Issuu on Google+

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Ano 33 N.º único de 2012/13

ALM institui os Prémios de Língua Mirandesa Associação quer valorizar as aulas de Língua e Cultura Mirandesa das escolas do Agrupamento. CIÊNCIA

DESTAQUE

s? a n nti a c s a n e m o ec s l a t e E qu SAÚDE

Jornadas espicaçaram curiosidade científica.

Deixemos o Sexo em Paz! Uma peça sem tabus

HÄN SOLO, uma bela história de Rui Lacas LEITURAS


julho de 2013

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Editorial EDITORIAL As recentes alterações legislativas relativas ao lançamento do ano letivo forçam-nos, uma vez mais, a questionar o estatuto do ensino da Língua e Cultura Mirandesa nas escolas do nosso Agrupamento. De facto, com o redimensionamento das Atividades de Enriquecimento Curricular no 1º ciclo e com a consequente discussão relativa à seleção e composição do respetivo Plano, podemos incorrer no erro de considerar a Língua Mirandesa como uma atividade a mais no leque das ofertas apresentadas. Ora, tal perspetiva é, a meu ver, completamente errada e extremamente redutora. Efetivamente, a oferta desta disciplina, nos termos da Lei 7/99, materializa o reconhecimento, por parte do Estado Português, do direito a cultivar e promover a língua mirandesa, enquanto património cultural, instrumento de comunicação e de reforço de identidade da terra de Miranda. Além disto, o Despacho Normativo 35/99 estabelece que «Aos alunos dos estabelecimentos dos ensinos básico e secundário do concelho de Miranda do Douro é facultada a aprendizagem do mirandês, como vertente de enriquecimento do currículo». Ou seja, o ensino do Mirandês não está, nem pode estar, dependente de qualquer diploma relativo a A.E.C.’s, nem está preso a qualquer matriz ou estrutura curricular e não pode ser apresentado como alternativa ou opção relativa a qualquer outra área, sob pena de ser penalizador para os nossos alunos. O ensino do Mirandês tem uma existência autónoma e, convenhamos, já era tempo de lhe ser reconhecida a maioridade. Já era igualmente tempo de ser reconhecido aos professores de Mirandês o estatuto a que têm direito. O aumento contínuo de inscrições voluntárias nesta disciplina é a prova de que a lhéngua está bem viva e que não pode estar dependente de projetos e autorizações anuais. Os prémios de mérito da Associação de Língua Mirandesa representam um contributo valioso para estimular a aprendizagem e recompensar os mais dedicados. No próximo dia do diploma faremos, com orgulho, a entrega dos prémios de mérito do Agrupamento, assinalando o início de um novo ano que se pretende melhor e mais proveitoso. António Marques dos Santos

EIDITORIAL Las recentes altaraçones lhegislatibas relatibas al lhançamiento de l'anho lhetibo fuorçan-mos, ua beç más, a questionar l statuto de l'ansino de la Lhéngua i Cultura Mirandesa nas scuolas de l nuosso Agrupamiento. De fato, cul redimensionamiento de las Atebidades de Anriquecimiento Curricular ne l 1º ciclo i cula cunsequente çcusson relatiba a la seleçon i cumposiçon de la respetiba planificaçon, podemos ancorrer ne l'erro de cunsidrar la Lhéngua Mirandesa cumo ua atebidade a más ne l lheque de las oufertas apersentadas. Oura, tal perspetiba ye, a miu ber, cumpletamente errada i stremamente redutora. Efetibamente, l'ouferta desta deciplina, ne ls termos de la Lhei 7/99, materializa l reconhecimiento, por parte de l Stado Pertués, «de l dreito a cultibar i promober la lhéngua mirandesa, anquanto patrimonho cultural, strumiento de quemunicaçon i de reforço d'eidantidade de la Tierra de Miranda.» Además, l Çpacho Normatibo 35/99 stablece que «Als alunos de ls stablecimientos de ls ansinos básico i secundairo de l cunceilho de Miranda de l Douro ye facultada la daprendizaige de l mirandés, cumo bertente d'anriquecimiento de l curriclo». Ou seia, l'ansino de l Mirandés nun stá, nin puode star, dependente de qualquiera diploma relatibo las A. A.C.’s, nin stá preso a qualquiera matriç ou strutura curricular i nun puode ser apersentado cumo altarnatiba ou oupçon relatiba a qualquiera outra ária, sob pena de ser penalizador pa ls nuossos alunos. L'ansino de l Mirandés ten ua eisisténcia outónoma i, cumbéngamos, yá era tiempo de le ser reconhecida la maioridade. Yá era eigualmente tiempo de ser reconhecido als porsores de Mirandés l statuto a que ténen dreito. L'oumiento cuntino d'anscriçones boluntárias nesta deciplina ye la proba de que la lhéngua stá bien biba i que nun puode star dependente de porjetos i outorizaçones anuales. Ls prémios de mérito de la Associaçon de Lhéngua Mirandesa repersentan un cuntributo balioso para stimular la daprendizaige i recumpensar ls más dedicados. Ne l próssimo die de l diploma fazeremos, cun proua, l'antrega de ls prémios de mérito de l Agrupamiento, assinalando l'ampeço dun nuobo anho que se quier melhor i más probeitoso. António Marques dos Santos

2

ÍNDICE ALFABÉTICO

CIÊNCIA

28

DESTAQUES

3

EDITORIAL

2

LEITURAS

33

NOTÍCIAS

5

OPINIÃO

20

SAÚDE

22

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

FICHA TÉCNICA Propriedade AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDA DO DOURO Rua Coronel Eduardo Beça 5210-192 MIRANDA DO DOURO Tel.: 273 431 330 / Fax: 273 432 355 Email: info@esec-miranda-douro.rcts.pt Página Web: www2.esec-miranda-douro.rcts.pt

Coordenação Clube de Jornalismo

Grafismo Clube de Jornalismo

Imagem do Cartolinha Manuel Ferreira

Impressão Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Tiragem 200 exemplares

CDU 373.5 (469.201) (05)


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

julho de 2013

Destaque

Criados ls “Prémios Associaçon de Lhéngua Mirandesa” pa ls melhores alunos de mirandés AMADEU FERREIRA

A

cában de ser criados ls Prémios ALM -Associaçon de Lhéngua Mirandesa, que quieren apoiar i balorizar las classes de lhéngua i cultura mirandesas, dadas nas scuolhas de l Agrupameinto der Scuolas de Mirada de Douro, premiando ls sous melhores alunos. L’eideia ye apoiar la nuossa lhéngua, recoincendo l’amportança eissencial de la sue trasmisson, que hoije passa muito pula scuola. L mirandés ten sido trasmitido nua cadena de muita giente que ben zde hai mais de mil anhos i que inda nun se cobrou, i ye deber de todos ls mirandeses nun deixar que tal se passe. Para esso, hai que ancentibar ls alunos nun solo a screbir-se nas classes de lhéngua i cultura mirandesas, mas tamien a séren buns alunos, assi cumo ancentibar ls sous pais i familiares a ajudá-los todos ls dies, subretodo falando mirandés cun eilhes.

Alunos serão premiados pela sua proficiência em Mirandês

tes armanas por essas dues dimensones, €500 pa la fala i €500 pa la scrita. L “Prémio ALM de Scrita”, será atribuído als dous alunos que probáren que melhor adomínan la nuossa lhéngia ne l que respeita a la scrita, cabendo le €250 a cada un. L “Prémio ALM de Fala”, será atribuído als cinco alunos que probáren que melhor adomínan la nuossa lhéngua falada, cabendo le €100 a cada un. Assi, al todo, seran atribuídos siete prémios.

L Prémio ALM ten ua dotaçon anual de €1000 (mil ouros). Cumo la lhéngua ten dues dimensones eissenciales, la fala i la scrita, será debedido an par-

Ls prémios seran atribuídos cunsante l Rigulamento que bai a ser aprobado pula direçon de l Agrupamiento de Scuolas de Miranda de l Douro, an acordo cun l criador de ls prémios. L’eideia ye que este prémio puoda animar ls alunos i las sues famílias a lhuitar por el, nó pul sou balor monetário, mas pula honra que ye ganhar estes prémios lhigados a la nuossa lhéngua. Tamien se quier dar todo l apoio als porsores de mirandés, que tanto ténen lhuitaO Presidente da ALM na nossa Escola, aquando do lançamento do seu livro do i siempre sien grandes ancen“Ars Vivendi, Ars Moriendi” tibos. Se de todo esso benir mais 3


julho de 2013

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Destaque

proua pula nuossa lhéngua, antoce teneremos dados pequeinhos passos que son mui amportantes pa la sue balorizaçon i la sue mantenéncia. Muita beç se ten dado menos atençon a l’amportança de la fala de la nuossa lhéngua, mas cun estes prémios tamien se quier amostrar cumo eilha ye eissencial, puis nun puode haber ua lhéngua biba sien ser falada i bien falada, qualquiera que seia la oucasion. Spero que estes prémios anímen tamien outras anstituiçones cun repunsablidades públicas an relaçon a la nuossa lhéngua para acháren formas de apoiar l sou ansino i la prática de la sue fala i de la sue scrita. De la mie parte, estes prémios son un modo de dezir que acradito ne l altíssimo balor de la nuossa lhéngua, seia pa la nuossa bida, seia pa la nuossa eidentidade, mas que tamien amostra bien la grandeza de l pobo mirandés, que assi se le presta houmenaige. Tamien cun estes prémios quiero amostrar que acradito nas capacidades i ne l balor de las nuobas giraçones de mirandeses para mantener i balorizar aqueilho que tenemos de mais nuosso, que mos eidentefica i mais mos baloriza. Por todo esso, ye ua honra para mi poder apoiar esta caminhada, que nun puode deixar de dar passos todos ls dies de la nuossa bida.

