Page 1


LEMBRE-SE C.M. Steele

TRADUÇÃO INDEPENDENTE


Connie: Estou perdendo-me nisso. Eu fiz a coisa mais insana do mundo. Eu me apaixonei, por um homem inconsciente. Quem faz isso? Quero dizer, ele é bonito, apesar de estar perto da morte, mas ele não disse uma palavra para mim. David: Ela é meu anjo. Eu ouço a voz dela nos meus sonhos. Eu posso não saber quem eu sou, mas sei, que ela é minha.


Copyrighted © 2017 Todos os direitos reservados Esta é uma obra de ficção. Nomes, personagens, empresas, lugares, eventos e incidentes são produtos da imaginação do autor e são usados ficticiamente. Qualquer semelhança com pessoas reais, vivas ou mortas, eventos ou locais é mera coincidência. Design da capa: CM Steele Imagem da capa: Fotos do depósito O uso de atores, artistas, filmes, programas de TV e títulos / letras de músicas ao longo deste livro é feito para propósitos de contar histórias e não deve, de forma alguma, ser visto como propaganda. Os nomes das marcas registradas são usados de forma editorial, sem intenção de infringir a marca registrada do respectivo proprietário. Este livro é licenciado para sua diversão pessoal. Todos os direitos reservados. Este livro destina-se apenas a adultos maduros. Contém conteúdo sexual e linguagem, que pode ofender alguns. A audiência de leitura sugerida é de 18 anos ou mais. Considero este livro, como romance erótico adulto.


Prólogo Capítulo 1 Capítulo 2 Capítulo 3 Capítulo 4 capítulo 5 Capítulo 6 Capítulo 7 Capítulo 8 Capítulo 9 Capítulo 10 Capítulo 11 Capítulo 12 Capítulo 13 Capítulo 14 Capítulo 15 Epílogo


Prólogo

David "Há um motorista esperando por mim?" Eu murmuro em voz alta. Talvez Molly tenha ordenado. O aeroporto estava lotado às cinco horas, então lutar por um táxi, não valeria a pena. "Sou David Parker", digo ao homem de terno. Eu não gosto da aparência dele, porém, algo sobre o jeito que ele olha, envia um arrepio na minha espinha. Ele tem aquela presença de pessoa estúpida. O tipo que tem "Assassino" em seus dedos. Eu entro no carro, pensando que pode não ser sábio. Eu chamo meu PI, enquanto estou a caminho, mas ele não responde. “Ei Jack, é o David. Eu preciso que você me ligue, sobre alguns problemas práticos”. Eu desligo depois de deixar, o meu número de celular. O sentimento se forma, quando passamos pela cidade. Ele não fala comigo o tempo todo. Eu vejo meu hotel se aproximando, mas ele passa. "Ei, esse é o meu hotel." "Você foi movido, de acordo com o itinerário, que sua assistente enviou." É um dia nebuloso em maio. As nuvens pairam acima, escurecendo o céu. “Ok.” Nós viramos em um beco, me deixando mais no limite. Ele pára e outro carro bloqueia a saída. "Merda, o que está acontecendo?" Eu grito. "Saia fora daqui." Eu vejo outro carro, vindo de trás de nós, bloqueando-nos. Eu alcanço a maçaneta da porta, mas a fechaduras à prova de crianças, está acionada, deixando-me preso. Ele desliga o carro, antes que eu possa baixar as janelas. Estou começando a entrar em pânico. Eu sei muito bem, que isso foi uma armadilha. Porra, se eu não lutar contra isso, eu sou um homem morto. Eu pego o encosto de cabeça, assim que o cara pula. Eu puxo, até que esteja livre do assento. É minha única arma. Ele abre a porta, apontando uma arma para mim. "Saia, Parker." Eu saio, segurando o encosto de cabeça. Ele pode ver, mas foda-se se me importo. Eu não vou cair sem lutar. "O que diabos está acontecendo?" "Você vai morrer. É isso aí."


"Por quê?" Eu perguntei. "Porque o dinheiro fala." Eu corro ao redor dele. A arma cai, quando eu giro, chutando-o contra o prédio, mas antes que eu possa alcançá-lo, dois outros caras me cobrem. Eu apunhalo um, com o encosto de cabeça, enquanto dou um chute, nas costas de seu amigo. Eu sei que esta é uma luta perdida e eu tenho que correr, mas não há para onde ir. Eles me batem, um puxa uma faca e essa é a última coisa que eu lembro, antes de correr, para a borda do beco. Eu desmorono e o mundo se torna escuro.


Capítulo 1

Connie É uma loucura, que estou ansiosa, para vir trabalhar hoje. Não é , que eu não ame o meu trabalho como enfermeira, mas ultimamente, eu tenho um motivo, um paciente, no quarto 303. Ele é o homem mais bonito, que eu já vi, e falo com ele diariamente, mas há apenas um grande problema. Ele está em coma. Ele chegou aqui há três semanas, espancado, machucado, esfaqueado e baleado. Ele foi encontrado dentro de um beco, a poucos quarteirões do hospital. Por todos os meios, ele deveria estar morto. Os detetives ficaram confusos, com este caso. Suas impressões digitais, voltaram sem um golpe. A polícia achou, que não era do seu interesse, dar muita atenção. Ele foi relatado na Polícia de Chicago, mas não houve outra menção. Um relatório preliminar, chegou aos jornais on-line, mas era básico e com a intenção, de manter o perigo longe dele. Não havia nenhum tipo de identificação nele e, ao longo de sua estada, ninguém veio procurá-lo. Todos os dias, eu esperava que uma mulher, não viesse reivindicá-lo, como dela. E, ao mesmo tempo, fiquei lívida que ninguém veio. Quando me preparo para o trabalho, verifico minha aparência, na esperança de não sair desarrumada ou necessitada, para ver meu paciente. Quem faz isso? Quem se apaixona por um homem, com quem nunca falou? Porque é o que eu fiz e, neste momento, é mais do que óbvio, para todos. Eu pulo no meu carro, indo para o hospital. Parece o caminho mais longo, embora eu viva há apenas, cerca de trinta minutos de distância. No momento em que chego, vou ao seu andar, para trabalhar com vários outros pacientes. Eu fiz o meu melhor, para evitar dar uma espiada nele. Eu tomo meu tempo, querendo tratar todos, com a paciência que eles merecem. Acabei de terminar o relatório para o último, quando Marla chega correndo, ao posto de enfermagem.


Ela olha para mim, com os olhos arregalados e um sorriso que é tão diferente dela. “Connie! Depressa, garota! Ele finalmente está acordado e acho que está procurando por você.” "O quê?" Ela só pode estar falando, sobre uma pessoa. Não há mais ninguém, em coma. Ela me arrasta do meu lugar, com a mão sob a axila. É agressivo, então não é quem Marla, costuma ser. Eu rio nervosamente. Marla revira os olhos para mim e continua. “Ele perguntou sobre a voz da mulher, que ele estava ouvindo. Ele sabe que não é nenhuma de nós, então tem que ser você, ” ela grita, sorrindo como uma idiota. Ela é uma pessoa certinha, que nunca mostra um pouco de leveza, então isso é uma surpresa. Meu coração está batendo, fora de controle e eu estou tentando acalmá-lo, mas não está funcionando. Algumas enfermeiras e médicos, me provocaram, nas últimas semanas. Dizem que me apaixonei por ele, porque ele não me diz para ficar quieta, enquanto assiste ao jogo. Corro para o quarto, endireitando meu uniforme favorito e cabelo, freneticamente, antes de entrar no quarto. Nossos olhos se encontram, enquanto ele olha para a porta, esperando pela minha chegada. As borboletas no meu estômago, estão ficando selvagens. Ele está aqui, há vinte e dois dias, para ser exata. Seu cabelo escuro fora raspado, por causa dos ferimentos e do inchaço, e só aparávamos a barba, uma vez por semana. Ele sorri para mim e eu sei que ele está esperando que eu diga algo, mas eu não sei o que dizer. É como se perdesse minha língua, cérebro, tudo. Este homem passou pelo inferno e voltou, e ainda estou ofegante, como uma cadela no cio. Ele parece bom, para o que ele passou. Ele continua a olhar, me forçando, a dizer alguma coisa. "Estou tão feliz, em ver que você acordou, senhor", eu gaguejo, colocando uma mecha de cabelo, atrás da minha orelha. Foi mais um movimento nervoso, porque eu tinha acabado de consertar, antes de ir para o seu quarto. Ele é bonito e meu coração palpita, como se eu estivesse no colégio novamente. Eu não consigo parar de corar. "É você. Você é a voz, na minha cabeça. Qual o seu nome? Por falar nisso, qual é meu?” Ele sorri como se estivesse jogando, mas posso dizer, que ele certamente, não tem a menor ideia. Seu sorriso vacila, quando ele revela a confusão, que está enfrentando.


"Você não sabe quem você é?" Estou ao seu lado, em um instante, pegando sua mão e acariciando-a. Eu não posso acreditar, que ele não se lembra, quem é. Bem, eu posso, considerando o dano físico, em sua cabeça. “Sinto muito, mas não sabemos. Você não consegue lembrar de nada? ” Eu questiono, me sentindo magoada por ele e sua situação, meu coração se partindo em sua realidade. Ele tem que estar tão confuso. "Apenas a sua voz." Ele pega a outra mão e cobre a minha, prendendo-a entre as suas. Lá vão esses sentimentos novamente. Meu corpo está pirando, enquanto eu mantenho uma cara séria e lembro da minha posição, como enfermeira. "Não se preocupe, vamos descobrir", prometo. Ninguem veio, procurando por ele, então talvez ele devesse estar desaparecido. "Obrigado, meu anjo, agora, diga-me o seu nome." Ele aperta minha mão, parecendo determinado. "É Connie", eu digo, sorrindo para ele. Eu não deveria estar flertando. Isso é tão errado, mas não consigo me controlar. "Uau, você é mais bonita do que eu sonhei", ele murmura, olhando para mim, com uma nova luz , em seus olhos. Eu sorrio novamente, balançando a cabeça. "Você teve ferimentos graves", eu argumento. "Minha mente está confusa, mas minha visão, parece perfeitamente bem." Estou tão ferrada. Eu entro no modo de enfermeira novamente e me forço a ignorar seu flerte flagrante. É então que nosso assistente social, é chamado para falar com ele. Volto a trabalhar com meus outros pacientes, enquanto médicos e inúmeros profissionais entram e saem, de seu quarto. Eu digo a mim mesma, que vou parar lá, antes de ir para casa.


Capítulo 2

David Eu aparentemente, tenho alguns inimigos sérios, dos quais eu sou totalmente ignorante. Eu tenho família? Há quanto tempo, estou aqui? "Como você está se sentindo?” Ela pergunta, checando meus sinais vitais. O toque de sua pequena mão, acelera meu pulso. Eu olho para ela, examinando sua beleza. Ela está vestindo um uniforme de enfermeira rosa, muito claro. Eu me pergunto, se ela é um presente, por sobreviver, ou minha razão, para sair do esquecimento. “Como merda, mas grato, desde que eu ainda estou vivo, anjo. Há quanto tempo eu estou aqui? ” As outras enfermeiras estavam correndo loucamente, então eu não tive a chance, de obter uma resposta direta delas. Talvez elas tenham dito, mas eu estava focado, em encontrar a voz, que vivia na minha cabeça. "Três semanas. Você acha , que tem alguma família, que poderia estar procurando por você?” Ela tinha os olhos azuis mais brilhantes, e eles eram um forte contraste, com o cabelo castanho escuro. "Talvez uma irmã", eu pondero. "Uma irmã?" “Tem uma mulher, que eu posso imaginar na minha cabeça. Uma jovem morena” - digo, afastando-me enquanto tento imaginá-la. "Realmente", ela murmura. Meus olhos voltam para os dela; Eu posso ver que ela está ficando desconfortável. Estou fisicamente quebrado, mas me pergunto se o que sinto, é compartilhado pelo meu anjo. “Eu não vejo intimidade entre nós, mas a vejo chorando na minha frente. Ela precisa da minha ajuda, mas depois desaparece. ” Me incomoda não conseguir entender, mas minha cabeça está batendo forte demais, para funcionar.


