Page 1

Mestre Imaginario UM NOVO MESTRE D’ARMAS PROPOSTO POR SUAS CRIANÇAS

REALIZAÇÃO:


UA L?

M O C

MUND O Á T OA S E O T


UA L?

M O C

MUND O Á T OA S E O T CADA VEZ MAIS URBANO GLOBALIZADO CAPITALISTA DISPUTADO AUTOMATIZADO CONSTRUÍDO


COM CADA VEZ TEMPO MENOS ESPAÇOS LIVRES VERDES BEM ESTAR INCLUSIVO

UA L?

M O C

MUND O Á T OA S E O T


UA L?

M O C

MUND O Á T OA S E O T


E SE MUDÁSSEMOS DE PONTO DE VISTA?

UA L?

M O C

MUND O Á T OA S E O T


VI V RIA

CR

IANÇAS?

COMO SE

DA S

R PO

ER

EM

DES PEN A D I C SA


VI V RIA

CR

ACOLHEDORAS INTERESSANTES INCLUSIVAS AFETUOSAS RESPONSÁVEIS

IANÇAS?

COMO SE

DA S

R PO

ER

EM

DES PEN A D I C SA


PEDAGOGIA URBANA


PEDAGOGIA URBANA VIVÊNCIA DIÁRIA COMPREENSÃO DO TERRITÓRIO CARACTERÍSTICAS POTENCIALIADES PROBLEMAS SOLUÇÕES


O BRINCAR


O BRINCAR PRINCIPAL ATIVIDADE INFANTIL LAZER E EXPERIMENTAÇÃO APRENDER E EXPLORAR, MUNDO, RELAÇÕES SOCIAIS, REGRAS HABILIDADES FÍSICAS, MOTORAS E LINGUÍSTICAS


COMO ENVOLVER AS CRIANÇAS?


COMO ENVOLVER AS CRIANÇAS? ARTE E DIVERSÃO! INTERVENÇÕES URBANAS + POTENCIAL IMAGINATIVO + RETOMADA DO LÚDICO PERCEPÇÃO INTERNA-EXTERNA RESPONSABILIDADE INDIVIDUAL-COLETIVA REINVENÇÃO MÚTUA DO SER E DO MEIO


ENVOLVENDO A COMUNIDADE PROCESSOS PARTICIPATIVOS CONSTRUÇÃO COLETIVA DE IDEIAS


TRIPÉ DE ATUAÇÃO LOCAL

PROFISSIONAIS

USUÁRIOS


O

L A C O L


ITO FEDER R T S I AL D

PLANALTINA

M

E D’ARM R T AS ES


Amazônia

Caatinga

Cerrado

Mata Atlântica

Pampas

Pantanal

N

Mapa Biomas do Brasil Fonte: IBGE 2004 com modificações Sem escala


ITO FEDER R T S I AL D

PLANALTINA

M

E D’ARM R T AS ES


41km

SETOR HABITACIONAL km

36

BRASÍLIA

PLANALTINA


DAS ATIVIDADES DA CIDADE

AGROPECUÁRIA

Uma breve descrição dinâmica de algumas das atividades que nos ajudam a compreender o potencial da cidade como polo agropecuário e religioso:

Program a de Ass enta Dirigido do DF (P mento AD/DF) R EFORMA AGRÁ MAIS BE M SUCED RIA IDO DO B R 61 HECT ARE ENTRE P LANAL E PARAN TINA OÁ

MAIOR POLO DO DF 600 Produtores 30MIL habitantes 1500 km2 de área

00% MILHO 1 ENTO M I C S E R DE C e 2017 7 9 9 1 E ENTR MAIS % 8 5 1 A ZON TRAS U O E U Q IVA PRODUT IONAIS C A N S E REGIÕ ENSÃO T X E A M DE MES

uara q a T l o Rura

Núcle

o

RS 1

/an s e õ h l 0 mi

PRIN CI PROD PAIS UTOS pimen tão soja trigo mara cujá


DAS ATIVIDADES DA CIDADE RELIGIOSAS ISTÃS TRADIÇÕES CR

v

M SEDE DA ORDE A CRISTÃ T IS L A U IT IR P S E NHECER VALE DO AMA

Expansão atualmente é um bairro

elementos sincréticos de origem afro-brasileira e kadercista

800 un

idades mundo no

Curiosidade! eira Tia Neiva, prim caminhoneira ecida mulher reconh nte no profissionalme Brasil.


DAS ATIVIDADES DA CIDADE Momenta da Festa do Divino, em frente à Igreja Matriz São Sebastião.

Preto Resende e o Teatro Lieta de Ló.

Igreja de São Sebastião, a “Igrejinha”, em 1975.

Comissão Missão Cruls, em visita ao Planalto Central no fim do século XIX. Neiva Zelaya, fundadora do Vale do Amanhecer e primeira caminhoneira reconhecida no Brasil.


ITO FEDER R T S I AL D

PLANALTINA

M

E D’ARM R T AS ES


RODOVIÁRIA DE PLANALTINA

SETOR HABITACIONAL MESTRE D’ARMAS

Mapa de Localização do Setor Habitacional Mestre D’armas dentro de Planaltina.


CEd POMPÍLIO

CEF JK

CONDOMÍNIO MESTRE D’ARMAS

Mapa de delimitação da área de intervenção, o Condomínio Mestre D’armas, com indicação da localização das escolas CEF JK e CEd Pompílio.


