Page 1


Frankie Love


Ser um príncipe pode ser meu dever de merda, mas de jeito nenhum eu estou vivendo no abafado castelo. Eu prefiro minha cabana na floresta, a que eu construí com minhas próprias mãos. Chegou a hora do meu casamento arranjado. Inferno, existem coisas piores do que ter uma mulher na minha cama todas as noites. Independentemente de quem é essa princesa, não estou mudando meus caminhos. Mas então Iris aparece com ultimatos e uma buceta perfeita. Um de nós tem que dar.


Eu saio de casa com otimismo ... de alguma forma eu tenho que fazer isso funcionar. Então, e se esse príncipe tiver uma reputação de ser um bundão real? Ainda é uma aventura - que é tudo que eu sempre quis. Garrick é rudemente bonito e nossa química é inegável. Eu quero dar a ele tudo de mim. E eu dou. Nossa noite de núpcias é mais quente que a ilha da qual eu venho. Mas os rumores são verdadeiros… Ele é mais do que um idiota; ele é teimoso como o inferno. Mas eu tenho um plano para mudar seus modos arrogantes. Ele apenas tem que concordar com isso. Me deseje sorte,


Por muito tempo eu pude dizer que os filmes e livros, sendo uma princesa era o auge das fantasias de infância da maioria das meninas. Eu entendia. Há muito sobre ser uma princesa que é muito doce. Por exemplo, o título: Princesa. E as jóias da coroa. Quero dizer, coloque uma tiara na cabeça de qualquer mulher e ela vai parecer dez vezes mais quente. Isso nem é uma pergunta. Os diamantes literalmente são os melhores amigos de uma menina. Mas há muitas outras coisas sobre ser uma princesa que não são tão boas. Especialmente quando você é uma princesa em um país praticamente falido. Porque a verdade é que eu nunca tive um lugar para vestir a dita tiara. Não há bailes ou galas para ir, principalmente porque papai vendeu o jatinho particular há uma década, e seus gastos tolos nos mantiveram trancados. Na verdade, fiquei presa na ilha de Elexia a vida toda.


E tudo que eu quero no mundo inteiro é uma chance para explorar. Eu quero viajar para terras exóticas e experimentar diferentes culturas e absorver tudo o que este planeta tem para oferecer. Em vez disso, estou aqui neste país provincial, cercado por oceanos. Eu sei. Boohoo. A princesa não consegue deixar sua majestosa ilha tropical onde palmeiras balançam com a brisa salgada e peixes frescos são pegos para um jantar ao ar livre. E eu sou grata, eu realmente sou, mas ainda assim, eu quero ver alguma coisa. Qualquer coisa. Aqui em Elexia, eu realmente não posso trabalhar para pagar uma passagem de avião para um novo local. Eu sou uma princesa e minha vida não é mais nada além disso. Então estou presa no meu feed do Instagram, porque me permite imaginar uma vida maior do que a que tenho. Eu sigo blogueiros de viagem caminhando por Marrocos ou viajando pela Europa. Eu imagino uma vida que é mais do que as selfies que eu faço na mesma praia ano após ano, tentando fazer minha vida parecer mais excitante do que realmente é. Quando meu pai chama minhas irmãs e eu na sala do trono, sei que algo grande está prestes a acontecer. Minha vida finalmente vai começar. O que é bom. Eu quero uma razão para viver em algum lugar além da minha realidade virtual na Internet. Eu quero um motivo para excluir uma dúzia de aplicativos e exprimentar algo novo. Então aqui estamos na sala do trono, e honestamente, esta sala realmente precisa de um novo título. Minha irmã Dahlia recolocou a


almofada naquele trono mil vezes e poliu-a com seu próprio cuspe, sem sucesso. Ainda parece velha, e não de uma maneira fofa e decaída. Esta sala do trono é simplesmente velha e desbotada. Não que isso importe. Ninguém está vindo para Elexia para ver meu pai. Ele não é exatamente uma força política a ser considerada. Ele é mais como um homem bom, um pouco estressado, que está praticamente em cima de sua cabeça. A única pessoa que chega a este lugar é Gibraltar, meu primo, que herdará a coroa depois que meu pai morrer. Minha irmã, Violet, tem um pau no traseiro, mas Gibraltar é um outro nível insuportável. Pelo menos, Violet ajuda as pessoas e cuida de todos os outros. Gibraltar embora ... Eu nem sei porque estou falando sobre ele. Sou apenas grata porque a realeza parou de se casar com seus primos cem anos atrás. Eu posso estar desesperada por um ingresso para fora daqui, mas certamente não ficarei noiva de Gibraltar para isso. Então, quando o Pai nos reúne e nos diz que temos a capacidade de salvar nosso pobre país empobrecido, sou todo ouvidos. Eu estou pronta para alguma excitação, algo que tem um alcance mais amplo do que a minha câmera de celular. Eu seguro meu telefone, não que eu tenha algo interessante para o Snapchat, e olho para o meu pai. Este pobre homem passou pelo espremedor.


Quero dizer, não ter um único filho nascido para você, quando você é um Rei em pânico, é terrível. Eu sinceramente me sinto mal pelo cara. Então, aqui ele está chamando suas três filhas com grandes novidades. Um sorriso de gato de Cheshire se espalha em seu rosto e por um momento eu acho que algo de bom finalmente vai acontecer com a nossa família. Minha irmã mais velha, Violet, ela merece o mundo. Ela literalmente distribui sopa para os famintos e cobertores para os que não têm. E Dahlia? Ela é completamente inocente, e eu quero que ela continue assim, mesmo que ela estivesse contente por rodar na areia da praia, comendo frutas de árvores próximas, e sonhando acordada com seu príncipe encantado em lugar nenhum. O que me faz parecer a garota que tem prioridades malucas, mas eu gosto de dizer que sou mal entendida. Porque, apesar de toda a ajuda de Violet e toda a gentileza que Dahlia expressa, sou eu que sempre quis mais. Quando eu tinha seis anos, tentei fugir. Embalei minha mochila e tentei ir, apenas para descobrir que estava morando em uma ilha. E que eu não ia a lugar nenhum. Nunca. Eu chorei por dias. Lembro-me da minha mãe me sentando e explicando que não era a pior coisa do mundo ter uma casa. E lembro-me de olhar nos olhos pensativos dela e dizer-lhe que, para mim, uma menina que queria voar, ter suas asas cortadas, era insuportável. Ela me segurou, balançou a cabeça tristemente, como se soubesse.


E talvez ela tenha. Ela já foi uma princesa também. Para algumas mulheres, ser princesa é suficiente. Para mim, porém, eu desistiria de tudo se isso significasse que eu poderia voar. Minhas irmãs só achavam que eu era uma pirralha por tentar fugir. Elas nunca entenderam como era ser amarrada a um lugar que você queria sair. — Como posso ajudar, pai? — Dahlia pergunta. — Eu sou apenas uma princesa. Eu praticamente posso ouvir Violet revirar os olhos. Aquelas palavras apenas uma princesa riem dela mais do que qualquer outra frase. — Casamento — explica meu pai. — O plano para vocês, minhas filhas, é entrar em casamentos arranjados com príncipes de outros países em troca de dotes que reabastecerão o déficit monetário momentâneo de Elexia. Eu pisco, agradecendo minhas estrelas da sorte. Finalmente, pessoas. Enquanto meu pai anuncia que o imprudentemente bonito Príncipe Hunter vai ser o marido de Violet, minha irmã mais velha afunda no chão. Dahlia se casará com o simpático príncipe Lucas e, é claro, ela só tem uma reação: altruísmo. Ela está no chão consolando Violet. Eu nem sequer ouvi quem será o meu marido, mas esta é a melhor notícia que ouvi todo o ano. Toda a década.


Eu estava ficando desesperada. Eu quero mais. E sim, eu sei que pareço uma gravação em VHS de Ariel em A Pequena Sereia. Mas será que a pior coisa do mundo é querer mais do que esta ilha trancada pela água tem a oferecer? Porque eu sinto que estou à deriva em um círculo, como se eu não tivesse começado a minha vida, e tudo que vejo quando olho para a mídia social no meu celular idiota é um mundo grande e brilhante esperando por mim. Eu quero entrar nisso. — E com quem eu vou casar? — Eu pergunto timidamente. Meus dedos já estão enrolados no meu celular. Eu estou pronta para procurar pelo Google de merda quem ele é, sendo que ele é o meu ingresso real para fora daqui. — Você vai se casar com o príncipe Garrick de Alpinweiss — meu pai diz, levantando a mão. — E antes que você crie uma confusão, Iris, deixe-me explicar. Sua família é incrivelmente rica. O país de Alpinweiss é uma terra abundante, cheia de recursos naturais e uma força militar que os manteve na frente e no centro das negociações internacionais. E enquanto Garrick é conhecido por ser um pouco recluso, ele não mostra seu rosto no setor público há anos, mas ... Eu afasto o resto de suas palavras. Porque literalmente nenhuma delas importa. O país de Alpinweiss é abundante. Isso se traduz no mais que estou procurando. Quanto mais eu tenho sonhado. Eu envolvo meus braços ao redor do pai, nunca tendo estado tão animada em toda a minha vida.


Eu vou casar com um príncipe. Estou deixando Elexia, finalmente! Eu nunca sonhei em encontrar o Príncipe Encantado ... mas eu acho que minha própria fantasia feliz para sempre está prestes a se tornar realidade.


Oh, de jeito nenhum. Olhe, meus pais têm tido opções de esposa em potencial nos últimos dois anos. Eu vetei cada uma delas. Não me oponho ao casamento, claro que não. Quero que uma mulher me aqueça como o próximo homem, mas não estou interessado em uma mulher que não entende um príncipe da montanha como eu. Alpinweiss é um país cheio de dinheiro. Somos ricos por um motivo filho da puta: não somos idiotas. Embora eu tenha a tendência de pensar que as pessoas com quem meus pais se cercam são um monte de piadas, sempre mantendo a cabeça erguida como se fosse melhor do que todo mundo, nunca pensando no homem comum que precisa de uma perna. É por isso que eu vivo como eu vivo. Eu não acho que só porque eu tenho um título eu deveria ter privilégios especiais. — Nós dissemos a você depois que você rejeitou a última princesa, que na próxima vez que encontrassemos uma opção viável, estaríamos concordando com ela, com ou sem o seu consentimento. Lembra? — meu pai diz.


Eu pego meu machado no tronco final, cortando-o em um bom tamanho para o meu fogão a lenha. Lembro-me da conversa do mês passado, clara como o ar fresco da manhã. Meus pais não estão me forçando ... inferno, eu forcei isso sobre mim mesmo por tomar muito tempo para tomar uma decisão. Eu sabia que esse dia ia chegar. — Então, meu filho — diz minha mãe — Encontramos uma princesa cujo pai mandará sua filha para cá, para você, no meio do nada embora, é claro, não tenhamos detalhado o estado de sua moradia. A mãe olha em volta da minha propriedade: a cabana que construí com minhas mãos, a densa floresta ao nosso redor. Tão longe da Aldeia Histórica de Alpinweiss como eu poderia ficar sem deixar a aldeia completamente. A única coisa pior do que estar naquela cidade, repleta de estradas de paralelepípedos e carruagens puxadas por cavalos, são os tantos turistas fodidos olhando para a nossa ‘cidade pitoresca’, que estão passando pelas montanhas para as grandes cidades de Alpinweiss. — É um Rei raro, desesperado o suficiente para mandar a filha se casar com um homem como você. Mas precisamos de um herdeiro. Minha mãe cruza os braços, os dedos batendo no cotovelo. Seu rosto é severo e escrito com aborrecimento. Ela não tem paciência para minhas escolhas de vida. — Então, o que há de errado com essa garota se o pai dela está tão desesperado que ele vai mandá-la para o homem louco que mora na floresta? — Eu zombo, espanando a sujeira das minhas palmas. Eu moro na floresta e não peço desculpas por isso. A maioria das princesas está acostumada a castelos com chão de mármore, criados que os aguardam de pé, bailes onde usam sapatos de vidro.


Essa não é a vida que uma princesa vai ter comigo. Eu saí da ‘casa’ dos meus pais assim que pude. — Nada está errado com ela, por si só. — continua minha mãe. — Na verdade, ela parece bastante amável. — Você conheceu ela? — Balanço a cabeça e jogo o machado no tronco da árvore. Meus pais vieram aqui hoje para a minha cabana para dar a notícia. Eu moro aqui porque gosto de ficar de olho nas coisas da floresta, e é difícil fazer isso quando você está na propriedade principal. Bem, eu acho que você poderia chamá-lo de castelo principal. Nosso castelo histórico parece mais Winterfell do que Casterly Rock, se você quiser pegar todos os Game of Thrones sobre isso. E sim, eu li os livros, e não, eu não assisti ao programa, porque eu não tenho uma maldita televisão. Ainda assim, o castelo é um castelo. Eletricidade, internet, máquinas de lavar, e além dessas coisas básicas, tem tudo de primeira. Eu evito os turistas como a peste. Eles são tão ruins quanto os dignitários que trabalham na sala em todas as funções reais. Daí minha cabana na floresta. — Nós não a conhecemos, mas ela adora postar fotos de sua vida no Instagram. Ela é simplesmente linda. Amor … — ela diz para meu pai, — Explique a ele quem é sua noiva princesa. Meu pai acena e continua. — O nome dela é Iris e ela tem a, ahem, requisitos de uma princesa.


Requisitos é a maneira delicada de meu pai dizer que ela é virgem. O que para meus pais é um aspecto importante desse dote que eles estão oferecendo. Não que eu me importe. Uma princesa virginal é instantânea, não importa o quão rude e robusto um homem viva. — Tudo bem — eu digo. — Então esta princesa pura, de onde ela vem? — Ela vem de... Elexia — minha mãe diz. Ela imediatamente deixa cair os olhos no chão, sabendo que não vou gostar dessa resposta. — Você está brincando comigo? — Eu bufo. Esta é uma piada maldita. — Aposto que ela nunca chegou a pisar nas montanhas. Ela possui um par de botas? Ou sabe esquiar na neve? De jeito nenhum no inferno isso vai funcionar. Boa tentativa, no entanto. Eu balancei minha cabeça novamente, pegando meu machado do coto e caminhando em direção a porta da minha cabana. — Não é uma escolha. Está acontecendo, Garrick. Eu paguei o dote. — As palavras do meu pai me impedem de aparecer. — Um dote duplo. — Isso está realmente acontecendo? — Está realmente acontecendo, Garrick — diz minha mãe, pegando a minha mão. — Eu quero um neto. Seu pai precisa de um herdeiro. Nós não estamos fazendo isso para ser mau ... Estamos fazendo isso porque amamos você. Está na hora de você se estabelecer.


Eu fico tenso, passando a mão pela minha barba, sabendo que meus pais foram tolerantes comigo a vida inteira, olhando para o outro lado quando levei uma serviçal para a cama ou uma garota do rancho para os estábulos. Tudo está prestes a mudar. — Você está colocando essa garota aqui e isso vai falhar, você sabe disso, certo? — Oh, basta ligar seu charme, Garrick — minha mãe diz maliciosamente. Há algumas coisas que qualquer um que me conhece sabe: eu não faço essa merda, não finjo, sou o que sou e você tem o que tem. — Quando ela vem? — Eu pergunto. — Amanhã. A Elexia realmente se colocou em uma situação financeira dificil, como eu tenho certeza que você sabe. Mamãe faz uma careta, sabendo que sou como meu pai de várias maneiras. Eu lia o máximo de informação possível sobre o estado da economia mundial. Eu entendo minhas obrigações familiares. Eu apenas evito o castelo como a peste. Se meu pai tem um trabalho para mim, farei isso. Ele continua insinuando que eu poderia ser o embaixador real, mas diabos, eu não quero viajar pela porra do mundo sozinho conhecendo um grupo de líderes que são tão aborrecidos quanto os amigos dos meus pais. — Isso é realmente o melhor que você poderia fazer? — Eu pergunto. — Bem … — papai diz — Você vetou as últimas oito princesas viáveis, Garrick. Você fez isso para si mesmo.


— Nenhum casamento grande — eu insisto. — Eu aparecerei e cumprirei meu dever, mas não participarei de algum desfile em volta do centro histórico Alpinweiss. Entendido? Mãe franze a testa, mas acena com a cabeça. — Entendido. Nós podemos ter uma cerimônia privada com apenas nós. Eu gostaria que você nos deixasse te mostrar. — Apenas isso — eu reforço. — Eu não sou um ato de circo. — Eu prefiro ter uma cerveja com homens em um pub do que beber champanhe com pessoas que não sabem como sujar as mãos. Meu pai sacode a cabeça. — Nada fácil com você, Garrick. Nada. — Eu sou díficil? — Eu zombei. — Eu exijo tão pouco. Estou aqui nesta cabana, sem incomodar uma alma maldita. — Mas você é o príncipe, Garrick — mãe geme. — Você tem um dever real para o povo. Eu estremeço. Eu não me importo de me casar, se é disso que minha família precisa, é o que farei. Eu não vou me esquivar da minha responsabilidade. Não hoje nem nunca. — Eu não preciso morar no castelo para provar que sou um príncipe. — Eu não tenho certeza se Iris vai entender isso — minha mãe acrescenta, olhando por cima do meu ombro para a minha cabana de um quarto.


— Ela vai ter que encontrar uma maneira de envolver sua mente em minha vida. Eu moro fora da cidade por um motivo. Isso me mantém de castigo, mantém minhas prioridades retas. Eu posso fazer o que o país me pede sem ser esperado em pé, tenso. Eu não preciso de água quente nesta cabana para provar que me importo com o meu país. Meus pais trocam um olhar, como se não soubessem de algo que eu não sei. — O que? Meu pai bate em minhas costas. — O casamento é uma curva de aprendizado íngreme, filho. — Seja fácil com Iris, é o que estamos tentando dizer — acrescenta minha mãe. — Ela é de uma ilha tropical. Isso vai ser um choque cultural, e lembre-se, este é um casamento arranjado para ela também. Eu aceno, me perguntando sobre essa mulher que eles estão me enviando. Uma maldita ilha tropical? Não há como, no inferno, ela ser capaz de lidar com um príncipe da montanha como eu.


Pela a próxima semana eu alterno entre excitação vertiginosa e energia nervosa. Basicamente, sou um balão de hélio sem intenção de explodir. Estou emocionada ao máximo. Primeiro Violet voa para o Príncipe Hunter da Cressia, porque aparentemente a irmã mais velha é quem consegue se casar primeiro, o que eu compreendo totalmente. Estou com um pouco de inveja de que ela seja a primeira a estourar sua cereja real. E com o príncipe Hunter sendo seu marido, não tenho dúvidas de que um príncipe malvado como ele a levará facilmente para a cama. Mesmo que ela esteja tão comprometida com a resistência até a sua noite de núpcias. Assim que recebemos a notícia de que ela se casou com ele, me preparo para partir para Alpinweiss. E não tenho dúvidas de que logo estarei nos braços do meu noivo. Estou tão pronta para enfrentar qualquer coisa que o Príncipe Garrick de Alpinweiss tenha planejado para mim. Eu não sou uma idiota. Eu conheço sua reputação, você sabe, sua carranca, seus olhos pensativos e seu exterior áspero?


Eu não estou nem um pouco assustada. Não me sinto intimidada por um homem que é um pouco recluso. Eu estou pronta para um desafio. E eu não tenho dúvidas de que vou conquistá-lo. Eu até deletei todos os aplicativos de mídia social do meu telefone. Eu não preciso mais dessa distração. Eu tenho uma aventura esperando por mim em Alpinweiss. Meu pai pensou que me casar com Garrick poderia me aborrecer, mas isso não poderia estar mais longe da verdade. Casar com um homem em outro país, com novas tradições e costumes, comida diferente? Pode vir. — Você não está nem um pouco assustada que ele possa ser um grande, idiota? — Dahlia pergunta enquanto arrumamos a minha mala para a minha expedição pelo mundo para encontrar meu futuro marido. — Eu não usaria a palavra medo. Estou ansiosa, é tudo território novo e inexplorado, mas é como se eu fosse um explorador. — Eu faço uma foto com as mãos, rindo enquanto explico. — Isso é como um safári, só que melhor. Não haverá animais selvagens, apenas um homem selvagem recebendo sua noiva. Eu levanto meus ombros em excitação e bato minhas mãos em determinação. — Você vai fazer sexo com um estranho completo. Isso não é intimidante? — Essa é a melhor parte. — eu rio. Dahlia faz uma careta e eu aperto seus ombros.


Minha irmãzinha pode estar com medo, mas passei anos suficientes me tocando no chuveiro, imaginando um homem que queria explorar meu corpo. Eu não tenho medo dessa parte. Essa é a parte que já me faz apertar minhas coxas juntas em antecipação. Dar ao meu marido meu corpo é apenas parte do glamour desse arranjo. Estou tão pronta para ser mulher de alguém. Deixá-lo descobrir tudo de mim e eu tudo dele. Eu quero um homem que esteja disposto a me ensinar tudo o que eu quero saber. Espero que meu marido esteja pronto para me mostrar o que significa ser mulher. Dahlia parece preocupada. — Suponho que estou um pouco ansiosa. — suspiro. — Mas o bom tipo de ansiedade. Eu quero uma aventura. Não é sobre vestidos de baile elegantes e bailes reais, isso seria divertido, mas, na verdade, qualquer aventura serve. Você sabe que eu tenho esperado muito tempo por esse momento. — Sim, todos nos lembramos quando você tentou fugir — diz Dahlia, levantando uma sobrancelha. — Mas Iris, você teve uma vida aqui em Elexia. Não é como se viver aqui fosse a pior coisa do mundo. — Quantas vezes podemos coletar conchas e nadar na cachoeira e pegar cocos? Eu quero algo mais. — Mas o Centro Histórico Alpinweiss não é exatamente uma metrópole em expansão. Você viu na internet, não viu? Você sabe que não há grandes centros comerciais ou restaurantes com classificação


Michelin. Alpinweiss tem grandes cidades, mas o castelo está localizado no coração de uma aldeia típica da Baviera. Pode ser mais como Elexia do que você quer admitir. Dahlia morde o lábio inferior enquanto dobra minha calcinha. Porque esse é o tipo de garota que Dahlia é: uma pasta de roupas íntimas. Lenta e cautelosa. Metódica e preocupada. — Não me dê isso. — eu digo, pegando a calcinha de seus dedos e jogando-os sobre a pilha de roupas que eu juntei para colocar na minha mala. — A Internet nem sempre lhe dá a imagem mais precisa de um lugar. Então, o Google Maps não localizou um shopping na vila. Isso não significa que não haja lojas boutique cuidadosamente selecionadas e repletas de peças únicas. Isso não significa que não haja cafés independentes que tenham seguidores subterrâneos e infâmias fora da grade. Eu não estou procurando por lojas caras na Rodeo Drive. Eu só estou procurando por algo diferente. Algo empolgante. Algo novo. Eu caio na minha cama, agarrando dramaticamente um par de roupas íntimas, meus olhos bem abertos e meu coração explodindo e tudo cheio e vivo. Possível. — Eu só acho que suas expectativas podem ser um pouco altas. — Dahlia diz, deitada na cama ao meu lado, pegando minha mão. — Eu não quero você desapontada, Iris. E a verdade é que você nem viu uma foto do seu futuro marido. Isso não é um pouco ... alarmante? — Dahlia, você deveria ser a irmã de apoio. Não aquela que está chovendo no meu desfile de noiva.