"Ninguém veio atrás de você", ela admite nervosamente, cuidando dos meus sentimentos. "Uau, ou eu sou um verdadeiro espião ou não tenho família." Eu me encolho com o fato, de que ninguém parece se importar. "Bem, eu não acho que você é um otário", diz ela, apertando minha mão. "Quem sabe. Eles dizem que quem bate na cabeça, pode mudar sua personalidade. E eu tenho certeza que sim, e então alguns..., ”eu termino com um grunhido. "Você está sofrendo?" "Minha cabeça sim." “Vou dar-lhe outra dose ligeira. Por favor, descanse. Tente não pensar muito.” Eu franzi as sobrancelhas para ela, como se fosse a única coisa, que eu poderia fazer no momento. "Eu sei, é difícil, mas eu posso trazer-lhe uma televisão ou algo para ler, até você dormir." "Que tal um pouco de comida?" “Eles vão iniciar você, em algo para comer , em poucas horas. Vai ser leve e provavelmente sem graça, mas você não teve o sustento normal, por três semanas. Nós não queremos, que você vomite, em todo o lugar.”


Capítulo 3

Connie Meu turno estava quase no fim e, no entanto, não quero ir para casa. Não seria certo para mim ficar, mesmo como amiga. Ele parecia tão solitário, na última vez, que saí do seu quarto. O próximo turno começou há dez minutos e eles estão checando-o agora. Eu deveria dizer boa noite, mas é depois da hora de visita. Assim que saio, caminho até os elevadores. Eu não posso vê-lo, porque não vou sair, se o fizer. Há essa energia, que passa entre nós e eu quero para mim. O homem está completamente quebrado e tudo o que posso pensar, é o quão bonito ele é. Ignorando o desejo de me virar, volto para casa. Meu lugar é pequeno, mas parece um abismo, neste exato momento. Tenho família e amigos, mas nunca me senti tão sozinha. Eu puxo meu top, sobre a minha cabeça, jogando-o no chão, não me importando, que estou fazendo uma bagunça. Não há ninguém, para voltar para casa, de qualquer maneira. Meu telefone toca, no meu bolso. É provavelmente a minha mãe, para o nosso padrão você chegou em casa a salvo, do trabalho. Eu pego e vejo que é chamada do hospital. "Eu esqueci de fazer alguma coisa?" Eu não estava distraída, mas não conseguia pensar direito hoje. "Sim, seu paciente está inconformado, porque você não disse adeus." Eu fecho meus olhos e me inclino, contra as costas do meu sofá. "Aqui está ele." Eles estão deixando, que ele me ligue? "Olá, anjo." "Olá. Adeus, ”eu murmuro, esperando terminar a ligação, antes que as coisas fiquem estranhas. "Isso não é uma música?", Pergunta ele. Eu inclino um braço, nas costas do sofá e com as sobrancelhas arqueadas, eu respondo: “Sim, é. Você consegue se lembrar disso?”


Ele dá uma leve risada, antes de responder: "É engraçado, mas, sim, coisas quase irrelevantes e aleatórias, têm parado, no meu cérebro estragado". "Existe alguma coisa, que você possa lembrar?" Eu estou tão excitada sobre isso, que eu começo a andar pela sala, pronta para fazer uma dança feliz. "Sua voz. Fica comigo. ” Por que ele tem que dizer, essas coisas? Não podemos ficar juntos, apesar de eu devorar suas palavras e apreciá-las. "Nós não deveríamos, ter essa conversa." “Não, nós provavelmente não devíamos, mas depois de saber, que ninguém veio me procurar, francamente não ligo, se alguém o faz.” “Eu sei, mas o terapeuta estará lá, para tentar refrescar sua memória, em dois dias. Vejo você amanhã." "Boa noite, meu anjo", ele sussurra. Eu ouço o telefone sendo entregue e espero Karrie, voltar para a linha. Ela assumiu por mim, quando eu saí, e eu estava secretamente com ciúmes, do fato de que ela estava com ele, agora. “Ei, Connie. Eu estou dando a ele, seus remédios para a noite. Descanse e eu te vejo, pela manhã.” "Obrigada, Karrie." Eu termino a ligação e jogo o telefone no sofá. Eu me levanto e decido tomar um banho quente. Pode me ajudar a dormir, esta noite. Este vai ser um caminho, muito longo. Talvez a minha paixão por ele, não seja mais do que isso. Deitei na água, quase adormecendo, com o calor e as bolhas. A única coisa que me impede, são seus olhos. Eles estão comigo, toda vez que eu fecho os meus. Eu saio, então eu realmente não durmo e vou para a cama.


Capítulo 4

David Uma semana se passou, desde que acordei. Parece uma eternidade e eu quero ir embora, mas inferno, se eu tiver para onde ir. Assim que eu me curar, eles provavelmente, vão me jogar no meu traseiro. É outra semana, antes de poder sair fisicamente, mas mentalmente estou perdido. Sem saber quem sou, não sei como fazer a vida. Inferno, eu nem sei meu nome. Connie seria gentil o suficiente, para me aceitar, mas não seria correto, levar sua caridade, quando eu a desejo, de maneiras que não são certas, se eu tiver outra pessoa. Há uma mulher, que continua aparecendo na minha cabeça, mas eu não a quero intimamente. Eu tenho me encontrado, com todos os tipos de terapeutas. Os psicoterapeutas, estavam tentando refrescar minha mente. Um deles acredita, pelo som da minha voz, que eu não sou de Chicago, mas sim do MeioOeste. Isso poderia explicar, porque alguém não foi capaz, de me encontrar aqui. Especialmente se eles não tivessem ideia, de que eu viria para Chicago. Porra, isso é horrível. Connie me deixou por conta própria, para fazer as rondas, então decidi, que era hora de dar uma volta, no corredor. Eu venho fazendo a mesma coisa, todos os dias, gradualmente, mas com certeza, me tornando mais forte. "David?" Uma voz chama. Eu giro e é a mulher, em meus pensamentos. Eu a conheço, mas sinto que ela poderia, ser minha irmã. Connie está de pé, com ela, ajudando-a a andar, por aí. "Espere, você o conhece?" Eu ouço Connie perguntar. É atado com emoções mistas. Eu olho para Connie, tentando julgar sua tensão. Se é o ciúme, acho que é, espero que esta mulher, me diga que sou solteiro. "Claro que sim", ela responde. Eu corro e a abraço com força. Ela é a salvação, para o meu passado e espero um futuro positivo. "Brooke", eu digo, seu nome vindo para mim, imediatamente. Alguns desses receptores, estão sendo


acionados, no meu cérebro. Ela olha para mim estranhamente, porque estou uma bagunça. Embora pelo que eu possa ver, ela não está muito melhor. "Você a conhece?", Pergunta o médico, ao lado da estação. "Sim, embora, eu não sei bem como", eu respondo, dando ao doutor, uma careta confusa. "Blossom". Eu olho para o homem, que veio por trás dela, que parece chateado, que nos conhecemos. Ele está me olhando, com desenhos violentos. “Devin. Por favor, venha aqui”. Ele toma o lugar de Connie, segurando o braço de Brooke. Devin é o nome dele, mas eu não o reconheço. "Eu não sei o que está acontecendo, mas estou ficando cansada, então posso me sentar em algum lugar?" Estou satisfeito, que ele não sorri para Connie, porque eu estou muito fraco, para chutar o traseiro dele. "Oh, certamente." Uma das enfermeiras, traz uma cadeira giratória de sua estação e Brooke se senta. Com todos ao redor, eu imploro: "Brooke, eu preciso de respostas." “Ok, David. Eu não sei, o que aconteceu com você ou porque você está aqui, mas vou lhe dizer o que sei. Você é David Parker, de Cincinnati, Ohio, assim como eu, e você é amigo e advogado da família, há dez anos.” - “Um advogado?” Tanto Connie quanto eu, repetimos, jogando o pensamento na minha cabeça. Mais algumas imagens aparecem e estou imaginando um prédio, com meu nome. "Sim. A última vez que nos falamos, você estava se preparando, para sair da cidade. Não recebi todos os detalhes porque estava ...” Eu a interrompi, quando uma memória me atingiu. “Porque seus pais morreram e você precisava de algo. Está começando a voltar. ” Meus olhos se concentram em Connie mais e mais, enquanto eu sinto, que linhas de memórias, começam a preencher, os espaços em branco. O cara com quem Brooke está, acaricia territorialmente seu cabelo e costas, enquanto está de pé, diretamente atrás dela e me olhando com inveja. "Há quanto tempo você está aqui?" Ela pergunta, pegando minha mão e dando-lhe um aperto suave. Connie responde com confiança: "Vinte e nove dias".


"Ok, então você está aqui, desde o dia depois, que você saiu para a sua viagem." Algo está errado, sobre isso. Uau, ela sabia que eu deveria estar aqui, mas por que, ela não veio me procurar? “Nós tentamos descobrir quem ele é, mas não tivemos sucesso. Até você dizer o nome dele, ele não tinha lembranças do passado ”, acrescenta o médico. "Existe alguma coisa importante que eu precise saber?" Eu pergunto. Eu olho para Connie, depois para Brooke, esperando a resposta certa. Meus sentimentos estão me dizendo, que não tenho ninguém, além de Connie. “Nada além do fato, de você ter sua própria prática de advocacia. Você não tem família. E, segunda a última vez, que nos falamos, você também não tinha, uma namorada. Brooke dá a minha Connie, um olhar aguçado, deixando-a saber, que sou solteiro. É um alívio, mas internamente, eu sabia que era. Não há como eu me importar com alguém, assim. Brooke era a garota, que surgiu na minha cabeça e ela é apenas uma amiga. “Então o que aconteceu com você? Por que você está aqui e não consegue lembrar de nada?” "É meio confuso, mas de acordo com Connie e o Dr. Bill", eu paro para olhar, para a minha Connie, "eu fui trazido para cá, depois de ter sido encontrado em um beco. Eu tinha sido espancado e esfaqueado, depois deixado para morrer e toda a minha identificação, foi roubada. Não foi até uma semana atrás, que acordei, sem ter ideia de quem eu era ou porque estava em Chicago. Está fazendo um pouco mais de sentido, agora. Eu ia participar, de uma conferência aqui. Eu não sei qual ou quando, mas é por isso que eu estava aqui. ” Connie aperta minha mão, uma nova sensação de alívio, brilha através dela e eu amo isso. Eu me apaixonei pela minha enfermeira e tenho planos para nós, quando eu voltar a mim. “Eu estive me perguntando, por que você não retornou minhas ligações. Eu pensei que você estava apenas fazendo promessas vazias, quando disse que me ajudaria. O cara atrás dela endurece.” “Eu realmente sinto muito, Brooke. Mas parece que você tem alguém, no seu canto. ” Eu olho para o cara, que não consigo lembrar e digo: “ Eu devo me desculpar, mas não consigo me lembrar de você. A gente se conhece?" "Não, não nos conhecemos", ele resmunga. Eu rio, porque não penso em Brooke, como ele acha. Todos os meus pensamentos territoriais, rodeiam Connie. “Woo… isso é bom saber. Quanto mais voltar para mim, melhor. ” Um sentimento de esperança, me enche.


