Page 1

REDESIGN

3


3. Redesign

3. REDESIGN Segundo o Sebrae (2017), o redesign é um conceito de moda sustentável, pois produz de maneira mais consciente por meio do reuso de peças que seriam descartadas. As ações que podem ser feitas, por exemplo, são a criação de um novo modelo com base em uma peça que já existe; aperfeiçoamento de uma peça, com ajustes, retirada ou acréscimo de detalhes; readequação da modelagem e reutilização da matéria-prima para novas peças. Entre os benefícios dessas ações para a empresa, está a reutilização de produtos do encalhe, que possivelmente seriam descartadas, o que ajuda na redução de custos e no incremento dos lucros. É muito positivo informar ao consumidor que, ao adquirir um produto fruto dessa iniciativa, estará sendo protagonista de um consumo mais sustentável, além disso, esse serviço se diferencia dos demais oferecidos pela marca, trata-se de uma nova prática criativa de aproveitamento dos produtos. Portanto, o objetivo deste capítulo é reetir sobre esse conceito aplicado numa metodologia capaz de desenvolver um produto criativo híbrido, seguindo as referências de alguns autores como Ezio Manzini, em Desenvolvimento de Produto Sustentável; e Enrico Cietta, em A Economia da Moda.

REDESIGN|81


3.1 O Produto Criativo Híbrido

3.1

O PRODUTO CRIATIVO HÍBRIDO

O produto criativo híbrido diz bastante sobre a sustentabilidade, relaciona o desenvolvimento do produto à práticas que não agridem o meio ambiente. Os quatro pilares do conceito de sustentabilidade são: reduzir, reparar, reciclar e reutilizar. Esse ciclo integral é composto pelo processo de criação-produção-distribuição-consumo, frisa CIETTA (2017) em seu discurso sobre o processo de criação/produção híbrida. Modicar este fenômeno e criar novos processos que fomentam o mercado da moda é justamente fazer o que ela de tempos em tempos sempre fez, modicar-se. As principais características de uma moda híbrida são:

Elaboração de até 4 coleções por ano; Transparência dos custos de produção; Produção em média ou grande escala com preços acessíveis; Grades completas com variedade de cores e estampas; Criação de modelagens atemporais e multiuso; Fabricação local respeitando as leis trabalhistas; Produtos de moda projetados com matéria prima de qualidade

Utilização de tecnologias sustentáveis para evitar o desperdício de água, energia e produtos químicos; Tecidos e materiais sustentáveis que podem ser reutilizados seguindo o conceito da economia circular.

Além disso, o desenvolvimento de produtos sustentáveis apresenta alguns processos e características especícos, que serão apresentados a seguir com base nos estudos de Manzini:

REDESIGN|82


3.1O Produto Criativo Híbrido

PROCESSO CRIATIVO

PROCESSO COMUNICATIVO

Nesse processo inicial o designer

A comunicação com o consumidor é

precisa considerar a vida útil do

tão importante quanto o trabalho do

produto e promover em sua

designer ao projetar o produto, e todo o

concepção visual formas clássicas e

discurso sustentável reete no

neutras que garantam a criação de

marketing, que serve como promoção

peças atemporais e universais, isentas

desse consumo consciente e

às mudanças sugeridas pela moda

signicativo, ao invés do consumo

sazonal. Estamos falando de peças

excessivo. A transparência é primordial

duráveis, que atendam necessidades e

em todas as etapas de produção

com um design consciente.

mesmo posteriormente à aquisição, bem como no pós-uso. A durabilidade

PROCESSO PRODUTIVO

está atrelada a essas orientações que

É o momento de executar o plano

mantém a roupa funcional, confortável

estratégico, com métodos justos em

e com boa aparência. Nesta etapa

cadeia produtiva transparente, que

valoriza-se o consumo consciente, a

atenda às necessidades dos

promoção da transparência, a

consumidores bem como a

manutenção e descarte e a

rentabilidade do negócio. Em geral,

comunicação.

essa produção preza pela qualidade,

PROCESSO DESCARTE

diminuindo seu impacto, acatando

O equilíbrio entre os recursos materiais e

valores éticos, ambientais e

a valorização da mão-de-obra que

econômicos ao invés do modo

fomenta essa cadeia sustentável e

produtivo modelar gerado pela

produtiva oferece uma alternativa

quantidade acoplado aos preços

reexiva ao movimento slow. Estar

baixos, que o desvaloriza. A garantida

sempre atualizado a novas

de um comércio justo está diretamente

adaptações dos produtos, hábitos e

atrelada ao real custo de produção.

valores (materiais e imateriais), numa

Assim como a valorização da mão-de-

era global e midiática, signica

obra, em sua maioria, vinda da

oferecer essas condições de vida

comunidade, pois a produção

saudável e a demonstração da

local/nacional enriquece ainda mais o

capacidade de cada um poder

produto. Portanto, aqui destacam-se o

contribuir. Aqui o que importa é fechar

método produtivo, a confecção local e

o ciclo, o reuso, a reciclagem, o

a transparência na cadeia produtiva.

