Issuu on Google+

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÁTÃO ANO - XXV

Temos vindo ao longo dos anos a descobrir o valor das nossas mãos. Elas são uma coisa maravilhosa. Quando nascemos servem apenas para abrir, para fechar e apreciar. Quando crescemos servem para comer, brincar, tocar piano, sacudir as moscas, são a nossa calculadora e quando viajamos levamnos as malas…

Nº 63

A S

PREÇO - • 0.50

Periódico - Dezembro 2009

M I N H A S

M Ã O S

Pág. 3

“Nós e os Outros” 2 Caminhada da Vida... 3 A tradição ainda é o que era! 4 Vivendo... 5 Tempo extra 6 Entre miúdos e graúdos 7 Faca e Garfo... 8 e 11 Desportivamente... 9 Assim se começa... 10 Ser poeta é... 12 A brincar também se aprende! 13 Educação Pré-Escolar 14 e 15 Leituras... 16 e 17 Recomeços... 18 Matematicando... 19 Tradições... 20 Projectos... 21 Para Reflectir... 22 Vivendo... 23 Reflexões 24

F E S T A D O S A L I M E N T O S

O Departamento da Educação Pré-Escolar estabeleceu como tema para o primeiro período «Crescer Saudável». Neste âmbito, no dia 30 de Outubro, realizou a Festa dos Alimentos, que constou de um desfile com todas as crianças dos jardins de infância do agrupamento, ... Pág. 15


“Nós e os Outros”

Dezembro 2009

Cá nos reencontramos para mais um ano de novidades, com «O Tal Jornal». Escola nova, caras novas… Este ano, muitas caras novas chegaram à escola, entre os alunos, claro, mas também entre os professores. A todos a escola quis acolher da melhor forma, para que se sentissem bem, felizes, naquela que é a sua casa durante a maior parte do dia. O nosso jornal é um dos melhores pontos de reencontro, em que escritores e leitores se re/conhecem e esta primeira edição do ano lectivo de 2009/ 2010 volta a estar recheada de notícias, de poesia, de cheiros e sabores de Outono, de festa e de alegria. Sim, porque é com alegria que todos participam no jornal do Agrupamento, com a satisfação de dar a conhecer as suas descobertas, os seus talentos e os eventos mais importantes na vida da escola. Algumas notícias trazem consigo uma nota de saudade e tristeza. Alunos e professores que se despedem da escola onde se conheceram, onde aprenderam a ler, onde trabalharam durante anos e onde não voltarão a ouvir-se histórias com letras, números, canções, risos, corridas, o pão e o leite devorados à pressa para se ir brincar à macaca, à bola, ao berlinde ou ao pião dos avós. Nestes primeiros meses, do novo ano escolar, tive o privilégio de ir levar a Hora do Conto às sete escolas do 1º Ciclo e a alguns Jardins-deInfância que continuam a funcionar nas aldeias do nosso concelho. Desta forma, pude revisitar também o meu tempo na «Escola Primária»: os edifícios com o seu formato típico, que em qualquer terra se reconhece; o quadro negro já bastante gasto pelo tempo e por tantos deditos inseguros a princípio, mais confiantes depois; o soalho de madeira que range aqui e ali ou um buraquito que pode agarrar o salto do nosso sapato. Também os cheiros das manhãs de Outono no recreio, onde não falta o piso irregular, algumas poças de água e lama, mas também as árvores de grandes copas douradas, onde ainda pode pendurar-se um baloiço ou gravar-se mais um nome. Árvores que tantos meninos abrigaram do sol, que tantas cantilenas e lengalengas ouviram, de ramos fortes para pequenos braços se pendurarem, de troncos rugosos onde alguns se apoiaram para contar, enquanto outros se escondiam, e largos para formar rodas de dança. É certo que algumas mudanças eram necessárias, mas nem tudo era negativo, assim como no tão proclamado progresso também nem tudo é bom, e continua a haver faltas, como, por exemplo, uma parte do recreio que esteja coberta, para que nos dias de mau tempo as crianças não tenham de ficar fechados nos corredores… É um ciclo que sentimos fechar-se, para nunca mais voltar. E o coração enche-se de saudade… Estamos a viver uma época de grandes transformações: as aldeias ficam mais sós, os risos e as tagarelices das crianças não se ouvem durante a semana, pois saem cedo de casa e só voltam já é noite. As condições serão melhores, mas também não são ideais. E o que será feito dos edifícios que perdem a sua razão de existir? Há que renovar os objectivos a que se destinavam e transformá-los em lugares promotores de actividades culturais, centros de ocupação de tempos livres, postos de formação e informação, afinal, poderão continuar a ser espaços de vida, de aprendizagens diferentes. Recebendo gente miúda e graúda, outra vez. Feitos estes desabafos, é tempo de pensar nas férias merecidas e no novo ano que se aproxima. Reencontrar-nos-emos já em 2010 se Deus quiser e, até lá, espero que vivam o vosso Natal como o tempo de Nascimento que representa. Que o Menino renasça no coração de cada um de nós, para que possamos ser, neste mundo atribulado e por vezes tão sombrio, pequenas ou grandes estrelas a iluminar novos trilhos de Luz e Paz!... Votos de um Feliz Natal, alguns livros no sapatinho e…boas leituras!

2

A Coordenadora, Isabel Carvalho

Que neste Natal a magia guardada durante o ano esteja presente nos corações de todos. Que não seja apenas mais uma comemoração, mas a continuação das tarefas que, como educadores, levamos a cabo ao longo de todo o ano. O Natal simboliza nova vida, trazendo-nos amor e esperança. Que esta nova vida seja de sucessos escolares, promoção de valores e de formação integral. A Apeagesátao deseja a todos os pais e encarregados de educação um Feliz Natal e um Ano Novo com uma Escola sempre melhor. Apeagesátão

....................................................................... Visite o nosso site “ www.apeagesatao.org “

Ficha Técnica Propriedade Agrupamento de Escolas de Sátão http://www.agesatao.edu.pt Coordenação/Paginação Professores: António Coelho Isabel Carvalho Equipa da Biblioteca Colaboradores Alunos e professores do 1º Ciclo e Jardins de Infância do Agrupamento Alunos e professores da EB 23 de Sátão Impressão Gráfica Montemuro, Lda - Sátão Tiragem 400 exemplares

O Tal Jornal na Internet www.agesatao.edu.pt/otaljornal otaljornal@eb23-satao.rcts.pt otaljornal.eb23satao@gmail.com


Caminhada da Vida... A FESTA DE FINAL DE ANO NA ESCOLA DE CRUZ

tínhamos as sobremesas que as nossas mães e amigas prepararam e que estavam uma delícia.

No dia 4 de Julho de 2009 realizouse a nossa festa-convívio de final de ano escolar, nesta nossa escola que amámos. Estiveram presentes os nossos familiares, amigos, antigos alunos, a nossa professora e os convidados, o senhor Paulo, vereador da Câmara e o senhor Cunha, Presidente da Junta de Freguesia. Foi uma grande festa! Apresentámos poesias, canções, danças e alguns ex- alunos apresentaram uma dança com coreografia muito interessante. Todos gostaram do nosso espectáculo, mas o cheirinho do porco no espeto abria o apetite ao lanche. Fomos comer e por sinal estava tão gostoso que pouco sobrou. Depois

Dezembro 2009 Seguidamente os nossos pais e nós também quisemos homenagear a professora Manuela, pelos nove anos de dedicação às crianças desta escola, com grande amor. A professora ficou sensibilizada com gestos de tanta amizade. Ela também nos entregou uma pequena recordação com muito valor para nós. A festa continuou pela noite dentro com o “karaoke”. Foi um dia alegre, bem passado, porque estivemos todos juntos e animados. No final também sentimos alguma tristeza por termos de nos despedir da escola e da professora. Marina, Beatriz e Soraia Alunos da EB1 de Cruz

UMA TARDE PASSADA NO CENTRO DE DIA DE SÁTÃO Acabadas as aulas, nós, alunos da escola de Cruz e a nossa professora realizámos uma visita ao Centro de Dia de Sátão para levarmos a nossa alegria aos idosos que ali passam os seus dias e assim convivermos todos um pouco. Conhecemos as instalações, representámos as canções, poesias e danças que durante o ano aprendemos e de que eles muito gostaram e aplaudiram. De seguida convidaram-nos para lanchar. Depois fomos para a sala de convívio e estivemos em diálogo com eles. A D. Eugénia cantou para nós a confissão em latim e a D. Helena Sousa rezou um Pai Nosso pequenino que ela aprendeu em criança e que é assim: Padre nosso pequenino, quando Deus era menino, tinha as chaves no Paraíso, quem lhas deu quem lhas daria, foi o filho da Virgem Maria, Cruz no monte, Cruz na fonte, nunca o diabo me encontre, nem de noite nem de dia, nem à hora do meio-dia. Já os galos pretos cantam, já os anjos se levantam, já Nosso Senhor subiu à Cruz, para sempre, Ámen, Jesus. Foi muito giro conviver com eles e foi importante, porque toda a gente gosta de ser lembrada. Marina, Beatriz e Soraia Alunos da EB1 de Cruz

AS MINHAS MÃOS Temos vindo ao longo dos anos a descobrir o valor das nossas mãos. Elas são uma coisa maravilhosa. Q u a n d o nascemos servem apenas para abrir, para fechar e apreciar. Quando crescemos servem para comer, brincar, tocar piano, sacudir as moscas, são a nossa calculadora e quando viajamos levam-nos as malas… Elas são incansáveis no trabalho, mas o mais importante é quando dão afecto e carinho, como diz a nossa amiga Inês Sofia.

Elas são os olhos dos cegos, são por isso mais importantes, tal como para os surdos que as usam para comunicar usando a linguagem gestual. O padre usa-as para benzer, os noivos para meterem as alianças, o médico usa-as para salvar a vida das pessoas, os artistas para mostrarem a arte que lhes vai na alma. As mãos também servem para aplaudir quando gostamos de algum espectáculo ou para limpar as lágrimas quando estamos tristes e choramos. Sentimos que elas estão sempre à nossa frente para nos apoiarem. São elas que nos ajudam na procura de mais cultura, quando viramos as páginas dos livros que andamos a ler. Quando envelhecermos ainda nos serão mais úteis, para segurar a bengala...

Mãos para amar, mãos para ajudar, mãos para acariciar, mãos para abraçar, mãos para fazer a guerra e a paz, mãos para fazer obras de arte, pintura, escultura, para defender a baliza, enfim, mãos para tudo!... Tanta coisa que se pode fazer com as mãos. Elas são como nossas empregadas e por vezes são tão desprezadas, sofrendo coisas inacreditáveis. Como diz a nossa colega Margarida, sem as mãos tudo seria mais difícil, por isso devemos estimá-las e mantê-las limpas, porque elas às vezes transportam muitos micróbios que transmitem doenças graves. Em conclusão: foi com as nossas mãos que fizemos esta linda redacção.

