Page 1


Doutor Estranho sina dos sonhos

1

Doutor Estranho_MIOLO_revisado.indd 1

18/10/2016 09:36:15


uma histĂłria do universo marvel

devin grayson marvel.com

Š 2016 marvel

2

Doutor Estranho_MIOLO_revisado.indd 2

18/10/2016 09:36:15


São Paulo, 2016

3

Doutor Estranho_MIOLO_revisado.indd 3

18/10/2016 09:36:15


Doctor Strange: The Fate of Dreams Published by Marvel Worldwide, Inc., a subsidiary of Marvel Entertainment, LLC.

marvel.com

© 2016 marvel

Equipe Novo Século coordenação editorial gerente de aquisições Vitor Donofrio Renata de Mello do Vale assistente de aquisições editorial Acácio Alves João Paulo Putini Nair Ferraz Rebeca Lacerda Giovanna Petrólio tradução Paulo Ferro Junior preparação Elisabete Franczak Branco p. gráfico e diagramação Vitor Donofrio revisão Mayara Leal (Lótus) capa Vitor Donofrio

ilustração de capa Luke Ross demais ilustrações Chris Bachalo, Rafa Sandoval, Wayne Faucher Mark Irwin, John Livesay, Jaime Mendoza, Victor Olazaba, Tim Townsend, e Al Vey

Equipe Marvel Worldwide, Inc. vp, produção & projetos especiais Jeff Youngquist editora­‑associada Sarah Brunstad gerente, publicações licenciadas Jeff Reingold svp print, vendas & marketing David Gabriel vp de gestão de marca e desenvolvimento, ásia CB Cebulski editor­‑chefe Axel Alonso editor Dan Buckley diretor de arte Joe Quesada produtor executivo Alan Fine

Texto de acordo com as normas do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (1990), em vigor desde 1o de janeiro de 2009.

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (cip) (Câmara Brasileira do Livro, sp, Brasil) Grayson, Devin Doutor Estranho: sina dos sonhos Devin Grayson; [tradução Paulo Ferro Junior]. Barueri, SP: Novo Século Editora, 2016. Título original: Doctor Strange – The fate of dreams 1. Ficção americana 2. Literatura americana 3. Doutor Estranho (personagem fictício) 4. Marvel Comics Group i. Título ii. Ferro Junior, Paulo 16­‑1211 Índice para catálogo sistemático: 1. Ficção: americana 813

cdd­‑813

Nenhuma similaridade entre nomes, personagens, pessoas e/ou instituições presentes nesta publicação são intencionais. Qualquer similaridade que possa existir é mera coincidência.

novo século editora ltda. Alameda Araguaia, 2190 – Bloco A – 11o andar – Conjunto 1111 cep 06455­‑000 – Alphaville Industrial, Barueri – sp – Brasil Tel.: (11) 3699­‑7107 | Fax: (11) 3699­‑7323 www.novoseculo.com.br | atendimento@novoseculo.com.br

Doutor Estranho_MIOLO_revisado.indd 4

18/10/2016 09:36:15


Para Arnold, com amor. Obrigada por sempre ter acreditado.

Doutor Estranho_MIOLO_revisado.indd 5

18/10/2016 09:36:16


6

Doutor Estranho_MIOLO_revisado.indd 6

18/10/2016 09:36:16


Livro

1 Doutor Estranho_MIOLO_revisado.indd 7

18/10/2016 09:36:16


Prologo

Doutor Estranho_MIOLO_revisado.indd 8

18/10/2016 09:36:18


Jane Bailey estava parada à beira de um imenso penhasco observando a divisão de ataque de Alexandre, o Grande, em manobras para tomar uma posição defensiva. O sol brilhava, o ar estava seco e cerrado, e o jo‑ vem rei se encontrava tão perto de Jane que ela quase podia tocá‑lo. Ele era violentamente belo: alto, pele bronzeada, músculos rijos e reluzentes sob uma brilhante túnica branca. Ela admirava o modo como os cabelos curtos haviam começado a crescer em cachos dourados enquanto mexia o zíper do casaco de pele. No fundo do penhasco, flanqueando o exército que se posicionava diante de um enorme portão de ferro fundido, estavam os soldados que usavam reluzentes placas peitorais douradas sobre túnicas vermelhas como sangue. Havia fileiras e mais fileiras deles, ombro a ombro – cente‑ nas, milhares. Embora a maioria portasse longas lanças – a palavra doru veio à mente de Jane de algum lugar bem distante –, os guerreiros mais próximos do portão seguravam um enorme aríete. Alexandre ergueu a mão. Da posição onde Jane estava, a mão dele foi ofuscada pela luz do sol. Ela afastou o olhar e se viu face a face com uma mulher, que clara‑ mente não era humana. A desconhecida era muito grande, e muito som‑ bria. Apenas a cabeça, as mãos e os braços podiam ser vistos, o restante dela sumia no ar como areia diante do vento. Seus cabelos eram de um azul luminoso, e o rosto, fantasmagórico e assustador, mas também dra‑ maticamente belo – duro e expressivo. Ele tinha olhos negros como o universo e repletos da luz de estrelas distantes. – Os Caminhos desabaram! – a mulher disse triunfante, e seu tom de voz fez Jane ter a impressão de que rangia os dentes. – Finalmente estamos livres para avançar! No começo, Jane pensou que a mulher estava falando com ela, mas então se deu conta de que devia estar se dirigindo ao exército de Alexandre. Olhando por sobre o ombro, ela notou que a exclamação também havia sido ouvida por um homem sério, de vinte e poucos anos, parado atrás dela. Ele usava um largo casaco camuflado, um bigode e ca‑ vanhaque ralo e segurava uma HK416 apoiada sobre o ombro. Embora estivesse parado ao lado de Jane, estava evidentemente separado de Alexandre, tanto temporal quanto geograficamente. Jane se encontrava 9

