Page 1

DIA DA BANDEIRA – Leia a matéria sobre a relação dos militares com esse símbolo da Pátria

Ano XXXVIII

Nº 11

Novembro, 2015

ISSN 1518-8558

FOTO: SGT BATISTA / CECOMSAEAR

www.fab.mil.br

Novidade! APP FAB Saiba tudo sobre a nova ferramenta que vai colocar nossas informações na palma da sua mão, inclusive o acesso ao contracheque (Págs. 8 e 9)

Esquadrões treinam emprego de armamentos (Pág. 06)

Educação financeira deve começar desde cedo (Pág. 13)

Forças Armadas terão novo modelo de identidade (Pág. 13)


2

Novembro - 2015

Expediente

CARTA AO LEITOR

O jornal NOTAER é uma publicação mensal do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica (CECOMSAER), voltada ao público interno.

Comunicação ainda mais acessível A comunicação passa por constantes evoluções e a Força Aérea Brasileira (FAB) busca acompanhá-las. Nosso objetivo é sempre disponibilizar as informações de maneira eficiente, rápida, prática e transparente. Por isso, temos diversos canais e formatos, desde os mais tradicionais, como este jornal, a revista Aerovisão e a Rádio Força Aérea; até as mais recentes mídias sociais. Cada um com sua linguagem e seus conteúdos diferenciados, procurando atender a públicos também variados. Nessa busca pela atualização, contamos agora com uma nova ferramenta: o aplicativo da FAB. Ele reúne diversos produtos do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica, como notícias, fotos, publicações e

até o acesso ao contracheque para nossos militares. E o Notaer também pode ser acessado por lá! Tudo ao alcance das suas mãos no celular ou tablet. Um conteúdo especial nas páginas centrais dessa edição mostra as funcionalidades do aplicativo. Leia, baixe o app e nos conte o que achou. Trazemos também matérias sobre o Dia da Bandeira, símbolo de nossa nação, e o Dia do Material Bélico, área responsável pela missão de equipar e manter todo o tipo de armamento na FAB. Além disso, esta edição traz diversos espaços voltados para as crianças e sua educação. A coluna Seu Dinheiro, por exemplo, que fala da importância do ensino financeiro desde cedo.

Assim como a conscientização sobre segurança de voo por meio de gibis da Turma da Mônica, e também a diversão oferecida no espaço infantil recém lançado na página da FAB na internet. Informações importantes sobre saúde fazem parte dessa edição. Falamos do Novembro Azul, mês voltado à prevenção do câncer de próstata e à saúde do homem, muito relevante para uma instituição cujo efetivo masculino é maioria. E como não poderia faltar, trazemos informações sobre missões operacionais, gestão de recursos e o desempenho da delegação brasileira nos Jogos Mundiais Militares. Aproveite essa edição do Notaer, no trabalho ou em casa com sua família, e con-

Chefe do CECOMSAER: Brigadeiro do Ar Pedro Luís Farcic Editora interina: Tenente Jornalista Emília Maria (MTB 14234RS) Repórteres: Ten JOR Evellyn Abelha, Ten JOR Emille Cândido, Ten JOR Gabriélli Dala Vechia, Ten JOR Humberto Leite, Ten JOR Iris Vasconcellos, Ten JOR João Elias Neto, Ten JOR Jussara Peccini, Ten JOR Raquel Sigaud, Ten JOR Raquel Alves, Ten JOR Danielle Gruppi, Ten JOR Willian Cavalcanti, Ten REP Gabriela Cerqueira. Colaboradores: textos enviados ao CECOMSAER via Sistema Kataná. Revisão: Flávio Nishimori, Evellyn Abelha, Iris Vasconcellos, Cynthia Fernandes e João Elias Neto.

fira as novidades da versão digital, que agora direciona a conteúdos complementares.

Diagramação e Arte: SO Cláudio Ramos, SGTs Emerson Linares, Santiago Moraes, Lucemberg Nascimento, Subdivisão de Publicidade e Propaganda. Tiragem: 30.000 exemplares

Boa leitura! Brig Ar Pedro Luís Farcic Chefe do CECOMSAER

Estão autorizadas transcrições integrais ou parciais das matérias, desde que mencionada a fonte. Endereço: Esplanada dos Ministérios Bloco “M” 7º andar CEP - 70045-900 / Brasília - DF

PENSANDO EM INTELIGÊNCIA

Inteligência não é Investigação Criminal Quando se fala em Inteligência, muitas pessoas tendem a associar a atividade com o conceito de Investi-

gação Criminal, envolvendo atos delituosos ou criminais. Entretanto, a atividade de Inteligência não visa a prisões, julgamentos ou práticas policiais próprias das fases de Investigação Criminal. A Inteligência se vale de práticas investigativas para formular juízos, mas requer uma capacidade de percepção antecipada a um evento. Nesse sentido, está intrinsecamente ligada à capacidade de perceber ameaças. Para perceber uma ameaça, o profissional de Inteligência vale-se de processos mentais com a finalidade de apontar potenciais desdobramentos futuros.

De forma bastante resumida e prática, pode-se dizer que a diferença entre Inteligência e Investigação Criminal estabelece-se no campo temporal: a Inteligência atua antes do evento, e a Investigação Criminal atua depois. No âmbito do Comando da Aeronáutica, a atividade de Inteligência caracteriza-se por ser uma atividade técnico-militar especializada, baseada em processo mental, exercida permanentemente, cuja finalidade é perceber ameaças ao cumprimento de sua missão, por meio da produção e salvaguarda dos conhecimentos. A Atividade de Inteligência

é exercida em dois ramos: a Inteligência, responsável pela produção dos conhecimentos, e a Contrainteligência, que tem como foco a Segurança Orgânica, incluindo, portanto, a manutenção do sigilo dos conhecimentos produzidos. Por fim, é oportuno salientar que a Atividade de Inteligência não se propõe a definir objetivos, estabelecer políticas ou formular estratégias. Antes disso, sua função restringe-se ao assessoramento, limitando-se a apresentar conhecimentos que subsidiam o processo decisório. (Centro de Inteligência da Aeronáutica)

Impressão e Acabamento: Log & Print Gráfica e Logística S.A

Tem um comentário, sugestão de reportagem ou crítica?

Aguardamos seu email notaer@fab.mil.b notaer@fab.mil.br

Fale com a gente!


Novembro - 2015

3

FOTO: SGT REZENDE / CECOMSAER

PALAVRAS DO COMANDANTE

A FAB em nossa vida

Tenente-Brigadeiro do Ar Nivaldo Luiz Rossato Comandante da Aeronáutica Quanto da sua vida a Força Aérea ocupa? Uma resposta superficial diria algo sobre as horas de expediente, dias em uma missão, anos de treinamento ou ainda os acionamentos inesperados. Mas se bem refletirmos sobre o que a instituição representa, podemos descobrir muito mais sobre nós mesmos. Descobriremos que a Força Aérea não apenas ocupa uma parte da nossa vida - ela é uma parcela significativa do que efetivamente somos. Mesmo após o pedido de reserva, mesmo no período de serviço temporário, nossa identidade é calcada no fato de ser militar da Força Aérea Brasileira. Com efeito, não “ingressamos” na FAB: pas-

samos a fazer parte dela, e ela, parte de nós. Quando conhecemos alguém, é certo que nos primeiros minutos de conversa diremos nosso nome, mas também palavras como “Força Aérea”, “Aeronáutica” ou “militar”. Além disso, para a maioria, boa parte dos amigos e familiares são igualmente integrantes das Forças Armadas. Momentos marcantes da nossa vida, como os cursos de formação, superação de desafios, conquistas profissionais e até nascimento de filhos acontecem dentro dos muros dos quartéis. Colegas se tornam grandes amigos, apadrinham os filhos e até mesmo famílias são formadas.