— Eu não estou tentando chover em nada — promete Dahlia, e muda de assunto. — Eu não posso acreditar que todas realmente estão se casando. Você acha que Violet está feliz? — Tenho certeza que ela está. Na verdade, acho que a estrada pedregosa de Violet e Hunter até o altar confirma que as coisas não precisam ser perfeitas para que terminem bem. Garrick é um recluso príncipe da montanha, e daí? Ele poderia estar escondido em uma biblioteca do castelo, bebendo uísque e lendo Proust. Não temos ideia de como ele é. Há coisas piores do que não ter uma foto na internet, não é? — Há coisas piores — concorda Dahlia. — Garrick não poderia querer se casar com você. Eu olho para minha irmã espantada. — Por que você diz tal coisa? — É claro que Garrick vai querer se casar com você. — insiste Dahlia. — Iris, você tem um rosto perfeito em forma de coração, cabelos dourados até a cintura, olhos azuis brilhantes que brilham como o mar e uma atitude de que qualquer principe se apaixonaria. — Obrigada, Dahlia. Eu só quero que tudo corra perfeitamente. Nós nos sentamos na cama, nós duas sabendo que chegou a hora de eu embarcar em um avião para minha nova casa. — E escute — digo a ela. — Eu sei que quando for a sua vez de pegar um avião para o seu príncipe, você não terá nenhuma irmã aqui dando-lhe uma conversa estimulante, mas você deve prometer ligar. — Eu vou ligar — diz Dahlia me apertando. — Mas agora você não precisa se concentrar em mim. Eu vou ficar bem. É com você que estou preocupada.


— Bem, pare de se preocupar. Porque não há, literalmente, uma única razão para pensar que isso não vai acontecer exatamente como eu sonhei.


Eu tinha acabado de empilhar a madeira que eu passei ontem cortando, e uso um pano para enxugar o suor da base do meu pescoço. Eu olho em volta do quintal para a minha camisa descartada e a pego, em seguida, abotoo quando entro na cabana. Minhas costas estão escorregadias de suor e minha camisa de flanela gruda nela. Andando até a pia, bombeio água para uma bacia e lavo a poeira do meu rosto. Eu esfrego meus dedos e unhas, sabendo que minha mãe vai olhar para mim em desgosto se eu aparecer no meu casamento com as mãos sujas. Eu olho em volta da minha cabana, o lugar que eu chamei de lar pelos últimos oito anos. Eu construí este lugar com minhas próprias mãos quando eu ainda era adolescente ainda vivendo no palácio chique dos meus pais. Nas tardes eu saía aqui. Eu coloquei a base, depois cortei uma árvore de cada vez enquanto construí minhas quatro paredes, enquanto colocava um teto sobre a minha cabeça. É estranho pensar que estarei compartilhando este quarto com outra pessoa hoje à noite. Não querendo ser um idiota completo, eu endireito a colcha na minha cama. Eu faço um esforço para limpar o lava-loiça deixando os pratos lavados e empilho os pratos cuidadosamente nas prateleiras acima da pia.


Enquanto ando em direção à porta da frente, a tábua do assoalho range, como acontece todos os dias. Pensei em consertar aquele rangido uma centena de vezes, mas depois lembro que momentos imperfeitos são o que tornam a vida memorável. Vou manter uma tábua rangente, assim como vou manter meus banhos frios. Se as coisas se tornarem fáceis demais, perfeitas demais, eu posso esquecer o quanto essa vida é realmente boa. E todas as coisas boas levam tempo. Saio pela porta da frente, respirando fundo, sabendo que esta é minha última caminhada para fora da minha casa como um homem solteiro. Um avião a jato pousou atrás da casa dos meus pais há meia hora. O plano era que Iris fosse levada até a capela de casamento pouco depois de sua chegada, onde eu a encontraria. O padre já estará lá para nos casar com a menor pompa e circunstância possível. É um casamento, não é uma celebração do caralho. Meus pais podem ter arranjado esse casamento, mas eles sabiam que a última coisa que eu gostaria de ter seria uma grande cerimônia, solicitando a presença de todas as pessoas da cidade. Não é assim que eu opero. Então eles concordaram em um pequeno casamento privado, desde que eu esteja disposto a aparecer na hora certa e beijar minha noiva. É um pouco menos de uma milha a pé até a capela, que é apenas dentro da praça da aldeia. Nossa cidade está situada no meio do vale. Picos de montanhas cobertos de neve nos cercam, há um lago nos arredores da cidade e, embora eu não me importaria de ver mais do mundo, nunca tive uma razão para sair.


Claro, há muitas pessoas nas montanhas. Carros, hospitais, uma universidade. Até nossa base militar e fábricas operam daquele lado de Alpinweiss. Mas aqui na Aldeia Histórica, na base da montanha, mantemos a vida como era há centenas de anos atrás, porque os turistas adoram essa fuga no tempo. Mas tudo é uma miragem. As pessoas que vivem e trabalham na aldeia usam iPads, celulares e televisão a cabo. Mas eu? Eu vivo sem essas armadilhas, eles nunca pareceram nada além de uma distração. Eu prefiro olhar para o céu cheio de estrelas a noite toda em vez de uma tela de televisão. Eu prefiro caminhar pelas trilhas da floresta do que jogar Crossy Road em um celular. Eu vejo a capela à frente, mas paro quando noto uma carroça com um machado quebrado no lado da estrada. Eu sei que esta é a carroça de Thomas, e que ele a usa para carregar produtos para o mercado dos fazendeiros todos os dias. Eu sei que isso significará que estou atrasado para o meu próprio casamento, mas eu arregaço minhas mangas de camisa e avalio o problema. Thomas vem conversar comigo às vezes, e eu nunca hesito em ajudá-lo com a colheita. Em sua carroça eu encontro uma ferramenta, então, em minhas mãos e joelhos, eu uso um martelo e pregos para cavar a madeira quebrada. Eu vou embora enquanto Thomas retorna, sabendo que ele não terá o dinheiro com o qual ele tentaria me pagar de qualquer maneira. E eu não posso esperar para contar a ele o que consertei, porque já estou atrasado.


— Príncipe — ele chama. — Você me ajudou de novo, eu vejo. Como vou pagar você? — Da próxima vez que você vir alguém em necessidade, dê uma mão. Eu me importo com este país, eu odeio o modo como meus pais e sua corte real esquecem suas prioridades. As pessoas que trabalham na aldeia, que mantêm a miragem do ‘velho mundo’, são as esquecidas. Meus pais e amigos não parecem valorizar as pessoas que trabalham duro para manter este lugar funcionando. No coração da aldeia, vejo a capela caiada. Respirando fundo, eu entro. Meus pais estão aqui na primeira fila e o padre fica ao lado do meu pai. Eles se voltam para mim quando eu entro. Ao lado deles está uma mulher que parece ter saido de um sonho. Eu paro, não tendo esperado isso. Não esperando por ela. Eu não posso suportar olhar para ela, porque ela parece tão brilhante e bonita. Ela parece o sol e as estrelas do caralho, e como um mar cintilante. Leva um momento para perceber que isso não é um enigma. Esta é minha noiva. — Vocês todos estão aqui há muito tempo? — Eu pergunto, direcionando a minha pergunta para ninguém em particular enquanto eu ando para frente.


Honestamente, eu fui pego de surpresa. Meus pais tentaram me mostrar uma foto de Iris na noite passada, depois que deram a notícia do meu casamento iminente, mas eu os empurrei, dizendo que tinha trabalho a fazer e que gosto de me surpreender. Mas droga, meu pau já está se contraindo, essa surpresa é muito mais do que eu esperava. — Garrick, venha. — meu pai dirige. Eu ando até a frente da capela, de frente para o padre. Minha mãe, usando sua coroa e um longo vestido de veludo, aponta para o lugar vazio em que estou para ficar. Bem ao lado de Iris. Iris olha para mim com expectativa e nunca me senti tão grande em minha vida. Normalmente, sob a sombra das montanhas, sinto que me encaixo bem. Mas ao lado desse pedaço de menina, eu me sinto enorme, alto demais e como se não me encaixasse. Meus ombros são largos e meus músculos puxam as costuras da minha camisa. Minhas botas são grandes o suficiente para ela praticamente engatinhar. Seus olhos estão arregalados e a vejo recuperar o fôlego. Droga, eu olho para ela, e uma centena de coisas passam pela minha mente. Seu corpo perfeitamente proporcionado, seu cabelo loiro pendurado em ondas suaves até a cintura. Seus lábios rosados estão pressionaram juntos, seu longo vestido é branco. Tudo isso é meu.


— Príncipe Garrick — o padre, que me conhece desde a infância, começa — e Princesa Iris, estamos reunidos aqui hoje para vos unir no sagrado matrimônio ... Eu não consigo nem entender suas palavras. Minha mente corre, pensando no quanto eu quero tirar Iris daquele vestido que está agarrado a seu corpo tão perfeitamente. Eu quero ver tudo dela, levar tudo dela. Um olhar para ela, e estou pronto para ir para uma noite de núpcias que nunca planejei desfrutar. — Você, Príncipe Garrick de Alpinweiss, aceita que essa mulher seja sua legítima esposa? Ter e cuidar ... — Naquele pedaço eu acho que sim, ela é minha para cuidar. Ela é minha para fazer muitas coisas. — Até que a morte vos separe. — Eu aceito. — Atrás de mim, ouço meus pais exalarem. Isso é tudo que eles estavam esperando. Sonhando e planejando para mim. — E você, Princesa Iris de Elexia, aceita este homem para ser seu marido? Para cuidar e manter até que a morte vos separe? — Seu vestido de renda branca toca o chão. Tenho certeza de que ela deve estar gelada no vestido fino, considerando que é o fim do outono e as temperaturas estão caindo abaixo de dez a cada noite. Mas agora ela não dá nada além de cheia de esperança.


Então ela respira fundo e vejo que não é apenas a esperança que transborda em seus olhos, há uma medida igual de medo, na forma de lágrimas. — Eu aceito. — ela exala, enchendo o quarto com uma voz suave e quente. Uma voz muito mais suave do que qualquer das mulheres que vivem em Alpinweiss. As mulheres aqui são sólidas e suas vozes explodem no ar da montanha. O padre nos diz para trocarmos anéis, e no momento em que pego a mão dela na minha, uma carga elétrica passa entre nós. Não há nenhuma razão para eu pensar que esta princesa com bochechas brilhantes e pele beijada pelo sol será capaz de viver em Alpinweiss, mas agora estou muito feliz por ela estar aqui. Porque talvez ela não seja capaz de aguentar do lado de fora sob a neve da montanha, mas a verdade é que não preciso que ela consiga. Pela aparência das coisas, ela vai ficar bem deitada na minha cama.


Eu escorrego o anel no dedo do Príncipe Garrick, e tudo dentro de mim suprime o desejo de me levantar e correr. Meus olhos estão cheios de lágrimas, porque eu não esperava que meu casamento real fosse assim. Não no mínimo. Eu estava apenas grata por ter usado um vestido de renda branco até o chão no avião, esperando que eu parecesse parte de uma futura noiva. Mal sabia eu que, no momento em que saísse do avião, seria levada diretamente para uma cerimônia tão sem brilho quanto aquela capela. Hoje de manhã, enquanto arrumava minha mala com Dahlia, joguei meus sutiãs e calcinhas pensando que poderia conquistar o mundo. Eu realmente pensei que nada poderia atrapalhar esse momento. Este destino Mas então, eu pisei fora do avião aqui em Alpinweiss, e eu literalmente entrei em um campo. Nenhuma limusine estava me esperando. Nenhum grande desfile de trombeta me regalou.


Em vez disso, o Rei e a Rainha de Alpinweiss estavam esperando por mim enquanto eu saía do avião, estendendo as mãos e me envolvendo em abraços calorosos. Aquela parte era boa, ser saudada tão calorosamente, e eles estavam, de veludo e cetim, um casaco de brocado no rei e coroas nas duas cabeças. Eles eram da realeza, claramente, e vieram com uma carruagem puxada por cavalos para me entregar ao meu príncipe. Mesmo que ele não estivesse aqui, eu assumi que eles fariam algum grande espetáculo da minha chegada. Especialmente considerando que eles estavam vestidos com tal elegância. Mas isso nunca aconteceu. A Rainha Julia e o Rei VonTrap explicaram que atrás de nós ficava o castelo, que na verdade era bastante óbvio. Grandes torres com bandeiras ondulavam ao vento, parecendo históricas e régias, como eu havia visto nas imagens na internet. Ainda assim, vendo pessoalmente, eu sorri. Eu certamente estava longe do castelo ao ar livre de Elexia. Parecia que eu tinha conseguido exatamente o que pedi: uma aventura, com certeza. Hoje de manhã, quando embarquei no avião, papai me beijou em ambas as faces e me disse que achava que eu era tão corajosa e forte, e que eu poderia fazer qualquer coisa se resolvesse faze-lo, e que tudo ficaria bem fim. Lembro-me de pensar que suas palavras de afirmação pareciam estranhas, até muito exageradas. Eu esperava que meu pai me dizesse algo como eu amo você, filha querida, e eu sentirei muito a sua falta.


Mas me avisando para ficar por aqui? Eu me perguntei se realmente seria um grande desafio. Depois que entrei na carruagem puxada por cavalos com o Rei e a Rainha, galopamos por uma pequena aldeia onde tudo parecia sair de um livro de histórias. Era singular e pequena, telhados de colmo, paralelepípedos e chaminés. Pessoas com carroças vendendo produtos na beira da estrada, castanhas assadas sendo vendidas no saco e turistas parando para tirar fotos da cena ‘idílica’. A carruagem parou em frente a uma pequena capela, onde exatamente zero pessoas estavam esperando por nós, mas eu não precisava de um monte de gente, apenas meu príncipe. Ou então eu pensei. Mas como estou aqui em uma capela minúscula, segurando um anel de ouro, sem ninguém que eu conheça como testemunha para este dia importante, entendo o aviso de meu pai. Eu me sinto sozinha neste novo mundo. Eu olho para o príncipe ante de mim. Ele é vinte centimetros mais alto que eu pelo menos, largo nos ombros. Ele tem uma barba desalinhada e olhos intimidantes que parecem me penetrar no meu âmago. Eu não posso deixar de me perguntar se eu realmente posso suportar ser a esposa desse homem, porque a verdade é que eu não me preparei para essa realidade. Eu vou me casar com um estranho. Agora mesmo. Estou pronta para isso?


Ser dele? De repente estou com medo. Eu pisco uma vez, duas vezes, lutando contra as lágrimas que estão ameaçando a superfície. Ele pega minha mão na sua e desliza uma simples faixa de ouro sobre o meu dedo anelar. Isso está realmente acontecendo. Eu me sinto um pouco desapontada por não estar recebendo um casamento real, mas não posso negar que algo passa entre Garrick e eu quando trocamos alianças, e isso é mais importante para mim do que um show chique. Eu sou forçada a apertar minhas pernas juntas, porque com apenas o toque da mão dele, eu já estou imaginando o corpo dele possuindo o meu. E assim, quando trocamos anéis, eu me concentro nessa simples verdade. Que seus olhos estão nos meus e que ele está olhando para mim como se quisesse me devorar. — Agora você pode beijar sua noiva — o padre anuncia. Garrick não hesita. Ele se inclina, a palma da mão envolvendo a base do meu pescoço, inclinando meu queixo um pouco para cima com o polegar. Nós trancamos os olhos e a sala fica parada. A agitação no meu estômago e o medo e a retumbante preocupação de que Dahlia estava absolutamente certa sobre ele, todos eles desapareceram. Garrick, meu marido, me beija. Ele me beija e o tempo para.


Seus lábios são inesperadamente quentes, e os calos em sua mão roçam a pele macia do meu pescoço. Eu ouço um gemido e, para meu horror, percebo que o gemido vem de mim. A língua de Garrick passa pelos meus lábios e eu abro minha boca levemente, concedendo-lhe acesso a uma parte que ele quer levar. Eu afundo no beijo, sabendo que seus pais estão assistindo e um padre está assistindo. Ele não parece se importar, então nem eu. Então, de repente, ele se afasta de mim, pisca. Eu pressiono minhas mãos no meu coração, recuperando o fôlego, porque eu nunca fui beijada na minha vida, e eu certamente nunca imaginei que poderia ser assim. A mandíbula de Garrick se tensiona quando ele olha para mim, como se estivesse me considerando como sua esposa. O padre sorri. — Agora eu apresento a vocês o Príncipe e a Princesa de Alpinweiss. Eu olho em volta da capela. A Rainha está enxugando os olhos com um lenço de papel e o Rei está radiante orgulhosamente com um sorriso no rosto, todo mundo parece tão feliz. Eu ouço seus pais murmurarem ‘graças a Deus’ e ‘já é hora’ , e percebo que não é muita felicidade em seus rostos e sim alívio. Exceto por Garrick. Porque qualquer pedaço de romance passado entre nós quando nos beijamos já se foi há muito. Agora ele tosse em seu cotovelo, acena para seus pais. — Nós estamos indo então — diz ele.


— Oh, Garrick — sua mãe diz, — Espere um momento. Deixe-nos leva-los de volta ao castelo e fazer-lhes um pouco de jantar. Eu sei que você insistiu que ninguém saiba sobre o casamento, mas ... bem, a verdade é que contamos a algumas pessoas. O cozinheiro preparou uma bela refeição para você e Iris. E não me odeie, Garrick, mas também enviamos um aviso sobre suas núpcias. — Enviaram um aviso? — Ele pergunta, arqueando uma sobrancelha, e eu tenho que admitir, mesmo que ele pareça insatisfeito com o anúncio de sua mãe, sua sobrancelha levantada faz meu coração fazer aquela coisa vibrante de novo. — Eu estou supondo que algumas centenas vão se juntar a nós para a recepção — ela admite. Garrick geme. — Eu fiz um pedido. Um simples pedido. Que apenas nos casassemos em paz. Eu não quero um show e nunca pedi um. — Oh, Garrick — diz o rei. — Não é um show, é apenas uma recepção para nosso filho e sua esposa. Os dignitários da corte precisam ver um lado mais genial de vocês. Você está sempre tão mal-humorado ao redor deles. Uma recepção com um pouco de publicidade irá mostrar-lhes o seu lado mais suave. Com a ajuda de Iris. — Eu não dou a mínima para o que essas pessoas pensam de mim. Eu suspiro, tentando redefinir meus arredores. Então, à primeira vista, presumi que essas pessoas eram simplesmente idiotas que não queriam celebrar nosso casamento. Mas agora eu percebo que não era sobre o Rei e a Rainha não quererem fazer deste um dia especial. Era sobre o filho deles ‘meu marido’ não dando a mínima para eu estar aqui. Eu engulo meu orgulho, por mais amargo que seja.


Porque está tudo bem. Eu não preciso que Garrick goste de mim instantaneamente. Tenho certeza de que posso conquistá-lo em breve. Especialmente se isso acontecer em uma festa. Eu estive esperando minha vida inteira por alguma diversão real. Alguma diversão de verdade. Garrick me olha, franzindo o cenho. — Do que você está sorrindo? Eu me encolho, odiando instantaneamente que o tom dele me faça ficar menor. Eu não me encolho. Eu sempre fico reta. Insistentemente, levanto o queixo, abro mais os olhos e puxo os ombros para trás. — Eu amo uma boa festa. — Você está brincando comigo? — Ele pergunta, nem mesmo se dirigindo a mim com a pergunta. Ele olha para a mãe e o pai. — Não seja rude, Garrick — diz o Rei severamente. — Você concordou. — Eu concordei com um casamento. Eu não concordei em ir na porra do desfile. — Oh, tudo bem — diz a Rainha. — Apenas volte para sua cabana e finja que seus pais não se importam com o único filho deles e com o dia do seu casamento. Vamos mandar os convidados para casa. Eu engulo, percebendo que estou testemunhando uma briga de família. — Eu não estou sendo rude — diz Garrick categoricamente. — Eu fiz a minha parte. Eu continuarei fazendo minha parte. Eu me casei porque é o que minha família queria. E eu vou te dar um herdeiro, porque é meu dever. Mas não estou me comprometendo com nada além disso.


Atrás de nós, o padre tosse e diz: — Bem, filho, você se comprometeu com mais uma coisa. Você se comprometeu com Iris. Ela é sua esposa. — Droga — grita Garrick, irritado. — Ela é minha esposa e eu vou levá-la para casa. Com isso, ele pega minha mão e me leva para fora da capela sem outra palavra.


No momento em que estamos fora da capela, vemos pessoas esperando por perto, prontas para nos espiar. Eu estou supondo que os turistas ficaram sabendo de qualquer recepção que minha mãe estava preparando no castelo, e colocaram dois e dois juntos. Sob minha respiração, eu murmuro: comigo?

— Você está brincando

Percebendo que Iris parou no meio da calçada, sei que precisamos sair daqui, logo. A última coisa que quero é ser pego em algum comunicado de imprensa. Eu envolvo meus braços em torno de Iris, puxando-a para perto de mim, percebendo a maneira como os seios dela pressionam contra o meu peito, e eu admito, isso me força a puxá-la ainda mais forte. — Apenas faça o que eu faço. Siga em frente. — eu digo, levantando minha mão livre e acenando. Mais como, acenando para as pessoas. — Existe um carro para nós em algum lugar? — Não temos carros na aldeia. Você pode conseguir um carro sobre as montanhas, tudo bem, mas mantemos as coisas da velha escola aqui.


— Oh — ela diz categoricamente. — Nós também não dirigimos carros em Elexia. Quer dizer, temos carrinhos de golfe e as pessoas dirigem motos, mas não carros. Eu franzi a testa. Eu não sabia que encontraríamos um terreno comum tão rápido. Não que seja uma coisa ruim, mas estou apenas ajustando minha compreensão de onde esta mulher é. Talvez ela esteja acostumada a ter um estilo de vida menos privilegiado. Quando andamos pela rua, as pessoas que nos cercam são respeitosas, desde que o anúncio do meu casamento foi escondido, não há muitas pessoas ao redor. Eu pararia e diria olá se algumas dessas pessoas fossem as pessoas reais de Alpinweiss, mas as pessoas aqui são turistas óbvios, segurando seus telefones com câmera e tentando capturar o mais novo casal real. Eu abaixei minha cabeça, me recusando a fazer parte dessa charada. Iris levanta a cabeça com confiança e examina a multidão. Ela sorri, acena. As pessoas olham abertamente para ela, mas franzem a testa para mim. Qualquer um que não viva e trabalhe na aldeia acha que eu sou um idiota, principalmente porque eu nunca participei de suas fotos de merda. Eu trabalho, faço meu dever, dou uma mão. Mas eu não farei o papel que a mídia e os paparazzi querem. — Você não precisa fazer isso acenar para eles. Ninguém aqui precisa de uma princesa como você. — Uma princesa como eu? — Iris pergunta com um sorriso cerrado de dentes. — Eu vou supor que você quer dizer isso da melhor maneira possível?


— Oh, exatamente. Da melhor forma possível. — Eu alcanço a bainha de sua saia e levanto-a. — Exatamente o que eu esperava, nem mesmo usa botas. Seus pés vão borbulhar, para não mencionar congelar, nessas sandálias antes de chegarmos à minha porta. — Tire suas mãos do meu vestido. — Ela empurra a minha mão e me força a deixar cair a barra da saia no chão. Cai na lama. — Oh — ela suspira. — Dahlia e eu trabalhamos muito nisso também. — Você fez o seu vestido? — Eu aproximo-me dela, virando-me para a minha noiva. Agora que percorremos a praça e nos dirigimos para a estrada que leva à minha cabana, preciso fazer algum tipo de reparação antes de levála até o limite. — Sim, minha irmã e eu fizemos isso com nossas próprias mãos. Eu posso ser uma princesa, mas sei como me virar com o que tenho. Embora eu estivesse esperando que eu fosse ... — Ela não termina a frase. — Oh — eu sorrio. — Você pensou que estava se casando com outro? Seus olhos se arregalam e ela balança a cabeça em óbvia decepção. — Claro que não. Eu me casei com você, o solitário recluso príncipe que minha irmã me alertou. — diz ela com os dentes cerrados. — Eu não achei que fosse assim. Eu acho que sou um tola. Eu não sei o que dizer. Por um lado, esta é uma ideia terrível. Eu estou arrastando a mulher mais linda que eu já vi na minha vida pelas ruas enlameadas, em direção a uma cabana que eu sei que ela vai odiar.