Doutor Estranho_MIOLO_revisado.indd 9

18/10/2016 09:36:18


entre os dois: um pé no chão quente e liso do mundo do jovem; o outro, no solo empoeirado de Alexandre. Embora também fosse possível que ela estivesse nos dois lugares. Ou em nenhum. O atirador se virou e caminhou resoluta e sorridentemente até um shopping que se materializou a curta distância dele, e Jane ficou subi‑ tamente preocupada com as pessoas que passavam diante dele. Nesse exato momento, Alexandre baixou a mão enquanto gritava uma ordem, olhando o exército com os ávidos e afiados olhos verdes. – Abram o portão. À direita de Jane, os soldados começaram a tentar derrubar o por‑ tão. À sua esquerda, o homem com o casaco do exército abriu fogo do lado de fora do shopping. O som era ensurdecedor: os golpes do aríete no portão, as repetidas explosões da pólvora. Jane quis correr, só que não podia se mover, queria se esconder ou fechar os olhos, mas em vez disso ficou observando o portão sendo curvado até finalmente se abrir, e uma horda dos mais horríveis monstros que já havia visto invadiram o lugar: aranhas gigantes, com os torsos repletos de adagas, esqueletos marchantes com olhos em fogo, sombras amorfas de escuridão destrui‑ dora, assombrações alienígenas com bocarras repletas de dentes pontia‑ gudos… todos atravessando o solo do deserto. Os soldados de Alexandre abaixaram­‑se atrás dos escudos, buscando proteção, mas os monstros os ignoravam. Mesmo assim, Jane tinha certeza de que aquelas estranhas criaturas devorariam tudo e todos que estivessem em seu caminho. Ao mesmo tempo, à esquerda de Jane, as pessoas no shopping grita‑ vam, corriam e se escondiam atrás de lixeiras, abraçando­‑se em completo terror. O homem com o casaco do exército continuava avançando a pas‑ sos lentos e firmes, disparando incessantemente a arma. Muitas lágrimas escorriam pelo rosto de Jane, mas a mulher de cabelos azuis as secou. – Não chore – ela disse gentilmente. – Este é um dia de glória. Este é o meu dia… meu destino! E vou liderá­‑la para fora das sombras pelo meu exemplo, como deveria ter feito desde o início! Jane se afastou da mulher e se encontrou frente a frente com um homem barbudo usando sandálias e uma toga de lã. Seus olhos, que tal‑ vez tivessem sido azuis, haviam se tornado leitosos e estavam cheios de 10

Doutor Estranho_MIOLO_revisado.indd 10

18/10/2016 09:36:18


cataratas corticais. Jane já o tinha visto antes, mas não conseguia lem‑ brar onde ou quando. – Diga a ele que é você! – disse o homem em tom de urgência. Ele tocou­‑lhe o rosto com as mãos gentis e secas, contornando suas feições. – É você, não é? Você deve ter certeza. Você deve ter feito com que ele a trouxesse para a Cura… e só então você saberá qual é o seu caminho! Começou a chover. O homem mais velho enfiou a mão na toga e sa‑ cou uma faca. Jane a reconheceu, era a faca de caça que seu pai havia lhe dado em seu aniversário de 19 anos. Ela retirou cuidadosamente a arma da mão dele. – Foi a ciência que corroeu os Caminhos, então não tenha medo de derramar sangue… Mas faça apenas um pequeno corte. Apenas para que ela note. Seu nome é Dra. Misra. – Ele se moveu com intenção de se afas‑ tar, completamente encharcado, mas em seguida pareceu mudar de ideia. Ele se voltou novamente para Jane, e gentilmente tocou­‑a no braço. – Não vai doer – ele assegurou. E então sorriu um sorriso beatífico, sem mostrar os dentes. – Pode me dizer o mesmo? – Não vai doer – Jane repetiu, mesmo sem entender o que estava acontecendo. O velho cego concordou e tocou seu braço. – Espero que esteja certa. E espero que compreenda, Doutor Estranho. Jane olhou fixamente para a faca, pensando, ainda que brevemente, no erro que ele cometera ao dizer seu nome. Há meses que a realidade vinha lhe escapando. Quando tudo aquilo começara, os efeitos haviam sido mais simples: confusão sobre se alguma conversa havia realmente acontecido, ressacas emocionais de pesadelos que duravam dias inteiros. Depois, ela se pegou procurando na agenda do telefone informações de contatos de pessoas que ele conhecia intimamente, apenas para desco‑ brir que elas não existiram. Perdera objetos em lugares que ele não en‑ contrava mais e executava regularmente feitos que sabia serem impos‑ síveis. Finalmente, a física parou de funcionar completamente. Pessoas e lugares se transformavam diante de seus olhos, e a continuidade do tempo foi completamente estilhaçada. Resistir ao caos parecia apenas 11

