Page 1


Disponibilização: Flor de Lótus Tradução: Laísa Revisão: Mimizinha Revisão Final: Blue Leitura Final: Flor Formatação: Flor de Lótus


Bucking Bronco Sugar County Boys #1

Madison Faye Grande chapéu, grande arma. Corda grossa e comprida. O maior garanhão do rancho está de olho em uma mulher de sorte, E se ela quer montar um cavalo? Bem, ele é mais selvagem do que ela jamais ousou montar. Áspero, selvagem e pronto para resistir a noite toda.

Eu nunca precisei de muito depois que deixei meus dias de rodeio para trás. Apenas eu, minha terra, meus cavalos, minha paz e um silêncio de merda. Mas isso é antes dela entrar no meu mundo como uma selvagem.


Mais bonita do que uma flor do campo e mais feroz do que o luar do Kentucky. Eu a tenho bem amarrada e segura depois de confundi-la com uma ladra de cavalos. Mas um olhar para aqueles grandes olhos escuros, aquelas pernas que não acabam, e essas curvas suaves que imploram para serem exploradas, e eu não tenho certeza se eu algum dia vou deixá-la ir. Eu sei que deveria ficar longe de uma tentadora menina da cidade, como Tara Stokes. Eu sei que ela trabalha para a família do outro lado que tem uma disputa de sangue com a minha. Mas eu também sei que uma vez que provar o gosto daqueles lábios carnudos e tudo que eu irei querer é tornála minha. Este pequeno espírito livre precisa ser domado. Para sua sorte, ela se deparou com o maior cowboy de Sugar County. Porque os garotos do campo fazem melhor. Garotos do campo fazem mais forte. E os garotos do campo duram a noite toda. Tara pode não saber disso ainda. … Ah, mas ela irá.


Capítulo 1 Tara

Porra, estou com problemas. Eu luto, mas a corda só corta mais minha pele, e quando isso acontece, os pequenos espinhos do arame farpado cavam contra a minha perna. Eu estremeço, sibilando em dor e frustração. Sim, eu não vou a lugar nenhum. Merda. Essa foi uma ideia tão ruim. Tudo isso foi uma péssima ideia. Idiota, idiota, idiota, eu resmungo para mim mesma. Por que eu simplesmente não subi a entrada como uma pessoa normal? Apenas siga em frente, bata na porta e... ...E então o que? Então, o que eu diria ao lendário e indomável, notoriamente hostil a estranhos em sua propriedade, Colton Bronson?


Oi, Sr. Bronson, preciso que você assine a venda de sua terra por esse preço que ambos sabemos que é uma merda? Certo,

isso

sim

cairia

bem. Essa

conversa

iria

conseguiria a atenção de qualquer um, mas com ele, ela não iria funcionar em nada. Eu não sei como Colton Bronson é pessoalmente, mas sei sobre ele. Aparentemente, muitas pessoas por aqui sabem dele. “Sua reputação chega na sala antes que ele faça”, como dizem. Uma vez, o homem tinha sido quase uma estrela dos rodeios. Engraçado para um garoto do interior do Kentucky, em vez de um lugar como o Texas, Oklahoma ou o Wyoming, mas Colton Bronson era um cowboy. Ele tinha até uma equipe da ESPN1 o seguindo em um de seus últimos circuitos desde que ele estava quebrando tantos recordes e inadvertidamente sendo o “novo rosto quente do rodeio’”. Com aquela selvageria acidentada, ridiculamente esculpido, boa aparência, e uma escuridão que nem mesmo aquele cabelo loiro poderia disfarçar, Bronson era como o David Beckham de montaria em cavalos. Mas então um dia, ele desistiu. E desde aqueles dias de glória, ele tinha voltado para casa aqui em Kentucky, Sugar County, criando cavalos em seu rancho. Criando cavalos, mantendo-se isolado, e aparentemente fazendo seu nome como a pessoa menos acessível em cinco 1

Rede de televisão ligada a esportes


condados. Toda a pesquisa que minha empresa tem sobre Colton aponta para uma ‘provável reação hostil’ à nossa oferta. E para minha sorte eu sou a pessoa a enfrentar isso. Sou a única a dar um passo em frente na propriedade do homem que alguns no condado disseram ter o recorde de atirar em invasores. Atirando neles. Ou no meu caso, uma armadilha. Sim, o trabalho com a Synergy Coal Consultants era uma merda o suficiente quando isso significava pouco dinheiro no acordo e eu aparecendo com a oferta ridícula em meu bolso de trás. Mas tenho certeza de que a descrição do trabalho nunca mencionou a entrada no que eu sei que é uma armadilha para ladrões de cavalos. O nó da corda no qual o meu tornozelo está preso está entrelaçado por um arame farpado, por isso, mesmo que tivesse uma faca, não conseguiria me libertar. Conhecida como uma armadilha de corda, é uma corda, por isso não é totalmente cruel por destruir a perna de alguém com arame farpado. Mas as pontas eram longas apenas o suficiente para lembrar de que você não vai a lugar nenhum. Não, armadilhas como essa não fazem parte do treinamento com a Synergy Coal. Mas nem sempre eu era a garota da cidade de terno, saia e saltos com uma pasta. Há sangue de Kentucky nas veias desta camponesa, mesmo que eu saiba que esqueci minhas raízes.


Eu não sou de Sugar County, mas é perto o suficiente, para ajudar a acalmar meus nervos antes de me desafiar a bater na porta da frente de Colton, eu decidi ir para uma caminhada assustadora. Em um terno de saia. Com saltos. Bem, os saltos eu tirei, mas ainda assim. Quem faz isso? Pessoas loucas. Pessoas malucas fazem isso. Pessoas loucas como eu, aparentemente. Minha licenciatura em negócios internacionais e comunicação, e meu mestrado de negócios na Ivy League não devem funcionar aqui. Certamente não para qualquer lugar perto de Kentucky. Originalmente, eu havia alinhado a chance de uma vida com uma empresa internacional que eu amava. Mas isso se foi quando eu descobri que meu ex, Ben, estava me traindo. Com gosto, tudo com peitos dentro de cem milhas. Depois disso eu meio que me perdi por um tempo. Não porque eu estava triste por perder esse idiota. Eu sabia que estava melhor sem ele. Mas, vamos lá, quando o seu namorado dorme com metade de suas ‘amigas’, a sua orientadora da escola e a garçonete no seu bar favorito, bem, essas doeram. Duas semanas nunca deixando a cama e me sustentando puramente de uísque e pizza de delivery, o trabalho se foi. A Synergy Coal não tinha sido nem uma segunda

escolha. Ou

a

terceira. Ou

pagamento era decente o suficiente.

décima. Mas

o


Além disso, eu precisava de uma mudança de cenário de Chicago depois de Ben. Então eu assinei, e não foi até que eu fiz que eu percebi que o trabalho que eles estavam me dando era o que ninguém queria: convencer as pessoas do sul, nas partes remotas e no interior do país a vender a terra que suas famílias haviam vivido por três séculos a uma empresa de carvão. Tudo por pouco dinheiro. A jogada era, todo mundo sabia que era uma situação de pegar ou largar. Você levava o pagamento de merda, ou Synergy Coal ou quem você estava lidando

com

domínio

eminente,

pagava

políticos

para tirar a terra de qualquer maneira. Eu

estive

nisso

duas

semanas

inteiras,

e

eu odeio isso. Mas não é como se houvesse outros empregos batendo na minha porta. O rancho de Colton está situado em uma tonelada de terra que as pessoas que eu trabalho querem. E tudo que eu queria eram cinco minutos de serenidade antes de enfrentar a porta da frente dele. Algum blog de caminhada antigo mencionou um riacho antigo com uma linda cachoeira a uma pequena caminhada da estrada lateral para sua propriedade, então eu decidi tomar um fôlego para me preparar. Bem, o blog estava errado, aparentemente. Nenhum riacho, apenas uma armadilha de ladrão de cavalos. Eu

torço,

e

eu

instantaneamente

estremeço


novamente quando as farpas cravam na minha pele. Eu entrei nessa coisa, provavelmente cinco horas atrás, e agora está começando a escurecer. Meu telefone não recebe sinal aqui, e vai morrer logo de qualquer maneira, assim quando a escuridão realmente se instalar. Droga. Fecho os olhos, como se bons pensamentos pudessem, de alguma forma, me tirar dessa confusão, quando, de repente, ouço o estalo de galhos. Meus olhos se abrem e eu congelo. ...Existem ursos nessas partes? Há o som de outro estalo e meu coração pula no meu peito. Eu

puxo

meu

celular

para

fora,

acendo

a

lanterna apesar da bateria fraca tentando iluminar na escuridão da floresta ao meu redor. Meus olhos examinam as sombras, meu coração dispara quando o silêncio desce novamente. Lentamente, deixo escapar meu fôlego. Meu coração desacelera. Eu engulo, e eu apago a lanterna enquanto meus ombros caem. — Bem, olhe para isso. Eu grito, virando e ofegando, meus olhos se arregalam ao ver o homem. Eu quase engasgo com meu coração na garganta, e eu recuo para correr para longe antes que a mordida afiada da armadilha me lembre que eu não vou a lugar nenhum.


A figura sombria sai das árvores. A primeira coisa que noto é o chapéu de cowboy e, instantaneamente, sei que é ele. Colton. O luar cintila através das árvores, cintilando naqueles olhos

cinza-azulados

de aço

e

em

sua

mandíbula

esculpida. Ele está de jeans, botas, uma camisa xadrez desabotoada com uma camisa branca por baixo. Seus antebraços ondulados com músculos crus onde as mangas de sua camisa estão enroladas, e quando meus olhos seguem os músculos até suas grandes mãos, eu suspiro. Ele

está

segurando

uma

espingarda,

e

é

apontando diretamente para mim. — S—senhor — eu gaguejo, meus olhos arregalados e a cor escorre do meu rosto. — Espere. Senhor, meu nome é... — Seu nome é ladra e é tudo que eu me importo, senhorita — ele rosna, aquele sotaque doce em sua voz profunda de barítono. Eu pisco. — Desculpe? — Onde está sua equipe? — Minha equipe? Colton franze a testa, tirando o chapéu e deixando os dedos passarem pelos cabelos loiros. Sua camisa xadrez puxa num ombro, mostrando-me um vislumbre de músculos ondulados e tinta de tatuagem.


Eu engulo em seco. Ei, que tal você parar de checar o cara que te prendeu, que agora tem uma arma apontada para você, huh louca? Eu assobio para mim mesma. Os olhos de Colton perfuram dentro de mim, tirando meu fôlego e fazendo meu pulso martelar. — Nunca é apenas um de vocês, a menos que uma pequena coisa como você estivesse com o objetivo de fazer isso sozinha. Eu sacudo minha cabeça. — Senhor, você entendeu errado, meu nome é... Com o barulho da espingarda eu suspiro. — Sr. Bronson! Seus olhos se estreitam. — Então você me conhece, hein? — Sim. Como eu estava dizendo... — Você sabe meu nome como você sabe que isso é uma terra privada? Como aqueles sinais que dizem para não invadir? Eu

mordo

meu

lábio,

observando-o

com

cautela. Lentamente, porém, abaixa a arma. — Isso tudo é um grande acidente. Um mal-entendido. — Eu respiro. — Você pode me soltar? — Não. — Ele coloca o chapéu para trás em sua cabeça e encolhe os ombros. Meus olhos se estreitam em um olhar fixo.


— Você não pode prender pessoas assim, Sr. Bronson. É ilegal. — É a minha terra. — diz ele com quase uma ponta de humor em sua voz, como se ele estivesse se divertindo com isso. — Me solte! Agora! — Eu disparo, meus nervos desgastados começando a quebrar depois de tudo isso. Colton sorri para mim. — Qual é a palavra mágica? — Por favor? — Errado. Eu gemo. — Ugh! Que porra é essa palavra mágica então? — Você tem uma boca suja em você, garota. — Eu sou muito melhor quando não tenho uma arma apontada para mim. Há aquele sorriso arrogante novamente, mas abaixa a arma ainda mais. — Eu não estou aqui para roubar seus cavalos, Sr. Bronson. Ele não diz uma palavra. — Quero dizer, olhe como eu estou vestida? Ele coça o queixo, seus olhos frios deslizando sobre mim, deixando calor onde eu sei que eles não deveriam. O luar filtra através das árvores, iluminando tudo dele e me fazendo ofegar um pouco quando eu realmente o absorvo.


Bom senhor, ele é gostoso. Tipo,

absurdamente. Injustamente,

do

gene

tipo

‘dominante das partes quentes’. Eu faço uma careta para mim mesma por dentro. Estes são meus hormônios fodendo comigo porque não há nenhuma maneira que eu esteja realmente verificando o fazendeiro bruto dono da armadilha em que estou presa. Certo? Colton finalmente suspira e caminha na minha direção, o que faz meu pulso pular. — Não se mexa. Ele se ajoelha, suas mãos se movendo sobre a minha perna nua abaixo da bainha da minha saia. Eu posso sentir minha pele formigar sob seu toque áspero, e eu engulo quando eu sinto esses grandes dedos apertarem minha panturrilha. Ele enfia a mão no bolso de trás e tira uma pequena ferramenta de gancho de metal, que ele usa para deslizar através de uma bobina de arame na armadilha e torcer. Instantaneamente, o laço em torno do meu tornozelo se solta. Eu puxo minha perna livre, choramingando quando a parte de trás do meu tornozelo pega em um último arame farpado. — Obrigada. — Eu bufei. Eu me viro para pegar meu telefone no chão quando, de repente, ele me agarra.


Eu grito, ofegando quando ele me puxa para cima, como se eu não pesasse nada, me jogou por cima do ombro, e então apenas começou a andar. — Me solta! — Eu grito, dando socos em suas amplas e musculosas costas com meus punhos. — Sr. Bronson, você precisa me deixa ir nesse inst... — Essa perna precisa de cuidados, — ele resmunga, suas mãos apenas apertando em mim quando ele começa a andar por um caminho através da floresta. — Me coloque no chão, inferno! — Eu grito. — Eu posso andar, deixe-me ir!! Mas ele não estava ouvindo, ou preferindo não escutar, andando pela floresta comigo sobre um ombro, com o chapéu inclinado e a espingarda na mão. Eu posso sentir seus músculos do ombro ondulando, sua mão poderosa me segurando firme contra as suas costas. — Me deixe ir! — Não, — ele rosna. — Eu não decidi se você não está aqui para roubar meus cavalos. Eu pisco em choque. — Você está brincando comigo? — Parece que estou brincando? Eu o chuto enquanto nós descemos através das árvores, mas sem efeito. — Parece que você é um sequestrador de merda...


— Nós realmente precisamos fazer algo sobre essa boca, — ele rosna baixinho, sua voz retumbando através de mim. — Garota safada. Eu tremo, suas palavras pulsando um calor através de mim que eu sei muito bem que eu não deveria estar sentindo. … Sim, algo está errado comigo. — Eu não estou aqui para pegar seu maldito cavalo! Eu estou aqui por Synergy Coal! Colton congela, seus passos parando. Um grunhido baixo ressoa através dele, e de repente, eu suspiro quando ele me tira do ombro e me empurra contra uma árvore. — Diga isso de novo. Eu engulo. — Synergy Coal. Eu vim para te perguntar sobre... — Oh, eu sei o que você 'veio' para me perguntar, — ele sussurra. — Eu sei quem você é. E eu sei para quem caralho você trabalha. Você veio para me pedir para assinar um acordo de otário. Veio para tentar me enganar. — Ele rosna as palavras para fora, seus lindos olhos cinza-azulados se estreitando para mim. — Sr. Bronson... — Senhorita... — ele franze a testa. — Droga, qual é o seu nome? — Tara. Tara Stokes.


— Tudo bem então, Tara. — Colton sorri fracamente. — Você está certa. Você não é uma ladra de cavalos. Eu suspiro. — Obrigada. Agora como eu... — Você é bem pior. Minha respiração para quando ele me pega de volta, meu coração balança de volta na minha garganta quando ele me joga por cima do ombro novamente e começa a andar. — Que diabos você está fazendo! — Você é minha agora. — Ele rosna. Meus olhos se arregalam, minha cabeça girando. — Sinto muito, o quê?! — Eu sabia que você era uma ladra. — Eu não estou aqui para roubar seus malditos cavalos. — Apenas minhas terras, certo? — Ele sussurra, e minha boca aperta. — Mas o que quer que você seja, você está invadindo. — Colton rosna. — E agora eu tenho que descobrir o que vou fazer com você.


Capítulo 2 Colton Ela se contorce contra mim, e não adianta fingir que não tem efeito sobre mim. Meu pau palpita. Meu sangue ruge. Algo quente troveja através de mim. Eu rosno enquanto eu saio da floresta e subo o caminho principal até a casa, seu pequeno corpo apertado se contorcendo de novo em mim. Puta que pariu, tem sido um caminho muito longo, aparentemente. Porque eu estou agindo como um maldito adolescente, ficando duro pra caralho por causa dessa garota. Mas droga, que garota. Pernas longas. Deliciosas. Quero dizer, inferno, um homem poderia se perder explorando-as. Você poderia segui-las até sua pequena bunda torneada embrulhada naquela elegante saia cinza. Um corpo que quero passar minhas mãos por toda parte. Lábios suaves e carnudos que cospem fogo e atrevimento. Lábios que eu quero reivindicar com os meus.


Ela não parou de lutar comigo, ou tentou chutar ou me dar um tapa por todo o caminho até a minha casa. Ela é como uma potra selvagem para eu domar. Ela está certa, ela não é uma ladra de cavalos. Mas eu só pensei que ela fosse por um segundo, antes de dar uma boa olhada nela. Os ladrões de cavalo não parecem tão bons, ou sozinhos. Os ladrões de cavalos não usam de fato saia ou têm pequenas pastas de couro. Não, eu sabia quem ela era assim que eu soube que ela não estava lá para levar meus cavalos. Eu sabia que ela estava lá para pegar tudo. Primeiro eu só queria foder com ela, para assustá-la um pouco. Inferno, não é nada menos do que ela merece, trabalhando para quem ela trabalha. E não me refiro a Synergy Coal Consultants. Não, a Synergy é uma empresa de merda. Uma fachada. É quem eles realmente são que deixa meu sangue rugindo sobre por que ela estar aqui. Eu quero olhar para aqueles suaves olhos castanhos e aquele doce rosto inocente e pensar que ela realmente acha que trabalha para uma empresa de consultoria em energia de carvão. Mas então, eu não posso ser muito cuidadoso. Você não pode deixar o demônio entrar com essas pessoas, ou isso te matará. Meu avô descobriu isso da maneira mais difícil. E ela sair andando pela minha terra tarde da noite? Ela pode estar vestida como uma advogada ou alguma merda, mas ela tem espiã escrito por toda


parte. Inferno, ela poderia ter pisado nessa armadilha de propósito apenas para me trazer para investigar, para que eu pudesse encontrá-la. Inferno, uma coisa linda como ela? Aquelas pernas compridas, aquela arfada arrogante e lábios como os dela? Porra, um homem quase podia pensar que ela foi escolhida a dedo para me seduzir. Não pela Synergy Coal. Eu estou falando sobre os Banners. Você já ouviu falar dos Hatfields e McCoys? Eles eram famosas famílias aqui depois da Guerra Civil, que entraram em

uma

das

mais

sangrentas

lutas

familiares

da

história. Fizeram um filme ou programa de TV sobre eles ou algo assim. Você pode ter ouvido falar deles em filmes ou qualquer outra coisa. Bem, essa merda ainda acontece. Não há brigas de armas no meio da cidade ao meio-dia ou qualquer outra merda, mas a rivalidade está lá. Para nós aqui no Sugar County,

Kentucky,

são

os Bronsons e

contra

os

Banners. Eu? Eu fiquei longe da coisa toda durante toda a minha vida. Eu não jogo com armas ou drogas, ou qualquer outra merda. Os Banners estão imundos com isso. Inferno, meu próprio irmão é um fugitivo. Mas não, para mim sempre foram os cavalos. Quando vovô Doyle morreu naquele ‘acidente de carro’ junto com meus pais e deixou a fazenda para mim, bem, eu assumi. Eu desisti da vida do rodeio, e me acomodei apenas com minha


terra e meus cavalos era tudo que eu queria. Eu permaneci legítimo, mesmo que Shepherd, meu irmão mais novo, nunca tenha aceitado. Nossa irmã caçula Taylor ainda estava na escola quando tudo aconteceu também, e foi um dos motivos que me fez voltar. Alguém tinha que criá-la, cuidar dela e garantir que ela fosse para a faculdade. Então, criar cavalos e administrar uma fazenda legítima era o que eu fazia. A família Banner não reconhecia ‘negócios legítimos’ nem se os mordessem. E eu sei porque eles querem essa terra também. A Synergy Coal é uma fachada falsa que eles criaram há alguns meses, mas as verdadeiras empresas de carvão estão por aí. E este é o estado do carvão. Aqueles filhos da puta querem tirar todo o maldito condado e nos deixar com veneno e ruína. E os Banners querem vendêlos a um prêmio. Bem, parte disso pelo menos. A parte deles eles querem segurar, para que possam continuar correndo o seu oxy e metanfetamina através de Sugar County. Isso e sabe Deus que diabos eles estão fazendo nos dias de hoje. Eu não sei como ela se encaixa em tudo isso, mas eu sabia que no segundo em que a vi ela era um problema. …Parece que eu estava certo também. — Solte-me, idiota! Seus chutes ficam mais selvagens quando eu subo na minha varanda. Ela mete um joelho nas minhas costelas, e


eu resmungo, mas eu ignoro isso. Eu sou um cara grande, afinal. E ela é pequena. E linda. Com uma aparência inocente. E sexy pra caralho. E o mero cheiro do cabelo dela no meu rosto deixa minhas bolas doendo e meu pau como uma pedra no meu jeans. Porra, eu estou desejando o inimigo? Que quer ajudar essas pessoas a tomar minha terra? Eu ouvi falar dela na semana passada, mesmo que seja a primeira vez que a encontro. Ela já foi ao lugar do velho Buffet com um negócio tão ruim, tentando fazer com que ele vendesse suas terras para ‘Synergy Coal’ também. Bem, não mais. Eu não. Esta terra nunca estará deixando minha família, e com certeza não vai com os Banners, ou para uma empresa de carvão. Eu sei o que devo fazer. Eu deveria ligar para o Harlan Bishop, o xerife de Sugar County e prendê-la por invasão. Deixa outra pessoa lidar com ela e sua perna. Mas aqui estou eu, entrando na minha casa com ela, trazendo o lobo para dentro. A porta da velha e bonita casa bate e se fecha atrás de mim, e eu invado a sala de estar, em direção ao sofá. Tara está se contorcendo e seus gritos de repente se transformam em outra coisa.


