O Progresso em Revista

Page 1

OUT/NOV 2013 DISTRIBUIÇÃO GRATUITA PARA ASSINANTES VENDA AVULSA: R$ 1,70

VARIEDADES l Especia

PROJETOS otimize o espaço sob as escadas

CASA

o perfume certo para cada cômodo

MOTOR

supercompactos esbanjam charme e modernidade PARA OS PEQUENOS:

• lazer nas praças • l iteratura de Raquel • prevenindo a obesidade • criança na banda

BELEZA

o poder e as diversas aplicações do laser

FITNESS

musculação modela o corpo, traz saúde e bem-estar

FERNANDA

VASCONCELLOS a mocinha “sangue bom”




Capa Fernanda Vasconcellos: TV Globo/Zé Paulo Cardeal

SUMÁRIO

A atriz Fernanda Vasconcellos é apaixonada pelo seu ofício e leva para a vida as lições aprendidas com seus personagens

Moda Dicas de Beleza Denise Fraga Entrevista: Fernanda Vasconcellos O Poderoso Laser Musculação é Saúde

O poder e a versatilidade do laser favorecem tratamentos médicos e estéticos


Chocolate: além de saboroso, tem propriedades benéficas à saúde

Chocolate na Medida Certa Receitas de Pães Lar Perfumado Decoração: Beleza Além da Mesa Arquitetura: Cantinho Versátil Destinos Nacionais e Internacionais Carros Supercompactos Curiosidades

Escolha o perfume certo para cada cômodo da sua casa e torne os momentos em família ainda mais agradáveis


Expediente

EDITORIAL

O Progresso em Revista é uma publicação da Empresa Jornalística O Progresso de Tatuí. • Redação: Praça Adelaide Guedes, 145 - Centro Tatuí - SP - CEP: 18270-020 PABX: (15) 3251-3040 / 3251-4012 • E-mail geral: oprogresso@oprogressodetatui.com.br • Redação: redacao@oprogressodetatui.com.br • Publicidade: publicidade@oprogressodetatui.com.br

N

o mês da criança, o jornal O Progresso de Tatuí dá continuidade à publicação sazonal intitulada O Progresso em Revista, cuja primeira edição circulou em abril/maio deste ano, como experiência de renovação das tradicionais edições especiais – naquela oportunidade, pautada pelo Dia das Mães e mês das noivas. Na sequência, em junho/julho, houve a publicação da segunda edição da revista, em parte pautada por assuntos relacionados aos pais – considerando-se que a circulação ocorreu propositadamente no final deste segundo mês, aproximando-se, assim, ao Dia dos Pais. Desta vez, parte da pauta está focada nas crianças, cujo “dia” comemorativo acontece em 12 de outubro. Somando-se às reportagens de caráter geral, estão assuntos essencialmente locais, como a literatura de Raquel Prestes, a música do grupo de Marcelo Afonso, o lazer proporcionado às crianças em praças públicas e o artesanato do professor Diógenes. Com projeto iniciado a partir das comemorações de 90 anos de fundação do jornal O Progresso, assim como a remodelação total do portal de notícias, a revista investe num novo “produto” de informação, embora não abrindo mão do formato tradicional das edições especiais. Justamente no mês de aniversário do município, duas destas edições tradicionais foram concretizadas: “Tatuí na Visão do Artista” e o jornal com os vencedores dos concursos “Paulo Setúbal” de literatura, ambas em formato tabloide. Com esta nova publicação, gratuita aos leitores, o jornal oferece-lhes mais um presente, marcado pelo cuidado com o conteúdo e a aparência, delineados para serem realmente atraentes. Como já acentuado desde a primeira edição, a publicação aposta no entendimento de que, antes, é preciso agregar e manter o maior número de leitores, o que somente se consegue com conteúdo de qualidade. É exatamente isto que fundamenta a revista de O Progresso: trabalho bem feito e inovação para sempre corresponder às crescentes expectativas dos leitores.

Boa leitura!

• Editor e jornalista responsável: Ivan Camargo Gonçalves (MTB 25.104) • Reportagem: Cristiano Mota (MTB 57.455) Kaio Monteiro (MTB 61.923) • Revisão: Ana Maria de Camargo Del Fiol • Diagramação e arte-final (edição impressa): Altair Vieira de Camargo Erivelton de Morais • Website: Erivelton de Morais • Gerência de publicidade: Lívia Amara Rodrigues • Contatos publicitários: Alcy Ferrari Adilson Machado • Gerência financeira: Sérgio Luís Cardoso • Jurídico: Ivo Mendes (OAB 32.561) Ricardo Fernando Ribeiro (OAB 152.363)

Colunistas / Colaboradores • Artigos e crônicas: Patrícia Milão Henrique Autran Dourado • Fotos: Kazuo Watanabe Conservatório de Tatuí • Ilustrações: Bruno Venâncio

• Contéudo, Edição e Arte: CM&N - Revistas Customizadas (17) 3229 -1940 contato@centralcmn.com.br redação: Mani Jardim • Impressão: Quatrocor Gráfica e Editora

O Progresso em Revista não se responsabiliza pelos conceitos emitidos em artigos assinados, bem como pelas informações ou conteúdo dos anúncios publicados. A reprodução total ou parcial do conteúdo desta obra é expressamente proibida sem prévia autorização.



Foto: Neon - SPFW Verão 2014 - Zé Takahashi/Ag. Fotosite

Foto: Neon - SPFW Verão 2014 - Marcelo Soubhia/Ag. Fotosite

MODA ELAS

ESTAMPE-SE! As estampas ganham destaque nas peças. A edição que trouxe o verão 2013-2014 do São Paulo Fashion Week chamou a atenção para os florais e xadrez da Animale. As maxiestampas soltaram suas cores fortes no desfile da Neon, enquanto as superdimensionadas em formatos de folhas ficaram por conta da Iódice. Com pegadas diferentes, as estampas prometem muitos suspiros.

Foto: Iódice - Fashion Rio Verão 2014 - Zé Takahashi/Ag. Fotosite

BARRIGAS DE FORA! Sim, elas continuam vaporosas nas próximas estações. As barrigas de fora, queridinhas das cariocas, atuarão junto com transparências e vazados. A blusa cropped (mais curtinha) estará com tudo: modelos metálicos, rendados e bordados irão se contrapor com jeans e alfaiataria de mesma estampa. Mas cuidado, o ideal, quando se usa o top cropped, é que a parte de baixo do look esconda o umbigo, deixando de fora apenas quatro dedos da barriguinha e tampando o restante. A regra garante que o visual mantenha a sofisticação a que se propõe. O hit internacional P&B (preto e branco), que segue com espaço garantido nas araras brasileiras, pode ser incluído em alguma combinação em que o cropped esteja, criando, assim, um look duplamente trendy.

MÃOS

AO ALTO! Primeiro, foram os anéis. Depois o “pulseirismo”. Agora, a tendência que está nas mãos das divas mundo afora é o uso dos braceletes. Eles aparecem vistosos, prontos para deixar qualquer produção especial. Na apresentação da coleção de verão 2014, a Água de Coco investiu no uso de um único bracelete por look. A peça maxi, poderosa, imperou. Já na proposta da Ellus, os braceletes aparecem associados a pulseiras e até mesmo a novas versões de “handpalm bracelet”, ou bracelete de mão, em português. A peça, que envolve a palma da mão como um todo, já tinha agradado a mulherada e aparece agora em novas apostas. Quem fez surgir o bracelete de mão foram as designers russas Katia e Sonia Gaydamak, que lançaram uma coleção repleta de modelos. E ao que parece, a peça continua agradando e estará firme e forte nos próximos looks.

UNHAS

METALIZADAS Não dá para afirmar que existe uma cor queridinha das mulheres quando o assunto é esmalte, pois se existe um universo verdadeiramente democrático no mundo da moda certamente é o das artes nas unhas. Mas as metalizadas têm chamado a atenção, principalmente, depois de terem desfilado nas mãos de famosas como Katy Perry e Miley Cyrus, com destaque para o dourado que teve maior incidência. Aproveite as dicas para colocar as garras de fora em grande estilo.


MODA ELAS

ESTILO

HIGH-LOW Fotos: Márcia Fasoli - Mega Polo Moda

CORES DA ESTAÇÃO Quer conhecer a cartela de cores que irá tomar conta das peças das estações mais quentes do ano? O “abre alas” fica por conta do branco, com o look total white. Em seguida, aparece o preto, que sempre dá seu toque de sofisticação. O azul-vivo, azul-escuro, amarelo, verde-água, verde-esmeralda, verde-limão, vermelho, violeta, laranja e rosé também irão protagonizar em grande estilo.

Já conhece o estilo high-low? Ele é mais uma estratégia do que um estilo propriamente dito. É usado quando existe um compromisso importante e a grana está curta ou as peças mais interessantes que se tem estão manjadas. A ideia é misturar roupas de grife com peças populares e, assim, compor um look com estilo e personalidade. O interessante é que na fusão se obtém um resultado que esbanja autenticidade, pois ele pode dar a impressão de algo diferente de tudo o que já foi visto. O famoso “alto e baixo” foi criado na década de 90, mas tem se popularizado cada vez mais, fazendo com que as famosas também entrem na onda do luxo e básico. Aproveite a dica e liberte a imaginação!

Foto: Márcia Fasoli - Mega Polo Moda

O BOOM DAS SAIAS O que antigamente poderia ser visto como um erro de costureira hoje é tendência e está contornando as pernocas da mulherada. Trata-se do short-saia origami ou assimétrico, que promete estampar as vitrines das brasileiras nas próximas estações. Após ter caído no gosto das It Girls, a peça com recorte ousado se encaixa em estilos e ocasiões variados. Versáteis, compõem desde um visual monocromático a um superesportivo.

Foto: Riachuelo

TRIBAL PRINT A tendência promete se instalar no verão 2014. Com inúmeras adeptas divas e estilosas, o tribal print traz formas geométricas que fazem referência a temas étnicos. Inspire-se no multicolorido que irá tomar conta de sapatos e roupas e encha seu guarda-roupa de alegria!

RASGOU, TÁ NOVO! As calças rasgadas estão sempre enriquecendo de alguma forma as criações trazidas pelas coleções, não é mesmo? E como na primavera-verão não será diferente, vamos ensinar, basicamente, uma ótima maneira de usá-las. A dica é dobrar a barra da calça, transformando-a em cropped e apostar em um sapato arrasador, daqueles que podem e devem ser evidenciados, modernos e com um charme especial.




Fotos: Cavalera - SPFW Verão 201 4-

Foto: João Pimenta /Ag. Fotosite

Zé Takahashi/Ag.

Fotosite

MODA ELES

FLOR E

PARA FAZER

A CABEÇA

Penteados casuais foram as apostas do São Paulo Fashion Week primavera-verão 2013-2014. Marcas como Amapô, João Pimenta, Ellus e Cavalera deixaram bem clara a preferência. Ao que parece, os rapazes vão poder dar gritos de liberdade com relação à posição dos fios.

OUSADIA

Flores e saias estiveram presentes nos desfiles masculinos e, acreditem, fizeram sucesso. A primavera-verão 2014 de Paris foi a responsável pela ousadia. A coleção apresentada por Vibskov, estilista dinamarquês, apoiou-se na escola de moda londrina Central Saint Martins e trouxe looks tirados do guarda-roupa feminino. Saias, flores e vestidos compuseram os meninos. Essas peças foram alternadas com calças trabalhadas e jaquetas com peças esportivas. Mas, por aqui, o que reinou foram as referências de estampas alegres, que já foram suficientes para apaixonar os mais ousados. A Cavalera, por exemplo, trouxe flores, jeans e patchwork, aliados a uma pitada extra de soul music para divertir.

GEOMETRIA

COMPRA CERTA E LISTRAS • Shop Style: ideal para quem gosta do “b” em dose tripla: bom, bonito e barato. O aplicativo faz uma busca entre marcas internacionais de roupas e acessórios e indica onde comprar com economia. Ou seja, se você busca uma jaqueta jeans, por exemplo, ele dá várias opções de marcas, preços e modelos. • F lipMy Look: que tal um manequim para vestir com roupas de verdade e depois do look criado você ainda ter a opção de comprar os itens? Detalhes como marca, modelos e valores também ficam disponíveis no momento da composição, uma ótima dica para os indecisos que gostam de olhar bem antes de comprar!

A temporada primavera-verão 2013-2014 irá apostar forte nas estampas geométricas e listras. A coleção da Colcci, por exemplo, exibida no São Paulo Fashion Week, trouxe, além da geometria, texturas e transparência e colocou a cor branca em evidência. Fotos: Colcci - SPFW Verão 2014 - Zé Takahashi/Ag. Fotosite

Dois aplicativos podem ajudar na escolha das peças ideais:


MODA INFANTIL

MODA

METALIZADOS!

As roupas de banho da garotada chegam fazendo jus à alegria que eles sentem na água. Coloridas, com versões que os transformam em havaianos e super-heróis, além das versões de aventura, florais e navy (marinheiro). Democráticas e simpáticas, agradam pais e filhos.

Os tecidos metalizados com recortes a laser virão com força total nas próximas estações. Além das roupas, os acessórios também irão reinar com esta tendência. Calçados metalizados vão fazer sucesso nos pezinhos pequeninos. Sapatos estilo boneca, shorts, tiaras, saias e vestidos trazem ainda paetês e couro ecológico em tons como o prata e o dourado.

Foto: Colorittá - Divulgação

CORES E

GRAFISMOS Eles serão vestidos com bermudões, camisetas com estampas divertidas e muita sarja. As listras, o xadrez, as estampas gráficas e abstratas seguem as cores que estarão em alta: branco, verde, azul, amarelo, marrom, preto,vermelho, cinza, berinjela e telha.