Neste sentido, conhecer, proteger e valorizar esta instituição não é apenas um dever, ou uma conduta ética: trata-se, em verdade, de firmar nossa própria posição no mundo. O que acontece é que muitas vezes vibramos tanto com nossa lida diária, o mundo do nosso esquadrão, unidade ou aeronave, que podemos ignorar, não por desinteresse, tantos outros setores da Força Aérea. Porém, enxergá-la em sua totalidade ajuda, muito, a compreender a importância da integração das diversas áreas, seja na paz, seja na guerra. Manter-se informado é um bom passo para conhecer a importância do trabalho de

todos no conjunto de nossa instituição. E a cada vez torna-se mais fácil acompanhar o que acontece: no fim de outubro, por exemplo, lançamos o aplicativo da Força Aérea. É uma forma prática e rápida de obter informações sobre o que se passa em nossos hangares, destacamentos, garagens, ranchos, batalhões, consultórios, seções administrativas e tantas outras estruturas que abrigam um efetivo altamente capaz e comprometido. Entender o papel que temos dentro da instituição e o papel dela em nossa vida, nos ajuda a cumprir as missões, enfrentar as dificuldades e passar pelas alegrias sempre da melhor maneira

possível. Isso serve para o ambiente de trabalho, mas também é algo que podemos levar para o convívio familiar e com os amigos. Muitos têm essa compreensão apenas após o derradeiro dia de farda azul. E, por respeito aos militares da reserva - um destino esperado para todos nós - no mês de outubro participei de encontros para explicar a realidade atual da Força Aérea para nossos inativos. Mesmo fora de nossas escalas de serviço, eles são fundamentais para nós: afinal, ajudam também a definir a identidade da FAB. Conheça melhor sua Força Aérea. Você estará conhecendo mais sobre você mesmo.


4

Novembro - 2015

HISTÓRIA

FORMAÇÃO

North American T-6

O

Instituto Histórico-Cultural da Aeronáutica (INCAER) dedicou a 239º edição do Encontro no INCAER, realizada em outubro, a um tema especial: “Aviação de ataque e reconhecimento – A saga dos guerreiros polivalentes”. O objetivo foi resgatar parte da história da Força Aérea Brasileira e reunir gerações.

Cerca de 150 convidados de diversas localidades, entre combatentes da ativa e da reserva, puderam realizar uma volta ao passado e rememorar a história das Esquadrilhas de Reconhecimento e Ataque (ERA). Criadas há 50 anos, essas esquadrilhas utilizavam as lendárias aeronaves North American T-6 nas

primeiras operações aéreas especiais do Brasil. Nos anos posteriores, as ERA evoluíram para Esquadrões de Reconhecimento e Ataque e, em seguida, para os Esquadrões Mistos de Reconhecimento e Ataque (EMRA). Polivalentes - A variedade de missões executadas pelos EMRA – repressão ao contrabando, patrulhamento de fronteiras, identificação de campos de pouso clandestinos, entre outras – motivou o apelido de unidades “polivalentes”. Modernização - Novos esquadrões que operam aeronaves como RA-1A/B AMX, R-35 A, R-35 AM Learjet, E-99, R-99 e ainda Aeronaves Remotamente Pilotadas (ARP, como RQ-450 e RQ-900) são hoje responsáveis pelas missões de reconhecimento da FAB.

N

Futuros oficiais especialistas realizam voo de instrução

ove alunos do Centro de Instrução e Adaptação da Aeronáutica (CIAAR), em Belo Horizonte (MG), voaram no jato R-99 no dia 1° de outubro como parte da formação para se tornarem oficiais especialistas em comunicações. Durante o voo, cada aluno operou equipamentos de guerra eletrônica do R-99 e realizou fases de busca, detecção, localização, identificação e monitoração de sinais eletromagnéticos. “O R-99 tem várias possibilidades para um oficial de comunicações”, explica

um dos instrutores, Capitão Waldery Guedes. “Assim, ao serem selecionados por uma unidade aérea, eles já chegam com conhecimento operacional”, completou. Alunos do último ano do Curso de Formação de Oficiais Especialistas (CFOE), oito deles poderão fazer parte dos esquadrões equipados com aeronaves P-3AM, P-95M, R-35, E-99 e R-99, além da unidade equipada com Aeronaves Remotamente Pilotadas Hermes 450 e Hermes 900. Também faz parte do grupo uma militar da Marinha do Brasil.

FOTO: SCS / CIAAR

FOTO: ARQUIVO FAB

Aviação de Reconhecimento e Ataque é homenageada

SAÚDE

Base Aérea de Belém desenvolve ação de incentivo a uma vida saudável

s militares da Base Aérea de Belém (BABE) tiveram, em setembro, um reforço para manter a saúde. Nos horários de educação física, foi montado um

estande com informações sobre hábitos para uma vida mais saudável, equipamentos para pesagem e medição de pressão e degustação de suco “detox”.

faz parte da cultura militar o ideal de mente sã, corpo são. Hoje observamos esse ideal em toda a sociedade, felizmente”, diz o militar, que experimentou o suco “detox” verde e aproveitou para acrescentar a receita às bebidas que já preparava em casa. Na BABE, o efetivo tem a opção de se inscrever para o consumo de cardápio alternativo, a “dieta”, e assim não sair dos seus objetivos de perda de peso, redução do mau colesterol ou outra recomendação médica. O trabalho de orientação ao efetivo teve apoio de es-

tudantes de universidades locais, que realizam estágio supervisionado pelas nutricionistas da organização.

FOTOS: SCS / BABE

O

Foram abordados temas relacionados a hidratação, doenças cardiovasculares, doenças crônicas, entre outros. “Com a Internet há muita informação sobre dietas e exercícios, porém nem sempre estão corretas. Através da ação, nosso efetivo teve acesso a dados corretos para se guiar ”, explicou a Tenente Nutricionista Lorena Lopes Dias. O suboficial Francisco Antônio Bastos Martins, Encarregado da Seção de Investigação e Justiça há 12 anos, busca manter hábitos saudáveis entre os processos que lida no dia a dia. “Já


Novembro - 2015

5

SAÚDE

Novembro azul: agora é a vez deles

Câncer de próstata diagnosticado precocemente tem 90% de chance de cura. Inspeção de saúde é fundamental