"Hum ... David, é ótimo ver você, mas eu estou muito cansada." Ela está fingindo estar cansada, mas eu deixo passar, porque minha mente, está cheia de caos. "Ah Merda. Eu esqueci que você estava ferida também. Você vai estar aqui de manhã? Me desculpe, mas eu preciso escolher o seu cérebro, até que o meu comece a funcionar melhor. Eu não sei o que aconteceu com ela ou porque ela está aqui, mas eu vou deixá-la descansar. Tenho certeza, que ela vai me informar, mais tarde. "Absolutamente", diz ela, antes que o grandalhão a leve de volta, para seu quarto. Eu volto para o meu, indo direto para a cadeira, ao lado da cama. Eu tenho muito o que pensar, mas os primeiros pensamentos, são como Connie, agora é minha, para perseguir.


Capítulo 5

Connie David é um advogado, solitário e sexy. Eu podia ver, totalmente isso. Merda, finalmente, sei o nome dele. David Parker. Repito várias vezes, na minha cabeça, achando que combina com ele. Eu assisti, enquanto ele falava com Brooke e sentia ciúme completo, até que descobri, que ela era apenas uma amiga e cliente. Além disso, seus olhos estavam trancados nos meus, o tempo todo. “Connie, você vai falar? Eu fiz uma pergunta pelo menos três vezes agora ”, ele pergunta. Eu me sacudo, dos meus pensamentos mesquinhos. Aquela mulher era muito linda, embora. “Sinto muito, David. É muito para absorver. O que você me perguntou?” "Eu perguntei, se você vai se casar comigo, um dia?" Eu empalideço, e meus olhos se arregalam, de surpresa. Eu não estava esperando, essa pergunta. "O que?" "Agora eu sei, que você me ouviu, dessa vez", diz David. Eu ouvi, mas como devo responder isso? Eu quero gritar "Inferno, sim", mas ele nem se conhece. E se ele não gostar de certas coisas, que eu faço e correr gritando, quando ele descobrir, que eu amo cães. “Sim, mas não é o momento certo, para uma resposta. Você não pode nem sair do hospital, para ir a um encontro comigo.” “Bem, vamos fazer um encontro aqui, almoçaremos juntos. Agora que sei, que não tenho namorada, não me sentirei mal. Você me dispensou a semana toda, porque pensou que eu poderia estar , em um relacionamento e agora sabemos, que não estou, então não há mais desculpas. ”Ele me dá um olhar determinado. Eu poderia totalmente vê-lo, como um advogado. Eu posso imaginar, o quão persuasivo, ele poderia ser, em um tribunal. "Tudo bem, mas eu ainda tenho mais pacientes, para ver", digo a ele.


"Estou aqui o dia todo, anjo." Eu rio e deixo-o, em seu quarto. Eu estou mais cansada do que deveria estar, quando vejo o próximo paciente. Está agitado aqui. Brooke não era, nossa única nova paciente hoje. Várias emergências, varreram o hospital, como de costume, a maioria de acidentes de carro e duas vítimas de tiros. Eu tenho que ir, de andar em andar, e me preocupo que vou perder meu horário de almoço, com David.


Capítulo 6

David Eu fecho meus olhos, sabendo que as coisas, estão começando voltar para dentro. Quando eu faço, mais lembranças, inundam minha mente. Eu vejo meu escritório, até uma estatueta de cachorrinho, que eu recebi do filho de um cliente, uma vez. Ele fica em uma estante à vista de todos, para todos verem. Momentos lentos e vagarosos, dançam na minha cabeça. Nada mais detalhado, como casos ou estatutos reais, ou coisas que eu vou precisar, para manter minha licença. Eles me trouxeram o almoço, mas minha adorável Connie, não conseguiu. A comida não tem gosto tão bom, neste momento. Depois de engolir, me inclino e pego minha mesa, deslizando-a, para que eu possa beber, um pouco de água e, como uma porra de bobo, despejo o jarro cheio de gelo, em cima de mim. "Filho da puta", eu uivo. Está frio pra caralho e por todo o meu traje e calça hospitalar. Eu rapidamente empurro e me levanto. Puxando meu avental, senti que agora tinha uma audiência. Eu giro em direção a eles. “Eu juro que não me mijei. Derrubei o jarro, na minha roupa. "Você nos assustou", Connie gagueja, olhando para o meu peito. Aparentemente, eu não perdi muita definição. Ela lança os olhos, quando eu pisco para ela.o “Posso pegar algumas roupas secas? Eu sorrio para ela em particular, porque essa mancha rosa é sexy. Eu me sinto livre agora, sabendo que não tenho laços, com ninguém. Connie é a única coisa, que importa para mim. Mesmo que eu não pudesse, ser advogado de novo, ficaria feliz, em fazer o que fosse necessário, para tê-la. "Você já é fã", a outra enfermeira diz, que garante uma carranca suja, do meu anjo. "Obrigado", eu digo, olhando Connie, para uma reação. Porra, eu quero beijar sua boca amuada, tão desesperadamente. Bom, houve momentos nesta semana, em que senti que estávamos, na mesma página. Agora, posso ver, que ela certamente está interessada. Eu entendo que este tipo de começo, para um


relacionamento, é um pouco heterodoxo, mas eu não a teria conhecido, de outra maneira. "Aqui está", ela diz, entregando-me um par de roupas limpas, com um pouco mais de força, do que o necessário. "Nós vamos sair, para que você possa mudar." Ela está lutando contra o desejo, de continuar olhando. Meu anjo me faz querer reforçar, um pouco mais, só para tirar aquele olhar dela. "Ou você poderia ficar", eu digo a ela, pegando sua mão, antes que ela pudesse sair, puxando-a para perto de mim. "Eu não acho que seja apropriado", repreende Connie, o que faz a outra enfermeira rir. "Eu acho que é mais do que apropriado." Eu aceno, amando a ideia, de ela estar aqui, em todos os momentos. Eu gostaria que pudéssemos ficar sozinhos, por mais de alguns minutos por dia. “Desculpe, Sr. Parker. Temos outros pacientes para lidar”. Ela inclina a cabeça, para a colega de trabalho. Eu gostaria de dizer a outra enfermeira, para lidar com eles, mas isso não está certo. - “Então volte, depois do seu turno” - digo a Connie, inclinando o queixo com autoridade. "Isso eu posso fazer." Ela puxa a mão da minha, gira em torno de seu calcanhar e corre para fora, com sua amiga enfermeira. Eu me troco, o que não é tão fácil, como deveria ser, já que meu corpo, ainda está extremamente fodido. Os ferimentos na cabeça, estão melhorando e os outros, estão como contusões de merda, agora. Outra enfermeira entra, com um novo jarro de água. “Você sabe, que você e Connie, são a conversa do hospital. Seja bom para ela ou você estará de volta, a este lugar.” Eu rio da ameaça dela. É bom saber, que meu anjo tem apoio. Nós não conversamos muito, sobre a vida dela, porque ela fez tudo o que pôde, para me evitar, durante a semana. "Você tem minha palavra. Se isso é bom, para qualquer coisa.” “Do jeito que a outra paciente, falou sobre você, eu diria que é. É hora de você descansar. Eu sei que está ficando chato aqui, mas Connie vai voltar – eventualmente”. Eu aceno e deito no travesseiro. Ela está certa. Eu poderia usar algum descanso.


Capítulo 7

Connie - “Connie, posso falar com você?” - pergunta o doutor, assim que chego, ao posto de enfermagem. Eu aceno e o sigo, em seu escritório. "Feche a porta." Eu espero, que ele não esteja me demitindo. “Connie, você não está em apuros. Eu sei que há algo acontecendo, com você e o Sr. Parker, e na verdade, se não fosse por você, ele não teria ninguém a quem recorrer, de acordo, com o nosso outro paciente. Eu só quero que você mantenha profissional, no hospital. Ele provavelmente, vai colocar os movimentos em você”. Eu suspiro porque é chocante, que ele diria isso. "Eu não penso assim", eu nego, plenamente consciente, de que ele fez, exatamente isso. Eu olho para o meu relógio e vejo que faz uma hora, desde o pequeno show, que ele nos deu. "O homem acabou de pedir, para se casar com você", meu chefe dispara de volta. Eu aperto meu rosto, me sentindo completamente, envergonhada. "Você ouviu?" Ele sorri para mim, enquanto balança a cabeça. “Eu me virei, no segundo que ele disse, para te dar um pouco de espaço. O homem pode nos ouvir em coma e se apaixonou por você. Não é difícil ver, que ele tentaria ir mais além ”. "Ele está muito ferido, para tentar", eu argumento. "Eu duvido disso. Seu futuro, parece muito mais brilhante agora, que ele sabe quem é.” Houve uma batida na porta. Eu abro e dois homens de terno, entram. "Olá, sou o detetive De La Torre e este é o detetive Sanders", dizem eles, mostrando-nos seus distintivos. "Como podemos te ajudar?" "Você acha que o Sr. Parker está estável o suficiente, para falar com a gente?"


“Sim, mas ele realmente, não pode te dizer nada. Ele acordou com amnésia retrógrada. Posso perguntar o que é isso?” “Sua paciente, Brooklyn Bennett, nos informou, sobre alguns detalhes, que podem estar relacionados, aos ferimentos de Parker, mas ela não os compartilhou com ele.” Meu chefe acena com a cabeça, dando-lhes a luz verde. “Connie, por favor, acompanhe esses cavalheiros.” "Ok, eu vou dizer a ele, que voces estão aqui, para falar com ele", eu digo, levando-os para o corredor. Nós caminhamos, até o quarto de David e ele está sentado lá, assistindo a televisão. Seus olhos se arregalam, quando me vê, me dando um grande sorriso. "Olá, anjo, quem são esses caras?" - “David, os detetives De La Torre e Sanders, têm algumas coisas, para discutir com você, em relação ao seu ataque”. Ele me dá um olhar curioso, que eu não tenho certeza, de como interpretar, então eu me pergunto, “vou deixar você falar." “Não, você não vai. Traga sua bunda aqui, anjo” - ele me repreende. Eu venho para o lado dele facilmente, querendo saber tudo, o que eles têm a dizer. O que mais Brooke, contou sobre David? "Sr. Parker, sua amiga no corredor nos ligou, porque tinha alguma informação, que queria passar para nós, antes de lhe contar. Já temos pessoas, contatando o departamento de polícia, em Cincinnati. ” "O que é isso?" "Ela acredita que sua assistente, é a única, que arquitetou seu ataque." "O que você quer dizer?" "Senhora. Bennett disse, que ligou para o seu escritório e sua assistente disse que você voltou, mas estava ocupado demais, para ligar de volta.” "Uau, isso é loucura." Eu posso ver o olhar de raiva, lavar seu rosto. "Nós já estamos olhando para o assunto, para você." “Eu quero perguntar, se você pode verificar minhas contas. Se o dinheiro está faltando ou foi acessado, desde que eu estive aqui, agora que realmente sabemos, quem eu sou.”