Regulamiento de ls Prémios ALM Artigo 1º Oubjetibos: - Apoiar i balorizar las classes de lhéngua i cultura mirandesas, dadas nas scuolas de l Agrupamiento de Scuolas de Mirada de Douro, premiando ls sous melhores alunos; - Ancentibar ls alunos nun solo a screbir-se nas classes de lhéngua i cultura mirandesas, mas tamien a séren buns alunos; - Ancentibar ls sous pais i familiares a ajudá-los todos ls dies, subretodo falando mirandés cun eilhes; Artigo 2º Dotaçon: L Prémio ALM ten ua dotaçon anual de €1000 (mil ouros). Cumo la lhéngua ten dues dimensones eissenciales, la fala i la scrita, será debedido an partes armanas por essas dues dimensones, €500 pa la fala i €500 pa la scrita. Artigo 3º Prémios: - L “Prémio ALM de Scrita”, será atribuído als dous alunos que probáren que melhor adomínan la nuossa lhéngua ne l que respeita a la scrita, cabendo €250 a cada un. - L “Prémio ALM de Fala”, será atribuído als cinco alunos que probáren que melhor adomínan la nuossa lhéngua falada, cabendo €100 a cada un. Assi, al todo, seran atribuídos siete prémios. Artigo 4º Júri de l cuncurso Será custituido un júri formado por todos ls docentes de mirandés, un repersentante de la ALM i un repersentante de la direçon de l Agrupamiento de Scuolas, que preside. Artigo 5º Normas: “Prémio ALM de Scrita” - Será atribuido un prémio ne l'ansino básico i outro ne l'ansino secundairo. - Cada porsor de mirandés puode propor un mássimo de dous alunos por ciclo candidatos al prémio, tenendo por base trabalhos scritos rializados al lhongo de l'anho, na sala d'aula. - L júri analiza ls traballhos i decide por maiorie. Artigo 6º “Prémio ALM de Fala” - Seran atribuidos dous prémios ne l purmeiro ciclo, un ne l segundo ciclo, un ne l terceiro ciclo i un ne l'ansino secundairo. - Cada porsor de mirandés puode propor un mássimo de dous alunos por ciclo candidatos al prémio - L júri , atrabeç de la rializaçon dua proba oural, scolhe, por maiorie, ls bencedores. Artigo 7º Recurso La decison de l júri ye final, nun habendo lugar a qualquier recurso. Artigo 8º Antrega de ls prémios Ls prémios seran antregues als alunos ne l'ampeço de l'anho lhetibo seguinte, an sesson pública. 4


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

julho de 2013

Notícias

Nos passos de Pessoa… e não só! ELISABETE BARROSA E ALUNOS DO 12.º ANO

N

o âmbito da disciplina de Português, os alunos das turmas A, B , C e D do 12º ano realizaram uma visita de estudo a Lisboa e Mafra nos dias 7, 8 e 9 de fevereiro de 2013, acompanhados pelos professores Elisabete Barrosa, diretora de turma do 12º A, Carlos Damas, diretor de turma do 12ºB, Duarte Martins, professor de Língua e Cultura Mirandesas, e Rosa Martins, professora de Português do 12.º D. Esta atividade visou proporcionar aos alunos o contacto com personalidades, espaços e obras que fazem parte do programa da disciplina de Português. Na madrugada do dia 7, partiram rumo ao coração de Lisboa – a Praça do Comércio ou Terreiro do Paço (local do palácio dos reis de Portugal durante cerca de dois séculos, até ao século XVIII). Antes de fazerem uma visita à Fundação José Saramago (Casa dos Bicos), desentorpeceram as pernas com um percurso a pé por algumas ruas da Baixa: passaram o arco da rua Augusta, estiveram na Praça D. Pedro IV, em frente ao teatro D.Maria II, e aproveitaram para espreitar o famoso café Martinho da Arcada, o mais antigo de Lis-

boa, e um dos preferidos de Fernando Pessoa. Ao fim da tarde, quando todos pediam descanso e comida quente, dirigiram -se à Pousada da Juventude do Parque das Nações, que os iria acolher por duas noites. No dia seguinte, sexta feira, não menos cansados do que na noite do dia anterior, depois de um pequeno-almoço rapidíssimo Visita de Estudo a Lisboa/Mafra 7, 8 e 9 de fevereiro de 2013 12º A, B, C e D

para alguns, saíram, de novo, no autocarro, para o centro de Lisboa, para A Barraca, teatro onde estava em cena Felizmente há luar! de Luís de Sttau Monteiro. Numa pequena mas simpática sala, pelas 10 horas, assistiram a um espetáculo trágico-épico, onde a interpretação da atriz Maria do Céu Guerra “iluminou” muitos corações! Apesar de ser sexta-feira de 5

Carnaval, a folia não se fazia notar nas ruas que percorreram, a pé, até ao Museu Nacional de Arte Antiga (ao qual fizeram uma visita-relâmpago, apenas para apreciar algumas obras de referência que aí se encontram, nomeadamente, a Custódia de Belém, cuja autoria é atribuída a Gil Vicente, dramaturgo do século XVI, os Painéis de São Vicente, atribuídos a Nuno Gonçalves século XV-, e as Tentações de Santo Antão de Jheronymus Bosch - 1450/60-1516-). Daí dirigiram-se à Escola Josefa de Óbidos, onde almoçaram. De tarde, esperava-os uma visita guiada à Casa Fernando Pessoa que a todos agradou, pela pelos conhecimentos que a guia soube partilhar com muita simpatia e interatividade. Para “fazer o gosto ao dente” ( e ao estômago), depois de uma passagem pelo interior do Mosteiro dos Jerónimos, apreciaram uns quentinhos pastéis de Belém que parecem ter tirado o apetite para o jantar, previsto para o Centro Comercial Colombo, onde se aproveitou também para fazer compras, ir ao cinema e... fazer compras!! As metas da visita estavam quase cumpridas na manhã de sábado, dia 9: neste último dia da


julho de 2013

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Notícias

um total de 92 sinos que pesam mais de 200 toneladas e são considerados os maiores do mundo! De partida, passaram pelo LouresShopping para almoçar e, cumprindo à risca os horários previstos, chegaram a Miranda do Douro pouco antes das 23 horas, ainda a tempo de ir contar aos familiares as aventuras e desveturas e partilhar no Facebook as fotos da viagem a Lisboa/Mafra!

Nos Jerónimos

visita de estudo, ansiava-se a visita ao Palácio Nacional/Convento de Mafra, esse imponente monumento mandado erigir por D. João V em virtude de uma promessa que fizera no caso de a rainha D. Maria Ana da Áustria lhe dar descendência, episódio histórico que marca, entre outras peripécias, o famoso romance de José Saramago, Memorial do Convento (1982). Dentro do palácio-convento muitos quartos e salões, uma biblioteca monumental, uma farmácia e uma enfermaria bem moderna para a época; no exterior, de notar dois carrilhões com

Os alunos disseram…: Ótima visita de estudo. Gostei de tudo em geral. Conhecemos “novos mundos”. Permitiu ter mais conhecimentos acerca das obras dadas. A visita a Mafra podia ter sido mais informativa. Gostei mais da peça de teatro “Felizmente há luar” e do passeio pelo Terreiro do Paço. Visita interessante e didática. Adorei conhecer a cidade de Lisboa. Gostei muito da casa Fernando Pessoa. Os professores foram tolerantes, contribuindo para um bom ambiente.

7.º A de Sendim à descoberta da Geologia ISAURA PERES

P

ara concretizar objetivos das disciplinas de Ciências Naturais e Educação Física, a turma do 7.º ano de Sendim realizou uma saída de campo no dia 3 de junho, por proposta dos profes-

sores Isaura Peres e Edmundo Silva. O percurso, feito a pé, iniciou-se na Escola em direção à Estação de Caminho-de-ferro. Aqui os alunos surpreenderam-se com a degradação e o abandono em que se encontram as antigas es6


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

julho de 2013

Notícias

ENCONTRO NACIONAL DE ALUNOS DE EMRC SOFIA PARREIRA

Em Penhas Cavalo

truturas de apoio da Estação de Caminho-de-ferro. Puderam ainda fazer diversas observações no âmbito da geologia tais como os depósitos sedimentares argilosos do Cenozoico. Estes recursos geológicos já foram muito utilizados para produção cerâmica, extraídos na exploração conhecida por “barreiro”, atualmente abandonada. Desta zona ainda foi possível observar a imensa planura que caracteriza o Planalto Mirandês, no qual se destacam alguns relevos marcantes como a serra da Castanheira. O percurso seguiu em direção a Penhas Cavalo, onde as rochas graníticas, moldadas pela, longa e contínua, ação dos agentes erosivos como a água, marcam a paisagem e as suas formas arredondadas fazem lembrar os contornos de cavalos. Seguiu-se uma prova de orientação, onde os alunos puseram à prova as suas capacidades físicas e testaram os conhecimentos adquiridos no âmbito da geologia. Foi uma manhã muito bem passada e certamente muito produtiva.

Alunos do 1.º Ciclo em Fátima Pela primeira vez, a diocese de Bragança-Miranda faz-se representar no XIII Encontro Nacional de Alunos de EMRC (Educação Moral e Religiosa Católica) do PRIMEIRO CICLO, que decorreu em Fátima, no passado dia 17 de maio. A diocese de Bragança-Miranda faz-se representar por dois Agrupamentos de Escolas, o Agrupamento de Escolas Abade de Baçal e o Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro. A iniciativa é do Secretariado Nacional da Educação Cristã e o diretor do secretariado diocesano de EMRC (Padre José Carlos Martins), as professoras Sofia Parreira e Carla Martins, com o apoio da direção das escolas, Miranda do Douro e de Augusto Moreno e de outros professores, auxiliares e encarregados de educação, aceitaram o desafio e rumaram com 29 alunos a Fátima. O Encontro Nacional do Ensino Primário teve por base o tema "Encontro muitas razões para conviver", contou com a participação de cerca de 4000 crianças de todo o país numa iniciativa que visou "reforçar laços de amizade entre os discentes" e promover "espaços de encontro, convívio, divertimento, música, aventura, reflexão, oração e teatro". Em pleno ano da fé, este foi mais um sinal, dado pelos alunos de EMRC, de que é possível "descobrir de novo a alegria de crer e reencontrar o entusiasmo de comunicar a Fé". Salienta-se a importância da participação nestas atividades de âmbito generalista, abrindo horizontes aos alunos, promovendo a socialização com discentes de outros meios, criando laços de amizade…. A avaliação feita por todos os participantes na atividade, nomeadamente pelos alunos, é muito positiva e pelo que afirmaram as professoras “Se nos for possível, será uma atividade a manter no plano de atividades nas nossas escolas”. 7


julho de 2013

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Notícias

Nas Bibliotecas Escolares aconteceu… FÁBIA RAPOSO

Biblioteca em movimento

A

s Bibliotecas Escolares do Agrupamento promoveram atividades, disponibilizaram recursos e deram um apoio sistemático aos alunos, no sentido de desenvolverem competências e capacidades que lhes permitam retirar informação dos textos, de modo a que a leitura seja um instrumento de aprendizagem no meio escolar e ao longo da vida. De ano para ano os recursos nas bibliotecas do Agrupamento aumentaram e as práticas da sua utilização melhoraram. Mas uma efetiva utilização da biblioteca/informação exige competências aos utilizadores. Para tal, a equipa das bibliotecas escolares, todos os anos em

setembro, promove sessões de apresentação do espaço, mostrando a organização dos recursos existentes aos alunos em geral, e às turmas dos mais novos em particular. Em outubro, mês Internacional das Bibliotecas Escolares, suscitámos, através dos professores de Português e Diretores de

A Biblioteca promoveu a Feira do Livro.

