cadeiras dos congressos de Oncologia. A despeito de milhões de pessoas no mundo realizarem tratamento ortodôntico, ainda não se tem uma nítida imagem sobre as causas da má oclusão. Trata-se de um paradoxo para o mundo contemporâneo, que ruge pela evidenciação de fatos. Pior ainda é saber que painéis sobre esse tema (a má oclusão) nos eventos ortodônticos suscitam um interesse infinitamente menor do que as apresentações sobre novos materiais e novas técnicas de tratamento. Estaríamos caminhando para o mesmo abismo da Medicina, uma ciência que não perdoa retardos? Tudo começou com Begg2, em 1954, ao examinar crânios de aborígenes australianos. Ele definiu que a má oclusão seria “uma doença da civilização moderna”, ocasionada pelo desgaste dos dentes. Entender seus achados é entender essa reluzente história que influenciou os princípios da Ortodontia, dando subsídios à necessidade da extração de dentes permanentes, para criar espaço na arcada dentária, compensatoriamente à ausência dos desgastes interproximais. A questão é que os conceitos de Begg extrapolaram o aspecto tecnicista, e isso inquieta muita gente, como diria Omar Gabriel. Numa análise macro, é marcante a influência dessa teoria na sustentação de que o meio ambiente é a causa principal da ocorrência da má oclusão e, mais especificamente, do apinhamento dentário. A teoria de Begg suscita, até hoje, discussão, e essa questão tem sido debatida sob quatro modelos de investigação: 1) experimentos em modelos animais; 2) a análise de

Normando D. Malocclusion at the navel of the Xingu river. Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):15-6. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.015-016.edt © 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

15

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):15-6


orthodontics highlights

Matheus Melo Pithon*

De acordo com Halicioglu et al.1, nenhum estudo objetivou avaliar essas modalidades de tratamento tendo como alvo esse grupo etário. Dessa maneira, esses autores desenvolveram um estudo avaliando os efeitos da protração maxilar (isolada e associada à disjunção palatina) no tratamento de pacientes adultos jovens com maxila retrognata (Fig. 1). Os resultados revelaram que a disjunção palatina prévia à tração maxilar com máscara facial não aumenta seu efeito em indivíduos adultos jovens. Esses resultados são importantes, uma vez que se poderia iniciar o quanto antes o uso da máscara, sem necessidade de disjunção maxilar prévia, aproveitando os últimos meses de crescimento do complexo maxilomandibular. Outro aspecto importante é a redução do desconforto causado pela disjunção maxilar.

É possível obter protração maxilar com máscara facial sem se realizar disjunção palatina prévia O tratamento da má oclusão de Classe III consitui um dos maiores desafios na clínica ortodôntica. Na atualidade, o tratamento de escolha para essa má oclusão, quando em fase de crescimento, é a disjunção maxilar seguida da tração reversa com máscara facial. Segundo a literatura, a idade de 7 a 8 anos seria a ideal para se iniciar o tratamento. Nessa idade consegue-se maior efeito ortopédico do que dentário. No entanto, nem sempre os pacientes encontram-se nessa idade ideal. Em pacientes adultos, qual seria o método ideal para tratamento? Disjunção e protração da maxila, como em pacientes mais jovens, ou apenas protração usando máscara facial?

N S

8

7

N

1

2

s

3

Co Po

Co Po

6 PNS

5

PNS

ANS

2

Or

8

A

ANS

A

3

1 A0 5

Go

9

7

B

B Pg

4 Gn Me

Me

A

B

Como citar esta seção: Pithon MM. Orthodontics highlights. Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):17-9.

Enviado em: 3 de março de 2014 - Revisado e aceito: 10 de abril de 2014 Professor de Ortodontia da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Mestre e Doutor em Ortodontia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Diplomado pelo Board Brasileiro de Ortodontia e Ortopedia Facial.

*

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

10 6

Go

4

Figura 1 - Medidas utilizadas: A) angulares e B) lineares. (Fonte: Halicioglu et al.1, 2014).

9 B0

Endereço para correspondência: Matheus Melo Pithon Av. Otávio Santos, 395 – Sala 705 – Vitória da Conquista/BA – CEP: 45020-750 E-mail: matheuspithon@gmail.com

17

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):17-9


insight ortodôntico

Mini-implantes e miniplacas geram ancoragens subabsoluta e absoluta Alberto Consolaro1 DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.020-023.oin

Uma demanda funcional sobre o osso promove alterações na forma espacial da rede de osteócitos e seus prolongamentos, distribuídos uniformemente na estrutura mineralizada. A partir da deformação espacial captada, os osteócitos comandam a necessidade de adaptações estruturais, formando osso em novas áreas e reabsorvendo em outras, para que sejam atendidas as demandas funcionais. O endósteo e o periósteo são os verdadeiros efetores desses estímulos osteocíticos adaptativos, nas superfícies internas e externas. As alterações de forma, volume e posição dos ossos maxilares, nas correções esqueléticas da maxila e mandíbula, requerem uma ancoragem para que a remodelação óssea redefina a morfologia, a estética e as funções, a partir de deformações espaciais dirigidas por aparelhos. Verificar o grau de alterações na forma, volume e relações estruturais das áreas onde se fixaram os mini-implantes e as miniplacas poderá levar à classificação dos mini-implantes como dispositivos de ancoragem subabsoluta e as miniplacas, como de ancoragem absoluta. Palavras-chave: Miniplacas. Mini-implantes. Osteócitos. Mecanotransdução. Periósteo. Ortopedia.

As células possuem um citoesqueleto proteico responsável pela manutenção tridimensional da forma celular normal, assim como pelos movimentos e migrações. As proteínas citoesqueléticas podem ser classificadas, de acordo com seu peso molecular e estrutura espacial, em: microtúbulos, microfilamentos e filamentos intermediários. Em todos os sistemas corporais, o equilíbrio propiciado pela anulação intrínseca de todas as suas forças tem como resultado uma força igual a zero, e recebe o nome de tensigridade. A forma de uma célula tende a ser sempre a mesma, como resultado do equilíbrio de forças internas e externas, em função de uma contrapartida ou anulação mútua das mesmas. A esse estado de equilíbrio ou estabilidade dá-se o nome de tensigridade celular.

Quando a tensigridade é perdida, pela compressão do citoesqueleto, esse tende, como qualquer outro sistema natural, a voltar ao seu estado anterior, mas estimulando um conjunto de eventos com essa finalidade. A liberação de mediadores químicos para induzir fenômenos celulares e teciduais, em si mesmo ou ao seu redor, faz parte do processo pelo qual as células tendem a restabelecer a sua tensigridade. A tensigridade determina a forma estável, a morfologia padrão de um objeto ou sistema, especialmente de uma célula. A quebra da tensigridade modifica a permeabilidade da membrana celular e resulta na ativação de vias metabólicas intracelulares, com liberação de substâncias que atuam como mediadores capazes de induzir fenômenos

Professor Titular da Faculdade de Odontologia de Bauru-USP e da Pós-graduação da Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto-USP.

Como citar este artigo: Consolaro A. Mini-implants and miniplates generate sub-absolute and absolute anchorage. Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):20-3. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.020-023.oin

1

Enviado em: 10 de abril de 2014 - Revisado e aceito: 07 de maio de 2014

» O autor declara não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros, que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

Endereço para correspondência: Alberto Consolaro E-mail: consolaro@uol.com.br

20

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):20-3


Ortodontia Baseada em Evidência

DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.024-025.ebo

O controle do falso-positivo em pesquisas e suas repercussões clínicas Rafael Simas1, Felipe Maestri2, David Normando3

Toda análise estatística é, em verdade, uma análise de erros. O teste estatístico não define se os seus resultados são confiáveis ou não, ele apenas quantifica a probabilidade de erro ao realizarmos uma conclusão1. Ao ler os artigos publicados nesta revista, e em tantas outras, você encontrará um valor de p. Por exemplo, no artigo de Garib et al.2, são descritos, em uma tabela, os valores de p para uma variável, em dois momentos distintos: esse valor de p, também conhecido como falso-positivo1, indica a probabilidade de erro ao se afirmar que existe diferença entre o antes e o após a expansão. Ao realizar uma pesquisa, sempre incorremos na chance de algum erro. Um dos motivos é porque não estamos examinando toda a população, mas apenas parte dela, uma amostra. Por isso, ao comparar duas amostras tratadas de formas diferentes, com o objetivo de identificar o tratamento mais eficiente, sempre teremos alguma chance da nossa conclusão estar errada. Portanto, quanto menor o valor de p, menor será a chance de erro e, consequentemente, maior será a nossa certeza ao afirmarmos que o tratamento ‘A’ é mais eficiente que o ‘B’. Mas como controlar o erro falso-positivo? Inicialmente, devemos decidir o nível de significância (α) que pretendemos estabelecer. Na Odontologia, costumamos assumir uma probabilidade de, no máximo, 5% de chance de erro (α = 5%). Entretanto, em um determinado estudo, ao ampliarmos o número de comparações, aumentamos a chance de algum resultado ocorrer por mero acaso, e, assim, encontrarmos um resultado falso-positivo. Veja, por exemplo, os jogos de loteria. As chances de ganharmos são pequenas, muito menores que 5%. Entretanto, quanto mais cartões

jogamos, aumentamos as nossas chances de ganhar. Nos testes estatísticos, podemos observar a inflação do falso-positivo, de acordo com a Tabela 1, em que o número de comparações é diretamente proporcional ao número de falsos-positivos. Dessa maneira, quando fazemos diversas comparações utilizando um teste estatístico simples, aumentamos, sobremaneira, as chances de obter um resultado falso-positivo. Pode-se observar, na Tabela 1, que a chance de um falso-positivo caso realizemos 10 comparações é de 40%. Assim, ajustes são necessários para mantermos o nível de erro predeterminado, em 5%. Um procedimento utilizado para corrigir o falso-positivo é a correção de Bonferroni, que consiste em dividir o nível de significância pelo número de comparações realizadas3. Suponha que você realizou a análise comparativa de 5 variáveis cefalométricas entre dois grupos, usando um teste t independente. Ao dividir o nível alfa adotado inicialmente (0,05, ou 5%) por 5, seu novo nível de erro será ajustado para 0,01, ou 1%. Então, as diferenças serão consideradas significativas se o valor de p encontrado for menor ou igual a 0,01. No entanto, o procedimento de

Como citar esta seção: Simas R, Maestri F, Normando D. Controlling false positive rates in research and its clinical implications Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):24-5. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.024-025.ebo

Enviado em: 5 de março de 2014 - Revisado e aceito: 20 de março de 2014

Tabela 1. Número de comparações (testes) e a inflação do falso-positivo. # testes

FW

0,05

0,05

3

0,05

0,14 0,26

6

0,05

10

0,05

0,4

15

0,05

0,54

= 1 - (1 - pc)c fw C = # de comparações,

pc

é o erro tipo I (0,05).

Endereço para correspondência: Rafael Simas David Normando Rua Boaventura da Silva, 567-Ap. 1201. CEP 66055-090 - Belém-PA E-mail: davidnormando@hotmail.com

Mestrando em Odontologia, Universidade Federal do Pará. Especialista em Ortodontia pela ABO-Regional Sul do Maranhão. 3 Professor da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal do Pará. 1 2

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

Valor de

1

24

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):24-5


entrevista

uma entrevista com

Mark G. Hans » Graduado pela Faculdade de Odontologia da Case Western Reserve University, EUA. » Mestre em Ortodontia, Case Western Reserve University, EUA. » Chefe do Departamento de Ortodontia, Case Western Reserve University, EUA. » Diretor do Bolton-Brush Growth Study Center, Case Western Reserve University, EUA. » Diplomado pelo American Board of Orthodontics. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.026-035.int

É uma grande honra conduzir esta entrevista com o professor Mark G. Hans, após acompanhar seu notável trabalho frente ao Bolton-Brush Growth Study Center e ao Departamento de Ortodontia da prestigiosa Faculdade de Odontologia da Case Western Reserve University (CWRU), em Cleveland, Ohio, EUA. Natural de Berea, cidade localizada no estado norte-americano de Ohio, o professor Mark Hans cursou Bacharelado em Química na Yale University, em New Haven, CT, EUA. Em seguida, Dr. Hans graduou-se em Odontologia e recebeu seu título de Mestre em Ortodontia pela Case Western Reserve University. Durante sua formação, sua dissertação de mestrado recebeu o prêmio Harry Sicher, pela melhor pesquisa conduzida por um estudante de Ortodontia, bem como lhe garantiu uma bolsa de estudos, dita Presidential Teaching Fellowship. Tendo sido um dos mais jovens doutores diplomados pelo American Board of Orthodontics, Dr. Hans ainda mantém sua certificação. Ele tem se envolvido, academicamente, com pesquisas que contemplam diferentes áreas de interesse, entre as quais podemos citar: demografia da prática ortodôntica, dados radiográficos digitais, genética dentária e craniofacial, bem como Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono — tendo publicações de destaque nessas áreas. Uma de suas contribuições mais notáveis à literatura ortodôntica se deu em coautoria com o Dr. Donald Enlow, no livro Essentials of facial growth, uma referência no estudo do crescimento e desenvolvimento craniofacial. A carreira acadêmica do Dr. Mark Hans está intimamente vinculada à CWRU, reconhecida como o renomado berço da pesquisa sobre o crescimento e desenvolvimento craniofacial, onde o tradicional Bolton-Brush Growth Study foi historicamente desenvolvido. Atualmente, Dr. Hans é diretor do Bolton-Brush Growth Study Center e desempenha, com grande habilidade e dedicação, a função de controlar a maior amostra longitudinal para o estudo do crescimento ósseo. Ele é diretor associado, professor e chefe do departamento de Ortodontia, e exerce atividades práticas e teóricas com os alunos do curso de graduação da Faculdade de Odontologia e os residentes do Departamento de Ortodontia da CWRU. Parte de sua prática clínica exercida na universidade é dedicada ao tratamento de anomalias craniofaciais e pacientes com necessidades especiais. Prof. Mark Hans tem, desde 2008, conduzido com sabedoria o Joint Cephalometric Experts Group (JCEG), realizado na CWRU. Coordena uma equipe de pesquisadores e clínicos americanos, asiáticos, brasileiros e europeus que trabalham na transição da cefalometria 2D para recursos 3D com a tomografia computadorizada de feixe cônico e modelos tridimensionais — utilizados para o diagnóstico, plano de tratamento e avaliação dos resultados ortodônticos. Dr. Hans viaja para diferentes países ministrando cursos e palestras em suas áreas de interesse. Além disso, mantém sua prática em sua clínica particular de Ortodontia, onde coordena todas as atividades, com especial habilidade e desenvoltura. Casado com Susan, têm dois filhos, Thomas e Jack, e uma filha, Sarah. Gosta de tocar jazz guitar para seus amigos e familiares.

Matilde da Cunha Gonçalves Nojima

Como citar esta seção: Hans MG. An interview with Mark G. Hans. Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):26-35. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/21769451.19.3.026-035.int - Enviado em: 05 de fevereiro de 2014 - Revisado e aceito: 27 de fevereiro de 2014

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

26

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):26-35


entrevista

Hans MG

do corpo da mandíbula, na faixa de 6 a 7mm. Logo após, vieram as afirmações falsas de que as más oclusões causariam disfunções temporomandibulares. E, finalmente, a recente discussão sobre o papel do tamanho e forma da mandíbula na Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono. O segundo motivo que me leva a admirar a mandíbula é sua complexidade anatômica (Fig.  2). Quando leciono aos meus alunos sobre a mandíbula, gosto de dividi-la em cinco áreas, com base em suas funções: 1) os côndilos, com a função primária de articulação; 2) os processos coronoides, com a função primária de inserção do músculo temporal; 3) o corpo da mandíbula, com a função primária de conectar os lados direito e esquerdo da mandíbula, como uma estrutura rígida; 4) os alvéolos, com a função primária de sustentar a dentição; 5) os ramos, com a função primária de proporcionar compensações

tanto na dimensão vertical quanto horizontal, garantindo a oclusão dos molares dentro de seus 6mm, para toda a humanidade. Finalmente, gosto da mandíbula porque temos muito a aprender sobre os processos de controle envolvidos em seu crescimento. Por fim, gostaria de dizer aos leitores que todos os tratamentos ortodônticos/ ortopédicos de pacientes em crescimento estimulam o crescimento mandibular, ao menos um pouco. Refiro-me a essa estimulação não específica do crescimento mandibular como o “efeito fertilizante”.

Ana Maria Bolognese

» Membro do Bolton-Brush Growth Study Center, Case Western Reserve University, Cleveland, Ohio, EUA. » Diretor da Fundação de Pesquisa Maxilofacial/ Japão.

Referências Johnston LE. A simplified approach to prediction. Am J Orthod.

2.

Greulich W, Pyle S. Radiographic atlas of skeletal development of the

1975;67(3):253-7. hand and wrist. 1. ed. Redwood City: Stanford University Press; 1999.

» Mestre e Doutora em Ortodontia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, RJ, Brasil. » Pós-doutorado em Biologia Oral, Northwestern University, EUA. » Professora Titular, Departamento de Ortodontia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Lincoln Issamu Nojima » Mestre e Doutor em Ortodontia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, RJ, Brasil. » Pós-doutorado em Ortodontia, Case Western Reserve University, Cleveland, Ohio, EUA. Bolsa Capes nº 0906/11-6. » Professor Adjunto, Departamento de Ortodontia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, RJ, Brasil. » Diplomado pelo Board Brasileiro de Ortodontia e Ortopedia Facial. » Professor Visitante, Case Western Reserve University, Cleveland, Ohio, EUA.

Juan Martin Palomo » Especialista e Mestre em Ortodontia, Case Western Reserve University, Cleveland, Ohio, EUA. » Diretor do Programa de Pós-graduação em Ortodontia, Case Western Reserve University, Cleveland, Ohio, EUA. » Diretor do Craniofacial Imaging Center, Case Western Reserve University, Cleveland, Ohio, EUA. » Diplomado pelo American Board of Orthodontics. » Diretor do Grupo de Biologia Craniofacial da International Association for Dental Research (IADR).

Matilde da Cunha Gonçalves Nojima » Mestre e Doutora em Ortodontia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, RJ, Brasil. » Pós-doutorado em Ortodontia, Case Western Reserve University, Cleveland, Ohio, EUA. Bolsa Capes nº 1540/11-4. » Professora Adjunta, Departamento de Ortodontia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, RJ, Brasil. » Professora Visitante, Case Western Reserve University, Cleveland, Ohio, EUA.

Kunihiko Miyashita » Especialista em Cirurgia, Nihon University, Japão. » Especialista e Mestre em Ortodontia, University of California, Los Angeles, EUA. » Doutor em Anatomia, Nihon University, Tóquio, Japão. » Professor Colaborador, University of California, EUA. » Professor Adjunto, Case Western Reserve University, Cleveland, Ohio, EUA.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

1.

35

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):26-35


artigo inédito

Alterações imediatas da tábua óssea alveolar induzidas pela expansão rápida maxilar em pacientes na dentição mista: achados tomográficos Daniela Gamba Garib1, Maria Helena Ocké Menezes2, Omar Gabriel da Silva Filho3, Patricia Bittencourt Dutra dos Santos4 DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.036-043.oar

Objetivo: o presente estudo teve como objetivo avaliar alterações das tábuas ósseas vestibulares e linguais decorrentes da expansão rápida da maxila (ERM), em pacientes na dentição mista, por meio de tomografia computadorizada (TC). Métodos: a amostra foi constituída por exames de TC helicoidal, realizados de 22 pacientes com dentição mista, dos 6 aos 9 anos de idade (média de 8,1 anos), com atresia maxilar, tratados com expansores do tipo Haas. Os pacientes foram submetidos a tomografia computadorizada helicoidal antes da expansão e após o período de ativação de parafuso expansor, com 30 dias de intervalo entre as fases T1 e T2. A reconstrução multiplanar foi usada para medir a espessura da tábua óssea vestibular e lingual e a altura da crista óssea alveolar dos dentes posteriores decíduos e dos dentes permanentes. As alterações induzidas pela expansão foram avaliadas usando o teste t pareado (p < 0,05). Resultados: a espessura das tábuas ósseas vestibular e lingual dos dentes posteriores permaneceu inalterada durante o período de expansão, com exceção dos segundos molares decíduos, que mostraram uma ligeira redução da espessura do osso na região distal. Deiscências ósseas vestibulares não foram observadas nos dentes de suporte após a expansão. Conclusão: a ERM, realizada na dentição mista, não produziu efeitos imediatos indesejáveis sobre os tecidos ósseos periodontais. Palavras-chave: Técnica de expansão palatina. Periodonto. Tomografia computadorizada espiral.

» O(s) paciente(s) que aparece(m) no presente artigo autorizou(aram) previamente a publicação de suas fotografias faciais e intrabucais, e/ou radiografias.

Como citar este artigo: Garib DG, Menezes MHO, Silva Filho OG, Santos PBD. Immediate periodontal bone plate changes induced by rapid maxillary expansion in the early mixed dentition: CT findings. Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):36-43. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.036043.oar Enviado em: 10 de abril de 2012 - Revisado e aceito: 30 de agosto de 2012

Livre-docente em Odontologia, FOB-USP. 2 Mestre em Ortodontia, UNICID. 3 Mestre em Ortodontia, UNESP. 4 Doutoranda em Ciências Odontológicas Aplicadas, FOB-USP. 1

» Os autores declaram não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros, que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo. Endereço para correspondência: Daniela Gamba Garib Faculdade de Odontologia de Bauru – Al. Octávio Pinheiro de Brisola 9-75 CEP: 17.012-901 – Bauru/SP – E-mail: dgarib@uol.com.br

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

36

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):36-43


artigo inédito

Garib DG, Menezes MHO, Silva Filho OG, Santos PBD

Referências

1.

Andlin-Sobocki A, Bodin L. Dimensional alterations of the gingiva

16. Fuhrmann RA, Bucker A, Diedrich PR. Assessment of alveolar bone

related to changes of facial/lingual tooth position in permanent

loss with high resolution computed tomography. J Periodontal Res.

anterior teeth of children. A 2-year longitudinal study. J Clin

1995;30(4):258-63.

Periodontol. 1993;20(3):219-24. 2.

17. Fuhrmann RA, Wehrbein H, Langen HJ, Diedrich PR. Assessment of the

Andlin-Sobocki A, Persson M. The association between spontaneous

dentate alveolar process with high resolution computed tomography.

reversal of gingival recession in mandibular incisors and dentofacial

Dentomaxillofac Radiol. 1995;24(1):50-4.

changes in children. A 3-year longitudinal study. Eur J Orthod. 3.

18. Garib DG, Henriques JF, Janson G, Freitas MR, Fernandes AY. Periodontal

1994;16(3):229-39.

effects of rapid maxillary expansion with tooth-tissue-borne and tooth-

Artun J, Grobety D. Periodontal status of mandibular incisors after

borne expanders: a computed tomography evaluation. Am J Orthod

pronounced orthodontic advancement during adolescence: a follow-up

Dentofacial Orthop. 2006;129(6):749-58.

evaluation. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2001;119(1):2-10. 4.

19. Garib DG, Henriques JF, Janson G, Freitas MR, Coelho RA. Rapid

Artun J, Krogstad O. Periodontal status of mandibular incisors

maxillary expansion--tooth tissue-borne versus tooth-borne expanders: a

following excessive proclination. A study in adults with surgically

computed tomography evaluation of dentoskeletal effects. Angle Orthod.

treated mandibular prognathism. Am J Orthod Dentofacial Orthop.