— Não! Não! Não, por favor! Eu não vou contar a ninguém sobre isso! Por favor, me deixe... Eu a jogo no sofá e reviro os olhos. — Você acha que se eu fosse esse tipo de homem, eu te traria até aqui em minha casa só para fazer isso em um sofá? A boca de Tara franziu em uma linha fina, seus olhos escuros e selvagens correndo pelo meu rosto. — Agora se sente direito. Eu caio de joelhos e vou para a perna dela, mas ela de repente me atinge com um chute. Foda-se. Eu gemo, vendo estrelas quando seu pé me pega no rosto. Eu pisco, balançando para ela até que o som repentino de uma arma sendo engatilhada me fez parar no meu caminho. Eu balancei minha cabeça, limpando as manchas e as estrelas para vê-la em pé bem na minha frente, com meu próprio rifle apontando diretamente para mim. Ah merda. — Eu estou saindo agora. — Ela sussurra, seu rosto tempestuoso e assustado, seus olhos ainda disparando para todos os lados. — Ponha a arma no chão. Ela sussurra, dando um passo em minha direção, como se quisesse me ameaçar com a arma em suas mãos. Mas ela


pisa com o tornozelo que estava preso na minha armadilha, e ela estremece de dor. — Tara... — Não chegue mais perto! — Ela grita. Meus olhos caem para seus dedos, vendo-os tremendo e nervosos naquele gatilho. Ela não parece muito com quem atira, mas com menos de dois metros, ela poderia me cortar em dois com seus malditos olhos fechados. Além disso, eu não sei mesmo onde ela vai realmente com tudo isso. Ela poderia honestamente estar trabalhando para a empresa de fachada do Banner, mas com uma arma apontada para o meu intestino, não vou fazer essa ligação. Ela poderia ser o braço direito do próprio Lawson Banner. Ela poderia ter sido contratada para me matar para que eles possam tomar esta terra dessa maneira. Então não pensei. Eu apenas agi. Ela grita enquanto eu a seguro, seus braços se levantam. E de repente, o som do disparo da arma enche a sala. Eu posso sentir o calor do tiro passando por mim quando eu bato nela, derrubando-a e tirando a espingarda de suas mãos. Nós batemos na parede, e ela está gritando e socando os punhos sobre mim enquanto eu a seguro firme com minhas mãos. Eu olho para trás, vendo o estrago feito pelo tiro na parede logo atrás de mim. Merda, isso passou perto demais.


— Deus, droga. — Eu assobio, voltando-me para ela e rosnando. —

Estou tentando ajuda-la

com

essa

perna! Precisa... — ...Não se atreva a colocar as mãos... em... Ela pisca e, de repente, parece que a luta sai dela. Seu rosto fica vermelho e ela começa a balançar um pouco quando, de repente, me atinge. Ah merda. Algumas das minhas armadilhas na floresta são banhadas com Amobarbital. Isso pode matar se você não souber dosar. Não, eu não os coloco para as pessoas, eu não sou um psicopata. Mas eu coloquei nas armadilhas perto de onde eu sei que vi ursos no meu bosque depois de alguns casos em que me deparei com uma das minhas armadilhas com um urso maluco pronto para arrancar sua própria perna para se libertar. Um urso dopado é mais fácil de se livrar do que aquele que quer literalmente morder sua cabeça. Meus olhos caem para a vermelhidão crua de seu tornozelo, ela foi pega, e eu amaldiçoo sob a minha respiração. Porra. Ela não deve ter se cortado pelo arame a muito tempo, ou ela teria sido derrubada antes de eu chegar até ela. O que significa que ela deve ter cortado um dos espinhos antes de eu libertá-la, ou até mesmo quando ela estava tirando a perna.


De qualquer forma, pela sua aparência, ela tem cerca de quinze segundos antes de ir para a terra dos sonhos. Duro. — Tara. — Eu rosno, minhas mãos firmando-a enquanto ela balança, piscando em meu rosto. — A armadilha tinha uma anestesia moderada, ok? Eu sei que você já pode sentir isso, mas você vai ficar apenas ... — Você me drogou? — Ela sussurra. Eu sacudo minha cabeça. — Não é desse jeito. É para manter os ursos dormindo para que eu possa pegá-los... — Eu não sou um urso, — ela insulta, suas palavras correndo juntas quando ela começa a cair em mim. Merda. Está batendo forte. Ela está prestes a cair. — Calma garota, — murmuro, pegando-a em meus braços. — Não me toque, — ela murmura, fechando os olhos antes de cair de repente em meus braços. Eu suspiro. Bem, merda. E agora? Chamo a polícia agora? Aí

explico

como

é

que

eu

tenho

uma garota desmaiada com a roupa rasgada e sem sapatos na minha sala de estar com evidência de uma luta por todo o lugar? Harlan é um amigo, mas, eu sei como isso parece. Eu olho para ela, e algo no meu peito se aperta. Foda-se. Ela em meus braços assim? Eu balancei minha cabeça, soprando o ar lentamente dos meus lábios. Porra, ela fica bem em meus braços.


Mas ela é o inimigo. Eu tenho que lembrar disso. Se ela está voluntariamente com os Banners ou não, ela está aqui para foder minha fazenda, e eu tenho que manter isso em mente, mesmo ela sendo tão linda. Inferno, especialmente ela sendo tão linda. Mas o jeito que ela se enrola nos meus braços enquanto eu a levo para cima? Merda, isso vai ser um problema. O jeito que ela suspira baixinho em seu sono, suas mãos apertando minha camisa? Isso também vai ser um problema. A maneira como ela lentamente abre os olhos, como se ela mal conseguisse, olhar para mim e sorri dizendo ‘não deixe os percevejos me morderem, ok?’ Antes de cair na terra dos sonhos? Ah, sim, isso vai ser um grande problema também. Mas o que vai ser o maior problema é o jeito que eu simplesmente não posso desviar o olhar uma vez que eu a coloco na cama do quarto de hóspedes e puxo um lençol sobre ela. O jeito que meu sangue ruge em minhas veias, e como meu pau palpita contra o meu jeans, e o jeito que o desejo cru de tê-la troveja através de mim como uma avalanche. Sim, isso vai ser um grande problema também. De fato, olhando para ela dormindo lá inocente, linda, tentadora e frágil?


Sim, tudo sobre essa garota vai ser um problema e estรก apenas comeรงando.


Capítulo 3 Tara

Eu sei que é um sonho, mas não posso parar. Nele, a cama range quando ele me espreita, prendendome nos lençóis. Sua boca faminta cai no meu pescoço, mordendo e chupando enquanto suas mãos rasgam minhas roupas. Eu gemo de prazer quando ele rasga minha blusa, rasgando minha saia até a costura. Minha calcinha é puxada e amassada sob seus dedos ásperos, e quando ele me toca lá, eu grito quando seus dedos facilmente empurram dentro da minha boceta molhada. — Hora de mostrar o que fazemos aos ladrões de cavalos por aqui. Eu quero dizer a ele de novo que eu não sou uma ladra, mas uma parte de mim não quer. Uma parte escura de mim, quer saber o que ele faz com ladrões de cavalos.


— Talvez eu devesse amarrá-la e te foder duro, fazer você gritar por mais antes de deixar você gozar em todo o meu grande pau. Eu gemo descontroladamente, suas palavras imundas fazendo meu corpo todo doer e meu sangue ficar quente como

fogo. Ele

me

vira,

minhas

roupas

rasgadas

penduradas em mim por fios enquanto ele me prende. Seus joelhos vão para os lados das minhas coxas, uma mão para as minhas costas. A outra enrolada no meu cabelo, me fazendo ofegar. Ele empurra seus quadris para a frente, e quando eu sinto a cabeça quente e palpitante de seu pênis entre minhas coxas e pressionada contra meus lábios escorregadios, tudo se derrete. E então eu acordo. Meu coração dispara do sonho febril e o calor úmido entre minhas coxas não é nada que eu possa ignorar. Eu suspiro em silêncio, a vivacidade do sonho formigando sobre a minha pele fazendo todo o meu corpo pulsar quente. E então, eu pisco e o zumbido na minha cabeça se transforma em trovão. Eu gemo quando a dor de cabeça me atravessa. Eu tento me mover, mas de repente me bate que estou amarrada na cama. Amarrada. …Na casa de um homem que eu não conheço e que me pegou em uma armadilha em sua fazenda.


Meu coração pula na minha garganta, meu pulso dispara quando começo a entrar em pânico. Eu suspiro, puxando a corda enquanto a adrenalina corre através de mim. Eu me contorço, estremecendo com a dor de cabeça, mas tentando ignorá-la enquanto eu puxo meus braços. Mas eles estão amarrados firmemente acima da minha cabeça, presos à armação de ferro da cama. Alguém limpa a garganta, e eu grito quando giro para o vê-lo de pé na porta do quarto, café em uma mão e um revólver na outra. Eu pisco, minha boca seca e meu coração palpitando no meu peito enquanto paro de lutar. — Bom dia raio de sol. Meus olhos percorrem o corpo dele, agora coberto com uma camisa branca surrada e apertada sobre os músculos do braço e o peito endurecido. Ele também tem seus jeans e botas. Eu paro em seu rosto presunçoso e sorridente, e eu olho para ele. — Você me drogou, — eu assobio. Colton dá de ombros, deslizando a arma em um coldre ao seu lado. — Depende — Depende de quê? — Tecnicamente, você drogou a si mesma ao pisar em minha terra sem que eu permitisse e ficou presa nessa armadilha. Meus olhos se estreitam para ele.


— Qualquer coisa que te ajude a dormir à noite, — eu cuspo antes de olhar para baixo para mim mesma. — Estou meio espantada por minhas roupas ainda estarem em mim. Colton ri. — Eu durmo muito bem à noite, querida. — Ele se move em minha direção, e eu engulo em seco. — Você está pensando em como eu durmo? Eu coro. – Não. — E talvez seja que suas roupas estejam de volta, hein? Era com o que você estava sonhando, não era? Comigo tirando elas de você? Meu rosto fica vermelho. — Eu não estava sonhando. Ele sorri com aquele sorriso arrogante e orgulhoso. — Claro que você não estava. Assim como tenho certeza de que não era o meu nome que você estava gemendo. Eu me encolho. Querido Deus, me mate agora? Por favor. Ele se inclina para perto sobre mim, e eu suspiro, imaginando se ele está prestes a simplesmente me beijar. Mas seus lábios provocam os meus, roçando minha bochecha até que eles encontram meu ouvido. — Se você pedir o direito e eu poderia fazer isso agora, querida.

Ele

ronrona

enquanto todo

o meu corpo estremece no calor. — Você é... — Eu engulo, ofegante. — Você é nojento.


— Sério? — Ele ri profundamente em meu ouvido, e é tudo

que

posso

fazer

para

conter

o

gemido. —

Parece horrível você corada por estar tão enojada por mim, querida. — Desculp... — Seus lindos mamilos sempre ficam tão duros quando você odeia alguém? Eu recuo, meu queixo cai enquanto eu apenas olho para ele em estado de choque. Mas ele apenas sorri e continua. — Eu assisti você sonhando, querida. Eu escutei você sonhando também. — Ele rosna, seus lindos olhos traçando sobre mim. — Soou como algo bom também. — Eu não estava fazendo tal co...! — Certo, certo. — Colton suspira. — Você não estava sonhando, certo? Eu acabei inventando que eu te vi gemendo e moendo seus quadris como se alguém estivesse te segurando e te dando tudo que você queria. Eu fico vermelha, e mal consigo entender por que ele está falando comigo desse jeito. E sei que devo odiá-lo, ou sentir repulsa ou ficar ofendida. Mas eu sei que não estou. Nem mesmo perto. O oposto, na verdade. Ninguém nunca falou comigo desse jeito, e bom senhor, estou quente em todos os lugares. — Tenho certeza que acabei de inventar isso, — ele rosna. — E eu tenho certeza que se eu levantasse essa sua pequena saia e passasse minhas mãos por essas lindas coxas


entre suas pernas, encontrando sua doce pequena boceta da cidade, toda agradável, quente e molhada, isso seria motivo para acreditar, certo? Meu queixo cai e o suspiro pega na minha garganta. Há um segundo em que nós dois apenas olhamos um para o outro, ele com fogo em seus olhos e eu tentando descobrir se eu quero dizer a ele para se foder ou implorar para ele me foder. — EU... — Sim? Eu engulo, ofegando enquanto uso a última força de vontade para empurrar aquele desejo imundo e proibido de volta para baixo. Consiga, garota. — Me. Desamarre. Agora. — Eu cuspo. Colton mantém o segundo olhar por mais tempo antes de rir e se afastar. — Me diga para quem você trabalha primeiro. — Eu já fiz. — Eu murmuro. — Eu quero ouvir isso agora, de novo. Eu suspiro. — Eu trabalho para a Synergy Coal, e posso lhe garantir que estaremos fazendo acusações por... — Para quem você realmente trabalha? Eu olho para ele. — Você é louco, ou algo assim?


— Você se voluntariou? Eu coro. — Como assim, você é louco? — As pessoas dizem todo tipo de coisa. Mas não. Estou perguntando porque estou me certificando de algo, então vou perguntar mais uma vez, e você vai me olhar nos olhos e responder. Ele bota a arma no coldre. — Para quem você trabalha? — Synergy. Coal. Consultores, — eu cuspo. Lentamente, ele concorda. — Bem, ok então. Ele se move para me soltar, e eu olho para ele. — Espere, só isso? — Sim. — Idiota, — eu murmuro. Colton se afasta e me olha. — Eu poderia amarrar você de novo também se você preferir. Eu fecho minha boca. — Ou você poderia tomar café. Eu olho para ele, engolindo as palavras que eu quero falar enquanto olho a caneca tentadora em sua mão. — Café. — Por favor? — Café, por favor, — eu resmungo.


— Está vendo? Aqui embaixo no interior, nós caipiras temos boas maneiras. Suas mãos habilmente desamarram os cordões que amarram meus pulsos e eu não protesto quando ele me ajuda a sentar. E eu nem sei de onde isso vem, mas reajo instintivamente quando ele está me passando o café. Eu chuto descontroladamente, derrubando a caneca fumegante de sua mão e em seu peito. Colton ruge, tropeçando para trás quando eu pulo da cama, empurro-o para o lado e corro. Eu desci as escadas, ouvindo-o atrás de mim. Seus passos se aproximam e, de repente, grito quando ele me aborda. Nós dois caímos, batendo e desmoronando pelas escadas, nós dois grunhindo quando batemos no chão no fundo. Eu pisco, minha cabeça girando e minha visão borrada antes de perceber que estou cara a cara com ele, deitada em cima dele. Estamos ofegantes, ambos separados por centímetros, olhos selvagens e lábios quase se tocando. Suas mãos estão firmemente segurando minha cintura, minhas pernas se espalham ao redor de seus quadris musculosos. Oh Deus. — Colton, eu... — Isso doeu porra, — ele rosna através dos dentes. — Eu... — Eu balancei minha cabeça lentamente, nossos olhos fechados. — Eu não quis dizer... — Eu engulo. — O


que quer que você pense que eu sou, não sou está bem? Só por favor... — Eu mordo meu lábio. — Você vai me amarrar de novo? — Eu respiro. Colton segura meu olhar, o fogo rugindo por trás de seus olhos azuis de aço. — Você quer que eu te amarre? Meu rosto fica vermelho, minha respiração fica presa. — Você sabe o que, querida? — Ele ronrona, se aproximando até que eu possa sentir o calor de suas palavras contra os meus lábios. — Eu pensei em começar apenas beijando você. E então ele faz, e todo o maldito mundo explode ao meu redor.


Capítulo 4 Colton O sangue ruge em meus ouvidos, meu pulso troveja como cascos de garanhão na terra fresca. Seus lábios têm gosto de mel, e seus gemidos provocam meus ouvidos como doces quando ela abre a boca para mim. Eu a agarro, segurando-a com força, como se nunca quisesse deixa-la ir. Porra eu nem sei ao certo de que lado ela está, ou se ela está de algum lado. Inferno, ela poderia ser uma Banner disfarçada por tudo que eu sei. Se eu não tivesse apalpado ela, eu poderia até me perguntar se ela poderia enfiar uma arma nas minhas costelas e puxar o gatilho. Mas nada disso importa. Não depois que eu beijo essa boca. Inferno, ela poderia puxar uma arma e atirar em mim, e eu ainda quero beijar aqueles lábios. E me perguntando quem diabos ela é? Nada disso importa quando a sinto derreter em mim, seus lábios saboreando os meus.


É feroz e selvagem, e de repente, é como se uma maldita parede desabasse. Minhas mãos deslizam em seu cabelo, puxando-o o suficiente para fazê-la ofegar. Ela se afasta dos meus lábios, sibilando, mas com esse fogo em seus olhos que me deixa em chamas. Meu pau palpita duro contra o meu jeans, e eu sei muito bem que ela pode sentir cada centímetro grosso e latejante de mim pulsando forte contra aquela doce boceta. Sua saia está toda rasgada em torno de seus quadris, e suas coxas cremosas apertam em torno de mim. E eu sei que ela pode sentir meu pau porque ela se move. Ela contorce os quadris, e eu posso sentir sua bocetinha gostosa direto no jeans e a calcinha molhada e pegajosa. Eu sabia o que vi quando a peguei sonhando. Eu sei o que ouvi gemendo daqueles lábios sensuais. Essa garota estava sendo fodida na terra dos sonhos. Eu

não

estava

babando

nela

antes. Eu não sou aquele tipo de cara que ela talvez tenha pensado que eu era quando eu a carreguei como um maldito homem das cavernas em minha casa e a joguei no sofá. Mesmo que eu não seja o tipo de cara que faria qualquer coisa com uma garota que estivesse drogada, mesmo que ela seja tentadora como o inferno e amarrada na minha maldita cama.