Turma B- 4º ano

3


A tradição ainda é o que era!

Dezembro 2009

S. Martinho na E.B. 1. de Sátão

O MAGUSTO E.B.1 DE CASAL DE CIMA

Cumprindo a tradição, realizou-se mais uma vez o magusto na E.B.1 de Sátão, este ano pela primeira vez na escola nova. Mudou-se o espaço, mudou-se a estratégia. Este ano todos os alunos estiveram em actividades lectivas normais até às 14:00h, realizando-se o magusto a partir desta hora. Como tem sido hábito assaram-se castanhas na caruma, no espaço exterior à escola e na pastelaria Crissónia. As castanhas a estalar na fogueira

O nosso magusto foi às 14:00h no salão da Junta de Freguesia. Primeiro fizemos a Feira do Outono onde vendemos joalharia, louça oferecida pela Cerútil, castanhas, milho, doce de abóbora, biscoitos, maçãs, míscaros, feijão frade… As castanhas foram assadas na padaria Sousa e ficaram deliciosas. e o enfarruscamento após o magusto foram dos momentos mais divertidos. Também havia bolos, pizza, guloseimas, sumos e outras coisas. Adorámos Se para os pais lavar a roupa e as crianças após o magusto pode ser um o lanche.

Depois do lanche cantámos várias canções e fizemos jogos divertidos. transtorno, para as crianças é uma felicidade poderem mudar de cara, Os nossos pais também participaram e gostaram muito. enfarruscar-se e enfarruscar os outros. Após o magusto, pelas 15:45h, continuaram-se as actividades no Estádio Os alunos de Casal de Cima da Premoreira, com jogos para todas as crianças, previamente planeados pelos professores da Actividade Física com a Coordenadora da Escola, Professora Camila, com a colaboração dos professores das AECs e alguns Enquanto se assavam as castanhas, fizemos uma roda, professores da EB1, assim como dos assistentes operacionais. cantámos canções e realizámos Prof. Ricardo o jogo da castanha no qual participaram todos os meninos. Depois das castanhas estarem assadas, saltámos a fogueira e enfarruscámos a cara No dia 13 de Novembro realizámos o uns dos outros. Foi magusto na nossa escola juntamente com muito divertido! os meninos do Jardim de Infância. Nesse Mais tarde, fomos comer as castanhas tostadinhas e outros dia, choveu um bocadinho… parecia o petisquinhos deliciosos. Outono de S. Martinho. Esse dia foi também abrilhantado pela presença do Sr. Padre Quando parou de chover, fizemos, no José e do Presidente da Junta de Freguesia da Silvã de Baixo. recreio, uma caminha de caruma e

O magusto na Torre

acendemos a fogueira.

4

Alunos da EB1 de Torre


Vivendo... 1 - S. Martinho foi bonzinho E a chuva não mandou, Nós assámos as castanhas E até o sol espreitou.

Lenda de São Martinho

2 - Os petiscos não faltaram, Animação também não. Cantámos, corremos, pulámos E pintámo-nos com carvão. 3 - Vieram manos, pais e avós Para nos fazer companhia; No S. Martinho da Cruz,

Dezembro 2009

Há muitos, muitos anos atrás, um general romano cavalgava pelo bosque. A tempestade chegou muito violenta, com muita chuva, granizo e um vento forte e gelado. De repente o cavaleiro avistou um pobre mendigo encolhido, debaixo de um castanheiro. O mendigo tremia de frio. O cavaleiro ficou com o coração destroçado! O pobre homem levantou-se, ajoelhou-se ao pé do cavaleiro e pediulhe ajuda: - Ajude-me, por favor! O cavaleiro desceu do seu cavalo e pegou na sua espada afiada. Trás! Cortou a sua capa vermelha ao meio. O cavaleiro foi muito generoso e deu metade da sua capa ao mendigo. O mendigo agradeceu: - Obrigado, muito obrigado, meu caro amigo. De repente a tempestade parou e o sol brilhou radiante. Então apanharam castanhas do chão, acenderam uma fogueira e fizeram um magusto. Texto colectivo dos alunos do 2ºB – EB1 de Sátão

Reinou sempre a alegria! 14 Novembro 2009 S. Martinho – J. Inf. Cruz

PROVÉRBIOS

COMO ARRANJAR E PREPARAR CASTANHAS A CASTANHA A castanha, fruto do castanheiro, pertence à família das castaneáceas. O clima temperado é o mais indicado para a cultura do castanheiro. A castanha foi usada em larga escala pelos antigos, nomeadamente os romanos, que a consumiam com grande consideração. Ainda hoje ocupa bom lugar na nossa alimentação. As castanhas são um excelente acompanhamento para alguns pratos, como por exemplo a carne assada. As castanhas são ricas em hidratos de carbono complexos, sob a forma de amido e fibras. Contém poucas proteínas e gorduras. E.B.1 de Sátão 2º Ano Turma C

Quer sejam assadas, cozidas ou fritas, deve sempre dar um golpe nas castanhas, retirando-lhes um pouco de pele. Se as castanhas forem assadas devem lavá-las, colocá-las num tabuleiro com sal a gosto e levá-las ao forno previamente aquecido. Se as castanhas forem fritas, depois do corte feito mergulhe-as em óleo quente, cobrindo-as com uma tampa, para que não salte o óleo da frigideira. Se forem cozidas, retire-lhes primeiro a casca. Coza-as em água temperada com sal e um pouco de erva-doce. E.B.1 de Sátão 2º Ano Turma C

- No dia de S. Martinho, mete a torneira no teu pipinho e dá de beber ao teu vizinho. - No dia de S. Martinho vai à adega e prova o vinho. - Ó meu S. Martinho, que rico regacinho, com sol, castanhas e vinho. - Pelo S. Martinho, mata o teu porquinho, assa castanhas, chega-te ao lume e bebe vinho. - Dia de S. Martinho, lume, castanhas e vinho. - Pelo S. Martinho, todo o mosto é vinho. - Mais vale um castanheiro, do que um saco com dinheiro. - Pelo S. Martinho, semeia a fava e o linho. - É um lindo dia o de S. Martinho, comemse as castanhas e prova-se o vinho.

E.B.1 de Sátão 2º Ano Turma C

5


Dezembro 2009

A Hora do Conto vai à escola de Abrunhosa «O Nabo Gigante»

Tempo extra O NOSSO MAGUSTO Ilustração do jardim-de-infância de Abrunhosa

Texto dos alunos do 1�� ciclo Lengalenga

Um velhinho e uma velhinha Que viviam numa quinta Tinham muitos animais E tinham um nabo com pinta Lá em casa os animais Eram uma coisa constante E entre muitos legumes Tinham um nabo gigante Todos os animais tentaram Sem nenhum o conseguir O rato com pouca força Acabou por o extrair Para a panela foi então Para a todos consolar Foi comer até mais não Foi comer até fartar

Pelo S. Martinho Faz um magustinho Fura o teu pipinho Mata o teu porquinho Fecha o portãozinho Zanga-te com o vizinho Para comeres tudo sozinho.

Castanho Amarelo Sem Tinta Azul Não Há Aqui só no Outono

Ilustração dos meninos do jardim-de-infância de Abrunhosa e texto do Daniel Pereira, 4º ano

Os alunos e alguns professores do 9º ano homenagearam o inesquecível Rei do Pop, Michael Jackson, através da recriação do seu famoso “Thriller”, na festa do Magusto, tendo sido bastante aplaudidos por toda a comunidade.

Um belo dia, as mãos, a mão esquerda e a mão direita, decidem fazer uma aposta. - Vamos ver qual de nós trabalha mais - disse a mão direita, convencida. - Por mim, pode ser – falou a esquerda. Então as duas mãos perguntam a uma menina: - Qual é a mão que trabalha mais? - Para mim, é a direita - respondeu a menina. Ao fim de algum tempo, a mão direita, já com muitos votos, pergunta a um menino: - Qual é a mão que trabalha mais? A mão direita já estava a imaginar a sua vitória até que … a resposta do menino a surpreendeu: - Para mim, é a esquerda. - E porquê? - pergunta a mão direita, intrigada. - Porque eu sou esquerdino! As duas mãos viraram-se uma para a outra e disseram: - Desculpa! - Desculpa tu também! E assim as duas mãos nunca mais tiveram inveja uma da outra. MARIANA LOURENÇO, 4º B

6


Entre miúdos e graúdos...

Comemoração do Dia de S. Martinho Cursos EFA

A Festa das Castanhas No dia onze de Novembro, pelas catorze horas e trinta minutos, todos os alunos da Escola Básica N.º 2 de Sátão comemoraram o Dia de São Martinho. Como o Verão de São Martinho decidiu não aparecer, a festa do Magusto teve que se realizar no Pavilhão Gimnodesportivo. Depois de toda a gente se acomodar nas bancadas, o espectáculo iniciou-se com a actuação dos alunos do 5.º ano de escolaridade, orientados pela professora de Educação Musical. Os alunos estavam um pouco desafinados, mas lá se safaram! Seguidamente, outras turmas actuaram com vários números: danças, coreografias diversas, uma representação teatral, canções…mas, o mais divertido foi a apresentação que homenageava o cantor da «pop», Michael Jackson! Por fim, como é hábito na escola, houve um lanche convívio, onde não faltaram as deliciosas castanhas assadas e o enfarruscar das caras. Alunos do 5.º D Estudo Acompanhado

Entre miúdos e graúdos...

Qu adr as No dia de S. Martinho,

Dezembro 2009

A Comemoração do Dia de S. Martinho pelos alunos dos Cursos EFA, no passado dia 11 de Novembro, contou com a presença dos formadores, formandos, coordenador dos cursos, director da escola, vice-directora e outros elementos da comunidade escolar. Recordar é Viver. A sabedoria popular consagrou esta verdade. Procurar que a nossa cultura popular sobreviva, embora, por vezes, nas sombras do que hoje chamamos de mundo globalizado, é um dever de todos nós. Seríamos, tão simplesmente, descaracterizados se não tivéssemos as lendas, os contos, os provérbios, as adivinhas, as quadras e as tradições que fazem a nossa história. Não podemos olvidar que o fortalecimento da cultura popular permite a construção da cidadania, a formação de consciências e de valores. Foi nessa óptica que o grupo de formadores e formandos dos referidos cursos sentiram necessidade de reviver a sua “identidade cultural”. Restava-lhes a prática da cultura portuguesa que é, sem dúvida, uma forma de a valorizar e de estreitar relações interpessoais. Quanto menos cultura existir, mais alienação haverá. Assim, os intervenientes comemoraram com muita alegria e boadisposição a tradição de S. Martinho. Nos dias anteriores, participaram, com entusiasmo, dedicação e empenho, na elaboração de quadras, de arranjos que alindassem alguns espaços escolares e na decoração do átrio da escola. No dia da celebração do santo popular, recitaram e entoaram algumas quadras e dramatizaram a lenda de S. Martinho. De seguida, decorreu um convívio onde não faltaram as mais diversas iguarias. Cumpriram-se, desta forma, os objectivos pretendidos.