A

os 62 anos ele continua normalmente com a sua rotina. Trabalha, viaja com a família e não deixa de fazer sua caminhada ao entardecer. O encarregado da Rádio Força Aérea FM, Suboficial da reserva Valter Carlos da Silva,

foi diagnosticado com câncer de próstata aos 58 anos. Ele sempre esteve atento aos exames de saúde realizados anualmente e ficou surpreso com a notícia. “Fiquei preocupado quando o urologista me disse o diagnóstico,

mas não podia ficar desesperado. Queria saber qual o próximo passo para que pudesse agir o quanto antes”, conta. O câncer de próstata diagnosticado precocemente, como foi o caso de Valter, tem chance de cura de 90%. O Capitão Médico Urologista Álvaro Antonio Canuto, do Hospital da Força Aérea de Brasília (HFAB), explica que “quando o diagnóstico é precoce, o tratamento é menos agressivo e com menos efeitos adversos e sequelas”. O mês de novembro é internacionalmente dedicado às ações relacionadas ao câncer de próstata e à saúde do homem. A doença atinge homens a partir dos 50 anos, mas cerca de 75% dos casos são diagnosticados a partir dos 65 anos. No Brasil, esse câncer é o segundo mais comum entre os ho-

mens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma). Na FAB, todo o efetivo realiza a inspeção de saúde periodicamente. E os homens fazem o exame de sangue PSA (antígeno prostático específico, na sigla em inglês), obrigatório com idade igual ou acima de 45 anos, de acordo com as Instruções Técnicas das Inspeções de Saúde na Aeronáutica (ICA 160-6). Entenda - O câncer de próstata é um tumor na glândula presente no sistema genital masculino. A ação da testosterona pode provocar modificação das células, sua desorganização e o surgimento do câncer. Prevenção - Uma dieta saudável ajuda a diminuir o risco do câncer. Praticar exercícios físicos, evitar o álcool e o tabagismo são fatores importantes, além da reali-

zação do exame de sangue PSA e do toque retal. Tratamento - Caso a doença seja comprovada, o médico pode indicar radioterapia, cirurgia ou até tratamento hormonal. A escolha do tratamento mais adequado é individualizada e definida após médico e paciente discutirem os riscos e benefícios de cada um.

Fatores de Risco Idade: o risco aumenta com o avançar da idade. Hereditariedade: em parentes de primeiro grau que já tiveram ou têm a doença a probabilidade de desenvolvê-la é maior. Etnia: em homens negros o risco é maior. Outros: Vida sedentária, obesidade e alimentação desregrada.

Odontoclínica de Brasília e outras três localidades oferecem o serviço; São Paulo será a próxima.

D

iagnosticado em 2012 com Esclerose Lateral Amiotrófica, doença também conhecida como ELA, o Tenente da reserva Enio Deal, de 75 anos, recebe em sua residência tratamento odontológico especial. O descuido com a saúde bucal pode resultar em diagnóstico de pneumonia nosocomial, que ocorre quando as bactérias da boca se alojam no pulmão, podendo levar à morte. “O tratamento odontológico não é apenas acessório e deve estar ao alcance de todos, inclusive das pessoas que requerem cuidados espe-

ciais”, explica o Tenente Daniel Ribeiro, especialista em odontologia para pacientes com necessidades especiais, que está estruturando o serviço na Odontoclínica de Brasília. Ele afirma que todos aqueles que possuem algum tipo de deficiência ou comprometimento que impossibilite o atendimento normal podem utilizar o serviço, como portadores de deficiências, pessoas com quadro médico complexo, diagnóstico de autismo e até indivíduos que não permitem o tratamento. Havendo necessidade, uma equipe se desloca para a casa do paciente para

realizar o atendimento, o chamado homecare. “Precisamos tratar de forma diferenciada as pessoas que possuem necessidades diferentes. É importante que se ofereça uma abordagem particular e precisamos de sensibilidade para reconhecer isso. Temos um paciente, por exemplo, que só fala uma palavra, mas pela entonação já entendemos o que ele quer dizer”, explica o Tenente Daniel. A FAB possui dentistas especializados nesse tipo de atendimento em Recife (PE), no Rio de Janeiro (RJ) e em Curitiba (PR), além de Brasí-

FOTO: CB V. SANTOS / CECOMSAER

FAB expande serviço de atendimento odontológico para pacientes especiais

Pacientes recebem atendimento odontológico em casa

lia (DF). Para São Paulo (SP), o certame que vai selecionar um profissional dessa especialidade já está em andamento. “Esse tipo de atendimento ainda é pouco procurado, em parte porque as pessoas des-

conhecem sua existência e em parte porque elas acham que a saúde bucal não é tão importante, o que não é verdade. Estamos à disposição para ajudar os pacientes com necessidades especiais”, finaliza o dentista.


6

Novembro - 2015

ACISO

Esquadrão Poti emprega armamentos reais nos helicópteros de ataque AH-2 Sabre

O

exercício operacional Zarabatana VI, do Esquadrão Poti (2º/8º GAV), foi marcado por novidades. Pela primeira vez as tripulações responsáveis por operar os helicópteros de ataque AH-2 Sabre realizaram o emprego de armamentos reais da aeronave, como o míssil Ataka, foguete com cabeça de guerra e o canhão com projétil explosivo. Os 65 militares envolvidos na missão passaram 17 dias no Campo de Provas Brigadeiro Velloso (CPBV), em setembro e outubro, para aprimorar as técnicas de lançamento. “O emprego armado é de fundamental importância para o Esquadrão, visto que todas as ações de força aérea utilizam o emprego do armamento ar-ar ou ar-solo”, explicou o Comandante do Esquadrão

Poti, Tenente-Coronel Aviador Rodrigo Gibin Duarte. A unidade, que tem sede em Porto Velho (RO), será responsável por realizar ações de defesa aérea durante as Olimpíadas Rio 2016. Utilizando as técnicas de pairado diurno e noturno, além de voo rasante à noite, as tripulações lançaram com sucesso os mísseis capazes de perfurar até 80 cm de aço. Os militares também obtiveram êxito no emprego dos foguetes e canhões. O exercício permitiu a manutenção operacional dos pilotos, capacitando-os em todas as modalidades de emprego armado. Durante a Zarabatana VI, também foi concluída a formação dos pilotos para missões com os óculos de visão noturna.

“Uma das principais ameaças dos helicópteros são armamentos solo-ar, como os mísseis de ombro. Para que ele seja disparado contra a aeronave, o operador precisa ter o contato visual com o helicóptero. Ao fazermos emprego noturno, com todas as luzes apagadas, nós minimizamos esse risco, pois o inimigo não nos enxerga”, disse o comandante. Além disso, o exercício também promoveu o treinamento da seção de material, em que a mobilidade e a manutenção fora de sede foram testadas. As operações desdobradas fazem parte das atividades de uma força aérea. Todo o efetivo do Esquadrão se envolveu direta ou indiretamente na missão. “Nós utilizamos estatísticas para saber o que vai e o que fica,

FOTO: SGT POLETO / CECOMSAER

é praticamente uma questão de lógica. Quando a aeronave é nova o desafio é maior, pois no começo não sabemos que tipo de necessidade o helicóptero apresentará fora de sede”, explicou o Chefe da Seção de Material do 2º/8º GAV, Capitão Alexandre Zolin Neto. Reaparelhamento O exercício Zarabatana faz parte do processo de implantação das aeronaves AH-2 Sabre recebidas entre 2010 e 2014, fruto da iniciativa de reaparelhamento da Força Aérea Brasileira. “Está sendo feita uma gradação na implantação do helicóptero. Assim vamos conhecendo as capacidades e limitações da aeronave e amadurecendo as atividades do Esquadrão”, esclareceu o Tenente-Coronel Gibin.