“Nós já estamos nisso. Se você quiser acesso, para suas próprias necessidades, faremos isso, depois que entrarmos em contato, com sua assistente. Nós não queremos deixar transparecer, que estamos observando-a”. "Vamos ter pessoas conversando com você depois, para ajudá-lo." "Obrigado." Eles saem, e eu olho para ele, imaginando o que está pensando. "Sinto muito, David." "Está bem. Eu acho que vou tirar um cochilo ”, ele diz. "Ok, eu virei, antes de sair." “Eu não posso esperar. Antes de ir, venha aqui”. Ele abana o dedo, me chamando para mais perto. “Você parece tão linda. Eu pensei que você deveria saber disso, anjo”. Ele se inclina para frente e dá um beijo suave, na minha bochecha, me fazendo corar. "Obrigado por estar aqui, Connie."


Capítulo 8

David Eles me deixaram em paz, enquanto penso nas notícias. Meu mundo foi apenas inclinado novamente, e mais coisas estão surgindo, na minha cabeça. Pouco antes de partir, esqueci-me de algo no escritório. Quando voltei, ela estava cavando o lixo, que eu tinha colocado do lado de fora da porta, do meu escritório. Perguntei-lhe o que aconteceu e ela explicou, que deixara cair o brinco. Eu arqueei minha testa e tentei ajudá-la a encontrá-lo. Ela não me viu notar, que ela tirou isso da sua orelha. Eu fingi procurar, olhando para o recibo, que eu tinha largado antes e colocando no bolso, antes de pegar o brinco. Ela me agradeceu profusamente, inventando alguma história, de que eles eram um presente de sua avó ou algo assim. Eu balancei a cabeça e limpei a bagunça. Voltei e entrei no meu escritório, para pegar um arquivo, que havia esquecido, depois saí, para pegar meu voo. Liguei para um amigo meu, mas tive que deixar uma mensagem. Isso é tudo que eu conseguia lembrar, sobre ela. Me enfurece, que ela esteja mais do que provável por trás do ataque, quase fatal em minha vida. Eu gostaria de poder lembrar, mais do que isso. Até saber mais sobre isso, não podia ter certeza, de que Connie estaria segura. Porra, meu cérebro desliga ,antes que eu possa juntar mais pedaços e eu caio em um sono profundo. Eu acordo com uma batida na porta, então Connie entra. "Eu estou fora para o dia", diz ela, caminhando para a minha cama. "Como você está se sentindo?" "Melhor agora, que você está aqui." Eu agarro a mão dela, correndo o polegar pelas costas de sua mão. "Você trabalha amanhã?" Eu pergunto, olhando em seus perfeitos olhos azuis. “Eu não, na verdade. Por quê?” Sinto-a tensa, mas não sei por quê. Ela fechou sua expressão. Eu continuo esfregando a mão dela, na esperança de aliviar sua tensão e fazê-la me ver novamente.


"Eu quero te ver." "Eu posso voltar de manhã", ela oferece. Eu não quero, que ela vá embora, mas não tenho nenhum recurso, para mantê-la aqui também. "Você poderia ficar." "Eu não posso." Ela sai, e eu tive o suficiente para deitar, na maldita cama. Pensamentos de merda, de outro homem, me envenenam, me enviando em uma missão, para lembrar. Eu começo a andar de um lado para o outro, depois saio para o corredor, várias enfermeiras e médicos, olham para mim, mas não perguntam, porque o olhar no meu rostom tem que ser o suficiente. Estou determinado, a voltar ao normal. Quando meu corpo começa a se cansar, caminho de volta, para o meu quarto, rastejo para a cama e durmo completamente. ~~~~~ Os sonhos me assombram, a noite toda. Eu me desperto e lembro muito mais. Eu preciso falar com a polícia. Eu me lembro do que aconteceu, no dia em que fui atacado. Dentro de trinta minutos, tanto Connie, quanto os detetives, chegam. Deus, ela parece perfeita. Eu fico olhando para ela, até que um dos detetives tosse, para chamar minha atenção. Oops. Eu suponho que ajudaria, se eu dissesse a eles, do que me lembrava. "Sr. Parker, você pode nos dizer, do que se lembra?” “Sim, eu aterrissei no Midway e um cara de aparência grande, me pegou. Ele tinha que ter cerca de vinte e sete anos, perto de cem quilos. Eu me senti mal com isso, mas fui em frente, de qualquer maneira. Então ele não me levou, para o hotel, que Molly reservou para a viagem, dizendo que minha assistente, havia mudado meu hotel. Quando todos me atacaram, perguntei por quê. Ele disse, que o dinheiro fala. "Quando você diz eles, a quantos você está se referindo?" Detetive Sanders pergunta. “Haviam dois outros carros. Um estava bloqueando a saída do beco, quando chegamos, e outro puxou atrás de nós. Eu vi pelo menos, mais dois caras. Eu fiz o que pude, mas não fui páreo.” “Sim, bem, nós vamos pegar as filmagens de Midway e ver quem te pegou. Eu já puxei algumas cordas e consegui um mandado, para os registros bancários, da sua assistente. Ela tinha que saber, que algo estava acontecendo, desde que ela nunca relatou sua falta e até mentiu, para seus clientes.”


“O que eu devo fazer, nesse meio tempo? Posso voltar para Ohio ou até mesmo, acessar minhas contas bancárias? ” “Acabamos de fazer, uma teleconferência com o banco. Eles enviaram uma cópia da sua foto e confirmaram sua identidade. Eles também enviaram seus registros e nossa equipe forense, está passando por cima disso. Uma conta não tem atividade, desde seu ataque, mas sua conta comercial, teve algumas, que poderiam ser apenas despesas gerais de negócios, mas duvidamos disso. ” “Eu estava no processo, de entrar em contato com uma PI, para investigar minhas finanças e assistente. Algo parecia estar errado com ela e as contas. Vários clientes não receberam, suas verificações de liquidação. Eu tive que sair para a conferência ou eu teria lidado com eles, pessoalmente. ” "Há mais alguma coisa, que você possa lembrar?" “Não que eu possa pensar. Poderei acessar minha conta pessoal? ” "Sim, o banco estará enviando um mensageiro aqui, com um novo cartão e código, que você terá que mudar, assim que o conseguir." "Obrigado. Seria bom, ter algum dinheiro.” "Com licença", diz o detetive Sanders, enquanto seu telefone toca, no bolso. "Aqui é Sanders ... Ok ... Sim, ele acordou de um coma em Chicago ... Não ... Não diga a ela ... Sim, é nisso que acreditamos. Duas semanas? Hmm ... Ele está desaparecido há um mês.” "O que está acontecendo?" Eu desafio. Está claro, que ele está falando de mim. Ele levanta o dedo, parando minha pergunta. “Sim, fique de olho nela. Vamos discutir o assunto amanhã. ” Ele desliga e guarda, o telefone. “Esse era o DP de Cincinnati. Eles sinalizaram sua conta bancária, porque sua assistente informou sua falta, há duas semanas. Então, quando a atividade chegou, eles foram informados e foram orientados, a entrar em contato comigo ”. "Duas semanas? Ele está aqui há um mês” - reclama Connie. Eu aperto a mão dela, dando-lhe um sorriso de gratidão. Ela está olhando ferozmente, para os detetives, mas eu já sei a resposta. “Ela não me denunciou a falta, até que perdi meu caso, no tribunal. Eu tinha um, programado em torno de duas semanas, após a viagem.”


"Isso faria sentido, mas se ela pensasse, que você estava morto, por que não antes?" “Talvez ela tenha sabido, que eles não terminaram o trabalho. Eu não sei, o que os impediu.” “De acordo com a pessoa, que encontrou você, você se arrastou até a beira do beco e os carros dispararam. Estava escuro e chuvoso, tornando difícil vê-los, enquanto estavam ajudando você.” "Uau, eu preciso agradecer a eles." "Talvez possamos cuidar disso." "Ok, bem, precisamos falar com nosso chefe, para que possamos questionar, sua assistente." "Contacte-nos, se você precisar de alguma coisa", eu digo, antes de sair pela porta. Eu olho para Connie e digo: “Isso é uma grande bagunça. Sinto muito que você esteja envolvida nisso.” “Você não fez nada. Eu estive perseguindo seu quarto, esperando por você para acordar. Esperando que alguém viesse, procurando por você.” "Você esperava, que outra mulher o fizesse?" "Não, eu esperava talvez seus pais ou um irmão." Ela encolhe os ombros e eu a puxo, para o meu colo. Ela está fora do trabalho e é justo que, como minha mulher, ela me ajude a me recuperar. Connie tenta se levantar, mas eu a coloco de volta, no meu colo. "David, alguém poderia entrar." “Sim, e você está aqui, como minha visitante, minha mulher. Você pertence exatamente, onde você está. Além de que, ninguém deveria, entrar sem bater. Não é como, se eu ainda estivesse em coma. Eu poderia estar me trocando”. "Falando nisso, o homem da Sra. Bennett, pediu seu tamanho, para que ele pudesse lhe trazer, algumas roupas." "Por que ele faria isso?" "Porque, ela está preocupada com você." “Isso é doce dela. Eu gostaria de poder lembrar mais. E se eu nunca mais, puder praticar de novo?”


“Tenho certeza, que você ainda pode. Concedido que não seria tão cedo, mas sua memória está voltando. Você consegue se lembrar de alguma coisa, de advogado?” “Sim, mas tenho certeza, que o conselho, vai querer uma avaliação completa, reteste e afins, antes que eu possa praticar. Uma lesão cerebral, que resulta em perda de memória, é um grande problema ”. “Eu não sei o que te dizer. Eu sei que você deve ter passado sua vida, chegando onde você está. Tenho vinte e cinco anos e ser enfermeira levou muito, mas nada, como se tornar um advogado. Eu ouvi tantas pessoas reprovando, nos exames. ” “Sim, tem sido um caminho difícil, embora eu realmente, não consiga me lembrar de tudo isso, ainda. Aos trinta e quatro anos, se eu tivesse que começar tudo de novo, seria uma droga, mas contanto, que eu tenha você, vou lidar com isso.” "Fala suave." "Eu sou um advogado, anjo", eu sussurro, beijando seu pescoço. “Você é problema. Você sabe, que não vai sair daqui, por alguns dias, certo?” "Sim, mas quando eu sair, eu pretendo gastar todo o nosso tempo livre, adorando você", eu rosno na base de sua orelha, em seguida, chupo o lóbulo de sua orelha, entre meus dentes. "Oh, David, você está ficando duro e isso não é bom para você." “Anjo, eu tenho sido duro, por uma semana. Você tem alguma idéia, do que está fazendo comigo?” Eu gemo, agarrando sua cintura e moendo sua bunda, sobre o meu pau. Ela geme e trabalha seus quadris. “Deus, David, isso é loucura. Eu trabalho aqui." "Eu sei, mais um minuto e você pode sair." "Mais um e eu vou", ela chora. Sua cabeça inclina-se no meu ombro, e eu deslizo minha mão, sobre seu monte, pressionando meus dedos, contra sua vagina. Querendo mais, eu chego em volta e desabotoo sua calça, deslizando minha mão para dentro, até alcançar seus cachos, dedilhando meus dedos, ao longo de sua fenda. Ela morde o lábio e enrola os quadris, na minha mão. Eu vou apenas observá-la. Ela abaixa a cabeça, no meu pescoço, seu corpo tremendo e sua voz suave, ofegando meu nome.