8

Turma, uma reflexão sobre a importância da biblioteca escolar, este ano sob o lema «Bibliotecas Escolares – Uma chave para o presente e o futuro». Os alunos elaboraram trabalhos sobre esta temática: poesias visuais, poemas, acrósticos, frases e desenhos. Os trabalhos expostos na Biblioteca foram apreciados por todos, nomeadamente no dia 22, dia das bibliotecas escolares onde teve lugar um recital de poesia, nas várias línguas lecionadas no Agrupamento, com o envolvimento de alunos e professores de todos os anos e ciclos. A apresentação foi bastante diversificada tendo em conta o nível etário dos alunos. O empenho foi geral. Muito apreciada foi, também, a leitura de um poema de Álvaro de Campos em Romeno pelo Encarregado de Educação, Mário Poenaru, falante nativo dessa língua. Ao longo do ano, divulgámos informações, recursos e concursos propostos pela RBE para os diferentes níveis de ensino. Colaborámos na realização de atividades e elaboração de projetos. O projeto «Ler + Jovem» foi selecionado e a Escola integrou o grupo das quinze que a nível nacional realiza-


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

julho de 2013

Notícias 3ºciclo com o escritor Richard Towers, autor do livro -objeto, um novo conceito de livro, com uma sessão de motivação para a leitura e a escrita muito participada. Dinamizámos, em articulação com o Núcleo de Educação Especial, o concurso «Sou diferente...e», destinado a todos os alunos do Agrupamento. Os trabalhos evidenciaram a sensibilidade dos nossos alunos para as diferenças. Foram, também, apreciados por um júri e atribuídas lembranças aos autores dos três melhores trabalhos. Ainda no âmbito desta temática, todos os alunos do 6º ano do Agrupamento participaram no bibliopaper «Todos Iguais Todos Encontro com o autor Richard Towers Diferentes». De salientar, ainda, a participação dos alunos no Concurso Nacional de Leitura, onde se ram atividades em parceria com instituições locais envolveram com grande empenho nas leituras e tatendo por principal estratégia o envolvimento dos refas propostas. jovens com a leitura e a promoção desta junto da De igual modo, a Feira do Livro e a Maratona comunidade. Em articulação com professor de Por- da Leitura, que para além da participação de alunos tuguês do 10º ano, elaborámos protocolos com vá- de todos os ciclos e docentes de todas as áreas, conrias Associações (AEPGA -Associação para o Estudo e taram com a presença da poetisa Teresa Almeida, Proteção do Gado Asinino; Lérias e Caramonico de Encarregados de Educação e elementos da UniversiPalaçoulo e Universidade Sénior de M. do Douro), dade Sénior. definimos objetivos e programámos atividades. Terminámos o ano letivo com sessões dinamiA propósito de datas comemorativas (Dia zadas pelo formador António José Vilas-Boas, para Mundial da Alimentação, Sida, Direitos Humanos, alunos do 9º e 12º anos, sobre Literatura e LinguístiFilosofia...etc.), apresentámos exposições temáticas, ca (preparação para os exames) e esclarecimentos como forma de lembrar o dia, dar a conhecer e di- aos docentes sobre as metas curriculares e PPEB. vulgar recursos existentes sobre estes temas aos Finalmente, convidámos toda a comunidade utilizadores. escolar a descobrir as últimas novidades adquiridas A promoção da leitura e a sua importância pa- (nomeadamente o KOBO para leituras multimédia) e ra o conhecimento e sucesso educativo estiveram a consultar o blogue, onde estão divulgadas as últisempre presentes: na «Hora das Histórias» com os mas aquisições. mais pequenos, com destaque para a temática da Saúde Oral e do valor do dinheiro; na apresentação de livros e encontros com escritores, na feira do livro, na maratona da leitura … São exemplificativas a apresentação da obra poética «Ars vivendi Ars Moriendi», com a leitura de poemas por professores e alunos do Secundário, seguidos dos comentários literários e relatos de vivências tidas pelo autor da Formação com o professor Vilas-Boas obra, Amadeu Ferreira; o encontro dos alunos do 9


julho de 2013

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Notícias

Finalistas do 9º A de Sendim em festa de despedida Estiveram presentes os membros da direção do agrupamento, representantes das entidades da comunidade local, vários professores e funcionários e, claro, os homenageados da noite, os alunos do 9º ano. Estes brilharam ao desfilar na “passadeira vermelha” e emocionaram-se na hora dos discursos. Após o jantar seguiu-se um animado baile. Os alunos finalistas deixam um muito obrigado a todos os que os acompanharam ao longo do seu percurso escolar e que contribuíram para o seu sucesso. Para o ano novos desafios os esperam. Para todos muitas felicidades!

Os finalistas da EB2/3 de Sendim

N

o dia 5 de junho, realizou-se na EB 2/3 de Sendim o tradicional jantar de finalistas do 9º ano desta escola.

Em Tormes… sem arroz de favas ALUNOS DO 11.ºE

N

o dia 13 de junho de 2013, nós, alunos da turma E do 11.º, do Curso Profissional de Informática e Gestão, fizemos uma visita, organizada pela professora Elisabete, à Fundação de Eça de Queirós, em Tormes. Fomos acompanhados pelos professores Amílcar e José Cordeiro. Saímos às 9h da EBS de Miranda do Douro, e chegamos a Vila Real às 11h onde fomos ao centro comercial Dolce Vita, almoçar e passar algum tempo. Às 13h saímos de Vila Real e chegamos por volta das 14h45 à fundação de Eça de Queirós (1845-1900). Depois, visitamos a biblioteca, a cozinha, o quarto de Eça, a adega e a capela. A guia disse-nos que a casa, antes de Eça de Queirós a habitar, era um celeiro utilizado pelos caseiros. A primeira divisão da casa que nos foi mostrada foi a sala de entrada onde Eça de Queirós fez a sua primeira refeição depois de ter vindo de Paris: a mesa

em que Eça fez a sua primeira refeição foi batizada com o nome “Arroz de Favas”, porque essa foi a sua primeira refeição em Tormes. Do lado direito da mesa, encontrava-se a cadeira de “Jacinto”, personagem do conhecido romance de Eça, A Cidade e as Serras. Depois da visita, visuali10

zamos um pequeno documentário sobre a vida do autor. Por fim regressamos a Miranda do Douro, fazendo ainda uma paragem na Régua. Nós gostamos muito da visita, foi muito interessante.


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

julho de 2013

Notícias

Bejita a Segóvia de ls alunos de mirandés DUARTE MARTINS

N

e l passado die 1 de Julho, ls alunos de mirandés de l treceiro ciclo i de l ansino secundairo fazírun ua bejita de studo a la cidade de Segóvia. Esta cidade guapa i chena de stória queda an Spanha, fai parte de la quemunidade outónoma de Castielha i Lhion. A par de l cumbíbio que houbo antre alunos i porsores, tamien tubimos tiempo pra coincer alguns menumentos que fázen parte desta cidade que, dezde 1985, ye patrimonho de la houmanidade. Ampecemos por bejitar l alcáçar ou l castielho, cumo lo quérgades chamar. Este menumento aparece registrado ne ls decumientos stóricos dezde l seclo XII. Durante la eidade média, l alcáçar fui la morada de ls reis castelhanos. Fui dalhá que saliu la rainha Sabel, la católica, pra ser proclamada rainha de

L alcáçar

L grupo ne l acaduto de Segóvia

Castielha na Praça Maior de Segóvia. Filipe II de Spanha casou-se eiqui cun la sue quarta mulhier, Ana de Áustria. Çpuis de la corte real se haber mudado pa Madriç, l alcáçar perdiu algua amportáncia i tornou-se cadena statal durante dous seclos. L rei D. Carlos III fundou alhá la Real Scuola de Artelharie. An 1862 dou-se un grande ancéndio que fizo stragos abultiados neste menumiento. Apuis de refeito, l castielho serbiu de arquibo geral melitar. An

11

1951 l governo spanhol criou l padronado de l alcáçar cun l anténtio de l mantener i de l perserbar cumo un menumento stórico i nacional de Spanha. Drento de l castielho habie muitas salas que bejitemos: la sala de l trono, la sala de las pinhas, la sala de l rei i la sala de armas fúrun alguas deilhas. L alcáçar ten ua torre gótica mui guapa i mui bistosa que le cháman la torre de D. Juan II (de Castielha). Tamien bejitemos la catedral de Santa Marie de Segóvia, que ampeçou a ser feita an 1525 i solo fui acabada de fazer an 1768. Ye coincida cumo “la dama


julho de 2013

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Notícias

de la sierra pa la cidade de Segóvia. Por bias de ser un menumiento tan amponiente, alguas lhiendas populares de Segóvia dízen que fui feito pul diabro. Al cierto ye que l acaduto ampeçou a ser feito ne l seclo I i II d.c., ne l tiempo de ls Flávios i de ls amperadores Vespasiano i Trajano. L acaduto ten 167 arcos de cantarie de l Guadarrama. Las La Catedral de Santa Marie de Segóvia, la última catedral gótica

piedras stan apegadas antre eilhas sien teneren

de las catedrales” por tener un calatriç fermoso i

qualquiera argamassa pa las assigurar, solo stan am-

mui amponiente. Por bias de l sou stilo i de l tiempo

paradas por un listo eiquilíbrio de fuorças.

que tardou an ser feita, ye cunsi-

Pula tarde fazimos uas com-

derada por muitos studiosos cu-

pras a andubimos a tarabelhar un

mo sendo la última catedral gótica. Mas hai que ber que l spácio, la claridade i alguas formas desta catedral yá ténen mais a ber cun l stilo renacentista. Drento deilha bimos ls claustros i alguas obras artísticas trabalhadas pulas manos de grandes artesanos.

...an tempos de “crise”, benimos culturalmente mais enriquecidos.

Por último bejitemos aquel

cachico pulas tiendas de la cidade. Nun mos podemos squecer de l afamado cochinico de Segóvia que ye buono i eiqui ye temprado solo cun auga i sal. Ls binos tamien nun quédan atrás, percipalmente ls tintos. I fui assi. Haberie muito mais pa cuntar i pa dezir. Cheguemos cun-

menumento que ye l símbolo por eiceléncia desta

tentos, algo cansados i, an tempos de “crise”, beni-

cidade, que ye l acaduto de Segóvia, ua de las obras

mos culturalmente mais anriquecidos.

mais sobérbias que ls romanos deixórun na península eibérica. L acaduto fui feito para traer la auga 12


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

julho de 2013

Notícias

Ars Vivendi, Ars Moriendi apresentado na nossa Escola LUANA DOMINGUES A opinião dos participantes “Uma das coisas que aprecio nos livros do Sr. Amadeu Ferreira é o facto de estarem escritos não só em português, mas também em mirandês. Falo mirandês desde pequena, aprendi com os meus avós, tios-avós e com os meus pais e, para mim, falar e escrever mirandês é um grande privilégio! São estes eventos que fazem a língua evoluir!” (Catarina Alonso, 12.º A) “Foi uma experiência bastante enriquecedora. Foi a primeira vez que estive presente numa atividade destas e, após a sua realização, não quero que seja a última!” (Hugo Nobre, 10.ºA)

N

o dia 26 de novembro, pelas 11 horas, esteve na biblioteca da nossa escola o poeta Francisco Niebro (pseudónimo de Amadeu Ferreira), com o objetivo de fazer, em Miranda do Douro, a sua mais recente obra – “Ars Vivendi, Ars Moriendi”. A apresentação começou com uma introdução feita pelo professor António Rodrigues, em que falou sobre o autor e comentou brevemente a obra. De seguida, o poeta tomou a palavra e abordou várias das temáticas presentes na obra e explicou a origem de vários poemas. Foi simples e divertido, interagindo sempre com as pessoas que assistiam. Mais tarde, alunos e professores leram alguns poemas, uns em mirandês, outros em português. Quando acabavam de ler, o poeta comentava brevemente o texto. Foi uma manhã bem passada e bastante interessante, pois o escritor tem raízes mirandesas, mais concretamente de Sendim. Ficámos a conhecer melhor quem somos e de onde vimos, pois o livro baseia-se bastante nas memórias do poeta, que remetem para pessoas e vivências que nós não conhecemos. Para além disso, nesta obra, o mirandês, língua que só nós temos e que só nós temos o privilégio de poder aprender, saiu mais uma vez valorizada. 13