APRENDENDO COM QUEM JÁ FEZ REFERÊNCIAS E INSPIRAÇÕES


APRENDENDO COM QUEM JÁ FEZ

JAMAC JARDIM MÍRIAN ARTE CLUB

CRIANÇA FALA NA COMUNIDADE

BASURAMA

ERÊ LAB


PROJETO CRIANÇA FALA NA COMUNIDADE


PROJETO CRIANÇA FALA NA COMUNIDADE


PROJETO CRIANÇA FALA NA COMUNIDADE


PROJETO CRIANÇA FALA NA COMUNIDADE


MÃO NA MASSA! ATIVIDADES PARTICIPATIVAS NAS ESCOLAS


DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL

JOGO DO ABRE-E-FECHA

ZIGUE-ZAGUE DE IDEIAS

Fotos do material de apresentação do projeto. Fonte: autora


DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL

CARTILHA DE ATIVIDADES

PANFLETO DO PROJETO


REDE DE APOIO


REDE DE APOIO


PESSOAS-CHAVE

IAGO MORADOR E ESTUDANTE DE DIREITO GUI MORADOR E ESTUDANTE DE FILOSOFIA


ADLAVI PROFESSOR

ALINE E ALEXANDRE SUPERVISORES PEDAGÓGICOS

BÁRBARA PROFESSORA 3ºF

ARETUZA

VICE-DIRETORA CEF JK

RAYANE PROFESSORA 5ºB

ANDRI DIRETOR CEF JK

MÍRIAN PROFESSORA 3ºB


OS CRIADORES DE IDEIAS

ALUNAS E ALUNOS DO 5ยบ ANO TURMA B PROFESSORA RAYANE


ALUNAS E ALUNOS DO 3º ANO TURMA F PROFESSORAS BÁRBARA E DANIELE

ALUNAS E ALUNOS DO 3º ANO TURMA B PROFESSORA MÍRIAN


AS OFICINAS CEd POMPÍLIO


MAPAS AFETIVOS O REAL E O SONHO Fotos de mapas afetivos produzidos na oficina. Fonte:Autora


O

CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO grande presença de asfalto, pouca vegetação.

NHO REAL I M A C NTO

SD ED ES

E EM L E

Q UE TA

ESCOLA COMÉRCIO ELEMENTOS NATURAIS BR-020

PONTOS DE REFERÊNCIA comércio, relações afetivas, escolas, igrejas LOCAIS DE MORADIA Por todo o Setor Habitacional Mestre D’Armas, Embrapa, BR-020 LOCOMOÇÃO Pedestres, Transporte Escolar, Transporte Público, Carro Particular POUCO OU NÃO PONTUADOS: LAZER - Campão e campinho, PEC EQUIPAMENTOS URBANOS - postos de saúde, policiais, hospitais, biblioteca...

CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO Queda na representação de instituições, vegetação, ainda houve grande presença de asfalto

VIDA NO EXTERIOR Vontade de morar em outro país

S NHO SO

PRINCIPAIS ATIVIDADES Viajar, falar outros idiomas como inglês, dançar, vida noturna, consumom de bebidas, atividade sexual.

COMIDA LAZER ASFALTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES DINHEIRO ESCOLA VEGETAÇÃO

Q UE TA

RIQUEZA E DINHEIRO Associação com a felicidade, poder. Representação de objetos concretos e fantasiosos, como cédulas , tesouros, diamantes.

E

MENTOS DE E L D

O

ES

CONEXÃO DO MUNDO IDEAL COM A COMIDA necessidade básica se torna destaque, desenho por restaurantes fast-food internacionais, doces, industrializados.

MINHO O CA D

S

DEMANDA POR LAZER Piscina, clube para dança e encontros, parque de diversões, parque ecológico, cinema.


Foto com a turma. Fonte:Autora


AS OFICINAS OFICINA MESTRE D’ARMAS


STOP MOTION PRAÇA MARIGHELLA NARRATIVA TECNOLOGIA VOZ


MOMENTOS MARIGHELLA Momentos das gravações do stop motion. Fonte: Autora


AS OFICINAS OFICINA MESTRE D’ARMAS


A LENDA DO MESTRE IMAGINÁRIO


CONTAÇÃO DA LENDA DESENHO EM GRUPO DINÂMICAS


Nร

STRES IMA E GI M

RIO S

3ยบB


Nร

STRES IMA E GI M

RIO S

3ยบF


Nร

STRES IMA E GI M

RIO S

5ยบB


A CIDADE DOS SONHOS


A CIDADE DOS SONHOS


A LENDA E O MURAL DE PALAVRAS


MAPEAMENTO E PROFISSÕES


MAPA DE ÍCONES

Maquete Volumétrica do Condomínio Mestre D’armas


CONFECÇÃO DE MAQUETES


ENTENDENDO O BAIRRO AONDE ESTÁ A CULTURA?


ENTENDENDO O BAIRRO AONDE ESTÁ A CULTURA?


