Issuu on Google+

PRODUCÃO & NEGÓCIOS ANO 1 - NÚMERO 43 RIO BRANCO, DOMINGO, 25.11.2012

É tempo de festa!

Comércio lamenta um dos piores anos em vendas na capital acreana, mas deposita suas esperanças nas festas de fim de ano e na recuperação em 2013


PRODUCÃO & NEGÓCIOS

2 Rio Branco – AC, DOMINGO, 25.11.2012

Bazar Chefe

A

receita é simples, ensina Tancredo, ou simplesmente “Chefe” como é popularmente conhecido o proprietário do Bazar Chefe que se mantêm em pé há 42 anos, sobrevivendo a algumas das piores crises econômicas brasileiras que arrasaram e continuam arrasando muitas casas comerciais. “O cliente tem sempre razão!” Afirma Chefe categoricamente, em seguida aconselha: “A variedade de produtos para atender os mais variados tipos de necessidades e, especialmente, o bom atendimento é o que

cativa os clientes fazendo com que eles voltem sempre!” Ao contrário da maioria dos comerciantes que estão se lamentando de um 2012 de poucas vendas e com perspectiva de um fim de ano bastante duvidoso, Chefe declara: “2012 foi um ano muito bom porque aqui atendo os agricultores, pecuaristas, donas de casa, médicos e deputados, geralmente quando as coisas não estão muito boas para um lado, estão ótimas para outro e se você tem fregueses bem diversificados vai vender sempre!” E ele é taxativo com relação ao período natalino: “Fim de ano é tempo bom

Rio Branco – AC, DOMINGO, 25.11.2012 3

Vendas fracas e impostos assustadores

A diversidade de produtos que atendem necessidades dos clientes do campo e da cidade garantem o sucesso da casa Juracy Xangai

PRODUCÃO & NEGÓCIOS

Comerciantes estão assustados com a queda das vendas que se manteve pelo ano inteiro e com a fome do fisco

T

Há 42 anos o Bazar chefe garante clientela pela variedade de produtos e bom atendimento

para vender de tudo, da louça à válvula da panela de pressão, colheres de ma-

deira, rádios, fogões e especialmente nossos fogos de artifício para dar boas vinda

ao ano novo que vem por aí com esperança de dias cada vez melhores!”

rabalhando a vida inteira no comércio, Cleyton Oliveira, há quatro anos, estabeleceu-se com a loja de confecções Santorim num dos pontos mais movimentados do calçadão do Colégio Acreano onde a calçada fervilha de clientes, mas com poucas sacolas na mão. “Este foi o ano mais fraco em vendas que já tivemos no comércio de Rio Branco, nossa esperança agora são as festas de Natal e ano novo e que as coisas melhorem em 2013. Quem trabalha neste ramo sabe que a melhor época de vendas é o fim de ano, isso costuma acontecer

no início de novembro, mas já passamos da metade do mês e as vendas caíram ainda mais”, lamenta. Sem encontrar uma explicação razoável para essa situação atípica, Cleyton lembra que o movimento começou a cair com mais força a partir dos cortes de gastos do governo federal já a partir do início de 2011 quando R$ 55 bilhões deixaram de circular, mais R$ 55 bilhões neste ano. “Além disso não há ofertas de empregos, até os concursos públicos praticamente deixaram de acontecer e sem empregos não há dinheiro para movimentar o comércio!”

Lojistas não desanimam e esperam por mais clientes

Num ano de poucas vendas os impostos aumentaram

PRODUCÃO & NEGÓCIOS

Uma publicação de responsabilidade de Rede de Comunicação da Floresta LTDA C.N.P.J. 06.226.994/0001-45, I.M. 1215590, I.E. 01.016.188/001-87

Textos, fotografias e demais criações intelectuais publicadas neste exemplar, não podem ser utilizados, reproduzidos, apropriados ou estocados em sistema de bancos de dados ou processo similar, em qualquer processo ou meio (mecânico, eletrônico, microfilmagem, fotocópia, gravações e outros), sem autorização escrita dos titulares dos direitos autorais. Não devolvemos originais, publicados ou não. IMPORTANTE - Matérias, colunas e artigos assinados, são de responsabilidade de seus autores e não traduzem necessariamente a opinião do jornal

Já dentro das empresas, a carga de impostos assusta os micro e pequenos empreendedores que normalmente recolheriam 5% do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias (ICMs) na entrada de suas mercadorias. “Em abril a Secretaria Estadual da Fazenda baixou decreto excluindo dessa vantagem todos os micro e pequenos empresários que não fossem optantes do Simples Nacional, a partir de então as mercadorias que entram no Acre vindas dos estados do Sudeste e Sul pagam 18,5% de impostos e os do Nordeste 13,5%. A mudança das regras, em abril, pegou

todos de surpresa, até porque só poderemos optar pelo simples em janeiro de 2013, esse custo a mais tira nossa competitividade e isso está esvaindo os recursos de muitas empresas, por isso tantas lojas estão fechando as portas!” Apesar de todos os contratempos Cleyton não desanima e preparou a loja com novas coleções de roupas femininas e masculinas para aproveitar as vendas de fim de ano. “Hoje tenho quatro vendedoras e vamos contratar mais duas temporárias para trabalhar até fevereiro porque a gente enfrenta a crise é com trabalho!”