Doutor Estranho_MIOLO_revisado.indd 11

18/10/2016 09:36:18


torná‑lo pior, então Jane estava fazendo o possível para se render ao tur‑ bilhão. Era tão confuso que ela mal tinha tempo para se perguntar se estava enlouquecendo. Quando ela ergueu o olhar novamente, estava parada sobre o carpe‑ te alaranjado no meio do porão que costumava fazer de quarto, na casa de sua mãe, em Hudson Valley. Tinha um leve cheiro de mofo, mas pare‑ cia maior do que o minúsculo cômodo no subsolo que ela usava quando era garota, e havia portas de vidros de correr que se abriam para o bosque atrás do terreno. Ela estava completamente vestida, com a faca de caça bem segura em uma das mãos. Olhando pela porta de vidro, podia enxer‑ gar que estava claro lá fora, já era alta manhã. Gotas de chuva se gruda‑ vam às folhas amarelas das bétulas, da mesma maneira como ali dentro elas cobriam e faziam brilhar seu grande casaco de pele verde. Ficou completamente imóvel por alguns segundos – com exceção dos olhos castanhos, que analisavam incansavelmente a sala até que pousaram sobre o telefone. Ela se aproximou dele, tocou a tela com o dedo molhado, e então de modo ausente secou a mão na parte da frente da camiseta. – Pesquisar Dra. Misra – ela disse para a tela. Três resultados surgiram: uma pediatra, uma internista e uma neu‑ rocientista. Aquela parte, pelo menos, era fácil. Jane deslizou a faca para dentro de uma bainha de pele de cervo e enfiou a faca e o telefone na bolsa já cheia, fechando‑a o mais silenciosa‑ mente possível.

12

Doutor Estranho_MIOLO_revisado.indd 12

18/10/2016 09:36:18


Doutor Estranho_MIOLO_revisado.indd 13

18/10/2016 09:36:20


– Preciso que você afaste toda a dúvida de sua mente. Acredite que você pode atravessar tudo isso. Agora, pegue minha mão. Doutor Stephen Strange, Mago Supremo, dirigia­‑se às figuras no es‑ pelho com uma calma autoridade. Em vez de um reflexo, o pedaço de vidro retangular com moldura de mogno mostrava três homens – dois policiais uniformizados e um ladrão bastante preocupado – pressionan‑ do as mãos contra o interior do espelho, olhando fixamente para fora, com a expressão implorante voltada para ele. Atrás do Doutor Estranho – logo atrás do brilhante círculo de proteção que ele havia desenhado com energia arcana no chão branco laminado da sala de interrogatório –, o parceiro do ladrão, ao lado de uma historiadora do Merchant’s House Museum e outros policiais do Sexto Distrito, observava e aguardava qua‑ se segurando o fôlego. O Tenente Reynard Bacci bebericou um gole do café que havia na ca‑ neca e observou com olhos atentos Strange enfiar o braço dentro do espe‑ lho, agarrar o braço do ladrão e cuidadosamente puxar o pesado homem para fora do espelho com dois centímetros de espessura. Atrás de Bacci, o comparsa do ladrão soltou o ar, aliviado, e fez menção de se aproximar, mas um olhar afiado de Strange o impediu de entrar no círculo de proteção. O ladrão resgatado caiu de joelhos, balbuciando com medo e gratidão. – Graças a Deus! Você precisa correr! Há algo ali com eles, cara, algo que não está feliz em ter visitas! Aqueles policiais serão comidos vivos se não forem tirados de lá! O lugar está cheio de esqueletos, cara… esque‑ letos humanos… em todos os cantos! Tem algo lá, cara, estou dizendo! Um coro de murmúrios alarmados acompanhou suas reclamações aterrorizadas enquanto os ocupantes do recinto reagiam àquelas notícias. – Você está bem agora – as palavras de Doutor Estranho eram recon‑ fortantes, apesar dos modos bruscos. – Será que posso ter mais alguns segundos de silêncio? – Tudo bem! Tudo bem! – O tenente sacudiu a caneca no alto. – Calem a boca e deixem o homem trabalhar! – Voltando­‑se novamente para Strange, o policial alto e grisalho falou com aparente estima. – Apenas me avise quando eu puder algemá­‑lo.

14

Doutor Estranho_MIOLO_revisado.indd 14

18/10/2016 09:36:20


– Daqui a pouco – Strange respondeu distraidamente, então enfiou o braço no espelho novamente e pegou a mão de um dos policiais que ainda estavam ali dentro. – Prefiro que ele não saia do círculo até que eu os tenha limpado dos resíduos espirituais. – Claro, Doutor. Bacci havia dado uma olhada para o espelho amaldiçoado e ligou para Wong, assistente do Doutor Estranho. Isso foi antes de os oficiais Smith e Hoskin conseguirem ficar presos lá dentro junto ao meliante. Aquilo tudo havia se iniciado mais cedo, naquela mesma noite, quando o cúmplice do meliante, Gabel, chegou correndo à delegacia, em pânico, carregando o es‑ pelho – que ele havia apressadamente coberto com seu sobretudo – e ber‑ rando que o amigo estava preso ali dentro. Ele disse ao sargento que esta‑ va na recepção que ele e o amigo haviam tido a ideia de jerico de roubar o Merchant’s House Museum, convencidos de que ficariam ricos vendendo pequenas antiguidades afanadas daquele ponto turístico de fama nacio‑ nal. Além de terem planejado pouco, pois o Merchant’s House Museum era uma instituição adorada pela cidade e tinha funcionários dedicados a perceber quase que imediatamente caso algum item desaparecesse, era um plano estranhamente ambicioso para dois homens cuja experiência em roubo não ia além de algumas barras de chocolate em mercadinhos de bairro. No entanto, aquilo ficou muito, mas muito mais esquisito quando o que se chama McHale “desapareceu” dentro do espelho que havia encon‑ trado escondido em um baú no terceiro andar. Quando o Doutor Estranho chegou, o Oficial Smith havia sido suga‑ do para dentro do espelho enquanto tentava puxar McHale para fora, e o Oficial Hoskin foi igualmente puxado quando tentou libertar o parceiro. Bacci teria preferido viver em um mundo desprovido de incidentes sobrenaturais, mas, já que não vivia, era grato por conhecer o Mestre das Artes Místicas que vivia no número 177A da Bleecker Street. Embora o cara se vestisse de maneira esquisita, com sua túnica azul, botas negras e uma capa vermelha chamativa, Bacci sempre o considerou notavelmente são – e infalivelmente eficaz. Aparentemente, ele era um feiticeiro im‑ portante – o fodão de todos os usuários de mágica, se Bacci havia enten‑ dido corretamente –, sem mencionar que era defensor supremo de todo 15