DADOS SOCIOECONÔMICOS 189.412 habitantes em Planaltina 33.000 no Setor Habitacional Mestre D’armas Título do Gráfico

< 3 Anos 3-6 anos 5% 14%

6-15 anos 20%

15 - 21 anos 5%

21 - 60 anos 5%

Grupos infantis por idade

2011

Faixa etária da população do Mestre D’armas

2013

Grupos de idade

2015 170000 170000

> 60 anos 5%

175000 175000

180000 180000

185000 185000

190000 190000

195000 195000

Taxa média geométrica de crescimento anual (TMGCA): 1,08%

Crescimento populacional

até 14 anos 15 a 24 anos

Grupos de idade infantil 0 a 4 anos 5 a 6 anos 7 a 9 anos 10 a 14 anos 15 a 18 anos

25 a 39 anos

51%

40 a 59 anos acima de 60 anos

Outros grupos de idade até 14 anos 15 a 24 anos 25 a 39 anos 40 a 59 anos acima de 60

49% População do Mestre D’Armas segundo o sexo

0 a 4 anos

Grupos de idade do Mestre D’Armas

5 a 6 anos

7 a 9 anos

10 a 14 anos

15 a 18 anos


a 18 anos

27

População 2011 2013 2015

176587 185375 189412

Principais estados quanto a origem dos moradores de Planaltina (PDAD 2015)

Distrito Federal 52,42 hab/ha

Mestre D’armas 92 hab/ha

Densidade populacional

População (%) 53 29 14 2 2

Renda Familiar Mensal 1 a 2 Salários Mínimos 2 a 3 Salários Mínimos 3 a 4 Salários Mínimos 4 a 5 Salários Mínimos 5 ou + Salários Mínimos

Dados da renda familiar dos moradores

170000

MA

175000

PI

BA

GO MG

53 %

12 %

Planaltina

Mestre D’armas

Famílias com até 2 salários mínimos


CULTURA PONTO A PONTO

3 4

6 8

5

2 1

7

9

Mapa de localização e conexão entre os pontos de cultura e lazer.


1 1

LOTE DE ENTRADA


2

2

TA I E F ÇA “P R A M Ã O” À

Fotos da “Praça Feita à Mão”.


3

CAM PÃO

3


4

CED POMPÍLIO

4


5

5

CEF JK


6

“BECO DOS PROLETAS”

6


7

CAM PÃO

7


8

8

UMA NOVA PRAÃ&#x2021;A


9

9

ENTRADA PARA A RESERVA


CULTURA PONTO A PONTO 3

5 6

4 2 1

7


CULTURA PONTO A PONTO 8

9


QUEM FAZ CULTURA NO BAIRRO?

A FAMÍLIA MESTRE D’ARMAS


QUEM FAZ CULTURA NO BAIRRO?

CASA DE CULTURA CARLOS MARIGHELLA


ENTENDENDO O BAIRRO OS ESPAÇOS FÍSICOS DO CONDOMÍNIO MESTRES DA’ARMAS


OS BAIRROS VIZINHOS

LEGENDA DOS BAIRROS: Condomínio Mestre D’armas Condomínio Parque Mônaco Setor de Mansões Mestre D’armas I Condomínio Mansões Mestre D’armas Condomínio Mansões Itiquira Condomínio Nova Esperança Condomínio Mestre D’armas IV Condomínio Estância Mestre D’armas I Condomínio Estância Mestre D’armas IV Condomínio Estância Mestre D’armas III Condomínio Estância Mestre D’armas II Condomínio Mestre D’armas V Condomínio Rural Mestre D’armas N 0

100

200

300

400

500 m


O QUE ACONTECE NO BAIRRO?

MAPA DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO Residencial Misto - Residencial + Comercial Institucional Área de Proteção Ambiental N

0

100

200

300

400

500 m


OS CHEIOS E OS VAZIOS

MAPA DE CHEIOS E VAZIOS Cheios Vazios N

0

100

200

300

400

500 m


OS CAMINHOS NATURAIS

LEGENDA DOS CAMINHOS MAIS INTEGRADO

MAIS SEGREGADO Fonte: DepthMap, com alterações.

N 0

100

200

300

400

500 m


ATÉ ONDE VAI A ESCOLA? ARREDORES EMBRAPA COND. MESTRE D’ARMAS CEd CEF

0,2

km

0,5

km

0,8

km

5k

m

1k

m

1,7km

1,

6km

4,7km

2,5km

RODOVIÁRIA DE PLANALTINA PROXIMIDADES DVO

BAIRROS DO SETOR HABITACIONAL MESTRE D’ARMAS


w

LIGANDO OS PONTOS UNINDO Ã&#x20AC;S IDEAS PARA GERAR PROPOSTAS


LINGUAGEM DE PADRÃ&#x2022;ES


DIMENSÃ&#x2022;ES DA SUSTENTABILIDADE


PADRÕES DO MESTRE D’ARMAS

SITUAÇÃO ATUAL

SUGESTÕES

O território do Condomínio Mestre D’armas tem um contato íntimo com a presença da natureza, pois é contornado por um afluente do Rio São Bartolomeu e pela mata ribeirinha que o cerca, apelidada pelos moradores de “reserva”. Com o crescimento do bairro, a quantidade de desmatamento e de lixo cresceu, o que coloca em risco o recursos naturais desta preciosa fauna e e flora.

Para que a reserva continue existindo em equilíbrio com a rotina do bairro, é preciso que os moradores desenvolvam respeito e cuidado com os recursos naturais locais. Sendo assim, é sugerida a criação de programas de educação ambiental, dentro e fora das escolas, trazendo atividades e informações que trabalhem a conscientização da comunidade, visando a proteção e preservação da área de reserva.

