Rituais com Máscara - Lamego

Page 1

Coordenação Coordination Hélder Ferreira Texto Text Amândio de Castro Lourenço, Elisa Martins Alves

Fotografia Photography Hélder Ferreira

RITUALS WITH MASKS

COM

RITUAIS MÁSCARA ROTA DAS MÁSCARAS EM PORTUGAL ROUTE OF MASKS IN PORTUGAL

LAMEGO Lazarim


Ficha Técnica Masthead Projecto Project Progestur Coordenação Coordination Hélder Ferreira Texto Text Amândio de Castro Lourenço, Elisa Martins Alves Fotografia Photography Hélder Ferreira Tradução Translation Íris Lima Design e Arte final Design and Final Art André Lopes Capa Cover André Lopes Mapas Maps Telmo Amaro Impressão e acabamento Printing and finishing Ondagrafe Tiragem Circulation 1.000 exemplares Novembro November 2015 Depósito Legal nº 401402/15 ISBN 978-989-99501-0-8

Promotor

Parceiro Institucional Institutional Partner

Co-financiamento Co-financing


Índice Index

Rota das Máscaras 04 Route of the Masks

Nota de Abertura 06 Note of Introduction

O Entrudo 08 The Shrovetide

Turismo - Património e Cultura com Séculos de História 66 Tourism - Heritage and Culture with Centuries of History

Mapas Inatel 80 Map Inatel


ROTA DAS MÁSCARAS

ROUTE OF MASKS

CENTRO

LAMEGO Entrudo, em Lazarim - Carnaval Shrovetide, in Lazarim - Carnival GPS N 41° 25′ 43″ / W 6° 20′ 46″

04


05


Nota de Abertura Opening Note

Porquê uma coleção de livros sobre os rituais da máscara em Portugal quando já existem várias edições sobre a temática, sendo até a Progestur responsável por várias dessas publicações? A realidade é que quando consultamos a bibliografia disponível, concluímos que a quase totalidade dos trabalhos ou edições existentes, nos falam dos “rituais da máscara” num contexto antropológico, etnográfico, falando-nos das origens epistemológicas da “máscara”, repetindo o conhecimento que existe sobre as respetivas origens ou influências que sofreu ao longo do tempo, assim como os correspondentes significados. No entanto, sobre o que representam hoje estes rituais, a sua componente mais sociológica e diria mesmo, uma visão mais contemporânea, concluímos que nesta abordagem muito pouco foi feito, com exceção de alguns trabalhos pontuais e localizados. Com esta coleção pretendemos, assim, colmatar um vazio na informação disponível sobre o tema, levando aos leitores aquilo que a festa é hoje, o que representa, como é vivida e sentida pelas populações, ou seja, de uma forma despretensiosa, gostaríamos de conseguir transmitir os sons, as cores, os cheiros, as emoções e a importância destes rituais nas comunidades que as mantêm, mas também enquanto pertença da nossa memória coletiva, parte da nossa identidade nacional. A tudo isto juntamos uma mais-valia socio económica - porque de uma riqueza se trata - e com a fundação INATEL, criamos as “Rotas das Máscaras em Portugal” que farão parte integrante da totalidade da coleção, apresentando ao leitor a oferta turístico-cultural dos municípios referentes, permitindo-lhe não só “saborear” das emoções destas festividades mas também da gastronomia, da cultura patrimonial e imaterial, das belas paisagens, enfim “disfrutando” do que melhor temos para lhes oferecer.

06

Why a collection of books about the rituals of masks in Portugal, when there are numerous editions about this thematic, being the Progestur responsible for many of the already published works? The reality is that, when we consult the available literature, it can be concluded that almost all of the works or editions existent, address the “rituals of the mask” in a anthropologic, ethnographic context, that approaches the epistemological origins of the “mask”, repeating the existent knowledge about the respective origins or influences that this manifestation suffered trough time, also reflecting on their significance. However, about what these rituals represent currently, their sociological component, and, I would even say, a more contemporary vision, we conclude that there is still so much to do, impelling a profound investigation that has being initiated with punctual and specific works. With this collection we intend to give more acquaintance about this thematic, taking the reader to know what is the festivity in present days, what represents, how is lived and felt by the populations, transmitting, in an unpretentious way, the sounds, colors, smells, emotions and the importance of these rituals in the maintenance of communities and as a ownership of our collective memory, part of our national identity. To all of this we added a social-economic value - because it’s a rich manifestation - and in association with Fundação INATEL, we created the “Rotas das Máscaras em Portugal” (Route of Masks in Portugal) that will be part of the entire collection, presenting to the reader a tourist and cultural offer of the counties presents in the books, allowing not just the “relish” of the emotions in each festivity , but also the gastronomy, cultural heritage and beautiful landscapes, enjoying the very best we have to offer.