…Mas um homem pode começar a pensar em todos os tipos de pensamentos perversos, especialmente quando ele tem uma pequena bomba como Tara espalhada e amarrada à cabeceira da cama. Não, eu não toquei nela ontem à noite. Eu

não

tomei

quaisquer

liberdades,

porque

eu não sou esse tipo de homem. Mas carregá-la foi uma tortura. Observando aquela saia subindo em suas coxas e me dando apenas uma espiada daquela calcinha branca rendada foi duro. Enrolando aquela corda ao redor de seus pulsos e passando-os através dos anéis de ferro da cabeceira da cama meu pau estava doendo para se soltar. Eu não a toquei, mas no segundo em que saí daquele quarto, minhas mãos tocaram algo certo. Eu mal consegui passar do limiar, gemendo quando afundei contra o batente da porta e puxei meu cinto. Meu zíper se seguiu, e quando eu envolvi minha mão em torno do meu pau latejante, eu gemi de prazer. Eu grunhi, acariciando meu eixo grosso, observando o grosso présêmen branco na ponta e escorrendo pela parte de baixo para pingar nas minhas bolas. Meus olhos correram de volta para o

quarto,

aterrissando bem em minha linda pequena prisioneira quando comecei a acariciar mais rápido. Não a tocar, e parte de mim parecia estar fisicamente no quarto, mesmo que fosse do lado de fora da porta, foi melhor assim. Mas eu


sabia que não teria sido capaz de parar mesmo se decidisse que estava errado. Sem chance. Eu acariciava, e rosnava, e deixei meus olhos queimarem sobre seu corpinho apertado, saboreando a visão daquela calcinha rendada e me lembrando da sensação daquelas longas pernas lisas e daquelas curvas tentadoras em minhas mãos enquanto eu a carregava de volta da floresta. E então ela começou a gemer enquanto dormia e eu estava perdido. Pequenos gemidos suaves, choramingando de seus lábios, suas coxas apertando juntas e seus suspiros ofegando rapidamente, como se ela estivesse sendo fodida bem na minha frente. Meu pau inchou, minha cabeça flutuou, e antes que eu percebesse, eu nem conseguia mais me segurar. Meu esperma

explodiu

do

meu

pau

inchado,

bombeando cordas grossas através do piso de madeira enquanto meu anjinho tentador gemeu tão docemente em seu sono a menos de três metros de distância. E agora aqui estávamos nós, ela aberta, ofegante e inchada dos meus beijos, seus olhos selvagens e famintos, e seus quadris rolando suavemente nos meus. Minha boca cai para o pescoço, minhas mãos segurando-a com força enquanto ela geme. Eu beijo a pele sensível lá, mordendo-a apenas o suficiente para fazê-la saber que ela é minha enquanto meus dedos cravam em sua


pele. Eu puxo sua saia ainda mais, levantando-a até a cintura e deixando minhas mãos deslizarem para baixo sobre as curvas suaves dela. Eu a agarro possessivamente, gemendo em seu pescoço enquanto começo a moer contra a minha protuberância. — Isso é o que você faz para todos os seus invasores? — Ela engasga, gemendo enquanto suas mãos seguram meu queixo e sua boca faminta cai em meus lábios. Eu rosno para ela, beijando-a com força suficiente para machucar enquanto minhas mãos deslizam sobre seus quadris e sobre cada costela. Eu puxo sua blusa, fazendo-a gemer em minha boca enquanto eu rasgo sua camisa aberta. Ela grita, ofegante e me atacando ainda mais. Seu sutiã é o próximo, e quando eu puxo isso para longe, eu gemo enquanto meus dedos encontram seus mamilos rosados e duros. — Apenas belas pequenas como você que tentam, e apontam uma arma para mim. — Isso quase soou como um elogio, — ela geme profundamente. Suas mãos caem na minha camiseta, empurrando-a no meu peito e deixando-a passar as pontas dos dedos sobre meu abdômen ondulante e meu peito duro como pedra. — Querida, eu poderia bajular você o dia todo, ou você poderia trazer essa pequena e doce boceta até aqui e sentar na minha boca.


Seus olhos se arregalam e seu queixo cai quando o calor queima em seu rosto. Oh, eu acho que ninguém nunca falou com ela assim. Estou apostando que nenhum homem jamais teve coragem de olhar nos olhos dessa pequena abelha, ver o fogo selvagem ardendo dentro dela e contar tudo o que sempre desejou que um homem lhe dissesse. Ela geme com minhas palavras e sei muito bem que estou certo. — Assim como isso soa, querida, — eu gemo, minhas mãos

deslizando

para

sua

bunda

e

colocando

possessivamente. Eu rosno, meus músculos ondulando quando eu a puxo para cima. Ela geme, mas ela me deixa movê-la, arrastando sua boceta coberta pela calcinha até meu torso até que eu a tenha de joelhos sobre a minha boca. Meus dedos deslizam em ambos os lados de sua calcinha, e eu só porra rasgo dela. Tara suspira, ofegante quando eu atiro sua calcinha arruinada e deixo meus olhos se banquetearem com sua linda boceta, rosa, brilhante e deslumbrante. Minhas mãos deslizam por suas coxas, meus olhos se arrastando por cima de seu corpo até que eles se fecham com seu olhar ardente e selvagem. — Venha aqui, querida, — eu gemo. — Eu quero sentir você na minha língua.


Ela geme, com a boca aberta de luxúria. Minhas mãos deslizam para sua bunda nua, agarrando-a com força e puxando-a para baixo contra a minha boca faminta. Eu sei que isto é selvagem e irresponsável, e todos os tipos de estúpido,

mas

não

nenhuma

maneira

que

eu não vá prova-la agora. — Traga essa linda boceta bem aqui, — eu gemo enquanto eu a puxo para baixo contra mim. Tara grita enquanto sua linda boceta se fixa na minha boca. Minha língua empurra profundamente, meus gemidos retumbando através dela quando eu começo a balançar seus quadris contra o meu queixo, guiando-a, mostrando-lhe como foder minha língua com sua boceta. Ela joga a cabeça para trás, seus seios macios arfando e seus mamilos duros como pequenas pedras. Eu rosno para ela, arrastando minha língua para cima e para baixo em seus lábios antes de mergulhá-la profundamente. Suas mãos roçam seu próprio corpo, afastando os restos rasgados de sua blusa e deixando seus dedos acariciarem sua pele. — Brinque com seus mamilos para mim, linda, — eu gemo,

fazendo-a

choramingar. —

Aperte-os

para

mim. Brinque com seus dedos enquanto você monta minha língua. Ela faz o que eu digo, seus gritos de prazer só ficam mais altos quando seus quadris se contraem. Minha língua desliza para girar em torno de seu clitóris, provocando seu


pequeno nó e fazendo-a ofegar. Uma das mãos dela cai no meu cabelo, e eu rosno quando os dedos dela apertam, me segurando em sua boceta doce e úmida enquanto eu lambo ela por cada gota. Mas eu quero mais porra. Ela grita enquanto eu coloco meus braços sob a parte interna

de

seus

joelhos,

agarrando

sua

bunda

e

me levanto. Eu a seguro lá, suas pernas sobre meus ombros e sua boceta bem na minha cara enquanto eu fico em pé, meus músculos ondulando. — Oh merda, — ela geme, ofegante e contorcendo-se contra a minha língua quando eu vou da parte inferior das escadas, onde nós caímos juntos para a sala de estar. Sim eu vou

fazer

outra

aposta. Aposto

esta

coisa

bonita nunca estive com um homem que pode atirá-la ao redor como agora. Ela grita de prazer de novo quando eu a coloco do outro lado do sofá, e quando eu agarro as coxas dela e empurro suas pernas para longe e para cima, seus gemidos são a única coisa que eu posso ouvir. Minha língua encontra sua boceta escorregadia e suculenta, e eu começo a provocá-la mais uma vez, arrastando para cima e para baixo em seus lábios, girando em torno de seu clitóris, e depois mergulhando dentro para foder com a minha língua. — Você quer saber o que eu faço para pequenas invasoras como você, querida? — Eu rosno, soltando uma


mão para puxar meu cinto e puxar meu zíper para baixo. Meu jeans desliza sobre meus quadris, e meu pau se solta na minha mão. — Mostre-me, — ela suspira. — Eu os faço gozar para mim. Então, que tal você ser uma boa menina e vir atrás de mim, querida? Seja uma boa menina e faça com que essa linda bocetinha goze por toda a minha língua. Você pensaria que eu a espetei com um bastão de gado. Tara grita de prazer, e todo o seu corpo se arqueia no sofá, sua boceta empurrando diretamente contra a minha boca. Eu gemo, lambendo-a através do clímax enquanto ela bate contra mim, suas mãos agarrando o sofá e seu doce creme pingando sobre a minha língua como mel de verão. Oh agora este vai ser

um

grande

problema. Porque? Merda, agora só quero mais. Agora eu quero tudo.


Capítulo 5 Colton Eu rosno, ainda saboreando seus sucos doces enquanto ela estremece através de seu orgasmo. Minha língua brinca para cima e para baixo em sua pequena boceta, lambendo cada gota de seu doce gozo. Foda-se ela tem gosto de céu e se move como uma gata do inferno, aqui. Eu beijo e mordisco sua coxa antes de deslizar para cima de seu corpo, suas pernas se espalhando para mim enquanto eu puxo o resto das minhas roupas para longe, jogando minha camiseta pela sala e chutando meu jeans. Eu rosno quando eu vou para a saia dela, ainda em volta da cintura dela. Eu não consigo encontrar o zíper, e a maldita coisa já está meio rasgada de qualquer maneira, então eu apenas rasgo até a costura. Faíscas de fogo em seus olhos quando eu faço isso também, e quando eu me inclino, ela me puxa contra ela. Ela geme, envolvendo as pernas em volta da minha cintura e beijando minha boca avidamente. Seus dentes


mordiscam meu lábio, acendendo o fogo dentro de mim e fazendo meu sangue correr quente. — Pequena coisa ansiosa, — eu rosno. — Idiota arrogante. — Ela geme. — Menina fresca da cidade. — Eu gemo de volta, beijando-a mais forte. Porra eu quero ela. Eu quero mergulhar fundo no doce pote de mel entre suas coxas e não parar até que seus sucos suaves cubram suas coxas. Eu quero reivindicá-la para que ela nunca esqueça a sensação de me ter enchendo-a e bombeando tão cheia do meu esperma. Eu gemo, olhando para baixo e deixando minha cabeça dolorida e inchada crescer em sua boceta. Seus lábios rosados macios e aveludados, beijando meu pau. Eu a provoco sobre seu clitóris, fazendo-a choramingar quando o pré-sêmen grosso branco-pérola escorre da minha cabeça e sobre ela, deixando-a pegajosa com a minha semente. Porra, eu imagino dar mais do que isso. Minhas bolas apertam com o pensamento de deslizar dentro dela e deixar gozar, deixando cada gota do meu gozo escorrer profundamente contra o seu ventre. Eu quero enchê-la. Aqueles pequenos lábios doces me

beijam, me

implorando para mergulhar dentro dela. — Isso é sua coisa? — Tara caçoa. — Pegar meninas em suas armadilhas da propriedade e ter o seu caminho com elas?


— Essa é sua coisa? Sentir esta pequena boceta molhada por um homem que te amarrou? Ela geme descontroladamente, suas mãos deslizando pela parte de trás do meu pescoço para me puxar contra sua boca. Eu rosno quando a beijo, deslizando minha mão entre nós para agarrar meu pau e alinhá-lo, pronto para mergulhar dentro de sua boceta quente. A batida na porta a faz sacudir embaixo de mim e meu temperamento rugi enquanto eu giro e encaro a porta da frente através da sala ao lado. Eu não recebo visitantes. A batida vem de novo, e meus músculos ficam tensos desta vez, meus sentidos formigando. Sim, não estou esperando ninguém. E ninguém por aqui pensaria que seria uma boa ideia simplesmente ‘passar por aqui’ sem aviso prévio. Meu queixo se contrai quando eu volto para Tara. — Eu preciso que você espere bem aqui, — eu rosno sob a minha respiração. Relutantemente, eu me afasto dela, pegando um cobertor na parte de trás do sofá e cobrindo-a com ele. Eu puxo meu jeans e camiseta. — Não se mova, querida. Eu saio da sala, fecho as portas duplas atrás de mim e me viro para a varanda da frente. Eu prendo o Smith e Wesson que eu mantenho na mesa ao lado da porta da frente, colocando-a no meu coldre e cobrindo-a com a camisa enquanto pego a maçaneta. Eu olho pela janela


lateral, meus olhos pousando na caminhonete vermelha na minha garagem. …Aquela com ‘Remoção de Árvore do Banner’ ao lado dela. Porra. Isso vai ser um problema. *** — Jessie. — Eu rosno, olhando para o homem corpulento em pé na minha varanda da frente. — Colton. — Ele diz, seu lábio cheio de tabaco de mascar enquanto ele me olha. Jessie Banner é sobrinho de Lawson Banner, o chefe da família Banner. Jessie dirige uma das frentes de sua família, um negócio de cuidados com o gramado e remoção de árvores que cuida de zero gramados e corta zero árvores. Nós nos encaramos, como dois velhos pistoleiros ao meio-dia, a tensão correndo no ar. E em outra época, é o que poderíamos ser, pistoleiros prontos para puxar as armas a vinte e cinco passos. Jessie é um superior no negócio da família Banner. Se esta fosse a máfia, você o chamaria de tenente, eu acho. Mas aqui no interior, nós apenas sabemos o que ele é. Um bandido. Um bandido com algum poder, na verdade, o que o torna ainda mais perigoso. — O que posso fazer por você, Jessie?


Ele me olha, virando-se para cuspir um espesso punhado de tabaco mascado. A coisa se espalha na minha varanda, e eu posso sentir meus músculos tensos quando o rosnado ressoa através de mim. — Faça isso de novo e vamos ter um problema. — Eu assobio. Ele apenas sorri. —

Eu

estou procurando por

algo.

Ele

fala

arrastadamente. — Pensei que você poderia ter encontrado. — Seja mais específico. Ele apenas continua sorrindo aquele sorriso assustador para mim. — Algo que você tem que pertence a mim e aos meus. Eu seguro seu olhar. — Você pode descrever a coisa, Jessie? Sua testa se estreita quando ele segura uma mão para cima, com a palma para baixo. — Oh, alta, cabelo castanho, bunda linda, boca muito fodível. Eu quero rugir. Eu quero derrubá-lo da minha varanda e bater nesse fodido. Porque eu imediatamente sei o que ele está procurando. Eu sei de quem ele está atrás, e esse pedaço de merda falando de Tara dessa forma fez algo feroz queimar dentro de mim. Mas eu me contenho de alguma forma. Wrestling Jessie Banner na minha varanda da frente é uma ótima maneira de chutar sua bunda agora, e


depois receber a minha chutada por cinco de seus caras mais tarde. — Temo que não posso te ajudar. — Eu digo devagar, meus olhos fixos nele. O rosto de Jessie escurece. — Não foda comigo aqui, Colton. Eu sei que você não está no negócio e tudo, mas eu não estou fodendo por aí. Encontramos o carro dela na sua estrada perimetral. — Bem, por que você não procura por aí...? Jessie me olha. — Porque eu não sou idiota, Colton. Porque eu sei sobre as pequenas armadilhas que você colocou naquela floresta como se fosse o Vietcong, ou algo assim. Eu sorrio e a carranca de Jessie só se aprofunda. — Entregue ela, Bronson! — Não faço ideia do que você está falando, Jessie. Eu levanto a minha camisa, mostrando-lhe o frio aço da arma. — Mas eu acho que acabamos com essa visita social. Seus olhos se estreitam perigosamente, seu rosto ficando vermelho. — É melhor você ficar alerta, Colton. Ele se vira, cuspindo outro pedaço de tabaco. Mas desta vez, a arma está fora e destravada antes que ele tenha a chance, e ele congela. Lentamente, ele vira a cabeça para olhar para mim.


— Vai atirar em mim, Colton? — Se você cuspir na porra da minha varanda de novo, eu vou. Jessie me olha, como se ele estivesse pensando em fazer isso só para ver se estou blefando. Vinte segundos se passam, e, lentamente, ele encolhe os ombros. — Tanto faz. Ele sai da varanda, fazendo questão de cuspir no chão a cerca de um metro da varanda e depois sorrir para mim. Que imbecil — Vejo você em breve, Colton. Se você encontrar o que estou procurando, eu posso esquecer de dizer ao meu tio que você me traiu. Seu caminhão ressoa para a vida e acelera, levantando o cascalho enquanto ele ruge pelo meu caminho.


Capítulo 6 Tara

— O que é que foi isso? Eu engulo, apertando o cobertor em volta de mim enquanto ele volta para a sala. O cobertor, porque, você sabe, minhas roupas estão em pedaços no chão dele. E eu ainda estou tentando descobrir como cheguei a este ponto, presa na floresta, capturada por este cowboy selvagem e bruto. E agora tendo um dos momentos mais quentes da minha vida com ele enquanto ele me manuseia e me toca como ninguém nunca fez. Eu não consegui ouvir muito, mas tive um vislumbre do homem com quem ele estava falando na varanda da frente. Eu também tive um vislumbre dele apontando uma arma o homem por um segundo. — Você não trabalha para a Synergy Coal Consultants, — diz ele em voz baixa, colocando a arma no chão. Eu reviro meus olhos. Isso de novo? Mesmo? O não acreditar em quem eu digo que sou? Quero dizer, me chame


de ingênua, mas achei que tínhamos passado desse ponto quando começamos a tirar as roupas um do outro. — Ok, sim, terminamos aqui. — Eu resmungo, me afastando dele. — Você sabe o que, eu deveria ir... — Porque não há nenhuma Synergy Coal Consultants. Eu me viro e olho para ele. — Como? — Você tem um escritório? — Claro! — Eu estalo. — Mas não é em um grande edifício certo? Você trabalha em um escritório 'satélite'? Eu engulo. Sim. — Talvez. Ele sorri. — Talvez eu esteja certo, né? E há muitos funcionários lá? Não há. Sou só eu, esse cara que Jason quase nunca aparece, e nosso líder de equipe, Beau. E realmente, ele não é muito visto também. — Não muito. — Eu murmuro. — Engraçado, né? Engraçado como eu imaginei isso? Minha testa franze — Do que você está falando? — Synergy Coal é uma fachada, querida. E a razão pela qual eu tinha uma arma em você na noite passada e porque eu te amarrei é por causa de quem Synergy Coal realmente


é. Mas estou começando a entender que você não faz parte disso. Eu olho para ele, meu pulso acelerando. — Uma parte de quê? — Aquele homem na varanda? — Ele arqueia uma sobrancelha para mim. — Eu vi você espiando pela janela da sala de estar. Meu rosto fica vermelho. — Bem, aquele homem, aquele que está procurando por você com todos os tipos de más intenções no rosto dele? Eu engulo em seco. — Você trabalha para a família dele. — E? — E eles não são as pessoas mais legais. — Quem são eles? — Os Banners. E por aqui, você poderia pensar neles como se fosse a máfia. Qualquer coisa obscura, você pode apostar que eles têm as mãos nela. Oxy e metanfetamina, contrabando de armas, cassinos clandestinos, garotas, eles estão por trás de tudo isso. Escondido, claro, atrás de uma fachada como a Synergy Coal. Meu palpite é que eles estão usando o Synergy para comprar terras por preços baixos. Deixe-me adivinhar, a oferta que você teve para mim é ridícula, certo? Eu aceno, olhando para baixo e me sentindo uma merda.


— Sim, é uma merda. — E se eu dissesse não, eles teriam voltado com um domínio iminente e algum político corrupto e tomado, sim? — Provavelmente. Ele rosna, balançando a cabeça antes de seus olhos se centrarem em mim. — Então, o que você está carregando que Jessie quer? — Eu não faço ideia. — Bem, é uma coisa, querida para ele subir para a minha varanda da frente assim. Eu mordo meu lábio, quase não querendo perguntar, mas sabendo que não posso parar a curiosidade queimando um buraco em mim. — Você faz parte disso também? Ele franze a testa. — A família Banner? — As drogas, armas e garotas e tudo isso. — Eu digo baixinho. — Claro que não. — Colton balança a cabeça. — Não, Tara. Eu tenho meu rancho, meus cavalos, e é isso. Isso é tudo que eu preciso. — Seus olhos piscam sobre mim, queimando ferozmente de uma forma que parece dizer sem palavras que isso não é tudo que ele precisa… — Mas o que quer que Jessie esteja procurando, é grande. E ele não está deixando passar.


— Eu não tenho ideia do que ele está procurando! Que diabos eles querem? — Você pegou alguma coisa deles? Qualquer coisa da Synergy? Eu sacudo minha cabeça. — Tudo o que tenho comigo são mapas e registros de ações e tudo isso. Algum material topográfico de minerais na área. — Eu franzo a testa, mordendo meu lábio. — Essas pessoas são realmente perigosas, não são? — Eles não estão fodendo por aí, Tara. Sim, eles são um negócio real. E eles não vão parar até conseguirem o que querem. Eu engulo a seco, minha cabeça girando e meus olhos percorrendo a sala. Eu tremo, abraçando o cobertor em volta de mim. — Eu deveria sair daqui. Apenas voltar para o meu carro e dar o fora de... — O que você precisa fazer é ficar bem aqui. A voz escura

e tensa

de Colton explode

na

sala,

sacudindo-me dos meus pensamentos confusos. Eu sacudo minha cabeça. —

De

jeito

nenhum. Não

com

pessoas

assim

procurando... — Há apenas algumas estradas saindo de Sugar County, querida, e você pode apostar que eles estarão de olho em todas elas. E eles encontraram o seu carro também,


estacionado perto de onde eu te encontrei. — Ele se move na minha direção, com os olhos fixos nos meus. — Você não pode sair. — Não posso, ou você não vai me deixar? — Eu cuspo de volta. Ele continua se movendo em minha direção, e eu não percebo que estou tremendo até que mãos grandes e fortes deslizam sobre meus quadris me segurando. — Ambos, — ele rosna. — Agora, este rancho é o lugar mais seguro para você. — Você vai me parar se eu for? — Sim. Um arrepio de calor provoca minhas costas, e meu pulso salta quando olho em seus lindos olhos azuis de aço. — E se eu lutar contra isso? Tenta correr de qualquer jeito? Você vai me amarrar de novo ou algo assim? Colton se aproxima, e eu suspiro baixinho no rosnado quase animal que ronca através de seu peito musculoso. — Veja, — ele ronrona, me puxando para perto. — Eu estou pensando que você gostaria que eu amarrasse você. Eu gemo. Eu não posso nem parar, e eu sei muito bem que ele ouve. — Isso é um sim agora, não é? — Ele rosna. Ninguém nunca falou comigo assim. Nenhum homem jamais me tocou assim, ou disse coisas imundas, tão


aceleradoras de pulsações e formigamentos de pele quando ele faz. …E ele sabe disso. Seus dedos tocam meu queixo, inclinando meu rosto para o dele. Os dedos deslizam e de repente a sua grande mão que cobre meu rosto. Ele se aproxima, e eu suspiro quando ele esmaga seus lábios nos meus, me beijando forte e profundamente até parecer que o mundo inteiro está girando. — Você não vai a lugar nenhum, querida, — ele geme, me puxando para seu corpo duro e musculoso. — Porque eu não estou nem perto de te tornar minha.