Redesign. REDESIGN|83


3.1 O Produto Criativo Híbrido

Com essas quatro denições, pode-se

Podemos, portanto, contar toda a vida

armar que o produto sustentável de

de um produto como um conjunto de

moda é muito mais que um sistema e

atividades e processos. Porém, surgem

processos, é estratégia de inovação,

algumas dúvidas: Como produzir melhor os produtos e os serviço? Como

O projeto Redesign deverá envolver

ampliar o sistema de descarte em um

aspectos dos processos citados, porém,

reuso? Por que necessitamos das

destacam-se o processo criativo da

coisas? Como eliminar aquilo que não

produção e o descarte, os principais

mais necessitamos? Isso, em termos

pontos de atuação. Posteriormente

operativos, signicaria: Por que produzir

serão analisados cada um e suas

e consumir os produtos e os serviços

respectivas diculdades.

existentes?

O produto obedece um ciclo de vida,

No momento de fazer o descarte do

refere-se às trocas (input e output) entre

produto, abre-se uma série de opções

o ambiente e o conjunto dos processos

sobre o seu destino nal. Pois pode-se

que acompanham o “nascimento”,

recuperar a funcionalidade do produto

“vida” e a “morte” de um produto. O

ou de qualquer componente; pode-se

mesmo é interpretado em relação aos

recuperar as condições do material

uxos – de matéria, energia e emissão –

empregado ou o valor empírico do

das atividades que o acompanham

produto; ou optar por não recuperar

durante toda a sua vida. Em “ciclo de

nada do produto. São as escolhas do

vida” considera-se o produto desde a

designer que irão determinar se o

extração dos recursos necessários para

produto será ou não sustentável

a produção dos materiais que compõem seu nascimento (fabricação) até o último tratamento (descarte) desses mesmos materiais após o uso do produto. O termo ciclo de vida de um produto é ambíguo, sendo usado no âmbito administrativo para indicar as várias fases que diferenciam a entrada, a permanência e a saída de um produto no mercado.

REDESIGN|84


3.2 Métodos de Desenvolvimento

3.2

MÉTODOS DE DESENVOLVIMENTO

O ecodesign talvez seja a parte mais

Segundo Lipovetsky (1989), a vida útil

importante de todos esses processos e

de produtos de moda tende a ser

práticas, pois ele está na base de todo

menor e mais frágil pois são geridos

e qualquer produto. É na concepção

dentro da lógica da moda sazonal,

do produto, quando seu custo ainda é

sistema esse que dignica o presente e

zero e seu impacto é nenhum, que são

a efemeridade.

denidas todas as suas características: material, durabilidade, estilo, cor,

E para que verdadeiramente possa ser

forma, métodos de fabricação,

criado um produto sustentável de

estratégias de fabricação, atividades

moda é essencial o planejamento de

pré-produção, produção e

todas as etapas, e aplicar a

comercialização. (BAXTER, 1995). Ou

técnica/estratégia mais adequada,

seja, ao invés de conceber o produto

dependendo da nalidade do produto,

da metodologia linearmente, parando

pois para cada tipo de matéria-prima

na comercialização, a ideia é

disponível há uma forma de se propor

transformá-lo num modelo circular,

um novo design. É dentro desse universo

considerando todo seu ciclo de vida,

que serão apresentadas as principais

durabilidade e seu retorno à produção

técnicas alternativas e estratégias para

por meio da reciclagem ou reutilização,

que torne viável o desenvolvimento

sendo o mais sustentável possível.

desses produtos.

Antes de iniciar o processo de planejamento da coleção, a seguir, será apresentado alguns conceitos importantes para o desenvolvimento do produto.