Por outro lado, outra parte de mim acha emocionante deixá-la toda irritada. Ainda assim, não posso negar a realidade da situação. Eu quero consumar este casamento, e irritá-la antes mesmo de irmos para a cama é um plano terrível. — Você não é uma tola — digo-lhe asperamente. Eu quero colocar um brilho nesta conversa, mas não tenho certeza de como resumir. — Eu sou uma tola. — ela continua. — Você tem alguma idéia do quanto eu quero ir a uma festa? — Ela pressiona a mão no meu peito, me forçando a olhar para ela. — Garrick — diz ela. — Eu queria ir a uma festa real por toda a minha vida. Eu nunca fui a um baile, gala ou festa de despedida. Eu nunca assisti a um tribunal real. Meu pai nunca teria conseguido pagar nada disso. Minha família é pobre - então, claro, sabe de uma coisa? Eu achava que eu ia me casar em uma catedral. Eu pensei que estava me casando com uma família que poderia cuidar de mim, porque meu pai não podia. Sim, eu queria dançar no dia do meu casamento. Então me processe. — Acalme-se, mulher. As pessoas vão ouvir você. — Eu não me importo se eles me ouvem. — diz Iris. — Estou presa neste país com um homem que não se importa se eu estou ou não aqui. E você sabe o que é realmente triste? Eu realmente queria vir aqui para casar com você. Seriamente. — Você queria fazer isso? — Eu estreito meus olhos, tentando ler melhor sobre essa mulher. Até agora, eu me sinto fora do lugar com ela. Ela é linda, complicada, barulhenta e irritada.


Esta é uma combinação terrível para a minha noite de núpcias. — Eu queria ir a qualquer lugar que não fosse Elexia. Eu queria aventura, um desafio. Eu queria uma chance de viver. Eu estava morrendo em Elexia. Não havia nada para mim lá, mas ... aparentemente não há nada para mim aqui também, não é, Garrick? Porque a recepção que está sendo lançada para nós nem é uma que vamos assistir. Eu vim para cá, para nada. — Você veio por um dote. Um dote duplo, se não me engano. Então você tem um interesse nesse casamento, quer você goste ou não. — Uau, maneira doce de falar com a sua mulher. Deus, Garrick, você acha que eu realmente me importo com um dote? — Oh, então você não dá a mínima para onde você vem e não dá a mínima para estar aqui? Você se importa com o quê? Iris se afasta de mim, cruzando os braços. — Por que você está sendo tão mau? — Não é pessoal. — Eu dou de ombros. — O que você vê é o que você ganha comigo. Eu não estou jogando jogos. Não vou fingir que queria uma esposa. Não vou fingir que quero ir a uma festa na casa dos meus pais. Eu não faço essa merda. — Bem, eu não vou fingir também. — E o que isso quer dizer? — Eu não gosto do tom dela, mas caramba, quando ela fica toda animada, o jeito que o peito dela sobe e desce, o jeito que os olhos dela queimam com intensidade, o jeito que as bochechas dela ficam vermelhas, tudo que eu quero fazer é deixá-las pouquinho mais vermelhas.


— Eu não vou fingir que quero que você me leve para a cama hoje à noite — diz ela. — Na verdade, eu não vou deixar você me ter de qualquer maneira. — Você está jogando duro, princesa. — Eu dou um passo em direção a ela, percebendo que posso estar empurrando-a um pouco mais do que ela merece. — Eu não estou jogando nada. Eu vim aqui para ser sua esposa, Garrick. Eu vim aqui por vontade própria, o que aparentemente oito outras princesas não estavam dispostas a fazer. Ela deve ver o olhar surpreso no meu rosto. Mas não é pela razão que ela pensa. Eu sou aquele que recusou essas princesas, e não o contrário. Eu não respondo, não precisando me provar para ela. Encolhendo os ombros, ela diz: — Está no Wikipedia. — Esse não é o ponto. Você quer um prêmio por vir aqui e se casar comigo? Eu vou te dar um prêmio. — Boa. Isso realmente soa fantástico. — Iris late. — Eu amo prêmios. Príncipes, por outro lado, não tenho tanta certeza. Ela franze os lábios, balançando a cabeça como se estivesse me apoiando em um canto. Como se ela ganhasse. E droga, eu acho que ela ganhou. Porque o que eu quero, mais do que fazer do meu jeito, é colocá-la na minha cama.


— Você quer o seu prêmio? Eu passo em direção a ela, perto o suficiente para que eu pudesse beijá-la. A energia que surge entre nós é palpável. A troca de fogo morre instantaneamente e se transforma em algo elétrico. Eu posso não ter me apaixonado por essa mulher, mas a luxúria que surge entre nós está pronto para inflamar. Iris acena, seus olhos em mim, um sorriso cruzando seus lábios. É como se ela percebesse que estou dando a melhor oferta que ela teve o dia todo. — O que eu vou receber em troca de lhe dar este prêmio? — Eu pergunto. — Depende de quão bom é o prêmio, marido. — Iris levanta os olhos. Porra, ela é um problema. — Vamos lá, mulher. Vamos para essa festa de merda. Eu pego sua mão e a conduzo de volta para a capela. Eu vou deixar ela fazer o que quiser. Ela quer ir ao castelo, tudo bem. Eu vou levá-la, porque mais importante do que fazer do meu jeito, é ter certeza que eu tenho o meu caminho ... com ela.


No momento em que voltamos para a capela e vemos que os pais de Garrick ainda não partiram, meu coração se enche de felicidade. Garrick pode ser um babaca lindo, mas ele também é um príncipe que decepcionou o Rei e a Rainha. Seus pais estão emocionados comigo. Sua mãe, Julia, enxuga os olhos e, em seguida, envolve seus braços em volta de mim. — Oh, Iris, você é uma gema. O que você fez para convencê-lo? Eu a abraço, piscando de volta a verdade. Eu sei o que Garrick quer em troca por me levar para a festa. E a verdade é que me faz sentir melhor sobre o que quero que aconteça. É claro que quero que meu marido forte, confiante e bonito como o inferno tome minha virgindade, mas não quero admitir isso para ele. Não depois de ele ser tão condescendente idiota. Mas desta forma, nós dois conseguimos o que queremos, sem eu ter que admitir o quanto eu também o quero. Assim posso ter minha recepção de casamento e uma noite de núpcias.


— Garrick me disse que queria fazer sua esposa feliz. — digo a seus pais — Então aqui estamos nós. — Maravilhoso — Diz Rei VonTrap. — Temos uma carruagem esperando por você, princesa. Eu me volto para Garrick, esperando que ele assuma a liderança. Sua mandíbula fica tensa, seus olhos se recusam a reconhecer alguém. No entanto, ele me oferece seu cotovelo. Eu aceito, porque não tenho mais nada para segurar agora, honestamente. Eu estou contando com ele para liderar o caminho, de muitas maneiras. Com esta festa e com a noite de núpcias. Eu não tenho experiência com nenhum dos dois, mas, porra, eu quero aprender.

No castelo, há cerca de uma centena de dignitários bem vestidos no grande salão, com bebidas e sorrisos. Um quarteto de cordas no canto preenche o espaço com música suave. Há mesas de banquete cheias de comida e uma frente e um centro de bolo de casamento de cinco andares. Uma pista de dança e candelabros cheios de velas ancoram a sala. Parece que voltamos no tempo, com funcionários uniformizados, suspensórios e meias até o joelho, que lembram Hansel e Gretel.


A brisa do mar tropical enchendo meu quarto, os jantares de mahi mahi tacos e os espetinhos de frutas frescas de casa estão a um mundo de distância. Aqui há cerveja escura em canecas e salsichas no espeto. Eu não resisto às diferenças. Esta ainda é uma festa, feita para mim e meu marido. Entrando na sala, apesar de nós dois estarmos severamente mal vestidos, levanto a mão e aceno calorosamente, sorrindo para as pessoas que param suas conversas e se voltam para nós. Um lacaio faz um pronunciamento formal: — Bem-vindos, marido e mulher, o Príncipe Garrick e a Princesa Iris. A sala se enche de aplausos e somos levados ao redor do salão para cumprimentar os convidados do Rei e da Rainha. Ninguém parece muito interessado em Garrick, mas eles beijam minha mão, se apresentam, o Marquês de tal e qual, o Conde do que é chamado e o Duque de blá-blá. Estou muito animada para lembrar de qualquer coisa, exceto que a sala está girando com meus sonhos se tornando realidade. Garrick, no entanto, está menos do que emocionado, o que não é surpresa. Eu? Eu devo admitir, meu coração dispara com cada beijo de bochecha que me é concedido. Eu posso fazer isso. Eu posso fazer isso. Pela primeira vez na minha vida, acho que encontrei o que estava procurando. Exceto tudo parece um pouco demasiado polido, um pouco demasiado brilhante e perfeito. As palavras de Garrick em sua luta com seus pais, sobre não querer estar em um desfile, soam verdadeiras. Agora, estamos sendo mostrados.


Somos um produto do palácio. Não é nem de longe tão satisfatório quanto imaginava se estar em uma corte real, mas eles parecem encantados com meu entusiasmo. Eu acho que, comparado ao príncipe carrancudo, isso é um bom alívio. Garrick se inclina e sussurra no meu ouvido. — Podemos sair quando você estiver pronta. Eu franzo a testa, tendo apenas acabado de começar. — Apresente-me aos seus amigos — digo a ele. Talvez eu não possa conquistá-lo, mas posso conquistar seus amigos. — Amigos? Eles nunca viriam aqui. — O que você quer dizer? — Eu tomo um gole da cerveja que me foi dada. Garrick abaixa a caneca. — Eu saio com alguns caras que se encontram em um bar nas noites de sexta-feira. Kurt, o proprietário, é um dos meus melhores amigos, — Um dos seus melhores amigos é um barman? — Eu pergunto, incapaz de esconder minha surpresa. — O que? Isso te choca que eu não gosto de me apresentar nesse show com esses palhaços? — Palhaços que são os dignitários reais presentes? — Exatamente. — Seus olhos percorrem o salão, então se acomodam em mim. — Você gosta dessa besteira?


— Eu gosto de fazer parte de algo feliz, algo não deprimente e falido. — É sempre sobre dinheiro com você? Eu puxo de volta, surpresa com a sua pergunta. — Não — eu rio. — Eu não me importo com dinheiro. Eu não preciso de festas extravagantes todos os dias para ser feliz. — O que você precisa? — Ele pergunta, pegando outra cerveja de um garçom que passa. — Eu preciso ... de uma chance para experimentar mais qualquer coisa nessa vida. Um sorriso brinca no rosto de Garrick. — O que? — Eu pergunto, não o conhecendo remotamente bem o suficiente para saber o que esse sorriso significa. Ele se inclina, sussurrando no meu ouvido novamente. As pessoas estão ao nosso redor, mas o tempo parece parado. Meu corpo se inclina para o dele, e eu quero sentir seu hálito quente no meu ouvido novamente. — Eu posso te dar uma experiência, esposa. Eu sufoco um gemido, não querendo admitir a emoção que suas palavras me dão. Eu pressiono minhas coxas juntas, de repente quente e ansiosa. Só então o Rei bate a prata contra um cálice, anunciando que é hora de cortar o bolo. — Você está brincando comigo? — Garrick não pergunta a ninguém em particular, mas eu sei que muitos o ouvem.


Os olhos se estreitam e as cabeças tremem. — Garrick, não faça uma cena — eu pergunto, puxando a manga da camisa dele. — Por favor. Ele sorri, inclinando-se para o meu ouvido. — Diga por favor, princesa. Eu quero ouvir você implorar. Eu mordo o interior da minha bochecha. O fato de que ele tem um exterior tão escuro, mas pensar nessas coisas quentes fazem minha buceta molhada. Pronta. Disposta. Eu pego sua mão, a corrente passa entre nós novamente. Elétrico. Olhando para ele, com todos os olhos em nós, eu digo: — Por favor, marido. Ele inala pelo nariz, com a mandíbula tensa. O desejo está escrito em seu rosto. Ele me leva ao centro da sala e alguém coloca uma faca na mão. Uma câmera pisca enquanto ele corta o bolo, e ele claramente não está se divertindo. Ele fica com glacê no polegar enquanto corta um pedaço. Eu me inclino perto dele, minha mão em seu peito. — Deixe-me lamber isso.


Eu pego sua mão, levanto o polegar aos meus lábios, sugando a cobertura branca. Ele balança a cabeça e sussurra: princesa.

— Você está me matando,

— Eu acho que você deveria enfiar isso na minha boca agora — eu digo a ele, sorrindo. — Oh, eu vou enfiar algo na sua boca. Eu rio, levemente chocada e mais do que um pouco divertida. — Você é um príncipe impertinente. — E você, princesa? Você é impertinente? — Ele levanta uma sobrancelha e eu sei exatamente como responder. — Oh, eu sou muito impertinente. — Sorrindo, eu pego a fatia de bolo e a pressiono no rosto dele. E assim como nos filmes, a multidão aplaude, batendo palmas para nós. Ele não hesita. Ele me puxa para ele e me beija. Minha boca está cheia de glacê açucarado e depois sua língua quente. Ele me beija forte, não como na capela do casamento. Ele me beija como se estivesse me reivindicando. Como eu se eu fosse dele. Quando nos separamos, eu vejo os olhos de sua mãe. Ela está radiante, segurando a mão do Rei, acenando para mim como se eu fizesse exatamente o que ela queria.


O que quer que Garrick e eu fizemos foi o movimento certo. Eles querem que seu filho seja visto sob uma luz positiva, e esse é o melhor RP que eles poderiam esperar. Encontro os olhos de Garrick, percebo que somos ambos uma bagunça do bolo amassado. Nós tentamos limpar nossos rostos com um guardanapo de pano, mas isso não nos deixa apropriadamente limpos. Ele pega a minha mão e diz: — Vamos levar seu rosto. Eu engulo, sabendo que agora vou segui-lo em qualquer lugar.


Eu quero estar nessa porra de recepção? De jeito nenhum. Mas agora eu não estou na recepção. No momento, estou levando Iris para o andar de cima do castelo em que cresci. Neste momento, vou levá-la ao meu quarto de infância com planos para fazer dela uma mulher. — Não tem problema se nós sairimos? — Ela pergunta, enquanto eu a puxo para o patamar no topo da escada. — Eu sou um príncipe. Eu não peço permissão. Eu puxo sua cintura, trazendo ela para mim. Estou pronto para arrancar este vestido dela, para levar aqueles peitos na minha boca, para abrir as pernas dela e enchê-la com a minha semente. Eu me casei com ela para dar à minha família um herdeiro, mas isso não significa que eu não vou gostar de dar a ela meu pau. E isso certamente não significa que ela não deveria gostar disso também. Seu queixo está inclinado, seus lábios cheios e prontos para serem beijados, suas costas arqueadas, pedindo para eu puxá-la para mais perto.


— Bom — ela me diz. — Eu não quero que você peça. Eu quero que você tome o que é seu. Talvez seja a cerveja subindo á minha cabeça, ou talvez seja a curva de sua bunda sob a palma da minha mão. Talvez seja o pouso sombrio e o corredor mais escuro. Eu não sei o que é, mas tudo se resume a precisar dela agora. Eu a puxo para o quarto no final do corredor, fecho a porta, pressiono-a contra ela. Minhas mãos estão em seu vestido, deslizando sobre suas coxas nuas. Eu o puxo por cima da sua cabeça, e eu jogo isto no chão. Empurrando para baixo sua calcinha, ela sai delas, deixando sua buceta nua exposta e precisando de carinho. Eu levanto a perna dela e a envolvo em volta da minha cintura, sem esforço. Eu preciso de mais dela. — Isso está realmente acontecendo? Suas mãos correm através de seu cabelo, e eu puxo a renda do seu sutiã para baixo, deixando minha boca encher com seu pequeno mamilo apertado. Eu bato na bunda dela e então eu rosno. Com fome. Querendo. — Isso está acontecendo, princesa. É hora de você pegar meu pau real. Ela geme, com as mãos no meu cabelo. — Boa. Eu quero isso. Não me faça esperar.


Sua buceta apertada está pressionada contra mim, e ela solta minhas calças, deixando-as cair no chão. — Você não quer que sua primeira vez seja agradável e lenta? — Eu pergunto a ela. Meu pau grosso está pressionado contra sua bunda, e meu dedo encontra seu clitóris. Essa princesa é tão quente e apertada, mas caramba, ela é esperta pra caralho, sua pequena buceta está pingando de desejo. — Oh, você é tão quente e molhada. — Para voce. — Seus olhos se prendem aos meus. Eu sei que isso não é um casamento feito no céu, ela e eu somos opostos, e maldição, minha esposa nem percebe como somos opostos. Mas agora nossos corpos estão em sincronia. Nossos corpos estão conectados, e meu pau está doendo para enchê-la, assim como ela pediu. — Eu sei que você gosta de jogos, brincar com palavras — eu gemo em seu ouvido. — Mas isso não é um jogo. — Você está certo — ela geme, seu clitóris latejando da mesma forma que meu pau. — Mas então o que você chamaria? Contra a porta, as costas dela se arqueiam novamente. Eu pressiono a ponta do meu pau contra a sua entrada, facilitando-me dentro dela, centímetro por centímetro, enquanto ela envolve as mãos em volta do meu pescoço, puxando minha boca para a dela. — Eu chamo isso de sua maldita noite de núpcias. — Eu deixei sua buceta cair no meu pau, enchendo-a com força e rapidez, porque uma garota como ela precisa ficar às vezes sem fala. Eu a beijo com força, sua boca se derretendo contra a minha.


Meu pau mergulha em seu aperto. Eu não vou levar as coisas devagar. Não agora, não desta vez. Sua boca é tão doce quanto a porra do nosso bolo de casamento. Seus lábios são macios contra os meus, e eu me lembro de quantas maneiras estamos opondo forças. Seu doce ao meu amargo, ela suave ao meu duro. Ela sorri para minha carranca. Então eu aperto sua bunda redonda, meus dedos pastando na rachadura, e enfio em sua buceta até que ela está choramingando na minha boca. — Garrick, não pare. Nunca pare ... Então ela para de falar, porque tudo o que resta são gemidos lentos de prazer que explodem em seu núcleo, seu centro. Ela não é mais uma princesa virgem. Eu carreguei sua buceta através do limiar e fiz dela minha rainha. Eu gozo nela duro e rápido, meu pau liberando a semente com o poder de encher seu ventre. Eu a beijo profundamente quando termino, querendo que ela saiba que meu corpo fez promessas para ela hoje à noite. Seu corpo é meu e o meu é dela. Eu a coloco no chão enquanto ela recupera o fôlego. Seu sutiã está puxado para baixo para que seus peitos enormes fiquem expostos. — Da próxima vez que eu te foder, eu vou vir em cima deles — eu digo a ela, levando-os em minhas mãos, meu pau já duro novamente.


— Leve-me novamente, então — diz ela. — Eu não quero esperar. Me leve na sua cama. Seus olhos percorrem meu ombro. — Oh — eu digo a ela. — Essa não é a minha cama. — O que você quer dizer? — Eu cresci aqui, mas não é minha casa. Não mais. Seus olhos estão estreitos, confusos. — Onde você mora, então? Se não no castelo? — Eu moro na floresta. Confusa, ela inclina a cabeça para o lado. Ela pensou que esta era sua nova casa. Mas ela está em uma porra de uma chamada de despertar, porque minha cabana não é um maldito palácio.


Ele não mora aqui? — Espere um segundo ... onde você mora então? — Eu pergunto, pegando minha calcinha, de repente me sentindo exposta. — Eu moro fora da cidade. Na floresta. — Na floresta — repito, tentando entender. Ele não me dá mais nada. Sua boca está em uma linha dura, e as endorfinas de nosso frenesi sexual parecem estar desaparecendo. Ele puxa as calças. — Eu quero ir embora. Tenho bolo por todo o meu rosto — eu digo. — E eu estou cansada. Tem sido um longo dia. Eu pego meu vestido e coloco sobre minha cabeça. — Você não quer ficar na recepção por mais tempo? — Ele pergunta, passando a mão pela barba desalinhada. — Não. Eu vou usar o banheiro, e então vamos apenas terminar nosso dia, ok? Ele concorda e eu uso o banheiro.


Correndo água fria, eu espirro no meu rosto. Eu olho no espelho, tentando ver se eu pareço diferente, agora que estou cheia de um homem. Talvez seja terrivelmente ingênua, mas quando eu seco meu rosto com uma toalha, não posso deixar de pensar que pareço diferente. Pelo menos eu me sinto diferente. Eu me sinto mais inteira, embora muito tenha sido tirado de mim. Minha família, minha casa, minha maldita virgindade. Eles não se sentem como se fossem perdidos. Estar aqui parece um ganho. Eu só queria que Garrick fizesse mais sentido. Ele é impossível de ler. Ele desvia do calor intenso para o frio intenso com o toque de um interruptor. E estou apreensiva com esta casa dele na floresta. Eu não preciso de um castelo, mas estar aqui esta noite ... Eu estaria mentindo se dissesse que não quero. É decadente, mas quente. Ninguém está tentando provar nada, e ninguém está beliscando tostões para sobreviver. Os pais de Garrick parecem confortáveis em sua própria pele. É Garrick que parece estar lutando contra alguma coisa. Eu desligo a torneira. Expirando. Esta noite, eu não quero mais brigar. Esta noite, eu só quero ver minha nova casa.


Os pais de Garrick nos beijam de despedida, parecendo saber que eles empurraram sua sorte com seu filho. Rapidamente, Garrick e eu deixamos o terreno do castelo sem alarde, escorregando para a noite escura. Antes que eu possa mencionar estar com frio, Garrick envolve seu braço em volta de mim, aquele calor de seu retorno. A temperatura caiu consideravelmente desde a tarde de hoje, e meu vestido transparente e sua camisa de flanela não são páreo para esse frio clima de outono. Andamos em silêncio, meus olhos atentos quando passamos pela aldeia e nos dirigimos para o outro lado da praça. Para a floresta. — É uma longa caminhada? — Menos de uma milha — diz ele, não oferecendo mais nada. Logo, estamos chegando a uma colina. Por um caminho através das árvores, vejo uma cabana simples e rústica. Não como uma cabana de luxo, mais como um barraco. Eu me preparo para o interior, esperando que pelo menos combine com o interior do castelo. O castelo, embora fosse um edifício antigo, ainda tinha cadeiras e sofás de couro, uma sala de estar e um enorme salão onde a refeição era servida. Havia uma biblioteca e uma sala cheia de retratos. Mas se o lado de fora dessa cabana é uma indicação do que vem pela frente, eu não deveria ter esperanças.


— Lar doce lar. — ele me diz. — Certo, lar doce lar — eu digo com força quando ele abre a porta da frente. Bem, a única porta. Porque estamos em uma cabana de um cômodo. — Esta é a sua casa? — Não, Iris. Esta é nossa casa. Com isso, meus joelhos ficam fracos e o exterior confiante para o qual eu quero desesperadamente me agarrar desaparece. Assim como a noite. Eu desmaio, nem mesmo sabendo se alguém está me pegando.

Meus olhos se abrem. Estou deitada na cama, a sala está escura, exceto por uma lanterna de furacão em uma mesa de cabeceira lançando um brilho suave sobre a sala. Eu pisco, lembrando onde estou e como cheguei aqui. Esta manhã, quando deixei minha irmã e meu pai, parece há muito tempo atrás. Em uma cadeira, me observando, está Garrick. Seus braços descansam em seus joelhos e ele se inclina para mim, olhando atentamente.