“Quanto à apresentação do livro, foi extremamente interessante, sobretudo por termos ouvido o poeta, em mirandês, que é uma língua muito agradável de ouvir. Gostei bastante e não me importava que esta atividade, e outras como esta, se repetisse.” (Maria José Fernandes, 10.ºA) “Eu achei que a atividade foi muito interessante. Acho importante que haja pessoas a escrever em mirandês, pois, deste modo, a língua não morrerá facilmente, o que é, sem dúvida, um motivo de orgulho para a terra de Miranda do Douro. Quanto ao livro “Ars Vivendi, Ars Moriendi”, acho que é uma obra muito boa, que sai valorizada pela língua mirandesa”. (Daniela Fernandes, 10.º A) Na minha opinião, a apresentação do livro "Ars vivendi Ars moriendi" foi bastante boa, isto porque o professor António Rodrigues começou por fazer uma descrição da vida e obra de Amadeu Ferreira, o que foi muito enriquecedor pois, apesar do escritor ser meu conterrâneo, 'sendinês', apenas o conhecia por isso e nada mais e nunca tinha sequer pegado num livro seu. Nesta apresentação pude ler um poema de Francisco Niebro, pseudónimo de Amadeu Ferreira, o que foi uma grande experiência para mim, isto porque nunca tinha lido poemas com aquela temática e porque é uma honra ler um poema de um autor da minha terra. (Mariana João Xavier 12.ºA)


julho de 2013

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Notícias

Alunos do secundário em Aranda de Duero ALUNOS DO 10.ºANO

N

o âmbito das disciplinas de Biologia e Geologia, Física e Química A e Filosofia, as turmas do 10º e 11º A realizaram uma visita de estudo a Aranda de Duero nos dias 15 e 16 de março. Ainda o sol não tinha nascido e com um frio de “rachar, já os alunos se encontravam em frente ao quartel dos bombeiros para dar início à viagem, que seria efetuada num autocarro cedido pela Camara Municipal de Miranda do Douro no âmbito do programa de geminação entre as duas cidades: Miranda do Douro e Aranda de Duero.

Fomos formalmente recebidos pela Alcaldesa de Aranda de Duero.

ro no Salão Nobre da cidade. Após as boas vindas, referiu que era com muita satisfação que via restabelecidas as visitas dos alunos Pelas 9:00 horas, fizemos a de Miranda do Douro à sua cidaprimeira paragem numa estação de. Realizamos, posteriormende serviço onde tomamos o pequeno-almoço, continuando a se- te, uma visita guiada ao Centro Histórico da cidade, que terminou guir a nossa viagem. Quando chegamos à Aranda na visita a uma bodega, caractedirigimo-nos ao Colégio São Do- rística desta zona, onde era promingos, onde fomos recebidos duzido e armazenado o vinho. pela direção, professores e alunos, que nos mostraram as instalações do colégio e o seu funcionamento. Realizamos ainda jogos convívio de basquetebol e futebol com os alunos. Após a visita ao colégio dirigimo-nos ao hotel “La Cepa D’oro” onde nos instalamos e almoçamos. Às 14:00 horas, encaminhamo-nos para o Ayuntamento onde fomos formalmente recebidos pela Alcaldesa de Aranda de Due-

Ao fim da tarde tivemos oportunidade de efetuar uma visita livre à cidade.

mo uns anjinhos… Na manhã seguinte, depois de muito esforço para acordarmos e após o pequeno-almoço, despedimo-nos de Aranda e partimos em direção à próxima paragem… o desfiladeiro de Yecla, que se localiza no Parque Natural de la Yecla. Este desfiladeiro tem 600 metros de comprimento e pode ser percorrido através de passadiços de metal que se instalaram no meio de uma profunda garganta de paredes praticamente verticais na rocha calcária. Pudemos ver a paisagem muito abrupta, percorremos todo o desfiladeiro e ficamos encantados com tanta beleza. Embora neste local se possa observar abutres, águias e outras aves de rapina, no dia da nossa visita não foi possível observá-los porque estava a chover.

Depois de jantar um grupo de alunos acompanhados por duas das professoras efetuaram um passeio noturno pela cidade e divertiram-se num bar chamado “La Barca”. Os restantes alunos e uma professora ficaram no hotel. Quando o grupo se juntou novaContinuamos a nossa viagem mente no hotel começou a verda- em direção a Duruelo de la Sierra: deira festa… dormimos todos co- ao longo do percurso pudemos ob14


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

julho de 2013

Notícias servar as paisagens geológicas cársicas e a maior mancha de pinheiro da Europa que constitui a base económica da região. Em Duruelo de la Serra, fomos muito bem recebidos pelo Alcalde no Ayuntamiento, grande admirador da nossa cidade. Após o almoço dirigimonos para o nosso objetivo final … que consistia numa subida à Serra de Úrbion local de nascimento do Rio Douro. Iniciamos a subida da serra mas em consequência da neve que caía não foi possível chegar ao topo.

Acabamos por nos dirigir mais cedo para Burgos onde visitamos a Plaza Maior e o exterior da imponente Catedral. Procuramos um centro comercial mas… não havia, apenas o encontramos em Valladolid onde fizemos as últimas compras e jantamos. Às 20 horas saímos de Valladolid e chegamos a Miranda por volta das 22 horas, cansados mas muito contentes por termos realizado esta visita que nos permitiu contactar com realidades diferentes tanto a nível social como geológico.

Por causa da neve, não conseguimos chegar ao topo da serra do Úrbion.

Cuidado com a língua! Queres tornar-te um “caçador de erros”? Para isso, só tens de estar atento ao que lês ou ao que ouves e enviar a

tua “descoberta” para descobriumerro@sapo.pt : o nosso objetivo é alertar a comunidade para a necessidade de saber

15

escrever e pronunciar bem a nossa língua - a língua portuguesa . Participa tu também nesta “caça ao erro”!


julho de 2013

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Notícias

Viajar por Terras de Miranda ANTÓNIO MAMEDE

No âmbito da disciplina de Português, alguns professores com os alunos do 10ºC realizaram passeios turísticos e visitas de estudo à cidade de Miranda do Douro. Assim, no dia 14 de maio, visitamos o museu etnográfico da homónima cidade, de seguida fomos conhecer a exposição de “plantas aromáticas e seus usos “ patente na biblioteca municipal. aqui aproveitamos o ensejo para fazer breves leituras, também para conhecer e admirar o “ acervo cultural” composto por enciclopédias, thesaurus, dicionários, livros, revistas, jornais que perduram sem idade nesta biblioteca.

Como o tempo urge, prosseguimos o nosso passeio e entramos, respeitosamente, na Sé Catedral onde admiramos a sua sumptuosidade e a arquitetura das suas pedras vivas, contemplamos, adoramos a arte sacra e ouvimos, piamente, recontar a lenda do Menino Jesus da Cartolinha. No dia 28.05.13 fomos transportados no autocarro da Câmara Municipal e rumamos a Picote. Aqui, no centro de inter-

No dia 21.05.13 visitamos a exposição sobre “ a política agrícola comum” patente na casa da música. Depois fomos à Casa da Cultura espreitar e conhecer a exposição sobre “o património arquitetónico local das diversas freguesias do concelho de MDD.

pretação do ecomuseu da terra mater de Picote, constatamos como eram e são os cultivos, as ervas e os saberes, compreendemos melhor a biodiversidade, a etnografia, a etnobotânica e seus reflexos na vida quotidiana destas gentes. No miradouro da “fraga do Puyo” contemplamos o mundo, ficamos deslumbrados e extasiados com a paisagem deslizante para o rodopiante e serpenteante rio Douro. Sendo estes alunos do Curso Profissional de Turismo Ambiental e Rural é razoável afirmar que foi muito profícuo conhecer “in loco” a sustentabilidade das potencialidades das Terras de Miranda. Considera-se, portanto, que os objetivos delineados e planificados foram alcançados. Podemos concluir que “viajar pode ser uma maneira de aprender e de dar ao mundo novos mundos”.

Fraga do Puio, em Picote 16


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

julho de 2013

Notícias

Arte na Escola JULIETA GUERRA

“Arte é um rio cujas águas profundas irrigam a humanidade com um saber… e diz respeito à interioridade de cada ser.”

A

arte é um importante trabalho educativo, pois procura, através das tendências individuais, amadurecer a formação do gosto, estimular a inteligência, a criatividade e contribuir para a formação da personalidade do ser humano. Todo o ser humano interage constantemente com a arte através das diferentes imagens que a compõem, assumindo diversos aspetos formais, nas várias expressões artísticas. A arte atua como intermediária de diferentes significados que

Ana Mae Barbosa, 2001

podem ser interpretados e construídos à luz dos temas mais relevantes da nossa sociedade, conforme as épocas. A sua presença resulta da experiência quotidiana das nossas sensações, sentimentos, atitudes e ações, cujos significados e valores advêm da cultura de cada um. “Hoje o conceito de arte surge intimamente ligado à cognição que, na expressão plástica, se evidencia no pensamento visual, ou seja, na construção do pensamento a partir da imagem”. (Ana Mae) Com o objetivo de articular esse interesse cultural com a educação e formação integral, os alunos 17

da nossa escola elaboraram trabalhos alusivos à quadra natalícia. Utilizaram, na sua execução, diversas técnicas e materiais, privilegiando a reciclagem e reutilização de materiais, contribuindo, assim, para a proteção do ambiente e para a decoração da escola. Do mesmo modo, a solidariedade, a partilha, o trabalho de equipa, foram uma constante ao longo do trabalho. Estes aspetos são considerados muito importantes e contribuíram, decisivamente, para o reconhecimento do trabalho, inserido num espaço comum que é a ESCOLA.


julho de 2013

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Notícias

Alunos dos nonos anos do A.E. de Miranda do Douro visitaram Madrid JOÃO RAPOSO

O

s alunos dos nonos anos das escolas de Miranda do Douro e Sendim realizaram a sua viagem de finalistas a Madrid, no passado mês de março. Saíram no dia 25, às 6h30m, e regressaram às 22h do dia 26. A viagem decorreu sem qualquer incidente, o que demonstrou a responsabilidade dos alunos em convívio, numa altura problemática da adolescência. À chegada, fez-se uma visita de autocarro à cidade de Madrid, tendo-se passado pelos lo-

cais históricos mais emblemáticos da cidade. Após o almoço, os alunos passearam pelas Portas do Sol e pela Gran Via. Às 16h visitaram o Museu Rainha Sofia, onde observaram as obras de arte expostas, nomeadamente o quadro Guernica , de Pablo Picasso. Esta obra, de uma beleza singular, é considerada a obra mais emblemática do pintor. Ao final do dia regressaram ao hotel para jantar e descansar. À noite, por causa da chuva, tiveram que ficar no hotel… Mesmo assim, lá arranjaram maneira de se divertirem. 18

Na manhã seguinte, após o pequeno-almoço, saíram de autocarro até ao Parque Warner. Este era um dia de liberdade e de iniciativas próprias dentro do parque. Sendo jovens de 14-16 anos, os alunos queriam diversão atrás de diversão: andaram na montanharussa, nos carrosséis… Basicamente, passaram por todas as atividades, acabando, muitos deles, na viagem de barco. No regresso, cansados, alguns adormeceram no autocarro, para sossego dos professores responsáveis.