REDESIGN|85


3.2 Métodos de Desenvolvimento

LOGÍSTICA REVERSA Para o Ministério do Meio Ambiente, “a logística reversa é um instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação nal ambientalmente adequada”. Entre suas principais vantagens estão: Criar uma imagem sólida e positiva; Explorar ações de marketing a m de conscientizar o consumidor e gerar uma publicidade positiva; Melhorar o processo de produção, diminuir o consumo e os custos de matériasprimas; Gerar produtos mais ecientes, adotar tecnologias mais limpas, simplicar a reutilização e a criação de produtos que podem ser reciclados com maior facilidade; Estimular os consumidores a serem mais conscientes, educá-los sobre a importância das práticas sustentáveis, bem como a coleta seletiva, a separação e o descarte dos resíduos.

As empresas precisam ter mais responsabilidade quanto ao ciclo de vida dos produtos, adotando uma postura consciente sobre os resíduos produzidos dentro da cadeia de consumo. Em linhas gerais, as corporações devem adotar práticas para assumir o retorno de seus produtos descartados, viabilizando sua destinação apropriada ao m de seu ciclo de vida útil. É nesse contexto que entra a logística reversa, que apesar de associada principalmente ao conceito de sustentabilidade, apresenta benefícios importantes ao empreendimento e à marca, uma vez que cria uma identidade ecologicamente correta. (VINCI FILHO, 2016) REDESIGN|86

Como forma de recuperar esse produto de maneira peculiar e ainda ser sustentável se faz necessário transformar esse resíduo em matériaprima, consequentemente, gerando valor a outro produto e ao mesmo tempo fomentando a prática do consumo consciente.


3.2 Métodos de Desenvolvimento

ZERO WASTE

Segundo Sabrá, em Modelagem: Tecnologia em produção de vestuário, a modelagem traçada sobre uma base têxtil possibilita a construção de

Esse processo é uma das estratégias de design que visa a redução dos impactos ambientais. Ou seja, utilizar todo o gasto sem nenhum desperdício. Um processo que é elaborado durante o processo criativo e que visa antecipadamente a eliminação do resíduo têxtil de toda ou maior parte do processo produtivo. As peças criadas normalmente possuem maior valor simbólico, tornando-se objeto de status mais elevado. O desenvolvimento criativo de um produto como esse é um mix de criação, modelagem e costura até que o protótipo nal agrade ao estilo. Logo, modelar é a gramática do design de moda. Sem o domínio da modelagem o traçado se torna em vão, o desenho de moda, um rabisco. A modelagem é como a estrutura de uma edicação. Resguarda em suas linhas o espaço e o conforto para o corpo que nele habitará. É a inteligência do desenhar, a sabedoria do fazer. (JUM NAKAO, 2012)

determinado produto gerado acerca de uma ideia. A prática de transformar uma peça de tecido em roupa é recorrente e antiga, por ser comum, doméstico e artesanal, geralmente não recebe o valor que lhe é digno. Contudo um material têxtil como matéria-prima envolve, protege, e adorna um objeto ou até mesmo reveste um corpo como uma escultura, envolve muito estudo e planejamento, obtém valor cultural, social e econômico pertinente à sociedade. Essa relação reete o real signicado de uma peça de vestuário e ganha importância digna de reexões e questionamentos. Para a construção desse produto, pode-se usar diferentes técnicas como de drapping/moulage (a partir do corpo físico tridimensional, com manipulação de tecido) ou modelagem plana (a partir de projeções, bidimensional). Ambas possuem tecnologia de produção e de gestão de produtos a m de obter resultados adaptados ao mercado. Desse modo, um bom prossional que atue na indústria têxtil e de confecção, REDESIGN|87


3.2 Métodos de Desenvolvimento

por mais que se especialize em uma

através da forma de trabalho do

determinada área, deveria ter como

ambientalista Reine Pilz, em 1994.

base da sua formação conhecimentos

Posteriormente, em 2002, o arquiteto

que englobem todas essas áreas.

em seu livro:

(SABRÁ, 2009, p.7) Existem várias maneiras de repensar estratégias de design que promovem a redução de impactos ambientais e que podem ser aplicados na indústria do vestuário. Por exemplo, as sobras do corte podem ser aproveitadas, são pequenas, porém em sua totalidade, em grande volume, se tornam perdas consideráveis. Estima-se que a quantidade gira em torno de 10% a 15% do tecido que é utilizado para produção das peças, que cam no chão do setor de corte.