FAB atende mais de mil pessoas em Cachimbo (PA)

O

s profissionais de saúde da Força Aérea Brasileira que atuam em Brasília (DF) realizaram mais de mil atendimentos médicos e odontológicos durante uma Ação Cívico-Social (ACISO) no Campo de Provas Brigadeiro Velloso, no Sul do Pará. A atividade fez parte dos Portões Abertos da unidade e reuniu mais de 40 militares entre médicos, dentistas e enfermeiros. “Aqui a gente tem de tudo e um atendimento bom. Eu nem sabia que existia um negócio tão bacana”, afirmou Davino José, que foi à ACISO para uma consulta com o oftalmologista. Dentre as especialidades oferecidas estavam pediatria, ginecologia, otorrinolaringologia, ortopedia, clínica geral e odontologia. Quem passou pelos atendimentos também recebeu medicamentos e armações de óculos gratuitamente.

Armamento é utilizado pela primeira vez na aeronave P-3AM Em quatro dias do Exercício Orunganitas II, foram lançadas dez bombas

“N

ós retomamos nossa capacidade bélica que havíamos perdido desde a década de 1970”, disse o Comandante da Segunda Força Aérea, Brigadeiro do Ar Roberto Ferreira Pitrez, sobre os resultados do Exercício Orunganitas II.

Na manobra, que aconteceu entre os dias 19 e 23 de setembro no estande de tiro da Marambaia, no Rio de Janeiro (RJ), a aeronave de patrulha marítima P-3AM empregou armamento pela primeira vez. Durante os quatro dias, foram lançadas dez

bombas, que representaram a retomada da doutrina de ataque a alvos de superfície e submarinos. De acordo com o Comandante do Esquadrão Orungan (1º/7º GAV), Tenente-Coronel Antonio Ferreira de Lima Junior, que foi responsável pelo primeiro disparo, ficaram comprovadas a eficiência e a segurança do sistema. “Os resultados foram dentro do esperado, nossa missão foi cumprida plenamente”, disse. Para a tripulação, a Aviação de Patrulha está passando por um momento especial. “Estou há 19

FOTO: CB V. SANTOS / CECOMSAER FOTOS: CB V. SANTOS / CECOMSAER

FOTO: CB V. SANTOS / CECOMSAER

OPERACIONAL

anos no esquadrão, acompanhei todo o processo de aquisição do P-3AM. Foram muitos estudos, muita preparação, para conseguirmos empregar o armamento. Sinto-me realizado pessoalmente e profissionalmente”, afirma o Sargento Itacir Natal Rosin.

Os próximos passos do esquadrão serão o lançamento de torpedos, ainda em 2016, e o início de campanha do míssil Harpoon. “O P-3AM protege o mar territorial brasileiro, e em consequência disso, as economias e a população do nosso País”, afirmou o Brigadeiro Pitrez.


Novembro - 2015

INTERCÂMBIO

7

COMUNICAÇÕES

Oficial da FAB é instrutor da Academia da Força Aérea dos EUA

D

esde julho deste ano, o Tenente-Coronel Saint-Clair Lima da Silva da Força Aérea Brasileira está em Colorado Spring, nos Estados Unidos (EUA), ministrando aulas aos cadetes da Academia da Força Aérea Americana (USAF). Mestre em Relações Internacionais, com um semestre letivo no Massachusetts Institute of Technology (MIT) na área de segurança, o militar brasileiro é instrutor em dois departamentos: ciência política e português. No primeiro, dá aulas em cursos regulares de relações internacionais da América Latina e de estudos de segurança. No segundo, é responsável pela ins-

trução de cerca de 200 cadetes que optaram pelo idioma. O oficial é também responsável pela orientação acadêmica de três cadetes que realizam pesquisa em relações internacionais. No primeiro semestre, o brasileiro ainda organizou o “Curso de Cultura e Política do Brasil”, uma disciplina eletiva ministrada a alunos que têm nível avançado em português. “É bastante procurado e conta inclusive com alguns instrutores que participam como ouvintes”, conta. Segundo o militar, o entusiasmo de cadetes e instrutores para aprender e discutir o Brasil o surpreendeu. “Várias pessoas, militares e civis, quando veem a bandeira do

Brasil no meu uniforme, arriscam um ‘bom dia’ e ficam contentes por saber que a USAF conta agora com um oficial da FAB”, relata. Acordos – Segundo a Seção de Acordos e Intercâmbios do Estado-Maior da Aeronáutica (EMAER) as negociações do memorando de entendimento entre Brasil e EUA iniciaram em 2013. Para o chefe da seção, Coronel Marco Aurélio Clarim Pereira, os intercâmbios são importantes. “A gente tem que estar aberto à troca de experiências. A FAB e o Brasil crescem com isso”, explica. A FAB tem hoje também três militares ministrando instrução de voo nas academias militares do Chile, Argentina e Portugal. O intercâmbio de instrutores acadêmicos celebrado entre as duas instituições prevê que em 2016 um oficial norte-americano esteja em Pirassununga para acompanhar as atividades dos alunos no Corpo de Cadetes da Academia da Força Aérea (AFA).

FOTO: NuCGTEC

FOTO: USAF

Primeiro a integrar programa de intercâmbio entre as duas instituições, militar ministra aulas de português

A

NuCGTEC terá nova estrutura

té o final do ano, o Núcleo do Centro de Gerenciamento Técnico (NuCGTEC) vai inaugurar uma nova sede. A estrutura vai disponibilizar informações mais precisas e em tempo real a diversas unidades. O núcleo também poderá realizar intervenções remotas nos equipamentos e sistemas, solucionando problemas de forma mais rápida. O NuCGTEC realiza o monitoramento contínuo de radares, equipamentos de navegação, meteorologia e telecomunicações que controlam o tráfego aéreo no país. Com isso, auxilia na correção dos mais variados problemas, evitando atrasos de voos e transtornos aos passageiros. “Por meio de uma central única e com monitoramento remoto, ganhamos em efici-

ência. Conseguimos prever situações e evitar a ida de um técnico em pelo menos 90% dos casos”, explica o diretor do Parque de Material de Eletrônica da Aeronáutica do Rio de Janeiro (PAME-RJ), Coronel Engenheiro Dalmo José Braga Paim. Sediada no PAME-RJ, a nova sede de 800 m2 foi construída com estruturas modulares. “Além de oferecer mais espaço, a construção pode ser desmontada e deslocada para qualquer outro local conforme a necessidade”, explica o diretor do PAME-RJ. Até a inauguração do novo local, há muito trabalho a ser feito. “Nosso desafio agora é interligar uma rede de equipamentos complexos, dispersos por todo o país”, finaliza o diretor.

FOTO: CB FEITOSA / CECOMSAER

PATRULHA TREINAMENTO NO P-95 MODERNIZADO

P

ilotos do Esquadrão Phoenix (2º/7º GAV) – unidade sediada em Florianópolis (SC) e que recebeu o primeiro P-95 Bandeirante Patrulha (Bandeirulha) modernizado da FAB – estão auxiliando nas instruções a novos pilotos no Esquadrão

Rumba (1º/5º GAV), sediado na Base Aérea de Natal. A aeronave, recebida em outubro pelo 1º/5º GAV, será empregada no processo de formação dos novos pilotos de patrulha marítima. O esquadrão é responsável pela especialização dos oficiais na Aviação de Transporte e Patrulha.