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

julho de 2013

Notícias

Leitura e arte

A E.M.R.C. E O AMBIENTE

JULIETA GUERRA

SOFIA PARREIRA

A

Biblioteca Escolar, em articulação com a disciplina de Educação Artística e Ambiental, e os alunos do 7ºA, promoveu ao longo do ano letivo atividades em que estes foram sensibilizados para a importância da educação artística através da leitura e ainda para a descoberta de grandes nomes da arte. A partir da apresentação, na BE, do livro de Ilse Losa “ O Quadro Roubado”, foram criadas expetativas nos alunos para a sua leitura. Seguidamente, foram convidados a conhecer artistas / pintores (Picasso, Miró, kandisky…) e formas de arte, através da pesquisa em livros e sites propostos.

Posteriormente, os alunos, sob a orientação da professora da respetiva disciplina, desenvolveram trabalhos tridimensionais utilizando várias técnicas e materiais, fazendo a leitura e interpretação do quadro – o palhaço - evidenciado no livro de Ilse Losa. Todos estes trabalhos foram expostos na biblioteca da escola.

Celebração da Comunhão Pascal SOFIA PARREIRA

Encerrando as atividades letivas do segundo período, alunos, professores, assistentes operacionais, pais e encarregados de educação reuniram-se em espírito festivo para cantarem a alegria pascal. No dia quinze de março, duas Escolas do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro (EB 2,3/S de Miranda do Douro e EB 2,3 de Sendim) celebraram a Comunhão Pascal, que reuniu toda a comunidade educativa. Presidiram à Eucaristia o Sr. Padre Manuel e o Sr. Padre António, respectivamente párocos de Miranda do Douro e de Sendim, que, durante a homilia, interagiram com a assembleia, ajudando os alunos a tomarem consciência da importância de assumirem uma postura responsável e empenhada no processo da construção da sua aprendizagem/conhecimento e também apelando a que todos – à imagem e semelhança de Jesus – aprendam a cultivar o perdão. Num ambiente de grande participação, a celebração contou com uma excelente organização e animação litúrgica, da responsabilidade da docente de Educação Moral e Religiosa Católica e com a colaboração do professor de Educação Musical. 19

No dia 5 de junho, pelas 12 horas, a professora de Educação Moral e Religiosa Católica, Sofia Alexandra Nunes Parreira, e os alunos de 5.º e 6.º anos da EBS de Miranda do Douro inscritos na disciplina realizaram um piquenique no parque do Fresno, com o intuito de fomentar a universalidade dos valores da referida disciplina. Foram objetivos desta atividade: o valorizar a importância da E.M.R.C. na formação integral da pessoa; motivar os alunos a viver o Amor na escola; desenvolver e aprofundar relações humanas e afectivas; incutir regras, valores e responsabilidades; valorizar o respeito pelo ambiente; colaborar com os colegas e professora. A atividade decorreu da melhor forma que se podia esperar com o empenho, participação e dedicação de todos os intervenientes. A avaliação feita por todos os participantes desta atividade, nomeadamente pelos alunos, é muito positiva, sendo uma atividade, se possível, a manter no plano de atividades da referida disciplina.


julho de 2013

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Opinião

Porque a diferença existe... RITA DIAS ((Com alunos dos 2.º e 3.º A/B e professora Albertina Amado)

E

ste ano, para assinalar o dia internacional da pessoa com deficiência, as turmas A e B dos 3.º e 2.º anos aderiram com entusiasmo ao concurso de cartazes que lhes foi proposto pela professora de educação especial e pela coordenadora da biblioteca escolar: “Sou diferente… e?”.

“Devemos respeitar os direitos de todas as pessoas”; “Discriminar as pessoas com deficiência é um ato a evitar”; “Devemos estar disponíveis para ajudar aqueles que têm mais dificuldades no seu dia a dia”; “Nós recebemos todos os meninos que chegam à nossa escola e à nossa turma de braços abertos”;

Depois de a nossa professora ter lido e explicado o regulamento do concurso, foi com empenho e entusiasmo que, com uma ajudinha preciosa dos nossos pais, fizemos o T.P.C.: cartazes muito bonitos que foram expostos na biblioteca da nossa escola e que podem servir, esperamos nós, para alertar para os direitos das pessoas com deficiência.

“Ao fazer o cartaz, senti muito amor no meu coração. Queria, com este simples desenho e umas palavrinhas bonitas, poder mudar a forma de pensar e de agir de algumas pessoas”; “Toda a gente cabe no mundo porque ele é muito grande!...”.

Na sala de aula e, no âmbito do Português, realizámos um texto coletivo, escrevendo no quadro frases alusivas à problemática das diferenças.

Foi um trabalho de escrita como tantos outros, mas que nos fez pensar um pouco de forma diferente. Estávamos motivados e empenhados. Queríamos dar um contributo precioso para “colorir” o quadro com frases que pudessem ser de amizade, de respeito e de amor por todos aqueles a quem a diferença se fez mais notada que a nossa.

Talvez tu gostes de ler as nossas frases e, por isso, aqui as deixamos: “O mundo é colorido porque existe a diferença”; 20


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

julho de 2013

Opinião

Pensar l mundo de maneira defrente DUARTE MARTINS

N

e l México, an sigun l INALI (Instituto Nacional dua lhéngua depende muito de la Jalpa de Mendez, de Línguas Indígenas). atitude de ls sous moços falantes hai ua lhéngua An cada quinze dies que (rapazas i rapazes) i de la decison que le cháman “numte oote” ou passa zaparece ua lhéngua, ne l destes an daprender i apuis ansi“ayapaneco”. Ls poucos habitan- antender de la ONU, que todos ls nar ou nó la lhéngua materna als tes, q’inda hoije la fálan, cháman- anhos publica un atlas lhenguísti- sous filhos. la “la lhéngua” ou solamente “la co. La mesma ourganizaçon yá Al daprendermos mirandés palabra”. Qualquieras que séian cuntou l zaparecimento de 230 stamos a dar cuntinidade a la las créncias i ls dogmas nas bárias lhénguas, dezde l anho de 1950. nuossa mimória i a defender las cebelizaçones, “la palabra”, essa, Ningua quemunidade ten l dreito palabras que fázen la nuossa eirepersenta siempre, an todas ei- d’ampurriar a outra de la sue dentidade, a lhuitar por ua possilhas, la antlegência na lhenguai- lhéngua materna. Hai un dreito a blidade de pensar l nuosso munge, na natureza de ls seres i la la cuntinidade cultural cunser- do de maneira defrente. Por oucriaçon cuntina de l ouniberso. bando la lhéngua materna. I tra bia, al daprendermos miranSon las palabras que fázen las dés ou qualquiera outra lhénlhénguas, que cúntan las stógua românica, stamos a antrar rias, la passaige de la spécie Al daprendermos mirandés noutra puorta de coincimenhoumana subre la tierra. Son stamos a dar cuntinidade a la tos que mos lhieba a la cultueilhas que dan boç i bida pra ra de ls pobos lhatinos que nuossa mimória i a defender que las culturas nun se muorfúrun bibindo la sue stória, ren. Las palabras carrégan un las palabras que fázen la quedando-se an defrentes passado que trázen a la nuosnuossa eidentidade, a lhuitar pontos giográficos, composa mimória bidas de giente nendo i pisando la tierra, cada por ua possiblidade de pen- un deilhes a la sue maneira. rial. Quando stamos a falar de las palabras i de la lhéngua sar l nuosso mundo de maPula cierta que quien sabe dun pobo, stamos tamien a mirandés ou outra lhéngua neira defrente. falar de la sue cultura, stória, românica, mais facelemente percurso giográfico i de la sue daprenderá outras lhénguas maneira mui própia d’antenlhatinas cumo l pertués, l casder i anterpretar l mundo. quando ua lhéngua zaparece, ye telhano, l francés, l eitaliano, l Zafortunadamente, essa tal lhéngua de que bos falei no ampeço i que “carinosamente” le cháman “la palabra”, bai-se morrendo, porque depende de la eidade de ls sous falantes i, na quemunidade onde ye falada, yá solo quédan alredor de quinze a binte pessonas cua cierta eidade,

un mundo de coincimentos que se perde pra siempre, ua possibilidade rial de pensar l mundo de maneira defrente.

catalan, l romeno ou outras lhénguas que béngan de l lhatin i que hoije son faladas por muita giente.

Alguas lhénguas depénden de la eidade de ls sous falantes. Se fúren solo falantes bielhos, pula cierta q’essa lhéngua zaparecerá. La cuntinidade i la fuorça

Que mais bos hei de dezir, quando BÓS I TODOS NÓS tenemos la possiblidade de falar, de screbir i de pensar l mundo de maneira defrente?

21


julho de 2013

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Bejita de ls alunos de Xixón a la nuossa scuola CLARA MARTINS

N

gua i eilhes fazien-mos preguntas acerca de l mirandés. Antre las “dues lhénguas”, las defrenças mais grandes bien-se mais na scrita. Para alhá disso, eilhes tamien tenien bandas de rock que cantában an sturiano! Oubimos falar un cachico de ls sous questumes i pul fin antregórun-mos ua fuolha, cun jogo, que tenie preguntas a respeito de l sturiano i l de l mirandés. e l die 31 de Maio, ls alunos de l 8º anho de lhéngua i cultura mirandesa recebírun ua turma de studantes de Xixón, de las Astúrias.

Çpuis de l'aula haber treminado, lhebemos ls nuossos colegas a coincer la scuola i ansinemo-les alguns nomes an mirandés, cumo fui cun ls dies de la semana i algua quemida mais tradecional de Miranda.

Pulas dues i quarenta i cinco de la tarde, alhá chegórun cun ls sous porsores nuobe alunos de lhéngua sturiana, de l ansino secundairo, que fazien parte de alguns anstitutos de Xixón.

Gustemos muito de cumbibir cun ls alunos sturianos i de coincer las sues tradiçones i la sue cultura. Fazimos nuobos amigos, mui debertidos, cun quien partilhemos muitos coincimientos.

