Issuu on Google+

O Panorama da  Mineração Brasileira

Comissão de Serviços de Infra-estrutura. 05 de novembro de 2009 Paulo Camillo Vargas Penna


IBRAM‐Instituto Brasileiro de Mineração 9 Organização privada, sem fins lucrativos, que representa a Indústria Mineral Brasileira; 9 Fundado em 1976; 9 Congrega 182 empresas [mineração e não-mineração] ; 9 Representa mais de 85% da Produção Mineral Brasileira

(R$ 51 bilhões em 2008) 9 Escritório Central: Brasília – Filiais: Estados de Minas Gerais e Pará;


Escritórios do IBRAM

Pará

Brasilia Sede Bahia Goiás Rio  Grande  do Sul

Minas  Gerais


A Indústria da Mineração no Mundo


Geografia Mineral no Mundo

ouro

cobre

ferro

níquel

chumbo

zinco

Gemas

outros diamante


Perspectivas Econômicas ™ MUNDO ™ Os governos no mundo implementaram medidas econômicas para estimular o consumo e conter os efeitos adversos da crise financeira originada nos EUA. Já se confirma a expectativa de que os efeitos concretos desses programas possam ser observados na recuperação da demanda em 2009. ™ A China apresenta crescimento de 9% em 2009, acima das projeções iniciais: as medidas de estímulo ao consumo tiveram uma resposta eficaz. ™ BRASIL

™ O mercado interno se apresenta com uma perspectiva mais favorável neste 4T09 em função dos efeitos das medidas que foram tomadas pelo governo no que diz respeito à ampliação de linhas de crédito, redução de impostos, aumento dos investimentos em infra-estrutura, redução nas taxas de juros, entre outras.


Perspectivas Econômicas ™ QUAL O NOVO NÍVEL DE DEMANDA ? O colapso no consumo foi grave, mas não tão desastroso quanto foi estimado no início da crise. Há percepção de que os estoques de diversas commodities tenha chegado a níveis mais adequados e já é observada alguma recuperação dos mercados. O pior já passou, mas...

... a recuperação do consumo deverá ocorrer de forma gradual, e os níveis de 2008 somente poderão ser observados a partir de 2011. O mercado deverá se ajustar a um novo nível de demanda, mais baixo, e durante esse período, deverão ocorrer movimentos de reequilíbrio entre a oferta e a demanda, de reposição de estoques e de ajustes nos preços.


Perspectivas Econômicas Crescimento do PIB Real Real GDP Growth % ch. y/y % ano/ano

Mercados Em erging Markets Emergentes

W orld Mundo

10

5

0

-5 2007

20 08

Source: Goldm an Sachs Research Estimates

2009 (f)

2010 (f)


Perspectivas Econômicas Condutores da demanda Urbanização da População Mundial China

Mundo

1,0 5,5

4,5

0,8

bilhões de pessoas

população rural

0,5

população urbana 0,3

4,0 população rural

3,5 3,0 2,5 2,0

população urbana

1,5 1,0 0,5

Em 2050 2/3 da população mundial será urbana

30

25

20

20

20

15

20

05

10

20

20

00

20

95

20

90

19

85

19

80

19

75

19

65

70

19

19

60

19

55

19

50

19

19

25

20

15

10

05

00

95

90

85

80

75

70

65

60

30 20

20

20

20

20

20

20

19

19

19

19

19

19

19

19

55

0,0

19

50

0,0

19

bilhões de pessoas

5,0


China: a força no Mercado de Commodities  Minerais 60% 50%

1º 1º

40%

30%

1º 1º 1º

20% 2º

10% 0 Ferro

Carvão Aço

Al

Cu

Ni

Petróleo


Preço dos Minérios US$ /Ton Alumínio

Níquel

Ocorreu uma queda acentuada no preço das Commodities minerais 50-60% no final de 2008.

Cobre

Ferro

Ouro

A partir do 2º semestre de 2009 já é possível identificar uma tendência de recuperação sustentável.