O crescimento da comunidade tem aumentado o número de construções, diminuído as áreas verdes e absorcção de água das chuvas. Todo este impacto tem trazido aridez para o bairro, reduzido o curso do Rio São Bartolomeu e contribuído para problemas no abastecimento de água.

Além do uso racional da água, podem ser estimuladas ações como a coleta de água da chuva, técnicas de reaproveitamento das águas, uso de banheiros secos, plantio de espécies do cerrado que ajudem a manter a umidade local, entre outras técnicas que contribuam e caminhem juntas com os trabalhos dos programas de cuidado com a natureza.

PADRÃO DE PROJETO

PROGRAMAS DE CUIDADO COM A NATUREZA

PRESERVAÇÃO DA ÁGUA O problema do lixo acumulado nas ruas pode ser encontrado em locais diversos do bairro, como lotes vazios, espaços abandonados, canteiros, nas margens do bairro, espaços próximos à BR-020 e da área da reserva. Estes locais se tornam foco de doenças e contraminação do solo e dos moradores, além de poluirem a mata e o Rio São Bartolomeu.

A implantação de lixeiras em pontos estratégicos nas ruas, inclusão da rota de coleta seletiva no bairro, aliado ao uso de composteiras e hortas caseiras que absorvam o lixo orgânico, assim como o estímulo à reciclagem dos outros materiais. Também é importante a realização de campanhas de redução de consumo e de produção de lixo, valorizando o reaproveitamento dos recursos já utilizados.

LIXO CONSCIENTE

DIMENSÃO ECONÔMICA - DESENVOLVIMENTO E GERAÇÃO DE RENDA

DIMENSÃO AMBIENTAL - REEDUCAÇÃO E REVALORIZAÇÃO

l

SITUAÇÃO ATUAL

SUGESTÕES

A chegada do hipermercado no SHMD, localizado na BR-020, trouxe dificuldades para comerciantes locais. Sem condições de oferecer a mesma quantidade de opções e preços mais baixos que a grande loja, muitos comerciantes perderam seus cliente e se viram obrigados a fechar as portas de seus negócios.

Para que os comerciantes locais continuem funcionando e gerando renda para o Mestre D’armas, e assim, movimentem a economia local, deve haver a conscientização dos moradores pela preferência dos comércios menores, de dentro do bairro. Juntamente a isso, podem ser ofertados cursos de capacitação para os proprietários e seus funcionários, visando melhorar seus serviços e produtos.

Toda segunda-feira, um ônibus vindo do Ceasa, traz alimentos para serem vendidos no Condomínio. O ônibus tem um ótimo funcionamento, porém sem espaço adequado, estaciona próximo à passarela para receber seus clientes.

Aproveitando a clientela e o costume dos moradores em comprar com o ônibus da verdura, pode-se destinar um espaço mais bem estruturado para receber o comércio e ainda permitir que outros feirantes montem pequenas tendas para expor seus produtos. Assim, é possível formar feiras semanais de trocas e vendas dentro da comunidade, gendo lazer e renda.

PADRÃO DE PROJETO

VALORIZAÇÃO DOS COMERCIANTES LOCAIS

ESPAÇO PARA O ÔNIBUS DA VERDURA E FEIRANTES LOCAIS


l

SUGESTÕES

O crescimento do bairro tem causado o aumento do número de construções, e a expansão do Condomínio em direção à área da reserva, que vem sendo cada vez mais ocupada. Sem a devida proteção, é crescente a presença de lixo e insegurança na área. Por outro lado, o verde e o curso d’água estão dimuindo. Os animais por vezes procuram abrigo nas casas, aonde os moradores, despreparados e assustados, podem vir a matá-los.

Como forma de conter o crescimento e a ocupação da área da reserva, é proposta a construção de um parque linear em todo o perímetro do condomínio, com prioridade para as marge oeste e leste, devido ao grande contato com a vegetação. O objetivo é criar espaços de lazer conexos à natureza, de uso equilibrado, valorizando áreas verdes e promovendo qualidade de vida. Pode-se avaliar a possiblidade da abertura de trilhas no local.

Atualmente o Condomínio conta com três espaços de praça, a “Praça Feita à Mão”, criada pelos moradores, a “Praça Carlos Marighella”, sem qualquer estrutura urbana e a Praça no módulo 19, pouco utilizada e com estrutura precária. A falta de espaços de encontro e interação que sejam agradáveis e seguros limitam a convivência comunitária, a troca de ideias, manifestações, bem-estar psicológico, a existência de bolsões de vegetação dentro da cidade, etc.

O mapeamento de espaços livres dentro da malha urbana do Condomínio possibilita a definição de áreas de praças públicas, direcionadas à públicos e atividades específicas. Podem ser realizados multirões comunitários de planejamento, coleta de material e construção dos espaços, dando preferência à técnicas e formas acessíveis à comunidade, para que possa construir as praças com autonomia.

Muitos espaços do Condomínio não possuem iluminação pública noturna, restringindo seu uso e circulação depois do entardecer até a manhã. Sem luz, estes locais se tornam pontos de perigo e vulnerabilidade. Desta maneira, a população evita ocupar estes lugares, que se tornam ermos ou são utilizados para atividades ilegais.