Sr. Fernando

Vai-se à biblioteca Ver quadras lindas Escritas por um poeta.

dos for ma nd os

Há um dia no ano Em que toda a gente se sente bem! É o dia de S. Martinho Que nunca fez mal a ninguém.

da tur ma B2 :

Dona Aurora O dia de S. Martinho É um dia para não esquecer, Junto da minha família Um magusto vou fazer.

No fim das castanhas assadas, Ficamos farrusquinhos! Lá vamos nós comer as castanhas E bebendo uns copinhos.

Para as minhas formadoras, Tudo de bom lhes desejo. No dia de S. Martinho, Eu lhes queria dar um beijo.

No dia de S. Martinho, Fazem uma grande fogueira. Bebem-se uns copinhos E apanha-se a bebedeira

Desenho de Mobiliário em Visita de Estudo No dia 24 de Outubro, formandos e formadores deste Curso de Educação e Formação de Adultos - Secundário de Dupla Certificação, visitaram, na Exponor, em Matosinhos, a 24ª Feira de Materiais de Construção CONCRETA. Durante a visita, conhecemos as últimas novidades de produção nacional e internacional em áreas tão vastas como: mobiliário de cozinha, sanitários, design de interiores, materiais de construção, maquinaria e restauro. Um agradecimento especial à Câmara Municipal de Sátão pela cedência do transporte. Fabiana Sousa (Formanda do Curso)

7


Dezembro 2009

Faca e Garfo...

Dia Mundial da Alimentação Aprender a comer ajudanos a ser mais saudáveis. No “Dia Mundial da Alimentação”, a Escola facultou-nos uma brochura com alguns conselhos a pôr em prática para uma alimentação saudável. Os nossos pais e outros familiares foram convidados a ler o conteúdo da brochura e a seleccionar os conselhos mais úteis. Recolhidas as opiniões, concluiu-se o seguinte: - “Tomar sempre o pequeno-almoço! Iniciar o dia com leite ou seus derivados, pão de mistura ou cereais integrais e frutos frescos ou secos.” -” Reduzir o consumo total de gordura, em especial da gordura saturada (existente principalmente em produtos de origem animal). Consumir de preferência peixe e carnes magras! O peixe e as carnes magras fornecem a mesma quantidade de proteínas que as carnes vermelhas, com a vantagem de terem menor quantidade de gordura. -”Iniciar o almoço e o jantar com uma sopa rica em hortaliça e legumes. Fazer destes alimentos um acompanhamento assíduo do prato. Como sobremesa preferir a fruta. Nos intervalos entre as três refeições principais comer uma peça de fruta e outro alimento (pão e um iogurte).”

6ºA

Quem faz um cesto... No dia 3 de Novembro, da parte da manhã, convidámos o senhor Gabriel, elemento da comunidade cigana da nossa localidade, para vir à nossa escola demonstrar como se fazem cestos de vime. O material necessário à elaboração dos mesmos foi trazido pelo senhor Gabriel. Todos, alunos, professores, e até mesmo os funcionários do Agrupamento, experimentaram a técnica de fazer cestos. O cesto elaborado durante a realização da actividade, foi oferecido ao Departamento de Educação Especial. A actividade foi interessante e deve ser repetida no próximo ano lectivo. Os alunos de Educação Especial

8

No dia 16 de Outubro desenvolveram-se actividades para motivar os alunos para uma alimentação saudável que é essencial para quem pratica desporto. HÁ 3 REGRAS FUNDAMENTAIS PARA SER UM BOM DESPORTISTA . . . Treinar Bem Descansar Bem Comer Bem Começamos por enaltecer todos os jovens que optam pela prática de uma qualquer modalidade desportiva e também os seus pais ao permitirem, facilitarem ou, até mesmo, incentivarem essa prática. Os jovens necessitam de um regime alimentar adequado, para que o corpo se encontre preparado para as novas exigências. Um jovem desportista tem necessidades nutricionais acrescidas relativamente à dose diária aconselhada para um indivíduo da mesma idade que não pratica uma actividade física intensiva. A adolescência caracteriza-se pelo grande desenvolvimento físico - ósseo e muscular - do

“Mente sã em corpo são” A primeira actividade “Stop Stress” dinamizada pelos elementos do PES, Ciências da Natureza/ Naturais, Educação Física e equipa da BE constituiu um momento de boa disposição, alegria e partilha de sabores…e saberes! Os cerca de quarenta participantes fizeram uma visita guiada ao Balneário, renovado, das Caldas da Cavaca. Depois, deram corda aos pés e iniciaram a caminhada que cansou os músculos menos habituados a estas andanças

organismo, num relativamente curto espaço de tempo, de forma que a prática de uma actividade física regular promove benefícios em vários domínios: Físico - desenvolve e melhora a condição física geral, ajuda a reduzir a tensão arterial e equilibra o processo de apetite/saciedade; Psíquico - contribui para um estilo de vida mais saudável, diminui a pressão do dia-a-dia, cria desafios e estimula o alcançar de objectivos; Ser adolescente e praticar regularmente - pelo menos 3 a 4 vezes por semana - uma determinada modalidade requer reajustes ao nível alimentar. Social - fortalece o espírito de grupo, promove o cumprimento de regras, facilita o convívio e permite uma boa ocupação dos tempos livres. A actividade física regular ajuda a desenvolver e fortalecer a massa muscular, incluindo o coração; Ajuda a elevar o metabolismo basal que é o consumo energético necessário para o funcionamento do organismo, quando está em repouso; E ajuda a consumir as gorduras acumuladas. No que respeita à alimentação deve ser orientada no sentido não só de melhorar a capacidade desportiva, mas também de proporcionar uma boa saúde a longo prazo… O desportista deve fazer um enquadramento adequado destes alimentos à dieta de treino, dieta de competição e dieta de recuperação. COMA BEM E . . . MEXA-SE PELA SUA SAÚDE! NÃO CUSTA TENTAR !!! e, a todos, abriu o apetite para o almoço tradicional que teria lugar no “Terreiro de Santa Cruz”, em Carapito. Finalizámos com uma tertúlia à volta da lareira, onde o professor Paixão nos levou numa viagem pelos seus contos, relatando, da forma que lhe é peculiar, histórias dentro e fora das histórias escritas. Foi muito agradável este “serão” antecipado, bem como as várias etapas do dia de convívio salutar. Ficamos à espera de novas e diferentes iniciativas, pois provámos e gostámos!


Desportivamente...

Dezembro 2009

Observar e Ver o Desporto na Escola DESPORTO ESCOLAR Desporto Escolar Uma Realidade Com Futuro Como nos restantes domínios da educação, o desporto escolar não é, nem nunca foi, uma questão de quantidade. O desporto escolar foi, e de forma correcta, entendido como um bem disponível para o maior número de alunos. Este princípio orientou o planeamento dos treinos do desporto escolar da seguinte forma: 1. O desporto escolar decorre todos os dias da parte da tarde.

2. Todos os alunos podem inscrever-se. 3. O desporto escolar é de inscrição voluntária. 4. Só podem frequentar o desporto escolar depois de autorizados pelo encarregado de educação. 5. Quem se inscrever no desporto escolar tem o dever de frequentar os treinos. 6. Só alguns alunos é que podem representar a escola nas competições (de acordo com os regulamentos de cada modalidade). Neste ano lectivo frequentam o desporto escolar 130 alunos.

O desporto escolar, para além destas actividades que normalmente se designam por actividades externas (preparação de grupos - equipas para competir com outras escolas), desenvolve também um conjunto de actividades internas (torneios de voleibol, basquetebol 3X3, futsal, o corta-mato e a prova de mega-sprinter) realizadas a nível de escola.

O Desporto na Escola pode ser observado em três vertentes: 1. Uma vertente mais formal, como é a Educação Física, disciplina curricular obrigatória com um conjunto de matérias e técnicas específicas de várias modalidades desportivas; 2. Uma vertente de carácter mais ou menos competitivo como é o Desporto Escolar, de carácter extra curricular, específico de uma modalidade desportiva de participação voluntária; 3. Uma vertente informal, Jogos no Recreio, organizados pelos alunos nos momentos livres e de forma lúdica e espontânea. O Desporto na Escola, seja ele qual for, terá de ser sempre visto como um campo de vivência e socialização com referências educativas. O Desporto será educativo quando: Proporciona oportunidades para colocar obstáculos, desafios e exigências, para se experimentar, observando regras e lidando correctamente com os outros; Cada um rende o mais que pode, sem sentir que isso é uma obrigação imposta do exterior; Cada um não se assume mais do que é capaz, mas simultaneamente esgota as suas possibilidades de empenhamento e rendimento; Não inspira vaidades vãs, mas fomenta uma moral de esforço e suor; Assenta no empenhamento, na satisfação da vitória pessoal e admiração pelo sucesso alheio. Para que estas e outras mensagens se transmitam aos jovens é preciso que eles pratiquem desporto, realçando os valores de cidadania e do trabalho em equipa. É preciso desmistificar posições extremistas como: ganhar é uma virtude e perder é um defeito, ou o seu inverso, ganhar é um defeito e perder é uma virtude, ou mesmo, ganhar ou perder tanto faz. É erro, sim – e grande. O desporto não será educativo se não oferecermos aos alunos o desporto de que carecem e não respeitarmos aquilo que eles são.

André - Bruno - André Duarte - Miguel - Luís Pedro - Gabriel - Francisco - Rafael - Alexandre

Nelson - João - Daniel - João - Dylan Paulo - Rodrigo - André - Pedro - Tiago

Bernardo - Tiago - Daniel - Daniel - Diogo Pedro - Carlos - Rafael - Biscaia - Eduardo

9


Dezembro 2009

Assim se começa...