Ela aperta meus dedos, quando vem. Eu meto o dedo em seu núcleo, até que ela relaxa em mim. Puxando-os para fora, eu chupo cada dedo, provando sua liberação. Seus olhos escurecem, com desejo ardente e sua mão alcança abaixo e agarra meu pau, através da minha calça. É tudo que eu preciso, estou chegando com força, na mão dela. Eu me agarro ao seu ombro, mordendo e gemendo, meu orgasmo. “David, merda, sim. Isso é tão bom!” “Claro que sim. E espere, até eu estar dentro de você. Eu quero sentir você debaixo de mim, enquanto você grita meu nome.” "Não por pelo menos, uma semana", ela me diz. "Eu sei, anjo", eu resmungo para mim mesmo, quando ela sai de cima de mim. Eu sei que nós dois precisamos ter algum espaço, antes de eu levá-la na cama. Minha força não está lá e não estou tentando arruiná-la. Eu sorrio, enquanto a vejo, indo para o banheiro, com uma leve mancha, na bunda dela.


Capítulo 9

Connie Uau, não posso acreditar, que ele tenha sido dispensado. Estamos a caminho, do meu apartamento. Ele quer dirigir, mas até que tenha sido liberado, não está acontecendo. Ele ainda tem que passar por muitos testes cognitivos, em relação à sua memória, e fisicamente, e ele não está tão curado, quanto nós dois gostaríamos. “Anjo, falei com a Ordem dos Advogados de Ohio. Eu tenho que ser avaliado por um comitê e testado, antes que possa ter minha licença, restabelecida. Fui suspenso, quando perdi duas aparições. Eles querem se encontrar comigo, o mais rápido possível. Você tem algum tempo livre?” “Eu recebo duas semanas todo ano, mas tenho que agendar, com antecedência.” "Você não pode fugir?" “Bem, aconteceu de eu aceitar, no segundo em que você acordou. Eu recebo em três semanas. ” Infelizmente, minha agenda era de um mês, de antecedência. Eu poderia tentar negociar com alguém, por umas férias mais cedo, mas normalmente é extremamente difícil ,de conseguir.” “Espere até sairmos desse carro. Eu vou te beijar, até você implorar por mais,” ele avisa e meu corpo queima e doí, por sua sexy ameaça. Estamos a cinco minutos, do meu apartamento e não quero esperar. Eu me contorço no meu lugar, pensando nos lábios dele em mim. Na semana passada, estivemos roubando beijos e toques. Eu só tive um dia de folga. Ele foi liberado, hoje cedo, mas esperou até meu turno terminar, antes de sair. Devin enviou algum de seus amigos de segurança, para vigiar o meu lugar, quando chegamos. Não é como se os caras soubessem, que David está vivo, mas é melhor jogar pelo seguro. Eu estaciono em uma vaga, na frente da minha porta, o que é pura sorte. Normalmente, tenho que estacionar no quarteirão. Nos dias de limpeza


das ruas, tenho sorte se houver algum lugar, nos próximos dois quarteirões. Eu pego minha bolsa e o segurança de Devin, leva as coisas de David, para mim. Eu posso ver, que David tem alguns problemas de habilidade motora, quando se trata de escadas, mas não digo nada. "Sinto muito", diz ele, obviamente referindo-se ao seu ritmo, em chegar ao topo das escadas. “Não se desculpe, David. Você precisa tomar seu tempo. Estou feliz , que você esteja vivo” - eu respondo, deslizando minha chave na fechadura e dando-lhe um grande sorriso. "Nós temos muito tempo, para você melhorar e começar a me tratar, como nós queremos." Eu vejo o guarda corar e segurar uma risada. “Obrigado, Frank. Nós temos isso daqui, ” ele diz a ele. “Eu estarei aqui, por algumas horas. Antes de eu ir, a polícia mandará um substituto. ” Eles ainda não prenderam ninguém e parecem estar jogando suas cartas, perto dos suspeitos. Eles estão recebendo todas as evidências, nos bastidores, antes de prendê-la e, assim, ela e seus amigos, não poderão fugir. "Você tem um bom lugar", diz David, olhando ao redor, da sala de estar. É um apartamento pequeno, mas eu o mantenho razoavelmente limpo, exceto pelo meu quarto e banheiro. Depois do meu turno ontem, passei a noite limpando, minha bagunça. "Obrigado, eu gosto disso." "Venha aqui, Connie." Ele abana o dedo para mim, enquanto se senta no sofá. Eu vou me sentar no colo dele. "Nós temos muito o que falar, mas agora, eu poderia ter alguns beijos." Ele envolve a mão em torno do meu rabo de cavalo, puxando-o para trás, em seguida, se inclina e deixa beijos, ao longo do meu pulso. Eu lamento e gemo com necessidade. Eu me abaixei e puxei suaa camisa sobre a cabeça, tão cautelosamente, quanto possível. Ele ainda tem algumas contusões e incisões, que precisam de TLC. Colocando minhas mãos, na parte de trás do sofá, eu me inclino para frente e começo a minha própria leitura, do seu corpo, beijando a borda de sua mandíbula, depois seu pescoço, trabalhando para baixo. Há algo que eu tenho desejado, por dias. Eu sei que ele não pode se esforçar muito, mas eu posso. Eu me levanto e escorrego minha blusa, depois tiro minha calça. De pé diante dele, em minha calcinha, eu chego ao redor e solto meu sutiã, revelando meus seios. Retirando seu pau de sua calça, eu caio de joelhos e coloco a cabeça, na minha boca. Meus olhos encontram os dele e um olhar de puro prazer, está sobre eles. Ele geme, mordendo o lábio. Porra, nada é mais sexy, do que esse som. Ele afasta meu cabelo do meu rosto, enfiando na mão e segurando firme. Eu o engulo e gemo,


em torno de seu pênis. É tão grande, que eu não aguento mais, do que na metade. Ele rosna, balançando a cabeça. Eu amo o controle dele, sobre mim. Ele geme e depois me tira de cima dele. Antes que eu possa pará-lo, ele me levanta, então minhas pernas, estão em suas coxas e seu pênis está esfregando contra o meu monte. Eu sinto seus dedos provocando minha buceta, através da minha calcinha. Estou encharcada e sei que ele sente isso. Ele puxa o material para o lado e empurra a ponta para dentro. Meus olhos encontram os dele e um olhar de puro prazer, está sobre eles. Ele geme, mordendo o lábio. Porra, nada é mais sexy, do que esse som. Nós dois soltamos um suspiro. Tem sido tanto tempo, que eu sei, que ele vai me rasgar ao meio e eu agito meus quadris, até que ele esteja completamente dentro. "Sim", eu assobio. Você é toda minha, Connie. Não há ninguém mais. ” Ele envolve sua mão, em volta do meu pescoço e desliza sua língua, ao longo dos meus lábios. Nosso beijo vem devagar, inocente - a calma antes da tempestade. A suavidade amplifica, a necessidade lasciva. Com um grunhido, ele leva para o próximo nível, possuindo minha boca, enquanto ele fode em mim. Meu corpo é como um fio vivo, pronto para incendiar o mundo. Eu estou chegando, apertando minha buceta, em torno de seu pênis. Eu grito seu nome, arranhando seus ombros e jogando minha cabeça para trás. Ele coloca sua cabeça, na dobra do meu ombro e pescoço, enquanto atira em mim, até que ele ruge, me enchendo. Eu freneticamente esfrego minhas mãos, por todo o seu corpo, acidentalmente tocando, um de seus ferimentos. Ele não recua, mas me sinto péssima. "Sinto muito", peço desculpas repetidamente. O homem não deveriam estar se esforçandom ainda. Minha bunda com tesãom negou completamente a minha obrigaçãom de cuidar dele. Estou enlouquecendo e tentando sair dele, mas ele não está tendo nada disso. Ele me segura no lugar, me beijando ferozmente.


Capítulo 10

David Ela está se desculpando, por deixar ir longe demais, mas diabos, se eu quiser um pedido de desculpas, eu quero entrar em sua pequena boceta apertada, novamente. “Sinto muito, David. Não devíamos, ter ido até o fim.” “O inferno que nós não deveríamos. Preciso de exercícios e adoraria trabalhar um pouco mais” - digo a ela, piscando, enquanto ela cora, em meus braços. Ainda estamos no sofá , com nossos corpos, cobertos de suor. "Eu estou em controle de natalidade, então você não precisa se preocupar." Eu não estou. Não, não seria prudente, ter um bebê nesta fase, mas essa é a menor, das minhas preocupações. Eu chequei minha conta bancária e não estou preocupado, com finanças. Minha memória, embora irregular, parece ter mantido meu conhecimento, sobre o estado de direito. “Eu não estou preocupado, com nada disso. Porra, se eu pudesse viver dentro de você, eu faria. Connie, estou nisso a longo prazo. Mesmo no meu coma, eu ansiava por você.” "O mesmo aqui. É estranho, não é? ” É o destino. Eu sobrevivi, ao que deveria ter sido fatal. Eu não vou perder um dia , quando se trata de nossa felicidade. “É assim que deve ser. Que tal limpar-nos e pegar algo, para comer? Eu não sei sobre você, mas eu gostaria de comida, de verdade. Eu poderia ir para alguma pizza famosa. Você tem um lugar por aqui?” “Temos vários que entregam. O que você gosta?” "Tudo menos azeitonas." "Ok, eu vou pular no chuveiro e, em seguida, pedir." Ela sai de cima de mim e corre para o banheiro. Nós fizemos uma bagunça, mas eu estou no céu. Eu fecho meus olhos e sou atingido, por uma lembrança. Estou sentado, em um sofá grande, mas não é minha casa. São os meus pais, antes de morrerem. Meu pai está discutindo com minha mãe, pela centésima


vez, sobre o que fazer com minha irmã, que está drogada. Eu sou forçado a estar no meio disso, porque eles estão à beira do divórcio, como se eu tivesse vindo, para jogar lado a lado. Eu não quero estar envolvido, em sua bagunça. Tenho vinte e dois anos e estou na faculdade. Enfurecido com todos eles, volto para a faculdade, na manhã seguinte. Dois dias depois, eles estão mortos. Minha irmã, em sua mais recente necessidade de dinheiro, alimentada por drogas, matou os dois. Foi um enredo mal aconselhado por seu namorado, viciado em heroína. Dentro de uma semana, eles foram pegos e presos. Eu sou puxado de volta, para o presente, pelo som do chuveiro. Minha irmã, está servindo a vida na prisão e eu não a vi, desde então. Não sei por que, essa memória me atingiu, mas é uma parte do meu passado, que não estou ansioso, para compartilhar com Connie. É uma das razões, pelas quais eu sou rico, mas também é, como perdi muito. Eu me levanto, precisando segurar Connie. Como não tenho ideia, de onde fica o quarto dela, sigo o som do chuveiro. Ela está cantando, então eu me aproximo mais, do meu anjo. Eu espero até que ela pare, antes de me anunciar. Ela assusta, mas antes que ela possa cair, eu estou lá, para segurá-la. "Deixe-me ajudá-la com isso", eu sussurro, pegando o sabão e ensaboando-o em minhas mãos. Polegada por polegada, eu esfrego meus dedos, por toda sua pele, tomando tempo, para adorá-la.