Para as meninas, as tendências são muitas. As saias e vestidos aparecem com babados de tamanhos diversos e estampas florais. Outro item coringa será a renda, ela aparecerá nos acessórios e nas roupas das pequenas divas. A promessa que está dando o que falar é a estampa de oncinha. Antes restrita ao público adulto, agora vai estar em calças, blusas, saias, vestidos e sapatos das meninas.

DETALHES E ESTAMPAS

PARA ELAS!

Fotos: Elian / Divulgação

Fotos: Hering Kids / Divulgação

PRAIA




BELEZA

DRENAGEM EM CÁPSULA

Para muitas mulheres, a chegada da drenagem em cápsula pode ser considerada a “notícia do ano”. Ela alia-se às adeptas da massagem, assim como pode vir a favorecer aquelas que não arrumam um tempinho livre para as sessões. O mais recente Congresso Internacional Consulfarma divulgou que, em breve, a drenagem linfática em cápsula estará disponível nas farmácias de manipulação de todo país. De acordo com os laboratórios, não será preciso receita médica para comprar as cápsulas, mas eles ressaltam a importância de consultar um profissional antes de iniciar o tratamento. Especialistas afirmam que a eficácia das cápsulas se deve a um ativo extraído de uma espécie de cacto que contém propriedades antioxidantes e diuréticas. Dentre as promessas reveladas, ingeri-las por um mês afina a cintura e ameniza o inchaço.

CUIDANDO DO

SORRISO A escova dental merece atenção e deve ser tratada de forma adequada para que a saúde bucal seja mantida. Após a escovação, deixe-a sobre água corrente para que limpe completamente. Guarde-a em pé, exposta ao ar, para que seque naturalmente e evite a produção de germes, fungos e bactérias. Também é importante que ela não encoste em outras escovas, isso pode favorecer a transmissão de alguns vírus. Por fim, troque-a a cada três meses. Essas medidas ajudam a manter um belo sorriso!

NAIL ART A nail art (arte das unhas) não para de inovar, não é mesmo? O que está fazendo a cabeça – ou melhor, as mãos – das mulheres é o estilo ombré, que produz um efeito dégradé, assim como quando a técnica de mesmo nome é aplicada ao cabelo. Quer saber como ele fica? Descole dois esmaltes que fazem tom sobre tom, uma esponjinha e mãos à obra. Passo a passo: O primeiro passo é deixar as unhas preparadas para receber a coloração, ou seja, lixadas e com as devidas cutículas tratadas. Em seguida, aplique a tonalidade que será a base predominante. Feito isso, passe o segundo tom sobre uma mesa, ou qualquer superfície lisa, e aperte a esponja sobre ela, deste modo ela irá absorver a cor sem excessos. Com a primeira mão do esmalte seca, pressione levemente a esponja molhada na parte final da unha. Pronto, basta aplicar um extrabrilho ou top coat e está feito!


BELEZA

FACE PERFEITA

Conheça três alimentos que podem deixar seu rosto mais bonito. •C astanha-do-pará: ela tem o poder antienvelhecimento, pois enrijece os tecidos e facilita na manutenção da elasticidade natural da pele. Consumo recomendado: três castanhas-do-pará por dia. • I ogurte: já imaginou que um alimento aparentemente “inofensivo” pode amenizar olheiras? Isso mesmo. Além disso, ele contém uma grande quantidade de bactérias e probióticos que melhoram o funcionamento do intestino, favorecendo ainda mais a beleza da pele. Consumo recomendado: basta um potinho do produto desnatado por dia. •G érmen de trigo: ideal para quem quer evitar acnes e cravos, o gérmen de trigo faz com que a pele fique macia e protegida. Consumo recomendado: uma colher de sopa do alimento por dia é o suficiente.

FIOS PROTEGIDOS O clima tropical do país, que faz com que as brasileiras lavem o cabelo com mais frequência, acaba sendo um fator que influencia o ressecamento dos fios. Para driblar esse problema, muitas mulheres optam por passar óleos de proteção antes do uso do shampoo, mas a mania virou tendência e começam a chegar ao mercado os produtos específicos para a situação, conhecidos como óleos pré-shampoo. Sua principal função é blindar as partes ressecadas e diminuir a incidência de quebras. De acordo com os especialistas, o óleo deve ser passado com o cabelo ainda seco para que seja absorvido com eficácia.

ÓLEO DE ABACATE ADEUS,

MARCAS Um novo composto que tem circulado pelas farmácias de manipulação está agradando muita gente. Trata-se de um “preenchedor” que tem como objetivo amenizar marcas de cicatrizes de acnes, estrias e até rugas. Ao aplicar o produto na pele, ele estimula a produção de microondas que fazem com que os fibroblastos, células produtoras de colágeno, fiquem mais eficientes. Seu uso deve ser feito duas vezes ao dia, ao acordar e antes de dormir, apenas no local que deve ser tratado.

Consumir uma colher do alimento por dia pode ser de grande valia. Dentre a vasta oferta dos óleos funcionais, o óleo de abacate tem se destacado depois que estudos científicos comprovaram que ele combate doenças cardiovasculares, diabetes e câncer de próstata. De quebra, ele auxilia no emagrecimento. Por servir de controlador dos níveis de cortisol, hormônio relacionado ao aumento da compulsão por alimentos e acúmulo de gordura, ele se tornou uma excelente alternativa para quem está em guerra com a barriga. Outra grande vantagem, além das já citadas, é o fato de manter a imunidade fortalecida. O óleo contém propriedades de ômegas, antioxidantes, lipídios e vitaminas que estimulam as células de defesa do corpo. Mas, vale ressaltar, ele deixa de ser eficiente se for aquecido.



ALICE

MORA AQUI Fiquei ali, vendo o esquilo cochilar. De repente, acordei. O que eu estava fazendo? Por que eu estava vendo um vídeo no qual um esquilo cochilava no ombro de um rapaz? Me assustei. Tive uma espécie de branco, não conseguia me lembrar de como tinha chegado ali. Fechei a tela correndo. Outra se abriu. Fechava uma e dava em outra. E outra. E mais outra. Eu tinha aberto umas cinco telas sem perceber. Fui reconhecendo o caminho percorrido, mas agora não tinha mais tempo. Sentei ali pra passar um e-mail, mas minha descuidada curiosidade foi fisgada por um quadradinho do mosaico que nos arremessa no caleidoscópio ciclônico do País das Maravilhas. Acho que tenho certa resistência à internet justamente por reconhecer que possuo um ingrediente fatal para a plena adição a ela: sou curiosa. Entro para assistir a um vídeo qualquer e já me ouriço toda por aqueles outros tantos quadradinhos estrelados que aparecem ao lado me dizendo: “Se quis ver este, não pode perder estes”. O incrível é que todos os outros vídeos, de alguma forma, têm a ver com o meu interesse.

Confesso que preferiria que não me oferecessem tantas coisas Nessas horas, tenho vontade de olhar bem no centro da tela e perguntar: “Quem está aí?! Quem é você?! Não quero que saibam meu perfil para me oferecerem coisas que eu possa querer!” Confesso que preferiria que não me oferecessem tantas coisas. Ainda acredito que não precisamos de tanto pra viver, e a internet me atordoa com sua multiplicação frenética. É claro que sei quem mora lá dentro. É o Sr. Mercado, nosso grande irmão, que obviamente não nos oferece tudo isso à toa. Vem nos treinando. Ultimamente, insatisfeito com suas sutilezas virtuais, resolveu pegar pesado. Teve o descaramento de me interromper um clipezinho de três minutos com um comercial. Que é isso, big brother? Assim não tem graça. Acho que sei porque cliquei pra ver um esquilo cochilando. Buscava um oásis, um refresco qualquer para toda essa histeria.

DENISE FRAGA É atriz e autora de “Travessuras de Mãe” (Ed. Globo) e “Retrato Falado” (Ed. Globo). Assina coluna no caderno Equilíbrio da Folha de S. Paulo.




Foto: João Miguel Júnior / TV Globo

ENTREVISTA

FERNANDA

VASCONCELLOS Uma atriz determinada, “sangue bom” e que não tem medo de se abrir aos ensinamentos de seus personagens


ENTREVISTA

Por Ester Jacopetti

A

atriz, que começou a carreira como modelo, vem roubando a cena na novela global, das sete, “Sangue Bom”. Tanto no trabalho atual quanto ao longo de sua trajetória profissional, a palavra que acompanha Fernanda é determinação. “Quando decido fazer um papel, eu me entrego!

Faço o melhor que posso!”, afirma. O amor pela carreira escolhida é escancarado. “Sou apaixonada pelo

meu ofício e hoje acredito que quando você se empenha e se esforça para desenvolver um bom trabalho, o que fica é o que você aprende desta experiência.”

Você comentou que fez laboratório em Londres para interpretar a Malu, da novela “Sangue Bom”. Como foi essa experiência? Na verdade, visitei algumas ONGs (organizações não governamentais) e a cada visita tirava algo para a minha personagem. Além disso, contei com o trabalho de uma preparadora, que me ajudou a entender as características psicológicas da personagem e, assim, a dar mais vivacidade para a Malu, porque ela é uma pessoa apaixonante. Normalmente os atores aprendem com seus personagens. O que tirou de proveito de todos os trabalhos que já fez até hoje? Acredito que cada trabalho é único. E, por isso, de cada personagem você tira algo. Por exemplo, agora com a Malu aprendi a olhar com mais delicadeza, o olhar do cuidado para o outro. Ela tem um olhar para o indivíduo, para os reais valores, e não se deixa abalar com facilidade. Em “Sangue Bom” você integra o elenco de protagonistas. Como lida com essa pressão? Já passei da fase de acreditar que tudo tem que sair do meu jeito. Sou apaixonada pelo meu ofício e hoje acredito

Malu (Fernanda Vasconcellos) e Bento (Marco Pigossi) em Sangue Bom Foto: Zé Paulo Cardeal / TV Globo

“A Malu tem um olhar para o indivíduo, para os reais valores, e não se deixa abalar com facilidade”




ENTREVISTA

“A Malu e eu temos muitos pontos em comum. Vejo que nós duas adoramos arregaçar as mangas e ir trabalhar. Está sendo uma delícia dar vida a uma personagem tão guerreira” quero ficar sozinha, não ser fotografada. Mas, se eu encontro um fotógrafo, tento lidar da melhor forma possível, falo um “oi”, paro para a foto, porque sei que a pessoa também está ali em uma batalha, trabalhando.

Foto: Rafael Sorín / TV Globo

que quando você se empenha e se esforça para desenvolver um bom trabalho, o que fica é o que você aprende desta experiência. A Malu é filha legítima de Bárbara Ellen, mas a mãe não a trata muito bem. Existe alguma situação por trás disso? As duas são muito diferentes. Enquanto a mãe está preocupada com as aparências, a Malu está envolvida com ações para mudar a realidade dos menos favorecidos. Então, ao se afastar deste universo, ela acaba se afastando dos sonhos que a mãe tinha para ela e, consequentemente, surgem os atritos entre elas. Diferente de Amora, personagem de Sophie Charlotte, a Malu não gosta do mundo das celebridades. E como você, Fernanda, lida com o assédio da mídia? Sou tranquila e, como qualquer pessoa, tenho os meus momentos em que

Você tem alguma semelhança com a Malu? A Malu e eu temos muitos pontos em comum. Vejo que nós duas adoramos arregaçar as mangas e ir trabalhar, correr atrás do que achamos importante. Está sendo uma delícia dar vida a uma personagem tão guerreira. “Sangue Bom” tem cenário paulista. Como paulistana, você conhece os lugares que a novela mostra? Eu sempre me encanto com a oferta gastronômica de São Paulo, é sempre possível descobrir um restaurante novo, de uma cozinha totalmente inusitada para o seu paladar. Acho isso incrível.

Atualmente, você mora no Rio de Janeiro. Sente saudades de São Paulo? Morei na Vila Guilherme, na zona norte de São Paulo. Eu tenho o maior carinho pelos meus amigos de infância e sempre que estou na cidade dou um jeito de encontrá-los. É sempre uma delícia. Mudei para o Rio de Janeiro há uns nove anos, quando fui fazer “Malhação”, aos 19. Antes, morava com meus pais em São Paulo. Sinto falta da minha família. A profissão de atriz nem sempre é fácil. Quais aspectos você ama e odeia no seu trabalho? Eu gosto tanto do meu ofício, sou tão apaixonada pela minha profissão que não vejo este aspecto negativo. Tem momentos que você vira a noite gravando, algumas vezes dorme pouco para decorar texto, ensaiar, mas ver o resultado do trabalho faz com que tudo valha a pena.

“É tanta exposição que eu preciso também de um lugar reservado para buscar força e energia”


ENTREVISTA Você chegou trancar a matrícula na universidade onde cursava Direito. Em algum momento se arrependeu? Não me arrependo! Pois tranquei para trabalhar. Tinha que escolher um dos dois. Este ano foi divulgado o seu namoro com o apresentador Cássio Reis. Você fica chateada quando as perguntas giram em torno da sua vida pessoal? Doo-me tanto trabalhando, eu já fico tão exposta que acho que o particular, a minha vida com a minha família, é onde encontro um espaço reservado só para mim. É tanta exposição que eu preciso também de um lugar reservado para buscar força e energia.

