Page 1

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Ano 38 N.º 1 de 2017/18 Eurodeputado Marinho Pinto oferece visita a Bruxelas

Alunos vão conhecer o Parlamento Europeu

NOTÍCIAS

NOTÍCIAS

La scuola de Miranda ye ambaixadora de l Parlamento Ouropeu «Asterix an Eitália» apresentado na Feira dos Sabores Mirandeses LEITURAS

Assinatura da Carta Europeia das Línguas Regionais ou Minoritárias em Miranda do Douro DESTAQUE

Momentos extrarráticos com

CULTURA


fevereiro de 2018

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Editorial

EDITORIAL Quando, de forma pioneira após o alargamento da escolaridade para os 18 anos, se refletiu sobre o tipo de perfil de aluno que se pretendia, dando origem à publicação do Perfil do Aluno à Saída do Ensino Obrigatório, cedo se verificou que o currículo e a organização escolar que tínhamos não respondiam na íntegra a todos os princípios, valores e competências-chave aí enunciadas. Ao surgir a possibilidade de participarmos no Projeto de Autonomia e Flexibilidade Curricular pareceu-nos evidente que as peças se encaixavam e que não poderíamos deixar de aderir ao mesmo, procurando sempre a melhoria do serviço prestado à comunidade. Além disso, não faria sentido que um Agrupamento onde é lecionada a disciplina de Língua e Cultura Mirandesa, há vários anos, sempre sujeita a constrangimentos anuais de funcionamento, ficasse afastado deste projeto de autonomia. Com a total aprovação do Conselho Pedagógico e do Conselho Geral aderimos ao projeto e tentámos o envolvimento de toda a comunidade. Começámos por abordar o tema nas reuniões gerais e, mais tarde, convocámos reuniões específicas para a planificação do trabalho. Foram aprovados os documentos-chave orientadores do nosso trabalho, nomeadamente o Projeto Curricular do Agrupamento, integrado no Projeto Educativo, onde estão plasmadas as principais opções curriculares e organizacionais, e a Estratégia de Educação para a Cidadania na Escola, definindo-se os domí-

ÍNDICE ALFABÉTICO

nios de Educação para a Cidadania a serem trabalhados nos diferentes anos e as respetivas formas de operacionalização. Com base nestes documentos, os Conselhos de Turma / Docentes elaboraram os respetivos Planos Curriculares de Turma. Em termos curriculares, neste primeiro ano, não optámos por soluções de rutura no que respeita à distribuição de horas por disciplina, até porque continuam alguns receios relativamente aos exames nacionais e aos programas. Tentámos sobretudo valorizar a importância da Educação para a Cidadania e a criação de «espaços» para o desenvolvimento do Trabalho de Projeto. Optámos então por criar, no ensino básico, uma disciplina de oferta de escola – Área de Projetos – onde se pudessem desenvolver projetos ligados às diferentes disciplinas e onde, afinal, os alunos pudessem participar na construção do saber, de forma ativa e responsável. Esta disciplina conta ainda com a codocência de um professor de Língua Mirandesa, aproveitando um projeto-piloto para o ensino da Língua e Cultura Mirandesa, recentemente assinado com o Ministério da Educação, reforçando assim a ligação ao meio. Consideramos que o Projeto de Autonomia e Flexibilidade vem contribuir muito para que se consiga atingir o perfil do aluno à saída do ensino obrigatório, nomeadamente com a criação das Aprendizagens Essenciais das diferentes disciplinas e com a introdução da área / disciplina de Cidadania e Desenvolvimento. Consideramos, no entanto, 2

EDITORIAL

2

BANDA DESENHADA

22

CIÊNCIA

10

CULTURA

11

FRANCÊS

20

LEITURAS

14

NOTÍCIAS

3

OPINIÃO

16

PORTUGUÊS

19

SOCIEDADE

21

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

FICHA TÉCNICA Propriedade AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDA DO DOURO Rua Coronel Eduardo Beça 5210-192 MIRANDA DO DOURO Tel.: 273 431 330 / Fax: 273 432 355 Email: aemd@sapo.pt Página Web: esmd.dyndns.org/expert/aemd.htm

Coordenação Clube de Jornalismo

Grafismo Clube de Jornalismo

Imagem do Cartolinha Manuel Ferreira

Impressão AEMD

Tiragem 200 exemplares

CDU 373.5 (469.201) (05)


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

fevereiro de 2018

Notícias

A implementação do Projeto de Autonomia e Flexibilidade Curricular no AE Miranda do Douro assenta na coesão das equipas pedagógicas e de coordenação. que no ensino secundário esta área muito beneficiaria se tivesse um tempo curricular marcado no horário dos alunos. Entendemos que o projeto apresenta vantagens a vários níveis. Uma das grandes vantagens é precisamente o de não ter receitas previamente definidas e possibilitar que cada um faça uma gestão da autonomia na medida do seu interesse ou necessidades. Existem, naturalmente, outros fatores que muito condicionam o

sucesso das políticas educativas, como a estabilidade da carreira docente ou os constrangimentos orçamentais das escolas, mas temos a noção que o grande desafio para a melhoria assenta numa mudança de hábitos arreigados e de mentalidades, por isso tão difícil quanto motivador. Link para a página da escola criada para a implementação do projeto: http://www.aemd.pt/pafc/pafc.htm

António MM Santos Diretor do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Poema do Dia do Perfil do Aluno ALUNOS DO 3.ºB/4.ºA Há flexibilidade Em liberdade. Em democracia Há sabedoria! Um aluno participativo É um aluno inclusivo, Também cívico, Crítico e reflexivo. Se houver inovação E cooperação, Serei um aluno Bom cidadão!

La scuola de Miranda ye ambaixadora de l Parlamento Ouropeu DUARTE MARTINS “Scuola ambaixadora de l Parlamento Ouropeu”, puosto na nuossa fala, ye un porgrama eiducatibo que ten cumo finalidade dar alguns coincimientos als studantes de l ansino secundairo i porfissional, para que estes apuis gánhen ua cuncéncia más ancha ne l que diç respeito a l’Ouropa i a la cidadanie ouropeia. L Parlamento Ouropeu lhançou assi este porgrama trasfronteiriço que bai depender muito de l ambulbimiento de ls porsores i de ls studantes que teneran que partilhar cun la quemunidade eiducatiba i cun la quemunidade lhocal ls

coincimientos que daprendírun a respeito de l papel que l’Ounion Ouropeia fai, assi cumo las decisones democráticas de la mesma. Ls studantes, ls porsores i las scuolas mais afertunadas que entran neste projeto, poderan recebir ua mençon honrosa: “Escola embaixadora do Parlamento Ouropeu” i poderan ir a ua sesson Ouroscuola, que poderá ser nas cidades de Bruxelas ou de Strasburgo. Lhembramos que la nuossa scuola partecipa cun ls studantes de mirandés de l 10º anho i la rapaziada, que ye regrada puls porsores António Santos, Cisnando Ferreira i Duarte Martins pare-

3

ce andar cun las mangas arrefucidas i algo trabalhadeira: yá participou na sesson de l’assinatura de la carta de las lhénguas minoritairas, que oucurriu an miranda i tamien tenerá un “infopoint” na feira de l fumeiro de miranda, ne ls dies 16, 17 i 18 de febreiro cun material anformatibo i alguas atebidades relacionadas cun l’ Ouropa i cun l Parlamento Ouropeu. A ber bamos...