PRODUCÃO & NEGÓCIOS

4 Rio Branco – AC, DOMINGO, 25.11.2012

Passo a Passo PRODUCÃO & NEGÓCIOS

A

Rio Branco – AC, DOMINGO, 25.11.2012 5

Rede de lojas aposta nas promoções como forma de atrair mais clientes às compras pré natalinas

gerente da loja Passo a Passo, Carmem Torquato concorda com os demais comerciantes sobre o saldo negativo das vendas em 2012, mas a rede composta por três lojas espalhadas por Rio Branco cria promoções como forma de atrair mais clientes às compras. “Este foi um ano incomum, fraco demais, mas a surpresa maior é que novembro está ainda pior que os outros, nem as eleições ajudaram o comércio como acontecia em todos os anos. A impressão é de que as pessoas estão mesmo muito endividadas, principalmente com os cartões de crédito”, destaca Carmem. Diante dessa situação um tanto inesperada, a comerciante explica que sua

rede de lojas traçou estratégias para driblar o problema fazendo aumentar as vendas. “Raramente fazíamos promoções, não precisava mesmo, mas agora estamos fazendo uma grande promoção com muitos produtos sendo vendidos com 50% de desconto, com isso muita gente está se animando a comprar mais!” Gerando onze empregos de vendedoras nas três lojas, a gerente explica que: “Nós vamos contratar vendedores temporários para este fim de ano, mas o número vai depender da reação nas vendas que acredito devem acontecer a partir da semana que vem. Nossa grande esperança está mesmo na reação do comércio com as compras estimuladas pelas festas de Natal e ano novo”.

Loja está com estoques prontos para encarar o melhor período de vendas do anoa

Lojistas se esforçam para aproveitar todas as oportunidades de venda

Feirão da Moda Endividamento dos consumidores e o shopping Via Verde divide as vendas reduzindo vendas nas lojas de rua

A

inauguração das lojas de departamento instaladas no shopping Via Verde com suas coleções e preços a perder de vista dividem as vendas com as lojas de rua que encontram dificuldades para concorrer com elas, principalmente, no ramo das confecções. Darci da Conceição gerente do Feirão da Moda, uma das maiores lojas de venda de confecções no calçadão do Colégio Acreano, explica

que: “Pra nós as vendas deste ano foram razoáveis, mas ficaram bem abaixo das nossas expectativas que eram bem melhores, mas o comércio tem seus altos e baixos. O que estranhamos é que, até agora, novembro está sendo o mês mais fraco em vendas deste ano, quando o normal era elas estarem crescendo, caíram e ninguém sabe ao certo o porque disso!” Outro comportamento atípico, apontado pelos comerciantes, é o fato de que as

eleições sempre animaram as vendas, fato que acabou não ocorrendo neste ano. “Ano eleitoral sempre foi bom de vendas, mas neste as eleições não influenciaram o mercado. Acredito que há uma soma de motivos para essa queda, um dos principais é o endividamento das pessoas com os cartões de crédito, CDC e consórcios, assim quando recebem, os consumidores mal conseguem pagar suas contas e não sobra para gastar no comércio!”

Tal qual a maioria dos lojistas, Darci agora deposita suas esperanças de melhores resultados nas vendas de fim de ano. “Nesta época temos os pagamentos do 13º Salário, férias e outras vantagens que permitem às pessoas comprar mais. Também tem os empregos temporários do próprio comércio, a maioria deles com pessoas desempregadas que com dinheiro também vão às compras e é isso que movimenta o comércio”.

Falando ainda sobre trabalhadores temporários, Darci explica que a loja trabalha com dez vendedores permanentes, mas que a partir da semana que vem, mais dez vendedores temporários vão reforçar o quadro. “Fim de ano vem mais clientes, então são necessários mais vendedores para melhor atender e assim multiplicar as vendas. É um investimento que vale a pena, porque no comércio o movimento é que faz aumentar os lucros!”