ÍNDICE DE MASSA CORPORAL (IMC) Tendo em conta que o número de crianças com excesso de peso tem vindo a aumentar, procuramos saber como estavam os nossos alunos. Para tal calculámos o seu índice de massa corporal (IMC). O IMC é um valor que traduz a relação entre o peso e a altura. Fornece uma indicação relativa do nosso peso: se estamos dentro dos parâmetros recomendáveis ou se, pelo contrário, temos quilos a mais ou a menos. O cálculo é relativamente simples: divisão do peso pela altura ao quadrado (kg/cm2). Obtido esse valor, pode-se comparar o IMC actual com o recomendável. Assim, conforme o resultado do IMC, podemos classificar se um indivíduo está com peso reduzido, peso adequado, excesso de peso ou obesidade. O resultado é comparado com uma tabela que indica o grau de obesidade da pessoa. Aqui devemos fazer um pequeno reparo: esta tabela é mais para os adultos; para a idade dos nossos alunos poderá haver pequenos desvios. Na análise do IMC dos alunos da escola obtivemos os seguintes resultados:

Gosto de algumas frutas E de sumos naturais São coisas saudáveis Para os filhos e para os pais. (Diana, 5ºC) Ao almoço na cantina Como o que houver Por vezes o que mais me anima É a sobremesa que tiver. Débora (5ºC)

CONTRIBUTO DE UM ENCARREGADO DE EDUCAÇÃO “Para ter uma vida saudável, a alimentação é fundamental, bem como praticar desporto e evitar vícios como o tabaco ou o álcool. Hoje em dia, não é fácil resistir ao “Fast-Food” porque é um meio de alimentação rápido e económico. Muitas vezes, para quem trabalha é uma forma de cumprir prazos, pois a hora de almoço é insuficiente para estar, por exemplo, em casa e ter de cozinhar e voltar ao local de trabalho. Com o aumento da publicidade e divulgação deste tipo de comida rápida somos diariamente tentados a experimentar. No geral, na nossa família faz-se uma alimentação equilibrada e saudável, daí termos em conta os horários das refeições e os alimentos que usamos serem o mais naturais possível e evitando os mais prejudiciais à nossa saúde.” Encarregado de Educação da Débora 5ºC

Dia Internacional da Deficiência - “ Vencer a Diferença”

NOTA IMPORTANTE: û Se o resultado estiver dentro dos valores baixo peso é necessário procurar aumentar o peso para evitar desnutrição, doença responsável por altas taxas de mortalidade. û

Se o resultado estiver dentro dos valores peso normal ou peso saudável, parabéns, mas não esquecer que uma alimentação adequada e exercícios físicos fazem bem para manter a saúde e auxiliam a manutenção do peso ideal.

û

Se o resultado estiver dentro dos valores pré obesidade é de preocupar, pois encontra-se dentro de um grupo com maior probabilidade de doenças como diabetes, hipertensão entre outras. Procurar reduzir o peso.

û

Se o resultado estiver dentro dos valores obesidade o risco de problemas de saúde é bastante elevado e a probabilidade de complicações metabólicas é grave. Deve-se procurar reduzir o peso, de preferência com a ajuda de um nutricionista. ...

10

A Roda dos alimentos é muito completa Leite, carne, peixe, fruta e vegetais Devem fazer parte da nossa dieta Sem esquecer os cereais. (Laura Sousa, 5ºC)

No dia 2 de Dezembro, comemorámos no nosso agrupamento o Dia Internacional da Deficiência desenvolvendo actividades desportivas com a participação de jovens com deficiência da APCV entre eles o nosso campeão de bóccia, Fernando Ferreira, os do nosso Agrupamento e muitos outros alunos que se juntaram a esta iniciativa motivados pela acção de professores de diferentes disciplinas. Demos conta que todos temos diferenças. Uns mais que outros mas, como a união faz a força, todos juntos, lado a lado em actividades desportivas e de lazer tentámos vencer algumas dessas diferenças. O Departamento de Educação Especial espera que todos os dias sejam dias de convívio, de cooperação e que os nossos jovens ajudem a abrir as portas que ainda oferecem alguma resistência ou teimosamente querem continuar fechadas. Departamento de Educação Especial


Faca e Garfo... Alimentação Saudável O Dia Mundial da Alimentação é muito importante para lembrar as pessoas que cometem erros a comer, ou seja, não praticam uma alimentação saudável. Este dia serve para nos alertar que há pessoas que passam fome, porque não têm que comer. Devemos ser solidários e ajudá-las. Todos os dias e não só neste dia, devemos ter cuidado com o que comemos. Nós aprendemos que há muitas coisas, como os doces, as gorduras e os fritos, que fazem mal à saúde. Há alimentos muito importantes e que devem estar presentes na nossa mesa todos os dias. Esses alimentos são os legumes, os cereais, as frutas e o leite. Nos alimentos encontramos vitaminas, proteínas e minerais essenciais à nossa vida. A água é a bebida que devemos consumir diariamente e em quantidade Texto colectivo E.B.1 de Sátão

2º Ano

Turma C

“A

SAÚDE depende ALIMENTAÇÃO”

muito da

No dia 16 de Outubro celebra-se o Dia Mundial da Alimentação. Conscientes de que a alimentação influencia muito a saúde das pessoas, que é importante reflectirmos sobre a nossa alimentação e passar aos mais pequenos a grande máxima do que deve ser saudável comer, a Escola também teve a preocupação de celebrar esta data. Na sala de aula, foram explorados filmes, “powerpoint” e textos, os alunos fizeram pesquisas, elaboraram poemas, quadras, textos, “powerpoint” e cartazes sobre o tema. A meio da manhã foi oferecida uma peça de fruta aos alunos, professores e restantes funcionários da escola. Foram expostos os trabalhos realizados pelos alunos. Foi explorado com os alunos um folheto intitulado: “A SAÚDE depende muito da ALIMENTAÇÃO”. Posteriormente foi solicitado aos alunos para o entregarem

Dezembro 2009 e voltarem a analisar com os pais/ encarregados de educação. Neste salientavam-se alguns mandamentos para uma alimentação saudável. Infelizmente, nos tempos modernos morre-se de fome. Uns porque não têm que comer, outros, tendo muitas coisas, comem em excesso e de forma desequilibrada. A alimentação e saúde estão intimamente ligadas. Quando uma pessoa não se alimenta bem, pode ter, como consequência, uma doença. Está provado, cientificamente, que as pessoas que se alimentam equilibradamente terão saúde ou, pelo menos, poderão prevenir certas doenças. Devemos parar para pensar. Aos pais/ encarregados de educação voltamos a solicitar que leiam e pratiquem os mandamentos para uma boa alimentação. A sua saúde e a dos seus filhos depende da forma como encaram a alimentação. Consulte-os as vezes que achar necessárias e pense mais em si, na sua saúde, na dos seus familiares e ouse comer saudavelmente. Mais uma vez, o grupo disciplinar de Ciências da Natureza, deseja que todos adquiram bons hábitos alimentares, porque: “SOMOS AQUILO QUE COMEMOS”. Coordenador de Ciências da Natureza

11


Dezembro 2009

Ser poeta é... As Borboletas

Os Números Um crocodilo salta no rio Dois marinheiros embarcam no frio Três cavaleiros a cavalo vão Quatro velhinhas vêem televisão Cinco homens vendem melões Seis meninas compram balões Sete pescadores pescam no mar Oito aviões vão pelo ar Nove rapazes vão ver ao cinema Dez filmes sobre o mesmo tema.

Uma vida de borboletas Duas violetas Três amareladas Quatro estreladas Cinco verdinhas Seis às pintinhas Sete às risquinhas Oito às rosinhas Nove pretinhas Dez estão a voar, as outras a descansar. Tatiana Lemos,5.º D

ACRÓSTICOS Fantasmas, não acredito. Abelhas, eu grito. Nadar, eu gosto. Também de correr, Amar os outros, Saltar como os gafanhotos, Inventar coisas loucas, As calças sempre rotas. Bernardo Lourenço, 6º E

Pedro Escaleira 5.º D

Os amigos Amigo O amigo é um abrigo Onde podemos desabafar Se estivermos tristes Vamos ter com ele Para nos alegrar. Ana Ferreira 5.º D

Os amigos são pessoas preciosas, que nos ajudam quando é preciso. Eles ensinam-nos coisas novas. Os amigos nunca nos desamparam, têm um coração maravilhoso. Os amigos também discutem, também dizem as verdades, mas fica sempre tudo bem. É bom ter amigos, para não ficarmos sós. Leandro, 5.ºD

Um Poema Pego no lápis e na folha de papel Começo a escrever um poema Ou uma prosa, Só falta eleger o tema. Pode ser sobre animais, Ou sobre as plantas, O que importa é que seja engraçado E que gostem as crianças. Mas falta a imaginação Que é fundamental, Toca a imaginar qualquer coisa Bonita e que não fique mal. E assim se escreve um poema Com tema e subtema, Imaginar uma poesia É entrar no mundo da fantasia.

12

Laura Gomes, 5.º D

Mimado por todos. Engraçado também. Naturalmente feliz. Imensamente divertido. Nunca triste. Oh! Que bom ser menino! Aurora Pereira, Cristiano Moita, Francisco Santos, Jacinta Figueiredo, 6ºA

Criança bonita, Ri, chora, canta e brinca. ImagIna histórias de encantar. Amor tem ela No coração puro. BalanÇa dentro dele Amor eterno pela vida. Hugo Silva, 6º E

Cresço devagar, Rio sem nunca parar, Invento a alegria, Amo o dia-a-dia, Nada posso esquecer. Crescendo até vencer, Amanhã tudo posso alcançar. Francisca Salvador, 6º E


A brincar também se aprende!

ALGUMAS OPINIÕES SOBRE A BIBLIOTECA…

Actividades na BIBLIOTECA da EB1 A OFICINA DAS PALAVRAS A brincar também se aprende! Na Oficina das Palavras, que funciona na tua Biblioteca, poderás realizar trabalhos divertidos, a partir de jogos, recortes, imagens, livros, pinturas etc.. As actividades serão de leitura e/ou escrita, os trabalhos serão expostos e os melhores poderão ser seleccionados para serem publicados no nosso blogue ou n’ «O Tal Jornal». Pede aos teus professores para participar! A Oficina das Palavras está aberta uma vez por semana, rotativamente, às terças, quartas ou sextas, a partir das 15h45. Aqui vão algumas das «obras de arte» que os teus colegas já construíram nesta oficina tão especial…

Outono Folhas A cair! De vários tamanhos. Uvas docinhas que apanho… Nuvens com chuva! Sol morno… Castanhas! Paula Cristina Sequeira Martins 4ºA EB1 de Sátão

O Livro Livro É nosso Amigo de verdade! Tem histórias bonitas para Ler e aprender. Adoro os Livros! Catarina Gabriela 4ºA EB1 de Sátão

Biblioteca Histórias Ler bem. Pesquisar na internet, Requisitar livros para casa, Jogar nos computadores, Falar baixo… Enciclopédias! Roberto Rodrigues Magalhães 4ºA EB1 de Sátão (Trabalhos realizados na actividade «Poema das 16 Palavras»)

Dezembro 2009

Aqui ficam algumas opiniões sobre a Biblioteca, as várias histórias apresentadas na Hora do Conto e as actividades da Oficina das Palavras. «Na biblioteca há livros para ler.» Luana e Maria 3ºB