Doutor Estranho_MIOLO_revisado.indd 15

18/10/2016 09:36:20


o planeta ou, como o doutor mesmo era mais apto para chamar, “o reino mortal”. Seja lá o que tenha feito, ele sempre se mostrava disponível para ajudar quando alguém do Departamento de Polícia de Nova York o cha‑ mava para que desse uma mão em algo que não conseguia compreender, e ele já os havia tirado de várias confusões ao longo dos últimos anos. Portanto, o tenente tinha a mais completa confiança na habilidade do Doutor Estranho de fazer tudo voltar ao normal. Ele se recostou con‑ tra o atril, bebericou o café e fez uma careta. Aquela coisa estava ficando gelada. Uma arfada de alguém ao seu redor o fez erguer novamente o olhar. Strange estava segurando o braço de Hoskin e já puxava metade do policial para fora do espelho, mas um longo e negro tentáculo atraves‑ sou o espelho e se enrolou no peito do oficial, tentando puxá­‑lo de volta. Alguns policiais sacaram as pistolas, alarmados. Bacci fez um gesto para que se acalmassem e baixassem as armas. – Certo, rapazes, peguem leve. O doutor pode lidar com isso. – Fazendo um aceno de cabeça na direção de um patrulheiro especialmente agitado, Bacci lhe entregou a caneca. – Você, encha a caneca para mim. E os outros, deixem o doutor trabalhar. Doutor Estranho apenas franziu a testa e tocou a enorme fivela de prata que mantinha a capa no lugar. O amuleto se abriu como um olho, banhando instantaneamente o espelho com uma luz radiante, mística. O tentáculo se desenrolou do peito do policial Hoskin e deslizou de volta para as profunde‑ zas dos espelhos, permitindo a Doutor Estranho libertar o homem. – Não saia do círculo – Doutor Estranho alertou McHale por sobre o ombro enquanto enfiava o braço novamente no espelho para a tentativa final de retirar o oficial Smith. Hoskin concordou, mas apontou para o parceiro. – Você tem que tirá­‑lo de lá! Aquela coisa agarrou a perna dele! Doutor Estranho franziu o cenho, mas não hesitou: entrou no espelho, aparecendo instantaneamente próximo ao oficial Smith, do outro lado. Bacci semicerrou os olhos e tentou se aproximar, mas não conseguiu ver bem o que estava acontecendo. Doutor Estranho estava com a mão erguida, orde‑ nando que Smith ficasse imóvel, e os dois homens fixaram a atenção em algo que acontecia além da moldura. Houve um lampejo de luz amarela – pareceu 16

Doutor Estranho_MIOLO_revisado.indd 16

18/10/2016 09:36:20


a Bacci que o brilho emergira da mão do doutor –, e em seguida Strange esta‑ va ajudando o oficial Smith a sair do espelho. Quando o policial emergiu na sala de interrogatório, o mago se virou para enfrentar algo que surgiu atrás dele no espelho. A capa vermelho­‑escura impedia a visão de Bacci. De volta à sala de interrogatório, Hoskin segurou o ombro do amigo. – Você está bem, cara? Os olhos de Smith estavam arregalados, mas ele assentiu. – Ele arrancou a coisa de mim com algum tipo de raio laser que saiu da mão dele. – Fez menção de dizer mais alguma coisa, mas foi interrom‑ pido pelo som de vidro se estilhaçando. O espelho havia explodido em um milhão de cacos reluzentes. As reações foram imediatas: vários policiais apontaram as armas na direção da detonação enquanto outros empurravam os companheiros para longe do perigo. Smith e Hoskin mergulharam para cima de McHale, na intenção de protegê­‑lo, enquanto Bacci se colocava na frente da mulher que trabalhava no museu. Ele tentava calcular quem estava na zona de explosão quando os fragmentos do espelho congelaram no ar e pairaram por um segundo, antes de voltarem rapidamente para o ponto de origem, para então desaparecerem em um flash de luz vinda de uma coluna de acre fumaça negra que subitamente surgiu no meio da sala. Doutor Estranho saiu calmamente de dentro da fumaça e, com um aceno, a fez desaparecer. Nenhum sinal do espelho – nem mesmo um fragmento – restou. Bacci observou os olhos do mago analisando todos no recinto com algum tipo de arrependimento. A luz mística e radiante ainda emergia do olho no amuleto de Strange, e de alguma forma ele a direcionou, lenta e deliberadamente, para suas mãos, criando um círculo concêntrico que se expandiu sobre todas as pessoas presentes na sala de interrogatório. Bacci respirou fundo no momento em que a luz o banhou, sentindo o re‑ fluxo da adrenalina enquanto um confortante sentimento de serenidade percorria seu corpo da cabeça aos pés. Aquilo parecia ter o mesmo efeito em todos que alcançava: Bacci observou os ombros de seus policiais se acalmando enquanto endireitavam o corpo; alguns chegavam até a suspi‑ rar quando a tensão era drenada deles.