Esperamos, assim, poder contribuir com esta obra para uma maior visibilidade do nosso património cultural imaterial e, em particular, do tema dos “rituais da máscara”, com uma abordagem que pensamos ser “interessante” e destacando a sua importância. Para terminar, um grande obrigado a todos os “fazedores” destes rituais, participantes e organizadores, às entidades que apoiam e acreditam na valorização dos seus territórios pela via da afirmação da identidade cultural e finalmente, a toda a equipa Progestur e colaboradores que trabalham nesta coleção. A todos, um grande bem-haja.

With this collection we expect to contribute with more visibility of our cultural heritage and, in particular, the thematic of “rituals of mask”, with an approach that we consider “interesting”, emphasizing their importance. To finish, a huge thank you to all the “doers” of this rituals, participants and organizers, to the entities that support and believe the valorization of their territories, for the affirmation of a cultural identity and finally to all the Progestur team and collaborators that work in this collection. To all, bem-haja.

Hélder Ferreira Coordenador da Coleção Collection Coordinator

07


Festa Festivity Entrudo Local Location Lazarim Data Date Carnaval População Population 521 Habitantes (Censos 2011) GPS N 41° 25′ 43″ / W 6° 20′ 46″

08

Informações Info jflazarim@portugalmail.pt

O Entrudo

The Shrovetide

O Entrudo integrado no ciclo temporal que assinala a passagem do Inverno e o início da Primavera, remonta a tempos anteriores ao cristianismo na Península Ibérica, sendo-lhe atribuídos significados pagãos, constituídos por práticas propiciatórias, comunicação com o sobrenatural, assim como a resolução dos conflitos com o objetivo do fortalecimento de laços e coesão da comunidade. O cristianismo alterou-lhe o significado, ao integrar este período nas comemorações cristãs, passa a representar o combate entre o Bem e o Mal, o Pecado e a Virtude. É um período de liberdades licenciosas, de desordem e de caos permitido e por vezes apropriado pela Igreja Católica num prisma facilitador da aceitação do período de jejum de 40 dias da Quaresma. O Entrudo representa um ciclo de tempo nas vidas das comunidades e todos os grupos sociais refletem através de processos rituais, um conjunto de valores e de práticas que desejam preservar e transmitir, como herança do seu património identitário. Os ritos, os símbolos, os textos, as práticas corporais tornam-se meios de expressão, capital simbólico.

The Shrovetide integrated in the temporal cycle that marks the passage of Winter and the beginning of Spring, reports to a time before the presence of christianity in the Iberian Peninsula, being attribute to these period pagan significations, established by propitiatory practices, communication with the supernatural, as well as the conflict resolution with a purpose of strengthen the bonds and cohesion in the community. The christianity changed its significance, by making this period part of christian celebrations, representing the battle between Good and Evil, Sin and Virtue. It’s a period of licensed liberties, of disorder and chaos, allowed and sometimes appropriated by the Catholic Church in a permissive perspective of acceptance of the fasting period of 40 days in the Lenten season. The Shrovetide represents a time cycle in the communities’ lives that make all the social groups reflect through ritual processes, on a series of values and practices they wish to preserve and pass, as heritage of their identity. The rites, symbols, manuscripts and the body practices turned into ways of expression, a symbolic capital.


09


10


As máscaras surgem assim como forma de expressão simbólica dos valores fundamentais, representando figuras monstruosas e ou bizarras, do imaginário local, com grande incidência na figura do diabo. Este capital simbólico de uma comunidade confere-lhe uma identidade social que lhes é reconhecida e a minimização do seu estado de isolamento ou de periferia face às comunidades dominantes. As aldeias ou vilas do interior do país vivem o impacto da desertificação e do envelhecimento das populações, à semelhança de Lazarim. Para estas comunidades preservar a memória histórica e as suas práticas rituais é mais do que a defesa do seu capital simbólico, é uma forma de sobrevivência numa sociedade globalizada. Assim surgem as sublimações das tradições e a sua reinvenção numa estratégia de superação do esquecimento, através de mecanismos de memórias coletivas e da transmissão a toda a comunidade de um sentimento pertença.

The masks appear as a form of symbolic expression of fundamental values, representing monstrous and bizarre figures, from the local imaginary, specially the figure of the devil. This symbolic capital of a community gives it a recognized social identity and the minimization of its isolation or peripheral state, in relation to the dominant communities. The villages from the interior of the country suffer from the impact of desertification and the aging of populations, similar to what happens in Lazarim. To these communities the act of preserving the historical memories and their ritual practices it’s more than a defense of their symbolic capital, it’s a way to survive in a globalized society. In this way, emerge the sublimation of traditions and their reinvention, in a strategy of overcoming the forgetfulness, achieved by mechanisms of collective memories and transmission to the whole community of a sentiment of belonging.

11