Capítulo 7 Colton Metade da merda no balcão da minha cozinha cai no chão quando eu empurro e a coloco sobre ele. Eu rosno, minhas mãos ásperas e fortes segurando sua bunda como se fosse minha para agarrar. Meus lábios esmagam os dela, sua respiração e seus gemidos se derretendo em mim. Tara ainda está nua depois que eu puxei o cobertor e a peguei em meus braços. Mas suas mãos começam a escorregar pelas minhas costas e puxar minha camiseta, como se seus dedos estivessem desesperados para sentir minha pele. Ah, e ela vai sentir cada centímetro de mim, posso prometer isso a ela. Eu me afasto apenas o suficiente para tirar minha camisa, antes de cair de novo nela. Minha mão desliza sobre sua pele nua e macia, sentindo cada centímetro de seu corpo liso enquanto suas unhas se aninham nas minhas costas. Meus lábios mergulham em seu pescoço, deixando


rastros

sofridos

quando

sua

respiração

ofega

e

seus duros mamilos se arrastam sobre meu peito. As pernas de Tara se espalham ao redor dos meus quadris, e quando sinto seus dedos deslizarem pelo meu abdômen para puxar meu cinto, um gemido baixo ressoa pelo meu peito. — Pequena coisa ansiosa, — eu rosno. — Não pode esperar para me ter em suas mãos, não é? Ela geme, ofegando agudamente enquanto eu belisco sua clavícula. — Tire isso, querida, — eu gemo enquanto seus dedos tiram o meu cinto e começam a puxar o meu zíper. — Tire isso e envolva essas mãos ao meu redor. Eu quero que você sinta o quão duro você me deixa. — Você realmente só vai me manter aqui? — Ela geme, deslizando as mãos dentro do meu jeans. Eu gemo enquanto sinto seus dedos enrolarem em torno do meu pau grosso, e quando meu pau pulsa contra a mão dela, ela ofega baixinho. — Você sempre pode correr, — eu murmuro em seu ouvido, fazendo-a tremer. — Mas pode ser um pouco difícil. — Por que... oh Deus, ...por que isso? — Porque eu acho um pouco difícil você correr quando eu tiver cada polegada do meu pau enterrado nesta pequena boceta apertada.


Tara geme, suas mãos me acariciando mais rápido quando sua cabeça cai para trás. Eu rosno em seu pescoço, mordendo e chupando e beliscando sua pele. Eu deslizo uma mão entre nós, provocando-a em sua barriga até meus dedos rolarem sobre seu pequeno e duro clitóris. — Eu tenho dificuldade em vê-la correr quando eu estou cravando você na porra do balcão com esse pau, querida. Quando eu tiver você ronronando tão gostoso para mim e gozando por todo o meu pau. — Eu gemo em sua pele. — Uh-uh, querida. Você não vai correr. Meu dedo rola em círculos lentos sobre seu pequeno e duro nó, mantendo-a ofegante e choramingando e pingando seu doce mel por todos os meus dedos. Eu me inclino para a frente, e quando a cabeça grossa e inchada do meu pau brinca contra aqueles pequenos lábios rosados e suaves de sua boceta, é tudo que eu posso fazer para me impedir de mergulhar direto. — Você não vai correr, querida, — eu rosno, minha mão segurando seu queixo enquanto nossos olhos se fecham. — Você vai gozar. Minha cabeça inchada empurra e a respiração de Tara se engata. Eu gemo em sua pele, minha mão caindo de sua mandíbula para agarrar seu quadril possessivamente, prendendo-a ao balcão enquanto começo a dirigir meu pau dentro de seu doce pote de mel.


— Oh, porra, isso é bom! — Tara geme, suas mãos agarrando minhas costas, suas pernas apertando ao meu redor como se ela estivesse tentando me puxar ainda mais. — Você, oh Deus, você é tão grande. — Tome cada centímetro, querida, — eu assobio com os dentes cerrados, tentando manter a minha sanidade enquanto sua boceta incrivelmente apertada e escorregadia me engole. Ela aperta forte em volta de mim, como se sua pequena boceta gananciosa estivesse tentando tirar o gozo das minhas bolas. — Abra para mim, menina, — eu gemo, empurrando mais dois ou três centímetros para dentro. — Abra-se e deixe-me entrar. Deixe-me preencher essa boceta perfeita com cada centímetro do meu grande pau. Minhas mãos deslizam para seus quadris, meus dedos apertam, e eu dirijo o resto do meu pau inchado dentro de sua doce pequena boceta. Tara grita de prazer, suas unhas arranhando minhas costas e minhas bolas apertando enquanto a intensidade de seu calor me agarra com força. Eu gemo, me afastando até que apenas a cabeça do meu pau ainda dentro dela, espalhando seus lábios rosados largos. Eu olho para baixo, meu sangue trovejando através de mim com a visão de seu creme liso brilhando no meu eixo. Porra, ela está encharcada. Pingando no meu pau. E eu amo o quão ansiosa ela é, eu amo o quanto ela está implorando por


mais. Seus quadris rolando para tentar tirar mais de mim, suas mãos e pernas me puxando para mais perto. Seu mel escorrendo em pequenos riachos pelo meu pau para pingar das minhas bolas pesadas. — Você quer esse pau, menina? Tara geme descontroladamente, ofegando enquanto seus lábios se esmagam nos meus. Eu rosno em sua boca, nossas línguas rodando juntas enquanto eu apenas a provoco, fazendo-a contorcer e rolar seus quadris tentando me fazer deslizar de volta para dentro. — Diga-me que você quer, querida, — eu rosnei em seus lábios. — Diga-me que você vai ser uma boa menina e tomar cada centímetro. — Eu quero isso! — Ela geme. — Agora, por favor, apenas me foda com esse seu lindo pau. Eu sorrio. Eu nunca disse que era um cavalheiro, mas estou sempre feliz em agradar uma dama. Meus quadris rolam, e quando meu pau entra profundamente em sua boceta molhada e ansiosa, nós dois gememos de prazer. Uma luxúria vermelha corre sobre mim, minhas mãos segurando-a com força, como se ela fosse minha. Minha para reivindicar, minha para montar. Eu recuo e, em seguida, volto para dentro, sentindo sua boceta me apertando e sentindo seu creme pingando por todo o meu pau.


Eu gemo, fodendo com mais força quando nossos lábios se juntam novamente. Eu posso sentir seu corpo tremendo contra o meu, suas coxas apertando em volta dos meus quadris musculosos. Meu jeans cai completamente no chão, e eu me liberto deles. Meus músculos apertam e ondulam quando eu a abraço forte, apertando como se eu nunca mais fosse deixá-la ir. Seus gemidos cortam através de mim, suas mãos traçando meus músculos e provocando minha pele, como se ela estivesse alimentando este fogo mais quente até nós dois explodirmos. Meu esperma ferve nas minhas bolas, e cada parte de mim

quer

transar

com

ela

duro,

selvagem

e

imprudentemente até que eu despeje meu gozo bem fundo dentro dela. Eu sabia que os caras do circuito de rodeio ficariam preocupados com uma garota que só abrisse as pernas para eles sem camisinha ou que não mencionassem estar tomando pílula. Inferno, quando você é famoso assim, uma garota pode ter todos os tipos de pensamentos sobre ‘prender’ você. A coisa é, eu sei que não é o caso com Tara. Eu mal conheço essa garota, e eu já sei que ela não é assim. Mas a coisa é, mesmo se ela fosse? Eu gemo, minhas bolas apertando com o pensamento de esguichar meu sêmen profundamente contra seu útero desprotegido. Porra, se ela estava tentando me prender? …Bom.


Porque eu sei que nem por um único segundo pensei que fodê-la iria me ‘prender’. Isso a ligaria a mim. A faria minha para sempre. Meu pau balança com o pensamento de a encher, e bombeando-a cheia de minha semente pegajosa até que esta barriga lisa e macia dela começa a inchar com uma criança. Meu filho. A luxúria toma conta de novo, e de repente, minhas mãos apertam nela e eu começo a fodê-la. Eu dirijo nela novamente e novamente, seus gritos de prazer ecoando pela cozinha e seu prazer escorrendo pelo meu pau latejante. Sua necessidade por mim coça nas minhas costas, e eu posso sentir o doce pequeno pote de mel dela se apertando ainda mais, como se ela estivesse prestes a explodir por mim. — Colton...! — Você quer sentir esse grande pau de cowboy, querida? Você quer me sentir mais fundo dentro de você do que qualquer outro homem já esteve quando essa pequena e doce boceta gozar para mim? Vá em frente, menina. Eu quero sentir você gozar. Eu quero sentir seu mel escorrer pelas minhas bolas. E quando você gozar, é melhor você saber que você é minha. Quando você tiver um orgasmo nesse pau, é melhor acreditar que eu nunca vou soltar você. Eu balanço meus quadris para frente, dirigindo cada centímetro o mais fundo que eu posso ir, me esfregando contra seu clitóris. E Tara apenas deixa ir. Ela grita, todo


o seu corpo se arqueando e se esbarrando no balcão contra mim enquanto seu orgasmo explode através dela. Ela se agarra a mim com força, ofegando por ar enquanto sua pequena e apertada boceta me aperta com tanta força. Eu quero segui-la e ter meu orgasmo, mas de alguma forma, eu aguento firme. Eu respiro, meu pau se contorcendo e doendo para explodir dentro dela. —

Vamos,

eu

rosno,

deslizando

para

fora

dela. Minhas mãos a pegam em meus braços, e eu me viro para a mesa da cozinha perto das portas de vidro para a minha varanda de trás. Oh eu não terminei com ela ainda. Tara geme descontroladamente enquanto eu a coloco na frente da minha mesa e a inclino sobre ela. Ela arqueia as costas, virando o rosto para olhar nos meus olhos com os dela tão cheios de calor. — Como você me quer? — Ela choraminga. Eu gemo, minha mão deslizando em seu cabelo e puxando-o em meu punho. Eu a puxo para cima, nossos lábios esmagando juntos enquanto suas costas se fundem contra o meu peito. — Eu quero você de todas as maneiras, linda. — Murmuro

acaloradamente,

meu pau duro

como

pedra pulsando quente contra sua bunda. Eu me abaixei na cadeira e, lentamente, eu a guiei para cima de mim. Eu mantenho suas pernas apertadas juntas enquanto eu a coloco no meu pênis, observando enquanto


ele se contrai contra sua bunda, deslizando entre suas coxas para encontrar sua boceta rosa e lisa. Eu gemo quando o beijo

daqueles lábios macios toca

meu

pau

pulsando,

pingando sobre ele e o deixando ainda mais pegajoso e pronto para ela. — Só assim, menina. — Eu assobio, meus músculos apertando quando Tara abaixa sua boceta quente em meu pau grande, grosso e latejante. Seus lábios engolem a cabeça,

estendendo-se

obscenamente

ao

meu

redor

enquanto ela desce sobre mim, abaixando seu corpinho apertado em meu pau grande. Meu sangue ruge como fogo em minhas veias enquanto eu assisto seu pequeno corpo lentamente tomar cada centímetro de mim. Foda-se, é quente pra caralho observar para ela tomar o meu tamanho enorme, aos poucos sua boceta apertada de alguma forma tirando tudo de mim, enchendo-a como ela nunca foi preenchida antes. E então ela está na base, os lábios cor de rosa de sua boceta se esticam tão apertados em volta de mim, linda e tentadora estremece quando eu palpito dentro dela. — Porra, isso é tão bom... — Tara engasga baixinho, ofegante quando ela lentamente se acostuma com a sensação de mim neste ângulo. Ela estende a mão, agarrando a borda da mesa e gemendo de prazer quando ela lentamente começa a se levantar. Eu posso ver suas coxas tremendo quando ela se afasta de mim até que apenas a


cabeça inchada está dentro. Com um grito de prazer, ela cai de volta, seu pequeno pote de mel levando cada centímetro de mim ao máximo. — Monte esse pau, querida. — Eu rosno, minhas mãos apertadas em sua bunda, segurando-a como se ela fosse minha para cavalgar. — Eu quero ver você montar nele até que essa pequena boceta sugue tudo de mim. Você quer montar

no

garanhão,

menina?

Minhas

palavras

sussurram em seu ouvido, seus gemidos enchendo a cozinha enquanto sua boceta apertada, perfeita, celestial escorre por todo meu pau grosso. — Me faça sua, — ela suspira. — Monte-o, — eu rosno, minhas bolas pesadas se contraindo. — Cavalgue esse grande pau até você parecer com uma boa cowgirl. Tara

desliza

para

cima

novamente,

seu

prazer

escorrendo de seus lábios enquanto ela deixa apenas a cabeça dentro antes de cair de volta. Nós dois gritamos, a mão dela segurando a mesa e a minha agarrando-a quando ela começa a montar meu pau grosso. Minha pulsação martela através de mim, meus olhos famintos presos na visão de sua linda bunda pulando para cima e para baixo em mim, sua boceta lisa e trêmula engolindo cada centímetro em cada golpe. Minha mão bate contra aquela bunda, fazendo-a gritar de prazer, suas costas arqueando quando ela começa a me


montar mais e mais rápido. Os sons quentes, úmidos e eróticos do meu pau dirigindo em sua boceta quente e escorregadia enche a cozinha junto com seus gritos de prazer enquanto nos movemos mais e mais rápido. Eu bato novamente, observando sua pele corada brilhar e sentindo sua boceta apertar forte e me segurar enquanto ela salta para cima e para baixo. Seu creme brilhante escorre pelo meu pau, e eu posso sentir minhas bolas começarem a apertar quando passo o ponto sem retorno. — Você continua me fodendo assim e você vai me fazer gozar para você, querida, — eu gemo. Tara grita, apertando em torno de mim e saltando ainda mais rápido, e eu sei que ela está perto também. — E quando você fizer isso, vou te encher com meu esperma. Eu vou esvaziar cada gota no fundo, e quando eu terminar? — Eu gemo, minha mão apertando sua bunda e meu pau inchando ainda mais para dentro quando ela começa a explodir. — Quando eu terminar, vou encher você de novo. Então goze para mim, querida, — eu gemo, o último fio da minha força de vontade se quebrando. — Monte esse pau grande do seu garanhão e porra, goze para mim. Ah e ela fez. Tara estremece, gemendo quando sua pequena e quente boceta aperta ao meu redor e seu corpo ondula com seu clímax. Ela joga a cabeça para trás, derretendo em mim


enquanto meus braços passam ao redor de seu corpo, puxando-a apertado enquanto eu empurro profundamente dentro e solto. É como uma bomba explodindo. Eu rugi em sua pele, segurando-a tão apertado quanto eu posso e mantendo meu aperto, enchendo sua boceta por todo o caminho até a base do meu pau enquanto eu explodo dentro dela. Eu rosno, sentindo minhas bolas se contorcerem contra ela com jatos pós jatos grossos e pegajosos das minhas bombadas de sêmen contra seu útero. Mais e mais, cobrindo-a até que comece a escorrer de onde nos encontramos. Meus braços apertam ao redor dela, meus lábios beijando a parte de trás do pescoço dela enquanto ela arqueja por ar. Eu vou protegê-la. Eu protegi minhas terras por anos e agora ela

é minha

também. Então eu

vou

protegê-la

também. Eu vou mantê-la segura, e enquanto eu faço, eu vou continuar fazendo-a minha, de novo e de novo e de novo, até que ela não possa nem andar sem meu sêmen vazar em suas lindas coxas. Eu quero ela cheia de mim. Eu quero ela concebendo comigo, e inchada com o nosso filho. Eu guardei esta terra e agora vou protegê-la também. E eu não estou deixando ninguém chegar perto do que é meu.


Capítulo 8 Tara Estou ofegante quando caio de volta em sua cama grande, minha pele ainda úmida e formigando do banho quente que acabamos de tomar, aquele em que ele apenas colocou a boca em mim novamente até que eu gritei, com um orgasmo tão forte que quase desmaiei. ...É realmente

possível desmaiar depois

de

muitos

orgasmos em um dia? Eu estou apenas brincando quando o pensamento passa pela minha cabeça, porque neste momento, eu estou legitimamente curiosa se é possível. Com ele? Sim, estou disposta a explorar quanto tempo isso pode levar. Colton vem do banheiro, também pingando do chuveiro. Bom senhor, nenhum homem deveria ser tão quente. Nenhum

homem

deveria

ser

tão

...esculpido. Músculos perfeitos e esculpidos que ondulam quando ele se aproxima de mim como se ele fosse algum


tipo de animal, perseguindo sua presa. Ele é como um deus grego com uma arrogância de cowboy e essa promessa das melhores malditas decisões que você já fez em seus olhos de aço. Um deus grego com o pau de um garanhão também. Eu coro, mordendo meu lábio e sentindo o calor me provocar quando meus olhos caem sobre seu abdômen definido,

passando

pelos

sulcos

profundos

de

seus músculos abdominais que apontam como uma seta de direção para baixo até seu pênis. E maldito inferno, que pau. Colton é enorme. Quero dizer, merda, ele nem está tão duro agora, enquanto ele se aproxima de mim, mas eu não posso deixar de olhar para aquele músculo grosso e grande que paira entre suas coxas musculosas. Tão suave e perfeito, sua cabeça bulbosa era mais escura do que o resto, com uma única veia grossa descendo pelo comprimento dele. Sob ele, suas

bolas

pesadas

e

inchadas

balançam

tentadoramente. Eu engulo, apertando minhas coxas juntas enquanto olho para seu pênis, sabendo que a umidade que eu sinto não é do chuveiro. — Um homem pode sentir que está sendo observado, e você continua me olhando assim. Eu coro. — Oh, confie em mim, você está sendo observado. Colton sorri aquele sorriso malicioso que faz meu pulso pular.


— Vê alguma coisa que você goste? Eu mordo meu lábio. — Tudo? Ele ri, se aproximando, e eu posso sentir o calor provocando minha pele. Sim, eu posso morrer de muitos orgasmos

hoje. Eu

decidi

que

se

eles

são desse homem? Sim, estou bem com isso. — Então eu estou presa aqui, hein? — Eu sussurro enquanto ele espreita na cama. — A oferta para amarrá-la ainda está de pé. Eu coro e ele rosna. — Você apenas hesitou, não é? Eu coro ainda mais, e ele geme enquanto se move sobre mim, abre minhas pernas para os lados dele. Sua mão traça entre os meus seios, fazendo meus mamilos franzirem em pequenos pontos rosados inchados enquanto seus dedos traçam minha pele. Ele se move mais alto, e quando sua mão segura minha garganta apenas o suficiente para me fazer tremer, ele me beija lentamente. — Eu quero você de joelhos, querida. — Ele ronrona, me fazendo suspirar baixinho enquanto ele se afasta. — OH — Eu choramingo. Colton rosna profundamente, movendo-se sobre os joelhos. Seu grande pênis está inchando, lentamente ficando ainda maior, se é que isso é possível, até que sua ereção grossa está pulsando debaixo de seu abdômen,


pulsando no ar entre nós. Ele envolve a mão em volta dele, lentamente massageando-o para cima e para baixo, e enquanto eu assisto, posso sentir o calor acumulando-se entre as minhas pernas. E eu aceno. Eu enrolo minhas pernas debaixo de mim, rolando até que estou de joelhos e mãos na frente dele. Seus dedos tocam minha mandíbula, e eu suspiro quando ele inclina meu queixo para cima para que seus olhos se fechem com os meus. — Abra os lindos lábios largos, menina, — ele geme. — Abra a boca e envolva esses lábios em volta do meu pau. Sua voz está afiada com esse brilho de aço, apenas o suficiente para me tornar uma poça de desejo. — Eu estou apostando que nenhum homem jamais te deu o que você queria, — Colton ronrona. — O que você precisava. — EU... Eu suspiro quando a mão dele desliza no meu cabelo, envolvendo-o em seu punho e puxando apenas o suficiente para enviar desejo trovejando através do meu corpo. — Diga-me que estou errado, — ele geme. — Diga-me que já houve um homem para te amarrar e te montar, para te foder como você sempre quis ser fodida. Para assumir o controle e torna-la dele.


Eu choraminguei baixinho, minha cabeça flutuando enquanto suas palavras sujas queimavam através do meu corpo, me deixando molhada. — Estou errado? — Não, — eu sussurro. — Então abra sua boca, linda. Abra sua boca para o meu pau. Ele me puxa contra ele, e com qualquer outro homem me deixaria furiosa, com ele, isso só me faz querer ainda mais. Há uma aspereza para ele, mas é a quantidade certa em que está deixando meus joelhos fracos e fazendo meu pulso acelerar. E ele está certo, claro. Nunca houve ninguém para... bem, me foder como ele está falando, ou como ele já fez. Nenhum homem já me fez gemer por isso assim, para me submeter e deixar ir completamente e deixá-lo fazer comigo o que ele quer. Chame isso de arrogância, ou aquela trapaça de cowboy. Ou talvez seja só porque Colton é uma marca especial

de

lindo,

duro,

áspero,

cativante

e

alfa pra caralho que me transforma em uma maldita manteiga. Lentamente, meus olhos se encontraram, eu abro minha boca e deslizo meus lábios sobre a grande cabeça de seu pênis. …E eu gemo.