fevereiro de 2018

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Notícias

Mais um primeiro prémio para o Jardim de Infância de Sendim ORQUÍDEA XAVIER

zar, andar mais a pé, evitar o uso de produtos descartáveis e sacos de plástico, deitar as pilhas no pilhão, recolher óleos alimentares usados, etc. De salientar que durante o ano letivo recolhemos 30 Kg de pilhas, 440 Litros de óleo alimentar usado, produzimos composto de qualidade, promovemos a gestão de resíduos e muitas das atividades foram elaboradas a partir de produtos que podem ser reutilizados. O Jardim de Infância de Sendim desde 2009 que participa nas ações de sensibilização da Empresa “ Resíduos do Nordeste”, tendo recebido prémios todos os anos. Este projeto tem por finalidade sensibilizar a criança a ter respeito pelo ambiente, incutindo bons hábitos de preservação e reutilização. Preservar o meio ambiente é de primordial importância para manter a saúde do planeta e de todos os seres vivos. Não custa nada, apenas termos algumas rotinas no nosso dia a dia: não desperdiçar água, economizar energia, não deitar lixo no chão, fazer compostagem, reutili-

Claro que fazemos a nossa pequena parte, porque a questão de fundo, muito mais pertinente, passa pelos governantes a nível mundial. Devido a estas pequenas rotinas que temos todos os dias na escola, mais uma vez, fomos presenteados com o primeiro prémio, 4 bicicletas, que foram entregues dia 5 de dezembro. Da nossa parte, comunidade educativa do Jardim de infância, só queremos que as nossas crianças, desde pequenas, ganhem esses gestos diários, e que se tornem cidadãos sustentáveis em prol de um mundo melhor. Resta-nos agradecer às crianças, aos pais, encarregados de 4

educação e restante comunidade educativa do Jardim de Infância pelo empenho demonstrado. Bem hajam! Estes valores estão subjacentes no nosso projeto pedagógico de departamento, que este ano tem como tema” A cidadania no séc. XXI”. A finalidade deste projeto é o conhecimento e a preservação do nosso património cultural. Como tema aglutinador para o primeiro período temos trabalhado os valores: solidariedade, partilha, respeito pela natureza e pares, responsabilidade, autonomia, etc. Como parceiros, destacamos o Museu das Terras de Miranda que vai ter um papel preponderante no desenvolvimento do projeto.


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

fevereiro de 2018

Notícias

Literacias atravessam Biblioteca Escolar e Museu da Terra de Miranda EQUIPA DA BE

ao nível da interpretação e comunicação, e no âmbito da escrita criativa. Foi neste contexto que se organizou a ação “Olhar sobre a arte”, que decorreu no passado dia 22 de janeiro, dinamizada pela Drª Ana Pereira, coordenadora dos serviços educativos do Museu do Abade de Baçal. A partir da história de Susan Verde, " O museu", os alunos do 2º ciclo da EBS de Miranda do Douro, através de vários desafios, desenvolveram aspetos da criatividade, perceção e sensibilidade estética, aprofundando as diferentes e diversas formas de comunicar e sentir através do património. O projeto continua...

“O que os meus olhos veem” é um projeto na área da literacia artística e da cidadania cultural e da literacia da leitura, informação e dos média, num trabalho articulado entre o Museu da Terra de Miranda e a Biblioteca Escolar do AEMD, envolvendo as disciplinas de Educação Visual e Tecnológica, Português, Cidadania e Área de Projetos. O objetivo é levar os alunos do 2º ciclo a trilhar um caminho de descoberta da arte e do património, promovendo competências transversais. No âmbito deste projeto, as turmas de 6º ano estiveram, em novembro, no Museu da Terra de Miranda para visitar e explorar a exposição de ilustrações “Histórias de Encantar” da Ajudaris, de forma a promover aprendizagens essenciais no âmbito das artes visuais, designadamente

A minha opinião Eu gostei muito desta atividade, porque passamos um dia diferente e ficamos a conhecer melhor o nosso Museu. Samuel Martins, 5A Eu gostei da atividade, porque vi obras de arte que não conhecia. Gostei de pintar os desenhos. João Tavares, 5A Ficamos divididos em grupos pelas salas do Museu para percebermos melhor cada parte. Depois, fizemos um desenho com lápis de pastel sobre a parte de que mais gostamos. João Domingues, 5B

Eu gostei muito, acho que foi uma forma de os alunos irem ao passado conhecerem as tradições da sua terra. Gustavo, 5B Aprendemos a saber ver os museus com outros olhos. Márcia, 6A Desenho de Patrícia Igreja

Gostaria que se fizessem mais atividades com esta! Letícia, 6A

Desenho de João Paulo Meirinhos

5

Na minha opinião, foi uma atividade positiva para os alunos. João Afonso, 6B


fevereiro de 2018

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Notícias

Eurodeputado Marinho Pinto oferece visita a Bruxelas No próximo mês de maio, um grupo de alunos e professores do nosso Agrupamento de Escolas vai a Bruxelas, com o objetivo de conhecer o Parlamento Europeu. A iniciativa partiu do Eurodeputado Marinho Pinto, que costuma oferecer estas viagens a alunos das escolas do interior. Este ano decidiu que have-

ria de ser a nossa a escola escolhida. Assim, por decisão do Conselho Pedagógico, os delegados e subdelegados das turmas do Ensino Secundário, bem com os delegados e subdelegados das turmas do 9.º ano, irão a Bruxelas, acompanhados por elementos da Direção e alguns diretores de turma. Bon voyage!

Assinatura da Carta discutida em Miranda do Douro Mirandês na Carta Europeia das Línguas Regionais ou Minoritárias CISNANDO FERREIRA Foi no dia 14 de dezembro de 2017 que tiveram lugar, no miniauditório da cidade de Miranda do Douro, as Jornadas subordinadas ao tema “A Carta Europeia das Línguas Regionais ou Minoritárias”, com a

finalidade de preparar a entrada da Língua Mirandesa para este grande grupo.

Educação, João Costa, mas também com a assistência dos nossos embaixadores do Parlamento Europeu, uma vez que o nosso agrupamento abraçou o Programa das Escolas Embaixadoras do Parlamento Europeu.

Tal evento contou com a presença de ilustres oradores, entre os quais o Sr. Secretário de Estado da

A Carta Europeia das Línguas Regionais ou Minoritárias ANDRÉ XAVIER GABRIELA RODRIGUES

Portugal vai assinar a Carta Europeia das Línguas Regionais ou Minoritárias com o objetivo de nela se integrar a língua mirandesa. Para proceder à apresentação dos conceitos e explicação dos procedimentos a seguir neste processo de integração, alunos, professores, peritos do conselho da Europa e representantes do mirandês, reuniram-se no miniauditório de Miranda do Douro no dia 14 de dezembro último. Esta carta também já foi assinada por outros países como a Finlândia (onde também usam o sueco, apesar da língua oficial ser o finlandês) e a Polónia (onde existem 15 línguas que integram a carta).

tárias é um tratado internacional celebrado entre os Estados Membros do Conselho da Europa que entrou em vigor a partir de 1998, com o objetivo de proteger as línguas regionais ou minoritárias de cada país. A “Carta” pretende a preservação dessas línguas, normalizando o seu o uso e o seu ensino, para os mais jovens poderem aprendê-las, usá-las e protegê-las, contribuindo para a construção de uma Europa mais coesa e pacífica. Por que razão é tão importante preservar uma língua? Falar uma língua é um direito humano, mas o que é uma língua?