“Sou vaidosa na medida. Nada demais e nem de menos”

Sua conta no Twitter foi hackeada. Você acha que deveria existir uma lei mais severa com relação a esse tipo de ação? A nossa vida virtual tem evoluído tanto, de uma maneira tão rápida, e muitas vezes o que eu sinto é que as leis não conseguem acompanhar a velocidade desta transformação. As pessoas usam bastante o Facebook, Twitter, Instagram... Que pontos positivos e negativos você acha que as redes sociais trouxeram? Ah, o acesso rápido à informação é algo muito bom. Há a oportunidade de saber o que acontece do outro lado do mundo, muito antes de virar notícia. Porém, também tem gerado um grande exibicionismo, que vale a pena ser questionado. Quando você está de folga, o que mais gosta de fazer? Sair para jantar e rever os amigos. Você é uma mulher bonita. É muito vaidosa? Obrigada pelo elogio. Sou vaidosa na medida. Nada demais e nem de menos. Gosto de mudar, não sou apegada ao visual. Para você, o que é ser feliz? Estar ao lado das pessoas que ama e fazendo o que gosta. Foto: Reinaldo Marques / TV Globo


PERSONALIDADE

UM MENINO DE

93 ANOS Diógenes Vieira de Campos “brinca” com o tempo e transforma-o em arte

“Nasci em agosto de 1920. Sou quase um menino”. Aos 93 anos, Diógenes Vieira de Campos não se cansa de dar exemplo. Dono de carreira bem-sucedida (é professor aposentado), também tem história peculiar. Professor Diógenes, como é conhecido, viu na aposentadoria o início de um problema, mas, com apoio familiar, encontrou a luz no fim do túnel. Ao ver-se inativo, passou a lutar contra a ociosidade. Por incentivo da esposa, Maria Aparecida Voss Campos – já falecida –, começou a produzir peças em madeira. No momento em que todos gostariam de parar para aproveitar o “descanso merecido”, o professor decidiu buscar ocupação que não lhe gera renda, mas proporciona uma espécie de “fuga da rotina”. Passou a “brincar” com o tempo, transformando peças brutas de madeira em artesanato. Como “menino”, mas com habilidade de mestre, professor Diógenes produz terços a partir de retalhos de madeiras que são

cuidadosa e meticulosamente lapidados. O resultado é comercializado entre amigos e, novamente, muda de sentido: vira doação para a “sacola dos pobres” dos vicentinos. Professor normalista e licenciado em matemática, Diógenes começou a carreira no ensino primário em São Paulo. Antes de tornar-se educador, frequentou aulas em Sorocaba, concluindo a faculdade na capital. Lá, teve os primeiros alunos. “Trabalhei numa escola particular por quatro anos”, lembra. Em Tatuí, lecionou por 31 anos na Escola Normal de Educação “Barão de Suruí”. Dava aulas de matemática e física, disciplina para a qual era concursado. Trinta e cinco anos depois de exercer o ofício, ele se aposentou. O descanso trouxe sossego nos primeiros meses e inquietação nos anos seguintes. “A aposentadoria é uma faca de dois gumes: no começo, é como tirar umas férias, mas, depois, você não tem mais o que fazer e passa a se sentir sem utilidade.” A cada ano passado, Diógenes sentia mais falta da sala de aula e do ritmo exigido pelo chamado “curso científico”– equivalente ao atual ensino médio. Essa dinâmica de ensino vigorou até 1967, quando o curso passou a denominar-se colegial, com os três primeiros anos iguais para todos os alunos. Posteriormente, eles podiam cursar mais um ano, optando entre o “normal” e o “clássico”. Como o professor era licenciado e concursado, tinha praticamente toda a semana tomada pelas tarefas de planejamento, elaboração de exercícios e correção de trabalhos e provas. Não sentia, como ele

Professor Diógenes: curiosidade deu origem a trabalho que se confunde com terapia

mesmo frisa, o tempo passar. “Tinha alunos, naquele tempo, meninotes, dos 16 anos em diante.” Apesar de lidar com jovens, Diógenes nunca teve problemas com eles. Pelo contrário, era respeitado por quem queria avançar nos estudos e, como se costuma dizer, “chegar lá”. Ensinava o conteúdo e conseguia obter como retorno o bom comportamento de quem sentava em cadeiras que faziam frente ao quadro negro. Tinha como vantagem o fato de as classes conterem número reduzido de alunos. “Os estudantes que terminavam o ginásio e ingressavam no ‘científico’ eram poucos. Do 1º para o 2º, havia bastante redução. Quando chegava no 3º, então, eram poucos. Mas


Foto: Cristiano Mota

eram pessoas conscientes e bem formadas.” A seleção era tão rígida que quem conseguia concluir os estudos prestava vestibular e ingressava sem “engasgos” no curso superior. “Os alunos eram mais cientes do que queriam. Eles entravam com certo grau de instrução e saíam prontos para entrar na faculdade. Aquilo, para mim, era uma felicidade.” Foi assim com centenas de tatuianos (atuais médicos e advogados), como o agora ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), José Celso de Mello Filho, e com os próprios filhos. Diógenes mantinha a “linha dura” com Maria Eugênia, Eduardo e Diógenes (os dois homens já falecidos) e Luis Antônio. “Eduquei várias crianças e jovens, inclusive,

os meus, que davam cada zebra”, lembra. Pai de quatro filhos, o professor teve de conviver com a perda. Dois de seus filhos faleceram. “Foram-se embora os pares e ficaram-se os ímpares”, diz. Anos depois, a mulher, Maria Aparecida, também se despediu do plano terreno. Desse ponto em diante, o educador começou a travar uma briga contra o tempo. Diógenes virou o placar a favor dele quando seguiu o conselho da mulher em vida. Por incentivo dela, aumentou a produção de peças feitas a partir de madeira. Deixou, então, os afazeres no sítio que tinha para se dedicar ao trabalho manual. Assim, a curiosidade virou “hobby” e, depois, companheira. A história toda começou com um colar, criado a partir de sementes de pêssego e outras

frutas. Para preencher o tempo, Diógenes juntou o que tinha em casa e montou uma bijuteria artesanal. Colocou-a no pescoço da esposa, que gostou do “modelo” e o estimulou a produzir mais e variadas peças. Dos colares, o professor avançou para os brincos e, mais recentemente, para os terços. Especializou-se tanto neles que mantém dois mostruários e uma coleção de dar inveja a qualquer cristão. Incluem-se, nos trabalhos, mais colares e brincos com brilhantes que agregam valor aos produtos artesanais. O dinheiro (pouco) que o professor obtém é entregue à 5ª Conferência Vicentina de “São Luiz Gonzaga”, da qual ele faz parte. Além de professor e artista, Diógenes é um dos mais antigos membros do grupo religioso. “Nós nunca fomos muito numerosos, mas estamos em menor número agora”. Ele e os demais membros – outros dois – encontram-se na Paróquia Santuário Nossa Senhora da Conceição (a Igreja Matriz) para discutir ações de ajuda ao próximo. O templo é o local escolhido pelo artesão para acompanhar missas. Aliás, esse é um hábito que o professor jamais abandonou. Para fugir da solidão e vencer o tempo, ele vai à igreja pela manhã, volta para a casa, lê os jornais e segue para a oficina. Depois, almoça e volta para o artesanato. No início da noite, assiste telejornais, janta e, só depois, vai descansar. Mantendo o ritmo “frenético”, Diógenes dá mais uma lição aos jovens: a de como aproveitar a vida, o tempo e ser útil. “Não sou profissional, mas eu gosto de ir lidando com a madeira. Essa é uma atividade que, por sinal, toma bastante tempo”, conta ele, que, com a “paciência de um monge”, transforma um enorme pedaço de madeira em retalhos que viram contas de terços. Diógenes aplica uma técnica chamada “desdobramento”. De uma bitola de madeira, saem peças pequeninas. Como a produção é artesanal, as contas dos terços e dos brincos e colares não são simétricas. “Eu serro, corto, furo e lixo. Vou diminuindo até ficar em uma forma cilíndrica para usar”. Nesse vai e vem, ele passa horas, minutos e segundos entretido. Continua na ativa e, mais do que nunca, útil. “Enquanto estou lixando, o mundo muda.”


BELEZA

LUZ PODEROSA

O laser e sua ampla aplicabilidade beneficiam cada vez mais a saúde e a estética

A cada dia que passa, os segmentos de beleza e saúde tornam-se mais atrelados à tecnologia dos lasers. O feixe de luz concentrada é indicado em uma infinidade de procedimentos e seu uso garante melhorias na saúde e estética do indivíduo. A exatidão e o poder do laser deram a ele o status de “bisturi poderoso”. O feixe de luz é responsável por inúmeras conquistas médicas, como a operação de miopia, cauterizações e o ataque aos cálculos renais. O diagnóstico também é um fator beneficiado pelo uso desta luz poderosa. Atualmente, ela permite detectar patologias como distúrbios de retina e tumores superficiais. Uma das áreas da medicina que mais se adaptou às qualidades do aperfeiçoamento


BELEZA

UM POUQUINHO

DE HISTÓRIA... Em 1960, o físico americano Theodore Maiman foi responsável pela criação do laser. Na época, ele tinha como objetivo criar uma energia capaz de ajudar em suas experiências laboratoriais. Após a descoberta, o oftalmologista Charles Campbell fez uso da tecnologia para retirar um tumor maligno da retina de um paciente. A técnica de Campbell foi considerada revolucionária e depois disso o laser começou a ser testado em diversos campos da medicina. Porém, foi na década de 90 que a técnica se popularizou, devido à difusão dos aparelhos por pulsos, o que permitiu procedimentos mínimos e superficiais.

do laser foi a dermatologia e basta verificar os serviços oferecidos pelas clínicas para comprovar sua gama infinita de possibilidades. A dermatologista Carla Tamler, da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro, exemplifica algumas vantagens proporcionadas pela tecnologia. Confira: • Laser para maquiagem: o processo também é conhecido como tatuagem cosmética facial. Usado para promover a aplicação de maquiagem como delineador ocular, sobrancelhas e contorno dos lábios. • Remoção de tatuagem: participam aparelhos de lasers diversos como o rubi, por exemplo. Eles são capazes de armazenar grande porção de energia dentro da sua cavidade e liberá-la em pulsos extremamente rápidos a fim de promover a remoção da tinta. Além disso, também podem ser usados para amenizar olheiras. • Laser para remoção de manchas e antienvelhecimento: atuam em manchas que são bastante frequentes na face e não desaparecem espontaneamente ou com as técnicas convencionais de antienvelhecimento. • Laser para depilação: neste caso, o folículo piloso pode ser desfeito pela luz, por três métodos: por choque, conhecido como mecânico; por oxigênio ou radicais livres, intitulado fotoquímico; e o térmico, que faz uso do calor. Entre

os tipos de laser que são usados nesses casos estão o alexandrite, diodo e o tipo rubi – sendo este último o mais indicado para a ação no caso dos pelos claros e ruivos. Uma avaliação feita pelo profissional responsável pelo procedimento vai revelar qual é técnica mais adequada para cada situação. • Laser para pele firme e lisinha: a radiofrequência e a luz infravermelha vêm ganhando cada vez mais espaço na dermatologia, uma vez que tratam a flacidez, aumentando a firmeza da pele. A fotomologia, associada ao laser de diodo e uma luz específica, pode ser eficaz no tratamento da celulite e flacidez corporal.

Atenção! Segundo a médica dermatologista Fernanda Carrilho de Menezes, mestre em ciências da saúde e doutoranda em dermatologia, a crescente busca por tratamentos à base de laser na estética é um avanço que promove a autoestima e o bem-estar. Porém, o mau uso da tecnologia, por pessoas não habilitadas, provoca consequências desastrosas. “O problema é que muita gente tende a achar que o laser é só uma ‘luzinha’ e que, por isso, é completamente inofensivo. Hoje, inclusive, muitas lojas vendem aparelhos de laser a preços populares, podendo ser usados por qualquer pessoa, um grande erro”, alerta. A dermatologista explica que seu uso

deve ser feito por profissionais especializados. “O profissional precisa entender do coeficiente de absorção de cada tecido, de cada pigmento e de profundidade da pele, até mesmo para dizer o que é tratável com o laser e o que não é.” Ela ressalta que existem manchas que, a olho nu, são idênticas, mas, no entanto, enquanto algumas se tratam com uma única sessão de laser, outras podem exigir – pelo menos – 12 sessões. “Só um médico vai saber diferenciar e explicar o procedimento correto ao paciente. Sem contar que existem doenças que podem piorar com o uso do laser, como o lúpus eritematoso sistêmico, por exemplo.” Ela indica buscar um profissional especialista na área a ser tratada e, também, que as máquinas utilizadas nos procedimentos sejam certificadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).