A implantação de postes de iluminação ao longo dos espaços públicos aumenta a segurança e o bem estar da população, que pode circular com mais tranquilidade pelas ruas. Devem ter preferência os modelos com placas fotovoltaicas, que armazenem a energia solar durante o dia e ajudem a gerar energia elétrica durante a noite, consumindo menos recursos.

No começo dos anos 2000 o Condomínio Mestre D’armas recebeu pavimentação nas vias e calçadas. Contudo, nem todas o percursos oferecem confoto aos pedestres, pois nem todoas as calçadas têm o espaço mínimo de 1,50m exigido pela norma de acessibilidade NBR 9050/2015. Em geral, também não oferecem acesso com rampa. Muitas casas também avançam suas fachadas e ocupam as calçadas.

Para que a comunidade se locomova com mais qualidade e segurança, as calçadas devem ser adaptadas, tendo no mínimo 1,50m de largura, rampas de acesso e conexão fluida entre os percursos internos, tendo maior atenção à áreas de escolas, praças e parques infantis, que tem grande circulação de crianças e idosos. Também devem levar os pedestres com segurança para pontos nas margens do bairro, como paradas de ônibus.

PADRÃO DE PROJETO

PARQUE LINEAR NAS MARGENS DO BAIRRO

PRAÇAS ARBORIZADAS

ILUMINAÇÃO NOTURNA

CALÇADAS ACESSÍVEIS

DIMENSÃO TERRITORIAL E ESPACIAL - INFRAESTRUTURA

DIMENSÃO TERRITORIAL E ESPACIAL - INFRAESTRUTURA

PADRÕES DO MESTRE D’ARMAS SITUAÇÃO ATUAL

SITUAÇÃO ATUAL

SUGESTÕES

A população do Mestre D’armas tem pouco a acesso à academias públicas de qualidade e espaços adequados para a prática de esportes. O PEC localizado na rua de entrada do Condomínio é precário e insuficiente. Sem muitas opções, vários moradores dividem as vias com os carros para praticar caminhadas, correr, andar de bicileta e skate.

Contribuindo com espaços destinados à prática de esporte, são propostas rotas com pista de corrida e ciclovia, margeando todo Condomínio e com ênfase na área da reserva. Também é interessante interligar rotas internas com as pitas. Quanto a pavimentação, é preferível o uso de materais com acabento mais polido para a ciclovia e de concreto para corrida. Para delimitar a área de uso, inclui-se a colocação de tachões e pintura de faixas.

As duas linhas de ônibus que circulam dentro do Condomínio transitam em ruas movimentadas e com presença de crianças. Duas delas são rua de entrada e a rua das escolas. A dimensão dos ônibus os tornam perigosos, e a alta velocidade pode causar acidentes envolvendo outros veículos e pedestres, como infelizmente já aconteceu. Também há dificuldade em fazer curvas e dividir as vias.estacionados.

Sendo linhas de ônibus internas à cidade, recomenda-se a substituição destes ônibus por micro-ônibus, modelos de transporte público menores, mais leves e que se adaptam melhor às ruas com alta circulação de pedestres, oferecendo mais segurança às crianças e idosos. A baixa circulação de pessoas nas linhas também reforça a troca. Se necessário, podem ser inclusos mais horários e pontos de integração entre transportes.

O “Campão” é atualmente o ponto mais importe de lazer dentro do Condomínio. Mesmo reunindo muitas pessoas, não oferece nenhum conforto aos usuários e visitantes, pois não possui gramado ou pavimentação, espaços para organização dos times, para a torcida, estacionamento, ambulantes, assentos, iluminação, acesso à água ou sanitários públicos.

Propõem-se infraestrutura para o “Campão”, incluindo arquibancada coberta, iluminação, espaço de estacionamento misto, com preferência para bicicletas, estrutura para vestiário, sanitários e bebeduros públicos, além de iluminação com postes fotovoltaicos. Para o campo, é indicado o uso de grama sintética, que pode durar até 15 anos com baixa manuntenção. Pode ser um bom ponto para um complexo esportivo.

A Praça Carlos Marighella foi inaugurada em 2015 pelo governador, mas até hoje não recebeu nenhuma infraestrutura, apenas a geladeira do livro, implantada com esforços comunitários. Sendo apenas um espaço de terra, a área da praça está sendo ocupada por comerciantes. Pouco identificada, não é muito conhecida pelos moradores da comunidade, que ao descobrir sua existência, enxergam seu potencial.

Sendo um ponto de encontro e lazer, a praça poderia receber calçamento diferente, acessos rampados, bancos, um pequeno teatro de arena para apresentações, de maneira a delimitar os usos sem formar barreiras e vegetação. Se sugere também que os comerciantes da praça adaptem seus serviços para dialogar com o espaço, criando pontos de viência para todas as idades.

PADRÃO DE PROJETO

PISTA DE CORRIDA E CICLOVIA

SUBSTITUIÇÃO DE ÔNIBUS POR MICRO-ÔNIBUS

ESTRUTURA URBANA PARA O CAMPÃO

ESTRUTURA URBANA PARA A PRAÇA CARLOS MARIGHELLA


l

l

DIMENSÃO SOCIAL - QUALIDADE DE VIDA

l

SUGESTÕES

Atualmente o Condomínio Mestre D’armas possui duas escolas, o CEF JK que leciona o primeiro fundamental e EJA em uma estrutura provisória desde os anos 1990, e o CEd Pompílio de segundo fundamental e médio, em instalações mais apropriadas, melhoradas com o tempo. Com poucos recursos, os reparos são feitos pelos funcionários e moradores. Não existem berçários ou creches públicas no bairro.