O que é a Carta Europeia das Línguas Regionais ou Minoritárias? Para que serve?

Uma língua é um sistema linguístico usado por uma determinada comunidade para a comunicação entre

A Carta Europeia das Línguas Regionais ou Minori6


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

fevereiro de 2018

Notícias

seus membros, porém esta definição é meramente política. Há muitas línguas e dialetos que estão em risco: estima-se que a cada duas semanas um idioma desaparece, e mais de 2500 línguas estão em perigo no mundo Lembremo-nos de que enquanto perdermos línguas, perdemos cultura e conhecimento. Para que as línguas minoritárias não sejam “derrotadas”, precisam de ser defendidas por “exércitos” fortes e coesos - no caso do mirandês, podemos dizer, metaforicamente, que do seu “exército” fazem parte a câmara municipal, as associações de mirandês e algumas universidades (Universidade Nova de Lisboa e a Universidade de Aveiro, por exemplo) . O pior é que há línguas que não têm “marinha nem exército” e são essas as mais propícias a desaparecer. Como é que uma língua passa a integrar a Carta? Para uma língua passar a integrar a Carta, o governo terá de contactar o conselho europeu e a partir daí proceder-se-á à verificação de alguns requisitos por parte da língua como: · Reconhecimento legal da língua · Divisão de administração não prejudicando o uso do idioma · Regras, estratégias e promoção ativa da língua minoritária · Promoção do uso da língua na vida pública, cultura e administração O mirandês cumpre todos estes requisitos, por isso passará a fazer parte da Carta. Depois de fa-

zer parte da Carta, o governo deverá escolher os principais focos de uso e atuação da língua minoritária, para garantir a sua preservação, nomeadamente:

Os livros vão a votos!!! ELISABETE BARROSA

· Uso da língua no dia-a-dia · Possibilidade de usar a língua para apresentar/responder a um pedido oral ou escrito para empregos · Disponibilizar formulários e outros textos administrativos nessa língua · Nomes de lugares · Nomes de famílias … A Carta também faz a distinção entre línguas territoriais e não territoriais, ou seja, enquanto as línguas territoriais são faladas num lugar específico, como o mirandês, há línguas que não têm um território determinado, isto é, são línguas não territoriais. Estas são faladas num território maior e são as que têm uma situação mais favorável. Por vezes, no caso das línguas minoritárias territoriais, os governos não reconhecem a sua existência, o que já aconteceu em países da península da Escandinávia. Concluindo, há muito tempo que a língua mirandesa merecia este reconhecimento, porque já os nossos antepassados a falavam. Então, para os honrarmos, nada mais justo que reconhecer o mirandês como segunda língua oficial de Portugal, e agora fazer da Carta um forte “escudo” contra o esquecimento e decadência a que as línguas minoritárias são muitas vezes sujeitas. 7

O desafio «Miúdos a Votos: quais os livros mais fixes?” foi divulgado pelos professores de Português em todas as turmas do 2º e 3º ciclos do AEMD. É uma iniciativa da VISÃO Júnior e da Rede de Bibliotecas Escolares que se realiza este ano pela segunda vez . Todos os livros, sejam eles de prosa, poesia, banda desenhada ou teatro, podem ser candidatos. Quem aceitou participar e candidatou o seu livro até 22 de janeiro, numa plataforma para o efeito, vai ter a oportunidade de convencer os outros sobre as qualidades do seu livro preferido... como se fosse um político! A campanha começa no dia 5 de março. Até lá, temos de esperar por uma lista nacional dos títulos mais candidatados, para ver se estão lá os títulos que foram escolhidos na nossa escola ! Vai ser meeesmo fixe!!


fevereiro de 2018

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Notícias

Dia Internacional da Pessoa com Deficiência RITA DIAS

Na semana de 27 a 30 de novembro, no Agrupamento de Escolas, foram realizadas várias iniciativas para assinalar o dia 3 de dezembro. Na semana de 27 a 30 de novembro, assinalou-se, no Agrupamento, o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência. O Núcleo de Educação Especial fez questão de o assinalar com a realização de atividades adaptadas às turmas do 1.º Ciclo das escolas de Miranda do Douro, Sendim e Palaçoulo.

Depois de sensibilizados para esta problemática, os alunos participaram com entusiasmo no Jogo de Sensações intitulado “E se fosse contigo?...”, o que lhes permitiu expressarem-se livremente nesta atividade de silêncio e de introspeção.

Também os 2.º e 3.º ciclos deram o seu contributo com a elaboração de cartazes e ainda com a representação de um teatro, “Meninos de Todas as Cores”, pelo 4.ºA/3.ºB, 5.º A e 5.º B de Miranda do Douro. O principal objetivo destas atividades foi sensibilizar os alunos envolvidos para a existência de pessoas que, nas suas diferenças, são especiais. Esperemos que estas atividades tenham contribuído para uma reflexão acerca desta temática, assim como para alertar a comunidade educativa para uma maior compreensão dos assuntos respeitantes

às pessoas portadoras de deficiência. Todos os trabalhos realizados foram expostos no polivalente de cada uma das escolas envolvidas. Aqui deixamos um registo feito pelos alunos do 5º A:

Meninos de todas as cores "No dia 28 de novembro, na aula de Português, tivemos uma surpresa… Bateram à porta o nosso colega João Pedro e a professora Rita. Traziam consigo um pequenino teatro de marionetas. Não percebíamos muito bem o que ia acontecer!... O João Pedro pediu para ligar o projetor, colocou o “teatrinho” sobre uma mesa e a história começou. A professora Rita lia e o João, com as suas marionetas, representava. Ouvimos e vimos a história adaptada “Meninos de todas as cores” de Luísa Ducla Soares, no âmbito do dia Internacional da Pessoa com Deficiência.

Tanto o cenário como as marionetas foram elaborados, manualmente, pelo nosso colega e por outros meninos que frequentam a sala 24, com ajuda da professora da Educação Especial. Adorámos a surpresa!... No final, a professora Elisabete perguntou quem queria representar o texto e não faltaram candidatos."