Ele é tão quente e tão grosso, e eu posso sentir meus lábios se esticando obscenamente ao redor dele. A mão de Colton aperta meu cabelo, enviando um arrepio através de mim enquanto passo minha língua sobre sua cabeça inchada. Pré-sêmen grosso, pegajoso vaza dele, pingando sobre a minha língua e me fazendo gemer enquanto saboreio o gosto dele. Eu abaixo minha boca mais, gemendo quando eu engulo o máximo de seu pênis, e sinto-o encher a parte de trás da minha garganta. Calor explode através de mim, e eu nem estou ciente de que estou descendo entre as minhas pernas até ouvi-lo gemer profundamente. — Brinque com essa pequena boceta para mim, menina. Deixe-a pronta para mim enquanto você chupa meu pau. A deixe boa e molhada para que eu possa deslizar para dentro de você e fazer sua pequena e apertada boceta se esticar em volta do meu pau grande. Eu gemo descontroladamente, chupando, molhando seu pênis enquanto começo a balançar a cabeça. Meus lábios deslizam para cima e para baixo no comprimento inchado dele enquanto eu gemo profundamente, e posso senti-lo gemer em resposta. Ele se inclina sobre mim, uma de suas grandes mãos deslizando pelas minhas costas até que ele segura minha bunda com força. Sua mão mergulha entre as minhas pernas, um dedo provocando bem em cima da minha bunda e me fazendo gemer antes de mover para


baixo. Eu posso sentir seus dedos contra os meus enquanto eu rolo meu clitóris, e quando ele começa a aliviar dois deles dentro, meus gemidos vibram em torno de seu eixo. Colton geme profundamente, seus dedos entrando e saindo da minha boceta escorregadia e pegajosa enquanto eu provoco meu clitóris repetidas vezes. Seu pênis lateja entre meus lábios, e quando a mão dele aperta meu cabelo, eu só gemo mais alto. De repente, ele me rola, abrindo minhas pernas enquanto seu pênis molhado e úmido balança bem acima do meu rosto. Eu me inclino, e quando minha língua gira timidamente sobre suas bolas pesadas e cheias, ele rosna de prazer. — Porra, bem assim, querida. — Ele geme. Ele chega até mim, seu corpo musculoso firme ondulando enquanto ele abre minhas pernas largas. Suas mãos deslizam sobre mim, provocando entre as minhas pernas, e quando uma mão começa a brincar com meu clitóris dolorido, a outra curva dois dedos no fundo. Eu gemo, lambendo suas bolas e girando minha língua sobre elas. Eu alcanço, e quando eu envolvo meus dedos em torno de seu pênis e começo a acariciar, Colton sibila de prazer. — Chupe minhas bolas, Tara, — ele geme, seu pau balançando na minha mão. — Chupe minhas bolas e ordenhe o esperma delas. Eu quero que você ordenhe cada gota, garota gulosa.


Eu gemo descontroladamente enquanto seus dedos provocam minha boceta, me deixando louca enquanto ele rola meu clitóris sob seus dedos. Dois outros se bem no fundo, acariciando aquele ponto incrível do lado de dentro e me fazendo explodir com o calor enquanto eu chupo as bolas entre os lábios e a língua ansiosamente. Colton geme, seu abdômen ondulando e seus dedos se movendo mais rápido. Eu gemo contra ele, sentindo meu próprio orgasmo prestes a bater em mim enquanto seus dedos incríveis e o controle que ele tem sobre mim se combinam para quase me empurrar para o limite. — Eu vou gozar, menina, — ele rosna. — Me faça gozar. Chupe essas bolas grandes e acaricie meu pau grosso e me faça gozar em cima de você. Seu polegar rola pelo meu clitóris e eu explodo. Eu gemo descontroladamente quando eu suspiro, girando minha língua sobre suas bolas enquanto eu o acaricio com as duas mãos. E de repente, ele entra em erupção. Seu pênis balança nas minhas mãos pequenas, suas bolas se contraindo contra a minha língua e, de repente, ele está se chocando comigo. Quente, grossas linhas de porra branca perolada de seu pênis e salpico para baixo em meus seios. Eu posso sentir isso escorrendo pelos meus mamilos e juntando-se entre eles, mais jorros cobrindo minha barriga, e até dois que caem na minha boceta. Colton ruge, seus


dedos esfregando o esperma no meu clitóris enquanto nós dois ofegamos por ar. Ele se afasta, e eu acho que ele está prestes a se juntar a mim de costas na cama, mas de repente, ele está se movendo entre as minhas pernas e as abrindo. Eu suspiro quando ele puxa meus joelhos por cima de seus ombros musculosos, e quando ele solta seu pau duro contra a minha fenda, meu queixo cai. — Você ainda está tão excitado. — Querida, — ele geme, inclinando-se para me beijar ferozmente. — Eu sempre vou estar excitado para você. — Ele me beija de novo, mais profundo, com esse calor que eu nunca conheci até estar com ele. — E agora eu vou levar você. Vou assistir meu gozo brilhando em você quando eu reivindicar essa boceta. Ele me penetra, e eu grito quando ele empurra direto. Parece sujo como o inferno, perverso como pecado, e é o pior que já senti. Mas eu amo isso. Ele dirige para dentro de mim com profundas e poderosas investidas, com seu grande pau que nem sequer diminuiu de tamanho, eu me sinto tão bem quando seu gozo brilha na minha pele. Seu abdômen ondula e seus quadris rolam, e quando seu grande pau penetra em mim de novo e de novo, eu posso sentir o mundo inteiro começando a ficar embaçado.


Sim, tenho certeza que pode ser possível morrer de muitos orgasmos, mas tenho toda de certeza de que, neste momento, estou pronta para descobrir. Para a ciência, claro. O calor se acumula, nossos corpos batendo juntos de novo e de novo até que de repente, explode. Eu grito, segurando-o tão apertado como o número de orgasmo que eu perdi a conta, se despedaça através de mim. Eu posso sentir Colton rugir enquanto ele dirige profundamente, e quando seu pênis incrível lateja e eu posso sentir seu quente, espesso gozo me enchendo enquanto o orgasmo me deixa em espiral. — Ainda quer correr? — Ele sussurra, seus lábios roçando meus ouvidos enquanto nos levantamos juntos, nossas respirações ofegantes. Eu balancei minha cabeça, lentamente abrindo meus olhos e bloqueando meu olhar com o dele. — Não, — eu digo baixinho antes de beijá-lo. Porque eu não sei como diabos dizer a um homem que acabei de conhecer que eu nunca quero fugir, e nunca quero deixá-lo, sem parecer totalmente louca. Mas você sabe o que? Neste momento, a loucura parece boa pra caralho.


Capítulo 9 Colton Droga. Eu quero dizer que não sei o que está acontecendo, mas eu sei. Eu sei muito bem o que está acontecendo. Estou me apaixonando por ela. Não, não caindo. Caído. Eu já estou, e mesmo que esteja fazendo minha maldita cabeça girar, não há como negar isso. Ela é basicamente uma estranha, mas, ao mesmo tempo, parece que eu a conheço desde sempre, como se ela fosse uma peça perdida que eu passei a minha vida inteira procurando e finalmente encontrei. Eu não tinha muito tempo para mulheres. Inferno, eu não tive qualquer tempo para as mulheres, não em anos. Sempre houve muito a ver com assumir o rancho, e cuidar de Taylor, e tentando fazer o certo pelo meu avô e ficar de fora da vida crime que vem tão fácil vivendo aqui, onde ainda é meio que o oeste selvagem, às vezes.


Tudo que eu sempre quis foi este rancho e uma família minha. Eu consegui o rancho, mas nunca tive muita sorte com a segunda parte. Mas de repente, aqui estou me perguntando sobre isso. E eu estou pensando sobre isso com ela. Uma família. Cara, isso é do caralho. Nós mal nos conhecemos, mas sei o que sinto. Isso não é apenas sexo, também. Sim, havia algo alucinante sobre a ideia de entrar nela e enchê-la e tudo mais. Mas não foi apenas uma fantasia quente, e não é nada que eu tenha pensado ou fantasiado antes. Ela trouxe isso para mim, e sim, não é uma fantasia. Com ela, é o que eu quero. Isso não é só sexo, e isso não é apenas uma coisa ou

aventura

selvagem

que

estamos

tendo. De

jeito

nenhum. Porque um lance significa que isso é temporário, e não há nada temporário nisso. Ela não pode sair, não com o que temos explodindo entre nós dois. Eu quero que ela fique. Inferno, eu preciso que ela fique. Eu sei que eu poderia sair como um lunático completo perguntando a ela, mas é tudo que eu quero. Mas como você faço isso? O pensamento azeda na minha cabeça, mesmo com ela em meus braços como ela está agora. Como você pede a uma garota da cidade para ela para ficar aqui comigo, e ter meus filhos, e ser minha esposa para sempre aqui no rancho? Eu quase pude rir de quão incrivelmente ridículo é considerar essa perguntar, e em vez disso, eu apenas sorvo o


uísque e a seguro mais perto. Estamos nas vigas do meu celeiro. Não os estábulos principais onde eu mantenho minhas éguas ou o anexo onde eu mantenho meus dois garanhões. Esses são edifícios mais novos, mas o celeiro é uma antiga relíquia de um tempo mais antigo para este rancho. Principalmente, eu apenas mantenho o feno e grãos enfardados durante o inverno, mas também é o meu lugar para beber algo forte e olhar para as estrelas. Há uma grande claraboia que abre as manivelas no telhado, e aqui em cima nas vigas é um dos meus lugares favoritos. É por isso que a trouxe aqui. Eu tomo outro gole da bebida antes de passar por ela. — Devagar com isso. Não é um uísque normal que estou tomando, é uma bebida caseira que meu primo Silas destila em um dos toneis aqui. Veja, eu fiquei ‘bom’, como em, fora do jogo do crime. Meu irmão, Shepherd, foi o oposto. Só Deus sabe o que diabos ele está fazendo nos dias de hoje. Ainda estamos próximos, mas concordamos mutuamente em não discutir seu ‘trabalho’ quando estamos juntos. É uma merda que não quero participar. Silas está em algum lugar no meio. Ele está

fora

da

prisão

provavelmente,

e muito

malditamente foragido, mas ele não está roubando bancos ou qualquer que seja a merda que Shepherd está fazendo nos dias de hoje. As vezes ele está apenas vendo o luar nas colinas.


Forte pra caralho. Tara me olhou torto quando tentei sugerir que ela não gostava do uísque, alegando ser uma ‘garota uísque’. Eu sorrio enquanto ela pega o grande frasco de bebida. Nós vamos ver sobre isso. — Sério, calma com isso. Ela revira os olhos, aconchegando-se contra mim enquanto leva aos lábios e dá um gole. — Puta merda! — Ela grita, suas sobrancelhas se levantam enquanto ela tosse e engole a bebida alcoólica. — Isso é… — Forte? — Forte é apelido, — ela bufa, tossindo um pouco mais quando a cor floresce através de suas bochechas. — Sim, eu percebi que não era sua coisa. Algo feroz brilha em seu rosto, e ela me olha, segurando meu olhar enquanto pega o frasco de volta, levanta-o para os lábios e toma outro gole. Ela não engasga ou gagueja desta vez, e eu sorrio. — Nada mal para uma garota da cidade. — Isso que você pensa que eu sou? — Você não é? — Só porque estudei e não falo “ahn” o suficiente eu posso ser do Kentucky. Suas palavras soam como um sotaque e minha testa se ergue.


— Bem, merda, querida. Tara sorri para minha surpresa. — Jessup County. Eu ri. — Nem pensar. Eu acho que nós jogamos contra você no futebol no ensino médio. — Um grunhido ressoa através de mim quando eu me inclino, acariciando o seu pescoço com os meus lábios. — Agora, como eu não te conheci? — Muito ocupada com meu nariz em um livro. Deixeme adivinhar, você era um atleta ao redor do campo de futebol? Eu sorrio, olhando para o meu pacote de seis do meu abdômen e todos os músculos e sorrindo para ela. — O que você acha? Ela mostra a língua para mim, mas ela está ofegando quando eu rapidamente a puxo para mim, beijando-a lentamente. — E o que você fez com todos os livros em que seu nariz estava preso? Tara

suspira. —

Administração. Acredite

ou

não,

considerando que eu aparentemente trabalho para uma frente criminal, eu tenho um mestrado em Negócios da Ivy League. — Eu acredito, na verdade. — Inferno, ela tem ‘inteligente’ escrito nela.


— Houve outra oferta de emprego, mas... — Ela suspira, sacudindo a cabeça. — Deixa pra lá. — Conte-me. Eu a puxo contra mim, vendo aquela sombra cruzar seu rosto. — Você não quer saber, está bem. — Eu quero saber, — eu rosno. — Inferno, Tara, eu quero saber cada maldita coisa sobre você. Tudo. Eu quero te conhecer o tempo todo que o destino manteve você longe dos meus braços, — eu gemo, beijando-a suavemente. E lentamente, ela me diz. Ela me conta sobre seu ex idiota, e mesmo que minha pressão sanguínea passe pela porra do telhado, e mesmo que tudo o que eu queira fazer seja imediatamente ir para Chicago e encontrar esse filho da puta, então matar ele com minhas próprias mãos por machucá-la, ou por tocá-la para começar, sento-me e ouço até que ela tenha acabado. Quando ela faz, eu ainda estou chateado pra caralho com esse palhaço que eu nunca conheci e que agora quero enterrar em uma cova rasa. — Então, é isso, — ela suspira. — Depois disso, a outra oferta acabou, então a Synergy Coal estava lá. Eu balancei minha cabeça, puxando-a para perto novamente e apoiando meu rosto no topo de sua cabeça. — Eu o encontrarei, eu vou quebrar seus dentes porra.


Ela ri, inclinando-se para me beijar lentamente e depois mais fundo. — Ou talvez eu devesse comprar uma cerveja para ele. Ela franze a testa. — Por? — Por ser um idiota e perder você para que eu pudesse te encontrar. Ela sorri, mordendo o lábio enquanto seus olhos brilham. — Ok, isso foi bom. — Eu tenho meus momentos. Segurei sua mandíbula enquanto a beijava, o gosto do luar do Kentucky em ambas as nossas respirações e a luz da lua cheia do Sul nos cobrindo em luz branca. — Então, uma garota do Kentucky. — Eu balancei minha cabeça. — Aposto que você nunca quis voltar aqui, hein? Tara encolhe os ombros. — Eu não sei. O que fez você voltar? Depois de estar lá fora, ficar famoso? — Querer voltar? — Eu penso um segundo. — Talvez. Eu nunca pensei nisso até que meu avô me disse que ele estava deixando o rancho para mim. Depois disso? Sim, eu acho. Nunca esteve nos meus planos, mas de repente havia apenas um novo caminho para mim. — Você sente falta do rodeio?


— Não. Eu digo sem ter que pensar. Porque eu não sei. — Eu sinto falta de montar às vezes, mas eu não sinto falta da rotina da estrada, ou constantemente me movendo e dormindo em hotéis o tempo todo. Ela morde o lábio. — Você sente falta das meninas? Eu nem sequer pisco. Eu nem preciso, porque depois dela? Merda, qualquer coisa no meu passado está perdida em uma névoa. — Espero que você saiba que os tabloides sempre exaltam essa merda. Ela cora. — Eu estava apenas brincando. — Houve mulheres no meu passado, querida, — eu rosno, movendo-me e segurando seu queixo enquanto eu seguro seu olhar. — Mas merda, não me lembro de uma única coisa antes de você cair no meu mundo. Cara, se eu pensasse que estávamos nos beijando antes, eu estava errado. Porque quando aquele gato selvagem pula nos

meus

braços

e

esmaga

sua

boca

na

minha? Oh, agora estamos beijando. Eu rosno quando a beijo de volta, nossas respirações ofegantes juntas quando começamos a tirar as roupas um do outro. Tara só está vestindo uma grande camisa minha de qualquer maneira como uma camisola sexy, e quando eu puxo isso de seu


cabelo longo e o jogo de lado, ela está nua para mim enquanto ela monta meus quadris. Ela geme enquanto meus lábios se fecham em torno de um pequeno mamilo rosado e macio, minha língua girando em torno dele e fazendo-o enrugar na minha boca. Minhas mãos deslizam pelas costas, movendo-se sobre a curva suave de sua bunda perfeita e segurando-a com força. Ela se mexe contra mim, gemendo quando suas mãos caem para ansiosamente puxar meu cinto. Eu a ajudo, deslizando e empurrando meu jeans para baixo, deixando meu pau grosso se soltar. Eu chuto minhas botas e a calça jeans segue, até que é só ela e eu pele a pele enquanto nos movemos juntos. Eu posso sentir sua boceta escorrendo seu mel por todo o meu pau enquanto ela mói contra mim, e quando eu movo minha boca para o outro mamilo e chupo entre os meus lábios, ela só mói mais forte. Minhas mãos agarram sua bunda e a levanto, e eu uso meus quadris para colocar a cabeça latejante do meu pau ansioso ali mesmo contra sua abertura. Ela choraminga, e eu cerro os dentes, sentindo o calor úmido escorregadio de sua boceta escorrendo pelo meu pau inchado. Eu gemo, meu pau latejando enquanto a cabeça provoca contra sua abertura impossivelmente apertada e vaza pré-sêmen pegajoso contra ela. Ela desliza para baixo com um gemido baixo, ofegando enquanto ela afunda em cada centímetro grosso meu, até


que eu posso sentir seu clitóris cavalgando contra a minha base. Eu rosno, meus dedos cavando nela enquanto eu moo profundamente, deixando-a sentir tudo de mim tão profundo por dentro. Ela começa a mover, deslizando para cima e depois voltando devagar, seu doce corpinho se movendo como chuva de madressilva quando ela começa a se mexer de um lado para o outro no meu pau. — Monte esse pau, menina, — eu gemo. — Deixe-me sentir essa linda boceta subindo e descendo. Você quer ser minha pequena rainha do rodeio? Minha menina má? — Oh droga, — ela engasga, mordendo minha orelha. — Foda-me, — ela geme. — Salte nesse pau grosso, querida. Aí está. Monte esse pau grande de garanhão. Eu sei que você nunca teve um homem como eu, querida. — E agora, o que te faz dizer isso? — Ela engasga, choramingando enquanto eu vou até o fundo. — Porque eu posso sentir que esta pequena e doce boceta não é e nunca foi esticada assim. Porque eu posso dizer que você nunca teve um pau tão fundo antes, e posso dizer pela forma como você está prestes a gozar pra mim de novo que você nunca mais vai gozar assim por qualquer outro homem. — Oh Deus! — Tara grita, agarrando-se a mim, suas coxas apertando em torno de mim quando ela começa a pular mais e mais rápido. — Continue me fodendo com esse


pau grande, — ela geme, seus quadris rolando mais rápido e mais forte. — Nunca pare de me foder, tão perfeito… porra! Ela grita, mordendo meu ombro quando goza, sua boceta apertando meu eixo e ondulando para cima e para baixo do meu comprimento enquanto seu clímax explode através dela. Eu gemo, agarrando-a tão apertado e montando-a para cima e para baixo do meu pau através de seu orgasmo. Meus dedos traçam sua pele enquanto ela ofega por ar, gemendo e me beijando profundamente enquanto ela está em seus tremores. Eu empurro de novo, fazendo-a gemer quando meu pau a enche ao máximo. E lentamente, ela começa a me montar de novo, mordendo o lábio e fechando os olhos com os meus quando ela começa a tirar tudo de mim novamente. — Pronta para mais, hein? — Eu nunca mais quero parar, — ela choraminga, ofegando enquanto eu moo fundo. Minhas mãos deslizam sobre as curvas suaves de sua bunda, e quando uma das minhas mãos se afunda entre suas bochechas, ela geme baixinho. Eu sorrio faminto, beijando-a enquanto deixo meu dedo demorar, provocando bem em cima de seu pequeno rabo apertado. E com certeza, Tara geme novamente, baixinho, como se ela fosse tímida sobre isso.