Zinco


Brasil no Mundo Área > 5 milhões Km²

Pop > 150 Milhões Bangladesh Nigéria Russia Paquistão EUA Indonésia

BRASIL

Austrália

Japão

China

India Canadá México Espanha Reino Unido

Alemanha Italia

França Coréia do Sul

PIB > US$ 1 Trilhão


As 5 primeiras Economias  Comparação de hoje e uma projeção do ano de 2050 US$ trilhões

2050

2008

$80 $70 $60 $50 $40 $30 $20 $10 $0 China

EUA India

Brasil

Fonte: Goldman Sachs, setembro 2008

Rus

EUA Japão Ale

China

UK


Produção de Minerais: Posição mundial do  Brasil Exportador

Importador/

Exportador

Auto-suficiente

Niobio(1º)

Niquel

Calcário

Fosfato

Minério de Ferro (2º)

Magnesio

Diamante Ind.

Diatomito

Caulim

Titânio

Cobre

Estanho

Ouro

Zinco

Vermiculita

Tungstenio

Cromo

Talco

Global Player

Manganês (2º) Tantalita (2º) Graphite (3rd) Bauxite (2nd) Rochas Ornamentais (4°)

Mica

produtor

Dependência Externa Carvão Metalúrgico Potássio Enxofre Terras raras


Evolução da Produção Mineral Brasileira  Valores US$ Bilhões 2008 2008 = = US$ US$ 28 28 Bilhões Bilhões

30 25 20 Variação Variação 2000/2008 2000/2008 250% 250%

15 10 5 0 78

80

82

84

86

88

90

92

94

96

Years

Não incluídos Petróleo e Gás

98

00

02

04

06

08


A importância da Mineração na Geração de  Empregos

Total

Geração de Emprego

Primeira Transformação

EFEITO MULTIPLICADOR Extrativa Mineral

1:13 Fonte MME

Fornecedores

Gera 2 milhões de empregos diretos no país (sendo 161.000 da indústria de extração mineral) Dados 2008


A Indústria da Mineração no Brasil e sua  importância para o Saldo Comercial Brasileiro Em million US$ Milhões US$ 25.000

22.841

ExportaçãoImports Importação Exports Balance

Saldo

Saldo

20.000

15.196 15.000

13.112 11.030

10.011

9.729

10.000

6.540 5.000

4.490

5.185

0 2006

2007

2008

Saldo Brasil em 2006  US$ 46 bi

Saldo Brasil em 2007  US$ 40 bi

Saldo Brasil em 2006  US$ 25 bi

Setor Mineral  =  14%

Setor Mineral  =  25%

Setor Mineral  =  52%


O saldo (exportações ‐ importações) do Setor Mineral em 2008 foi de US$ 13  bilhões representando 53% do Saldo Total do Comércio Exterior do País, que  atingiu US$ 24,7 bilhões.


Investimentos no Setor Mineral 2009 a 2013 Evolução das previsões de investimentos do Setor Mineral em US$ bilhões


Investimentos no Setor Mineral 2009 a 2013 37.341

Investimentos no Setor Mineral 2008 a 2012 US$ 57 bilhões Novos investimentos no Setor Mineral 2009 a 2013 US$ 47 bilhões

31.565

3.546

1.500

2.519

2.200

2.057

2.739

979

150

150

5.534 2.600

2.026

1.795

2.242

2.013

1.547

1.000

424

250

150


Acréscimos na produção até 2013 Nova realidade Minérios Ferro Níquel Alumina Bauxita Alumínio Cobre Ouro Fosfato Zinco Nióbio * Produção prevista

até Produção prevista em Variação x 2009* Acréscimo (1.000 ton) (A) 2013 (1.000 ton) (B) 2013 (C) = (A+B) vezes (C/A)