Passo a passo as vendas vão acontecendo apoiadas nas promoções


PRODUCÃO & NEGÓCIOS

6 Rio Branco – AC, DOMINGO, 25.11.2012

Camelódromo também sofre

N

Nem os preços mais populares do camelódromo estão conseguindo atrair mais compradores.

ancy Leão vai arrumando os estoques de brinquedos e outros produtos que estão prontos para atender seus clientes que vão às compras de Natal em busca dos preços mais populares no camelódromo, mas segundo ela, mesmo ali, todos sentiram a queda nas vendas ao longo de 2012. “Trabalho no comércio há mais de 20 anos e este foi o ano mais fraco que já vi no comércio do Acre, por isso mesmo, nossa expectativa são as vendas de Natal onde as pessoas fazem questão de comprar pelo menos um presentinho para seus amigos e parentes”, afirma Nancy. Para ela, o endividamento das pessoas com cartões de crédito e financiadoras estão na raiz do problema que atinge o co-

mércio de uma forma geral. “A coisa está feia mesmo, essa crise está atingindo todos os ramos do comércio e ninguém sabe ao certo o que está acontecendo, o certo é que as pessoas não tem dinheiro para gastar”. Sua amiga Sebastiana Silva que mantêm sua banca de vendas próxima à da Nancy, concorda com a avaliação da comerciante. “O ano não foi bom e novembro está pior ainda, as pessoas olham as mercadorias, querem comprar, mas não têm dinheiro!” Afirma taxativamente. Apesar disso, “Tiana” já abasteceu a banca com brinquedos, árvores de natal e variados presentes para atender a clientela. “A gente tem que estar pronto para atender as pessoas, esse é o nosso negócio e quem não investe, aí é que não ganha mesmo!”

PRODUCÃO & NEGÓCIOS

Rio Branco – AC, DOMINGO, 25.11.2012 7

À espera dos clientes Lojas adiantaram suas compras para formar seus estoques de fim de ano, agora aguardam a freguesia

Á

rvores de natal com tamanhos e preços variados, enfeites para todos os gostos e bolsos, flores, panelas, louças e todo tipo de utensílios domésticos lotam as prateleiras da loja Piscinas Confort que está pronta para atender sua clientela nas vendas de fim de ano. “Neste ano a loja foi preparada mais cedo para as vendas, mas a reação que todos esperavam para o início de novembro ainda não aconteceu. Aqui vendemos desde brinquedos, artigos de decoração, utensílios domésticos, brinquedos infláveis, até cadeiras e mesas plásticas para festas”, explica Keila Muniz vendedora da Piscinas Confort. Apesar das expectativas um tanto sombrias, Keila não desanima: “O fim de ano sempre fi a melhor época para o comércio, então a expectativa é muito boa, especialmente porque é também nesta época que as pessoas, além dos brinquedos e presentes, costumam comprar mais utensílios de cozinha para presentear familiares e amigos. Por isso creio que as coisas vão melhorar bastante a partir da semana que vem!”

Promoções chamam atenção para todos os produtos do comércio


PRODUCÃO & NEGÓCIOS

8 Rio Branco – AC, DOMINGO, 25.11.2012

Ousadia Marilena Parazzi trabalha estratégias mais ousadas para garantir vendas de fim de ano

Em momentos de crise: Loja especializada na venda de acessórios femininos aposta nas novidades e estratégias de venda mais ousadas

T

rabalhando sempre no comércio, há oito anos Marileusa Parazzi estabeleceu sua loja, a Patricinha Fashion, em Rio Branco e reconhece que neste ano de 2012 a vida dos comerciantes acreanos foi de muita incerteza. “Destes oito anos que estou aqui, este foi o mais fraco em vendas, muita gente fala do endividamento, outras que a crise da Europa e Estados Unidos está contagiando o Brasil, mas ninguém sabe exatamente o que está acontecendo, exceto que as vendas caíram muito mesmo. Nem as elei-

ções que sempre ajudaram muito o comércio, neste ano não causaram melhoria nas vendas!” Constata a comerciante. Mantendo duas lojas no centro da Capital, outras duas no Bosque e Estação experimental e uma quinta no shopping Via Verde, ela explica que: “As vendas no shopping me surpreenderam porque foram bem melhores que as das lojas de rua, para dizer a verdade, superaram minhas expectativas. Mas tenho de reconhecer que o sistema de funcionamento de uma loja num shopping é muito diferente de uma loja de rua

e, pelo que parece, vem funcionando muito bem!” Apesar do ano fraco em vendas, ela acosta na recuperação durante as vendas de fim de ano e investiu nisso. “Momentos de crise exigem estratégias mais ousadas de venda, estamos com coleções novas que trzem muitas novidades e isso atrai muita gente. Além disso, só para esta loja que já tem cinco vendedoras nós estamos contratando mais duas na semana que vem, além de um segurança. Como se vê, o fim de ano melhora as vendas e gera empregos e isso é bom pra todos.

Estilo e bom gosto com as vendoras da Patricinha Fashion


Caderno de Produção e negócios