Sendo um ponto de educação e apio da comunidade, as escolas devevm receber atenção, recursos e cuidados governamentais. Além da valorização pelo poder público, também se faz importante a integração escola-comunidade, promovendo a movimentação e organização das atividades educativas de maneira adaptada às necessidades de seus usuários, estimulando a participação dos mesmos.

Sem nenhum espaço destinado ao lazer infantil, e com problemas de insegurança, poucas são as crianças que tem liberdade de brincar e ocupar as ruas do Mestre D’armas. Em geral ficam dentro de casa e só saem para ir para a escola. Esta situação poda a convivência entre as crianças, a vivência no espaço público, a persepção do território e a criação de vínculos com a comunidade.

A construção parquinhos infantis, com brinquedos interativos e estimulantes, não padronizados e adaptados à cultura local. Quanto à construção e aos materiais, podem ser realizados multirões de coleta e execução dos brinquedos, facilitando o vínculo e o cuidado das crianças e moradores para com o espaço. Dentre os espaços livres para a implantação no Condomínio, podem ser eleitos aqueles que atendam ao maior número de crianças.

Dentro da comunidade existem vários idosos, muitos deles desde o início da ocupação do bairro. Sem muitos espaços de lazer e atividades dedicadas à terceira idade, os idosos permanescem ociosos físicos e mentamelmente, diminuem as interações e vontade de aprender, além de terem que lidar com problemas de saúde.

Visando prolongar o bem estar físico e emocional dos idosos da comunidade, é importante a realização de atividades voltadas para esse público. Aulas de dança, promoção de esportes, jogos, música e poesia podem contribuir para a saúde e o envelhecimento com qualidade. Rodas de conversa, também são muito ricas, permitem a troca de saberes entre as gerações e a valorização dos mais velhos e dos ciclos da vida.

Os únicos espaços de leitura no bairro estão dentro das escolas. Também não existem locais convidativos ou programas que incentivem a leitura. Recentemente a Casa de Cultura Carlos Marighella conseguiu a implantação de uma Geladeira Literária na Praça Carlos Marighela, que sem muito acesso, permanesce com poucos usuários. Também não existem espaços para estudos fora do horário de aula.

Recentemente a Casa de Cultura conseguiu um espaço fisico para impantar sua base, realizar atividades, oficinasfdf e reuniões. O sonho antigo de montar uma biblioteca comunitária se torna mais próximo. A partir da divulgação nas ruas e escolas, podem ser organizados multirões, coletas de material, móveis, doação de livros para a o acervo, e montagem de espaços de estudo para a comunidade.

PADRÃO DE PROJETO

VALORIZAÇÃO DOS ESPAÇOS DE EDUCAÇÃO

CONSTRUÇÃO DE PARQUINHOS INFANTIS INTERATIVOS

DIMENSÃO SOCIAL - QUALIDADE DE VIDA

DIMENSÃO TERRITORIAL E ESPACIAL - INFRAESTRUTURA

PADRÕES DO MESTRE D’ARMAS SITUAÇÃO ATUAL

SITUAÇÃO ATUAL

A presença de carros, ônibus, e insegurança nas ruas tem afastado as crianças dos espaços públicos. Muitas vezes em casa, e sem contato com outras criaças, se limitam a brincar com jogos virtuais e assistir televisão. Assim, podem se tornar sedentárias, ter menos habilidades sociais, e construções afetivas com o espaço em que vivem.

Atividades importantes para o desenvolvimento físico, cognitivo, afetivo e social, as brincadeiras de rua também geram vida e movimento para cidade. Assim, são indicadas ocupações das ruas com muitas crianças, de maneira a aproveitar o espaço e a atividade do brincar. Para contribuir com o espaços mais divertidos, são indicadas pinturas lúdicas nas ruas, deixando os espaços mais criativos convidativos.

Muito comum entre as brincadeiras de rua, o Mestre D’armas também é um local aonde a brincadeira de soltar pipa é apreciada. Contudo, como as brincadeiras de rua estão cada vez mais escassas, a tradição vem diminuindo, e deixando de ser um momento de lazer e troca entre as famílias e amigos.

Uma atividade várias vezes realizada na comunidade e com bastante aderência foram os campeonatos de pipa. Assim, é interessante retomar e incentivar a promoção destes torneios, criando uma atividade de lazer e ocupação infantil dos espaços públicos da cidade. O espaço do Campão é um local interessante para a atividade, por ser amplo e permitir que as pipas possam voar livremente.

Dentro os poucos programas e atividades de lazer presentes na comunidade, estão o “Sarau da Resistência”, o “Dia de Lazer”, ambos realizados esporadicamente. Existe também o forró que acontece no comércio do módulo 2/3. A falta de frequência e variedade deixa uma lacuna nas horas de diversão do bairro.

PROGRAMAS PARA IDOSOS

BIBLIOTECA PÚBLICA

SUGESTÕES

Com poucos pontos comerciais que tenham propostas convidativas aos jovens e adultos, somados à falta de segurança, a vida noturna no Condomínio é pouco explorada. Sem muitas opções diante da demanda, muito moradores oferecem festas com acesso pago em suas casas ou saem do bairro a procura de alternativas para se divertirem, principalmente aos finais de sema.