2005;75(4):548-57.

1987;91(3):225-32. 5.

20. Haas AJ. Palatal expansion: just the beginning of dentofacial orthopedics.

Baccetti T, Franchi L, Cameron CG, McNamara JA Jr. Treatment timing

Am J Orthod. 1970;57(3):219-55.

for rapid maxillary expansion. Angle Orthod. 2001;71(5):343-50. 6.

21. Haas AJ. Rapid expansion of the maxillary dental arch and nasal cavity by

Baccetti T, Franchi L, McNamara JA Jr. An improved version of the

opening the midpalatal suture. Angle Orthod. 1963;31(2):73-90.

cervical vertebral maturation (CVM) method for the assessment of

22. Haas AJ. The treatment of maxillary deficiency by opening the midpalatal

mandibular growth. Angle Orthod. 2002;72(4):316-23. 7.

suture. Angle Orthod. 1965;35(3):200-17.

Baccetti T, Mucedero M, Leonardi M, Cozza P. Interceptive treatment of

23. Krebs A. Midpalatal suture expansion studies by the implant method over

palatal impaction of maxillary canines with rapid maxillary expansion:

a seven-year period. Rep Congr Eur Orthod Soc. 1964;40:131-42.

a randomized clinical trial. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 8.

24. Loubele M, Van Assche N, Carpentier K, Maes F, Jacobs R, van

2009;136(5):657-61.

Steenberghe D, et al. Comparative localized linear accuracy of small-field

Ballanti F, Lione R, Fanucci E, Franchi L, Baccetti T, Cozza P.

cone-beam CT and multislice CT for alveolar bone measurements. Oral

Immediate and post-retention effects of rapid maxillary expansion

Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod. 2008;105(4):512-8. 25. Rungcharassaeng K, Caruso JM, Kan JY, Kim J, Taylor G. Factors affecting

investigated by computed tomography in growing patients. Angle Orthod. 2009;79(1):24-9. 9.

buccal bone changes of maxillary posterior teeth after rapid maxillary expansion. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2007;132(4):428.e1-8.

Byrum AG Jr. Evaluation of anterior-posterior and vertical skeletal change vs. dental change in rapid palatal expansion cases as studied by lateral

26. Spillane LM, McNamara JA Jr. Maxillary adaptation to expansion in the

cephalograms. Am J Orthod. 1971;60(4):419.

mixed dentition. Semin Orthod. 1995;1(3):176-87.

10. Cavalcanti MG, Yang J, Ruprecht A, Vannier MW. Accurate linear

27. Starnbach H, Bayne D, Cleall J, Subtelny JD. Facioskeletal and dental

measurements in the anterior maxilla using orthoradially reformatted

changes resulting from rapid maxillary expansion. Angle Orthod.

spiral computed tomography. Dentomaxillofac Radiol. 1999;28(3):137-40.

1966;36(2):152-64.

11. Cavalcanti MG, Yang J, Ruprecht A, Vannier MW. Validation of spiral

28. Steiner GG, Pearson JK, Ainamo J. Changes of the marginal

computed tomography for dental implants. Dentomaxillofac Radiol.

periodontium as a result of labial tooth movement in monkeys. J

1998;27(6):329-33.

Periodontol. 1981;52(6):314-20.

12. Cozzani M, Rosa M, Cozzani P, Siciliani G. Deciduous dentition-anchored

29. Thilander B, Nyman S, Karring T, Magnusson I. Bone regeneration in

rapid maxillary expansion in crossbite and non-crossbite mixed dentition

alveolar bone dehiscences related to orthodontic tooth movements. Eur

patients: reaction of the permanent first molar. Prog Orthod. 2003;4:15-

J Orthod. 1983;5(2):105-14.

22.

30. Van der Linden FPGM. Development of the dentition. Chicago:

13. Silva Filho OG, Lara TS, Almeida AM, Silva HC. Evaluation of the

Quintessence; 1983.

midpalatal suture during rapid palatal expansion in children: a CT study. J

31. Wehrbein H, Fuhrmann RA, Diedrich PR. Periodontal conditions after

Clin Pediatr Dent. 2005;29(3):231-8.

facial root tipping and palatal root torque of incisors. Am J Orthod

14. Silva Filho OG, Montes LA, Torelly LF. Rapid maxillary expansion in the

Dentofacial Orthop. 1994;106(5):455-62.

deciduous and mixed dentition evaluated through posteroanterior

32. Wennstrom JL, Lindhe J, Sinclair F, Thilander B. Some periodontal

cephalometric analysis. Am J Orthod Dentofacial Orthop.

tissue reactions to orthodontic tooth movement in monkeys. J Clin

1995;107(3):268-75.

Periodontol. 1987;14(3):121-9.

15. Engelking G, Zachrisson BU. Effects of incisor repositioning on monkey

33. Wertz RA. Skeletal and dental changes accompanying rapid midpalatal

periodontium after expansion through the cortical plate. Am J Orthod.

suture opening. Am J Orthod. 1970;58(1):41-66.

1982;82(1):23-32.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

43

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):36-43


artigo inédito

Efeitos cefalométricos do distalizador Jones Jig seguido de uso de aparelho fixo no tratamento da má oclusão de Classe II Mayara Paim Patel1, José Fernando Castanha Henriques2, Karina Maria Salvatore de Freitas3, Roberto Henrique da Costa Grec4

DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.044-051.oar

Objetivo: a proposta desse estudo foi avaliar cefalometricamente os efeitos esqueléticos e dentoalveolares do tratamento da má oclusão de Classe II com o distalizador Jones jig, seguido do uso do aparelho fixo corretivo. Métodos: a amostra constituiu de 25 pacientes com má oclusão de Classe II, tratados com o distalizador Jones Jig, seguido do uso de aparelho fixo corretivo, com média de idade inicial de 12,90 anos. O tempo médio de tratamento ortodôntico total foi de 3,89 anos. A fase de distalização durou 0,85 anos, e a fase de aparelho fixo pós-distalização foi de 3,04 anos. Foram utilizadas as telerradiografias nos tempos inicial (T1), pós-distalização (T2) e final do aparelho fixo (T3). Para comparação intragrupo nos três tempos avaliados, foram utilizados os testes ANOVA dependente e de Tukey. Resultados: os resultados demonstraram que o Jones Jig não interferiu no componente maxilar e mandibular, e não promoveu alterações na relação maxilomandibular. O Jones Jig promoveu distalização dos primeiros molares, com perda de ancoragem, mesialização e extrusão significativa dos primeiros e segundos pré-molares, e aumento significativo da altura facial anteroinferior ao final do tratamento. A maioria dos efeitos adversos ocorridos na fase de distalização intrabucal são posteriormente corrigidos durante a mecânica corretiva. Verificou-se vestibularização e protrusão dos incisivos inferiores. Ao final do tratamento, foi observada a correção dos trespasses horizontal e vertical. Conclusões: o distalizador Jones Jig promoveu a distalização dos primeiros molares, com perda de ancoragem, representada pela mesialização e extrusão significativa dos primeiros e segundos pré-molares, e aumento significativo da altura facial anteroinferior. Palavras-chave: Má oclusão de Angle Classe II. Ortodontia corretiva. Movimentação dentária.

Como citar este artigo: Patel MP, Henriques JFC, Freitas KMS, Grec RHC. Cephalometric effects of the Jones Jig appliance followed by fixed appliances in Class II malocclusion treatment. Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):44-51. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.044-051.oar

Doutora em Ortodontia, FOB-USP. Professora, curso de Especialização, UNIES e ICOS-CIODONTO. 2 Livre-docente em Ortodontia, USP. Professor Titular, disciplina de Ortodontia, FOB-USP. 3 Pós-doutora em Ortodontia, Universidade de Toronto. Professora, curso de Mestrado em Odontologia, área de concentração Ortodontia, UNINGÁ. 4 Doutorando em Ortodontia, FOB-USP. 1

Enviado em: 08 de dezembro de 2012 - Revisado e aceito: 26 de maio de 2013 » Os autores declaram não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros, que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo. Endereço para correspondência: Karina Maria Salvatore de Freitas Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo. Rua Jamil Gebara 1-25, Apto 111 – CEP: 17017-150 E-mail: mayarapaim@hotmail.com

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

44

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):44-51


artigo inédito

Patel MP, Henriques JFC, Freitas KMS, Grec RHC

relacionada à verticalização dos incisivos superiores e à vestibularização dos incisivos inferiores, como descrito anteriormente; já a correção do trespasse vertical esteve provavelmente relacionada à extrusão de primeiros e segundos pré-molares e primeiros e segundos molares, como relatado anteriormente. Brickman, Sinha e Nanda9 observaram um aumento de 0,45mm no trespasse horizontal e uma diminuição de 1,28mm no trespasse vertical durante a distalização dos molares superiores, sendo que a alteração do trespasse horizontal, de acordo com esses autores, esteve relacionada à mesialização dos pré-molares superiores e à inclinação vestibular dos incisivos superiores, tal como relatado em outros estudos que avaliaram distalizadores intrabucais12,13,16,20.

CONCLUSÕES Os resultados demonstraram que o Jones Jig não interferiu no componente maxilar e mandibular e não promoveu alterações na relação maxilomandibular. O Jones jig promoveu distalização dos primeiros molares, com perda de ancoragem, mesialização e extrusão significativa dos primeiros e segundos pré-molares, e aumento significativo da altura facial anteroinferior ao final do tratamento. A maioria dos efeitos adversos ocorridos na fase de distalização intrabucal são posteriormente corrigidos durante a mecânica corretiva. Verificou-se certa vestibularização e protrusão dos incisivos inferiores. Ao final do tratamento, foi observada a correção dos trespasses horizontal e vertical.

Referências

1.

McNamara J. Components of class II malocclusion in children 8-10 years

15. Haydar S, Uner O. Comparison of Jones jig molar distalization appliance

of age. Angle Orthod. 1981;51(3):177-202. 2.

with extraoral traction. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2000;117(1):49-

Fortini A, Lupoli M, Giuntoli F, Franchi L. Dentoskeletal effects induced

53.

by rapid molar distalization with the first class appliance. Am J Orthod

16. Patel MP, Janson G, Henriques JF, Almeida RR, Freitas MR, Pinzan A, et al.

Dentofacial Orthop. 2004;125(6):697-704. 3.

Comparative distalization effects of Jones jig and pendulum appliances.

Gianelly AA, Vaitas AS, Thomas WM. The use of magnets to move molars

Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2009;135(3):336-42.

distally. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1989;96(2):161-7. 4.

17. Runge ME, Martin JT, Bukai F. Analysis of rapid maxillary molar distal

Hilgers J. The pendulum appliance for Class II non-compliance therapy. J

movement without patient cooperation. Am J Orthod Dentofacial

Clin Orthod. 1992;26(11):706-14. 5.

Orthop. 1999;115(2):153-7. 18. Dahlberg G. Statistical methods for medical and biological students. New

Jones RD, White JM. Rapid Class II molar correction with an open-coil jig. J Clin Orthod. 1992;26(10):661-4.

6.

York: Interscience; 1940.

Antonarakis GS, Kiliaridis S. Maxillary molar distalization with

19. Houston WJ. The analysis of errors in orthodontic measurements. Am J

noncompliance intramaxillary appliances in Class II malocclusion. A

Orthod. 1983;83(5):382-90.

systematic review. Angle Orthod. 2008;78(6):1133-40. 7.

20. Angelieri F, Almeida RR, Almeida MR, Fuziy A. Dentoalveolar and

Kinzinger GSM, Wehrbein H, Diedrich PR. Molar distalization with a

skeletal changes associated with the pendulum appliance followed

modified pendulum appliance--in vitro analysis of the force systems and

by fixed orthodontic treatment. Am J Orthod Dentofacial Orthop.

in vivo study in children and adolescents. Angle Orthod. 2005;75(4):558-

2006;129(4):520-7.

67. 8.

21. Martins DR, Janson G, Almeida RR, Pinzan A, Henriques JFC, Freitas MR.

Oncag G, Seckin O, Dincer B, Arikan F. Osseointegrated implants with

Atlas de crescimento craniofacial. São Paulo: Ed. Santos; 1998.

pendulum springs for maxillary molar distalization: a cephalometric

22. Enlow DH, Kuroda T, Lewis AB. The morphological and morphogenetic

study. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2007;131(1):16-26. 9.

basis for craniofacial form and pattern. Angle Orthod. 1971;41(3):161-88.

Brickman CD, Sinha PK, Nanda RS. Evaluation of the Jones jig

23. Bolla E, Muratore F, Carano A, Bowman SJ. Evaluation of maxillary molar

appliance for distal molar movement. Am J Orthod Dentofacial Orthop.

distalization with the distal jet: a comparison with other contemporary

2000;118(5):526-34.

methods. Angle Orthod. 2002;72(5):481-94.

10. Burkhardt DR, McNamara JA Jr, Baccetti T. Maxillary molar distalization

24. Bussick T, McNamara J Jr. Dentoalveolar and skeletal changes associated

or mandibular enhancement: a cephalometric comparison of

with the pendulum appliance. Am J Orthod Dentofacial Orthop.

comprehensive orthodontic treatment including the pendulum and the

2000;117(3):333-43.

Herbst appliances. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2003;123(2):108-16.

25. Mavropoulos A, Karamouzos A, Kiliaridis S, Papadopoulos MA. Efficiency

11. Chiu PP, McNamara JA, Franchi L. A comparison of two intraoral molar

of noncompliance simultaneous first and second upper molar

distalization appliances: distal jet versus pendulum. Am J Orthod

distalization: a three-dimensional tooth movement analysis. Angle

Dentofacial Orthop. 2005;128(3):353-65.

Orthod. 2005;75(4):532-9.

12. Ngantung V, Nanda RS, Bowman SJ. Posttreatment evaluation of the

26. Papadopoulos MA. Orthodontic treatment of Class II malocclusion with

distal jet appliance. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2001;120(2):178-85.

miniscrew implants. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2008;134(5):604.

13. Ghosh J, Nanda RS. Evaluation of an intraoral maxillary molar distalization

e1-16.

technique. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1996;110(6):639-46. 14. Gulati S, Kharbanda OP, Parkash H. Dental and skeletal changes after intraoral molar distalization with sectional jig assembly. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1998;114(3):319-27.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

51

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):44-51


artigo inédito

Assimetria mandibular: uma proposta de análise radiográfica com software de domínio público Alexandre Durval Lemos1, Cintia Regina Tornisiello Katz2, Mônica Vilela Heimer2, Aronita Rosenblatt3

DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.052-058.oar

Objetivo: esse estudo preliminar teve como objetivo propor uma nova análise de radiografias panorâmicas digitais para o diagnóstico diferencial entre a assimetria mandibular funcional e morfológica em crianças com e sem mordida cruzada unilateral posterior. Métodos: a análise se baseia em medições lineares e angulares, tomadas a partir de nove pontos anatômicos, demarcados em sequência, diretamente nas imagens digitais. Um plugin específico foi desenvolvido para automatizar e facilitar as medições, como parte integrante de um software de processamento de imagem de domínio público (ImageJ). Para maior acurácia, uma vez que as radiografias panorâmicas são sujeitas a distorções entre os lados direito e esquerdo, as medidas lineares horizontais foram ajustadas em ambos os lados, utilizando-se o Fator de Distorção (DF). A fim de fornecer uma avaliação preliminar da análise proposta e do plugin desenvolvido, radiografias de 10 pacientes (5 com mordida cruzada unilateral posterior e 5 com oclusão normal) foram analisadas. Resultados: divergência considerável foi encontrada entre os lados direito e esquerdo nas medições do comprimento do corpo da mandíbula, bem como a posição dos côndilos, em pacientes com mordida cruzada posterior, em comparação a indivíduos com oclusão normal. Conclusão: apesar de existirem métodos mais eficazes e precisos de diagnóstico, a radiografia panorâmica ainda é muito difundida, especialmente em países emergentes. Esse estudo apresentou evidência preliminar de que a análise proposta pode ser um recurso importante para o planejamento de intervenção ortodôntica precoce, de modo a evitar progressão das assimetrias e suas consequências. Palavras-chave: Radiografia panorâmica. Diagnóstico por imagem. Mandíbula.

Como citar este artigo: Lemos AD, Katz CRT, Heimer MV, Rosenblatt A. Mandibular asymmetry: A proposal of radiographic analysis with public domain software. Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):52-8. DOI: http://dx.doi. org/10.1590/2176-9451.19.3.052-058.oar

Professor Adjunto, Departamento de Odontologia, UEPB. 2 Professora Adjunta, Departamento de Odontologia Social, UPE. 3 Professora Titular, Departamento de Odontologia Social, UPE. 1

Enviado em: 16 de janeiro de 2013 - Revisado e aceito: 08 de junho de 2013 » Os autores declaram não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros, que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo. Endereço para correspondência: Alexandre Durval Lemos Rua Afonso Campos, 48 – Sl.216 – Centro – Campina Grande/PB CEP: 58400-235 – E-mail: adurval@ibest.com.br

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

52

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):52-8


artigo inédito

Assimetria mandibular: uma proposta de análise radiográfica com software de domínio público

vertical e angular em pacientes com e sem mordida cruzada posterior, permitindo o diagnóstico diferencial entre assimetria mandibular morfológica e funcional. Por fim, essa ferramenta de fácil execução e de domínio público sugere ser um recurso importante para o planejamento de intervenção ortodôntica precoce para evitar a progressão das assimetrias e suas consequências.

diagnóstico mais eficazes e precisos, como tomografia computadorizada de feixe cônico (TCFC), a radiografia panorâmica ainda é muito difundida29, especialmente em países emergentes. CONCLUSÕES A análise aqui proposta tem a vantagem de avaliar, simultaneamente, medidas mandibulares horizontal,

Referências

1.

Abramoff MD, Magalhães PJ, Ram SJ. Image processing with Image. J

17. Laster WS, Ludlow JB, Bailey LJ, Hershey HG. Accuracy of measurements

Biophotonics Int. 2004;11(7):36-42. 2.

of mandibular anatomy and prediction of asymmetry in panoramic

Yasar F, Yesilova E, Akgünlü F. Alveolar bone changes under overhanging

radiographic images. Dentomaxillofac Radiol. 2005;34(6):343-9.

restorations. Clin Oral Investig. 2010;14(5):543-9. 3.

18. Heimer MV, Katz CR, Rosenblatt A. Non-nutitive sucking habits, dental

Araki M, Kawashima S, Matsumoto N, Nishimura S, Ishii T, Komiyama K, et

malocclusions, and facial morphology in Brazilian children: a longitudinal

al. Tree-dimensional reconstruction of a fibro-osseous lesion using binary

study. Eur J Orthod. 2008;30(6):580-85.

images transformed from histopathological images. Dentomaxillofac

19. Godoy F, Godouy-Bezerra J, Rosenblatt A. Treatment of posterior

Radiol. 2010;39(4):246-51. 4.

crossbite comparing 2 appliances: a community-based trial. Am J Orthod

Özer SY. Comparison of root canal transportation induced by three rotary

Dentofacial Orthop. 2011;139(1):e45-52. 20. Kecik D, Kocadereli I, Saatci I. Avaliation of the treatment changes of

systems with noncutting tips using computed tomography. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod. 2011;111(2):244-50. 5.

functional posterior crossbite in the mixed dentition. Am J Orthod

Lam PH, Sadowsky C, Omerza F. Mandibular asymmetry and condylar

Dentofacial Orthop. 2007;131(2):202-15.

position in children with unilateral posterior crossbite. Am J Orthod

21. Bishara SE, Burkey PS, Kharouf JG. Dental and facial asymmetries: a

Dentofacial Orthop. 1999;115(5):569-75. 6.

review. Angle Orthod. 1994;64(2):89-98.

Pinto AS, Buschang PH, Throckmorton GS, Chen P. Morphological and

22. Thilander B, Lennartsson B. A study of children with unilateral posterior

positional asymmetries of young children with functional unilateral

crossbite treated and untreated, in the deciduous dentition-occlusal

posterior crossbite. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2001;120(5):513-

and skeletal characteristics of significance in predicting the long-term

20. 7.

Kilic N, Kiki A, Oktay H. Condylar asymmetry in unilateral posterior

8.

Uysal T, Sisman Y, Kurt G, Ramoglu SI. Condylar and ramal vertical

outcome. J Orofac Orthop. 2002;63(5):371-83. 23. Pètren S, Bondemark L, Söderfeldt B. A systematic review concerning

crossbite patients. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2008;133(3):382-7.

early orthodontic treatment of unilateral posterior crossbite. Angle Orthod. 2003;73(5):588-96.

asymmetry in unilateral and bilateral posterior crossbite patients

24. Liukkonen M, Sillanmäki L, Peltomäki T. Mandibular asymmetry in healthy

and a normal occlusion sample. Am J Orthod Dentofacial Orthop.

children. Acta Odontol Scand. 2005;63(3):168-72.

2009;136(1):37-43. 9.

25. Melnik AK. A cephalometric study of mandibular asymmetry in a longitudinally followed sample of growing children. Am J Orthod

Habets LL, Bezuur JN, Naeiji M, Hansson TL. The orthopantomogram, an aid in diagnosis of temporomandibular joint problems. II. The vertical

Dentofacial Orthop. 1992;101(4):355-66. 26. Liu C, Kaneko S, Soma K. Glenoid fossa responses to mandibular lateral

symmetry. J Oral Rehabil. 1988;15(5):465-71. 10. Kiki A, Kilic N, Oktay H. Condylar asymmetry in bilateral posterior

shift in growing rats. Angle Orthod. 2007;77(4):660-7.

crossbite patients. Angle Orthod. 2007;77(1):77-81.

27. Duthie J, Bharwani D, Tallents R H, Bellohusen R, Fishman L. A

11. Kurt G, Uysal T, Sisman Y, Ramoglu SI. Mandibular asymmetry in Class II

longitudinal study of normal asymmetric mandibular growth and its relationship to skeletal maturation. Am J Orthod Dentofacial Orthop.

subdivision malocclusion. Angle Orthod. 2008;78(1):32-7. 12. Van Elslande DC, Russett SJ, Major PW, Flores-Mir C. Mandibular

2007;132(2):179-84.

asymmetry diagnosis with panoramic imaging. Am J Orthod Dentofacial

28. Hesse KL, Årtun J, Joondeph DR, Kennedy DB. Changes in condylar

Orthop. 2008;134(2):183-92.

position and occlusion associated with maxillary expansion for correction

13. Habets LL, Bezuur JN, VanOoij CP, Hansson TL. The orthopantomogram,

of functional unilateral posterior crossbite. Am J Orthod Dentofacial

an aid in diagnosis of temporomandibular joint problems. I. The factor of

Orthop. 1997;111(4):410-8. 29. Hazan-Molina H, Molina-Hazan V, Schendel SA, Aizenbud D. Reliability

vertical magnification. J Oral Rehabil. 1987;14(5):475-80. 14. Deleurant Y, Zimmermann A, Peltomäki T. Hemimandibular

of panoramic radiographs for the assessment of mandibular elongation

elongation: treatment and long-term follow-up. Orthod Craniofac Res.

after distraction osteogenesis producers. Orthod Craniofac Res.

2008;11(3):172-9.

2011;14(1):25-32.