— Foda-se, mulher — suspira Garrick. — Fale sobre uma grande entrada. — Eu entendo que você me carregou acima do limiar? — Eu digo, sorrindo suavemente. Eu desmaiei antes mesmo de dar dois passos para dentro. A realidade disso ser minha casa é apenas um pouco mais do que meus joelhos poderiam suportar no final desse longo dia. Mas agora, olhando para Garrick, seus olhos escuros e sua mandíbula forte e seus ombros largos, as coisas parecem um pouco mais atraentes do que à primeira vista. De repente, a cabana quente parece íntima e romântica. Estou deitada em uma cama em um vestido de renda ao lado do homem que é meu marido. Não parece tão terrível quanto eu imaginei que fosse na minha cabeça, quando eu dei uma olhada lá dentro. Talvez não seja nada terrível. Talvez seja certo. — Princesa, você me assustou até a morte. — Mesmo? Eu não teria imaginado que um homem como você se assustaria facilmente. — Um homem como eu, hein? — Garrick se inclina mais perto, perto o suficiente para eu sentir seu hálito quente. — O que você sabe sobre um homem como eu? — Eu estou supondo que eu sei tanto sobre você como você sabe sobre mim.


— Oh, eu sei muito sobre você. — Garrick, você está tão seguro de si mesmo. — Eu balancei minha cabeça, não deixando ele sair pensando que ele sabe mais. — É verdade, Iris. Eu sei o que você está pensando agora. Sobre o que acontece a seguir. Ele olha para baixo em seu pau, duro em seu jeans, e eu admito que estar em sua cama, nossa cama, me lembra o que ele me disse que queria fazer, de volta ao seu quarto de infância. O que ele queria fazer comigo. Em mim. Eu respiro fundo, porque no momento em que abri os olhos, esqueci o motivo pelo qual desmaiei. — Por que você não mora no castelo? — Eu pergunto. — Isso te incomoda, estar sozinha na floresta com um principe da montanha? Eu rolo meus olhos, sentada na cama. — Eu não tenho medo de você. E agora, sinceramente, não me importo onde estamos hoje à noite. Eu só quero.... — Eu mordo meu lábio, chocada com o meu desejo. Eu acabei de desmaiar, mas meu corpo rapidamente me lembrou o que realmente quer agora: estar com Garrick novamente. — Bom, então eu vou tomar sua palavra para isso. — Gostei do que fizemos no castelo. Quando você assumiu o controle.


Seus olhos são brilhantes à luz do abajur. — Eu posso assumir o controle novamente, princesa. — Isso é o que eu quero — eu admito. — Mas o que você disse que queria fazer ... em mim ... — Eu corro minhas mãos sobre os meus seios, pensando em como ele disse que queria derramar sua semente sobre eles. — Eu preciso que você me mostre. Como você quer. Eu preciso que você me ensine. Minha voz fica menor do que talvez antes. Falar tão intimamente com um homem que mal conheço exige bravura a que não estou acostumada a ter. Mas dizer as palavras me fortalece. — Oh, eu vou te ensinar, querida. Eu vou te ensinar agora. Garrick se inclina, me beijando calorosamente, me beijando com fogo. Deixando-me com falta de ar. Sua boca cobre a minha e sua língua desliza entre os meus dentes, entrelaçada com a minha. Ele me beija longamente e forte. Meu núcleo está pegando fogo, de uma maneira que eu não esperava, enquanto a mão dele levanta meu vestido, seus dedos passando pelas minhas coxas. — Eu preciso tirar você disso — ele rosna. — Eu preciso ver tudo de você. Entendendo seu pedido, saio da cama e levanto o vestido por cima da cabeça, deixando-o cair no chão. Ele deve ter tirado minhas sandálias antes, quando ele me levou para a cama, porque tudo o que eu estou usando é um par de calcinhas brancas de seda e um sutiã branco rendado. — Meu Deus, princesa, você está me matando. — Seus olhos parecem gananciosos de onde ele está. Eu passo em direção a ele, e ele


envolve seus braços em volta da minha cintura, inalando minha buceta. — Você é linda pra caralho, Iris. Vou te devorar esta noite, você sabe disso, certo? — Então você terá que me ajudar a sair da minha calcinha primeiro, Garrick. Me ajude a me tornar sua mulher pela segunda vez.


No momento seus olhos se abriram, soltei um suspiro de alívio. A última coisa que eu queria era que minha noiva fosse embora antes da nossa noite de núpcias. Eu sabia que no momento em que ela visse a cabana ela estaria tendo segundos, terceiros ou quartos pensamentos sobre toda essa situação. Sobre o nosso arranjo. Sobre esse casamento. Eu tinha visto o jeito que ela olhava ao redor do castelo dos meus pais. O jeito que ela tomou na festa que eles lhe ofereceram, mostrandolhe todas as coisas decadentes que eles podiam oferecer, como se quisesse que ela visse o que estava perdendo antes de vir aqui comigo. Nesta cabana, não há necessidade de sorrisos falsos ou conversa fiada. Ela pode ser de um lugar de brisa de verão e sorrisos suaves, mas não há espaço para isso aqui. Mas quando eu a levei duro e rápido, do jeito que nós dois queríamos, algo mudou. Porra, eu olhei para ela, tão fodidamente pura e inocente, e me perguntei se trazê-la aqui fora era a decisão certa. Quando ela desmaiou, eu tinha certeza que não era.


Mas então, enquanto a observava descansar, pensei sobre isso. Eu não quero uma princesa que não possa entender de onde eu venho e por quê. Quem não consegue encontrar a beleza na vida que escolhi? Ela e eu nunca vamos funcionar se não conseguirmos encontrar um terreno comum. E é por isso que eu não a joguei por cima do ombro e a carreguei de volta para o castelo. Eu quero que ela dê uma chance ao meu estilo de vida. Eu também queria transar com ela de novo, provar sua buceta pela primeira vez, e deixá-la segurar meu pau. Mas eu não sabia se ela ficaria quando ela acordasse, ou se ela daria um chilique e fugisse. Quando ela abriu os olhos, era óbvio que ela mudara de ideia. Ela olhou ao redor, mas o único lugar em que seus olhos pousaram foi em mim. Tomei aquele momento pelo que era, pelo que é: nosso. Ela não saiu correndo pela porta. Em vez disso, ela se levantou, tirou a roupa e me ofereceu seu corpo pela segunda vez. Eu seria um idiota pra não aceitar, considerando que é tudo que eu quero. Eu permaneço, elevando-me acima dela. Com um dedo, levanto o queixo e esmago a minha boca contra os lábios dela. Ambas as minhas mãos seguram o rosto dela enquanto eu a atraio para mim. Ela geme debaixo de mim, e eu quero beijá-la até que sua


buceta esteja tão molhada que ela não pode esperar mais para eu mergulhar meus dedos profundamente em suas dobras e preenchê-la com o meu toque. E depois, com meu pau. Nossas bocas se conectam. Uma mão desce até a sua cintura, correndo pela pele macia das suas costas. Ela cheira a flores e néctar. Estou pronto para lambê-la, sugando todo o seu suco. Meus dedos habilmente soltam o gancho de seu sutiã e eu o jogo no chão. Eu puxo minha boca da dela, querendo dar uma boa olhada em seus peitos, os peitos que mal posso esperar para cobrir com o meu gozo. O vestido que ela usava hoje não fez nada para a sua forma, não quando a vejo agora, quando a vejo nua. Seus peitos são tão grandes, tão cheios. Eu espalmo cada um deles, rolando meus dedos sobre os globos deliciosos, abaixando minha cabeça para que eu possa pressionar minha boca contra seus mamilos duros e chupar. Um dia vou colocar um bebê nessa mulher, e esses mamilos darão vida ao nosso bebê, nutrição. Mas por enquanto, eles são todos meus. Só meus. Arrepios cobrem sua pele enquanto ela passa os dedos pelo meu cabelo. Eu olho para ela. Seus olhos estão cheios de desejo. — Tire minha calcinha, Garrick. Diga-me se você gosta do que vê.


Estou surpreso que ela seja tão tímida, e que esteja jogando dessa maneira, mas não acho que seja um ato. Por toda a sua confiança no meu antigo quarto, e as linhas infalíveis que ela foi capaz de jogar de volta para mim ... hoje, nesta sala íntima, com as luzes baixas e sua pele quente, ela é mais vulnerável. A parte inocente dela está pingando de suas palavras. Eu tiro a minha camisa, jogando-a na cama, e as mãos dela correm sobre os cumes duros do meu peito. Meu corpo está esculpido, esculpido como a madeira que eu cortava, duro e feito com um propósito. Neste momento, o propósito do meu corpo é ser apreciado por ela. Suas mãos correm ao redor do cós da minha calça, e o meu dedo corre ao redor da sua calcinha. Eu as puxo para baixo e, depois de deslizarem pelos quadris curvos, caem no chão. Eu recuo, querendo ter uma boa visão da minha princesa. Da minha esposa. Seu corpo é uma ampulheta, seus quadris empurrando para fora, sua cintura estreita, seus seios enormes. Seus olhos estão em mim. Eu a puxo para mim, duro, apertando suas bochechas com as duas mãos rolando sua carne quente nas minhas mãos. Eu a pego, precisando me aproximar da sua buceta. Eu a deito na cama, amando o jeito que os peitos dela saltam quando a cabeça dela cai no travesseiro. O calor sobe em suas bochechas e ela move a mão para cobrir seu corpo, mas eu coloco as mãos sobre a cabeça.


— Não tente se esconder de mim. — Eu solto as mãos dela. Eu não tenho intenção de machucá-la, só quero que ela entenda que ela não tem nada a esconder. Nada a cobrir. Porque eu estou pronto para descobrir cada centímetro quadrado dela. De joelhos, eu a puxo para a beira da cama e abro seus joelhos, dou uma boa olhada em sua buceta molhada. — Oh, princesa, sua buceta está com tanta fome. — Então, alimente-a, Garrick, alimente-a com o seu pau. — Oh, você não está pronta para isso ainda. Sua buceta choraria se eu tentasse colocar meu pau dentro de você agora mesmo. — Então o que? Eu me pergunto o quão inocente minha esposa realmente é, se ela está jogando comigo. Meus pais me disseram que ela estava em todos os meios de comunicação social, usando aplicativos para postar selfies de sua vida, então ela não é uma garota ingênua que não tenha sido exposta ao mundo real de uma forma ou de outra. Mas acho que ela ainda pode ter sido bem protegida. — Você sabe o que eu planejo fazer com você agora? — Eu pergunto. — Eu tenho uma ideia.... — Iris morde o lábio inferior. Porra, esse movimento me excita. Eu olho para ela, minha cabeça entre as pernas dela. — Quanto você sabe sobre ser fodida?


— Eu sei que gosto do que você fez antes. Eu sei que minha buceta quer isso. Precisa disso. Eu sei que meu corpo anseia por algo que nem sequer entende. Eu sei que meu corpo anseia por você. Suas palavras deixam o meu pau ainda mais duro. — Eu vou pressionar minha boca contra sua buceta molhada, e então eu vou te lamber até você gozar por todo o meu rosto. E então, quando você estiver jorrando como uma boa princesa, eu vou enterrar meu pau nesse buceta deliciosa. — Não me faça esperar, não quero esperar. Meu corpo está em chamas, Garrick. Faça algo para que pare. Eu não posso esperar mais. Eu pressiono meu rosto contra sua buceta quente e rolo minha língua para cima e para baixo em sua fenda quente. Ela está tão molhada e eu bebo seu doce suco como se fosse minha última refeição filha da puta. Para cima e para baixo, eu rolo minha língua sobre ela, a excitando. Seu clitóris lateja, e eu sei que transar com ela será o verdadeiro lançamento que ela está esperando. Ainda assim, sua buceta é tão quente e apertada que precisa que eu trabalhe nela primeiro. Pressionando um dedo nela, eu o movo para dentro e para fora, rolando minha língua sobre ela o tempo todo. Eu a fodo mais forte com o meu dedo, querendo que ela exploda na minha boca. — Oh baby, baby, sim. Isso é tão bom. Iris está se contorcendo na cama, as mãos apertando a colcha estendida debaixo dela. Isso é o que eu amo, a coisa que eu estava esperando.


Seu gozo jorra dela, e eu mantenho o dedo fodendo-a gentil e forte até que ela está gemendo, sua bunda no ar quando ela goza. Eu me inclino para baixo, minha boca não quer perder uma única gota deste orgasmo. Eu quero lamber seu suco de buceta enquanto derrama dela. E eu faço. Minha barba está coberta com o seu orgasmo e eu enfio meu rosto em sua buceta. Ela aperta suas coxas em volta da minha cabeça, e eu me levanto de joelhos, empurrando-a de volta na cama. Tirando minhas calças, estou pronto para dar a ela. Esta princesa tem sido boa e ela está pronta para levar meu pau — Oh Deus, mostre-me Garrick. Me mostre seu pau. Mostre-me o que isso pode fazer comigo. Porque o que você acabou de fazer ... Eu não consigo imaginar ... Eu sorrio, sabendo que Iris ainda não viu nada.


Quando ele deixa cair as calças e tira as cuecas, lembro-me que esta é realmente a minha noite de núpcias. Com um homem que mal conheço. Com o príncipe. Nesta cabana. Tudo sobre hoje tem sido uma montanha russa de emoções. Mas de alguma forma, quando ele tira a cueca, fico agradecida por esse momento. Porque é isso que eu esperava quando imaginei minha noite de núpcias. Imaginei um homem empolgado por chegar perto de mim. Eu imaginei um príncipe que me queria como sua princesa. Eu não sei o que vai acontecer amanhã. Na verdade, estou apenas tentando imaginar que o amanhã não vai acontecer, porque sei que essa cabana não parecerá tão charmosa à luz do dia. Mas eu estou esperando. Eu espero que seja o sonho que eu imaginei esta manhã quando eu estava conversando com Dahlia. Eu estou esperando que isso seja perfeição. Esperando que qualquer mal-entendido


que tivéssemos antes, e a decepção que parecia girar em torno da cerimônia, talvez fosse apenas um pontinho. Talvez daqui em diante sejam pétalas de rosas, por do sol e unicórnios. Inferno, eu não preciso de um príncipe que dirige um carro chique. Garrick pode me levar em uma carruagem puxada por cavalos. Talvez isso seja o suficiente. Talvez seja tudo. Então, quando ele tira a calça e revela um pau enorme, duro e grosso, eu suspiro com a incredulidade da minha vida. Ele apenas pressionou seus dedos tão profundamente dentro de mim que eu basicamente explodi em seu rosto, e ele adorou. E eu adorei. Eu me senti linda e desejada, meu corpo quente, vivo e pronto. Pronta para seu pau estar dentro de mim novamente. — Oh meu deus, você é tão grande. — Você pode lidar com isso — diz ele. — Eu vou te mostrar. Eu pisco lentamente, meus sentidos despertados, minha buceta novamente em chamas. Agora que estou deitada do outro lado da cama, vejo Garrick me escancarando, suas mãos correndo sobre meus ombros, sobre os picos dos meus seios, descendo pelas minhas costelas, até que ele chega à minha entrada. Uma mão espalma minha buceta, esvoaçando contra as dobras. Eu fecho meus olhos, incapaz de pensar ou respirar. Suas mãos são tão grandes e me tocam tão bem.


— Quando eu entrar em você, vou te encher com a minha semente. Vou te foder e vou te encher com um herdeiro. Ele olha para mim, querendo dizer cada palavra que ele disse. Isso me dá uma emoção, todo o meu corpo desperta, porque a idéia de dar a esse homem o que ele precisa, a idéia de ser capaz de prover o que ele quer, é inebriante. É mais do que eu imaginava. Eu quero dar a esse homem o que ele quer. Um bebê. — Entre em mim novamente, goze comigo como você prometeu. Ele balança a cabeça, sua boca encontrando a minha novamente e ele me beija enquanto ele perfura seu pau mais fundo em mim. — Oh princesa, você se sente tão bem. Ele se move mais e mais e mais fundo em mim até que não há outro lugar para ir. Nós dois, encharcados de suor, minhas pernas ao redor dele tão apertadas. Ele balança em mim, minha buceta apertada e cheia, e quando ele está prestes a gozar, ele puxa. — Vou marcá-la como minha, princesa — ele me diz. Seu pau está duro em sua mão, pulsando com vida, e minha buceta chora, querendo ele em mim novamente. Ele bombeia seu pau, e cordas de gozo surgem da ponta, o prazer leitoso caindo sobre meus seios, meus mamilos. Eu estendo a mão, querendo esfregar a sua semente em cima de mim, querendo ser marcada por ele como ele prometeu.


— Eu ainda estou tão duro por você — ele me diz, e eu alcanço seu comprimento, sentindo as cristas suaves de seu pau, espantada com o peso e a espessura dele. Isso me deixa molhada de novo, apenas por eu estar segurando seu pau. — Oh Deus, Garrick, eu estou tão quente para você de novo — eu gemo, incapaz de parar minha buceta de doer por ele. Eu bombeio seu comprimento, ficando mais duro do que ele era antes, e ele me beija, se esfregando contra o meu corpo. Eu pressiono seu pau dentro de mim e suas mãos embalam meu rosto. Oh sim. Isso é o que eu preciso. O que eu quero. Nós fodemos, nós gozamos. A noite toda. Juntos. Para sempre. Isso está certo. Nossos corpos disfrutando de um orgasmo, e quaisquer dúvidas que eu possa ter tido escorregaram da minha mente. Eles são substituídos pelo cansaço, enquanto meu corpo está aninhado em seus braços.


Quando acordo, o sol brilhante brilha através de uma pequena janela em frente à cama. Eu me sento e vejo que ninguém está ao meu lado. Ninguém, isso quer dizer meu marido. Marido. A palavra ainda é tão estranha nos meus lábios. Eu olho para mim mesma, enrolada em um lençol, nua imediatamente me lembrando do jeito que ele pegou meu corpo na noite passada. Me fazendo sentir tão cheia, tão completa. Depois que fizemos amor muitas vezes, adormeci. Meus olhos se fecharam quando a exaustão do dia passou por mim. Eu me mudei para um novo país depois de dizer adeus a todos que eu amo, embarquei em um avião e cheguei em Alpinweiss, e conheci meu marido, bem, na verdade eu me casei com ele primeiro. Depois brigamos, festejamos e fizemos amor. E agora, sentada na cama, olho em volta dessa cabana de um cômodo e percebo que na verdade está frio. Um arrepio corre sobre mim. Ontem à noite, estava escuro quando acordei de um desmaio. Acordei em uma sala cheia de luz de velas e um fogo aceso em um fogão a lenha. Eu não era capaz de ver os detalhes da sala ao meu redor, principalmente porque eu estava cega pela maneira como Garrick olhava para mim, como se ele me quisesse, precisasse de mim. Da mesma maneira que eu olhei para ele. Eu me levanto, envolvendo o lençol em volta de mim e caminho em direção ao fogão a lenha. Há uma pedaço de lenha nele, mas está


desaparecendo rapidamente. As brasas laranja-neon brilham contra o cinza. Suspirando, e nada interessada em incendiar a casa do meu novo marido, afasto-me do fogão a lenha e avalio a situação. — Garrick? — Eu chamo. — Você está aqui? Eu me viro em círculo, pegando o meu entorno. Uma cama queen size, uma mesa final com uma pilha de livros. Lâmpadas de furacão, duas janelas. Uma cozinha sem fogão ... embora este fogão a lenha esteja aqui. Uma bomba de água montada acima de uma bacia de esmalte branco. Uma mesa com duas cadeiras, no centro, uma tigela de maçãs. Existem duas caixas de gavetas. Há pouco mais. Um tapete trançado no chão, com duas cadeiras de balanço. Alguns rifles estão pendurados na parede e um machado está pendurado abaixo deles. Este lugar é realmente rústico. Realmente robusto. Estando aqui sozinha, me sinto exposta, nua e sozinha. Minha mala espera na porta da frente e, quando ando para pegá-la, percebo uma pequena porta que leva ao banheiro. Graças a Deus. Por um momento tive esse pensamento aterrorizante de que não havia realmente um banheiro interno. Quer dizer, há limites ... e depois há limites.


Eu jogo minha mala na cama e torço por meus artigos de higiene. Preciso escovar os dentes antes de Garrick aparecer. Agarrando minha bolsa, eu passo dentro do banheiro e fecho a porta, trancando-a atrás de mim. Eu faço xixi, sentada no vaso de porcelana, olhando em volta do banheiro deste homem. E é exatamente isso. Eu não acho que já teve o toque de uma mulher, muito menos se já teve uma mulher sentada nesse lugar. Na pia, percebo que não há água quente na torneira. E a água fria não faz nada para me aquecer. Eu alcanço o pequeno chuveiro e ligo a água, confusa quando apenas água fria sai do chuveiro também. Eu engulo o choro e decido que agora não é a hora de agir como uma criança de quatro anos. Eu sou uma mulher crescida e posso lidar com um pouco de água fria, certo? Além disso, não tenho escolha. Eu preciso tomar banho. Porque além de estar revestida com o meu próprio gozo, e de Garrick vem, eu também estou nojenta com a viagem de ontem. Tempos desesperadores requerem medidas desesperadoras. Eu cautelosamente passo sob o chuveiro, me preparando para a água fria. Santo inferno, está frio. Então, tão frio. Eu grito. Porque foda-se minha vida.


— Oh meu Deus — eu grito, dançando na ponta dos pés enquanto a água cai sobre o meu cabelo e meus ombros e minha pele. — Tortura. Isso é tortura. Alcançando a torneira, eu a desligo o mais rápido que posso. Do outro lado da porta, ouço Garrick. — Que diabos, mulher? Pare de gritar. Eu reviro meus olhos, procurando uma toalha. — Onde você coloca suas toalhas? — Desbloqueie a porta e eu mostrarei a você. — Sua voz é cheia de humor, mas agora não estou rindo. Ao sair do chuveiro, eu abro a porta, mas volto para dentro da tenda, segurando a cortina do chuveiro sobre o meu corpo nu. Sobre o meu corpo nu, coberto de arrepios de frio. — O que você está escondendo? — Ele pergunta, levantando uma sobrancelha. Ele segurava xícaras de café e sacos de confeitaria. — Você não tem água morna? — Por que eu teria isso? — Ele pergunta, inexpressivo. — Porque é 2016. — Oh, Princesa, viver no tempo presente é superavaliado. — Ele abre um armário acima do vaso sanitário, encontra uma toalha limpa e a entrega para mim.


Eu pego, puxo a cortina para me cobrir e começo a secar minhas pernas. Eu mal posso respirar, está tão frio. — Isto é ridículo. Não ter água quente aqui é inaceitável, Garrick. Que outros rituais arcaicos você aceita? Deixe-me adivinhar, você lava sua roupa à mão? Ele zomba. — Eu não faço isso, a lavadeira da cidade faz isso. Agora, no entanto, não precisarei enviar. — O que isso deveria significar? — Eu pergunto por trás da cortina. Eu aperto meu cabelo molhado e gotas de água fria caem nos meus dedos. — Você é minha esposa. — Eu não estou entendendo. — eu digo, saindo do banho com a toalha seguramente em volta de mim. Mesmo que a noite passada tenha sido feliz, a manhã criou rapidamente uma divisão entre Garrick e eu. — Por que você acha que eu preciso de uma esposa? — ele pergunta. — Porque seus pais queriam um herdeiro. Porque você é um homem adulto. — Eu não sei como as coisas funcionam em Elexia, se as mulheres apenas se casarem e ficarem o dia todo paradas, mas não é assim que as coisas vão funcionar entre nós.