Uma das maneiras de popularizar e ampliar as atividades de lazer é realizar programações gratuitas ou de preços acessíveis, com propostas interessantes e atentas as vontade dos moradores. Como muitos moradores possuem raízes nordestinas, o forró é uma porta para valorizar a cultura e os costumes trazidos pelas famílias. Este local pode se tornar ponto de encontro e disseminador cultural.

PADRÃO DE PROJETO

BRINCADEIRAS DE RUA

CAMPEONATOS DE PIPA

ESTÍMULO ESTRUTURA AOS PROGRAMAS URBANA DE PARA LAZER O CAMPÃO LOCAIS

Unindo a iluminação pública com a valorização da praça, é possível estimular a abertura de comércios locais voltados para o público jovem e adulto. Além de proporcionar lazer e contribuir para o bem estar social da comunidade, a atividade movimenta a economia local.

ESTÍMULO DA VIDA NOTURNA LOCAL


ESQUEMA LÓGICO DOS PADRÕES PIPA

MICRO-ÔNIBUS

BRINCADEIRA DE RUA

SEGURANÇA ILUMINAÇÃO

PARQUINHOS

PROGRAMAS PARA TODAS AS IDADES

PRAÇAS

VIDA NOTURNA CAMPÃO

BIBLIOTECA

QUALIDADE DE VIDA

USO OCU AÇÃ DO ESPA PÚBL


OE UPA ÃO OS AÇOS LICOS

PARQUE LINEAR PISTAS DE CORRIDA

SAÚDE

PRESERVAÇÃO DA ÁGUA

PROGRAMAS DE CONSCIENTIZAÇÃO E PRESERVAÇÃO

VALORIZAÇÃO DAS ESCOLAS

LIXO CONSCIENTE

RENDA LOCAL INICIATIVAS INTERNAS

VALORIZAÇÃO DO COMÉRCIO LOCAL HORTAS COMUNITÁRIAS

FEIRAS


w

NUM PASSE DE MÁGICA UM NOVO MESTRE D’ARMAS


IMAGINANDO CENÁRIOS!


MAPA GERAL


BLOCO 1


BLOCO 1


BLOCO 1


BLOCO 1


BLOCO 1


BLOCO 1


BLOCO 2


BLOCO 2


BLOCO 2


BLOCO 2


BLOCO 2


BLOCO 3


BLOCO 3


BLOCO 3


BLOCO 3


IMAGINANDO CENÁRIOS! ANTES E DEPOIS


LOTE DE ENTRADA


LOTE DE ENTRADA


ENTRADA - PARQUINHO


ENTRADA - PARQUINHO


CAMPÃO


CAMPÃO


POMPÍLIO


POMPÍLIO


JK


JK


JK A PINTURA DO MURO


BECO DOS PROLETAS


BECO DOS PROLETAS


UMA NOVA PRAÃ&#x2021;A


UMA NOVA PRAÃ&#x2021;A


ENTRADA PARA A RESERVA


ENTRADA PARA A RESERVA


PRÓXIMOS PASSOS PRÓXIMOS PASSOS

APRESENTAÇÃO NAS ESCOLAS PINTURA DO MURO NO CEF JK CONTINUIDADE À PEDAGOGIA URBANA


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS TONUCCI, F. (2005). La cità dei bambini. Un modo nuovo di pensare la cità. Bari, Editori Laterza. OLIVEIRA, C. (2004). O ambiente urbano e a formação da criança. São Paulo, Aleph IMA, M. S. (1989). A cidade e a criança. São Paulo, Nobel. GARCIA, E. B. Ação Cultural, espaços lúdicos e brinquedos interativos. In: D. S. Miranda (Org.), O parque e a arquitetura: uma proposta lúdica. São Paulo: Papirus, p. 15-32-102, 1996. Almeida, P. N. (1998). Educação Lúdica – Técnicas e Jogos pedagógicos. Loyola, São Paulo BÓ, Elizabeth; KURTZ, Oscar e PERETTI, Martins. BICA, Fundaçión (sem data). Juegos coperativos. Fundación Bica, Santa Fé, Argentina. FEIGELSON, Michael. Why walking is so good for parents, toddlers, and the cities where they live. October 24th, 2016. DIDONET, Vital. A Intersetorialidade nas políticas públicas para a primeira infância. Rede Nacional Primeira Infância, abril de 2015. DIAS, S. e ESTEVES JR, M. (2017). O espaço público e o lúdico como estratégias de planejamento urbano humano em: Copenhague, Barcelona, Medellín e Curitiba. Cad. Metrop., São Paulo, v. 19, n. 39, pp. 635-663, maio/ago 2017. THE STREET PLANS COLLABORATIVE. Tactical urbnist’s guide to materials and design. Version 1.0. New York, December 2016. DIDONET, V. (2015). Intersetorialidade nas políticas públicas para a primeira infância. Realização da RNPI - Rede Nacional Primeira Infância, abril de 2015. LANSKY, Samy. Na cidade, com crianças – uma etnografia espacializada. Tese de apresentação de doutorado ao programa de pós graduação da Faculdade de Educação. Orientação: Prof. Dr.ª Ana Maria Rabelo Gomes. Belo Horizonte, UFMG: fevereiro de 2012. CÔRTES, Natália Maria Machado. Arte e espaço urbano: intervenções centrais e periféricas. Ensaio teórico do Departamento de Teoria e História em Arquitetura e Urbanismo. Orientação: Prof. Dr. Sérgio Rizzo Dutra. Brasília, FAU/UnB, Julho de 2017. BARBOSA, Pedro Ernesto Chaves. Plano de Bairro da Vila Cauhy Vol.1. Trabalho Final de Graduação em Arquitetura e Urbanismo. Orientação: Liza Andrade. BSB: FAU/UNB, Sem Data. BOMTEMPO, Natália Magaldi. A Rua do Jovem - Projeto de intervenções urbanísticas e culturais no Varjão por meio de processo participativo. Projeto da disciplina de Trabalho Figal de Graduação – TFG, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Orientação: Prof. Liza Andrade. Brasília, FAU/UnB, 2015. FIUZA, Caio. A vila que reinventamos. Projeto da disciplina de Trabalho Figal de Graduação – TFG, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Orientação: Prof. Liza Andrade. Brasília, FAU/UnB, 2017. BRAGA, Júlia Regina. Casa de brincar. Projeto da disciplina de Trabalho Figal de Graduação – TFG, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Orientação: Prof. Liza Andrade. Brasília, FAU/UnB, 2014. Berna L. Massingill, Timothy G. Mattson, and Beverly A. Sanders (2000), A Pattern Language for Parallel Application Programs, Euro-Par 2000 BERTRAN, Paulo. História da Terra e do Homem no Planalto Central: Eco-História do Distrito Federal, do Indígena ao Colonizador. Editora Universidade de Brasília. Brasília,2011. PUBLICAÇÕES ON LINE