15. Ramirez-Yañes GO, Stewart A, Franken E, Campos K. Prevalence of mandibular asymmetry in growing patients. Eur J Orthod. 2011;33(3):236-42. 16. Azevedo AR, Janson G, Henriques JF, Freitas MR. Evaluation of asymmetries between subjects with Class II subdivision and apparent facial asymmetry and those with normal occlusion. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2006;129(3):376-83.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

58

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):52-8


artigo inédito

Associação entre gengivite e aumento de volume gengival anterior em sujeitos com aparelho ortodôntico fixo Fabricio Batistin Zanatta1, Thiago Machado Ardenghi1, Raquel Pippi Antoniazzi2, Tatiana Militz Perrone Pinto2, Cassiano Kuchenbecker Rösing3

DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.059-066.oar

Objetivo: o objetivo desse estudo foi verificar a associação entre volume gengival (AG) com condições periodontais e características sócio-demográficas em sujeitos com aparelho ortodônticos fixo. Métodos: uma amostra, de 330 participantes com aparelho ortodôntico fixo, por pelo menos seis meses, foi examinada, por um único examinador calibrado, para os índices de placa e gengivais, profundidade de sondagem, nível de inserção clínico e aumento de volume gengival. O status socioeconômico, tempo com aparelho ortodôntico fixo e uso de fio dental foram verificados por entrevista oral. A verificação das associações foi realizada por meio de modelos de regressão de Poisson sem ajuste e ajustados. Resultados: a presença de sangramento gengival (RR 1.01; 95% IC 1.00-1.01) e o excesso de resina em torno dos braquetes (RR 1.02; 95% IC 1.02-1.03) foram associadas a um aumento do AG. Não foram encontradas associações entre características sócio-demográficas e AG. Conclusão: sangramento gengival proximal na região anterior e excesso de resina no entorno dos braquetes estão associados a níveis mais altos de aumento de volume gengival na região anterior em sujeitos com aparelho ortodôntico fixo. Palavras-chave: Epidemiologia. Ortodontia. Gengivite. Aumento gengival.

» O(s) paciente(s) que aparece(m) no presente artigo autorizou(aram) previamente a publicação de suas fotografias faciais e intrabucais, e/ou radiografias.

» Os autores declaram não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros, que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo. Como citar este artigo: Zanatta FB, Ardenghi TM, Antoniazzi RP, Pinto TMP, Rösing CK. Association between gingivitis and anterior gingival enlargement in subjects undergoing fixed orthodontic treatment. Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):59-66. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.059-066.oar

Professor Adjunto, Departamento de Estomatologia, UFSM. Professor, UNIFRA. 3 Pós-doutor em Periodontia, Universidade de Oslo. Professor Adjunto, UFRGS. 1 2

Enviado em: 22 de setembro de 2012 - Revisado e aceito: 08 de abril de 2013 Endereço para correspondência: Tatiana Militz Perrone Pinto Rua Roberto Holtermann, 314 – Medianeira – Santa Maria/RS. CEP: 97.015-570 – E-mail: tatimilitz@hotmail.com

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

59

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):59-66


artigo inédito

Zanatta FB, Ardenghi TM, Antoniazzi RP, Pinto TMP, Rösing CK

Uma publicação recente21, usando uma amostra de usuários de aparelho ortodôntico fixo, demonstrou que o AGE traz um impacto na qualidade de vida relacionada às condições bucais (OHRQoL). Assim, a prevenção e/ou tratamento do AGE pode contribuir para melhorar a OHRQoL em pacientes ortodônticos. De acordo com nossos resultados, sangramento gengival proximal anterior e excesso de resina no entorno dos braquetes estão associados com maiores níveis de aumento de volume gengival na região anterior. Entretanto, outros estudos são necessários para entender melhor se a prevenção de gengivite e uma colagem dos braquetes sem excesso podem resultar na diminuição da prevalência ou mesmo da severidade do aumento gengival em pacientes ortodônticos.

Não há estudos verificando a associação entre AGE com condições clínicas e socioeconômicas em indivíduos com aparelho ortodôntico fixo usando análise multivariada para controlar confundidores. Sob essa perspectiva, nosso estudo apresenta uma informação nova. Adicionalmente, a regressão de Poisson com variância robusta foi usada para estimar a razão de prevalência (RP), a qual é mais fácil de interpretar que o Odds Ratio (OR). Para o AGE, com prevalência maior que 50%, o OR poderia superestimar a RP32. É importante enfatizar que nosso estudo apresenta um delineamento transversal, que hipotetiza relações entre o desfecho e as variáveis preditoras, sem estabelecer relações causais. Essa é uma limitação da presente pesquisa. Contudo, estudos transversais são importantes para identificar indicadores que possam ser incluídos em estudos longitudinais ou experimentais. Nossa pesquisa envolveu 330 pacientes ortodônticos de um programa de especialização em Ortodontia. Essa amostra de conveniência limita a validade externa de nossos achados para uma população maior. Entretanto, nossa estratégia analítica e a presença de poder adequado fortaleceram as hipóteses avaliadas no presente estudo. Evidências mostram que o aumento de volume gengival é associado a alterações estéticas e, em casos mais severos, a problemas mastigatórios e fonéticos7.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

Conclusões O aumento de volume gengival está associado com inflamação gengival e excesso de resina ao redor dos braquetes. Agradecimentos Os autores gostariam de agradecer aos voluntários que participaram do presente estudo, bem como à UNINGÁ-SM, por permitir o uso de suas clínicas para a pesquisa.

65

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):59-66


artigo inédito

Associação entre gengivite e aumento de volume gengival anterior em sujeitos com aparelho ortodôntico fixo

Referências

1.

Trombelli L, Scapoli C, Tatakis DN, Grassi L. Modulation of clinical

17. Loe H, Silness J. Periodontal disease in pregnancy. I. Prevalence and

expression of plaque-induced gingivitis: effects of personality traits, social

severity. Acta Odontol Scand. 1963;21:533-51.

support and stress. J Clin Periodontol. 2005;32(11):1143-50. 2.

18. Loe H. The gingival index, the plaque index and the retention index

Antoniazzi RP, Miranda LA, Zanatta FB, Islabao AG, Gustafsson A,

systems. J Periodontol. 1967;38(6 Suppl.):s610-6.

Chiapinotto GA, et al. Periodontal conditions of individuals with Sjogren’s

19. Seymour RA, Smith DG, Turnbull DN. The effects of phenytoin and

syndrome. J Periodontol. 2009;80(3):429-35. 3.

sodium valproate on the periodontal health of adult epileptic patients. J

Levin L, Samorodnitzky-Naveh GR, Machtei EE. The association of

Clin Periodontol. 1985;12(6):413-9.

orthodontic treatment and fixed retainers with gingival health. J

20. Ainamo J, Bay I. Problems and proposals for recording gingivitis and

Periodontol. 2008;79(11):2087-92. 4.

5.

plaque. Int Dent J. 1975;25(4):229-35.

Polson AM, Subtelny JD, Meitner SW, Polson AP, Sommers EW, Iker HP,

21. Zanatta FB, Ardenghi TM, Antoniazzi RP, Pinto TM, Rosing CK. Association

et al. Long-term periodontal status after orthodontic treatment. Am J

between gingival bleeding and gingival enlargement and Oral health-

Orthod Dentofacial Orthop. 1988;93(1):51-8.

related quality of life (OHRQoL) of subjects under fixed orthodontic

Zachrisson S, Zachrisson BU. Gingival condition associated with

treatment: a cross-sectional study. BMC Oral Health. 2012;12(1):53.

orthodontic treatment. Angle Orthod. 1972;42(1):26-34. 6.

22. Zanatta FB, Moreira CH, Rosing CK. Association between dental floss use

Kloehn JS, Pfeifer JS. The effect of orthodontic treatment on the

and gingival conditions in orthodontic patients. Am J Orthod Dentofacial

periodontium. Angle Orthod. 1974;44(2):127-34. 7.

Orthop. 2011;140(6):812-21.

Kouraki E, Bissada NF, Palomo JM, Ficara AJ. Gingival enlargement and

23. Greenstein G, Caton J, Polson AM. Histologic characteristics associated

resolution during and after orthodontic treatment. N Y State Dent J.

with bleeding after probing and visual signs of inflammation. J

2005;71(4):34-7. 8.

Periodontol. 1981;52(8):420-5.

Trackman PC, Kantarci A. Connective tissue metabolism and gingival

24. Polson AM, Greenstein G, Caton J. Relationships between epithelium and

overgrowth. Crit Rev Oral Biol Med. 2004;15(3):165-75. 9.

connective tissue in inflamed gingiva. J Periodontol. 1981;52(12):743-6. 25. Sharma NC, Charles CH, Qaqish JG, Galustians HJ, Zhao Q, Kumar LD.

Reali L, Zuliani E, Gabutti L, Schonholzer C, Marone C. Poor oral hygiene enhances gingival overgrowth caused by calcineurin inhibitors. J Clin

Comparative effectiveness of an essential oil mouthrinse and dental

Pharm Ther. 2009;34(3):255-60.

floss in controlling interproximal gingivitis and plaque. Am J Dent.

10. Somacarrera ML, Lucas M, Scully C, Barrios C. Effectiveness of

2002;15(6):351-5.

periodontal treatments on cyclosporine-induced gingival overgrowth in

26. Finkelstein P, Grossman E. The effectiveness of dental floss in reducing

transplant patients. Br Dent J. 1997;183(3):89-94.

gingival inflammation. J Dent Res. 1979;58(3):1034-9.

11. Gomes SC, Varela CC, Veiga SL, Rosing CK, Oppermann RV. Periodontal

27. Lobene RR, Soparkar PM, Newman MB. Use of dental floss. Effect on

conditions in subjects following orthodontic therapy. A preliminary study.

plaque and gingivitis. Clin Prev Dent. 1982;4(1):5-8.

Eur J Orthod. 2007;29(5):477-81.

28. Reitman WR, Whiteley RT, Robertson PB. Proximal surface cleaning by

12. Sadowsky C, Begole EA. Long-term effects of orthodontic treatment on

dental floss. Clin Prev Dent. 1980;2(3):7-10.

periodontal health. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1981;80(2):156-72.

29. Al-Marzok MI, Al-Azzawi HJ. The effect of the surface roughness of

13. Diamanti-Kipioti A, Gusberti FA, Lang NP. Clinical and microbiological

porcelain on the adhesion of oral Streptococcus mutans. J Contemp

effects of fixed orthodontic appliances. J Clin Periodontol.

Dent Pract. 2009;10(6):E017-24.

1987;14(6):326-33.

30. Aykent F, Yondem I, Ozyesil AG, Gunal SK, Avunduk MC, Ozkan S. Effect

14. Paolantonio M, Festa F, di Placido G, D’Attilio M, Catamo G,

of different finishing techniques for restorative materials on surface

Piccolomini R. Site-specific subgingival colonization by Actinobacillus

roughness and bacterial adhesion. J Prosthet Dent. 2010;103(4):221-7.

actinomycetemcomitans in orthodontic patients. Am J Orthod

31. Sisson KL. Theoretical explanations for social inequalities in oral health.

Dentofacial Orthop. 1999;115(4):423-8.

Community Dent Oral Epidemiol. 2007;35(2):81-8.

15. Lee SM, Yoo SY, Kim HS, Kim KW, Yoon YJ, Lim SH, et al. Prevalence

32. Barros AJ, Hirakata VN. Alternatives for logistic regression in cross-

of putative periodontopathogens in subgingival dental plaques

sectional studies: an empirical comparison of models that directly

from gingivitis lesions in Korean orthodontic patients. J Microbiol.

estimate the prevalence ratio. BMC Med Res Methodol. 2003;3:21.

2005;43(3):260-5. 16. Lo BA, Di Marco R, Milazzo I, Nicolosi D, Cali G, Rossetti B, et al. Microbiological and clinical periodontal effects of fixed orthodontic appliances in pediatric patients. New Microbiol. 2008;31(2):299-302.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

66

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):59-66


artigo inédito

Imunolocalização de FGF-2 e VEGF no ligamento periodontal de ratos submetidos à movimentação ortodôntica experimental Milene Freitas Lima Salomão1, Sílvia Regina de Almeida Reis2, Vera Lúcia Costa Vale3, Cintia de Vasconcellos Machado4, Roberto Meyer5, Ivana Lucia Oliveira Nascimento6 DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.067-074.oar

Objetivo: o objetivo desse estudo foi identificar a expressão do fator de crescimento de fibroblastos 2 (FGF-2) e do fator de crescimento vascular endotelial (VEGF) nos lados de tensão e pressão do ligamento periodontal de ratos, durante movimento ortodôntico experimental, em diferentes períodos de tempo. Métodos: uma força ortodôntica de 0,5N foi aplicada no primeiro molar superior direito de 18 ratos Wistar machos, por períodos de 3 (grupo I), 7 (grupo II) e 14 dias (grupo III). O primeiro molar do lado oposto foi utilizado como controle. Os animais foram sacrificados nos períodos de tempo mencionados, sendo a arcada superior removida e fixada. Após a desmineralização, os espécimes foram processados histologicamente e embebidos em parafina. A expressão do FGF-2 e do VEGF foram estudadas por meio de análise imuno-histoquímica. Resultados: o ligamento periodontal dos dentes submetidos à movimentação ortodôntica mostraram maior expressão tanto de FGF-2 quanto de VEGF, em todos os grupos experimentais, quando comparados com os dentes do lado controle (p < 0,05). Diferenças estatisticamente significativas entre os lados de tensão e pressão também foram encontradas nos dentes submetidos à movimentação ortodôntica. Conclusões: tanto o FGF-2 quanto o VEGF são expressos no tecido periodontal de ratos, e esses fatores de crescimento são aumentados quando forças ortodônticas são aplicadas, sugerindo que esses desempenham um papel importante na reorganização do periodonto durante o movimento ortodôntico. Palavras-chave: Ligamento periodontal. Ortodontia. Fator A de crescimento do endotélio vascular. Fator 1 de crescimento de fibroblastos.

Como citar este artigo: Salomão MFL, Reis SRA, Vale VLC, Machado CV, Meyer R, Nascimento ILO. Immunolocalization of FGF-2 and VEGF in rat periodontal ligament during experimental tooth movement. Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):67-74. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/21769451.19.3.067-074.oar

Mestre em Imunologia, UFBA. Professora Assistente, curso de Odontologia, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. 2 Doutora em Odontologia, Universidade Livre de Berlim. Professora Adjunta, curso de Odontologia, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. 3 Pós-doutora em Imunologia, UFBA. Professora Titular, Universidade do Estado da Bahia. 4 Doutora em Imunologia, UFBA. Professora Visitante, ABO-BA. 5 Doutor em Imunologia, UFBA. Professor Adjunto de Imunologia, Universidade Federal da Bahia. 6 Doutor em Imunologia, UFBA. Professora Associada de Imunologia, Universidade Federal da Bahia. 1

» O(s) paciente(s) que aparece(m) no presente artigo autorizou(aram) previamente a publicação de suas fotografias faciais e intrabucais, e/ou radiografias. » Os autores declaram não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros, que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo. Endereço para correspondência: Cíntia de Vasconcellos Machado Rua Marechal Floriano, 354/701 – Canela – Salvador/BA CEP: 40110-010 – E-mail: cintiamachado@hotmail.com

Enviado em: 01 de outubro de 2012 Revisado e aceito: 20 de janeiro de 2013

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

67

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):67-74


artigo inédito

Salomão MFL, Reis SRA, Vale VLC, Machado CV, Meyer R, Nascimento ILO

na cicatrização do tecido, por meio da promoção de angiogênese e da indução do desenvolvimento de células imaturas do ligamento periodontal, acelerando, assim, a regeneração deste tecido24,31. Além disso, parece que há um ótimo nível de força de compressão para a produção de VEGF pelas células do ligamento periodontal, e, quando essa força é excessiva, há uma diminuição da produção desse fator de crescimento23.

por meio de propriedades biológicas como a permeabilidade vascular e a quimiotaxia, pode “abastecer” os tecidos degenerados com diferentes tipos de células, tais como fibroblastos, macrófagos e células gigantes multinucleadas23. No lado de tensão, houve uma expressão moderada de VEGF nas células do ligamento periodontal, embora um aumento da expressão dessa molécula tenha sido observado ao longo dos três períodos experimentais. Isso é consistente com a demonstração da expressão de VEGF em osteoblastos no lado de tensão de incisivos de ratos submetidos à movimentação ortodôntica e o predomínio de formação óssea alveolar, característica dessa região16,22. A expressão constitutiva de VEGF pode contribuir para a homeostase do ligamento periodontal por meio da regulação da circulação sanguínea e do metabolismo ósseo23. No presente estudo, o aumento da expressão de FGF-2 durante os primeiros dias de movimentação ortodôntica experimental, em comparação com o VEGF, pode estar relacionado aos eventos celulares observados na fase inicial da resposta inflamatória do tecido, resultante da força ortodôntica aplicada ao dente. A geração de um processo inflamatório agudo, característica do movimento ortodôntico, pode ser responsável pela secreção de FGF-220,26,30. Esse fator de crescimento é considerado o mitógeno mais potente para células periodontais, e pode ser importante

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

CONCLUSÃO O presente estudo demonstrou que alterações importantes ocorrem no ligamento periodontal de ratos durante o movimento ortodôntico experimental, onde a aposição óssea no lado de tensão e a reabsorção no lado de pressão são os principais eventos. A expressão de FGF-2 e VEGF apresentou-se aumentada durante o movimento ortodôntico experimental, assim como variou ao longo do tempo, estando esse fato relacionado com os processos de remodelação do ligamento periodontal. Os níveis de FGF-2 foram mais elevados do que os de VEGF durante os primeiros dias de movimentação ortodôntica, o que sugere um maior envolvimento dessa molécula na remodelação desse tecido. Além disso, a expressão desses fatores de crescimento a níveis basais nas áreas de controle do ligamento periodontal sugere uma produção constitutiva dessas moléculas pelas células nele presentes.

73

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):67-74


artigo inédito

Imunolocalização de FGF-2 e VEGF no ligamento periodontal de ratos submetidos à movimentação ortodôntica experimental

Referências

1.

Aldridge SE, Lennard TW, Williams JR, Birch MA. Vascular endothelial

22. Liang Y, Zhou Y, Jiang T, Zhang Z, Wang S, Wang Y. Expression of LIF and

growth factor receptors in osteoclast differentiation and function.

LIFR in periodontal tissue during orthodontic tooth movement. Angle

Biochem Biophys Res Commun. 2005;335(3):793-8. 2.

Orthod. 2011;81(4):600-8.

Anastasi G, Cordasco G, Matarese G, Rizzo G, Nucera R, Mazza M, et al.

23. Miyagawa A, Chiba M, Hayashi H, Igarashi K. Compressive forces induces

An immunohistochemical, histological, and electron-microscopic study

VEGF production in periodontal tissues. J Dent Res. 2009;88(8):752-6.

of the human periodontal ligament during orthodontic treatment. Int J

24. Murakami S, Takayama S, Ikesawa K, Shimabukuro Y, Kitamura M, Nozaki

Molec Med. 2008;21(5):545-54. 3.

T, et al. Regeneration of periodontal tissues by basic fibroblast growth

Baffour R, Berman J, Garb JL, Rhee SW, Kaufman J, Friedmann

factor. J Periodontal Res. 1999;34(7):425-30.

P. Enhanced angiogenesis and growth of collaterals by in vivo

25. Nakanishi H, Seki Y, Kohno T, Muramoto T, Toda K, Soma K. Changes in

administration of recombinant basic fibroblast growth factor in a rabbit

response properties of periodontal mechanoreceptors after experimental

model of acute lower limb ischemia: dose-response effect of basic

orthodontic tooth movement in rats. Angle Orthod. 2004;74(1):93-9.

fibroblast growth factor. J Vasc Surg. 1992;16(2):181-91. 4. 5.

26. Perinetti G, Paolantonio M, D’Attilio M, D’Archivio D, Tripodi D,

Carmeliet P, Collen D. Molecular analysis of blood vessel formation and

Femminella B, et al. Alkaline phosphatase activity in gingival crevicular

disease. Am J Physiol. 1997;273(5 Pt 2):H2091-104.

fluid during human orthodontic tooth movement. Am J Orthod

Clarke MSF, Caldewell RW, Chiao H, Miyake K, McNeil PL. Contraction-

Dentofacial Ortop. 2002;122(5):548-56.

induced cell wounding and release of fibroblast growth factor in heart.

27. Reitan K, Kvam E. Comparative behavior of human and animal tissue

Circ Res. 1995;76(6):927-34. 6.

during experimental tooth movement. Angle Orthod. 1971;41(1):1-14.

Davidovitch Z, Nicolay OF, Ngan PW, Shanfeld JL. Neurotransmitters,

28. Ren Y, Vissink A. Cytokines in crevicular fluid and orthodontic tooth

cytokines, and the control of alveolar bone remodeling in orthodontics.

movement. Eur J Oral Sci. 2008;116(2):89-97.

Dent Clin North Am. 1988;32(3):411-35. 7.

29. Rygh P. Elimination of hyalinized periodontal tissues associated with

Davidovitch Z. Tooth movement. Crit Rev Oral Biol Med. 1991;2(4):411-

orthodontic tooth movement. Scand J Dent Res. 1974;82(1):57-73.

50. 8.

30. Schulze-Osthoff K, Risau W, Vollmer E, Sorg C. In situ detection of

Ferrara N. Molecular and biological properties of vascular endothelial

fibroblast growth factor by highly specific antibodies. Am J Pathol.

growth factor. J Mol Med. 1999;77(7):527-43. 9.

1990;137(1):85-92.

Ferrara N. Vascular endothelial growth factor. Arterioscler Thromb Vasc

31. Shimazu A, Morishita M. Basic fibroblast growth factor induces the

Biol. 2009;29(6):789-91.

expression of matrix metalloproteinase-3 in human periodontal ligament

10. Ferrara N, Gerber HP, Lecouter J. The biology of VEGF and its receptors.

cells through the MEK2 mitogen-activated protein kinase pathway. J Periodontal Res. 2003;38(2):122-9.

Nat Med. 2003;9(6):669-76.

32. Shirazi M, Nilforoushan D, Alghasi H, Dehpour AR. The role of nitric oxide

11. Heller IJ, Nanda R. Effect of metabolic alteration of periodontal fibers on orthodontic tooth movement. An experimental study. Am J Orthod.

in orthodontic tooth movement in rats. Angle Orthod. 2002;72(3):211-5.

1979;75(3):239-58.

33. Tang MP, Sims MR, Sampson WJ, Dreyer CW. Evidence for endothelial

12. Henneman S, Von Den Hoff JW, Maltha JC. Mechanobiology of tooth

junctions acting as a fluid flux pathway in tensioned periodontal ligament. Archs Oral Biol. 1993;38(3):273-6.

movement. Eur J Orthod. 2008;30(3):299-306.

34. Terranova VP, Odziemiec C, Tweden KS, Spadone DP. Repopulation of

13. Iwaniec UTL, Mosekilde L, Mitova-Caneva NG, Thomsen JS, Wronski TJ. Sequential treatment with basic fibroblast growth factor and PTH is more

dentin surfaces by periodontal ligament cells and endothelial cells. Effect

efficacious than treatment with PTH alone for increasing vertebral bone

of basic fibroblast growth factor. J Periodontol. 1989;60(6):293-301.

mass and strength in osteopenic ovariectomized rats. Endocrinology.