Foto: Patrícia Milão

LAZER

PARA TODA

Roberto Peixoto Milão na praça do Jardim Saba

A FAMÍLIA Praças de lazer destinadas às crianças estimulam

Durante as tardes, nos finais de semana, os playgrounds são ponto certo para as famílias. Crianças acompanhadas dos pais, irmãos, avós ou responsáveis brincam, andam de bicicleta, fazem novas amizades e, não raro, a família completa está unida. Em Tatuí, há diversas praças gratuitas com estas características, oferecendo os brinquedos tão atraentes às crianças, com espaço necessário para se distraírem. Enquanto isso, os pais podem acompanhar de longe, debaixo da sombra das

árvores, nos bancos ou mesmo ficar lado a lado com os filhos, como preferem os “corujas”. Ainda podem exercitar-se nas “academias a céu aberto”, instaladas em algumas praças. Atualmente, três espaços têm a estrutura com parquinho, sendo a mais recente a praça Ayrton Senna da Silva, inaugurada em 2012 na vila Doutor Laurindo; há a praça Darci Rocha da Mota, com os atrativos presentes desde 2011, no Jardim Saba; e a Praça do Carroção, no bairro

Foto: Patrícia Milão

a interação e atraem os pais

Praça Ayrton Senna, onde Maria Luiza costuma brincar


LAZER risada. Qualquer criança ele fala que é amigo dele”, afirmou. A Polícia Militar e a Guarda Civil Municipal fazem policiamento constante na praça, que tem a academia a céu aberto, vários escorregadores, inclusive, com casinhas e pontes acopladas, balanços, barras, traves e gangorra. “A praça é um lazer. Durante a semana, trabalhamos, não temos muito tempo. Então, aos finais de semana, o trazemos aqui”, falou Márcia de Fátima Arruda, que acompanhava o filho Mateus, de sete anos, no passeio de bicicleta. Outro ponto destacado pela mãe é a interação entre o filho e as demais crianças. “É até bonito de ver as crianças todas brincando, fazendo amizades umas com as outras. Elas têm que ter esse momento para elas”, destacou Márcia. Outro benefício nas atividades em família é a aproximação de pais e filhos, que se divertem juntos, como destaca Pedro Rivas, junto à filha Maria Luiza, de quatro anos, na praça Ayrton Senna da Silva. “Ajuda muito na relação. Eu trago todos os meus filhos aqui”, contou. Das três praças, a mais recente é a da vila Doutor Laurindo, inaugurada pela Prefeitura no dia 11 de agosto de 2012, aniversário da cidade. Além do espaço para as crianças, aparelhos de exercício, quadras de tênis, de areia, de malha e percurso para caminhada são atrativos. Todas as opções estão distribuídas no quarteirão inteiro que compreende a praça sendo, assim, a maior área de lazer da cidade.

Devido à homenagem a Ayrton Senna, um busto do piloto foi doado pela família dele e está instalado na praça. A transformação do quarteirão em área de lazer é vista como diferencial. “Foi realmente muito bom, uma bênção para o bairro, porque uma característica de Tatuí é que havia parque que não tinha nem banco para se sentar. Aqui, era um espaço verde, literalmente: só grama, um espaço perdido”, enfatizou. Rivas também destacou a diversidade de público que a praça atende devido aos diferentes tipos de quadras e atividades possíveis. “Melhorou a qualidade de vida”, expressou. O aproveitamento do espaço para a praça fez com que ele continuasse no bairro. “Eu sentia falta mesmo, cheguei a considerar em mudar para um condomínio por causa das áreas de lazer”, contou. Para as crianças, a ida às praças é compromisso certo. Todos os pais entrevistados dizem ser cobrados pelos pequenos para os levarem a brincar. “Meu irmão e meu pai me trazem aqui”, contou Maria Luiza, filha de Rivas. Os perfis de frequentadores são diversos, mesmo nas outras praças sem tantas opções de jogos e quadras. A idade não tem limite: todas as faixas etárias estão presentes, diversificando-se somente as atividades. Adultos caminham, exercitam-se nos aparelhos, acompanham os filhos enquanto brincam, os adolescentes reúnem-se para conversar ou jogar. “É um espaço para a família toda”, concluiu Rivas. Foto: Patrícia Milão

Valinho, implementada em 2009. As duas últimas foram reestruturadas a partir do projeto “Adote uma Praça”, regularizado pela lei municipal 3.689, de 19 de julho de 2005, que permite que entidades privadas invistam nas áreas públicas de lazer. A Praça do Carroção é mantida pelo Sítio do Carroção – resort considerado o melhor do país voltado ao público infantil – e a do Jardim Saba, pela tecelagem Roma. Uma terceira, a “Praça do Brinquedo”, ao lado do paço municipal, tinha a mesma proposta de entretenimento às crianças e também funcionava de acordo com o projeto “Adote uma Praça”. Contudo, foi desativada no ano passado. Antes, o espaço contava com ponte, túnel de pneus, casinha, escorregadores, gangorras e balanços. De toda a estrutura, apenas parte dos brinquedos restou. A casinha está trancada com cadeado e grades, os brinquedos não retirados estão sem a manutenção necessária. Porém, ainda há procura pela antiga estrutura. “Eu vim tentar brincar com minha filha, não sabia que está sem brinquedo aqui”, comentou Tamires Almeida Donato, mãe de Emanuele, de quatro anos. As outras praças, ao contrário, estão com todos os brinquedos à disposição. No Jardim Saba, uma escada de pneus dá acesso à ponte que leva as crianças até ao escorregador. Balanços, gangorra e aparelhos de ginástica também são opções. Na Praça do Carroção, constantemente movimentada, principalmente por estar localizada junto à avenida Zilah de Aquino – espaço de caminhadas nas manhãs e finais de tarde – é a opção de muitos tatuianos, inclusive de bairros distantes. “Moramos no Jardim Rosa Garcia II, mas quase todos os finais de semana estamos aqui. Ele me chama para vir”, contou Valdir dos Santos, enquanto empurrava o filho Luiz Henrique, de cinco anos, no balanço. Santos frequenta a praça há um ano. O atrativo do local é o ambiente, que, segundo ele, é familiar, com as crianças acompanhadas pelos responsáveis. “Aqui, sinto tranquilidade e segurança. O Luiz Henrique interage bastante com outras crianças, gosta de conversar, dar

Praça do Carroção, sucesso no bairro Valinho


FITNESS

MUSCULAÇÃO

É SAÚDE Além de favorecer o tônus muscular, a atividade melhora o metabolismo, queima gordura, fortalece ossos, previne doenças e traz bem-estar

Engana-se quem pensa que a musculação favorece apenas o ganho de massa muscular. A técnica pode ser muito atrativa e favorecer inúmeros fatores responsáveis pela saúde. A prática regular da atividade abre um leque diverso de estímulos que contribuem para o bom funcionamento do corpo. Durante muito tempo, as pessoas acreditaram que o exercício aeróbico era mais produtivo quando se tratava de queimar calorias. Mas esta afirmação também faz parte dos equívocos que circundam a musculação. Por meio de um estudo realizado pela Universidade de Penn State, nos Estados Unidos, pôde-se comprovar que a musculação, pelo menos três vezes por semana, queima 40% mais de gordura do que o mesmo período de exercício aeróbico. O educador físico Rodrigo Buzatto, especialista em enfoque do treinamento, biomecânica e nutrição, afirma que seus alunos chegam até ele com indicações de médicos de diversas especialidades. “A medicina reconhece o quanto os ganhos com a musculação podem ser amplos e assertivos. Recebo pessoas com necessidades variadas que são sanadas com a mesma atividade, porém, com programas diferentes”, garante. O especialista enfatiza que para se obter resultados é fundamental que haja supervisão de um profissional experiente. “Com o acompanhamento, o aluno atinge seus objetivos de forma mais rápida e eficiente, além de


FITNESS ativado melhora o metabolismo, a função cardiorrespiratória, a eliminação de toxinas, a produção de endorfinas, além de outras opções que resultam em mente e corpo saudáveis. Quando o assunto é coluna, ele também acredita no poder da atividade para agregar valor ao tratamento. “As pessoas que fazem a atividade em ritmo equilibrado, sem exageros de sobrecarga, mantêm a vitalidade dessa região, além de conseguirem trabalhar a prevenção de lesões”, completa o neurocirurgião.

minimizar o risco de lesões.” Ele salienta que o treinador irá periodizar as aulas e adaptar o treinamento para que o programa siga as necessidades trazidas pelo aluno. Corrigir movimentos, realizar avaliações periódicas, medir a evolução, além do trabalho conjunto com o profissional de nutrição, são degraus que o aluno deve delegar ao seu personal e seguir à risca. Outra dica é respeitar o descanso e esta, ele frisa, deve ser sempre assegurada, independente do perfil do atleta. Para o neurocirurgião Eduardo Silva, a musculação é uma ferramenta valiosa. “Costumo indicá-la para meus pacientes, pois tenho plena convicção que serão beneficiados”, enfatiza. Silva explica que manter o tônus muscular

Uma técnica para cada público Buzzato revela que a musculação é indicada para todas as idades, porém com treinamentos diferenciados, voltados ao objetivo e necessidade de cada faixa etária. Segundo ele, a hipertrofia, por exemplo, não é indicada para crianças, pois estão em fase de crescimento, mas pode aparecer no programa de treinamento de idosos, por enrijecer os músculos e, principalmente, por fortalecer os ossos. “A regra básica para uma boa periodização de treino é o respeito à individualidade biológica que o técnico deve ter com cada aluno, independente da sua idade, levando em consideração seu estado físico”, aconselha, realçando a importância do acompanhamento profissional.

Características gerais da atividade O educador físico salienta que os benefícios da musculação são gerais. Perda da gordura, aumento da resistência muscular, melhora da atividade cardiovascular, fortalecimento dos ossos, prevenção da osteoporose, correção da postura, ação contra problemas como diabetes, hipertensão e colesterol alto, além dos efeitos psicológicos como o aumento da autoestima. Em relação à anatomia, o especialista explica que a atividade trabalha todos os grupos musculares, das mais variadas formas, de acordo com cada estímulo. Entretanto, ele lembra que a atividade física não combina com pressa. Ou seja, se o aluno vem de uma fase sedentária, precisará de um determinado tempo para a sua adaptação e, assim, aumento gradativo da frequência e intensidade. Para que a satisfação seja completa, Buzatto aconselha, antes de iniciar a atividade, procurar um profissional experiente e realizar todos os exames recomendados, ter força de vontade e entender que se trata de uma mudança de estilo de vida e não de uma ação exclusiva e pontual.

MOTIVOS

PARA MALHAR

NÃO FALTAM! • Queima calorias; • Elimina toxinas; •A umenta a autoestima e o bem-estar; • Acelera o metabolismo ; •A umenta a resistência muscular; • Melhora a atividade cardiovascular; •A uxilia no combate a diabetes, hipertensão e colesterol alto; • Fortalece os ossos e previne a osteoporose; •C orrige a postura e evita lesões.


FILHOS COM SAÚDE

Por Luciana Maria Gonçalves *

O FUTURO DA

NAÇÃO

Nas últimas décadas, sempre se sustentou a ideia de que crianças não poderiam “treinar” com pesos para não prejudicar o crescimento. Mas sempre puderam praticar esportes em suas várias modalidades. E lá vamos nós, mais uma vez, bater na tecla do sedentarismo. Hoje, as crianças não brincam mais em grupos, mal correm, até porque o espaço físico de suas casas também já é menor do que a casa dos nossos pais ou avós, onde tínhamos quintal e a convivência com mais irmãos, primos e amigos para gastar a energia natural de qualquer criança. Em seguida, vêm os adultos, que oferecem situações cômodas aos filhos, como videogame, TV, brinquedos automáticos etc. Neste texto, gostaria de focar a realidade que vem se apresentando em nossa cidade. Ou seja, os problemas de obesidade infantojuvenil e que originam problemas ortopédicos estão mais perto do que poderíamos imaginar! Aliás, é só prestar atenção e olhar para os lados – melhor dizendo, para baixo. Vou responder por que: ser inativo acarreta em permanecer muito tempo sentado, mantendo uma péssima postura e fazendo com que as estruturas corporais se adaptem àquela posição diária estabelecida. A resposta disso são desvios que conhecemos como escolioses, cifoses, hiperlordoses e, em alguns casos, problemas patelares (joelhos), entre outros. Evidentemente, essa realidade vem trazendo, para o âmbito de academias, crianças orientadas por ortopedistas a se valerem de treinamentos específicos para esses tipos de disfunções. Este texto é um apelo para que pais e familiares prestem mais atenção em suas crianças. Procurando cuidar mais da

Consequências enfrentadas por crianças que “brincam” cada vez menos

Remada com elástico: fortalecimento de dorsais e ombro

Elevação de quadril com os pés na bola: fortalecimento de quadril, glúteos e abdômen alimentação, de maneira que esqueçam um pouco o que é prático e adotem meios mais saudáveis, mesmo que mais demorados. Porque o custo final de tudo isso podem ser deformidades irreversíveis, processos degenerativos precoces, obesidade que pode provocar doenças secundárias, como diabetes e cardiovasculares. E, seguindo uma nova ordem, as academias preparam-se para receber essa nova geração que se encontra nessas condições, instruindo

exercícios de fortalecimento no intuito de favorecer a postura mais adequada e saudável. Junto ao texto, uma série de exercícios demonstrados por uma de nossas alunas com o objetivo primordial de manutenção postural e perda de peso. * Coordenadora da Academia CorAção Pós-graduada em atividade física adaptada (FMU), curso de especialização para “grupos especiais” – Método Mais Vida SP


Posição dois apoios: foco principal voltado para escoliose Fotos: Kaio Monteiro

Agachar com apoio da bola para estabilizar a lombar

Crucifixo inverso: fortalecer dorsais

Stiff: fortalecimento de dorsais, glúteos e posterior de coxa


NUTRIÇÃO

Além de saboroso, o chocolate reúne benefícios à saúde do organismo

RECHEADO DE

ATRATIVOS Sua matéria-prima é o cacau e ele ganhou dos maias e astecas o título de “alimento dos deuses”. Para sua confecção é necessário que as amêndoas de cacau sejam fermentadas, secas, torradas e moídas. Sua pasta, formada aproximadamente por 50% da manteiga de cacau e 50% de sólidos de cacau, é considerada “coringa” ao enriquecer as receitas do universo gastronômico. Divino ou não, é certo que o chocolate reúne aficionados mundo afora. De acordo com a nutricionista Pérola Ribaldo, o chocolate (especialmente aquele mais rico em cacau) pode, além de saboroso, ser um aliado importante

EMAGRECER COM CHOCOLATE É POSSÍVEL?