Sobre a aeronave O P-95M conta com radar Seaspray 5000E e tem condições de detectar navios de grande porte a até 100 milhas, equivalente a 180 quilômetros. A capacidade de imageamento do novo equipamento possibilita acompanhar cerca de cem alvos, ao mesmo tempo, em alta resolução.


8

Novembro - 2015

INFORMAÇÃO

Aplicativo FAB - a Força Aérea na palma da sua mão

A

Força Aérea Brasileira acaba de lançar seu aplicativo oficial. Disponível para smartphones com sistema Android e, em breve, IOS, a ferramenta possui um objetivo claro: oferecer ao público acesso rápido e fácil a todas as informações da FAB. Afinal, enquanto o computador nem sempre está disponível, o celular lhe acompanha para todos os lugares. Responsivo e adaptável a todos os formatos, o aplicativo também pode ser utilizado em ipads, tablets e afins. O conceito de rapidez e acessibilidade não é por acaso. Ícones e conteúdos foram estudados e desenvolvidos para oferecer o que há de mais moderno em identidade visual. Tudo para aumentar o alcance das informações e da transparência na FAB. As notícias em tempo real do portal oficial (www.fab. mil.br) estarão por lá, além do noticiário veiculado pela impressa geral, o NOTIMP. Redes Sociais, informações sobre formas de ingresso, concursos, aeronaves - tudo que você precisa em apenas um clique. Para os militares, a maneira mais fácil de acessar o contracheque. Nos quadros ao lado, você fica sabendo de todas as funcionalidades do aplicativo. E, se você está conferindo essa matéria digitalmente, aproveite para clicar nos links disponíveis e acesse diretamente esse conteúdo.


Novembro Novembro--2015 2015

Confira algumas funcionalidades Notícias – O carro chefe do processo de comunicação e divulgação da FAB também tem lugar de destaque no novo aplicativo. As notícias veiculadas no portal www.fab.mil.br serão disponibilizadas em tempo real diretamente na plataforma.

Fotos – Outro quesito básico para quem curte aviação é a fotografia. O aplicativo disponibiliza um banco de 120 fotos fantásticas e atualizadas com freqüência – passe sempre por lá para conferir as novas. Detalhe: as fotos podem ser compartilhadas diretamente na sua rede social e estão disponíveis para download.

NOTIMP – O famoso “Noticiário da Imprensa” é outro dos benefícios do aplicativo. As notícias veiculadas nos principais órgãos de comunicação do Brasil e do mundo, relativas ao Comando da Aeronáutica, são atualizadas diariamente.

FAB TV – Os vídeos com imagens exclusivas da FAB também fazem sucesso na internet. E o aplicativo traz as últimas edições de todos os Programas da FAB TV. Não deixe de conferir!

Aerovisão – O leitor poderá conferir sempre a última edição da revista Aerovisão, além de usufruir de sua versão digital que apresenta navegação interativa e agrega conteúdo multimídia. Explore as páginas e tenha acesso a novos conteúdos.

Unidades da FAB – Alguma dúvida sobre as unidades da FAB? É só abrir o aplicativo. Números de telefone e endereços de todas as organizações disponíveis, na hora que você quiser e precisar.

Redes Sociais – Facebook, Instagram, Youtube, Twitter, Flickr e Blog. Uma iniciativa voltada para dispositivos móveis não poderia deixar de agregar as redes sociais. A Força Aérea está presente em todas elas. Curta, compartilhe, comente, participe!

Contracheque – Esse é o diferencial para o público interno. Acesso rápido, fácil e direto ao contracheque pelo aplicativo da FAB. Lembre de ter em mãos a senha de acesso que já era utilizada no site.

Aeronaves – Esse quesito é para curiosos e fãs da aviação. As aeronaves da FAB, com imagens e ficha técnica - informações como envergadura, peso, fabricante e missões. Consulte para estudar, conhecer ou quando bater aquela dúvida.

Ingresso – Questões sobre Forma de Ingresso são as mais comuns entre o público que procura a FAB. Com o aplicativo, o interessado terá acesso a informações sobre todos os Quadros.

Facebook – Como o Facebook é a rede social mais procurada, o aplicativo traz um ícone direto para ela. As outras, você lembra, estão no ícone de “Mídias Sociais”.

NOTAER – Funciona como a revista Aerovisão. A última edição sempre estará disponível e o leitor poderá usufruir de todo conteúdo multimídia da versão digital.

9


10

Novembro - 2015 FOTO: SGT REZENDE / CECOMSAEAR

DIA DA BANDEIRA

A relação dos militares da FAB com a Bandeira Nacional

D

esde que chegou à capital federal para servir no Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), a Sargento Rayla Farias de Lucena já participou três vezes da solenidade de substituição da Bandeira Nacional, em Brasília (DF). Durante a cerimônia, realizada mensalmente na Praça dos Três Poderes, a maior bandeira do

FOTO: TEN ENILTON / CECOMSAEAR

FOTO: SGT BATISTA / CECOMSAEAR

Símbolo da nação já teve diversas configurações ao longo da história

País (com uma área de 280 m² e 90 kg de peso) é hasteada. “A Bandeira representa nossa pátria e é importante que as pessoas vejam seu significado”, comenta a Sargento, que também já integrou a tropa de bandeiras históricas na primeira solenidade da qual

participou. O grupamento representa as doze bandeiras que o País teve até chegar à atual, instituída após a proclamação da República, em 1889. Segundo a Tenente Historiadora Regina Celly De Morais Lopes De Souza, do Quinto Comando Aéreo Regional (V COMAR), a Bandeira Nacional já teve diversas configurações e conforme a sociedade mudou, a Bandeira mudou junto. “É o maior símbolo de uma Nação, representa sua identidade, descreve suas riquezas e particularidades”, destaca. A relação dos militares com a Bandeira do Brasil é habitual. Diariamente são realizadas cerimônias de hasteamento nas organizações. “Para nós militares, a bandeira é o símbolo que repre-

senta todos os brasileiros, todas as suas lutas e conquistas”, complementa a Tenente Celly. Pico da Neblina - O ponto mais alto do Brasil, localizado no Amazonas, na fronteira com a Venezuela, também possui uma bandeira do País. Realizar a sua troca é uma verdadeira saga que ocorre anualmente em novembro. Esse desafio chega a durar sete dias e é realizado pelo Batalhão de Infantaria Especial de Manaus (BINFAE-MN) na área de selva. O ambiente é inóspito e a quase três mil metros de altitude, o que aumenta a complexidade da tarefa. As temperaturas podem variar de quase 30 graus durante o dia para sensações térmicas próximas a zero durante a noite. O Batalhão realiza a missão desde 2011 e já levou

mais de 100 militares até o ponto mais alto do Brasil. “Essa missão é uma honra para o Batalhão e demonstra a capacidade operacional da unidade, em tempo de paz ou de crises”, destaca o comandante do BINFAE-MN, Major de Infantaria Roberto Rodrigues Gomes Júnior. “É um motivo de enorme orgulho. A seleção para compor a tropa que conduzirá o Pavilhão Nacional indica o grau de patriotismo e dedicação dos militares da FAB”, finaliza o Major.