Balanço a cabeça, imaginando como alguém tão bom com as mãos pode ser tão denso. Eu nem sei como abordar sua declaração, então eu evito isso. — Eu preciso de outra toalha. — Por que? — ele pergunta. — Uma é suficiente. — Você está racionando seriamente o uso de toalhas? — Empurrando para trás, eu pego outra toalha do armário. Eu arremesso meu cabelo para baixo e o pego na toalha, depois o envolvo em um turbante no topo da minha cabeça. Eu tiro meu secador da minha bolsa de higiene e examino o banheiro, mas não consigo encontrar uma tomada elétrica. Claro que não há uma única tomada aqui. — Você tem eletricidade neste lugar? — Eu pergunto com firmeza. — Eletricidade? — Garrick cruza os braços, me avaliando. Eu literalmente não tenho paciência para seus jogos agora. É como uma montanha-russa com Garrick. Os altos e baixos são demais. Sinto-me doente. — Sim — eu digo a ele. — A eletricidade é essa coisa que transmite uma corrente elétrica, que faz as coisas funcionarem. Como alimentar coisas, ou executar coisas. Por exemplo, uma geladeira. Ou um fogão. — Isso é tudo besteira desnecessária. — Garrick. Eu pude ver como um carregamento de celular pode parecer uma ‘besteira’ para você. Mas uma geladeira é necessária. Como você mantém sua comida fria?


— Eu sabia que ia ser assim com você. — Você quer dizer que você sabia que sua esposa iria querer refrigerar seu leite? — Exatamente. — Ele sorri, chuta a porta e sai do banheiro, com o café ainda na mão. Eu pisco. Meu marido me disse seriamente que não temos eletricidade? Eu puxo a toalha com mais força ao redor do meu corpo, percebendo que não vou poder secar meu cabelo. Basicamente, nunca mais. Eu tenho que sair da maldita floresta.


Eu sabia essa coisa toda ia ser uma porra fodida. Ontem à noite, fode-la contra a parede da meu antigo quarto real, foi uma anomalia. Foi o calor do momento. Ela estava bebada e eu estava com calor e estávamos ambos prontos. Havia a alegria de se casar e ter nossa primeira briga, e depois entrar no salão do castelo. Seus olhos se iluminaram e seus seios estavam tensos e eu estava tão chateado por ter que estar lá, tudo isso levou a um defloramento apaixonado. E depois, não era apenas quente, era o paraíso. Mas agora, vendo-a assim, não querendo nem mesmo me dar um momento e tentar ver de onde eu estou vindo? É exatamente o que eu pensei que seria: um desastre. A menos que uma mulher escolha esta vida sozinha, não há nenhuma maneira no inferno que ela queira isso. Eu não sei como isso vai funcionar, a menos que ela se acalme. Ela corre em volta da cabana, revirando a mala que está aberta na nossa cama.


— Eu comprei café — digo a ela, colocando a xícara no balcão. — E croissants. Eu normalmente não faço essa merda, mas achei que ajudaria a começar as coisas direito. — Certo. Porque o café só vai compensar esse fato, não temos eletricidade. — Eu estava tentando ser um fodido cavalheiro. — Sim, você deve receber um prêmio por isso. Eu balancei minha cabeça e caminhei até o fogão. Eu atiço as brasas que estão morrendo, acrescento um tronco e olho para as chamas, porque, diabos, eu não sei como lidar com Iris. Essas quatro paredes parecem muito apertadas. Não há espaço suficiente para nós dois. Eu olho por cima do meu ombro e a vejo, enrolada em uma toalha, procurando roupas em sua mala. Meu pau se contrai com a visão de seus ombros nus e rosto orvalhado. O que eu não faria para arrancar aquele veludo dela e jogá-lo pela sala. — Há algumas gavetas ali — digo a ela, acenando para a cômoda no canto. — Você não precisa deixar suas coisas por aí. — A sério? Garrick, estou aqui há menos de um dia. Você pode me dar um tempo, só um pouquinho? Vou desfazer as malas, mas, Deus, me dê cinco segundos. Eu sei que me defender, explicando que eu não quis dizer que ela precisava fazer isso agora, que eu só queria dizer a ela que eu deixei um espaço para ela, não faria nenhum bem. Em vez disso, levanto-me, tomo outro gole do café preto que tirei da loja da cidade.


— Este é um casamento arranjado, Iris. Eu não escolhi este jogo também. Nós vamos ter que nos comprometer. Ainda pairando sobre sua mala, ela se irrita. — Eu fui totalmente enganada nisso. Eu pensei que estava casando com um príncipe que pelo menos queria uma esposa. — Oh, princesa, ninguém te enganou. Seu pai estava desesperado. — Não fale sobre meu pai. Você não o conhece e não me conhece. Então, vou contar algumas coisas, já que você não perguntou. Eu posso ter amado o nosso tempo ontem à noite, mas eu não vou apenas deixar você levar minha bunda. — Ela cruza os braços e caminha na minha direção, obviamente querendo deixar seu ponto claro como cristal. — Eu não vou ceder na questão da água quente … — diz ela, — Ou a questão da geladeira. Eu não estou pedindo o maldito mundo, ou o castelo, ou uma empregada, ou até mesmo um carro. Eu só quero secar meu cabelo. — Ah eu vejo. — Eu bufo. — Então você está dando um ultimato agora? Uma manhã sem seu secador de cabelo precioso e você está esperando para fazer um acordo? Eu não faço acordos, princesa. — Eu não pedi a você para fazer um acordo comigo, Garrick. Só estou dizendo a você como é. Ela deixa cair a toalha e a joga no chão. Meus olhos correm por seu corpo lindo e nu. Seus quadris estão me implorando para segurá-los, seus seios cheios e feitos para serem chupados. Sua vagina está perfeitamente raspada, perfeitamente minha. Ela quer brigar? Bem. Eu só vou ter que coloca-la na cama e fazê-la parar com toda essa agitação.


— Como é, huh? — Eu pergunto, pegando-a pela cintura e puxando-a para mim. — Eu sei que você não quer apanhar na bunda, mas Princesa, sua buceta vai ter um trabalho bom nisso. — Você está brincando comigo? — Iris pergunta, olhando para mim. — Qual é o seu negócio, mulher? Eu pensei que você estava pronta para ir de novo. — Você está errado. — Ela se afasta de mim. — Você não quer jogar? Bem. Eu também não. Você não quer fazer um acordo? Bem. Eu também não. Você quer fazer sexo comigo? Bem. Mova-me para fora desta cabana. — Onde você quer chegar? — Eu ando em direção a Iris novamente, ainda enamorado com a ascensão e queda de seus seios, mas também a ascensão e queda de sua pergunta. Sair da cabana? — Você me ouviu, Garrick. Você sabe muito bem o que estou dizendo para você. Você quer isso … — ela pergunta, gesticulando para cima e para baixo em seu corpo. Seu corpo nu. — Então você precisa mudar isso. — Ela acena com a mão em volta da minha cabana. Eu suspiro, passando a mão pelo meu queixo. — Seu corpo tem um preço, é o que você está dizendo? — Eu pergunto. — Não é um preço. Estou procurando por respeito Garrick. Eu acordei esta manhã querendo fazer uma ponte do seu mundo para o meu. Eu peguei o maldito café dela e pensei que ela seria capaz de lidar com uma conversa. Eu pensei que nós dois poderiamos nos sentar


na varanda da frente, meu alpendre, e conversar sobre as coisas como adultos razoáveis. Ela quer brigar em vez disso? Eu não estou deixando este lugar, não por ela, não agora. Nunca. — Então, o que vai ser? — Iris pergunta. Ela pega a toalha no chão, mas não faz nenhum movimento para envolvê-la. A confiança dessa mulher é inebriante. Ela sacode o cabelo molhado, gotas de água caindo no chão de madeira. Meu chão. Na minha cabana. O lugar que eu não vou deixar por nínguém. Especialmente alguém que não vai se acalmar e conversar sobre as coisas. Ela é tão irritante. Eu não vou ser influenciado por uma buceta, não importa o quão perfeita ela seja. — Princesa, você não vai me mudar com seus peitos. Vai demorar muito mais que isso. Esta é nossa casa. Então você pode apenas tirar essa ideia da sua linda cabecinha. Essa idéia que você tem de nos mudar para o castelo? De jeito nenhum. — Oh meu Deus, Garrick você é tão burro. Ela se vira ao contrário, pegando sua mala, pega uma pequena tanga e a puxa. Eu vejo suas bochechas expostas enquanto ela escolhe um sutiã, apertando-o e ajustando seus seios perfeitos nas xícaras.


— O que, você só vai sentar aqui e me ver se vestir? — ela pergunta. — Você não tem algo melhor para fazer, como caminhar na floresta ou derrubar uma árvore? O que você faz o dia todo? — Eu tenho muitas coisas para fazer, e você está certa: eu não vou ficar sentado aqui assistindo você reclamar da sua vida. — Eu ando até a porta da frente, pego meu rifle e coloco sobre meu ombro. — Oh meu Deus, o que você vai fazer com essa arma? — Iris pergunta, de pé em nada além de seu sutiã e calcinha. — O que você acha que estou fazendo? Eu vou nos encontrar um pouco de comida. Nós moramos na base da montanha. Eu sou um príncipe da montanha. Você é minha princesa da montanha. Eu trabalho no castelo, mas no meu tempo eu vivo como um homem que mora na floresta. E como minha esposa, que mora na floresta comigo, sugiro que você vá à cidade para encontrar um par de botas. Talvez um casaco. Porque esses vestidos de sol e roupas de banho? — Eu aponto para a mala dela. — Eles não vão funcionar aqui, princesa. — Bem desse jeito? — Ela pergunta, cruzando os braços. — Você está saindo? Isso é uma piada de lua de mel. — Lua de mel? Isso é o que você está deixando você chateada? — Não. — Ela sacode a cabeça. — Eu nunca esperei uma lua de mel como Violet está tendo. Ela e Hunter estão apaixonados. Então é diferente. Ele queria dar a ela tudo o que ela queria, porque eles querem ficar juntos. Eu aperto meu queixo, olhando para a porra de croissants no balcão e me perguntando como diabos eu pensei que seria o suficiente para ganhar Iris. Ela é uma mulher.


Minha noiva. E eu pensei que uma porra doce seria o suficiente. Mas ela apenas me deu ultimatos, e inferno, eu não quero ser o único recuando. Aquele que cedeu e desistiu de tudo. — Há dinheiro nas gavetas da cozinha — digo a ela. — Consiga o que você precisa. Seus olhos estão no chão e ela parece derrotada. Como se ela realmente pensasse que eu apenas a puxaria em meus braços e a levaria para o castelo, para o lugar que representa tudo que eu não suporto. — Tudo bem — diz ela. — Eu vou pegar as coisas que preciso. Você está certo, eu só tenho roupas de verão. — Se você aparecer aqui em algum vestido de baile, eu vou fazer você marchar de volta para as lojas. Eu abro a porta da frente e vou para fora.


Ele sai da cabana, e eu sou grata por isso. Eu me abaixei até a beira da cama, com lágrimas nos meus olhos. Eu nunca briguei assim com um homem antes. Eu nunca briguei assim com ninguém antes. Eu sou a irmã do meio, o que significa que eu sou a pacificadora. Eu não sou a responsável, e certamente não sou inocente, mas por alguma razão meus olhos sempre estiveram abertos. Agora, só quero fecha-los. Lágrimas caem e eu cubro meu rosto com minhas mãos. Tentando recuperar o fôlego, penso no que devo fazer. Eu torço minha bolsa pelo meu celular. Cruzando meus dedos, eu ligo e vejo que ainda está carregado. Graças a Deus existe um plano telefônico internacional. Violet insistiu que eu tivesse um antes de deixar Elexia. Hunter mandou para mim antes que eu saísse. Eu não conheci o marido de Violet, mas eu já decidi que ele é um guardião. Tendo programado o número do hotel onde estão hospedados para a lua de mel, eu disquei o número. Eles estão no Mediterrâneo, porque Hunter sabe como tratar adequadamente sua princesa.


Garrick poderia tirar algumas lições dele. — Tolet? — É o Hunter. Um momento, Iris, deixe-me pegar sua irmã. — Iris? O que você está fazendo me ligando? Está tudo bem? — Não, nada está bem. É um desastre. Está além de um desastre. Está tudo arruinado. Eu não liguei para Dahlia, claro. Porque se ela ouve como o meu casamento é horrível, não tem como ela aparecer na casa do Príncipe Lucas na semana que vem. Mas estou lhe dizendo, isso é um desastre. Um SOS, uma emergência. Isso não vai funcionar. — Iris — diz Violet com calma. — Comece no começo. — Não há começo. Eu preciso de você. Eu preciso que você venha aqui. Você e Hunter podem vir me resgatar. Por favor, seja meu cavaleiro de armadura brilhante. — Cavaleiro em armadura brilhante? Do que você está falando, Iris? — Eu estou falando sobre o fato de que ontem eu me casei com uma fera. — Iris, acalme-se. — Eu ouço Violet falando com Hunter, obviamente explicando tudo isso para ele. — Iris, eu coloquei você no viva-voz. Comece no começo, pare com sua loucura desta vez. — Ótimo, então Hunter pode saber o quão horrível minha vida é também. Você sabe que atualmente estou residindo em uma cabana de um quarto sem eletricidade? — O que? — Hunter ri. E eu gostaria de poder chegar através deste telefone e arrancar-lhe os olhos.


— Não é engraçado, Hunter — eu gemo, caindo no meu colchão. Minha cabeça bate nos travesseiros, que cheiram a Garrick, tão masculino, tão bom. Eu soco eles. Eu soco as almofadas. Eu não quero um marido que cheire bem se isso significar que ele é um idiota total. Eu quero que Garrick seja legal comigo. Eu quero o Garrick que me segurou a noite toda e fez meu corpo se sentir tão bem. Não o Garrick que quer brigar, que quer cavar seus calcanhares. — Iris? — Violet pergunta. — Você ainda está aí? — Você sabe com o que estou lidando? — Eu pergunto. — Você sabe como nós brincamos que Garrick era um recluso? Ele é mesmo. Todo este país é super rico, o castelo é o que eu sonhei que seria. Vestidos, sapatos glamorosos, bombons e harpas. E bolo de casamento. Eles nos fizeram um bolo de casamento. — Parece um sonho. — Violet diz. — Agora, Iris, qual é exatamente o problema? — Porque esse é o castelo, Violet, o castelo que Garrick se recusa a dormir. Nós moramos fora da cidade. Nesta pequena cabana de um cômodo sem água quente. — Oh, querida, me desculpe, não é o que você esperava. — Não o que eu esperava? Isso não é o que alguém esperaria. Isso é um pesadelo. Não admira que oito outras princesas se recusassem a casar com ele. Não há tomadas elétricas. — Inferno, eu sei como você pode lidar com esse cara — diz Hunter.


Uma onda de esperança se acende dentro de mim. — Mesmo? O que você acha que eu deveria fazer? Neste momento eu pegaria para qualquer coisa. Não sei nada sobre psicanalisar homens. — Jogue duro. Deflacionado, eu explico: — Oh, eu tentei isso. Eu fiquei nua para ele, e então eu disse a ele que não iríamos dormir juntos a menos que saíssemos da cabana. Eu pensei com certeza que poderia tentá-lo com isso. Mas não, ele simplesmente saiu com uma arma. Uma arma. Ele disse que estava caçando nosso jantar. Que ano é isso? Porque a sério, no castelo havia porcos assados e canecas de cerveja e muito para dar a volta. Em vez de tudo isso, meu marido vai caçar o que, peru selvagem? — Iris, acalme-se. — Eu ouço Violet e Hunter dando risadinhas no fundo e isso me deixa furiosa. — Não é engraçado. — É um pouco engraçado. Eu praticamente posso ouvir Violet sorrindo pelo telefone. — Recusar o sexo uma vez é uma coisa — diz Hunters. — Mas Garrick é um homem com pulso, certo? — Sim. — E você dormiu com ele em sua noite de núpcias? — Sim. Mais de uma vez. Isso é o quão boa eu sou, tão disposta e adoradora, uma perfeita esposa enlouquecedora. O que eu ganho em troca? Café.


— Certo — diz Hunter, não dando atenção á minha birra, ou, provavelmente, até mesmo entendê-lo. — Mas, Iris, pense nisso. Você dormiu com ele a noite toda. Dê um dia. Inferno, dê alguns dias. Não há como esse homem aguentar. Você joga de maneira dura e ele vem até você implorando. — Mesmo? Esse é o jogo que eu deveria jogar? Você acha? — Enquanto isso, seu trabalho é encantar suas calças — diz Hunter. — Faça-o ver que ele não pode viver sem você. — Não. Eu não deveria ser aquela que encanta. — digo a eles, minha voz ardente de raiva. — Ele é o único que deveria estar me encantando. Sou sua esposa. — Whoa, princesa — diz Hunter. — Nós entendemos isso. Então você não vai fazer nada de charme. Acho que o caminho mais fácil aqui é negar o que ele quer. Não há como esse pobre otário durar mais do que um dia ou dois. — Eu posso fazer isso. — Bom — diz Violet. — Porque nós não estamos deixando nossa lua de mel para ir resgatar você. Esta é a sua vida e Iris? É a vida que você estava esperando. — Eu não estive esperando para me mudar para esta aldeia atrasada. — Veja se agrada você. — diz Violet. — Em uma semana, se ainda for horrível, podemos propor um plano diferente. Até então … — Até lá — intercepta Hunter — Faça-o sofrer. Violet ri e não consigo deixar de sorrir.


Eu não posso acreditar que Hunter é casado com a minha irmã tensa. Ele é esse homem brincalhão e descontraído. O complemento perfeito para ela. Não posso deixar de me perguntar se sou o complemento certo para Garrick. Somos tão diferentes. Eu não consigo realmente imaginar como iriamos funcionar. — Eu vou tentar — eu digo a eles. — Por você, papai e Dahlia. Por Elexia. — E, por tentar, estou lhe dizendo, Iris … — acrescenta Hunter, — Ande por aí em um rendas. Esqueça de usar sutiã. Brinque com seu cabelo. Use uma cinta-liga. Pulverize chantilly em uma banana e coma devagar. Violet e eu desmoronamos, mas acho que ele está certo. Agradeço e termino a ligação. Então, imediatamente começo a fazer uma lista de coisas que preciso fazer na cidade. Eu sorrio, e debaixo do casaco de inverno, botas de inverno, meias de lã e roupas íntimas compridas, eu escrevo chantilly. Eu vou ganhar.


Eu não estou procurando por uma mulher que vai fazer exatamente o que eu digo. Mas jogar uma birra sem sequer tentar entender o porque eu vivo aqui, não vai funcionar. Iris acha que ela quer jogar duro comigo? Ela não tem ideia do que está enfrentando. De jeito nenhum eu vou mudar meu estilo de vida por uma mulher que acabei de conhecer. Iris parecia tão gostosa saindo do chuveiro, que meu pau ficou duro. E por um segundo, considerei ceder ao seu pedido. Por um segundo, pensei que perder minhas convicções valeria outro gosto de sua buceta perfeita. Mas então me lembrei que essa garota acordou em um novo lugar, sem qualquer pista do que ela estava se metendo. Então, é claro que ela vai dar ultimatos na primeira chance que ela tiver. Isso não significa que eu tenha que desistir. De jeito nenhum no inferno Iris vai aguentar por mais de um dia. Ela não será capaz de se conter por tanto tempo.


Não depois de ter experimentado uma noite inteira com meu pau. Com meu rifle pendurado no meu ombro, eu ando mais fundo na floresta. Eu pensei que verificar minhas armadilhas enquanto estava ao ar livre ajudaria a me acalmar. Foi uma boa decisão. Estar fora na floresta sempre limpa minha cabeça, e eu não preciso pegar um grande animal para conseguir acariciar meu ego. É sobre estar do lado de fora, sobre o ar limpo, alta altitude e o silêncio, o exato oposto do castelo. Você pensaria que ser uma Vila Histórica significaria que as pessoas pagam um pouco mais de reverência de onde viemos. Mas esse não é o caso. Há tantos malditos turistas entupindo aquelas ruas de paralelepípedos que qualquer entendimento do que Alpinweiss era quinhentos anos atrás é inexistente. Ninguém parece se importar com nossas florestas e ricos recursos naturais. Eles só querem uma cerveja servida por um barmen parecendo um servidor antigo. Eles querem salsicha na porra de um pão. Eu verifico minhas armadilhas. Eu estive aqui ontem de manhã e tudo ainda está vazio. Ando alguns quilômetros e quase me esqueço da briga em minha cabana esta manhã, quase me esqueço do jeito como Iris e eu terminamos as coisas. Mas então eu olho para cima, vejo um bando de pássaros grasnando nos galhos das árvores, e me lembro de nossa troca acalorada. Espero que Iris tenha ido à cidade agora e tenha conseguido algumas coisas para vestir. Talvez gastar um pouco de dinheiro e ver a aldeia acabe com isso.


Ela não quer ficar na minha cabana rústica? Bem. Então deixe-a ir passar algum tempo na cidade. Eu só espero que ela possa fazer o seu caminho sem a minha mãe pegar vento e afundar suas garras nela. Eu sei que meus pais vão tentar estabelecer a lei e ter um monte de expectativas sobre nós agora que estamos casados. Eles vão tentar preencher seu calendário com jantares no castelo e reuniões, mas eu vou aguentar e evitar essa merda o maior tempo possível. Tem que haver alguma maneira de ter limites entre minha vida privada e pública. Talvez seja um pensamento muito idiota, que eu possa ser realeza sem que toda a minha vida seja dedicada à monarquia. Eu não imagino que serei capaz de fazer isso para sempre, se não houver um equilíbrio melhor. Volto a descer a montanha e volto para a cabana. Está vazia. Quieta. Olhando em volta, percebo que a mala de Iris não está mais na cama com roupas desarrumadas. Eu penduro meu rifle de volta no suporte, não tendo precisado dele ... e possivelmente tendo exagerado o meu uso para ele em primeiro lugar. Olhando em volta da cozinha, vejo que Iris deixou o café no balcão, o bolinho na sacola. Eu me sinto como merda, indo embora como eu fiz. Eu tenho a maioria dos meus jantares no bar da cidade, e café da manhã e almoço? Eu como barras de granola, frutas. Carne seca e mistura de trilhas. Eu sou um homem, não um chef.


Mas penso em Iris e me pergunto se ela conseguirá lidar com a falta de comida na casa. Não que eu estivesse disposto a admitir isso para ela antes, mas agora posso ver como isso pode ser um problema. Ela merece melhor do que uma cabana sem uma porra de geladeira funcionando. Vivendo como um solteiro, apenas uma cerveja e um saco de batatas fritas era o necessário para mim, bem, eu não precisava de muito mais. Mas Iris não é solteira. Iris é uma princesa. Minha princesa. E muito mais do que eu esperava, com meus pais organizando meu casamento. Então, sim, ela reclamou de uma geladeira, mas eu reconheço que ela não estava fazendo algumas exigências loucas. Apertando meu queixo, eu me pergunto como diabos eu devo preencher essa lacuna com ela. De uma coisa eu sei: eu fiz um trabalho terrível até agora. Eu decido ir para a cidade e pegar um pouco de comida - e, mais importante, algumas cervejas. E espero encontrar Iris lá. Andando pelo caminho bem gasto em direção à praça da aldeia, eu me deparo com Thomas novamente, voltando para a cidade com sua carroça cheia de produtos. — Quer uma carona? — ele pergunta. A coisa que eu amo sobre Thomas, e muitos caras como ele na cidade, é que não há pretensão com eles. Ele me vê como um igual,


porque eu fiz a minha vida como seu vizinho, uma das pessoas de Alpinweiss, não um político de alto escalão. — Certo. Sua carroça está funcionando bem hoje? — Você quer falar sobre o meu vagão? Eu ouvi dizer que você se casou, Garrick. Onde está a esposa? — Ela está na cidade. — Oh sim. Todos na cidade estão falando de vocês. Não fazíamos ideia de que nosso príncipe estava pronto para caminhar pelo corredor. — Por que você não mantém os olhos na estrada, Thomas? — Eu digo, tentando mudar de assunto, e realmente não querendo falar sobre Iris e eu, o que somos e o que claramente não somos. — Tenha calma, Principe. Você com certeza não é como qualquer príncipe que eu já ouvi falar. — Você se depara com muitos príncipes? Claro que Thomas não se depara. Ele é um homem na casa dos sessenta anos, que está viajando com seus produtos frescos de sua fazenda para o mercado da vila todos os dias de sua vida. Ele é o tipo de homem do qual Alpinweiss está recheada. Não como eu e, especialmente, não como o meu pai. Enquanto temos que trabalhar, não precisamos colocar comida na mesa. Nós não temos que nos sacrificar. Eu me sinto mal, pensando em como tudo que eu tenho me foi entregue. Como eu gostaria de poder fazer mais, ser mais. Ser um homem melhor.