Capítulo 11

David Mais duas semanas se passaram. Ela trabalha em tempo integral e, enquanto está fora, leio o último livro de revisão de leis ou faço fisioterapia. Está indo bem. Amanhã, dois dos meus principais atacantes, serão presos, junto com minha ex-assistente. Eles tinham todas as provas sobre ela e o bastardo que me sequestrou. Os outros seriam rapidamente apreendidos, quando Hagen e Molly, começassem a dedar um ao outro. Uma grande onda de alívio, tomou conta de mim, quando os detetives ligaram, algumas horas atrás. Eu não podia esperar, para contar a Connie. Eu espiei pela janela, pela centésima vez e finalmente vi o carro dela, estacionar em uma vaga, a duas portas de distância. Corro até a porta e a encontro, quando ela atinge os degraus. Seus olhos se arregalam e um grande sorriso se espalha, em seu rosto. "Eu também senti sua falta." Então ela corre em minha direção, subindo em meus braços. Terapia me fez muito mais forte, nas últimas duas semanas. Eu agarro sua bunda e a levo para seu apartamento. Batendo a porta com o pé, giro-a e prendo-a à porta. Minhas mãos deslizam, sob o uniforme, passando por sua calcinha de algodão e em sua pequena boceta. Ela está encharcada e tão pronta para mim. "Você tem pensado, sobre o que eu vou fazer com você?" "Sim", ela geme, enquanto eu belisco seu clitóris. "Enquanto você estava dirigindo?" "Não ..." ela gagueja. "Mentirosa", eu rosno contra seus seios, ainda cobertos. Eu mordo o material, então chupo seu mamilo duro. O pico tenso, pressiona contra seu top, quase como se estivesse, procurando mais. Sua vagina, também exige isso, apertando em volta dos meus dedos. Eu empurro duro nela. Deixando meus dedos esticála, antes que meu pau faça o trabalho. Com saudade, ela coça os dedos pelo meu cabelo, muito curto. Eu rosno com prazer e bato minha boca para baixo. Minha língua febrilmente, persegue a dela. Minhas mãos saem de seu top,


arrancando-o de seu corpo. Eu preciso de mais dela e ela está comigo. Eu a deixo de pé e termino de tirar a roupa. Eu quero estar nela agora. Eu a giro ao redor, então ela está de frente para a porta e puxa meu pau do short, que estou usando. Abrindo as coxas dela, eu a levanto do chão e empurro dentro dela. Nós nos conectamos completamente. Meu peito pressiona, contra suas costas e meu pau está profundamente dentro, trabalhando sua buceta, com cada golpe. Eu agarro o cabelo dela e seguro, bombeando para dentro. "Connie, eu não consigo o suficiente." “Me leve, David. Estou tão molhada.” “Droga, anjo. Venha para mim. ” Ela pressiona as mãos na porta, para se equilibrar, deixando acesso a seus seios grandes e atrevidos. Eu corro minha mão livre até a cintura e seu abdômen plano, até chegar até eles. "Você gosta de ser fodida, no segundo em que você passa, por aquela porta?" "Sim, David", ela grita, jogando a mão entre as coxas, esfregando o clitóris, até que ela grita: "Eu estou indo." Com mais algumas estocadas, eu esvazio minha carga dentro dela. Eu prendo seu corpo com o meu, contra a porta, me segurando dentro dela. "Eu senti sua falta, anjo", eu rio, contra sua bochecha. "Eu vejo, senhor", ela geme. Eu puxo para fora, em seguida, a coloco em meus braços. "Deixe-me ir, antes que você se machuque." "Você não estava dizendo isso, há pouco tempo", eu brinco, enquanto a carrego para o banheiro. “Vamos limpar você. O jantar está no forno. Há algumas coisas, que precisamos falar também. Eu recebi um telefonema dos detetives.” "É por isso , que você está tão - intenso?" "Sim", eu respondo, batendo a maçaneta do chuveiro, para quente. "Eles pegaram sua assistente?" "Eles farão, amanhã." "Por falar em pegar, houve algo entre vocês, não é?", Ela pergunta incisivamente. “Não, e não me lembro da última vez que fiz sexo, antes de nos conhecermos. E não porque, eu bati minha cabeça. Eu sei , que já fazem anos. Molly não estava comigo, tanto tempo, antes de me trair. Eu não iria dormir, com uma empregada, de qualquer maneira. Por que está fazendo, esta pergunta?”


“Nós nunca conversamos sobre ex e fiquei curiosa. As cadelas ficam loucas, quando são despejadas. A mulher inteira, desprezou uma coisa.” “Sim, mas essa mulher, estava atrás do meu dinheiro. Minha conta comercial, tem grandes lacunas e, como ela não conseguia, acessar minha conta pessoal, ainda era boa. ” "Ok, eu acabei de perguntar." “Baby, você pode ficar com ciúmes, o quanto quiser, mas eu era seu, desde o momento em que acordei. Tenho certeza, que você tem caras no seu passado. Não vou perguntar, mas quando estiver cem por cento, posso caçálos.” "Eu sei. Não se preocupe comigo, eu acabei de ouvir as pessoas falando, no trabalho. Você sabe, fofocas típicas, sobre como você é bonito, e talvez ela fosse uma ex louca.” “Eu entendo, mas não enlouqueça. Você é minha e tudo o que posso pensar, é fazer uma vida com você. Vamos tomar banho, antes que o cronômetro apague e nós queimemos a lasanha.” “Você fez lasanha? Você deve cuidar de mim, ” ela brinca, subindo no chuveiro. Subo atrás dela e digo: "Eu te amo, Connie". Ela congela no lugar. Eu posso ter saltado a arma, sobre isso, mas não posso me ajudar. Ela gira, para olhar para mim. "O que você disse, David?" Ela pergunta, pressionando as mãos na minha bunda e apertando. “Eu disse que te amo, Connie. Eu não posso parar isso. É como eu me sinto, ” eu respondo, segurando seu queixo e beijando seu nariz. Ela sorri para mim, olhando profundamente, nos meus olhos. “Eu não quero que você pare. Na verdade, eu queria ouvir, você dizer de novo. Eu também te amo." Bip Bip. O forno apaga. Eu pego a barra de sabão e lavo meu pau rapidamente, antes de saltar. Eu enrolei uma toalha, em volta da minha cintura e corri para a cozinha, sem cair na minha bunda. Eu me abaixo e tiro a lasanha, perdendo a toalha, em volta da minha cintura. Porra, eu pulo para trás, quando sinto meu pau, tocar o metal, da porta do forno. Eu coloco a lasanha no balcão e checo meu pau. Cara, eu tive sorte. Nada como ir ao hospital, por queimar meu lixo. Cozinha regra número um: Nunca, nunca cozinhe nu. É muito perigoso.


"O que você está fazendo? Brincando com você, na cozinha? Eu olho para cima, parando a inspeção em meu pau e dou-lhe uma expressão envergonhada, de olhos arregalados. "Eu deixei cair a toalha e meu pau tocou a porta." "Oh não", ela exclama, ajoelhando-se diante de mim, para inspecionar ela mesma. Meu pau contorce em suas mãos. “Eu não vejo nenhum dano. Você tem sorte, de não haver queimadura ou bolhas. Isso significaria não amar, até que fosse curado.” "Não diga coisas ruins, assim." "Está bem. Vou beijar e melhorar, ”ela brinca, dando um rápido beijo, na ponta, antes de se levantar. "Eu acho que você perdeu um ponto", eu digo, abanando minhas sobrancelhas. "Mais tarde. Estou com fome, de comida de verdade.” "Ok, então deixe-me pegar algumas roupas, antes de eu soltar macarrão quente, em minhas bolas, dessa vez." "Sim por favor. Eu não gostaria de ter que ir trabalhar e explicar nossa visita ao pronto-socorro. ” "Ei, baby, pelo menos eu estou mantendo isso fresco e divertido." "Sim, mas estou com fome, então vá se preparar." Eu me visto e volto para ver Connie jantando na mesa. Seu garfo mergulha, para uma mordida. "Você teve a chance de comer no trabalho, hoje?" “Não, é sexta-feira. Isso significa mais violência armada e comportamento bêbado geral. Passei metade do meu tempo , com pacientes na UTI e o outro ajudando o pronto-socorro ”. "Coma, eu vou lhe trazer uma bebida." "Um copo de leite, por favor." Eu me abaixo e roubo um beijo, antes de conseguir algo para beber. As noites devem ser sempre assim. Não que elas vão, mas deveriam. Eu a amo tanto.


Capítulo 12

Connie Eu sei, que ele tem que voltar para Cincinnati, e eu sei que ele não quer me pedir para desistir de tudo, por ele. Então, já procurei fazer isso por nós. Eu verifiquei o licenciamento de Ohio, para enfermeiras e estou tomando a decisão por ele. Eu vou para a lua com ele, se isso o fizer feliz. Eu sei que ele está disposto a vir para Illinois, para praticar, mas ele teria que ser licenciado aqui e é muito trabalho, para sua memória bagunçada. Eu o vejo estudando muito e algumas coisas se encaixam, mas empurrá-lo, não seria bom. Eu tenho tido conversas quase diárias, com Brooke. Nós falamos sobre David e como as coisas estão, com nossos homens. Eu sinto que fiz, uma grande amiga. Ela fala tão bem de David, que eu me pergunto, se ela tinha uma queda por ele. Mas ela já esclareceu isso para mim, como três vezes agora. Um dia vou ficar com ciúmes. Mesmo quando penso nisso, dou risada interna, porque sei que nunca deixarei de amar a David e me preocupo em perdê-lo. “Ei, Connie. Eu tenho que ir para a delegacia de polícia, na State Street, amanhã. Eu sei que você tem que trabalhar, então como eu posso chegar lá? Devo chamar um táxi?” “Você deveria ter os detetives te pegando ou eu poderia te deixar. A que horas? ”, Pergunto. Eu quero estar com ele, mas tenho que trabalhar. "Nove", diz ele, dando uma mordida, em sua lasanha. Eu tiro isso, porque começo mais tarde amanhã. “Eu vou te levar, desde que eu não começo, até as dez. Eu posso chegar um pouco cedo.” Ele franze a testa. "Eu me sinto péssimo, por você ficar me guiando por aí." “Não. Você pode compensar isso comigo depois, me comendo.” “Porra, sim. Talvez eu te dê incentivo, hoje à noite”. Eu amo esse sorriso dele. O lado direito de sua boca aparece, revelando uma covinha sexy. "Eu sou toda para isso", murmuro, dando outra mordida, na minha comida.


Ele olha para mim, durante toda a refeição, lambendo o garfo. Eu não consigo parar de rir e antes de tudo ser dito e feito, nós dois acabamos nus, no chão da cozinha, fodendo com abandono. ~~~~ Na manhã seguinte, estamos dirigindo para a estação. Entro no estacionamento deles, o mais próximo possível da entrada. “Espero que ela facilite e confesse. Você merece ter tudo embrulhado ordenadamente. Observar sua quase morte, me faz querer arrancar seu coração.” "Eu sei, anjo", diz ele, segurando minha bochecha e enxugando as lágrimas, que eu inconscientemente, derramei. "Eu sei." Ele se inclina e me beija. Eu vivo para aqueles beijos. Ele entrou em minha vida, por uma circunstância terrível e sou eternamente grata por ele. "Eu amo você, David." "Eu te amo, Connie." Ele sai e eu quero ficar com ele, mas não posso. Assim que ele está no prédio, eu faço meu caminho para o trabalho. As próximas horas vão ser difíceis, até que eu ouça dele. Eu quero que ela pegue a vida, na prisão, mas como ele está vivo, ela pode ter uma sentença menor.