ESPORTE

Brasil se destaca nos Jogos Mundiais Militares

N

os 10 dias de competições dos 6º Jogos Mundiais Militares (JMM), na Coreia do Sul, os brasileiros subiram ao pódio para receber 34 medalhas de ouro, 26 de prata e 24 de bronze. Atleta da FAB, o Sargento Magno Nazaret conquistou o título de ciclista militar mais rápido do mundo. Ele percorreu 32 quilômetros em 0:42:05:20. No feminino, a Sargento Ana Paula Polegatch, também da FAB, conseguiu a medalha de prata com o tempo de 0:35:02:91 em 24 quilômetros. Ainda no ciclismo, além do ouro por equipes, o Brasil conquistou, na prova de resistên-

cia, medalhas de prata e bronze, no individual, com as irmãs Clemilda e Janilde Fernandes. O Sargento Darlan Romani ganhou ouro no arremesso de peso com uma marca de 20,08 metros. “A gente luta muito e agradece às Forças Armadas, à Força Aérea em especial, por estar dando essa oportunidade”, disse o atleta. A equipe masculina de tiro conseguiu a medalha de ouro na modalidade pistola tiro central de 25 metros. O time é composto pelo Coronel da FAB Julio Almeida e militares do Exército. Já no pentatlo aeronáutico, o Brasil fechou com ouro indivi-

dual e por equipes no masculino e duas de prata no individual e por equipes no feminino. Os Sargentos Lucas e Luciane Lee conquistaram medalhas de ouro no golfe. Paratletas – Nessa edição dos JMM houve, pela primeira vez, a participação de paratletas, representando um processo de inclusão desses competidores. O Brasil levou quatro atletas para os Jogos e conseguiu uma medalha de prata na prova de arremesso de peso com André Rocha, da Polícia Militar de São Paulo.

FOTO: SGT JOHNSON / CECOMSAEAR

As 84 medalhas alcançadas colocaram o País em segundo lugar mundial no desporto militar

Atletas brasileiros no encerramento dos Jogos Mundiais Militares


Novembro - 2015

11

FOTO: SGT BATISTA / CECOMSAEAR

MATERIAL BÉLICO

Valorizar o passado pensando no futuro Sistema de Material Aeronáutico e Bélico de olho na modernização

FOTO: CB V. SANTOS / CECOMSAEAR

ros pilotos de helicóptero da Força Aérea Brasileira (FAB), faz parte há 27 anos de uma estrutura maior: o Sistema de Material Aeronáutico e Bélico (SISMAB). O SISMAB conta com mais 290 operadores em todo o Brasil. “Onde existe uma pistola 9mm e alguém para manusear esse armamento, nós temos um membro do SISMAB”, comenta o Diretor do Parque de Material Bélico de Aeronáutica do Rio de Janeiro (PAMB-RJ), Coronel Aviador Sylvio Malheiro Junior. A FAB possui mais de 40 projetos relacionados a material bélico que vão da aquisição de fuzis a bombas guiadas a laser, sensores de última gera-

ção, além dos óculos de visão noturna e dos mísseis de quinta geração (A-Darter). Esses últimos vão equipar o novo caça da FAB, o Gripen NG. “Aeronaves equipadas com armamento são a razão de ser de uma Força Aérea”, complementa o Coronel Malheiro. Dia do Material Bélico – A data é uma homenagem ao evento histórico de 11 de novembro de 1944, quando as aeronaves do 1º Grupo de Aviação de Caça (1º GAVCA) voaram pela primeira vez como unidade independente na Itália, durante a Segunda Guerra Mundial. As missões contaram com apoio dos especialistas da FAB, como o Tenente-Coronel Especialista em Armamento Jorge da Silva Prado, que se tornou patrono do material bélico da Aeronáutica. Ele realizou diversas atividades durante a guerra, como o remuniciamento dos aviões, harmonização das metralhadoras com o visor do tiro e conjugação de comando de disparo das metralhadoras com as câmeras

cinematográficas para registro dos resultados das missões. O Tenente-Coronel Prado faleceu em 1991. Mas seu filho, o engenheiro Reinaldo da Silva Prado, lembra dos feitos do pai. “Ele se orgulhava demais de suas inovações. Um exemplo foi uma espécie de carrinho que sobe e desce para conduzir as bombas que pesavam 500 kg até o P-47. Foi um avanço na época”, destacou. Ao regressar ao Brasil, Prado introduziu novos métodos de armazenagem de material bélico, modificou o Sistema de Ordens Técnicas e estabeleceu nomenclatura adotada pelas Forças Armadas

do Brasil. Também idealizou bombas incendiárias e produziu os primeiros foguetes de aviação fabricados no País. Novo SISMAB - O Comando-Geral de Apoio (COMGAP) unificou o Sistema de Material Aeronáutico (SISMA) e o Sistema de Material Bélico (SISMAB). O objetivo foi garantir a meta de prever e prover o suprimento e a manutenção necessários ao suporte logístico do Material Aeronáutico e Bélico, garantindo sua condição de pronto emprego com o menor consumo possível de recursos humanos, materiais e financeiros, seja em situação de paz, de conflito ou de emergência.

FOTO: SGT BATISTA / CECOMSAEAR

D

urante o exercício Gavião de Fogo, realizado em outubro no Centro de Treinamentos de Maxaranguape (RN), o Suboficial Especialista em Armamentos Mauro Henrique dos Santos Modesto foi um dos responsáveis por armar as aeronaves UH-50 Esquilo com a metralhadora calibre .50 e o foguete SBAT 70. “As aeronaves realizaram cerca de 30 saídas por dia. Em cada uma delas, nós municiávamos a metralhadora e o suporte do foguete. Esses armamentos tem o poder de destruir um carro de combate, por exemplo”, ressalta o Suboficial. O militar, que teve um papel fundamental para o batismo de fogo dos futu-


12

Novembro - 2015

GESTÃO

Descentralização de créditos mais rápida e transparente

A

Secretaria de Economia e Finanças da Aeronáutica (SEFA) implantou em setembro a ferramenta digital chamada A5–WEB, com o objetivo de melhorar o atendimento às solicitações de créditos feitas pelos grandes comandos e órgãos de assessoria da Força Aérea. “Antes os pedidos vinham por mensagens, pelo SIAFI e por e-mails. Tínhamos que filtrar quais eram de interesse dos grandes comandos, organizar por unidade, depois ainda digitar os dados no SIAFI. Com o novo sistema, as organizações enviam as planilhas já preenchidas, fazemos a análise, verificamos os dados, transferimos eletronicamente as informações e o crédito é liberado rapidamente”, ressalta o Chefe

da SUFIN-2.2, Major Frederico de Souza Amaral. Em média, a SEFA recebe 550 solicitações de descentralização, remanejamento ou alteração de crédito por mês. Com o novo sistema, o tempo médio de atendimento às unidades caiu de cinco para dois dias úteis. Além disso, as organizações que enviam as solicitações agora conseguem consultar o andamento do processo e ter orientações da SEFA em relação àquele pedido. “Esse programa trouxe mais agilidade; mais transparência; mais eficiência porque diminui a possibilidade de erro humano; mais eficácia, já que a unidade consegue ser contemplada pelo crédito; e mais efetividade porque se consegue ter uma ação contínua, com garantia da

segurança, por meio de login e senha”, explica o Chefe da Divisão de Créditos, Coronel Paulo Mauricio Jaborandy de Mattos Dourado. Por meio do A5-WEB, pode ser requerido o crédito que já estava planejado para a organização militar, seja para alimentação, fardamento, suprimento aeronáutico, saúde, pagamento de pessoal, entre outros. O A5-WEB pode ser acessado na página Intraer da SEFA: www.sefa.intraer.