8


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

fevereiro de 2018

Notícias

São crianças, comem fruta, são os Heróis da Fruta! ALBERTINA AMADO

A EB1 de Miranda do Douro aderiu ao projeto «Heróis da Fruta Lanche Escolar Saudável», atualmente o maior programa gratuito de educação para a saúde em Portugal, concebido especificamente para motivar as crianças entre os 2 e os 10 anos a adotar e manter hábitos saudáveis na sua rotina diária,

através de um modelo desenhado especificamente para esta faixa etária, com vários objetivos pedagógicos, nomeadamente incentivar as crianças a ingerirem fruta todos os dias, na escola e em casa; conhecer a importância dos alimentos saudáveis para a manutenção da saúde; encorajar as crianças a orgulharem-se de praticar um estilo de vida saudável e despertar a comunidade para os benefícios das pequenas mudanças nos hábitos diários. Para além do incentivo diário ao consumo da fruta, o projeto leva às crianças lições importantes sobre alimentação, nutrição, exercício físico, higiene, bem-estar, proteção

Hino da Fruta

ambiental, poupança, entre muitos outros valores de cidadania que as ajudam a crescer mais saudáveis, ativas e felizes. Na 2ª etapa do projeto, coordenado pela professora Albertina Amado, o desafio era criar um original “Hino da Fruta” e cantá-lo em conjunto. Os melhores "Hinos da Fruta" do ano são escolhidos pelo Júri e recebem na sua escola a visita das mascotes do projeto com um espetáculo interativo intitulado "A Super Festa dos Heróis da Fruta". A música da conhecida “Saia da Carolina” embalou este original hino que pode ouvir e ver através do link https://www.youtube.com/ watch?v=9Bf5FcCsOn8

Mensagens dos frutos e legumes

Comer fruta é muito bom Dá saúde e faz crescer. Comer fruta é muito bom Nutrientes vão receber. I Ameixas, maçãs, morangos, Peras, nozes, tangerinas. Regulam o teu organismo Dão-te muitas vitaminas. II As frutas deliciosas E boas ao paladar, Ingere porções corretas Viroses vão evitar. III Fibra, água e minerais Super poderes nos vão dar. As frutas são amiguinhas, De quem as quer degustar.

Morangos - Nós somos os moranguinhos / Fortalecemos os dentes e os ossinhos. Ananás - Se tens problemas de digestão / Come ananás, pois então. Cenouras - Se olhos lindos queres ter, / Cenourinhas deves comer. Beringelas - Se queres variados nutrientes / Come beringelas, não inventes… Laranjas - Se precisas de minerais e vitaminas / Tens de comer laranjas e tangerinas. Maçãs - Se a tua pele queres nutrir e purificar / Maçãs, tens de saborear. Uvas - Se queres energia para brincar, Tens de comer uvas, é o que está a dar! Melancia - Se queres uma fruta refrescante / Come melancia que é também antioxidante. 9


fevereiro de 2018

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Ciência

Saber mais na Semana da Ciência e Tecnologia do IPB ALUNOS DO 11.ºA

No dia 23 de novembro de 2017, a turma do 11.ºA efetuou uma visita de estudo ao Instituto Politécnico de Bragança (IPB), no âmbito das disciplinas de Biologia e Geologia e Física e Química A, a fim de participar nas atividades da Semana da Ciência e Tecnologia. Esta visita teve como principais objetivos permitir o contacto com Centros de Ciência e Tecnologia; participar em atividades experimentais em laboratórios inovadores; conhecer o funcionamento de uma instituição de ensino superior.

assim por ajudar na triagem de pessoas idosas. Vimos ainda um robô de sensores infravermelhos que emite uma luz e essa luz é refletida quando encontra uma linha preta num fundo branco

De manhã, visitamos um laboratório onde se realizou o estudo de uma bactéria patogénica para a oliveira. Após uma explicação de como se detetou essa bactéria e de como se procede à descoberta de uma possível cura para a doença, tivemos a oportunidade de efetuar a colocação do ADN das bactérias patogénicas nos recipientes para a eletroforese. De seguida, dirigimo-nos a uma estufa onde pudemos observar os efeitos da bactéria em oliveiras jovens.

Por fim, vimos como fazer sabonetes e rebuçados artesanais. Os rebuçados foram condimentados com especiarias como a canela e o piripiri. Foi uma experiência bastante enriquecedora e elucidativa que nos ajudou a conhecer um pouco mais das atividades do IPB. Apelamos a que estas iniciativas continuem para que mais alunos possam ter esta mesma oportunidade.

No fim da manhã, tomamos parte na degustação de várias amostras de azeite, aprendendo a técnica de degustação correta para assim identificar os aromas presentes no mesmo. Identificamos vários tipos de azeite, desde uns feitos com azeitonas mais maduras até outros feitos com azeitonas mais verdes.

Com a visita ao IPB pudemos aprender coisas novas e assim aumentar o nosso saber científico.

Após o almoço, que estava bastante bom, fomos até uma sala de robótica onde pudemos observar uma cadeira de sensores que é útil para avaliar a capacidade funcional de pessoas, acabando

10


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

fevereiro de 2018

Cultura

Participar é Ajudaris! A primeira vez em mirandês!

No passado dia 14 de novembro, viveu-se uma tarde de convívio no Museu da Terra de Miranda, que gentilmente acolheu a festa de lançamento do livro Histórias de Encantar da Ajudaris 2017 (vol.VI), no qual foi publicado o texto “Benírun de loinge”, da autoria dos alunos do 2ºB/3ºA da EB1 de Miranda do Douro. Foi a primeira vez que o Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro participou neste projeto… E a primeira vez foi em mirandês! O te-

ma inspirador era “A família” e as turmas do 2ºB/3ºA e 3ºB (ano letivo 2016-2017), orientados pelo professor de mirandês, Duarte Martins, criaram histórias originais que se publicam nesta edição de “O Cartolinha”: “Benírun de loinge” e “Toc Toc”. Os agradecimentos vão para todos os que tornaram possível esta iniciativa- o Diretor do AEMD, professor António Santos, pela confiança e apoio manifestados ao longo do projeto -, o professor Duarte Martins - o nosso "criativo"- e os professores das turmas envolvidas; o professor Paulo Meirinhos, pela magia da música; a Diretora do Museu da Terra de Miranda, Drª Celina Bárbaro, pela disponibilidade com que acolheu esta iniciativa -, e os que a tornaram inesquecível - pais e Encarregados de Educação que puderam estar pre-

sentes, o ilustrador solidário Ramiro Pires e a Diretora da Associação Ajudaris, Drª Rosa Mendes Vilas Boas, cuja simpatia e simplicidade encheram de boas energias crianças e adultos. Um projeto educativo e uma causa solidária que continuaremos a abraçar! Pequenos gestos, grandes corações!

Visita ao Museu no âmbito do lançamento do livro «Histórias de Encantar 2017» CLARA BERNARDO

No dia 14 de novembro, pelas 14h30, eu e a minha turma fomos ao Museu. Fomos acompanhados pela professora Teresa e pelo professor Augusto para participar no lançamento do livro «Histórias de Encantar 2017», projeto solidário ao qual a nossa Escola aderiu no ano letivo anterior. Neste livro está publicada uma história que a minha turma escreveu na aula de Língua e Cultura Mirandesa. É um livro bonito e o objetivo da sua venda é angariar dinheiro para ajudar famílias carenciadas. No Museu, lemos a história que nós escrevemos e os alunos do 4.ºB também leram a sua história, embora esta não esteja no livro. Para além disso, também cantámos e dissemos lengalengas em mirandês. Passámos a tarde com os colegas, os professores, a professora bibliotecária, a Doutora Rosa da associação Ajudaris e, é claro, o nosso professor de Mirandês. 11


fevereiro de 2018

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Cultura

Toc, toc, toc... Alunos de mirandés de l 3º B (2016/2017) Era ua família armana a tantas outras. Staba junta, a cenar, na cozina, al pie de l lhume. I bien que ardie l lhume, naqueilha nuite de eimbierno. A Juan nun le gustaba l caldo i nun se calhaba:

- Pois, pois, sou melindrosico!- respundiu-le la mai.