BRETTAS, Nayana. Cidade que Brinca. Editora Paulus, São Paulo, 2017. MEDEIROS, Ethel Bauzer. O Lazer no Planejamento Urbano. Editora Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 1975. LIMA, Mayumi Souza. A Cidade e a Criança. Editora Nobel, São Paulo, 1989. FRANGE, Lucimar e Vasconcellos, Luiz Gonzaga. Oficina de desenho urbano: Desenhando e Construindo a cidade no cerrado. Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2002. NOGUEIRA, Pedro Ribeiro. Cinco razões para se comemorar a aprovação do Marco Legal da Primeiro Infância no Brasil. 04 de fevereiro de 2016. http://portal.aprendiz.uol.com.br/2016/02/04/cinco-razoes-para-se-comemorar-aprovacao-marco-legal-da-primeira-infancia-brasil/ SOARES, Nana. São Paulo e o sonho de uma cidade para crianças. 18 de agosto de 2017. http://portal.aprendiz.uol.com.br/2017/08/18/sao-paulo-e-o-sonho-de-uma-cidade-para-criancas/ DA REDAÇÃO. Projeto lança publicação com mapas afetivos do Glicério feitos por crianças. 01 de janeiro de 2015. http://portal.aprendiz.uol.com.br/2015/09/01/projeto-lanca-publicacao-com-mapas-afetivos-glicerio-feitos-por-criancas/ NOGUEIRA, Pedro Ribeiro. No caminho da escola, crianças redesenham o viaduto do Glicério. 30 de novembro de 2015. http://portal.aprendiz.uol.com.br/2015/11/30/cidade-para-criancas-no-caminho-da-escola-criancas-redesenham-o-viaduto-do-glicerio/ RIBEIRO, Raiana. As crianças do Glicério têm um cortejo pra chamar de seu. 28 de agosto de 2015. http://portal.aprendiz.uol.com.br/2015/08/20/as-criancas-do-glicerio-tem-um-cortejo-pra-chamar-de-seu/ NOGUEIRA, Pedro Ribeiro. Garantir direitos de crianças e adolescentes é uma tarefa de todo o território. 29 de maio de 2015. http://portal.aprendiz.uol.com.br/2015/05/29/garantir-direitos-de-criancas-e-adolescentes-e-uma-tarefa-de-todo-o-territorio/ DA REDAÇÃO. Guia detalha a importância da intersetoralidade nas políticas públicas para a primeira infância. 16 de julho de 2017. http://portal.aprendiz.uol.com.br/2015/07/16/guia-detalha-a-importancia-da-intersetorialidade-nas-politicas-publicas-para-a-primeira-infancia/ NOGUEIRA, Pedro Ribeiro. Territórios educativos: como aprender na cidade? 06 de abril de 2015. http://portal.aprendiz.uol.com.br/2015/04/06/territorios-educativos-como-aprender-na-cidade/V GRUPOS ATUANTES Basurama http://basurama.org/ CriaCidade http://www.criacidade.com.br/ Erê Lab http://www.erelab.com.br/ Fundação Bernard van Leer https://bernardvanleer.org/pt-br/ AACHP - Asociação dos Amigos do Centro Histórico de Planaltina http://centrohistoricodeplanaltina.blogspot.com.br/ Família Mestre D’armas https://www.facebook.com/familiamestredarmas/

Mestre Imaginário - Apresentação Final  

Apresentação final do Trabalho Final de Graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de Brasília para a banca avaliadora. O trabal...

Mestre Imaginário - Apresentação Final  

Apresentação final do Trabalho Final de Graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de Brasília para a banca avaliadora. O trabal...

Advertisement