Olá! Eu sou a Francisca e vou falar um pouco de «Eu gosto de estar na biblioteca.» mim… Pedro 3ºC No Outono adoro apanhar folhas que caem das árvores. «A biblioteca é um local onde podemos: O meu grande sonho é visitar a ilha da pesquisar, ler, desenhar, estudar e jogar. Madeira. Não gosto de cobras mas adoro coelhos. A biblioteca é fixe; A minha ferramenta preferida é o serrote. Adoro números e Matemática. Fixe porque nos ajuda a aprender. Quando estou chateada ou triste, costumo ir para um recanto. Aprender é saber; Um dos meus sonhos era também visitar uma anta, felizmente já vi uma em Ferreira de Aves O saber é tudo.» Francisca Silva Coelho, 4ºB EB1 de Sátão Mariana Lourenço 4ºB «A biblioteca é um lugar encantado que devemos preservar, porque é onde fazemos os trabalhos.» Beatriz Lourenço 4ºB

Olá! Eu sou a Carolina e a minha idade é nove anos. Os meus olhos são verdes e acastanhados, tenho um olhar lindo e um sorriso rasgado. A minha cor favorita é rosa, juntamente com o amarelo. A cor do meu telhado é meio alaranjada. É tão bonito, que me faz lembrar a casca do meu antigo caracol. Tinha tanto amor por ele!... O meu desporto preferido é a natação e gosto de nadar naquelas águas cristalinas. Agradeço a Deus pela criança que sou! Carolina Costa, 4º B EB1 de Sátão (Trabalhos feitos a partir do jogo «As Letras do Meu Nome»)

«Todos os alunos gostaram da interacção que existiu ao longo da história.» («O Nabo Gigante») 2º D «Os alunos encantaram-se com toda a história, desde o cenário, às personagens e ao conteúdo.» («Um Lobo pela Trela») 1º A «Nós adorámos o teatro. Gostámos das actividades. Queríamos participar mais.» »Nós participámos na lenda e gostámos muito. Gostávamos que houvesse mais actividades deste género.» «Nós gostámos dos sons, da chuva e da trovoada.» («A Lenda de S. Martinho») 3º A «Os provérbios estavam engraçados, havia muitas cores para pintar(…)» «Usámos vários materiais e passámos a conhecer melhor os provérbios de Novembro» 4º A (Oficina das Palavras – Provérbios de Novembro)

13


Educação Pré-Escolar

Dezembro 2009

ENIGMA DO MÊS

O Departamento da Educação Pré-Escolar deu início ao Enigma do Mês, que consta de um pequeno desafio/problema que, mensalmente, é apresentado às crianças. O enigma é desvendado em casa, com o apoio dos Pais, irmãos ou amigos. Desta vez, as crianças tiveram que ajudar a Catarina, que gosta muito de sopas confeccionadas com dois legumes diferentes, a elaborar uma ementa para uma semana, a partir de cinco legumes.

Projecto «Ciência a Brincar: Queres Experimentar?» FRUTO OU LEGUME?

O Departamento da Educação Pré-Escolar pretende conceber e dinamizar ao longo do ano lectivo 2009/2010, de forma sistemática e regular, actividades de inclusão das ciências experimentais no conjunto das estratégias de desenvolvimento do currículo, promotoras da literacia científica. Estas actividades partem de contextos próximos das crianças, de modo a que tenham significado e lhes despertem a curiosidade e o interesse. Numa perspectiva transversal do currículo, dado que se efectuavam os preparativos para a Festa dos Alimentos e se promoviam situações de aprendizagem sobre alimentação saudável, a primeira proposta experimental teve como finalidade distinguir fruto de legume, reconhecendo que alguns frutos são usados, no dia-a-dia, como fruta ou legume. Partiu-se das ideias iniciais reveladas pelas crianças (previsões):

14

Tarefa complicada? Nem por isso! Que propostas de ementas tão saborosas: Cenoura – couve; Cebola – cenoura; Agrião – cebola; Couve – cebola; Cenoura – agrião; Batata – agrião; Batata - cebola

Porque dizemos que são frutos? “Porque nos disseram”; “Crescem nas árvores”; “Porque comemos crus”; “Têm casca”. Porque dizemos que são legumes? “Porque podemos cozer na sopa”; “Crescem no quintal”; “São grandes”; “ quando cortamos vemos”; “São verdes”. «É tudo frutos!»; «Não são todos frutos, porque há a cenoura e a alface, e não têm casca. O abrunho é um fruto porque tem casca»; «A cebola é legume porque tem casca, e não é fruto porque tem pouca casca»; «O ananás é um fruto porque tem casca, mas a abóbora é um legume porque tem casca».

Depois das crianças constatarem a existência de sementes em alguns produtos como característica comum aos frutos, compreenderam que há alguns produtos que vulgarmente apelidamos de legumes (tomate, abóbora, pimento, pepino,…), e que outros são usados como «frutas» (uva, pêssego). O que distingue os frutos dos legumes? “É o caroço”; “As pevides”; “Alguns têm muitas sementes pequeninas – o kiwi, a maçã, a laranja”; “Alguns só têm um caroço – a manga, o pêssego, o abrunho” No final da experimentação e observação, as crianças procederam ao registo da nova classificação efectuada, comparando com as ideias iniciais: Continua na pág seguinte


Educação Pré-Escolar F E S T A

D O S

O Departamento da Educação Pré-Escolar estabeleceu como tema para o primeiro período «Crescer Saudável». Neste âmbito, no dia 30 de Outubro, realizou a Festa dos Alimentos, que constou de um desfile com todas as crianças dos jardins de infância do agrupamento, disfarçadas de alimentos variados e saudáveis, pertencentes aos diversos grupos da Roda dos Alimentos. Após um animado desfile pelas ruas centrais da vila de Sátão, bastante aplaudido pela comunidade, o cortejo dirigiu-se para o Largo S. Bernardo, onde ao ritmo de uma canção criada para o efeito, as crianças, acompanhadas pelos respectivos educadores e assistentes operacionais, foram construindo uma Roda dos Alimentos gigante. Para finalizar foi oferecido um lanche saudável a cada criança e uma maçã a todos os adultos da comunidade, que connosco participaram nesta Festa. O Departamento da Educação PréEscolar aproveita para agradecer a todos aqueles que de alguma forma tornaram possível a realização desta actividade.

A L I M E N T O S

A avaliação efectuada pelas crianças: - Gostei de brincar vestido de leite e gostei da festa;

- Gostei de estar no Jardim ao pé da Câmara e gostei de fazer a roda dos alimentos na “missa”.

Continuação da pág anterior

O que as crianças aprenderam com a actividade: - “Tínhamos muitos frutos e legumes na mesa e pusemos os frutos num cesto e os legumes noutro cesto mas estava errado. Pusemos no cesto dos legumes os pimentos, a abóbora, o tomate, a beringela e a corgete e não era, nós aprendemos que os frutos têm caroço e sementes. Depois tivemos que mudar e o cesto dos frutos ficou com muitos e o cesto dos legumes ficou com poucos. Também aprendemos que os frutos não nascem todos nas árvores: as abóboras e os tomates nascem das plantas que estão no chão.”

- «São legumes porque não têm pevide. São frutos porque têm pevide».

Gostei mais da Margarida falar ao microfone e gostei mais também de comer o lanche.

ANEDOTAS DE NATAL

Dezembro 2009

É tão bom não se esquecerem de nós!

No Dia da Alimentação, fizemos as delícias dos alunos do Jardim de Infância, da EB1 da Torre e também das professoras, das auxiliares, dos pais e de algumas avós. Logo pela manhã, numa sala da escola, a avó e a mãe de um dos meninos, tomaram conta da n o s s a confecção. Usaram farinha de trigo, sal, fermento, á g u a quentinha e misturaram tudo num pequeno tabuleiro de madeira. Depois de termos sido bem amassados, ficámos a repousar uma horita… Mais tarde, já transformados em grandes bolinhas, fomos levados para o forno comunitário da aldeia. Não gostámos muito daquele calor abrasador, mas valeu a pena… ficámos tostadinhos e com um ar muito apetitoso. Na hora do lanche, quando nos puseram na mesa, deparámo-nos com uns rostos sorridentes e esfomeados. Os mais gulosos e comilões arranjaram-nos logo três amiguinhos: o queijo, a marmelada e o chouriço. Pouco a pouco, fomos desaparecendo da mesa, mas não ficámos tristes, pelo contrário, ficámos muito satisfeitos porque os meninos da Torre gostaram muito de nós. Acharam-nos deliciosos e tenrinhos… As professoras, a educadora e as auxiliares estão também de parabéns por se terem lembrado de nós neste dia tão especial.

Um cão, debaixo de uma árvore de Natal, toda iluminada, diz para outro seu amigo: - Finalmente puseram luz no WC!!!........ ____________ Uma loira telefona para o Pai Natal: - Eu queria falar com o Pai Natal. - É o próprio. - Senhor Próprio, podia ligar-me ao Pai Natal? Patrícia Silva, 9º A

Os pães caseiros Alunos da EB1 de Torre

15


Leituras...

Dezembro 2009

Os alunos do 1º e 5º anos recebem livros No início do ano lectivo, a ansiedade da descoberta da nova escola de uns, junta-se à animação do regresso e do reencontro de outros. Os alunos do 1º e 5º ano visitaram a Biblioteca Escolar. Fizeram uma vista guiada a este local para o conhecerem e saberem como está organizado e como funciona. O Guia do Utilizador dá algumas informações úteis sobre a biblioteca como local de aprendizagem, cultura e lazer. Todos os alunos do 5º ano receberam um livro oferecido, através de uma iniciativa conjunta do Plano Nacional de Leitura e do Ministério da Educação. Foi um momento de felicidade receber mais um amigo para levar para casa e compartilhar com ele saber e aventura. Todos prometeram . Aguardamos que os nossos jovens leitores venham animar a Biblioteca, partilhando leituras. Após a leitura da obra:”O Rapaz de Bronze”, no âmbito do Plano Nacional de Leitura, os O Plano Nacional de Leitura alunos do 6º C redigiram conclusões diferentes vai enriquecendo a nossa Biblioteca e individuais para essa história. Este é um desses trabalhos. “O Rapaz de Bronze” - Um outro final da Foram adquiridos, recentemente, no âmbito do A árvore generosa http://www.wook.pt/ficha/ahistória. PNL conjuntos de livros destinados ao pré-escolar, arvore-generosa/a/id/202189 “Florinda surpreendida” Estava tudo muito calmo naquela noite. Florinda pediu à mãe se podia ir dar uma volta pelo jardim. Ela queria ir até ao jardim onde estava o Rapaz de Bronze, para colher umas flores. Quando lá chegou ficou surpreendida, viu o Rapaz de Bronze imóvel e as flores falavam e dançavam, ao sopro do vento. Florinda aproximou-se para ver melhor. Ela nem queria acreditar! Entretanto, voltou para casa e adormeceu… Adormeceu a pensar no que tinha visto. No dia seguinte era sábado, era o dia de ir para casa da avó, e à noite voltava. Passou-se o tempo até que o relógio bateu as 20:00, a hora de Florinda voltar para casa. Depois do jantar, Florinda disse à mãe que ia passear pelo jardim. Foi ao Jardim do Rapaz de Bronze. Viu, novamente, o Rapaz de Bronze a mexer-se e as flores a dançarem à sua volta. Esfregou os olhos, mas continuou a ver a mesma coisa, então começou a pensar que tudo era um sonho, que não podia estar a acontecer na realidade e decidiu guardar tudo o que vira como um segredo. Esse segredo ficou muito bem guardado na sua memória.