17

Doutor Estranho_MIOLO_revisado.indd 17

18/10/2016 09:36:20


O olho no amuleto se fechou, e a luz simplesmente desapareceu. Strange fez um gesto preciso, e o círculo de proteção que ele havia dese‑ nhado no chão sumiu de vista. Ele assentiu para Bacci. – Pode levá­‑los sob custódia agora, se assim desejar. Bacci fez sinal para Hoskin e Smith, que ajudaram os meliantes a se levantarem e os levaram para fora da sala enquanto Strange conversava com a historiadora do museu. – Peço desculpas, Sra. Hazel, mas não fui capaz de salvar o artefato. E, se isso for de algum conforto, até mesmo duvido de que aquilo fosse uma antiguidade. Me pareceu ter sido criado muito recentemente, numa tentativa de aprisionar a entidade dentro dele. Anne Hazel afastou as preocupações do doutor. Bacci imaginou que, como ele, ela havia sido fisgada pela excitação de passar uma tarde de sexta­‑feira testemunhando uma sequência tão incomum de eventos. – Não, está tudo bem. Como mencionei ao tenente, aquele absoluta‑ mente não era um item que pertencia aos Tredwells… eu nunca o tinha visto antes. Não faço ideia de como ele foi parar na casa. Será que devo ficar preocupada? Strange ocultou as mãos por entre as dobras da capa. – A casa tem reputação de ser assombrada, não tem? Talvez alguém tenha achado que vocês saberiam lidar com o perigoso item que haviam criado. Em todo caso, não, por favor, não se preocupe. Mandarei um de meus colegas fazer uma varredura e verificar se não há mais nenhum ob‑ jeto perigoso escondido no edifício. – Obrigada, Doutor. Pareceu a Bacci que Hazel também havia sido fisgada pelo misterioso mago. E por que não seria? Se a capa não fisgava, havia ainda o fato de ele ser um homem bastante atraente – algo que remetia a uma elegância estilo Rat Pack e a certo savoir­‑faire, o tenente pensou, divertido. Mais velho do que os heróis de capas e roupas coladas que se viam ocasional‑ mente pela cidade, o Doutor Estranho tinha em si um ar de autoridade dominante. E, obviamente, era um homem que tinha visto muitas coisas e sabia de algumas outras. Infelizmente, para Hazel, era também um ho‑ mem com lugares onde deveria estar. Claramente determinando que a 18

Doutor Estranho_MIOLO_revisado.indd 18

18/10/2016 09:36:20


ameaça havia acabado, Strange repentinamente se despediu. Bacci o se‑ guiu, parando para aceitar a caneca cheia de café fresco que o patrulheiro lhe entregou enquanto acompanhava a saída do doutor. – Obrigado novamente por sua ajuda, Doutor. – Certamente. – Se houver algo que possamos fazer, por favor, você sabe que é só chamar, não é? – Apenas fiquem em segurança. Bacci assentiu, e então se lembrou de que queria perguntar outra coisa ao doutor. – Ah, outra coisa, é rápido… Eu ainda não estou conseguindo dor‑ mir bem. Está ficando cada vez pior, mexendo com minha concentração. Então, estive pensando. Você conhece alguma magia que me ajude? Doutor Estranho parou, virou­‑se e apontou para a caneca de café na mão do tenente. – Troque para descafeinado – disse secamente. Enquanto Bacci piscava, desviando o olhar para a caneca, Doutor Estranho se dirigiu para fora do pequeno edifício de tijolos e desapareceu no meio do tráfego de pedestres de Greenwich Village.

Mal havia dado dois passos para fora da delegacia, Stephen sentiu uma pressão insistente na lateral do crânio. Embora a sensação fosse desagradá‑ vel, a presença que a causava era calorosa e familiar. Ele baixou o escudo psí‑ quico – sua proteção habitual quando saía de casa – e telepaticamente cum‑ primentou seu assistente, Wong. Apesar de parecer distraído para qualquer um que o observasse, os lábios de Stephen não se moviam enquanto ele e o amigo conversavam separados por mais de um quilômetro de distância. – Sim, Wong? Está tudo bem? Estou saindo da delegacia agora. – Desculpe interromper. Só quero avisar que temos visita. Stephen se afastou da calçada e entrou em uma estreita rampa que dava para um estacionamento entre uma casa de dois andares e um pré‑ dio de apartamentos. 19