Capítulo 13

David Sento-me ao lado, dos Detetives Sanders e De La Torre. Eles me pegam uma xícara de café e nos sentamos para trás, enquanto Molly é escoltada e tratada gentilmente. Eu sei que esta é a calma, antes da tempestade, então eu sorrio. Ela não tem ideia, do que eles têm reservado para ela. "Molly, obrigado por ter vindo, para outra entrevista", diz o detetive Coleman, apertando sua mão, antes de tomar seu lugar. Eles estão em uma pequena sala de interrogatório. Eu amo o vídeo claro, que estamos recebendo, porque eu posso ver cada expressão, em seu rosto. "Feliz por ajudar. Eu quero que meu chefe seja encontrado, o mais rápido possível. ” Eu escuto e ambos os detetives, agitam suas cabeças. “Ela provavelmente faz. Ela tem uma apólice de seguro, de você ”, diz o detetive Sanders. Eu tento não reagir, porque não quero perder uma palavra, desta entrevista. "Essa é a coisa ... ela tem." O detetive bate a caneta, na borda do bloco de papel, que ele trouxe com ele. "Oh Deus, ele está morto?" Ela ofega, apertando as mãos no rosto. Estou apostando, que ela está trabalhando, na fabricação de lágrimas. Eu sinto a teatralidade, vindo a tocar, muito em breve. Eu balanço minha cabeça e os policiais estão comigo. "Não. Ele acordou com amnésia, no Hospital Northwestern, depois de várias semanas, em coma. ” "Oh meu", ela murmura, recostando-se na cadeira e cruzando os braços. “Bem, se ele esteve lá o tempo todo, como ninguém entrou em contato com o escritório, para me avisar?” "Sua identificação foi tomada, por seus atacantes." "Então, como você sabia que era ele?" Sua falta de preocupação por mim, era esmagadoramente visível. Ela está pescando informações.


“Um amigo dele estava lá e o reconheceu. Ela fez a identificação positiva.” “Quem, se eu puder perguntar? Ele realmente não tem amigos. ” A cadela acha, que é inteligente. Eu já posso ver, onde ela está indo com isso. "Senhora. Brooklyn Bennett.” “Ela pode ser a única envolvida. Ela estava ligando para o escritório, perseguindo-o. Eu acho que eles eram amantes e ela queria dinheiro dele.” "Amantes?" "Sim, ela saiu do escritório chorando, um dia e bem, ela está com os olhos nele." Eu rio internamente, com a mentira. Ela sabe, que isso não é verdade. “Por acaso, a Sra. Bennett foi descartada como suspeita, no ataque. Você pode pensar em alguém, cliente ou não, que o queira morto?” “Não, quero dizer, que o cara era viciado em trabalho e solitário. Eu nunca o vi com ninguém.” "Então, o que faz você acreditar, que foi a Sra. Bennett?" “Ela estava em Chicago, de todos os lugares e correu para ele? Como isso não funciona em um plano, para parecer inocente?” "Ela não teria encontrado com ele, se ela mesma, não tivesse sido atacada também." "Eu não tive nada a ver, com isso", ela exclama do nada. “Eu não disse que você tem. Por que você fariam uma suposição como essa?” “Porque eu não gosto dela. Ela estava atrás do David.” "Você deixa parecer, que você e David, eram mais que amigos." “Ele queria ser, mas nós não éramos. Eu só acho que a Brooklyn, é uma garimpeira, e ela queria os milhões de David ”. “Ok, chega com o bate papo. A coisa é, David teve amnésia temporária, mas ele recuperou sua memória e nos falou de seus agressores”. Ela empalidece e endurece. Molly, sabemos que você estava envolvida. O cara grande que você contratou, Dennis Hagen, disse ao Sr. Parker, que você mudou seu itinerário e eles foram pagos. Agora é a hora de confessar, porque uma vez que Hagen ou os outros lacaios pagos, o fizerem, você está cozinhando ”. Ela hesita, indo para frente e para trás na cadeira. "Ele está mentindo." “Você realmente, vai jogar esse jogo? Você é a única que sabia, que ele estava voando, para a conferência. Você foi quem supostamente, montou seu hotel,


mas quando ligamos para lá, foi cancelado no mesmo dia, em que foi agendado. Ele está ciente de que alguns de seus clientes, não receberam seu dinheiro. E os depósitos bancários foram feitos e o dinheiro foi transferido, para sua conta. Para alguém que planejou isso, você não pensou muito, sobre a trilha, que estava deixando.” "Se eles tivessem feito o seu trabalho direito, ele estaria morto e seria apenas, mais uma estatística de Chicago." Ela aperta a mão na boca, um pouco tarde demais. “Uma expressão animada. Bom ”, diz Sanders. Eu sorrio, porque a cadela se pegou, sem uma confissão. "Minha pergunta é, por que você esperou, para relatar sua falta?" "Eu quero um advogado." Ela é imediatamente algemada e acusada, de tentativa de assassinato, conspiração para cometer assassinato, fraude e várias outras acusações. “Os outros estão sob custódia e são entrevistados, enquanto falamos. Dois já derramaram suas entranhas ”, diz De La Torre, batendo a mão, no meu ombro. "Esta vai ser uma investigação aberta e fechada", acrescenta Sanders, apertando minha mão. “Obrigado, senhores. Agora, se vocês me derem licença, eu tenho algumas compras para fazer, antes de voltar para casa. ” Eu tenho muito planejado, para o meu doce anjo.


Capítulo 14

Connie Aterrisamos em Cincinnati e posso sentir a tensão passar por David. Eu só tenho duas semanas de folga, antes de voltar ao trabalho. Ou então ele acredita. Fiz alguns movimentos drásticos, que a maioria, consideraria tola, mas eu o amo e sei que ele me ama. "David, há algo que está te incomodando?" Eu pergunto, segurando seu braço com força, enquanto andamos. "Não, nada." Eu sei que ele está mentindo e mesmo que eu não goste, eu darei a ele, tempo, para lidar com isso, ele mesmo. Nós entramos em um táxi e David dá ao motorista , o endereço dele. É em uma área remota e luxuosa e à medida que nos aproximamos, eu posso ver a agitação da cidade diminuir, para o zumbido silencioso dos subúrbios. Sua casa é um clássico vitoriano, construída com uma grande varanda e um balanço. Ele pega minha mão e caminha comigo, enquanto o motorista se oferece, para levar nossas malas, pelas escadas. O motorista sai com uma gorjeta generosa de David e entramos em sua casa. É tão impressionante, quanto o lado de fora, e eu sinto que isso não representa, quem é David, ou pelo menos o homem que eu conheço e Brooke me contou. Nos últimos dias, ela e eu, nos tornamos mais próximas. Ela acredita que David, é um homem genuinamente grande e eu concordo de todo coração. Este lugar cheira a elegância e classe, mas está faltando o cuidado carinhoso, de uma casa. "Uau, esta é uma casa elegante." "Eu não gosto muito disso, mas foi dos meus pais." "Sinto muito pela sua perda, David." "Obrigado. Eu pretendo vendê-la um dia, mas eu tenho estado tão ocupado. ” “Eu posso entender isso. Quão longe está, do seu escritório?” “Uma boa distância. E quando neva, às vezes apenas acampo, no meu escritório.”


"Entendi. Eu deixo meu carro e pego transporte público para casa, quando neva muito ruim.” "Isso não é pior?" “Não, você viu o quão perto, o trem está, da minha casa. O tráfego fica ruim, quando neva. Às vezes pode levar mais de duas horas, para chegar em casa e em condições perigosas. ” Ele me puxa em seus braços. Eu me derreto nele, envolvendo suas costas e pressionando meu rosto, contra o peito dele. Eu aconchego-me perto, respirando-o. Eu não quero voltar a uma vida, sem ele. "Babe, eu sei que isso é pedir muito e que provavelmente, é muito cedo, para jogar isso em você, mas você consideraria, tentar trabalhar aqui em Cincinnati, como enfermeira?" "Você está me pedindo, para ficar, David?" "Sim. Eu não posso viver sem você. Em duas semanas, você vai voltar, e eu ainda terei que estar aqui, tentando arrumar minha vida. Eu te amo, Connie.” “Eu amo você, David. Sim, vou ficar. Eu não quero ir a qualquer lugar, que você não esteja.” "Então eu tenho que perguntar." Ele cai em um joelho, no meio do seu foyer e pega uma pequena caixa preta. "Você vai me fazer a honra, de se casar comigo?" “Sim, David. Claro que sim. ” Estou praticamente pulando de alegria, enquanto ele se levanta e desliza uma pedra enorme, no meu dedo. Não é um diamante regular, mas um rosa. Eu olho várias vezes, porque é a minha cor favorita e eu adoro isso. "Eu sei que não é o diamante usual, mas eu me lembro de você usando roupas rosa claro, no dia em que acordei e você ama a cor." "É perfeito", eu grito, saltando em seus braços. "Nós celebraremos e não usarei nada, além disso." "Deixe a celebração começar", ele rosna, jogando-me por cima do ombro e correndo para o seu quarto. Uau, ele conseguiu muita força e energia de volta.


Capítulo 15

David

Estou em pé no altar, esperando impacientemente, que a música comece e minha noiva entre. Já fazem três meses, desde que eu pedi a ela, para se casar comigo. Connie e sua mãe, planejam desde o primeiro dia. Achamos melhor têlo em Chicago, porque eu não tinha família nem amigos, em Ohio. Devin é meu padrinho. Ele está de pé, com um sorriso no rosto, o tempo todo. Ele sabe que estou a segundos de caçar minha noiva e jogá-la por cima do meu ombro, até que esta cerimônia, esteja terminada. Eu quero tanto, que mal posso ficar aqui. Os últimos meses foram muito positivos, para nós. Tenho muito trabalho a fazer, para recuperar todas as minhas habilidades cognitivas, mas fiz grandes progressos. Eu não perdi minha licença, mas tenho sido limitado por meus ferimentos, no número de clientes, que posso aceitar. Eu perdi alguma credibilidade, quando parecia que eu deixei a cidade e os clientes, mas quando eles souberam do meu ataque, raiva se tornou preocupação. Alguns dos detetives, chegaram ao casamento. Eles sorriem para mim, enquanto eu balanço para frente e para trás, esperando. A mãe de Connie entra e senta-se na primeira fila. Eu esfrego minhas mãos, porque isso significa, que a música vai começar. E um momento depois, acontece. Meu coração está bombeando no meu peito, enquanto eu tento ser paciente. Parece uma eternidade, antes de ela atravessar as portas. Ela está no braço do pai e eu estou pronto, para correr para ela. Devin está me segurando de volta. “Deixe-o fazer a honra. Ele só vai ter uma chance.” “Droga certo. Ok, eu vou ficar aqui. Eu olho para a beleza dela. Ela está radiante em um laço e seda, num vestido branco, que parece possuir um sino, no fundo. Esperar, parece insustentável. Eu a quero em meus braços, como a Sra. Parker. Ela sorri para mim, com um rubor, em seu lindo rosto.