Fumos pra ua sala i ampecemos cun las apersentaçones. La purmeira cousa que arreparemos fui que, l sturiano ye mui asparcido al mirandés, l que achemos mui antressante, pus assi fui mais fácele falar-mos uns cun ls outros! Apuis de las apersentaçones fazimos un jogo, ó seia, nós faziemo-les preguntas acerca de la sue lhéngua, l sturiano, que inda nun ye recoincida pul stado de Spanha cumo lhén-

Sensibilizar para a infeção Dia Mundial de Luta Contra a Sida ALUNOS DO 9.ºA

O

Dia Mundial Da Luta Contra a Sida, 1 de dezembro, é assinalado todos os anos a nível mundial. Este dia serve, acima de tudo, para sensibilizar e atualizar a população para esta infeção. Na Escola Básica e Secundária de Miranda do Douro, o Dia

Mundial da Luta Contra a SIDA foi comemorado no dia 30 de novembro de 2012 com a iniciativa “ A nossa escola e a infeção do HIV/SIDA”. Esta atividade promovida pela equipa da promoção/ educação para a Saúde (PES) da escola tinha os seguintes objetivos: promover a prevenção e consciencialização sobre a epidemia de HIV/SIDA; informar a po22

pulação escolar sobre a problemática da infeção pelo VIH/SIDA, nomeadamente o seu modo de transmissão / prevenção; sensibilizar para o facto de a transmissão do VIH estar associada a comportamentos de risco, não existindo grupos de risco; favorecer um clima geral de não discriminação e solidariedade em relação à envolvente social da infeção pelo


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

julho de 2013

Saúde

laço. Para além do desfile no átrio do bloco de aulas, foram expostos laços e cartazes que alertavam para as formas de transmissão e proteção do HIV/SIDA. No campo de jogos, o 9.º já referido e o 10.ºC organizaram pequenos jogos, dos quais se destacou a cabra cega modificada. É de referir que a Unidade Móvel do Centro de Saúde local esteve presente durante todo o dia a fim de fazer o rastreio do VIH/SIDA. Para além disso, expôs e distribuiu materiais e informação aos alunos que lá se dirigi-

O “Laço Humano” do 12.ºA

VIH/SIDA, combatendo as ideias erradas e os preconceitos e tornar os alunos agentes ativos de divulgação sobre a infeção pelo VIH/SIDA. Todas as turmas foram convidadas a participar na iniciativa: para tal teriam de debater o tema durante a semana e elaborarem um “Laço Humano” para ser apresentado/exibido a toda a comunidade escolar no dia 30 de novembro.

A maioria das turmas aceitou o desafio e das 10:30 às 11:15 os alunos, acompanhados pelos diretores de turma e outros professores, desfilaram no polivalente da escola exibindo os seus laços humanos. Surgiram laços elaborados com velas, com balões, com mensagens, coreografado, etc … mas sem dúvida que os mais saborosos foram os laços que o 9º C distribuiu depois do desfile – biscoitos em forma de

23

am. Este dia decorreu de forma muito participativa por parte dos alunos/comunidade escolar. Ações como esta são fundamentais para combater a transmissão do HIV/SIDA pois os jovens, apesar das contantes campanhas de informação, continuam muitas vezes a ter comportamentos de risco. E porque a SIDA existe … mais vale prevenir.


julho de 2013

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Saúde

Deixemos o sexo em paz!...

Sinopse: Uma conferencista dirige-se ao público, numa pequena intervenção em que frequentemente interage com este, para falar, partindo de pequenos factos do dia-a-dia, de temas tão candentes e pertinentes como: “Os pais e o sexo”, “A minha experiência sexual”, “O aborto”, “A menstruação”, “A virgindade”, “A Minha relação com o outro sexo”, “Lição de orgasmo”, Os homens que fantasmas”, “Toda a verdade sobre os homens”, ”A impotência”, “Os rapazes e as suas inseguranças”, etc…

Imagens de Deixemos o Sexo em Paz

No âmbito do Projeto de Educação para a Saúde/Educação Sexual, com o apoio da Direção do Agrupamento e da Câmara Municipal de Miranda do Douro, foi apresentada, aos alunos do ensino secundário, a peça teatral “Deixemos o Sexo em Paz” de Dario Fo (prémio nobel da literatura) e Franca Rame, no dia 7 de junho no miniauditório de Miranda do Douro. Esta apresentação esteve a cargo da Companhia de Teatro Maria Paulos e decorreu em duas sessões. As turmas do 11º e 12º ano assistiram à sessão das 10:00h e as do 10º ano e do profissional assistiram à sessão das 14:00h. “Deixemos o sexo em Paz” “é um espetáculo em tom de comédia perfeitamente didático” que aborda, de uma forma divertida e alegre assuntos do “sexo” que ainda são tabus, realçando a impor-

tância que tem uma sexualidade vivida de forma responsável e informada, para a saúde individual e para a melhoria dos relacionamentos afetivos/ sexuais. É um monólogo interpretado pela atriz Maria Paulos que, durante aproximadamente uma hora e um quarto, representa 21 personagens, com grande talento e uma elevada capacidade comunicativa. Pelas opiniões recolhidas no final do espetáculo, este correspondeu às expetativas da grande maioria dos participantes: para além de ser muito divertido, permitiu aumentar e consolidar os conhecimentos sobre temas ligados à sexualidade, contribuiu para aceitação positiva e confortável do corpo sexuado, do prazer e da afetividade e para a valorização de uma sexualidade responsável e informada.

24


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

julho de 2013

Saúde

E QUE TAL SE COME NAS CANTINAS? EQUIPA PES

N

o início do terceiro período, a equipa PES tentou averiguar o nível de satisfação dos frequentadores em relação ao funcionamento dos refeitórios da EBS de Miranda e da EB2,3 de Sendim.

tura adequada. Dos inquiridos só 8% em Miranda e 2% em Sendim refere que as refeições nunca são servidas à temperatura adequada.

muito fraca. Em Sendim 43% considerou a qualidade dos produtos muito boa, 31% boa , 22% razoável e 3% fraca.

Dos inquiridos, 60% de Miranda e 77% de Sendim referem que comem todos os dias no refeitório, 28% e 14% comem 3 ou 4 No dia 15 de maio, os alu- vezes por semana, respetivamennos do Clube da Saúde distribuí- te. ram um inquérito a todos os utiliTanto em Miranda como em zadores do refeitório da EBS de Sendim os pratos que os alunos Miranda do Douro, no total de mais gostam são o “Frango assado 181 inquiridos. Uma semana de- com batata frita” seguido da pois os inquéritos foram distribuí- “Lasanha”. Já em relação ao prato dos no refeitório da EB2,3 de Sen- menos apreciado em Miranda é dim, no total de 96 inquiridos. “Massa com almondegas” e em

No que refere ao grau de satisfação como frequentador do refeitório, 66% dos inquiridos em Miranda dizem estar satisfeitos, 10% muito satisfeitos e 10% muito insatisfeitos. Em Sendim 34% dizem estar muito satisfeitos, 61% satisfeitos e nenhum inquirido assinalou muito insatisfeito.

Quando não almoçam no refeitório, 71% dos alunos de Sendim e 55% de Miranda almoçam em casa, 16% de Sendim e Os inquéritos continham Sendim “Peixe assado com batata 14% de Miranda almoçam no buquestões relacionadas com as ex- assada”. fete da escola. Verifica-se que periências que cada utilizador Em relação à questão “Qual 26% dos alunos de Miranda almopossui enquanto frequentador do é a sua opinião sobre a qualidade çam no restaurante. refeitório, sendo constituído por dos produtos” as respostas foram A razão principal para não oito questões comer no de escolha múlrefeitório tipla e uma tanto em questão de resSendim posta aberta. (30%) coEm relamo em ção à primeira Miranda questão “A re(51%) é o feição costuma de não ser servida nugostar da Gráfico 1 – Qual o seu grau de satisfação de satisfação como frequentador do ma temperatura refeição. refeitório A – resultados de Sendim, B – resultados de Miranda adequada”, 58% A maioria dos inquiridos de Miranda e 81% díspares. Em Miranda a qualidade dos inquiridos quer que as emendos inquiridos de Sendim refere dos produtos foi considerada por tas sejam elaboradas pelos aluque sempre ou quase sempre as 7% muito boa, 34% boa, 34% ra- nos, 49% em Sendim e 55% em refeições são servidas à tempera- zoável, 25% fraca e destes 10% Miranda. Dos inquiridos, 26%, em 25


julho de 2013

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Saúde

Gráfico 2 – Resultados do inquérito semanal realizado no dia realizado no dia 5/6/2013. Refeição servida: sopa- creme de cenoura; prato – peixe assado no forno c/batata cozida e salada de tomate; sobremesa - banana

Sendim, e 37%, em Miranda, dizem que devem ser mais fria e mais desagradável à vista. Além disto conelaboradas pela nutricionista. virá referir que, não obstante existirem opiniões Em relação à última questão “Faça uma suges- muito divergentes no que se refere à qualidade dos tão para melhorar o serviço, enunciando os aspetos produtos, estes são adquiridos aos mesmos fornecepositivos e negativos do refeitório” a maioria dos dores e com a mesma qualidade. inquiridos não respondeu. Dos que responderam, a maioria diz que se deveria servir pizza, hambúrgueres, batatas fritas, sumos e mais vezes sobremesas doces. Alguns inquiridos de Miranda referem que a comida deveria estar mais quente e deveriam servir maiores quantidades.

Para além deste inquérito, ao longo do 3º Período realizaram-se inquéritos semanais a uma amostra aleatória de frequentadores do refeitório da EBS de Miranda do Douro. Estes inquéritos sondavam a opinião sobre a apresentação, quantidade servida e sabor da refeição diária (sopa, prato, e sobremesa). De uma forma geral, podemos concluir, atra- Os inquiridos consideraram, no geral, que os três vés dos resultados deste inquérito, que os frequen- parâmetros estavam entre o Bom e o Suficiente em tadores dos refeitórios da EBS de Miranda e da todas as refeições servidas. EB2,3 de Sendim estão satisfeitos com a qualidade Embora alguns alunos se mostrem pouco satisdo serviço prestado. As diferenças encontradas en- feitos com as refeições nos refeitórios escolares, as tre os resultados de Sendim e de Miranda poderão ementas são elaboradas tendo em conta os 10 ser devidas ao número de refeições que são servi- “Critérios de Avaliação Qualitativa das Ementas” que das, que são em muito maior número em Miranda e constam na Circular nº 14/DGIDC/2007 e são freo tempo entre a primeira e a última refeição servidas quentemente avaliadas pela nutricionista do Centro que também é mais elevado em Miranda, devido às de Saúde de Miranda do Douro com resultados posidiversas atividades desportivas que decorrem na ho- tivos. De referir que ao longo do ano letivo, esporara de almoço, o que pode explicar a comida estar dicamente, alguns elementos da associação de pais

26


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

julho de 2013

Saúde

foram convidados a comer no refeitório a fim de verificar a qualidade das refeições servidas e do serviço, havendo um feedback muito positivo.