Sim, garante a nutricionista. “O chocolate, especialmente as variações mais ricas em cacau, contém substâncias antioxidantes. Entre elas estão as que são capazes de estimular a ação da adrenalina (um dos hormônios que aumentam o gasto calórico espontâneo) e, ainda, a inibição da noradrenalina, hormônio que corta o efeito da adrenalina. Desta forma, o chocolate promove maior gasto calórico e permite uma longa duração desse processo, de maneira que fiquemos mais tempo gastando mais calorias”, explica. Porém, para esta finalidade, ela sugere o consumo diário de cerca de 30g de chocolate amargo, o mais concentrado possível em cacau.


NUTRIÇÃO consumidor está ficando cada vez mais exigente. Ela entende o “chocólatra” como um apaixonado por chocolate, porém, com critérios e exigências. Em sua opinião, é muito importante que as ofertas apresentem um alimento de qualidade para que estes apaixonados se sintam conquistados. Embora muitos acreditem que as mulheres são mais “derretidas” pelo doce, Maitê não enxerga uma maioria acentuada em chocólatras femininas em relação aos homens. “Acredito que a preferência é equilibrada, talvez os homens admitam menos a paixão, mas basta colocar uma barra de chocolate perto deles para que essa ‘resistência’ seja desmistificada”, comenta. Maitê alerta que o consumidor deve ficar atento à embalagem no momento da compra.

“O chocolate de qualidade utiliza manteiga de cacau, entretanto, existem algumas opções que fazem a substituição por gorduras como a hidrogenada, fracionada ou transformada. O correto é checar os rótulos e também verificar, na tabela nutricional, a quantidade de gordura ‘trans’ por porção, pois chocolates feitos somente com manteiga de cacau têm o valor zero”, reforça. Outra curiosidade envolve a questão do preparo e o fato de o alimento manter ou não suas qualidades. Maitê esclarece que, quando usamos o chocolate como ingrediente em alguma receita, a porcentagem de cacau diminui e fica mais difícil a manutenção do teor de flavonoides, compostos naturais com

TIPOS

Fonte: Pérola Ribaldo, nutricionista.

da saúde. “Pesquisas já indicaram que ele promove a dilatação dos vasos sanguíneos de forma a reduzir o risco de hipertensão arterial, ataques cardíacos e picos de pressão aos hipertensos. Além disso, é um protetor cardiovascular, uma vez que ajuda a reduzir os níveis sanguíneos de colesterol ruim e impede a obstrução das artérias.” A nutricionista explica que devido à grande quantidade de potentes antioxidantes, o chocolate também é associado à redução do risco de desenvolvimento de alguns tipos de câncer, prevenção de envelhecimento precoce e redução do declínio cognitivo associado à idade. A especialista em chocolate Maitê Lang reconhece que o paladar do

ação antioxidante. Em temperaturas elevadas, como na confecção de um bolo, por exemplo, os flavonoides podem ser destruídos. Para quem quer unir prazer a benefícios, a especialista indica o preparo de fondue amargo com chocolate 60% cacau, pois mantém os flavonoides. “Uma boa dica é combinar com as frutas da época para a sobremesa ficar ainda mais saudável e saborosa”, recomenda.

Conheça as características dos principais tipos de chocolate •N ormal: também chamado de chocolate ao leite, tem entre 30 e 40% de massa de cacau, leite em pó e uma quantidade considerável de açúcar. É um alimento rico em energia, especialmente de distribuição rápida no organismo. Tem sabor mais adocicado, além de uma consistência mais macia. • Amargo: esse tipo de chocolate é concentrado no extrato das sementes do cacau, é pobre em açúcar e possui pequena quantidade de gorduras (manteiga do cacau). Considerando que boa parte dos benefícios do chocolate é resultado dos princípios ativos das sementes e que o chocolate amargo tem até 90% de cacau, podemos dizer que essa variação do chocolate é a mais benéfica para a saúde. • Diet: consiste em um produto similar ao chocolate ao leite, porém, contém adoçantes em substituição ao açúcar, sendo indicado para pessoas diabéticas. • Branco: não contém sementes de cacau, sendo resultado da união de manteiga de cacau, leite em pó e açúcar. A grande quantidade de gorduras confere a esse tipo de “chocolate” a consistência mais cremosa.




RECEITAS

PADARIA Confira quatro versões especiais do alimento que torna o café da manhã e o lanche da tarde mais saborosos.

CASEIRA

PÃO de

COCO

Ingredientes: Massa • 1000g de farinha de trigo branca • 600ml de água • 100g de banha • 30g de açúcar • 15g de sal • 45g de fermento fresco • 2 gemas • 10g de melhorador • Óleo para untar

Pãezinhos de

POLVILHO

Ingredientes: • 1 xícara (chá) de amido de milho • 2 xícaras (chá) de polvilho azedo • 1 colher (chá) de fermento em pó • 1 sachê de HONDASHI® • 1 colher (chá) de sal • meia xícara (chá) de água • meia xícara (chá) de leite • meia xícara (chá) de óleo • 1 ovo • 1 lata de atum, escorrido

Preparo: Junte todos os secos e misture bem, adicione a banha e faça uma farofa. Dissolva o fermento na água e junte as gemas sem pele. Bata bem. Junte o líquido à farofa, sove até o ponto véu e deixe dobrar de volume. Separe a massa em duas partes e faça o seguinte procedimento em cada uma: abra com o rolo, espalhe o recheio e enrole como um rocambole. Dessa forma, o recheio ficará entrelaçado e vai assar junto com a massa. Asse em forno preaquecido a 200ºC e vaporizado.

Fonte: Cozinha Experimental da Ajinomoto do Brasil

Fonte: Chef Ana D’Andrea

Recheio Una coco ralado e leite condensado com nozes ou ainda maçã picada com açúcar e canela

Preparo: Em uma tigela grande, coloque o amido de milho, o polvilho, o fermento, o HONDASHI® e o sal, e misture bem. Em uma panela média, coloque a água, o leite, o óleo e leve ao fogo alto para aquecer. Ao abrir fervura, retire do fogo, junte à mistura de polvilho e, com o auxílio de uma colher de pau, mexa vigorosamente. Adicione o ovo

e o atum, e sove até obter uma massa homogênea e consistente. Molde 30 esferas de 3cm de diâmetro e disponha-as em uma assadeira grande. Leve ao forno médio (180 ºC), preaquecido, por 30 minutos ou até dourarem. Retire do forno e sirva em seguida. Dica: nesta preparação, o polvilho azedo não pode ser substituído pelo polvilho doce, pois o resultado obtido não é o mesmo. Caso prefira, substitua o atum por uma lata de sardinha limpa e escorrida.


RECEITAS

PÃO de

LARANJA e COENTRO Ingredientes: • 1000g de farinha de trigo branca • 600ml de água • 80g de banha • 30g de açúcar • 15g de sal • 45g de fermento fresco • 2 gemas • 1 00g de casca de laranja cristalizada picada • 50g de semente de coentro • 10g de melhorador Óleo para untar

IOGURTE NATURAL

Fonte: Açúcar União

Ingredientes: • 3 tabletes de fermento biológico fresco (45g) • 1 xícara (chá) de açúcar UNIÃO (160g) • 1 xícara (chá) de leite morno (200ml) • 3 ovos (cerca de 180g) • 1 colher (chá) de essência de baunilha (5ml) • 1 colher (sopa) de manteiga sem sal (20g) • 3 colheres (sopa) de gordura vegetal hidrogenada (105g) • 1 pote de iogurte natural (200g) • 1 colher (chá) de sal (5g) • 8 xícaras (chá) de farinha de trigo (880g) • 1 ovo batido, para pincelar (cerca de 60g) Preparo: Na tigela da batedeira, dissolva o açúcar com o fermento. Junte o leite, os

ovos, a baunilha, a manteiga, a gordura vegetal hidrogenada, o iogurte e o sal. Bata até obter uma mistura homogênea. Acrescente, aos poucos, a farinha de trigo. Retire da batedeira, coloque a massa sobre a pedra e sove-a. Reserve a massa na tigela da batedeira, dentro de um saco plástico, até dobrar o volume. Divida a massa em duas partes e faça dois pães a seu gosto (redondos como broa, compridos como baguete ou pãezinhos individuais). Disponha os pães em assadeira untada e enfarinhada, deixando uma distância de 4cm entre eles. Pincele com o ovo e deixe crescer até dobrarem o volume. Asse no forno preaquecido, a 180ºC.

Fonte: Chef Ana D’Andrea

PÃO COM

Preparo: Junte todos os secos e misture bem. Adicione a banha e faça uma farofa. Dissolva o fermento na água e junte as gemas sem pele e bata bem. Junte o líquido à farofa, sove até o ponto véu e deixe dobrar de volume. Molde os pães, coloque em uma assadeira untada e deixe descansar. Faça pequenos cortes em cima do pão. Asse em forno preaquecido a 200ºC e vaporizado.


MÚSICA NA INFÂNCIA

TOCANDO

A VIDA!

Maestro Marcelo Afonso mantém grupo sinfônico com crianças de baixa renda Maxuel Abner de Souza Clemente, 10, integra o naipe de percussionistas do projeto “Criança na Banda”. Devido às experiências adquiridas no grupo, ele pretende ser músico profissional. “Eu quero tocar pelo resto da minha vida”, garantiu. “Meu irmão e minha irmã participam do projeto e eu desejei entrar. Como não tinha vaga para trompete ou clarinete, me inscrevi para a percussão.” Clemente, apesar da pouca idade, já integra o grupo que desenvolve repertórios para serem apresentados em concertos gratuitos dentro e fora do município. Envolvido intensamente com a música, ele não esquece da partitura, mesmo na escola. “Quando eu acabo de fazer a lição, fico batucando com o lápis na mesa.” A Banda Infantojuvenil da Associação Cultural “Pró-Arte” de Tatuí é um grupo desenvolvido pelo maestro Afonso por meio do projeto “Criança na Banda”. O objetivo, segundo o coordenador, é “contribuir com a qualidade do ensino, descobrir novos talentos e resgatar o respeito e o civismo”. O projeto atende a crianças carentes, apoiado pela lei de incentivos fiscais ProAC (Programa de Ação Cultural), do Estado de São Paulo. O “Criança na Banda” oferece aos integrantes instrumentos para os ensaios e concertos.

O grupo do maestro Afonso proporciona a Clemente e a outras 110 crianças a oportunidade de compartilharem conhecimento musical com instrumentistas mais experientes. O objetivo é fazer com que os mais velhos atuem como monitores, auxiliando os mais novos. Talita Oliveira Camargo, 21, inicia a carreira como trombonista no Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos”, de Tatuí. Ela é uma das monitoras do projeto. “Quando tinha 15 anos, soube que o Marcelo (Afonso) tinha um projeto de banda. Como eu não tinha idade para integrar um grupo do Conservatório,

O maestro Marcelo Afonso


MÚSICA

Fotos: Kazuo Watanabe / Conse rvatório de Tatuí

comecei a tocar aqui”, lembrou. A trombonista contou que as crianças do projeto têm a oportunidade de, com pouca idade, possuírem experiências importantes, caso sigam a carreira musical. “A prática de conjunto adquirida com a banda é muito boa, porque nós evoluímos bastante, tecnicamente, devido às apresentações e ao costume com o público”. O “Criança na Banda” teve início há quatro anos. O primeiro passo para a formação do grupo, de acordo com Afonso, foi dado na criação de uma turma com 60 crianças, na Escola Estadual “Lienette Avalone Ribeiro”, no bairro Parque Santa Maria. Os alunos tinham aula de flauta doce. Após o maestro ter resposta positiva da Secretaria de Estado da Cultura de que o “Criança na Banda” fora aprovado no ProAC, ele conseguiu ultrapassar outra barreira. “Demos o pontapé inicial com a empresa que gerencia a energia elétrica da cidade. Logo, começamos a trabalhar com o projeto atendendo a 80 crianças”. Após estarem sediados na escola “Lienette”, o “Criança na Banda” já teve como casa o Rotary Club e a Escola Municipal “João Florêncio.” Atualmente, o maestro Afonso ensaia com as crianças na Escola Municipal “Teresinha Vieira de Camargo”, no Jardim Manoel de Abreu.

Maxuel ensaia com grupo que apresenta repertório

Hoje, o “Criança na Banda” é gerenciado pela Associação Cultural “Pró-Arte”. “Nós pretendemos expandir o projeto de música na comunidade. Temos a banda ‘A’, com crianças de 7 a 8 anos, a ‘B’, de 9 a 12 anos, e a ‘C’, que possui integrantes com mais de 12 anos”, informou Afonso. Segundo o maestro, a maioria das crianças mora em bairros carentes e estuda na rede pública de ensino. “É uma satisfação dar um caminho para eles, mesmo que não venham a ser instrumentistas e músicos profissionais.” O maestro informou que a “Pró-Arte” ganhou terreno da Prefeitura para abrigar a sede do “Criança na Banda”. “Estamos aguardando o trâmite da documentação. A ideia é ter o nosso chão para acolher a cidade e levar a arte e cultura para todos os bairros.” Segundo o maestro Afonso, o “Criança na Banda” utiliza método avançado de ensino, doado por uma escola da cidade de Ohio, nos Estados Unidos. O método compreende aulas teóricas junto com a prática de música de conjunto. “Isso facilita e possibilita que, em três meses, a criança toque aqui na banda”,

relatou Afonso. “O mestre de banda Luis Coelho mostrou nosso vídeo na internet para a comunidade da escola americana, que fez a doação de dois volumes do método coletivo de sopros.” Afonso é clarinetista. Começou a estudar música seriamente em 1990, quando entrou para o Conservatório. Passou de estudante a músico profissional. Atualmente, clarinetista na Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí. O maestro, inclusive, tem entre seus colegas profissionais ex-estudantes do “Criança na Banda”. “Não tem dinheiro que pague ver essas crianças que chegaram aqui, sem nem saberem pegar no instrumento, alcançando grandes metas. Muitos já estão dando bons resultados.” Além de orientar musicalmente as crianças, Afonso explica que a participação delas no projeto ajuda numa série de fatores, como educação, concentração em sala de aula e outros. “Os alunos, quando entram aqui, começam a falar melhor, começam a ler melhor, começam a prestar atenção, e desenvolvem muito bem o raciocínio, além do civismo. Uma criança com um instrumento faz com que o Estado deixe de construir penitenciárias”, argumentou o maestro. O projeto, conforme Afonso, ajuda os integrantes, principalmente os carentes, a tomarem caminhos “mais corretos” na vida. “Precisamos encaminhar, mostrar e incentivá-los. Às vezes, a criança tem um talento adormecido e não sabe. Mas, se ela quiser ser médica, por exemplo, a música poderá ajudá-la a ir para frente.”