— Oh, eu acho que você gosta disso, não é? — Eu rosno. Meu dedo provoca um círculo lento em torno de sua bunda, e ela geme para mim quando ela balança a cabeça. — Sim, — ela suspira baixinho. — Você gosta quando eu provoco sua bunda safada enquanto eu fodo essa boceta doce com meu pau grosso, hein? Tara geme descontroladamente, seu mel escorrendo pelo meu pau enquanto eu a sinto apertar em torno de mim. Eu mordisco seu ouvido, fodendo-a lentamente quando começo a provocá-la. Eu vou devagar, mas gentilmente, começo a empurrar meu dedo para dentro. Ela engasga, apertando por um segundo antes que ela se derreta em mim, e quando meu dedo se alivia dentro de sua bunda quente, apertada e impertinente, eu gemo enquanto meu pênis lateja profundamente dentro de sua vagina. — Garota suja, — eu rosno, levantando-a em seguida, deixando-a descer de volta ao meu pênis. Ela geme descontroladamente, revirando os quadris quando ela começa a me montar de novo, desta vez com o meu dedo enterrado. Ouvindo e sentindo seu corpinho doce se mover para cima e para baixo, seus gemidos enchendo o ar ao nosso redor até que eu tenha certeza que eu não vou durar mais. Porra, eu poderia gozar apenas por ouvir os sons que ela faz. — Porra, Tara...


Colton,

ela

engasga,

me

beijando

descontroladamente e segurando meu rosto enquanto ela geme de prazer. – Eu... eu quero que você... — Ela cora, seu rosto ficando vermelho escuro enquanto seus olhos se prendem nos meus. — Eu quero que você tenha tudo de mim. Ela chega para trás e entre nós, seus dedos provocando minhas bolas antes deles circularem ao redor do meu pau. Ela me acaricia com a cabeça ainda dentro de sua vagina,

fazendo-me

gemer

e

cerrar

meus

dentes. Lentamente, ela se afasta de mim, e quando ela desliza meu pau de volta, eu movo meu dedo de lado. Tara engasga baixinho enquanto ela centra meu pau contra sua bunda apertada e proibida, seus olhos se arregalam enquanto morde seu lábio. — Eu não posso nem explicar, — ela sussurra. — Mas você é tudo que eu quero e sou toda sua. Você disse que eu não iria ou não poderia correr porque eu era sua? Eu aceno com a cabeça, nossos olhos trancados e meu coração acelerado. — Bem, eu sou, — ela diz baixinho. — Eu sou toda sua. — Fique aqui, — eu rosno. Foda-se, só sai, e eu não me importo. — Fique aqui comigo, querida. Fique aqui, e eu juro

por

qualquer

poder

que

você

acredite

que

eu nunca me cansarei de fazer de você minha rainha ou fodê-la exatamente como você merece ser fodida. Fique aqui


e eu sou todo seu, querida. Esta fazenda, a casa, essas colinas... — Eu balancei minha cabeça. — Isso tudo pode ser seu, comigo. — Colton, — ela geme, me beijando suavemente. — Tara... — Meu corpo inteiro treme com a necessidade de reivindicar mais dela, meu sangue rugindo com a necessidade primordial de fazê-la minha. — Eu sou sua, — ela sussurra pouco antes de seus lábios esmagarem os meus.


Capítulo 10 Tara Eu tremo, arqueando minhas costas e gemendo em êxtase enquanto seus lábios trilham minha pele. Eu estou de joelhos, meus braços estendidos na minha frente e minha bochecha descansando no cobertor macio que ele colocou sobre o feno. Antecipação e calor provocam através de mim enquanto suas mãos ásperas e poderosas deslizam sobre o meu corpo. Seus lábios traçam entre minhas omoplatas, beijando mais baixo enquanto eu suspiro por mais. Estou perdida nele. Deliciosamente, maravilhosamente perdida. Sim, pode ser uma loucura. Eu posso ser louca, mas sei sem dúvida que isso é real. Estar aqui com ele e me sentir em casa. Suas mãos em mim e seus lábios em minha pele são uma sensação que eu sempre procurei e nunca encontrei minha vida inteira, até agora. E agora eu quero tudo. Agora, eu quero compensar todas as vezes que ele não estava me tocando, ou me beijando, ou me fazendo sentir essas coisas que eu nunca


senti antes. Já passou um dia e eu já me conectei com Colton em um nível que nunca senti com ninguém. É selvagem, ardente e totalmente maluco, mas não posso ignorá-lo. Eu não posso negar isso. Não posso negá-lo e agora quero que ele me tenha toda. As mãos grandes de Colton roçam minha bunda enquanto ele beija mais baixo nas minhas costas. Eu engulo em seco, ofegante quando sinto seus lábios e sua língua traçarem mais abaixo. Eu sei onde ele está indo, e a antecipação me faz retorcer os dedos dos pés e morder meu lábio. Isso é algo que eu nunca fiz, nunca cheguei perto de fazer. Mas

com

Colton,

é

como

se

eu

não

pudesse esperar que ele me mostrasse algo novo. Sua língua desliza para baixo e minha respiração fica presa. E de repente eu o sinto lá. Oh droga... Eu suspiro, minha mandíbula afrouxando e meus olhos rolando enquanto o prazer perverso e proibido derrete através de mim. A língua de Colton dança sobre o meu lugar mais privado, girando levemente sobre o meu pequeno rabo apertado. Meu corpo treme por ele, meu coração dispara como um trem e o calor explode através de mim. Ele geme em mim, suas mãos apertando meu corpo enquanto sua língua maliciosa provoca sobre a minha bunda mais e mais, até que eu estou vendo estrelas e gemendo como uma


louca. Minhas mãos seguram o cobertor, e eu suspiro quando eu empurro de volta, querendo desesperadamente mais enquanto ele me provoca. Porra é tão quente. Tão bom, como nada que eu já imaginei antes, eu quero mais. — Uma menina tão má, — Colton geme enquanto eu grito de prazer, empurrando de volta contra sua língua. — Você gosta de mim lambendo essa bunda safada, não é? Eu choramingo, assentindo e gemendo enquanto sua língua gira sobre o meu anel apertado novamente. — Você quer que eu foda essa bunda sexy com a minha língua, querida? Você quer que eu faça você gozar assim, em suas mãos e joelhos com sua bunda no ar para eu lamber, provocar e reclamar? Eu gemo, tremendo enquanto sua língua empurra meu anel, fazendo todo o meu corpo derreter sob o seu toque. — Eu vou te deixar bem molhada, menina, — ele ronrona. — Te deixarei linda e pronta para o meu pau deslizar para dentro desta pequena bunda apertada. Seus dedos deslizam pelas minhas coxas, provocando meu clitóris e me fazendo escorrer por sua mão toda enquanto sua língua gira em minha bunda de novo e de novo, até que eu sou apenas uma bagunça trêmula para ele. Lentamente, ele se afasta, beijando o caminho de volta pela minha espinha. Eu ofego quando seus braços grandes me rodeiam, gentilmente me puxando para ele enquanto ele


se senta no cobertor comigo em seu colo. Eu posso sentir seus músculos duros nas

minhas

costas,

seus

bíceps

ondulando enquanto suas mãos deslizam sob mim para segurar minha bunda. Seu pênis enorme e palpitante pulsa contra minha boceta, e eu olho para baixo e gemo com o enorme tamanho dele pulsando entre as minhas coxas. Colton me levanta, e sua cabeça de inchada de seu pau traça sobre os lábios da minha boceta, deixando um rastro de pré-sêmen pegajoso sobre mim. Sua cabeça desliza para baixo, e quando o sinto centrado contra a minha bunda, minha respiração para. — Última chance, — ele rosna em meu ouvido, suas mãos firmes em minhas coxas, segurando-me equilibrada logo acima de seu pênis. — Última chance antes de reivindicar tudo de você, Tara. Eu me viro e quando nossos lábios se tocam, posso o sentir gemer contra mim. — Você já tem, — eu sussurro. Eu o beijo de novo quando o sinto começar a me abaixar. Eu gemo em seus lábios, sentindo aquela cabeça enorme e latejante empurra na minha bunda. Minha respiração para, meu pulso martela em meus ouvidos enquanto ele empurra lentamente, até que de repente, sua cabeça grossa começa a me preencher. Jesus Cristo.


É mais apertado do que qualquer coisa que eu possa imaginar, mas, ao mesmo tempo, é um prazer que eu nunca sonhei. Lentamente, Colton desliza para dentro de mim, seu pênis grosso e quente empurrando em minha bunda centímetro por centímetro. Eu gemo descontroladamente, me perdendo enquanto ele rosna, suas mãos apertando em mim enquanto ele alivia mais uma polegada para dentro. — Assim, menina, — ele geme no meu ouvido. — Tome meu pau. Pegue cada centímetro

do meu pau em

você. Sinta-me reivindicando essa bunda e tomando o que nenhum homem jamais tomou antes. Ele dirige em outra polegada e eu grito de prazer. Ele pega uma das minhas mãos e a move entre as minhas pernas, e nós dois começamos a brincar com o meu clitóris. Minha cabeça gira em êxtase, minha outra mão deslizando ao redor de seu pescoço enquanto me viro para beijá-lo com tudo o que tenho. Lentamente, eu afundo em seu pênis, levando mais e mais até que ele esteja enterrado ao máximo dentro da minha bunda. Eu suspiro, ofegando e tremendo com a sensação completa enquanto ele pulsa tão profundamente por

dentro. Seus

dedos

e

os

meus

provocam

meu clitóris duro, me fazendo ofegar. E então, ele começa a me deslizar para cima. Eu suspiro, derretendo contra seu peito enquanto suas mãos seguram minha bunda e me deslizam até que apenas sua cabeça


espessa e inchada permanece dentro. Ele me deixa de volta para baixo, e o prazer explode através de mim enquanto seu pau grande me preenche profundamente. — Bem assim, querida, — Colton rosna, apertando as mãos sobre a minha pele e seu pênis tremendo dentro de mim quando ele começa a me deslizar para cima e para baixo em seu eixo. — Monte meu pau, menina. Sinta meu pênis

fodendo

essa

bunda

doce

tão

profundamente. Você quer ser minha garota safada com meu pau grande em sua bunda? Você quer foder ele com seu pequeno buraco apertado até você gozar em cima de mim? Eu grito, e antes que ele possa me parar, eu estou me movendo sozinha. Prazer explode através de mim quando eu assumo, rolando meus quadris e saltando minha bunda para cima e para baixo em seu pênis enorme, grosso e lindo. As sensações impertinentes estremecem através de mim, e a combinação de suas mãos tão apertadas em mim e meus dedos rolando meu clitóris me faz ver estrelas de prazer. Colton ruge, suas mãos segurando meus quadris apertados quando ele começa a bater para encontrar meus próprios quadris balançando. Seu pau entra profundamente no meu rabo apertado e, lentamente, o calor de tudo isso começa a me ultrapassar. Eu pulo nele mais rápido e mais forte, levando-o ao máximo em cada estocada e sentindo


suas bolas baterem contra mim. O suor escorre dos nossos corpos no úmido ar noturno de Kentucky e, quando seus dentes mordem meu ombro, começo a me perder. — Foda-me, oh caralho! — Eu grito, saltando para cima e para baixo no pau de Colton, o deixando me foder como eu mal ousei sonhar. Ele geme, suas mãos cobrindo minha bunda com tanta força e sua boca beliscando e chupando meu pescoço. — Tome meu pau, garota safada, — ele geme. — Pegue meu pau na sua pequena bunda apertada. Eu quero sentir essa bunda gozando por mim, querida. Eu quero sentir você me apertar tão forte quando você chegar lá. Eu quero que você saiba o que é sentir meu pau tão duro em sua bunda sexy. Então, porra, goze para mim, Tara. Monte esse grande pau como uma boa cowgirl e goze para mim. Por um segundo, quase acho que apaguei. O mundo todo

fica

branco

e

de

repente

tudo

está

explodindo. Eu grito, o orgasmo explodindo através de mim como dinamite e todo o meu corpo se despedaçando sob a força dele. Eu caio até o pau de Colton, e quando seus músculos se agitam e se apertam, eu grito quando o sinto gozando logo atrás de mim. Ele incha tão grande dentro de mim antes de gozar, eu sinto

isso. Eu

sinto

seu

sêmen

quente

explodindo

profundamente dentro de mim, jatos quentes de sua bomba de semente pegajosa no fundo da minha bunda, seus


rugidos de prazer se misturando com os meus até que eu tremo mais uma vez e fico mole em seu peito. Os braços musculosos de Colton vão ao meu redor, nós dois cobertos de suor e ofegantes por ar enquanto ele lentamente nos joga no chão ao nosso lado. Ele fica dentro de mim, ainda latejando, ainda duro. Seus dedos escovam um fio de cabelo suado do meu rosto, e quando seus lábios roçam minha orelha, eu sorrio e afundo contra ele. — Isso foi... — Eu coro. — Diga—me, — Colton geme no meu ouvido. — Incrível, — eu sussurro, virando-me para ele enquanto nossos lábios se aproximam suavemente. *** Ainda estamos nus mais tarde, estendidos ao lado um do outro no cobertor olhando para as estrelas. Eu tomo um gole lento da garrafa de bebida alcoólica, sorrindo enquanto o calor se derrete através de mim. Eu me viro para olhar para o homem que apenas balançou meu mundo inteiro, deitado ao meu lado como uma espécie de versão perfeita masculina. Lindo, musculoso, áspero, mas gentil e amoroso. Ah, e com o pau meio duro, pendurado no meio da coxa. …Como eu disse, perfeito.


Eu me aconchego contra ele, suas mãos acariciando minha pele enquanto ele pega a garrafa de mim e toma um gole. Eu poderia ficar aqui. É

um

pensamento

maluco,

mas

sei

que

posso. Estar aqui, e estar aqui com ele, parece colocar minha vida em perspectiva, e lentamente, estou percebendo que tudo o que eu tenho sentido falta na minha vida pode ser, bem, isso. Ele e este lugar. Eu me sinto livre aqui no ar do campo, não confinada como eu acho que sempre estive na cidade. É o ar fresco, as estrelas e um homem como ele. Todas as coisas que eu nunca encontrei antes, porque eu estava procurando no lugar errado. Eu me viro e quando me inclino, ele me encontra, nossos lábios se fundem. — Sim, — eu digo baixinho em seu beijo. Ele arqueia uma sobrancelha e eu mordo meu lábio, sorrindo. — Você me pediu antes para ficar aqui. Nossos olhos se fecham e, de repente, vejo a centelha de compreensão nele. — Minha resposta é sim. Eu mal consigo pronunciar as palavras antes que eu suspire quando ele me pega em seus braços. Eu gemo, beijando-o profundamente e sentindo seu corpo duro e quente ondulando contra a minha pele nua. Estou tão


perdida nele que os tiros não parecem reais a princípio. Na minha cabeça, eles são inventados, um ruído de fundo de uma TV em algum lugar, ou algo que estou imaginando. E não é até que Colton ruge e me empurra para baixo, me cobrindo com seu corpo contra o feno e as paredes do celeiro em torno de nós começam a explodir e cair em lascas, que eu começo a gritar.


Capítulo 11 Colton Ela está bem. Estamos bem. Eu sei que Tara está apavorada, e cada parte de mim odeia deixa-la. Mas também sei que tenho que ver o que acabou de acontecer conosco. Eu tenho que saber quem acabou de esvaziar um cartucho inteiro na lateral do meu celeiro. Não a minha casa, o celeiro que quase nunca é usado, o que significa que alguém estava assistindo e sabia que eu estava aqui… Ou sabia que ela estava aqui. — Fique abaixada, — eu assobio, beijando sua cabeça antes de eu subir e correr para a escada. Eu deslizo para baixo, meu pulso rugindo quando ouço o som de uma porta de caminhão batendo e o som de pneus levantando o cascalho. Meus lábios se curvam em um grunhido

quando eu

atravesso

o

chão

do

celeiro,

malditamente pelado enquanto puxo o velho Remington do gancho perto da porta e vou para o pátio iluminado pela


lua. Eu uso essa coisa para pegar coiotes, mas ali mesmo, eu levanto na parte de trás do caminhão quando ele começa a descascar o caminho. Eu respiro, me firmo e aperto o gatilho. A janela traseira do caminhão cai, quebrando com o meu primeiro tiro. A luz traseira acerta em seguida e depois o espelho lateral. Mas depois disso, eu posso ver o filho da puta bater na estrada principal e sair correndo. Quando abaixo o rifle, meu sangue bombeando e meus músculos

cerrados. Porra. Eu

conheço

esse

caminhão. Inferno, é a segunda vez hoje que está na minha maldita garagem. É o caminhão de Jessie Banner. Ainda

estou

vendo

vermelho,

ainda

fumegando

enquanto uma mão suave desliza pela minha cintura. Me assusto, piscando quando me viro para encontrar Tara deslizando por trás de mim envolta no cobertor. Ela desliza os braços em volta de mim, e eu tiro a arma sobre o meu ombro enquanto a coloco contra mim. — Você deveria ficar abaixada, — eu resmungo. — E você não deveria correr atrás de alguém que atira em você, — ela anda para trás, olhando para mim. Eu sorrio com aquele olhar afiado em seu rosto antes de sacudir minha cabeça. — Tinha que ver quem era. — E?


O rosnado ressoa no meu peito. — E eu acho que precisamos dar outra olhada no que você pode ter que Jessie Banner quer. Seu queixo cai. — Aquele cara era ele? — Eu te disse, essas pessoas não são do tipo que fodem por aí. — Eu...! Ela pisca, um olhar preocupado cruzando o rosto antes que eu a abrace, meus braços circulando ao redor dela protetoramente. — O que eles poderiam querer comigo? — Eu não sei, — eu rosno. — Mas quando... não se, mas quando... eles vierem procura-la novamente, eu vou estar pronto para eles. Eu me viro e estreito os olhos para a poeira ainda rolando da minha garagem da picape partindo. Eu fiquei fodido com todo o drama e a besteira da família desde que voltei para cá. Law Banner sabe disso e sempre respeitou isso. Eu nunca me meti em seu território, e ele nunca veio e se meteu no meu rancho. Aparentemente,

Jessie

nunca

recebeu

esse

memorando. Ou talvez Tara mude o acordo não dito. Minha mandíbula aperta, a raiva com o que quase poderia ter acontecido fumegando dentro de mim. Ela poderia ter sido ferida ou pior. Eu acabei de encontrá-la,


depois de aceitar que eu nunca encontraria aquela mulher que me faria sentir completo. E tinha acabado de chegar perto de perder isso? Meus lábios se curvam em um rosnado. Foda-se isso. Eu mantive a paz. Eu deixei o drama de sangue da família atrás de mim e tentei viver limpo e longe de tudo. Mas agora? Uma linha foi cruzada. Agora, eles vieram atrás do que é meu e colocaram o que é meu em perigo. Agora, eles começaram um incêndio que eles vão se arrepender de ter acendido. — Você está bem? — Eu sussurro, enterrando meu rosto em seu longo cabelo castanho. Ela balança a cabeça, suas mãos suaves deslizando ao redor dos meus quadris e seus lábios beijando meu peito. — Sim. E você? — Estou bem. Tara se afasta e sorri, arqueando uma sobrancelha enquanto arrasta os olhos sobre mim. — Eu diria. Quero dizer, olá meu próprio cowboy privado. — Eu rio, inclinando-me para beijá-la novamente. — Eu quero dizer que você tem a arma e tudo. — Ela ri, corando. — Trocadilho não intencional, — ela bufa, seus olhos caindo para o meu pau antes que ela olhe para trás e se inclina para me beijar. — Acabamos de ser alvejados, e aqui você está me olhando de novo, — eu sorrio.


Tara cora. — Bem... pare de ser tão bom para olhos cobiçosos! Eu rio enquanto eu a pego, engolindo seu suspiro quando seus lábios esmagam os meus. — Então o que vem agora? — Ela sussurra. — Agora, nos preparamos, porque algo me diz que não vimos o fim disso. Seja o que for isso. Seu sorriso desaparece, seu rosto empalidece. — Então, eles estarão de volta? — Provavelmente, — eu rosno, minhas mãos apertando nela. — Mas da próxima vez, vai ter volta. *** — Porra, cara. Tem certeza que era Jessie? — Tenho certeza, claro. Tucker amaldiçoa ao telefone. — E você acha que é essa garota? Meus olhos percorrem a sala, onde Tara está enrolada no sofá inclinada sobre seus papéis e seu laptop da Synergy Coal. Ela está vestindo um par de moletons velhos e uma camiseta minha, em que ela basicamente está nadando, e ainda assim, de alguma forma, ela ainda está linda. As roupas mais disformes do mundo e essa garota parece tão gostosa pra caralho nelas. Eu concordo.