— Oh, você está certo, eu não encontrei nenhum outro príncipe. Seus pais estão levando bem com o príncipe morando nas montanhas com a nova princesa? — Levando bem? — Eu balancei minha cabeça, correndo minha mão pelo meu queixo. — De jeito nenhum. Eles têm todo tipo de idéias sobre Iris e eu. Iris provavelmente tem todo tipo de idéias sobre nós também. Mas você me conhece. — Sim, eu conheço você. Você faz tudo do jeito que quer, desde que construiu a cabana e saiu do castelo dos seus pais. — Thomas aperta a língua. — Devo dizer que você é o único homem no mundo que abandonaria o palácio por tábuas rangentes e um fogão a lenha. — Eu amo essas tábuas de assoalho. — Eu sorrio, sabendo que Thomas esteve no meu lugar várias vezes ao longo dos anos, me ajudando com a limpeza de algo que nós caçamos, ou limpando minhas armadilhas. Eu fiz questão de ajudá-lo também, para dar uma mão extra em seus campos ou nos campos de seu filho. A fazenda de Thomas é principalmente administrada por seu filho nos dias de hoje. — Você pode amar essas tábuas do assoalho, mas estou surpreso que uma mulher possa viver lá com você. Esta princesa deve ser muito especial. — Iris não é uma princesa comum. Não sei por que digo isso, como quero defender a personalidade de Iris. Como se eu não quisesse que Thomas questionasse minha esposa, questionasse meu casamento.


— Bem, então você tem a mulher certa para você. Acho que nenhuma princesa comum seria capaz de lidar com um homem tão teimoso e autoconfiante quanto você. — Você pode simplesmente parar aqui — digo a ele, apontando para o pub no quarteirão. — Você vai beber sem sua esposa depois de se casar no dia anterior? Não acho que seja assim que deve funcionar, Prince. — Eu não me importo como isso deveria funcionar, Thomas. Eu faço as coisas do jeito que eu gosto, sempre que eu quero. E agora preciso de uma bebida. — Fique bem. E Garrick … — acrescenta ele. — Se você precisar de alguma ajuda com as tábuas do assoalho, me avise.

Enquanto estou sentado com uma bebida, o barman, Kurt, pergunta se eu gostaria de um uísque para levar junto. — O que você acha? — Eu pergunto ao meu velho amigo. — Eu acho que você sabe. Todos na cidade estão falando de você hoje. — Oh sim? E o que eles estão dizendo? Trabalhando em um pub, Kurt conhece todas as fofocas de uma aldeia como essa, onde cerveja e pretzels são o pão com manteiga desta cidade.


— Eles estão dizendo que você se casou ontem, não convidou ninguém para o casamento. Nem mesmo nós, as pessoas que estão aqui para você dia e noite, derramando sua cerveja, fazendo o seu pão, lavando sua roupa de baixo. Eu acho que algumas pessoas estão muito chateadas com você, especialmente porque você é alardeado como o príncipe das pessoas e tudo mais. — Porra, a última coisa que alguém quer fazer é vir a um casamento real. Eu concordei com um casamento arranjado e, diabos, meus pais arrumaram isso. Mas eu não vou ficar de pé em um terno extravagante como um palhaço só para que as pessoas possam me olhar. Eu não faço essa merda. — E sua esposa, esta nova princesa sua, ela está bem com isso? — Kurt pergunta, secando um copo de cerveja. — Acho que sempre presumi que as princesas gostassem de ser a mais bela do baile. Eu balancei minha cabeça, imaginando qual seria o negócio sobre princesas que precisavam de vestidos de baile para serem felizes. — Bem, Iris não é uma princesa comum. Enfim, ela está fazendo compras. — Fazendo compras? Eu nunca ouvi uma coisa assim. Juro por Deus, Garrick, você é uma anomalia. — Oh sim? — Sim — diz Kurt, rindo. Ele coloca meu uísque ao lado da minha caneca de cerveja. — A maioria dos homens estaria com as esposas depois do casamento. Eles ainda estariam na cama no dia seguinte ao casamento. E você? Nenhuma lua de mel, nenhum fim de semana fora. Você é o maldito príncipe. Você poderia levar essa garota em qualquer lugar do mundo. E, em vez disso, você está sentado na Aldeia Histórica de Alpinweiss, bebendo cerveja comigo?


Eu pego minha caneca, e bebo. Meu queixo fica tenso quando me pergunto se caras como Thomas e Kurt sabem do que estão falando. Talvez eu seja o idiota. Não há porra de geladeira, porra de tábuas rangentes, e aqui estou eu fodidamente bebendo cerveja. Sozinho.


Após a saida de Garrick, e depois que minha irmã e Hunter me ajudaram, eu me visto, determinada a fazer o melhor das coisas. Eu queria uma aventura, não é? Bem, esta aventura não é exatamente o que eu imaginei, mas certamente posso fazer o meu melhor para torná-la minha. Tranço meu cabelo ainda molhado em um rabo de peixe e procuro por um par de sapatos que tenham dedos fechados. Eu acho algumas sapatilhas e decido que é melhor que nada. Na ‘cozinha’, encontro a gaveta com dinheiro, como prometido. Então isso é algo. Eu enfio um envelope na minha bolsa e coloco minha bolsa por cima do ombro. É claro que gosto de chorar quando necessário e não tenho problema em puxar as cobertas sobre o rosto e ter uma maratona da Netflix na semana do meu período. Mas agora, não há tempo para isso. Agora, eu tenho que sorrir e aguentar. Ou me contentar com o que eu tenho, ou puxar minhas correias e andar com essas ‘botas’. No entanto é isso.


Eu tenho que ser a princesa que nasci para ser. Não tenho intenção de deixar Garrick. Nós estamos casados á um dia, e príncipes e princesas não se divorciam. Além disso, quero ser sua esposa. Há muitas coisas sobre Garrick que me fazem sentir como uma mulher, isso me faz sentir bonita, me intriga. Seu queixo, por exemplo, é uma grande virada. Então nós temos seus olhos impressionantes e seus ombros largos, e o jeito que ele me faz sentir pequena. Não de uma forma insignificante, mas em um que ele pode cuidar de mim e me proteger e ser meu verdadeiro cavaleiro de armadura brilhante. Risque isso. Não um cavaleiro de armadura brilhante. Um príncipe de armadura brilhante. Isso é algo? Eu não posso imaginar exatamente Garrick na armadura. Ok, talvez principe em flanela bem usada. Porque essa é praticamente a única coisa em que eu o vi. Não que isso importe. Aquela camisa de flanela enrolada até os cotovelos, jeans desgastados e botas de trabalho ... Isso me deixa quente só de pensar nisso. De alguma forma, a maneira como ele parece tão confortável em sua própria pele me faz querer estar mais perto dele. Me faz querer ser dele. Claro, há muitas coisas pelas quais precisamos trabalhar primeiro.


Tais como nossas habilidades de relacionamento. Claro, ele me fez gozar como um filho da puta, o que, eu sei, parece grosseiro, mas é a verdade. O que quer que ele tenha feito ao meu corpo na noite passada, isso funcionou comigo, e funcionou da maneira certa. Funcionou de todas as maneiras. E eu estaria mentindo se dissesse que não quero repetir esta noite. Ou esta tarde. Ou agora mesmo. Mas eu não posso. Fecho a porta da cabana, percebendo que nem mesmo tenho uma chave para a minha própria casa, e por casa, quero dizer, um pedaço de merda, e desço o caminho em direção à praça da aldeia. Minha mente está em Garrick, claro. Ele irá entender e verá as coisas do meu ponto de vista? Estaria segurando-o, não lhe dando sexo, seria o suficiente para ele mudar seu estilo de vida? Ele parece realmente odiar o castelo ... mas então eu penso sobre o fato de que eu não posso nem mesmo ferver uma panela de água sem colocar um tronco no fogo. O que é bem ridículo. Se esse casamento vai funcionar, nós dois temos que dar. Mais que uma polegada. Ele tem que desistir de muita coisa. Na cidade, percebo que é tão fofo e encantador como achei que fosse ontem. Mesmo sendo um dia de outono, e o ar é fresco, há uma sensação de excitação nas ruas. Eu sinto que estou em um conto de fadas enquanto ando pela estrada.


As pessoas da cidade acenam, sorriem, me oferecem saudações e parabéns. Eu sei que estou radiante e nem tenho vergonha. Claro que estou sorrindo, isso parece mágica. Estranhos me chamam dizendo: ‘Bom dia, princesa’ ou ‘Parabéns’ ou ‘Garrick tem muita sorte em ter você’. Quando ouço esse último, não posso deixar de rir. Se ao menos ele pensasse que ele tinha sorte de me ter. Claro, ele não queria se casar. Eu sou um inconveniente. Ainda assim, todo mundo é amistoso, e ilumina meu coração sentirme aceita pelas pessoas de Alpinweiss. Enquanto ando pela rua, enfio a cabeça em várias boutiques pequenas. Eu sorrio, lembrando da minha conversa com minha irmã mais nova, Dahlia. Ela me disse que isso não seria uma grande metrópole, com um complexo de compras. E lembro-me de como ontem eu disse a ela que não precisava de nada, que pequenas lojas e vendedores independentes eram suficientes. Eu não estava procurando por fantasia. Eu estava procurando por aventura. Entrando em uma loja com casacos de inverno na vitrine, sou recebida por uma mulher de cabelos prateados com olhos brilhantes. — Oh, Princesa Iris, você veio fazer compras aqui, na minha pequena loja? — Eu suponho que sim. Fui encarregada de comprar roupas de inverno e achei que você poderia ter botas do meu tamanho? Eu tenho um pé de numero 35.


— Tudo bem — diz ela rindo. — Direta ao ponto. Isso é bom. Sem bobagens, assim como o Príncipe Garrick. — A mulher pega minha mão. — Eu sou Lindy. — Estou surpresa, para ser honesta, que você sabe o meu nome — eu admito. — Eu não sabia que o casamento foi anunciado. Mas enquanto eu caminhava aqui esta manhã, muitas pessoas pareciam saber sobre isso. — Oh, eu acho que pequenos passarinhos estavam conversando. Aparentemente, a recepção de ontem foi muito bonita, não que alguém na cidade tenha sido convidado, é claro. Mas nós não somos realeza. — Direitos, certo. — Crescendo em Elexia, a realeza era uma brincadeira. Sim, eu sempre tive esse título de Princesa, mas não é assim que as pessoas imaginam. Enquanto a Cinderela se casou com o Príncipe Encantado e dançou a noite toda, essa nunca foi a minha vida, e não parece que é isso que Garrick quer para sua vida seja também. Essa parte, eu posso lidar. Eu não preciso de pessoas bajulando sobre mim, ou uma assistente pessoal agendando minhas nomeações de cabelo. Poxa, eu cresci com a minha irmã mais velha me dando um corte de cabelo a cada seis semanas. Cabeleireiros em Elexia? Fora de questão. — É surpreendente ver uma princesa andando por aí, a própria Rainha nunca faria uma coisa dessas. Não que eu esteja falando mal da vossa Alteza Real. Claro que não! — diz Lindy. — Não? Onde eles compram? Onde a Rainha tira suas roupas?


— Ordena de Paris, claro. Ela viaja com frequência. Ir às cortes reais é seu passatempo favorito. Embora o castelo seja histórico, ela é adaptada a cada centímetro quadrado, pelo menos é o que todo mundo diz. Eu nunca estive dentro do castelo. — Certo. Eu só estou aqui há um dia, então não posso falar pela a Rainha, mas o castelo era muito bonito. E sim, o exterior parece rústico, mas por dentro era lindo. Não impressionantemente gritante, mas definitivamente não ... digamos, o lugar em que o Príncipe Garrick mora. — Você quer dizer a cabana? Ele realmente te levou lá ontem à noite? — Lindy ri. Ela olha através de uma prateleira de casacos e tira alguns. — Ele fez. — Eu tento um casaco bronzeado e abotoo-o. O primeiro é muito grande e eu tento em um segundo, que se encaixa melhor e é mais quente também. — Você acha que Garrick gostaria desse? — Eu perguntei a Lindy. — Eu acho. Garrick é confortável, não um que brinca ao redor. E não consigo imaginar uma esposa dele voando para Paris em busca de roupas. — Eu nunca estive em Paris. — digo a ela. Ela tira um par de botas e se ajoelha para me ajudar a colocá-las. Elas são de amarrar, são resistentes e práticas. Eu pego meu telefone e tiro uma foto com minhas botas novas. Eu imediatamente penso em colocar a foto no Instragram com a hashtag #nãoexatamentesapatosdevidros antes de me lembrar que eu deletei esse aplicativo do meu telefone.


Estranhamente, não sinto falta disso. Eu guardo o meu telefone e olho para Lindy. — Você sabe — diz ela. — Garrick construiu aquela cabana quando ele era apenas um adolescente. A coisa sobre esse garoto é que ele nunca pareceu se importar com o que alguém pensava. Especialmente seus pais. — E o povo de Alpinweiss? — Eu pergunto. — Eles pensam muito dele, mesmo que ele não seja exatamente um príncipe tradicional? Nas minhas novas botas, eu ando até outra prateleira e escolho alguns lenços, adicionando-os à minha pilha crescente — Quem precisa de um príncipe tradicional? — Lindy encolhe os ombros. — Garrick sempre pode ser encontrado ajudando alguém que mora aqui na cidade. Seja participando de um jogo de kickball no pátio da escola ou ajudando na colheita nos campos de um fazendeiro local. Garrick faz as coisas do seu jeito. Pode incomodar algumas pessoas, mas ninguém que viva e trabalhe aqui se ofendeu pela maneira que Garrick escolheu viver sua vida. — Eu vejo — eu digo, mordendo meu lábio. É atraente, ouvir tantos elogios sobre ele. — Você sabe, em sua cabana, ele não tem eletricidade — confio, não sabendo muito bem por quê. — Ou água quente. Lindy ri, sacudindo a cabeça. — Oh aquele menino. Ele pode ser o príncipe das pessoas, mas de jeito nenhum esse comportamento vai acontecer quando você é o marido de alguém.


— Então, eu peço essas coisas, você não acha que está pedindo demais? — Demais? — Lindy sacode a cabeça. — Os homens precisam de uma mulher para ajudá-los, suavizar suas arestas, por assim dizer. — Obrigada Lindy. Eu sei que não sou exatamente uma princesa tradicional, mas agradeço sua franqueza comigo. Lindy me ajuda e organiza para que as malas sejam entregues na cabana. Agora que sei que não estou sendo muito exigente ao exigir que meu marido consiga uma geladeira, sinto-me revigorada pelo plano que inventei com Hunter e Violet esta manhã. A parte mais difícil de seguir com o plano é que eu realmente gosto de Garrick. Eu quero estar perto dele novamente, em breve. E eu quero ver se o nosso relacionamento pode crescer em algo mais. Não que eu esteja esperando isso. Querer se apaixonar pela pessoa com quem você foi casada não é necessariamente a mentalidade mais realista. Mas ainda assim, seria incrível. Sorrindo, saio da loja e procuro a próxima loja da minha lista. Lederhosen e Lingerie da Lucy são impressos no toldo da loja do outro lado da rua. Perfeito.


Eu estou sentado lá tendo a cerveja sem número, quando vejo Iris cutucar a cabeça no bar. — Essa é a sua princesa? — Kurt pergunta, acenando com a cabeça em direção à entrada. Aparentemente todo mundo sabe quem é minha nova noiva. O artigo no Alpinweiss Times documentou o incidente do bolo de casamento completamente o suficiente para dar a Iris não apenas um rosto para a nossa nação, mas também para que todos saibam o quão encantadora e adorável ela é. Eu abaixei minha cerveja, grunhi um sim e atravessei o bar lotado em direção a Iris. — Olá, Garrick — diz ela, sorrindo e me oferecendo sua bochecha para beijar. Eu me inclino e escovo meus lábios em sua pele, então, incapaz de me conter, eu puxo sua boca para a minha. Ela não se afasta, em vez disso, ela envolve seus braços em volta do meu pescoço e me beija mais profundamente. Seus seios estão pressionados contra o meu peito e eu envolvo meus braços ao redor de sua cintura.


Os clientes parecem gostar do nosso PDA real, porque começam a gritar e a assobiar. Quando nos separamos, o rosto de Iris fica vermelho com o calor pulsando entre nós. É um alívio saber que nossa química não foi uma coisa única, e o colapso desta manhã parece ter desaparecido há muito tempo. Eu não achava que era possível que ela fosse mais atraente, mas vêla entrar no bar com um casaco de inverno e botas resistentes só me excita mais. — Você quer uma bebida? — Eu pergunto. Eu preciso que ela saiba que eu não vou fazê-la sofrer. Ela quer eletricidade? Tudo bem, vou dar eletricidade a ela. Eu quero que esse casamento funcione. Além de querer fazer isso funcionar com ela, eu também quero cuidar dela, quero ser um homem em quem ela possa confiar. Então, vou arrumar a cabana para o gosto dela, se é disso que ela precisa. Iris sorri para mim e pega minha mão. — Eu adoraria uma bebida, Garrick. Eu pensei que você nunca perguntaria. Eu a levo para o bar, onde Kurt se apresenta. — Então você é a mulher presa com esse cara? — Kurt inclina a cabeça em minha direção. — Eu suponho que sim — diz Iris, sorrindo. — Mas você sabe, eu tenho feito bastante compras hoje e, ao longo do caminho, muitas pessoas me deixaram saber exatamente o que pensavam sobre meu novo marido. Parece que você tem uma boa reputação, Garrick.


Iris gira em sua banqueta para me encarar. Eu apenas balanço minha cabeça, não tenho certeza se quero saber o que ela ouviu. Eu peço duas cervejas. — Você está com fome? — Faminta! Faço um pedido de bratwurst, schnitzel e pretzels quentes. Kurt coloca dois pilsners na nossa frente. — Você não quer ouvir o que dizem nas ruas? — ela me tenta. — Tudo bem, tudo bem. Então, o que você ouviu? Eu me endureci pela dura verdade. Se ela estiver conversando com minha mãe ou qualquer de suas amigas, não acho que eu queira saber os detalhes. — Na verdade, foi tudo de bom. Parece que me casei com um homem que a maioria das pessoas por aqui acha útil e generoso. — Ela levanta a caneca de cerveja e bate na minha. Depois de tomar um gole não tão delicado, ela limpa a boca com as costas da mão. — Kurt — diz ela. — Isso é delicioso. Você faz isso sozinho? Eu olho para Iris, percebendo que essa garota sabe como mover seu charme em alguém. Meus pais a amavam porque ela me levou para a recepção na noite passada, a cidade a ama porque ela empurrou bolo na minha cara, e eu não posso ajudar, mas acho que eu poderia amá-la, considerando o jeito que ela me montou a noite toda. E também o jeito que ela marchou no bar com tanta confiança e me beijou sem pensar duas vezes.


— Nós fazemos isso aqui. É bom saber que a esposa do Príncipe Garrick aprecia a bebida local. — Bem, em casa em Elexia nós não tínhamos cerveja. Ponche de rum, essa era a nossa bebida. Cocos frescos recheados com rum de cano alcatrão. Problema com um maiúsculo T. — Iris sorri e pisca seus olhos brilhantes para ele, e eu juro por Deus, Kurt cora. Kurt, um homem que rejeitou mulheres por mais de uma década. Kurt, que está por trás deste bar com um avental esticado em toda a sua barriga de cerveja. Caido por Iris em questão de minutos. — Soa como o meu tipo de festa. — Kurt bate a mão contra o bar. — Vocês dois não deveriam estar aqui. Vão ter uma lua de mel tropical no paraíso, bebendo rum de coco. O que eu não daria por isso. Ele dá uma piscada para Iris antes de voltar para a cozinha. — Ele é um guardião — diz Iris, observando a porta da cozinha se fechar atrás de Kurt. Eu aceno, apreciando que ela imediatamente se aqueceu para Kurt. Eu não tinha certeza se minha princesa seria capaz de lidar com um pub gorduroso. O fato de que ela não é repudiada por isso me dá outra razão para vê-la como algo diferente da realeza típica que eu antecipei quando meus pais me disseram que haviam escolhido minha noiva. Iris é bonita por ela mesma. Ela não apareceu aqui usando roupas de grife ou carregando bagagem extravagante. E o fato de ela ter vindo porque seu pai faliu me lembra que ela provavelmente não está acostumada com as coisas boas da vida.


O que é bom, considerando que o que eu tenho oferecido a ela é um passo acima de um banheiro externo. Ela ainda está aqui. Ela não fugiu do país nem insistiu em uma anulação. Ela não é a garota de alta manutenção pela a qual receiei. — O que? — ela pergunta. — Por que você está olhando assim para mim? Eu dou de ombros, levemente envergonhado com o quanto estou pensando nela. — Então. — eu começo, querendo mudar de assunto. — Você estava falando sobre mim pela cidade, não é mesmo? — Eu me inclino mais perto para os nossos ombros se tocarem. — Você está pescando elogios? — Iris sorri. — Talvez eu esteja. Isso é tão ruim? Porque, para ser honesto, eu não recebo muitos elogios quando estou perto da minha família. Então, a ideia da minha mulher gostar do que vê, eu juro por Deus que fico duro só de pensar nisso. — Oh, o Príncipe Garrick tem um ego machucado? Não tem a suficiente atenção da mamãe e do papai? Os olhos de íris se elevam, seu sorriso se alarga. Provocação. Problema. — Eu não preciso dos meus pais para me fazer sentir melhor.


— Oh? — Iris morde o lábio inferior. — E o que faria você se sentir melhor, marido? Eu balancei minha cabeça, sabendo que ela não está jogando de maneira legal. E eu estou fodidamente amando cada segundo desse flerte. Iris parece trazer um lado lúdico de mim que ninguém mais faz. — Eu sei exatamente o que me faria sentir melhor. Minha boca está na dela em um instante. Ela é quente e carregada, e eu estou com tesão pra caralho. Eu tive um gosto dela ontem à noite e quero outro. E vê-la naquelas botas e no casaco pesado - vendo, de alguma forma, sua concessão. De jeito nenhum ela teria comprado aquelas roupas se ela planejasse sair em breve. Sua boca se abre e minha língua encontra a dela. Eu afundo no beijo, puxando-a para o meu colo, minha mão em sua cintura, Meu pau duro pra caralho. — Eu quero tanto você. — eu rosno em seu ouvido. — Oh sim? — Ela geme, mordiscando minha orelha em troca. — Eu também quero você, Garrick. Eu continuo pensando na noite passada. Ela suspira, os olhos cheios de desejo. — Princesa, eu não posso esperar. — Eu pego a mão dela, levando-a para a parte de trás do bar. Eu preciso tocar sua pele, tomar tudo dela. — Eu preciso de você. Agora. — Garrick, e se alguém ver? — Ela vira a cabeça, sabendo que o resto do bar está assistindo cada movimento nosso. Bem-vinda a ser um casal real. — Você se importa se alguém vir?