CASA

UM PERFUME PARA CADA AMBIENTE Um cheiro agradável é capaz de tornar os momentos vividos no espaço doméstico ainda melhores É sabido que o cheiro característico de um ambiente serve para estimular a sensação que nossa memória armazena. Por exemplo, uma tarde no campo, além da brisa e da grama, reserva também um cheiro de mato e de determinadas flores. Há também quem diga que a casa da avó cheira bolo de fubá e café feito na hora. Inúmeros são

os aromas e lembranças naturais de cada lugar, e a indústria tem trabalhado no desenvolvimento de produtos para permitir sensações que os caracterizem ainda mais. A aromista Janice Zanatta enfatiza a importância de se perfumar os ambientes. Segundo ela, entrar em um espaço aromatizado é deixar-se envolver pelo

mesmo. “Além do bem-estar mental e emocional, obtém-se também a satisfação gerada pelo prazer de sentir um perfume agradável”, comenta.

Óleos e essências De acordo com Geysa Belém, engenheira química especializada em cosméticos orgânicos, naturais e aro-


CASA

AROMAS E

COMUNICAÇÃO O marketing olfativo, área oriunda da aromacologia – ciência que estuda o efeito dos aromas sobre a mente humana – firma-se a cada dia como uma valiosa ferramenta de comunicação e vendas, por meio de estímulos sensoriais. Para a empresária Rosangela Aparecida, borrifar uma fórmula de óleo essencial de hortelã em sua loja de roupas é um hábito. Ela conta que o cheiro agrada às clientes e ainda faz com que elas se lembrem da loja quando vestem as peças. “Desde que comecei a associar a loja a um determinado cheiro, minhas clientes passaram a comentar. Elas dizem ‘adoro quando sinto o cheirinho da loja nas roupas’. Imediatamente notei que se tratava de uma ação eficaz.”

“O óleo essencial é totalmente natural e traz os benefícios da planta que podem ser usados no ambiente para equilibrar, restaurar, relaxar e purificar” Dicas Confira dicas da aromaterapeuta Geysa Belém para perfumar e promover melhorias nos ambientes de sua casa! • Quarto do casal: o ideal é o óleo essencial de ylang ylang, afrodisíaco natural. Ele ajuda no combate à frigidez, impotência e insegurança. Restaura o desejo de amar, dissolve as desilusões, decepções, inseguranças e sentimentos bloqueados. • Quarto das crianças: utilize óleo essencial de lavanda para acalmá-las e promover um sono tranquilo. • S apateiras: os óleos essenciais de melaleuca e limão atuam na limpeza e purificação, além de funcionarem como um antisséptico natural. • S ala de TV: aposte no óleo essencial de lavanda ou bergamota, que trazem paz e alegria. • S ala de jantar e cozinha: óleos essenciais cítricos como limão, bergamota e petit grain ajudam a dar frescor e proporcionam cheiro agradável na cozinha, além de estimularem o apetite. • Varanda: o óleo essencial de gerânio traz equilíbrio e renovação para o ambiente. • Escritório: para a produtividade, nada melhor do que o óleo essencial de menta, ele ajuda a clarear as ideias e traz concentração. • Casa de fumantes: utilizar o óleo essencial de hortelã ameniza o cheiro do cigarro, refrescando e neutralizando o ambiente.

RECEITA DE AROMATIZADOR

RELAXANTE DE AMBIENTES • 5 gotas de óleo essencial de lemongrass • 1 0 gotas de óleo essencial de lavanda • 1 0 gotas de óleo essencial de laranja • 5 gotas de óleo essencial de petit grain • 4 0 ml de álcool • 10 ml de água Preparo: dissolva os óleo essenciais no álcool e depois acrescente a água. Agite e coloque em um frasco spray. Esse spray pode ser usado para borrifar nos quartos, antes de dormir, e também no travesseiro para manter um sono tranquilo.

Fonte: Arte dos Aromas

materapia, existe uma diferença entre essência e óleo essencial. “A essência é sintética e tem exclusivamente a função de dar cheiro, ou seja, não traz benefício para quem a utiliza, além do aroma. O óleo essencial é totalmente natural e traz benefícios da planta que podem ser usados no ambiente para equilibrar, restaurar, relaxar, purificar, etc.” Os óleos essenciais têm sido usados por diferentes culturas ao longo de milhares de anos. São famosos por carregar a força da natureza transformada em cheiro. Seus meios para restaurar o equilíbrio do corpo e do espírito estão fundamentados no poder das plantas. Para cada ambiente precisamos utilizar o óleo essencial que se ajusta melhor. Por exemplo, a lavanda traz tranquilidade aos relacionamentos, o limão ajuda a conservar a saúde e a hortelã acalma.




DECORAÇÃO

BELEZA

1

ALÉM DA MESA Além de funcionais, belos utensílios podem dar destaque aos ambientes. Decorar com taças e copos é uma ótima ideia para tornar a casa mais bonita e alegre. Existem inúmeras opções. As peças vão das rústicas às sofisticadas. O clássico também dá espaço ao moderno, com objetos para fazer a cabeça – e a casa – dos descolados. Confira!

13

2 3

4

5 12 9 10

6 8 7

11

1. Copos Occa Coloridos (kit com 6 peças), da Oppa. Preço sob consulta, www.oppa.com.br 2. Taça de estanho para vinho. Da Secrets de Famille, por R$ 160, www.secretsdefamille.com.br 3. Copo de vodka Marly OR, de cristal (conjunto com 6 peças). Da Christofle, por R$ 5.800 4. Taça Champagne de vidro, da Mobly. Por R$ 17,90, www.mobly.com.br 5. Taça Bico de Jaca, da Mobly. Por R$15,90 6. Taça verde Roemer Kawali. Da Christofle, por R$ 650 7. Copo baixo de cristal verde Kawali. Da Christofle, por R$ 580 8. Drops Copo Long Drink em diversas cores, da Tok&Stok. Preço sob consulta, www.tokstok.com.br 9. Copos Mulher Maravilha, da Regali Per La Casa. Preço sob consulta, www.regaliperlacasa.com.br 10. Taça especial Champagne, da Mobly. Por R$ 129,90 11. Expert taça conhaque, da Tok&Stok. Preço sob consulta 12. Taça, da Mobly (conj. de 6 peças). Por R$ 149,90 13. Kit HQ, da Regali Per La Casa. Preço sob consulta



ARQUITETURA

CANTINHO

VERSÁTIL

Projeto: Faten Kamel Soueid

Criatividade transforma espaços sob as escadas em ambientes charmosos Dizer que passar embaixo da escada traz maus fluídos está ultrapassado. A tendência agora é valorizar este espaço. Um pedacinho que por muito tempo passou despercebido e até mesmo repelia o trânsito de pessoas agora está entre os queridinhos da casa. O arquiteto Ricardo Campos explica que não importa o tamanho, o espaço sob a escada sempre pode ser bem aproveitado.

“Gosto da ideia de montar um jardim interno, além de sofisticado fica alegre e harmonioso”, comenta. Para quem gostou da dica, vale ressaltar que observar a circulação do ar é fundamental para a escolha das plantas. Campos aconselha que a opção feita pelo proprietário deve priorizar o bem-estar de todos os envolvidos. “Quem entra no ambiente precisa sentir-se bem recepcionado.”

O charme e a criatividade ao usar o espaço da escada também são defendidos pela arquiteta Faten Kamel Soueid. Formada em arquitetura e urbanismo pela Universidade Paulista e especialista em design de interiores pela FAAP (Fundação Armando Alvares Penteado), Faten acredita que esse pedacinho não deve, nunca, ser desperdiçado. “O contemporâneo pede novas ideias, novos


ARQUITETURA hábitos, principalmente na arquitetura e design. Os espaços hoje são menores, assim como as moradias. Portanto, todo espaço dever ser trabalhado com bom gosto e sabedoria”, ressalta. A arquiteta aponta que o pedaço “esquecido” embaixo da escada pode ser a chave do projeto. “Sempre que a criatividade falar mais alto, o objetivo será atingido. Atitudes que fogem do comum são capazes de surpreender.” Ela aproveita para lembrar também da importância de se agregar valor ao hall. Outro passo importante, indicado por ela, é promover a identificação do espaço com o estilo de vida dos moradores. “Elaborar com cuidado, para

Projeto arquitetônico - Carla Bachman Fischer Decoração - Eliana Franco

Projeto - Selma Tammaro

que os elementos e temas escolhidos façam sentido com o restante da casa e a personalidade de quem vai conviver ali, é fundamental.”

Dicas dos especialistas para compor este espaço coringa:

• Lavabo: um lavabo pode ser uma ótima opção para quem precisa ganhar alguns metros no projeto. • Biblioteca: que tal aproveitar para expor os livros? Prateleiras embaixo da escada podem ser usadas para decorar. • Pet: você quer o pet dento de casa, mas não arrumou nenhum local onde ele possa ficar sem prejudicar a decoração? A casa do animalzinho embaixo da escada pode agregar charme ao ambiente e trazer conforto. • Adega ou bar: esta estratégia pode servir para revelar, por meio da decoração, a preferência dos moradores por vinhos e outras bebidas. • Lareira: uma dica que aquece e decora ao mesmo tempo. • Miniescritório: quando o uso do computador é coletivo, esta é a melhor opção. Fica charmoso e eficiente. • Jardim: utilizar cachepôs, vasos, pedras, plantas e flores facilita o contato com a natureza, principalmente em apartamentos e casas pequenas que sofrem com a carência de jardins.




TURISMO NACIONAL

MANAUS

A cidade histórica e portuária, capital do estado do Amazonas, é internacionalmente conhecida por seu potencial turístico, sendo o décimo município com maior destino de turistas no Brasil. A localização privilegiada, no centro da maior floresta tropical do mundo, transmite uma atmosfera única. O encontro dos rios Negro e Solimões, por exemplo, fazem de Manaus um lugar de contemplações exclusivas e inesquecíveis. A zona urbana também reserva muitas atrações como o Museu do Índio, o Teatro Amazonas, o Centro Cultural dos Povos da Amazônia, entre outros pontos históricos e majestosos. Para quem busca aventura, também é possível aproveitar a diversidade da floresta em pacotes de “hotel selva”, que permitem uma aproximação mais íntima e intensa com a natureza. A hotelaria da capital conta com estrutura especializada para atender a demanda local. Outra qualidade do roteiro é a gastronomia exótica que, além dos peixes, ainda conta com diversos sabores de frutas típicas como o guaraná e o açaí. O coração da Amazônia, como também é conhecida, é ideal para quem busca se surpreender.

SÃO LUÍS Um município repleto de particularidades, São Luís é a única cidade brasileira fundada por franceses. A capital do Maranhão, e também do reggae, reúne atributos capazes de apaixonar qualquer visitante. Imagine uma ilha banhada por mar e rio – assim é a Ilha de São Luís. Praias como São Marcos, Olho d’Água e Calhau seduzem surfistas e visitantes pela beleza de suas ondas, dunas e vegetação. A união de duas floras, a amazônica e a nordestina, garante a diversidade de plantas, em sua maior parte, litorâneas. Quem busca explorar esta beleza deve visitar o Parque Botânico de São Luís que, além da vegetação, ainda conta com a presença de animais.

A cidade, que leva o status de inspiração jamaicana, é claro, conta com noites embaladas pelo reggae, sua principal raiz musical. A capital também é muito visitada na época das lagoas cheias, pois muitas agências disponibilizam passeios de bate e volta de São Luís para Barreirinhas, entrada para o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. Outro período atrativo é a época da festa do bum-

ba meu boi, entre junho e julho. Desde 1997, São Luís é Patrimônio Cultural da Humanidade, de acordo com a Unesco (Organização das Nações Unidas para a educação, a ciência e a cultura). O Centro Histórico local é tido como “testemunho excepcional de tradição cultural”. Um destino para quem busca belas paisagens e muita diversão.


TURISMO INTERNACIONAL

SYDNEY A Austrália é o paraíso dos turistas, mas Sydney – em especial – é dona de uma cartela farta de atrações. A capital do estado de New South Wales é considerada uma das mais exuberantes fotografias do mundo. Seu arsenal de atrações inclui belas praias, arquitetura moderna, obras históricas, parques e shoppings imensos. Um convite à satisfação.

A visita deve ser composta por destinos tradicionais como a Opera House, cartão-postal da cidade, o Museu de Arte Contemporânea, os parques do Jardim Botânico e Domains, além do shopping Queen Victoria Bulding, em Town Hall. Outro passeio que não pode faltar é o Taronga Zoo, afinal, não dá para ir embora da Austrália sem ver de perto um canguru, não é mesmo? As praias locais também apaixonam,

com destaque para as areias de Bondi Beach, a mais famosa da capital. Sydney é uma cidade de muitos cenários, capaz de agradar a diversos estilos de visitantes. Para quem a visita em grupo de amigos ou em família, uma coisa é certa: todos voltarão fascinados, pois dois adjetivos traduzem o destino: beleza e diversidade.