SDPP implanta melhorias no cotejamento do pagamento de pessoal

A

Subdiretoria de Pagamento de Pessoal (SDPP) lançou o Módulo 12 do Manual de Pagamento de Pessoal (MCA 177-2). O objetivo é simplificar e agilizar o cotejamento da Folha de Pagamento (FOPAG), reduzindo o tempo de conclusão e aumentando a qualidade e a confiabilidade dos processos. O cotejamento é realizado mensalmente confrontando o efetivo da FOPAG com o real efetivo das unidades, uma análise fundamental para evitar pagamentos indevidos. Uma das mudanças mais relevantes do novo sistema é não exigir mais a conferência do extrato financeiro de pessoal (EAFP). “A nova metodologia propicia racionalização ad-

ministrativa e economia de meios, já que possibilita o cotejamento de forma concentrada na Unidade Pagadora, o que anteriormente era feito em várias Unidades Apoiadas. Além disso, grande parte da conferência, que antes era realizada de forma manual, por meio de comissões, passa a ser feita automaticamente pelo sistema”, ressalta o Chefe da Divisão de Análise e Normas de Pagamento de Pessoal (PP3), Tenente-Coronel Flávio Garcia Netto Machado. As mudanças afetam todas as Unidades Gestoras e o prazo de adaptação e adoção dos novos procedimentos é janeiro de 2016. O manual está disponível na página Intraer da SDPP: www.sdpp.intraer.

PENSANDO EM SEGURANÇA DE VOO

FOTO: SGT BATISTA / CECOMSAEAR

Risco de fauna - identificar espécies é fundamental Colisões de aeronaves com fauna são o tipo de ocorrência aeronáutica mais comum na aviação mundial. Apesar dos acidentes, a maioria das colisões com fauna não gera danos (aproximadamente 90% dos casos), dificultando a percepção do risco à operação. Isto porque as aeronaves são projetadas para resistir a certos impactos com animais. Portanto, a certificação aeronáutica é uma linha de defesa importante contra colisões com fauna.

Mas para ser útil, os tripulantes devem conhecer os limites da aeronave, a fim de evitar situações em que, por exemplo, a ave possa penetrar o para-brisa, atingindo o rosto do piloto, incapacitando-o e, se não houver outro piloto a bordo, provocando queda da aeronave. De 2011 a 2014 estima-se que a média de colisões reportadas no Brasil foi de apenas 27% do total. Isso prejudica a identificação dos perigos, especialmente ao considerar que as espécies são identificadas em só 55% dos reportes.

Mas, por que essa identificação é tão importante? Porque as aves necessitam de três ‘ativos’ fundamentais – água, alimento e abrigo – e a localização destes ativos estabelece suas rotas migratórias. Cada espécie tem suas preferências e é fundamental saber quais estão causando mais riscos à aviação em cada aeródromo, para então identificar os atrativos que devem ser minimizados na respectiva Área de Segurança Aeroportuária (ASA). Não é suficiente, por exem-

plo, dizer que a colisão foi com um urubu. É necessário seguir as instruções existentes no site do CENIPA (www.cenipa.aer. mil.br) para fotografar a carcaça do animal envolvido na colisão – quando existir – ou para coletar amostras de material orgânico – quando só houver marcas de sangue ou penas. Essa informação é a mais importante da Ficha Cenipa 15 e serve de base para o Programa de Gerenciamento de Risco de Fauna dos aeródromos. (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos)


Novembro - 2015

13

Seu DINHEIRO Dinheiro SEU SEU DINHEIRO

Vida financeira saudável deve começar na infância

FOTO: ARQUIVO PESSOAL

Atuação dos pais é fundamental para ensinar boa relação com o dinheiro

A

educação financeira aos poucos chega à grade curricular das escolas mesmo não sendo disciplina obrigatória. Mas cabe aos pais a

responsabilidade de preparar para o mundo cidadãos saudáveis financeiramente. Os pais de Maria Eduarda Domenici sabem da importância do tema. Desde os seis anos, ela passou a ganhar uma quantia por semana para usar como quiser. Além do dinheiro, os pais dão lições de como gerenciá-lo bem e não gastar tudo de uma vez. Agora com nove anos, ela tem aulas de educação financeira na escola e já apresenta um comportamento responsável com as “finanças pessoais”. No Dia das Crianças ela não pediu presente. Quis apeO Banco Central do Brasil lançou obras infanto-juvenis da série educativa sobre finanças, como essa que fala sobre o “dinheiro mágico”, o cartão de crédito. O download é gratuito na página do BC:www.bcb.gov.br :www.bcb.gov.br

nas jantar com os pais. Eles também a levaram ao cinema e deram um dinheiro a mais como incentivo. O que ela fez? Guardou para pensar como vai empregá-lo, evitando comprar por impulso alguma coisa de que não precise tanto. Ela é filha dos tententes Eriko Mendes Domenici, do Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (COMDABRA), e Chrisziane dos Santos Domenici, do Hospital das Forças Armadas. Os pais mostram na prática que usar o dinheiro envolve escolhas. “Ou compro uma roupa ou guardo o dinheiro para a viagem de férias”. Esse é o discurso que Maria Eduarda ouve constantemente para aprender a esperar e atingir metas. Quando Maria Eduarda apresenta alguma frustração com relação ao estilo de vida

dos colegas, o pai aproveita para transformar o sentimento em uma competição saudável. “Eu e minha esposa conversamos muito com ela e usamos o exemplo das conquistas dos outros como motivação para o estudo, o trabalho e o planejamento, para que ela possa realizar sonhos”, conta Eriko. Segundo a professora Celina Macedo, PhD em psicolo-

gia cognitiva e consultora do Instituto de Educação Financeira (IEF), a explicação para o endividamento e a falta de poupança do brasileiro está vinculada na relação entre pais e filhos. “Pais que impõem limites, ensinam a relação custo/ benefício, ensinam os filhos a suportar frustrações, planejar a vida, fazer escolhas, estão criando pessoas conscientes do consumo”, explica.

Dê mesada e oriente o filho a anotar quanto ganha e quanto gasta Comente as conquistas e as dificuldades pessoais Mostre que o trabalho é fonte de realização Se a mesada acabar, não reponha Veja se há desperdício em casa Mostre o orçamento da família Faça planos em conjunto Dê bons exemplos.