35. Toms SR, Lemons JE, Bartolucci AA, Eberhardt AW. Nonlinear stress-

2002;143(7):2515-26.

strain behavior of periodontal ligament under orthodontic loading. Am J

14. Kaku M, Kohno S, Kawata T, Fujita T, Tokimasa C, Tsutsui K, et al. Effects

Orthod Dentofacial Orthop. 2002;122(2):174-9.

of vascular endothelial growth factor on osteoclast induction during

36. Vandevska-Radunovic V. Neural modulation of inflammatory reactions in

tooth movement on mice. J Dent Res. 2001;80(10):1880-83.

dental tissues incident to orthodontic tooth movement. A review of the

15. Karami E. Fibroblast growth factor-2 and cardioprotection. Heart Fail Rev.

literature. Eur J Orthod. 1999;21(3):231-47. 37. Vandevska-Radunovic V, Kristiansen AB, Heyeraas KJ, Kvinnsland S.

2007;12(3-4):267-77. 16. Kohno S, Kaku M, Tsutsui K, Motokawa M, Ohtani J, Tenjo K, et al.

Changes in blood circulation in teeth and supporting tissues incident to

Expression of vascular endothelial growth factor and the effects on

experimental tooth movement. Eur J Orthod. 1994;16(5):361-9.

bone remodeling during experimental tooth movement. J Dent Res.

38. Von Böhl M, Kuijpers-Jagtman AM. Hyalinization during orthodontic

2003;82(3):177-82.

tooth movement: a systematic review on tissue directions. Eur J Orthod.

17. Krishnan V, Davidovitch Z. Cellular, molecular, and tissue-level

2009;31(1):30-6.

reactions to orthodontic force. Am J Orthod Dentofacial Orthop.

39. Von Böhl M, Maltha J, Von Den Hoff H, Kuijpers-Jagtman AM. Changes

2006;129(4):469.e1-32.

in the periodontal ligament after experimental tooth movement

18. Krishnan V, Davidovitch Z. On a path to unfolding the biological

using high and low continuous forces in beagle dogs. Angle Orthod.

mechanisms of orthodontic tooth movement. J Dent Res.

2004;74(1):16-25. 40. Von Böhl M, Maltha JC, Von Den Hoff JW, Kuijpers-Jagtman AM. Focal

2009;88(7):597-608. 19. Lane NE, Kumer J, Yao W, Breunig T, Wronski T, Modin G, et al. Basic

hyalinization during experimental tooth movement in beagle dogs. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2004;125(5):615-23.

fibroblast growth factor forms new trabeculae that physically connect

41. Wang Y, Wan C, Deng L, Liu W, Cao X, Gilbert SR, et al. The hypoxia-

with pre-existing trabeculae, and this new bone is maintained with an anti-resorptive agent and enhanced with an anabolic agent in an

inducible factor alpha pathway couples angiogenesis to osteogenesis

osteopenic rat model. Osteoporos Int. 2003;14(5):374-82.

during skeletal development. J Clin Invest. 2007;117(6):1616-26.

20. Lara VS, Figueiredo F, Silva TA, Cunha FQ. Dentin-induced in vivo

42. Yamaguchi M, Kojima T, Kanekawa M, Aihara N, Nogimura A, Kasai K.

inflammatory response and in vitro activation of murine macrophages. J

Neuropeptides stimulate production of interleukin-1 beta, interleukin-6,

Dent Res. 2003;82(6):460-5.

and tumor necrosis factor-alpha in human dental pulp cells. Inflamm Res.

21. Lew K, Sims MR, Leppard PI. Tooth extrusion effects on microvessel

2004;53(5):199-204.

volumes, endothelial areas, and fenestrae in molar apical periodontal ligament. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1989;96(3):221-31.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

74

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):67-74


artigo inédito

Alterações no relacionamento esquelético e dentário da má oclusão de Classe II, divisão 1, após expansão rápida da maxila: um estudo prospectivo Carolina Baratieri1, Matheus Alves Jr2, Ana Maria Bolognese3, Matilde C. G. Nojima4, Lincoln I. Nojima5

DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.075-081.oar

Objetivo: avaliar, por meio de imagens de tomografia computadorizada de feixe cônico (TCFC), as mudanças esqueléticas e dentárias, imediatas e após 6 meses de contenção, causadas pela expansão rápida da maxila (ERM) em pacientes com má oclusão de Classe II, divisão 1. Métodos: dezessete crianças com má oclusão de Classe II, divisão 1, e deficiência transversal da maxila, foram submetidas a ERM, de acordo com o protocolo proposto por Haas. TCFC foram realizadas antes da ERM (T1), imediatamente após a fase ativa (T2) e após 6 meses de contenção (T3). Alterações anteroposteriores (SNA, SNB, ANB, overjet e RM) e verticais (N-ANS, ANS-Me, N-Me e overbite) foram analisadas. Resultados: imediatamente após a ERM, enquanto a maxila se deslocou para frente, a mandíbula se movimentou para frente e para baixo, aumentando o overjet e diminuindo o overbite. Durante o período de contenção, a maxila retornou para posterior e a mandíbula deslocou em direção anterior, aumentando a altura facial anterior. Conclusão: a realização da ERM permitiu que a mandíbula se posicionasse mais anteriormente do que inferior durante o período de contenção, melhorando a relação molar de Classe II em 75% dos pacientes avaliados. Palavras-chave: Expansão palatal. Má oclusão Classe II de Angle. Estudo clínico.

» Os pacientes que aparecem no presente artigo autorizaram previamente a publicação de suas fotografias faciais e intrabucais.

Como citar este artigo: Baratieri C, Alves Jr M, Bolognese AM, Nojima MCG, Nojima LI. Changes in skeletal and dental relationship in Class II Division I malocclusion after rapid maxillary expansion: a prospective study. Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):75-81. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/21769451.19.3.075-081.oar

Professora de Ortodontia, Universidade Federal de Santa Catarina. Doutorando em Ortodontia, Universidade Federal do Rio de Janeiro. 3 Professora Titular de Ortodontia, Universidade Federal do Rio de Janeiro. 4 Professora de Ortodontia, Universidade Federal do Rio de Janeiro. 5 Professor de Ortodontia, Universidade Federal do Rio de Janeiro. 1 2

Enviado em: 29 de janeiro de 2013 - Revisado e aceito: 05 de abril de 2013 » Os autores declaram não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros, que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo. Endereço para correspondência: Lincoln Issamu Nojima Avenida Professor Rodolpho Paulo Rocco, 325 – Ilha do Fundão Rio de Janeiro/RJ – CEP: 21941-617 – E-mail: linojima@gmail.com

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

75

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):75-81


artigo inédito

Alterações no relacionamento esquelético e dentário da má oclusão de Classe II, divisão 1, após expansão rápida da maxila: um estudo prospectivo

diferentes respostas à mesma terapia. Alterações verticais, resultantes tanto da ERM ou do crescimento, podem limitar mudanças horizontais mandibulares e impedir o posicionamento anterior do mento28. O controle maxilar vertical durante a fase ativa e o período de contenção poderiam permitir maior reposicionamento anterior da mandíbula. O número de pacientes incluídos no presente estudo, embora suficiente para detectar mudanças estatisticamente significativas, provavelmente é insuficiente para generalizar os resultados para todas más oclusões de Classe II. Uma deficiência do presente estudo foi a falta de um grupo controle, porém, por razões éticas, não é possível diagnosticar a presença de deficiência transversal da maxila e não intervir. O uso rotineiro da TCFC não é recomendado para os procedimentos ortodônticos, já que imagens convencionais liberam menores taxas de radiação ao paciente. Contudo, alguns pacientes ortodônticos também necessitam de imagens da região temporomandibular, cefalométricas frontal e lateral, panorâmica, radiografias periapicais, oclusal ou bite-wing. Deve-se, então, considerar que a dose efetiva relacionada ao exame bucal radiográfico completo, como descrito por Gibbs8, somada às doses efetivas das radiografias panorâmica, cefalométrica lateral e periapical, seria semelhante, se não maior, do que a de uma TCFC (sem permitir, contudo, uma avaliação 3D). O presente estudo utilizou imagens de TCFC devido à avaliação em 3D também ter sido realizada para outras análises, sendo que alguns dados já foram publicados anteriormente10,11.

esqueléticas e dentárias. Isso foi comprovado pela diminuição do overjet, aumento do overbite e melhora da RM. No final do período de avaliação, as mudanças esqueléticas sagitais não foram significativamente diferentes quando comparadas aos dados iniciais, exceto para a dimensão vertical. Contudo, a relação de Classe II melhorou significativamente em 75% dos pacientes. Estudos avaliando a má oclusão de Classe  II em pacientes não tratados determinaram que os padrões esqueléticos e dentários não se autocorrigem3,18, mas que até pioram19. Wending et al.20 observaram que alguns pacientes obtiveram uma correção espontânea da Classe  II após a ERM, durante o período de contenção (6 a 12 meses), em casos de Classe  II moderada. Recentemente, McNamara et al.21 observaram grande melhora (1,8mm) na RM depois da terapia de ERM em 81% dos casos dos pacientes Classe II, quando comparados aos pacientes controle não tratados (0,3mm). Não foram observadas mudanças estatisticamente significativas nas dimensões verticais imediatamente após a ERM. Isso difere de estudos anteriores, que utilizaram imagens cefalométricas5,22-25 e que relataram deslocamento inferior da maxila. Contudo, após o período de contenção, aumento significativo na altura facial anterossuperior foi observado em 81,25% dos pacientes examinados no presente estudo (N-ENA aumentou 1,06mm). Em contraste à fase ativa da ERM, o período de contenção é maior e crescimento vertical da maxila provavelmente ocorreu durante esse período26,27. É esperado que pacientes não tratados, de 9 anos de idade, tenham crescimento vertical da maxila de 1,5mm por ano, para meninos, e de 1,2mm, para meninas26. McNamara et al.21 observaram aumento na altura facial de 3,4mm no grupo submetido a ERM e de 4,2mm no grupo controle, durante um período de observação de 3,7 anos. Apesar do presente estudo avaliar somente pacientes com má oclusão de Classe II, divisão 1, a severidade da má oclusão não foi considerada (Tab. 2). A grande variabilidade do envolvimento esquelético pode precipitar

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

CONCLUSÃO A utilização do aparelho expansor de Haas em pacientes com má oclusão de Classe II permitiu que a mandíbula se posicionasse significativamente mais anterior do que inferior durante o período de contenção, melhorando a relação molar de Classe II em 75% dos pacientes avaliados.

80

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):75-81


artigo inédito

Baratieri C, Alves Jr M, Bolognese AM, Nojima MCG, Nojima LI

Referências

1.

Angle EH. Treatment of malocclusion of the teeth. Philadelphia: SS White;

15. Lagravere MO, Major PW, Flores-Mir C. Long-term dental arch changes

1899. 2.

after rapid maxillary expansion treatment: a systematic review. Angle

Tollaro I, Baccetti T, Franchi L, Tanasescu CD. Role of posterior

Orthod. 2005;75(2):155-61.

transverse interarch discrepancy in Class II, Division 1 malocclusion

16. Lagravere MO, Major PW, Flores-Mir C. Long-term skeletal changes with rapid maxillary expansion: a systematic review. Angle Orthod.

during the mixed dentition phase. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1996;110(4):417-22. 3.

2005;75(6):1046-52.

Baccetti T, Franchi L, McNamara JA Jr, Tollaro I. Early dentofacial features

17. Wertz R. Skeletal and dental changes accompanying rapid midpalatal

of Class II malocclusion: a longitudinal study from the deciduous through

suture opening. Am J Orthod. 1970;58(1):41-66.

the mixed dentition. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1997;111(5):502-9. 4.

18. You Z-H, Fishman LS, Rosenblum RE, Subtelny JD. Dentoalveolar

Haas AJ. Long-term posttreatment evaluation of rapid palatal expansion.

changes related to mandibular forward growth in untreated Class II

Angle Orthod. 1980;50(3):189-217. 5.

persons. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2001;120(6):598-607.

Silva Filho OG, Boas CV, Capelozza LFO. Rapid maxillary expansion in the

19. Fröhlich FJ. Changes in untreated Class II type malocclusions. Angle

primary and mixed dentitions: a cephalometric evaluation. Am J Orthod

Orthod. 1962;32(3):167-79.

Dentofacial Orthop. 1991;100(2):171-9. 6.

20. Wendling LK, McNamara JA, Franchi L, Baccetti T. A prospective study

Lima Filho RMA, Lima AC, Ruellas ACO. Spontaneous correction of

of the short-term treatment effects of the acrylic-splint rapid maxillary

Class II malocclusion after rapid palatal expansion. Angle Orthod.

expander combined with the lower Schwarz Appliance. Angle Orthod.

2003;73(6):745-52. 7.

2004;75(1):7-14.

Silva MAG, Wolf U, Heinicke F, Bumann A, Visser H, Hirsch E. Cone-

21. McNamara JA, Sigler LM, Franchi L, Guest SS, Baccetti T. Changes in

beam computed tomography for routine orthodontic treatment

Occlusal Relationships in mixed dentition patients treated with rapid

planning: a radiation dose evaluation. Am J Orthod Dentofacial Orthop.

maxillary expansion. Angle Orthod. 2010;80(2):230-8.

2008;133(5):640.e1-5. 8.

22. Haas AJ. Rapid expansion of the maxillary dental arch and nasal cavity by opening the midpalatal suture. Angle Orthod. 1961;31(2):73-90.

Gibbs SJ. Effective dose equivalent and effective dose: comparison for

23. Akkaya S, Lorenzon S, Üçem TTA. A comparison of sagittal and vertical

common projections in oral and maxillofacial radiology. Oral Surg Oral

effects between bonded rapid and slow maxillary expansion procedures.

Med Oral Pathol Oral Radiol Endod. 2000;90(4):538-45. 9.

Eur J Orthod. 1999;21(2):175-80.

Ricketts RM. Perspectives in the clinical application of cephalometrics. Angle Orthod. 1981;51(2):115-50.

24. Chung C-H, Font B. Skeletal and dental changes in the sagittal, vertical,

10. Baratieri C, Nojima LI, Alves Jr M, Souza MMGd, Nojima MG. Transverse

and transverse dimensions after rapid palatal expansion. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2004;126(5):569-75.

effects of rapid maxillary expansion in Class II malocclusion patients:

25. Akkaya S, Lorenzon S, Üçem TTA. A comparison of sagittal and vertical

a cone-beam computed tomography study. Dental Press J Orthod. 2010;15(5):89-97.

effects between bonded rapid and slow maxillary expansion procedures.

11. Baratieri C, Alves Jr M, Sant’Anna EF, Nojima MdCG, Nojima LI. 3D

Eur J Orthod. 1999;21(2):175-80. 26. Riolo ML, Moyers RE, McNamara JA, Hunter W. An atlas of craniofacial

Mandibular positioning after rapid maxillary expansion in Class II malocclusion Braz Dent J. 2011;22(5):428-34.

growth -Cephalometric standards from the University School Growth

12. Haas AJ. The treatment of maxillary deficiency by opening the midpalatal

Study. Michigan: University of Michigan-Monograph Craniofacial Series;

suture. Angle Orthod. 1965;35(3):200-17.

1974.

13. Lagravére MO, Heo G, Major PW, Flores-Mir C. Meta-analysis of

27. Wendling LK, McNamara JA, Franchi L, Baccetti T. A Prospective study

immediate changes with rapid maxxillary expansion treatment. J Am

of the short-term treatment effects of the acrylic-splint rapid maxillary

Dent Assoc. 2006;137(1):44-53.

expander combined with the lower Schwarz Appliance. Angle Orthod.

14. Baratieri C, Alves Jr M, Souza MMG, Araújo MTS, Maia LC. Does rapid

2005;75(1):7-14.

maxillary expansion have long-term effects on airway dimensions and

28. Schudy FF. Vertical growth versus anteroposterior growth as related to

breathing? Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2011;140(2):146-56.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

function and treatment. Angle Orthod. 1964;34(2):75-93.

81

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):75-81


artigo inédito

Estudo comparativo do atrito entre braquetes autoligáveis interativos metálicos e convencionais em diferentes condições de alinhamento Sérgio Ricardo Jakob1, Davison Matheus2, Maria Cristina Jimenez-Pellegrin3, Cecília Pedroso Turssi4, Flávia Lucisano Botelho do Amaral5

DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.082-089.oar

Objetivo: o objetivo desse trabalho in vitro foi comparar o atrito entre três modelos de braquetes: Ovation (convencional, aço inoxidável); In-Ovation C (autoligável, cerâmico) e In-Ovation R (autoligável, aço inoxidável), todos do mesmo fabricante (Dentsply GAC). Métodos: para cada modelo, foram utilizados cinco braquetes, colados a um protótipo de alumínio, que permitiu a simulação de quatro situações (n = 10), sendo uma delas sem desalinhamento (com utilização de fio retangular de aço inoxidável, com espessuras de 0,019" x 0,025") e outras três com desalinhamento, sendo um horizontal, um vertical e outro simultaneamente combinando ambos (com utilização de fio de níquel-titânio com espessura de 0,016"). O atrito foi mensurado por uma máquina universal de ensaios. Resultados: os resultados obtidos foram submetidos ao teste de Análise de Variância, complementado pelo teste de comparações múltiplas de Tukey (α = 0,05). Foi observada interação significativa entre os grupos (p < 0,01). Para os ensaios que simularam a fase inicial de alinhamento, realizada com fios de NiTi, o braquete Ovation foi o que produziu o maior atrito, e os dois modelos autoligáveis produziram resultados menores e semelhantes, exceto para o ensaio de desalinhamento horizontal, onde o In-Ovation C apresentou atrito menor do que o similar metálico In-Ovation R. Na fase em que o fechamento de espaço foi simulado, os mesmos resultados foram observados. Conclusão: pode-se concluir que o sistema de autoligável mostrou-se superior ao convencional, com elastômeros, por produzir menor atrito. Quanto ao material utilizado na confecção dos braquetes, o modelo cerâmico In-Ovation C apresentou menor atrito que os metálicos. Palavras-chave: Braquetes ortodônticos. Atrito. Estética.

Como citar este artigo: Jakob SR, Matheus D, Jimenez-Pellegrin MC, Turssi CP, Amaral FLB. Comparative study of friction between metallic and conventional interactive self-ligating brackets in different alignment conditions. Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):82-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/21769451.19.3.082-089.oar

Doutor em Ortodontia, SLMandic. 2 DDS, MS, Departamento de Ortodontia, Instituto e Centro de Pesquisas Odontológicas São Leopoldo Mandic, Campinas, SP, Brasil. 3 Doutora em Ortodontia, USP. Professora Assistente, SLMandic. 4 Pós-doutora em Dentística, USP. Professora Assistente, SLMandic. 5 Doutora em Clínica Odontológica, SLMandic. Professora, SLMandic. 1

» Os autores declaram não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros, que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo.

Enviado em: 14 de fevereiro de 2013 - Revisado e aceito: 16 de agosto de 2013

Endereço para correspondência: Flávia Lucisano Botelho do Amaral Instituto e Centro de Pesquisas Odontológicas São Leopoldo Mandic Rua José Rocha Junqueira, 13 – Swift – Campinas/SP CEP: 13045-755 – Email: flbamaral@gmail.com

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

82

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):82-9


artigo inédito

Estudo comparativo do atrito entre braquetes autoligáveis interativos metálicos e convencionais em diferentes condições de alinhamento

do atrito quando da utilização do fio com espessura de 0,019" x 0,025", provavelmente porque não há folga do fio no interior da canaleta, como ocorreu com o fio de espessura de 0,016", o que mantém o atrito em valores similares ao In-Ovation R. Dessa forma, pode-se evidenciar que tanto o sistema de ligação escolhido quanto sua composição podem ter influência decisiva na movimentação dentária, seja nos movimentos horizontais ou verticais, comumente presentes no início do tratamento, no desalinhamento dentário, nas etapas de fechamento de espaços e durante a mecânica de deslizamento, uma vez que esses fatores apresentam interferência direta no atrito produzido.

recebe um banho de ródio34, a fim de proporcionar uma melhora estética, pois esse processo retira o brilho metálico característico, deixando-o opaco. De acordo com as instruções do fabricante, o banho de ródio aumenta a rigidez da liga de cobalto-cromo do clipe, devido à característica própria dessa liga quando submetida ao tratamento térmico. Devido a esse aumento de rigidez, especula-se a ocorrência de uma menor deflexão do clipe pelo fio. Assim, no desalinhamento horizontal, o fio de espessura de 0,016", por não defletir tanto o clipe, fica mais livre no interior da canaleta, diminuindo consideravelmente o atrito em comparação ao teste com o In-Ovation R. Voudouris et  al.23 demonstraram que o menor atrito promovido pelo In-Ovation C pode ser atribuído pelo fato desse braquete ser confeccionado pelo sistema CIM (ceramic-injection-molded), o que lhe confere um slot mais liso, com aspecto vítreo. Heo e Baek35 observaram que o clipe do braquete In-Ovation C tem um formato mais curvo. Assim, as forças atuantes nesse braquete são mais baixas, gerando menor fricção. Todas essas hipóteses necessitam ser esclarecidas. É importante frisar que o atrito do desalinhamento vertical não sofreu grande alteração no In-Ovation  C pelo enrijecimento do clipe. Outro resultado interessante também pode ser observado no alinhamento dos braquetes do protótipo. Observa-se significativo aumento

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

Conclusão Pode-se concluir que: » O sistema de braquetes autoligáveis, representados no presente trabalho pelos modelos In-Ovation R e In-Ovation C, mostrou menor atrito em todos os níveis de alinhamento testados, em comparação com o sistema convencional, representado pelo braquete Ovation. » Entre os autoligáveis, o atrito foi semelhante entre os braquetes cerâmicos e metálicos, exceto nos desalinhamentos horizontal e horizontal/vertical simultâneos, nos quais o modelo cerâmico mostrou atrito significativamente menor.

88

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):82-9


artigo inédito

Jakob SR, Matheus D, Jimenez-Pellegrin MC, Turssi CP, Amaral FLB

Referências

1.

Berger J, Byloff FK. The clinical efficiency of self-ligated brackets. J Clin

19. Omana HM, Moore RM, Bagby MD. Frictional properties of metal and

Orthod. 2001;35(5):304-8. 2.

ceramic brackets. J Clin Orthod. 1992;26(7):425-32.

Gandini P, Orsi L, Bertoncini C, Massironi S, Franchi L. In vitro frictional

20. Pratten DH, Popli K, Germane N, Gunsolley JC. Frictional resistance

forces generated by three different ligation methods. Angle Orthod.

of ceramic and stainless steel orthodontic brackets. Am J Orthod

2008;78(5):917-21.

Dentofacial Orthop.1990;98(5):398-403.

3.

Harradine NW. Self-ligating brackets and treatment efficiency. Clin

21. Franchi L, Baccetti T, Camporesi M, Giuntini V. Forces released

Orthod Res. 2001;4(4):220-7.

by nonconventional bracket or ligature systems during alignment

4.

Harradine NW. Self-ligating brackets: Where are we now? J Orthod.

of buccally displaced teeth. Am J Orthod Dentofacial Orthop.

2003;30(3):262-73. 5.

2009;136(3):316.e1-6.

Budd S, Daskalogiannakis J, Tompson D. A study of the fricctional

22. Reznikov N, Har-Zion G, Barkana I, Abed Y, Redlich M. Measurement of

characteristics of four commercially available self-ligating bracket

friction forces between stainless steel wires and “reduced-friction” self-

systems. Eur J Orthod. 2008;30(6):645-53. 6.

ligating brackets. J Orthod Dentofacial Orthop. 2010;138(3):330-8.