Doutor Estranho_MIOLO_revisado.indd 19

18/10/2016 09:36:20


– Logo estarei aí. Lançando um olhar para a entrada da garagem, para ter certeza de que ninguém estava olhando, ele abriu um portal até sua sala de estar e o atravessou. Wong, como sempre, direcionava a atenção do convidado para a pin‑ tura de Richter, para que, assim, Stephen pudesse entrar na sala por trás deles sem assustar imediatamente o estranho com uma demonstração de transporte dimensional. Esfregando as mãos, que começavam a doer, Stephen tentou con‑ ter o ataque de informações psíquicas transmitidas da mulher parada ao lado de seu amigo. Wong gostava de apresentar as pessoas como mera formalidade, mais para o próprio bem delas do que para o de Stephen. Doutor Estranho pigarreou e Wong se virou, guiando gentilmente a mu‑ lher para que fizesse o mesmo. – Esta é a Dra. Sharanya Misra, da Fundação Baxter – Wong come‑ çou, com um gesto educado para seu amigo e empregador. – Dra. Misra, este é o Dr. Stephen Strange. Stephen sorriu, e a mulher retribuiu o sorriso, mas não havia satis‑ fação em seus olhos. Ela parecia ter seus vinte e muitos anos, cabelos escuros brilhantes presos para trás e um rosto bem esculpido. Os olhos castanho­‑escuros estavam bem atentos, os lábios, comprimidos, como se mal pudessem conter seu ceticismo, e Stephen pôde sentir a tensão e a apreensão irradiando em ondas de sua elegante figura. Seus olhares se encontraram enquanto Stephen analisava o rosto dela, e ele foi atingido por uma dura visão de sangue e vísceras. Ela recentemente havia teste‑ munhado algum tipo de tragédia pavorosa, o que provavelmente contri‑ buía para a tensão em seus ombros e costas, sem mencionar a enorme sanguessuga psíquica malebranchiana de quase dez metros enfiada entre suas omoplatas. Era duas vezes mais grossa que um cano flexível, com pele negra cheia de pontos roxos e uma enorme boca sugadora. Lançando um rápido feitiço de adivinhação com um tremelicar de dedos quase imperceptível, Stephen descobriu que ela tinha 32 anos, vi‑ via no Queens e era descendente da primeira geração de imigrantes que vieram de Karnataka. Vivia sozinha, fez doutorado em Neurobiologia 20

Doutor Estranho_MIOLO_revisado.indd 20

18/10/2016 09:36:20


e Comportamento em Columbia e conduzia um estudo sobre metacog‑ nição patrocinado pela Fundação Baxter, no Instituto Ravencroft para Criminosos Insanos. Meditava e praticava ioga todas as manhãs, falava canarês e híndi tão bem quanto inglês, estava em excelente saúde física, e tinha um nada comum gosto por kombucha. – Bem­‑vinda ao Sanctum Sanctorum – saudou ele, enfiando as duas mãos de volta na capa no momento exato em que a maioria das pessoas as estenderia para cumprimentar. Embora já se sentisse confortável o sufi‑ ciente com as cicatrizes que as cobriam para retirar as luvas que usara du‑ rante seus primeiros anos como Mago Supremo, Stephen continuava cons‑ ciente do tanto que suas mãos ainda tremiam. – Como posso lhe servir? Dra. Misra mexeu em um bracelete prateado em forma de Ganesh, preso ao seu pulso esquerdo. – Eu… não tenho certeza se pode me ajudar, para ser honesta. Eu real‑ mente nem deveria estar tomando seu tempo, mas minha mãe… – a voz dela começou a sumir, a cor de suas bochechas aumentando de tonalidade enquanto observava a extensão da capa de Stephen. – Ela conhece muito sobre coisas psíquicas e tal e, para ser honesta, eu não tenho certeza mes‑ mo do que você faz. É que, às vezes, é mais fácil fazer as vontades dela. Ela disse a palavra “psíquicas” com um humor disperso, e Stephen trocou olhares com Wong. Agora ele sabia que não faria diferença se tives‑ se emergido do portal bem na frente dela. As pessoas eram incrivelmente adeptas à tentativa de explicar o que é místico; ver um homem surgindo do ar fino não é nada para quem quer negar o sobrenatural. Passagens secretas. Espelhos. Truques de luz. Stephen sabia por experiência própria que, quando alguém está com a cabeça feita para não acreditar, pode fa‑ cilmente confundir um Berev’ha Dentii de três metros de altura com um hamster obeso. Ele mesmo já havia sido uma dessas pessoas. – Eu sozinho poderia explicar as circunstâncias que envolvem sua vi‑ sita – Stephen admitiu –, mas muitas pessoas considerariam tais análises muito invasivas. – Ele baixou sutilmente a voz, seus olhos azuis brilhan‑ tes dançando enquanto buscava encontrar o olhar de Sharanya, tentando estabelecer confiança. – Eu sei que, na primeira vez que minha mente foi lida, achei bastante perturbador. 21