Fonte: Instituto de Educação Financeira

PESSOAL

Contracheques deixam de ser impressos para militares da ativa

D

esde o pagamento de outubro, o Comando da Aeronáutica suspendeu a emissão impressa dos contracheques dos militares da ativa de seu efetivo. A medida visa à racionalização de des-

pesas, além de dar atenção à sustentabilidade, evitando a utilização de papel. Desde 2011, a Subdiretoria de Pagamento de Pessoal (SDPP) disponibiliza os contracheques eletronicamente. Os comprovantes podem ser acessados no site da FAB: www.fab.mil.br. Depois de clicar no link Contracheque (localizado na barra lateral à esquerda), deve-se optar pelo link Militares. Ou acesse pelo aplicativo da FAB no seu celular. Para acessar é necessário ter o número do SARAM e a

senha do sistema. O acesso também pode ser feito pela rede Intraer, por meio do Sistema de Informações Gerenciais de Pessoal (SIGPES). É importante que o militar mantenha seu endereço de e-mail atualizado no SIGPES, já que a recuperação da senha pessoal é feita pelo correio eletrônico. Para os inativos e pensionistas as impressões e os envios continuam. Mas como também serão suspensos futuramente, é importante manter seu cadastro atualizado junto às unidades pagadoras.

Identidade militar terá mudanças Um novo modelo de carteira de identidade começará a valer a partir de 1º de janeiro de 2016 para militares do serviço ativo da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, além de inativos, dependentes e pensionistas. A mudança não é obrigatória e os documentos já expedidos permanecem válidos em todo o território nacional. O Decreto n° 8518, de 18 de setembro de 2015, publicado no Diário Oficial do dia 21 de setembro, dispõe sobre o assunto. A identificação será

uma atualização mais completa dos documentos já existentes e tem o objetivo de unificar esse tipo de registro nas três Forças. Normatização - Marinha, Exército e Aeronáutica possuíam decretos antigos acerca do tema. Por conta disso, surgiu a necessidade de uma nova legislação. Dessa forma, foi criado um mesmo documento para as três Forças. O modelo a ser adotado ainda não foi definido, mas está sob responsabilidade do Departamento de Pessoal do Ministério da Defesa.


14

Novembro - 2015

EDUCAÇÃO

NO

PADRÃO

Segurança de voo para crianças e adultos

O

Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA) e a Mauricio de Sousa Produções lançaram, em outubro, a segunda edição da Revista Turma da Mônica sobre segurança de voo. A temática é o risco de fauna e o perigo de soltar pipa em áreas próximas a aeródromos. Com tiragem de 1 milhão de

exemplares, os gibis serão distribuídos em aeroportos, escolas e eventos aeronáuticos. “Criança é muito ativa e com certeza influencia nas ações e costumes da família. Por isso, essa revista tem uma grande força para evitarmos acidentes com os aviões. O convite da FAB para criarmos esse canal de comunicação com as crianças, através de

nossa turminha, é um sucesso já experimentado na edição anterior de 2013. Agora estamos repetindo a dose”, comentou o cartunista Mauricio de Sousa. De acordo com o CENIPA, ao direcionar a mensagem às crianças, o órgão conquista aliados na difusão das informações de prevenção também junto aos adultos. “O objetivo era atingir o público infantil, pois iríamos difundir as ideias de segurança de voo logo nos primeiros anos da criança, mas acabamos atingindo também adolescentes e adultos, já que a revista do Mauricio é lida por todas as faixas etárias”, contou o Vice-Chefe do CENIPA, Coronel Marcelo Marques de Azevedo. A primeira edição, há dois anos, trouxe histórias sobre o perigo do raio laser e soltura de balões próximo aos aeródromos.

Site da FAB tem espaço infantil

D

esde o dia 12 de outubro as crianças têm um canal especial no site da Força Aérea Brasileira (www.fab.mil.br) com conteúdos exclusivos para entreter e ensinar. Os pequenos podem assistir a um videoclipe animado com canções militares, acessar jogos e conhecer os personagens da Turma do Fabinho. O videoclipe apresenta o Hino do Aviador e a Canção do Especialista em um arranjo musical infantil composto pela Banda de Música da Base Aérea de Brasília. A criação do produto é complexa até chegar ao resultado que se vê no site. “Começa

com a criação dos personagens e aplicação das cores. Em seguida, criamos um mecanismo para que eles se movimentem, algo como um esqueleto; só então são desenvolvidos os cenários e sua iluminação. Depois de tudo isso pronto é que passamos à execução do roteiro”, afirma o Sargento Ednaldo da Silva, responsável pela animação. Um dos publicitários envolvidos no projeto, Tenente Rachid Jereissati, explica que o objetivo do canal é incentivar as gerações futuras para que compreendam o papel e a responsabilidade da FAB na soberania e no desenvolvi-

mento do nosso País. “Quem nunca apontou para o céu e disse: olha lá um avião? Falar sobre aviação é fascinante para crianças. Já falar sobre o braço armado é sempre um desafio que exige cuidados. O rigor operacional dá lugar a cenas lúdicas, tornando tudo uma grande brincadeira”, explicou. Reformulação – Os personagens da Turma do Fabinho, criados em 2010, passaram por mudanças. “Também criamos um novo personagem, o Engrenado, que resolve tudo e conserta as coisas”, explica o desenhista responsável pelo novo estilo, Cabo Maclaudio Gomes Pereira.

O 8º uniforme ou macacão de voo é utilizado por aeronavegantes e sua padronização está prevista nos artigos 29 e 74 do RUMAER. Como qualquer uniforme, só deve ser sobreposto com itens previstos, como distintivos de organização, posto ou graduação e tarjeta.

A cor da camiseta usada por baixo do macacão pode ser alterada a critério do comando operacional. E em lugares frios pode ser usado blusão preto com gola rolê, além do abrigo previsto. Portanto, nada de bancar o “Top Gun” andando por aí com macacão de mangas dobradas e óculos na cabeça!


Novembro - 2015

ENTRETENIMENTO Caça palavras

Jogo dos seis erros

Resposta da edição de outubro de 2015

A PROCLAMAÇÃO da REPÚBLICA no BRASIL foi realizada em 15 de NOVEMBRO de 1889, após 67 anos da declaração da Independência. No Rio de JANEIRO, então CAPITAL do Império, o marechal Deodoro da Fonseca declarou o fim do período IMPERIAL e tornou-se o primeiro PRESIDENTE da história do Brasil, RESPONSÁVEL pelo recém-formado GOVERNO provisório. Quatro dias depois, em 19 de novembro de 1889, foi instituída a BANDEIRA republicana NACIONAL como a bandeira OFICIAL do Brasil.

Você sabia? Esta é uma representação de uma bolacha da antiga especialidade de Armamento Aéreo, substituída pela especialidade Material Bélico.

15


CONSTRUINDO

O FUTURO Projetos Estratégicos da FAB

O Projeto prevê o desenvolvimento de um modelo de Aeronave Remotamente Pilotada (ARP) totalmente nacional, com capacidade de decolagem, navegação e pouso inteiramente automáticos, e que contemple a integração dos equipamentos necessários à missão de reconhecimento aéreo. Atualmente, a FAB opera os modelos Hermes (450 e 900) que, além de operações reais de monitoramento terrestre com imagens em tempo real, realizam missões de “desenvolvimento de doutrina”, quando são elaboradas táticas para uso militar em situações de conflito.

NOTAER - Novembro de 2015  
NOTAER - Novembro de 2015  

Novidade! App FAB

Advertisement