Comemoração: “Dia Mundial da Luta Contra a SIDA”

Para evitar comportamentos de risco ELIZABETH MACHADO

Face aos resultados apresentados continuaremos a fazer um esforço para melhorar o serviço nos refeitórios das nossas escolas, especialmente tendo em atenção a temperatura das refeições, qualidade dos produtos, melhoria da confeção e quantidade servida. Consideramos de extrema importância incutir hábitos alimentares saudáveis nos nossos alunos. A opção por hábitos de alimentação saudável contribui para que se evitem problemas de obesidade, diabetes, cáries dentárias, doenças cardiovasculares, subnutrição, entre outras. Por esse facto continuamos a insistir no nosso lema: “Sempre que os alunos não possam fazer as refeições em casa, comer na cantina é a atitude inteligente, já que nesse local come sentado e acompanhado por amigos, não se consome álcool, as refeições são equilibradas e o ambiente é mais saudável”.

Alguns dos trabalhos expostos no bloco de aulas da escola

N

o dia 30 de novembro as Turmas do 9º Ano A e B realizaram, no âmbito dos conteúdos programáticos da disciplina de Geografia, e o 9º B também dos conteúdos da disciplina de Formação Cívica, integrando o PES, o Projeto de Educação Sexual, com a colaboração da professora das referidas disciplinas, Elizabeth Machado e da coordenadora do referido projeto, Carla Martins. Assim fizeram a Comemoração do dia Mundial da SIDA com a exposição de trabalhos realizados pelos mesmos, no bloco de aulas. Os objetivos: compreender a epidemiologia do principal IST em Portugal e no mundo (incluindo infeção por VIH/vírus da imunodeficiência humana — HPV2/vírus do papiloma humano — e suas consequências) bem como os métodos de prevenção; aumentar conhecimentos acerca das infeções de transmissão sexual, formas de prevenção; sensibilizar a comunidade escolar sobre medidas de prevenção das DSTs (VIH/ SIDA);conhecer a situação/ localização das DSTs (VIH/SIDA) em Portugal e no Mundo; saber como se protege o seu próprio corpo, prevenindo a violência e o abuso físico e sexual e comportamentos sexuais de risco, dizendo não a pressões emocionais e sexuais, foram alcançados tendo sido o balanço da referida atividade bastante positivo pois os objetivos propostos foram alcançados. 27


julho de 2013

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Ciência

Jornadas da Ciencia ncia— —Sendim 2013

D

o pré-escolar ao 9º ano, todos os alunos de Sendim participaram em mais umas Jornadas da Ciência que decorreram durante o dia de 17 de abril, na EB2/3 de Sendim, organizadas pelos professores do departamento de Matemática e Ciências Experimentais. Foram muito variadas as atividades proporcionadas aos participantes. No Laboratório de Ciências, pleno de emoções, os alunos puderam experimentar ou observar inúmeras atividades sobre temáticas da Biologia, Geologia, Química e Física, tais como a observação de células, órgãos de animais, sentidos em ação, densi-

dade dos corpos, eletricidade, reações químicas variadas e os famosos “pega monstros”, que todos puderam levar como recordação. Na sala da Matemática, os alunos divertiram-se com inúmeros jogos didáticos que mostram que a matemática pode ser muito interessante. Na Biblioteca, decorreu a Feira dos Minerais, que permitiu aos alunos observar uma grande variedade de minerais e ainda adquirir algumas lembranças. Nos intervalos das aulas, foram os vulcões e geiseres que entraram em erupção. As explosões não foram muito espetaculares, mas não deixou de ser divertido e ao mesmo tempo

28

elucidativo dos diferentes tipos de atividade vulcânica. A Equipa de Saúde Escolar do Centro de Saúde de Miranda também esteve presente neste evento, disponível para realizar rastreios aos interessados, promovendo deste modo a saúde da comunidade escolar. Ainda integrado no programa das Jornadas da Ciência, e com a colaboração da Associação de Pais, esteve presente na escola o Planetário portátil, no dia 9 de abril, levando a cabo várias sessões de visualização do espaço extraterrestre. Foi um dia fervilhante de ação, em que a vontade que fica nos alunos é a de repetir.


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

julho de 2013

Ciência

Jornadas da Ciencia ncia— —Miranda 2013 CARLA MARTINS

N

os dias 10 e 11 de abril, realizaram-se as Jornadas da Ciência 2013, na Escola Básica e Secundária de Miranda do Douro. Esta iniciativa foi organizada pelo Departamento de Matemática e Ciências Experimentais que contou com a colaboração da Direção do Agrupamento, da Equipa de Saúde Escolar do Centro de Saúde de Miranda do Douro, da Associação de Pais do Agrupamento e do Instituto Politécnico de Bragança. A Câmara Municipal facultou o transporte aos alunos do 1º Ciclo da EB1 de Miranda do Douro até à EBS.

mover a participação e o empenhamento nas atividades. Para a concretização destes objetivos nestes dois dias, professores e alunos apresentaram à comunidade educativa as atividades que realizaram ao longo do ano nas disciplinas de Ciências, Biologia e Geologia, Física e Química A, Matemática e Informática. Nas várias salas, os visitantes puderam assistir/participar em diversas atividades experimentais, jogos didáticos, observar trabalhos, etc… No laboratório de Biologia/ Geologia destacaram-se a observação de células ao microscópio ótico composto, a cromatografia dos pigmentos fotossintéticos, a

As Jornadas da Ciência têm como objetivos: promover o interesse pelas ciências experimentais e exatas; divulgar as atividades que se realizam nas aulas ao longo do ano letivo; incentivar nos alunos a curiosidade científica; promover o intercâmbio entre os diferentes níveis de ensino e pro29

osmose em membranas biológicas, observação de seres vivos microscópios de um ecossistema de água doce em videomicroscopia, a impermeabilidade das asas das aves, a subida de água corada pelo caule das plantas e a simulação de dobras, falhas, furações, vulcões e geiseres. No laboratório de Física/ Química realizaram-se diversas atividades relacionadas com as propriedades físico-químicas das substâncias, como a medição da pressão, da densidade e do pH. Os visitantes tiveram oportunidade de contactar com as propriedades do gelo seco e com a sua aplicação na culinária, na medicina e na conservação dos alimentos. Como de costume os “PegaMonstros” foram a atração principal… e todos puderam levar um com a sua cor favorita.


julho de 2013

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Ciência

Na sala de Matemática, todos contactaram de forma divertida e dinâmica com alguns dos conceitos matemáticos mais comuns. Tiveram especial interesse a construção de sólidos geométricos e o jogo de estratégia denominado Rummy. Os jogos interativos foram também muito apreciados pelos alunos.

nossa escola. Na sala 21, esta equipa fez a demonstração de algumas atividades experimentais realizadas nas áreas das Ciências Agrárias; Química; Robótica e Ciências da Saúde. Demonstraram o funcionamento de células de combustível; determinaram o teor de Vitamina C em plantas; exibiram alguns materiais obtidos a partir de fontes renováveis; apreNa sala de informática, os participantes tive- sentaram algumas das capacidades de robôs e deram oportunidade de jogar nos numerosos jogos terminaram o grupo sanguíneo de todos os interesinterativos realizados pelos alunos nas aulas de TIC. sados. As atividades mais divertidas foram a captura de Na sala 24, os elementos da Equipa de Saúde imagens distorcidas e alteradas dos visitantes atra- Escolar do Centro de Saúde de Miranda do Douro vés do site webcamtoy.com e a medição do ruído da efetuaram a avaliação do estado nutricional e a avasala com recurso ao software neave.compt/bolas- liação de risco cardiovascular a alunos, pessoal dosaltitantes. cente e não docente. A feira dos minerais decorreu no átrio do bloco de aulas, onde estiveram patentes minerais, rochas, fósseis e conchas de vários locais do mundo e ainda peças artesanais confecionados com os diferentes minerais, que puderam ser adquiridos pelos interessados. Nesse mesmo local foram expostos trabalhos de alunos alusivos ao tema das jornadas.

No dia 10, alunos do 10º A presentearam-nos, com a interpretação da canção “Lagrima de Preta” de António Gedeão.

Os alunos do 3º e 4º ano da EB1 de Miranda do Douro, acompanhados pelos seus professores, participaram nas atividades das jornadas durante a manhã do dia 10. Estes alunos mostraram-se muito A associação de pais proporcionou aos alunos interessados e participativos … e muito, muito curiodo 1º, 2º e 3º ciclos a visita ao planetário portátil. Os sos. participantes puderam visualizar os astros do univerFace ao interesse demonstrado por toda a coso e ficaram a conhecer curiosidades sobre os mes- munidade escolar, pelo nível de participação e empemos. nho de todos os envolvidos, consideramos que os No dia 10, uma equipa do IPB deslocou-se à objetivos destas jornadas foram amplamente atingidos. 30


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

julho de 2013

Ciência

Cuidado com o sol! ALUNOS DO 8.ºA

Na passada sexta-Feira, na aula de Formação Cívica com a Professora Carla Rodrigues, tivemos o privilégio de receber na nossa escola o Senhor Professor Fernando Subtil. Deslocou-se à nossa escola para nos falar de um tema que nos preocupa muito hoje em dia, a exposição solar excessiva. Para podermos desfrutar do sol, temos regras e cuidados a cumprir, pois ele é muito potente, podendo causar algumas doenças. É verdade que sem o sol os seres vivos não existiam, mas tudo é bom em quantidade moderada.

Sessão com o professor Fernando Subtil, da Cruz Vermelha

camada da pele, a derme.

Mas, afinal, o que é que o Sol contem que nos possa prejudicar tanto?

Para além de tudo isto, o senhor professor informou-nos também de que os UVB são responsáveis pelo Bronze, pelo envelhecimento precoce da pele e podem causar cancro. Os raios UVA penetram mais a pele, podem interagir com certos medicamentos, são responsáveis pelas alergias solares, não causam queimaduras e podem causar secura da pele.

Foi a nossa pergunta! O sol contém raios Ultravioleta, que são emitidos para a Terra! Os UV podem dividir-se em dois grupos UVA e UVB. Enquanto os UVB só atingem superficialmente a pele, os raios UVA são os mais perigosos pois afetam a segunda

Para todos os males há sempre uma cura. Nós próprios podemos acabar com todos estes problemas, começando por desfrutar do Sol nas horas de menor calor e o mais importante de tudo usar protetor Solar! Cada protetor solar tem um número (50,

O sol em excesso pode ter malefícios, pois pode causar Alergias, Fotossensibilíssimo e o pior de tudo pode causar Cancro. Por outro lado nem tudo é mau, pois ele também tem os seus benefícios, fornece-nos vitamina D, calor energético e ajuda na ação terapêutica.

31

por exemplo) e esse número varia consoante o teu tom de pele. As pessoas com um tom de pele mais escuro usam um protetor com um número muito reduzido, por outro lado as pessoas com um tom de pele mais claro têm de usar um protetor com um número mais elevado. Quando chegamos ao fim da palestra estávamos todos muito mais esclarecidos e sensibilizados para cumprir as regras de exposição ao sol. Agradecemos ainda ao Professor Fernando Subtil a amabilidade de se ter deslocado à nossa escola para nos falar de um tema tão preocupante. Respeitem as regras do sol pois a vida é o melhor que podemos ter!


julho de 2013

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Ciência

Observar para descobrir ELIZABETH MACHADO

No âmbito dos conteúdos programáticos da disciplina de Geografia A os alunos do10ºB, acompanhados pela professora da referida disciplina, Elizabeth Machado, realizaram uma visita de estudo à ETA -Estação de Tratamento de Águas e à ETAR - Estação de Tratamento de Águas Residuais de Miranda do Douro, no dia 17 de Abril. Os objetivos da visita eram os seguintes: conhecer / contactar uma ETA e uma ETAR, consolidar conhecimentos na sala de aula, desenvolver técnicas de observação direta e estabelecer laços entre a escola e o espaço envolvente. A visita de estudo às duas estações de tratamento de águas foi-nos guiada pela Dra. Olga Andrade.

para os depósitos onde já é já potável, sendo, de seguida bombeada para os depósitos de distribuição, chegando às nossas casas.