Kusy RP, Whitley JQ. Frictional resistances of metal-lined ceramic

23. Voudouris JC, Schismenos C, Lackovic K, Kuftinec MM. Self-ligation

brackets versus conventional stainless steel brackets and development of

esthetic brackets with low frictional resistance. Angle Orthod.

3-d friction maps. Angle Orthod. 2001;71(5):364-74. 7.

2010;80(1):188-94.

Cacciafesta V, Sfondrini MF, Ricciardi A, Scribante A, Klersy C, Auricchio F.

24. Kahlon S, Rinchuse D, Robison JM, Close JM. In-vitro evaluation of

Evaluation of friction of stainless steel and esthetic self-ligating brackets

frictional resistance with 5 ligation methods and Gianelly-type working

in various bracket-archwire combination. Am J Orthod Dentofacial

wires. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2010;138(1):67-71.

Orthop. 2003;124(4):395-402. 8.

25. Reicheneder CA, Gedrange T, Berrisch S, Proff P, Baumert U, Faltermeier

Henao SP, Kusy RP. Frictional evaluations of dental typodont modelos

P, et al. Conventionally ligated versus self-ligating metal brackets – a

using four self-ligating designs and a conventional design. Angle Orthod.

comparative study. Eur J Orthod. 2008;30(6):654-60.

2005;75(1):75-85. 9.

26. Tecco S, Di Lorio D, Cordasco G, Verrocchi I, Festa F. An in vitro

Kim TK, Kim KD, Baek SH. Comparison of frictional forces during the

investigation of the influence of self-ligating brackets, low friction

initial leveling stage in various combinations of self-ligating brackets

ligatures, and archwire on frictional resistance. Eur J Orthod.

and archwires with a custom-designed typodont system. Am J Orthod

2007;29(4):390-7.

Dentofacial Orthop. 2008;133(2):187.e15-24.

27. Bazakidou E, Nanda RS, Duncanson MG Jr, Sinha PS. Evaluation of

10. Krishnan M, Kalathil S, Abraham KM. Comparative evaluation of frictional

frictional resistance in esthetic brackets. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1997;112(2):138-44.

forces in active and passive self-ligating brackets with various archwire

28. Reicheneder CA, Baumert U, Gedrange T, Proff P, Faltermeier A,

alloys. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2009;136(5):675-82. 11. Pizzoni L, Ravnholt G, Melsen B. Frictional forces related to self-ligating

Muessig D. Frictional properties of aesthetic brackets. Eur J Orthod. 2007;29(4):359-65.

brackets. Eur J Orthod.1998;20(3):283-91.

29. Kapur R, Sinha PK, Nanda RS. Frictional resistance in orthodontic brackets

12. Sims AP, Waters NE, Birnie DJ. A comparison of the forces required to produce tooth movement in vitro using two self-ligating brackets and

with repeated use. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1999;116(4):400-4.

a pre-adjusted bracket employing two types of ligation. Eur J Orthod.

30. Hain M, Dhopaktar A, Rock P. The effect of ligation method on friction in

1993;15(5):377-85.

sliding mechanics. Am J Orthod Dentofacial. 2003;123(4):416-22.

13. Tecco S, Festa F, Caputti S, Traini T, Di Lorio D, D’attilio M. Friction of

31. Thorstenson GA, Kusy RP. Effects of ligation type and method on the

conventional and self-ligating brackets using a 10 bracket model. Angle

resistance to sliding of novel orthodontic brackets with second-order

Orthod. 2005;75(6):1041-5.

angulation in the dry and wet states. Angle Orthod. 2003;73(4):418-30.

14. Thomas S, Sherriff M, Birnie D. A comparative in vitro study of the

32. Edwards GD, Davies EH, Jones SP. The ex vivo effect of ligation

frictional characteristics of two types of self-ligated brackets and two

technique on the static frictional resistance of stainless steel brackets and

types of pre-adjusted edgewise brackets tied with elastomeric ligatures.

archwires. Br J Orthod. 1995;22(2):145-53.

Eur J Orthod.1998;20(5):589-96.

33. Hain M, Dhopaktar A, Rock P. A comparison of different ligation methods

15. Thorstenson GA, Kusy RP. Resistance to sliding of self-ligating brackets

on friction. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2006;130(5):666-70.

versus conventional stainless steel twin brackets with second-order

34. Stefanos S, Secchi AG, Coby G, Tanna N, Mante FK. Friction between

angulation in the dry and wet (saliva) states. Am J Orthod Dentofacial

various self-ligating brackets and archwire couples during sliding

Orthop. 2001;120(4):361-70.

mechanics. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2010;138(4):463-7.

16. Yeh C, Kusnoto B, Viana G, Evans CA, Drummond JL. In-vitro evaluation

35. Heo W, Baek SH. Friction properties according to vertical and horizontal

of frictional resistance between brackets with passive-ligation designs.

tooth displacement and bracket type during initial leveling and alignment.

Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2007;131(6):704.e11-22.

Angle Orthod. 2011;81(4):653-61.

17. Ogata RH, Nanda RS, Duncanson MG, Sinha PK, Currier GF. Frictional

36. Burrow SJ. Friction and resistance to sliding in orthodontics: a critical

resistances in stainless steel bracket-wire combinations effects of vertical

review. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2009;135(4):442-7.

deflections. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1996;109(5):535-42. 18. Kusy RP, Whitley JQ, Prewitt MJ. Comparison of the frictional coefficients for selected archwire-bracket slot combinations in the dry and wet states. Angle Orthod. 1991;61(4):293-302.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

89

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):82-9


artigo inédito

Torques de inserção versus resistência mecânica de mini-implantes inseridos em corticais de diferentes espessuras Renata de Faria Santos1, Antonio Carlos de Oliveira Ruellas2, Daniel Jogaib Fernandes3, Carlos Nelson Elias4

DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.090-094.oar

Objetivos: os objetivos foram determinar os torques de inserção, a resistência mecânica à fratura da ponta e do perfil transmucoso de mini-implantes (MI) de uma marca comercial (Conexão Sistemas de Prótese), e analisar sua morfologia de superfície. Métodos: foram realizados testes mecânicos para medir o torque de inserção dos MI em corticais de diferentes espessuras, também foi avaliada a resistência à fratura da ponta e do perfil transmucoso. Antes e após os ensaios mecânicos, foi avaliada a superfície dos MI no microscópio eletrônico de varredura (MEV). Resultados: os valores de resistência à fratura dos MI (22,14N.cm2 e 54,95N.cm2) foram maiores e estatisticamente diferentes (p < 0,05) dos torques de inserção nas corticais de 1mm (7,60N.cm2) e de 2mm (13,27N.cm2). Entretanto, o valor do torque de inserção na cortical de 3mm (16,11N.cm2) e no osso denso (23,95N.cm2) foi estatisticamente semelhante (p > 0,05) ao torque de fratura da ponta do MI (22,14N.cm2). O torque de fratura do perfil transmucoso (54,95N.cm2) foi maior e estatisticamente diferente (p < 0,05) dos torques de inserção em qualquer uma das situações testadas. A análise em MEV mostrou que os MI, como recebidos e após os testes mecânicos, possuem superfícies lisas e sem marcas significativas oriundas do processo de fabricação. Conclusão: os MI avaliados apresentaram adequada morfologia da superfície. A resistência do MI foi compatível com a instalação em corticais de 1 e 2mm, porém, em cortical de 3mm e em ossos densos recomenda-se prévia perfuração com broca. Palavras-chave: Torque. Procedimentos de ancoragem ortodôntica. Materiais biomédicos e odontológicos.

Como citar este artigo: Santos RF, Ruellas ACO, Fernandes DJ, Elias CN. Insertion torque versus mechanical resistance of mini- implants inserted in different cortical thickness. Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):90-4. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.090-094.oar

Mestranda em Ortodontia, UFRJ. Doutor em Odontologia e Professor Associado de Ortodontia, UFRJ. 3 Doutorando em Ciência dos Materiais, IME. 4 Doutor e Professor Adjunto de Ciência dos Materiais, IME. 1 2

» Os autores declaram não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros, que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo. Endereço para correspondência: Antônio Carlos de Oliveira Ruellas Faculdade de Odontologia - Rua Prof Rodolpho Paulo Rocco, 325 Cidade Universitária. Rio de Janeiro, RJ. Cep: 21.941-617 E-mail: antonioruellas@yahoo.com.br

Enviado em: 10 de março de 2013 Revisado e aceito: 10 de maio de 2013

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

90

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):90-4


artigo inédito

Torques de inserção versus resistência mecânica de mini-implantes inseridos em corticais de diferentes espessuras

da cabeça do MI) adapte-se justaposta ao tecido mole, sem provocar isquemia excessiva. O perfil transmucoso maior que a espessura do tecido mole fará com que a plataforma fique afastada desse, favorecendo acúmulo de placa bacteriana, deixando o MI em maior contato com bochecha ou lábio. Pode, também, induzir o profissional ao erro, o qual, no intuito de aproximar a plataforma do tecido mole, tentará inserir parte do perfil transmucoso no osso, aumentando excessivamente o torque de inserção e o risco de fratura. Um dos critérios para avaliar a possibilidade de aplicação da carga nos MI é por meio da estabilidade. Quanto maior a estabilidade inicial, maior é a segurança para a utilização dos MI na clínica. No presente trabalho, os valores dos torques de inserção foram maiores que os normalmente encontrados na literatura. Essa diferença pode ser associada à existência de minirroscas na região do MI que fica inserida na cortical. Os MI avaliados apresentam alteração de forma, reduzindo o passo dos filetes das roscas,

consequentemente aumentado o número de filetes e a área de contato osso-MI. O torque de remoção, embora não tenha sido avaliado, apresenta valor menor do que o de inserção. Chen et al.4 avaliaram torque de remoção de 46 MI removidos de pacientes e encontraram valores variando de 10,78 a 21,07Ncm2. Esses valores são inferiores aos dos torques de fratura dos MI avaliados no presente trabalho. Conclusão As superfícies dos mini-implantes com minirroscas apresentaram morfologia com acabamento adequado, sem sinais de deformação após inserção e remoção. A resistência à fratura do perfil transmucoso foi maior do que os valores de inserção nas diferentes situações testadas. A resistência da ponta do MI foi compatível com a instalação em corticais de 1 e 2mm, mas, na cortical de 3mm e em ossos densos, recomenda-se a prévia perfuração com broca.

Referências

1.

Papadopoulos MA, Tarawneh F. The use of miniscrew implants for

10. Mattos CT, Ruellas ACO, Elias CN. Is it possible to re-use mini-implants

temporary skeletal anchorage in orthodontics: a comprehensive review.

for orthodontic anchorage? Results of an in vitro study. Mat Res.

Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod. 2007;103(5):6-15. 2.

2010;13(4):521-5.

Barlow M, Kula K. Factors influencing efficiency of sliding mechanics

11. Mattos CT, Ruellas ACO, Sant’Anna EF. Effect of autoclaving on the

to close extraction space: a systematic review. Orthod Craniofac Res.

fracture torque of mini-implants used for orthodontic anchorage. J

2008;11(2):65-73. 3.

Orthod. 2011;38(1):15-20.

Buschang PH, Carrillo R, Ozenbaugh B, Rossouw PE. 2008 survey of AAO

12. Schwartz Z, Lohmann CH, Blau G, Blanchard CR, Soskolne AW, Liu Y, et

members on miniscrew usage. J Clin Orthod. 2008;42(9):513-8. 4.

al. Re-use of implant coverscrews changes their surface properties but

Chen CH, Chang CS, Hsieh CH, Tseng YC, Shen YS, Huang IY, et al. The

not clinical outcome. Clin Oral Implants Res. 2000;11(3):183-94. 13. Araújo TMN, Nascimento MHA, Bezerra F, Sobral MC. Ancoragem

use of microimplants in orthodontic anchorage. J Oral Maxillofac Surg. 2006;64(8):1209-13. 5.

esquelética em Ortodontia com miniimplantes. Rev Dental Press Ortod

Moon CH, Lee DG, Lee HS, Im JS, Baek SH. Factors associated with the

Ortop Facial. 2006;11(4):126-56.

success rate of orthodontic miniscrews placed in the upper and lower

14. Phiton MM, Santos RL, Elias CN, Ruellas ACO, Nojima LI. In vitro

posterior buccal region. Angle Orthod. 2008;78(1):101-6. 6.

evaluation of torsional strenght of orthodontic mini-implants. Braz J Oral

Park HS, Jeong SH, Kwon OW. Factors affecting the clinical success of

Sci. 2008;7(25):1563-5.

screw implants used as orthodontic anchorage. Am J Orthod Dentofacial

15. Lima GM, Soares MS, Penha SS, Romano MM. Comparison of the fracture

Orthop. 2006;130(1):18-25. 7.

torque of different Brazilian mini-implants. Braz Oral Res. 2011;25(2):116-

Wiechmann D, Meyer U, Buchter A. Success rate of mini- and micro-

21.

implants used for orthodontic anchorage: a prospective clinical study.

16. Nova MFP, Carvalho FR, Elias CN, Artese F. Avaliação do torque para

Clin Oral Implants Res. 2007;18(2):263-7. 8.

inserção, remoção e fratura de diferentes mini-implantes ortodônticos.

Reynders R, Ronchi L, Bipat S. Mini-implants in orthodontics: a

Rev Dental Press Ortod Ortop Facial. 2008;13(5):76-87.

systematic review of the literature. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 9.

17. Bucheter A, Wiechmann D, Koerdt S, Wiesmann H, Pifko J, Meyer U.

2009;135(5):564.e1-19.

Load related implant reaction of mini-implants used for orthodontic

Ruellas ACO, Mattos CT, Elias CN. Avaliação dos torques de inserção

anchorage. Clin Oral Implants Res. 2005;16(4):473-9.

e remoção e da resistência mecânica de novos mini-implantes ortodônticos. Ortho Sci Orthod Sci Pract. 2012;5(17):23-7.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

94

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):90-4


artigo inédito

Efeito do bochecho com clorexidina a 0,12% na redução de bactérias em aerossóis durante a profilaxia dentária em pacientes sob tratamento ortodôntico fixo Isis Rodrigues Menezes dos Santos1, Ana Cristina Azevedo Moreira2, Myrela Galvão Cardoso Costa3, Marcelo de Castellucci e Barbosa4

DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.095-101.oar

Objetivo: avaliar, in vivo, se a utilização prévia do bochecho com clorexidina a 0,12% diminui a contaminação do ar gerada pelo jato de bicarbonato de sódio durante a profilaxia dentária. O estudo foi realizado com 23 pacientes, na faixa etária entre 10 e 40 anos, escolhidos aleatoriamente, que faziam uso de aparelho ortodôntico fixo. Métodos: o estudo foi dividido em duas fases (T1 e T2), com intervalo de 30 dias entre elas. Em ambas, foi realizada profilaxia dentária com jato de bicarbonato de sódio na arcada superior e inferior, durante quatro minutos. Em T1, 10 minutos antes do procedimento, os participantes realizaram bochecho com água destilada durante um minuto, e, em T2, o bochecho foi realizado com clorexidina a 0,12%. Amostras dos microrganismos foram coletadas em placas de ágar BHI para análise microbiológica, sendo duas placas posicionadas no profissional (a 10cm da boca) e uma terceira a 15cm da boca do paciente. Após a coleta, as placas foram incubadas por 48 horas a 37°C. O resultado foi expresso em número de unidades formadoras de colônias (UFC). Resultados: após análise estatística utilizando teste t de Student, teste de Wilconxon e teste de Kruskal-Wallis, observou-se que o bochecho prévio com clorexidina a 0,12% reduziu significativamente a média de UFC nas três posições estudadas (p < 0,001). Conclusão: os resultados permitem concluir que o bochecho prévio com clorexidina a 0,12% proporcionou uma redução estatisticamente significativa na contaminação gerada por meio do jato de bicarbonato de sódio durante a profilaxia dentária na clínica ortodôntica. Palavras-chave: Propelentes de aerossol. Efeitos da contaminação do ar. Clorexidina.

» Os autores declaram não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros, que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo.

Como citar este artigo: Santos IRM, Moreira ACA, Costa MGC, Barbosa MC. Effect of 0.12% chlorhexidine in reducing microorganisms found in aerosol used for dental prophylaxis of pacients submitted to fixed orthodontic treatment. Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):95-101. DOI: http://dx.doi. org/10.1590/2176-9451.19.3.095-101.oar

Graduada em Odontologia, UFS. Mestre em Microbiologia, UFMG. Professora Adjunta de Microbiologia Oral, UFBA. 3 Doutora em Odontologia, UERJ. Professora, curso de Especialização em Ortodontia, UFBA. 4 Doutorando em Odontologia, UFBA. Professor, curso de Especialização em Ortodontia, UFBA. 1 2

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

Enviado em: 18 de março de 2013 - Revisado e aceito: 18 de agosto de 2013 Endereço para correspondência: Isis Rodrigues Menezes dos Santos Rua Permínio de Souza, 364 – Aracaju/SE CEP: 49055-530 – E-mail: isisrmsantos@yahoo.com.br

95

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):95-101


artigo inédito

Santos IRM, Moreira ACA, Costa MGC, Barbosa MC

Referências

1.

Barreto ACB, Vasconcelos CPP, Girão CMS, Negreiros MM, Rocha P, Mota

15. Morlock BJ, Pippin DJ, Cobb CM, Killoy WJ, Rapley, JW. The effect of

OML, et al. Contaminação do ambiente odontológico por aerossóis

Nd:YAG laser exposure on root surfaces when used as an adjunct to root

durante atendimento clínico com uso de ultrassom. Braz J Periodontol.

planing: An in vitro study. J Periodontol. 1992;63(1):637-41.

2011;21(2):79-84. 2.

16. Lima SNM, Verri RA. Efeitos da aplicação de bicarbonato de sódio sob

Hortense SR, Carvalho ES, Carvalho FS, Silva RPR, Bastos JRM, Bastos

pressão no tratamento básico periodontal e na remoção de placa

RS. Uso da clorexidina como agente preventivo e terapêutico na

bacteriana. Rev Paul Odont. 1984;6(1):2-10.

odontologia. Rev Odontol Univ Cidade São Paulo. 2010;22(2):178-84. 3.

17. Nuti Sobrinho A, Lima SNM, Watanabe, I. Estudo da ação do Profident

Silva AS F, Ribeiro MC, Risso M. Biossegurança em odontologia e

sobre a placa bacteriana dental através da microscopia eletrônica de

ambiente de saúde. 2. ed. rev. ampl. São Paulo: Ícone. 2009. cap. 9, p.

varredura. Rev Paul Odontol. 1985;7(2):34-9.

225-87. 4.

18. Nuti Sobrinho A, Lima SNM, Watanabe I. Estudo da ação do Profident

Gandini Júnior LG, Souza RS, Martins JCR, Sakima T, Gandini MREAS,

sobre a placa bacteriana em bandas ortodônticas através da microscopia

Controle da Infecção Cruzada em Ortodontia: Parte 1 - Hepatite B,

eletrônica de varredura. Rev Paul Odontol. 1986;8(3):10-7. 19. Bardal P, Jorge A, Santos S. Avaliação da contaminação de aventais após

Desinfecção e Aparatologia Pessoal. Rev Dental Press Ortod Ortop Maxilar. 1997;2(2):77-82. 5.

procedimento odontológico. Rev APCD. 2007;61(4):308-14.

Alves PVM, Alviano WS, Bolognese, AM, Nojima, LI. Treatment protocol to

20. Zanatta FB, Rösing CK. Clorexidina: mecanismo de ação e evidências

control Streptococcus mutans level in an orthodontic patient with high

atuais de sua eficácia no contexto do biofilme supragengival. Scientific-A.

caries risk. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2008;133(1):91-4. 6.

2007;1(2):35-44.

Toroglu MS, Bayramoglu O, Yarkin F, A Tuli. Possibility of Blood and

21. Fardin RF, Andrade IP, Xavier KBC. Nunes APF. Avaliação in vitro das

Hepatitis B Contamination Through aerosols generated during

diferentes concentrações de clorexidina no controle da placa dental

debonding procedures. Angle Orthod. 2003;73(5):571-8. 7.

bacteriana. Rev Bras Pesq Saúde. 2011;13(2):37-42.

Calabrich CFC, Barbosa MCB, Simionato MRL, Ferreira RFA. Evaluation of

22. Keijser JAM, Verkade H, Timmerman MF, Weijden FAV. Comparison of

microbial activity of orthodontic adhesive associated with chlorhexidine-

2 commercially available chlorhexidine mouthrinses. J Periodontol.

thymol varnish in bracket bonding. Dental Press J Orthod. 2010;15(4):62-

2003;74(2):214-8.

8. 8.

23. Quirynen M, Avontroodt P, Peeters W, Pauwels M, Coucke W, Van SD. Effect of different chlorhexidine formulations in mouthrinses on de novo

Bishara SE, Vonwald L, Zamtua J, Damon PL. Effects of various methods of chlorhexidine application on shear bond strength. Am J Orthod

plaque formation. J Clin Periodontol. 2001;28(1):1127-36. 24. Toroğlu MS, Haytaç MC, Köksal F. Evaluation of aerosol contamination

Dentofacial Orthop. 1998;114(1):150-3. 9.

during debonding procedures. Angle Orthod. 2001;71(4):299-306.

Câmara AC, Albuquerque MM, Aguiar CM. Irrigating Solutions used in the

25. Jorge AOC. Microbiologia bucal. São Paulo: Ed. Santos; 2007. cap. 1, p.

biomechanical preparation of root canals. Pesq Bras Odontoped Clin Integr. 2010;10(1):127-33.

1-12.

10. Rivera-hidalgo F, Barnes JB, Harrel SK. Aerosol and splatter production

26. Logothetis DD, Martinez-Welles JM. Reducing bacterial aerosol contamination with a chlorhexidine gluconate prerinse. J Am Dent

by focused spray and standard ultrasonic inserts. J Periodontol. 1999;70(5):473-7.

Assoc. 1995;126(12):1634-9. 27. Larato DC, Ruskin PF, Martin A. Effect of a dental air turbine drill on the

11. Moreira ACA, Cruz JFW. Efetividade da clorexidina incorporada a hidrocolóide irreversível. Rev Ci Méd Biol. 2005;4(2):113-7.

bacterial counts in air. J Prosthet Dent. 1966;16(7):758-65.

12. Gonçalves LB, Ramos AL, Gasparetto A. Avaliação do efeito da

28. Gross KBW, Overman PR, Cobb C, Brockmann S. Aerosol generation by

clorexidina 0,12% na redução de bactérias viáveis em aerossóis gerados

two ultrasonic scalers and one sonic scaler: a comparative study. J Dent

em procedimento de profilaxia. Rev Dental Press Ortod Ortop Facial.

Hyg. 1992;66(7):314-8.