- Juan, come l caldo para quedares más fuorte - respundiu-le l pai.

Juan acabou por comer l caldo. Mas sabie quando fusse pa l quarto, la bicha de las siete cabeças l’iba a salir outra beç. Juan fui a la cama i, passado un chibzniç, sentiu uns rugidos: toc, toc, toc. Gritou i metiu la cabeça an baixo de las mantas. Assi la bicha nun daba nel. Ls abós fúrun al quarto, puxórun las mantas un cachico para baixo, dórun-le un beisico i dezírun-le:

- Ye berdade! Sal a las nuites de l sou sconderino, quando stou na cama.

- Buonas nuites, miu filho! Queremos-te muito, drume bien!

- Juan, las berduras fázen mi bien! Anda, come l caldo - dixo-le la mai.

Juan soltou ua risica doce. Mal ls abós salírun de l quarto, sentiu outra beç un rugido: toc, toc, toc. Gritou i bolbiu a meter la cabeça an baixo de las mantas. Assi la bicha nun daba nel outra beç. Ls pais fúrun al quarto. Puxórun las mantas un cachico para baixo, dórun-le un beisico i dezírun-le:

- Pai, alhá riba, ne l forro, hai ua bicha de siete cabeças.

- Apuis bate a la puorta de l miu quarto: toc, toc, toc... - seguiu Juan. - Trés bezes? - preguntou-le l abó de las calças. - Si, abó! Cumo nas cuontas que me ansinas. Apuis amostra ua bocarra!

- Buonas nuites, miu filho! Queremos-te muito! Drume bien!

- Cun muitos dientes?- preguntou-le l’abó saias.

Juan bolbiu a deixar scapar ua risica doce. Apuis birou-se pa l páixaro que staba nun gaiolo, al pie de la jinela de l quarto i dixo:

- Si, abó! Uns caneiros taludos i afilados, cumo ls de la Marie Manta que me falas. - Juan, come l caldo, que ye para medrares - dixo-le

- Pisco, nun fagas más toc, toc, toc! Buonas nuites, drume bien! You tamien te quiero muito.

l pai. - You nun quiero medrar, quiero quedar nino para tener muitos beisicos i muitos carinos buossos.

Benírun de loinge Alunos de mirandés de l 2º B i 3.ºA(2016/2017) Era ua beç un planeta chamado Ciríaco. Las pessonas bibien an paç, até que un die ampeçou ua guerra. Muitos de ls sous habitantes bírunse oubrigados a fugir, quedórun cun miedo que l planeta arrebantasse. Por bias disso, nien sequiera tubírun tiempo de fazer las malas. Deixórun todo l que tenien para trás. Houbo ua família que se chubiu na sue nabe spacial para biajar. Na cabeçnalha de la nabe, l computador

de bordo dixo que habie l planeta Azulico. Era un planeta mui pequerrico, que quedaba loinge, noutra galácia i era buono porque las pessonas bibien an paç. Mas antes de chegar al planeta Azulico, essa família tubo de fazer ua biaige mui custosa. Pul camino la nabe atrabessou muitas galácias cun aires rebuoltos, cun meteoritos peligrosos, cun pulburinos negros capazes de angulhir todo. Assi que, apuis de subrebibir a todo, 12

esta família chegou mui arrampanada al planeta Azulico. L computador de la nabe scolhiu un pobo pequeinho para aterrizar. Fui alhá que scundírun la nabe, an baixo de la tierra. Apuis arrendórun ua casa i fazírun pula bida, assi cumo la fazien ls terrestres. La mai, Rosa, era filadeira. L pai, Juan, era mecánico i ls filhos, Mariana i Diogo, cumo inda éran pequeinhos, íban a la scuola. Tamien tenien un perro bolador, que fazie


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

fevereiro de 2018

Cultura muitas halbelidades. L tiempo fui passando i esta família de benediços ampeçou a stranhar alguns cumportamentos de ls terrestres por bias de las guerras, de las lhuitas, de tratáren mal a las pessonas i tantas outras cousas que ne l planeta Ciríaco acuntecírun de la mesma maneira. Un die, yá farto disso todo, Juan pediu para falar cun l purmeiro me-

nistro i cuntou-le todo l que le habie passado al planeta deilhes. Tamien le falou de la maneira cumo tratában mal las pessonas i cumo mirában de lhado pa las famílias q’éran defrentes. L purmeiro menistro scuitou-lo i quedou mui aflegido cun aquilho que le acunteciu al planeta deilhes. Afinal, l planeta Azulico, se cuntinasse assi, poderie tener la mesma suorte que tubo l planeta

Ciríaco. L purmeiro menistro fizo nuobas leis, dou más balor a las pessonas i a todas las famílias de l planeta Azulico i las cousas fúrun-se ancaminando. Dezde esse die que todo fui melhorando ne l planeta Azulico. Esta família quedou feliç a bibir alhá i l perro bolador tamien, claro. Inda alhá stan todos, campantes de la bida.

Gerónimo na minha escola! MARIANA RIBEIRO No passado dia 10 janeiro, pelas 9 horas, os alunos do 5º e 6º anos foram ao miniauditório ver o Gerónimo Stilton, que é um rato muito simpático e especial, porque fala como os humanos. O Geronimo Stilton é a personagem principal das histórias de Elizabetta Dami, que é uma escritora de livros infantis e que já recebeu vários prémios. Estava com o Geronimo Stilton uma amiga que fez a apresentação da atividade. Fez-nos algumas perguntas sobre as aventuras do Geronimo e contou-nos uma parte de uma aventura do rato. Também nos ensinou que o Geronimo era um rato medricas, mas com um grande coração; vivia na Ratázia e quando se juntavam todos os ratos cantavam uma canção “Oh Geronimo”! “Oh Stilton”!. Quando nós começámos a cantar o Geronimo Stilton apareceu no palco, falou connosco e fez-nos algumas perguntas sobre as suas aventuras. No final da atividade, o Geronimo ofereceu-nos um porta lápis amarelo, que cheira a queijo, e tiramos fotografias com ele.

TOMÁS DOMINGUES “Eu sempre quis conhecê-lo e finalmente consegui!!”

Quando cheguei ao auditório o meu coração já saía do meu corpo, de entusiasmo. Sentei-me na primeira fila numa ponta, e comigo levava cinco livros dele. De seguida, a ajudante do Geronimo Stilton fez uma breve introdução. Fez-nos perguntas sobre os livros, cantou o hino da Ratázia (cidade onde vive Geronimo) e ensinounos a música para o chamar. Quase no final da atividade, fomos levar-lhe os livros para os carimbautografar. Quando chegou a minha vez, Geronimo ficou espantado e exclamou “tantos livros” e assinou -mos todos e deu-me como prenda um porta lápis com a sua assinatura. Eu adorei conhecê-lo e nunca o vou esquecer.

13


fevereiro de 2018

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Leituras

A tradição já não é o que era, mas quase cem participaram! Concurso Nacional de Leitura

Um mundo cheio de letras MATILDE ALVES

Imagina que um dia, na tua escola, as letras ganham vida...