UPCYCLING

`

É um termo moderno que denomina

O upcycling é uma das formas de contribuição para se pensar em um novo uso da moda utilizando como base o consumo sustentável. Este procedimento acarreta em um prolongamento do ciclo de vida do produto, que ao invés de ser descartado, terá seu resíduo reutilizado através da criação de novas peças, muitas vezes, com maior valor simbólico, tornando-se objeto de um status mais elevado.[...] A efervescência desses conceitos e a mudança no perl de consumo denotam uma preocupação com a moda mais ética e sustentável, de modo que essa tendência vem se fortalecendo ao longo dos últimos anos no Brasil, onde empresas brasileiras procuram seguir o mercado internacional que utilizam a Logística Reversa e o Consumo Sustentável como suporte para aplicar a sustentabilidade na moda. (ARAÚJO, BEZERRA, GUIMARÃES, OLIVEIRA e VILLACA, 2016)

uma prática de reaproveitamento residual, seu signicado literal é a

O SEBRAE lançou recentemente um

reciclagem. Denido como um

boletim especial da Inteligência Setorial

fenômeno inovador para o polo de

que apresentava o upcycling como

produção de cunho industrial, salienta

conceito em expansão por toda

o modo de conversão de um material

indústria da moda, trazendo benefícios

noutro de valor similar ou superior em

às empresas que optarem por aderir a

seu novo ciclo. A primeira

esse método de produzir moda. De

manifestação dessa prática veio

acordo com o boletim:

REDESIGN|88


3.2 Métodos de Desenvolvimento

Quinto colocado na indústria têxtil mundial, o Brasil produz cerca de 9 bilhões de peças de roupa por ano, sendo que em torno de 15 a 20% do tecido é desperdiçado por cada peça cortada. A indústria do setor deve ter preocupação ambiental e praticar atos que minimizem o impacto do seu processo produtivo ao meio ambiente. Além da responsabilidade ambiental, os empreendimentos que inovam seus processos, reutilizando insumos e contendo desperdícios, podem economizar e competir melhor no mercado. (SEBRAE, 2017)

pouca frequência; 17,1% se arrependem por comprar produto que não era necessário. E apenas 5,8% vêem benefício ao meio ambiente como vantagem de consumir com consciência. Outros 18,6% se interessam pelas próximas gerações. Por outro lado, 30,1% se interessam mais pela sociedade e 35% pelas vantagens nanceiras. Através dessas informações podemos identicar que, de fato, as campanhas precisam estar mais claras para esse

Para Mafra, “o conceito é contrário ao

consumidor, fazendo-o repensar seu

da “obsolescência programada”. Ou

comportamento de consumo.

seja, as coisas devem ser projetadas de forma a prever sua reintrodução no

Sobre o desenvolvimento de produto:

ciclo, seja por reciclagem, por reaproveitamento, ou utilizadas como

A criação e a modelagem são dois

matéria prima para serem

fatores complementares. A seguir essas

transformadas em outros produtos, não

relações serão classicadas segundo a

perdendo a qualidade quando

metodologia de produção de produto

recicladas”. (MAFRA, 2013)

de moda. A criação é o coração na elaboração do produto, pois nele está

CAMPANHAS

^

empiricamente o conceito elaborado pelo designer e a proposta que presente lançar. A pesquisa de tendência de moda não é necessária nesse tipo de produto, mas sim as

Uma pesquisa elaborada em 2015

tendências de comportamento para

aponta que 84,1% dos consumidores

que a marca faça uma releitura dessa

não ligam para marcas e priorizam

pesquisa transformando em design.

qualidade; 40,9% preferem alugar ou pegar emprestado algo que usam com REDESIGN|89


3.2 Métodos de Desenvolvimento

O tema da coleção é livre e pode ser abordado de várias maneiras, respeitando a identidade da marca. Já a modelagem de um produto é elaborada por intermédio da pesquisa iniciada na criação, onde é feita uma seleção dos elementos de shapes, têxtil style, etc. Após esses estudos serão aplicadas as técnicas pertinentes nos modelos proposto, num mix de estilo, criação, modelagem, corte e costura para que verique a viabilidade das peças. A seguir apresentaremos um check list das principais estratégias de design sustentáveis, apresentadas anteriormente e que será proposto para este projeto:

LOGÍSTICA REVERSA

Elaborar um programa que seja possível manter uma logística reversa na marca.

ZERO WASTE

Criação, modelagem, corte e costura; produtos exclusivos em peças atemporais;

UPCYCLING

Aplicação dessa técnica em determinados produtos da coleção fazendo o reaproveitamento de resíduos têxteis;

CAMPANHA

Elaborar campanhas interativas com o objetivo de aproximar o cliente da marca.

Com base nessas informações, no capítulo a seguir apresentaremos o processo criativo da coleção.

REDESIGN|90

Redesign parte 3 corrigida  
Redesign parte 3 corrigida  
Advertisement