2006;11(3):88-92. 13. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Serviços odontológicos: prevenção e controle de riscos. Goiás: ANVISA; 2006. 14. Denes J, Gábris K. Results of a 3-year oral hygiene programme including amine fluoride products in patients treated with fixedorthodontic appliances. Eur J Orthod. 1991;13(2):129-33.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

101

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):95-101


artigo inédito

Desconforto associado a aparelhos ortodônticos fixos: fatores determinantes e influência sobre a qualidade de vida Leandro Silva Marques1, Saul Martins Paiva2, Raquel Gonçalves Vieira-Andrade3, Luciano José Pereira4, Maria Letícia Ramos-Jorge5

DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.102-107.oar

Objetivo: investigar os fatores determinantes do desconforto atribuído ao uso do aparelho ortodôntico fixo e sua influência na qualidade de vida de adolescentes. Métodos: participaram desse estudo transversal 272 indivíduos, com idades entre 9 e 18 anos, estudantes de escolas públicas e privadas, que usavam aparelhos ortodônticos fixos (braquetes). Os participantes foram selecionados aleatoriamente, entre 62.496 indivíduos da mesma faixa etária. A coleta de dados foi feita em forma de entrevista e questionário. A intensidade do desconforto e variáveis biopsicossociais foram avaliadas por meio do Oral Impact on Daily Performance (OIDP). A autoestima foi determinada pela Global Negative Self-Evaluation (GSE). A análise estatística envolveu o teste qui-quadrado e a análise de regressão de Poisson, simples e múltipla. Resultados: embora a maioria dos indivíduos não apresentasse desconforto, observou-se uma prevalência de impacto na vida diária devido, exclusivamente, ao uso do aparelho ortodôntico fixo, de 15,9%. Variáveis idade de 15 a 18 anos [RP = 3,2 (IC 95% = 1,2-8,5)], dificuldade de falar [RP = 2,2 (IC 95% = 1,1-4,6)], dificuldade de limpar a boca [RP = 2,4 (IC95% = 1,2-4,8)] e mobilidade dos dentes [RP = 3,9 (IC 95% = 1,8-8,1)] permaneceram associadas, de forma independente, à maior prevalência de desconforto (p ≤ 05). Conclusões: desconforto associado ao uso de aparelhos ortodônticos fixos influenciou negativamente a qualidade de vida de adolescentes. Os fatores determinantes foram idade, dificuldade de limpar a boca, de falar e mobilidade dentária. Palavras-chave: Adolescente. Ortodontia. Qualidade de vida.

Como citar este artigo: Marques LS, Paiva SM, Vieira-Andrade RG, Pereira LJ, Ramos-Jorge ML. Discomfort associated with fixed orthodontic appliances: determinant factors and influence on quality of life. Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):102-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.102-107.oar

Pós-doutor em Ortodontia, UFMG. Professor Adjunto, UFVJM. Pós-doutor em Odontologia, McGill University. Professor Titular, UFMG. 3 Doutoranda em Odontologia, UFMG. 4 Pós-doutor em Fisiologia, UNICAMP. Professor, UFLA. 5 Pós-doutora em Odontologia, UFMG. Professora, UFVJM. 1 2

Enviado em: 03 de abril de 2013 - Revisado e aceito: 31 de agosto de 2013 » Os autores declaram não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros, que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo. Endereço para correspondência: Leandro Silva Marques Rua Arraial dos Forros, 215 – Diamantina/MG CEP: 39100-000 – Email: lsmarques.prof@gmail.com

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

102

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):102-7


artigo inédito

Desconforto associado a aparelhos ortodônticos fixos: fatores determinantes e influência sobre a qualidade de vida

A percepção e intensidade do desconforto estão diretamente ligadas às características pessoais de cada paciente, tais como autoestima, autoconfiança, obediência, expectativas, percepção da estética dentária e da severidade da má oclusão4,16. A autoestima não influenciou a ocorrência de desconforto nesse estudo, entretanto, a literatura mostra evidências de que a autoconfiança de pacientes pode ser afetada por limitações na fala e visibilidade do aparelho, especialmente durante as interações sociais quando a atenção é focada na face, olhos e boca4. É notável que aqueles pacientes adolescentes cuja motivação para o tratamento ortodôntico é guiada, primariamente, pela percepção de sua própria aparência, sintam, durante o tratamento, ser ainda mais o centro das atenções por seus colegas e conhecidos8,15,16,17. Um achado interessante no presente estudo, e não esperado, foi a falta de associação entre dor e desconforto. O movimento do dente pelos aparelhos ortodônticos causa desconforto, e tem sido reportado que o medo da dor é um fator-chave para desencorajar um paciente a buscar o tratamento ortodôntico18. Por outro lado, a dor durante o tratamento com aparelhos fixos aumenta gradualmente das 4 até 24 horas após ajuste do aparelho, mas retorna ao normal até o sétimo dia2,19,20,21. Em outras palavras, pacientes podem se adaptar à dor e ao desconforto com a progressão do tratamento, uma vez que as sensações cessam ou pelo menos desaparecem de seu foco de atenção. Essa é uma possível explicação para os pacientes desse estudo não apontarem a dor como um fator que influenciou significativamente em sua qualidade de vida. Além disso, todos os pacientes participantes já estavam a pelo menos dois meses com o aparelho fixo instalado. Esse achado pode favorecer a conduta clínica de ortodontistas, uma vez que o futuro paciente deve ser informado sobre como e o quanto o tratamento ortodôntico pode influenciar seu bem-estar físico e psicológico. Outro aspecto relativo à dor é a magnitude de força associada ao arco ortodôntico, principalmente durante as fases iniciais do tratamento. Estudos histológicos clássicos sugerem que as forças suaves são biologicamente mais eficientes e menos traumáticas durante a movimentação ortodôntica12,16. Além disso, quanto maior o grau de apinhamento inicial, mais dentes vão estar ativamente incorporados pelo arco ortodôntico, e maior será o potencial para aumento da magnitude da força2.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

Pacientes mais jovens mostraram maior tolerância e adaptação ao desconforto causado pelo aparelho ortodôntico. Esse resultado é consistente com aqueles apresentados por alguns estudos3,20,21, porém, difere dos achados de outro estudo2. Diferenças podem estar relacionadas a aspectos culturais e desenhos de estudo. Dificuldade de limpar a boca, de falar e mobilidade dentária também foram fatores que afetaram negativamente a vida diária de usuários de aparelhos fixos participantes do presente estudo17. Esses achados mostram que o desconforto experimentado pelos usuários de aparelhos fixos não pode ser ignorado pelo ortodontista, e reforçam a necessidade de uma efetiva comunicação entre profissional e paciente. Fatores de confusão, como aftas, cárie e mau hálito, foram controlados. A variável dependente foi desconforto associado exclusivamente ao uso de aparelhos fixos. Indivíduos que relataram mais de um tipo de desconforto que não o uso do aparelho não foram inseridos no modelo estatístico. Novos estudos, principalmente de natureza prospectiva, são necessários para se conhecer quais são os estágios críticos, considerando a interferência negativa do uso do aparelho ortodôntico sobre a qualidade de vida dos indivíduos. Conclusão 1. Desconforto associado ao uso de aparelhos fixos influenciou negativamente a qualidade de vida de adolescentes. 2. Os fatores determinantes foram: idade, dificuldade de limpar a boca, de falar e mobilidade dentária.

Agradecimentos Os autores agradecem às agências de fomento brasileiras Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (FAPEMIG) pelo suporte financeiro.

106

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):102-7


artigo inédito

Marques LS, Paiva SM, Vieira-Andrade RG, Pereira LJ, Ramos-Jorge ML

Referências

1.

Stewart FN, Kerr WJ, Taylor PJ. Appliance wear: the patient’s point of

12. Liu Z, McGrath C, Hagg U. The impact of malocclusion/orthodontic

view. Eur J Orthod. 1997;19(4):377-82. 2.

treatment need on the quality of life. Angle Orthod. 2009;79(3):585-91.

Scott P, Sherriff M, Dibiase AT, Cobourne MT. Perception of discomfort

13. Feu D, Miguel JA, Celeste RK, Oliveira BH. Effect of orthodontic

during initial orthodontic tooth alignment using a self-ligating or

treatment on oral health-related quality of life. Angle Orthod.

conventional bracket system: a randomized clinical trial. Eur J Orthod.

2013;83(5):892-8.

2008;30(3):227-32. 3.

14. Alsaker F, Olweus D. Global self-evaluations and perceived instability

Scheurer PA, Firestone AR, Bürgin WB. Perception of pain as

of self in Norwegian preschoolchildren and schoolchildren. J Early

a result of orthodontic treatment with fixed appliances. Eur J

Adolesc.1986;6:269-78.

Orthod.1996;18(1):349-57. 4.

15. Marques LS, Ramos-Jorge ML, Paiva SM, Pordeus IA. Malocclusion:

Sergl HG, Klages U, Zentner A. Functional and social discomfort during

esthetic impact and quality of life among Brazilian schoolchildren. Am J

orthodontic treatment: effects on compliance and prediction of patients’

Orthod Dentofacial Orthop. 2006;129(3):424-7.

adaptation by personality variables. Eur J Orthod. 2000;22(3):307-15. 5.

16. Albino JE, Lawrence SD, Tedesco LA. Psychological and social effects of

Bergius M, Kiliaridis S, Berggren U. Pain in orthodontics. A review and

orthodontic treatment. J Behav Med. 1994;17(1):81-98.

discussion of the literature. J Orofac Orthop. 2000;61(2):125-37. 6.

17. Marques LS, Pordeus IA, Ramos-Jorge ML, Filogônio CA, Filogônio

Feldmann I, List T, John MT, Bondemark L. Reliability of a questionnaire

CB, Pereira LJ, et al. Factors associated with the desire for orthodontic

assessing experiences of adolescents in orthodontic treatment. Angle

treatment among Brazilian adolescents and their parents. BMC Oral

Orthod. 2007;77(2):311-7. 7.

Health. 2009;9:34.

Jones ML, Richmond S. Initial tooth movement: force application and

18. Oliver RG, Knapman YM. Attitudes to orthodontic treatment. Br J Orthod.

pain: a relationship? Am J Orthod. 1985;88(2):111-6. 8.

1985;12(4):179-88.

Sergl HG, Klages U, Zentner A. Pain and discomfort during orthodontic

19. Ngan P, Kess B, Wilson S. Perception of discomfort by patients

treatment: causative factors and effects on compliance. Am J Orthod

undergoing orthodontic treatment. Am J Orthod Dentofacial Orthop.

Dentofacial Orthop. 1998;114(6):684-91. 9.

1989;96(1):47-53.

Wilson S, Ngan P, Kess B. Time course of the discomfort in

20. Jones M, Chan C. The pain and discomfort experienced during

young patients undergoing orthodontic treatment. Pediatr Dent.

orthodontic treatment: a randomized controlled clinical trial of two initial

1989;11(2):107-10.

aligning archwires. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1992;102(4):373-81.

10. Wiechmann D, Gerss J, Stamm T, Hohoff A. Prediction of oral discomfort

21. Polat O, Karaman AI. Pain control during fixed orthodontic appliance

and dysfunction in lingual orthodontics: a preliminary report. Am J

therapy. Angle Orthod. 2005;75(2):214-9.

Orthod Dentofacial Orthop. 2008;133(3):359-64. 11. Chen M, Wang DW, Wu LP. Fixed orthodontic appliance therapy and its impact on oral health-related quality of life in chinese patients. Angle Orthod. 2010;80(1):49-53.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

107

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):102-7


artigo inédito

Morfologia facial: qual é sua relação com a mordida aberta anterior e o hábito de sucção não nutritiva na dentadura decídua? Melissa Proença Nogueira Fialho1, Célia Regina Maio Pinzan-Vercelino2, Rodrigo Proença Nogueira3, Júlio de Araújo Gurgel4

DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.108-113.oar

Introdução: os hábitos de sucção não nutritiva podem causar alterações oclusais, como, por exemplo, a mordida aberta anterior (MAA). No entanto, nem todos os pacientes desenvolvem essa má oclusão. Sendo assim, a instalação da MAA não depende apenas da ocorrência do hábito. Objetivo: avaliar a possível associação entre hábito de sucção não nutritiva, mordida aberta anterior e morfologia facial. Métodos: foram selecionadas 176 crianças na fase de dentição decídua completa. Exames clínicos intra- e extrabucais foram realizados, e um questionário, com aspectos relacionados aos hábitos de sucção não nutritiva, foi aplicado aos responsáveis. Resultados: encontrou-se uma relação estatisticamente significativa entre as variáveis hábito de sucção não nutritiva e MAA. Entretanto, não houve associação desses fatores com a morfologia facial da criança. Conclusão: a presença dos hábitos de sucção não nutritiva tem associação para a determinação da má oclusão de MAA, independentemente do padrão facial morfológico na dentição decídua. Palavras-chave: Hábitos. Mordida aberta. Face. Dentição primária.

Como citar este artigo: Fialho MPN, Pinzan-Vercelino CRM, Nogueira RP, Gurgel JA. Relationship between facial morphology, anterior open bite and non-nutritive sucking habits during the primary dentition stage. Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):108-13. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/21769451.19.3.108-113.oar

Mestre em Odontologia e Professora, Graduação em Odontologia, Universidade CEUMA. 2 Doutora em Ortodontia, USP. Professora Assistente, Departamento de Ortodontia, Universidade CEUMA. 3 Mestre em Odontologia, UFMA. Professor Assistente, Especialização em Dentística Restauradora, ABO-MA. 4 Pós-doutor em Ortodontia, The University of Texas Medical School at Houston. Professor Assistente, Departamento de Ortodontia, Universidade CEUMA. 1

» Os autores declaram não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros, que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo. Endereço para correspondência: Célia Regina Maio Pinzan Vercelino Alameda dos Sabiás, 58 – Portal dos Pássaros – Boituva/SP CEP: 18550-000 – E-mail: cepinzan@hotmail.com

Enviado em: 03 de abril de 2013 - Revisado e aceito: 12 de agosto de 2013

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

108

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):108-13


artigo inédito

Fialho MPN, Pinzan-Vercelino CRM, Nogueira RP, Gurgel JA

Referências

1.

Katz CRT, Rosenblatt A, Gondim PPC. Nonnutritive sucking habits in

14. Almeida RVD, Nogueira Filho JJ, Jardim MCAM. Prevalência de

Brazilian children: Effects on deciduous dentition and relationship with

maloclusão e sua relação com hábitos bucais deletérios em escolares.

facial morphology. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2004;126(1):53-7. 2.

Rev Pesq Bras Odontoped Clin Integr. 2002;2(1):43-5.

Sousa RLS, Lima RB, Florêncio Filho C, Lima KC, Diógenes AMN.

15. Silva Filho OG, Herkrath FJ, Queiroz APC, Aiello CA. Padrão facial na

Prevalência e fatores de risco da mordida aberta anterior na dentadura

dentadura decídua: estudo epidemiológico. Rev Dental Press Ortod

decídua completa em pré-escolares na cidade de Natal/RNR. Rev Dental

Ortop Facial. 2008;13(4):45-59.

Press Ortod Ortop Facial. 2007;12(2):129-38. 3.

Cabrera CA, Cabrera MC. Ortodontia clínica. Curitiba: Interativas; 1997.

4.

Proffit WR. Contemporany Orthodontics. 3nd ed. St Louis: Mosby; 2000.

5.

Thomaz EBAF, Cangussu MCT, Assis AMO. Maternal breastfeeding,

16. Nisula KK, Lehto R, Lusa V, Nisula LK Varrela J. Occurrence of malocclusion and need of orthodontic treatment in early mixed dentition. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2003;124(6):631-8. 17. Tausche E, Luck L, Harzer W. Prevalence of malocclusions in the

parafunctional oral habits and malocclusion in adolescents: a multivariate

early mixed dentition and orthodontic treatment need. Eur J Orthod.

analysis. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2012;76(4):500-6. 6.

2004;26(3):237-44.

Furtado ANM, Vedovello Filho M. A influência do período de aleitamento

18. Moyers RE. Etiologia da má oclusão. In: Moyers RE. Ortodontia. 4ª ed.

materno na instalação dos hábitos de sucção não nutritivos e na

Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1991. p. 212-37.

ocorrência de maloclusão na dentição decídua. RGO: Rev Gaúch

19. Warren JJ, Bishara SE. Duration of nutritive and nonnutritive sucking

Odontol. 2007;55(4):335-41. 7.

behaviors and their effects on the dental arches in the primary dentition.

Leite-Cavalcanti A, Medeiros-Bezerra PK, Moura C. Aleitamento natural,

Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2002;121(4):347-56.

aleitamento artificial, hábitos de sucção e maloclusões em pré-escolares

20. Diouf JF, Ngom PI, Badiane A, Cisse B, Ndoye C, Diop-ba K, Diagne

brasileiros. Rev Salud Pública. 2007;9(2):194-204. 8.

F. Influence of the mode of nutritive and nonnutritive sucking on the

Oliveira AC, Pordeusb IA, Torresc CS, Martinsc MT, Paivab SM. Feeding

dimensions of primary dental arches. Int Orthod. 2010;8(4):372-85.

and nonnutritive sucking habits and prevalence of open bite and

21. Thomaz EBAF, Valença AMG. Prevalência de má-oclusão e fatores

crossbite in children/adolescents with Down syndrome. Angle Orthod.

relacionados à sua ocorrência em pré-escolares da cidade de São Luís –

2010;80(4):748-53. 9.

MA – Brasil. RPG Rev Pos Grad. 2005;12(2):212-21.

Mercadante MMN. Hábitos em Ortodontia. In: Ferreira FV. Ortodontia:

22. Tibolla C, Rigo L, Nijima LI, Estacia A, Frizzo EG, Lodi L. Associação entre

diagnóstico e planejamento clínico. São Paulo: Artes Médica; 2004. p.

mordida aberta anterior e hábito de sucção de chupeta em escolares de

253-79.

um município do sul do Brasil. Dental Press J Orthod. 2012;17(6):89-96.

10. Forte FDS, Bosco VL. Prevalência de mordida aberta anterior e sua

23. Rakosi T, Jonas I, Grabe TM. Color atlas of dental medicine orthodontic-

relação com hábitos de sucção não nutritiva. Pesq Bras Odonto Clin

diagnosis. New York: Thieme; 1993. p. 108-9.

Integr. 2001;1(1):3-8.

24. Houston WJB. Analysis of errors in orthodontics measurements. Am J

11. Cozza P, Baccetti T, Franci L, Mucedero M, Polimeni A. Sucking habits

Orthod. 1983;5(83):382-90. 25. Dahlberg G. Statistical methods for medical and biological students. New

and facial hyperdivergency as risk factors for anterior open bite in the mixed dentition. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2005;128(4):517-9.

York: Intercience; 1940.

12. Adair SM, Milano M, Dushku JC. Evaluation of the effects of orthodontic

26. Grünheid T, Schieck JRK, Pliska BT, Ahmad M, Larsone BE. Dosimetry of

pacifiers on the primary dentitions of 24 to 59 month old children:

a cone-beam computed tomography machine compared with a digital

preliminary study. Pediatric Dent. 1992;14(1):13-8.

x-ray machine in orthodontic imaging. Am J Orthod Dentofacial Orthop.

13. Santana VC, Santos RM, Silva LAS, Novais SMA. Prevalência de Mordida

2012;141(4):436-43.

Aberta Anterior e hábitos bucais indesejáveis em crianças de 3 a 6 anos de incompletos na cidade de Aracaju. J Bras Odontopediatr Odonto Bebe 2011;4(18):154-69.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

113

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):108-13


artigo inédito

Comparação da resistência ao atrito entre braquetes autoligáveis e braquetes convencionais amarrados por meio de ligaduras elastoméricas e amarrilhos metálicos em fios ortodônticos Vanessa Vieira Leite1, Murilo Baena Lopes2, Alcides Gonini Júnior3, Marcio Rodrigues de Almeida4, Sandra Kiss Moura5, Renato Rodrigues de Almeida6 DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.114-119.oar

Objetivo: comparar a resistência ao atrito entre braquetes autoligáveis e braquetes convencionais, variando o tipo de fio. Métodos: foram usados braquetes incisivos Abzil Kirium Capelozza e Easy Clip. Uma ligadura elastomérica ou um fio ligável de 0,010" foi usado para ligação do fio no braquete Abzil. Três tipos de ligas de fio ortodôntico foram avaliadas: fio de NiTi de 0,016"; fio de NiTi de 0,016" x 0,022"; e fio de aço de 0,019" x 0,025". Dez observações foram feitas para cada combinação “braquete-fio-inclinação”. Os braquetes foram montados em um aparelho especial, posicionados a 90° em relação ao fio, e testados em duas inclinações. O teste de atrito foi realizado na máquina universal de ensaios, a 5mm/min e com 10mm de deslocamento. As médias (em MPa) foram submetidas aos testes ANOVA e de Tukey, a 5% de significância. As superfícies dos fios e dos braquetes foram observadas no MEV. Resultados: o braquete com amarrilhos metálicos (16,48 ± 8,31MPa) apresentou médias mais altas que o braquete com ligaduras elastoméricas (4,29 ± 2,16MPa) e o braquete autoligável (1,66 ± 1,57) (p < 0,05), os quais também diferiram entre si (p < 0,05). Quanto ao tipo do fio, o fio de aço de 0,019" x 0,025" (5,67 ± 3,97MPa) apresentou médias mais baixas (p < 0,05) que os fios de NiTi de 0,016" (8,26 ± 10,92MPa) e de 0,016" x 0,022" (8,51 ± 7,95), os quais não diferiram entre si (p > 0,05). Nenhuma diferença estatística (p > 0,05) foi encontrada entre inclinações de zero (7,76 ± 8,46) e cinco (7,19 ± 7,93) graus. Concluão: o atrito foi influenciado pelo tipo de braquete e sistemas de ligaduras. Diferentes aspectos morfológicos foram observados para os braquetes e fios estudados. Palavras-chave: Braquetes dentários. Fios. Atrito. Autoligáveis.

Como citar este artigo: Leite VV, Lopes MB, Gonini Júnior A, Almeida MR, Moura SK, Almeida RR. Comparison of frictional resistance between self-ligating and conventional brackets tied with elastomeric and metal ligature in orthodontic archwires. Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):114-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.114-119.oar

Mestre em Ortodontia, UNOPAR. Professor, UNOPAR. 3 Doutor em Odontologia, USP. Professor, UNOPAR. 4 Professor Adjunto III de Odontologia, UNOPAR. 5 Doutora em Odontologia, USP. Professora, UNOPAR. 6 Livre Docente em Ortodontia, USP. Professor, UNOPAR. 1 2

Enviado em: 14 de abril de 2011 - Revisado e aceito: 14 de março de 2012 » Os autores declaram não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros, que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo. Endereço para correspondência: Marcio Rodrigues de Almeida Avenida José Vicente Aiello, 7-70 – Bauru/SP CEP: 17053-082 – E-mail: marcioralmeida@uol.com.br

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

114

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):114-9


artigo inédito

Leite VV, Lopes MB, Gonini Júnior A, Almeida MR, Moura SK, Almeida RR

Referências

1.

Bazakidou E, Nanda RS, Duncanson MG Jr, Sinha P. Evaluation of

15. Krishnan M, Kalathil S, Abraham KM. Comparative evaluation of frictional

frictional resistance in esthetic brackets. Am J Orthod Dentofacial

forces in active and passive self-ligating brackets with various archwire

Orthop. 1997;112(2):138-44. 2.

alloys. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2009;136(5):675-82.

Bednar JR, Gruendeman GW, Sandrik JL. A comparative study of

16. Kusy RP, Whitley JQ. Effects of sliding velocity on the coefficients of

frictional forces between orthodontic brackets and arch wires. Am J

friction in a model orthodontic system. Dent Mater. 1989;5(4):235-40.

Orthod Dentofacial Orthop. 1991;100(6):513-22. 3.