— Sim, penso assim. Você sabe alguma coisa sobre essa empresa de mineração que eles estão fazendo? Eu ouço Tucker fazer a pergunta para Walker, que provavelmente está dirigindo. — Não, nós não sabemos nada sobre isso. Pode ser que Jessie tenha algumas de suas próprias coisas, embora fora do alcance de Lawson. Tucker e Walker são amigos que cresceram comigo aqui em Sugar County, que saíram mais ou menos na mesma época que eu. Mas onde fui fazer rodeio, os dois foram para o Iraque e o Afeganistão com os fuzileiros navais. Eles voltaram alguns anos antes de mim, entraram em uma equipe juntos, e agora eles são uma dupla. Inferno, eu não conheço uma única pessoa no mundo, exceto Tara, que eu poderia passar toda a porra de dia e noite em uma cabine de caminhão. Mas então, aqueles dois eram sempre espertos como ladrões. …Ah, certo, e vale a pena mencionar que eles trabalham para Lawson Banner. Agora, eu sei muito bem que eles não têm nada a ver com nenhuma das famílias da Banner, nada mais sinistro, o que

é

bom. Por

último,

ouvi

dizer

que

estavam

transportando carros roubados e material de construção, um caminhão ocasional cheio de telas planas roubadas. E ei, dinheiro é dinheiro e os Banners pagam muito bem. Eu sei que os dois sempre se sentiram um pouco fora dos


trabalhos considerando a história entre minha família e os Banners, mas eu sempre me certifico de que eles saibam que não é nada pessoal. Não comigo pelo menos. Como eu disse, dinheiro é dinheiro, e desde que eles não estejam fazendo com que eles mexam com drogas ou garotas, ou qualquer outra merda, eu sinceramente não me importo para quem eles trabalham. Mais uma vez, toda essa merda de ramo da família não é nada que eu queira fazer. — Pode ser, — eu digo em voz alta, coçando meu queixo. — Honestamente, irmão, se fosse Lawson vindo atrás de você, ele teria acabado de bater em sua porta da frente e atirado em você na cara. Eu franzo a testa, e Tucker solta a risada grave e retumbante dele no meu silêncio. — Desculpe, mas você sabe o que quero dizer. Enviando alguém para atirar em você no escuro enquanto você está com uma garota? Não, não é o estilo de Law. Eu posso não conhecer o cara, assim como Tucker e Walker, mas ele está certo. — Olha cara, eu gostaria que pudéssemos ir ajudar... — Não, não se preocupe. Eu sei que você está trabalhando. — Colton — Um trabalho é um trabalho, cara, eu sei. Tucker suspira.


— Sim, mas você sabe que Walker e eu, bem, ficamos chateados. Dinheiro é dinheiro, mas... Eu rio, interrompendo-o. — Você sabe o que? Da próxima vez que você estiver de volta à cidade, venha me comprar uma cerveja, se você se sentir tão culpado, certo? Eu posso ouvir o riso do meu grande amigo através do telefone. — Você pode apostar, irmão. — Ele limpa a garganta. — Então, essa garota. Meus olhos se movem pela sala novamente, apenas a observando. Porra, ela se encaixa tão perfeitamente aqui, enrolada no meu sofá, em minha casa, vestindo minhas roupas. Minha

mente

flutua

e,

na

fantasia,

estou

preparando o jantar enquanto ela termina algum trabalho que ela ama. Na fantasia, há o som dos pés das crianças no andar de cima e depois desce as escadas à procura de comida. Eu balancei minha cabeça, sorrindo. Porra, é tudo que eu quero. Esta fazenda. Ela. Uma família. — Ela vale isso? Eu pisco, minha atenção clicando de volta para Tucker pelo telefone. — Ela vale a possibilidade de entrar em guerra com os malditos Banners?


Não é nem uma questão para mim. — Eu iria para a guerra com toda a porra do mundo por ela. Tara olha para cima e nossos olhos se fecham. Tenho certeza que ela não ouviu o que eu disse, mas ela me vê olhando diretamente para ela. Lentamente, ela sorri, seus dentes mordendo o lábio inferior enquanto o rubor se apodera do rosto dela. — Bom, — Tucker rosna. — Olha, mesmo que não possamos estar aí, se você precisa de algo... — Eu tenho Shepherd e Silas vindo. Tucker geme. — Você sabe que significa jogar gasolina em um incêndio? Eu franzo a testa. Eu sei que ele está certo, mas é a única opção que eu tenho. Eu posso ficar bem longe desse assunto família do sangue Banner-Bronson. Mas meu irmão Shepherd e meu primo Silas? Sim, nem tanto. Não por mesmo. — Boa sorte, cara, — Tucker ronca no telefone. — Você vai precisar disso.


Capítulo 12 Tara Isso parece um lar. Eu sei que a tensão é louca, e há aquele pequeno fato de que acabamos de ser alvejados por tiros. Mas é algo que não posso ignorar. Eu estou enrolada no sofá vestindo uma calça de moletom e uma camiseta de Colton, das quais eu estou absolutamente nadando, enquanto eu caço em meus papéis e meu laptop, tentando encontrar algo que possa ser o que Jessie Banner quer comigo. Eu olho para cima e vejo Colton na cozinha, mexendo um pote do que ele chama de seu famoso chili, e sorrio. Sim, mesmo com algum psicopata da máfia caipira louco tendo acabado de atirar em nós, tudo isso parece perfeito. Na versão de fantasia, é claro, não há Jessie Banner preenchendo o lado do celeiro com buracos de bala. Eu não estou olhando para papelada da frente criminosa de uma empresa que eu fui enganada para trabalhar. E Colton


não tem uma espingarda pendurada por cima do ombro na cozinha, constantemente olhando pelas janelas. Não,

na

fantasia,

é

diferente. Colton

não

está

verificando a segurança de sua arma, ele está apenas terminando seu chili com talvez algumas músicas country tocando no rádio. Não há ninguém vindo por nós, ninguém tentando nos ferir. Nessa fantasia, talvez eu ainda esteja enrolada no sofá, mas estou lendo um ótimo livro. Talvez eu esteja lendo um ótimo livro para uma criança pequena. Eu

coro,

balançando

a

cabeça. Eu

nunca

fui aquela garota. Eu nunca fui a única a pensar sobre as crianças e tudo isso. Na verdade, não tenho certeza se alguma vez pensei seriamente em ter alguma. E, no entanto, apenas estar perto de Colton Bronson tem todos os tipos de hormônios chutando dentro de mim. É como se estar apenas

com

ele

inflamasse

esse

desejo

primitivo

de acasalar. Ou talvez seja apenas aquela mistura perfeita de robusto e lindo que grita ‘ei, eu tenho uma ótima genética’ para qualquer coisa com um par de ovários. E eu e os meus não somos exceção, deixe-me dizer isso. Olhando para Colton, mesmo agora com a ameaça pairando sobre nós, não posso deixar de sentir o calor me provocar. Eu não posso ajudar, mas lembro de todas as maneiras que ele me tocou e me fez gritar de prazer, e me fez gozar como nunca desde que caímos um no outro. E


mesmo com o perigo pairando no ar, Deus me ajude, eu o quero. Eu quero que ele caminhe para mim, espalhe meus papéis, rasgue minha roupa e apenas me leve, como ele quiser. Como eu disse, malditos hormônios. Eu me forço a me concentrar na papelada da Synergy Coal. Há algo aqui que Jessie quer, mesmo que eu não possa ver, pela minha vida preciso descobrir isso. Tudo o que eu tenho na minha bolsa são contratos, um para tentar comprar as terras de Colton e outro para um de seus vizinhos na estrada. Há também alguns mapas topográficos básicos do Sugar County que destacam alguns dos depósitos de carvão que passam por ele, mas isso é tudo. Ah, e meu laptop da empresa. Eu considerei que talvez houvesse algo escondido lá, mas também parece ser James Bond. Os faróis brilham através das janelas da entrada e eu imediatamente ouço Colton entrar em ação. A colher cai contra o lado da panela de chili, e ele tem a espingarda engatilhada enquanto ele arremessa para a porta da frente. — Eu preciso que você fique abaixada, querida, — ele rosna, balançando a cabeça enquanto eu deslizo para o chão na frente do sofá, meu coração acelerado. O som de um motor de caminhão ruge e os faróis se apagam. Então fica em silêncio. A mandíbula de Colton aperta e seu dedo desliza sobre o gatilho da arma enquanto ele olha pela janela lateral para a


entrada escura. De repente, a porta da cozinha se abre com uma pancada. Eu suspiro, e Colton ruge quando ele se vira, nivelando a espingarda. E então a abaixa quando a figura passa pela porta. — Você perdeu a porra da cabeça! Os ombros de Colton caem, a fúria resplandece em seus olhos enquanto ele aponta um dedo para o homem que acabou de entrar pela porta. O cara é facilmente tão alto e construído como Colton, mas com cabelos escuros para o loiro de Colton, e com os olhos que brilham quase como se estivessem banhados de prata. Ele sorri este sorriso afiado e malicioso para Colton. — Apenas mantendo você na ponta dos pés, irmão. Irmão. Eu

exalo,

lentamente

saindo

do

chão. assim este é o irmão de Colton, Shepherd. Ele me disse que ele vinha, bem, não, ele me avisou que ele estava vindo. Aparentemente, os dois irmãos caem em lados opostos das coisas. Onde Colton só quer ficar em paz com seu rancho e viver acima do nível, Shepherd é um pouco do oposto. Um ladrão, um traficante de armas, um jogador e um fugitivo, aparentemente. — Eu poderia ter explodido você ao meio, — Colton rosna, colocando a espingarda na mesa da cozinha. — Não, você não é tão rápido. Shepherd

sorri

com

aquele

sorriso

de

tubarão

novamente. Ele está de bota preta, jeans e camiseta escura


que ele levanta para mostrar um coldre duplo pendurado em seus quadris. Seus olhos passam por seu irmão, se prendendo em mim e me fazendo tremer um pouco quando aqueles olhos escuros e profundos se fixam em mim. — Vejamos, — ele ronrona, os cantos de seus lábios enrolados ao longo daquela mandíbula perfeita. Ele passa por seu irmão e caminha na minha direção. — Eu não acho que fomos apresentados, docinho, — ele rosna. — Eu sou... A mão de Colton dispara, fechando-se com força no braço de Shepherd e puxando-o de volta. — Observando suas maneiras de merda é o que você está fazendo. — Ele sussurra, estreitando os olhos e os lábios

se

curvando

para

trás

de

seus

dentes. —

Cuidado, Shep. Shepherd sorri. — Eu só estou mantendo você alerta, cara. — Ele se vira para mim. — Desculpe, querida, apenas me certificando que esse idiota estava certo sobre o jeito que ele babou sobre você no telefone antes de eu me comprometer com essa pequena aventura. Colton franze a testa. — Eu não babei. — Ele babou. Eu sorrio, corando quando os olhos de Colton encontram os meus. Ele pisca para mim quando ele solta os braços de seu irmão.


— Apenas observe suas malditas maneiras em minha casa, — ele murmura. — Você vai me oferecer uma bebida? A carranca de Colton volta. — Você entende que podemos estar enfrentando um caminhão cheio de gente de Banner com armas hoje à noite, certo? — E você quer que eu faça isso sóbrio... por qual motivo, exatamente? Eu rio quando Colton balança a cabeça. — Você sabe onde encontrar. Ei... — ele franze a testa. — Onde está o Silas? — Escondido nas árvores como a porra do esquisitão que ele é. — Shepherd levanta as mangas, mostrando uma faixa de tinta de tatuagem em seus antebraços ondulantes. Silas King é primo de Colton e Shepherd, como Colton me disse antes. Aparentemente, ele era um atirador de elite com os Rangers em uma série de idas ao

Oriente

Médio. Agora, ele está meio perdido, vivendo em um barraco em cavernas em algum lugar, onde na maior parte do tempo fabrica destilados e guarda para si mesmo. Colton franze a testa. — Ele quer alguma comida ou algo assim? Shepherd se sacode, pegando uma garrafa de uísque do armário e se servindo de um copo. — Não, ele está em um de seus humores. Você sabe como ele fica todo louco as


vezes. Mas ele está lá fora, se instalando em alguma árvore ou algo do tipo com seu rifle sniper. Colton acena com a cabeça. — Por falar nisso, agradeço. — Por? — Por vir. Shepherd sorri. — Você está realmente me agradecendo por ter a chance de pegar alguns Banners? — Ele bufa, tomando um grande gole de seu uísque. — Merda, eu deveria estar pagando pela oportunidade. — Ele olha para mim. — E você está confusa com isso por causa da confusão que te colocaram? Eu suspiro. — Eu sou a única que não sabe que está esperando, não é? Shepherd sorri. — Você está desculpada desde que você não é dessas partes. Os locais podem sentir o cheiro da besteira de Lawson Banner a uma milha de distância. — Alguma sorte com as anotações ou qualquer coisa? Eu balancei minha cabeça, encontrando Colton quando ele colocou o braço em volta de mim. — Nada ainda. — Ei. — Ele ronrona, inclinando meu rosto para cima com um dedo no meu queixo, seus olhos cinza-azulados cativando os meus. — Vai ficar tudo bem, certo? Eu não estou deixando nada acontecer com você. Ele me beija devagar e suavemente, e eu me derreto nele enquanto meu pulso passa por mim.


— Você sabe que eu odeio acabar com esse maldito momento, — Shepherd pigarreia. — Mas nós temos companhia. Ele acena para os faróis de alguns carros diferentes que vêm pela calçada. Colton rosna, pegando sua espingarda, e Shepherd até perde o sorriso quando ele puxa ambas as suas armas. — Eu preciso que você fique aqui dentro, — Colton rosna no meu ouvido. — O que? Não! De jeito nenhum. Eu não vou deixar você sair por aí sem... — Tara, — ele diz baixinho. Meu nome em seus lábios tem uma espécie de efeito calmante, assim como a mão dele deslizando ao redor dos meus quadris. — Eu preciso ir lá e falar com esses babacas, e eu não posso fazer isso se eu não sei que você está segura aqui dentro, tudo bem? — E se algo acontecer com você? —

Bem,

então

meu

irmãozinho

gatilho

feliz

provavelmente vai explodir cada um deles. Eu sorrio ironicamente. — Não se machuque, ok? — Eu murmuro, cutucando seu peito duro. Colton sorri enquanto se inclina para me beijar. — Sim, senhora. — Ele murmura contra meus lábios antes de se virar, acena para Shepherd e vai para a porta da frente.


Não se atreva a se machucar, eu murmuro para mim mesma, meu coração disparado enquanto observo o homem pelo qual me apaixonei sair pela noite para enfrentar o perigo.


Capítulo 13 Colton — Parece que temos uma situação aqui, não Colton? A voz áspera, uísque e tabaco de Lawson Banner ressoa de seu peito largo enquanto ele sai de sua picape, com os olhos fixos em mim. Law tem cerca de quarenta e cinco anos, com cabelos escuros prateados nas têmporas e um cavanhaque de grisalho curto. Seus brilhantes olhos azuis reluzem na luz da minha varanda da frente, enquanto seu corpo de dois metros e meio pisa com confiança até o fundo dos degraus. Atrás dele, cinco outros sujeitos seguem dos caminhões e dos jipes sortidos. Eu não tenho que medi-lo para saber se isso se reduzir a punhos, seria um jogo bem equilibrado. Mesmo com ele tendo, o que, quinze anos mais ou menos a mais do que eu. O cara está em forma ridícula para alguém da idade dele. Porra,

ele

está

em

boa

forma

para

alguém

da minha idade. Então, eu vou dar isso a ele, mesmo que ele seja o chefe do maior círculo criminoso por estas bandas.


Atrás dele, Jessie aparece e cuspindo para fora de uma picape, não aquela que eu atirei, percebo. — Uma situação?! — Seu rosto está todo vermelho, vapor praticamente saindo de suas orelhas enquanto ele se aproxima, exatamente o oposto do comportamento frio de seu tio. — Uma situação? Este filho da puta atirou no meu caminhão! Law olha para ele na explosão, mas lentamente se vira e estreita os olhos para mim. — Como eu estava dizendo, Colton. Isso é situação agora, não é? O que quer que seja que um de nós diga a seguir é o que vai ditar a coisa toda, e nós dois sabemos disso. Law pode ser o chefe do crime dos Banners, mas o homem não é burro. Ele também sempre me deu o respeito de nunca me assediar de forma alguma, honrando que eu sempre mantive distância de qualquer sangue ruim entre sua família e a minha. Bem, até que sua falsa empresa de mineração tentou tomar meu rancho. Eu aceno meu queixo no celeiro atrás da casa. — A situação pode ter algo a ver com o seu sobrinho gentilmente instalando uma nova aerodinâmica no lado do meu celeiro. — Eu me viro, nivelando meus olhos com força para Jessie. — Acho que deve reduzir toda a resistência do vento, hein?


Law ri sombriamente, cruzando seus grandes braços sobre o peito. — Ouvi dizer que você veio correndo com o seu pau balançando quando você atirou no meu sobrinho. Eu não digo uma palavra, mas Shepherd bufa atrás de mim. Os olhos de Law arrastam-se de mim para o meu irmão, e qualquer que seja o traço de um sorriso em seu rosto desaparece. Como Tucker disse, trazer Shepherd para me apoiar contra Law Banner é como tentar apagar uma fogueira com diesel. Ainda assim, suportes inflamáveis são melhores do que nenhum, especialmente quando é mais do que apenas eu que eu tenho que pensar. Ter minha bunda chutada, ou pior, por atirar em Jessie é uma coisa. Tara sendo puxada para isso, ou se machucando de alguma forma... já é outra história Meu queixo fica tenso com o pensamento. De jeito nenhum. — Seu irmão tem um grande par de bolas para estar aqui sabendo que eu ia aparecer, — Law rosna, suas palavras dirigidas a mim quando ele olha Shep nos olhos. —

Se

você quer vê-las,

você

só precisa pedir

gentilmente, meu velho. Eu me viro, olhando para o meu irmão. Mas Law só ri sombriamente, aquele sorriso fino e perigoso atravessando seu rosto. — Cuidado, filho.


— Diga a palavra, velho, — Shepherd resmunga, apontando a arma em sua cintura. — Diga a hora e o lugar, e vamos ver quem... — Sheperd, — eu assobio, chamando sua atenção para mim. — Cale a boca. Meu irmão franze o cenho, mas pelo menos ele fecha a boca que não ajuda em nada a situação. — Seu sobrinho atirou no meu celeiro, enquanto eu estava nele, Sr. Banner, — eu digo uniformemente. Eu faço questão de abaixar minha espingarda e aliviá-la contra a grade da varanda. — Eu não sabia que era ele quando saí para me defender e minha propriedade, mas... — eu não pisco enquanto seguro os olhos de Law. — Mesmo se eu fizesse, não posso dizer que não teria devolvido o fogo. Law apenas continua sorrindo aquele sorriso perigoso, seus olhos se enrugando nos cantos. — Só você, em sua solidão naquele celeiro, hein? — Sim. — Nu como um pássaro no ninho. — Senhor, o que eu faço na minha própria propriedade é problema meu. — Oh corte

a

merda,

Colton!

Jessie

cospe,

empurrando o caminho para a frente. — Eu sei muito bem que ela está lá! Meus olhos se estreitam, mas antes que eu possa dizer qualquer coisa, Law limpa a garganta. — Colton, parece que


você está abrigando alguém que roubou algo do meu sobrinho. — Com todo o respeito, Sr. Banner, isso é besteira. O sorriso desaparece de seu rosto. Rápido. — Por que nós não a trazemos para fora daqui e acabamos com isso? Eu não me movo. Ele se vira e acena para um de seus rapazes, que começa a dar um passo como se ele pudesse subir

meus

degraus

da

varanda.

Ele

para muito

rápido quando minha espingarda e as duas armas do Shepherds estão niveladas em seu peito. De repente, todos as armas presentes estão a postos, e Law gargalha. — Bem, bem! Parece que encontramos um ponto de pressão! — Ele me olha. — Traga-a para fora, ou meu pessoal vai trazê-la por você. E, bem... — ele suspira. — Esses meninos, eles estão no lado bruto, se você sabe o que quero dizer. Meu sangue queima como fogo cru através de mim, meus olhos se estreitando como punhais nele. — Experimente e veja o que acontece. Ele sorri. — Você é rápido, eu vou te dar isso, cowboy. E seu irmão idiota também pode ser rápido, mas há sete de nós. — Ele arqueia uma sobrancelha. — E eu vou mesmo dar conta do seu primo Ranger que tenho certeza que está escondido em algum lugar com uma mira de longo alcance. Diminui


um pouco as suas chances, mas garanto que se as balas começarem a voar, nenhum de vocês está saindo dessa varanda vivo. E sua garota dentro definitivamente também não. Minhas

narinas

se

abrem,

músculos

apertando

enquanto meus dentes rangem juntos. Eu quero arrebentar e apenas atacar ele com minhas mãos nuas. Mas as chances são ruins. E novamente, não é só sobre mim, é sobre Tara. Eu perco, ela perde. E isso não está acontecendo. — Coloque as armas para baixo, meninos, — Law rosna. — Ela não roubou nada. — Jessie diz o contrário. — Não é culpa dela que ele a tenha contratado para sua empresa de mineração de carvão. — Colton — Há um aviso na voz de Law enquanto ele estreita os olhos para mim. Mas eu ignoro isso enquanto olho para Jessie. — Então o que ela roubou, hein? Porque é um mistério para ela. Vamos, me diga. Diga-me o que é essa grande merda, e eu entrarei lá e pegarei para você sozinho. Jessie cospe na minha garagem. Meus lábios puxam para trás em um rosnado, e ele sorri. — Ei, não era sua varanda. — Ele sorri, sabendo que ele está me irritando quando eu não posso fazer nada sobre isso. — E só traga aquela cadela ladra e eu vou...