16

Cátia Campos , 6º C

1º e 2º ciclos. Livros que ainda cheiram a novo que esperam por ser lidos. Vamos lê-los para aprendermos e nos divertirmos.

A grande questão O ponto

1º Ciclo- 6 grupos de 8 O pássaro azul (mini contos) (1º ano I) Pré-escolar 25 livros Eu quero um amigo (1º ano grau III) http:// Já sei voar www.wook.pt/ficha/eu-quero-um-amigo/a/id/ Carro de bombeiros http://www.wook.pt/ficha/ 171898 carro-dos-bombeiros/a/id/190843 Era uma vez… ciência e poesia no reino da Alerta no Zoo http://www.wook.pt/ficha/ fantasia (2º ano grau I) abracos-e-beijinhos/a/id/74958 A princesa da chuva (2º ano Grau II) Abraços e beijinhos Dente branco (4º ano Grau I) http:// Pai! Não consigo dormir http://www.wook.pt/ www.wook.pt/ficha/dente-branco/a/id/174761 ficha/pai-nao-consigo-dormir/a/id/58933 Contos para rir (3º ano Grau I) O livro de contar O magnífico plano do lobo 2º Ciclo 5 grupos de 12 Vem aí o lobo O sonho do ursinho cor de rosa 5º ano As moedas do Pinto Pintão Três fábulas (Grau de Dificuldade O maluquinho da bola http://www.wook.pt/ I) ficha/o-maluquinho-da-bola/a/id/168163 O mistério da sombra que ri (Grau Lengalengas coloridas de Dificuldade II) Dá-me um abraço http://www.wook.pt/ficha/daAs aventuras do menino Nicolau (Grau de me-um-abraco/a/id/203426 Dificuldade III) http://www.wook.pt/ficha/asA princesa de Aljustrel aventuras-do-menino-nicolau/a/id/97519 http:// Eu vejo www.wook.pt/ficha/as-aventuras-do-meninoCoração de mãe nicolau/a/id/97519 Pê de pai São todos os meus preferidos 6º ano 200 amigos (ou mais) para uma vaca A rapariga e o sonho (Grau de Dificuldade I) Bichos diversos em versos http://www.wook.pt/ h t t p : / / w w w. w o o k . p t / f i c h a / a ficha/bichos-diversos-em-versos/a/id/1421930 rapariga-e-o-sonho/a/id/40911 Os direitos das crianças O pote de mel (Grau de Eu espero… Dificuldade II) http://www.wook.pt/ ficha/o-pote-de-mel/a/id/176175


Leituras... Concurso Nacional de Leitura O Concurso Nacional de Leitura (CNL) destina-se aos alunos do Ensino Secundário e 3º Ciclo do Ensino Básico. Este concurso é dinamizado pelo Plano Nacional de Leitura em articulação com a RTP, com a Direcção-Geral do Livro e das Bibliotecas e com a Rede das Bibliotecas Escolares. Pretende-se promover a leitura de forma lúdica. O CNL vai decorrer em três fases: 1ª fase, a realizar nas escolas. 2ª fase , a realizar nas Bibliotecas Municipais. 3ª fase, realizar-se-á em Lisboa e corresponde à Final Nacional. Mais uma vez vamos dinamizar, na escola, a 1ª fase do Concurso Nacional de Leitura. Os livros a serem lidos são os seguintes:

Dezembro 2009

MÊS INTERNACIONAL DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES LANÇAMENTO DO LIVRO “A TARTARUGA ATROPELADA”

Será realizada em Janeiro a prova de selecção de três alunos que passarão à fase distrital. Aos três alunos vencedores serão atribuídos prémios. Participem! Todos a ler para vencer. Consultem o Regulamento que se encontra afixado na Biblioteca.

Durante o mês de Outubro comemorámos nas Bibliotecas Escolares o Mês Internacional da Biblioteca Escolar, por decisão da IASL, em Dezembro de 2007. Foram dinamizadas actividades, envolvendo o Agrupamento e comunidade, de modo a torná-las mais conhecidas e a motivar para a sua utilização. A Rede de Bibliotecas Escolares decidiu, por sua vez, que a última segunda-feira do mês de Outubro fosse o dia em que as actividades realizadas tivessem a sua principal expressão. O dia 26 de Outubro foi, por excelência, o dia das Bibliotecas Escolares em Portugal. Pretendemos que a Biblioteca Escolar seja um local de informação, formação cultura e lazer. Assim, poderemos contribuir para o sucesso educativo dos alunos e para a sua formação como utilizadores ao longo da vida. Para incentivar ainda mais a frequência deste espaço de saber, foram realizadas várias actividades para promover as Bibliotecas Escolares, tais como visitas orientadas ao espaço, produção de frases sobre a BE, Hora do Conto na Biblioteca e nas escolas e jardins do Agrupamento. Entre as actividades desenvolvidas destacamos o lançamento do novo livro “A Tartaruga Atropelada”, escrito pelo professor Carlos Paixão e ilustrado pelo professor Carlos Pais, no Cineteatro de Sátão. Estiveram presentes os alunos do 3º e 4ºanos da EB1 e os alunos do 5º e 6º ano da EB2,3, bem como os representantes da Câmara Municipal, vereador Paulo e da Junta de Freguesia, Armando Cunha. Foi uma tarde muito interessante e proveitosa, ficámos a conhecer como nasceu esta história, como foi ilustrada e como foi o processo de edição, pois também tivemos a presença do editor. A leitura é uma das competências essenciais para o sucesso educativo e, além disso, é fonte de prazer e diversão. A leitura em contexto escolar, profissional ou de lazer assume, na sociedade actual, um papel importantíssimo na promoção do desenvolvimento cultural, científico, político e, consequentemente, económico da sociedade e dos indivíduos. Por isso, procuramos incentivar e motivar os nossos alunos para a leitura, para que adquiram esse hábito essencial e enriquecedor. A Biblioteca tem proporcionado encontros sistemáticos com o livro e com a leitura. Queremos contribuir para formar leitores críticos, reflexivos e proficientes. Este novo livro dá mais um contributo para o enriquecimento do nosso património literário. Parabéns aos autores e que continuem a dar largas à sua imaginação para nos brindarem com novas obras. Leiam e muitas janelas se abrirão para o mundo.

A professora bibliotecária Isilda Menezes

A professora bibliotecária Isilda Menezes

- “Artur e os Minimeus” de Luc Besson

- “O Romance de Rita R.” de Ana Saldanha

- “A cidade dos deuses selvagens” de Isabel Allende

PALAVRAS

LETRAS

As palavras foram criadas para terem um sentido, de forma a podermos utilizá-las muito e escrevê-las de várias maneiras. Servem também para colocar num livro ou caderno.

São elas que viabilizam as palavras, pois sem elas não haveria palavras, nem maneira de escrevê-las.

Andreia Fortes, 6º F

17


Recomeços…

Dezembro 2009

A BIBLIOTECA DA EB 1 DE SÁTÃO – NOVINHA EM FOLHA!... Como é já decerto do conhecimento de todos, a nova escola do 1º Ciclo de Sátão tem também uma biblioteca, que oferece aos seus utentes um espaço amplo e agradável, onde se pode ler, pesquisar, trabalhar ou passar o tempo livre, ouvindo música, vendo um filme ou jogando um jogo didáctico no computador. Para tal, já este ano foram instalados novos equipamentos e agora só faltam chegar os mais esperados, OS LIVROS NOVOS! Já estão a caminho… Também são dinamizadas várias actividades em que os alunos podem participar ou serem eles próprios a dinamizar para outros colegas: a «Hora do Conto», os «Pontos da Leitura», a «Oficina das Palavras», o «Autor do Mês» e, em breve, a «Voz aos Poetas!». AS HISTÓRIAS FORAM ESCOLAS DO 1º CICLO

ÀS

O Mês das Bibliotecas Escolares também foi comemorado na E.B.1 de Sátão: as treze turmas, do 1º ao 4º ano, fizeram uma visita guiada à biblioteca, onde receberam o Guia do Utilizador e algumas orientações sobre o funcionamento do espaço. Mas, como a leitura sempre ocupará um espaço muito especial na Biblioteca Escolar (B.E.), houve a Hora do Conto para cada turma e os alunos apreciaram bastante as histórias apresentadas, participando activamente.

18

Os meninos e meninas dos Jardins-deInfância mais próximos das referidas escolas também participaram nesta actividade. Como todos gostaram da visita e das histórias, esta actividade será desenvolvida regularmente, procurando assegurar-se que cada turma/escola do 1º ciclo participe uma vez por mês na «Hora do Conto».

Como não podia deixar de ser, a B.E. também quis ir visitar as restantes escolas do 1º Ciclo do Agrupamento, lembrando aos alunos a importância dos livros e das Bibliotecas Escolares. Entre os dias 27 e 30 de Outubro, as professoras bibliotecárias e algumas professoras colaboradoras deslocaram-se às E.B. 1 de Avelal, Rãs, Torre, Pedrosas, Abrunhosa, Casal de Cima e Vila Boa, para dinamizar a «Hora do Conto» e mostrar alguns livros com características especiais.

VEM À BIBLIOTECA! ESPERAMOS PELA TUA VISITA… A Professora Bibliotecária da EB1 , Isabel Carvalho


Matematicando...

Dezembro 2009

Mensagens Secretas Utilizando um espelho, lê as mensagens que se seguem:

1- CÃES, GATOS E PAPAGAIOS Quantos animais têm em casa, sabendo que todos são cães menos dois; todos são gatos menos dois e que todos são papagaios menos dois? 2- O DINHEIRO DO JOÃO E DO PEDRO Diz o João: - Se me deres três euros, terei tantos como aqueles com que ficas. Responde o Pedro: - Se tu me deres seis euros, ficarei com o dobro daqueles com que ficas. Quantos euros têm o Pedro e o João?

Inês Soares, 6ºF Ao amanhecer, Leio livros maravilhosos, Escrevo histórias fantásticas. Gargalhadas sem fim, Ruídos e mais ruídos. Imagino que tudo pode acontecer. Amar é poder viver. Inês Reis, 6º F

3-OS NAMORADOS Quatro pares de namorados foram a uma festa. A certa altura o Afonso reparou que os pares estavam todos trocados: - O Miguel dançava com a Constança. - O Francisco estava a dançar com a namorada do Bernardo. - A Maria dançava com o namorado da Joana. - O Afonso é o namorado da Maria. - O Francisco não dançava com a Inês. - A Inês estava a dançar com o Afonso. - A Joana e o Bernardo são namorados. Quem namora com quem?