Para pôr à prova quem gosta de ler, realizaram-se no passado dia 24 de janeiro as provas de escola da fase regional do Concurso Nacional de Leitura, promovido no âmbito do Plano Nacional de Leitura Ler+. Este ano, pela primeira vez, puderam participar no CNL alunos de todos os ciclos de ensino! No nosso Agrupamento, o 1º ciclo participou em força, movido não só pela novidade, mas também pela inspiradora história de Álvaro Magalhães, O Circo das Palavras Voadoras. Pedro Alecrim de António Mota foi a obra lida pelos participantes do 2º ciclo, que decerto se comoveram com as histórias de Pedro e dos seus amigos, lá no Pragal, no tempo em que os meninos deixavam de estudar para ajudar a sustentar a casa! Para o 3º ciclo, o júri escolheu O rapaz do Pijama às Riscas, de John Boyne, um obra recente que já é quase um clássico na sua abordagem ”inocente” do Holocausto. Por fim, e por falar em clássicos, Amor de Perdição, de Camilo Castelo Branco, fez viajar os concorrentes do secundário até ao drama romântico dos finais do século XIX. A Biblioteca Escolar lançou vários jogos e desafios interativos na internet (através do Kahoot e do Quizizz) sobre as obras a concurso e houve muita participação! Este ano, de acordo com o novo Regulamento do concurso, elaborado por uma equipa do PNL, a nível nacional, apenas pôde ser apurado para a prova intermunicipal um aluno por ciclo, em todo o Agrupamento. Querem saber quem foram os apurados? No 1º ciclo, foram apurados os alunos com os seis melhores resultados para uma prova de leitura expressiva, que decorrerá no próximo dia 16 de fevereiro, e desta prova sairá um único candidato. Vão disputar um lugar na prova intermunicipal o Gabriel Almeida, do 3ºA, a Clara Bernardo e o Dinis Fernandes, do 4ºA, a Patrícia Miranda (4ºB), a Mafalda Conde, do 3ºA-S, a Ariana Castro (4ºA-S), e o Miguel Lopes (3º ano de Palaçoulo). A representar o 2º ciclo do AEMD, vamos ter a Beatriz Gonçalves (6A-S), e a Mariana Nobre, do 6ºA, como suplente. Quanto ao 3º ciclo, a Oceana Fernandes, do 9ºA-S, foi a apurada, passando a Maria Pimentel (9ºA) como suplente. No secundário, a Cristiana Pires, do 11ºA, uma assídua participante no Concurso, foi a apurada, e como suplente passou o André Xavier, do 10ºB. Todos os participantes no Concurso são agraciados com um Certificado de Participação e 10 pontos no Cartão de Fidelidade da BE. Boas leituras, e boa sorte para as fases seguintes!! 14

Um dia, radiante de sol, na minha escola, eu e as minhas amigas estávamos a brincar às escondidas. Quando ouvimos que tocou, fomos logo para as aulas. Tínhamos aula de português, o professor mandou-nos fazer uma composição sobre: “E se eu fosse uma letra”! Eu estava com dúvidas sobre como fazer o texto, mas sabia que se eu fosse uma letra escolheria o A. Algum tempo depois, o professor saiu da sala para ir buscar uma fotocópia, e aconteceu que, em vez da composição estar no meu caderno, saltou para cima da mesa e espalharam-se todas as letras. Eu fiquei assustada, claro, mas parecia que era um sonho, estava feliz. Andei atrás do A, apanhei-o e pergunteilhe:

-O que é que as letras comem? -P’ra já, olá! Nós comemos… ah! Adoramos comer sopa de letras!- disse o A. Algum tempo depois o nosso professor chegou e as letras pum!… catrapum!, desapareceram.


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

fevereiro de 2018

Leituras

Leitura Puxa Leitura Ao longo do ano letivo, alunos, professores, pais, e outros elementos da comunidade educativa são convida-

dos a fazer o seu Top5 de livros. Um agradecimento especial para quem tem aceitado este desafio!

O Top5 de… António Rodrigues (Presidente do Conselho Geral e professor de Português no Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro)

Élia Fernandes (Encarregada de educação, sempre disponível a colaborador com a BE do AEMD!!)

Oceana Fernandes (Aluna do 9.ºA, EB de Sendim, apurada para a prova intermunicipal da fase Regional do Concurso Nacional de Leitura/PNL 2018)

15


fevereiro de 2018

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Opinião

Percy Jackson e os Ladrões do Olimpo HELENA RODRIGUES

Percy Jackson é um rapaz problemático de doze anos que é sistematicamente expulso dos colégios que frequenta. Certo dia, descobre que, na verdade, é um semideus, filho de um deus grego e de uma mortal, e por isso não é como os outros rapazes. Os semideuses são constantemente perseguidos por monstros, por isso o único sítio seguro para eles é o Campo dos Mestiços, para onde Percy é levado pelo seu amigo Grover, o sátiro encarregado de o proteger. É no Campo que conhece Annabeth, Luke e Quíron, e começa a aprender a viver como um semideus. Mas depara-se-lhe um problema ainda maior: o

raio mestre de Zeus foi roubado e Percy é o principal suspeito. Juntamente com Annabeth e Grover, parte numa aventura para recuperar o raio de Zeus até ao Solestício de Inverno, resolvendo o enigma do Oráculo, pois só assim será possível garantir a paz do Olimpo e da Humanidade. Gostei muito deste livro. Tem uma linguagem muito simples e uma história cativante, a qual é enriquecida pelas referências à mitologia grega. Há passagens que fazem o leitor rir e outras que o põem nervoso, e a vontade de resolver o enigma motiva a ler mais e mais. O livro tem um final surpreendente e deixa-nos curiosos para conhecer a continuação da saga.

Uma série a não perder ALEXANDRA ALVES

Suicídio, depressão e violações são temas de difícil abordagem, mas quando estes se juntam com adolescentes numa série, as coisas tornam-se muito mais interessantes. Confesso que para a minha primeira vez a assistir a uma série, Thirteen Reasons Why não poderia ser escolha melhor. Em treze episódios, Hannah, a personagem principal, narra os acontecimentos que levaram ao seu suicídio. Antes de pôr fim à vida, grava cassetes nas quais relata os treze motivos pelos quais se suicidou, uma forma muito peculiar de distribuir a culpa da sua morte pelas diversas pessoas às quais ela decidiu entregar as suas gravações e que, aparentemente, seriam responsáveis pelo sucedido. De facto, toda esta atitude de Hannah surgiu na minha cabeça de uma forma bastante estranha e que ainda hoje me põe a 16

pensar. Não sei se a ideia era que as cassetes chegassem à polícia e as pessoas que aparecem nelas fossem acusadas de homicídio, ou se a intenção era mesmo fazê-las sentirem-se tão mal como elas a fizeram sentir em vida. A verdade é que, apesar desta confusão de pensamentos, a série se tornou verdadeiramente viciante e arrepiante na forma realista como trata de assuntos como suicídio e violação. Por tudo isto, considero a série um must watch, não só pela maneira como retrata tão bem a vida de uma adolescente perdida no mundo em que vive e que não encontra outra saída senão a morte, mas também pela mensagem que retiramos: não sabemos o impacto que um simples ato ou uma palavra tem na vida de outra pessoa.