17. Kusy RP, Whitley JQ, Mayhew MJ, Buckthal JE. Surface roughness

Bowden FP, Tabor D. The friction and lubrication of solids. Part 2. New

of orthodontic archwires via laser spectroscopy. Angle Orthod.

York: Clarendon; 1964. 4.

1988;58(1):33-45.

BRITO DM, CONTI AC, ALMEIDA MR, OLTRAMARI-NAVARRO PVP,

18. Omana HM, Moore RN, Bagby MD. Frictional properties of metal and

NAVARRO RL, Almeida RR. Avaliação das alterações dimensionais das

ceramic brackets. J Clin Orthod. 1992;26(7):425-32.

arcadas dentárias inferiores produzidas por braquetes autoligáveis e

19. Peterson L, Spencer R, Andreasen G. A comparison of friction resistance

convencionais. Rev Dent Press Ortod Ortop Facial. 2011;10(5):92-8. 5.

for Nitinol and stainless steel wire in edgewise brackets. Quintessence Int

Burrow SJ. Friction and resistance to sliding in orthodontics: a critical

Dent Dig. 1982;13(5):563-71.

review. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2009;135(4):442-7 6.

20. Pratten DH, Popli K, Germane N, Gunsolley JC. Frictional resistance

Castro R. Braquetes autoligados: eficiência X evidências científicas. Rev

of ceramic and stainless steel orthodontic brackets. Am J Orthod

Dental Press Ortod Ortop Facial. 2009;14(4):20-4. 7.

Dentofacial Orthop. 1990;98(5):398-403.

Cordasco G, Farronato G, Festa F, Nucera R, Parazzoli E, Grossi GB. In

21. Read-Ward GE, Jones SP, Davies EH. A comparison of self-ligating and

vitro evaluation of the frictional forces between brackets and archwire

conventional orthodontic bracket systems. Br J Orthod. 1997;24(4):309-

with three passive self-ligating brackets. Eur J Orthod. 2009;31(6):643-6 8.

17.

Drescher D, Bourauel C, Schumacher HA. Frictional forces between

22. Redlich M, Mayer Y, Harari D, Lewinstein I. In vitro study of frictional

bracket and arch wire. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1989;96(5):397-

forces during sliding mechanics of “reduced-friction” brackets. Am J

404. 9.

Orthod Dentofacial Orthop. 2003;124(1):69-73.

Elayyan F, Silikas N, Bearn D. Ex vivo surface and mechanical properties

23. Reicheneder CA, Gedrange T, Berrisch S, Proff P, Baumert U, Faltermeier

of coated orthodontic archwires. Eur J Orthod. 2008;30(6):661-7.

A, et al. Conventionally ligated versus self-ligating metal brackets--a

10. Fernandes DJ, Almeida RCC, Quintão CCA, Elias CN, Miguel JAM. A

comparative study. Eur J Orthod. 2008;30(6):654-60.

estética no sistema de braquetes autoligáveis. Rev Dental Press Ortod

24. Shivapuja PK1, Berger J. A comparative study of conventional ligation

Ortop Facial. 2008;13(3):97-103.

and self-ligation bracket systems. Am J Orthod Dentofacial Orthop.

11. Gandini P, Orsi L, Bertoncini C, Massironi S, Franchi L. In vitro frictional

1994;106(5):472-80. 25. Stannard JG, Gau JM, Hanna MA. Comparative friction of orthodontic

forces generated by three different ligation methods. Angle Orthod. 2008;78(5):917-21

wires under dry and wet conditions. Am J Orthod. 1986;89(6):485-91.

12. Hain M, Dhopatkar A, Rock P. The effect of ligation method on friction in

26. Thomas S, Sherriff M, Birnie D. A comparative in vitro study of the

sliding mechanics. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2003;123(4):416-22.

frictional characteristics of two types of self-ligating brackets and two

13. Ireland AJ, Sherriff M, Mcdonald F. Effect of bracket and wire composition

types of pre-adjusted edgewise brackets tied with elastomeric ligatures. Eur J Orthod. 1998;20(5):589-96.

on frictional forces. Eur J Orthod. 1991;13(4):322-8.

27. Tidy DC. Frictional forces in fixed appliances. Am J Orthod Dentofacial

14. Kim TK, Kim KD, Baek SH. Comparison of frictional forces during the initial leveling stage in various combinations of self-ligating brackets

Orthop. 1989;96(3):249-54.

and archwires with a custom-designed typodont system. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2008;133(2):187.e15-24.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

119

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):114-9


artigo inédito

A insatisfação com a aparência dentofacial e a necessidade normativa de tratamento ortodôntico: fatores determinantes Anderson Barbosa de Almeida1, Isabel Cristina Gonçalves Leite2, Camilo Aquino Melgaço3, Leandro Silva Marques4

DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.120-126.oar

Objetivo: o objetivo desse estudo foi avaliar a necessidade normativa de tratamento ortodôntico e os fatores que determinam o impacto subjetivo da má oclusão, em escolares brasileiros de 12 anos. Métodos: um total de 451 indivíduos (215 homens e 236 mulheres) foi selecionado aleatoriamente de escolas públicas e particulares de Juiz de Fora, Minas Gerais. Os dados coletados incluíam informações sociodemográficas e condições oclusais. O impacto estético subjetivo da má oclusão foi avaliado pelo Orthodontic Aesthetic Subjective Impact Score (OASIS). A avaliação da má oclusão e a necessidade de tratamento ortodôntico foram avaliadas pelo Dental Aesthetic Index (DAI) e pelo Index of Orthodontic Treatment Need-Aesthetic Component (IOTN-AC). Resultados: a prevalência da necessidade normativa de tratamento ortodôntico foi de 65,6% (n = 155) e a prevalência do impacto estético ortodôntico subjetivo foi de 14,9%. As seguintes variáveis mostraram associação significativa com impacto estético subjetivo da má oclusão: sexo feminino (p = 0,042, OR = 0,5, IC = 0,2-0,9); aluno de escola pública (p = 0,002, OR = 6,8, IC = 1,9-23,8); ≥ 4mm (p = 0,037, OR = 1,7; ICI = 1-3); e sorriso gengival ≥ 4mm (p = 0,008, OR = 3,4, IC = 1,3-8,8). Conclusão: a necessidade normativa de tratamento ortodôntico superestimou a necessidade percebida. Fatores oclusais e socioculturais influenciaram a insatisfação de escolares com a aparência dentofacial. Palavras-chave: Má oclusão. Ortodontia. Qualidade de vida.

Como citar este artigo: Almeida AB, Leite ICG, Melgaço CA, Marques LS. Dissatisfaction with dentofacial appearance and the normative need for orthodontic treatment: determinant factors. Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):120-6. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.120-126.oar

Mestre em Saúde Coletiva, UFJF. Professor, ABO-Juiz de Fora. 2 Doutora em Saúde Pública, FIOCRUZ. Professora Adjunta, UFJF. 3 Doutor em Odontologia e Professor, UFMG. 4 Pós-doutor em Ortodontia, UFMG. Professor Adjunto, UFVJM. 1

Enviado em: 03 de abril de 2013 - Revisado e aceito: 08 de junho de 2013 » Os autores declaram não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros, que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo. Endereço para correspondência: Camilo Aquino Melgaço Av. Álvares Cabral, 982 – sala 502 – Belo Horizonte/MG. CEP: 30.170-001 – E-mail: camiloaquino@ig.com.br

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

120

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):120-6


artigo inédito

A insatisfação com a aparência dentofacial e a necessidade normativa de tratamento ortodôntico: fatores determinantes

Referências

1.

Davis DM, Fiske J, Scott B, Radford DR. The emotional effects of tooth

17. World Health Organization. Oral health surveys: basic methods. 4ª ed.

loss: a preliminary quantitative study. Br Dent J. 2000;188(9):503-6. 2. 3.

Geneva: ORH/EPID; 1997.

Eli I, Bar-Tal Y, Kostovetzki I. At first glance: social meanings of dental

18. Mandall NA, McCord JF, Blinkhorn AS, Worthington HV, O’Brien KD.

appearance. J Public Health Dent. 2001;61(3):150-4.

Perceived aesthetic impact of malocclusion and oral self-perceptions in

Petrén S, Bondemark L. Correction of unilateral posterior crossbite in the

14-15 years-old Asian and Caucasian children in greater Manchester. Eur

mixed dentition: a randomized controlled trial. Am J Orthod Dentofacial

J Orthod. 2000;22(2):175-83.

Orthop. 2008;133(6):790.e7-13. 4.

19. Marques LS, Barbosa CC, Ramos-Jorge ML, Pordeus IA, Paiva SM.

Shaw WC, Rees G, Dawe M, Charles CR. The influence of dentofacial

Prevalência da maloclusão e necessidade de tratamento ortodôntico

appearance on the social attractiveness of young adults. Am J Orthod.

em escolares de 10 a 14 anos de idade em Belo Horizonte, Minas Gerais,

1985;87(1):21-6. 5.

Brasil: enfoque psicossocial. Cad Saúde Pública. 2005;21(4):1099-106.

Shaw WC. The influence of children’s dentofacial appearance on their

20. Mtaya M, Astrom AN, Brudvik P. Malocclusion, psycho-social impacts and

social attractiveness as judged by peers and lay adults. Am J Orthod.

treatment need: A cross-sectional study of Tanzanian primary school-

1981;79(4):399-415. 6.

children. BMC Oral Health. 2008 May 6;8:14.

Continuous improvement of oral health in the 21st century – the

21. Grzywacz I. The value of the aesthetic component of the Index of

approach of the WHO Global Oral Health Programme [homepage].

Orthodontic Treatment Need in the assessment of subjective orthodontic

Geneva: World Health Organization; 2003 [cited 2012 Mar 03]. Available

treatment need. Eur J Orthod. 2003;25(1):57-63.

from: http://www.who.int/en. 7.

22. Gherunpong S, Tsakos G, Sheiham A. A socio-dental approach to

Peres KG, Traebert ESA, Marcenes W. Diferenças entre autopercepção e

assessing children’s orthodontic needs. Eur J Orthod. 2006;28(4):393-9.

critérios normativos na identificação das oclusopatias. Rev Saúde Pública.

23. Baldwin DC. Appearance and aesthetics in oral health. Community Dent

2002;36(2):230-6. 8.

Oral Epidemiol. 1980;8(6):244-56.

Rinchuse DJ, Rinchuse DJ. Orthodontics justified as a profession. Am J

24. Marques LS, Ramos-Jorge ML, Paiva SM, Pordeus IA. Malocclusion:

Orthod Dentofacial Orthop. 2002;121(1):93-6. 9.

esthetic impact and quality of life among Brazilian schoolchildren. Am J

Zhang M, McGrath C, Hägg U. The impact of malocclusion and its

Orthod Dentofacial Orthop. 2006;129(3):424-7. 25. Tarvit DJ, Freer TJ. Assessing malocclusion: the time factor. Br J Orthod.

treatment on quality of life: a literature review. Int J Paediatr Dent. 2006;16(6):381-7.

1998;25(1):31-4.

10. Christopherson EA, Briskie D, Inglehart MR. Preadolescent orthodontic

26. Van der Geld P, Oosterveld P, Van Heck G, Kuijpers-Jagtman AM. Smile

treatment need: objective and subjective provider assessments and

Attractiveness Self-perception and Influence on Personality. Angle

patient self-reports. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2009;135(4

Orthod. 2007;77(5):759-65.

Suppl):S80-6.

27. Kok YV, Mageson P, Harradine NWT, Sprod AJ. Comparing a quality of

11. Paula Jr DF, Santos NCM, Silva ET, Nunes MFN, Leles CR. Psychosocial

life measure and the Aesthetic Component of the Index of Orthodontic Treatment Need (IOTN) in assessing orthodontic treatment need and

impact of dental esthetics on quality of life in adolescents. Association

concern. J Orthod. 2004;31(4):312-8.

with malocclusion, self-image, and oral health–related issues. Angle Orthod. 2009;79(6):1188-93.

28. Peres KG, Barros AJ, Anselmi L, Peres MA, Barros FC. Does malocclusion

12. Brasil. Ministério da Saúde. Relatório SB Brasil, 2010. Pesquisa Nacional

influence the adolescent’s satisfaction with appearance? A cross-

de Saúde Bucal - 2010. Resultados principais. Brasília, DF; 2011.

sectional study nested in a Brazilian birth cohort. Community Dent Oral

13. Jenny J, Cons NC. Comparing and contrasting two orthodontic indices,

Epidemiol. 2008;36(2):137-43.

the Index of Orthodontic Treatment Need and the Dental Aesthetic

29. Bernabé E, Flores-Mir C, Sheiham S. Prevalence, intensity and extent

Index. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1996;110(4):410-6.

of oral impacts on daily performances associated with self-perceived

14. Agou S, Locker D, Streiner DL, Tompson B. Impact of self-esteem on the

malocclusion in 11-12-year-old children. BMC Oral Health. 2007;7:6.

oral-health-related quality of life of children with malocclusion. Am J

30. Christopherson EA, Briskie D, Inglehart MR. Objective, subjective, and

Orthod Dentofacial Orthop. 2008;134(4):484-9.

self-assessment of preadolescent orthodontic treatment need: a function

15. Levy OS, Lemeshow S, Lemeshow S. Sampling of populations: methods

of age, gender, and ethnic/racial background? J Public Health Dent. 2009;69(1):9-17.

and applications book description. 4ª ed. New York: John Wiley & Sons; 2008. 16. Critérios de Classificação Econômica. São Paulo (SP): Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa ABEP; 2008 [citado em 3 mar 2012]. Disponível em: www.abep.org.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

126

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):120-6


Caso Clínico BBO

Má oclusão de Classe I de Angle com biprotrusão severa tratada com extrações dos primeiros pré-molares* Ricardo Moresca1

DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.127-138.bbo

A má oclusão de Classe I de Angle com biprotrusão é caracterizada pela inclinação acentuada dos incisivos para vestibular, o que provoca a protrusão dos lábios superior e inferior. As extrações dos primeiros pré-molares têm sido indicadas para reduzir a convexidade facial com a retração dos dentes anteriores, mantendo a relação de chave de oclusão dos caninos e dos primeiros molares. Para a obtenção de resultados compatíveis com as metas estéticas e cefalométricas idealizadas para o tratamento ortodôntico, é necessário que a fase de fechamento de espaços seja realizada com controle da sobremordida e do torque dos incisivos. Na maioria dos casos, também há necessidade de se proporcionar ancoragem máxima aos dentes posteriores. O presente caso clínico foi apresentado à Diretoria do Board Brasileiro de Ortodontia e Ortopedia Facial (BBO) como parte dos requisitos para a obtenção do título de Diplomado pelo BBO. Palavras-chave: Má oclusão de Classe I de Angle. Fechamento de espaço ortodôntico. Procedimentos de ancoragem ortodôntica.

INtroduçÃO O presente relato se refere ao caso clínico de uma paciente, com 38 anos e 6 meses de idade, que procurou por tratamento ortodôntico com o objetivo de melhorar a estética facial e do sorriso. O levantamento da história médica não mostrou registros significativos, além de alergia ao iodo. Durante o exame

clínico, pode-se observar que, apesar de hábitos de higiene bucal adequados, havia predisposição ao acúmulo de cálculo, principalmente na região dos incisivos inferiores, e recessões gengivais generalizadas, inclusive nos incisivos centrais superiores. Existia relação funcional adequada da língua e da musculatura peribucal, associada a um padrão de respiração nasal.

» O autor declara não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros, que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo.

Como citar este artigo: Moresca R. Class I malocclusion with severe double protrusion treated with first premolars extraction. Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):127-38. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.127-138.bbo Enviado em: 3 de abril de 2014 - Revisado e aceito: 15 de abril de 2014

Relato de caso clínico aprovado pelo Board Brasileiro de Ortodontia e Ortopedia Facial (BBO).

*

» O(s) paciente(s) que aparece(m) no presente artigo autorizou(aram) previamente a publicação de suas fotografias faciais e intrabucais, radiografias ou outros exames imaginológicos e informações diagnósticas.

Doutor em Ortodontia pela FOUSP. Mestre em Ortodontia pela UMESP. Especialista em Ortodontia pela UFPR. Professor Adjunto de Ortodontia da UFPR. Professor Titular e Coordenador do Curso de Especialização em Ortodontia da Universidade Positivo. Diplomado pelo Board Brasileiro de Ortodontia e Ortopedia Facial.

1

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

Endereço para correspondência: Ricardo Moresca Av. Cândido de Abreu, 526, sala 1310-A, Centro Cívico CEP: 80.530-905, Curitiba/PR – E-mail: ricardo@moresca.com.br

127

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):127-38


caso clínico BBO

Moresca R

M CR F

Vi

Vr

Figura 13 - Representação esquemática das forças geradas pela mecânica de deslizamento associada a mini-implantes: F =  força gerada pelos tie-backs ativos; Vr = vetor horizontal de retração; Vi = vetor vertical de intrusão; M = momento de inclinação lingual sobre os incisivos, uma vez que F está passando abaixo do centro de resistência (CR) dos dentes anteriores.

Figura 14 - Efeito da força aplicada sobre o arco ortodôntico, durante a mecânica de deslizamento com utilização de mini-implantes.

importante com a utilização dos braquetes autoligáveis passivos, que apesentam menor eficiência na expressão do torque27. Cabe ressaltar que essa deflexão se estende, também, aos dentes posteriores, aumentando o atrito do fio com os tubos dos molares, o que pode levar ao movimento distal desses dentes. O posicionamento vertical dos mini-implantes pode variar de acordo com a intensidade desejada para o vetor de intrusão. Um posicionamento mais apical ou cervical vai proporcionar, respectivamente, maior ou menor vetor intrusivo sobre os dentes anteriores. Para evitar inclinação indesejada do plano oclusal na região anterior, é mandatório que os mini-implantes estejam na mesma altura, considerando-se os lados direito e esquerdo. É preciso também considerar que, utilizando os mini-implantes, o tempo necessário para o completo fechamento dos espaços pode ser um pouco maior, comparado

com o uso dos recursos tradicionais. A razão desse aumento pode ser o maior movimento realizado pelos dentes anteriores, uma vez que os dentes posteriores não contribuem para a redução dos espaços das extrações. Essa movimentação mais extensa dos incisivos também pode predispor a um maior risco de reabsorções radiculares14. Analisando os resultados obtidos no presente caso clínico e correlacionando-os com as informações obtidas na literatura ortodôntica, é possível concluir que a utilização da mecânica de deslizamento associada aos mini-implantes produziu efeitos favoráveis no tratamento da biprotrusão com extrações dos primeiros pré-molares. No entanto, o sucesso no tratamento esteve relacionado, prioritariamente, ao correto diagnóstico e planejamento do caso e à aplicação de princípios biomecânicos adequados à movimentação ortodôntica desejada.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

137

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):127-38


caso clínico BBO

Má oclusão de Classe I de Angle com biprotrusão severa tratada com extrações dos primeiros pré-molares

Referências

1.

McLaughlin RP, Bennett JC. An analysis of orthodontic tooth movement

15. Upadhyay M, Yadav S, Nanda R. Vertical-dimension control during en-

– the dental VTO. Rev Española Ortod. 1999;29:180-99. 2.

masse retraction with mini-implant anchorage. Am J Orthod Dentofacial

Basha AG, Shantaraj R, Mogegowda SB. Comparative study between

Orthop. 2010;138(1):96-108.

conventional en-masse retraction (sliding mechanics) and en-

3.

16. Leonardi R, Annunziata A, Licciardello V, Barbato E. Soft tissue

masse retraction using orthodontic micro implant. Implant Dent.

changes following the extraction of premolars in nongrowing patients

2010;19(2):128-36.

with bimaxillary protrusion. A systematic review. Angle Orthod.

Wholley CJ, Woods MG. The effects of commonly prescribed premolar

2010;80(1):211-6.

extraction sequences on the curvature of the upper and lower lips. Angle 4.

17. Chung KR, Choo H, Lee JH, Kim SH. Atypical orthodontic extraction

Orthod. 2003;73(4):386-95.

pattern managed by differential en-masse retraction against a temporary

Fontana M, Cozzani M, Caprioglio A. Soft tissue, skeletal and

skeletal anchorage device in the treatment of bimaxillary protrusion.

dentoalveolar changes following conventional anchorage molar

Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2011;140(3):423-32.

distalization therapy in Class II non-growing subjects: a multicentric

18. Drobocky OB, Smith RJ. Changes in facial profile during orthodontic

retrospective study. Prog Orthod. 2012;13(1):30-41. 5.

treatment with extraction of four first premolars. Am J Orthod

Lee KJ, Park YC, Hwang CJ, Kim YJ, Choi TH, Yoo HM, et al.

Dentofacial Orthop. 1989;95(3):220-30.

Displacement pattern of the maxillary arch depending on miniscrew

19. Bennett JC, McLaughlin RP. Controlled space closure with a preadjusted

position in sliding mechanics. Am J Orthod Dentofacial Orthop.

appliance system. J Clin Orthod. 1990;24(4):251-60.

2011;140(2):224-32. 6.

20. Thiesen G, Shimizu RH, Valle CV, Valle-Corotti KM, Pereira JR,

Sia S, Shibazaki T, Koga Y, Yoshida N. Experimental determination of

Conti PC. Determination of the force systems produced by different

optimal force system required for control of anterior tooth movement in

configurations of tear drop orthodontic loops. Dental Press J Orthod.

sliding mechanics. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2009;135(1):36-41. 7.

2013;18(2):19.e11-8.

Jasmine MI, Yezdani AA, Tajir F, Venu RM. Analysis of stress in bone and

21. Mo SS, Kim SH, Sung SJ, Chung KR, Chun YS, Kook YA, et al. Factors

microimplants during en-masse retraction of maxillary and mandibular

controlling anterior torque during C-implant-dependent en-masse

anterior teeth with different insertion angulations: a 3-dimensional

retraction without posterior appliances. Am J Orthod Dentofacial Orthop.

finite element analysis study. Am J Orthod Dentofacial Orthop.

2011;140(1):72-80.

2012;141(1):71-80. 8.

22. Kojima Y, Fukui H. Numeric simulations of en-masse space closure with

Moresca RC, Vigorito JW, Dominguez GC, Tortamano A, Moraes DR,

sliding mechanics. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2010;138(6):702.

Moro A, et al. Effects of active and passive lacebacks on antero-posterior

e1-6; discussion 702-4.

position of maxillary first molars and central incisors. Braz Dent J.

23. Heo W, Nahm DS, Baek SH. En masse retraction and two-step retraction

2012;23(4):433-7. 9.

of maxillary anterior teeth in adult Class I women: a comparison of anchorage loss. Angle Orthod. 2007;77(6):973-8.

Upadhyay M, Yadav S, Patil S. Mini-implant anchorage for en-masse

24. Baxmann M, McDonald F, Bourauel C, Jager A. Expectations, acceptance,

retraction of maxillary anterior teeth: a clinical cephalometric study. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2008;134(6):803-10.

and preferences regarding microimplant treatment in orthodontic

10. Pesce RE, Uribe F, Janakiraman N, Neace WP, Peterson DR, Nanda R.

patients: a randomized controlled trial. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2010;138(3):250.e1-10.

Evaluation of rotational control and forces generated during first-order

25. Sung SJ, Jang GW, Chun YS, Moon YS. Effective en-masse retraction

archwire deflections: a comparison of self-ligating and conventional brackets. Eur J Orthod. 2011 Oct 31. [Epub ahead of print].

design with orthodontic mini-implant anchorage: a finite element

11. Trevisi H, Zanelato RT. O estado da arte na Ortodontia. Rio de Janeiro:

analysis. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2010;137(5):648-57.