Produção

340.000 75 7.100 25.500 1.604 210 0,055 6.800 150 60

230.000 115 7.500 13.000 160 136 0,030 4.300 50 20

570.000 190 14.600 38.500 1.764 346 0,085 11.100 200 80

1,7 2,5 2,1 1,5 1,1 1,6 1,5 1,6 1,3 1,3


Consumo de Minério no Brasil Consumo per capita de materiais no Brasil e no mundo (Kg/hab)

Material Cimento Aço Cobre Alumínio

Brasil 245 120 2,4 5,0

EUA (1900 - 1920) 220 120 2,0 n.d

Fonte: Sinopse 2008, SGM/MME

Mundo

395 202 2,7 5,7

Países Desenvolvidos 400 - 800 400 - 600 8 - 12 20 - 30

China 800,0 329,0 3,0 7,0


Investimentos em Exploração Mineral dos 10 Países Líderes

(os investimentos dos 10 países líderes representaram 69% dos orçamentos de 2008) Total: US$ 10,5 bilhões

Canadá (US$ 2,0 bilhões) 19%

Outros Países 31%

Austrália (US$ 1,5 bilhão) 14%

China 3% África do Sul 3%

Brasil (US$ 0,315 bilhão) 3%

Estados Unidos 7% Chile 4%

Rússia 5%

Peru 5%

México 6%


Investimentos em Exploração Mineral no mundo 2008 ‐ 2009


Principais depósitos minerais descobertos no Brasil – PRÉ 1967 Serra do Navio- Mn Serra do Sereno- Mn

Curuçá - Cu

C. Formoso -Cr Niquelândia- Ni

Boquira- Pb/Zn Vazante Zn/Pb

Araxá-Nb/P

Morro Velho- Au Urucum Fe/Mn

Lafaiete-Mn

Passagem- Au Quadrilátero- Fe/Mn

Jacupiranga- P Uruí-Carvão

Jazidas que hoje são exploradas foram descobertas há mais de 30 anos

Itabira- Fe


Principais depósitos minerais descobertos no Brasil – 1968‐1988 Rio Vila Nova- Cr

Vermelho- Ni Serra do Surucucu - Jari-Caulim Maicuru- TI Sn

Maraconaí- TI

CamaípiCr

Serra Pelada- Au Salobo- Cu Ig. Bahia- Cu Pujuca- Cu

Almerim- Al

Seis Lagos- Nb

Rio Capim-Caulim

Pitinga-Sn

Serra de TiracambuCu Paragominas- Al Platô Jabuti-Al

Carajás- Fe Onça Puma- Ni Jacarezinho- Ni Azul- Mn

Andorinhas- Au Gameleira- cu Jacobina- Au

Juína - Di

Chapada-Cu Rondônia- Sn

Barro Alto- Ni M. Agudo Zn/Pb

Santa Fé-Ni

São Bento- Au Cuiabá- Au

Morro do Ouro- Au Raposos- Au

1968 a 1973 1974 a 1980

Leão Butiá- Carvão

1981 a 1987

Sta Terezinha -Carvão Candiota- Carvão

Crixás- Au

Camaquã- Cu

Rio Grande Ti

Jazidas que hoje são exploradas foram descobertas há mais de 30 anos


Principais depósitos minerais descobertos no Brasil – 1988 a 2006 Alemão- Cu Sossego- Cu Cristalino- Cu 118 - Cu

Vale dos SonhosNi

Jazidas que hoje são exploradas foram descobertas há mais de 30 anos

Mirabela- Ni


Distribuição por porte de empresas de mineração em  atividade no Brasil Grandes 4,8%

Médias 22,2%

A Pequena Mineração  representa 73% do  total das mineradoras  no país. Pequenas 73,0%


FERTILIZANTES


Ranking Mundial no Consumo de Fertilizantes O Brasil é o quarto maior consumidor de fertilizantes do Mundo, mas representa apenas 2% da produção mundial, sendo assim um grande importador.