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

fevereiro de 2018

Opinião

City of stars BEATRIZ SANTOS

“La La La Land”, o protagonista do engano na cerimónia dos Óscares de 2017, é uma comédia musical realizada por Damien Chazele. Tem como principais atores Emma Stone e Ryan Gosling. Ao longo de 128 minutos, énos contada a história de Mia e Sebastian, que representam dois dos maiores estereótipos de Hollywood: ela, uma rapariga simples que aspira a ser atriz, participando em vários castings (e fracassando); ele, um músico prodígio mas subvalorizado

tenta manter vivo o seu estilo musical, o Jazz. Eles apaixonam-se e acabam por conseguir alcançar os seus sonhos, embora com alguns contratempos. Gostei muito deste filme por várias razões. Por um lado, achei que estava muito bem conseguido a nível da realização: boa narrativa, lindíssimos cenários e figurinos e um grande desempenho por parte dos atores. Por outro lado, sempre gostei muito de musicais e este eu conside-

ro especial devido às músicas que o compõem pois, embora seja uma “comédia” elas dão-lhe um cariz melancólico. Devo dizer também que fiquei um pouco desiludida com o final do filme porque, para além de Mia e Sebastian não terem ficado juntos, ele acaba mostrando-nos o felizes que eles teriam sido se o tivessem feito. Concluindo, recomendo este filme a toda a gente que goste de musicais um pouco mais subtis.

Sabias que… “Cuidado com a língua” é uma emissão televisiva semanal da RTP1, com apresentação de Diogo Infante, que nos leva à descoberta de um mundo de palavras e expressões da língua portuguesa? Uma das rubricas é “Português maltratado”, com casos caricatos de erros que por aí andam! Podes rever alguns episódios em https://www.facebook.com/cuidadocomalinguaoficial/ 17


fevereiro de 2018

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Opinião

Mensagem global a três «penas» Conto “Natal” de Miguel Torga

DIANA MEIRINHOS

SORAIA CLARO

Este conto transmite uma mensagem muito importante de alguém pobre que tenta e luta com todas as suas forças para chegar a casa, a fim de poder passar o Natal, em família. Apesar dos vários obstáculos encontrados pelo caminho, ele tenta até não conseguir mais, pois a idade não perdoa. Ele passou o Natal na igreja com a Nossa Senhora e o menino Jesus fazendo ele de S. José e construindo um “presépio”, em vez de passar o Natal sozinho, ele passou-o com eles na igreja, o lugar mais santo. Este conto é muito bonito e importante, pois retrata a vida dos pobres e dos mendigos e faz-nos pensar que, às vezes, não custa nada ajudar, nem que seja com pouco, mas esse pouco para nós, poderá deixar um mendigo felicíssimo. Temos de pensar que poderíamos ser nós e, se fôssemos, gostaríamos que alguém nos ajudasse. Então, vamos ajudar e apoiar estas pessoas! Apesar desta grande infelicidade de ser pobre e não chegar a casa, ele consegue pelo menos não estar sozinho naquela noite de Natal tão especial /tão mágica acompanhado pelo presépio passando, assim, uma noite santa. Gostei muito deste conto.

ANA RAPOSO Na minha opinião, o conto “Natal”, de Miguel Torga é um conto com uma história um pouco triste, que tem como personagem principal Garrinchas, um velho mendigo. Neste conto, o velho Garrinchas passou parte do Natal sozinho, como é referido no texto “ e a verdade é que nem casa, nem família o esperavam”. Esta situação está presente na realidade/na vivência de muitas pessoas. A parte que mais me cativou foi quando o Garrinchas arranjou maneira de não passar o Natal sozinho e achei muito criativo o facto de a companhia de Garrinchas ser Maria e Jesus, símbolos da família. Acho o conto muito interessante, porque transmite uma realidade que, infelizmente, muitas pessoas acham que não existe, a solidão em momentos particularmente marcantes nas vidas do ser humano. 18

Este conto de Natal narra um dia na vida de um idoso chamado Garrinchas. Mendigo de 75 anos, resolve pedir para sobreviver. Na véspera de Natal, decide regressar a Lourosa, terra onde nasceu, para aí passar a consoada. O velho acaba por atrasar-se e, devido ao frio e à neve, abriga-se numa igreja que encontra pelo caminho. Uma vez lá dentro, passa a ceia de Natal com a Nossa Senhora e com o Menino Jesus, à volta de uma fogueira. Na minha opinião, este conto transmite mensagens importantes que, sem dúvida, causam grande impacto na reflexão do leitor. Em primeiro lugar, destaco a ideia de esperança na personalidade de Garrinchas, embora tenha uma vida com condições precárias, a sua atitude é, de facto, positiva, de resistência e persistência. Sobressai, também, a sua capacidade de adaptação perante as dificuldades da vida, pois Garrinchas consegue lidar com elas não lhes dando valor, o que me parece de facto admirável num ser humano. Assim, este conto transmite, também, a mensagem de que não nos devemos focar apenas em nós mesmos, mas também devemos ser atenciosos e prestáveis para com os outros. Por último, esta história expõe uma problemática social atual: a solidão idosa e dos necessitados. Adorei ler este conto, pois permitiu-me refletir sobre o OUTRO. Concluindo, a narrativa é expressiva e firme na sua crítica à pobreza, à carência e à falta de compaixão humanas.


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

fevereiro de 2018

Português

Caça ao erro! ELISABETE BARROSA

Para tornar mais divertidas as nossas saídas – até ao supermercado, ao café, ao restaurante,….-, as nossas navegações pela internet, os nossos passeios – pelas ruas das vilas e cidades do nosso país -, as nossas férias – na praia ou no campo-, nada melhor do que jogar o “Caça ao erro”, uma espécie de “geocaching” da língua

portuguesa! Aqui ficam alguns exemplos de erros (in) comuns!! Envia os “erros” que descobrires por aí para aemd@bibliotecasescolares.pt para serem publicados no próximo número!

Para que o erro não se estenda, escreva «estendem-se» com um «s».

Cuidado com as mãos, não vá o vidro começar «a partir»!

A sugestão é uma boa sugestão, mas sugira com «g»!

Dicas para falar bem e escrever ainda melhor!

Não se diz: “A atividade realizada foi de encontro aos objetivos previstos”. Deve dizer-se: “A atividade realizada foi ao encontro dos objetivos previstos”. “Ir de encontro a” significa tão só esbarrar fisicamente, implica colisão! 19


fevereiro de 2018

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Francês

Mes temps libres La parole aux jeunes… DIANA MEIRINHOS —8.ºA

Prendre rendez-vous ANA BEATRIZ E MARIANA—8.ºA - Allô, Anne! - C'est son frère… Qui est à l'appareil? - Salut, Pierre, ça va? C'est Marie. - Salut, Marie! Ça va bien, merci! Et toi? - Bien, merci! Je veux parler avec Anne. - Je te la passe. - Ok, merci! - Allô, Marie. Ça va? - Allô, ça va. Et toi? - Pas très bien. J'ai de la fièvre. Veux-tu venir chez moi, ce soir, regarder un film ? - Chouette! - Ok! Au revoir. - Au revoir! ANA RAPOSO E RUI—8.ºA MARC: Allô, Anne? ANNE: Oui, c'est moi. MARC: C'est Marc. ANNE: Allô, Marc, ça va? MARC: Ça va bien, merci! Je t'appelle pour savoir si tu veux aller au centre commercial samedi après-midi. ANNE: Génial. À quelle heure on se retrouve? MARC: Rendez-vous à 14 heures. ANNE: À samedi. MARC: Au revoir.