ATACAMA O destino mais árido do mundo, localizado no Atacama, no norte do Chile, é passagem obrigatória de aventureiros ousados e curiosos. Conhecer a imensa área desértica, que destoa das águas frias do Pacífico e da exuberante cordilheira dos Andes, é um desejo de muitos turistas. A visita é possível graças ao povoado São Pedro de Atacama, que acolhe os visitantes que passam pelo local. O vilarejo, considerado a capital arqueo-

lógica chilena, permite muitos passeios exóticos. Vale ressaltar que carregar muita água e não sair sem um guia são dois cuidados indispensáveis. O passeio no deserto, além de não apresentar placas de indicação, ainda pede que haja muita disposição e energia. Dentre as atrações, recebe destaque o “salar” do Atacama, que ocorre quando o sol passa pelos vulcões, permitindo uma fotografia marcante composta por uma

lagoa salgada e diferentes tonalidades em contraste. O Parque Nacional dos Flamingos, conhecido como Soncor, surpreende quem passa por sua tímida entrada com pedras de sal e se depara com uma extensa área de beleza única, além da graça das aves rosadas. Os gêiseres, águas quentes de origem vulcânica, também fazem parte da tradição do Atacama, um lugar de paisagens imponentes onde a aventura é garantida.


Foto: Patrícia Milão

LITERATURA

RAQUEL PRESTES É autora de livros infantis, com três títulos lançados: “O Menino Passou por Aqui” , “Vamos Jogar?” e “A Ovelha Raquel”.

ESCRITORA

POR CONSEQUÊNCIA Raquel Prestes começou criando histórias para o filho, mas ele cresceu e ela continua escrevendo Uma mãe que, ao ler histórias para o filho antes de dormir acaba sendo desafiada pelo menino a inventar aventuras. Assim nasceu, há 12 anos, o trabalho de escrita da professora Raquel Prestes. João Vitor – responsável por despertar a veia artística de Raquel – tinha cinco anos quando começou a pedir que a mãe criasse novas histórias. “Ele dizia: ‘Inventa uma história’. E eu falava: ‘Como eu vou inventar uma história?’ Então, comecei a experimentar, a contar para ele”, relata. A carreira como autora não era planejada. Ela define como “algo que fluiu, foi se concretizando”. A vontade veio durante a “contação” para o filho em uma noite, quando Raquel percebeu que aquilo

“daria uma história bonita”. Assim, dia após dia, ela refletia, contava de novo, melhorava a mesma história, fazia o registro das ideias e a ilustração do que viria a ser seu primeiro livro, “O Menino Passou Por Aqui” (2007). Atualmente, são três livros publicados, 18 histórias escritas e a tentativa da quarta publicação. “Estou na luta de publicar, e acredito que, em breve, vamos ter novidade para Tatuí”, prevê. A obra “As Mães Nunca São Iguais” aborda a diversidade das mulheres, tanto físicas quanto de personalidade. A escolha da história é fruto de uma “visão de mercado” que Raquel adquiriu no percurso da publicação de seus três livros.

“O mercado editorial pede livros que abordem alguns assuntos que tenham público para ser vendido. Hoje, falamos muito de diversidade cultural. Se eu enviar algo nesta linha, do que a editora tem carência. Então, eu vou conseguir publicar”, explica. Porém, até atingir esta visão sobre o próprio trabalho e sobre o público a quem se destina, Raquel recebeu muitos “nãos”. Em 2004, começou a enviar para editoras, como proposta, a história “O Menino Passou Por Aqui”. Durante dois anos, as respostas que obteve sempre estavam dentro do campo “negado”, “não é momento”, “não é o que estamos procurando”. Frente a tantas negativas, a saída foi


LITERATURA participar de um concurso da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, em 2006, no qual seu livro foi premiado como texto poético, ganhando a impressão de mil exemplares, por meio do então PAC (Programa de Ação Cultural), em edição registrada no ano de 2007 pela editora Petra. “Tinha a intenção de publicar só um livro, e batalhei para isso. Hoje, tenho três, querendo o quarto. Eu precisava de apenas um sim na minha vida”, enfatiza sobre o prêmio. “O Menino Passou Por Aqui” é a história de um garoto que explora o mundo ao redor, percorre, conhece espaços, brinca, e, ao final, encontra os pais, em alusão ao apoio e à segurança que estes representam para os filhos. A conquista do prêmio é um marco na vida da autora. “Foi tão maravilhosa que, para mim, por mais que eu possa vir a publicar outros livros, o primeiro é inesquecível”, afirma. Dos três livros, o primeiro é o único que tem autoria e ilustração de Raquel, as outras duas histórias, “Vamos Jogar?” (2008) e “A Ovelha Raquel” (2009), ganharam vida pela arte do ilustrador Jefferson Galdino, pela editora Nova América. O tema abordado em “Vamos Jogar?” é a inclusão. Um polvo, a todo momento, faz o convite para jogar bola com o personagem que se apresenta. Porém, percebendo alguma dificuldade por parte do amigo – como o peixe-espada, que pode furar a bola, ou a baleia, engoli-la –, o polvo encontra um meio criativo de viabilizar a brincadeira. Em “A Ovelha Raquel”, a personagem principal quer se modificar fisicamente o tempo todo. Dentro da história, um tatu cabeleireiro ajuda-a em suas ideias de mudança. Porém, a protagonista percebe que é muito trabalhoso e desgastante as mudanças e volta à sua forma natural. O enredo aborda a autoestima. A personagem ser uma ovelha e ter o nome da autora tem motivo. “Raquel significa ovelha, foi por isso”, conta. O processo de publicação para as duas histórias começou com o envio da proposta à editora. Quando aprovado, o roteiro seguiu ao ilustrador, a pedido da editora. Quando terminada a arte, o ilustrador enviou para

a solicitação de possíveis modificações, ou aprovação da autora. Já a criação das histórias atualmente, já com o filho adolescente, tem inspiração no dia a dia e nas características das crianças da própria família e com as quais Raquel convive. A autora é supervisora do ensino infantil municipal de Tatuí. Quando surge uma ideia, ela logo registra. E pode ser a qualquer momento ou lugar. Muitas vezes, o tema vem primeiro, ou até mesmo o desenho. Raquel faz a ilustração da capa de todas as suas histórias, mesmo que, depois, venha a ser ilustrada por outro profissional. “Eu tenho hábito de sempre estar com o papel. Às vezes, faço um desenho e vejo que pode se tornar uma história, ou, no dia a dia, vem uma ideia. Eu paro o que estou fazendo e marco”, relata. Ao ter a ideia registrada em papel, ela a guarda. “Eu tenho um lugar em casa, onde guardo as folhas. Retomo as ideias quando estão mais amadurecidas.” Os primeiros esboços vão desenvolvendo-se a cada encontro da autora. Após a estruturação da história – quem é a personagem, como vai percorrer, o que a história quer contar e o que de inusitado vai acontecer –, ela tem o “boneco”, a primeira versão enviada às editoras como proposta. A história “As Mães Nunca São Iguais” possui boneco completo, sendo que toda a ilustração já foi feita por Raquel. Porém,

quando aprovada pela editora, um segundo ilustrador pode ser solicitado. A vontade de ilustrar veio com a criação das próprias histórias. Segundo a autora, desde criança ela gosta de desenhar. Porém, em determinada época, parou. “Desenhava na infância, na adolescência. Depois, comecei a entrar no mercado de trabalho, a vida foi correndo, o tempo se esgotou. Porém, quando comecei a escrever as histórias, senti a necessidade de deixá-las mais concretas. Não só nas palavras, mas também nas imagens. Algo assim, como que pronto”, relembra. O prazer em desenhar fez surgir a vontade de se aprofundar e se aprimorar em artes, procurando graduação na área – ela termina o curso no final deste ano. Formada em pedagogia e pós-graduada em ensino infantil, a faculdade de artes também é uma forma de buscar mais um de seus sonhos, que é trabalhar como ilustradora para uma editora, não só para suas próprias histórias, mas para as de outros autores. Na contínua busca de realizar os sonhos, Raquel já tem duas das três conquistas que, segundo a “sabedoria popular”, são clássicas sugestões para que a vida seja completa: teve um filho e escreveu livros. A última ela está por fazer. “Eu não plantei uma árvore ainda, vou plantar mais um pouquinho para a frente”, finaliza, brincando.


MOTOR Chevrolet - Spark, que deve chegar ao mercado global em 2015

Conheça as características dos modelos que a cada dia ganham mais espaço nas ruas Pode parecer um paradoxo, mas quanto maior a metrópole, menor o espaço para os veículos. Seja na hora de achar uma vaga de estacionamento ou enfrentar longos engarrafamentos, possuir um carro de médio porte pode ser um verdadeiro tormento, isso sem mencionar os proprietários dos mais espaçosos. Pensados como uma solução para um dos problemas recorrentes da vida contemporânea, os supercompactos prometem evitar essas dores de cabeça recorrentes para os motoristas. Depois do sucesso na Europa e em países da Ásia (onde a superpopulação chega a números alarmantes), estão disponíveis no Brasil, por meio de várias montadoras. Estes “pequenos notáveis” começam a chamar a atenção, primeiramente, pelo estilo arrojado e atraente. Além disso, quem está interessado em atitudes sustentáveis, deve pensar em aderir à nova moda. Por serem menores e mais leves, requerem menos esforço do motor, economizando combustível e emitindo

O PODER DOS

SUPER

menos poluentes. Esbanjando charme e mirando o público jovem, em especial as mulheres, os supercompactos transmitem a ideia de independência das novas gerações. Como alguns dispõem de apenas dois lugares, fica claro que esse tipo de veículo não foi feito para conquistar grandes famílias, mas pessoas na faixa dos 30 anos, que vivem na correria do cotidiano das metrópoles e sabem que o tempo economizado, conseguindo entrar em vagas que outros carros não conseguiriam ou driblando o conges-

tionamento em horários de pico, é extremamente valioso. Disponíveis em vários modelos, que vão do coupé ao conversível, sua beleza e exclusividade de design prometem mexer com o mercado automobilístico brasileiro. Em alguns países europeus, eles são febre. Na Itália, o modelo mais popular chega ao número de 30 mil unidades por ano.

Espaço interno Uma característica inesperada dos supercompactos é seu espaço interno. Mesmo


MOTOR pequenos para quem olha do lado de fora, na parte de dentro eles fazem bonito e oferecem conforto. Suas dimensões são suficientes para que as pernas do motorista não se apertem entre o banco e os pedais. Além disso, alguns oferecem opção de câmbio automático, o que deixa ao menos uma perna livre – a dedicada para a embreagem.

Desempenho Os supercompactos, no entanto, podem não agradar àqueles que buscam grandes desempenhos, mas isso não significa que os pequenos carros não consigam se dar bem em ultrapassagens, principalmente em percursos em linha reta. Os motores destes modelos variam entre 75

Volkswagen - Fusca

LEGISLAÇÃO NO JAPÃO A popularização dos supercompactos na Ásia é tanta que na terra do sol nascente a legislação precisou sofrer alterações em 2012. Os veículos eram divididos em duas categorias, mas a chegada das opções com apenas dois lugares e dimensões reduzidas fez o governo incluir uma terceira. Como, por lá, estes carros são feitos para uso nos grandes centros, com aceleração e velocidade limitadas devido à baixa potência do motor, ficou proibido seu tráfego em estradas. Com a criação da nova lei, os supercompactos dividem espaço com os tradicionais e os miniveículos, chamados de kei cars, que se diferenciam por atingirem maiores velocidades com a ajuda de compressores. Estes têm a compra incentivada por redução de impostos, o que alavancou a aquisição por parte dos japoneses. No país, o uso nas cidades é grande, mas nas áreas rurais chega a ser superior. Sem a mesma estrutura de transporte público dos grandes centros, cerca de 90% das residências nestas regiões possuem um miniveículo na garagem.

Fiat - 500e

COMPACTOS e 84cv de potência, mas se beneficiam do pouco peso e oferecem segurança, caso seja necessário ultrapassar outro

veículo. Como são feitos pensando, primeiramente, em trajetos urbanos, tornam-se ideais para enfrentar o trânsito, cada vez mais pesado, do dia a dia. Existem versões esportivas que chegam a velocidades mais altas e possuem potência de até 115cv.

Economia Atraentes no visual, eles ganham pontos também pela economia. Um dos modelos mais procurados no mercado promete uma autonomia de 24km por litro de combustível na Smart ForTwo

estrada. Na cidade, o número cai, mas continua convidativo: 15km/l. Em uma época tão preocupada com a preservação do meio ambiente, este pode ser um fator decisivo para uma maior popularização desses veículos. Além disso, algumas montadoras já investem em modelos elétricos. Com a aposta em um público ligado a assuntos como sustentabilidade, em breve, o grande atrativo pode ser mais do que o visual: o comportamento condizente de quem se preocupa com a qualidade de vida das metrópoles cada vez mais populosas.


ARTIGO

DEIXAI VIR A MIM AS

HENRIQUE AUTRAN DOURADO Diretor executivo do Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos”, de Tatuí

CRIANCINHAS!