Ela sorri, balançando a cabeça e pressionando a mão contra o meu peito. — Me leve a algum lugar, Garrick. Deixe-me terminar o que não consegui fazer na noite passada. Eu gemo, me ajusto em minhas calças e agarro a mão dela. A eletricidade dispara entre nós com aquele simples toque. Eu a levo escada abaixo, fora dos olhos do público, e a puxo para um banheiro.


Eu ouço a porta batendo atrás de nós, Garrick acende as luzes. Nós dois estamos respirando pesadamente, e eu não consigo manter minhas mãos longe dele. Vê-lo no bar me lembrou o quanto eu quero estar na presença deste homem. Não demora muito até que minhas mãos estejam na fivela do cinto, tirando-a e chicoteando o couro até o chão. Ele está de costas para a parede, e isso me lembra da noite anterior, em seu quarto de infância, quando ele tirou minha virgindade. Quando ele me fez uma mulher. Quero esse sentimento de novo, esse sentimento de ser desejada, esse sentimento de ser dele. E eu tenho agora. Eu sei que pode ser incrivelmente ingênuo pensar que Garrick realmente me quer por mais do que apenas o meu corpo, mas neste momento eu acho que ser desejado por isso pode ser o suficiente. — Oh, princesa, você é magnífica. A boca de Garrick está na minha novamente, me beijando. Suas mãos percorrem meus longos cabelos, a trança desembaraçando-se sob


seus dedos. Nossos lábios estão machucados e inchados enquanto nós devoramos um ao outro com fome. Sua língua contra a minha faz minha buceta doer. Aperto minhas coxas juntas, tão excitada, tão consumida com a ideia dele e de mim, e por um momento me esqueço do meu ultimato. Sobre o meu plano. Eu esqueço a lingerie debaixo das minhas roupas, sob este grande casaco de inverno. O sutiã de renda vermelha e a tanga que eu comprei. Eu esqueço de tudo isso, porque tudo o que posso pensar é o pau de Garrick entre nós. Eu puxo suas calças, meus dedos no cós da cueca dele, pronta para avançá-lo sobre sua enorme vara. O que eu vi na noite passada, o que eu senti dentro de mim na noite passada, mas não um que eu tive a chance de lamber, chupar. E talvez eu tenha feito um ultimato sobre o que eu daria a ele com meu corpo. Mas eu não fiz nenhum ultimato sobre o que eu daria a ele com a minha boca. E com a minha boca agora? Eu planejo abri-la o máximo possível, sugando-o até que ele encha minha boca com aquela semente que ele encheu minha buceta com a noite passada. Eu quero provar o seu gozo e engoli-lo. Eu quero ele. — Oh, princesa, não me provoque — diz ele, quando eu alcanço minhas mãos em sua boxer. Eu as puxo, minha mão envolvendo seu comprimento. — Você gosta disso? Você gosta quando eu te toco, Princípe?


Sua cabeça cai para trás e um gemido escapa de sua boca. Eu gosto de fazer ele se sentir assim. Porque é exatamente assim que ele me faz sentir. Suas costas estão contra a parede. Com meus dedos estendidos sobre ele, eu os corro sobre seu abdômen esculpido, depois abaixo, até que eles pousam em sua bunda nua. Eu aperto suas bochechas apertadas enquanto eu descanso em meus joelhos. — Princesa, isso é tão bom pra caralho. Sua afirmação é tudo que eu preciso. Eu tomo seu comprimento com uma mão e rolo suas bolas com a outra. Seu pau é tão duro, firme e veloz. Seu pau já está gotejando com pré-gozo. Eu lambo a gota de creme, lambendo meus lábios depois de engolir. Eu levanto meus olhos, prendo-os nele. Garrick balança a cabeça levemente, seu pau vibrando com a vida. A intensidade desse ato, desse momento, faz com que o mundo se torne tão pequeno. Neste momento somos apenas nós. Eu abro minha boca, de repente nervosa. Eu paro, olhando de volta para ele. — Você vai me dizer como fazer isso, não vai? Ele concorda. Eu pergunto: — Está certo? É isso que você quer na minha boca? — Eu quero você em todo lugar. Não há como você fazer isso errado. Tudo o que você faz é tão certo.


Meus lábios apertam em torno de seu comprimento, e eu encho minha boca com sua grandeza até que a ponta bate na parte de trás da minha garganta. Quando Garrick geme acima de mim, suas mãos descansando levemente no topo da minha cabeça, faz com que minha buceta se infiltre com prazer. Estou tão molhada e isso só me deixa mais animada. Com meus mamilos apertados e minha buceta inchada, eu começo a sugar vigorosamente. Meus dedos rolam suas bolas, e eu chupo forte. Dentro e fora, dentro e fora, meus olhos se fecharam, minha boca cheia. Tudo neste momento parece tão certo. Quanto mais ele geme, mais tenso seu pau se torna, e eu posso dizer que ele está avançando em direção a liberação. Eu o puxo para fora, querendo lamber suas bolas, chupa-las também. Eu deixo cair uma na minha boca e a chupo, enquanto minha mão envolve seu comprimento e puxa lentamente para cima e para baixo. Adoro chupar suas bolas, rolando-as na minha boca, e então deixo minha língua lambê-las novamente, rolando minha lingua para cima, e colocando seu pau de volta na boca o chupando. — Eu estou tão perto. — Garrick me diz. — Eu vou gozar. Isso só me faz querer fazer melhor. Mais. E assim eu faço. Eu o chupo até ele começar a explodir, cobrindo minha garganta com sua semente leitosa. Eu o engulo, deixando sua liberação salgada encher minha boca.


Eu continuo sugando até que a última gota se foi, até que seu pau espesso se enfraqueceu. Eu o puxo da minha boca, beijando seu comprimento, beijando sua ponta. Eu amo o jeito que seu pau enorme parece, amo o jeito que ele se encaixa na minha boca e se encaixa na minha buceta. Como se fosse feito só para mim. — Você tem um gosto tão bom — digo a ele, limpando a boca novamente. Eu não quero deixar seu pau, mesmo que isso pareça insano. É tão quente e poderoso. Isso me faz sentir como uma deusa. Poderosa. Eu quero me sentir assim sempre. — Eu quero sua buceta — ele me diz. — Sua buceta deve estar doendo por mim. — Ele pega minhas mãos, me ajuda a ficar de pé. Eu me sinto delirante, intoxicada. E eu sei que não foi a cerveja. Foi de ter bebido seu gozo. — Deixe-me levá-la agora — diz ele. Eu pisco, querendo isso, mas então eu lembro da minha estipulação. Eu não estou dando a ele minha buceta a menos que ele me tire dessa porcaria. Isso é superficial? Provavelmente. Mas as palavras estúpidas já estão fora da minha boca.


— Minha buceta quer você — eu digo. — Mas isso significa que você está pronto para concordar com o meu ultimato, como você o chamou? É tarde demais para pegar as palavras de volta. Seus olhos ficam estreitos, seus lábios se curvam em confusão. — Nós vamos voltar a isso? — ele pergunta. Eu pressiono meus lábios juntos, sem saber como sair disso, querendo que ele me dê o que eu quero, sem quaisquer amarras. Eu dei a ele um boquete porque eu queria. Eu estava completamente envolvida no momento. Ficar de joelhos e me submeter a Garrick parecia tão certo, tão natural. Tão quente. Mas agora ele está olhando para mim como se não tivesse intenção de se mover um centímetro de onde está empolgado com suas opiniões, e isso faz minha cabeça girar em frustração. Uma batida na porta do banheiro nos separa ainda mais do que já estamos, então nos movemos em questão de segundos. Garrick puxa as calças, aperta o cinto. Nós trancamos os olhos um no outro. — Precisamos discutir esses termos — diz ele, balançando a cabeça brevemente antes de abrir a porta.


Nós subimos as escadas e meus olhos estão em sua bunda perfeita o tempo todo. Acabei de ter o boquete da minha vida, e venho descobrir, minha esposa não quer que eu devolva o favor. Encontramos nossos assentos nos bancos e Iris me olha com frustração. O que é besteira, eu sou o único que acabou de ser rejeitado. Porra, toda vez que eu sinto que ela e eu fazemos uma incursão, algo vem entre nós. Eu preciso de uma chance para explicar o porque de eu ter tudo do meu jeito. Antes que eu possa falar, a porta da cozinha se abre e Kurt aparece. Ele está carregando pretzels quentes e salsichas em sua mão, e ele os deixa diante de nós com um floreio. — Para a princesa. Espero que a comida esteja do seu agrado. — Oh, tenho certeza que será maravilhoso, Kurt. Tem um cheiro delicioso. Iris sorri com firmeza. Eu quero que ela me conte tudo o que ela está pensando.


Este pub gorduroso é tudo menos um bom jantar, mas, mais uma vez me lembro que Iris é gentil e doce com qualquer um que ela vê em frente. Eu engulo, percebendo que não tenho a mesma habilidade. Claro, sou capaz de me dar bem com as pessoas aqui na aldeia. Mas as pessoas no castelo dos meus pais, o lugar onde eu preciso passar mais tempo, tomando conta das coisas? Eu não consigo fazer as pazes com minhas obrigações reais e com o meu próprio desejo. E agora, meus próprios desejos estão crescendo. Precisando tirar minha mente do meu pau ainda duro e o que ele quer fazer com Iris, eu peço outra rodada. Kurt rapidamente pega nossas canecas e as enche. Ele as coloca na mesa ante de nossos pratos de comida e sai para atender os outros clientes. Os clientes ainda vigiam Iris e eu de perto, mas não presto atenção neles. Agora só tenho olhos para ela. — Você está pronta para falar sobre o ultimato? — Eu pergunto. Ela exala, pegando uma salsicha no espeto e dando uma mordida. Ignorando minha pergunta. — Essa comida é muito boa — diz ela. — Você come fora com frequência? — Eu como aqui na maioria dos dias, para ser honesto. Como você viu, nossa casa não é exatamente preparada para cozinhar. Com minha referência à minha cabana de um quarto, vejo Iris fisicamente ereta. Lembrá-la do nosso lugar parece apenas lembrá-la das maneiras que eu me recusei a ceder.


— Então esse é o plano então, nós só vamos comer fora todos os dias? A química sexual do banheiro se dissipou. — Eu realmente não sei qual é o plano, Iris. Acabamos de nos casar ontem. — Eu sei quando nos casamos, Garrick. — Iris revira os olhos. Eu corro minha mão pelo meu cabelo. — Droga, Iris, achei que uma maratona de compras te deixaria mais leve. E eu pensei, lá embaixo, que você e eu estávamos vendo as coisas olho no olho. Mas eu juro por Deus que você quer ficar assim por nada. — Por nada? — Iris bufa. — Não nada — eu emendo. Porra, ela pode não gostar do meu compromisso. Ela está de volta a insistir para sair de lá, para sempre. — Podemos apenas deixar nossas diferenças de lado por um momento e desfrutar de uma refeição? — Eu respiro fundo, não querendo brigar. — Bem. Vamos falar sobre algo menos político. — Ela pega sua cerveja e bebe de uma maneira muito pouco feminina. É fodidamente quente pra caramba, e eu percebo, enquanto ela coloca a cerveja meio caída no bar, ela não está muito feliz com a conversa. Eu odeio isso. Eu odeio que eu tenha feito isso com ela. Ela precisa saber que eu acho que ela é incrível de um jeito espirituoso, não mexa comigo. De um jeito que me faz reconsiderar tudo que já pensei sobre mulheres, sobre minha vida.


Por que eu iria querer ser um solitário quando essa princesa pudesse ser minha parceira de crime? — Bem, princesa, devo dizer que você parece muito fofa nessas roupas. Ela me lança um olhar de soslaio e um leve sorriso surge do canto da boca. Nós não passamos por aqui. — Oh sim? — Iris, eu quero dizer isso. Você parece fantástica. Eu sei que hoje de manhã nós começamos com o pé errado ... — Pé errado? — Sua cabeça gira tão rápido, seus olhos em chamas e trancados nos meus. Ela não está me deixando fora do gancho facilmente. E talvez seja o tipo exato de mulher que eu preciso. Uma mulher que não aceita nenhuma besteira. Que fala sobre o que exatamente está acontecendo. — Garrick, esse não foi algo começado com o pé errado. Isso foi uma briga. — Tudo bem — eu digo, levantando as mãos em derrota. — Uma briga. E sinto muito por isso. Ela encontra meu olhar. — Você quer dizer isso? Você sente muito? — Sinto muito. — Quanto?


— Sinto o suficiente que estou disposto a fazer algumas concessões para tornar a nossa situação de vida menos tensa. — Concessões? Jesus, Garrick. Sou sua esposa. — Exatamente. — Como sua esposa, eu quero mais do que uma concessão. Eu quero seu … Ela pára a si mesma no meio da frase, olha para as mãos e apertaas com força, puxando-as para o colo. Suas bochechas coram e ela parece envergonhada. — O que é? — Eu pergunto, tão gentilmente quanto posso administrar. — O que você quer? Iris sacode a cabeça e vejo um traço de lágrimas no canto dos olhos dela. Droga, a última coisa que quero fazer é fazer minha esposa chorar. — Escute, quando eu disse concessões, eu não estava tentando ser um idiota. Eu tenho algumas idéias de como podemos nos comprometer, isso é tudo. O que você disse esta manhã fez muito sentido. Deveríamos ter eletricidade em nossa casa. E devemos pegar uma geladeira. Talvez até mesmo um fogão adequado. Dessa forma você pode cozinhar nossas refeições. Iris olha para mim, de queixo caído. — O que eu disse agora? — Eu pergunto, incrédulo, afastando meu prato de comida intocado. — Então eu posso cozinhar suas refeições? — ela hesita. — É pra isso que eu estou aqui? É o que você quer de mim?


— De jeito nenhum. Há muito mais que eu quero de você. Acho que você me deu uma boa dica do que é capaz no banheiro. — Garrick, eu sou uma princesa — ela sussurra, grita. — E sabe de uma coisa? Todas as mulheres são princesas nesse requesito. Todas as esposas são. Todos as parceiras são. E pensar que estou aqui só para chupar seu pau e te fazer o jantar? Deus. Se voce me vê …. Ela balança a cabeça, uma mancha de lágrimas enchendo seus olhos. Ela deve perceber que há pessoas ao nosso redor, porque ela abaixa a voz e fala com os dentes cerrados. — Se você me vê apenas como uma coisa para ter, em vez de uma pessoa para ter e segurar ... alguém para amar ... Eu não vejo como isso vai funcionar. — Iris … — eu digo, estendendo a mão para ela, percebendo tarde demais o quão louco eu soava. Mas é muito tarde. Ela saiu do banquinho e se dirigiu para a porta. Kurt pode não ter ouvido toda a troca doméstica, mas ele tem a essência disso. Ele me lança uma sobrancelha levantada e balança a cabeça. — Príncipe Encantado, você tem algum trabalho a fazer.


Eu limpo as lágrimas dos meus olhos quando eu saio do bar. Estou envergonhada, e não porque eu queria exalar algum tipo de perfeição. Não no mínimo. Eu posso ser uma princesa, mas estou longe de ser perfeita. Eu corro o mais rápido que posso e vou para uma rua lateral, agachada atrás de uma lixeira onde, do jeito menos elegante, eu choro meu coração. Fiquei desconfortável no bar, principalmente porque percebi que Garrett não sente o que eu sinto por ele. Sinto-me atraída por ele com certeza, mas mais do que isso, sinto uma conexão com ele. Quando suas mãos me seguram, quando seus olhos encontram os meus, parece que estamos conectados em um nível mais profundo que o físico. Parece que estamos conectados e parece amor. Há vislumbres onde eu acho que ele realmente me vê, realmente me entende. Então o momento passa e sua teimosia fica no caminho de qualquer coisa real. Estou envergonhada porque estava tão perto de lhe dizer que sim, estou realmente apaixonada por ele. Mas eu sei que ele não está se apaixonando por mim.


Sou a pessoa que ele quer na cabana. De volta a Elexia, quando me sentei com Dahlia e arrumei minhas roupas, ela me disse que eu precisava me preparar para o pior cenário possível, o pior cenário é que Garrick não quer estar casado comigo. Eu disse a mim mesma que não era uma opção real. Claro que quero que meu marido me queira. Claro, é um casamento arranjado, mas eu tenho esse desejo ingênuo de ser arrebatada e levada para um romântico feliz para sempre. O unicórnio completo montando no por do sol. Mas quando me sentei no bar, ouvindo as palavras de Garrick, logo após ficar de joelhos, não pude deixar de me sentir uma tola. Eu achava que ele e eu estávamos nos aproximando, e tenho todos esses grandes sentimentos, sentimentos de querer ser dele. Eu quero gritar com ele ou gritar para ele. Eu queria meu plano, esse plano onde eu compro lingerie extravagante e o lambuzo de creme para poder lambê-lo. Eu pensei que talvez pudesse ser tão fácil e leve quanto isso. Como se isso fosse algo além da minha vida real, meu casamento real. Garrick merece mais do que isso. Nosso casamento merece mais do que um sutiã e uma lata de chantily. Não é? Na rua, há turistas por toda parte tirando fotos da capela de casamentos em que eu foi casada, posando em frente a cavalos brancos que puxam carruagens, tirando fotos em frente à praça da cidade. Eu não quero estar aqui.


Eu não quero estar perto de todas essas pessoas, em um país que parece desconhecido. Eu pensei que queria uma aventura, mas agora eu só quero me enrolar na cama e chorar. Empurrando minhas mãos nos bolsos do meu novo casaco, eu ando pelo beco, sabendo que preciso fazer o meu caminho em direção à cabana. Para onde mais devo ir? O castelo não é uma opção. Eu pude ver através da frágil fachada dos pais de Garrick na noite passada, ver como nosso casamento era um show para eles. Uma oportunidade para eles nos colocarem no desfile, assim como Garrick queria evitar. Eles podem ser meus sogros, mas eles não se sentem como uma família. E é isso que é estranho quando estou com Garrick. Eu só o conheço há um dia ... mas já estou disposta a lutar por este casamento. E sim, lutar contra ele também. Eu quero dar um soco na cara dele. Eu quero gritar com ele e gritar com ele e dizer a ele como realmente me sinto. Ele me machucou, mas isso não significa que eu vou fugir dele. Eu paro no meu caminho, percebendo que é exatamente o que estou fazendo. Eu corri para fora do bar, em vez de sentar e dizer: Garrick, me escute. Você está me machucando. Eu mereço melhor. Eu deveria ter ficado.


Eu continuo dizendo que quero uma aventura, mas o que realmente se resume a isso é querer experimentar coisas fora da minha zona de conforto, sendo forçada a me expandir para uma pessoa maior e melhor. Ser corajosa também é uma aventura, enquanto estou caminhando para o desconhecido. E talvez a aventura que estou procurando esteja dentro de uma pequena cabana com um homem que faz meus joelhos fracos, minha barriga fraquejar e minha buceta doer. Talvez isso não seja algo pequeno. Talvez esteja me concedendo permissão para dar um salto de fé com o homem com quem sou casada. O homem por quem eu me apaixonei. Rápidamente. Talvez se eu pular, ele vai me pegar. Eu respiro fundo e me viro, sabendo que preciso marchar de volta para aquele bar e dar a Garrick um pedaço da minha mente, não me importando com quem me ouve. Eu vou entrar lá e deixá-lo saber que estou lutando por isso. Por nós. E que eu não vou embora novamente. Também vou explicar que ele é um idiota maluco de pensar que vou engraxar duas botas e lavar suas camisas de flanela e fazer o ensopado de carne todas as noites. Eu sou uma princesa. Assim como todas as outras mulheres. E eu mereço ser tratada como tal. Inferno, eu vou arrastá-lo de volta para o banheiro gritando em seu rosto e dizer-lhe como realmente me sinto. Porque piscar de volta as


lágrimas não faz nada, e enxugar as lágrimas não me trará o casamento que eu quero. O relacionamento que eu quero. A vida que eu quero. Fugir só vai me deixar em paz. No bar, abro a porta e examino o quarto. Garrick não está aqui. Eu mordo meu lábio inferior, me perguntando onde ele foi. Os olhos de Kurt encontram os meus. Ele caminha até mim, me entregando um lenço. — Ele saiu princesa, momentos depois que você saiu. Mas isso deve ter sido á dez minutos atrás, ou mais. Quer ir ao bar, sentar e tomar uma bebida? — Não — eu digo, balançando a cabeça. — Obrigada, mas preciso ir para casa. Eu engulo, chocada quando digo ‘para casa’, quero dizer a cabana de Garrick. Agora, esse é o único lugar que eu quero estar. E eu espero que ele esteja lá esperando por mim.


Quando eu saio do bar e percebo que Iris saiu da praça da cidade sem olhar para trás, eu sei que só há uma maneira de eu fazer as pazes com ela. Há apenas uma maneira que importa. Eu abaixei minha cabeça, não querendo atrair a atenção de nenhum dos malditos turistas. Eu ando direto para o castelo, me recusando a deixar minhas idéias estúpidas atrapalharem a única coisa boa que já aconteceu comigo. No momento em que pus os olhos em Iris na capela, soube que ela era um anjo, um que não mereço. E sei que temos muitas coisas que precisamos discutir e resolver, mas nada disso importa. No segundo em que eu disse que ela poderia me cozinhar em um novo fogão, eu sabia que soava como um idiota. Eu vi seus olhos se encherem de lágrimas, a vi sacudindo a cabeça em sua decepção. Decepção por mim. Essa é a última coisa que eu quero que ela sinta. É um sentimento que eu nunca quero que ela experimente novamente. Não é justo, embalá-la em meus braços a noite toda e depois


desconsiderar seu valor no dia seguinte, para lhe dar esses tipos de altos e baixos. Ela merece melhor que isso. Toda mulher merece. E vou mostrar a ela que vou desistir das coisas das quais tenho tanto orgulho e, minha cabana, minha autoconfiança, meu eu idiota, porque nada disso importa se eu não a tenho. Eu ando direto para dentro do castelo, não esperando o lacaio abrir a porra da porta ou o mordomo se dirigir a mim. A conversa que preciso ter esperou por muito tempo. Passando a mão pela barba, paro diante do escritório do meu pai. Respirando fundo, sei que estou prestes a dizer algo que nunca pensei que fosse dizer. A mesma coisa que só ontem eu jurei que nunca faria. É louco pensar o quanto pode mudar em tão pouco tempo. Mas nenhum dos meus ideais vale a pena se eu estiver sozinho. Eu bato na porta e espero meu pai responder. — Sim? — ele diz. Eu viro a maçaneta da porta e entro em seu escritório com painéis de madeira. É claustrofóbico aqui. Livros enchem as prateleiras, mas mais do que isso, tudo é polido e perfeitamente no lugar, sem qualquer detalhe esquecido. A vibração histórica é forte, e tudo é uma relíquia, o que é estranho, considerando que nada disso tem qualquer valor pessoal para alguém que ainda vive. Mas meu pai é meticuloso sobre a aparência das coisas. E esse escritório é mais meu pai do que qualquer coisa. Eu suspiro, resignando-


me à percepção de que será o meu espaço um dia. Mas sabendo porque vim para cá, sei que pode ser o meu espaço mais cedo do que eu esperava. — Pai, eu vim para discutir um assunto urgente com você. — Urgente? — Meu pai me olha e faz um gesto para a cadeira em frente a ele. Ele se senta atrás de uma mesa com papéis empilhados. Eu sei que perdi tempo suficiente, não levando o papel de herdeiro do trono a sério do jeito que meu pai deseja. Mas tudo o que foi preciso foi um enorme olhar de decepção no rosto da minha esposa para eu perceber que é hora de mudar meus modos. Mesmo que isso signifique gastar menos tempo na aldeia e mais tempo com dignitários pomposos. — O que te traz aqui exatamente, Garrick? — meu pai pergunta. Eu me sento e olho diretamente para ele. — Eu tenho um pedido para você. Eu sei que é exatamente o oposto de tudo que venho dizendo há anos, mas tive uma mudança em meu coração. — Não me diga que acha que está mandando Iris de volta? Você se casou com ela. Não há como você sair disso agora. Ela é sua esposa, droga, Garrick. — Deus não — eu digo, revoltado com a ideia de enviar Iris para qualquer lugar, mas para a minha cama. — Eu não quero manda-la embora. — O que você quer?