Carinhosa, Rebelde um pouco, Infância inesquecível, Amiga, sonhadora, No amor, na vida, Coração grande para amar. Adulto, tu és criança! Sandro Campos, 6º F Feliz és por ser criança Amigos sabes encontrar. Ninguém te pode magoar, Tens é de te esforçar. Amor serás capaz de dar Sem à diferença olhar. Imaginas um mundo de alegria, A vida de todos se passará em harmonia. Carlos Sousa, 6º F

19


Dezembro 2009

Tradições...

Feira de São Martinho No passado dia dez de Novembro, terça-feira, realizámos mais uma vez, a feira de São Martinho. Logo de manhã, colocámos os produtos que trouxemos de casa em cima das mesas e marcámo-los. Os produtos eram variados: abóboras, alfaces, couves, cebolas, castanhas, espinafres, nabos, feijão, batatas, nozes, avelãs...

Alguns produtos foram por nós confeccionados, como: biscoitos, broas de erva-doce, talassas e doce de abóbora. Também vendemos peças decorativas feitas em barro. Vieram muitas pessoas ver e comprar os nossos produtos e vendemos quase tudo. A nossa feira correu muito bem e deve se repetida no próximo ano lectivo. Os alunos de Educação Especial

D o c e

d e

a b ó b o r a

Na quinta-feira, dia 22 de Outubro, os alunos e professoras de Educação de Especial, da Escola Básica N.º 2 de Sátão, fizeram doce abóbora. Começámos por partir as abóboras em pedaços grandes, descascámo-los, retirámos as pevides e cortámos em bocadinhos mais pequenos, que colocámos num alguidar. De seguida, pesámos os pedaços de abóbora, juntámos o açúcar necessário (cerca de 7kg para 16kg de abóbora) e deixámos a repousar. No dia seguinte, partimos as nozes e preparámos os frascos onde iríamos deitar o doce. Entretanto, a abóbora e o açúcar ferviam num tacho, que estava ao lume na cozinha da escola. No final, ainda se adicionou ao preparado, pau de canela e limão. O doce demorou algumas horas a ficar pronto e, quase no final, juntaram-se--lhe as nozes. Por fim, quando já estava no ponto, o doce foi colocado nos frascos, deixado a arrefecer e, por fim, foram colocadas as tampas nos frascos. Quando o provámos, ficámos muito satisfeitos, pois o doce estava delicioso!

Os alunos de Educação Especial …Mas, para termos magusto no dia nove de Novembro, a nossa turma acompanhada pelo É magusto! É magusto! É dia de S. professor, partiu para a mata à Martinho. Mas que alegria! O cheiro das procura da caruma. castanhas assadas e o prazer de ir às vezes, Enchemos algumas sacas que à caruma ainda a arder, roubá-las, mesmo levámos para a escola. com o fogo a “ queimar” os olhos. De manhã, Esse dia também foi divertido. quando o professor nos estava a dar aulas, Depois de juntarmos a caruma estava nevoeiro serrado! Só se via o e enchermos os sacos, jogámos alaranjado do telhado da piscina. Depois aos cow-boys. O José Armando do almoço foi então que a magia surgiu! viu um castanheiro e preferiu Entre o alaranjado do telhado romperam pelo encher os bolsos com castanhas. meio de umas nuvens brancas, uns raios de A Francisca achou um gaiteiro, sol, que em segundos se tornaram cada vez Sentieiro, gasalho ou um tortulho, mais fortes. tantos nomes que se dão ao Veio mais uma vez cumprir-se a tradição cogumelo!... de bom tempo pelo S. Martinho. A propósito, aprendemos que o cogumelo é uma planta parasita. Na hora do Magusto brincámos, cantámos e sobretudo rimos e comemos Alimenta-se das raízes das plantas suas vizinhas. as deliciosas castanhas. O nosso professor tirou-nos fotografias.

O Magusto

20

4º B


Projectos...

Dezembro 2009 O QUE É PARA MIM O

Mais uma vez, a nossa Escola aderiu ao Projecto “ Parlamento dos Jovens”, que este ano tem por tema: “Educação Sexual”. À semelhança dos anos anteriores este é um Projecto que obedece a uma calendarização bastante rigorosa, por isso deverás prestar atenção às informações que vão sendo colocadas no átrio da nossa escola. Tendo dúvidas, deverás contactar o teu Director de Turma ou a Professora Margarida Dias, Coordenadora do Projecto. O Projecto iniciou-se no mês de Outubro, com a inscrição on-line. No dia 4 de Dezembro, será dinamizada uma Acção de Formação pela Drª Conceição Vidigal para os alunos do 2º Ciclo; para os alunos do 3º Ciclo esta formação será no 2º período; segue-se a

apresentação das listas com as respectivas medidas até 16 de Dezembro. Existem materiais seleccionados sobre o tema, à disposição de professores e alunos, na Biblioteca da nossa Escola. No dia 4 de Janeiro realizam-se debates com os elementos das listas candidatas e dois deputados da Assembleia da República (Drª Helena Rebelo e Dr. Acácio Pinto). A campanha eleitoral decorrerá entre o dia 4 e 15 de Janeiro. Dia 19 de Janeiro serão as eleições na nossa Escola. No dia 20 de Janeiro serão divulgados os resultados e realizar-se-á a Sessão Escolar, onde será aprovado o Projecto de Recomendação da nossa Escola e eleitos os deputados que representarão a nossa Escola na Sessão Distrital. A Coordenadora do Projecto Margarida Dias

Observámos o exterior do mosteiro, em ruínas, mas onde já viveram algumas freiras dominicanas. É pena que estes monumentos não sejam restaurados! No dia trinta de Outubro a nossa turma, Foi um dia espectacular, pelo que 4ºB, e a turma do 2ºD fomos visitar a igreja aprendemos e pelo passeio. de Nª. Sr.ª. da Oliva, no Tojal. Saímos da escola, fomos em grupo, pelo 4ºB bairro de Vila Rosa, observando alguns aspectos da Natureza, nesta quadra de Outono, sobretudo a cor das folhas das árvores que iam do verde, passando pelo amarelo, até ao escarlate. Chegados ao Tojal, a avó da Mariana, senhora muito simpática, abriu-nos a porta da igreja e começámos a observar a igreja e a ouvir a explicação do nosso professor. A construção é do séc. XVII. Começou a ser construída em 1633 e acabou em 8.09.1640, pouco antes da Restauração da Independência (01.12.1640). A igreja é de estilo rococó, com talha joanina, do tempo de D. João V. É uma obra interessante e bonita, com talha dourada, com azulejos policromáticos baseados no azul e no branco. A imagem de Nª. Srª. veio de Coimbra. Na sacristia havia umas prateleiras embutidas na pedra onde o Sr. Padre guardava os paramentos. No fim, rezámos uma pequena oração e saímos para lanchar e beber da boa água na fonte dos namorados, como é conhecida.

IGREJA DE NOSSA SENHORA DA OLIVA

MEU QUARTO

O meu quarto é um paraíso de sonhos. É o meu refúgio onde me sinto bem. É o meu ninho! É lá que estudo, brinco, ouço música e descanso. No meu quarto passo por fases de alegria e tristeza. Desabafo, em diálogo, com Jesus Cristo, na Cruz, colocada na parede do lado direito. É onde falo com os meus bonecos, onde desenvolvo as minhas ideias, onde me refugio quando estou aborrecida e também onde sinto melhor o coração. Eu gostava de me sentir sempre alegre, mas a vida tem altos e baixos e ninguém é totalmente feliz ou infeliz. Apenas temos momentos de felicidade que devemos desfrutar. É no meu quarto que escrevo no meu diário o que se passa no dia-a-dia. Nas janelas tenho uns lindos cortinados, às cores, que me fazem sonhar acordada. Vejo uma paisagem natural onde passa um riacho. É com este cenário que leio os meus contos de fadas. Também penso sobre a vida e imagino como será o meu futuro. Não o trocava por nada deste mundo.

Aluna do 4ºB

21


Dezembro 2009

Para reflectir... A Solidariedade

RACISMO Das nossas lições sobre cidadania e sobre as nossas emoções, escolhemos o tema “Racismo” O racismo é um facto em todo o mundo, pois ainda há muitos casos. As pessoas que o defendem revelam baixa formação e grande crueldade. Todas as pessoas devem ter os mesmos direitos e também os mesmos deveres, independentemente da cor da pele. A maior devastação de racismo no mundo ocorreu na Alemanha, com o horripilante Hitler, no século passado. Ele era tão racista e cruel que mandou exterminar seis milhões de judeus e de ciganos. Enganou todos esses pobres coitados, ao dizer-lhes que se trabalhassem, ele dar-lhes-ia comida em troca de pouco trabalho. Os judeus decidiram aceitar as condições que Hitler lhes prometera, mas enganou-os. Foram levados para uma sala, onde poucos segundos depois se abriu um buraco no tecto, de onde se libertou um gás tóxico que matou todos esses infelizes. Concluímos que o racismo não dá sentido à vida!

4ºB

HISTÓRIA DO SÁTÃO O Sátão era uma região com bons terrenos e abundância de água,o que permitiu a fixação de vários povos. Do período pré-histórico ainda temos a Anta de Forles e a de Casfreires, com quase 4.700 anos. Os povos viviam da agricultura e da pastorícia e como as terras eram férteis, criaram as primeiras aldeias. As primeiras casas eram redondas, porque permitia veremse uns aos outros para discutirem as formas de defesa e de caça. As aldeias eram rodeadas por muralhas para melhor se protegerem dos inimigos. No Sátão terá havido quatro Castros: Castro de Santos Idos em Sátão, Castro de S. Bárbara em Ferreira de Aves, Castro de Rio de Moinhos e Castro do Barrocal, em Romãs. Como no Sátão já havia gente de valor, com estes Castros, o

22

Durante a segunda guerra mundial, na altura em que na Alemanha governava Hitler, havia uma pequena família de judeus que andava escondida em Frankfurt, a filha mais nova chamava-se Anne Frank. Hitler dizia que os alemães de raça ariana eram superiores e que a culpa de todos os males era dos judeus e mandou exterminar todos os ciganos e judeus. Em 1941, a família de Anne fugiu da Alemanha para a cidade de Amesterdão na Holanda. Durante dois anos viveram escondidos num compartimento secreto chamado “refúgio”. Todos os dias escrevia num diário chamado kitty o que se passava durante a guerra. Um dia, alguém os denunciou aos alemães que na altura ocupavam a Holanda. Os alemães levaram-nos para um campo de concentração para serem exterminados. Já perto do final da guerra, Margot, irmã mais velha de Anne, morreu de tifo e mais tarde Anne morreu com a mesma doença. Felizmente, o pai de Anne sobreviveu e foi ele que mostrou o diário ao mundo. Nós achamos que Hitler foi muito cruel e racista por ter mandado matar mais de seis milhões de pessoas e por ter achado que os alemães eram superiores aos outros povos. 4º Ano turma B Beatriz e Mariana Lourenço

conde D.Henrique deu o foral em Maio de 1111, a terras de Sátão. Em 1126 deu o foral a Ferreira de Aves; em 1240 D. Sancho deu o foral a Rio de Moinhos; em 1315 D. Dinis deu o foral a Golfar; D. Manuel, em 1514, deu o foral à Silva e mais tarde ao Ladário.