Doutor Estranho_MIOLO_revisado.indd 21

18/10/2016 09:36:20


Aquilo não era completamente correto. Da primeira vez que sua mente foi lida, ele era muito arrogante para notar, mas, em um nível emocional, era verdade o bastante para que tal confissão valesse a pena. Ele estudou a aura da mulher enquanto Wong continuava de onde ele havia parado. Ela estava envolta por um forte campo de um azul­‑escuro rico, tingido de cinza nas extremidades, reforçando o sentimento de Stephen de que ela era um indi‑ víduo normal, forte e equilibrado lidando com uma escuridão temporária. – E sua mãe acha que você precisa de ajuda com o quê? – Wong prontificou­‑se. Ele sabia lidar facilmente com as visitas, por isso Stephen confiava nele. Sharanya estremeceu e baixou o olhar. – Houve um… incidente em meu trabalho. Muitas pessoas morre‑ ram. Foi bastante violento. – Sua voz havia baixado para quase um sus‑ surro, e Stephen teve que se inclinar para ouvi­‑la melhor. – Através de meios sobrenaturais? – perguntou, uma das sobrance‑ lhas saltando de curiosidade. – O quê? – Sharanya ergueu o olhar confuso para ele antes de tardiamen‑ te compreender a questão e balançar a cabeça. – Ah. Não. Não, nada do tipo. Eles se mataram entre si. Meus objetos de pesquisa – ela disse, hesitante. O trauma psicológico da experiência ainda reverberava dentro dela. No entanto, algo logo abaixo daquilo fisgou a atenção de Stephen; uma ne‑ cessidade inflamada de entender o que havia acontecido. Ele podia ver que, para ela, não seria suficiente apenas saber o que havia acontecido; a mente de Sharanya estava presa aos motivos, revirando a questão várias e várias vezes, como se quisesse transformar uma pequena pedra em diamante. Stephen aguardou até ela olhá­‑lo novamente. – Por que você não começa do começo? Sharanya hesitou, lançando os olhos para as portas da sala de estar. – Como eu disse, tenho certeza de que não há nada que você possa fazer. Ninguém pode fazer nada. A polícia terminou a investigação e to‑ dos os envolvidos estão… Mortos. No silêncio repentino de Sharanya, Stephen ouviu clara‑ mente a palavra, como se ela a houvesse gritado. Wong trocou discre‑ tamente o peso de perna enquanto se colocava ao lado dela, trazendo 22

Doutor Estranho_MIOLO_revisado.indd 22

18/10/2016 09:36:21


gentilmente sua atenção de volta para o mundo dos vivos. Ela continuou, e seu discurso foi se tornando cada vez mais rápido, como se subitamente estivesse com pressa de terminar logo a história. – Estou trabalhando em um estudo de metacognição nos sonhos lúcidos na Ravencroft. Temos um departamento completo de Onerologia, e estuda‑ mos todos os tipos de sonhos: resolução de problemas, curativos, profecias, épicos, lúcidos… De todo modo, buscamos especificamente compreender como o sonhar interage com o comportamento… Como os sonhos dos crimi‑ nosos insanos mais violentos diferem dos sonhos dos outros criminosos, por exemplo. E temos a opção de usar a terapia do sonho para guiá­‑los para fora de seus momentos de psicose. Temos um laboratório do sono no instituto, e há oito dias doze sujeitos de pesquisa acordaram e… atacaram­‑se. E não pararam. Ninguém conseguiu impedi­‑los. Algumas pessoas tentaram, mas eles… eles simplesmente continuaram, até que todos estivessem mortos. Stephen assentiu. Aquilo explicava a sanguessuga psíquica: esses para‑ sitas gigantes, que lembravam um verme gigante, gostavam muito de culpa de sobrevivente. Ele teria que removê­‑lo antes que ela saísse da casa. – Doze pessoas, todas morrendo ao mesmo tempo. Quer dizer, eram criminosos violentos, mas eles se conheciam… Participavam desse estudo juntos havia meses sem que houvesse nenhum incidente. Nos vídeos de segurança, pareceu que todos acordaram de pesadelos ao mesmo tempo e simplesmente… – Ela parou e massageou a testa, e Stephen percebeu que havia algo que ela ainda não havia dito. Ele olhou para Wong, que captou seu olhar. Stephen sabia o que ele estava pensando; o mesmo pensamen‑ to que havia cruzado sua mente. Pesadelo. Um demônio que governava o reino da Dimensão dos Sonhos, do qual pegou seu nome, era um dos mais antigos e perigosos inimigos de Stephen. Certamente era possível que ele tivesse algum dedo nos eventos que Sharanya estava descrevendo. No entanto, não parecia possível que ela pudesse supor tudo aquilo. Apesar de horrível, sua história era surpreendentemente desprovida de ameaça sobrenatural, de uma perspectiva comum. Normalmente, as pessoas não procuram o Sanctum até acordarem vomitando moscas com‑ pulsivamente ou com a cabeça girando 180º. Era verdade que Sharanya estava carregando a sanguessuga psíquica, mas ela não sabia disso. Seu 23

Doutor Estranho_MIOLO_revisado.indd 23

18/10/2016 09:36:21


cérebro não estava sendo usado como fenda dimensional para a invasão de um exército demoníaco, nem como posto avançado para células terroris‑ tas paranormais. Ninguém estava fazendo prédios inteiros desaparecerem simplesmente passando por eles ou sendo assediado por corvos que gritam ofensas em esperanto. Não havia nem mesmo um ralo psíquico. Stephen já havia se convencido de que faria tudo ao seu alcance para ajudá­‑la, mas, além de remover a sanguessuga psíquica – e talvez iniciar uma conversa com Pesadelo –, ele ainda não tinha certeza do que mais poderia fazer. Parecendo notar a distração de Stephen, Wong começou a questio‑ nar Sharanya a respeito de sua mãe, dando tempo para que Stephen deli‑ cadamente vasculhasse a mente da moça. Enquanto Sharanya esclarecia como a mãe ficara sabendo sobre o trabalho de Stephen – aparentemen‑ te, ele havia ajudado a acabar com a possessão da sobrinha do dono do armazém onde ela fazia compras –, o mago fechou os olhos e tocou psi‑ quicamente a mente dela com a sua própria, vasculhando silenciosamen‑ te suas memórias do evento. Seus olhos rapidamente se abriram um segundo depois. Sharanya estremeceu e tocou a têmpora. – Eles chamaram meu nome? – Stephen perguntou, seu tom era duro. – Sim, mas como é que…? Isso não faz sentido! – Sharanya balbuciava, abalada pelo fato de Stephen ter revelado parte de sua memória que estive‑ ra relutante em compartilhar. Stephen se voltou para Wong, explicando: – Quando acordaram, todos os objetos da pesquisa gritaram “Doutor Estranho!”. Segundos depois, atacaram­‑se violentamente. – Como você sabe disso? – Parecendo oscilar entre a curiosidade e a consternação, Sharanya tinha os olhos arregalados e os punhos fechados. Ela se virou para Wong, desesperada para articular uma versão da reali‑ dade que fizesse sentido para ela. – Talvez estivessem apenas chamando por mim ou por um dos outros doutores, dizendo que se sentiam estra‑ nhos. Quer dizer, sim, é verdade, todos disseram a mesma coisa: “Doutor Estranho!”. Mas poderiam estar se referindo a qualquer coisa, certo? Wong lhe ofereceu um sorriso enigmático.