Minha arma está levantada e apontada para o peito dele. Mas

então,

outras

seis

armas

apontadas

diretamente para mim. — Santo Inferno, Colton. — Assobia Law. — Por respeito à sua mãe... — Você mantém ela fora disso, — eu cuspo. A mandíbula de Law aperta. — Bem, por respeito a ela, estou te dando uma chance. Largue a arma, filho, ou isso não vai acabar como você quer. E rápido. — O que ela roubou? Jessie jura violentamente. — Coisas da empresa, cara! Ela tem esse laptop, mapas de depósitos minerais. Merda assim! Minha testa franze. — Um laptop e mapas? Você quer me dizer que conseguiu que seu tio trouxesse sua tripulação para o local, pronto para disputar um tiroteio por causa de um laptop e porra de mapas? Até mesmo Law se vira lentamente para o sobrinho, estreitando os olhos. — É melhor que seja mais do que isso, Jessie. — Ele rosna. — Há, claro! Olha, Law, você me fez executar essa coisa de mineração, certo? Eu te disse, você só precisa confiar em mim que eu sei o que estou fazendo, ok?


Law leva um segundo, mas devagar, ele concorda. Ele se vira para mim e depois para alguns de seus homens. — Entrem e pegue ela. Eu me movo antes que eu possa pensar em uma má ideia, atacando Law com um rugido. Três deles me interceptam, me atacando na terra em uma pilha surrada. Os outros dois caras batem em Shepherd ao meu lado, seu rosto lívido enquanto ele berra e tenta empurrálos para longe. Mas de repente, há aço frio apontado para o meu templo, assim como o dele. — Você tirou isso do seu sistema!? — Law sibila, fumegando enquanto ele olha para nós dois. — Jessie, pegue ela. Jessie pisca para mim, lambendo os lábios enquanto eu rosno e me debato. Ele sobe para a minha varanda, virandose para me olhar nos olhos enquanto ele pula para trás e cospe direto na varanda. —

Sente-se,

Colton,

eu

vou

sair

com

sua

pequena menina... O som de uma espingarda quebrando um cartucho faz com que cada um de nós lance nossos olhos para a porta da frente. E ali mesmo, de pé na minha porta, parecendo a mais foda mais louca do mundo, está Tara. Ela tem um velho rifle de caça Browning que eu mantenho acima das estantes de livros na sala de estar apontada para o peito de Jessie, minha camiseta larga e sua camiseta pendurada


como uma capa, e um olhar feroz em seus olhos enquanto ela olha para ele. — Eu acredito que o meu homem lhe disse para não cuspir na maldita varanda. Os caras de Law se inclinam para frente e para trás, tentando descobrir o que diabos fazer sobre esse novo desenvolvimento. Eu tranco os olhos com Tara, e ela pisca, piscando-me um rápido sorriso antes de voltar o olhar. — Eu acho que você se precipitando, garotinha, — Law rosna baixo, seus olhos se estreitam para ela. — O carvão não é um mineral. Ele franze a testa. Inferno, eu franzo a testa. — Perdão? — Carvão. — Tara engole em seco. — Eu sei que o seu negócio de carvão não é real, mas também sei que o objetivo é

obter

as

propriedades

baratas

e

vendê-las

para

uma empresa de carvão de verdade, não é mesmo? — Parece que você achou uma esperta, Colton. — Murmura Law. Ele arranca uma enorme pistola do cinto, inclina-a e, de repente, aquele filho da puta está apontado para a minha cabeça. — Você tem cinco segundos para fazer um ponto, garotinha. — O carvão não é um mineral. — Você disse isso, — ele cospe.


— Eu estava ouvindo lá dentro, Sr. Banner, e seu sobrinho Jessie aqui disse que eu tinha mapas de depósitos minerais. Eu olho para a mulher pela qual eu me apaixonei, tentando descobrir onde ela está indo com isso e também tentando descobrir o quão rápido eu posso ficar entre ela e a bala de Law, se for para isso. — E? — E isso me fez ver o que eu tinha no escritório da empresa. Colton está certo, tudo que eu tenho são mapas e um laptop de baixa qualidade. — Mas esse comentário me fez olhar para eles novamente. Seus olhos se lançam para mim, e algo pisca neles quando suas bochechas coram e ela engole em seco. — Os lugares marcados nesses mapas não são depósitos de carvão. O rosto de Law escurece e, mesmo da sujeira, posso ver as rodas girando em sua cabeça enquanto ele lentamente arrasta o olhar para o sobrinho. — Então, o que são eles? Tara balança a cabeça. — Não tenho ideia. Mas sei que o carvão não se acumula em linhas retas em terras baixas, diretamente em um condado como este. Lentamente, Law traz sua arma para baixo. — Mostre-me.


Os olhos de Tara se fixam nos meus e eu aceno. — Mostre a ele, querida. Ela caminha ao redor de Jessie, mantendo a arma apontada para ele enquanto desce os degraus da varanda, o mapa topográfico em sua mão. Law assente, pegando-o e abrindo-o. — Law, você não está ouvindo essa merda, está? — Cale a boca, Jessie, — o homem mais velho estala. — Law! Sério! Isso é uma besteira para tentar sair de... — Para sair do que, Jessie? – Law cospe. Jessie fica quieto e seu tio rosna. — Vocês dois se levantem. — Ele murmura, apontando para seus homens para puxar Shepherd e eu do chão. Ele vira os olhos de volta para o mapa, colocando-o no capô de seu caminhão, seus olhos se estreitando enquanto seus dedos traçam os pequenos pontos que marcam ‘carvão’ através dele. E, com certeza, está em uma linha direta, mantendo-se nas partes baixas do Sugar County, que passa por

cima,

de Durnville a

Bucks

County.

E

algo furioso atravessa o rosto de Law. — Jessie. — Ele rosna baixinho, os ombros tensos e os braços apertados. — Law, se você me der um segundo para... — Você acha que eu nunca teria visto isso? — Tio, apenas...


— Deixe-os. — Law assobia, seu rosto escuro e furioso quando

ele

se

vira

para

seus

homens. —

E

pegue aquele pedaço de merda traidor aqui. — Uau, espere um segundo aqui! — Jessie grita quando três dos caras o agarram, puxando-o para fora da varanda e indo para Law. Eu olho para Shepherd por um segundo antes de me mover para a direita para Tara, pegando-a em meus braços e segurando-a tão apertado, como se eu nunca fosse deixa-la ir. — Explique, Jessie. Sheperd limpa a garganta. — Uh, o que diabos acabou de acontecer? Eu atiro para ele com um olhar de ‘cale a boca’, mas Law continua falando. — As manchas marcadas neste mapa são antigos esconderijos da estrada de ferro subterrânea, no caminho de volta. Eles atravessam o Sugar County e, uma vez, eu tive a ideia de que eles poderiam ser uma boa alternativa para levar o produto pelas estradas principais. Por ‘produto’, ele não está falando de televisões ou de carvão. — Foi uma boa ideia, tio! — Jessie cospe. — Era uma ideia muito cara é o que era visto que está tudo em terras privadas. — Os olhos de Law se transformam em punhais enquanto eles se estreitam em Jessie. — Mas


parece que você encontrou uma maneira de torna-las baratas. Jessie sorri timidamente. — Bem, você sabe como eu... — Então, quando exatamente você iria me dizer que o meu investimento pouco substancial em seu esquema de carvão estava realmente te construindo uma estrada de transporte privado, não policiada através Sugar County? O rosto de Jessie fica branco. E merda, eu não sou detetive, mas até eu posso ver o que Law fez lá, acusando-o assim. O homem inocente teria respondido melhor. O homem culpado fica branco e paralisado, procurando uma desculpa. …Jessie é a segunda opção. — Filho da puta, — assobia Law. — Seu ingrato, pedaço de... Jessie se move mais rápido do que eu jamais lhe daria crédito por ser capaz de fazer. Ele arranca uma arma das mãos de um dos Law's, e ele a mira em seu tio quando um tiro se espalha pela noite. Jessie grita, sangue saindo do buraco repentino em sua mão enquanto a arma cai como uma rocha. Toda a tripulação explode em caos e, desta vez, eu me movo. Um deles aponta para Tara, mas meu punho está se conectando com o rosto dele, sentindo a cartilagem do nariz ceder quando ele grita. Eu giro, jogando meu ombro em outro e


lançando-o para cima e depois para o chão com um baque. Shepherd lutando com um terceiro no chão, e um quarto cara começa a se mover em direção a eles quando outro enorme disparo explode durante a noite. Um buraco de bala explode na sujeira bem na frente daquele quarto sujeito e, de repente, a voz de Law soa. — Isso é o suficiente! — Ele explode, e todo mundo congela. Seus olhos ferozes examinam as árvores do outro lado do meu campo ao norte, sua boca ficando apertada. — Chega. — Ele rosna, voltando-se para me olhar. — Seu primo eu estou assumindo? Eu dou de ombros. — Provavelmente. Law acena, voltando-se para seus homens. — Levantese. Nós terminamos aqui. Seus

olhos

se

estreitaram

para

o

sobrinho,

choramingando na sujeira que segurava aquela mão que Silas apenas colocou um tiro limpo. — Traga esse pedaço de merda. — Ele olha para mim, remoendo um pensamento em sua cabeça antes de falar. — Nós encerramos aqui? Sheperd rosna, cuspindo. — Nós terminamos? — Ele sussurra. — Não, meu velho, não estamos... — Está feito. — Eu digo baixinho, cortando meu irmão quando olho Law nos olhos. — Ela terminou com a coisa do carvão. Com tudo. Law concorda.


— Você não vem depois em minha terra com algum tipo de esquema dissimulado novamente. Law limpa a garganta, assentindo. — Eu posso concordar com isso. — Então terminamos. Ele sorri, virando-se para Tara. — Apreciei a dica, senhorita. Colton, — ele acena para mim e se vira para sair. — Law, — Shepherd fala sarcasticamente para suas costas. Law não vira. — Colton? Faça um favor a si mesmo e mantenha seu irmão de merda longe da minha vista. Ele entra em seu caminhão, seus caras arrastando Jessie para longe enquanto todos se amontoam nos outros veículos e saem da garagem. — Você está louca porra, você sabe disso? — Eu rosno, pegando uma Tara gritando em meus braços. Ela derrete em mim, e quando meus lábios encontram os dela, ela me beija de volta com todo o calor e paixão do mundo. — Eu deveria ter mencionado isso antes? — Ela ri. — Poderia ter sido bom saber. — Você teria conseguido manter a distância de mim? — Sem chance, querida, — eu rosno, beijando—a ferozmente. — Não há uma chance maldita. Sheperd limpa a garganta. — Você teria... — Ele levanta uma sobrancelha para ela. — Você teria realmente atirado em Jessie?


Ela encolhe os ombros. — Absolutamente. — Ela se vira para

mim,

sorrindo

maliciosamente

murmura

‘provavelmente não’ para mim. Eu noto que não é um ‘não’, no entanto. O que me faz sorrir. Ah, ela é um pouco maluca. Um pouco selvagem. Um pouco imprudente, e um monte de insolente. …E eu amo isso. —Sheperd? — Eu nivelo meus olhos para o meu irmão por cima do ombro de Tara. — Por que você não vai pegar Silas? — Ele sabe que a poeira baixou, ele pode... — Sheperd, — eu rosno. Desta vez, ele sorri. — Oh, agora, você precisa de um tempo sozinho? — Adeus, Sheperd. Ele ri, tirando suas armas do chão e as colocando de volta

em

seus

coldres. —

Divertido

como

sempre,

irmão. Devemos fazer isso com mais frequência. — Ele pisca para Tara quando ela se vira para ele. — Mantenha esse idiota esperto, hein? Ele passa por nós, batendo no meu ombro. — Eu gosto dela. Não foda com isso. Eu a puxo com força enquanto observamos suas lanternas traseiras desaparecerem na estrada. — Isso de antes. — Ela diz baixinho. — Sobre eu ficar aqui?


Eu balancei minha cabeça, franzindo a testa. — Eu estou supondo que esta noite não exatamente motivou você a começar a mudar... — Eu gostaria. Eu pisco, lentamente girando, em transe, para olhar para esta garota incrível. — O que? Ela sorri maliciosamente, mordendo o lábio. — Eu disse que gostaria. De ficar aqui, quero dizer. Contigo. — Por quanto tempo? Eu imediatamente quero me dar um soco no rosto por dizer isso, mas Tara apenas sorri. — Será que para sempre funcionaria para você? — Ela sussurra, engolindo enquanto seus olhos prendem nos meus. — Você sabe? Eu acredito que sim. — Eu rosno, minhas mãos deslizando em torno de sua cintura e puxando-a contra mim. Um suspiro suave cai de seus lábios, e eu gemo enquanto me inclino para queimar meus lábios nos dela. — Definitivamente funciona para mim. Eu a beijo com tudo que tenho. Porque claro que sim. E eu não pretendo parar de beijá-la.


Epílogo Colton Ela geme, arqueando as costas enquanto empurra contra mim. Sua doce, escorregadia e querida boceta desliza de volta em meu pau, engolindo cada centímetro para baixo até o punho. Eu rosno, meus músculos ondulando enquanto uma mão agarra seu quadril com força, segurando-a lá enquanto eu bato meu pau bem fundo. A outra desliza pelas costas, e quando eu envolvo um punho cheio do cabelo dela e puxo, Tara choraminga de prazer. — Foda meu pau, querida. — Eu rosno, meus dedos cavando em sua pele e puxando o cabelo apenas o suficiente para fazê-la ofegar. Ela puxa contra mim, sua pequena bunda apertada contra o meu abdômen. E lentamente, ela começa a montar no meu pau. Seus quadris rolam, seus gemidos gotejando de seus lábios enquanto ela balança para frente e para trás, deslizando até que apenas a grossa e inchada coroa do meu pau está aninhada entre seus lábios cor de rosa e escorregadios, e então empurrando de volta para dentro a cada centímetro.


Eu empurrei para frente, combinando seu ritmo enquanto eu enterro meu pau profundamente contra seu ventre. Minhas bolas pesadas, cheias de porra, formigam quando batem em seu clitóris a cada estocada, e quando eu a sinto apertar em mim, ondulando sua doce boceta para cima e para baixo do meu eixo, eu gemo e só começo a foder com mais força. Sim,

o

correto

seria

dizer

que

as

coisas

funcionaram muito bem. Tara ficou. Eu não vou mentir, eu estava totalmente preparado para amarrá-la e mantê-la comigo, se ela tivesse decidido o contrário, mas ela ficou. Ela também conseguiu um bom emprego em uma grande firma de Nashville que queria

que

ela

trabalhasse

remotamente. E

em

uma reviravolta muito estranha do destino, não era outro senão a porra de Lawson Banner, que conseguiu o emprego dela. Aparentemente, você faz um nome suficiente para si mesmo com um chefão do crime em torno dessas partes e você

começa

a

conhecer

algumas pessoas muito

influentes. Como um obrigado por Tara descobrir o plano de Jessie de usurpar seu tio, Law puxou algumas cordas e conseguiu a entrevista. Ela aceitou, obviamente. E assim, ela ficou. Montamos um escritório em casa onde ela pode fazer seu trabalho em paz, até mesmo uma fechadura na porta para me impedir de, bem, ‘distraí-la’.


…Estava

se

tornando

um

problema

em

algum

momento. Inferno, o que posso dizer, com uma mulher assim trabalhando na minha casa? Bem, um homem só pode resistir algum tempo antes que ele tenha que dobrá-la sobre a mesa, arrancar sua calcinha e passar a língua sobre cada centímetro dela, sabe? Quanto a Jessie? Bem, na verdade não sei e não quero saber. Jessie praticamente desapareceu depois daquela noite. E tão grato como sou a Law Banner por ajudar Tara, bem, há perguntas que você simplesmente não faz a um homem assim. Veio à luz que todo o plano de Jessie era estabelecer um novo corredor de embarque pelo Sugar County que ele poderia usar para começar a montar suas próprias remessas. Havia alguns caras da equipe de Law que

também

estavam

envolvidos,

mas,

sim,

você

adivinhou. Eles meio que desapareceram também. …É por isso que eu fico fora do negócio do crime, a propósito. Além

disso,

preocupar. Como

tenho a

coisas

fazenda.

melhores Como

a

para

me

novíssima

‘Sra. Bronson’ que compartilha minha cama. Como o fato de que aquela coisa de ‘minha família’ que eu estava falando? Sim, bem, estamos trabalhando nisso. Na verdade, é exatamente nisso que estamos trabalhando agora. Eu gemo, empurrando meu pau grosso bem fundo dentro daquela pequena boceta celestial enquanto Tara


grita de prazer. Ela chega para trás, seus dedos deslizando pelo meu pescoço e no meu cabelo quando ela vira a cabeça. Eu rosno, beijando-a ferozmente, engolindo seus gemidos e sua respiração quando começo a entrar mais forte e mais profundo. Sua boceta escorregadia me agarra docemente, me ordenhando e apertando tão forte que minha cabeça nada com o prazer. Oh, estamos tentando bem. Esta é a nossa terceira vez hoje, e é quase meio-dia. Na terceira vez, hoje, vou esvaziar minhas bolas e bombear meu esperma quente contra o útero dela. Eu vou enchê-la. Eu vou fazê-la inchar com o nosso filho. Eu gemo com o pensamento de sua barriga crescendo com a vida, seus seios se enchendo e inchando. Sua libido já no gatilho quando se trata de mim ficar ainda mais fora de controle. Meu pau palpita com o pensamento, inchando ainda mais quando eu deslizo para dentro. — Você quer sentir mais do meu esperma nessa boceta ansiosa, não é, menina? — Eu rosno em seu ouvido. Tara grita, empurrando de volta para me encontrar, sua boceta apertando ao redor do meu pau e trazendo um gemido asfixiante para os meus lábios. — Encha-me, baby. — Ela geme, torcendo a cabeça para me beijar novamente. — Eu quero tudo isso. Eu quero sentir você gozar tão duro dentro de mim e me encher até a borda.


Suas palavras acendem o fogo que já está rugindo dentro de mim e, de repente, perco todo o controle. Eu a empurro para baixo na cama, seus gemidos enchendo o quarto enquanto eu agacho sobre ela, agarro seus quadris em ambas as minhas mãos, e começo a simplesmente fodêla. Ela grita de prazer quando meu grande pênis mergulha molhado dentro e fora, fios pegajosos de seus sucos e meu esperma de antes pingando obscenamente do meu pau, minhas bolas e escorrendo por seus lábios enquanto eu dirijo de novo e de novo. Eu a prendo contra os lençóis, dando a ela tudo o que tenho enquanto minhas bolas começam a formigar e meu pau começa a inchar. — Porra, Tara... — Você vai me fazer gozar! — Ela grita, suas mãos arranhando os lençóis. — Oh porra, você vai me fazer gozar pra caralho há... oooh Deus! O orgasmo bate nela, todo o seu corpo sacode quando os gritos de prazer caem de seus lábios. Sua boceta apertada me agarra como um torno aveludado, como se estivesse tentando tirar o esperma de minhas bolas. …E estou muito feliz em me obrigar. Eu rio enquanto o último fragmento do meu controle se quebra. Eu mergulho, minhas bolas pesadas pressionadas contra seu clitóris e minha cabeça inchada aninhada contra o seu ventre quando eu deixo ir. Cordas grossas e pegajosas do meu esperma saem do meu pau, espirrando dentro dela


e bombeando-a tão cheia de mim. Eu gemo, apenas me segurando tão profundamente meu bombear surta após o jorro da minha semente dentro dela, até que ambos estamos ofegando por ar. Eu rolo nós dois, segurando-a contra mim enquanto eu mantenho

meu

pênis

profundamente

dentro

dela,

certificando-me de que cada gota fique exatamente onde precisa estar. — Então, — eu gemo, acariciando seu pescoço. – Já se sente grávida? Tara ri. — Eu não tenho certeza se funciona assim. — Talvez devêssemos ir de novo, só para ter certeza. — Você é insaciável, Sr. Bronco, — ela ronrona, sorrindo para mim antes de me beijar suavemente. — Não que eu esteja reclamando. Eu rio quando ela usando meu velho nome de rodeio. — Bronco, hein? Ela sorri, arqueando as sobrancelhas. — Eu ouvi que você era o melhor cowboy por aí, — ela brinca. — Você está querendo descobrir, menina? — Eu provoco de volta. Meu pau começa a engrossar dentro dela, inchando e crescendo com o pensamento de levá-la de novo. — Sim.


A palavra mal sussurrou de seus lábios antes de eu esmagar nos meus sobre eles, beijando-a ferozmente. Eu rolo, puxando-a em cima de mim e sentindo sua doce, bagunçada, pequena boceta molhada me segurando com força. — Monte-me, querida. Cavalgue esse pau grande e grosso e leve cada gota dessa porra no fundo. Eu me sento e a beijo lentamente, engolindo seus gemidos quando ela começa a se mover em cima de mim. — E confie em mim, — eu rosno. — Desta vez, você definitivamente vai se sentir grávida quando eu terminar com você. Nossos lábios se chocam novamente, e quando ela começa a me montar, todo o resto desaparece. Porque todo o resto é ruído de fundo. Eu tenho tudo que preciso aqui. Meu rancho. A mulher dos meus sonhos. A família que vamos construir aqui. E não consigo pensar em outra coisa que eu possa querer.

Profile for Princesa Diana

Bunking Bronco_ Madison FayePT-BR  

Livro Único

Bunking Bronco_ Madison FayePT-BR  

Livro Único

Advertisement