Salut ! Ma passion, c'est lire et écouter de la musique avec ma meilleure amie. J’adore lire des livres d' aventure. J’adore aller au centre commercial avec ma maman. Habituellement je vais au cinéma deux fois par an à Vila Real. Parfois, je pratique de la natation à l' école. J' adore faire du vélo. J' aime aller à la campagne pour m' amuser avec ma chienne et mon frère dans le jardin. Je regarde la télé tous les jours. J' aime le sport et des loisirs culturels et artistiques.

SORAIA CLARO —8.ºA

Salut, je m'appelle Soraia Claro!

Je suis née à Lisbonne, je suis portugaise. Je suis grande et mes cheveux sont longs et lisses. J’ai une sœur que j’aime beaucoup ! Je suis au collège donc je suis collégienne. J'aime mon école parce qu’ elle est formidable et disciplinée. J'aime la dance et la musique mais je déteste la musique rap. J'adore la France, ses monuments, sa littérature, sa gastronomie et la Disneyland Paris. Je suis fan de la langue française!

SORAIA CLARO —8.ºA "Ce tout petit changement avait été une révolution "

CAROLINA E TIAGO—8.ºA Thierry: Allô, Caroline?? Caroline: Oui?? Thierry: C'est Thierry! Ça va? Caroline: Allô, Thierry, ça va et toi ? Thierry: Ça va! Je t’appelle pour savoir si tu veux jouer au tennis cet après-midi? Caroline: Génial! Rendez-vous à quelle heure? Thierry: 15 heures… Caroline: C’est fantastique! Au revoir! Thierry: Au revoir!

20

Les Misérables, 1862

Cette citation signifie beaucoup pour moi parce qu'elle a un sens positif et mène le lecteur à penser et à agir sur les difficultés de la vie quotidienne et à chercher leur résolution, tout comme quelques personnages du livre. Ma journée a quelques moments pleins de petites attitudes qui peuvent provoquer de grands changements. Par exemple, j'ai pris soin d'un chat abandonné… et cela lui a sauvé la vie! Un petit geste peut servir à enseigner beaucoup de gens....


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

fevereiro de 2018

Sociedade

Lets talk about bullying! PROF. ROSÁRIO CAMPOS ALUNOS DO 7.ºB

Bullying is physical, verbal and social aggression. Some reasons for bullying include jealousy and insecurity. 1 in 2 people experience bullying. So you are not alone. It’s OK to talk about it. If you are being bullied, please do not be a victim, understand that you are NOT the problem. Ask for help. Tips to overcome bullying: •

Speak to the person who is bullying you.

Never go through it in silence.

Don’t isolate yourself.

Look after your health.

Deal with stress.

Seek positive role models.

If you can’t solve the problem walk away. Anger is even worse. Join your family and friends, they will give you support!

Referencial Aprender Com a Biblioteca Escolar: articular, integrar, formar Projeto-piloto decorre numa turma de 10ºano do AEMD EQUIPA DA BE

A área de Cidadania e Desenvolvimento (CD) passou a fazer parte do currículo do 10ºano no AEMD, já que o nosso agrupamento decidiu, a par de mais duas centenas de escolas do país, integrar o projeto-piloto de Autonomia e Flexibilidade. É neste contexto que surge outro projeto-piloto, desta vez sugerido pela Rede de Bibliotecas Escolares, e que consiste na aplicação do Referencial Aprender com a Biblioteca Escolar (AcBE) a turmas do 10ºano, no âmbito da CD. A Direção aceitou o desafio e a Biblioteca Escolar abriu caminho, analisando os projetos de trabalho constantes do Referencial e as pos-

sibilidades de articulação com os docentes. E assim, depois de várias reuniões de trabalho, nomeadamente com a coordenadora interconcelhia das Bibliotecas Escolas, Drª Maritza Dias, e professores de Português, Filosofia e História, surgiu o projeto “Da imagem às palavras”, subordinado ao tema “Direitos da Mulheres como Direitos Humanos”, a decorrer no 10ºB, turma da área de Ciências Humanas e Sociais. O objetivo é não só promover a reflexão sobre o tema, comum ao currículo das três disciplinas envolvidas, mas também desenvolver literacias digitais, da informação e dos média, levando os 21

alunos a envolver-se na sua própria aprendizagem e formação pessoal. Para além das aulas, os alunos podem aceder a um mural interativo, criado através do Padlet, sempre em construção, onde acedem a documentos e propostas de trabalho, e onde podem postar reflexões e trabalhos. Pode “espreitar”este mural através do seguinte endereço:https://padlet.com/ elisabetebarrosa/DM10B


fevereiro de 2018

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Banda Desenhada

ASTÉRIX E A TRANSITÁLICA OS GAULESES ESTÃO DE VOLTA! ANTÓNIO SANTOS

Com desenhos de Didier Conrad e texto de Jean-Yves Ferri, eis que surge uma nova aventura dos irredutíveis gauleses, criados por Goscinny e Uderzo: «Astérix e a Transitálica». Quase simultaneamente somos ainda presenteados, pela editora ASA, com o lançamento de uma versão em Língua Mirandesa, com tradução de Carlos Ferreira e de José Pedro Ferreira: «Asterix an Eitália». Desta vez a história leva-nos à península itálica onde vamos participar numa emocionante corrida de carros, ao longo das célebres vias romanas. Vamos ainda descobrir que nesta península existem diversos povos, como os Vénetos, os Etruscos, os Oscos ou os Úmbrios que prezam igualmente a sua autonomia e que veem com desconfiança as veleidades de conquista e os ares de superioridade de Júlio César e das legiões romanas. Esta aventura tem como curiosidade o facto de uma dupla muito discreta de lusitanos participar na corrida e de se tornar, de certa forma, num elemento central da narrativa, recebendo, no final, a cobiçada taça transitálica, por serem os mais valorosos e perseverantes.

Apresentam-se seguidamente, como curiosidade, as opções de tradução para os nomes da dupla de corredores lusitanos:

22


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

fevereiro de 2018

Banda Desenhada

E, no final, após muitas peripécias, como não poderia deixar de ser, tudo termina na aldeia gaulesa, com o habitual banquete recheado de javalis.

Esta é, quanto a nós, uma das melhores aventuras publicadas após a aposentação de Uderzo, que parece ter encontrado em Ferri e Conrad uma dupla de dignos sucessores que, aliás, quiseram homenagear as suas origens italianas nesta nova aventura.

A versão em Língua Mirandesa, «Asterix an Eitália», será apresentada na Feira dos Sabores Mirandeses, no dia 16 de fevereiro, pelas 17h30, no Jardim dos Frades Trinos, em Miranda do Douro, com a presença dos tradutores.

23


Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Última Página

Carnaval, ooh na-na (ay)

Fotografias gentilmente cedidas por Sérgio Albino, Luís Almeida e pelo Município de Miranda do Douro. 24

O Cartolinha / L Cartolica (I de 2017_2018)  

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

O Cartolinha / L Cartolica (I de 2017_2018)  

Jornal do Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro

Advertisement