Quando eles me alcançam, eu quero empurrar seu pai para o lado, porque é a minha vez, de segurá-la. Ele me dá um olhar sério, com um aviso. "Trate-a como uma princesa ou eu terminarei com você." "Sim, Sr. Langford." Ele me dá, a mão dela. "Você está pronta, meu anjo?" Eu pergunto, vendo o sorriso alcançar, seus brilhantes olhos azuis. “Sim, David, case comigo já.” Algumas risadas, vêm das pessoas, mais próximas a nós. "Eu acho que vou levá-lo a partir daqui", diz o oficiante, com um sorriso de sua autoria. Vinte minutos depois, sou casado com meu anjo e não posso esperar por esta noite. Nós estamos indo em uma lua de mel, de uma semana, para a Irlanda. Eu tenho que lembrar constantemente, que não é hora de dividir ainda. "Está na hora, meu marido", ela sussurra. Porra, sim. Acenamos para todos, enquanto seguimos para a porta. Estou cruzando meus dedos, que ninguém impeça nossa saída. Nós conseguimos sair de lá, antes que alguém o faça. Assim que entrarmos na limusine, que vai nos levar para o Hilton, eu estou fazendo planos mentais. Vou pregá-la em todas as superfícies que puder, antes do nosso voo, amanhã. A próxima coisa que eu sei, o motorista está chamando nossos nomes. Eu começo a acordar, depois cutuco minha bela adormecida. Nós mal conseguimos chegar à nossa suíte, quando nós dois caímos na cama, sobre pétalas de rosa. "Eu amo você, meu marido", ela murmura no meu ouvido. Eu resmungo de volta, através dos travesseiros, "Eu amo você, meu anjo." Eu acho que as batidas nas paredes, terão que esperar.


Epílogo

David

Um ano depois… Eu entro na casa, procurando por minha esposa. Ela deveria estar aqui, considerando o seu carro. Seus pais estão vindo, para uma visita. Eles estão dirigindo amanhã à tarde. Eu quero pegá-la, antes de ter um bom comportamento. Nós só os vimos algumas vezes, desde o casamento. "Connie, onde você está?" Eu chamo. "Aqui em cima", ela responde , do nosso quarto. Eu corro para cima, precisando beijar minha esposa. Assim que eu abro a porta do quarto, tenho uma surpresa. Ajoelhada no meio da cama, em um minúsculo conjunto de pelúcia rosa, com acabamento preto, minha mulher sorri para mim. O material é transparente e seus mamilos duros surgem, através do tecido. Ela me dá uma piscadela, antes de passar as mãos sobre os seios, me seduzindo, para ir buscá-la. “Maldito anjo. Você parece um deleite diabólico. Puxe para baixo. Deixe-me ver seus peitos, ” eu rosno, tirando o paletó. Eu puxo minha gravata, enquanto a vejo puxar a minúscula taça lá. Seus seios saltam, saltando e parecendo tão cheios. Meu pau está flexionando, na minha calça. Eu esfrego e tiro meus mocassins. Eu não posso ficar nu, breve o suficiente. Minhas mãos tremem, quando deixo cair minha calça. Eu estou de pé, apenas na minha cueca, observando, enquanto ela agarra seus seios, arrancando seus mamilos lentamente. “Eu senti sua falta, David. Nós só temos esta noite, antes da nossa casa, ser invadida. Eu quero que você me leve, duro, rápido, lento e gentil. Eu quero tudo. ” Ela afunda a mão mais para baixo, abrindo ainda mais as coxas e


levanta a bainha, deslizando os dedos em sua boceta. Sua mão bombeia, enquanto ela se delicia. Eu a observo, pensando que ela precisa ser recompensada, por um deleite no visual. "Dedos agora", eu grunho, caminhando para a cama. Eu os pego e deslizo entre os meus lábios, sugando cada gota. Rapidamente, eu a coloco de costas e a movo para o centro da cama, com a cabeça apoiada, em nossos travesseiros. Eu não rasgo a camisola, porque é algo que ela vai usar muitas vezes, se eu tiver uma escolha. Eu levanto-a dela, jogando-a ao lado da cama. Minhas mãos percorrem seu corpo, sentindo cada centímetro dela. Minha boca se junta à festa, dando beijos em seus seios. Meu corpo desce lentamente, enquanto eu corro minha língua , até sua barriga, até o seu monte. Eu separo aqueles lábios, que avidamente mostram, como ela é carente. Um golpe da minha língua e toda a paciência se foi. A besta dentro de mim, sai para jantar. Suas coxas escarrancham meus ombros e suas mãos vão direto, para o meu cabelo, puxando com abandono, enquanto minha língua a persuade a gozar. Eu mergulho dois dedos, em sua vagina, encharcando-os, enquanto chupo seu clitóris. O jeito que o corpo dela se balança na cama, arqueando e balançando, envia gotas de pre-semen, encharcando minha boxer. "Minha", eu canto contra sua buceta, roçando meus dentes, ao longo de sua carne tenra. E como um maremoto, ela vem duro, fodendo meu rosto, até que ela cai na cama, gasta. Eu puxo minha cueca, com a minha mão, até que ela sai. A outra brinca com seu clitóris, super estimulado. Nós não estamos satisfeitos, por um longo tempo. Meu anjo só precisa respirar. Eu gentilmente puxo meus dedos de seu mel e deslizo-os para sua bunda, traçando sua borda. Eu não vou para lá hoje, mas sei como ela fica sabendo, que eu sou dono da bunda dela. Porra, eu vou gozar, antes de entrar nela. Beijando meu caminho, até o seu corpo, eu chupo seus seios, antes de me mover para o pescoço dela, sussurrando, o que ela faz para mim. “Você sabe, que eu não vou parar ,até que nós dois, não possamos andar. Você não deveria ter começado isto, meu lindo anjo. Seus pais vão notar aquele gingado sexy, quando você está completamente fodida. Eu mordo seu lóbulo da orelha e seu corpo aperta. Alcançando entre nós, eu esfrego a cabeça do meu pau, contra sua boceta molhada. "Minha", eu rosno, batendo nela. Ela grita da plenitude, suas mãos apertando meus ombros, e ela joga as pernas, em volta da minha cintura. Eu sei que não vai demorar, mas eu não me importo. Ela pega meu pescoço e puxa minha boca, para a dela, saboreando-se na minha língua, sugando-a entre os lábios. Isso nos estimula e seu orgasmo chega tão rápido, quanto o primeiro. Eu rujo, esvaziando minha semente nela, esperando que nós


façamos um bebê, em breve. Pensar em sua gravidez, deixa minha libido em frenesi e dou-lhe um pouco mais de gozo. Uma vez que recupero o fôlego, eu me viro, descansando seu corpo no meu. Ela pressiona a cabeça no meu peito, antes de girar e beijar meus peitorais. Em um sussurro suave, ela diz: "Eu só queria comemorar, o fato de que estou grávida." Eu congelo, não tenho certeza se a ouvi, corretamente. Eu levanto a cabeça e olho para ela. "O que, anjo?" Eu não posso esconder meu sorriso, enquanto espero, por sua resposta. "Eu vou ter o seu bebê, David." “Foda-se sim. Obrigado, Connie”. Eu me sento e puxo-a para mim, beijando-a, sem sentido. Antes de sabermos, estamos nisso de novo, gritando nossa alegria, com mais dois orgasmos. ~~~~ "Babe, com a notícia do bebê e bem, seu corpo espetacular, me fazendo perder toda a concentração, eu tinha esquecidos das minhas próprias notícias." "Oh sim?" Ela responde, a toalha secando o cabelo, enquanto nos preparamos, para os pais dela chegarem. “Sim, depois de ver os outros ligarem Molly ao fato, Hagen mudou seu fundamento. Ele vai ser condenado, na próxima semana, no Condado de Cook. Eu não sei onde eles estão enviando ele, mas eu não o vejo recebendo nada, menos que quinze anos. ” "Yay! Agora, com sorte, ele nunca verá a luz do dia, como Molly.” "Essa é a minha esperança, desde que ele evitou um julgamento, que pode salvar sua bunda." "Falando em bunda, você acha que temos tempo, para outra rodada?", Ela pergunta. "Não, mas se você ficar quieta esta noite, eu vou te levar legal e devagar." "Parece um bom negócio." A campainha toca. Imediatamente, eu respiro, num suspiro de alívio, que eu me controlei. O pai dela gosta de mim, mas eu não estou tentando, irritar o cara. Afinal, estou prestes a ser pai, também.


Connie

Oito anos depois... “Santo inferno, Brooke, estou exausta. Este é o último. Temos cinco e já terminei. Esfrego minha barriga inchada, algumas vezes , antes de nos levantarmos do pequeno café, em que estamos. Os caras têm todas as crianças hoje, com a ajuda de Devin e meus pais. Alguns anos depois de nos casarmos, voltamos para Chicago ou para os subúrbios. Devin e David trabalham juntos como parceiros, em seu escritório de advocacia e a vida é boa. Eu parei de amamentar, quando nos mudamos para cá. Eu não tive que trabalhar e com todas as crianças chegando, foi o melhor. Eu não me arrependo ou sinto falta, já que eu tenho pelo menos um deles, recebendo do-dóis regularmente. “Bem, ele está trabalhando duro, para construir um grande escritório de advocacia, com todos eles. Maxine é tão parecido com David, que você terá suas mãos ocupadas, em alguns anos.” “Me fale sobre isso. Eu não era uma adolescente má, mas eu sei que dei um pequeno problema aos meus pais, com os meninos. David vai pirar, quando esses dias chegarem. Eu sei isso. Ele já age, como se garotos, estivessem atrás dela.” "Bem, ela tem um rastro de irmãos pequenos, que os afastarão." “Sim, e é uma coisa muito boa. Nossa futura menina, vai ser tão problemática, tenho certeza disso, mas pelo menos teremos a prática. ” “Eu entendo totalmente. Pelo menos Adam e Devin Jr. , são mais velhos, que Madison. Eles são seus cães de guarda, para o papai, então ele não vai para a prisão, por assassinato ”, brinca Brooke, apesar de conhecer nossos homens, não é realmente uma piada, mas sim um medo. Depois que David curou, ele trabalhou e voltou para a versão mais saudável, que ele era, antes do ataque. Então o homem das cavernas apareceu, em alta definição. Ele não tolera homens, se aproximando de mim. Eu acho tão sexy, vê-lo ficar territorial sobre mim, mesmo que eu tenha ganho, alguns quilos extras. O homem é meu tesouro. Espero que isso seja, apenas uma fração, da nossa jornada juntos.


Meu telefone toca e eu o procuro pela minha bolsa gigante e encontro. Claro, é meu lindo marido. “Ei querida. Estás bem?" "Quando você vai voltar?" “Em pouco tempo, por quê? As crianças são demais?” “Não, querida. Seus pais estão mantendo-os, durante a noite. Eu ouço o tom sugestivo, em sua voz. Eu olho para Brooke, que também está no dela. Eu me pergunto, se os pais de Devin, mantiveram as crianças também. "Eu estarei aí em breve. Eu te amo ”, respondo. Nosso tempo tem sido precioso ultimamente, com todas as crianças, trabalho e funções familiares. “Eu também te amo, anjo. Agora pegue sua linda bunda de volta aqui, para que eu possa comer.” "Você está sugerindo?" "De modo nenhum. Eu estou prometendo. Eu quero meu rosto, entre suas coxas, depois meu pau.” "No meu caminho", eu respondo, desligando o telefone. Brooke me dá uma olhada. "Dev quer que eu vá para casa, por algum tempo sozinhos e muito necessário." "O mesmo aqui. Bem, foi um dia divertido de compras. Vamos voltar e ter mais um pouco, eu digo com uma risada. Brooke me deixa e Devin entra no carro. Nós damos adeus e antes que eu possa dizer uma palavra, David me arrasta para dentro e me leva para cima. Eu sou um inferno de uma mulher de sorte. “Droga, anjo, você é tão sexy. Eu sou um grande homem de sorte. ”Grandes mentes, pensam da mesma forma.”

FIM

Profile for Princesa Diana

C.M Steele - Keep In Mind  

Livro único

C.M Steele - Keep In Mind  

Livro único

Advertisement