Em linguagem plena de simbolismo, várias passagens do “Novo Testamento” repetem, de uma forma ou de outra, a mesma frase dita pelo Salvador: “Traziam-lhe até mesmo criancinhas para que as tocasse; vendo aquilo, os discípulos as repreendiam. Jesus, no entanto, chamou-as (as crianças) dizendo a todos: ‘Deixai virem a mim as criancinhas e não as impeçais, pois é delas o Reino de Deus. Em verdade vos digo, aquele que não conhecer o Reino de Deus como uma criancinha, não entrará nele’” (Lucas 18, 15-17). Textos semelhantes de outros evangelistas, Marcos 10, 13-16 e Mateus 19, 13-15 também relatam o episódio. A passagem estampa as palavras de Cristo e sua intenção de receber as crianças livremente, e os versículos citados podem ser interpretados como o desejo de Jesus de que as crianças viessem, com ele, a se encontrar com o Pai, Deus, que lhes era desconhecido. Os Evangelhos demonstram a imagem da pureza inocente das crianças, e dizem mais: que para merecer o reino de Deus cada um deve sentir-se como um dos pequenos. Já o Antigo Testamento traz uma visão diferente, em muitas passagens, como em Gênesis 19: “nenhuma criança salvou-se de Sodoma e Gomorra”, provavelmente significando que os pequenos foram contaminados pelo mal que soçobrava naquelas cidades sobre as quais a Bíblia judaica diz ter Deus despejado sua

ira, destruindo a tudo e todos com fogo e enxofre. No Salmo 58, 3, lemos que “os ímpios (impuros, incrédulos) se desviam desde o nascimento”. Entre os judeus de antes de Cristo, a visão sobre as crianças não é tão sublime quanto aquela contada pelos evangelistas: “Alienam-se os ímpios desde o nascimento; andam errados desde que nasceram falando mentiras”, diz o mesmo Salmo. A pureza da criança está presente já mesmo no nascimento do Filho de Deus, o Menino Jesus, aquela criança que traria medo ao Império como o Rei dos Judeus, o que na visão do governo da Judeia representaria uma liderança ameaçadora ao poder. E o Menino era criança, de criar, de cria mesmo – como entre os animais, tudo da mesma raiz, essa é a imagem que todos nós gostamos de ver e cultivar, tão ameaçadora para os poderosos, os tiranos e os inimigos do povo. O Pai é quem cria, é o Criador, dizem as escrituras. Verdade é que no fundo, no fundinho mesmo, ficamos apreensivos quando nossos filhos entram na puberdade rumo ao mundo adulto. Todo aquele frescor, aquela beleza, do sorriso de poucos dentes, as gracinhas, as birras, as pirraças, a baguncinha que nos fazem fingir de irritados. Só fingir. Tudo isso torna-se assunto para piadas sobre os nossos próprios filhos, que contamos com prazer para nossos amigos e amigas,

anedotas reais narradas com orgulho e um sorriso nos lábios – nos dias de hoje, são gracinhas divididas e multiplicadas até mesmo nas redes sociais. E não é que também fomos todos crianças, um dia, assim como o foram nossos pais, e o serão nossos netos? O ciclo da natureza diz que nascemos, crescemos, nos reproduzimos e... morremos. Porém, não é o caso de se evocar aqui nada triste, pois o mais triste mesmo acontece em vida, esse curto espaço de tempo entre o início e o fim do ciclo de cada um, vida cujo lado mais belo é vê-la reproduzir-se no nascimento e esplendor de mais uma criança, um a mais a colaborar em nossa missão de povoar este imenso mundo. Criado, criatura, tudo originado do latim, de onde também veio crisma – de “chrisma”–, que significa unção, a confirmação do batismo (no rito católico). Chico Buarque, com a fina veia poética de sempre, cantou em “Minha História” (versão da música e letra de “Jesù Bambino” dos italianos Lucio Dalla e Palotino): “quando enfim eu nasci minha mãe / enrolou-me num manto / me vestiu como se eu fosse assim / uma espécie de santo / (...) e não sei bem se por ironia ou se por amor / resolveu me chamar com o nome do Nosso Senhor”. O poeta mostra um menino mais mundano, atual, marginal até, mas que guarda em si a pureza infantil do Menino Jesus, pleno das qualidades que desde cedo lhe valeram o santo


ARTIGO apelido. Se o mundo que o personagem buarqueano encontrou é cheio de vícios, “ladrões e amantes, colegas de copo e de cruz”, por outro lado ele se sente ainda criança em meio à podridão das nações contaminadas pela injustiça social e desigualdades – como às que o Jesus real, pobre e vítima, foi condenado desde que nasceu, rebento do ventre de Maria. Em contraponto, finaliza o personagem da canção, todos de seu mundo hostil e sujo “me conhecem só pelo meu nome de Menino Jesus”: uma boa criança, um bom garoto. Mas o que é mesmo uma criança? Seria a fase entre o bebê e a puberdade, como querem alguns especialistas, ou seria algo mais flexível, um estado de espírito? Quem nunca ouviu falar de Baby Pignatari, Baby do Brasil, Baby Doc? Quem não chama seus filhos, às vezes já pais de seus netos, de crianças? Não consigo deixar de dizer “vou buscar as crianças” (o menor de meus quatro tem 16 anos). E quando meu filho Lucas – aliás, Baby Lucas, hoje morando em Seattle, EUA – se juntava com Baby Fernando, filho do flautista da Osesp José Ananias, e Baby Alexandre, filho do violoncelista Bob Suetholtz, e iam brincar no parquinho do Clube Paulistano enquanto o avô de Baby Alexandre, o ilustríssimo maestro Camargo Guarnieri, nos permitia absorver suas palavras inteligentíssimas sobre música, história e vida? Pois serão todos “babies” para sempre! Platão nos ensinou uma pérola: “Podemos perdoar uma criança que tem medo da escuridão, mas a tragédia reside nos homens que temem a luz”. A elas (crianças) nos é facultado perdoar, pois que é da natureza delas ver o mundo de forma sincrética (de visão global, generalizada, mista) e não como nós, que o vemos sob a impiedosa ótica analítica, armados diante do medo ao desconhecido, cegos à luz. Segundo o psicólogo e pensador suíço Jean Piaget, talvez por volta dos sete anos essa metamorfose tem início, com essa idade a criança igualmente inicia suas descobertas do mundo adulto, mundo que em breve

irá adentrar e desbravar, livre como um pássaro em seu primeiro voo, dono de si mas abandonando no ninho a casta pureza infantil. Esse “pé nas nuvens” da infância seduzia o gênio Albert Einstein (curiosamente, um judeu meio distante de sua crença, e também distante da criança que David vê em seu Salmo 58). Einstein achava que a verdade e a beleza são os fatores que nos permitiriam permanecer crianças, mesmo adultos, até o resto de nossas vidas. (Pois não foi ele mesmo um dos grandes exemplos de criança? A língua de fora, as excentricidades, os cabelos desgrenhados, as brincadeiras, as piadas e caretas...). O existencialista Jean-Paul Sartre, aquele que foi “para não deixar de ser”, dizia que foi uma criança, “daquelas que os adultos moldam de acordo com suas mágoas e frustrações”. Porém, esse azedume em forma de pensamento se explica pelas leituras que fazia com frequência dos textos da linha do pessimismo (Schoppenhauer), e da negação (niilismo, do latim “nihil”: nada), que contaminara até Nietzsche, filósofo alemão do séc. 19). Com outro espírito, Ernst Heminguay, sempre romântico e amante da liberdade, autor da obra-prima “O Velho e o Mar”, belíssima ficção sobre uma longa, inglória e solitária luta entre um pescador e seu peixe, jornada que era sua labuta, o alimento salvador. Heminguay achava que as crianças são o presente mais doce que a natureza dá para a humanidade (talvez tal qual os peixes, deve ter pensado ele, vivenciando em si seu pescador).

Sobre crianças e peixes também canta Milton Nascimento: “eu vejo esses peixes e vou de coração / eu vejo essas matas e vou de coração à natureza”. E segue, em seu “Milagre dos Peixes”: “telas falam colorindo de crianças coloridas...” Mas há o mal que espreita e ameaça essa meninada, há o mundo repressor que as envolve (a canção é dos tempos da ditadura): “eles não falam do mar e dos peixes / nem deixam ver a moça, a pura canção / nem ver nascer o sol... / eu apenas sou um a mais, um a mais / a falar dessa dor, a nossa dor”. Tornando-se criança, Milton se agacha entre os pequenos, protegendo-os, e se mostra apenas um a mais a falar dessa dor, o sofrimento de todos nós, mulheres e homens! Todos os dias são das crianças. Ao levantar, ao ir para a creche ou para a escola, na hora da pizza ou do sorvete, do game ou da bola de meia. Mas para que serviria então um dia dedicado a eles? Para lhes demonstrar toda a nossa atenção e pensamentos, nossos desejos e paixões, de vê-los crescer felizes e crianças por toda, toda a vida.


ALMANAQUE

A PRIMEIRA

TELENOVELA

CABELOS “Sua Vida Me Pertence”, de Walter Forster, foi a primeira novela brasileira. Ela foi ao ar em dezembro de 1952, na TV Tupi de São Paulo, com exibições duas vezes por semana, ao vivo, às 20 horas. A novela foi composta por 20 capítulos que tinham aproximadamente 15 minutos cada. Lima Duarte, Dionísio de Azevedo, Vida Alves e Lia de Aguiar foram alguns dos atores que participaram da produção.

BRANCOS Os cabelos embranquecem com o passar dos anos pois precisam da presença de melanina, hormônio produzido por células chamadas de melanócitos, para sua coloração. Com o tempo, a produção do hormônio reduz e isso faz com que as pessoas fiquem grisalhas. Como a eficiência deste processo depende também da genética, é natural que algumas pessoas tenham mais tendência aos fios brancos que outras.

DE QUE MORREU ANTÔNIO CONSELHEIRO? Após ter a cabeça exibida como troféu, surgiram informações de que Antônio Conselheiro, líder da Guerra de Canudos (confronto ocorrido entre 1896 e 1897, na Bahia) teria morrido por conta de ferimentos. Também houve afirmações de que ele teria se entregado para as tropas do governo. Mas alguns estudiosos defendem que Conselheiro morreu por uma forte desidratação após uma diarreia.

OLHOS VERMELHOS

NA FOTO A foto teria ficado perfeita se não fossem os olhos vermelhos. Felizmente, hoje é fácil reparar o problema com alguns aplicativos específicos de foto. Mas, o que poucos sabem é por que isso acontece. A vermelhidão aparece porque a região interior dos olhos é revestida por vasos sanguíneos. E, como o sangue é vermelho, em determinadas situações, o flash da máquina consegue penetrar o local e exibir a região avermelhada. É mais provável que o efeito aconteça em fotos tiradas em locais escuros, pois a pupila dilata e permite maior entrada de luz na retina.

XÔ, CÁRIE! Você sabia que a cárie é um mal transmissível? Por esse motivo, não é recomendado assoprar a comida do bebê ou compartilhar talheres e copos. Mesmo que os pais e outros adultos que convivem com a criança não tenham cáries, as gotículas de saliva podem carregar bactérias. Estas podem se instalar na boca da criança, causando o problema.


ALMANAQUE

PRODUTO

MULTIUSO Além de cuidar da maciez das roupas, o amaciante tem inúmeras funções interessantes. • Lustra-móveis: para que ele sirva como um eficiente lustra-móveis é simples, basta diluir 1 tampa do produto em 1 litro de água. Feito isso, use a mistura em um pano para lustrar e, em seguida, uma flanela seca. • Limpa-vidros: acabou de lustrar os móveis, que tal dar uma esticadinha e limpar os vidros? Misture 1 colher (sopa) de amaciante em 1/2 litro de álcool, coloque o líquido em um borrifador e pronto! Utilize um pano macio para passar a mistura no vidro e uma flanela seca para finalizar. • Cheirinho de limpeza: para que a faxina esteja completa, é preciso deixar o chão limpinho e cheiroso, tarefa que o amaciante também pode desempenhar. Em 1 litro de água ou álcool acrescente 1 tampa do produto e, com um pano, passe em azulejos, pisos, vaso sanitário, pia e balcão. O ambiente vai ficar com aspecto e cheiro de limpeza!

PASTA COLANTE

Uma receita simples vai fazer com que você se livre das moscas que ficam rondando a cozinha e a mesa quando está comendo. Vamos lá, misture 2 xícaras (chá) de leite, 1/2 xícara (chá) de açúcar e 3 colheres (sopa) de pimenta em uma panela pequena. Ferva por dez minutos e deposite o líquido em pratos pequenos e os espalhe pelo ambiente. O cheiro da mistura irá atrair as moscas, que ficarão presas na pasta colante.

POR QUE OS PELOS DO CORPO FICAM ARREPIADOS QUANDO NÓS SENTIMOS FRIO? O arrepio serve para afastar o ar frio da pele. Essa é uma dentre as inúmeras formas que o organismo tem de equilibrar a temperatura natural do corpo. Quando o ambiente está frio, ocorre perda de calor da pele e pequenos músculos nas raízes dos pelos são ativados, por isso eles ficam arrepiados.

VISÃO CANINA A afirmação de que os cachorros não enxergam algumas cores é verdadeira. Os cães não diferenciam o vermelho e o verde, mas enxergam o azul, cinza e amarelo. Os especialistas aconselham que, ao brincar de jogar a bolinha ou qualquer objeto, a cor que melhor será assimilada visualmente por eles é o azul.

POR QUE É

AMARELA? Sabemos que a quantidade de água ingerida influencia nos tons da urina, mas independente disso ela prevalece amarela. Por quê? A resposta é simples, a tonalidade deve-se à bilirrubina e à amônia presentes na corrente sanguínea. A cor amarelada ocorre após os rins transformarem essas propriedades em ureia e urobilinogênios.





Millions discover their favorite reads on issuu every month.

Give your content the digital home it deserves. Get it to any device in seconds.