— Eu quero voltar. Eu quero voltar aos negócios da família. Não vou mais me recusar a jogar pelas suas regras. Não vou mais ignorar a corte real. Não vou mais sair das festas mais cedo. — Sério? — Ele pergunta, descrença escrita em seu rosto. — E o que fez você mudar? — Iris — digo-lhe claramente. — Iris é tudo o que eu quis. Os olhos do meu pai se estreitam, mas ele consegue ver a expressão genuína no meu rosto. Ele balança a cabeça, um sorriso no rosto. — Eu lhe disse na sua cabana na semana passada que o casamento era um compromisso. Você aceitou o conselho do seu velho pai, eu vejo? — O coração de Iris é tudo que eu quero. Meu pai fica de pé, aperta minha mão. Ele chama pela a minha mãe e discutimos os detalhes. Ela joga os braços em volta de mim, com mais carinho que eu acho que já recebi dela. Eu ficaria ofendido, mas se é isso que Iris quer, é o que vou fazer. — Garrick, estou tão orgulhosa de você — diz ela apertando meus ombros. — Finalmente conseguindo achar algum sentido. O casamento faz isso com um homem. Precisamos chamar os buldôzeres! Eu sinto meus ombros tensos em suas palavras. Minha cabana significa muito para mim, e sua demolição não é apreciada. Não há nenhuma maneira no inferno que essa coisa vai ser demolida. Em vez de me aproximar, me afasto do abraço dela, não querendo azedar o clima. Eu nunca fiz meus pais tão orgulhosos. Mas o orgulho deles significa tão pouco. Não é por isso que estou fazendo isso.


Meu pai nos serve uma bebida e nós levantamos nossos copos em um brinde. — Para novos começos — diz meu pai. Eu abaixo o uísque e faço o meu caminho para fora. Eu preciso sair deste castelo sufocante e conquistar o coração da minha esposa.


Eu chego na cabana vazia e vejo que vários pacotes foram entregues à nossa porta da frente. São todos os itens que comprei anteriormente. Nenhum deles tem o mesmo prazer agora que estou aqui sozinha, agora que decidi que minhas táticas de conquistar meu marido eram infantis e imaturas. Levando-os para dentro, eu desembrulho as peças e olho para cada item com cuidado. Dedilhando o tecido macio e sedoso das camisolas e calcinhas, tudo o que posso imaginar é usá-las para Garrick. Meu coração se enche de emoção, percebendo que, se eu pudesse reescrever a história, nunca sairia do bar. Eu ficaria e explicaria que ele estava sendo um idiota. É então que eu sei, não estou apenas me apaixonando por ele. Eu amo-o. Porque eu sei que ele disse algumas coisas de merda no bar, mas sei que sem dúvida ele vai cair em si e pedir desculpas. Ele me ofereceu um compromisso, e sim, eu estava procurando por mais, mas as últimas vinte e quatro horas foram um choque para o meu sistema, e sei que deve ser igualmente chocante para ele. Estamos forjando uma vida juntos,


quando estamos acostumados a ver as coisas apenas de nossos próprios pontos de vista. E eu sei que pelo o jeito que ele olhou nos meus olhos, o jeito que ele tocou minha pele e me segurou em seus braços fortes ... Eu sei que ele voltará aqui esta noite. Eu olho para a mala ao lado da minha cômoda, observando que não tenho planos de fazer as malas tão cedo, a menos que Garrick esteja me levando em uma lua de mel. Com intenção, coloco meus novos sutiãs e calcinhas de renda nas gavetas em que elas pertencem. Olhando pela pequena janela, vejo que o sol se pôs. O dia desapareceu diante dos meus olhos. Eu acho que eu demorei fazendo compras, mais do que eu pensei ter demorado. Dando um boquete por mais tempo do que eu pensava. Brigando mais do que eu queria. Eu olho para o fogão a lenha. O fogo já se apagou há muito tempo e sinto um frio se espalhar sobre mim. Eu não posso nem tomar um banho para me aquecer. Em breve, porém, vou pelo menos conseguir colocar um cobertor elétrico. Garrick disse que instalaria um fogão e tomadas elétricas. Isso é suficiente? Garrick construiu esta cabana com as mãos. Isso é sexy e forte, e não é algo que eu deveria ter descartado tão facilmente.


Olhando ao redor da cabana, eu sei que esta é a minha casa. Eu mordo meu lábio, sabendo que eventualmente Garrick chegará. Nós vamos brigar, com certeza, mas depois, vamos fazer as pazes. Meu coração se agita. Eu quero oferecer meu amor a ele, começando pelo meu corpo. Eu escorrego minhas roupas e olho na gaveta para um sutiã branco, o mais sexy do grupo. Eu puxo-o, e a renda branca aperta meus mamilos, o decote não deixa nada para a imaginação. O fio dental expõe minha bunda e a malha de volta é cortada. Eu já posso imaginar seus dedos acariciando minha pele. Eu pego um longo robe de seda branca e amarro ao redor da minha cintura, cobrindo o segredo abaixo. Assim que eu aperto o cinto, a porta da cabana se abre. De repente, estou nervosa. Eu quero ver seus olhos para poder entendê-lo melhor — Iris? — ele chama. Eu me afasto da cômoda. — Estou aqui. Garrick está de costas para mim enquanto ele fecha e tranca a porta da frente. Seus ombros largos me lembram que ele é um homem forte e capaz ... e acredito que ele é capaz de me amar. Eu acredito nele. Ele se vira para mim, com os olhos severos. Surpreende-me vê-lo com frio, o rosto de um homem que vive sua vida nas montanhas. Ele tem um gorro sobre o cabelo, nenhuma coroa principesca. A gola do casaco está alta no queixo e a respiração é gelada.


— Está fodidamente frío aqui — diz ele, apertando as mãos. — Eu sei. Eu não sabia como começar o fogo. Ele acena com as minhas palavras. — Está bem. Eu não esperaria que você fizesse isso. Confusão me envolve. Ele deve ver isso, porque ele balança a cabeça, caminhando em minha direção. — Droga, isso saiu errado. Quero dizer, nunca deveria ter deixado você aqui sozinha quando está tão frio. Eu deveria estar aqui para acender o fogo. — Onde você esteve? — Pergunto enquanto ele se vira para o fogão a lenha e abre a porta para ele, acrescentando alguns troncos junto com gravetos e um fósforo. — Eu procurei por você depois que você saiu do bar, mas eu não sabia onde você tinha ido. — Isso não responde à minha pergunta — eu pressiono. — Onde você foi, Garrick? Ele se levanta e caminha de volta para mim. Desta vez seus ombros caem, seus olhos estão em mim. Eu o vejo engolir, inspirar, depois pegar minhas mãos. — Eu tive que falar com meu pai. — Seu polegar esfrega círculos por cima da minha pele. Seu toque é perturbador. Eu tento me concentrar. — Por que seu pai? Você não pode suportar ele ou o castelo.


— Eu tive que fazer alguns planos. — Ele apaga a minha pergunta novamente. Estou ficando impaciente. — Que tipo de planos? — Ouça, eu não quero brigar com você. De novo não. — Eu não estou começando uma nova briga, eu juro — eu digo a ele. — Nós nunca terminamos nossa última briga quando eu corri para fora do pub. — Princesa, brigando ou não, eu tenho que te dizer uma coisa. Eu torço meus lábios, lembrando da briga no pub tão claramente. E sim, eu quero ir para a parte de ‘fazer as pazes’, mas precisamos lidar com a atitude chauvinista dele primeiro. — Deixe-me adivinhar. Você também decidiu que podemos ter um aquecedor de água quente? Eu puxo minha mão da dele e cruzo meus braços. Eu quero que ele me leve a sério. — Sim. De fato, eu decidi. Eu levanto uma sobrancelha, não esperando isso tão rapidamente. Onde quer que ele foi parece tê-lo amaciado. — Bem desse jeito? — Você quer água quente, inferno, claro que você pode ter isso. Mas você também pode ter muito mais.


— Diga-me o que mais eu posso ter. — eu digo, não deixando ele fora do gancho. Eu quero que ele se ajoelhe. E sim, isso pode estar me dando uma emoção barata, mas eu não me importo. Eu quero que ele implore como ele me fez implorar a noite passada. — Diga-me o que mais eu tenho como sua esposa. — Meu coração. Tudo isso. Eu te amo, Iris. — Não, você não ama. — eu digo rapidamente, balançando a cabeça em descrença. Aqui estou, recebendo tudo o que quero. Parece muito de uma vez, todos os meus sonhos se tornando realidade. — Isto é. Tudo que eu quero fazer é estar na sua presença. Tudo que eu quero fazer é te apertar em meus braços. Tudo que eu quero fazer é mudar tudo que eu já pensei ser verdade, para te fazer feliz. Se isso não é amor, o que é isso? O que é isso, Iris? — Você quer mudar tudo para me fazer feliz? — Droga, princesa. Sim. Tudo. Eu arremesso meus braços ao redor dele, querendo desesperadamente que ele saiba como essas palavras fazem tudo dentro de mim inchar em algo bonito. — Eu também te amo, Garrick. É por isso que preciso que você saiba que fiz uma escolha. — Uma escolha? — Ele pergunta, seus braços em volta da minha cintura, me puxando para mais perto dele.


— Sim. Uma escolha. Eu posso ficar aqui. Nesta cabana. Porque é uma cabana que você construiu, um lugar que você ama. Eu queria uma aventura. Bem, viver sem água quente é uma aventura louca se eu já ouvi falar de uma. Eu quero fazer uma vida com meu príncipe da montanha. Ele me beija então, e meu robe cai dos meus ombros, expondo minha pele nua. Ele me puxa para mais perto, perto o suficiente para que eu possa sentir sua espessura esfregando contra mim. Ele esfrega sua barba desgrenhada no meu pescoço e tudo que eu imagino é o rosto dele entre as minhas pernas, chupando meu ponto mais macio. O robe cai, e eu estou de pé diante do homem que amo em nada além de renda. Ele rosna no meu ouvido, sussurrando seu desejo. — Eu vou fazer amor com você, princesa, a noite toda. Para sempre. Você é minha. — Sim — eu respiro. — Sou sua.


Eu levo seu seu corpo lindo, envolto naquele pequeno terno de renda, seus mamilos firmes e duros, sua bunda nua. Minhas mãos correm por suas bochechas, puxando-a para mim, então não há espaço entre nós. Meu pau está duro. Eu sei que ela sente isso, porque as mãos dela descem, pegando a vara entre nós. Suas mãos correm sobre os cumes do meu pau, meu jeans uma barreira desnecessária para o que nós dois precisamos. Para o que nós dois queremos. Meus dedos correm por sua espinha até a base do pescoço. Segurando seu rosto, meus polegares em seu queixo, eu levanto-o um pouco, então ela está olhando para mim. Respirando pesado e quente, ela pega meu cinto e desabotoa, desabotoa minha calça, descompacta-os. O cinto é arrancado dos laços e jogado no chão, e meus jeans estão nos meus tornozelos. Eu disse isso antes e vou dizer de novo, essa garota é problema. Mas ela vale a pena. A verdade disso, a verdade que demorou tanto tempo para ver, é que ela não é um problema.


Ela é a resposta. A resposta para minha dúvida, a resposta para minhas paranoias. Agora eu tenho um motivo. Um preposito. Eu farei qualquer coisa se isso significar que estou melhorando sua vida. Com minhas calças abaixadas, ela desliza da minha cueca. Meu pau duro é segurado em suas mãos quentes. Cada toque faz com que eu a queira mais profundamente, mas sei que preciso dizer o que vim aqui para dizer antes que passe mais tempo. Eu não quero dormir com ela novamente, fazer amor com ela, até que ela saiba das minhas intenções. — Eu me encontrei com meu pai. Minha mãe também. — Mesmo? Nós vamos falar sobre duas pessoas que você não vê olho no olho, quando eu estou lidando com seu pau, quando minha buceta está molhada? Eu balancei minha cabeça, sobrecarregado de amor por essa mulher. Ela não tem barreiras. Ela é quem ela é, descarada e irrestrita. Ela é minha parceira perfeita. Nunca em um milhão de fodidos anos eu achei que faria o que pudesse para encantá-la. Para cortejá-la. Para conquistá-la. — Eu te disse que te amava. — Eu digo a ela, segurando seu rosto com as mãos. — E eu queria dizer isso.


— E eu também te amo, Garrick. — Amor significa sacrifício. — Sim — diz ela. — Eu ouvi isso. — Ela ri baixinho. — Onde você está indo com isso? — Eu sei que você está disposta a fazer sacrifícios por mim. Viver nesta cabana. Mas eu não vou pedir para você fazer isso. Na verdade, não tem como eu deixar você fazer isso. — O que você quer dizer? Garrett, o que você está dizendo? — Eu estou dizendo que você é minha princesa. Você merece o mundo e eu lhe darei tudo o que você quiser. Eu fui a meus pais e disse a eles exatamente a mesma coisa. Estamos nos mudando para o castelo. Vou te dar os vestidos de baile e os bailes reais no tribunal ... — Não, Garrick. Não é disso que eu preciso. — Não é sobre o que você precisa. É sobre o que você quer. O que você quer? Eu vou dar para você. O sol, a lua, as estrelas. A porra do mundo. Eu já te dei meu coração, mas você merece mais do que meu coração. Você merece tudo o que tenho para oferecer. — Garrick — diz ela, lágrimas transbordando em seus olhos. Eu uso meus polegares para limpá-las, puxando-a para perto de mim. — Não chore. — Elas são boas lágrimas, eu prometo. Você só tem muito a aprender sobre mim. Eventualmente você saberá todas as minhas lágrimas. As boas, as dramáticas, eu vou começar a minha menstruação.


Eu rio, amando o jeito que ela coloca tudo lá fora, não se escondendo atrás de nada. — Eu sinto muito que eu disse essa merda sobre você fazer minha comida. Eu não sei onde eu tenho idéias assim, exceto que eu sei que quero fazer uma vida com você, e talvez isso não signifique lavar roupas e cozinhar o jantar. Talvez uma vida com você signifique algo completamente diferente, que nenhum de nós sabe ainda. Talvez você queira entrar na floresta comigo e montar armadilhas. Inferno se eu sei, mas tudo que eu quero fazer é descobrir maneiras pelas quais nossas vidas podem se cruzar. Descobrir juntos. — Obrigada. Por se desculpar, por ter vindo a seus sentidos. Eu sabia que você faria. — Oh sim? — Eu sorrio. — Você sabia que eu iria entender? — Bem, eu não esperava que você me oferecesse um castelo, mas eu esperava que você voltasse rastejando. E eu estava preparada para recompensá-lo por suas desculpas. — Sim, como você ia fazer isso? — Meus dedos deslizam por seus ombros, pelos braços. Passado a cintura dela, aproximando-me da sua buceta. — Eu acho que você sabe. Eu ia lhe dizer que te amo e depois ia oferecer-lhe o meu corpo. Ela pega a minha mão, em seguida, pressiona em sua buceta molhada. Eu aponto o tecido de sua lingerie, e pego de lado, deixando meus dedos pastarem suas dobras suculentas. — Seu corpo é tão bom.


— Quem precisa de uma aventura quando você pode me explorar, Garrick? Quando eu posso explorar você. Agora, isso é tudo que eu quero. — Iris sorri. Eu pressiono minha boca na dela, querendo capturar esse sorriso dela. Querendo pressionar meus lábios contra os dela até que minhas intenções sejam cristalinas. Ela é minha. Eu sou dela. Nossa aventura acabou de começar.


EPÍLOGO UMA SEMANA DEPOIS

Garrick e eu acordamos em uma barraca coberta pelo orvalho da manhã. Abro a aba e ponho a cabeça para fora, vendo as montanhas ao nosso redor que ainda estão meio adormecidas. O sol ainda não se levantou, e vejo nossa fogueira cinzenta da noite anterior a vários metros de distância. Ninguém está aqui. É só meu marido e eu. Juntos. — Volte aqui, princesa. — Garrick pega a minha mão, me puxando para ele, e eu rio quando o zíper da tenda cai do meu aperto e eu caio nos braços do meu marido. — Eu acho que você me prometeu uma rapidinha de manhã? — Garrick pergunta. — Sempre. Nós rimos.


Eu sei que meu hálito matinal provavelmente é nojento, mas estou apostando na ideia de que, como não consigo perceber nada de errado com ele neste momento, ele não notará essas coisas sobre mim. Estamos em um devaneio de lua de mel, e literalmente nada pode nos fazer cair do alto. — Deixe-me ver com o que estou trabalhando. — Eu puxo o saco de dormir do corpo do meu marido. A barraca está suada, e uma pilha de nossas roupas de caminhada de ontem foi empurrada em um canto. Mas nós não nos importamos. Deixe-me dizer, estando aqui, acampado fora de Machu Picchu, no Peru, é uma aventura em si. A aventura que eu tenho esperado. Mas estar com Garrick, dia após dia, aprendendo o que significa amar um ao outro, é um nível totalmente diferente de exploração. — Oh, Principe, você é tão difícil. — Eu sorrio, lambendo meus lábios, já empolgada em me encher com o homem que amo. — Você está pronta para me montar? Não há necessidade de responder. Minha buceta estava molhada no momento em que olhei para sua dura ereção matinal. Eu o monto, levantando meus braços enquanto ele puxa meu top de algodão. Suas mãos envolvem minha cintura, apertando minha bunda. E quando estou em cima dele assim, não me sinto apenas poderosa, me sinto adorada. Amada.


Procurada. Eu sinto que sou dele. Meus dedos envolvem seu pau, acariciando-o suavemente antes de levantar minha bunda ligeiramente e aliviá-lo dentro de mim. Eu digo ligeiramente, mas é mais de uma polegada por polegada inalar e exalar, enquanto eu deixo meu corpo se encher de prazer. As ondas de desejo correm sobre mim e eu descanso minhas mãos em seu peito sólido, olhando em seus olhos. — Garrick, você se sente tão bem em mim. Eu gentilmente balanço meus quadris, e suas mãos cobrem meus seios grandes. Com ele puxando meus mamilos, eu me inclino, deixando meus seios caírem em seu rosto, e ele os amamenta suavemente, causando arrepios de prazer em mim. Eu me movo um pouco, minha buceta latejando de prazer quando seu pau empurra dentro e fora de mim, agradável e lento. Eu corro meus dedos pelo cabelo dele, puxando as pontas ligeiramente, provocando. Minha boca bate contra a dele. Ele me beija profundamente, com força. Ele me beija do jeito que um homem que ama uma mulher beija. Ele me beija como um príncipe beija sua princesa. — Não pare, princesa. Continue me montando assim. Ele sabe que eu vou. Depois que ele me disse que se encontrou com seus pais e me ofereceu o castelo, eu soube, sem um momento de hesitação, que isso nunca funcionaria.


Eu queria aventura, não um vestido de baile abafado e dançar a valsa. Eu queria uma vida com Garrick, não uma vida que ele se ressentisse. Então, em vez de nos estabelecermos, decidimos começar a ver o mundo em nossa lua de mel, porque percebemos rapidamente que nunca tínhamos visto nada. Eu vivi minha vida em Elexia e ele ficou preso nos territórios do norte. Há tanta coisa que podemos ver, que podemos explorar juntos. E assim nos comprometemos a seis meses onde faríamos exatamente isso. O bônus adicionado? Eu disse ao Rei e à Rainha que não estávamos oficialmente usando controle de natalidade, e que eu tinha toda a intenção de ficar grávida durante os primeiros seis meses do nosso casamento. Tudo o que eles queriam com isso era um herdeiro, e eu jurei fazer o meu melhor para conseguir um deles. A ideia de estar cheia do filho de Garrick me faz doer de desejo, e eu balanço com mais força contra o pau do meu marido. Garrick comprometeu-se com o pai sobre o seu trabalho. Compromisso, minha nova palavra favorita. Depois da nossa lua de mel, ele será o Embaixador Real, o que significa que ele vai viajar e representar o país de Alpinweiss. Eu vou acompanhá-lo, obviamente. Eu vou viajar, ele estará cumprindo seu dever como membro da família.


Enquanto isso, podemos projetar nossa casa dos sonhos. Uma nova ala para o castelo. Porque enquanto a Aldeia Histórica é importante para o seu país, é claro que morar no corredor de seus pais faria com que Garrick se sentisse como se estivesse sempre vivendo na sombra de outra pessoa. — Em nossa nova casa … — digo a ele. — Precisamos ter uma sala de sexo. — Uma sala de sexo? — Garrick olha para mim quando eu me levanto de novo, minha bunda no ar enquanto eu o monto. — Sim, eu estou pensando em um balanço, alguns chicotes, algemas? — Veja, eu sabia que minha princesa queria uma aventura. — Eu vi o trailer de Fifty Shades Darker. Me chame de inspirada. — eu digo, rindo, subindo e descendo sobre ele. — Eu não disse que você era problema? — Ele pergunta, envolvendo as mãos em volta da minha bunda quando eu gozo, montandoo com força. Ele vem, enchendo-me com sua semente. Minha boca encontra a dele novamente e eu o beijo, deixando minha língua se entrelaçar com a dele. Eu estou completamente feliz. E completa. Meu celular toca o que é tão chocante, considerando que estamos no meio do nada. Eu rolo meu marido e cavo em minha bolsa para o meu celular. Eu arranco o bastão de selfie que ainda está preso.


Chocante, Garrick concordou em posar para um punhado de selfies em nossa lua de mel. Ele sempre parecia um idiota, mas a verdade era que ele só precisava de uma mulher para suavizar suas arestas. Eu atendo a ligação. — Iris? — minha irmã mais nova Dahlia pergunta. — O que é? — Eu pergunto, me abaixando no chão enquanto Garrick envolve seus braços em volta de mim. Estou tão chocada ao ouvir a voz da minha irmãzinha. Ela deveria estar a meio caminho do altar agora. Não me ligando. — Preciso da tua ajuda. Há uma nevasca, e eu não conheci o príncipe e estou presa aqui com seu guarda-costas ... e, Iris ... Estou ferrada. — Ferrada como eu estava quando eu não queria estar vivendo em uma cabana de um quarto, ou como um problema real? — Na verdade, ferrou. Eu me apaixonei. Completamente. — Como isso é um problema? — Eu te disse, Iris. Não conheço o príncipe, o homem com quem devo casar. Estou apaixonada por outra pessoa. Antes que eu possa dizer mais, a chamada termina em um zumbido estático. Ela disse que houve uma nevasca. Eu pressiono a chamada, mas o telefone dela toca e toca. — Tudo certo? — Garrick pergunta. — Não. Minha irmã precisa de ajuda para chegar ao altar.


Eu olho para o número e tento novamente. Direto para sua secretária eletrônica. — Vamos para a cidade e tentar obter um sinal melhor — sugere Garrick. — Ou usar um telefone fixo. — Não é nem o nascer do sol. Nada está aberto ainda. — Percebendo que não há nada que eu possa fazer neste exato momento para ajudar Dahlia, eu olho para meu marido, fingindo inocência. — O que faremos nesse meio tempo? — Vamos ver … E é exatamente isso que fazemos.

Profile for Princesa Diana

Mountain Prince 2 - Frankie Love PT BR  

Mountain Prince 2 - Frankie Love PT BR  

Advertisement