Elsevier; 2011. cap 1, p. 2-26.

26. Sia S, Koga Y, Yoshida N. Determining the center of resistance of

12. Trevisi HJ, Trevisi RC. Diagrama Ortodôntico Individualizado Trevisi.

maxillary anterior teeth subjected to retraction forces in sliding

Orthod Sci Pract. 2012;5:275-82.

mechanics: an in vivo study. Angle Orthod. 2007;77(6):999-1003.

13. Moresca R, Vigorito JW. Avaliação in vitro da degradação da força

27. Brauchli LM, Steineck M, Wichelhaus A. Active and passive self-ligation:

produzida por módulos elásticos utilizados no fechamento de espaços

a myth? Part 1: torque control. Angle Orthod. 2012;82(4):663-9.

com a mecânica por deslizamento. Ortodontia. 2005;38:151-161. 14. Liou EJ, Chang PM. Apical root resorption in orthodontic patients with en-masse maxillary anterior retraction and intrusion with miniscrews. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2010;137(2):207-12.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

138

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):127-38


tópico especial

Do braquete convencional ao autoligável: é possível agregar a experiência com o primeiro à prática do segundo? Anderson Capistrano1, Aldir Cordeiro2, Danilo Furquim Siqueira3, Leopoldino Capelozza Filho3, Mauricio de Almeida Cardoso3, Renata Rodrigues de Almeida-Pedrin3 DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.139-157.sar

Introdução: a Ortodontia passa, como toda ciência, por constantes evoluções tecnológicas que buscam aumentar a efetividade da abordagem terapêutica, visando a diminuição do tempo de tratamento, o aumento do conforto para os pacientes, bem como a obtenção da tão almejada, e pouco alcançada, estabilidade em longo prazo. O estágio atual de desenvolvimento tecnológico da Ortodontia representa, ao que tudo indica, uma fase de transição entre os sistemas convencionais de ligação (com módulos elásticos) e os chamados autoligáveis. As evidências científicas nem sempre consubstanciam a clara percepção clínica das vantagens desse sistema, no que diz respeito a um menor tempo de alinhamento e nivelamento, uma relativa simplificação técnica, maior conforto para os pacientes, além do aumento da capacidade de tratamento sem extrações — embora essa indicação esteja mais ligada à avaliação do padrão morfológico facial, e menos a qualquer escolha técnica. Desde um passado recente e não menos brilhante, a Ortodontia vem utilizando a individualização de braquetes para tratamentos compensatórios, buscando aumentar a efetividade da abordagem terapêutica, com menores custos biológicos e menor tempo de tratamento. Objetivo: o presente artigo tem como objetivo apresentar um protocolo bem definido de melhor aproveitamento dessa fase de transição tecnológica, buscando explorar o que cada sistema tem de melhor, principalmente sob a óptica da redução do tempo de tratamento e aumento da capacidade de movimentação dentária compensatória em pacientes adultos. Especificamente, serão abordadas as más oclusões de Classe III compensáveis, usando o sistema de braquetes autoligáveis onde se deseja maior capacidade de movimento expansivo e protrusivo (arcada superior) e braquetes convencionais Prescrição III Capelozza® onde a manutenção da forma com mínima mudança (arcada inferior) é imprescindível para a obtenção dos resultados almejados. Palavras-chave: Braquetes ortodônticos. Má oclusão Classe III de Angle. Padrão facial.

» Os autores declaram não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros, que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo.

Como citar este artigo: Capistrano A, Cordeiro A, Siqueira DF, Capelozza Filho L, Cardoso MA, Almeida-Pedrin RR. From conventional to self-ligating bracket systems: Is it possible to aggregate the experience with the former to the use of the latter? Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):139-57. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.3.139-157.sar Enviado em: 20 de março de 2014 - Revisado e aceito: 10 de abril de 2014

Professor das Disciplinas de Oclusão e Ortodontia, Faculdade de Odontologia do Recife (FOR-PE). Mestrando em Ortodontia, Universidade Sagrado Coração (USC - Bauru). 2 Mestrando em Ortodontia, Universidade Sagrado Coração (USC - Bauru). Especialista em Ortodontia pela USP-Bauru/SP. 3 Professor Doutor do programa de graduação e pós-graduação em nível de mestrado em Ortodontia da Universidade Sagrado Coração (USC-Bauru). 1

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

» O(s) paciente(s) que aparece(m) no presente artigo autorizou(aram) previamente a publicação de suas fotografias faciais e intrabucais, e/ou radiografias. Endereço para correspondência: Anderson Capistrano Av. Engenheiro Domingos Ferreira, 3647, apto. 3101 - Boa Viagem CEP: 51.020-035 – Recife/PE – E-mail: capiss@uol.com.br

139

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):139-57


tópico especial

Capistrano A, Cordeiro A, Siqueira DF, Capelozza Filho L, Cardoso MA, Almeida-Pedrin RR

Referências

1.

Capelozza Filho L. Diagnóstico em Ortodontia.

11. Harradine NWT. Current products and practices self-ligating brackets:

Maringá: Dental Press; 2004.

where are we now? J Orthod. 2003;30:262-73.

2. Capelozza Filho L. Metas terapêuticas individualizadas. Maringá: Dental

12. Maltagliati LA. Desmistificando a utilização dos stops no sistema

Press; 2011.

autoligado. Rev Clín Ortod Dental Press. 2012;11(1):22-31.

3. Fleming PS, O’Brien K. Self-ligating brackets do not increase treatment

13. Capelozza Filho L. Gabriel O, Ozawa TO. Individualização de braquetes na

efficiency. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2013;143(1):11-9.

Técnica de Straight-Wire: revisão de conceitos e sugestão de indicações

4. Hägg U, Taranger J. Maturation indicators and the pubertal growth spurt.

para uso. Rev Dental Press Ortod Ortop Facial. 1999;4(4):87-106.

Am J Orthod. 1982;82(4):299-309.

14. Alberto C, Cabrera G, Freitas MR, Janson G, Fernando J, Henriques C.

5. Capelozza Filho L. Uma entrevista com Leopoldino Capelozza Filho.

Estudo da correlação do posicionamento dos incisivos superiores e

Dental Press J Orthod. 2010;15(6):25-53.

inferiores com a relação ântero-posterior das bases ósseas. Rev Dental

6. Damon DH. The rationale, evolution and clinical application of the self-

Press Ortod Ortop Facial. 2005;10(6):59-74.

ligating bracket. Clin Orthod Res. 1998;1(1):52-61. 7.

15. Fleming PS, DiBiase AT, Sarri G, Lee RT. Efficiency of mandibular arch

Tecco S, Festa F, Caputi S, Traini T, Di Iorio D, D’Attilio M. Friction of

alignment with 2 preadjusted edgewise appliances. Am J Orthod

conventional and self-ligating brackets using a 10 bracket model. Angle

Dentofacial Orthop. 2009;135(5):597-602.

Orthod. 2005;75(6):1041-5.

16. Capelozza Filho L, Antonio J, Capelozza Z. DIAO: Diagrama individual

8. Harradine N. Self-ligating brackets increase treatment efficiency. Am J

anatômico objetivo. Uma proposta para escolha da forma dos arcos na

Orthod Dentofacial Orthop. 2013;143(1):10-9.

técnica de Straight-Wire, baseada na individualidade anatômica e nos

9. Franchi L, Baccetti T, Camporesi M, Lupoli M. Maxillary arch changes

objetivos de tratamento. Rev Clín Ortod Dental Press. 2004;3(5):84-92. 17. Fleming PS, DiBiase AT, Lee RT. Randomized clinical trial of orthodontic

during leveling and aligning with fixed appliances and low-friction ligatures. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2006;130(1):88-91.

treatment efficiency with self-ligating and conventional fixed orthodontic

10. Fleming PS, Lee RT, Marinho V, Johal A. Comparison of maxillary arch

appliances. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2010;137(6):738-42.

dimensional changes with passive and active self-ligation and conventional brackets in the permanent dentition: a multicenter, randomized controlled trial. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2013;144(2):185-93.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

157

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):139-57


Normas de apresentação de originais — O Dental Press Journal of Orthodontics publica artigos de investigação científica, revisões significativas, relatos de casos clínicos e de técnicas, comunicações breves e outros materiais relacionados à Ortodontia e Ortopedia Facial.

formatação Dos MANUSCRITOS — Submeta os artigos através do site: www.dentalpressjournals.com.br — Organize sua apresentação como descrito a seguir:

— O Dental Press Journal of Orthodontics utiliza o SGP, um sistema on-line de submissão e avaliação de trabalhos. Para submeter novos trabalhos visite o site: www.dentalpressjournals.com.br

1. Autores — o número de autores é ilimitado; entretanto, artigos com mais de 4 autores deverão informar a participação de cada autor na execução do trabalho.

— Outros tipos de correspondência poderão ser enviados para: Dental Press International Av. Dr. Luiz Teixeira Mendes, 2.712 - Zona 5 CEP 87.015-001 — Maringá/PR Tel.: (44) 3031-9818 E-mail: artigos@dentalpress.com.br

2. Página de título — deve conter título em português e em inglês, resumo e abstract, palavras-chave e keywords. — não devem ser incluídas informações relativas à identificação dos autores (por exemplo: nomes completos dos autores, títulos acadêmicos, afiliações institucionais e/ou cargos administrativos). Elas deverão ser incluídas apenas nos campos específicos no site de submissão de artigos. Assim, essas informações não estarão disponíveis para os revisores.

— As declarações e opiniões expressas pelo(s) autor(es) não necessariamente correspondem às do(s) editor(es) ou publisher, os quais não assumirão qualquer responsabilidade pelas mesmas. Nem o(s) editor(es) nem o publisher garantem ou endossam qualquer produto ou serviço anunciado nessa publicação ou alegação feita por seus respectivos fabricantes. Cada leitor deve determinar se deve agir conforme as informações contidas nessa publicação. A Revista ou as empresas patrocinadoras não serão responsáveis por qualquer dano advindo da publicação de informações errôneas.

3. Resumo/Abstract — os resumos estruturados, em português e inglês, de 250 palavras ou menos são os preferidos. — os resumos estruturados devem conter as seções: INTRODUÇÃO, com a proposição do estudo; MÉTODOS, descrevendo como o mesmo foi realizado; RESULTADOS, descrevendo os resultados primários; e CONCLUSÕES, relatando, além das conclusões do estudo, as implicações clínicas dos resultados. — os resumos devem ser acompanhados de 3 a 5 palavras-chave, também em português e em inglês, adequadas conforme orientações do DeCS (http://decs.bvs.br/) e do MeSH (www.nlm.nih.gov/mesh).

— Os trabalhos apresentados devem ser inéditos e não publicados ou submetidos para publicação em outra revista. Os manuscritos serão analisados pelo editor e consultores, e estão sujeitos a revisão editorial. Os autores devem seguir as orientações descritas adiante.

4. Texto — o texto deve ser organizado nas seguintes seções: Introdução, Material e Métodos, Resultados, Discussão, Conclusões, Referências, e Legendas das figuras. — os textos devem ter no máximo 3.500 palavras, incluindo legendas das figuras e das tabelas (sem contar os dados das tabelas), resumo, abstract e referências. — as figuras devem ser enviadas em arquivos separados (leia mais abaixo). — insira as legendas das figuras também no corpo do texto, para orientar a montagem final do artigo.

ORIENTAÇÕES PARA SUBMISSÃO Dos MANUSCRITOS — Os trabalhos devem ser escritos em língua inglesa, com qualidade vernacular adequada. — Apesar de ser oficialmente publicado em inglês, o Dental Press Journal of Orthodontics conta, ainda, com uma versão em português. Por isso, após o processo de revisão, os autores de língua portuguesa deverão enviar a versão em português do artigo, com conteúdo idêntico ao da versão em inglês, para que o trabalho possa ser considerado aprovado.

5. Figuras — as imagens digitais devem ser no formato JPG ou TIF, em CMYK ou tons de cinza, com pelo menos 7 cm de largura e 300 DPIs de resolução. — as imagens devem ser enviadas em arquivos independentes. — se uma figura já foi publicada anteriormente, sua legenda deve dar todo o crédito à fonte original. — todas as figuras devem ser citadas no texto.

— Antes de traduzir seu artigo para o inglês, se desejar saber se ele é adequado para publicação no Dental Press Journal of Orthodontics, utilize a opção de pré-submissão online (a qual não é obrigatória e não garante a aceitação do artigo). Todas as pré-submissões devem incluir um resumo, em português ou inglês, de acordo com as normas da revista. As pré-submissões são opcionais e os editores não poderão esclarecer os motivos de uma resposta negativa; mas os autores que receberem uma rejeição podem submeter formalmente o artigo completo, se assim desejarem.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

6. Gráficos e traçados cefalométricos — devem ser citados, no texto, como figuras. — devem ser enviados os arquivos que contêm as versões ori-

158

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):158-60


Normas de apresentação de originais ginais dos gráficos e traçados, nos programas que foram utilizados para sua confecção. — não é recomendado o envio dos mesmos apenas em formato de imagem bitmap (não editável). — os desenhos enviados podem ser melhorados ou redesenhados pela produção da revista, a critério do Corpo Editorial.

10. Referências — todos os artigos citados no texto devem constar na lista de referências. — todas as referências devem ser citadas no texto. — para facilitar a leitura, as referências serão citadas no texto apenas indicando a sua numeração. — as referências devem ser identificadas no texto por números arábicos sobrescritos e numeradas na ordem em que são citadas. — as abreviações dos títulos dos periódicos devem ser normalizadas de acordo com as publicações “Index Medicus” e “Index to Dental Literature”. — a exatidão das referências é responsabilidade dos autores e elas devem conter todos os dados necessários para sua identificação. — as referências devem ser apresentadas no final do texto obedecendo às Normas Vancouver (http://www.nlm.nih. gov/bsd/uniform_requirements.html). — utilize os exemplos a seguir:

7. Tabelas — as tabelas devem ser autoexplicativas e devem complementar, e não duplicar, o texto. — devem ser numeradas com algarismos arábicos, na ordem em que são mencionadas no texto. — forneça um breve título para cada tabela. — se uma tabela tiver sido publicada anteriormente, inclua uma nota de rodapé dando crédito à fonte original. — apresente as tabelas como arquivo de texto (Word ou Excel, por exemplo), e não como elemento gráfico (imagem não editável). 8. Comitês de Ética — os artigos devem, se aplicável, fazer referência ao parecer do Comitê de Ética da instituição.

Artigos com até seis autores Sterrett JD, Oliver T, Robinson F, Fortson W, Knaak B, Russell CM. Width/length ratios of normal clinical crowns of the maxillary anterior dentition in man. J Clin Periodontol. 1999 Mar;26(3):153-7.

9. Declarações exigidas Todos os manuscritos devem ser acompanhados das seguintes declarações, a serem preenchidas no momento da submissão do artigo: — Cessão de Direitos Autorais Transferindo os direitos autorais do manuscrito para a Dental Press, caso o trabalho seja publicado. — Conflito de Interesse Caso exista qualquer tipo de interesse dos autores para com o objeto de pesquisa do trabalho, esse deve ser explicitado. — Proteção aos Direitos Humanos e de Animais Caso se aplique, informar o cumprimento das recomendações dos organismos internacionais de proteção e da Declaração de Helsinki, acatando os padrões éticos do comitê responsável por experimentação humana/animal. — Permissão para uso de imagens protegidas por direitos autorais Ilustrações ou tabelas originais, ou modificadas, de material com direitos autorais devem vir acompanhadas da permissão de uso pelos proprietários desses direitos e pelo autor original (e a legenda deve dar corretamente o crédito à fonte). — Consentimento Informado Os pacientes têm direito à privacidade que não deve ser violada sem um consentimento informado. Fotografias de pessoas identificáveis devem vir acompanhadas por uma autorização assinada pela pessoa ou pelos pais ou responsáveis, no caso de menores de idade. Essas autorizações devem ser guardadas indefinidamente pelo autor responsável pelo artigo. Deve ser enviada folha de rosto atestando o fato de que todas as autorizações dos pacientes foram obtidas e estão em posse do autor correspondente.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

Artigos com mais de seis autores De Munck J, Van Landuyt K, Peumans M, Poitevin A, Lambrechts P, Braem M, et al. A critical review of the durability of adhesion to tooth tissue: methods and results. J Dent Res. 2005 Feb;84(2):118-32. Capítulo de livro Kina S. Preparos dentários com finalidade protética. In: Kina S, Brugnera A. Invisível: restaurações estéticas cerâmicas. Maringá: Dental Press; 2007. cap. 6, p. 223-301. Capítulo de livro com editor Breedlove GK, Schorfheide AM. Adolescent pregnancy. 2nd ed. Wieczorek RR, editor. White Plains (NY): March of Dimes Education Services; 2001. Dissertação, tese e trabalho de conclusão de curso Beltrami LER. Braquetes com sulcos retentivos na base, colados clinicamente e removidos em laboratórios por testes de tração, cisalhamento e torção [dissertação]. Bauru (SP): Universidade de São Paulo; 1990. Formato eletrônico Câmara CALP. Estética em Ortodontia: Diagramas de Referências Estéticas Dentárias (DRED) e Faciais (DREF). Rev Dental Press Ortod Ortop Facial. 2006 nov-dez;11(6):130-56. [Acesso 2008 Jun 12]. Disponível em: www.scielo.br/pdf/dpress/v11n6/a15v11n6.pdf.

159

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):158-60


Comunicado aos Autores e Consultores - Registro de Ensaios Clínicos 1. O registro de ensaios clínicos Os ensaios clínicos se encontram entre as melhores evidências para tomada de decisões clínicas. Considera-se ensaio clínico todo projeto de pesquisa com pacientes que seja prospectivo, nos quais exista intervenção clínica ou medicamentosa com objetivo de comparação de causa/efeito entre os grupos estudados e que, potencialmente, possa ter interferência sobre a saúde dos envolvidos. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), os ensaios clínicos controlados aleatórios e os ensaios clínicos devem ser notificados e registrados antes de serem iniciados. O registro desses ensaios tem sido proposto com o intuito de identificar todos os ensaios clínicos em execução e seus respectivos resultados, uma vez que nem todos são publicados em revistas científicas; preservar a saúde dos indivíduos que aderem ao estudo como pacientes; bem como impulsionar a comunicação e a cooperação de instituições de pesquisa entre si e com as parcelas da sociedade com interesse em um assunto específico. Adicionalmente, o registro permite reconhecer as lacunas no conhecimento existentes em diferentes áreas, observar tendências no campo dos estudos e identificar os especialistas nos assuntos. Reconhecendo a importância dessas iniciativas e para que as revistas da América Latina e Caribe sigam recomendações e padrões internacionais de qualidade, a BIREME recomendou aos editores de revistas científicas da área da saúde indexadas na Scientific Library Electronic Online (SciELO) e na LILACS (Literatura Latino-americana e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde) que tornem públicas estas exigências e seu contexto. Assim como na base MEDLINE, foram incluídos campos específicos na LILACS e SciELO para o número de registro de ensaios clínicos dos artigos publicados nas revistas da área da saúde. Ao mesmo tempo, o International Committee of Medical Journal Editors (ICMJE) sugeriu aos editores de revistas científicas que exijam dos autores o número de registro no momento da submissão de trabalhos. O registro dos ensaios clínicos pode ser feito em um dos Registros de Ensaios Clínicos validados pela OMS e ICMJE, cujos endereços estão disponíveis no site do ICMJE. Para que sejam validados, os Registros de Ensaios Clínicos devem seguir um conjunto de critérios estabelecidos pela OMS.

controles de qualidade. Os sites para que possam ser feitos os registros primários de ensaios clínicos são: www.actr.org. au (Australian Clinical Trials Registry), www.clinicaltrials. gov e http://isrctn.org (International Standard Randomised Controlled Trial Number Register (ISRCTN). Os registros nacionais estão sendo criados e, na medida do possível, os ensaios clínicos registrados nos mesmos serão direcionados para os recomendados pela OMS. A OMS propõe um conjunto mínimo de informações que devem ser registradas sobre cada ensaio, como: número único de identificação, data de registro do ensaio, identidades secundárias, fontes de financiamento e suporte material, principal patrocinador, outros patrocinadores, contato para dúvidas do público, contato para dúvidas científicas, título público do estudo, título científico, países de recrutamento, problemas de saúde estudados, intervenções, critérios de inclusão e exclusão, tipo de estudo, data de recrutamento do primeiro voluntário, tamanho pretendido da amostra, status do recrutamento e medidas de resultados primárias e secundárias. Atualmente, a Rede de Colaboradores está organizada em três categorias: - Registros Primários: cumprem com os requisitos mínimos e contribuem para o Portal; - Registros Parceiros: cumprem com os requisitos mínimos, mas enviam os dados para o Portal somente através de parceria com um dos Registros Primários; - Registros Potenciais: em processo de validação pela Secretaria do Portal, ainda não contribuem para o Portal. 3. Posicionamento do Dental Press Journal of Orthodontics O DENTAL PRESS JOURNAL OF ORTHODONTICS apoia as políticas para registro de ensaios clínicos da Organização Mundial da Saúde - OMS (http://www. who.int/ictrp/en/) e do International Committee of Medical Journal Editors – ICMJE (http://www.wame.org/wamestmt.htm#trialreg e http://www.icmje.org/clin_trialup. htm), reconhecendo a importância dessas iniciativas para o registro e divulgação internacional de informação sobre estudos clínicos, em acesso aberto. Sendo assim, seguindo as orientações da BIREME/OPAS/OMS para a indexação de periódicos na LILACS e SciELO, somente serão aceitos para publicação os artigos de pesquisas clínicas que tenham recebido um número de identificação em um dos Registros de Ensaios Clínicos, validados pelos critérios estabelecidos pela OMS e ICMJE, cujos endereços estão disponíveis no site do ICMJE: http://www.icmje.org/faq.pdf. O número de identificação deverá ser registrado ao final do resumo. Consequentemente, recomendamos aos autores que procedam o registro dos ensaios clínicos antes do início de sua execução.

2. Portal para divulgação e registro dos ensaios A OMS, com objetivo de fornecer maior visibilidade aos Registros de Ensaios Clínicos validados, lançou o portal WHO Clinical Trial Search Portal (http://www.who.int/ ictrp/network/en/index.html), com interface que permite busca simultânea em diversas bases. A pesquisa, nesse portal, pode ser feita por palavras, pelo título dos ensaios clínicos ou pelo número de identificação. O resultado mostra todos os ensaios existentes, em diferentes fases de execução, com enlaces para a descrição completa no Registro Primário de Ensaios Clínicos correspondente. A qualidade da informação disponível nesse portal é garantida pelos produtores dos Registros de Ensaios Clínicos que integram a rede recém-criada pela OMS: WHO Network of Collaborating Clinical Trial Registers. Essa rede permitirá o intercâmbio entre os produtores dos Registros de Ensaios Clínicos para a definição de boas práticas e

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics

Atenciosamente, David Normando, CD, MS, Dr Editor-chefe do Dental Press Journal of Orthodontics ISSN 2176-9451 E-mail: davidnormando@hotmail.com

160

Dental Press J Orthod. 2014 May-June;19(3):158-60


Dental Press Journal of Orthodontics, V19, n3 May/Jun  
Advertisement