Na ETAR, Estação de Tratamento de Águas Residuais, onde iniciamos a nossa visita/aula de campo, observamos como as águas dos esgotos eram tratadas e devolvidas à Natureza. Observamos o processo de gradagem que retira os resíduos sólidos da água, dirigindo-se a mesma depois para os tanques de arejamento onde uma turbina desfaz as lamas as quais seguem depois para o tanque de decantação. Neste, a água limpa vai para uma caleira, enquanto as lamas sólidas, que se depositam no fundo, vão para a prensa. A água depois de limpa é conduzida ao Rio Fresno o qual posteriormente a devolve ao rio Douro. As lamas são cedidas para fertilizar os campos de cultivo.

As localidades do concelho de Miranda do Douro são abastecidas de forma diferente, através de água superficiais (rio Douro) e através de águas subterrâneas (furos existentes nas diferentes localidades do concelho). Com a captação de água no rio Douro e respetivo tratamento na Estação de tratamento de águas (ETA), situada em Miranda, são abastecidas a cidade de Miranda do Douro e as localidades de Malhadas, Duas Igrejas, Cércio, Vale de Mira, Póvoa, Aldeia Nova, Vale de Águia, Pena Branca e Palancar. Com a captação no Rio Douro, junto à barragem em Picote, e respetivo tratamento na ETA do Barrocal do Douro são abastecidas as localidades de Barrocal do Douro, Picote, Vila Chã da Braciosa, Freixiosa, Sendim, Atenor, Teixeira, Prado de Gatão e Palaçoulo.

Na E.T.A., Estação de Tratamento de Águas, os alunos puderam conhecer os processos de tratamento da água para a mesma se poder tornar potável e ser consumida nas nossas casas. Começámos por observar que a água, com bastante lama e sujidade, que vem do Rio Douro, de onde é captada por intermédio de bombas de sucção vai para um tanque. A maior parte para o depósito de decantação, onde se junta um reagente químico. Esse reagente faz com que as lamas se juntem todas e fiquem no fundo. Faz-se a descarga das lamas, para que elas não subam ao cimo da água. Depois procede-se à filtração da água e, de seguida, à desinfeção química, pela adição de cloro. A água passa ainda pelo filtro de pressão onde se faz nova desinfeção com hipoclorito de sódio. Daí, entra

As localidades de Águas Vivas, S. Pedro da Silva, Fonte de Ladrão, Granja, Genísio, Especiosa, Ifanes, Paradela, Constantim, Cicouro e São Martinho são abastecidas por furos existentes em cada uma das localidades. Fomos também informados que no concelho de Miranda do Douro a qualidade da água para consumo é segura, quer quanto à qualidade da água distribuída, quer quanto à realização do número de análises obrigatórias para o seu controlo. A água é o principal constituinte das células huma32


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

julho de 2013

Leitura

nas e está presente em todos os processos fisiológicos e bioquímicos que ocorrem no nosso corpo. Quando a quantidade de água no organismo diminui, o ser vivo pode ficar desidratado pondo em risco a sua sobrevivência. A água de boa qualidade é assim de grande importância para a vida e para a saúde. Em Portugal tem-se verificado uma evolução muito positiva, quer quanto à qualidade da água distribuída, quer quanto à realização do número de análises obrigatórias para o seu controlo. Com efeito, os últimos dados nacionais conhecidos não deixam quaisquer dúvidas sobre este

assunto, evidenciando uma clara melhoria no controlo da qualidade da água na última década. Esta situação requer, no entanto, um investimento adicional em ações e medidas que permitirão atingir a meta do Plano Estratégico de Abastecimento de Água e Saneamento de Águas Residuais 2007-2013 (PEAASAR II) de 99% para o indicador Água Segura (água controlada e de boa qualidade), correspondente a 100% de análises realizadas e 99% de cumprimento dos valores paramétricos especificados na legislação. Os alunos puderam concluir que as duas estações de tratamento

de águas visitadas têm o papel de limpar as águas das suas impurezas. A todos os que nos apoiaram nesta atividade, nos receberam, e à Dra. Olga que gentilmente nos deu uma explicação rigorosa e exata enriquecendo, ainda mais, os nossos conhecimentos, o nosso muito obrigado. A avaliação, da referida atividade, efetuada quer pelos alunos quer pela professora, mostrou que o balanço foi bastante positivo. Os alunos mencionaram que a atividade teve interesse e melhoraram os seus conhecimentos. Os objetivos propostos foram alcançados.

Lhiendas urbanas de la 2° Guerra Mundial CAROLINA FIGUEIRA

La segunda guerra mundial fui la que mais mortandade truxo i deixou porende alguas cuontas algo assustadoras. I you bou a cuntar-bos alguas deilhas: “L relatório de ls muortos” La cuonta medunca de trés pilotos de ls abiones bombardeiros (Douglas DB-7 Boston), que, passado la misson de bumbardiar las defénsias alemanas, durante la segunda guerra, buolbiu pa la base cua grandíssima grima culgada nos rostros de ls pilotos. L quemandante que ls recebiu mandou q'eilhes fazíssen nistante l relatório i, apuis mandou-los a çcansar. Passado un cachico, l quemandante recebiu la notícia

de q’esses pilotos habien morrido nessa mesma misson. Este causo ye mui antressante, pus deixou probas físicas de la manifestaçon dessas trés almas penadas, que mesmo apuis de muortas, screbírun l relatório que cuntenie la maneira cumo habien morrido nessa tal misson. “Las almas de l Pacifico Sul” Todas las batailhas i lhuitas de la Segunda Guerra Mundial, trabadas ne l Pacífico Sul, fúrun sangrientas, selombries i ampiadosas. I, talbeç, pra alguns, la grima inda nun tenga treminado. 33

Ne l final de la década de 50, un repórter de la BBC de Londres noticiou que habie ua casa na Malásia, acupada por oufeciales Japoneses, adonde inda se oubien ls passos i ls rugidos de las botas de ls melitares. Outras fuontes anformórun que ls pescadores de la ilha Filipina cuntinában a ber patrulhas pantasmas durante anhos, passado la guerra.


julho de 2013

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Leituras

“HÄN SOLO” ANTÓNIO SANTOS

Rui Lacas sabe contar histórias como ninguém. “Hän Solo” é apenas isso: uma bela história intimista, de cariz autobiográfico, que nos apresenta um jovem estudante Erasmus que decide trocar Lisboa por Madrid na sequência de um desgosto amoroso. Trata-se de um projeto antigo que, entretanto, e a instâncias de Rui Brito, das edições Polvo, foi recuperado e concluído. Utilizando a bicromia, em que os tons verdes se associam com o preto e o branco, o autor consegue um resultado visual muito agradável. Podemos mesmo encontrar nesta obra alguns momentos que atestam a grande qualidade de Rui Lacas, um dos melhores autores portugueses de banda desenhada da atualidade. Por exemplo, a tórrida sequência amorosa entre Hän e Sandra, a namorada, no início da narrativa, magistralmente desenhada, sem palavras ou onomatopeias, consegue reproduzir um momento de grande intensidade. Por outro lado, a viagem de táxi, na prancha da página 35, em que Hän parece entrar numa espiral de loucura pelos pensamentos que o assaltam, suportados pelos hipnóticos planos de pormenor, revela bem a grande maturidade de Lacas. Da mesma forma, na página 38, ao confirmar-se a traição de Sandra, Lacas retrata como ninguém a convulsão de sentimentos que a personagem principal experimenta.

A parte menos conseguida da obra parece-nos ser o desenlace. De facto, de forma algo imprevista, na página 64, a história termina com a confirmação de Hän como um fotógrafo promissor, com obra publicada num jornal. Estaria o autor preso, pelo editor, ao formato dos álbuns de 64 páginas? Não lhe apeteceu ir mais longe na sua demanda autobiográfica? Não sabemos, mas temos de concordar que, assim, sabe a pouco. Quem sabe não assistimos um dia a uma sequela destas aventuras, tão ao estilo da série Star Wars que Lacas quis homenagear ao escolher para título o nome “Hän Solo”? A não perder! 34


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

julho de 2013

Leituras

O Baile ANTÓNIO SANTOS

C

om argumento de Nuno Duarte

trar alguns desequilíbrios.

(Produções Fictícias) e ilustrações de Joana Afonso (vencedora do concurso Amadora BD 2011), «O Baile» remete-nos para uma aldeia piscatória portuguesa, em pleno Estado Novo, onde surgem rumores de estranhas aparições que trazem toda a comunidade em alvoroço.

De facto, lamenta-se, desde logo, que os autores tenham enveredado pela solução fácil e hollywoodesca da figura dos zombies, provocando um claro afastamento em relação ao nosso imaginário fantástico. Por outro lado, parece-nos que o aspeto menos conseguido da obra é o facto de Joana Afonso não ter conseguido dar uma aura etérea e misteriosa a esses seres, apresentando mesmo alguns deles com um aspeto cómico e bonacheirão.

Com um argumento vagamente inspirado no clássico «O Nevoeiro» de John Carpenter, esta obra vem confirmar Joana Afonso como uma das mais promissoras autoras de BD no panorama nacional.

No entanto, como refere Pedro Moura, «O baile é na verdade um projecto bem conseguido num campo que se poderia chamar de “banda desenhada para (quase) todas as idades”. E (…) a forma como traz para primeiro plano particularidades da história e da identidade portuguesas tornam esta uma empresa surpreendente».

Nas palavras de Gabriel Martins, «além de uma excelente ilustradora, Joana Afonso sabe como contar uma história. As suas personagens, a evocarem marionetas, dão um ar caricatural a todo este “baile” surrealista e fantasmagórico, que encaixa na perfeição».

Não é pois de estranhar que esta obra, editada pela Kingpin Books de Mário Freitas, tenha ganho as seis categorias da primeira edição dos Prémios Profissionais de Banda Desenhada (2013): melhor álbum do ano, melhor argumento, desenho, cor, legenda e design.

Já Pedro Moura, no seu blog «LerBD», considera que o estilo cartoonesco e “excessivo” de Joana Afonso aproxima algumas das suas soluções de um universo da animação, e de toda a banda desenhada que lhe está associada, mas ao mesmo tempo é o garante de uma certa dinâmica estrutural das composições; lembrando, no entanto, que ao longo desta obra podemos encon-

A não perder!

35


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Ăšltima PĂĄgina

Foi assim no Carnaval!

36


Cartolinha online