24

Doutor Estranho_MIOLO_revisado.indd 24

18/10/2016 09:36:21


– Geralmente, as explicações mais simples são melhores do que as mais complexas. Mesmo quando você não as entende. Sharanya sacudiu a cabeça para Wong. – Então ele está lendo minha mente, e você está citando a Navalha de Occam para mim. Você está certo, eu não compreendo nada disso. – Meu trabalho frequentemente se intersecciona com outros reinos – Stephen disse, como explicação. – É possível que esses indivíduos te‑ nham sido obrigados a falar com a voz de uma entidade alienígena na in‑ tenção de chamar minha atenção. Isso é potencialmente um bom sinal, já que implica que há boa vontade em cooperar. – Enquanto falava, Stephen retirou uma das mãos da capa e discretamente enviou um dardo seda‑ tivo na direção da sanguessuga psíquica, com um movimento do dedo indicador esquerdo. Para quem não tem experiência com mágica, poderia parecer uma simples tremida de mão. – Eu acho que você vivenciou o eco de um enorme desequilíbrio em uma dimensão vizinha. – E existem muitas? – Sharanya perguntou, sua voz num tom entre o assombro e o escárnio. – Dimensões vizinhas? Stephen a olhou nos olhos, perguntando­‑se o quanto ela realmente gostaria de saber. Existem milhares delas – agressivas, predatórias e sem‑ pre expandindo. A realidade em que ela existia era uma coisa pequena e frágil que já havia sido completamente devastada e substituída pelo menos uma vez, pelo que ele sabia. Ele era o único ser vivo que se lembrava disso. – Existem – ele concordou. – E suspeito que as respostas que você busca estão dentro de alguma delas. Se você permitir que eu investigue em seu nome, certamente entrarei em contato assim que tiver mais informações. Fingindo ajustar a posição de um artefato sobre a lareira como des‑ culpa para sair do campo de visão da visitante, Stephen se colocou atrás da sanguessuga psíquica e pisou com força e firmeza em sua cauda. Ele geralmente não se sentia tímido em cuidar de seus assuntos na fren‑ te do público em geral, mas dessa vez achou melhor agir com cautela, preocupando­‑se em não causar aflições desnecessárias. A maior parte das

25

Doutor Estranho_MIOLO_revisado.indd 25

18/10/2016 09:36:21


pessoas se sentia mais feliz em permanecer inconsciente a respeito dos organismos espirituais que infestavam seus quadros mortais. – E o quê… hum, quanto algo desse tipo me custaria? – Sharanya perguntou apreensiva, virando o pescoço para segui‑lo com os olhos. – Não podemos estimar isso até entendermos melhor as forças com as quais estamos lidando – Stephen respondeu distraidamente. A san‑ guessuga psíquica se tornou ciente de sua presença e estava tentando se enfiar ainda mais nas costas de Sharanya. Wong se apressou em esclarecer. – Não há custo monetário associado à assistência do doutor. Sharanya pareceu ficar claramente mais aliviada com tal informação, e se voltou novamente para Stephen. – Então, há mais alguma coisa que você precisa de mim neste ponto, ou…? – Eu gostaria de colocar um feitiço de proteção em você antes que se vá, mas não precisa ficar alarmada. Isso não é uma indicação de que estou prevendo ameaças à sua segurança. Stephen lançou o feitiço rapidamente enquanto a cientista o observava por sobre o ombro. Quando ele terminou, fez um gesto para que Wong a acompanhasse até a porta. – Pode me seguir, por favor, Dra. Misra? Sharanya olhou assustada enquanto Wong começava a seguir na dire‑ ção das portas da sala de estar. Ela começou a se virar para encarar Stephen – a sanguessuga se virando com ela, tentando fugir do alcance do doutor – quando Wong a interrompeu com um toque gentil em seu cotovelo. – Ah, é, adeus – ela disse a Stephen por sobre o ombro. – Obrigada por… sua ajuda. Foi um prazer conhecê‑lo. Stephen assentiu em agradecimento, mas não fez mais do que olhar para ela. Ele estava ocupado em rapidamente envolver a figura cilíndrica da sanguessuga em tendões de energia. Era a maneira mais simples de separá‑la da hospedeira. E também era o melhor jeito de não causar nenhum ferimento, no en‑ tanto… exigia muita concentração.

26

Doutor Estranho_MIOLO_revisado.indd 26

18/10/2016 09:36:21


Doutor Estranho: sina dos sonhos  

Doctor Strange: The Fate of Dreams Published by Marvel Worldwide, Inc., a subsidiary of Marvel Entertainment, LLC.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you