(Frases soltas) Ser solidário é ser amigo dos direitos humanos. Solidariedade é amizade desinteressada. A solidariedade dá alegria e enche corações.

Ser solidário Olhar para os outros Libertar o amor Imaginar o mundo melhor Dar as mãos Alegrarmo-nos Respeitar os nossos Irmãos Animar quem precisa Distribuir Amor e fazer Desaparecer a Exclusão. 5º A - ÁREA DE PROJECTO

Posteriormente, em 1834, o concelho de Sátão formou-se com a união destes concelhos. Todas as localidades a quem foi dado o foral, tinham um pelourinho. Ainda agora se podem ver, excepto o do Sátão, que nem sabemos onde existiu. Estes pelourinhos eram o local onde se fazia a justiça, na praça pública. Ao longo do tempo, o concelho de Sátão criou um património arquitectónico muito rico: Nosso Sr. dos Caminhos – Rãs, Nosso Sr. da Agonia – Avelal, Nossa Sra. da Esperança — Abrunhosa, Nossa Sra. da Oliva – Tojal, S. Lúzia – Forles, Nossa Sra. da Ajuda – Soito de Golfar, Nossa Sra. dos Prazeres – Rio de Moinhos, Igreja Matriz S. André – Castelo, Convento da Fraga – Madalena, onde viveu Frei Rosa Viterbo e a Igreja do Convento na Veiga onde ainda podemos ver a roda dos expostos, onde as mães solteiras, por falta de condições, deixavam os seus filhos para serem educados pelas freiras.

4ºB


Vivendo...

Dezembro 2009

Natal com Sentido A Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Sátão vai fazer dois anos de existência, em Abril próximo e é um recurso do Concelho de Sátão no apoio às crianças e jovens em risco (dos 0 aos 18 anos) e na ajuda às suas famílias. Ao longo deste tempo foram já apoiadas mais de 70 crianças/jovens com problemáticas diversas. A CPCJ é uma equipa interdisciplinar que tem representadas várias instituições da Comunidade Satense, nomeadamente as Escolas do concelho, a Autarquia, a Segurança Social, as IPSS, o Centro de Saúde e outras Instituições com relevo em matéria de infância e juventude, no sentido de, em articulação, se prevenir ou pôr termo a situações que afectem a saúde, segurança, formação, educação ou desenvolvimento integral da criança/jovem. A Comissão funciona em espaço próprio, reúne quinzenalmente e tem como objectivos: Promover os Direitos das Crianças, protegendo-as afastando o perigo e informar a comunidade sobre os direitos da criança e do jovem e sensibilizá-la para os apoiar sempre que estes conheçam especiais dificuldades. A Escola é, por excelência, a entidade que assume cada vez mais um papel protector e orientador junto dos alunos, o que lhe confere legitimidade para envolver e responsabilizar as respectivas famílias. A Comunidade Educativa é o agente privilegiado na observação do comportamento da criança/jovem, tendo por isso a obrigação moral e cívica de apoiar e/ou encaminhar os alunos que apresentem os seguintes sinais de alerta: Alterações de desempenho; Sinais de fadiga; Alterações na alimentação e na higiene; Alteração no relacionamento com as outras crianças; Alteração no relacionamento com os adultos; Sinais corporais (hematomas, marcas físicas…); Adopção de comportamentos estranhos e diferentes dos habituais (consumo de álcool, tabaco, substâncias aditivas…); Faltas intercalares às aulas ou faltas por períodos mais longos de tempo… Sempre que estes sinais persistam no tempo, é importante que se tome uma atitude para tentar compreender a situação e agir de acordo com a problemática. Em primeira instância, agir dentro da escola, rentabilizando todos os recursos aí existentes e, caso a problemática transcenda as suas competências, envolver os parceiros da Comunidade, nas quais se integra a CPCJ de Sátão.

Ao aproximar-se a festa do Natal, sentimentos nobres se apoderam das pessoas. O olhar para as realidades do mundo que nos rodeia torna-se mais atento e sensível. O coração bate mais calmo, sem correrias, ficando deste modo mais disponível para amar, para irradiar paz, tornando-se um verdadeiro aconchego de esperança para os outros. Viver o tempo do Natal é a pessoa dar-se aos outros, mais do que dar coisas. A pessoa dar-se, implica escutar, ajudar, ter tempo, ter disponibilidade e coragem em ajudar o seu próximo. O dar é mais fácil, pois são coisas, objectos, presentes. Neste sentido, do dar ao dar-se a distância é tão significativa que só dando-se é que a pessoa se realiza enquanto tal, se sente verdadeiramente feliz e enche a vida dos outros de razões e de esperança. Um testemunho do nosso tempo e que deu toda a sua vida em prol dos outros foi Madre Teresa de Calcutá. Nascida na Europa, viveu toda a sua vida na Índia, onde deu toda a sua vida aos mais desfavorecidos e pobres desse país. Muitos outros exemplos se poderiam lembrar, mas este é bem significativo e conhecido por todos. O Natal é Jesus Cristo que se dá à humanidade, que incarna, faz-se Homem, tornou-se um de nós, para nos ajudar a caminhar até à verdadeira felicidade, que consiste em amá-Lo, e amar os outros como a nós mesmos. Viver verdadeiramente o Natal, é este dar-se aos outros. Os presentes são um sinal da bondade e do bom coração das pessoas, mas não chega, pois a essência é a pessoa, mais do que as coisas. Santo e Feliz Natal O prof de EMRC Carlos Faria

A Lua está a afastar-se da Terra Sabemos todos que dentro de cerca de 5 mil milhões de anos o Sol tornarse-á numa gigante vermelha que engolirá os planetas mais próximos. No entanto, quando o limiar da sua superfície se aproximar da Terra e da Lua, a sua atracção gravitacional poderá ser de molde a provocar a desintegração da Lua. A Lua está a afastar-se da Terra e por essa altura estará 40% mais afastada do que está hoje. A Lua descreve uma trajectória oscilante em torno do Sol, que é consequência da combinação da sua translação com a própria translação da Terra A Lua dever-se-á ter formado há cerca de 4,5 mil milhões de anos, e segundo a teoria mais aceite, será o resultado da colisão de um asteróide do tamanho de Marte com a Terra. Os restos ejectados para o espaço colapsaram num imenso turbilhão para formar a Lua. Hoje encontra-se a uma média de 385.000 km da Terra.

Tal como na saúde, o diagnóstico precoce do risco pode evitar perigos maiores! Crédito: Space.com

Lurdes Cruz, Representante da Educação na CPCJ de Sátão Durante os últimos milhares de milhões de anos, a Lua tem feito subir e descer as marés na Terra, mas está a afastarse da Terra a 4 cm por ano e a provocar uma travagem na rotação da Terra. Paulo Mascarenhas

PROVÉRBIOS DE NATAL Patrícia Silva, 9º A

Dos Santos ao Natal, Inverno natural. Do Natal a Janeiro, um salto de carneiro. De Santa Catarina ao Natal, mês igual. Mal vai Portugal se não há três cheias antes do Natal. Natal ao “soalhar” e a Páscoa ao luar. Ande o frio por onde andar, no Natal cá vem parar. Quem morre de véspera é peru de Natal. Quem não estreia nada no Natal, ou é burro ou animal.

23


Dezembro 2009

Reflexões

Solidariedade A época que se avizinha induz as pessoas a utilizarem, com mais insistência, o termo solidariedade. Uns porque só se lembram dos outros nesta altura, o que já não é mau de todo. Outros, porque lhes fica bem a utilização de tal termo. Felizmente, existem aqueles que todos os dias são solidários, mesmo que não estejam a pensar que o estão a ser. Bem sei que a Escola não só utiliza muitas vezes o termo como explica o seu significado e, melhor que tudo, tenta atrair toda a comunidade escolar para acções solidárias através dos seus actos diários. A verdadeira essência da solidariedade vê-se nas atitudes que se praticam todos os dias, sobretudo tendo em conta as dificuldades que se vivem hoje no mundo. E existem tantas formas de o ser… Cada vez mais se conclui que os actos solidários podem ajudar, em muitas áreas, as diferentes populações mundiais. Não estamos, necessariamente, a falar de caridade! Solidariedade é muito mais abrangente. Ser solidário para quem precisa dos bens mais essenciais à vida é importante, mas ser solidário para um amigo que necessita do nosso apoio e carinho, embora algumas vezes esquecido, é importantíssimo. A Escola que tanto se preocupa com a solidariedade, também recebe, muitas vezes, acções e atitudes solidárias. Realçamos hoje aquela que nos proporcionou a obtenção de um elevador. Durante pelo menos três longos anos mostrámos a nossa indignação pela grave inexistência de acessibilidades na escola

sede de Agrupamento, nomeadamente, das crianças com limitações de mobilidade. Rampa de acesso e elevador não são bens de luxo, mas sim necessidades prementes para a integração do cidadão com deficiência. A rampa de acesso foi efectuada pela Câmara Municipal de Sátão mas o elevador tardou em chegar devido à falta de verba do Ministério da Educação. Hoje quem visita ou frequenta a Escola Básica dos 2º e 3º de Sátão apercebe-se de uma nova infra-estrutura essencial para o acesso ao 2º Piso: o elevador. Como foi conseguido? Através da solidariedade demonstrada aqui por um industrial que, apesar de não ter interesses comerciais na região, se disponibilizou para custear a aquisição de tal estrutura. Ficam aqui expressos os agradecimentos de todos os que necessitam dessa estrutura à empresa Fragmentos Reais, Lda, localizada em Siveira, Oliveira do Bairro. Foi através da boa vontade do seu proprietário, Arlindo Cardoso, que se conseguiu obter esta obra. O Ministério veio contribuir com a ajuda na parte da construção civil da caixa do elevador. Aqui fica uma lição de solidariedade, sem ter sido Natal! Isto é, para todos os utilizadores deste mecanismo foi Natal, apesar de ter sido em Setembro. Nesta época festiva gostaríamos de desejar a todos os alunos, pessoal docente e não docente, pais e encarregados de educação, fornecedores e parceiros, um Bom Natal e um Ano Novo mais solidário. A Direcção

s a t s e F Boas

24


Dezembro 2009