Nitrogênio

Fósforo

Potássio

NPK

China

33%

30%

22%

30%

Índia

15%

15%

9%

14%

EUA

12%

11%

16%

12%

UE - 27

11%

8%

13%

11%

Subtotal

71%

64%

60%

67%

3%

9%

14%

6%

3%

1%

Brasil Produção Brasil:

1%

O consumo mundial 2008: 160 milhões de toneladas de nutrientes

2%


O Peso das Importações no Suprimento Em 2007 as importações representaram 74% do suprimento de fertilizantes Consumo Brasileiro (2007 – toneladas de nutrientes)

2.8 M t

3.7 M t

4.2 M t 9%

Produção

25% 49%

91%

Importação

75% 51%

Nitrogênio

Fósforo

Fonte: ANDA e SIACESP. Nota: “Produção de Fósforo” inclui produção com matérias primas internacionais.

Potássio


FERTILIZANTE – POTÁSSIO PO TÁSSIO - M aiores Produtores País C anadá R ussia Bielo-R ussia Alem anha Israel C hina EU A Jordânia C hile Espanha B rasil R eino U nido

Produção 2006 10.200 5.300 4.000 3.660 2.100 700 1.200 1.200 350 500 403 400

2007 11.000 6.600 4.970 3.600 2.200 2.000 1.200 1.100 500 580 405 427

2008 11.000 6.900 5.100 3.600 2.400 2.100 1.200 1.200 580 580 425 425

E m M il Toneladas

Preço do cloreto de Potássio US$/ton

Importação de Cloreto de Potássio em US$ Bilhões 2006 2007 2008 0,950 1,500 3,828

O preço do Cloreto de Potássio continua subindo apesar da crise, variando de 351 US$/T em 2008 para 783 US$/T em 2009 (preço médio de importação)

900,00 800,00 700,00 600,00 500,00 400,00 300,00 200,00 100,00 0,00 2002

Δ 321% de 2002/2009

2003

2004

2005 2006 ano Preço

2007

2008

2009

Δ 110% de 2008/2009


FERTILIZANTE – Resumo da Balança comercial INSUMO

VALOR US$ X 1.000

CLORETO DE POTÁSSIO ENXOFRE FOSFATOS DE CÁLCIO TOTAL (1) FERTILIZANTES

3.828.286 1.039.166 311.675 5.179.127 VALOR US$ X 1.000

FERTILIZANTES NPK SUPERFOSFATOS TOTAL (2)

2.356.826 980.950 3.337.776

TOTAL GERAL

8.516.903

ANO

Déficit do Petróleo e Gás US$ x 1.000

Importações de Insumos  de Fertilizantes e  Fertilizantes em 2008

2007

2008

2009*

Importação Petróleo Exportação de Petróleo Déficit Petróleo

11.974.015 16.572.554 8.905.065 13.682.757 (3.068.950) (2.889.797)

Importação Gás

(1.783.022)

(3.028.983) (1.033.461)

TOTAL DÉFICIT

(4.851.972)

(5.918.780) (1.602.953)

2009 até julho (previsão 2009 = US$ 3 bilhões)

4.649.481 4.079.989 (569.492)


NOVOS DESAFIOS NA MINERAÇÃO


Novos Desafios Mineração em Terras Indígenas Áreas indígenas: 13% do Território Nacional 25% da Amazônia Processos Minerários Terras Indígenas


Novos Desafios Plataforma Continental Brasileira

Agregados Ouro Diamante CarvĂŁo Mineral Fosfato Cobalto Outros


Novos Desafios Flexibilização do Monopólio – pesquisa e lavra de minerais nucleares

Reservas de Urânio no Mundo

O Brasil tem apenas 30% do território pesquisado, fazendo com que o País possua a sétima maior reserva mundial de Urânio (310 mil toneladas). Existem estimativas que o Brasil tenha mais de 800 mil toneladas, o que elevaria o País para a terceira maior reserva do mundo em Urânio.


Obrigado http://www.ibram.org.br

Paulo Camillo Vargas Penna Presidente


PANORAMA DA MINERAÇÃO